Page 1

ISSN 1984-0004

ABDUL RAHMAN DARUICH-ACYR LOURES PACHECO FILHO-ADALBERTO DE REZENDE-ADAM EGLES-ADAM GÄRTNER-ADAM ILLICH-ADAM SCHERER-ADAM STEMMER-ADÃO ALCIONE MONTEIRO-ADÃO CAVALHEIRO RIBAS-ADÃO SAUKA-ADAUTO BRANDELERO-ADELAIDE APARECIDA PENTEADO ZANONA-ADÉLCIO GRANEMANN FRITZ-ADELCIO MARTINI-ADELHEID KLEIN KNESOWTSCH-ADELINO BRIDI-ADEMAR RAMOS DE SOUZA-ADILSON KARAM JUNIOR-ADOLF DUHATSCHEK-ADOLF TAUBINGER-ADRIANA LOURES MAINGUÉ BOTELHO-ADRIANE THIVES ARAÚJO AZEVEDO-ADRIANO PEREIRA SUBIRÁ-AEROIMPAR AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA-AGENOR MENDES DE ARAUJO NETO-AGENOR ROBERTO LOPES DE ARAÚJO-AGRÍCOLA CANTELLI LTDA-AGRO TATU DISTRIBUIDORA DE PEÇAS LTDA-AIRTON RIBEIRO DE CAMPOS-ALAN KAMINSKI DO NASCIMENTO-ALAN MARCUS BLANC-ALAOR LOPES FRITZ-ALAOR PEDRO DA LUZ-ALAOR SEBASTIÃO TEIXEIRA-ALAOR SEBASTIÃO TEIXEIRA FILHO-ALBERT JOSEF ZIMMERMANN-ALBERT KORPASCH-ALBERT STOCK-ALBERTO STOCK -ALBERTO TOKARSKI-ALCEU CÍCERO KUNTZ-ALCEU SEBASTIÃO PIRES DE ARAÚJO-ALCIDES KRÜGER-ALCIDES ROZANSKI-ALCIOLY THEREZYNHA GRUBER ABREU-ALDIR ANTÔNIO GOLDONI-ALDO ANTONIO BONA-ALDOINO GOLDONI FILHO-ALESSANDRO ILLICH-ALEX FRANZ OSTER-ALEXANDER RITTER-ALEXANDRE BARBIERI NETO-ALEXANDRE MARATH-ALEXANDRE SEITZ-ALEXANDRE UTRI-ALFEO MUZZOLON-ALFRED MILLA-ALFREDOBERNARDINI-ALFREDO CHEREM FILHO-ALFREDO GELINSKI JUNIOR-ALFREDO JAKOB ABT-ALFREDO JUNGERT-ALFREDO SZABO-ALFREDO WOLBERT-ALINE MARIA SCHIMIM MENDES-ALISSON MARTINS ANDRADE-ALLAN KARDEC OLIVEIRA LOPES FILHO-ALTAIR NIQUETTI-ALVINO BUGAY KUBIAK-AMANTINO JOSÉ DE MACEDO TAQUES-AMARILDO PARIZOTTO-AMARILDO RIBEIRO DOS SANTOS-AMARÍLIO AUGUSTO DE OLIVEIRA KRÜGER-AMBRÓSIO ANTÔNIO-AMBROSIO IVATIUK-AMÉRICO DA LUZ RIBEIRO-AMILTON LINO DA SILVA-AMILTON MARCONDES JUNIOR-ANA CÉLIA DE ARAÚJO-ANA HERTZ-ANA MARIA JUNG KLEIN-ANA MARIA LOPES RIBEIRO-ANA MERI NAIVERTH-ANA RITA HAUTH VIER-ANDERSON LINEU MARTINS-ANDERSON MENDES DE ARAUJO-ANDERSON MUZZOLON-ANDRÉ BENZ-ANDRÉ DIEDRICH-ANDRÉ HILLER MARCONDES-ANDRÉ SZENDELA-ANDREAS KELLER JUNIOR-ANDREAS MILLA I - ANDREAS MILLA II-ANDRÉIA O. MARIOTTI NUNES-ANNA LUISA JUNGERT-ANNEMARIE PFANN E OUTROS - ANTON ANNAS - ANTON EGLES-ANTON FASSBINDER-ANTON FASSBINDER JUNIOR - ANTON GORA- ANTON GOTTFRIED EGLES - ANTON HERING-ANTON KELLER I-ANTON KELLER II - ANTON KREUSCHER-ANTON SCHIMIDT-ANTON WILK-ANTÔNIO BAYER-

Publicação bimestral do Sindicato Rural de Guarapuava Ano V Nº 27 - Set/Out 2011 Distribuição gratuita

-ANTÔNIO CARLOS LACERDA LOURES-ANTONIO CARLOS RIBEIRO BURKO-ANTONIO CASSOL-ANTÔNIO CÉSAR DE RÉ-ANTÔNIO FAGUNDES SCHIER-ANTONIO FERREIRA DA ROCHA-ANTONIO FIDELIS DE VARGAS-ANTÔNIO HERTZ-ANTÔNIO IZAIAS LUSTOSA-ANTÔNIO KINAPE-ANTONIO KRAMER ROCHA-ANTÔNIO LAURI LEITE-ANTONIO LINEU MARTINS-ANTONIO LUIZ PETERLINI-ANTÔNIO MAYER-ANTÔNIO OSCAR LUSTOZA RIBAS-ANTÔNIO RENATO DIEDRICH-ANTÔNIO SCHRAMM-ANTÔNIO SEBASTIÃO FERREIRA-ANTÔNIO STRONTIUK-ANTONIO VANDERLEI BAYER-ANTÔNIO ZUBER FILHO-ARAMIS LINEO MENDES SIQUEIRA-ARI FABIANI-ARI SCHWANS E/OU SCHEILA K. SCHWANZ-ARIDREIA ANTUNES DE MORAES SPIELER-ARION MENDES TEIXEIRA-ARION MENDES TEIXEIRA FILHO-ARISMARI ROCHA CAMARGO-ARISTEU VUICIK-ARISTHEU RIECKEL-ARMANDO FRANÇA DE ARAÚJO-ARMANDO VIRMOND DE ABREU-ARNALDO STOCK-ARNALDO STOCK JUNIOR-ARNO SILVESTRE MÜLLER-ARNO VIER-ARNOLD DETLINGER-ARTHUR PIRES DE ALMEIDA-ASSOC. PARAN DE CAVALO CRIOULO-ASSOC. PARAN. DE CRIADORES DE OVINOS-AUGUSTO KRUGER FILHO-AUGUSTO STROPARO-BEATRIZ PEREIRA WESKE-BENJAMIN REFFATTI-BERNARDO SPIELER ZEHR-BERNHARD JOHANN PALM-BERTHOLD SCHERER-BETOAGRO CORRETORA DE CEREAIS LTDA-BLACARDINI FRITZ GADOTTI-BOLES NILCHARZ-BRUNO ARMSTRONG DE ARAÚJO-BRUNO GRISMAYER-BRUNO NORBERTO LIMBERGER-BRUNO REINHOFER-CAMILA ILLICH-CÂNDIDO PACHECO BASTOS-CARLA RENATA ARAÚJO LUSTOSA--CARLOS ALBERTO ABREU ALVES-CARLOS ALBERTO ABREU ALVES FILHO-CARLOS ALBERTO DIPP DE CASTRO-CARLOS ARMANDO ABREU ALVES-CARLOS BODNAR-CARLOS BOROMEUS MITTERER-CARLOS EDUARDO DOS SANTOS LUHM-CARLOS EDUARDO KAZAHAYA-CARLOS EDUARDO MARTINS RIBAS-CARLOS EDUARDO RIBAS DE ABREU-CARLOS EDUARDO RICKLI-CARLOS HENRIQUE EYHERABID ARAÚJO-CARLOS LEOPOLDO DURSKI SILVA-CARLOS PEREIRA ARAÚJO-CAROLINA RIBAS MARTINS FERREIRA-CAROLINE LUSTOZA WOLBERT-CÁSSIA FASSBINDER-CÉLIA REGINA CAROLLO SILVESTRI-CÉLIO TEIXEIRA CUNHA-CELSO CARLOS CAROLLO SILVESTRI-CELSO DENARDI-CELSO HISÃO TATEIVA-CELSO MARCELO MACIEL-CELSON LUIZ BRANDALISE-CÉSAR PEDRO ZAMBENEDETTI RIBAS-CÉZAR ALBERTO MARTINI TOLEDO-CEZAR AUGUSTO CAROLLO SILVESTRI-CÉZAR ROBERTO OLIVEIRA KRÜGER-CHRISTOF LEH-CHRISTOPH RITTER-CHRISTOPH ZEHR-CÍCERO PASSOS DE LACERDA-CÍCERO ROGERIO KUNTZ-CILTON RIBAS-CIRLENE APARECIDA RIBAS ADRIANO-CIRO ANTÔNIO BROJAN-CIRO CEZAR MENDES ARAÚJO-CIRO GERALDO OLIVEIRA ARAÚJO-CLARACI BORGES-CLAUDETE MARTINS RIBAS-CLAUDIA HERTZ MARATH-CLAUDIA MUGNOL FRITES-CLAUDIA SCHERER KORPASCH-CLAUDILÉIA FORNAZZARI-CLÁUDINO ORTOLAN-CLAUDIO CORDEIRO KIRYLA-CLAUDIO IVATIUK-CLAUDIO MARATH-CLÁUDIO MARQUES DE AZEVEDO--CLÁUDIO VIRMOND KIRYLA-CLEIS DE ARAÚJO FONSECA-CLEUSA WERNECK DE JUNQUEIRA BOTELHO-CLEVERSON ATALIBE MARTINS-CLEVERSON NAIVERTH-CLODOALDO DINIZ JÚNIOR-CLODOALDO MARCONDES DINIZ-CONRADO ERNESTO RICKLI-CRISTIAN ABT-CYRANO LEONARDO YAZBEK-DAISY VIRMOND KIRYLA-DALBY GIOVANI KARKLE-DALTON CÉZAR MARTINS QUEIROZ-DANIEL BAITALA-DANIEL GIORNO NASCIMENTO-DANIEL MARCONDES CANESTRARO-DANIEL PERUZZO-DANIEL PRIMAK ALVES-DANIEL SCHNEIDER-DANIELA BAITALA POLLI LOSSO KLÜBER-DARCY B. DA ROCHA-DARI ARAÚJO FILHO-DARIO CALDAS SERPA-DARIO CEBULSKI-DAVID KLÜBER-DÉA MARIA FERREIRA SILVEIRA-DEMETRIUS PELLEGRINO BARBOSA-DENILSON BAITALA-DENILSON FADEL-DEODORO ARAÚJO MARCONDES-DIEGO LUIZ BEGNINI-DILCÉIA MARIA ARAÚJO ESPINOLA-DIONÍSIO BURAK-DIOVANI SILVESTRIN-DIRCEU FABRICIO-DIRCEU RIBAS LACERDA-DIVONEY RODOLFO DINIZ-DOROTEA STOCK WILD-DURLENE DO BELÉM RIBAS GONÇALVES-EDEGAR LEH-EDEMAR BALKAU-EDGARD GEORG SZABO-EDÍLSON ARAÚJO MARTINS-EDIO SANDER-EDLA WOELFER LUSTOSA-EDMUND JOHANN ABT-EDSON ADRIANO DE VARGAS-EDSON JOSÉ MAZURECHEN-EDSON LUIZ PRIMAK-EDSON LUSTOSA ARAUJO-EDSON RODRIGUES DE BASTOS-EDUARDO GELINSKI-EDUARDO JOSEF REINHOFER-EDUARDO PLETZ-EDUARDO VOLLWEITER-EDUARDO WINKLER-EGON HEIRICH MILLA-EGON MAYER-EGON SCHEIDT-EGON WINKLER-ELCIO DOBGENSKI-ELEMAR PERINAZZO-ELEVIR ANTONIO NEGRELLO-ELFRIEDE BARBARA MAYER-ELIAS BRANDALERO-ELIAS FARAH NETO-ELIEZER SCHEIDT-ELISEU SCHUAIGERT-ELISON BUENO ARAUJO-ELITON FERREIRA ROSEIRA-ELIZETE RIBAS MARTINS PHILIPIAK-ELKE MARINA LEH BASSO-ELKE MONIKA ZUBER LEH-ELMAR REMLIMGER-ELTON LANGE-ELTON LUÍS MUCINELLI CALDAS-ELTON THIVES ARAÚJO-EMANOEL N. SILVESTRIN-EMERSON LUÍS NEVES-EMERSON MILLA-EMERSON SOUZA-EMÍLIO ANTUNES DA COSTA-EMILIO CARLOS WEYAND-EPONINA WERNECK CENEVIVA-ÉRCIO PADILHA CARNEIRO-ERICH MATHIAS LEH-ERICH SCHESCHOWITSCH-ERIKA HILDEGARD DUCH ILLICH-ERIKA SCHÜSSLER-ERNA TERESA MILLA-ERNEST MILLA-ERNESTO STOCK-ERNST LEH-ERNST MICHAEL JUNGERT-EROS LANGE e/ou SOELI PEREIRA LANGE-EROS LUSTOSA ARAÚJO-EROS MILLA DE QUEIRÓZ-ERVIN ANTON STOCK-ERVIN VALENTIN REMLIMGER-ERWIN BRANDTNER-ESTANISLAU TRIANOSKI-ESTEFANO KICH-ESTEFANO REMLIMGER-ETELVINO ROMANO PORTOLAN-EUCLIDES RIBEIRO TURRA-EUGÊNIA PACZKOWSKI-EUGÊNIO BILLEK-EURÍPIO CARLOS RAUEN-EVA BECKER-EVA URSULA MILLA-EVALD ZIMMERMANN-EVALDO ANTON KLEIN-EVALDO STEFAN BECKER-EVELYNE LEH KLEIN-EVERSON ANTONIO KONJUNSKI-EVERTON ROOSEVELT BERNINI-EWALD MÜLLERLEILY--FABIO ROBERTO LUSTOSA-FELÍCIO DZVONECH-FELIPE DITTERT TAQUES DE MACEDO CRUZ-FELIPE MARTINS DE ALMEIDA-FELIX WILD-FELLIPE LUSTOSA RIBAS JAERGER-FERNANDA MARGOT R.VIRMOND-FERNANDO BECKER-FERNANDO RUIZ DIAS JUNIOR-FLORIAN REICHARDT-FRANCIELE GÓES LACERDA DE PIERI-FRANCISCO ANTÔNIO CALDAS SERPA-FRANCISCO ARMANDO MARTINS LIMA-FRANCISCO BUHALI-FRANCISCO DOS SANTOS-FRANCISCO GERALDO MARCONDES-FRANCISCO GUZZI-FRANCISCO JOÃO SCHIER-FRANCISCO SEITZ-FRANK NOHEL-FRANZ HUNGER-FRANZ MILLA-FRANZ MILLA II-FRANZ REMLINGER-FRANZ STOCK-FRANZ WEICHER JÚNIOR-GABRIEL GERSTER-GABRIELA ABT TRATZ-GARCIA DE MATOS CARDOSO-GARON GERSTER-GELINSKI & CIA LTDA--GENI BLASQUIEVIS SARTORI-GENY DE LACERDA ROSEIRA LIMA-GEORG MULLERLEILY-GEOVANI DE COL TEIXEIRA-GERALD STEFFAN LEH-GERALDO ELIAS LIMBERGER-GERALDO NATAL CECCON-GERHARD JOSEF WILK-GERHARD MARX-GERHARD TEMARI-GERSON ARMSTRONG-GERSON JOÃO MENDES DE ABREU-GERTRUDES SALETE RIBAS MARTINS MARCONDES-GIBRAN THIVES ARAÚJO-GILBERTO BARONI-GILBERTO FRANCO DE SOUZA--GILBERTO MARCONDES LEINEKER-GILBERTO SACILOTO-GILBERTO SOUZA GONÇALVES-GILDA CAMPELLO-GILDA ROSEIRA RIBAS-GILDO WARPECHOWSKI GÓRSKI-GILMAR GELINSKI DE SOUZA-GILSON SCHIMIM MENDES--GILSON ZACARIAS CORDEIRO-GILSON ZACARIAS CORDEIRO JUNIOR-GIOVANE IVATIUK-GISELE REMLINGER-GOLDEN TREE REFLORESTADORA-GUARAPET. DISTRIBUIDORA DE RAÇÕES LTDA-GUILHERME DE PAULA NETO-GUILHERME ILLICH-GUILHERME PEPINO BASTOS-GUINTER NICOLAU SCHLAFNER-GUINTER STEFAN DUCH-GUNTER DUHATSCHEK-GUNTER REICHHARDT-GÜNTER WINKLER-GÜNTHER GUMPL-HALTIERES AGUILERA DE SOUZA-HANS FASSBINDER-HARALD DUHATSCHEK-HARALD KORPASCH-HARALD WOLFL ESSERT-HARRY MAYER-HEINRICH SIEGMUD STADER-HEINRICH STADER-HEINRICH VOLLWEITER-HEITOR VISENTIN KRAMER FILHO-HÉLCIO LUIZ CARNEIRO ROSEIRA-HELGA REINHOFER ILLICH-HELGA SCHLAFNER-HELGA SCHNEIDER-HELMUT GÄRTNER-HELMUT KELLER-HELMUT MILLA-HELMUTH DUHATSCHEK- HELMUTH JOSÉ SEITZ-HELMUTH MAYER-HELTON JOSE FAGUNDES SCHIER-HENRY MARCONDES NASCIMENTO-HERACLIDES JOSÉ CORDEIRO ROSEIRA-HERBERT KELLER--HERBERT SCHLAFNER-HERCULANO AUGUSTO ABREU ALVES-HERCULANO JORGE DE ABREU-HERCULES ALEXANDRE MARTINS-HERMANN JOSEF SCHERER-HERMANN KARLY-HERMANN OSTER-HERMANN WEIGAND-HERMES NAIVERTH-HERMINE LEH-HERMINIO MINORU KANEKO-HEROLD PERTSCHY-HILDEGARD ABT ROTH-HILDEGARD VICTORIA REINHOFER-HORST SCHWARZ-HUBERTO JOSÉ LIMBERGER-HUGO LEH-HUGO MARTINAZZO--HUGO SILVESTRIN FILHO-HUMBERTO MANO SÁ-ILSE KLEIN-INÊS MARIA CLETO PACHECO-IRENE ELISABETH REMLIMGER-IRENE FERNANDES SILVÉRIO FILIPOSKI-IRENE WEIGAND SCHERER-IVO ANTÔNIO FABIANI-IVONÍ FERREIRA-IZOLINA DENISE TAQUES DA CRUZ-JACIR SALVADOR-JACKSON FASSBINDER-JAIME ENRIQUE VARGAS ARBULÚ-JAIME TONON-JAIR CLEMENTE ZART-JAIR KULTZ-JAIRO LUIZ RAMOS NETO-JAIRO SILVESTRIN-JAIRO SILVESTRIN FILHO-JAKOB GARTNER JÚNIOR-JAKOB SCHNEIDER-JAKOB WECKL-JAMIL ALVES DE SOUZA-JANDIRA CAUS MILANI-JANETE APARECIDA HONORIO SPROTTE-JAQUELINE GEIER DE MORAES BARROS-JEFERSON CAUS--JEFFERSON JOSÉ MARTINS-JOANA LOPES DE ARAUJO-JOÃO ADALBERTO MOSS-JOÃO AFONSO FONTOURA BILEK-JOÃO AMAZONAS FONSECA DE BRITO-JOÃO ARTHUR BARBOZA LIMA-JOÃO BATISTA CORRÊA-JOÃO CARLOS NUNES DA ROCHA-JOÃO FRANCISCO ABREU RIBAS-JOÃO FRANCISCO DE LIMA-JOÃO HUBER-JOÃO KONJUNSKI-JOÃO LAERTES RIBAS ROCHA-JOÃO LUIZ SCHIMIM-JOÃO MARIA DA LUZ-JOÃO MARIA MENDES SIQUEIRA-JOÃO MARIA PEREIRA-JOÃO MARIA SIQUEIRA RIBAS-JOÃO MARIA ZACALUSNI GONÇALVES-JOÃO MAURÍCIO VIRMOND-JOÃO MAURINA-JOÃO PFAFF PERTSCHY-JOÃO SEBASTIÃO STORA-JOÃO SPIELER-JOÃO SUEKE SOBRINHO-JOAREZ SANTANA NUNES DE OLIVEIRA-JOCELI VETORASSI-JOCELIM A. DAS NEVES-JOEL DOMINGUES DA SILVA-JOEL HORST-JOHANA KARL TASCHELMAYER-JOHANES STECHER-JOHANN GEIER-JOHANN KLEINFELDER-JOHANN REINERTH-JOHANN REINHOFER-JOHANN REITER-JOHANN VOLLWEITER-JOHANN WOLBERT-JOHANN ZUBER JUNIOR-JONATHAN SEITZ-JONATHAS BAGGIO PRESTES SCHINEIDER-JONATHAS FREDERICO TAQUES LEAL DA CRUZ-JORGE FASSBINDER-JORGE HARMUCH-JORGE KARL-JORGE LUIZ RIBAS TAQUES-JORGE LUIZ ZATTAR-JORGE SCHLAFNER-JOSÉ ACYR DOS SANTOS-JOSÉ AMORITI TRINCO RIBEIRO-JOSÉ ANILTON FORTKAMP-JOSÉ ANTÔNIO OGIBOSKI ALMEIDA-JOSÉ AUGUSTO DE MORAES BARROS-JOSÉ CANESTRARO-JOSÉ CARLOS KARPINSKI-JOSÉ CARLOS LUSTOSA-JOSÉ CARLOS TROMBINI-JOSÉ DE MATTOS LEÃO NETO-JOSÉ ERNANI LUSTOSA-JOSÉ EWALDO FAGUNDES SCHIER-JOSÉ HAMILTON MOSS FILHO-JOSÉ HAMILTON MOSS NETO-JOSÉ HENRIQUE CORDEIRO LUSTOSA-JOSÉ KRENDENSER-JOSÉ LOPES DE ALMEIDA-JOSÉ MARIA MACHADO-JOSÉ MARTYN-JOSÉ MASSAMITSU KOHATSU-JOSÉ NAEL DOS ANJOS-JOSÉ NEIVERTH JUNIOR-JOSÉ PASTAL-JOSE SCHLEDER ALGAIER-JOSÉ SEGURO-JOSE SZEMANSKI FILHO-JOSÉ UBIRATAN DE OLIVEIRA-JOSEF DETTINGER-JOSEF DUHATSCHEK-JOSEF EMANUEL BUHALI-JOSEF HILDENBRANDT JUNIOR-JOSEF KARL-JOSEF MAYER-JOSEF PFANN FILHO-JOSEF SCHWEMLEIN-JOSEF SIEGFRID WINKLER-JOSEF SPIELER-JOSEF STEMMER-JOSEF STUTZ-JOSEF TASCHELMAYER-JOSEF WILD-JOSEF WINKLER-JOSEF ZIMMERMANN-JOSILENE LOSSO-JOSNEI AUGUSTO DA SILVA PINTO-JOSUÉ MARTINS DE OLIVEIRA-JUAREZ JOSÉ SIMÃO-JULIANO FERREIRA ROSEIRA-JULIANO MARCONDES TEIXEIRA-JULIO CAVALHEIRO DE ALMEIDA-JULIO CESAR GONÇALVES-JURACY LUIZ ROMAN-KARIN KATHARINA LEH-KARL EDUARD MILLA-KARL HEINZ LAUBERT FILIP-KARL KELLER-KATHERINE GUIMARÃES ALVES DUHATSCHEK-KAZUXIGUE KANEDA-KHRISTIAN DUHATSCHEK-KLAUS DOWICH-KLAUS FERTER-KLAUS KRATZ-KLEYTON ROMUALDO KRAMER-LADIR ZANELLA-LAURA ISABEL FERREIRA LOURES BUCH-LAURA MARLENE BASTOS ALVES-LAURENCE AUGUSTO VIRMOND-LAURO MANHÃES DE SOUZA-LAURY LOPES FRITES-LAURY LUIZ KUNZ-LEANDRO BREN-LENI APARECIDA LACERDA CUNICO-LENI LOSSO KLÜBER-LEODIR CARLOS CORRÊA DE MELO-LEONARDO OBAL-LEONARDO VALENTE HYCZY NETO-LEONEL MACEDO RIBAS FILHO-LEONEL RIBAS-LEONIDAS FERREIRA CHAVES-LEÔNIDAS FERREIRA CHAVES FILHO-LEONIDES ANTUNES DESCHK-LEOPOLDO BAYER-LÍCIUS POLLATTI SCHUHLI-LINCOLN CAMPELLO-LORIVAL HIRT-LOURENÇO LEMLER-LUCAS OBAL-LUCI KHOLER TOMPOROVSKI-LUCIANA VARGAS-LUCIANE WERNECK BOTELHO-LUCIANO CHIOTT-LUCIANO KOLODA-LUIS BORSATTO-LUIS FERNANDO KAZAHAYA-LUIS HENRIQUE VIRMOND-LUIS PAULO DE OLIVEIRA GOMES FILHO-LUIZ AFONSO EDER-LUIZ ARTUR MENDES FERREIRA-LUIZ CARLOS COLFERAI-LUIZ CARLOS MENDES DE OLIVEIRA-LUIZ CARLOS SBARDELOTTO-LUIZ CARLOS SCHWARZ-LUIZ CARLOS SILVA MARCONDES-LUIZ FERNANDO RIBAS CARLI-LUIZ JOSÉ ROYER-LUIZ LECHACKOSKI-LUIZ MARCOS MUZZOLON-LUIZ ORLANDO ARAÚJO-LUIZ PULGA-LUIZ RENATO ALVES DA SILVA-LUIZ VILSON SILVESTRI-MACEDO NUNES MACHADO-MACEDO NUNES MACHADO FILHO-MAGDALENA SCHLAFNER-MAICO MENDES DE ARAUJO-MAIL MARQUES DE AZEVEDO-MANASA-MADEIREIRA NACIONAL S/A-MANFRED BECKER-MANFRED MICHAEL MAJOWSKI-MANFRED STEFAN SPIELER-MANOEL PRADO MARTINS-MANOEL TOCZEK-MANOEL URIAS CARNEIRO-MANUELLE SCHLAFNER-MARCELO AFONSO MAYER-MARCELO ANTONIO FAGUNDES SCHIER-MARCELO DE ARAÚJO FONSECA-MARCELO LUSTOSA JULEK-MARCIA DITTERT CRUZ-MÁRCIO DUCH-MÁRCIO MENDES ARAÚJO-MÁRCIO PACHECO MARQUES-MARCO AURÉLIO NUNES-MARCOS ANTONIO THAMM-MARCOS FRANCISCO ARAÚJO MARTINS-MARCOS MARTINS ANTÔNIO THAMM-MARCOS TIAGO GEIER-MARCUS VINICIUS DE ANDRADE BIANCO-MARIA APARECIDA LACERDA ARAÚJO-MARIA APARECIDA LACERDA LOURES-MARIA DA GLÓRIA MARTINS MESSIAS-MARIA DAS GRAÇAS ABREU LACERDA-MARIA DAS GRAÇAS MENDES TEIXEIRA-MARIA DE JESUS ROCHA CORDEIRO-MARIA DE LOURDES KELLER-MARIA DE LOURDES SCHEIDT MÄDER-MARIA DE LOURDES TULLIO-MARIA HELGA FILIP-MARIA MILLA-MARIANA MARTINS MARCONDES-MARIANE WERNECK BOTELHO-MARIANNE MILLA WOLFL-MARIELLE MARTINS MARCONDES-MARINALDO SEBASTIÃO ROCHA-MARINEZ BONA MUZZOLON PADILHA-MÁRIO BILEK-MÁRIO CEZAR BUENO DANGUY-MÁRIO LOSSO KLÜBER-MÁRIO POCZYNEK-MARLENE GAERTNER KORPASCH-MARLI DE ARAÚJO RIBAS-MARLON NEWTON LUSTOSA SCHNEIDER-MARLON SCHLAFNER-MARTIN HEISER-MARTIN RITTER-MATHIAS ZEHR-MAURÍCIO MENDES DE ARAÚJO-MAURO MENDES DE ARAÚJO-MAX HENRIQUE SPITZNER-MAYRON EDUARDO FREGOLÃO KREUSCHER-MICHAEL WINKLER-MIGUEL WILD-MILTON LUIZ DO PRADO-MOACIR JOSÉ HORST TOMÉ-MOACIR KENJI AOYAGUI-MONIKA KLEIN-MOREL LUSTOSA RIBAS-MOREL PEREIRA KEINERT-MOYSES KAMINSKI-MOZART DANGUY-MURILO LUSTOSA RIBAS-MURILO LUSTOSA RIBAS JÚNIOR-MURILO WALTER TEIXEIRA-NANCI APARECIDA MARTINS-NATASCHA ABT-NAYLOR CAMARGO-NEIRI LOPES DE ALMEIDA-NELCI TEREZINHA MENDES DO VALLE-NELSON ADELAR GEHLEN-NELSON BREMM-NELSON DA SILVA VIRMOND-NELSON LUIZ LOURES DE LACERDA-NELSON MUGNOL-NELVIR DE JESUS GADENS-NEREU LOPES DE ARAÚJO-NERY JOSÉ PACHECO-NÉSIO TOLEDO GOMES-NEUCI APARECIDA MOSS-NEURACI LUSTOZA DANGUI-NEUSA SILVEIRA VIER-NEWTON SCHNEIDER-NÉZIO TOLEDO-NILCÉIA MABEL KLOSTER SPACHYNSKI VEIGANTES-NILSON GRANOSKI-NIVALDO MUGNOL-NIVALDO PASSOS KRÜGER-NOELIA MARA CORDEIRO MARCONDES-NORBERT GEIER-NORBERT REICHARDT-NÚCLEO DE CRIADORES DE CAVALOS CRIOULOS DE GPUAVA-NÚCLEO DE PRODUTORES DE BEZERROS-ODACIR LUIZ GHISLENI-ODILON CASAGRANDE-OEMELSON FARIA DE LACERDA-OLINTO JOSÉ PAZINATO-OLÍVIO KICH-ONAIR RODRIGUES DE BAIRROS-ORLANDO DESCHK-OSCAR JOSÉ RIGONI E OSNI CHRISTIANO RIGONI-OSIRES KAMINSKI-OSMAR ANTÔNIO DALANORA-OSMAR GELINSKI-OSMAR KARLY-OSMAR KLOSTER OLIVEIRA-OSVALDIR JOURIS-OSWALDO RODRIGUES BARBOSA-OTÁVIO BATISTA-OTMAR OSTER-OTTO MARTIN RITTER-OZIAS SCHINEIDER-OZIRES JOSÉ VAIZ FERNANDES-OZOEL MARTINS LUSTOZA-OZÓRIO EURICO MARTINS NETO-PATRICIA OLIVEIRA MARIOTTI TEIXEIRA-PAUL ILLICH-PAULINE KELLER KUSTER-PAULINO BRANDELERO-PAULO CELSO SANTOS MELLO-PAULO CESAR FONSECA-PAULO CÉSAR MUZZOLON-PAULO HENRIQUE CHAVES KLOPFLEISCH-PAULO KRÜGER-PAULO NAIVERTH-PAULO ROBERTO MARTINS PACHECO-PAULO RODOLFO SCHULZ-PAULO WOLBERT-PEDRO DE PAULA XAVIER-PEDRO KINDREICH-PEDRO KONJUNSKI SOBRINHO-PEDRO PIETROSKI-PELLISSON KAMINSKI-PETER WOLBERT-PETRONILIA DA SILVA NUNES SCHUAGERT-PHILIPE MARX-PONCIANO ROCHA DE ABREU-PRISCILA KLEIN-PRISCILA ZANATTA-QUINTILHO APARECIDO PINÉ-RACHEL MARIA NAIVERTH-RAFAEL DAUTERMAANN BERLING-RAFAEL MAJOWSKI-RAFAEL MARCONDES TROMBINI-RAFAEL MENDES DE ARAÚJO-RAFAELA MAYER-RAIMUND DUHATSCHEK-RAIMUND GEORG ABT-RAIMUND HELLEIS-RAIMUND KELLER-RAIMUNDO GÄRTNER-RAINER MATHIAS LEH-RALF KARLY-RAPHAEL DE CAMARGO-RAUL MILLA-REFLORESTADORA SANTA CARLOTA LTDA - CARLOS SÉRGIO-REFLORESTADORA SÃO MANOEL LTDA-REGIANE CORDEIRO LUSTOSA-REGINA MARIA BEZARRO ZANDONAI-REINHARD WILHELM KRATZ-REINHOLD BUHALI-REINHOLT DUHATSCHEK-REINHOLT HOLZHOFER-RENATA VITÓRIA WECKL-RENATE TAUBINGER MILLA-RENATO AUGUSTO TAQUES DE MACEDO CRUZ-RENATO DE AUDA KAMINSKI-RENATO GÓES PENTEADO FILHO-RENATO KÜSTER-RENÊ MARTINS BANDEIRA FILHO-RENE VIEIRA LOPES-RENI PEDRO KUNZ-RICARDO MARCONDES TEIXEIRA-RICARDO MARTINS KAMINSKI-RICARDO ROCHA DANGUY-RICARDO SALES ROSA-RICHARD WILFRIED SEITZ-RITA MARIA MARTINS ANDRADE-RITA MARIA WOLBERT-RIVAIR SEBASTIÃO FRITZ-ROBERCIL FABRO TEIXEIRA-ROBERCIL WOINARSKI TEIXEIRA-ROBERT DUHATECHEK-ROBERT REINHOFER-ROBERT UTRI-ROBERTO CÉSAR MENDES DE ARAÚJO-ROBERTO EDUARDO NASCIMENTO DE CUNHA-ROBERTO ESPEDITO ARAÚJO MARCONDES-ROBERTO HYCZY RIBEIRO-ROBERTO KELLER-ROBERTO KORPASCH-ROBERTO MOTTA JÚNIOR-ROBERTO PFANN-ROBERTO SATLER-ROBSON FASSBINDER-ROBSON LOPES DE ARAÚJO-RODOLFO WOLBERT-RODOLFO WOLF-RODOLPHO LUIZ WERNECK BOTELHO-RODOLPHO MANOEL DA SILVA-RODOLPHO SORIA SANTOS-RODOLPHO TAVARES DE JUNQUEIRA BOTELHO-RODRIGO AUGUSTO QUEIROZ-RODRIGO CASTELINI-RODRIGO DAS NEVES DANGUI-RODRIGO RIBAS MARTINS-RODRIGO SCHNEIDER-RODRIGO TATEIVA-ROLAND JUNG-ROLAND MILLA-ROLAND PAUL GUMPL-ROLAND WENDELIN EGLES-ROLANDO FASSBINDER-ROMAN KELLER-ROMANCITE JOSE SILVERIO-ROMEU FELCHAK-ROMILDA HANYSZ NORILER-RÔMULO KLÜBER-RONALD GARTNER-RONALD OSTER-RONI ANTÔNIO GARCIA DA SILVA-ROQUE MARCIO VEVIURKA-ROSA MARIA SCHLAFNER-ROSALYE PFANN DENARDI-ROSELINDA DE FÁTIMA NUNES CHIARO-ROSENEI DE FÁTIMA CARDOSO KUNZ-ROSITA PRAETORIUS DE LIMA MALINOSKI-ROZELI ARAUJO OLIVEIRA-ROZENDO NEVES-RUBENS GERALDO TOLEDO-RUBENS LOPES DE ARAÚJO-RUDOLF ABT-RUDOLF EGLES-RUI CARLOS MENDES DE ARAÚJO-RUI SERGIO PRIMAK-RUY JORGE NAIVERTH-RUY LAURECI ALVES TEIXEIRA-RUY SÉRGIO TAQUES DA CRUZ-SALVADOR IVATIUK-SANDRA MARA SCHLAFNER SANDER-SANDRA TIKAMORI-SCHRAM E HIPÓLITO LTDA-SEBASTIÃO DOS SANTOS-SEBASTIÃO ELON CAVALHEIRO-SEBASTIÃO FANCISCO RIBAS MARTINS NETO-SEBASTIÃO FRANCISCO RIBAS MARTINS-SEBASTIÃO GEREMIAS DA FONSECA-SEBASTIÃO HAEFFNER-SEBASTIÃO MEIRA MARTINS-SEBASTIÃO NEI KÜSTER DA SILVA-SEITI TIKAMORI-SÉRGIO ALVES TEIXEIRA-SÉRGIO ELISEU MICHELETTO-SÉRGIO JOSÉ LUBACHESKI-SÉRGIO MARTINS FILHO-SÉRGIO ROBERTO VEIT-SERLEI ANTÔNIO DENARDI-SEVERINO GENUÍNO DOURADO-SEVERINO MUGNOL-SIDINEI DENARDI-SIDNEI FERREIRA DA SILVA-SIDNEY CAMARGO JÚNIOR-SIEGBERT NAUY-SIEGFRID MILLA l-SIEGFRID MILLA SOBRINHO-SIEGHARDT JOHANN KLEINFELDER-SIEGLINDE MARATH SCHWARZ-SIGRID APARECIDA WOLFL ESSERT-SILVINO CAUS-SILVIO BORAZO-SIMÃO PRIMAK-SIMON MILLA-SIMONE MILLA-SIRINEU LUIZ DENARDI-SOLANGE MARIA SCHMIDT-SOLANGE RIBAS CLEVE-SONIA REGINA VIRMOND-STEFAN BUHALI-STEFAN DETLINGER-STEFAN FASSBINDER-STEFAN GERSTER FILHO-STEFAN REMLINGER-STEFAN STEMMER-SUELI KARLING SPIELER-SUZANA MISSAE KAZAHAYA-SUZANA RICKLI-TACYANO LUNARDI POTULSKI-TADEU KUKURGINDKI BELINSKI-TADEU DREVISKI-TADEU ZUKOVSKI PALINSKI-TÉLCIO GRANEMANN FRITZ-TEODORO KREDENS-TEÓFILO MARTIN-TERESIA ABT-TERUYOSHI ROBSON UDAGAWA-THELMA LANZINI LOSSO-THEOPHILO C. SPYRA & CIA LTDA / AGROP. NUTRISSEME-THERESIA JUNGERT-THIAGO LUSTOSA ARAUJO-THIAGO MAYER-TIAGO JUSTINO DE BASTOS-TIAGO PACHECO STADLER-TRAJANO DUARTE ALVES-ULISSES LUSTOSA-ULRICH THOMAS LEH-URSULA MAACK KUROWSKI-VALDEMAR MAYER-VALDIR ANTONINHO DEZINGRINI-VALDIR CESAR DE MORAES LIMA-VALDIR DESCHK-VALDIR JOSÉ FUCHS FILHO-VALDO-

MIRO BODENAR-VALDOMIRO IVATIUK JUNIOR-VALDOMIRO KAVA-VALDOMIRO KAVESKI-VALÉRIO TOMASELLI-VALMOR BELLATTO-VANDA KAMINSKI-VANDERLEI RAMIRES-VÂNIA ELISABETH CHEREM FABRICIO DE MELO-VATERLO HAEFFMER-VERA LÚCIA BOVOLINI WILD-VERA VIRMOND-VERENA WEICHER POTULSKI-VICENTE FERREIRA LEITE-VICENTE MAMCASZ-VIKTOR LEH-VINICIUS ROCHA CAMARGO-VINÍCIUS VIRMOND ABREU-VINÍCIUS VIRMOND KRÜGER-VIVIANA HYCZY KAMINSKI-VOLNEI KOLC-WAGNER SALVADOR RANSOLIN-WALDEMAR GETESKI-WALDEMIR SPITZNER-WALTER BECKER-WALTER GÄRTNER-WALTER JOSEF JUNGERT-WALTER MILLA-WALTER PETER WECKL-WALTER STOETZER-WALTER WENDELIN WEISSBOCK-WALTER WILK-WALTER-WINKLER-WALTRAUT MARIA PALM MAYER-WALTZER DONINI-WENDELIN HERING-WENDELIN HERING FILHO-WERNER BRANDTNER-WIENFRIED MATTHIAS LEH-WILFRIED GEORG SPIELER-WILIAM RICKLI SIQUEIRA-WILMAR SCHNEIDER-WILSON BARBIERI-WILSON CARLOS HAAS-WILSON JOSÉ PAVOSKI-WILSON ZSCHORNAK DA SILVA-WOLFGANG MÜLLERLEILY-YASMIN MAYER-ZADIL CARNEIRO BATISTA-ZANONI CAMARGO BUZZI-ZENI APARECIDA PADILHA MUZZOLON

Revista do Produtor Rural

1


2

Revista do Produtor Rural


[índice] IR e solidariedade Imposto beneficente

16 32

Agroindústria

Agrária construirá sua quinta indústria

Preservação

CNA quer que produtores sejam remunerados pela preservação das nascentes

Agropecuária em números

FAEP analisa o Paraná na produção agrícola e pecuária municipal 2010 do IBGE

Senar-PR busca parceiros para projeto ABC

36 34

Manchete 1000 sócios aos 44 anos

Agricultura de Baixo Carbono

Usinas

FAEP orienta produtores lindeiros

44 48 58 60

12 de outubro

Mais de 70 agrônomos prestigiaram café da manhã

Meio Ambiente

Novo Código Florestal deve ser aprovado no Senado até o fim de novembro

62 68

Colégio Agrícola

O ensino do (e para o) campo

Clima

Condições climáticas ocorridas e tendências para os próximos meses

76 78

WinterShow 2011

Encontro de Tratores Antigos Raridades na estrada de Entre Rios

82 102

30 de setembro

Encontro de Secretárias reúne 130 profissionais de Guarapuava, Candói e Cantagalo


[Editorial]

ISSN 1984-0004

[expediente] DIRETORIA: Presidente: Rodolpho Luiz Werneck Botelho 1º Vice presidente: Cláudio Marques de Azevedo 2º Vice presidente: Anton Gora 1º Secretário: Roberto Hyczy Ribeiro 2º Secretário: Gibran Thives Araújo 1º Tesoureiro: João Arthur Barbosa Lima 2º Tesoureiro: Herbert Schlafner Delegado Representante: Anton Gora Conselho Fiscal: Luiz Carlos Colferai, Lincoln Campello, Ernesto Stock Suplentes: Luiz Carlos Sbardelotto, Nilcéia Veigantes, Denilson Baitala Endereço: Rua Afonso Botelho, 58 - Trianon CEP 85070-165 - Guarapuava - PR Fone/Fax: (42) 3623-1115 Email: comunicacao@srgpuava.com.br Site: www.srgpuava.com.br Extensão de Base Candói Rua XV de Novembro, 2687 Fone: (42) 3638-1721 Extensão de Base Cantagalo Rua Olavo Bilac, 59 - Sala 2 Fone: (42) 3636-1529 Editora: Luciana de Queiroga Bren (Registro Profissional - 4333)

Colaboração: Mariana Rudek Bruno Hilgemberg Ana Carolina Pereira Fotos: Assessoria de Comunicação SRG / Luciana de Queiroga Bren / Mariana Rudek / Ana Carolina Pereira / Bruno Hilgemberg Diagramação: Prêmio|Arkétipo Agência de Propaganda

Viagem de reflexões De 03 a 18 de setembro tive a oportunidade de participar da viagem técnica à Europa, organizada pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná e direcionada a presidentes de Sindicatos Rurais do Estado. Percorremos cinco países – França, Bélgica, Holanda, Alemanha e Itália, sob a coordenação de Livaldo Gemin. O roteiro técnico iniciou em Paris, na região de Bauce, com visita a propriedade de trigo, cevada, milho, beterraba e batata. Visitamos também a Federação da Agricultura da França (FNSEA) e na Bélgica participamos de reuniões com o Embaixador Brasileiro para Comunidade Europeia e com o Adido Agrícola da Embaixada Brasileira. Na Holanda, visitamos a “Tomatoworld”, empresa que produz 50 variedades de tomates, com produção de 560 toneladas por hectare. Naquele país, também fomos ao Porto de Roterdã, ao Centro de Pesquisas Aplicadas em Bovinocultura de Leite em Lelystad e à For Farmes, empresa que produz diferentes compostos para alimentação animal. Percebemos a necessidade do Brasil coordenar ações para mostrar para o mundo o que fazemos no campo no que se refere à bem estar animal e meio ambiente. Mostrar que estamos produzindo seguindo os critérios exigidos pela legislação e que somente o Brasil possui essas exigências. Ou seja, somos cobrados pelo o que os outros não fazem. Infelizmente, é aquela velha história do

“façam o que eu digo, mas não façam o que faço”. Na Europa ninguém tem obrigação de ter área de preservação. E na Alemanha, além de não possuir mata nativa remanescente, todas as florestas são utilizadas como fonte de recursos, ou seja, obtém lucro com esse tipo de manejo, inclusive as florestas que pertencem ao Estado. Na viagem, observamos claramente que somente os produtores brasileiros são cobrados. Nos países visitados não é exigida a plantação de florestas nas propriedades, nem mesmo às margens dos rios. Para mim, esse cenário foi o que mais chamou a atenção. A diversificação de culturas, algo bastante comum nas propriedades européias, deve e pode ser mais utilizada no Brasil. A tecnologia na atividade leiteira também chamou a atenção. Infraestrutura, estradas, acesso às propriedades, aeroportos e ferrovias, sem falar nos financiamentos e subsídios... Sem comparação. Acredito que o Adido Agrícola vai ter mais força de trabalho nessas principais comunidades de negociação com Brasil, mas os Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, assim como a CNA, precisam repassar as informações, os questionamentos dos produtores e das Federações para as Embaixadas. Esperamos que todos aproveitem bem essa edição, mais uma vez recheada de informação técnica de qualidade. Boa leitura!

