Page 1

Ano 13 - Edição 147 Abril de 2018

Edição especial com circulação no CINASE FORTALEZA

Quadros e painéis elétricos Fabricantes e montadores de painéis estão otimistas para o ano de 2018, projetam crescimento para seus resultados e pretendem aumentar seu time de colaboradores em até 12% RENOVÁVEIS Perspectivas para o crescimento da geração solar fotovoltaica, tendo em vista as metas assumidas pelo Brasil junto à comunidade internacional


Sumário atitude@atitudeeditorial.com.br Diretores Adolfo Vaiser Simone Vaiser Coordenação de circulação, pesquisa e eventos Marina Marques – marina@atitudeeditorial.com.br Assistente de circulação, pesquisa e eventos Bruna Leite – bruna@atitudeeditorial.com.br Administração Paulo Martins Oliveira Sobrinho administrativo@atitudeeditorial.com.br Editora Flávia Lima - MTB 40.703 - flavia@atitudeeditorial.com.br Publicidade Diretor comercial Adolfo Vaiser - adolfo@atitudeeditorial.com.br Contatos publicitários Ana Maria Rancoleta - anamaria@atitudeeditorial.com.br Representantes Paraná / Santa Catarina Spala Marketing e Representações Gilberto Paulin - gilberto@spalamkt.com.br João Batista Silva - joao@spalamkt.com.br (41) 3027-5565

Suplemento Renováveis 53 No terceiro capítulo do fascículo sobre fontes renováveis, pesquisadores do Inpe traçam perspectivas para o crescimento das fontes renováveis, especialmente a solar fotovoltaica, tendo em vista as metas assumidas pelo Brasil junto à comunidade internacional. Elbia Gannoum, em sua coluna, fala sobre a vitalidade da fonte eólica no país. Por sua vez, Ricardo Koloszuk, presidente do Conselho da Absolar, abordou aspectos da mobilidade elétrica em sua coluna mensal.

12

Painel de notícias Banco Mundial vai financiar PPPs de iluminação pública; Programa Reciclus faz logística reversa de lâmpadas; Indústria eletroeletrônica abre 4,6 mil vagas no primeiro trimestre; Feicon movimenta setor da construção; EDP anuncia investimento de R$ 400 milhões no Espírito; Santo Novo diretor-geral brasileiro da Itaipu anuncia ampliação de investimentos. Estas e outras notícias do setor elétrico brasileiro.

25

Fascículos

44

Aula prática – Segurança do trabalho A não desenergização de equipamentos e a falta do prontuário de instalações elétricas são os fatores que mais contribuem para acidentes elétricos no país.

Rio Grande do Sul e Minas Gerais Ransconsult Consultoria Claudio Rancoleta – rancoleta@atitudeeditorial.com.br | claudio@urkraft.com.br Tel: (11) 3872- 4404 | 99621-9305 Direção de arte e produção Leonardo Piva - atitude@leonardopiva.com.br Denise Ferreira Consultor técnico José Starosta Colaborador técnico de normas Jobson Modena Colaboradores técnicos da publicação Daniel Bento, João Barrico, Jobson Modena, José Starosta, Juliana Iwashita, Roberval Bulgarelli e Sérgio Roberto Santos.

68

Colaboradores desta edição: André Rodrigues Gonçalves, Cláudio S. Mardegan, Elbia Gannoum, Giuseppe Parise, José Rubens Macedo Jr., Joyce Nogueira, Luciano Haas Rosito, Mark Madden, Nunziante Graziano, Rodrigo de Paiva, Rodrigo Santos Costa, Ronaldo Koloszuk, Ronaldo Vieira e Sergio Roberto Santos.

80

Espaço 5419 A norma ABNT NBR 5419 e a necessidade de cooperação entre diversos profissionais.

82

Espaço SBQEE A medição da energia elétrica ativa em condições distorcidas.

84 86 87 89 80

Colunistas Jobson Modena – Proteção contra raios João José Barrico – NR 10 Nunziante Graziano - Quadros e painéis José Starosta – Energia com qualidade Roberval Bulgarelli – Instalações Ex

Revista O Setor Elétrico é uma publicação mensal da Atitude Editorial Ltda. A Revista O Setor Elétrico é uma publicação do mercado de Instalações Elétricas, Energia, Telecomunicações e Iluminação com tiragem de 13.000 exemplares. Distribuída entre as empresas de engenharia, projetos e instalação, manutenção, industrias de diversos segmentos, concessionárias, prefeituras e revendas de material elétrico, é enviada aos executivos e especificadores destes segmentos. Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente refletem as opiniões da revista. Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias sem expressa autorização da Editora. Capa: Shutterstock | Impressão - Ipsis Gráfica e Editora Distribuição - Correio Atitude Editorial Publicações Técnicas Ltda. Rua Piracuama, 280, Sala 41 Cep: 05017-040 – Perdizes – São Paulo (SP) Fone/Fax - (11) 3872-4404 www.osetoreletrico.com.br atitude@atitudeeditorial.com.br

Filiada à

Pesquisa – Quadros e painéis elétricos Levantamento com fabricantes e montadores de quadros e painéis mostra otimismo entre os pesquisados. Setor espera crescimento para as empresas e para o mercado de modo geral.

94

Dicas de instalação Tarifa branca e o uso da Internet das Coisas em utilities.

96

Ponto de vista O que há por trás de nomes e siglas, como Smart Grid, Smart City, IIoT?

3


Editorial

6

O Setor Elétrico / Abril de 2018 Capa ed 147_C.pdf

1

4/29/18

11:01 PM

www.osetoreletrico.com.br

Ano 13 - Edição 147 Abril de 2018

Edição especial com circulação no CINASE FORTALEZA

Quadros e painéis elétricos O Setor Elétrico - Ano 13 - Edição 147 – Abril de 2018

Fabricantes e montadores de painéis estão otimistas para o ano de 2018, projetam crescimento para seus resultados e pretendem aumentar seu time de colaboradores em até 12% RENOVÁVEIS Perspectivas para o crescimento da geração solar fotovoltaica, tendo em vista as metas assumidas pelo Brasil junto à comunidade internacional

Edição 147

A importância da complementaridade

422 GW é o potencial brasileiro estimado para as fontes

planejamento assertivo da expansão da geração, tendo em

hídrica (247 GW), eólica (143 GW) e solar (32 GW). Segundo a

vista o compromisso que o Brasil assumiu junto à comunidade

Aneel, o potencial instalado atual é de 158 GW, que considera

internacional sobre uso das renováveis e redução da emissão

ainda outras formas de geração além das supracitadas, como

de gases poluentes de efeito estufa.

biomassa e térmicas a gás e óleo diesel. Se considerarmos

a fonte solar fotovoltaica, por exemplo, dos 32 GW de

a questão da segurança do trabalho em serviços com

potencial, apenas 1 GW está efetivamente instalado. Marca

eletricidade. Baseando-se nas estatísticas da Abracopel

conquistada recentemente, inclusive. Isso mostra o grande

(associação de conscientização para os perigos da

potencial a ser explorado e a quantidade de projetos que

eletricidade), os autores falam sobre as circunstâncias em

ainda está por vir.

que os acidentes elétricos ocorrem no país. Para se ter uma

ideia, somente o custo com acidentes em trabalhadores CLT é

Este é o tema do artigo publicado no Suplemento

Entre outros assuntos, esta edição aborda também

Renováveis desta edição. Pesquisadores do Inpe analisam

estimado em cerca de R$ 70 bilhões. Além de prejuízos para

algumas perspectivas para a expansão da geração de energia

as vítimas e para as empresas empregadoras, os acidentes

no país, notadamente, a solar fotovoltaica.

de trabalho afetam a sociedade como um todo, uma vez que

o governo também perde com pagamento de pensões e

Segundo o estudo, o consumo de energia elétrica per

capita nos últimos dez anos vem crescendo acima da evolução

aposentadorias precoces.

do PIB, significando um incremento na demanda por energia em torno de 2% ao ano. Ocorre que, na ausência de ações

Boa leitura!

focadas em eficiência energética, houve aumento da oferta de

Abraços,

energia a partir de fontes não renováveis, embora o país seja rico em recursos renováveis, como visto no parágrafo anterior. Nesse sentido, o artigo aborda os potenciais da geração de energia elétrica no país e faz algumas considerações para um

flavia@atitudeeditorial.com.br

Redes sociais

@osetoreletrico

www.facebook.com/osetoreletrico

@osetoreletrico

Revista O Setor Elétrico


8

Coluna do consultor

O Setor Elétrico / Abril de 2018

José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. É consultor da revista O Setor Elétrico jstarosta@acaoenge.com.br

O CINASE na terra do vento e do sol

Não existe lugar mais oportuno para se iniciar as edições do CINASE de

2018. Fortaleza tem a vocação natural, um enorme potencial de geração de energia limpa com um time técnico e mercado de primeira (universidades, profissionais e empresas) que se prepara há pelo menos duas décadas para viver este momento. Não por acaso os temas relacionados às energias renováveis abrirão o congresso que promete ainda muita informação técnica para a nossa comunidade de eletricidade e energia. O encontro trará temas diversos como os aspectos de especificação, manutenção e operação de subestações e sistemas de baixa tensão, barramentos blindados e cabos, proteção atmosférica e a ABNT NBR 5419, NR 10, aspectos da ABNT NBR 5410, qualidade de energia, compensação reativa, eficiência energética e outros temas associados. Certamente, uma excepcional oportunidade para os profissionais, empresas e mercado da região. O encontro se inicia com a premiação de projetos de empresas e profissionais locais que, seguramente, possuirão boas novidades a apresentar.

Em paralelo, 2018 caminha com boas promessas de recuperação

da economia, carecendo ainda de confiança e ambiente para bons investimentos. Parece que até para as eleições em outubro e a posse do novo governo teremos que ter paciência. A recente dança das cadeiras promovida pela incompatibilização obriga a troca de governadores, ministros e prefeitos candidatos, mas trata-se de cumprimento de protocolo, não se podendo esperar grandes modificações por enquanto, até por que não há tempo hábil para qualquer mudança decente. Fato é que esperamos melhores pautas para discussão como os investimentos em infraestrutura, motor da nossa economia. Ficar discutindo as posições equivocadas do judiciário, dos advogados, dos promotores e se os agentes públicos devem ser mantidos presos ou soltos pelas benesses dos que deveriam fazer justiça não está fazendo mais sentido, nem mesmo a roubalheira da final do campeonato paulista vale a pena comentar. Chega de verborragia jurídica, precisamos de trabalho e planejamento de estado, feito por gente de fato vocacionada!


Painel de mercado

12

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Banco Mundial vai financiar PPPs de iluminação pública em dez cidades Durante o evento de lançamento da ABCIP, o Banco Mundial disse que tem R$ 200 milhões para financiar a baixo custo empresas que firmarem PPP de iluminação pública

Evento, em São Paulo, reuniu agentes do setor para lançamento oficial da ABCIP.

com a participação de Oscar Lima, chefe do

pública

é

vista

como

Departamento de Parcerias Público Privadas

municípios.

“Se

quisermos

inexorável

do BNDES, Pedro Vicente Iacovino, diretor da

inteligentes no Brasil, teremos que passar pela

Caraguá Luz e Frederico Turolla, sócio da Pezco

iluminação pública, pois é o elo que faltava”,

Economic and Business Intelligence.

garantiu Lima. “Nos próximos dois anos, o

Na abertura, Eduardo Gurevich fez um

BNDES quer ajudar a estruturar entre 10 e

panorama do setor e disse que a ABCIP será

15 projetos”. E citou a cidades que o banco

a voz das empresas privadas na iluminação

de fomento está trabalhando: Teresina (PI),

pública: “Como o mais novo segmento dos

Porto Alegre, Consórcio Centro Sul e Pelotas

serviços de infraestrutura, ele necessita de

(RS), Macapá (AP), Vila Velha (ES) e Petrolina

uma entidade capaz de discutir e propor

(PE). E defendeu o que chamou de “PPP pé

políticas que atendam as demandas do setor”,

no chão”, na qual o contrato prevê que os

ter

pelos

cidades

diz Gurevich. “Especialmente no momento em

processos estabelecidos sejam automáticos,

“O FinBrazeec, em parceria com a Caixa

que surge a oportunidade para as empresas

sem precisar de anuência do poder público a

Econômica Federal, já aprovou R$ 200 milhões

colocarem sua expertise à disposição do

cada operação.

para emprestar às empresas privadas que

desenvolvimento urbano”.

fizerem contratos de PPP para modernizar

Javier Freire, do Banco Mundial, informou

Eduardo Gurevich, além do investimento em

e operar sistemas de iluminação pública”,

sobre o fundo FinBrazeec, que está sendo criado

iluminação pública, que deverá ser de R$

informou Javier Freire, especialista em Energia

e que vai financiar PPPs de iluminação pública

26,3 bilhões nos próximos 15 anos, as PPPs

e Financiamento Climático do Banco Mundial,

de cinco a dez cidades a título de experiência.

permitirão trazer novas tecnologias utilizando a

durante o evento de lançamento da Associação

“Para ajudar o município a tomar a decisão

infraestrutura urbana disponível, aportando maior

Brasileira das Concessionárias de Iluminação

de remodelar seu parque, o Banco Mundial

segurança e comodidade para a população

Pública (ABCIP), em São Paulo.

disponibiliza gratuitamente a Ferramenta para

na utilização do espaço público, associando à

Modelagem de Viabilidade de iluminação Pública

iluminação pública outros serviços, tais como,

executivos de empresas de iluminação pública,

(no site www.esmap.org/frty65-tyu-986)”.

controle e sinalização do tráfego, serviços de

distribuidoras de energia, de engenharia e

tecnologia, vigilância através de câmeras de

projetos de infraestrutura, também contou

modernização dos parques de iluminação

O

evento,

do

qual

participaram

70

Osmar Lima, do BNDES, disse que a

De acordo com o presidente da ABCIP,

vigilância inteligentes, dentre outros.

Mercado livre de energia fatura R$ 110 bilhões em 2017 Segmento foi marcado pela entrada de 1.700 novos consumidores 50%

registrou retração no consumo de energia

Comercializadores de Energia (Abraceel)

desse volume, com um crescimento de

elétrica no ACL em 2017. Os grandes

concluiu, recentemente, um levantamento

40%. Em 2017, cerca de 30% de toda a

destaques em crescimento foram dos

que evidenciou um crescimento de 17%

energia comercializada pelo mercado livre

setores de Comércio (63,3%), de Serviços

no mercado livre de energia no ano

veio de usinas eólicas, solares, de biomassa

(39,1%), de Saneamento (32,4%) e de

passado, com a entrada de 1.700 novos

e pequenas centrais hidrelétricas. “Nosso

Alimentos (38,1%). “Precisamos agora

consumidores e um faturamento de R$

segmento é fundamental para garantir a

levar o benefício do mercado livre a um

110 bilhões. O valor transacionado foi de

competitividade e sustentabilidade do setor

número maior de empresas, aprovando

80 GW médios e um giro de 4,4 vezes dos

produtivo”, afirma o presidente da Abraceel,

a

contratos.

Reginaldo Medeiros.

Congresso Nacional”, ressalta o presidente

da Abraceel.

A

De

Associação

acordo

com

Brasileira

o

estudo,

dos

os

comercializadores

representaram

Nenhum dos segmentos da economia

reforma

setorial

em

tramitação

no


Painel de mercado

14

O Setor Elétrico / Abril de 2018

O Setor Elétrico / Abril de 2018

15

Logística reversa de lâmpadas

Indústria eletroeletrônica abre 4,6 mil vagas no primeiro trimestre

Programa Reciclus é responsável por financiar o processo, coletar, destinar e descontaminar os resíduos em todo o país

Abinee revela que este é o melhor primeiro trimestre desde 2013

O setor eletroeletrônico abriu 4.625 vagas de emprego no primeiro

trimestre de 2018, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), com base em informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (Caged).

Em março, o aumento do número de empregos totalizou 542 vagas,

dando continuidade ao crescimento iniciado em janeiro (2.709 vagas) e observado em fevereiro (1.374 vagas). Com o resultado, o número total de empregados diretos passou de 234,2 mil em dezembro de 2017 para 238,8 mil em março. No acumulado dos últimos 12 meses, o setor eletroeletrônico abriu 3.086 novas vagas.

Segundo o presidente da Abinee, Humberto Barbato, este é o melhor

primeiro trimestre desde 2013, quando o crescimento do emprego foi de 5.193 vagas de janeiro a março. “A expansão observada do emprego reflete uma gradual recuperação da atividade produtiva do setor eletroeletrônico”, afirma.

Apesar do crescimento, o setor ainda não recuperou as perdas recentes nos níveis de emprego. Em dezembro de 2014, a indústria elétrica e

eletrônica empregava 294 mil trabalhadores.

Iniciativa recolhe e faz o descarte correto de lâmpadas de uso doméstico.

Participam do programa as seguintes

ambiente controlado, para que não haja a

destinação ambientalmente correta e a

lâmpadas de uso doméstico: fluorescentes

contaminação do ambiente e das pessoas

descontaminação desses resíduos, está

compactas

que operam os equipamentos.

funcionando em 21 estados do País e no

mercúrio, sódio ou metálico; e luz mista.

Basicamente,

Distrito Federal o programa da Reciclus

componentes

(Associação Brasileira para a Gestão da

março de 2018, um total de 327 pontos

alumínio, soquetes, e estruturas metálicas),

Logística Reversa), organização civil sem

de entrega em 65 cidades, mas o número

o vidro (em forma de tubo, ou outra), o pó

fins lucrativos, criada pelos principais

cresce a cada semana. Ao longo de 2017,

fosfórico (pó branco contido no interior) e,

produtores e importadores de lâmpadas,

mais de 29 toneladas de resíduos foram

principalmente, o mercúrio, que é extraído

para

recolhidas, totalizando mais de 198 mil

e recuperado em seu estado líquido

do processo, seguindo um modelo de

unidades de lâmpadas.

elementar.

operação autossustentável.

A implantação dos pontos de coleta

É possível utilizar os resíduos na

Com a finalidade de realizar a coleta,

atuar

como

Entidade

Gestora

e

tubulares;

a

vapor

de

A Reciclus implantou, até o mês de

de

separam-se metal

(terminais

os de

O programa Reciclus é uma iniciativa que

segue os critérios técnicos indicados

fabricação de vários outros produtos: vidros

envolveu diversos segmentos da sociedade e

no Acordo Setorial, como número de

na produção de novos vidros para uso não

atende à determinação da Política Nacional

habitantes,

alimentar; pinos de latão que podem ser

de Resíduos Sólidos (PNRS), a Lei Federal nº

populacional,

energia

fundidos e utilizados para produção de

12.305/2010, que fala na responsabilidade

elétrica, poder aquisitivo, infraestrutura

novos materiais; e pó fosfórico que, uma

compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos

viária e acessibilidade.

vez livre do mercúrio, pode ser reutilizado

e na logística reversa (LR) como soluções

O

para o descarte correto de itens que podem

componentes utiliza tecnologia avançada,

causar danos ao meio ambiente.

sob

reciclus.org.br

área

urbana,

domicílios

processo

de

circunstâncias

densidade

com

separação especiais

e

dos em

em fábricas de cimento ou asfalto. Para mais informações, acesse: www.


Painel de mercado

16

O Setor Elétrico / Abril de 2018

O Setor Elétrico / Abril de 2018

17

Iluminação Led www.tramontina.com.br

A Tramontina apresentou um mix de soluções em iluminação a Led durante o evento. As lâmpadas de Led possuem

tecnologia de última geração, são resistentes a impactos, vibrações e variações de temperatura, quando comparadas às fluorescentes eletrônicas. Possuem acendimento instantâneo e são consideradas ecologicamente corretas, pois podem ser recicladas e não apresentam materiais tóxicos, não emitem radiação infravermelha e ultravioleta.

Um dos destaques é a Lâmpada Bulbo LED, que substitui as convencionais lâmpadas incandescentes e eletrônicas. É

indicada para uso em ambientes internos – salas de estar, hotéis, escritórios, restaurantes, entre outros –, tem durabilidade de 25 mil horas e dois anos de garantia.

Painéis de Led www.electroluxlighting.com.br

Um dos destaques da Electrolux na Feicon Batimat foi a Linha Assunção, de painéis de Led. Com potências

exclusivas e eficiência 15% maior que os demais modelos do mercado, oferece 20% de economia proporcional.

Feicon movimenta setor da construção

Visando o máximo desempenho em segurança e qualidade, os painéis possuem uma estrutura diferenciada para

24ª edição do Salão Internacional da Construção e Arquitetura reuniu 80 mil visitantes. Confira as principais novidades da área elétrica lançadas no evento

qualquer risco de segurança ou mau funcionamento.

dissipação de calor – feita de alumínio, integrada ao painel e com uma espessura de até 3 milímetros, para evitar

O design é outro diferencial da linha: por ser menor que os modelos similares do mercado e possuir bordas

minimalistas, não interfere na decoração do ambiente onde serão instalados.

Tradicional feira do setor da construção,

grande número de lojistas, distribuidores,

e receita para o Estado. Ele ressaltou a

A Linha Assunção está disponível nos formatos redondo e quadrado, nas versões de embutir ou sobrepor, com quatro opções de potência (8 W,

a Feicon Batimat aconteceu entre os dias 10

especificadores e parceiros durante os quatro

importância entre a parceria do poder público

16 W, 22 W e 30 W) e temperatura de cor de 3000 K ou 6000 K.

e 13 de abril e contou com a participação de

dias do evento e a receptividade à marca foi

com a iniciativa privada para geração de

700 expositores nacionais e internacionais.

excelente”, afirma Roberto Gabrielli, diretor

programas que visam a inclusão social.

Segundo a organização, cerca de 80 mil

comercial da Exicon Iluminação.

visitantes circularam pelos corredores da Expo

Sobre isso, a Cobrecom concorda:

Arena do Conhecimento

Center Norte, gerando mais de R$ 27 milhões

“Recebemos em nosso estande mais de cinco

em transações comerciais nos quatro dias de

mil pessoas durante os quatro dias de evento

em oferecer conteúdo aos visitantes, a Feicon

feira, apenas nas rodadas de negócios.

e notamos que os visitantes da Feicon Batimat

Batimat também reservou alguns espaços para

Soluções

envolvendo

estão cada vez mais focados e qualificados”,

a realização de palestras técnicas entre os

sustentabilidade e conectividade marcaram

afirmou o gerente de marketing da companhia,

corredores da feira. A revista O Setor Elétrico

o evento. Diversas empresas aproveitaram

Paulo Alessandro Delgado.

foi responsável por um dia de seminário em

a ocasião para lançar suas novidades em

Com o intuito de contribuir para o

uma das Arenas do Conhecimento.

produtos destinados ao setor da construção

desenvolvimento da economia, a feira procurou

civil. A Electrolux, por exemplo, aproveitou a

transmitir ao público a sensação de ambiente

da Feicon puderam aprender e atualizar seus

Feicon para anunciar oficialmente sua entrada

ideal para a realização de negócios. "A Feicon

conhecimentos a partir das apresentações

no mercado de produtos para iluminação, por

Batimat alcançou seu objetivo ao transmitir ao

ministradas pelos profissionais João Barrico,

meio de parceria com a Exicon Iluminação -

público visitante sua capacidade de negócios

Daniel

responsável por toda a operação do negócio

para alavancar a economia, sem deixar de

Ferreria e Jorge Demoliner. Entre os assuntos

no Brasil, na América Latina e em Portugal.

lado a inovação, conteúdo e o relacionamento,

abordados, estiveram segurança do trabalho,

que são fundamentais para o setor", avaliou o

medição eletrônica, o papel da construção civil

no evento, que é considerado o maior do setor

diretor do evento, Gustavo Binardi.

em projetos de redes subterrâneas, eficiência

de construção em toda América Latina, trouxe

energética, a evolução das caixas poliméricas

resultados muito positivos. “O momento não

Paulo, Márcio França, participou da cerimônia

e automação residencial.

poderia ser mais oportuno para esta apresentação

de abertura e afirmou que o setor é um dos

oficial. Recebemos em nosso estande um

mais importantes para geração de empregos

área elétrica lançados na Feicon Batimat:

tecnológicas

Segundo a empresa, a primeira participação

O atual governador do Estado de São

www.cobrecom.com.br

Seguindo a tendência de grandes eventos

No primeiro dia do evento, os participantes

Bento,

José

Starosta,

Cabos elétricos

Amandio

Confira, a seguir, alguns dos produtos da

Entre os lançamentos feitos durante o evento, a Cobrecom destaca a sua linha de cabos não halogenados

Superatox. A linha é formada pelos Cabos Superatox Flex 70º C e o Superatox HEPR 90º C para 1, 2, 3 e 4 condutores.

A principal vantagem do produto é que são condutores isolados, com cabos uni ou multipolares cujo

material isolante não possui em sua composição o cloro, que é um material altamente tóxico em casos de incêndios. O material ainda oferece maior segurança por apresentar características especiais de não propagação das chamas e de autoextinção do fogo, garantindo a segurança das pessoas e a conservação dos bens do imóvel em casos de incêndios.

Lâmpadas Led www.enerbras.com.br

A Enerbras Materiais Elétricos anunciou diversos lançamentos durante a Feicon Batimat 2018, dentre

elas a mais surpreendente foi a sua entrada no mercado de iluminação. Com mais de 20 anos de mercado, a empresa passa a oferecer um portfólio com lâmpadas bulbo e tubular Led certificadas e luminárias de emergência 30 Leds.

A linha E-LED conta com lâmpadas bulbo Led de 4,5 W, 6 W, 8 W, 9 W e 13,5 W (luz amarela ou branca),

lâmpadas tubulares Led de 9 W e 18 W (luz amarela ou branca), todas com a promessa de entregar mais lúmens por Watts, o que significa mais luz com menor consumo de energia.


Painel de mercado

18

O Setor Elétrico / Abril de 2018

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Equipamentos de medição

Disjuntores e interruptores diferenciais

www.instrutherm.com.br

www.mectronic.com.br

A Instrutherm aproveitou a Feicon para apresentar ao mercado sua linha de trenas a laser digitais, que são ferramentas com

A linha Inviole de disjuntores e interruptores diferenciais foi a novidade da Eletromar, empresa

alta tecnologia agregada e que estão disponíveis em três modelos para atender às mais variadas necessidades de uso.

do grupo Mectronic. Os produtos possuem um sistema patenteado de lacres alfanuméricos

invioláveis. Basta lacrar, ao término da instalação, registrar os códigos dos lacres no caderno

O TR-4000 tem display LCD de 4 linhas e mede até 40 metros. Sua resolução é de 0,001 e exatidão de ±1,5mm. Já o TR-600

19

permite medição a uma distância de até 60 metros. O TR-700, por sua vez, mede até 70 metros. Assim como a TR-4000, ambas as

técnico de entrega da obra e pronto, instalação protegida, segundo informa a companhia.

trenas realizam até 5000 medições com a mesma pilha. Os aparelhos ainda possuem um display LCD com luz de fundo e calculam

área e volume por meio do método de Pitágoras.

e saída, apresentam protetor de recobrimento que impede o acesso ao parafuso de fixação e

Os produtos da linha Inviole permitem pentes de ligação de todos os modelos na entrada

indicador visual de ligação ativa e inativa. A linha é constituída por disjuntores monopolares, bipolares e tripolares e por interruptores diferenciais

Nobreaks

bipolares e tetrapolares.

www.intelbras.com.br

A Intelbras, conhecida por fornecer produtos para as áreas de segurança, redes e telecom, anunciou, durante a Feicon,

sua nova linha voltada para a área de energia. Aproveitou a ocasião para divulgar suas novas soluções, entre elas, nobreaks,

Quadros de comando e distribuição www.lukma.com

protetores eletrônicos e sensores para iluminação.

A unidade de energia da empresa contempla os seguintes novos produtos: dois nobreaks, oito sensores de presença

Fabricados em chapa de aço carbono, os quadros de comando de sobrepor liso e com flange possuem portas

para iluminação, com o destaque para o ESP 360S, de fácil instalação, além dos novos protetores eletrônicos, nas versões 4, 6 e 8 tomadas,

com abertura de 120°, vedação com borracha e fecho com acionamento por fenda. São indicados para aplicações

que oferecem mais praticidade e proteção para diversos ambientes.

industriais, comerciais e prediais. Os quadros de distribuição são também produzidos em chapa de aço, contam com fosfatização à base de zinco e pintura a pó na cor bege. Possuem placa de montagem em chapa de aço e

Interruptor temporizador www.dni.com.br

Durante o evento, a DNI destacou seu novo interruptor e temporizador digital modelo DNI 6605. O produto é indicado para

instalação embutida dentro de caixas padrão 4X2’’. Desenvolvido pela Key West, do Grupo DNI, o interruptor permite tempos pré-programáveis para liga-desliga de cinco minutos a quatro horas e está disponível na cor branca.

Cabo solar e aplicativo www.sil.com.br

A Sil Fios e Cabos apresentou duas novidades durante o Salão Internacional da Construção: o cabo

AtoxSil Solar 1,8 kV C.C. e a atualização do App Sil, aplicativo para smartphones.

O novo cabo é produzido em cobre estanhado, têmpera mole e classe 5, atendendo à ABNT NBR NM

280, sendo indicado para instalação de arranjos fotovoltaicos em sistemas de geração de energia solar. Disponível nas cores preta e vermelha, o cabo apresenta seção nominal de 2,5 mm² a 25 mm² e pode ser encontrado em rolos de 100 metros. Está em conformidade com a norma ABNT NBR 16612.

Já o App Sil é indicado para lojistas, representantes e também para o consumidor final. Entre outras funções, o aplicativo disponibiliza um

simulador residencial, um simulador técnico, catálogo de produtos, vídeo-aula e cotação online.

Sistemas de iluminação www.galaxyled.com.br

A GalaxyLed preparou 20 lançamentos para a Feicon Batimat. Os produtos fazem parte das três principais linhas: Line,

Concept e Pro. A primeira oferece produtos econômicos com design clean e funcional, sendo destinados, principalmente, para iluminação geral e de destaque. A linha Concept é constituída por produtos conceituais, com tecnologia e sofisticação, ideais para projetos luminotécnicos desenvolvidos por arquitetos de iluminação. Finalmente, a linha Pro fornece sistemas de iluminação desenvolvidos para projetos específicos de alto padrão, que demandam performance, potência e controle de foco.

atendem às especificações das normas NR 10 e ABNT NBR 5410.


