__MAIN_TEXT__

Page 1


Editorial A mídia nacional dividiu as suas manchetes nos últimos meses entre Temer e Neymar. Um utilizando todos os meios possíveis em suas mãos para escapar do encaminhamento de denúncia de corrupção passiva ao STJ, o outro, às voltas com a difícil decisão de trocar Barcelona por Paris. Enquanto o Presidente tem o seu tempo consumido por reuniões com os deputados federais de sua base de apoio, negociando verbas para projetos em suas regiões eleitorais, o craque tenta conciliar as suas apresentações com a camisa do clube Catalão, em torneios de pré-temporada e as negociações para um provável futuro contrato com o PSG. Em comum entre os dois assuntos, o enorme volume de cifras. Só que o os valores que os qatares que dirigem o clube estão mostrando estar dispostos a investir para ter o craque defender as cores do clube parisiense, são resultado da atual riqueza dos empresários do segmento de petróleo. Dinheiro deles, ganho por eles em suas atividades e, que já vêm colocando no clube há alguns anos. Esta é mais uma ação de suas estratégias para colocar o clube entre os maiores da Europa e, consequentemente, do mundo. Já no caso do Presidente, as verbas distribuídas são resultado de nossas contribuições com impostos. Dinheiro que deveria estar sendo alocado para melhorar a vida do cidadão brasileiro. O mais estranho nisto é que há pouquíssimo tempo, os ministros das áreas econômica e planejamento, surpreenderam o povo com a notícia do aumento de impostos aplicado nos preços dos combustíveis, pois era necessário cobrir o orçamento negativo do governo. Cortes em infraestrutura, saúde e educação têm sido promovidos pela mesma razão. Então, se não há recursos para estas áreas fundamentais para atendimento do cidadão comum, como existem verbas para ‘irrigar’ o apoio político que ele necessita nesta quadra? Mistério, não é? Bem, só nos resta ter a paciência de aguardar o futuro, que, aliás, está bem próximo, para sabermos o resultado de ambas as ações. Tomara que o nosso Neymar tome a decisão correta e possa mostrar o seu inegável talento em gramados europeus, aumentando o seu saldo bancário. Que esteja em ótimas condições físicas e mentais para disputar a Copa da Rússia, e novamente nos faça sonhar com o título de campeão. Quanto ao presidente, que esteja realmente tomado das melhores intenções para melhorar o nosso país, mesmo que se utilize de ações no mínimo discutíveis. O Brasil não pode sofrer mais. A carga de carregá-lo, que os nossos empresários têm resistido, está se esgotando. Muitos estão procurando novos domicílios e Miami está cada vez mais próxima. Além dos acenos virtuosos do nosso vizinho Paraguai, com suas propostas tentadoras de uma carga tributária muito mais leve e sustentável.

Todos nós

03


Conteúdo

26. UMA VIDA ENTRE PELOS E PENAS 08. Prof°. Dr. Marco Antonio Gioso Empowerment: a entrega de poder a colaboradores

34. Vininha Brasil ganha primeiro cachorro sintético para aulas de veterinária

28. O CASO LÊNIN

Expediente

Direção geral Osmar Silva José Haroldo G. Santos

CURSOS LANÇAMENTOS

Redator-chefe Osmar Silva osmar@luanda.com.br Redatores Hylario Guerrero (MTB 13.468) Joelma Farias (MTB 78.793) redacao@luanda.com.br joelma.noticia@luanda.com.br Colaboração Caroline de Paiva (MTB 70.849) Design Editorial Bruno Ricardo Mello dos Santos Diego Igor de Oliveira

07 10

MARKETING NOTAS

14 22

Foto 1: regra1.com.br (Wagner Ávila - Animal Legal) Foto 2: Cat my Pet

midia@luanda.com.br arte@luanda.com.br

Jurídico Dra. Adriana Carla Gomes P. Silva

Diretor Comercial José Haroldo G. Santos haroldo@luanda.com.br

Assessoria Gráfica PavaPrint

Publicidade Cleusa Albino cleusa.petmagazine @luanda.com.br Administração Dênis Jorge Thais Gonçalves luanda@luanda.com.br

Impressão Forma Certa Soluções Gráficas

TAPET VIS

Endereço Rua Joaquim de Almeida Moraes, 273 - Jd. Magali São Paulo/ SP Brasil CEP: 02844-000 Tel.: + 55 (11) 3921-7609 3921-8069 -www.luanda.com.br

A revista Petmagazine aceita matérias técnicas como colaboração para divulgação de projetos, trabalhos, novos produtos, etc. Os artigos deverão vir acompanhados de fotos ilustrativas com as respectivas legendas e curriculum do autor. A revista não se reponsabiliza por opiniões e artigos assinados que podem ou não expressar a mesma opinião do editor. As opiniões emitidas em artigos assinados são de responsabilidade do autor. A Petmagazine não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios veiculados, nem por aquisições em função destes. Todos os direitos reservados, sendo proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio, sob pena de procedimentos legais. A revista Petmagazine é uma publicação bimestral da Luanda Brasil Serv. de Publicidade ltda., e tem sua marca registrada no INPI sob o número 820.994.286

GAZ MA IN

Edição 104 - Julho | Agosto 2017

03 06

@RE

SEÇÕES

EDITORIAL LITERATURA

E

18. O AMOR PELOS GATINHOS DEU ORIGEM À UMA EMPRESA


LITERATURA PETS. A VIDA SECRETA DOS BICHOS

Todos os dias o cachorro Max espera ansioso a sua dona Kate chegar em casa após o trabalho. O poodle Leonard tem pose de grã-fino, mas curte mesmo ouvir rock pesado quando está sozinho. Já o pug Mel passa o dia latindo para a janela, tentando impedir que os esquilos dominem o mundo. Quer saber o que mais esses e outros animais de estimação aprontam enquanto seus humanos não voltam para casa? Descubra todas as aventuras em Pets – A vida secreta dos bichos: O livro do filme AUTOR: David Lewman EDITORA: Astral Cultural

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO FELINO E CANINO

A ideia central deste livro é apresentar uma coletânea de temas fundamentais sobre como os cães e gatos se comportam. É produto de um trabalho coletivo, de distintos olhares, que propiciaram esta contribuição para veterinários, acadêmicos e interessados no comportamento destes animais de companhia. AUTORES: Guilherme Marques Soares e Ceres Berger Faraco EDITORA: Medvet

CIRURGIA NA CLÍNICA DE PEQUENOS ANIMAIS - ABDOME CAUDAL

Cirurgia na Clínica de Pequenos Animais aborda a região do abdome caudal, desde os procedimentos cirúrgicos mais comuns nessa região anatômica até os últimos em desenvolvimento. As imagens de alta qualidade e um texto muito didático fazem deste livro uma obra de referência para todos os veterinários. AUTOR: Sañudo e Morales Gómez EDITORA: Medvet

A REBELIÃO DOS SERVIÇOS MÉDICO-VETERINÁRIOS – A ERA DO NEUROMARKETING

Este livro procura mostrar aos profissionais prestadores de serviços médico-veterinários e afins que neste século - e como o cenário do mercado pet atual - precisamos fazer uma rebelião em nossos serviços, na forma, na estrutura e na técnica de apresentação. AUTOR: Francis Flosi EDITORA: Medvet

06

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM EM CÃES E GATOS

O livro permite uma fácil e completa consulta a acadêmicos e profissionais, com fundamentos e técnicas para realização diagnóstica de exame de imagem em cães e gatos. AUTORES: Canola e Vicente Feliciano EDITORA: Medvet

CLÍNICA E TERAPÊUTICA EM FELINOS

A obra reúne a experiência de especialistas dos Estados Unidos, Austrália, Irlanda, Bélgica e Reino Unido na medicina felina, que discorrem sobre temas como criação, comportamento, doenças dos diferentes sistemas, doenças infecciosas, etc. Este livro é essencial para veterinários, estudantes, proprietários e criadores, pois contém, num só volume, o conhecimento necessário para o entendimento e acompanhamento dos felinos. AUTORES: E.A. Chandler, C.J. Gaskell e R. M. Gaskell EDITORA: Roca


CURSOS ANESTESIOLOGIA PARA CLÍNICOS O curso visa capacitar veterinários para a realização de cirurgias de orquiectomia e ovário-salpingo-histerectomia (OSH) minimamente invasivas, no sentido de incentivar a implantação ou implementação do Programa de Controle de Populações de Cães e gatos dos municípios do Brasil. LOCAL: Botucatu (SP) PERÍODO: 12, 13, 14 de Setembro INSCRIÇÕES: até 04 de Setembro INFORMAÇÕES: www.bioethicus.com.br

DOENÇA RENAL CRÔNICA EM CÃES E GATOS Conteúdo programático: Doenças congênitas e hereditárias, semiologia do trato urinário, exames complementares, doença renal crônica; nutrição do nefropata; hemodiálise. LOCAL: : Rua Siqueira Campos - 3520 – São José do Rio Preto (SP) INÍCIO PREVISTO: 12 de Outubro INFORMAÇÕES: www.qualittas.com.br

