Page 1


CONTEÚDO 08

APRENDIZADO

29

ESPECIAL INTERIOR SP

36

CAPA

40

LOJA

COM PARCERIA INTERNACIONAL EMPRESA LANÇA LINHAS EXCLUSIVAS DE BICICLETAS

14 EVENTO 16º ENCONTRO EM RIBEIRÃO PRETO (SP): O NEGÓCIO É BICICLETA

SEÇÕES

Editorial

04

Notas

06

Lançamentos

10


Diretoria Osmar Silva José Haroldo G. Santos

Luanda

Edição 211 - Junho / Julho 2016

Editor Osmar Silva osmar@luanda.com.br

Diretor José Haroldo G. Santos haroldo@luanda.com.br

Redação Hylario Guerrero (MTB 13468) hg.noticia@luanda.com.br Joelma Farias (MTB 78793) joelma.noticia@luanda.com.br Design Editorial Bruno Ricardo Mello Caio Matheus Paiva Diego Igor Oliveira arte@luanda.com.br Publicidade: Luanda Brasil Serviços de publicidade Ana Paula Lima José Ricardo Gomes vendas@luanda.com.br Administração Denis Jorge Souza Jhonnatan André Juici Monteiro Thais Gonçalves Rodrigues luanda@luanda.com.br financeiro@luanda.com.br

Jurídico Dra. Adriana Carla G. P. Silva Assessoria gráfica Pavaprint Impressão Gráfica Carnicelli R. Joaquim de Almeida Moraes, 273 Jd. Magali - CEP 02844-000 - São Paulo/SP Tel.: + 55 (11) 3461 8400 / 3461 8401 Fax: + 55 (11) 3923 5374

EDITORIAL A participação no mercado de empresas nacionais fabricantes de bicipeças tem apresentado sensível declínio na última década. Empresas tradicionais deixaram de existir ou tem estado em processo de enxugamento em suas atividades. São raras as exceções de marcas produzidas no país que ainda detém a liderança no mercado e preferência dos consumidores. Como justificativa, os empresários afirmam que este é um processo irreversível por conta da concorrência com os produtos importados, principalmente aqueles produzidos na China e da elevadíssima carga tributária que incide sobre os valores dos produtos comercializados. Alguns poucos produtores tem encontrado soluções para driblar estes adversários e suas marcas seguem sendo bastante procuradas e por conta disso, veem seus índices de vendas ou crescendo normalmente ou, no mínimo, mantendo números de vendas. Enquanto isso, novas marcas bicicletas nacionais vão sendo lançadas e por sua vez agradando as mais diversas áreas de consumo. Sejam elas de esportes, lazer ou transporte. Bikes com novos designs, muita tecnologia aplicada e itens importados em sua montagem. Neste momento, no qual as bicicletas estão assumindo com maior intensidade o seu papel de veículo moderno, econômico e totalmente integrado ao ambiente, seja ele nos grandes centros urbanos ou nas pequenas cidades, onde por tradição de uso, já ocupavam espaço importante, seria natural que também as bicipeças nacionais estivessem com maior consumo. Entendemos as explicações dos empresários e seus executivos, porém algo tem que ser feito para a mudança deste cenário. Esperar que os governantes alterem para menor os percentuais aplicados como impostos na produção e vendas dos produtos é sentenciar a morte o que sobrou das empresas nacionais. A preocupação das esferas dos ministérios é de aumentar a arrecadação para suprir as necessidades dos déficits atuais, que não são pequenos. Talvez, a maior participação das empresas em associações que os representem em demandas junto às áreas governamentais pudesse ser um caminho. Mas, isto tem sido muito raro. Há uma resistência inexplicável neste quesito. Investir em marketing, comunicação, promoção de marca é feito por poucos e, estes não por coincidência, são os lideres de mercado em suas áreas de atuação. É triste constatarmos que neste momento de maior exposição da bicicleta na mídia, exaltando todos os seus atributos, os produtores nacionais estejam fora deste movimento óbvio de acréscimos de vendas. Apenas os importadores que, em sua maioria são muito competentes, tem conseguido experimentar interessantes desenvolvimentos em suas atividades. Aliás, eles têm contribuído para a melhora do produto final, a bike, montada com itens modernos e tecnologicamente avançados. Cremos que ainda há tempo para a reversão desta situação. É necessário apenas que os responsáveis pelas empresas tupiniquins se conscientizem das providências urgentes a tomar, arregaçassem as mangas e saíam à luta pelo lugar que merecem e que lhes pertencem historicamente. Todos nós

A cyclomagazine aceita matérias técnicas como colaboração. Os artigos deverão vir acompanhados de fotos ilustrativas com as respectivas legendas e curriculum do autor. A revista não se reponsabiliza por opiniões e artigos assinados que podem ou não expressar a mesma opinião do editor. As opiniões emitidas em artigos assinados são de responsabilidade do autor. A revista não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios veiculados, nem por aquisições em função destes. Todos os direitos reservados, sendo proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio, sob pena de procedimentos legais. A revista cyclomagazine é uma publicação mensal da Luanda Editores Associados LTDA., e tem sua marca registrada no INPI sob o número 820.332.593

Foto capa: SENSE BIKE "ROCK"


Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas

NOTAS BICICULTURA EM SÃO PAULO A cidade de São Paulo recebeu o Bicicultura, encontro nacional de mobilidade por bicicleta e cicloativismo. O evento ofereceu 160 atividades, incluindo palestras, oficinas, apresentações artísticas e prática esportiva, para adultos e crianças. A programação foi realizada na região central da capital paulista, concentrada no entorno do Teatro Municipal. Houve atividades na Galeria Olido e na Praça das Artes, além de uma bicicletada e de visitas técnicas com a Companhia de Engenharia de Trafego (CET), que preparou três roteiros diferentes. possui diversas propostas como a instalação de mais paraciclos, bicicletários e equipamentos para estacionamento de bicicletas.

Físicas Aplicadas, e as empresas Eco Soluções em Energia e Projec (de arquitetura), com apoio da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap).

PROJETO INCENTIVA USO DE BICICLETAS EM BH NOVO PROJETO

SISTEMA DE COMPARTILHAMENTO DE BICICLETAS EM VITÓRIA

A BHTrans e o GT Pedala BH se juntaram para criar a campanha “BH tem espaço para todos #respeitaabicliceta”. O objetivo é realizar ações que sensibilize os moradores da capital sobre os benefícios do uso de bicicletas. Além disso, o projeto deseja criar uma cultura de respeito mútuo entre os ciclistas e motoristas, visando a segurança de todos. O projeto já

O Bike Vitória, sistema de compartilhamento de bicicletas instituído na capital do Espírito Santo, foi inaugurado com a entrega das cinco primeiras estações e 50 unidades disponíveis para aluguel. O Sicoob ES é parceiro da Prefeitura de Vitória no projeto que, quando estiver em pleno funcionamento, vai ser integrado por 200 bicicletas, em 20 pontos da cidade.

06 | cyclomagazine

O campus do Itaperi da Universidade Estadual do Ceará (Uece) está desenvolvendo um projeto inovador. Trata-se de uma árvore solar, com dez painéis fotovoltaicos que carregarão as baterias de nove bicicletas elétricas destinadas à equipe de segurança da Instituição. A iniciativa é resultado de uma parceria entre a Uece, através do Mestrado Acadêmico em Ciências

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O Paraná passará a contar com projetos e ações em favor dos ciclistas. É o que prevê a Lei 18.780, de autoria do deputado estadual José Carlos Schiavinato. Sancionada pelo governador Beto Richa, a lei “institui a política de Mobilidade Sustentável e Incentivo ao Uso da Bicicleta”. Com isso o Estado passa a incentivar o uso da bicicleta como forma de mobilidade urbana sustentável visando priorizar os meios de transporte não motorizados.


Foto: : iStock/MartinFredy

MULTA PARA INFRATORES A Guarda Municipal de Itajubá (MG) está multando quem usa bicicletas de forma errada na cidade. A multa é de 15% sobre o valor do veículo e pode subir para 30%. Uma lei municipal exige que os ciclistas sigam algumas regras na cidade. Também é proibido pedalar em praças e calçadas, trancar a bicicleta em postes e placas de sinalização, parar em jardins e canteiros e andar na contramão. Além disso, o ciclista ainda tem que obedecer a sinais de "Pare", semáforos e dar a preferência de passagem. Na primeira infração o ciclista é orientado. A partir daí, a bicicleta é apreendida e o ciclista multado.

PEQUIM E AS BICICLETAS ELÉTRICAS Conflitos entre carros particulares e ciclistas gerou revolta com a desigualdade na China urbana, que joga os motoristas contra condutores de bicicletas que precisam trabalhar como entregadores. A bicicleta elétrica tem sido uma verdadeira mão na roda para o comércio on-line. A proliferação do veículo leve é resultado da crescente demanda de entrega de produtos adquiridos pela internet - e não só Pequim, mas várias outras cidades do país

já estão se movimentando para Municipal de Trânsito, é fortalecer controlar e até proibir o veículo. a integração de diferentes modais Donos e fabricantes temem que de deslocamento. a cidade copie outras que impuseram restrições mais radicais ao veículo. EVENTO

ÔNIBUS ADAPTADOS PARA TRANSPORTAR BICICLETAS EM CURITIBA O primeiro teste já está sendo feito com um veículo na linha Centenário/Campo Comprido. A experiência conta com o biarticulado DE 710, adaptado para transportar duas bicicletas e, se aprovada, será expandida para outras linhas. A ideia do projeto BRT Bike, desenvolvido em parceria pela Urbs e Secretaria

surgiu devido aos bons resultados de campanhas anteriores, que contou com grande adesão dos usuários desse tipo de veículo.