Painel de empresas

20

O Setor Elétrico / Abril de 2018

EDP anuncia investimento de R$ 400 milhões no Espírito Santo Aporte será aplicado em modernização da rede, substituições preventivas de equipamentos, combate ao furto de energia e na construção de uma linha de transmissão

A EDP acaba de anunciar um investimento

que são fundamentais, como a ampliação

aprimorar a confiabilidade do serviço”,

40% maior para o Estado do Espírito

e modernização de subestações e linhas

acrescenta João Brito.

Santo, comparado ao ano de 2017. Para

de distribuição, para suportar o aumento

oferecer um serviço de qualidade superior

da demanda e antecipar o crescimento

e incrementar a segurança do sistema

econômico do Estado”, destaca o diretor da

elétrico, a concessionária incrementará as

EDP Espírito Santo, João Brito.

A

áreas de expansão e modernização da rede

Do total destinado para a distribuidora,

projetos que se tornaram referência nacional

elétrica, combate às perdas, infraestrutura

serão realizadas obras de expansão e

quando o assunto é o combate às fraudes

e atendimento ao cliente, investindo um

melhoria da rede elétrica, como na ampliação

e irregularidades. Para o ano de 2018, a

montante superior a R$ 300 milhões.

de

e

Companhia investirá cerca de R$ 50 milhões

Já no segmento da Transmissão, o

recapacitação de linhas de distribuição de

para combater a prática ilegal que, além de

Espírito Santo receberá investimentos da

alta tensão. Entre os empreendimentos está

causar prejuízos financeiros, afetam a qualidade

ordem de R$ 116 milhões, valor que será

a ampliação das Subestações Rio Quartel

do serviço prestado aos demais clientes.

destinado para a construção e instalação da

(em Linhares), Santa Maria (Santa Maria de

linha de transmissão de energia elétrica de

Jetibá), Castelo e Ponto Belo.

projeto BTZero. Trata-se de uma rede elétrica

230/138 kV, entre Linhares e São Mateus, no

“O investimento realizado pela EDP no

blindada, que foi desenvolvido totalmente pela

Norte do Estado.

Espírito Santo permitirá um acréscimo de

equipe da EDP Espírito Santo e parceiros

“Avançamos em todas as prioridades

112,5 MVA de potência instalada, o que

locais, e tornou-se benchmarking para as

estratégicas definidas no último ano, o que

corresponde à potência atual instalada dos

empresas do setor elétrico, evitando possíveis

nos permitiu entregar os resultados superiores

municípios de Linhares e Sooretama. As

irregularidades na rede e na telemedição,

e elaborar um plano de investimentos ainda

obras aumentam a capacidade do sistema

que fazem a leitura à distância e contam com

mais robusto para 2018, que contempla obras

de atender a demanda de energia, além

alarmes para os casos de fraudes e defeitos.

subestações

e

em

construção

Combate ao furto de energia EDP

Espírito

Santo

desenvolveu

Entre os investimentos está a expansão do


Painel de empresas

22

O Setor Elétrico / Abril de 2018

23

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Novo diretor-geral brasileiro da Itaipu anuncia ampliação de investimentos

Baterias de veículos elétricos da Nissan fornecerão energia para fábrica no Japão

Marcos Stamm ratificou que manterá e ampliará investimentos nos vários programas liderados pela binacional

Objetivo do projeto é promover o uso eficiente de energia e o equilíbrio ambiental

brasileiro

serviços de eletricidade – será revisado

sua região de influência – recentemente

As empresas japonesas Japan Benex e

armazenada para reforçar o sistema em

da Itaipu Binacional, Marcos Stamm,

e a dívida assumida para a construção da

ampliada para 54 municípios do Oeste

Sumitomo lançarão o projeto "Future Plant"

momentos de pico de demanda. Além disso,

solução de rede inteligente que utiliza Internet

anunciou,

hidrelétrica, quitada.

do Paraná.

(Fábrica do Futuro) no qual utilizarão painéis

as dez unidades da van 100% elétrica Nissan

das Coisas (IoT) para integrar diferentes

concedida em abril, que manterá e

Para Stamm, o projeto de atualização

solares, veículos elétricos e baterias de

e-NV200 serão utilizadas pelos funcionários

fontes de energia e gerar energia confiável e

ampliará os investimentos nos vários

está na pauta da diretoria. “Por serem

tecnológica da usina será um esforço

veículos elétricos para abastecer uma fábrica

para o transporte dentro da fábrica e

flexível, garantindo o equilíbrio em tempo real

programas

da Japan Benex em Isahaya, no Japão.

suas baterias poderão ser aproveitadas e

entre geração e consumo.

refabricadas como componentes do sistema

O

novo

diretor-geral

em

coletiva

de

imprensa

De acordo com Stamm, o tema já

de interesse das duas nações [Brasil

fundamental

binacional. Segundo Stamm, o grande

e

começam

da geração nas próximas décadas, em

O

desafio será continuar o que está dando

com antecedência para que as partes

patamares parecidos aos de hoje, com

armazenamento de energia combina fontes

de armazenamento de energia.

os testes dos sistemas de armazenamento

certo e melhorar o que for possível.

contratantes,

sentarem

recordes de produção de energia elétrica.

renováveis, baterias reutilizadas e veículos

O sistema foi desenvolvido pela Japan

de energia como parte de sua participação

Diversos

e

ações

liderados

pela

Paraguai],

os

estudos

quando

se

para

a

sustentabilidade

Usina de energia virtual (VPP) é uma

recém-desenvolvido

sistema

de

A Japan Benex e a Sumitomo iniciaram

abordados

à mesa, tenham todos os elementos

O investimento previsto é de US$ 500

elétricos para promover o uso eficiente

Benex e pela Sumitomo, que fabricam

no Projeto Kansai VPP. O projeto "Future

durante pouco mais de uma hora de

necessários. Por isso nós temos o dever

milhões, com conclusão estimada em

de energia e a sustentabilidade. A Nissan

equipamentos para a indústria. O objetivo

Plant" ajudará a expandir o uso de energia

conversa

temas

foram

de estarmos preparados e informados

dez anos. “Estudamos alternativas não

apoiará o projeto fornecendo dez unidades

é a utilização em usinas de energia virtuais

renovável, criará um sistema que promove

destaque para os estudos que estão

sobre tudo o que acontece no sistema”.

só para melhorar as nossas instalações,

da van elétrica e-NV200.

(VPP), que devem estar em operação no

a reutilização de baterias de veículos

sendo feitos para o pós-2023, quando o

O novo diretor também ressaltou

por meio da atualização tecnológica, mas

Os veículos e as baterias vão ajudar a

Japão até 2020. Isso ajudará a melhorar o

elétricos, otimizando a oferta e a demanda

Anexo C do Tratado de Itaipu – que define

o papel da empresa nos programas

também para alcançar melhores marcas

estabilizar a entrega do sistema de energia

tempo de carregamento e descarregamento

de energia, além de ajudar a construir uma

as bases financeiras e de prestação dos

socioambientais desenvolvidos em toda a

de produção de energia”.

solar e reduzir os custos da fábrica com

de energia para ajustar a oferta e a demanda

sociedade com cada vez menos emissão de

eletricidade. Para isso, utilizará a energia

de eletricidade em toda uma região.

carbono.

com

os

jornalistas,

com

Primeira coletiva de imprensa conferida pelo novo diretor-geral brasileiro de itaipu, Marcos Stamm.


24

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Apoio

Alubar é eleita uma das melhores fornecedoras da Cemar Empresa conquistou reconhecimento pelo segundo ano consecutivo

A Companhia Energética do Maranhão

(Cemar) divulgou os vencedores do seu Programa

de

Excelência

de

Gestão

Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

Fornecedores 2017. A Alubar, fabricante

24

de cabos de alumínio, conquistou o segundo lugar na categoria “Fornecimento

Capítulo IV – Requisitos de projeto e construção (continuação)

de Materiais”, sendo a primeira empresa do segmento de energia.

• Dispositivos de intertravamento

A premiação tem o objetivo de fomentar

• Grau de proteção provido pelos invólucros

a cultura de gestão para os fornecedores da concessionária e reconhecer o melhor

• Proteção contra penetração de água

desempenho como forma de estímulo ao contínuo aprimoramento. São avaliados

• Proteção do equipamento contra impacto mecânico sob condições

indicadores de várias áreas, entre elas

normais de utilização

segurança do trabalho, meio ambiente, fornecidos, correto padrão de identificação,

fornecimento, vem consolidando a Alubar no

suprimentos, etc.

de embalagem, da correta tributação na

ranking dos melhores”, comenta Theffesan

pessoas,

operacional,

infraestrutura,

Nunziante Graziano

“A Alubar, nos dois últimos anos, vem

emissão de notas, dentro outros. O empenho

Lane, Gerente de Desenvolvimento de

se destacando em diversos quesitos, como

e o comprometimentos no atendimento

Fornecedores e Serviços Compartilhados

qualidade, assistência técnica dos materiais

aos requisitos, além da qualidade no seu

da Cemar.

• Distâncias de escoamento

Iluminação pública – ABNT NBR 5101

30

Luciano Haas Rosito

Fluke anuncia novo diretor geral para a América Latina

Capítulo IV – Iluminância e uniformidade

Hector Trabucco assume com o desafio de manter e impulsionar crescimento contínuo, reforçando a solidez da companhia nos 20 anos de atuação na região

• Valores mínimos para iluminância média • Classes de vias • Critérios de uniformidade

A Fluke acaba de anunciar seu novo diretor geral para a América Latina. Hector

Trabucco será o executivo responsável por toda a operação de Tektronics, Fluke Networks e Fluke. Trabucco possui sólida experiência na direção geral de grandes empresas e forte histórico em construção de equipes e em impulsionar crescimento, características que devem agregar positivamente e contribuir para alavancar ainda mais os negócios da companhia no Brasil e na região.

Trabucco foi responsável por um crescimento histórico na posição de Presidente da

Gilbarco Veeder-Root, que também pertence ao Grupo Fortive, assim como a Fluke. O Grupo Fortive é um conglomerado independente, de capital aberto, que reúne um grupo de empresas líderes em seus mercados que representam um faturamento global da ordem de US$ 6.2 bilhões.

34

Proteção contra arco elétrico Cláudio Mardegan e Giuseppe Parise Capítulo IV – Técnicas para a redução da energia incidente • Diminuição do tempo de eliminação da falta • Diminuição da magnitude da corrente • Utilização de relés monitores de arco

Fascículos

Painel de empresas


Apoio

Fascículo

Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

26

Apoio

Por Nunziante Graziano*

a abertura automática destes dispositivos estejam conectados. Da mesma forma, não deve ser possível a desconexão dos circuitos auxiliares com o disjuntor fechado, na posição de serviço.

– A operação do disjuntor ou contator

inclusive para atender às exigências

deve ser impedida quando a chave de

dos procedimentos de desenergização

aterramento associada (se existir) estiver na

e energização contempladas na NR 10,

posição fechada (aterrada);

norma regulamentadora do Ministério do

– A utilização de intertravamentos

Trabalho e Emprego.

adicionais

Capítulo IV (continuação)

alternativos

deve

ser

• Conjunto de manobra e controle em

Se o aterramento de um circuito é realizado

invólucro metálico com seccionadores :

o usuário. O fabricante deve fornecer

por um dispositivo de manobra principal

todas

necessárias

(disjuntor ou contator) em série com uma

para impedir a operação de seccionadores

sobre as características e a função dos

chave de aterramento, este dispositivo deve ser

sem carga nas condições diferentes daquelas

intertravamentos;

intertravado com o dispositivo de manobra

para as quais eles foram previstos. A operação

– As chaves de aterramento providas de

principal. Deve-se ressaltar a importância de

de um seccionador sem carga só deve ser

capacidade nominal de fechamento em

que o dispositivo de manobra principal deve

possível quando o disjuntor ou contator, a ele

curto-circuito inferior ao valor de crista da

ser seguro contra abertura não intencional,

associado, estiver na posição aberta. Muitas

corrente admissível nominal do circuito

por exemplo, por desconexão dos circuitos de

vezes esse intertravamento é executado por

principal devem ser intertravadas com os

abertura e bloqueio de abertura mecânica.

meio de contatos auxiliares adiantados da

seccionadores associados;

seccionadora com atuação sobre o circuito de

– Os dispositivos instalados em circuitos

aterramento, é possível também um secionador na posição de aterramento.

– Os intertravamentos devem ser previstos

Requisitos de projeto e construção

ou

objeto de acordo entre o fabricante e as

informações

Opcionalmente, ao invés de uma chave de

Prezado leitor, este fascículo pretende

do invólucro, fechamentos, conceitos de

conter partes mecânicas, cabos, contatores,

disparo do dispositivo de manobra associado a

principais, onde a operação incorreta

apresentar em detalhes o conjunto de normas

compartimentação dos conjuntos, janelas de

bobinas etc.). Cada componente deve ser

este seccionador;

pode causar danos ou que são usados para

Se os dispositivos de manobra, a chave seccionadora e o seccionador de aterramento

brasileiras para construção de conjuntos de manobra e controle em alta tensão, acima de 1

inspeção e plaquetas de identificação. Neste capítulo, abordaremos os requisitos

considerado como parte de um equipamento

– Esta regra pode ser desconsiderada

assegurar distâncias de isolamento durante

auxiliar e de comando. O equipamento auxiliar

se for possível ter uma transferência de

trabalho de manutenção, devem ser

forem providos de intertravamentos não mecânicos, o projeto deve ser tal que nenhuma situação imprópria ocorra no caso de falha de

de projeto e construção obrigatórios para

e de controle é constituído de componentes

um sistema de barramento duplo sem

providos de dispositivos de intertravamento

fascículo

os conjuntos, notadamente dispositivos de

(eletrônicos) de projeto convencional ou não

interrupção de corrente;

(por exemplo, provisão para cadeados),

apresentamos ao leitor os objetivos deste

intertravamento, indicadores de posição, grau

convencional.

trabalho, que contemplou a apresentação

de proteção dos invólucros, entre outros itens.

kV até 52 kV inclusive. No

capítulo

inicial

deste

do panorama atual da NBR-IEC-62271-200 vigente no Brasil, suas subdivisões, principais

Dispositivos de intertravamento

pontos de interesse, suas interpretações e

definições.

Neste

segundo

Intertravamentos

entre

componentes

diferentes do conjunto podem ser providos para atender aos requisitos de proteção e por conveniência de operação. As disposições

capítulo,

Segundo a ABNT NBR IEC 62271-1, os

seguintes são obrigatórias para os circuitos

NBR-IEC

dispositivos de intertravamento entre diferentes

62271-200, suas regras gerais, definições,

componentes do equipamento podem ser

características nominais obrigatórias dos

especificados por razões de segurança e

• Conjunto de manobra e controle em

conjuntos, além dos requisitos de projeto e

conveniência de manobra (por exemplo, entre

invólucro metálico com partes removíveis:

construção.

continuaremos

a

análise

da

principais:

o dispositivo de manobra e o seccionador de

– A extração ou inserção de um disjuntor,

No segundo capítulo, foram abordadas

aterramento associado). Estes dispositivos de

secionador ou contator só deve ser possível

as principais características nominais de um

intertravamento devem ser fornecidos para

quando este estiver na posição aberta;

conjunto de manobra e controle em invólucro

atender aos requisitos operacionais específicos

– A operação de um disjuntor, secionador

metálico de alta tensão, desde tensão nominal e

de cada instalação, mas em especial para

ou contator só deve ser possível quando este

número de fases, nível de isolamento nominal,

atender aos requisitos de segurança e requisitos

estiver na posição de serviço, desconectada,

frequência nominal a valores nominais dos

normativos.

removida, de ensaio ou de aterramento;

componentes que fazem parte do conjunto de

Os dispositivos de manobra, nos quais

– A operação de um disjuntor só deve

manobra e controle em invólucro metálico,

uma operação indevida possa causar danos

ser possível quando uma outra fonte,

incluindo seus dispositivos de operação

ou aqueles que são utilizados para assegurar

conectada ao mesmo barramento comum

e seus equipamentos auxiliares e nível de

distâncias de isolamento, devem ser fornecidos

de um conjunto, se a outra fonte estiver

preenchimento nominal dos compartimentos

com dispositivos de bloqueio conforme

desligada;

preenchidos com fluido.

especificado pelo fabricante (por exemplo:

– O intertravamento deve impedir o

cadeados, travas automáticas, etc.).

fechamento do disjuntor, secionador ou

O terceiro capítulo tratou das principais características de operação normal, partes

Um dispositivo de intertravamento é um

contator na posição de serviço a menos que

removíveis, aterramento do conjunto e

sistema constituído de componentes (este pode

todos os circuitos auxiliares associados com

27


Apoio

Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

28

Apoio

alimentação auxiliar. Porém, para comando

5007-a da IEC 60417). A posição aberta deve

partes perigosas for solicitada ou se esta for

de emergência, o fabricante pode prover

ser marcada, preferencialmente, com um O

maior que aquela indicado pelo primeiro

meios adicionais para operação manual sem

(conforme indicado pelo símbolo 417-IEC-

numeral característico, uma letra adicional

dispositivos de intertravamento. Em tal caso,

5008-a da IEC 60417). Alternativamente, no

pode ser usada.

o fabricante deve identificar claramente este

caso de equipamentos de funções múltiplas,

Alguns detalhes de objetos que serão

dispositivo e definir os procedimentos para

as posições podem ser marcadas por meio de

“excluídos” do invólucro são importantes

operação. Cabe ressaltar que este tipo de

símbolos gráficos para diagramas, conforme a

para a configuração e para cada um dos graus

operação em contingência é previsto na NR

IEC 60617.

de proteção. O termo “excluído” implica

10, seguindo o conceito de intertravamento por procedimento, que deve ser claro e estar disponível em local acessível ao operador.

Indicador de posição

Grau de proteção provido pelos invólucros

completamente no invólucro e que uma parte do corpo ou um objeto segurado por uma pessoa não entrará no invólucro ou, se entrar,

Devem ser especificados graus de proteção, de acordo com a ABNT NBR IEC 60529,

a distância adequada será mantida e nenhuma parte móvel perigosa será tocada.

Segundo minha opinião, os indicadores

para todos os invólucros de equipamentos de

de posição são instrumentos essenciais para

manobra e controle de alta tensão, referentes

a segurança da operação e manutenção de

ao circuito principal, permitindo penetração

conjuntos de manobra e controle em invólucro

pelo lado de fora, bem como para invólucros

metálico. Indicações claras e confiáveis da

apropriados para circuito de comando e/ou

Nenhum grau de proteção contra

posição dos contatos do circuito principal

auxiliares de baixa tensão e equipamentos de

entrada prejudicial de água é especificado,

devem ser fornecidas, no caso destes contatos

manobra mecânica e dispositivos.Os graus de

como indicado pelo segundo numeral

não serem visíveis. Deve ser possível verificar

proteção aplicam-se às condições de serviço

característico do código IP (segundo

facilmente o estado do dispositivo indicador de

dos equipamentos.

numeral característico X).

posição no caso de uma manobra local.

Proteção contra penetração de água

Cabe ressaltar que os graus de proteção

Equipamento para uso externo fornecido

Cabe ressaltar que muitos acidentes graves

podem ser diferentes para outras condições,

com características de proteção adicionais

ocorrem por conta de indicação errada da

tais como manutenção, ensaio, etc. Um

contra chuva e outras condições atmosféricas

posição de seccionadores ou dispositivos de

exemplo dessa configuração pode ser quando

deve ser especificado por meio da letra

manobra, quando um indicador declara que o

da abertura das portas ou fechamentos externos

suplementar W, colocada depois do segundo

dispositivo está na posição aberta (por defeito do

para operação normal ou manutenção, tendo

numeral característico, ou depois da letra

contato auxiliar de posição) e um procedimento

grau de proteção interno diferente do externo.

adicional, se for o caso.

Proteção de pessoas contra acesso a partes perigosas e proteção do equipamento contra penetração de objetos sólidos estranhos

Proteção do equipamento contra impacto mecânico sob condições normais de utilização

de manutenção é iniciado sem o devido desligamento efetivo. Seguindo-se os preceitos da NR 10, após o desligamento, é necessário verificar o real desligamento do circuito, momento no qual verificações inadequadas podem causar acidentes, por exemplo. Assim sendo, conclamo aos colegas

Fascículo

que objetos sólidos estranhos não entrarão

Os invólucros dos equipamentos de manobra e controle encapsulados devem

que deem maior importância a este simples

O grau de proteção proporcionado por

ter resistência mecânica suficiente para

e barato sistema de indicadores, incluindo

um invólucro contra acesso de pessoas a partes

suportar esforços ou exigências previstas para

métodos de verificação por duas formas

perigosas do circuito principal, de comando e/

ocorrerem em condições normais de operação

(contatos duplicados, indicadores de presença

ou auxiliar e a qualquer parte móvel perigosa

e manutenção. Para uso interno, o nível de

de tensão capacitivos, etc.) da posição real dos

(exceto hastes rotatórias, lisas e articulações

impacto proposto é 2 J. Para uso externo sem

dispositivos de manobra ou seccionadores, que

de movimentos lentos) deve ser indicado por

proteção mecânica adicional, níveis de impacto

podem evitar muitos acidentes.

meio de uma designação especificada.

mais elevados podem ser especificados,

As cores dos dispositivos indicadores

O primeiro numeral característico indica o

de posição nas posições aberta, fechada ou,

grau de proteção proporcionado pelo invólucro,

quando apropriado, aterrada, devem estar de

com respeito a pessoas, bem como a proteção

acordo com a IEC 60073. A posição fechada

do equipamento dentro do invólucro contra a

deve ser marcada, preferencialmente, com um

penetração de corpos sólidos estranhos.

I (conforme indicado pelo símbolo 417-IEC-

Se somente a proteção contra acesso a

mediante objeto de acordo entre fabricante e usuário.

Distâncias de escoamento A IEC 60815 estabelece regras gerais para

29


Apoio

Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

30

Apoio

a escolha de isoladores com desempenho satisfatório sob condições de poluição. O conceito de distância de escoamento é sensivelmente ligado ao conceito de condições de poluição. Assim sendo,

Tabela 1 – Graus de proteção (Tabela 6 da IEC-62271-1)

Graus de proteção IP1XB

altos níveis de poluição potencialmente condutora

podem

requerer

especial

atenção aos isoladores e componentes, em

IP2X

suas superfícies e distância de escoamento, que consiste na distância mínima da superfície do componente desde o ponto

IP2XC

sob tensão de operação até a referência à terra, que pode ser invólucro ou dispositivo aterrado, mas que esteja em potencial do

IP2XD

terra. A distância de escoamento nominal

IP3X

mínima de um isolador de cerâmica ou vidro para uso externo situado entre fase e terra, entre fases e através de terminais de

IP3XD

um polo de um disjuntor ou seccionador, é determinada pela relação:

IP4X

It = a x If x Ur x kD IP5X

Em que: It é a distância de escoamento nominal mínima (mm); a é o fator de aplicação selecionado em relação ao tipo de isolamento;

Proteção contra acesso a partes perigosas Acesso com um dedo (dedo-de-ensaio 12 mm de diâmetro, 80 mm de comprimento) Acesso com um dedo Objetos de 12,5 mm de (dedo-de-ensaio 12 mm de diâmetro, diâmetro e maior 80 mm de comprimento) Acesso com uma ferramenta Objetos de 12,5 mm de (haste de ensaio 2,5 mm de diâmetro, diâmetro e maior 100 mm de comprimento) Acesso com um fio Objetos de 12,5 mm de (fio de ensaio 1,0 mm de diâmetro, diâmetro e maior 100 mm de comprimento) Acesso com uma ferramenta Objetos de 2,5 mm de (haste de ensaio 2,5 mm de diâmetro, diâmetro e maior 100 mm de comprimento) Acesso com um fio Objetos de 2,5 mm de (fio de ensaio 1,0 mm de diâmetro, diâmetro e maior 100 mm de comprimento) Acesso com um fio Objetos de 1,0 mm de (fio de ensaio 1,0 mm de diâmetro, diâmetro e maior 100 mm de comprimento) Acesso com um fio Poeira A penetração de poeira não pode ser (fio de ensaio 1,0 mm de diâmetro, 100 mm de comprimento) totalmente evitada, porém a quantidade penetrada não pode interferir na Manobra satisfatória do equipamento, nem prejudicar a segurança. Proteção contra penetração de corpos sólidos estranhos Objetos de 50 mm de diâmetro e maior

nominal mínima de acordo com a tabela II

NOTA 1 A designação do grau de proteção corresponde à ABNT NBR IEC 60529. NOTA 2 No caso do IP5X, é aplicável a categoria 2 de 13.4 da ABNT NBR IEC 60529. NOTA 3 Se for considerada somente a proteção contra acesso a partes perigosas, a letra adicional é usada e o primeiro numeral é substituído por um X.

da IEC 815 (mm/kV);

Tabela 2 – Fatores de aplicação para distâncias de escoamento (Tabela 7 da IEC-62271-1)

If é a distância de escoamento específica

Ur é a tensão nominal do equipamento de

Aplicação para isolação

manobra e mecanismo de comando; kD é o fator de correção devido ao

Fascículo

diâmetro (ver 5.3 da IEC 815). Cabe ressaltar que, para a determinação da distância de escoamento real, são aplicáveis as tolerâncias de fabricação especificadas (ver IEC 60273 e IEC 60233). No próximo capítulo deste fascículo continuaremos abordando os requisitos de projeto e construção obrigatórios para

os

conjuntos,

notadamente,

conceitos de estanqueidade ao gás e ao vácuo, estanqueidade aos líquidos, Inflamabilidade

e

eletromagnética (EMC). Até lá!

compatibilidade

Entre fase e terra Entre fases Através de contatos abertos de um disjuntor ou seccionador

Fator de aplicação a 1,0 √3 1,0

NOTA 1 Equipamentos de manobra que podem estar sujeitos a condições de discordância de fase podem necessitar de uma distância de escoamento maior através dos contatos abertos. Um fator de aplicação a = 1,15 tem sido sugerido para tais aplicações. NOTA 2 Isoladores não verticais sujeitos a serem cobertos de neve poluída fundente podem necessitar de uma distância de escoamento maior.

*Nunziante Graziano é engenheiro eletricista, mestre em energia, redes e equipamentos pelo Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE/USP), Doutor em Business Administration pela Florida Christian University, membro do ABNT/CB-003/CE 003 017 003 "Conjuntos de manobra e controle de alta tensão", Conselheiro Regional do CREA-SP e diretor da Gimi Pogliano Blindosbarra Barramentos Blindados e da GIMI Quadros elétricos. Continua na próxima edição Acompanhe todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br Dúvidas, sugestões e outros comentários podem ser encaminhados para redacao@atitudeeditorial.com.br

31


Apoio

Fascículo

Iluminação pública – ABNT NBR 5101

32

33

Apoio

Por Luciano Haas Rosito*

mantida de 5 lux e uniformidade mínima de 0,2, o Emin deve ser necessariamente

Capítulo IV

superior a 1 lux. É um valor bastante baixo considerando a percepção dos usuários, mas ainda aceitável para esta

Iluminância e uniformidade

classe de via. Na prática, os pontos de mínimo ocorrem no meio do vão em alguma das extremidades da via, junto ao meio fio. No caso das calçadas, eles também devem ser avaliados. Os níveis de iluminação para a parte da via onde circulam os veículos são definidos nas classes de V1 a V5 e, na calçada onde circulam pedestres, de P1 a P4. As classes são definidas de

Neste artigo serão abordados os

A ABNT NBR 5101 estabelece os

critérios estabelecidos para a avaliação da

valores mínimos para a iluminância

iluminância e uniformidade estabelecidas

média mantida em cada classe de via

no capítulo 5 da ABNT NBR 5101. Antes

para veículos e calçada para pedestres.

de avaliarmos os critérios da norma,

Estes valores são obtidos pela média

é importante entender o conceito da

aritmética das leituras realizadas em

grandeza em pauta e sua unidade, bem

campo ou cálculo realizado em software

como o que representa e sua importância. A

de iluminação, em plano horizontal, no

iluminância é expressa em lux, sendo a luz

nível do piso da via, sob as condições

que “chega” em determinada área, ou seja, o

estabelecidas na seção 7 da norma que

fluxo luminoso que incide nesta área, logo

trata da inspeção dos valores em projeto

estamos falamos de fluxo luminoso por área

e medição. A norma estabelece que

em metros quadrados.

estes valores não são os iniciais quando

é implantado o projeto e sim os valores

acordo com a função da via, volume de

finais após a depreciação da fonte de luz

tráfego, separação de tráfego e demais

e condições de pó acumulado no refrator

características

da luminária e demais depreciações

brasileiro de trânsito. Na prática, é

neste refrator. Devem ser considerados

importante

estes fatores de manutenção ao longo

valores e classificar as vias de forma

do tempo de utilização de acordo com

correta em ambas as situações (veículos

o fator de manutenção local. Este valor

e pedestres). A classificação deve levar

médio mantido é estabelecido a partir

em conta a via como um todo e todos os

da necessidade de visão das pessoas

tipos de usuários que irão trafegar por

para circulação de forma segura, logo,

ela.

saber

no

interpretar

código estes

o valor inicial deve ser maior que este

Apesar de já termos falado sobre as

estabelecido na tabela a seguir, caso

classes de vias em capítulo anterior, é

não haja um sistema de controle que

importante compreender cada uma delas

mantenha o fluxo constante ao longo

para

da vida levando em conta os fatores de

cada via da cidade, sabendo que, em

manutenção.

determinadas situações, esta classificação

O menor valor de iluminância é

Figura 1 – Iluminância.

definidas

poder

classificar

corretamente

pode mudar ao longo do tempo.

definido como Emin, conhecido como

A Tabela 1 (tabela 5 da norma) é uma

ponto de mínima iluminância na área que

das mais conhecidas e aplicadas da ABNT

está sendo avaliada e deve ser aplicado

NBR 5101. Muitos editais de licitação

para cálculo do fator de uniformidade

de compra de equipamentos, projetos

em conjunto com o Emed calculado/

e PPPs utilizam como referência esta

medido. O fator de uniformidade é

tabela para determinar os níveis mínimos

definido na tabela, também de acordo

exigidos. Muitas cidades já realizaram

com cada classe de via. Por norma é

projetos de conversão de lâmpadas com

exigido que o Emin sempre seja superior

tecnologias antigas para luminárias com

a 1lux, isto é, na classe V5, por exemplo,

lâmpadas a vapor de sódio utilizando

com uma iluminância média mínima

esta tabela como referência e atualmente


Apoio

Iluminação pública – ABNT NBR 5101

34

Apoio

os sistemas vêm sendo substituídos

Tabela 1 – Classes de iluminação para cada tipo de via (Tabela 4 da ABNT NBR 5101)

por luminárias com tecnologia Led. Independentemente da tecnologia, os valores devem ser observados e mantidos até o final da vida útil do sistema. O fator de uniformidade deve ser calculado com o valor de iluminância média obtido em cada cálculo específico e não com o valor mínimo desta tabela. Nas Tabelas 3 e 4 (tabelas 6 e 7 da norma) são definidas as classes de iluminação para cada tipo de via de pedestres e suas respectivas iluminâncias médias mínimas mantidas e fatores de uniformidade. Um dos pontos mais controversos em relação à aplicação da norma diz respeito

Tabela 2 – Iluminância média mínima e uniformidade para cada classe de iluminação (Tabela 5 da ABNT NBR 5101)

ao item 5.2 da mesma, que trata do projeto e da manutenção. Este item trata dos requisitos de manutenção do sistema de iluminação e fala da manutenção da fonte de luz nos valores nominais de corrente e tensão e a substituição da fonte de luz, em períodos regulares bem como a limpeza periódica das luminárias. Este item deve ser revisado

Tabela 3 – Classes de iluminação para cada tipo de via (Tabela 6 da ABNT NBR 5101)

em função da mudança da tecnologia e a necessidade de conhecimento da substituição de módulos de Led, visto que, anteriormente, havia a substituição da fonte de luz que, normalmente, era uma lâmpada de descarga. Quanto à limpeza das luminárias também deve ser conhecida a forma de manutenção e se há na prática algum tipo de limpeza.

