Page 1

Telefônica

Trabalhadores debatem acordo global com a empresa

EMBRATEL

Dia 7 assembleia com engenheiros A Embratel não respeita o piso salarial dos engenheiros que é de nove salários mínimos para jornada de 8h conforme determina a Lei 4.950-A/66. Para discutir e definir as medidas a serem adotadas sobre a essa questão o Sinttel-Rio e o Sindicato dos Engenheiros (Senge-RJ) convocam todos os profissionais interessados no assunto para participarem da assembleia, anteriormente marcada para o dia 2 de maio e transferida para o dia 7 em virtude do feriado de 1º de maio. O horário e local ficam mantidos, será às 18h, (Rua dos Andradas, 96/15º andar) em cima do antigo Bob’s, entrada próxima à esquina da Rua dos Andradas com a Marechal Floriano. Essa questão foi levantada pelo Sinttel durante as negociações para fechamento do Acordo Coletivo, mas a empresa se negou a cumprir a lei e pagar o piso sob a alegação de que se apóia em parecer de sua área jurídica. Agora precisamos decidir o que fazer. Por isso nessa assembleia esperamos contar com a presença de todos os interessados.

Negociação do Acordo Global da Telefônica reuniu sindicatos do mundo todo, além do vice-presidente da telefonica, Oscar Maraver, nesta última segunda-feira, dia 29/04. O encontro foi organizado pela UNI icts Global Union - uma organização internacional de trabalhadores que atua em diversos setores, entre eles, o de informação, comunicação, indústria de serviços e tecnologia representa cerca de 330 sindicatos e mais de três milhões de trabalhadores em todo o mundo. O evento que teve nesta edição de 2013 como anfitriões a Fenattel e o Sinttel -Rio, aconteceu pela primeira vez em 2000 e foi uma conquista extremamente importante para os trabalhadores de telecomunicações. No ano passado, por conta da crise europeia, o encontro foi cancelado pela empresa espanhola.A empresa chegou a sofrer processos trabalhistas ao redor do mundo entre eles, um em Barcelona, cuja demissão sem justa causa de Marcos Andres Armenteros trazia na carta de demissão a justificativa de “você não é rentável”. Quando na verdade o trabalhador integrava uma lista candidata à direção do sindicato. Terceirização

Indagado pelo Sinttel-Rio sobre o intenso processo de terceirização ocasionado pela empresa, o executivo da Telefónica, Maraver, disse o tradicional discurso

OI PPR/12

capitalista: “estamos conscientes de que a maior preocupação dos sindicatos é a terceirização. O mais recorrente. Mas não é uma prática limitada à Telefónica. Na maioria dos países, somos a empresa incubente. E tivemos que terceirizar para reduzir os custos e flexibilizar para seguirmos competitivaos e não perdermos mercado frente aos nossos concorrentes”. Diante deste cenário, os sindicatos apresentaram oficialmente uma proposta para ser debatida com a empresa cujas principais revivindicações são: melhoria das condições de trabalho e necessidade de garantia de todos os direitos dos terceirizados, questão mais importante por unanimidade entre os sindicatos. Além disso, cobram liberdade de associação e direito de

representação e negociação coletiva; jornadas, salários mínimos e benefícios tão favoráveis quanto os pisos nacionais e acordos dos respectivos setores; melhoria das condições do ambiente de trabalho, capacitação do trabalhador, estabilidade empregatícia e respeito ao meio ambiente. Para o diretor do Sinttel-Rio,Luis Antônio Souza da Silva, os acordos coletivos em escala mundial são cada vez mais imprescindíveis, especialmente, num mundo de economia globalizada e ainda por cima em crise. “Eles se tornaram um instrumento nas negociações locais para desobstrui-las. Nos dias de hoje é preciso exigir que uma empresa que tem um negócio mundial tenha uma ação sindical global”, defendeu o sindicalista.

