Issuu on Google+

EDIÇÃO ESPECIAL B O L E T I M I N F O R M AT I V O

INDÚSTRIAS DE MADEIRA Edição Especial

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

2010 em revista e novos projectos

Nesta Edição Fileira portuguesa de Madeira e Mobiliário no mundo | Combate ao Nemátodo da Madeira de Pinheiro e à contrafacção de paletes | Movimento associativo em crescimento | Incentivos para o novo ano


Produtividade e Engenharia Industrial

Soluções Schuler: • Gestão de Tempo e Produtividade • Layouts, Planeamento de Fabricas e Mini-Fabricas • Automação e Optimizacao de Processos • Gestão de Projecto • Auditoria e Fiscalização de Empreitadas de Construção Civil • Industria de Moveis e Madeiras: - Gestão de Produção - Gestão de Tempos - Configuração de Produtos

Proteja os seus activos Potencie a sua Competitividade a Schuler é a divisão de consultoria e software do Grupo HOMAG, Alemanha. a ACC é representante da Schuler Business Solutions em Portugal

acrescentar valor ao seu negócio

Contactos: www.almeidaconde.com www.schuler-ag.com almeida.conde@mail.telepac.pt Tel: +351 22 609 53 06


EDITORIAL

Caros colegas empresários O ano de 2010 foi marcado pelo agravamento do contexto financeiro para as nossas empresas. A acrescer a isto, a crise de consumo interno, os problemas de abastecimento de matéria-prima e a subida dos preços de produção, colocam a maior parte das empresas numa situação de descapitalização. E o sector financeiro, desde logo responsável pela crise, não responde com os seus sistemas de financiamento, às necessidades da actividade económica. Por outro lado, o Governo, apenas quando muito pressionado e face a um contexto de dramático risco, fez aprovar um Orçamento de Estado que, por pecar por tardio e ser “imposto” pelos mercados internacionais, “corta a direito” e como tal, vai trazer reflexos muito negativos para a economia de 2011: a retoma económica na Comissão Europeia deve desacelerar em 2011, no contexto de um clima económico mundial recessivo; a economia portuguesa deverá contrair novamente em 2011, só se prevendo recuperação em 2012; a taxa de desemprego continua a aumentar; a construção não se está a vender, e por isso mesmo, não há reposição de stocks com novas construções. No que toca ao nosso sector em particular, os materiais de construção não se vendem em Portugal porque não há construção; o mobiliário, além de não se vender porque não há reposição de novas habitações, sofre ainda com a concorrência desleal das importações do sudeste asiático e também as embalagens em madeira enfrentam a dificuldade de haver uma baixa global da transacção de mercadorias. Neste contexto, a resposta só pode estar na exportação. Mas exportar hoje implica diversificar mercados. Nos mercados europeus estão a aparecer hoje movimentos que podemos considerar “proteccionistas”, com preferência pelos produtos internos. Por outro lado, há nestes países tendências que ditam um novo conceito de “luxo”: o novo luxo não é consumir produtos caros, mas sim ser socialmente responsável e “cuidar do próximo”. Por estes motivos, é importante marcar nos mercados emergentes, onde existe uma classe de novo-riquismo com apetência para o consumo (Rússia, Arábia, Extremo Oriente, PALOP, entre outros). É aí que podemos colocar os nossos produtos de maior valor. Desejo Bom Ano a todos os associados da aimmp e … resistam!

Fernando Rolin Presidente da Direcção

aimmp

ficha técnica

Indústrias de Madeira Propriedade AIMMP – Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal | Coordenação Editorial João Paulo Mendes | Redacção Ana Santos Silva e Liliana Magalhães (comunicacao@aimmp.pt) | Colaboradores Paula Barroso (Floresta), Joana Sousa e Raquel Costa (Informação Jurídica), Alcinda Amaro, Joana Nunes, Vasco Teixeira Pedro | Paginação Jorge Guimarães | Fotografia Arquivo Fotográfico AIMMP | Impressão Tecniforma Print | Tiragem 1500 exemplares | Distribuição Gratuita Contactos: Rua Álvares Cabral, 281 4050-041 Porto | Tel. +351 223 394 200 | Fax +351 223 394 210 | Email aimmp@aimmp.pt | Web www.aimmp.pt

3


ESPECIAL 2010 EM REVISTA | INTERNACIONALIZAÇÃO

Desafio

Exportar para sair da crise: novas oportunidades 25 de Novembro foi dia de reflexão para a aimmp e a sua marca Associative Design. Em cima da mesa, no decorrer do seminário Exportar para sair da crise – Novas oportunidades, cuja organização foi da sua responsabilidade, esteve a internacionalização como tema central. Empresas do sector e entidades públicas e privadas juntaram-se, assim, à discussão do passado, presente e futuro da aposta em mercados externos

4

W

orkshops de mercado, estratégias de internacionalização, dificuldades e precauções a ter na exportação de mercadorias, seguros para os riscos de exportação e apoios financeiros foram os temas chave do encontro que contou com os esclarecimentos de representantes da AICEP, Market Access, Schenker Portugal, Cosec e Banco Espírito Santo. O dia foi, ainda, marcado por um balanço das acções de internacionalização levadas a cabo pela aimmp desde o início de 2008, no âmbito do projecto Interwood e da ASSOCIATIVE DESIGN®. Com um incentivo já aprovado de seis milhões de euros para 2011 (ver

caixa), técnicos especializados deram conta das oportunidades reconhecidas em diversos mercados e apresentaram o plano de acções para o próximo ano. Dividido em duas partes, em que a primeira foi dedicada a questões transversais da internacionalização e a segunda a sessões de trabalho com oradores de elevado conhecimento sobre os mercados em análise (Ásia, EUA e África), o seminário cumpriu assim o objectivo de “dotar as empresas de conhecimentos práticos que lhes permitam aumentar o seu volume de vendas através da exportação, tendo como base o trabalho efectuado pela associação nos últimos três

anos”, afirmou Fernando Rolin, Presidente da Direcção. O momento foi aproveitado, igualmente, para lançar a discussão sobre o futuro da ASSOCIATIVE DESIGN®, enquanto plataforma de apoio ao caminho das empresas rumo a novos mercados. Para este ano está já agendada uma nova reunião, da qual se esperam obter respostas concretas quanto ao caminho a seguir. Realizada na Mealhada, a iniciativa deu ainda lugar à passagem de testemunho de alguns empresários e ao lançamento da revista Xylon Portugal, que agora chega ao mercado nacional pelas mãos da aimmp.

AIMMP aprova 6 milhões de euros para o seu projecto Interwood Foi a 5 de Novembro, no EuroParque, em Santa Maria da Feira, que se realizou uma sessão de assinatura de contratos de Projectos Conjuntos e Projectos Individuais, no âmbito da promoção e dinamização da internacionalização da economia nacional. No total, serão abrangidas mais de 1500 empresas a que corresponde um investimento de 112 milhões de euros, dos quais 54 milhões de financiamento público. Também a aimmp viu aprovada a sua candidatura, no valor de 6 milhões

de euros, dando assim continuidade ao projecto Interwood. Num momento em que a internacionalização e o fomento das exportações adquirem especial importância e constituem um dos mais importantes desafios da economia nacional, a atribuição de Incentivos às empresas no âmbito do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional), vem conferir-lhes, assim, instrumentos de apoio fundamentais. A relevância destes instrumentos no qua-

dro de uma política concertada em prol da procura externa associada ao lançamento de um conjunto significativo de acções de promoção externa programadas para o próximo ano deu o mote para a sessão. No total, em 2011, o QREN irá apoiar um total de 203 projectos individuais e 37 projectos conjuntos que envolvem mais de 1500 empresas. Estes incentivos serão aplicados na participação em 640 acções, universo do qual a aimmp também faz parte.


Acções de Internacionalização 2011 Reino Unido Interiors Birmingham, 24-27 Janeiro Um ano após o lançamento da ASSOCIATIVE DESIGN®, a aimmp regressou com a sua marca à Interiors Birmingham. Com uma média anual de 30 mil visitantes, o evento mereceu então a aposta renovada de empresas portuguesas da Fileira Casa. Potenciar negócios, afirmarem-se no mercado e reforçarem presenças já firmadas no mercado britânico foram os principais objectivos da participação lusa. 100% Design, Londres, 23-26 Setembro “We Love Portugal”: Foi este o mote para mais uma presença das marcas portuguesas no London Design Festival que, este ano, responderam ao apelo da 100% Design – uma das feiras mais competitivas e direccionadas para o público profissional. Estética, funcionalidade e emoção fazem parte da identidade do design luso que a ASSOCIATIVE DESIGN®, desta vez, em parceria com a Portugal Brands, tem vindo a potenciar a nível internacional, através de missões empresariais, exposições e mostras. A exposição na 100% Design foi, assim, projectada para sensibilizar os mercados externos para a existência de um Portugal como activo de criação e de design.

