Page 1

“Estamos comprometidos com a saúde dos portugueses” _ P. 8 e 9

Fisioterapia e MGF ‒ que diálogo? _ P. 12

Associação Mundial de Médicos de Família ‒ WONCA

PUB

PUB

João Almeida Lopes, diretor-geral da Medinfar

_ P. 2

Edições

www.newsfarma.pt Diretora: Paula Pereira Mensal • Setembro 2013 Ano I • Número 6 • 3 euros

dos cuidados de saúde primários

Menos de quatro anos após a sua constituição, a USF Descobertas, em Lisboa, encontra-se numa fase de grande expansão, na sequência da recente ocupação das novas instalações. Coordenada por José Gomes (na foto), deverá atingir uma cobertura assistencial de 16.000 utentes frequentadores até ao final do ano. _ P. 16/20

Luís António Castanheira Nunes “A reforma dos CSP está no bom caminho no Norte” _ P. 4 e 5

Enfermagem A prescrição de intervenções terapêuticas _ P. 11

Fausto Pinto O 1.º português presidente da SEC _ P. 6

Intervir na disfunção sexual para prevenir a doença cardiovascular _ P. 14

ESPECIAL neurologia usf descobertas

Em velocidade cruzeiro, com um objetivo estratégico:

a excelência dos serviços

Acelerar o diagnóstico e otimizar a terapêutica “Com a ligação entre o MF e o neurologista, é possível acelerar o diagnóstico (evitando muitas vezes exames inúteis) e otimizar as terapêuticas, com a discussão das opções entre os dois especialistas”, afirma Vítor Oliveira, presidente da Sociedade Portuguesa de Neurologia, lamentando o facto de não existir uma “via de comunicação expedita” entre o médico do centro de saúde e o médico hospitalar.

_ P. 24/31


16 | Jornal Médico

setembro 2013

Reportagem USF Descobertas

USF Descobertas, Lisboa

Equipa entra em “velocidade cruzeiro”

Menos de quatro anos após a sua constituição, a USF Descobertas encontra-se numa fase de franca expansão, resultante da recente ocupação das novas instalações. O reforço em curso da equipa médica, de enfermagem e administrativa, vai permitir um alargamento assistencial a mais 3500 utentes, prevendo-se que atinja uma cobertura assistencial de 16.000 utentes frequentadores até ao final do ano. Este processo de crescimento foi planeado de forma faseada para não perturbar a estabilidade da equipa e o cumprimento dos indicadores contratualizados. Os objetivos estratégicos para 2013 estão focados na excelência dos serviços, com vista à acreditação, crescimento e desenvolvimento da equipa, formação dos estagiários de curta duração e internos da especialidade, investigação e cumprimento dos compromissos contratualizados. A Unidade de Saúde Familiar Descobertas, criada em outubro de 2009, em espaço provisório, na Calçada da Tapada, em Lisboa, enquanto aguardava a construção das atuais instalações, na Rua Fernão Mendes Pinto, registou, num curto espaço de tempo, uma rápida evolução para Modelo B. De acordo com o coordenador,

José Gomes, esta trajetória deve-se “ao entusiasmo e ao esforço de uma equipa muito motivada e dedicada, com o apoio da ERA (Equipa Regional de Apoio)”. Em 2012, registou-se o alargamento da população inscrita a mais três mil utentes, com a entrada de um médico e a substituição dos utentes não frequentadores.

Em 2013, a equipa foi reforçada com mais um médico e um secretário clínico. A USF conta, atualmente, com oito médicos, sete enfermeiros e cinco secretários clínicos, prevendo englobar até final do ano mais um médico, dois enfermeiros e um secretário clínico. De acordo com José Gomes, “esperamos

concluir a nossa expansão até final do ano, com a mobilidade dos elementos necessários”. A passagem, em fevereiro deste ano, para as novas instalações, “criou as condições necessárias para esta expansão numa área carenciada, com mais de uma dezena de milhar de utentes frequentadores sem

médico de família, permitindo reduzir substancialmente essa carência”.

