Page 1

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

www.revistatudobem.com

edição 03 - propaganda

entrevista SIDÔNIO PALMEIRA o homem de marketing do governador BEM MAIS:

internet - mídia - moda


tudobem

edição três

2


3

edição três

tudobem


fale bem

quem faz

Já que o tema desta edição é propaganda, vamos fazer nosso comercial. Nossa revista recebe elogios de um monte de gente, nosso site tem centenas de visitas todo mês e nosso twitter ganha novos seguidores todos os dias. Ainda bem que a TudoBem está indo muito bem. editor responsável Marcelo Sant’Ana DRT 2466 conselho editorial Márcio Sant’Ana Jorge Novaes projeto gráfico Muito Comunicação distribuição WellPark

Obrigado a todos que acreditam em nosso jeito de ver tudo com otimismo, que anunciam em nossas páginas e que mandam textos e imagens essenciais para que a TudoBem seja uma revista de bem com a vida. É como diz o ditado: tudo bem é fazer o bem sem olhar a quem.

publicidade Aura Bahia impressão GRASB - Gráfica Santa Bárbara fale com a gente contato@revistatudobem.com twitter.com/revistatudobem 71 3311.0101

colaboradores Alex de Oliveira / Amanda Aouad / Ana Paula Sant’Ana / Ari Cabral / Augusto de Lima / Caio Farias / Caio Silveira / César Silveira / Derluzia Caires / Élcio Carriço / Fabio Lopes / Isac Stern / Rangel Santana / Reginalvo Gama

edição

03

Você encontra a TudoBem nos estacionamentos WellPark. Pegue a sua. A revista TudoBem também está na internet: www.revistatudobem.com Empresarial

Médico

Turista

Torre do Parque (Itaigara) Golden Plaza (Itaigara) Fiesta Convention (Itaigara) Redenção (Tancredo Neves) Costa Andrade (Tancredo Neves) Centro de Convenções (Stiep) Emp. Costa Azul/Elite Comercial (Stiep) TK Tower (Stiep) OAB (Nazaré) Atlantis Multiempresarial (Itaigara) Itaigara Memorial (Itaigara) Linus Pauling (Itaigara) Professor Fernando Filgueiras (Garibaldi) Odonto-Médico (Itaigara) Hospital da Bahia (Magalhães Neto) Aeroporto Pelourinho Blue Tree Tower (Rio Vermelho) Ibis/Mercure (Rio Vermelho)

Cultural Gastronômico Popular Lazer Banco

Acadêmico

Teatro Castro Alves (Bradesco Garcia) Teatro Jorge Amado (Itaú Pituba) Porto Gourmet (Contorno) Salvador Dali (Rio Vermelho) Cheiro de Pizza (Rio Vermelho e Pituba) São Joaquim São Raimundo (Barris) STS (Nazaré) Rio Vermelho (Próximo à Villa Forma) Real (Iguatemi/Pituba/ACM) Citibank (Tancredo Neves) Bradesco (Canela/Pituba/Calçada/Barão) HSBC (Mercês) Itaú (Mercês) Unifacs Stiep (Pós-Graduação) Unijorge Stiep (Pós-Graduação)

Saiba mais: www.wellpark.com.br tudobem

edição três

4


10

20

06

24

06. internet :: publicitários na rede 08. de tudo :: o futebol e a propaganda na segundona 10. entrevista :: Sidônio Palmeira, propaganda para todos nós 14. fome de quê? :: preliminares, por Carlos Sarno 18. por msn :: Rex, um tiranossauro do rock e da ilustração 20. arquitetura :: por dentro da propaganda baiana 24. moda :: Atotô! Omolu está na terra, está entre nós 27. estilo :: as cores do verão 28. dicas :: o que é tudo bem pra você? 30. opinião :: bye bye crise, por César Silveira

18

bemporna foto Alex Gabiru

esta foto foi tirada do alto da torre da TV Itapoan

bem mais em flickr.com/alexgabiru

5

edição três

tudobem


what are you doing? O que você está fazendo talvez a gente não saiba. Mas tem cada vez mais publicitários e designers expondo suas vidas e opiniões na web. Que a internet mudou o mundo, todo mundo já sabia. Mas o fato de que as redes sociais também fariam uma revolução na propaganda, só foi confirmado depois que um cara negro e filho de muçulmano foi eleito presidente dos EUA usando a internet como principal instrumento de comunicação.