Rodolpho Luiz Werneck Botelho

Impressão: Gráfica Positiva

Presidente do Sindicato Rural de Guarapuava

Tiragem: 3.000 exemplares Os artigos assinados não expressam, necessariamente, a opinião da REVISTA DO PRODUTOR RURAL ou da diretoria do Sindicato Rural de Guarapuava. É permitida a reprodução de matérias, desde que citada a fonte.

4

Revista do Produtor Rural

[Homenagens Póstumas] A REVISTA DO PRODUTOR RURAL/Sindicato Rural de Guarapuava solidariza-se com as famílias de Adelcheid Hauth Geier e Regina Gora (homenageada no Dia do Agricultor 2011, como sócia remida). Desejamos que todos encontrem conforto nesse momento de grande dor e saudade.


Revista do Produtor Rural

5


[artigo]

Verdades sobre o

meio ambiente N

o início dos anos 50, o Brasil já tinha passado por vários ciclos econômicos: o extrativismo, a madeira, o café, a cana, entre outros, que foram o sustentáculo da economia brasileira. No entanto, o Brasil ainda era um grande importador de alimentos. Com a população crescendo, o governo viu a necessidade de estimular a produção de alimentos, através de diversas medidas: incentivou a pesquisa; a expansão do plantio, financiando o desmatamento; o uso de várzeas, através do pró-várzeas; entre tantos outros programas. A resposta do campo foi rápida. Hoje o Brasil é o maior produtor de alimentos, suprindo a demanda interna e gerando excessos para exportação, o que mantém o superávit da balança comercial. Além disso, a agricultura já foi a âncora verde, segurando a inflação, e hoje abastece diariamente o prato de comida do nosso brasileiro, rico ou pobre. Começou a produzir energia alternativa, como o álcool, o biodiesel. Para toda essa produção o Brasil não usa nem sequer 20% do seu território, e ainda mantém mais da metade do seu território coberto com florestas: o maior índice de todo o mundo. O mundo assustado com a eficiência da agricultura brasileira, começou através de ONGs a tentar dificultar o crescimento da produção agrícola, usando para isso vários argumentos, como a destruição do meio ambiente, o trabalho escravo etc. Um governo populista e uma imprensa ávida por notícias ruins começaram a aceitar os argumentos das ONGs e estão tentando rotular o produtor de destruidor do meio ambiente, justamente para frear o crescimento e a eficiência da agropecuária brasileira. Vamos refletir um pouco sobre a verdade da preservação do meio ambiente. - O produtor rural doou 20% do seu patrimônio para a preservação do meio ambiente. Qual foi à contribuição das ONGs e da população urbana? - O produtor tem um gasto anual de

6

Revista do Produtor Rural

no mínimo R$ 100,00 por hectare para manter a Reserva Legal e a Área de Preservação Permanente. Qual é a contribuição financeira das ONGs, da população urbana ou mesmo do governo? - Produtor preserva as nascentes, os rios, as matas. Basta observar que os rios entram limpos e saem sujos das cidades e quando passam pelos campos novamente se limpam. No que as ONGs e a população urbana contribuem? O ônus é apenas do produtor. A população urbana polui, o homem do campo limpa. - O produtor planta matas, para que a todo mundo tenha papel, madeira etc. - O produtor abastece a mesa, hoje farta, do brasileiro. - Existem também os bandidos do campo, que exploram ilegalmente as florestas, como existe o bandido da cidade e o político corrupto. No entanto, esse bandido tem que ser combatido com a polícia e a força da lei. - Nos Estados Unidos e na Europa, a natureza está a serviço da população. No Brasil queremos que a natureza esteja a serviço do mundo, sem nenhuma remuneração. - Naqueles países se criaram grandes parques, para proteger a flora e a fauna, como a Floresta Negra na Alemanha, o Yellow Park nos Estados Unidos, o que me parece uma solução inteligente. Aqui queremos criar pequenas frações de florestas, para inviabilizar o pequeno produtor, e o que não resolve a sobrevivência da fauna. - Divulgam-se inverdades quando se fala que com o novo Código Florestal os produtores que desmataram serão anistiados. Ninguém será anistiado, apenas será respeitado o produtor que há muitos anos se instalou na beira do rio, para ter água para a sua criação e a sua própria sobrevivência. Procura-se preservar o produtor que produz arroz nas várzeas e uva nos morros há muitos anos. Vamos matar esse produtor e daí importar arroz e vinho dos nossos vizinhos da Argentina e Uruguai? - A Europa que sabe o que é passar

Anton Gora Produtor rural, presidente do Núcleo Regional dos Sindicatos Rurais do Centro do Paraná e vice-presidente do Sindicato Rural de Guarapuava

fome e sabe valorizar o seu produtor, no início dessa crise fez uma enquete entre os cidadãos urbanos, para reduzir os subsídios, e 80% da população respondeu que os subsídios deverão ser mantidos, 15% respondeu que os subsídios poderiam ser reduzidos e apenas 5% responderam que os subsídios devem ser eliminados. - Nos Estados Unidos os estados que compõem o cinturão de grãos são os que mais rapidamente estão saindo da crise ou não sentiram tanto a crise. Podemos sentir por aí a importância da agricultura, que não pode ser ignorada e nem maltratada. Poderíamos citar ainda milhares de exemplos da importância da agropecuária, da importância do homem do campo na preservação ambiental, mas também podemos citar soluções. Penso que nenhuma lei vai resolver o problema ambiental. Podemos ter o Código Florestal mais perfeito do mundo, mas só a lei é inútil. Precisamos sim criar mecanismos que incentivem a preservação, através de uma educação ambiental e através da participação de todos no custeio, no pagamento dos custos advindos disso. Vamos remunerar o produtor para que ele preserve. Esse é o melhor incentivo, a melhor lei, com os melhores resultados. Vamos todos contribuir: sociedade urbana e governo. Deixem o produtor cuidar do meio ambiente, através de incentivos, e as ONGs que vão cuidar daquilo que realmente é preciso: saúde, educação, vigilância sobre a corrupção, enfim, tem tanta coisa para fazer! O produtor trabalha efetivamente, enquanto alguns componentes das ONGs são remunerados para criar dificuldades. É necessário que a população urbana, a mídia e o governo enxerguem isso e que inibam os excessos. Penso que se essa visão for adotada por todos, teremos alimentos baratos, saudáveis, e um meio ambiente preservado e exuberante.


[Caixa de Entrada]

Para: Sindicato Rural de Guarapuava e Revista do Produtor Rural De: Marcela Melnik – Guarapuava/PR “Gostaria de parabenizar o sindicato pelo excelente trabalho que vem desenvolvendo junto ao produtor rural de nossa cidade e região. Também parabenizo pela última edição da revista. Chamou a atenção o trabalho que vocês tem feito com relação a doações de várias coisas às pessoas mais necessitadas. São pessoas como vocês que fazem grande diferença na vida de muitos outros. A última edição está com conteúdo muito bom, boa amplitude sobre explicações na cultura do milho, sem contar os grandes outros auxílios ao produtor rural”

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Galeski e Fabio L. Garbugio Campina da Lagoa - PR “Gostaria de parabenizar o presidente, colaboradores e parceiros do Sindicato pela realização do evento II Encontro Técnico de Feijão, de grande importância para a cadeia produtiva do feijão, vendo a necessidade de que os agricultores necessitam de um aumento de produção para ter uma melhor rentabilidade na profissão”

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Denilson Bomfim “Em nome da Associação Agroecológica Nossa Senhora Aparecida, quero agradecer pela atenção e esforços para a realização do curso na localidade de Monte Alvão. Agradeço também a atenção e dedicação da instrutora Joelma, que proporcionou conhecimentos e experiência de grande valia para todos. Ficamos gratos e ansiosos para realizar o segundo módulo do curso!

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Cleuza Botelho – Curitiba/PR “Parabéns por todas as atividades que o Sindicato vem oferecendo não só aos associados mas aos interessados de um modo geral. Elas ensinam, orientam e trazem um rumo diferente à vida dos agricultores e pecuaristas proporcionando assim organização, conhecimento, competência e concorrência. Fazendo com que eles estejam a par do mercado nacional e internacional, das novas leis vigentes e das novidades tecnológicas que aparecem. Parabéns mais uma vez aos que dão horas de seus dias para preparar e concretizar possibilidades de cursos, encontros e palestras que corroboram para o engrandecimento do povo da região”

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Eng. Agr. Mariana Martins Marcondes “É com muita satisfação que venho, por meio deste, agradecer a oportunidade de receber a carteirinha número 1.000, representando a nova geração de sócios e produtores rurais. Com grande surpresa, me senti honrada em receber este símbolo tão importante que marcou a história do Sindicato, que vem, desde 1967, lutando pelos produtores rurais. A comemoração foi realizada com uma grande festa e espero continuar acompanhando esta caminhada, juntamente com o Sindicato e todos os seus associados, para o crescimento, desenvolvimento e reconhecimento do produtor rural. Pela grande dedicação aos associados e pelo belo trabalho que vem desenvolvendo perante à sociedade, parabenizo o Sindicato Rural de Guarapuava pelos seus 44 anos e pela marca dos 1.000 sócios”

44 anos Parabéns ao Sindicato Rural (Pelo Facebook)

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Miguel Bentivegna, Resp. Departamento Business COOVAECO TURISMO - Rosario / Argentina “Los productores ficaron felices con todas las visitas y les gustó mucho la experiencia del Sindicato. Muito, muito obrigado por el recibimiento y todas las atenciones”

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Murilo Lustosa Ribas, colaborador do Sindicato Rural de Guarapuava, responsável pela Campanha Sócio Nº 1.000 “O dia 18.10.2011 foi muito especial para todos nós, Presidente, diretores, gerentes e funcionários do Sindicato Rural de Guarapuava, quando me refiro vocês é extensivo a todos aqueles que direta e indiretamente nos ajudaram a ultrapassar a meta de 1.000 sócios ativos. Venceu a perseverança e união de todos, vocês foram muito importantes no desfecho desse projeto. Recebi com satisfação a placa com destaque sobre a minha pessoa, orgulhoso ao ler, ver e saber de importantes trabalhos do Sindicato que venham de encontros com a categoria dos Produtores Rurais. Sinto-me honrado e que esta homenagem fique gravada com um momento de alegria para todos nós. Muito obrigado a todos”.

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Bernardo Ribas Carli, dep. estadual “Impossibilitado de comparecer ao evento cultural alusivo aos 44 Anos do Sindicato Rural de Guarapuava, cumprimento-o pelo gentil convite e desejo que o evento seja coroado de pleno sucesso. Sinto-me honrado em poder corroborar o sucesso do Sindicato ao longo desses anos. Aproveito a oportunidade para parabenizá-lo pelo exímio trabalho frente ao Sindicato Rural de Guarapuava”.

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Sheila Lima, pelo Facebook “Obrigado Sindicato Rural, pelo curso maravilhoso de panificação!!! Valeu demais!!

Para: Sindicato Rural de Guarapuava De: Prof. Dr. Marcelo Cruz Mendes, Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná / UNICENTRO Campus CEDETEG - Guarapuava - PR “Gostaria de parabenizá-los pela reportagem do 60º SIMPAS, evento este, que dividimos com vocês o seu sucesso”

Parabéns a todos, continuem esse trabalho de solidez em prol de nossos produtores rurais. Alcy Fogaça Cizinho Parabéns!!!! Dry Torres Dalzoto Parabéns, muito sucesso profissional, e tudo de bom. Luiz Carlos Sene Parabéns pelo seu aniversário e desejamos a vocês muitas bençãos de Deus...!!! Sabores Finos Chocolates Nobres Feliz Aniversário e sucesso... Dalzoto Guebur Luiz Alberto Parabéns!!! Muita paz e muito sucesso; abraços. José Luís Povroznik

Revista do Produtor Rural

7


Projeto Identidade Sindical Guarapuava Materiais, Assessorias e Serviços

BetoAgro EO

AGRONEGÓCIOS

I

10% nas prestações de serviços

5% de desconto

30% em cursos oferecidos pelo escritório

2% no valor final da negociação

5 a 10% em seguro geral

3% em toda linha de produtos e serviços

Desconto: 5 % na Compra de Pneus e 15 % em Serviços.

10% à vista ou 3% à prazo

15 % em acessórios e serviços

5% sobre valor final da negociação

Posto Guarapuavão 5% no valor final da negociação

2% em diesel, álcool e gasolina sobre o preço da bomba no ato da compra, à vista no cartão ou dinheiro

Fluxo de caixa gratuito, atualizado mensalmente, tanto trabalhos fiscais quanto trabalhos decisoriais

10% em todos os serviços prestados

3% em toda linha de ferramentas e equipamentos de proteção individual

Tecnologia, Saúde e Outros

10% em toda linha farmacêutica/loja em geral

15% na realização de exames radiográficos crânio facial e documentação ortodôntica

5% em peças e serviços e 3% na compra de veículos à vista sem troca

5% em serviços ou equipamentos

5% em compras na loja

7% sobre o valor total das compras/serviços

10% compras à vista no dinheiro, ou 5% no cartão; exceto linha de ração

50% na assinatura nova, em um ano de acesso

Benefícios para produtores rurais associados

PRODUTORA DE VÍDEO 8% em cada material

12% em compras na loja

Insumos Agrícolas

3% na linha de produtos Forquímica

8

1% em produtos IHARA BRÁS S/A

Revista do Produtor Rural

3% em toda linha

3% em toda linha de insumos agrícolas

5% de desconto

3% em toda linha de insumos agrícolas


de ssui a carteirinha * Se ainda não po de l ra ao Sindicato Ru sócio, compareça : se Ba de es s Extensõ Guarapuava ou na . alo ag nt Ca e rdão Candói - Foz do Jo

Produtor rural, apresente a carteirinha* do Sindicato Rural e obtenha descontos nos locais abaixo:

Agroveterinárias

5% em toda loja, exceto linha eqüina Proequi

Máquinas e Implementos Agrícolas

2% produtos nutrição gado de leite - Supra

5% à vista e 3% a prazo ou cartão; exceto vacina aftosa e produtos de promoção na época da compra

3% sobre vendas de máquinas pequenas, peças e serviços

5% nas compras realizadas na loja

3% nos implementos agrícolas, rolos destorroadores e renovador de pastagens

CANDÓI Agroveterinárias e Insumos Agrícolas

Serviços

TERRAPLENAGEM ESCAVAÇÕES

3% em produtos veterinários, ferramentas agrícolas e lubrificantes para pagamento à vista

5% em terraplenagem e escavação, 6% em manilhas/palanques/bebedouros e 3% em materiais p/ construção em geral

5% nos produtos da loja

5% sobre valor final da negociação

Saúde

5% toda linha de medicamentos

Desconto em exames laboratoriais conforme tabela de convênio

15% á vista ou 10% no crediário; para Linha solar, armação e lente de contato

R$ 50,00 a consulta

CANTAGALO Agroveterinárias e Insumos Agrícolas

3% em produtos veterinários, ferramentas agrícolas e lubrificantes para pagamento à vista

5% loja em geral

Materiais, Assessorias e Serviços

5% em ferragens e ferramentas á vista.

15% de desconto em todos os serviços prestados pela empresa

10% em medicamentos veterinários em geral

5% na compra de produtos

Saúde

5% sobre valor final da negociação

10% em toda linha farmacêutica á vista

20% em exames clínicos laboratoriais, ao preço da tabela particular vigente


[Herbicida]

Eficiência de absorção e velocidade de translocação de glyphosate em plantas de azevém Vitor Spader 1; Everton Makuch 2; Danielle Machado 3

Introdução Atualmente existem no mercado brasileiro, diversas formulações e marcas comerciais de glyphosate a disposição do produtor rural, nas formas de concentrado solúvel, solução aquosa concentrada e grânulos dispersíveis em água (RODRIGUES; ALMEIDA, 2005) e com concentrações de equivalente ácido que variam entre 360 e 720g por kg ou litro, de produto comercial. A absorção e a translocação do glyphosate dependem de muitos fatores, como o uso de adjuvantes, estrutura molecular do produto, concentração da calda, formulação, condições climáticas a que as plantas estão submetidas entre outras (KRUSE et al., 2000). A ocorrência de chuvas após a aplicação pode influenciar a absorção do glyphosate (WERLANG et al., 2005), sendo que os melhores resultados do produto são observados quando se têm pelo menos seis horas sem chuva após a aplicação. Formulações como o glyphosate potássico podem ser menos influenciadas pelo efeito da precipitação em relação às outras formulações (MARTINI et al., 2003). O conhecimento do tempo que uma determinada formulação ou marca de produto leva para ser absorvido pelas plantas é uma informação técnica e prática de grande valor para o produtor rural. Isso porque existe uma grande oferta de produtos no mercado, e na hora da escolha geralmente o produtor leva em consideração apenas o custo do produto, o que nem sempre pode refletir na melhor eficiência do manejo. Há poucas informações referentes ao

tempo de absorção e translocação de cada produto comercial de glyphosate, disponíveis na literatura. Devido a isso, o objetivo do presente trabalho foi avaliar a eficácia da absorção e da translocação de diferentes formulações e marcas de glyphosate comercializadas no mercado brasileiro.

Material e métodos Um estudo foi conduzido na área experimental da FAPA, localizada no distrito de Entre Rios, município de Guarapuava - PR, localizado a 25° 33’ S e 51° 29’ W, com 1.100 metros de altitude, durante a safra de inverno 2009. Dois experimentos foram realizados para determinar, de forma indireta, a velocidade da absorção e da translocação de quatro formulações de glyphosate. Para tanto, utilizou-se plantas de azevém (Lolium multiflorum), suscetível ao glyphosate, semeadas em vasos, contendo 6,0 kg de solo cada. Após o desbaste, realizado logo após a emergência, mantiveram-se seis plantas por vaso, as quais foram conduzidas até a fase de afilhamento pleno, quando se foram aplicados os tratamentos. Ambos os experimentos foram realizados em delineamento experimental inteiramente casualizado. Os tratamentos de glyphosate foram Glifos® Plus (480g e.a. L-1), Roundup Transorb® (480g e.a. L-1), Roundup WG® (720g e.a. kg-1) e Zapp Qi® (500g e.a. L-1), todos na dosagem de 960g de equivalente ácido por hectare. Para o experimento de absorção, as plantas foram submetidas a 5 intervalos de chuva simulada de 10 mm: aos 30 minutos, 1, 2, 3 e 6 horas após a aplica-

Figura 1 – Plantas de azevém submetidas à chuva simulada, após a aplicação dos tratamentos herbicidas. FAPA, 2009

ção (HAA) durante cerca de 10 minutos, mais uma testemunha sem chuva e com quatro repetições para cada tratamento (Figura 1). As avaliações visuais de controle foram realizadas aos 07, 14 e 21 dias após a aplicação, utilizando-se uma escala percentual. A testemunha sem aplicação representou 0% de controle, e 100% de controle foi atribuído às plantas totalmente mortas. No experimento de translocação realizou-se o corte das plantas a 1,0 cm do solo (Figura 2), em seis intervalos de tempo após a aplicação: 6, 12, 18, 24, 36 e 42 HAA, com quatro repetições para cada tratamento. A translocação foi avaliada indiretamente pela massa seca do rebrote e pela porcentagem de plantas rebrotadas. O rebrote foi cortado aos 28 dias após a aplicação (DAA), e submetido à secagem em estufa de ar forçado a 70 °C.

Zapp Qi®

R. WG®

R.Transorb®

Revista do Produtor Rural

Testemunha

Figura 2 – Rebrote de plantas de azevém, aos 7dias após o corte, realizado com intervalo de 6 horas após a aplicação. FAPA, 2009.

1 Eng. Agr. M.Sc. Pesquisador herbologia e soja da Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária - FAPA, Entre Rios, Guarapuava, PR. Email: vspader@agraria.com.br 2 Técnico agrícola da FAPA 3 Estagiaria na FAPA, formanda em Agronomia da UNICENTRO, Guarapuava, PR

10

Glifos® Plus


Nos dois experimentos os herbicidas foram aplicados com um pulverizador costal pressurizado com CO2, pressão mantida constante com 1,0 bar, proporcionando vazão equivalente a 150 l ha-1. No momento da aplicação a temperatura era de 20,2 °C e a umidade relativa do ar de 72,1%. Os dados foram submetidos a análise de variância e ao teste de comparação de médias de Dancan, ao nível de significância de 5% de probabilidade.

Resultados e discussão Experimento 1: Absorção - Todos os tratamentos de glyphosate testados controlaram totalmente o azevém, quando aplicados em condições climáticas normais e sem ocorrência de chuva após a aplicação (Tabela 1), indicando que as plantas utilizadas como reagentes foram suscetíveis às diferentes fontes de glyphosate. Todavia, estes tratamentos mostraram-se diferentes entre si, no controle do azevém, com a ocorrência de chuva nos diferentes intervalos após a aplicação (Tabela 1). Esse resultado também foi verificado por Werlang et al. (2005), que trabalharam com formulações de sal de

Tabela 1 – Controle de plantas de azevém com diferentes formulações e marcas comerciais de glyphosate, aos 21 dias após a aplicação. FAPA, 2009. Tratamentos

Intervalos de tempo entre aplicação Tratamentos e a chuva (horas) 0,5

1,0

2,0

3,0

6,0

s/chuva

Glifos® Plus

42 Db

46 Dc

70 Cb

81 Bb

88 ABa

100 Aa

Roundup Transorb®

43 Db

61 Cb

75 Bb

86 Bab

98 Aa

100 Aa

Roundup WG®

56 Ca

65 Bb

88 Aa

89 Aab

96 Aa

100 Aa

Zapp Qi®

56 Ba

88 Aa

91 Aa

94 Aa

99 Aa

100 Aa

Test. sem aplicação

0 Ac

0 ad

0 Ac

0 Ac

0 Ab

0 Ab

C.V. (%)

7,0

11,1

8,4

8,0

7,5

1,8

Médias seguidas pela mesma letra, maiúscula na linha e minúscula na coluna, não diferem entre si pelo Teste de Dancan a 5% de probabilidade.

glyphosate no controle de Bidens pilosa. A ocorrência de chuva aos 30 minutos após a aplicação de glyphosate interferiu na eficiência de todas as formulações, reduzindo o controle em mais de 44% em relação à testemunha sem chuva (Tabela 2). Essa redução na eficiência pode ser atribuída ao curto espaço de tempo entre a aplicação dos tratamentos e a ocorrência de chuva, o qual teria sido insuficiente para a planta absorver o produto, na dose necessária para ocasionar o seu controle. O glyphosate é uma

molécula que tem características hidrofílicas, e apresenta absorção lenta devido à dificuldade do produto em atravessar a cutícula vegetal (MARTINI et al., 2003). Com intervalo de 1 hora entre a aplicação e a ocorrência de chuva, apenas o Zapp Qi® proporcionou controle satisfatório das plantas avaliadas (Tabela 1). Na aplicação de glyphosate potássico em Brachiaria plantaginea, B. decumbens e Digitaria horizontalis, Martini et al. (2003) observaram que com incidência de chuva 1 hora após a aplicação, a média de

Revista do Produtor Rural

11


controle foi de 65%, aos 28 dias após o tratamento, sobressaindo-se em relação às demais formulações avaliadas. A ocorrência de chuva com 2 horas após a aplicação, não apresentou efeito sobre os tratamentos com Zapp Qi® e com Roundup WG®, porém, diminuiu a eficácia de controle dos tratamentos com Glifos® Plus e com Roundup Transorb® (Tabela 1). A partir de 4 horas de intervalo entre a aplicação e a ocorrência de chuva, os tratamentos herbicidas não diferiram entre si no controle do azevém, com exceção do Roundup Transorb®, o qual precisou de 6 horas sem chuva para prpoporcionar um controle semelhante aos demais tratamentos (tabela 1). Todas as formulações e marcas de glyphosate estudadas proporcionam controle total das plantas de azevém, na ausência de chuva após a aplicação. Os resultados obtidos neste estudo indicam que existem diferenças significativas entre as formulações e marcas comerciais de glyphosate avaliadas, quanto ao período necessário, sem a ocorrência

Zapp Qi®

R. WG®

R.Transorb®

Glifos® Plus

Glifos® Plus

Roundup Transorb®

80 Controle (%)

70 60 50 40 30 20 10 0 0,5

1

2

Experimento 2: Translocação – quando as plantas de azevém foram cortadas, no período de 6 horas após a aplicação, não se observaram diferenças entre os tratamentos herbicidas para a variável produção de massa seca da rebrota aos 28 DAA (Tabela 2). Contudo, verificou-se uma maior porcentagem de plantas rebrotadas no tratamento com Glifos® Plus, quando comparado aos demais tratamentos herbicidas, embora estes brotos tenham apresentado crescimento bastante reduzido, até os 28 DAA. Já, na testemunha sem aplicação, todas as plantas rebrotaram após o corte (Tabela 2), comprovando que esta espécie pode ser utilizada como reagente para se medir, de forma indireta, a velocidade de translocação do glyphosate, das folhas até as estruturas de reserva localizadas no solo.

Massa seca do rebrote (g)

Plantas rebrotadas (%)

1,95 b

9,5 b

Roundup Transorb

0,25 b

1,2 c

Roundup WG®

0,18 b

0,7 c

Zapp Qi®

0,21 b

0,9 c

Testemunha sem aplicação

18,43 a

100 a

Coeficiente de variação (%)

12,3

9,0

Médias seguidas pela mesma letra, maiúscula na linha e minúscula na coluna, não diferem entre si pelo Teste de Dancan a 5% de probabilidade.

12

Revista do Produtor Rural

6

Sem chuva

Gráfico 1 – Controle de plantas de azevém com diferentes formulações e marcas comerciais de glyphosate, aos 21 dias após a aplicação. FAPA, 2009.

Tabela 2 - Massa seca e porcentagem de rebrote (aos 28 dias após o corte), de plantas de azevém submetidas ao tratamento com diferentes fontes de glyphosate e cortadas com intervalo de 6 horas após a aplicação. FAPA, 2009

®

3

Intervalos entre aplicação e ocorrência de chuva (horas)

de chuva, para serem efetivamente absorvidos pelas plantas. Situações como esta, ocorrem com bastante freqüência a nível de campo, podendo refletir diretamente na eficácia do tratamento no controle das plantas alvo.

Glifos Plus

Test. sem aplicação

90

Testemunha

®

Zapp Qi®

100

Figura 3 – Rebrote de plantas de azevém, aos 7dias após o corte, realizado com intervalo de 42 horas após a aplicação. FAPA, 2009.

Tratamentos

Roundup WG®

Com intervalos a partir de 12 horas entre a aplicação e o corte, todas as plantas apresentaram baixas porcentagens de rebrote e a produção de massa seca foi insignificante, em todos os tratamentos herbicidas, o que indica que os produtos atingiram as estruturas de reserva, abaixo do ponto de corte, e que a quantidade translocada até esse ponto, foi suficiente para inibir a rebrota das plantas.

Referências bibliográficas: KRUSE, N. D.; TREZZI, M. M.; VIDAL, R. A. Herbicidas inibidores da EPSPS: revisão de literatura. Revista Brasileira de Herbicidas, v. 1, n. 2, p. 139-146, 2000. MARTINI, G.; PEDRINHO JR, A. F. F.; DURIGAN, J. C. Eficácia do herbicida glyphosate-potássico submetido à chuva simulada após a aplicação. Bragantia, v. 62, n. 1, p. 39-45, 2003. RODRIGUES, B. N.; ALMEIDA, F. S. Guia de herbicidas. Londrina: Edição dos autores, 2005. 592 p. WERLANG, R. C.; SILVA, A. A.; FERREIRA, L. R.; MIRANDA, G. V. Efeito da chuva sobre a eficácia de diferentes formulações de glyphosate no controle de Bidens pilosa. Revista Brasileira de Herbicidas, v. 1, n. 1, p. 25-38, 2005.


Revista do Produtor Rural

13


[Plantas daninhas]

Perspectivas positivas para a cultura do milho incentivam boas práticas agrícolas Produtores estão mais atentos a fatores que podem prejudicar a produtividade da lavoura

D

ados divulgados pela consultoria Céleres apontam que a área plantada de milho na safra verão deve chegar a 8,2 milhões de hectares para garantir uma produção de 36 milhões de toneladas do grão (quase 10% a mais do que em 2010/2011). Os produtores têm ficado cada vez mais atentos às técnicas e soluções que previnam e controlem fatores que possam gerar prejuízos à lavoura, como as plantas daninhas. Henrique Antônio Morais, consultor da Xecape Rural, afirma que já foram registradas perdas de até 35% em culturas de milho, em função das plantas daninhas que competem com o cultivo na absorção de nutrientes, luz, água, espaço

14

Revista do Produtor Rural

e efeitos alelopáticos. Segundo Morais, no sistema de plantio direto, um bom manejo começa na dessecação, com pelo menos dez dias de antecedência, sendo fundamental o conhecimento técnico das espécies daninhas, bem como sua distribuição e densidade populacional. “Com essas informações, o agricultor seleciona o modelo de manejo com herbicidas que possuam mecanismos distintos de ação e sejam preferencialmente diferentes dos utilizados na cultura anterior, pois evita-se ou dificulta-se o surgimento de biótipos resistentes”, afirma o consultor. “Já no manejo pós-emergente, os produtos devem ter características de seletividade e efeito residual, para serem utilizados nos

estágios iniciais da cultura, evitando que as populações ressurjam”, acrescenta. De acordo com Ronaldo Yugo, gerente de Produtos Herbicidas da Bayer CropScience, o manejo adequado faz parte das boas práticas agrícolas, que garantem mais produtividade, qualidade, credibilidade e rentabilidade ao produtor. “O retorno sobre o investimento em prevenção e controle será mensurado no momento da negociação, em que o produtor ganhará escala e diferencial perante os demais”, enfatiza. Parceira do produtor do plantio à colheita, a Bayer CropScience oferece em seu portfólio o Soberan®, herbicida de alta performance e sistêmico, que controla em pós-emergência plantas daninhas de folhas estreitas e largas. Soberan® pode ser aplicado durante o processo de Plantas daninhas competem com o cultivo na absorção de nutrientes, luz, água, adubação nitrogenada em qualquer époespaço e efeitos alelopáticos. ca, permitindo o complemento de nitrogênio necessário para o desenvolvimento das plantas sem restrição. Além disso, é indicado para o manejo do mato que compete com a lavoura, sem prejudicar o cultivo de milho. Sua ação ocorre rapidamente, com apenas uma aplicação.


Proteção de Cultivos

Soberan® é um herbicida de alta performance e sistêmico, que controla em pós-emergência plantas daninhas de folhas estreitas e largas. Na foto, Karol Czelusniak, Desenvolvimento de Mercado e Marketing da Bayer.

A Bayer CropScience acredita que pesquisa e inovação são a chave para os desafios da agricultura mundial, como a crescente demanda por alimentos, rações, fibras e matérias-primas renováveis, além de fatores como áreas restritas para a agricultura, falta de água e mudanças climáticas. Dessa forma, a empresa investe todos os anos aproximadamente € 500 milhões na pesquisa e no desenvolvimento de produtos modernos e inovadores, de alto desempenho e com excelente perfil ambiental. Com forte posição global e líder em diversos segmentos, a Bayer CropScience oferece aos agricultores um amplo portfólio de defensivos agrícolas como inseticidas, fungicidas, herbicidas e produtos para o tratamento de sementes, além de soluções sustentáveis e integradas que visam, principalmente, à melhoria da produtividade e da qualidade das lavouras. E é por tudo isso que a empresa vive, todos os dias, a missão “Science For A Better Life” (Ciência para uma Vida Melhor).

Sobre a Bayer CropScience O Grupo Bayer é uma empresa global cujas principais atividades são focadas nas áreas de saúde, nutrição e materiais de alta tecnologia. A Bayer CropScience AG, subgrupo da Bayer AG e com faturamento anual em torno de EUR 6,830 bilhões (2010), é uma das líderes mundiais em inovação no segmento de ciências agrícolas voltadas para as áreas de Proteção de Cultivos, Sementes e Traits, além de Controle de Pragas Não-Agrícolas (Saúde Ambiental). A empresa oferece uma excelente gama de produtos e extensivos serviços de apoio tanto para o desenvolvimento de uma agricultura moderna e sustentável como para aplicações na área de Saúde Ambiental. A Bayer CropScience conta com uma força de trabalho global de mais de 20.700 colaboradores e está presente em mais de 120 países. No Brasil, faz parte do Grupo Bayer, com 115 anos de atuação no País e aproximadamente quatro mil colaboradores. A Bayer CropScience, no Brasil, conta com mais de mil colaboradores, uma instalação industrial em Belford Roxo (RJ) e um Centro de Pesquisa e Inovação no Estado de São Paulo. Acesse nosso site: www.bayercropscience.com.br

Revista do Produtor Rural

15


[IR e solidariedade]

Imposto beneficente Sueli Karling Engenheira Agrônoma Mestre em Economia, Doutora em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná

P

agar imposto de renda muitas vezes cipal dos Direitos da Criança e do Adoé inevitável e sempre é desagradálescente – COMDICA. Este, por sua vez, é vel, já que o retorno por parte do um conselho paritário, ou seja, formado governo é, quase que na totalidade, fruspelo mesmo número de órgãos governatrante, diante da inércia no investimento mentais e de não-governamentais. Para dos recursos arrecadados. Mas existe uma aumentar ainda mais a credibilidade da maneira de diminuir este desconforto, operação, esse conselho reporta-se obridestinando parte desse pagamento para gatoriamente ao Tribunal de Contas. E entidades assistenciais que sabidamenpor último, talvez a maneira mais efetiva te são carentes. Carentes de atenção por de checar a destinação dos recursos seja parte da sociedade como um todo e cauma visita a essas entidades e conferir o rentes de cuidados por parte das entidaresultado decorrente desta ação. des mantenedoras, não necessariamente No município de Guarapuava exispor falta de vontade tem dez instituições de seus integrantes, registradas no COMDIO pagamento deste mas principalmente CA, legalizadas, conrecurso deve ser feito por falta de recursos. forme o Estatuto da ate 30 de dezembro de Recursos esses que Criança e do Adolescada ano, o que obriga podem ser supridos cente, Lei Federal n. o contabilista antecipar em grande parte com 8069/90. É possível a previsão do tributo a nossa ajuda, simeleger especificamenplesmente destinando te qualquer uma delas uma determinada paratravés da destinação cela do Imposto de Renda, que já somos ¨casada¨ ou simplesmente enviar para o obrigados a recolher, para o Fundo para FIA, que se encarregará de distribuir os Infância e Adolescência – FIA. recursos, assim como 10% das destinaO FIA foi criado em 1991 para capções casadas, igualitariamente entre as tar verbas destinadas a políticas, ações entidades. e programas voltados para a proteção da São elas: criança e do adolescente. Obviamente, descrentes como esta• Associação de Pais e Amigos dos Defimos da eficácia dessa destinação, a primeicientes Visuais • Associação de Amigos ra dúvida que surge é se realmente essas da Pastoral da Criança • Associação de verbas chegam às mãos daqueles que de Pais e Amigos dos Excepcionais • Assofato necessitam ou se é mais uma maneira ciação Canaã de Proteção aos Menores de driblar o sistema fazendo uso da soli• Associação Beneficente das Senhoras dariedade humana. Segundo a Doutora de Entre Rios • Caritas Socialis • Centro Dinari Estrela Pereira, advogada com larga Educacional João Paulo II • Centro de experiência em relação ao funcionamento Nutrição Renascer • Fundação Proteger • desse processo, os instrumentos de fiscaInstituto Educacional Dom Bosco. lização conferem bastante transparência à destinação desses recursos. A prática de destinação de imposA aplicação do montante arrecadado to de renda ainda é, de maneira geral, pelo FIA é decidida pelo Conselho Munimuito aquém do que poderia ser, pro-

16

Revista do Produtor Rural

vavelmente por falta de informação, de iniciativa, ou ainda de conscientização de que este recurso pode ficar no nosso município e operar efetivas transformações na nossa sociedade. O pagamento dessa verba deve ser feito até 30 de dezembro de cada ano, o que obriga o contabilista a antecipar a previsão do tributo, porém é sabido que os mais organizados já têm como rotina a previsão antecipada, mesmo porque, até o penúltimo dia do ano é possível que se tome algumas decisões para que de maneira legal paguemos menos impostos. Quanto à antecipação do pagamento, sejamos sensatos, antecipar 6% do inevitável desembolso, a um custo de remuneração do capital de, por exemplo, 12% ao ano, nos custará 4% dos 6% do total, já que anteciparemos 4 meses a data de pagamento, não nos prejudica em praticamente nada. Então por que não destinar? Na prática o funcionamento é bastante simples: • Pessoas Físicas podem contribuir com até 6% do total do Imposto de Renda a ser recolhido, através do preenchimento com o nome e o CPF no boleto cedido pelo COMDICA e então efetuar o depósito no banco indicado até 30/12, não se esquecendo de guardar o recibo para a comprovação no momento da declaração. • Pessoas Jurídicas tributadas pelo lucro real podem destinar 1% do imposto de renda mensal, trimestral ou anual também através do deposito no banco com o boleto devidamente identificado com a razão social e CNPJ. Cabe esclarecer que o contribuinte não paga nada a mais por isso. Se tem imposto a pagar, o valor investido é abatido da parcela a recolher. Se tem imposto a restituir, o valor destinado aos projetos é acrescido à restituição.


Conheça as entidades registradas no COMDICA: ENTIDADE

ATUAÇÃO

PÚBLICO

ENDEREÇO

Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Visuais - APADEVI

Serviço de Convivência e Fortalecimento de vínculos para pessoas com deficiência visuais e seus familiares, bem como, defesa e garantia de direitos, visando o protagonismo de seu usuário.

Possui 110 alunos.

Associação de Amigos da Pastoral da Criança – AAPAC

Assessoramento na promoção, defesa e garantia de direitos visando o protagonismo do usuário na política de assistência social.

Atende 12.352 Rua XV de novembro, nº7.466, Centro crianças e 814 Guarapuava – PR. gestantes.

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais APAE

Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência e suas Famílias, garantindo o de direito de seus usuários na política de assistência social

Possui 450 alunos.