CONSCIENTIZA CICLISTAS

AÇÕES ENCERRAM “MAIO AMARELO”

A CCR MSVia participou de evento organizado pela Agência Municipal de Trânsito de Dourados (MS), onde as equipes do Serviço de Atendimento ao Usuário da Concessionária conscientizaram ciclistas com dicas de segurança no trânsito, além de afixar adesivos refletivos nas bicicletas dos participantes. Os adesivos são os mesmos utilizados em campanhas previamente desenvolvidas pela CCR MSVia em locais da BR-163/ MS, onde o fluxo de ciclistas é intenso. A ideia de realizar a ação

O Detran|ES, em parceria com a Prefeitura de Vila Velha, realizou o “Pedal Movimento Rua Coletiva”. A campanha visa conscientizar a população para um trânsito mais seguro e humanizado, incentivar os cidadãos a praticar a gentileza, enxergar o próximo e lutar para a redução do número de acidentes de trânsito. O pedal fez parte das ações do “Movimento Rua Coletiva, uma convivência melhor a cada esquina”, que é uma campanha do Detran|ES e nasceu dentro do Movimento Maio Amarelo.

cyclomagazine | 07


DESENVOLVIMENTO

ETEC ALBERT EINSTEIN CRIA BICICLETA MOVIDA A IMPULSO MAGNÉTICO Texto Hylario Guerrero Imagem Divulgação

U

ma invenção de três alunos da Escola Técnica Estadual (Etec) Albert Einstein, da zona norte da Capital Paulista, promete ampliar em até três vezes o rendimento do esforço do ciclista com um diferencial sustentável: não utiliza eletricidade nem combustíveis. Com a instalação de um sistema magnético composto por ímãs na roda da bicicleta, os estudantes do curso técnico de Administração, Gabriel Souza, Ingrid Fauzie e Kauana Meireles, orientados pela professora Maíra Cezaretto, desenvolveram uma solução criativa, simples e eficiente. “O campo magnético dos ímãs gera linhas de indução que potencializam a força e prolongam o efeito da pedalada”, explica Kauana. A aluna conta que a ideia teve como base ensinamentos clássicos de Física, como a teoria gravitacional do cientista inglês Isaac Newton (1643-1727). “O sistema utiliza as forças de atração e de

08 | cyclomagazine

repulsão, estimulando a continuidade do movimento circular gerado pelo condutor”, afirma. “Fizemos cálculos e testes que confirmaram a eficiência do protótipo. Duas pedaladas em um plano reto equivalem a seis de uma bike comum com as mesmas características”, ressalta. A estudante destaca que o sistema, por ser leve, versátil e de baixo custo, pode ser instalado em qualquer bicicleta. A proposta prevê ainda adaptar a tecnologia para outros meios, como, por exemplo, cadeiras de rodas. “A essência do trabalho é trazer novos avanços em benefício da mobilidade e da acessibilidade”, diz. PARTICIPAÇÃO EM PRÊMIOS O projeto tem se destacado em competições estudantis. No ano passado foi apresentado na Feira Tecnológica do Centro Paula Souza (Feteps) e no Prêmio Eseg de Gestão. Agora, está entre os 15 finalistas do 3º Desafio Inova Paula Souza de Ideias e Negócios.

O Desafio contabilizou mais de 3 mil inscritos em suas etapas regionais classificatórias. O objetivo é revelar iniciativas de Etecs e Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs) com potencial para formação de novas startups. SAIBA MAIS Para a orientadora do projeto da bicicleta magnética, a classificação entre os melhores trabalhos do Desafio Inova comprova a qualidade da pesquisa. “A participação no prêmio trará maior visibilidade e poderá ajudar a atrair investimentos para transformar a proposta em uma solução de mercado”, afirma. Maíra Cezaretto também ressalta o empenho e a dedicação dos jovens na busca por novos conhecimentos. “São alunos da área de Administração que foram pesquisar conceitos na Física para dar vida a uma ideia inovadora. Isso prova que não há limites para quem acredita no potencial da criatividade”, destaca.


LANÇAMENTOS 04

01 02

05 03

01 ÓCULOS EV ZERO RANGE OAKLEY Óculos de sol EV ZERO RANGE. O modelo possui armação leve e suave filtro polarizado sem armação que proporciona visão p anorâmica na região periférica superior. www.oakley.com.br

02 LUBRIFICANTES PUR OIL BIKE Produto 100% ecológicos especializado em limpeza, lubrificação e manutenção de bicicletas. Desenvolvidos para prolongar a vida útil do equipamento. Lubrificante seco Aqua Cera; Lubrificante Úmido Oil Ceramic; Desengraxantes para correntes AquaSolv; Limpadores a seco Aqua Ceramic; Anti-deslizantes e Vege Grease (graxa vegetal). www.puroilbike.com

03 TIAGRA RS405 SHIMANO

Freios a disco abaixo dos grupos 105 e Ultegra. Para o ciclismo de estrada. Com unidade de caliper plana e alavancas STI (ST-RS405), rotor SM-RT81-S/SS de 140mm ou 160mm com tecnologia ICE TECH de resfriamento do sistema de freio, tecnologia que ajuda na dissipação do calor, e maior potência de frenagem. www.bike.shimano.com.br

10 | cyclomagazine

04 ALLEZ SPRINT COMP SPECIALIZED

Allez Sprint Comp Quadro E5 Premium Aluminum com tecnologia D'Aluisio Smartweld. Garfo em carbono monocoque e trocadores Shimano 105. Bike leve, rígida e rápida. www.specialized.com.br

05 MOVIMENTO CENTRAL SELADO EMTECORP

Da marca STS Parts, com certificado ISO 9001. Disponível nos tamanhos: 113mm; 118mm; 122mm e 127mm. Produto importado. www.emtecorp.com.br


07

06

09 08 10

06 KALI CHAKRA BRASIL RACING O capacete CHAKRA é em policarbonato ultra-leve e casco interno em EPS com tecnologia de fusão Inmold. Nas cores verde e laranja, possuem a denominação "Hi-Viz", criando visibilidade em ambientes de pouca luminosidade. Para: Cross-Country, All-Mountain, Passeio. Cores: Preto, Branco, Vermelho, Azul, Verde"Hi-Viz" , Laranja"Hi-Viz". Tamanhos: XS/S(50-54cm), S/M(52-58cm), M/L(5862cm).

07 SRECON MIXED TERRAIN SPECIALIZED Para terrenos com cascalho, oferece durabilidade, conforto e aventura. Sola rígida em carbono FACT e palmilha Body Geometry e faz conexão perfeita com a bike. Aderente SlipNot , para andar nos terrenos mais acidentados. www.specialized.com/br

08 BRETELLE AGILE OGGI

09 IMPACT PRO 29” 2017 SENSE BIKES

www.isapa.com.br

O modelo Impact Pro 29" tem quadro de alumínio 6061 na geometria Race Geometry. A bike vem equipada com o grupo Alívio M4000 de 27 velocidade com coroas 40-30-22 e cassete 12-36. Pneus Vittoria 2.2 montados em roda Extreme 29” Vzan e cubos Shimano Alivio padrão center-lock.

Nas cores preto/vermelho. Em lycra, 8 painéis, forro Dual PRO, barra banda. Disponíveis nos tamanhos P, M, G e GG.

10 ROCK 29” 2017 SENSE BIKES A Rock 29" utiliza componentes da linha Altus com coroas 22/32/42 e cassete 11-34 e uma suspensão dianteira Suntour XCM-30, a Rock é equipada com aros de parede dupla, cubos e freios hidráulicos Shimano 396. sensebike.com.br

sensebike.com.br

www.brasilracing.com.br

cyclomagazine | 11


LANÇAMENTOS

12 11

13

14 15

11 CAPACETE AIRNET SPECIALIZED

Com visual limpo e simples, o capacete Airnet é a combinação ideal de funcionalidade e desempenho para ciclistas em busca de aventura e estilo. www.specialized.com/br

12 CAMISA HYPERLIGHT ALPINERSTARS

Corte mais folgado em relação às camisas convencionais. Tecido ultraleve, garante dissipação da transpiração. Painel traseiro, mais longo que o frontal, permite maior proteção à lombar. Três bolsos e compartimento multimídia extra, com zíper, para o transporte de aparelhos MP3 ou smartphones. www.alpinestars.com

13 JAQUETA CORTAVENTO RISE FREE FORCE Design arrojado. Opções de cores que ajudam o ciclista a ser notado conferindo segurança. Tratamento de Teflon, para maior proteção contra ventos frios, chuvas finas ou sujeiras; faixa refletiva no zíper do bolso traseiro. Vermelho, preto e azul marinho. Tamanhos: P, M, G, GG e 3G. www.freeforce.com.br

14 LUVA THOR VOID BRASIL RACING

Palmas acolchoadas, almofadas, pulso curto, sem fechamento, minimalista. Com o a luva Thor Void o condutor manterá o controle, com diversos grafismos e construção perfeita, é uma luva para todos os tipos de pilotos. www.brasilracing.com.br

15 SPARK 2017 SCOTT

Quadros específicos de uma ou duas coroas. Com High Direct Mount nos modelos equipados com duas coroas. O quadro da Spark RC serve para o uso de uma coroa. Mais leveza e rigidez em pontos específicos. Nova balança traseira construída a partir de uma única parte de carbono moldada, reduziu o peso da bike em 130gr. Amortecimento Trunnion Mount. www.scott-sports.com.br

