Issuu on Google+

1


2


PROPRIEDADE Fundação Comendador José Ferreira Trindade 15, Monté de Clausen, L-1343 Luxembourg Tél:(00352) 43.27.49 Fax: (00352) 46.90.70 Gsm: (00352) 621.152.104 info@casamagazine.eu www.casamagazine.eu Facebook: C.A.S.A. Magazine

DIRECTOR GERAL

Comendador José Ferreira Trindade

REDACÇ ÃO Rodrigues Silva, Sabrina Sousa Paula Marques

COLABORARAM NESTE NÚMERO

Drª Marlene Rodrigues, Patricia Ferreira

FOTOGRAFIA

Rodrigues Silva, Arquivo C.A.S.A., Manuel Dias, Sergio Sousa

Responsável de edição Rodrigues Silva

ARTE

LAYOUT DESIGN E PAGINAÇÃO Rodrigues Silva

ASSINATURAS & PUBLICIDADE Rodrigues Silva , Luis Cunha +352 621 50 29 03 */* +352 691976743 +352 46 48 19 ENVIO DE CORRESPONDÊNCIA

C.A.S.A. MAGAZINE 15, Monté de Clausen, L-1343 Luxembourg

Direitos de reprodução (textos e fotografias) reservados para todos os países. A redacção não é responsável pela perda ou deterioração dos textos e fotografias que lhe são enviados. O material (textos e fotografias) não é devolvido, salvo acordo prévio. Nota: Toda a publicidade inserida nesta revista é seleccionada, devendo por isso ser lida com atenção. O C.A.S.A. Magazine é de total imparcialidade para com tendências político-partidárias, de índole desportiva ou clubística e de quaisquer religiões.

Editorial A equipa do CASA Magazine apresenta as suas despedidas ao conselheiro social da embaixada de Portugal, Dr. Carlos Correia e ao Sr. Cônsul Geral de Portugal José Rosas, personalidades que muito fizeram pela comunidade portuguesa. Duas pessoas ilustres que deram tudo o que puderam e nos deixam muitas saudades. Com a mesma simplicidade que caracteriza os mesmos deixamos assim sendo, registado o nosso Imenso Obrigado e desejos dos maiores sucessos para projectos futuros. A todos os nossos leitores desejamos umas excelentes férias para aqueles que o podem; para os que não têm a mesma sorte, fiquem connosco e aproveite o tranquilidade que o Luxemburgo oferece nesta época. E porque este período antecipa um ano novo, e se aproxima o nosso primeiro aniversário, tentamos, com o tempo, evoluir e inovar. Por isso, a partir de Setembro, os nossos leitores poderão tirar proveito de uma revista repleta de novidades. Neste número, poderão antecipar pormenores para as próximas edições e aguardar a saída da nossa próxima edição de Setembro para descobrir. Um bem-haja a todos Equipa C.A.S.A. Magazine

3


C.A.S.A. Magazine conteúdoS

4

Comemorações 4 & Festividades

06 Festejar Portugal cá dentro Feierdeeg zu Lëtzebuerg Mais perto de quem está isolado Piquenique do C.A.S.A

Mundo do Trabalho 10

Um cantinho de Portugal ao alcance de todos “Au Plaisir du Vin”

12 Novos Talentos 14

Eventos 16

“A Tramada Estrela” Vasco Ricardo

Porque reciclar começa se desde pequeno Filipa Sousa

18

Um ano depois Cidade dos Jogos Olímpicos

Exclusivo 22

“Quero estar presente na realidade, conhecer as pessoas pessoalmente” “Quinta das Bágeiras”

Futuro Associativo 28

22 Lazer 30

Grupo Danças e Cantares Aldeias de Portugal

“Wasabi” A modalidade do Verão, ciclismo

30

2


As férias chegaram, assim como o cheiro a verão, o sol, a praia… Com as férias chegam também outras preocupações : para uns, as preocupações com a viagem e respectivas férias. Para outros, « fiquei sem trabalho, como fazer nos próximos tempos ? ». Os que tiverem direito ao fundo de desemprego, têm como contradicção ou bem vão de férias e perderem direito ao pagamento dos dias que estiverem ausentes, ou bem ficam cá no Luxemburgo e recebem a indeminização sem cortes. Para outras pessoas a continuação da procura de trabalho serão as férias mais adequadas a passar neste país. Mesmo este estando em repouso absoluto, pois desde o dia 9 de Julho que o trânsito já está mais calmo. Desde o dia 13 que acabou o ano escolar. As férias colectivas da construção a 27 de Julho, assim como as judiciais. Automáticamente as administrações e outros serviços públicos estarão em repouso. Ou seja, até meados de Setembro o Luxemburgo estará a funcionar a meio-gás. Desta feita, dirijo-me em especial àqueles que vão visitar as suas origens ao nosso querido Portugal. Toda a precaução na estrada é pouca, pois como conductores temos de fazer atenção também aos outros. O descanso e repouso são fundamentais, assim como a velocidade. Quando chegarem a Portugal as novidades não serão as mais animadoras, todas as pessoas que encontrarem irão contar os seus disabores sobre a situação da crise. O que para nós emigrantes não é novidade, pois também sentimo-la cá a todos os níveis, mas os que lá vivem nem sempre acrediam nisso. Por isso, para estas férias tenho um pedido especial a fazer a toda a comunidade emigrante que vai de férias. Este pedido é importante, pois uma coisa é nós vermos as entidades governamentais a manifestar algum tipo de preocupação e a promover iniciativas informativas, outra coisa são os nossos testemunhos pessoais ou histórias reais de insucesso contadas em primeira mão. E é precisamente nesse sentido que vos manifesto a minha preocupação de não darem falsas esperanças ou fazerem promessas sem terem certezas absolutas de conseguirem ou não ajudar os vossos familiares, amigos ou vizinhos. Se cada um de vós alertar as pessoas que tenham o desejo de sair do país convenientemente, será um favor que estarão a fazer para o bem da Humanidade. Pois todos os dias a Vossa instituição CASA está a ajudar pessoas recémchegadas que estão a dormir na rua ou nos carros, a ajudar outras que já não têm meios financeiros para regressarem, dámos-lhes um bilhete de regresso e até mesmo um pouco de dinheiro para se alimentarem na viagem. Isto para vos dizer que as próprias autoridades (consulado e embaixada) nos procuram para facultar este tipo de ajuda. Existe um ditado que diz que cada família portuguesa que vai de férias a Portugal, que tráz mais um novo emigrante na bagagem. Peço-vos muito sinceramente que não se responsabilizem por trazer ninguém. É com tristeza que vos transmito estes meus votos para as férias de verão de 2012.  

Comendador José Ferreira Trindade Presidente do Conselho de Administração da Fundação C.A.S.A.

3


Comemorações & Festividades

Luxemburgo

Festejar

Portugal cá dentro

As festividades estiveram espalhadas pelo país, representando a união da comunidade e impondo-se no país que os acolhe com braços abertos

O

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas marcou presença no Grão-Ducado do Luxemburgo ao longo de 4 dias. Estas festividades contaram com a união das diferentes associações que existem para ajudar os luso-descendentes, nomeadamente o C.A.S.A. e a CCPL, em colaboração com a Embaixada de Portugal no Luxemburgo e o Instituto Camões.

4


No dia 7 de Junho foi inaugurada na Mediateca da Caixa Geral de Depósitos no Luxemburgo a exposição “De Terra e de Fogo - a arte do azulejo revisitada”, de Teresa Ribeiro e Margarida Girão. Seguiram-se dois dias de festa (dias 9 e 10 de junho) na Praça Guillaume, no Luxemburgo, a cargo do C.A.S.A. É importante juntar todos os portugueses que vivem neste país. Como é habitual nestes dias de festa, matamos saudades das tradicionais sardinhas assadas servidas com o típico caldo-verde e broa, para além das tradicionais docarias portuguesas e outros manjares típicos. Divertimo-nos ao som das mú-

sicas que animam as romarias, como ranchos, cavaquinhos , tendo as festividades contado igualmente com a presença das majoretas, e artistas de renome. A fim de podermos festejar o dia de Portugal da melhor forma, o desporto que une mais portugueses não podia deixar de fazer parte da festa, sendo que todos juntos torcemos pela selecção nacional no seu primeiro jogo do Euro 2012. Um jogo que testou os nervos dos presentes. Os que estiveram presentes estes dois dias aproveitarem as actuações dos artistas, como Ana Ritta e Filipa Sousa, Mike da Gaita, ou ainda Paula Soares. Uma praça cheia e bem animada que atraiu pessoas de outras nacionalidades. As festividades contaram com a presença das figuras ilustres do Luxemburgo bem como da embaixadora Maria Rita Ferro, oficialmente a sua primeira participação em funções, o ainda Consul José Rosas, o “burgmester” Xavier Vettel, e outras entidades a quem o C.A.S.A. homenageou por todo o trabalho que têm desenvolvido em prol da comunidade portuguesa.

Uma homenagem ao poeta, com a entrega de uma coroa de flores, pela embaixadora de Portugal no Luxemburgo, Maria Rita Ferro Bonnevoie-Luxemburgo, e no dia 14 de junho, a apresentação, na Mediateca da Caixa Geral de Depósitos no Luxemburgo, do livro bilingue (português/ francês) de prosa poética “Como um rio/ Comme un fleuve”, de São Gonçalves.

As festividades prosseguiram-se no dia 11 de junho com uma homenagem ao poeta, a entrega de uma coroa de flores pela embaixadora de Portugal no Luxemburgo, Maria Rita Ferro, junto ao busto de Luís Vaz de Camões, em

L A N D

P O R T U G A L

2 2

5

5


Comemorações & Festividades

Festa nacional Luxemburguesa

Fe i e r d e e g zu Lëtzebuerg

C

omo vem sendo hábito, o C.A.S.A. representou a comunidade portuguesa nas festividades da festa nacional luxemburguesa. A fim de, uma vez mais, proporcionar aos portugueses o festejo dessa data de modo convivial, o C.A.S.A. animou a praça junto à Igreja da Sacré-Coeur com comes e bebes e música, com a presença de Rosette, ranchos e todos os que participaram no desfile. Para alguns dos presentes, esta festa, com o C.A.S.A., uma sardinha assada e boa música, é mais do que a festa do país que os acolhe, é o S. João, mas sem martelos e alho porro. O Comendador José Ferreira Trindade é o representante português mais presente na comunidade

6 6


luxemburguesa, sendo o seu trabalho devidamente valorizado por estes, e, enquanto convidado, a estar junto das personalidades do país, é um orgulho para todos os portugueses. No entanto, não esquecer que este evento é o resultado de

anos dedicados à comunidade portuguesa, deixando, muitas vezes a sua vida privada para segundo plano, porque o C.A.S.A. é a sua vida, e ajudar os outros a sua força de vida. Sendo este apenas um passo para a união entre as diferentes comunidades, este passo será dos mais importantes para a integração dos lusófonos. Por seu lado, o C.A.S.A. marcou também a sua presença no desfile com o seu toque português, contando com o Grupo Folclórico da Mocidade Portuguesa, os Cavaquinhos e igualmente o seu carro alegórico em forma de barco e marchas populares. Um trabalho de semanas que foi devidamente compensado com o sorriso estampado na cara dos nossos soberanos ( a família Grão-Ducal) que apreciou, mais uma vez a manifestação portuguesa. Todos os presentes apreciaram o momento passado nesta festa, e era visível nos curiosos que apreciavam o desfile que a comunidade portuguesa é muito apreciada pela sua música, seus costumes e trajes. É o dever de todos os portugueses participarem na festa nacional, que também é nossa, e valorizar tudo o que este país tem a oferecer.

