__MAIN_TEXT__

Page 1

ANO XXIII- N.º 68 * JORNAL DO COLÉGIO DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

LEIRIA

DEZEMBRO DE 2018


Ficha Técnica Ó velha, bela e nobre Cidade, colocados no Claustro do teu alto Castelo, podemos contemplar-te… Quanta beleza! Quanto valor! És uma das mais lindas e valorosas cidades do nosso tão atraente Portugal. Aos pés deste teu emblemático Padrão, um Colégio. Nele se aprende a descobrir-te, a admirar-te, a estimar-te! Nele se chega a voar alto A encontrar o caminho das mais invejáveis competências Das maiores virtudes humanas. Nele se estimula também o olhar atento ao sentido da vida A saber que não andamos sós Que temos Alguém, um PAI, que vela por nós Temos irmãos também Que connosco vão e nos ajudam a sentirmo-nos bem E que também de nós precisam. Do Claustro deste Castelo Posso ver Ou pensar Ou imaginar Uma multidão de irmãos que, na noite fria, pelas ruas vagueia Ou em seus fofos e quentes leitos, dormita Serão felizes? E os “sem abrigo”? Onde estão? Dormem? Os “sem abrigo” têm muitos nomes, muitas ruas, muitas fomes… Estão longe ou…muito perto. Natal! Um menino nasce Um menino te sorri

FELIZ NATAL! Ir. Maria Manuela dos Anjos

Nª Sª de Fátima Ano XXIII - nº 68 dezembro de 2018

Colaboradores Alunos do Clube de Jornalismo Alice Fernandes - 5º A Matilde Angélico - 5º A Alice Olibeira - 5º B Madalena Palma - 5º B Maria Milheiro - 5º B Matilde João - 5º B Renato Almeida - 5º B André Pedrosa - 8º A Mariana Angélico - 8º B Marisol dos Santos - 9º B Mariana Monteiro - 9º B

Coordenação Prof. Susete Rasteiro Prof. Paulo Rosa

Capa e arranjos gráficos Prof. Paulo Rosa

Um menino te convida: Anda comigo! Aos cantos e recantos dessa Leiria escondida… Vamos dar a mão Mostrar o AMOR que faz rebentar o teu e meu coração Vamos com a LUZ Fazer sorrir Revelar JESUS!

Jornal do Colégio de

"Tu que dormes à noite na calçada do relento numa cama de chuva com lençóis feitos de vento tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento és meu irmão, amigo, és meu irmão …. " Ary dos Santos

Este exemplar foi totalmente composto, paginado e impresso no Clube de Jornalismo do Colégio Nª Sª de Fátima Leiria


A Irmã Quando, ao Colégio, eu chegava de manhã, Para as aulas começar, Vinha logo a minha querida Irmã, Com um mimo para me dar!

A Irmã Maria Manuel, uma Irmã do Futuro! Ser Humano de grande Visão. Sempre pronta para a Inovação. Dando, ao Colégio, toda a sua vida e dedicação! Com muito AMOR, da Anita Carlos Pegada

No passado dia 24 de novembro, a Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Fátima, com o apoio da Câmara Municipal de Leiria e com a colaboração do Colégio, prestou uma homenagem à Irmã Maria Manuel pelos quase 50 anos de dedicação e empenho ao seu grande projeto de vida: a Educação. O evento, que contou com a presença de vários intervenientes, foi simples, mas digno: uma festa de toda a Família que o Colégio é! Desde números de dança, música e canto a declamação de poemas, a tarde fez-se de emoção e de enternecimento. A Congregação das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, à qual as Irmãs do Colégio pertencem, também mereceu destaque, pois a obra da Irmã alicerçou-se nos seus valores e floresceu com o apoio das muitas Irmãs que passaram pelo Colégio.

Num gesto de profundo reconhecimento, foram, igualmente, feitos breves discursos por parte de uma professora, de uma funcionária, de uma aluna, da Madre Superiora da Congregação, a Irmã Rita Nicolau, do representante do Sr. Presidente da CML, a Vereadora da Educação, Dra. Anabela Graça, e do representante do Sr. Bispo de Leiria-Fátima, o Sr. Padre Gonçalo Teixeira Diniz. A homenagem culminou com a celebração de uma Missa de Ação de Graças, na Sé de Leiria. Reiteramos o agradecimento a todos os que se empenharam na concretização deste evento e manifestamos a nossa felicidade por ter sido possível fazer-se esta merecida homenagem. Clube de Jornalismo


As Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena homenagearam a sua fundadora, a Madre Teresa de Saldanha (1837-1916), a primeira mulher a fundar há 150 anos, uma congregação em Portugal, após a extinção das ordens religiosas.

instalações de uma antiga Fábrica dos Botões onde Teresa de Saldanha ajudou raparigas dos 12 aos 20 anos que trabalhavam 14 horas por dia, não tinham estudos e vivam em situação de pobreza. “São das boas coincidências ou das felizes coincidências. 150 anos depois aparecemos aqui a ajudar as pessoas sem-abrigo desta zona de Santa Apolónia. Foi uma bonita união continuarem os dominicanos a fazer o bem, como a madre Teresa de Saldanha aqui fazia”, disse neste contexto frei Filipe Rodrigues, fundador da ‘Associação João 13’.

As Dominicanas de Santa Catarina de Sena, a Câmara Municipal de Lisboa e a Junta de Freguesia de São Vicente homenagearam Madre Teresa de Saldanha nos 150 anos do início da sua missão evangelizadora e “O objetivo é tirar as pessoas da rua”, sublinha o defesa da dignidade humana. sacerdote dominicano que considera que este é um A homenagem teve lugar no passado dia 13 de serviço aos mais carenciados “muito na linha do Papa novembro, no local onde há século e meio nasceu a Francisco”. congregação, no nº 5 da Calçada do Cascão, no Bairro de Para além de Portugal, as Irmãs Dominicanas de Alfama, na Lisboa do século XIX. Este era um bairro “muito Santa Catarina de Sena estão também em Angola, Albânia, pobre, muito populoso, cheio de crianças, cheio de fábricas Brasil, Moçambique, Paraguai e Timor-Leste, onde e estava perto das prisões”, referiu a irmã Rita Maria desenvolvem o seu trabalho na educação e promoção Nicolau, superiora-geral das Irmãs Dominicanas de Santa das crianças, sobretudo das mais pobres. Catarina de Sena. “Fazer memória é muito importante”, sublinhou a Texto adaptado de VaticanNews irmã Rita na cerimónia que ficou marcada desde logo pela colocação de uma placa de homenagem a Madre Teresa de Saldanha que abriu uma escola para meninas pobres numa época em que “dois terços das mulheres em Portugal não sabiam ler, nem escrever”. Por sua vez, Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, destacou igualmente a prioridade que a fundadora desta congregação religiosa deu à educação, em particular das mulheres, das jovens, das crianças, que, “desde muito cedo, viu condenadas a uma vida de trabalho excessivo, miséria, privação”. Na mesma rua em Alfama, esta homenagem ficou ainda marcada pela visita ao Núcleo de Apoio Local (NAL), que é gerido pela ‘Associação João 13’, que acolhe pessoas Como não podia deixar de ser, também o nosso Colégio em condições de sem-abr igo. comemorou os 150 anos da fundação da Congregação das Irmãs Um local de grande significado Dominicanas de Santa Catarina de Sena. Em família, fez-se uma para a congregação, precisamente nas oração na Capela, seguida de um pequeno lanche-convívio.


