__MAIN_TEXT__

Page 1

2013/14

BOVINOCULTURA DE CORTE

AVICULTURA

MILHO

ARROZ

BOVINOCULTURA DE LEITE

OVINOCULTURA

ALGODÃO

TRIGO

SUINOCULTURA

SOJA

CANA-DE-AÇUCAR

SILVICULTURA


INFOAGRO Campo Grande, MS

Copyright 2015 by SENAR/MS e FAMASUL Rua Marcino dos Santos, 401 – Bairro Cachoeira II Campo Grande – MS Telefone: (67) 3320-9700

IMPRESSO NO BRASIL

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) I43b

Balanço anual do agronegócio sul-mato-grossense

2013/2014 / SENAR/MS e FAMASUL –

Campo Grande - MS : SENAR/MS, 2015.

494 P. : il. (color) ; 27,5 cm.

ISBN 978-85-916353-5-1

1 . Economia agrícola - Brasil. 2. Agronegócio. I. SENAR/MS. II. FAMASUL.

III. Título. IV. Título: balanço anual do agronegócio sul-mato-grossense 2013/2014. CDD 338.10981


EXPEDIENTE Diretoria do Sistema Famasul Presidente Mauricio Koji Saito Vice-presidente Nilton Pickler Diretora Secretária Terezinha de Souza Cândido Silva Diretor Tesoureiro Luis Alberto Moraes Novaes Presidente do Conselho Administrativo do SENAR/MS Mauricio Koji Saito Autores – Equipe Técnica Adriana Conceição Faria Mascarenhas Economista, Consultora de Economia e Gestora da Unidade Técnica Econômica do Sistema FAMASUL. E-mail: adriana@famasul.com.br Daniela Teixeira Dias Economista, Analista de Economia Sistema FAMASUL – (até abril de 2015). Eliamar Oliveira Economista, Analista de Economiado Sistema FAMASUL. E-mail: eliamar@senarms.org.br Leonardo CarlottoPortalete Engenheiro Agrônomo, Analista de AgriculturaSistema FAMASUL. E-mail: leonardo@famasul.com.br Luiz Eliezer Alves da Gama Ferreira Economista, Analista de Economia doSistema FAMASUL. E-mail: luiz@famasul.com.br UNIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO SISTEMA FAMASUL - UNITEC


Apresentação


Apresentação O desenvolvimento de Mato Grosso do Sul é resultado dos processos de transformações históricas, econômicas, sociais e políticas, que evidenciaram a vocação do Estado, desde então, ligado à agropecuária (CORRÊA, 2011). O Estado se destaca no contexto econômico nacional por sua vantagem comparativa na produção de alimentos e matérias-primas agroindustriais, a começar por sua posição geográfica privilegiada no centro da América do Sul. Tendo como vizinhos os estados de Mato Grosso, ao norte, Goiás e Minas Gerais, ao nordeste, São Paulo e Paraná, sul e sudeste, além dos países Paraguai e Bolívia. A região Centro-Oeste ganhou relativa importância econômica, sobretudo na agropecuária, a partir da expansão da fronteira agrícola brasileira em meados dos anos 70, devido à necessidade de reorganização da produção com vistas ao atendimento da crescente demanda mundial de alimentos. Esta expansão só foi possível graças aos avanços em pesquisa e tecnologia, desde correção de solo, passando pelo manejo adequado até melhoramento genético. Neste aspecto, destacam-se instituições dedicadas à pesquisa, a exemplo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), reconhecida internacionalmente pelo desenvolvimento de pesquisa e transferência tecnológica no setor agropecuário. Mato Grosso do Sul conta com três centros de pesquisa voltados para a agricultura, pecuária de corte e um para o bioma Pantanal. A Fundação MS e a Fundação Chapadão são também exemplos de instituições comprometidas com o desenvolvimento da pesquisa agropecuária.


Como resultado dos avanços em pesquisa e tecnologia, e das próprias condições climáticas, em Mato Grosso do Sul e em outras regiões do Brasil é possível produzir duas safras anuais de grãos. Todo este movimento da produção agropecuária atraiu, e atrai, importantes investimentos nas diversas regiões do Estado. O crescimento e consolidação de setores como sucroenergético e celulose (papel) são evidências inegáveis deste novo perfil econômico, atraindo investimentos capazes de transformar a economia de importantes regiões do Estado. Como exemplo, podemos citar o município de Três Lagoas, que conta com a maior fábrica de celulose em linha única do mundo e com a maior fábrica de fertilizantes nitrogenados da América Latina, que vai duplicar a produção de ureia do País. Esses investimentos só foram possíveis pela disponibilidade de matéria-prima que o Estado oferece e pela excelente localização geográfica da região. O agronegócio sul-mato-grossense é uma atividade próspera. O Estado oferece clima privilegiado, solo fértil, disponibilidade de água e energia solar abundante. Mato Grosso do Sul possui uma área total de 35 milhões de hectares, dos quais 11 milhões (31%) estão preservados, 20 milhões (56%) do total estão destinados a pecuária e os outros 4 milhões de hectares (11%) à agricultura e suas diversas culturas. Estes fatores fazem do Estado um lugar de vocação natural para a agropecuária e todos os negócios relacionados às suas cadeias produtivas, que faz do agronegócio a principal locomotiva da economia sul-mato-grossense. Diante disso, estimativas indicam que em 2014, o PIB da agropecuária somou aproximadamente R$13,90 bilhões (SISTEMA FAMASUL – VBP e PIB da Agropecuária de MS). Em 2014 o Estado se destacou no país como 4º maior exportador de milho (US$ 260,49 milhões e 1,41 milhões de toneladas), 5º de soja em grão (US$ 1,23 bilhões e 2,43 milhões de toneladas), 4º de carne bovina in natura (US$ 690,55 milhões e 148,57 mil toneladas), 7º de frango in natura (US$ 373 milhões e 161,20 mil toneladas) e 6º de carne suína in natura (US$ 39,09 milhões e 14,67 mil toneladas). As vendas externas de produtos agropecuários renderam a Mato Grosso do Sul US$ 4,6 bilhões, representando 89% da receita total com exportações que somaram US$ 5,2 bilhões. No que tange a qualificação de mão-de-obra, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR-AR/MS) exerce papel fundamental. No Mato Grosso do Sul e em outros estados da federação o SENAR disponibiliza gratuitamente aos trabalhadores e produtores rurais cursos de gestão ambiental, gestão de resíduos na propriedade, educação ambiental no campo, administração da pequena empresa rural e outros 100 cursos, que vão desde aproveitamento de alimentos até a agricultura de precisão.


Sum谩rio Agroneg贸cio

11

Bovinocultura de Corte

29

Bovinocultura de Leite

95

Suinocultura

131

Avicultura

151

Ovinocultura

183


Soja

229

Milho

277

Algodรฃo

323

Cana-de-Aรงucar

367

Arroz

393

Trigo

427

Silvicultura

457


Agroneg贸cio


Agronegócio O ritmo acelerado do crescimento populacional e a elevação do nível de renda mundial, são fatores que pressionam cada vez mais a demanda por alimentos, fibras e energia. Diante destas perspectivas, o agronegócio brasileiro tem papel fundamental, uma vez que é um dos poucos países que poderá suprir esta crescente demanda por alimentos. O país que é um dos maiores players no fornecimento global de alimentos, não só de soja, milho e cana-de-açúcar, mas também de carne, já se posiciona como um dos maiores produtores de carne do mundo. Nesse contexto, o Estado possui potencial para contribuir com o Brasil na produção global de alimentos nas próximas décadas. Diante do grande desafio de alimentar 9 bilhões de pessoas até 2050. Os caminhos-chave para vencer esse desafio são inovação e desenvolvimento tecnológico. Mato Grosso do Sul experimentou, no período de 1977 a 2014, expressivo avanço econômico, principalmente no setor agropecuário e na agroindústria.

12

www.senarms.org.br


Produção Agrícola No Mato Grosso do Sul os dados mostram uma significativa profissionalização na produção agrícola de grãos. Ao final dos anos 70 a produção era inferior a 2,2 mil toneladas numa área de aproximadamente 1,6 milhões de hectares. No período de 45 anos houve crescimento de 621,08% no volume produzido e 136,05% em área cultivada. Os índices de crescimento demonstram uma produtividade maior que o triplo que a registrada na safra 1979/1980. Saiu do patamar de 1.308,80 kg/hectare para 3.991,10 kg/hectare, estimados para a safra 2014/2015. A produção agrícola (soja e milho) cresceu mais de 535% nos últimos trinta anos. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), a produtividade teve incrementos de 115%, enquanto a área apresentou crescimento de 262%, representando aproximadamente 3,8 milhões de hectares. Recentemente, outras culturas vêm encontrando em MS condições adequadas ao seu desenvolvimento. É o caso da eucaliptocultura que entre 2006 e 2013 experimentou crescimento de área de 475% concentrando-se na região Leste do Estado. A cana-de-açúcar é outra relevante cultura desenvolvida no Estado, nos últimos 20 anos a produção cresceu mais de 1000%.

www.famasul.com.br

13


Série Histórica da Produção Agrícola em MS (1977/1978 a 2014/2015)

14

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

1977/78

1.353,30

729,5

987,2

1978/79

1.478,00

1.125,40

1.663,40

1979/80

1.664,60

1.308,80

2.178,70

1980/81

1.566,50

1.454,70

2.278,80

1981/82

1.570,20

1.421,70

2.232,40

1982/83

1.587,20

1.686,20

2.676,40

1983/84

1.780,20

1.540,40

2.742,30

1984/85

2.036,90

1.785,30

3.636,50

1985/86

2.290,80

1.346,60

3.084,70

1986/87

2.376,50

1.735,20

4.123,70

1987/88

2.267,10

1.860,30

4.217,40

1988/89

2.189,60

2.045,60

4.479,00

1989/90

1.959,50

1.561,10

3.058,90

1990/91

1.727,90

2.180,30

3.767,40

1991/92

1.738,90

1.866,80

3.246,20

1992/93

1.704,40

2.054,30

3.501,40

1993/94

1.869,60

2.142,00

4.004,60

1994/95

1.829,50

2.337,70

4.276,80

1995/96

1.526,20

2.583,90

3.943,60

1996/97

1.584,40

2.827,60

4.480,10

www.senarms.org.br

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)


Série Histórica da Produção Agrícola em MS (1977/1978 a 2014/2015) continuação SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1997/98

1.730,50

2.322,60

4.019,20

1998/99

1.804,20

2.734,00

4.932,70

1999/00

1.927,10

2.098,50

4.044,00

2000/01

1.872,90

3.148,60

5.896,90

2001/02

1.935,50

2.667,30

5.162,50

2002/03

2.416,20

3.272,00

7.906,00

2003/04

2.765,30

2.349,00

6.496,80

2004/05

2.949,00

2.041,00

6.015,40

2005/06

2.869,50

2.545,00

7.303,10

2006/07

2.815,20

2.987,00

8.410,20

2007/08

2.928,00

2.948,00

8.631,70

2008/09

2.888,40

2.452,00

7.082,50

2009/10

2.805,90

3.410,00

9.568,70

2010/11

2.965,40

3.077,00

9.124,90

2011/12

3.256,30

3.566,00

11.610,40

2012/13

3.640,70

3.826,00

13.930,30

2013/14

3.768,50

3.840,00

14.470,50

2014/15*

3.940,20

3.991,10

15.725,90 Fonte: CONAB. Elaboração: DECON/FAMASUL. Nota: *Estimativa

www.famasul.com.br

15


Evolução da Produção Agrícola em MS (Área - mil ha/Produção - mil t)

14.000,00

(Produtividade - Kg/ha)

ÁREA (Em mil ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

4000 3500

12.000,00

3000

10.000,00

2500 8.000,00 2000 6.000,00 1500 4.000,00

1000

2.000,00

500 0 1977/78 1978/79 1979/80 1980/81 1981/82 1982/83 1983/84 1984/85 1985/86 1986/87 1987/88 1988/89 1989/90 1990/91 1991/92 1992/93 1993/94 1994/95 1995/96 1996/97 1997/98 1998/99 1999/00 2000/01 2001/02 2002/03 2003/04 2004/05 2005/06 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13 2013/14 2014/15*

0,00

Fonte: CONAB. Elaboração: DECON/FAMASUL. Nota:*Projeção.

16

www.senarms.org.br


Produção de Carnes Na pecuária a bovinocultura de corte passou por uma profunda transformação nos últimos 15 anos, com aumento de 43,86% no volume abatido, saindo de 671 mil toneladas no final da década de 90 e alcançando 965 mil toneladas em 2014. O rebanho decresceu 2,62% nesse mesmo período, denotando assim incrementos significativos na produtividade, condicionado por inovação tecnológica e manejo adequado (IBGE). A suinocultura também merece destaque, de 1999 a 2014 a produção sul-mato-grossense cresceu 137,90%. O abate saiu de 48,4 mil toneladas e passou para 115,2 mil toneladas, exemplo também de eficiência produtiva, tendo em vista que o rebanho cresceu apenas 89,4%, considerado um patamar inferior. A avicultura é mais um exemplo de prosperidade, apresentando crescimento de 113,54% na produção de carne nesse mesmo período.

www.famasul.com.br

17


Evolução da produção de carnes em MS (em mil toneladas) Ano

Carne Suína

Carne de Frango

Carne Bovina

1997

38,53

166,79

617,0

1998

41,67

188,25

631,4

1999

48,45

183,82

671,0

2000

59,16

222,62

775,4

2001

71,28

246,94

776,8

2002

85,01

258,00

768,6

2003

71,78

259,81

757,1

2004

59,10

250,96

865,3

2005

62,04

282,72

849,0

2006

65,79

244,32

835,4

2007

69,41

270,99

854,3

2008

72,90

306,24

742,1

2009

76,86

299,13

787,3

2010

81,97

345,00

796,6

2011

94,25

346,18

768,9

2012

99,89

363,02

945,9

2013

107,38

373,59

994,5

2014

115,26

392,54

965,4 Fonte: IBGE. Elaboração: DECON/FAMASUL.

18

www.senarms.org.br


Evolução da Produção de Carnes em MS 1600,00 1400,00 1200,00 1000,00 800,00 600,00 400,00 200,00 0,00 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014

Carne Suína (Em mil t)

Carne de Frango (Em mil t)

Carne Bovina (Em mil t) Fonte: IBGE. Elaboração: DECON/FAMASUL

www.famasul.com.br

19


Exportações do Agronegócio


Exportações do Agronegócio O agronegócio sul-mato-grossense apresentou ganhos consideráveis no seguimento internacional. As receitas obtidas com as vendas para outros países cresceram em mais de trinta e cinco vezes no período de 1998 a 2014. Em 1998 o setor apresentou faturamento de US$ 130,7 milhões, no ano de 2014 o valor superou os US$ 4 bilhões, representando alta de 3.475%. No período, a pauta exportadora do agronegócio apresentou mudanças, tanto na participação dos principais produtos como no incremento de produtos novos. No ano de 1998 dois segmentos, carnes e soja, representavam 70% da receita. Em 2014 houve uma redistribuição, carnes e soja passaram a contribuir com 57%, sendo o complexo soja responsável por 31% e carnes 26%. Certamente o segmento de carnes contou com o reforço das carnes de frango e suína. Outros produtos passaram a compor a pauta, como é o caso dos produtos florestais, complexo sucroenergético e cereais.

22

www.senarms.org.br


Pauta de Exportação do Agronegócio de MS em 1998

5%

2%

10% Complexo Soja Carnes Couros

13%

51%

Demais Produtos Vegetais Demais Produtos Animais Outros

19%

Pauta de Exportação do Agronegócio de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA. Elaboração: DECON/FAMASUL

www.famasul.com.br

23


O desempenho do Mato Grosso do Sul no mercado externo tem influência direta do agronegócio. A participação do setor no saldo da balança comercial contribui para amenizar os altos valores registrados nas importações dos outros setores da economia. Entre os anos de 1998 a 2001, em que os saldos da Balança Comercial foram superavitários, o foram por conta do saldo positivo do agronegócio, já que os outros setores registraram déficits. Nesse período a participação média do setor, na receita com as exportações, foi de aproximadamente 86%. Após 2001 o déficit na Balança Comercial foi recorrente, impulsionado pelos altos valores das importações dos outros setores. No ano de 2014, em que o saldo da Balança Comercial voltou a ser positivo, após 8 anos consecutivos de déficit, as exportações do agronegócio representaram 89% do valor total exportado.

24

www.senarms.org.br


Exportações totais do agronegócio de MS ANO

RECEITA DE EXPORTAÇÃO (Em US$)

1998

130.717.306

1999

191.212.723

2000

220.447.240

2001

445.167.505

2002

346.820.311

2003

447.545.655

2004

585.613.440

2005

1.061.572.763

2006

875.527.841

2007

1.193.826.949

2008

1.711.479.631

2009

1.622.012.126

2010

2.610.043.556

2011

3.239.810.275

2012

3.813.127.304

2013

4.758.689.251

2014

4.673.506.400 Fonte: Agrostat/MAPA.

www.famasul.com.br

25


Evolução das Exportações do Agronegócio de MS (Milhões de US$)

4.759 4.674

5.000 4.500 3.813

4.000 3.240

3.500 3.000

2.610

2.500 2.000

1.711 1.622

1.500

1.062

1.000 500

131

191

220

445

347

448

586

876

1.194

0 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014

RECEITA DE EXPORTAÇÃO (Em US$) Fonte: Agrostat/MAPA. Elaboração: DECON/FAMASUL

26

www.senarms.org.br


Saldo Balança Comercial - MS Total

(Bilhões)

6,00

Agronegócio

Outros Setores

4,00 2,00 0,00

1998

1999

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

-2,00 -4,00 -6,00 Fonte: Agrostat/MAPA. Elaboração: UNITEC/FAMASUL

www.famasul.com.br

27


Bovinocultura de Corte


Bovinocultura de Corte A bovinocultura de corte continua sendo umas das principais atividades econômicas de Mato Grosso do Sul, somente em 2014 representou 34,76% do valor bruto de produção estimado para a agropecuária. Durante esse ano houve valorizações de preços atípicas, em função da restrição de oferta. Diante disso a arroba do boi chegou a ser negociada a R$140,00 e da vaca a R$130,00. Apesar da participação do Estado no rebanho brasileiro ter reduzido em 2013, ainda se posiciona como 4º no rebanho e em 2º nos abates.

Evolução do rebanho bovino em MS e no Brasil (cabeças) Ano

30

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1977

-

107.296.556

-

1978

9.375.241

106.942.565

8,77

1979

10.020.281

109.177.486

9,18

1980

11.904.494

118.971.418

10,01

1981

12.942.869

121.785.084

10,63

1982

13.190.347

123.487.834

10,68

1983

13.472.519

124.185.999

10,85

1984

13.882.717

127.654.597

10,88

1985

14.991.356

128.422.666

11,67

1986

15.986.846

132.221.568

12,09

1987

16.496.082

135.726.280

12,15

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho bovino em MS e no Brasil (cabeças) - continuação Ano

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1988

16.976.555

139.599.106

12,16

1989

17.732.406

144.154.103

12,30

1990

19.163.736

147.102.314

13,03

1991

19.542.644

152.135.505

12,85

1992

20.394.609

154.229.303

13,22

1993

21.800.445

155.134.073

14,05

1994

22.244.427

158.243.229

14,06

1995

22.292.330

161.227.938

13,83

1996

20.755.727

158.288.540

13,11

1997

20.982.933

161.416.157

13,00

1998

21.421.567

163.154.357

13,13

1999

21.576.384

164.621.038

13,11

2000

22.205.408

169.875.524

13,07

2001

22.619.950

176.388.726

12,82

2002

23.168.235

185.348.838

12,50

2003

24.983.821

195.551.576

12,78

2004

24.715.372

204.512.737

12,09

2005

24.504.098

207.156.696

11,83

2006

23.726.290

205.886.244

11,52

2007

21.832.001

199.752.014

10,93

2008

22.365.219

202.306.731

11,06

www.famasul.com.br

31


Evolução do rebanho bovino em MS e no Brasil (cabeças) - continuação Ano

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

2009

22.325.663

205.307.954

10,87

2010

22.354.077

209.541.109

10,67

2011

21.553.851

212.815.311

10,13

2012

21.498.382

211.279.082

10,18

2013

21.047.274

211.764.292

9,94

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

32

www.senarms.org.br


Rebanho bovino de MS em 2013 (em cabeças) Ranking

Município

Rebanho Bovino

1

Corumbá

1.802.976

2

Ribas do Rio Pardo

1.083.004

3

Aquidauana

782.155

4

Porto Murtinho

727.167

5

Três Lagoas

617.368

6

Camapuã

566.906

7

Campo Grande

554.102

8

Rio Verde de Mato Grosso

524.624

9

Paranaíba

520.657

10

Santa Rita do Pardo

512.972

11

Coxim

492.350

12

Água Clara

466.960

13

Bela Vista

465.376

14

Brasilândia

450.255

15

Inocência

445.060

16

Nova Andradina

425.853

17

Nioaque

394.915

18

Bonito

373.022

19

Amambai

357.135

www.famasul.com.br

33


Rebanho bovino de MS em 2013 (em cabeças) - continuação Ranking

34

Município

Rebanho Bovino

20

Miranda

353.992

21

Alcinópolis

311.160

22

Anaurilândia

295.514

23

Sidrolândia

289.240

24

Caracol

284.907

25

Anastácio

283.726

26

Iguatemi

279.317

27

Pedro Gomes

275.669

28

Terenos

266.803

29

Cassilândia

264.790

30

Paraíso das Águas

240.000

31

Bandeirantes

231.275

32

São Gabriel do Oeste

216.921

33

Nova Alvorada do Sul

216.369

34

Dois Irmãos do Buriti

213.589

35

Naviraí

210.800

36

Tacuru

210.550

37

Costa Rica

207.090

38

Itaquiraí

205.850

39

Maracaju

205.462

www.senarms.org.br


Rebanho bovino de MS em 2013 (em cabeças) - continuação Ranking

Município

Rebanho Bovino

40

Corguinho

204.946

41

Jardim

201.603

42

Selvíria

200.818

43

Bataguassu

188.940

44

Figueirão

188.922

45

Ivinhema

182.183

46

Jaraguari

180.977

47

Ponta Porã

180.466

48

Batayporã

171.117

49

Aparecida do Taboado

169.158

50

Dourados

162.625

51

Bodoquena

156.128

52

Jateí

147.627

53

Rochedo

143.916

54

Chapadão do Sul

142.010

55

Sonora

136.963

56

Guia Lopes da Laguna

132.203

57

Rio Brilhante

127.388

58

Rio Negro

121.111

59

Juti

103.430

www.famasul.com.br

35


Rebanho bovino de MS em 2013 (em cabeças) - continuação Ranking

Município

Rebanho Bovino

60

Paranhos

97.151

61

Caarapó

97.136

62

Taquarussu

89.954

63

Deodápolis

88.767

64

Eldorado

86.364

65

Sete Quedas

85.823

66

Coronel Sapucaia

81.482

67

Novo Horizonte do Sul

73.739

68

Angélica

73.665

69

Antônio João

68.595

70

Glória de Dourados

67.530

71

Aral Moreira

46.587

72

Laguna Carapã

45.803

73

Japorã

42.436

74

Itaporã

39.421

75

Mundo Novo

30.975

76

Vicentina

24.031

77

Fátima do Sul

18.102

78

Douradina

12.488

79

Ladário

8.813 Total

21.047.274 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

36

www.senarms.org.br


Rebanho bovino do Brasil em 2013 (em cabeças) Ranking

Estado

Rebanho Bovino

1

Mato Grosso

28.395.205

2

Minas Gerais

24.201.256

3

Goiás

21.580.398

4

Mato Grosso do Sul

21.047.274

5

Pará

19.165.028

6

Rio Grande do Sul

14.037.367

7

Rondônia

12.329.971

8

Bahia

10.828.409

9

São Paulo

10.486.750

10

Paraná

9.395.313

11

Tocantins

8.140.580

12

Maranhão

7.611.324

13

Santa Catarina

4.201.561

14

Acre

2.697.489

15

Ceará

2.591.067

16

Rio de Janeiro

2.339.978

17

Espírito Santo

2.313.445

18

Pernambuco

1.823.230

19

Piauí

1.666.107

www.famasul.com.br

37


Rebanho bovino do Brasil em 2013 (em cabeças)

(em cabeças) - continuação Ranking

Estado

Rebanho Bovino

20

Amazonas

1.470.537

21

Alagoas

1.251.723

22

Sergipe

1.223.215

23

Paraíba

1.048.824

24

Rio Grande do Norte

914.777

25

Roraima

747.045

26

Amapá

154.967

27

Distrito Federal

101.452

Total

211.764.292 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

38

www.senarms.org.br


Distribuição do rebanho bovino em 2013

Rebanho Bovino (mil cab.) 10.000 -

100.000

100.001 -

250000

250.001 -

450.000

450.001 - 1.000.000 Acima de 1.000.001

Fonte: IBGE. Elaboração: DEPRO/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

39


Cotações Boi Gordo No ano de 2014 os preços atingiram os patamares mais elevados já registrados na série histórica acompanhada pelo CEPEA. Essa tendência deverá ser mantida em 2015, uma vez que o cenário continua sendo de restrição de oferta.

Preço da arroba do boi gordo em MS (R$/@)* 2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

150,00 140,00 130,00 120,00 110,00 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais.

40

www.senarms.org.br


BOI GORDO – PREÇOS (R$/@)*

Preço médio para Mato Grosso do Sul ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004

55,13

53,10

53,29

54,33

56,07

57,45

57,18

57,95

56,63

57,11

58,49

56,04

56,06

2005

54,36

52,30

51,38

48,99

48,88

48,55

47,69

47,02

47,09

48,31

49,56

46,59

49,23

2006

44,78

45,23

44,41

45,28

44,77

44,28

45,88

52,17

55,86

57,78

51,18

49,00

48,38

2007

49,10

50,55

51,96

51,84

51,63

53,14

57,36

58,62

55,94

58,26

66,52

65,78

55,89

2008

67,20

67,26

69,18

71,40

75,54

85,83

86,10

86,27

84,88

85,51

82,69

74,50

78,03

2009

75,66

72,78

68,89

71,38

70,33

72,37

72,92

70,97

70,41

70,93

68,84

67,94

71,12

2010

69,51

70,92

72,60

76,16

75,21

76,16

77,41

81,29

86,93

92,24 100,74

93,76

81,08

2011

93,89

95,52

96,87

96,18

92,31

89,30

91,38

93,84

92,25

93,47

96,19

91,50

93,56

2012

89,40

88,46

86,96

87,35

85,75

85,92

84,26

84,94

90,33

91,81

92,77

90,02

88,16

2013

90,57

90,37

90,90

92,98

90,16

92,22

96,00

95,84 100,63 102,70 102,35 104,55

95,77

2014 105,12 109,14 117,25 117,55 115,81 116,99 115,60 117,46 122,31 126,48 134,12 134,45 119,36 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais.

www.famasul.com.br

41


BOI GORDO – PREÇOS (R$/@)* Campo Grande - MS ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004

54,62

52,34

52,42

53,64

55,07

56,48

56,21

57,30

56,86

57,25

58,29

55,29

55,48

2005

53,59

51,53

50,58

47,87

47,82

47,63

47,09

46,13

46,61

47,94

49,02

46,03

48,49

2006

44,14

44,11

43,46

44,09

44,00

43,23

44,31

51,30

55,21

57,32

50,81

48,46

47,54

2007

48,62

49,80

51,39

51,23

51,04

52,41

56,83

58,30

55,52

57,81

66,15

65,08

55,35

2008

66,54

66,69

68,20

70,89

74,95

85,15

85,69

85,78

84,78

85,17

82,17

74,01

77,50

2009

75,18

72,12

68,49

71,12

69,96

72,17

72,92

71,19

70,31

70,65

68,53

68,04

70,89

2010

69,49

70,88

72,55

76,17

75,24

76,21

77,55

81,44

87,20

92,67 100,33

93,76

81,12

2011

93,99

95,57

96,92

96,21

92,37

89,34

91,59

93,77

92,40

93,50

96,10

91,47

93,60

2012

89,60

88,66

87,03

87,39

85,86

85,99

84,32

85,08

90,43

91,65

92,56

88,67

88,10

2013

90,68

90,60

91,05

93,11

90,76

92,11

96,10

95,83 100,82 102,91 102,67 104,78

95,95

2014 105,55 109,71 117,17 117,60 115,18 117,00 115,27 117,71 122,51 126,43 134,41 134,83 119,45 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais.

42

www.senarms.org.br


Boi Gordo – preços (R$/@)*

Dourados - MS ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004

55,11

52,96

53,44

54,42

56,26

57,45

57,42

58,07

55,96

57,02

58,42

56,12

56,05

2005

54,58

52,18

51,45

49,43

49,46

48,94

48,00

47,49

47,57

48,72

49,91

46,60

49,53

2006

44,70

45,28

44,53

45,62

45,12

44,40

46,43

52,42

56,05

57,93

51,34

49,32

48,60

2007

49,44

50,84

52,10

52,07

51,77

53,22

57,56

58,76

56,20

58,84

66,61

66,04

56,12

2008

67,29

67,26

69,45

71,53

75,68

85,98

86,24

86,44

84,95

85,54

82,90

74,50

78,15

2009

75,78

72,98

69,01

71,35

70,28

72,43

73,13

71,00

70,51

71,15

69,08

67,98

71,22

2010

69,62

71,03

72,65

76,13

75,13

75,81

77,28

81,28

86,77

92,13 100,38

93,77

81,00

2011

93,95

95,53

96,82

96,21

92,23

89,26

91,35

93,96

92,26

93,55

95,93

91,44

93,54

2012

89,34

88,35

86,92

87,42

85,63

86,02

84,43

85,22

90,58

92,23

92,71

89,33

88,18

2013

90,63

90,68

91,13

92,83

90,25

92,14

96,25

95,94 101,12 102,91 102,92 105,04

95,99

2014 106,05 109,82 117,42 117,27 115,11 116,58 115,43 117,28 122,57 126,46 134,24 134,14 119,36 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais.

www.famasul.com.br

43


Boi Gordo – preços (R$/@)* Três Lagoas - MS ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004

55,66

53,99

54,01

54,93

56,88

58,41

57,91

58,47

57,07

57,06

58,77

56,72

56,66

2005

54,90

53,18

52,11

49,66

49,36

49,09

47,99

47,44

47,09

48,26

49,75

47,14

49,66

2006

45,49

46,29

45,24

46,13

45,18

45,21

46,91

52,78

56,31

58,08

51,39

49,22

49,02

2007

49,24

51,00

52,39

52,23

52,08

53,80

57,70

58,79

56,11

58,14

66,81

66,23

56,21

2008

67,78

67,82

69,90

71,78

75,98

86,36

86,36

86,60

84,90

85,83

82,99

75,00

78,44

2009

76,01

73,24

69,17

71,66

70,76

72,50

72,72

70,71

70,41

71,00

68,90

67,79

71,24

2010

69,41

70,86

72,60

76,17

75,25

76,45

77,41

81,15

86,81

91,92 101,50

93,76

81,11

2011

93,73

95,45

96,87

96,11

92,34

89,29

91,19

93,80

92,08

93,35

96,54

91,59

93,53

2012

89,25

88,37

86,93

87,25

85,75

85,76

84,04

84,51

89,98

91,55

93,05

88,77

87,93

2013

90,38

90,36

90,55

92,76

90,03

92,12

96,05

95,70 100,99 102,85 102,98 104,78

95,80

2014 105,50 110,26 117,46 117,62 115,64 116,89 115,11 117,16 122,37 126,27 133,83 134,27 119,37 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. Valores nominais.

44

www.senarms.org.br


Boi Gordo – preços (R$/@)* Cassilândia - MS ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

2012 2013

90,75

90,16

90,78

92,96

90,28

92,66

96,16

DEZ

MÉDIA

91,42

91,42

95,25 100,60 102,79 101,79 104,23

95,70

2014 105,18 108,97 116,61 117,32 115,82 116,44 115,11 116,77 121,28 125,54 134,03 133,88 118,91 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais.

Boi Gordo – preços (R$/@)* Pantanal - MS ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

2012 2013

90,42

90,06

90,99

93,22

89,46

92,07

95,46

96,47

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

91,91

91,91

99,62 102,03 101,41 103,93

95,43

2014 103,31 106,93 117,59 117,93 117,31 118,03 117,07 118,39 122,82 127,72 134,10 135,15 119,70 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais.

www.famasul.com.br

45


Vaca gorda A mesma tendência foi seguida pelo mercado da vaca gorda em 2014, onde os preços também atingiram os patamares mais elevados de cotação.

Preço da vaca gorda em MS (R$/@)* 2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

150,00 140,00 130,00 120,00 110,00 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

46

www.senarms.org.br


VACA GORDA – PREÇOS (R$/@)*

Preço médio para Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 49,77

46,52

45,12

45,11

46,76

48,70

48,86

49,95

49,15

49,94

52,03

50,09

48,50

2005 47,82

44,88

44,06

41,81

41,61

42,23

41,72

41,62

42,10

43,81

45,01

42,22

43,24

2006 40,36

40,30

39,96

40,93

40,55

40,05

41,52

46,98

50,76

53,02

46,32

43,84

43,72

2007 44,12

45,36

45,99

45,95

46,06

47,43

51,45

53,45

52,24

54,03

60,91

60,19

50,60

2008 59,74

59,14

61,15

64,15

68,40

78,60

79,29

79,68

79,48

79,93

77,54

68,30

71,28

2009 69,09

66,45

62,97

64,91

64,73

66,70

67,93

66,97

66,79

67,49

66,11

64,91

66,25

2010 65,90

66,82

68,11

71,17

70,42

71,43

72,80

76,51

82,32

87,64

95,66

87,16

76,33

2011 86,29

87,15

88,44

86,87

83,65

80,76

82,83

86,82

86,44

88,17

91,29

86,44

86,26

2012 83,71

81,79

78,66

78,74

77,00

77,41

76,67

77,95

83,18

85,37

87,07

83,08

80,89

2013 83,41

83,52

83,81

85,80

83,68

85,84

90,57

90,92

95,04

97,59

97,43

98,93

89,71

2014 99,46 102,17 108,32 107,98 106,66 107,33 107,78 108,95 114,84 118,89 124,65 126,02 111,09 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

www.famasul.com.br

47


VACA GORDA – PREÇOS (R$/@)* Campo Grande - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 48,72

45,80

44,20

44,15

45,94

47,87

48,05

49,12

48,50

49,09

51,38

48,90

47,64

2005 47,12

43,88

43,30

40,18

39,55

40,65

40,19

40,15

41,15

42,90

44,77

41,53

42,11

2006 39,90

39,22

38,86

39,85

39,91

39,25

40,39

46,12

49,99

52,89

45,95

43,10

42,95

2007 43,23

44,15

44,67

44,62

44,79

46,52

50,93

53,00

51,99

53,67

60,48

59,12

49,76

2008 57,79

57,64

59,46

63,23

67,51

77,78

78,78

79,17

78,78

79,54

77,22

67,72

70,39

2009 68,03

65,14

62,19

64,38

64,65

66,41

67,82

67,28

67,26

67,88

66,24

64,75

66,00

2010 65,61

66,14

67,74

71,00

70,31

71,55

73,01

77,04

82,48

87,97

95,30

86,47

76,22

2011 85,67

86,52

87,73

86,56

83,20

80,15

82,85

86,31

86,34

88,09

91,27

86,43

85,93

2012 83,32

81,04

78,05

78,38

76,59

77,24

76,79

77,91

83,05

85,38

87,04

82,80

80,63

2013 83,14

83,23

83,67

85,42

83,76

85,61

90,73

90,90

95,43

98,00

97,75

99,32

89,75

2014 99,84 102,18 108,00 108,08 106,82 108,40 107,50 110,19 115,24 120,07 126,34 126,72 111,62 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

48

www.senarms.org.br


VACA GORDA – PREÇOS (R$/@)* Dourados – MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

2004 50,37

46,94

45,55

2005 47,94

44,86

2006 40,37

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

45,76 47,41

48,90

49,31

50,48

49,29

50,12

51,85

50,26

48,85

44,14

42,16 42,46

42,85

42,37

42,26

42,57

44,54

45,11

42,23

43,62

40,67

40,47

41,68 41,15

40,39

42,08

47,59

51,25

52,97

46,25

44,17

44,09

2007 44,86

46,12

46,52

46,82 46,89

47,98

52,00

54,18

52,85

55,06

61,35

60,77

51,28

2008 60,72

59,92

62,06

64,79 69,14

79,08

79,71

80,33

80,26

80,47

77,86

68,62

71,91

2009 69,50

67,12

63,35

64,94 64,74

66,94

68,32

67,11

66,64

67,37

66,11

65,19

66,44

2010 66,15

67,34

68,53

71,38 70,47

71,25

72,59

76,35

82,37

87,45

95,09

87,07

76,34

2011 85,92

87,11

88,67

87,33 83,89

81,52

83,27

87,94

87,23

88,72

90,94

86,30

86,57

2012 83,62

81,86

78,81

78,93 76,94

77,39

76,89

78,15

83,10

85,45

87,00

83,71

80,99

2013 83,89

84,22

84,62

86,56 84,28

86,33

90,67

91,23

95,65

97,85

98,00 100,14

90,29

2014 100,34 103,15 108,37 108,78 107,12 108,09 107,71 109,45 114,78 119,34 126,52 126,10 111,65 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores nominais.

www.famasul.com.br

49


VACA GORDA – PREÇOS (R$/@)* Três Lagoas – MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 50,21

46,83

45,62

45,42

46,92

49,32

49,21

50,26

49,66

50,60

52,86

51,10

49,00

2005 48,39

45,91

44,73

43,09

42,81

43,19

42,61

42,46

42,58

44,00

45,15

42,90

43,99

2006 40,82

41,00

40,55

41,26

40,58

40,50

42,10

47,24

51,05

53,21

46,77

44,26

44,11

2007 44,27

45,80

46,79

46,40

46,51

47,78

51,43

53,17

51,87

53,36

60,89

60,68

50,75

2008 60,72

59,87

61,94

64,42

68,56

78,94

79,39

79,54

79,41

79,78

77,53

68,57

71,56

2009 69,74

67,09

63,38

65,41

64,79

66,76

67,66

66,51

66,48

67,22

65,97

64,79

66,32

2010 65,95

66,97

68,06

71,14

70,47

71,48

72,81

76,13

82,12

87,49

96,59

87,94

76,43

2011 87,28

87,82

88,92

86,71

83,85

80,62

82,36

86,21

85,74

87,69

91,66

86,59

86,29

2012 84,20

82,46

79,11

78,91

77,48

77,61

76,32

77,80

83,39

85,29

87,16

82,93

81,06

2013 83,70

84,06

84,36

85,99

83,76

86,11

90,64

90,67

94,98

97,44

97,60

99,57

89,91

2014 99,59 102,45 108,15 108,58 107,14 108,19 107,35 109,02 114,00 118,26 126,18 125,92 111,24 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

50

www.senarms.org.br


VACA GORDA – PREÇOS (R$/@)* Cassilândia - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

2012 83,98

84,02

85,99

83,80

86,04

90,44

90,71

94,54

96,83

96,45

DEZ

MÉDIA

83,47

83,47

98,77

89,60

2013

83,66

2014

98,99 100,90 107,16 106,96 106,22 107,43 107,09 109,05 115,18 117,88 124,73 125,34 110,58 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

VACA GORDA – PREÇOS (R$/@)* Pantanal – MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

2012 2013 82,68 2014 98,53

82,13

82,38

85,04

82,79

85,11

90,38

91,11

94,60

109,90 107,51 106,00 104,56 109,26 107,03 114,99

97,83

97,35 119,49

DEZ

MÉDIA

82,47

82,47

96,84

89,02 108,59

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais.

www.famasul.com.br

51


Bezerro Com relação ao bezerro a valorização que ocorreu, principalmente em 2014, deveu-se também à restrição de oferta. Inclusive, o comportamento ascendente superou as variações dos preços da arroba do boi e da vaca. Essa valorização beneficiou principalmente o sistema de cria, uma vez que para o sistema de recria e engorda o custo com o bezerro aumentou, estreitando com isso as margens do produtor.

Preço do bezerro em MS (R$/cabeça)* 2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

1400,00 1200,00 1000,00 800,00 600,00 400,00 200,00 0,00 JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores Nominais

52

www.senarms.org.br


BEZERRO – PREÇOS (R$/cabeça)* Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 374,29 373,52 372,21 372,66 373,85 376,12 376,38 374,46 371,78 370,38 371,15 371,09 373,16 2005 369,65 369,90 368,53 364,86 359,82 357,07 351,32 348,02 342,57 345,12 340,19 335,24 354,36 2006 330,33 333,07 335,19 342,67 358,04 365,73 357,00 360,77 363,91 370,51 364,63 359,93 353,48 2007 361,90 372,61 389,39 404,69 415,11 423,01 429,11 448,71 459,67 462,49 468,81 479,62 426,26 2008 488,09 498,95 516,33 548,64 629,38 707,74 743,22 734,97 722,15 711,28 697,37 651,55 637,47 2009 634,31 624,32 631,73 641,19 628,98 647,13 633,12 615,54 601,00 592,65 588,02 592,64 619,22 2010 585,18 598,09 645,64 699,58 718,50 717,43 677,87 674,56 691,67 717,09 720,47 707,97 679,50 2011 694,75 710,25 742,57 767,68 770,49 746,00 740,56 732,36 718,61 720,04 757,29 728,85 735,79 2012 714,65 709,80 698,26 716,40 694,39 707,17 695,07 687,06 693,33 689,52 695,42 697,63 699,89 2013 715,13 717,92 746,13 768,42 779,05 781,76 796,76 799,97 801,83 816,91 822,51 851,41 783,15 2014 866,05 885,48 936,89 1038,93 1049,12 1038,34 1047,98 1059,81 1070,30 1108,22 1176,61 1194,39 1039,34 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores Nominais

www.famasul.com.br

53


BEZERRO – PREÇOS (R$/cabeça)* Campo Grande – MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 374,54 371,55 373,43 373,53 374,55 375,05 376,37 374,24 372,20 370,77 369,01 370,15 372,95 2005 371,38 369,39 369,58 365,06 358,92 356,95 351,50 344,09 339,01 339,32 336,13 337,17 353,21 2006 330,74 332,00 334,94 342,91 355,86 362,90 354,07 361,04 363,29 368,02 364,52 364,76 352,92 2007 362,65 373,17 388,95 403,07 414,82 421,37 427,17 445,60 454,93 464,31 472,55 478,66 425,60 2008 491,43 500,24 509,77 547,60 619,82 703,66 752,50 738,82 721,60 713,48 701,69 660,00 638,38 2009 623,76 623,10 632,57 643,12 624,85 637,19 633,01 607,15 603,08 592,12 593,48 589,64 616,92 2010 583,82 599,35 637,00 696,38 719,62 707,78 669,28 653,75 681,91 714,03 703,66 702,21 672,40 2011 696,30 707,20 743,39 770,54 767,27 748,27 744,10 734,11 697,13 721,06 732,59 724,22 732,18 2012 709,59 710,15 698,76 723,53 710,74 705,34 691,59 683,92 696,64 704,23 712,93 703,14 704,21 2013 709,82 717,88 759,42 771,17 784,29 787,53 801,78 800,98 803,68 816,94 824,29 843,55 785,11 2014 857,91 887,95 949,51 1001,06 1042,49 1031,59 1035,46 1050,40 1072,37 1084,97 1178,72 1205,31 1033,15 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

54

www.senarms.org.br


BEZERRO – PREÇOS (R$/cabeça)* Dourados – MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 377,18 373,72 372,13 371,00 374,99 376,50 377,22 374,03 371,07 371,38 371,49 372,06 373,56 2005 369,82 372,39 367,19 362,71 358,68 355,47 348,18 348,58 345,40 347,61 345,84 336,58 354,87 2006 326,48 333,93 338,08 340,68 356,07 361,77 355,56 358,95 367,30 373,94 367,73 360,39 353,41 2007 359,63 372,16 388,77 409,00 416,08 420,95 438,84 450,02 460,46 460,94 471,33 473,64 426,82 2008 493,87 496,90 522,49 538,48 644,58 712,76 733,20 733,49 719,53 705,73 693,55 644,16 636,56 2009 643,08 626,96 628,29 621,69 618,68 647,09 635,29 614,69 602,56 589,56 580,87 585,87 616,22 2010 582,05 596,71 649,69 697,18 713,04 715,01 682,97 686,77 704,80 724,29 744,33 716,55 684,45 2011 699,37 714,18 752,76 779,12 776,91 763,36 742,40 725,88 730,80 732,92 780,00 744,72 745,20 2012 703,39 714,23 696,48 729,44 696,43 698,73 698,46 700,77 692,81 700,38 700,72 714,22 703,84 2013 716,91 723,95 717,53 752,92 772,09 774,50 793,59 806,79 825,00 828,70 819,71 844,85 781,38 2014 862,53 878,98 903,83 1062,46 1073,93 1053,13 1053,18 1065,38 1068,23 1106,35 1183,55 1196,33 1042,32 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

www.famasul.com.br

55


BEZERRO – PREÇOS (R$/cabeça)* Três Lagoas – MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 371,14 375,28 371,08 373,44 372,01 376,81 375,55 375,12 372,06 369,00 372,95 371,06 372,96 2005 367,76 367,93 368,83 366,82 361,85 358,79 354,28 351,38 343,29 348,42 338,60 331,97 354,99 2006 333,77 333,29 332,55 344,41 362,19 372,53 361,38 362,32 361,13 369,57 361,65 354,63 354,12 2007 363,42 372,50 390,44 402,00 414,42 426,71 421,31 450,51 463,63 462,23 462,54 486,56 426,36 2008 478,98 499,70 516,74 559,85 623,75 706,79 743,97 732,59 725,33 714,64 696,87 650,50 637,48 2009 636,09 622,89 634,34 658,77 643,41 657,10 631,05 624,79 597,37 596,28 589,70 602,40 624,52 2010 589,66 598,21 650,22 705,18 722,84 729,50 681,36 683,15 688,30 712,95 713,42 705,15 681,66 2011 688,59 709,38 731,55 753,37 767,29 726,37 735,17 737,08 727,89 706,14 759,28 717,61 729,98 2012 730,97 705,02 699,55 696,23 676,01 717,44 695,17 676,50 690,53 663,95 672,61 675,52 691,63 2013 718,67 711,92 761,44 781,16 780,76 783,24 794,92 792,14 776,81 805,10 823,53 865,83 782,96 2014 877,71 889,51 957,34 1053,28 1030,94 1030,31 1055,31 1063,64

1133,33 1167,56 1181,52 1040,04 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

56

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

57


Boi Magro O preço médio do boi magro encerrou o ano de 2014 com valor 15% superior ao valor médio do ano de 2013. Nessa série histórica o preço nominal do boi magro cresceu 136%, índice superior aos 113% registrados no preço do boi gordo. Diante do exposto pode-se inferir que o produtor teve sua margem comprometida.

Preço do boi magro em MS (R$/cabeça)* 2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

2000,00 1800,00 1600,00 1400,00 1200,00 1000,00 800,00 600,00 400,00 200,00 0,00 JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

58

www.senarms.org.br


Boi magro – preços (R$/cabeça)*

Preço médio para mato grosso do sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 580,36 570,75 574,37 555,87 574,30 579,86 591,45 574,34 547,35 585,15 575,15 598,52 575,62 2005 603,90 588,10 614,67 572,73 549,38 572,91 563,10 511,54 483,42 574,63 546,76 552,19 561,11 2006 520,94 547,12 568,65 535,96 547,18 546,63 540,20 551,61 596,40 630,04 537,20 527,05 554,08 2007 576,01 603,53 600,16 617,34 655,29 664,82 634,89 646,53 669,66 685,93 657,15 657,94 639,10 2008 768,00 773,26 825,99 872,56 950,71 1086,14 1165,40 1100,08 1038,86 1028,60 962,24 899,21 955,92 2009 891,89 915,88 886,34 932,54 949,92 969,35 954,96 921,35 884,63 879,08 889,02 882,62 913,13 2010 892,22 900,19 960,37 1012,38 1029,42 979,33 1017,39 1047,62 1071,78 1101,31 1155,34 1100,54 1022,32 2011 1105,02 1104,00 1166,20 1170,05 1185,41 1151,55 1169,36 1179,16 1106,78 1162,08 1080,86 1148,90 1150,23 2012 1128,83 1105,32 1108,62 1099,33 1075,30 1082,61 1112,74 1089,36 1088,30 1063,01 1095,71 1073,68 1101,82 2013 1088,36 1112,86 1188,58 1149,28 1202,65 1232,28 1259,59 1175,95 1205,15 1192,60 1268,80 1226,44 1176,23 2014 1265,12 1266,68 1390,56 1369,44 1364,46 1412,86 1428,08 1448,45 1499,21 1653,95 1751,60 1758,35 1356,74 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

www.famasul.com.br

59


Boi magro – preços (R$/cabeça)*

Campo Grande - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2004 575,45 575,63 581,25 579,61 562,42 622,63 576,25 560,91 569,19 615,86 593,00 583,90 583,01 2005 572,57 605,29 566,31 579,69 592,81 524,29 576,85 586,26 513,74 580,21 551,01 531,71 565,06 2006 512,49 539,17 530,54 537,12 586,41 537,02 534,85 547,88 581,18 619,55 595,96 571,32 557,79 2007 588,63 595,87 609,13 617,34 640,11 666,14 664,62 677,68 663,56 689,67 668,97 688,17 647,49 2008 758,02 766,02 824,29 894,20 977,10 1153,59 1152,07 1046,94 1049,21 1043,65 957,79 901,55 960,37 2009 886,80 935,82 882,96 987,42 974,31 989,78 952,82 942,65 883,23 879,31 900,61 876,63 924,36 2010 928,47 922,17 950,34 1003,44 1032,93 960,05 998,34 1010,32 1026,92 1124,64 1142,04 1083,78 1015,29 2011 1136,81 1086,37 1188,32 1189,35 1151,17 1170,94 1198,93 1201,87 1130,04 1160,21 1135,64 1147,26 1158,08 2012 1157,66 1142,20 1158,29 1122,67 1093,87 1098,74 1084,82 1092,97 1071,31 1122,35 1116,84 1111,29 1114,42 2013 1092,99 1114,14 1116,52 1166,29 1179,78 1155,92 1208,77 1175,15 1204,29 1176,70 1252,95 1235,82 1173,28 2014 1225,13 1257,32 1360,69 1365,15 1359,74 1367,41 1318,87 1408,43 1531,75 1645,39 1794,81 1762,53 1449,77 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

60

www.senarms.org.br


Boi magro – preços (R$/cabeça)*

Dourados - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

2004 604,25 582,77 567,48 487,19 597,15 544,98 619,97 580,75 2005

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

581,48 600,00 598,07 578,55

583,33 650,00 546,33 566,41 563,42 561,32 495,35 491,28 547,00 535,32 562,03 554,71

2006 529,38 555,07 581,97 554,48 542,81 566,91 573,93 556,32 610,06 630,31 509,32 509,32 559,99 2007 576,06 605,66 593,34 2008

638,11 631,09 640,57 615,38 664,91 682,18 645,32 627,71 629,12

780,49 821,67 850,25 928,93 1085,64 1193,11 1133,06 1016,01 1009,26 956,03 893,92 969,85

2009 916,54 916,43 886,24 861,52 916,16 920,85 957,10 907,89 855,19 873,33 874,56 853,12 894,91 2010 829,88 843,35 942,67 1002,81 994,30 994,99 997,25 1045,42 1072,39 1088,25 1171,84 1060,00 1003,60 2011 1120,76 1143,91 1167,19 1162,44 1200,00 1200,00 1162,37 1149,54 1083,51 1163,94 2012

1200,00 1159,42

1068,44 1067,57 1070,59 993,05 1101,34 1140,66 1075,00 1054,76 1066,67 1100,00 1090,00 1075,28

2013 1066,74 1128,39 1149,21 992,66 1231,11 1240,91 1250,00 1176,74 1221,67 1165,63 1268,46 1221,78 1176,11 2014 1296,67 1259,38 1430,36 1400,00 1383,34 1450,00 1465,37 1456,37 1466,67 1662,50 1688,37 1754,17 1476,10 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

www.famasul.com.br

61


Boi magro – preços (R$/cabeça)* Três Lagoas - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2004 561,39 553,85

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

600,81 563,34 571,97 578,12 581,37 525,50 558,11 532,46 613,60 567,32

2005 635,23 575,68 627,71 592,18 488,93 631,02 551,12 453,00 445,23 596,69 553,96 562,84 559,47 2006

593,44 516,28 512,33 535,95 511,83 550,63 597,97 640,25 506,32 500,50 546,55

2007 563,33 609,06 598,00 2008 777,97

687,66 697,22 599,49

680,52

633,61

832,00 873,24 946,10 1019,18 1151,03 1120,24 1051,36 1032,90 972,89 902,17 970,83

2009 872,34 895,38 889,81 948,69 959,30 997,41

913,50 915,47 884,61 891,88 918,11 916,95

2010 918,31 935,05 988,10 1030,88 1061,02 982,96 1056,59 1087,12 1116,02 1091,04 1152,15 1157,83 1048,09 2011 1057,50 1081,73 1143,09 1158,37 1205,05 1083,70 1146,78 1186,08 2012 1100,00

1100,00 1104,72 1138,99 1047,75

1026,08 1099,45 1118,78

1100,10 1138,84 1000,00 1070,29 1019,76

2013 1105,34 1096,04 1300,00 1288,89 1197,06 1300,00 1320,00 2014 1273,55 1283,33 1380,62 1343,16 1350,31 1421,16 1500,00 1480,56

1189,50 1235,46 1285,00 1221,71 1771,63 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

62

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

63


Carne no Varejo Ao final de 2014 os preços da carne bovina no varejo registraram variação positiva para todos os cortes que compõem a pesquisa. Observa-se que nos cortes mais baratos os índices foram maiores, como é o caso do Acém Agulha, Fígado, Paleta e Costela Ripa. Entre os cortes mais nobres, a Picanha registrou o maior índice. Diante de variação positiva nos preços infere-se que o comportamento da demanda foi crescente.