7


Comemorações & Festividades

C.A.S.A. visita Reclusos Lusófonos no Luxemburgo

Mais perto de quem está isolado Pessoas a quem a vida impôs um destino menos sorridente e a quem o C.A.S.A. faz questão de alegrar, por momentos, as suas vidas.

grupo de RAP “JMP”, estilo musical que cuja mensagem é retratar a vida da rua o que serviu de ligação entre o exterior e a prisão. Esta visita é unicamente uma forma de permitir um momento mais alegre e de convívio, uma forma de fazer esses reclusos ganharem amor à vida em comunidade e uma forma de os motivar para a sociedade que os espera. Este evento é igualmente o resultado das visitas semanais do C.A.S.A. à prisão para ajudar aqueles que o solicitam.

A

infelicidade da vida leva pessoas a agirem de modo incontrolado e pouco racional, levando a cometer erros irreparáveis e que acabam por pagar uma dívida pesada na prisão. Um dia por ano a associação sabe que alegra a vida Publicidade

8

daqueles que lutam para um dia voltar à civilização. De facto, a visita à prisão, para além de controlada e restrita, é apenas acessível aos prisioneiros cujo bom comportamento tenha sido patente ao longo do ano. Neste momento os prisioneiros lusófonos escolhidos têm a possibi-

lidade de tirar proveito da gastronomia portuguesa e de boa música. Este ano o Café Barros ofereceu o leitão servido e apreciado por todos os presentes. Para adoçar a vida destes reclusos, a PrimaveraPan permitiu-lhes matar saudades de alguma doçaria portuguesa. Este ano, a animação ficou a cargo do

É um momento especial, onde não há olhares críticos que os julgam sem sequer ouvir a histórias daqueles a quem, por um motivo ou outro, estão privados de liberdade. Momentos em que todos os presentes podem tirar lições de vida e onde o convívio deixa de ter estatuto e riqueza pois todos estão no mesmo patamar.


Piquenique do C.A.S.A. “Depois da tempestade vem sempre a bonança”, foi com este sentimento que todos aqueles que quiseram honrar a sua presença no tradicional piquenique do C.A.S.A. fizeram a festa.

A

té S. Pedro fez questão de não faltar a este evento anual – exemplo que nem todos seguiram. Apesar da chuva que se fez sentir sobre Bonnevoie, a festa teve lugar e com a perseverança de todos foi bastante animada. Contando com a presença de Laurent Mosar, presidente da Câmara dos Deputados, Claude Wiseler, ministro dos transportes, Rui Monteiro, novo Cônsul de Portugal no Luxembur-

go, e com outras entidades que têm acompanhado o C.A.S.A. ao longo das suas diversas actividades. Depois da bênção tradicional, este encontro que honrava o dia dedicado às pessoas que sofrem de deficiência, foi muito especial, pois a alegria dos presentes era marcante e emotiva, seguiram-se das habituais homenagens a todos aqueles que com o C.A.S.A. ajudam no bem-estar de todos os que aqui vivem. A equipa do CASA Magazine também fez questão

de homenagear com uma pequena lembrança a amizade que a liga ao Comendador José Trindade. Uma ligação que já conta com a sua primeira vela e que tem vindo a consolidar-se. Uma pequena homenagem a uma pessoa que merece um grão do que deu e continua a dar pela sua causa. O piquenique continuou com festa, e como se torna imprescindível, com a actuação dos ranchos folclóricos presentes e com as Love Dance que lutaram contra a chuva mostrando que “quem corre por gosto não cansa”. Esperando que um novo ano virá, que um novo piquenique se concretizará, o C.A.S.A. tentará não esquecer de perder o convite a São Pedro para tornar deste dia uma festa ao agrado de todos e com ainda

maior participação dos que fazem parte desta casa.

9


Mundo do Trabalho

Um cantinho de Portugal ao alcance de todos

Esta poderia ser a frase de eleição para definir o estabelecimento do Senhor Alberto e da Dona Rosa Maria, situado num ponto estratégico da cidade do Luxemburgo: em frente à Gare Central, mais precisamente no Shopping Galerie Kons. “A Regional Berto Vila Verde” revela a origem dos seus proprietários, que trazem um pouco de tudo no seu negócio, há muito apreciado no Luxemburgo.

A

berto há 21 anos, este estabelecimento acolhe produtos tipicamente portugueses e variedade é a palavra de ordem. Os clientes podem gabar-se de encontrar diversidade e com certeza artigos de qualidade. Destacam-se o artesanato português, os bordados, as porcelanas, os tapetes, baús, loiças de barro, mas também artigos desportivos e religiosos, sempre bastante apreciados dos emigrantes, linhas de croché, bijutarias, CDs e cassetes e até revistas, obviamente, tudo em português! Rosa Maria sublinha que as cerâmicas, os artigos desportivos, a música portuguesa, assim como os bordados continuam a ser os artigos mais procurados. Mas desengane-se quem pensa que os clientes são apenas portugueses, pois o dinamismo dos proprietários faz com que imensos curiosos de diferentes nacionalidades sintam a tentação de

10

descobrir o que de melhor este espaço tem para oferecer. Desde franceses, luxemburgueses a alemães e imensos cabo-verdianos, este comércio continua a atrair pela sua originalidade. Com efeito, Rosa Maria afirma que se preocupa em encontrar produtos novos e sempre que regressa a Portugal, visita armazéns, adquirindo modelos novos, de acordo com as necessidades dos seus clientes. Para além desta vasta gama de produtos, estão disponíveis artigos de vestuário para comunhões e baptizados, aumentando cada vez mais a oferta disponível. Algo que surpreende sempre os clientes é a venda de bolo-rei e pão-de-ló em épocas festivas, como o Natal e a Páscoa. Não deixe de (re)descobrir este espaço: de segunda a sábado, das 9h30 às 18h30 e aos domingos e feriados, das 9h00 às 12h00 – onde Portugal nos faz um sorriso!


11


Mundo do Trabalho

Paulo Martins & Jorge Bitos

“Au Plaisir du Vin” “Au Plaisir du Vin”, entes de ser um espaço comercial, é um espaço, interactivo e pedagógico, que complementa o portefólio da gama e de todos os vinhos Portugueses que representam, em especial.

É

uma loja a pensar no consumidor mais exigente, o verdadeiro enófilo, é um espaço interactivo, pois vai complementar a parte das provas de vinhos semanais, onde se quer focar, ou uma região, ou uma

12 12

casta, ou um produtor. E uma constante, informação detalhada sobre o que se passa no mundo vitivinícola, novas técnicas, novas leis, novas produções e novos produtos, na área, pedagogia, a formação, vai haver cursos de iniciação a prova de vinhos, ou ainda cursos de 1º ao 3º nível, estarão disponíveis, com inscrições antecipadas e sempre em pequenos grupos, para dar a conhecer regiões e as suas características e suas especificações, microclimas e castas. É um projecto inovador e empreendedor, que sai de uma bela

amizade entre Paulo Martins e Jorge Bitos, um enólogo especializado e qualificado. É um espaço a pensar no consumidor final, que tem como objectivo a exposição do vasto portefólio, numa selecção, de produtos importados, no qual participam na produção, com os vários produtores e regiões de Portugal. Dando um pequeno destaque a alguns vinhos como Mesa

redonda, Paulo Laureano e Vinho do Porto e não estando a menosprezar as outras qualidades de vinhos que faz parte deste vasto espólio que se encontra ao dispor de todos amantes de um bom vinho Mesa Redonda: “O mesa redonda é um produto, feito por nos e marca nossa, temos a versão em garrafa 750 ml,


Bag-in-box, de 5 e 10 litros em branco e tinto, tem a classificação, de vinho de mesa, isto porque loteamos 80% do vinho é feito no Alentejo, e 20% é vinho proveniente da região do Tejo, Santarém” . BRANCO; De cor branco citrino, notas aromáticas para fruta madura, e algum floral, na prova apresenta-se, fresco, frutado, e com alguma acidez, no final uma leve persistência. TINTO; De cor vermelho vivo, notas para fruta como amora, e ameixa, na prova de boca vinho muito redondo, consensual, fresco, e um final de boca persistência mas redondo.

de grande qualidade dos vinhos alentejanos. O Paulo Laureano, também não necessita de apresentações, pois a nível Português, como a nível internacional, é reconhecido no meu da sua especialidade, acrescenta ainda a sua consultadoria em vários regiões de Portugal, como também a sua filosofia de só trabalhar com castas Portuguesas. Com a sua adega em Vidigueira, o berço das castas “Antão-Vaz e Aragonês”, que tem como base os seus vinhos com as características próprias. É também conhecido, como o “Pai”, da cas-

ta “Alicante Buchet”. Objectivo, desta marca, é conseguir colocar e promover, no mercado Luxemburguês como um ícone dos vinhos Português neste mercado.” “A linha de entrada é a “Classic”, em versão Branco e Tinto, segue a versão “Primium”, só em Tinto, e em anos excepcionais, e por último a linha “Reserva”, Branco e Tinto.” Estes vinhos e outros são importados em exclusivo e unicamente por Paulo Martins e Jorge Bitos, para o mercado Luxemburguês.

Vinhos de Paulo Laureano: “Os vinhos deste, enólogo de produção própria, é sem dúvida uma das referências

13


Novos Talentos

Vasco Ricardo.

A Trama da Estrela

F

oi, em finais de Junho, recomendado por Marcelo Rebelo de Sousa na sua rubrica semanal de domingo e tem sido elogiado em vários blogues especializados na literatura. Trata-se de ‘A Trama da Estrela’, da autoria do estreante Vasco Ricardo, recentemente lançado pela Pastelaria Studios Editora. Nascido em França, em 1981, Vasco Ricardo sempre teve gosto pelas letras, apesar de, academicamente, ter enveredado pela engenharia. Porém, durante a noite e nos tempos livres, deixa de parte o seu lado mais objectivo e conciso e assume o papel de criativo e sonhador. Aos sete anos de idade Vasco Ricardo regressou a Portugal, tendo vivido em Matosinhos, Viana do Castelo e VN Famalicão, onde actualmente reside. Assume-se como uma pessoa pacata e observadora,

14

“Enquanto uma negra conspiração se vai expandindo por algumas cidades europeias, três adolescentes divertem-se, navegando pela Internet, tentando decifrar mistérios e crimes até então irresolúveis. Dana, Mark e Rohan são provenientes de nações distintas mas os seus interesses e suas motivações convergem.” mas com uma incrível vontade de deixar a sua marca. Define-se como sendo simples e intelectualmente ambicioso. Foi numa esplanada com vista para o rio Douro que a ideia de ‘A Trama da Estrela’ surgiu. Esse foi o primeiro momento de vida de ‘A Trama da Estrela’ e o autor registou-o num vulgar guardanapo reciclado, temendo que a ideia se perdesse pelo tempo. Longe estava ele de saber que aquele pensamento não mais o largaria nos três meses seguintes. Audaz no conteúdo, sombrio por um lado, mas rebelde por outro, ‘A Trama da Estrela’ narra uma série de acontecimentos que sucede em vários países europeus. Aparentemente sem ligações entre eles, crimes violentos e estranhos, cujas motivações são desconhecidas, vão ocorrendo em várias cidades.

Paralelamente, três jovens, provenientes de nações distintas que contactam através da Internet, acabam por tropeçar nesta trama. Houve quem classificasse este livro como estando ao nível dos melhores do género e quem o considerasse como podendo ser lido por toda a gente, independentemente da idade, tal a versatilidade da escrita de Vasco Ricardo. ‘A Trama da Estrela’ pode ser encontrada à venda nos sites da editora, Wook e Bertrand, e terá distribuição física pelas lojas de todo o país a partir de Agosto.

