Page 1

ÓRGÃO MENSAL DE DIVULGAÇÃO ESPÍRITA PARA TODO O BRASIL • JUNHO DE 2015 • ANO 2 • Nº 21 • 20.000 EXEMPLARES • DISTRIBUIÇÃO GRATUITA www.institutocairbarschutel.org – www.associacaochicoxavier.com.br

Matão espera de braços abertos! Venha participar do EAC 2015 Veja na página 11

Emanuel Cristiano em Matão e Ibitinga 13 e 14 de junho. Informações completas no site do Instituto.

Dicas para pais e educadores em Araraquara (SP) 13 de junho, sábado de manhã. Inscrições limitadas. Acesse pelo site do Instituto: www.institutocairbarschutel.org

Fechamento autorizado Pode ser aberto pela ECT

Reciclagem

al ion (SP). g re a rte atub 14 a c En Araç ina g m Pá e

IBEM

E sua prática nas instituições. Página 4

Instituto fecha parceria. Página 3


Junho de 2015

Editorial

Educação moral

A

par tir da presente edição, fruto da parceria com o IBEM – Instituto Brasileiro de Educação Moral, o TRIBUNA traz mensalmente uma página dedicada à educação, sob responsabilidade daquela instituição, inclusive para atender aos objetivos estabelecidos nos Estatutos do Instituto Cairbar Schutel, dada a urgência e extrema necessidade da educação. Exatamente a educação moral, aquela que constrói os sólidos alicerces da postura do homem de bem, conforme apresentado por Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo. Esperamos sensibilizar nossos leitores para a importância de valorizar a educação moral, pois que, pela ausência dessa providência, vemos o planeta envolvido com os graves problemas sociais da atualidade. Dado o conhecimento espírita, temos muito o que fazer. Com a expansão do TRIBUNA, que se soma a outros órgãos de imprensa, pensamos colaborar com essa imensa obra, e continuamos a contar com o apoio de patrocinadores e das instituições, para que distribuam o jornal de mão em mão, gratuitamente. É seu objetivo. r

PÁGINA 2

Instale sua Banca do Livro Veja experiência da Banca do Livro Espírita, da USE de Araraquara (SP), na página 8. Redação

D

urante bom tempo, uma equipe que editou o DIVULGADOR DO LIVRO ESPÍRITA estimulou a instalação de bancas, feiras e clubes do livro espírita. Foi um trabalho muito produtivo que resultou em muitos frutos, com muitas iniciativas materializadas em muitas cidades do país, somadas a outras que já ofereciam os benefícios da divulgação espírita por meio dessas modalidades. Atualmente muitas cidades mantém em pleno funcionamento suas Bancas do Livro Espírita, normalmente em calçadões, em lugares públicos e estimulando a divulgação da vasta literatura espírita disponível. O mesmo se pode dizer das Feiras do Livro Espírita (muitas cidades já alcançaram décadas de realização) e dos Clubes do Livro Espírita, espalhando os benefícios de colocar o conhecimento espírita à disposição da mente popular. Cada modalidade com seu perfil próprio e todas trabalhando. Trouxemos na presente edição, em compacta reportagem a experiência da Banca do Livro Espírita de Araraquara (SP), onde apenas uma das histórias é contada por sua atendente. Mas em todo o país,

institutocairbarschutel@gmail.com

quantas histórias não poderiam ser contadas desses verdadeiros plantões permanentes de atendimento fraterno em praça pública? Quantas vidas não foram redirecionadas, encaminhadas, salvas, pela presença do livro espírita?!

O Espiritismo é uma obra educadora. Além do conforto que oferece, a Doutrina Espírita embasa seus ensinos na lógica e no bom senso, não sendo fruto da imaginação ou da criatividade de alguém, mas sim resultado da observação de leis que regulam a evolução humana.

Ele é mesmo um benfeitor da humanidade. A ele devemos imenso carinho e gratidão. Autores encarnados e desencarnados, editoras, distribuidores e divulgadores se esmeram nesse abençoado trabalho.

Nada mais justo. O Espiritismo é uma obra educadora. Além do conforto que oferece, a Doutrina Espírita embasa seus ensinos na lógica e no bom senso, não sendo fruto da imaginação ou da criatividade de alguém, mas sim resultado da observação de leis que regulam a evolução humana, revelando-nos com clareza os princípios fundamentais que sustentam esse edifício sólido de conhecimentos. Daí o surgimento de diferentes órgãos de divulgação impressa ou virtual e o esforço da família espírita em espalhar esses conhecimentos. De Kardec a Cairbar, de Chico aos dias atuais, a clareza doutrinária alcança a mente e o coração. Na experiência de Araraquara, no interior paulista, aos esforços exemplares em todo o país e mesmo fora dele, a visão global de Cairbar Schutel – chamado “O Bandeirante do Espiritismo” –, torna-se gigantesca aos nossos olhos. Pelo olhar de futuro, pelo dinamismo, pela ousadia positiva, pelo estímulo que influenciou gerações. Obrigado Schutel. r


PÁGINA 3

Junho de 2015

Por uma nova Educação IBEM oferece cursos à distância e projetos presenciais com eventos. IBEM

educacao@educacaomoral.org

O

Instituto Brasileiro de Educação Moral (IBEM), organização educacional não governamental voltada para a capacitação/qualificação de educadores, e apoio pedagógico ao trabalho social e educativo, estará a partir de agora, mensalmente, com você. Para iniciarmos nossa conversa mensal, optamos por fazer uma apresentação sobre o Instituto, o que somos, o que fazemos. Vamos conhecer?

Nossa filosofia Reconhecer nos valores humanos, sentimentos e integridade das pessoas o verdadeiro caminho da formação total do ser, no processo construtivo do indivíduo e da coletividade. Nosso objetivo Trabalhar a educação moral e a formação do caráter, implementando programas e ações na área educacional, formando educadores para o trabalho de desenvolvimento dos sentimentos dos educandos. A quem nos dirigimos Nosso trabalho destina-se ao pessoal dirigente, técnico e auxiliar

de escolas, secretarias de educação e também entidades governamentais e não-governamentais de atenção à criança, ao adolescente, à família e à comunidade. O que fazemos Capacitação/qualificação de educadores através de cursos; as-

sessoria pedagógica; produção de publicações educativas; promoção e organização de eventos. Nosso método Participação, criatividade, objetividade, com o desenvolvimento de dinâmicas educativas e participativas. Saiba o que você pode fazer como educador Professores, gestores, coordenadores, funcionários, todos que têm a educação de uma criança ou

de um jovem sob sua responsabilidade, devem promover ensino de qualidade e formação do caráter em valores humanos e sentimentos. Para isso o IBEM criou o Projeto Educação Moral para Formação do Homem, oferecendo palestras, oficinas de vivências, seminários e cursos de formação.