Rua Luiz Ciscato, nº 75, Bairro Santa Cruz e Extensão do mesmo serviço na APAE – Rural, situada na BR 277 Km 340, Guarapuava – Pr.

Associação Canaã de Proteção aos Menores

Serviço de acolhimento institucional para crianças e adolescentes, enquadrando-se na Proteção Social Especial de Alta Complexidade

Atende, atualmente, 33 pessoas (de 5 a 18 anos)

Col. Cachoeira, PR 540, Distrito de Entre Rios, Guarapuava – PR

Rua Capitão Virmond, n° 3494, Bairro Santa Cruz, Guarapuava – PR.

Revista do Produtor Rural

17


ENTIDADE

ATUAÇÃO

PÚBLICO

ENDEREÇO

Associação Beneficente das Senhoras de Entre Rios

Serviço de convivência e Fortalecimento de Vínculos atendendo crianças, adolescentes e suas famílias, no Programa Projeção.

Possui 350 inscritos.

Rua Projetada, s/nº, Vila Nova Esperança, Distrito de Entre Rios, Guarapuava – Pr.

Caritas Socialis

Serviço de Proteção Social Básica de Convivência e Fortalecimento de vínculos e a prevenção de ocorrência de risco pessoal e social de crianças, adolescentes e famílias em situação de vulnerabilidade social, bem como assessoramento e capacitação para grupos populares.

Atende 163 crianças e adolescentes.

Rua Alípio Marcondes, n°550, Bairro Bonsucesso, Guarapuava–PR. e Extensões: - Rua Rubens Fleury da Rocha, nº1312, Bairro Bonsucesso, - Avenida Mary Thompson Milazzo, nº 240, Bairro Jardim das Américas - Rua Projetada C, s/nº, Bairro Industrial.

Centro Educacional João Paulo II

Serviço de Proteção Social Básica de Convivência e Fortalecimento de vínculos para crianças, adolescentes e suas famílias.

Atende 320 crianças.

Rua Bernardino Roseira de Lacerda, n° 532, Morro Alto, Guarapuava – PR.

Centro de Nutrição Renascer

Serviços de convivência e fortalecimento de vínculos, Serviço de Proteção Social Especial, para pessoas com deficiência e suas famílias.

Atende 150 crianças por mês.

Rua: Frei Caneca, n°25, Bairro Santana, Guarapuava – PR.

Instituto Educacional Dom Bosco

Proteção Social Básica: Serviço de Convivência e Possui 400 Fortalecimento de vínculos - Programa de Incentivo a alunos. educação profissional Juvenil; Projeto Despertar- Oficinas; Programa Jovem Aprendiz; Programa de promoção ao Protagonismo Familiar; Projeto Buscando SaberProfissionalização de Adultos; Projeto Mulheres Talentos. Proteção Social Especial de Média Complexidade: Serviço de Atendimento ao Adolescente em cumprimento de medida Sócio-educativa em meio aberto Liberdade Assistida e prestação de Serviços à Comunidade; Programa Construindo o Amanhã; Projeto Alimentando Vidas.

Fundação Proteger

Serviço de Proteção Social Especial de Alta Complexidade: Acolhimento institucional para crianças e adolescentes.

18

Revista do Produtor Rural

Atende 93 crianças.

Rua Guaicuru n° 763, Vila Carli Guarapuava – PR.

Rua Barão do Rio Branco, n°1393, Centro, Guarapuava–PR. A Fundação Proteger executa em suas extensões ações de proteção social especial para crianças e adolescentes, Acolhimento especial, na Rua Fernando Lisboa, nº118, Bairro Santa Cruz, Acolhimento Casa Lar Vila Bela, na Avenida Aragão de Mattos Leão, nº900, Bairro Vila Bela, Casa Lar Batel, na Rua Cônego Braga, nº1594, Bairro Batel, Casa Lar Alto da XV, na Rua Alcione Bastos, nº137, Alto da XV, Casa Lar Vila Carli, na Rua dos Botucudos, nº786, Bairro Vila Carli. Projeto Espaço da Acolhida, na Rua Beija Flor, nº97, Bairro Recanto Feliz. Acolhimento institucional Berçário Municipal, na Rua Salvatore Renna, nº100, Bairro Santa Cruz. A entidade executa Serviço de Proteção Social Especial de média complexidade para adolescentes: Formando Cidadão: Liberdade Assistida–LA e Prestação de Serviço à Comunidade-PSC, na Rua dos Butiazeiros, s/ nº – Bairro Morro Alto Guarapuava – PR.serviços e Projeto Criança Cidadã - Serviço de Proteção Social Especial de média complexidade para crianças e adolescentes em situação de rua, na Rua Pedro Alves esquina com a Rua Resedá, s/ nº, Bairro Batel.


[Bataticultura]

A união entre produtividade e qualidade no cultivo da batata Por Mário Ikeda Gerente de Desenvolvimento de Produtos da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF para a América Latina.

A

batata é o quarto alimento mais consumido no mundo. Apesar de ser alimento básico na Europa, o tubérculo é originário da América do Sul, de onde foi levado pelos antigos colonizadores para o chamado “Velho Mundo”. Por se tratar de um produto agrícola comercializado “in natura” ao consumidor final a qualidade do produto é tão importante quanto a quantidade produzida, e o produtor de batata tem consciência de que a união dos dois fatores é primordial para garantir a rentabilidade do negócio. Em solo brasileiro, em média cerca de 100 mil hectares de batata são cultivados, e, a produção distribuída em três safras ao longo do ano, atinge em torno de 2 milhões de toneladas/ano. Concentrada na região centro sul do país, as lavouras estão suscetíveis a doenças como requeima ou mela, pinta preta, sarna, canela preta, entre outras. A pinta preta, causada pelo fungo Alternaria solani, por exemplo, promove principalmente danos na área foliar da batata, reduzindo diretamente a produtividade. A requeima ou mela é causada pelo fungo Phythophythora Revista do Produtor Rural

19


infestans que ataca principalmente a parte aérea das plantas. Um correto manejo com fungicidas auxilia o produtor a garantir a qualidade e a produtividade da cultura. A BASF possui um sistema de manejo que proporciona o excelente controle destas duas doenças citadas e, adicionalmente, efeitos fisiológicos positivos na planta, denominado de Sistema AgCelence®. Para se obter os melhores resultados dos benefícios do Sistema AgCelence® na cultura da batata, o fungicida Cabrio® Top deve ser aplicado sempre na forma preventiva (antes da presença dos sintomas das doenças indicadas na bula). A primeira aplicação do Cabrio® Top deve ser realizada por volta de 15 a 20 dias após a emergência da cultura e repetida com intervalo de 7 a 14 dias dependendo da doença (pelo menos três a quatro aplicações no ciclo). Com isso, o produtor tem uma planta mais saudável, verde e resistente a estresses. Os benefícios do Sistema AgCelence®, ocorrem devido à redução da produção de etileno, aumento na atividade da enzima nitrato redutase (NR) e redução momentânea da respiração da planta tratada. Outro benefício da aplicação do Cabrio® Top é a menor incidência de vírus e bactérias nas áreas tratadas. A aplicação do fungicida estimula a resistência natu-

20

Revista do Produtor Rural

ral da planta a estes agente biológicos, não sendo uma ação direta do produto. As diversas áreas demonstrativas realizadas com o programa de aplicações BASF em batata, têm comprovado todos os benefícios acima citados. Em média, a produtividade das áreas que utilizaram o Sistema AgCelence® Batata tiveram um incremento médio de 10% na produtividade. Além do sistema, o produtor deve buscar o tratamento para as outras enfermidades com o auxílio de diferentes defensivos agrícolas devidamente registrados para este cultivo. O controle deve ser feito de forma preventiva com fungicidas protetores (Polyram® DF, produtos a base de clorotalonil, etc.). Para o manejo da requeima, uma mistura pronta de dois principios ativos cymoxanil e mancozeb. Já para o manejo de pinta preta, sugere-se a aplicação sequencial do fungicida Cantus®, além dos fungicidas protetores já citados. Sendo a batata um alimento importante na mesa do consumidor, o agricultor deve estar atento às novas tecnologias para garantir a qualidade e produtividade da sua lavoura. Afinal, está nas mãos desse empreendedor rural a tarefa de produzir mais na mesma área e utilizando menos recursos naturais e assim trilhar o caminho correto para suprir a demanda mundial por alimentos.

Mário Ikeda

- Os produtos citados estão devidamente cadastrados no MAPA, Cabrio Top 01303, Cantus 07503 e Polyram DF 01603. - Aplique somente as doses solicitadas. Descarte corretamente as embalagens e restos de produtos. Incluir outros métodos de controle de doenças/pragas/ plantas infestantes (ex.: controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa do Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados. Para mais informações referente recomendações de uso do produto e ao descarte correto de embalagens, leia atentamente o rótulo, a bula e o receituário agronômico do produto.


Revista do Produtor Rural

21


[Notas]

Sindicato Rural emite mais de 820 declarações de ITR Terminou no dia 30 de setembro, o prazo para os proprietários rurais apresentarem a declaração do Imposto Territorial Rural (ITR). O Sindicato Rural preencheu e entregou 828 declarações do imposto em Guarapuava e nas Extensões de Base Candói/Foz do Jordão e Cantagalo, um aumento de 10% em relação ao ano passado. Neste ano, os produtores rurais tiveram 40 dias para emitir o documento, mas quem perdeu o prazo, ainda pode declarar. No entanto, terá que pagar multa, além de juros e correção monetária. Enquanto não colocar o imposto em dia, o proprietário fica impedido de obter a Certidão Negativa de Débitos (CND) da Secretaria da Receita Federal (SRF), indispensável nas transações imobiliárias. O atraso na entrega do ITR também impede o proprietário de obter financiamentos ou crédito junto a instituições financeiras oficiais.

Expogua em fotos Uma exposição itinerante de fotografias da XXXVI Expogua passou pela sede do Sindicato Rural, em Guarapuava. As fotos retratam a diversidade da exposição sob as lentes da assessoria de imprensa do evento e dos alunos dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, orientados pelo professor de fotografia, Clerio Back, da Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unicentro). As fotos ficaram na entidade até o dia 14 de outubro, depois seguiram para o câmpus Cedeteg e de Irati. Por fim, as fotos serão entregues à Sociedade Rural de Guarapuava.

Vitor Hugo Zanette, Luciana Q. Bren, Francismar Formentão, Mariana Rudek e Bruno Hilgemberg

Safras & Cifras presta consultoria aos sócios do Sindicato Rural Uma parceria entre o Sindicato Rural de Guarapuava e a empresa Safras & Cifras está proporcionando aos associados da entidade o benefício de esclarecer dúvidas sobre os mais diferentes assuntos relacionados à gestão rural. Especialistas da Safras & Cifras respondem perguntas relacionadas a preenchimento de declarações, intimações fiscais, CCIR, vistorias, compra e venda de imóveis rurais, arrendamentos, parcerias e sucessão familiar, entre outras. Em outubro, várias reuniões sobre sucessão familiar foram realizadas na

22

Revista do Produtor Rural

sede da entidade, com famílias de produtores rurais. Segundo Patrícia Petter Mittelstedt, consultora da empresa, os atendimentos são individuais. “Atendemos cada produtor individualmente, dando enfoque na sucessão familiar para um melhor gerenciamento da propriedade”, explica. Safras & Cifras é uma empresa de consultoria que atua no agronegócio brasileiro desde 1991, em 12 estados, orientando produtores nas áreas de sucessão familiar, gestão tributária, fundiária, econômica e financeira, contábil, fiscal e imobiliária.


[Direito ambiental]

Bioma Mata Atlântica Aspectos legais

Franciele G. Lacerda de Pieri Advogada, Especialista em Direito Ambiental e Doutoranda em Direito. Professora da disciplina de Direito Ambiental. franciele@lacerdadepieri.com.br

A

pós 14 anos de tramitação de projeto, em 2006 foi aprovada a Lei Federal nº 11.428, que disciplina a utilização e proteção da vegetação nativa supérstite do Bioma Mata Atlântica, alcançando 17 Estados brasileiros. A partir da classificação dos biomas brasileiros, o Estado do Paraná, por exemplo, tem a integralidade de sua extensão territorial compreendida pelo Bioma Mata Atlântica (vide mapa abaixo), sendo, portanto, aplicável a novel legislação às áreas do Estado, nos termos abaixo demonstrados. Primeiramente, é indispensável lembrar que a previsão quanto aos grandes biomas brasileiros decorre do texto da Constituição Federal de 1988. O artigo 225 da Constituição – cláusula geral a disciplinar o tema “meio ambiente”, estabelece em seu parágrafo 4º que: “A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, A Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio Nacional, e sua utilização far-se-á na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.” (grifos nossos) A Lei Federal nº 11.428/06, ao regulamentar a utilização das áreas compreendidas neste Bioma, busca a concretização do desenvolvimento sustentável e a conservação dos recursos ambientais e saúde humana, cumprindo o supracitado ditame constitucional e os princípios gerais do direito ambiental. É importante ressaltar que dentre os princípios de direito ambiental aludidos na Lei da Mata Atlântica, o legislador, nos mesmos passos da Carta Constitucional, previu o indispensável “respeito ao direito de propriedade”. (conforme artigo 6º, parágrafo único) Nos termos do artigo 2º da lei, integram o Bioma Mata Atlântica “as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas delimitações estabelecidas em mapa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE,

conforme regulamento: Floresta Ombrófila Densa; Floresta Ombrófila Mista, também denominada Mata de Araucárias; Floresta Ombrófila Aberta; Floresta Estacional Decidual, bem como os manguezais, as vegetações de restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste”. (mapa abaixo) No tocante à aplicação dos regulamentos trazidos pela lei, é indispensável observar que inobstante a abrangência do Bioma, nem todas as áreas tem sua Vegetação/ Estágio

disciplina prevista na lei pois o parágrafo único do mesmo artigo 2º esclarece que “somente os remanescentes de vegetação nativa nos estágios secundário, inicial, médio e avançado de regeneração na área de abrangência definida no caput deste artigo terão seu uso e conservação regulados por esta lei”. Nesse sentido, quanto ao corte e/ou supressão de tal vegetação em seus diferentes estágios, o quadro abaixo, auxilia a compreensão da aplicação dos institutos, vejamos;

Vegetação Primária

Vegetação Secundária

Estágio inicial de regeneração

• corte e supressão condicionados à autorização do órgão ambiental; • se no Estado a vegetação primária e secundária remanescente for inferior à 5% da área original, será submetido ao regime jurídico da vegetação secundária em estágio médio de regeneração;

Estágio médio de regeneração

• corte e supressão proibidos quando por exemplo não houver cumprimento às regras do Código Florestal; • corte ou supressão autorizados em caráter excepcional, condicionados à autorização e mediante compensação ambiental compensação ambiental ou reposição florestal;

• a supressão somente pode ser autorizada por razões de utilidade pública e interesse social; • corte ou supressão condicionados à compensação ambiental ou reposição florestal;

Estágio avançado de regeneração

• corte e supressão proibidos quando por exemplo não houver cumprimento às regras do Código Florestal; • a supressão somente pode ser autorizada por razões de utilidade pública; • corte ou supressão autorizados em caráter excepcional, condicionados à autorização e mediante compensação ambiental compensação ambiental ou reposição florestal;

• a supressão somente pode ser autorizada por razões de utilidade pública; • corte ou supressão condicionados à compensação ambiental ou reposição florestal;

É importante lembrar que a lei autoriza a “coleta de subprodutos florestais tais como frutos, folhas ou sementes , bem como as atividades de uso indireto”, o que também está diretamente ligado ao debate quanto à relação entre a Lei da Mata Atlântica e o Código Florestal, especialmente no que se refere às áreas de Reserva Legal Florestal. Nesse sentido o artigo 35 da Lei nº 11.428/06, prevê que a conservação de vegetação primária ou secundária em qualquer estágio de regeneração, além de corroborar ao cumprimento da função social da propriedade, ainda poderá ser utilizada pelo proprietário rural para o cômputo de percentual de Reserva Legal, em cumprimento ao que preconiza o Código Florestal brasileiro. Para finalizar, faz-se mister destacar que a não observância aos preceitos da Lei da Mata Atlântica pode configurar crime ambiental, com pena de detenção e multa, nos termos estabelecidos no artigo 38-A da Lei 9.605/98

Revista do Produtor Rural

23


[Entressafra]

Análise conjuntural do mercado do boi gordo no Paraná Caroline Bastos Balbinot / Thiago Augusto Cruz / João Batista Padilha Junior / Paulo Rossi Junior / Amanda M. S. Schuntzemberger LAPBOV/UFPR www.lapbov.ufpr.br

O

preço da @ do boi gordo sofre grande variação entre os anos e entre os meses dentro de um ano. Entre os anos essa variação ocorre devido ao ciclo pecuário. Já dentro do ano, devido ao pico de preços ocasionado pelas variações na oferta de animais ao longo do ano, como se pode verificar na figura abaixo.

comercialização na própria entressafra e as variações climáticas do estado. Porém, se comparado ao mesmo período do ano passado, os preços da arroba do boi gordo serão menores. Isso porque o pico de preços da entressafra de 2011 já ocorreu em agosto, com o Indicador do preço da arroba do boi gordo, calculado pelo LAPBOV/UFPR, chegando à R$ 99,45

PRIMAVERA / VERÃO OUT

NOV

Preço do boi gordo mais elevado

DEZ

JAN

Aumento da produção de forragens

FEVI

MAR

Aumenta oferta de animais para abate

Aumento preço boi gordo

Queda preço boi gordo

Reduz oferta de animais para abate SET

AGO

Queda da produção de forragens JUL

JUN

OUTONO / INVERNO

Preço do boi gordo mais baixo MAI

ABR

FIGURA 1 – Ciclo anual da pecuária de corte da região centro-sul do Brasil FONTE: Adaptado de MEDEIROS e MONTEVECHI, 2005

O mês do outubro é comumente considerado o pico da entressafra do boi gordo, ou seja, é uma época em que o preço da arroba acumula valorização devido à baixa oferta de animais para o abate. Estes preços mais elevados são conseqüência de situações ocorridas nos meses que antecedem outubro, como os confinamentos que visam à liberação de áreas de pastagem, a obtenção do boi gordo para

no dia 05/08/2011. Desde julho, verifica-se um aumento da oferta de animais para o abate, o que justifica a não ocorrência de um pico de preços no mês de outubro. Essa maior oferta é consequência das estratégias adotadas pelos pecuaristas, que começaram a entender a importância de manter a oferta estável ao longo de todo o ano. Tais estratégias referem-se principalmente ao confinamento, à suplementação

de animais a pasto e à implantação de forrageiras de inverno. Analisando o Indicador dos preços da arroba do boi gordo no Estado do Paraná observou-se que, quando comparados com o último mês de setembro (quando a média dos preços reais foi de R$ 95,52), os preços caíram cerca de 3% nas duas primeiras semanas de outubro de 2011, com a média dos preços fechando em torno de R$ 92,72. Numa comparação com o mesmo período do ano passado (duas primeiras semanas de outubro de 2010) houve queda de 0,88%. Outra causa dessa baixa nos preços se deve, em parte, à diminuição das exportações. A Rússia, que até então era uma das principais compradoras de carne do país, no momento em que embargou as exportações de carnes em julho deste ano, fez o volume de exportações de carne bovina reduzir drasticamente no país e no estado do Paraná. Com isso, o Brasil deixou de exportar um volume considerável de carnes para um mercado de preços mais altos e cortes mais nobres. Uma parte do que deixou de ser exportado para a Rússia foi destinado para mercados mais instáveis e que demandam produtos de menor valor. Outro tanto foi absorvido pelo próprio mercado brasileiro e, de acordo com a lei da oferta e da procura, quanto maior a oferta de um produto menor é o seu preço no mercado. Como já é de se esperar, carnes com preços menores pressionam o restante da cadeia fazendo com que os preços da arroba do boi gordo retraiam. Os pecuaristas, percebendo essa queda de preços, aumentaram a oferta de animais para o abate, a fim de tentar evitar vender animais com preços ainda menores.


[Monitores e sensores]

Semeadura sem olhos vendados Pellisson Kaminski - Eng. Agrônomo

A

semeadura é uma das principais etapas no processo produtivo e, errar no início desse processo, temos a certeza de redução de produtividade, perda de tempo, trabalho, insumos e um aproveitamento da propriedade abaixo da sua real capacidade produtiva. A utilização de monitores em semeadoras quando bem utilizado, pode trazer grandes benefícios ao produtor e um dos mais visíveis é a possibilidade de dispensa de auxiliares ou os chamados em nossa região “rabeiros”. É praticamente impossível o operador detectar, em um curto espaço de tempo, todos os imprevistos que ocorrem como: quebra de corrente, falta de adubo, entupimento de adubo e/ou semente, falha do disco, quebra de pino, quebra de eixo ou engrenagem, disco preso, entre outros que nos leva a ter falhas de semeadura muitas vezes de centenas de metros. Esses sensores são capazes de acusar rapidamente uma população inadequada o que fará com que um operador capacitado consiga identificar o problema e o corrija evitando falhas durante a semeadura. O monitoramento do trabalho é outro fator importante quando se está registrando os dados. Após uma velocidade estabelecida, com esse monitor é possível saber quando, onde e, se for o caso, qual o operador que ultrapassou o limite de velocidade sendo possível verificar erros ocorridos em função da velocidade inadequada no local. Outra questão importante é a discutida velocidade. A velocidade adequada pode variar de acordo com a máquina e o que geralmente vemos é uma discussão sobre qual a velocidade ideal como se não tivéssemos intervenção de outras variáveis. Caso tenhamos uma velocidade ideal para um determinado tipo de semeadora de 4km/h e semearmos a 3,5km/h teremos um rendimento 12,5% menor e que nos fará superestimar a aquisição de uma máquina por causa de nossa janela de semeadura e, conseqüentemente, termos um custo de produção maior desnecessariamente. Com um histórico e análise dos dados gerados poderemos chegar a uma velocidade ideal para aquela máquina, naquele tipo de terreno, para aquele tipo de solo, naquela umidade. Hoje ainda, já existem sensores capazes de registrar mais dados além das densidades por linhas de sementes, velocidades e área trabalhada. Esses “novos” monitores e sensores registram dados de ocorrências na semeadura de grãos duplos, falhas, espaçamento entre sementes; enfim, tudo que a tecnologia pode oferecer para que o plantio de milho se aproxime bastante do ideal. Claro que hoje, em nosso país, precisamos não só de monitores e sensores adequados que nos mostrem os nossos erros e acertos, mas de semeadoras que tenham uma variabilidade de distribuição, principalmente de fertilizantes, menor. E isso só será possível se nós, como produtores e técnicos, assumirmos a posição, documentarmos essa variabilidade e cobrarmos uma melhor qualidade das empresas.

No mapa acima podemos ver a rastreabilidade da velocidade de semeadura de milho da safra passada (2010/2011) de milho, na qual podemos identificar que 23% da área total semeada pelos operadores foram semeadas acima da velocidade pré determinada. E podemos ainda identificar que quase 50% da área acima da velocidade permitida foi feita por apenas um operador.

No mapa de rastreabilidade de densidade de plantio vemos que, mesmo sendo quatro máquinas novas, chegadas no mesmo período, com as mesmas engrenagens, mesma calibração de pneus, a densidade variou significativamente. Podemos observar então que, para o nosso caso, a regulagem deve ser feita individualmente. A diferença em quantidade de semente na média variou 4,5% a mais!


[Responsabilidade Social]

Beto diz que Agrinho é “extraordinário”

O

governador Beto Richa participou no dia 21 de outubro, do encerramento do maior programa de responsabilidade social na área da educação do Paraná: o Agrinho. Junto com o vice-governador e secretário de Educação, Flávio Arns, da Agricultura, Norberto Ortigara, parlamentares federais, estaduais e autoridades, ele resumiu esse Programa que há 16 anos é desenvolvido pelo Sistema FAEP, especificamente através do trabalho do SENAR-PR. “Se outras entidades tivessem essa mesma visão certamente estaríamos cuidando melhora as futuras gerações. É um programa muito bem elaborado, uma extraordinária iniciativa”, disse o governador.. O incentivo e o estímulo do trabalho de temas transversais (complementares ao currículo das escolas) abordando questões como a ética, o meio ambiente, a saúde e outros, o Agrinho atinge a mais de 1 milhão de estudantes das escolas

públicas e particulares do Estado. Anualmente, avalia e premia os melhores projetos entre os 5.500 que, por exemplo, concorreram neste ano, produzidos em 8 mil escolas do Estado e que envolvem 80 mil professores. As premiações ocorrem nas categorias: experiência pedagógica; município Agrinho, redação e desenho, para a rede pública e rede particular de ensino. Foram entregues entregues cinco automóveis, dezenas de computadores e outros prêmios, como notebooks, bicicletas, televisões e máquinas fotográficas. Agradecimento a Beto Na abertura do evento ocorrido no Expo Unimed, em Curitiba, o presidente do Sistema FAEP, Ágide Meneguette agradeceu ao governador Beto Richa a criação da Agência de Defesa Sanitária (ADAPAR) e a Agência de Desenvolvimento do Paraná (APD), propostas pela FAEP no ano passado. A ADAPAR que irá substituir o atual sistema de defesa da Secretaria

da Agricultura e que será um importante passo para credenciar e acreditar o Paraná como exportador de produtos agropecuários e seus derivados industriais. Importante, também, para assegurar nossa crescente participação no mercado interno como produtor de alimentos seguros. A Agência de Desenvolvimento do Paraná é o instrumento dedicado a alavancar os investimentos privados em nosso Estado. “Tenho a certeza que estas crianças e jovens que hoje recebem seus prêmios vão se beneficiar destas iniciativas”, disse Meneguette,” Vossa Excelência mostrou ter visão muito além da tarefa de melhorar a máquina de Governo. Teve a visão correta de que o Governo deve incentivar os investimentos privados porque é a ação desses agentes econômicos que cria riquezas e gera empregos”. Veja a relação dos vencedores do Agrinho no site:

http://sistemafaep.org.br/arquivos/LISTA.pdf Assessoria de Comunicação Social da FAEP

Comitiva da Regional do SENAR - Guarapuava

26

Revista do Produtor Rural


[Produção animal]

HOMEOPATIA REAL H: Algo a se pensar? Mikael Neumann1 Fabiano Marafon2 Gilmar Adilio Salmoria3 1 Engº Agrº, Dr., Prof. do Curso de Mestrado em Agronomia na Área de Produção Vegetal da UNICENTRO-PR. E mail: mikaelneumann@hotmail.com 2 Médico Veterinário, Mestrando em Produção Vegetal da UNICENTRO-PR. E-mail: fabiano_marafon@hotmail.com 3 Zootecnista, Supervisor de vendas da empresa Real H®. E-Mail: Gilmar.supervisordevendas@realh.com.br

Introdução A produção brasileira de carne de bovinos tem uma grande expressividade em âmbito mundial, pois o Brasil é considerado o maior exportador de carne bovina com aproximadamente 1,9 milhões de toneladas.ano-1 e o segundo maior produtor de carne com uma produção média de 9,2 milhões de toneladas de carne bovina no ano de 2009 (ABIEC, 2010). Segundo a mesma fonte, a pecuária ainda é responsável por gerar 7,5 milhões de empregos e produzir um faturamento de mais de 50 bilhões de reais por ano para o país. Nos últimos anos, a exigência por qualidade da carne, tanto pelo mercado interno como externo tem forçado a pecuária brasileira a sofrer algumas mudanças em seu contexto de produção. Nesse âmbito, Ítavo (2010) descreve em seu trabalho que nos últimos anos o interesse por uma alimentação mais saudável tem levado muitos consumidores a alterar seus hábitos alimentares, buscando produtos de melhor qualidade, correlacionado a isso, uma alternativa tecnológica para tornar o sistema de produção mais eficiente e viável economicamente é o uso de aditivos para melhorar o desempenho dos bovinos, entre essa gama de aditivos podemos encontrar os núcleos homeopáticos que em seus princípios básicos utilizam a atuação de elementos energizados com objetivo

de melhorar o desempenho animal sem deixar resíduos em seu organismo. Neste sentido, um trabalho de pesquisa visou avaliar os efeitos do complexo homeopático CONVERT H®, no desenvolvimento de novilhos em sistema de confinamento utilizando duas dietas com participação de 48% ou 100% de concen-

trado, tendo em vista a carência de informações de caráter científico sob o assunto. O experimento se desenvolveu nas instalações do Núcleo de Produção Animal (NUPRAN) do Setor de Ciências Agrárias e Ambientais da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), em Guarapuava, PR.

Tabela 1. Médias para consumo de matéria seca expresso em kg/dia (CMSD) e em porcentagem do peso vivo (CMSDP), ganho de peso médio diário (GMD) e conversão alimentar (CA) de novilhos terminados em confinamento com dois níveis de concentrado associado ao uso de homeopatia.

Nível de Concentrado

Homeopatia Com

Sem

Média

GMD, kg/dia

48% concentrado

1,688 a

1,379 b

1,534

100% concentrado

1,424 b

1,483b

1,454

Média

1,556

1,431

48% concentrado

9,66 a

8,89 b

9,47

100% concentrado

7,49 d

7,77 c

7,67

Média

8,72

8,43

48% concentrado

2,25 a

2,09 b

2,21

100% concentrado

1,76 d

1,87 c

1,83

Média

2,04

2,00

48% concentrado

5,95

6,95

6,59 A

100% concentrado

5,64

6,17

5,94 B

Média

5,90 B

6,64 A

CMSD, kg/dia

CMSP, %

CA, CMSD/GMD

Médias, seguidas por letras minúsculas diferentes, diferem entre si (P<0,05) pelo Teste Tukey. Médias, seguidas por letras maiúsculas diferentes, na linha ou na coluna, diferem entre pelo teste F a 5%

Revista do Produtor Rural

27


Os dados da Tabela 1 mostram que houve interação significativa para GMD, CMSD e CMSP, enquanto que para CA não houve interação. De maneira geral, os animais alimentados com dietas contendo 48% de concentrado com homeopatia tiveram maior (P<0,05) ganho de peso (1,688 kg.dia-1) comparativamente sem homeopatia (1,379 kg.dia-1), este não diferindo dos animais alimentados com 100% concentrado com (1,424 kg.dia-1) ou sem (1,484 kg.dia-1) homeopatia. Com relação ao CMSD e CMSP, maiores consumos foram observados na dieta contendo 48% de concentrado com homeopatia

(9,86 kg.dia-1 e 2,29% PV, respectivamente), assim como menores consumos foram observados na dieta com 100% concentrado com homeopatia (7,57 kg.dia-1 e 1,78% PV, respectivamente), não diferindo das dietas sem homeopatia com 48% ou 100% de concentrado. Houve diferença para CA (P<0,05) sob efeitos individuais para nível de concentrado e uso de homeopatia. Novilhos terminados em confinamento que receberam tratamento com homeopatia melhoraram a eficiência de transformação da matéria seca consumida em ganho de peso (5,90 contra 6,64) em relação aos

não tratados, independente do nível de concentrado. De mesma forma, animais terminados em confinamento com dietas 100% concentrado também tiveram melhor CA (P<0,05) comparativamente à dieta com 48% de concentrado (5,94 contra 6,59). Sob análise numérica, os dados gerais do presente trabalho mostraram que animais, independente do tipo de dieta, tiveram maiores ganhos de peso (1,556 contra 1,431 kg.dia-1) com a inclusão de 100 g/dia de CONVERT H® comparativamente aos animais que não receberam homeopatia.

Tabela 2. Análise econômica conforme as dietas utilizadas.

Variáveis

Silagem milho + 48% de concentrado

100% de concentrado C/ Homeopatia

S/ Homeopatia

C/ Homeopatia

Peso inicial, kg

349,2

341,0

336,8

S/ Homeopatia

350,2

Peso final, kg

498,7

496,7

514,0

495,0

Peso carcaça quente, kg

275,8

271,2

281,0

268,8

Rendimento carcaça, kg

55,3

54,6

54,70

54,30

CMSD, kg.dia-1

7,49

7,77

9,66

8,89

GMD, kg.dia-1

1,424

1,483

1,688

1,379

Custo da Alimentação, R$.animal.dia-1*

4,32

4,32

3,64

3,27

Custo por kg de ganho de peso, R$.kg-1

3,03

2,91

2,16

2,37

Receita bruta, R$.animal.dia-1

4,98

5,19

5,91

4,83

Receita líquida, R$.animal.dia-1

0,67

0,87

2,27

1,56

Receita líquida em 105 dias, R$.animal-1

69,30 D

91,40 C

238,14 A

163,38 B

* Valores considerados: CAB-38: 0,85 R$/kg; milho grão: 0,40 R$/kg; RAB-19: 0,47 R$/kg; silagem de milho: 0,07 R$/kg; CONVERT H: 1,50 R$/kg; e Arroba do boi gordo: 105,00 R$/@ (3,50 R$/kg de peso vivo). Médias na linha, seguidas por letras maiúsculas diferentes, diferem entre si (P<0,05) pelo Teste “Tukey”.

Na Tabela 2 é demonstrado a analise econômica dos animais terminados em sistema de confinamento com a utilização do núcleo homeopático CONVERT H® na composição da dieta. Nota-se na tabela que o tratamento composto por silagem de milho + 48% de concentrado e utilização de 100g.animal.dia-1 de CONVERT H® teve grande vantagem em relação a mesma dieta porém sem a utilização da homeopatia, sendo R$ 238,14 contra R$ 163,38 respectivamente para os tratamentos com e sem homeopatia. Na dieta 100% concentrado não verificou-se efeito positivo na analise econômica pra os tratamentos com ou sem a

utilização do núcleo homeopático. Dietas contendo silagem de milho + 48% de concentrado tiveram maiores ganhos de peso e melhor conversão alimentar com a inclusão de 100 g.animal. dia-1 de CONVERT H® comparativamente aos animais que não receberam homeopatia, propiciando melhor resultado bio-econômico ao sistema de terminação de bovinos de corte em confinamento. Foram realizadas também avaliações das características de carcaça dos bovinos no frigorífico não sendo constatadas diferenças significativas entre os diferentes tratamentos quanto a essa avaliação.

Referências Bibliográficas ABIEC. Associação Brasileira das Industrias Exportadoras de Carne. Pecuária Brasileira, 2009. Disponível em: <WWW.abiec.com. br>. Acesso em 29/09/2010. ÍTAVO, L.C.V.; DIAS, A.M.; ÍTAVO, C.C.B.F.; OTTONI, A.L.; MORAIS, M.G.; TORRES JÚNIOR, R.A.A. Homeopatia na terminação de novilhos em confinamento. In: Archivos de zootecnia vol. 59, núm. 226, p. 225-232, 2010.

28

Revista do Produtor Rural

Conclusão Animais, alimentados com nível de concentrado de 48% em sua dieta tiveram maiores ganhos de peso e melhor conversão alimentar com a inclusão de 100 g/dia de CONVERT H® comparativamente aos animais que não receberam homeopatia. Em dietas 100% concentrado a homeopatia mostrou-se eficiente na redução do consumo de MS diário, sem reduzir o ganho de peso diário dos animais. Recomenda-se o uso do CONVERT H® por propiciar melhor resultado bio-econômico ao sistema de terminação de bovinos de corte em confinamento.


[Descontos em produtos]

Promoçþes especiais AGROBOI:

Revista do Produtor Rural

29


“compatibilidade com inoculantes” Vitavax-Thiram® 200SC é a melhor opção para proteger a soja contra patógenos de solo e sementes, sem comprometer a viabilidade das bactérias que fornecem o nitrogênio para a cultura, saiba mais... Por Jonatas Alves

T

odo o produtor de soja que se preze, sabe que não existe a necessidade de aplicação do nitrogênio (N) na forma de fertilizante para a cultura da soja. Isso ocorre porque toda a necessidade que a planta possui desse nutriente é suprida através do processo chamado de Fixação Biológica do Nitrogênio (FBN), realizado pelas bactérias do gênero Bradyrhizobium que são adicionadas via inoculante às sementes no momento da semeadura. Porém, o sucesso dessa tecnologia está diretamente ligado à sobrevivência dessas bactérias, que pode ser afetada por vários fatores, mas principalmente pela mistura com fungicidas utilizados para tratamento de sementes. Mas como evitar ou reduzir essa mortalidade? A resposta está na utiliza-

ção de formulações de fungicidas que, além de proporcionar um adequado controle de fungos nas sementes e no solo, proporcione também uma adequada sobrevivência das bactérias na semente. Esse é o caso do Vitavax-Thiram® 200 SC, formulação que combina o fungicida Carboxin (ação sistêmica) mais o fungicida Thiram (ação de contato) na mesma formulação, e que apresenta alta compatibilidade com a prática da inoculação, conforme demostrado no Gráfico 1. Segundo a pesquisa, a mortalidade de bactérias causadas pelos fungicidas para tratamento de sementes, pode chegar a 100%, dependendo do fungicida utilizado e da forma como é realizado o tratamento e a inoculação das sementes. Isso acaba reduzindo a nodulação e

Gráfico 1. Sobrevivência de bactérias após a inoculação de sementes com e sem o tratamento com fungicidas (UFRGS, 2008).

30

Revista do Produtor Rural

consequentemente a produtividade de grãos de soja. Em um trabalho conduzido pela Embrapa Soja (Gráfico 2), o tratamento de sementes com o fungicida Vitavax-Thiram® 200 SC proporcionou uma adequada sobrevivência das bactérias do inoculante, o que foi verificado através da adequada nodulação e elevada produtividade de grãos alcançada. Isso mostra que as práticas de inoculação e tratamento de sementes de soja com fungicida, podem ser realizadas sem que haja prejuízo na nodulação e produtividade de grãos de soja, desde que seja utilizado um fungicida que apresente alta compatibilidade com a inoculação como é o caso do Vitavax-Thiram® 200 Sc.

Gráfico 2. Efeito da inoculação de sementes de soja, com e sem fungicida, na nodulação e produtividade de grãos de soja (Embrapa Soja, 2010).


[Organização sindical]

Reunião divide Núcleo Regional dos Sindicatos Rurais do Centro do Paraná

N

o dia 04 de outubro, o Núcleo Regional dos Sindicatos Rurais do Centro do Paraná promoveu reunião de reestruturação no Sindicato Rural de Ivaiporã. Treze presidentes ou representantes de sindicatos rurais que pertencem ao Núcleo Centro participaram do encontro, que resultou na divisão do órgão, ficando uma sede em Ivaiporã e outra em Guarapuava. Segundo o presidente do Núcleo Centro, Anton Gora, com esta divisão será possível trabalhar mais efetivamente. “O Núcleo era muito grande, abrangia muitas cidades com clima e culturas diferentes. Agora, o grupo ficou homogêneo, o que deve facilitar o trabalho, resultando em maiores conquistas”, explica. Para Gora, o Núcleo tem papel de grande importância para a região. “O nosso objetivo é fazer a ligação entre os Sindicatos Rurais e a FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná), trazendo benefícios para o produtor rural”, afirma o presidente.

Revista do Produtor Rural

31


[Agricultura de Baixo Carbono]

SENAR-PR busca parceiros para projeto ABC

U

ma parceria envolvendo o Sistema FAEP, Embrapa, Ocepar, governo do Estado e Banco do Brasil foi oficializada em Curitiba, dia 27, durante o Seminário para o Plano ABC. O encontro teve a participação de mais de 130 técnicos e profissionais envolvidos com o agronegócio. O objetivo é mobilizar os produtores rurais paranaenses a desenvolverem projetos voltados para o Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC). O evento teve a participação do secretário nacional de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Erikson Camargo Chandoha, do secretário de Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, dos superintendentes do SENAR-PR, Ronei Volpi, do Banco do Brasil, Paulo Roberto Meinerz, e da Ocepar, Nelson Costa. “O Programa ABC é antes de tudo estratégico para o setor. Não conseguiremos alavancar o programa sem uma qualificação consistente do produtor rural. Além do produtor precisamos de técnicos. Neste sentido o SENAR-PR está buscando um parceiro para custear 50% para uma capacitação de 120 horas para técnicos do setor”, afirmou o superintendente do SENAR-PR. Em relação à capacitação dos produtores rurais, Volpi afirmou que o SENAR-PR realizará quantos cursos forem necessários e totalmente gratuitos. “Tudo para que o agricultor e pecuaris-

ta desenvolvam projetos conscientes, pois o ABC não é apenas mais uma linha de crédito”, completou. O Programa ABC pretende capacitar em todo o país 900 mil técnicos e produtores para a prática da Agricultura Verde.

122 milhões O superintendente do Banco do Brasil, Paulo Roberto Meinerz, informou que o banco tem R$ 122 milhões para investir no Paraná em programas ABC. “Estes valores estão direcionados para a safra 2011/12, mas nosso grande problema é a falta de capacitação para elaboração dos projetos”. Durante o evento foram definidos os nomes das instituições e técnicos que irão compor o grupo gestor

do programa ABC: Seab, Ematyer, Codapar, Secretaria de Estado do Meio Ambiente, FAEP, SENAR-PR, Ocepar e Apre. “Estes técnicos terão autonomia e em 30 dias irão elaborar um plano para implementação deste programa no Paraná, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Política Nacional sobre Mudanças do Clima”, afirmou o secretário da Agricultura, Norberto Ortigara. Com taxas de juros de 5,5% ao ano e prazo de pagamento de até 15 anos, o ABC vai financiar investimentos para recuperação de áreas e pastagens degradadas; sistemas orgânicos de produção; sistemas integrados de lavoura/ pecuária/floresta; florestas comerciais; recomposição de áreas de preservação permanente ou reserva legal; viveiros e florestas de dendê.