Para que você conheça mais sobre o mundo virtual da propaganda, a TudoBem lançou a ideia no twitter (@revistatudobem) e o pessoal da área mandou links de sites, blogs e flickrs bem legais. Tentamos falar sobre eles respeitando o limite dos famosos 140 caracteres. Td blz?

Almanaque da Comunicação http://www.almanaquedacomunicacao.com.br/blog Nelson Cadena nasceu na Colômbia, mas é baiano desde 1973. É uma memória viva da história da propaganda nacional. Blogcitário http://blogcitario.blog.br

@blogcitario

Com 5 anos no ar, é mantido por Caio Costa, que publica artigos inéditos e alguns dos melhores comerciais do mundo. Vice-troço da subcoisa http://vicetroco.blogspot.com

@vicetroco

Dorival Sales é um estagiário que criou esse blog para aprender, mas na verdade ele tem muita coisa para ensinar. Design animado http://www.marcoalemar.com

@bighatboy

Alemar foi o primeiro brasileiro a ter um desenho animado passando no Cartoon Network, os Pixcodelics. tudobem

edição três

6


Olha o Crivo! http://olhaocrivo.wordpress.com

@olhaocrivo

Um espaço onde o publicitário baiano coloca seu trabalho para ser criticado e avaliado por outros publicitários. Tarcizio Silva http://tarciziosilva.com.br/blog

@tarushijio

Antes de fazer uma social na web, acesse esse blog. Tarcízio Silva escreve sobre as mídias sociais e novidades da internet. Propaganda, prosa e poesia http://www.leonaraujo.com

@leonaraujo

Leonardo Araújo fala de tudo, principalmente de propaganda. De vez em quando também tem prosa e poesia. Regionalização da Propaganda http://regionalizacaodapropaganda.com.br

@regionalizacao

Um movimento que pretende mudar a distribuição das verbas, respeitando as diferenças regionais. Somos a favor. Palavra de Luise http://palavradeluise.blogspot.com

@PalavradeLuise

“Uma pessoa que ama tanto as palavras que não poderia (e nem caberia) ser resumida”. Palavras de Luise Lima! Bahia de todas as cores http://www.flickr.com/photos/viniciusxavier

@viniciusxavier1

Vinicius Xavier é publicitário e fotógrafo. A galeria de festas populares da Bahia é imperdível e vale uma demorada visita. CinePipocaCult http://cinepipocacult.blogspot.com

@aaouad

Amanda Aouad é publicitária, mas escreve tão bem sobre cinema que o CinePipocaCult ficou em 3º lugar no TopBlog nacional. Versu2 http://www.myspace.com/versu2

@blequimobiu

Rangell Santana é MC Blequimobiu. Designer e rapper, forma a Versu2 com MC Coscarque. Preste atenção nesses dois. 7

edição três

tudobem


DE TUDO

Victor Mascarenhas é escritor, roteirista e publicitário. É autor de “Cafeína”(um dos livros vencedores do Prêmio Braskem de Literatura 2007), sócio da Terravista Comunicação e também escreve no blog Campo Minado. bem mais em :: blogcampominado.blogspot.com

Segunda divisão Os mais jovens podem até não acreditar, mas os mais velhos estão aí para confirmar: o Bahia já foi um grande time do futebol brasileiro. Venceu 43 campeonatos baianos, a Taça Brasil de 1959 (em cima do Santos de Pelé), fazia sempre grandes campanhas no Brasileirão e foi campeão nacional em 1988. Hoje, o Bahia não consegue ganhar um campeonato baiano há oito anos, está na segunda divisão (já esteve até na terceira), e amarga mais uma campanha pífia e sem grandes chances de voltar para a elite do futebol nacional. Triste Bahia...