Assembleia sexta-feira, dia 3

Às 8h, nos prédios da Praia de Botafogo, Arcos e Polidoro e às 13h, na Av. Pres. Vargas, Leblon e Ipanema A empresa disse que o placar já anunciado de 3,6 salários havia sido zerado devido ao não atingimento das metas e outros problemas. Portanto, não há nada a ser pago a título de PPR. Pelo contrário, os trabalhadores devem devolver o valor de um salário adiantado pela empresa quando da data base a título de antecipação da PPR/12.

O clima ficou tenso. As negociações não avançaram porque a empresa insistia no absurdo da proposta de placar zero. Para tentar sair do impasse, já à noite, ela propôs o pagamento de um abono de dois salários. Deste valor será descontado o que foi adiantado. Assim fechou-se a questão. A comissão formada pelos

representantes do Sinttel-Rio, Sintetel-SP, Sinttel-PE, Sinttel-MT, Sinttel-AC e Sinttel-SC decidiram levar a proposta para apreciação da categoria em assembleias que serão realizadas em todo o país até o dia 3.

.

A PROPOSTA

Pagamento de dois salários (abril/13) a título de abono, de uma

única vez, para todos os empregados, exceto aqueles em contrato de experiência, afastados por mais de um ano e desligados. Descontar placar 2012 adiantado. Compensar o IR já descontado. Havendo acordo, o abono será pago de 3 a 5 dias corridos após a assinatura.

. ..


Peça não deixa esquecer os anos de chumbo Foto Guga Melgar/Divulgação

Para não esquecer os dias da ditadura e comemorar os 40 anos de sua primeira montagem, a peça “Céu Sobre Chuva, ou Botequim”, de Gianfranceso Guarnieri, volta aos palcos do Rio até o dia 05/05! No último dia 30, fez 32 anos do atentado militar ao Riocentro, quando 20 mil pessoas ali se reuniam para um show musical em protesto contra o regime. Na ocasião, duas bombas explodiram e os agentes “supervisores” da ação foram as únicas vítimas do episódio, que lançou suspeitas sobre atividades terroristas praticadas pela ditadura desde 1964 e que culminou com o seu fim em 1985. Foi justamente neste contexto que a peça “Céu Sobre Chuva, ou Botequim”, de Gianfrancesco Guarnieri, foi montada pela primeira vez, no ano de 1973, época em que a ditadura no Brasil estava à pleno vapor.O espetáculo foi um dos poucos a conseguir a façanha de passar pelo crivo da censura, institucionalizada pelo decreto AI-5 (Ato Institucional número 5), em vigor desde 1968. Considerado o mais duro golpe feito à nossa democracia e responsável por dar poderes quase absolutos ao regime militar, muitas peças de teatro, textos, músicas, filmes e espetáculos artísticos nem chegaram ao conhecimento do público, pois eram vetados sob a alegação de serem transgressoras da ordem, quando apenas manifestavam críticas ao tiranismo do governo militar. A primeira montagem do espetáculo

Lúcia Rodrigues

tinha à frente do elenco a cantora Marlene e o diretor Antonio Pedro Borges. Na nova montagem, a direção continua nas mãos de Borges, mas o elenco agora é composto por Xando Graça, Márcia do Valle, Andréa Dantas, Rogério Freitas, Nil Neves, Marcello Dias, Vandré Silveira, Dai Bonfim, e os músicos Fabinho de Lelis e Luciano Moreira. Apesar de o texto original ser da década de 70, a peça continua atual em 2013. Em especial, neste momento histórico do país em que a luta pela busca da verdade e do esclarecimento dos fatos ocorridos naquela época se fortalece com a instituição da Comissão Nacional da Verdade, em maio do ano passado e a recém aprovada Comissão Estadual da Verdade, em outubro de 2012. A trama se passa em um bar onde os personagens estão confinados por conta de uma tempestade. Alheios ao que se passa lá fora