Zona Tortona, Milão, 14-19 Abril A ASSOCIATIVE DESIGN® marcou, ainda, presença na Zona Tortona Design, evento que se realizou em simultâneo com o Salão Internacional do Móvel. Fundado em 2001, o evento tem vindo a afirmar-se como um local privilegiado para a troca de ideias no universo do design. Este ano, à semelhança de edições anteriores, a Zona Tortona atraiu milhares de visitantes, entre os quais compradores, estudantes e jornalistas.

Angola ExportHome, Luanda, 24-27 Junho Realizada pelo segundo ano consecutivo, a mostra ExportHome continua a ser, segundo a organização, “uma resposta às necessidades de Angola” – país de enorme riqueza natural mas com grandes necessidades, neste caso, no que respeita aos sectores Casa, Mobiliário, Hotelaria, Iluminação, Decoração e Têxteis-Lar. A participação deste ano serviu para a aimmp fazer uma antevisão daquele que viria a ser o seu maior projecto em território internacional: a Rua da Amizade, inaugurada mais tarde, na FILDA.

ICFF, Nova Iorque, 15-18 Maio Foi em Maio que o Jacob K. Javitz Convention Center deu lugar à 22.ª edição da ICFF. O evento contou com cerca de 600 expositores em representação de 40 países. Austrália, Japão, França, Itália, Tailândia e Reino Unido foram apenas alguns deles, aos quais se juntou Portugal com a marca Associative Design. Nesta edição, a viagem a Nova Iorque serviu igualmente para celebrar o design português que está, desde então, em destaque no Museum of Modern Art. “Destination: Portugal” é o nome de uma iniciativa levada a cabo entre o MoMa e Serralves, e que reúne, na loja do primeiro museu, uma selecção de produtos de designers portugueses.

FILDA, 20-25 Julho A Rua da Amizade, projecto idealizado pela aimmp, consistiu numa verdadeira rua com todas as infra-estruturas básicas ao quotidiano de uma população. O espaço, que ocupou um total de 1000 m2, foi 100% concebido a pensar no consumidor angolano, tendo sido, por isso, projectado e construído de acordo com as necessidades da família angolana actual. Exigências reveladas em pormenores e soluções adaptadas à cultura e arquitectura do país, que a aimmp não quer deixar de assinalar, pois nasceram da concepção e implementação de uma pequena comunidade de diversas infra-estruturas e edifícios específicos. A ASSOCIATIVE DESIGN® teve em consideração estas necessidades e desenvolveu em especial para a FILDA um espaço composto por um ambiente de hotel, uma escola, um infantário, um auditório/home cinema, um posto clínico, um restaurante, uma cafetaria, uma esplanada, uma cafetaria e um parque infantil.

Itália

Marrocos

iSaloni, Milão, 14-19 Abril Depois de, em 2009, ter protagonizado a maior participação lusa de sempre no evento, a ASSOCIATIVE DESIGN® regressou ao Salão, uma das maiores e mais importantes feiras de mobiliário do mundo, acompanhada por um total de 17 empresas nacionais. Nesta edição, a aimmp e a sua marca fizeram representar-se com duas propostas distintas: clássica e moderna.

SIB Marrocos, Casablanca, 1-7 Novembro Pelo terceiro ano consecutivo a apostar no mercado marroquino, a aimmp rumou a Casablanca para participar na feira SIB (Salon International du Bâtiment). Realizada de dois em dois anos, a Feira SIB Casablanca tem como objectivo proporcionar aos participantes portugueses um acesso privilegiado ao sector da construção de Marrocos, no qual se tem vindo a verificar um crescimento exponencial.

EUA

Este sector continua a ser impulsionado pelo constante aumento da população e consequente investimento em construção e obras públicas.

Ásia, Mostra Itinerante Japão, China, Singapura Três mostras de design, três grandes potências, três portos mundiais onde o navio-escola Sagres atracou. Tudo isto a aimmp conjugou para promover, ao mais alto nível, em solo asiático, as marcas portuguesas da Fileira Casa e Decoração, em conjunto com outros sectores que lhe são complementares. A iniciativa que surgiu da parceria encetada com a Marinha Portuguesa, no sentido de renovar os interiores do navio-escola Sagres, teve como grandes objectivos dar resposta à “invasão de produtos asiáticos no nosso mercado” e explorar um dos mercados emergentes da actualidade. Assim, um conjunto de peças portuguesas, seleccionadas pela aimmp e pela sua marca ASSOCIATIVE DESIGN®, percorreram alguns dos pontos mais centrais do Extremo Oriente: Tóquio, 27-29 de Julho (Ropongui Hills Café); Shangai, 17-22 de Agosto (Plazza 66) e Singapura, 19- 23 de Outubro (Red Dot Museum.

Espanha Funergal, Ourense, 22-23 Janeiro A partilha de know-how com novos parceiros e a preparação de estratégias conjuntas de internacionalização para mercados emergentes foram alguns dos objectivos da presença portuguesa na 6ª edição da Funergal, Feira de Produtos e Serviços Funerários. A participação no evento serviu igualmente como preparação para a organização da Funergal 2012 que irá realizar-se em Portugal, com o apoio da aimmp.

Cabo Verde Missão empresarial, 25-29 Abril Foi no passado mês de Abril que oito empresas portuguesas do sector do mobiliário e dos materiais de construção, incluindo cozinhas, esquadrias, portas, pavimentos, revestimentos, contraplacados e casas de madeiras, chegaram a Cabo Verde para a realização de uma missão empresarial. Aos cabo-verdianos, esta iniciativa, deu a conhecer soluções “chave na mão”, sobretudo na área da hotelaria. Cabo Verde é um país com uma economia orientada para o sector dos serviços, nomeadamente o turismo, apresentando neste domínio o desenvolvimento de novos projectos de investimento turístico. Necessidades para as quais a Fileira de Madeira e Mobiliário portuguesa está apta a dar resposta.

5


ESPECIAL 2010 EM REVISTA | INTERNACIONALIZAÇÃO

Divulgação

Um ano a promover a exportação do mobiliário português

U

6

m ano após o lançamento da marca ASSOCIATIVE DESIGN®, a aimmp prosseguiu a todo o vapor rumo à promoção e apoio à exportação de empresas e marcas portuguesas. Assim, e já depois de ter estabelecido uma parceria com a Marinha Portuguesa – que colocou a ASSOCIATIVE DESIGN® a bordo do navio-escola Sagres – e a participação na feira Interiors Birmingham no passado mês de Janeiro, seguiu-se a participação na 22.ª edição do certame Export Home, que decorreu na Exponor, em Matosinhos, de 2 a 6 de Março de 2010. E esta exposição com marcas e produ-

tos portugueses teve um brilho muito especial. Foi tempo de celebração pelos excelentes resultados de um ano a impulsionar a internacionalização das nossas empresas, a fidelizar consumidores e a potenciar o desenvolvimento social e empresarial do país. Por essa razão, a aimmp e a ASSOCIATIVE DESIGN®, em conjunto com as marcas em exposição – Adico, Alvo, Anaric, Augusto Moreira Móveis, Boca do Lobo, Castro Lighting, Cerne, Cormar, Dimensão, Delightfull, Fertini, Glamm Fire, Hestia, Jetclass, Luis Soares Barbosa, Luz e Som, Manuel da Silva Jorge, M.N. Arquitectura,

Molaflex, Móveis Meireles, Mundos Perdidos, Munna, Mytto, Paularte, TemaHome – e o patrocínio da Delta Cafés, Lameirinho, Lusotufo e Murganheira, preparou uma mostra à altura do acontecimento. Segundo Fernando Rolin, presidente da aimmp “Com a exposição na Export Home tivemos a possibilidade de chamar à atenção para um novo nicho de mercado fruto da parceria com a Marinha Portuguesa. Já exploramos bem a área Contract, na qual os nossos produtos são reconhecidos e quisemos mostrar a todos o que somos capazes de fazer ao nível da hotelaria flutuante.”

Parceria com a Marinha Portuguesa

Design Português a bordo do navio-escola Sagres

B

ons ventos sopraram para as empresas portuguesas que se associaram à aimmp numa notável acção de diplomacia política, económica e cultural. A ASSOCIATIVE DESIGN® (marca da aimmp ) associou-se à Marinha Portuguesa na terceira volta ao mundo do navio-escola Sagres de modo a contribuir para a divulgação das marcas da Fileira Casa e Decoração no mundo. A parceria resultou na remodelação e decoração de alguns interiores do navio– escola Sagres com produtos de diversas empresas que têm acompanhado a aimmp nas suas acções de internacionalização. Assim novos espaços do Sagres ganharam vida, cor e expressão, resultando em ambientes de alta decoração na Camarinha e Escritório do Comandante, no Camarote do Oficial Imediato, no Camarote do Oficial Superior, na Câmara de Oficiais, na Sala de Estar de Cadetes e na Sala de Estar dos Praças. Com esta iniciativa os produtos portugue-

ses puderam ser vistos no interior do navioescola que ancorou em vários portos mundiais. Portos esses onde foram igualmente

organizadas mostras de design com a participação de várias marcas nacionais de mobiliário e decoração (ver página seguinte).


