Page 1

Ano 13 - Edição 145 Fevereiro de 2018

Potencial solar brasileiro Estudo do Inpe mapeia o potencial da fonte solar no país: menor média anual de irradiação solar no Brasil é igual ao nível máximo da Alemanha Monitoramento de condutores de aterramento de proteção (PE) PESQUISA SETORIAL Investimentos em infraestrutura renovam ânimo do mercado de equipamentos para atmosferas explosivas


Sumário atitude@atitudeeditorial.com.br Diretores Adolfo Vaiser Simone Vaiser Coordenação de circulação, pesquisa e eventos Marina Marques – marina@atitudeeditorial.com.br Assistente de circulação, pesquisa e eventos Bruna Leite – bruna@atitudeeditorial.com.br Administração Paulo Martins Oliveira Sobrinho administrativo@atitudeeditorial.com.br Editora Flávia Lima - MTB 40.703 - flavia@atitudeeditorial.com.br Publicidade Diretor comercial Adolfo Vaiser - adolfo@atitudeeditorial.com.br Contatos publicitários Ana Maria Rancoleta - anamaria@atitudeeditorial.com.br Representantes Paraná / Santa Catarina Spala Marketing e Representações Gilberto Paulin - gilberto@spalamkt.com.br João Batista Silva - joao@spalamkt.com.br (41) 3027-5565 Rio Grande do Sul e Minas Gerais Ransconsult Consultoria Claudio Rancoleta – rancoleta@atitudeeditorial.com.br | claudio@urkraft.com.br Tel: (11) 3872- 4404 | 99621-9305 Direção de arte e produção Leonardo Piva - atitude@leonardopiva.com.br Denise Ferreira Consultor técnico José Starosta Colaborador técnico de normas Jobson Modena Colaboradores técnicos da publicação Daniel Bento, João Barrico, Jobson Modena, José Starosta, Juliana Iwashita, Roberval Bulgarelli e Sérgio Roberto Santos. Colaboradores desta edição: Alexsandro Labbate, Cláudio S. Mardegan, Enio Bueno Pereira, Fernando Ramos Martins, Giuseppe Parise, Hélio Sueta, José Eustáquio Venuto Borel, Elbia Gannoum, Luciano Haas Rosito, Mateus Duarte Teixeira, Nunziante Graziano, Ronaldo Koloszuk e Sávio Siqueira. Revista O Setor Elétrico é uma publicação mensal da Atitude Editorial Ltda. A Revista O Setor Elétrico é uma publicação do mercado de Instalações Elétricas, Energia, Telecomunicações e Iluminação com tiragem de 13.000 exemplares. Distribuída entre as empresas de engenharia, projetos e instalação, manutenção, industrias de diversos segmentos, concessionárias, prefeituras e revendas de material elétrico, é enviada aos executivos e especificadores destes segmentos. Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente refletem as opiniões da revista. Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias sem expressa autorização da Editora. Shutterstock | Milos Muller Impressão - Ipsis Gráfica e Editora Distribuição - Correio

Suplemento Renováveis 41 Artigo do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) inaugura o primeiro fascículo do suplemento Renováveis. Artigo trata dos resultados e da metodologia usada para a elaboração do Atlas Brasileiro de Energia Solar, documento recentemente atualizado pelo instituto.

8

Painel de notícias Novas regras do Finame/Bndes para o setor elétrico; Senado analisa projeto de eficiência energética; Nexans abre processo seletivo para projetos sociais; GE fortalece posição em mercado solar; Engie adquire empresa de eficiência energética. Estas e outras notícias do setor elétrico brasileiro.

19

Fascículos

36

Aula prática – Proteção Artigo apresenta a tecnologia de um dispositivo que atua monitorando a integridade dos condutores de aterramento de proteção (PE) nos equipamentos elétricos, considerando os riscos que decorrem do seu rompimento.

58

Pesquisa – Equipamentos para atmosferas explosivas Novos investimentos em infraestrutura animam empresas deste setor, que preveem crescimento médio de 15% em 2018.

64

Espaço 5419 Reflexões e cuidados para uma boa análise de risco.

66

Espaço SBQEE Conexão de fontes renováveis e seus impactos para a qualidade de energia elétrica.

68 69 70 72

Colunistas Jobson Modena – Proteção contra raios João José Barrico – NR 10 José Starosta – Energia com qualidade Roberval Bulgarelli – Instalações Ex

74

Dicas de instalação Novas tecnologias estão redefinindo o serviço “sob demanda” e todos os segmentos precisam se adaptar para se manterem competitivos, inclusive o setor elétrico.

76

Agenda Cursos e eventos do setor.

77

Ponto de vista Uma análise sobre a aplicação de inovação e tecnologia nos parques de geração eólica.

