Page 1

BIS - Nº 67 Julho / Agosto / Setembro 2015

Sindicato do Comércio Varejista de Material Óptico, Fotográfico e Cinematográfico no Estado de São Paulo

Não há resposta à crise que não seja pelo trabalho

Entrevista:

Francisco Ventura

a arte de uma nova geração

página 2

Contribuição Assistencial Patronal 2015/2016

página 3

Divulgado cronograma de implantação do ESocial

página 4

Gestão em ópticas, desafios em busca de resultados

página 7

página 10

Aumentar tributos é destruir a poupança por Abram Szajman página 8

Projeto do Sesc sobre saúde visual é apresentado na CBÓptica página 9 Seminário em Óptica 2015 Senac Tiradentes e Região Sucesso de avaliação pelos participantes página 11

1


Editorial Aniversariantes 2

Não há resposta à crise que não seja pelo trabalho A

economia ainda depende muito do comércio, que vem sendo bastante maltratado pela crise. O cenário econômico atual, que não se mostra favorável às negociações, com vendas em queda, desemprego em alta e muitas empresas encerrando suas atividades. Que é importante que lembremos que a situação não está ruim apenas para o empresário, mas também para o trabalhador, que vê seu emprego em risco e isso também representa perigo. Não há resposta à crise que não seja pelo trabalho. Isso é um clichê e uma verdade. E trabalhar do jeito que as circunstâncias impõem: mais consciente, mais alerta, mais ágil, ainda mais prudente, tomando as medidas duras e as medidas necessárias. A crise não deve dominar corações e mentes. Ela deve dominar as ações. Falar para dentro da organização é fundamental, se não a crise vai ser a única pauta. Não dá para a empresa e seus talentos acordarem todo dia num país em crise e trabalharem o dia todo com esse espírito. A empresa precisa de foco, de pauta, de metas objetivas e adequadas. E motivação. É hora de espalhar entusiasmo, celebrar cada conquista, mesmo as pequenas. Prosseguem reuniões e tratativas envolvendo comissões de negociação das entidades sindicais patronais do

JULHO 02 MARIA ISABEL QUILHES TEIXEIRA

03 MARIO TOGUMI 05 TATIANA DRATOSVKY SISTER 06 MAURO ROSALES TEIXEIRA FILHO 06 JOSE AMÉRICO MADEIRA PINTO JUNIOR 06 LUIZ PAULO RODRIGUES LEITE 07 ALZIRA SILVA DE OLIVEIRA 07 NEUZA CAMPINATI VIEIRA 10 SALVELINA MARLY DA SILVA RAMALHO 12 ALEXANDRE DE MARCOS RAMOS 13 MARIA APARECIDA DOS SANTOS 13 ADRIANA TEZZA TAMASSIA 14 MARCELO GARCIA GROEGEL 15 ELIZABETH M. RODRIGUES SALDANHA 19 NAOKO TOGUMI 19 DURVALINA DOS SANTOS 20 ALVARO AKIO KIDO 22 MARCOS KIDO 26 ARACY LUSO NAMUR 31 ELIZABETHE E. GARCIA

comércio e as representações comerciárias. O principal ponto que vem sendo defendido – e de forma absolutamente unânime nas representações empresariais - é o parcelamento do reajuste em duas parcelas, uma agora e outra em março, e a concessão do aumento salarial em 80% do INPC. Nossas reivindicações, até o momento, não sensibilizaram a maioria das lideranças comerciárias que seguem insistindo no pagamento integral do INPC (9,88% em setembro) de uma só vez e até com aumento real. Sendo praticamente inviável para o empresário. A alternativa de parcelamento e um reajuste adequado neste momento de incertezas econômicas no Brasil são de proteger o emprego e da sobrevida a maioria das empresas do varejo que vive situação de grande dificuldade. Forte abraço e boas vendas! Akira Kido Presidente

AGOSTO 02 LUIZ YAMA 04 MARIA FERNANDA QUINTANA FREIRE 06 FABIO PATARA QUINTAES 10 ROMULO BERGAMO FILHO 13 ANTONIO CLAUDIO VIEIRA DIAS 14 KATIA REGINA VITA SENSATO 15 JOSE FUOCO 21 ROBERTO CARLOS MICHELETTI FILHO 24 VERGINIA A. DIAS DE SOUZA 26 REGIANE ROSSINI ZOLINE SCHICHVARGER 27 MARIA RITA POGETTI JUNQUEIRA 29 JOSUE DA SILVEIRA ARANTES 30 MONICA DIAS CENEDESI VASSALLO SETEMBRO 01 ANTONIO EDUARDO ALVES GUIMARÃES 02 FERNANDO FERREIRA BONILHA 03 PAULA COUTO RODRIGUES SALDANHA 04 WALDIR VALADES 06 RUY SILVEIRA PIRES