64

www.senarms.org.br


Preço dos principais cortes de carne bovina no varejo no ano de 2014 (R$/Kg)*

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Var. no Dez ano (%)

Cortes

Jan

Acém Agulha

9,33 10,38 10,87 11,44 10,64 11,19 10,72 11,74 11,37 12,10 12,14 15,59 67,10

Alcatra

19,70 19,32 20,59 20,01 20,73 20,81 20,57 18,90 20,39 21,21 21,19 21,11

7,16

Contra - Filé

20,09 18,71 21,28 18,78 19,43 19,23 19,17 20,10 19,13 20,54 20,83 21,63

7,67

Costela Ripa

7,50

7,41

8,16

8,05

8,25

7,98

7,99

8,81

8,64

9,16

8,86

9,10 21,33

Coxão Mole

17,02 15,76 16,63 16,87 17,61 16,33 16,33 17,78 17,63 18,02 18,58 18,47

Cupim

13,74 13,66 14,62 14,76 14,49 14,22 15,88 15,83 15,31 14,89 15,85 15,74 14,58

Fígado

7,06

7,50

7,37

7,46

7,60

7,79

8,16

8,40

8,30

8,52

8,09 10,33 11,26 59,49

Filé Mignon

26,31 23,95 26,82 27,35 28,27 27,15 26,68 27,85 28,97 25,10 24,60 27,94

6,20

Lagarto

17,04 16,72 16,78 17,12 16,02 16,03 15,74 16,01 16,17 16,55 18,03 17,97

5,46

Músculo

10,61

Paleta

10,14 10,23 11,75 11,74 11,29 11,94 11,50 12,38 12,23 13,29 13,40 13,41 32,25

Patinho

16,66 16,96 18,23 17,43 18,37 16,97 16,81 17,36 17,99 17,86 18,42 19,01 14,11

Peito

11,75 11,96 12,79 12,08 12,32 12,24 10,74 12,38 12,74 13,77 13,61 13,59 15,66

Picanha

27,93 27,44 27,16 26,90 26,03 27,65 26,50 27,81 27,88 28,45 31,23 32,68 17,01

9,91 11,00 10,71 10,74 11,51 11,53 12,29 12,60 13,51 12,24 12,36 16,49

Fonte: NEPES/ANHANGUERA Elaboração: DECON/ SISTEMA FAMASUL *Valores nominais

www.famasul.com.br

65


Custo de Produção O custo de produção composto pelo COE (Custo Operacional Efetivo), que representa todos os gastos diretos do produtor, e o COT (Custo Operacional Total) que engloba o COE juntamente com as depreciações e o pró-labore, registrou alta. Os custos por hectare dos sistemas de cria acompanhado no período de 2004 a 2011 registraram crescimento no valor nominal, em 110% no COE e 105% no COT. Nos três anos subsequentes, a tendência de alta se manteve. 20,7% para o COE e 11,7% no COT. Nos sistemas de produção cria-recria entre os anos de 2004 e 2011 os custos nominais registraram alta de 107% do COE e 101% do COT. Entre 2012 e 2014 o sistema de cria-recria em Paranaíba, apresentou crescimento de 3,9% no Custo Operacional Efetivo e 5,2% no Custo Operacional Total. O acompanhamento do sistema de produção recria-engorda apresentou o segundo maior índice de alta no custo por hectare entre os anos de 2012 e 2014, o COE cresceu 31% e o COT 30%. Para o sistema de produção ciclo completo, a alta dos custos por hectare no período de 2004 a 2011 foi significativamente inferior aos custos dos demais sistemas. O COE cresceu 58,6% e o COT 51,7%. Nos três anos seguintes os índices de alta de 36,2% no COE e 34,5% no COT se mostraram relativamente superiores aos índices registrados no período de oito anos.

66

www.senarms.org.br


Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: CRIA

Município

2004 COE

COT

2005 COE

2006

COT

COE

2007

COT

COE

2008

COT

COE

2009

COT

COE

COT

Camapuã

88,74 115,75 98,29 125,30 106,41 133,49 118,08 146,39 168,80 201,73 171,56 208,57

Amambai

97,15 124,59 106,41 133,86 114,85 142,24 127,07 155,64 174,91 206,56 177,64 211,93

Bonito

66,00 92,87 72,52 99,39 79,64 106,53 88,51 116,41 112,97 143,62 116,80 149,68

Brasilândia

69,81 90,65 75,50 96,34 80,19 101,04 88,37 110,02 125,60 149,37 125,82 151,34

Ribas do Rio Pardo

74,95 96,64 82,87 109,73 89,17 121,92 98,14 129,97 139,31 173,32 140,82 178,87

São Gabriel do Oeste 101,21 129,85 112,75 144,03 122,50 156,73 134,70 169,21 181,03 218,31 185,13 225,88 Chapadão do Sul

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Aquidauana

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Corumbá

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Coxim

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Coxim (Pantanal)

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Rio Verde do Mato Grosso

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

MÉDIA

82,98 108,39 78,33 118,11 98,79 126,99 109,14 137,94 150,44 182,15 152,96 187,71 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

www.famasul.com.br

67


Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: CRIA

Município

2010 COE

2011 COT

COE

2012 COT

COE

2013 COT

COE

2014* COT

COE

COT

Camapuã

196,24 238,14 190,33 232,20 134,11 177,46 182,27 231,34 191,01 242,46

Amambai

201,70 239,21 204,45 242,43 218,91 293,74 250,74 329,93 263,52 346,81

Bonito

133,13 168,75 132,06 165,86

-

-

-

-

-

-

Brasilândia

142,49 170,16 148,54 175,32

-

-

-

-

-

-

Ribas do Rio Pardo

159,77 215,63 162,95 244,01 127,92 178,04 125,50 190,63 130,36 197,08

São Gabriel do Oeste

209,01 260,61 208,51 273,73 112,94 152,55 122,07 162,36 129,96 171,48

Chapadão do Sul

-

-

-

- 193,21 241,95 209,99 261,36 222,88 275,23

Aquidauana

-

-

-

-

Corumbá

-

-

-

- 330,22 526,96 408,56 499,85 433,34 529,89

Coxim

-

-

-

- 176,56 310,09 174,10 331,39 184,77 345,63

Coxim (Pantanal)

-

-

-

-

40,09

56,64

46,50

64,19

49,07

67,95

Rio Verde do Mato Grosso

-

-

-

-

83,54

97,76

76,26

90,95

82,03

97,53

MÉDIA

46,32

88,89

76,52

93,53

80,44

97,75

173,72 215,42 174,47 222,26 121,98 177,00 139,38 187,96 147,28 197,65 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

68

www.senarms.org.br


Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: CRIA - RECRIA

Município

2004 COE

2005

COT

COE

2006

COT

COE

2007

COT

COE

2008

COT

COE

2009

COT

COE

COT

Chapadão do Sul

122,14 148,79 131,55 158,20 137,73 164,32 152,28 180,07 217,41 248,53 218,42 252,42

Nova Andradina

101,42 123,80 111,19 135,31 117,91 143,81 128,81 155,58 184,60 215,37 185,11 219,25

Paranaíba

75,95 113,86 82,73 122,43 87,69 129,04 95,43 138,53 130,09 178,69 130,59 183,27

MÉDIA

99,84 128,82 108,49 138,65 114,44 145,72 125,51 158,06 177,37 214,20 178,04 218,31 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: CRIA - RECRIA

Município

2010 COE

2011 COT

COE

2012 COT

COE

2013 COT

COE

2014* COT

COE

COT

Chapadão do Sul

240,53 278,05 253,12 291,72

-

-

-

-

-

-

Nova Andradina

208,23 249,61 214,50 265,22

-

-

-

-

-

-

Paranaíba

145,74 206,01 151,70 221,77 164,41 247,73 164,37 253,08 170,83 260,58

MÉDIA

198,17 244,56 206,44 259,57

54,80

82,58

54,79

84,36

56,94

86,86

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

www.famasul.com.br

69


Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: RECRIA - ENGORDA

Município Naviraí

2004 COE

2005

COT

COE

2006

COT

COE

2007

COT

COE

2008

COT

COE

2009

COT

COE

COT

255,37 301,34 241,60 290,76 243,75 294,98 277,15 333,27 387,81 457,90 366,89 442,82

Bonito

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Dourados

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Nova Andradina

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

MÉDIA

255,37 301,34 241,60 290,76 243,75 294,98 277,15 333,27 387,81 457,90 366,89 442,82 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: RECRIA - ENGORDA

Município

2010

2011

2012

2013

2014*

COE

COT

COE

COT

COE

COT

COE

COT

COE

Naviraí

416,55

497,32

509,71

605,94

707,07

779,06

779,45

856,96

942,53 1.024,37

Bonito

-

-

-

-

513,42

628,82

572,14

706,84

693,29

Dourados

-

-

-

-

871,05

957,12

921,43 1.021,05 1.119,25 1.220,91

Nova Andradina

-

-

-

-

362,66

452,27

397,89

507,16

467,62

580,30

416,55

497,32

509,71

605,94

613,55

704,32

667,73

773,00

805,67

915,32

MÉDIA

COT

835,73

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

70

www.senarms.org.br


Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: CICLO COMPLETO

Município

2004 COE

2005

COT

COE

2006

COT

COE

2007

COT

COE

2008

COT

COE

2009

COT

COE

COT

Chapadão do Sul

139,17 168,06 151,83 180,72 160,39 189,23 177,26 207,42 252,21 286,19 254,87 292,19

Dourados

115,46 161,66 127,13 174,24 138,02 184,38 152,96 205,53 209,79 277,57 213,87 286,79

Miranda

70,52 101,28 76,88 110,07 80,74 116,73 87,92 124,31 128,93 168,97 128,38 172,56

Porto Murtinho MÉDIA

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

108,38 143,67 88,96 116,26 94,79 122,59 104,53 134,32 147,73 183,18 149,28 187,89 Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) (R$/hectare)*

SISTEMA DE PRODUÇÃO: CICLO COMPLETO

Município

2010

2012 COT

COE

2014*

COE

COT

Chapadão do Sul 282,16

323,53

291,43

334,18

-

-

-

-

-

-

Dourados

243,64

313,70

245,01

319,93

-

-

-

-

-

-

Miranda

144,34

199,59

151,08

217,43

107,12

158,42

139,60

211,06

143,39

218,32

-

-

-

-

82,81

107,43

106,77

131,58

114,83

140,92

167,53

209,21

171,88

217,89

47,48

66,46

61,59

85,66

64,55

89,81

MÉDIA

COE

2013

COT

Porto Murtinho

COE

2011

COT

COE

COT

Fonte: CEPEA-ESALQ/USP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.*Valores nominais

www.famasul.com.br

71


Abates Devido à restrição de oferta de animais prontos para abate no ano de 2014, houve leve redução de 3,73% no número de abates na comparação a 2013. Apesar disso, o resultado histórico demonstra que de 1997 a 2014 os abates totais de bovinos aumentaram 47,90% e o volume 56,46%. Contribuíram para esses resultados o abate de vacas que aumentou 23,28% e de novilhas 493,68%. Quanto aos machos o aumento foi de 30,22% para os abates de bois e de 44,81% para os novilhos. Esse aumento significativo, principalmente no abate de novilhos e novilhas pode ter sido influenciado pelo Programa Novilho Precoce, que teve por objetivo o estímulo aos produtores pecuários de Mato Grosso do Sul no desenvolvimento de animais abatidos precocemente, isto desde 1995.

72

www.senarms.org.br


Evolução dos abates de bovinos em MS (cabeças) ANO

ABATE DE MS

1996

3.022.546

1997

2.977.622

1998

3.139.410

1999

2.923.991

2000

3.355.393

2001

3.173.609

2002

3.157.168

2003

3.237.862

2004

3.660.933

2005

3.634.204

2006

3.483.847

2007

3.515.058

2008

3.022.522

2009

3.104.603

2010

3.126.665

2011

3.088.448

2012

3.808.279

2013

3.899.948

2014

3.754.411 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

73


Movimento de abate de machos em MS (cabeças) Mês

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

Janeiro

336.950

326.946

246.891

265.708

264.290

290.311

381.472

348.775

Fevereiro

307.570

263.602

233.468

254.304

257.094

286.709

334.356

322.564

Março

341.142

281.353

258.195

291.706

266.858

323.486

336.643

309.105

Abril

315.285

286.395

263.223

274.615

244.112

301.509

346.762

314.326

Maio

325.387

277.928

268.760

284.574

271.161

335.416

317.741

334.949

Junho

265.037

247.821

263.669

289.185

255.943

323.290

314.465

308.181

Julho

299.899

253.721

259.900

276.924

246.938

323.134

338.390

289.750

Agosto

267.652

245.529

221.334

237.811

248.124

352.670

316.767

273.089

Setembro

242.213

212.300

258.825

231.038

239.847

309.474

285.083

301.523

Outubro

228.233

225.468

288.303

217.513

243.630

328.363

296.257

316.874

Novembro

277.917

178.022

260.427

242.125

264.008

320.783

299.499

300.339

Dezembro

307.773

223.437

281.608

261.162

286.443

313.134

332.513

334.936

3.515.058

3.022.024

3.104.603

3.126.665

3.088.448

3.808.279

3.899.948

3.754.411

Total

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

74

www.senarms.org.br


Movimento de abate de fêmeas em MS (cabeças) Mês

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

Janeiro

168.290

154.932

106.101

107.980

120.192

144.214

187.905

159.919

Fevereiro

153.827

136.404

101.457

106.648

127.354

148.451

167.588

160.423

Março

164.843

140.873

122.307

127.710

124.594

167.188

170.582

151.207

Abril

153.566

131.783

118.524

110.281

117.789

155.803

169.831

144.162

Maio

144.473

111.910

113.355

103.245

128.817

168.739

156.419

156.851

Junho

123.660

94.984

109.881

104.331

120.377

157.771

137.379

129.551

Julho

131.718

96.265

96.564

95.439

111.968

154.984

142.764

127.754

Agosto

115.699

91.721

82.227

75.724

106.409

163.367

134.745

103.030

Setembro

93.756

75.779

95.728

77.204

93.984

129.978

96.353

112.730

Outubro

81.309

77.727

98.338

66.133

88.697

129.106

105.470

113.429

Novembro

102.003

68.516

93.556

89.545

105.614

132.703

111.703

117.746

Dezembro

133.184

91.204

118.293

109.248

127.986

139.311

141.722

141.907

1.566.328

1.272.098

1.256.331

1.173.488

1.373.781

1.791.615

1.722.461

1.618.709

Total

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

75


Abate de machos em MS e preço da arroba 2007 a 2014 (N°Animais Abatidos - Em cabeças)

Abate de Machos

R$/@*

Arroba do Boi

160,00

250.000

140,00 200.000

120,00 100,00

150.000

80,00 100.000

60,00 40,00

50.000

20,00 0,00

0

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores nominais

Abate de fêmeas em MS e preço da arroba 2007 a 2014 (N°Animais Abatidos - Em cabeças)

R$/@* Abate de Fêmeas

200.000

Arroba da Vaca

140,00

180.000

120,00

160.000

100,00

140.000 120.000

80,00

100.000

60,00

80.000 60.000

40,00

40.000

20,00

20.000 jul-14

out-14

jan-14

abr-14

jul-13

out-13

jan-13

abr-13

jul-12

out-12

jan-12

abr-12

jul-11

out-11

jan-11

abr-11

jul-10

out-10

jan-10

abr-10

jul-09

out-09

jan-09

abr-09

jul-08

out-08

jan-08

abr-08

jul-07

out-07

jan-07

abr-07

0

0,00

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores nominais

76

www.senarms.org.br


Abate de machos em MS e preço do bezerro 2007 a 2014 (N°Animais Abatidos - Em cabeças)

Abate de Machos

R$/@*

Preço do Bezerro

1.400,00

250.000

1.200,00 200.000

1.000,00 150.000

800,00 600,00

100.000

400,00 50.000

200,00

jul-14

out-14

jan-14

abr-14

jul-13

out-13

jan-13

abr-13

jul-12

out-12

jan-12

abr-12

jul-11

out-11

jan-11

abr-11

jul-10

out-10

jan-10

abr-10

jul-09

out-09

jan-09

abr-09

jul-08

out-08

jan-08

abr-08

jul-07

out-07

jan-07

abr-07

0

0,00

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores nominais

www.famasul.com.br

77


Exportações Também para as exportações, o ano de 2014 foi atípico. Apesar do aumento das exportações em relação a 2013, o segundo semestre de 2014 foi marcado por quedas na comparação ao primeiro semestre, principalmente em função da redução das importações de carne bovina in natura para a Rússia, principal comprador do Estado. Essa queda nas participações pode ser explicada pela atual crise enfrentada por aquele país, dada a desvalorização do petróleo no mercado internacional, principal base econômica do País.

78

www.senarms.org.br


Exportações de carne bovina de MS Ano

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

1997

12.012.609

3.046.076

1998

18.525.006

5.085.984

1999

31.233.850

11.148.758

2000

49.065.382

23.737.598

2001

139.749.248

75.114.862

2002

49.393.939

31.259.948

2003

62.767.497

26.980.187

2004

125.731.436

57.814.784

2005

294.389.202

136.628.065

2006

54.768.329

26.443.131

2007

83.869.332

39.112.684

2008

387.655.142

105.464.573

2009

391.120.661

130.830.656

2010

448.437.515

118.307.669

2011

391.463.470

85.306.284

2012

551.679.361

124.969.805

2013

661.126.174

155.913.587

2014

739.385.616

165.248.563 Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

79


Evolução das exportações de carne bovina de MS (Volume - Kg)

(Receita - US$)

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

80

www.senarms.org.br


Exportações de carne bovina em MS (2013 e 2014)

EXPORTAÇÕES DE CARNE BOVINA DE MS CARNE BOVINA in natura CARNE BOVINA INDUSTRIALIZADA MIUDEZAS DE CARNE BOVINA TOTAL

2013

2014

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

616.671.738

139.305.618

690.552.711

148.566.754

440.912

142.936

602.253

207.343

44.013.524

16.465.033

48.230.652

16.474.466

661.126.174

155.913.587

739.385.616

165.248.563

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

81


Exportações de carne bovina de MS (comparativo mensal 2014/2013) RECEITA (US$)

MÊS

2013

2014

Var (%) US$

VOLUME (Kg) 2013

2014

Var (%) Kg

Jan

55.838.393

52.792.006

-5,46

13.031.016

12.605.144

-3,27

Fev

45.447.955

70.267.800

54,61

10.514.215

17.100.245

62,64

Mar

45.031.410

56.618.508

25,73

10.438.906

13.594.418

30,23

Abr

57.325.959

55.683.653

-2,86

13.565.070

13.043.114

-3,85

Mai

54.393.828

69.248.392

27,31

13.113.695

15.406.822

17,49

Jun

46.186.367

63.541.240

37,58

11.118.625

13.902.849

25,04

Jul

58.809.104

74.017.627

25,86

13.962.377

16.160.695

15,74

Ago

55.384.875

66.866.069

20,73

13.366.735

14.295.007

6,94

Set

59.558.088

54.947.344

-7,74

14.319.836

12.046.155

-15,88

Out

61.681.225

70.136.029

13,71

14.289.016

14.545.463

1,79

Nov

52.955.728

49.323.203

-6,86

12.242.932

10.450.583

-14,64

Dez

68.513.242

55.943.745

-18,35

15.951.164

12.098.068

-24,16

661.126.174

739.385.616

11,84

155.913.587

165.248.563

5,99

TOTAL

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

82

www.senarms.org.br


Destinos Mesmo com a queda nas exportações de carne bovina in natura destinadas à Rússia, este país se posicionou como principal parceiro comercial do Mato Grosso do Sul, onde os resultados positivos do primeiro semestre amenizaram as quedas do segundo. A participação da Rússia nas importações totais de carne bovina sul-mato-grossense superou 40%.

www.famasul.com.br

83


Países importadores de carne bovina de MS em 2014 PAÍS

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

RÚSSIA

301.071.147

71.418.811

40,72

HONG KONG

141.526.203

32.669.182

19,14

EGITO

55.219.622

14.887.123

7,47

VENEZUELA

76.044.957

14.352.507

10,28

CHILE

59.763.760

11.211.126

8,08

IRÃ

16.138.029

3.564.056

2,18

ITÁLIA

15.944.768

2.095.785

2,16

PAÍSES BAIXOS

13.952.777

1.448.334

1,89

ANGOLA

3.023.403

1.396.569

0,41

ARGÉLIA

6.989.189

1.385.069

0,95

49.711.761

10.820.001

6,72

739.385.616

165.248.563

100,00

OUTROS 47 PAÍSES TOTAL

PART. NO TOTAL (%)

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

84

www.senarms.org.br


Principais países importadores de carne bovina de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

85


Couro Bovino Com relação às exportações de couro bovino, é necessário frisar que percorreram uma trajetória crescente desde 1997, principalmente em termos de receita. Somente na comparação de 2013 a 2014 houve aumento de 15,30%, embora o volume tenha reduzido em 7,90%.

86

www.senarms.org.br


Exportações de couro bovino de MS Ano

RECEITA (US$)

VOLUME (US$)

1997

8.782.941

3.807.939

1998

16.536.923

8.362.650

1999

10.308.951

6.313.801

2000

10.397.517

4.030.635

2001

25.232.467

12.869.314

2002

28.195.911

19.930.306

2003

32.610.011

22.554.424

2004

62.401.677

29.794.711

2005

87.635.885

45.634.761

2006

112.625.842

55.970.159

2007

129.598.396

52.981.172

2008

101.799.956

41.242.447

2009

57.456.749

24.464.311

2010

58.594.170

20.146.182

2011

78.177.513

26.769.588

2012

96.030.936

31.554.458

2013

163.677.199

51.695.667

2014

188.717.417

47.614.989 Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

87


Evolução das exportações de couro bovino de MS VOLUME (US$)

(Volume - Kg)

RECEITA (US$)

(Receita - US$)

60.000.000

200.000.000 180.000.000

50.000.000

160.000.000 140.000.000

40.000.000

120.000.000 30.000.000

100.000.000 80.000.000

20.000.000

60.000.000 40.000.000

10.000.000

20.000.000 0

0

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

Exportações de couro bovino de MS (2013 e 2014)

EXPORTAÇÕES DE COURO/PELE BOVINO DE MS COURO/PELE BOVINO CRUST

2013 RECEITA Em US$

2014 VOLUME Em Kg

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

388.644

102.767

171.110

96.796

15.356.415

4.734.396

1.505.208

360.349

5.346.886

311.705

15.976.077

834.524

COURO/PELE BOVINO CURTIDO

142.585.254

46.546.799

171.065.022

46.323.320

TOTAL

163.677.199

51.695.667

188.717.417

47.614.989

COURO/PELE BOVINO CURTIDO WET BLUE COURO/PELE BOVINO PREPARADO

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

88

www.senarms.org.br


Exportações de couro bovino de MS (comparativo mensal 2014/2013)

MÊS

RECEITA (US$) 2013

2014

Var (%) US$

VOLUME (Kg) 2013

Var (%) Kg

2014

Jan

10.768.277

13.096.526

21,62

3.399.670

3.661.789

7,71

Fev

13.290.845

16.613.234

25,00

4.624.094

4.491.525

-2,87

Mar

11.779.378

18.502.107

57,07

3.724.750

5.677.630

52,43

Abr

14.478.973

19.654.841

35,75

4.452.233

5.265.910

18,28

Mai

11.328.260

19.658.130

73,53

3.569.498

4.961.160

38,99

Jun

11.592.614

18.054.178

55,74

3.588.530

4.315.355

20,25

Jul

10.083.625

10.879.991

7,90

3.444.416

3.068.044

-10,93

Ago

10.548.409

16.532.130

56,73

3.221.390

3.707.370

15,09

Set

18.409.585

15.692.559

-14,76

5.926.414

3.672.366

-38,03

Out

19.771.200

10.706.059

-45,85

5.933.172

2.174.740

-63,35

Nov

12.968.398

10.942.043

-15,63

3.979.061

2.442.754

-38,61

Dez

18.657.635

18.385.619

-1,46

5.832.439

4.176.346

-28,39

163.677.199

188.717.417

15,30

51.695.667

47.614.989

-7,89

TOTAL

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

89


Destinos Dentre os principais destinos do couro bovino de Mato Grosso do Sul se destacaram China, Itália e Hong Kong. Respectivamente responsáveis pelas participações de 36,06%, 23,20% e 10,84% que juntos representaram 70,10% das exportações de couro bovino do Estado.

90

www.senarms.org.br


Países importadores de couro bovino de MS em 2014 PAÍS

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

PART. NO TOTAL (%)

CHINA

68.058.093

18.276.157

36,06

ITÁLIA

43.777.123

10.143.049

23,20

HONG KONG

20.463.334

5.039.545

10,84

VIETNÃ

13.872.501

4.049.972

7,35

TAILÂNDIA

14.401.350

3.756.896

7,63

TAIWAN

3.472.616

1.458.215

1,84

REP. DOMINICANA

3.376.717

863.659

1,79

PARAGUAI

2.722.710

848.704

1,44

URUGUAI

4.588.931

780.325

2,43

ÍNDIA

2.578.438

682.556

1,37

11.405.604

1.715.911

6,04

188.717.417

47.614.989

100,00

OUTROS 14 PAÍSES TOTAL

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

91


Principais países importadores de couro bovino de MS em 2014

2%

2% 2%

2%

1%

6%

CHINA ITÁLIA 36%

8%

HONG KONG VIETNÃ TAILÂNDIA TAIWAN

7%

REP. DOMINICANA PARAGUAI 11%

URUGUAI ÍNDIA 23%

OUTROS 14 PAÍSES

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

92

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

93


Bovinocultura de Leite


Bovinocultura de Leite PRODUÇÃO DE LEITE Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no ano de 2013 a produção de leite no estado de Mato Grosso do Sul atingiu mais de 523 milhões de litros, totalizando uma receita de aproximadamente R$ 432,6 milhões. O crescimento da produção de Mato Grosso do Sul nos últimos dez anos registrou acumulado de 6,6% e corresponde a 1,53% da produção nacional.

Evolução da produção de leite em MS (em mil litros) 600.000 500.000 400.000 300.000 200.000 100.000

1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013

0

Fonte: IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

96

www.senarms.org.br


Evolução da produção de leite em MS e Brasil (em mil litros) Ano

MS

Brasil

Part. de MS em %

1977

-

9.565.637

-

1978

139.346

9.782.169

1,42

1979

146.109

10.187.228

1,43

1980

205.717

11.162.245

1,84

1981

230.043

11.323.967

2,03

1982

239.904

11.461.215

2,09

1983

254.261

11.463.018

2,22

1984

256.952

11.932.908

2,15

1985

291.228

12.078.398

2,41

1986

312.939

12.491.814

2,51

1987

333.388

12.996.496

2,57

1988

348.267

13.521.881

2,58

1989

372.547

14.094.857

2,64

1990

398.728

14.484.414

2,75

1991

420.693

15.079.187

2,79

1992

446.166

15.784.011

2,83

1993

467.902

15.590.882

3,00

1994

454.674

15.783.557

2,88

1995

454.743

16.474.365

2,76

www.famasul.com.br

97


Evolução da produção de leite em MS e Brasil (em mil litros) continuação Ano

MS

Brasil

Part. de MS em %

1996

407.069

18.515.391

2,20

1997

414.948

18.666.011

2,22

1998

426.896

18.693.915

2,28

1999

409.045

19.070.048

2,14

2000

427.261

19.767.206

2,16

2001

445.179

20.509.953

2,17

2002

472.208

21.642.780

2,18

2003

481.609

22.253.863

2,16

2004

491.098

23.474.694

2,09

2005

498.667

24.620.859

2,03

2006

490.283

25.398.219

1,93

2007

490.069

26.137.266

1,87

2008

496.045

27.585.346

1,80

2009

502.485

29.085.495

1,73

2010

511.270

30.715.460

1,66

2011

521.832

32.096.214

1,63

2012

524.719

32.304.421

1,62

2013

523.347

34.255.236

1,53

Fonte: PPM/IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. (-) Sem informação ara o período.

98

www.senarms.org.br


Valor da produção de leite em MS e no Brasil (em mil reais)* Período

MS

Brasil

Part. de MS (%)

1994

103.501

3.356.155

3,08

1995

91.279

3.981.631

2,29

1996

80.629

4.520.981

1,78

1997

80.515

4.463.935

1,80

1998

80.823

4.427.380

1,83

1999

92.562

5.039.516

1,84

2000

103.616

5.731.407

1,81

2001

112.282

5.966.110

1,88

2002

143.806

7.690.340

1,87

2003

163.234

9.121.305

1,79

2004

199.655

10.961.080

1,82

2005

180.701

11.607.770

1,56

2006

177.125

12.337.588

1,44

2007

220.202

15.286.952

1,44

2008

253.805

17.036.700

1,49

2009

266.213

18.592.020

1,43

2010

292.820

21.210.252

1,38

www.famasul.com.br

99


Valor da produção de leite em MS e no Brasil (em mil reais)* continuação Período

MS

Brasil

Part. de MS (%)

2011

367.644

24.388.387

1,51

2012

394.043

26.797.462

1,47

2013

432.690

32.417.960

1,33

Fonte: PPM/IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

100

www.senarms.org.br


Ranking da Produção de Leite no País A produção de leite de Mato Grosso do Sul representa apenas 1,53% da produção brasileira, contudo sua posição é a 13ª no ranking nacional. No quesito produtividade, ocupa a 15ª posição, com aproximadamente 988 litro/vaca. As cinco Regiões com maior produção representam 72,57% da produção nacional, totalizando mais de 24,8 milhões de litros. Minas Gerais é a Unidade da Federação com maior produção, no entanto, em produtividade cai para 5ª colocação e a primeira posição passa a ser ocupada pelo Rio Grande do Sul, seguida por Santa Catarina e depois pelo Paraná, confirmando o bom desempenho da Região Sul na atividade leiteira.

Produção de leite e vacas ordenhadas no Brasil em 2013 Produção de leite Ranking

UF

Vacas Ordenhadas Litros

Ranking

UF

Cabeças

1 Minas Gerais

9.309.165.000

1 Minas Gerais

5.850.737

2 Rio Grande do Sul

4.508.518.000

2 Goiás

2.723.594

3 Paraná

4.347.493.000

3 Bahia

2.081.959

4 Goiás

3.776.803.000

4 Paraná

1.715.686

5 Santa Catarina

2.918.320.000

5 Rio Grande do Sul

1.554.909

6 São Paulo

1.675.914.000

6 São Paulo

1.390.485

7 Bahia

1.162.598.000

7 Santa Catarina

1.132.664

8 Rondônia

920.496.000

8 Pará

717.419

9 Mato Grosso

681.694.000

9 Maranhão

620.125

10 Rio de Janeiro

569.088.000

10 Rondônia

582.306

www.famasul.com.br

101


Produção de leite e vacas ordenhadas no Brasil em 2013 continuação

Produção de leite Ranking

UF

Vacas Ordenhadas Litros

Ranking

UF

Cabeças

11 Pernambuco

561.829.000

11 Ceará

561.325

12 Pará

539.490.000

12 Mato Grosso

557.104

13 Mato Grosso do Sul

523.347.000

13 Mato Grosso do Sul

529.651

14 Espírito Santo

465.780.000

14 Tocantins

441.927

15 Ceará

455.452.000

15 Rio de Janeiro

441.483

16 Maranhão

385.880.000

16 Espírito Santo

423.855

17 Sergipe

331.406.000

17 Pernambuco

411.969

18 Tocantins

269.255.000

18 Sergipe

234.365

19 Alagoas

252.135.000

19 Rio Grande do Norte

231.162

20 Rio Grande do Norte

209.150.000

20 Paraíba

195.873

21 Paraíba

157.258.000

21 Alagoas

153.591

22 Piauí

82.542.000

22 Piauí

143.583

23 Amazonas

48.969.000

23 Amazonas

113.518

24 Acre

47.125.000

24 Acre

77.624

25 Distrito Federal

34.448.000

25 Roraima

30.151

26 Amapá

10.948.000

26 Distrito Federal

24.348

27 Roraima

10.137.000

27 Amapá

13.124

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

102

www.senarms.org.br


Produção de leite por microrregião Observando a produção leiteira segundo as microrregiões do Estado, constata-se que as cinco maiores produtoras representam 71,8% do total. Não há entre elas uma diferença expressiva. A região de Iguatemi, primeira colocada, representa 19,7% do total, em seguida Campo Grande com 18%, em terceiro lugar Dourados com 12,8% e o quinto lugar, ocupado por Alto Taquari, representa 10,1% do total. O comportamento da produção nos últimos dez anos registrou crescimento de 28,2% em Iguatemi, 20,3% em Campo Grande e 3,2% na produção do Alto Taquari. Nas microrregiões de Dourados e Paranaíba, houve retração de 2,7% e 10,6%, respectivamente.

Evolução da produção de leite por microrregião de MS (em mil litros) Microrregião

1997

1998

1999

2000

2001

2002

Alto Taquari

43.509

43.401

41.587

43.887

45.601

46.565

Aquidauana

11.449

11.975

11.092

12.107

12.026

12.773

Baixo Pantanal

11.782

12.160

11.149

12.093

12.326

12.767

Bodoquena

18.585

19.123

18.187

20.429

21.078

22.017

Campo Grande

65.712

70.150

65.486

67.671

70.923

73.027

Cassilândia

18.910

19.126

17.276

18.612

19.447

20.020

Dourados

63.637

64.344

63.068

64.156

66.653

70.109

Iguatemi

66.287

69.281

69.026

68.610

71.314

83.466

Nova Andradina

26.248

26.831

27.811

29.962

33.956

37.384

Paranaíba

61.260

62.168

57.294

60.960

62.464

63.605

Três Lagoas

27.568

28.337

27.070

28.773

29.389

30.475

Total Geral

414.943

426.892

409.038

427.260

445.177

472.208

Fonte: PPM/IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

103


Evolução da produção de leite por microrregião de MS (em mil litros) Microrregião

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Alto Taquari

48.941

51.320

52.097

52.735

52.577

51.468

Aquidauana

12.877

13.790

14.583

14.727

14.758

14.758

Baixo Pantanal

12.951

13.121

13.361

13.522

13.641

15.272

Bodoquena

22.493

23.561

24.761

24.052

23.873

24.447

Campo Grande

74.863

78.170

80.200

80.533

80.831

82.193

Cassilândia

20.332

21.018

20.808

21.171

20.933

20.689

Dourados

69.615

68.954

70.416

72.123

71.494

68.848

Iguatemi

82.986

80.359

85.529

74.459

74.799

91.163

Nova Andradina

40.308

42.852

38.979

37.868

37.603

29.871

Paranaíba

64.611

65.625

65.334

66.032

66.911

64.124

Três Lagoas

31.630

32.330

32.599

33.061

32.650

33.211

Total Geral

481.503

491.100

498.667

490.283

490.070

496.044

Fonte: PPM/IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

104

www.senarms.org.br


Evolução da produção de leite por microrregião de MS (em mil litros) Microrregião

2009

2010

2011

2012

2013

Alto Taquari

51.717

52.495

52.314

53.146

52.985

Aquidauana

14.979

15.187

15.127

15.433

15.421

Baixo Pantanal

15.341

15.139

14.312

14.360

14.392

Bodoquena

24.899

25.255

25.896

26.115

25.641

Campo Grande

84.493

85.268

87.633

93.071

94.079

Cassilândia

20.547

20.983

20.620

19.939

21.519

Dourados

71.560

72.249

71.485

69.800

67.115

Iguatemi

87.943

90.834

99.719

101.255

103.055

Nova Andradina

31.702

35.809

38.615

38.476

39.535

Paranaíba

65.917

63.939

63.685

60.238

58.644

Três Lagoas

33.386

34.111

32.425

32.886

30.960

Total Geral

502.484

511.269

521.831

524.719

523.346

Fonte: PPM/IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

105


Produção de leite por microrregião de MS (mil litros) 110.000

2012

2013

100.000 90.000

Mililitros

80.000 70.000 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000

Fonte: IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

106

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

107


Distribuição da produção de leite por microrregião de MS - 2013

Microrregião Mil litros/Ano Alto Taquari 52.985 Aquidauana 15.421 Baixo Pantanal 14.392 Bodoquena 25.641 Campo Grande 94.079 Cassilândia 21.519 Dourados 67.115 Iguatemi 103.055 Nova Andradina 39.535 Paranaíba 58.644 Três Lagoas 30.960 Total Geral 523.346

108

www.senarms.org.br


O leite destinado à industrialização, no ano de 2014, foi aproximadamente 206,2 milhões de litros, volume 4,2% superior à quantidade de 2013, porém 1,8% inferior ao volume registrado em 2012 e 2,2% menor quando comparado à captação de 2010.

Quantidade de leite cru, resfriado ou não, adquirido em MS e no Brasil (mil litros)

Período

MS

Brasil

PART. MS (%)

1997

177.043

10.686.287

1,66

1998

178.224

10.995.373

1,62

1999

161.938

11.145.891

1,45

2000

174.232

12.107.741

1,44

2001

191.766

13.212.445

1,45

2002

191.286

13.221.307

1,45

2003

202.860

13.627.205

1,49

2004

209.654

14.495.145

1,45

2005

238.850

16.284.267

1,47

2006

220.374

16.669.742

1,32

2007

225.729

17.888.643

1,26

2008

205.980

19.285.077

1,07

2009

217.057

19.601.655

1,11

www.famasul.com.br

109


Quantidade de leite cru, resfriado ou não, adquirido em MS e no Brasil (mil litros) - continuação Período

MS

Brasil

PART. MS (%)

2010

210.881

20.975.503

1,01

2011

200.699

21.795.000

0,92

2012

209.940

22.338.333

0,94

2013

197.812

23.552.830

0,84

2014

206.198

24.740.893

0,83

Fonte: IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

Captação de leite Brasil X MS Base 100 de variação

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

110

www.senarms.org.br


Vacas Ordenhadas O rebanho de vacas ordenhadas no Mato Grosso do Sul cresceu 6,8% no período de 2004 a 2013 e representa 2,31% do rebanho nacional. A produtividade média registrada em 2013 foi 988,10 litros/vaca/ano, demonstrando uma ligeira queda de 0,21% em relação ao ano de 2004. Comportamento inverso ao nacional em que a média de produtividade registrada foi 1.492,31 litros/vaca/ano, representando aumento de 27,29% quando comparado ao ano de 2004. Ao comparar a produtividade mais recente com o ano de 1995, em que o número de vacas ordenhadas foi o maior do período, constata-se ganho em produtividade na casa de 47,9%.

www.famasul.com.br

111


Evolução da quantidade de vacas ordenhadas em MS e no Brasil (cabeças)

Período

112

MS

BRASIL

PART. DE MS (%)

1977

-

14.138.181

-

1978

323.472

14.150.233

2,29

1979

347.858

14.899.088

2,33

1980

336.257

16.512.969

2,04

1981

356.352

16.491.672

2,16

1982

375.594

16.386.690

2,29

1983

399.415

16.276.361

2,45

1984

394.592

16.742.910

2,36

1985

429.362

16.890.308

2,54

1986

475.737

17.329.845

2,75

1987

505.853

17.774.150

2,85

1988

518.739

18.053.635

2,87

1989

550.960

18.672.990

2,95

1990

584.866

19.072.907

3,07

1991

611.253

19.964.126

3,06

1992

612.306

20.476.010

2,99

1993

651.914

20.023.120

3,26

1994

674.382

20.068.266

3,36

1995

680.873

20.579.211

3,31

www.senarms.org.br


Evolução da quantidade de vacas ordenhadas em MS e no Brasil (cabeças) - continuação Período

MS

BRASIL

PART. DE MS (%)

1996

425.112

16.273.667

2,61

1997

425.950

17.048.232

2,50

1998

434.418

17.280.606

2,51

1999

433.524

17.395.658

2,49

2000

443.623

17.885.019

2,48

2001

457.988

18.193.951

2,52

2002

478.459

18.792.694

2,55

2003

486.714

19.255.642

2,53

2004

495.943

20.022.725

2,48

2005

502.287

20.625.925

2,44

2006

503.706

20.942.812

2,41

2007

502.571

21.122.318

2,38

2008

522.096

21.585.281

2,42

2009

526.183

22.435.289

2,35

2010

528.011

22.924.914

2,30

2011

530.463

23.229.193

2,28

2012

532.061

22.803.519

2,33

2013

529.651

22.954.537

2,31 Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

113


Evolução da quantidade de vacas ordenhadas por microrregião de MS (cabeças) Microrregião

1997

1998

1999

2000

2001

2002

Alto Taquari

47.192

47.007

46.261

48.329

49.176

50.139

Aquidauana

14.100

14.305

14.340

14.760

14.795

14.920

Baixo Pantanal

16.451

17.274

16.800

17.384

17.519

17.665

Bodoquena

22.685

22.840

22.727

23.097

23.570

24.096

Campo Grande

67.926

70.947

70.418

72.057

75.570

77.039

Cassilândia

20.397

20.541

20.615

21.134

21.636

21.909

Dourados

60.938

61.652

61.947

62.553

64.162

66.718

Iguatemi

57.154

59.010

59.543

58.654

60.871

70.776

Nova Andradina

24.585

24.895

25.926

27.723

30.808

34.192

Paranaíba

60.812

61.640

60.687

62.541

63.761

64.459

Três Lagoas

33.710

34.307

34.260

35.391

36.120

36.546

Total Geral

425.950

434.418

433.524

443.623

457.988

478.459

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

114

www.senarms.org.br


Evolução da quantidade de vacas ordenhadas por microrregião de MS (cabeças) Microrregião

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Alto Taquari

52.539

54.983

55.983

56.922

56.720

55.484

Aquidauana

14.990

15.675

16.322

16.490

16.550

16.568

Baixo Pantanal

17.846

18.072

18.654

19.111

19.308

21.392

Bodoquena

24.331

25.196

26.515

25.876

25.712

26.390

Campo Grande

78.467

81.488

83.784

84.449

84.614

86.097

Cassilândia

22.444

22.816

22.464

22.858

22.612

22.342

Dourados

66.034

65.541

66.698

68.069

66.975

64.143

Iguatemi

70.153

67.909

70.783

69.553

69.695

97.790

Nova Andradina

36.760

39.081

35.492

33.609

33.436

27.060

Paranaíba

65.482

66.791

66.902

67.534

68.230

65.498

Três Lagoas

37.668

38.391

38.690

39.235

38.719

39.332

Total Geral

486.714

495.943

502.287

503.706

502.571

522.096

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

115


Evolução da quantidade de vacas ordenhadas por microrregião de MS (cabeças) Microrregião

2009

2010

2011

2012

2013

Alto Taquari

55.795

56.608

56.353

57.051

56.915

Aquidauana

16.815

17.046

17.010

17.358

17.347

Baixo Pantanal

21.490

21.182

20.050

20.089

20.136

Bodoquena

26.809

27.217

27.883

28.122

27.603

Campo Grande

88.386

89.209

91.754

94.953

95.959

Cassilândia

22.196

22.636

22.338

21.484

23.275

Dourados

65.828

64.624

64.003

62.657

60.392

Iguatemi

93.392

90.274

91.394

93.539

94.269

Nova Andradina

28.789

33.232

35.935

35.820

36.687

Paranaíba

67.160

65.590

65.321

62.051

60.375

Três Lagoas

39.523

40.393

38.422

38.937

36.693

Total Geral

526.183

528.011

530.463

532.061

529.651

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

116

www.senarms.org.br


Produtividade Analisando a produtividade do rebanho de vacas ordenhadas no ano de 2013, nas microrregiões de Mato Grosso do Sul, identifica-se que no ranking das mais produtivas, estão: Dourados, com 1.111,30 litros/vaca/ano, 12,5% maior que a média do Estado, Iguatemi, com 1.093,20 litros/ vaca/ano, ocupa a segunda posição e supera a média estadual em 10,6%, Nova Andradina, com 1.077,60 litros/vaca/ano, com produtividade também maior que a média de MS. Os quarto e quinto lugares são ocupados por Campo Grande e Paranaíba, respectivamente. Ambas estão ligeiramente abaixo da média da produtividade de Mato Grosso do Sul. Ao observar o comportamento da produtividade ao longo dos últimos dez anos constata-se que houve queda na maioria das microrregiões classificadas como as mais produtivas. Iguatemi, com redução de 7,6%, Nova Andradina 1,7% e Paranaíba decresceu 1,1%. Dourados registrou alta de 5,6% e Campo Grande 2,2%. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano de 2013 retratam que houve uma alteração no ranking das cinco primeiras posições das microrregiões mais produtivas em relação aquelas com maior produção. Entre as cinco microrregiões com maior produção estava o Alto Taquari, no 5º lugar. Entre as mais produtivas, Nova Andradina integrou o grupo das cinco mais, ocupando a 3ª posição e Alto Taquari passou a ocupar a sexta posição.

www.famasul.com.br

117


Evolução da produtividade da pecuária de leite por microrregião de MS (litros/vaca/ano)

Microrregião

1997

1998

1999

2000

2001

2002

Alto Taquari

921,9

923,3

899,0

908,1

927,3

928,7

Aquidauana

812,0

837,1

773,4

820,3

812,8

856,1

Baixo Pantanal

716,2

703,9

663,6

695,6

703,6

722,7

Bodoquena

819,2

837,3

800,2

884,5

894,3

913,7

Campo Grande

967,4

988,8

930,0

939,1

938,5

947,9

Cassilândia

927,1

931,1

838,0

880,7

898,8

913,8

Dourados

1.044,3

1.043,6

1.018,1

1.025,6

1.038,8

1.050,8

Iguatemi

1.159,8

1.174,1

1.159,2

1.169,7

1.171,6

1.179,3

Nova Andradina

1.067,6

1.077,7

1.072,7

1.080,8

1.102,2

1.093,4

Paranaíba

1.007,4

1.008,6

944,1

974,7

979,7

986,8

Três Lagoas

817,8

826,0

790,1

813,0

813,6

833,9

MÉDIA

932,8

941,0

898,9

926,6

934,7

947,9

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

118

www.senarms.org.br


Evolução da produtividade da pecuária de leite por microrregião de MS (litros/vaca/ano)

Microrregião

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Alto Taquari

931,5

933,4

930,6

926,4

927,0

927,6

Aquidauana

852,1

879,7

893,5

893,1

891,7

890,8

Baixo Pantanal

725,7

726,0

716,3

707,6

706,5

713,9

Bodoquena

924,5

935,1

933,8

929,5

928,5

926,4

Campo Grande

954,1

959,3

957,2

953,6

955,3

954,7

Cassilândia

905,9

921,2

926,3

926,2

925,7

926,0

Dourados

1.054,2

1.052,1

1.055,7

1.059,6

1.067,5

1.073,4

Iguatemi

1.182,9

1.183,3

1.208,3

1.070,5

1.073,2

932,2

Nova Andradina

1.096,5

1.096,5

1.098,2

1.126,7

1.124,6

1.103,9

Paranaíba

986,7

982,5

976,6

977,8

980,7

979,0

Três Lagoas

839,7

842,1

842,6

842,6

843,3

844,4

MÉDIA

950,3

955,6

958,1

946,7

947,6

933,8

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

119


Evolução da produtividade da pecuária de leite por microrregião de MS (litros/vaca/ano)

Microrregião

2009

2010

2012

2013

Alto Taquari

926,9

927,3

931,6

930,9

Aquidauana

890,8

890,9

889,1

889,0

Baixo Pantanal

713,9

714,7

714,8

714,7

Bodoquena

928,8

927,9

928,6

928,9

Campo Grande

956,0

955,8

980,2

980,4

Cassilândia

925,7

927,0

928,1

924,6

Dourados

1.087,1

1.118,0

1.114,0

1.111,3

Iguatemi

941,7

1.006,2

1.082,5

1.093,2

1.101,2

1.077,5

1.074,1

1.077,6

Paranaíba

981,5

974,8

970,8

971,3

Três Lagoas

844,7

844,5

844,6

843,8

MÉDIA

936,2

942,3

950,8

951,4

Nova Andradina

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

120

www.senarms.org.br


Produtividade da pecuária de leite por microrregião de MS 1.200,00

2012

2013

1.000,00

Litros/vaca/Ano

800,00 600,00 400,00 200,00 0,00

Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

121


Cotações O CONSELEITE regulamenta mensalmente o preço de referência do leite pago ao produtor. No ano de 2011 o preço médio registrado foi R$ 0,6507/litro em 2014 alcançou a cifra de R$ 0,8099/litro, refletindo uma alta de 24,47% no valor nominal. No período de entressafra o preço de referência superou em 7,42% o preço médio.

122

www.senarms.org.br


VALORES CONSELEITE DE REFÊNCIA PARA O LEITE EM MS Extrato de Volume entregue de até 100 litros/dia

Posto Propriedade - (R$/Litro) Mês

Leite padrão

jan/11

0,5844

fev/11

0,5615

mar/11

0,5589

abr/11

0,5971

mai/11

0,6615

jun/11

0,6603

jul/11

0,6582

ago/11

0,6983

set/11

0,7327

out/11

0,7318

nov/11

0,7004

dez/11

0,6627

jan/12

0,6350

fev/12

0,6333

mar/12

0,6527

abr/12

0,6758

mai/12

0,6694

jun/12

0,6344

jul/12

0,6492

ago/12

0,6523

www.famasul.com.br

123


VALORES CONSELEITE DE REFÊNCIA PARA O LEITE EM MS Extrato de Volume entregue de até 100 litros/dia - continuação Posto Propriedade - (R$/Litro) Mês

124

Leite padrão

set/12

0,6625

out/12

0,6836

nov/12

0,6844

dez/12

0,7062

jan/13

0,7004

fev/13

0,6949

mar/13

0,7098

abr/13

0,7455

mai/13

0,7680

jun/13

0,7730

jul/13

0,8236

ago/13

0,8446

set/13

0,8628

out/13

0,8880

nov/13

0,8371

dez/13

0,7800

jan/14

0,7681

fev/14

0,7481

mar/14

0,7702

abr/14

0,7978

www.senarms.org.br


VALORES CONSELEITE DE REFÊNCIA PARA O LEITE EM MS Extrato de Volume entregue de até 100 litros/dia - continuação Posto Propriedade - (R$/Litro) Mês

Leite padrão

mai/14

0,8271

jun/14

0,8413

jul/14

0,8623

ago/14

0,8700

set/14

0,8601

out/14

0,8329

nov/14

0,7972

dez/14

0,7437 Fonte: PPM/BGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

125


Segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA) o preço liquido recebido pelo produtor de Mato Grosso do Sul foi, na média, R$ 0,8676/litro no ano de 2014. Valor 7,12% superior ao preço médio de referência sugerido pelo CONSELEITE para o mesmo ano. O comportamento do valor nominal entre o período de 2011 a 2014 registrou evolução de 30,98%. A Região Sudoeste registrou os melhores preços, sempre acima da média do Estado.