Assessoria de Comunicação do Sistema FAEP/SENAR-PR

32

Revista do Produtor Rural


AF CASE IH

PRECISÃO E RENDIMENTO DO PLANTIO À COLHEITA

Monitor de Performance, o qual é composto por sensor de produtividade, sensor de umidade, monitor, software e antena de GPS Garmin

Temos 6 unidades para modelos 2388 / 2399 e 2 unidades para modelos 2688 / 2799 O conjunto de barra de luz FM 750, piloto elétrico Ez Steer podem ser inseridos em qualquer modelo de trator ou pulverizador autopropelido.O conjunto está sendo comercializado por:

Temos disponíveis 10 unidades do kit barra de luz + piloto elétrico

Para maiores informações favor entrar em contato:

(42) 3239 6175 ou (42) 3629 8900

Revista do Produtor Rural

33


[Usinas]

FAEP orienta produtores lindeiros a usinas O Sindicato Rural de Guarapuava, com o apoio da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), realizou uma série de reuniões e palestras na Extensão de Base Candói, com produtores lindeiros ao lago artificial da Usina de Salto Santiago, atingidos pelas águas e pela legislação ambiental específica das Áreas de Preservação Permanente (APP´s). As últimas reuniões foram com o advogado Fernando Knoerr, especialista na área, que orientou os produtores rurais quanto às providências que podem ser tomadas. As ações da FAEP resultaram em um documento emitido pelo Ministério do Meio Ambiente, que diz que as APPs situadas ao longo dos 100 metros dos lagos artificiais devem ser adquiridas/alienadas e recuperadas e/ou implementadas pelas empresas gestoras das usinas hidrelétricas. O parecer está baseado no artigo 4º, Parágrafo 6º da MP 2166 de 2001, que diz que “na implantação de reservatório artificial é obrigatória a desapropriação ou aquisição, pelo empreendedor, das Áreas de Preservação Permanente criadas em seu entorno, cujos parâmetros e regime de uso serão definidos por resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama)”. Como essa MP é de 2001 e o novo Código Civil fixa o prazo de 10 anos para ações indenizatórias, dezembro de 2011 é o “tempo prescricional”. Desta forma, o produtor que desejar obter indenização sobre áreas de 100 m tem

Dr. Fernando Knoerr em uma das reuniões realizadas na Extensão de Base Candói

até 31 de dezembro de 2001, mas é conveniente antecipar essa decisão. Knoerr recomenda que o produtor que quiser interromper o “prazo prescricional” deve impetrar uma ação com essa finalidade antes de pleitear a indenização propriamente dita. Poucos produtores rurais ajuizaram ações indenizatórias, mas garante que este tipo de ação deverá trazer uma solução jurídica para os produtores em um

prazo médio de três anos. “É uma ação em cima do valor da terra, uma informação mais simples de ser obtida do que aquelas em que se pede indenização por dano ambiental”, explica. Segundo o advogado, nenhum produtor rural de Candói entrou com ação até o momento. Em Chopinzinho já são mais de 50 ações para interromper o “prazo prescricional”, de acordo com Knoerr.

Usina Hidrelétrica Salto Santiago Localização: Rio Iguaçu Empresa: Tractebel Municípios atingidos: Candói, Rio Bonito do Iguaçu, Saudade do Iguaçu, Porto Barreiro, Virmond, Foz do Jordão, Mangueirinha e Chopinzinho

34

Revista do Produtor Rural


[Gastronomia]

Cooperaliança recebe homenagem do SINDIVET-PR

Na placa, a mensagem: “O Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado do Paraná homenageia a Cooperativa Cooperaliança pelos relevantes serviços prestados à ovinocultura paranaense”

N

o dia 17 de outubro, o Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado Paraná (SINDIVET-PR) promoveu, em parceria com as principais cooperativas produtoras de carnes ovinas do Paraná e entidades representativas da medicina veterinária, um Jantar Temático da Carne de Cordeiro em comemoração aos 250 anos do Ensino da Medicina Veterinária do Mundo. O Encontro Gastronômico aconteceu no Espaço Gourmet- Escola de Gastronomia, em Curitiba, e teve como objetivos apresentar as perspectivas da cadeia produtiva no estado e oferecer uma degustação de pratos à base de cordeiro, elaborados pelos chefs Jefferson Fonseca e Gui Baran. O ciclo de palestras teve início com a apresentação do Sérgio Barros Gomes, da Biogénesis Bagó, que na ocasião, des-

tacou a importância de controlar e erradicar a Febre Aftosa, bem como outras doenças que comprometem a produção de alimentos de origem animal. Em seguida, Cezar Pasqualin, presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários do Paraná, falou sobre os obstáculos enfrentados, desde a organização dos produtores, tecnologias a serem aplicadas e desenvolvidas dentro do processo produtivo, capacitação dos agentes, organização da produção e prospecção e planejamento de ações junto ao mercado consumidor. Segundo Pasqualin, o consumo das carnes ovina e caprina é crescente, haja vista a grande demanda de restaurantes. Sendo assim, os desafios a serem enfrentados para uma maior oferta do produto são: a oferta atual não atende a crescente demanda destas carnes; aumento da

produção destas carnes, através de programas de estímulo a produção; produção através do associativismo; combate à venda de carnes sem a inspeção do produto; apresentação destas carnes a novos consumidores; ofertar carnes de animais oriundos de planteis de boa genética (padrão de carcaça e precocidade). A vice-presidente da Cooperaliança, Adriane Araújo Azevedo, apresentou as experiências da cooperativa, falou sobre a importância da Emater-PR no desenvolvimento do negócio, os planos de expansão para uma nova sede, finalizando com o convite para o Festival Gastronômico da Carne de Cordeiro, que este ano, acontece no dia 11 de novembro, em Guarapuava (PR). Para encerrar a primeira parte do evento, Cezar Pasqualin, homenageou as Cooperativas de Carne Ovina, entre elas, a Cooperaliança, através dos seus representantes presentes e o chef Jefferson Fonseca pelos relevantes serviços prestados ao setor.

Cooperaliança Cordeiro Guarapuava Rua Vicente Machado, 777 - Trianon Guarapuava - PR (42) 3622-2443

Cooperaliança Novilho Precoce

Al Baden Wurttemberg - Vitória, 952 Entre Rios Guarapuava - PR (42)3625-1889 Revista do Produtor Rural

35


[Agroindústria]

Agrária construirá sua quinta indústria

G

uarapuava terá mais uma indústria: a novidade foi anunciada na manhã do dia 19 de outubro, pela Cooperativa Agrária e pelo governo do Estado, no primeiro dia do evento WinterShow (um encontro anual que a Cooperativa realiza no distrito de Entre Rios enfocando a tecnologia das culturas de inverno). Com a presença de autoridades estaduais, regionais e municipais, o governador Beto Richa e o diretor presidente da Cooperativa, Jorge Karl, num ato solene no Centro Cultural, no distrito de Entre Rios, assinaram um protocolo que torna a Agrária a primeira cooperativa a participar do programa estadual Paraná Competitivo. De acordo com a diretoria da Cooperativa, a nova indústria representa um investimento de R$ 124 milhões e deverá começar a operar em 2013, gerando 60 empregos diretos e 400 indiretos. Com volume de produção anual de 180 mil toneladas, a fábrica oferecerá ao mercado produtos como grits, flakes, germe, película, fubá e creme de milho. Conforme o projeto, a estimativa é a de

36

Revista do Produtor Rural

que a indústria gere por ano em torno de R$ 12 milhões de ICMS. Ao falar sobre o novo projeto, Jorge Karl disse que a Cooperativa pretende aproveitar o mercado aquecido para produzir também derivados do milho. Ele prevê que a nova unidade industrial deverá utilizar em torno de 50% da produção anual de milho da Agrária. Em seus pronunciamentos, as autoridades presentes elogiaram a trajetória da Cooperativa que, fundada por imigrantes suábios do Danúbio, completou 60 anos mantendo o foco na industrialização de sua produção (a Agrária construiu ao longo do tempo um moinho de trigo, uma fábrica de rações, uma indústria de esmagamento de soja e uma fábrica de malte, ampliada em 2009). Beto Richa destacou que a intenção do governo do Estado é a industrialização também do interior. Ele lembrou que o Paraná Competitivo já assegurou investimentos de R$ 8 bilhões e outros R$ 15 bilhões estão previstos. “É um programa forte, que mostra o novo ciclo de industrialização do Paraná”, afirmou. O governador afirmou desejar que “a nova

unidade (da Agrária) proporcione desenvolvimento econômico e social à região”. Participaram do ato de assinatura do protocolo os secretários estaduais da Fazenda, Luiz Carlos Hauly; do Desenvolvimento Urbano, Cesar Silvestri; da Indústria e Comércio, Ricardo Barros; os deputados Artagão Junior, Bernardo Carli e Cesar Silvestri Junior; o secretário municipal de Indústria e Comércio de Guarapuava, Mauro Temoschko; o reitor da Unicentro, Vitor Hugo Zanette; e dirigentes e cooperados da Agrária. Fonte: Agrária com informações do governo do Estado


[Manejo cultural]

Experimento Fundação MS A Fundação MS realizou bateria de testes envolvendo fungicidas e adjuvantes, dentre os quais o InTec e o TA35 (ambos do portfólio da INQUIMA). Os ensaios foram realizados e avaliados pelo Engenheiro Agrônomo Dr. Ricardo Barros. Foram usadas diferentes moléculas, a fim de observar o desempenho das mesmas quando da troca e/ou inclusão de determinados aditivo-adjuvantes.

Produtividade em cultura de Soja, no Campo Experimental de Maracaju (MS): ESTÁDIO

DATA

HORÁRIO

PONTAS / V.Vz 110-02 (DL) 160l/ha CO2

Vn

07/01/2011

09h10min

20DAVn

29/01/2011

18h

35DAVn

12/02/2011

09h

MOLÉCULAS

DOSAGENS

PRODUTIVIDADES

Fungicida 01+Carbendazin+Assist

500+800+500

59,3 sc/ha

Fungicida 01+Carbendazin+InTec

500+800+30

62,2 sc/ha

Fungicida 02+Carbendazin+Áureo

150+800+450

60,3 sc/ha

Fungicida 02+Carbendazin+TA35

150+800+30

62,7 sc/ha

Fungicida 03+Carbendazin+Nimbus

300+800+600

59,7 sc/ha

Fungicida 03+Carbendazin+ TA35

300+800+30

63,5 sc/ha

Fungicida 03+Carbendazin+TA35+Nimbus

150+800+30+300

61,4 sc/ha

As dosagens usadas de InTec e de TA35 foram as mesmas recomendadas para as aplicações aéreas em função do Volume de Calda das aplicações nos Ensaios.

Os resultados demonstram que todas as combinações de moléculas tiveram êxito no controle da Ferrugem-asiática. E, que é possível usar o Aditivo-adjuvante em substituição ao óleo, ou em conjunto. O fungicida 01 mostrou “melhor estabilidade” de controle com o Adjuvante Sintético quando comparado com o Óleo Mineral. Nos demais tratamentos também ocorreram respostas interessantes com o uso do Adjuvante Sintético.

Inquima: tecnologia a serviço do campo e do meio ambiente

www.inquima.com.br (43) 3254 6826

Revista do Produtor Rural

37


[Resumo]

Mercado agrícola atraiu mais de 70 produtores rurais No dia 25 de outubro, o Sindicato Rural de Guarapuava, a Agroeste, a Guará Campo e a Ihara promoveram a palestra “Não deixe o dinheiro em cima da mesa – nada a perder, tudo a ganhar”, com o analista de Commotidies da Cerealpar, Steve Cachia. Segundo Cachia, muitas mudanças im-

Steve Cachia

portantes no mercado ocorreram durante os últimos anos, o que originou fatores que estão influenciando nos preços. “O mercado agrário é muito dinâmico, recentemente a oscilação dos custos está muito alta. Portanto, o produtor deve saber como lidar com este cenário de alto risco”, comentou.

Cachia é um renomado analista e consultor de vários veículos de comunicação nacionais e internacionais sobre commodities agrícolas. Atualmente divide as atividades entre Brasil, no escritório da Cerealpar (Curitiba e Paranaguá) e Malta (União Europeia).

Leendert de Geus, Steve Cachia, Rodolpho L. W. Botelho, Mauro Hahn e Celso Tateiva

Reunião orientou sobre venda de defensivos Mais de 70 produtores e profissionais do setor rural participaram da reunião sobre utilização, receituário e comercialização de defensivos agrícolas no dia 20 de outubro, no anfiteatro do Sindicato Rural de Guarapuava. Celson Roberto Ritter, do Crea, falou sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) que os engenheiros agrônomos devem emitir quando receitam os defensivos para os produtores. Em seguida, o engenheiro agrônomo da SEAB, Miguel Tosatto, explanou sobre receituário e a legislação vigente sobre o tema. Segundo o chefe do escritório regional da SEAB, Itacir José Vezzaro, o objetivo é orientar e instruir os produtores rurais antes de punir. “O manuseio desses materiais é muito delicado, por isso exige muita atenção do profissional e do produtor para não haver a contaminação”, observou. Outro ponto de destaque da reunião foi a venda antecipada desses produtos. “De acordo com a legislação vigente, essa prática é possível, mas o produtor só pode retirar o produto do local onde

38

Revista do Produtor Rural

comprou no momento da aplicação. Isso porque muitos produtores não dispõem de lugar adequado para armazenamento”, completou o chefe da SEAB. A reunião foi organizada pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abas-

tecimento (SEAB), Associação dos Distribuidores de Defensivos do Centro Sul (ADDCS) e Associação dos Engenheiros Agrônomos de Guarapuava (AEAGRO), com apoio do Sindicato Rural de Guarapuava.

Wanderley Bernardin de Andrade (ADDCS), Itacir Vezzaro (SEAB) e José Roberto Papi (AEAGRO)


[Evento]

Sindicato Rural de Guarapuava na Festa Nacional do Charque

N

o dia 03 de novembro teve início a XIII Festa Nacional do Charque, no município de Candói. O Sindicato Rural de Guarapuava esteve presente no evento com um estande para recepcionar os seus sócios durante os quatro dias de festa. “Estávamos com toda a equipe, fornecendo informações sobre o Sindicato Rural, FAEP e Senar e ainda realizando sorteios de brindes”, comentou a gerente Luciana Q. Bren. Conhecida no Brasil inteiro, a Festa Nacional do Charque é realizada todos os anos no município do Candói - PR. No ano passado foram preparadas três toneladas de charque, que serviram mais de 6 mil pessoas que passaram pelo Centro de Eventos Antônio Loures Alves, local onde é realizado o evento. A programação começou dia 03, com a abertura dos pavilhões. Na sexta-feira, dia 04, houve show com as duplas Eddy e Gil, Kaike e Kauan e Marcio Rocha e Marcelo. No sábado, dia 05, show com a famosa dupla sertaneja, Milionário e José Rico. No domingo, dia 06, o evento encerrou com o show baile da banda APK Brasil.

História do charque de Candói Durante o século XVII, a região era ponto de parada para os tropeiros que saiam de Vacaria - RS rumo a Sorocaba - SP, levando animais para venda. Durante os dias em que ficavam no local, os tropeiros se alimentavam da carne que era secada e conservada com sal, o charque. Desde então, esta tradição foi passada através de gerações e há 13 anos foi criada a Festa do Charque, para comemorar a história da região e reunir os diferentes pratos que podem ser feitos a partir do charque.

40

Revista do Produtor Rural


[Hortifruticultura]

Agroferter agora é

Agrofértil

O

gerente da Agroferter, César Dias, assumiu em agosto a direção da revenda, juntamente com Ascendino Honório Filismino (Dino). Com o novo nome “Agrofértil”, a meta é continuar os trabalhos e projetos na linha de HF, principalmente tomate e cebola. “Vamos continuar atuando nessa linha, com sementes, mudas e acompanhamento técnico”, observa Dias. Para ele, a direção da empresa é um desafio, mas as expectativas são as melhores possíveis. “Estamos trabalhando bastante para alcançar metas, junto com os nossos parceiros, que são empresas de credibilidade e referências no setor”, comenta. Com os engenheiros agrônomos Ricardo Gesso e Amado José de Campos, a secretária Kauane Debrassi e Wanderlei Hanysz no controle de estoque e armazenamento, a Agrofértil pretende se consolidar como uma revenda especializada em hortifruticultura.

César Dias, de gerente a diretor: desafios, metas e parcerias

Revista do Produtor Rural

41


[Programa de Desenvolvimento Florestal]

Curso abordou planejamento florestal em Candói e Cantagalo

O

Sindicato Rural de Guarapuava, em parceria com a Cooperativa Agrária, Golden Tree Reflorestadora, Santa Maria Papel e Celulose, Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unicentro), Fertilizantes Heringer e Pitol Agroindústria, promoveu o curso de Planejamento e Implantação Florestal nas Extensões de Base Candói (30 de agosto) e Cantagalo (29 de setembro). O curso faz parte do Programa de Desenvolvimento Florestal e foi ministrado pelo engenheiro agrônomo Pedro Francio Filho, especialista em sistemas agrossilvipastoris. No período da manhã foi repassado o conteúdo teórico relacionado ao planejamento florestal e à tarde, os participantes realizaram a aplicação prática dos conceitos em uma propriedade rural com demonstração da maneira correta de se implantar as mudas. O Programa de Desenvolvimento Florestal foi lançado em 2010 pelo

Sindicato e empresas parceiras, e tem como objetivo fomentar a integração floresta-agricultura-pecuária, através de cursos e palestras voltados à comunidade rural da região.

Curso em Cantagalo

42

Revista do Produtor Rural


Já pensou em ter uma proteção completa em campo?

Milharal mais produtivo com a proteção de Nativo. E esta proteção completa de Nativo aumenta o placar da produtividade como nenhum outro. Pois só Nativo defende seu milharal contra a ferrugem e também contra a mancha branca e a cercospora. As doenças são muitas, mas a proteção é uma só. Nativo - Protege muito, contra mais doenças.

Faça o Manejo Integrado de Pragas. Descarte corretamente as embalagens e restos de produtos. Uso exclusivamente agrícola.

Revista do Produtor Rural

43


[Manchete]

1.000 sócios aos 44 anos O

Sindicato Rural de Guarapuava comemorou na noite do dia 18 de outubro, o aniversário de 44 anos da entidade e a marca de 1.000 sócios ativos. Um belo show de clássicos caipiras com Yassir e Rodrigo Sater agradou os mais de 220 associados que prestigiaram o evento. Com repertório novo, a dupla encantou o público, na companhia do sanfoneiro Thadeu Romano e do baixista Reginaldo Feliciano. Além da apresentação, momentos especiais marcaram a comemoração. O

44

Revista do Produtor Rural

primeiro foi a entrega simbólica da carteirinha de sócio nº 1.000 para a produtora rural Mariana Martins Marcondes, de 24 anos, representando a nova geração de sócios da entidade. Em seguida, a diretoria do Sindicato prestou homenagem ao associado e colaborador Murilo Lustosa Ribas, responsável pela Campanha Sócio Nº 1.000, que iniciou em 2009. Com direito a bolo e a canção “Parabéns para você”, a noite encerrou com uma queima de fogos, fazendo brilhar o céu de Guarapuava.

Para o presidente Rodolpho Luiz Werneck Botelho, foi uma alegria receber os associados em uma noite que entra para a história da entidade. “A marca de 1.000 sócios é importante porque aumenta a representatividade política da classe produtora rural. Com essa união, a entidade tem mais força para lutar pelos direitos dos produtores rurais”, observou. O evento teve ainda caráter social. Os ingressos foram revertidos em mais de 1.000 quilos de alimentos, que serão destinados a entidades assistenciais do município.


Fotos: Sandra Hyczy

Revista do Produtor Rural

45


[Florestas]

Silvicultura

traz renda extra aos produtores Setor emprega cerca de 4,5 milhões de trabalhadores e pode ser investido lado a lado com culturas convencionais

O

setor de florestas no país vem crescendo a cada ano. Em franca expansão, ele emprega cerca 4,5 milhões de trabalhadores, seja direta ou indiretamente, e é capaz de gerar renda extra aos agricultores, que podem facilmente investir no ramo sem deixar de lado suas culturas convencionais. O crescimento do setor de florestas plantadas foi um dos temas do Fórum Produção, Conservação e Lucratividade – A Economia Verde Como Via de Equilíbrio, organizado pelo Portal Dia de Campo, que aconteceu dia 26 de outubro, no auditório do IAC, em Campinas (SP). Segundo César Reis, diretor executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Florestas Plantadas (Abraf) e um dos palestrantes do evento, o setor de florestas plantadas no Brasil é um sucesso, pois é uma atividade que vem crescendo e está em franca expansão. De acordo com ele, especificamente o setor de floresta de eucalipto e pinos,

46

Revista do Produtor Rural

dedica a maior parte da sua produção a três segmentos integrados às florestas: a produção de painéis de madeira industrializada, siderurgia a carvão vegetal e celulose papel. Além disso, há também, hoje, um consumo cada vez maior da madeira, principalmente eucalipto, como energia para diversos processos industriais, como secagem de grãos, indústria cerâmica e outros tipos de atividades que necessitam de combustível — conta o diretor executivo. Para ele, o setor enfrenta um desafio atual muito grande devido a uma medida adotada pelo governo, ainda na gestão do presidente Lula. Essa medida foi um parecer da Advocacia Geral da União que restringiu a aquisição de terras por estrangeiros. Temos hoje, R$37 bilhões em empreendimentos, seja em florestas ou em fábricas, integrados a florestas em diversos ramos. É uma fila de projetos que,

se estivessem sendo executados, promoveriam uma ampliação, desde o ano passado, da área plantada no Brasil. Em 2010, a área girava em torno de 6,5 milhões de hectares. Certamente, o crescimento dessa área plantada em 2011 vai ser afetado por essas restrições. “Esse é o primeiro grande problema que o setor enfrenta hoje”, explica. Reis diz ainda que o setor está em franca expansão, novas fronteiras estão sendo conquistadas e estados do Nordeste e Norte do país oferecem novas oportunidades para os investidores, além das áreas já existentes, seja no Centro-Oeste, no Sul ou Sudeste. Portanto, a atividade é atrativa e rentável. O diretor fala também sobre os exemplos de empresas associadas da Abraf que, além das suas próprias florestas, possuem programas de fomento florestal que são parcerias com pequenos e médios produtores. Nesses programas, as empresas cedem as mudas seleciona-


das, os insumos, dão assistência técnica e garantem a compra da madeira. São programas que levam aos produtores uma renda adicional. “Eles passam a ter, além de suas culturas tradicionais, a silvicultura, que não requer solo de muita qualidade e tem um prazo de maturação que permite até a antecipação da venda da madeira, dependendo da empresa”, explica Reis. Ele afirma que a cadeia de base florestal plantada é grande geradora de empregos. Segundo ele, dados do ano de 2010 mostram que, se considerarmos os empregos diretos, os indiretos e os devidos ao efeito renda, o país ultrapassa a casa dos 4,5 milhões de empregos. Além disso, é um setor que recolhe tributos de valores elevados. No ano de 2010, cerca de R$10 bilhões foram recolhidos em todas as etapas da cadeia. Essas florestas possuem projetos licenciadas e a maior parte delas é certificada, seja pelo critério do FSC (Forestry Stewardship Council), que significa Conselho de Manejo Florestal,

ou pelo critério do Cerflor. “As empresas associadas da Abraf contam ainda com programas de responsabilidade social de grande relevância na área social, de saúde e de educação ambiental”, conta.

(42) 3624-1096 - www.goldentreereflorestadora.com.br


[12 de outubro – Dia do Agrônomo]

Mais de 70 agrônomos prestigiaram o café da manhã

M

ais de 70 engenheiros agrônomos prestigiaram o café da manhã organizado pelo Sindicato Rural de Guarapuava, com o apoio da Associação dos Engenheiros Agrônomos de Guarapuava (AEAGRO) e Revista do Produtor Rural do Paraná nesta terça-feira, 11, em comemoração ao Dia do Agrônomo (12 de outubro). Este ano, além do café da manhã, brincadeiras com perguntas relacionadas à agronomia e distribuição de brindes animaram o evento. Segundo o presidente do Sindicato Rural de Guarapuava, Rodolpho Luiz Werneck Botelho, a participação dos profissionais superou a expectativa da organização. “Os agrônomos são agentes importantes na transmissão de conhecimento e tecnologia para o produtor rural. O encontro foi muito positivo porque tivemos representantes de revendas, multinacionais, órgãos públicos e também autônomos”, observou. Para o presidente da AEAGRO, José Roberto Papi, o café da manhã promoveu uma interação entre a classe e a parceria com o Sindicato Rural foi ótima. “Agradeço a oportunidade da Associação dos Engenheiros Agrônomos estar presente nas ações do Sindicato Rural. Queremos continuar com essa parceria”, disse. Na ocasião, Papi falou sobre a construção da nova sede da AEAGRO, que deve iniciar ainda esse mês. “São mais de 500 metros quadrados, com salão de festas, auditório, enfim, uma estrutura que vai beneficiar todos os profissionais”, comentou. Essa foi a terceira edição do evento. No ano passado, 50 profissionais prestigiaram o café da manhã.

48

Revista do Produtor Rural


TRIBUTO AO ENGENHEIRO AGRÔNOMO Ele se sobressai de um modo diferente Pelas atribuições que a profissão encerra, Que lhe exige extremado amor a terra E ostensiva preocupação com o ambiente. Profissional do campo, expõe-se ao tempo. No mister sagrado em que sua alma se deleita Assiste o produtor da semeadura à colheita Das lavouras que fornecem o alimento; Que sacia, a cada dia, a fome da população: O trigo que faz o pão, o milho para os animais, As frutas, as hortaliças, as plantas medicinais, A batata, a mandioca, o arroz e o feijão. Que geram riquezas que engrandecem a nação, (Incrementando seu poder de competitividade) Nas técnicas que multiplicam a produtividade Da soja, da laranja, da cana e do algodão; Nos laboratórios de equipamentos modelares, Ei-lo debruçado sobre microscópios e lupas, Pesquisando os insetos - larvas e pupas - , A infecção dos fungos nos tecidos foliares. Sempre pautando a sua atuação pela ética Na aplicação de seus conhecimentos acadêmicos, Busca soluções na solução dos transgênicos No mundo maravilhoso da engenharia genética. Monitora equipamentos, a sua regulagem, Que revolvem o solo e nele depositam a semente, Projeta sistema de irrigação altamente eficiente Que assegura a produção em plena estiagem. Analisa as propriedades do solo arável Buscando a otimização de cada nutriente. Ante as complexas interações do ambiente É ele o profissional da produção sustentável. Quer no campo, em suas múltiplas atividades, Quer ensinando o saber nas universidades, Nas tantas atribuições que a profissão encerra... Ele se sobressai de um modo diferente Pela ostensiva preocupação com o ambiente, Pelo extremado amor que devota a terra... Autor desconhecido

Revista do Produtor Rural

49


[Análise]

A história do boi gordo - ciclos pecuários Lygia Pimentel Analista de mercado da XP Investimentos

A

pecuária bovina chegou ao Brasil com os primeiros imigrantes portugueses, ainda na primeira metade do século XVI. Hoje, o país tem o maior rebanho bovino comercial do mundo, com aproximadamente 200 milhões de cabeças, distribuídas em 2 milhões de estabelecimentos rurais, que ocupam 180 milhões de hectares. Ou seja, a pecuária é uma atividade de grande importância para o nosso país. Entretanto, não é exatamente essa a história que eu queria contar sobre o boi gordo, mas sim a história sobre esse mercado. Contar essa história faz com que fique mais fácil enxergar o futuro, ou seja, a direção para a qual o mercado vai. É através desse tipo de estudo e análise que viabilizamos planejamentos de longo-prazo na pecuária. É a única maneira de tentar sentar na popa do bote quando todos estão na proa, evitando assim que ele vire. É uma maneira de evitar vender barato e comprar caro. Esse tipo de estratégia melhora a margem de quem vive da atividade pecuária. Tenha certeza disso! A série histórica mais longa que tenho de preços da arroba do boi gordo começa em 1954. Os dados são do Instituto de Economia Agrícola, o IEA, em continuação com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, o Cepea, e outros

coletados pela equipe agrícola da XP Agro. Assim conseguimos a sequência mais longa possível de preços. Dividi em cores a duração de cada ciclo dentro desse período de tempo, como mostra o gráfico abaixo: O gráfico nos ajuda a enxergar que os preços do boi movem-se em ciclos que duram alguns anos e trabalham em fases: alta, estabilidade e baixa. No Brasil, essas fases também têm uma duração média dentro da qual costumam trabalhar. No país, os ciclos pecuários duram, historicamente, algo em torno de 6 a 9 anos, com 3 a 4 anos de baixa e 3 a 4 anos de alta, intermediados por uma fase de estabilidade, que pode ser de 1 a 3 anos. Há ciclos que fogem dessa regra. Para entender por que isso acontece, é importante ter em mente que existem três padrões temporais com os quais temos que trabalhar: sazonalidade, tendência e ciclo. A sazonalidade diz respeito ao padrão de comportamento dos preços dentro do período de um ano, traduzido pela safra no primeiro semestre e entressafra no segundo semestre. É regida basicamente pelo fator climático. A tendência é o que ocorre com algo que interfira na oferta ou demanda. O aumento da renda da população é uma tendência que pode durar vários anos e inter-

Gráfico 1. evolução do preço da arroba do boi gordo a prazo em Barretos - SP, deflacionado pelo IGP-DI 400,00 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 50,00

50

Revista do Produtor Rural

mar/10

jul/07

nov/08

jul/03

nov/04

mar/06

mar/02

jul/99

nov/00

mar/98

jul/95

nov/96

jul/91

nov/92

mar/94

mar/90

jul/87

nov/88

jul/83

nov/84

mar/86

mar/82

jul/79

nov/80

nov/76

jul/75

Fonte: IEA/Cepea/Broadcast/XP Agro

mar/78

mar/74

jul/71

nov/72

mar/70

jul/67

nov/68

jul/63

nov/64

mar/66

mar/62

jul/59

nov/60

jul/55

nov/56

mar/58

mar/54

0,00

ferir na duração da fase de alta de um ciclo. O ciclo é um padrão que se repete regularmente dentro de alguns anos, como foi mostrado no gráfico 1. Tá, mas o que estabelece esse padrão? Simples. A psicologia de mercado atrelada à dinâmica do negócio na pecuária. Vou traduzir: em anos de preços em alta, a margem do pecuarista melhora e ele tem mais capital para investir na produção e retém fêmeas para a produção de bezerros, além de aplicar novas tecnologias, comprar mais terras, entre outras atitudes motivadas pela necessidade de aumentar a produção. E a produção, de fato, aumenta. Por isso, depois de alguns anos, a oferta gado e de carne sobe, deixando o mercado saturado. Os preços, então, começam a cair e se tem o fim da fase de alta e o início da fase de baixa. Entre as duas fases pode ocorrer uma acomodação, o que chamamos de fase de estabilidade. É aí que o pecuarista reduz o uso de tecnologias, insumos e aquisição de novas áreas. O objetivo é diminuir os custos de produção, e assim ele posterga investimentos. Quando não é mais possível realizar esses cortes, ele acaba refugiando-se na venda das matrizes para manter o caixa no azul, ou seja, é obrigado a liquidar o seu plantel. Em um primeiro momento, esse abate de fêmeas dá ainda mais força ao movimento de baixa, já que a oferta de animais para abate também aumenta. Mas o efeito disso é sentido nos anos seguintes, quando os bezerros das fêmeas abatidas não são mais produzidos. Naturalmente a redução da oferta de bezerros acaba por pressionar também, negativamente, a oferta dos animais das eras seguintes, até faltar boi para abate. A primeira indicação de que a produção de animais está reduzida aparece no preço do bezerro. As cotações começam a subir concomitantemente a um boi gordo em baixa/estabilidade. E é aí que o pessoal volta suas atenções ao pequeno e o interesse na produção dele volta a aumentar. Como ainda faltam animais terminados, dentro de algum tempo o valor da arroba do boi gordo começa a se recuperar pela redução da oferta, dando início à fase de alta e um novo ciclo pecuário.


60

Machos

55

Fêmeas

50 45 40 35 30 25 2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

2000

1999

20 1998

Explicado o comportamento histórico do ciclo dos preços pecuários, vamos analisar o panorama atual do mercado dentro dessa lógica. Bom, após um recuo das cotações ocorrido de 2002 ao início de 2006, época em que o produtor “reduziu a marcha”, a entressafra daquele ano deu início ao atual ciclo em que nos encontramos. De junho de 2006 e fevereiro de 2007, o preço do boi gordo subiu fortemente em praticamente todo o país. A virada do ciclo anterior começava a dar pistas de que ocorreria em 2004 e 2005, através do aumento da participação das fêmeas nos abates, além da redução dos investimentos na pecuária. Essa redução dos investimentos é refletida pela diminuição do PIB (produto interno bruto) do setor de insumos agropecuários. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, de 2002 a 2006 o abate de vacas cresceu 135% enquanto o abate de bois aumentou bem menos, “apenas” 25%. Ocorria a liquidação do rebanho. Esse era um sinal de que os preços baixos realmente levavam o produtor abater suas fêmeas de maneira forçada naquele período. No período da virada o preço do boi estava caindo devido à ocorrência da febre aftosa no Mato Grosso do Sul (2005) e aos efeitos da gripe aviária, que fazia sobras frango no mercado interno e acabou por pressionar a cotação da carne bovina. Mas o bezerro continuava com preços firmes. Sinal de escassez da categoria devido ao abate das fêmeas. Queda de rentabilidade, que resulta em abate de fêmeas, que resulta em redução de bezerros, que resulta em redução de bois gordos prontos... a lógica do mercado prevaleceu. No início de 2007 o mercado mostrou que se encontrava em uma nova fase. O boi atravessou o primeiro semestre (período de safra) com firmeza. Nessa época, embora não seja regra, geralmente os preços recuam.

Gráfico 2. Evolução da participação de fêmeas e machos nos abates totais (%)

1997

Onde estamos inseridos hoje?

Fonte: IBGE/XP Agro.

Em 2008, o mercado prometia, mas a crise internacional veio e deu um “corte” na intensa alta que era anunciada para a entressafra. Os frutos da recessão também foram colhidos em 2009. Enquanto isso, a retenção de fêmeas continuou. Observe o gráfico 2: Hoje já podemos contar cinco anos de retenção de fêmeas (início em 2006). Os preços do boi gordo ainda não começaram a recuar. Na verdade, eles passam pela fase de estabilidade. O bezerro, segue ainda sustentado e a sua produção ainda apresenta boa margem, o que indica que ainda não vivemos a virada da fase de alta, porém, a retenção de fêmeas diz que estamos próximos. Quando a cotação dos bezerros começar a recuar de maneira considerável, é o momento em que o pecuarista deve realmente se preocupar, caso não tenha feito ainda os preparativos para “aguentar” a fase de baixa do ciclo que está por vir. Essa outra história que contei sobre o boi gordo serve para mostrar que os preços alcançaram um novo patamar, mas já observamos mais de quatro anos de alta. Como os ciclos pecuários, historicamente, têm duração de 6 a 9 anos, sendo 3 a 4 anos de baixa e 3 a 4 anos de alta e alguns intermediários de estabilidade, a fase de alta do atual ciclo de preços pode estar muito próxima do fim. Pode-se esperar preços firmes para

2011, mas a luz amarela já está acesa. Pode ser que essa fase de alta tenha sido alongada pela intervenção da crise de 2008, que abortou a forte alta esperada (e iniciada) no período, e pelo forte crescimento dos países emergentes, que trouxe aumento da demanda por alimentos, inclusive aqueles de melhor qualidade (carnes). Entre eles, inclui-se o Brasil. Lembram-se que falei sobre “tendências” no início do texto? Essa é uma tendência que influencia a fase de alta positivamente. E deve-se levar em consideração que com os juros baixos, e o aumento do poder de compra, o consumo de carne bovina cresceu além da média bem em cima de uma forte crise de oferta. A inflação acompanhou o aumento do consumo, ou seja, mesmo com preços estáveis, a rentabilidade do produtor pode ser “abocanhada” pela alta dos custos de produção. Enfim, fatores como aumento da demanda e queda de investimentos podem mexer com a duração das fases do ciclo, mas isso não impede que ele continue a exercer sua força sobre o mercado mais cedo ou mais tarde. Esses são pensamentos de longo-prazo que nos ajudam com as preparações para aguentar os períodos ruins, criando “gordura” nos momentos favoráveis. E só assim, jogando contra o ciclo, é que torna-se possível tirar alguma vantagem do mercado. E acredite, num prazo mais longo, a análise funciona!

Revista do Produtor Rural

51


[Estradas rurais]

Produtor deve fazer planejamento agrícola O planejamento visa corrigir o sistema de drenagem deficiente As estradas rurais, na maioria das vezes, são locais em que o solo foi comprimido de forma que se torna uma superfície praticamente impermeável à água. Por isso, a importância do planejamento agrícola e ambiental para construir estradas, minimizando as conseqüências que elas causam devido às perdas de solo, por meio da erosão. O ajustamento de estradas rurais envolve um conjunto de práticas com a finalidade de recuperação e conservação das estradas de terra. O objetivo é evitar a erosão da terra e o escoamento da produção agrícola durante as épocas de chuvas e de secas. A erosão no leito das estradas rurais, conforme explica Edilson Moreira, do Instituto Emater, ocorre devido ao acúmulo de água e falta de direcionamento

das enxurradas. “O fluxo superficial das águas sem nenhum controle provoca o assoreamento, que leva a camada fértil de solo para o leito dos rios”, explica. Moreira ressalta ainda que para cada situação há um prática conservacionista de solo e se ela for realizada, os efeitos são imediatos na redução da erosão do

JAA e Empreendedor Rural Dois cursos bastante concorridos em Cantagalo este ano foram o Jovem Agricultor Aprendiz (JAA) e o Empreendedor Rural. O JAA ocorreu de março a julho, sob o comando do instrutor do SENAR, Tibério Budal. Com 42 participantes, o curso foi realizado na comunidade Cavaco. Já o Empreendedor Rural iniciou no dia 04 de agosto e termina no dia 07 de novembro. O instrutor é Luiz Augusto Burei e tem 19 participantes.

52

Revista do Produtor Rural

solo. “Com a implantação de um planejamento, há uma redução da quantidade de fertilizantes utilizadas para o plantio, tendo o produtor um menor custo da sua atividade”, observa. Outro modo de evitar grandes erosões é delinear a estrada de acordo com as curvas de nível, ou seja, essas estradas devem estar traçadas em linhas de igual altitude, o que evita a aceleração que a água sofre em estradas em declive. O produtor rural Lincoln Campello projetou o abaulamento do leito da estrada para o escorrimento da água para as laterais. “Para evitar as erosões é necessário que o caminho seja erguido, para desviar a água e distribuí-la ao longo da estrada, para isso, desbarranquei as laterais, visando formar as curvas de contensão”, conta.


[Tecnologia de produção]

Polímeros: segurança ao operador e qualidade no tratamento de sementes Eng. Agr. José Carlos Miró Filho Gerente de Produtos Rigrantec

Importância A importância do uso polímeros no tratamento de sementes é do tamanho da importância que tem a segurança do operador que realiza este trabalho, ou do tamanho da importância que existe na obtenção da adequada população de plantas por hectare, pois isto reflete qual é o seu propósito maior: SEGURANÇA.

Os polímeros conferem maior segurança ao tratamento de sementes Segurança para o operador: Sob a ótica legal de Segurança do Trabalho, o grau de risco do trabalhador é analisado mediante a toxicidade do produto, o tempo de exposição, o tipo de exposição e sua concentração. Dentro deste contexto, alguns pontos chamam a atenção no tratamento de sementes: o tipo de exposição, o tempo de exposição e a concentração do produto. O operador envolvido no processo de tratamento de sementes ou na manipulação das sementes tratadas durante o plantio fica exposto por longos períodos (tempo de exposição) a poeira tóxica (tipo de exposição) de elevada concentração. A concentração de produtos nesta poeira é maior que a concentração de uma névoa de pulverização, pois no tratamento de sementes, é mínima a diluição dos produtos em água. Em média durante 75% do tempo do tratamento de sementes, o operador tem exposição direta à poeira tóxica, quer no tratamento em si, quer no ensaque, quer durante o plantio, fica novamente exposto durante o abastecimento das semeadoras. Evitar a formação de poeira tóxica é um dos grandes benefícios aos quais se prestam o uso dos polímeros no tratamento de sementes, pois estamos eliminando ou minimizando o tipo de exposição do operador a substâncias tóxicas, o que cor-

robora para minimizar os riscos. Grandes empresas têm lançado mão deste recurso tecnológico, pois o tratamento industrial de sementes vem crescendo num ritmo acelerado. Nesta modalidade, as operações de TS são centralizadas nas unidades de beneficiamento de sementes, oferecendo o serviço e a tecnologia aos produtores e diferenciando as sementes de simples produtos de consumo à uma plataforma de entrega de tecnologia e de serviços.

Segurança para o agricultor e qualidade na semeadura: Nos últimos dezesseis anos temos observado a crescente importância da precisão na população de plantas para um melhor manejo e obtenção de maiores índices de produtividade. Também temos nos deparado com grandes reduções nas taxas de semeadura o que resulta em um maior valor individual de cada semente e maior importância que cada uma delas se torne uma planta vigorosa e produtiva. Para assegurar o estabelecimento sadio da cultura, tem sido empregada concomitantemente, uma grande diversidade de produtos no tratamento de sementes (inseticidas, fungicidas, micronutrientes, inoculantes, aminoácidos e hormônios) que, embora em quantidades individuais mínimas, resultam num total acima da capacidade de retenção que a superfície das sementes oferecem. Esta capacidade de retenção é influenciada por uma série de características intrínsecas a cada semente como: textura superficial, tamanho, formato, grau de umidade, cerosidade do tegumento, ocorrência de natural de poeira e pubescência. O uso de polímeros no tratamento de sementes proporciona a fixação destes produtos, evitando perdas dos insumos necessários à preservação do estande. Eles conferem maior redistribuição, uniformizando a dose recebida por cada semente e contribuem para a redução de perdas por lixiviação e lavagem após a deposição das

sementes no solo. Também melhoram a fluidez do material tratado nas semeadoras e o resultado final é segurança na obtenção do estande e melhor qualidade na distribuição espacial de plantas.