07 MARLENE MENEZES 07 CLAUDINEI CASELLATTO 08 MARLENE VIEIRA SILVA 09 RICARDO CHINELATO CERSOSIMO 09 HELENA T. SHIOTA 10 NAOMI TAKEDA POVOAS DE ARRUDA 10 LUCIA APARECIDA OLIVEIRA GRIGOLON 11 AKIKO IKEDA 11 ELIANE ROSALES TEIXEIRA 14 NANCI APARECIDA FERNANDES VIANA 14 ANDREA MARTINS BRIDI ARANTES 15 GERARDO SOCKACZEWSKIKRISTELLER 18 SILVIO JOSE IZEPOM 18 CINTIA BENETTI 21 ROSANA ELIZABETH RENZI 23 CARLOS HIROSHI IDERIHA 23 GIOVANNI VASSALO FILHO 24 MARIA APARECIDA C. RICIERI FIGUEIREDO 24 MARCEL FERNANDES IKEDA 28 RICHARD DA SILVA MAGALHÃES 29 MIGUEL SADOCO GIANNINI

O Boletim Informativo Sindióptica - BIS - é uma publicação do Sindióptica-SP - Av. 9 de Julho, 40 11º andar cjs. 11 - D/F - São Paulo - SP - CEP 01312-900 - Tel.: (11) 3259.3648 - 3259.5826 - 3256.6011 e-mail: sindioptica@sindioptica-sp.com.br - www.sindioptica-sp.com.br Tiragem 6.000 exemplares - Distribuição gratuita - Comite editorial: Sr. Akira Kido e Equipe SINDIÓPTICA-SP. Diagramação: Alexandre P. Campos Fº - Produção gráfica: Cyan Artes Gráficas


A

Contribuição Assistencial 2015/2016 foi instituída e aprovada na Assembleia Geral Extraordinária do SINDIÓPTICA-SP realizada em 04/08/2015, está prevista na alínea “e”, do art. 513 da CLT e consta das Convenções Coletivas de Trabalho celebradas pelo SINDIOPTICA-SP, com vigência de 01/09/2015 a 31/08/2016. A participação e a união das empresas do setor possibilitará ao SINDIOPTICA-SP continuar trabalhando para melhorar e ampliar os serviços prestados, principalmente nos processos de negociação salarial, conforme tabela de valores constantes na CCT, informada abaixo.

Estabelecimentos com Capital Social: 0,01 até 99.999,99

R$ 250,00

100.000,00 até 2,5 milhões

R$ 610,00

Acima de 2,5 milhões

R$ 1.600,00

Para impressão do boleto da Contribuição Assistencial Patronal 2015/2016, basta acessar o site: www.sindioptica-sp.com.br

Vantagens de pagar para o SINDIÓPTICA-SP

Sindicato

Contribuição Assistencial Patronal 2015/2016 • Abertura aos Domingos e Feriados (Expedição de

Certificado/Protocolo GRATUITOS) - Capital; • Assistência do SINDIÓPTICA-SP e acesso aos benefícios acordados na CCT; • Recursos que nos são enviados têm um único objetivo: fortalecer o segmento do comércio varejista de material óptico, fotográfico e cinematográfico em todos os aspectos; • Caso tenha dificuldade de pagamento da Contribuição Assistencial 2015 em uma única parcela, entre em contato conosco (11) 3259.5826

O SINDIÓPTICA-SP é seu patrimônio. Use, Preserve, Participe!! FIQUE ATENTO: o representante legal da categoria do comércio varejista de material óptico, fotográfico e cinematográfico é este SINDIÓPTICA-SP e, portanto, somente as normas coletivas subscritas por este SINDIÓPTICA-SP se aplica às empresas do setor, sob pena de enfrentamento de eventuais reclamações trabalhistas.

Maiores informações, pelo telefone 11 3259-5826 ou através do e-mail: juridico@sindioptica-sp.com.br

3


Tributos

Divulgado cronograma de implantação do eSocial O

eSocial – Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas – é um instrumento para unificar a prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas, que padroniza sua transmissão, validação, armazenamento e distribuição, constituindo Ambiente Nacional. Tal instrumento será composto pelas seguintes informações: • dados cadastrais dos empregadores, inclusive domésticos, da empresa e equiparados e dos segurados especiais;

dados cadastrais e contratuais de trabalhadores, incluídos os relacionados ao registro de empregados;

• dados cadastrais, funcionais e remuneratórios dos servidores titulares de cargos efetivos amparados em regime próprio de previdência social, de todos os poderes, órgãos e entidades do respectivo ente federativo, suas autarquias e fundações, dos magistrados, dos membros do Tribunal de Contas, dos membros do Ministério Público e dos militares;

• dados cadastrais dos dependentes dos empregados, inclusive domésticos, dos trabalhadores avulsos e dos segurados dos regimes geral e próprios de previdência social; EMPREGADOR Empregador com faturamento acima de 78 milhões em 2014