126

www.senarms.org.br


Leite - Preços (R$/litro)* Mato Grosso do Sul ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

2008 0,4983 0,4974 0,5099 0,5230 0,5966 0,5871 0,5964 0,6350 0,5128 2009 0,4025 0,4251 0,4449 0,4549 0,4780

- 0,5850 0,5429

2010 0,4290 0,4361 0,4813 0,5550 0,5757

- 0,5560 0,5384

2011

NOV

DEZ

MÉDIA

- 0,3908 0,4039 0,5228

- 0,4782

- 0,4451 0,4730

0,5727 0,5922 0,5792 0,5316

- 0,5549 0,5704 0,6036 0,6315 0,6755 0,6829 0,7642 0,7454 0,7329

-

- 0,6624

2012 0,6444 0,6408 0,6487 0,6515 0,6837 0,6798 0,6506 0,6968 0,7116 0,7092 0,7247 0,7238 0,6805 2013

0,7010 0,7350 0,7637 0,8135 0,8084 0,8435 0,8523 0,8983

2014 0,8088 0,7765 0,8017

0,9366 0,8754 0,8228

- 0,8443 0,9187 0,9438 0,9556 0,9550 0,9122 0,8479 0,7786 0,8676 Fonte: CEPEA – Boletim do Leite. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

Leite - Preços (R$/litro)* Região Leste - MS ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

2008 0,4436 0,4456 0,4797 0,5342 0,6160 0,5950 0,5815 0,5628 0,4949

NOV

DEZ

MÉDIA

- 0,3907 0,3822 0,5024

2009 0,3750 0,4214 0,4341 0,4582 0,4901

- 0,5377 0,5094

- 0,4832

2010 0,4073 0,4181 0,5046 0,5426 0,5774

- 0,5490 0,5722

- 0,5337 0,5751 0,5335 0,5214

2011

- 0,5129 0,5479 0,5853 0,6031 0,6707 0,6841 0,7376 0,6994 0,7104

0,4671 0,4640

-

- 0,6390

2012 0,6204 0,6133 0,6130 0,6158 0,6568 0,6309 0,6132 0,6660 0,7254 0,7086 0,7313 0,7281 0,6602 2013

- 0,6921 0,6992 0,7342 0,7894 0,7846 0,7924 0,8213 0,8614

2014 0,7604 0,7656 0,7948

- 0,8682 0,8186 0,7861

- 0,8404 0,8953 0,9020 0,9092 0,9033 0,8791 0,8216 0,7520 0,8385 Fonte: CEPEA – Boletim do Leite. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

www.famasul.com.br

127


Leite - Preços (R$/litro)* Região Sudoeste - MS ANO JAN ANO

FEV

JAN

FEV

MAR

ABR

MAR

MAI

ABR

MAI

JUN

JUL

JUN

JUL

AGO AGO

SET

OUT

SET

2008 0,5164 0,5122 0,5144 0,5228 0,5787 0,5799 0,6102 0,5624 0,5294

NOV

OUT

DEZ

NOV

MÉDIA

DEZ MÉDIA

- 0,3909 0,4240 0,5219

2009 0,4280 0,4285 0,4548 0,4519 0,4668

- 0,6287 0,5739

- 0,4735

2010 0,4490 0,4528 0,4597 0,5666 0,5740

- 0,5617 0,5113

- 0,6039 0,6059 0,6158 0,5401

2011

- 0,5885 0,5885 0,6182 0,6542 0,6969 0,6974 0,7647 0,7371 0,6993

- 0,4248 0,4812

-

- 0,6716

2012 0,6469 0,6448 0,6594 0,6779 0,7098 0,7130 0,7108 0,7377 0,7220 0,7324 0,7338 0,7338 0,7019 2013

- 0,7184 0,7586 0,7742 0,8299 0,7979 0,8811 0,8798 0,9037

2014 0,8742 0,8096 0,8280

0,9604 0,9113 0,8415

- 0,8684 0,9585 0,9750 1,0025 1,0215 0,9614 0,8991 0,7965 0,9086 Fonte: CEPEA – Boletim do Leite. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14

Mil litros

R$/litro

Captação X Preço

Fonte: CONSELEITE/MS E SIDRA/IBGE. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

128

www.senarms.org.br


Balança Comercial Brasileira O saldo da Balança Comercial brasileira de produtos lácteos registrou déficit no período de 2011 a 2014. Contudo, no ano de 2014, o déficit de US$ 116,9 milhões foi 77,55% inferior aos US$ 520,7 milhões registrados em 2011. O déficit menor ocorreu em função de um aumento significativo no valor das exportações do leite e creme de leite em pó, aumentou 369,54% em relação ao ano de 2011.

Balança Comercial de lácteos no Brasil – US$ Produto Manteiga

2011

2012

2013

2014

-615.888

-16.872.170

-10.597.714

11.618.760

Leite e Creme de Leite em pó

-329.729.874

-379.269.369

-321.402.575

-26.023.330

Queijos

-190.406.936

-138.848.446

-152.895.284

-102.507.471

Total

-520.752.698

-534.989.985

-484.895.573

-116.912.041 Agrostat | MAPA

www.famasul.com.br

129


Suinocultura


Evolução do Rebanho Suíno O rebanho suíno do Mato Grosso do Sul cresceu 38,4% no período de dez anos, índice superior ao crescimento do rebanho brasileiro que registrou evolução de 11,1%. O ano de 2011 registrou o maior rebanho dos últimos três anos, 14,5% superior ao total registrado no ano de 2013. O crescimento do rebanho sul-mato-grossense, a uma taxa relativamente superior ao brasileiro, contribuiu para que a participação de Mato Grosso do Sul crescesse em 24,6%, passando a representar 3,16% do rebanho nacional. A distribuição geográfica do rebanho de suínos no mapa de MS demonstra que cinco municípios têm produção superior a 70 mil cabeças, e juntos respondem por 53,1% do rebanho do Estado. São eles: São Gabriel do Oeste, Glória de Dourados, Brasilândia, Itaporã e Jateí.

132

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho suíno em MS e no Brasil (cabeças) Período

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS %

1978

545.191

33.698.970

1,62

1979

545.244

35.695.012

1,53

1980

426.350

34.331.236

1,24

1981

421.056

32.429.244

1,30

1982

433.487

33.175.597

1,31

1983

439.663

31.677.541

1,39

1984

461.205

32.327.339

1,43

1985

421.523

32.247.687

1,31

1986

437.206

32.539.339

1,34

1987

455.503

32.479.681

1,40

1988

470.403

32.120.895

1,46

1989

494.856

33.015.038

1,50

1990

513.419

33.623.186

1,53

1991

532.265

34.290.275

1,55

1992

539.412

34.532.168

1,56

1993

591.630

34.184.187

1,73

1994

612.022

35.141.839

1,74

1995

679.411

36.062.103

1,88

1996

539.582

29.202.182

1,85

www.famasul.com.br

133


Evolução do rebanho suíno em MS e no Brasil (cabeças) continuação Período

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS %

1997

558.039

29.637.109

1,88

1998

613.543

30.006.946

2,04

1999

638.895

30.838.616

2,07

2000

681.189

31.562.111

2,16

2001

739.480

32.605.112

2,27

2002

787.960

31.918.749

2,47

2003

813.359

32.304.905

2,52

2004

838.026

33.085.299

2,53

2005

855.080

34.063.934

2,51

2006

912.253

35.173.824

2,59

2007

938.804

35.945.015

2,61

2008

957.697

36.819.017

2,60

2009

1.052.266

38.045.454

2,77

2010

1.062.035

38.956.758

2,73

2011

1.328.251

39.307.336

3,38

2012

1.205.455

38.795.902

3,11

2013

1.159.632

36.743.593

3,16

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

134

www.senarms.org.br


Distribuição do rebanho suíno em MS (2013)

Rebanho de Suinos (mil cab.) Até - 3.500 3.501 - 7.000 7.001 - 12.000 12.001 - 20.000 20.001 - 70.000 Acima de

70.001

Fonte: IBGE. Elaboração: DEPRO/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

135


Matrizes Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (ABIPECS), no período de 2004 a 2013 o alojamento de matrizes industriais aumentou 38,6%, índice cinco vezes maior que os 6,9% registrados na evolução nacional.

Alojamento de matrizes industriais em MS e no Brasil (cabeças) Período

MS

Brasil

2004

42.641

1.374.081

2005

43.241

1.367.969

2006

42.300

1.471.194

2007

42.300

2.362.374

2008

43.240

2.421.698

2009

45.220

2.448.381

2010

56.514

2.415.464

2011

56.000

2.401.939

2012

58.200

2.417.572

2013

59.103

2.321.385 Fonte: ABIPECS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

136

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

137


Abate O abate de suínos no Mato Grosso do Sul apresentou tendência de crescimento expressivo ao longo do período de 2007 a 2014. Assim registrou crescimento anual de 7,9% e acumulado de 70,17%. De acordo com os dados da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (ABIPECS), a produção de carne suína no Mato Grosso do Sul acumulou crescimento de 67,8% entre os anos de 2004 a 2013, índice duas vezes maior que os 30,8% observados no Brasil. Participa com 3,3% do abate nacional. O peso médio do suíno no MS, equivalente em carcaça, é de aproximadamente 95,43 kg.

138

www.senarms.org.br


Movimento do abate de suínos em MS (cabeças) Mês

2007

2008

2009

2010

Janeiro

59.926

65.520

69.480

67.736

Fevereiro

59.759

63.220

66.885

67.350

Março

65.988

63.557

78.430

80.981

Abril

58.623

68.563

69.811

68.720

Maio

64.024

62.410

64.244

72.625

Junho

60.664

65.021

71.069

76.379

Julho

70.179

70.776

76.780

86.893

Agosto

73.485

64.219

67.852

85.300

Setembro

61.918

67.907

70.952

81.818

Outubro

66.886

71.476

74.930

75.298

Novembro

64.327

69.286

72.132

80.272

Dezembro

55.058

75.684

69.070

82.437

760.837

807.639

851.635

925.809

Total

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

139


Movimento do abate de suínos em MS (cabeças) Mês

2011

2012

2013

2014

Janeiro

77.226

100.903

104.098

112.560

Fevereiro

82.319

92.750

88.922

101.694

Março

87.286

102.162

92.954

103.915

Abril

80.666

94.045

98.353

104.016

Maio

94.540

94.507

93.997

109.157

Junho

85.920

98.384

91.867

102.964

Julho

88.835

105.583

106.653

119.410

Agosto

97.053

111.661

102.522

109.030

Setembro

91.211

92.043

101.899

110.121

Outubro

78.544

100.052

104.779

118.171

Novembro

95.632

95.960

98.087

98.370

Dezembro

96.082

82.542

101.056

105.296

1.055.314

1.170.592

1.185.187

1.294.704

Total

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

140

www.senarms.org.br


Evolução do abate suíno em MS (cabeças) – 2007 a 2014 (N° de Suínos Abatidos - Em cabeças)

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

Produção de carne suína (mil toneladas) ANO

MS

Brasil

PART. DE MS (%)

2004

67,4

2.621

2,57

2005

71,7

2.709

2,65

2006

68,5

2.943

2,33

2007

70,2

2.998

2,34

2008

70,9

3.026

2,34

2009

80,5

3.190

2,52

2010

102,1

3.238

3,15

www.famasul.com.br

141


Produção de carne suína (mil toneladas) continuação ANO

MS

Brasil

PART. DE MS (%)

2011

102,3

3.398

3,01

2012

109,1

3.488

3,13

2013

113,1

3.429

3,30

Fonte: ABIPECS/EMBRAPA. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

142

www.senarms.org.br


Cotações Ao longo de 12 meses de acompanhamento dos preços de três cortes suínos constatou-se que a valorização máxima ficou por conta da costeleta, com 16,07%, uma expressiva diferença em relação aos dois outros cortes. Os preços maiores foram registrados no período em que a demanda é, tradicionalmente, mais aquecida para a carne suína, novembro e dezembro. A média do preço da costeleta para o ano foi de R$ 10,51/kg, no mês de dezembro o preço superou a média em 11,3%. Esse comportamento foi observado nos dois outros cortes.

Preço dos principais cortes de carne suína no varejo no ano de 2013 (R$/Kg)* Cortes Bísteca (kg)

Jan

Fev

9,47

8,65

Mar 8,92

Abr

Mai

Jun

Jul

8,79

8,77

9,78

9,49

Ago 9,35

Set

Out

9,28

9,63

Nov 9,98

Var. no Dez ano (%) 9,70

2,43 16,07

Costeleta (kg) 10,08

9,78 10,27 10,15

9,68 10,73 10,41 10,52 10,60 10,83 11,35 11,70

Pernil (kg)

9,51

9,42

9,65

9,55

9,46

9,72

9,49

9,34

9,52

9,74

9,97 10,11

4,77

Fonte: NEPES/UNIDERP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. * Valores nominais

www.famasul.com.br

143


Exportações As exportações de carne suína registram um comportamento de variações expressivas ao longo dos últimos 15 anos. Nos primeiros 05 anos da primeira década houve registros de volumes superiores aos 43,3 milhões de quilogramas. No início da segunda década registrou 17,3 milhões de kg e em 2014 foram registrados aproximadamente 16,6 milhões de kg, uma queda de 61,7%. O principal produto é a carne in natura, representando mais de 85% do total exportado. A receita gerada pelo setor exportador foi maior no ano de 2011, superou os US$ 60,1 milhões.

144

www.senarms.org.br


Exportações de carne suína de MS Período

RECEITA (US$)

VOLUME Kg

1997

1.603.850

656.375

1998

926.485

463.082

1999

2.425.373

1.866.777

2000

6.776.914

5.086.036

2001

6.548.977

5.158.468

2002

35.634.209

33.999.011

2003

45.955.474

43.342.055

2004

42.757.371

28.021.511

2005

49.772.750

28.553.041

2006

9.594.474

6.959.152

2007

12.037.614

7.340.864

2008

27.485.268

10.910.777

2009

20.221.517

10.499.771

2010

46.681.355

17.357.768

2011

60.198.719

20.746.397

2012

42.192.608

17.469.726

2013

35.088.584

14.934.941

2014

43.623.569

16.613.869 Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

145


Exportações de carne suína de MS (2013 e 2014) 2013

2014

EXPORTAÇÕES DE CARNE SUÍNA DE MS

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

CARNE SUÍNA in natura

30.794.591

12.722.419

39.094.802

14.667.443

365.012

104.340

894.255

235.455

3.928.981

2.108.182

3.634.512

1.710.971

35.088.584

14.934.941

43.623.569

16.613.869

CARNE SUÍNA INDUSTRIALIZADA MIUDEZAS DE CARNE SUÍNA TOTAL

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Evolução das exportações de carneRECEITA suína de MS VOLUME Em Kg Em US$

(Volume - Kg) 50.000.000

(Receita - US$) 70.000.000

45.000.000

60.000.000

40.000.000 50.000.000

35.000.000 30.000.000

40.000.000

25.000.000 30.000.000

20.000.000 15.000.000

20.000.000

10.000.000 10.000.000

5.000.000 0

0 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

146

www.senarms.org.br


Destinos Dentre os principais destinos da carne suína sul-mato-grossense o maior volume é comercializado com Hong Kong, mais de 5 milhões de kg e a maior receita é gerada pelas vendas para a Ucrânia, de US$ 13,2 milhões. Os cinco países mais importadores representam 14 milhões de quilogramas totalizando receita de US$ 37,5 milhões, 86,1% da receita total.

Países Importadores de Carne Suína de MS em 2014 PAÍS

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PART. NO TOTAL em %

HONG KONG

12.733.907

5.030.112

29,19

UCRANIA

13.262.872

4.207.500

30,40

ANGOLA

3.089.947

2.400.940

7,08

REPÚBLICA DA GEORGIA

3.834.388

1.403.895

8,79

VENEZUELA

4.641.349

992.580

10,64

REPÚBLICA. DA MOLDAVIA

1.856.160

593.961

4,25

445.312

523.980

1,02

ARMENIA

1.133.274

436.264

2,60

REPÚBLICA QUIRGUIZIA

1.067.550

357.500

2,45

AZERBAIJAO

645.368

264.347

1,48

OUTROS 7 PAÍSES

913.442

402.790

2,09

43.623.569

16.613.869

100,00

HAITI

TOTAL

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

147


Principais Países importadores de Carne Suína de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA. Elaboração DECON/SISTEMA FAMASUL

148

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

149


Avicultura


Avicultura A Cadeia Produtiva de Aves no Mato Grosso do Sul apresenta números que demonstram o encolhimento do setor produtivo. No ano de 2011 o Estado possuía 1.291 aviários e 602 integrados, no ano de 2014 os dados mostram 1.141 aviários e 490 integrados, redução de 11,62% e 18,61% respectivamente. O setor é responsável por gerar mais de 12.000 postos de trabalho demonstrando sua importância social e econômica para o Estado, uma vez que o segmento é desenvolvido, em sua maioria, por pequenos produtores da agricultura familiar. No período de dez anos, 2003 a 2013, o rebanho de aves no Estado cresceu apenas 1,28%, fechou 2013 com aproximadamente 24,5 milhões de cabeças e representou queda de 3,18% quando comparado ao ano de 2012. Os dez municípios mais representativos, em número de produção de frango, somam aproximadamente 17,8 milhões de cabeças, correspondendo a 72,90% do total. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a distribuição espacial do rebanho de galináceos no Mato Grosso do Sul apresenta o município de Sidrolândia com 26,05% das aves, garantindo-lhe o primeiro lugar. Na segunda posição está o município de Dourados com 9,26%. No entanto, esse percentual é três vezes maior ao somar a produção dos municípios de Caarapó, Glória de Dourados, Fátima do Sul e Itaporã, que compõem a região da Grande Dourados. Na terceira posição no ranking de criação de frangos está o município de Terenos com 1,7 milhões de cabeças. Mato Grosso do Sul ocupa a 11ª posição no ranking nacional, com uma participação inferior a 2% na produção brasileira.

152

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

153


Rebanho, Abate e Produção de Frango Evolução do rebanho de aves em MS e no Brasil (cabeças)

Período

154

REBANHO DE AVES DE MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1981

2.757.067

450.047.970

0,61

1982

3.031.938

469.923.548

0,65

1983

2.915.581

450.752.891

0,65

1984

3.006.708

462.783.622

0,65

1985

2.979.073

470.087.999

0,63

1986

3.153.796

495.640.086

0,64

1987

3.146.679

514.550.021

0,61

1988

3.255.489

510.098.954

0,64

1989

3.385.028

531.219.358

0,64

1990

3.464.644

546.235.505

0,63

1991

3.714.922

594.392.594

0,62

1992

4.868.414

639.625.359

0,76

1993

7.718.634

654.167.008

1,18

1994

8.896.333

681.088.045

1,31

1995

9.023.549

729.531.299

1,24

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho de aves em MS e no Brasil (cabeças) continuação Período

REBANHO DE AVES DE MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1996

11.883.816

728.086.507

1,63

1997

12.578.654

760.621.670

1,65

1998

16.633.556

765.222.027

2,17

1999

17.113.183

804.575.808

2,13

2000

18.778.898

842.740.173

2,23

2001

22.237.108

882.888.419

2,52

2002

23.794.557

884.145.172

2,69

2003

24.147.662

921.322.832

2,62

2004

24.002.220

944.298.348

2,54

2005

24.178.485

999.041.234

2,42

2006

23.958.679

1.011.515.701

2,37

2007

24.540.353

1.127.658.584

2,18

2008

23.864.815

1.198.704.048

1,99

2009

25.293.797

1.230.086.672

2,06

2010

25.760.402

1.238.912.537

2,08

2011

25.238.634

1.268.209.405

1,99

2012

25.263.806

1.245.269.485

2,03

2013

24.458.357

1.248.785.538

1,96

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

155


Distribuição do rebanho de aves em MS (2013)

Rebanho de Aves(mil cab.) De 5.000 - 100.000 100.001 -

250.000

250.001 -

400.000

400.001 - 1.000.000 1.000.001 - 4.000.000 Acima de

4.000.001

Fonte: IBGE. Elaboração: DEPRO/SISTEMA FAMASUL.

156

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho de aves em MS (milhões de cabeças)

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

157


Distribuição do Rebanho de galináceos por município – cabeças Município

158

2013

Sidrolândia

6.371.176

Dourados

2.263.997

Terenos

1.742.011

Caarapó

1.447.950

Itaquiraí

1.424.726

Glória de Dourados

1.078.896

Fátima do Sul

1.049.972

Itaporã

972.132

Aparecida do Taboado

768.349

Dois Irmãos do Buriti

712.174

Campo Grande

604.665

Vicentina

521.892

Douradina

500.290

Amambai

425.500

Laguna Carapã

305.000

Água Clara

299.468

Juti

283.400

Ponta Porã

250.000

Rio Brilhante

246.204

Maracaju

245.413

Cassilândia

218.720

www.senarms.org.br


Distribuição do Rebanho de galináceos por município – cabeças continuação

Município

2013

Jaraguari

215.364

Paranaíba

207.640

Jateí

178.724

Bandeirantes

148.652

São Gabriel do Oeste

140.190

Deodápolis

128.646

Nioaque

110.344

Rochedo

96.853

Corumbá

64.436

Eldorado

63.576

Aquidauana

53.483

Bonito

52.269

Guia Lopes da Laguna

51.357

Costa Rica

51.200

Coxim

50.165

Corguinho

45.214

Naviraí

42.520

Camapuã

42.100

Anastácio

41.420

Três Lagoas

39.658

Ivinhema

39.104

www.famasul.com.br

159


Distribuição do Rebanho de galináceos por município – cabeças continuação

Município

160

2013

Ribas do Rio Pardo

37.852

Bela Vista

37.252

Miranda

36.914

Inocência

36.496

Bodoquena

35.870

Rio Verde de Mato Grosso

35.700

Pedro Gomes

35.400

Alcinópolis

32.050

Iguatemi

29.382

Paraíso das Águas

27.881

Aral Moreira

27.500

Jardim

27.290

Japorã

27.086

Porto Murtinho

26.137

Nova Alvorada do Sul

25.655

Caracol

24.900

Chapadão do Sul

24.500

Mundo Novo

24.479

Figueirão

24.200

Nova Andradina

22.780

Sonora

22.300

www.senarms.org.br


Distribuição do Rebanho de galináceos por município – cabeças continuação

Município

2013

Sete Quedas

21.030

Santa Rita do Pardo

19.412

Novo Horizonte do Sul

19.410

Selvíria

19.105

Rio Negro

18.616

Coronel Sapucaia

18.000

Paranhos

17.020

Brasilândia

16.610

Bataguassu

15.668

Antônio João

14.050

Batayporã

13.090

Angélica

12.790

Anaurilândia

12.698

Tacuru

11.200

Taquarussu

7.080

Ladário

6.104

Total

24.458.357 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

161


Distribuição do Rebanho de galináceos por Unidade Federativa (cabeças) Ranking

162

Estados

2013

1

Paraná

275.822.799

2

São Paulo

215.678.844

3

Santa Catarina

152.982.665

4

Rio Grande do Sul

149.295.641

5

Minas Gerais

119.203.003

6

Goiás

60.727.995

7

Mato Grosso

39.037.025

8

Bahia

30.287.629

9

Pernambuco

28.493.693

10

Ceará

28.394.243

11

Mato Grosso do Sul

24.458.357

12

Espírito Santo

23.718.770

13

Pará

13.081.808

14

Rio de Janeiro

12.141.679

15

Paraíba

11.214.620

16

Distrito Federal

10.299.860

17

Piauí

9.526.306

18

Maranhão

9.050.654

19

Sergipe

7.841.054

www.senarms.org.br


Distribuição do Rebanho de galináceos por Unidade Federativa (cabeças) - continuação Ranking

Estados

2013

20

Alagoas

6.842.166

21

Tocantins

6.822.762

22

Rio Grande do Norte

4.104.289

23

Amazonas

4.013.855

24

Rondônia

3.090.975

25

Acre

1.986.488

26

Roraima

605.381

27

Amapá

62.977 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

163


Abate Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o abate de aves em Mato Grosso do Sul, no período de oito anos, cresceu em média 3,59% ao ano. No ano de 2007 foram abatidas aproximadamente 123,9 milhões e em 2014 totalizou 158,5 milhões, crescimento acumulado de 27,97%. Os anos de 2009 e 2012 registraram abates menores que os períodos anteriores. A produção de carne apresentou crescimento anual superior ao número de abates, a taxa de crescimento foi de 4,94% ao ano, totalizou 378,6 milhões de quilos em 2014. Um acumulado de 40,19% em relação a 2007. Nota-se um ganho de produtividade, em 2007 uma ave produzia 2,17 kg de carne, já em 2014 atingiu 2,39 quilogramas. O crescimento na produção de carne de frango pode ser explicado pela expansão da participação do produto no consumo do mercado interno e pelo potencial positivo da atividade para as exportações.

164

www.senarms.org.br


Movimento de abate de frangos em MS (cabeças) Mês

2007

2008

2009

2010

10.553.293

10.944.721

10.235.515

11.326.448

9.349.319

10.594.526

7.895.115

11.138.988

Março

10.947.763

10.287.753

9.605.513

13.298.520

Abril

10.033.242

11.491.139

10.298.365

11.504.580

Maio

11.069.704

10.219.847

10.795.087

12.336.957

Junho

10.372.110

10.905.383

11.501.903

12.362.246

Julho

10.717.240

12.421.526

11.902.069

12.936.258

Agosto

10.892.377

11.142.472

11.073.592

13.376.018

Setembro

10.276.785

11.180.651

11.392.705

12.359.544

Outubro

10.162.017

12.356.292

11.531.731

11.725.271

Novembro

10.202.428

9.888.566

11.011.777

11.643.621

Dezembro

9.317.099

11.060.028

11.271.957

12.098.648

123.893.377

132.492.904

128.515.329

146.107.099

Janeiro Fevereiro

Total

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

165


Movimento de abate de frangos em MS (cabeças) Mês

2011

2012

2013

2014

Janeiro

12.299.616

12.721.367

13.156.439

13.011.553

Fevereiro

10.813.953

11.734.725

11.841.962

12.376.394

Março

12.736.782

12.538.621

12.274.281

13.464.527

Abril

11.199.781

9.792.022

13.288.970

12.351.062

Maio

12.886.872

11.680.249

13.048.489

13.200.879

Junho

12.497.276

11.460.746

12.427.698

12.611.342

Julho

12.736.936

12.210.384

14.025.534

13.871.630

Agosto

12.542.489

11.127.188

13.180.027

13.415.694

Setembro

12.409.250

11.708.356

12.210.719

12.423.618

Outubro

11.658.085

12.100.004

13.285.495

14.875.363

Novembro

12.118.623

12.479.251

12.726.685

13.713.300

Dezembro

12.252.205

11.286.855

11.934.280

13.227.983

146.151.868

140.839.768

153.400.579

158.543.345

Total

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

166

www.senarms.org.br


Evolução do abate de aves em MS (milhões de cabeças)

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

167


Produção de carne de frango em MS (mil toneladas) Período

2007

2008

2009

2010

Janeiro

21,477

24,035

24,831

26,803

Fevereiro

19,357

23,597

18,758

25,647

Março

22,984

23,655

22,149

30,896

Abril

21,513

25,414

23,660

26,568

Maio

26,463

23,777

25,340

29,077

Junho

22,938

24,636

26,895

28,453

Julho

23,363

26,364

26,830

29,110

Agosto

23,883

24,479

24,871

29,843

Setembro

22,394

24,824

25,800

26,590

Outubro

22,507

28,951

25,597

26,403

Novembro

22,686

21,932

25,134

26,692

Dezembro

20,495

24,422

24,413

25,268

270,059

296,087

294,280

331,351

Total

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

168

www.senarms.org.br


Produção de carne de frango em MS (mil toneladas) Período

2011

2012

2013

2014

Janeiro

27,825

30,199

30,577

31,543

Fevereiro

24,747

29,038

28,664

28,851

Março

29,233

30,154

28,998

31,635

Abril

26,436

25,483

32,861

29,119

Maio

30,269

30,389

31,501

31,610

Junho

29,649

28,064

29,808

30,127

Julho

30,257

28,558

33,557

33,274

Agosto

28,726

26,296

31,380

32,530

Setembro

28,809

27,313

28,852

30,660

Outubro

27,949

28,104

31,958

35,440

Novembro

29,420

29,463

29,970

32,692

Dezembro

28,135

24,968

28,652

31,123

341,454

338,029

366,779

378,604

Total

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

169


Evolução da produção de carne de frango em MS (mil toneladas – 2007-2014)

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

170

www.senarms.org.br


Custo de Produção De acordo com a EMBRAPA, no Mato Grosso do Sul o custo de produção depende do sistema de produção. Três sistemas são destacados: climatizado negativo, climatizado positivo e convencional, isto ao considerar os avanços tecnológicos. Dentre esses sistemas, o climatizado negativo, apesar da evolução dos custos ao longo dos anos, é o que apresenta menor valor na comparação aos demais, uma vez que possui maiores controles da temperatura corporal, impulsionando o crescimento produtivo de frango.

Custo do produtor na produção de frangos em MS (R$/cabeça) Tipo de Aviário Mês

Climatizado Negativo

Climatizado Positivo

Convencional

2010 2011 2012 2013 2014 2010 2011 2012 2013 2014 2010 2011 2012 2013 2014 Janeiro

0,34 0,39 0,42 0,41 0,43 0,41 0,49 0,55 0,55 0,57 0,47 0,56 0,64 0,65 0,68

Fevereiro

0,34 0,39 0,41 0,41 0,43 0,42 0,49 0,54 0,55 0,56 0,47 0,56 0,65 0,65 0,67

Março

0,35 0,38 0,40 0,41 0,42 0,42 0,48 0,54 0,55 0,56 0,48 0,56 0,63 0,65 0,67

Abril

0,35 0,38 0,40 0,41 0,42 0,43 0,48 0,54 0,54 0,56 0,48 0,56 0,63 0,63 0,67

Maio

0,36 0,37 0,41 0,41 0,41 0,44 0,48 0,54 0,56 0,56 0,50 0,56 0,64 0,66 0,66

Junho

0,37 0,37 0,41 0,41 0,52 0,44 0,48 0,54 0,56 0,65 0,50 0,56 0,64 0,66 0,71

Julho

0,37 0,38 0,41 0,41 0,52 0,44 0,49 0,54 0,56 0,65 0,50 0,57 0,64 0,66 0,70

Agosto

0,37 0,39 0,40 0,42 0,54 0,44 0,50 0,53 0,56 0,65 0,50 0,58 0,64 0,66 0,70

Setembro 0,36 0,39 0,40 0,42 0,54 0,44 0,51 0,54 0,56 0,68 0,49 0,59 0,64 0,66 0,73 Outubro

0,36 0,41 0,40 0,42 0,55 0,43 0,53 0,55 0,56 0,68 0,48 0,61 0,65 0,66 0,73

Novembro 0,36 0,41 0,42 0,42 0,55 0,43 0,53 0,55 0,56 0,68 0,49 0,61 0,65 0,66 0,74 Dezembro 0,36 0,41 0,42 0,42 0,56 0,44 0,53 0,55 0,56 0,69 0,49 0,61 0,65 0,67 0,74 MÉDIA

0,36 0,39 0,41 0,41 0,49 0,43 0,50 0,54 0,56 0,62 0,49 0,58 0,64 0,66 0,70 Fonte: EMBRAPA. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

171


Custo da agroindústria na produção de frangos em MS (R$/cabeça) Tipo de Aviário Mês

Climatizado Negativo

Climatizado Positivo

Convencional

2010 2011 2012 2013 2014 2010 2011 2012 2013 2014 2010 2011 2012 2013 2014 Janeiro

3,04 3,64 3,85 4,83 4,48 3,05 3,65 3,87 4,84 4,49 3,05 3,66 3,88 4,85 4,50

Fevereiro

2,82 3,66 3,85 4,35 4,43 2,83 3,67 3,87 4,36 4,44 2,83 3,68 3,88 4,37 4,46

Março

2,79 3,79 4,04 3,98 4,55 2,80 3,80 4,05 4,00 4,56 2,81 3,82 4,07 4,01 4,57

Abril

2,75 3,51 4,25 3,99 4,53 2,76 3,52 4,26 4,01 4,54 2,76 3,54 4,28 4,02 4,56

Maio

2,85 3,55 4,17 4,31 4,64 2,85 3,56 4,19 4,32 4,65 2,86 3,57 4,20 4,34 4,67

Junho

2,87 3,55 4,10 4,43 4,57 2,88 3,56 4,11 4,45 4,58 2,89 3,57 4,13 4,46 4,59

Julho

2,90 3,55 4,58 4,01 4,44 2,91 3,57 4,60 4,02 4,45 2,91 3,58 4,61 4,03 4,46

Agosto

2,96 3,72 5,38 4,22 4,46 2,97 3,73 5,40 4,23 4,47 2,98 3,74 5,41 4,25 4,49

Setembro 3,02 3,87 4,83 4,28 4,29 3,03 3,88 4,84 4,29 4,30 3,04 3,90 4,86 4,30 4,31 Outubro

3,29 3,83 4,92 4,28 4,70 3,30 3,84 4,93 4,29 4,72 3,31 3,86 4,95 4,30 4,73

Novembro 3,38 3,59 4,75 4,48 4,73 3,39 3,60 4,77 4,50 4,75 3,40 3,62 4,78 4,51 4,76 Dezembro 3,44 3,86 4,84 4,48 4,83 3,45 3,88 4,85 4,49 4,84 3,45 3,89 4,86 4,50 4,86 MÉDIA

3,01 3,68 4,46 4,30 4,55 3,02 3,69 4,48 4,32 4,57 3,02 3,70 4,49 4,33 4,58 Fonte: EMBRAPA. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

172

www.senarms.org.br


Custo de produção total do frango (R$/cabeça) Tipo de Aviário Mês

Climatizado Negativo

Climatizado Positivo

Convencional

2010 2011 2012 2013 2014 2010 2011 2012 2013 2014 2010 2011 2012 2013 2014 Janeiro

3,38 4,03 4,27 5,24 4,91 3,46 4,14 4,42 5,39 5,06 3,52 4,22 4,52 5,50 5,18

Fevereiro

3,16 4,05 4,26 4,76 4,86 3,25 4,16 4,41 4,91 5,00 3,30 4,24 4,53 5,02 5,13

Março

3,14 4,17 4,44 4,39 4,97 3,22 4,28 4,59 4,55 5,12 3,29 4,38 4,70 4,66 5,24

Abril

3,10 3,89 4,65 4,40 4,95 3,19 4,00 4,80 4,55 5,10 3,24 4,10 4,91 4,65 5,23

Maio

3,21 3,92 4,58 4,72 5,05 3,29 4,04 4,73 4,88 5,21 3,36 4,13 4,84 5,00 5,33

Junho

3,24 3,92 4,51 4,84 5,09 3,32 4,04 4,65 5,01 5,23 3,39 4,13 4,77 5,12 5,30

Julho

3,27 3,93 4,99 4,42 4,96 3,35 4,06 5,14 4,58 5,10 3,41 4,15 5,25 4,69 5,16

Agosto

3,33 4,11 5,78 4,64 5,00 3,41 4,23 5,93 4,79 5,12 3,48 4,32 6,05 4,91 5,19

Setembro 3,38 4,26 5,23 4,70 4,83 3,47 4,39 5,38 4,85 4,98 3,53 4,49 5,50 4,96 5,04 Outubro

3,65 4,24 5,32 4,70 5,25 3,73 4,37 5,48 4,85 5,40 3,79 4,47 5,60 4,96 5,46

Novembro 3,74 4,00 5,17 4,90 5,28 3,82 4,13 5,32 5,06 5,43 3,89 4,23 5,43 5,17 5,50 Dezembro 3,80 4,27 5,26 4,90 5,39 3,89 4,41 5,40 5,05 5,53 3,94 4,50 5,51 5,17 5,60 MÉDIA

3,37 4,07 4,87 4,72 5,05 3,45 4,19 5,02 4,87 5,19 3,51 4,28 5,13 4,98 5,28 Fonte: EMBRAPA. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

173


Cotações No período de um ano, o preço do frango no varejo valorizou mais que 10%. Fato que pode estar diretamente relacionado ao comportamento da demanda. Dentre os cortes que registraram valorização, o percentual mais significativo foi o de 85,3% no preço praticado na coxa/sobre coxa. Para aqueles que tiveram seus preços reduzidos o maior percentual foi o de 16,47% no preço da coxinha da asa. Diante de percentuais expressivos de valorização no preço da carne de frango é possível inferir que houve uma valorização do produto.

Preço dos principais cortes de carne de frango no varejo do ano de 2014 (R$/Kg)* Cortes

Jan

Frango Abatido 5,82 Asas

Fev

Mar

5,24

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

5,74

5,89

6,48

6,40

7,34

6,44

6,09

6,44

Var. no Dez ano (%) 10,65

11,18 11,37 10,40 11,18 11,18 10,81 10,76 10,71 12,05 10,51 10,08 10,90

-2,50

Coxas

8,73

8,45

8,36

7,32

8,31

8,76

7,91

8,24

8,38

7,85

7,77

8,29

-5,04

Coxas/Sobre Coxas

7,55

8,90

8,55

8,37

7,87

9,13

8,11

8,52

8,12

9,72

9,64 13,99

85,30

Coxinha da Asa 11,96 11,81 12,60 11,69 11,79 12,21 11,82 12,31 13,05 13,39 Peito sem Osso 12,11 12,21 11,94 12,17 11,91 15,65 11,47 12,17 11,75

-3,99

Coração de Frango

15,90 16,45 17,09 16,94 16,53 14,68 16,97 17,59 18,15 17,35 18,02 17,69

11,26

7,24

6,95

9,60

0,00

9,83

7,21

9,87 10,70 10,31

7,18

7,52

8,96

9,22

7,43

9,78

2,81

9,63

6,99

9,13

12,59 12,45

10,03

6,91

9,57

9,99 -16,47

Peito

Moela

9,43

7,99

7,97

7,49

8,39

Fonte: NEPES/UNIDERP. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. *Valores nominais

174

www.senarms.org.br


Exportações O volume de exportações de carne de frango, no ano de 2014, foi o equivalente de 169,8 mil toneladas o que corresponde a uma receita de aproximada de US$ 393,3 milhões. O volume exportado representou um crescimento de 13,94% e a receita 16%, em relação ao ano de 2013. Observando o comportamento das exportações nos últimos 10 anos, constata-se uma taxa de crescimento anual de 5,74%. O mercado externo consome em média 41,39% da carne de frango produzida no Mato Grosso do Sul. O principal produto exportado é a carne in natura, representa 95% do total exportado.

www.famasul.com.br

175


Exportações de carne de frango de MS Período

RECEITA (US$)

VOLUME Kg

1997

10.462.619

7.194.219

1998

5.467.254

3.792.299

1999

15.450.654

12.089.399

2000

17.297.931

17.309.298

2001

40.464.609

30.768.575

2002

45.579.631

38.749.959

2003

50.161.668

42.957.880

2004

55.178.433

39.513.553

2005

102.736.283

66.587.236

2006

120.033.665

94.639.014

2007

195.334.678

118.177.908

2008

275.377.529

124.250.702

2009

228.657.554

127.504.804

2010

263.031.283

131.231.126

2011

347.176.779

136.815.659

2012

284.126.170

124.885.765

2013

339.037.004

149.049.570

2014

393.276.860

169.834.528 Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

176

www.senarms.org.br


Evolução das exportações de carne de frango de MS

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

177


Exportações de carne de frango em MS (2013 e 2014) EXPORTAÇÕES DE CARNE DE FRANGO DE MS CARNE FRANGO in natura CARNE DE FRANGO INDUSTRIALIZADA TOTAL

EM 2013

EM 2014

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

315.924.686

138.932.289

372.997.668

161.204.196

23.112.318

10.117.281

20.279.192

8.630.332

339.037.004

149.049.570

393.276.860

169.834.528

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

178

www.senarms.org.br


Exportações de carne de frango de MS (comparativo mensal 2014/2013) MÊS

RECEITA (US$) 2013

2014

Var (%) US$

VOLUME (Kg) 2013

Var (%) Kg

2014

Jan

23.415.014

27.304.474

16,61

10.394.001

12.942.032

24,51

Fev

24.850.028

30.649.174

23,34

10.351.476

13.708.578

32,43

Mar

23.002.456

28.659.143

24,59

9.487.560

13.141.599

38,51

Abr

31.874.965

36.391.564

14,17

12.880.074

15.821.090

22,83

Mai

30.283.912

32.943.489

8,78

12.583.416

14.076.086

11,86

Jun

27.663.004

29.056.071

5,04

11.525.024

11.904.249

3,29

Jul

32.993.924

42.057.920

27,47

14.686.920

17.071.006

16,23

Ago

32.239.037

34.631.982

7,42

14.671.100

14.202.494

-3,19

Set

24.190.310

37.160.669

53,62

11.082.225

15.823.871

42,79

Out

29.304.000

32.616.931

11,31

13.761.801

13.588.681

-1,26

Nov

31.785.488

32.542.399

2,38

14.670.665

13.914.465

-5,15

Dez

27.434.866

29.263.044

6,66

12.955.308

13.640.377

5,29

339.037.004

393.276.860

16,00

149.049.570

169.834.528

13,94

TOTAL

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

179


Destinos Também nesse período o principal importador de carne de frango foi a Arábia Saudita, seguido por Japão e China. Sendo que a maior parte das exportações de carne de frango se concentrou na forma in natura. No ano de 2014, esses três países foram responsáveis por importar 62,13% do volume total de carne de frango de Mato Grosso do Sul.

Países importadores de carne de frango de MS em 2014 PAÍS

RECEITA (US$)

VOLUME (Kg)

103.512.629

47.080.180

26,32

JAPAO

80.241.714

30.177.624

20,40

CHINA

60.618.836

24.996.676

15,41

RÚSSIA,FED.DA

29.662.140

10.098.996

7,54

EMIR.ARABES UN.

20.530.366

9.138.145

5,22

PAISES BAIXOS

19.505.109

7.985.166

4,96

HONG KONG

8.379.029

6.889.011

2,13

ALEMANHA

9.006.906

4.662.187

2,29

JORDANIA

5.279.663

2.849.655

1,34

CINGAPURA

6.783.286

2.613.495

1,72

49.757.182

23.343.393

12,65

393.276.860

169.834.528

100,00

ARABIA SAUDITA

OUTROS 63 PAÍSES TOTAL

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

180

www.senarms.org.br

PART. NO TOTAL (%)


Principais países importadores de carne de frango de MS em 2014

Fonte: AGROSTAT. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

181


Ovinocaprinocultura


Evolução do rebanho Desde 1978 o rebanho de ovinos segue uma trajetória crescente, com aumentos discretos na participação no rebanho brasileiro. Nos últimos anos do período a tendência é de estabilidade, em 2010 o rebanho correspondia a 497,1 mil cabeças e em 2013 registrou 500,5 mil, crescimento de apenas 0,7%. O rebanho caprino apresentou comportamento com ligeiras variações, que também remetem para tendência de estabilidade.

184

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho ovino e caprino em MS (mil cabeças)

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

Evolução do rebanho ovino em MS e no Brasil (cabeças) Período

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1978

95.980

17.418.308

0,55

1979

119.227

17.806.268

0,67

1980

127.312

18.380.960

0,69

1981

136.109

19.054.132

0,71

1982

143.448

18.588.149

0,77

1983

162.819

18.121.376

0,90

1984

173.321

18.447.244

0,94

www.famasul.com.br

185


Evolução do rebanho ovino em MS e no Brasil (cabeças) continuação

186

Período

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1985

175.233

18.658.967

0,94

1986

189.972

19.659.739

0,97

1987

199.215

19.859.609

1,00

1988

209.339

20.084.877

1,04

1989

218.588

20.041.463

1,09

1990

233.377

20.014.505

1,17

1991

243.198

20.127.945

1,21

1992

245.275

19.955.874

1,23

1993

255.747

18.008.283

1,42

1994

265.140

18.436.098

1,44

1995

271.355

18.336.432

1,48

1996

347.292

14.725.503

2,36

1997

354.860

14.533.716

2,44

1998

359.601

14.268.387

2,52

1999

368.484

14.399.960

2,56

2000

378.131

14.784.958

2,56

2001

386.767

14.638.925

2,64

2002

395.016

14.277.061

2,77

2003

405.153

14.556.484

2,78

2004

417.356

15.057.838

2,77

2005

439.782

15.588.041

2,82

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho ovino em MS e no Brasil (cabeças) continuação Período

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

2006

456.322

16.019.170

2,85

2007

464.851

16.239.455

2,86

2008

469.146

16.630.408

2,82

2009

477.732

16.811.721

2,84

2010

497.102

17.380.581

2,86

2011

497.631

17.668.063

2,82

2012

498.064

16.789.492

2,97

2013

500.509

17.290.519

2,89

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

187


Rebanho Ovino A distribuição geográfica do rebanho de ovinos apresenta seis municípios com mais de 15 mil cabeças, correspondendo a 20% do rebanho de MS. Em se tratando das microrregiões do Estado, Dourados ocupa o primeiro lugar com 18,3% do total, o segundo lugar é ocupado pela microrregião de Bodoquena com 13,1% e em terceiro está Três Lagoas com 10,6%. Observa-se uma distribuição homogênea entre as microrregiões.

188

www.senarms.org.br


Distribuição do rebanho ovino em MS (2013)

Rebanho de Ovinos (Cab.) Até

- 2.000

2.001 - 4.000 4.001 - 6.000 6.001 - 10.000 10.001 - 15.000 Acima de 15.001

Fonte: IBGE. Elaboração: DEPRO/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

189


Evolução do rebanho ovino por microrregião de MS (cabeças) Microrregiões

1997

1998

1999

2000

2001

2002

Alto Taquari

40.014

40.186

40.700

41.523

42.961

44.410

Aquidauana

20.274

20.330

20.430

21.267

21.410

22.104

Baixo Pantanal

29.474

30.386

30.500

31.303

31.921

32.087

Bodoquena

50.895

51.621

52.861

52.684

53.582

54.334

Campo Grande

29.596

29.390

32.246

32.767

33.075

33.709

Cassilândia

12.686

12.902

13.383

13.959

14.335

14.673

Dourados

52.327

53.426

55.367

57.244

58.821

60.371

Iguatemi

38.406

38.972

39.918

41.036

42.263

43.052

Nova Andradina

20.073

20.227

20.466

20.988

21.422

21.875

Paranaíba

20.170

20.450

20.524

21.454

22.104

22.887

Três Lagoas

40.945

41.711

42.089

43.906

44.873

45.514

Total Geral

354.860

359.601

368.484

378.131

386.767

395.016

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

190

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho ovino por microrregião de MS (cabeças) Microrregiões

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Alto Taquari

46.058

48.006

50.346

51.160

51.164

51.121

Aquidauana

22.392

23.852

25.858

26.047

26.520

26.587

Baixo Pantanal

32.496

33.023

34.816

35.827

36.330

36.505

Bodoquena

54.797

57.215

60.892

61.126

62.509

63.268

Campo Grande

35.248

36.273

37.197

41.734

42.557

42.854

Cassilândia

15.182

15.631

16.150

16.520

16.974

17.361

Dourados

63.018

64.526

69.543

70.868

72.943

74.307

Iguatemi

43.411

44.347

48.857

53.816

54.515

53.953

Nova Andradina

22.249

22.745

22.955

23.115

23.178

23.416

Paranaíba

23.412

23.965

24.402

25.812

26.574

27.124

Três Lagoas

46.890

47.773

48.766

50.297

51.587

52.650

Total Geral

405.153

417.356

439.782

456.322

464.851

469.146

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

191


Evolução da produção de leite por microrregião de MS – (em mil litros) Microrregiões

2009

2010

2011

2012

2013

Alto Taquari

51.576

51.944

52.231

51.897

51.801

Aquidauana

26.984

27.400

27.417

27.806

28.135

Baixo Pantanal

36.704

36.757

35.308

35.485

35.649

Bodoquena

64.149

63.887

65.204

65.795

65.592

Campo Grande

44.171

44.930

47.657

48.076

48.684

Cassilândia

17.809

18.493

18.635

18.048

21.295

Dourados

75.956

94.265

93.621

90.322

91.501

Iguatemi

53.856

49.015

49.268

52.608

51.892

Nova Andradina

24.049

25.418

23.321

24.466

24.321

Paranaíba

28.254

29.591

28.816

28.102

28.706

Três Lagoas

54.224

55.402

56.153

55.459

52.933

Total Geral

477.732

497.102

497.631

498.064

500.509

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

192

www.senarms.org.br


Rebanho ovino por microrregião de MS

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

Principais municípios – rebanho ovino de MS em 2013 (cabeças) Ranking

Município

2013

1

Corumbá

19.550

2

Ponta Porã

17.400

3

Campo Grande

15.932

4

Ribas do Rio Pardo

15.878

5

Porto Murtinho

15.197

6

Bela Vista

15.163

7

Rio Verde de Mato Grosso

14.800

www.famasul.com.br

193


Principais municípios – rebanho ovino de MS em 2013 (cabeças) continuação Ranking

194

Município

2013

8

Três Lagoas

14.583

9

Dourados

14.324

10

Aquidauana

12.820

11

Amambai

12.800

12

Nioaque

11.879

13

Bonito

11.636

14

Caracol

10.769

15

Paranaíba

9.645

16

Santa Rita do Pardo

8.976

17

Inocência

8.945

18

Nova Andradina

8.480

19

Sidrolândia

8.212

20

Maracaju

8.020

21

Caarapó

7.812

22

Camapuã

7.510

23

Coxim

7.487

24

Anaurilândia

7.419

25

Ivinhema

7.212

26

Água Clara

7.000

27

Cassilândia

6.892

www.senarms.org.br


Principais municípios – rebanho ovino de MS em 2013 (cabeças) continuação Ranking

Município

2013

28

Jardim

6.520

29

Brasilândia

6.496

30

Aparecida do Taboado

6.429

31

Corguinho

6.387

32

São Gabriel do Oeste

6.247

33

Iguatemi

6.014

34

Antônio João

5.815

35

Anastácio

5.569

36

Terenos

5.432

37

Aral Moreira

5.400

38

Tacuru

5.250

39

Miranda

5.212

40

Figueirão

5.160

41

Bodoquena

5.115

42

Chapadão do Sul

5.050

43

Costa Rica

4.800

44

Naviraí

4.750

45

Pedro Gomes

4.600

46

Paraíso das Águas

4.553

47

Dois Irmãos do Buriti

4.534

www.famasul.com.br

195


Principais municípios – rebanho ovino de MS em 2013 (cabeças) continuação Ranking

196

Município

2013

48

Rio Brilhante

4.519

49

Guia Lopes da Laguna

4.510

50

Juti

4.500

51

Bataguassu

4.342

52

Jateí

4.286

53

Coronel Sapucaia

4.250

54

Bandeirantes

4.087

55

Alcinópolis

3.810

56

Selvíria

3.687

57

Nova Alvorada do Sul

3.589

58

Jaraguari

3.083

59

Sete Quedas

2.995

60

Rochedo

2.989

61

Paranhos

2.820

62

Laguna Carapã

2.750

63

Batayporã

2.710

64

Deodápolis

2.647

65

Rio Negro

2.562

66

Eldorado

2.463

67

Sonora

2.187

www.senarms.org.br


Principais municípios – rebanho ovino de MS em 2013 (cabeças) continuação Ranking

Município

2013

68

Itaquiraí

1.945

69

Angélica

1.890

70

Itaporã

1.770

71

Novo Horizonte do Sul

1.724

72

Glória de Dourados

1.494

73

Fátima do Sul

1.490

74

Mundo Novo

1.440

75

Taquarussu

1.370

76

Ladário

902

77

Douradina

778

78

Japorã

712

79

Vicentina

534 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

197


Principais Unidades Federativas – rebanho ovino de MS em 2013 (cabeças) Ranking

198

Estados

Cabeças

1

Rio Grande do Sul

4.250.932

2

Bahia

2.926.601

3

Ceará

2.062.654

4

Pernambuco

1.830.647

5

Piauí

1.205.232

6

Rio Grande do Norte

737.392

7

Paraná

640.681

8

Mato Grosso do Sul

500.509

9

São Paulo

415.327

10

Paraíba

389.523

11

Santa Catarina

295.210

12

Mato Grosso

267.234

13

Maranhão

233.090

14

Minas Gerais

218.746

15

Alagoas

202.168

16

Pará

193.427

17

Sergipe

187.129

18

Goiás

172.808

19

Rondônia

134.807

www.senarms.org.br


Principais Unidades Federativas – rebanho ovino de MS em 2013 (cabeças) - continuação Ranking

Estados

Cabeças

20

Tocantins

132.311

21

Acre

81.401

22

Amazonas

68.628

23

Rio de Janeiro

46.410

24

Espírito Santo

41.745

25

Roraima

39.681

26

Distrito Federal

14.153

27

Amapá

2.073 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

199


Abate Apesar do leve aumento na participação do rebanho em nível nacional, o número de abates de ovinos caiu desde 2008. Dentre os fatores que explicam esses resultados está o sistema coletivo de embarque de ovinos de Mato Grosso do Sul para abate em Mato Grosso (Fonte: DOURADOS NEWS, 30/04/2014). Esse sistema inédito teve por objetivo reunir os animais a serem abatidos, a fim de facilitar o escoamento para as indústrias frigoríficas (Fonte: PDOA; GAZETA DO CAMPO, 16/05/2013).