INTERNACIONALIZAÇÃO | ESPECIAL 2010 EM REVISTA

Extremo-Oriente

Mostra itinerante passo-a-passo: Japão, China e Singapura

J

apão de 27 a 29 de Julho (Roppongi Hills Café); China de 16 a 18 de Agosto (Plazza 66) e Singapura de 18 a 20 de Outubro (Red Dot Museum). Foram estes os locais e as datas escolhidas para a mostra de mobiliário português em solo asiático, aproveitando a passagem do navio-escola Sagres por esses locais. ADC, Alvo, Ambitat, Antarte, Belar, Boca do Lobo, Cerne, Colunex, Fertini, Haut de Gamme, Induflex, Jetclass, Luís Soares

Barbosa, Movis, Munna Design, Opostos, Porto Oriente, Redi e TemaHome foram os nomes que se associaram a esta iniciativa inédita. E os resultados não podiam ser melhores: milhares de visitantes, vendas realizadas, projectos na calha e uma extensa cobertura jornalística pela imprensa local preenchem o balanço da iniciativa. A decorrer em paralelo com os certames, foram ainda levadas a cabo missões empresariais em cada uma das

cidades, no âmbito das quais as empresas portuguesas tiveram uma série de reuniões bilaterais. Encontros com decoradores, arquitectos, responsáveis por feiras e compradores, bem como visitas a retalhistas completaram os programas das missões. Ainda na passagem pelo Oriente, a comitiva lusa teve oportunidade de jantar a bordo do navio-escola Sagres, na sua passagem por aqueles locais, e de visitar a Expo Xangai, onde a aimmp participou no dia das Florestas.

7


ESPECIAL 2010 EM REVISTA | ASSOCIATIVISMO

Fusão Associativa

AFAC e AIMC fundem-se na AIMMP Num ano em que o movimento associativo sofreu uma mudança de paradigma, nomeadamente com o nascimento da CIP-Confederação Empresarial de Portugal, e em que a crise económica exigiu uma maior concertação de estratégias, a aimmp, a AFAC (Associação dos Fabricantes de Colchões) e a AIMC (Associação de Industriais de Madeira do Centro) avançaram para uma fusão, concretizada em Setembro

N

8

o final de Setembro concretizouse, em escritura pública, o projecto de fusão da aimmp, AFAC e AIMC, já depois de este ter sido aprovado por unanimidade em assembleia-geral extraordinária, realizada na sede da aimmp, em Julho. Uma fusão que determinou a incorporação da AFAC e da AIMC na aimmp, dissolvendo-se aquelas duas. O projecto foi tornado público a 1 de Outubro, durante uma reunião geral da Fileira de Madeira e Mobiliário em Leiria, e contou com a presença de vários industriais, que, naquele dia, se juntaram para discutir o estado do sector e definir um novo caderno de reivindicações a dirigir ao Governo. Para a Direcção da aimmp, esta fusão constitui uma importante viragem no associativismo: “Há muito que defendemos a necessidade de, em Portugal, proceder-se a uma reestruturação do movimento associativo, nomeadamente através da con-

stituição de confederações. Há demasiadas organizações sectoriais e regionais no país, muitas até concorrendo entre si, o que é péssimo pois perde-se a capacidade de influência junto do Governo.” A aimmp considera, portanto, que só em cooperação e congregação em torno de projectos e iniciativas comuns é que se ganha capacidade para criar condições favoráveis para o sector. Além disso, as associações em causa representavam actividades referentes à mesma fileira de valor e eram norteadas por iguais princípios de acção e de defesa dos legítimos interesses das suas associadas. Assim, explica a Direcção da aimmp, “não fazia mais sentido a dispersão de tantos esforços, sobretudo face ao actual contexto de crise, que exige uma actuação convergente, realizada de forma plena e sistemática”. A Direcção da aimmp acredita que, com isto, “ganha-se uma maior capacidade de

negociação das grandes linhas de orientação estratégica de apoio ao desenvolvimento empresarial no nosso país.”

Representatividade Europeia

AIMMP assume presidência da EFIC

A

aimmp assumiu, em Setembro, a

presidência da Confederação Europeia das Indústrias de Mobiliário (EFIC), sucedendo assim à Itália. A eleição, que escolheu Portugal por unanimidade, teve lugar em Bruxelas, onde a Confederação está sediada, no decorrer de mais uma assembleia-geral. “Esta foi uma vitória das empresas portuguesas e dos nossos associados que mereceram, desta forma, o reconhecimento das suas capacidades na área associativa, ao nível internacional”, declara Fernando Rolin, que representa agora a aimmp nas novas funções, enquanto

seu presidente. O dirigente associativo reforça, ainda, que este foi um acontecimento marcante para um “processo de moralização do sector”. Com um valor de produção de mobiliário na ordem dos 900 milhões de euros (cerca de metade da produção nacional da Fileira de Madeira) e com um crescimento da produção de mobiliário que, nos últimos anos, se considera estável, a indústria portuguesa está assim sob o olhar atento da Europa e tem, com esta eleição, uma janela aberta a novas oportunidades e desafios. Membro da Confederação desde Ja-

neiro de 2008, a aimmp dá, com isto, um importante passo na defesa dos interesses da indústria portuguesa de mobiliário. Itália, Alemanha, Bélgica, Espanha, Eslováquia, Dinamarca, Turquia e Suécia, entre outros – os maiores produtores mundiais de mobiliário, com 65% da produção do sector naquele continente – fazem, igualmente, parte da Confederação. Unir forças para se conseguir exercer uma maior influência junto dos principais órgãos da União Europeia continuará a ser, para a nova presidência, um dos objectivos fulcrais da EFIC.


ESPECIAL 2010 EM REVISTA | INICIATIVAS

Nova publicação sectorial

Xylon internacional lançou edição nacional para a Fileira de Madeiras e Mobiliário Dezembro foi, este ano, sinónimo de progresso e sucesso, ou não fosse o mês marcado pelo lançamento oficial da primeira revista portuguesa dirigida em exclusivo à Indústria da Madeira e Mobiliário – a Xylon Portugal. Um acontecimento marcante, fruto de uma parceria celebrada com a editora internacional, que simboliza mais uma aposta da aimmp no contacto e na proximidade com os seus associados

I 10

nspirada na prestigiada publicação de origem italiana, a Xylon Portugal by aimmp assume como principal objectivo preencher a lacuna existente ao nível da informação direccionada a todos os industriais do sector da madeira e do mobiliário. Informação, rigor e excelência são os conceitos que melhor definem a Xylon Portugal e promovem o melhor da indústria, com elevados critérios de qualidade ao nível gráfico e editorial. Composta em média por 132 páginas, destaca temas de relevo em áreas como Economia & Gestão, Empresas, Madeira & Mobiliário, Feiras & Tendências, Tecnologia e Capital Bio. Complementa ainda as suas

edições com secções de análise do sector como são disso exemplo as rubricas Focus, Primeiro Plano e Novo Ângulo. Acrescem as Caras do Negócio e as Marcas de Prestígio. Boas razões, portanto, para querer descobrir a nova revista. O primeiro número tem como figuras principais o ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Vieira da Silva, e o presidente da Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva. Em destaque estão também temas como o desenvolvimento actual da indústria, a importância da internacionalização, o acesso ao financiamento e o poder das marcas nacionais. Fundada originalmente em 1990, em Itália, a Xylon chega a cerca de 10 mil opera-

dores seleccionados e líderes de opinião. O seu target mais específico é composto por importadores, empresários, profissionais, técnicos, gestores, revendedores e distribuidores, procurando disseminar informação, articulada e organizada, que apoie o processo de decisão das indústrias e dos players do sector.

Segunda edição nacional

Design de mobiliário de madeira em concurso

A

aimmp organizou, no decorrer de

2010, o 2.º Concurso Nacional de Design de Mobiliário assente numa estratégia de valorização dos produtos do sector, bem como de afirmação e reconhecimento das suas indústrias como empenhadas no desenvolvimento sustentável e na qualidade de vida dos consumidores. A fase de candidaturas arrancou em Setembro passado, tendo a aimmp, desde então, recebido vários projectos de empresas, designers e estudantes – as três categorias em concurso. Os mesmos serão expostos já entre os dias 23 e 27 de Fevereiro deste ano, durante a Export Home, em Matosinhos, estando a Cerimónia de Entre-

ga dos Prémios prevista para o dia 26 de Fevereiro. Sob o conceito “A procura da essência do desadorno”, o Concurso Nacional de Design tem por objectivo distinguir os mais inovadores produtos de mobiliário, concebidos por designers nacionais e produzidos em Portugal, valorizando a ligação do design aos produtos de madeira. “Mente Verde” (para alunos e designers recém-licenciados), “Design Quotidiano” (professores e designers seniores) e “Manifesto Tecnológico” (empresas) são as três categorias a premiar – os prémios da primeira e da segunda categoria são 2.500 euros e o direito a uma participação gra-

tuita num dos principais eventos mundiais de design, e, na terceira categoria, é a participação gratuita numa das principais feiras mundiais do mobiliário.