Demais empregadores, inclusive MEI, ME, EPP, empregador doméstico, segurado especial e produtor rural

dados relacionados às comunicações de acidente de trabalho, às condições ambientais do trabalho e do monitoramento da saúde do trabalhador e dos segurados do regime próprio;

• dados relacionados à folha de pagamento e outros fatos geradores, bases de cálculo e valores devidos de contribuições previdenciárias, contribuições sociais de que trata a Lei Complementar nº 110/2001, contribuições sindicais, FGTS e imposto sobre renda retido na fonte; • outras informações de interesse dos órgãos e entidades integrantes do Comitê Gestor do eSocial, no âmbito de suas competências. As micros e pequenas empresas terão à disposição, no ambiente do eSocial, sistema eletrônico online gratuito para inserção de dados, geração e transmissão de arquivos. Já o Microempreendedor Individual (MEI) terá módulo específico. Segue abaixo cronograma de implantação e prazo de envio das informações. As informações prestadas substituirão, na forma e no prazo a serem divulgados, a entrega das mesmas informações na Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP) e em outros formulários e declarações a que estão sujeitos os empregadores. Informações poderão ser conferidas no portal eletrônico www.esocial.gov.br .

INFORMAÇÕES

COMPETÊNCIA PRAZO DE ENVIO

Informações em geral, excetoos dados sobre ambiente, saúde e acidente de trabalho

09/2016

07/10/2016

Tabela de acidentes de trabalho, comunicação de acidente de trabalho, monitoramento da saúde do trabalhador e codições ambientais do trabalho

01/2017

07/02/2017

Informações em geral, exceto os dados sobre ambiente, saúde e acidente do trabalhador

01/2017

07/02/2017

Tabela de ambientes de trabalho monitoramento da saúde do trabalhador e condições ambientais do trabalho

07/2017

07/08/2017

Consolidação do Refis da Copa

O

4

contribuinte que aderiu ao parcelamento de tributos federais, conhecido como Refis da Copa, de que trata a Lei nº 12.996/2014, cujo prazo encerrou no dia 1º de dezembro de 2014, deverá selecionar os débitos que deseja incluir no parcelamento e o número de prestações pretendidas.

O prazo para consolidação dos débitos ocorrerá nos seguintes períodos: de 8 a 25 de setembro de 2015, pessoas jurídicas em geral; e de 5 a 23 de outubro de 2015, pessoas físicas e pessoas jurídicas optantes pelo Simples Nacional e as omissas na apresentação da DIPJ ano-calendário 2014.


Gestão

A importância das palestras motivacionais para o profissional de ótica. M

uitas pessoas ficam restritas à motivação pelo “medo” ou pelo incentivo. A primeira trata-se daquela que o profissional faz o que tem que ser feito, pela pressão do seu gerente, por exemplo. A segunda pode ocorrer quando se lança uma campanha de vendas, com incentivo financeiro extra. As duas funcionam, porém elas te levam até um certo ponto. Para você se superar, fazer algo extraordinário e romper barreiras, você precisa buscar a “auto motivação”. A palestra faz com que você enxergue que essa sim, funciona verdadeiramente. E detalhe, com a auto motivação, você não passa o controle das situações para terceiros, como seu chefe, cliente ou fornecedor. É você no controle, é você decidindo que terá um dia fantástico de atendimento e venda, aconteça o que acontecer. A auto motivação te leva à satisfação pessoal e ao sucesso profissional. O entusiasmo alavanca sua carreira!

A área de vendas é uma das que mais se vê cursos e palestras, o profissional em vendas deve portanto, buscar sempre se renovar. “Vendas é o coração da empresa, não pode parar”. Essa frase extraordinária do Jack Welch, mostra a importância das vendas em uma organização. É o que faz pulsar! Imagine a cena: um paciente deitado na cama de um hospital, e ao lado dele, aquele monitor mostrando os sinais vitais... É um gráfico com linhas que vão para cima, para baixo, para cima e para baixo... Quando a linha fica só na horizontal, o que ocorreu com o paciente? Isso mesmo! Morreu! Uma empresa é uma organização viva. E sem dúvidas, vendas é o coração dela. O mercado atual não mais permite o amadorismo, aquele vendedor que ainda trabalha na cartilha antiga “compra de mim porque tenho que dar o leitinho das crianças”. O cliente não quer te ajudar. Você tem que estar cada vez mais treinado, qualificado, informado e motivado, para fazer um super atendimento e concretizar a venda. Não que sempre surgem novas técnicas de vendas, mas os cursos e palestras fazem o profissional despertar para aquilo que deve ser feito. É aprender e aplicar... Sem mistério! Mesmo numa época com tanto desenvolvimento tecnológico, a maioria das pessoas têm dificuldades de comunicação, principalmente quando precisam usar a expressão verbal mais intensamente no ambiente corporativo.