ATUALIZAÇÃO EM ONCOLOGIA VETERINÁRIA É voltado para veterinários e estudantes de graduação. Dividido em 4 módulo, o curso foi pensado para o médico veterinário atuante, com o intuito de discutir as principais doenças oncológicas e todos os seus processos. Tudo de uma maneira muito prática e dinâmica, trazendo conteúdo altamente aplicáveis a sua rotina de atendimento, evoluindo a qualidade de tratamento dos pacientes e gerando receita. LOCAL: Curitiba (PR) PERÍODO: De 26 de Agosto a 26 de Novembro INFORMAÇÕES: www.veteduka.com.br

PROFISSIONALIZANTE DE TOSADOR Para pessoas sem qualquer experiência que desejam ingressar imediatamente neste rentável mercado de trabalho. O aluno vai aprender desde os procedimentos básicos de banho, tosa higiênica e tosa geral e as tosas mais procuradas nos pet shops. Além de aprender cada técnica o aluno vai repetir as mais difíceis para iniciar na profissão com maior volume de experiência prática. UNIDADES: São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Minas Gerais, Paraná, Bahia Amazonas e Distrito Federal. DURAÇÃO: 5 Semanas INFORMAÇÕES: www.redeunipet.com.br

ACUPUNTURA VETERINÁRIA

dizagem estão direcionados ao tratamento de patologias próprias do alcance da acupuntura em animais de pequeno porte. Aulas práticas em Haras conveniado ao IBRATE. LOCAL: Curitiba (PR) INÍCIO: 07 de Outubro INFORMAÇÕES: www.ibrate.edu.br

CLÍNICA CIRÚRGICA EM CÃES E GATOS O curso terá ênfase na abordagem clínica pré e pós-operatória de pacientes submetidos à intervenções cirúrgicas, visando que o veterinário tenha subsídio para lidar com situações rotineiras ou de emergência no dia a dia de sua clínica. Público alvo: veterinários inscritos no Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), bem como acadêmicos de medicina veterinária do 4º e 5º anos, residentes, pós-graduandos e professores. LOCAL: ANCLIVEPA: Av. Brigadeiro Faria Lima, 1616 - 11º andar - Conj. 1106 (SP) INÍCIO: De 3 de Outubro a 30 de novembro de 2017 INFORMAÇÕES: www.anclivepa-sp.com.br

TERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR Prepara clínicos de pequenos animais quanto à importância do ajuste e indicações corretas dos fármacos do sistema cardiovascular. INSCRIÇÕES: (41) 3039.1100| (41) 3039.2867 ou pelos emails: inscricoes2@medvep.com.br e inscricoes3@medvep.com.br INÍCIO: De 11 a 12 de Novembro INFORMAÇÕES: www.medvep.com.br

CARDIOLOGIA VETERINÁRIA DE CÃES E GATOS Em 03 módulos, os professores proporcionarão conteúdos e discussões pertinentes à necessidade diária do profissional. Este é um curso feito para o clínico veterinário que frequentemente se vê diante de situações envolvendo a cardiologia e as decisões devem ser imediatas e pontuais. INÍCIO: De 01 de Setembro a 03 de Novembro LOCAL: Curitiba (PR) INFORMAÇÕES: www.equalisveterinaria.com.br

O curso tem forte embasamento na Acupuntura Tradicional Chinesa, complementando-se com técnicas modernas de eletroacupuntura e cromopuntura. Os conteúdos de apren-

07


*Prof°. Dr. Marco Antonio Gioso FMVZ-USP (www.usp.br/locfmvz)

Empowerment: a entrega de poder a colaboradores Quanto antes você começar a treinar a sua eQuipe e deixar as funções sob a responsabilidade dela, mais cedo vai ganhar muito dinheiro.

Ao “delegar”, o gestor pede a um colaborador que desempenhe certa tarefa para depois supervisionar a execução. Já “entregar” a função é mais do que isso. Significa deixar tudo por conta do colaborador, sem ficar em cima dele nem cobrá-lo ou supervisioná-lo. A mãe que entrega o filho aos cuidados do pai ou da avó e se sente tranquila, sem precisar ficar ligando o tempo todo para saber como andam as coisas, demonstra confiar na responsabilidade da pessoa à qual delegou a incumbência. Já a mãe que telefona o tempo todo, preocupada, apenas “delegou” a função de cuidar do filho. O mesmo se passa com os gestores donos de negócios. Se você confia, você entrega. Mas, para que isso aconteça, é preciso ter em mente a competência dos colaboradores e a personalidade do gestor. Confiar mais, muitos gestores acham que somente eles sabem tocar a função. É o velho e falacioso ditado: “Se você quer que saia direito, faça você mesmo! ” Trata-se de um raciocínio perigoso, muitas vezes relacionado à não percepção de que a falta de confiança nas pessoas, é um problema da mente de quem desconfia. É algo inconsciente, que vem desde a infância. Quando isso acontece, o recomendado é o gestor trabalhar para resolver esse desvio, relaxar mais e entender que existe vida inteligente fora do cérebro dele. Treinar mais o outro lado da questão é o do colaborador que não possui competência para exercer algumas tarefas e que, por isso, elas não lhe são delegadas ou entregues. Para que isso fosse possível, seria preciso treinar o colaborador. Mas, em muitas microempresas, o treinamento é pouco praticado. Dois motivos comuns dessa precariedade são o desconhecimento das técnicas e a famosa falta de verbas. Empowerment Significa dar poder. Nas organizações isso é feito a ponto de deixar à disposição do colaborador uma

08

verba para, em determinadas situações, ser usada a critério dele. É o caso de um valor mensal que a secretária pode gastar para ajudar clientes ou para tratá-los bem, conforme julgar melhor. A verba poderá ser aproveitada, por exemplo, para comprar uma camisa e doá-la a um cliente, já que a dele ficou suja inadvertidamente, por um erro da secretária ou de qualquer outra pessoa da empresa. Alta performance Tente pensar em como você atua na sua própria empresa. Você delega bem? Confia de fato nos seus colaboradores? Ou fica cobrando a todo momento, aterrorizando-os? Entenda que não existe certo ou errado, mas maneiras mais ou menos eficientes e lucrativas de atuar. Percebo muito claramente a falta de treinamento de equipe nas empresas do setor pet. Uma equipe de verdade sabe onde quer chegar e quando. Na mente de cada colaborador, e não apenas na parede da empresa, há uma missão e metas a cumprir. Se os alvos não estiverem bem incorporados, em vez de uma equipe teremos um grupo de trabalho. E, se a empresa não estabelece metas e missão, teremos um bando! É improdutivo, frustrante e desgastante para ambas as partes quando os colaboradores não são treinados e o gestor exige deles o que não têm para oferecer. Cansei de ver isso acontecer nas empresas. Hoje digo: faça um projeto, um plano completo de treinamento dos seus funcionários. Não restrinja o treino apenas a parte técnica. É verdade que ela é essencial, mas é importante também que o atendimento de excelência aos clientes e a capacidade de gestão sejam treinados. Comece já Lembre-se: uma equipe de alta performance leva de cinco a sete anos para se formar. Quanto antes você começar, mais cedo vai ganhar muito dinheiro. Pense nisso!


LANÇAMENTOS

01

02

04

03

01 ALIMENTADOR AUTOMÁTICO PETNET Agora existe uma forma mais prática de cuidar do seu pet enquanto está trabalhando, viajando ou simplesmente por comodidade e controle da quantidade de alimento que é oferecido aos cães e gatos diariamente. O produto pode ser controlado com o seu smartphone ou tablet, desde que seja a partir da versão Android 4.4 ou IOS e esteja conectado a internet. Depois é só agendar a quantidade e horário ideais para alimentar o pet.

www.cobasi.com.br

10

02 SNACK FUNCIONAL

TOTAL ALIMENTOS

Preocupada com o bem estar dos cães a Total Alimentos possui um Snack funcional exclusivo para a pele e pelagem dos cães, com ingredientes especiais que contribuem para a defesa natural, como ômegas 3 e 6 (EPA e DHA). O snack é desenvolvido com proteínas de alta qualidade para garantir a beleza e saúde dermatológica dos cães de pequeno porte e é produzido pelo processo de liolifilização, que conserva os nutrientes dos alimentos. www.totalalimentos.com.br

03 COOKIES SUPER PREMIUM PREMIER PET A marca oferece uma linha de cookies super premium, saudável, nutritiva e que vai ao encontro da rotina de cuidados e interação entre tutores e seus cães. Os biscoitos Premier Cookie são assados e possuem ingredientes rigorosamente selecionados, e produzidos em uma das fabricas mais modernas do mundo.

www.premierpet.com.br

04 HIDRATANTE DE PATINHAS DOCG Agora o destaque docg. é a linha de cosméticos e beleza de marca própria. O hidratante para patinhas, formulado com D-pantenol, promete reduzir a perda de água e promover a hidratação das patas e cotovelos de cães que costumam caminhar bastante ou de grande porte, que sofrem com o atrito dos cotovelos no chão. Porém, os tutores costumam aplicar também no focinho dos pets e proteger a pele do ressecamento causado pelo frio.

www.docgstore.com.br


06

05

07 08 05 CHAISES PARA PETS ESPAÇO VARANDAS

06 COLEIRA EM LED GENCO PET

07 LINHA FUNPET PETBRILHO

08 BEEF BALL PETITOS

Agora os pets podem descansar com conforto e estilo graças as chaises que o Espaço Varandas criou especialmente para eles. São móveis de alta durabilidade, feitos com fibra sintética, indicadas para áreas internas e externas..