200

www.senarms.org.br


Movimento de abate SIF de ovinos em MS Mês

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

Janeiro

2.895

0

69

396

0

175

86

Fevereiro

2.227

0

90

1.314

130

110

0

Março

1.442

10

1.265

1.098

79

224

0

Abril

1.866

173

1.633

957

187

194

120

Maio

1.772

131

1.694

265

209

209

0

Junho

1.867

0

780

910

280

0

51

Julho

1.727

751

2.381

778

412

119

0

Agosto

1.648

956

2.194

492

266

124

0

376

274

1.712

731

317

105

31

Outubro

0

1.149

1.385

564

214

326

0

Novembro

0

1.038

2.015

1.040

251

86

0

Dezembro

0

934

1.292

232

403

304

86

15.820

5.416

16.510

8.777

2.748

1.976

374

Setembro

Total

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

201


Abate SIF de ovinos em MS (cabeças)

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

202

www.senarms.org.br


Rebanho Caprino A caprinocultura é pouco representativa no Mato Grosso do Sul. Nos últimos dez anos o rebanho de caprinos cresceu 18,4%, no entanto, em 2013 o número de 36,2 mil cabeças foi 4,4% inferior ao rebanho de 2012. A microrregião de Campo Grande representa 16,1% do total de caprinos de MS, 13,6% do rebanho está em Bodoquena e outros 12,4% no Baixo Pantanal.

www.famasul.com.br

203


REBANHO CAPRINO (cabeรงas)

204

PERรODO

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1978

16.409

7.665.298

0,21

1979

19.578

8.069.988

0,24

1980

17.395

8.325.716

0,21

1981

20.850

8.864.505

0,24

1982

22.117

9.036.746

0,24

1983

23.963

8.935.792

0,27

1984

25.393

9.674.637

0,26

1985

26.576

10.020.101

0,27

1986

30.345

10.595.292

0,29

1987

32.123

10.791.865

0,30

1988

33.452

11.312.713

0,30

1989

36.715

11.669.018

0,31

1990

39.157

11.894.587

0,33

1991

41.328

12.172.146

0,34

1992

39.151

12.159.564

0,32

1993

39.647

10.618.531

0,37

1994

40.978

10.879.286

0,38

1995

42.113

11.271.653

0,37

www.senarms.org.br


REBANHO CAPRINO (cabeças) continuação PERÍODO

REBANHO MS

REBANHO BRASIL

PART. DE MS (%)

1996

25.841

7.436.454

0,35

1997

26.187

7.968.169

0,33

1998

26.518

8.164.153

0,32

1999

27.384

8.622.935

0,32

2000

27.954

9.346.813

0,30

2001

28.495

9.537.439

0,30

2002

28.965

9.429.122

0,31

2003

29.872

9.581.653

0,31

2004

30.602

10.046.888

0,30

2005

31.598

10.306.722

0,31

2006

31.903

10.401.449

0,31

2007

31.881

9.450.312

0,34

2008

32.057

9.355.014

0,34

2009

32.453

9.163.560

0,35

2010

31.716

9.312.784

0,34

2011

39.556

9.386.316

0,42

2012

37.927

8.646.463

0,44

2013

36.239

8.779.213

0,41 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

205


Distribuição do rebanho caprino em MS (2013)

Rebanho de Caprinos (Cab.) Até - 100 101 - 200 201 - 400 401 - 800 801 - 1.500 Acima de 1.501

Fonte: IBGE. Elaboração: DEPRO/SISTEMA FAMASUL

206

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho caprino por microrregião de MS (cabeças) Microrregião

1997

1998

1999

2000

2001

2002

Alto Taquari

2.785

2.744

2.799

2.857

2.912

2.963

Aquidauana

1.025

1.060

1.075

1.115

1.145

1.185

Baixo Pantanal

3.362

3.482

3.555

3.578

3.694

3.755

Bodoquena

3.820

3.888

4.015

4.039

4.084

4.144

Campo Grande

2.714

2.811

2.948

3.015

3.062

3.071

Cassilândia

679

693

737

768

782

794

Dourados

3.837

3.910

4.074

4.112

4.193

4.232

Iguatemi

3.252

3.146

3.272

3.353

3.352

3.389

Nova Andradina

1.740

1.754

1.816

1.869

1.942

2.016

Paranaíba

1.060

1.074

1.099

1.160

1.193

1.218

Três Lagoas

1.913

1.956

1.994

2.088

2.136

2.198

Total Geral

26.187

26.518

27.384

27.954

28.495

28.965

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

207


Evolução do rebanho caprino por microrregião de MS (cabeças) Microrregião

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Alto Taquari

3.104

3.226

3.372

3.428

3.433

3.460

Aquidauana

1.232

1.325

1.434

1.453

1.466

1.484

Baixo Pantanal

4.047

4.259

4.476

4.666

4.785

4.834

Bodoquena

4.243

4.454

4.639

4.612

4.648

4.585

Campo Grande

3.249

3.364

3.457

3.492

3.516

3.595

Cassilândia

814

827

808

831

849

876

Dourados

4.124

3.953

3.966

3.930

3.700

3.655

Iguatemi

3.459

3.471

3.577

3.492

3.391

3.343

Nova Andradina

2.060

2.101

2.155

2.179

2.181

2.221

Paranaíba

1.275

1.295

1.319

1.374

1.407

1.444

Três Lagoas

2.265

2.327

2.395

2.446

2.505

2.560

Total Geral

29.872

30.602

31.598

31.903

31.881

32.057

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

208

www.senarms.org.br


Evolução do rebanho caprino por microrregião de MS (cabeças) Microrregião

2009

2010

2011

2012

2013

Alto Taquari

3.488

3.506

3.760

3.703

3.699

Aquidauana

1.505

1.529

1.826

1.861

1.883

Baixo Pantanal

4.944

5.048

4.396

4.446

4.496

Bodoquena

4.591

4.496

4.857

4.927

4.931

Campo Grande

3.717

3.825

9.344

7.502

5.846

Cassilândia

911

943

825

806

969

Dourados

3.579

3.523

4.277

4.195

4.129

Iguatemi

3.344

3.396

3.637

3.840

3.739

Nova Andradina

2.269

1.202

1.612

1.645

1.634

Paranaíba

1.478

1.558

1.997

1.991

2.002

Três Lagoas

2.627

2.690

3.025

3.011

2.911

Total Geral

32.453

31.716

39.556

37.927

36.239

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

209


Rebanho caprino por microrregião de MS (cabeças)

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

210

www.senarms.org.br


Principais municípios – rebanho caprino de MS em 2013 (cabeças) Ranking

Município

2013

1

Corumbá

2.049

2

Campo Grande

1.897

3

Bandeirantes

1.850

4

Porto Murtinho

1.648

5

Nioaque

1.285

6

Rio Verde de Mato Grosso

990

7

Ribas do Rio Pardo

914

8

Três Lagoas

893

9

Bodoquena

854

10

Ladário

799

11

Sidrolândia

790

12

Bonito

783

13

Paranaíba

760

14

Bela Vista

661

15

Ponta Porã

640

16

Nova Alvorada do Sul

609

17

Miranda

605

18

Caracol

583

19

Aquidauana

559

www.famasul.com.br

211


Principais municípios – rebanho caprino de MS em 2013 (cabeças) continuação Ranking

212

Município

2013

20

Pedro Gomes

542

21

Amambai

540

22

Iguatemi

540

23

Bataguassu

538

24

Inocência

510

25

Nova Andradina

485

26

Camapuã

480

27

Naviraí

438

28

Guia Lopes da Laguna

431

29

Anastácio

425

30

Jateí

424

31

São Gabriel do Oeste

423

32

Selvíria

412

33

Dourados

405

34

Brasilândia

404

35

Sonora

395

36

Santa Rita do Pardo

357

37

Terenos

350

38

Água Clara

343

39

Jardim

334

www.senarms.org.br


Principais municípios – rebanho caprino de MS em 2013 (cabeças) continuação Ranking

Município

2013

40

Caarapó

332

41

Figueirão

326

42

Anaurilândia

322

43

Aparecida do Taboado

320

44

Jaraguari

320

45

Angélica

308

46

Dois Irmãos do Buriti

294

47

Cassilândia

289

48

Coxim

288

49

Paranhos

280

50

Alcinópolis

255

51

Juti

255

52

Corguinho

250

53

Costa Rica

250

54

Paraíso das Águas

245

55

Itaquiraí

242

56

Rochedo

228

57

Maracaju

216

58

Rio Brilhante

213

59

Tacuru

210

www.famasul.com.br

213


Principais municípios – rebanho caprino de MS em 2013 (cabeças) continuação Ranking

Município

2013

60

Novo Horizonte do Sul

189

61

Chapadão do Sul

185

62

Deodápolis

183

63

Antônio João

180

64

Coronel Sapucaia

180

65

Glória de Dourados

173

66

Eldorado

172

67

Itaporã

169

68

Rio Negro

161

69

Batayporã

160

70

Vicentina

135

71

Taquarussu

129

72

Mundo Novo

128

73

Fátima do Sul

124

74

Sete Quedas

112

75

Aral Moreira

110

76

Ivinhema

110

77

Laguna Carapã

110

78

Douradina

91

79

Japorã

50

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

214

www.senarms.org.br


Principais unidades federativas – rebanho caprino de MS em 2013 (cabeças) Ranking

Estados

Cabeças

1

Bahia

2.458.179

2

Pernambuco

1.976.398

3

Piauí

1.239.161

4

Ceará

1.029.763

5

Paraíba

478.083

6

Rio Grande do Norte

397.093

7

Maranhão

355.424

8

Paraná

164.964

9

Minas Gerais

102.651

10

Rio Grande do Sul

100.514

11

Alagoas

66.559

12

São Paulo

59.321

13

Pará

55.664

14

Santa Catarina

50.515

15

Mato Grosso do Sul

36.239

16

Goiás

33.075

17

Rio de Janeiro

27.334

18

Tocantins

23.433

19

Sergipe

22.410

www.famasul.com.br

215


Principais unidades federativas – rebanho caprino de MS em 2013 (cabeças) - continuação Ranking

Estados

Cabeças

20

Amazonas

22.328

21

Mato Grosso

20.699

22

Espírito Santo

17.743

23

Acre

15.427

24

Rondônia

15.182

25

Roraima

6.323

26

Amapá

2.569

27

Distrito Federal

2.162 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

216

www.senarms.org.br


Abate Abate SIF de caprinos em MS (cabeças) Mês

2012

2013

300

184

0

Fevereiro

0

0

0

Março

0

0

0

Abril

200

398

0

Maio

181

0

0

Junho

0

0

0

Julho

0

0

0

Agosto

400

227

0

Setembro

199

0

0

Outubro

377

0

0

Novembro

0

0

0

Dezembro

199

0

0

1.856

809

0

Janeiro

Total

2014

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

217


Abate SIF de caprinos em MS (cabeças)

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

218

www.senarms.org.br


Produção de Lã A produção de lã em Mato Grosso do Sul vem seguindo uma trajetória crescente desde 1978, com ampliação de sua participação sobre a produção total brasileira. Ao longo desses anos a produção aumentou 176,86%, com uma produção em 2013 de aproximadamente 104 toneladas.

Evolução da produção de lã em MS e no Brasil (Kg) Período

PRODUÇÃO MS

PRODUÇÃO BRASIL

PART. DE MS (%)

1978

37.563

28.685.194

0,13

1979

35.357

30.562.505

0,12

1980

61.864

32.245.891

0,19

1981

76.585

32.635.885

0,23

1982

87.839

30.002.464

0,29

1983

98.567

30.563.146

0,32

1984

105.362

29.768.101

0,35

1985

107.523

29.099.793

0,37

www.famasul.com.br

219


Evolução da produção de lã em MS e no Brasil (Kg) continuação Período

220

PRODUÇÃO MS

PRODUÇÃO BRASIL

PART. DE MS (%)

1986

135.588

30.543.040

0,44

1987

149.643

31.041.839

0,48

1988

155.575

31.050.043

0,50

1989

181.479

27.159.034

0,67

1990

208.398

29.077.083

0,72

1991

218.987

29.300.246

0,75

1992

194.536

27.653.719

0,70

1993

197.314

25.616.999

0,77

1994

203.527

25.992.742

0,78

1995

159.728

24.958.885

0,64

1996

88.006

14.968.595

0,59

1997

91.104

14.657.538

0,62

1998

88.609

14.557.914

0,61

1999

87.372

13.401.798

0,65

2000

89.439

13.301.036

0,67

2001

93.006

12.080.553

0,77

2002

93.638

11.418.585

0,82

2003

96.202

11.312.276

0,85

www.senarms.org.br


Evolução da produção de lã em MS e no Brasil (Kg) continuação Período

PRODUÇÃO MS

PRODUÇÃO BRASIL

PART. DE MS (%)

2004

100.029

11.172.490

0,90

2005

104.274

10.777.534

0,97

2006

106.039

10.876.334

0,97

2007

107.676

11.160.341

0,96

2008

104.476

11.642.072

0,90

2009

103.325

11.394.678

0,91

2010

104.680

11.646.349

0,90

2011

103.914

11.805.479

0,88

2012

103.571

11.993.999

0,86

2013

103.997

12.041.035

0,86

Fonte: SIPOA/SFA-MS. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

221


Evolução da produção de lã por microrregião de MS (Kg) Microrregião

1997

1998

1999

2000

2001

2002

Alto Taquari

5.590

4.733

4.703

4.786

5.019

5.254

Aquidauana

5.886

5.999

5.727

5.863

5.900

6.208

Baixo Pantanal

8.104

7.928

7.757

8.007

8.341

8.339

Bodoquena

18.758

18.638

18.838

18.969

19.912

20.334

Campo Grande

13.453

12.925

12.976

13.157

13.170

13.191

Cassilândia

1.612

1.423

1.323

1.378

1.400

1.448

Dourados

16.379

15.645

15.642

16.130

17.172

17.131

Iguatemi

12.134

11.908

11.332

11.901

12.510

12.220

Nova Andradina

4.205

4.178

3.872

3.958

4.076

3.959

Paranaíba

1.565

1.591

1.622

1.655

1.728

1.752

Três Lagoas

3.418

3.641

3.580

3.635

3.778

3.802

Total Geral

91.104

88.609

87.372

89.439

93.006

93.638

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

222

www.senarms.org.br


Evolução da produção de lã por microrregião de MS (Kg) Microrregião

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Alto Taquari

5.489

5.706

6.086

6.224

6.242

6.267

Aquidauana

6.550

6.913

7.432

7.519

7.603

8.110

Baixo Pantanal

8.535

8.916

9.340

9.607

9.791

9.776

Bodoquena

20.887

21.472

22.403

22.126

22.501

23.278

Campo Grande

13.572

14.355

14.843

16.125

16.164

16.739

Cassilândia

1.481

1.506

1.551

1.594

1.619

1.641

Dourados

17.624

18.431

19.451

19.144

19.760

19.271

Iguatemi

12.540

13.020

13.288

13.600

13.909

12.385

Nova Andradina

3.861

3.893

3.888

3.880

3.771

608

Paranaíba

1.782

1.803

1.829

1.998

2.042

2.058

Três Lagoas

3.881

4.014

4.163

4.222

4.274

4.343

Total Geral

96.202

100.029

104.274

106.039

107.676

104.476

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

223


Evolução da produção de lã por microrregião de MS (kg) Microrregião

2009

2010

2011

2012

2013

Alto Taquari

6.318

6.340

6.352

6.157

6.166

Aquidauana

8.230

8.393

8.204

8.275

8.358

Baixo Pantanal

9.849

9.938

9.780

9.820

9.831

Bodoquena

23.629

23.383

23.347

23.396

23.157

Campo Grande

17.258

17.367

17.470

17.549

17.558

Cassilândia

1.689

1.692

1.686

1.666

1.923

Dourados

19.457

20.323

19.840

19.638

20.112

Iguatemi

9.568

9.709

9.468

9.322

9.350

623

643

662

676

678

Paranaíba

2.136

2.176

2.159

2.102

2.141

Três Lagoas

4.568

4.716

4.946

4.970

4.723

Total Geral

103.325

104.680

103.914

103.571

103.997

Nova Andradina

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

224

www.senarms.org.br


Produção de lã por microrregião de MS (Kg)

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

225


Evolução de ovinos tosquiados em MS e no Brasil (cabeças)

226

Período

Rebanho MS

Rebanho BRASIL

PART. DE MS (%)

1978

24.960

10.338.382

0,24

1979

30.955

10.698.646

0,29

1980

33.374

11.000.669

0,30

1981

40.356

11.504.410

0,35

1982

44.001

10.432.866

0,42

1983

48.616

10.284.935

0,47

1984

52.529

10.246.555

0,51

1985

53.137

10.059.789

0,53

1986

63.377

10.618.245

0,60

1987

72.229

10.717.711

0,67

1988

74.596

10.637.627

0,70

1989

83.233

9.333.453

0,89

1990

93.594

9.919.103

0,94

1991

98.606

9.952.386

0,99

1992

86.417

9.536.424

0,91

1993

88.990

8.966.922

0,99

1994

91.972

9.138.964

1,01

1995

94.916

8.740.075

1,09

www.senarms.org.br


Evolução de ovinos tosquiados em MS e no Brasil (cabeças) continuação Período

Rebanho MS

Rebanho BRASIL

PART. DE MS (%)

1996

54.118

5.155.821

1,05

1997

55.179

4.924.082

1,12

1998

54.192

4.903.876

1,11

1999

54.751

4.630.278

1,18

2000

56.362

4.602.336

1,22

2001

57.984

4.188.805

1,38

2002

58.294

3.886.558

1,50

2003

59.604

3.822.940

1,56

2004

61.664

3.762.578

1,64

2005

64.170

3.698.903

1,73

2006

65.151

3.731.105

1,75

2007

66.179

3.795.780

1,74

2008

64.431

3.938.338

1,64

2009

63.405

3.864.543

1,64

2010

64.075

3.902.338

1,64

2011

63.575

3.933.699

1,62

2012

63.411

3.996.012

1,59

2013

63.651

4.049.420

1,57 Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL.

www.famasul.com.br

227


Soja


Produção de soja em MS A produção de soja sul-mato-grossense cresceu ao longo dos últimos vinte anos 190,3%, saindo de um patamar de aproximadamente 2,40 milhões de toneladas na safra 1994/95 para atuais 7,04 milhões de toneladas, segundo estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Nos últimos vinte anos, a área plantada, assim como a produção, cresceu aproximadamente 110%. De acordo com dados divulgados pela Conab, na safra de 1994/95 foram cultivados em Mato Grosso do Sul um milhão de hectares, na safra 2014/15 serão 2,3 milhões de hectares. Em relação à produtividade, esta cresceu 38,5% e deve chegar à safra 2014/15 em 3.062,00 quilos por hectare. Destacam-se neste processo dois fatores: a expansão de área e o investimento em tecnologia. Na safra 2014/2015 a expectativa é de que a produção cresça 14,58% em relação à safra 2013/2014, para a área, a projeção é de crescimento de 8,51%, a produtividade deve aumentar 5,59%. Em relação à geração de riquezas, o valor bruto de produção (VBP) da soja em 2014 alcançou R$ 5,77 bilhões para o MS, crescimento de 3,22% em relação a 2013. Para 2015, segundo estimativa elaborada pelo Departamento de Análise Econômica do Sistema Famasul (DECON/SISTEMA FAMASUL), o valor bruto de produção da soja deve crescer 14,04% e chegar a R$ 6,58 bilhões.

230

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Soja em MS Safras 1977/78 a 2014/15

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1977/78

494

955,5

472

1978/79

573

1.481,70

849

1979/80

792

1.600,00

1.267,20

1980/81

812

1.740,10

1.413,00

1981/82

832

1.764,90

1.468,40

1982/83

940

1.900,00

1.786,00

1983/84

1.073,90

1.785,00

1.916,90

1984/85

1.307,00

1.960,00

2.561,70

1985/86

1.234,00

1.540,00

1.900,40

1986/87

1.184,00

1.950,00

2.308,80

1987/88

1.231,00

2.070,00

2.548,20

1988/89

1.300,00

2.200,00

2.860,00

1989/90

1.209,00

1.600,00

1.934,40

1990/91

1.013,10

2.270,00

2.299,70

1991/92

969,5

1.990,00

1.929,30

1992/93

1.066,50

2.090,00

2.229,00

1993/94

1.109,00

2.200,00

2.439,80

1994/95

1.097,90

2.210,00

2.426,40

1995/96

845,4

2.420,00

2.045,90

www.famasul.com.br

231


Série Histórica da Produção de Soja em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1996/97

862,3

2.500,00

2.155,80

1997/98

1.086,50

2.100,00

2.281,70

1998/99

1.053,90

2.600,00

2.740,10

1999/00

1.106,60

2.260,00

2.500,90

2000/01

1.064,50

2.940,00

3.129,60

2001/02

1.192,20

2.750,00

3.278,60

2002/03

1.415,10

2.900,00

4.103,80

2003/04

1.797,20

1.850,00

3.324,80

2004/05

2.030,80

1.902,00

3.862,60

2005/06

1.949,60

2.280,00

4.445,10

2006/07

1.737,10

2.810,00

4.881,30

2007/08

1.731,40

2.639,00

4.569,20

2008/09

1.715,80

2.436,00

4.179,70

2009/10

1.712,20

3.100,00

5.307,80

2010/11

1.760,10

2.937,00

5.169,40

2011/12

1.815,00

2.550,00

4.628,30

2012/13

2.017,00

2.880,00

5.809,00

2013/14

2.120,00

2.900,00

6.148,00

¹2014/15

2.300,50

3.062,00

7.044,10

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

232

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

www.senarms.org.br


Distribuição das áreas de soja em MS – safra 2014/2015

MT

GO

MG

SP

PR

Limite do Município Soja

Uso e Ocupação do Solo

Soja

2.300.000

6,4%

Fonte: SIGA/MS Elaboração DEPRO/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

233


Evolução da produção de soja em MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL ¹ estimativa em janeiro/2015

234

www.senarms.org.br


Produção de Soja no Brasil Em nível de Brasil analisando também os últimos vinte anos, a produção de soja cresceu 269,8%, saindo de 26 milhões de toneladas na safra 1994/95 para atuais 96 milhões de toneladas na safra 2014/15, estimadas pela Conab. Esse crescimento pode ser explicado pela expansão da chamada “nova fronteira agrícola” que inclui os estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Tal expansão foi condicionada graças aos avanços tecnológicos e arranjos institucionais. No aspecto da produtividade houve crescimento de 36,58% em relação à safra 1994/95 e na safra 2014/2015 deve superar 3000 mil quilos por hectare ou 50 sacas de 60 kg. Há vinte anos a produtividade não superava 37 sc/ha. Em termos de área, esta deve chegar à 31,6 milhões de hectares, crescimento de 170,7% em relação à safra 1994/95. A Conab projeta crescimento da produção na safra 2014/15 em relação à safra 2013/14 de 11,38%. Em relação à área, esta deve crescer 4,8% e a produtividade crescerá 6,28%.

www.famasul.com.br

235


Série Histórica da Produção de Soja no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15

236

SAFRA

ÁREA Em mil ha

PRODUTIVIDADE Kg/ha

PRODUÇÃO Em mil t

1977/78

7.780,00

1.250,10

9.726,00

1978/79

8.151,00

1.251,40

10.200,00

1979/80

8.755,90

1.700,30

14.887,40

1980/81

8.693,40

1.781,20

15.484,80

1981/82

8.393,20

1.535,90

12.890,90

1982/83

8.412,00

1.727,60

14.532,90

1983/84

9.162,90

1.674,20

15.340,50

1984/85

10.074,00

1.807,80

18.211,50

1985/86

9.644,40

1.369,40

13.207,50

1986/87

9.221,70

1.851,20

17.071,50

1987/88

10.706,60

1.693,10

18.127,00

1988/89

12.252,80

1.953,00

23.929,20

1989/90

11.551,40

1.740,20

20.101,30

1990/91

9.742,50

1.580,00

15.394,50

1991/92

9.582,20

2.027,00

19.418,60

1992/93

10.717,00

2.150,00

23.042,10

1993/94

11.501,70

2.179,00

25.059,20

1994/95

11.678,70

2.221,00

25.934,10

1995/96

10.663,20

2.175,00

23.189,70

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Soja no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA Em mil ha

PRODUTIVIDADE Kg/ha

PRODUÇÃO Em mil t

1996/97

11.381,30

2.299,00

26.160,00

1997/98

13.157,90

2.384,00

31.369,90

1998/99

12.995,20

2.367,00

30.765,00

1999/00

13.622,90

2.414,00

32.890,00

2000/01

13.969,80

2.751,00

38.431,80

2001/02

16.386,20

2.577,00

42.230,00

2002/03

18.474,80

2.816,00

52.017,50

2003/04

21.375,80

2.329,00

49.792,70

2004/05

23.301,10

2.245,00

52.304,60

2005/06

22.749,40

2.419,00

55.027,10

2006/07

20.686,80

2.822,70

58.391,80

2007/08

21.313,10

2.816,00

60.017,70

2008/09

21.743,10

2.629,00

57.165,50

2009/10

23.467,90

2.927,00

68.688,20

2010/11

24.181,00

3.115,00

75.324,30

2011/12

25.042,20

2.651,00

66.383,00

2012/13

27.736,10

2.938,39

81.499,40

2013/14

30.173,10

2.854,23

86.120,80

¹2014/15

31.621,80

3.033,35

95.919,80

Fonte: Conab ¹previsão - Estimativa em janeiro/2015

www.famasul.com.br

237


A produção de soja sul-mato-grossense perdeu participação relativa na produção nacional desde a segunda metade dos anos 1980, tal fato se explica pela aceleração da expansão das áreas de soja também em outras regiões do país. Na safra 1990/91 o MS chegou a responder por 14,94% da produção nacional. Para a safra 2014/15 a projeção é de que o Estado represente 7,34%.

238

www.senarms.org.br


Produção de Soja no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15

SAFRA

PRODUÇÃO MS Em mil t

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %

1977/78

472,00

9.726,00

4,85

1978/79

849,00

10.200,00

8,32

1979/80

1.267,20

14.887,40

8,51

1980/81

1.413,00

15.484,80

9,13

1981/82

1.468,40

12.890,90

11,39

1982/83

1.786,00

14.532,90

12,29

1983/84

1.916,90

15.340,50

12,50

1984/85

2.561,70

18.211,50

14,07

1985/86

1.900,40

13.207,50

14,39

1986/87

2.308,80

17.071,50

13,52

1987/88

2.548,20

18.127,00

14,06

1988/89

2.860,00

23.929,20

11,95

1989/90

1.934,40

20.101,30

9,62

1990/91

2.299,70

15.394,50

14,94

1991/92

1.929,30

19.418,60

9,94

1992/93

2.229,00

23.042,10

9,67

1993/94

2.439,80

25.059,20

9,74

1994/95

2.426,40

25.934,10

9,36

1995/96

2.045,90

23.189,70

8,82

www.famasul.com.br

239


Produção de Soja no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação

SAFRA

PRODUÇÃO MS Em mil t

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %

1996/97

2.155,80

26.160,00

8,24

1997/98

2.281,70

31.369,90

7,27

1998/99

2.740,10

30.765,00

8,91

1999/00

2.500,90

32.890,00

7,60

2000/01

3.129,60

38.431,80

8,14

2001/02

3.278,60

42.230,00

7,76

2002/03

4.103,80

52.017,50

7,89

2003/04

3.324,80

49.792,70

6,68

2004/05

3.862,60

52.304,60

7,38

2005/06

4.445,10

55.027,10

8,08

2006/07

4.881,30

58.391,80

8,36

2007/08

4.569,20

60.017,70

7,61

2008/09

4.179,70

57.165,50

7,31

2009/10

5.307,80

68.688,20

7,73

2010/11

5.169,40

75.324,30

6,86

2011/12

4.628,30

66.383,00

6,97

2012/13

5.809,00

81.499,40

7,13

2013/14

6.148,00

86.120,80

7,14

¹2014/15

7.044,10

95.919,80

7,34 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

240

www.senarms.org.br


Área plantada de Soja De acordo com levantamento da Conab realizado em janeiro de 2015, na safra 2014/2015, a expectativa é que o MS ocupe 7,28% ou 2,3 milhões de hectares dos mais de 31,6 milhões de hectares destinados a soja em todo o país. Historicamente o MS vem perdendo participação relativa na área plantada de soja, isso se explica não pela redução de área interna, mas sim pela expansão mais acelerada de áreas agricultáveis em outros estados.

www.famasul.com.br

241


Evolução da Área Plantada de Soja no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15

SAFRA

242

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS em %

1977/78

494,00

7.780,00

6,35

1978/79

573,00

8.151,00

7,03

1979/80

792,00

8.755,90

9,05

1980/81

812,00

8.693,40

9,34

1981/82

832,00

8.393,20

9,91

1982/83

940,00

8.412,00

11,17

1983/84

1.073,90

9.162,90

11,72

1984/85

1.307,00

10.074,00

12,97

1985/86

1.234,00

9.644,40

12,79

1986/87

1.184,00

9.221,70

12,84

1987/88

1.231,00

10.706,60

11,50

1988/89

1.300,00

12.252,80

10,61

1989/90

1.209,00

11.551,40

10,47

1990/91

1.013,10

9.742,50

10,40

1991/92

969,50

9.582,20

10,12

1992/93

1.066,50

10.717,00

9,95

1993/94

1.109,00

11.501,70

9,64

1994/95

1.097,90

11.678,70

9,40

1995/96

845,40

10.663,20

7,93

1996/97

862,30

11.381,30

7,58

www.senarms.org.br


Evolução da Área Plantada de Soja no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação

SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS em %

1997/98

1.086,50

13.157,90

8,26

1998/99

1.053,90

12.995,20

8,11

1999/00

1.106,60

13.622,90

8,12

2000/01

1.064,50

13.969,80

7,62

2001/02

1.192,20

16.386,20

7,28

2002/03

1.415,10

18.474,80

7,66

2003/04

1.797,20

21.375,80

8,41

2004/05

2.030,80

23.301,10

8,72

2005/06

1.949,60

22.749,40

8,57

2006/07

1.737,10

20.686,80

8,40

2007/08

1.731,40

21.313,10

8,12

2008/09

1.715,80

21.743,10

7,89

2009/10

1.712,20

23.467,90

7,30

2010/11

1.760,10

24.181,00

7,28

2011/12

1.815,00

25.042,20

7,25

2012/13

2.017,00

27.736,10

7,27

2013/14

2.120,00

30.173,10

7,03

¹2014/15

2.300,50

31.621,80

7,28 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

www.famasul.com.br

243


Produtividade da Cultura de Soja A expectativa para a safra 2014/15 é que a produtividade de MS fique em 3.062,00 quilos por hectare. Superior a produtividade nacional, que deverá ser de 3.033,00 quilos por hectare. O comportamento da produtividade tanto de MS quanto do Brasil se mostram historicamente bastante irregulares, tal fato pode ser explicado, dentre outros fatores, por condições climáticas muitas vezes adversas à lavoura.

244

www.senarms.org.br


Produtividade da Cultura da Soja no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15

SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1977/78

955,5

1.250,10

-23,57

1978/79

1.481,70

1.251,40

18,40

1979/80

1.600,00

1.700,30

-5,90

1980/81

1.740,10

1.781,20

-2,31

1981/82

1.764,90

1.535,90

14,91

1982/83

1.900,00

1.727,60

9,98

1983/84

1.785,00

1.674,20

6,62

1984/85

1.960,00

1.807,80

8,42

1985/86

1.540,00

1.369,40

12,46

1986/87

1.950,00

1.851,20

5,34

1987/88

2.070,00

1.693,10

22,26

1988/89

2.200,00

1.953,00

12,65

1989/90

1.600,00

1.740,20

-8,06

1990/91

2.270,00

1.580,00

43,67

1991/92

1.990,00

2.027,00

-1,83

1992/93

2.090,00

2.150,00

-2,79

1993/94

2.200,00

2.179,00

0,96

1994/95

2.210,00

2.221,00

-0,50

1995/96

2.420,00

2.175,00

11,26

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

245


Produtividade da Cultura da Soja no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1996/97

2.500,00

2.299,00

8,74

1997/98

2.100,00

2.384,00

-11,91

1998/99

2.600,00

2.367,00

9,84

1999/00

2.260,00

2.414,00

-6,38

2000/01

2.940,00

2.751,00

6,87

2001/02

2.750,00

2.577,00

6,71

2002/03

2.900,00

2.816,00

2,98

2003/04

1.850,00

2.329,00

-20,57

2004/05

1.902,00

2.245,00

-15,28

2005/06

2.280,00

2.419,00

-5,75

2006/07

2.810,00

2.822,70

-0,45

2007/08

2.639,00

2.816,00

-6,29

2008/09

2.436,00

2.629,00

-7,34

2009/10

3.100,00

2.927,00

5,91

2010/11

2.937,00

3.115,00

-5,71

2011/12

2.550,00

2.651,00

-3,81

2012/13

2.880,00

2.938,39

-1,99

2013/14

2.900,00

2.854,23

1,60

¹2014/15

3.062,00

3.033,35

0,94

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

246

www.senarms.org.br


Produtividade da Cultura da Soja no Brasil e em MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

247


Custo de Produção O custo médio de produção de um hectare de soja do tipo convencional em Mato Grosso do Sul cresceu em termos reais, ou seja, descontando o feito da inflação (IGP-DI) nas últimas cinco safras, 62,33%, saindo de R$1.187,60 na safra 2010/11 para R$2.162,54 por hectare na safra 2014/15, segundo a Embrapa CPAO. Em relação ao custo de produção da soja transgênica RR1, este cresceu também em termos reais, 57,24% ao longo das ultimas cinco safras. Para a safra 2014/2015 o custo por hectare deve ficar em R$2.151,54 segundo levantamento da Embrapa Agropecuária Oeste. O principal item do custo de produção tanto da soja convencional quanto da soja transgênica RR1 está nos fertilizantes, que na safra 2014/15 responde por 17,6% do custo total.

248

www.senarms.org.br


Evolução histórica do custo de produção da cultura da soja convencional no sistema plantio direto, no período de 1998/99 a 2014/15.

Safra

Custo total (R$ ha)

1998/99

444,86

1999/00

604,73

2000/01

530,56

2001/02

794,96

2002/03

839,63

2003/04

1.122,34

2004/05

1.543,47

2005/06

1.135,78

2006/07

941,83

2007/08

1.093,39

2008/09

1.657,34

2009/10

1.223,97

2010/11

1.187,60

2011/12

1.377,15

2012/13

1.827,48

2013/14

1.965,23

2014/15

2.162,54 Fonte: EMBRAPA

www.famasul.com.br

249


Evolução histórica do custo de produção da cultura da soja transgênica RR1, no período de 2010/11 a 2014/15

Safra

Custo total (R$ ha)

2010/11

1.219,86

2011/12

1.357,97

2012/13

1.836,66

2013/14

2.053,80

2014/15

2.151,64 Fonte: EMBRAPA

250

www.senarms.org.br


Estimativa do custo de produção da cultura da soja convencional, por hectare, em Mato Grosso do Sul, safra 2014/15

Componentes do custo

Unidade

Quantidade

Preço unitário Participação Valor (R$/ha) (%) (R$)

1. Insumos

964,70

44,5

Calcário dolomítico

t

0,5

90

45,00

2,1

Gesso

t

0,5

116,43

58,22

2,7

kg

50,0

2,22

111,00

5,1

Tratamento de sementes

L

0,1

380,35

45,64

2,1

Micronutriente

L

0,1

80,62

5,64

0,3

ds

1,0

2,84

2,84

0,1

Fertilizante (manutenção)

t

0,4

1.085,00

379,75

17,6

Herbicida dessecante 1

L

3,0

13,05

39,15

1,8

Herbicida dessecante 2

kg

0,1

56,5

3,39

0,2

Herbicida dessecante 3

L

1,5

17,02

25,53

1,2

Herbicida pós-emergente 1

L

1,2

38,51

46,21

2,1

Herbicida pós-emergente 2

L

0,4

54,57

21,83

1,0

Inseticida 1

kg

0,1

113,33

13,60

0,6

Inseticida 2

L

0,1

520

31,20

1,4

Inseticida 3

L

0,3

115,6

28,90

1,3

Inseticida 4

L

0,4

30,5

12,20

0,6

Fungicida 1

L

0,6

109,11

65,47

3,0

Fungicida 2

L

1,0

13,51

13,51

0,6

382,19

17,7

38,56

1,8

Semente de soja

Inoculante

2. Operações agrícolas Distribuição de corretivos

hm

0,6

64,27

www.famasul.com.br

251


Estimativa do custo de produção da cultura da soja convencional, por hectare, em Mato Grosso do Sul, safra 2014/15 continuação

Componentes do custo

Unidade

Quantidade

Preço unitário Participação Valor (R$/ha) (%) (R$)

Semeadura

hm

0,5

152,38

76,19

3,5

Transporte interno

hm

0,5

96,59

48,30

2,2

Aplicação de herbicidas

hm

0,27

82,1

22,17

1,0

Aplicação de inseticidas

hm

0,36

82,1

29,56

1,4

Aplicação de fungicidas

hm

0,36

82,1

29,56

1,4

Colheita

hm

0,5

155,7

77,85

3,6

sc

50

1,2

60,00

2,8

73,00

3,3

Transporte externo 3. Outros custos Assistência técnica

%

2,0

1.077,51

21,55

1,0

Administração

%

2,0

1.346,89

26,94

1,2

Seguro

%

3,9

628,55

24,51

1,1

146,47

6,8

4. Depreciações Depreciação de benfeitorias

R$

1,00

79,75

79,75

3,7

Depreciação de máquinas

R$

1,00

47,06

47,06

2,2

Depreciação de equipamentos

R$

1,00

19,66

19,66

0,9

596,18

27,7

5. Remuneração dos fatores Remuneração da terra

R$

1,00

385,00

385,00

17,8

Remuneração do capital

R$

1,00

162,34

162,34

7,5

Remuneração do custeio

%

6,00

813,97

48,84

2,4

2.162,54

100,0

Custo total

Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

252

www.senarms.org.br


Estimativa do custo de produção da cultura da soja transgênica RR1, por hectare, em Mato Grosso do Sul, safra 2014/15

Componentes do custo

Unidade

Quantidade

Preço unitário Participação Valor (R$/ha) (R$) (%)

1. Insumos

954,70

44,30

Calcário dolomítico

t

0,5

90

45,00

2,10

Gesso

t

0,5

116,43

58,22

2,70

kg

50,0

2,53

126,50

5,90

Tratamento de sementes

L

0,1

380,35

45,64

2,10

Micronutriente

L

0,1

80,62

5,64

0,30

ds

1,0

2,84

2,84

0,10

Fertilizante (manutenção)

t

0,4

1.085,00

379,75

17,60

Herbicida dessecante 1

L

3,0

13,05

39,15

1,80

Herbicida dessecante 2

kg

0,1

56,5

3,39

0,20

Herbicida pós-emergente 1

L

1,5

17,02

25,53

1,20

Herbicida pós-emergente 2

L

3,0

13,05

39,15

1,80

Inseticida 1

kg

0,1

56,5

3,39

0,20

Inseticida 2

L

0,1

113,33

13,60

0,60

Inseticida 3

L

0,1

520

31,20

1,50

Inseticida 4

L

0,3

115,6

28,90

1,30

Fungicida 1

L

0,4

30,5

12,20

0,60

Fungicida 2

L

0,6

109,11

65,47

3,00

Adjuvante

L

1,0

13,51

13,51

0,60

382,19

17,70

Semente de soja

Inoculante

2. Operações agrícolas

www.famasul.com.br

253


Estimativa do custo de produção da cultura da soja transgênica RR1, por hectare, em Mato Grosso do Sul, safra 2014/15 continuação

Componentes do custo

Preço unitário Participação Valor (R$/ha) (R$) (%)

Unidade

Quantidade

Distribuição de corretivos

hm

0,60

64,27

38,56

1,80

Semeadura

hm

0,50

152,38

76,19

3,50

Transporte interno

hm

0,50

96,59

48,30

2,20

Aplicação de herbicidas

hm

0,27

82,10

22,17

1,00

Aplicação de inseticidas

hm

0,36

82,10

29,56

1,40

Aplicação de fungicidas

hm

0,36

82,10

29,56

1,40

Colheita

hm

0,50

155,70

77,85

3,60

sc

50,00

1,20

60,00

2,80

72,46

3,3

Transporte externo 3. Outros custos Assistência técnica

%

2,0

1.069,51

21,39

1,0

Administração

%

2,0

1.336,89

26,74

1,2

Seguro

%

3,9

623,88

24,33

1,1

146,47

6,8

4. Depreciações Depreciação de benfeitorias

R$

1,00

79,75

79,75

3,7

Depreciação de máquinas

R$

1,00

47,06

47,06

2,2

Depreciação de equipamentos

R$

1,00

19,66

19,66

0,9

595,82

27,9

5. Remuneração dos fatores Remuneração da terra

R$

1,00

385,00

385,00

17,9

Remuneração do capital

R$

1,00

162,34

162,34

7,6

Remuneração do custeio

%

6,00

807,93

48,48

2,4

2.151,64

100,0

Custo total

Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

254

www.senarms.org.br


Cotações As cotações médias da saca de 60 quilos da soja em MS cresceram entre 2008 e 2014 quase 45% em termos nominais, sem descontar a inflação. Segundo dados da Conab, saíram de R$40,80 em 2008 para R$59,10 em 2014. Em termos reais, ou seja, descontando o efeito da inflação corrigido pelo IGP-DI/FGV, tendo como base janeiro de 2008 observa-se que a cotação da oleaginosa subiu apenas 4,8% a preços de 2008. No ano de 2012 foram observadas cotações recordes. Em setembro de 2012 a cotação da oleaginosa chegou a R$79,28 em MS, segundo levantamento da Conab. Em contrapartida, o menor preço do período em análise, foi observado em abril de 2010 quando a saca de 60 quilos foi negociada a R$29,45.

www.famasul.com.br

255


Preço médio da soja no MS (R$/sc 60 kg)*

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores nominais

Evolução do preço médio da soja (R$/sc 60 kg)*

Fonte: Conab; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *preços corrigidos pelo IGP-DI/FGV (base=jan/2008).

256

www.senarms.org.br


SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Preço Médio para Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 25,92 23,50 21,04 19,81 21,07 22,05 22,11 21,88 21,90 24,57 27,56 29,31 23,39 2007 27,35 27,57 26,96 25,63 25,58 26,01 27,05 28,71 32,77 35,00 37,74 39,20 29,96 2008 39,67 40,91 40,41 38,89 40,20 42,02 44,81 40,69 40,81 40,43 40,55 40,16 40,80 2009 41,43 42,49 39,80 41,67 44,36 44,10 43,80 43,78 44,83 43,94 43,65 41,73 42,97 2010 38,14 32,94 29,56 29,45 30,51 30,64 32,19 34,75 37,48 39,80 43,61 45,21 35,36 2011 45,85 44,42 41,01 39,87 39,19 39,89 39,39 40,38 42,87 41,50 41,07 39,78 41,27 2012 41,54 42,15 46,47 51,12 55,82 60,83 71,61 77,31 79,28 72,12 68,75 67,51 61,21 2013 56,46 52,79 50,71 47,81 50,57 57,19 57,66 58,34 63,50 64,78 67,09 67,66 57,88 2014 59,76 59,13 61,07 60,76 61,26 61,60 57,94 58,50 54,72 55,73 60,11 59,12 59,14 Fonte: CONAB * Valores Nominais

SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Campo Grande - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 26,38 22,88 20,90 18,78 21,00 21,50 22,00 21,80 21,50 23,50 29,00 30,38 23,30 2007 25,70 27,25 26,75 25,04 25,39 25,51 27,36 29,76 33,80 35,37 38,75 40,00 30,06 2008 40,00 40,00 40,74 39,46 40,44 41,00 41,00 40,11 39,00 39,00 39,00 39,00 39,90 2009 39,28 39,00 39,24 41,11 43,18 42,53 43,14 42,48 43,79 43,74 42,00 41,21 41,73 2010 39,75 33,76 28,42 28,00 29,00 29,20 31,00 34,50 36,63 38,69 42,24 44,80 34,67 2011 46,38 44,13 40,82 39,88 39,75 40,90 40,63 41,30 43,63 41,38 41,80 40,38 41,75 2012 41,75 42,60 45,75 51,00 55,50 60,25 72,50 77,50 79,75 68,10 67,50 65,55 60,65 2013 54,20 52,91 50,50 46,63 49,40 56,25 56,20 57,13 60,75 62,30 64,13 64,75 56,26 2014 59,30 59,00 59,25 60,00 60,34 60,60 56,50 56,80 53,80 54,68 56,35 56,40 57,75 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

257


SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Dourados - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 26,00 23,13 22,16 20,00 21,70 22,63 22,65 23,02 23,38 27,13 29,66 30,63 24,34 2007 26,50 27,25 27,73 25,38 26,22 26,88 28,27 30,12 35,54 38,45 39,72 41,23 31,11 2008 42,10 43,58 42,16 41,03 41,88 44,37 48,07 42,59 43,50 42,85 43,02 42,40 43,13 2009 44,88 43,11 39,58 42,69 45,32 45,03 45,20 46,20 45,77 44,39 44,88 41,71 44,06 2010 37,61 32,76 29,13 29,38 31,25 31,90 34,95 37,38 38,73 40,89 44,71 45,90 36,22 2011 44,96 45,00 40,00 39,75 40,25 40,40 40,50 41,20 43,50 42,13 41,40 40,25 41,61 2012 42,00 43,20 47,25 51,75 57,00 62,63 72,72 78,80 80,70 73,60 70,75 70,50 62,58 2013 58,20 53,75 50,25 49,13 52,00 58,88 58,00 57,50 65,13 66,00 69,50 68,00 58,86 2014 60,40 59,63 62,13 60,75 61,90 62,00 59,00 59,00 54,25 56,20 60,25 59,75 59,61 Fonte: CONAB * Valores Nominais

SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Chapadão do Sul - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 25,45 23,25 20,40 19,75 20,74 22,00 21,88 22,00 21,75 25,10 26,27 27,35 23,00 2007 27,09 27,89 27,40 25,05 24,91 26,19 27,78 28,90 33,52 36,50 38,12 39,90 30,27 2008 40,72 41,78 41,06 39,21 40,34 42,52 49,94 43,03 42,38 42,08 42,20 41,30 42,21 2009 42,59 43,16 39,98 41,86 44,25 44,24 43,17 43,08 45,10 44,03 43,55 41,28 43,02 2010 37,67 31,28 28,39 28,82 29,05 27,34 30,92 34,12 35,58 39,49 44,22 46,00 34,41 2011 46,38 45,01 41,03 39,69 39,42 39,70 39,29 40,70 44,06 41,92 41,14 39,56 41,49 2012 40,25 41,60 46,44 50,60 55,25 58,75 70,72 77,80 81,00 72,00 69,25 69,00 61,06 2013 56,80 53,38 50,25 47,38 50,60 57,38 57,90 57,50 63,75 65,30 67,38 69,25 58,07 2014 60,26 58,00 60,88 60,50 60,30 61,25 56,50 58,00 55,00 55,34 61,00 59,25 58,86 Fonte: CONAB * Valores Nominais

258

www.senarms.org.br


SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Maracaju - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 27,13 24,13 20,52 20,20 21,20 22,55 22,63 21,60 22,38 24,05 27,40 30,45 23,69 2007 27,74 27,55 26,48 25,39 25,25 26,45 27,46 29,82 33,11 36,48 39,53 40,67 30,49 2008 40,00 41,47 40,62 39,37 40,75 43,00 45,72 40,88 41,66 42,24 41,47 41,03 41,52 2009 41,47 43,22 39,78 41,65 44,53 43,92 42,70 42,85 44,83 42,82 42,50 39,21 42,46 2010 36,80 31,88 29,00 29,10 30,59 31,32 30,60 32,88 39,21 39,67 44,74 45,48 35,11 2011 46,00 44,50 39,89 38,75 38,33 39,58 38,15 38,76 40,88 41,25 39,46 39,08 40,39 2012 40,42 40,84 45,20 51,75 55,90 60,00 70,75 76,40 80,25 72,50 69,50 69,30 61,07 2013 55,88 52,75 50,75 48,00 50,92 57,38 57,72 59,63 64,00 65,60 68,22 67,90 58,23 2014 59,96 59,38 61,75 61,00 61,40 61,50 57,50 58,90 55,00 55,60 60,75 59,50 59,35 Fonte: CONAB * Valores Nominais

SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* São Gabriel do Oeste - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 25,45 23,38 20,60 19,93 20,86 21,13 20,88 21,56 20,93 22,46 25,30 28,38 22,57 2007 28,88 27,25 26,13 25,68 25,75 26,66 26,59 28,77 33,08 36,60 38,58 40,17 30,35 2008 40,55 41,78 40,69 39,20 40,09 42,86 46,28 40,71 41,85 40,19 41,01 40,37 41,30 2009 42,03 42,11 38,85 41,81 44,46 44,50 43,34 44,12 43,83 42,79 42,13 41,04 42,58 2010 37,35 31,53 28,48 28,83 29,85 31,06 33,25 36,42 37,52 38,69 44,38 45,50 35,24 2011 46,25 44,00 41,61 40,03 39,00 39,70 39,38 40,80 43,63 41,13 40,70 39,50 41,31 2012 41,75 41,78 46,63 51,13 55,22 61,08 71,20 77,08 78,68 72,20 67,38 67,25 60,95 2013 57,40 51,90 50,25 48,38 51,60 57,63 57,70 58,75 64,25 65,00 67,00 68,00 58,16 2014 59,20 59,38 60,25 60,38 60,70 61,20 58,08 58,06 54,63 55,60 60,63 58,63 58,90 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

259


SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Rio Brilhante - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 25,13 24,20 21,66 20,20 20,90 21,88 22,30 21,40 22,08 25,00 27,30 28,48 23,38 2007 28,10 28,65 27,20 25,75 25,33 25,00 25,91 27,19 32,76 33,86 36,42 38,83 29,58 2008 39,80 41,14 39,75 38,25 39,06 41,98 44,94 39,71 39,40 40,16 42,49 41,27 40,66 2009 42,75 42,50 40,39 41,61 44,61 44,47 43,51 43,78 44,71 43,39 43,88 43,40 43,25 2010 38,84 32,59 31,00 29,13 30,88 31,50 33,63 36,38 38,63 41,69 45,53 45,00 36,23 2011 46,75 44,63 41,07 39,25 39,38 39,50 39,25 40,50 42,75 41,88 41,40 40,25 41,38 2012 41,38 42,40 46,88 50,25 55,90 60,75 70,75 79,50 79,00 73,70 70,25 70,50 61,77 2013 57,30 53,25 51,08 47,00 50,40 56,75 58,40 60,38 65,50 66,60 69,63 69,25 58,80 2014 60,60 59,50 62,25 61,50 61,90 63,00 57,50 58,40 55,25 56,00 60,75 60,50 59,76 Fonte: CONAB * Valores Nominais

SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Sidrolândia - MS ANO

JAN

FEV

2006

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

22,65 22,43 21,80 21,25 24,75 28,00 29,50 24,34

2007 27,46 27,13 27,00 25,78 25,62 26,68 27,70 29,46 32,76 36,35 37,84 39,77 30,30 2008 40,24 41,25 40,68 39,38 40,30 42,39 47,18 41,47 43,38 42,52 41,45 40,37 41,72 2009 42,93 43,59 39,30 41,08 44,50 44,97 42,78 43,71 46,15 44,61 44,00 41,38 43,25 2010 38,40 31,88 28,90 29,13 30,25 30,90 33,50 37,25 37,73 41,56 43,41 46,60 35,79 2011 47,00 43,00 40,55 39,00 39,00 39,40 38,00 39,70 42,75 40,88 41,40 39,75 40,87 2012 41,75 42,10 45,88 51,13 56,00 60,00 70,75 77,20 81,00 72,90 70,00 65,25 61,16 2013 55,70 52,50 50,00 47,50 51,80 59,13 59,20 59,38 62,38 64,60 67,85 68,14 58,18 2014 58,90 59,25 61,00 60,50 61,50 61,13 57,63 60,20 56,25 55,60 59,75 59,50 59,27 Fonte: CONAB * Valores Nominais

260

www.senarms.org.br


SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Ponta Porã - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2007