Seguindo a linha do saudosismo, vamos falar de algo que os mais jovens podem até não acreditar, mas que os mais velhos estão aí para confirmar: a Bahia já foi da primeira divisão na propaganda brasileira. Ganhávamos prêmios

nacionais importantes, agências baianas chegaram a ser eleitas “agências do ano” e muitos dos nossos mais talentosos profissionais nem precisavam ir embora para se destacar nacionalmente. Hoje, o quadro é bem diferente... Os profissionais se contentam em disputar o Bahia Recall, uma espécie de campeonato baiano da publicidade, e as agências se engalfinham por migalhas das verbas publicitárias dos governos, já que sem elas não restam anunciantes.

É mais ou menos como se vivêssemos na antiga União Soviética, onde o estado era motor da economia, os funcionários públicos e burocratas eram a elite e todos dependiam do governo. O resultado disso é que nossa outrora vitoriosa publicidade, assim como o outrora vitorioso Esporte Clube Bahia, está na segunda divisão e sem maiores chances de voltar à primeira. Nossas maiores agência são as que detém contas públicas, num paradoxo que vai de encontro a natureza da publicidade, uma das mais poderosas ferramentas capitalistas e que se alimenta da livre concorrência.

O que aconteceu com a propaganda da Bahia é mais ou menos o que aconteceu com o craque Bobô, ídolo do Bahia e símbolo do time campeão brasileiro de 88, que acabou virando funcionário público e foi um dos acusados de ser responsável pela tragédia da Fonte Nova. Se a publicidade baiana quer voltar para a primeira divisão, já está na hora de parar de se contentar em ser como o Bobô burocrata do governo e pensar em voltar a ser o Bobô que jogava bonito nos gramados e virou até música de Caetano, porque do jeito que as coisas caminham, periga a gente ir parar na terceira divisão. tudobem

edição três

8


9

edição três

tudobem


propaganda de todos nós

fotos > divulgação

De estudante de esquerda a braço direito do governador, falamos com Sidônio Palmeira, o publicitário que ajudou a mudar a política baiana.

tudobem

edição três

10


Sidônio é sócio da agência Leiaute, foi duas vezes presidente da ABAP (Associação Baiana das Agências de Propaganda) e em 2007 foi eleito Publicitário Latino Americano pela Associação Latino Americana de Agências de Publicidade. Enquanto cuida do marketing do governador, encontra tempo para torcer pela Bahia e pelo Baêa. Você participou do movimento estudantil, como entrou na propaganda?

E o marketing político? É diferente do marketing comercial?

Sidônio Palmeira - Fui presidente do DA de engenharia na UFBA, mas fiz engenharia porque meus primos faziam e tal. Eu fazia política estudantil e quando terminei o curso fiz uma pós em marketing na Universidade do México. Eu queria trabalhar com política, mas não queria ser candidato a nada. Entrei inicialmente no marketing político e depois é que veio o marketing comercial, isso nos anos 80.

SP - Eu discordo totalmente dessa ideia que candidato é como sabão em pó. Na propaganda política você tem que trabalhar com a realidade, a verdade, a sinceridade, mostrar o político como ele é. Não acho que a gente deve trabalhar com figurantes, devemos mostrar o povo falando. Isso que parece uma coisa trivial, elementar, acaba sendo uma novidade.

Nessa época agências nacionais tinham filiais na Bahia. Inverteu o processo? SP - Talvez. Agências baianas estão conquistando contas em outras estados e até fora do Brasil, como Angola. Nós temos estrutura em Brasília, no Rio. Tem agências com filiais em Sergipe, Recife, Fortaleza, São Paulo. Isso faz parte da globalização. Antigamente as grandes agências vinham buscar o mercado daqui, agora somos nós que estamos buscando mercado lá fora. Então o aeroporto é a melhor ideia para a propaganda baiana? SP - Não é por aí. Nossa grande luta é fazer que nosso mercado tenha o mesmo percentual que tem o PIB da economia. Se a Bahia tem 5% do PIB nacional, o mercado de publicidade também deveria ter 5% e nós temos menos. Por que é assim? Uma das razões é porque a indústria daqui não tem produto para fazer publicidade, é o pólo petroquímico, refinaria. 11