Fascículo

A ABNT NBR 5101 não define

Tabela 4 – Iluminância média e fator de uniformidade mínimo para cada classe iluminação (Tabela 7 da ABNT NBR 5101)

um fator de manutenção que deva ser utilizado para todos os projetos, mas sim que este deva ser definido de acordo com as condições locais, densidade de tráfego, devendo ser realizada a manutenção quando a iluminância média atingir 70% do valor inicial. Sendo assim, de forma indireta, indica o conceito da vida útil do sistema, devendo o projetista/contratante estabelecer se os equipamentos a serem utilizados depreciam em que tempo para atingir este índice de 70% do valor inicial.

Luciano Haas Rosito é engenheiro eletricista, gerente de Novos Negócios da Philips Iluminação e coordenador da Comissão de Estudos CE 03:034:03 – Luminárias e acessórios da ABNT/COBEI. É professor das disciplinas de Iluminação de exteriores e Projeto de iluminação de exteriores, do IPOG, e palestrante em seminários e eventos na área de iluminação e eficiência energética. Continua na próxima edição Acompanhe todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br Dúvidas, sugestões e outros comentários podem ser encaminhados para redacao@atitudeeditorial.com.br

35


Apoio

Proteção contra arco elétrico

36

Apoio

37

Por Cláudio S. Mardegan e Giuseppe Parise*

Capítulo IV Técnicas para a redução da energia incidente

Existem várias técnicas para a redução da energia incidente. Essas técnicas estarão embasadas entre as apresentadas a seguir:

• Utilizar disparadores com faixa de ajuste de corrente de tempo

• Diminuição do tempo de eliminação da falta;

• Substituir relés eletromecânicos por digitais;

• Diminuição da magnitude da corrente de falta;

• Utilizar relés digitais com ajustes otimizados;

• Utilização de relés monitores de arco;

• Mudança de grupo de ajustes.

• Evitar o escalamento de um arco monofásico para um arco trifásico;

Ajuste de tempo dos disparadores de baixa tensão abaixo da

• Segurança em projeto, montagem, comissionamento, operação

corrente de arco (I-STD < Iarco)

Diminuição do tempo de eliminação da falta

Como pode ser visualizado na Figura 1, após o novo ajuste de I-STD, o valor da energia incidente é menor. Na prática, esta técnica reduz o tempo do arco. Disparadores com faixa de ajuste de corrente de tempo mais

Fascículo

Esta técnica pode ser feita sem substituição de equipamentos, com substituição de equipamentos ou com o acréscimo de novos equipamentos. A aplicação de cada uma dessas técnicas

baixa (recomenda-se o início da faixa a partir de 1.5xIn) A Figura 2 ilustra como a energia incidente fica menor. Na prática, esta técnica reduz o tempo do arco.

irá depender da concepção elétrica do sistema, do tipo de aterramento, dos equipamentos existentes na planta e do valor da energia incidente.

Substituição de relés eletromecânicos por digitais Esta técnica permite um ajuste mais refinado dos tempos de seletividade, além de possuir mais elementos de sobrecorrente

Técnicas de seletividade cronológica A integração dos estudos de curto-circuito, seletividade e

para serem utilizados. Na prática, esta técnica reduz o tempo do arco. Veja Figura 3.

arc flash são extremamente importantes para a diminuição da energia incidente. Apresentam-se, a seguir, algumas técnicas para melhorar um sistema no que tange à proteção das pessoas quanto ao arc flash hazards aplicadas à seletividade cronológica:

Utilizar relés digitais com ajustes otimizados A utilização da técnica de ajustes otimizados em relés digitais consiste na adição de mais um elemento de sobrecorrente para que o tempo de eliminação da falta seja o mesmo tanto na falta franca

• Ajustar o tempo dos disparadores de baixa tensão abaixo da

Figura 3 – Substituição de relés eletromecânicos por digitais.

Figura 2 – Disparadores eletrônicos com faixa de STD (short time delay) mais baixa.

Figura 4 – Otimização dos ajustes dos elementos de sobrecorrente adicionando mais um elemento a tempo definido.

corrente de arco (I-STD <Iarco); mais baixa (recomenda-se o início da faixa a partir de 1.5xIn);

e manutenção.

Figura 1 – Ajuste da corrente de short-time delay mais baixa do que a corrente de arco.

como na falta por arco. A Figura 4 ilustra esta situação.


Apoio

Proteção contra arco elétrico

38

Apoio

39

Técnica de seletividade lógica A seletividade consiste em intertravar a atuação dos relés. O pickup do relé mais próximo da falta bloqueia a atuação do relé a montante e assim sucessivamente. O único relé que não está bloqueado é o mais próximo do ponto de falta e este da tripe abrindo o disjuntor e eliminando a falta. Caso haja falha na abertura do disjuntor, o bloqueio é removido e o primeiro relé à montante atua instantaneamente. A Figura 5 mostra as diferenças de tempo usando a seletividade convencional e a seletividade lógica. Figura 7 – Simulação de Arc Flash com o programa Easypower usando a solução convencional.

Figura 5 – Comparação dos tempos de seletividade convencional e seletividade lógica.

Na baixa tensão, a seletividade lógica é conhecida como ZSI

Figura 10 – Folha de seletividade mostrando a seletividade usando ZSI e curto-circuito no PNLBD-2.

(Zone Selective Interlocking) e alguns disjuntores de alguns fabricantes permitem o emprego desta técnica quando o mesmo está equipado com esta ferramenta. Alguns softwares, como por exemplo, o Easypower, permitem utilizar esta técnica. O exemplo do unifilar seguinte mostra a aplicação do ZSI. Veja

Fascículo

as Figuras 6 a 11 ilustrando este princípio.

Figura 8 – Folha de seletividade mostrando a solução com seletividade convencional.

Figura 6 – Unifilar exemplo para demonstração do emprego da técnica de ZSI em baixa tensão.

Figura 9 - Simulação de Arc Flash com o programa Easypower usando a técnica de ZSI.

Figura 11 – Folha de seletividade mostrando a seletividade usando ZSI e curto-circuito no SWG-1.


Apoio

Proteção contra arco elétrico

40

Apoio

Utilização de relés com tempo definido para a proteção de terra Como mais de 90% das faltas em sistemas industriais são iniciadas como faltas à terra, a utilização de relés com característica (tempo x corrente) de tempo definido para a proteção de faltas à

Dessa maneira, esta função é utilizada para disjuntores mais

b) Na etapa montagem implementam-se estas técnicas;

próximos da carga.

c) Na etapa comissionamento testa-se a sua eficácia; d) Na etapa de operação treinam-se as pessoas;

Utilização de relés monitores de arco

e) Na etapa de manutenção, mantêm-se esses sistemas em condições operacionais.

terra constitui-se uma forma eficiente de se proteger o sistema, visto que a corrente de arco é sempre menor que a da falta franca e, assim,

O tempo de atuação dos relés de sobrecorrente convencionais

a utilização de relés de tempo inverso apenas iria aumentar o tempo

somado ao tempo de interrupção do disjuntor acaba por ser muito

e, consequentemente, a energia incidente.

elevado. Os relés sensores de arco são dispositivos construídos

Cláudio S. Mardegan é engenheiro especialista formado pela Unifei, especialista em proteção de sistemas elétricos industriais e qualidade de energia. É membro sênior do IEEE e chairman do Capítulo 6 do Buff Book, atual 3004 series (3004.6) sobre Ground Falut Protection. É chair ainda do Capítulo 13 – Protection Coordination e vice-chair de Surge Protection do IEEE. É diretor da EngePower Engenharia e Comércio Ltda.

com microprocessadores, com o objetivo de reduzir o tempo de Utilização de relés diferenciais de barra

eliminação da falta, normalmente, são fotossensíveis e atuam

Com o advento dos relés digitais, a utilização de proteções

quando a intensidade luminosa aumenta acima de um valor

diferenciais de barra fica mais estável e a atuação indevida desta

predeterminado. Atualmente, estes dispositivos também podem

proteção fica minimizada. Devido à sua alta velocidade de atuação,

ser ajustados para atuar por luz + corrente. Mostram-se a seguir as

é uma excelente ferramenta para proteção de arco.

principais partes do mesmo. O sistema de proteção de arco possui as seguintes partes:

Utilização de disjuntores com menor tempo de interrupção A utilização com menor tempo de interrupção, seja na AT, na MT ou na BT, reduz o tempo de interrupção e, consequentemente,

Unidade de processamento Esta unidade processa os sinais recebidos e atua em tempos de:

Figura 12 – Utilização de sensores pontuais.

reduz a energia incidente Mudança de grupos de ajustes dos relés / IEDs Em algumas empresas, em que a alta gerência tem elevado

- 2 ms (Schneider), 2.5 ms (ABB) e 2 a 5 ms (SEL) para a saída de

anteriores exige que estas técnicas sejam implementadas

estado sólido digitais;

preferencialmente na etapa de projeto, passando pela montagem,

- 15 ms (ABB) e 7 a 13ms (SEL) para a saída a relés.

comissionamento, operação e manutenção.

respeito pela vida humana, utilizam-se as seguintes técnicas para redução da energia incidente:

a) Na etapa projeto idealizam-se estas técnicas;

Fibras sensoriais Este tipo de detector de luz é composto por cabo de fibra ótica, em

• Quando em parada, aciona-se uma chave de comando que

que sua capa é retirada (decapada). Possui alta sensibilidade, de até 8000

comanda a mudança do grupo de ajustes dos relés/IEDs para

lux, e sua faixa de captação abrange um raio de 4 m. Normalmente, é

instantâneo, visto que não há produção na planta e existe um

instalada em loop que possui auto supervisão de integridade. Os

contingente elevado de pessoas que não conhecem profundamente

comprimentos podem chegar até 85 m dependendo do fabricante.

os riscos da planta; • Nas subestações onde não ficam operadores, colocam-se

Sensores pontuais

microswitches nas portas destas subestações de tal modo que

Este tipo de detector de luz é composto por um sensor ótico

quando alguém abre a porta da subestação comuta-se o grupo de

pontual e, normalmente, utiliza três sensores por compartimento,

ajustes para instantâneo.

um para o barramento, um para o dispositivo de interrupção e outro

Diminuição da magnitude da corrente

para o cabo. Possui alta sensibilidade, até 8.000 lux, e sua faixa de captação abrange um raio de 4 m. Também possui auto supervisão

Fascículo

de integridade e permite fácil e rápida substituição. A figura 6.12 A diminuição da magnitude da corrente de falta por arco pode

mostra uma aplicação típica.

ser conseguida com a utilização de resistores de aterramento de alto valor (RAV, em inglês HRG High Resistance Grounding) na

Sensores de lapela

baixa tensão e de baixo valor (LRG – Low Resistance Grounding) em média tensão. A utilização de disjuntores de baixa tensão equipados para

þ É um acessório do relé de arco; þ O operador da subestação que trabalha a quente deve utilizá-lo;

o WFR (reconhecimento da forma de onda) é uma excelente

þ Coloca o sensor em sua roupa e a outra extremidade conecta no

ferramenta para as cargas terminais, pois os mesmos atuam em um

relé;

tempo tão rápido e assim não permitem o crescimento da corrente

þ O comprimento do cabo é de 5 m.

de falta. O princípio do método WFR, que significa Wave Form Recognition. Em outras palavras, o disjuntor faz o reconhecimento da forma de onda e atua num tempo muito baixo, como no ZSI. A diferença é que não faz comunicação com o disjuntor à montante.

Segurança

em

projeto,

montagem,

comissionamento,

operação e manutenção Como pode ser observado, a implementação das etapas

Giuseppe Parise é engenheiro eletricista e, desde 1973, trabalha no Departamento de Engenharia Elétrica na Faculdade de Engenharia Elétrica da Universidade Sapienza em Roma, onde é Professor Pleno de Sistemas Elétricos de Potência. Tem mais de 320 artigos publicados e é autor de duas patentes e três prêmios de artigos do IEEE/IAS PSD. É membro ativo do IEEE Industry Applications Society (past Member at Large of Executive Board). Continua na próxima edição Acompanhe todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br Dúvidas, sugestões e outros comentários podem ser encaminhados para redacao@atitudeeditorial.com.br

41


44

Aula Prática

O Setor Elétrico / Abril de 2018

45

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Por Joyce Nogueira e Rodrigo de Paiva*

gastos com acomodação no domicílio em

à eletricidade supera todas as outras áreas

outras localidades para tratamento, além

ocupacionais. E, como se não bastasse, em

da dor física e psicológica e do estigma do

sua grande maioria, são acidentes fatais ou

acidentado ou doente (Soares, 2008).

que ocasionam à vítima sequelas irreversíveis

O trabalho com eletricidade requer

(Basseto et. al. 2016). Com o intuito de

um planejamento minucioso e cuidados

contribuir para a amenização do número

extremos. A ativação ou operação não

de vítimas no Brasil, este trabalho tem

intencional de equipamentos durante o

como objetivo traçar o perfil dos acidentes

serviço, instalação ou manutenção pode

elétricos ocorridos no Brasil, baseado em

resultar em ferimentos graves ou morte. O

dados obtidos do Anuário Estatístico da

eletricista deve garantir que o poder esteja

Associação Brasileira de Conscientização

desligado e permaneça desligado (Baka e

para os Perigos da Eletricidade (Abracopel)

Uzunoglu, 2014).

e da Análise de Acidentes e Doenças

do Trabalho do Ministério do Trabalho e

Os riscos à segurança e à saúde dos

trabalhadores expostos à energia elétrica

Previdência Social (MTPS).

são por si só muito elevados, podendo levar a lesões graves e até mesmo à morte. Em

Referencial teórico

serviços com eletricidade, o trabalhador está exposto a riscos de acidentes com

Acidente do trabalho

consequências diretas: choque e arco

elétrico e com consequências indiretas –

define que Acidente do trabalho é o que

quedas, batidas, incêndio, explosões de

ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

origem elétrica, queimaduras etc.

de empresa ou de empregador doméstico

Em um estudo realizado por Miranda

ou pelo exercício do trabalho dos segurados

et. al. 2009, do total de 1.545 internações

referidos no inciso VII do art. 11 desta Lei,

no Hospital Municipal do Tatuapé, em São

provocando lesão corporal ou perturbação

Paulo (SP), 146 (9,45%) foram por trauma

funcional que cause a morte ou a perda ou

elétrico, com média de 29,2 casos por ano,

redução, permanente ou temporária, da

sendo 95% do sexo masculino. A idade de

capacidade para o trabalho.

O artigo Nº 19 da Lei Nº 8.213/1991

19 a 50 anos (60,2%) foi a mais acometida e

Tipologia dos acidentes elétricos no Brasil A não desenergização de equipamentos e a falta do prontuário de instalações elétricas nos estabelecimentos são os fatores que mais contribuem para acidentes elétricos no país

Segurança do trabalho

64% ocorreram na construção civil. Atualmente,

a

legislação

brasileira

Segundo Peixoto (2011), a segurança

dispõe da Norma Regulamentadora (NR)

do trabalho pode ser entendida como o

Nº 10 - Segurança em instalações e serviços

conjunto de medidas adotadas, visando

em eletricidade para orientar empresas

minimizar os acidentes de trabalho, doenças

e

ocupacionais,

empregados

sobre

como

executar

bem

como

proteger

a

trabalhos com eletricidade, além de NRs

integridade e a capacidade de trabalho das

para atividades mais específicas, como a

pessoas envolvidas. Além disso, é praticada

de lei os gastos diretos com hospital,

Nº 18 - Condições e meio ambiente de

pela conscientização de empregadores e

medicamento, apoio psicossocial e, muitas

trabalho na indústria da construção, e a Nº

empregados em relação aos seus direitos

Os acidentes de trabalho são eventos

100 bilhões por ano com indenizações e

impostos e perde investimentos em saúde

das vezes, com reparação judicial. O

12 - Segurança no trabalho em máquinas e

e deveres. Ademais, deve ser praticada no

não planejados que causam danos. Os

tratamentos decorrentes de acidentes de

preventiva, educação, segurança e lazer.

governo também perde com pagamento

equipamentos, entre outras.

trabalho, na rua, em casa, em todo lugar e

impactos socioeconômicos e os custos

trabalho. Somente o custo gerado pelos

Isto também quer dizer que o contribuinte

de pensões e, como consequência, vê

em qualquer momento.

humanos dos acidentes são elevados em

acidentes entre trabalhadores de empresas

acaba arcando com o prejuízo. A empresa,

a efetivação de suas políticas frustradas

n.º 6.514, de 22 de dezembro de 1977,

todo o mundo (Rahmani et. al. 2013). O

com carteira assinada que são notificados

que muitas vezes perde mão de obra

pela alocação de verbas para pagamento

e Portaria n° 3.214, 08 de junho de 1978.

Risco e perigo

Brasil foi classificado como o quarto pior

e identificados nas estatísticas oficiais é

altamente especializada e vê sua imagem

de pensões e aposentadorias precoces.

Hoje, 40 anos após a criação das NRs, o

país do mundo em segurança do trabalho,

estimado em cerca de R$ 70 bilhões (Correio

como corporação comprometida, constata

Contudo, nada se compara aos danos

Estado e a iniciativa privada ainda possuem

risco é a probabilidade ou chance de

ficando atrás da China, Estados Unidos

Braziliense, TRT 2012).

a queda brusca na produtividade durante

sofridos pelos trabalhadores e por suas

dificuldades de estabelecer prioridades na

lesão ou morte. Perigo é uma condição

e Rússia (OIT, 2013). Além de perdas

Os

causam

o período de acomodação e assimilação

famílias na forma de redução de renda,

prevenção de acidentes elétricos. O número

ou um conjunto de circunstâncias que

intangíveis, o Brasil gasta, em média, R$

prejuízos a toda a sociedade, que paga seus

da ocorrência, além de assumir por força

interrupção do emprego de familiares,

de acidentes com trabalhos relacionados

têm o potencial de causar ou contribuir

acidentes

de

trabalho

Todas as NRs foram criadas pela Lei

Segundo Sanders e McCormick (1993),


Aula Prática

46

O Setor Elétrico / Abril de 2018

para uma lesão ou morte. Para Kolluru,

que se manifesta no organismo humano

(1996), risco é uma função da natureza do

quando este é percorrido por uma corrente

perigo, acessibilidade ou acesso de contato

elétrica

(potencial de exposição), características

determina as consequências do choque

da

população

exposta

2000).

O

que

a

é a intensidade da corrente elétrica, ou

probabilidade de ocorrência e a magnitude

seja, o valor da corrente. O arco elétrico,

da exposição e das consequências.

também conhecido como arco voltaico, é

Um perigo é um agente químico,

o resultado da passagem de uma corrente

biológico ou físico (incluindo-se a radiação

elétrica pelo ar ou por outro meio isolante

eletromagnética)

de

— como o óleo, por exemplo. Para estes

condições que apresentam uma fonte de

casos, considera-se que o meio isolante se

risco, mas não o risco em si.

refere ao meio que dificulta a passagem

Shinar et. al. (1991) define risco como sendo

da corrente elétrica (Tuiuti, 2016). Os arcos

um resultado medido do efeito potencial do

voltaicos são considerados as maiores e

perigo.

mais intensas fontes de calor que pode

ou

(receptores),

(Kindermann,

um

conjunto

Perigo é a situação que contém “uma

existir no planeta. Sua temperatura é

fonte de energia ou de fatores fisiológicos

extremamente elevada, podendo chegar

e de comportamento/conduta que, quando

até a 20.000 °C.

não controlados, conduzem a eventos/

Com essa característica, as correntes

ocorrências prejudiciais/nocivas.

elétricas assumem uma carga muito grande

A

Norma

Regulamentadora

de calor durante a ocorrência de um arco

10 define perigo como situação ou

elétrico. Por apresentar essas elevadas

condição de risco com probabilidade

temperaturas, a principal consequência

de causar lesão física ou dano à saúde

desse acontecimento é a ocorrência de

das pessoas por ausência de medidas

queimaduras

de controle. O documento define risco

próximas ou expostas ao arco elétrico

como capacidade de uma grandeza com

(Tuiuti, 2016). A Tabela 1 apresenta as

potencial para causar lesões ou danos

consequências do choque elétrico no corpo

à saúde das pessoas. Em serviços com

humano de acordo com a intensidade de

eletricidade, o trabalhador está exposto

corrente elétrica.

nas

pessoas

que

estão

a riscos de acidentes com consequências diretas: choque e arco elétrico e com

Custos dos acidentes

consequências

quedas,

Segundo o Chefe da Divisão de

batidas, incêndio, explosões de origem

Segurança do Trabalho da Fundação Jorge

elétrica, queimaduras etc. (Lourenço e

Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina

Lobão 2008).

do Trabalho (Fundacentro), senhor Francesco

indiretas:

M. G. A. F. de Cicco, para avaliação do custo

Elementos elétricos danosos à vida

dos acidentes do trabalho, em primeiro

Pode-se definir choque elétrico como a

plano, é necessário controlar as perdas para

perturbação de natureza e efeitos diversos

o cômputo geral dos custos, dentro das

Tabela 1 – Consequências do choque elétrico

Intensidade da corrente elétrica

Consequências no ser humano

1 – 10 mA

Sensação de formigamento

10 – 20 mA

Sensação dolorosa

10 mA < ou < 20 mA

Dificuldades na respiração, que podem causar morte por asfixia

100 mA >

Fibrilação cardíaca

200 mA >

Graves queimaduras e parada cardíaca

1A>

Queimaduras extremamente graves, necrose dos tecidos, morte instantânea

Fonte: Santos, 2018.


48

Aula Prática

O Setor Elétrico / Abril de 2018

organizações empresariais do país. Ele faz

•Desperdício de material ou produção

(1994), foram registradas 63 mortes entre

referência de que:

fora de especificação em virtude da

1981 e 1988. Relatórios de investigação

emoção causada pelo acidente;

estavam disponíveis para 57 casos (90,5%).

“Quando temos um acidente do trabalho,

•Redução da produção pela baixa do

Todos ocorreram em homens, dos quais

uma

das

primeiras

medidas

que

os

rendimento do acidentado durante certo

70,2% eram menores de 35 anos e 49,1%

profissionais da área de segurança do

tempo após o regresso ao trabalho;

estavam realizando tarefas relacionadas ao

trabalho devem adotar é realizar uma

• Horas de trabalho despendidas pelos

setor de construção. Das fatalidades, 90,2%

investigação do acidente e propor medidas

supervisores e por outras pessoas:

são classificadas em duas categorias: tarefas

49

O Setor Elétrico / Abril de 2018

para que ele não se repita. Mas, muitas

– Na ajuda ao acidentado;

em ambientes fechados e aquelas atribuídas

vezes, esquecemo-nos de calcular o custo

– Na investigação das causas do

a tarefas não elétricas ao ar livre. As vítimas

deste acidente, que é muito importante

acidente;

do primeiro grupo (56,5% dos casos) foram

porque mostraremos para o empregador

– Em providências para que o

eletrocutadas por contato direto com uma

o custo que foi o acidente e conscientizar

trabalho do acidentado continue a ser

tensão < 10 kV e vítimas do segundo grupo

Figura 1 – Fluxograma da metodologia.

Os dados da Abracopel demostram os

variância, o valor máximo e mínimo, obliquidade e curtose (Vieira, 2011).

ele que prevenir é um meio eficiente de

executado;

por meio de um vetor com uma tensão de >

acidentes elétricos por região brasileira,

aumentar a produtividade e evitar perdas”.

– Na seleção e preparo de novo

10 kV. Castro e Lima Júnior (2015) estudaram

profissão, sexo e tipos de acidentes. Os

empregado;

o perfil epidemiológico das vítimas de

dados do MTPS são mais específicos,

– Na assistência jurídica;

choque elétrico atendidas em um Centro

mostrando a causa do acidente, idade,

são as contribuições mensais pagas pelo

– Na assistência médica para os

de Tratamento de Queimados do Estado do

nível de escolaridade dos trabalhadores,

Os

empregador à Previdência Social.

socorros de urgência;

Ceará. Em relação às vítimas, 91% foram do

itens da Norma Regulamentadora Nº 10

dividem-se

sexo masculino e 9% do sexo feminino. Os

descumpridos, região brasileira e sexo.

categorias: choque elétrico, descargas

Custos

diretos

ou

custos

segurados:

Custos indiretos ou custos não segurados:

– No transporte do acidentado.

acidentes de trabalho foram responsáveis

total das despesas não cobertas pelo

Resultados e discussões acidentes

de

origem

basicamente

atmosféricas

e

elétrica

em

curtos-circuitos.

três Entre

seguro de acidente do trabalho e, em geral,

Sem considerar as doenças do trabalho,

por 70% das internações, sendo que 64%

Análises estatísticas

não facilmente computáveis, tais como as

Soares (2008) estimou em R$ 20 bilhões

ocorreram na construção civil. Quanto ao

A estatística descritiva, como o próprio

choques elétricos; 4,99% foram descargas atmosféricas e 30,49% foram advindos de

4.828 acidentes registrados, 64,52% foram

resultantes da interrupção do trabalho, do

de reais/ano o gasto que o país tinha com

tipo de trauma elétrico, 78% foram por

nome já diz, se preocupa em descrever os

afastamento do empregado de sua ocupação

acidentes de trabalho em 2008. A Tabela 2

passagem de corrente elétrica e 22% por arco

dados. Seu objetivo básico é o de sintetizar

curtos-circuitos.

voltaico. Em 87% dos casos, os pacientes

uma série de valores de mesma natureza,

A Figura 2 apresenta a distribuição

apresentavam queimaduras profundas de

permitindo dessa forma que se tenha uma

gráfica dos acidentes de origem elétrica.

terceiro grau.

visão global da variação desses valores,

Nota-se que os acidentes por choques

organizando e descrevendo os dados

elétricos ocorrem duas vezes mais que os

de três maneiras: por meio de tabelas,

acidentes gerados por curtos-circuitos.

de gráficos e de medidas descritivas

Dados

(Magalhães e Lima, 2000).

por choques elétricos, de 3.115 acidentes

documentadas em um programa realizado

Neste artigo foram utilizados dados

registrados,

entre 1982 e 1997. Entre esses casos, 82%

sobre acidentes elétricos no Brasil, advindos

usadas para descrever um conjunto de

restando

dados são medidas de tendência central

acidentados com e sem sequelas. A

Brasileira

e medidas de variabilidade ou dispersão.

Figura

entre os acidentes com choque elétrico.

habitual, de danos causados a equipamentos e materiais, da perturbação do trabalho normal

apresenta como os gastos com acidentes se dividem.

e de atividades assistenciais não seguradas. Levantamento dos custos indiretos ou

Acidentes elétricos no Brasil e no

custos não segurados: para levantamento

mundo

Metodologia

do custo não segurado devem ser levados

Nos

em consideração, entre outros, os seguintes

relacionadas com energia elétrica foram

elementos:

Estados

Unidos,

152

mortes

•Despesas com reparo ou substituição

foram devidos à falta de desenergização, 11%

do Anuário

de máquina, equipamento ou material

devido à falha na prevenção da reenergização

Estatístico

da

Associação

Algumas medidas que são normalmente

Em relação aos acidentes ocorridos

3

77,30% 22,70% ilustra

vieram de

a

a

trabalhadores

proporcionalidade

avariado;

e 7% foram devidos à falha na verificação da

de Conscientização para os Perigos da

Medidas de tendência central incluem

•Despesas com serviços assistenciais

desenergização (Tulonen, 2010). Na Grécia,

Eletricidade (Abracopel) e da Análise de

média, mediana e moda. Medidas de

Basicamente,

variabilidade

trabalhadores acidentados morrem.

não segurados;

de acordo com uma pesquisa realizada pelo

Acidentes e Doenças do Trabalho do

•Pagamento de horas extras em

Ministério do Trabalho, 429 ferimentos letais

Ministério do Trabalho e

decorrência do acidente;

ocorreram de 2007 a 2012, 62 dos quais

Previdência Social (MTPS). Os dados são

•Despesas jurídicas;

foram devido a choques elétricos, incêndios

dos períodos de 2009 a 2013 (MTPS) e de

•Complementação salarial ao

ou explosões. De acordo com outra pesquisa

2013 a 2016 (Abracopel). A Figura 1 mostra

empregado acidentado;

realizada em Quebec por Pineault et. al.

o fluxograma da metodologia usada.

incluem

desvio

padrão,

três

em

cada

•Prejuízo decorrente da queda de produção pela interrupção do funcionamento da máquina ou da operação de que estava incumbido o acidentado, ou da impressão que o acidentado causa aos companheiros de trabalho;

Tabela 2 – Custos de acidentes do trabalho no Brasil

Tipo do custo

Entidade

Valor

Segurado

INSS

2,5 bilhões/ano

Não segurado

Empresas

12,5 bilhões/ano

Segurado

Estado

5 bilhões/ano

Fonte: Santos, 2018.