Atitude Editorial Publicações Técnicas Ltda. Rua Piracuama, 280, Sala 41 Cep: 05017-040 – Perdizes – São Paulo (SP) Fone/Fax - (11) 3872-4404 www.osetoreletrico.com.br atitude@atitudeeditorial.com.br

Filiada à

3


Editorial

4

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018 Capa ed 145.pdf

1

3/5/18

3:42 PM

www.osetoreletrico.com.br

Ano 13 - Edição 145 Fevereiro de 2018

Potencial solar brasileiro O Setor Elétrico - Ano 13 - Edição 145 – Fevereiro de 2018

Estudo do Inpe mapeia o potencial da fonte solar no país: menor média anual de irradiação solar no Brasil é igual ao nível máximo da Alemanha Monitoramento de condutores de aterramento de proteção (PE)

PESQUISA SETORIAL Investimentos em infraestrutura renovam ânimo do mercado de equipamentos para atmosferas explosivas

Edição 145

Potencial brasileiro

A capacidade instalada da fonte eólica no Brasil acaba de

a China já acumula 130 GW de potência instalada. Sobre isso,

alcançar a marca histórica de 13 GW. Da mesma maneira, o

o presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, chegou a declarar

setor de geração solar fotovoltaica comemora o seu primeiro

para a imprensa que o país está mais de 15 anos atrasado no

gigawatt, recém-conquistado. Neste último caso, pode

uso da energia solar fotovoltaica e que está trabalhando para

parecer pouco, mas significa um grande avanço para a fonte,

incentivar a fonte e colocar o Brasil entre os principais países

que cresceu em 2017 mais de 4.000%, passando de 214 MW

deste mercado.

em 2016 para 1 GW, alcançado no início de 2018.

micro e minigeração distribuída. O Brasil acaba de alcançar

O que não é novidade para ninguém é que o potencial de

Um mercado que a fonte solar vem se destacando é a

crescimento das duas fontes no país é enorme. Segundo o

a marca de 200 MW de capacidade instalada nesse tipo de

Ministério de Minas e Energia, a previsão é de que o potencial

sistema. Segundo a Absolar, a fonte solar fotovoltaica lidera

da fonte eólica chegue a 350 GW. No que diz respeito à

com folga esse segmento, com mais de 99% das instalações

fonte solar fotovoltaica, o primeiro fascículo do Suplemento

do país.

Renováveis publicado nesta edição traz informações

detalhadas sobre este assunto. O Instituto Nacional de

setorial deste mês realizada com fabricantes e distribuidores

Pesquisas Espaciais (Inpe) acaba de lançar a segunda edição

de equipamentos para atmosferas explosivas. Um dos setores

do Atlas Brasileiro de Energia Solar, que traz informações

mais atingidos pelas crises econômica e política que assolaram

atualizadas sobre a irradiação solar no Brasil. As análises

o país volta a dar sinais de recuperação. Pela primeira vez

levaram em consideração os dados de satélites obtidos

depois de anos, os entrevistados estão depositando confiança

durante 17 anos e os resultados foram validados com base em

nas promessas de investimentos em projetos de infraestrutura

mais de 400 estações de superfície espalhadas pelo território

e projetando crescimentos mais sustentáveis para seus

brasileiro. Nesta e nas próximas duas edições, o professor

resultados e também para o mercado de modo geral.

Ainda nesta edição, convido o leitor a conferir a pesquisa

Enio Pereira, do Inpe, contará, em três artigos, os principais Boa leitura!

resultados deste trabalho.

Ainda sobre o alcance e o potencial da fonte solar, o

colunista Ronaldo Koloszuk diz, em seu artigo deste mês

Abraços,

sobre a evolução da fonte no mundo, o quanto ainda temos um longo caminho pela frente. Segundo ele, enquanto comemoramos por aqui o primeiro GW de solar fotovoltaica,

flavia@atitudeeditorial.com.br

Redes sociais

@osetoreletrico

www.facebook.com/osetoreletrico

@osetoreletrico

Revista O Setor Elétrico


Coluna do consultor

6

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. É consultor da revista O Setor Elétrico jstarosta@acaoenge.com.br

Reforma do setor elétrico – Será a vez do consumidor? Um novo projeto de lei sobre a reforma

• Sistemas de microgeração, principalmente a

consumidores que rateiam a conta global. Curioso

do setor elétrico foi encaminhado na primeira

doméstica devem necessariamente ser dotados

é que há neste caso um efeito “Robin Hood

quinzena de fevereiro pelo MME à Presidência

de responsabilidade técnica, quem responde por

inverso” uma vez que consumidores que instalam

da

reforma

problemas de operação nestes sistemas? Tais

sistemas de micro geração possuem em geral

estrutural do setor elétrico. Em um momento

sistemas deverão ainda estar não só conectados,

melhor capacidade financeira que os outros que

de expectativa de recuperação econômica e

mas controlados de alguma forma às distribuidoras

pagam “o resto” da conta.