Desta vez, decidi partilhar convosco um tema cada vez mais pertinente e com maior incidência nesta fase do ano, o "Christmas Blues". Os dados do National Institute of Health, nos Estados Unidos da América, apontam a época natalícia como a fase do ano na qual há uma maior incidência de depressão e/ou queixas depressivas. De facto, verificase que, nesta altura de festa e alegria, sobressai, de forma significativa e paralela, alguma tristeza, angústia, desamparo e ansiedade. Esta sintomatologia, que até pode ser passageira e, na maioria das vezes, é, não deixa de marcar as pessoas pela negativa, com a presença de sentimentos antagónicos àquilo que está subjacente ao Natal, como os momentos de alegria, partilha, união, afeto e satisfação. Há, pois, algumas pessoas que não comungam destas emoções, sensações e até sentimentos, pois a sua realidade não lhes permite. Há outras que, estando cheias de tudo, estão vazias de si mesmas e não conseguem gerir o conflito nos seus corações. E ainda outras cuja recordação do passado as impede de viver o presente e saborear o que a vida ainda lhes reserva, pois foram felizes, mas podem continuar a sê-lo. Efetivamente, a consciência em nós de que se avizinha uma época, naturalmente, feliz, de festa, de família, de fartura pode parecer, inevitavelmente, boa. Ao invés, pode trazer uma angústia por já não se ter alguém ou algum sítio de referência ou até, não se ter o essencial para viver esta quadra. E esta sensação aumenta a cada dia que passa no calendário, na mente e no coração de cada um que vive esta realidade, transformando-a em algo que se deseja que passe depressa, só para não se sentir tanto o VAZIO... do que quer que seja. O Natal é, sim, uma época de festa dentro de nós! Não tenhamos a obrigação de fazer a festa fora de nós, porque todos fazem; não sejamos escravos da modernidade, pois isso pode acionar um quadro de tristeza maior. Sejamos, antes, nobres na gestão das nossas recordações, memórias e sentimentos, honrando cada uma delas em verdadeira gratidão e ativando o processo de aceitação da nossa realidade atual. Conseguiremos, talvez assim, viver em maior serenidade o espírito do Natal, porque tudo acaba por passar! Elsa Rodrigues Psicóloga


Pais recorrem à reabilitação contra vício no jogo Fortnite O seu filho de 17 anos, Carson, passa 12 horas por dia a jogar, em busca de armas e recursos num mundo pós-apocalíptico onde o objetivo é ser o último sobrevivente. Os professores reclamam que dorme nas aulas e que as notas caíram.

generalizada. E acontece num contexto de preocupações crescentes com o uso excessivo das redes sociais e dos smartphones. O Fortnite é particularmente atrativo porque a versão battle royale é

"Fizemos alguns progressos, conseguimos convencê-lo a reduzir as horas de Fortnite e a dormir melhor, mas ele retomou os velhos hábitos", disse Vitany, que mora perto de Saginaw, Michigan, em entrevista. "Nunca vi um jogo com tanto controlo sobre a mente das crianças". A angústia de Vitany é sentida por muitos outros pais e professores de todo o mundo que se deparam com um jogo que suga horas do tempo dos jogadores - às vezes em detrimento de outras atividades. Mais de 200 milhões de pessoas estão registadas para jogar Fortnite, que se tornou um negócio de milhares de milhões de dólares para a sua criadora, a Epic Games. Alguns pais desesperados mandaram os filhos para reabilitação. "Esse jogo é como a heroína", afirmou Lorrine Marer, especialista britânica em comportamento, que trabalha com crianças que enfrentam o vício em videojogos. "Quando a pessoa fica viciada, é difícil libertar-se". A Epic já divulgou alertas a respeito de esquemas e fraudes relacionados com o Fortnite, mas preferiu não comentar a questão do vício.

gratuita e está disponível em diversos aparelhos, desde telemóveis a consolas, observa Cam Adair, que deixou a escola aos 15 anos devido ao vício em videojogos, e que agora dá palestras sobre o tema em escolas e outros grupos. Os fãs de Fortnite competem em batalhas com 100 pessoas até que reste apenas um - partidas que, depois de iniciadas, são difíceis de abandonar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o "distúrbio relacionado com videojogos" como uma doença pela primeira vez em Junho, decisão que pode facilitar a tarefa dos pais ao nível dos tratamentos, segundo Paul Weigle, psiquiatra de Mansfield Center, Connecticut. Weigle, que trata cerca de 20 jogadores compulsivos de Fortnite, recomenda que os pais impeçam crianças com menos de 10 anos de jogar videojogos. E os pais precisam de estabelecer limites. Considerando que os jogos estão cada vez mais sofisticados na sua capacidade de prender os jogadores, para ele, a questão do vício só vai piorar.

O vício dos videojogos não é uma novidade: pais e professores reclamam da distração dos filhos - que estão sempre com um joystick na mão - desde a época do Atari. Mas a omnipresença do Fortnite criou uma ameaça mais

"Essa questão será mais problemática do que na atualidade", disse Weigle. Texto original: Fortnite Addiction Is Forcing Kids Into Video-Game Rehab Prof. Paulo Rosa


Este ano, os alunos do 5º ano têm uma disciplina diferente: Descoberta do Meio, onde aprendem um pouco mais sobre a sua cidade e o meio onde vivem. Muitas foram, já, as descobertas que fizeram! Na aula de D.M. fomos visitar uma exposição denominada "A Era do Plástico", no Centro de Interpretação Ambiental, onde aprendemos que: - Existem mais de 51000000000000000000 (triliões) de microplásticos nos oceanos. - Microplásticos são pedaços de plástico com menos de 5mm de diâmetro.

Ainda nesta disciplina, fizemos uma saída de campo para observarmos as aves que existem na nossa cidade. Saímos do colégio, em direção ao estádio da cidade, passando pela Praça Rodrigues Lobo, pelo Parque do Avião e pelo Jardim de Santo Agostinho. Neste percurso, pudemos observar vinte e quatro espécies de aves. Também vimos uma rã, ratazanas e algumas libélulas. Aprendemos que há mais espécies de aves em Leiria do que pensávamos, que algumas vivem cá todo o ano e outras só durante parte do ano, pois vivem a outra metade em países mais quentes. Esta foi uma saída muito interessante, que nos permitiu começar a descobrir a nossa cidade.

No passado dia 23 de novembro, Dia da Árvore Autóctone, fomos plantar um sobreiro na encosta da Nossa Senhora da Encarnação. Sabiam que plantar um sobreiro é um ato muito nobre?! É que são precisos 40 anos para que um sobreiro seja rentável, pelo que plantar um sobreiro agora, sabendo que só a próxima geração poderá usufruir em pleno da cortiça que ele dará, é um ato generoso e altruísta! Ficámos orgulhosos por termos sido capazes de ter um ato tão nobre quanto este!