12 | cyclomagazine


EVENTO

16º ENCONTRO EM RIBEIRÃO PRETO (SP): O NEGÓCIO É BICICLETA O 16º Encontro de Negócios recebeu lojistas e personalidades do segmento duas rodas que representaram importantes marcas de peças e acessórios de bike do mercado Texto Joelma Farias

14 | cyclomagazine

Imagens Equipe Luanda


16º ENCONTRO DE NEGÓCIOS CYCLOMAGAZINE RIBEIRÃO PRETO - SP

Na contramão do mau desempenho dos principais indicadores da economia, há um setor que se expande, e ao que tudo indica continuará crescendo, porque atende a uma demanda de clientes também em expansão. Não é de hoje que o mercado de bicicletas contabiliza números positivos em vendas, produção e faturamento no Brasil. O bom desempenho do setor é resultado de um trabalho bem elaborado que consiste na promoção da bicicleta como meio de transporte e lazer que está ligado a um estilo de vida saudável. Muito se deve também a investimentos em tecnologia para desenvolvimento de novos produtos voltados para usuários de bike. Por economia, a bicicleta passou a ser utilizada como meio de transporte de muitos trabalhadores brasileiros. A multiplicação de ciclovias e ciclofaixas e ciclorrotas, ajudou a mobilidade urbana. O resultado não pode ser outro: aumento das vendas mesmo em tempos de recessão. É nesse cenário que o 16º Encontro foi realizado no hotel Village Inn, em Ribeirão Preto, cidade a 300km do município de São Paulo. O evento foi marcado pelo entusiasmo dos empresários presentes que aproveitaram a ocasião para conferir os mais diversos produtos que foram oferecidos em condições especiais. O encontro confirma a importância da negociação direta com fabricantes, distribuidores, representantes e lojistas.

Durante os dias em que o evento foi realizado, o clima de confraternização prevaleceu entre os participantes. Convidados e comerciantes vieram de diversas regiões do interior de São Paulo, que aproveitaram a ocasião para expandir sua “network” e conhecer os mais recentes lançamentos do mercado. Como solução para elevar as vendas do veículo no Brasil, muitos empresários do setor defendem a redução de impostos. Mas, mesmo com a economia fragilizada, lojistas concentraram suas compras em novidades para aumentar seu mix de produtos e oferecer opções aos seus clientes. Na programação, participantes tiveram a oportunidade de assistir palestra promovida pela Escola Park Tool, que tem parceria com a Isapa, e ministrou o curso sobre manutenção de suspensões Manitou. Na ocasião, foram apresentadas novidades da marca Alligator, ferramentas e acessórios Ice Toolz e os mais recentes lançamentos de bicicletas OGGI. Participantes foram consultados e expressaram opiniões sobre assuntos ligados ao mercado e a economia. Todos concordam que é preciso mais incentivos para que o mercado continue crescendo e que iniciativas como o 16º Encontro Cyclomagazine, são importantes para ajudar a promover o setor.

cyclomagazine | 15


EVENTO

RESPEITE UM CARRO A MENOS

Criado em 2012, o projeto desenvolve campanhas educativas em formato de placas para bicicleta que apresentam informações com o objetivo de compartilhar e difundir a ideologia da mobilidade sustentável nas ruas. Ciclistas, motoristas e pedestres podem aprender princípios fundamentais para o bom relacionamento entre todos os envolvidos na mobilidade urbana, trânsito e tráfego de pessoas. Presente em mais de 100 pontos de vendas espalhados pelo Brasil, as placas são feitas em material reciclado, que levam a mensagem “RESPEITE UM CARRO A MENOS” que sinaliza, sensibiliza, conscientiza e estimula a cordialidade no trânsito.

LANÇAMENTOS APRESENTADOS NO ENCONTRO AZONIC

LANÇAMENTOS

tos, Colares de aço e de nylon, Esferas e Graxas. Produto exclusivo importado, com certificado e registro na China e no Brasil.

GRUPO JPP

Linha de Speed Bike TSW, modelos: TR10 (9 velocidades), TR20 (8 velocidades) e TR30 (7 velocidades). Em alumínio, o produto é leve resistente. Outros modelos de bike da TSWcomo: AWE, Jump e FLY.

ISAPA/OGGI

Linha Premium de pneus da marca Kenda em Kevlar sem arame; Ferramentas Ice Toolz; Garfos de Suspensão M30; Acessórios Blackburn, com faróis recarregáveis tanto no USB quanto em pilha; Ciclo computadores; Luvas e Sapatilhas da Giro; Capacetes para enduro fechado que solta a queixeira modelo Super 2R, da Bell.

Quadro alumínio 29” com novos adesivos; Quadro alumínio Comfort em cores retrô (verde, azul, bege e marrom).

ÍTALO DISTRIBUIDORA

BICICLETAS GALILEUS

KRIPTA

Sistema de Engate Destacado; Triciclo Praiano Duplo; Garfos Low Rider; Gancho de Parede; Triciclo Elétrico e outros.

EMTECORP

Movimento Central Selado (113MM, 118MM, 122MM e 127MM), Eixos Ponta Quadrada 3U e 5U, Caixa de Centro 34.7MM com colares, Movimento de direção com trava (cromado e preto), Rolamen-

16 | cyclomagazine

Linjha Transbike, Rusty e Classic. E produtos da marca Cairu. Capacetes: Pop Baby LED e PopLED; Sem LED adulto Radical Skate; Laser; Raptor e Raptor LED. Acessórios nacionais Bar End; Suporte Lev Bike; Selins; Suporte para garrafa; Linha de Squeezes: Ice; Isotérmica 600ml, 750ml, 500ml e 250ml. Novas cores de capacetes.

NAROO MASK

Máscaras Pedal (protege o ciclista urbano contra o frio, poeira e raios UV).


EVENTO

PRÓ BIKE

Acessórios: Bolsas; Mochilas; Refil da Hydrat Pró; Garrafas Térmicas de 600 ml; Luvas e material personalizado. Equipamentos de carga, transporte e segurança.

STA

Capacetes Rontek Rt-23 para adultos (possui sistema de ventilação com 20 aberturas, diminuindo a retenção de suor); Kit Farol Rontek APE, para uso noturno; Capacetes infantis com LED; Bolsa Rontek para quadros de bike; Pneu de arame banda leve Arisun; Lanternas; Bombas de ar; Caramanhola Nero com sistema de bico Jet Valve (tampa com trava abre e fecha, manuseio com uma única mão), construção da parede dupla mantém a temperatura do líquido e alça

SUPERO BIKES

Quadros das linhas Básica, Intermediária e Top. Capacetes com LED.

VICINITECH

Rodas Speed Carbono 29”; Bike Carbono com rodas Mavic e capacete com luz traseira e som.

VZAN

Rodas Everest Mgci, Clri; Everest Mgci Carbon 29". Quadro Everest 29" de alumínio.

18 | cyclomagazine

LANÇAMENTOS

SOBRE O MERCADO ITALO DISTRIBUIDORA – BRUNO DA ROCHA

“Acredito que os clientes estão mais otimistas do que antes. O ânimo os contagiou após o anúncio das novas medidas econômicas e o país com outra gestão. Isso pode ser percebido em bons índices de vendas que tivemos no mês de maio. Temos ótimos clientes que são fiéis que conhecem o nosso sistema de trabalho que consiste em rígido critério de avaliação dos produtos que vendemos. Quem compra sabe exatamente o que está levando. Minha expectativa é de que tudo vai mudar para melhor e a nossa economia entrará novamente nos eixos.”

PRÓ BIKE – CÉSAR CALLEGARI “Apresentamos a nossa nova identidade visual. Registramos a marca nos EUA e América Latina. Participaremos de feira nos EUA e temos a ideia de exportar em breve. O mercado está em plena expansão. O número de lojas de bikes tem aumentado, assim como o número de adeptos. Estamos crescendo e vamos passar a exportar. O dólar alto favorece a indústria nacional. Sentimos que é o melhor momento para expandir a nossa marca. Tivemos, recentemente, na feira de Xangai para conhecer esse mercado. Vimos muitos produtos com bons preços, mas quando chega ao país, com todos os impostos cobrados por aqui, fica muito caro para


MURAL

20 | cyclomagazine


Para visualizar mais fotos do evento, faรงa o download www.luanda.com.br/encontrocyclomagazine

cyclomagazine | 21


EVENTO

revenda. O que produzimos no Brasil tem qualidade que se consegue na China, mas com preço melhor. A indústria nacional está bem e a tendência é melhorar cada vez mais.”

VICINITECH – CINTHIA MAYUMI TANIAI “A recuperação está praticamente estagnada! O governo, ao invés de se retratar com seu país, tornou sua gestão ainda mais confusa com tantas mudanças e escândalos demonstrados, até então. As chances de melhorar o mercado de bicicletas sempre existirão, porém ainda é cedo para dizer que o país está desestabilizado quanto ao seu momento econômico. Creio que o setor bike, assim como tantos outros, está "à espera de um milagre". Acho impossível qualquer reação do mercado em curto prazo, porém a médio e longo prazo, esperamos a estabilização econômica e com isso o crescimento de não só da área da bicicleta, mas também de todos os setores. Acredito que um brasileiro bem colocado, em boa situação financeira, com certeza, será um cliente com mais poder de compra.