(...) sensibilizar, despertar e conscientizar para o único caminho que pode transformar o homem: a educação moral.

Essas atividades, que podem ser realizadas diretamente na Escola ou na Secretaria de Educação, desenvolvem a Educação Moral, a Pedagogia da Sensibilidade e a Escola do Sentimento.

Para isso é preciso que todos realizem a auto-educação a partir de três princípios: sensibilizar, despertar e conscientizar para o único caminho que pode transformar o homem: a educação moral. Toda instituição educacional, inclusive o Centro Espírita, na área de evangelização, pode implantar a metodologia de educar através de projetos, grupos de pesquisa do conhecimento, humanização do ensino e espaços de aprendizagem coletiva. E tem mais … O IBEM igualmente desenvolve o Programa Vivendo Sempre em Paz, Cursos de Capacitação e Qualif icação através da Educação a Distância (EAD), disponibilizando assim a capacitação para todos os interessados, em todo o Brasil, além de manter amplo conteúdo, gratuito, em seu site na internet. Contato Conheça o trabalho do IBEM em www.educacaomoral.org. Somos uma rede interativa de educadores trabalhando por uma nova educação. Faça contato através do e-mail educacao@educacaomoral.org, ou pelo telefone (21) 3439-0665. Também estamos no Facebook. Até o próximo mês, quando iniciaremos diálogo sobre educação e sobre os projetos desenvolvidos pelo IBEM.. r


Junho de 2015

domínios e outros que coletam e tem empresas familiares, acho fundamental que a casa espirita receba dos frequentadores esses materiais e armazenam em um local para posterior venda e ge-

rafas PET e ALUMINIO, (devido ao bom valor de mercado), repercutiu muito positivamente. Em alguns casos o valor foi tão significativo que essas escolas adquiriram vários equipamentos

Gostaria que todos compreendessem que esse trabalho é muito importante para o nosso planeta a qual deveria ter um reconhecimento melhor por parte dos dirigentes de nosso País, bem como fosse considerado por parte da população de que o material misturado é lixo, esse mesmo material separado é reciclado e gera recursos para alguém que precisa. Cada um tem que fazer a sua parte, precisamos da conscienti-

ração de renda. A compra desses materiais junto ao Kardec, aqui em Birigui, já acontece por anos, sendo que além da conscientização por parte das pessoas em contribuir para a não poluição e contaminação do meio Ambiente, isso gera recursos financeiros que no nosso caso variam entre R$ 80,00 a R$ 150,00 por mês, dependendo da adesão por parte dos frequentadores. Foi marcante no início das atividades o trabalho em família, esposa e filhos, que fazem parte da empresa, onde a educação e conscientização que fizemos através de palestras nas escolas da cidade e cidades vizinhas, tendo como objetivo a compra desses materiais, principalmente gar-

tais como: projetor, TVs, aparelho de som, etc.. Sabendo de nossa missão, e gostando do que fazemos, procuramos ajudar as pessoas que necessitando desses recursos para a sobrevivência, devido à falta de opção para conseguir emprego, é gratificante ajudar o próximo.

zação de todos para um mundo melhor.” A Doutrina Espírita tem perfil educativo e uma vez mais percebese o alcance dessa conscientização. A ideia apenas a iniciativa e a conscientização. Já imaginamos o alcance se isso atingir as milhares de instituições no país? r

Reciclagem nas instituições espíritas Iniciativa merece ser conhecida e precisa ser praticada Umberto Amarildo de Freitas

A

reciclagem é realidade no país, gerando receita para empresas e alimentando famílias inteiras, em direta colaboração com o meio ambiente. Cláudio Cortez, que reside em Birigui (SP), graduado em Administração de Empresas e Técnico em Meio Ambiente, é empresário na área de reciclagem, é espírita de infância e está vinculado ao Centro Espírita Allan Kardec, da mesma cidade. Em rápido diálogo relatou sobre a reciclagem de material descartado em grande quantidade nas instituições, especialmente copos e pratos plásticos, que também pode gerar receita para as atividades. Ou mesmo o centro espírita igualmente pode centralizar coleta de seus frequentadores para ter aí fonte de receita que atendam parte de suas despesas costumeiras. Uma única pessoa pode centralizar a tarefa. Acompanhemos o relato de Cláudio: “Empresário na compra e venda de materiais recicláveis, tais como papel, plásticos em geral, alumínio e ferro, estou industrializando o PEBD, polietileno de baixa densidade, que é o plástico filme (fino), fazendo a moagem e extrusão, que é a matéria prima para fabricação novamente de outros produtos. Este plástico está inserido na Lei PRS, Política de Resíduos Sólidos, porém ainda não obriga de certa maneira todos que descartam tais resíduos, quer sejam nas industrias ou pessoas que geram esses materiais. Da mesma maneira que efetuo a compra desses materiais dos catadores, empresas, con-

PÁGINA 4


PÁGINA 5

Junho de 2015

Surge o Instituto Yvonne Pereira Iniciativas se multiplicam pelo país. Redação

C

om sede provisória em Volta Redonda (RJ) e formado por grupo de 14 pessoas, entre eles integrantes da equipe que realiza a Feira do Livro Espírita na cidade e demais amigos do livro espírita, o Instituto Difusão e Estudo do Livro Espírita Yvonne Pereira – o IDELEYP – foi fundado recentemente. Nos planejamentos iniciais está assumir a coordenação da Feira do Livro Espírita de Volta Redonda (RJ), dentro da principal finalidade que é a divulgação do livro espírita na região, por meio de feiras, ampla divulgação dos livros em lançamento, e mesmo a promoção de eventos, entre seminários e encontros, visando estimular o estudo espírita, valorizando, claro, o legado da incomparável médium Yvonne do Amaral Pereira (1900 – 1984). Mantendo finalidade à realização anual da FLEVR, o Instituto igualmente tem o compromisso de levar o livro espírita pelo menor preço possível ao público. A iniciativa em Volta Redonda traz imensa alegria ao movimento espírita nacional. Em Matão surgiu o Instituto Cairbar Schutel, que estabeleceu parceria com a FLEVR na distribuição do

institutocairbarschutel@gmail.com

jornal Tribuna do Espiritismo, realizando anualmente o Encontro Cairbar Schutel – dentro da mesma proposta de divulgação e vivência espírita. No interior mineiro, em Guaxupé, o Encontro Chico Xavier reúne os espíritas em ambiente de intensa alegria; em

de alegria para todos nós. Nossos cumprimentos aos amigos de Volta Redonda e que o Instituto tenha existência próspera de realizações no bem, com Jesus e Kardec! O nome Yvonne, de grave e magna importância, nos liga ao trabalho da inesquecível médium.

