Artium 2

Page 1

rtium

Edição. 02

ESPECIAL

ENTREVISTAS

Gilberto Barros

Priscila Goldenberg Farlley Derze Michel Bermudes Felipe Feitosa Jorge Brando

ARQUITETURA E DECORAÇÃO

DESIGNERS

Isadora Stein Marina Rodrigues

1

Paula Müller Marta Alegretti Fátima Balan Rosanges Pimenta Karine Crispim Elisabeth Abduch Pollyana Nunes

A R T I U M


Í N D I C E

ÍNDICE

ARQUITETURA E DECORAÇÃO Paula Müller

78

08

20

84

DESIGNERS Marina Rodrigues

ARQUITETURA E DECORAÇÃO Marta Alegretti

ENTREVISTA Por: Rúbia Barbosa Farley Derze

ARQUITETURA E DECORAÇÃO Fátima Regina Fraga Balan Rosanges Pimenta

94

ENTREVISTA Por Mihail Dudcoschi Priscila Goldenberg

38

ARQUITETURA E DECORAÇÃO karine Crispim

104

52

ARQUITETURA E DECORAÇÃO Elisabeth Abduch

112

ENTREVISTA Por: Ana Paula Ulrich Tavares Michel Bermudes, Felipe Feitosa, Jorge Brando

60

ARQUITETURA E DECORAÇÃO Pollyana Nunes

120

UNIVERSO INFANTIL Por: Priscila Goldenberg

69

DECORAÇÃO Bruna Bittencourt

126

UNIVERSO INFANTIL Por: Clubinho Dos Pititicos

72

DESIGNERS Isadora Stein

128

Psicologia Por: Cybele de Carvalho

30

A R T I U M

2

ENTREVISTA ESPECIAL Por: Mihail Dudcoschi Gilberto Barros


ainda lançou 5 CDs – entre eles um voltado para crianças – e o livro “Você já abraçou seu filho hoje?”, um compilado de histórias que ouviu durante seus anos na rádio.

Capa: Gilberto Barros, jornalista apresentador de programas de televisão como “Disque Record”, “Cidade Alerta, leão Livre”, “Quarta Total”, “Domingo Show”, “Sabadaço”, “Boa noite Brasil”, “O Game A Grande Chance”, “ Sábado Total”,

Í N D I C E

Foto: Wel Calandria.

Capa foto: Wel Calandria.

A R T I U M 3


E D I T O R I A L

Editor Mihail Dudcoschi revistaartium@gmail.com

Editorial

Comercial RM EDITORES

“Artium vem do latim que em português significa artes”, “ars do latim para o português é arte”, que é técnica, habilidade natural ou adquirida que temos de fazer ou criar alguma coisa, quando vemos uma obra de arte sentimos estética e emoção como na pintura, música, dança, escultura, arquitetura, cinema, teatro e hoje ainda temos as criações digitais.

Projeto gráfico RM Editores Diagramação RM EDITORES Assessoria Cristina Moreira

A arte é o resultado da cultura de cada povo, e o artista manifesta suas emoções e ideias através de estilos ou comunicações visuais. Segundo a filosofia a arte é uma intuição, e expressão do mundo divino imaterial, sendo projetado no mundo material, usando o artista como veículo e intérprete da sua obra.

Revisão Regina Machado Fotografia Ale Maya Distribuição RM Editores

A importância da arte para a humanidade vem desde os primórdios dos tempos onde encontramos formas, construções arquitetônicas, pinturas rupestres, esculturas e é através delas que percebemos a evolução humana, pelos movimentos e manifestações artísticas, sendo a arte pré histórica e regionais como a grega, a romana e outras.

Periodicidade Bimestral Impressão e acabamento RM Editores Assesoria jurídica Dr. Valmir Parisi Telefone: (41) 33392774

O editor.

Revista Artium é editada pela RM Editores Rua: Leônidas Xavier de Freitas, 183 casa 02

Bairro: Pilarzinho CEP 82.115-040 Curitiba - Paraná (41) 3408-82-87 Celular (41) 9265-29-32 www.revistaartium.com.br revistaartium@gmail.com

A R T I U M 4


Capitonate

A R T I U M

(41) 3408-82-87 - 9282-66-82 5


Cadeiras

Luiz Felipe 1

A R T I U M

DIAMANTE

VERGARA

NICE GROSS (2)

6


Capitonate

Poltronas

LISBOA

BARCELONA

HUG

FIRENZE CC

(41) 3408-82-87 - 9282-66-82 7

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 8


Apartamento em Copacabana

Projeto: Paula

Müller

A R Q U I T E T U R A e

Fotos: Bruno Ladowsky

D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 9


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 10


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 11


A R Q U I T E T U R A

Em plenos preparativos para o casamento. Estes eram os clientes de um antigo apartamento em Copacabana, com ótima planta e distribuição, com cerca de 145 m2. Apartamento este que pedia mesmo uma reforma para receber seus novos moradores, com estreia marcada para o retorno da lua de mel. Foram alguns meses de obra, com aqueles imprevistos naturais que sempre acontecem, mas também com outros que proporcionaram uma gostosa surpresa, como o taco em madeira do piso, escondido abaixo de camadas de carpete e fórmica...

Casal jovem, descolado.

e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 12


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 13


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 14


Acolhedor e funcional Super atentos a todos os detalhes, os clientes faziam questão de participar da escolha de cada elemento, o que tornou o apartamento exatamente PARA ELES: da maneira como imaginaram seu primeiro lar. O piso em mármore branco da cozinha foi restaurado e mantido, o taco dos quartos foi preservado e renovado com sinteco. Para a área social, o pedido foi um porcelanato claro, em grandes dimensões.

A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 15


A R Q U I T E T U R A

Janelas acústicas para amenizar os barulhos externos. O banheiro social foi mantido, mas o de casal recebeu uma banheira com ducha dupla, revestimento do box em mármore crema marfil, combinando com a bancada. Cozinha em tons neutros, com bancada cinza em silestone e paredes brancas, além do piso já citado. Rouparia no corredor com grandes portas de correr em laca branca, dando a ideia de painel. Os demais quartos, além da suíte do casal, foram compostos por um escritório (dele) e sala de vestir (dela). Escritório super descolado como ele, repleto de referências de filmes e sala de vestir super feminina e delicada como ela, com uma antiga penteadeira de família em laca azul suave.

Banheiro do casal remodelado

e

O apartamento todo teve projeto de iluminação feito pela própria arquiteta, mesclando iluminação direta no teto e indireta através de rasgos e leds na marcenaria.

D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 16


Cozinha em tons neutros

A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ăƒ O

A R T I U M 17


A R Q U I T E T U R A

“A lavanderia segue o mesmo estilo descontraído do restante da casa, através de acessórios divertidos e adesivo do artista Banksy”

e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Paula Müller Arquitetura e Interiores (21) 99152.5155 contato@paulamuller.com.br https://www.paulamuller.com.br https://www.facebook.com/PaulaMullerArquitetura

18


Esquadrias de Madeira JES

A R T I U M Esquadrias de Madeira JES Rodovia da Uva, 3772, km 5 - Jardim Arapongas Colombo - PR pelos telefones (41) 3621-38-39 e (41) 3621-14-40 - www.esquadriasjes.com.br 19 esquadriasjes@esquadriasjes.com.br


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Um flat completo em Alphaville São Paulo

Por: Marta Alegretti 20


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Fotos : Flávia Elisa Pereira

21


A R Q U I T E T U R A e

Este duplex é uma construção em Alphaville, num condominio chamado Alpha, tem 82m2.

D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 22


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 23


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

Comforto com eletros automatizados Equipei com todos os eletros necessários numa casa, lava e seca, lava louças, cook top, forno, micro ondas e adega climatizada, bem

como eletrônicos onde automatizamos todo o flat monitorado por aplicativos, incluindo iluminação, som, imagem e persianas.

A R T I U M 24


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

Foi pedido um espaço mais masculino, devido na região ter muitos escritórios com executivos que ficam apenas na semana a trabalho.

A R T I U M 25


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 26


A

suíte no andar superior era fechada. Abri criando um mezanino e integrei, criando unidade de espaços.

A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 27


A R Q U I T E T U R A e

A R T I U M

Foto: Fla´via Elisa Pereira

D E C O R A Ç Ã O

Marta Alegretti Designer de interiores (11) 98272-9829 www.marta-alegretti.com.br 28


Complementos Decorações

A R T I U M Av. São José, 1095Cristo Rei - Curitiba-PR CEP: 80.050-350Telefone: (41) 3262-1385 / 3262-8120 http://www.complementosdecoracoes.com.br/ 29 E-mail: contato@complementosdecoracoes.com.br


A R Q U I T E T U R A

Foto: Arquivo pessoal

ANTES

e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 30


A R Q U I T E T U R A

ANTES E DEPOIS “LOUNGE NO CONDOMÍNIO” CURITIBA

e D E C O R A Ç Ã O

Foto: Ale Maya

O desafio das designers de interiores Fátima Balan e Rosanges Pimenta

31

A R T I U M


ANTES

Foto: Arquivo pessoal

A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 32


A R Q U I T E T U R A e

O desafio das designers de interiores Fátima Balan e Rosanges Pimenta foi transformar um espaço de 35 m², de uma antiga portaria de um Condomínio Residencial, em um espaço de convivência de moradores que represente um ambiente confortável, funcional e harmônico.

D E C O R A Ç Ã O

O branco dos móveis serve de base para que o tom amadeirado das mesas e painéis se destaque e traga requinte e equilíbrio para o espaço. Além disso, os grandes painéis de vidro valorizam e possibilitam bastante iluminação natural no interior, além do incrível visual que criam para o verde da vegetação da área externa do condomínio.

33

Foto: Ale Maya

O projeto de estilo contemporâneo é evidenciado por seus traços simples, como, por exemplo, o porcelanato Nero Marquina utilizado no piso, que acrescenta contemporaneidade ao ambiente, além de definir o layout do mobiliário como um tapete, contrastando com o porcelanato Off White.

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Sobre os painéis de espelhos, foram utilizados para criar a sensação de amplitude espacial e rebater o brilho da iluminação natural, clareando ainda mais o ambiente interno. Revestimentos como papel de parede colorido na coluna e papel fotográfico com uma imagem de Nova York trazem mais vida para o ambiente. Na iluminação geral, placas de led foram usadas pela economia que oferecem e para atribuir um visual mais clean, além de também ser utilizado um elegante pendente branco e lâmpadas dicroicas para criar diferentes atmosferas. O principal destaque para este espaço são as máquinas “Vending Machine”, com cafés, chocolates, biscoitos, refrigerantes e outros, que funcionam automaticamente e são de simples manuseio. É um serviço acessível a todos e uma ideia super prática para um condomínio. Este lounge representa, portanto, a elegância, praticidade e funcionalidade em um único espaço, marca registrada das designers de interiores que o idealizaram.