Isso pode acontecer numa simples apresentação de um relatório de vendas, até o treinamento dos seus liderados. Daí vem o pavor de falar em público, só perdendo para a morte. A essa altura o profissional apavorado se esconde e não faz, ou faz de forma amadora, obtendo resultados nem sempre animadores. Uma boa comunicação te leva ao aprendizado, e este ao progresso. Uma comunicação verbal eficaz é a segunda competência mais desejada pelos líderes, perdendo só para a criação de “algo novo”. Saber ouvir seus interlocutores e se adequar ao modo como eles te entendem, além de profundo conhecimento do que se diz, levará você a resultados surpreendentes. Potencial e método aliados à determinação do grupo, formam o conjunto mais produtivo. Onde você quer chegar? Falando bem fica mais fácil. Léo Rocha dá a dica: Conquiste a auto motivação e o entusiasmo. Seja gentil e corajoso. E vá, ao infinito e além!

LÉO ROCHA é empresário, profissional em vendas e um palestrante que motiva sua platéia para mudanças! Unindo palavras inspiradoras, metodologia e ações práticas, faz a diferença no crescimento profissional de quem o ouve, esse é o significado do FAROL em sua marca: orientar e direcionar seus clientes ao caminho do sucesso. WWW.leorochapalestras.com.br

5


Gestão

Como encantar seu cliente e multiplicar suas vendas Evite a padronização Receber um cliente bem é acolhê-lo. E fazer alguém se sentir acolhido não é algo técnico, mas uma troca de sentimentos que tem a ver com empatia humana. Para conseguir fazer o cliente se sentir bem recebido e atendido é preciso ter intenção na hora de lidar com o consumidor, e não agir de forma robótica. Oferecer um atendimento personalizado, portanto, é uma forma de mostrar acolhimento e atenção, e preparar o terreno para a demonstração do serviço/produto que você ofertará.

Entenda as necessidades do cliente Identificar e entender as necessidades do consumidor são ações que fazem parte das quatro fases do atendimento, sendo também oportunidades de gerar encantamento.

No comércio, raramente encontra pessoas que realmente compreendem essas necessidades, mesmo quando as identificam. Para mudar isso, é de suma importância realizar pesquisas de mercado e, principalmente, na hora do atendimento, conversar diretamente com os clientes de forma franca e genuína, para conseguir entender o que ele quer e precisa.

Surpreenda positivamente Um caso comum de surpresa positiva é quando, ao não fechar uma venda, o atendente ou vendedor continua a interação com o cliente sem demonstrar frustração. É revigorante para quem está sendo atendido e estimula a volta do consumidor. Pequenas gentilezas como indicar outro local para conseguir o que deseja, acompanhar o cliente até a porta (mesmo quando ele não compra

nada), permanecer positivo e agradável também quando a venda não foi fechada, entre outras, são formas de demonstrar interesse genuíno no cliente, e não só na possível comissão que ele representa.

Transforme o bom atendimento em hábito É preciso se acostumar às práticas do bom atendimento: manter o sorriso, a disposição de conversar com clientes, buscar o fortalecimento da relação com o consumidor etc. Não é deixar os problemas em casa, pois eles são indissociáveis de nós. Estar de mau humor ou preocupado não dá ao atendente o direito de transferir as frustrações de seus problemas para o cliente. Assim, para encantar clientes é preciso cultivar uma postura profissional de bom atendimento, bom humor, disponibilidade, e empatia com o outro.

Qual a trilha sonora da sua vida?

E

6

studei música intensivamente durante 6 anos da minha vida. Entre partituras, tablaturas, harmonias e melodias, deparei-me com uma teoria musical chamada “Modos Gregos”. Essa teoria ensina modos de escalas musicais ligadas aos sentimentos. Existe a escala mais feliz que era utilizada em situações de muita alegria como, por exemplo, o nascimento de uma criança. E, no outro extremo, existe a escala mais triste, utilizada, por exemplo, em funerais. A música sempre mexeu comigo, causando agitação, paz, reflexão, energia, vontade, tristeza e por aí vai. É algo inexplicável. Depois de deixar um pouco a carreira musical e me dedicar aos

estudos corporativos, descobri que a música é muito utilizada no marketing sensorial, que se baseia nos 5 sentidos. Músicas são colocadas em ambientes - como em uma óptica, por exemplo - para estimular o conforto e o aumento das compras de nossos clientes. Mas antes de qualquer coisa, qual é a trilha sonora da sua vida? Refiro-me àquelas músicas que causam-lhe o inexplicável e fazem você pensar diferente, enxergar além, que refletem sua personalidade ou mesmo que tenham marcado algum período da sua vida. Estamos na reta final do ano. Utilize a música para buscar a energia que falta e planeje sua óptica. Todo o ano que começa estamos com um pico de energia, com motivação

para mudar, mas a mudança só ocorrerá se você fizer o que tem que ser feito. Ligue o som, pegue papel e lápis e planeje o seu futuro que determinará também o futuro de outras pessoas. É preciso. Lembre-se, a maioria das coisas são feitas por você, não adianta esperar pelos outros.