Pirassununga o Encontro da AFA no mesmo sentido e agora surge em Rio Claro (SP), o SEMEAR em sua primeira edição. Isso tudo se soma às Semanas Espíritas, aos Meses Espíritas, Congressos, encontros e atividades que engrandecem a confraternização e estimulam o estudo e vivência do Espiritismo. Motivo

Por falar em Yvonne, o recente lançamento da FEB, As Três Revelações, de magnífica oportunidade educativa para a família, é extraordinário sentir o sentido educativo do Espiritismo na vida humana. Na introdução, datada de 03/10/67, o Espírito Bezerra Menezes afirma (transcrevemos parcialmente): “Na época atual

da Terra, quando crises morais agitam a sociedade, tentando a extinção do respeito a Deus e, portanto, a extinção do sentimento mais elevado que poderá enaltecer o coração humano, será bom que o espírita zele por suas crianças, preparando possibilidades futuras para a sua salvaguarda moral-espiritual. (...). Concedendo permissão para que livros educativos do coração e do caráter sejam ditados do Além aos médiuns, visando à orientação à criança, Jesus, certamente, inspira-nos o raciocínio de que as verdades celestes deverão se acatadas seriamente pelo pequenino de hoje, a fim de que o adulto que ele será amanhã compreenda a responsabilidade que o aprendizado da Doutrina Espírita e do Evangelho cristão encerra. (...) Os Espíritos celestes, prepostos do Senhor para futuras realizações no planeta, contam com a criança de hoje, cidadão futuro, reencarnado com tarefas definidas na comunidade espírita. Que, pois, nós outros, responsáveis pelas crianças, cuidemos delas com inteligência e vigilância para que nós mesmos não caíamos no demérito de haver negligenciado a seu respeito, dando-lhes o ensino sublime da verdade por entre as inconsequências das nossas próprias incorreções e ideias pessoais.” Nas anotações do bondoso Espírito fica o convite para nossas graves reflexões, no momento que passa. r

Erramos com a informação de Caxias do Sul (RS): Edição de maio/15 divulgou datas trocadas. Confira a programação correta ESQUENTA CONJERGS Em Caxias do Sul, dia 21 Junho de 2015 – domingo, no Centro Espírita Fora da Caridade Não Há Salvação.

Temática: “Os Quinhentos da Galiléia”. Objetivo: reunir novamente os jovens, evangelizadores e demais trabalhadores em torno do “Conectados com Jesus”, que foi tema da XXV CONJERGS, realizada em 2014. Aguarde detalhes. Contate o DIJ da sua Casa Espírita.

Realização: DIJ 3ª Região, em parceria com a 2ª e 14ª Regiões – POLO D EVENTOS COM SANDRA DELLA POLA DA SILVA - Sexta-feira, dia 10 de julho de 2015 – 20h, palestra “Vida em Família”, no Auditório do Colégio

Santo Antonio (Rua Irmão José Sion, 204 - GARIBALDI, RS). - Sábado, dia 11 de julho de 2015 – 13h30min às 18 horas: Encontro de Estudos “Programação para o Êxito”. Centro Espírita Fora da Caridade Não Há Salvação (Rua Pinheiro Machado, 2015 CAXIAS DO SUL, RS).


Junho de 2015

Crianças e pré-adolescentes brilham na “Feirinha” Evento reuniu pais, filhos, educadores e visitantes. Cássio Leonardo Carrara

cassiocarrara@gmail.com

A

expressão “Feirinha” é uma forma carinhosa de chamar a Feira Espírita de Evangelização, promovida pelos voluntários da Evangelização Infanto-Juvenil da Comunidade Espírita Cairbar Schutel, em Matão (SP), na sexta 24 de abril de 2015, no horário normal das

atividades doutrinárias destinadas a essa faixa etária, quando os pais também participam de outra atividade no mesmo horário, às 19,30h. A iniciativa programou com boa antecedência apresentações doutrinárias pelas crianças e pré -adolescentes, para falar ou re-

presentar os princípios básicos do Espiritismo, em salas temáticas, carinhosamente decoradas. No planejamento executado, pais e visitantes puderam visitar as salas “Deus existe?”, “Somos Imortais?”, “Reencarnação”, “Os espíritos se comunicam?” e “Existe vida em outros planetas?”, onde cada faixa etária se responsabilizou pelo desenvolvimento temático, com decoração apropriada, falas, músicas e representações. Os bebês, por exemplo, ocuparam a sala “Reencarnação”, as crianças maiores podiam ser encontradas na sala “Somos imortais” e os pré-adolescentes na “Os espíritos se comunicam”, entre

PÁGINA 6 as outras duas, distribuídos em apresentações que se repetiam para que todos os visitantes pudessem visitar todas as salas e ver as crianças e pré-adolescentes explicarem, representarem, vivenciarem os ensinos espíritas. Foi uma experiência muito motivadora, numa noite encantadora. O entusiasmo envolveu pais e crianças e mesmo os visitantes sem filhos presentes, ficaram tocados pelo carinho dos educadores no preparo das salas e na performance das crianças, num clima de muita interação entre todos os presentes. Alguns momentos foram filmados e colocados no portal youtube e não será difícil ao leitor pesquisar e encontrar. Sugerimos pesquisa utilizando a expressão: Feira Espírita Infanto Juvenil no youtube. As fotos que ilustram a presente matéria oferecem uma ideia do evento marcante que deixou saudades e espera sejam multiplicados por todo o país. É uma excelente forma de interação para pais, crianças e educadores. r


PÁGINA 7

Junho de 2015

Quantos anos você tem como espírito? Somos um jovem velho ou um velho jovem? Alan Diniz Souza

alan_diniz@terra.com.br

V

amos imaginar uma situação: você está com 18 anos de idade, e pela 12ª vez repetiu o primeiro ano do primário. Na mesma classe possuímos alunos repetentes de uma, duas, três até doze vezes e temos ainda alunos que estão ali pela primeira vez. Sua paciência com cada um deles será diferente. Para aquele que repetiu com você alguns anos você já conhece suas “manhas” desenvolvendo entre vocês simpatias e antipatias, sendo sua tolerância diferente para cada um, indo da “explosão” pelo simples olhar à aquiescência dos desvios mais obscuros. Os professores mudam a cada ano e cada um deles lhe ensina e desensina muitas coisas, sobre o que você deve ou não fazer. Além disso, seus pais lhe cobram responsabilidades sobre sua repetência continua, enquanto outros pais não estão nem um pouco preocupados com o progresso dos seus filhos, e nada exigem. Já deu para perceber que analogicamente estamos nos referindo a nossa vida, as nossas reencarnações?!