ESPECIAL 2010 EM REVISTA | FLORESTA

Combate ao Nemátodo

Fundo de Solidariedade Europeu chegou às Indústrias de Transformação Depois de processo moroso, os quatro milhões e trezentos mil euros do Fundo de Solidariedade Europeu (FSE), que se destinavam a apoiar as indústrias de primeira transformação a colmatar os seus custos adicionais na sequência do aparecimento do Nemátodo da Madeira de Pinheiro e das exigências comunitárias para a exportação, foram entregues a cerca de 220 empresas

A

12

s exigências comunitárias para a exportação de embalagens de madeira de pinho e a obrigatoriedade do tratamento por choque térmico (HT) continuaram a estar, em 2010, entre as maiores preocupações das indústrias de primeira transformação, na medida em que a situação provocou um aumento dos custos de produção e a perda de competitividade nos mercados internacionais. Para apoiar o sector, recorde-se que, em 2009, a aimmp pediu ao Governo o accionamento do FSE. A notícia da aprovação desse apoio financeiro para as indústrias

portuguesas de primeira transformação florestal, no montante de €4.300.000, chegou em Janeiro de 2010. Mas a publicação da Portaria que daria luz verde à apresentação de candidaturas ao FSE demorou, não obstante os contactos persistentes da aimmp junto das entidades governamentais competentes, considerando o prazo estabelecido por Bruxelas para o fecho deste processo – 30 de Setembro. O processo foi, efectivamente, moroso e culminou na publicação da referida Portaria em pleno Verão, a 9 de Agosto, quando a maior parte das empresas do sector encerram para férias, incluindo a própria Associa-

Nemátodo da Madeira de Pinheiro obriga à reflorestação Dos 790 mil hectares de pinhais existentes em Portugal, cerca de 380 mil estão infectados com o Nemátodo e, para combater a praga, prevê-se que 200 mil terão de ser cortados até 2012. Este é o balanço que a aimmp faz da situação resultante do alastramento do Nemátodo da Madeira de Pinheiro, admitindo ainda que em risco possam estar cerca de 10 mil postos de trabalho. Assim reflorestar será a palavra de ordem. Outra preocupação dos empresários do sector é saber qual a floresta alternativa que surgirá no lugar dos

200 mil hectares de pinho, ainda que havendo a convicção generalizada de que estes acabarão por ser ocupados por eucalipto. A Direcção da aimmp acredita que “o país tem espaço para todos – para a fileira do eucalipto, do pinho e do sobro – desde que haja uma política de solos e uma regulamentação que permita fazer o direccionamento da madeira abatida”. Importa, pois, que as árvores a abater venham a servir todas as indústrias, produzindo folha, pranchas, paletes, varas, estilhas e biomassa.

ção. “Para dificultar ainda mais, a Portaria dita um período de candidatura de apenas uma semana”, conta Paula Barroso, do Departamento de Produção da aimmp. Assim, explica Paula Barroso, foi em pleno período de férias que “a aimmp accionou uma task force com o objectivo de dar total apoio às empresas interessadas na elaboração das suas candidaturas ao FSE, e que acabou por se traduzir em 220 beneficiárias” – empresas registadas na Direcção Geral da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (DGADR) que efectuaram tratamentos fitossanitários durante o ano de 2008 e 2009.

Números 9.332 ocorrências de fogos

florestais foi o número registado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil em Agosto passado, considerado o pior mês dos últimos quatro anos.

6.467 bombeiros foram

mobilizados a 14 de Agosto, representando a maior mobilização de efectivos.


ESPECIAL 2010 EM REVISTA | EPAL

Casos de contrafacção

ASAE fiscaliza qualidade das paletes EUR-EPAL em circulação A fiscalização de 35 operadores económicos, instauração de sete processos-crime por contrafacção e apreensão de 56 paletes no valor de €618,50 foram os resultados contabilizados pela ASAE, em 2010, na sequência das diligências realizadas para combater a circulação ilegal de paletes EUR-EPAL. Um processo desencadeado após as denúncias feitas pela aimmp, dando conta de situações fraudulentas

14

N

o início de 2010, a aimmp , na qualidade de entidade gestora da marca EUR-EPAL em Portugal, juntamente com o Comité Nacional da Epal, apresentou à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) uma denúncia dando conhecimento da existência de paletes em circulação a ostentar aquela marca sem a devida creditação ou sem cumprir os requisitos de qualidade exigidos. Para travar a contrafacção, a aimmp reuniu-se com a ASAE a 8 de Março, solicitando a sua intervenção e fiscalização das paletes que circulam no mercado, nomeadamente procedendo a inspecções junto de todos os operadores, sobretudo ao nível das grandes superfícies de distribuição, que são os maiores utilizadores de paletes. A 31 de Março a aimmp apresentou, ainda, uma queixa-crime face às situações denunciadas e encetou uma campanha de descredibilização dos infractores junto dos utilizadores e comerciantes de paletes, bem como dos órgãos de comunicação social. É que a utilização indevida da EUR-EPAL não só descredibiliza o produto nacional e todos os operadores portugueses devidamente credenciados e respeitadores das imposições, como também pode resultar em avultados prejuízos, inclusivamente para os utilizadores das paletes. Além dos eventuais bloqueios no transporte e na circulação de mercadorias, a utilização de paletes EUREPAL falsificadas é considerada crime, sen-

do, de acordo com o art. 269, n.º 3 do Código Penal, punível com pena de prisão até dois anos ou pena de multa até 240 dias.

Símbolo de qualidade Recorde-se que a marca EUR-EPAL constitui um símbolo de qualidade, de âmbito internacional, sendo a sua atribuição concedida a fabricantes e reparadores que cumpram os requisitos e critérios técnicos estabelecidos na UIC 435-2-0. O cumprimento destas regras garante um transporte mais seguro e um armaze-

namento mais estável e eficaz, aumentando assim os níveis de segurança no manuseamento das paletes. As paletes certificadas são ainda susceptíveis de retorno e reparação, o que se traduz em uma maior responsabilidade social, designadamente um contributo para a sustentabilidade ambiental. A contrafacção desta marca detecta-se por várias formas, sendo as mais comuns a falta do agrafo no bloco central, a colocação dos símbolos requeridos nos blocos errados e o uso do número de autorização de utilização da marca de entidades que não estão autorizadas.


Balanço SIAC A aimmp promoveu, em 2010, um conjunto de iniciativas de apoio à actividade empresarial da Fileira de Madeira, que se apresentam de seguida. Estudo: Modelo para a Cooperação na Indústria Portuguesa da Madeira e do Mobiliário - Retrospectiva e Factores de Mudança O estudo conclui que se assiste a uma tendência para lógicas de “Mass Production” para se poder ser competitivo, o que só se consegue com aumentos de escala, boas redes logísticas ou inserido em redes ou parcerias globais. À primeira vista, tal tendência pareceria indiciar um quadro geral propício a fenómenos de cooperação, mas conclui-se da dificuldade de estabelecer parcerias sustentáveis. Ainda assim são propostas algumas plataformas. Estudo: Concentração da Indústria Portuguesa de Madeira e Mobiliário e sua Reestruturação: dossier para captação de Investimento Externo Tal como no estudo relativo à cooperação, conclui-se aqui que fenómenos de concentração para ganhos de massa crítica são essenciais à competitividade do sector. Já neste aspecto o mercado caminha naturalmente nesse sentido sendo aqui propostas plataformas que têm a ver com formas de financiamento de tal fenómeno. Observatório da Competitividade da Fileira de Madeira O Observatório é um sistema de informação sectorial que proporciona informação conjuntural e estrutural sobre a Fileira da Madeira. Este tem a sua base em informação global proveniente dos Sistemas de Estatísticas Nacional e Internacional, em estudos realizados e no conhecimento disperso pelos agentes que actuam na fileira, conjugado com a situação de empresas fornecedoras, empresas produtoras e de comércio de outros produtos de madeira. Estudo: Plano Estratégico para a Reestruturação e Modernização da Indústria de Primeira Transformação de Madeira em Portugal Estudo realizado tendo por base o “Estudo Estratégico da Primeira Transformação”, promovido anteriormente pela aimmp ao abrigo de um protocolo com o IFAP, que efectuou o diagnóstico à indústria de primeira transformação e a sua ligação à exploração florestal. A isto acresceu a identificação e compilação das mais recentes técnicas e tecnologias disponíveis para o aumento da produtividade e rentabilidade das operações de primeira transformação e as principais alternativas estratégicas existentes.