- Apenas 9% do plástico que usamos é reciclado. - Os cotonetes são dos itens mais frequentes nas praias. - Estima-se que em 2050 haverá mais plástico no mar do que peixes. - O plástico afeta mais de 600 espécies marinhas. - São lançadas 5555 toneladas de plásticos no mar por minuto. - Por ano, 8 milhões de toneladas de plástico terminam no oceano. - 80% do lixo marinho é plástico. - Uma garrafa de plástico pode demorar cerca de 450 anos a degradar-se e um saco de plástico cerca de 20 anos. Os profs.: Ana Cristina Batista e José Artur Pinto

Sabiam que os morcegos são mamíferos muito importantes e úteis? É que o seu alimento preferido são os insetos e, se não fossem eles, vivíamos rodeados de insetos e estaríamos mais sujeitos às doenças que são propagadas por eles! Por isso, amigos, não matem os morcegos nem os afugentem! São animais pequeninos e inofensivos!


No dia 7 de novembro, decorreu no Colégio, em ambiente de alguma curiosidade, ansiedade e excitação, as olimpíadas da Matemática com vista a representar o Colégio na fase distrital. Na atividade participaram todos os alunos do 2ºciclo e cerca 40 alunos do 7, 8º e 9ºanos. Estamos expectantes pelos bons resultados. Prof.ª Cristinia Carvalho

No 15 de novembro, tal como vem sendo hábito em anos transactos, a Comissão de Estudantes visitou o Centro de Acolhimento de Leiria e entregou, a esta Instituição, o lucro da festa que organizou em finais de outubro. Foi um gesto muito bem recebido por esta instituição que com tão pouco, tanto faz. Obrigada, aos nossos queridos alunos, pela generosidade que demontraram.

Este foi o mote da celebração que ocorreu na nossa capela, no passado dia 6 (5.ª feira), com os nossos finalistas do 1.º ciclo. Presidida pelo Pe. Fábio, cada criança recebeu a Bílblia e foi convidada a conhecê-la, diariamente, sozinha, em família ou com os amigos. Com a ajuda da catequista São, da Ir. Rosa e dos professores titulares, a celebração, que contou com a presença de muitos pais e outros familiares, decorreu num ambiente sereno, de alegria e de união com a Palavra de Deus! Parabéns a todos os meninos e meninas do 4.º ano!!!


No passado dia dezasseis de novembro, realizamos uma vista de estudo a Lisboa, na qual assistimos à representação teatral do Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, pela companhia de Teatro "O Sonho", com o objetivo de conhecer a obra deste dramaturgo português e identificar semelhanças e diferenças entre o texto e a representação teatral. A linguagem, o caráter e os símbolos das personagens foram representados de forma idêntica à peça de Gil Vicente. Cada personagem trouxe todos os seus símbolos, desde o Pajem e cadeira do Fidalgo, às formas do Sapateiro, à Moça do Frade, às joias e caixas da Alcoviteira e ao bode do Judeu. As personagens foram representadas exatamente como as imaginava aquando do estudo da obra vicentina. Por outro lado, apercebi-me de algumas diferenças entre a obra e o teatro. Os atores interagiram com a plateia, convidando algumas pessoas a subirem ao palco, a dançarem a conversarem com eles, algo que não se previa

Área: 565,06 km2 Comprimento máximo N/S: 37 km Comprimento máximo E/O: 29 km Altitude máxima: 410 m População: 125.523 População urbana: 50.533 Número de homens: 60.150 Número de mulheres: 65.373 Número de habitantes até aos 14 anos: 17.509 Densidade populacional: 222,1 hab/km2 Taxa de natalidade: 8,9‰ Taxa de mortalidade: 9,1‰ Taxa de crescimento natural: -0,2‰ Proporção de população estrangeira: 0,27% Proporção de casamento católicos: 39,5% Fonte: Anuário Estatístico da Região Centro (2016), Instituto Nacional de Estatística Prof. Filipe Botelho

pelo estudo e leitura da obra. Para além disso, as personagens não apareceram pela mesma ordem que Gil Vicente apresentou na obra, o que levou à supressão de alguns excertos da mesma. Um facto curioso é a maior presença de Florença (mulher e símbolo do Frade) durante a cena do Frade, que interage com o público e com ele, apesar de, no texto vicentino, não ter qualquer fala. Para concluir, gostei muito da representação teatral. A meu ver, estava muito bem encenada, a carac terização das personagens estava perfeita, tinha diversos momentos cómicos, especialmente a representação do Parvo, e ajudou-me a compreender melhor a obra. R e co m e n d o e s te maravilhoso espetáculo, não só a quem já leu a obra, mas, também, a quem não a conhece, pois, com certeza, esta peça incentiva a leitura do Auto a Barca do Inferno. João Manuel Simões Costa, 9º A


Leiria, 23 novembro 2018 Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Leiria Como residente da cidade de Leiria, trago à sua atenção de que precisamos de tomar nota dos problemas aqui presentes. Ambientalmente a cidade peca nos seus atos. Temos poucos ecopontos e os existentes encontram-se em locais de difícil acesso, e o nosso rio fica mais poluído a cada dia. Os setores como a pecuária estão a contaminar os nossos solos, a poluir e contaminar os recursos hídricos, e a provocar um cheiro fétido, nas zonas junto ao rio, devido às quantidades de fezes, urina, vacinação e até carcaças de animais mortos despejados neste. Este tipo de ação deve ser travado antes que seja tarde demais e a contaminação seja total. Ainda falando no âmbito do ambiente, apelava à criação de novas zonas verdes, como parques. Isto porque, com mais plantas e árvores, vamos produzir maiores quantidades de oxigénio, necessárias perante a enorme percentagem de dióxido de carbono que produzimos, hoje em dia, com as fábricas e automóveis. Para além disto, e mudando de assunto, penso que Leiria é uma cidade pouco dinâmica. Deveríamos desenvolver mais projetos desportivos e culturais que promovessem a prática desportiva e, também, levassem as famílias e amigos a passar mais tempo juntos, quebrando um pouco a sua rotina. Como cidadã desta cidade, espero que esta carta contribua para que se tomem medidas para resolver os problemas de Leiria. Atenciosamente, Constança Mota, 9º B

Nestes últimos anos, a diretora do nosso querido Colégio foi a Irmã Maria Manuel, que sempre transmitiu alegria a todos nós. Agora, a nossa diretora é a Irmã Maria Manuela dos Anjos. Para a conhecermos melhor, preparamos-lhe algumas questões, às quais respondeu amavelmente. 1. Como se sente na posição de Diretora do Colégio? R: Muito feliz, com esperança de conseguir "comandar" esta grande escola. 2. Qual é o maior desafio deste seu novo cargo? R: É ver todos os alunos e professores a serem muito amigos uns dos outros. 3. Já tinha alguma experiência como diretora de alguma escola? R: Sim, no Colégio de São José, em Lisboa. 4. Por que motivo quis dedicar-se à educação? R: Gosto muito de juventude, as Irmãs Dominicanas gostam de educação. 5. Toda a vida lidou com crianças e jovens. É a sua grande paixão? R: Bem, a minha grande e, posso dizer, única paixão é Jesus, mas Jesus me fez também apaixonar pelas crianças e jovens. 6. Tem alguma mensagem a deixar aos alunos e seus Encarregados de Educação? R: Aos Educadores: A nossa missão é sublime, encantadora, cheia de doçura e de esperança. Aos alunos: Deus olha-me sorrindo para me dar força. Clube de Jornalismo, Alice Fernandes, 5º A