34


A R Q U I T E T U R A e

Foto: Ale Maya

D E C O R A Ç Ã O

35

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e

A R T I U M

Foto: Nenad Radovanovic

D E C O R A Ç Ã O

As designers de interiores

Fátima Regina de Fraga Balan e Rosanges Pimenta

36


JoĂŁo Correia

Rua: Primeiro Ministro Brochado da Rocha, 182 Pilarzinho - Curitiba - ParanĂĄ (41) 9996-34-93 37 Facebook: https://www.facebook.com/JCorreia-restaura%C3%A7%C3%A3o-de-moveis-317111598412834/

A R T I U M


Barra Sa

A R Q U I T E T U R A

projeto da arqui

e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 38


alvador Bahia Karine Crispim

e D E C O R A Ç Ăƒ O

Fotos: Marcelo Negro Monte

iteta:

A R Q U I T E T U R A

39

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 40


A R Q U I T E T U R A

Para esse projeto a arquiteta Karine Crispim usou a referência de quadros e fotografias trazendo um conceito moderno e aconchegante aos ambientes de salas, circulação e hall. A proposta para uso de cores em tons de cinza, preto e branco reforça o destaque do acervo e obras de arte, grande parte do morador.

e

Fotos: Marcelo Negro Monte

D E C O R A Ç Ã O

41

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A

O hall de entrada é marcado pela fotografia em Preto e Branco de Paulo Coelho - Fotógrafo e estante preta que apoia todas as peça de arte e livros do morador. A sala de estar recebe tapete formato L em linhas retas, contrapondo as poltronas de design e o tapete chevron que é a “vedete” do espaço.

e D E C O R A Ç Ã O

Fotos: Marcelo Negro Monte

A R T I U M 42


A R Q U I T E T U R A e

Fotos: Marcelo Negro Monte

D E C O R A Ç Ăƒ O

43

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A

A sala de jantar ganha mesa oval e cadeiras em tela de madeira, remetendo ao conceito “modernista”, suavizando e dando leveza ao aparador em espelho, que recebe destaque na parede com uma sequência de gravuras.

e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 44


A R Q U I T E T U R A e

Fotos: Marcelo Negro Monte

D E C O R A Ç Ăƒ O

45

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Vitória Loft

Corredor Vitória

Salvador Por:

Karine Crispim 46


A tela colorida com personagens marcantes, traz ao ambiente toda a influência das cores; Abaixo da tela o tatame que têm função sofá e cama, para atender á hóspedes.

A R Q U I T E T U R A

a

e

Fotos: Marcelo Negro Monte

D E C O R A Ç Ã O

47

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

Para cabeceira do quarto optamos, em colocar um baú, seguindo a mesma influência do piso. O baú têm como função o armazenamento do equipamento de mergulho do cliente. Mais uma vez nesse mesmo ambiente temos a influência das cores marcantes, como vermelho.

A R T I U M 48


A R Q U I T E T U R A e

Fotos: Marcelo Negro Monte

D E C O R A Ç Ăƒ O

49

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e

A R T I U M

As cores preto, branco e cinza são predominantes nos elementos, mais marcantes, como painel, piso, cozinha e paredes. A decoração recebe os tons mais coloridos e destaca-se no contexto.

50

Fotos: Marcelo Negro Monte

D E C O R A Ç Ã O


A R Q U I T E T U R A

Fotos: Marcelo Negro Monte

e

Karine Crispim - Arquiteta e Design de Interiores Rua da Gratidão, 291D - Colinas de Piatã - Edf. Turmalina, Aptº 404 CEP: 41650-195 - Lauro de Freitas, Bahia www.karinecrispim.com.br karinecrispim@karinecrispim.com.br

51

D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

O mundo do design em vidro por Elisabeth Abduch É fascinante quando nos deparamos com uma peça que fala por si só e nos desperta sentimentos que nos tiram do lugar comum. As esculturas e instalações de luz do premiadíssimo designer alemão Ingo Maurer, nascido em 1932, a frente do Ingo Maurer GMBH, são exemplos do que um bom design é capaz de transcender o produto e sua funcionalidade e gerar valores invisíveis aos olhos, mas que tocam o coração, estabelecendo uma forte conexão com o consumidor. Um tênue divisor de águas, onde o produto deixa de ser um simples bem tangível e passa a ocupar um lugar único em nossas mentes, transformando-se em um verdadeiro objeto de desejo.

e da tecnologia. Tudo o inspira e através de sua genialidade ganha status diferenciado: polietileno, ABS, silicone, metal, aço inoxidável, malhas de aço, alumínio, porcelana, redes de nylon, folhas de ouro e prata, tecidos, papel de arroz, entre tantos outros. E, claro, o vidro não poderia estar fora desta lista! Não é a toa muitos de seus trabalhos podem ser vistos em importantes exposições ao redor do mundo como as do Moma – Museu de Arte Moderna e National Design de Nova Yorque. E nesta minha viagem pelo mundo do design em vidro, eu não poderia deixar de destacar as lindas peças deste grande artista, que sabe como poucos explorar toda a plásticidade e fluidez deste material em suas lúdicas e impactantes construções de luz. Deleite-se nas imagens a seguir, um elixir para nossa alma.

Se não bastasse o talento, a criatividade elevada à potência máxima e sua estética apurada, o artista, também conhecido como “poeta da luz”, ainda apresenta ampla versatilidade no emprego de materiais sempre pautados pela essência da luz 52


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

“Chandelier” (2003) por Ingo Maurer em vidro incolor com desenho estampado composto por 270 LEDs com emissão de luz em ambos os lados. Fios e condutores de luz invisíveis. Imagem reproduzida. Crédito foto: Tom Vack & Team. Fonte: Ingo Maurer.

53

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Luminária “Kokoro” por Ingo Maurer em vidro incolor, papel vermelho, metal, aço, plástico e espelho ajustável. Imagem reproduzida. Crédito foto: Tom Vack & Team. Fonte: Ingo Maurer.

54


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

Luminária “Delirium Yum” por Ingo Maurer em vidro cristal, Corian e espelho de alumínio. Lâmpada halógena com regulagem de intensidade por dimmer. O movimento da água e sua velocidade de rotação também são ajustáveis eletronicamente. Imagem reproduzida. Crédito foto: Tom Vack & Team. Fonte: Ingo Maurer.

55

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Detalhe da rotação da água - luminária “Delirium Yum”. Crédito foto: Tom Vack. Fonte: Ingo Maurer.

56


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ăƒ O

LED TABLE (2003) por Ingo Maurer em vidro laminado incolor, composta por 278 leds emissores de luz em ambos os lados. Intensidade de luz regulada por dimmer. Imagem reproduzida. CrĂŠdito foto: Tom Vack & Team. Fonte: Ingo Maurer.

57

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

Imagem reproduzida. Crédito foto: Tom Vack & Team. Fonte: Ingo Maurer.

A R T I U M 58


A R T I U M 59


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M

Terapia n M

O Jardim vertical vem ganhando mais adeptos, por ser uma forma de decoração, transmitir aconchego, elegância ao ambiente, além de ser uma terapia. Também conhecido por parede verde ou quadro verde, de fácil adaptação a variados espaços, seja uma residência, espaços públicos ou mesmo em espaços corporativos é uma forte tendência que vem crescendo juntamente com a construção civil, principalmente para quem mora em apartamento e quer trazer para dentro de casa, aquela sensação relaxante e bem estar promovida até então pelos antigos quintais das casas. O jardim vertical pode ser simples e pratico feito pelo próprio morador da casa. O jardim vertical não obrigatoriamente deve ser plantado em recipientes especiais, ele pode ser versátil, afixado em troncos, no caso das bromélias ou orquídeas, vasos com ou sem espaçamentos entre si, afixados em telas metálicas, madeiras, bambus ou até mesmo uma cortina de cordas. Devemos ficar atentos com o escoamento das águas para que não haja infiltrações. Ao criar um jardim vertical, devemos nos atentar com bastante cautela no tipo de planta que iremos usar, pois temos muitas espécies com características diferenciadas que requerem alguns cuidados específicos e isso esta extremamente ligado ao espaço que iremos escolher para construir o jardim. Plantas com grandes raízes não são indicadas, além de não comportar pode prejudicar toda a estrutura do jardim. Outro fator bastante importante que devemos ficar atentos, são as questões de iluminação, insolação, ventilação, umidade e outros que podem prejudicar o desenvolvimento das plantas. A irrigação pode ser manual ou mecânica. A iluminação direta é relevante para algumas espécies, já outras não necessitam ser regadas todos os dias, como as orquídeas, bromélias, suculentas, etc. Outras fazem o papel

60


na forma de decoração MINAS GERAIS

A R Q U I T E T U R A e

Fotos: Marcelo Breder

D E C O R A Ç Ã O

61

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e

Fotos: Marcelo Breder

D E C O R A Ç Ăƒ O

A R T I U M 62


de filtrar o ar como a Jiboia, ideal para ambientes de circulação ou recreação. Para quem quer um jardim vertical cheio, com plantas que não deixem a estrutura a mostra, devemos optar por plantas pendentes e semi-pendentes, com folhas maiores e arqueadas. Também podemos montar um jardim vertical com hortaliças, o que além de ser um charme pode estar integrado próximo a cozinha. As plantas que mais se adaptam a essas condições, são de pouco substrato, ventos e outras adversidades, como forrações rústicas. Lembre-se de ficar atento as mudanças e características das plantas com o decorrer do tempo, pois grande parte do seu investimento no jardim vertical, será das plantas e são elas que determinam o cantinho escolhido para seu projeto do jardim. Algumas plantas podem nunca florescer ou até mesmo nos surpreender com pendões, de acordo com o terreno ou localização. Portanto, para não ter que substituí-las com o tempo, essa atenção com espécie e localização é imprescindível. As plantas mais indicadas para um jardim vertical para locais a pleno sol, seriam: Barba de serpente, Colar-de-pérolas, Flor-canhota, Jiboia, Lambari roxo, Russélia, Aspargo rabo-de-gato, Aspargo Liríope, estas são algumas espécies indicadas principalmente para quem deseja esconder a estrutura. Para os locais com semi-sombra, o indicado seriam espécies como: Samambaia, Aspargo, Antúrio, Columélia, Véu de noiva, Ripsális, Flor-batom, Liríope, Vriésia, Flor-de-maio, Rabo-de-burro, Rabo-de-gato, Singônio, Babosa-de-pau, Chifre-de-veado, Guzmânia. Ressaltando neste grupo para a Samambaia, que algumas especies como a Samambaia Americana a mais indicada para jardins verticais a meia sombra. Neste projeto do Coworking, especialmente criado para Casa Cor Minas Gerais 2016. O jardim vertical foi o norteador de todo desenvolvimento de criação.