A Tramada Estrela de Vasco Ricardo idade: 31 anos Edição/reimpressão: 2012 Páginas: 240 Editor: Pastelaria Studios Editora

Quem quiser pode consultar mais acerca do autor no seu blogue oficial: http://vascoricardo.blog. com


15


Eventos

Reciclar:

começa-se desde pequeno. Foi com muita alegria que as crianças de Dudelange desfilaram em favor do meio ambiente, e juntamente com os pais que todos se divertiram nesta festa de fim de ano especial. yrcea Pardal levou-nos a conhecer o projecto desenvolvido ao longo de 3 anos pelo Foyer Diddelfamill en Dudelange. Um espaço que se encontra numa zona que é mal vista por alguns mas

16

que dá provas da sua união e do seu empenho na construção de um mundo melhor. No que respeita aos mais pequenos, o projecto “Reciclar” tem vindo a ser desenvolvido de forma a poderem dar o seu pequeno contributo para o meio ambiente, não desperdiçando as matérias que, ludicamente, podem ser reutilizadas. Ao longo dos últimos anos foram desenvolvidas com as crianças do Foyer diversas actividades didácticas em prol do meio ambiente, desde criação de decorações interiores com jornal de papel, ou rolhas de plástico e de papel entre outros. Incutiram, igualmente, a utilidade de materiais, muitas vezes deitados simplesmente ao lixo, mas que com alguma imaginação podem ser muito úteis, como utilizar as caixas dos ovos como isolante sonoro. Para o culminar deste trabalho, Myrcea, Rachel e Andrée organizaram, com ajuda de algumas mães,

um desfile de moda com matérias recicláveis. Esta colecção era constituída por roupas em sacos de plástico furados, de rolos de papel, ou de papel jornal, camisolas em cápsulas de café, ou ainda de chapéus em embalagens de sumo. Todos os materiais foram reutilizados, mesmo as roupas que serviram de base para algumas das criações eram reutilizados. Esta colecção está em exposição no Centro de Migração Humana em Dudelange, de modo a que todos possam aperceber se de todas as coisas possíveis com um pouco de imaginários. Os projectos futuros deste centro ainda estão por definir, mas considera-se ponto importante no seu desenvolvimento a interacção com os pais.


Filipa Sousa

Leva consigo o calor do Algarve onde quer que vá, com a sua presença e a sua voz calorosas. cantora, que ficou conhecida publicamente na Operação Triunfo, mas localmente já tinha o seu cantinho no Algarve. Embora a sua voz se enquadre em diferentes estilos musicais, encantando ao som de todos os estilos, a sua alma fadista sobrepõe se a qualquer outro reportório. A experiência que viveu ao representar Portugal na Festival da Cançou começou com a descontracção própria de Filipa. De facto,

para ela é importante experimentar novos estilos, e, gostando do grupo e da música, por que não arriscar... A verdade é que o sucesso da música depressa se fez sentir, estando-lhe atribuído o peso de levar as cores de Portugal a Baku. E porque o Festival da Canção é muito mais do que um simples espectáculo, esta experiência exigiu de Filipa uma enorme disponibilidade e amor pela causa. Sendo uma cantora que não se cansa do que faz, com com a sua simpatia e o seu sorriso caloroso

que apresentou a música Vida Minha nos diferentes países da Europa. Em Baku foi considerada uma das músicas favoritas, mas ao contrário do esperado, não passou à final. Mas foi com muito orgulho que Filipa regressou, pois foi com amor e com o seu melhor que representou Portugal. Publicidade

17


Eventos

Um ano depois

A

25 de Junho de 2011 caía a notícia, Angélico sofreu um grave acidente de carro e encontra-se em estado grave. Em 28 de Junho veio a confirmar-se a morte do actor e cantor. A dor sentida durante esses dias foi intensa, muitos fãs e amigos fizeram questão de acompanhar Angélico nestes seus últimos dias no meio de nós. Angélico, apesar da sua fama, não era uma “Star”, era uma pessoa inteira que nos ensinava o verdadeiro sentido da palavra DAR. Ele dava sempre tudo, bens materiais mas dava da sua pessoa, num abraço, num olhar, num sorriso. Sempre com um sorriso na cara conseguia detectar um olhar triste no meio da multidão, o que fazia que, sem dar conta, por vezes, surgisse do nada e fizesse qualquer rosto se iluminar em segundos. Sempre com a cabeça em cima dos ombros, vivia a vida ao máximo. Sabia que tudo na vida é efémero, pelo que tentava aproveitar da melhor forma tudo o que lhe era oferecido. Era um apaixonado pela vida, pelo que queria sempre mais. Por isso

18

hoje, quando falamos de Angélico, relembramos o seu mote “Eu acredito”, porque realmente foi o que mais marcou as pessoas que tiveram a oportunidade de privar com ele, porque como ele dizia, para os outros acreditarem em ti, tens de o fazer em primeiro, acreditar que tudo é possível, que os sonhos podem tornar-se numa realidade. Ele sentia isso de uma forma tão intensa que as pessoas à sua volta facilmente sentiam confiança em si e nas suas capacidades. Angélico era amigo dos amigos, mas também dos inimigos. Não gostava de ver ninguém chateado, nem gostava de conflitos, pelo que tentava sempre agradar a todos, fazendo a vontade a todos, mesmo se para isso tivesse de se prejudicar a si mesmo. Na sua última estadia no Luxemburgo, onde actuou no Fever em 2010, Angélico sentiu-se bem aqui, adorou o calor que sentiu por parte dos portugueses e gostou muito do país. Ele queria ficar mais uns dias por cá, e foi embora um pouco ao empurrão, mas com a promessa de cá voltar, o que não

conseguiu cumprir. Ele adorava carros, principalmente os carros de alta cilindrada. Não era o seu primeiro acidente. Errou ao não considerar a velocidade excessiva um perigo. Quanto ao acidente, ficou ilibado dos custos das vítimas e da auto-estrada, mas o processo Augusto Fernandes (dono do stand que emprestou o veículo a Angélico) – Filomena ainda decorre em Tribunal. Armanda, que também seguia no veículo, recuperou mas o seu estado mantém-se delicado. Um ano depois do seu desaparecimento, Angélico continua presente na vida de todos os que o puderam conhecer, sendo que ainda é difícil falar dele no passado, mas quando é recordado é sempre recordado com um sorriso.


partido sonhei com ele. Estava a

a ver? Ela é pequenina mas já

Comecei a agenciá-lo logo no

ser muito especial.

fazer-me uma festa na cabeça,

gosta de mim». Estávamos para

início dos Morangos com Açúcar

Tão especial que,

gesto que era muito frequente.

voltar no dia seguinte e ficámos

e, um dia, ele ia comigo e com

muitas vezes, che-

E, quando se foi embora, deixou

quatro dias. Eu dizia-lhe: «Angé-

o meu ex-marido

go a pensar que não

ao lado da minha cama uma

lico, temos que ir embora…» E

e comçou a

cantar

era deste mundo. Foi

caixa com um grande laço. Andei

ele respondia: «Vamos amanhã,

uma música

linda

muito tempo a pensar neste

Cris! Não vais deixar o preto aqui

que eu

“O Angélico era um

um ser que nos deu

sonho e depois percebi que

sozinho…»

nunca

parte das nossas vidas e,

aquele grande laço era a grande

Isto não é um comportamento de

tinha

depois, voltou para o lugar

amizade que nos unia, atada por

estrela! Não conheço ninguém

a que pertence.

um laço sem igual.

que faça coisas destas… Da

Era uma pessoa tão sensível,

mesma maneira que não

sempre tão preocupado com os

é um

o privilégio de fazer

Era uma estrela, mas

no carro

ouvido. «O que é isso,

outros… Numa

Angélico?» E ele disse que não era nada, que tinha inventado naquele comportamento de estrela o que ele fez

momento. Foi a primeira vez, de muitas, em que assisti a isso, a essa inspiração repentina,

com o Edmundo.

em que as canções lhe saiam

em que viajámos juntos fomos

O Angélico protegia-o imenso e

assim… Tinha um enorme talento

tamento de

ao Brasil, a Maceió, e uma

quis que eu o agenciasse. Mas,

e fazia tudo muito bem feito e

estrela. Gosta-

das primeiras coisas que nos

quando me falou nisso, eu disse-

sempre melhor. Queria sempre

va de falar com

disseram foi que tivéssemos

-lhe: «Angélico, o Edmundo está

aprender mais e por isso teve

toda a gente e,

muito cuidado com os bandos de

um bocadinho gordinho…». E ele

lições de canto e de dança.

muito especial-

crianças que andavam a pedir na

respondeu imediatamente: «Cris,

Era um amigo fantástico e

mte, com as

rua. Não valeu de nada, porque

não te preocupes que eu trato

dedicado. Numa fase muito

pessoas mais

um dia em que andávamos os

dele!» E tratou! Ia para o ginásio

complicada da minha vida, num

humildes. Quan-

dois a passear, um grupo desses

com o Edmudo e punho a

dia em que eu estava especial-

do ia à agência,

meninos de rua veio ter connos-

malhar enquanto ele ia para o

mente mal, o Angélico veio de

ficava que tempos

co e o Angélico começou logo a

bar fazer telefonemas e comer.

Lisboa, de propósito, para estar

a falar com o

conversar com eles. Quando dei

Depois ligava-me:

comigo, para me ajudar. Isso é

Carlos, o velhote

por isso, já andávamos com os

«Cris, o Edmundo está ali a

inesquecível…

que é arrumador

miúdos de loja em loja

malhar e eu vim comer qualquer

Foi um ser muito especial que

de carros lá da

e o Angélico a comprar-lhes

coisinha porque tenho que me

passou pelas nossas vidas…

rua. Levava-o a

roupa. Depois, foi com eles para

alimentar», e ria-se…

penso muito nisso e penso

lanchar ao café,

a praia, tocou viola e cantou para

Não o deixava beber refrigeran-

muito numa coisa que o Angélico

cantava para

eles e, no fim do dia, fomos os

tes nem comer porcarias. Mas o

fazia muitas vezes: punha-se de

ele… Durante o

dois jantar com aquelas crianças

Edmundo ficou com aquela figu-

joelhos, com os braços abertos e

tempo em que o

ao melhor restaurante da cidade.

raça que hoje tem e vinham aqui

a olhar para o céu e parecia que

Angélico esteve

Aqueles meninos

os dois e o Angélico dizia-lhe:

deixava de estar aqui. Tínhamos

nunca tiveram um dia tão feliz e

«Edmundo, levanta a t-shirt e

de o chamar porque ele não

esse, tenho a certeza, também

mostra essa barriga de chocolate

estava cá… Vi-o fazer isso várias

foi um dia muito feliz para o

à Cris!». «Mas o Edmundo não

vezes e, uma vez, perguntei-lhe:

Angélico.

tem barriga de chocolate que ele

«Acreditas em Deus, Angélico?»

Disse-

Estava sempre a pensar nos

não é moreno como tu.».

E ele respondeu: «Claro que

-me,

outros e não poupava esforços

«A dele é de chocolate braco».

acredito em Deus! Não andamos

depois,

para os fazer felizes. Quan-

Nunca rec

cá sozinhos».

que tinha

do íamos para o Algarve, ele

sava uma

Disse-me muitas vezes: «Gosto

ficado a

parava sempre numa estação de

presença e, às vezes, não queria

tanto de ti!» e eu vivo com a

rezar…

serviço a meio do caminho para

que eu cobrasse o cachet porque

enorme amargura de nunca lhe

O Angé-

ir cumprimentar a cozinheira. A

as pessoas que o convidavam

ter dito o quanto gostava dele.

lico era

senhora era fã dele e o Angélico

eram amigas dele. E eu tinha de

O quanto ainda gosto. Amava-o

assim,

era incapaz de ir para o Algarve

o lembrar que aquilo fazia parte

como a um irmão e só me dei

fazia

sem parar ali, entrar na cozinha

do trabalho dele e que quem o

conta disso quando ele partiu…”

amigos

e ir dar beijos e abraços àquela

convidava também tinha ganho

nunca teve compor-

no hospital o Carlos não apareceu por aqui.

das vezes

por onde

senhora. Numa dessas viagens

dinheiro, que era uma questão

passava.

ao Algarve, conheceu um polícia,

de princípio e ele respondia-me:

Pouco

a mulher e a filha e ficou logo

«Mas eles são tão meus amigos,

(poema)

depois

amigo deles. Pegava na miúda

Cris. Até tenho vergonha de ter

Cristina Paiva

de ele ter

ao colo e dizia-me: «Cris, estás

cobrado o cachet…».