óbito,

Figura 2 – Distribuição dos acidentes de origem elétrica. Fonte: Abracopel, 2017.

quatro


50

Aula Prática

O Setor Elétrico / Abril de 2018

51

O Setor Elétrico / Abril de 2018

que envolvam confiança e segurança, possibilitando assim, apresentar alternativas claras e objetivas. Através da avaliação de riscos é possível identificar os riscos e com isso gerenciá-los. Trabalhos não planejados resultam em acidentes. O ideal é investir mais no

planejamento

das

atividades

a

e serem

detalhamento executadas,

deixando tudo o mais claro possível aos Figura 3 – Acidentes e mortes advindos de choques elétricos. Fonte: Abracopel, 2017.

O número de mortes por choque elétrico nas regiões brasileiras distribui-se de acordo

trabalhadores, além de um programa de

Figura 6 – Faixa etária dos trabalhadores acidentados. Fonte: MTPS, 2016.

conscientização sobre os potenciais riscos

As atividades econômicas com graus de risco 3 e 4 são onde acontecem 95,52% dos

com a Figura 4. O Nordeste lidera este índice, superando inclusive, a região mais populosa

acidentes elétricos. A Figura 7 apresenta a distribuição dos acidentes elétricos por grau de

do país, a região sudeste.

risco da atividade econômica.

a que estarão expostos no meio ambiente de trabalho.

Referências bibliográficas • ANUÁRIO ESTATÍSTICO ABRACOPEL DE ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA 2013-2016. Salto: Abracopel, 2017. 106 p. • BAKA, Aikaterini D.; UZUNOGLU, Nikolaos K.. Analysis of Two Electrocution Accidents in Greece that Occurred due to Unexpected Re-energization of Power Lines. Safety And Health At Work, [s.l.], v. 5, n. 3, p.158-160, set. 2014.Elsevier BV. ttp:// dx.doi.org/10.1016/j.shaw.2014.06.006. • BRASIL. Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978. NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. Brasília, DF: Mtb

Figura 4 – Divisão de mortes por choque elétrico por região brasileira. Fonte: ABRACOPEL 2016.

O grau de escolaridade dos trabalhadores que sofreram acidentes com choque elétrico

é apresentado na Figura 5. Nota-se que os trabalhadores que tem até o Ensino Fundamental Completo –(EFC) correspondem a 38,81% dos acidentados. Os trabalhadores com Ensino Médio Completo (EMC) são responsáveis por 34,33% dos acidentes.

Figura 5 – Grau de escolaridade dos trabalhadores vítimas de choque elétrico. Fonte: MTPS 2016. Legenda: AF- analfabetos; EFI - Ensino Fundamental Incompleto; EFC - Ensino Fundamental Completo; EMI - Ensino Médio Incompleto; EMC - Ensino Médio Completo; SIN - Sem Informação.

Em relação à faixa etária, aproximadamente 50% dos acidentados têm até 30 anos de

• CASTRO, Ana Neile Pereira de; LIMA JÚNIOR,

Figura 7 – Grau de risco das atividades econômicas. Fonte: MTPS 2016.

Os

acidentes

registrados

pelo

de

acidentes

com

Edmar Maciel. Perfil epidemiológico de pacientes

eletricidade

são

vítimas de choque elétrico em um hospital de referência em Fortaleza. Revista Brasileira de

MTPS apresentam os itens da Norma

homens entre 21 e 30 anos, com grau de

Regulamentadora Nº 10 que não foram

escolaridade EMC, que trabalham na região

2015.

cumpridos. A Tabela 1 apresenta estes

Nordeste do Brasil, com atividades de grau

• CORREIO BRAZILIENSE (Brasília). Tribunal

itens. De acordo com a Tabela 1, os itens

de risco três e sofrem choques elétricos.

Regional do Trabalho. País gasta R$ 100 bi com

que mais causam acidentes de trabalho

A cada acidente não fatal ocorrem três

acidentes de trabalho. 2012. Disponível em: https://

com eletricidade são: a falta de análise de

acidentes fatais. Conclui-se, também, que

gerenciamento de riscos; planejamento das

executar atividades laborais sem a análise

atividades a serem executadas; a falta de

de gerenciamento de riscos, planejamento

profissional autorizado para supervisionar os

e

serviços; a falta de ordem de serviços clara

autorizado

aos trabalhadores; a não desenergização dos

não

setores ou equipamentos durante qualquer

equipamentos durante as atividades e a

trabalho de reparo ou manutenção; e a falta

falta do prontuário de instalações elétricas

do prontuário de instalações elétricas nos

nos estabelecimentos são os fatores que

estabelecimentos. Todos os itens citados

mais causam acidentes elétricos no Brasil.

• KINDERMANN, Geraldo. Choque elétrico. 2. ed.

anteriormente remetem à conduta das

Porto Alegre: Sagra DC Luzzatto, 2000.

empresas com os trabalhadores.

de profissionais de segurança e saúde no

o

trabalho nas atividades com eletricidade.

Management: a Unified Approach. In: Kolluru, R.;

Conclusões

ordens

de

serviço,

para

desenergização

profissional

supervisionamento, dos

setores

ou

Assim sendo, fica clara a necessidade

Este é o primeiro passo para diminuir os índices de mortes por choque elétrico.

idade. Logo, cai para um pouco mais que a metade o número de acidentados na faixa etária

Queimaduras, Fortaleza, v. 1, n. 14, p.27-30, abr.

trt-12.jusbrasil.com.br/noticias/2915551/pais-gastar-100-bi-com-acidentes-de-trabalho. Acesso em: 31 de janeiro de 2018. • FERREIRA, Fernando Araújo (Org.). Análise de Acidentes e Doenças do Trabalho: Feita por Auditores Fiscais do Trabalho e publicada no site do MTPS (Ministério do Trabalho e Previdência Social). [s.l.]: Mtps, 2016. 1684 p. Disponível em: <http://acesso.mte.gov.br/seg_sau/analise-deacidentes-e-doencas-do-trabalho.htm>. Acesso em: 20 jan.2018.

KOLLURU, R. Risk Assessment and

Bartell, S.; Pitblado, R.; Stricoff, S. Risk Assessment and Management Handbook: for Environmental, Health and Safety Professionals. Boston,

de 31 a 40 anos. Percebe-se uma diminuição do número de acidentes com o aumento da

Após

neste

A análise de riscos é o fornecimento de

Massachusetts: McGraw Hill, 1996. chap. 1, p. 1.3 -

faixa etária, conforme apresentado na Figura 6.

estudo, conclui-se que as maiores vítimas

elementos para tomadas de decisões

1.41.

os

dados

analisados


52

Aula Prática

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Tabela 3 – Itens da NR 10 não cumpridos

QTDE

DESCRIÇÃO

10.2.1

17

Em todas as intervenções em instalações elétricas devem ser

com Eletricidade sob a Ótica da Nova NR–10. In:

adotadas medidas preventivas de controle do risco elétrico e de

CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE

outros riscos adicionais, mediante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segurança e a saúde no trabalho. 10.11.1

16

Os serviços em instalações elétricas devem ser planejados e realizados em conformidade com procedimentos de trabalho específicos, padronizados, com descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo, assinados por profissional que atenda ao que estabelece o item 10.8 desta NR.

10.11.2

15

Os serviços em instalações elétricas devem ser precedidos de ordens de serviço específicas aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no mínimo, o tipo, a data, o local e as referências aos procedimentos de trabalho a serem adotados.

10.4.1

13

As instalações elétricas devem ser construídas, montadas, operadas, reformadas, ampliadas, reparadas e inspecionadas de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores e dos usuários, e serem supervisionadas por profissional autorizado, conforme dispõe esta NR.

10.5.1

12

Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas para trabalho, mediante os procedimentos apropriados, obedecida a sequência abaixo: a) seccionamento; b) impedimento de reenergização; c) constatação da ausência de tensão; d) instalação de aterramento temporário

a) conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde, implantadas e relacionadas a esta NR e descrição das medidas de controle existentes; b) documentação das inspeções e medições do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e aterramentos elétricos; c) especificação dos equipamentos de proteção coletiva e individual e o ferramental, aplicáveis conforme determina esta NR; d) documentação comprobatória da qualificação, habilitação, capacitação,

cronogramas de adequações, contemplando as alíneas de “a” a “f”. Toda equipe deverá ter um de seus trabalhadores indicado e em condições de exercer a supervisão e condução dos trabalhos. 10.13.3

6

6

Queimaduras., São Paulo, v. 2, n. 8, p.65-69, 1 ago. 2009. • PEIXOTO, N. H. Segurança no trabalho 2011. Disponível em: <https://docente.ifsc.edu.br/ felipe.camargo/MaterialDidatico/MECA%201%20 -%20SEG.%20DO%20AMB.%20E%20DO%20 TRAB./Material%20de%20apoio/Seguranca%20 Trabalho%20-%202012.pdf>. Acesso em: 28 de janeiro de 2018. • PINEAULT M, et. al. Inter-rater analysis of a classification scheme of occupational fatalities by electrocution. J Saf Res 1994; 25:107e15. • RAHMANI, Abdolrasoul et al. Descriptive Study of Occupational Accidents and their Causes among

v. 4, n. 3, p.160-165, set. 2013. Elsevier BV. • SANDERS, M.S.; McCORMICK, E. J. Human Error, Accidents, and Safety. In: SANDERS, M.S.; • McCORMICK, E. J. Human Factors in Engineering and Design. 7 th ed. New Yo rk: McGraw-Hill, 1993. chap. 20, p. 655 - 695. • SANTOS, M. A. da S. Choque elétrico, um verdadeiro perigo. Mundo Educação. Disponível em: <http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/fisica/ choque-eletrico-um-verdadeiro-perigo.htm> Acesso em 31 de janeiro de 2018. • SHINAR, D., GURION, B.; FLASCHER, O. M. The Perceptual Determinants of Workplace Hazards.

1095 - 1099, 2-6 sep. 1991. • SOARES, L. de J. Os impactos financeiros dos acidentes do trabalho no orçamento brasileiro: uma alternativa política e pedagógica para redução dos gastos/ Luiz de Jesus Peres Soares. Brasília : s.ed.

Elétrico: o que diz a NR 10 a respeito do tema.

envolvendo instalações e serviços em eletricidade, propor

com.br/blog/arco-eletrico-o-que-diz-nr-10-respeitotema/> Acesso em: 31 de janeiro de 2018.

Nos trabalhos em instalações elétricas, quando as medidas de

• TULONEN T. Electrical accident risks in electrical

proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou insuficientes

work [Internet]. MS thesis. Finland: Tampere Univ. of

de proteção individual específicos e adequados às atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR 6.

Planejamento do crescimento das fontes renováveis, especialmente a solar fotovoltaica, tendo em vista as metas assumidas pelo Brasil junto à comunidade internacional

• TUIUTI - Equipamentos de Segurança. Arco 07.12.2016. Disponível em: < http://www.epi-tuiuti.

para controlar os riscos, devem ser adotados equipamentos

Expansão da geração solar

2008.56f.

Cabe à empresa, na ocorrência de acidentes de trabalho e adotar medidas preventivas e corretivas.

10.2.9.1

elétrico: análise de 5 anos. Revista Brasileira de

Annual Meeting, San Francisco, California: v.2, p.

g) relatório técnico das inspeções atualizadas com recomendações, 7

• MIRANDA, Ricardo E. de et al. Trauma

• Proceedings of the Human Factors Society: 35th

em áreas classificadas;

Ano 2 - Edição 22 / Abril de 2018

2000.

e) resultados dos testes de isolação elétrica realizados em f) certificações dos equipamentos e materiais elétricos

ENERGIAS COMPLEMENTARES

de Probabilidade e Estatística. São Paulo: IME-USP,

autorização dos trabalhadores e dos treinamentos realizados; equipamentos de proteção individual e coletiva;

Renováveis

• MAGALHÃES, M. N. e LIMA, A. C. P.de. Noções

year Period in Iran. Safety And Health At Work, [s.l.],

do disposto no subitem 10.2.3, no mínimo:

10.11.6

Ponta Grossa: Conbrepo, 2016. p. 1 - 10.

Electricity Distribution Company Workers at an Eight-

constituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo, além

9

PRODUÇÃO, 6., 2016, Ponta Grossa. Anais... .

elementos energizados existentes na zona controlada (Anexo I); f) instalação Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kW devem

10.2.4

Análise da Segurança do Trabalho em Serviços

com equipotencialização dos condutores dos circuitos; e) proteção dos da sinalização de impedimento de reenergização.

APOIO

• LOURENÇO, Heliton; LOBÃO, Elidio de C..

ITEM

Technology. 2010. • VIEIRA, S. Introdução à bioestatística [(recurso

Energia eólica: o futuro promissor da fonte no país Energia solar: a nova realidade da mobilidade elétrica *Notícias selecionadas sobre as fontes renováveis que mais crescem no país*

eletrônico)/ Sonia V:leira. - Rio de Janeiro : E\sevier, 2011. 345 p., recurso digital : il.;

APOIO


Fascículo

Apoio

Apoio

54

Renováveis

55

Por André Rodrigues Gonçalves e Rodrigo Santos Costa*

Quando se discutem os impactos do homem sobre o meio ambiente, a expansão da matriz

de energia é assunto obrigatório. Estima-se que 69% das emissões antropogênicas de gases de efeito estufa no mundo sejam oriundas da queima de combustíveis fósseis, o que evidencia a importância da questão energética na mitigação do aquecimento global. Aproximadamente 81% de toda a energia gerada no mundo provém de combustíveis fósseis, sendo que 25% desta energia é consumida na forma de eletricidade, levando a uma média de emissões em torno de 515 kg CO2/MWh, de acordo com o último relatório do IPCC de 2014.

Esta questão torna-se ainda mais importante se considerarmos os Objetivos do

Desenvolvimento Sustentável (ODS) assumidos pela Convenção das Partes das Nações Unidas COP21 de “prover energia limpa e acessível à população mundial até 2030” (SDG7-ONU, 2015). Isto porque 1,2 bilhão de pessoas ainda não tem acesso à eletricidade e 2,7 bilhões ainda utilizam lenha como combustível de fogão, colocando forte pressão sobre a demanda futura de energia no planeta (IEA, 2016). Para que estes objetivos sejam alcançados, são necessários ganhos importantes de eficiência combinados a uma “descarbonização” da matriz energética mundial.

No Brasil, onde a matriz elétrica é predominantemente renovável – sustentada na maior

parte pela fonte hidráulica –, o consumo de energia elétrica per capita nos últimos dez anos vem crescendo acima da evolução do PIB, elevando a intensidade elétrica da economia brasileira em torno de 2% ao ano. Na ausência de melhoria em eficiência, esta demanda crescente foi sustentada em grande parte por uma ampliação das fontes térmicas não renováveis (principalmente gás natural) em um processo de carbonização da matriz elétrica brasileira. Dados mostram que as térmicas chegaram a responder por quase 25% da oferta interna de energia elétrica em 2014, frente a um decréscimo na geração hidráulica de 85% para 65% entre 2012 e 2014 - em parte devido à grave estiagem no período. Tal fato fez com que as emissões de carbono na geração de energia elétrica subissem de 82 para 137 kgCO2/MWh em apenas dois anos, conforme dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE, 2016). Estes números são um alerta para que o planejamento da expansão da geração elétrica no Brasil seja ambientalmente sustentável e compatível com as metas assumidas pelo país junto à comunidade internacional.

Potencial de geração renovável de eletricidade no Brasil

O sistema elétrico brasileiro se apresenta como um sistema hidrotérmico de grande porte

com forte predominância de usinas hidrelétricas, sendo interconectado através do Sistema Interligado Nacional (SIN), o que o confere tamanho e características únicas em âmbito mundial. Este sistema apresenta uma capacidade total instalada superior a 152 GW, com destaque para a participação de 65% da geração hidroelétrica e de 27% da térmica na matriz elétrica nacional (Aneel, 2017).

O potencial hidroelétrico brasileiro é estimado em 247 GW, sendo que 43% deste já é

explorado e outros 48% estão em fase de inventário (ainda não possuem viabilidade técnica e ambiental comprovada), restando 9% ou 22 GW de projetos hidroelétricos em carteira segundo dados da Eletrobras, (2015), sendo a grande maioria na região amazônica. Soma-se a isso o

Capítulo III

aumento das hidrelétricas que operam a fio d’agua, o que torna nossa matriz mais vulnerável a

Perspectivas para a expansão da

tendo em vista a incerteza associada aos cenários atuais de mudanças no clima e suas possíveis

geração solar no Brasil

períodos de estiagem, que aumentam o risco de apagões assim como o custo da energia devido ao despacho adicional de termelétricas. Esta é uma conjuntura extremamente desfavorável, influências na frequência de eventos extremos de estiagem, devendo ser de alguma forma mitigada. É evidente, assim, o importante papel que a energia solar pode desempenhar através da diversificação das fontes e exploração de possíveis complementariedades com a matriz elétrica atual.

A irradiação solar diária no Brasil apresenta valores médios acima de 5,0 kWh/m².dia,


Apoio

Fascículo

56

Renováveis

conforme dados do Atlas Brasileiro de Energia Solar publicado em 2017.

própria energia e conectá-la à rede elétrica. Mais recentemente e de

Para se ter uma ideia do tamanho deste potencial, se considerarmos

forma similar, a energia solar vem experimentando um crescimento

somente as áreas em estado avançado de desertificação (mais de

vertiginoso, alavancado não só pelos leilões – que contrataram mais

70.000 km² - CGEE, 2016), seria suficiente para suprir quase 30 vezes

de 2 GW em dois anos –, mas, também pelo aumento da geração

a demanda de eletricidade do Brasil em 2015.

distribuída, que saltou para mais de 20.000 conexões em apenas

três anos. Estes dados ressaltam o momento singular de transição

Se incluirmos ainda a geração distribuída, estudos indicam

que o potencial para geração de energia fotovoltaica pelos telhados

energética em que vivemos.

residenciais equivaleria a 32 GW médios, o que representa 50% do consumo de eletricidade no Brasil em 2015 (EPE, 2016).

Temos ainda as usinas heliotérmicas ou CSP (Concentrated

Solar Power), tecnologia que já é utilizada em algumas dezenas de plantas em países, como Espanha e Estados Unidos. A possibilidade de armazenamento de energia na forma de calor é uma vantagem em relação à tecnologia fotovoltaica, já que traz mais estabilidade ao uso da fonte. No Brasil existem áreas superiores a 97.700 km² com potencial para este aproveitamento, mas o custo elevado devido à pequena escala de produção ainda é considerado um entrave à sua expansão (Malagueta et al. 2014). Estimativas sugerem um potencial de 166 GW a 346 GW para plantas heliotérmicas no Brasil (Burgi, 2013).

Uma solução interessante para o país está na instalação de

plantas híbridas, onde há geração complementar entre heliotérmicas e biomassa de cana, por exemplo. O Brasil é o terceiro país no mundo em

Figura 1 – Evolução da capacidade solar contratada (laranja) e do número de usuários de geração solar distribuída conectados (azul). Fonte: Adaptado de Aneel (2017).

geração elétrica a partir da biomassa, responsável por 8,7% da matriz

mundial, ficando atrás apenas de Estados Unidos e China (WBA, 2016).

otimistas e pessimistas de capacidade de geração (em GW médios)

Até 2015 havia 517 empreendimentos termelétricos a biomassa em

para o potencial de diferentes tecnologias no Brasil, considerando

operação no país, somando uma potência instalada de quase 14 GW

fatores de capacidade típicos. No caso da geração solar fotovoltaica,

ou 8% da geração elétrica brasileira. A perspectiva de plantas híbridas

considerou-se como estimativa pessimista o potencial restrito a áreas

biomassa-heliotérmicas e termo-solares tendem a tornar esta fonte

em desertificação. Compara-se, também, com a demanda prevista para

ainda mais atrativa no futuro.

2030.

Para efeito de comparação, a Figura 2 mostra algumas estimativas

Desde 2004, o país modernizou sua estrutura de expansão da oferta

de energia através dos leilões regulados de contratação de longo prazo. Este mecanismo, aliado a programas de incentivo fiscal, possibilitou a maior diversificação de fontes de energia no país na última década, com o importante crescimento da geração eólica e de biomassa de cana, por exemplo.

O potencial de geração eólica nacional é estimado em 143 GW,

conforme dados do Atlas do Potencial Eólico Brasileiro. Deste, pouco mais de 18 GW (12,6%) está sendo explorado. Trata-se de uma estimativa conservadora, uma vez que foi feita com base na tecnologia eólica disponível há 15 anos, que considerava uma altura de cubo de 50 m e densidade média de instalação de 2 MW/km². Muitos avanços ocorreram no porte médio dos aerogeradores, de modo que a simples adoção de uma nova altura de cubo para 100 metros leva um potencial técnico significativamente maior, de 245 GW, como já apontado em estudos recentes (Cepel, 2017; Tolmasquim, 2016).

A expansão da geração eólica vem ocorrendo por meio de grandes

plantas de geração (parques eólicos) espalhadas pelas regiões Nordeste

Figura 2 – Estimativas pessimistas e otimistas para o potencial de geração (capacidade instalada) em GW médios para diferentes tecnologias no Brasil comparados à demanda para 2030.

e Sul do Brasil. Já a expansão da geração solar vem ocorrendo pela

tecnologia fotovoltaica, tanto através de grandes centrais geradoras

“firmes”, capazes de estocar energia para despachar conforme demanda,

fotovoltaicas (de capacidade superior a 5 MW), quanto através da

as fontes eólica e solar fotovoltaica são consideradas fontes de Energia

geração distribuída, onde consumidores são habilitados a gerar sua

Renovável Variável (ERV), pois sua disponibilidade varia em função das

Enquanto as fontes térmicas e hidroelétricas são consideradas


Apoio

Apoio

Fascículo

58

Renováveis

59

condições meteorológicas. Muito se discute a respeito dos limites teóricos

capacidade instalada – é composta por 61% de usinas hidráulicas,

ii - Expandir o uso doméstico de fontes de energia não fóssil,

de inserção de ERV na matriz elétrica, em que os estudos sugerem

16% de termelétricas fósseis, 8,7% de biomassa e 6,5% de eólicas,

aumentando a parcela de energias renováveis (além da energia hídrica)

números em torno de 25% a 35%. Porém, diante de sistemas elétricos

conforme ilustra a Figura 3. Analisando a capacidade a instalar, já

no fornecimento de energia elétrica para, ao menos, 23% até 2030,

cada vez mais diversificados e interconectados (onde há importação

contratada ou em construção, nota-se uma predominância da fonte

inclusive pelo aumento da participação de eólica, biomassa e solar;

e exportação de energia entre países), definir limites torna-se uma

eólica (31%) e um forte crescimento da geração solar (com 12%).

tarefa complexa, já que cada sistema possui características próprias. A

No entanto, percebe-se uma parcela crescente de energia fóssil a ser

balanço nacional já aponta para uma participação de 29% de outras

composição do parque gerador, tempo de resposta das plantas, níveis

adicionada, o que tende a aumentar a intensidade de carbono da matriz

fontes renováveis (OFR) na matriz nacional de energia em 2015. Já a

de complementariedade entre as fontes e perfil da curva de demanda

elétrica brasileira (Aneel, 2017).

meta (ii) parece bastante confortável, uma vez que a participação das

A meta (i) não representa grandes mudanças, uma vez que ao

são algumas das características que determinam a penetração máxima,

OFR na geração elétrica em 2015 foi de 13,5%, restando um aumento

conforme discutido em alguns estudos. Alguns países já experimentam

de apenas 9,5% em 15 anos. Nos últimos anos, este aumento tem sido

níveis de penetração bastante elevados, como Portugal, Espanha, Irlanda,

de 2% ao ano, evidenciando um maior potencial de crescimento.

Dinamarca e Alemanha, chegando acima de 40% por alguns períodos no

ano (IRENA, 2017). Dentre as soluções para aumentar a resiliência do

Energética (EPE) publicou uma Nota Técnica em 2016 com detalhes

sistema para a inserção das ERVs, estão:

das metodologias utilizadas para a NDC brasileira (EPE, 2016).

De modo a esclarecer os pontos omissos, a Empresa de Pesquisa

Consta, entre outros compromissos, até 2030, o aumento da

Figura 4 – Projeções da expansão da capacidade de geração solar (centralizada e distribuída) pelo PDE e NDC brasileira. Fonte: EPE (2016, 2017b); Aneel (2017b).

i - Redução no tempo de resposta das centrais geradoras: centrais

participação de fontes renováveis na matriz energética para 45%.

com armazenamento de energia que respondem rápido às variações no

Esta participação foi de 41% em 2015. Esta meta é desafiadora na

sistema podem amenizar os eventos de rampa ocasionados pelas ERVs;

medida em que se estima que 54% de toda a expansão de energia

ii - Planejamento espacial da matriz elétrica: ordenar a expansão do

até 2030 deverá acontecer com inserção de fontes renováveis.

enquanto o PDE estima uma adição modesta de 11 GW até 2026, a

sistema elétrico de modo a explorar a complementariedade espacial e

Especificamente quanto à matriz elétrica, este estudo considera

NDC estima em 58 GW em novas hidrelétricas até 2030. Sendo o PDE

temporal entre as plantas de geração por ERV (solar-eólica-hidráulica)

que, no período de 2014 a 2030, haverá a expansão de 290 TWh

o planejamento mais recente, isto indica que houve uma mudança

tende a suavizar a variabilidade no sistema através de um efeito

na oferta interna de energia hidráulica, 93 TWh na eólica e 35 TWh

considerável nas perspectivas de expansão do setor hidroelétrico

conhecido como spatial smoothing;

solar, sendo 26 TWh em fotovoltaica centralizada e 9 TWh em

brasileiro nos últimos dois anos.

ii - Hibridização de plantas de geração: as diversas combinações entre

geração distribuída. Isto significa que, em 2030, 12% da geração

as fontes solar-térmica, solar-hidráulica, solar-eólica, hidro-eólica e

elétrica será por conversão da fonte solar e eólica. A Tabela 1

2026 para suprir a demanda de ponta. Embora a tecnologia a ser

termo-eólica têm efeito estabilizador na capacidade de geração das

apresenta estes valores, assim como uma estimativa da potência

adotada ainda seja objeto de discussão no governo, assume-se no PDE

plantas, permitindo a autorregulação do despacho de energia. A melhor

adicional necessária para atingir esta geração e o respectivo

que esta capacidade seja, a priori, atendida por termelétricas a gás

opção de hibridização dependerá da análise dos recursos energéticos

crescimento em relação ao parque gerador atual.

natural. A real necessidade desta potência extra é incerta, uma vez que o

disponíveis em cada local;

próprio PDE observa a deficiência dos modelos utilizados em representar

iv - Armazenamento de energia: novas tecnologias para armazenamento

discussão, apresenta números bastante defasados em relação ao PDE

a geração solar e eólica em escala horária.

de energia em diversas escalas de tempo tendem a regularizar a oferta,

2026, uma vez que não considera a recessão dos últimos dois anos

em suas análises. No entanto, é elemento útil de comparação para

confortável no que se refere aos desafios de redução de emissões

identificar a trajetória recente do planejamento energético no Brasil.

oriundas do consumo de combustíveis fósseis para a geração de

eletricidade. Dessa forma, as metas assumidas pelo governo federal

permitindo um aumento da penetração das ERVs. Exemplos são os reservatórios térmicos, reservatórios de gravidade, armazenamento eletroquímico (ex: hidrogênio e baterias) e supercapacitores. Mesmo

Figura 3 – Matriz elétrica do Brasil sob ponto de vista de capacidade instalada e em construção. Fonte: Aneel (2017).

A Nota Técnica da Tabela 1, embora contribua na presente

A Figura 4 apresenta uma comparação para a expansão da

Analisando as projeções para a expansão da matriz hidráulica,

Ressalta-se, entretanto, a previsão de até 18 GW adicionais em

Os dados apresentados mostram que o Brasil está em uma posição

os veículos elétricos plugados à rede para carga podem agir como

capacidade de geração solar centralizada e distribuída, em que se prevê

podem ser consideradas modestas se comparadas ao potencial

elementos de armazenamento distribuído;

em sua última edição (PDE 2026), a eletricidade será responsável por

um aumento de 15 GW até 2026 pelo PDE e 20 GW na capacidade

renovável disponível. Os cenários mais otimistas apresentados pelo PDE

v - Interconexão entre sistemas elétricos nacionais: acordos de

20,6% do consumo final de energia, chegando a 741 TWh em 2026 – o

instalada até 2030 pela NDC. Os dados de geração distribuída foram

sugerem uma penetração das ERVs de 26% na matriz elétrica, enquanto

compartilhamento de rede elétrica entre países com cláusulas técnicas

que representa um aumento de 43,6% – com isto acontecendo através

retirados das projeções da Aneel.

diversos estudos apontam a viabilidade técnica para uma penetração

e comerciais bem definidas tendem a trazer vantagens para ambos, à

da expansão de 26,5 GW médios em capacidade de geração. Este plano

medida em que proporcionam um aumento na segurança energética e

apresenta uma abordagem mais interessante em relação à versão

reduzem custos com armazenamento;

anterior, uma vez que avaliou diversos cenários obtidos pela alteração de

vi - Controle de demanda: tecnologias que permitam a taxação da energia

premissas iniciais, quantificando melhor as incertezas.

em função do horário de consumo tendem a nivelar a curva de demanda,

reduzindo o tamanho do parque gerador necessário para sustentar a rede

mitigação das emissões de gases de efeito estufa durante a COP21

elétrica e as perdas associadas no sistema. O advento das redes elétricas

(21ª Conferência das Partes) da Convenção-Quadro das Nações Unidas

inteligentes ou smartgrids tende a cumprir este papel.

sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês), através de sua

No cenário apresentado pelo Plano Decenal de Expansão de Energia

No âmbito internacional, o Brasil assumiu compromissos para

Contribuição Nacionalmente Determinada – NDC (MRE, 2015). Neste

Cenários de expansão da geração elétrica no Brasil

De acordo com dados recentes da Agência Nacional de Energia

Elétrica (Aneel), a matriz elétrica brasileira – do ponto de vista da

documento, o Brasil se compromete, dentre outros, a:

Tabela 1 - Previsão de expansão da geração por fonte conforme NDC COP21 para o horizonte 2030

2014

2030

Participação

Incremento

Potência adicional

Crescimento

(TWh)

(TWh)

em 2030 (%)

(TWh)

(GWp)¹

(%)²

Hidráulica

407

697

61%

290

66,0

64%

Eólica

12

105

9%

93

26,5

108%

Solar-Cent.