SUPERO BIKES – DANIEL HONG “Para os importados, o dólar alto influencia muito no preço final dos produtos. Com a entrada da nova equipe econômica coordenada pelo presidente interino Michel Temer, percebemos que a moeda americana está com preço estável, mas ainda está caro para quem importa. A longo prazo, a economia brasileira vai melhorar. Em tempo de crise continuamos investindo em novos produtos e tecnologias.”

22 | cyclomagazine

LANÇAMENTOS

VZAN – DANILO MARGONAR “Acredito que nosso mercado, independente do cenário econômico, está em alta. Com o combustível cada dia mais caro e com o aumento de grupos de pedais, isso movimenta muito nosso setor. Bike é saúde.”

STA – FÁBIO MICHELINI “Apesar da crise dos últimos dois anos, nunca houve um número tão grande de ciclistas, talvez até em função da necessidade de economia ou pela estrutura cicloviária permanente nas principais capitais do país que permite maior circulação de bicicletas. Há um incentivo nos modais de negócios, o que eleva o número de usuários desse veículo. É por esse motivo que o setor de bicicletas não foi muito afetado, mas podia estar melhor. Se a economia estivesse forte somada ao grande número de usuários de bike, as vendas estariam em outro patamar, ainda mais interessantes. O que realmente poderia beneficiar o setor seria a redução de impostos, menos empecilhos de importação e fabricação, mas isso eu não vi no governo anterior e não vejo no governo atual. Tenho certeza de que esse episódio negativo na economia brasileira, logo, ficará para trás.”

RESPEITE UM CARRO A MENOS – FRED SAMPAIO “É a primeira vez que participo. Compartilhar o mesmo espaço com distribuidores, representantes de vendas, revendedores, é essencial para entender as engrenagens desse mercado. Sobre o mercado,


Anúncio Jéssica-2015_210x140.pdf 1 15/07/2015 14:10:15

127 crianças com menos de 5 anos morrem por dia no Brasil.

MUDE ESTA HISTÓRIA! DOE AGORA.

Ligue para: 0300 10 12345 w w w.doeagora.org.br

Em 25 anos de atuação a Fundação Abrinq já beneficiou mais de 8,2 milhões de crianças.


EVENTO

observo que os consumidores estão contendo seus gastos e estão investindo no que realmente é importante. Isso influencia o desempenho de qualquer mercado. Mas é dentro de um cenário recessivo que encontramos oportunidades para empreender. Isso vai mudar em breve, pois acredito na plena recuperação do país.”

ISAPA – GILBERTO ALVES

“Estamos conseguindo manter o ritmo das vendas. Nosso maior atrativo são os diversos lançamentos que oferecemos aos clientes, pois o consumidor não quer mais do mesmo, quer produtos novos que o estimule a comprar. Também é preciso oferecer meios para a disseminação do uso da magrela como parte do sistema de transporte. Se o governo baixar impostos, promover o incentivo fiscal e melhorar as leis que proporcione mais segurança nas estradas, a bike terá mais espaço. Há a necessidade de estacionamentos adaptados e formas para ser transportada, só assim faremos a mobilidade acontecer de forma estruturada e sustentável no Brasil.”

AZONIC – IDALÉCIO GREGÓRIO

“A nossa estratégia para manter o nível de vendas é inovar para conquistar esse cliente que também precisa de ideias interessantes para continuar ativo no mercado. É preciso aproveitar oportunidades com criatividade. De certa forma, nossos governantes, mesmo desordenadamente, estão investindo em ciclovias e isso tem ajudado as vendas. Acredito que, apesar de nossa economia estar um pouco travada, o setor vai superar as dificuldades que atravessa no

26 | cyclomagazine

LANÇAMENTOS

momento através de trabalho bem feito nas vendas.”

KRIPTA – MÁRCIA MARCHIORI

“Estamos acompanhando a lenta queda do dólar. Vendo essa situação, podemos ter a esperança de que ainda existe uma luz no fim do túnel. O setor de bicicletas não foi muito afetado pela crise, então quem trabalhar focado em vendas e diversificação de produtos, sobreviverá às dificuldades. Tivemos aumento de 20% nas vendas de maio e creditamos esse resultado, atípico para meses frios, ao trabalho realizado pela prefeitura de Curitiba que está implementando ciclovias em toda a cidade. A população está utilizando bicicleta como meio de locomoção por economia e pela estrutura que encontra na cidade. São ações que fazem com que o mercado siga firme e forte.”

GRUPO JPP – ODAIR JOSÉ DOS SANTOS

“Com setores da economia apresentando poucas vendas, o ramo de bicicletas de sobressai. Não vejo uma crise acentuada apenas meses fracos para a saída desse produto como junho e julho que são os mais fracos para vendas por conta do inverno, então essa é uma situação previsível. Passada essa fase, o mercado se estabiliza. A bicicleta está ligada ao estilo de vida saudável e a mobilidade, que está em alta. Se tiver que acontecer algo de ruim nas vendas, espero que sejamos um dos últimos setores a ser atingido pela turbulência. Esse ano tivemos um ligeiro crescimento em vendas com relação ao mesmo período do ano passado. Isso


se deve a quantidade de novidades que chegam mensalmente aos nossos estoques, pois sabemos o quanto é importante oferecer opções de compra. Quem está há mais tempo no mercado e não faz o mesmo trabalho que fazemos, está sentindo dificuldades em manter um número razoável de vendas.”

BICICLETAS GALILEUS – PAULO RENATO GOMES

“É indiscutível que o setor melhorou muito depois das ciclovias e ciclofaixas. A crise é para todos, mas temos que buscar novos caminhos que nos levem de volta ao crescimento. Já passamos por várias crises antes e conseguimos superá-las. Não acredito que essa situação se prolongue por mais tempo.”

EMTECORP – RICARDO CARVALHO “O setor de bicicletas vem forte na mídia. Com a entrada do governo interino, há uma melhora da expectativa do empresariado que passa a investir porque acredita na recuperação da economia. O mercado de bicicletas está aquecido e não se abalou tanto, mesmo com a crise que o país enfrenta. Acredito que para o melhor desempenho nas vendas é preciso ter muito cuidado com a inadimplência.

Tirando isso, o setor está bem.”

NAROO MASK – SAN MIN CHUN “É a primeira vez que participo do Encontro. Sobre o mercado posso dizer que seguimos na direção contrária à atual crise que o Brasil atravessa. As máscaras da Naroo Mask são bem aceitas no mercado. O público gosta de novidades. Meu produto é direcionado ao ciclista urbano que, muitas vezes, enfrenta frio, poeira e ainda por cima fica exposto e sem proteção contra os raios UV. Vendo bem o ano todo, mas, principalmente, no inverno. Portanto, não vejo dificuldades no setor.”


COLUNA SIMEFRE

REUNIÃO DE DUAS RODAS NO SIMEFRE COLUNA SHIMANO

AJUSTE DE GUIDÃO

Mais uma vez vamos abordar um assunto relativamente simples, mas que tem profunda influência na forma em que pedalamos, no desempenho e no conforto que podemos obter da nossa bicicleta. Para demonstrar mais uma vez que todo e qualquer ajuste na bicicleta pode ter uma influência grande no pedalar do seu cliente, vamos abordar o Ajuste do Guidão. Uma boa referência para fazer um ajuste apropriado no guidão da bicicleta do ciclista é usar a largura dos ombros dele como a referência para ajustar o guidão. Vamos ver como fazer esse ajuste passo a passo: 1. Com o ciclista em pé relaxado, braços para frente, sobreponha as mãos na frente do ciclista (conforme a imagem) 2. Procure a borda lateral do acrômio (osso da escápula), dos lados direto e esquerdo. 3. Use a fita métrica para medir de uma borda a outra. 4. Tome nota da medida. 5. Por exemplo: para uma medida de 410mm (41cm) deverá ser usado um guidão de 420mm (42cm). Isso acontece porque o mercado não trabalha com medidas de guidão ímpar (41cm). Neste caso de medida de guidão ímpar, adote sempre uma medida superior. Nunca, uma medida inferior a largura dos seus ombros. Isso poderá gerar lesão por repetição.

28 | cyclomagazine

O Departamento de Veículos de Duas Rodas - DV2R, do SIMEFRE realizou no dia 16 de junho reunião mensal para discussão dos temas de interesse dos segmentos de motocicletas e bicicletas. Segundo o gerente Setorial Carlos Henrique Gomes, o Encontro tem por objetivo fortalecer a indústria. "É um tijolinho a mais colocado. Aproveitamos para mostrar o novo layout do Sindicato, indicando que estamos caminhando." Gomes aproveitou para informar e convidar a todos para o Fórum Simefre Novos Rumos: Compliance e Acesso ao Capital com foco no Crescimento, marcado para o dia 28 de junho, no auditório do 4º andar, da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. "Temos que aproveitar essas iniciativas, bem como usufruir dos benefícios que a Fiesp nos oferece". O vice-presidente do Simefre, Auro Levorin afirmou que a ideia é ter reuniões cada vez mais produtivas e eficientes. "Com a vinda do Carlos conseguimos imprimir um ritmo de trabalho mais eficiente para os próprios associados, e depois mostramos para eles um pouco do que o Sindicato pode oferecer. Tem uma série de ferramentas que o Sindicato tem e pode colocar à disposição dos associados, então a ideia é melhorar." Para Levorin o principal é colocar em prática o plano estratégico definido pelo

Departamento. "Temos quatro pilares principais. • O primeiro: é estimular o uso da bicicleta e da motocicleta. A bicicleta tem um apelo ambiental importante, a moto é um veículo vencedor, que ganha do carro e do ônibus no trânsito. • O segundo: Somos contra a concorrência desleal, a indústria nacional tem perdido competitividade por conta das concorrências tributárias, da não conformidade, das importações fraudulentas. • O terceiro: Estimular a competitividade da indústria nacional para as exportações, independente do momento “crise”. • E o quarto motivo é a formação de um polo de excelência dentro do setor das duas rodas. Temos que ter um cluster de duas rodas que permita que a indústria tenha escala." Exemplificando a importância do SIMEFRE e do setor, Levorin lembrou que o Sindicato reúne um faturamento de R$40 bilhões, emprega 100 mil pessoas e detém 1,5% do PIB. A indústria de bicicletas, motos, pares e peças é 50% desse volume. "Estamos falando de um setor importante e que tem um peso relevante dentro da indústria nacional."