Recentemente a Cobasi começou a vender coleiras com iluminação LED. O produto da marca Genco Pet é indicado para garantir maior segurança em passeios noturnos. É possível encontrálas no site e em algumas lojas da rede Cobasi nas cores azul, vermelha e verde e nos tamanhos P, M e G.

A Petbrilho, do Grupo Interbrilho de cuidados e higiene para pets, apresenta agora os lançamentos da linha Funpet. As novidades incluem shampoos, condicionadores, educadores sanitários, eliminadores e neutralizadores de odores, colônias, banho seco e fluído desembaraçador. Há também a linha profissional com shampoos e condicionadores concentrados em embalagens de 5 litros, máscara de hidratação, sabonete neutralizador de odores, silicone reparador, limpa lágrimas, entre outros.

Para inovar e aproximar ainda mais os tutores de seus pets, a Petitos criou o Beef Ball uma forma de interagir com os cães e ao mesmo tempo incentivar os seus instintos, estimulando o animal a buscar o próprio alimento quando este for arremessado. Disponível nas versões de 200, 60 ou 18 gramas, o Beef Ball tem sabor de carne e traz as proteínas necessárias para uma vida saudável.

www.espacovarandas.com.br

www.cobasi.com.br

www.petitos.com.br

www.petbrilho.com.br

11


LANÇAMENTOS

10

09

11

09 SNACK VEGETARIANO THE FRENCH CO Uma inovação exclusiva da The French Co é o snack Pão de Queijo, que pode ser consumido por cães alérgicos ou com problemas renais, pois não contém nenhum tipo de carne. O queijo usado é o parmesão isento de lactose, sem sal e feito com farinha integral, óleo de côco e óleo de girassol.

www.thefrenchco.com.br

12

10 BRINQUEDO PET GAMES

A Caveirinha é um dos produtos com conceito científico da marca e está disponível em duas versões e três tamanhos. Em Nylon, lembra mais um osso, indicada aos cães super destruidores. Um produto resistente e durável na cor gelo, que auxilia na profilaxia bucal quando roído e estimula a procura por alimentos. Em Soft, lembra mais uma bola, indicada aos mordedores moderados. Estimula a caça por diversão e a procura por comida, disponível nas cores roxa e cinza. www.petgames.com.br

11 QUARTO DOS FILHOSWAHL Que os pets são membros da família todo mundo já sabe. A novidade é a linha de produtos da Beijo de Focinho que é composta por móveis, enxoval e até objetos de decoração especialmente voltados para os bichos. O carro-chefe é a linha de estofados produzidos em três tamanhos. A marca segue referências globais como o Salão do Móvel de Milão que esse ano ressaltou a importância do design para pets.

beijodfocinho.blogspot.com


MARKETING (1) PAPAGAIOS DO CONGO SÃO NOVA ATRAÇÃO EM PET CENTER

1

Conhecido como o papagaio mais inteligente do mundo, a ave, também famosa por repetir a fala humana, vive entre 60 e 80 anos. Mas é a beleza e o visual exótico que despertam a primeira atenção de quem passa pelo Pet Center Hiper Zoo, em Curitiba. Quem se interessa em adquirir a ave passa por uma avaliação de compatibilidade de perfil, já que o animal requer no mínimo 6 horas diárias de dedicação.

(2) MAGNUS PATROCINA CORINTHIANS

A Magnus é a mais nova patrocinadora do Sport Clube Corinthians. Conhecida como uma das principais fabricantes de alimentos para cães e gatos do país, a marca vem se notabilizando também pelos investimentos diversificados no meio esportivo. A Magnus apoiará todas as equipes alvinegras do futsal e do paradesporto até março de 2020.

2

(3) BOAS OPORTUNIDADES PARA O MERCADO PET

A tecnologia vem facilitando cada vez mais a realização de compras seguras sem sair de casa, e atraindo mais investidores para este segmento. Uma pesquisa realizada pela agência Conversion sobre o comportamento do consumidor digital mostrou que, dos 697 entrevistados, 93% já compraram algo pela internet. Destes, 28% afirmam fazer mais de uma compra por mês. O setor pet brasileiro é um dos que possuem mais potencial de crescimento digital, visto que o país já é o segundo maior em faturamento no mundo, mas só representa 1% do e-commerce nacional.

3

(4) PETSA FECHA PARCERIA INÉDITA

4

5

A 16ª edição da Petsa ganhou mais um aliado de peso e notoriedade mundial, a Comunidade Veterinária Norte Americana (NAVC). O evento americano acontece anualmente desde 1984 em Orlando, na Flórida e é referência mundial no setor de medicina veterinária já que reúne visitantes de diversos países ao apresentar as ultimas tendências, tecnologias e conceitos da medicina veterinária.

(5) CÃO CIDADÃO NA PETSA

A Cão Cidadão, maior rede de franquia de adestramento da América Latina, participará mais uma vez da Pet South America. Este ano a empresa realizará palestras, aulas de adestramento com demonstrações de cães e, uma vez por dia, haverá uma sessão de fotos com o Alexandre Rossi e sua fiel ajudante, Estopinha.

14


(6) PETCO CHEGA NO BRASIL VIA PET TRENDS

Com o mercado pet na contramão da crise econômica, a maior rede varejista do setor pet americano - Petco - se une à importadora brasileira Pet Trends para trazer, a partir desse mês, seus produtos ao Brasil. De acordo com a CEO da Pet Trends, Denise Debiasi, a marca promete ótima qualidade e preços competitivos.

6

(7) SOBRADINHO GANHA NOVA OPÇÃO PARA OS BICHOS

Os tutores brasilienses já podem comemorar, Sobradinho acaba de inaugurar o Amigo Fiel, um pet shop com clínica veterinária 24h, hotel e centro de estética de alto padrão. O empreendimento existe há 16 anos, mas foi totalmente reformado e agora conta com nova administração. A inauguração acontece u no ultimo dia 12, com o conceito de oferecer serviços integrados com tudo o que é necessário para o bom tratamento dos pets.

7

(8) PREMIER PET DIVULGA NOVA PARCERIA

A Premier Pet oficializa trabalho com uma importante entidade representativa: a Associação Brasileira dos Hospitais Veterinários – ABVH, que inicia suas atividades neste mês de agosto durante a Pet South América, que acontece no São Paulo Expo, em São Paulo. A apresentação e cerimônia de posse da diretoria da ABVH está marcada para 16 de agosto, às 15h30, com a presença de proprietários e representantes dos principais hospitais e centros veterinários do país.

8

(9) SUCESSO NA FEIRA

A FEIPET – Feira de Negócios para Animais de Estimação teve sua 5ª edição na Fenac em Novo Hamburgo. O evento, que é gratuito e exclusivo para profissionais do setor, reuniu cerca de 6 mil pessoas e mais de 80 empresas expositoras. É o maior evento profissional do segmento pet no Sul do país e está consolidada no setor como um importante encontro para ampliar networking, estreitar relacionamentos, capacitar profissionalmente e fazer negócios.

9

(10) PLANO DE SAÚDE

Em 2014 a Health for Pet iniciou seus serviços na capital de São Paulo. Três anos depois se expandiu pelo estado de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e agora chega a Curitiba para proporcionar aos cães e gatos da região uma vida mais saudável e feliz. A empresa une praticamente todos os recursos oferecidos pela medicina humana: tomógrafos, ressonâncias, tratamentos oncológicos e ortopédicos, UTIs veterinárias, além de atendimento personalizado. O plano deve ser contratado por meio de corretores credenciados e atende cães e gatos com ou sem pedigree.

10

15


MARKETING 11

(11) GERAÇÃO Y BUSCA ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA PETS

A geração Y está mais disposta a agradar e “mimar” os seus pets. É o que indica a GfK, empresa de estudos de mercado, ao avaliar a população dos Estados Unidos. No Brasil não é diferente. Alimentos naturais, livres de conservantes e corantes artificiais, com pedaços de frutas e até livres de grãos, são tendência no mercado pet food e muito procurados pelos tutores da geração Y. E é nesse nicho que a Total Alimentos vem investindo com sua linha produtos com ingredientes naturais e funcionais.

(12) VENDA PORTA A PORTA

Curitiba vai capitanear uma proposta inédita no Brasil dentro do mercado pet: a criação de um sistema de vendas diretas binível de produtos para cachorros e gatos. A iniciativa é dos empresários Sandra Schuster, Flávio Pigatto e Juliano Cortes que lançam este mês a marca docg. Os três têm larga experiência no mercado de produtos e serviços para animais. O projeto une dois grandes setores em crescimento, mesmo num cenário de crise: o mercado pet e o de vendas diretas.

