Issuu on Google+


POEMAS BREJEIROS


Luiz Cruz

POEMAS BREJEIROS


FICHA TÉCNICA EDIÇÃO:

Luiz Cruz Poemas brejeiros AUTOR: Luiz Cruz TÍTULO:

PAGINAÇÃO:

Paulo Resende IMAGEM DA CAPA: Luiz Cruz ARRANJO GRÁFICO CAPA: Patrícia Andrade 1.ª

EDIÇÃO

LISBOA,

Setembro 2012

IMPRESSÃO E ACABAMENTO:

Agapex

ISBN:

978-989-20-3265-8 DEPÓSITO LEGAL: 348320/12

© LUIZ CRUZ PUBLICAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

Sítio do Livro, Lda. Lg. Machado de Assis, lote 2, porta C — 1700-116 Lisboa www.sitiodolivro.pt


POEMAS BREJEIROS

ÍNDICE Agradecimentos Prefácio O sonho da Josefina O canito castanho O canário da tia Dama de vermelho Coelhinho Amigo Fortunato Cana de pesca A égua do homem Vida de campino Pão com chouriço Pastor de patas Amaral tacheiro Cachopa Teresa Bacalhau à Brás Lua-de-mel Com quantos ligeiros se faz um piquenique O que aconteceu em Abril? A candeia O sapo no sapato do Manuel Regalo para o leitor: O Jiquitaia

9

11 13 15 17 19 21 23 25 29 31 33 35 37 39 43 47 49 51 53 55 57 59


POEMAS BREJEIROS

Agradecimentos Agradeço por ter filhos fantásticos: _Mário Augusto (Guto) que deu-me uma nora muito especial, a Nair, uma criatura encantadora, e o Gabriel Augusto (Gabi), é o meu primeiro neto que cresce viçoso e alegre com o cuidado extremoso dos pais; _Danielle Christine (Dani) que cuida do meu não menos viçoso e feliz Felipe (Lipe), meu segundo neto e por ter trazido ao nosso convívio o André; _Caroline Rachel (Carol) que deu-me os netos Alexander Augusto (Alex) e Scott Augusto. Dois inglesinhos tão bonitos e alegres como os primos. A Carol forma um par muito especial com o Peter; _Ester Maria, uma pré adolescente alegre, carinhosa e que dedica-se com louvor aos estudos. Esse património emocional que consegui não há dinheiro que pague e por esta razão considero-me o mais afortunado dos homens. Luiz Cruz 11


LUIZ CRUZ

12


POEMAS BREJEIROS

Prefácio Os poemas que aqui escrevo são oriundos daquelas tempestades cerebrais em que, num átimo, eu escrevo em avalanche. Fui criado a ouvir fados e ranchos folclóricos portugueses . Na juventude, eu só ouvia rádio duas vezes ao dia: pela manhã e pela tarde, horas em que todas as rádios tinham programas com músicas sertanejas (música da preferência dos agricultores). Esse tipo de música, que está a desaparecer, lembra muito as músicas dos ranchos folclóricos portugueses. Quando ouço música sertaneja gaúcha (Rio Grande do Sul) percebo uma incrível semelhança com a música Transmontana e da Galiza. Acho incrível o fado desgarrado e os poemas com frases de “duplo sentido”: é uma maneira de se descontrair e falar de coisas que, por mais modernos que sejamos, não temos a naturalidade para abordar, como assuntos relacionados à nossa vida sexual. Finalizando, esses poemas induzem as pessoas a descontrair e a aceitarem-se 13


LUIZ CRUZ

mais umas às outras. Torres Novas, 26 de Fevereiro de 2012. Em tempo, se alguém se interessar por dar música aos meus poemas, aceito parcerias. Contacte-me para o email: luizcruz_europa@msn.com Luiz Cruz

14


POEMAS BREJEIROS

O sonho da Josefina

Numa festa de pijamas A Josefina disse à luz do luar Que sonhava como modelo brilhar. A Cristina, um belo borracho, Logo lhe fez uns belos cachos Aos cabelos. A Andreia, cuidadosa com a imagem, Despachou uma nova maquilhagem. A Elisabete lembrou-se da dieta: Coma croquetes de caracoletas E salada de pepino aos tomates. A mãe da Josefina, Uma mulher esperta: Assim é que não, Vais inchar como um pão. Se queres ser um feijão-verde É melhor ficares pelos esparguetes Com molho de tomates.

15


LUIZ CRUZ

16


POEMAS BREJEIROS

O canito castanho Minha vizinha Filó Criava uma bicharada A pão-de-ló. Castanho, o canito peludo, Tomava banho de champô, Era penteado e perfumado. O canário piava o dia todo. O gato dormia no sofá. O peixe nadava no aquário. A pomba arrulhava no telhado. A galinha ciscava no quintal. A cabra pulava a cerca. A ovelha fazia mééé. A porca comia. O burro zurrava. O cavalo escoiceava. Chegou a época da Filó ir para a faculdade. O pai da Filó Ficou com um grande inquietação. O canário, você não leva não. Ele vai cantar o dia todo E os rapazes vão pegar o seu passarinho. Acho melhor levar o castanho, Ele é maiorzito, mas vai passar despercebido. 17


LUIZ CRUZ

À noite quando você chegar Pode dar-lhe banho, Penteá-lo, perfumá-lo E levá-lo para a cama Para dormir bem agasalhado. E para o sono chegar Vá-lhe fazendo muitas festinhas.

18


Poemas Brejeiros