e sem meios de comunicação que noticiem os acontecimentos. A espera e a ansiedade tomam conta do local e todos começam a beber compulsivamente e a expor suas verdades e pensamentos até então omitidos. Há mais de dez anos, um texto de Guanieri não é encenado nos palcos cariocas. Conhecido por seu teatro político de Gianfrancesco Guarnieri representou um marco na dramaturgia brasileira. Na peça atual, as músicas compostas por Toquinho, recebem agora nova versão de Gabriel Moura com arranjos e direção musical de Marcelo Alonso Neves. SERVIÇO : Céu Sobre Chuva ou Botequim. Quinta a domingo, às 19h. Até o dia 05/05.Centro Cultural Correios (Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro )   Tel: (21) 2219-5165/ Duração: 90 minutos/ Ingressos: R$ 20 e R$10 (meia entrada) *Espetáculo não recomendado para

Divulgação

De volta ao império! Turismo gratuito na Quinta da Boa Vista Uma viagem pela história, ciência e cultura de nossa cidade. Esta é a proposta do “Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão”, um evento que faz parte das atividades da Semana Nacional de Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). A Quinta da Boa Vista é o ponto de partida desse roteiro cultural pelo bairro de São Cristóvão. Realizado anualmente no mês de maio, o evento acontece nos dias 18 e 19 deste mês. Quem quiser participar,

os ônibus gratuitos saem do Parque com destino às instituições culturais do bairro entre 10h e 16h. Museus e centros culturais que participam do roteiro:Museu Nacional/UFRJ, Museu de Astronomia e Ciências, Museu Militar Conde de Linhares, 1º Batalhão de Guardas, Centro Cultural Maçônico do Supremo Conselho do Brasil e Clube de Regatas Vasco da Gama. Para mais informações acesse no facebook: Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão.

Feriadão Corpus Christi na Colônia Graham Bell Este ano haverá poucos feriados, portanto, aproveite este tempo livre para passear com a família e os amigos! Uma ótima opção é o feriadão de Corpus Christi, de 29/05 a 02/06, em Miguel Pereira. Além de curtir as belezas naturais da região o período coincide com a Festa do Tomate, em Paty do Alferes. Os shows são gratuitos e a edição deste ano conta com atrações como Thalles Roberto, Padre Fábio de Mello, Luan Santana, Swing e Simpatia, João Gabriel, NX Zero, Mc Koringa, Sambô. Para mais informações sobre a festa acesse: patydoalferes.rj.gov. br/2013/04/09/festa-do-tomate-2013

A Colônia de Férias Graham Bell já conta vários pacotes que cabem no bolso de qualquer trabalhador, especialmente para os associados. Confira os pacotes no Portal do Sinttel (www.sinttelrio. org.br) e escolha o melhor para você. Além das boas acomodações, a colônia dispõe de várias opções de lazer tais como: piscinas, quadra de esporte, campo de futebol soçaite, mini fazenda, hortas, churrasqueiras, pesque pague e deliciosas cachoeiras, passeio nas trilhas da reserva florestal etc. Mais informações é só ligar para 2204 9300 ramal 203 ou 2568 0572. Faça sua reserva, não deixa para última hora.