12

13

(13) ANA HICKMANN POSA COM SEUS CÃES

Ana Hickmann, posou ao lado de todos os seus cães, de diferentes raças e portes, em uma campanha para promover as linhas de alimentos para pets Fórmula Natural – Super Premium, produzidas pela Adimax Pet. O ensaio aconteceu em São Paulo, no canil da apresentadora, e será utilizado em ações de marketing da empresa. Ana é proprietária de um dos canis mais importantes do país, o Hickmann Ridgehunter, patrocinado pela Fórmula Natural.

(14) INAUGURAÇÃO

A rede PETZ inaugurou sua segunda unidade em Porto Alegre. Com investimento de R$ 3,5 milhões em espaço de mil m², o local segue o conceito de megaloja das suas principais unidades, com centro de estética, clínica veterinária e variedade de produtos nacionais e importados. Atualmente a rede conta 55 unidades, e busca se posicionar entre as cinco maiores operações mundiais do mercado pet até 2020.

14

(15) SOLUÇÃO DIGITAL

Pensando em quem precisa viajar e não tem onde deixar o pet, a DogHero nasceu com o intuito de encontrar o melhor anfitrião para cuidar do cachorro quando o tutor se ausenta. Atualmente, a plataforma digital conta com 11 mil anfitriões espalhados em mais de 650 cidades brasileiras, e iniciou recentemente a operação na Argentina, oferecendo aos cãezinhos hermanos cuidados como se estivessem em sua própria casa. Hoje são mais de 450 anfitriões naquele país.

16


Divulgação

Osmar Silva, com reportagem de Hylario Guerreiro

PRODUTO

O AMOR PELOS GATINHOS DEU ORIGEM À UMA EMPRESA Dois jovens decidiram aproveitar uma oportunidade para fazer algo diferente. Amantes incondicionais de gatos, perceberam que os produtos da área pet, em sua maioria são desenvolvidos para a população canina. Assim nasceu a Cat My Pet, marca voltada para gatos e para apaixonados por felinos que prospera em um mercado que já cresce o dobro que o de cães

18


Agnes CristinaPorto Ale-

é gaúcha, de

gre, e Diogo Petri, paulista de Santo André, cidade do ABC Paulista, os dois se encontraram em São Paulo, e juntos fundaram a ‘Cat My Pet’. Ela publicitária, desde menina apaixonada pelos bichanos de tal forma que instintivamente os protegia, os acolhia no lar humilde da família em Florianópolis, onde cresceu. Graduada em propaganda e tendo obtido a pós-graduação em gestão de negócios na ESPM, trabalhou por muitos anos com desenvolvimento de produtos e marcas, além de ter feito parte do time de marketing de uma grande multinacional do ramo de alimentos. Diogo começou sua carreira trabalhando em bares, aprendendo muito sobre aspectos administrativos e de negociação. Gerenciou pequenas equipes e desenvolveu projetos que o ajudaram a solidificar conhecimentos na área comercial. Com esta sua capacitação analítica, observou oportunidades na área de segurança e migrou para o segmento, embasando sua atuação com cursos e a importante área teórica. Como resultado, chegou a fazer parte da maior empresa do setor. “Foi em São Paulo que nos conhecemos. Eu e o Diogo começamos a compartilhar toda nossa vontade de vencer na vida juntos. Passamos a ser cúmplices, um dando força para o outro”, conta Agnes, orgulhosa e agradecida da história que estão construindo. Com estas expertises somadas às atuações paralelas em campanhas de proteção animal, criaram um primeiro produto da marca, e seguem participando de todas as atividades da empresa que se tornou sucesso muito antes do esperado por ambos. “Era para ser algo a ser construído aos poucos, um projeto pensado para o futuro, no entanto, assim que houve o lançamento do primeiro produto, o sucesso foi tão grande que o Diogo teve que largar imediatamente sua carreira e seu emprego para conseguir ajudar a dar conta da demanda de pedidos e contratações, e estruturar o crescimento da empresa ”, comenta Agnes. A princípio, tudo começou a ser pensado enquanto ainda estavam estáveis nos empregos formais. O projeto era para ser colocado em prática com bastante calma. Em paralelo, fizeram estudos de mercado e notaram que um dos principais acessórios para manutenção da saúde do gato é a utilização de um bebedouro. “Na época tinham apenas 2 opções caras e importadas que não ofereciam manutenção e o restante era tudo artesanal. Assim desenhamos

nosso primeiro produto, a MagiCat, e para viabilizá-lo pegamos um empréstimo no banco, com juros super altos. Mas realmente acreditávamos na nossa ideia, fizemos muitos testes de protótipos e melhorias até chegar em um resultado muito bom. Na verdade, um resultado excelente. Levamos em uma das ONGS que ajudávamos, e testamos com os gatinhos mais exigentes, gatinhos assustados, que já tinham sofrido diversos tipos de maus-tratos. Se eles aprovassem, teríamos um bom indicador para lançar no mercado. Para nossa surpresa, tivemos resultados magníficos. Cerca de 95% dos gatos utilizaram o bebedouro no primeiro dia, a média dos concorrentes era em torno de 50%. Então, nesse momento percebemos que tínhamos um grande futuro nos esperando, e naquele mesmo mês lançamos um primeiro lote de teste de aceitação que foi vendido em 3 horas”, relata. No segundo ano, ampliaram a linha e lançaram também outros produtos. “Fechamos o segundo ano com um crescimento maior que 50% em relação ao ano anterior” conta. “Atualmente temos mais de 120 mil seguidores nas redes sociais, temos um vídeo de divulgação com mais de 3 milhões de visualizações, e já fomos matéria espontânea nos principais veículos de comunicação do país. Participamos do programa Shark Tank Brasil, trouxe uma importante visibilidade para o nosso negócio. Hoje atendemos mais de 300 pets shops e clínicas veterinárias em todo o Brasil e países vizinhos”, enumera. Atualmente nove funcionários trabalham diretamente e mais 25 colaboradores para atender a área de produção e de vendas, que se estende por todo o país e também internacionalmente. “Por questões logísticas, o principal mercado dos produtos Catmypet ainda é São Paulo”, explica a empreendedora. Com muito cuidado, têm mantido o crescimento ordenado e sustentável e, na medida do possível, tirado do papel as inúmeras ideias que brotam. “Na verdade temos que nos renovar todos os dias em todas as funções. Nos tempos modernos as coisas mudam muito rápido e precisamos estar nos aprimorando a cada momento. Fazemos cursos com veterinários renomados, lemos boas publicações e pesquisamos o que se refere ao mundo pet, aos negócios e às novas tecnologias. Participamos de grupos de empreendedorismo e procuramos por melhorias constantes”, revela. Diogo Petri,é responsável pelo comercial, enquanto Agnes


EMPRESA Cristina, está voltada para as relações administrativas e marketing. “Todos temos muitas responsabilidades e gerimos nossas próprias funções. Por isso, cada um consegue utilizar suas principais habilidades com excelência. Acredito que nossa participação como gestores seja fundamental, assim como a de cada um dos nossos colaboradores. Uma empresa é formada por pessoas e, no nosso caso, também por gatinhos. Assim, a participação de cada um se faz imprescindível”, avalia Agnes. Nesta premissa, estão desenvolvendo vários novos projetos surpreendentes. “Na parte comercial, pretendemos aumentar ainda mais as nossas exportações e ampliar os canais de vendas”, conta Agnes. Isto significa que o esquema de vendas desenvolvido com vendedores internos e representantes comerciais, será reforçado e ampliado. Plataformas sociais vão agir ampliando a vantagem de ser uma das poucas marcas nacionais especializada em felinos. Inclusive, intensificando a presença no MERCOSUL. Magic Cat, é o principal produto, de um portfólio que inclui comedouros, brinquedos e acessórios para humanos com o tema felino. “Esse ano lançamos a Cat Light, um laser para brincar com o gatinho, os comedouros Snack Cat de porcelana, e a casinha Cat House. Ainda iremos contar com o CatNip Spray e mais novidades até o fim do ano. Todos pensados e desenvolvidos totalmente para o gato. Existem muitas diferenças entre gatos e cachorros, em formato e principalmente em hábitos e preferências”, explica. O segmento pet tem sido indicado como um dos poucos que conseguiu manter o seu desempenho, obstante o momento econômico difícil. “Esse último ano foi difícil, no ponto de vista financeiro, os juros aumentaram, o crédito diminuiu e a inadimplência disparou, até mesmo mercados em crescimento, como o mercado pet, foram abalados. Acreditamos que ainda teremos tempos turbulentos nos próximos meses, mas que o pior já passou. O segmento pet ainda tem muito pra crescer, e por isso acreditamos muito em tempos melhores”, revela Agnes, otimista.  “Vemos muitos concorrentes sem foco, fazendo produtos sem qualidade, brigando pelo preço. Acreditamos que existe mercado para todos, mas que a maioria dos consumidores se preocupa verdadeiramente com seus pets, como se fossem filhos, e por isso como empresa precisamos entregar algo que seja de fato bom para a saúde física e mental do pet e do humano tutor”, enfatiza ela. “Estamos felizes em trabalhar com algo que amamos tanto, em poder ajudar tantas causas sociais. Pois parte

20

de toda renda obtida é revertida como doação para ONGS de animais abandonados. Temos orgulho de dizer que fomos responsáveis pela adoção de mais de 100 animais. Só isso já vale todo o esforço para chegar até aqui.Sabemos que temos muito a percorrer, e ainda pretendemos continuar com a mesma força e humildade, sabendo que nosso trabalho é muito mais do que vender produtos. Nosso trabalho está em ajudar humanos e felinos a desenvolver laços fortes e duradouros entre si, colaborar para uma vida mais tranquila, e com isso diminuir histórias de abandonos e maus-tratos”, finaliza Agnes.