ESPECIAL INTERIOR SP

EM MEIO A INTEMPÉRIES ECONÔMICAS, LOJISTAS DO INTERIOR DE SÃO PAULO CREEM EM SUPERAÇÃO Não está fácil para ninguém, todos sabemos disso, mas lojas do interior de São Paulo, mais precisamente na região de Ribeirão Preto, falam do mercado, de negócios, de superação em meio ao mercado. Todos afirmam que o setor de bike, e bicipeças está em crescimento. Se há crise, então é o momento certo de acreditar, investir, expandir e crescer Texto: Hylario Guerrero Imagens: Divulgação

24 | cyclomagazine


MARROM BIKES

“Trabalhei como balconista de uma loja de bikes em Campinas, por quase dez anos, nessa época dividia meu tempo entre o trabalho e competições de ciclismo, esporte que até hoje pratico” Adevanir Gonçalves da Silva e Rosemeire Aparecida Sichieri da Silva são os proprietários da MARROM BIKES. Antes da abertura da empresa Adevanir, mais conhecido pelo apelido de Marrom já atuava no ramo de bicicletas como balconista de uma loja em Campinas, onde trabalhou por quase dez anos. Nessa época dividia seu tempo entre o trabalho e competições de ciclismo, esporte que até hoje pratica. “Temos um grupo de pedal que se chama THE BROTHERS, que incentiva desde iniciantes a ciclistas de renome, como o caso de Vitor Silva, atual campeão brasileiro de ciclismo de estrada na categoria Júnior”, conta. Atualmente a loja, na cidade de Campinas, interior paulista. Conta com quatro colaboradores, estão sediados no mesmo local desde 1993, quando a empresa foi fundada.

A loja conta com oficina especializada em todos tipos de bicicletas. “Trabalhamos com venda de bicicletas montadas, acessórios, bicipeças e ciclomotores. Todos os tipos de produtos, desde os de consumo popular, até produtos para ciclistas profissionais. Nossas bikes atendem a todo o tipo de público: lazer, esporte e transporte”, afirma Marrom. “Desde o começo do ano de 2016 temos registrado queda nas vendas de bicicletas. Em relação à manutenção, o mercado continua aquecido. A falta de ciclovias na cidade também é responsável por essa queda nas vendas”, ressalta o empresário. “O mercado de bicicletas sempre tem crescido, e evoluído muito em todos esses anos de atividades, registramos momentos de crescimentos e queda nas vendas, mas temos que ser dinâmicos e ter pé no chão para enfrentar as situações”, descreve.

Av. Ruy Rodrigues, 415 Campinas - SP


ESPECIAL INTERIOR SP

BIKE PARK RIBEIRÃO

“Com o passar do tempo vimos uma lacuna no mercado em Ribeirão Preto de se criar um atacado para atender às oficinas que precisavam do produto no dia a dia” A Cicles Bike Park Comércio de Bicicletas é o nome da bike shop que tem Adilson Ávila Garcia, como proprietário. Conta que a ideia de criação da empresa se deu inicialmente com uma oficina. “Com o passar do tempo vimos uma lacuna no mercado em Ribeirão Preto de se criar um atacado para atender às oficinas que precisavam do produto no dia a dia. Começamos assim, vendendo aos poucos para os mais conhecidos até que em certo momento percebemos que o fluxo já estava suprindo as atividades da oficina. Foi aí que decidimos investir somente no atacado e parar com a oficina. Hoje só trabalhamos com atacado em Ribeirão Preto e alguns clientes na região”. Ao iniciar no setor, Adilson não possuía nenhuma experiência no segmento.

Rua Ver. Antônio N. de Oliveira, 770 Parque Ribeirão Preto - SP (16) 9 8826-3542 bikeparkribeirão@ig.com.br

Quando surgiu a ideia de abrir uma oficina, viveu a experiência do seu irmão Luiz Ávila, proprietário da empresa Cicles Ávila também em Ribeirão Preto. “Luiz já possuía muito conhecimento do setor e me ajudou a prosseguir no ramo”, conta Adilson, no segmento há 23 anos. “Mudamos apenas uma vez de local para melhoria no atendimento aos clientes. Não possuímos filial e vendemos somente no atacado. Trabalhamos com produtos de giro como pneus, câmaras de ar, cabos e conduítes, freios, etc. Produtos nacionais e importados como NEKO, Shunfeng, Shimano, Levorin, Kenda, Monaco, Premiun e outros. São produtos de baixo, médio valor agregado, que servem para o lazer, esporte ou transporte. Em sua maioria, atendemos ao público que utiliza a bicicleta para transporte”, credita.

Adilson lembra que no começo tudo foi meio difícil. “Mas, depois de três anos de trabalho as coisas começaram a fluir naturalmente. Passamos por vários cenários no mercado e, sempre mantivemos o pé no chão sem ganância, e sempre aumentando as vendas gradativamente, procurando reinvestir os lucros, conquistando novos clientes, naturalmente, com qualidade no atendimento, oferecendo bom serviços e preços competitivos”, diz. Para Adilson, o cenário econômico nos dias atuais não está favorável. “Mas ainda estamos sobressaindo, pois, a bicicleta nesses cenários é muito utilizada, porém os produtos de alto valor agregado acabam não sendo priorizados pelos clientes que acabam assim procurando produtos substitutivos”, finaliza.


3XR BIKE “A 3XR, enquanto loja física, nasceu devido à necessidade de o cliente querer ver a bicicleta, sentar nela, escolher a cor, sentir nas mãos o que estava adquirindo”, explica Roberto de Paula Vieira Junior, atual proprietário, juntamente com Roberto de Paula Vieira e Richard de Paula Vieira. Roberto conta que seu pai foi o fundador da loja e mentor da ideia. “Ele está no ramo há mais de 52 anos. Quando entrou para esse mercado, era um vendedor interno e externo. Percorria boa parte da região vendendo peças e acessórios nas antigas ‘Cebipel’; ‘CBF’; ‘Nene Muraka’. Temos a característica de ser uma empresa familiar e terceirizamos boa parte de nossos serviços”. A matriz, R&R Bike Shop está na rua Dom Helder Câmara, 154, no bairro Jardim Paiva. A filial ‘3XR Bike, está na av. Independência, 604, no centro da cidade. As duas lojas estão com endereços novos, e ambas possuem oficina. “Hoje, temos as duas lojas físicas na mesma cidade e mais uma, terceira, que atuamos apenas online, a Shop Sports. Nosso carro

chefe são bicicletas aro 26” e 29”. Trabalhamos com as linhas de baixo, médio e alto valor agregado para atender todo tipo de cliente. Comercializamos bicicletas para lazer, esporte e transporte”, explicita. Roberto de Paula acredita que com a crise atual em todo o Brasil, acabou afetando na loja física, onde tem sido maior impacto. “Temos ciclovias na cidade, o que incentiva a população a pedalar. Sobre o mercado, as fases ou os momentos difíceis pelas quais estamos passando, acredito não apenas nós, mas outros lojistas também, é por termos este governo que não ajuda em nada às empresas que procuram trabalhar corretamente. É absurdo os valores que pagamos de impostos, juntando com os grandes aumentos de várias linhas de bikes, peças, acessórios e componentes influenciados pelo aumento do dólar... Fica difícil fazer todos esses repasses aos clientes, mas sempre procuramos enfrentar as dificuldades e, acreditando sempre que o melhor ainda está por vir”, setencia.

“Quando meu pai entrou para esse mercado, era um vendedor interno e externo. Percorria boa parte da região vendendo peças e acessórios”.

T. (16) 4141-3441 www.3xrbike.com.br Av. Independência, 604 Ribeirão Preto - SP


ESPECIAL INTERIOR SP

CICLO INDEPENDÊCIA

“Como em todos os segmentos as dificuldades acontecem e devem ser superadas. A situação do país influencia bastante, pois impacta diretamente na decisão de compra do cliente”. Ciclo Independência é o nome fantasia da Sinomar de Carvalho Comercial Ltda, que tem André Gustavo de Carvalho como diretor. A ideia de criar a empresa, que é familiar, foi de Sinomar, pai de André, que desde muito jovem começou a trabalhar no segmento de bicicletas e acessórios. “Com a experiência adquirida ao longo dos anos, meu pai decidiu com sua esposa Rosa Meire Tonelli abrir seu próprio negócio. Desta forma, em 1990, meus pais inauguraram um depósito fechado para vendas no atacado. Dando continuidade à tradição da família, comecei bastante jovem a trabalhar no segmento, como aprendiz”, conta. André já tinha alguma experiência, mais precisamente em vendas, tanto da loja física quanto como representante comercial, sempre no segmento de bikes e acessórios.