Unidade destaca-se nas áreas de formação e investigação De acordo com José Gomes, 2012 foi um ano de excelentes resultados, resultante do investimento realizado em anos anteriores. Além da evolução para Modelo B, as novas instalações ficaram concluídas, com todos os requisitos para a prática clínica. “Alcançámos 100% dos incentivos institucionais e financeiros, em circunstâncias muito adversas, devido ao acréscimo assistencial de 30,6%, e realizámos as I Jornadas da USF, que iremos repetir este ano, entre 24 e 25 de outubro próximo.” A investigação é uma das características marcantes da USF. No ano passado, a equipa realizou e publicou quatro estudos científicos nas áreas clínica, epi-


setembro 2013

Jornal Médico | 17

Reportagem USF Descobertas

O elevado grau de autonomia da USF ao nível da gestão permite organizar o serviço de acordo com as necessidades da população e os objetivos contratualizados.

José Gomes

Uma paixão pelo mar José Gomes começou a trabalhar com 16 anos, altura em que obteve a independência económica que lhe iria permitir prosseguir os estudos. Com 47 anos de atividade laboral, já poderia estar reformado. Pensou mesmo fazê-lo, para se dedicar a uma atividade humanitária fora do país, mas as circunstâncias levaram-no a escolher continuar e só deseja “ter saúde para trabalhar, pelo menos, até aos 70 anos”. Depois de terminar o curso na Faculdade de Medicina de Lisboa, fez a especialidade de Medicina Geral e Familiar, tendo dedicado grande parte da sua atividade profissional à formação de outros colegas, no Instituto de Clínica Geral, através da denominada “via rápida”, ou formação em serviço. demiológica e dos serviços. Externamente, “colaborámos em estudos de âmbito nacional, nomeadamente o estudo patrocinado pela Sociedade Portuguesa de Hipertensão, intitulado Prevalência da hipertensão e consumo de sal em Portugal, cujos resultados foram apresentados no 7.º Congresso de Hipertensão Arterial, e o Estudo CONTA, sobre a mesma temática”. Ainda no âmbito da colaboração externa, a equipa participou no projeto Menos sal e mais sabor à vida, tendo colaborado num programa televisivo da SIC sobre esta problemática e efetuado rastreios de hipertensão nas escolas e na USF, com equipas mistas de enfermeiros e médicos, cujos resultados serão publicados em breve. Além de numerosas ações de formação teórico-práticas em grupo para utentes diabéticos, a USF posiciona-se como uma unidade de formação para alunos das

faculdades de Medicina de Lisboa, que ali realizam os seus estágios, e de alunos de Enfermagem. Simultaneamente, alargou a formação a um maior número de internos do Internato Complementar de Medicina Geral e Familiar.

Os melhores resultados do ACES Em 2012, a unidade de saúde familiar obteve os melhores resultados, em termos de qualidade, eficácia, eficiência e desperdício, ao nível do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Central. José Gomes sublinha que “a USF Descobertas não presta apenas uma atividade assistencial de excelência, investe também na formação contínua da equipa, dá formação a numerosos futuros médicos e enfermeiros e tem produção científica própria e com parcerias externas, que apresenta anualmente nas Jornadas de Saúde que organiza”.

Promoveu e coordena a USF Descobertas, que absorve quase todo o seu tempo. Possui a carta de Patrão de Alto Mar e é mergulhador, atividades que alia à arqueologia, cartografia, pintura e fotografia. Navega há mais de 30 anos, em família, pelas zonas fluviais e costeiras do continente, assim como pelas ilhas mais próximas, acumulando uma vasta experiência, transmitida em artigos e roteiros que publicou. Grande entusiasta das regatas, com mais de centena e meia de prémios, foi também presidente da direção de clubes e associações de vela, onde desenvolveu intensa atividade na organização de regatas e cruzeiros.