Segurança para as sementes: A aplicação de polímeros no tratamento de sementes cria um filme sobre o tegumento, que em função das características do produto, das dosagens e da qualidade de aplicação, possibilitam níveis de proteção mecânica e química, reduzindo ou regulando os efeitos de agentes bióticos e abióticos potencialmente nocivos ou indesejados. Seria como a criação de um segundo tegumento capaz de proporcionar uma condição específica ou uma blindagem seletiva para cada semente. Algumas características que influenciam o tipo de produto além da natureza do polímero em questão são a formulação, volatilidade, a solubilidade, a espalhabilidade, a estabilidade à temperatura, a resistência mecânica, o tamanho de partícula, a adesividade, a capacidade de formação do filme, a viscosidade e a opacidade.

Finalidades de uso específicas Os polímeros se prestam a diversos objetivos no tratamento de sementes e, em função deste objetivo, é determinado o tipo de polímero, sua dose e método de aplicação. A peliculização de sementes, ou film coating, é uma técnica de revestimento onde se cria uma fina película sobre a semente. Geralmente são usados filmes relativamente solúveis e de rápida secagem, podendo ser incolores ou coloridos. O efeito binder (fixação), também é uma das muitas funções a que se presta o uso de polímeros, tanto nas operações normais de tratamento de sementes, como na incrustação e na peletização de sementes, proporcionando a adesividade necessária

Revista do Produtor Rural

53


aos defensivos, corretivos e materiais inertes necessários a estes processos. O acabamento ou finish é uma outra função dos polímeros e é empregada após a incrustação ou peletização das sementes. Consiste na aplicação de um filme colorido de recobrimento que confere melhoria estética, empregando cores variadas de aspecto sólido, perolizado, ou metálico. A utilidade dos polímeros pigmentados no TS recai sobre a estética, que melhora a aparência e o valor das sementes, mas também tem utilidade na diferenciação de materiais por origem (rastreabilidade), por ciclo fenológico, por variedades, por associação a um determinado tratamento químico, ou para diferenciar padrões de qualidade. Polímeros também podem ser usados com função de modificador reológico, usado para conferir uma maior espalhabilidade e redistribuição de uma calda sobre a superfície das sementes ou como reguladores biológicos, que são os polímeros inteligentes, onde a formação de um film coating sobre as sementes só permite a embebição em condições mais favoráveis ao processo germinativo. A aplicação de polímeros no TS pode ainda conferir proteção às sementes, isolando-as do contato com ingredientes ativos potencialmente fitotóxicos, ou pode assegurar um ambiente de trabalho menos insalubre ao ser humano, por inibir a formação de poeira tóxica durante o tratamento de sementes. São inúmeras as possibilidades.

Mercado O mercado se divide em dois grandes segmentos, a saber, o mercado de sementes hortícolas, que visa nos polímeros materiais para as técnicas de incrustação, peletização e finish, e o mercado de sementes das grandes culturas que busca o filmcoating e o efeito binder que os polímeros proporcionam. Para o mercado das hortícolas a tecnologia esta disponível desde meados de 70 e para as grandes culturas no Brasil, só no final da década de 90 é o que o uso de polímeros em sementes passou a ser desenvolvido. O uso de polímeros é usual na horticultura, porém neste mercado os produtores já recebem as sementes peletizadas, e desta forma, nem tem contato com os produtos. O serviço (tecnologia e produto) é oferecido pelos produtores de sementes. Já no mercado destinado às sementes de grandes culturas, devido ao crescimento da importância do tratamento de sementes, o uso tem se intensificado e produtores, sementeiros e cooperativas que buscam segurança e qualidade no TS, recorrem a esta tecnologia. Dentre as grandes culturas, o algodão, o mi-

54

Revista do Produtor Rural

lho, o arroz, o amendoim e a soja são que vem absorvendo a maior parte destes produtos.

Tratamento de sementes com polímeros Falando sobre o uso em grandes culturas, o tratamento com polímeros é realizado em operação concomitante ao uso dos outros produtos destinados ao TS, ou seja, os polímeros são adicionados a mesma calda compartilhada pelos fungicidas, inseticidas e micronutrientes e aplicados sobre as sementes por equipamentos específicos de maneira a atingir um bom recobrimento. É recomendado que se faça um teste de compatibilidade entre os produtos, em menor volume, porém mantendo as proporções, para observar a compatibilidade entre eles, não só com relação aos polímeros, mas em relação à formação da calda. A Rigrantec tem na linha comercial destinadas ao tratamento de sementes, dois tipos de polímeros incolores, o PolySeed CF e o PolySeed 70 além dos revestimentos coloridos ColorSeed nas cores padrão vermelho, verde e azul, ou em cores customizadas. O PolySeed CF se presta ao uso no tratamento de sementes para a obtenção de um filme de revestimento (filmcoating) incolor, conferindo proteção mecânica, boa capacidade de fixação dos insumos e excelente espalhabilidade. É um copolímero orgânico, em suspensão aquosa, atóxico, biodegradável e bastante fitocompatível. É auto-reativo, ou seja, não se combina e nem reage com outras moléculas preservando a identidade química dos demais produtos adicionados ao TS e tem ação tixotrópica, o que significa que o produto migra para camada mais externa da semente tratada. Devido à alta velocidade de polimerização e secagem quando em contato com o oxigênio, forma um filme protetor de solubilidade moderada em torno das sementes ou sobre os produtos usados no tratamento de sementes, mantendo-os coesos sobre as sementes e protegidos quando no solo. Esta solubilidade é regulada para que, nas doses recomendadas (mais baixa que do PolySeed 70), não impedir ou retardar o processo normal de embebição das sementes, ocorrendo a desestruturação do filme, quando existir umidade de solo suficiente para a germinação. Já nosso outro polímero, o PolySeed 70, também orgânico, tem um maior efeito binder (capacidade de fixação), e é extremamente inerte a outras substâncias químicas e não tem na presença obrigatória do oxigênio, o término de sua reação de polimerização. Suporta condições extremas de acidez e não coagula em situações extremas de pH. O PolySeed 70 apresenta grande poder de molhabilidade e isto lhe

confere vantagens no uso em tratamentos onde são necessários grandes volumes de produtos de formulação em pó molhável ou solúvel. Possui maior susceptibilidade a umidade (mais solúvel) e devido ao seu grande poder dispersante, se mistura de maneira homogênea formando um composto estrutural que envolve e adere sobre as sementes todos os produtos usados no tratamento, sem, contudo formar um filme na camada mais externa. Devido a sua maior solubilidade e permeabilidade aos gases, o PolySeed 70 permite o uso de doses mais elevadas sem comprometer a respiração e a embebição das sementes. Para um pronto uso, e com duplo propósito, existem os polímeros de revestimento colorido, a linha ColorSeed que são a combinação balanceada de polímeros e pigmentos orgânicos destinados a filmcoating para fixação, proteção e melhoria da estética. Um grande diferencial de nossos produtos é o grau de pureza da matéria prima e o cuidado na escolha da substância polimérica, pois polímeros e colas (são substâncias quimicamente diferentes) a base de acetato de polivinila ou PVA, contêm resíduos de aldeído acético, composto extremamente tóxico. Este composto é um biocida, o que pode explicar a interferência negativa na germinação das sementes e a mortalidade de microorganismos presentes nos testes de germinação que alguns produtos presentes neste mercado proporcionam. Estes polímeros e colas são facilmente identificados pelo odor bastante característicos (cheiro de cola branca). Outro grande diferencial da Rigrantec é trabalhar com pigmentos orgânicos (no sentido científico da palavra) e não com Rodamina ou pigmentos inorgânicos, ou metálicos, que sempre trazem resíduos de metais pesados, como chumbo e cádmio. A Rodamina é um corante que já está banido nos países desenvolvidos por questões de toxicidade ao ser humano (carcinogênico) e que ainda é usado no Brasil e está presente na formulação de alguns produtos destinados ao tratamento de sementes. Embora seu uso ainda seja permitido por lei local, esta sendo abolido pelas empresas mais conscientes do perigo que isso representa para o operador. A Rigrantec atua de forma pioneira e inovadora no mercado brasileiro e internacional de produção e comercialização de polímeros e revestimentos coloridos desde 1995. Nossos produtos sempre superam as expectativas e temos regularmente desenvolvido polímeros ou misturas poliméricas para usos especiais, de clientes que possuem aplicações extremamente particulares.


Revista do Produtor Rural

55


[Reconhecimento]

Sicredi é uma das Melhores Empresas para Trabalhar Ranking é elaborado a partir da opinião dos colaboradores

O

Sicredi está, novamente, no ranking das “150 Melhores Empresas para Você Trabalhar”, elaborado pelas revistas Exame e Você S/A. A presença no guia, repetindo o reconhecimento obtido nas edições 2006 e 2008, é resultado de um processo de avaliação longo e criterioso, que envolveu a participação de colaboradores escolhidos pela equipe do anuário e responsáveis pelo RH das empresas. Ao passar por esta etapa, as empresas recebem a visita dos profissionais da Você S/A, que checam as instalações da companhia, entrevistam profissionais de RH e fazem reuniões com representantes dos níveis operacional e gerencial. Das variantes obtidas pelos questionários e visitas é que saem as 150 empresas que serão foco da edição. Além do ranking geral das 150 instituições, o anuário traz empresas que se destacam nas categorias de cidadania empresarial, estratégia e gestão, carreira, desenvolvimento, liderança e saúde. “Esta conquista é mérito dos nossos colaboradores que souberam entender e compreender a missão do Sicredi, que tem no relacionamento a sua grande motivação e com isso geram resultados que propiciaram as melhorias nas relações de trabalho. Ser colaborador e sócio, exercendo papel de dono é um diferencial que certamente foi valorizado na pesquisa e enobreceu o nosso grande quadro de profissionais. Méritos também dos dirigentes que souberam liderar esta transformação e converter o Sicredi em

uma das melhores empresas para se trabalhar,” comentou Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da Central Sicredi PR/SP e Sicredi Participações S.A. De acordo com a gerente de Gestão de Pessoas do Banco Cooperativo Sicredi, Viviane Furquim, além da chancela ao modelo de gestão de pessoas do Sistema, a presença no guia é também um reconhecimento à força dos mais de 13 mil colaboradores que, por serem também associados das cooperativas de crédito exercem um papel de donos do empreendimento e promovem o crescimento dos mais de 1,8 milhão de associados nos dez estados onde o Sicredi está presente. “O reflexo do modelo de organização econômica que o Sicredi difundiu e consolidou no Brasil, o cooperativismo, também está presente no Jeito Sicredi de Ser, programa corporativo que incentiva atitudes como cooperação, gentileza, confiança e proatividade no relacionamento com os nossos públicos”, acrescenta Viviane. A importância dada ao clima organizacional em todo o Sistema está presente também nas próprias ações internas de mensuração de satisfação. Em 2010, o instituto de pesquisa Hay Group, contratado pelo Sicredi, constatou que 94% dos colaboradores entrevistados sentem orgulho em trabalhar na instituição financeira e 90% recomendariam o Sicredi como um bom lugar para trabalhar. No mesmo ano, o investimento total do Sicredi em benefícios para seus colaboradores ultrapassou os R$ 100 milhões.

Campanha Para comemorar seu lugar entre as melhores empresas para se trabalhar no Brasil, o Sicredi preparou uma campanha que evidencia o principal valor que norteia executivos, colaboradores e associados: a cooperação. Com o conceito “Cooperação em tudo”, a ideia é mostrar que a prática cooperativista é permeada pelo “coomprometimento”, “coonfiança”, “coonhecimento”, na “coonquista” e também na “coomemoração”. Desenvolvida pela agência Competence, o mote será difundido em anúncios nos principais veículos de comunicação impressos, spots para rádio, mídia externa, material de divulgação nas unidades de atendimento e para redes sociais.

56

Revista do Produtor Rural


Representantes do Sicredi na cerimônia de entrega do prêmio

Sobre o Sicredi O Sicredi é um conjunto de 119 cooperativas de crédito, integradas horizontal e verticalmente. A integração horizontal representa a rede de unidades de atendimento (mais de 1.100 unidades de atendimento), distribuídas em 10 Estados* - 881 municípios. No processo de integração vertical, as cooperativas estão organizadas em quatro Cooperativas Centrais, uma Confederação, uma Fundação e um Banco Cooperativo, que controla as empresas específicas que atuam na distribuição de seguros, administração de cartões e de consórcios. Mais informações no site sicredi.com.br. * Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Pará, Rondônia e Goiás.

www.poupedisicredi.com.br

Poupar. Essa ideia vai colar como figurinha. Chegou o álbum da Caravana dos Poupedis.

Garanta já o seu. Set/2011

Para ganhar, é só fazer um depósito na poupança do Sicredi. A cada novo depósito, você ganha figurinhas para completar seu álbum e poupa para o futuro.

Brinde disponível enquanto durar o estoque. Produto do Banco Cooperativo Sicredi S.A. Consulte disponibilidade na sua cooperativa de crédito. SAC Sicredi - 0800 724 7220 / Deficientes Auditivos ou de Fala - 0800 724 0525. Ouvidoria Sicredi - 0800 646 2519.


[Preservação]

CNA quer que produtores sejam remunerados pela preservação das nascentes

A

presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, defendeu no dia 27 de setembro que os produtores que preservam as nascentes de água em suas propriedades sejam remunerados por serviços ambientais prestados à sociedade. “Os produtores rurais, especialmente os pequenos, precisam ser remunerados, para que essas nascentes sejam transformadas em patrimônio natural da humanidade”, afirmou durante abertura da 5ª Reunião da Seção Brasil do Conselho Mundial da

58

Revista do Produtor Rural

Água (CMA), realizada na sede da CNA, em Brasília. Durante a reunião, a senadora Kátia Abreu e o presidente do CMA, Loïc Fauchon, assinaram termo de filiação da CNA ao Conselho, criado em 1996 para promover a conscientização sobre questões críticas de gestão e uso da água em todo o mundo. O setor agropecuário responde por 70% do consumo mundial de água, mas o presidente do CMA lembrou que o produtor rural é o maior e o melhor defensor de todos os ecossistemas. “Os agricultores precisam ser valorizados e

não atacados”, afirmou Loïc Fauchon. Para a presidente da CNA, os produtores rurais são os principais interessados em discutir o manejo sustentável dos recursos hídricos em função da necessidade de ter água para garantir a continuidade da produção agropecuária. Acrescentou, ainda, que os rios passam pelas propriedades rurais, fato que torna o produtor rural um importante agente ambiental no processo de preservação dos recursos hídricos. Também participaram da reunião o diretor presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, e o presidente do 6º Fórum Mundial da Água, Benedito Braga. A presidente da CNA citou, ainda, o potencial brasileiro para a produção agrícola irrigada. O Brasil tem, hoje, 29 milhões de hectares que poderiam ser irrigados, mas irriga apenas 4,5 milhões de hectares. Significa que o País utiliza apenas pouco mais de 15% do seu potencial. “Temos um potencial imenso. Na bacia do rio Araguaia, que corta os Estados do Tocantins, Goiás, Mato Grosso e Pará, estão áreas de várzeas irrigadas que somam mais de dois milhões de hectares contínuos, onde nós podemos produzir alimentos”, ressaltou a senadora Kátia Abreu. Defendeu, ainda, a conclusão de estudos que estão sendo conduzidos pela ANA para fortalecer a gestão das bacias hidrográficas do País. Para ela, também devem ser considerados aspectos como o tipo do solo e a inclinação do terreno para definir as Áreas de Preservação Permanente (APPs) nas margens de rios. “A mata ciliar não depende da largura do rio, mas sim da fragilidade da margem do rio”, afirmou.


Revista do Produtor Rural

59


[Meio ambiente]

Novo Código Florestal deve ser aprovado no Senado até o fim de novembro Senadora Kátia Abreu participou de reunião com ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, para discutir a matéria

A

presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, disse no dia 18 de outubro que o novo texto do Código Florestal deve ser aprovado até o dia 22 de novembro no plenário do Senado. Ao participar de reunião, no início da noite de ontem, com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a senadora destacou o avanço em torno das negociações para atualizar a legislação ambiental e afirmou que a proposta está muito próxima do consenso. No encontro de ontem, foram discutidos ajustes na matéria, com a presença do ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, José Carlos Vaz, e dos senadores Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC), relator do texto nas Comissões de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e Agricultura e Reforma Agrária (CRA), e Jorge Viana (PT-AC), que relatará a proposta na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA). Também estiveram presentes o senador Waldemir Moka (PMDB-MS), o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Márcio Lopes de Freitas, o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única), Marcos Sawaya Jank, além de outras lideranças ligadas ao setor rural e representantes de Organizações Não-Governamentais (ONGs). Um dos pontos abordados pela presidente da CNA foi a necessidade de um tratamento diferenciado para pequenos e médios produtores rurais no novo Código Florestal, que segundo ela são os

mais atingidos pelas várias mudanças feitas na legislação ambiental vigente. A senadora Kátia Abreu defendeu um texto que não abra brechas para novos desmatamentos e uma redação clara para evitar questionamentos na justiça. “O texto em discussão no Senado já proíbe a abertura de novas áreas. Os relatores têm tomado suas precauções no texto, porque estão preocupados com esta questão”, enfatizou a senadora. Ela reforçou que, com um novo Código Florestal, o setor agropecuário poderá continuar produzindo comida nos 236 milhões de hectares que hoje estão ocupados com a atividade agropecuária, uma área equivalente a 27,7% do território nacional. A presidente da CNA disse, ainda,

que a atualização da legislação ambiental permitirá a preservação de 61% do País com florestas e vegetação nativa. “Hoje temos uma riqueza ambiental incalculável e vamos trabalhar para que esta poupança ambiental continue preservada. Queremos apenas manter a nossa área de produção. Não precisamos de nem um hectare a mais para alimentar a população com comida barata e de qualidade”, afirmou. Na próxima semana, o senador Luiz Henrique deve apresentar seu relatório na CCT e na CRA, que analisarão o texto conjuntamente, uma vez que ele é o relator nos dois colegiados. A previsão é de que, em meados de novembro, a proposta seja apreciada na CMA, para então ser votada no Plenário da Casa até o fim do próximo mês. Assessoria de Comunicação CNA

60

Revista do Produtor Rural


[Agrotóxicos]

Devolução de embalagens vazias

O

Grupo AG Teixeira e produtores de toda região, preocupados com o meio ambiente e a saúde da população em geral, participaram no dia 21 de outubro do projeto para devolução das embalagens vazias de agrotóxicos tríplices lavadas. Esse projeto vem mobilizando diversas pessoas e têm o objetivo de dar o destino certo às embalagens que não são mais utilizadas pelos agricultores e que de, alguma forma, podem prejudicar o ambiente em que vivemos. Confira as fotos da ação realizada no município de Candói:

Revista do Produtor Rural

61


[Agropecuária em números]

FAEP analisa o Paraná na produção agrícola e pecuária municipal 2010 do IBGE O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, divulgou dia 26 de outubro , em Curitiba – PR, dados referentes à Produção Agrícola Municipal – PAM e Produção Pecuária Municipal – PPM de 2010. O Departamento Técnico e Econômico da FAEP analisou os números do Paraná. Produção Agrícola Municipal – PAM 2010 O valor da produção agrícola brasileira foi de R$ 154,0 bilhões em 2010, crescimento de 8,9% em relação a 2009. Esse crescimento aconteceu, na maior parte, pela valorização dos produtos agrícolas no mercado externo (soja, milho, trigo, açúcar e café entre outros). Já a área plantada ficou estável em 65 milhões de hectares, sinalizando que a produção brasileira cresce através da absorção e emprego de tecnologia de ponta. As culturas de soja, cana-de-açúcar e milho respondem por 52,5% do valor da produção nacional (R$ 80,8 bilhões).

Soja

No Paraná, a produção de soja cresceu 49,8% sobre 2009, recuperando-se da seca, que resultou em redução da produção e da produtividade. A produção paranaense do grão somou 14,0 milhões de toneladas e produtividade média de 3.146 kg/hectare, a mais alta do Brasil.

Trigo

Quanto ao trigo, a produção paranaense de trigo foi de 3,4 milhões de toneladas e produtividade média de 2.829 kg/hectare. Os cinco maiores produtores brasileiros do cereal são, em ordem de importância: Tibagi, Castro, Corbélia, Londrina e Toledo.

Feijão

Paraná Os números divulgados confirmam mais uma vez a importância e o destaque do Paraná no contexto da agropecuária nacional. É o principal produtor de milho, trigo e feijão, segundo produtor de soja e terceiro produtor de cana-de-açúcar. Em 2010, o Paraná ficou em segundo lugar no Valor Bruto da Produção, com uma participação de 12,9 (R$ 19,8 bilhões), atrás de São Paulo que mantém o primeiro lugar, participando com 18,2% (R$ 28,0 bilhões).

Milho

No caso do milho, o elevado custo de produção e os baixos preços praticados à época do plantio da safra de verão, desestimularam o produtor paranaense. Com isso, houve redução na área plantada com migração para a cultura da soja. Em 2010, a combinação de tecnologia e clima favorável resultou na produção de 13,5 milhões de toneladas e produtividade média de 6.011 kg por hectare.

62

Revista do Produtor Rural

O Paraná manteve-se como principal produtor de feijão, com uma participação de 25,1% no total nacional. A produção obtida em 2010 foi de 792 mil toneladas, um crescimento de 0,6% sobre a safra de 2009. Esse acréscimo reflete o desempenho registrado na 1ª safra, mesmo com as perdas devido ao excesso de chuvas em dezembro e janeiro. Já na 2ª safra, apesar das lavouras não tenham sido afetadas por problemas climáticos, houve retração no plantio por conta dos preços desfavoráveis.

Cana-de-açúcar

Apesar de apontar um crescimento de 30 mil hectares na área colhida, a produção paranaense caiu em mais de 5 milhões de toneladas. A produtividade dos canaviais que em 2009 foi a mais alta do Brasil com 90.147 kg/hectare, caiu para 77.269 kg por hectare. Entre os municípios produtores, os mais afetados foram Cruzeiro do Oeste e Ivaté, com 25,7% e 22,9%, respectivamente,

na quantidade produzida. Isso reflete a situação de dificuldades financeiras e climáticas que afetaram os produtores e suas lavouras, dificultando a renovação dos canaviais e investimento maior em tratos culturais. Além disso, a introdução da colheita mecânica nas áreas implantadas para corte manual reduz inicialmente o rendimento da lavoura, já que o terreno não foi adaptado para o corte com máquinas. Este problema vai diminuindo à medida que os canaviais vão sendo renovados e as áreas preparadas tecnicamente para a entrada das máquinas.

Produção Pecuária Municipal 2010 Frangos

O total de frangos de corte levantado pela PPM 2010 foi de 1,028 bilhão de unidades, mostrando estabilidade em relação ao ano de 2009. Uma das constatações mais interessantes é que todas as regiões, menos na Sul, apresentaram decréscimo no alojamento destes animais. A queda mais significativa foi registrada no Centro-Oeste do País (-5,4%). O maior efetivo destes animais encontrava-se na Região Sul do País (51,3%), seguido de longe pela Região Sudeste (27,2%). Dos 20 municípios com maiores alojamentos de frango, 6 são paranaenses: Piraí do Sul, Cianorte, Toledo, Dois Vizinhos, Palotina e Cascavel. O município Toledo se destaca, pois não fazia parte da lista em 2009. A produção avícola do Paraná mostra toda aptidão do nosso estado para essa atividade. O Paraná tem tudo para se manter na ponta da produção e exportação. Os avanços na sanidade e na tecnologia são inegáveis, e as indústrias investem pesado pra que o estado avance na produção.


Suínos

O rebanho suíno fechou 2010 com 38,957 milhões de cabeças, aumento de 2,4% com relação a 2009. Aumentos significativos do rebanho foram constatados nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste, 7,6% e 6,6%, respectivamente. A Região Sul manteve a estabilidade. O Estado de Santa Catarina teve queda de 2,1% no efetivo de suínos, enquanto Minas Gerais, outro importante estado no alojamento de suínos, registrou crescimento de 8,2% no comparativo com o ano de 2009. Os Municípios de Uberlândia (MG), Rio Verde (GO), Toledo (PR), Concórdia e Seara (ambos em Santa Catarina) apresentavam as maiores participações municipais. As mesmas posições ocupadas em 2009 foram mantidas, à exceção da troca de posições entre os Municípios de Concórdia e Seara (SC). O Paraná aloja 10,8% das matrizes, ficando atrás de Santa Catarina (15,9%), Rio Grande do Sul (11,5%) e Minas Gerais (10,9%). A Região Sul concentrou isoladamente 38,3% do efetivo nacional de porcas criadeiras, mas o principal município produtor continua sendo Uberlândia (MG). O estado com o maior rebanho suíno é Santa Catarina (20,6%), seguido pelos Estados do Rio Grande do Sul (15,2%), Paraná (13,4%) e Minas Gerais (13,2%). O Paraná tem dois municípios entre os 20 maiores rebanhos, Toledo e Arapoti, com 490.780 e 185.624 animais, respectivamente. O rebanho paranaense permaneceu praticamente o mesmo, passou de 5.105.005 para 5.096.224. A suinocultura passou por problemas financeiros severos, isso abalou os ânimos dos produtores paraenses e freou os investimentos. O principal vilão foi o milho com seus preços recordes. O impacto nos custos de produção foi enorme e colocou a atividade em uma situação extremamente complicada.

Bovinos

O efetivo de bovinos em 2010 teve aumento de 2,1% em relação a 2009, totalizando 209,541 milhões de cabeças. Os aumentos foram registrados nas Regiões Norte (4,1%), Centro-Oeste (2,7%), Nordeste (1,7%) e Sudeste (0,6%). No Sul do País, o rebanho teve uma queda (-0,1%). Em 2010, o abate de matrizes foi relativamente menor que o revenda dos últimosautorizada oito anos e repreCereal, sentou 30% do total de bovinos abatidos, segundo os dados da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais, também

do IBGE, referentes ao quarto trimestre daquele ano, indicando retenção de matrizes pelos pecuaristas para recomposição do rebanho. O rebanho bovino se distribuiu, de forma mais concentrada, em 2010 da seguinte forma: 34,6% no Centro-Oeste, 20,1% no Norte, 18,3% no Sudeste, 13,7%no Nordeste e 13,3% no Sul do País. Os maiores efetivos de bovinos do Brasil encontravam-se no Estado de Mato Grosso, seguido pelos Estados de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Na Região Sul, o Paraná foi responsável pela queda da variação em 2010, sendo o único estado da região a apresentar decréscimo do rebanho. O número de animais passou de 9.562.113, para 9.411.380. No Paraná a diminuição do rebanho mostra uma tendência que merece atenção. A substituição da pecuária por outras atividades é uma realidade. A pecuária precisa ser revista e reavaliada. O potencial da atividade é bom, principalmente se o foco for à produção de carne de qualidade.

Leite

Os dados da atividade leiteira mostram que o Brasil produziu 30,7 bilhões de litros de leite em 2010, crescimento de 5,8% em relação a 2009. O Paraná manteve-se em 3º lugar no ranking de produção nacional. Com 3,596 bilhões de litros produzidos , perdendo apenas para Minas Gerais, (8,4 milhões de litros) e Rio Grande do Sul

Produção de leite em mil litros 2009

(3,634milhões de litros). A diferença entre o 2º e o 3º colocados, Rio Grande do Sul e Paraná, é de apenas 1,1%. A maioria dos estados manteve sua colocação inalterada no ranking em relação a 2009, a exceção do Rio Grande do Norte, classificado em 18º lugar ,que passou à frente das produções de Alagoas e Tocantins, além do Acre, 23º do ranking, que passou à frente do Amazonas. A região sudeste do Brasil continua disparada em 1º lugar, com produção de 10,92 bilhões de litros de leite, registrando crescimento de 4,8% em relação ao ano anterior. Este crescimento é sustentado quase exclusivamente pelo aumento da produção em Minas Gerais (+ 5,7% em relação a 2009), já que os outros estados da região cresceram menos: São Paulo registrou aumento de produção de 1,4% ,Rio de Janeiro de 1,2% e Espírito Santo 3,7% A região sul mostrou o crescimento mais acentuado entre todas, passando de 8,96 bilhões de litros em 2009 para 9,61 bilhões, aumento de 7,3%.Os 3 estados da região apresentaram o seguinte crescimento: Paraná 7,7%; Rio Grande do Sul 6,9%; Santa Catarina 7,4%, superiores ao crescimento nacional que foi de 5,8%. Entre os municípios paranaenses, Castro continua sendo o destaque, maior produtor nacional e paranaense. No quadro abaixo os 10 municípios maiores produtores de leite do Paraná em 2009 e 2010.

Produção de leite em mil litros 2010

Castro

166.000 Castro

180.000

Toledo

106.587 Mal. Cândido Rondon

98.237

Mal Cândido Rondon

87.495 Carambeí

88.050

Carambeí

83.925 Toledo

80.682

Cascavel

66.795 Cascavel

66.875

Chopinzinho

57.718 Chopinzinho

62.000

Rio Bonito do Iguaçu

53.036 Rio Bonito do Iguaçu

54.000

Arapoti

45.019 Arapoti

53.300

Coronel Vivida

43.891 Pitanga

49.000

Quedas do Iguaçu

42.401 Coronel Vivida

47.400

Fonte: IBGE – Elaboração DTE/FAEP

Revista do Produtor Rural

63


[Ovinocultura]

Produção de carne ovina na Nova Estrela Agropecuária – Campo Largo (PR) Alexandre Bombardelli de Melo Médico Veterinário – CRMV-PR 4566 Supervisor Nacional de Equinos, Ovinos e Caprinos Márcio Essert Promotor de Vendas – PR

A

lém da criação e comercialização de gado Nelore, localizada em Amaporã (PR), e da fazenda de agricultura e gado de corte, com a raça Simental, localizada em Guarapuava (PR), a Nova Estrela Agropecuária também produz carne ovina em Campo Largo (PR), município próximo à capital paranaense, de clima frio e úmido, com geadas no inverno. A região é de relevo acidentado, solo arenoso com fertilidade a corrigir e muito sujeito a erosões. A propriedade tem 18 ha de pastagens perenes e 13 ha de lavoura.Os 18 ha de pastagens de verão são formados com Hermarthria florida e Aruana, divididos em doze piquetes que durante o inverno são semeadas a lanço com azevém. Os sete talhões que formam os 13 ha de lavoura são cultivados no verão com milho para silagem, milho grão, alternando-se, no verão seguinte, com soja. Nos talhões de lavoura, planta-se aveia preta, escalonadamente, para se ter oferta de forragem para pastejo dos ovinos durante todo inverno. O projeto de ovinocultura na Nova

Baias maternidade

64

Revista do Produtor Rural

Estrela Agropecuária teve início em 2008 com a aquisição de 80 matrizes. Hoje, o plantel é composto por 260 ovelhas matrizes das raças Texel, Ile de France, Suffolk e Dorper, e os reprodutores são das raças Texel e Ile de France. As fêmeas que nascem atualmente estão ficando para aumento do plantel. Ter várias raças é intencional, pois elas são diferentes em relação à estacionalidade reprodutiva. Os reprodutores ficam sempre juntos com as ovelhas e, assim, nascem animais o ano todo. Como a concentração de cios é de novembro a janeiro, após a tosquia, a maioria das ovelhas parem em abril, maio e junho, no inverno,quando se tem maior oferta de forragem de aveia preta. O plantel é dividido em 3 lotes, sendo: 1. Ovelhas, cordeiros e reprodutores: pastejam das 10h às 17h. No final da tarde, são suplementadas com 3 kg de silagem de milho/cabeça, dentro do aprisco e suplemento mineral Ovinofós® à vontade (consumo médio de 32g/cab/dia). Os cordeiros recebem concentrado à vontade no creep-fee-

Creep-feeding

ding, formulado na propriedade com milho triturado, farelo de soja, Ovinofós Núcleo Produção com monensina, calcário calcítico e sal branco). 2. Borregas (fêmeas desmamadas para reposição): permanecem 100% do tempo na pastagem e são suplementadas somente com Ovinofós à vontade (consomem em média 25 g/cab/dia), sendo introduzidas no lote de ovelhas matrizes entre 8 e 10 meses de idade. 3. Confinamento (animais desmamados): recebem silagem de milho à vontade + concentrado à vontade, formulado com milho triturado, farelo de soja, Ovinofós Núcleo com monensina, calcário calcítico e sal branco, em cochos separados. A adição de sal branco é para evitar problemas de urolitíase. Consomem 4% do peso corporal em ração concentrada e 1% do corporal em silagem de milho (matéria seca). Com o sistema de acasalamento o ano todo e um índice de partos duplos de 30%, a taxa anual de natalidade fica em 155%. Para conseguir esses resultados é necessário alimentar bem as ovelhas o ano todo, pois elas exigem, ao mesmo tempo, nutrientes para se manter, gerar fetos e produzir leite. Os cordeiros são desmamados com 25 kg e idade de 80 dias para os nascidos de parto simples, e 120 dias para os nascidos de parto duplo. Assim, as ovelhas ficam livres da amamentação e antecipam o cio. Como os cordeiros já comem silagem junto com as mães e comem concentrado no creep-feeding, sentem pouco o desmame e se adaptam facilmente à dieta do confinamento. O ganho de peso diário no confinamento é de 380g. Os cordeiros


Pastagem de aveia preta - abril de 2011 - Fernanda Cattalini Nappa, proprietária da Nova Estrela Agropecuária e Márcio Essert Tortuga

não são castrados. Os desmamados ficam, em média, 30 dias no confinamento e atingem boa cobertura de gordura. Assim, as carcaças são padronizadas, o que garante carne de qualidade ao comprador. Os cordeiros são vendidos com peso vivo entre 35 e 38 kg. Atualmente o comprador paga R$ 5,25/kg vivo de cordeiro e R$ 2,80 para ovelhas descartes. Para diminuir a mortalidade no nascimento foram construídas, dentro do aprisco, baias-maternidades individuais, onde as ovelhas, logo após o parto, ficam sozinhas com suas crias, para evitar cordeiros rejeitados. Observam-se os tetos e úbere da ovelha, identificam-se os cordeiros e apenas são soltos quando estão firmes e aptos para ir para a pastagem junto com a mãe. No sistema de monta, o ano todo é utilizado 1 reprodutor para 40 ovelhas. O principal cuidado com a verminose consiste em evitar que os animais retornem ao mesmo piquete durante pelo menos 30 dias. A cada 15 dias as ovelhas matrizes, os reprodutores e as borregas passam pelo brete onde são avaliados pelo método Famacha® e são vermifugados, se necessário. Os cordei-

ros são vermifugados com maior frequência até a entrada no confinamento. As ovelhas matrizes, reprodutores e borregas são vacinadas contra clostridioses, em março e setembro, e para salmonelose e pasteurelose, em março. Os cordeiros recebem 2 doses de vacina para clostridioses com 30 e 60 dias pós-nascimento. Periodicamente é feito pedilúvio com solução de sulfato de zinco para evitar problemas de podridão de casco. O casqueamento é feito 2 vezes/ano e a tosquia é feita em outubro. O controle do rebanho e anotações dos partos e nascimentos são necessários para identificar ovelhas vazias, ovelhas com má habilidade materna e ovelhas com problemas como mastite e pouco leite. Após o pastejo das ovelhas matrizes com cordeiros, que têm à sua disposição folhas novas da pastagem, entram as borregas e também bovinos de recria e engorda, que comem os talos e dispensam o uso de roçadeira. Os bovinos são suplementados com Fosbovi Proteico 35 (consumo diário de 250 g). A construção do aprisco foi muito

bem projetada para total aproveitamento de todos os dejetos. Abaixo do piso ripado há um piso em desnível e uma vez por semana é feita uma lavagem com tanque-bomba. Os dejetos caem por gravidade dentro de uma fossa e desta, também por gravidade caem dentro do tanque distribuidor de esterco líquido. Os dejetos são distribuídos nos piquetes que já foram pastejados pelos ovinos e bovinos e ajudam muito para a fertilidade dos solos das pastagens. Segundo Fernanda Cattalini Nappa, proprietária da Nova Estrela Agropecuária, o ponto de equilíbrio se dará com 350 matrizes, quando conseguir produzir 10 cordeiros por semana. A meta é fazer parceria com restaurantes e garantir fornecimento de 15 carcaças de cordeiros por semana, para isso serão necessárias 500 matrizes. “Prefiro crescer devagar, corrigir a fertilidade dos solos e terminar de formar as pastagens. Quero fazer meu plantel com fêmeas nascidas aqui e especializar cada vez mais a mão-de-obra para reduzir a mortalidade e aumentar a produtividade”, diz Fernanda.

POR TRÁS DOS PRODUTOS DOS SEUS SONHOS EXISTE A NOSSA TECNOLOGIA E COMPROMISSO COM O MEIO AMBIENTE. A TECNOLOGIA TORTUGA GARANTE A OVINOS E CAPRINOS SOLUÇÕES PARA A SAÚDE E NUTRIÇÃO ANIMAL. COM MINERAIS ORGÂNICOS, OS SUPLEMENTOS INCREMENTAM A VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E O GANHO DE PESO. TUDO PARA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DO REBANHO E A TRANQUILIDADE DO OVINOCULTOR.

Revista do Produtor Rural

65


[Nogueira Pecã]

Pomar planejado rende bons frutos

E

m Anta Gorda/RS, a família Pitol comemora a constante produtividade de nozes pecã. Com o pomar planejado e muita pesquisa, a espécie originária dos Estados Unidos, mas já modificada geneticamente para se adaptar aos diversos climas brasileiros, é o carro chefe da Agroindústria Pitol. De Anta Gorda, mudas de nogueira estão sendo vendidas para todo o Brasil e também para países vizinhos. As árvores, carregadas de frutos, são resultado de um trabalho realizado ao longo dos anos. “Temos a Pitol 1 (melhorada), a Pitol 2 (importada), a Bartom e a Imperial, que se dividem em super precoce, precoce, normal e tardia. Desta forma, planeja-

66

Revista do Produtor Rural

mos também a época de colher o fruto, pois eles amadurecem em períodos diferentes”, explica Lenio Pitol. O cultivo da nogueira pode ser feito em terrenos acidentados e a manutenção do pomar fica à cargo das ovelhas, outra fonte de renda. Pitol lembra que toda a cultura em ano de muita chuva precisa ser tratada, pois com a umidade vêm também os fungos e, com a nogueira não é diferente. Por isso, ele pulveriza as árvores duas vezes por ano, em meados de novembro e outra em janeiro. Em anos de estiagem pulveriza-se uma vez e em variedades mais sensíveis, até três vezes ao ano. O produtor rural de Anta Gorda, Jairo Casagrande, investiu em nogueira e


não se arrepende. Com o pomar há nove anos, ele está com 700 plantas e acredita na viabilidade econômica da nogueira. “Se você calcular uma média de 50 kg por planta e vender a R$ 5,00 o quilo são R$ 250,00 por planta”, faz a conta.

Mudas e beneficiamento de nozes A família Pitol pesquisa e investe na noz-pecã há 40 anos. Em viveiros, a empresa produz as quatro melhores variedades existentes no mercado, que são vendidas para todo o Brasil. “Para alcançarmos estes resultados realizamos pesquisas, experimentos e testes oferecendo ao cliente, mudas fiscalizadas e com garantia”, destaca o proprietário Luiz Pitol. Ele acrescenta que o trabalho é contínuo. “A pesquisa não pode parar, afinal, sempre surge uma variedade nova, uma mudança de comportamento da planta e precisamos estar atentos. A empresa analisa a matriz por anos para oferecer mudas que tenham boa origem”, emenda.

Outro diferencial do viveiro é oferecer mudas de até dois metros de altura. “Com este tamanho, o produtor não ocorre o risco de formigas ou outros animais atacarem a muda, além disso, o perfil se adapta muito bem ao consórcio com ovelhas. Temos uma preocupação muito grande com a produção. Por isso, oferecemos mudas que apresentem resultado já no terceiro ou quarto ano, e depois do oitavo a produção só tende a crescer”, ressalta Pitol. A empresa é grande incentivadora do cultivo da noz-pecã, a fim de assegurar a produção. Atualmente, a agroindústria compra todas as nozes produzidas em Anta Gorda, além de buscar matéria-prima em outras cidades gaúchas, de Santa Catarina e do Paraná. “Mesmo assim, sofremos com falta de produto. Neste ano ficamos parados três meses devido à escassez de nozes”, conta. Pitol acredita que se tivessem mais frutas disponíveis, a produção da empresa cresceria 200%. “Chegamos ao ponto de não ter estoque, pois tudo que é produzido tem destino. Não conseguimos

atender novos clientes porque não temos produtos para oferecer. Poderíamos estar exportando”, afirma.

Revista do Produtor Rural

67


[Colégio Agrícola]

O ensino do (e para o) campo Há 58 anos, o Colégio Agrícola forma cidadãos e profissionais do campo

Foto: Mariana Rudek

O

da os conhecimentos técnicos agropecuários, assim como os alunos do curso sub-sequencial. O diretor destaca que o ponto mais importante para esses alunos é a con-

vivência e a troca de experiências que o colégio propicia. “Como eles ficam o dia todo em atividades, eles convivem com pessoas de cidades diferentes, com costumes diferentes, dividem o

Foto: Bruno Hilgemberg

Centro Estadual de Educação Profissional Arlindo Ribeiro foi fundado em 12 de julho de 1953 para atender filhos de agricultores dos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Segundo o atual diretor geral da instituição, Alacir Valença Soares, inicialmente era ofertado o ensino primário e agropecuário, posteriormente o ginásio agrícola e em 1967 iniciou o ensino médio técnico agropecuário. O Colégio Agrícola, como é conhecido, tem hoje 213 alunos matriculados. São ofertados os cursos médio tecnólogo em agropecuária e o sub-sequencial em agropecuária para estudantes que concluíram o ensino médio na grade normal de ensino. Hoje, 119 alunos do ensino médio são internos do colégio e recebem alojamento e alimentação gratuitamente. As aulas são em período integral. Os alunos matriculados no nível médio recebem todo o conteúdo de base e ain-

68

Revista do Produtor Rural


Fotos: Bruno Hilgemberg

Maria Aparecida Cordeiro da Silva Diretora Auxiliar Pedagógica

mesmo espaço e aprendem a conviver. Eles saem daqui muito mais maduros”, observa. Os alunos desenvolvem os conteúdos práticos nas Unidades Didático-Produtivas (UDP), em 100 ha que a instituição dispõe. Na propriedade, eles têm contato com mecanização agrícola, bovinocultura de leite, aviário, suinocultura, ovinocultura, apicultura, minhocultura, fruticultura, culturas de feijão, soja, milho, milho silagem e viveiro florestal.