edição três

tudobem

“O governador gosta de comunicação, é até um pouco publicitário. Na campanha ele acompanha tudo, dá palpite.” A eleição de Lídice foi um divisor de águas na história da Leiaute? SP - Claro que foi importante. O slogan era “a primeira prefeita de Salvador”. Mas nenhum candidato é eleito somente pelo marketing. É pela capacidade do candidato, o marketing deve demonstrar essa capacidade e entender o imaginário popular. Essa é a receita para vencer uma eleição? SP - Cada campanha tem seu sabor. Mas para uma campanha ser vitoriosa ela não precisa ser vencedora. Fizemos a campanha de Cristovam Buarque para presidente, de Manuela D’Ávila para a prefeitura de Porto Alegre e, apesar de não termos ganho nenhuma das duas, foram campanhas vitoriosas. Os candidatos saíram mais fortes e isso é uma vitória.


Você trabalha com Wagner desde 2000, na campanha para prefeitura de Camaçari, correto? SP - Na verdade, quem mais trabalhou com ele foi meu sócio Carlinhos (Carlos Andrade), que começou a campanha dele em Camaçari com 3% e terminou com 30%. Em 2002 Wagner terminou não indo para o segundo turno por 4% e quem fez a campanha foram meus sócios Carlinhos e Raul (Rabelo).

“Se a gente não acreditar no candidato, não vale a pena fazer a campanha. Não é tudo por dinheiro.” Aí veio a campanha de 2006 e Wagner transformou a política na Bahia. SP - Pois é. Tem coisas que parecem o destino. Eu sempre fazia outras campanhas e em 2006 Carlinhos foi fazer a campanha de Cristovam para presidente e eu acabei fazendo a campanha de Wagner. Aí teve a coisa da “panelinha” que já tinha sido trabalhada em 2002 e o resultado vocês viram qual foi.

Como é trabalhar com Wagner? SP - O governador gosta de comunicação, é até um pouco publicitário. Na campanha ele acompanha tudo, dá palpite. E também no governo, o próprio slogan “Terra de Todos Nós”, surgiu de uma conversa com ele. Eu sempre digo que só tem uma boa campanha quando se tem um bom cliente. E a primeira dama, também manda no governo? SP - Ela é uma figura extraordinária, uma pessoa verdadeira. Acho importante a forma sincera que ela diz as coisas. Mas no governo, claro, quem manda é o governador. Você tem uma postura ideológica na hora de aceitar um determinado candidato? SP - Não tenho uma postura ideológica, tenho a postura de acreditar nos candidatos. Se a gente não acreditar no candidato, não vale a pena fazer a campanha. Não é tudo por dinheiro. Você, como torcedor do Bahia, faria uma campanha para o Vitória? SP - Não, mesmo porque não acredito no produto. Ahahaha. Coloca aí que eu falei isso de brincadeira, viu?

tudobem

edição três

12


13

edição três

tudobem


FOME DE QUÊ?

Carlos Sarno é apaixonado por gastronomia, foi um dos proprietários do saudoso restaurante Companhia das Índias e é diretor da agência de propaganda Engenhonovo. bem mais :: sarno@engenhonovo.com.br

Preliminares Couvert Comer com grandes lábios O que te come, O gozo e o sabor De comer a própria fome, Refeição mais apurada, Feita de orgasmo e mais nada. Cama e cozinha é dessas combinações harmoniosas e definitivas quando é resultado do desejo, quando não faz parte de nenhuma obrigação. Cozinhar

por amor, por tesão, é excitante, faz parte do jogo; deixa tudo com um clima de tato, de roçar, de desnudar, de antecipar cada detalhe do corpo desejado.