O essencial é invisível aos nossos olhos, "Estante, sala ou edifício onde estão ordenados grandes coleções de livros". É esta a definição que o dicionário tem para biblioteca. Mas será que as bibliotecas são somente um sítio para guardar livros? Na minha opinião, não. Bibliotecas são fontes de sabedoria e conhecimento que nos tornam mais cultos. São como uma ilha num vasto oceano de ignorância. Satisfazem a nossa natural curiosidade e instruem-nos com as disciplinas que um dia teremos de pôr em prática como profissão. Uma biblioteca é o Paraíso para os amantes da leitura como eu, é um refúgio para outros. É todo o Universo, onde realidade e fantasia chocam uma com a outra, se envolvem e explodem, gerando estrelas magníficas, belas e algumas até inalcançáveis. Nós, planetas desesperados e insaciáveis, giramos em torno dessas sábias luzes, porque a nossa vida depende delas. No entanto, quando somos chamados pela Terra, as estrelas apagam-se e nós, planetas, deixamos de girar, flutuando à deriva numa escuridão sem fim. Num sentido mais prático e técnico, uma biblioteca é um lugar de estudo, um espaço dinâmico, lúdico e social, onde os leitores podem desfrutar de um silêncio reconfortante, podendo entrar no seu mundo eu-livro, sem serem incomodados. As bibliotecas tornam-nos pessoas melhores a cada dia que passamos lá. Há sempre uma nova lição a aprender. A moral final da história, que nos faz refletir sobre nós próprios e a maneira como agimos. São tempo. Passado, presente e futuro. Tempos um dia vividos e que agora somente o papel pode contar. Tempos que se vivem atualmente e especulações sobre o dia de amanhã. Tudo isto reunido em livros que formam as bibliotecas. É tudo registado e sempre será. Apesar de não parecer, as bibliotecas são lugares cheios de vida. São páginas repletas de emoções, aventuras e memórias. Livros que refletem a sociedade. Como o Principezinho uma vez disse: "O essencial é invisível aos nossos olhos" assim somos nós Humanos que apenas nos preocupamos com as aparências, e não com o mais importante, aquilo que está dentro de nós. As bibliotecas são o espelho da Humanidade e ensinaram-me tudo o que faz de mim a pessoa que sou hoje, e ainda ensinam. Por isso é que gosto tanto delas.

A biblioteca da nossa escola é muito agradável Tem vários livros para ler Está aberta durante muito tempo Até para podermos conviver! Há vários tipos de livros Que podemos escolher Desde aventuras a enciclopédias Que não vamos querer perder! É um local acolhedor Onde nas férias não podemos estar Até nos dá mais vontade De ver as aulas recomeçar! É um lugar de muito estudo E de muita concentração Que até faz surgir Grande parte da imaginação! Como ainda não tem nome Uma sugestão vou escrever Biblioteca Irmã Maria Manuel Para o seu trabalho reconhecer! E agora que a descrevi Já estou mesmo a terminar Vou requisitar muitos livros Para o melhor leitor ganhar! Matilde Angélico, 5º A

Marisol dos Santos, 9º B


Viver Leiria Leiria é uma cidade linda, Linda como o Sol, Que brilha à luz da lua, Como um farol. O castelo de Leiria é grande, Tal como a fonte luminosa. Sem esquecer o seu rio brilhante E a sua história espantosa. O Jardim de Camões é verde e cristalino, Como ele não há igual. Não esquecendo, também, A praça municipal.

Viver Leiria

Viver Leiria

Leiria é uma cidade esplendorosa, repleta de magia. É uma cidade maravilhosa, com muita alegria, repleta de monumentos, e, com uma deliciosa gastronomia.

À beira de Portugal, Nasceu, num belo dia, Nas terras do rio Liz, A cidade de Leiria.

No seu castelo encantado, habitado por D. Isabel e D. Dinis, deu-se o milagre das rosas, assim o povo o diz. E é nesta cidade, onde sou feliz.

No museu MIMO Na cidade de Leiria, que posso eu fazer? há tantas coisas para descobrir Ver uma boa peça de teatro, e muito teatro para ouvir. Para melhor os atores conhecer. Perto, há o rio Lis, E, ao final do dia, num bom hotel adormecer. onde as famílias podem passear e uma bela tarde passar. Da cidade de leiria, Que posso eu dizer? Neste lugar, Tenho gosto em cá viver. perto do mar, aprendemos a sonhar. Eduarda Sousa, 6º A Rita Ramalho, 6º A Viver Leiria D. Afonso Henriques Lutou e trabalhou, E, com esse esforço, Inimigos derrotou. A independência, Ele queria ter, Até que, Castela, Ele conseguiu convencer. Mas esse reinado Iria acabar, E, quando chegou o dia, A modernidade começou por se instalar. Até que um dia, O ser humano encontrou, Debaixo de pedras e terra, O esqueleto de um menino desenterrou.

Leiria DiverCIDADE Numa tarde em Leiria, Tudo podes fazer, Ouvir lendas e histórias, Que fazem tremer! No Castelo, majestoso, Zara perguntava: "Pai, o mato anda?" Era uma cilada!

Entre as pessoas do seu Reino, De que Leiria é herdeira, Destaca-se Rodrigues Lobo E Afonso Lopes Vieira. Vasco Ferrão, 6º B

Viver Leiria Em Leiria tudo é bonito, Como se vê ao olhar para a rua. Hoje, está um dia lindo, Lindo, igual à lua. Se gostam de Leiria, Não podem deixar de a visitar, Um monumento muito antigo, O castelo de Leiria, vão encontrar. Como não podia deixar de mencionar, Com o sol a bater, E a água a mexer, O rio Liz a brilhar. Tem também uma fonte luminosa, Que brilha, brilha com a água no ar. Se gostam de Leiria Venham visitá-la um dia.

Filipa Moita, 6º A No Brasão de Leiria, Corvos podes observar, Estes deram esperança e coragem, Para os Castelhanos derrotar.

Nas três portas da Sé, Chamaram-lhe menino do Lapedo, Esconde-se um segredo, E ele estava debaixo de um grande rochedo. Riqueza, fome e peste Um menino antigo como tudo, Tenta a tua sorte, se não tiveres medo! Mas a morte o tornou mudo. Muitas peripécias e mistério E se querem saber como Leiria está, Acabei de contar, Olhem à vossa volta, Mas continua à procura E tudo se revelará. Que há mais para encontrar! Tiago Manso, 6º B

Reza também a história, Da cidade de Leiria, Que a ela dá-se a glória, A mais à frente em tipologia.

Alice Mota, 6º B


Viver Leiria

Viver Leiria

A Harmonia

Num país chamado Portugal, há um distrito de beleza total. Chama-se Leiria, a minha cidade, falo dela com vaidade.

Em Portugal situa-se Leiria, nesta linda cidade, eu vivo em harmonia, pois tem paisagens como mais nenhuma, sem ela não haveria beleza alguma.

Numa jarra verde, Uma flor, uma cidade, Casinhas e prédios, Um lar de felicidade.

Nela vou à escola, tenho família e amigos. No meu coração está, e outro lugar não ocupará.

Leiria é a nossa cidade. É onde crescemos em sintonia, com muita dignidade, e sobretudo alegria.

Um céu azul e limpo, Cheio de liberdade. A brisa fresca, Um paraíso de verdade.

Este poema lhe dedico, escrito com alma e coração. Leiria, cidade de maravilhas, que me causam grande emoção.~

A mais bela cidade, só pode ser uma, A de Leiria, e mais nenhuma, Viva Leiria, o nosso lar de felicidade.

Passarinhos voam no céu, Felizes e suaves como um véu. Nuvens macias e especiais, Capazes de tornar os sonhos reais.