Queria um ambiente corporativo mas que tivesse um clima mais aconchegante, que gerasse nas mídias partnes que iriam usar o espaço, uma sensação de estar trabalhando em sua própria casa. Então criei um grande jardim vertical com bromélias, afixadas em uma grade metálica e emoldurada por placas de mdf. Ressaltando que esta moldura em mdf, foi criada para a Mostra Casa Cor, que há um tempo de exposição, mas que para ficar no tempo o ideal é um material resistente a umidade e insolação. Também foram inseridas iluminações com tons verdes entre as bromélias para dar mais charme e sofisticação. A frente deste jardim vertical criei um nicho suspenso, para dar mais leveza ao ambiente e não interferir na composição do jardim. Este nicho funciona com bancada de trabalho com tomadas e iluminação embutida e remete a uma janela aberta para o jardim. O piso colocado abaixo do jardim vertical é um piso cimentíssio, que possui grande absorção de água, além de ser fabricado com rejeito de minério o que contribui para nossa natureza. O piso central da sala tb é um cimentíssio na cor cinza natural. A parede central da sala com placas em cimento em 3D, fazendo movimentos que embelezam e intrigam os olhares juntamente com a iluminação especial distribuída em todo o rebaixamento feito em gesso. Na parede contraria ao jardim dando mais autonomia em toda a composição do ambiente, criei um painel de mdf na cor Nogal Sevilha, com iluminação de led embutida, onde podemos expor obras de arte de renomados artistas mineiros, na entrada, falsas colunas em mdf, também em Nogal Sevilha, formando nichos iluminados entre elas com mais obras de arte. Como este ambiente foi criado especialmente para as mídias partnes da Casa Cor MG 2016, ao centro do ambiente, criei uma sala para entrevistas deixando espaços generosos para o trabalho com câmeras e distâncias necessárias para foco.

63

A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 64


A R Q U I T E T U R A e

Fotos: Marcelo Breder

D E C O R A Ç Ăƒ O

65

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 66


A R Q U I T E T U R A e

fotos: eXoptico

D E C O R A Ç Ăƒ O

67

A R T I U M


A R Q U I T E T U R A e D E C O R A Ç Ăƒ O

A R T I U M

Pollyana Maria Bastos Nunes Arquiteta, paisagista e urbanista Fones: 31 3872 1738 ou 31 99723 3322

68


Decorando a mesa com rolhas

D E C O R A Ç Ã O

Bruna Bittecourt A maioria das pessoas que eu conheço que apreciam vinhos, costumam guardar suas rolhas, e a maioria das pessoas que eu conheço que gostam de cozinhar, também gostam de arrumar a mesa para servir a refeição feita com tanto capricho! Sendo assim, as rolhas que geralmente dispomos em vasos ou quadros para decorar nossas casas, também podem nos ajudar na composição de uma linda mesa posta.

inspirar! Eu adoro fazer esse “castiçal”: Basta colocar as rolhas dentro de uma taça, apoiar na mesa e posicionar uma vela em cima. Causa um super efeito na mesa utilizando coisas que normalmente temos em casa. A mesa completa eu arrumei com dois desses “castiçais”, um vasinho que na verdade era um vidro de azeite de oliva (guardar vidros charmosos também é uma super dica!) - com ervas frescas, bolas de galhos secos e mais algumas velas.

Vamos ver como um item tão simples pode tornar uma mesa aconchegante e especial?!

Separei duas opções para você se

69

A R T I U M


D E C O R A Ç Ã O

A R T I U M 70


D E C O R A Ç Ã O

Já nessa mesa alegre, as rolhas vieram de maneira mais simples: Soltas entre as velas trazem um pouco de sofisticação na frente dos vasos coloridos.

Viram como é fácil embelezar uma mesa com rolhas? Espero que a partir de agora as rolhas que decoram sua casa, estejam presentes também nas suas refeições. Até a próxima! Beijos, Bruna. Veja de pertinho mais alguns detalhes:

Fotos: Arquivo pessoal

71

A R T I U M


D E S I G N E R S

Vamos estampar? Explico um pouco sobre as diversas possibilidades de estampar e decorar um ambiente com peรงas diferenciadas.

Fotos: Teresinha Stein

A R T I U M 72


Sou formada em design e trabalho com a área de superfícies (estampas) à quatro anos. Senti fascinação pelo mundo da estamparia quando vi que é possível criar algo e eternizar fazendo a impressão em diversos materiais. Sempre fui apaixonada por cores e por elementos da natureza e trabalho com pintura desde pequena. Então resolvi juntar todas as minhas paixões que envolve a arte e criei uma técnica inovadora. Todas as minhas estampas são em 3D. Isto é: Tem profundidade e movimento. Isso que eu sempre busquei, dar aspecto de vivacidade as criações. Esse feito acontece ao fotografar elementos da natureza e misturar minhas pinturas abstratas. Com elas é possível estampar materiais como: Couro, Courinho, MDF, Porcelanatos, Ladrilho Hidráulico, Vidro, Tecidos, entre outros. Digo que apenas alguns detalhes fazem toda a diferença na decoração. Aí que se encaixam os objetos estampados. Após a escolha do material podemos criar peças bem divertidas e modernas como: Almofadas e quadros para a sala, sousplats,

jogos americanos para a cozinha e até mesmo uma linha de cama bem colorida para o quarto, tudo depende da criatividade do meu cliente. Faço coleções e peças para arquitetos, decoradores, fábricas e marcas. Uma das linhas que mais gosto de trabalhar é a de porcelanatos. Reproduzo com tinta o efeito de Mármore, madeira e oxidação. (Crio para fábricas de porcelanatos e peças exclusivas para o público final). Agradeço por ser convidada a criar já à dois anos para a Casa Cor RS. No primeiro ano criei um quadro todo em 3D e sousplats com estampa abstrata que lembrava o universo e a lua, referência que combinava com o ambiente futurista do espaço. Neste ano criei um efeito de oxidação com misturas de tinta em um vitral de três mts de largura. Foi incrível! Para finalizar acredito que sempre podemos usar a criatividade e estampar praticamente tudo! Para quem quiser acompanhar meu trabalho, tirar dúvidas e trocar ideias deixo os meus contatos.

D E S I G N E R S

A R T I U M 73


D E S I G N E R S

A R T I U M 74


D E S I G N E R S

A R T I U M 75


D E S I G N E R S

A R T I U M 76


D E S I G N E R S

Pรกgina no Facebook: Isadora Stein Instagram: I.Stein (051) 9307.4010

77

A R T I U M


D E S I G N E R S

Eu estava exatamente ali, num local público, criando a minha Tape Art (Arte voltada para decoração com o uso de fitas adesivas), até que o homem com expressão duvidosa, que não tirava os olhos, me chamou e perguntou: ´´Que lindo! Mas você consegue ganhar dinheiro com arte?´´ Gaguejei, e mesmo que houvesse uma resposta pronta, uma nuvem de debates choveu na minha mente nos últimos quatro dias.

´´Arte?! Mas

POR: MAR

Foi no início de 2000, onde 33% das galerias deram seus primeiros passos no Brasil. Apesar de ser bem recente comparado por exemplo com a Itália e Estados Unidos, o País acompanha um crescimento gradativo nos últimos anos. Hoje, a média de crescimento dos negócios é expressa em 27,5%, sendo que pintura, fotografia e escultura são os tipos de obra preferidos entre os colecionadores (estrangeiros ou não). Grande parte delas centralizadas em São Paulo, e outros 29% no Rio de Janeiro. A arte brasileira é conhecida internacionalmente não só pela sua originalidade e criatividade, mas principalmente pela sua qualidade. De uns tempo para cá, estamos vendo preços exorbitantes serem pagos por obras de artistas. Um dos responsáveis por esse crescimento, a SP-Arte, colocou o Brasil na lista dos países com as melhores feiras do mundo!

A R T I U M

Com a crise atual que nosso País vive, pude observar e absorver, entre os artistas que convivem comigo entre outros, uma forma muito verdadeira de renovação e re-adaptação. A criatividade não reina apenas na arte em si, mas também as técnicas como elas são aplicadas com o uso da reciclagem, sustentabilidade e até mesmo o upcycling, técnica em que, tudo pode virar arte sem a intervenção da reciclagem com processos químicos. Essa responsabilidade socioambiental por meio da ressignificação de processos e produtos provém

78


s é possível no Brasil?!´´

Foto: Thito Strambi

RINA RODRIGUES

79

D E S I G N E R S

A R T I U M


diretamente da situação da economia e a triste degradação do ambiente. Apesar de parecer estranho usar uma bolsa feita com sobras de sacos de cimento, como propôs a marca Cavalera ou então ter artes que vieram diretamente do lixão, estão se tornando uma nova tendência que utiliza de muita criatividade, em diversos setores como a moda ao design.

Ainda que não tenhamos um apoio tão fortalecido do governo como na França por exemplo, o qual tem uma política de dedução dos impostos de renda para as empresas que investem em arte contemporânea, a burocracia no sistema de exportação de artes brasileiras, e ainda os altos impostos, vamos muito bem, obrigada. Fotos: Arquivo pessoal Marina Rodrigues

D E S I G N E R S

A R T I U M 80


E lembrando que, apesar de todo caos de imposições impostas pelo governo, a cultura da população é algo que de fato, não muda: Um brasileiro não desiste nunca! E sim, ainda sim, somos apaixonados pela nossa cultura e queremos espalhar nossa alma em cor pelo mundo!