Agente de Angélico Vieira

19


Eventos

Cidade dos Jogos Olímpicos jogos olímpicos serão seguidos dos Jogos Paraolímpicos de Verão de 2012, que se realizarão entre 29 de Agosto e 9 de Setembro. Toda a publicidade em volta destes jogos promete um evento memorável, tendo por base o slogan Inspire a Generation (Inspirando Uma Geração). De notar que este ano estarão ausentes Naide Gomes, Francis Obikwelu and Rui Silva devido a lesões. No entando, o comité português estará presente em 13 modalidades, desde o ciclismo, atletismo, natação, badminton ou judo, entre outros. De volta ao passado: Londres foi a primeira cidade a sediar oficialmente os Jogos Olímpicos da Era Moderna

20

por três vezes - as anteriores foram em 1908 e 1948. Os Jogos Olímpicos da Antiguidade eram um festival religioso e atlético da Grécia Antiga, que se realizava de quatro em quatro anos no santuário de Olímpia, em honra de Zeus. A data tradicional atribuída à primeira edição dos Jogos Olímpicos é 776 a.C. Originalmente, os Jogos Olímpicos da Antiguidade foram realizados em Olímpia, na Grécia, do século VIII a.C. ao século V d.C. No século XIX, o Barão Pierre de Coubertin fundou o Comitê Olímpico Internacional (COI) em 1894. O Lema Olímpico Citius, Altius, Fortius (Mais rápido, Mais alto, Mais forte) foi proposto pelo Barão Pierre de Coubertin quando da criação do Comitê Olímpico Internacional em 1894

O Comité Olímpico de Portugal (COP) desenvolveu um pin para assinalar a sua participação nos Jogos Olímpicos. Este pin, para além de assinalar a presença de Portugal nos Jogos Olímpicos Londres 2012, presta homenagem ao país organizador, através da utilização de um dos símbolos nacionais ingleses, a Rosa. A forma escolhida obedece à linguagem arrojada como foi criado o logótipo para os Jogos de 2012, através da estilização de formas, propondo-se à construção de uma rosa muito particular. Para tal, foi utilizado como elemento de

referência a Cruz de Cristo presente no símbolo do COP. As mascotes que são a imagem de marca denominam-se Wenlock e Mandeville são animações feitas para representar duas gotas de aço polido que foram utilizadas para a construção do Estadio Olímpico de Londres. As mascotes têm apenas um olho e uma luz amarela na cabeça inspirada pelos taxis de Londres.


Missão Londres 2012

Qualificações Olímpicas

Modalidade

Atleta ou Quota COP Vera Santos Inês Henriques Ana Cabecinha Jéssica Augusto

Data e Local

Alberto Paulo Rui Pedro Silva Irina Rodrigues João Almeida Clarisse Cruz Jorge Paula Vânia Silva Edi Maia Vera Barbosa Arnaldo Abrantes

1.29.55 1.30.29 1.31.08 2.24.33 2.26.30 31.33.42 15.11.97 31.39.11 2.25.04 20.89m 8,34m 14,42m 4,50m 3h45,17 1h22,11 8.22,41 2.12.15 62,91m 13,47 9.40,30 49,72 69,55m 5,64m 55.81 20.61

Telma Santos Pedro Martins

Singulares Femininos Singulares Masculinos

36º do Ranking de Apuramento Olímpico 32ª do Ranking de Apuramento Olímpico

Teresa Portela

K1 200m K1 500m

6º Campeonato do Mundo 6º Campeonato do Mundo

21/08/2011 Szeged, HUN 20/08/2011 Szeged, HUN

Sara Moreira Marisa Barros Marco Fortes Marcos Chuva Patrícia Mamona Maria Leonor Tavares João Vieira

Badminton (2)

Método de Qualificação

20km Marcha 20km Marcha 20km Marcha Maratona Maratona 10.000m 5.000m 10.000m Maratona Lançamento do Peso Salto em Comprimento Triplo Salto Salto com Vara 50km Marcha 20km Marcha 3.000m Obstáculos Maratona Disco 110m Barreiras 3.000m Obstáculos 400m Barreiras Lançamento do Martelo Salto com Vara 400m Barreiras 200m

Dulce Félix

Atletismo (22)

Prova

Joana Vasconcelos Beatriz Gomes Fernando Pimenta Emanuel Silva Fernando Pimenta Emanuel Silva Teresa Portela Joana Vasconcelos Beatriz Gomes Helena Rodrigues

09/04/2011 Rio Maior 01/05/2011 Sesto san Giovanni, ITA 20/03/2011 Lugano, SUI 17/04/2011 Londres, GBR 17/04/2011 Viena, AUT 02/04/2011 Pontevedra, ESP 09/06/2011 Oslo, NOR 04/06/2011 Oslo, NOR 20/02/2011 Yokohama, JPN 11/08/2011 Copenhaga, DEN 09/08/2011 Tallin, EST 31/07/2011 EU Lisboa 29/07/2011 Albi, FRA 04/03/2012 Pontevedra, ESP 13/05/2012 Saransk, RUS 29/08/2011 Daegu, KOR 15/04/2012 Viena, AUT 20/05/2012 Halle, GER 09/07/2012 Lisboa 28/06/2012 Helsínquia 01/07/2011 Albertville, FRA 29/05/2011 Vila Real Sto. António 26/02/2012 Pombal 16/07/2011 Ostrava, CZE 03/07/2011 Chaux-de-Fonds, FRA

K2 500m

Participação por via da qualificação do K4 500m

18/05/2011 Szeged, HUN

1º Evento de Qualificação Europeia

17/05/2012 Poznan, POL

K2 200m

Inerência pela Qualificação no K2 1000m

17/05/2012 Poznan, POL

K4 500m

7º Campeonato do Mundo

18/08/2011 Szeged, HUN

David Rosa Nelson Oliveira Manuel Cardoso Nelson Oliveira Rui Costa

BTT Contra-relógio

25º Ranking UCI de Qualificação Olímpica

Ranking de Nações de 23 de Maio 2012

Equestre (2)

Luciana Diniz Gonçalo Carvalho

Salto de Obstáculos Individual Ensino Individual

Ginástica (4)

Manuel Campos Zoi Lima Diogo Ganchinho Ana Rente

Artística Masculina Artística Feminina Trampolim Masculino Trampolim Feminino

39º no Evento Teste (2ª Prova de Qualificação) 67º no Evento Teste (2ª Prova de Qualificação) 8º no Evento Teste (2ª Prova de Qualificação) 3º no Evento Teste (2ª Prova de Qualificação)

Judo (4)

João Pina Telma Monteiro Joana Ramos Yahima Ramirez

-73kg -57kg -52kg -78kg

11º Ranking Mundial 3º Ranking Mundial 13º Ranking Mundial 22º Ranking Mundial (Quota Continental)

200m Estilos 400m Estilos 200m Mariposa 200m Costas 100m Bruços 200m Livres 100m Mariposa 100m Bruços 100m Mariposa 200m Mariposa 10km Águas Abertas

1.59.51 4.18.08 1.58,50 1.59.72 1.01.19 1.49,44 52,95 1.09,92 59.19 2.10,96 9º Evento de Qualificação Olímpica

07/04/2011 Eindhoven, NED 31/07/2011 Xangai, CHN 14/08/2011 Schenzen, CHN 25/05/2012 Debrecen, HUN 21/05/2012 Debrecen, HUN 03/03/2012 Londres, GBR 07/04/2011 Eindhoven, NED 05/04/2012 Coimbra 09/04/2011 Eindhoven, NED 03/03/2012 Londres, GBR 10/06/2012 Setúbal

Pedro Fraga Nuno Mendes

LM2x

10º Campeonato do Mundo

04/09/2011 Bled, SLO

João Pedro Monteiro Marcos Freitas Tiago Apolónia Lei Mendes

Singulares Singulares Equipas Singulares

Vencedor Poule Torneio Europeu de Qualificação Vencedor Poule Torneio Europeu de Qualificação Vencedor Torneio Mundial de Qualificação 8º Torneio Mundial de Qualificação

13/04/2012 Kirchberg, LUX 13/04/2012 Kirchberg, LUX 13/05/2012 Doha, QAT 13/05/2012 Doha, QAT

Pistola Ar Comprimido 10m Pistola Livre 50m Pistola Ar Comprimido 10m Pistola 25m

6º Campeonato do Mundo 03/08/2010 - Munique, GER Inerência por qualificação na prova de Pistola Ar Comprimido 10m 11º Campeonato do Mundo 19/02/2012 - Vierumaki, FIN Inerência por qualificação na prova de Pistola Ar Comprimido 10m

Ciclismo (4)

Diogo Carvalho Pedro Oliveira Natação (8)

Carlos Almeida Tiago Venâncio Simão Morgado Ana Rodrigues Sara Oliveira Arseniy Lavrentyev

Remo (2)

Ténis de Mesa (4)

João Costa Tiro (2) Joana Castelão

Prova de Estrada

3º Europe Tour

Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo A Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B

Ranking de Apuramento Olímpico de 3 de Maio de 2012

K2 1000m

Canoagem (6)

Observações

Ranking de Nações de Novembro 2011

Ranking de Apuramento Olímpico de 1 de Março de 2012 10/01/2012 Londres, GBR 11/01/2012 Londres, GBR 13/01/2012 Londres, GBR 13/01/2012 Londres, GBR

Ranking Mundial de 8 de Maio de 2012

Triatlo (2)

João Silva Bruno Pais

Individual Masculino Individual Masculino

11º Ranking de Apuramento Olímpico 32º Ranking de Apuramento Olímpico

Laser Radial RS:X Feminino Laser RS:X Masculino

29º país no Campeonato do Mundo 27º país no Campeonato do Mundo 22º no Campeonato do Mundo 8º país no Campeonato do Mundo

Star

10º país no Campeonato do Mundo

17/12/2011 Perth, AUS

Vela (13)

Sara Carmo Carolina Borges Gustavo Lima João Rodrigues Afonso Domingos Frederico Melo Francisco Andrade Bernardo Freitas Álvaro Marinho Miguel Nunes Rita Gonçalves Diana Neves Mariana Lobato

49er

14º país no Campeonato do Mundo

18/12/2011 Perth, AUS

470 Masculino

13º país no Campeonato do Mundo

11/12/2011 Perth, AUS

Match Racing Feminino

9º país no Campeonato do Mundo

13/12/2011 Perth, AUS

Mínimo A Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B Mínimo B

Ranking de Apuramento Olímpico de 8 de Junho de 2012 11/12/2011 Perth, AUS 29/03/2011 Cádiz, ESP 10/05/2012 Boltenhagen, GER 18/12/2011 Perth, AUS

TOTAL MODALIDADES 13

TOTAL ATLETAS MASCULINOS 42

% ATLETAS MASCULINOS 56

TOTAL ATLETAS 75

TOTAL ATLETAS FEMININOS 33

% ATLETAS FEMININOS 44

21


Exclusivo

“Quero estar presente na realidade, conhecer as pessoas pessoalmente”

M

aria Rita Ferro acolheu o C.A.S.A. Magazine na Embaixada de Portugal no Luxemburgo com a sua boa disposição, apesar de uma agenda preenchida. Em conversa, a embaixadora explicou-nos que o motivo da sua chegada tardia ao Luxemburgo “tem a ver com uma certa reorganização da rede diplomática portuguesa, pensou-se que embaixadas conservar e, portanto, não fazia sentido estar a nomear pessoas, mas só depois de concluído como é que ficaria a rede definitivamente reorganizada, por isso é que houve um hiato mais longo do que o habitual, mas nunca esteve em causa fechar o consulado como se disse”, e “porque com o peso da comunida-