Lúcia Rodrigues, ex-diretora de base, é mais uma grande mulher entre tantas na categoria telefônica. No setor desde 1969, Lúcia, entrou no interurbano da Telerj numa época bastante difícil de sua vida quando ela e o marido estavam desempregados. A telefonista que nunca tinha trabalhado neste ofício passou a sustentar a casa. Quase um ano depois, veio a notícia da primeira gravidez e com ela, o drama da maioria das mulheres: o medo de perder o emprego. Uma das mais doces lembranças dos tempos de Telerj era o companheirismo e a amizade entre as colegas do setor. Apesar de contar com mais de três mil trabalhadoras a união da classe prevalecia com a comemoração do Dia da Telefonista na missa realizada na igreja Santa Rita e o concurso anual da Miss Telerj e da Miss Simpatia da época. BLOCO DO TELECO - Antes da privatização, as condições do trabalhador eram bem melhores. A telefonista lembra com saudade do Bloco do Teleco, um bloco carnavalesco onde desfilavam todos os “telerjianos” (como se autodenominavam os funcionários da Telerj). A animação era tanta que os trabalhadores levavam a família. “Eu, por exemplo, levava minha filha e minha irmã. A gente desfilava por toda Av. Rio Branco”, relembra Lúcia com saudades dos bons tempos. Aposentada no ano de 94, após 25 anos de trabalho, ela continuou trabalhando até 98, ano da privatização, quando os trabalhadores perderam muitos dos seus direitos e a melhor opção de vida para ela foi sair do mercado. Nessa época, Lúcia já era diretora do sindicato onde cumpriu três mandatos. À frente do Sindicato, um dos trabalhos mais reconhecidos de Lúcia, foi implantação do Disque denúncia (2204-9300) em 2010. Só nos três primeiros anos chegou a receber uma media de 70 denúncias por dia. Para Lúcia a politização do jovem é uma das maiores procupações.”É preciso que os jovens que estão entrando no mercado de trabalho devem estar informados sobre os acontecimentos do país para saber exigir seus direitos”.Assista a íntegra da entrevista com Lúcia Rodrigues no portal do Sinttel-Rio: www.sinttelrio.org.br.


SAÚDE DO TRABALHADOR

DESONERAÇÃO DA FOLHA

Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho Marcelo Lopes

O dia “28 de Abril” foi instituído pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como o Dia Mundial de Segurança e Saúde no Trabalho, em memória das vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. A data é uma homenagem aos 78 mineiros mortos numa explosão ocorrida em 1969, em Farmington, no Estado da Virgínia (EUA). No nosso país, a história sobre a Saúde e Segurança do trabalhador se iniciou de forma tardia, acompanhando o desenvolvimento da economia brasileira que durante séculos era baseada no trabalho escravo e na agricultura, enquanto outros países como a Inglaterra já se industrializavam e consequentemente enfrentaram antes os problemas relativos aos acidentes de trabalho ocorridos nas fábricas, indústrias e posteriormente serviços como é o caso do setor de telecomunicações. Somente após a Primeira Guerra Mundial, quando se deu a concentração de trabalhadores nos centros das cidades é que nosso país cogitou criar uma legislação voltada à proteção do trabalhador. Os últimos dados divulgados pelo Ministério da Previdência Social, em 2010, mostraram que houve queda nos acidentes

de trabalho no Brasil, de 755.980 casos em 2008, para 733.365 em 2009, até chegar a 701.496 acidentes em 2010. Já o número de óbitos decorrentes de acidente ocupacional apresentou aumento: de 2.817 mortes registradas em 2008, o número caiu em 2009 para 2.560, tendo crescimento em 2010, com 2.712 óbitos. A região Sudeste apresenta maior percentual de acidentes no trabalho com 378.564 ocorrências. REDE E CALL CENTER EM RISCO

O fato é que a privatização do setor de telefonia no país, em 1998, só piorou as condições dos trabalhadores agora subordinados às firmas terceirizadas e muito menos assistidos em seus direitos trabalhistas como segurança no trabalho. O setor de telecomunicações é de alto risco especialmente para o pessoal da

rede externa onde os acidentes, inclusive fatais, não são raros. Eles trabalham com lançamento de cabos, dentro de caixas subterrâneas, em escadas, ou nos postes de onde os cabos telefônicos disputam espaço com os cabos de alta tensão, os acidentes nos cabos aéreos, em geral são fatais. No setor de teleatendimento os problemas de saúde relacionados ao trabalho são os mais diversos, além da surdez, das lesões por esforço repetitivo (LER). Há também as doenças mentais provocas pelo estresse e pela pressão. É grande o número de trabalhadores que buscam o departamento de saúde do Sindicato com síndromes de pânico, de Burnout, depressão, etc. Com isto, 44 anos depois da criação do Dia Mundial da Segurança e Saúde do Trabalhador, a classe trabalhista brasileira ainda continua adoecendo e morrendo em decorrência de subcondições e acidentes.