Ricardo Cropanizzo ricardo@goonoptica.com.br


A

s exigências que constam para abrir um negócio na área de Óptica, onde deve se analisar o mercado e ramo de atividade, estar em dia com as obrigações empresariais e legais, como por exemplo: • Fazer uma pesquisa comercial junto à Prefeitura da cidade, para se certificar da possibilidade de implantar uma Ótica na região determinada; • Pesquisar e ver se a marca, nome está disponível ou já é registrado em uma Junta Comercial e INPI Instituto Nacional de Propriedade Intelectual; • Solicitar o cadastro e inscrição na Secretaria da Receita Federal, se inscrever e obter o CNPJ; • Registrar o contrato social na Junta Comercial; • Ter o alvará junto ao Corpo de Bombeiros Militar. • Solicitar inscrição na Secretaria Estadual de Fazenda – obtenção da Inscrição Estadual e se cadastrar e ter o alvará de funcionamento junto à Prefeitura Municipal local; • Se inscrever, participar e solicitar enquadramento na Entidade Sindical Patronal no Estado de São Paulo, procurar o Sindicato do Comércio Varejista de Material Óptico Fotográfico e Cinematográfico no Estado de São Paulo – SINDIÓPTICA-SP (empresa ficará obrigada a recolher anualmente a Contribuição Sindical Patronal); • Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social – INSS/FGTS”; • Verificar outras licenças e registros necessários junto aos órgãos competentes. Agora isso no caso das Ópticas deve-se ter uma consulta e autorização junto a Vigilância Sanitária Municipal, para obtenção do Alvará Sanitário do estabelecimento, onde tem que se ter estrutura fisica adequada de acordo com a legislação vigente e a contratação de um técnico óptico habilitado para se realizar a leitura e aviamento das receitas. Analisamos isso no ponto de vista de gerenciamento de loja, empresa, gastos e responsabilidades, pois você tem um ponto comercial, paga impostos, aluguel (caso pague aluguel), IPTU e com muita persistência e em tempo, foi criada a Lei nº 15.658/2015, publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo em Janeiro, dia 10 de 2015, proibindo a comercialização de lentes de contato e lentes oftálmicas, óculos de sol e grau por ambulantes e em estabelecimentos não autorizados. Com tudo isso, indago: há necessidade de uma maior fiscalização em cima desta situação por parte dos órgãos públicos, pois a carga tributária e outras taxas e impostos e contribuições estão e são altas e o comércio de certo modo vai de mal à pior, para manter um estabelecimento em funcionamento neste nosso País. O comerciante ou empresário tem que pensar e analisar o negócio em que trabalha e também deve pensar no cliente, ter um bom relacionamento com os mesmos e isso é o ambiente das empresas contemporâneas, pois o relacionamento é uma expressão que implica confiança e interação entre as partes

e isso no ponto de vista comercial tem investimentos e agora quanto ao retorno como fica. Em cima disso com Planejamento tendem-se adotar e aplicar medidas de controle para melhorar o atendimento, qualidade dos serviços e produtos prestados em uma gestão eficiente e eficaz, a partir de algumas das características abaixo: • Ter poder de barganha ou de negociação para comprar pela melhor relação custo x benefício; • Evitar gastos desnecessários; • Manter e acompanhar a equipe de trabalho para evitar desperdícios; • Fazer uma gestão eficaz dos estoques; • Controlar criteriosamente os custos e calcular adequadamente os preços de venda. E em tempos de crise nós temos que nos policiar em não perder clientes, onde temos que conquistar novos clientes e também manter os atuais, controlar mais nossos gastos, evitar desperdícios, ver e controlar a inadimplência. Ter uma organização no trabalho com atividades bem estudadas e praticadas com metas claras, monitoramento mas antes de tudo um bom Planejamento. Temos que saber trabalhar com os recursos: Humanos, Financeiros, Materiais, Tecnológicos e com a Informação para transformá-los em Resultados em melhoria de: Desempenho, Objetivos, Produtos, Serviços, Eficiência e Eficácia. Pois estamos vivendo num mundo com aumento das incertezas e instabilidade econômica, ameaçando a sobrevivência das organizações, problemas e a insuficiência do papel do Estado, implicando graves críticas as políticas públicas, marcadas pelo assistencialismo, a insuficiência dos recursos, a privatização os serviços sociais, roubos e o crescimento da violência. Com isso tudo vemos que só existe uma definição válida para finalidade de uma empresa: criar, manter e fidelizar os clientes, tanto interno quanto externo. Tudo isso para termos retorno de investimento, pagar impostos, fornecedores e se der sobrar algo ou ter lucro . . . . .