22

de aqui e a sua importância não fazia sentido” ser de outra forma, acrescenta. Contrariamente ao que se ouviu, Maria Rita Ferro esclarece que “houve realmente um órgão de comunicação social que tentou entrevistar-me enquanto embaixadora aqui no Luxemburgo quando ainda estava em funções na embaixada da Tunísia e tendo eu dito que não podia ser entrevistada fez como se eu tivesse sido entrevistada, tornaram uma entrevista de contexto escolar numa pseudo entrevista”. Atitude que incomodou a Embaixadora por não respeitar a ética do jornalismo e porque não pode “dar entrevistas nem aparecer em cerimónias oficiais enquanto não apresentei as cartas que me acreditam e não tem nada a ver com proce-

dimentos portugueses, tem a ver com procedimentos diplomáticos que se aplicam em todos os países do mundo; se tivesse dado uma entrevista enquanto embaixadora no Luxemburgo sem o ser ficaria mal perante as autoridades portuguesas, as autoridades luxemburguesas e a Tunísia, país onde exercia funções”. Confrontada com a questão das críticas ao funcionamento do Consulado devido, ao tempo de espera, à falta de motivação por parte de funcionários ou à perda de tempo por assuntos que se revelam impossíveis de tratar no dia, Maria Rita Ferro constata que “no atendimento também não sabem o que as pessoas vêm tratar, porque o sistema tem várias vertentes, o sistema normal e o sistema, por exemplo, dos passaportes e bilhetes de entidade que é um sistema especial”. Quanto ao cartão do cidadão que demora muito tempo a chegar “os dados são aqui colhidos mas o cartão não é aqui feito, a demora não tem nada a ver com o consulado, as vezes tem a ver com o envio, as vezes com a informática” explica. “Hoje em dia os bilhetes de entidade como os passaportes são objectos que tem de ter dispositivos de segurança muito sofisticados porque senão qualquer um pode fazer, é como as notas de euro, não se podem fazer aqui”. Maria Rita Ferro fala-nos da

sua chegada ao Luxemburgo e das suas primeiras impressões. Confia que “não custa, a única coisa que custa é a mudança de clima, eu devo dizer que não estava a espera de encontrar, nas autoridades luxemburguesas, tanta abertura, tanto calor, tão bom acolhimento, espontaneidade, franqueza; é uma coisa que me tem impressionado positivamente. Estou encantada. É a primeira vez em que estou num pais em que um quinto da população é portuguesa, ir às compras e ouvir falar português, para mim era uma raridade, mas já percebi que faz parte da vida quotidiana. Depois gosto da cidade, é bonita, limpa, organizada, a vida aqui é muito fácil e portanto tem sido uma boa surpresa”. O tempo em que esteve no Luxemburgo sem poder participar nas festas oficiais permitiu-a ler, informar se sobre o país e o funcionamento da embaixada e do consulado. Mais, no pouco tempo que está no Luxemburgo, percebeu a posição da comunidade portuguesa no Luxemburgo e a situação deste país na União Europeia “tudo se passa, há muito teatro, muita cultura, muito cinema e música de todos os sítios do mundo, o papel do Luxemburgo é realmente muito importante na Europa, que está em movimento, é muito importante o que se faz ou o que


se diz aqui. Entre os membros do governo há em primeiro um conhecimento da importância da comunidade, depois o reconhecimento de que a comunidade é uma comunidade trabalhadora esforçada, honesta, que não cria problemas e, depois, há também uma grande atenção àquilo que são algumas dificuldades específicas da comunidade portuguesa nomeadamente o problema da língua, é

uma questão difícil de se resolver mas todos estão muito conscientes disso”. Quanto a este ponto sensível que preocupa a Embaixadora admite que “a rede da cultura e do ensino do português devem ser reforçadas mas há que fazer um grande esforço para falar ao menos uma das línguas do país” É com tristeza e preocupação que a questão do

desemprego qualificado se resume a um “sinal de que são meninos que não tendo encontrado emprego prolongaram a sua vida escolar enquanto os pais podem para não estarem desempregados sem fazer nada”. Querendo ter um papel activo na comunidade Maria Rita Ferro deixa a seguinte mensagem “a embaixada e o consulado estão aqui atentos, receptivos a todas

as sugestões, a todos os contactos, tanto eu como o Dr. Rui Monteiro estamos abertos a contactar as pessoas para conhecermos a realidade, para podermos melhorar aquilo que seja de melhorar, para podermos representar condignamente o país e a comunidade na sua realidade, pedindo às pessoas que as queixas que tenham ou que pensem vir a ter que sejam queixas objectivas, concretas”.

23


Exclusivo

É o resultado do trabalho de três gerações.

F

oi em 1989 que a Quinta das Bágeiras iniciou o engarrafamento dos vinhos produzidos na exploração. Um vinho tinto – reserva 1987 – 3.º prémio nacional no 51.º concurso do IVV “O Melhor Vinho na Produção”, e um vinho branco, “Menção Honrosa” no concurso da Confraria dos Enófilos da Bairrada colheita 1989. O 2.º prémio nacional no concurso “Jovem Agricultor Português 1989” atribuído ao produtor foi o corolário do trabalho desenvolvido e do objectivo fixado por este produtor. Em 1990, assinalando a comemoração dos 100 anos do espumante na Bairrada, onde a Quinta das Bágeiras proporcionou uma prova experimental de espumante, tendo este servido como fermento impulsionador para novos engarrafamentos e para a apresentação de um novo projecto. Foi então, novamente, distinguido com o 2.º prémio nacional no concurso “Jovem Agricultor Português 1991”. Este novo projecto consistia na construção de uma cave que decididamente possibilitou o arranque definitivo para a produção de espumante.

24

A importante região vitivinícola via assim nascer uma nova CAVE, a primeira de há vinte anos atrás. Com todas estas distinções e investimentos , comseguiu chegar ao objectivo inicialmente traçado: “A QUALIDADE”. Passo a passo, e sempre com um forte espírito de equipa, a Quinta das Bágeiras aumentou e melhorou a área da

vinha, melhorando as condições da adega, com o intuito de produzir cada vez melhor. Em consequência deste esforço e dedicação, o produtor tem vindo a merecer, ao longo destes anos, elevadas notas por parte da crítica especializada, bem como a admiração dos consumidores. A Quinta das Bágeiras continua, como no início, a produzir apenas espumantes BRU-

TOS NATURAIS (sem adição de açúcar, pois a lei permite nos espumantes BRUTOS um máximo de 15 gramas de açúcar por litro), vinhos tintos fermentados em lagar, sem desengace, engarrafados sem qualquer colagem ou filtragem e vinhos brancos de grande longevidade. Com este estilo tradicional não procura uniformizar o vinho, pois a diversidade é a sua paixão. Como recompensa pelo seu percurso, este produtor foi premiado pelo Ministério da Agricultura, em 2004, com o título de “Agricultor do Ano em Portugal”. Esta exploração pretende continuar com os seus vinhos, espumantes e aguardentes a fim de prestigiar a nobre região demarcada, a “BAIRRADA”. A região da Bairrada está assim mais uma vez em grande destaque pelo mundo, desta feita nos Estados Unidos da América. De facto, a Quinta das Bágeiras aparece no top 100 WINERIES da Revista americana Wine&Spirits em 2011. Na base deste prémio estiveram as provas realizadas ao longo do ano pelo painel de especialistas da revista Wine&Spirits. Dois critérios estiveram na base da selecção das 100


melhores empresas a nível mundial: 1° Produtores cujos vinhos obtiveram individualmente as pontuações mais elevadas 2° E que na sua globalidade foram mais vezes recomendados pelo painel de provadores. Assim sendo, encontravam-se alguns vinhos da Quinta das Bágeiras, que obtiveram as seguintes classificações: Vinho branco colheita 1994, 96 pontos; Vinho branco garrafeira 2004, 95 pontos; Vinho tinto garrafeira 2005, 93 pontos; Vinho tinto garrafeira 2004, 91 pontos, (É de referir que a pontuação vai de 0 a 100 pontos). A Quinta das Bágeiras volta a ser notícia, pelas melhores razões, mas desta vez em Portugal. É um facto, a região não poderia ficar indiferente ao vinho “Garrafeira branco 2009” que foi considerado pelo conceituado crítico de vinhos português, Rui Falcão, “o melhor vinho do ano 2012”. No guia de vinhos que anualmente edita, Rui Falcão considerou nesta edição de 2012

(primeiro ano em que publica o capítulo dedicado ao Melhor Vinho do Ano) e depois de classificar 4300 vinhos, que o “Garrafeira branco 2009, da Quinta das Bágeiras” “se eleva, por direito próprio, ao ponto mais alto da hierarquia qualitativa dos vinhos portugueses”. Um branco que Rui Falcão considerou ser “impressionante em todos os sentidos, do nariz à boca, da finura à precisão”. Nos seus comentários, diz ainda que “a escolha recaiu sobre um vinho branco, curiosamente de uma das regiões menos estimada pelos portugueses” considerando a Quinta das Bágeiras “um dos guardiões das tradições da região”, responsável pela produção de “um número assombroso de vinhos excepcionais, repletos de carácter, repartidos equitativamente entre brancos e tintos”. O produtor Mário Sérgio Nuno, não nos pára de surpreender. Em homenagem a seu pai, lançou um vinho intitulado Quinta das Bágeiras

Pai Abel. Trata-se de um branco Bairrada apresentado na Revista de Vinhos de Janeiro. “Numa casa que nunca teve mais do que uma marca”, o lançamento de um novo vinho branco “trata-se, sem dúvida, de um acontecimento”, escreve a Revista de Vinhos. O Pai Abel “é um vinho que espelha o extraordinário percurso deste pequeno-grande produtor, cujo respeito pelo passado lhe abre, hoje, mais do que nunca, caminhos de futuro”. Abel Dias Nuno, com 74 anos, é o pai de Mário Sérgio Nuno que, em 1987, lhe propôs uma autêntica “revolução na vida familiar: deixar de fazer vinhos para vender para as Caves da região e começar a engarrafar com a marca da casa”. O desafio foi bem aceite. Após transformar a Quinta das Bágeiras numa marca de referência da Bairrada, vinte anos depois, Mário Sérgio “decidiu agradecer ao pai com um vinho”, pelo voto de confiança que o levou, aos 23 anos, ficar à frente do negócio. O vinho Pai Abel branco é um aperfeiçoamento do Quinta das Bágeiras Garrafeira branco iniciado na vindima de 2001. A este néctar a Revista de Vinhos atribuiu 18 valores. Considerado Boa Compra 2012, a nota de prova revela que se trata de um branco com “fruto seco e cozido num aroma profundo, com leve fumado e mineral, excelente prova de boca, estruturado, acidez muito firme, corpo gordo e solidez, leve tanino a dar secura, perfil sóbrio e muito sério”. A médio prazo, para o mercado, sairá o tinto Pai Abel 2009, “que já está dentro

da garrafa mas ainda muito nervoso para o gosto do produtor” Quinta das Bágeiras Fogueira 3780-523 Sangalhos GPS: 40.485172,-8.49932 Telefone: (+351) 234742102 Fax: (+351) 234738177 Web: www.quintadasbageiras.pt Email: quintadasbageiras@mail.telepac.pt

25


“Paparazzi Lux”

26


27


Futuro Associativo

Grupo Danças e Cantares Aldeias de Portugal

“Esta sedeado na vila de Steinfort no Luxemburgo, foi ideia de um casal habitante desta vila e oriundo da bela região de Lafões, S. Pedro do Sul, (Viseu). Formaram este grupo com a ideia de divulgar as raízes portuguesas e incutir, o gosto pela nossa cultura aos nossos jovens longe do nosso pais, precisamos de beber cultura e abstrairmo-nos do cotidiano rotinoso que vivemos. Este grupo foi fundado em 2002 na vila de Steinfort com os nossos compatriotas desta vila e vindos também de outras vilas com um gosto em comum, o gosto pelo folclore e os catares portugueses”.