“Atuamos no segmento - contando desde o início do trabalho de meu pai - há 40 anos. Atualmente contamos com 17 colaboradores, sempre sediados no mesmo local. Possuímos 01 depósito, 01 loja física para atacado e varejo, e outra somente para para varejo. Comercializamos bicicletas montadas, bicipeças, acessórios e vestuário para ciclistas. Trabalhamos com as marcas Levorim, Shimano, WG, Kenda, Logan, First, Barbedo, Refactor, OGGI e Audax. Além da nossa linha própria de montagem. São produtos de baixo a alto valor agregado, que atendem tanto para lazer, quanto esporte e transporte”, cita André Gustavo. “Como em todos os segmentos as dificuldades acontecem e devem ser superadas. A situação econômica do país influencia bastante, pois impacta diretamente na decisão de compra do cliente. O alto

valor de impostos também é um ponto importante de dificuldade. Como temos produtos importados, a cotação do dólar influencia diretamente nos nossos preços finais. A concorrência desleal é um fator de descontentamento, uma vez que não concordamos com esta conduta. Em contra partida as ciclovias implantadas nas cidades, a busca de uma vida mais saudável, as promoções que sempre estamos procurando fazer, o nosso atendimento difenciado, entre outras, são ações que nos mantém no mercado, mesmo com as dificuldades”, analisa. Segundo André, o mercado da região está bem suprido neste segmento. “Temos lojas e depósitos que atendem à demanda do mercado. Entretanto em alguns momentos nos deparamos com ações desleais no que se refere a preços”.

Av. Presidente Vargas, 2637 Ribeirão Preto, SP Tel.: (16) 3043-0200 . (16) 3329-0201


CICLO PEÇAS “Não estamos localizados em regiões tão nobres da cidade, atendemos ao público de classe média, que utilizam as bikes para transporte e lazer”. A empresa foi criada em 1980, por João Framartino, que usando sua experiência como usuário de bicicleta como meio de transporte e mecânico de duas bicicletas quando morava no Paraná, resolveu tentar iniciar uma oficina de consertos. Dois anos após, a empresa inicia também a comercialização de peças. Hoje a empresa atua em 03 unidades localizadas nas zonas Norte e Oeste da cidade de Ribeirão Preto, com prédios próprios. “Além da comercialização de peças e acessórios, a empresa conta também com oficinas especializadas, 15 colaboradores envolvidos nas áreas administrativa, vendas e mecânicos. Nosso diferencial está no atendimento prestado pela equipe de vendas e mecânicos, além da variedade de produtos oferecidos”, credita o atual proprietário Jian Carlos Framartino, que divide a direção da empresa com Jeime Celso Framartino. “Nossa empresa procura trabalhar com grande variedade de produtos, a fim de

oferecer várias opções ao cliente no momento da venda, uma vez que não estamos localizados em regiões tão nobres da cidade, atendemos ao público de classe média, que utiliza a bike para transporte e lazer”, explica Jian. “Como em outros setores do comércio, registramos dificuldade maior para atingir as metas de vendas nos últimos anos, embora tenhamos atingido em valores, sabemos que diante dos aumentos de preços – que estão ocorrendo nos últimos anos - a quantidade de produtos vendidos tem caído em torno de 22%”, credita Jeime. “Um fator que tem ajudado o setor, na cidade é a implantação de ciclofaixa, apoiadas pela FPC (Federação Paulista de Ciclismo), onde algumas avenidas são fechadas nos domingos das 07h às 13h, para o uso de bikes, com o objetivo de levar a família toda para pedalar. O mercado de bikes em nossa cidade tem apresentado crescimento para as bikes de lazer. São vários os pedais organizados durante a semana a noite, e também

nos finais de semana”, diz Jian. “Entre as dificuldades encontradas nestes 34 anos de atuação podemos citar a falta de profissionalismo do setor, falta união para juntos buscarmos soluções e até mesmo cobrar dos órgãos públicos ações que motivem o uso de bike. Também a concorrência desleal. O diferencial da Substituição Tributária em alguns estados, dificultam as vendas no varejo. Falta de pessoal qualificado – não existe escolas profissionalizantes na região, em nosso setor. Falta segurança, tem havido grande aumento da quantidade de roubos, tanto nas lojas quanto de ciclistas utilizando as bikes”, desabafa Jian. “Com o momento crítico – econômico/ político - que o país atravessa, fica difícil fazer qualquer previsão para os próximos anos, porém nossa empresa tem buscado outros meios de venda, além das lojas físicas, participando de eventos da região, divulgando nossa marca junto aos cliclistas”, finaliza Jian.

F. (16) 3622-5061 | 3639-1537 | 3622-222 Rua Porto Seguro, 1267 Ipiranga Ribeirão Preto - SP


ESPECIAL INTERIOR SP

EXTREME BIKE “Os lojistas que formam grupos de pedais e investem em passeios têm tido bom retorno financeiro trazendo o cliente para dentro da sua loja. Nosso ramo é dinâmico e, nessa crise quem investe em novidades e não fica ‘parado atrás do balcão’ tem colhido os frutos de forma satisfatória”. Do município de Campinas, a empresa conta com 7 anos de fundação. O diretor Edenilson de Carvalho Monteiro conta que, praticamente, nasceu no ramo de bicicleta, tendo em vista que seu pai foi atacadista durante muito tempo. “Antes da Extreme tive o prazer de trabalhar quatro anos com o Maurício Pateo, na Pé de Vela Representações, aonde aprendi muito e tenho enorme admiração e gratidão por ele”. Conta com dez colaboradores. Equipe própria com seis vendedores externos (Edinilson, Vinicius, Dhiego, Glauber, Jhone e Rogério) um promotor de vendas (Wesley) e três internos (Vânia, Jennifer e Leonardo). Representam as marcas Pró Bike, TSW, Vercelli, Fast Bike, Supero, First, Audax e Fastwhells. “Hoje nossa maior dificuldade é a falta de

incentivo do governo no ramo, pois sem incentivo é muito difícil manter uma empresa aberta. A carga tributária é altíssima, juros absurdos e falta de investimentos em ciclovias e nos atletas. São a principal causa para o ramo não crescer mais, nossos empresários desde a pequena loja até a grande indústria importadora e representações são guerreiros que travam uma luta diária para pagar suas contas e fazer com que o ramo cresça aos poucos”, credita Edinilson. Segundo ele, o ramo vem num crescente e, quem vem acompanhando as mudanças e evoluindo está se dando muito bem. “Os lojistas que formam grupos de pedais e investem em passeios têm tido bom retorno financeiro trazendo o cliente para dentro da sua loja. Nosso ramo é muito dinâmico e, nesse momento de crise quem investe

em novidades e não fica ‘parado atrás do balcão’ tem colhido os frutos de forma bem satisfatória”. Na opinião de Edinilson, infelizmente a crise está aí. “Não podemos negar isso, graças ao mar de corrupção em que se encontra a política, os partidos políticos não governam por ideologia, a única intenção deles é chegar ao poder custe o que custar e assim vem sucateando e aparelhado o estado cada vez mais a favor deles, e quem paga a conta é o povo. Mas tenho certeza de que essa crise vai passar e, que isso sirva de lição para o povo escolher melhor e se informar sobre o passado de quem escolhe para nos governar, só assim poderemos fazer um país melhor.

t. (19) 3397-1879 / 3397-1882 extreme.bike@hotmail.com extremebike@uol.com.br


LOJA

SPORTIX BIKE SHOP REVELA PLANOS DE EXPANSÃO Baseado em modelos de negócios do segmento no exterior chega ao Brasil a Sportix. No mercado desde 2007, a marca é importadora exclusiva de conceituadas marcas mundiais voltadas ao ciclismo, além de desenvolver e comercializar sua própria linha de produtos e vestuários. Desde 2013 disponibilizou a marca para o franchising e iniciou processo de expansão em 2015 Texto Hylario Guerrero Imagens divulgação

36 | cyclomagazine


S

egundo Pesquisa de Desempenho realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o Franchising brasileiro registrou um crescimento nominal de 7,6% na receita do setor no primeiro trimestre de 2016, comparado ao mesmo período do ano passado. O faturamento de R$ 31,331 bilhões subiu para R$ 33,709 bilhões. E o setor registrou um índice de expansão de 2,9% em unidades de franquia, em relação ao ano de 2015, totalizando mais de 140 mil unidades. Dentre os segmentos que apresentaram maior crescimento no primeiro trimestre de 2016, comparado ao mesmo período de 2015, foi o segmento de Esporte, Saúde Beleza e Lazer, representando 12% de participação. Por isso, muitos investidores estão apostando nesses segmentos, principalmente, aqueles que perceberam no esporte uma área de atuação promissora, devido à mudança de estilo de vidas das pessoas e - no caso da Sportix Bike Shop – à disseminação de novos meios de transporte, mais acessíveis e sustentáveis. Pioneira no Brasil, a rede de bicicletas e acessórios, voltada a ciclistas profissionais e amadores, direciona seus planos de expansão também para o Nordeste, uma das regiões que mais se destaca nesse cenário, ocupando o terceiro lugar em número de redes franqueadoras por região, ficando atrás apenas do Sudeste e Sul, de acordo com pesquisa de 2015, divulgada pela ABF. De acordo com Fernando Lucas, diretor executivo da Sportix Bike Shop, todas as capitais do Nordeste estão investindo fortemente em mobilidade urbana. E nesse