Marina Rodrigues – Designer de jóias e Tape Artista. Fontes https://www.jornaldafotografia.com.br/noticias/o-mercado-de-arte-brasil/ http://radarexecutivo.com.br/

Foto: Sérgio Abreu

E então respondi: ´´É possível viver

Foto: Mari Saliby

D E S I G N E R S

de arte!´´

81

A R T I U M


RM EDI A R T I U M

Diagramação Criação de capa Ilustração Inscrição da obra no ISBN Impressão e acabamento artesanal ou industrial Livos e revistas Projeto gráfico Revisão e atualização ortográfica Tratamento de imagens

RM 82

Rua Leonidas Xavier de Freitas, 183 casa 02, Pila


ITORES

M EDITORES EDITORA E GRĂ FICA

arzinho, Curitiba, PR 82.115-040 41. 3149-38-63 celular 83 41. 9265-29-32 rmeditores@gmail.com

A R T I U M


E N T R E V I S T A

A R T I U M

A primeira lâmpada elétrica Algumas datas são muito importantes no decorrer do desenvolvimento da iluminação. Em 1807 houve a primeira iluminação pública a gás na Inglaterra, no Brasil a primeira iluminação pública também a gás no Rio de Janeiro foi a mando de Barão de Mauá numa única rua em homenagem a sua esposa pelo dia de seu aniversário. Muitos fatos antecedem aos fatos mais importantes a meu ver, da invenção da iluminação artificial e a primeira lâmpada, mas em 1845 Joseph Swan entra nesta história como um estudante de 17 anos na plateia de uma conferência onde Willian Staite como grande inventor antes dele apresentou sua invenção, uma lâmpada de filamento metálico, causando um enorme interesse em desenvolver suas experiências com a proposta de melhorar a invenção, Swan conseguiu criar filamentos muito finos de carbono e flexíveis, para isso ele utilizou tiras e serpentinas de papel impregnados em alcatrão e melaço, tudo colocado numa massa de pó de carvão e aquecido num cadinho de argila refractária, e aperfeiçoando esta técnica alguns anos depois ele já conseguirá espirais muito mais resistentes. Dando continuação em suas experiências ele utiliza garrafas para bloquear a entrada de ar e uma bateria como energia, onde encontrou sua grande barreira, na época não existia uma forma de energia barata. Nas épocas posteriores houve o desenvolvimento dessas baterias que possibilitaram a utilização de até dez lâmpadas ao mesmo tempo, porém ainda muito longe da grande inversão que aconteceu depois da utilização de uma bomba pneumática ele conseguirá retirar todo o ar de dentro do bulbo realizando a apresentação de sua grande invenção em 18 de dezembro de 1878. Porém Swan não registrou sua patente não achando necessário, e foi ultrapassado por Thomas Edison que con-

seguira uma patente americana de um ano para desenvolver e aprimorar esta grande invenção em 10 de novembro de 1879. Desde então com a produção de energia elétrica e a invenção da primeira lâmpada incandescente a indústria teve uma aceleração no design de luminárias, sendo as primeiras produções no estilo de candeeiros extremamente sofisticados como os criadores Jean Perzel (1860-1945) e René Lalique (1860-1945) com bronze e o alabastro para clientes de elite.

Primeira lâmpada de Joseph Swan 1878

Primeira lâmpada de Thomas Edison 84


A partir da produção das primeiras luminárias houve um aumento da criação de muitas outras, porém com maior quantidade somente no século XlX depois da era da industrialização.

E N T R E V I S T A

A R T I U M

Anúnios da GE

85


E N T R E V I S T A

A R T I U M

Anúnios da GE

86


E N T R E V I S T A

A R T I U M

Anúnios da GE

87


E N T R E V I S T A

Fonte: Tese doutorado de Farlley Derze “Cidade a noite: iluminação artificial e modernidade”

A R T I U M

em muito seu modo de vida, daí em diante ele começa a utilizar o fogo (luz) para outros objetivos como definir quem era o chefe por ser o portador e protetor do fogo (divisão de poder), se defender de animais selvagens (proteção), preparo de alimentos (cozinhar).

A luz é reconhecida como o primeiro elemento modificador da arquitetura, eu digo que a luz é o primeiro elemento modificador de comportamento.

Já na arquitetura este elemento como modificador de comportamento teve seu início nas ruas com a iluminação pública das ruas mais importantes, depois a expansão delas com a colocação da luz nas casas das pessoas mais importantes

Desde a criação do primeiro sinal de luz artificial que foi o fogo na era paleolítica isso já em torno de 5000.000 anos a.C. o homem criou o fogo para poder se movimentar de um lugar ao outro, isso já modificou

88


da sociedade, aqui percebemos a luz como divisor de classes sociais, depois com o desenvolvimento e a utilização de outros materiais além do óleo de baleia, do gás, houve a invenção da iluminação elétrica facilitando a extensão e o uso deste elemento na arquitetura.

mento de produção e consequentemente de funcionários mais qualificados para o manuseio destes. Também com a luz houve uma modificação no comportamento social das cidades. Agora as reuniões de amigos e familiares podiam se estender após o período da tarde até a noite, o tempo que fosse necessário.

Porém a utilização da luz na arquitetura como verdadeiro modificador de comportamento é possível somente pelo uso da iluminação artificial e a iluminação natural associadas, porém a utilização da natural é mais difícil de ser utilizada, pois não há um controle de intensidade desta luz, e seu uso deve ser controlado pelo uso de aberturas em determinados ambientes, já a luz artificial nós podemos controlar além de, em quais ambientes queremos iluminar a maneira de como vamos iluminar, e também o que vamos iluminar nestes ambientes. Eu vejo este aspecto como algo muito importante em se pensar afinal não devemos substituir uma pela outra e sim completar a iluminação natural com a artificial, pois a luz interfere diretamente em nosso comportamento no que chamamos de ciclo circadiano, o nosso acordar e nosso deitar, assim a luz artificial veio facilitar o uso da iluminação na nossa vida e ampliando os encontros sociais. E é neste ponto que vemos a importância de se fazer o uso deste elemento da arquitetura e da modernidade corretamente e com responsabilidade.

Em entrevista com o historiador e pesquisador doutor em História da Iluminação pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília o Dr. Farlley Derze percebemos a importância dentro da história do comportamento da sociedade e a utilização deste elemento:

E N T R E V I S T A

Rúbia: Depois de tantos anos pesquisando e estudando a história da iluminação, em sua análise qual acontecimento foi o mais importante para o que nós vivemos hoje e por quê? Farlley: O acontecimento mais importante foi quando o homem aprendeu a produzir o fogo, na era paleolítica. Em minha tese sobre a evolução tecnológica da luz artificial eu defendo que o fogo foi a primeira modernidade e sabemos que até hoje o utilizamos. O fogo foi importante porque deu ao homem a possibilidade de acreditar que era possível ter luz à noite. A luz das chamas tinha pelo menos três funções: iluminar, aquecer o ambiente e proteger o homem contra animais ferozes.

A luz como elemento da modernidade: A luz e a energia elétrica igualmente foram elementos muito importantes para o desenvolvimento industrial, com a energia houve a utilização de muitas invenções do século passado até o atual, e a utilização da luz artificial foi um elemento muito utilizado para a ampliação do uso destas invenções industriais durante um período mais longo, durante o período noturno, acrescentando nas indústrias um au-

Rúbia: Você acredita que o desenvolvimento do uso da iluminação artificial foi rápido no Brasil, com qual país você compararia esse desenvolvimento e por quê? Farlley: Sim, pois o Barão de Mauá trouxe a iluminação a gás no mesmo século (XIX) em que a Europa e os Estados Unidos adotavam esta tecnologia. Ter luz à noite era sinônimo de prolongar as atividades sociais, tanto aquelas relacionadas ao lazer (teatro, dança,

89

A R T I U M


E N T R E V I S T A

cabarés) como as atividades nos comércios e nas fábricas que podiam aumentar se manter por mais horas em funcionamento porque havia luz a gás. Entretanto, às 22h a luz era desligada.

via, eu penso que os países que possuem suas noites iluminadas podiam repensar a iluminação urbana. Em Barcelona, muitas fachadas são apagadas a partir das 23h. Eu gosto dessa ideia de deixar as metrópoles respirarem um pouco de “noturnidade” a partir de determinado horário... deixar as estrelas à mostra, por exemplo entre 2h e 6h da manhã. Nesse período de tempo o número de pessoas na rua não justifica deixar a cidade acesa como se todo mundo estivesse ali nas ruas. Teríamos um lucro estético, além do econômico.

Rúbia: Quais as maiores vantagens do desenvolvimento da iluminação artificial para as pessoas no decorrer da história em sua opinião? Farlley: A maior vantagem foi a troca de ideias em um horário diferente, nos cafés, nas praças, na ruas, nos restaurantes, ou seja, uma efervescência cultural à noite já que à luz do dia as pessoas trabalhavam. E quanto mais áreas iluminadas à noite, mais gente circulava e mais trocas de experiências aconteciam. Em minha tese eu defendo que a luz artificial nas ruas à noite criou a primeira rede social. A consequência disso foi a proliferação de ideias que culminaram com o surgimento da arte moderna e da arquitetura moderna. Eu defendo que o mundo moderno nasceu à noite.

A luz pode ainda tornar uma obra de arte mais expressiva, tornar uma arquitetura mais bela e vista durante a noite em muitos aspectos a luz contribui para a beleza e para a modificação de todo o comportamento e vida da sociedade. A luz também é utilizada como elemento de tratamento de doenças em hospitais e clínicas. Utiliza a luz tanto natural como artificial com responsabilidade!

Rúbia: Você como apaixonado pela noite e a luz da lua, voltaria para a Antiguidade onde não existia iluminação artificial nenhuma e por quê?

A R T I U M

A luz sempre será nosso foco para a modificação do comportamento!

Farlley: Essa experiência de uma noite escura com a lua no céu pode ser vivenciada na roça, no sertão, nas montanhas da Mongólia, no interior da Grécia e da Turquia, ou seja, um terço do planeta não possui luz elétrica à noite. Consequentemente, isso proporciona um outro ritmo de vida, bem diferente de Las Vegas ou Paris. Eu não voltaria para a Antiguidade. O mundo, desde as civilizações na Suméria, Mesopotâmia, Egito tinha um ritmo voltado para o trabalho durante o dia e descanso durante à noite. A luz artificial trouxe o elemento do lazer para a vida das pessoas. Quando quero uma experiência com a noite escura, eu vou para uma fazenda. Toda-

Iluminação natural fachada norte no inverno Projeto: RUA arquitetura e iluminação

90


E N T R E V I S T A

Rúbia Fernanda Barbosa Arquiteta, Urbanista e Iluminadora (45) 9957-5524 (45) 3575-2515 Fotos:Arquivo pessoal

Iluminação natural fachada norte no inverno. Projeto: RUA arquitetura e iluminação

Iluminação artificial Imagem: Flávio Bueno Projeto: RUA arquitetura e iluminação 91

A R T I U M


E N T R E V I S T A

Iluminação natural, Imagem: Flávio Bueno Projeto: RUA arquitetura e iluminação

A R T I U M

Iluminação natural, sol da manhã, fachada leste.

92


E N T R E V I S T A

A R T I U M 93


E N T R E V I S T A

A R T I U M

ENXOVAL DE BEBÊS NOS EUA PRISCILA GOLDENBERG PERSONAL SHOPPER Mihail Dudcoschi: Como começou sua empresa?

em seguida consegui o primeiro cliente, e daí em diante começaram as indicações de boca em boca o trabalho foi crescendo. Um ano depois, eu não dava conta de atender sozinha e convidei pessoas para trabalhar comigo. A equipe foi crescendo em Miami, depois surgiu a oportunidade de abrir em Orlando, Nova York, Los Angeles e fui para Paris, tudo por conta da demanda dos clientes que entram em contato comigo pedindo ajuda. Fui a pioneira deste segmento aqui nos Estados Unidos para os brasileiros, e graças a Deus hoje temos o nosso trabalho reconhecido. Já atendemos mais de 2.500 famílias do Brasil todo, e também brasileiras que moram em outros países, como Dubai, China, Portugal, Bolívia, México entre outros. Fui também a pioneira em escrever o primeiro livro com o tema O Guia de Enxoval do Bebê nos EUA – Dicas e Segredos da Maior Especialista em compras em Miami, Orlando e Nova York publicado em 2014.