0

26

2%

26

14,8

493%

5,1

6321% 28%

Fonte

Solar-Dist.

0

9

1%

9

Biomassa

41

134

12%

93

4,2

Outras

164

180

15%

16

-

Total

624

1151

527

-

i - Expandir o uso de fontes renováveis, além da energia hídrica, na

Fonte: EPE, (2016)

matriz total de energia para uma participação de 28% a 33% até 2030;

² Em relação a capacidade instalada e contratada na matriz até 2016 conforme a Aneel;

¹ Admitindo-se os seguintes fatores de capacidade: Solar: 0,20; Eólica: 0,45; Hidráulica: 0,50; Biomassa: 0,85.


Apoio

Fascículo

60

Renováveis

superior a 30% (Schimidt, 2016).

Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Rio de Janeiro.

EPE, Empresa de Pesquisa Energética. (2016). O compromisso do Brasil

Perspectivas para uma eletrificação de 100% da matriz energética

integrando diversas fontes renováveis têm sido estudadas em diversos

no combate às mudanças climáticas: Produção e Uso de Energia - Nota

países, mostrando ser este um campo onde há margem para inovação.

Técnica. Rio de Janeiro.

Outras incertezas tecnológicas que afetam a expansão da matriz elétrica

EPE, Empresa de Pesquisa Energética. (2017a). Balanço Energético

se referem ao advento dos veículos elétricos e dos smartgrids, já que

Nacional 2017 - Ano base 2016. Rio de Janeiro.

em 2015 o número de veículos elétricos no mundo chegou a marca de

EPE, Empresa de Pesquisa Energética. (2017b). Plano Decenal de

1,3 milhão e deve alcançar 30 milhões em 2025. O plano brasileiro

Expansão de Energia 2026. Rio de Janeiro.

considera uma inserção de 4,5% de veículos elétricos até 2030, o que

IEA, International Energy Agency (2016a). Energy Technology

teria pouco efeito sobre a demanda neste horizonte.

Perspectives 2016: Towards Sustainable Urban Energy Systems.

IRENA, International Renewable Energy Agency. (2017). Rethinking

Por fim, considerando especificamente a expansão da geração

solar, fica claro que a disponibilidade de recursos e o custo de geração

Energy 2017: Accelerating the global energy transformation. Abu Dhabi.

não são restrições para o seu crescimento no Brasil. Restam incertezas

Malagueta, D., Szklo, A., Soria, R., Dutra, R., Schaeffer, R., & Moreira Cesar

tecnológicas quanto aos limites para inserção das ERVs no sistema

Borba, B. S. (2014). Potential and impacts of Concentrated Solar Power

elétrico, embora evidências apontem que este limite é muito superior à

(CSP) integration in the Brazilian electric power system. Renewable

meta assumida no planejamento atual.

Energy, 68, 223–235. https://doi.org/10.1016/j.renene.2014.01.050 MRE, Ministério das Relações Exteriores Contribuição Nacionalmente

Agradecimentos

Determinada - NDC, Convenção das Partes das Nações Unidas - COP21,

Este trabalho é uma contribuição do Instituto Nacional de Ciência

(2015). Brasil.

e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC) financiado pela

Pereira, E. B., Martins, F. R., Gonçalves, A. R., Costa, R. S., Abreu, S. L.,

FAPESP 2014/50848-9, CNPq 465501/2014-1, e CAPES/FAPS Nº

Ruther, R., … Souza, J. G. (2017). Atlas Brasileiro de Energia Solar. (INPE,

16/2014.

Org.) (2a edição). São José dos Campos: INPE. Schmidt, J., Cancella, R., & Pereira, A. O. (2016b). The role of wind

REFERÊNCIAS

power and solar PV in reducing risks in the Brazilian hydrothermal

Amarante, O. A. C., Brower, M., & Zack, J. (2001). Atlas do Potencial

power system. Energy, 115, 1748–1757. https://doi.org/10.1016/j.

Eólico Brasileiro. Rio de Janeiro: Ministério de Minas e Energia.

energy.2016.03.059

ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica. (2017a). BIG - Banco de

Tolmasquim, M. T. (2016). Energia Renovável: Hidráulica, Biomassa,

Informações de Geração. Recuperado 1 de novembro de 2017, de http://

Eólica, Solar, Oceânica (1 ed.). Rio de Janeiro: EPE/MME.

www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/capacidadebrasil.cfm

United Nations. (2016). The Sustainable Development Goals Report.

ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica. (2017b). Nota Técnica n°

ONU, United Nations. https://doi.org/10.18356/3405d09f-en

0056/2017-SRD/ANEE. Brasília.

WECOUNCIL, World Energy Council (2016). World Energy Perspectives.

Burgi, A. S. (2013). AVALIAÇÃO DO POTENCIAL TÉCNICO DE GERAÇÃO

Variable renewables integration in electricity systems: How to get it right.

ELÉTRICA TERMOSSOLAR NO BRASIL A PARTIR DE MODELAGEM EM SIG E SIMULAÇÃO DE PLANTAS VIRTUAIS Adriano. Dissertação M. Sc. PPE. Recuperado de http://www.ppe.ufrj.br/ppe/production/tesis/salvi.pdf

*André Rodrigues Gonçalves é graduado em Engenharia Aeronáutica

CEPEL, Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (2017). Atlas do

pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em Meteorologia

Potencial Eólico Brasileiro: Simulações 2013 (1 ed.). Rio de Janeiro:

pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Atualmente, é

CEPEL.

tecnologista (pesquisador) do Laboratório de Modelagem e Estudos de

CGEE, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. (2016). Desertificação,

Recursos Renováveis de Energia, no Centro de Ciência do Sistema

degradação da terra e secas no Brasil. Brasilia. Delucchi, M. A., & Jacobson, M. Z. (2011). Providing all global energy with wind, water, and solar power, Part II: Reliability, system and transmission costs, and policies. Energy Policy, 39(3), 1170–1190. https://doi. org/10.1016/j.enpol.2010.11.045 Denholm, P., & Hand, M. (2011). Grid flexibility and storage required to achieve very high penetration of variable renewable electricity. Energy Policy, 39(3), 1817–1830. https://doi.org/10.1016/j. enpol.2011.01.019 ELETROBRAS. (2015). Sistema de Informações do Potencial Hidrelétrico Brasileiro - SIPOT. Rio de Janeiro. EPE, Empresa de Pesquisa Energética. (2012). Análise da Inserção da

Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - LABREN/ CCST/INPE. Rodrigo Santos Costa é bacharel em Meteorologia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), mestre em engenharia civil - Ciências Atmosféricas em Engenharia pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia - COPPE/UFRJ e doutor em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Atualmente, é tecnologista do Laboratório de Modelagem e Estudos de Recursos Renováveis de Energia, no Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - LABREN/CCST/INPE.


Energia Eólica

62

Elbia Gannoum é presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica).

Bons ventos para o bem do planeta

Os bons ventos do Brasil

O Brasil já tem mais de 500

de residências por mês, o que

sofrem tributação e também

que têm nos dado energia

parques eólicos, totalizando

significa mais de 66 milhões

contribuem de forma

eólica de qualidade e bom

mais de 6.600 aerogeradores. A

de pessoas. Os 13 GWs de

significativa para o poder

custo-benefício também

geração que vem destes parques

capacidade instalada de energia

público.

trazem uma grande riqueza

tem sido maior ano a ano. Este

eólica ainda significam que o

importante para o futuro do

é um dado muito relevante

setor já gerou mais de 195 mil

positivos fazem com que

nosso planeta: a possibilidade

porque reflete e quantifica o

postos de trabalho desde seu

a energia eólica tenha um

de se transformar em energia

que vimos ao longo de 2017,

início, com grande concentração

futuro promissor no Brasil.

renovável, limpa, sem emissão

já que chegamos a abastecer

nos últimos oito anos.

A energia produzida pelos

Todos estes números

de CO2, com grandes benefícios

ventos é renovável; não polui;

para a sociedade em geral e

possui baixíssimo impacto

contribuindo para um futuro

ambiental; contribui para que

mais sustentável.

o Brasil cumpra o Acordo do

Clima; não emite CO2 em sua

No Brasil, apesar de

relativamente recente, já que se

operação; tem um dos melhores

desenvolveu com mais força nos

custos benefícios na tarifa

últimos oito anos, a energia eólica

de energia; permite que os

já é uma fonte consolidada, com

proprietários de terras onde

uma indústria 80% nacionalizada

estão os aerogeradores tenham

e com ótimas perspectivas de

outras atividades na mesma

crescimento. Além disso, a eólica

terra; gera renda por meio do

tem demonstrado uma vitalidade

pagamento de arrendamentos; promove a fixação do homem no

impressionante em muito pouco Dentre os benefícios

campo com desenvolvimento

tempo. Um exemplo: no início

10% do país em agosto e 11%

deste ano, o Brasil subiu mais

em setembro, passando pela

de todo esse crescimento,

sustentável; gera empregos

uma posição no Ranking Mundial

primeira vez aos dois dígitos

é importante mencionar a

que vão desde a fábrica até

do GWEC (Global Wind Energy

na matriz nacional em um

possibilidade de geração de

as regiões mais remotas onde

Council), chegando à oitava

mês. Além disso, chegamos

renda para os proprietários

estão os parques e incentivam

posição; completamos 13 GWs

a abastecer mais de 60% do

que arrendam suas terras para

o turismo ao promover

de capacidade instalada e a CCEE

Nordeste em vários momentos,

colocação de aerogeradores.

desenvolvimento regional. Além

anunciou um crescimento de

na época que chamamos de

Estimamos que mais de 4.000

de estarmos nos destacando,

26,5% da geração de energia

“safra dos ventos”, que vai mais

famílias recebem, ao todo, mais

ano a ano, no cenário global do

eólica em operação comercial

ou menos de junho a novembro.

de R$ 10 milhões mensais

mercado de energia eólica, o

no Sistema Interligado Nacional

O montante gerado pelas eólicas

pelo arrendamento de terra.

Brasil também está contribuindo

(SIN), em 2017,na comparação

já é equivalente ao consumo

Ressaltamos ainda que os

por um futuro sustentável para

com 2016.

médio de cerca de 22 milhões

pagamentos dos arrendamentos

nosso planeta.


Energia solar fotovoltaica

64

65

os elétricos saíram de 0,7% e abocanharam 3% da fatia de mercado. Para 2018, a meta do governo Chinês é de chegar em 8% de elétricos no market share. Ronaldo Koloszuk é diretor da Divisão de Energia do Departamento de Infraestrutura da Fiesp, presidente do Conselho da Absolar e diretor comercial da Solar Group.

Em alguns países escandinavos, nestes primeiros meses

de 2018, os elétricos já detêm uma fatia superior a 30% de market share. A Agência Internacional de Energia (AIE) estima que cerca de 30% de todos os veículos vendidos no mundo, em 2030, serão elétricos. Este aumento significativo na demanda acelerará a queda dos preços destes veículos, deixando-os mais atrativos do que os movidos a combustão.

Carro elétrico: uma realidade que se impõe

As cidades chinesas começam a liderar essa agenda.

Shenzhen, a capital das novas tecnologias da China, com 12 milhões de habitantes, surpreendeu ao mundo ao anunciar, no final de 2017, que atingiu 100% de ônibus elétricos na frota da

cidade, com 16.359 unidades. Lá toda a frota da polícia e dos

A mobilidade elétrica se

tornou a maior tendência

correios, além de 12.518 táxis, são elétricos.

mundial da indústria

automotiva e governos lideram

após ação coordenada de governos para reduzir impostos e

essa agenda ao promoverem

taxas, promover a infraestrutura de recarga, realizar incentivos

projetos com veículos elétricos

financeiros e proibir a venda de veículos a diesel num horizonte

no transporte público, com o

de médio prazo, entre outras ações.

objetivo de reduzir ruídos e

poluentes e contribuir para a

para fomentar a compra e uso dos veículos elétricos. Durante

melhoria da qualidade de vida.

a COP21, Paris liderou a assinatura de medidas para promover

a energia limpa e o uso de mobilidade elétrica junto a outras

São muitas as vantagens

Na Europa, esse processo se intensificou recentemente,

Diversas capitais europeias anunciaram políticas públicas

para os consumidores.

1.000 cidades pelo mundo. Paris, Milão, Oslo e Londres são

O combustível é

exemplos, pois criaram zonas de baixa emissão nas cidades e

significativamente mais

estipularam metas de penetração entre 80% e 100% de frotas

econômico. Enquanto a

elétricas no transporte público até 2030, além de anunciar

eficiência energética de um

incentivos financeiros para fomentar o setor, como a redução

carro elétrico supera 80%,

ou isenção das taxas de propriedade (IPVA), de circulação

os carros a combustão não

(pedágios), de estacionamentos, ou mesmo redução de

ultrapassam os 20%. Como

impostos e subsídios diretos, entre outras medidas.

não há perda de energia com

calor, a maior parte do consumo

correndo para tentar liderar essa transição. As principais

é convertida em movimento,

fabricantes globais já colocaram uma data limite para que seus

reduzindo significativamente o

lançamentos sejam todos elétricos ou híbridos plug-in.

desperdício de energia.

de geração de energia solar, o que tem sido acompanhado de

As vendas de veículos

De acordo com esta tendência, as montadoras já estão

O aumento da frota de carros elétricos amplia o mercado

elétricos e híbridos plug-in

perto pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica

saltaram de cerca de 22 mil

(Absolar). São Paulo lançará, em breve, sua primeira frota de

(2009) para cerca 750 mil

ônibus elétricos alimentados por esta fonte. Agora, é preciso

(2016), um aumento de 133%

que o governo acorde para essa realidade e ajude a criar um

ao ano. Somente em 2017,

ambiente propício para que nossas indústrias acompanhem

foram vendidos mais de 1

esta evolução da indústria 4.0. Uma oportunidade que não pode

milhão de carros elétricos no

escapar.

mundo. O gráfico 1 mostra este robusto crescimento.

Este artigo contou com a colaboração de Adalberto Maluf, diretor

da Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE) e diretor de

Na China, maior mercado

global de veículos a combustão,

Gráfico 1 – Frota de veículos elétricos 2016-2040.

Marketing, Sustentabilidade e Novos Negócios da BYD Brasil.


66

Notícias

renováveis

Absolar elege novo Conselho de Administração Ronaldo Koloszuk foi eleito o novo presidente do Conselho de Administração da entidade e será acompanhado por conselheiros de diferentes elos produtivos do setor

Notícias

Sistema de compensação não estimula a geração distribuída no Brasil Para professor da Poli-USP, é preciso que se discuta a remuneração para mini e microgeradores

A Associação Brasileira

(Absolar) elegeu, recentemente, seu novo Conselho de

Ronaldo Koloszuk

com os investimentos para manutenção das redes elétricas”, pondera Simões, que atua na área há

Cargo no Conselho

rede mediante compensação, não está surtindo

mais de dez anos em áreas como energia solar e

Presidente do Conselho

o efeito desejado naquilo que mais interessa ao

máquinas e processos de conversão de energia.

país: diminuir os investimentos de expansão do

setor e as perdas de transmissão. Concebido

geração distribuída de energia elétrica. É possível

para estimular a produção de energia renovável

utilizar a cogeração, por meio do uso de biomassa

(painéis fotovoltaicos) ou de cogeração qualificada

ou gás natural; ampliar o uso de geradores de

Administração para o período

Marcio Trannin

SunCo. Capital

1º Vice-Presidente

de 2018 a 2020. A nova gestão

Ricardo Barros

SolaireDirect

Vice-Presidente de Geração Centralizada

assume a partir de primeiro de

Bárbara Rubim

Vice-Presidente de Geração Distribuída

Bright Strategies

esses consumidores, já que estas precisam arcar

própria energia elétrica e injetar o excedente na Associado Solar Group

O sistema de geração elétrica distribuída,

pela qual os consumidores podem produzir sua

Composição do Conselho de Administração da ABSOLAR - Gestão 2018-2020

de Energia Solar Fotovoltaica Representante

67

Há diversos tipos de tecnologias para a

maio deste ano, com a missão

Nelson Falcão

Flex

Vice-Presidente de Cadeia Produtiva

de fortalecer e ampliar a atuação

Camila Ramos

CELA

Conselheiro

(geradores a gás natural, por exemplo), de forma

emergência com o uso de gás natural, muito comuns nas grandes cidades, mas que geralmente

da Absolar como a voz nacional

Claudio Loureiro

JA Solar

Conselheiro

descentralizada, o sistema não tem uma adesão

do setor no Brasil, bem como de

Diego Bittner

Enel Green Power

Conselheiro

maciça por um motivo simples: o consumidor não

são destinados a produzir energia elétrica apenas

Conselheiro

vê vantagem econômica em produzir mais energia

nos horários de ponta; por painéis fotovoltaicos e também por meio de geradores eólicos.

ampliar a base de associados da

Gabriel Ferreira

entidade.

O Conselho de Administração

Banco Votorantim

Harry Schmelzer

WEG

Conselheiro

elétrica do que consome.

Marcel Haratz

COMERC

Conselheiro

mundo atualmente: a migração para as fontes

Pelas regras atuais, o excedente injetado

Segundo Simões, há duas tendências no

Pablo Becker

CPFL Eficiência

Conselheiro

na rede é abatido nas faturas seguintes, em até

planejamento estratégico das

Rodolfo Molinari

Órigo

Conselheiro

60 meses depois de gerado o crédito energético

renováveis, com uma diversificação cada vez

ações da instituição, definição

Rodrigo Soares

Atlas Renováveis

Conselheiro

de geração ao final do mês, segundo as normas

maior da matriz, que, no presente, já combina

da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

fósseis e renováveis; e a geração local substituindo

“Para produzir mais energia elétrica, além

a geração centralizada. Ele ressalta que o atual

Conselheiro Regional Sudeste

daquela que consome, o consumidor precisaria

sistema, centralizado e baseado em grandes geradoras produtoras, dependem de uma extensa

da Associação é responsável pelo

das diretrizes de atuação

Wladimir Janousek

Canadian Solar

Conselheiro

da entidade frente a seus

Rodrigo Kimura

Engie

Conselheiro Regional Sul

interlocutores, como governo,

Rodolfo Meyer

mídia, ONGs e instituições setoriais, entre outros, e definição de metas de curto,

Portal Solar

Rodrigo Pedroso

Pacto Energia

Conselheiro Regional Centro-Oeste e DF

ter uma remuneração econômica e não apenas

Marcio Takata

Greener

Conselheiro Regional Nordeste

uma compensação na base da energia elétrica

e robusta linha de transmissão e é muito custoso

Conselheiro Regional Norte

consumida”, defende o professor José Roberto

em termos de manutenção e expansão, além

Simões Moreira, professor da Escola Politécnica da

de gerar perdas. “Hoje temos de 17% a 20% de

Adalberto Maluf

BYD

médio e longo prazos.

Universidade de São Paulo (Poli-USP).

perdas na transmissão”, comenta.

composição diversificada e

a Absolar possui, também, um

mercado, atue como a autoridade

Elétrico.

abrangente, incluindo empresas

Conselho Fiscal, composto por

fotovoltaica de referência

suficiente para cobrir com painéis fotovoltaicos

distribuída pela questão da sua extensão

atuantes nos segmentos

três membros titulares e três

nacional, tanto no diálogo com

da Absolar, Dr. Rodrigo Sauaia,

na capacidade para produzir 1 MWh no mês,

territorial. E se o país não o fizer de forma correta,

de geração distribuída,

membros suplentes, eleitos em

o governo, contribuindo para

responsável pela gestão

mas o consumo do local é de, digamos, 400 kWh

a tecnologia vai superar a legislação de tal forma

geração centralizada, cadeia

2017 para atuação até 2019,

o desenvolvimento de novas

executiva e representação

por mês, o investimento será sempre feito para

que poderemos chegar na situação limite de ter

produtiva (fabricantes),

cuja composição permanece

políticas públicas e programas

institucional da entidade,

esse limite de consumo”. Ou seja, quem gera

consumidores se desconectando da rede. Esse

geradoras de energia elétrica,

inalterada.

de desenvolvimento da energia

o novo conselho traz uma

energia elétrica não vê motivo para produzir mais

verdadeiro tsunami tecnológico ainda não ocorreu

comercializadoras de energia

solar fotovoltaica, quanto como

combinação positiva e

do que consome se não for remunerado para

devido aos custos proibitivos das baterias”,

elétrica, consultorias e uma

brasileiro passa por um

a casa das empresas atuantes

sinérgica entre experiência e

isso e se limita a produzir aquilo que consome.

ressalta.

instituição financeira. O

crescimento acelerado, repleto

no setor, oferecendo novos

novas propostas, contribuindo

“Faria mais sentido pensarmos em um sistema

colegiado apresenta, ainda,

de oportunidades, mas também

benefícios e serviços valiosos

para o amadurecimento

de remuneração econômica para os mini e

podem ser seguidos”, diz, citando o caso do Chile,

participação geográfica nacional,

de novos desafios. O Conselho de

aos nossos associados”, analisa

interno da entidade e a

microgeradores porque estimularia a geração

onde, em 2016, a população recebeu de graça

com conselheiros atuando nas

Administração trabalhará para

o novo presidente do Conselho

inserção, desenvolvimento e

distribuída tendo múltiplos geradores injetando

113 dias de energia elétrica por causa geração

regiões Sul, Sudeste, Centro-

que a ABSOLAR, com todo seu

de Administração da entidade,

democratização da energia solar

na rede próximo aos centros de consumo. Claro

solar fotovoltaica. “Mas para isso precisamos dar

Oeste, Nordeste e Norte. Além

conhecimento técnico, expertise

Ronaldo Koloszuk, que também

fotovoltaica na matriz elétrica e

que também há de se equacionar a questão da

estímulos para que a geração distribuída seja de

do Conselho de Administração,

setorial e inteligência de

é colunista da revista O Setor

na sociedade brasileiras.

remuneração das distribuidoras que atendem a

fato adotada em larga escala”, finaliza.

O Conselho conta com uma

“O mercado solar fotovoltaico

Para o presidente executivo

Ele exemplifica: “Se uma edificação tem área

“O Brasil vai precisar migrar para a geração

“Temos exemplos dos nossos vizinhos que


68

Pesquisa - Quadros e Painéis

O Setor Elétrico / Abril de 2018

69

O Setor Elétrico / Abril de 2018

A publicação das normas “ABNT NBR IEC 61439-1 – Conjuntos de

as empresas preveem crescimento médio de 8% para o mercado

manobra e comando de baixa tensão – Parte 1: Regras gerais” e “ABNT

brasileiro de quadros e painéis elétricos e 10% para suas respectivas

NBR IEC 61439-2 – Conjuntos de manobra e comando de baixa tensão

empresas.

– Parte 2: Conjuntos de manobra e comando de potência” no final do

ano de 2016 ainda está sendo digerida pelo mercado de quadros e

meses. Na média, a previsão é de que haja incremento de 12% no

painéis elétricos. Os documentos, que extinguiram os conceitos de

quadro de colaboradores das empresas do segmento. A estimativa vai

TTA e PTTA, provocam reações no mercado. Para se ter uma ideia, na

ao encontro da última sondagem da Associação Brasileira da Indústria

pesquisa publicada a seguir, segundo os pesquisados, 57% da receita

Elétrica e Eletrônica (Abinee), segundo a qual, o setor eletroeletrônico

das companhias (no que se refere ao mercado de quadros e painéis)

abriu 4.625 vagas de emprego no primeiro trimestre de 2018,

advém da venda de quadros convencionais (não TTA e PTTA). Em

concordando com a alta nas contratações do setor. De acordo com

pesquisas anteriores, esse número era bem menos expressivo.

o presidente da Abinee, Humberto Barbato, este foi o melhor primeiro

trimestre desde 2013, quando o crescimento do emprego foi de 5.193

Outro ponto de destaque da pesquisa diz respeito às boas

Ademais, as companhias projetam contratações para os próximos

perspectivas traçadas pelas empresas pesquisadas para este ano de

vagas.

2018. Fabricantes e montadores de painéis mostraram-se otimistas

frente a um possível novo cenário político-econômico brasileiro.

fabricantes e montadores de quadros e painéis elétricos.

Confira, a seguir, todos os detalhes da pesquisa realizada com

Mesmo em uma situação ainda de crise, as empresas vislumbram uma conjetura favorável aos negócios.

Números do mercado de quadros e painéis elétricos

Diferentemente das últimas pesquisas realizadas com este

Mercado de quadros e painéis elétricos Pesquisa exclusiva com fabricantes e montadores de quadros e painéis elétricos mostra otimismo entre os pesquisados. Setor espera crescimento médio de 9% para este ano e pretende aumentar seu quadro de colaboradores em até 12% nos próximos meses

segmento, esta é a primeira vez, em anos, que “projetos de infraestrutura”

Indicado por 97% das empresas participantes da pesquisa,

foi o fator mais mencionado pelas empresas pesquisadas. Não obstante,

o segmento industrial continua sendo o mais importante setor de

pontos negativos também foram apontados pelas companhias, como

atuação dos fabricantes e montadores de quadros e painéis elétricos.

crise política e desaceleração econômica. De qualquer maneira,

Na pesquisa realizada no ano passado, esse percentual era de 93%.


70

Pesquisa - Quadros e Painéis Principais segmentos de atuação

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Tipos de quadros e painéis (montagem completa) comercializados

Quadros para medidores de energia

Residencial

44%

21%

Quadros para partida de motores em MT

45%

Comercial

Mesas de comando

47%

54% Industrial

Cubículos MT

47%

97%

Centro de controle de motores (CCM)

58%

Painel de Soft Starter

64%

Quadros de distribuição de luz

65%

Quadros de automação

68%

Assim como foi registrado no ano passado, as vendas diretas ao

Quadros de Distribuição de Força

71%

cliente final foram, novamente, consideradas como o principal canal de comercialização para os fabricantes e montadores entrevistados.

Painéis de BT

76%

A internet, aos poucos, ganha espaço nas formas de vendas. Ela é responsável por 31% das vendas, segundo os pesquisados.

No tocante aos invólucros (caixas vazias), os quadros de Principais canais de vendas

distribuição, seguidos dos armários modulares, foram mais indicados pelas companhias. Tipo de invólucros (caixas vazias) comercializados

Telemarketing

19%

Caixas para áreas classificadas

Outros

31%

21%

Internet

31%

Outros

22%

Distribuidores / atacadistas

44% Revendas / varejistas

46% 91%

Acessórios e ferragens em geral para painéis

32%

Caixas de medição

35% Venda direta ao cliente final

Cubículos

36% 40%

CCM Caixas a prova de tempo

44%

Armários modulares

53% Os tipos de quadros e painéis (montagem completa) mais presentes nas prateleiras das pesquisadas são, na ordem: painéis de baixa tensão, quadros de distribuição de força e quadros de automação. Veja o ranking.

62%

Quadros de distribuição


72

Pesquisa - Quadros e Painéis

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Para se ter uma ideia do porte das empresas deste segmento,

Novamente, a indústria é a maior consumidora desse tipo de

73

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Diferentemente das últimas pesquisas realizadas com este segmento, esta é a primeira vez, em anos, que “projetos de infraestrutura” foram

perguntamos às entrevistadas o faturamento registrado em 2017 no

equipamento. Assim como constatado no ano anterior, as indústrias

os fatores mais mencionados pelas empresas pesquisadas. Em seguida, foram apontados pontos negativos, como crise política e desaceleração

que diz respeito aos produtos-alvo da pesquisa. A maior parte das

apresentam maior participação nas vendas desses produtos.

econômica como os fatores que mais influenciam o mercado brasileiro de quadros e painéis elétricos.

pesquisadas (28%) faturou, no ano passado, até R$ 5 milhões. Confira

Fatores que devem influenciar o crescimento do mercado

o gráfico.

2%

Desvalorização da moeda nacional

Participação das vendas por segmento de mercado

Faturamento médio anual dos fabricantes e montadoras de quadros e painéis elétricos

Falta de confiança dos investidores

5% 2%

Acima de R$ 200 milhões

De R$ 100 milhões a R$ 200 milhões

15%

9%

Outros

41%

19%

Até R$ 3 milhões

9%

3%

Falta de normalização e/ou legislação

12%

Incentivos por força de legislação ou normalização

De R$ 3 milhões a R$ 5 milhões

De R$ 30 milhões a R$ 50 milhões

Bom momento econômico do país

5%

GTD - Geração, Transmição e Distribuição de energia

De R$ 50 milhões a R$ 100 milhões 7%

Indústrias em geral

17%

12%

9%

Programas de incentivo do governo

11%

Desaceleração da economia brasileira

16%

Crise política 7%

24% 12%

De R$ 20 milhões a R$ 30 milhões

Construção civil (edificações residenciais e comerciais - escritórios, shoppings, hospitais, etc.)

16%

De R$ 5 milhões a R$ 10 milhões

Setor da construção civil aquecido 17%

Projetos de infraestrutura

18%

De R$ 10 milhões a R$ 20 milhões

Otimistas para os próximos meses, as empresas pesquisadas

preveem aumento de seu quadro de colaboradores em até 12% neste

Como já observado na pesquisa realizada no ano passado, os

quadros e painéis do tipo convencional, ou seja, não TTA/PTTA, são

ano. Esperam ainda crescimento médio de 8% para o mercado de quadros e painéis brasileiro, e 9% para suas empresas.

os que apresentam maior representatividade no faturamento das empresas que participaram da pesquisa. Apenas 17% da receita diz respeito aos projetos TTA, na média.

Previsões de crescimento

Participação dos tipos de painéis e quadros no faturamento das empresas

Previsão de contratação em 2018

17%

12%

TTA

10% 9% 57%

Outros

24%

PTTA

8%

Crescimento médio das empresas em 2018 Crescimento médio das empresas em 2017 comparado ao ano anterior Crescimento médio do mercado de quadros e painéis em 2018

9%

Setor da construção civil desaquecido


São Paulo

SP

X

X

ALSET ENERGIA

(62) 3945-5047

www.alset.com.br

Goiania

GO

X

ALTERCON IND. E SERV. DE AUT.