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

26,38 25,80 25,21 25,77 27,88 31,94 35,21 38,26 39,07 30,61

2008 39,52 41,28 40,78 38,00 40,05 41,20 41,50 40,68 40,00 40,00 40,00 40,00 40,25 2009 40,00 40,00 40,00 41,45 44,58 44,03 43,80 43,48 44,79 44,87 45,13 43,21 42,95 2010 38,28 33,94 31,42 30,10 32,75 33,00 33,50 36,00 39,21 40,28 44,53 45,40 36,53 2011 46,00 45,50 41,77 41,50 39,63 39,90 39,13 39,80 42,00 42,10 41,80 40,38 41,63 2012 42,00 42,80 47,13 52,00 57,10 62,50 73,38 77,80 79,75 73,80 70,00 66,50 62,06 2013 56,60 52,50 52,50 47,75 47,00 53,25 56,40 57,00 63,00 64,60 65,75 67,00 56,95 2014 60,30 59,00 62,00 61,50 62,20 62,25 59,25 59,00 54,25 56,60 60,25 59,75 59,70 Fonte: CONAB * Valores Nominais

SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Fátima do Sul - MS ANO 2007

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

25,18 25,23 25,12 25,52 26,81 32,11 33,36 36,63 39,57 29,95

2008 40,00 41,75 40,66 37,86 39,38 41,03 46,29 38,26 39,78 37,66 37,46 38,07 39,85 2009 40,80 42,67 39,48 41,85 43,45 42,71 45,08 44,25 44,65 44,13 44,13 42,21 42,95 2010 37,75 33,18 28,42 29,50 30,00 28,80 30,75 33,80 37,15 39,67 42,97 44,60 34,72 2011 44,63 43,40 40,45 39,75 38,78 39,90 39,50 39,80 41,13 41,58 41,30 39,38 40,80 2012 41,38 42,40 46,75 50,50 55,70 61,13 72,50 74,20 74,63 70,16 66,88 64,25 60,04 2013 55,80 54,00 51,68 47,38 49,30 57,18 57,30 57,00 61,25 62,60 64,50 66,00 57,00 2014 60,00 58,50 61,75 61,50 62,20 62,25 59,25 59,00 54,25 56,20 60,25 59,75 59,58 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

261


SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Bandeirantes - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2007

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

25,93 25,87 26,79 28,23 28,69 30,92 31,43 35,66 36,00 29,95

2008 36,52 37,99 38,61 38,00 40,50 41,89 42,00 40,58 39,00 39,00 39,00 39,00 39,34 2009 39,48 44,03 40,58 41,64 44,55 44,37 44,44 43,48 44,76 44,26 44,00 42,21 43,15 2010 38,55 34,76 31,00 31,00 31,00 31,00 31,00 31,75 35,96 38,56 41,47 44,00 35,00 2011 45,00 44,75 41,95 40,50 38,50 39,90 39,75 40,80 43,63 41,13 40,70 39,50 41,34 2012 42,13 41,94 46,63 51,13 55,22 61,00 71,20 77,08 78,68 72,20 67,38 67,25 60,99 2013 56,60 51,90 50,25 48,38 51,60 57,63 57,70 58,75 64,25 65,00 67,00 68,00 58,09 2014 59,20 59,38 60,25 60,38 60,70 61,20 58,08 58,06 54,63 55,60 60,63 58,63 58,90 Fonte: CONAB * Valores Nominais

SOJA - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Camapuã - MS ANO

JAN

FEV

2007

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

26,38 25,97 25,59 26,99 28,38 30,92 31,37 35,63 36,00 29,69

2008 36,92 38,00 38,75 38,00 39,42 40,00 40,00 39,53 39,00 39,00 39,00 39,00 38,89 2009 39,48 44,03 40,58 41,66 44,55 44,37 44,64 44,10 44,76 44,26 44,00 42,21 43,22 2010 38,55 34,76 31,00 31,00 31,00 31,00 31,00 31,75 35,96 38,56 41,47 44,00 35,00 2011 45,00 44,75 41,95 40,50 39,00 39,90 39,75 40,80 43,63 41,13 40,70 39,50 41,38 2012 42,13 41,94 46,63 51,13 55,22 61,00 71,20 77,08 78,68 72,20 67,38 67,25 60,99 2013 56,60 51,90 50,25 48,38 51,60 57,63 57,70 58,75 64,25 65,00 67,00 68,00 58,09 2014 59,20 59,38 60,25 60,38 60,70 61,20 58,08 58,06 54,63 55,60 60,63 58,63 58,90 Fonte: CONAB * Valores Nominais

262

www.senarms.org.br


Exportações Segundo dados do Agrostat/MAPA, entre 1996 e 2014 as exportações do complexo da soja (grãos, farelo e óleo) cresceram 273,67%, saindo de 772,5 mil toneladas em 1996 para mais de 2,88 milhões de toneladas em 2014. O volume exportado em 2014 foi recorde histórico. Em termos de receita, estas acumulam alta de 607,51% também entre 1996 e 2014. Em 2014 a receita com exportação do complexo soja chegou a US$ 1,46 bilhão, também recorde histórico. Comparando agora 2014 com 2013, o volume exportado do complexo soja cresceu 7,56% e as receitas 3,8%. As exportações de soja em grãos responderam por 84,20% do volume das exportações, em seguida aparece o farelo de soja com uma participação de 15,74% e finalmente, o óleo de soja participando com apenas 0,05%.

www.famasul.com.br

263


Exportações do Complexo da Soja de MS PERÍODO

Receita (em US$)

Volume (em Kg)

1996

206.493.514

772.579.020

1997

283.398.281

1.014.029.913

1998

66.574.838

367.218.279

1999

88.721.738

585.331.731

2000

105.080.583

580.601.417

2001

182.681.415

1.029.240.448

2002

134.157.197

727.272.217

2003

172.353.938

780.722.822

2004

203.557.631

626.515.362

2005

419.956.592

1.749.527.509

2006

392.242.188

1.804.708.750

2007

496.232.608

1.828.075.834

2008

730.325.435

1.647.621.045

2009

538.305.643

1.345.403.137

2010

741.586.421

1.957.876.158

2011

951.267.578

1.870.285.122

2012

1.026.597.580

1.927.621.331

2013

1.407.443.781

2.684.034.018

2014

1.460.960.165

2.886.886.039 Fonte: Agrostat/MAPA

264

www.senarms.org.br


Exportações do Complexo da Soja de MS

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/ SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

265


Exportações do Complexo da Soja de MS (2013 e 2014)

EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA DE MS

EM 2013

EM 2014

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

SOJA EM GRÃOS

1.201.497.183

2.279.961.375

1.229.119.492

2.430.892.637

FARELO DE SOJA

190.006.038

389.473.319

230.175.432

454.422.338

15.940.560

14.599.324

1.665.241

1.571.064

12.965.649

11.927.861

0

0

Óleo de Soja Refinado

2.974.911

2.671.463

1.665.241

1.571.064

Demais Óleos de Soja

0

0

0

0

1.407.443.781

2.695.961.879

1.460.960.165

2.886.886.039

ÓLEO DE SOJA Óleo de Soja Bruto

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA

266

www.senarms.org.br


Exportações de Soja em Grão de MS RECEITA Em US$

MÊS 2013 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL

0 53.423.168 152.598.875 251.879.640 235.400.125 152.481.820 167.171.628 90.890.685 61.080.185 21.152.869 15.385.995 32.193 1.201.497.183

VOLUME Em Kg

Var (%) US$ 2014

0 60.304.235 313.659.705 247.685.871 197.168.181 159.857.573 132.008.990 91.418.944 26.991.247 20.944 3.802 0 1.229.119.492

2013 12,88 105,55 -1,66 -16,24 4,84 -21,03 0,58 -55,81 -99,90 -99,98 -100,00 2,30

0 96.523.276 281.922.109 474.857.067 457.806.817 296.808.857 311.415.544 173.864.541 117.961.082 39.518.625 29.227.097 56.360 2.279.961.375

Var (%) Kg 2014

0 121.941.984 626.584.993 497.064.534 386.901.794 307.154.820 258.517.395 178.215.058 54.454.897 48.380 8.782 0 2.430.892.637

26,33 122,25 4,68 -15,49 3,49 -16,99 2,50 -53,84 -99,88 -99,97 -100,00 6,62

Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

267


Exportações de Óleo de Soja de MS RECEITA Em US$

MÊS Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL

2013 874.233 92.258 1.455.812 2.829.211 6.715.365 137.295 1.359.501 463.051 267.980 889.358 339.094 517.402 15.940.560

VOLUME Em Kg

Var (%) US$ 2014 202.472 526.568 208.305 281.995 161.007 50.172 123.595 0 60.587 0 20.748 29.792 1.665.241

-76,84 470,76 -85,69 -90,03 -97,60 -63,46 -90,91 -100,00 -77,39 -100,00 -93,88 -94,24 -89,55

2013 773.030 66.280 1.165.700 2.575.399 6.260.241 125.160 1.173.003 447.554 252.477 931.980 331.400 497.100 14.599.324

Var (%) Kg 2014 198.840 530.240 198.840 265.650 142.502 40.642 92.801 0 59.652 0 12.917 28.980 1.571.064

-74,28 700,00 -82,94 -89,69 -97,72 -67,53 -92,09 -100,00 -76,37 -100,00 -96,10 -94,17 -89,24

Fonte: Agrostat/MAPA

268

www.senarms.org.br


Exportações de Farelo de Soja de MS

MÊS Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL

RECEITA Em US$ 2013 7.528.475 24.858.515 4.601.293 14.755.738 15.033.703 9.604.511 31.103.235 14.533.014 8.479.591 14.102.864 28.090.343 17.314.756 190.006.038

Var (%) US$ 2014 12.450.257 21.118.753 15.930.881 35.729.047 32.436.709 27.193.500 12.674.595 11.442.662 2.264.667 25.395.984 22.585.218 17.031.270 236.253.543

65,38 -15,04 246,23 142,14 115,76 183,13 -59,25 -21,26 -73,29 80,08 -19,60 -1,64 24,34

VOLUME Em Kg 2013 14.793.684 49.338.759 10.232.979 34.544.732 36.281.417 23.095.903 63.130.992 29.016.030 18.754.250 19.317.873 52.696.395 32.192.194 383.395.208

Var (%) Kg 2014 23.376.664 39.887.485 30.320.319 66.733.424 60.328.422 49.679.572 24.689.771 23.284.917 4.645.150 46.118.183 47.935.221 37.423.210 454.422.338

58,02 -19,16 196,30 93,18 66,28 115,10 -60,89 -19,75 -75,23 138,73 -9,04 16,25 18,53

Fonte: Agrostat/MAPA Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

269


Destinos De acordo com dados do Agrostat/MAPA, a China foi o principal importador da soja em grãos de MS, absorvendo 77,56% dos embarques feitos pelo Estado em 2014. Neste mesmo péríodo, os chineses importaram 1,8 milhão de toneladas de soja em grãos de MS por US$ 950 milhões. O segundo maior importador foi a Holanda que comprou 105,3 mil toneladas da oleaginosa, por US$ 53,6 milhões.

270

www.senarms.org.br


Países Importadores de Soja em Grão de MS em 2014 Safras 1977/78 a 2014/15

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PART. NO TOTAL Em %

949.946.182

1.885.504.063

77,56

HOLANDA

53.598.123

105.347.105

4,33

TAIWAN

36.678.827

70.253.716

2,89

TURQUIA

33.840.293

65.212.895

2,68

ESTADOS UNIDOS

24.801.128

48.640.030

2,00

JAPÃO

22.246.382

45.627.830

1,88

COREIA DO SUL

21.328.318

42.412.011

1,74

TAILÂNDIA

15.155.063

27.943.556

1,15

MARROCOS

13.461.267

25.173.162

1,04

VIETNÃ

11.819.544

23.516.000

0,97

OUTROS PAÍSES

46.300.865

91.282.269

3,76

1.229.175.992

2.430.912.637

100,00

PAÍS CHINA

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

271


Países importadores de soja em grãos de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

272

www.senarms.org.br


Quanto ao farelo de soja, a Tailândia liderou em 2014 as compras de MS, importando o equivalente a US$ 103 milhões, participando assim com 45% do total. A Holanda apareceu como segunda maior importadora do farelo de MS, ao absorver o equivalente a US$ 52,6 milhões do produto, 22,41% do total.

Países Importadores de Farelo de Soja de MS em 2014 RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PART. NO TOTAL Em %

TAILÂNDIA

103.093.490

205.452.722

45,21

HOLANDA

52.653.378

101.837.903

22,41

INDONÉSIA

37.159.577

69.754.957

15,35

REINO UNIDO

9.841.415

23.461.768

5,16

FRANÇA

8.493.497

16.969.383

3,73

COREIA DO SUL

4.006.401

7.869.637

1,73

VIETNÃ

2.053.850

4.141.440

0,91

ESLOVÊNIA

1.974.940

4.000.000

0,88

IRÃ

1.775.125

3.477.476

0,77

ALEMANHA

1.708.305

3.219.408

0,71

OUTROS PAÍSES

7.415.454

14.237.644

3,13

230.175.432

454.422.338

100,00

PAÍS

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA Elaboração DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

273


Países importadores de farelo de soja de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

274

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

275


Milho


Produção de Milho em MS A produção de milho em Mato Grosso do Sul deve atingir aproximadamente 8,4 milhões de toneladas na safra 2014/2015 somadas a 1ª e 2ª safras segundo estimativa elaborada pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), um recorde. Este volume é 468,52% superior ao verificado há vinte anos, na safra 1994/95 o volume produzido foi de 1,4 milhão de toneladas. Em relação à área, esta cresceu ao longo dos últimos vinte anos 209% e deve chegar à safra 2014/15 em 1,5 milhão de hectares. Destaca-se neste contexto o crescimento de área da 2ª safra que supera 623% entre 1995 e 2015, o que se observa é a migração quase integral da produção de milho da 1ª para a 2ª safra. No mesmo período, a área de milho na 1ª safra caiu 92,86% e não deve ultrapassar 20 mil hectares plantados. A produtividade do milho total (1ª e 2ª safra) nos últimos 20 anos cresceu 83,56%, saindo de 2.970,00 quilos por hectare na safra 1994/95 para os atuais 5.451,84 quilos por hectare na safra 2014/15 segundo levantamento feito pela Conab, se confirmada, tal produtividade será recorde.

278

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Milho em MS (1ª e 2ª safras) Safras 1978/79 a 2014/15

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1978/79

101,00

1.743,00

176

1979/80

108,60

1.726,00

187,40

1980/81

132,00

1.780,00

235,00

1981/82

145,00

1.766,00

256,00

1982/83

127,60

2.000,00

255,20

1983/84

159,50

1.800,00

287,10

1984/85

159,50

2.000,00

319,00

1985/86

215,30

1.550,00

333,70

1986/87

258,00

2.440,00

629,50

1987/88

250,00

2.630,00

657,50

1988/89

265,00

2.900,00

768,50

1989/90

283,00

2.271,00

642,70

1990/91

360,00

2.663,00

958,50

1991/92

369,70

2.352,00

869,40

1992/93

367,90

2.425,00

892,30

1993/94

503,20

2.323,00

1.169,00

1994/95

497,00

2.970,00

1.476,30

1995/96

452,80

3.319,00

1.503,00

1996/97

550,30

3.576,00

1.967,80

www.famasul.com.br

279


Série Histórica da Produção de Milho em MS (1ª e 2ª safras) Safras 1978/79 a 2014/15 - continuação

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1997/98

451,50

2.977,00

1.343,90

1998/99

513,70

3.275,00

1.682,40

1999/00

513,80

2.323,00

1.193,60

2000/01

545,90

3.984,00

2.174,70

2001/02

481,20

2.796,00

1.345,60

2002/03

701,90

4.331,00

3.039,70

2003/04

628,30

3.818,00

2.353,00

2004/05

564,40

2.475,00

1.396,90

2005/06

623,40

3.595,00

2.241,00

2006/07

838,20

3.521,00

2.951,40

2007/08

988,30

3.566,07

3.524,30

2008/09

938,50

2.463,40

2.311,90

2009/10

887,50

4.211,00

3.737,30

2010/11

992,80

3.448,00

3.423,20

2011/12

1267,70

5.187,64

6.576,40

2012/13

1509,00

5.182,70

7.820,70

2013/14

1546,00

5.196,06

8.033,10

¹2014/15

1539,50

5.451,84

8.393,10

Fonte: Conab ¹previsão - Estimativa em janeiro/2015

280

www.senarms.org.br


Evolução da produção de milho de MS – 1ª e 2ª Safras

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

281


A produtividade da 1ª safra está estimada em 8.700,00 quilos por hectare, concentrados em 20,5 mil hectares, totalizando uma produção de 178,4 mil toneladas na safra 2014/2015.

Série Histórica da Produção de Milho em MS (1ª safra) - Verão Safras 1978/79 a 2014/15

282

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

1978/79

101,00

1.742,57

176

1979/80

108,60

1.725,60

187,40

1980/81

132,00

1.780,30

235,00

1981/82

145,00

1.765,52

256,00

1982/83

127,60

2.000,00

255,20

1983/84

159,50

1.800,00

287,10

1984/85

159,50

2.000,00

319,00

1985/86

215,30

1.549,93

333,70

1986/87

258,00

2.439,92

629,50

1987/88

250,00

2.630,00

657,50

1988/89

265,00

2.900,00

768,50

1989/90

276,50

2.279,93

630,40

1990/91

315,00

2.800,00

882,00

1991/92

308,70

2.500,00

771,80

1992/93

230,00

3.100,00

713,00

1993/94

239,20

3.800,00

909,00

1994/95

287,00

3.900,00

1.119,30

www.senarms.org.br

PRODUÇÃO (Em mil t)


Série Histórica da Produção de Milho em MS (1ª safra) - Verão Safras 1978/79 a 2014/15 - continuação

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1995/96

269,80

4.350,00

1.173,60

1996/97

294,10

4.400,00

1.294,00

1997/98

144,10

4.100,00

590,80

1998/99

221,70

4.500,00

997,70

1999/00

140,00

4.000,00

560,00

2000/01

217,00

5.550,00

1.204,40

2001/02

119,40

5.340,00

637,60

2002/03

119,40

5.700,00

680,60

2003/04

97,90

5.500,00

538,50

2004/05

81,70

5.400,00

441,20

2005/06

102,10

5.100,00

520,70

2006/07

98,00

5.720,00

560,60

2007/08

98,00

6.392,00

626,40

2008/09

84,70

5.925,00

501,80

2009/10

57,50

6.535,00

375,80

2010/11

46,00

6.700,00

308,20

2011/12

68,20

6.729,00

458,90

2012/13

48,00

7.700,00

369,60

2013/14

27,00

8.350,00

225,50

¹2014/15

20,50

8.700,00

178,40

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

www.famasul.com.br

283


Evolução da produção de milho de MS – 1ª Safra

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

284

www.senarms.org.br


Na 2ª safra, a produtividade está estimada em 5.408,00 quilos por hectare, concentrados em 1,5 milhão hectares, totalizando uma produção de 8,2 milhões de toneladas na safra 2014/15, dados estimados pela Conab.

Série Histórica da Produção de Milho em MS (2ª safra) - Inverno Safras 1989/90 a 2014/15

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1989/90

6,50

1.892,31

12,30

1990/91

45,00

1.700,00

76,50

1991/92

61,00

1.600,00

97,60

1992/93

137,90

1.300,00

179,30

1993/94

264,00

985,00

260,00

1994/95

210,00

1.700,00

357,00

1995/96

183,00

1.800,00

329,40

1996/97

256,20

2.630,00

673,80

1997/98

307,40

2.450,00

753,10

1998/99

292,00

2.345,00

684,70

1999/00

373,80

1.695,00

633,60

2000/01

328,90

2.950,00

970,30

2001/02

361,80

1.957,00

708,00

2002/03

582,50

4.050,00

2.359,10

2003/04

530,40

3.421,00

1.814,50

2004/05

482,70

1.980,00

955,70

2005/06

521,30

3.300,00

1.720,30

www.famasul.com.br

285


Série Histórica da Produção de Milho em MS (2ª safra) - Inverno Safras 1989/90 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

2006/07

740,20

3.230,00

2.390,80

2007/08

890,30

3.255,00

2.897,90

2008/09

853,80

2.120,00

1.810,10

2009/10

830,00

4.050,00

3.361,50

2010/11

946,80

3.290,00

3.115,00

2011/12

1199,50

5.100,00

6.117,50

2012/13

1461,00

5.100,00

7.451,10

2013/14

1519,00

5.140,00

7.807,70

¹2014/15

1519,00

5.408,00

8.214,80 Fonte: CONAB; ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

Evolução da produção de milho de MS – 2ª Safra

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

286

www.senarms.org.br


Distribuição das áreas de milho 2ª safra em MS – Safra 2013/2014

MT

GO

MG

SP

PR

Limite do Município Milho 2ª Safra

Uso e Ocupação do Solo

Milho

1.716.250

4,8%

Fonte: DEPRO/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

287


Produção de Milho no Brasil Em nível nacional, a produção de milho deve atingir 79 milhões de toneladas na safra 2014/15, crescimento de 111% em relação à safra 1994/95. Em relação a área, esta cresceu apenas 7,55% nos últimos vinte anos e deve chegar à safra 2014/15 em 15,3 milhões de hectares. A produtividade média do milho em nível nacional deve ficar em 5.146,21 quilos por hectare, crescimento de 96% quando analisadas as últimas vinte safras. Tais números denotam a sustentabilidade e a importância do incremento de novas tecnologias, garantindo assim maior produção em menor área.

288

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Milho no Brasil (1ª e 2ª Safras) Safras 1978/79 a 2014/15

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1978/79

11.304,81

1.461,00

16.513,83

1979/80

11.669,88

1.665,00

19.435,32

1980/81

12.147,14

1.752,00

21.283,81

1981/82

12.771,05

1.692,00

21.604,81

1982/83

11.658,19

1.631,00

19.014,96

1983/84

12.205,63

1.735,00

21.178,20

1984/85

11.940,16

1.773,00

21.174,70

1985/86

13.083,45

1.549,00

20.264,77

1986/87

14.610,35

1.832,00

26.758,96

1987/88

13.411,10

1.881,00

25.224,27

1988/89

12.974,24

2.025,00

26.267,59

1989/90

12.092,70

1.841,00

22.257,83

1990/91

13.451,40

1.791,00

24.096,10

1991/92

14.027,10

2.194,00

30.771,20

1992/93

12.436,30

2.349,00

29.207,70

1993/94

14.151,70

2.344,00

33.173,70

1994/95

14.282,20

2.622,00

37.441,90

1995/96

13.756,70

2.356,00

32.404,70

1996/97

13.798,80

2.588,00

35.715,60

1997/98

11.391,10

2.650,00

30.187,80

www.famasul.com.br

289


Série Histórica da Produção de Milho no Brasil (1ª e 2ª Safras) Safras 1978/79 a 2014/15 - continuação

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1998/99

12.513,00

2.589,00

32.393,40

1999/00

12.757,90

2.480,00

31.640,50

2000/01

12.972,50

3.260,00

42.289,70

2001/02

12.297,80

2.868,00

35.266,80

2002/03

13.226,20

3.585,00

47.410,90

2003/04

12.783,00

3.291,00

42.128,50

2004/05

12.208,20

2.867,00

35.006,70

2005/06

12.963,90

3.279,00

42.514,90

2006/07

14.054,90

3.655,00

51.369,70

2007/08

14.765,70

3.972,00

58.652,30

2008/09

14.171,80

3.599,00

51.003,80

2009/10

12.993,90

4.311,00

56.018,10

2010/11

13.806,10

4.158,00

57.406,90

2011/12

15.178,10

4.808,00

72.979,50

2012/13

15.829,30

5.149,05

81.505,70

2013/14

15.800,70

5.057,08

79.905,50

¹2014/15

15.361,10

5.146,21

79.051,70 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

290

www.senarms.org.br


Área Plantada e Produção de Milho no Brasil e em Ms Na safra 2014/15 devem ser cultivados 15,3 milhões de hectares, destes 10% está em MS. O que corresponde a 1,5 milhão de hectares. Mato Grosso do Sul vem aumentando gradativamente sua participação na área plantada de milho.

Evolução da Área Plantada de Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras) Safras 1978/79 a 2014/15 SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1978/79

101,00

11.304,81

0,89

1979/80

108,60

11.669,88

0,93

1980/81

132,00

12.147,14

1,09

1981/82

145,00

12.771,05

1,14

1982/83

127,60

11.658,19

1,09

1983/84

159,50

12.205,63

1,31

1984/85

159,50

11.940,16

1,34

1985/86

215,30

13.083,45

1,65

1986/87

258,00

14.610,35

1,77

1987/88

250,00

13.411,10

1,86

1988/89

265,00

12.974,24

2,04

www.famasul.com.br

291


Evolução da Área Plantada de Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras) Safras 1978/79 a 2014/15 - continuação SAFRA

292

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1989/90

283,00

12.092,70

2,34

1990/91

360,00

13.451,40

2,68

1991/92

369,70

14.027,10

2,64

1992/93

367,90

12.436,30

2,96

1993/94

503,20

14.151,70

3,56

1994/95

497,00

14.282,20

3,48

1995/96

452,80

13.756,70

3,29

1996/97

550,30

13.798,80

3,99

1997/98

451,50

11.391,10

3,96

1998/99

513,70

12.513,00

4,11

1999/00

513,80

12.757,90

4,03

2000/01

545,90

12.972,50

4,21

2001/02

481,20

12.297,80

3,91

2002/03

701,90

13.226,20

5,31

2003/04

628,30

12.783,00

4,92

2004/05

564,40

12.208,20

4,62

2005/06

623,40

12.963,90

4,81

2006/07

838,20

14.054,90

5,96

2007/08

988,30

14.765,70

6,69

2008/09

938,50

14.171,80

6,62

www.senarms.org.br


Evolução da Área Plantada de Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras) Safras 1978/79 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

2009/10

887,50

12.993,90

6,83

2010/11

992,80

13.806,10

7,19

2011/12

1267,70

15.178,10

8,35

2012/13

1509,00

15.829,30

9,53

2013/14

1546,00

15.800,70

9,78

¹2014/15

1539,50

15.361,10

10,02 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

www.famasul.com.br

293


Assim como na área plantada, a participação de MS na produção nacional cresce gradativamente e deve chegar a 10,6% ou 8,3 milhões de toneladas de um total de 79 milhões de toneladas na safra 2014/15, o que coloca o MS como o 3º maior produtor de milho do país.

Produção de Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras) Safras 1978/79 a 2014/15

SAFRA

294

PRODUÇÃO MS Em mil t

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %

1978/79

176

16.513,83

1,07

1979/80

187,40

19.435,32

0,96

1980/81

235,00

21.283,81

1,10

1981/82

256,00

21.604,81

1,18

1982/83

255,20

19.014,96

1,34

1983/84

287,10

21.178,20

1,36

1984/85

319,00

21.174,70

1,51

1985/86

333,70

20.264,77

1,65

1986/87

629,50

26.758,96

2,35

1987/88

657,50

25.224,27

2,61

1988/89

768,50

26.267,59

2,93

1989/90

642,70

22.257,83

2,89

1990/91

958,50

24.096,10

3,98

1991/92

869,40

30.771,20

2,83

1992/93

892,30

29.207,70

3,06

1993/94

1.169,00

33.173,70

3,52

1994/95

1.476,30

37.441,90

3,94

www.senarms.org.br


Produção de Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras) Safras 1978/79 a 2014/15 - continuação SAFRA

PRODUÇÃO MS Em mil t

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %

1995/96

1.503,00

32.404,70

4,64

1996/97

1.967,80

35.715,60

5,51

1997/98

1.343,90

30.187,80

4,45

1998/99

1.682,40

32.393,40

5,19

1999/00

1.193,60

31.640,50

3,77

2000/01

2.174,70

42.289,70

5,14

2001/02

1.345,60

35.266,80

3,82

2002/03

3.039,70

47.410,90

6,41

2003/04

2.353,00

42.128,50

5,59

2004/05

1.396,90

35.006,70

3,99

2005/06

2.241,00

42.514,90

5,27

2006/07

2.951,40

51.369,70

5,75

2007/08

3.524,30

58.652,30

6,01

2008/09

2.311,90

51.003,80

4,53

2009/10

3.737,30

56.018,10

6,67

2010/11

3.423,20

57.406,90

5,96

2011/12

6.576,40

72.979,50

9,01

2012/13

7.820,70

81.505,70

9,60

2013/14

8.033,10

79.905,50

10,05

¹2014/15

8.393,10

79.051,70

10,62 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

www.famasul.com.br

295


Produtividade da Cultura do Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras) Safras 1977/78 a 2014/15

296

SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1978/79

1.743,00

1.461,00

19,30

1979/80

1.726,00

1.665,00

3,66

1980/81

1.780,00

1.752,00

1,60

1981/82

1.766,00

1.692,00

4,37

1982/83

2.000,00

1.631,00

22,62

1983/84

1.800,00

1.735,00

3,75

1984/85

2.000,00

1.773,00

12,80

1985/86

1.550,00

1.549,00

0,06

1986/87

2.440,00

1.832,00

33,19

1987/88

2.630,00

1.881,00

39,82

1988/89

2.900,00

2.025,00

43,21

1989/90

2.271,00

1.841,00

23,36

1990/91

2.663,00

1.791,00

48,69

1991/92

2.352,00

2.194,00

7,20

1992/93

2.425,00

2.349,00

3,24

1993/94

2.323,00

2.344,00

-0,90

1994/95

2.970,00

2.622,00

13,27

1995/96

3.319,00

2.356,00

40,87

1996/97

3.576,00

2.588,00

38,18

www.senarms.org.br


Produtividade da Cultura do Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras) Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação

SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1997/98

2.977,00

2.650,00

12,34

1998/99

3.275,00

2.589,00

26,50

1999/00

2.323,00

2.480,00

-6,33

2000/01

3.984,00

3.260,00

22,21

2001/02

2.796,00

2.868,00

-2,51

2002/03

4.331,00

3.585,00

20,81

2003/04

3.818,00

3.291,00

16,01

2004/05

2.475,00

2.867,00

-13,67

2005/06

3.595,00

3.279,00

9,64

2006/07

3.521,00

3.655,00

-3,67

2007/08

3.566,07

3.972,00

-10,22

2008/09

2.463,40

3.599,00

-31,55

2009/10

4.211,00

4.311,00

-2,32

2010/11

3.448,00

4.158,00

-17,08

2011/12

5.187,64

4.808,00

7,90

2012/13

5.182,70

5.149,05

0,65

2013/14

5.196,06

5.057,08

2,75

¹2014/15

5.451,84

5.146,21

5,94 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em janeiro/2015

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

297


Produtividade da Cultura do Milho no Brasil e em MS (1ª e 2ª Safras)

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

298

www.senarms.org.br


www.famasul.com.br

299


Custo de Produção O custo médio para produzir um hectare com milho na segunda safra 2014/15, segundo dados de pesquisa da EMBRAPA CPAO, em Mato Grosso do Sul, foi de R$ 1.608,23, crescimento nominal de 76% em relação a safra 2011. Em termos reais, ou seja, descontando-se os efeitos da inflação, o custo de se produzir um hectare de milho cresceu nos últimos cinco anos 56% considerando o IGP-DI a preços de 2011.

300

www.senarms.org.br


Evolução histórica do custo de produção da cultura do milho safrinha em cultivo solteiro, no período de 2002 a 2014. Safra

Custo total (R$/ha)

2002

401,13

2003

499,69

2004

600,61

2005

736,14

2006

839,28

2007

732,06

2008

881,93

2009

1.144,07

2010

948,80

2011

913,70

2012

1.091,64

2013

1.507,49

2014

1.513,92

2015

1.608,23 Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

www.famasul.com.br

301


Custo de produção do milho safrinha, em cultivo solteiro, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul. Componentes do custo

Unidade Quantidade

Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

1. Insumos Sementes de milho

38,7

kg

1,00

240,00

240,00

14,9

Fertilizante manutenção

L

0,30

169,00

50,70

3,2

Inseticida tratamento de sementes

t

0,20

1046,00

209,20

13,0

Herbicida pós-emergente

l

3,00

13,00

39,00

2,4

Inseticida 1

kg

0,15

121,00

18,15

1,1

Inseticida 2

L

0,12

324,00

38,88

2,4

Inseticida 3

L

0,25

111,50

27,88

1,7

358,72

22,3

2. Operações agrícolas Semeadura

hm

0,40

152,65

61,06

3,8

Transporte interno

hm

0,40

95,76

38,30

2,4

Aplicação de herbicida

hm

0,07

133,19

9,32

0,6

Aplicação de inseticida

hm

0,21

133,19

27,97

1,7

Colheita

hm

0,80

150,09

120,07

7,5

t

85,00

1,2

102,00

6,3

43,81

2,70

Transporte externo 3. Outros custos Administração

%

2,00

982,53

19,65

1,20

Assistência técnica

%

2,00

409,39

8,19

0,50

Seguro

%

3,90

409,39

15,97

1,00

141,11

8,70

105,29

6,50

4. Depreciações Depreciação de máquinas

302

623,81

www.senarms.org.br

R$

1,00

105,29


Custo de produção do milho safrinha, em cultivo solteiro, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul. continuação

Componentes do custo

Unidade Quantidade

Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

Depreciação de equipamentos

R$

1,00

30,33

30,33

1,90

Depreciação de benfeitorias

R$

1,00

5,49

5,49

0,30

440,78

27,60

5. Remuneração dos fatores Remuneração da terra

R$

1,00

281,05

281,05

17,50

Remuneração do capital

R$

1,00

134,47

134,47

8,40

Remuneração do custeio

%

6,00

420,99

25,26

1,70

1.608,23

100,0

Custo total

Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

www.famasul.com.br

303


Custo de produção do milho safrinha, em cultivo consorciado com brachiaria ruziziensis, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul Componentes do custo

Unidade Quantidade Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

1. Insumos

40,10

Semente de milho

kg

1,00

240,00

240,00

14,60

Semente de braquiária

kg

3,20

11,00

35,20

2,10

Inseticida para tratamento de sementes

L

0,30

169,00

50,70

3,10

Fertilizante (manutenção)

t

0,20

1046,00

209,20

12,70

Herbicida pós-emergente

l

3,00

13,00

39,00

2,40

Inseticida 1

kg

0,15

121,00

18,15

1,10

Inseticida 2

L

0,12

324,00

38,88

2,40

Inseticida 3

L

0,25

111,50

27,88

1,70

358,72

21,8

2. Operações agrícolas Semeadura

hm

0,40

152,65

61,06

3,7

Transporte interno

hm

0,40

95,76

38,30

2,3

Aplicação de herbicida

hm

0,07

133,19

9,32

0,6

Aplicação de inseticida

hm

0,21

133,19

27,97

1,7

Colheita

hm

0,80

150,09

120,07

7,3

t

85,00

1,2

102,00

6,2

45,37

2,70

Transporte externo 3. Outros custos Administração

%

2,00

1.017,73

20,35

1,20

Assistência técnica

%

2,00

424,05

8,48

0,50

Seguro

%

3,90

424,05

16,54

1,00

141,11

8,50

4. Depreciações

304

659,01

www.senarms.org.br


Custo de produção do milho safrinha, em cultivo consorciado com brachiaria ruziziensis, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul continuação

Componentes do custo

Unidade Quantidade Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

Depreciação de máquinas

R$

1,00

105,29

105,29

6,40

Depreciação de equipamentos

R$

1,00

30,33

30,33

1,80

Depreciação de benfeitorias

R$

1,00

5,49

5,49

0,30

441,68

26,90

5. Remuneração dos fatores Remuneração da terra

R$

1,00

281,05

281,05

17,10

Remuneração do capital

R$

1,00

134,47

134,47

8,20

Remuneração do custeio

%

6,00

436,07

26,16

1,60

1.645,89

100,0

Custo total

Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

www.famasul.com.br

305


Custo de produção do milho safrinha híbrido simples Bt, em cultivo consorciado com brachiaria ruziziensis, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul Componentes do custo

Unidade

Quantidade

Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

1. Insumos

40,80

Semente de milho

kg

1,00

310,00

310,00

18,80

Semente de braquiária

kg

3,20

11,00

35,20

2,10

Inseticida tratamento sementes

L

0,30

169,00

50,70

3,10

Fertilizante (manutenção)

t

0,20

1046,00

209,20

12,70

Herbicida pós-emergente

l

3,00

13,00

39,00

2,40

Inseticida

L

0,25

111,50

27,88

1,70

346,24

21,00

2. Operações agrícolas Semeadura

hm

0,40

152,65

61,06

3,70

Transporte interno

hm

0,40

95,76

38,30

2,30

Aplicação de herbicida

hm

0,07

113,80

7,97

0,50

Aplicação de inseticida

hm

0,07

113,80

7,97

0,50

Colheita

hm

0,80

161,17

128,94

7,80

t

85,00

1,20

102,00

6,20

45,40

2,80

Transporte externo 3. Outros custos Administração

%

2,00

1.018,22

20,36

1,20

Assistência técnica

%

2,00

424,26

8,49

0,50

Seguro

%

3,90

424,26

16,55

1,00

137,00

8,30

4. Depreciações

306

671,98

Depreciação de máquinas

R$

1,00

95,14

95,14

5,80

Depreciação de equipamentos

R$

1,00

30,33

30,33

1,80

Depreciação de benfeitorias

R$

1,00

11,53

11,53

0,70

www.senarms.org.br


Custo de produção do milho safrinha híbrido simples Bt, em cultivo consorciado com brachiaria ruziziensis, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul - continuação Componentes do custo

Unidade

Quantidade

Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

5. Remuneração dos fatores

449,43

27,10

Remuneração da terra

R$

1,00

281,05

281,05

17,00

Remuneração do capital

R$

1,00

142,20

142,20

8,60

Remuneração do custeio

%

6,00

436,28

26,18

1,50

Custo total

1.650,05

100,0

Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

Custo de produção do milho safrinha híbrido simples Bt+RR, em cultivo solteiro, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul Componentes do custo

Unidade Quantidade

Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

1. Insumos Semente de milho

750,08

44,10

R$

1,00

400,00

400,00

23,50

Inseticida tratamento sementes

L

0,30

169,00

50,70

3,00

Fertilizante (manutenção)

t

0,20

1046,00

209,20

12,30

Herbicida pós-emergente 1

L

3,00

13,00

39,00

2,30

Herbicida pós-emergente 2

L

2,00

11,65

23,30

1,40

Inseticida

L

0,25

111,50

27,88

1,60

www.famasul.com.br

307


Custo de produção do milho safrinha híbrido simples Bt+RR, em cultivo solteiro, 2015, por hectare, em Mato Grosso do Sul continuação

Componentes do custo

Unidade Quantidade

Preço unitário Valor (R$/ha) Participação (%) (R$)

2. Operações agrícolas

340,07

19,80

Semeadura

hm

0,40

152,65

61,06

3,60

Transporte interno

hm

0,40

95,76

38,30

2,20

Aplicação de herbicida

hm

0,07

133,19

9,32

0,50

Aplicação de inseticida

hm

0,07

133,19

9,32

0,50

Colheita

hm

0,80

150,09

120,07

7,00

sc

85,00

1,20

102,00

6,00

48,59

2,80

Transporte externo 3. Outros custos Administração

%

2,00

1.090,15

21,80

1,30

Assistência técnica

%

2,00

454,23

9,08

0,50

Seguro

%

3,90

454,23

17,71

1,00

130,95

7,70

4. Depreciações Depreciação de máquinas

R$

1,00

95,14

95,14

5,60

Depreciação de equipamentos

R$

1,00

30,33

30,33

1,80

Depreciação de benfeitorias

R$

1,00

5,48

5,48

0,30

435,41

25,60

5. Remuneração dos fatores Remuneração da terra

R$

1,00

281,05

281,05

16,50

Remuneração do capital

R$

1,00

126,33

126,33

7,40

Remuneração do custeio

%

6,00

467,10

28,03

1,70

1.705,10

100,0

Custo total

Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

308

www.senarms.org.br


Cotações Em 2014, a cotação média da saca de 60 Kg de milho caiu em termos nominais 0,5% em relação aos preços observados em 2008, segundo dados da Conab. Em 2008 a saca estava cotada a R$ 19,37, em 2014 a média ficou em R$ 19,28. Em termos reais, o preço médio da saca de milho caiu 28% entre 2008 e 2014, valores corrigidos pelo IGP-DI da FGV a preços de dezembro de 2007.

www.famasul.com.br

309


Preço do Milho em MS (R$/sc 60 kg) *

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Preço do Milho em MS (R$/sc 60 kg) *

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *valores corrigidos pelo IGP-DI (base=dez/2007).

310

www.senarms.org.br


Milho - Preços (R$/Sc 60 kg)*

Preço Médio para Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

2006 11,54 11,35 10,12

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

9,81 11,90 12,71 12,15 10,68 10,83 12,91 15,03 17,15 12,18

2007 16,60 16,64 16,26 15,71 14,94 14,61 14,09 14,79 18,69 18,88 22,83 27,18 17,60 2008 24,06 21,72 21,02 21,47 22,10 20,99 21,18 17,89 16,42 15,71 15,14 14,78 19,37 2009 16,14 16,27 15,48 16,24 17,57 17,04 15,60 14,40 13,86 14,11 14,58 13,60 15,41 2010 13,27 12,97 12,84 13,25 13,48 13,54 12,45 12,54 14,92 17,23 19,98 19,68 14,68 2011 20,77 23,51 23,33 24,21 23,90 25,09 23,56 21,55 22,77 21,78 21,21 20,09 22,65 2012 22,78 23,60 23,33 22,36 20,17 18,60 20,90 23,98 22,30 22,36 25,06 25,53 22,58 2013 24,24 23,98 22,96 18,81 18,59 18,94 16,46 15,53 16,41 15,99 17,17 17,86 18,91 2014 18,39 20,46 24,01 22,73 21,38 18,78 16,50 15,99 15,82 16,89 20,27 20,13 19,28 Fonte: CONAB * Valores Nominais

Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Campo Grande - MS ANO

JAN

FEV

2006 11,63 11,50

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

9,70 10,38 13,00 13,00 13,00 10,70 11,00 12,63 14,20 16,13 12,24

2007 16,70 17,13 16,00 15,68 14,92 14,99 14,07 14,90 18,89 18,12 22,92 27,40 17,64 2008 24,15 21,67 20,04 19,04 19,84 20,00 20,00 18,75 17,08 16,50 16,50 15,43 19,08 2009 15,33 16,25 15,59 15,93 16,18 16,91 15,39 14,00 14,00 13,55 14,00 13,21 15,03 2010 12,68 12,50 12,17 12,38 12,00 13,00 12,25 12,00 14,54 16,00 19,00 18,60 13,93 2011 19,00 20,45 22,64 23,50 24,88 27,10 25,13 22,30 23,13 22,25 21,40 20,13 22,66 2012 22,50 24,40 24,00 23,63 21,10 18,75 20,40 23,80 22,25 22,06 25,00 24,25 22,68 2013 23,86 23,63 22,75 18,50 18,70 19,25 16,60 15,00 16,13 14,82 15,78 16,73 18,48 2014 17,28 18,63 21,30 20,15 18,46 16,55 14,83 14,80 15,38 15,24 20,13 19,38 17,68 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

311


Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Dourados - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 11,63 11,50 10,52 10,00 12,26 12,75 11,45 10,38 10,38 13,65 15,49 17,65 12,31 2007 14,20 16,13 16,55 15,40 14,50 14,46 13,97 15,51 19,42 20,22 24,95 29,25 17,88 2008 24,29 22,19 21,74 23,45 22,91 20,56 21,37 17,58 16,83 15,66 14,90 14,82 19,69 2009 17,34 16,17 15,03 16,77 18,00 18,00 15,88 14,32 14,00 15,11 15,98 14,00 15,88 2010 13,83 13,85 14,17 14,00 14,13 14,40 12,75 12,68 15,52 18,06 20,68 20,00 15,34 2011 20,25 24,25 23,52 24,75 24,63 26,80 24,25 21,80 23,00 22,75 22,10 20,63 23,23 2012 23,13 24,70 24,25 23,13 21,40 19,00 22,25 25,00 23,25 23,88 26,70 26,75 23,62 2013 25,80 24,50 23,50 18,63 18,30 18,63 16,90 15,63 16,95 16,94 18,55 19,00 19,44 2014 19,10 21,38 23,88 23,25 21,80 19,00 17,13 16,65 16,20 17,66 20,75 20,00 19,73 Fonte: CONAB * Valores Nominais

Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Chapadão do Sul - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2006 11,55 11,00 10,10

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

9,33 10,90 11,43 11,25 11,04 11,38 13,75 14,90 17,88 12,04

2007 16,99 16,26 16,20 15,50 14,58 14,58 14,60 15,05 19,59 19,59 22,86 26,98 17,73 2008 23,57 21,68 21,81 22,76 22,76 20,39 22,02 17,91 17,15 16,00 14,73 14,78 19,63 2009 16,61 17,29 15,66 16,55 17,38 17,08 15,79 14,41 14,50 14,76 15,01 14,52 15,80 2010 14,28 13,35 12,71 12,50 12,50 12,50 11,35 12,05 14,15 17,27 18,79 18,20 14,14 2011 22,13 23,94 23,85 24,06 23,25 23,95 23,02 22,00 23,19 22,29 21,25 19,63 22,71 2012 22,50 22,50 22,13 21,38 19,25 18,33 20,99 24,03 22,91 22,12 24,69 26,31 22,26 2013 24,16 24,50 23,00 19,38 18,70 18,75 16,80 15,50 16,63 16,10 17,25 18,81 19,13 2014 18,90 21,00 25,00 23,75 21,70 19,25 16,83 16,00 15,75 16,90 20,58 21,38 19,75 Fonte: CONAB * Valores Nominais

312

www.senarms.org.br


Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Maracaju - MS ANO

JAN

FEV

2006 11,80 10,83

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

9,56 10,13 12,30 12,38 11,20 10,18 10,75 12,55 15,40 17,30 12,03

2007 17,02 16,50 15,88 15,70 14,95 14,04 13,70 14,77 18,51 18,67 22,66 27,80 17,52 2008 24,15 21,53 20,00 21,96 23,55 20,26 19,61 16,86 16,13 15,59 14,56 14,55 19,06 2009 16,66 16,52 15,03 16,31 17,85 16,38 15,10 14,00 13,83 13,54 14,25 13,10 15,21 2010 13,05 12,65 12,91 13,05 13,65 13,54 12,13 12,38 15,54 17,16 20,12 19,28 14,62 2011 21,38 24,03 22,05 22,25 24,00 24,80 23,00 21,30 22,88 21,63 21,10 20,25 22,39 2012 22,60 22,80 22,88 22,25 19,86 17,83 20,11 24,40 23,13 23,32 25,63 26,08 22,57 2013 24,50 24,50 23,00 18,75 19,40 19,13 16,42 15,78 16,45 16,26 17,72 18,50 19,20 2014

19,14 20,43 23,98 23,00 21,30 18,50 16,75 16,20 16,05 17,20 20,75 20,00 19,44 Fonte: CONAB * Valores Nominais

Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

São Gabriel do Oeste - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2006 11,63 12,20 11,06

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

9,90 11,46 13,25 12,85 10,80 10,25 12,48 15,04 17,33 12,35

2007 17,76 17,08 15,50 15,63 14,28 14,92 13,73 14,62 19,30 19,19 23,36 27,54 17,74 2008 23,22 21,19 21,26 22,23 21,91 19,95 20,57 16,42 16,42 15,04 14,10 14,07 18,87 2009 16,59 16,01 14,94 15,58 17,13 16,83 14,76 14,00 13,50 14,11 14,38 13,14 15,08 2010 13,25 12,82 12,27 12,43 13,45 13,40 11,70 12,48 14,69 17,34 20,06 19,50 14,45 2011 20,70 23,88 23,02 25,08 23,68 25,10 23,78 21,20 22,88 21,63 21,06 19,63 22,64 2012 22,83 24,30 23,00 21,63 19,62 18,40 20,84 23,92 22,15 22,60 24,80 25,63 22,48 2013 24,20 24,18 23,10 19,00 18,94 19,30 16,36 15,88 16,38 15,84 16,88 18,00 19,01 2014 18,30 20,50 24,25 22,63 21,20 18,45 16,20 15,55 15,46 16,68 19,75 19,88 19,07 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

313


Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Rio Brilhante - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2006 11,00 11,08

9,80

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

9,13 11,50 12,63 12,30 10,50 10,95 12,45 14,70 16,25 11,86

2007 16,24 16,00 16,70 15,31 14,30 14,43 13,65 14,33 18,28 17,62 22,34 27,07 17,19 2008 22,57 19,70 18,82 18,26 18,92 18,61 18,91 15,94 14,77 14,86 14,50 14,87 17,56 2009 16,88 16,26 15,02 15,95 17,50 16,76 14,56 13,87 12,83 13,34 13,75 13,50 15,02 2010 13,50 13,03 12,38 13,88 14,13 13,90 11,83 12,50 15,31 17,38 19,68 19,60 14,76 2011 21,25 23,00 24,00 24,00 23,13 24,06 22,88 20,90 22,00 21,25 21,10 20,75 22,36 2012 22,75 23,00 23,25 21,63 20,40 18,38 20,63 23,30 22,25 22,20 24,88 25,75 22,37 2013 24,80 24,13 22,53 18,30 18,70 19,50 16,10 15,50 16,38 16,60 18,13 17,50 19,01 2014 18,40 20,25 24,45 22,88 21,80 19,13 16,25 16,00 15,88 16,82 19,63 20,38 19,32 Fonte: CONAB * Valores Nominais

Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Sidrolândia - MS ANO

JAN

FEV

2006

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

13,50 13,00 11,14 11,13 12,88 15,50 17,50 13,52

2007 17,30 17,38 17,00 16,63 15,64 15,47 14,76 15,06 19,08 19,36 22,65 27,21 18,13 2008 24,96 22,78 22,21 22,64 23,12 21,07 21,37 17,32 16,15 15,68 14,51 14,55 19,70 2009 17,52 16,80 15,15 16,27 18,60 17,67 15,35 14,42 13,87 14,39 14,50 13,00 15,63 2010 12,55 12,00 13,00 13,63 13,50 14,00 12,38 12,90 15,82 17,97 20,50 20,30 14,88 2011 21,50 26,08 24,77 26,00 24,75 24,90 23,13 22,10 23,13 22,00 20,90 20,50 23,31 2012 24,25 23,00 24,38 23,75 20,08 19,63 20,88 24,60 22,00 23,60 25,63 26,50 23,19 2013 24,30 23,50 23,50 19,63 19,10 18,88 16,60 15,88 16,50 16,20 17,91 18,50 19,21 2014 19,00 20,63 25,25 22,38 21,90 20,25 16,63 16,25 15,75 16,90 20,38 20,68 19,67 Fonte: CONAB * Valores Nominais

314

www.senarms.org.br


Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Ponta Porã - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2007

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

15,78 15,46 14,52 14,50 15,02 17,92 18,26 22,40 26,57 17,83

2008 24,35 22,34 21,18 21,00 22,39 23,00 22,66 20,50 16,98 16,50 16,50 15,37 20,23 2009 15,03 16,44 16,50 16,66 17,98 17,29 16,30 15,27 14,04 14,13 14,88 14,10 15,72 2010 13,30 13,56 13,71 13,63 14,00 14,00 13,63 13,50 15,00 17,44 20,76 21,00 15,29 2011 21,50 24,50 23,77 24,75 24,50 24,00 23,50 21,60 22,50 21,38 21,10 20,25 22,78 2012 22,38 22,60 23,00 22,75 20,22 18,75 21,50 23,90 22,00 20,50 25,50 25,13 22,35 2013 24,40 24,00 24,00 18,63 18,00 18,25 16,80 15,60 16,50 16,00 16,75 17,00 18,83 2014 17,70 20,75 23,75 23,38 22,30 19,25 17,25 16,65 16,33 17,46 20,75 20,00 19,63 Fonte: CONAB * Valores Nominais

Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Fátima do Sul - MS ANO 2007

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

15,13 15,24 13,52 13,52 14,46 18,03 18,26 22,09 26,40 17,41

2008 24,73 22,60 21,55 21,00 21,95 21,01 21,20 16,40 15,00 13,94 13,27 13,36 18,83 2009 14,66 14,68 14,70 16,08 17,63 16,50 16,05 15,00 13,93 14,03 14,88 14,00 15,18 2010 13,30 12,88 11,81 13,30 13,88 13,20 12,88 12,50 14,44 16,69 18,65 18,00 14,29 2011 18,75 20,25 21,00 23,88 22,65 25,20 22,88 21,50 22,00 21,63 21,20 20,00 21,75 2012 22,13 23,70 23,75 22,50 20,70 18,75 20,63 23,00 21,08 20,48 23,23 23,20 21,93 2013 22,26 22,50 20,95 18,10 16,80 17,60 15,72 14,28 15,88 15,60 16,13 16,38 17,68 2014 17,80 20,63 23,75 23,38 22,30 19,25 17,25 16,65 16,33 17,56 20,75 20,00 19,64 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

315


Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Bandeirantes - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2007

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

15,85 14,95 14,79 14,25 14,51 18,26 19,18 22,47 26,43 17,85

2008 24,39 21,60 21,32 21,93 23,04 23,00 22,66 19,54 17,08 16,50 16,50 15,37 20,24 2009 15,48 16,25 16,35 16,26 17,50 17,02 16,20 14,55 14,00 14,13 14,38 13,50 15,47 2010 13,13 13,00 13,04 13,50 13,50 13,50 13,00 12,50 14,56 17,11 20,76 21,00 14,88 2011 21,00 24,13 24,00 24,00 23,50 25,00 23,80 21,20 22,88 21,38 21,06 19,63 22,63 2012 22,78 24,30 23,00 21,63 19,62 18,40 20,84 23,92 22,15 22,60 24,80 25,63 22,47 2013 24,20 24,18 23,10 19,00 18,94 19,55 16,36 15,88 16,38 15,74 16,88 18,00 19,02 2014 18,40 20,38 24,25 22,63 21,20 18,45 16,20 15,55 15,46 16,68 19,75 19,88 19,07 Fonte: CONAB * Valores Nominais

Milho – Preços (R$/sc 60kg)*

Camapuã - MS ANO

JAN

FEV

2007

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

16,20 15,54 15,02 14,25 14,43 18,26 19,19 22,39 26,37 17,96

2008 24,33 21,64 21,32 21,93 22,71 23,00 22,66 19,53 17,08 16,50 16,50 15,37 20,21 2009 15,48 16,25 16,30 16,26 17,50 17,02 16,20 14,55 14,00 14,13 14,38 13,50 15,46 2010 13,13 13,00 13,04 13,50 13,50 13,50 13,00 12,50 14,56 17,11 20,76 21,00 14,88 2011 21,00 24,13 24,00 24,00 23,88 25,10 23,80 21,20 22,88 21,38 21,06 19,63 22,67 2012 22,78 24,30 23,00 21,63 19,62 18,40 20,84 23,92 22,15 22,60 24,80 25,63 22,47 2013 24,20 24,18 23,10 19,00 18,94 19,55 16,36 15,88 16,38 15,74 16,88 18,00 19,02 2014 18,30 20,50 24,25 22,63 21,20 18,45 16,20 15,55 15,46 16,68 19,75 19,88 19,07 Fonte: CONAB * Valores Nominais

316

www.senarms.org.br


Exportações Em 2014 as exportações de milho de MS alcançaram 1,41 milhão de toneladas, apesar desse volume ser 23,5% inferior ao verificado em 2013, o volume exportado de milho cresceu nos últimos cinco anos mais de 115%, em 2014 o MS exportou pouco mais de 656 mil toneladas. Em termos de receitas, estas alcançaram US$ 260,4 milhões em 2014, recuo de 40% em relação a 2013, lembrando que em 2013 as receitas foram recordes ao atingirem US$ 434 milhões. O MS não era tradicional exportador de milho até 2012 quando o volume exportado superou um milhão de toneladas e não mais recuou desde então.

www.famasul.com.br

317


Exportações de Milho de MS ANO

Receita (em US$)

Volume (em Kg)

2001

5.015.550

58.875.000

2002

3.455.804

32.921.466

2003

12.795.839

123.257.300

2004

5.951.061

51.115.861

2005

431.872

4.318.716

2006

45.812.211

383.083.278

2007

151.593.599

863.661.714

2008

51.473.050

262.054.471

2009

42.345.033

258.480.272

2010

134.376.055

656.033.417

2011

138.921.418

487.251.365

2012

417.840.451

1.588.170.382

2013

434.362.002

1.850.086.625

2014

260.489.472

1.415.150.951 Fonte: Agrostat/MAPA

318

www.senarms.org.br


Evolução das exportações de milho de MS

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

319


320

www.senarms.org.br


Exportações de milho em grão de MS

MÊS Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL

RECEITA Em US$ 2013 77.579.145 55.166.956 23.438.192 2.860.022 320.708 435.753 2.931.826 40.161.903 65.501.333 76.989.674 41.292.543 47.683.947 434.362.002

Var (%) US$ 2014 34.282.133 15.025.375 253.213 578.092 0 0 2.132.130 32.664.787 42.842.214 34.735.866 46.967.250 51.008.412 260.489.472

-55,81 -72,76 -98,92 -79,79 -100,00 -100,00 -27,28 -18,67 -34,59 -54,88 13,74 6,97 -40,03

VOLUME Em Kg 2013 274.608.342 191.656.275 80.733.096 10.094.398 1.153.543 1.528.585 11.987.805 172.075.927 294.658.391 364.920.722 201.275.697 245.393.844 1.850.086.625

Var (%) Kg

2014 173.402.825 76.914.785 1.202.661 2.492.911 0 0 10.251.382 165.646.963 234.328.113 197.165.339 270.894.537 282.851.435 1.415.150.951

-36,85 -59,87 -98,51 -75,30 -100,00 -100,00 -14,48 -3,74 -20,47 -45,97 34,59 15,26 -23,51

Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

321


No ano de 2014, 22 países importaram milho de Mato Grosso do Sul. O Irã se destacou como o principal comprador, representando 17,41% do total exportado pelo Estado, com um volume de 253 milhões de toneladas e US$ 45,3 milhões em receita. Em segundo lugar o Japão, com 15,6% do total, importou 230,3 milhões de toneladas e US$ 40,8 milhões em receita. A Ásia é o principal destino do milho produzido em MS.