INÍCIO DE UMA GRANDE AFEIÇÃO

Na minha infância, toda vez que víamos algum gatinho machucado ou abandonado, nossa brincadeira infantil passava a ser o resgate deles. Tudo acabava com uma bronca de minha mãe por trazer mais um peludinho para casa. Mas a braveza dela durava pouco. Logo se rendia e abraçava a causa. Fazíamos campanhas de doações, com o objetivo de encontrar uma nova casa pra eles. Isso quando não estávamos apaixonados demais para doá-los. Uma das histórias mais malucas foi do nosso gato amarelo (Tãosão), que estava sendo massacrados por crianças cruéis. Certo dia eu e meu irmão chegamos da escola, tínhamos cerca de 9 e 7 anos, e fomos procurar uma ninhada de gatinhos que cuidávamos. Como não podíamos mais levar nenhum pra casa, passávamos todas as tardes com eles e fazíamos esconderijos com caixas recortadas como casinhas. Mas os gatinhos não estavam no esconderijo. Pensamos que eles tinham saído para dar uma volta, mas as "casinhas" também não estavam ali. Saímos a procura dos “nossos gatinhos”, quando avistamos um grupo de crianças os usando como bola de taco. Eles jogavam pra cima e davam pauladas. Felizmente ainda restavam dois vivos. Traçamos a estratégia de fingir que estávamos achando aquele campo de horrores engraçado e nos aproximamos dos marginais. Quando se distraíram pegamos os dois gatinhos que ainda tinham vida e saímos correndo Estávamos felizes, pois os nossos amiguinhos estavam a salvo. Infelizmente um deles já estava muito machucado e não resistiu, mas o amarelo viveu conosco por 22 anos e foi muito feliz.


NOTAS ANIMAIS ABANDONADOS!

PETS AJUDAM SEUS TUTORES NA INTERAÇÃO COM A SOCIEDADE SEU PET PODE SER UMA ESTRELA

Em sua 5ª edição, o concurso fotográfico Meu Amigo é o Máximo, organizado pela Max, alimento Premium da Total Alimentos, selecionará cães e gatos para serem as grandes estrelas do seu calendário 2018. Tutores de todo o Brasil podem concorrer e enviar fotos de seus pets. Os vencedores, além de estamparem o material durante o ano todo, também receberão kit com produtos da marca. Inscrições e votações vão até 31 de agosto e o resultado sairá dia 6 de setembro.

Tutores de pets possuem conexões sociais mais fortes com seus vizinhos, do que aqueles que não possuem bichos. É o que mostra um estudo recente da Universidade da Austrália Ocidental (University of Western Australia) em colaboração com o Centro de Nutrição Animal WALTHAM, da Mars Petcare. Essas pessoas estão mais propensas a desenvolver relação de amizade e confiança, fortalecendo assim a tese que ser tutor de um animal é um ponto valioso e positivo na vida da comunidade e da vizinhança.

TRANSFORME PEÇAS QUE NÃO USA

NOVOS APARTAMENTOS COM REDES E TELAS DE PROTEÇÃO

Medida visa proteger a vida dos pets. O uso ou não do equipamento de segurança em janelas, varandas e sacadas será opcional por parte do morador, que deverá comunicar à construtora se quer ou não a instalação, mas as empresas serão obrigadas a ceder as telas e redes ao cidadão paulistano, além de local para necessidades fisiológicas.

22

Agora dá para transformar suas peças de roupa em uma bela e exclusiva roupinha para o seu pet. A Arranjos Express, marca europeia de soluções em costura, comprova que não é preciso gastar dinheiro com peças novas. A rede é especialista em ajustar, reformar, customizar e transformar roupas que já temos. Além de não se gastar tanto dinheiro, evita consumir sem necessidade.

Projeto ANJINHOS DA RUA, não recebem ajuda do governo e nem da população, tudo custeado por uma família e suas empresas de Peruíbe, que lutam pelo fim do abandono e maus-tratos. Com 1 milhão m², localizado em Peruibe, Litoral Sul de SP, o santuário abriga mais de 1300 animais de todas as raças e espécies. Cachorros, gatos, cavalos, éguas, bois, vacas, coelhos, búfalo, são algumas das espécies encontradas no projeto que visa conscientizar as pessoas ao não abandono e maus tratos.


MARCA DE JALECOS INOVA COM COLEÇÕES ESTILIZADAS

Flamingos, Lulus da Pomerânia, Pandas, entre outros temas são o mote da marca dra. Cherie, empresa de jalecos estilizados que vem chamando atenção de cada vez mais profissionais da área da saúde e bem-estar. A ideia é fugir do branco e imprimir mais personalidade no ambiente de trabalho dos profissionais, e agora expande seu conceito para o universo pet. Para isso, a marca Dra Cherie lançou uma coleção bem-humorada inspirada por bichinhos.

GATOS EXÓTICOS INVADEM VINHEDO

A Associação Maine Coon do Brasil (AMACOON) promoveu a Expo Gatos Vinhedo 2017, que reuniu amantes de felinos da região e mostrou o motivo de o brasileiro estar optando, cada vez mais, por ter felinos como animais de estimação. A exposição trouxe mais de 200 gatos de 14 raças raras vindos de todo o país, que participaram de uma competição de beleza que contou com a presença de quatro juízes internacionais.

PARÓDIA DE "SUA CARA"

Aproveitando o sucesso da música do grupo musical Major Lazer, o canal Tudo Sobre Cachorros, oficial do portal de mesmo nome, criou uma paródia relatando a visão de um cachorro com Ansiedade de Separação quando o seu dono sai pra trabalhar. O clipe, estrelado por Pandora e Cléo, mascotes do Tudo Sobre Cachorros, está agradando todos os tutores do Brasil, pois ter que deixar o cão sozinho em casa é um problema recorrente para quem tem cachorro.

SEU PET ESTÁ FICANDO IDOSO. E AGORA?

Cães também envelhecem e passam a enfrentar problemas de saúde típicos da idade. A veterinária Gisele Vieira Sechi, do Hospital Veterinário Intensiva (HVI), de Curitiba, explica que as raças e os portes dos cães são fatores que determinam quando o cachorro pode ser considerado idoso. O animal de pequeno porte tende a apresentar tempo de vida mais prolongado e, por isso, é considerado idoso mais tardiamente quando comparado a um cão de grande ou médio porte. Os animais submetidos a check-up periodicamente, que tutores apresentem cuidados e alimentação adequadas têm condições de viver mais.

23


NOTAS CÃES AJUDAM NA SAÚDE DE IDOSOS

Para os idosos, ter um cachorro aumenta a probabilidade de alcançar os níveis de atividade física recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), afirma um estudo da University of Lincoln e Glasgow Caledonian University. Sabe-se que a atividade física reduz o risco de doenças cardíacas, derrames, vários tipos de câncer e depressão. A pesquisa acrescenta evidências que demonstram que ter um cão pode ajudar a manter a saúde durante o envelhecimento.

CAMPEONATO BRASILEIRO DE AGILITY

O evento gastronômico Virada Aunimal ganha uma nova edição nos dias 19 e 20 de agosto. Desta vez será realizado no Clube de Cãompo, o maior hotel fazenda exclusivo para cães em ITU e abrirá o XIX Campeonato Brasileiro de Agility. Contando com mais de 150 cães atletas e suas duplas, o evento será aberto ao público e os participantes serão convidados a doar 1kg de alimento não perecível ou ração para cães e gatos. O evento contará com muita diversão como um mega campo de bolas, piscinas de bolinhas e brinquedo de agility for fun.

CUIDADOS AO TRANSPORTAR O PET

- O pet deve estar acomododado em caixas de transporte apropriadas e preso em cinto de segurança; - É preciso que as vacinas estejam em dia e que o tutor leve consigo um atestado de saúde do animal emitido recentemente pelo veterinário; - Medicamentos indicados por profissionais para evitar enjoos ou tranquilizantes para evitar que o pet fique muito agitado, são recomendados para viagens mais longas, como de ônibus ou aviões; - É indicado levar pratinhos e caminhas. Se a viagem for de carro, o tutor deve disponibilizar água fresca e ração

24

para o animal. O tutor também deve parar de tempos em tempos para que o pet faça suas necessidades fisiológicas; - Para a viagem de avião é necessário levar a carteira de vacinação e transportar o pet em uma caixa de transporte dentro das normas de segurança; - Outros cuidados nas férias de inverno: Roupas apropriadas para baixas temperaturas; Vacinas.