Jornadas da USF Descobertas

Segunda edição decorre entre 24 e 25 de outubro As Jornadas da USF Descobertas têm um triplo objetivo: possibilitar a troca de experiências e boas práticas com outras unidades de saúde familiar, debater questões importantes da prática clínica e proporcionar uma janela de oportunidade aos internos de Medicina Geral e Familiar para a apresentação de trabalhos de investigação. De acordo com o presidente das Jornadas, Amílcar Lopes de Oliveira, as Boas Práticas, as interfaces nos cuidados de saúde e a prevenção e vigilância nos CSP são os temas dominantes desta segunda edição, que se irá realizar, entre 24 e 25 de outubro, no Hotel Vila Galé Ópera, em Lisboa. A discussão sobre acreditação, monitorização da qualidade, contratualização

Amílcar Lopes de Oliveira | A inscrição nas Jornadas da USF Descobertas é gratuita

e avaliação, assim como a monitorização dos indicadores e a implementação de

medidas corretivas, irão preencher a manhã do primeiro dia de trabalhos. Já no que diz respeito às “interfaces nos cuidados de saúde”, os debates centram-se no ciclo de referenciação e na interface com os cuidados de saúde hospitalares e cuidados continuados integrados. No dia 25, a prevenção e vigilância do idoso domina os trabalhos, seguindo-se, da parte da tarde, uma mesa-redonda sobre investigação em MGF e Enfermagem e, por último, um painel de apresentação de comunicações livres. Paralelamente, decorrerá uma exposição de posters. A inscrição nestas jornadas é gratuita e destina-se a médicos, enfermeiros e secretários clínicos.


18 | Jornal Médico

setembro 2013

Reportagem USF Descobertas

As novas instalações “são, para nós, um motivo de orgulho e de estímulo para melhorar, além de possibilitarem alargar a cobertura da população numa área muito carenciada do ACES”. Entre os objetivos estratégicos para 2013, José Gomes destaca “melhorar a formação da equipa e dos internos”, “monitorizar a qualidade com vista à acreditação em 2015”, “aperfeiçoar a monitorização dos indicadores de desempenho”, “combater o desperdício” e realizar as II Jornadas da USF Descobertas. A elevada qualidade das instalações é uma vantagem para a equipa, que se encontra, neste momento, a receber algum do mobiliário em falta. De acordo com José Gomes, “no processo de transferência para as atuais instalações, trouxemos o equipamento que já possuíamos, mas

“Nos fortes marítimos, as ameias são desencontradas para poderem resistir aos ataques dos navios inimigos. Por esse motivo, também as janelas da nossa USF são desencontradas e nenhuma das paredes é direita, dando um aspeto invulgar e um apontamento que contradiz o aspeto sóbrio de uma construção em betão.” O espaço integra uma área pública de atendimento, uma zona de back office (onde se localizam os serviços administrativos), uma área clínica, onde estão os gabinetes de enfermagem e salas de tratamento (constituindo uma espécie de antecâmara) e os gabinetes médicos, completados por uma zona reservada de trabalho e do pessoal, assim como um parque de estacionamento privativo. “A estrutura simples da USF permite uma grande privacidade na passagem dos

acabou por se revelar insuficiente, na medida em que passámos de uma área de 200 para 800 m2. Neste momento, estamos a receber mobiliário e computadores e aguardamos a entrega de equipamento clínico para equipar mais salas. Os gabinetes de Saúde Oral, da assistente social e da psicóloga, salas de reuniões e de trabalho, bem como um gabinete médico, ainda aguardam equipamento”.

Construção é inspirada num forte militar A construção do edifício da USF – resultante de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, que cedeu o terreno, e o Ministério da Saúde – foi inspirada no forte militar do Bom Sucesso, localizado na Junta de Freguesia de Santa Maria de Belém.

Internos reconhecem potencial de formação da USF Atualmente, a USF Descobertas proporciona formação pós-graduada a quatro internos do Internato Complementar de Medicina Geral e Familiar. Sara Rocha, interna do 2.º ano, destaca especialmente “o potencial de formação da USF, na medida em que o trabalho é mais organizado e estruturado”. Todas as semanas existe uma reunião, denominada Journal Club, na qual os internos apresentam uma curiosidade, um avanço, uma revisão, ou uma discussão de caso. A outra reunião semanal “é repartida entre o debate de problemas internos e a participação em sessões com formadores convidados pela USF”. A participação na atividade de investigação desenvolvida pela unidade de saúde familiar é mais um aliciante para a jovem médica. De acordo com Maia Mendes, coordenadora dos projetos de investigação da unidade de saúde familiar, os trabalhos atualmente em curso incidem sobre as infeções do trato urinário, rastreio oncológico na USF, utilizadores frequentes, visitas domiciliárias e o desperdício nos serviços das unidades do ACES.