Manual das Melhores Práticas Tecnológicas para o Sector de Serração Disponibiliza informação, de forma sistematizada e tratada, que permite aos empresários do sector conhecer e, na altura certa, optar pela solução mais adequada à sua realidade, partindo para o processo de negociação e compra melhor preparados e devidamente alertados para questões importantes e por vezes decisivas. Estudo: Estado de Arte da Inovação na Indústria de Madeira e Mobiliário Ferramentas de orientação sobre o que é Inovação e como inovar, para as empresas se apoiarem nos seus processos de desenvolvimento e no planeamento dos seus investimentos. Este estudo fornece igualmente um referencial objectivo às autoridades de gestão. Exercício de Benchmarking e Diagnóstico de Avaliação de Desempenho com base no Índice de Benchmarking Português O objectivo central do exercício de Benchmarking foi o de elaborar um estudo sectorial sobre a competitividade na Fileira de Madeira, no sentido de definir quais as condições necessárias à valorização dos produtos da fileira da madeira e à melhoria da competitividade das empresas do sector, atenuando ou eliminando as desvantagens competitivas face à concorrência externa. Guia de Boas Práticas - Produtividade, Tecnologia e Optimização de Lay-out Com a aplicação de boas práticas apresentadas nas áreas de produtividade, tecnologia e optimização de lay-out, as empresas terão oportunidade de desenvolver processos modernos e mais adequados ao mercado actual, permitindo-lhes aumentar a competitividade junto dos concorrentes. Guia de Apoio à Marcação CE para Pavimentos, Portas e Estruturas de Madeira Com a aplicação das boas práticas apresentadas neste guia, as empresas terão oportunidade de valorizar os seus produtos e comercializá-los livremente no Espaço Económico Europeu, tornando-se mais competitivas. Dá a conhecer a tramitação do processo de marcação, as obrigações e direitos de cada parte envolvida e as normas e requisitos a cumprir. Guia de Boas Práticas de Eficiência Energética e Energias Renováveis na Fileira de Madeira A consulta deste guia permite às empresas aceder a conceitos, metodologias e ferramentas, explicadas de forma prática e compiladas num único documento, facilitando a pesquisa e aplicação das boas práticas relacionadas com a promoção da eficiência energética nas suas indústrias.

Guia de Boas Práticas de Gestão Ambiental Este guia aborda todos os aspectos relativos a obrigações legais explicadas na prática, assim como os requisitos dos Sistemas Voluntários de certificação. Apresenta uma ferramenta de auto-diagnóstico específica para o sector, que permite aos utilizadores identificar os impactos negativos da sua actividade e aponta oportunidades para os dirimir. Guia de Apoio à Certificação da Cadeia de Responsabilidade Fornece um conjunto de orientações técnicas para as empresas que desejem implementar e certificar a sua Cadeia de Responsabilidade (CdR). Na implementação de Cadeias de Responsabilidade FSC (Forest Stewarship Council) e/ou PEFC (Program for the Endorsement of Forest Certification Schemes), o Guia aborda os principais requisitos a cumprir, em função do esquema, tipo e âmbito da CdR. Recorde-se que é a Cadeia de Responsabilidade que permite à empresa certificar que o seu produto é fabricado com matérias primas sustentáveis. Guia de Boas Práticas de combate ao Nemátodo da Madeira de Pinheiro O Guia proporciona o acesso a informação global sobre o combate à praga do Nemátodo da Madeira de Pinheiro, que afecta sobretudo a indústria de 1ª transformação (serração e embalagem). Guia de Boas Práticas de Importação de Madeiras Tropicais: legislação, certificação Permite aos empresários a consulta rápida de informação relevante relacionada com a legislação aplicável à importação de madeiras tropicais, altamente condicionada por regulamentação internacional. Diagnóstico e Manual Avançado de Segurança e Higiene Este manual permite às empresas a identificação de potenciais não conformidades legais e riscos associados aos perigos existentes na organização e, mais importante, a tomada de medidas preventivas que permitam reduzir esses riscos. Participação em Organizações Internacionais A aimmp participa regularmente em reuniões, congressos, grupos de trabalho e no acompanhamento directo de actividades e iniciativas de organizações internacionais, tais como: CEI-BOIS – Confederação Europeia das Indústrias da Madeira; EFIC – Federação Europeia das Indústrias de Mobiliário; FEFPEB – Federação Europeia dos Produtores de Paletes e Embalagens em madeira; EPAL – Sistema de Certificação de Qualidade de Paletes, entre outras.

15


SINÓNIMO DE CERTIFICAÇÃO E GARANTIA DE QUALIDADE ABSOLUTA

AS PALETES EUR-EPAL: As paletes de madeira representam um produto natural que comporta uma série de propriedades favoráveis, entre as quais a maior conservação dos produtos embalados.

VANTAGENS

CARACTERÍSTICAS Assumem-se como parceiro de negócios para a indústria e distribuição; São um suporte imprescindível na cadeia logística; Evitam rupturas nos transportes nacionais e internacionais; São feitas a partir de matéria-prima Nobre - Pinho Marítimo Português: material forte, resistente, eco-sustentável e seguro em termos sanitários; São produto Verde: reutilizáveis e recicláveis.

OUTRAS ESPECIFICIDADES

- Processos de produção e distribuição eficazes e consequente optimização do desempenho financeiro; - Transporte sem anomalias / mercadoria chega em bom estado;

EMPRESAS CERTIFICADAS

- Armazenamento seguro / os produtos podem ser guardados durante um longo período com segurança máxima; - Valor estável / a qualidade dos produtos é preservada; - Óptima segurança no trabalho / o ambiente de trabalho é protegido; - Troca assegurada sem problemas / evita rupturas no transporte nacional e internacional.

CONTACTOS ÚTEIS


NOVOS PROJECTOS 2011

INTERWOOD

FORMWOOD FORMAÇÃO FINANCIADA

ACÇÕES DE INTERNACIONALIZAÇÃO

FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS

COMPETEWOOD INOVWOOD

TICWOOD

MK T WOOD

WOODCARE

17

CONSULWOOD TECHWOOD

QUALIWOOD

GEST WOOD

AMBIWOOD

FORESTWOOD

Consultadoria, formação e internacionalização são três dos vectores principais nos quais a aimmp tem trabalhado, no sentido de promover e contribuir para o desenvolvimento e crescente competitividade das empresas da Fileira de Madeira portuguesa. No seu terceiro ano de execução, e numa altura em que muitos especialistas apontam a exportação como factor essencial para o sucesso das nossas empresas, a aimmp prossegue, em 2011, o seu projecto de internacionalização - Interwood. Com um incentivo já aprovado no valor de 5 milhões de euros, conheça as acções previstas para o próximo ano.


CALENDÁRIO DE ACÇÕES ACÇÃO DE INTERNACIONALIZAÇÃO

18

PAÍS

DATA

SECTOR DE ACTIVIDADE

Missão Empresarial

Venezuela

Junho 2011

Todos

DOMOTEX www.domotex.de

Alemanha

15 a 18 de Janeiro

Materiais de Construção e Decoração de Interiores

Interiors Birmingham www.interiorsbirmingham.com

Reino Unido

23 a 26 de Janeiro

Mobiliário e Decoração de Interiores

IFFS – International Furniture Fair Singapore www.iffs.com.sg

Singapura

9 a 12 de Março

Mobiliário

ISaloni Milão www.cosmit.it

Itália

12 a 17 de Abril

Mobiliário, Decoração e Design

Mostra de Design na Zona Tortona

Itália

12 a 17 de Abril

Design para a Fileira Casa

Interiors EAU - Abu Dhabi www.interiorsuae.com

EAU

9 a 11 de Maio

Mobiliário, Decoração e Design

ICFF – International Contemporary Furniture Fair www.icff.com

EUA

14 a 17 de Maio

Mobiliário, Decoração e Design

ExportHome Angola

Angola

Junho

Mobiliário e Decoração de Interiores

CASA COR Brasil www.casacor.com.br

Brasil

25 Maio a 18 de Julho

Mobiliário e Decoração de Interiores

FIC – Feira Internacional de Cabo Verde

Cabo Verde

Agosto

Todos

Decorex

Reino Unido

Setembro

Mobiliário e Decoração de Interiores

Made Expo

Itália

6 a 13 de Outubro

Materiais de Construção

Constrói Angola

Angola

Outubro

Materiais de Construção e Decoração

Batimat Paris

França

7 a 12 de Novembro

Materiais de Construção

Interior Lifestyle China

China

Outubro

Mobiliário e Decoração de Interiores

Interior Lifestyle Japão

Japão

1 a 3 de Junho

Mobiliário e Decoração de Interiores

Mostra de Mobiliário

Miami, EUA

Dezembro

Mobiliário

Indoor Expo

Líbia

Junho

Mobiliário

Mostra de Mobiliário

Brasil

Julho

Mobiliário

Programa de acções integradas e sucessivas tendo em vista apoiar as empresas do sector nos seus processos de internacionalização. Missões empresariais, participação em feiras e organização de mostras nos principais mercados internacionais são algumas das acções previstas para garantir às empresas uma boa preparação para a entrada em novos mercados e o incremento das exportações de forma sustentada.