Desse jogo de sedução, tem gente que escolhe o caminho do restaurante intimista, exótico, ou do refinado, se a tática for impressionar através do luxo, a ostentação do restaurante funcionando como uma carícia preliminar, naturalmente acompanhada de um vinho vistoso e caro. Outros, criativos, usam os seus dotes culinários para tocar o céu da boca, como anúncio ou“teaser”dos requintes e sensualidade da sua culinária sexual,capaz, naturalmente de dar sabor a outros “céus”. Sou devoto da mesa íntima, posta na casa ou apartamento, e não da reservada em restaurante fino, talvez por ter sido educado na grana curta e mesa farta italiana, sem falar na

infância interiorana onde só a prática da imaginação nos fazia transar com as vizinhas de minissaia ou com as boazudas de Hollywood. Nunca superei o fetiche das coxas entreabertas, da blusa sem sutiã, por isso me desculpo aos chegados a restaurantes e cardápios com pratos de nomes complicados, acompanhados de maîtres de bigodinho enxuto que parecem cantores de tango. O ritual padronizado do restaurante me soa artificial em excesso: inibe a troca de olhares lentos e intensos, cheios de promessas da mais ardente paixão.

Ninguém consegue ser ridículo num jantar a dois no restaurante. Na privacidade é mais fácil, e como sabemos, pra viver um grande amor, às vezes, é preciso ser ridículo. O clima do restaurante meio que vive um depois e o de casa, um agora, além da cumplicidade do fazer a comida e dar mais espaço e tempo para a improvisação e a magia. Mas convém controlar o apetite, é que, assim como na paixão onde menos vale mais, na culinária do amor, comer bem é comer pouco. Por isso, é necessário uma certa meia luz, para deixar o brilho que vem dos olhares bem visível. Espero que o tempero te traga sorte no amor e também à tua saúde. tudobem

edição três

14


15

edição três

tudobem


tudobem

edição três

16


17

edição três

tudobem


Rex: um tiranossauro do rock? Entrevista por MSN com Rex

tudobem

edição três

18


Para quem curte rock, Rex é aquele cara que tocou na Dead Billies e agora é baterista dos Retrofoguetes. Para quem faz propaganda, Rex é o designer e ilustrador da Santo Design. Para quem lê a TudoBem, Rex é o artista que fez o desenho da capa. Um, dois, três, quatro, vai.

TudoBem diz: Indique uma trilha pra essa entrevista. Rex diz: No momento estou ouvindo uma versão de Clara Bakker para “Temptation” do Tom Waits. TudoBem diz: Uma pergunta bem difícil: você gosta mais dos Dead Billies ou dos Retrofoguetes? Rex diz: Dava pra ser mais difícil? Sou muito fã das duas. Fico feliz e orgulhoso por ter montado duas bandas que têm reconhecimento no cenário nacional. TudoBem diz: Desculpe o trocadilho, mas porque a Dead Billies morreu? Rex diz: Hahahaha, somos mortos-vivos! Pra gente foi estranho porque acabou justo quando a banda passava por um momento bacana, nós tínhamos acabado de concorrer ao VMB da MTV em 2001 e, quando voltamos pra Salvador, fizemos um show e a banda acabou no dia seguinte. TudoBem diz: Por falar em VMB, os Retrofoguetes foram indicados esse ano na categoria de melhor banda instrumental. Rex diz: Estamos entre as cinco melhores bandas de rock instrumental do país, só espero que a banda não acabe em seguida, hahahaha! 19

edição três

tudobem

TudoBem diz: A Retrofoguetes tocou em trio elétrico. Verdade ou delírio? Rex diz: Verdade! Saímos na segunda-feira de carnaval, com nossos convidados da banda carioca Autoramas. O trio era um dos poucos palcos da Bahia onde ainda não havíamos tocado, foi uma grande experiência pra gente. TudoBem diz: Como foi ganhar prêmio no Festival de Propaganda de Cannes? Rex diz: Foi incrível! Sempre enxergamos nossa música como trilha sonora. Assinamos o contrato com a FNazca, uma das maiores agências do país, mas não esperávamos pelo prêmio. Além disso, ficamos muito mais ricos, hahahaha!!! TudoBem diz: É mais legal fazer um desenho bonito ou um show bacana? Rex diz: Sou perfeccionista. Se as coisas saem como eu quero, estou sempre contente. TudoBem diz: Mas você preferia viver de quê? Rex diz: A música e o desenho me acompanham desde cedo, poder conciliar as duas coisas tem sido muito bacana pra mim. TudoBem diz: O que é tudo bem pra você? Rex diz: Sorrir sempre.


pode decorar

Se algumas das agências de propaganda mais novas de Salvador também são as mais inovadoras, nós não podemos afirmar. Mas que os projetos de decoração são bem originais, disso ninguém pode duvidar.

fotos > Bhruno Quadros

www.marcativa.com

Marcativa > Cidade Jardim

A ideia é de Davi Gomes. O projeto é dos arquitetos Ricardo Campos e Semirames Rey. A mesinha da Skol foi presente de um cliente.