Países Importadores de Milho de MS em 2014 RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PART. NO TOTAL Em %

IRÃ

45.342.653

253.103.354

17,41

JAPÃO

40.847.535

230.323.399

15,68

VIETNÃ

35.633.450

194.540.340

13,68

COREIA DO SUL

31.991.693

168.366.501

12,28

TAIWAN

22.702.543

128.639.365

8,72

MALÁSIA

18.059.074

93.937.514

6,93

INDONÉSIA

17.096.029

92.458.461

6,56

EGITO

14.774.010

78.929.824

5,67

MARROCOS

6.946.752

35.892.377

2,67

ARÁBIA SAUDITA

6.596.712

33.753.064

2,53

OUTROS PAÍSES

20.499.021

105.206.752

7,87

260.489.472

1.415.150.951

100,00

PAÍS

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

322

www.senarms.org.br


Países importadores de milho de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

323


Algod達o


Algodão em Caroço Nos últimos 20 anos a produção de algodão em caroço de Mato Grosso do Sul experimentou um crescimento de apenas 6,25%, saindo de 128,1 mil toneladas na safra 1994/95 para 136,1 mil toneladas no exercício 2014/15. Mas quando analisamos apenas os últimos cinco anos, a produção de algodão em caroço recuou 40,52%, na safra 2010/11 foi registrado o recorde de produção do Estado, 228,8 mil toneladas. Em contrapartida, a produtividade do algodão em caroço cresceu 115,4% nos últimos 20 anos, na safra 1994/95 a produtividade era de 1600 quilos por hectare, a projeção da Conab para a safra 2014/15 é de 4200 quilos por hectare. Com relação a área, esta recuou 50,6% também nos últimos 20 anos e a estimativa para a temporada 2014/15 é de aproximadamente 32,4 mil hectares. Esta forte queda observada nos últimos cinco anos se explica pela queda dos preços internacionais do algodão e pelo aumento dos custos de produção, este último em função da elevação também dos fertilizantes no mercado internacional.

326

www.senarms.org.br


Evolução da produção de algodão em MS (em mil toneladas)

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Série Histórica da Produção de Algodão em MS Safras 1977/78 a 2013/14

Safra

PRODUTIVIDADE (Kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) ÁREA (Em Algodão Caroço de Algodão Algodão Caroço de Algodão mil ha) em Caroço Algodão em Pluma em Caroço Algodão em Pluma

1977/78

45,6

1065,0

693,0

372,8

48,6

31,6

17,0

1978/79

45,8

1366,0

888,6

478,2

62,6

40,7

21,9

1979/80

44,4

1448,0

941,4

506,8

64,3

41,8

22,5

1980/81

47,0

1191,0

774,5

417,0

56,0

36,4

19,6

1981/82

41,8

1470,0

954,5

514,4

61,4

39,9

21,5

1982/83

43,5

1410,0

914,9

494,3

61,3

39,8

21,5

www.famasul.com.br

327


Série Histórica da Produção de Algodão em MS Safras 1977/78 a 2013/14 - continuação

Safra

328

PRODUTIVIDADE (Kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) ÁREA (Em Algodão Caroço de Algodão Algodão Caroço de Algodão mil ha) em Caroço Algodão em Pluma em Caroço Algodão em Pluma

1984/85

67,0

1645,0

1068,7

576,1

110,2

71,6

38,6

1985/86

62,0

1600,0

1040,3

559,7

99,2

64,5

34,7

1986/87

52,7

1440,0

935,5

504,7

75,9

49,3

26,6

1987/88

52,7

1470,0

956,4

514,2

77,5

50,4

27,1

1988/89

45,0

1730,0

1126,7

604,4

77,9

50,7

27,2

1989/90

42,7

1640,0

1065,6

573,8

70,0

45,5

24,5

1990/91

48,0

1590,0

1033,3

572,9

77,1

49,6

27,5

1991/92

69,7

1350,0

878,0

472,0

94,1

61,2

32,9

1992/93

36,2

1595,0

1035,9

558,0

57,7

37,5

20,2

1993/94

39,8

2080,0

1371,9

706,0

82,7

54,6

28,1

1994/95

65,7

1950,0

1267,9

681,9

128,1

83,3

44,8

1995/96

63,7

1600,0

1039,2

560,4

101,9

66,2

35,7

1996/97

25,5

2200,0

1431,4

768,6

56,1

36,5

19,6

1997/98

49,0

1900,0

1234,7

665,3

93,1

60,5

32,6

1998/99

47,7

2500,0

1599,6

899,4

119,2

76,3

42,9

1999/00

46,7

2500,0

1563,2

937,9

116,8

73,0

43,8

2000/01

50,4

3425,0

2107,1

1319,4

172,7

106,2

66,5

2001/02

45,4

3570,0

2196,0

1374,4

162,1

99,7

62,4

2002/03

43,6

3720,0

2289,0

1431,2

162,2

99,8

62,4

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Algodão em MS Safras 1977/78 a 2013/14 - continuação

Safra

PRODUTIVIDADE (Kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) ÁREA (Em Algodão Caroço de Algodão Algodão Caroço de Algodão mil ha) em Caroço Algodão em Pluma em Caroço Algodão em Pluma

2004/05

58,9

3060,0

1891,1

1168,9

180,2

111,4

68,8

2005/06

30,0

3600,0

2232,0

1368,0

108,0

67,0

41,0

2006/07

45,6

3930,0

2417,0

1513,0

179,2

110,2

69,0

2007/08

44,1

4043,0

2486,0

1557,0

178,3

109,7

68,6

2008/09

36,9

3975,0

2425,0

1550,0

146,7

89,5

57,2

2009/10

38,6

3705,0

2260,0

1445,0

143,0

87,2

55,8

2010/11

61,0

3750,0

2288,0

1463,0

228,8

139,6

89,2

2011/12

62,0

3545,0

2180,0

1365,0

219,8

135,2

84,6

2012/13

39,5

4365,0

2641,0

1724,0

172,4

104,3

68,1

2013/14

37,5

4275,0

2586,0

1689,0

160,3

97,0

63,3

¹2014/15

32,4

4200,0

2541,0

1659,0

136,1

82,3

53,8

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em fevereiro/2015

www.famasul.com.br

329


Evolução da produção do algodão em caroço em MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

330

www.senarms.org.br


Caroço de Algodão Na safra 2014/15 o MS deve produzir 82,3 mil toneladas de caroço de algodão, este volume é 1,2% inferior ao verificado há 20 anos. No entanto, quando comparamos os últimos cinco anos, a queda chega a 41,05%. Foram produzidos na safra 2010/11 mais de 136 mil toneladas, até então o volume recorde. Em termos de produtividade, esta safra deve chegar a 2.541,0 quilos por hectare, volume 11,06% superior ao verificado na safra 2010/11.

Evolução da produção do algodão em caroço em MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

331


Algodão em Pluma No que se refere à produção de algodão em pluma, Mato Grosso do Sul deve produzir na safra 2014/15 um total de 53,8 mil toneladas, número este 39,7% inferior ao verificado no ciclo 2010/11 quando foi atingido o recorde histórico, 89,2 mil toneladas. Já em termos de produtividade, esta cresceu 13,4% nas últimas cinco safras e deve chegar ao ciclo 2014/15 a 1.659,0 quilos por hectare, segundo levantamento da Conab.

Evolução da produção do algodão em Pluma em MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

332

www.senarms.org.br


Produção de Algodão no Brasil Em nível de Brasil, o comportamento observado é o mesmo verificado em Mato Grosso do Sul. Na produção de algodão em caroço houve recuo de 24,44% entre a safra 2010/11 e a safra 2014/15, a produção de caroço de algodão recuou 26,7% no mesmo período e deve ficar em 2,3 milhões de toneladas no ciclo 2014/15. A produção de algodão em pluma caiu 21,27% também nos últimos cinco anos e deve chegar a 1,5 milhão de toneladas na safra 2014/15. Com relação à produtividade, esta apresentou crescimento nos últimos cinco anos, 6,26% no algodão em caroço, 3,51% no caroço de algodão e 10,64% no algodão em pluma.

www.famasul.com.br

333


Série Histórica da Produção de Algodão no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15

Safra

334

PRODUTIVIDADE (Kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) ÁREA (Em Algodão Caroço de Algodão Algodão Caroço de Algodão mil ha) em Caroço Algodão em Pluma em Caroço Algodão em Pluma

1977/78

3926,2

375,9

252,0

123,9

1476,0

989,5

486,5

1978/79

3623,6

446,8

296,7

150,0

1618,9

1075,3

543,6

1979/80

4070,9

413,5

271,6

141,8

1683,1

1105,7

577,4

1980/81

4136,7

413,4

269,7

143,7

1710,1

1115,7

594,4

1981/82

3826,6

515,1

337,3

177,8

1971,2

1290,7

680,5

1982/83

3624,7

460,0

298,3

161,8

1667,4

1081,1

586,3

1983/84

3107,3

635,9

418,8

217,1

1975,9

1301,4

674,5

1984/85

3707,0

742,2

481,9

260,3

2751,3

1786,5

964,8

1985/86

3325,3

683,0

444,5

238,6

2271,4

1478,0

793,4

1986/87

2161,0

835,6

542,5

293,1

1805,8

1172,4

633,4

1987/88

2576,1

960,6

625,3

335,2

2474,5

1610,9

863,6

1988/89

2229,6

912,6

594,7

318,0

2034,9

1325,9

709,0

1989/90

1963,8

964,5

625,6

339,0

1894,3

1228,5

665,8

1990/91

1938,8

1056,0

699,8

369,7

2073,6

1356,8

716,8

1991/92

1971,2

967,0

636,0

338,4

1920,7

1253,6

667,1

1992/93

1277,1

940,0

606,2

329,1

1194,5

774,2

420,3

1993/94

1237,8

1117,0

768,3

390,9

1434,9

951,0

483,9

1994/95

1228,5

1249,0

812,0

437,2

1534,7

997,6

537,1

1995/96

952,5

1230,0

799,7

430,4

1171,7

761,7

410,0

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Algodão no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação

Safra

PRODUTIVIDADE (Kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) ÁREA (Em Algodão Caroço de Algodão Algodão Caroço de Algodão mil ha) em Caroço Algodão em Pluma em Caroço Algodão em Pluma

1997/98

879,9

1335,0

867,6

467,1

1174,4

763,4

411,0

1998/99

693,9

2142,0

1331,3

749,5

1443,9

923,8

520,1

1999/00

823,8

2291,0

1441,4

850,1

1887,7

1187,4

700,3

2000/01

868,4

2834,0

1752,5

1081,1

2460,7

1521,9

938,8

2001/02

747,7

2690,0

1665,0

1024,7

2011,1

1244,9

766,2

2002/03

735,1

3010,0

1856,6

1152,9

2212,3

1364,8

847,5

2003/04

1100,0

3099,0

1908,4

1190,4

3408,6

2099,2

1309,4

2004/05

1179,4

2906,4

1805,3

1101,1

3397,0

2129,1

1298,7

2005/06

856,2

3181,0

1968,9

1212,2

2723,6

1685,7

1037,9

2006/07

1096,8

3562,7

2173,0

1389,4

3907,6

2383,6

1524,0

2007/08

1077,4

3812,0

2325,0

1487,0

4106,9

2504,7

1602,2

2008/09

843,2

3681,0

2242,0

1439,0

3104,3

1890,6

1213,7

2009/10

835,7

3634,0

2205,0

1429,0

3037,2

1843,1

1194,1

2010/11

1400,3

3705,0

2306,0

1400,0

5188,4

3228,6

1959,8

2011/12

1393,4

3513,0

2166,0

1347,0

4895,9

3018,6

1877,3

2012/13

894,3

3722,6

2257,0

1465,0

3329,1

2018,8

1310,3

2013/14

1121,6

3927,2

2381,0

1546,0

4404,7

2670,6

1734,0

¹2014/15

995,8

3937,0

2387,0

1549,0

3920,6

2377,3

1542,9

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em fevereiro/2015

www.famasul.com.br

335


Área Plantada e Produtividade A área destinada ao algodão, recuou 28,9% nas últimas cinco safras. Saiu de 1,4 milhão de hectares no ciclo 2010/11 para 995,8 mil hectares na safra 2014/15. A participação de Mato Grosso do Sul na área nacional destinada ao cultivo de algodão vem caindo sistematicamente ao longo dos anos. A expectativa é de que o MS ocupe 3,3% da área nacional de algodão na safra 2014/15, o Estado já chegou a responder pelo dobro deste percentual na safra de 1995/1996.

336

www.senarms.org.br


Evolução da Área Plantada de Algodão no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1977/78

45,6

3926,2

1,16

1978/79

45,8

3623,6

1,26

1979/80

44,4

4070,9

1,09

1980/81

47,0

4136,7

1,14

1981/82

41,8

3826,6

1,09

1982/83

43,5

3624,7

1,20

1983/84

34,8

3107,3

1,12

1984/85

67,0

3707,0

1,81

1985/86

62,0

3325,3

1,86

1986/87

52,7

2161,0

2,44

1987/88

52,7

2576,1

2,05

1988/89

45,0

2229,6

2,02

1989/90

42,7

1963,8

2,17

1990/91

48,0

1938,8

2,48

1991/92

69,7

1971,2

3,54

1992/93

36,2

1277,1

2,83

1993/94

39,8

1237,8

3,22

1994/95

65,7

1228,5

5,35

1995/96

63,7

952,5

6,69

www.famasul.com.br

337


Evolução da Área Plantada de Algodão no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1996/97

25,5

657,5

3,88

1997/98

49,0

879,9

5,57

1998/99

47,7

693,9

6,87

1999/00

46,7

823,8

5,67

2000/01

50,4

868,4

5,80

2001/02

45,4

747,7

6,07

2002/03

43,6

735,1

5,93

2003/04

54,5

1100,0

4,95

2004/05

58,9

1179,4

4,99

2005/06

30,0

856,2

3,50

2006/07

45,6

1096,8

4,16

2007/08

44,1

1077,4

4,09

2008/09

36,9

843,2

4,38

2009/10

38,6

835,7

4,62

2010/11

61,0

1400,3

4,4

2011/12

62,0

1393,4

4,4

2012/13

39,5

894,3

4,4

2013/14

37,5

1121,6

3,3

¹2014/15

32,4

995,8

3,3 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em fevereiro/2015

338

www.senarms.org.br


Produtividade da Cultura de Algodão no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - PRODUTIVIDADE (Em Kg/ha) PRODUTIVIDADE (Kg/ha) Safra

Algodão em Caroço

PRODUÇÃO (Em mil t)

Caroço de Algodão Algodão Caroço de Algodão Algodão em Pluma em Caroço Algodão em Pluma

Algodão em Pluma MS

Brasil

Relação MS/Brasil

1977/78

1065,0

375,9 183,3

693,0

252,0 175,0

372,8

123,9 200,9

1978/79

1366,0

446,8 205,8

888,6

296,7 199,5

478,2

150,0 218,7

1979/80

1448,0

413,5 250,2

941,4

271,6 246,6

506,8

141,8 257,3

1980/81

1191,0

413,4 188,1

774,5

269,7 187,2

417,0

143,7 190,2

1981/82

1470,0

515,1 185,4

954,5

337,3 183,0

514,4

177,8 189,2

1982/83

1410,0

460,0 206,5

914,9

298,3 206,8

494,3

161,8 205,6

1983/84

1691,0

635,9 165,9 1097,7

418,8 162,1

592,0

217,1 172,7

1984/85

1645,0

742,2 121,6 1068,7

481,9 121,7

576,1

260,3 121,4

1985/86

1600,0

683,0 134,2 1040,3

444,5 134,1

559,7

238,6 134,6

1986/87

1440,0

835,6

72,3

935,5

542,5

72,4

504,7

293,1

72,2

1987/88

1470,0

960,6

53,0

956,4

625,3

52,9

514,2

335,2

53,4

1988/89

1730,0

912,6

89,6 1126,7

594,7

89,5

604,4

318,0

90,1

1989/90

1640,0

964,5

70,0 1065,6

625,6

70,3

573,8

339,0

69,2

1990/91

1590,0

1056,0

50,6 1033,3

699,8

47,7

572,9

369,7

55,0

1991/92

1350,0

967,0

39,6

878,0

636,0

38,1

472,0

338,4

39,5

1992/93

1595,0

940,0

69,7 1035,9

606,2

70,9

558,0

329,1

69,6

1993/94

2080,0

1117,0

86,2 1371,9

768,3

78,6

706,0

390,9

80,6

1994/95

1950,0

1249,0

56,1 1267,9

812,0

56,1

681,9

437,2

56,0

www.famasul.com.br

339


Produtividade da Cultura de Algodão no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - PRODUTIVIDADE (Em Kg/ha) - continuação PRODUTIVIDADE (Kg/ha) Safra

Algodão em Caroço

PRODUÇÃO (Em mil t)

Algodão em Pluma

Caroço de Algodão Algodão Caroço de Algodão Algodão em Pluma em Caroço Algodão em Pluma

MS

Brasil

Relação MS/Brasil

1996/97

2200,0

1329,0

65,5 1431,4

864,2

65,6

768,6

465,1

65,3

1997/98

1900,0

1335,0

42,3 1234,7

867,6

42,3

665,3

467,1

42,4

1998/99

2500,0

2142,0

16,7 1599,6 1331,3

20,2

899,4

749,5

20,0

1999/00

2500,0

2291,0

9,1 1563,2 1441,4

8,5

937,9

850,1

10,3

2000/01

3425,0

2834,0

20,9 2107,1 1752,5

20,2

1319,4

1081,1

22,1

2001/02

3570,0

2690,0

32,7 2196,0 1665,0

31,9

1374,4

1024,7

34,1

2002/03

3720,0

3010,0

23,6 2289,0 1856,6

23,3

1431,2

1152,9

24,1

2003/04

3525,0

3099,0

13,7 2167,0 1908,4

13,6

1357,8

1190,4

14,1

2004/05

3060,0

2906,4

5,3 1891,1 1805,3

4,8

1168,9

1101,1

6,2

2005/06

3600,0

3181,0

13,2 2232,0 1968,9

13,4

1368,0

1212,2

12,9

2006/07

3930,0

3562,7

10,3 2417,0 2173,0

11,2

1513,0

1389,4

8,9

2007/08

4043,0

3812,0

6,1 2486,0 2325,0

6,9

1557,0

1487,0

4,7

2008/09

3975,0

3681,0

8,0 2425,0 2242,0

8,2

1550,0

1439,0

7,7

2009/10

3705,0

3634,0

2,0 2260,0 2205,0

2,5

1445,0

1429,0

1,1

2010/11

3750,0

3705,0

1,2 2288,0 2306,0

-0,8

1463,0

1400,0

4,5

2011/12

3545,0

3513,0

0,9 2180,0 2166,0

0,6

1365,0

1347,0

1,3

2012/13

4365,0

3722,6

17,3 2641,0 2257,0

17,0

1724,0

1465,0

17,7

2013/14

4275,0

3927,2

8,9 2586,0 2381,0

8,6

1689,0

1546,0

9,2

¹2014/15

4200,0

3937,0

6,7 2541,0 2387,0

6,5

1659,0

1549,0

7,1

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em fevereiro/2015

340

www.senarms.org.br


Evolução da produtividade do algodão em caroço no Brasil e MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Evolução da produtividade do caroço de algodão no Brasil e MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

341


Evolução da produtividade do algodão EM PLUMA no Brasil e MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

342

www.senarms.org.br


Produção da Cultura de Algodão no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - PRODUÇÃO (Em mil toneladas) Algodão em Caroço Safra

MS

Brasil

Part. de MS Em %

Caroço de Algodão MS

Brasil

Part. de MS Em %

Algodão em Pluma MS

Brasil

Part. de MS Em %

1977/78

48,6

1476,0

3,29

31,6

989,5

3,19

17,0

486,5

3,49

1978/79

62,6

1618,9

3,87

40,7

1075,3

3,78

21,9

543,6

4,03

1979/80

64,3

1683,1

3,82

41,8

1105,7

3,78

22,5

577,4

3,90

1980/81

56,0

1710,1

3,27

36,4

1115,7

3,26

19,6

594,4

3,30

1981/82

61,4

1971,2

3,11

39,9

1290,7

3,09

21,5

680,5

3,16

1982/83

61,3

1667,4

3,68

39,8

1081,1

3,68

21,5

586,3

3,67

1983/84

58,8

1975,9

2,98

38,2

1301,4

2,94

20,6

674,5

3,05

1984/85

110,2

2751,3

4,01

71,6

1786,5

4,01

38,6

964,8

4,00

1985/86

99,2

2271,4

4,37

64,5

1478,0

4,36

34,7

793,4

4,37

1986/87

75,9

1805,8

4,20

49,3

1172,4

4,21

26,6

633,4

4,20

1987/88

77,5

2474,5

3,13

50,4

1610,9

3,13

27,1

863,6

3,14

1988/89

77,9

2034,9

3,83

50,7

1325,9

3,82

27,2

709,0

3,84

1989/90

70,0

1894,3

3,70

45,5

1228,5

3,70

24,5

665,8

3,68

1990/91

77,1

2073,6

3,72

49,6

1356,8

3,66

27,5

716,8

3,84

1991/92

94,1

1920,7

4,90

61,2

1253,6

4,88

32,9

667,1

4,93

1992/93

57,7

1194,5

4,83

37,5

774,2

4,84

20,2

420,3

4,81

1993/94

82,7

1434,9

5,76

54,6

951,0

5,74

28,1

483,9

5,81

1994/95

128,1

1534,7

8,35

83,3

997,6

8,35

44,8

537,1

8,34

www.famasul.com.br

343


Produção da Cultura de Algodão no Brasil e em MS

Safras 1977/78 a 2014/15 - PRODUÇÃO (Em mil toneladas) - continuação Algodão em Caroço Safra

MS

Brasil

1996/97

56,1

874,0

1997/98

93,1

1998/99

Part. de MS Em %

Caroço de Algodão MS

Brasil

6,42

36,5

568,2

1174,4

7,93

60,5

119,2

1443,9

8,26

1999/00

116,8

1887,7

2000/01

172,7

2001/02

Part. de MS Em %

Algodão em Pluma Part. de MS Em %

MS

Brasil

6,42

19,6

305,8

6,41

763,4

7,93

32,6

411,0

7,93

76,3

923,8

8,26

42,9

520,1

8,25

6,19

73,0

1187,4

6,15

43,8

700,3

6,25

2460,7

7,02

106,2

1521,9

6,98

66,5

938,8

7,08

162,1

2011,1

8,06

99,7

1244,9

8,01

62,4

766,2

8,14

2002/03

162,2

2212,3

7,33

99,8

1364,8

7,31

62,4

847,5

7,36

2003/04

192,1

3408,6

5,64

118,1

2099,2

5,63

74,0

1309,4

5,65

2004/05

180,2

3397,0

5,30

111,4

2129,1

5,23

68,8

1298,7

5,30

2005/06

108,0

2723,6

3,97

67,0

1685,7

3,97

41,0

1037,9

3,95

2006/07

179,2

3907,6

4,59

110,2

2383,6

4,62

69,0

1524,0

4,53

2007/08

178,3

4106,9

4,34

109,7

2504,7

4,38

68,6

1602,2

4,28

2008/09

146,7

3104,3

4,73

89,5

1890,6

4,73

57,2

1213,7

4,71

2009/10

143,0

3037,2

4,71

87,2

1843,1

4,73

55,8

1194,1

4,67

2010/11

228,8

5188,4

4,41

139,6

3228,6

4,32

89,2

1959,8

4,55

2011/12

219,8

4895,9

4,49

135,2

3018,6

4,48

84,6

1877,3

4,51

2012/13

172,4

3329,1

5,18

104,3

2018,8

5,17

68,1

1310,3

5,20

2013/14

160,3

4404,7

3,64

97,0

2670,6

3,63

63,3

1734,0

3,65

¹2014/15

136,1

3920,6

3,47

82,3

2377,3

3,46

53,8

1542,9

3,49

Fonte: CONAB; ¹Previsão - Estimativa em fevereiro/2015

344

www.senarms.org.br


Custo de Produção Segundo dados da Conab, o custo médio por hectare de produção de algodão em caroço em MS, cresceu em termos nominais 29,6% desde a safra 2003/04, quando o custo era de R$ 3.869,09 por hectare, saltando para um total de R$ 5.014,56/ha na safra 2013/14. Já o custo médio por arroba cresceu nos últimos 10 anos 14% em termos nominais, saindo de R$ 17,63 na safra 2003/04 para R$ 20,10 na safra 2013/14. O crescimento menor no custo por arroba pode ser explicado pelos altos ganhos de produtividade.

www.famasul.com.br

345


Custo/ha de Algodão Plantado em MS (Safra) SAFRA

CUSTO/HA (Em R$)*

CUSTO/15 Kg (Em R$)*

1997/98

1.455,50

8,1

1998/99

1.963,85

8,94

1999/00

2.188,93

9,95

2000/01

2.176,35

9,9

2001/02

2.421,39

11,02

2002/03

2.747,65

12,47

2003/04

3.869,09

17,63

2004/05

4.128,79

18,76

2005/06

4.445,64

20,21

2006/07

4.280,39

19,48

2007/08

4.545,73

18,72

2008/09

4.804,62

19,22

2009/10

5.417,49

21,64

2010/11

4.479,68

17,89

2011/12

4.471,39

17,90

2012/13

4.919,60

19,66

2013/14

5.014,56

20,10 Fonte: Conab Elaboração: CONAB/DIPAI/SUINF/GECUP * Valores nominais

346

www.senarms.org.br


Cotações Algodão em Caroço O preço médio pago pela arroba do algodão em caroço em MS (15 Kg) no ano de 2014 foi de R$ 18,70 representando uma elevação nominal de 18,7% em comparação com os níveis de 2008. Percebe-se em 2011 um boom de preços do algodão em nível mundial, fato este explicado pela quebra da safra nos principais produtores mundiais: Índia, China e Paquistão. Com a restrição de oferta e a crescente demanda, sobretudo internacional, provou-se esta escalada de preços. Naquele momento, o Brasil era um dos poucos países com uma produção razoável para o atendimento da demanda internacional, além dos recordes de preços, verificou-se naquele ano recorde de produção e área. Em termos reais, ou seja, descontando o efeito da inflação corrigido pelo IGP-DI/FGV, tendo como base janeiro de 2008 observa-se que a cotação do algodão em caroço recuou 14,44% com relação aos preços de 2008. Tal fato ajuda a explicar porque a atividade vem decrescendo no MS. O produtor não encontra suporte de preço no mercado e acaba migrando para outras culturas mais rentáveis.

www.famasul.com.br

347


Preço do algodão em caroço em MS (R$/15 kg)*

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL * Valores nominais

348

www.senarms.org.br


Preço do algodão em caroço em MS (R$/15 kg)*

Fonte: Conab; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *preços corrigidos pelo IGP-DI/FGV (base=jan/2008)

ALGODÃO - Em caroço - PREÇOS (R$/15 Kg)* Preço Médio para Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 11,33 12,76 13,02 12,33 12,50 13,17 13,63 13,50 13,25 13,40 13,33 13,50 12,98 2007 13,65 14,41 14,96 15,44 15,64 13,76 13,10 13,89 14,00 14,68 14,67 14,71 14,41 2008 14,99 15,33 15,71 15,67 15,90 16,13 16,13 16,22 16,30 15,96 15,50 15,50 15,78 2009 14,00 13,83 13,86 13,03 13,13 13,63 13,23 13,15 13,41 13,75 13,34 13,40 13,48 2010 13,53 13,53 14,20 15,00 15,09 15,67 16,29 15,67 18,10 19,33 20,30 23,80 16,71 2011 25,85 32,13 35,00 36,33 27,42 22,20 17,44 17,05 17,38 17,55 17,28 16,89 23,54 2012 16,44 16,45 16,59 16,15 12,85 14,82 16,10 16,73 17,38 16,64 16,33 16,33 16,07 2013 16,43 17,54 17,83 18,67 18,73 18,71 19,73 20,59 20,79 20,87 20,83 20,04 19,23 2014 20,27 21,00 21,25 20,77 20,65 20,17 19,19 17,15 16,70 15,67 15,50 15,50 18,65 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

349


ALGODÃO - Em caroço - PREÇOS (R$/15 Kg)* Chapadão do Sul - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

2006 11,00 12,00 11,83 12,33 12,50 12,33 13,25 13,00 2007

MÉDIA 12,28

15,50 16,25 17,43 17,82 13,65 13,07 14,35 14,00 15,00 15,00 15,00 15,19

2008 15,22 16,00 16,00 16,00 16,00 16,00 16,00 16,25 16,50 16,50 16,50 16,50 16,12 2009 16,50 15,75 15,13 13,40 13,25 13,88 12,90 12,75 13,13 13,80 13,20 13,30 13,92 2010 13,50 13,50 14,50 15,50 15,50 15,70 16,75 16,00 19,30 20,00 20,48 24,70 17,12 2011 26,20 32,25 35,00 38,00 38,00 2012

16,15

33,89

7,26

17,50 16,50 16,50 16,50 15,07

2013 16,50 16,50 16,50 16,50 16,50 16,50 20,10 21,00 21,00 21,00 21,00 21,00 18,68 2014 21,00

21,00 Fonte: CONAB * Valores Nominais

ALGODÃO - Em caroço - PREÇOS (R$/15 Kg)* Maracaju - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2006 11,50 12,95 14,24

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

14,00 14,00 14,00 13,25 13,00 13,10 13,50 13,35

2007 13,50 13,73 14,38 14,00 14,06 14,00 14,00 14,00 14,00 14,00 14,00 14,00 13,97 2008 14,74 15,00 15,38 15,00 15,70 16,40 16,40 16,40 16,40 15,38 14,00 14,00 15,40 2009 14,00 13,75 14,00 13,70 13,00 13,50 13,58 13,70 13,70 13,70 13,63 13,60 13,66 2010 13,60 13,60 13,60 14,00 14,28 15,60 15,38 15,00 15,70 18,00 19,93 22,00 15,89 2011 25,15 31,88 35,00 33,00 22,50 21,80 18,00 16,50 17,00 17,75 16,86 16,27 22,64 2012 16,25 16,64 16,98 16,80 16,50 14,98 16,20 17,12 17,38 16,80 17,00 17,00 16,64 2013 17,30 18,13 18,25 20,00 20,00 19,25 19,10 18,77 19,38 19,60 19,50 19,13 19,03 2014 19,00 21,00 20,50 20,25 20,00 20,00 18,88 17,10 16,50 14,80 15,00 15,00 18,17 Fonte: CONAB * Valores Nominais

350

www.senarms.org.br


ALGODÃO - Em caroço - PREÇOS (R$/15 Kg)* Naviraí - MS ANO

JAN

FEV

MAR

2006 11,50 13,33 13,00

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

13,80 13,56 13,50 13,12

2007 13,80 14,00 14,26 14,90 15,05 13,62 12,23 13,33 14,00 15,05 15,00 15,14 14,20 2008 15,00 15,00 15,75 16,00 16,00 16,00 16,00 16,00 16,00 16,00 16,00 16,00 15,81 2009 11,50 12,00 12,45 12,00 13,13 13,50 13,20 13,00 13,40 13,75 13,20 13,30 12,87 2010 13,50 13,50 14,50 15,50 15,50 15,70 16,75 16,00 19,30 20,00 20,48 24,70 17,12 2011 26,20 32,25 35,00 38,00 21,75 22,60 16,88 17,60 17,75 17,35 17,70 17,50 23,38 2012 16,63 16,26 16,20 15,50 14,80 14,65 16,00 16,34 17,25 16,61 15,50 15,50 15,94 2013 15,50 18,00 18,75 19,50 19,70 20,38 20,00 22,00 22,00 22,00 22,00 20,00 19,99 2014 20,80 21,00 22,00 21,28 21,30 20,33 19,50 17,20 16,90 16,54 16,00 16,00 19,07 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

351


Pluma de Algodão O preço médio pago pela arroba do algodão em pluma em MS cresceu em termos nominais 58% nos últimos seis anos, segundo levantamento da Conab. Saiu de um patamar de R$ 38,00 por arroba em 2008 para R$ 61,00 em 2014. Em termos reais, o preço médio pago pela arroba do algodão em pluma cresceu apenas 14,2% nos últimos seis anos a preços de 2008.

352

www.senarms.org.br


Preço do algodão em pluma em MS (R$/15 kg)*

Fonte: Conab; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores nominais

Preço do algodão em pluma em MS (R$/15 kg)*

Fonte: Conab; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *preços corrigidos pelo IGP-DI/FGV (base=jan/2008).

www.famasul.com.br

353


ALGODÃO - Em pluma - PREÇOS (R$/15 Kg)* Preço Médio para Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 38,72

43,65 42,69 42,00 40,25 41,58 41,97 41,22 40,96 41,38 38,53 42,03 41,25

2007 43,97

44,50 44,43 42,21 42,67 40,32 37,13 36,81 37,11 36,78 36,36 35,95 39,85

2008 37,89

39,74 40,01 40,10 39,34 39,34 39,14 37,78 36,80 37,99 38,47 38,75 38,78

2009 38,41

38,41 37,73 37,76 38,53 38,15 37,64 38,61 38,32 39,01 39,23 40,34 38,51

2010 40,78

42,28 43,62 47,94 48,94 48,26 52,47 51,66 61,37 64,65 72,60 82,40 54,75

2011 89,97 111,59 127,43 122,16 78,52 73,13 57,63 56,46 55,50 55,35 54,53 53,75 78,00 2012 53,33

53,68 52,69 51,15 50,19 48,80 49,69 51,10 52,85 50,13 49,95 50,35 51,16

2013 52,88

58,69 61,44 66,22 66,60 62,42 65,22 67,77 72,22 71,43 70,44 68,90 65,35

2014 69,83

72,31 71,13 69,74 64,67 61,44 60,10 55,24 53,26 52,53 52,32 52,50 61,25 Fonte: CONAB * Valores Nominais

ALGODÃO - Em pluma - PREÇOS (R$/15 Kg)* Chapadão do Sul - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 40,88

45,75 45,80 43,00 41,00 41,75 43,00 42,35 41,12 41,13 32,96 41,28 41,67

2007 42,99

43,25 44,15 39,23 38,82 32,36 31,65 31,65 32,81 30,99 30,50 31,50 35,83

2008 34,01

35,51 34,85 33,56 31,05 29,70 29,49 28,50 30,60 35,50 38,08 40,33 33,43

2009 39,00

39,13 37,28 37,20 37,25 35,00 35,20 36,00 35,64 37,61 37,88 38,00 37,10

2010 36,68

38,20 38,98 48,38 48,75 49,70 52,88 53,75 66,90 68,50 74,25 87,00 55,33

2011 92,38 116,25 128,00 122,14 81,81 71,94 56,25 58,15 55,88 56,16 55,20 54,25 79,03 2012 54,29

54,70 51,88 51,50 51,60 48,88 51,00 52,10 53,88 49,80 50,38 51,50 51,79

2013 55,30

58,75 62,25 67,75 66,20 62,73 66,54 69,50 71,63 70,50 70,50 70,06 65,98

2014 71,32

73,25 68,75 70,38 60,40 60,38 60,75 54,90 52,00 51,50 50,38 52,00 60,50 Fonte: CONAB * Valores Nominais

354

www.senarms.org.br


ALGODÃO - Em pluma - PREÇOS (R$/15 Kg)* Maracaju - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 35,00

40,85 42,78 43,50

43,50 43,00 39,00 40,25 40,00 40,00 40,00 40,72

2007 40,00

41,00 42,00 42,06 43,05 43,43 41,83 41,78 41,63 42,00 42,00 40,00 41,73

2008 40,98

41,78 42,00 42,00 43,91 46,75 46,88 44,60 40,25 39,20 39,00 39,00 42,20

2009 39,00

38,63 39,00 39,20 40,00 40,00 39,57 42,50 42,38 43,00 42,25 42,00 40,63

2010 42,00

42,00 43,20 45,00 48,50 44,84 50,00 46,75 47,40 52,75 66,13 66,60 49,60

2011 73,25

93,50 124,70 120,00 84,25 74,78 60,00 46,40 47,75 50,00 48,80 48,50 72,66

2012 50,13

49,10 49,00 49,00 48,40 48,00 49,25 50,40 52,00 50,00 50,75 51,63 49,81

2013 54,80

58,75 60,50 68,00 66,80 63,00 65,14 66,38 70,25 70,00 68,50 67,50 64,97

2014 67,00

73,00 70,00 68,25 67,90 64,00 60,25 55,60 55,00 51,80 52,00 52,00 61,40 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

355


ALGODÃO - Em pluma - PREÇOS (R$/15 Kg)* Naviraí - MS ANO

JAN

2006 37,50

FEV 46,00

2007

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL 41,63

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA 41,71

45,00 45,03 45,09 44,42 38,18 36,52 37,00 38,11 36,52 35,02 40,09

2008 36,82

38,99 40,44 42,00 41,25 40,90 40,36 39,75 39,00 39,00 39,00 39,00 39,71

2009 39,00

38,13 38,10 37,54 38,42 39,00 38,37 38,50 38,31 37,87 37,88 39,56 38,39

2010 40,95

43,71 45,80 48,38 48,75 49,70 54,25 53,75 66,90 68,50 74,25 87,00 56,83

2011 92,00 116,25 128,00 128,00 73,50 74,80 55,50 57,60 58,38 57,25 58,90 57,00 79,77 2012 55,13

56,30 56,50 52,75 49,00 49,00 48,63 49,02 51,75 50,20 47,50 47,50 51,11

2013 47,50

58,00 59,00 60,00 67,90 59,88 60,00 67,00 74,00 74,00 74,00 69,00 64,19

2014 69,00

69,75 74,50 69,75 67,50 60,38 58,00 55,60 53,00 53,00 53,00 53,00 61,37 Fonte: CONAB * Valores Nominais

356

www.senarms.org.br


ALGODÃO - Em pluma - PREÇOS (R$/15 Kg)* São Gabriel do Oeste - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 41,50

42,00 39,50 39,50 39,50 39,50 40,25 42,30 41,50 43,00 42,63 44,80 41,33

2007 48,93

49,25 46,55 42,53 43,70 41,08 36,87 37,28 37,00 36,00 36,43 37,27 41,07

2008 39,76

42,69 42,75 42,82 41,13 40,00 39,84 38,28 37,33 38,24 37,80 36,67 39,78

2009 36,65

37,75 36,55 37,10 38,45 38,58 37,40 37,45 36,94 37,55 38,90 41,78 37,93

2010 43,50

45,21 46,48 50,00 49,75 48,80 52,75 52,38 64,26 68,83 75,75 88,98 57,22

2011 102,25 120,35 129,00 118,50 74,50 70,98 58,75 63,70 60,00 58,00 55,20 55,25 80,54 2012 53,75

54,60 53,38 51,35 51,76 49,33 49,86 52,88 53,78 50,50 51,18 50,75 51,93

2013 53,90

59,25 64,00 69,13 65,50 64,05 69,20 68,20 73,00 71,20 68,75 69,05 66,27

2014 71,98

73,25 71,25 70,58 62,86 61,00 61,41 54,84 53,03 53,82 53,90 53,00 61,74 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

357


Exportações As exportações de algodão de Mato Grosso do Sul apresentaram acentuado crescimento nos últimos 10 anos. Saiu de 9,3 mil toneladas em 2004 para 29,4 mil toneladas em 2014, crescimento de 214% no volume exportado. Em relação à receita, esta cresceu nos últimos 10 anos 371%, em 2004 foram 11,3 milhões de dólares, já em 2014 esta cifra atingiu 53,6 milhões de dólares em receitas geradas.

358

www.senarms.org.br


Exportações de Algodão de MS ANO

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

2000

1.133.803

1.042.743

2001

8.294.507

7.981.340

2002

5.466.349

6.412.003

2003

12.156.570

11.337.694

2004

11.385.518

9.398.853

2005

11.259.745

9.822.460

2006

13.251.308

11.805.948

2007

12.125.169

9.769.108

2008

22.527.268

16.980.064

2009

22.143.418

16.847.351

2010

19.017.078

10.460.122

2011

35.386.323

16.313.288

2012

58.093.098

28.824.827

2013

30.231.884

15.706.039

2014

53.638.444

29.491.360 Fonte:Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

359


Exportações de algodão de MS (R$/15 kg)*

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

360

www.senarms.org.br


Exportações de Algodão de MS (2013 e 2014) 2013 EXPORTAÇÕES DE ALGODÃO DE MS

VOLUME Em Kg

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

28.917.554

15.639.399

52.783.658

29.442.375

0

0

0

0

238

4

29

3

FIAPOS E DESPERDÍCIOS DE ALGODÃO

0

0

0

0

FIOS, LINHAS E TECIDOS DE ALGODÃO

202.573

29.377

133.730

22.307

1.111.519

37.259

721.027

26.675

30.231.884

15.706.039

53.638.444

29.491.360

ALGODÃO NÃO CARDADO NEM PENTEADO LINTERES DE ALGODÃO ALGODÃO CARDADO OU PENTEADO

VESTUÁRIO E OUTROS PRODUTOS TÊXTEIS DE ALGODÃO TOTAL

RECEITA Em US$

2014

Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

361


Exportações de Algodão de MS RECEITA Em US$

MÊS 2013

VOLUME Em Kg

Var (%) US$ 2014

2013

Var (%) Kg 2014

Jan

3.966.872

536.201

-86,48

2.291.304

248.040

-89,17

Fev

3.652.051

390.340

-89,31

2.039.229

180.601

-91,14

Mar

439.844

368.841

-16,14

188.321

175.409

-6,86

Abr

1.791.074

1.170.244

-34,66

906.024

513.766

-43,29

Mai

689.491

5.391.675

681,98

278.666

2.582.218

826,64

Jun

1.323.090

6.000.527

353,52

671.103

3.169.187

372,24

Jul

259.624

1.791.465

590,02

110.245

915.354

730,29

Ago

2.563.195

8.369.161

226,51

1.408.177

4.588.481

225,85

Set

7.126.785

11.915.856

67,20

3.741.277

6.561.460

75,38

Out

4.436.775

5.571.754

25,58

2.201.212

3.313.249

50,52

Nov

2.569.829

6.173.860

140,24

1.202.591

3.653.494

203,80

Dez

1.413.254

5.958.520

321,62

667.890

3.590.101

437,53

30.231.884

53.638.444

77,42

15.706.039

29.491.360

87,77

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA

362

www.senarms.org.br


Destinos A Ásia é o principal destino do algodão produzido em Mato Grosso do Sul, 97,4% do total. Os principais importadores são: China, que responde por 28% do total de volume exportado, em seguida aparece a Indonésia, com quase 22% do total e o Vietnã, com outros 16,3%.

www.famasul.com.br

363


Países Importadores de Algodão de MS em 2014

PAÍS

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PART. NO TOTAL Em %

CHINA

15.000.760

7.825.972

27,97

INDONÉSIA

11.656.147

6.502.716

21,73

VIETNÂ

8.756.400

5.025.028

16,32

TURQUIA

7.191.756

4.215.344

13,41

PAQUISTÃO

5.106.377

3.056.806

9,52

CORÉIA DO SUL

1.652.114

946.204

3,08

TAIWAN

1.172.055

632.048

2,19

MALÁSIA

1.166.263

612.653

2,17

TAILÂNDIA

536.493

298.684

1,00

EQUADOR

361.554

227.381

0,67

1.038.525

148.524

1,94

53.638.444

29.491.360

100,00

OUTROS 9 PAÍSES TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA

364

www.senarms.org.br


Países importadores de algodão de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

365


Cana-de-Açúcar


Produção de Cana-de-Açúcar em MS Na safra 2014/15 o Mato Grosso do Sul deverá produzir 44,3 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, volume este 32,1% superior ao verificado há cinco anos, quando o Estado produziu 33,5 milhões de toneladas. A produção está mais concentrada na região sul/sudeste do Estado, 83%. A área destinada a cultura da cana cresceu nos últimos cinco anos 105,6%, saindo de 393 mil hectares na safra 2010/11 para 808 mil hectares na safra 2014/15, segundo dados da Biosul – Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul. Já a produtividade decresceu 35,7% nos últimos cinco anos, na safra 2010/11 eram produzidos 85 toneladas de cana-de-açúcar por hectare, na safra 2014/15 serão produzidos 54,8 toneladas por hectare. A produção de cana de MS é processada atualmente em 22 usinas, dados da safra 2014/15, destas usinas todas produzem álcool hidratado, 11 anidros, 12 VHP (açúcar bruto), 6 delas produzem açúcar cristal, uma produz açúcar refinado e 12 produzem bioeletricidade.