(19) 2108-7020

www.altercon.com.br

Americana

SP

X

X

ANDALUZ

(27) 3041-6766

www.andaluz.ind.br

Serra

ES

X

X

X

X

ATL INDUSTRIA LTDA

(51) 3367-1015

www.atlrs.com.br

Porto Alegre

RS

X

X

X

X

BCM

(37) 3232-6788

bcm@bcmeletricidade.com.br

Para de Minas

MG

X

X

BRVAL ELECTRICAL

(21) 3812-3100

www.brval.com.br

Valença

RJ

X

X

CAESA

(41) 3699-8400

www.caesa.ind.br

Almirante Tamandaré

PR

X

X

Carthom's

(19) 3466-8600

www.carthoms.com.br

Nova Odessa

SP

X

X

X

Controle Engenharia

(31) 3542-5476

www.controleengenharia.com

Nova Lima

MG

X

X

X

DELTA CANALETAS

(11) 4705-3133

www.deltaperfilados.com.br

Santana de Parnaíba

SP

X

X

X

Eaton

(11) 4525-7001

www.eaton.com.br

Jundiaí

SP

X

X

X

ELETROPAINEL

(44) 3027-9868

www.eletropainel.com.br

Maringá

PR

Eletropoll

(47) 3375-6700

www.eletropoll.com.br

Corupá

SC

ELETROTRAFO

(43) 3520-5000

www.eletrotrafo.com.br

Cornélio Procopio

PR

ELOS

(41) 3383-9290

www.elos.com.br

São José dos Pinhais

PR

Engerey

(41) 3022-3050

www.engerey.com.br

Curitiba

PR

X

X

Erzeg

(47) 3374-6363

www.erzeg.com.br

Schroeder

SC

X

X

ESA

(11) 5562-8866

www.esa.com.br

Diadema

SP

X

X

Fasorial Quadros Elétricos

(11) 3368-5259

www.fasorial.com.br

São Bernardo do Campo

SP

X

X

Fockink

(55) 3375-9500

www.fockink.ind.br

Panambi

RS

X

X

X

FORTLIGHT

(11) 2087-6000

www.fortlight.com.br

Guarulhos

SP

X

X

X

X

FORZA

(41)3023-1150

www.forza-ind.com.br

Curitiba

PR

X

X

GAZQUEZ PAINEIS ELETRICOS

(11) 3380-8080

www.gazquez.com.br

Guarulhos

SP

X

X

X

X

X

X

GE

0800 595 6565

br.geindustrial.com

Contagem

MG

X

X

X

X

X

X

X

GIMI SOLUÇÕES EM ENERGIA

(11) 4752-9900

www.gimi.com.br

Suzano

SP

X

X

X

X

HDS SISTEMAS DE ENERGIA

(11) 5091 9164

www.hdspr.com.br

Pinhais

PR

X

X

X

X

X

X

Hellermanntyton

(11) 2136-9090

www.hellermanntyton.com.br

Jundiaí

SP

X

X

X

X

X

X

Hoffman Pentair

(11) 5184-2100

www.pentairprotect.com

Boituva

SP

X

X

Holec

(11) 4191-3144

www.holec.com.br

Boituva

SP

X

X

X

INNTAG Engineer

(19) 3648-3700

www.inntag.com.br

Americana

SP

X

X

X

JHMppe

(11) 2293-3221

www.jhmppe.com.br

São Paulo

SP

X

X

Kimak

(47) 3251-7000

www.kimak.com.br

Brusque

SC

X

X

KitFrame

(11) 4613-4555

www.kitframe.com

Cotia

SP

X

X

Kron Medidores

(11) 5525-2000

www.kron.com.br

São Paulo

SP

X

X

Legrand

0800 118 008

www.legrand.com.br

São Paulo

SP

X

Luzville Engenharia

(47) 3145-4621

www.luzville.com.br

Joinville

SC

X

X

MABITEC SOLUÇÕES ELÉTRICAS

11 2337-1491

www.mabitec.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

Macro Quadros Elétricos

(48) 3240-7999

www.macroquadros.com.br

São José

SC

X

X

X

Magnani & Cia LTDA

(54) 4009 5255

www.magnani.com.br

Caxias do Sul

RS

X

X

Mecatron Emp. Elétricos

(31) 3073-1180

www.mecatron.ind.br

Betim

MG

X

X

X

Metalaser Painéis elétricos

(11) 4368-7828

www.metalaserpaineis.com.br/

São Bernardo do Campo

SP

X

X

X

Mon-ter

(11) 4487-6760

www.montereletrica.com.br

Itatiba

SP

X

NORD ELECTRIC

(49) 3361-3900

www.nord.eng.br

Chapecó

SC

NOVEMP

(11) 4093-5300

www.novemp.com.br

São Bernardo do Campo

Opção Painéis

(44) 3562-1623

www.opcaopaineis.com.br

Patola

(11) 2193-7500

www.patola.com.br

Pfannenberg

(19) 3935-7187

PHAYNELL

(11) 4652-0066

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X X

X X

X X

X

X X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

(11) 4534-7878

www.pressmat.com.br

Itatiba

SP

x

x

X

X

X

X

X

X

X

Pro Painel

(11) 2499-1314

www.propainel.com.br

Guarulhos

SP

X

X

X

X

X

X

Proauto

(15) 3031-7400

www.proautomacao.com.br

Sorocaba

SP

X

X

X

X

X

X

Progressul Sistemas de Energia

(47) 3054 0123

www.progressul.com.br

Schroeder

SC

X

X

X

Quadrimar Quad. e Pai. Elétricos

(21) 2428-3155

www.quadrimar.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

Rax Tecnologia

(21) 3565-6622

www.raxtecnologia.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

X

X

X

X

Renetec Eletromêcanica

(11) 4991-1999

www.renetec.com.br

Santo André

SP

X

X

X

X

X

X

X

Rio-Tech

(17) 4009-0500

www.rio-tech.com.br

São José do Rio Preto

SP

X

X

X

X

X

X

X

Rittal Brasil

(11) 3622-2377

www.rittal.com

São Paulo

SP

X

X

Rumo Engenharia

(15) 3331-2300

www.rumoengenharia.com.br

Sorocaba

SP

X

SECPAINEIS

(11) 4091-0601

www.secpaineis.com.br

Diadema

SP

SEL

(19) 3515-2000

www.selinc.com.br

Campinas

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

Soprano

(54) 2101-7070

www.soprano.com.br

Caxias do Sul

RS

X

X

X

X

X

X

STRAHL

(11) 2818-3838

www.strahl.com

São Paulo

SP

X

X

X

X

X

X

TAF

(47) 34441-9100 www.taf.ind.br

Joinville

SC

X

X

X

TECNAC

(21) 2270-8137

www.tecnac.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

X

X

X

X

X

Tigre

0800 7074700

www.tigre.com

Joinville

SC

X

X

X

X

X

X

X

TRANSFER

(11) 41899700

www.transfersistemas.com.br

Carapicuíba

SP

X

X

X

X

X

X

Varixx

(19) 3301-6900

www.varixx.com.br

Piracicaba

SP

X

X

X

X

X

X

X

VL INDUSTRIA

(11) 2832-4000

www.vlindustria.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

X

X

X

VR Painéis Elétricos

(17) 4009-5100

www.vrpaineis.com.br

São José do Rio Preto

SP

X

X

X

X

X

Vuper Engenharia e Instalações

(62) 3280-4314

www.vuper.com.br

Aparecida de Goiânia

GO

X

X

X

X

WEG

(47) 3276-4000

www.weg.net

Jaraguá do Sul

SC

X

X

X

X

ZETTATECCK

(19) 3321-8400

www.zettatecck.com.br

Araras

SP

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

SP

X

X

Araruna

PR

X

X

X

X

São Paulo

SP

X

X

X

X

X

www.pfannenberg.com.br

Indaiatuba

SP

X

X

X

X

X

www.phaynell.com.br

Arujá

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X X

X

X

X

X X X

X

X

X X

X

X X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X X

X

X X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

x

X

X

X

X

x

X

X

X

X

x

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

SP

X

X

X

São Paulo

X

X

X

X

X

www.steck.com.br

X

X

X

X

X

X

X

(11) 2248-7000

X

X

X

Steck

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

MG

X

X

X

X

Belo Horizonte

X

X

X

X

www.seniorengenharia.com.br

X

X x

(31) 2105-9800

X

X x

x

X

X

X x

x

X

X

x

x

X

X

X

SENIOR Engenharia

X X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

PRESSMAT

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

SP

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

São Paulo

Fornece serviços de instalação e/ou manutenção dos equipamentos

www.alpha-ex.com.br

X

www.psolutionsbrasil.com.br

Oferece treinamento técnico para os clientes

(11) 3933-7533

X

(11) 3181-5160

Possui corpo técnico especializado para oferecer suporte aos clientes

Alpha Equipamentos Elétricos

X

Power Solutions Brasil

Importa produtos acabados

X

X

Exporta produtos acabados

X

X

Programas na área de responsabilidade social

X

X

X

Serviço de atendimento ao cliente por telefone e/ou internet

X

SP

X

X

Estado

14001 (ambiental)

AC

São Paulo

9001 (qualidade)

Criciúma

www.phoenixcontact.com.br

Outros

www.agpr5.com

(11) 3871-6400

Internet

(48) 3462-3900

X

Phoenix Contact

Telemarketing

AGPR5

X

X

Venda direta ao cliente final

X

Cidade

X

Revendas / varejistas

X

Site

X

Certificado ISO

Principal canal de vendas

Distribuidores / atacadistas

X

Telefone

X

Principal Segmento de atuação

Residencial

X

Empresa

X

Distribuidora

SP

X

Fabricante

Santa Barbara D'Oeste

X

Fornece serviços de instalação e/ou manutenção dos equipamentos

www.afap.com.br

X

Oferece treinamento técnico para os clientes

(19) 3464-5650

X

Possui corpo técnico especializado para oferecer suporte aos clientes

AFAP

X

Importa produtos acabados

X

Programas na área de responsabilidade social

X

Serviço de atendimento ao cliente por telefone e/ou internet

SP

14001 (ambiental)

São Paulo

A empresa é

9001 (qualidade)

Cidade

www.abb.com

Outros

Site

0800 014 9111

Internet

Telefone

ABB

Telemarketing

Venda direta ao cliente final

Revendas / varejistas

Empresa

Estado

Certificado ISO

Principal canal de vendas

Distribuidores / atacadistas

Residencial

Comercial

Principal Segmento de atuação

Industrial

Distribuidora

Fabricante

A empresa é

75

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Comercial

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Industrial

Pesquisa - Quadros e Painéis

Exporta produtos acabados

74

X

X

X

X

X


O Setor Elétrico / Abril de 2018

77

O Setor Elétrico / Abril de 2018

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

ALSET ENERGIA

(62) 3945-5047

www.alset.com.br

Goiania

GO

X

X

ALTERCON IND. E SERV. DE AUT.

(19) 2108-7020

www.altercon.com.br

Americana

SP

X

X

ANDALUZ

(27) 3041-6766

www.andaluz.ind.br

Serra

ES

X

X

ATL INDUSTRIA LTDA

(51) 3367-1015

www.atlrs.com.br

Porto Alegre

RS

X

X

BCM

(37) 3232-6788

bcm@bcmeletricidade.com.br

Para de Minas

MG

X

X

BRVAL ELECTRICAL

(21) 3812-3100

www.brval.com.br

Valença

RJ

X

X

CAESA

(41) 3699-8400

www.caesa.ind.br

Almirante Tamandaré

PR

X

X

Carthom's

(19) 3466-8600

www.carthoms.com.br

Nova Odessa

SP

Controle Engenharia

(31) 3542-5476

www.controleengenharia.com

Nova Lima

MG

DELTA CANALETAS

(11) 4705-3133

www.deltaperfilados.com.br

Santana de Parnaíba

SP

Eaton

(11) 4525-7001

www.eaton.com.br

Jundiaí

SP

X

X

ELETROPAINEL

(44) 3027-9868

www.eletropainel.com.br

Maringá

PR

X

X

Eletropoll

(47) 3375-6700

www.eletropoll.com.br

Corupá

SC

ELETROTRAFO

(43) 3520-5000

www.eletrotrafo.com.br

Cornélio Procopio

PR

X

X

X

X

X

X

ELOS

(41) 3383-9290

www.elos.com.br

São José dos Pinhais

PR

Engerey

(41) 3022-3050

www.engerey.com.br

Curitiba

PR

X

X

X

X

X

X

Erzeg

(47) 3374-6363

www.erzeg.com.br

Schroeder

SC

X

X

X

X

X

ESA

(11) 5562-8866

www.esa.com.br

Diadema

SP

X

X

X

X

Fasorial Quadros Elétricos

(11) 3368-5259

www.fasorial.com.br

São Bernardo do Campo

SP

X

X

Fockink

(55) 3375-9500

www.fockink.ind.br

Panambi

RS

X

X

X

FORTLIGHT

(11) 2087-6000

www.fortlight.com.br

Guarulhos

SP

FORZA

(41)3023-1150

www.forza-ind.com.br

Curitiba

PR

X

X

X

GAZQUEZ PAINEIS ELETRICOS

(11) 3380-8080

www.gazquez.com.br

Guarulhos

SP

GE

0800 595 6565

br.geindustrial.com

Contagem

MG

X

GIMI SOLUÇÕES EM ENERGIA

(11) 4752-9900

www.gimi.com.br

Suzano

SP

X

X

HDS SISTEMAS DE ENERGIA

(11) 5091 9164

www.hdspr.com.br

Pinhais

PR

X

X

Hellermanntyton

(11) 2136-9090

www.hellermanntyton.com.br

Jundiaí

SP

Hoffman Pentair

(11) 5184-2100

www.pentairprotect.com

Boituva

SP

X

X

Holec

(11) 4191-3144

www.holec.com.br

Boituva

SP

X

X

INNTAG Engineer

(19) 3648-3700

www.inntag.com.br

Americana

SP

X

X

X

X

X

X

JHMppe

(11) 2293-3221

www.jhmppe.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

X

X

X

Kimak

(47) 3251-7000

www.kimak.com.br

Brusque

SC

KitFrame

(11) 4613-4555

www.kitframe.com

Cotia

SP

Kron Medidores

(11) 5525-2000

www.kron.com.br

São Paulo

SP

Legrand

0800 118 008

www.legrand.com.br

São Paulo

SP

X

X

Luzville Engenharia

(47) 3145-4621

www.luzville.com.br

Joinville

SC

X

X

X

X

X

X

MABITEC SOLUÇÕES ELÉTRICAS

11 2337-1491

www.mabitec.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

X

X

X

Macro Quadros Elétricos

(48) 3240-7999

www.macroquadros.com.br

São José

SC

X

X

X

X

Magnani & Cia LTDA

(54) 4009 5255

www.magnani.com.br

Caxias do Sul

RS

X

X

Mecatron Emp. Elétricos

(31) 3073-1180

www.mecatron.ind.br

Betim

MG

X

X

Metalaser Painéis elétricos

(11) 4368-7828

www.metalaserpaineis.com.br/

São Bernardo do Campo

SP

X

X

Mon-ter

(11) 4487-6760

www.montereletrica.com.br

Itatiba

SP

X

X

NORD ELECTRIC

(49) 3361-3900

www.nord.eng.br

Chapecó

SC

X

X

NOVEMP

(11) 4093-5300

www.novemp.com.br

São Bernardo do Campo

SP

X

X

Opção Painéis

(44) 3562-1623

www.opcaopaineis.com.br

Araruna

PR

Patola

(11) 2193-7500

www.patola.com.br

São Paulo

SP

Pfannenberg

(19) 3935-7187

www.pfannenberg.com.br

Indaiatuba

SP

PHAYNELL

(11) 4652-0066

www.phaynell.com.br

Arujá

SP

X

X

X X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

PRESSMAT

(11) 4534-7878

www.pressmat.com.br

Itatiba

SP

X

Pro Painel

(11) 2499-1314

www.propainel.com.br

Guarulhos

SP

X

X

X

Proauto

(15) 3031-7400

www.proautomacao.com.br

Sorocaba

SP

X

X

X

Progressul Sistemas de Energia

(47) 3054 0123

www.progressul.com.br

Schroeder

SC

X

X

X

Quadrimar Quad. e Pai. Elétricos

(21) 2428-3155

www.quadrimar.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

X

X

Rax Tecnologia

(21) 3565-6622

www.raxtecnologia.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

X

X

Renetec Eletromêcanica

(11) 4991-1999

www.renetec.com.br

Santo André

SP

X

X

X

Rio-Tech

(17) 4009-0500

www.rio-tech.com.br

São José do Rio Preto

SP

X

X

Rittal Brasil

(11) 3622-2377

www.rittal.com

São Paulo

SP

X

X

Rumo Engenharia

(15) 3331-2300

www.rumoengenharia.com.br

Sorocaba

SP

X

X

SECPAINEIS

(11) 4091-0601

www.secpaineis.com.br

Diadema

SP

X

X

X

SEL

(19) 3515-2000

www.selinc.com.br

Campinas

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

Soprano

(54) 2101-7070

www.soprano.com.br

Caxias do Sul

RS

STRAHL

(11) 2818-3838

www.strahl.com

São Paulo

SP

X

X

X

TAF

(47) 34441-9100

www.taf.ind.br

Joinville

SC

X

X

TECNAC

(21) 2270-8137

www.tecnac.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

X

X

Tigre

0800 7074700

www.tigre.com

Joinville

SC

X

X

X

X

TRANSFER

(11) 41899700

www.transfersistemas.com.br

Carapicuíba

SP

X

X

X

X

Varixx

(19) 3301-6900

www.varixx.com.br

Piracicaba

SP

X

X

VL INDUSTRIA

(11) 2832-4000

www.vlindustria.com.br

São Paulo

SP

X

X

VR Painéis Elétricos

(17) 4009-5100

www.vrpaineis.com.br

São José do Rio Preto

SP

X

X

X

X

Vuper Engenharia e Instalações

(62) 3280-4314

www.vuper.com.br

Aparecida de Goiânia

GO

X

X

X

WEG

(47) 3276-4000

www.weg.net

Jaraguá do Sul

SC

X

X

ZETTATECCK

(19) 3321-8400

www.zettatecck.com.br

Araras

SP

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

x

x

x

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

SP

X

X

X

MG

X X

X

São Paulo

X X

X

Belo Horizonte

X X

X

X

X

www.steck.com.br

X

X

X

www.seniorengenharia.com.br

X

X

X

(11) 2248-7000

X X

X

(31) 2105-9800

X X

X

Steck

X

X

X

SENIOR Engenharia

X X

X

X

X X

X

X

X

x

X

X

X

X

X

X

x X

X

X

X

X

X

X

X

x

X

X

X

X

X

X

X

X X

X X

X

X X

X

X

X

X X

X

X

X X

X

X

X

SP

X

X

X

X

SP

São Paulo

Outros

X

SP

São Paulo

www.psolutionsbrasil.com.br

Painéis de BT

AC

São Paulo

www.phoenixcontact.com.br

(11) 3181-5160

Painel de Soft Starter

Criciúma

www.alpha-ex.com.br

(11) 3871-6400

Power Solutions Brasil

Centro de medição agrupada

www.agpr5.com

(11) 3933-7533

Phoenix Contact

Quadro fotovoltáico

(48) 3462-3900

Alpha Equipamentos Elétricos

X

Eletrocentro

AGPR5

X

Quadros para medidores de energia

X

Mesas de comando

X

Quadros para áreas classificadas (EX)

X

Quadros de automação

X

Cubículos MT

X

Estado

Centro de controle de motores (CCM)

X

Cidade

Quadros para partida de motores em MT

X

Site

Cubículos tipo Metal-Clad

Quadros de automação

X

Telefone

Quadros de distribuição de luz

Cabines primárias

X

Empresa

Quadros de distribuição de força

Cabines de barramentos

SP

Outros

Cubículos MT

SP

Santa Barbara D'Oeste

Painéis de BT

Centro de controle de motores (CCM)

São Paulo

www.afap.com.br

Painel de Soft Starter

Quadros para partida de motores em MT

www.abb.com

(19) 3464-5650

Centro de medição agrupada

Cubículos tipo Metal-Clad

0800 014 9111

AFAP

Quadro fotovoltáico

Quadros de distribuição de luz

ABB

Estado

Tipos de Quadros e Painéis (Montagem Completa)

Eletrocentro

Cidade

Quadros para medidores de energia

Site

Mesas de comando

Telefone

Quadros para áreas classificadas (EX)

Empresa

Quadros de distribuição de força

Tipos de Quadros e Painéis (Montagem Completa)

Cabines primárias

Pesquisa - Quadros e Painéis

Cabines de barramentos

76

X

X

X

X

X

X

X

X

X X X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X X

X

X X

X

X

X

X

X X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X X

X X

X

X

X

X

X

X


O Setor Elétrico / Abril de 2018

79

O Setor Elétrico / Abril de 2018

ABB

0800 014 9111

www.abb.com

São Paulo

AFAP

(19) 3464-5650

www.afap.com.br

Santa Barbara D'Oeste

SP

Phoenix Contact

(11) 3871-6400

www.phoenixcontact.com.br

São Paulo

SP

SP

Power Solutions Brasil

(11) 3181-5160

www.psolutionsbrasil.com.br

São Paulo

SP

X

AGPR5

(48) 3462-3900

www.agpr5.com

Criciúma

AC

Alpha Equipamentos Elétricos

(11) 3933-7533

www.alpha-ex.com.br

São Paulo

SP

ALSET ENERGIA

(62) 3945-5047

www.alset.com.br

Goiania

GO

X

ALTERCON IND. E SERV. DE AUT.

(19) 2108-7020

www.altercon.com.br

Americana

SP

X

ANDALUZ

(27) 3041-6766

www.andaluz.ind.br

Serra

ES

X

X

ATL INDUSTRIA LTDA

(51) 3367-1015

www.atlrs.com.br

Porto Alegre

RS

X

X

BCM

(37) 3232-6788

bcm@bcmeletricidade.com.br

Para de Minas

MG

X

X

BRVAL ELECTRICAL

(21) 3812-3100

www.brval.com.br

Valença

RJ

CAESA

(41) 3699-8400

www.caesa.ind.br

Almirante Tamandaré

PR

X

Carthom's

(19) 3466-8600

www.carthoms.com.br

Nova Odessa

SP

X

Controle Engenharia

(31) 3542-5476

www.controleengenharia.com

Nova Lima

MG

DELTA CANALETAS

(11) 4705-3133

www.deltaperfilados.com.br

Santana de Parnaíba

SP

Eaton

(11) 4525-7001

www.eaton.com.br

Jundiaí

SP

ELETROPAINEL

(44) 3027-9868

www.eletropainel.com.br

Maringá

PR

X

X

X

X

Eletropoll

(47) 3375-6700

www.eletropoll.com.br

Corupá

SC

X

X

X

X

X

ELETROTRAFO

(43) 3520-5000

www.eletrotrafo.com.br

Cornélio Procopio

PR

X

X

X

X

X

ELOS

(41) 3383-9290

www.elos.com.br

São José dos Pinhais

PR

Engerey

(41) 3022-3050

www.engerey.com.br

Curitiba

PR

Erzeg

(47) 3374-6363

www.erzeg.com.br

Schroeder

SC

ESA

(11) 5562-8866

www.esa.com.br

Diadema

SP

X

Fasorial Quadros Elétricos

(11) 3368-5259

www.fasorial.com.br

São Bernardo do Campo

SP

X

Fockink

(55) 3375-9500

www.fockink.ind.br

Panambi

RS

X

FORTLIGHT

(11) 2087-6000

www.fortlight.com.br

Guarulhos

SP

FORZA

(41)3023-1150

www.forza-ind.com.br

Curitiba

PR

GAZQUEZ PAINEIS ELETRICOS

(11) 3380-8080

www.gazquez.com.br

Guarulhos

SP

GE

0800 595 6565

br.geindustrial.com

Contagem

MG

GIMI SOLUÇÕES EM ENERGIA

(11) 4752-9900

www.gimi.com.br

Suzano

SP

HDS SISTEMAS DE ENERGIA

(11) 5091 9164

www.hdspr.com.br

Pinhais

PR

Hellermanntyton

(11) 2136-9090

www.hellermanntyton.com.br

Jundiaí

SP

Hoffman Pentair

(11) 5184-2100

www.pentairprotect.com

Boituva

SP

Holec

(11) 4191-3144

www.holec.com.br

Boituva

SP

INNTAG Engineer

(19) 3648-3700

www.inntag.com.br

Americana

SP

JHMppe

(11) 2293-3221

www.jhmppe.com.br

São Paulo

SP

Kimak

(47) 3251-7000

www.kimak.com.br

Brusque

KitFrame

(11) 4613-4555

www.kitframe.com

Kron Medidores

(11) 5525-2000

www.kron.com.br

Legrand

0800 118 008

Luzville Engenharia

(47) 3145-4621

MABITEC SOLUÇÕES ELÉTRICAS Macro Quadros Elétricos

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X X

X X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

Itatiba

SP

x

www.propainel.com.br

Guarulhos

SP

X

Proauto

(15) 3031-7400

www.proautomacao.com.br

Sorocaba

SP

Progressul Sistemas de Energia

(47) 3054 0123

www.progressul.com.br

Schroeder

SC

Quadrimar Quad. e Pai. Elétricos

(21) 2428-3155

www.quadrimar.com.br

Rio de Janeiro

RJ

Rax Tecnologia

(21) 3565-6622

www.raxtecnologia.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

Renetec Eletromêcanica

(11) 4991-1999

www.renetec.com.br

Santo André

SP

X

Rio-Tech

(17) 4009-0500

www.rio-tech.com.br

São José do Rio Preto

SP

X

Rittal Brasil

(11) 3622-2377

www.rittal.com

São Paulo

SP

X

X

X

X

Rumo Engenharia

(15) 3331-2300

www.rumoengenharia.com.br

Sorocaba

SP

X

X

X

X

X

SECPAINEIS

(11) 4091-0601

www.secpaineis.com.br

Diadema

SP

X

X

SEL

(19) 3515-2000

www.selinc.com.br

Campinas

SP

SENIOR Engenharia

(31) 2105-9800

www.seniorengenharia.com.br

Belo Horizonte

MG

Steck

(11) 2248-7000

www.steck.com.br

São Paulo

SP

Soprano

(54) 2101-7070

www.soprano.com.br

Caxias do Sul

RS

STRAHL

(11) 2818-3838

www.strahl.com

São Paulo

SP

TAF

(47) 34441-9100 www.taf.ind.br

Joinville

SC

TECNAC

(21) 2270-8137

www.tecnac.com.br

Rio de Janeiro

RJ

Tigre

0800 7074700

www.tigre.com

Joinville

SC

TRANSFER

(11) 41899700

www.transfersistemas.com.br

Carapicuíba

SP

Varixx

(19) 3301-6900

www.varixx.com.br

Piracicaba

SP

VL INDUSTRIA

(11) 2832-4000

www.vlindustria.com.br

São Paulo

SP

X X

X

X X X

X

X X

X

X

X

X

X X X

X

X

X X

X

X

X X

X

X

X

X

X

Jaraguá do Sul

SC

X

X

www.zettatecck.com.br

Araras

SP

X

X

SP

X

São Paulo

SP

www.legrand.com.br

São Paulo

SP

X

www.luzville.com.br

Joinville

SC

X

11 2337-1491

www.mabitec.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

X

X

X

(48) 3240-7999

www.macroquadros.com.br

São José

SC

X

X

X

X

X

X

X

Magnani & Cia LTDA

(54) 4009 5255

www.magnani.com.br

Caxias do Sul

RS

X

X

X

X

Mecatron Emp. Elétricos

(31) 3073-1180

www.mecatron.ind.br

Betim

MG

X

X

X

X

Metalaser Painéis elétricos

(11) 4368-7828

www.metalaserpaineis.com.br/

São Bernardo do Campo

SP

Mon-ter

(11) 4487-6760

www.montereletrica.com.br

Itatiba

SP

NORD ELECTRIC

(49) 3361-3900

www.nord.eng.br

Chapecó

SC

X

NOVEMP

(11) 4093-5300

www.novemp.com.br

São Bernardo do Campo

SP

X

Opção Painéis

(44) 3562-1623

www.opcaopaineis.com.br

Araruna

PR

X

Patola

(11) 2193-7500

www.patola.com.br

São Paulo

SP

Pfannenberg

(19) 3935-7187

www.pfannenberg.com.br

Indaiatuba

SP

PHAYNELL

(11) 4652-0066

www.phaynell.com.br

Arujá

SP

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

www.weg.net

X

X

X

(19) 3321-8400

X

X X

X

(47) 3276-4000

X

X

X

ZETTATECCK

Cotia

X

X

WEG

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

SP

SC

X

X

X

GO

X

X

X X

Aparecida de Goiânia

X

X

X

São José do Rio Preto

X

X

X

www.vuper.com.br

X

X

X X

www.vrpaineis.com.br

X

X

X

(62) 3280-4314

X

X

X

(17) 4009-5100

X

X

X X

X

Vuper Engenharia e Instalações

X

X

X

VR Painéis Elétricos

X

X

X

X

X X

X

www.pressmat.com.br

(11) 2499-1314

X X

X

(11) 4534-7878

Pro Painel

X

X

X

X

PRESSMAT

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X X

X

X

Outros

Estado

Caixas para áreas classificadas

Cidade

Caixas a prova de tempo

Site

Acessórios e ferragens em geral para painéis

Telefone

CCM

Empresa

Caixas de medição

Estado

Armários modulares

Cidade

Outros

Site

Caixas para áreas classificadas

Telefone

Tipos de invólucros (caixas vazias)

Caixas a prova de tempo

Empresa

Acessórios e ferragens em geral para painéis

Cubículos

Quadros de distribuição

CCM

Caixas de medição

Armários modulares

Tipos de invólucros (caixas vazias)

Cubículos

Pesquisa - Quadros e Painéis

Quadros de distribuição

78

X

X

X

X


Espaço 5419

Espaço 5419

O Setor Elétrico / Abril de 2018

81

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Por Sergio Roberto Santos*

antes dos medidores de energia. O próprio posicionamento dos quadros de entrada deve ser avaliado levando-se em consideração as MPSs, para que seja mais fácil e econômico implementar estas medidas.