Quantas encarnações cada um de nós tem nesta escola bendita chamada Terra? Quantos espíritos nos acompanham em nossas reencarnações, repetindo conosco as lições? Quantos novos irmãos sur-

Encaramos em nossas encarnações muitos desafios e muitas dificuldades de convivência com todos os encarnados, nos contaminamos com alguns, contaminamos a outros, trocamos impressões, opiniões e energias constantemente com todos a nossa volta, às vezes apoiando, outras vezes destruindo.

gem em nosso caminho? Quantos anos cada um de nós tem como espírito? 1.000? 3.000? 10.000? Não me lembro de alguém nos informar sobre isso, pois acredito

que saber disto nos atrapalharia ainda mais. Desta forma podemos conviver com um jovem-velho ou com um velho-jovem espírito! Se a idade do espírito não deixa marcas físicas de sua origem, se não sabemos quantas encarnações cada um viveu, não saberemos também quanto cada um de nós tem de reencarnações neste orbe, e nem tão pouco a quantas reencarnações estamos recalcitrantes em nossas posições, tornando a convivência mais interessante e difícil. Não sabemos também quantos anos têm os espíritos que convivemos. Podemos por exemplo conviver com nosso avô de espírito jovem, poucas vezes reencarnado entre nós, muitas vezes inexperiente em alguns assuntos um tanto óbvios para nós, mas por outro lado puro em outros em que nós já estamos contaminados pelas repetições falíveis, ou ainda conviver com nosso neto, espírito antigo, com conceitos velhos arraigados em sua essência, que apesar da sua juventude que o deixa atualizado

com as novas tecnologias, o torna um “velho resmungão” em seu comportamento. Encaramos em nossas encarnações muitos desafi os e muitas difi culdades de convivência com todos os encarnados, nos contaminamos com alguns, contaminamos a outros, trocamos impressões, opiniões e energias constantemente com todos a nossa volta, às vezes apoiando, outras vezes destruindo. Desta forma, se formos aquele “velho mental”, espírito com muitas reencarnações, repetente, achando as provas que temos que passar injustas, os professores chatos, a escola velha e decrépita, o diretor um “gagá”, desejando o poder, querendo mandar em todos, querendo falar mais alto até que nossos professores, sendo ansiosos pois já conhecemos as provas, sabendo até os assuntos das mesmas, conhecendo as matérias, tentamos “colar”, podemos prever o caminhar dos dias, das aulas, das dúvidas dos colegas mais jovens, mas, se somos os maiores repetentes, é porque ainda não aprendemos a essência da vida, que consiste não só em conhecer, mas principalmente em amar. Amar a todos, e a nos tornarmos “ferramentas divinas de implantação de amor na Terra”, nossa escola, que nos espera ver diplomados para seguirmos nossa jornada espiritual. r


Junho de 2015

PÁGINA 8

Abraço salvou uma vida! Inúmeros casos foram vivenciados. Tarcília Silveira

tarcilia1@hotmail.com

A

Banca do Livro Espírita da USE Araraquara (instalada ao lado da Casa da Cultura, na Praça Santos Dumont), com atendimento pelo fone 16 3214-2990 e aberta das 12,30h às 18,10h de segunda a sexta e aos sábados até 13h, iniciou oficialmente suas atividades em fevereiro de 1985, portanto, há 30 anos. Idealizada por espíritas ligados à USE, foi cedida pela Casa Espí-

rita Sociedade Araraquarense de Estudos Espíritas “Allan Kardec”, com os próprios livros da Entidade. Isso se deu antes do ano de 1985. Entre os inúmeros casos vivenciados está o de Gê, é uma moça alegre, sempre sorridente, que passava em frente a Banca e cumprimentava, trocávamos algumas palavras gentis. Um dia ao passar por lá percebi algo diferente, estava com o semblante carregado e triste,

foi quando a chamei e sem nada dizer, senti a necessidade de abraçá-la apenas. Chorando me confessou que aquele dia iria colocar fim em sua vida, e aquele abraço mudou o rumo de sua decisão. Conversamos por mais de 1h. Disse também que a própria mãe a havia ignorado e

recusado esse abraço. Ainda a vejo, acredito estar bem, fazendo sua Faculdade e trabalhando. O maior número de visitantes são simpatizantes, outros curiosos, e ainda pessoas que vem em busca de orientação, de auxílio, assim como um Pronto Atendimento. Os romances, obras de autoajuda, de reflexão e obras básicas são as mais procuradas. A Banca também tem endereços e atividades dos centros filiados à USE, distribui o jornal da USE: O Mensageiros e também o Tribuna do Espiritismo. Estamos de portas abertas para recebê-los. Venham nos visitar. r


PÁGINA 9

Junho de 2015

Ser feliz é uma decisão! Conhecido palestrante lança novo livro. Redação

institutocairbarschutel@gmail.com

N

atural que ao redor do nosso planeta ainda afluam espíritos com suas escolhas equivocadas em direção à felicidade. Também é natural, felizmente, até por uma questão de esforço evolutivo que, com o tempo, com a experiência, com a reflexão e até por reflexo condicionado, depois de muito apanharmos da dor, comecemos a fazer melhores escolhas para, finalmente, decidirmos ser felizes. A síntese do parágrafo anterior define o foco da obra lançada por Sidney Fernandes. Natural de Bauru (SP), empresário, advogado, palestrante muito conhecido e ligado ao Centro Espírita Amor e Caridade, na mesma cidade, é também um dos responsáveis pela Rádio CEAC – www.radioceac.com.br e TV CEAC – www.

tvceac.com.br, mantidas pela mesma instituição. Com lançamentos previstos nos dias 01, 02, 03 e 07 de junho de 2015, na sede do próprio

ou pelos telefones 14 3366-3329, 14 3227-0618 e pelo celular 14 99162-7233 (WhatsApp). Respondeu o autor ao TRIBUNA que “(...) Na obra an-