contexto, o investimento em ciclovias e ciclofaixas é alto. “A maioria, inclusive em fase de ampliação, devido ao grande sucesso e demanda de utilização para lazer, esporte e opção de deslocamento urbano”, conta o executivo. “A ciclovia que, anteriormente, tinha apenas a finalidade de lazer e costumava estar localizada próxima a pontos turísticos, agora se torna uma importante aliada para a mobilidade urbana, chegando aos bairros mais afastados das cidades e, até mesmo, a região metropolitana das capitais”, complementa. Além disso, o executivo lembra do crescimento, consideravelmente, maior nessa região das práticas de modalidades esportivas como a Moutain Bike, o ciclismo de estrada e triatlo. E é seguindo essa tendência de mercado que a Sportix Bike Shop, investe. A rede que já possui três unidades (São José do Rio Preto (SP), Alphaville (Barueri) e Salvador (BA), agora percebe um nicho de mercado de forte potencial, em Natal (RN). Para o diretor executivo da rede, Natal é uma cidade de destaque no Nordeste. Ele explica que a capital do Rio Grande do Norte está se tornando uma referência em mobilidade urbana no Brasil. “Atualmente se encontram 72 quilômetros de ciclovias, o que gera um aumento considerável de utilização da bicicleta por parte da população, para lazer, esporte e mobilidade na área urbana”, conta o executivo. Assim, a rede acaba de vender uma franquia da Sportix Bike Shop na cidade. E apesar de não revelar detalhes, Fernando Lucas adianta: “Estamos em fase de aprovação do ponto, porém, já sabemos que será num local

de fácil acesso e próximo de rotas de pedal. A inauguração está prevista para a primeira quinzena de agosto”, salienta. Essa nova unidade deve garantir um faturamento a rede em torno de R$400 mil, ainda esse ano, e de R$1,2 milhões até o final de 2017. Em 2015 a rede Sportix Bike Shop faturou R$2,5 milhões, a meta para 2016 é que esse valor chegue a R$6,8 milhões e, em 2017, a R$11,5 milhões. EXPANSÃO NO NORDESTE Muitas outras capitais também demonstram grande desenvolvimento nesse contexto. Por isso, a meta da Sportix Bike Shop é buscar potenciais investidores para as principais cidades do Nordeste, como: Recife, Fortaleza, João Pessoa, Aracajú, Maceió, São Luís e Teresina. “Estamos prontos para implantar três novas franquias no Nordeste até dezembro de 2016”, aponta Lucas. “Ter paixão pelo ciclismo e querer trabalhar em um ambiente agradável ligado ao esporte, lazer, saúde e a sustentabilidade são quesitos fundamentais para um franqueado da Sportix Bike Shop”, enfatiza. SALVADOR Inaugurada recentemente no Shopping Paralela a Sportix Bike Shop de Salvador (BA) é exemplo de sucesso no Nordeste. Em apenas dois meses de operação, a unidade já superou as expectativas do franqueador. “Considerando a retração do mercado e a instabilidade econômica do país, a unidade está demonstrando ótimo desempenho e bons resultados”, declara Lucas.

cyclomagazine | 37


APRENDIZAGEM

COMO FIDELIZAR O CLIENTE Pioneira na qualificação e capacitação de mecânicos de bicicleta na América Latina, a Escola Park Tool é uma referência quando o assunto é formação de profissionais. E, para o lojista, contar com um profissional desse gabarito na sua equipe é fundamental para fidelizar novos clientes

38 | cyclomagazine


Texto e imagens: divulgação

Passo 1 ADQUIRIR CONHECIMENTO PRÁTICO E TÉCNICO Em primeiro lugar, o profissional deve buscar o conhecimento, a técnica e a informação para qualificar seu serviço. A ideia é que o mecânico não apenas chegue, diga que é para trocar tudo na bike e pronto: está resolvido. Ele deve entender o funcionamento, analisar o problema em questão e depois apontar um diagnóstico. Mostrar passo a passo o que será feito durante o trabalho passará segurança ao cliente.

Passo 2 SABER COMO ORIENTAR O CLIENTE Não bastar ter todo conhecimento do mundo, se o mecânico não souber como passar a informação do que está acontecendo e como será resolvido. Uma boa dica para tornar-se uma referência é ser bem claro e ir direto ao problema, explicando o motivo daquele procedimento ser feito daquela maneira. Essa análise é um grande diferencial entre os profissionais que estão hoje no mercado. “Em todos os módulos passamos para os alunos a linguagem que o mecânico deve usar. Nosso propósito é que o mecânico de bicicletas se torne um vendedor do seu serviço, entendendo melhor o que está acontecendo na bike e saiba passar

isso para o ciclista”, comenta Henrique Zompero, idealizador e fundador da primeira Escola Park Tool na América Latina.

Passo 3 PREVENÇÃO E ANTECIPAÇÃO DO PROBLEMA

A manutenção preventiva sempre será mais barata do que a corretiva. Ao apresentar a solução do problema antes que ele apareça, o mecânico orienta o ciclista a otimizar o tempo de funcionamento da sua bicicleta. Dessa maneira, evita gastos desnecessários ou uma possível perda de tempo com a bicicleta parada na oficina. Na Escola Park Tool, por exemplo, os alunos aprendem a montar uma tabela de manutenção preventiva onde é possível gerenciar toda informação do que é gasto e quanto pode vir a durar determinada peça da bicicleta. “O conteúdo é passado durante todas as aulas desde o módulo iniciante. Normalmente nós temos três públicos diferentes na sala: mecânicos, consumidores e futuros lojistas. Funciona como um workshop onde levamos a dificuldade de cada um deles. Por exemplo, o atendimento do mecânico, a autonomia do ciclista, como o lojista deve lidar com o seu distribuidor. É preciso que cada um entenda melhor o seu universo e o do outro”, finaliza Zompero. Saiba mais sobre os cursos no site www.escolaparktool.com.br

cyclomagazine | 39


CAPA

Impact Carbon

Com parceria internacional empresa lança linhas exclusivas de bicicletas Os seis novos modelos de bicicletas foram lançados em evento exclusivo para a mídia especializada na cidade de Manaus (AM), com designs modernos e muita tecnologia aplicada Por Osmar Silva* | Fotos: divulgação

40 | cyclomagazine

Impact Pro


Activ

Invictus

Prologue

Rock

cyclomagazine | 41


TECNOLOGIA

L

ançar uma nova linha de bikes já é uma tarefa difícil e empolgante para os responsáveis pela iniciativa. Montar uma fábrica, com a exigência de valores que beiram a R$ 35 milhões é um desafio instigante que demonstra a confiança do Grupo Lagoa, autor do projeto, no mercado nacional e em seu crescimento futuro, mesmo que o quadro atual da economia não seja dos mais animadores. A fábrica está instalada no Polo Industrial da cidade de Manaus, capital do Amazonas, em uma área de cerca 5 mil m² de construção, dentro do espaço especial da zona franca e exigiu a instalação de máquinas e equipamentos adequados, modernos e principalmente que permitem alta produção com excelentes níveis de automatização. Uma fábrica enxuta que utiliza mão de obra qualificada para entregar produtos de altíssima qualidade. Os modelos são produzidos em fibra de carbono, destinados a prática de mountain bike, ciclismo de estrada, além de utilização no lazer e transporte urbano, os quais foram testados exaustivamente na pista de MTB construída na área que circunda a fábrica. O traçado sinuoso respeita totalmente o ecossistema local e apresenta grau

42 | cyclomagazine

de dificuldade para pedalar que foi muito elogiado pelos jornalistas que arriscaram dar umas voltas e ‘sentir’ as feras em seu habitat. Também, os ciclistas da equipe LM/SENSE de MTB, testaram na pista as bikes que estarão utilizando nas competições que participarem. Para garantir a qualidade a ser entregue aos futuros consumidores da marca, a empresa foi buscar a parceria da SwiftCarbon, do ex-ciclista e designer Mark Blewett, empresa com sede na Cidade do Cabo, África do Sul. Profissional perfeccionista e sonhador, Mark trouxe para a marca o traço de união entre as expertises da LM Distribuidora, empresa do Grupo Lagoa, que também é proprietária da Sense Bike, na atividade de distribuição no extenso mercado nacional e o conhecimento na transformação de matéria-prima nobre, como a fibra de carbono. Isto também significa a união de empresas experientes em suas atividades e capazes de transformar projetos em realidade, sem abdicar da certeza de oferecer uma vasta gama de produtos, todos com a mesma intensidade de elementos que ao final representem o máximo em qualidade.