Alcione Pickler da Silva Shanuel

Alacir Valença Soares

Diretora Auxiliar das Unidades Didático Produtivas (UDP)

Diretor Geral

Os alunos ainda possuem uma horta livre de agrotóxicos, da qual é retirada boa parte das refeições da escola. A diretora auxiliar das UDP’s, Alcione Pickler da Silva Shanuel, salienta que os alunos aprendem desde o preparo da semente à colheita e em todo o processo há a orientação do professor e o auxílio de um monitor. “Durante a semana, os alunos são responsáveis em manter a produção e aos finais de semana os monitores mantêm o serviço”, conta. Na propriedade há 15 vacas de lei-

te que diariamente rendem 200 litros de leite, destinados à COAMIG. “Apesar do nosso intuito não ser o lucro, o aluno tem uma boa vivência real do mercado”, acrescenta Alcione. A dedicação e cuidado no trato dos animais rendeu aos alunos três prêmios em competições realizadas este ano na Expogua: o segundo lugar no torneio leiteiro, categoria volume (Holandesa); e também os títulos de grande campeã e reservada grande campeã Hampshire Down RGB no julgamento de ovinos.

O sucesso vem das escolhas certas que você faz. Aproach® Prima é marca registrada da DuPont® © 2010/2011, DuPont® do Brasil S/A. Todos os direitos reservados.

Quando a Ferrugem Asiática ameaçar sua produtividade, não arrisque, faça a escolha certa para ficar muito bem protegido: Aproach® Prima. • Prevenção e controle imediato da Ferrugem Asiática e de outras importantes doenças da soja • Maior produtividade e lucro ao produtor

Aproach® Prima: quem usa, recomenda.


[Feira de Ciências]

Projetos beneficiam pequenos produtores

P

ara disseminar o conhecimento científico, o Centro Estadual de Educação Profissional Arlindo Ribeiro promove anualmente a feira de ciências, que segundo a diretora auxiliar pedagógica, Maria Aparecida Cordeiro da Silva, os alunos desenvolvem projetos voltados à agropecuária. “São projetos que visam auxiliar na atividade rural, inclusive temos exemplos de agricultores que colocaram idéias aqui apresentadas em prática, lá na propriedade rural”, revela. Este ano, a Feira de Ciências foi realizada entre os dias 27 e 29 de outubro, nas instalações do colégio. O evento teve o apoio do Sindicato Rural de Guarapuava. Sempre com a feira, é realizado o Dia da Família, quando os familiares dos alunos visitam o colégio. “O objetivo é que eles conheçam onde os filhos passam a maior parte do tempo e como é o processo pedagógico da escola”, completa Maria Aparecida. Mais de 90 pessoas, entre funcionários e professores, trabalham para manter o Colégio Agrícola de Guarapuava formando técnicos agrícolas. O diretor geral, Alacir Soares, recorda que muitos dos alunos, quando se formam, já tem em vista um bom emprego. “Já enviamos técnicos para todos os estados brasileiros e neste semestre já tive pedido de mais 20 técnicos”, comemora.


[Legislação]

Reflexos perante o Poder Judiciário da importância do agronegócio brasileiro CID MARCELO SANDER é Contador e Advogado, OAB/PR 41.010 TED MARCO SANDER é Advogado OAB/PR 41.106 e Bacharel em Ciências Contábeis FERNANDA RUSCHEL SANDER é Advogada OAB/PR 50.991

R

ecentemente tivemos a oportunidade de participar de dois eventos jurídicos ocorridos no mês de agosto deste ano, e que deixaram uma mensagem clara de que o agronegócio brasileiro tem cada vez mais ressaltada sua importância como um dos vetores do desenvolvimento sustentável pelo qual o Brasil vem passando. Nos referimos ao evento realizado pela AMAPAR – Associação dos Magistrados do Paraná, e ao evento realizado pela OCEPAR – Organização das Cooperativas do Estado do Paraná. No evento realizado pela AMAPAR nos dias 18 e 19 de agosto, denominado de I Congresso Jurídico Internacional do Agronegócio, tivemos a oportunidade de ouvir explanações do Desembargador Gamaliel Seme Scaff, Desembargador Antônio da Cunha Ribas, do Deputado Federal Reinhold Stephanes, do Ministro do Superior Tribunal de Justiça, Massami Uyeda, entre outras autoridades. As palestras proferidas nesse congresso jurídico tiveram um nítido objetivo de demonstrar que o agronegócio brasileiro, especialmente o produtor rural, em suas diversas relações com o mercado, meio ambiente, com a produção de alimentos, tem sua importância cada vez mais crescente no cenário nacional e mundial. O agronegócio brasileiro vem ampliando sua atuação na economia e suas responsabilidades perante o meio-ambiente, e em decorrência disso, mais demandas jurídicas envolvendo os produtores rurais estão sendo levadas ao Poder Judiciário a fim de se buscar a solução jurídica aos conflitos que surgem no dia-a-dia. Atualmente, as controvérsias apresentadas aos Juízes são em sua grande maioria relacionadas a contratos bancários, arrendamentos e parcerias agrícolas, sucessão de patrimônio rural, entre outras. Já as questões ambientais ainda dependerão do texto final do novo

Código Florestal, para saber-se se transformarão em inúmeras demandas judiciais ou não. Mas concluímos que o só fato de a Associação dos Magistrados do Paraná realizar um evento jurídico voltado ao agronegócio, é demonstração inequívoca da importância do setor rural no cenário econômico-jurídico no Estado do Paraná. O agronegócio já é reconhecidamente um vetor de desenvolvimento nacional, e agora o Poder Judiciário vem reconhecer a importância desse setor da economia, especialmente no estado paranaense. O outro evento a que nos referimos foi organizado pelo setor jurídico da OCEPAR, na pessoa do Dr. Paulo Roberto Stoeberl, e ocorrido no dia 30 de agosto passado, com dois temas abordados pelos advogados presentes. O primeiro assunto foi relacionado a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal no Recurso Extraordinário nº 596.177, que declarou a inconstitucionalidade do Funrural e reconheceu a repercussão geral do tema, ou seja, vinculou a decisão do Tribunal Superior às demais decisões a serem tomadas por todo o Judiciário quando analisar matéria idêntica. Na prática, isso significa que os Juízes Federais e os Desembargadores dos Tribunais devem seguir a decisão tomada pela Suprema Corte no sentido da inconstitucionalidade do Funrural. Nesse mesmo encontro, outro assunto foi abordado na sede da OCEPAR, o qual, em síntese buscou alertar aos advogados presentes e fomentar a discussão sobre a interpretação jurídica dada pelos Juízes nas decisões em casos concretos, com relação ao capital social das cooperativas, mais precisamente, ao equívoco de alguns Magistrados ao decidirem equipararem o tratamento jurídico dado ao capital social de uma cooperativa com o capital social de sociedades empresárias.

Esse tratamento igualitário provoca sérias e prejudiciais conseqüências às cooperativas, que são entidades jurídicas totalmente diferentes das sociedades empresárias, notadamente com relação ao capital social, seja em decorrência dos princípios cooperativistas, seja pela correta leitura da Lei nº 5.764/71, que instituiu o regime jurídico das sociedades cooperativas. Mas o importante é que o tema foi posto a ser debatido pelos advogados, e que o intuito é difundir no meio judicial a natureza jurídica peculiar das cooperativas, a fim de evitar equívocos em decisões judiciais que envolvam as sociedades cooperativas, especialmente o capital social das mesmas, que em muitos aspectos diferem do tratamento legal que se deve dar ao capital social das sociedades empresárias. Com este breve artigo, buscamos informar aos produtores rurais leitores deste periódico, que o Judiciário paranaense e a entidade representativa do setor cooperativista no Paraná, tem contribuído para a defesa dos interesses dos produtores rurais e do agronegócio, realizando eventos para fomentar a discussão de temas relevantes que de uma forma ou de outra interferem no dia-a-dia do homem do campo.


[Política]

Audiência pública proposta por Cesar Filho debate condições de segurança da BR-277 em Guarapuava

O

deputado Cesar Silvestri Filho (PPS) presidiu na noite de 22 de setembro a audiência pública que debateu as condições de segurança e melhorias viárias na BR-277, no trecho entre o acesso a Candói (Três Pinheiros) e o Trevo do Relógio, em Prudentópolis. A reunião, realizada na Câmara Municipal Guarapuava, durou cerca de quatro horas. Representantes das concessionárias Ecocataratas e Caminhos do Paraná, parlamantares, integrantes do Ministério Público e representantes da sociedade civil organizada discutiram as alternativas de melhorias para a rodovia. O deputado estadual Marcelo Rangel (PPS), presidente da Comissão de Obras da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), destacou a importância da audiência, solicitada por Cesar Filho. “É muito importante a mobilização e a participação de todos os setores da sociedade civil para conscientizar os representantes das concessionárias e do Estado sobre as reais demandas da população”, comentou.

Segundo Rangel, está previsto para a próxima semana uma reunião entre os integrantes da Comissão de Obras da ALEP, o secretário de Logística e Infraestrutura, José Richa Filho, e a Superintendência do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) para tratar da possibilidade de implantação de redutores de velocidade nos trechos do perímetro urbano sob a administração do município. “Na próxima semana vou procurar o secretário de Infraestrutura e o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes para tratar dessa questão e solicitar que esse controle dos radares seja feito pelo Guaratran”, anunciou Cesar Filho. A instalação de qualquer dispositivo redutor de velocidade não faz parte das obrigações contratuais das concessionárias, mas depende necessariamente de estudos técnicos elaborados pela Polícia Rodoviária Federal em conjunto com o DER/PR. Cesar Filho disse que é imprescindível aumentar a segurança viária em todo o perímetro urbano da BR-277

em Guarapuava. “As entradas e saídas de empresas, os acessos às avenidas e, principalmente, às marginais devem ser prioridade”, salientou. O parlamentar ressaltou a discrepância entre os valores cobrados pelas concessionárias de pedágio e o valor investido diretamente em obras nesses trechos. Assessoria de Imprensa Deputado Estadual Cesar Filho

Stephanes relata MP que regula mercado futuro

O

Brasil quer dar um passo inédito no monitoramento de contratos negociados em mercados futuros, chamados derivativos, ou seja, aqueles em que há compromisso de compra ou venda em data futura. Por medida provisória, o governo federal propôs a obrigatoriedade de registro, e de cobrança de IOF, de operações financeiras na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Atualmente, apenas 80% dos contratos são registrados na BM&F. O restante é feito entre as partes. O mercado futuro também negocia contratos envolvendo commodities agrícolas. Para o relator da medida provisória, o ex-ministro da Agricultura, deputado federal Reinhold Stephanes (PMDB/ PR), estão sendo criados instrumentos de registro e de controle que vão dar

72

Revista do Produtor Rural

mais transparência ao mercado futuro. O registro, segundo ele, vai permitir ao Conselho Monetário Nacional conhecer o volume de operações e, com isso, avaliar possíveis riscos para o sistema. Stephanes reconhece que a especulação com contratos derivativos podem desestabilizar a economia e que os ajustes adotados são necessários para prevenir situações como a registrada na crise econômica mundial, de 2008, que atingiu empresas no Brasil e no exterior. “Por ser inovadora essa medida pode, no futuro, sofrer novos ajustes, dependendo da própria dinâmica do mercado. Mas é melhor pensar em ajustes futuros do que correr risco de não termos instrumentos de controle ou ação”. Stephanes lembra que a regulação do mercado futuro tem sido debatida

pelos países que compõem o G20, mas não avançou. De acordo com o parlamentar, além de o Brasil estar na vanguarda, o País terá instrumentos para prevenir a especulação cambial. Stephanes está ouvindo técnicos do Ministério da Fazenda e debatendo as mudanças também com representantes do setor financeiro. Hoje, o parlamentar se reuniu com dirigentes da BM&FBovespa e da Confederação Nacional da Indústria. Amanhã, Stephanes irá se encontrar com representantes da Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) e da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). Assessoria de Imprensa/Adélia Azeredo


[Safra de verão]

Momento do milho Roberto Hyczy Ribeiro Diretor Regional de Vendas da Pioneer Sementes

A

s lavouras de milho de verão estão praticamente plantadas e, agora, ficamos na torcida para que as mesmas resultem em excelentes produtividades e ganhos financeiros aos produtores rurais. Tivemos uma importante recuperação da área de verão em todo o território nacional, podendo chegar à mesma área de 2008. A área total de milho (verão + safrinha) vem se mantendo estável nos últimos quinze anos, enquanto a área de soja está aumentando significativamente, como mostra o gráfico 1 a seguir:


26,000

23,301

24,079

23,468

22,749

21,376

21,000

20,687

Hectares x 1000

As exportações de setembro fecharam num volume expressivo, como mostra a tabela 1.

Brasil - Área de Soja e Milho

21,313

21,743

18,475 16,386

16,000 13,321 13,158 12,995 13,508 12,143 11,000 11,381 11,269

14,197

13,970

13,454 12,541

11,839

12,549

13,028

12,340

14,400

12,839 12,805

12,625

12,683

6,000 96

97

98

99

00

01

02

Área Soja

03

04

Área Milho

05

06

07

08

09

10

Gráfico 1

De acordo com o gráfico, a área de verão vem reduzindo e aumentando a área da safrinha, uma das principais razões da baixa oferta de milho no momento, tendo em vista que as produtividades da safrinha não substituem as de verão, como já comentamos na edição anterior. Estima-se numa recuperação da área de verão em 25 a 30% em nível Brasil, visto a quantidade de sementes vendidas pelas empresas produtoras de sementes.

Este ainda é um número preliminar em função dos estoques nas cooperativas e revendas ainda serem desconhecidos. O mercado segue firme, com bons preços ofertados a lotes disponíveis. Acredita-se que 2012 poderá ser um bom ano para a cultura, já que as informações de mercado afirmam que 45 a 50% da próxima safrinha do Mato Grosso já estão contratadas, e um bom volume de verão, que acabou de ser plantado, também já foi contratado.

Exportações Mensais Milho (1.000t) Mês

2007

2008

2009

2010

2011

Jan

462,81

392,03

1.328,22

880,25

1.027,50

Fev

357,00

329,72

750,81

553,31

1.186,60

Mar

301,61

655,08

451,93

338,74

392,50

Abr

592,29

511,53

404,36

204,52

119,10

Mai

669,32

694,66

299,98

93,66

60,70

Jun

802,96

364,27

159,97

1,19

11,80

Jul

1.038,99

377,46

154,27

286,01

271,60

Ago

1.353,12

293,28

372,23

1.191,00

1.523,60

Set

1.364,94

274,32

716,33

1.930,40

1.649,20

Out

1.813,95

398,86

817,93

1.589,10

Nov

1.274,80

774,98

1.087,84

1.825,20

Dez

901,66

1.366,46

1.319,77

1.925,30

10.933,45

6.432,65

7.863,64

10.818,6

TOTAL Tabela 1

74

Revista do Produtor Rural

6.242,60

Isso mostra fortes sinais de que devemos repetir o bom volume de exportações de 2010, ou seja, chegar próximo aos 11 milhões de toneladas exportadas, fazendo com que o Brasil se fortaleça cada vez mais como um importante exportador de milho para o mercado mundial. A China não dá sinais de auto-suficiência em milho e analistas da área mercadológica apontam para volumes próximos de 20 milhões de toneladas a serem importados anualmente até 2020, colocando o Brasil como forte candidato a fornecedor. Isso também ocorre devido aos EUA estar destinando, cada vez mais, volumes significativos de milho para a produção de etanol - hoje se estima 129 milhões de toneladas. Além disso, em recente visita que a Pioneer realizou com um grupo de produtores brasileiros a uma Usina de Etanol dos EUA, tivemos a oportunidade de verificar que estas indústrias continuam crescendo em função da alta dependência dos EUA por uma fonte de energia alternativa para substituição do petróleo. Mais que isso, os sub-produtos do etanol como o DDG (farelo do milho) vem contribuindo significativamente no resultado financeiro das industrias, viabilizando e atraindo novos investidores. No Brasil, os investimentos para o aumento na produção de carne e leite continuam a crescer principalmente no sul do país, onde as aquisições de terras estão difíceis e a alternativa das propriedades rurais para aumento de renda tem sido a produção de leite, frangos e suínos. Isto expressa aumento no consumo de rações e, consequentemente, de milho. No Paraná, somente na região centro sul, já tivemos o início do funcionamento da nova indústria de processamento de leite da Batavo em Ponta Grossa; tivemos o anúncio da instalação da unidade de processamento de milho da Cargill em Castro, e recentemente o anúncio da instalação da indústria de milho da Agrária em Guarapuava. Isso tudo certamente contribuirá para o aumento de demanda por milho no Paraná e, gradativamente, mudará o cenário de comercialização do milho no estado que sempre abasteceu os estados do sul (RS e SC) que são importadores do grão.


Revista do Produtor Rural

75


[Clima]

Condições climáticas ocorridas e tendências para os próximos meses Por Luiz Renato Lazinski, Meteorologista - INMET/MAPA

D

urante o mês de setembro as precipitações continuaram seguindo um padrão muito irregular. Diferente dos últimos dois meses, em que observamos precipitações acima da média, as chuvas ocorridas em setembro ficaram abaixo da média na maior parte do Estado. Somente no sul e sudoeste do Paraná as precipitações ficaram acima da média, onde os totais observados ficaram entre 150 e 200 mm, nas demais regiões os totais observados ficaram abaixo do normal para a época do ano, variando entre 50 a 100 mm na região central e oeste e de 20 a 40 mm no norte do Estado. Estas chuvas foram causadas pela passagem de duas frentes frias que passaram pelo estado, no decorrer de setembro, uma na primeira década e a outra no final do mês. Setembro começou com temperaturas muito baixas. Apesar das temperaturas apresentarem valores próximos à media histórica, continuamos observando variações extremas, ou seja, períodos de temperatura acima da média para época do ano, intercalado com períodos de temperaturas muito baixas. As condições climáticas globais observadas no último mês, começaram a apresentar uma mudança importante na

configuração das temperaturas da superfície do mar, no Oceano Pacífico Equatorial, em função do reaparecimento de algumas áreas com anomalias negativas, conforme podemos observar na figura 01. Porém, na maior parte do Oceano Pacífico Equatorial, as águas superficiais ainda continuam com temperaturas superficiais dentro da normalidade, mantendo assim, uma situação de neutralidade dos fenômenos climáticos. O reaparecimento de áreas com anomalias negativas e os prognósticos climáticos de longo prazo, indicando para os próximos meses, uma evolução das anomalias negativas das temperaturas superficiais do oceano, sugere o retorno do fenômeno climático “La Nina”, já no final da primavera e verão, como podemos observar na figura 02. Seguindo as tendências climáticas, os prognósticos indicam que as precipitações devem ocorrer de forma mais constantes e abundantes, devendo ficar acima da média

Figura 01 - Anomalia da temp. da superfície do mar, semana de 18.09.2011 a 24.09.2011. (Fonte CPC/NOAA)

76

Revista do Produtor Rural

durante o mês de outubro, no centro-sul do Brasil. A partir de novembro, as precipitações devem apresentar uma distribuição mais irregular e, com o retorno do “La Nina”, a tendência é de que o verão deve apresentar chuvas com distribuição mais irregular e abaixo da média. A ocorrência de queda de granizo é maior em anos como este, em que estamos passando por uma situação de neutralidade climática. As temperaturas devem continuar apresentando os extremos observados nos últimos meses, intercalando períodos um pouco mais quentes para a época do ano com quedas acentuadas de temperaturas, devido a entrada de massas de ar frio muito intensas.

Figura 02 - Prognóstico da anomalia da temperatura da superfície do mar. (fonte: CPC/NOAA).


[Campanha]

Vacinação contra febre aftosa segue até dia 30 de novembro Devem ser vacinados bovinos e búfalos de todas as idades

A

campanha de vacinação contra febre aftosa, que está na segunda etapa esse ano, iniciou no dia 1º de novembro e segue até o dia 30. Neste período, os agropecuaristas devem procurar as casas veterinárias e adquirir a vacina contra febre aftosa. A primeira etapa da campanha, realizada em maio, atingiu 97,02% do rebanho paranaense. Márcia Maria Zago, médica veterinária da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab), destaca a importância de vacinar 100% do rebanho. “A vacinação é uma das principais armas de proteção contra a enfermidade. E qualquer dúvida ou suspeita de algum sintoma da doença, o produtor deve procurar

imediatamente a Seab, para que seja feita uma verificação nesses animais”, orienta. Além da vacinação dos bovinos e bubalinos, será feito um recadastramento do rebanho, ou seja, uma declaração das espécies existentes nas propriedades, para atualização dos cadastros e controle sobre a sanidade em todo o Estado. “Para atualizar o rebanho de suíno, caprino e bovino o produtor deve fazer esse cadastro no período da campanha”, observa Márcia. Ela alerta ainda para a Guia de Trânsito Animal (GTA) que todo pecuarista deve ter em mãos. “No período de campanha, 100% do rebanho tem que estar vacinado, para retirada da GTA. Dependendo da categoria dos animais, existe

um período de carência: de 15 dias para animais mais jovens e sete dias para animais de sobreano. Animais acima de dois anos não tem carência”.

Revista do Produtor Rural

77


[Encontro de Tratores Antigos]

Raridades

na estrada de Entre Rios Colecionadores de tratores antigos resgatam memória dos desbravadores que transformaram os campos de Entre Rios em solos produtivos

U

m desfile de tratores antigos na manhã do dia 1º de outubro marcou o 2º Encontro de Tratores Antigos, promovido por um grupo de produtores rurais de Entre Rios/Guarapuava. A reunião de tratores com mais de 50 anos resultou em histórias, lembranças e emoção. Encontrados em ferros velhos, restaurados em oficinas ou pelos próprios colecionadores, que enxergaram a ideia como um hobby, muitos apresentam marcas de décadas de uso. Algumas restaurações demoraram meses para serem concluídas e o cuidado com a fidelidade aos modelos originais fez com que alguns colecionadores importassem peças da Europa. Roland Jung já tem mais de seis relíquias. O modelo mais antigo resgatado até agora é de propriedade do jovem Edgar Milla. É um Lanz Bulldog, de 1937. Com mais de 70 anos, ele tem um sistema de partida bastante peculiar. Trata-se de um

78

Revista do Produtor Rural

motor de 35 CV, um pistão de dois tempos Diesel que tem seu cabeçote aquecido para haver explosão do combustível. A partida é manual, pelo volante inercial que movimenta o pistão. Também entusiasmado, o jovem Andrei Winkler contou que seu sonho era ter um Ursus, que tem o mesmo sistema de acionamento do Lanz Bulldog, no entanto é 22 anos mais novo. Segundo Walter Milla, o primeiro encontro de tratores antigos reuniu cinco tratores e um caminhão, em outubro de 2010. Desta vez, foram mais de 23 tratores, além de uma camionete, um Land Rover, um Fusca e um caminhão. Após o desfile de seis quilômetros, pela estrada que liga a Colônia Samambaia à Colônia Jordãozinho, o grupo chegou à chácara de Alfredo Jungert, com o objetivo de promover uma confraternização entre os produtores rurais amantes de tratores antigos e reviver a história. “Nossos

pais, avós, enfim, nossos antepassados, os pioneiros de Entre Rios trabalharam duro nesses tratores para construir o que temos hoje. É uma forma de prestar homenagem também”, comentou Milla. O dono da chácara, Alfredo Jungert, mostrou orgulhoso seus dois tratores antigos. “Tenho esse azul, ano 57, e esse verdinho, ano 56. Os dois estão funcionando muito bem”. O produtor rural Helmuth Seitz também participou do encontro com dois tratores, entre eles o Hanomag 35. “Meu pai começou com um igual a esse. Sentimos muita emoção nesse encontro, porque é como se eles estivessem aqui ainda. Acompanhamos nossos pais nessa lida no campo e há tempo queríamos reunir esses tratores antigos. Esse é um aquecimento para os 60 anos da Cooperativa Agrária”, revela. Os mesmos tratores (e seus donos) abrilhantaram o Winter Show 2011, com a abertura oficial e exposição na FAPA.


Alfredo Jungert

Walter Milla

Alexandre e Helmuth Seitz

O jipe do Sr. Temari Mal chegou na colônia e já ficou famoso o jipe do produtor rural Gerhard Temari. Ele é um Land Rover Ano 1951, um modelo igualzinho aos primeiros veículos que foram utilizados em Entre Rios, pela diretoria da Cooperativa Agrária, na gestão do então presidente Michael Moor. “Foram utilitários muito eficientes, que enfrentaram aquelas estradas totalmente esburacadas, serviram para transportar os diretores e engenheiros agrônomos, principalmente o pessoal do Departamento Técnico da cooperativa”, relembra o produtor. Feliz da vida com seu jipe, adquirido há seis meses em Treze Tílias, Temari não esconde a paixão. “Eu aprendi a dirigir em um jipe igual a esse, aos 16 anos. Trabalhava na Agrária como auxiliar de escritório e às vezes podia dirigi-lo, o que me deixava muito alegre. Mais tarde, coloquei na cabeça: um dia vou ter um jipe desse! E agora foi possível comprar um igualzinho. Hoje é um hobby muito gostoso”, revela. Sobre o encontro de tratores antigos, ele resumiu: “Foi um emoção muito interessante sentir esse espírito todo de máquina velha, de trator velho. Dá uma saudade tremenda”.

Edgar Milla – máquina mais antiga

Revista do Produtor Rural

79


[Curso de pecuária de curta duração]

Emater capacita criadores para a produção de carne bovina com padrão de qualidade internacional Luiz Fernando Brondani, coordenador estadual do projeto Carnes da Emater Amarildo Alba, jornalista

P

ecuaristas da região central do Estado concluíram, no dia 27 de outubro, em Guarapuava, o curso de orientação para a produção de novilhos precoces, superprecoces e hiperprecoces promovido pela Emater, Seab, Cooperaliança, Sindicato Rural de Guarapuava e Núcleo de Produtores de Bezerros de Guarapuava. O treinamento, com duração de 64 horas, começou em julho deste ano e atendeu 85 empreendedores. As atividades, orientadas por um time de técnicos especialistas da Emater, integrantes do projeto Carnes, tiveram como objetivo capacitar os criadores da Cooperaliança para a produção de carcaças padronizadas. Além disso, preparar novos pecuaristas, interessados em se associar a Cooperativa, para investirem neste sistema de criação que garante a entrega ao mercado de carnes nobres de bovinos com padrão de qualidade internacional e que, com a agregação de valor ao produto, incrementa a remuneração do negócio desenvolvido pelos pecuaristas. Segundo coordenador estadual do projeto Carnes, da Emater, o zootecnista Luiz Fernando Brondani, a Coperaliança começou a ser organizada com orientação do serviço de extensão rural oficial, no final da década de 90, e hoje se destaca na produção e entrega ao mercado de carcaças inteiras de bovinos precoces, superprecoces e hiperprecoces abatidos, respectivamente, com idades inferiores a 24, 18 e 14 meses ¬(a idade média de abate do rebanho paranaense é de 37 meses). Estes animais resultam na oferta de uma carne com excelente características de sabor, maciez e suculência; e, por terem toda a sua vida rastreada, oferecem segurança alimentar aos consumidores. Agora, a Cooperativa busca agregar mais valor ao produto de seus associados com a venda de cortes es-

80

Revista do Produtor Rural

peciais. “A uniformização na produção dos novilhos é importante para a elaboração desses cortes que depois são embalados, a vácuo ou não, rotulados e levados para o mercado em caixas também padronizadas. O curso trouxe orientações de todo o sistema intensivo de produção que podem ajudar os pecuaristas da Cooperaliança a atingirem mais fácil este objetivo e assegurar a participação deles num nicho especial de mercado que exige alta qualidade.” Edio Sander, presidente da Cooperaliança, destaca a importância do trabalho de capacitação dos criadores realizado nos últimos anos com o apoio da extensão rural oficial. “O projeto definido por nós é altamente rentável, desde que seja aplicada a tecnologia preconizada. Por isso, a realização desse treinamento junto com a Emater, para que todos adquiriam o conhecimento necessário ao sucesso do empreedimento”. Para deixar mais claro sua tese, o líder dos pecuaristas recorre a uma metáfora. “Muitas vezes o Estado promove programas de entrega de mudas, de sementes, calcário para os produtores. Sempre digo, brincando, é preciso disponibilizar aquele insumo especial que é aplicado entre as duas orelhas do agricultor, que é o conhecimento. A rentabilidade do negócio será sempre proporcional ao volume de conhecimento aplicado por unidade de área. Se tem conhecimento, tem retorno. Do contrário, não adianta”. O treinamento tratou de temas como associativismo; instalações para criação; condições ambientais, conforto térmico e bem estar animal; manejo geral do rebanho; sanidade; rastreabilidade; escolha de raças e cruzamento industrial; e alimentação animal, destacando, aí, tecnologias de formação e manejo de pastagens, suplementações de concentrados e produção de volumosos a pasto, dieta alimentar no

confinamento e mineralização do rebanho. “Estamos ensinando que para fazer um boi jovem, bem acabado, aquele que tem uma carcaça com teor adequado de gordura de cobertura e de marmoreio, dando à carne maciez, suculência e sabor, o criador não pode errar em nenhum item do sistema de produção. Falo aqui da alimentação, sanidade, manejo do rebanho, escolha de raças e cruzamentos, instalações e gestão. A falha na observância de um deles compromete o resultado de todos os demais”, explica Brondani. Os pecuaristas da Cooperaliança começaram a ser atendidos pela Emater, em processos de organização cooperativa, de produção e acesso ao mercado, no final da década de 90. A cooperativa foi instituída em 2007, depois de os criadores exercitarem, por oito anos, ação integrada em torno de uma aliança mercadológica. “O que são essas associações? Elas reúnem grupos de pecuarista dispostos a investir na produção e comercialização de carne de qualidade, obtida com o abate de animais oriundos de cruzamentos industriais, manejados e tratados com tecnologia de ponta e abatidos ainda jovens, com peso normal de carcaça de boi. A união dos criadores permite a formação de escala e a programação da produção para garantir a oferta constante durante todos os meses do ano. Com a contratação terceirizada do serviço de abate e refrigeração de um frigorífico inspecionado, eles também deixam de ser vendedores de animais vivos para a indústria e se transformam em produtores de carne de qualidade, que é distribuída para o mercado varejista ou atacadista, de forma direta, sem intermediação, pelos mesmos”, resume o coordenador do projeto carnes da Emater. A Cooperaliança atualmente reúne cerca de 70 associados, a metade lidando


com a produção de novilhos precoces e superprecoces e os demais com a criação de cordeiros jovens. Por ano, os criadores, juntos, chegam produzir e abater, em média, cerca de 9 mil cabeças de novilhos, com valor bruto de produção que supera R$ 16 milhões anuais. “A cooperativa cresce a uma taxa média anual de 30 por cento. Índice que deve ser mantido nos próximos três anos. Também temos uma demanda reprimida que chega a 35 por cento. Então, um dos grandes objetivos do curso passa a ser a busca e a capacitação de novos colaboradores; de gente que já tem plantel, tem boa genética animal e só precisa de conhecimento para integrar o nosso projeto”, explica Sander. Além de trabalhar na realização dos treinamentos, de orientar os pecuaristas da Cooperativa em processos de organização rural, a Emater disponibiliza dois profissionais especialistas para prestar assistência técnica e de gestão aos criadores em nível de propriedade, tanto para os criadores de novilhos quanto de cordeiros. A Cooperaliança tem outros dois técnicos que participam desta mesma ação. Em todo o Estado, existem outras sete cooperativas de produtores de carnes de novilho precoces, superprecoces e hiperprecoces. A maioria delas recebendo algum tipo de assessoria do serviço oficial de assistência técnica e extensão rural. “É importante destacar que para integrar um processo como esses, o criador, antes de tudo, precisa ser um profissional na ativi-

dade que vai desenvolver, deve conhecer a dinâmica de funcionamento de todos os elos da cadeia produtiva da carne bovina e entender que no relacionamento com todos os seus parceiros e colaboradores deve prevalecer o espírito do ganha-ganha”, comenta Brondani. O Paraná tem um rebanho de aproximadamente 9,4 milhões de cabeças de bovinos. Deste total, cerca de 6,1 milhões são de animais especializados para a produção de carne, respondendo pelo quarto maior V.B.P. (Valor Bruto de Produção) do Estado, perdendo apenas para a soja, milho e aves. A atividade é desenvolvida por aproximadamente 55,8 mil proprietários rurais, numa área de pastagem que passa de 5 milhões de hectares. “Nos últimos sete anos, a área ocupada com o cultivo de forrageiras caiu algo em torno de 17 por cento no Paraná. A atividade perdeu espaço para os cultivos de cana-de-açúcar, florestas e grão. Então, se não podemos ter quantidade, vamos investir na qualidade; vamos ser os melhores, intensificando cada vez mais o nosso sistema de produção. É isso que buscamos com o trabalho realizado com a Cooperaliança e com as outras cooperativas de produtores de carne no Paraná e que hoje, com a experiência que acumulam, já se tornaram referência e exemplo para criadores de outros estados brasileiros e até do exterior”, destaca Brondani. As vantagens desse modelo de produção de bovinos de corte orientado pela Emater, quen pode também ser adotado

em pequenas e médias propriedades rurais, podem ser confirmadas através dos vários índices técnicos, econômicos, sociais e ambientais obtidos com o sistema difundido. Um deles já foi citado, é a redução da idade média de abate dos animais. Com isso, a taxa de desfrute, percentual de animais vendidos durante um ano em relação ao total de animais existentes na propriedade, que é o principal índice zootécnico a ser avaliado, cresce de 21 para até 42 por cento; a produtividade média salta de 137 quilos de carcaças por hectare por ano, média estadual, para cerca de 470 quilos obtidos num mesmo período e área. A rentabilidade chega a R$2,8 mil por hectare ano, contra o índice médio paranaense de R$821,00. A intensificação do sistema de produção também aumenta a demanda por mão-de-obra. Enquanto que nos modelos extensivos não são exigidos mais do que 1 trabalhador para cada área de 4 módulos fiscais, na criação de novilhos precoces, superprecoces e hiperprecoces o pecuarista precisa de pelo menos 3 colaboradores para tocar esta mesma área. “Ao contrário do que acontece tradicionalmente na agricultura, na pecuária, a medida que o produtor aumenta o padrão tecnológico, disponibiliza maior número de empregos no campo”, explica o zootecnista da Emater, João Batista Barbi, que é um dos instrutores do curso e desde o início da década de 90 vem difundindo esta proposta de produção de novilhos no Paraná.

Revista do Produtor Rural

81


No céu e na terra, tecnologia em cereais de inverno WinterShow 2011 inovou com demonstrações de aplicações aéreas, tratores antigos, dinâmicas de máquinas e rally

A

Foto: Agrária/Divulgação

lém do trigo e da cevada, este ano o WinterShow teve ingredientes especiais. A visita do governador Beto Richa, o desfile de tratores antigos, a dinâmica de máquinas, a aplicação aérea de fungicida e até uma pista de rally surpreenderam o público. Recheada de atrações, o maior evento técnico de cereais de inverno do Sul do Brasil reuniu mais de 2.500 produtores rurais, técnicos, agrônomos, pesquisadores e estudantes nos dias 19 e 20 de outubro. Durante a manhã, o evento aconteceu no Centro Cultural Matthias Leh, com palestras e a participação de empresas do setor agropecuário. Na primeira manhã, o destaque foi a presença do governador do Estado do Paraná, Beto Richa, secretários de Estado e deputados estaduais, para a assinatura do protocolo de intenções da nova indústria de milho da Agrária. À tarde, o show de inverno aconteceu nos campos da FAPA – Fundação Agrária

82

Revista do Produtor Rural

de Pesquisa Agropecuária. Nas estações experimentais, doutores em cereais de inverno apresentaram resultados das mais recentes pesquisas sobre manejo de cultivares de cevada cervejeira, manejo do complexo de doenças nas culturas de trigo, cevada e mercado brasileiro de aveia. Houve também o lançamento da cultivar de aveia branca URSFAPA Slava. As dinâmicas de máquinas também aconteceram na FAPA, com a participação das principais empresas de Guarapuava. No céu e na terra, o WinterShow 2011 chamou a atenção da comunidade de Entre Rios. A abertura oficial um dia antes do evento, com tratores antigos disparando fogos no céu foi uma mostra de que essa edição entraria para a história da cooperativa. Nos dias do evento, o destaque foi para os vôos rasantes de um avião agrícola, que fez demonstrações de aplicações aéreas de defensivos. Também na FAPA, uma pista de rally fez

a alegria dos aventureiros, que puderam conhecer o potencial de caminhonetes de duas marcas parceiras do evento.

Segundo o presidente da Cooperativa Agrária, Jorge Karl, o Winter Show 2011 continua atendendo os objetivos, que são os mesmos desde a sua criação. “A intenção é que ele seja sempre um evento técnico de cereais de inverno. Isso porque a Cooperativa Agrária realiza trabalhos desde a pesquisa básica de genética de cevada e trigo até o consumidor final. Estamos investindo cada ano mais no WinterShow. Não quero realizar um evento


No Centro Cultural, show de informação técnica

Jorge Karl

mega de tamanho ou festivo. Queremos um evento cada vez mais técnico porque temos uma tradição em cereais de inverno”, comentou. Karl também comemorou a assinatura do protocolo de intenções da nova indústria da Agrária. “A nova fábrica já fazia parte dos planos estratégicos há muito tempo, visando uma verticalização da cultura do milho. Fomos evoluindo nos estudos, tecnologia, pesquisas de mercado e negociando com o governo os incentivos para concretização desse projeto e chegou o momento de oficializarmos com o governo do Estado”.

donça de Barros, da MB Agro Associados. No segundo dia, “Qualidade do trigo na nova classificação” e “Manejo da Fertilidade do Solo em Cereais de Inverno” foram as palestras ministradas por Luiz Carlos Caetano, da Abitrigo, e Sandra Mara Vieira Fontoura, da FAPA. Foto: Ernesto Remlinger

O WinterShow 2011 iniciou no dia 19 de outubro, com abertura oficial e duas palestras técnicas sobre “Mecanização do Sistema Plantio Direto para Emergência de Fertilidade no Solo”, ministrada por José Eloir Denardin, da Embrapa Trigo, e Conjuntura Agropecuária”, com Alexandre Men-

José Eloir Denardin

Alexandre M. de Barros

Luiz Carlos Caetano

Sandra Fontoura

Na FAPA, tecnologia no campo No período da tarde, o público pode conferir de perto a tecnologia aplicada nos campos demonstrativos e obter mais informação técnica nas estações da FAPA. Em uma delas, o pesquisador Heraldo Rosa Feksa falou sobre manejo do complexo de doenças nas culturas de trigo e cevada, destacando a importância da conscientização da utilização de químicos, condições climáticas e as tecnologias de aplicação para controle de manchas foliares, ferrugens e giberela. O pesquisador fez um comparativo entre as safras de 2009, 2010 e 2011. “Em 2011, fizemos muitas reuniões com os cooperados e com a assistência, buscando repetir o feito de 2009 com o manejo químico para diminuir o avanço das doenças”, contou o pesquisador. A estação ainda mostrou a performance dos

Heraldo Feksa

diferentes produtos químicos a campo, como manejá-los e quais os pontos corretos de aplicação do produto. Todas as ações de manejo apresentadas são voltadas à melhoria da qualidade final do grão, desde o produto utilizado no controle das doenças à for

Revista do Produtor Rural

83


de da indústria, foco do nosso trabalho de melhoramento, buscando variedades adaptadas ao campo e ao mesmo tempo à qualidade industrial”, comentou. Outra frente de trabalho da FAPA é o manejo das cultivares, como explica Antoniazzi. “Pouco resolveria eu ter um material genético competitivo e bem adaptado ao campo, se eu não tenho um manejo adequado para essas variedades, se eu não conheço as virtudes e os defeitos para atacar e potencializá-las”. Ainda sobre a cevada, o pesquisador destacou que “a produtividade que temos aqui é a mesma dos Estados Unidos, graças a esse trabalho forte da pesquisa, orientando o caminho a ser seguido, que visa a rentabilidade do produtor

Foto: Agrária/Divulgação

ma como é aplicado. “É preciso verificar pulverizadores, conferir a vazão, o horário de aplicação, a umidade relativa do ar, trocar as pontas do pulverizador para que ele consiga fazer uma boa aplicação e um bom controle”, completou Feksa. Em outra estação, o pesquisador Noemir Antoniazzi falou sobre o tratamento da cevada. “Não basta ter um material adequado, com baixo custo de produção, porque o que a indústria exige é qualidade adequada para atender as demandas do cliente de malte, que são as cervejarias. O nosso agricultor entendeu muito bem esse recado, porque a indústria é do cooperado. Então hoje existe uma sintonia muito ajustada entre o que o agricultor faz no campo e a necessida-

Noemir Antoniazzi e Euclides Minella

e o produto de qualidade. Sem isso, não teríamos razão para plantar cevada”. Essa estação também contou com a participação do pesquisador da Embrapa, Euclydes Minella.