CEAC, a obra também pode ser adquirida diretamente na editora pelos e-mails tele_editora@ceac. org.br e editoraceac@ceac.org.br

terior, SER FELIZ É UMA ARTE, fui surpreendido com o surgimento de artistas que buscaram nas pequenas coisas da vida

o caminho para a felicidade. (...) A maioria dos males que nos acometem surgem da nossa imprevidência e das nossas faltas. O que nos falta, diz Kardec, é a vontade. ´Ah! Quão poucos dentre vós fazem esforços´. Esforçandonos, isto é DECIDINDO, seremos felizes.”. Com foco na felicidade, que deverá ser assimilada por todos os seus ângulos, como afirma o autor, a obra é mais um desses inúmeros pontos que precisam ser conhecidos e absorvidos pela nossa razão e pelo nosso coração. Motivado pelo desejo de que as pessoas se sintam bem, saudáveis e entusiasmadas, o autor afirma categórico, transcrevendo Kardec na Conclusão de O Livro dos Espíritos: “No Espiritismo encontro, por meio unicamente do raciocínio, uma solução racional para os problemas que no mais alto grau interessam ao meu futuro. Ele me dá calma, firmeza, confiança. Livra-me do tormento da incerteza. Ao lado de tudo isto, secundária se torna a questão dos fatos materiais.” E concluir o autor: Decidamos ter esse encontro feliz! r


Junho de 2015

Comparação Será que ainda estamos exigindo condições ideais para amar e servir? Antonio Carlos Navarro

antoniocarlosnavarro@gmail.com

N

as fileiras da assistência espírita, temos tido a oportunidade de conviver com um casal que nos causa admiração. Ambos são moradores de rua, e arriscaríamos dizer que se encontram por volta dos quarenta anos de idade. Ela, da raça negra, é muito conhecida de boa parte da cidade, por conta de seu comportamento. Completamente desequilibrada, com provável presença de espíritos desajustados, vivia pelas ruas andando seminua e portando-se como uma criança, inclusive com chupeta na boca. Eventualmente aparecia em nosso Centro Espírita, sempre pedindo algo ou algum trocado. Entrava em todas as dependências

que lhe fosse possível, intempestivamente, chegando mesmo a tentar pegar o que achava pela frente, interrompendo palestras e estudos, e da mesma forma que entrava saía. Nunca dava ouvido a quem quer que seja. Ele, da raça branca, com barba e cabelo fartos e desalinhados, eventualmente aparecia, mas quando o fazia sempre se comportava com aparente normalidade, embora com aparência de algum desajuste psíquico-social. Notava-se nele sempre uma preocupação em relação a ela, tentando protegê-la e ampará-la, o que nos chamava a atenção. Uma noite, ao sairmos do Centro após as atividades doutrinárias para retornarmos ao lar, encon-

tramos, não muito distante, uma movimentação provocada por um atropelamento. Paramos, na tentativa de sermos úteis, e verificamos que a vítima era a nossa conhecida. Com inúmeras escoriações e fraturas, principalmente nos membros inferiores, foi socorrida e começou então uma longa peregrinação por hospitais, incluindo o Hospital Adolfo Bezerra de Menezes. Sempre recebíamos notícias dela quando o encontrávamos nos semáforos próximos ao Centro, ou quando o recebíamos para se alimentar com a sopa do Centro. Um dia nos surpreenderam ao chegarem juntos ao Centro para a sopa. Ela andando com andador, e ele todo cuidados para ajudá-la, tratando-a com um carinho e respeito enternecedor. Desde então, com frequência retornam, e nos chamou a atenção o “novo” comportamento dela. Calma, educada, com olhar manso, e uma certa simpatia jovial,

PÁGINA 10 sempre recebendo muito bem a atenção que ele lhe dedica. Parece que o acidente a acordou para uma nova realidade. Chama a atenção, não só a mudança comportamental dela em função das dores provocadas pelo corpo machucado, mas principalmente na forma com que se tratam. Por se tratar de moradores de rua, não há valores materiais em jogo, assim como não há predicados físicos padronizados pela cultura social em que vivemos. Ao contrário, falta-lhes até a higiene pessoal e roupa limpa, e mesmo com a falta de tudo, aceitam-se e se completam mutuamente, dedicando-se um às necessidades do outro, pouco importando o que está à volta. Poderíamos até imaginar neles uma condição de “almas gêmeas”. Por fim, é inevitável a comparação. Será que em nós, que temos alguma cultura, conhecimento do Evangelho e da Doutrina Espírita, que temos muito mais do que o necessário, em todos os aspectos, já se reconhece o amor que constatamos naquele casal? Já somos também reconhecidos pela nossa dedicação aos que conosco convivem, ou, ao contrário, ainda estamos exigindo condições ideais, materiais e humanas, para amar e servir? r


PÁGINA 11

Junho de 2015

Encontro Anual Cairbar Schutel – EAC 2015 Quinta edição traz imensa alegria a todos nós! Aguardamos vocês! - INSCRIÇÕES ABERTAS! Preços especiais até 31 de julho Isentas no valor para pessoas até 18 anos, mas obrigatória no site - Tema central: “Família um grande desafio” - Local: em Matão (SP) na SOREMA – Soc. Recreativa Matonense (Rua José Artimonete, 337 – Vila Santa Cruz). - Contratamos para 2015 o L & A BUFFET COM REQUINT LTDA para todos os momentos de alimentação, nos lanches, coffee break e almoço opcional no domingo. O L & A BUFFET é muito conhecido, respeitado e tradicional em Matão, agindo sempre com muita competência em diversos eventos na cidade. Subsidiamos as inscrições, mantendo-a em preço mínimo para que todos possam participar. Vejam valores do investimento: (cobrindo os três momentos de alimentação, inclusive o lanche reforçado no início da noite de sábado, exceto o almoço opcional no domingo a ser definido no momento da inscrição, no site) Até 31 de julho Até 18 anos Até 2 pessoas de 3 à 5 pessoas A partir de 6 pessoas

ISENTO (mas obrigatória no site) R$ 35,00 cada R$ 25,00 cada R$ 20,00 cada

A partir de 1 de agosto Até 18 anos Até 2 pessoas de 3 à 5 pessoas A partir de 6 pessoas

ISENTO (mas obrigatória no site) R$ 40,00 cada R$ 30,00 cada R$ 25,00 cada

- Data: 19 e 20 de setembro de 2015, sábado e domingo - Horários: sábado, das 14 às 21h e domingo, das 8 ás 12,30h - Inscrições EXCLUSIVAMENTE PELO SITE (vide abaixo) - NÃO ACEITAREMOS INSCRIÇÕES NO DIA DO EVENTO. Palestrantes e coordenadores: - Nazareno Feitosa (DF), Ivana Raisky, Cíntia Vieira e Bruno Ribeiro (GO), Alessandro Viana de Paula (SP). - Atividade artística: fica na surpresa! - Haverá espaço/atividades para jovens e crianças, exceto bebês. Obs: Na edição de 2015 NÃO HAVERÁ OFICINAS, apenas as palestras. Programação em detalhes será conhecida na entrega do crachá, na recepção. - Almoço coletivo no domingo é opcional a R$ 30,00, a ser definido na inscrição. - Cardápio: Salada de folhas (alface e rúcula), Salada de legumes (vagem, cenoura, batata, beterraba), arroz branco, farofa de bacon, maminha no molho madeira com champignon, coxa e sobrecoxa assada, macarrão ao molho: sugo e branco. - Lanches nos intervalos, inclusive na noite de sábado, já incluídos na inscrição. - Livraria, lançamento de livros, arte, divulgação, confraternização. Forme sua caravana e venha participar conosco. E aguarde, como sempre, muitas surpresas… Iniciaremos no horário. Solicitamos chegarem logo após às 13h para recepção Inscrições: acesse www.institutocairbarschutel.org e na página inicial clique ENCONTRO ANUAL CAIRBAR SCHUTEL 2015.