Maria Bavar, 6º A

Maria Nogueira, 6º B

Patrícia Teló, 6º B

Viver Leiria A Cidade de Leiria Tem paisagens de encantar, Falamos do Pinhal, Que D. Dinis mandou plantar. A brisa fresca E a água que corre, Trata-se do Rio Lis, Uma lembrança que não morre. E lá no alto, o Castelo, Bem no topo da cidade, Passarinhos voam no céu, Com um canto cheio de liberdade. Viver Leiria

Patrícia Teló, 6.º B

Leiria é uma cidade maravilhosa, uma cidade sem igual. É preciso saber aproveitar, tanto sítio espetacular. Primeiro o castelo, que fica lá bem em cima, depois o museu que contém imensa obra-prima. Há também o Teatro José Lúcio da Silva, onde o teatro acontece, que é uma bela arte, que nunca se esquece. Se fosse a algum sítio, era onde eu iria, pois qualquer pessoa ia gostar de viver Leiria! Miguel Cardo, 6º B

Viver LEIRIA No centro de Portugal, Para viver é a terceira melhor cidade do país, Mesmo juntinho à beira mar, É Leiria, a cidade do rio Lis. O seu castelo altaneiro, Em qualquer ponto da cidade se consegue ver, E foi D. Afonso Henriques, Quem o mandou erguer. A Sé de Leiria, Santo Agostinho E Nossa Senhora da Encarnação São dos lugares mais bonitos Para a fé e oração. Para conhecermos Leiria, Nada melhor que caminhar a pé, E, no final do dia, Na Praça Rodrigues Lobo beber um café. É uma cidade que educa e cuida, É uma cidade vaidosa, Que tem escrito "Leiria", Na sua Fonte Luminosa. Na gastronomia, O cabrito assado e a morcela são os melhores do país, Já nos doces, Nada melhor que as deliciosas Brisas do Lis. No final deste poema , Uma coisa vou afirmar, Leiria é uma linda cidade, E se vier cá, tenho a certeza que vai concordar! João Diogo, 6º B


VIVER LEIRIA

Viver Leiria!

Viver em Leiria é bom! Uma cidade acolhedora. Leiria é uma cidade pequena, mas bastante bonita, com muitas coisas para visitar e fazer. Tem vários monumentos, como o Castelo de Leiria, a Sé, a Igreja de Nossa Senhora de Encarnação, assim como museus e jardins. O castelo é sem dúvida a maior atração, e de todas as ruas por onde passeamos conseguimos vê-lo em cima do monte, como se estivesse a "olhar" a cidade. Se quisermos passear calmamente ao longo do Rio Lis e continuar a visitar a cidade, encontramos parques com sítios de lazer, onde se podem praticar vários desportos entre os quais futebol, basquete, ténis e corrida. Para os mais novos existe ainda um skate parque muito animado. Aos fins de semana, as famílias encontram-se na praça Rodrigues Lobo, o lugar mais frequentado da cidade pelos leirienses e turistas, que se encantam com as suas esplanadas e ruas estreitas que circundam e serpenteiam a zona histórica. Leiria, a minha cidade, é assim e, por isso, gosto tanto de viver aqui!

Viver Leiria. Leiria é uma cidade jovem, moderna e com imensas coisas para os jovens poderem fazer. Gosto da cidade do Lis, porque é onde me encontro a estudar, onde tenho amigos e onde posso brincar, passear à beira-rio ou pelas pequenas ruas do centro histórico. Leiria é uma cidade cheia de encantos e de história, desde o seu lindo castelo, lá no alto, à bela Igreja de Santo Estevão, do outro lado da cidade. Os seus monumentos são testemunhos de uma história riquíssima. Agora, viver Leiria é também poder ver arte, com as magníficas pinturas que podemos apreciar em muitos edifícios da cidade. Em Leiria posso passear de manhã, no parque do avião, almoçar na Praça Rodrigues Lobo, divertirme com os meus amigos no skatepark ou ver um filme no shopping e acabar o dia na bela fonte luminosa. Gosto de Leiria. Ricardo Rosa, 6.º A

Simão Ferreira, 6º A

Viver Leiria Viver leiria é conhecer um lugar especial, onde queremos estar vezes sem conta, como se fosse a nossa casa. A história, o espaço, o ambiente, as pessoas, pequenos pormenores, uma loja em particular, alguém que nos habituamos a ver, até uma história de amor, como o milagre das rosas. As ruas estreitas preenchidas de edifícios antigos e paredes desenhadas pelos nossos artistas, as praças cheias de vida, as margens tranquilas do rio Lis e, claro, o imponente castelo fazem de Leiria uma cidade muito especial . Não esquecendo também as várias marcas da poesia. Vale a pena percorrer a pé as ruas e ruelas que circundam a praça Rodrigues Lobo, conhecer a vida que borbulha a qualquer hora do dia e a muitas horas da noite.

Viver Leiria Leiria, sendo o décimo distrito mais visitado do país, tem várias qualidades que prendem tanto os turistas como as pessoas que procuram fazer vida na cidade: - Os habitantes locais são muito simpáticos, acolhedores e amáveis; - O distrito é banhado pelo oceano Atlântico, do qual derivam várias praias, algumas até com distinção dourada a nível mundial; - A existência de paisagens e monumentos maravilhosos, como, por exemplo, o Castelo de Leiria, o Sítio, na Nazaré, o Pinhal do Rei e a nascente do rio Lis; - A facilidade em encontrar trabalho devido às fábricas que existem no distrito e à grande dinamização do comércio; - A grande diversidade cultural, distinta na Marinha Grande, com a indústria vidreira; na Nazaré, com os trajes típicos; e na Vieira de Leiria através da prática da arte xávega, por exemplo; Concluindo, Viver Leiria tem imensos pontos positivos desde um grande mercado de trabalho, lindas paisagens naturais, habitantes sempre dispostos a ajudar e uma grande herança cultural, demonstrada quer na arquitetura do centro histórico quer nos diferentes monumentos presentes por toda a cidade.

Beatriz Quinteiro, 6º B Martim Teixeira, 6º A


Leiria é uma das cidades mais antigas do país, que foi evoluindo ao longo dos tempos. Encontra-se localizada no centro do país, com cerca de 127 mil habitantes e com uma área de 565,09 km². O concelho de Leiria apresenta-se dividido em 18 freguesias, sendo a dos Marrazes e Barosa as maiores. Leiria deriva do latim "leira", que significa área de lotes agrícolas. O rio lis é o rio que atravessa a cidade. Nasce junto da povoação das Fontes, dois quilómetros e meio a sul da freguesia de Cortes. Leiria é banhada pelas suas águas, que se juntam também às do Rio Lena.

O castelo é um dos principais monumentos da cidade de Leiria. Nele viveram o rei D. Dinis e a rainha Santa Isabel. É de estilo gótico, tendo sido construído no século XII. A cidade de Leiria é, igualmente, conhecida pela sua riqueza gastronómica, da qual se destacam as saborosas brisas do Liz e as morcelas de arroz. Os eventos mais conhecidos em Leira são a Colour Run , Leiria sobre rodas , Entremuralhas, entre outros. A nossa cidade é incrível, tem imensos eventos, diversões e muita cultura. É ótimo viver cá!