Gestão

Gestão em ópticas, desafios em busca de resultados

Referências: Site do SEBRAE: http://www.sebrae.com.br/ AAKER , David A. Administração estratégica de mercado. Porto Alegre: Bookman, 2001. MAXIMIANO, A. C. Amaru. Administração para empreendedores: fundamentos da criação e da gestão de novos negócios. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006. PEPPERS, Don; ROGERS, Martha. Retorno sobre clientes: criando o máximo de valor sobre o seu sucesso mais escasso: um modo milionário de medir e fortalecer o seu negócio. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. PORTER, Michel E. Vantagem competitiva. 16. ed. Rio de Janeiro: Campus,1989. Por: Peri da S. Santana, mestre em Engenharia e professor de Administração e Gestão no Centro Paula Souza (FATEC-ETEC) e Universidade Nove de Julho, UNINOVE-SP.

7


Artigo

Aumentar tributos é destruir a poupança N

os últimos anos a ascensão social das famílias brasileiras de menor renda ganhou destaque no debate econômico. Impulsionada pela expansão dos programas sociais, por maior acesso ao crédito e pelo crescimento real da renda, essa parcela da população elevou seu padrão de consumo e contribuiu para o expressivo crescimento do setor de comércio e serviços. A inflação e os juros altos, a dificuldade para conseguir novos empréstimos e o aumento do desemprego, porém, põem em risco essas conquistas. Concentrada em itens essenciais alimentos, transporte público e energia, que têm maior peso no orçamento das famílias de menor renda, a inflação castiga, sobretudo, os mais pobres. O Custo de Vida por Classe Social, calculado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), aponta que nos 12 meses até julho o custo de vida médio do paulistano subiu 9,63%. Mas, na segmentação por classe, essa alta foi de 11,16% na classe E; de 11,26% na classe D; de 9,87% na classe C; de 8,82% na classe B; e de 8,73% na classe A. Essa queda do poder de compra, tão mais acentuada quanto mais baixa é a renda das famílias, e que se observa também em todo o País, sugere, por meio de simulações, que mais de 350 mil famílias teriam caído da classe D (renda mensal de até R$ 1.740,00) para a classe E (renda de até R$ 1.160,00), e quase 20 mil da classe C (até R$ 8.700,00) para a classe D, apenas pelo fato de que o custo de vida subiu acima da média para os menos favorecidos. Se considerarmos a queda em torno de 2,5% do rendimento médio real apontada na Pesquisa Mensal do Emprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a estimativa será de que mais de 230 mil famílias teriam passado da classe C para a classe D, e quase 920 mil da classe D para a classe E. Mais: 90 mil famílias teriam retrocedido da classe B (renda de até R$ 14.500,00) para a C. No total, mais de 1,2 milhão de famílias teriam regredido socialmente nos últimos 12 meses. Tudo isso sem considerar os efeitos do desemprego crescente.

8

Outros fatores contribuem, ainda, para o risco de reversão da ascensão social de milhões de famílias: redução significativa das linhas de crédito para a população de renda Abram Szajman* mais baixa, já excessivamente endividada; redução do aumento real dos salários, principalmente do salário mínimo; aperto nas regras para saques do seguro desemprego; e redução do volume de recursos destinados a programas como o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e o Programa Nacional do Ensino Técnico (Pronatec). Nesse cenário preocupante, o aumento de impostos pode significar o empurrão que faltava para fazer submergir de vez aqueles que haviam conseguido melhorar seu padrão de vida. Mesmo o direcionamento da tributação extra para as empresas e para as camadas de maior renda não deixará de atingir a todos, pois a economia é um sistema de vasos comunicantes. Assim, quando se aumentam os tributos das empresas, a tendência é a de que os preços dos produtos subam e o nível de investimentos caia. No caso das famílias, ocorre que apenas aquelas com renda superior a R$ 8.740,00 são capazes de consumir menos do que ganham e podem, portanto, poupar. São apenas 5,5 milhões, enquanto a maioria (56 milhões de famílias) gasta mais do que ganha e, por isso, depende do crédito gerado pela poupança da minoria. A conclusão é a de que o total da poupança das famílias se restringe a R$ 20 bilhões, que tendem a desaparecer se o governo avançar sobre as parcas economias daqueles 5,5 milhões de famílias (cerca de 15 milhões de pessoas), sempre chamadas a pagar a conta da falta de controle e gestão do setor público. Sem a poupança do andar de cima, ficará mais caro e escasso o crédito que até agora ajudou a engrossar as fileiras da classe média. *É presidente da Fecomercio¬SP, que gere o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) no Estado

Para integrar e ampliar nosso conteúdo on-line o SINDIÓPTICA-SP marca presença também no Twitter www.twitter.com/sindiopticasp, Facebook www.facebook.com/sindiopticasp. Venha interagir conosco!