Reprodução

Saúde e houve dificuldades para usar o dinheiro das contas encerradas. O secretário municipal de saúde, Hans Dohmann, recebeu a multa de 25 mil reais. O secretário estadual de saúde, Sérgio Cortes, também foi multado pelo TCU em 10 mil reais. Após analisar as justificativas da Prefeitura e do Governo do estado, o TCU concluiu que “essa situação demonstra, no mínimo, falta de planejamento na utilização dos recursos e deficiências graves de gestão das secretarias, chegando às raias do descaso para com a coisa pública e de

O deputado Jorge Bittar (PT/RJ) apresentou emenda à Medida Provisória 612, que ampliou a desoneração da folha de pagamentos a outros setores produtivos do país, para corrigir um problema criado pela adoção do beneficio no setor de Tecnologia da Informação (TI): a renegociação de preço, determinada pelo artigo 65 parágrafo 5, da Lei 8666. A Petrobras e Caixa Econômica Federal já chamaram seus prestadores de serviços para renegociar custos, em função da redução dos impostos. A emenda tem por fim evitar que a medida passe a ser também adotada pelos ministérios e autarquias (usuários de serviços terceirizados de TI) e se estenda aos estados e municípios. DAR COM UMA MÃO E TIRAR COM A OUTRA

desrespeito ao atendimento das necessidades e das ações que compõem o pacto pela saúde”.

“O governo não pode dar com uma mão e retirar com a outra. A desoneração da folha de pagamento foi uma medida para fazer com que as empresas de TI invistam em TI, apostem na inovação e melhorem seus desempenhos”, explica Bittar. Segundo ele, a redação da emenda à MP 612 se fez necessária porque a renegociação de custo, já conduzida por empresas como Petrobras e Caixa Econômica Federal, é uma medida imposta pela Lei 8666. A emenda do deputado Jorge Bittar, agora, passará pelos trâmites do Congresso Nacional. Uma Comissão Mista será formada para transformar a MP 612 em Lei, num prazo de 60 dias. Caberá ao relator, ainda a ser nomeado, a missão de aceitar, ou não a emenda proposta. “A mobilização de todas as entidades ligadas a TI é necessária. Essa comissão terá 60 dias para debater os efeitos da desoneração da folha. A inclusão da emenda é crucial para fazer valer os efeitos da desoneração da folha”, ressalta Bittar.

MELHOR PREVENIR

ARROCHO SALARIAL

Rio: displicência no combate à dengue Só neste ano em todo o estado, de 1º de janeiro a 20 de abril, foram notificados 123.121 casos suspeitos da doença e 15 óbitos. Dos 92 municípios fluminenses, 37 estão em epidemia, o que significa que registram mais de 300 casos por 100 mil habitantes. Na capital, o bairro de Bangu tem o maior número de casos registrados: são mais de 1500. No país todo, os números são alarmantes. Dados divulgados pelo Ministério da Saúde comparou as estatísticas das sete primeiras semanas de 2013 com as de 2012 e comprovou que triplicaram os casos de contaminados no país. Infelizmente, não bastasse a dificuldade de combater uma epidemia, dados de um relatório divulgado recentemente pelo Tribunal de Contas, (TCU), revelaram que no estado do Rio de Janeiro sobra dinheiro nos cofres público, mas faltam nos investimentos no combate à dengue. De acordo com a prefeitura, novas contas foram abertas para receber o repasse, seguindo a orientações do Ministério da

Empresas de TI tentam impedir renegociação dos contratos

Atenção com o lixo. Os resíduos modernos são inimigos do povo, independentemente da classe social. Cacos de louça, casca de ovo, embalagens plásticas, restos de brinquedos, eletrodomésticos quebrados, eletroeletrônicos sem validade, móveis transformados em entulho, tampas, pratos, copos e garrafas. Assim como pneus abandonados, caixasd´água sem a devida vedação e vasos com pires de água formam ambiente ideal para a cultura do Aedes aegypti, nome científico do mosquito da dengue. É preciso cobrar do governo e da prefeitura que cumpram o seu dever na luta contra a dengue. Mas, a dengue é uma luta de todos. É preciso assumir a sua responsabilidade de cidadão e ser vigilante no controle sanitário do ambiente doméstico e coletivo. Para mais informação acesse: riocontradengue.com.br.