Junho de 2015

Lázaro e Irmão X Obra Lázaro Redivivo completa 70 anos de publicação. Isabela Pereira Dias Esperança

isaesperanca@hotmail.com

O retorno de Lázaro m 1945, um ano após o rumoroso caso Humberto de Campos, em que a família do escritor entrou com uma ação contra a FEB e Chico Xavier questionando a autoria da sua obra mediúnica, buscando invalidar os escritos ou adquirir os direitos autorais, Humberto de Campos ressurge com nova uma obra amparada sob o pseudônimo Irmão X: Lázaro Redivivo. O títu-

E

lo da obra faz referência a sua própria situação, o autor já nos convida a esse entendimento quando lemos seu prefácio também com o título de Lázaro Redivivo.

Assim como Lázaro da Betânia que depois de voltar dos mortos é tratado com hostilidade por alguns fariseus no templo, Humberto de Campos desencarnado também encontra a incompreensão de familiares e amigos. Lázaro ainda que agredido e destratado, sem ódio porém, procura a residência de Pedro onde é acolhido pelos “novos irmãos” que “comungavam no amor fraternal e na fé viva” junto aos quais sentese reconfortado e feliz”. Em uma mensagem relatada no livro Testemunhos de Chico Xavier desabafa Humberto de Campos sobre a querela na justiça: “Querem saber, por intermédio do Direito humano, se eu sou eu mesmo, como se as leis terrestres, respeitabilíssimas embora, pudessem substituir os olhos do coração.” Surge então o Irmão X, assim como Lázaro da Betânia evitando os convencionalismos religiosos e as dúvidas da ciência, buscando entre corações amigos “fervorosos e simples o pensamento vivo de Jesus”. No conto “O Sábio Juiz” entendemos um pouco mais a

escolha de um pseudônimo por esse “novo” Lázaro Redivivo transcritas nas palavras do sábio rei Salomão: “se algum espírito voltasse do túmulo a comunicar se com as pessoas terrestres,

ninguém deveria preocupar-se com o seu nome, e sim com a substância de suas palavras, e que se o comunicante ensinava o bem deveria ser considerado emissário

PÁGINA 12 dos céus e ouvido com atenção, e se transmitia o mal deveria ser interpretado como mensageiro do inferno e esquecido para sempre.” Irmão X, em Lázaro Redivivo exalta a imortalidade e os valores espirituais, nos traz a lume que a morte é repleta de vida, e que esta nos convida a constante transformação: “Raríssimos Espíritos encarnados se recordam da conquista de si mesmos, na posse gradual da sabedoria santificante e da sabedoria libertadora”. O autor espiritual surpreendido pela nova vida após o sepulcro, retorna como Lázaro, “escrevendo para os companheiros de luta, reavivando-lhes a esperança no naufrágio das ilusões. Como marinheiro experiente sentindo a inesperada segurança da praia, atirava salva-vidas aos irmãos de sonho, que se debatiam a distância, na fúria das águas móveis e traiçoeiras.” Irmão X se indaga e de certa forma indaga a nós seus leitores “Terá bastante força as palavras dos mortos para despertar a consciência dos vivos?” O Irmão X Dentro da obra mediúnica de Humberto de Campos psicografado por Chico Xavier, podemos ressaltar em especial a obra Lázaro Redivivo publicada em 1945, que completa agora em 2015 seus 70 anos. Obra que inaugura uma


PÁGINA 13 nova fase para o autor espiritual agora sob o pseudônimo Irmão X: “Tenho uma novidade para dar-te. O nosso amigo voltou a escrever, fazendo-se sentir agora com o nome de Irmão X. Achei curioso o primeiro trabalho que nos traz, nesta nova fase, e envio-te a cópia que datilografei para mandar-te”, escreve Chico para Wantuil de Freitas, então presidente da FEB. A questão judicial iniciada por sua família encarnada, referente a sua autoria

“Ninguém conhece, na Terra, o nome dos elevados cooperadores de Deus, que sustentam as leis universais; entretanto são elas executadas sem o esquecimento de um til. Na paz do anonimato, realizam-se os mais belos e os mais nobres serviços humanos”,

dos livros mediúnicos psicografados por Chico Xavier, provocou uma reavaliação de valores no Espírito Humberto de Campos. Do livro A psicografia ante os tribunais (Dr.Miguel Timponi, ed. FEB), segue o trecho: “Ninguém conhece, na Terra, o nome dos elevados cooperadores de Deus, que sustentam as leis universais; entretanto são elas executadas sem o esquecimento de um til. Na paz do anonimato, realizam-se os mais belos e os mais nobres serviços humanos”, já esclarecendo e antecipando sua escolha em atribuir a um pseudônimo suas mensagens. No conto “Por amor a Deus”, presente na obra Lázaro Redivivo, há o relato da história de um “companheiro” que se incumbiu de levar através

Junho de 2015 da escrita esclarecimentos “aos amigos de outro tempo, encasulados na carne, e, para tanto, começou a escrever-lhes páginas sentidas de carinho e saudade. Seus companheiros antigos, porém, não lhe compreenderam as novas disposições”. Este “companheiro” procura aos orientadores maiores levando suas mágoas e eis a resposta que recebe: “Cala em seu coração, meu filho, as angústias do homem antigo. Volte ao seu campo de ação e satisfaça a própria consciência. Todo particularismo é cárcere. Lembre-se que as dádivas do Pai são comuns a todos nós, que as ideias não tem nome e de que o espírito é universal.” Também em aprendizado e amadurecimento, Humberto de Campos inicia um novo caminho, um caminho de maior desprendimento, o de não ser mais reconhecido como autor dos textos psicografados. No conto “Doce nome” revela porque escolheu o pseudônimo Irmão X, “o nome de irmão é talvez um dos títulos mais doces que existem no mundo”; ele lembranos dos cooperadores de Cristo que seguindo seus ensinamentos viviam fraternalmente. Ainda no mesmo conto uma senhora recém-desencarnada procura pelo escritor Humberto de Campos, se referindo a seu trabalho quando encarnado e também ao após desenfaixado do corpo, legado através da psicografia de Francisco Cândido Xavier. Ele pede a ela que o procure chamando-o agora pelo doce nome, ela estranha: “doce nome?” E ele responde “Sim, chame-o “irmão” e talvez compareça a seu encontro.” É Humberto de Campos recebendo o convite de Jesus a fraternidade universal “Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.” r