Dedicação | Uma equipa autónoma e eficaz

Sara Rocha | O trabalho é mais organizado e estruturado

USF recebe cerca de 20 alunos por ano

Maia Mendes | A equipa está sempre envolvida em trabalhos de investigação

Além de internos de MGF, a USF recebeu, só em 2012, 16 alunos de Medicina e de Enfermagem. De acordo com a médica de família Joana Campina, responsável pela área da formação, ao nível pré-graduado, a equipa dá formação a alunos do primeiro e segundo anos da Faculdade de Medicina de Lisboa, alunos do sexto ano da Faculdade de Ciências Médicas e ainda da Escola de Enfermagem. Em termos da formação da equipa, a USF privilegia a frequência de cursos acreditados e ainda a realização de formações breves na própria unidade de saúde familiar, com o apoio de especialistas de outras áreas.

Joana Campina | Em 2012, além de internos de MGF, a USF recebeu 16 alunos de Medicina e de Enfermagem


setembro 2013

Jornal Médico | 19

Reportagem USF Descobertas

doentes para as áreas de enfermagem e clínica e também para área administrativa, no back office.” Construído na zona histórica destinada à construção naval na época dos Descobrimentos, adjacente à Torre de Belém e à praia de Pedrouços, na antiga Rua dos Cordoeiros, está a uma cota de três metros acima do nível do mar. Por esse motivo, o edifício assenta sobre 96 pilares enterrados na areia subjacente a oito metros de profundidade, “assemelhando-se a uma construção palafita”. Trata-se de um edifício de “grande eficiência energética”, incluindo painéis solares que promovem o aquecimento interno. O isolamento da estrutura é considerado “de eficiência máxima”.

Uma equipa que não discute horários As USF trouxeram para o primeiro nível de cuidados de saúde uma dinâmica muito própria do caráter inovador e pioneiro da reforma dos CSP. “Os governos têm investido bastante nas requalificações necessárias ao desenvolvimento das USF porque as reconhecem como uma excelente solução nos cuidados de saúde primários. São eficientes, eficazes e os diversos elementos das equipas colaboram ativamente uns com os outros”, afirma José Gomes. “Os profissionais são muito empenhados; ninguém fala de horários quando é preciso trabalhar 12 ou 14 horas. Possuí­ mos um elevado grau de autonomia ao nível da gestão e isso permite organizar

Sistemas informáticos

USF dispõe de uma alternativa, em caso de necessidade No dia da reportagem do Jornal Médico, o sistema informático da USF tinha colapsado. Aliás, as anomalias registaram-se em todo o país, em consequência da atualização de programas a nível nacional. Contudo, a equipa ativou um sistema alternativo na sala de espera, que permite aos utentes visionar, nos ecrãs localizados naquele espaço, as informações relativas à gestão das consultas. O atendimento processou-se com mais lentidão devido ao sistema informático, mas dentro da normalidade, e sem que os utentes que estavam informados se impacientassem. A equipa administrativa foi reforçada no front office e também a equipa médica e de enfermagem alargou o horário assistencial. De acordo com José Gomes, “é esta flexibilidade em ajustar permanentemente a oferta à procura e a outras condições imprevistas que faz com que o grau de satisfação dos utentes seja muito elevado”.

Atingir a excelência é o objetivo do setor de enfermagem O trabalho domiciliário da USF Descobertas é especialmente intenso. Diariamente, os enfermeiros realizam entre 12 e 14 visitas, frequentemente acompanhados pelos médicos de família. De acordo com Cecília Vicente, o trabalho encontra-se estruturado de acordo com o conceito de

enfermeiro de família. Para a jovem enfermeira, trabalhar por objetivos é especialmente aliciante. “O que se pretende é atingir a excelência e isso implica um grande entrosamento entre todos os elementos da equipa.”

Cecília Vicente | Pretendemos atingir a excelência


20 | Jornal Médico

setembro 2013

Reportagem USF Descobertas

Secretariado clínico

“Ajustamos a oferta à procura” A USF Descobertas trabalha com o sistema informático VitaCare. De acordo com a responsável administrativa Isabel César, esta ferramenta, que inclui um quiosque eletrónico, constitui uma ajuda fundamental na gestão da unidade, nomeadamente na monitorização dos objetivos e das metas a atingir. A possibilidade dos utentes marcarem consultas pela Internet é outra mais-valia no que se refere à acessibilidade. “Na nossa USF não existem listas de espera. As consultas da iniciativa do utente são marcadas com um intervalo máximo de cinco dias e a doença aguda é resolvida no dia, ou seja, quando necessário, adaptamos a oferta à procura.