Como chegar Leiria é uma cidade situada no distrito de Leiria, na região Centro e sub-região do Pinhal Interior. Fica a cerca de 40 km de Santarém e a 180 km de Lisboa.

Cortando à esquerda, pode descobrir a Praça Rodrigues Lobo, o centro da vida social dos leirienses, que dispõe de restaurantes e cafés, ótimos sítios para provar a gastronomia leiriense.

O Que Visitar Não pode deixar de visitar o Castelo de Leiria, o berço da cidade. Mandado construir pelo célebre D. Afonso Henriques, em 1143, é considerado um dos castelos mais bonitos de todo o país. Na descida do castelo, situa-se a Igreja de S. Pedro, de estilo românico, que se encontra fechada ao público. Ao lado da igreja, surge o MIMO, Museu de Imagem em Movimento, onde decorrem exposições permanentes e temporárias sobre a ilusão de ótica e a fotografia. Mais abaixo, está situada a Sé de Leiria, a paróquia mais importante do distrito. Podemos, também, caminhar pela Rua Direita que, por sinal, é tudo menos direita, onde se situam diversas lojas de artesanato e cafés, nomeadamente o Eça de Queirós, com um ambiente bastante acolhedor e tranquilo, apropriadíssimo para os apaixonados pela leitura.

Gastronomia Não poderá sair desta cidade sem provar uma brisado-lis, doce típico feito de ovos e de amêndoa. Mas para além deste, também existem outros pratos típicos leirienses, tais como, morcela de arroz, a fritada dos peixinhos do Lis e o leitão à moda da Boavista.

Clube de Jornalismo Maria Milheiro, 5º B e Mariana Ramos 9º B

Explorar A seguir ao almoço, poderá caminhar pelas margens do rio Lis ou dar uma volta de bicicleta pelos 6 km do circuito polis. Assim, poderá conhecer um pouco mais da cidade, de uma forma lúdica e verdadeiramente agradável. os mais pachorrentos, é recomendado passear pela Fonte Luminosa e Jardim Luís de Camões, onde se encontra o café “O Jardim”. Tome um café e sinta as vibrações da natureza para uma relaxante pausa. Quem gosta de futebol, poderá visitar também o Estádio Dr. Magalhães Pessoa e, talvez, assistir a um jogo ao fim de semana. Não deixe de visitar esta magnífica cidade! Clube de Jornalismo, Marisol dos Santos, 9º B


No passado dia 26 de outubro, a Comissão de Estudantes e os alunos do 8.º ano do Colégio organizaram uma festa, subordinada ao tema High School, com um objetivo solidário: angariar fundos para o Centro de Acolhimento de Leiria. Esta festa é uma tradição que existe há alguns anos e que motiva a participação de todos os alunos, que são convidados a comparecer com roupas e acessórios relacionados com o tema.

Os alunos envolvidos na preparação da festa decoraram o ginásio do Colégio, organizaram várias atividades lúdicas, escolheram o reportório musical e disponibilizaram comida e bebidas. Uma vez mais, a festa foi um sucesso, pois proporcionou aos alunos uma tarde única e memorável.

No dia 22 de novembro de 2018, no âmbito das disciplinas de História e Geografia de Portugal e de Ciências Naturais, as turmas do 6ºano realizaram uma visita de estudo ao Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota e ao Mosteiro da Batalha.

No Mosteiro da Batalha, um ator, que representava um monge, deu-lhes as boas vindas àquele grandioso monumento. De seguida, apareceu outro ator, que fazia o papel do Marquês e que deu início a uma visita guiada com dramatização e encenação "A visita do Marquês" , o que proporcionou aos alunos uma visita mais descontraída e mais divertida.

Às 10 horas, os alunos dirigiram-se ao Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota, onde ficaram a conhecer um pouco mais acerca da Batalha de Aljubarrota. Com a visualização de um filme e com a realização de um peddy-paper, no campo de batalha, os alunos puderam entender como esta decorreu. Almoçaram e após o almoço, fizeram um percurso pedestre até ao Mosteiro da Batalha.

Clube de Jornalismo, Mariana Angélico, 8º B

No final, ainda assistiram ao render da guarda, que acontece de hora em hora, na sala do capítulo. Foi uma visita de estudo espetacular. Maria Leonor, Maria Nogueira, Patrícia Teló, 6º B


Como já vem sendo habitual, o Colégio, com a colaboração da Escola Inglesa, organiza Cursos de Verão, no Reino Unido, com o propósito de proporcionar aos seus alunos o contacto real com a língua inglesa, numa experiência que se acredita ser diferenciadora e, sobremaneira, relevante para o seu desenvolvimento pessoal.

as atividades, as visitas culturais e as excursões de fim de semana. No final, ser-lhes-á entregue um diploma de curso. Registe-se que o curso, que poderá ter a duração de uma ou duas semanas, inclui o alojamento com pensão completa em residência do centro, voo a partir de Lisboa, excursões e visitas de estudo, atividades desportivas e culturais, transfer aeroporto/ colégio/ aeroporto, seguro, acompanhamento por professor experiente e o apoio e supervisão da Direção da Escola Inglesa. Os alunos que se inscrevam até dia 8 de janeiro beneficiarão de um preço especial. O Departamento de Inglês disponibiliza-se para esclarecer eventuais dúvidas e para fazer chegar toda a documentação aos Encarregados de Educação. Contactemnos! Professoras de Inglês

Este ano letivo, a viagem terá como destino a cidade de Dublin, na Irlanda. O curso decorrerá no prestigiado Alexandra College, onde os alunos terão oportunidade de usufruir de 15 horas de aulas em grupo, com acesso a vários materiais pedagógicos, e de conhecer a história e a cultura irlandesas. Todos os alunos receberão, ainda, um livro do projeto e um diário, que lhes proporcionará a oportunidade de registar todos os aspetos da sua visita, incluindo as aulas,

Leiria, teu rio que passa, cansado ,mas feliz. Não vem de longe, vem, entre margens, da fonte do Lis. E o grande pinhal mandado plantar por D. Dinis, mesmo ao lado do famoso castelo, lá no alto, poderoso ,forte e elegante. Não nos esqueçamos das lindas igrejas que pela cidade há espalhadas , e, claro, pela triunfante e majestosa Sé de Leiria. Grande cidade que és, entre ruas e ruelas, entre o frio e o calor, adotaste e recebeste muitas vidas de tempos vividos e a minha própria vida. Mas sou só uma menina, com sonhos e com o sonho de Viver Leiria. Camila Ochoa, 6º B


Ingredientes: Centro histórico, Praça Rodrigues Lobo, Castelo, Boa gastronomia, Mar, Rio Lis, Eventos Desportivos e culturais. Confeção: com uma localização privilegiada entre a serra e o mar, a minha linda cidade de Leiria tem um belo centro histórico, onde se evidencia a Praça Rodrigues Lobo, com animação sempre presente e vista singular para o Castelo. Aqui, pode apreciar-se a boa gastronomia local, onde se destacam as tradicionais morcelas de arroz, as migas de feijão-frade e as deliciosas brisas do Liz. Na minha cidade, com um passeio à beira rio, posso escutar o som das águas, apreciar a verdejante natureza e ouvir o chilrear dos passarinhos. Aqui, há, durante todo o ano, animação garantida, sobretudo com a feira de maio, que torna Leiria o maior

recinto de diversão da região, com expositores, tenda gigante e muita festa. Ao terminar este mês de maio, durante dois dias, mais de mil figurantes voltam a dar vida à Leiria de outros tempos, com a recriação histórica, que é uma viagem pelo tempo que decorre no centro da cidade. Em pleno mês de julho, a atmosfera medieval volta a invadir o centro histórico e estende-se até ao castelo, em que a cidade regressa ao tempo dos reis com o "Leiria medieval". No mês de outubro, a agitação volta a este local com o "Leiria sobre rodas" que é um dos maiores eventos nacionais de exposição de automóveis clássicos. Em dezembro, a magia faz transformar a minha linda Leiria numa cidade Natal. Mas, o cenário só fica completo, quando o sol se põe junto ao mar, aqui tão perto, com uma beleza ímpar, que me faz dizer que viver Leiria é magnífico! Leonor Domingues, 6º B