COBASI ORGANIZA EVENTO DE ADOÇÃO

No dia 19 de agosto, a Cobasi irá promover na unidade Marginal Tietê, em São Paulo, um evento de adoção de cães e gatos em parceria com PEDIGREE®, pelo projeto PEDIGREE® Adotar é Tudo de Bom. Este evento é o quarto de uma série que as duas instituições irão realizar em diferentes lojas Cobasi até o final do ano. Além de conseguir um lar para os cães e gatos, o objetivo é estimular nas famílias o hábito de adotar pets, já que muitos estão precisando de uma casa.

VACINAÇÃO CONTRA A RAIVA

Agosto chegou, e com ele as campanhas de vacinação contra a raiva. É nesse mês de tempo frio que as cadelas mais entram no cio, aumentando a interação entre os cães, e facilitando o contágio pela doença. Por isso é importante não perder a oportunidade de vacinar cães e gatos gratuitamente.


PARADA PET TERÁ CONCURSO PARA DONOS E ANIMAIS

Entre os dias 18 e 20 de agosto o Museu Oscar Niemeyer em Curitiba (PR) receberá o Parada Pet, um evento com vários concursos para pets e tutores. O Missão Bicho irá escolher o cachorro e o gato mais bonito do ano e no Cara de um, focinho do outro, o cão e o dono terão que mostrar que são parecidos, seja fisicamente ou com acessórios e características em comum. No dia 17 de agosto serão divulgados os 5 primeiros colocados que no dia 19 irão desfilar e ser premiados.

O DIA DOS BICHANOS

No dia 8 de agosto foi comemorado o Dia Internacional do Gato. A data foi criada em 2002 pela International Fund for Animal Welfare, para celebrar o animal de estimação mais popular do mundo, além de debater e conscientizar donos de pets sobre como cuidar corretamente dos felinos.

DICICO MULTI PROMOVE EVENTO DE ADOÇÃO

A loja Dicico Multi, no bairro de São Miguel Paulista, na capital, realizou em parceria com a ONG Clube dos Vira-Latas, o 1º Festival Multi PET Care. A iniciativa incentivou a adoção de animais abandonados castrados e vacinados, resgatados por voluntários da ONG e também conscientizou a população contra o abandono.

SAFARI INSETOS PARTICIPA DE ENCONTRO DE ANIMAIS

A Safari Insetos participou do 1º Encontro de Roedores e Animais Exóticos de Campinas, evento que visa reunir criadores e amantes desses pets. Foi uma ótima oportunidade para que os visitantes conhecessem de perto as criações. Entre os bichos expostos estavam peixes, aves de pequeno e médio porte, aves silvestres, hamsters, ratos, tartarugas, aranhas, teiu, leopard gheko, corujas, macacos e saguis.

25


Divulgação

PROFISSÃO

UMA VIDA ENTRE PELOS E PENAS 26

*Wagner Ávila


Em 1984, aos 18 anos de idade, saí de Santo André, no ABC Paulista, para estudar Zootecnia, na Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. Esta era a oportunidade de ter o meu cachorro. Não o cachorro do papai ou cachorro da família, mas o meu próprio cachorro. Decidi por um cão da Raça Boxer; o Pooky. Um ano depois comprei minha primeira cadela com pedigree, a Turmalina do Chacarola, que apelidei de Sarah. Quem passou por Viçosa-MG, entre 1984 e 1989, deve ter visto um cabeludo andando de moto seguido por dois boxers correndo ao lado. Não era raro encontrá-los do lado de fora de algum prédio, me esperando sair de alguma aula. Esta época foi muito importante, pois tive a oportunidade de trabalhar com várias espécies diferentes, em especial com Cavalos Manga Larga Marchador, quando aprendi muito sobre a fisiologia da movimentação, que depois veio me ajudar muito na seleção dos cães das raças que criei!!! No começo dos anos 90, aceitei trabalhar como executivo de um importante hotel de São Paulo. Durante dois anos, o terno e gravata foram o meu uniforme. Até que, em 1992, comprei o Fantastique Sambucam; um cão Labrador que ficou muito conhecido com o nome de Bull. Este cão mudou minha vida. Voltei a adestrar cães e por conta dele, que era de uma linhagem de excelentes cães de trabalho e morfologia, fui aprender adestramento de cães guias de cego, com a equipe da Dra, Hanelory Fucs. Daí, não parei mais. É uma tendência que alguém que domine as técnicas de adestramento opte por treinar cães, pois é o maior mercado de trabalho, neste segmento. Estudei pastoreio e acabei criando Border Collie e Australian Cattle Dog, que são raças especializadas em manejo de rebanhos. Devagar fui migrando para os cães de guarda, Cane Corso e Malinois (sempre cães de trabalho). Fiz vários cursos de adestramento de cães e alguns de adestramento de cavalos. Mas foi em 2003 que fiz meu primeiro curso de falcoaria, e que me abriu os olhos para as aves. Em 2004 fui trabalhar na AMAZON BIRDS, que era uma loja enorme, em São Paulo, com aproximadamente 100 espécies de aves silvestres e exóticas, além de alguns poucos répteis, mamíferos e peixes. Foi uma oportuni-

dade muito auspiciosa, quando pude aprender muito, e com espécies que poucas pessoas, em uma vida, jamais terão a chance de manejar! Quando fui para o meu primeiro curso de falcoaria, minha ideia era adquirir uma Águia Americana. Saí de lá considerando a possibilidade de ter um animal menor. Ao invés de um animal de até quatro quilos, talvez um de até 400 gramas, porém acabei não adquirindo nada. Em 2006, fiz outro curso de falcoaria e lá eu entendi que deveria optar por corujas, que são mais tranquilas, pois caçam por emboscada e não são perseguidores como outras aves de rapina. Assim as corujas ficam mais tempo observando, paradas, determinando, um comportamento mais adequado a quem não pretende caçar com falcões. Porém, ainda não era o momento de adquirir minha ave. De 2010 a meados de 2012 fui administrador da Fazenda Beatriz, em Alvinlândia – SP, do lado da Estação Ecológica de Caetetus. Nesta época, tive tempo para desenvolver mais meus dotes fotográficos, meus conhecimentos sobre aves e a prática do Bird Watching, que é a atividade de observar “pássaros”. Em 2012, conheci a minha esposa, Zoraide Braz, o que me levou a optar por voltar a morar em São Paulo e tentar a vida como fotógrafo. Durante uns seis meses consegui sobreviver da fotografia e, em março de 2013, fomos convidados, pela Associação Cão Guia de Cego, para participar da PET SHOW, que acontecia no Centro de Eventos Imigrantes. Neste evento nós montamos um pequeno estúdio fotográfico, no estande da Associação, e como eu estava ajudando um amigo a treinar um Bubo Virginianus (Mocho-orelhudo), levamos esta coruja para fotografar com os colaboradores da Associação. Foi um sucesso!!!!!! E a partir daí, decidimos abrir a Animal Legal, que é uma agência de animais treinados para funções diversas, produtora de fotos e vídeos, produtora de conteúdos para TV, sites e revistas, trabalhando sempre pelo bem-estar animal e pela preservação da nossa biodiversidade. Nossa missão principal, hoje, é propagar as técnicas de voo livre, para que o público consumidor possa vislumbrar uma maneira mais saudável e prazerosa de manter uma ave PET. E nesta missão, priorizamos espécies brasileiras, em detrimento de espécies exóticas, pois entendemos que a nossa fauna é o nosso bem maior. * Diretor Técnico Animal Legal

27


Missão Patinhas Felizes e Tiago Zaidan

Tiago Eloy Zaidan

SOLIDARIEDADE

O CASO LÊNIN

A história que uniu uma protetora paraibana e um Pitbull rejeitado, alvejado com dois tiros por não servir para rinha de cães, ajuda a contar a saga da ONG Missão Patinhas Felizes, a qual se especializou no resgate e acolhimento de animais em situação de quase morte

N

a madrugada do dia 15 para o dia 16 de novembro de 2016, Andreia Medeiros, 37 anos, estava em vias de concluir uma faxina em sua casa, em Manaíra, região norte de João Pessoa. Foi interrompida pelo sinal sonoro de um aplicativo de mensagens instantâneas. Descobriu que havia sido marcada em uma foto de um Pitbull ensanguentado amarrado a um poste no bairro de Cruz das Armas, no subúrbio da capital paraibana. O cão havia sido alvejado com dois tiros: um na cabeça e outro na região do tórax. A princípio, Andreia imaginou que o animal já estivesse morto e lamentou o envio da foto. Voltou à faina. Não demorou, e comentários sobre a imagem começaram a ser postados. Alguém disse: “ele ainda está vivo”. Em todo caso, aparentemente, o Pitbull estava com a sentença de morte anunciada, visto que o tiro fora na cabeça. Andreia já havia perdido o foco da faxina quando, em outra mensagem, foi anunciado: “ele se levantou”. Quem também estava no WhatsApp a acompanhar o caso era a ativista animal Michele Cristina Oliveira, 35 anos, a qual, na ocasião, era líder do grupo de protetores Harpias. Em meio ao desenrolar do drama, Michele recebeu uma mensagem de Andreia: - Ei, tu vais resgatar? - Como? – Indagou Michele. - Comigo! – Respondeu Andreia. - Vou. Questões envolvendo o cuidado animal sempre captaram a atenção de Andreia. Desde a tenra infância, quando ainda morava em sua terra natal, Santa Luzia,