C

28

omeçamos este

mos também a originalidade,

capa de burel tradicional nesta

grupo com um grupo

procuramos que ao nos verem

região muito fria da beira alta a

de cantares que

identifiquem cada região por

dita Capucha.

pouco tempo depois

menos conhecida que seja, ten-

Não podíamos de deixar de

caiu por terra com a

tamos sempre dar a conhecer e a

representar o tão vistoso traje de

formação do gruo folclórico que

divulgar os trajes mais pitorescos

Viana e a mordoma minhota, a

preciste com altos e baixos mas

nos quais se enquadram, a linda

peixeira abastada de Aveiro, o tra-

com muita força de vontade de

nazarena das 7 saias com o seu

je da gandaresa de Cantanhede

vencer.

pescador ambos descalços, o

Como o próprio nome o diz, re-

folegar campino com a sua meia

presentamos aldeias de Portugal,

de renda e a sua vara e a sua

tentamos ser genuínos nos trajes

companheira com a linda saia de

das diferentes regiões e também

favos bem vermelha, a tricana de

na danças.

Coimbra com o seu xaile traçado

Por cá já passaram alguns

e o tradicional estudante de

ensaiadores de várias regiões

Coimbra com a sua capa praxa-

de Portugal o que fez com que

da, o lindo traje domingueiro da

este grupo tenha influências

mulher de Lafões, não esque-

musicais de várias regiões,

cemos também de representar

vamos procurando diversificar

a nossa linda ilha da Madeira

as nossas danças para que os

com o seu traje inconfundível, o

nossos compatriotas radicados

pastor da serra de Montemuro

no Luxemburgo das diferentes

com a sua croça (capa de palha)

regiões revejam neste grupo

e o seu cajado e a pastora com

recordações da sua infância das

a cesta da merenda com o

aldeias onde viveram, sejam elas

guedelho da lã de ovelha para

no sul ou no norte.

fiar pelos montes com a roca e o

Nos nossos trajes procura-

fuso, acompanha a sempre a sua


contacto mais próximo com os

No fim da desfolhada estende- se

grupos, mas também nos redo-

a toalha de linho e divide-se a

brava a organização e trabalho.

merenda que a dona do milho

O receio de alguma insatisfação

oferece e que é sempre muito

dos membros, decidimos fazer

apetitosa. Com joaquinzinhos

um esforço financeiro crescido,

fritos, marmelada, presunto e não

para que todos tenham o mesmo

esquecendo uma boa broa de

tratamento que para nós é muito

milho e vamos partilhando esta

importante que todos os mem-

merenda com quem nos está a

bros dos grupos convidados vão

ver e a aplaudir, é sem duvida o

de cá satisfeitos, o que penso

momento alto desta festa.

que temos conseguido pois todos

Merenda comida o grupo

os grupos nos querem retribuir os

prepara-se para presentear os

miminhos.

presentes com uma atuação com

Acabei de vos falar de uma festa

as danças e cantares habituais

muito importante para nós , se

com o senário do milho no meio.”

e entre outros fatos de trabalho e

Falando de dançarinos, somos

não a mais importante, mas não

também domingueiros aqui não

em média sessenta, em alturas

quero deixar de salientar outra

referidos.

a estarmos perto dos setenta e

festa também muito enriquecedo-

Temos um que desperta todas

outras dos cinquenta, mas há

ra para nós e para todos aqueles

as atenções, que é um traje que

sempre uma boa média de mem-

que a presenceiam, a nossa

remonta ao tempo dos romanos

bros, pois o grupo não são só

DESFOLHADA.

e que é genuíno e original da

os dançarinos, compõe-se pela

Somos o grupo pioneiro nesta

beira litoral, o par dos sargaceiros

tocata, o coro os cantadores so-

festa, e único a fazer esta repre-

de Apúlia, a mulher com a sua

listas e também algum figurinos.

sentação no Luxemburgo. Pelo

carrela para transportar o sargaço

Todos são importantes para que

mês de Setembro ou Outubro,

que o homem vai buscar ao mar

se possam fazer boas atuações,

costumamos fazer numa sala de

com o seu galhapão ( rede com

que têm sido por este pais fora e

festas a DESFOLHADA, e passo

cabo enorme) e trajado com uma

até alem fronteiras.

a descrever. Iniciamos com um

espécie de vestido (Branqueta)

Nestes poucos anos de vida, já

jantar tipicamente português e

curto de lã muito grosso para

fomos até Paris duas vezes, a

em seguida passamos a uma

fazer frente às águas frias do mar

Alemanha e já passamos as fron-

simbólica representação de uma

do norte.

teiras várias vezes com o nosso

desfolhada como antigamente

Sendo a nossa ultima aquisição

grupo também para a França e

nas aldeias. Com um monte de

também se tornou um pouco a

Bélgica. Em Portugal no mês de

milho já à espera, lá nos vamos

nossa mascote conjuntamente

agosto, mês em que a maioria

aproximando, entoando cantigas

com o par de pastores com a cro-

faz férias no nosso país, todos

alusivas e já apostos lá vamos

ça e a capucha da serra do Mon-

os anos temos sido convidados

desfolhando o milho cantando

temuro ( Castro Daire ; Lamego

para atuar em diferentes regiões.

e brincando como se fosse na

) e também o par dos fogaceiros

Jà estivemos em Carreiras de São

Eira, lá estão as crianças de volta

da região do vale do Zêzere (

Miguel ( Vila Verde 2006), Valdreu

a saltar a corda a saltar com as

Maçãs de Dona Maria ; Alvaiázere

( Vila Verde 2007) , Candal ( São

bonecas de trapos ou os rapazes

). A particularidade deste traje é

Pedro do Sul 2008), São Martinho

a jogar as pedrinhas e ao pião.

que a mulher leva à cabeça um

de Gandra ( Ponte de Lima 2010),

A dona do milho também anda de

tabuleiro de andares engalana-

Maçãs de Dona Maria ( Alvaiázere

roda a dar de beber o saboroso

do e rechiado de produtos das

2011) e para este ano de 2012 es-

vinho pela malga em forma de

colheitas de todo o ano, em

tamos também convidados para

agradecimento, pelo trabalho

forma de agradecimento à Santa

Carvalhais - Maiorca ( Figueira

prestado e nem faltam os se-

padroeira pela boa produtividade

da Foz) .

randeiros de volta das raparigas

do ano. No dia da festa desfilam

Alguns destes convites são

solteiras escondidos em mantas

dezenas de fogaças engalana-

intercâmbios, outros não. Inter-

de trapos para que os pais destas

das de várias cores à cabeça na

câmbios porque todos os anos

não os reconheçam e não corram

procissão, promessas das gentes

fizemos um festival de folclore

com eles. Em quanto os pais e os

desta terra.

que para o qual convidamos um

amigos desfolham o milho e se

Como acabaram de ler neste

grupo folclórico vindo de Portu-

divertem trabalhando ao mesmo

depoimento ainda estamos longe

gal, e do qual guardamos sempre

tempo. Quando encontram o

de representar todas as nossas

boas recordações. Fazemos la-

milho rei ( Espiga vermelha ), que

regiões, mas como responsável

ços de amizade e acolhemos com

alegria, lá vão correndo a roda a

pela pesquisa dos trajes, espero

muita generosidade. Começamos

cumprimentarem-se se for rapaz

encontrar mais regiões e dançari-

por os acolher em nossas casas

cumprimenta as raparigas, se for

“Biografia da autoria do

nos para as representarem.

o que nos dava muito prazer e um

rapariga cumprimenta os rapazes.

Grupo de danças e cantares de Portugal”

29


Lazer

Viajar pelo oriente sem sair do Luxemburgo

A comida asiática é apreciada por de muitos e desperta, cada vez mais, a curiosidade dos aventureiros de sabores

W

asabi é um restaurante familiar e acolhedor. Especialistas na comida asiática, aqui podemos encontrar comida japonesa, chinesa, tailandesa, entre outros. Tang Wing Cheong, proprietário e chef, começou a sua carreira relativamente cedo. Procurou ter alguma experiência na pastelaria japonesa, mas foi nos pratos tradicionais que encontrou o seu bem-estar. Tendo começado, no Luxemburgo, na abertura de outro restaurante, foi mais tarde que, com um associado, abrir o seu restaurante em Roodt. Sendo aberto em 2002, o Wasabi hoje é gerido por Tang Wing Cheong e a sua esposa Fátima Cerqueira Fernandes que seguem esta via de forma natural e com muito sucesso. O restaurante, hoje localizado na rua de Remich, em Moutfort, recebe os seus cliente de forma calorosa e inspiradora. Um ambiente próprio da cultura que este restaurante promove. Fátima confia-nos que “o que faz mais sucesso é o sushi, mas temos mais escolhas que também são do agrado dos nossos clientes”, e, de facto, um

30

menu completo, partindo desde diárias a 10€ com uma escolha diversificada, a um menu à carta ainda assim acessível. Naturalmente, na hora de almoço os clientes habituais são directamente relacionados com as horas de almoço, no entanto, à noite e ao fim de semana, o restaurante tem como principal clientela um leque de nacionalidades diferentes, vindas de partes diferentes, mas essencialmente luxemburgueses e franceses, alguns, como nos confia Fátima, fazem quilóme-


tros para poderem aproveitar destas iguarias. Sendo, portanto, necessário e aconselhável reservar antes de se deslocar. O restaurante também conta com eventos, como aniversários, jantares de empresa ou despedidas de solteiro, sendo possível organizar uma festa privada na sua sala tipicamente japonesa. Um espaço que encanta os apaixonados da cultura asiática. Para esses momentos, o chef disponibiliza um menu à escolha bem como faz um bolo de frutas que, segundo clientes, é um sucesso.

O restaurante permite-lhe, assim, passar um momento agradável, relaxante e de muito conforto na companhia de uma equipa jovem, fresca e muito profissional.

104 Rue de Remich L-5330 Moutfort (Mutfert) LUXEMBOURG Tél. : 35 72 81 Fax : 26 35 04 20 www.wasabi.lu 31

31


Lazer

A modalidade do Verão, ciclismo O Tour de França, seguido por milhares de adeptos é a prova mãe do ciclismo. Para a comunidade luso no Luxemburgo é a modalidade que os Luxemburgueses mais seguem, mas é, também, uma forma de antecipar a Volta a Portugal.

O

Tour que este ano começou em Liège a 30 de Junho de 2012, e termina pela etapa mítica em Paris a 22 de Julho de 2012. Sendo que a Gala terá lugar no Luxemburgo dia 5 de Agosto, um dia de folia em que os adeptos conseguem aproximar os seus atletas favoritos. Vários são os motivos de orgulho para os luso luxemburgueses, não só pelo facto de que ser um orgulho luxemburguês ter muitos bons atletas a representá-los (algo que este ano não se verifica, sendo Franck Schleck o representante do país), mas porque estão presentes dois atletas portugueses: Rui Costa da, da equipa Movistar, e Sérgio Paulinho, da

32


A Camisola branca com pontos vermelhos identifica o melhor trepador. Os pontos de contagem para a classificação de montanha são atribuídas com base da ordem passagem na parte superior das subidas. A camisola branca identifica o primeiro corredor jovem até 25 anos de idade na classificação geral. O dorsal amarelo é usada pelos líderes da classificação geral da equipa (total de tempo dos primeiros três corredores em cada etapa). equipa Saxo Bank. No entanto esta modalidade tem a sua complexidade para aquele que não segue todas as corridas, nem a modalidade em si, e neste momento em que ciclismo é o desporto corrente, perceba as cores atribuídas ao longo do Tour: A Camisola amarela premeia o líder da classificação geral, calculado pela soma dos tempos obtidos em cada etapa bem como quaisquer bonificações ganhas nos sprints intermédios ou linha chegada.

O dorsal vermelho é concedido no final de cada etapa por um júri composto por oito especialistas em ciclismo. O prémio “super-combativo” é designado após a última etapa do Tour ao melhor ciclista combativo da corrida. A volta a Portugal terá início em 15 de Agosto de 2012, em Castelo Branco, e termina em 26 de Agosto de 2012, em Lisboa. www.volta-portugal.com

www.letour.fr

A Camisola verde identifica o líder da classificação por pontos. Os pontos em questão são concedidos de acordo com a ordem de passagem nos sprints intermédios e na linha de chegada.