A ABNT NBR 5419:2015 e a necessidade de cooperação entre diversos profissionais

Ainda em relação à proteção contra surtos,

a edição 2015 da ABNT NBR 5419 tornou inconcebível que um projeto de Proteção contra Descargas Atmosféricas (PDA) seja feito totalmente independente do projeto das instalações elétricas, até porque os dois projetos tratarão da mesma instalação!

A norma ABNT NBR 5419:2015 –

econômica e precisa. Mas, como contrapartida,

Proteção

Atmosféricas

ela também tornou imprescindível a integração

apresenta uma série de novidades técnicas

contra

Descargas

entre os vários profissionais, engenheiros e

que implicaram na necessidade de atualização

arquitetos envolvidos no projeto da edificação

profissional de quem trabalha nesta área. Mas

(gráfico 1).

Devemos estar ainda mais atentos a este

ponto porque muitas edificações atualmente

Gráfico 1 – Instante da contratação de diferentes projetos para um mesmo empreendimento.

estão sendo projetadas com sistemas de

Nota: É altamente recomendado que os projetos sejam contratados simultaneamente para que a PDA seja a mais eficiente possível.=

geração fotovoltaica que impactam o seu SPDA e as suas MPSs, aqui surgindo novamente a Estas

recomendações

estão

necessidade de arquitetos, profissionais da área

muito mais difícil tem sido a mudança de

O ponto inicial envolvendo a máxima

postura daqueles que contratam os projetos

cooperação entre o projetista da PDA e os

é uma novidade da atual edição da ABNT

baseadas no conceito de “Zonas de Proteção

de geração fotovoltaica e projetista da PDA se

responsáveis pela edificação é o gerenciamento

NBR 5419, o ponto em que cabos e outros

contra Raios (ZPR)” e uma utilização eficiente

reunirem o mais cedo possível para definir as

Atmosféricas (SPDA) e Medidas de Proteção

de risco. As informações necessárias para

elementos metálicos entram na edificação

deste conceito envolve o posicionamento

medidas de proteção necessárias para garantir

contra Surtos (MPS), que constituem a

determinação dos riscos existentes devem ser

agora passou a ter grande importância devido

de quadros e painéis dentro da edificação,

a integridade destes sistemas.

Proteção contra Descargas Atmosférica (PDA).

fornecidas ao projetista da PDA, como o valor

à parte 4 desta norma, Proteção de sistemas

o que representa mais um exemplo de

Mas deve-se ter o máximo cuidado

Desde edições anteriores desta norma, alguns

cultural de elementos presentes na edificação

elétricos e eletrônicos internos na estrutura,

decisões que só fará sentido se tomadas no

para não cair na tentação de pensar que

elementos da proteção só poderiam ser

e os dados necessários para calcular o risco da

que nos indica que cabos, tubulações e

momento adequado, quando ainda será

estas

empregados se tivessem sido previstos em

perda de valor econômico, para que ele possa

outros elementos metálicos que entrem ou

possível viabilizá-las. Neste caso, o conceito

que a norma se tornou mais complexa por

projeto e programados antes da construção

utilizá-los e tomar as primeiras decisões sobre

saem da edificação devem seguir algumas

de cooperação torna-se fundamental, ao

mero preciosismo técnico. A verdadeira

do empreendimento. Mas na edição 2015

o seu projeto. Estas informações não são

recomendações para evitar que correntes

ponto de envolver inclusive as concessionárias

complexidade

da norma ABNT NBR 5419, esta questão se

de domínio do projetista da PDA e caso ele

de surto sejam perigosos para as pessoas

de energia, para que permitam a instalação de

dimensões das edificações atuais, sua maior

tornou muito mais relevante.

não as receba de quem de direito, o projeto

ou danifiquem os sistemas eletroeletrônicos

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

complexidade ocupacional e no uso intensivo

Em muitas ocasiões perde-se a visão

começará totalmente inconsistente. Muitos

de sistemas eletroeletrônicos em nossas vidas

de que o objetivo da proteção contra

dos fatores condicionantes do risco existente

(Figura 1).

descargas atmosféricas não é estético. A sua

são estabelecidos através dos projetos

função é proteger as pessoas, estruturas e

arquitetônicos, de combate ao incêndio e de

apresenta ferramentas para que todos os

instalações eletroeletrônicas contra os efeitos

instalações elétricas, devendo estes projetos

elementos necessários para a proteção de

extremamente danosos de uma descarga

estar ao alcance do projetista da PDA.

bens e serviços contra os riscos de uma

atmosférica, que podem inclusive ser fatais.

A utilização das ferragens como elementos

descarga atmosféricas estejam presentes

Por este motivo, a proteção contra descargas

do SPDA, uma medida que reduz os custos da

nos prédios residenciais, hospitais, fábricas,

atmosféricas é obrigatória e prioritária, não

proteção, facilita a sua conservação e diminui

shopping centers, etc., onde passamos boa

podendo ser relegada a uma posição de

os seus impactos estéticos na edificação.

parte do nosso tempo. Não é do interesse

menor importância entre as várias decisões

Será mais eficiente quanto mais cedo for

de ninguém que uma descarga atmosférica,

que precisam ser tomadas durante a execução

determinada e executada. Como ainda

direta ou indireta, cause prejuízos irreparáveis,

de um projeto.

existe, injustificadamente, alguma oposição

inclusive fatais, para quem se encontrar em

de Sistemas de Proteção contra Descargas

Enquanto a utilização das ferragens não

internos.

observações

reside

anteriores

no

significam

aumento

das

A norma ABNT NBR 5419:2015 apenas

Mais do que acrescentar uma quantidade

por parte de engenheiros civis quanto à sua

uma edificação mal protegida durante uma

considerável de informações, a norma ABNT

aplicabilidade, é altamente recomendado

tempestade!

NBR 5419:2015 trouxe algumas mudanças

uma reunião entre todos envolvidos na

conceituais para tornar a proteção contra

utilização das ferragens para que este serviço

Figura 1 – Cidade Administrativa. Sede do governo estadual de Minas Gerais. Crédito: Governo estadual de Minas Gerais.

descargas

seja feito da melhor maneira possível.

sistemas eletroeletrônicos se danifiquem, prejudicando a população do estado.

atmosféricas

mais

eficiente,

Nota: Um projeto de PDA deve proteger milhares de pessoas que circulam diariamente neste local, garantir a integridade das edificações e evitar que os

* Sergio Roberto Santos é engenheiro eletricista e membro da comissão de estudos CE 03:64.10, do CB-3 da ABNT.


82

Espaço SBQEE

Espaço SBQEE

O Setor Elétrico / Abril de 2018

83

Por José Rubens Macedo Jr.*

pesquisadores holandeses mostraram que, quando da consideração de formas de onda de corrente compatíveis com uma mistura de diferentes tecnologias de iluminação, os desvios de medição entre diferentes medidores de energia elétrica ativa podem ser superiores a 500%. Os pesquisadores do LADEE reproduziram esses testes, cujos

A medição da energia elétrica ativa em condições distorcidas

resultados são mostrados na Figura 3.

Como pode ser verificado na Figura

3(b), nenhum dos medidores testados apresentou desempenho compatível com sua classe de precisão e todos foram reprovados no teste. Ao mesmo tempo, Figura 1 – Estrutura laboratorial para realização dos testes de calibração.

verificou-se um desvio máximo de 30%

O Brasil possui mais de 80 milhões

mostraram que, dependendo dos níveis

entre os valores medidos e teóricos.

de unidades consumidoras de energia

de distorção harmônica de tensão e

Apesar desses resultados estarem muito

elétrica conectadas diretamente às redes

corrente, os desvios de medição podem

distantes dos desvios apresentados em [2],

de baixa tensão das distribuidoras. Para

ser superiores a 30% para determinados

os testes realizados pelo LADEE confirmam

cada uma dessas instalações existe um

fabricantes e modelos de medidores. Cabe

a urgência de revisão de normas e a

medidor, eletromecânico ou eletrônico,

destacar ainda que os testes comumente

redefinição dos critérios de calibração de

através do qual são quantificados os

realizados nesses medidores, pelos mais

medidores no Brasil, de forma a se buscar

montantes mensais de energia elétrica (em

diversos laboratórios de calibração do

uma maior isonomia na medição da energia

kWh) visando o seu efetivo faturamento.

país, não consideram essas condições

elétrica para os diversos consumidores.

Ao mesmo tempo, sabe-se que as redes

específicas no processo de calibração

elétricas em todo o mundo apresentam

desses equipamentos.

níveis variáveis de distorção harmônica

Os testes realizados pelo LADEE,

Figura 2 – Testes realizados considerando-se apenas tensão e corrente fundamental. (a) Sinais de tensão e corrente considerados e (b) resultados obtidos.

Referências [1] IEEE PES Power System Instr. and Meas.

os

medidores

de calibração, considerando-se as mais

Comm. IEEE Standard: Definitions for the

desempenho

compatível

variadas amplitudes e defasagens de

Measurement of Electric Power Quantities

apresentados a seguir, consideraram um

esperado,

total de nove medidores de faturamento

apresentaram

cuja incidência é proporcional ao avanço

de energia elétrica em baixa tensão de

com a classe de precisão dos mesmos

tensões e correntes harmônicas. Contudo,

Under Sinusoidal, Nonsinusoidal, Balanced,

tecnológico verificado em cada tipo de

cinco diferentes fabricantes. A estrutura

(2%). Na mesma Figura 2(b), as letras

no presente artigo, por questões de

or Unbalanced Conditions. IEEE Std. 1459-

equipamento. Nesse contexto, como os

física para realização desses testes é

no eixo horizontal indicam o fabricante

limitação de espaço, selecionou-se um teste

2010, February 2010.

diferentes medidores de energia elétrica

relativamente

e os números indicam os modelos dos

específico, proposto por pesquisadores

[2] Frank Leferink, Cees Keyer, Anton

holandeses [2], o qual tem sido amplamente

Melentjev. Static energy meter errors

de tensão e corrente em decorrência da grande inserção de cargas não-lineares,

simples,

contemplando

que

todos

se comportam em condições de tensão e

uma fonte programável de precisão, um

medidores testados.

corrente distorcidas? Em outras palavras,

leitor de pulsos de Led (para medidores

Ao todo, a equipe de pesquisadores

discutido e criticado pela comunidade

caused by conducted electromagnetic

os erros máximos permissíveis para esses

eletrônicos) ou de mancha de disco (para

do LADEE realizou mais de 40 testes

científica internacional. Nesse trabalho, os

interference.

medidores

medidores eletromecânicos), assim como

Compatibility Magazine, Volume 5, Issue 4,

nessas condições?

um

Fourth Quarter 2016.

mostrado na Figura 1.

são

plenamente

atendidos

Na tentativa de responder a essa e

totalizador

de

pulsos,

conforme

IEEE

Electromagnetic

* José Rubens Macedo Jr. é graduado em

a outras perguntas sobre o assunto, o

Inicialmente,

Laboratório de Distribuição de Energia

medidores considerados foram testados

engenharia elétrica pela Universidade Federal

Elétrica (LADEE) da Universidade Federal

considerando-se apenas sinais de tensão

de Uberlândia, com mestrado pela mesma

de Uberlândia vem desenvolvendo diversas

e corrente na frequência fundamental,

instituição e doutorado em engenharia elétrica

pesquisas com o objetivo de qualificar

com fator de potência unitário, conforme

pela Universidade Federal do Espírito Santo.

e quantificar os desvios de medição em

mostrado na Figura 2.

Desenvolveu seu pós-doutorado no Worcester

medidores de energia elétrica ativa em

Polytechnic Institute - WPI, Massachusetts,

condições

considerando-se

2(b), os quais expressam a relação absoluta

as definições estabelecidas pela IEEE

entre os valores medidos e os respectivos

Std. 1459-2010 [1]. Os resultados obtidos

valores

distorcidas,

todos

os

nove

Os resultados apresentados na Figura

teóricos,

mostram,

conforme

Estados Unidos. Atualmente, é professor da Figura 3 – Testes realizados considerando-se forma de onda de corrente compatível com uma mistura de diferentes tecnologias de iluminação. (a) Sinais de tensão e corrente considerados e (b) resultados obtidos.

Faculdade de Engenharia Elétrica junto à Universidade Federal de Uberlândia (UFU).


84

Proteção contra raios

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Jobson Modena é engenheiro eletricista, membro do Comitê Brasileiro de Eletricidade (Cobei), CB-3 da ABNT, onde participa atualmente como coordenador da comissão revisora da norma de proteção contra descargas atmosféricas (ABNT NBR 5419). É diretor da Guismo Engenharia | www.guismo.com.br

Proteção contra descargas atmosféricas nas telecomunicações* (continuação)

A importância do sistema de aterramento

Embora

pareçam

existir

diferentes

sistemas de aterramento em uma dada Perturbações

EM

são

acopladas

em circuitos eletrônicos através de três

instalação

de

telecomunicações

A contribuição da cablagem para o sistema de aterramento

o destino destas correntes.

seja menor que o nível de suportabilidade

Por exemplo, as correntes induzidas

dos equipamentos.

por descargas atmosféricas em cabos

de

Torna-se, assim, conveniente que, para

comunicação

uma

que

são

instalação

de

conectados

telecomunicações contra raios, todos os

telecomunicações, podem ser desviadas

cabos dentro de uma zona de proteção

para terra através do uso de DPSs,

corram junto ao “sistema de aterramento”,

normalmente instalados na entrada da

o qual deve ser expandido por toda a área

estação (DG, Repartidor, MDF), de modo

da zona de proteção (para evitar a criação

a proteger os equipamentos instalados.

de grandes áreas de “loops” de corrente), e

Porém, o percurso de circulação destas

que todos os cabos entrem em cada zona

correntes que foram desviadas pelos DPSs

de proteção por um único ponto, onde

pode favorecer o aparecimento de tensões

estarão instados os DPSs (para evitar

perigosas para os equipamentos instalados,

diferenças de potencial).

através

de

a

metálicos,

uma melhor proteção de instalações de

(tais

acoplamento

de energia AC; sistema de terra da

de uma instalação de telecomunicações,

capacitivo (campos elétricos), acoplamento

básicos:

que o nível dos surtos de tensão e corrente

radiação

ou

impedância

comum de aterramento, de acordo com

como: sistema de terra da distribuição

mecanismos

85

O Setor Elétrico / Abril de 2018

No que se refere aos cabos internos

A contribuição de DPSs para o sistema de aterramento

as características físicas do percurso de descarga.

distribuição de energia DC; sistema de

a maior dificuldade reside em lidar com as

e

terra de radiofrequência; sistema de terra

correntes em modo comum, uma vez que

O

de

correntes desviadas pelos DPSs fluam para

acoplamento por impedância comum (de

indutivo

(campos

magnéticos)

Torna-se, assim, conveniente que as uso

de

DPSs

(Dispositivo

de sinal; sistema de terra do para-raios;

o fluxo de corrente não é tão fácil de ser

Proteção contra Surtos) é, na verdade,

a mesma referência do circuito protegido

aterramento).

etc.) e diferentes “pontos de terra” para

identificado, já que depende de um grande

um último recurso de aterramento para se

(não necessariamente para o sistema

Praticamente todas as técnicas que

serem “aterrados” nestes “sistemas de

número de variáveis, como frequência,

evitar avarias nos circuitos quando, devido

de eletrodos de terra) e que o caminho

se aplicam para a eliminação destes

terra” (como terra lógico; terra da carcaça

disposição física dos componentes, campos

às características da instalação, é possível

de descarga seja o mais direto possível

mecanismos de acoplamento, assim como

dos equipamentos; terra da blindagem dos

eletromagnéticos, etc. [2]. A implementação

a ocorrência de sobretensões superiores

(menor indutância) para evitar a criação de

balanceamento,

cabos; terra de sinal; etc.), deve existir

de diferentes caminhos alternativos para a

ao nível de suportabilidade (resistibilidade)

diferenças de potencial.

etc., são relacionadas com o sistema de

somente um único sistema de aterramento

circulação de correntes é uma das medidas

dos cabos e equipamentos interligados

para realizar todas estas diferentes funções.

que poderá ser adotada, uma vez que as

(um DPS é, essencialmente, uma conexão

correntes irão sempre seguir os caminhos

transitória ao sistema de aterramento).

nos quais o fluxo abrangido é mínimo. Para

DPSs

são

normalmente

o controle do acoplamento de correntes no

próximos

aos

equipamentos

modo comum (como aquelas normalmente

protegidos, mas isto não é necessariamente

basicamente, um sinônimo para EMC, e

filtragem,

blindagem,

aterramento. Por exemplo, para se evitar o acoplamento de campos magnéticos em cabos de sinal, a técnica básica é a eliminação da área do “loop” definida pelo

Uma metodologia para o sistema de aterramento

fluxo de corrente – uma blindagem pode

Conclusão

instalados

A

a

telecomunicações

serem

proteção

de

sistemas

contra

raios

de é,

ser usada neste sentido, mas seu uso é

De forma a responder aos objetivos

induzidas por raios) é então bastante

o caso para todas as situações. Muitas

EMC é, essencialmente, um sistema de

orientado para a redução da área do “loop”,

apresentados acima na proteção de uma

conveniente o roteamento dos cabos de

vezes, DPSs são instalados ao longo

aterramento adequado.

isto é, como a blindagem é “aterrada”.

instalação de telecomunicações contra

energia e sinal próximos a um condutor

do cabo de comunicação para dividir o

Dessa forma, o sistema de aterramento

descargas atmosféricas e seus efeitos, é

“aterrado”. Este “condutor de terra em

comprimento do cabo por forma a reduzir a

uma metodologia geral, que possa suportar

assume o principal papel na proteção de

conveniente a aplicação do conceito de zonas

paralelo”, por exemplo, uma bandeja para

amplitude dos surtos de tensão e corrente

o projeto de sistemas de aterramento por

uma instalação de telecomunicações contra

de proteção. Nesta abordagem, ambientes

a passagem de cabos aterrada em ambos

acoplados.

forma a garantir uma configuração EMC,

descargas atmosféricas e seus efeitos, e

eletromagnéticos (onde os equipamentos

os extremos, irá desviar correntes em modo

Quando se pretende utilizar DPSs

devido às muitas variáveis envolvidas.

deve ser projetado para:

irão

comum dos circuitos em modo diferencial,

(para limitar as sobretensões transitórias e

operar)

são

sucessivamente

Atualmente, ainda não existe disponível

A aplicação das diretrizes apresentadas

aprimorados controlando-se a propagação

cabos ou sua blindagem.

desviar as correntes de surto para fora dos

neste

1. Evitar que perturbações EM de grande

das perturbações EM geradas por raios de

No que se refere aos cabos externos,

equipamentos protegidos), é fundamental

implementação de sistemas de aterramento

intensidade sejam acopladas nos circuitos;

uma zona para outra, através de blindagem

DPSs são normalmente usados em todos

um maior cuidado nas suas instalações.

apropriados à proteção de sistemas de

2. Evitar

EM

eletromagnética. O efeito de blindagem é

os cabos que entram nas instalações

Deve-se lembrar que as correntes de

telecomunicações

acopladas nos circuitos possam ocasionar

obtido em cada zona de proteção através

de telecomunicações, tais como cabos

surto desviadas sempre vão para algum

atmosféricas e seus efeitos.

surtos de tensão e corrente perigosos para

de uma configuração apropriada do sistema

de energia, linhas de telefone, cabos de

lugar no circuito. Elas simplesmente não

os circuitos.

de aterramento.

antenas, etc., com o objetivo de garantir

desaparecem! O sistema de aterramento é

que

as

perturbações

trabalho

poderá

contra

nortear

a

descargas

*Participação de Roberto Menna Barreto


NR 10

86

O Setor Elétrico / Abril de 2018

87

Quadros e painéis

O Setor Elétrico / Janeiro de 2018

*Nunziante Graziano é engenheiro eletricista, mestre em energia, redes e equipamentos pelo Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE/USP), Doutor em Business Administration pela Florida Christian University, membro da ABNT/CB-003/CE 003 121 002 – Conjuntos de Manobra e Comando de Baixa Tensão e diretor da Gimi Pogliano Blindosbarra Barramentos Blindados e da GIMI Quadros elétricos |nunziante@gimi.com.br

João José Barrico de Souza é engenheiro eletricista e de segurança no trabalho, consultor técnico, diretor da Engeletric, membro do GTT-10 e professor no curso de engenharia de segurança (FEI/PECE-USP/Unip).

Instalações elétricas em canteiros de obras Foi publicada no Diário Oficial do dia 19 de

a ABNT NBR 5410 quanto aos condutores

recursos de bloqueio, conforme estabelece a NR 10.

abril a Portaria 261, de 18/4/18, que altera o

elétricos. O item 18.21.7 volta a mencionar o

item 18.21 da NR 18, que trata das instalações

laudo, mas não mencionou a periodicidade das

exigências da ABNT NBR 5410

elétricas no âmbito da construção civil, objeto da

inspeções e nem a periodicidade de laudos, o

Em 18.21.16, remete-se diretamente à

NR 18. Observa-se que o item 18.21.1 ratifica

que parece um retrocesso ou saudades da NR

ABNT NBR 5419.

que as instalações elétricas sejam temporárias ou

10 de 1983. Observe que a NR 10 reserva o

definitivas devem obedecer ao que estabelece a

estabelecimento da periodicidade das inspeções

em proximidade, conforme estabelece a NR 10.

profissional cabe a escolha da tecnologia

NR 10.

à própria empresa, mediante compromisso a ser

Em 18.21.18, parece-nos faltar esclare­

e da apresentação que mais lhe agrada,

Em 18.21.13 a 18.21.15, ratificam-se as

Espelho de chapa ou isolante? Qual o melhor?

Em 18.21.17, fica um alerta para trabalhos

Entre as soluções apresentadas, a cada

estabelecido no Prontuário.

cimentos, já que nas montagens metálicas é

esteticamente falando, mas é necessário

para as instalações temporárias, que deverá ser

O item 18.21.7.1 ratifica a exigência da

pouco provável o acúmulo de estática, tendo

que, escolhido o material, sejam executados

elaborado por profissional legalmente habilitado

ABNT NBR 5410 quanto ao aterramento

em vista que essa condição se manifesta

os ensaios de tipo previstos na referência

e que as instalações devem ser realizadas por

das partes condutoras não destinadas a

principalmente em meios não condutores.

normativa ABNT NBR IEC 60439-1/3. É

profissionais autorizados, conforme estabelece a

conduzir a corrente elétrica em condições

O

e

importante ressaltar que o profissional que

NR 10.

normais (independentemente do esquema de

definições é de grande valia para a uniformização

especifica, constrói, instala, mantém e opera

Faltou uma vírgula no item 18.21.4 ao

aterramento).

das providências. É louvável que a alteração da

quadros elétricos de baixa tensão, sendo

mencionar que a presença de partes vivas

No item 18.21.8 fica ratificada a exigência

NR 18 tenha sido realizada de forma coerente

qualificados e habilitados BA-4 e BA-5 pela

acessíveis fica proibida aos trabalhadores, sem

da ABNT NBR 5410, de que seja utilizado

e em concordância com os demais documentos

NR 10, por consequência registrados no

fazer a ressalva “aos profissionais autorizados”.

dispositivo DR. A propósito, a NBR estabelece

regulamentadores e normativos vigentes. Dessa

sistema Confea-Crea, tem responsabilidade

Colocada a vírgula, deve ser observada a

desde 2004 o uso de DR nos canteiros de obra.

forma será facilmente assimilada.

É comum a seguinte pergunta dos

o de resistência dos materiais isolantes

pela escolha e pela manutenção das

utilização de invólucros e barreiras da forma

Os itens 18.21.9 e seus subitens até

A Portaria nº 261, de 18 de abril de 2018,

leitores: “Em um quadro de baixa tensão

ao calor, o de resistência dos materiais

barreiras e obstáculos para atendimento aos

como se define na ABNT NBR 5410.

18.21.11 ratificam as exigências da 5410.

pode ser consultada na íntegra em: www.

acessível a pessoas não qualificadas e

isolantes ao calor anormal e ao fogo e

requisitos de acesso inadvertido a pessoas

imprensanacional.gov.br

habilitadas, qual seria o melhor material

ensaio de proteção de pessoas contra

comuns, reconhecidas como BA-1 pela

para confecção da barreira de proteção

efeitos elétricos perigosos. Tendo superado

NR 10, sob pena de responsabilização por

contra contatos diretos e indiretos sobre os

essas etapas de certificação, é necessário

acidente durante a operação e a manutenção

barramentos parciais de distribuição dentro

garantir que a retirada dessa proteção

desses quadros.

do quadro?” Veja as fotos acima.

necessite de ferramentas especiais, não

Particularmente, já presenciei muita

Fica clara a necessidade de um projeto

Os itens 18.5 e 18.6 reiteram o que estabelece

O item 18.21.12 enfatiza a necessidade de

esclarecimento

dos

conceitos

uma

por porcas borboleta, como muitas vezes já

negligência

barreira construída com chapa de aço e

encontrei, o que facilita a ação inadvertida

Conhecidos como “quadrinhos de luz”, é

com fechaduras que requerem o uso de

de um operador não qualificado e habilitado

comum a sua aquisição sem certificação,

ferramentas para abertura, constituindo

de retirar a proteção e se expor ao risco que

às

uma boa barreira no que tange à NR 10.

muitas vezes desconhece.

negligenciando as responsabilidades e os

A segunda foto (à direita) apresenta um

Retornando

obstáculo isolante transparente, o que

utilização de barreira em chapa de aço

inegavelmente deixa o quadro mais belo,

provê uma proteção eficaz contra efeitos

quadrinhos também são TTA e devem

nos termos de hoje seria “clean”. Entretanto,

elétricos perigosos, visto que a placa

ser adquiridos apenas de empresas que

algumas ressalvas eu me atreveria a colocar:

deve estar conectada à massa do quadro

apresentem certificação, seja com barreiras

a primeira é que o material isolante precisa

e,

em chapa de aço ou seja com barreiras

ser submetido aos ensaios previstos na

de ser por hipótese, um material não

isolantes.

ABNT NBR IEC 60439-3, notadamente,

incandescente.

A

primeira

foto

apresenta

à

primeira

consequentemente,

foto,

aterrada,

a

além

vezes,

em

até

quadros

montados

desse

em

tipo.

campo,

ensaios compulsórios nestes aparelhos. Bom, todos sabemos agora que esses

Boa leitura!


88

Energia com qualidade

O Setor Elétrico / Abril de 2018

89

O Setor Elétrico / Abril de 2018

A inserção de reator antirressonante, como apresentado na Figura 1C, tem como resultado a mudança da frequência José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br

de ressonância ilustrada na Figura 1B, com ressonância harmônica próxima à 3ª harmônica. Neste caso, o objetivo foi de não permitir a ressonância nas frequências de 5ª ordem e superiores (típicos de cargas

Queima de capacitores em sistemas antirressonantes

trifásicas em conversores de 6 pulsos). O ramo do gráfico da Figura 1B à direita do ponto de ressonância tem o comportamento muito semelhante ao da impedância da rede (Z=ᾡL) e espera-se que o comportamento seja adequado.

A

especificação

de

sistemas

de

principais causas de queima de capacitores

reativa

Os reatores a serem acoplados a cada

Este

equilíbrio

é

obtido

com

e aspectos limites da normalização de

grupo de capacitores tem o objetivo de

dimensionamento adequado dos valores

antirressonantes é importante quando a

fabricantes.

controlar a circulação de correntes harmônicas

da reatância do reator Xl1 em função da

carga a ser compensada é não linear e,

controle/upd/downloads/195.pdf

tanto nos capacitores como na rede e são

reatância do capacitor Xc da Figura 1C. Como

por consequência, sua corrente possui

Estes documentos indicam as principais

definidos em função das características dos

construtivamente o capacitor (equivalente)

componentes harmônicas. De uma forma

compensação

de

energia

http://www.acaoenge.com.br/

causas que aceleram o fim da vida dos

próprios capacitores que irão injetar a potência

com reatância Xc é obtido por grupos de

geral, são especificados reatores a serem

capacitores

reativa, definindo-se então a frequência de

capacitores ligados a um único reator, a falta

inseridos em série com os capacitores

mesmos. São elas:

ressonância desejável para o sistema e o

(queima) de um dos capacitores (do grupo)

volume de potência reativa a ser injetado. Estes

altera esta impedância total (L+C) desejada

provocando

a

queima

dos

do sistema de compensação reativa de • Temperatura de operação e temperatura

conjuntos são inseridos e desconectados da

e projetada, fazendo com que a frequência

de compensação (LC) em conjunto com

ambiente;

rede de forma automática normalmente em

de ressonância também seja modificada.

a rede de alimentação e carga não linear

forma a não permitir que estes sistemas

• Tensão de operação incluindo sobretensões

função da demanda de potência reativa pela

Pela expressão geral da frequência de

operem adequadamente sem a ocorrência da

e fontes previamente distorcidas;

carga e do fator de potência desejado.

ressonância, fr= 1/ (2π.raiz(LC)), a redução

ressonância harmônica.

• Correntes de operação incluindo as

A Figura 1 A apresenta a impedância

da capacitância equivalente do grupo ligado

Se não fosse assim, a ressonância

harmônicas;

do sistema em função das frequências

a um único indutor eleva a frequência de

harmônica

provocaria

• Condições de manobra e transientes;

harmônicas e a ressonância ocorre, neste

ressonância, modificando o cálculo inicial,

correntes

harmônicas

• Outros efeitos externos.

caso, na 5ª ordem.

aumentando

a

circulação

nos

de

capacitores

a

circulação

de

corrente

e na rede muito acima do esperado,

harmônica, podendo culminar com uma

causando sobretensões em todo o sistema

ressonância harmônica. Portanto, a perda de

(transformador, carga e capacitores) com

um capacitor de um grupo, por razões não

valores de 6% a 10%. Portanto, registros de

necessariamente relacionadas às correntes

tensões de operação em regime muito acima

harmônicas (por exemplo alta temperatura

das nominais, após a inserção de capacitores

ambiente ou sobretensão), podem causar a

nas redes, é um sinal importante da ocorrência

ressonância.

de ressonância. Mais informações sobre

A operação confiável de sistemas e

queima de capacitores e outros fenômenos

compensação reativa deve, portanto, prever

podem ser obtidas nos links:

a contínua observação dos valores de potência reativa de cada ramo dos bancos

• Mas, afinal, para que servem os capacitores

de capacitores e a imediata intervenção,

em instalações elétricas de baixa tensão?

evitando que o problema se alastre para

http://www.acaoenge.com.br/controle/upd/

as outras células vivas. Também devem

downloads/196.pdf • Por que explodem os capacitores em instalações elétricas? Este artigo contém as

Figura 1 – A) Sistema sem reator; B) Sistema com reator; C) Esquema de inserção de reator em série com capacitor.

ser pesquisadas as causas que teriam ocasionado defeito de operação no capacitor inicialmente.