28

no sertão do estado. Já naquela época, sem o conhecimento prévio dos pais, recolhia animais abandonados na rua e levava para casa. Também se tornou conhecida por soltar os bodes amarrados nas esquinas da pequena cidade. Por volta de 2001, já em João Pessoa, onde passou a conciliar trabalho com o estudo – no curso de Administração na Universidade Federal da Paraíba, o qual deixou inconcluso –, começou a acolher gatos sem dono. Depois de uma passagem pelo exterior, o envolvimento com a causa animal só fez crescer. Em 2015, a ativista sertaneja ingressou no Harpias, entidade da qual chegou a ser presidente. Na proporção em que o engajamento aumentava, a vida pessoal era relegada a segundo plano. Depois de um desentendimento com o sócio, desativou o bar que administrava no bairro do Bessa, no extremo norte de João Pessoa. Com mais tempo livre, a dedicação aos animais tornou-se prioridade. Em dezembro de 2015, formou um grupo com o qual passou a articular a fundação da ONG Missão Patinhas Felizes, entidade a qual lidera até hoje. De volta à madrugada do dia 16 de novembro de 2016. Andreia não demorou a passar na casa de Michele, que já estava aguardando com uma miríade de panos, os quais – previa – iria precisar. A amizade das duas nascera justamente em meio a luta pela causa animal. Partiram de carro para Cruz das Armas. No caminho, a então ativista da Harpias tentou contatar a polícia. Ambas pouco sabiam sobre o caso e receavam que os autores do atentado contra o Pitbull ainda estivessem no local. A resposta da polícia foi desanimadora: “não tem viatura. Estão todas em atendimento”.


Ao estacionarem, constataram com alívio que o local do atentado não estava deserto. Havia muitos populares ao redor do poste, assistindo à agonia do cão. Provavelmente estavam com receio de se aproximarem de um Pitbull, mesmo que baleado. Encorajados pela atitude das duas mulheres recém-chegadas, todavia, os presentes passaram a contribuir com o resgate. O cão estava sem forças, de retorno ao chão, e nem de longe apresentava o ímpeto bravio atribuído aos Pitbulls. De fato, havia sido alvejado por dois tiros. Um deles na cabeça – a apenas dois milímetros do cérebro, conforme foi constatado mais tarde. O tronco do animal estava coberto de sangue já coagulado. A outra bala se alojara na paleta. Michele livrou o cão da corrente. Andreia o puxou pela guia. Ele se levantou e caminhou lentamente, ao lado da protetora, até o veículo. “Eu pedi a ele para entrar no carro. Ele colocou a pata para cima e eu puxei a traseira. Ele obedeceu. Eles sentem quando vão ser ajudados”, recorda a paraibana de Santa Luzia. O empreendimento de esforços hercúleos para resgatar animais não é propriamente uma excepcionalidade nas vidas de Andreia e Michele. Também em 2016, as duas amigas dirigiram até Monte Horebe, no alto sertão do estado, a 533 quilômetros de João Pessoa, para salvar uma cadela saudável que estava preste a ser eutanasiada.

O Pitbull Lênin salvo em Cruz das Armas - João Pessoa - Paraíba

O Pitbull resgatado em Cruz das Armas foi levado para uma clínica veterinária com a qual Andreia mantém uma parceria. “Por mais que eu deva lá, eles nunca deixaram de me atender”, explica a ativista. O cão havia perdido muito sangue e o ferimento na cabeça estava inflamado. A equipe de veterinários achou prudente tentar reduzir a inflamação do ferimento para proceder a cirurgia de retirada da bala. Passados dez dias de internação, todavia, a cabeça do animal ainda estava inflamada, e o inchaço tornou-se calamitoso. A cirurgia foi feita. A perita da Delegacia do Meio Ambiente acompanhou o procedimento e levou a bala para realizar o exame de balística. O projetil decorrente do tiro na paleta não foi removido, pois havia o risco de o animal perder os movimentos com a cirurgia. Andreia, no entanto, garante: “Hoje ele anda perfeitamente bem”. A essa altura, o cão baleado de Cruz das Armas já possuía nome. Passou a atender pela alcunha de Lênin. A perícia concluiu que a bala fora disparada de um revolver 38. A Polícia Ambiental caiu em campo e, com mais uma semana, chegou a três pessoas envolvidas no

29


SOLIDARIEDADE crime. Uma delas era o dono do animal. Os outros dois eram amigos do dono. Um dos amigos foi quem atirou. Enquanto os Pitbulls são estigmatizados pela agressividade – muitos são abandonados por seus tutores humanos justamente por isso –, Lênin fora rejeitado por seu dono pelo motivo oposto. O cachorro não servia para os propósitos de seu tutor, por não ser suficientemente combativo. O objetivo era ganhar dinheiro com o animal em rinhas de Pitbulls. Casos de objetificação de animais domésticos não são novidade. Andreia recorda do episódio de Quico, um Shih-tzu o qual ela encontrou em um pet shop. “Ele estava tomando banho. Eu achei o animal extremamente apático. Perguntei o que é que ele tinha. Todo animal, você mexe, ele tem uma reação. E ele não esboçava nenhum tipo de reação”. Quico estava doente. Padecia – sem tratamento adequado – com otite, dermatite

O Pitbull Lênin durante a fase de recuperação

e úlcera. O Shih-tzu fora cedido como presente a uma criança, que, por sua vez, tratava-o como um brinquedo sofisticado. Andreia tentou convencer a mãe do menino, uma médica, a repassar a tutoria do cão. Após três meses, Quico foi finalmente cedido à ativista. O motivo: a criança resolvera trocar de brinquedo; a seu pedido, a mãe lhe comprou um labrador. Pitbull, Shih-tzu... Dentre os “órfãos” acolhidos por Andreia, cães de raça são mais comuns do que se imagina. O Poodle Felipe, por exemplo, foi abandonado por estar infestado de carrapatos, os quais acabaram lhe transmitindo a doença do carrapato. Quando acolhidos por protetores, os cães de raça, especialmente se forem filhotes, conseguem adoção mais facilmente. Pior para os cães sem raça definida e para os adultos. Existe um receio paradigmático de que os cães adultos poderiam não se adaptar ao novo lar, tese rechaçada pela ativista Brenda Braga Bezerril, 25 anos, estudante de Administração e integrante da ONG Missão Patinhas Felizes. “O cão adulto, se ele era animal de rua, é o melhor animal para você ter. Ele é calmo. É grato a você. É carinhoso, é companheiro. Tem resistência a doenças. Um cachorro que não tinha nada, que morava na rua, chega em uma casa com água, com comida, com pessoas que vão dar atenção a ele. É Lógico que ele vai se adaptar”, explica Brenda. Dentre os cães abrigados pela ONG a espera de adotantes, os adultos são maioria: 38 animais. Lênin, após sobreviver ao tratamento e ter alta da clínica, foi adotado por um agente da polícia ambiental. Em maio de 2017, todavia, um mosquito palha entrou na história, e um novo capítulo triste começou a ser desenhado. A leishmaniose é considerada uma doença endêmica em muitos bairros de João Pessoa e da região metropolitana. É transmitida pelo mosquito palha, o qual possui como habitat a região litorânea de mata atlântica, explica o professor e coordenador do curso de Gestão Ambiental do campus João Pessoa do Instituto Federal da Paraíba (IFPB), Arilde Franco Alves. Alves também é médico veterinário e membro da Comissão de Meio Ambiente e Animais Selvagens do Conselho Regional de Medicina Veterinária. De certa forma, a expansão dos casos de leishmaniose está relacionada ao desequilíbrio causado pela devastação da mata nativa e pelo avanço, muitas vezes desordenado, da ocupação urbana. “O macho se alimenta de seiva de vegetal. Já a fêmea, precisa picar animal de


sangue quente para poder fechar o seu ciclo reprodutivo”, esclarece Arilde Alves. Especialmente na zona sul da capital paraibana, bairros inteiros surgiram onde antes era mata. Cachorros errantes e mesmo os domésticos passaram a fazer parte do cardápio do mosquito. “Inclusive cães que são criados até de maneira correta, no seu quintal, bem alimentados, são passíveis de contrair a leishmaniose”, esclarece o professor e médico veterinário. Aliás, há focos significativos em regiões de elite, como no badalado bairro do Altiplano.

Brenda Bezerril, integrante da ONG Missão Patinhas Felizes.