Datas importantes em junho 1 – Dia 5, em 1947, é fundada a USE – União das Soc. Espírita do Est. SP, entidade de unificação paulista. Realizou em Santos (SP), seu 16º. Congresso Estadual, em abril último. *** 2 – Dia 8, em Bauru (SP), em 1946, é fundada a UME de Bauru, depois com sigla alterada para USE Bauru. *** 3 – Dia 30, em 1953, é fundada a Soc. Pró Livro Espírita em Braile. *** 4 – Dia 10, em 1860, Kardec recebe a informação do Espírito Verdade: “Não ficarás muito tempo entre nós, é necessário que retornes para terminar a tua missão (...)”, sobre seu retorno, conforme nota em Obras Póstumas. *** 5 – Dia 24, em 1943, ocorre a desencarnação de Ernesto Bozzano, professor de filosofia da ciência na Universidade de Turim e pesquisador espírita, com vários livros publicados. É um autor clássico. *** 6 – Dia 03, em 1925, 90 anos da desencarnação de Camille Flammarion, astrônomo, pesquisador e divulgador científico francês. Autor de vários livros, é também considerado um clássico da literatura espírita e proferiu importante discurso sobre o túmulo de Allan Kardec, no momento do sepultamento, referindo-se a ele como o “bom senso encarnado”.

Mediunidade curadora Precioso documento de Kardec está na Revista Espírita

N

a edição de setembro de 1865 da Re vista Espírita, Allan Kardec publica precioso documento com 15 itens, em 8 páginas, resultante de indagação enviada por leitor, que pergunta após lúcido preâmbulo: *** “(...) Qual a parte do médium na imposição das mãos? Qual a dos espíritos? É preciso empregar a vontade, como nas operações magnéticas, ou limitar-se a orar, deixando a influência oculta agir à vontade? Essa faculdade é, realmente,

De dica de leitor anônimo especial ou acessível a todos? O organismo ai representa um papel? E que papel? Essa faculdade é desenvolvível? E em que sentido? (...)”. *** Tanto a carta indagadora quanto a extraordinária resposta de Kardec indicamos ao leitor pesquisar na internet ou no próprio volume impresso da edição de set/1865. Referida pesquisa trará sólidos elementos norteadores na convivência com tais casos. Não deixe de pesquisar, leitor. r


PÁGINA 14

Junho de 2015

Parceria que viabiliza ampliar distribuição Experiência de Araçatuba (SP) é de encarte regional na publicação Redação

institutocairbarschutel@gmail.com

P

ções: Irmanar = Somar Esforços; Confraternizar = Reduzir Distâncias; Compreender = Dividir Conhecimentos; Aproximar = Multiplicar Ações. E a recomeçar. Esse mesmo contexto foi experimentado em uma edição especial, no final de 2008.

ara viabilizar a distribuição essa ‘reencarnação’ em reunião de Irmã Angélica, de Araçatuba, e o 4 - Como surgiu o projeto de do TRIBUNA em diferen- reatiivação da USE Intermunicipal Instituto Cairbar Schutel. USE parceria? tes regiões do país há várias de Auriflama, no final de abril. As Regional continua parceira. Agora, A partir de definição do Insalternativas. Entre elas estão os versões estão disponíveis: www. o ‘reencarnado’ potencializa ainda tituto Cairbar Schutel de abrir patrocínios ou as doações espon- redeamigoespirita.com.br mais o Espírito de Unificação, com espaço no Tribuna para veiculação tâneas. No interior paulista, com a identidade Ata Espírita Unificar. de encarte regional, o presidente abrangência regional, Araçatuba 2 - O que significa a sigla ATA? do Centro Espírita Irmã Angélica, encontrou um caminho de sucesso: Quando surgiu e por quanto tempo 3 - Qual é o foco do encarte dis- Gregório Rodrigues, conversou o encarte regional, com notícias e circulou? tribuído junto com o jornal? comigo, por entender que Ata Espublicidades regionais. Como já O jornal Ata Espírita foi puEssa identidade ampliada (Ata pírita se encaixaria perfeitamente divulgado a parceria viabiliza 2.000 blicado entre 1992 e 2005, a partir Espírita Unificar) traduz que nesse projeto. Definida a ‘reencarexemplares mensais do Tribuna de Araçatuba, numa iniciativa de a essência está potencializada. nação’, a gestão é de um Conselho do encarte, simultaneaEditorial integrado por mente, atingindo várias mim, por ele e Graça cidades. Entrevistamos Rodrigues; os dois são Sirlei Ramos Nogueicofundadores do ICS. O ra, jornalista radicaCentro Irmã Angélica do na cidade, assessor é referência na redação, executivo da Secretaria administração e distriMunicipal de Comubuição: rua Tancredo nicação Social da Pref. Paiva Morel, 511, no Municipal e Presidente jardim Sumaré, em Arada USE Regional, mas çatuba/SP, com CEP também idealizador do 16015-320. Face Espírita, há 24 anos, e colaborador do 5 – De que forma a Centro Espírita Irmã região pode ser diretaAngélica. Veja suas resmente beneficiada e como Sirlei Ramos (à esquerda); Gregório e Graça, integrantes do C.E. Irmã Angélica e do Instituto C Schutel (à direita). postas e conheça um motivar outras regiões pouco dessa história oportuna. Face Espírita em parceria com a No trecho inicial da mensagem na mesma direção? USE, atual Regional de Araçatuba. ‘Unificação’, por Chico Xavier, Os benefícios são inúmeros, 1 - Quais as repercussões iniciais Os objetivos principais estavam (20.04.1963, em Uberaba), Bezerra relacionados ao conhecimento da distribuição do TRIBUNA em e continuam implícitos no título, de Menezes orienta: “O serviço doutrinário, convivência fraterna, Araçatuba e região? com duplo sentido: Ata = Regis- da Unificação em nossas fileiras é trocas de experiências, dentre Nesses primeiros contatos, os tro, Documentação + verbo Atar urgente, mas não apressado. Uma outros. E se um dos meus comcomentários estão sendo muito = Unir, Vincular, Estreitar. E, no afirmação parece destruir a outra. promissos existenciais é contribuir positivos, com sugestões diversas slogan, o estímulo à Ação: ‘Os Mas não é assim. É urgente porque para a ‘Maior Caridade’ em prol da e estímulos diferenciados, de diri- Atos de Registrar e Unificar o define objetivo a que devamos to- Doutrina, e se existem condições gentes e demais trabalhadores. Um Movimento Espírita de Araçatuba dos visar; mas não apressado, por- para isso, essa é uma alternativa efideles foi a abertura de espaço na e Região’. Uma década após essa quanto não nos compete violentar caz. A minha principal motivação Rede Amigo Espírita, para publi- vivência marcante, interrompida consciência alguma. Mantenhamos é a divulgação do Espiritismo. Um cação das versões digitais, tanto do em março de 2005, o retorno o propósito de Irmanar, Aproximar, veículo como esse não se restringe Ata Espírita quanto do Tribuna. O aconteceu justamente no histórico Confraternizar e Compreender”. às nossas paredes. Eis a segunda idealizador do site, José Aparecido, mês de abril, para o Espiritismo, Com esse norteamento, ousei motivação: falar para fora dos nosmanifestou o contentamento com em parceria com o Centro Espírita – novamente – a livres interpreta- sos muros. r