Nova cultivar de aveia A URSFAPA Slava foi lançada no evento. Trata-se de uma nova cultivar de aveia branca, desenvolvida através de parceria entre a Fundação Agrária de Pesquisa da Cooperativa Agrária (FAPA) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Segundo o pesquisador da FAPA, Juliano Luiz de Almeida, o cruzamento foi feito na unidade de pesquisa da universidade, em Porto Alegre (RS), e quando o material já estava na quarta geração (F4) foi trazido para a FAPA. Essa nova cultivar apresenta o ciclo mais precoce e tolerância a acamamento. “Foi 15% mais produtiva nas áreas em que foi plantada”, contou Almeida. O pesquisador ainda destacou que a aveia branca é muito utilizada na rotação de culturas, porque a raiz da planta

libera uma substância tóxica ao fungo que causa o mau do pé nas lavouras de trigo e cevada. Com relação ao mercado nacional da cultura, o pesquisador da UFRGS, Marcelo Teixeira Pacheco, alertou que é preciso muito cuidado ao produzir aveia. “Como se produz mais do que a demanda nacional, os preços para o produtor não são atrativos se comparados a outras culturas. Hoje o consumo de aveia é baixo, então o agricultor precisa saber onde colocar o produto no mercado. Uma alternativa é para quem trabalha com o consórcio de pecuária e agricultura e utiliza a aveia para alimentação animal na própria fazenda”, observou. O pesquisador Luiz Carlos Fredezzi (UFRGS) também colaborou com os trabalhos dessa estação.

Sindicato Rural no WinterShow O Sindicato Rural de Guarapuava apoiou e esteve presente no Centro Cultural e na FAPA, com dois estandes no WinterShow 2011. Os associados puderam atualizar o cadastro, tirar fotografia para a Identidade Sindical e conversar com os funcionários e diretores da entidade. Mais de 700 pessoas passaram pelo estande da entidade e degustaram um delicioso krep´s.

84

Revista do Produtor Rural

Juliano Almeida

Marcelo Teixeira Pacheco


Dinâmica de máquinas O evento que destacou as tecnologias de toda a produção de cereais de inverno, também destinou um espaço para a dinâmica de máquinas agrícolas. O instrutor da dinâmica, Luiz Rodrigo Grigoletto explica que neste ano a apresentação foi diferenciada, focando nas necessidades da região. Em parceria com as principais empresas, a demonstração abordou máquinas semeadoras, pulverizadoras e distribuidores de fertilizantes. Participaram as empresas Massey Ferguson, Stara, John Deere, Genius, Kuhn, Semeato, Wintersteiger, Kit Alvo e Jan. As apresentações foram montadas de forma que simulasse o trabalho real de campo. “Foi delimitada uma área para plantio com sementes e adubos, para que o produtor pudesse analisar de perto a profundidade de plantio e o espaçamento de semente. Também foram realizadas duas etapas de dessecação, um diferencial da Cooperativa Agrária”, explicou.

O campo de apresentação teve ainda um espaço para pulverização, com parte da área de cevada em pé e uma área roçada,

para que o público pudesse ter uma boa visualização e objetivando conciliar a necessidade de mercado e de campo da região.


[Sindicato Rural de Pinhão]

Pés no chão e mãos no trabalho Dicas para ser um empreendedor rural: “Não se pode brincar de fazendinha. É preciso ter os pés no chão, gostar do que faz, acompanhar todos os processos, acompanhar as tecnologias, se especializar, estar preparado e estudar. Não adianta ter ótimos funcionários se não se sabe o que se passa na fazenda”. Luiz Felipe da Silva Lupepsa

“Estar de olho nas tecnologias, nas novidades. Garantir a qualidade e o fornecimento” Leonardo Rocha Marcondes

86

Revista do Produtor Rural

S

aindo da cidade, poucos quilômetros de estrada de chão – estrada que a equipe de reportagem da Revista do Produtor Rural do Paraná já percorreu – chegamos à fazenda Dois Irmãos, propriedade do senhor Osvaldo Lupepsa (Deco), já reportada na edição 19, de maio/junho de 2010. Mas agora, viemos tratar de outro assunto. O campo está se modernizando, pais passam as propriedades para os filhos e hoje a fazenda da família Lupepsa segue o rumo do empreendedorismo. Filho de Osvaldo, Luiz Felipe da Silva Lupepsa auxilia o pai nas atividades desde a infância. Agora as atividades estão divididas; o pai cuida dos papéis e da parte burocrática da propriedade, enquanto o filho atende as ações a campo. A atividade leiteira surgiu ao acaso. “Em um leilão de gado geral em Pinhão, o já falecido João Kaminski estava com alguns exemplares de vacas leiteiras, e quando os demais participantes do leilão pediam para baixar o preço, ele retrucava dizendo que só venderia mais barato se fosse para meu pai. Assim o leilão terminou e meu pai decidiu por comprar as primeiras 20 vacas holandesas”, relata Felipe. Atualmente, a propriedade está com 40 animais produzindo leite, 80 vacas secas, 20 novilhas com mais de 12 meses e 25 terneiras. O rendimento diário gira em mil litros de leite/dia,

que são coletados pela cooperativa local (Coomaper). Com a ampliação da sala de ordenha para seis animais simultâneos e aumento do espaço de alimentação pós ordenha, o jovem pretende aumentar as vacas lactantes para 60 animais. “Hoje o custo de se ordenhar 40 ou 60 animais não varia muito”, explica. Entre as ações de diversificação da propriedade, a família pretende investir em confinamento. “Eu produzo os bezerros e encaminho para terminação na outra propriedade do meu pai. O confinamento servirá também para auxiliar no custo de produção de silagem”, completa Felipe. Enquanto caminhávamos para fotografar o gado no pasto, ele comentou que há interesse no investimento a pasto, como estabelecer os piquetes de alimentação com o consórcio com a silvicultura, “para minimizar o estresse térmico dos animais”.


Tecnologia e novas ações na atividade leiteira Durante 30 anos, a avó paterna de Leonardo Marcondes Rocha exercia a atividade leiteira na Fazenda Invernada de Fora. O início foi com apenas cinco animais, entregando 50 litros de leite/ dia. Em 2007, problemas financeiros desestruturaram a família, mas o amor pela terra e o respeito pelo o que os avós construíram, trouxe de Curitiba o jovem Leonardo Marcondes Rocha, que formado Engenheiro Agrônomo, resolveu investir naquilo que a família já tinha tradição. A pecuária de leite hoje é a renda mensal da propriedade que divide atenções com a agricultura. “Recoloquei o leite como uma diversificação da propriedade. Assim toda a renda não depende apenas da agricultura”, observa Leonardo. Hoje a propriedade destina 10 ha para a pastagem de verão e 20 ha para pastagem de inverno. E ainda há apro-

ximadamente 18 ha para milho silagem, para a alimentação do rebanho. Os animais são separados em três classes, de acordo com a produtividade e idade de cada um, e a partir dessa classificação são definidos a alimentação e os cuidados necessários. Diariamente são entregues 820 litros de leite para a cooperativa do município (Comaper). Os investimentos da propriedade são voltados à produtividade. Leonardo conta que vem sendo estabelecida uma genética da propriedade, um perfil de animais com produtividade e adaptabilidade. “As crias que nascem na fazenda se tornam mais dóceis e se acostumam melhor com o ambiente, isso faz elas produzirem mais, por isso fazemos a inseminação na fazenda. Não procuro mais animais fora”, revela. Pensando ainda em tecnologias, o jovem agricultor está preparando um local de confinamento do gado leiteiro:

“acredito que dessa forma os animais terão uma produtividade melhor. O barracão está pronto. Agora estou procurando alternativas para acomodação dos animais”. Todas as decisões na propriedade são tomadas junto ao pai. “Ele sempre está a par da propriedade, ajuda e define em vários aspectos. Ele tem a experiência, sempre conversamos sobre os novos passos que devemos tomar”.

Sindicato Rural de Pinhão comemora Dia do Agrônomo 12 de outubro é Dia do Engenheiro Agrônomo e para celebrar a data, o Sindicato Rural de Pinhão promoveu um café da manhã no dia 11 de outubro, na sede da entidade. O evento reuniu 25 pessoas, entre profissionais da área, diretoria e parceiros do Sindicato. Segundo o presidente Geraldo Ferreira de Almeida, o objetivo do evento foi promover a confraternização, maior união dos profissionais e troca de experiências.

Revista do Produtor Rural

87


[Confederação Nacional da Agricultura]

Senadora Kátia Abreu é reeleita presidente da CNA

A

senadora Kátia Abreu foi reeleita, no dia 14 de outubro, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) pelo Conselho de Representantes da entidade. Titular da chapa única formada para a eleição, a senadora concorreu num colégio eleitoral integrado pelos 27 presidentes das Federações estaduais de agricultura e pecuária, juntamente com a nova Diretoria, que comandará a CNA pelo triênio 20122014. “Foram três anos de muita luta e de bons resultados. Agora vamos continuar trabalhando para trazer segurança jurídica ao produtor rural, contribuir para a geração de emprego, de Produto Interno Bruto (PIB), e mostrar aos brasileiros e ao mundo que somos a maior e mais barata agricultura do planeta”, afirmou após a eleição. Primeira mulher a comandar a CNA, uma federação estadual de agricultura e pecuária e um sindicato rural, a senadora Kátia Abreu continuará trabalhando com o mesmo vigor em defesa dos 5,175 milhões de produtores rurais, responsáveis pelo crescimento de 228% da produção agropecuária nos últimos 34 anos e pela preservação ambiental. O setor garantiu ao País a formação de uma “poupança ambiental” de 73,7 milhões de hectares, áreas que deixaram de ser utilizadas graças ao esforço modernizador da agropecuária nacional. Desde 2008, quando foi eleita presidente da CNA pela primeira vez, a senadora Kátia Abreu vem atuando com firmeza nos debates sobre a questão ambiental, propondo ações que permitam o equilíbrio entre a produção de alimentos e a preservação do meio ambiente. A presidente da CNA considera essencial a atualização do Código Florestal brasileiro, aprovado na Câmara dos Deputados em maio e em tramitação no Senado, para garantir segurança jurídica a 95% dos produtores rurais, jogados na ilegalidade pelas constantes mudanças da legislação ambiental. Com a aprovação

88

Revista do Produtor Rural

do novo Código Florestal, poderão continuar produzindo alimento de qualidade e barato em 27,7% do território do País, mantendo os atuais 61% da vegetação nativa preservados. Sob a liderança da senadora Kátia Abreu, mais de 25 mil produtores rurais reuniram-se, em abril, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, dias antes da votação da matéria na Câmara. “Os produtores vieram de todas as partes do Brasil para mostrar, de forma democrática, civilizada e pacífica, ao Congresso Nacional e à sociedade o desespero em que eles se encontram”, recorda a senadora Kátia Abreu. Ainda no contexto ambiental, a presidente da CNA lançou, em 2010, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Projeto Biomas, cujo objetivo é desenvolver pesquisas voltadas para a preservação de áreas ambientalmente sensíveis e o uso sustentável de cada um dos seis biomas brasileiros. O uso das espécies corretas de árvores agrega biodiversidade ao sistema produtivo e permite uma produção mais sustentável. O projeto conta, hoje, com o apoio da Monsanto, SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e John Deer. Lançado internacionalmente durante a Conferência das Partes da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-16), em Cancún, no México, em 2010, o projeto Biomas foi considerado pelo site BBC Mundo como uma das 10 boas notícias surgidas durante o encontro. Também aceitou o desafio de protagonizar a elaboração e estratégias para o fomento da agropecuária de baixo carbono e para isso lançou o Programa de Governança Climática para uma Agropecuária de Baixo Carbono (PABC). Outra prioridade da presidente da CNA é o debate e construção com o Governo federal de uma nova política agrícola, que garanta renda aos produtores

rurais e reduza os riscos da atividade agropecuária, proposta que já foi levada pela senadora Kátia Abreu à Presidente da República, Dilma Rousseff. O novo modelo prevê, entre outros pontos, a reorganização das linhas de financiamento, garantindo a inclusão de mais produtores ao processo produtivo, especialmente dos produtores das classes D e E, além do fortalecimento da classe C. A busca por maior segurança jurídica no campo foi outro tema que motivou ações e concentrou as atenções da presidente da CNA em seu primeiro mandato. A senadora Kátia Abreu liderou, em abril de 2010, em Brasília, o Movimento Paz no Campo, que, entre outras ações, solicitou ao Ministério da Justiça a criação de um Plano Nacional de Combate às Invasões de Terras. Para monitorar as invasões de terras em todo o País, criou o Observatório das Inseguranças Jurídicas no Campo. Sob a presidência da senadora Kátia Abreu, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) desenvolveu ações que capacitaram mais de 3 milhões de produtores rurais por meio de cursos de formação profissional rural oferecidos em todo o País. Também foram desenvolvidas atividades de promoção social, que reuniram aproximadamente um milhão de participantes, além de programas especiais, executados pelas unidades regionais, beneficiando 16,578 milhões de pessoas. Merece destaque o programa Útero é Vida, que proporciona acesso aos exames laboratoriais preventivos do câncer de colo de útero às mulheres do campo. Outro programa lançado em sua gestão foi o SENAR Rondon, que garante o intercâmbio de conhecimentos entre alunos do ensino técnico e universitários de diversas áreas e as comunidades rurais. O SENAR ofereceu, ainda, cursos à distância, nos quais foram matriculados 51.423 participantes. Assessoria de Comunicação CNA


[Visitas técnicas]

Castrolanda Com o apoio do Sindicato Rural de Guarapuava, Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP) e Cooperativa Agropecuária Mista de Guarapuava (Coamig), 23 produtores rurais de Guarapuava participaram de uma visita técnica a Castro (PR) no dia 20 de outubro. A viagem teve como objetivo conhecer o Centro de Treinamento de Pecuária (CTP) - Unidades Demonstrativas Jersey e Holandesa, na Castrolanda. Os produtores passaram o dia e puderam conferir novas tecnologias ligadas à produção de leite.

Argentinos No dia 10 de setembro, produtores rurais da Argentina visitam o Sindicato Rural de Guarapuava. O objetivo dos produtores de Santa Fé, Córdoba e Buenos Aires foi conhecer o sistema patronal rural brasileiro, a força da entidade de classe, os serviços prestados aos associados, além de trocar informações sobre as principais culturas da região. O grupo também visitou a Cooperativa Agrária, a FAPA e produtores rurais do distrito de Entre Rios. De Guarapuava, os argentinos seguiram para Foz do Iguaçu. Esse foi o segundo grupo de produtores argentinos que visitou o Sindicato Rural em menos de um mês.

Revista do Produtor Rural

89


[Campanha Produtor Solidário]

Crianças recebem brinquedos do Sindicato Rural Em Cantagalo, os brinquedos foram entregues para crianças da Creche Municipal Pedacinho do Céu e em Candói, os brinquedos beneficiaram crianças atendidas pela Pastoral da Criança. O presidente do Sindicato Rural, Rodolpho Luiz Werneck Boteho, agradeceu imensamente a colaboração dos associados e também da população em geral,

pela adesão à campanha. “Ficamos muito felizes com a doação de bolas minutos após o envio de mensagens aos sócios comunicando a demanda”, comentou. A Campanha Produtor Solidário acontece durante o ano todo e já arrecadou fraldas, alimentos, brinquedos e cobertores, que foram doados a entidades assistenciais da região.

O

Sindicato Rural de Guarapuava entregou, nos dias 11 e 13 de outubro, todos os brinquedos arrecadados pela Campanha Produtor Solidário – Dia das Crianças. Ao todo foram arrecadados 540 brinquedos novos e usados, como bolas, bonecas e carrinhos. Em Guarapuava, a primeira entrega foi na Escola Rural Municipal Maack, para 200 alunos de 1ª a 8ª série. A campanha também beneficiou crianças atendidas pela Associação de Apoio às Famílias com Hanseníase (AFH) de Guarapuava.

Encontro Técnico de Feijão e Instituto Canaã

N

o dia 19 de setembro, o Sindicato Rural de Guarapuava, através da Campanha Produtor Solidário, doou alimentos não-perecíveis e produtos de limpeza ao Instituto Canaã, que fica na Colônia Cachoeira, distrito de Entre Rios. Os alimentos foram comprados pelo Sindicato Rural, com verba arrecadada através da inscrição para o II Encontro Técnico de Feijão, realizado no dia 24 de agosto, no anfiteatro do Sindicato Rural, em parceria com o Sistema FAEP, patrocínio da Basf, Guayi Sementes, Stoller e

90

Revista do Produtor Rural

apoio da Cooperativa Agrária, Agrocenter, Arysta, Bayer, Deragro, Guará Beneficiadora de Batatas e Inquima. Segundo o diretor do Instituto Canaã, Kevin Samuel King, os produtos doados serão muito úteis. “Grande parte do nosso orçamento do mês vai para alimentação e limpeza, então essa doação é muito bem vinda. Nossos recursos são provenientes dos Estados Unidos e com a crise, estamos tendo muita dificuldade, ou seja, estamos precisando de mais ajuda dos brasileiros”, observa.


[Soja]

Uso de inoculante no sulco: uma tecnologia viável Solon C. de Araujo 1 Viviane Costa Martins 2

O

uso de inoculante para leguminosas, em especial para soja, é uma prática já consagrada na agricultura brasileira. O Brasil é exemplo mundial no uso do nitrogênio biológico, obtendo elevadas produtividades na soja praticamente sem o uso de fertilizantes nitrogenados. Produtividades acima de 4.000 kg/ha tem sido obtidas tendo o inoculante como única fonte de N. Isto se traduz em enorme economia para o agricultor e resulta, também, em um grande ganho ambiental, pois o inoculante é um produto que não gera emissão de gases estufa e nem agride o ambiente. O Brasil produz hoje cerca de 22 milhões de doses de inoculante, o que poderia nos levar a crer que praticamente todos os plantadores de soja fazem uso deste insumo em suas lavouras. Entretanto, um olhar mais acurado sobre as estatísticas, nos mostra que os agricultores do Centro Oeste fazem uso intensivo de inoculante, utilizando duas a quatro doses por hectare, enquanto no R. G. do Sul é elevado o número de agricultores que não se beneficiam deste produto. De uma forma geral, podemos dizer que o uso do inoculante cresce à medida que subimos no mapa, do sul para o norte. No Maranhão, em uma pesquisa realizada pela Associação Nacional dos Produtores e Importadores de Inoculante – ANPII foi constatado o uso em 100% dos entrevistados, enquanto que no RS este número não chegou a 50%. E aí começam as perguntas sobre o porquê de não se utilizar uma tecnologia que só traz benefícios, sem nenhum in1 2

conveniente: aumenta a produtividade, enriquece o solo em nitrogênio, tem um custo benefício altamente positivo e é amigável com o meio ambiente. A mesma pesquisa da ANPII mostrou que as duas maiores causas para não usar o produto são: “a bactéria já se implantou no solo e não é necessária nova inoculação” (33%) e “dificuldade no uso” (38%). No primeiro caso, há necessidade de se corrigir a informação, divulgando os dados de pesquisa que confirmam ganhos de produtividade em média de 8% mesmo em áreas com muitos anos de cultivo sucessivo de soja. Um amplo trabalho de divulgação pode fazer com que estes agricultores corrijam sua percepção e passem a usufruir dos benefícios

do nitrogênio fornecido via biológica. No caso da dificuldade do uso, cabe às empresas de inoculante e aos pesquisadores buscar novas formas de aplicação do produto, que facilitem e agilizem o uso por parte do agricultor. E foi justamente nesta busca que surgiu a possibilidade da aplicação do inoculante via pulverização no sulco do plantio. Nesta técnica, o produto líquido é diluído em água e pulverizado no sulco, mediante um equipamento acoplado à semeadora. Concomitantemente a esta pulverização a semente é colocada na terra, sobre ou sob o inoculante. Vários pulverizadores foram desenvolvidos com esta finalidade, com tipos adaptados aos diferentes modelos de semeadoras.

Eng. Agr. Consultor da Stoller do Brasil Ltda e da ANPII. solon@scaconsultoria.com.br Eng. Agr. Depto. Técnico da Stoller do Brasil Ltda. vmartins@stoller.com.br

Revista do Produtor Rural

91


Esta tecnologia de aplicação foi originalmente desenvolvida pelos próprios agricultores, mas trabalhos de pesquisa validaram a técnica, fazendo parte, inclusive, das recomendações técnicas da Embrapa, que menciona a possibilidade de substituição do tratamento das sementes pela aplicação do inoculante por aspersão no sulco, por ocasião da semeadura, em solos com ou sem população estabelecida (Embrapa, Sistemas de Produção 13, 2008). Esse procedimento, segundo a Embrapa, pode ser adotado desde que a dose de inoculante seja, no mínimo, seis vezes superior à dose indicada para as sementes. O volume de líquido (inoculante mais água) usado nos experimentos desenvolvidos pela mesma não foi inferior a 50 L/ha, mas hoje se pode aplicar quantidades menores de líquido, otimizando o uso dos equipamentos. Com um aparelho bem regulado, pode-se aplicar 20 L/ha. Embora a quantidade de inoculante recomendada seja seis vezes maior do que a usada na inoculação via sementes, o ensaio do órgão de pesquisa que

92

Revista do Produtor Rural

validou esta tecnologia foi feito com um inoculante com concentração de um bilhão de bactérias por mililitro. Utilizando-se inoculante com cinco bilhões por mL, pode-se trabalhar com duas a três doses/ha, pois mesmo assim o número de bactérias por hectare ainda será superior ao que foi usado no experimento. VOSS, M., no comunicado 108 de dezembro de 2002 da Embrapa, mostra que o número de nódulos aos 31 dias era maior para a inoculação de sementes do que para a aplicação no sulco, mas na floração era estatisticamente igual em ambos os tratamentos. Neste ensaio, entretanto, as sementes não foram tratadas com fungicidas. O grande apelo da inoculação no sulco é, além da maior facilidade de aplicação, a previsível diminuição dos danos que os fungicidas possam causar na mortalidade das bactérias do inoculante e, ainda, a possível contribuição para um menor efeito negativo da aplicação dos micronutrientes nas sementes. Sabendo-se que a mortandade vai ocorrendo paulatinamente, conforme o tempo de contato entre a bactéria e o fungicida, a aplicação no sulco elimina este fator, pois o contato entre bactéria fungicida é mínimo ou até nulo. Outros trabalhos de pesquisa atestam que esta tecnologia apresenta plena viabilidade, sendo tão eficiente quanto à inoculação tradicional, e até mais eficiente quando se utiliza o defensivo para proteger a semente. ZILLI et al. (2010) verificaram em áreas de primeiro cultivo de soja que a inoculação no sulco proporcionou desempenho da fixação biológica do N igual ao da inoculação realizada nas sementes, porém, quando associou-se o inoculante ao fungicida, o tratamento com inoculação no sulco apresentou um incremento de 24% no número de nódulos por planta em relação ao tratamento de sementes, mostrando-se uma alternativa viável para a inoculação em soja. Entretanto, a aplicação do inoculante no sulco do plantio em solos em que já se cultiva soja há anos também proporciona respostas positivas na eficiência da fixação biológica. VIEIRA

NETO et al. (2008) observaram que a inoculação no sulco resultou em 6% e 10% mais nódulos totais e viáveis, respectivamente, em relação ao tratamento das sementes. Assim, já existe uma boa base de pesquisa que fornece credibilidade à esta tecnologia de aplicação, bem como empresas que estão produzindo máquinas adequadas para este tipo de operação. A falta inicial de equipamentos desenvolvidos para o uso de produtos biológicos trouxe certo descrédito á técnica. Muitos agricultores reportavam que ocorria uma deposição de terra nos bicos, entupindo alguns deles e deixando sulcos sem o inoculante, o que exige muitas paradas durante o processo de semeadura. Também a regulagem da quantidade aplicada era um empecilho, pois as bombas não atendiam a esta finalidade. Entretanto, as fábricas de equipamentos já introduziram modificações, corrigindo estas falhas e proporcionando uma aplicação prática e confiável. Bombas com regulagem fina, “jato sólido”, isto é, em só fio e sem espalhamento, bem como proteção térmica e contra raios violeta tornaram a pulverização no sulco uma técnica altamente recomendável, tão boa, ou até melhor que a inoculação das sementes. Fazendo-se um bom ajuste entre a quantidade de semente a ser semeada em uma unidade de tempo e a quantidade de calda de inoculante a ser aplicada, pode-se minimizar ou até eliminar o tempo de paradas para encher o tanque com a calda do inoculante. A técnica de aplicação do sulco, embora menos trabalhosa que a aplicação nas sementes, não exime o operador de alguns cuidados básicos, pois consiste na aplicação de um ser vivo, a bactéria. Assim, deve-se prestar atenção nas recomendações abaixo: A água utilizada deve ser limpa, de boa qualidade e sem tratamento com cloro. O pulverizador deve ser muito bem limpo, estando totalmente livre de resíduos de defensivos. O solo deverá estar úmido, pois solo seco prejudicará a sobrevivência


das bactérias. O pulverizador deverá ser protegido contra calor e raios ultra violeta,. Os equipamentos desenvolvidos para uso específico de inoculante e outros produtos biológicos já contam com esta proteção térmica. Uma vez feita a diluição do inoculante na água, esta calda deve ser aplicada no mesmo dia da mistura. No caso de se diluir em um final de tarde, poderá ser utilizada no dia seguinte pela manhã. Desta forma, a inoculação feita durante mais de 50 anos nas sementes, teve que evoluir em seu modo de aplicação para acompanhar as mudanças tecnológicas e operacionais pelas quais passou e vem passando a agricultura brasilei-

ra. Novas formas também estão sendo testadas, como a aplicação pós plantio, seja por pulverização terrestre ou aérea, mas isto ainda depende de mais estudos para ser recomendada como uma prática validada pela pesquisa. Mas a aplicação no sulco de plantio, pelo exposto acima, mostra-se uma prática viável, semelhante à inoculação no tratamento de sementes sob o ponto de vista técnico, facilitando a aplicação pelos agricultores, mesmo com sementes tratadas com fungicidas e inseticidas, assim como as sementes tratadas industrialmente, proporcionando uma fixação biológica de nitrogênio altamente eficaz, contribuindo para altas produtividades da soja.

Referências Bibliográficas • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Tecnologias de produção de soja – região central do Brasil – 2009 e 2010 (Sistemas de Produção / Embrapa Soja, ISSN 1677-8499; n.13). Londrina: Embrapa Soja: Embrapa Cerrados: Embrapa Agropecuária Oeste. 262p. 2008. Site www.cnpso.embrapa.br: acesso 16/06/2011. • VIEIRA NETO, S.A.; PIRES, F.R.; MENEZES, C.C.E.; MENEZES, J.F.S.; SILVA, A.G.; SILVA, G.P.; ASSIS, R.L. Formas de aplicação de inoculante e seus efeitos sobre a nodulação da soja. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.32, p.861-870, 2008. • VOSS, M. Inoculação de rizóbio no sulco de semeadura para soja, em um campo nativo, no Norte do Rio Grande do Sul. Comunicado Técnico online 108 – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1517-4964. Passo Fundo, 2002. Site www.cnpt.embrapa.br: acesso em 16/06/2011. • ZILLI, J.E.; GIANLUPPI, V.; CAMPO, R.J.; ROUWS, J.R.C; HUNGRIA, M. Inoculação da soja com Bradyrhizobium no sulco de semeadura alternativamente à inoculação de sementes. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.34, p.1875-1881, 2010.

Revista do Produtor Rural

93


[Aves e suínos]

Núcleo de Estudos em Aves e Suínos Dr. Paulo Roberto Ost (orientador e coordenador do Núcleo) e acadêmicos Leandro Klimionte, Dennis Van Der Berg, Janaina Colecha Rocha e Fernando Corazza Costa

O

Núcleo de Estudos em Aves e Suínos - NEAS, é um grupo coordenado pelo Professor Dr. Paulo Roberto Ost e composto por acadêmicos do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO. O grupo já existe há seis anos e se reúne regularmente para discutir assuntos de relevância do cenário atual da Suinocultura e Avicultura no Brasil e no mundo. Este grupo tem por objetivo principal a formação de profissionais mais preparados ao mercado de trabalho, uma vez que a exigência desse mercado é cada vez maior, tendo em vista a grande importância desses setores para o Brasil e grande expressão que esses setores brasileiros representam no cenário mundial. As principais atividades do Grupo NEAS são: discussão semanal de temas ligados ao cenário da Suinocultura e/ou Avicultura atual; promoção de cursos de capacitação para os integrantes do grupo e a comunidade acadêmica; visitas técnicas a feiras e empresas do setor; execução de projetos de pesquisa ligados à área de Suinocultura e Avicultura; participação em congressos e simpósios; O NEAS, com o passar dos anos, tem alcançado seus objetivos no que diz respeito à formação de profissionais preparados ao mercado de trabalho e a prova disso é que muitos alunos que fizeram parte do Grupo são profissionais de destaque em diversas empresas e instituições do agronegócio.

Bem estar em suinocultura Com o passar dos anos houve grandes mudanças na produção de suínos, principalmente em relação às tecnologias empregadas e o desenvolvimento

94

Revista do Produtor Rural

dos animais. Em meados dos anos 80, os animais eram extremamente gordos, apresentando 35% de gordura e 46% de carne, no entanto, hoje esses animais têm no máximo 20 mm de gordura, levam em torno de 170 dias para chegar ao abate com aproximadamente 120 kg de peso vivo, com menos de 25% de gordura e mais 60% de carne na carcaça. Em função desse alto desempenho houve rumores de adulteração das rações com hormônios e outros produtos ilícitos para acelerar o crescimento, os quais comprometeriam a qualidade do produto final. No entanto, esse desempenho é em função principalmente da combinação do melhoramento genético dos animais, nutrição adequada, sanidade e manejo, permitindo assim que os animais expressem as melhores qualidades, melhorando o produto que chega a mesa dos consumidores. Em função disso, algumas organizações, que tinham influência sobre o mercado e os consumidores, iniciaram uma série de cobranças em todas as áreas de produção animal. A primeira regulamentação foi nos EUA com “regulamentos para a produção de ovos”, onde rapidamente os produtores se adequaram, afim de não perderem o mercado para seus produtos, já que em pouco tempo seriam pré-requisitos para a produção. Em vista deste cenário, a rede de comidas rápidas McDonald’s, por ser um alvo óbvio dos ativistas se adiantou e criou regulamentos para os seus fornecedores, também com a intenção de evitar cobranças posteriores e marketing. Com a intensificação da produção de suínos em sistemas confinamento, observa-se que esses animais exibem algumas mudanças comportamentais (estereotipias) em consequência ao sistema de manejo. Com isso, estudos na área comportamental concluíram que o

stress diminui a produção e a qualidade da carne. Como o objetivo da produção, é aumentar e melhorar cada vez mais em todos os aspectos, foram criadas algumas regras, com o intuito dos animais serem mais saudáveis, tendo uma melhor qualidade de carcaça. Desta forma foram criados pontos fundamentais denominados “liberdades”. Estas sugestões para a criação de suínos partiram através da publicação “Code of Recommendations for the Welfare of Livestock: Pigs (6)” de 11 de março de 2003, que são normas a serem implantadas até o final de 2012, relacionadas ao comportamento animal no transporte, manejo e abate. Hoje países que ainda não se enquadram na normativa, tem uma leve vantagem de competitividade de seu produto, mas depois terão um custo mais alto e demandarão de um maior esforço para a implementação. São estes os cinco pontos citados na normativa: Ausência de fome ou sede; através do acesso livre a água e uma dieta alimentar capaz de manter completa saúde e vigor; Ausência de desconforto; proporcionando-se um ambiente apropriado, incluindo abrigo e área de repouso; Ausência de dor, machucaduras e doenças; pela prevenção ou diagnóstico e tratamento rápidos; Liberdade para expressar comportamento natural; proporcionando espaço suficiente, instalações adequadas e convivência com exemplares da mesma espécie; Ausência de medo e angústia; assegurando-se condições e tratamento para evitar o sofrimento mental; Estas condutas aumentarão a qualidade do produto, porém terão alto custo, o qual somado ao de produção


deverá resultar em uma queda na comercialização quando este for repassado ao consumidor. A ausência de fome e sede, sempre foi respeitada na suinocultura, apesar da preocupação do produtor em fornecer a algumas categorias o mínimo de ração possível, como nos casos dos machos reprodutores e das fêmeas nos dois primeiros terços da gestação, para manter a completa saúde e vigor dos animais sem afetar a produção. Já a ausência de desconforto, apesar dos animais estarem sempre dentro de uma granja, na maior parte do ciclo ele tem como único lugar de repouso o piso de concreto, onde o animal tem perda excessiva de calor e ainda sofre desconforto crônico, especialmente nas articulações. Já as matrizes, ficam nas gaiolas, onde tem pouco espaço para se movimentar. Nas granjas tradicionais se realiza o manejo do segundo dia, que consiste na aplicação do ferro, corte dos dentes e da cauda dos leitões e, antes de serem desmamados a castração. Todos estes procedimentos sem analgesia, desrespeitando o terceiro ponto fundamental em relação a ausência de dor, machucadura e doenças. Agora com a regulamentação

da UE estes procedimentos foram vedados, como em exemplo: o corte da cauda deverá ser praticado apenas com evidências de canibalismo e não praticado como rotina; corte dos dentes será permitido apenas o dos caninos em leitões de até sete dias de vida e desde que haja evidência de lesões nas tetas da fêmea; castração por enquanto é permitida, desde que não por dilaceração de tecidos. Porém, os animais podem se machucar no momento do transporte causando stress e perda de qualidade do produto. Este stress antes do abate pode ocasionar dois tipos de carne de pior qualidade: stress prolongado pode esgotar o glicogênio muscular e resultar em carne DFD (Dark, Firm, Dry – escura, dura e seca) e stress imediatamente antes do abate pode produzir a carne PSE (Pale, Soft, Exudative - pálida, mole e exudativa). Os suínos por natureza são muito curiosos e em vida livre passam o dia todo fuçando o solo em busca de alimentos. Considerando o quarto tópico dos pontos fundamentais, sobre a liberdade de expressar o seu comportamento natural, observa-se que a criação intensiva desrespeita a norma, quando os animais ficam em gaiolas individuais sem aces-

so a outros locais, podendo assim estes apresentar “estereotipias” (comportamento repetitivo), como mascar as barras da gaiola, ranger os dentes e dobrar a língua. O medo e a angústia, item do último tópico, podem ser algumas vezes observados em animais antes do abate, por isso hoje há uma grande mobilização por parte dos técnicos para melhorar o manejo pré-abate. O Brasil, mesmo que de forma lenta, terá que se adequar a essas normas, visto que a maior parte dos países importadores, mais cedo ou mais tarde, exigirá dos países exportadores o cumprimento dessas “liberdades”.

Revista do Produtor Rural

95


[Feijoeiro]

Estratégias para obtenção de altas produtividades em feijão

A

Laurici Lustosa Mendes Engenheiro Agrônomo, Especialista em Solos e Meio Ambiente – Assessor Técnico do Grupo Pinhão

cultura do feijoeiro apresenta características peculiares que a classificam como cultura de alto risco agronômico e econômico. Portanto, o planejamento antecipado e as estratégias relacionadas ao seu cultivo devem ser executados com muita cautela para que se possam diminuir os riscos e explorar, de maneira eficiente, o potencial das variedades existentes hoje no mercado, que, em lavouras comerciais, chegam a produzir 4000 kg/ha com potencial produtivo de até 6000 kg/ha, demonstrado em ensaios realizados por instituições de pesquisas. Para que possamos reduzir os riscos relacionados à cultura do feijão, alguns aspectos devem ser lembrados e, entre eles, destaco os seguintes: 1) Aspectos físicos, químicos e biológicos do solo: a) Físicos - o solo deve estar descompactado, pois o sistema radicular do feijão é pouco agressivo e considerado um dos mais sensíveis às condições físicas e estruturais do solo. A compactação do solo favorece sobremaneira o aparecimento de doenças radiculares causadas

96

Revista do Produtor Rural

pelo encharcamento excessivo e pelo dano mecânico às raízes. Entre as doenças, destaco o Fusarium, que está causando perdas consideráveis na região. b) Químicos - o solo deve estar equilibrado quimicamente, observando as relações mais adequadas entre os nutrientes. Para isso, a análise de solo realizada, pelo menos a cada 2 anos, é fundamental, sem citar o custo/benefício extremamente positivo dessa ferramenta. Partindo do princípio de que o solo está corrigido de acordo com a análise de solo, basta fazer a adubação de manutenção da cultura de forma balanceada. Para isso, devem-se usar fertilizantes com formulações modernas, ou seja, equilibradas e de acordo com as necessidades nutricionais das plantas e não do setor de fertilizantes. É preciso cuidar com o efeito salino do potássio na linha de plantio, pois ele pode queimar as raízes da planta. Para evitar isso, sugiro o parcelamento do potássio entre a adubação de base e de cobertura. Quando na cobertura, fazê-la em pré- plantio. O fósforo deve estar distribuído uniformemente até a camada de 20 cm. Não esquecer que o fósforo é imóvel no solo


e que a raiz deve ir até ele. A adubação nitrogenada deve ser criteriosa. A produção de inoculantes com bactérias mais eficientes na fixação do nitrogênio do ar está viabilizando seu uso, sendo que parte do nitrogênio necessário é fornecida pela bactéria, porém, doses altas de nitrogênio no adubo de base ou cobertura afetam a fixação desse nutriente, exatamente como na soja. Em função disso, quando do uso do inoculante, a adubação com nitrogênio na base e em cobertura deve ser menor, obviamente. c) Biológicos - o equilíbrio biológico do solo realizado pela macro e micro fauna está relacionado com o que foi citado acima. Qualquer estratégia a ser adotada para a obtenção de altas produtividades está fadada ao fracasso se as medidas adotadas não visarem à manutenção e ao aumento da matéria orgânica do solo. A compactação, a má distribuição dos nutrientes, o desequilíbrio entre estes e as condições favoráveis ao desenvolvimento de fungos causadores de doenças com origem no solo ocorrem devido à cobertura inadequada do solo. Também devido à ausência de níveis adequados de matéria orgânica, pois, nesse caso, a matéria orgânica do solo age como o “Viagra” do solo, o catalisador necessário para a obtenção de um solo agronomicamente equilibrado. A rotação de culturas é extremamente benéfica para o aumento e manutenção da matéria orgânica do solo. A rotação com produção de grão/grão não é a mais recomendada em função do tipo de palha, exploração radicular e reciclagem de nu-

trientes. A diversificação de espécies de plantas é o segredo da rotação, sendo necessário adotar, também, a rotação grão/ forrageira (Sousa, et al, 1997), que resulta na incorporação ao sistema produtivo de uma matéria orgânica de melhor qualidade nutricional e estrutural. 2) Distribuição de plantas: A qualidade de plantio é muito importante. O objetivo principal deve ser o aumento no número dos nós por planta, pois são nesses nós, ou, melhor dizendo, é na inserção das hastes das folhas no caule da planta que ocorrerá a formação das vagens do feijão. Fageria e Santos (2008) concluíram que o número dos nós é o principal componente do rendimento do feijão. Para isso, devemos reduzir o número de plantas “dominadas”, que é influenciado pela regulagem da plantadeira, velocidade de plantio, tratamento de semente, condições de solo e padronização de tamanho de semente, sendo que o tamanho da semente é, talvez, o que cause o maior problema relacionado a plantas dominadas (semente grande ao lado de semente pequena). 3) Arranque inicial: É fundamental para promover o maior número dos nós por planta. O uso de fungicida, inseticida e hormônios no tratamento de semente, aliado ao controle de pragas, doenças e plantas daninhas no período de emergência e no desenvolvimento vegetativo inicial, deverá promover maior enraizamento da planta e consequentemente um cresci-

mento inicial vigoroso. 4) Fixação (pegamento) de vagens: Por ser o principal componente do rendimento, o pegamento de vagens no terço inferior da planta é essencial à obtenção de rendimentos elevados. O pegamento das vagens é afetado principalmente pelo auto-sombreamento e, em menor proporção, por problemas climáticos. Para que a vagem seja fixada definitivamente na planta, a folha trifoliolada do nó deve ter alta reserva de assimilados, para isso necessita de luz. Para que a luz possa atingir as folhas do terço inferior, o fechamento das entrelinhas não deve ocorrer antes do pré-florescimento, caso contrário, a planta perderá as folhas baixeiras e, por consequência, as vagens dos “nós” dessas folhas serão abortadas. Para evitar esse problema de sombreamento, devem-se evitar as populações excessivas e adubações desequilibradas, principalmente com nitrogênio. 5) Enchimento de Grãos: Está diretamente relacionado ao IA (Índice de Área) foliar e a sua duração. Importantíssimo buscar o equilíbrio procurando alcançar o maior IA, com o menor sombreamento possível. O controle de pragas e doenças, assim como a indução a efeitos fisiológicos positivos que levam à resistência da planta, proporcionando maior duração da área foliar são estratégias que só irão somar para a obtenção de altos rendimentos na cultura do feijoeiro.

Tel. (42) 3622-5754 / 8825-9595 - Guarapuava - PR


[Extensão de Base Candói]

Cursos qualificam produtores e trabalhadores rurais No mês de outubro, o Sindicato Rural de Guarapuava - Extensão de Base Candói promoveu cursos para produtores e trabalhadores rurais da região. Através do convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e apoio da Prefeitura Municipal de Candói foram realizados os cursos de Produção Artesanal de Alimentos – Panificação, nos dias 17 e 18 de outubro, no Centro Social, e o de Beneficiamento e Transformação Caseira de Mandioca (básico em mandioca), nos dias 21 e 22 de outubro. Nos dias 19 e 20 de outubro, outro curso Básico em Mandioca foi ofertado, desta vez no Assentamento Matas do Cavernoso. No Centro de Eventos de Candói foi ofertado o curso Trabalhador na Equideocultura - Casqueamento e Ferrageamento, entre os dias 13 a 15de outubro e o de Trabalhador na Equideocultura - Rédeas, entre os dias 17 e 21 de outubro, com apoio da Prefeitura Municipal de Candói. A comunidade Alto Rio da Lage sediou o curso de Trabalhador na Bovinocultura de Leite - Manejo de Bovino de Leite, de 18 a 20 de outubro.