Ficha técnica

Claro que isso exige uma dedicação enorme da equipa, mas também constitui uma grande satisfação para todos nós.”

População frequentadora

N.º de utentes inscritos em 31.12.2012 N.º de utentes frequentadores N.º de idosos N.º de crianças e jovens N.º de mulheres em idade fértil Total de nascimentos Total de consultas médicas efetuadas Total de visitas domiciliárias médicas Total de contactos de enfermagem Total de visitas domiciliárias de enfermagem o serviço de acordo com as necessidades da população e os objetivos contratualizados.” O coordenador destaca especialmente o sistema de intersubstituição e alargamento do horário de atendimento, através do qual é possível dar resposta adequada a uma procura não planificada. Por outro lado, “a atuação clínica é pró-ativa, propondo ao utente todos os cuidados de saúde em falta no próprio dia da consulta e convocando os utentes faltosos para a prestação desses cuidados”. Claro que o trabalho em equipa não é isento de tensões, mas “há empenho nos objetivos a cumprir e os problemas vão sendo resolvidos à medida que surgem”. Aliás, “é para isso que servem as reuniões de serviço, realizadas todas as semanas. Encaramos a conflitualidade como um estímulo para o desenvolvimento, que não deve ser combatido, mas sim regulado”. A primeira reunião do mês destina-se a monitorizar os indicadores, a fazer projeções e a estabelecer as medidas corretivas para os próximos 30 dias. Na opinião do coordenador, “hoje, já ninguém tem dúvidas, nem a troika, nem os políticos de todos os quadrantes, que as USF constituem o melhor modelo de organização dos cuidados de saúde primários. Este modelo alcançou altos padrões de qualidade, eficácia, eficiência

Isabel César | Na USF Descobertas não há listas de espera

13.652 12.309 3.229 2.420 3.071 84 26.698 1.329 11.960 2.266

e sustentabilidade nos cuidados de saúde primários”. A dificuldade, neste momento, “é convencer os colegas das UCSP a aderir. Esse esforço compete não só à Administração como a nós próprios, daí o espaço que as Jornadas da USF Descobertas dedicam a essa questão”.

Utentes reconhecem o esforço da equipa No site da USF Descobertas, os utentes têm a possibilidade de dar a sua opinião sobre a unidade de saúde familiar e exprimir o seu grau de satisfação. Os resultados são muito bons. Na sala de espera, o Jornal Médico fez também uma pequena sondagem. Os resultados são igualmente positivos. Zulmira Silva ainda não teve necessidade de ir à consulta do seu MF. Mas acompanha frequentemente os membros da família. ”Somos bem atendidos e a nossa

Zulmira Silva | A nossa médica de família é impecável

médica de família é impecável”, afirma. Quanto ao funcionamento da USF, destaca o facto de as consultas serem efetuadas com hora marcada, evitando tempos de espera desnecessários, o que é “uma maravilha”. Mário Pereira Fernandes considera que o atendimento “é razoável”. Está à espera da mãe e, entretanto, aproveitou para marcar uma consulta. “Tenho médico sempre que necessito e, nesse aspeto, é positivo.”

Mário Pereira Fernandes | Tenho médico sempre que necessito

Patrícia Teixeira | As instalações são fantásticas

Patrícia Teixeira destaca que “as instalações são fantásticas, assim como os acessos”, e o atendimento é “relativamente rápido”. Maria Emília Barros está igualmente satisfeita com a mudança, “não só pela qualidade dos serviços prestados como pela qualidade do edifício”. Para Ana Paula Cordovil, a mais-valia da USF incide na rapidez com que é atendida em caso de doença aguda.

Maria Emília Barros | Destaque à qualidade do serviço

Ana Paula Cordovil | Muita rapidez no atendimento em caso de doença aguda

Jornal Médico 6, USF descobertas  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you