PÁGINA 15

Junho de 2015

Rui das mãezinhas, Rui do asilo, Rui da creche Era assim que uma cidade de quase 20 mil habitantes reconhecia Rui. Com ‘sobrenome’ Benedita Fernandes. Sirlei Ramos Nogueira sirleinogueira@yahoo.com.br

O

menino Rui que há meio século acompanhava a mãe no trabalho de assistência a mãezinhas necessitadas, em Buritama, no interior de São Paulo, inverteu as prioridades, na vida adulta. Aos 35 anos, o empresário Rui César de Souza redirecionou o projeto de vida focado no exercício do bem: no dia 25 de março de 1989, em parceria com um grupo de amigos, fundou a Sociedade Espírita Fraternidade, com o objetivo de “cuidar de crianças carentes, em contra turno escolar, para que não ficassem pelas ruas desocupadas”. A irmã Alcione Aparecida de Souza, parceira nesse compromisso, acrescenta que “acompanhar a mãe, Maria Nevach de Souza, conhecida como dona Cida, e dona Maria do Carmo Cunha Guerbas em ações de amparo a gestantes

foi um período de grande aprendizado, a primeira escola do bem para ela e Rui. Nós éramos con-

siderados integrantes da equipe que iniciou a primeira entidade filantrópica de Buritama: o Clube das Mãezinhas Necessitadas”.

Até concretizar a Sociedade Espírita Fraternidade, o cidadão Rui César sempre fez questão de contribuir para o progresso e bem -estar na sociedade buritamense. Além de presidente do Centro Espírita Discípulos de Jesus durante vários anos, ele foi provedor da Santa Casa de Misericórdia, onde remodelou e ampliou o setor de pediatria, e presidente do Lar São Camilo de Lélis. Essa foi mais uma experiência marcante, com outro público, deixando como contribuição relevante a construção da nova sede do asilo. É por essas e muitas outras conquistas que a Prefeitura de Buritama decretou ponto facultativo após a desencarnação dele, no dia 23 de abril, aos 61 anos, vítima de infarto. O sonho e compromisso foram possíveis com a ajuda do

pai, Waldevino Ismael de Souza, popularmente conhecido como ‘Maéto’, uma corruptela de maestro, devido aos talentos musicais. Ele doou ao filho uma quadra localizada no então final da cidade. Atualmente com a denominação alterada para Centro Assistencial Benedita Fernandes, por exigência legal, 130 meninos e meninas são beneficiados com aprendizados de música (teclado, flauta, violino, canto coral), dança (balé e jazz), artesanato (pedraria e bordado). Valores sobre a construção do homem novo também são enfocados, a partir da inspiração/lema ‘educar a criança hoje para não punir o homem amanhã’. Conheça o trabalho procurando a página da instituição no Facebook: Centro Assistencial Benedita Fernandes. r


REMETENTE: Instituto Cairbar Schutel

Junho de 2015

PÁGINA 16

Caixa postal 2013 - 15997-970 - Matão-SP

Cidadania Viver honestamente é antes de tudo um dever e cabe nos menores detalhes. Orson Peter Carrara

C

idadania é a qualidade do cidadão. Em outras palavras, um cidadão preocupado com sua cidade (não restrito ao município onde reside ou trabalha, claro) e com as causas humanitárias. Isso significa postura moral de equilíbrio que age em favor da coletividade e comportamento esforçado no sentido da honestidade e da solidariedade. A honestidade inclui o não furar fila, não considerar nossa pressa maior que a pessoa que está à nossa frente, a não tentar subornar fiscais ou policiais e guardas de trânsito, como também em não ocupar estacionamentos destinados a idosos ou com qualquer

orsonpeter92@gmail.com

tipo de deficiência, como já bem sinalizado em nosso trânsito. A corrupção começa quando desrespeitamos os limites da liberdade, sem observar os direitos alheios, individuais e coletivos. Por outro lado vemos pais que processam professores quando seus filhos são advertidos em salas de aula. O procedimento deveria

(...) cidadania é um dever, muito mais que um direito, como normalmente o comportamento coletivo costuma exigir.

ser o contrário: a educação dos filhos para que respeitem professores, autoridades, o patrimônio público, etc. Parece que estamos andando em sentido oposto na sociedade em que vivemos. Como nação temos valorizado a corrupção, aceitando e participando de pequenos gestos desonestos que refletem na vida coletiva. E depois reclamamos de tudo, de Deus, dos governos, das autoridades e até da falta de chuvas, e ainda continuamos a desrespeitar a natureza, a cimentar todo espaço livre no chão e por aí vai. E o que não falar do desrespeito à legislação de trânsito ou às tentativas várias de trapaças em todos os sentidos, mesmo nas pequenas

coisas... É a falta de consciência com a cidadania. Aliás, vale dizer que cidadania é um dever, muito mais que um direito, como normalmente o comportamento coletivo costuma exigir. Exigir das autoridades, exigir que tudo funcione a contento e perfeitamente, quando pouco damos para a harmonia das circunstâncias. As virtudes, entre elas a honestidade e a solidariedade, mas também o patriotismo e o civismo, ou ainda o comprometimento responsável com a pontualidade, a assiduidade, o respeito a horários e regras em vigor na sociedade, são deveres do cidadão, antes que virtudes. Prestemos atenção para vivermos intensamente a cidadania. r

Tribuna do Espiritismo - junho de 2015  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you