368

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Cana em MS Safras 1990/01 a 2014/15

SAFRA

ÁREA Em ha

PRODUTIVIDADE t/há

PRODUÇÃO Em t

1990/91

54.139

70,00

3.789.722

1991/92

56.209

70,00

3.934.635

1992/93

53.630

70,00

3.754.097

1993/94

53.157

70,00

3.721.023

1994/95

53.850

70,00

3.769.520

1995/96

64.924

72,00

4.674.560

1996/97

74.603

72,00

5.371.447

1997/98

78.373

75,00

5.877.972

1998/99

87.866

75,00

6.589.965

1999/00

98.857

75,00

7.414.240

2000/01

86.946

75,00

6.520.925

2001/02

103.986

75,00

7.798.915

2002/03

110.340

75,00

8.275.505

2003/04

118.573

75,00

8.892.973

2004/05

129.334

75,00

9.700.048

2005/06

120.506

75,00

9.037.918

2006/07

155.051

75,00

11.628.805

2007/08

185.863

80,00

14.869.066

2008/09

220.614

82,00

18.090.388

www.famasul.com.br

369


Série Histórica da Produção de Cana em MS Safras 1990/01 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA Em ha

PRODUTIVIDADE t/há

PRODUÇÃO Em t

2009/10

289.000

79,97

23.111.237

2010/11

393.000

85,29

33.519.668

2011/12

480.000

70,52

33.849.950

2012/13

542.700

68,71

37.290.668

2013/14

724.137

57,30

41.496.000

2014/15

808.142

54,82

44.300.000

Fonte: Conab ¹previsão - Estimativa em janeiro/2015

Evolução da Produção Cana-de-Açúcar em MS

Fonte: Biosul; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

370

www.senarms.org.br


Produção Analisando agora o mix de produção observa-se que 4% da produção de cana-deaçúcar ou 1,63 milhão de toneladas, são destinadas a produção de açúcar, dados da safra 2014/15. Já a produção de etanol anidro apresentou forte crescimento nas últimas cinco safras, 85,3% e atingiu mais de 668 mil metros cúbicos na safra 2014/15. A produção de etanol hidratado também apresentou forte avanço no MS e chegou a 1,77 milhão de metros cúbicos, crescimento de 19% em relação à safra 2010/11. A produção total de etanol atingiu, na safra 2014/15, 2,44 milhões de metros cúbicos, avanço de 32,4% em relação ao verificado na safra 2010/11, quando foram produzidos 1,84 milhão de metros cúbicos. O grande destaque deste setor é a produção de bioeletricidade, esta cresceu nas últimas cinco safras expressivos 230,7%, saindo de 660 GWh na temporada 2010/11, para 2.182,7 GWh na temporada 2014/15.

www.famasul.com.br

371


Destino da Cana-de-Açúcar em MS Safras 1990/91 a 2014/15

372

PRODUÇÃO AÇÚCAR Em t

SAFRA

PRODUÇÃO CANA Em t

1990/91

3.789.722

20.475

1991/92

3.934.635

1992/93

PRODUÇÃO ETANOL

ATR Em kg/t.C

HIDRATADO Em m³

TOTAL Em m³

29.603

232.974

262.577

126,88

28.551

29.452

254.154

283.606

133,67

3.754.097

46.708

16.874

244.121

260.995

134,43

1993/94

3.721.023

73.505

35.079

203.811

238.890

133,21

1994/95

3.769.520

63.146

22.178

213.178

235.356

126,72

1995/96

4.674.560

109.304

9.789

270.987

280.776

129,27

1996/97

5.371.447

143.005

31.872

218.706

250.578

109,60

1997/98

5.877.972

123.067

17.060

334.626

351.686

126,35

1998/99

6.589.965

156.053

61.268

208.054

269.322

96,71

1999/00

7.414.240

230.966

90.781

190.467

281.248

99,66

2000/01

6.520.925

167.476

53.301

175.608

228.909

88,69

2001/02

7.798.915

254.774

84.140

171.320

255.460

92,13

2002/03

8.275.505

275.866

62.651

214.746

277.397

93,92

2003/04

8.892.973

414.071

219.751

260.820

480.571

144,82

2004/05

9.700.048

422.386

207.197

326.403

533.600

143,09

2005/06

9.037.918

402.009

184.340

311.251

495.591

140,93

2006/07 11.628.805

575.536

207.153

433.690

640.843

146,46

2007/08 14.869.066

616.170

214.211

662.563

876.774

144,28

2008/09 18.090.388

640.523

249.286

822.160 1.071.446

138,35

www.senarms.org.br

ANIDRO Em m³


Destino da Cana-de-Açúcar em MS Safras 1990/91 a 2014/15

PRODUÇÃO ETANOL

PRODUÇÃO AÇÚCAR Em t

ANIDRO Em m³

2010/11 33.519.668

1.328.546

360.800

1.487.977 1.848.777

135,67

2011/12 33.849.950

1.587.751

425.824

1.205.162 1.630.986

131,65

2012/13 37.330.449

1.741.908

467.751

1.449.221 1.916.972

2013/14 41.496.041

1.367.573

613.578

1.617.837 2.231.415

126,95

2014/15 44.300.000

1.630.510

593.600

1.702.600 2.296.300

129,34

SAFRA

PRODUÇÃO CANA Em t

HIDRATADO Em m³

TOTAL Em m³

ATR Em kg/t.C

Fonte: Biosul, Única

www.famasul.com.br

373


Distribuição das áreas de Cana-de-Açúcar em MS – Safra 2013/2014

MT

GO

MG

SP

PR

Limite do Município Cana de Açucar

Uso e Ocupação do Solo

Cana-de-Açucar

944.050

2,6%

Fonte: DEPRO/SISTEMA FAMASUL

374

www.senarms.org.br


Evolução da Área Cultivada de Cana-de-Açúcar em MS Disponível para colheita (ha)

Total Em reforma cultivado Reformada Expansão (c) Total (a+b+c) (ha) (ha) (b)

Safra

Soca (a)

2005/06

125.211

6.165

14.171

145.547

14.259

159.806

2006/07

130.344

11.936

25.686

167.966

14.095

182.061

2007/08

153.621

12.484

46.446

212.551

14.407

226.958

2008/09

190.522

13.035

87.434

290.991

19.720

310.711

2009/10

280.282

13.315

121.587

415.184

10.355

425.539

2010/11

397.403

6.227

82.620

486.250

15.813

502.063

2011/12

465.610

9.178

75.844

550.632

20.684

571.316

2012/13

531.233

11.075

87.857

630.165

26.516

656.681

2013/14

571.052

14.947

113.203

699.202

56.095

755.297

Fonte: Canasat

www.famasul.com.br

375


Área Disponível para Colheita e em Reforma - MS

Fonte: Canasat Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Área Cultivada com Cana em MS por classe

Fonte: Canasat Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

376

www.senarms.org.br


Produção de Etanol no Brasil e em MS Na comparação com a produção nacional de etanol, o MS vem apresentando taxas de crescimento superiores. Enquanto a produção nacional de etanol anidro cresceu 73% entre a safra 2009/10 e a 2013/14, no MS este crescimento foi de 165% no mesmo período. A participação do MS na produção nacional de etanol anidro vem crescendo sistematicamente, na safra 2009/10 o Estado respondia por 3,27% da produção nacional, já na safra 2013/14 esta participação subiu para 5,02%. Em relação ao etanol hidratado, a participação do MS na produção nacional subiu de 4,27% na safra 2009/10 para 10,56% na safra 2013/14. O Estado apresentou também taxa de crescimento superior à nacional, entre o ciclo 2009/10 e 2013/14 a produção de MS cresceu 56,8%, enquanto que a produção brasileira apresentou recuo de 36,5% no mesmo período.

www.famasul.com.br

377


Produção de Etanol no Brasil e em MS Safras 1990/91 a 2013/14 ANIDRO Safra

378

HIDRATADO

TOTAL

PRODUÇÃO PRODUÇÃO PART. PRODUÇÃO PRODUÇÃO PART. PRODUÇÃO PRODUÇÃO PART. MS BRASIL MS MS BRASIL MS MS BRASIL MS Em m³ Em m³ Em % Em m³ Em m³ Em % Em m³ Em m³ Em %

1990/91

29.603

1.286.568

2,30

232.974

10.228.583 2,28

262.577 11.515.151

2,28

1991/92

29.452

1.986.791

1,48

254.154

10.729.389 2,37

283.606 12.716.180

2,23

1992/93

16.874

2.216.389

0,76

244.121

9.459.117 2,58

260.995 11.675.506

2,24

1993/94

35.079

2.522.592

1,39

203.811

8.753.778 2,33

238.890 11.276.370

2,12

1994/95

22.178

2.870.603

0,77

213.178

9.811.770 2,17

235.356 12.682.373

1,86

1995/96

9.789

2.999.300

0,33

270.987

9.579.015 2,83

280.776 12.578.315

2,23

1996/97

31.872

4.587.567

0,69

218.706

9.756.561 2,24

250.578 14.344.128

1,75

1997/98

17.060

5.666.532

0,30

334.626

9.729.931 3,44

351.686 15.396.463

2,28

1998/99

61.268

5.664.125

1,08

208.054

8.183.908 2,54

269.322 13.848.033

1,94

1999/00

90.781

6.118.084

1,48

190.467

6.903.720 2,76

281.248 13.021.804

2,16

2000/01

53.301

5.620.964

0,95

175.608

4.972.071 3,53

228.909 10.593.035

2,16

2001/02

84.140

6.465.098

1,30

171.320

5.070.936 3,38

255.460 11.536.034

2,21

2002/03

62.651

7.015.466

0,89

214.746

5.607.759 3,83

277.397 12.623.225

2,20

2003/04

219.751

8.912.050

2,47

260.820

5.896.655 4,42

480.571 14.808.705

3,25

2004/05

207.197

8.304.450

2,50

326.403

7.112.218 4,59

533.600 15.416.668

3,46

2005/06

184.340

7.838.546

2,35

311.251

8.108.448 3,84

495.591 15.946.994

3,11

2006/07

207.153

8.301.007

2,50

433.690

9.418.202 4,60

640.843 17.719.209

3,62

2007/08

214.211

8.193.469

2,61

662.563

14.333.355 4,62

876.774 22.526.824

3,89

2008/09

249.286

9.336.343

2,67

822.160

18.176.619 4,52

1.071.446 27.512.962

3,89

www.senarms.org.br


Produção de Etanol no Brasil e em MS Safras 1990/91 a 2013/14 - continuação ANIDRO Safra

HIDRATADO

TOTAL

PRODUÇÃO PRODUÇÃO PART. PRODUÇÃO PRODUÇÃO PART. PRODUÇÃO PRODUÇÃO PART. MS BRASIL MS MS BRASIL MS MS BRASIL MS Em m³ Em m³ Em % Em m³ Em m³ Em % Em m³ Em m³ Em %

2010/11

360.800

8.323.237

4,33 1.487.977

19.052.952 7,81

1.848.777 27.376.189

6,75

2011/12

430.842

8.580.701

5,02 1.200.408

14.100.809 8,51

1.631.250 22.681.510

7,19

2012/13

467.751

9.844.471

4,75 1.449.221

13.381.845 10,83

974.685 23.226.316

4,20

2013/14

613.578 12.222.703

5,02 1.617.837

15.319.853 10,56

1.103.857 27.542.556

4,01

Fonte: Biosul,Única.

www.famasul.com.br

379


Cotações O Açúcar Total Recuperável (ATR) referência SP que corresponde à quantidade de açúcar disponível na matéria prima é um importante instrumento para a definição do valor pago pela tonelada de cana-de-açúcar. Em 2014, o preço médio do ATR ficou em R$ 0,4586 por quilo, apresentando crescimento nominal de 16,2% em relação aos preços praticados em 2010, segundo dados do Consecana-SP. Já o preço médio da saca de 50 Kg de açúcar cristal recuou 18,3% em termos nominais entre 2010 e 2014, ficando em média a R$ 49,46 em 2014, segundo dados do Cepea/Esalq com referência SP. O preço recorde da saca de açúcar cristal foi verificado em 2011, quando o produto estava negociado a R$ 65,93 de média, também com referência São Paulo. O açúcar refinado amorfo também apresentou recuo nos últimos cinco anos, queda de 12,1%, com o quilo permanecendo em R$ 1,42 de média em 2014, segundo levantamento elaborado pelo Cepea/Esalq. O pico do indicador Cepea para o açúcar refinado amorfo aconteceu em 2011, quando o preço médio do produto esteve em R$ 1,71 por quilo. O indicador Cepea para o etanol hidratado apresentou valorização nominal de 38,5% entre 2010 e 2014, chegando a R$ 1,26 por litro, ante R$ 0,96 em 2010. O indicador Cepea para o etanol anidro apresentou a mesma tendência de valorização e permaneceu em média a R$ 1,41 em 2014, crescimento nominal de 33,9% ante o preço médio observado em 2010.

380

www.senarms.org.br


Preço do ATR (R$/kg)*

Fonte: UDOP / Consecana-SP Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores Nominais

ATR - PREÇOS (R$/Kg)* Valores CONSECANA - Referência São Paulo ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2005 0,2550 0,2680 0,2773 0,2669 0,2269 0,2238 0,2438 0,2488 0,2654 0,2870 0,2848 0,3179 0,2638 2006 0,3569 0,3743 0,4027 0,4006 0,3830 0,3897 0,3920 0,3645 0,3350 0,3149 0,3124 0,3155 0,3618 2007 0,3152 0,3028 0,3089 0,3217 0,2632 0,2299 0,2243 0,2268 0,2261 0,2174 0,2370 0,2418 0,2596 2008 0,2402 0,2529 0,2628 0,2538 0,2506 0,2385 0,2493 0,2498 0,2685 0,2920 0,3015 0,3116 0,2643 2009 0,3238 0,3394 0,3211 0,2978 0,2802 0,2749 0,2993 0,3084 0,3375 0,3676 0,3744 0,3886 0,3261 2010 0,4391 0,4726 0,4307 0,3888 0,3486 0,3253 0,3374 0,3489 0,3760 0,4005 0,4236 0,4445 0,3947 2011 0,4651 0,4749 0,5192 0,5736 0,4583 0,4560 0,4929 0,4880 0,4983 0,5162 0,5278 0,5268 0,4998 2012 0,5383 0,4852 0,5057 0,5704 0,4619 0,4575 0,4972 0,4915 0,5020 0,5197 0,5306 0,5311 0,5076 2013 0,4607 0,4536 0,4476 0,4976 0,5109 0,4943 0,4702 0,4651 0,4583 0,4497 0,4635 0,4678 0,4699 2014 0,4812 0,4860 0,4938 0,4470 0,4363 0,4416 0,4415 0,4436 0,4441 0,4412 0,4637 0,4831 0,4586 Açúcar Cristal - Preços (R$/50kg)*

www.famasul.com.br

381


Açúcar Cristal - Preços (R$/50kg)*

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores Nominais

AÇÚCAR CRISTAL - PREÇOS (R$/50 Kg)* Indicador CEPEA - Referência São Paulo ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

DEZ

MÉDIA

2005 29,40 28,78 33,24 33,63 26,24 26,13 29,19 30,51 31,80 33,69 34,28 39,15

31,34

2006 47,80 51,55 51,72 50,61 48,56 49,72 50,25 44,10 37,99 37,32 36,47 36,78

45,24

2007 36,79 34,96 34,70 33,87 28,56 24,94 24,38 25,18 25,11 23,87 23,23 23,62

28,27

2008 25,04 26,20 27,44 28,11 26,71 26,16 27,30 29,01 30,81 31,13 30,74 31,73

28,36

2009 36,88 44,92 48,39 46,48 44,61 42,18 41,46 45,43 55,50 57,28 56,21 58,73

48,17

2010 70,83 72,49 69,58 63,66 43,76 40,41 40,82 46,24 56,91 71,68 75,24 75,53

60,60

2011 76,29 75,25 70,56 66,24 59,73 54,91 64,33 68,49 65,21 62,73 63,91 63,57

65,93

2012 62,04 59,10 57,34 56,44 54,58 55,12 56,96 56,08 49,85 50,57 50,20 49,12

54,78

2013 48,80 47,97 45,04 44,21 44,55 44,23 44,48 43,55 45,34 50,70 51,94 51,06

46,82

2014 50,29 50,38 51,86 51,70 51,49 49,54 47,07 45,54 47,07 45,54 50,97 52,12

49,46

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL * Valores Nominais por saca de 50 kg, com ICMS (7%) – até 12/03/2013, eram considerados também PIS/Cofins (9,25%), que deixaram de incidir sobre o açúcar cristal, segundo Medida Provisória nº 609, de 8/3/13. A inclusão do açúcar cristal (código 1701.99.00 da TIPI) nesta lista foi divulgada no Diário Oficial de 13/3/13.

382

NOV

www.senarms.org.br


Açúcar Refinado Amorfo - Preços (R$/kg)*

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores Nominais

AÇÚCAR REFINADO AMORFO - PREÇOS (R$/Kg)* Indicador CEPEA - Referência São Paulo ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2005

0,93

0,90

0,90

0,96

0,89

0,82

0,85

0,88

0,88

0,93

0,97

0,98

0,91

2006

1,19

1,28

1,29

1,24

1,21

1,25

1,26

1,19

1,09

1,03

1,00

0,98

1,17

2007

1,00

0,98

0,96

0,92

0,91

0,88

0,83

0,86

0,83

0,80

0,79

0,83

0,88

2008

0,83

0,82

0,81

0,80

0,83

0,82

0,79

0,82

0,86

0,95

0,83

2009

0,96

1,06

1,19

1,19

1,14

1,12

1,13

1,14

1,38

1,53

1,55

1,54

1,24

2010

1,62

1,73

1,76

1,74

1,57

1,42

1,36

1,40

1,53

1,66

1,83

1,84

1,62

2011

1,80

1,78

1,71

1,66

1,67

1,63

1,65

1,75

1,77

1,71

1,71

1,69

1,71

2012

1,67

1,59

1,58

1,58

1,56

1,54

1,58

1,63

1,64

1,59

1,60

1,58

1,59

2013

1,55

1,55

1,49

1,45

1,45

1,43

1,34

1,35

1,34

1,41

1,45

1,42

1,44

2014

1,41

1,44

1,47

1,45

1,41

1,39

1,39

1,37

1,37

1,45

1,45

1,50

1,42

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP * Valores Nominais

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

383


Etanol Hidratado - Preços (R$/Litro)*

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores Nominais

ETANOL HIDRATADO - PREÇOS (R$/Litro)* Indicador CEPEA - Referência São Paulo ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

DEZ

MÉDIA

2005

0,76

0,77

0,77

0,74

0,58

0,58

0,67

0,66

0,73

0,82

0,81

0,95

0,74

2006

1,02

1,07

1,22

1,06

0,85

0,86

0,90

0,83

0,76

0,76

0,75

0,78

0,90

2007

0,85

0,81

0,87

0,94

0,73

0,59

0,58

0,58

0,58

0,58

0,72

0,75

0,71

2008

0,71

0,71

0,76

0,71

0,70

0,67

0,72

0,72

0,75

0,73

0,73

0,74

0,72

2009

0,78

0,76

0,65

0,62

0,59

0,61

0,71

0,73

0,79

0,93

0,94

1,02

0,76

2010

1,19

1,09

0,83

0,80

0,72

0,72

0,79

0,84

0,87

0,98

1,00

1,08

0,91

2011

1,11

1,17

1,46

1,40

1,01

1,10

1,14

1,19

1,21

1,23

1,28

1,25

1,21

2012

1,17

1,12

1,20

1,18

1,14

1,08

1,06

1,05

1,06

1,01

1,09

1,13

1,11

2013

1,14

1,21

1,23

1,25

1,12

1,14

1,12

1,09

1,15

1,17

1,20

1,28

1,18

2014

1,29

1,39

1,42

1,35

1,21

1,22

1,23

1,21

1,21

1,14

1,22

1,27

1,26

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP * Valores Nominais Sem frete, sem ICMS Nota: Desde 8 de maio de 2013, este Indicador considera negócios com PIS/Cofins zerados. Até então, as informações que compunham este Indicador eram descontadas de R$ 0,048/litro referente a PIS/Cofins.

384

NOV

www.senarms.org.br


Etanol Anidro - Preços (R$/Litro)*

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *Valores Nominais

ETANOL ANIDRO - PREÇOS (R$/Litro)* Indicador CEPEA - Referência São Paulo ANO JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2005

0,88

0,86

0,88

0,85

0,67

0,67

0,77

0,76

0,84

0,94

0,92

1,06

0,84

2006

1,04

1,07

1,21

1,16

0,97

0,98

1,04

0,96

0,88

0,87

0,86

0,85

0,99

2007

0,87

0,84

0,92

1,08

0,92

0,68

0,67

0,66

0,66

0,66

0,81

0,85

0,80

2008

0,79

0,79

0,83

0,79

0,82

0,79

0,87

0,86

0,90

0,91

0,90

0,88

0,84

2009

0,88

0,85

0,74

0,70

0,68

0,69

0,80

0,83

0,91

1,08

1,09

1,14

0,87

2010

1,30

1,28

0,99

0,90

0,84

0,83

0,92

0,96

1,03

1,17

1,19

1,21

1,05

2011

1,23

1,29

1,59

2,34

1,41

1,20

1,30

1,36

1,39

1,38

1,38

1,36

1,44

2012

1,27

1,19

1,28

1,26

1,31

1,33

1,29

1,24

1,20

1,12

1,23

1,34

1,26

2013

1,34

1,34

1,34

1,36

1,33

1,31

1,30

1,24

1,29

1,31

1,36

1,45

1,33

2014

1,46

1,52

1,58

1,55

1,38

1,33

1,36

1,33

1,35

1,31

1,33

1,40

1,41

Fonte: CEPEA – ESALQ/USP * Valores Nominais Sem frete Nota: Desde 8 de maio de 2013, este Indicador considera negócios com PIS/Cofins zerados. Até então, as informações que compunham este Indicador eram descontadas de R$ 0,048/litro referente a PIS/Cofins.

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

385


Exportações Em 2014 o volume exportado pelo complexo sucroenergético atingiu 937 mil toneladas, queda de 23,9% em relação ao volume exportado em 2013, em termos de receita, estas caíram 32% também em relação a 2013, permanecendo em 355,1 milhões de dólares. Em 2012 foram verificados os recordes de volume e receita exportados, 1,4 milhão de toneladas e 768 milhões de dólares em receita. Em 2014 o Mato Grosso do Sul não exportou qualquer quantidade de álcool, em 2013 foram exportados 13,4 mil toneladas de álcool etílico.

386

www.senarms.org.br


Exportações do Complexo Sucroenergético de MS RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

1997

5.934.376

20.362.900

1998

8.129.922

35.390.650

1999

18.112.517

116.285.134

2000

5.310.869

33.316.830

2001

9.071.902

46.255.484

2002

12.510.923

80.301.320

2003

10.261.791

64.863.897

2004

13.259.074

75.628.890

2005

28.753.064

125.514.737

2006

65.962.255

196.620.318

2007

41.906.784

171.954.613

2008

49.651.707

169.615.529

2009

160.084.939

507.597.175

2010

377.935.997

911.951.924

2011

686.907.789

1.289.025.647

2012

768.516.436

1.480.059.341

2013

522.175.712

1.231.198.017

2014

355.131.893

937.197.964

ANO

Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

387


Evolução das Exportações do Complexo Sucroenergético em MS

Fonte: Agrostat/MAPA Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Exportações do Complexo Sucroenergético de MS (2013 e 2014) EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SUCROENERGÉTICO DE MS AÇÚCAR AÇÚCAR BRUTO AÇÚCAR REFINADO ÁLCOOL ÁLCOOL ETÍLICO TOTAL

EM 2013 RECEITA Em US$

EM 2014 VOLUME Em Kg

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

510.923.477

1.217.718.122

355.128.891

937.192.964

496.401.339

1.186.079.492

350.142.050

925.727.964

14.522.138

31.638.630

4.986.841

11.465.000

11.235.639

13.458.903

0

0

11.235.639

13.458.903

0

0

522.159.116

1.231.177.025

355.128.891

937.192.964

Fonte: Agrostat/MAPA

388

www.senarms.org.br


Exportações do Complexo Sucroenergético de MS RECEITA Em US$

MÊS

VOLUME Em Kg

Var (%) US$

2013

2014

Jan

40.035.725

24.117.867

Fev

44.807.879

Mar

Var (%) Kg

2013

2014

-39,76

87.615.269

64.042.681

-26,90

42.117.843

-6,00

96.305.774

98.697.598

2,48

55.822.381

14.271.997

-74,43

122.889.780

36.243.829

-70,51

Abr

28.283.795

11.865.422

-58,05

67.719.605

32.187.082

-52,47

Mai

21.047.191

8.476.159

-59,73

47.573.542

22.141.724

-53,46

Jun

61.682.262

28.520.565

-53,76

143.702.358

73.255.920

-49,02

Jul

60.509.292

43.059.620

-28,84

131.560.518

110.529.915

-15,99

Ago

41.063.470

43.663.394

6,33

98.318.960

109.934.796

11,81

Set

68.389.595

38.056.886

-44,35

172.364.563

101.411.085

-41,16

Out

38.476.665

47.398.117

23,19

103.076.800

129.245.834

25,39

Nov

35.702.320

26.390.034

-26,08

91.737.418

78.780.267

-14,12

Dez

26.355.137

27.193.989

3,18

68.333.430

80.727.233

18,14

522.175.712

355.131.893

-31,99

1.231.198.017

937.197.964

-23,88

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

389


Em 2014 o principal destino do açúcar produzido no Estado foi a Malásia, que participou com 12,89% do volume exportado por MS ou 128,2 mil toneladas, em seguida aparece a Rússia com 119,3 mil toneladas e 12,81% de participação. O Mato Grosso do Sul exportou açúcar para 53 países em 2014.

Países Importadores de Açúcar de MS em 2014

PAÍS

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PART. NO TOTAL Em %

MALÁSIA

46.417.008

128.214.162

12,89

RÚSSIA

46.119.906

119.314.430

12,81

ARGÉLIA

37.737.490

95.308.770

10,48

BANGLADESH

33.922.515

81.451.193

9,42

CHINA

27.354.404

71.999.971

7,60

GEORGIA

22.967.893

60.155.213

6,38

CANADÁ

21.861.259

57.622.100

6,07

IEMEM

18.043.711

47.401.234

5,01

URUGUAI

14.238.686

44.671.340

3,95

EMIR. ARABES UM.

12.130.419

32.823.566

3,37

OUTROS 43 PAÍSES

79.322.441

209.695.985

22,03

360.115.732

948.657.964

100,00

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA

390

www.senarms.org.br


Principais Países Importadores de Açúcar de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA Elaboração: UNITEC/FAMASUL

www.famasul.com.br

391


Arroz


Produção de Arroz em MS Na safra 2014/15 a produção sul-mato-grossense de arroz deve chegar a 112,2 mil toneladas, segundo levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), este volume é 17,7% superior ao registrado no ciclo 2013/14, é o primeiro movimento de alta em quatro safras. Em relação a área, esta deve ficar em 18,1 mil hectares na safra 2014/15, variação positiva de 16,8% em relação a safra 2013/14 quando foram cultivados 15,5 mil hectares. Já a produtividade deve experimentar suave crescimento na safra 2014/15, 0,8% em relação a safra anterior, o que equivale a 6.200,00 kg/ha.

394

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Arroz em MS Safras 1977/78 a 2014/15

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1977/78

746,4

562,8

420,1

1978/79

584,7

781,8

457,1

1979/80

501,0

1005,4

503,7

1980/81

412,0

1160,2

478,0

1981/82

318,0

943,4

300,0

1982/83

296,0

1350,0

399,6

1983/84

305,0

1150,2

350,8

1984/85

244,0

1250,0

305,0

1985/86

302,0

925,2

279,4

1986/87

377,0

1350,1

509,0

1987/88

297,8

1250,2

372,3

1988/89

166,8

1700,2

283,6

1989/90

127,0

1325,2

168,3

1990/91

112,0

2070,0

231,8

1991/92

135,0

1720,0

232,2

1992/93

116,1

2130,0

247,3

1993/94

106,0

2370,0

251,2

1994/95

94,3

2500,0

235,8

1995/96

87,7

2900,0

254,3

www.famasul.com.br

395


Série Histórica da Produção de Arroz em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1996/97

78,9

3000,0

236,7

1997/98

60,0

3400,0

204,0

1998/99

70,0

3600,0

252,0

1999/00

73,5

3420,0

251,4

2000/01

53,7

3900,0

209,4

2001/02

51,0

4277,0

218,1

2002/03

49,5

4800,0

237,6

2003/04

55,4

4333,0

240,0

2004/05

54,3

4350,0

236,2

2005/06

43,4

4450,0

193,3

2006/07

42,1

5020,0

211,3

2007/08

35,4

5319,0

188,3

2008/09

34,6

5747,0

198,8

2009/10

26,5

5490,0

145,5

2010/11

29,0

5385,0

156,2

2011/12

17,0

6420,0

109,1

2012/13

15,2

6200,0

94,2

2013/14

15,5

6150,0

95,3

¹2014/15

18,1

6200,0

112,2

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

396

www.senarms.org.br


Evolução da produção de arroz em MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

397


Produção de Arroz no Brasil Segundo estimativa elaborada pela Conab, o Brasil deverá produzir 12,15 milhões de toneladas de arroz na safra 2014/15, crescimento modesto de 0,2% em relação ao ciclo anterior. Mesmo assim, é o maior volume produzido em quatro safras. O recorde de produção foi verificado na safra 2010/11, quando o país produziu 13,61 milhões de toneladas. A produtividade ficará em 5.208,6 kg/ha na safra 2014/15, crescimento de 2% em relação à safra 2013/14. Se confirmada tal produtividade, esta será recorde. Em termos de área, esta ficará em 2,33 milhões de hectares na safra 2014/15, queda de 1,7% em relação ao ciclo 2013/14.

398

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Arroz no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1977/78

5.623,3

1.297,5

7.296,0

1978/79

5.440,1

1.395,2

7.589,9

1979/80

6.471,8

1.489,3

9.638,3

1980/81

6.630,2

1.303,2

8.640,4

1981/82

5.964,3

1.535,3

9.156,8

1982/83

5.496,1

1.496,6

8.225,4

1983/84

5.307,5

1.694,2

8.992,0

1984/85

4.818,7

1.818,2

8.761,2

1985/86

5.611,9

1.748,7

9.813,8

1986/87

6.039,4

1.751,6

10.578,5

1987/88

5.985,4

1.965,2

11.762,8

1988/89

5.355,7

2.071,3

11.093,0

1989/90

4.180,0

1.906,2

7.967,9

1990/91

4.232,8

2.361,8

9.997,2

1991/92

4.614,4

2.189,5

10.103,1

1992/93

4.385,3

2.258,2

9.903,0

1993/94

4.391,2

2.396,5

10.523,4

1994/95

4.267,9

2.633,1

11.238,0

1995/96

3.863,6

2.598,1

10.037,9

www.famasul.com.br

399


Série Histórica da Produção de Arroz no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1996/97

3.494,4

2.725,6

9.524,5

1997/98

3.249,0

2.604,8

8.462,9

1998/99

3.845,2

3.012,1

11.582,2

1999/00

3.677,6

3.106,1

11.423,1

2000/01

3.248,6

3.197,1

10.386,0

2001/02

3.219,6

3.300,0

10.626,1

2002/03

3.186,1

3.254,0

10.367,1

2003/04

3.676,0

3.511,0

12.960,4

2004/05

3.937,9

3.377,0

13.355,0

2005/06

3.017,8

3.884,2

11.721,7

2006/07

2.967,4

3.813,4

11.315,9

2007/08

2.875,0

4.200,0

12.074,0

2008/09

2.909,0

4.332,0

12.602,5

2009/10

2.764,8

4.218,0

11.660,9

2010/11

2.820,3

4.827,0

13.613,1

2011/12

2.426,7

4.780,0

11.599,5

2012/13

2.399,6

4.925,7

11.819,7

2012/14

2.372,9

5.108,4

12.121,6

¹2014/15

2.333,0

5.208,6

12.151,5

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

400

www.senarms.org.br


Produção deArroz no Brasil e em MS A participação da produção sul-mato-grossense de arroz representa apenas 0,92% da produção nacional. O Estado já chegou a responder por 6% da produção nacional ao longo da década de 60. A área também foi significativamente reduzida tanto em nível de Brasil quanto em nível de MS. Na safra 2014/15 apenas 0,78% da área nacional destinada ao cultivo de arroz está em MS.

www.famasul.com.br

401


Produção de Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15

402

SAFRA

PRODUÇÃO MS Em mil t

1977/78

420,1

7296,0

5,76

1978/79

457,1

7589,9

6,02

1979/80

503,7

9638,3

5,23

1980/81

478,0

8640,4

5,53

1981/82

300,0

9156,8

3,28

1982/83

399,6

8225,4

4,86

1983/84

350,8

8992,0

3,90

1984/85

305,0

8761,2

3,48

1985/86

279,4

9813,8

2,85

1986/87

509,0

10578,5

4,81

1987/88

372,3

11762,8

3,17

1988/89

283,6

11093,0

2,56

1989/90

168,3

7967,9

2,11

1990/91

231,8

9997,2

2,32

1991/92

232,2

10103,1

2,30

1992/93

247,3

9903,0

2,50

1993/94

251,2

10523,4

2,39

1994/95

235,8

11238,0

2,10

1995/96

254,3

10037,9

2,53

www.senarms.org.br

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %


Produção de Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

PRODUÇÃO MS Em mil t

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %

1996/97

236,7

9524,5

2,49

1997/98

204,0

8462,9

2,41

1998/99

252,0

11582,2

2,18

1999/00

251,4

11423,1

2,20

2000/01

209,4

10386,0

2,02

2001/02

218,1

10626,1

2,05

2002/03

237,6

10367,1

2,29

2003/04

240,0

12960,4

1,85

2004/05

236,2

13355,0

1,77

2005/06

193,3

11721,7

1,65

2006/07

211,3

11315,9

1,87

2007/08

188,3

12074,0

1,56

2008/09

198,8

12602,5

1,58

2009/10

145,5

11660,9

1,25

2010/11

156,2

13.613,1

1,15

2011/12

109,1

11.599,5

0,94

2012/13

94,2

11.819,7

0,80

2013/14

95,3

12.121,6

0,79

¹2014/15

112,2

12.151,5

0,92

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

www.famasul.com.br

403


Evolução da Área Plantada de Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15

404

SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1977/78

746,4

5623,3

13,27

1978/79

584,7

5440,1

10,75

1979/80

501,0

6471,8

7,74

1980/81

412,0

6630,2

6,21

1981/82

318,0

5964,3

5,33

1982/83

296,0

5496,1

5,39

1983/84

305,0

5307,5

5,75

1984/85

244,0

4818,7

5,06

1985/86

302,0

5611,9

5,38

1986/87

377,0

6039,4

6,24

1987/88

297,8

5985,4

4,98

1988/89

166,8

5355,7

3,11

1989/90

127,0

4180,0

3,04

1990/91

112,0

4232,8

2,65

1991/92

135,0

4614,4

2,93

1992/93

116,1

4385,3

2,65

1993/94

106,0

4391,2

2,41

1994/95

94,3

4267,9

2,21

1995/96

87,7

3863,6

2,27

www.senarms.org.br


Evolução da Área Plantada de Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação

SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1996/97

78,9

3494,4

2,26

1997/98

60,0

3249,0

1,85

1998/99

70,0

3845,2

1,82

1999/00

73,5

3677,6

2,00

2000/01

53,7

3248,6

1,65

2001/02

51,0

3219,6

1,58

2002/03

49,5

3186,1

1,55

2003/04

55,4

3676,0

1,51

2004/05

54,3

3937,9

1,38

2005/06

43,4

3017,8

1,44

2006/07

42,1

2967,4

1,42

2007/08

35,4

2875,0

1,23

2008/09

34,6

2909,0

1,19

2009/10

26,5

2764,8

0,96

2010/11

29,0

2820,3

1,03

2011/12

17,0

2426,7

0,70

2012/13

15,2

2399,6

0,63

2013/14

15,5

2372,9

0,65

¹2014/15

18,1

2333,0

0,78

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

www.famasul.com.br

405


Distribuição das áreas de arroz em MS – Safra 2014/2015

MT

GO

MG

SP

PR

Limite do Município Arroz

Uso e Ocupação do Solo

Arroz

15.000

0,04%

Fonte: DEPRO/SISTEMA FAMASUL

406

www.senarms.org.br


Já a produtividade sul-mato-grossense na safra 2014/15 está 19% maior que a média da produtividade nacional, o Estado deve produzir 6.200 quilos por hectare, a média nacional está em 5.208 quilos por hectare. A produtividade do Estado já esteve 47,5% superior à média nacional na safra 2002/03, quando o MS registrou 4.277 kg/ha e o país 3.254 kg/ha.

Produtividade da Cultura do Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1977/78

562,8

1297,5

-56,62

1978/79

781,8

1395,2

-43,97

1979/80

1005,4

1489,3

-32,49

1980/81

1160,2

1303,2

-10,97

1981/82

943,4

1535,3

-38,55

1982/83

1350,0

1496,6

-9,80

1983/84

1150,2

1694,2

-32,11

1984/85

1250,0

1818,2

-31,25

1985/86

925,2

1748,7

-47,09

1986/87

1350,1

1751,6

-22,92

1987/88

1250,2

1965,2

-36,38

1988/89

1700,2

2071,3

-17,92

1989/90

1325,2

1906,2

-30,48

1990/91

2070,0

2361,8

-12,35

1991/92

1720,0

2189,5

-21,44

1992/93

2130,0

2258,2

-5,68

www.famasul.com.br

407


Produtividade da Cultura do Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1993/94

2370,0

2396,5

-1,11

1994/95

2500,0

2633,1

-5,05

1995/96

2900,0

2598,1

11,62

1996/97

3000,0

2725,6

10,07

1997/98

3400,0

2604,8

30,53

1998/99

3600,0

3012,1

19,52

1999/00

3420,0

3106,1

10,11

2000/01

3900,0

3197,1

21,99

2001/02

4277,0

3300,0

29,61

2002/03

4800,0

3254,0

47,51

2003/04

4333,0

3511,0

23,41

2004/05

4350,0

3377,0

28,81

2005/06

4450,0

3884,2

14,57

2006/07

5020,0

3813,4

31,64

2007/08

5319,0

4200,0

26,64

2008/09

5747,0

4332,0

32,66

2009/10

5490,0

4218,0

30,16

2010/11

5385,0

4827,0

11,56

2011/12

6420,0

4780,0

34,31

2012/13

6200,0

4925,7

25,87

2013/14

6150,0

5108,4

20,39

¹2014/15

6200,0

5208,6

19,03

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

408

www.senarms.org.br


Evolução da produtividade do arroz em MS e no Brasil

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

409


Custo de Produção Para a safra 2014/15 a Conab estima um custo de produção de R$ 3.077,29 por hectare de arroz irrigado convencional, considerando uma produtividade média de 6.000 quilos por hectare na região de Rio Brilhante. O principal componente do custo de produção são as despesas de custeio da lavoura, 80,10%. O principal item do custeio é o aluguel de máquinas/serviços, R$ 1.216,35 por hectare representando 42,46% do total. Já o custo de produção do arroz sequeiro em Sidrolândia está estimado em R$ 1.952,68 por hectare, considerando uma produtividade média de 2.300 kg/ha.

410

www.senarms.org.br


CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO ARROZ IRRIGADO CONVENCIONAL RIO BRILHANTE - MS AGRICULTURA FAMILIAR SAFRA DE VERÃO - 2014/2015 Produtividade Média: 6.000 kg/ha DISCRIMINAÇÃO I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA 1 - Aluguel de máquinas/serviços 2 - Mão-de-obra da propriedade familiar 3 - Sementes 4 - Fertilizantes 5 - Agrotóxicos 6 - Despesas admnistrativas 7 - Mão-de-obra fixa 8 - Combustível (diesel) TOTAL DAS DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA (A) II - OUTRAS DESPESAS 1 - Assistência técnica 2 - Seguro da produção (PROAGRO) 3 - CESSR 4 - Transporte externo 5 - Armazenagem Total das Outras Despesas (B) III - DESPESAS FINANCEIRAS 1 - Juros Total das Despesas Financeiras (C) CUSTO VARIÁVEL (A+B+C = D) IV - DEPRECIAÇÕES 1 - Depreciação de benfeitorias/instalações 2 - Depreciação de implementos 3 - Depreciação de máquinas Total de Depreciações (E)

A PREÇOS DE: abr-14 PARTICIPAÇÃO (R$/ha) R$/60 kg 1.216,35 340,00 195,00 430,00 113,30 72,69 86,88 41,40 2.495,62

12,17 3,40 1,95 4,30 1,14 0,73 0,88 0,41 24,98

42,46% 11,87% 6,81% 15,01% 3,95% 2,54% 3,03% 1,45% 80,10%

49,91 93,15 180,00 323,06

0,50 0,93 1,80 3,23

0,00% 1,74% 3,25% 6,28% 0,00% 11,28%

32,31 32,31 2.850,99

0,32 0,32 28,53

1,13% 1,13% 92,50%

11,65 11,65

0,12 0,12

0,41% 0,00% 0,00% 0,41%

www.famasul.com.br

411


CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO ARROZ IRRIGADO CONVENCIONAL RIO BRILHANTE - MS AGRICULTURA FAMILIAR SAFRA DE VERÃO - 2014/2015 Produtividade Média: 6.000 kg/ha - continuação DISCRIMINAÇÃO V - OUTROS CUSTOS FIXOS 1 - Manutenção periódica de máquinas/ implementos 2 - Encargos sociais 3 - Seguro do capital fixo Total de Outros Custos Fixos (F) Custo Fixo (E+F = G) CUSTO OPERACIONAL (D+G = H) VI - RENDA DE FATORES 1 - Remuneração esperada sobre capital fixo 2 - Terra Total de Renda de Fatores (I) CUSTO TOTAL (H+I = J) GESTÃO DA PROPRIEDADE FAMILIAR 1 - Mão-de-obra familiar 2 - Serviço de gerenciamento da propriedade 3 - Despesas administrativas

A PREÇOS DE: abr-14 PARTICIPAÇÃO (R$/ha) R$/60 kg -

-

0,00%

2,18 2,18 13,83 2.864,82

0,02 0,02

0,00% 0,08% 0,08%

0,14 28,67

0,48% 92,98%

17,47 195,00 212,47 3.077,29

0,17 1,95 2,12 30,79

0,61% 6,81% 7,42% 100,40%

499,57 340,00 86,88 72,69

5,01 3,40 0,88 0,73

100,00% 68,06% 17,39% 14,55%

Elaboração: CONAB/DIPAI/SUINF/GECUP

412

www.senarms.org.br


CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO ARROZ SEQUEIRO SIDROLANDIA - MS AGRICULTURA FAMILIAR SAFRA DE VERÃO - 2014/2015 Produtividade Média: 2.300 kg/ha DISCRIMINAÇÃO I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA 1 - Aluguel de máquinas/serviços 2 - Gestão da propriedade familiar 3 - Sementes 4 - Fertilizantes 5 - Agrotóxicos 6 - Sacaria TOTAL DAS DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA (A) II - OUTRAS DESPESAS 1 - Assistência técnica 2 - Seguro da produção (PROAGRO) 3 - CESSR 4 - Transporte externo 5 - Armazenagem Total das Outras Despesas (B) III - DESPESAS FINANCEIRAS 1 - Juros Total das Despesas Financeiras (C) CUSTO VARIÁVEL (A+B+C = D) IV - DEPRECIAÇÕES 1 - Depreciação de benfeitorias/ instalações 2 - Depreciação de implementos 3 - Depreciação de máquinas Total de Depreciações (E)

A PREÇOS DE: (R$/ha)

abr-14 R$/60 kg

PARTICIPAÇÃO (%)

258,80 1.075,76 98,00 9,88 23,70 40,50

6,76 28,06 2,56 0,26 0,62 1,06 39,32

15,30% 63,59% 5,79% 0,58% 1,40% 2,39% 89,06%

30,13 36,16 66,29

0,79 0,94 1,73

0,00% 1,78% 2,14% 0,00% 0,00% 3,92%

19,00 19,00 1.591,93

0,50 0,50 41,55

1,12% 1,12% 94,10%

2,19

4,97%

2,19

0,00% 0,00% 4,97%

1.506,64

84,00 84,00

www.famasul.com.br

413


CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO ARROZ SEQUEIRO SIDROLANDIA - MS AGRICULTURA FAMILIAR SAFRA DE VERÃO - 2014/2015 Produtividade Média: 2.300 kg/ha - continuação DISCRIMINAÇÃO V - OUTROS CUSTOS FIXOS 1 - Manutenção periódica de máquinas/implementos 2 - Seguro do capital fixo Total de Outros Custos Fixos (F) Custo Fixo (E+F = G) CUSTO OPERACIONAL (D+G = H) VI - RENDA DE FATORES 1 - Remuneração esperada sobre capital fixo 2 - Terra Total de Renda de Fatores (I) CUSTO TOTAL (H+I = J) GESTÃO DA PROPRIEDADE FAMILIAR 1 - Mão-de-obra familiar 2 - Serviços de gerenciamento da propriedade 3 - Despesas administrativas

A PREÇOS DE: (R$/ha)

abr-14 R$/60 kg

PARTICIPAÇÃO (%)

-

-

0,00%

15,75 15,75 99,75 1.691,68

0,41 0,41 2,60 44,15

0,93% 0,93% 5,90% 100,00%

126,00

3,29

7,45%

135,00 261,00 1.952,68 1.030,76 900,00 86,88

3,52 6,81 50,96 26,89 23,48 2,27

7,98% 15,43% 115,43% 100,00% 87,31% 8,43%

43,88

1,14

4,26%

Elaboração: CONAB/DIPAI/SUINF/GECUP

414

www.senarms.org.br


Cotações O preço médio pago pela saca de 60 kg em Mato Grosso do Sul cresceu em termos nominais 17,22% entre 2008 e 2014. Em 2008 o preço da saca de arroz custava em média R$ 38,67, em 2014 chegou a R$ 45,10, segundo dados da Conab. Os preços recordes foram observados no último trimestre de 2012 quando a saca esteve cotada em média a R$ 50,33. Já em termos reais, ou seja, descontando os efeitos da inflação, observa-se uma depreciação de 14,8% no preço médio da saca entre 2008 e 2014.

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

415


Preço do arroz em MS (R$/sc 60 kg)* 60,00

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL * valores nominais

Preço do arroz em MS (R$/sc 60 kg)*

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *valores corrigidos pelo IGP-DI (base=dez/2007).

416

www.senarms.org.br


ARROZ - Longo Fino em Casca - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Preço Médio para Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 25,50 22,84 21,60 21,75 21,13 23,06 24,44 24,45 26,56 27,95 30,40 30,13 24,98 2007 28,75 25,69 24,28 26,12 25,92 26,56 26,48 27,05 29,00 29,05 29,53 30,21 27,39 2008 29,81 29,48 29,42 31,36 40,37 42,39 41,76 42,42 42,67 44,19 44,28 43,47 38,47 2009 41,04 40,05 36,61 34,80 34,77 33,19 33,12 32,48 32,60 32,56 32,46 32,15 34,65 2010 33,58 35,60 34,55 33,33 33,38 33,63 33,31 33,15 33,75 33,92 33,86 33,23 33,77 2011 31,88 30,36 28,39 27,22 27,28 25,90 25,64 26,87 27,90 28,45 30,08 30,92 28,41 2012 30,42 29,75 30,86 31,25 32,27 35,81 38,36 41,43 46,23 51,35 51,54 48,08 38,95 2013 43,13 41,50 41,02 41,88 43,28 45,84 45,92 46,67 46,69 45,73 44,63 43,17 44,12 2014 44,03 44,17 44,40 44,54 44,97 45,00 45,17 45,17 45,13 45,75 47,13 45,68 45,09 Fonte: CONAB * Valores Nominais

ARROZ - Longo Fino em Casca - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Campo Grande - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

2006 25,50 21,00 21,20 22,00

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

22,50 24,00 23,60 27,25 28,00 27,00

DEZ

MÉDIA 24,21

2007 28,00 27,25 23,00 25,00 25,91 25,45 26,00 26,00 27,27 28,62 29,58 30,00 26,84 2008 30,00 30,00 30,00 30,00 39,64 42,00 42,00 42,00 42,00 42,60 43,45 44,00 38,14 2009 41,55 39,02 35,50 34,00 34,53 34,32 34,20 33,00 33,00 32,74 32,00 32,00 34,66 2010 34,50 36,00 34,42 34,00 33,50 33,00 32,75 32,25 33,83 35,00 34,09 33,00 33,86 2011 32,50 30,75 28,00 26,00 24,50 24,00 24,00 25,00 28,00 27,75 29,10 29,63 27,44 2012 31,25 30,00 31,75 31,75 33,80 38,00 39,00 41,80 48,00 51,60 50,50 46,00 39,45 2013 42,20 43,00 42,25 44,00 45,00 47,00 48,00 49,25 48,50 47,60 47,00 44,00 45,65 2014 43,60 43,75 44,13 44,00 45,00 45,50 46,00 46,00 45,50 46,20 49,75 44,50 45,33 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

417


ARROZ - Longo Fino em Casca - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Dourados - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

2006 26,83 27,00 21,25 22,00 21,13 25,00 25,00 25,00 27,25 29,50 34,20

MÉDIA 25,83

2007 31,90 27,00 24,75 27,13 27,37 27,69 28,01 29,00 31,58 31,18 31,00 31,00 28,97 2008 30,07 30,00 30,00 31,86 42,39 44,68 43,00 43,47 44,65 46,26 45,28 45,00 39,72 2009 41,03 37,83 34,15 34,13 33,75 30,00 32,28 32,00 32,00 33,29 33,50 32,92 33,91 2010 35,00 35,71 34,96 32,00 32,50 34,00 32,13 33,00 34,00 33,00 33,00 32,20 33,46 2011 30,50 28,63 26,32 26,00 26,00 24,00 23,75 24,00 24,00 24,75 28,80 30,00 26,40 2012 29,75 30,00 30,75 31,50 32,60 36,00 38,25 39,00 44,00 49,00 52,00 52,00 38,74 2013 42,00 41,00 40,38 40,50 41,20 43,25 42,80 42,00 42,00 41,20 42,00 42,00 41,69 2014 43,80 45,00 45,00 45,00 44,60 44,00 43,50 42,00 43,00 44,80 45,00 45,00 44,23 Fonte: CONAB * Valores Nominais

ARROZ - Longo Fino em Casca - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Rio Brilhante - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 24,33 19,67 21,20 21,00 21,00 22,00 23,50 23,00 24,75 25,05 29,40 28,25 23,60 2007 25,90 23,00 23,75 26,00 25,27 26,21 25,61 26,24 29,63 28,96 29,00 29,00 26,55 2008 29,50 29,24 29,29 31,89 40,66 38,99 38,37 41,96 41,41 43,20 43,54 42,37 37,54 2009 39,55 40,11 32,67 33,03 33,42 30,87 30,96 31,37 31,78 30,71 31,25 30,00 32,98 2010 31,25 35,56 34,10 32,00 32,50 32,80 33,45 32,13 32,21 32,36 32,29 32,40 32,75 2011 30,25 26,75 25,55 23,75 23,93 22,60 21,83 24,70 26,00 26,13 26,66 27,63 25,48 2012 30,38 28,40 29,50 30,25 29,10 33,75 37,50 39,80 41,63 52,50 51,50 44,50 37,40 2013 42,80 40,50 38,50 39,00 41,10 45,38 45,30 45,50 47,00 47,20 42,25 42,00 43,04 2014 43,60 43,00 44,25 45,50 46,80 48,00 48,00 48,00 47,75 48,00 48,50 47,55 46,58 Fonte: CONAB * Valores Nominais

418

www.senarms.org.br


ARROZ - Longo Fino em Casca - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Sidrolândia - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 25,33 23,67 22,75 22,00 21,25 22,75 25,25 26,20 27,00 29,25 31,00 32,00 25,70 2007 29,20 25,50 25,63 26,88 26,14 26,38 26,77 28,20 31,74 32,20 30,98 30,00 28,30 2008 30,00 30,72 30,72 34,94 44,78 45,00 43,19 42,32 44,18 48,30 48,25 43,63 40,50 2009 39,73 37,91 33,15 33,15 35,71 35,82 34,00 33,00 32,21 32,61 32,25 32,96 34,38 2010 35,25 36,59 33,42 32,75 33,00 33,00 32,50 32,50 33,25 33,44 33,00 33,00 33,48 2011 30,75 31,00 28,32 26,25 25,50 24,90 26,25 28,20 29,00 30,00 30,20 32,25 28,55 2012 31,50 31,30 31,38 31,88 33,00 36,88 39,50 44,60 49,50 54,20 53,75 50,00 40,62 2013 44,60 42,00 40,50 41,00 42,40 45,25 47,00 47,00 47,38 44,80 43,00 43,00 43,99 2014 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 45,10 45,75 47,00 45,24 Fonte: CONAB * Valores Nominais

ARROZ - Longo Fino em Casca - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Fátima do Sul - MS ANO 2007

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

26,25 25,23 26,38 25,00 25,83 26,76 26,07 28,64 32,24 26,93

2008 30,75 28,92 28,52 31,49 39,53 44,68 45,00 45,74 44,75 45,76 46,16 45,00 39,69 2009 43,38 44,44 45,50 39,62 36,67 34,03 33,54 31,48 33,29 33,00 33,00 33,00 36,75 2010 32,95 34,71 36,00 35,75 35,75 36,00 36,00 36,00 36,00 35,72 36,76 34,80 35,54 2011 32,00 29,50 27,00 28,00 29,25 24,40 22,25 23,00 23,25 24,38 27,60 28,88 26,63 2012 29,63 28,80 30,00 30,38 31,30 34,00 37,88 42,60 47,25 50,00 52,00 51,00 38,74 2013 46,40 41,00 42,50 43,75 45,80 48,00 45,40 48,00 47,75 46,80 47,50 45,00 45,66 2014 45,40 45,50 44,75 44,75 44,40 43,00 43,50 45,00 45,00 45,40 45,00 45,00 44,73 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

419


ARROZ - Longo Fino em Casca - PREÇOS (R$/Sc 60 kg)* Miranda - MS ANO

JAN

FEV

2007

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

25,45 25,61 27,24 27,48 27,00 27,00 27,26 28,00 29,00 27,12

2008 28,52 28,00 28,00 28,00 35,22 39,00 39,00 39,00 39,00 39,00 39,00 40,80 35,21 2009 41,00 41,00 38,67 34,86 34,53 34,11 33,72 34,00 33,32 33,00 32,75 32,00 35,25 2010 32,50 35,00 34,42 33,50 33,00 33,00 33,00 33,00 33,21 34,00 34,00 34,00 33,55 2011 31,50 30,50 28,00 27,00 25,75 24,00 23,00 23,40 25,50 25,50 27,10 28,38 26,64 2012 30,00 30,00 31,75 31,75 33,80 36,25 38,00 40,80 47,00 50,80 49,50 45,00 38,72 2013 40,80 41,50 42,00 43,00 44,20 46,13 47,00 48,25 47,50 46,80 46,00 43,00 44,68 2014 42,80 42,75 43,25 43,00 44,00 44,50 45,00 45,00 44,50 45,00 48,75 45,00 44,46 Fonte: CONAB * Valores Nominais

420

www.senarms.org.br


Exportações O volume exportado de arroz de MS cresceu nos últimos cinco anos 40%, saindo de 7,6 mil toneladas em 2010 para 10,7 mil toneladas em 2014. Em termos de receita, esta cresceu 17% também nos últimos cinco anos e chegou a US$ 5,8 milhões. Todo o volume exportado pelo Estado tem como destino a vizinha Bolívia.

www.famasul.com.br

421


Exportações de Arroz de MS ANO

Receita (em US$)

Volume (em Kg)

2005

206.822

1.097.290

2006

75.107

406.084

2007

14.485

24.039

2008

130.427

202.863

2009

5.740.926

10.104.042

2010

5.000.858

7.662.582

2011

4.499.725

7.847.491

2012

1.940.853

3.143.600

2013

5.296.236

8.884.170

2014

5.833.529

10.715.464 Fonte: Agrostat/MAPA

422

www.senarms.org.br


Evolução das exportações de arroz de MS

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

423


Exportações de Arroz de MS RECEITA Em US$

MÊS 2013

2014

Var (%) US$

VOLUME Em Kg 2013

2014

Var (%) Kg

Jan

95.246

731.418

667,93

123.750

1.269.670

926,00

Fev

43.940

1.264.034

2776,73

57.450

2.287.751

3882,16

Mar

62.554

1.638.794

2519,81

82.680

2.906.635

3415,52

Abr

85.426

572.842

570,57

126.300

947.700

650,36

Mai

375.769

255.955

-31,89

599.700

421.500

-29,71

Jun

120.910

146.881

21,48

188.820

286.200

51,57

Jul

173.428

309.448

78,43

282.600

633.344

124,11

Ago

871.019

275.771

-68,34

1.462.200

628.900

-56,99

Set

1.436.421

299.436

-79,15

2.445.770

630.160

-74,23

Out

556.064

161.026

-71,04

934.840

335.120

-64,15

Nov

842.532

105.587

-87,47

1.472.160

206.484

-85,97

Dez

632.927

72.337

-88,57

1.107.900

162.000

-85,38

5.296.236

5.833.529

10,14

8.884.170

10.715.464

20,61

TOTAL

Fonte: Agrostat/MAPA

424

www.senarms.org.br


Países Importadores de Arroz de MS em 2014 RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

BOLÍVIA

5.833.529

10.715.464

100,00

TOTAL

5.833.529

10.715.464

100,00

PAÍS

PART. NO TOTAL Em %

Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

425


Trigo


Produção de Trigo em MS Na safra 2014/15 a produção de trigo de Mato Grosso do Sul deve apresentar recuperação de 211,7% em relação a safra 2013/14. No ciclo 2014/15 a produção do Estado chegará a 24 mil toneladas, contra 7,7 mil toneladas na safra anterior. Mas historicamente, a produção desta cultura em MS vem caindo sistematicamente. O Estado já chegou a produzir 560 mil toneladas de trigo na década de 80. A área de trigo em MS na safra 2014/15 deve chegar a 12 mil hectares, crescimento de 41,2% em relação a safra anterior. O Estado já chegou a cultivar 428 mil hectares de trigo na safra 1987/88. Já a produtividade deverá ser recorde na safra 2014/15. Segundo estimativa da Conab, espera-se produzir 2.000 quilos por hectare, crescimento de 122,2% em relação a safra 2013/14.