TECNOLOGIA

Henrique Ribeiro e Pierre de Tarde apresentando a nova linha Sense

O CEO da SENSE Bike, Henrique Ribeiro, disse durante a apresentação dos produtos aos jornalistas especializados convidados e presentes ao lançamento: “O Mercado brasileiro está pronto. A Sense Bike e a SwiftCarbon são uma excelente combinação. Não somente temos um relacionamento perfeito, mas compartilhamos o mesmo DNA nos negócios.” Talvez, este seja o melhor momento para o anúncio de uma linha nacional de bikes que traz em seu bojo o conhecimento comportamental do consumidor que se modifica,se atualiza, deixando de privilegiar apenas preço. Há uma valorização pelo design, matéria-prima e tecnologia aplicada. Assim, Henrique Ribeiro e sua equipe observaram os desejos e alternativas latentes de consumo. “É quando 1+1=3! Juntos podemos multiplicar nossas forças neste mercado extremamente competitivo e que cresce e evolui a cada dia. Com estrutura de negócios sólida e acertada, a SwiftCarbon será um parceiro técnico forte nos nossos planos futuros de expansão”, comentou. Trabalhando juntos e desenvolvendo produtos exclusivos para o Mercado brasileiro, a Sense Bike e a SwiftCarbon anunciaram as suas três primeiras bikes em carbon high-

-end, para a estrada e montanhas: Prologue, Impact Carbon e Invictus. Pierre De Tarde, Gestor de produtos da Sense Bike, um francês apaixonado pelo Brasil e por bicicletas, visivelmente emocionado durante todo o evento, afirmou: “Temos orgulho de ser uma marca brasileira, com bikes internacionais e exclusivas! Escolher um parceiro reconhecido no desenvolvimento de produtos de carbono era óbvio e é muito bom trabalhar em conjunto, no mesmo espírito de paixão pelo ciclismo. Apresentamos hoje o resultado de um lindo projeto, um novo sentido para o mercado brasileiro.” Para uma empresa que foi pensada inicialmente para atender apenas as demandas da mobilidade urbana e se tornou referência em e bikes nacionais, este é um grande salto para a conquista de maiores faixas do mercado nacional de bicicletas destinadas à prática de esportes e deslocamentos urbanos, com preços competitivos, sem abrir mão da excelência em todos os modelos lançados, desde o de entrada com preço sugerido em torno de R$ 2.700 /2.900, até os mais sofisticados e destinados aos praticantes de esportes radicais e com maiores exigências de fadigas. *Osmar Silva viajou a convite da Sense Bike.

cyclomagazine | 43


PERFIL

Acumulando experiência em vendas, que é o que realmente gosta de fazer, Marcia Pagliosa está contente com a empresa em que trabalha e a função que desempenha. Viaja, vende e importa. Ativa e alegre, Marcia confia no setor que, mesmo aos tropeços, caminha com resultados positivos. E afirma que o resultado de seu trabalho nos últimos cinco anos na empresa JBE Sports, aponta que está no caminho certo


EXECUTIVA UNE DIVERSAS FUNÇÕES E DÁ CONTA DO RECADO!

Texto Hylario Guerrero Imagem arquivo pessoal

M

arcia Marchioro Pagliosa acumula cinco anos de tempo na empresa Kripta. Natural da cidade de Concórdia, SC, a filha de Irma de Camargo Marchioro e Edvino Marchioro conta que a quatro anos atrás trabalhava na importadora JBE Sports. “Nos foi solicitado uma importação de capacetes e obtivemos ótimos resultados, daí pra frente criamos a marca Kripta”, conta. Ocupa atualmente o cargo de analista comercial, galgou este posto após ser vendedora interna. Com um temperamento tranquilo, porém ágil em sua função, ela se mostra atenta a tudo o que acontece a sua volta. Dentre as atribuições e sua participação no desenvolvimento dos negócios da empresa estão a ajuda na escolha dos modelos e design dos capacetes. Também auxilia na escolha de novos fornecedores e palpita sobre novos produtos. Mas, sua principal função está focada nas vendas, no pós-vendas e logística. Marcia conta que bem jovem foi morar e estudar em Florianópolis. Sempre trabalhou na área administrativa financeira, chegando no cargo máximo de gerente financeira de uma das mais importantes marcas de carros importados. Após isso, já morando em Curitiba abriu uma distribuidora de cosméticos. Atuou também como vendedora. Depois de toda essa empreitada entrou na JBE. Exatamente no mês de junho, Marcia completa cinco anos na empresa, sendo quatro destinados à área de capacetes e acessórios de bike.

“Tenho cerca de 15 representantes sobre minha tutela. Viajo constantemente pelo Brasil, como os estados do Nordeste, São Paulo capital e interior, Brasília, Goiás, Pará e outros. Uma das maiores dificuldades que tenho enfrentado é a concorrência desleal, o câmbio e a crise. Para superar essas dificuldades, procuro fazer um ótimo atendimento durante a venda e no pós-venda. Interajo com todos os meus representantes online todos os dias. Para me reciclar, busco estar sempre conectada com o mercado”, comenta. “Acredito que com minha participação na empresa, mudou a atuação nacional. Não me acomodo, tenho planos futuros a ser implantados em minha gestão, continuar trabalhando com produtos importados, que atualmente são selecionados e chegam à empresa através de análise, portfólio e segmentação”, afirma. Na opinião da analista comercial, o que garante que estes produtos serão úteis dentro do mercado nacional é a segurança. “A empresa atua somente no mercado interno, por enquanto, pretendemos em breve expandir nossa atuação. O mercado financeiro/político em nosso país passa por uma situação bastante crítica, mas nosso segmento está sobrevivendo, temos que ser criativos e persistentes. Apesar da crise no Brasil, o segmento está tropeçando, porém, andando. As vendas caíram muito se comparado com o ano de 2015. Mas é um setor que vem crescendo em todo o país, por isso acredito em uma

mudança favorável para todos nós que atuamos no segmento de acessórios de bike”, estima Marcia. “A forma que busco para contribuir para o crescimento da empresa é trazendo novos e bons clientes, parceiros estáveis. Sempre estamos acrescentando novidades no nosso portfólio e, também este ano estamos com departamento de marketing na empresa, resultando em mais ações, e com isso esperamos resultados mais rápidos. Quanto a atuação dos concorrentes, alguns vejo como normal, mas têm alguns que são muitos desleais”, afirma. Marcia diz que entre as expectativas da empresa para o segundo semestre de 2016 é continuar crescendo e fortalecendo a marca. “Posso afirmar que confiamos em nosso trabalho. Nestes últimos quatro anos o crescimento da marca Kripta nos mostrou que estamos no caminho certo, o que temos que continuar a fazer independente das mudanças políticas é trabalhar e trabalhar muito”. Marcia Pagliosa é casada há 21 anos com João Antônio Pagliosa, aposentado, formado em agronomia, e sempre atuou como engenheiro agrônomo. Tem dois filhos. Bárbara de 19 anos e o João Antônio, o Júnior de 11 anos. “Bárbara já escolheu a sua profissão, está cursando Direito. João ainda não decidiu, é cedo demais para tal escolha, mas admira muito o meu trabalho. Quem sabe não siga o meu caminho?”, finaliza a bem humorada analista comercial.

cyclomagazine | 45


TECNOLOGIA

FUTURO DA INDÚSTRIA Fonte: Estadão

1

DO BIG DATA PARA O SMART DATA A crescente digitalização e a integração vêm mudando toda a cadeia de produção, e o volume global de dados está explodindo. Em 2005, o volume era de 130 exabytes e alguns especialistas acreditam que deve chegar a 14.996 exabytes até 2020 (algo equivalente a 15 trilhões de gigabytes). Para analisar e utilizar essa quantidade dados de maneira apropriada, é preciso desenvolver sistemas que permitam entender o seu conteúdo.

2

PRODUÇÃO MAIS RÁPIDA, FLEXÍVEL E EFICIENTE Como resultado do conceito de Industria 4.0, no futuro bilhões de máquinas, sistemas e sensores em todo o mundo vão se comunicar entre si e compartilhar informações. Isso não apenas vai permitir que as empresas tornem suas produções mais eficientes, como também dará a elas a flexibilidade necessária para adequar sua produção a novos requisitos de mercado.

46 | cyclomagazine

3

MUNDOS EM FUSÃO O mundo físico está se fundindo ao mundo virtual. Um exemplo de como isso pode funcionar sãos os softwares da Siemens PLM. O programa é utilizado para desenvolver e testar produtos virtualmente, antes que um simples protótipo seja produzido. Com essa tecnologia, alguns produtos podem chegar ao mercado em um tempo 50% menor e com o mesmo nível de qualidade. Essa abordagem foi utilizada para simular o pouso da Mars Curiosity Rover em 2012. O pouso foi testado oito mil vezes, com o Siemens PLN Software.

4

FÁBRICAS AUTOORGANIZÁVEIS As tecnologias de informação, telecomunicações, energia e fabricação estão se fundido, isso significa que as unidades de produção tendem a se tornar tremendamente autônomas. Por isso ainda é impossível dizer exatamente como as fábricas inteligentes serão no futuro. Um cenário possível: na fabricação do futuro, as máquinas vão se organizar a

si mesmas, as cadeias de fornecimentos vão se integrar automaticamente e as ordens de compra vão transformar automaticamente em informação de fabricação, seguindo seu fluxo pelo processo de produção.

5

JÁ UMA REALIDADE Seja envolvendo métodos digitais de planejamento (realidade virtual) e impressão 3D, seja criando robôs ultraleves, as novas tecnologias para a Indústria 4.0 são realidade, principalmente no desenvolvimento de produtos. Um exemplo é a planta de controles industriais da Siemens na cidade de Amberg (Alemanha), considerada a unidade industrial mais avançada da Europa. Lá, produtos e máquinas comunicam entre si, permitindo que os próprios produtos controlem sua produção. Como resultado, a unidade conseguiu, com o mesmo espaço físico e praticamente com a mesma força de trabalho, ampliar sua capacidade oito vezes nos últimos 20 anos, o que significa que homens e máquinas são oito vezes mais produtivos do que há duas décadas.


PEÇAS ORIGINAIS SHIMANO Muitas vezes, aquilo que não vemos é o que faz toda a diferença. Quando tudo funciona com perfeição, vale a pena lembrar que são os detalhes, quase invisíveis, que fazem toda a diferença: pastilhas de freio, correntes, roldanas, cabos e conduítes originais...escolha o melhor para sua bike, escolha o melhor para você. Use peças originais Shimano.

Cyclomagazine edição 211  
Cyclomagazine edição 211  
Advertisement