Eugenio > Av. Contorno

fotos > Mário Sant’Ana

Com foco no mercado imobiliário, o “stand” fica no Trapiche Adelaide, numa sala que já foi do arquiteto Sidney Quintella

www.grupoeugenio.com.br

tudobem

edição três

20


hbto > Rio Vermelho

fotos > Carol Farias

A agência fica numa casinha linda no Largo da Mariquita e foi toda decorada com ideias da galera da própria HBTO.

www.hbto.com.br

Muito > Itaigara

Os móveis foram desenhados por David Bastos, o 2 gigante veio de um set de filmagem e o resto foi (des)arrumado por lá mesmo.

Terravista > Itaigara

A agência é toda colorida, com singelas obras de arte nos dois andares do mezanino. O projeto? Foi do pessoal da Terravista.

fotos > Jorge Barreto

fotos > divulgação Muito

www.tudomuito.com

www.trvsta.com.br

21

edição três

tudobem


fotos > Pedro Accioly

www.viamidia.com.br

Viamídia > Federação

Uma casa de 3 andares em São Lázaro, cheia de detalhes, como o grafite na entrada. Arquiteto: Alex Rebouças - Prime Home.

Tdsko & Kvalcante > Comércio

fotos > divulgação tdsko&kvalcante

Fica no Trapiche Pequeno, um centro empresarial super moderno e charmoso. A arquiteta foi Layse Pinho e Sousa.

www.tdsko.com.br

fotos > divulgação Verbo

www.verbocomunicacao.net

Verbo > Av. Centenário

A nova sede foi toda reformada, só ficou o piso de taco. O projeto arquitetônico é de Paulo Andrade e a decoração de Cibele Lessa. tudobem

edição três

22


23

edição três

tudobem


omolu é mistério Na juventude, é Obaluaê. Na maturidade, é Omolu. No sincretismo, São Lázaro ou São Roque. Na TudoBem, é o tema deste ensaio.

tudobem

edição três

24


Fotografia: Fábio Abu Styling e Produção de Moda: D’Malicuia e Valéria Meier Maquiagem e Cabelo: Valéria Meier Modelo: Juliana Jerolamo 25

edição três

tudobem


tudobem

edição três

26


27

edição três

tudobem


O orixá da doença e da cura. Dia: Segunda-feira Cores: preto, branco e vermelho Comida: feijão preto, carne de porco, pipoca sem sal, abadô, ibêrem Bebida: água mineral, vinho tinto Metal: chumbo Elemento: terra Saudação: Atotô!

Fotógrafo: www.fabioabu.com | Styling: www.dmalicuia.com | Mais fotos em www.revistatudobem.com tudobem

edição três

28


ESTILO

Kátia Teixeira é administradora de empresas, apaixonada por moda e empresária do mundo fashion.

Mudança de estação É chegada a hora de dar aquela repaginada no armário! O que podemos aproveitar do inverno para o verão?

Os tricôs, os crochês e os patchworks farão toda diferença. azul denin

As peças xadrez, listradas e preto e brancas permanecem. As cores de destaque serão: lavanda, aqua, nude, azul denin (tipo jeans) e a que mais acredito que dominará as vitrines é o coral.

Os tecidos de algodão, linho e viscose aparecerão nos vestidos e blusas, assim como as malhas orgânicas, em especial a flamê e as de aspecto amassadas. nude

29

edição três

tudobem

composé com peças básicas.

coral

aqua

lavanda

Aproveitem para brilhar na estação do sol porque o dourado estará em alta. Só não exagere durante o dia mas para noite pode abusar, com moderação.