A ASSOCIATIVE DESIGN nasceu no início de 2009, fruto de um projecto desenvolvido pela AIMMP, tendo como principal objectivo promover uma rede de cooperação entre as empresas da fileira casa, dando um novo posicionamento aos produtos portugueses. Na prática, é sob a chancela da marca, que são organizadas participações em feiras e mostras internacionais do sector.


FORMWOOD | NOVOS PROJECTOS 2011

FORMAÇÃO FINANCIADA

FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS

Formação Profissional Financiada - Para os Colaboradores das Empresas

Formação e Consultadoria para Empresários DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

36

50 A empresa tem de ser associada da AIMMP

Situação contributiva Regularizada perante as Finanças e a SS

Os cursos iniciam com um mínimo de 10 formandos

Número de trabalhadores igual ou inferior a 100

Os formandos devem ter habilitações até ao 12.º ano

Ser Micro, Pequena ou Média Empresa

A aimmp dispõe de um projecto de formação dirigido aos trabalha-

Em parceria com a AEP, a

aimmp está a desenvolver o projecto

dores das empresas associadas. O projecto Formações Modulares

Iniciativa Formação para Empresários. Trata-se de um projecto

Certificadas foi aprovado pelo POPH e é 100% financiado, disponibi-

dirigido aos empresários das micro, pequenas e médias empresas,

lizando ainda aos formandos um subsídio de alimentação no valor

propondo-se a dotá-los de ferramentas de apoio à melhor gestão

de €4,27/dia. Entre as áreas de formação previstas estão:

das suas empresas. A participação no projecto permite, ao empresário, beneficiar de 50

ÁREAS DE F ORMAÇÃO

horas de consultadoria totalmente financiada nas áreas que necessitar. Será ainda ministrada uma formação teórico-prática, num total de 75 horas, onde serão abordadas as seguintes temáticas:

Ciências Informáticas Secretariado e Trabalho Administrativo

ÁREAS DE F ORMAÇÃO

Enquadramento na Organização

Liderança e Organização de Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho

Estratégia

Materiais (Madeira)

Instrumentos de Apoio à Gestão

Com este projecto, a aimmp apoia os seus associados a darem cumprimento ao previsto no Artigo 131º do Código do Trabalho que impõe a obrigatoriedade de promoção de um número mínimo de 35 horas por trabalhador/ano e contribui para melhorar a qualificação dos RH de Fileira da Madeira

O projecto é 100% financiado, sujeito contudo, nos termos do Artigo 14º, n.º 1 da Portaria n.º 183/2010 de 29 de Março, a uma taxa de inscrição no valor de €250, que será reembolsada no final da acção, após conclusão com aproveitamento por parte do formando/empresário.

Associação das Indústrias da Madeira e Mobiliário de Portugal | M: Rua Álvares Cabral, 281 4050-041 Porto | Tel. +351 223 394 200 Fax. +351 223 394 210 | E: aimmp@aimmp.pt

19


NOVOS PROJECTOS 2011 | COMPETEWOOD

EIXO1

INOVWOOD

EIXO2

Propriedade Intelectual e Estratégias de Crescimento pela Inovação

TICWOOD

Utilizar as Novas Tecnologias de informação e Comunicação DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

20

10

20

Gestão da Propriedade Industrial

Implementação de soluções informáticas de gestão integrada

Registo de Patentes de Propriedade Industrial

Implementação de soluções de comércio electrónico

Inovação consiste no trabalho criativo de cada empresa na

As novas Tecnologias de Informação e Comunicação ao serviço da

PROCURA DE VANTAGENS COMPETITIVAS. Este trabalho acaba por

gestão integrada da empresa e das relações com os clientes

gerar um conjunto de ACTIVOS. Embora todas as empresas possu-

ajuda a estimular a produtividade do negócio e permitindo uma

am Activos de Propriedade Intelectual, a verdade é que esses

tomada confiante de decisões e uma reacção rápida a novas

activos não são percepcionados correctamente nem são geridos.

oportunidades de mercado.

ACÇÕES

ACÇÕES

Gestão da Propriedade Industrial

Implementação de soluções informáticas de gestão integrada

Gestão Estratégica Business Intelligence Gestão de Risco Gestão da Inovação

Enterprise Resource Planning

Registo de Patentes de Propriedade Industrial

No final desta intervenção as empresas deverão estar preparadas para identificar os seus Activos de Propriedade Intelectual e terem implementado mecanismos de gestão dos mesmos. É a capacidade de gerir estrategicamente, tanto na criação, como na manutenção e transferência destes Activos, que permite às Empresas ganharem a aposta na INOVAÇÃO.

Implementação de soluções de comércio electrónico Sites

Comércio Electrónico

Loja on-line

Comunicações Electrónicas

A utilização de novas Tecnologias de Informação, Comunicação nos processos de Marketing e Comercialização possibilita um modelo de empresa mais flexível, que tem como base fundamental a ligação directa e on-line ao mercado e aos seus clientes.

Associação das Indústrias da Madeira e Mobiliário de Portugal | M: Rua Álvares Cabral, 281 4050-041 Porto | Tel. +351 223 394 200 Fax. +351 223 394 210 | E: aimmp@aimmp.pt


COMPETEWOOD | NOVOS PROJECTOS 2011

EIXO3

MK T WOOD

EIXO4

Propriedade Intelectual e Estratégias de Crescimento pela Inovação

WOODC ARE

Utilizar as Novas Tecnologias de informação e Comunicação DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

20

10 Auditorias e Planos de Marketing Auditorias SHST

Auditorias e Planos de Comercialização Auditorias e Planos de Logística

A definição e adopção de uma Estratégia são passos absoluta-

Os acidentes de trabalho e as doenças profissionais representam

mente cruciais para o correcto posicionamento de qualquer

um custo económico elevado para as empresas, para os trabalha-

organização humana contemporânea. Saber ou tomar consciên-

dores e para a sociedade em geral. Todos os anos, milhões de

cia, de onde vimos, onde estamos, qual a envolvente que nos

pessoas na EU contraem lesões no local de trabalho ou sofrem de

rodeia e para onde queremos ou podemos ir, é meio caminho

problemas de saúde graves relacionados com o trabalho. Cabe ao

andado para um correcto posicionamento.

empregador desenvolver um conjunto de actividades e aos seus trabalhadores cumpri-las, constituindo a base do sistema de

Compreende intervenção e consultoria especializada nas áreas

gestão de riscos e doenças profissionais.

marketing, comercialização e logística. O planeamento deverá ser agregado de modo a tratar com coerência a informação prove-

Compreende a intervenção de um consultor especialista no

niente das várias áreas críticas, nomeadamente, no que se refere

levantamento dos processos de produção e respectivos perigos e

a Marketing e Vendas, Logística e Compras, Operações, Recursos

riscos, verificação do seu enquadramento legal, e definição de

Humanos, Finanças.

um plano de melhoria.

No final desta intervenção as empresas deverão ter definido as

Esta auditoria compreende a realização de medições e análises

acções necessárias para atingir os seus objectivos e posicioná-las

ao ruído, exposição a agentes químicos e físicos, e exames aos

no tempo.

trabalhadores.

Associação das Indústrias da Madeira e Mobiliário de Portugal | M: Rua Álvares Cabral, 281 4050-041 Porto | Tel. +351 223 394 200 Fax. +351 223 394 210 | E: aimmp@aimmp.pt

21


NOVOS PROJECTOS 2011 | CONSULTWOOD

EIXO1

TECHWOOD

EIXO3

GES T WOOD DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

10

10

DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

Auditorias de produtividade, análise tecnológica e optimização de lay-outs Levantamento das tecnologias utilizadas, dos processos e métodos de trabalho, dos equipamentos e do lay-out, que resulta na definição de um plano de acção para a melhoria da produtividade e adequação tecnológica pela via da inovação.

EIXO4

AMBIWOOD DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ SC IN

Auditorias energéticas e planos de melhoria Realização de auditoria e de plano de melhoria da eficiência energética e de diversificação para energias renováveis, incluindo recomendações de medidas inovadoras que conduzam à redução de custos e à eficiência global da organização

Planeamento estratégico e gestão estratégica continuada Análise aprofundada à empresa e ao negócio, no âmbito de todas as áreas funcionais, tendente a uma sistematização estratégica que considere objectivos, competências, recursos e processos críticos, e que resulte num plano de acções de desenvolvimento empresarial financeiro e de marketing.