Não é por acaso, portanto, que a leishmaniose se tornou uma das maiores preocupações de Andreia, a qual, atualmente, abriga em sua residência cerca de 40 cães. “Meu cuidado maior é não deixar esses animais em área endêmica”, reconhece. Além destes, outros 20 animais estão sob sua tutela, abrigados temporariamente em residências de voluntários da ONG Missão Patinhas Felizes. A ONG também ajuda protetores independentes com ração e medicação. O novo tutor de Lênin residia em Mangabeira 8, justamente uma das últimas fronteiras da expansão urbana de João Pessoa. Além do Pitbull adotado, o agente da Polícia Ambiental possuía mais seis cães. O mosquito palha não perdoou nenhum. Todos contraíram leishmaniose. Cinco precisaram ser sacrificados. Lênin escapou da morte mais uma vez; apesar de contaminado, ainda se mantinha assintomático. Todavia, tradicionalmente, em casos como este, os centros de zoonoses e os profissionais de medicina veterinária costumam recomendar a eutanásia. Diante do novo contexto, a tutoria do animal voltou para Andreia. Ao longo do tempo, a ativista e a ONG se especializaram no resgate e no acolhimento de animais em situação de quase morte. Casos como o de Lênin, que fora encontrado baleado e amarrado a um poste. Acostumada a situações extremas, Andreia decidiu não desistir do Pitbull. A protetora está em campanha para tentar viabilizar financeiramente um tratamento clínico para Lênin, com uma droga nova no país, o Milteforan, o qual já é utilizado no exterior. Atualmente, Lênin está abrigado na casa de Hanni Melo, 37 anos, vice-presidente da ONG. Por conta do passado do cão, Lênin é agressivo com outros animais. Por isso, precisa ficar em um canil separado. Todos que atuam na ONG são voluntários. A bem da verdade, dispendem recursos do próprio bolso em nome da causa que defendem. Alguns ativistas vão

Todos que atuam na ONG são voluntários. A bem da verdade, dispendem recursos do próprio bolso em nome da causa que defendem.

O Pitbull Lênin após o tratamento que salvou sua vida.

31


SOLIDARIEDADE Residência e abrigo: animais sob os cuidados de Andreia Medeiros

além, e abrem mão da vida pessoal. Pode-se dizer que é o caso de Andreia. A ativista, que é divorciada, garante que o fim de seu casamento não tem nada a ver com a militância em defesa dos bichos. A casa alugada em Cabedelo, município vizinho à capital, onde a protetora paraibana vive desde junho de 2017, é também a sede da ONG. Lá se encontram abrigados os 40 cães que estão sob seus cuidados direto. “Eu moro no abrigo. Não são eles que moram comigo. Sou eu quem moro com eles”, diz, referindo-se aos animais. A mudança para Cabedelo se deu às pressas. Antes Andreia morava e tocava a ONG em uma casa alugada no bairro de Manaíra, em João Pessoa. Mas foi denunciada ao Ministério Público por uma vizinha, insatisfeita com o barulho que os cães faziam. Como havia o risco de os animais serem recolhidos pelo Centro de Zoonoses, alguns dos quais em tratamento por serem portadores de doenças crônicas, Andreia precisou agilizar a sua “fuga” de João Pessoa rumo a uma região pouco habitada no município vizinho. Andreia dedica-se em tempo integral à Missão Patinhas Felizes. Seu rendimento pessoal é oriundo de investimentos feitos após seu regresso do exterior. Parte de seus recursos é destinado à operação da ONG. Também conta com a ajuda da mãe, a qual, atualmente, mora consigo. Recentemente, precisou recorrer a um empréstimo para providenciar a estrutura de canis da nova sede. Uma pequena carteira de doadores e a realização

32

de brechós ajudam a complementar a renda da Missão. A ONG também promove feiras de adoção, oportunidade em que apresenta cães e gatos castrados e vermifugados a potenciais tutores. Durante o primeiro semestre de 2017, por exemplo, a Missão Patinhas Felizes esteve duas vezes no campus João Pessoa do IFPB, em eventos realizados pela Coordenação de Extensão (Copex). Somadas as duas ocasiões, o brechó conseguiu apurar em dinheiro o equivalente a pouco mais de duas sacas de ração. Além disso, cerca 20 animais, entre cachorros e gatos, foram adotados, segundo contabilização da vice-presidente da ONG, Hanni Melo. Estes 20 animais tiraram a sorte grande. Saíram de uma situação de vulnerabilidade e encontraram um lar. Agora, quem sabe, ajudarão os seus novos tutores a se tornarem pessoas ainda melhores. Enquanto isso, de focinho molhado, com uma língua enorme para fora e olhar abobalhado, não será dessa vez que Lênin cumprirá a missão de ser o companheiro de alguém. Depois do diagnóstico de leishmaniose, a sua adoção se tornou praticamente impossível. Mas não significa que o Pitbull não esteja na labuta. Mesmo doente, o sobrevivente Lênin está cumprindo outra missão. A de inspirar ativistas como Andreia, Michele, Hanni e Brenda.


2017


Vininha F. Carvalho Editora do Portal Animalivre www.animalivre.com.br

BRASIL GANHA PRIMEIRO CACHORRO SINTÉTICO PARA AULAS DE VETERINÁRIA A vivissecção vem do latim vivus (vivo) e sectio (corte). O organismo dos mais diversos tipos de animais não é igual entre si. Ou seja, experimentos feitos, por exemplo, com camundongos e ratos não terão necessariamente os mesmos resultados, e isso foi comprovado em um teste realizado em 1999, onde camundongos e ratos foram utilizados em um teste que tinha a finalidade de determinar o efeito cancerígeno do flúor. Nesse teste, os camundongos não foram afetados, já os ratos foram afetados por câncer na boca e nos ossos. Então, é visível que muitos experimentos além de machucar e matar os animais, eles prejudicam os seres humanos. A crítica com relação ao uso de animais seja para aulas práticas com animais sedados, e logo após sacrificados, ou para experiências em animais vivos, crescem mundialmente. As ONGs de Proteção Animal argumentam que o uso de qualquer animal em testes é uma enorme crueldade. Em Israel, a principal linha aérea se nega a transportar primatas para serem usados em experiências e em todas as escolas governamentais, a dissecção foi proibida. Segundo o Ministro da Saúde, - "é mais importante ensinar aos alunos israelenses a compaixão pelos animais, pois este sentimento certamente criará maior compaixão por seres humanos", declarou. Já nos Estados Unidos a grande maioria das escolas de medicinas não usam animais, como a Columbia University College of Physicians and Surgeons, Harvard Medical School, as universidades de medicina de Miami, Michigan, Texas, Washington, Iowa e mais dezenas de outras. Na Europa a mobilização contra este tipo de aula tem a mesma força. O curso de medicina veterinária da Faculdade das Américas (FAM) é o primeiro no Brasil a utilizar modelo canino sintético para aulas de anatomia, fornecido com exclusividade pela empresa brasileira Csanmek, especializada em sistemas e soluções para o mercado educacional. A aquisição segue a tendência mundial de eliminar o sacrifício e o uso de animais em salas de aula. Chamado de Syndaver Canine, o cachorro sintético será utilizado para simulações cirúrgicas e treinamentos de habilidades. O modelo é desenvolvido com textura e densidade similares às estruturas anatômicas reais e con-

34

tém todos os sistemas e órgãos do corpo canino, permitindo a realização de cirurgias, dissecações, intubações e demais procedimentos veterinários. O cachorro sintético integra o sistema multidisciplinar da FAM para o ensino da veterinária e será utilizado junto com a Plataforma 3D de simulações de anatomia, desenvolvida pela Csanmek. O equipamento funciona como uma mesa que exibe modelos tridimensionais altamente detalhados e anatomicamente corretos de todos os sistemas do corpo canino, que permite aos alunos realizar dissecações virtuais e ter acesso a locais que dificilmente teriam em um cadáver real. O simulador 3D utilizado na FAM possui ainda uma ferramenta de integração entre hospitais e salas de aula e oferece aos alunos a possibilidade de estudar casos clínicos e exames reais de animais, pois permite que os professores convertam tomografias e ressonâncias magnéticas em 3D, com acesso total e irrestrito a anatomia real. “Todos os anos, milhares de animais são sacrificados para o ensino. Essa tecnologia foi desenvolvida para reduzir esses números e modificar esse cenário, pois o simulador cirúrgico permite que os alunos utilizem um modelo realístico com todos os sistemas e órgãos na mesma coloração e densidade do real”, comenta Claudio Santana, fundador da Csanmek Tecnologia. “Apesar de ser um equipamento para educação, a plataforma 3D também é utilizada por médicos e profissionais da saúde no dia a dia, para melhorar o aprendizado e compreensão das estruturas anatômicas reais e modeladas, e, junto com o Syndaver Canine, formou-se o cenário ideal", conclui Santana. É importante que pessoas que trabalham na área de pesquisa, estudantes de biologia, veterinária, zootecnia e outros, contribuam da sua melhor maneira para desestimular este tipo de tortura. Todos juntos devemos ter um só objetivo: salvar esses seres inocentes e indefesos de tanta crueldade. A sociedade terá muito a ganhar com o fim da dissecção, impedindo assim, que a doutrina médica insista em tentar promover a saúde, sendo instrumento de sofrimento e morte desnecessária.


Profile for Luanda Editores

Petmagazine ed 104  

Petmagazine ed 104  

Advertisement