A renegociação dos contratos além dos prejuízos observados para as empresas de TI traz um prejuízo ainda maior para os trabalhadores do setor de telecomunicações o arrocho salarial. Em virtude da renegociação dos contratos feita pela Caixa e Petrobras, os seus teleatendentes da Caixa, terceirizados pela PC Service, estão amargando o prejuízo. Sem reajuste até hoje (sendo que a data base da categoria foi dia 1º de janeiro) e a empresa se nega a reajustar os salários sob o argumento da redução do valor do contrato. Um absurdo que já vem sendo denunciado pelo Sinttel há tempos (veja matéria na página 4). A lei da desoneração da folha, segundo o Dieese, já gerou um ganho de 321 milhões às empresas. Esta lei não foi feita pprejudicar os trabalhadores e muito menos comprometer os investimento em TI.


PC Service mente. Não aprovamos Acordo Camila Palmares

De acordo com denúncias apuradas na segunda-feira, junto aos trabalhadores durante mais uma manifestação organizada pelo Sinttel, a PC Service está informando que vai pagar em abril reajustes de 6,2% (INPC) para todos os trabalhadores e dizendo que isto foi acordado com o Sinttel. Mentira. Ao contrário do que disse aos trabalhadores, a sua proposta foi rejeitada pelo Sindicato na negociação que só ocorreu depois da primeira grande mobilização dos trabalhadores. Não aprovamos esse reajuste de 6,2% e o valor do salário dos operadores de R$ 891,01 - valor inferior ao piso regional do estado que é de R$ 918,25, exigido pelo Sindicato.

maior cara de pau tenta envolver Sindicato nessa trama. O nosso Sindicato não faz acordo com patrão. Antes de aprovar qualquer proposta a submete ao referendo pelos trabalhadores em assembleia. Durante mais de duas semanas o Sindicato tem estado na porta da PC para cobrar o piso regional não para votar sobre qualquer proposta.

ACORDO SÓ COM O PISO DE $$ 918,25

CAIXA É OMISSA

O Sinttel já disse e voltar a repetir “o único acordo que assinará com a PC Service é aquele que garanta o piso regional do estado (R$ 918,25) para os operadores com jornada de 36 horas e o INPC cheio para as demais jornadas e para os benefícios”, ressaltou Virgínia Berriel, diretora de negociação coletiva. Esses 6,2% a empresa está empurre goela abaixo dos trabalhadores e na

Diante desses absurdos e do impasse criado pela empresa o Sindicato acionou sua assessoria jurídica para exigir mediante notificação, o cumprimento do piso regional. Essa notificação foi enviada a PC Service e a tomadora de serviços, a Caixa. Se a PC insistir em impor os 6,2% de reajuste, o Sindicato vai à justiça contra a PC e a Caixa por omissão. O Sindicato vai acionar a Caixa por omissão. Os trabalhadores estão

com salários congelados desde janeiro. ASSÉDIO MORAL

Não bastasse está sem reajuste, os trabalhadores são constantemente assediados por supervisores e gestores durante o trabalho conforme denúncias feitas ao Sindicato. Embora o anexo II libere o trabalhador para ir ao banheiro a hora que necessitar, na PC os supervisores controlam o tempo dos empregados no banheiro e chegam ao cúmulo de seguir os trabalhadores até a porta do sanitário, ou a ida ao bebedouro e ficar até que eles saiam. Um absurdo, isto é inaceitável. Eles também não aceitam atestados médicos de horas, e descontam o dia. Por fim, estão descontando o vale refeição e vale transporte de quem compensa as horas do sábado durante a semana.