Priscila Goldenberg: Nos primeiros mêses de gravidez meu marido e eu fomos para Miami fazer o enxoval do nosso bebê, compramos só o que precisaríamos até os primeiros mêses, pois logo iríamos mudar para os EUA, então não fazia sentido comprar todo enxoval, levar para o Brasil e trazer de volta. Quando mudamos, comecei a pensar em alguma coisa que eu tivesse flexibilidade de horários já que meu filho tinha apenas três mêses, nesse período, eu passeava bastante nas lojas de bebês para ver as novidades, e foi nessas andanças, que encontrei brasileiros perdidos nas lojas com um monte de listas nas mãos. Sempre fui muito observadora e comunicativa, me aproximei do casal e falei, olha sou mãe brasileira e estou morando aqui já a um tempo, vocês estão precisando de alguma coisa, posso ajudá-los? E fiquei ajudando e, terminadas as compras fui para casa super feliz, duas ou três semanas depois a mesma cena se repetiu, aí na segunda vez que ajudei, me deu aquele estalo, sabe ta aí, eu já encontrei dois brasileiros perdidos nas lojas não sabendo comprar, pode ser que tenha mais brasileiros na mesma situação, porque não abrir uma empresa de consultoria? Tomamos todas as providências necessárias: fizemos um site, divulguei aos amigos em SP e

Mihail Dudcoschi: Como foi ser empresária e mãe de um bebê de seis mêses ao mesmo tempo? Priscila Goldenberg: Foi bem interessante e requer atenção, porque você tem que dividir seu lado empresarial com o bebê. Graças a Deus meu filho foi sempre muito tranquilo, então, eu consegui fazer 94


essa tarefa muito bem, e como o trabalho me dá uma flexibilidade de horários, foi tranquilo ajustar o tempo que envolve reuniões com os clientes antecipadamente, e depois sair pessoalmente para fazer as compras. Nos momentos que precisei trabalhar, eu tinha uma pessoa para me ajudar a cuidar do meu filho. Faço as compras em cinco horas, fico só meio período fora de casa, no restante do dia dedico a maternidade que hoje tenho dois filhos lindos que já estão com 8 e 5 anos.

trabalhar comigo, existem duas premissas: ser brasileira e principalmente ser mãe. Como 100% da minha empresa é composta por mães, temos uma agenda totalmente flexibilizada de horários, as “meninas” que trabalham comigo buscam isto, um trabalho gratificante e com uma agenda flexível. Um dado interessante, elas são exclusivas personal shopper. Eu dou todo suporte, treinamento, vou nas lojas, forneço material de trabalho e falamos constantemente sobre os acontecimentos, lançamentos de produtos, promoções, etc. Constantemente empresas de produtos para bebê nos convidam para fazermos treinamentos e mostram as novidades a nossa equipe, desta forma estamos sempre atualizadas e com conhecimento das características de cada produto, além da oportunidade de testar o funcionamento dos mesmos.

Mihail Dudcoschi: Hoje quantas pessoas tem sua equipe? Priscila Goldenberg: Hoje somos em onze consultoras. Mihail Dudcoschi: São funcionarias ou parceiras de trabalho?

E N T R E V I S T A

Priscila Goldenberg: São parceiras que trabalham para minha empresa, e para

A R T I U M 95


E N T R E V I S T A

Mihail Dudcoschi: Você tem algum tipo de concorrência?

A R T I U M

meçando a ficar mais animadas, pois ainda vale muito a pena comprar o enxoval do bebê nos Estados Unidos.

Priscila Goldenberg: Fui a pioneira, e todos que surgiram depois acabaram de alguma forma copiando meu trabalho, a concorrência é boa para qualquer negócio, tenho que ficar antenada e cuidar para sempre oferecer um ótimo serviço. Apesar da concorrência, ela pouco afeta a demanda para minha consultoria. Este ano, tivemos três fatores que mais afetaram negativamente a viagem de gestantes aos Estados Unidos: primeiro fator a crise econômica e política no Brasil, segundo fator a zika vírus, que assustou muito as pessoas que tinham plano de engravidar e deixaram para 2017 e finalmente as Olimpíadas que afetaram os preços das passagens aéreas. Apesar de todos estes fatores, minha equipe e eu tivemos muito trabalho e ainda estamos com agenda cheia até o final do ano. O mercado está mais aquecido e as pessoas estão co-

Mihail Dudcoschi: Quais as três habilidades necessárias para ser um empresário bem sucedido? Primeiro tem que acreditar no teu negócio independente do seguimento, e fazer com amor e profissionalismo, segundo, minha empresa tem esse sucesso hoje por que tenho uma equipe maravilhosa de mães, profissionais e esposas e que abriram mão de suas carreiras seja no Brasil (as que foram transferidas para o exterior devido ao trabalho do marido) ou mesmo quem já morava aqui nos EUA para dedicarem a maternidade e encontraram na minha empresa uma outra realização profissional, pessoal e prazer enorme em trabalhar com este mundo infantil e formamos um time espetacular. Não cresci sozinha, fui 96


crescendo com elas e acho que isso é muito importante, e terceiro, procuro sempre manter meu trabalho com qualidade e estou sempre atenta a novidades neste mundo de bebê, as gestantes que me seguem nas mídias sociais querem saber o que tem de novo no mercado. Agora em outubro passado, acabei de participar da maior feira para este mundo do enxoval de bebê em Las Vegas a ABCKids Expo, com mais de mil expositores. Haja novidade para conhecer (risos).

formação de vida não foi só profissional, comecei muito jovem como recepcionista e saí dela como gerente comercial, fui crescendo aos poucos, conhecendo as pessoas conquistando meu espaço e consegui chegar num cargo bacana e respeitado dentro da empresa, e tenho muito orgulho disso, e é com essa experiência que trabalho hoje, dando um passo a cada vez, com tranquilidade e sempre foco no cliente. Mihail Dudcoschi: Quais foram as falhas que teve em seu trabalho, e o que você aprendeu com elas?

Mihail Dudcoschi: Experiência pessoal que ajudou em seu negócio?

E N T R E V I S T A

Priscila Goldenberg: Primeiro, eu tenho uma ferramenta bacana aqui no trabalho que ajuda bastante, dou treinamento, conheço meu trabalho mas não necessariamente eu sei tudo, sempre faço uma pesquisa de satisfação com os clientes após um mês, fico sabendo o que eles acharam do trabalho, seja atendido por mim ou pelas “me-

Priscila Goldenberg: Acho que a experiência como mãe ajudou muito, foi o primeiro passo para que o trabalho crescesse, e ver o quanto este mundo materno oferece produtos e apetrechos para nossos filhos, a experiência que tive na empresa que trabalhei por dezessete anos foi uma

A R T I U M 97


E N T R E V I S T A

Gugu entrevista Priscila Goldenberg em 2011 na rede Record.

A R T I U M 98


ninas”, por mais que eu treine eu não estou ao lado delas para saber como o trabalho está sendo conduzido. Todas da equipe sabem muito bem da importância em atender bem o cliente, ajudar sempre que possível além do esperado. É importante para o nosso trabalho buscarmos aprimorar a cada dia o atendimento, meus clientes vêm de todo o Mundo, e com o tempo aprendi a lidar com as culturas, estilos e necessidades diferentes.

E N T R E V I S T A

Mihail Dudcoschi: Como você faz o marketing de seu negocio? Priscila Goldenberg: Temos as páginas sociais como facebook com mais de 115.000 seguidores (ah não são seguidores comprados!) e no instagram que foi uma ferramenta que entrou depois estamos com quase 12.000 seguidores e todos os dias eu alimento essas páginas com novidades e um pouco do nosso dia a dia com as clientes. Por ter sido a pioneira partici-

Isabella Fiorentino e Priscila Goldenberg.

pei de muitas matérias e reportagens, fiz um programa especial de dia das mães com o Gugu em 2011 na rede Record, além de muitas entrevistas para revistas, para jornais e vários programas de televisão, então quando as pessoas buscam pelo meu nome na internet, “enxoval de bebês” nos Estados Unidos aparece muito forte. Mihail Dudcoschi: Qual a melhor parte de ser uma empreendedora? Priscila Goldenberg: O crescimento profissional e pessoal é importante, me sinto feliz por auxiliar essas famílias que vem para cá, faço parte do momento especial da vida delas que é comprar o enxoval de seu bebê e eles voltam para casa realizados com Priscila Goldenberg e Daniela Albuquerque com a filha Alice.

99

A R T I U M


E N T R E V I S T A

MARIANA BELÉM E PRISCILA GOLDENBERG

A R T I U M

as compras. É muito gratificante, receber os depoimentos e fotos dizendo o quanto ficaram felizes com a consultoria superando as expectativas. É aí nesse momento a melhor parte de ser uma empreendedora.

Priscila Goldenberg: Sacrifício, talvez de não ficar com meus filhos 24 horas, deixei de estar com eles para fazer meu trabalho, as vezes tenho reuniões em horários que seriam para o lazer da família. Meu marido sai com os meninos para passear, mas eu não posso acompanhá-los e muitas vezes tenho que abrir mão de passearmos juntos.

Mihail Dudcoschi: Que sacrifícios você teve que fazer para ser uma empresária bem sucedida?

100


Mihail Dudcoschi: O que você pretende para sua empresa em um futuro próximo?

personalizado para cada cliente dentro do que ele espera, do estilo de vida e do orçamento, depois da reunião de planejamento, separamos as compras em dois momentos, o que é importante comprar pela internet que nós sabemos que é mais barato, ou porque tem maior variedade ou só vende online e não vai achar nas lojas, e o que ele comprar online. Pode mandar entregar no nosso escritório em Miami e Orlando, em algumas cidades em Nova York, nem sempre da para receber por causa da logística, então a compra vai para o hotel do cliente. Nos dias de compras na cidade (2 dias de 5 horas cada), encontramos o cliente no hotel e vamos juntos no nosso carro as lojas combinadas, em Nova York não tem carro, então nos encontramos direto nas lojas e em Los Angeles, a cidade é muito grande, a consultora pega com seu carro ou encontra na loja, enfim, discutimos isso antes na reunião de planejamento que é muito importante.

Priscila Goldenberg: Eu pretendo expandir, tem outros mercados não só o brasileiro que posso explorar, vejo isso aqui em Miami onde moro, já tenho projetos, estou visando outros mercados, para atender outras culturas. MIhail Dudcoschi: É você mesma que monta as listas de compras? Priscila Goldenberg: Como funciona meu trabalho: o cliente entra em contato através das páginas sociais, por e-mail ou por telefone. Após contratarem a consultoria, existe todo um processo. Enviamos as listas completas referente ao serviço contratado de tudo que o mercado americano tem e pode oferecer dentro da cultura brasileira, tenho uma lista com treze páginas de produtos, e é feito um trabalho

E N T R E V I S T A

A R T I U M 101


E N T R E V I S T A

Mihail Dudcoschi: Como são feitas as compras com casais que não querem saber o sexo antes do nascimento?