10

22

EIXO2

QUALIWOOD DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ S C IN

Auditoria ambiental Levantamento dos processos de produção e respectivos impactos ambientais - realizando diagnósticos exaustivos que incluem a caracterização qualitativa e analítica das emissões atmosféricas, ruídos, entre outros, e verificação do seu enquadramento legal e definição de um plano de melhoria.

20 EIXO5

10

Certificação de produto - marcação CE Implementação do sistema de controlo da produção e do produto segundo as respectivas normas, compreendendo um diagnóstico aos processos de gestão, apoio na definição do sistema e na sua implementação, ensaios/testes a produtos e pedido para marcação CE a Organismo Certificado.

DE O ES ER Õ M RIÇ NÚ S C IN

Sistemas de gestão da qualidade Implementação e certificação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma ISO 9000:2000, compreendendo um diagnóstico aos processos de gestão, análise e definição dos processos de criação de valor, adaptação dos procedimentos e monitorização da implementação do Sistema.

FORESTWOOD

Certificação de produto - cadeia de responsabilidade

Implementação do sistema de controlo dos fluxos de madeira certificada, baseado num diagnóstico aos processos de controlo de fluxos de material, e definição do plano de acção para a implementação de um sistema de suporte que obedeça aos referenciais normativos e que permite à empresa certificar os seus produtos.

Associação das Indústrias da Madeira e Mobiliário de Portugal | M: Rua Álvares Cabral, 281 4050-041 Porto | Tel. +351 223 394 200 Fax. +351 223 394 210 | E: aimmp@aimmp.pt


Woodcare - Sustentabilidade dos Modelos de Negócio A aimmp viu aprovadas as candidaturas apresentadas ao COMPETE, no âmbito do Sistema de Apoio às Acções Colectivas (SIAC) e apoiadas pelo FEDER. Essas candidaturas constituem-se como um projecto de natureza colectiva, orientado para a implementação de acções de carácter sectorial e transversal. Trata-se de um conjunto de acções consideradas indispensáveis para a criação de condições favoráveis ao desenvolvimento sustentado das empresas da Fileira de Madeira. Não se consubstanciam em intervenções directas nas empresas mas constituem a alavanca necessária à implementação de um conjunto de factores dinâmicos de competitividade nas empresas do sector. Apresentam-se de seguida as acções qu e ou se iniciam em 2011 ou, tendo sido iniciadas em 2010, serão concluídas em 2011.

Campanha de Sensibilização para a Eficiência Energética Objectivos Utilizar o Guia de Boas Práticas de Eficiência Energética e Energias Renováveis na Fileira de Madeira para promover uma Campanha de Sensibilização para a Eficiência Energética, através da sua publicação, apresentação, e transmissão de conteúdos em workshops práticos para posterior aplicação nas empresas das técnicas energéticas mais eficientes. Acções Realização de ciclo de workshops / Sessões de Divulgação, por todo o País

Guia de Boas Práticas de Gestão Ambiental Sustentável Objectivos Apoiar as empresas do sector na área ambiental, dada a necessidade de muito rápida e eficazmente se adaptarem, de forma a acompanhar a tendência de evolução do modelo de desenvolvimento económico centrado na sustentabilidade. Acções Disponibilização de um Guia de Boas Práticas de Gestão Ambiental para posterior aplicação das melhores técnicas disponíveis nas empresas do sector em causa.

Certificação da Gestão Florestal Sustentável Objectivos Sensibilizar as empresas para as vantagens da certificação da Gestão Florestal Sustentável, como valor acrescentado aos produtos e como garante público da preservação das florestas de exploração madeireira, são objectivos da campanha de sensibilização e informação. Promover a implementação e a certificação de sistemas que garantam que as fontes de madeira estão rastreadas até florestas sustentáveis, permitindo às empresas satisfazer as exigências crescentes do mercado. Apoiar o sector na Implementação destes processos, através da apresentação de um Guia de Apoio à Certificação da Cadeia de Responsabilidade. Acções Promover uma acção de informação de proximidade, realizando sessões técnicas, nos diversos pontos do País onde existe maior concentração de empresas de madeira e mobiliário. Publicação do Guia de Apoio à Certificação da Cadeia de Responsabilidade Identificação e Sistematização de Estudos de Casos FSC Identificação e Sistematização de Estudos de Casos PEFC Referenciais de Fontes de Abastecimento Certificadas FSC Referenciais de Fontes de Abastecimento

Certificadas PEFC Workshops de sensibilização e apoio à utilização dos Guias: Braga, Paredes, Águeda, Leiria, Castelo Branco, Viseu

Promoção de “Ética e Competitividade” Objectivos Sensibilizar os empresários do sector da madeira e mobiliário para a adopção de práticas que conduzam a uma qualificação da sua performance social e ambiental, promovendo o relacionamento com os seus stakeholders, com vista a melhorar a produtividade e competitividade das empresas, e a melhorar a imagem das empresas do sector de madeira e mobiliário. Acções • Levantamento das práticas de Responsabilidade Social nas empresas do sector • Elaboração e publicação de um guia das boas práticas identificadas • Elaboração de instrumentos de avaliação da satisfação dos stakeholders • Elaboração de um referencial de qualificação de fornecedores com vista a garantir a sustentabilidade ambiental e social •Realização de seminários de disseminação de resultados e de promoção do intercâmbio e diálogo no que concerne a experiências de Responsabilidade Social Empresarial

23


Sectorwood 2010 - Rede de Suporte à Actividade Empresarial Estudo - “Avaliação do Potencial para a Revitalização do Sector Resineiro em Portugal” Objectivos O objectivo deste estudo é dar contributos e ideias sustentadas que possam levar a uma possível revitalização do sector resineiro em Portugal. Face aos aumentos e à grande volatilidade do preço do petróleo e consequente aumento e variações do preço das resinas sintéticas, esta poderá ser a altura ideal para repensar o sector, dinamizando-o, formando novos resineiros, e tornando-o mais produtivo através do estudo e aplicação de novas metodologias de resinagem. Acções Definição de uma estratégia que integre a politica de desenvolvimento e conservação do pinhal, e que tenha em consideração os seguintes pontos: • Elaborar um estudo de viabilidade económica ao sector resineiro. • Atribuir ao produto uma certificação florestal, que permitirá acrescentar valor, tornando-se como factor distintivo e de competitividade face à concorrência.

24

• Promover e publicitar a resina como produto ecológico, renovável e amigo do ambiente em detrimento dos produtos rivais que têm origem no petróleo. • Apoiar um programa de investigação e desenvolvimento para aumentar a rentabilidade do produto e optimizar os processos extractivos.

Estudo - Estrutura e Caracterização das Importações de Mobiliário Objectivos Caracterizar as importações, não só para se perceber o que pode ser feito para que as empresas nacionais detenham também capacidade competitiva a nível interno, mas fundamentalmente e por essa via fazer com elas venham a ter condições de reforçarem a sua posição competitiva no mercado global. Efectuar um exercício de benchmarking, um estudo comparativo com as empresas estrangeiras, para bem perceber o que fazem, como fazem, que produtos disponibilizam, que serviços integram, que novos produtos lançam para o mercado e que tendências de

mercado se prevêem para o futuro. Trata-se de tendências mundiais, globais, motivo pelo qual estas respostas são também um elemento chave para a internacionalização. Acções Estudar a estrutura das importações de mobiliário em Portugal, sua evolução, actuais características e tendências para o futuro.

Criação de uma Plataforma de Cooperação para a Logística e o Transporte de Mobiliário Objectivos Pretende-se conceptualizar e estudar a viabilidade de criação de uma plataforma de cooperação para a carga, transporte, descarga e montagem ou instalação de móveis no destinatário final, para as empresas que venham a aderir a tal iniciativa. A ideia passa pela constituição de uma espécie de central, dotada com equipamentos e estruturas humanas profissionais, essas sim já adequadas e treinadas, á qual empresas aderentes recorreriam para o seu serviço de


transporte e entregas. Com a massa critica assim obtida tal plataforma de cooperação deteria certamente capacidade para melhor gerir a sua frota e recursos á sua disposição, e até dotar-se de equipamentos modernos que permitam o tracking e monitorização em tempo real dos seus serviços quer na central quer nas instalações dos seus utilizadores /clientes/cooperantes ou até destinatários finais. Acções Estudo, definição e proposta de: • Modelo de Funcionamento e Estrutura Organizacional mais adequada; • Modelo de Financiamento para sua constituição; • Apresentação de estrutura e dimensão mínima que viabilize a iniciativa; • Elaboração de Plano de Negócios para a plataforma de cooperação; • Elaboração de Apresentação Síntese, para divulgação subsequente, por parte da aimmp.