Chinelos bordados A Extensão de Base Candói também sediou o curso de chinelos bordados com pedraria, ofertado pela Melânia Aviamentos, de 17 a 21 de outubro. O curso foi ministrado pela professora Rosalia Wachtel Granado, de Curitiba.

98

Revista do Produtor Rural


[Mofo branco]

IHARA lança fungicida Certeza para tratamento de sementes de soja e feijão Novo fungicida é o 1° registrado e comprovado para o combate do Mofo Branco na soja

A

IHARA, tradicional fabricante de defensivos agrícolas, apresenta ao mercado uma nova ferramenta para o combate do Mofo Branco, doença que tem causado grandes prejuízos econômicos aos produtores de soja e feijão. O fungicida Certeza, desenvolvido pela IHARA, é o primeiro produto registrado no mercado para o tratamento de sementes comprovadamente eficaz para o controle do Mofo Branco. “A doença é um dos principais problemas enfrentados pelos produtores de soja e feijão no mundo. O fungo se prolifera de forma fácil e rápida nos campos e é de difícil controle. Muitos produtores brasileiros já foram atingidos pelo Mofo Branco e registraram prejuízos na produção por culpa da doença”, afirma o Gerente de Produtos – Fungicida da IHARA, Ernesto Hideki Fukushima. O Mofo Branco (patógeno S. sclerotiorum) é um fungo polífago, que afeta a produção de diversos produtos agrícolas em todo o mundo. Inicialmente a doença se alastrou na cultura do feijão, batata e do tomate industrial, mas nos últimos anos tem gerado grande prejuízo aos produtores de soja. No Brasil, em cinco anos a doença já cresceu de 500 mil hectares para cerca de 2,5 milhões de hectares contaminados considerando todos os cultivos, sendo que na soja a doença evoluiu de traços para aproximadamente 2 milhões de hectares contaminados.

Estudos revelam que entre as várias formas de disseminação da doença no campo o contágio pela semente é a mais difícil de se controlar. No Brasil, cerca de 98% das sementes utilizadas no cultivo da soja e do feijão são tratadas quimicamente antes do plantio, mas esse processo já não tem correspondido às expectativas do produtor. “Mesmo com este volume alto de sementes tratadas, a doença continua avançando no território nacional. O Certeza chega ao mercado para garantir melhorias na sanidade e na qualidade das sementes e com isso bons resultados no campo”, explica Ernesto. O fungicida Certeza garante boa cobertura, distribuição e aderência na semente, além de controlar o complexo de doenças que são transmitidas pela semente, como Fusarium, Phomopsis, Cercospora, Colletorichum, Rizoctonia, Aspergillus, estabelecendo um novo padrão de controle no mercado. “O produto é hoje o mais completo no mercado para o tratamento de doenças transmitidas pelas sementes. O Certeza é fruto dos investimentos da IHARA na busca por melhores condições para o desenvolvimento da agricultura brasileira”, acrescenta Ernesto.

Ernesto Hideki Fukushima

Mais informações: www.ihara.com.br

Revista do Produtor Rural

99


[Extensão de Base Cantagalo]

Cursos do Senar movimentam Extensão de Base Cantagalo

A

Extensão de Base Cantagalo do Sindicato Rural de Guarapuava ofertou cursos de qualificação rural durante os meses de setembro e outubro, todos promovidos através do convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR). O curso Trabalhador na Administração de Empresas Agrossilvipastoris - Empreendedor Rural - fase I começou no dia 4 de agosto e segue até dia 07 de novembro, na Comunidade Cavaco, com o instrutor Luiz Augusto Burei. Mulheres da Pastoral da Criança se reuniram no dia 2 de setembro para o curso Família e Qualidade de

Vida - Controle do Orçamento Familiar - Conscientização de Mulheres, ministrado pela instrutora Ednilza Godoy Vieira. Rubens Gelinski, instrutor do Senar, coordenou o curso Trabalhador na Aplicação de Agrotóxicos - costal - manual - NR 31, que foi realizado nos dias 03, 10 e 17 de setembro, na Comunidade Perpétuo Socorro. Trabalhador na Forragicultura - Estabelecimento, Recuperação e Reforma de Pastagem foi outro curso realizado de 19 a 21 de setembro, na Comunidade Cavaco em Cantagalo, com a instrutora Karina Calil Caparroz.

Dias depois, produtores e trabalhadores rurais fizeram o curso de Trabalhador na Bovinocultura de Leite - Manejo de Bovino de Leite, de 04 a 06 de outubro, com o instrutor Marcelo Simionatto Alves, na Extensão de Base. Ainda no dia 06, iniciou o curso de Cerqueiro - construção de cerca elétrica com o instrutor Daniel Paiva Xavier, seguindo até o dia 08. Finalizando os cursos de outubro, a instrutora Giovana Giarollo ministrou o de Produção Artesanal de Alimentos - Derivados de Leite, nos dias 20 e 21 de outubro, na sede da Extensão de Base.

Manejo de Gado de leite 04 a 6 de outubro

Cerqueiro - 06 a 08 de outubro

Familia e Qualidade de Vida - Controle do Orçamento Familiar

Produção Artesanal de Alimentos Derivados de Leite

Trabalhador na Aplicação de Agrotóxicos costal - manual - NR 31

Trabalhador na Forragicultura - estabelecimento, recuperação e reforma de pastagem

100

Revista do Produtor Rural


[Visita]

Clientes da Zico Motosserras na Stihl

N

os dias 27 e 28 de junho, a Zico Motosserras levou 10 clientes do mercado florestal para uma visita técnica à fábrica da Stihl, em São Leopoldo – RS. O grupo recebeu informações e viu de perto como é produzido os equipamentos de toda a linha Stihl, como motosserras, roçadeiras e lavadoras de alta pressão. Esta foi a primeira visita realizada pela Zico Motosserras. Segundo o proprietário da empresa, Ezequiel Vieira de Melo, outras viagens serão marcadas no futuro. “Esta é uma ótima oportunidade do consumidor Stihl ver como são feitas as máquinas que ele utiliza em sua propriedade”, comentou.


[30 de setembro]

Encontro de Secretárias reúne 130 profissionais de Guarapuava, Candói e Cantagalo

N

o dia 30 de setembro, 130 mulheres participaram do IV Encontro das Secretárias do Setor Agropecuário e Encontro das Secretárias de Guarapuava, promovido pelo Sindicato Rural de Guarapuava e Conselho da Mulher Empresária/Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava (ACIG). O evento iniciou com a palestra “Por que algumas mulheres têm sucesso e outras têm trabalho?”, ministrada pelo diretor da Dale Carnegie PR, Tioce Botelho. Segundo ele, a tarde foi de conversa com as mulheres. “Abordamos algumas técnicas que auxiliam nas atividades diárias de todas as áreas de atuação, como vencer os medos, resolver problemas, técnicas de comunicação, relações humanas, principalmente a importância de conversar”. Estiveram presentes recepcionistas, telefonistas, secretárias executivas e assistentes administrativos de revendas de insumos agrícolas e maquinários, cooperativas e órgãos públicos ligados ao setor agropecuário, além de profissionais que atuam no comércio e indústria. As participantes se divertiram com brincadeiras e foram premiadas com mais de 80 brindes (doados por parceiros do Sindicato e da Acig). A estudan-

te de secretariado Franciele Camargo comentou que eventos como esse valorizam a profissão e promovem um intercâmbio de conhecimentos, “o que muitas vezes a correria do dia-a-dia não nos permite”. Já Marileia Korpash, secretária há 30 anos, destaca que a cada dia é preciso vencer novos desafios e as técnicas repassadas no encontro auxiliarão nas atividades diárias. A esposa do presidente do Sindicato Rural, Adriana Botelho, destacou que esse encontro tem como objetivo a valorização do profissional que faz parte das empresas da região. “Valorizar quem nos ajuda e atende os clientes é fundamental para a harmonia e bom andamento dos negócios”, comentou. O vice-presidente do Sindicato, Anton Gora, e o presidente da ACIG, José Divonsil da Silva, destacaram positivamente a parceria entre as duas entidades. “Essa parceria com a ACIG veio para somar e contribuiu significativamente para o sucesso do evento”, comentou Gora. O evento teve o patrocínio da Dpaschoal, Loja das Fábricas, Mabe´s Jóias em Prata, Pão de Queijo São Paulo, Cultura FM, Dale Carnegie Training, Inviolável e apoio de diversas lojas do comércio e empresas/revendas do setor agropecuário.

Anton Gora, vice-presidente do Sindicato Rural de Guarapuava

José Divonsil da Silva, presidente da Acig


[Homenagem]

10 anos de Querida Raquel*, 10 anos de Sindicato Rural. Com certeza, essa é uma data importante para você. Mas queremos que saiba que também é importante para nós. Afinal, são 10 anos de trabalho, 10 anos de dedicação, 10 anos de contribuição para o crescimento e desenvolvimento da entidade. Você, que há uma década acompanha a história do Sindicato, sabe bem que tudo mudou por aqui. Você mesmo conta que no início, passava o dia inteiro limpando o que já estava limpo e a hora não passava. Hoje, a realidade é muito diferente. Geralmente você chega primeiro e sai por último. Trabalha à noite e também aos sábados, conciliando a vida de esposa, mãe e avó. O Sindicato mudou e você também mudou, cresceu, evoluiu. Neste trabalho de bastidores, faz brilhar nossos eventos. Queremos que saiba que você não é uma simples funcionária que limpa a entidade, faz o cafezinho e as compras. Você é hoje uma profissional daquelas difíceis de encontrar no mercado de trabalho. Não foi a toa que você conquistou uma cozinha planejada, um microondas e uma máquina de lavar roupas, entre outros equipamentos, para facilitar o seu trabalho no dia a dia. Você é uma colaboradora especial porque você acerta, mas também erra. Mas quando erra, assume o erro. Você aprende, mas também ensina. E quando ensina, ensina com amor. Você faz o seu trabalho, mas também ajuda os outros. E ajuda sempre que necessário. Você é criativa, toma as decisões que lhe cabem e procura ajuda quando não tem certeza sobre o que deve fazer. Você tem iniciativa, não fica parada. E por isso conquistou autonomia. Sabemos que muitas vezes, foi preciso esperar. Muitas vezes, foi preciso compreender. Muitas vezes, foi preciso superar. Por tudo isso, você chegou até aqui. Temos orgulho de tê-la como colega de trabalho, como colaboradora, daquelas que vestem a camisa e dão o máximo de si para que tudo saia perfeito. Em nome da diretoria e de todos os colaboradores da entidade, queremos parabenizá-la pelos 10 anos de Sindicato Rural e desejar que você continue sendo essa pessoa especial e amiga. Nosso muito obrigado, Raquel! Guarapuava, 30 de setembro de 2011. * Raquel de Fátima Santos, funcionária do Sindicato Rural de Guarapuava desde de 2001.

104

Revista do Produtor Rural

dedicação!


Revista do Produtor Rural

105


[Resumo]

Curso de tratorista atraiu participantes de outros Estados No dia 22 de outubro terminou o curso de Trabalhador na Operação e Manutenção de Tratores Agrícolas, promovido pelo Sindicato Rural de Guarapuava, em convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR). Com duração de 16 horas, o curso é dividido em oito horas de prática na propriedade rural e oito horas de teoria. O instrutor do curso Luiz Augusto Bu-

Encontro de Medicina Equina O Departamento de Medicina Veterinária (DEVET) da Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unicentro) promoveu nos dias 23 e 24 de setembro, no anfiteatro de Biologia do Campus Cedeteg da Universidade, o 3º Encontro de Medicina Equina do Centro-Oeste do Paraná. O evento visou disseminar conhecimentos relacionados a medicina eqüina, auxiliando na formação continuada dos profissionais atuantes na área. A professora de clínica equina do Devet/Unicentro salienta que é crescente a procura dos profissionais por clínica de eqüinos. “Por isso, realizamos esse evento para promover a formação continuada dos profissionais e a formação dos acadêmicos interessados no ramo”. O Sindicato Rural de Guarapuava foi um dos patrocinadores do evento.

106

Revista do Produtor Rural

rei explica que o objetivo é levar o conhecimento sobre tratores aos funcionários de fazenda e produtores rurais. “São repassadas informações sobre operação e manutenção com segurança no trabalho, para condução dos tratores agrícolas”, explica. Além dos alunos da região de Guarapuava, este curso contou com a participação de dois trabalhadores agrícolas de outros estados. Rivelino de Oliveira, na-

tural de Santa Maria – RS, disse que está fazendo o terceiro curso oferecido pelo SENAR. “O curso vai proporcionar uma maior especialização no meu trabalho. Vou evoluir naquilo que eu já sei”. Outro aluno que veio de longe para fazer o curso é o trabalhador rural Clayton Casanova, de Joaçaba – SC. “Boa parte do curso eu já sabia com a prática, mas é sempre bom obter um conhecimento mais detalhado”, comentou.

Semifinal do campeonato de boliche Está quase no fim o I Campeonato de Boliche do Sindicato Rural de Guarapuava. A equipe Tratorsolo I continua na liderança e segue para semifinal. As equipes Mulheres, Agrass e Produtores II foram eliminadas da competição. Permanecem na competição as equipes Tratorsolo II, Emater, SEAB e Produtores I. As semifinais iniciaram no dia 03 de novembro e a grande final será dia 10 de novembro.

Encontro Técnico de Feijão No dia 28 de outubro, a comissão organizadora do II Encontro Técnico de Feijão, realizado no dia 24 de agosto deste ano, no Sindicato Rural de Guarapuava, promoveu uma reunião de avaliação e planejamento do próximo encontro. Participaram da reunião, organizadores e patrocinadores da edição deste ano.


[Silos]

Linhas de financiamento para armazenagem Eng. Marcio Geraldo Schäfer Paraná Silos Representações Ltda

Em outra edição tratamos do rápido retorno financeiro no investimento em armazenagem na fazenda. Neste momento, vamos apresentar as diversas linhas de financiamento existentes para equipamentos em armazenagem, suas taxas e regras. Modalidades de Financiamentos Modalidade

Beneficiarios

Limite de Financiamento

Produtores Rurais (pessoas físicas e juridicas) e suas cooperativas

Pessoa Física, Micro, Pequenas e médias empresas : 90% Medias-Grandes e Grandes empresas: até 70%

Pessoa Jurídica

Até 1 milhãos por Banco emissor do Cartão, podendo utilizar para uma compra o limite de todos os cartões

Produtores rurais (pessoas físicas ou jurídicas), de forma individual ou em grupo, e cooperativas de produtores rurais

Até R$ 1,3 milhões individual e R$ 4 milhões no grupo, respeitando o limite individual

Pessoa Jurídica

Até 80%

BNDES Automático

Produtores Rurais (pessoas físicas e juridicas) e suas cooperativas

FNO (Banco da Amazônia)

Produtores Rurais (pessoas físicas e juridicas) e suas cooperativas

BNDES Finame PSI

Cartão BNDES

Moderinfra

BNDES Finame Agrícola

FNE (Banco do Nordeste)

Pronaf Mais Alimentos

Prodecoop

Produtores Rurais (pessoas físicas e juridicas) e suas cooperativas da Região Nordeste Pessoa Fisica enquadradas como agricultores familiares no PRONAF Cooperativas de produção apgropecuária e seus cooperados

RO (Recursos Obrigatórios) Pessoa Física e Jurídica ou MCR 6.2

Pronamp

Agricultores Familiares enquadrados no Pronaf suas Cooperativas e Associações

Prazo BNDES 120 meses BBSA até 96 meses BRADESCO até 72 meses ITAÚ até 60 meses CAIXARS até 120 meses BRDE até 120 meses

Encargos Micro/Pequena/Média - 6,5%a.a Média-Grande - 8,7% a.a Grande Empresa - 8,7%a.a

Amortização Mensal, Semestral e Anual

Carência

Itens Financiáveis

De 3 meses a 24 meses Equipamentos (inclusos no prazo)

1%a.m

Mensal

6,75% a.a

Semestral e Anual

Reforma de Até 36 meses equipamentos, unidades (incluso no armazenadoras, máquinas prazo) equipamentos e obra civil

Até 60 meses

Taxa variável de 10,5% a 11,5% a.a (caso a caso)

Semestral e Anual

Até 12 meses (inclusos no Equipamentos prazo)

Pessoa Física, Micro, Pequenas e médias empresas : 100% Medias-Grandes e Grandes empresas: de 80% até 100% Respeitando limite de até 10 milhões

BNDES 144 meses

De 10,5% a.a até 11,5%a.a (conforme porte da empresa)

Mensal, Semestral e Anual

Até 24 meses (inclusos no Projetos de Investimento prazo)

De R$ 33 mil a R$ 1,7 milhões (conforme o porte)

Até 12 anos

De 5,0% a.a até 8,5% a.a (conforme o porte)

Caso a Caso

Bens e serviços Até 6 anos necessários ao (caso a caso) empreendimento

De 70% a 100%, dependendo do porte e renda

Até 12 anos

De R$ 10 mil até R$ 130 mil por cliente e R$ 500 mil coletivo. Financia até 100%

Até 10 anos

2% a.a

Até 90%

Até 144 meses (carência já inclusa)

6,75% a.a

Até R$ 300 mil

BBSA até 10 anos Bradesco até 5 anos

6,75% a.a

Até 300 mil

Até 48 meses

Mar/11

BNDES 144 meses BBSA até 72 meses BRADESCO até 96 meses ITAÚ até 60 meses CAIXARS até 120 meses BRDE até 120 meses

Até 8 anos

De 5,73% a.a até 10% a.a

6,25% a.a

Sem Carência Equipamentos e Peças

Caso a Caso

Até 4 anos, inclusos no prazo

Bens e serviços necessários ao empreendimento

Mensal, trimestral, mensal e anual

Até 3 anos incluso no prazo

Equipamentos cadastrados no MDA

Até 36 meses Equipamentos, obra civil (incluso no instalações e outros prazo) investimentos fixos Aquisição de máquinas, equipamentos, reformas, Mensal ou Anual Sem Carência ampliações e demais (caso a caso) investimentos Semestral e Anual

Caso a Caso

Até 12 meses Equipamentos, reformas e (incluso no ampliações prazo)

A apresentação desta tabela sobre as diversas linhas, resumidamente demonstra prazos e regras em geral. Caso o interesse seja mais profundo, sugiro a solicitação de informativos mais específicos e elucidativos, assim como projetos técnicos de layout e custo de implantação de unidades armazenadoras, que podem ser providos através de solicitação pelo meu e-mail: marciogeraldo@ymail.com.


[Notas]

Georreferenciamento de imóveis rurais A partir de 21 de novembro de 2011, está previsto a obrigatoriedade do georreferenciamento geodésico dos imóveis rurais com menos de 500 hectares (206,61 alqueires paulista), conforme estipulado pelo Decreto 5.570/2005. Para registro em Cartório de qualquer situação de transferência de imóvel rural (total ou parcial), bem como nos casos de desmembramentos, parcelamentos, remembramentos de imóveis rurais, o produtor deverá obter a identificação das coordenadas dos limites da propriedade rural pelo Sistema Geodésico Brasileiro, devidamente certificada pelo INCRA. Prevendo que seria inviável aos produtores rurais cumprirem a normativa, pois o INCRA não possui capacidade de gerenciamento de milhares de processos de georreferenciamento que certamente seriam protocolados em todo o país, a FAEP solicitou ao INCRA, através de ofício em 10/10/2011, medidas urgentes para a fixação de novos prazos, por meio da edição de um novo Decreto. Em resposta, o INCRA reconheceu as justificativas e atendeu o pedido da FAEP, esclarecendo que formou um grupo de trabalho que irá propor um novo escalonamento de prazo para as certificações de imóveis rurais em todo o país.

Expedição Safra

Guarapuava no roteiro

A equipe de reportagem da Expedição Safra/Gazeta do Povo passou por Guarapuava nos dias 17 e 18 de outubro, para coletar informações sobre a safra de verão. Após uma visita na Cooperativa Agrária, a equipe entrevistou o produtor rural João Arthur Barbosa Lima na Fazenda Cristal, distrito de Guairacá. João Arthur plantou 51 hectares de milho silagem e grão. A equipe aproveitou a oportunidade para produzir uma matéria sobre novilho precoce. Barbosa é diretor do Sindicato Rural e da Cooperaliança.

108

Revista do Produtor Rural

Aluna de Biologia da Unicentro ganha prêmio nacional A acadêmica do quarto ano de Biologia, da Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unicentro), Renata Mussoi Giacomin recebeu o “Prêmio Lisete Chamma Davide”, concedido ao melhor trabalho na área de Citogenética Vegetal durante a 2ª Reunião Brasileira de Citogenética e 57º Congresso Brasileiro de Genética, realizado de 28 a 30 de agosto em Águas de Lindóia-SP. Renata é aluna de iniciação científica voluntária, orientada pelo professor Paulo Roberto Da Silva, do Departamento de Biologia, e desenvolveu um projeto em parceria com a Embrapa-Trigo, onde fez a caracterização genética de cultivares de Triticale, desenvolvidas pelo Programa Brasileiro de Melhoramento de Triticale. A estudante da Unicentro concorreu com mais de 150 trabalhos de todo o Brasil. Durante o evento foram selecionados os cinco melhores trabalhos para serem apresentados na forma oral, destes, dois eram de mestrado e dois de doutorado. O trabalho da aluna da Unicentro ficou com o primeiro lugar. O professor Paulo Roberto considera muito importante este resultado, pois coloca o nome da Unicentro, mais uma vez, em evidência na comunidade científica brasileira e também mostra a qualidade da iniciação científica na instituição.


O sonho da sede própria

[Boletim AEAGRO]

é realidade!

Palavra do Presidente Caros colegas, Com muita alegria apresentamos nesta edição o projeto da construção da nossa sede. Dentro de 14 meses o nosso sonho será realidade, sonho principalmente do colega Engº Agrônomo Mozart Pacheco Dangui, que nos doou o terreno com o qual viabilizamos a obra. Nossos eternos agradecimentos ao Sr. Mozart e a sua família. Quero dizer que estamos trabalhando firme na representação da classe perante a sociedade. Temos a certeza de que já somos reconhecidos como entidade atuante, mas sentimos que a construção da sede representará a materialização da Associação, consolidando a presença da AEAGRO no meio dos colegas. Também informamos que no dia 28/09 ocorreu eleição para a Diretoria Executiva e Conselhos Fiscal e de Ética, sendo reeleita a Diretoria atual.

D

epois de 34 anos de atuação e representação do profissional engenheiro agrônomo em Guarapuava, a AEAGRO terá uma sede. Moderna, bem localizada e com espaço para as atividades da entidade. O terreno localizado à Rua Ivaiporã, no bairro Bonsucesso, em Guarapuava, foi doado há 24 anos por Mozart Pacheco Dangui ao então presidente da Associação, Maurício Araújo. “A associação sempre teve o sonho da sede própria e esse terreno que nos foi doado é parte dessa realização”, diz Araújo. As negociações para efetivação do negócio foram feitas pela Imobiliária La Casa e a obra será executada pela construtora Brisola. O pagamento da construção será através de permuta de 18 lotes, dividindo o terreno da associação. A sede, cujo nome será Edifício Mozart Pacheco Dangui, com 580m² será edificada em dois pisos e terá salão social com capacidade para 200 pessoas, auditório para 60 pessoas sentadas, ambiente interno e externo com acessi-

bilidade, copa, cozinha, bar, sala de reuniões, sala da administração, banheiros, estacionamento privativo e terreno com 3.400m². A obra tem duração prevista de 14 meses. O engenheiro civil responsável pela obra será Marcelo Kurquievicv, acompanhado pelo diretor técnico da AEAGRO, Rodrigo Martins. Para José Roberto Papi, atual presidente da Associação, “essa sede será tanto para discussões da classe como para confraternizações. É uma conquista! Um espaço para assuntos técnicos e para lazer”, comemora.

José Roberto Papi Presidente da AEAGRO Informações eleições crea: www.crea-pr.org.br Eleições aeagro: www.aeagroguarapuava.com.br

Revista do Produtor Rural

109


[Aconteceu]

Sebastião Meira Martins é homenageado pelo SESC

O Sesc Guarapuava homenageou o produtor rural Sebastião Meira Martins durante a Semana Literária, no dia 13 de setembro, no salão social da entidade. O tema da Semana Literária desde ano foi Literatura e Sociedade e o produtor recebeu a homenagem pela dedicação e serviço prestado para o desen-

volvimento Cultural e Educacional de Guarapuava. Aos 83 anos de idade, Sebastião Meira Martins já escreveu 17 livros, o último intitulado “Soberbas Fazendas de Nosso Rincão”. Nas obras, o autor reconta histórias de Guarapuava e realiza levantamento histórico das famílias que colonizaram a região.

PDS encerra em Guarapuava Em parceria com a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), o Sindicato Rural de Guarapuava promoveu o último módulo do Programa de Desenvolvimento Sindical (PDS), para lideranças do setor agropecuário, nos dias 22 e 23 de setembro. O instrutor Gumercindo Fernandes

110

Revista do Produtor Rural

realizou dinâmicas com os alunos, visando a reflexão através de questionamentos. “Neste módulo foi ensinado como mobilizar pessoas e a arte de negociar e formar parcerias”, explicou. Para o chefe da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná (SEAB), Itacir José Vezzaro, o curso foi esclarecedor. “Eu tirei muitas dúvidas aqui. Aprendi a diferença entre gerente e líder, por exemplo, e o aprendizado vai me ajudar muito no dia-a-dia”. O programa iniciou em junho com módulos sobre liderança e desenvolvimento sustentável, dimensão da instituição, dimensão das pessoas, dimensão da estratégia, dimensão do ambiente, dimensão do Eu e parceria, processo de mobilização.

Programa Morar Bem Paraná Rural

No dia 22 de setembro, prefeitos da Associação dos Municípios do Centro-Paraná (Amocentro) e Cantuquiriguaçu estiveram reunidos no anfiteatro do Sindicato Rural de Guarapuava, para assinar convênios do programa Morar Bem Paraná Rural. O projeto é uma parceria entre a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), Caixa Econômica Federal e Emater, que pretende construir 100 mil casas de 65m² no Paraná nos próximos quatro anos. Para o presidente da Cantuquiriguaçu, Juca Forekevicz, o programa é um grande avanço para a região. “Até então os projetos habitacionais só atingiam as grandes cidades. O Morar Bem Paraná Rural vem para mudar este cenário, representando um grande avanço para a região”, explica. O cadastramento e seleção das famílias que receberão o beneficio serão feitos pela Emater e Secretaria de Agricultura, em parceria com o município.


[Código Florestal]

Sobre a perversidade da legislação ambiental

A

discussão entorno do novo Código Florestal tem-se pautado mais por disputa ideológica do que por preocupação com questões ambientais. Até o momento não foi colocado em pauta quais os critérios técnicos que respondam a questões, como: Por que uma mata ciliar tem que ter 30m de largura, para rios de pequeno porte? Por que não 10m? Por que não 40m? Por que não qualquer número, desde que nos seja explicado o por que? Por que a área de Reserva Legal tem que ser de 20% do imóvel? Por que não mais? Por que não menos? Por que não qualquer porcentagem, desde que nos seja explicado do por que? Por que a Área de Preservação Permanente (APP) não pode ser computada dentro do percentual da Reserva Legal do imóvel? Qual a justificativa técnica ambiental para uma aberração dessas?

No cerne desta indagação reside o que se pode chamar de PERVERCIDADE DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL. Vejamos porque: tomemos como exemplo duas propriedades com 100 ha cada. A primeira, do João, possui 20 ha de Reserva Legal e 80 ha de lavoura. A segunda, do Pedro, possui 10 ha de mata ciliar (APP) e 10 ha de banhado. Reparem que João cultiva 80 ha e possui a área legalizada ambientalmente, enquanto que Pedro, também cultiva 80 ha sem estar com a propriedade legalizada ambientalmente, uma vez que, pela atual legislação, mata ciliar e banhado não podem compor a Reserva Legal do imóvel. Para torná-la legalizada, Pedro deverá abandonar 20 ha de lavoura para fazer a recomposição da Reserva Legal, passando a cultivar 60 ha de lavoura. Neste ponto, reside a perversidade da legislação ambiental que pune Pedro, diminuindo sua área produtiva, diminuindo sua renda e

Eng° AGR° Flávio Augustus Burbulhan

desvalorizando seu patrimônio. Afinal, a propriedade de João alcançaria maior valor venal que a de Pedro. Este exemplo revela o círculo vicioso que a atual legislação ambiental vem causando, que se resume em penalizar economicamente quem mais preserva ambientalmente. O novo Código Florestal será uma oportunidade de inverter a lógica perversa do atual Código e transformá-lo num círculo virtuoso da conservação ambiental. Prevendo, não somente, a penalização, com multas, aos infratores, mas a bonificação, com abonos, aos conservadores.

Revista do Produtor Rural

111


[Profissionais em destaque]

Mário Meyer Engenheiro agrônomo da C.Vale

Fábio Marcolin Estágiário da C.Vale

IHARA: Leendert de Geus e Evandro M. Sasano

Aeroímpar: Paulo Sérgio Raimondo

REAL H: Benilson Guizone Schmoeller, Gilmar Adilio Salmoria e Yuri Eurich

FMC: Marcelo Cavazotti e Lorena Duda

Plantium: Gabriel Diniz e Rogério Nogueira

Mosaic: Rogério Okuma e Jones Silva Pereira

Agro Tecsolo: Wesley Cristo, Kleiton Leite e Luiz Felipe Ribeiro

112

Pioneer Sementes: Cyrano Yazbek, Francisco Nogara Neto e Adilson Pagno

Agrotecnologia: Gabriel Diniz e Pedro Magalhães

Fort Green: Carlos Alberto Pereira, Luiz Fernandes R. Aguera e Fernando Piccin

Manfred Majowski (produtor rural), Prof. Gabardo (FAEP), Cláudio Azevedo (vice presidente do Sindicato Rural), Norton Rodrigues (FAEP) e Benedito Silva (FAEP)

Maxsuel Zart Diretor da ZK Assessoria Contábil

Revista do Produtor Rural

Arysta LifeScience: José Augusto

Cheminova : Marcos Bolçone

Agrária: Rudolf Gerber e Cleonir Ongaratto

Forquímica: Richard Paglia e Jorge Pereira

Kraft Foods: Renato Bordignon e Karini Mendes Siqueira

Bayer CropScience: Stevan de Souza, Julien Witzel e Rafael Gallo Tegoni

Sindicato dos Médicos Veterinários do Paraná (SINDIVET): César Amin Pasqualin (Presidente), Demétrio Reva (Vice presidente) e Lourival Uhlig (Tesoureiro)

Agronelli: José Antonio Malucelli

Syngenta: Antonio Marques, Rudi Ansbach, Tiago Augusto Dalchiavon e Robinson Venâncio

Seven Mitsubishi: Rômulo Weigert Neto e Everton Ricardo Lermen

Fertipar: Adilson dos Anjos

Calponta: Nelson S. Tadenuma

Grupo Escoteiro Entre Rios: Veronica Stemmer, Anelise Mafreo e Willian Santos

Banco do Brasil: Liti Colossi, Cláudio Azevedo (vice presidente Sindicato Rural), Celso Julio Primo, Osvaldo Granemann

Sementes Agroceres: José Artur Kair Filho

André Zentner: Responsável pela entrega da REVISTA DO PRODUTOR RURAL no distrito de Entre Rios

DEKALB: Rodrigo Davedovicz

Chemtura: André Siewerdt e Mateus Chaves


[Produtores em destaque]

Andreas Keller Junior

José Augusto de Moraes Barros e Jaqueline de Moraes Barros

Caroline Wolbert

Edemar Balkau

Alfredo Jakob Abt

Jair Clemente Zart

[Sócio Remido]

Josef Emanuel Buhali, Richard Wilfried Seitz, Siegfrid Milla e Francisco Buhali

José Acyr dos Santos

Sebastião Elon Cavalheiro

Alan Marcus Blanc

[Novos sócios]

Alan Kaminski do Nascimento

Alfeo Muzzolon

Alfredo Bernardini

Ambrosio Ivatiuk

André Szendela

Antonio Ferreira da Rocha

Antonio Luiz Peterlini

Carolina Ribas Martins Ferreira

Daniel Giorno Nascimento

Dario Cebulski

Denilson Fadel

Eliton Ferreira Roseira

Eva Becker

Gilson Zacarias Cordeiro Junior

Claudiléia Fornazzari

Irene Fernandes Silvério Filiposki

Jacir Salvador

Janete Aparecida Honorio Sprotte

Juarez José Simão

Josnei Augusto da Silva Pinto

Luiz Marcos Muzzolon

Marcelo Afonso Mayer

Tiago Pacheco Stadler

Marcelo Lustosa Julek

Noélia Mara Cordeiro Marcondes

Pedro Kindreich

Rodrigo das Neves Dangui

Rodrigo Ribas Martins

Rosita Praetorius de Lima Malinoski

Simone Milla

Teruyoshi Robson Udagawa

• Agro Tatu Distribuidora de Peças Ltda • Claudete Martins Ribas • Gertrudes Salete Ribas Martins Marcondes • João Carlos Nunes da Rocha

Joceli Vetorassi

Maria de Lourdes Tullio

Tadeu Zukovski

Palinski

• Julio Cesar Gonçalves • Romancite José Silverio • Sebastião Francisco Ribas Martins Neto

Revista do Produtor Rural

113


Novembro

[Agenda] 01/11 01/11 01/11 01/11 02/11 02/11 02/11 02/11 03/11 03/11 03/11 04/11 04/11 04/11 04/11 05/11 05/11 05/11 05/11 06/11 06/11 06/11 07/11 08/11 08/11 08/11 09/11 09/11 10/11 11/11 11/11 11/11 11/11 12/11 12/11 13/11 13/11 13/11 14/11 14/11

A N I V E R SA R I A N T E S Egon Heirich Milla Helmuth Mayer Raimundo Gärtner Rodrigo Schneider Günter Winkler Johann Wolbert Laura Marlene Bastos Alves Theresia Jungert Dionísio Burak Evaldo Anton Klein Karl Keller Ana Célia de Araújo Antônio Schramm Cleverson Atalibe Martins Fernanda Margot R.Virmond Antonio Carlos Ribeiro Burko Carlos Alberto Dipp de Castro Hermann Oster Rubens Lopes de Araújo Egon Winkler Franz Weicher Júnior Jocelim A. das Neves Luiz Carlos Mendes de Oliveira Anderson Lineu Martins Irene Elisabeth Remlimger Josef Spieler Osmar Antônio Dalanora Vinicius Rocha Camargo Mariana Martins Marcondes Alaor Lopes Fritz César Pedro Zambenedetti Ribas Gilberto Baroni Sidinei Denardi Harry Mayer Rachel Maria Naiverth Cícero Passos de Lacerda Heinrich Vollweiter Rozeli Araujo Oliveira Deodoro Araújo Marcondes Walter Winkler

15/11 15/11 15/11 15/11 16/11 16/11 17/11 17/11 17/11 17/11 17/11 18/11 18/11 19/11 20/11 20/11 20/11 20/11 20/11 21/11 21/11 21/11 22/11 23/11 23/11 24/11 25/11 25/11 25/11 26/11 26/11 26/11 27/11 28/11 28/11 28/11 29/11 29/11 30/11 30/11

Jaime Tonon Leonardo Obal Otto Martin Ritter Vicente Mamcasz Bruno Armstrong de Araújo Valério Tomaselli Aldoino Goldoni Filho Alfredo Szabo Antonio Cassol Miguel Wild Ronald Oster Alexandre Seitz João Pfaff Pertschy Luciano Koloda Cilton Ribas Edson José Mazurechen Etelvino Romano Portolan Francisco dos Santos Rodrigo Ribas Martins Daniel Giorno Nascimento Mário Losso Klüber Ruy Jorge Naiverth José Carlos Lustosa André Szendela Aristheu Rieckel Edemar Balkau Albert Stock Anton Gottfried Egles Rodolfo Wolbert Antonio Lineu Martins João Maria Siqueira Ribas Maria Aparecida Lacerda Araújo Ozias Schineider Alfredo Jungert Raimund Helleis Vânia Elisabeth Cherem F. de Melo Karl Heinz Laubert Filip Priscila Klein Joarez Santana Nunes de Oliveira Josef Dettinger

Confira a entos agenda de ev s: agropecuário SIMPAPASTO

10/11/2011 – 12/11/2011 Maringá – PR / Parque de Exposições http://www.uem.br/simpapasto/

VIII Festa Internacional do Frango

11/11/2011 – 15/11/2011 Santo Antônio do Sudoeste – PR http://www.santoantoniodosudoeste.pr.gov.br/

4º Festival Gastronômico de Carne de Cordeiro

11 de novembro – 20h30 Parque de Exposições Lacerda Werneck (Pavilhão de Eventos) - Guarapuava – PR Fone: (42) 3622-2443

II Noite das Batatas

12 de novembro - 20h Guarapuava - PR / Salão da Catedral Fone: (42) 3623-1115

Leilão Gado Geral

20/11/2011 – 15h Candói – PR http://www.gralhaazulremates.com.br

IV Feira de Fornecedores para o Agronegócio 23/11/2011 – 25/11/2011 Curitiba – PR / Centro de Estações Experimentais– Fazenda Cangüirí Fone: (41) 3203-1189

Dezembro

Expolanda 2011

114

01/12 01/12 01/12 01/12 01/12 02/12 02/12 02/12 02/12 02/12 03/12 04/12 05/12 05/12 05/12 05/12 05/12 07/12 07/12 07/12 08/12 08/12 08/12 08/12 10/12 10/12 10/12 10/12 11/12 11/12 12/12 12/12 13/12 13/12 13/12 14/12 15/12 15/12 15/12 15/12 15/12

Allan Kardec Oliveira Lopes Filho João Afonso Fontoura Bilek Klaus Kratz Luciane Werneck Botelho Maria de Lourdes Scheidt Mäder Arion Mendes Teixeira Claraci Borges Claudia Scherer Korpasch Gilson Schimim Mendes Roselinda de Fátima Nunes Chiaro Elcio Dobgenski Ruy Laureci Alves Teixeira Blacardini Fritz Gadotti Erna Teresa Milla Jefferson José Martins Siegbert Nauy Télcio Granemann Fritz Anton Egles Ewald Müllerleily Franz Milla II Daniel Peruzzo Everton Roosevelt Bernini Solange Maria Schmidt Valdomiro Bodenar Anderson Mendes de Araujo Irene Fernandes Silvério Filiposki José Canestraro Rodolpho Luiz Werneck Botelho Eliseu Schuaigert Marcos Tiago Geier Pedro de Paula Xavier Valdir Cesar de Moraes Lima Carlos Alberto Abreu Alves Filho Nelci Terezinha Mendes do Valle Newton Schneider Alexandre Utri Elmar Remlimger Francisco Seitz Johann Reinhofer Osmar Karly Roland Milla

Revista do Produtor Rural

17/12 18/12 19/12 19/12 19/12 19/12 20/12 20/12 20/12 20/12 21/12 21/12 21/12 21/12 22/12 22/12 23/12 23/12 23/12 23/12 23/12 24/12 24/12 25/12 25/12 25/12 25/12 25/12 25/12 26/12 26/12 27/12 28/12 29/12 29/12 29/12 31/12 31/12 31/12 31/12

Roberto Satler João Sueke Sobrinho Alberto Stock Eva Becker Jamil Alves de Souza Luciano Chiott Josef Duhatschek João Francisco Abreu Ribas Tiago Pacheco Stadler Ulrich Thomas Leh Edson Rodrigues de Bastos Felipe Martins de Almeida Gerhard Temari Josef Emanuel Buhali Herold Pertschy Luiz Carlos Sbardelotto Caroline Lustoza Wolbert Elevir Antonio Negrello Geraldo Natal Ceccon Nilson Granoski Oemelson Faria de Lacerda Carolina Ribas Martins Ferreira Zanoni Camargo Buzzi Emanoel N. Silvestrin Josef Wild José Augusto de Moraes Barros Sebastião Elon Cavalheiro Stefan Fassbinder Wendelin Hering Filho Guilherme de Paula Neto Rafaela Mayer Wilmar Schneider Elton Thives Araújo Egon Scheidt Eponina Werneck Ceneviva Karin Katharina Leh Adelheid Klein Knesowtsch Arno Silvestre Müller Márcio Mendes Araújo Rosita Praetorius de Lima Malinoski

24/11/2011 – 27/11/2011 Loanda – PR http://www.expoloanda2011.com.br/

Jornada de Imunologia, Síndromes e Vacinas em Bovinos

01/12/2011 – 9 horas Guarapuava – PR Anfiteatro do Sindicato Rural Fone: (42) 3623-2234 Inscrições: www.nucleovetguarapuava.com.br

CURIOSIDADE

(enviada pelo associado Waldemar Getesk

i)

O agricultor Pete Glazebrook foi fotografado com a cebola gigante, de 8,1 kg, que ele cultivou em sua fazenda em Harrogate, ao norte da Inglaterra.


Revista do Produtor Rural

115


VOCÊ É NOSSO CONVIDADO

G U A R A P U A V A

¦

P A R A N Á

4 a 8 janeiro 2 0 1 2

realização FUNDAÇÃO CULTURAL SUÁBIO-BRASILEIRA

DANÇA . BAILES EXPOSIÇÃO HISTÓRICA GASTRONOMIA ATRAÇÕES MUSICAIS E V E N T O

Revista do Produtor Rural 116 CONFIRA PROGRAMAÇÃO COMPLETA

PELO SITE

A B E R T O

A O

P Ú B L I C O

WWW.SUABIOS.COM.BR

edição 27  

Já somos 1000

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you