Mihail Dudcoschi: Compensa fazer as compras nos Estados Unidos? Priscila Goldenberg: Eu fiz a conta, mesmo que o dólar chegue a cinco reais ainda vale a pena comprar nos EUA, acima de R$5,00 começo avaliar, mas vou te dar um exemplo: um carrinho super conhecido no Brasil, aqui custa US$700, valor do dólar a três e trinta, que fica R$2.310,00, no Brasil o mesmo custa R$4mil, com esta diferença, paga uma passagem aérea, outro exemplo uma caixa de chupeta custa cinco dólares e no Brasil custa até quarenta reais a mesma chupeta, é muito grande a diferença de preços, bem como a quantidade, variedade e qualidade dos produtos. Poucos produtos, os preços são melhores e muito mais bonitos no Brasil do que nos Estados Uni-

Priscila Goldenberg: Tem alguns pais que não querem saber o sexo do bebê antes do nascimento, outros que estavam com a viagem programada e descobriram que estavam grávidas, mas durante a viagem ainda não sabiam o sexo, desta forma o melhor é optar por roupinhas com cores neutras, que são em menor quantidade, porque aqui nos Estados Unidos é bem definido mundo azul ou rosa, muito pouco branco ou creme e o amarelo e verde que são comuns no Brasil aqui não se encontra, mas na parte de produtos, carrinho e utensílios, podem ser praticamente quase tudo, mesmo não sabendo o sexo do bebê.

A R T I U M 102


E N T R E V I S T A

e quantidade. E para valer a viagem ao exterior os casais procuram comprar roupas e produtos que vão até um ano de idade.

dos como por exemplo itens de decoração e kit para berço do bebe (lençóis, fronha, colcha, saia do berço e laterais para o bebê não bater a cabeça). Estes podem ser customizados de acordo com o gosto dos futuros pais, diferente dos EUA que são peças prontas. Tudo isto, orientamos nas reuniões e faz parte do nosso serviço mostrar ao cliente o que não vale a pena ser comprado nos EUA.

Mihail Dudcoschi: Você ajuda com dicas de hotéis restaurantes e passagens aéreas? Priscila Goldenberg: Não, porque foge completamente dos nossos serviços, mas temos parceiros que indicamos aos clientes que precisam. Outra dúvida comum é se eu envio as compras para o Brasil. Eu não faço esse trabalho, minha consultoria é dedicada 100% aos clientes que viajam aos EUA para realizar as compras do enxoval e são responsáveis por voltarem ao Brasil com tudo o que foi comprado.

Mihail Dudcoschi: Sobre as medidas ou tamanhos no Brasil X Estados Unidos? Priscila Goldenberg: Nos Estados Unidos a numeração é diferente, aqui não usam centímetros nem quilos, usam libras e polegadas, quando fazemos a lista de produtos fazemos a conversão, analisamos a estação que o bebê vai nascer, modalidade

Fotos: Arquivo pessoal.

103

A R T I U M


A R T I U M

Foto: Wel Calandria.

E N T R E V I S T A

104


GILBERTO BARROS Tem muita gente que só conheceu o Leão quando o programa “Leão Livre” foi ao ar na Rede Record. O que na realidade poucos sabem é que o Gilberto também tem uma longa escola na televisão brasileira. Gilberto Barros iniciou sua carreira como Jornalista na Rede Globo de Bauru e foi apresentador de vários programas regionais na área de telejornalismo, durante dez anos.

E N T R E V I S T A

Em 1999, Gilberto Barros substituiu o apresentador Ratinho no polêmico programa “Leão Livre”, que causou repercussão na mídia por mostrar quadros fortes, a realidade nua e crua do sofrido povo brasileiro. Este programa aproximou Gilberto Barros mais ainda do povo. Apesar de forte, o programa foi o desafio e a prova da capacidade de Gilberto de segurar por mais de duas horas um programa diário, fixando definitivamente a imagem de Gilberto Barros como um dos grandes apresentadores da televisão brasileira.

Antes mesmo de comandar o programa “Leão Livre” que o projetou nacionalmente, Gilberto apresentou outros dois desafios diários na Tv Record: o programa “Disque Record” - programa jornalístico que entrava no ar próximo do horário do almoço onde Gilberto lidava com os problemas diários da população de São Paulo e região e o “Cidade Alerta”, na mesma linha de telejornalismo com início no final da tarde.

O programa “Quarta Total” trouxe grandes novidades para os telespectadores por ser o primeiro com gincanas. O perfil do show atingiu telespectadores de todas as idades e principalmente os jovens e as crianças (os sukatinhas, como se refere carinhosamente às crianças). Daí por diante, 105

A R T I U M


E N T R E V I S T A

esta modalidade de programa virou mania entre as emissoras, e as gincanas voltaram com tudo. Gilberto marcou as noites de quartas-feiras da Rede Record e se tornou uma boa opção para os não amantes do futebol.

formato merecia uma nova versão nas tardes de domingo. Foi apenas um pequeno passo para Gilberto Barros estar à frente do “Domingo Show”, também um programa de gincanas. Em julho de 2002, encerrou-se o contrato com a Rede Record. Logo após, Gilberto Barros foi convidado para fazer

Com o sucesso do programa as quartas, a direção da Rede Record achou que o

Foto: Wel Calandria.

A R T I U M 106


Foto: Wel Calandria.

E N T R E V I S T A

107

A R T I U M


E N T R E V I S T A

parte da rede Bandeirantes de Televisão, onde apresentou o grande sucesso das tardes de sábado, o “Sabadaço”. Devido a grande repercussão, em maio de 2003 o apresentador ganhou outro programa, o “Boa Noite Brasil”, que ia ao ar de segunda à sexta-feira. Em 2007 também na Band, apresentou o game “A Grande Chance”. Durante esse tempo, ainda lançou 5 CDs – entre eles um voltado para crianças – e o livro “Você já abraçou seu filho hoje?”, um compilado de histórias que ouviu durante seus anos na rádio. Ficou fora do país por quase 3 anos. Em junho de 2012 estreou na RedeTV! o “Sábado Total”, um programa ao vivo que recebia os convidados para uma grande feijoada com muita música e matérias externas feitas pelo próprio apresentador. Em um estúdio de mil metros quadrados e 300 pessoas no auditório, o programa teve grande repercussão, sendo gravado no maior estúdio da América Latina e tendo seu término em abril de 2015.

A WEB TV DO GILBERTO BARROS A R T I U M

TV Leão - A internet nunca mais será a mesma! O apresentador Gilberto Barros traz uma inovação surpreendente para o mundo da internet. A TV Leão estréia trazendo uma nova cara para a web! Com os avanços da internet e a participação cada vez maior das pessoas neste universo, foi possível viFoto: Wel Calandria. 108


sualizar o futuro já presente. A reestruturação da comunicação dentro e fora internet trouxe consigo novos hábitos e necessidades. Cada vez mais assistimos a substituição do telefone, rádio, computador, cinema, televisão, entre tantos outros, e vemos a adesão crescente dos aparelhos Smart. Todos estes instrumentos de comunicação são integrados em um só aparelho, com forma e tamanho necessários para o nosso cotidiano. É neste novo mundo que a TV Leão chega, e deixa sua marca na vida dos internautas e telespectadores. Um único acesso, utilizando todos os meios sociais e smarts, com dezenas de canais, assuntos variados, todos à sua escolha.

E N T R E V I S T A

Estava a nossa volta, na nossa frente, e o Leão viu!!! Uma nova forma de levar notícias, divulgar informações e oferecer entretenimento para a sua casa e toda sua família. São 24 horas de programação com conteúdos variados, informação, dicas, prestação de serviços e muito mais. O Leão convida você para participar desta nova experiência: TV Web - Full Time - All Inclusive… Você não pode ficar fora dessa!

TV Leão, a nova cara da web!!!

A R T I U M 109


E N T R E V I S T A

ENTREVISTA Mihail Dudcoschi: Como surgiu a ideia da TV Leão? Gilberto Barros: Eu durmo em média 4 horas e por isso passo muito tempo acordado, lendo e na frente do computador. Notei que toda vez que precisava pesquisar um assunto eu tinha que entrar ver um vídeo, sair, ver outro e isso me aborrecia. Numa bela madrugada eu pensei que poderia ter vários assuntos num mesmo endereço. Passei a pensar na ideia de ter uma tela com vários canais e com minha equipe, depois de algum tempo, fiz a TV Leão. As pessoas me perguntam se eu tenho um canal na web. NÃO. Eu tenho uma emissora na WEB. A TV Leão não é um canal do Gilberto Barros. É uma emissora na internet com conteúdos de todos os gêneros com o Gilberto Barros ou sem mim. Mihail Dudcoschi: Em termos de preços para patrocinadores são mais baratos? Gilberto Barros: Sim, por enquanto são mais baratos. Ainda é um mercado novo, muitas coisas ainda não tem seu valor comercial adequado. Acredito que seja questão de tempo. Este caminho é um caminho sem volta. Mihail Dudcoschi: Com a internet as pessoas tem como escolher e fazer sua própria programação?

A R T I U M

Gilberto Barros: Com certeza. Para isso fiz a TV Leão. Nela você pode escolher o assunto, interagir e acessar onde estiver. A TV Leão estará sempre do seu lado no seu smart fone, no seu tablet, no seu note, no seu PC, no seu carro, na sua smart tv, onde estiver mesmo. A TV Leão, pioneira e inovadora, arrancou o aparelho de TV da parede, imóvel e deu a ele total mobilidade. Só foi possível graças à internet. Mihail Dudcoschi: Quais as redes sociais que você mais utiliza? 110


Gilberto Barros: Todas as possíveis e de preferência da maioria. Concomitantemente. Mihail Dudcoschi: Podemos esperar filiadas ou franquias da TV LEÃO? Gilberto Barros: NÃO PENSO NISSO. É um começo bem começo. Estou, como sempre, aprendendo. Vibrando como todo bom início. Mihail Dudcoschi: Sobre a velocidade de informação a televisão aberta ou fechada está em desvantagem? Gilberto Barros: Depende dela, da TV, aberta ou fechada, querer essa referência e usá-la. Eu aconselho usar.