428

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Trigo em MS Safras 1977/78 a 2014/15 SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1977/78

35,8

759,8

27,2

1978/79

39,5

784,8

31,0

1979/80

117,5

561,7

66,0

1980/81

127,0

866,1

110,0

1981/82

91,0

747,3

68,0

1982/83

167,0

719,8

120,2

1983/84

120,0

1338,3

160,6

1984/85

143,5

779,8

111,9

1985/86

190,0

1692,1

321,5

1986/87

408,0

1098,0

448,0

1987/88

428,0

1306,1

559,0

1988/89

344,0

1443,9

496,7

1989/90

336,0

1369,0

460,0

1990/91

208,0

910,1

189,3

1991/92

115,0

1420,0

163,3

1992/93

138,5

850,0

117,7

1993/94

69,3

900,0

62,4

1994/95

67,8

971,0

65,8

1995/96

32,5

662,0

21,5

www.famasul.com.br

429


Série Histórica da Produção de Arroz em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1996/97

48,8

1030,0

50,3

1997/98

29,8

1520,0

45,3

1998/99

29,3

1640,0

48,1

1999/00

41,9

1700,0

71,2

2000/01

64,9

1160,0

75,3

2001/02

60,7

1700,0

103,2

2002/03

91,6

920,0

84,3

2003/04

111,6

1980,0

221,0

2004/05

136,0

1500,0

204,0

2005/06

95,2

1420,0

135,2

2006/07

50,5

1230,0

62,1

2007/08

31,7

1260,5

40,0

2008/09

46,2

1462,0

67,5

2009/10

42,4

1713,0

72,6

2010/11

38,6

1900,0

73,3

2011/12

32,0

1340,0

42,9

2012/13

15,0

1600,0

24,0

2013/14

8,5

900,0

7,7

¹2014/15

12,0

2000,0

24,0

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

430

www.senarms.org.br


Evolução da produção de trigo em MS

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

431


Produção de Trigo no Brasil Em nível de Brasil, a produção deve chegar à safra 2014/15 a 5,9 milhões de toneladas, crescimento de 6,8% em relação ao ciclo anterior. A produção brasileira de trigo está praticamente estável nos últimos seis anos. A área destinada ao cultivo de trigo está estimada em 2,7 milhões de hectares na safra 2014/15, crescimento de 23,6% em relação a safra anterior. Já a produtividade deverá cair na safra 2014/15, 13,6% de recuo, espera-se 2.162,00 quilos por hectare contra 2.502,00 do ciclo anterior.

432

www.senarms.org.br


Série Histórica da Produção de Trigo no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15

SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1977/78

3.153,3

655,2

2.066,0

1978/79

2.811,2

953,3

2.680,0

1979/80

3.897,6

734,0

2.861,0

1980/81

3.105,2

878,8

2.729,0

1981/82

2.114,1

1.048,7

2.217,0

1982/83

2.878,6

651,7

1.876,1

1983/84

1.932,1

1.134,2

2.191,4

1984/85

2.013,0

1.008,1

2.029,3

1985/86

2.614,4

1.654,0

4.324,3

1986/87

3.908,8

1.441,0

5.632,7

1987/88

3.429,6

1.786,4

6.126,8

1988/89

3.490,3

1.675,1

5.846,5

1989/90

3.306,6

1.656,8

5.478,4

1990/91

3.283,3

1.006,3

3.304,0

1991/92

2.145,9

1.434,0

3.077,8

1992/93

1.997,9

1.371,0

2.739,2

1993/94

1.641,9

1.250,0

2.051,8

1994/95

1.446,0

1.478,0

2.137,8

1995/96

1.033,8

1.474,0

1.524,3

www.famasul.com.br

433


Série Histórica da Produção de Trigo no Brasil Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA (Em mil ha)

PRODUTIVIDADE (Kg/ha)

PRODUÇÃO (Em mil t)

1996/97

1.832,9

1.745,0

3.197,5

1997/98

1.500,9

1.604,0

2.406,9

1998/99

1.373,2

1.593,1

2.187,7

1999/00

1.251,8

1.919,5

2.402,8

2000/01

1.468,1

1.130,0

1.658,4

2001/02

1.710,2

1.868,0

3.194,2

2002/03

2.051,6

1.420,0

2.913,9

2003/04

2.727,3

2.227,0

6.073,5

2004/05

2.756,3

2.121,0

5.845,9

2005/06

2.361,8

2.063,0

4.873,1

2006/07

1.757,5

1.271,0

2.233,7

2007/08

1.851,8

2.212,0

4.097,1

2008/09

2.396,2

2.456,0

5.884,0

2009/10

2.428,0

2.070,0

5.026,2

2010/11

2.149,8

2.736,0

5.881,6

2011/12

2.166,2

2.672,0

5.788,6

2012/13

1.895,4

2.311,0

4.379,5

2013/14

2.209,8

2.502,0

5.527,9

¹2014/15

2.730,4

2.162,0

5.903,9

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

434

www.senarms.org.br


Produção de Trigo no Brasil e em MS Na safra 2014/15 o MS deverá responder por apenas 0,41% da produção nacional de trigo. O Estado já chegou a responder por 9% da produção nacional na década de 1980.

www.famasul.com.br

435


Produção de Trigo no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 SAFRA

436

PRODUÇÃO MS Em mil t

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %

1977/78

27,2

2066,0

1,32

1978/79

31,0

2680,0

1,16

1979/80

66,0

2861,0

2,31

1980/81

110,0

2729,0

4,03

1981/82

68,0

2217,0

3,07

1982/83

120,2

1876,1

6,41

1983/84

160,6

2191,4

7,33

1984/85

111,9

2029,3

5,51

1985/86

321,5

4324,3

7,43

1986/87

448,0

5632,7

7,95

1987/88

559,0

6126,8

9,12

1988/89

496,7

5846,5

8,50

1989/90

460,0

5478,4

8,40

1990/91

189,3

3304,0

5,73

1991/92

163,3

3077,8

5,31

1992/93

117,7

2739,2

4,30

1993/94

62,4

2051,8

3,04

1994/95

65,8

2137,8

3,08

1995/96

21,5

1524,3

1,41

www.senarms.org.br


Produção de Trigo no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

PRODUÇÃO MS Em mil t

PRODUÇÃO BRASIL Em mil t

PARTICIPAÇÃO MS Em %

1996/97

50,3

3197,5

1,57

1997/98

45,3

2406,9

1,88

1998/99

48,1

2187,7

2,20

1999/00

71,2

2402,8

2,96

2000/01

75,3

1658,4

4,54

2001/02

103,2

3194,2

3,23

2002/03

84,3

2913,9

2,89

2003/04

221,0

6073,5

3,64

2004/05

204,0

5845,9

3,49

2005/06

135,2

4873,1

2,77

2006/07

62,1

2233,7

2,78

2007/08

40,0

4097,1

0,98

2008/09

67,5

5884,0

1,15

2009/10

72,6

5.026,2

1,44

2010/11

73,3

5.881,6

1,25

2011/12

42,9

5.788,6

0,74

2012/13

24,0

4.379,5

0,55

2013/14

7,7

5.527,9

0,14

¹2014/15

24,0

5.903,9

0,41

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

www.famasul.com.br

437


Evolução da Área Plantada de Trigo no Brasil e em MS A participação de Mato Grosso do Sul na área nacional de trigo não deverá ultrapassar 0,44% na safra 2014/15, segundo estimativa da Conab. A participação de MS vem reduzindo constantemente desde o início dos anos 1990. O Estado já chegou a participar com mais de 12% na área nacional na safra de 1987/88.

438

www.senarms.org.br


Evolução da Área Plantada de Trigo no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1977/78

35,8

3153,3

1,14

1978/79

39,5

2811,2

1,41

1979/80

117,5

3897,6

3,01

1980/81

127,0

3105,2

4,09

1981/82

91,0

2114,1

4,30

1982/83

167,0

2878,6

5,80

1983/84

120,0

1932,1

6,21

1984/85

143,5

2013,0

7,13

1985/86

190,0

2614,4

7,27

1986/87

408,0

3908,8

10,44

1987/88

428,0

3429,6

12,48

1988/89

344,0

3490,3

9,86

1989/90

336,0

3306,6

10,16

1990/91

208,0

3283,3

6,34

1991/92

115,0

2145,9

5,36

1992/93

138,5

1997,9

6,93

1993/94

69,3

1641,9

4,22

1994/95

67,8

1446,0

4,69

1995/96

32,5

1033,8

3,14

www.famasul.com.br

439


Evolução da Área Plantada de Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

ÁREA MS Em mil ha

ÁREA BRASIL Em mil ha

PART. DE MS Em %

1996/97

48,8

1832,9

2,66

1997/98

29,8

1500,9

1,99

1998/99

29,3

1373,2

2,13

1999/00

41,9

1251,8

3,35

2000/01

64,9

1468,1

4,42

2001/02

60,7

1710,2

3,55

2002/03

91,6

2051,6

4,46

2003/04

111,6

2727,3

4,09

2004/05

136,0

2756,3

4,93

2005/06

95,2

2361,8

4,03

2006/07

50,5

1757,5

2,87

2007/08

31,7

1851,8

1,71

2008/09

46,2

2396,2

1,93

2009/10

42,4

2428,0

1,75

2010/11

38,6

2.149,8

1,80

2011/12

32,0

2.166,2

1,48

2012/13

15,0

1.895,4

0,79

2013/14

8,5

2.209,8

0,38

¹2014/15

12,0

2.730,4

0,44

Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

440

www.senarms.org.br


Produtividade da Cultura de Trigo no Brasil e em MS A produtividade em MS mostrou-se significativamente inferior a média nacional. Na safra 2014/15, a produtividade do Estado deverá ser 7,4% inferior a produtividade média nacional.

Produtividade da Cultura de Trigo no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1977/78

759,8

655,2

15,96

1978/79

784,8

953,3

-17,68

1979/80

561,7

734,0

-23,47

1980/81

866,1

878,8

-1,45

1981/82

747,3

1048,7

-28,74

1982/83

719,8

651,7

10,45

1983/84

1338,3

1134,2

18,00

1984/85

779,8

1008,1

-22,65

1985/86

1692,1

1654,0

2,30

1986/87

1098,0

1441,0

-23,80

1987/88

1306,1

1786,4

-26,89

1988/89

1443,9

1675,1

-13,80

1989/90

1369,0

1656,8

-17,37

1990/91

910,1

1006,3

-9,56

1991/92

1420,0

1434,0

-0,98

www.famasul.com.br

441


Produtividade da Cultura do Arroz no Brasil e em MS Safras 1977/78 a 2014/15 - continuação SAFRA

PRODUTIVIDADE MS Em Kg/ha

PRODUTIVIDADE BRASIL Em Kg/ha

RELAÇÃO MS/BRASIL Em %

1992/93

850,0

1371,0

-38,00

1993/94

900,0

1250,0

-28,00

1994/95

971,0

1478,0

-34,30

1995/96

662,0

1474,0

-55,09

1996/97

1030,0

1745,0

-40,97

1997/98

1520,0

1604,0

-5,24

1998/99

1640,0

1593,1

2,94

1999/00

1700,0

1919,5

-11,44

2000/01

1160,0

1130,0

2,65

2001/02

1700,0

1868,0

-8,99

2002/03

920,0

1420,0

-35,21

2003/04

1980,0

2227,0

-11,09

2004/05

1500,0

2121,0

-29,28

2005/06

1420,0

2063,0

-31,17

2006/07

1230,0

1271,0

-3,23

2007/08

1260,5

2212,0

-43,02

2008/09

1462,0

2456,0

-40,47

2009/10

1713,0

2070,0

-17,25

2010/11

1900,0

2.736,0

-30,56

2011/12

1340,0

2.672,0

-49,85

2012/13

1600,0

2.311,0

-30,77

2013/14

900,0

2.502,0

-64,03

¹2014/15

2000,0

2.162,0

-7,49 Fonte: Conab ¹Previsão - Estimativa em março/2015

442

www.senarms.org.br


Evolução da produtividade do trigo em MS e no Brasil

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

443


Custo de Produção O levantamento do custo de produção do trigo produzido em Mato Grosso do Sul, elaborado pela Embrapa Agropecuária Oeste, teve sua série interrompida em 2012 em função da irrelevância da cultura para o Estado. Até então, o custo de produção por hectare apresentava estabilidade em torno de R$ 1.000,00 por hectare, mas no comparativo de dez anos houve crescimento nominal de 103%. O principal componente do custo de produção da cultura do trigo é a manutenção do fertilizante, 26,5% do total.

444

www.senarms.org.br


Evolução histórica do custo de produção da cultura do trigo, no período de 1995 a 2012

Safra

Custo total (R$ ha)

1995

238,98

1996

330,90

1997

358,44

1998

302,56

1999

465,24

2000

475,92

2001

481,87

2002

503,53

2003

674,44

2004

803,56

2005

730,19

2006

819,03

2007

799,52

2008

1.056,51

2009

1.066,97

2010

861,59

2011

1.066,39

2012

1.023,54 Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

www.famasul.com.br

445


ESTIMATIVA DO CUSTO DE PRODUÇÃO DA CULTURA DO TRIGO, POR HECTARE, EM 2012, EM MATO GROSSO DO SUL. Componentes do custo 1. Insumos Sementes de trigo Fertilizante manutenção Inseticida tratamento de sementes Fungicida tratamento de sementes Herbicidas Inseticidas Fungicidas 2. Operações agrícolas Semeadura Aplicação de defensivos Colheita mecânica 3. Outros custos Administração Assistência técnica 4. Depreciações Depreciação do capital 5. Remuneração dos fatores Custo de oportunidade da terra Custo de oportunidade do capital Custo de oportunidade do custeio Custo total

Valor (R$/ha)

Valor (R$/sc)

519,41 120,00 271,25 23,55 7,03 13,35 20,10 64,13 119,17 36,50 14,02 68,65 23,00 12,78 10,22 103,85 103,85 258,11 170,83 70,74 16,54 1.023,54

17,32 4,00 9,04 0,79 0,23 0,45 0,67 2,14 3,97 1,22 0,47 2,29 0,77 0,43 0,34 3,46 3,46 8,60 5,69 2,36 0,55 34,12

Participação (%) 50,8 11,7 26,5 2,3 0,7 1,3 2,0 6,3 11,7 3,6 1,4 6,7 2,2 1,2 1,0 10,1 10,1 25,2 16,7 6,9 1,6 100,0

Fonte: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE

446

www.senarms.org.br


Cotações O preço médio pago pela tonelada do trigo em MS cresceu em termos nominais entre 2008 e 2014, segundo dados da Conab, mais de 23%. Em 2008, a tonelada do trigo em MS estava cotada em R$555,20 e alcançou, em 2014, R$686,63. Os preços recordes foram observados em 2013 e no primeiro semestre de 2014, quando o preço médio da tonelada chegou a R$ 773,41. Analisando a série e descontando os efeitos inflacionários, observa-se uma desvalorização no preço médio da tonelada entre 2008 e 2014 na ordem de 10,7%.

www.famasul.com.br

447


Preço do Trigo em MS (R$/tonelada)*

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL * valores nominais

Preço do Trigo em MS (R$/tonelada)*

Fonte: CONAB; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *valores corrigidos pelo IGP-DI (base=dez/2007).

448

www.senarms.org.br


TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* Preço Médio para Mato Grosso do Sul ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 304,79 309,58 312,83 301,04 296,17 305,36 308,93 315,14 324,67 346,25 377,68 402,05 325,37 2007 415,22 417,16 402,12 421,21 431,03 430,37 434,22 462,51 483,86 530,81 552,37 561,48 461,86 2008 568,01 567,05 585,43 626,70 608,77 602,24 597,91 578,14 517,29 485,20 468,96 456,67 555,20 2009 436,54 441,68 435,61 452,34 445,68 443,50 456,27 437,79 428,68 416,68 400,41 397,75 432,74 2010 400,26 404,54 381,99 369,96 373,28 383,57 382,36 383,89 379,77 385,22 394,48 395,95 386,27 2011 397,73 399,61 414,94 440,89 460,07 478,17 485,45 483,54 484,25 461,63 458,14 455,18 451,63 2012 452,14 448,71 450,18 443,21 445,00 459,64 466,79 547,21 583,75 596,00 606,56 619,67 509,91 2013 633,20 637,92 659,00 677,50 680,83 682,13 745,27 763,54 836,17 858,47 841,00 796,12 734,26 2014 739,75 703,88 759,45 826,70 860,75 817,50 703,75 652,50 582,50 529,63 549,38 513,75 686,63 Fonte: CONAB * Valores Nominais

TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* Campo Grande - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

2006 321,25 325,00 325,00 300,00 300,00 300,00 310,00 300,00 316,00 2007

-

-

-

-

-

OUT

NOV -

DEZ -

MÉDIA - 310,81

- 430,00 445,22 450,00 508,91 541,82 550,00 487,66

2008 565,22 575,00 596,25 659,00 660,00 660,00 656,00 645,00 597,50 570,00 555,00 500,00 603,25 2009 475,00 450,00 450,00 450,00 445,00 450,00 450,00 450,00 450,00 440,53 420,00 408,00 444,88 2010 400,00 400,00 380,00 380,00 380,00 380,00 371,50 370,25 355,00 355,00 362,50 365,00 374,94 2011 365,00 368,00 368,00 368,25 452,00 480,00 480,00 480,00 480,00 460,00 450,00 450,00 433,44 2012 446,25 445,00 445,00 445,00 457,00 466,25 477,50 559,20 577,50 575,00 575,00 612,50 506,77 2013 650,00 650,00 650,00 650,00 670,00 661,25 805,00 791,25 827,50 850,00 842,50 837,50 740,42 2014 763,00 752,50 782,50 800,00 963,00 1000,00 711,25 596,00 550,00 508,50 537,50 545,00 709,10 Fonte: CONAB * Valores Nominais

www.famasul.com.br

449


TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* Chapadão do Sul - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 315,00 315,00 340,00 317,50 294,00 300,00 300,00 300,00 346,67 380,00 372,59 379,27 330,00 2007 405,39 428,22 430,83 434,03 434,61 442,00 453,38 477,37 520,25 544,59 549,55 550,00 472,52 2008 564,35 576,03 629,75 641,72 606,13 596,44 597,76 548,75 476,50 458,20 428,50 424,33 545,71 2009 413,50 428,00 418,00 439,80 429,75 442,75 448,28 405,25 399,03 394,74 376,59 369,26 413,75 2010 374,54 388,77 328,10 300,44 317,95 370,00 355,00 355,00 372,60 394,17 408,34 410,67 364,63 2011 422,09 430,00 454,00 485,00 487,50 485,00 485,00 486,00 485,00 463,75 459,00 452,50 466,24 2012 450,00 450,00 447,50 450,00 450,00 452,50 460,00 566,25

-

-

- 600,00 480,69

2013 600,00 600,00 600,00 600,00 600,00 600,00 600,00 675,00 830,00 832,00 840,00 810,00 682,25 2014 717,50

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

- 717,50 Fonte: CONAB * Valores Nominais

TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* Dourados - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 292,50 322,50 336,00 330,00 334,00 335,00 310,00 350,00 355,00 435,00 450,00 450,00 358,33 2007 478,00 478,75 474,50 477,00 468,78 454,29 451,36 507,39 534,25 597,83 600,00 600,00 510,18 2008 600,00 572,22 587,50 696,00 645,00 650,00 650,00 602,00 495,00 464,00 490,00 483,33 577,92 2009 430,00 470,00 442,50 485,00 465,00 438,00 487,60 448,75 420,00 419,47 400,00 400,00 442,19 2010 410,00 400,00 368,00 345,00 357,50 380,00 366,25 377,50 396,00 425,00 425,00 425,00 389,60 2011 435,00 435,00 485,60 495,00 496,25 500,00 498,13 486,80 484,75 460,00 454,00 450,00 473,38 2012 451,25 449,00 458,75 445,00 445,00 476,25 502,50 567,00 592,50 600,00 615,00 650,00 521,02 2013 638,00 650,00 725,00 750,00 750,00 750,00 750,00 750,00 865,00 888,00 850,00 775,00 761,75 2014 736,00 650,00 740,00 850,00 830,00 725,00 687,50 700,00 610,00 548,00 580,00 490,00 678,88 Fonte: CONAB * Valores Nominais

450

www.senarms.org.br


TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* Maracaju - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 287,50 297,50 283,00 282,50 280,00 320,00 320,00 330,00 330,00 330,00 338,00 330,00 310,71 2007 347,32 330,00 328,75 395,50 399,65 400,00 400,00 433,70 450,00 508,91 560,00 575,00 427,40 2008 575,00 575,00 581,25 625,00 621,25 620,00 620,00 615,00 540,00 498,00 451,25 450,00 564,31 2009 450,00 460,00 460,00 469,40 480,00 480,00 480,00 481,25 475,00 475,00 485,00 485,00 473,39 2010 486,25 482,94 480,00 480,00 470,00 458,00 465,00 462,00 438,40 438,25 458,75 464,00 465,30 2011 450,00 445,00 430,00 435,00 450,00 479,00 490,00 492,00 500,00 462,50 462,00 472,50 464,00 2012 462,50 442,00 440,00 440,00 444,00 450,00 450,00 500,00

-

-

- 619,25 471,97

2013 657,20 657,50 655,25 650,00 650,00 666,50 797,20 820,00 812,00 842,80 833,88 812,07 737,87 2014 782,00 750,50 797,80 816,80 820,00 820,00 728,75 614,00 560,00 520,00 500,00 530,00 686,65 Fonte: CONAB * Valores Nominais

TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* Rio Brilhante - MS ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

2006 315,00 315,00 306,00 305,00 304,00 302,50 300,00 304,00 300,00 312,50 400,00 2007 400,00 400,00

-

DEZ

MÉDIA - 314,91

- 450,00 450,00 450,00 450,00 450,00 494,78 533,86 550,00 462,86

2008 557,61 560,00 573,75 600,00 600,00 600,00 600,00 600,00 557,50 530,00 530,00 500,00 567,41 2009 475,00 450,00 450,00 450,00 447,50 450,00 450,00 450,00 441,38 432,11 400,00 400,00 441,33 2010 400,00 400,00 396,00 380,00 380,00 380,00 380,00 380,00 371,00 360,00 360,00 360,00 378,92 2011 360,00 363,75 371,00 455,00 488,75 488,00 480,00 480,00 480,00 458,89 452,00 442,50 443,32 2012 440,00 440,00 445,00 440,00 440,00 462,50 475,00 566,00 583,75 595,00 606,25 606,25 508,31 2013 624,00 640,00 685,00 750,00 750,00 750,00 750,00 750,00 865,00 888,00 850,00 775,00 756,42 2014 730,00 662,50 717,50 840,00 830,00 725,00 687,50 700,00 610,00 542,00 580,00 490,00 676,21 Fonte: CONAB * Valores Nominais

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

451


TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* Sidrolândia - MS

ANO

JAN

2006

FEV -

MAR -

ABR -

MAI -

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

- 280,00 302,50 310,00 310,00 310,00 371,50 469,00 336,14

2007 474,00 480,00 440,00 399,50 400,00 400,00 400,00 429,57 450,00 494,57 511,36 530,36 450,78 2008 530,00 520,28 500,00 511,60 494,00 480,50 480,40 496,50 490,50 428,00 420,00 420,00 480,98 2009 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 359,47 350,00 350,00 403,29 2010 358,25 383,00 383,00 383,00 383,00 383,00 377,25 378,75 350,80 362,25 366,75 367,00 373,00 2011 367,00 368,00 368,00 368,00 368,00 437,20 485,00 480,00 480,00 470,00 480,00 480,00 429,27 2012 480,00 480,00 480,00 447,50 444,00 472,50 465,00 557,00 581,25 614,00 630,00 630,00 523,44 2013 630,00 630,00 638,75 665,00 665,00 665,00 769,40 795,00 817,50 850,00 829,63 767,15 726,87 2014 710,00

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

- 710,00 Fonte: CONAB * Valores Nominais

TRIGO - PREÇOS (R$/Tonelada)* São Gabriel do Oeste - MS

ANO

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

MÉDIA

2006 297,50 282,50 287,00 271,25 265,00 300,00 320,00 312,00 315,00 310,00 334,00 382,00 306,35 2007 386,60 386,00 336,50 400,00 433,13 435,95 454,77 494,35 532,50 566,09 570,00 575,00 464,24 2008 583,91 590,83 629,50 653,60 635,00 608,75 581,20 539,75 464,00 448,20 408,00 419,00 546,81 2009 392,25 413,75 408,75 452,20 432,50 423,75 458,00 409,25 395,35 395,42 371,25 372,00 410,37 2010 372,75 377,06 338,80 321,25 324,50 334,00 361,50 363,75 374,60 361,85 380,00 380,00 357,51 2011 385,00 387,50 428,00 480,00 478,00 478,00 480,00 480,00 480,00 456,25 450,00 438,75 451,79 2012 435,00 435,00 435,00 435,00 435,00 437,50 437,50 515,00

-

-

-

- 445,63

2013

-

-

-

-

-

2014

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Fonte: CONAB * Valores Nominais

452

www.senarms.org.br


Importações O volume importado de trigo por Mato Grosso do Sul foi de 39,8 mil toneladas em 2014, queda de 55,2% em relação ao volume importado em 2013. Em termos de receita, esta caiu 63,4%, ficando em US$ 10,7 milhões em 2014. O único fornecedor do trigo importado por MS em 2014 foi o Paraguai, segundo levantamento do Ministério da Agricultura.

www.famasul.com.br

453


Importações de Trigo de MS Ano

Receita (em US$)

Volume (em Kg)

1997

3.200.554

18.900.000

1998

4.502.210

37.592.596

1999

7.026.689

58.947.060

2000

0

0

2001

1.372.000

10.400.000

2002

426.329

3.016.740

2003

1.613.419

11.925.000

2004

1.155.426

7.941.000

2005

2.024.660

13.052.850

2006

3.130.500

21.000.000

2007

9.876.070

46.200.000

2008

13.967.434

49.888.570

2009

11.045.214

54.820.320

2010

9.987.577

47.199.320

2011

11.553.875

42.140.200

2012

19.208.281

77.421.150

2013

29.358.395

89.079.398

2014

10.727.191

39.837.450 Fonte: Agrostat/MAPA

454

www.senarms.org.br


Países Fornecedores de Trigo para MS em 2014 RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PARAGUAI

10.727.191

39.837.450

100,00

TOTAL

10.727.191

39.837.450

100,00

PAÍS

PART. NO TOTAL Em %

Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

455


Silvicultura


Área Plantada A expectativa de crescimento da área total de florestas plantadas em Mato Grosso do Sul, que inclui o cultivo de Eucalyptus, Pinus e Seringueira, deve chegar a 718 mil hectares em 2013, crescimento de 44,4% em relação a 2011. Apenas a área de Pinus deve registrar queda, 29,2% também em relação a 2011. A área de Seringueira deve decrescer 77% entre 2011 e 2013, alcançando uma área de 20 mil hectares. Já a área destinada ao cultivo de Eucalyptus deve ser de 690 mil hectares em 2013, crescimento de 45,4% em relação a 2011.

458

www.senarms.org.br


Área de florestas plantadas em MS (em mil ha)

Fonte: REFLORE/MS, ABRAF, IBGE, CAUTEX; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL *em apuração **projeção

Dentre os tipos de floresta, a de Eucalyptus é que possui a maior área, 96,1% do total em 2013. Em seguida, a de Seringueira que apesar de crescer 77% entre 2011 e 2013 ocupa apenas 2,8%. O Pinus foi o tipo de floresta que mais perdeu em participação no total. Em 2006, florestas de Pinus detinham 18,6% da área total de floresta no Estado, em 2013 essa participação deve cair segundo projeção da Reflore/MS para 1,1% do total.

www.famasul.com.br

459


Distribuição das áreas de Eucalyptus em MS

MT

GO

MG

SP

Limite do Município Eucalipto

PR

Seringueira Pinus

Uso e Ocupação do Solo

Eucalipto Seringueira Pinus

764.350 6.500 3.100

2,1% 0,0% 0,0%

Fonte: FAMASUL / APROSOJA. Projeto Siga MS.

460

www.senarms.org.br


Silvicultura – Principais espécies plantadas em 2006 (em %)

Fonte: REFLORE/MS, ABRAF, IBGE, CAUTEX; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

Silvicultura – Principais espécies plantadas em 2006 (em %)

Fonte: REFLORE/MS, ABRAF, IBGE, CAUTEX; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

461


A área plantada de Eucalyptus em Mato Grosso do Sul alcançou em 2012, segundo dados da Abraf, 587,3 mil hectares ou 11,51% da área nacional. O Estado vem aumentando sua importância na produção de Eucalyptus. Em 2006 a participação na área nacional era de apenas 3,2% ou 120 mil hectares. O país atingiu em 2012 uma área de 5,1 milhões de hectares destinados à produção de Eucaluptus, área recorde.

Evolução da Área Plantada de Eucalyptus no MS e no Brasil (ha) ANO

MS

BRASIL

PART. DE MS Em %

2006

120.000

3.746.000

3,20

2007

207.000

3.970.000

5,21

2008

265.000

4.325.000

6,13

2009

291.000

4.516.000

6,44

2010

378.000

4.754.000

7,95

2011

474.500

4.873.952

9,74

2012

587.310

5.102.030

11,51 Fonte: ABRAF, REFLORE/MS.

No ranking nacional de 2012, Mato Grosso do Sul foi o 4º Estado com a maior área plantada de Eucalyptus do país, ficando atrás apenas dos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Bahia.

462

www.senarms.org.br


Plantios de Eucalyptus no Brasil em 2012(ha) Ranking

Estados

Área Plantada (ha)

Minas Gerais

1.438.971

São Paulo

1.041.695

Bahia

605.464

Mato Grosso do Sul

587.310

Rio Grande do Sul

284.701

Espirito Santo

203.349

Paraná

197.835

Maranhão

173.324

Pará

159.657

10º

Tocantins

109.000

11º

Santa Catarina

106.588

12º

Mato Grosso

59.980

13º

Amapá

49.506

14º

Goiás

38.081

15º

Piauí

27.730

Outros

18.838

Total

5.102.029 Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

463


O cultivo de Pinus vem decrescendo a cada ano, a área plantada que em 2006 era de 28,5 mil hectares, em 2012 foi de apenas 9,8 mil hectares, recuo de quase 65,5%.

Evolução da Área Plantada de Pinus no MS e no Brasil (ha) ANO

MS

BRASIL

PART. DE MS Em %

2006

28.500

1.886.286

1,51

2007

20.697

1.874.656

1,10

2008

18.800

1.832.320

1,03

2009

16.870

1.794.720

0,94

2010

13.847

1.756.359

0,79

2011

11.871

1.641.892

0,72

2012

9.825

1.562.782

0,63 Fonte: ABRAF

464

www.senarms.org.br


Plantios de Pinus no Brasil 2012 (ha) Ranking

Estados

Área Plantada (ha)

Paraná

619.731

Santa Catarina

539.377

Rio Grande do Sul

164.832

São Paulo

144.802

Minas Gerais

52.710

Goiás

16.432

Bahia

11.230

Mato Grosso do Sul

9.825

Espirito Santo

2.546

10º

Tocantins

853

11º

Amapá

445

12º

Pará

-

13º

Maranhão

-

14º

Mato Grosso

-

15º

Piauí

-

Outros

-

Total

1.562.783 Fonte: Agrostat/MAPA Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

465


Área Consolidada de Plantios de Eucalyptus e Pinus no MS e no Brasil (ha) ANO

MS

BRASIL

PART. DE MS Em %

2006

147.819

5.632.080

2,62

2007

228.384

5.844.367

3,91

2008

284.050

6.157.750

4,61

2009

307.760

6.310.450

4,88

2010

392.042

6.510.693

6,02

2011

487.399

6.515.844

7,48

2012

597.135

6.664.812

8,96 Fonte: ABRAF

O Estado vem ganhando importância relativa com a Seringueira. Em 2011, segundo dados do IBGE e da Cautex, a área destinada a heveicultura atingiu 11,3 mil hectares, crescimento de 66% em relação a 2010. Em nível de Brasil a área destinada ao cultivo da seringueira cresceu 4,8% e atingiu 173 mil hectares. A participação nacional do Mato Grosso do Sul em área de seringueira vem crescendo ao longo dos últimos anos, chegou a 6,53% do total em 2011. Em 2006, a participação do Estado era de apenas 0,76% ou 826 hectares.

466

www.senarms.org.br


Evolução da Área Plantada de Seringueira de MS e do Brasil ANO

MS Em há

BRASIL Em há

PART. DE MS Em %

2006

826

108.820

0,76

2007

842

118.149

0,71

2008

2.400

149.104

1,61

2009

4.400

154.509

2,85

2010

6.800

165.000

4,12

2011

11.300

173.000

6,53 Fonte: IBGE

Nota: Os dados de área plantada para os anos de 2010 e 2011 são estimativas da Cautex Florestal

www.famasul.com.br

467


Em nível de Brasil, as áreas destinadas ao plantio de Seringueira estão concentradas basicamente nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Bahia.

Distribuição da Área Plantada de Seringueira no Brasil em 2009 (ha) Ranking

Estados

Área Plantada (ha)

São Paulo

51.093

Mato Grosso

46.149

Bahia

31.786

Espírito Santo

7.212

Amazonas

4.162

Minas Gerais

3.023

Goiás

2.768

Pará

2.132

Maranhão

2.091

10º

Acre

1.146

11º

Mato Grosso do Sul

865

12º

Tocantins

750

13º

Paraná

667

14º

Pernambuco

343

15º

Rondônia

274

16º

Rio de Janeiro Total

48 154.509 Fonte: IBGE

468

www.senarms.org.br


Produção Madeira A produção de madeira em tora de Mato Grosso do Sul chegou a 8,8 milhões de metros cúbicos em 2013, crescimento de 55,5% em relação a 2013. No mesmo período, em nível de Brasil, houve recuo de 0,8%. O país produziu em 2013, 130,7 milhões de metros cúbicos de madeira em tora. A participação de Mato Grosso do Sul na produção nacional de madeira em tora vem crescendo. Em 2013 deve atingir 6,7% do total produzido pelo país.

www.famasul.com.br

469


Evolução da Produção de Madeira em Tora de MS e do Brasil ANO

470

PRODUÇÃO MS Em m³

PRODUÇÃO BRASIL Em m³

PART. DE MS Em %

1990

450.432

47.024.280

0,96

1991

578.266

49.705.344

1,16

1992

602.364

52.218.219

1,15

1993

467.602

57.269.320

0,82

1994

458.763

69.373.297

0,66

1995

119.454

68.186.370

0,18

1996

219.698

83.017.380

0,26

1997

115.470

57.023.156

0,20

1998

254.550

72.582.191

0,35

1999

455.850

64.563.038

0,71

2000

535.976

71.717.511

0,75

2001

1.309.956

69.758.138

1,88

2002

1.386.563

75.065.442

1,85

2003

2.221.857

99.697.483

2,23

2004

2.147.046

87.515.161

2,45

2005

2.046.983

100.614.643

2,03

2006

1.194.023

100.766.899

1,18

2007

1.042.639

105.131.741

0,99

2008

1.947.991

101.261.900

1,92

2009

3.776.095

106.911.408

3,53

2010

5.219.802

115.741.531

4,51

www.senarms.org.br


Evolução da Produção de Madeira em Tora de MS e do Brasil continuação ANO

PRODUÇÃO MS Em m³

PRODUÇÃO BRASIL Em m³

PART. DE MS Em %

2011

5.818.708

125.852.809

4,62

2012

5.657.708

131.878.975

4,29

2013

8.800.101

130.799.856

6,73

Fonte: IBGE - Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura

Evolução da Produção de Madeira em MS (em m³)

Fonte: IBGE; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

471


Produção de Madeira em Tora em MS - por finalidade de uso

ANO

472

MADEIRA PARA PAPEL E CELULOSE Em m³

MADEIRA PARA OUTRAS FINALIDADES Em m³

TOTAL Em m³

1990

346.634

103.798

450.432

1991

489.706

88.560

578.266

1992

431.450

170.914

602.364

1993

376.322

91.280

467.602

1994

347.533

111.230

458.763

1995

0

119.454

119.454

1996

0

219.698

219.698

1997

0

115.470

115.470

1998

0

254.550

254.550

1999

0

455.850

455.850

2000

0

535.976

535.976

2001

375.107

934.849

1.309.956

www.senarms.org.br


Produção de Madeira em Tora em MS - por finalidade de uso continuação ANO

MADEIRA PARA PAPEL E CELULOSE Em m³

MADEIRA PARA OUTRAS FINALIDADES Em m³

TOTAL Em m³

2002

560.000

826.563

1.386.563

2003

1.300.000

921.857

2.221.857

2004

1.117.000

1.030.046

2.147.046

2005

933.612

1.113.371

2.046.983

2006

181.685

1.012.338

1.194.023

2007

57.232

985.407

1.042.639

2008

955.167

992.824

1.947.991

2009

2.893.849

882.246

3.776.095

2010

4.287.630

932.172

5.219.802

2011

5.116.058

702.650

5.818.708

2012

4.965.044

692.664

5.657.708

2013

8.033.052

767.049

8.800.101

Fonte: IBGE - Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura

www.famasul.com.br

473


Carvão Vegetal Para a produção de carvão vegetal a matéria-prima é oriunda da silvicultura (florestas plantadas) e da extração vegetal (florestas nativas). Em Mato Grosso do Sul a produção de carvão vegetal é em sua maioria proveniente de floretas nativas, 56% do total em 2013, este percentual chegou a ser de 84% há cinco anos. A produção de carvão oriunda da silvicultura cresceu entre 2010 e 2013 mais de 200% e alcançou em 2013 162,5 mil toneladas, no mesmo período, a produção de carvão proveniente de florestas nativas caiu 27,9%, ficando em 206,3 mil toneladas em 2013. A produção total de carvão vegetal cresceu 8,5% entre 2010 e 2013 segundo dados do IBGE e ficaram em 368,8 mil toneladas em 2013.

474

www.senarms.org.br


Evolução da Produção de Carvão Vegetal de MS ANO

Silvicultura Em toneladas

Extração Vegetal Em toneladas

TOTAL Em toneladas

1990

141.117

257.251

398.368

1991

244.581

206.834

451.415

1992

287.385

207.525

494.910

1993

318.227

210.749

528.976

1994

190.122

155.496

345.618

1995

267.372

209.839

477.211

1996

227.697

165.347

393.044

1997

348.904

112.422

461.326

1998

254.877

61.328

316.205

1999

168.796

75.760

244.556

2000

116.942

111.071

228.013

2001

118.757

129.056

247.813

2002

157.974

154.604

312.578

2003

172.192

213.302

385.494

2004

61.295

516.798

578.093

2005

111.162

558.688

669.850

2006

72.688

602.158

674.846

2007

68.176

428.874

497.050

2008

65.550

416.712

482.262

2009

55.332

290.901

346.233

2010

54.000

286.023

340.023

www.famasul.com.br

475


Evolução da Produção de Carvão Vegetal de MS continuação ANO

Silvicultura Em toneladas

Extração Vegetal Em toneladas

TOTAL Em toneladas

2011

64.761

359.314

424.075

2012

91.761

259.616

351.377

2013

162.500

206.312

368.812

Fonte: IBGE - Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura

Evolução da Produção de Carvão Vegetal de MS (em toneladas)

Fonte: IBGE; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

476

www.senarms.org.br


Lenha A produção sul-mato-grossense de lenha que apresentava tendência de retração até 2010 esboçou reação a partir de 2011, tanto a produção proveniente da silvicultura quanto a produção oriunda da extração vegetal. A produção de lenha proveniente da silvicultura cresceu 105,6% entre 2010 e 2013, chegando a 453,4 mil m³. Já a produção de lenha oriunda da extração vegetal cresceu 63% também entre 2010 e 2013 e ficou em 260,9 mil m³. A produção total de lenha do MS aumentou 87% em cinco anos e chegou a 714,3 mil m³ em 2013. Aproximadamente 63% dessa produção são provenientes de florestas plantadas, este percentual também passa a crescer a partir de 2010.

www.famasul.com.br

477


Evolução da Produção de Lenha de MS

478

ANO

Silvicultura Em m³

Extração Vegetal Em m³

TOTAL Em m³

1990

999.882

1.082.069

2.081.951

1991

1.830.193

1.144.479

2.974.672

1992

1.876.689

882.718

2.759.407

1993

1.515.453

1.419.627

2.935.080

1994

1.494.169

1.162.112

2.656.281

1995

752.158

597.633

1.349.791

1996

459.793

583.573

1.043.366

1997

291.473

298.340

589.813

1998

354.734

329.299

684.033

1999

463.804

689.472

1.153.276

2000

578.181

602.124

1.180.305

2001

809.945

602.272

1.412.217

2002

593.635

687.561

1.281.196

2003

972.160

575.769

1.547.929

2004

598.990

536.593

1.135.583

2005

424.878

383.230

808.108

2006

410.065

392.748

802.813

2007

468.143

145.975

614.118

2008

329.339

137.667

467.006

2009

336.762

153.389

490.151

2010

220.485

160.102

380.587

www.senarms.org.br


Evolução da Produção de Lenha de MS ANO

Silvicultura Em m³

Extração Vegetal Em m³

TOTAL Em m³

2011

287.756

182.282

470.038

2012

376.143

245.030

621.173

2013

453.400

260.916

714.316

Fonte: IBGE - Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura

Evolução da Produção de Lenha de MS (em m³)

Fonte: IBGE; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

www.famasul.com.br

479


Borracha Natural A produção sul-mato-grossense de borracha natural alcançou 2.178 toneladas em 2013, crescimento de 9,1% em relação a 2012. A produção de borracha natural apresentou comportamento estável na última década, sempre em torno de duas mil toneladas. Em nível de Brasil a produção de borracha natural chegou a 309,5 mil toneladas em 2013, variação positiva de 4,9% em relação ao volume produzido no ano anterior. O MS contribui com 0,7% da produçao nacional, segundo o IBGE.

480

www.senarms.org.br


Evolução da Produção de Borracha (látex coagulado) de MS e do Brasil ANO

PRODUÇÃO MS Em tonelada

PRODUÇÃO BRASIL Em tonelada

PART. DE MS Em %

1990

-

24.284

-

1991

-

32.897

-

1992

-

48.374

-

1993

-

54.126

-

1994

-

65.633

-

1995

-

78.958

-

1996

-

89.202

-

1997

304

91.042

0,33

1998

293

109.310

0,27

1999

576

121.302

0,47

2000

848

135.513

0,63

2001

845

144.093

0,59

2002

896

145.724

0,61

2003

1.068

156.318

0,68

2004

1.136

164.689

0,69

2005

1.105

172.847

0,64

2006

2.214

175.723

1,26

2007

2.272

188.828

1,20

2008

2.323

201.509

1,15

2009

2.305

211.621

1,09

2010

2.237

223.302

1,00

Fonte: SIDRA/IBGE - PPM. Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL. www.famasul.com.br

481


Evolução da Produção de Borracha (látex coagulado) de MS e do Brasil - continuação ANO

PRODUÇÃO MS Em tonelada

PRODUÇÃO BRASIL Em tonelada

PART. DE MS Em %

2011

1.993

274.163

0,73

2012

1.996

295.147

0,68

2013

2.178

309.541

0,70 Fonte: IBGE - Produção Agrícola Municipal

Evolução da Produção de Borracha Natural de MS (em toneladas)

Fonte: IBGE; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

482

www.senarms.org.br


Exportações Na composição dos principais produtos florestais exportados pelo MS, o destaque é a celulose, que respondeu por 98% do total exportado em 2014, o que equivale a 2,2 milhões de toneladas. A exportação de celulose foi a única a apresentar variação positiva em relação a 2013, 9,6%. As exportações de borracha em 2014 foram de apenas duas toneladas, queda de 83% em relação ao volume observado em 2013. O volume exportado de papel por MS também recuou em 2014, 21,6%, saindo de 43,2 mil toneladas em 2013 para 33,8 mil toneladas em 2014. Analisando agora as exportações de madeira, observa-se que a tendência de queda está mantida. O volume exportado em 2014 foi de 7,4 mil toneladas, queda de 7,7% em relação a 2014. Quando comparado os últimos dez anos, houve retração de 89,9% do volume exportado.

www.famasul.com.br

483


Composição das Exportações dos Produtos Florestais em MS

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

484

www.senarms.org.br


Evolução das Exportações dos Produtos Florestais em MS ANO

Receita (em US$)

Volume (em Kg)

1997

869.430

1.266.817

1998

1.809.006

5.001.340

1999

9.223.232

25.474.775

2000

13.805.538

28.763.705

2001

14.324.156

32.592.265

2002

19.785.693

43.188.862

2003

28.483.952

66.335.579

2004

40.265.411

74.414.074

2005

43.388.040

84.401.231

2006

33.265.117

54.306.065

2007

31.952.183

48.201.011

2008

25.646.884

35.467.732

2009

88.763.212

238.886.781

2010

445.291.056

876.749.128

2011

464.014.944

963.135.617

2012

490.059.807

981.264.312

2013

1.082.454.738

2.143.639.954

2014

1.097.726.641

2.334.178.148 Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

485


Nos últimos cinco anos o volume das exportações de produtos florestais do Estado cresceu 142,4%, saindo de 963,1 mil toneladas em 2011 para 2,35 milhões de toneladas em 2014.

Evolução das Exportações de Produtos Florestais de MS

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

486

www.senarms.org.br


Exportações de Produtos Florestais de MS (2013 e 2014) EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS FLORESTAIS DE MS CELULOSE PAPEL MADEIRA BORRACHA NATURAL E GOMAS NATURAIS TOTAL

EM 2013 RECEITA Em US$

EM 2014

VOLUME Em Kg

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

1.040.522.673 2.092.301.581 1.064.784.647 2.292.812.923 37.028.051

43.215.355

28.730.486

33.880.338

4.862.241

8.111.213

4.203.576

7.482.882

41.773

11.805

7.932

2.005

1.082.454.738 2.143.639.954 1.097.726.641 2.334.178.148 Fonte: Agrostat/MAPA

www.famasul.com.br

487


Exportações de Produtos Florestais de MS Comparativo 2013/2014 RECEITA Em US$

MÊS 2013

2014

Var (%) US$

VOLUME Em Kg 2013

2014

Var (%) Kg

Jan

69.350.847

94.212.807

35,85

135.683.043

198.468.973

46,27

Fev

65.491.374

78.831.350

20,37

131.357.274

170.140.831

29,53

Mar

77.425.436

71.641.480

-7,47

158.102.676

144.824.461

-8,40

Abr

87.462.734

120.798.278

38,11

170.403.272

267.860.857

57,19

Mai

104.489.889

85.336.988

-18,33

202.924.777

176.936.885 -12,81

Jun

107.363.531

91.747.260

-14,55

201.080.119

202.737.475

0,82

Jul

76.341.266

93.851.236

22,94

137.726.552

191.910.682

39,34

Ago

117.521.042

106.214.739

-9,62

217.283.319

225.065.945

3,58

Set

106.590.070

79.120.906

-25,77

207.511.669

160.626.337 -22,59

Out

109.595.059

104.786.023

-4,39

228.755.848

228.019.419

Nov

74.229.896

66.429.186

-10,51

159.578.344

139.385.652 -12,65

Dez

86.593.594

104.756.388

20,97

193.233.061

228.200.631

18,10

TOTAL 1.082.454.738

1.097.726.641

1,41 2.143.639.954 2.334.178.148

8,89

-0,32

Fonte: MAPA

A China foi o principal importador dos produtos florestais de MS, absorvendo sozinha 32,6% do volume exportado em 2014. No ano, o país importou 801,6 mil toneladas que gerou receita equivalente a US$ 358,46 milhões. O segundo maior importador do Estado é a Itália que comprou 480,4 mil toneladas do setor, por US$ 221,8 milhões. No total, MS exportou produtos florestais para 81 países em 2014.

488

www.senarms.org.br


Países Importadores de Produtos Florestais de MS em 2014

PAÍS

RECEITA Em US$

VOLUME Em Kg

PART. NO TOTAL Em %

CHINA

358.467.008

801.681.210

32,66

ITALÍA

221.883.916

480.427.988

20,21

PAÍSES BAIXOS

172.830.742

374.584.000

15,74

ESTADOS UNIDOS

97.196.378

190.515.474

8,85

CORÉIA DO SUL

59.799.920

118.246.000

5,45

ESPANHA

21.983.276

50.742.143

2,00

FRANÇA

19.519.479

48.525.520

1,78

VIETNÃ

15.276.540

29.954.000

1,39

ARGENTINA

14.619.517

28.487.183

1,33

PAQUISTÃO

11.536.200

22.620.000

1,05

104.613.665

188.394.630

9,53

1.097.726.641

2.334.178.148

100,00

OUTROS 71 PAÍSES TOTAL

Fonte: MAPA

www.famasul.com.br

489


Principais Países Importadores de Produtos Florestais de MS em 2014

Fonte: Agrostat/MAPA; Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL

490

www.senarms.org.br


2013/14

ISBN 978-85-91635-35-1

9 788591 635351

Profile for famasul

Infoagro  

Para baixar o informativo acesse: <a href="www.famasul.com.br">aqui</a>

Infoagro  

Para baixar o informativo acesse: <a href="www.famasul.com.br">aqui</a>

Profile for famasul
Advertisement