CBÓptica

Projeto do Sesc sobre saúde visual é apresentado na CBÓptica ma iniciativa do Serviço Social do Comércio (Sesc) para promover a saúde visual dos brasileiros, especialmente dos comerciários, e estimular o varejo óptico foi apresentado na reunião da Câmara Brasileira do Comércio de Produtos e Serviços Ópticos (CBÓptica) realizada em 20 de julho na CNC no Rio de Janeiro. http:// migre.me/qSlZ7 O Presidente do SINDIÓPTICA-SP, Akira Kido, afirmou que está iniciativa beneficiará o atendimento a saúde visual dos comerciários e o publico que frequenta as unidades do SESC, que muitas vezes não tem condições para realizar consulta oftalmológica – está ação também estimulará o comércio de produtos ópticos.

Foto: Christina Bocayuva

U

Outros pontos de destaque da reunião da CBÓptica em 20/07/2015: Fonte: CNC

RDC perante a Anvisa – Os integrantes da CBÓptica debateram sobre o encaminhamento de uma Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), visando à criação de um grupo de trabalho para discutir a regulação da qualidade e as funcionalidades técnicas de produtos ópticos, em especial óculos de proteção solar. O encaminhamento foi aprovado pelos integrantes, que aproveitaram para ressaltar a importância de uma legislação específica para tratar do assunto. “É preciso levar essa frente para o ambiente legislativo e discutir a revisão do marco regulatório do setor”, afirmou Wany Pasquarelli, chefe da Assessoria de Gestão das Representações (AGR) da CNC. Nova norma da ABNT – Também foi discutida uma norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que trata dos filtros necessários em óculos de proteção solar para a proteção da saúde do usuário. A norma estabelece 400 nanômetros de filtro, mas conflita com uma resolução internacional ISO que estabelece apenas 380 nanômetros. A AGR/CNC afirmou que vai discutir o assunto em reunião a ser agendada com representantes da ABNT, para que se tenha uma definição correta sobre o assunto e que a norma se adeque aos padrões brasileiros.

9


Entrevista

Francisco Ventura a arte de uma nova geração O olhar fashion no ramo ótico, passado de geração para geração, garantem o sucesso da marca mais queridinha dos fashionistas Nascido em São Paulo, Francisco Ventura Jr. cresceu dentro deste universo fashion e conseguiu manter o legado nestes 60 anos de história. Tudo começou em 1953, quando o pai, Francisco Muniz abriu sua primeira loja no número 91 da Rua Dom José de Barros, no centro de São Paulo. Com um olhar aguçado para época pelos óculos mais exóticos, cheios de pedras, acetatos coloridos e formas inusitadas, ensinou o filho a ter o mesmo fascínio. “Quando se muda de óculos, muda-se de atitude, de estilo”, dizia ele. Para o filho a lição mais valiosa que seu pai o ensinou é que as vitorias são conquistadas através de muito trabalho. Hoje, a história se repete - Felipe, que faz parte da terceira geração dos Ventura trabalha lado a lado com a mesma paixão, acompanhando os pais nas viagens internacionais, tudo para manter este DNA da marca, e trazer as grifes mais exclusivas do mundo, coleções limitadas criando o desejo de clientes que buscam este diferencial.

Um olhar atento aos Ventura

10

Ventura como é conhecido, começou trabalhar com o pai aos 17 anos e desde então viu a necessidade de expandir, e assim criou uma marca de óculos que atendesse a necessidade dos jovens de sua época – design, qualidade e preço. Assim nasceu a marca Ventura Eyewear, na Bela Cintra, onde abriu a primeira loja com sua esposa, Deborah, e lá estão há quase 30 anos, com a cara fashion

que sonhavam. Escolheram o público que pretendiam atingir: gente cool, formadores de opinião, pessoas dispostas a usar óculos com estilo, e assim se tornaram um dos pontos mais frequentados no badalado bairro dos jardins. Referência, a loja passou a ser frequentada por editoras de moda e figurinistas de telenovelas em busca dos óculos perfeitos para caracterização dos personagens. Da TV para os palcos e cinemas foi um pulo. É comum encontrar um ator desenvolvendo óculos para o seu próximo personagem na elegante casa dos jardins. A paixão de Ventura por criações de peças feitas com processos artesanais é percebido nas suas coleções como a última apresentada na exposição em homenagem às calçadas portuguesas, no Rio de Janeiro – Tatuagens Urbanas, feita toda em tecido. As embalagens também tem uma atenção toda especial, desenvolvidas com materiais reciclados, recortados artesanalmente com desenhos e formas inusitadas dão um charme especial nas coleções, que são fabricadas em chapas de acetato italianas mazzucchelli, o material mais nobre do mercado. “O óculos se torna uma verdadeira obra de arte. A proposta é sempre reinventar-se”, diz Ventura. A coleção Cosmopolitan Verão 2016 foi inspirada nas cores Red,White, Turtle demi blonde e Black. A família potencializou em cada um aquilo que tinham de melhor, vindo daí o sucesso profissional da