33


Cada Caso  É Um Caso.

A

FINAL O QUE ÉA PSICOLOGIA : Como

perceber o trabalho de um psicólogo ? O artigo deste número pretende ser um pouco diferente dos anteriores, visto que cada vez mais se fala de psicologia. Mas o que é ? E qual é o trabalho de um psicólogo e as àreas onde este pode intervir ? A psicologia não é mais uma « modernice » que só apareceu agora. O primeiro laboratório de psicologia científica data de 1879, na Universidade de Leipzig na Alemanha. Quantas vezes já desejámos perceber porque é que aquela pessoa, que aparentemente conhecemos tão bem, reagiu de uma maneira tão inesperada? Ou, pelo contrário, voltou a incorrer no mesmo erro depois de já ter saboreado o seu amargo resultado vezes sem conta? Quantas outras vezes nos questionámos acerca de nós próprios, do porquê de nos sentirmos desta ou daquela forma ou de termos reagido assim e não “assado”? E a diferença intrigante na maneira como uma pessoa age quando está sozinha em comparação com as situações em que está com outras pessoas? Já para não entrar no campo das relações amorosas e familiares... quantas e quantas interrogações já

34

tivemos no que toca às relações com os outros? A Psicologia é uma ciência que tem como objectivo dar resposta a estas e muitas outras questões. De uma forma muito simplista, podemos definir a psicologia como a ciência que estuda o comportamento, procurando princípios gerais que o expliquem. A Psicoterapia pode, realmente, lhe trazer muitos benefícios, mas é importante que se saiba que isso leva tempo e exige esforço e disciplina do paciente. É um processo muitas vezes doloroso, mas que traz como recompensa o amadurecimento, crescimento e desenvolvimento pessoal. A procura pelo auxílio de um psicólogo pode se dar pelos mais diversos motivos que vão desde problemas emergenciais muito bem focalizados, orientações e esclarecimentos, dificuldades existenciais ou mesmo pela busca de autoconhecimento. Entre tais motivos podemos destacar: - Perdas (de um ente querido, emprego, separação conjugal, etc). - Problemas de relacionamento interpessoal com a família, amigos, colegas de trabalho, cônjuge... - Timidez - Depressão - Stress - Insegurança - Dificuldades Afetivas - Incapacidade para lidar com mudanças - Fobias - Pânico - Alterações frequentes de humor - Perturbações de ansiedade - Perturbações obsessivo-compulsivo - Perturbações alimentares

(anorexia ; bulimia) - Problemas sexuais - Doenças psicossomáticas - Problemas de aprendizagem - Orientação vocacional - Crises de transição das fases da vida como adolescência, maturidade, envelhecimento, etc Quanto mais cedo se procura ajuda, mais cedo se diagnostica e se trata o problema. E cada caso é um caso diferente. O psicólogo vai escutá-lo e ajudá-lo a identificar suas dificuldades e necessidades, a refletir a respeito delas e de suas causas criando meios para tratar estes conflitos, gerando, assim modificações positivas na sua vida. Alguns benefícios que um bom processo psicoterapêutico poderá trazer: - De início, pode-se dizer que o simples compartilhar desses conflitos já ajuda a aliviar a pressão causadora de sofrimento. - Em seguida, durante o processo psicoterapêutico, você passará a compreender progressivamente seus conteúdos internos e suas atitudes. Assim, poderá ver as coisas por outros ângulos e compreender o que antes era desconhecido para si mesmo. - Será mais fácil, por exemplo, perceber de que forma e em que intensidade se deixa atingir pelo seu ambiente, pelas pessoas ou por sua história de vida. - Proporcionará analisar com maior clareza de que maneira você leva a vida, como lida com seus limites, sentimentos, frustrações. - Aumentará sua percepção a respeito das suas qualidades positivas e negativas de forma a poder utilizá-las mais a seu favor.

- Auxiliará na modificação de comportamentos e hábitos prejudiciais. - Favorecerá a libertação de sentimentos indesejáveis, ilusões, racionalizações e equívocos sobre si mesmo e sobre os outros. - Resgatará a auto-estima. - Permitirá a tomada de decisões mais conscientes para sua vida porque ampliará a visualização de outras possibilidades. - Ajuda a promover a quebra do círculo vicioso de comportamentos padrão, sentimentos, pensamentos e atitudes que você insiste em repetir e nem se dá conta. - Ajudará a lidar com as insatisfações e frustrações. - Cuidará de problemas específicos que o estão a incomodar, entre outros. É um investimento na sua qualidade de vida e no seu crescimento pessoal. Fazer psicoterapia é reservar um espaço e um tempo na sua vida para cuidar de si próprio. Com esta informação pretendo desmistificar a falsa ideia de que o psicólogo só trata « maluquinhos »… Esperando que a informação deste número seja de muita utlilidade, desejo a todos uma férias saudáveis e felizes. Um grande bem-haja a todos e até à próxima edição de « Cada caso é um caso ». Se desejar alguma informação com o máximo sigilo e confidencialidade basta contactar-me pelo número de telemóvel 691 980 029 ou para o endereço: C.A.S.A. MAGAZINE À atenção da Dra. Marlène RODRIGUES « Cada Caso é um Caso » 15, Montée de Clausen L-1343 Luxembourg


“Aldeia velhinha” asso o tempo a contar

Prometo te por ai ficar…

quantos dias faltam para voltar

Passo o tempo a contar, quanto tempo

Parece que ainda foi

falta

ontem que te deixei

Para de novo te poder abraçar

Com o olhar embargado de tristeza

Mesmo que não o faça com a inocên-

E alma despedaçada viajei…

cia de outros tempos Quando procurava tesouros escon-

Na memória ficaram as recordações

didos

de pequenina

Nos teus monumentos…

Dos sonhos que sonhei, daqueles

Quando fugia para escrever poemas

que nem mesmo realizei

Escondida do mundo, mesmo até de

Dos segredos que te contei quando

ti…

subia a calçada ,

Corria ao som da brisa do vento

a passo lento contava cada pedra

Embalada no silencio… da aldeia

que teimava

velhinha…

em cantarolar me a tua historia, de aldeia velhinha

Choro de Saudade da solidão com

mas eu manhosa corria, corria para

que vives

ver se te fugia

Há já tantos anos mas não admites Fugi à tua realidade mas na verdade

Hoje não escuto cada hora que o

nunca dai sai…

sino toca

Já me falta pouco para de novo te

Nem vejo tantas vezes as pedras da

tocar

calçada

Agora mais também eu velhinha ,sem a

Que tantas vezes fintei.

malícia de menina

Mas morro de saudades daquele

Mas com a mesma alegria que outrora

baile de Verão

subia a calçada

Daquela mocidade que tal como eu

Num passo acelerado, meio em

sonhavam em partir

surdina

E que hoje regressam a sorrir…

Sussurrava te segredos que jamais poderia contar

Aldeia velhinha do meu coração

A não ser a ti mina Aldeia Velhinha…

Deixei te um dia Sem querer saber da tua historia,

A equipa do C.A.S.A Magazine deseja

mas prometo te

lhe um feliz regresso à

Que um dia a calçada vou subir

também sua

E escuta lá cantarolar, sem correr,

Aldeia Velhinha…

sem a fintar Nem que seja quando também eu for velhinha

Patricia Ferreira (Poetiza Popular) Publicidade

35 35


O

lá, meu nome é Ana Viriato, sou apresentadora/ repórter na RTP… Mas não foi bem pela televisão que tudo começou, o meu percurso foi muito aventureiro e diversificado… Fui sempre uma pessoa muito comunicativa, contam os meus pais que desde pequena demonstro esta capacidade, desde as festas em família, como nas festas da escola, era sempre eu a animadora principal. Sou natural de Gandra, Paredes, cresci numa família muito tradicional, e fui a única dos 11 netos que envergou pela carreira artística. Formei-me em Educação Física Saúde e Desporto, fiz Formação artística (teatro, musica, dança, canto, desporto…) e em 2004, quando terminei o meu curso fui para Londres reforçar a minha formação. O gosto pela dança e pelo teatro, levaram-me a aprender Dança Jazz, Hip-Hop e Dança Contemporânea na escola de dança “Pineapple Studios” e Danças Modernas e Physical Theatre na escola de dança “The Place”, ambas em Londres;

36

Em 2007, fiz um casting para a RTP e fui seleccionada e apresentada como um dos 10 novos rostos na RTP, numa altura em esta celebrava 50 anos. Foi então em Junho 2007 que comecei esta minha aventura na caixinha mágica, enquanto a Sónia Araújo representava Portugal no festival europeu de dança fui convidada para apresentar o programa “Praça da Alegria” com o Helder Reis. Mais tarde, iniciei a minha participação como repórter no programa Portugal no Coração, RTP1 e até hoje colaborei como repórter nos programas “Verão Total”, “Programa das vindimas”; apresentei o programa Hora da Sorte, “Especial 7 maravilhas no mundo”; colaborei como apresentadora no programa “Programa das Festas”, colaborei como co-apresentadora no programa “Luar”, TV galicia; participei na Série “Um Lugar para Viver”, RTP1; e participei no sketch de Humor especial “Natal dos Hospital. “Made In Portugal, by Ana Viriato” É a minha rubrica nesta revista e contará com notícias fresquinhas, histórias encantadores dos

mais lindos recantos de Portugal, entrevistas aos mais reconhecidos artistas portugueses...e muito, muito mais! A partir de setembro vou levar a todos os corações portugueses, um miminho de Portugal!

Vai ser rubrica divertida, vou ser uma espécie de contadora de histórias, uma mensageira de notícias boas e curiosas. Talvez vos faça uma visita em breve...:)) Beijinhos no coração Ana Viriato

Festas e Romarias de Agosto Calendario 4/5 ou Sábado/Domingo seguintes Festas de S.Domingos – Fonte Arcada - Penafiel

7 ou no Domingo próximo Festa de Nossa Srª das Neves – Aver-oMar - Póvoa de Varzim 7 a 10 Festas do Concelho de Paredes de Coura – Paredes de Coura - Viana do Castelo 7a9 Romaria de Nossa Senhora da Saúde – Saudel - S. Lourenço - Sabrosa Vila Real Uma das mais antigas e importantes romarias da região. Romaria de Santa Marta de Portuzelo – Santa Marta de Portuzelo - Viana do Castelo Romaria carregada de simbolismo religioso, com Mordomas ricamente trajadas e carregadas de ouro. Procissão única com um enorme andor a ser levado em ombros por dezenas homens com promessas. 8 a 12 Festas em honra de Nª Sª do Resgate – Touguinhó - Vila do Conde Momento mais alto: 12 de Agosto - 15h - Procissão solene 10 Romaria de S. Lourenço da Armada – Armada - Ponte de Lima 10, 11 e 12 Festas de Cabrela em honra de Nossa Senhora da Conceição – Cabrela / Montemor-o-Novo / Évora Há sempre Ranchos Folclóricos e Bandas de Música

transportado por cerca de 80 homens. Tem 20,26 metros de altura e pesa 1300 quilos. Em 2007, a paróquia desta freguesia candidatou-se ao famoso livro de recordes Guiness, para registá-lo oficialmente como o maior andor do mundo. É ainda importante pelas “rusgas” que se juntam na mesma. 14 Festas em honra de S. Mamede – Lugar Casal Pedro - Junqueira - Vila do Conde Momento mais alto: 14 de Agosto - 21h Procissão de velas 14 e 15 Festa de Nosso Senhor dos Aflitos – Lordelo, Vila Real Segundo fim-de semana Festas em honra de Sta Rita de Cássia Festas do Concelho de Caminha 14 e 15 Arraial de Nossa Senhora do Monte – Madeira A noite de 14 para 15 de Agosto é especial para muitos milhares de pessoas, por ser a «véspera da Festa do Monte», um dos maiores arraiais madeirenses e que, desde há muitos anos, constitui uma tradição que nem a evolução dos tempos conseguiu apagar. Antigamente, milhares de romeiros de todos os pontos da ilha convergiam para esta localidade a pé, cantando acompanhados por instrumentos musicais tradicionais, como os rajões e as braguinhas.