A Brisa do Lis é um dos doces conventuais mais apreciados em Leiria e é também um dos mais famosos. Estas nasceram no século XVII, no Convento de Santa Ana (onde atualmente se encontra o Mercado de Sant'Ana), como forma de evitar o desperdício das gemas de ovo, que não eram usadas na confeção das hóstias. É um dos símbolos da cidade e a sua receita, durante muitos anos, foi guardada em segredo. Receita: Ingredientes: 2 ovos inteiros 8 gemas 100ml de água 150g de açúcar 1 colher de sopa de manteiga derretida 100g de amêndoa picada Manteiga e açúcar q.b. (para untar)

Preparação: Num tacho, juntar a água ao açúcar até atingir o ponto de pérola (forma-se uma espécie de pérola/gota na extremidade do fio de calda que escorre da colher). misturar a amêndoa picada, a manteiga derretida, as gemas e os ovos e, lentamente, adicionar a calda. Bater com uma vara de arames. aquecer o forno, a 200ºC, e colocar a massa nas formas untadas com manteiga e açúcar. Num tabuleiro, com as formas em banho -maria, cozinhar o preparado no forno durante 15-20 minutos. Retirar, deixar arrefecer e desenformar. As Brisas do Lis estão prontas a servir! Clube de Jornalismo Matilde Angélico, 5º A e Mariana Angélico, 8º B


O colégio de Nossa Senhora de Fátima fez-se

representar pela primeira vez numa ação de formação eTwinning no estrangeiro, mais nomeadamente em Chania, na ilha de Creta, Grécia. Foi um passo importante para a internacionalização de futuros projetos ou ações eTwinning que o nosso colégio queira desenvolver no âmbito das Tic e e outras disciplinas que queiram par ticipar Mas o que é então o eTwinning? O eTwinning é uma Ação do Programa Erasmus Plus da União Europeia que tem como objetivo principal criar redes de trabalho colaborativo entre as escolas europeias, através do desenvolvimento de projetos comuns, com recurso à Internet e às Te c n o l o g i a s d e Informação e Comunicação. O professor Paulo Rosa, nosso representante, conseguiu para o nosso colégio a primeira ação etwinning o que vai permitir ao colégio e a mais duas escolas do espaço europeu, Grécia e Malta a oportunidade de aprender umas com as outras, a partilhar pontos de vista e de fazer novos amigos. Pretende-se promover a consciência do modelo europeu de sociedade multilingue e multicultural. Pretende-se com esta ação criar um intercâmbio de co n h e c i m e n to e d e

cultura, com diferentes escolas e diferentes realidades e desenvolver em conjunto uma atividade pedagógica relevante.

O projeto em causa está já em fase de implementação ao qual se designou de "S Travelling E M Friends" e que consiste na idealização de uma mascote de cada uma das escolas envolvidas a qual será enviada para cada uma destas escolas e fará uma visita a cada um dos alunos. A mascote será assim o amigo que cada aluno vai receber em sua casa durante um dia e daí resultará um diário das diferentes visitas que as

mascotes vão realizar. A nossa mascote o Dinis, um corvo, já iniciou a sua viagem e partiu para a escola grega e mais tarde irá para a ilha de Malta, regressando depois ao Colégio. A mascote da escola da ilha de Malta já chegou até nós e todos os alunos envolvidos neste projeto puderam ver a sua chegada, o Pinu, chegou no dia 27 e vai brevemente iniciar a sua visita a casa dos alunos envolvidos. Além desta visita os alunos do quinto ano irão também realizar postais animados de natal, em formato digital, os quais serão enviados para os alunos de Grécia e de Malta. No final do segundo período serão enviados postais alusivos à Páscoa. Todo este projeto será documentado digitalmente na p l a t a f o r m a e Tw i n n i n g . Prof. Paulo Rosa


En France, le 11 novembre est jour férié car on commémore l'Armistice de 1918 qui a mis fin à la Première Guerre Mondiale (1914-1918) où plus de 8 millions de personnes sont mortes. Dans un train, le 11 novembre 1918, l'Allemagne a été obligée de faire un accord avec les Alliés (la France, le Royaume Uni et les États-Unis). Les combats n'ont pas terminé ce jour-là, surtout en Europe Centrale et les soldats ne sont pas tout de suite rentrés chez eux. Il faudra attendre huit mois pour que l'Accord de Paix soit signé - le Traité de Versailles, le 28 juin 2019. La défaite allemande a été très douloureuse, car l'Allemagne a dû rendre à la France les régions de la Lorraine et de l'Alsace, payer les dégâts de la guerre et accepter des soldats français sur son territoire. Ce traité a été une grande humiliation pour les Allemands et leur rage a provoqué la Seconde Guerre Mondiale. En hommage aux soldats, des milliers de monuments aux morts sont édifiés dans les villes et les villages avec des formules affectueuses comme " enfants " ou " fils " pour désigner ces hommes morts pour la patrie. En France, à Paris, il y en a un qui est très connu, c'est le Tombeau du Soldat Inconnu sous l'Arc du Triomphe. Prof.ª Elisete Brás

Aves de Leiria Muitos são os pequenos seres com penas que voam de árvore em árvore pela nossa cidade. Vamos dar-te a conhecer um deles, apresentando informações sobre as suas principais características. Chamariz Chamariz Milheirinha-europeia, Canário-bravo, Cerezino, Pintassilgafeia, Serino (nomes mais comuns) ou Serinus serinus (nome científico) é uma ave passeriforme, que tem, aproximadamente, 11cm de comprimento. O chamariz apresenta padrões amarelados na cabeça, que se estendem até ao peito no caso dos machos. Esta é a característica que mais sobressai, juntamente com o dorso e flancos fortemente riscados. As asas são escuras e o bico diminuto. Possui duas barras alargares finas e pouco chamativas. Os juvenis

são castanhos claro, sem o tom amarelo e muito estriados Os machos são bastante frenéticos, quando cantam no topo de árvores, antenas ou postes, ou, então, quando efetuam o seu voo nupcial "tipo borboleta". A época de nidificação inicia-se em finais de fevereiro ou em finais de março. Segundo um estudo realizado em Coimbra, as posturas são compostas por 2 a 5 ovos, que são incubados durante 13 dias. A sua dieta é composta por sementes e outras matérias vegetais, podendo consumir pequenos invertebrados. Onde e quando o encontrar Podemos encontrar o chamariz na nossa cidade, em parques e jardins, mas também em zonas agrícolas, em matas e em zonas costeiras, sendo uma espécie bastante ecléctica na escolha dos habitats. É uma espécie residente, logo, pode ser observada durante todo o ano. Clube de jornalismo, Renato Almeida, 5º B