Centro de disseminação de Informação para a Indústria de Colchões Objectivos • Divulgar e disseminar por todos os empresários do sector informação sistematizada e estruturada sobre temas relevantes. • Formar uma opinião pública favorável sobre o sector; sensibilizar Governo e Entidades Públicas; • Promover uma vigilância dinâmica e constante dos mercados actuais e potenciais do sector, bem como da sua cadeia de valor. • Analisar as tendências de consumo e preferências de diferentes tipos de consumidor, bem como, identificar de forma permanente e consistentes as necessidades das empresas e os condicionalismos que afectam a dinâmica competitiva do sector. • Assegurar a promoção e divulgação de projectos relevantes para o sector; • Disponibilizar informação sobre os mercados, tendo em vista o desenvolvimento de oportunidades de negócio; Resultados Esperados • Disponibilização às empresas de informação relevante, sistematizada e

permanentemente actualizada sobre os mercados e o sector. • Maior capacitação das empresas para a tomada de decisões estratégicas nomeadamente ao nível da inovação dos produtos e do design. • Adequação dos produtos fabricados às tendências de consumo e à evolução dos mercados. • Formar uma opinião pública favorável sobre o sector.

Upgrade do observatório Intervenção Estratégica para o Subsector da Produção de Urnas Funerária Objectivos: • Monitorizar o desenvolvimento sectorial, as suas carências e valências; • Elaborar previsões sobre a evolução económica do sector; • Adoptar objectivos e sustentar a definição, implementação e controlo de uma estratégia empresarial para o sector; • Identificar e conceptualizar novos quadros de referência, novos caminhos, novas práticas de processo, um novo paradigma que permita estancar e inverter a actual situação e as actuais tendências, mas também identificar novas oportunidades, estratégias e acções em concreto. Fases 1. Levantamento da Base de Conhecimento sobre o Sector 2. Informação de Conjuntura e de Competitividade 3. Acompanhamento e Avaliação 4. Comunicação e Divulgação

Upgrade do Observatório - Intervenção Estratégica para o Subsector dos Colchões e Colchoaria Objectivos: • Monitorizar o desenvolvimento sectorial, as suas carências e valências; •Elaborar previsões sobre a evolução económica do sector; • Adoptar objectivos e sustentar a definição, implementação e controlo de uma estratégia empresarial para a fileira; • Priorizar estratégias, através de uma previsão acertada dos seus impactos e resultados; • Disponibilizar informação agregada

às empresas e ao cluster em geral, capacitando as empresas nas suas decisões estratégicas; • Disponibilizar informação detalhada a uma rede de empresas participantes “activas” (as que disponibilizarem a própria informação); • Acompanhar e avaliar o impacto dos projectos estruturantes de apoio ao sector. Fases 1. Levantamento da Base de Conhecimento sobre o Sector 2. Informação de Conjuntura e de Competitividade 3. Acompanhamento e Avaliação 4. Comunicação e Divulgação

Participação em Organizações Internacionais do sector Objectivo A aimmp tem parcerias estratégicas com as principais infra-estruturas vocacionadas para o apoio às indústrias da fileira de madeira, quer no plano nacional quer no plano internacional, e que se assumem como instituições fundamentais para garantir o desenvolvimento sustentado do sector salientando-se as parcerias com as seguintes instituições internacionais: • CEI - BOIS - Confederação Europeia das Indústrias de Madeira • EFIC - Confederação das Indústrias Europeias de Mobiliário • EOS - Organização Europeia da Indústria de Serração • WEI - Associação dos agentes de preservação de madeira • EPF - Federação Europeia dos Paineis de madeira • EBIA - Associação da Indústria de Colchões Europeia • FEFPEB - Federação Europeia dos Fabricantes de Paletes e Embalagens de Madeira • EPAL - Associação Europeia de Paletes A participação da aimmp junto destas instituições tem como principal intuito o acompanhamento e intervenção dos assuntos debatidos por estas organizações e posterior divulgação junto a empresas do sector. É importante salientar a participação regular da aimmp em reuniões, congressos, grupos de trabalho e no acompanhamento directo de actividades e iniciativas destas organizações.

25


Promwood - Ousar Novos Mercados, Inovando na Comunicação Estudo Estratégico para a Internacionalização da Fileira Casa

26

Objectivos 1 - Avaliar o retorno do investimento público e privado dos últimos 12 anos em internacionalização. 2 - Através de um estudo cuidado às empresas exportadoras e às instituições que as apoiaram, efectuar a análise estratégica e controlo de resultados da actuação do sector nos mercados internacionais, para que possam: • Avaliar os objectivos estratégicos por si propostos; • Fixar metas quantitativas e qualitativas para as diferentes etapas do projecto e assim o seu controlo. 3 - Definir benchmarks com base nos casos de sucesso (outros sectores e outros países), para apoiar o reposicionamento das estratégias de internacionalização das indústrias de madeira e mobiliário. 4 - Encontrar respostas para questões tais como: • Qual o desenho da oferta integrada capaz de compatibilizar produtos, que em alguns casos são substitutos entre si? • Numa estratégia de marketing internacional, que conceitos/valores devem ser realçados, face à concorrência internacional? • Que acções de marketing devem ser privilegiadas? • Para os mercados de hoje, com maior potencial de entrada para as empresas portuguesas de madeira e mobiliário, e as suas “afins” das Fileiras Construção e Casa, quais os eventos mais importantes e qual a sua natureza? • Como posicionar a oferta nacional nesses eventos (feiras internacionais, espaços próprios fora das feiras, salões de decoração,...)? • Deve a acção procurar envolver todas as empresas do sector ou somente algumas? Em caso afirmativo quais os critérios de escolha?

• Como desenvolver parcerias entre sectores não produtivos mas ligados à Fileira Casa: designers, arquitectos, decoradores, etc.?

Promoção das Marcas do Mobiliário Português e dos Produtos de Madeira para a Construção No âmbito de anteriores projectos, foram desenvolvidas as Marcas: • MARCA DO MOBILIÁRIO PORTUGUÊS “PARA VIVER MELHOR - FOR BETTER LIVING” • MARCA DOS PRODUTOS DE MADEIRA PARA A CONSTRUÇÃO “CONSTRUIR PARA VIVER - BUILDING FOR LIVING” Uma marca dá indicação da origem e de qualidade, tanto maior quanto mais exigentes forem os atributos associados. Os regulamentos das marcas sectoriais “Produtos de Madeira para a Construção” e “Mobiliário de Madeira Português” correspondem a estes requisitos de exigência. A promoção das Marcas do Mobiliário Português e dos Produtos de Madeira para a Construção é essencial para a promoção da imagem externa dos produtos do sector e para o incremento da probabilidade de sucesso na abordagem aos mercados pelas empresas. Prémio Gold Mercury Objectivos Os Prémios Mercúrio de Ouro (“Gold Mercury Awards”) visam distinguir e reconhecer actividades e realizações de relevo em oito áreas liderança visionária, na iniciativa empresarial, pessoal ou governamental. Desde 1961 premeiam personalidades e empresas de relevo em todo o mundo. Através da iniciativa de trazer o Mercúrio de Ouro para Portugal, não se pretende apenas organizar um concurso e uma Gala de entrega de Prémios dentro de um meio relativamente fechado, como é o mercado nacional, mas verdadeiramente sensibilizar o mundo empresarial, valorizando casos de sucesso, de uma

forma que projecte o sector internacionalmente. Anualmente, serão identificadas e premiadas as melhores práticas de iniciativa empresarial inspiradoras de outras iniciativas, visando estimular um desenvolvimento económico cada vez mais sustentável. O Prémio de Sustentabilidade GOLD MERCURY alia a distinção da Inovação e Competitividade, à demonstração da sustentabilidade, contribuindo assim para a promoção global do sector. Além do que, por ser um prémio tão prestigiado e reconhecido internacionalmente, contribui para a promoção dos produtos de madeira em detrimento de outros, alternativos. Revista Xylon Foi estabelecida uma parceria com a XYLON para fazer a revista “XYLON Portugal”, que pretende a fusão dos conceitos da XYLON International e da Revista del Mobile. Objectivos • Assegurar a edição portuguesa das revistas “Xylon International” e “Revista del Mobile”, que são das principais revistas de referência no sector, a nível mundial. • Ter acesso aos conteúdos internacionais destas publicações, e à sua imagem. • Inserir conteúdos nacionais na rede de informação da Xylon International (1/3 dos conteúdos serão nacionais). • A representação de um título tão forte, permite a partilha de recursos e conteúdos de todas as edições da Xylon em todo o mundo, tornando-se um meio de internacionalizar a difusão de informação para o sector e sobre o sector para os seus consumidores. • Criar um meio de difusão de informação e, simultaneamente, de promoção nacional e internacional do sector, • Aproveitar o reconhecimento e rotatividade internacional do título Xylon, uma revista internacional, já com prestígio e credibilidade nos seus conteúdos, e adaptá-la aos objectivos de disseminação de informação e promoção internacional do sector. • Atingir um público mais vasto do que o das actuais publicações, quer através da maior diversidade e globalização de conteúdos, quer através de inovação nos canais de distribuição. A 1ª revista Xylon foi publicada em Dezembro de 2010.



Boletim Edição Especial Janeiro