marca. Ventura, além de consultor óptico, cuida de toda criação e fabricação da marca Ventura. Enquanto Deborah e Felipe focam na imagem da empresa, que engloba a assessoria de imprensa, as ações de marketing e os desfiles de moda. Por meio das diversas mídias, associam a marca a ações que qualificam e consolidam a grife no mercado, incluindo ações de responsabilidade social, a que, aliás, dão uma atenção especial.

Fashion around the world Desde 1988, este olhar inédito num setor tão tradicional como o ramo óptico aproximou Ventura ao famoso circuito fashion. Passaram a desenvolver óculos para coleções de estilistas de grande expressão, não só no Brasil, como fora dele. Suas criações cruzaram fronteiras e foram parar na Inglaterra. Apostando nestas parcerias com labels de moda, lançou com a grife inglesa Basso & Brooke uma linha de óculos toda feita com estampas digitais. A marca é conhecida pelas suas estampas multicoloridas e integra o London Fashion Week. Habitué em desfiles do São Paulo Fashion Week , Fashion Rio, e Mercedes Benz Week Miami, seus


óculos já estiveram nos desfiles de Lino Villaventura, Adriana Degreas, Pat Bo, Ellus, 2nd Floor, Água de Coco, Têca por Helô Rocha, Ricardo Almeida, Samuel Cirnansck, Animale, entre outros assinando modelos exclusivos. Além disso, personalidades como Julia Petit, Anna Fasano, Victor Collor, Lara Gerin, Walério Araújo, Marilia Gabriela e Adriane Galisteu também assinaram suas coleções com a Ventura que é referência quando o assunto é inovação.

Sucesso de avaliação pelos participantes confiram os índices!

Eventos

Seminário em Óptica 2015 Senac Tiradentes e Região

Um olhar familiar O maior orgulho do visionário Francisco Ventura era ter a certeza de que o filho e a nora continuariam realizando seu trabalho com este olhar moderno e contemporâneo para a marca. Não só seguiram como também consolidaram o tripé que fundamenta o empreendimento: personalização no atendimento, moda e tecnologia. Como dizia o avô de Felipe, será a terceira geração no ramo da óptica trabalhando com a mesma técnica aprimorada em três décadas, e com a mesma paixão. A Família Ventura ensina: “Já que nos comunicamos pelos olhos, óculos bem escolhidos tem um impacto tão forte que, independentemente de onde se esteja, será sempre observado. Designers cada vez mais criativos conseguem, com sofisticação, variedade nos materiais e tecnologia, colocar a moda em perfeita sintonia com a estética, e a técnica cria o estilo e a marca registrada de quem está usando.” Ótica Ventura www.oticaventura.com.br Rua Bela Cintra, 1845 – São Paulo __ Cristina Dell’Amore Assessoria de Imprensa - (11) 3082-3699 redacao2@dellamore.com.br

O Seminário em Óptica, contou com apoio das Empresas: Cromal, Dismol, Peanuts Eyewear e do Portal Opticanet e apoio institucional do SENAC-SP. Nossos agradecemos, aos ópticos de SÃO PAULO, pela participação em mais um evento realizado pelo SINDIÓPTICA-SP. DADOS DO EVENTO Data: 27 de Agosto/2015 Horário: 19h10 às 22h30 Local: Auditório Senac Tiradentes PALESTRANTES: Profº. Alex Dias – Engenheiro, Técnico em Óptica, Licenciado em Física, Docente do Senac na Área de Fabricação de Lentes Oftálmicas. Palestra: Lentes filtrantes, funcionamento, benefícios e limitações.

Léo Rocha – é empresário, profissional em vendas e um palestrante que motiva sua plateia para mudanças. Palestra: Motivação e Vendas, o poder do entusiasmo!

11


Convênios

Previdencia Privada

Ficou interessado? Agende uma visita com nossos representantes, pelo Tel.: (11) 3259.3648 contato@sindioptica-sp.com.br

Colônia de Férias

Linhas de Crédito

Disponibilização de linhas de crédito, pela DESENVOLVE SP às empresas associadas ao SINDIÓPTICA-SP.

Aparelhos Auditivos

Planos de Saúde

Escolas de Idiomas

Para saber mais, entre em contato conosco: telefone (11)3259-5826 e-mail contato@sindioptica-sp.com.br

12

Informativo 67  
Informativo 67  

Boletim Informativo SINDIÓPTICA-SP, BIS nº 67 - Entrevista: Francisco Ventura a arte de uma nova geração

Advertisement