O QUE É TUDO BEM PRA VOCÊ? Estacionar na WellPark

Sala de Arte É só escolher uma das salas e pronto. Sempre tem um filme bacana passando.

Além de ser bem mais seguro que parar na rua, só lá você pode ganhar a TudoBem.

Dica > redação da TudoBem

Salão Santa Beleza

Dica > Isac Stern, diretor de Marketing da rede WellPark

Sou cliente assídua do salão porque lá encontro profissionais maravilhosos além do conforto e a segurança de estacionar dentro do supermercado Hiper Ideal. Dica > Layana Porto, psicopedagoga e leitora da TudoBem

Ouvir a Cof Damu

A nome vem da frase “nem que a vaca tussa”. O som mistura um monte de ritmos, de folk a ijexá. A cantora tem voz suave e o percussionista é o fotógrafo Fabio Abu, que publica ensaios de moda na TudoBem. www.myspace.com/cofdamu Dica > Mari França, designer de moda D’Malicuia

Seguir a TudoBem no twitter @revistatudobem

Show de Hip Hop da Versu2 Nova Hífen Gosto muito do estilo da Hífen, que oferece opções de moda que vão do casual ao formal, sempre com bom gosto e exclusividade. Dica > Liliana Dourado, diretora financeira da Uranus2

Dia 10/10, 18h, na Zauber Multicultura, Comércio. Dia 17/10, 19h, na Praça Tereza Batista, Pelourinho. Dica > Ana Paula Nobre, jornalista

Mande sua dica

participe@revistatudobem.com tudobem

edição três

30


31

edição três

tudobem


OPINIÃO

César Silveira é sócio-diretor da Aura Bahia, idealizador e coordenador geral do MaxiMídia Sat em Salvador. bem mais em :: www.aurabahia.com.br

Cautela e canja de galinha... ... não fazem mal a ninguém, diziam nossos avós com a autoridade que só uma larga experiência de vida investe. A tal crise econômica, marolinha ou tsunami, mas certamente controversa na essência quanto aos seus efeitos projetados para a nossa realidade, reacendeu em doses diversas essa reflexão no mercado. Na publicidade em particular, sua prática em maior ou menor intensidade produziu, curiosamente como é de se esperar nestes momentos, efeitos diametralmente opostos. De um lado vimos desde simples previsões cautelosas, cortes de gastos de profiláticos a radicais, até uma quase estagnação dos mais pessimistas. Do outro, posturas corajosas e otimistas disparando ações ousadas e criativas na direção do centro do alvo das oportunidades que só em épocas de crise aparecem. E quem não acertou na mosca, andou por perto. Neste clima é

que transitou a construção do nosso MaxiMídia Sat deste ano. Boa parte do retorno às propostas de renovação dos patrocínios refletiram em igual medida o cenário “A”: uma assustadora debandada de 70% da verba âncora esperada, uma drástica redução de área de expositores, e

sugestões desde resumir o evento à simples retransmissão, até o seu cancelamento “em função da crise”.

Entrar neste salve-se quem puder, afinal, poderia resolver o problema imediato e até parecer irresistível neste momento, mas, certamente, deixaria uma melancólica sensação de ser abatido sem cair atirando. Abraçamo-nos ao que tínhamos, animados pela paixão e confiança dos que apostaram em nós no cenário “B” e inspirados no velho Sam Walton, fundador do “império” Wal-Mart, para concluir que, se há crise “...decidimos por unanimidade NÃO PARTICIPAR DELA”. O desafio era virar o jogo com um time desfalcado...de recursos. A receita: trabalhar ainda mais, inovar verdadeiramente e preservar a qualidade para manter a confiança e respeito que nosso evento construiu nas suas edições passadas. Escolhemos, impulsionados por aquela legião de apoios que assinam conosco, ficar entre os vencedores, e, com o perdão pelo atrevimento, “dar uma banana pra crise”! E isso fica perpetuado no tema da nossa campanha.

Bem-vindos ao MaxiMídia Sat Salvador 2009. E “BYE BYE CRISE!” tudobem

edição três

32


33

edição três

tudobem


tudobem

edição três

34

TudoBem03  

Uma revista de bem com a vida. internet - mídia - moda

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you