E N T R E V I S T A

Mihail Dudcoschi: Vejo sempre a televisão aberta criticando a internet mas vários programas são baseados em assuntos que tem na internet? Gilberto Barros: Crítica alguma cabe nesse momento. É impactante sim, como toda coisa nova. Mas se prestar atenção, aí está uma mega ajuda para tornar mais ágil e mais baratas, bem mais, as produções e conteúdos das grandes redes. Mas conteúdos NACIONAIS feitos por gente nossa, maravilhosa na arte de criar e realizar. Temos os melhores profissionais do mundo. É só deixarem fazer e não buscar de fora gente que não tem envolvimento e comprometimento com a nossa cultura. Mihail Dudcoschi: Internet e marketing qual a vantagem sobre a publicidade tradicional? Gilberto Barros: A internet engloba TODAS e muito bem. No grafismo, impresso, audio e vídeo, a grande rede tira 10. Velocidade, QUALIDADE, pontualidade, circulação, revisão, breefing, finalização. Uma explosão de infinitas possibilidades. Viu como estou empolgado? Kkkk. Mihail Dudcoschi: Desvantagens do marketing na internet? Gilberto Barros: NÃO TEM! Apenas esperar o tempo, que já começou, para fazer da internet a MÃE de todas as mídias e de todos os mídias. Profecia. Foto: Wel Calandria. 111

A R T I U M


E N T R E V I S T A

Arquivo

mostra o poder da uniã

Legião U Conheçam

A R T I U M

seja por falta de interesse ou brigas entre as partes que administram o espólio. Com isso, muitos fãs da banda fizeram o que é uma prática comum entre os fãs de grandes bandas como Beatles, Nirvana, entre outras: Sair a caça de material raro.

o que é esse projeto, feito apenas por fãs apaixonados pela banda, sem fins lucrativos.

Nos tempos da extinta rede social Orkut, comunidades eram criadas com a tentativa de compartilhar esse tipo de material, geralmente gravado por fãs em shows da banda ou matérias de TVs antigas etc. Foi partindo desse princípio que Michel Bermudes levou essa ideia para outras redes sociais. “A ideia de criar uma página dedicada a Legião Urbana e ao Renato, surgiu da necessidade de dividir com outros fãs, áudios fotos e vídeos pouco acessíveis da banda.

Os fãs da banda Legião Urbana sempre foram carentes de material inédito, 112


o Legião

ão dos vedadeiros fãs da

Urbana.

E N T R E V I S T A

O Arquivo Legião nasceu primeiramente no Instagram seguido do Facebook, You tube, Twitter, Tumblr e Flickr... O nome ”Arquivo” justamente sugere a ideia inicial da página de trazer materiais raros e pouco acessíveis” - Michel Bermudes Foi assim, que há poucos anos entrava no ar, uma das ideias mais interessantes relativa a banda mais amada do Brasil. A página no Facebook já conta com mais de 32 mil curtidas (até o fechamento dessa matéria) e é seguida além de, por fãs ardorosos que amam materiais raros, como também por músicos e personalidades que fizeram parte da história da banda ou não. Michel Bermudes - Idealizador do “Arquivo Legião”. Foto: Arquivo pessoal

113

Focando especificamente na página

A R T I U M


E N T R E V I S T A

do Facebook ela é composta por 4 amigos Michel G. Bermudes que é o dono e idealizador, mora em Votuporanga, São Paulo Felipe Feitosa, que mora em Belém do Pará, Jorge Brando que mora em São Paulo e por mim, Ana Paula Ulrich, que moro no Rio de Janeiro.

sa, agora mais recentemente entrou o Jorge Brando... Você eu já conhecia, a paixão de lapela, banda da época das comunidades do Orkute, das postagens curiosas relacionadas a Legião que trazia no Facebook também. O Felipe recebeu o convite depois que ficamos amigos no Facebook e integrávamos o mesmo grupo do Whats da Legião destinado a colecionadores, a entrada dele se deu pelo fato dele ser bem interessado em shows e áudios raros.

A ideia que a princípio parece simples na realidade é bem mais complicada do que parece, pois necessita muita dedicação, e juntar partes de um verdadeiro quebra-cabeças, em poder contar com ajuda de muita gente, só realmente os também apaixonados pela banda.

O Jorge e eu já éramos amigos há tempo, trocávamos muitos materiais impressos e áudios, e sua entrada na página se deu pelo fato da questão de ser um mega colecionador de materiais físicos da banda e seu acervo talvez seja o maior do Brasil.

Agora nesse mês de outubro completaram-se 20 anos sem o Renato Russo, e eu resolvi bater um papo com meus colegas e mostrar um pouco de como funciona esse trabalho incansável e sem nenhum fim lucrativo, apenas amor e dedicação a Legião e ao Renato Russo.

Ana: O que você tem na sua coleção da Legião Urbana? Michel: Na minha coleção pessoal tenho muito material que coleciono desde os anos 90. Inclui: revistas, posters, jornais, releases, Cds, LPs, Promocionais, k7s (Shows, Demos, Ensaios, Estúdio) VHS, centenas de fotos de shows (Boa parte inéditas).

Vamos agora descobrir os bastidores do projeto Arquivo Legião. Ana: Michel, você já declarou como foi a ideia de montar o Arquivo Legião em diversas redes sociais, houve algum tipo de ajuda no início?

A R T I U M

Ana: Qual foi o fato mais curioso que já aconteceu em todo esse tempo?

Michel: Não, não houve bem um tipo de ajuda no começo... A ideia já era antiga, desde os tempos das comunidades do Orkut eu vinha com essa ideia de criar uma página que fosse diferente das outras, e no início do Arquivo criei tudo sozinho.

Michel: O fato mais curioso foi quando encontrei dois trechos da então misteriosa fita inédita do Renato com o amigo André Pretorius. Até então o que se ouviu falar da fita era apenas lenda, ninguém tinha esses áudios, então começamos ali a buscar a fonte dos áudios. Tempos depois o fato mais curioso se tornou o mais gratificante também pelo fato da Virgínia Hines (Ginny) ter nos escolhido para a divulgação da famosa fita da parceria entre

Ana: Quando foi que você decidiu chamar mais pessoas para ajudar nesse projeto e como se deu essas escolhas? Michel: Depois que criei a página do Facebook, passado uns seis meses, fiz o convite a você e tempos depois ao Felipe Feito-

114


E N T R E V I S T A

o Renato Russo e o André Pretorius feita no início dos anos 80 e enviada a Ginny pelo então namorado André na época para matar a saudade. O fato que quando saiu a notícia que a fita viria ao público devido a uma cópia emprestada e nunca devolvida e em formato de cd queria lucrar muito em cima disso ela decidiu nos enviar a sua cópia original de presente, e fez o pedido que a divulgássemos, da mesma forma que o Renato e o André ficassem felizes... E cumprimos nossa parte, colocamos o audio disponível ao público na página do Facebook e no nosso canal do YouTube. Os fãs finalmente puderam ouvir essa gravação histórica e fantástica. Ps* Além da fita agradecemos a Virgínia pelas histórias que nos confiou, pelo livro preferido do Renato, e entre outras coisas a amizade que ficou. FelipeFeitosa-Jornalista Foto: Arquivo pessoal

Ana: Na sua opinião, qual a maior raridade da Legião ou do Renato ainda desconhecida?

Outro colaborador assíduo e entusiasta é o jornalista Felipe Feitosa, que se especializou em shows chegando a catalogar até mesmo shows desconhecidos do grande público e até mesmo de pessoas ligadas a Legião. E também tem muitas coisas interessantes a nos revelar.

Michel: É difícil falar sobre o material mais raro que existe por aí, ou como remanescente, sou como colecionadores, ou na gravadora... Mas talvez a gravação de Rapazes Católicos que nem os ex-integrantes possuem. A fita” Cocaine Days” que o Renato gravou após o episódio do Mané Garrincha em 1988 (Dado e amigos próximos tem a cópia), Fitas solos do Renato com versões acústicas e outras inéditas. Ps* Fazendo uma consideração em nome do “Arquivo Legião” eu só tenho a agradecer, por todos que de certa forma vem ajudando nesse projeto que criei como um sonho antigo que era justamente de trazer aos fãs materiais pouco acessíveis da Legião / Renato... A agradecer pelos meus amigos e parceiros de página, por também acreditar nesse meu sonho e me ajudar nessa incansável busca pelo inédito da Legião. “Vocês são Joias”.

Ana: Felipe, como se deu sua entrada nesse projeto Arquivo Legião? Felipe: Há cerca de dois anos. Eu conhecia o Michel já há algum tempo e, depois de ter saído de uma outra página que eu atuava como editor, recebi o convite para integrar o Arquivo. Ana: Qual das coisas (materiais) em todo esse tempo que mais chamou a sua atenção e o que mais deu trabalho? Felipe: Bom, tudo dá trabalho. Teve a fita do Pretorious como Renato que gerou dores de cabeça, porém foi uma grande con115

A R T I U M


E N T R E V I S T A

quista. Esse eu diria que foi o que mais deu trabalho e o que mais me chamou a atenção. Teve também uma apresentação do Aborto Elétrico, que postamos; teve o show de Campinas de 1990 que também foi uma “saga”. E, claro, áudios inéditos (como uma versão alternativa de Ainda é Cedo), que encontramos (por um mero acaso, que me chamou muito a atenção, pessoalmente é o áudio que eu mais gosto da Legião). E tiveram umas fotos do obscuro e raro show em Manaus de 1990, onde aparece o Renato só de cueca! No palco! Tive um choque quando vi aquilo. Ser caçador de materiais da Legião tem seu lado recompensador (e engraçado).

sair a apresentação da banda no Metropolitan nem DVD (nada compacto, mas as duas noites). A caixa material também é obrigação deles (essa deveria ser só como uttakes de estúdio). E também defendo um box, comum show de cada momento da Legião (para percebermos o quê mudou neste período de 83-95).

Ana: Vocês contam com ajuda de alguma das partes ligadas ao espólio da banda?

Felipe: Depende de quem olha para o nosso trabalho: há ataques gratuitos, por pessoas sem a menor noção do que foi a banda e, ou por pessoas que são apenas interesseiras (me polindo para falar). Mas quem gosta, nos elogia e agradece. Trabalhamos para essas pessoas. Para quem não gosta da gente, um recado: faça melhor! Em vez de ficar fazendo página falsa por aí. Se não existíssemos, teria muitas páginas em menor conteúdo.

Ana: O trabalho de vocês inspiram outras páginas mas também gera os que não gostam de ver um projeto desse, sem fins lucrativos, feita por gente jovem ter tanta visibilidade, como vocês lidam com isso?

Felipe: Nenhuma. Elas nos odeiam, por que fazemos o que justamente eles não fazem: compartilhar o que tem pós da Legião com o público. As partes são interessadas apenas no poder lucrativo das coisas, além das picuinhas pessoais (que não é mérito nosso discutir). Mas nunca recebemos nada da parte do herdeiro; Do Bonfá também não recebemos nada. A única coisa que recebemos, em todos estes anos, foi uma foto da apresentação da Legião no Metropolitan (1994), vinda da mulher do Dado. E só. Se os caras compartilhassem só o acervo deles em K7 e fotos, nem precisaria existir o Arquivo. Somos o que eles não são.