Agenda de assembleias Cooperativas de táxis 02/05 – Assembleia com os operadores de rádio chamadas/telefonistas das cooperativas de táxi do Rio de Janeiro, no horário das 10 às 15 horas, na sede do Sinttel (Rua Morais e Silva, 94 - Maracanã). A assembleia vai discutir e aprovar a Pauta de Reivindicações (reajuste de salários e benefícios) com vista ao Acordo Coletivo 2013. 03/05 – É a vez dos operadores de rádio chamadas/telefonistas de cooperativas de táxi de Niterói e São Gonçalo aprovarem em assembleia na sub sede do Sindicato em

DIRETOR DE IMPRENSA Marcello Miranda marcellomiranda@sinttelrio.org.br EDIÇÃO Socorro Andrade Reg. 460 DRT/PB socorroandrade@sinttelrio.org.br REDAÇÃO Socorro Andrade e Luana Laux ILUSTRAÇÃO Alexandre Bersot www.alexandrebersot.com.br

DIAGRAMAÇÃO L&B Comunicação Ltda ESTAGIÁRIA Camila Palmares IMPRESSÃO

Valdir Tedesco Impressor CIRCULAÇÃO Semanal TIRAGEM 12 mil exemplares

R. Morais e Silva, 94 - Maracanã - RJ - CEP 20271-030 - Tel.: 2204-9300 - Fax Geral 2567-1589 E-mail Geral sinttelrio@sinttelrio.org.br - Site http://www.sinttelrio.org.br E-mail Jurídico juridico@sinttelrio.org.br - E-mail Imprensa imprensa@sinttelrio.org.br

bersot

humor

Niterói (Rua Visconde de Uruguai, 277 - Centro), às 10 e às 15h, a sua Pauta de Reivindicações para o acordo. Além de reajuste de salários e benefícios vamos cobrar a unificação da data base em 1º de junho, tanto no Rio como em Niterói. Provider 06/05 - Assembleia às 14h, no auditório da Provider vai discutir e deliberar sobre a proposta apresentada pela empresa para o Acordo Coletivo. Os trabalhadores não tem justificativa para não participarem.

Representantes sindicais: encontros dias 2 e 7 de maio A eleição para a escolha dos representantes sindicais na Serede e na Telemont será no mês de maio, mas antes disso o Sindicato vai divulgar um boletim específico sobre as eleições para cada empresa com a lista dos candidatos e suas respectivas fotos, além de todas as informações sobre a votação. A tarefa de representante sindical é muito importante e requer responsabilidade e dedicação de quem se propõe a ela, por isso o Departamento de Formação do Sinttel promoverá dois encontros com os candidatos, nos dias 2 e 7 de maio, às 18h, na sede do Sindicato (Rua Morais e Silva, 94). Constam do temário dos encontros os seguintes pontos: o papel do representante sindical de base, plataforma de trabalho e negociação coletiva. Todos os trabalhadores sindicalizados da Serede e Telemont poderão votar. O mandato dos representantes terá a mesma vigência do mandato da atual diretoria. Atento

Denúncia: assaltos em Campo Grande O Sinttel-Rio tem recebido diversas denúncias de trabalhadores da Atento de Campo Grande que estão sofrendo contínuos assaltos devido ao alto índice de de insegurança no endereço da empresa, ao redor da Av. Brasil. O Sindicato tomou as devidas providências. Pediu reforço na segurança e policiamento da região e está encaminhando uma denúncia à Secretaria de Segurança Pública. Para maiores esclarecimentos é só entrar em contato com os diretores Ricardo Pereira (ricardopereira@ sinttelrio.org.br) e Allan Dias (alandias@sinttelrio.org.br).

1.362

Jornal do Sinttel-Rio nº1362  

TELEFÔNICA Trabalhadores debatem acordo global com a empresa Negociação do Acordo Global da Telefônica reuniu sindicatos do mundo todo, alé...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you