Era uma vez, numa terra de nome Leiria, uma jovem e encantadora princesa. A jovem, que contara já 18 primaveras, havia sido prometida em casamento a um velho, desonesto e desagradável rei do reino vizinho ao seu, do qual ninguém gostava. Ela não se conformava com tal, mas, apesar dos seus incessantes pedidos para que o casamento fosse cancelado, o seu pai dizia sempre que não, pois a p e n a s p e n s ava n o s benefícios políticos que teria. Como tal, quem passava pelo quarto da princesa durante a noite, conseguia ouvir o seu choro. O outro motivo que levava esta linda princesa a chorar era estar apaixonada por um lindo e encantador camponês. Embora ela soubesse que nunca poderia casar com alguém do povo, isso não a impedia de se encontrar em segredo com ele todos os dias, através de uma porta secreta que se encontrava na parte de trás do castelo. A princesa ficava mais desgostosa a cada dia que passava, pelo facto de não poder casar com o seu amor… Só queria poder infringir a lei, para assim poder estar com ele para toda a eternidade. Na véspera do casamento, a princesa pediu ao camponês que ele e os seus amigos dessem cabo da festa de casamento que teria lugar no dia seguinte.

No dia do casamento, quando tudo já estava preparado, a princesa, que estava a usar um lindo e comprido vestido, estava muito nervosa. A grande sala de jantar nunca estivera tão cheia. Ela nem se conseguia mexer no meio de tantas pessoas! Mal o padre acabou de dizer "estamos hoje aqui reunidos…", o camponês e os seus amigos interromperam a cerimónia, entrando a cavalo pela sala, e arruinaram tudo: enfiaram a cara do velho rei no bolo, tirando-lhe a coroa e lançando-a para lá da porta, molharam as pessoas com água e vinho e atingiram-nas com frutas (principalmente tomates), deitaram todas as decorações ao chão… enfim, uma verdadeira confusão. A princesa esgueirouse para fora do castelo, por uma porta escondida, e foi ter com o camponês e com os seus amigos, que já tinham saído da sala da cerimónia. Entretanto, o cruel rei fugiu devido à enorme vergonha que sentira. A princesa e o camponês fugiram nesse mesmo dia para uma terra muito distante, onde puderam casar e viver felizes para sempre.

Leiria é uma cidade com muito para oferecer aos seus visitantes. Por um lado, tem bastantes monumentos importantes para o país e muitos eventos culturais que fazem as delícias de quem a visita. Por outro lado, estará a nossa cidade e os seus habitantes preparados para receber assim t a n t o s visitantes? Leiria apresenta muito boas razões para a visitar: os museus, os belos jardins, a segurança que há na rua (o que faz com que possa andar tranquilo), os monumentos históricos (como o Castelo de Leiria e o

Mosteiro da Batalha) e as praias da sua extensa costa. Em contrapartida, Leiria não parece estar ainda muito virada para o turismo, o que pode ser interpretado de duas formas. A primeira é que não vamos ser invadidos por turistas com as suas máquinas fotográficas e não vamos ter de pedir com licença para atravessar a rua. (O que é ótimo!) A cidade mantém a sua identidade. A segunda é perdermos a hipótese de ver o comércio local ganhar com o aparecimento de mais visitantes. (Lá se vai o desenvolvimento económico…) Em conclusão, Leiria é um diamante em bruto, que deve ser lapidado, mas não em excesso. A nossa cidade merece o melhor para poder dar o melhor aos seus visitantes.

Clube de Jornalismo, Madalena Palma, 5º B e Mariana Monteiro, 9º B

Clube de Jornalismo, André Pedrosa, 8º A


No passado dia 31 de outubro, pelas 14h30, no ginásio do colégio, realizou-se a final da 1ª edição do concurso O Colégio dá-te voz, destinado aos alunos dos 3º e 4º anos. Este inseriu-se nas comemorações do mês da música. Durante todo o mês de outubro, desenvolveram-se atividades com os alunos do 1ºciclo, relacionadas com esta área. Os apresentadores desta 1.ª edição foram a Rita Moura, do 3ºA, e o Pedro Sousa, do 3ºB. Por sua vez, o júri era composto pela Diretora do Colégio, a Ir. Maria Manuela dos Anjos, e os professores Filipe Cruz, Andreia Lagoa, Felícia Saragoça e Lídia Sousa. O espetáculo começou com a apresentação da música Paraíso, de Diogo Piçarra, cantada pelo Francisco Félix, do 4ºA. De seguida, o Duarte Mateus, do 3ºB, interpretou a música Dona Maria, de Thiago Brava, e conquistou a plateia com a sua alegria e espontaneidade. Depois, foi a vez da Ana Margarida Castro, do 4.ºB, cantar a música Espera, de Fernando Daniel. Posteriormente, foi a vez de a Matilde Andrade, do 3ºB, subir ao palco para interpretar a música Só gosto de ti, dos Heróis do Mar. Seguiu-se a interpretação da Bruna Sousa, do 3ºA, que brindou o público com a música Chamar a música, de Sara Tavares. Por fim, a Carolina Crespo, do 4ºB, presenteou todos os presentes com a interpretação da música Chuva, de Mariza. O júri teve uma difícil tarefa a cargo, pois todas as atuações captaram a atenção do público e revelaram que, no Colégio, há muito talento musical. Após a deliberação do júri, foi anunciada a vencedora do concurso: a Carolina Crespo, a quem damos os nossos mais sinceros parabéns. Clube de Jornalismo, Matilde Angélico, 5º A e Mariana Angélico, 8º B


Na passada sexta-feira, 7 de dezembro realizou-se no percurso do Polís, nas margens do rio Lis o nosso cortamato de Desporto Escolar. O percurso é totalment plano sendo de facil realização. Nesta prova integrada no Plano de Atividades do nosso Colégio, participaram cerca de 250 atletas, sendo os primeiros classificados apurados para o representar na fase de Coordenação de Leiria de Desporto Escolar. Prof. Luís Brandão

Como as tradições são para manter, as nossas atividades de Desporto Escolar iniciaram-se com mais um Torneio de Voleibol no inicio de setembro. Contámos com a presença de cerca de sessenta alunos divididos por várias equipas. Os alunos de sexto e sétimo ano jogaram em duplas e os dos oitavos e nonos em quadras. Mais uma vez o Torneio foi um sucesso de promoção ao voleibol. Prof. Luís Brandão

O Clube de Atletismo do nosso Colégio esteve presente na XII edição do Corta mato jovem da rota do vidreiro com três atletas no escalão de infantis. De entre os três destacou-se o resultado da Matilde Parreira que foi terceira classificada no escalão de infantis, sendo a primeira participante do nosso distrito. Quanto aos outros nossos dois atletas, o Pedro Severino foi décimo classificado, chegando um pouco mais atrás o Manuel Caldas que mesmo estando doente quis participar. Parabéns a estas jovens promessas. Os treinos de atletismo estão abertos a todos os interessados e realizam-se à quarta-feira da p.arte da tarde. Prof. Luís Brandão


Mafalda Matias - 8.ยบ B

Profile for Paulo Rosa

Jornal Ciclone, dezembro de 2o18  

Jornal do Colégio de Nossa Senhora de Fátima

Jornal Ciclone, dezembro de 2o18  

Jornal do Colégio de Nossa Senhora de Fátima

Advertisement