A R T I U M

Ana: Qual projeto que você acha que as partes deveriam lançar? Felipe: Tudo que tiver da Legião (aquela com Renato, Bonfá e Dado) será bem visto. O povo gosta de raridades. Este último CD é uma merda, porque veio com oito faixas que eram conhecidas do público. Oito! E existe muita coisa alternativa deste primeiro disco. Em primeiro lugar, deveria

Jorge Brando - Um dos maiores colecionadores de materiais da Legião Urbana. Foto: Arquivo pessoal

116


O mais novo do time que integra o Arquivo Legião é Jorge Brando, um dos maiores colecionadores de material raro da Legião Urbana e Renato Russo, e já é bem conhecido entre os fãs de raridades e também tem muito a nos dizer.

Jorge: Minha maior alegria é ter o último buquê de flores que o Renato Russo jogou em seu último show (Santos 14/01/1995). Na verdade ele não jogou o buquê, ele caiu em cima de mim. Fiquei com o buquê e uma toalha que estava no ombro dele nas minhas mãos, então larguei a toalha, tinha uma galera puxando, tirei minha camisa e coloquei o buquê dentro, ou melhor, o que sobrou dele. Ainda tinha uma rosa no meio e uma flor cor de vinho. A coisa mais linda eu distribui uns galinhos para “geral”.

Ana: Jorge, você como um colecionador conhecido, como foi entrar para um projeto tão audacioso? Jorge: Na verdade, eu me auto convidei (risos). Brincadeiras a parte, sempre mantive uma amizade, mesmo que por internet muito estreita com o Michel. Sempre trocávamos muito material e o forte dele sempre foi áudios e vídeos e o meu mais físico e contemporâneo dos anos 80/ 90/ 00 e atualidades. Eu digitalizo, mando para ele e então ele publica e, depois de um ano contribuindo, rolou o convite irrecusável, pois admiro o trabalho dos meus colegas. É como jogar em um clube e ser convocado para seleção brasileira.

Minha maior decepção foi o livro do Dado. Achei que ele expôs demais o Renato negativamente, tem coisas desnecessárias ditas ali, que o Renato, morto, não pode defender-se ou contra - argumentar. Mas é apenas minha critica. Quanto ao artista, ele sempre foi muito simpático comigo.

E N T R E V I S T A

Ana: O que você gostaria de ver lançado de material inédito?

Ana: Quais são os itens de sua coleção e qual os seus favoritos?

Jorge: Gostaria que fosse lançado a caixa de sobras que o próprio Renato Russo citou em entrevistas. O herdeiro e os ex-integrantes já estão milionários as custas do Renato. Está na hora de deixar a ganância e a vaidade de lado e entregar um pouco do que sobra de inédito para os fãs. Afinal, o Renato entregou a Legião para a gente, os fãs no show do Metropolitan em 1994. Sempre achei que o Renato Russo era o maior fã da própria banda. Seu apto era uma “usina em produção”. Ele colocava poster da própria banda na parede. Ele respeitava sua própria história. Não deixava distorcerem a imagem da Legião ele era trabalhador ético e respeitava os fãs, por que ele também era um fã. A Legião não era por dinheiro para ele. O dinheiro e a fama era uma consequência. Mas para o Renato, a Legião era a sua vida. Lamento, o que está por aí, “XXX” não é a Legião Urbana. Antigamente as pessoas

Jorge: Possuo muito material raro e arrisco a dizer que meu acervo é o maior do Brasil, cada artigo e objeto tem sua particularidade. Eu coleciono tudo que for a respeito da Legião Urbana (Russo/ Bonfá/ Dado/ Rocha) e suas carreiras solo, a única exceção ocorreu agora com essa turnê “XXX” que não concordo e não entra nada a respeito no meu acervo. Mas eu sempre disse que quando conseguisse um disco de ouro oficial da banda eu parava. Consegui um que foi do Bonfá, mas não parei a coleção, não consegui, estou sempre indo atrás de novidades. Ana: Nesses anos todos de coleção qual sua maior alegria e qual sua maior decepção?

117

A R T I U M


E N T R E V I S T A

A R T I U M

eram amigas com amizades para o resto da vida. Fãs-clubes não eram rivais, muito pelo contrário, eram unidos pelo mesmo objetivo. Hoje percebo que aquilo que o Renato uniu as pessoas, amizades e até casamentos naturalmente no decorrer de sua vida e até após a morte, as três partes responsáveis pelo legado estão destruindo com naturalidade.

vo de promover a obra de sua banda favorita. Nem precisa dizer que se fosse contar tudo daria um livro por que faltou se falar de quando a página virou noticia em vários sites, dentre outras coisas. Mas espero que com essa entrevista feita de fã para fã vocês tenham gostado e entendido um pouco de como funciona esse projeto de se criar um Arquivo digital para a Legião Urbana. Pois é quem mantém a Legião Urbana ainda viva são os verdadeiros fãs. Um abraço a todos e até a próxima.

Esse, não parece mas é apenas um resumo da união de fãs com o único objeti-

Jornalista: Ana Paula Ulrich Tavares Foto: Arquivo pessoal.

118


A R T I U M 119


U N I V E R S O I N F A N T I L

Quinn e Maxi-Cosi by Rachel Zoe

A R T I U M 120


Chegou as lojas dos EUA neste mês de Agosto, uma edição limitada do carrinho da marca Quinny e cadeirinhas para o carro Maxi-Cosi by Rachel Zoe.

Maxi-Cosi, Zoe manteve ambos os aspectos da sua vida em mente, ao criar um estilo no bebe-conforto e no carrinho de criança que casasse com estilo e funcionalidade.

A empresária e designer, 44 - que é mãe de Skyler Morrison, 5, e Kaius Jagger, 2 - fez uma parceria com a Quinny e Maxi-cosi para um novo (e incrivelmente chique!) carrinho e cadeirinha de bebe.

“Algo prático também pode estar na moda, razão pela qual minha colaboração com Quinny / Maxi-Cosi foi um ajuste tão natural, “ Zoe, “Para mim, os detalhes são o que tornam esta coleção especial. Tons ricos, costura de couro e detalhes em ouro adicionado a um elemento de glamour e sofisticação. “ disse Zoe à Revista People exclusivamente.

De roupas de maternidade a produtos do bebê, Rachel Zoe sabe das coisas, quando se trata de olhar e sentir-se bem, enquanto ser mãe e profissional.

Em sua nova coleção para Quinny e

“Eu acredito que o seu carrinho ou cadeirinha deve ser uma extensão do seu estilo”Rachel Zoe

121

U N I V E R S O I N F A N T I L

A R T I U M


U N I V E R S O I N F A N T I L

A R T I U M 122


U N I V E R S O I N F A N T I L

A R T I U M 123


U N I V E R S O I N F A N T I L

A R T I U M

Colaboradora Priscila Goldenberg – Personal Shopper nos EUA. Personal Shopper nos EUA e Paris www.pgoldenberg.com

124


U N I V E R S O I N F A N T I L

A R T I U M 125


U N I V E R S O I N F A N T I L

A R T I U M 126


Há um ano as mães e educadoras físicas Bruna e Carmela Bardini lançaram o projeto Clubinho dos Pititicos, uma iniciativa voltada ao brincar da criança pequena. Inspiradas no desenvolvimento de seus filhos, a proposta se baseou em conceitos como o brincar livre, a cooperação entre as famílias, a alimentação caseira e o brinquedo artesanal – de pano, papelão e madeira. Para a construção do espaço de brincar, são confeccionados artesanalmente brinquedos de pano, sem recursos eletrônicos e plásticos, o que se torna um diferencial em relação ao acesso de brinquedos ofertados pela indústria na atualidade. As escolhas do que se oferece no ambiente de brincar do Clubinho refletem o respeito à natureza da criança e a valorização do movimento espontâneo. Combinando acolhimento e segurança, buscamos ir ao encontro das necessidades de exploração de movimento próprias desta fase, diz Bruna Bardini. E Carmela complementa: o desenvolvimento da criança está intimamente ligado ao brincar e por isso a importância de um ambiente saudável para o processo de crescimento dos pequenos. O próximo encontro vai acontecer no dia 19 de novembro no Espaço Volare. É diversão na medida certa às famílias que procuram ambientes lúdicos para bebês a partir dos seis meses, e crianças até completarem três anos. Além de encontros mensais, em abril deste ano o projeto lançou um novo serviço de locação de brinquedos para festas e eventos em geral, incluindo a identidade visual personalizada para a decoração e o cardápio dos pititicos. O diferencial da proposta, consiste no fato dos brinquedos serem macios, seguros e criarem uma atmosfera lúdica. São indicados para áreas internas e, por isso, garantem a diversão da criançada mesmo em dias de chuva. Além dos brinquedos serem bonitos visualmente, possibilitam várias movimentações das crianças. Pais e filhos se encantam!

Foto: Aline Moreno

127

U N I V E R S O I N F A N T I L

A R T I U M


A R T I U M

gredos do sucesso pessoal.

o corpo com desenho e forma

Você é uma tela! Que traços compõem sua imagem? Que cores? Olhe-se no espelho e sinta quem é você. Sendo uma escultura, quais suas proporções? Sua forma? Seu melhor ângulo? Como tela, que moldura você precisa? Como escultura que base lhe sustenta melhor? Como dar mais vida a esse corpo, como despertar a alma que lhe anima? Pulsando, respirando, buscando um ritmo próprio e tendo consciência de seus movimentos. Parece complicado, mas não é, é simples e prazeroso, sendo inteiro e experenciando sua unicidade e sua existência! Afinal, somos uma obra prima do universo em eterna exposição, a vida é um “Vernissage” do nosso Criador!

O corpo humano possui uma estrutura complexa e simétrica, o que resulta uma forma belíssima com funcionamento e movimentos únicos que traduzem nessa máquina humana tão incrível! Quando temos conhecimento sobre o desenho e forma do nosso corpo, fica mais fácil a consciência de nossas atitudes corporais resultando em uma atitude com força e beleza! O corpo masculino e feminino são diferentes em sua forma e funcionamentos, então, sabermos como a energia se expressa diferentemente em cada corpo faz toda a diferença. Quando caminhamos, gesticulamos, enfim, nos movimentamos, mostramos uma forma, um desenho, e aos olhos dos outros esse desenho tem que encantar, seduzir, e passamos a ser uma obra de arte em movimento, com forma, cores, temperatura, proporção e perspectiva, nada diferente das telas e esculturas! Aprendermos como acionar essa força da beleza através da harmonia dos movimentos é um dos se-

Foto: Salete Kuyava.

P S I C O L O G I A

Cybele de Carvalho Psicologa

128


Executivas

Genius - 4100

Genius - 4300

Capitonate

Prime - 6500

Tramare - 1724

(41) 3408-82-87 - 9282-66-82 129

A R T I U M


Flexi

Flexi - 1711

Flexi - 1713

Capitonate

A R T I U M

Flexi - 1723

Flexi - 1722

(41) 3408-82-87 - 9282-66-82 130