13 a 16 de Agosto de 2010 Festejos em honra de Nª Sª da Saúde – Famalicão - Cortes - Leiria Procissão, Folclore, Filarmónica e Bandas.

15 Romaria de Nª Sº de La Salete – Vila Cova (Região da Campeã) - Vila Real Procissão com romeiros vestidos de branco. Festa em honra de Nossa Senhora do Azevedo – Cabração - Ponte de Lima Viana do Castelo Procissão religiosa, folclore, bailarico, fogo-de-artifício, tasquinhas. Festa de Santa Ana – Ramalheira - Freixianda - Ourém Procissão, música, folclore, fogo-deartifício, tasquinhas. Nª Sª da Natividade (ou Nª Sª do Rio de Couros) – Rio de Couros - Ourém Procissão, música, bailaricos, tasquinhas Festas de Nª Sª da Assunção – Póvoa de Varzim Procissão com rituais muito característicos

13 a 15 Festas em honra de S. Tomé – Mangoeiro - Gondarém - Vila Nova de Cerveira Grande procissão no dia 15, com centenas de figurantes. Romaria da Senhora da Aparecida – Torno - Lousada - Porto Esta “Grandiosa Romaria” realiza-se no Santuário da Senhora Aparecida, entre 13 e 15 de Agosto. O “Andor Grande” da procissão, geralmente organizada no 2º dia de festa, dizem que é o maior de Portugal, sendo

15 a 19 Festa da Senhora da Boa Viagem – Ericeira - Mafra Festa dos Pescadores. Procissão. Os barcos saem em procissão para o mar devidamente enfeitados e levando consigo os andores com os respectivos santos. No sábado é a procissão de velas, e ao mar, onde só vai a imagem da Padroeira dos Pescadores. No domingo, é a procissão solene, com vários andores, entre eles, o da padroeira dos Pescadores da Ericeira (Nossa Senhora da Boa Viagem), e o do padroeiro da Vila (S. Pedro). O ponto alto

10 a 15 Festa de Santo António – Aldeia da Ponte - Sabugal - Guarda Capeia Raiana 13 Romaria de S. Bento da Porta Aberta – Rio Caldo - Gerês

vão ser as procissões: ao mar, no dia 18, seguido de fogo de artificio, e a procissão pela vila, no dia 19. 17 a 20 de Agosto – Festa da Nossa Senhora da Agonia (Viana do Castelo) (Sexta-Feira - Procissão Solene, Sábado - Procissão ao Mar e ao Rio, Domingo - Cortejo Histórico / Etnográfico dedicado à cidade do Vinho; Fim-de-semana entre 18 e 23 Festa em honra de Nossa Senhora da Saúde – Famalicão - Cortes - Leiria 3º Domingo Festa/Romaria da Freixianda – Freixianda - Ourém Procissão, música, bailaricos, tasquinhas Festa do Senhor dos Perdidos – Calheiros - Ponte de Lima 19 e 24 Romaria de S. Bartolomeu Festas do Concelho de Ponte da Barca Uma semana onde não vão faltar as tradições, usos e costumes mais genuínos desta região do Minho, como a comida tradicional, a Feira das Tasquinhas e do Artesanato, a Feira do Linho, os Jogos Tradicionais, a Corrida de Cavalos, as Rusgas, o Folclore, as Concertinas e os Cantares ao desafio, entre muitas outras actividades. 23 e 24 Festas de S. Bartolomeu – Penafiel A feira de S.Bartolomeu, conhecida com a “Feira das Cebolas”, é comemorada nos dias 23 e 24 de Agosto. Na noite de 23, é ponto obrigatório de passeio, o parque do Sameiro, onde se vendem as cebolas e as mais variadas frutas, sendo o melão apimentado o mais procurado. No dia 24, o dia propriamente dito da feira, além de outras transacções comerciais, há o importantíssimo mercado das cebolas. 24 Romaria de S. Bartolomeu do Mar – S. Bartolomeu do Mar - Esposende Tradições 25 Romaria “Milagre de Urgueira” – Urgueira - Macieira de Alcôba - Águeda - Aveiro Lenda e tradições Último Domingo Romaria de Nª Sª dos Aflitos – Pegarinhos - Alijó Romaria de Sta Ana – Campeã - Vila Real Procissão com dezenas de figuras bíblicas. Romaria do Senhor da Serra – Belas - Sintra Feira, artesanato, romaria, folclore. 28 e 29 Romaria de S. João d’Arga – Arga de S. João - Caminha


SALADA NUTRITIVA DE VERÃO Barato

30 M

Fácil

Ingredientes: 1 bouquet de couve flor pequeno cozido e picado 4 batatas médias cozidas al dente e cortadas em cubos 3 cenouras pequenas cozidas e cortadas em palitos 1 tomate grande picado em cubos 1 cebola pequena cortada em rodelas finas 1 xícara (chá) de salsinha bem picada Sal a gosto 2 ovos cozidos e cortados

Receita:

Modo de preparo: Na travessa, misture a couve flor, as cenouras, as batatas, a salsinha e tempere com sal a gosto. Espalhe o tomate picado e a cebola por cima e decore com os ovos cozidos. Sirva e tempere diretamente no pratos, de acordo com o gosto de cada um. Para o tempero: Azeite ; Molho; inglês; Maionese Nota: Quanto aos ingredientes, você pode variar, acrescentar outros. Até a próxima! Publicidade

“Casa Das Bifanas” Pode contar todos os dias da semana com prato do dia a preços convidativos e vários petiscos tradicionais. Um espaço convidativo ao convívio e eventos. Proprietários Martinez Angel & Abilen

“Los Amigos” Um ponto de encontro para os amantes de desporto. com um serviço exclusivo de multimédia televisiva. 81, 78, R. de Bonnevoie, L-1260 Luxembourg * / * Tel.: 27 99 59 66 / 27 99 20 19

37


Humor Passatempo

Humor & Divertimento Descubra as diferencias: 7

Adivinhas: 1° - Qual é coisa, qual

é ela, que quanto mais se tira, maior fica?

-O que será, que será, que fala e ouve, mas não é gente?

3° - Qual é coisa, qual é ela,

que tem cabeça mas não é gente, e tem dente, mas não é pente? O que sou?

4° - Qual é coisa, qual é ela, que cai de muito alto mas nunca se aleija?

Resultados: revista 04

Adivinhas:

1° - ESPELHO 2° - A TOALHA 3° - OS DIAS DA SEMANA 4° - A CHUVA 5° - O CORRIMÃO 6° - A ESCURIDÃO 38

5° - Qual é coisa, qual é ela,

que fica cheio de boca para baixo,e vazio de boca para cima?

6° - O que será, que será,

que mesmo sendo nosso, é mais usado pelos outros?


-Comer uma

maçã é mais eficiente que tomar café para se manter acordado? A região do Países Baixos, na Europa, possui metade do seu território a menos de um metro acima do nível do mar e a outra parte fica abaixo do nível do mar. Os Países Baixos têm altitude limitada e aproximadamente 60% de sua população vive abaixo do nível do mar. Apenas uma gota de óleo faz com que 25 litros de água se tornem impróprios para o consumo.

-É impossível espirrar com os olhos abertos.

Milhões de árvores no mundo são plantadas acidentalmente por esquilos que enterram nozes e não se lembram onde eles as esconderam?

As escovas de dente azuis são mais usadas que as vermelhas?

Uma girafa pode limpar suas próprias orelhas com a língua?

Os chimpanzés e os golfinhos são os únicos animais capazes de reconhecerem a si mesmos na frente de um espelho.

39


40


41


Super -Tombola 08.07.2012

Fête des Handicapés au Parc Anatole-France à Bonnevoie 1er Prix: 0050 - 1 billet d’avion Luxembourg-Porto aller-retour offert par LUXAIR 2ème Prix: 0110 - 1 semaine de voiture cat. A au Portugal offert par TÁKI-TÁLÁ 3ème Prix: 0058 - 1 billet de bus Luxembourg-Portugal aller-retour offert par FLIBCO (Sales Lentz) 4ème Prix: 0132 - 1 Porcelet Rôti offert par Restaurant Barros, Erpeldange

42


A la Place Cunégonde (près de l’église) Rentrée des festivités sócio-culturelles  du  C.A.S.A.  

11h00: Animation musical

12h30: Gastronomie typique portugaise 13h30: Ouverture de la 6ième fête du quartier

Folklore : Estrelas do Minho Folklore : Tricanas de Differdange Groupe de danse : Sexto Sentido Groupe de danse : Love danse Groupe de Chante : Cantares de Gilsdorf Folklore : Grupo de Folclore da Nazaré Groupe de Concertinas: Os Borguinhas Groupe de danse: River Crew 17h00-Tirage de la Super-Tombola annuel du C.A.S.A. Collaboration: Embaixada e Consulado-Geral de Portugal + Rádio-Latina + Jornal Contacto + Jornal Correio !!!! toutes les personnes sont bien venues à cette fête d’amitié!!!!

43


Números Úteis Policia 113 Urgências Ambulâncias, Bombeiros, Proteção civil, Hospitais, Médicos, farmácias e veterinários de serviço 112 Embaixada de Portugal 46 61 90 1 Consulado Geral de Portugal 45 33 47 11 Instituto Camões 46 33 71 1 Santa Casa da Misericórdia 26 43 19 51 Missão Católica Portuguesa Lux. 47 15 52 Missão Católica Portuguesa Esch/Alzette 54 06 69 União dos consumidores 57 49 61 / 49 60 22 1 LCGB 49 94 24 OGBL 54 05 45 1 / 26 54 37 77 SOS Dépannage et Remorquage 37 88 37 1 ACL 45 00 45 1 SERVIOR – Séniores 47 20 21 1 RBS – Séniores 36 04 78 HELP – Cruz Vermelha 26 70 26 SOS Détresse ajuda por telefone 45 45 45 Femmes en Détresse 40 73 35 Femmes en Détresse - informação, ajuda e suporte 12344 Ajuda a crianças 12345 Europa Donna – ajuda ao cancro da mama 26561323/621478394 Parlamento Europeu 4300 1 Comissão das Comunidades Europeias 4301 1 Caisse Nationale de Sante 2757 1 Caisse Nationale des Prestations Familiales 477153 1 Adem Lux. 247 85 300 Esch/Alzette. 247 75 401 Diekirch. 802929 1 OLAI – Office Luxembourg de l’accuiel et de l’Intégration 247 85 700 Fonds nationale de Solidarité 49 10 81 -1 Ministère des Affaires Etrangères et de l’Immigration Direction de l’Immigration 247-84 040

44


Grande Noite de Gala com jantar incluído

“20 Anos Radio Latina”

Convidado de honra: André Sardet com a sua banda Sexta-Feira, dia 12 de Outubro 2012 no Casino 2000 em Mondorf-les-Bains

Informações e reservas: Tel. 29 95 96-202

tel.: 29 95 96-1 | tel. studio: 1363 No SMS: 64342 www.radiolatina.lu facebook/radiolatinalux

45


Ligne régulière low cost Luxembourg - Portugal

Réservez tôt her! voyagez moins c • 4 départs par semaine (Lux.-Port. mardi & samedi / Port.-Lux. dimanche & jeudi)

• 7 points de départ au Grand-Duché • 28 destinations au Portugal • Classe Premium 12 sièges extralarges espacés de 1 m

• Autocar haut de gamme Volvo Écrans multimédia intégrés: films, musique, jeux, internet, ...

à partir de

55

*Prix par personne et par trajet simple au départ du Luxembourg (resp. au départ du Portugal) Informations et conditions Service Center (L) 900 75 700 (0,55/min) Service Center (P) +351 261 95 10 10 Lu-Ve 8.00-18.00

46

*


C.A.S.A. Magazine N°6