90

Instalações Ex

O Setor Elétrico / Abril de 2018

91

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Roberval Bulgarelli é consultor técnico e engenheiro sênior da Petrobras. É representante do Brasil no TC-31 da IEC e no IECEx e coordenador do Subcomitê SC-31 do Comitê Brasileiro de Eletricidade (Cobei).

O mito da segurança proporcionada somente pelos equipamentos “Ex” certificados Parte 2/2 Figura 1 - Falhas de montagem e inspeção “Ex”: Invólucro metálico com certificação de conformidade Ex “d” (à prova de explosão) com a instalação incorreta de prensa-cabos plásticos com certificação de conformidade Ex “e” (segurança aumentada).

gestão “Ex”.

ter iniciado, desde a década de 1970,

industrial pode ser verificado que de

De forma frequente, as empresas de

no Brasil e em diversos outros países

pouco adianta os equipamentos elétricos

projeto, montagem, inspeção, manutenção

do mundo, um processo de certificação

“Ex” serem certificados por Organismos de

e reparos de equipamentos e instalações

das

que

ignição, dando origens a explosões. Estas

instalados em áreas classificadas, ao longo

Certificação acreditados, se os mesmos

“Ex” apresentam deficiências de gestão,

trabalham em áreas classificadas e das

deficiências são, na maioria das vezes,

de décadas, e não somente quando estes

não

de

empresas

de

decorrentes de falta de treinamentos,

equipamentos saem das fábricas.

Sob o ponto de vista de segurança

são

devidamente

especificados,

procedimentos

de

trabalho

e

de

competências que

das

prestam

pessoas serviços

instalados, inspecionados, mantidos ou

qualificação do seu pessoal de execução

projeto, montagem, inspeção, manutenção

conhecimentos, experiências, habilidades,

reparados, ao longo do ciclo total de vida

e de supervisão, os quais não possuem

e reparos de equipamentos e instalações

qualificações das pessoas responsáveis e

das instalações “Ex” possam ser mantidos

em que permanecem instalados em locais

as devidas experiências, conhecimentos e

em atmosferas explosivas, e não somente

dos executantes destes tipos de serviços

nos elevados níveis requeridos, existe a

de elevados riscos de explosão, contendo

habilidades, que os tornem competentes

a certificação dos equipamentos elétricos

“Ex”.

necessidade de uma nova postura com

atmosferas explosivas de gases inflamáveis

para desempenharem com a necessária

que são instalados nestas áreas de risco

ou de poeiras combustíveis.

eficiência e segurança, as atividades “Ex”

de explosões.

de

equipamento

um ponto de vista de certificação que não

para as quais são solicitados.

É apresentado a seguir um exemplo uma

instalação

de

Para que estes níveis de segurança

relação a este problema, com a adoção de

Sob o ponto de vista de segurança,

elétrico “Ex” devidamente certificado por

fique limitado somente à certificação dos

é que a falta de segurança das instalações

Muitos

realizados

o que pode ser verificado é que, caso

Organismo de Certificação acreditado,

equipamentos elétricos “Ex”, mas também

“Ex” é provocada, em diversos casos, por

nessa área não atendem aos requisitos

isto tivesse sido feito, certamente hoje

com não conformidades de montagem, de

a certificação prioritária das competências

falha de especificação dos equipamentos

normativos

respectivas

seria possível contar com uma força de

manutenção e de inspeção.

pessoais dos profissionais que executam

“Ex” (tipos de proteção, grupos, classes de

partes das normas técnicas brasileiras da

trabalho mais bem treinada, preparada,

A abordagem de certificação com base

atividades de projeto, montagem, inspeção,

temperatura ou EPL), por falhas de projeto,

série ABNT NBR IEC 60079 – Atmosferas

qualificada e certificada para realizar com

no “ciclo total de vida” das instalações

manutenção e reparos em atmosferas

falhas de montagem, falhas de inspeção,

explosivas. Pode ser verificado ainda,

mais competência e consciência, à luz das

“Ex” reconhece o fato de que somente a

explosivas, bem como da certificação

falhas de manutenção ou por falhas de

com base na qualidade dos serviços

normas técnicas existentes, as atividades

“tradicional” certificação de equipamentos

prioritária das empresas de prestação de

serviços de reparo ou recuperação dos

que são realizados, que a mão de obra

das quais depende a segurança das

elétricos e mecânicos “Ex” não é suficiente

tais serviços “Ex” em áreas classificadas,

equipamentos “Ex”.

de profissionais envolvendo projetistas,

instalações em atmosferas explosivas.

para garantir a segurança das instalações

tendo como base as normas brasileiras.

O que pode ser verificado, na prática,

dos

serviços

indicados

nas

Tais falhas podem ser atribuídas, na

montadores, instaladores e inspetores é

em atmosferas explosivas, das pessoas

A

maioria dos casos, à falta de qualificações

carente com relação ao acesso a cursos de

que

a

que nelas trabalham ou do meio ambiente.

sistemas de certificação para o ciclo

e de competências das empresas de

formação e qualificação e a treinamentos

realização das atividades de instalação,

As explosões que são verificadas nestas

total de vida das instalações “Ex” não

prestação de serviços destes tipos de

de reciclagem envolvendo as atividades

manutenção ou reparos, fazem com que

áreas de risco de diversas instalações

é uma necessidade exclusiva do Brasil,

atividades para áreas classificadas, bem

relacionadas com as instalações em áreas

os equipamentos elétricos e mecânicos

industriais, com resultados catastróficos,

sendo uma preocupação da comunidade

como a falta de treinamentos, qualificações,

classificadas.

“Ex”

características

resultam em grandes perdas de vidas

técnica internacional. Esforços envolvendo

competências e certificações das pessoas

Tendo como base os atuais níveis de

originais de proteção contra a ignição de

humanas, em destruição do patrimônio e

a participação de dezenas de países

que executam, supervisionam ou aprovam

não conformidades que são encontrados

atmosferas explosivas que podem estar

em grandes desastres ambientais.

mundo, coordenados pela IEC, resultaram

as atividades de classificação de áreas,

durante as inspeções e auditorias que são

presentes em seus locais de instalação,

Os

projeto, montagem, inspeção, manutenção,

realizadas nas instalações em atmosferas

fazendo com que, mesmo com certificação

mecânicos “Ex” necessitam estar seguros

com

reparos, recuperação e auditorias de

explosivas, pode ser entendido que deveria

“Ex”, possam representar uma fonte de

durante todo o tempo em que permanecem

internacionais da Série IEC 60079 para a

As deficiências e não conformidades são

percam

introduzidas

as

suas

durante

equipamentos

elétricos

e

abordagem

de

segurança

para

na criação do IECEx, em 07/05/1996, foco

na

utilização

das

normas


92

Instalações Ex

O Setor Elétrico / Abril de 2018

elaboração de sistemas internacionais de

seu elo mais fraco, a segurança das

Somente desta forma os usuários

avaliação da conformidade da IEC para a

instalações em atmosferas explosivas pode

podem possuir uma confiança de que as

área “Ex”. O Brasil participa das reuniões

ser entendida como sendo o resultado de

instalações “Ex” estão seguras, no caso de

do sistema IECEx desde 2002 e é um dos

diversos “elos”, os quais necessitam estar

um vazamento de substâncias inflamáveis

33 países participante desde 2009.

fortes para evitar a existência de uma

entrar em contato com equipamentos “Ex”

Existem

Organismos

fonte de ignição que possa provocar uma

elétricos, eletrônicos ou mecânicos, sem a

acreditados

explosão.

ocorrência de uma explosão

de

no

Certificação

nacionalmente

Brasil que

pelo

são

Inmetro

e

que

Como elos desta corrente podem ser

também foram avaliados e reconhecidos

citadas as atividades de classificação de

Referências bibliográficas

internacionalmente no IECEx em 2011 (no

áreas, especificação dos equipamentos

ABNT NBR IEC 60079-10-1: Atmosferas

sistema de certificação de equipamentos

“Ex”, montagem, inspeção, manutenção,

explosivas - Parte 10-1: Classificação de áreas

“Ex” – IECEx 02), em 2016 (no sistema

reparos, recuperação, auditorias e gestão

- Atmosferas explosivas de gás

de certificação de competências pessoais

das

equipamentos

ABNT NBR IEC 60079-10-2: Atmosferas

“Ex” – IECEx 05 e de equipamentos “Ex”

elétricos, de instrumentação, de automação

explosivas - Parte 10-2: Classificação de áreas

– IECEx 02) e em 2017 (no sistema de

e de telecomunicações e mecânicos “Ex”.

- Atmosferas de poeiras explosivas

certificação de empresas de prestação de

Como pode ser entendido, o “elo”

ABNT NBR IEC 60079-14: Atmosferas

serviços “Ex” – IECEx 03). Desta forma

representado pelos equipamentos “Ex”,

explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e

estão disponíveis no Brasil a possibilidade

no qual estão incluídos os fabricantes, os

montagem de instalações elétricas

de obtenção de certificação internacional

laboratórios de ensaios e os organismos

ABNT NBR IEC 60079-17: Atmosferas

de competências pessoais, empresas de

de certificação, representa somente um

explosivas - Parte 17: Inspeção e manutenção

prestação de serviços e de equipamentos

dos elos da corrente de segurança das

de instalações elétricas

“Ex”

instalações “Ex”. Cada um destes “elos”

ABNT NBR IEC 60079-19: Atmosferas

da “corrente de segurança Ex” somente

explosivas - Parte 19: Reparo, revisão e

Encontram-se disponíveis no website

instalações

e

dos

os

podem ser considerados “fortes”, caso as

recuperação de equipamentos

documentos operacionais dos sistemas de

respectivas atividades forem executadas

ABNT NBR IEC 61892-7: Unidades marítimas

certificação em empresas de prestação de

por pessoas ou empresas de prestação

fixas e móveis - Instalações elétricas - Parte 7:

serviços “Ex” e de competências pessoais

de serviços devidamente competentes ou

Áreas classificadas

“Ex”, em português do Brasil, fazendo

certificadas, evidenciando o conhecimento

IECEx - Sistemas de avaliação da conformidade

referências às normas técnicas brasileiras

e a aplicação dos requisitos normativos

“Ex” da IEC - Documentos Operacionais

da série ABNT NBR IEC 60079.

indicados nas normas técnicas brasileiras

Nações Unidas - Marco Regulatório Comum

Fazendo-se uma analogia com uma

das séries ABNT NBR IEC 60079 e ABNT

para equipamentos utilizados em ambientes de

corrente, cuja resistência depende do

NBR ISO/IEC 80079.

atmosferas explosivas

do

IECEx,

para

acesso

público,


94

Dicas de instalação

Agenda

O Setor Elétrico / Abril de 2018

O Setor Elétrico / Abril de 2018

95

Por Ronaldo Vieira*

10 a 13 de julho

Tarifa branca dissemina uso da IoT em utilities e acelera a busca pela segurança

Informações

A InterSolar é uma feira internacional com foco na indústria solar. Reúne empresas do mundo todo com o objetivo de discutir e aumentar a participação da energia solar. A exposição e a conferência do evento concentram-se nas áreas de energia fotovoltaica, tecnologias de produção fotovoltaica, energia renovável inteligente e tecnologias solares térmicas. A Intersolar se configura em uma importante plataforma industrial para fabricantes, fornecedores, distribuidores, provedores de serviços e parceiros da indústria solar.

Local: São Francisco, Estados Unidos. Contato: www.intersolar.us +49 7231 58598-174

O ano de 2018 começou com uma boa

por outro lado, passam a ter acesso a dados

a disponibilidade e a confiabilidade da informação

notícia. Com a chegada da Tarifa Branca ao

de consumo de energia em tempo real, que

coletada pelos sensores em campo.

Brasil, o consumidor de energia elétrica passa

poderão usar para aumentar sua eficiência

a ter a possibilidade de pagar valores diferentes

energética, reduzir suas contas mensais e ajudar

segurança para ambientes IoT passa por vários

em função da hora e do dia da semana: a Tarifa

a concessionária a estabilizar a rede durante os

fatores. É fundamental procurar plataformas

Branca é mais barata fora do horário de pico

períodos de pico.

que

e mais cara durante esse período. Segundo a

A chegada da IoT às empresas de utilities

escalabilidade, baixa latência, desempenho,

Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o

apresenta, porém, outra face. As especificidades

visibilidade e adaptabilidade. Esses valores

consumidor doméstico ou corporativo que adotar

desta vertical determinam que uma distribuidora

contribuem para que as informações coletadas

o novo modelo de tarifa poderá economizar entre

de energia que investe em IoT pesquise também

dos medidores de energia aconteçam de forma

A escolha dessa solução centralizada de

ofereçam

segurança,

confiabilidade,

de 10% a 20% na conta de luz. Para que esse

tecnologias de segurança que resolvam as

transparente, simples, mas com total segurança.

ganho seja possível, estão entrando em cena

vulnerabilidades inerentes a essa infraestrutura.

Em outras palavras: a segurança da

novos medidores de energia, dispositivos IoT

Fortes exigências regulatórias — provocadas

infraestrutura IoT das distribuidoras de energia

(Internet of Things) que informarão online, real

pelas preocupações típicas de uma infraestrutura

demanda soluções que, hoje, podem ser vistas

time qual é o consumo de uma casa ou empresa.

essencial para o funcionamento da sociedade —

protegendo aplicações de missão crítica como

A visibilidade e a exatidão que a IoT traz às

colocam o setor de energia no topo do ranking

Internet Banking, plataformas de vendas de

distribuidoras de energia são fundamentais

de criticidade.

e-Commerce, etc. Esse conceito aplica-se às

A Tarifa Branca será, na prática, um

Essa criticidade faz do setor de energia um grande alvo para ataques.

grandes sistemas corporativos com máxima criticidade para essa empresa e para o país. Para

acelerador do uso do IoT em empresas de Utilities de todo o Brasil.

O relatório do Instituto de Pesquisas

que o ambiente de produção das distribuidoras de

Informações

A Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública é um evento que objetiva reunir os principais agentes do setor para discutir temas, como novos paradigmas para a gestão, tecnologias de implementação, relacionamento entre concessionárias e órgãos públicos, arquitetura em espaços públicos, projetos e planejamento, entre outros assuntos pertinentes. O público-alvo do evento é constituído por profissionais da engenharia, arquitetura, administradores públicos, profissionais atuantes no setor de projetos, entre outros.

Local: Centro de Convenções Frei Caneca – São Paulo (SP) Contato: www.rpmbrasil.com.br (11) 3051 – 3159 rpmbrasil@rpmbrasil.com.br

Expo Manutec – Feira de manutenção e utilidades públicas

Descrição

Informações

A feira de manutenção e utilidades públicas, MAN.U.TEC, promove a união de empresas de diversos segmentos industriais para soluções nas áreas de utilidades, produção e manutenção industrial. O principal objetivo é que os profissionais das Industrias tenham acesso a informações que os ajudem a reduzir custos com matéria-prima e mão de obra ao mesmo tempo em que ganhe em aumento da produtividade. Além disso, o evento promete grandes oportunidades de networking e contato com grandes empresas dos diversos setores.

Local: Centro de Convenções SulAmérica – Rio de Janeiro (RJ) Contato: www.expomanutec.com.br (21) 3293 - 6700

11 a 13 de junho

o que rege as ofertas dessas empresas são

Ilume Expo 2018

Descrição

14 a 16 de agosto

distribuidoras de energia, porque, na prática,

para que a Tarifa Branca seja implementada e a cobrança pelo uso da energia seja correta.

Eventos

6 e 7 de agosto

InterSolar North America

Descrição

Conformidade das instalações elétricas de baixa tensão – Parte prática

Descrição

Informações

Pela primeira vez, será oferecido um curso prático, em que o aluno terá a oportunidade de fazer análise de documentos oferecidos pelos organizadores; fazer inspeções e ensaios necessários em uma instalação; emitir laudo; relatório; e certificado de conformidade de órgãos como Inmetro, NR 10, IT-41 e outros. O curso é destinado principalmente para engenheiros, tecnólogos e técnicos que atuam em projeto, execução, manutenção, operação, inspeção e perícia de instalações elétricas.

Local: São Paulo (SP) Contato: www.barreto.eng.br (11) 5031 – 1326 cursos@barreto.eng.br

Ainda em uma fase inicial de adoção, a

Ponemon (edição 2017) sobre o custo das

energia esteja realmente protegido, é fundamental

Tarifa Branca alavanca a troca de milhões de

violações na área de utilities mostra um quadro

usar o que há de melhor em segurança digital:

medidores de energia tradicionais por novos

preocupante, ao menos nos Estados Unidos.

proteção contra ataques DDoS, controle de

modelos que ajudarão o Brasil a compreender

Em 2016, a violação de dados custou em média,

identidade e acesso, firewalls, etc.

a realidade de vastas infraestruturas de IoT. De

para cada concessionária de energia, quase

um lado, ganha-se em automação, em escala

3,5 milhões de dólares, com um custo de 137

de energia que operam no Brasil terão de lidar

e em visibilidade. De outro, é impossível fugir à

dólares por medidor de energia. O prejuízo

com as vulnerabilidades dos medidores de

preocupação com a segurança dos milhões de

causado por ataques à essa infraestrutura

energia/dispositivos e encontrar saídas para

dispositivos IoT que irão suportar a Tarifa Branca.

permanece elevado, sem tendência de redução.

aumentar a integridade desse ambiente. Num

Outros países já estão vivendo essa

Diante deste quadro, uma solução seria

país do tamanho do Brasil, será inevitável que

realidade. Em Dubai, por exemplo, 400 mil

procurar dispositivos IoT mais seguros e,

algumas empresas de Utilities saiam na frente

medidores de energia baseados em tecnologia

necessariamente, mais caros – o que contradiz

da corrida pelo IoT – essas empresas serão, na

IoT estão provendo resultados tanto para

um dos conceitos básico da Internet das Coisas,

prática, alavancas de crescimento da riqueza das

a distribuidora de energia deste país – a

a escala trazida pelo baixo valor dos dispositivos.

regiões onde estão instaladas. Na disputa pelo

DEWA, Dubai Electricity and Water Authority

Outra possibilidade seria contratar soluções

futuro, ganhará quem aliar, à implementação de

16 a 20 de julho

– como para os consumidores. Os medidores

e serviços de segurança da informação que

medidores de energia inteligentes, com uma

Descrição

Informações

inteligentes ajudam a concessionária de energia

operam de forma centralizada. O mercado já

política de segurança transparente, centralizada

a otimizar sua lucratividade por meio da redução

conta com sofisticadas soluções de segurança

e comprovadamente eficaz.

de despesas associadas a roubo de energia e

que, sendo aplicada na frente da aplicação da

*Ronaldo Vieira é gerente de desenvolvimento de

perdas técnicas de energia. Os consumidores,

distribuidora de energia, irão garantir a integridade,

negócios em IoT da F5 Brasil.

O curso oferece aulas teóricas e práticas, tendo como objetivo preparar profissionais de alto nível. O curso abrange todos os detalhes necessários para uma instalação, desde o dimensionamento até a manutenção periódica. Nas aulas práticas, os alunos terão a oportunidade de conhecer equipamentos e fazer instalações de porte reduzido, mas que são importantes, pois reproduzem o dia a dia de uma instalação de energia solar.

Local: São Paulo (SP) Contato: www.neosolar.com.br (11) 4328 – 5113

Ao longo de 2018, as diversas distribuidoras

Cursos

19 a 21 de junho

Energia elétrica – Análises de viabilidade

Descrição

Informações

O Centro de Treinamento e Estudos em Energia (CTEE) está oferecendo um curso dividido em três módulos, os quais abordarão diferentes pontos de análise, porém, sempre entrelaçados em uma mesma esfera temática: o mercado de energia elétrica em projetos de geração de energia renovável. No decorrer dos módulos, serão apresentadas técnicas de avaliação de riscos do mercado; haverá discussões de risco-retorno, e tudo isso será apresentado tendo como base dois estudos de caso: um de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e outro de eólica.

Local: Golden Tulip Park Plaza Jardins – São Paulo (SP) Contato: http://www.ctee.com.br/ (21) 3154 - 9400

Energia solar – Sistemas conectados à rede


96

Ponto de vista

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Smart Grid, Smart City, IIoT - O que há por trás desses nomes?

97

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Coisas Industrial (IIoT), de modo a fornecer

as bases de nomenclatura mais genéricas

pelo menos dois botnets diferentes treinados

que funcionassem nas diversas verticais

no DYN, um provedor de serviço de nomes de

submetidas à convergência inteligente.

domínio (DNS) dos EUA e levou, em pouco

O conceito de IIoT, por sua vez, não previu

tempo, a um desligamento e incapacitação de

que todos esses dispositivos seriam conectados

grande parcela da internet norte-americana,

à Internet em geral, cuja forma de transmissão é

deixando fora de ação cerca de 1.200 sites,

caracterizada pela insegurança e pela facilitação

incluindo alguns dos maiores.

indistinta do tráfego. E que por isto mesmo

fornece previsibilidade e disponibilidade de

se calcular qual seria o dano à sociedade

serviços questionáveis a uma classe de sistemas

se isso acontecesse com qualquer rede de

que precisa de comunicações altamente

operações de uma concessionária de energia

confiáveis para operar.

/ água / gás, gerenciamento de semáforos e

No entanto, um dos maiores problemas

outras infraestruturas de uma cidade, ou para

com a implantação desses muitos milhares

uma sinalização / controle de pista e outros

de dispositivos inteligentes e altamente

sistemas operacionais.

distribuídos está exatamente em como

Proporcionar

controlá-los. Isto porque, independentemente

altamente confiável e segura, com boa

do nome que se dê a ele, essa disseminação

relação custo-benefício, não é tarefa fácil,

de pontos de controle assemelha-se a um

mas, pelo contrário, é claramente crítica.

grande encanamento, em que a questão do

controle é algo altamente crítico.

um tamanho mínimo de chave de 128 bits

Ou seja, você precisará de muitos

é apenas o ponto inicial mínimo para se

recursos para ser capaz de se comunicar

proteger o fluxo de dados e os dispositivos

com cada um desses dispositivos e protegê-

numa configuração desse tipo. As chaves de

los – eles mesmos – contra as ameaças

256 bits são certamente as mais indicadas,

cibernéticas.

assim como a tecnologia de infraestrutura

Na maioria dos casos, para se fazer

de chave pública (PKI) é indispensável para

isto de forma economicamente viável, será

garantir que cada dispositivo tenha uma

necessário o uso de uma rede de dados sem

chave exclusiva, de modo que invadir um

fio, seja ela de propriedade do usuário final ou

dispositivo não signifique que alguém vá ter

via um provedor de serviço móvel de celular.

acesso a todo o sistema.

Desde 2007, o termo Smart Grid previu

podia proporcionar o armazenamento de

produção e distribuição de energia altamente

Neste caso, o provedor de telefonia

a promessa de uma rede elétrica flexível,

energia e a resposta em tempo real às

confiável e eficiente.

celular pode, opcionalmente, fornecer uma

resiliente, eficiente e altamente segura e que

oscilações da demanda e gerenciamento

permitisse a otimização em tempo real das

de demanda pelo lado do cliente a partir da

operações e exploração de recursos da rede.

conversação bidirecional entre os dispositivos

na rede e dispositivos de consumo também

Agora,

tempo,

dispositivos IIoT esteja, ao final e ao cabo,

milhares de dispositivos de controle, sensores

inteligentes na borda do usuário.

entramos na já aquecida discussão sobre

conectada à Internet de alguma forma, por

e medidores interativos e inteligentes, o

Além de colocar o cliente "no controle"

as Cidades Inteligentes (Smart Cities), os

economia de custos.

Smart Grid pretendia não apenas garantir

de seu próprio uso da energia, este

Transportes Inteligentes, e sabe-se lá mais o

a interação correta entre todos estes

modelo garante uma distribuição altamente

que "digital" ou "smart".

um importante alerta sobre a importância de

elementos, mas também proporcionar uma

automatizada, encorajando a liberação ou a

Contudo, já em 2012, percebemos que

proteger os dispositivos IoT (e por extensão

expressiva melhora da rede em termos de

contenção do consumo de acordo com a as

não podíamos mais nomear tudo o que tinha

IIoT), quando 1,2 milhão de câmeras,

eficiência, confiabilidade e liberdade para o

circunstâncias da carga sobre a infraestrutura.

a ver com controles / sensores / computação

gravadores

cliente controlar suas condições de consumo.

distribuídos como "inteligentes".

dispositivos de IoT, aparentemente inócuos

Entre

altamente

Caracterizado pela implantação de muitos

Trata-se, portanto, de uma via bidirecional

O ataque foi atribuído ao Anonymous e a

Não é preciso muita imaginação para

conectividade

flexível,

A criptografia de ponta a ponta com

rede privada virtual (VPN) através de sua

Mas e a transformação digital de tudo?

estrutura para tal finalidade de controle, mas, seja como for, espera-se que a maioria dos

passado

este

longo

Há apenas 18 meses, o mundo recebeu

de

vídeo

digital

e

outros

Para melhorar a precisão terminológica,

do consumidor, foram utilizados para um

automação da distribuição e geração de

autorrecuperável, de energia e comunicações

a indústria passou a adotar o termo Internet

ataque DDoS (Negação de Serviço) muito

Por Mark Madden, diretor da linha de negócios

recursos de energia distribuída, este modelo

interconectadas para um mundo utópico de

das Coisas (IoT) e, em seguida, a Internet das

bem-sucedido.

de infraestrutura crítica da RAD.

as

principais

aplicações

de

automatizada,

eficiente,


98

Índice de anunciantes

O Setor Elétrico / Abril de 2018

Acabine 33 (11) 2842-5252 vendas@acabine.com.br www.acabine.com.br

Embrastec 50 (16) 3103-2021 embrastec@embrastec.com.br www.embrastec.com.br

Ação Engenharia 97 (11) 3883-6050 orcamentos@acaoenge.com.br www.acaoenge.com.br

Engerey 69 (41) 3022-3050 engerey@engerey.com.br www.engerey.com.br

Alpha 91 (11) 3933-7533 www.alpha-ex.com.br

Gimi Pogliano 47 (11) 4752-9900 www.gimipogliano.com.br

31

Alubar (91) 3754-7155 comercial.cabos@alubar.net www.alubar.net.br

Hellermann Tyton 15 (11) 2136-9090 vendas@hellermantyton.com.br www.hellermantyton.com.br

Beghim 4 e 5 (11) 2942-4500 beghim@beghim.com.br www.beghim.com.br

IFG (51) 3431-3855 www.ifg.com.br

Brasil Solar Power 61 www.brasilsolarpower.com.br 42 e 43

BRVAL (21) 3812-3100 vendas@brval.com.br www.brval.com.br Chardon Group 46 (11) 99351-9765 rafael.costa@chardongroup.com www.chardongroup.com.br Cinase 9 e 21 (11) 3872-4404 cinase@cinase.com.br www.cinase.com.br Clamper Fascículos e 37 (31) 3689-9500 comunicacao@clamper.com.br www.clamper.com.br Cobrecom 75 (11) 2118-3200 cobrecom@cobrecom.com.br www.cobrecom.com.br Condumax/ Incesa 65 0800 770 3228 / 0800 701 3701 www.condumax.com.br/ www.incesa.com.br 4ª capa

Conexled (11) 2334-9393 www.conexled.com.br 3ª capa e Fascículos

Redes Subterrâneas www.rpmbrasil.com.br 86

Reymaster (41) 3021-5000 www.sitrain-learning.siemens.com/BR/pt/index.do 77

Rittal (11) 3622-2377 info@rittal.com.br www.rittal.com.br 39

Sel (19) 3518-2110 vendas@selinc.com www.selinc.com.br

41

63

Intelli (16) 3820-1614 ricardo@intelli.com.br www.grupointelli.com.br Itaipu Transformadores 89 (16) 3263-9400 comercial@itaiputransformadores.com.br www.itaiputransformadores.com.br Lukma Electric 35 (17) 2138-5050 vendas@lukbox.com.br www.lukma.com Maccomevap 23 (21) 2687-0070 comercial@maccomevap.com.br www.maccomevap.com.br 67

Megabrás (11) 3254-8111 vendas@megabras.com.br www.megabras.com Monter Elétrica 79 (11) 4487-6760 montereletrica@montereletrica.com.br www.montereletrica.com.br 10, 11 e Fascículos

Novemp (11) 4093-5300 vendas@novemp.com.br www.novemp.com.br 85

D’Light (11) 2937-4650 vendas@dlight.com.br www.dlight.com.br

Paratec (11) 3641-9063 vendas@paratec.com.br www.paratec.com.br

Elos 73 (41) 3383-9290 elos@elos.com.br www.elos.com.br

Premio OSE (11) 3872-4404 premio@atitudeeditorial.com.br www.premioose.com.br

13

93

7

Siemens/ D’light (11) 2937-4650 vendas@dlight.com.br www.siemens.com.br/protection www.dlight.com.br Siemens 27 www.siemens.com.br/mediatensao Tigre 29 0800 703 8133 www.tigre.com.br Thytronic/Engepoli 49 (11) 4335-5139 | 96309-8393 engepoli@engenhariaengepoli.com.br www.engepolienergia.com 92

THS (11) 5666-5550 vendas@fuses.com.br www.fuses.com.br Trael 8 (65) 3611-6500 comercial@trael.com.br www.trael.com.br Tramontina 19 (54) 3461-8200 ex.elt@tramontina.net www.tramontina.net Unitron 2ª capa e 55 (11) 3931-4744 vendas@unitron.com.br www.unitron.com.br Weg 71 (47) 3276-4000 info-br@weg.net www.weg.net


O Setor Elétrico (edição 147 - Abril/2018)  
O Setor Elétrico (edição 147 - Abril/2018)  
Advertisement