como consequência retomada do consumo

que serão as responsáveis por manter a rede

• A entrada de carros elétricos e novos sistemas

de energia, com novos modelos de mercado,

operando em condições adequadas e por vezes

de armazenamento de energia (storage) mudarão

negócios e disponibilidade de boa tecnologia,

terão que desconectá-los por razões técnicas.

a dinâmica do consumo de energia. Os modelos

tudo pode dar certo. O avanço de sistemas de

• O modelo de operação das distribuidoras/

deverão ser otimizados.

cogeração, de renováveis, a impossibilidade

concessionárias será modificado em relação

• Há de se entender que os programas de

de construção de novas hidrelétricas eficientes

ao clássico conhecido de venda de energia. As

eficiência energética como o PROPEE, da Aneel,

com reservatórios pela restrição dos impactos

premissas cada vez mais apertadas na qualidade

deverão estar focados em bons projetos com

ambientais, a poluição das térmicas a óleo e

do fornecimento da energia fornecida (ver módulo

retorno e pagamento do capital investido e não a

outras barbaridades que ainda são cometidas

8 do Prodist/ ANEEL- revisão 9) as obrigará a

fundo perdido. Projetos que distorcem o objetivo

são outros aspectos que caracterizam o

investir nas redes de distribuição, nos sistemas de

do programa como a regularização de medidores

cenário. Adiciona-se ainda a isso a instabilidade

manutenção e de operação. Estas necessidades

em comunidades não tem efetivamente nenhuma

da geração hidráulica convencional que tem

as obrigarão a investir e a atual tarifa (TUSD) pode

relação com proposito histórico do programa, a

causado sustos pela dependência dos fatores

não suportar estas obrigações. Não será tarefa fácil

não ser transformar as “perdas” em inadimplência.

climáticos e as demandas por fontes que se

ás distribuidoras garantir boa regulação de tensão

• Por outro lado, indústrias que sofrem tentando

caracterizem por baixa geração de carbono.

e potência de curto-circuito adequada com tantas

buscar oxigênio para sua sobrevivência depois da

Lembrar que a Eletrobrás moribunda desde

“fontes eletrônicas”. Em compensação, estas

enxurrada que assolou nossa economia não tem

a MP 579, aguarda o golpe de misericórdia e

distribuidoras terão à sua disposição uma lista de

capacidade financeira para implantar projetos

quem sabe será ressuscitada com novo corpo

clientes potenciais para oferecer outros produtos

de eficiência energética em suas plantas. Há um

e alma. Atualmente responde só por 15% do

e serviços relacionados à energia e eletricidade.

mar de oportunidades de eficiência energética

crescimento do sistema elétrico brasileiro.

O modelo de pagamento às distribuidoras deverá

em nossas industrias, falta financiamento, não

República

propondo

uma

Nas entrelinhas encontramos uma cessão

ser modificado considerando a relação com a

para estudos, não para projetos, mas para

ou compartilhamento de responsabilidade com

qualidade dos serviços e a infraestrutura em jogo

equipamentos de tecnologia com alto valor

os consumidores que se estiverem preocupados

para este objetivo.

agregado.

em reduzir e gerenciar seus custos com energia

• O compartilhamento de acesso às instalações

deverão

diversos

de entrada de energia entre distribuidora e

cenários. Alguns entusiastas mais exagerados

consumidores, hoje um tabu, deverá ser aberto

forte capacidade de gestão de riscos, exigindo

tratam esta oportunidade e responsabilidade de

para acesso conjunto á métricas de energia

lastro, credibilidade e robustez de todos os

“empoderamento” do consumidor. O modelo e

fornecida e consumida, além da própria qualidade

agentes. Descobriremos juntos estas entrelinhas e

relação comercial de GTD será mais intensamente

de energia fornecida e contratada.

deveremos estar maduros e atentos para discutir e

influenciado pelos comercializadores que poderão

• Haverá uma forma de compensar os custos

descobrir o caminho justo para nossa sociedade.

atuar em novos mercados. Alguns pontos de

com a energia gerada e descontada da conta

Nosso pais é único e podemos desenvolver aquilo

atenção:

dos microgeradores em relação aos outros

que nos atenda verdadeiramente.

continuamente

avaliar

os

O sistema a ser montado deverá possuir


SAVE THE DATE

08 DE MAIO DE 2018 CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ

Chegou o reconhecimento dos melhores projetos elétricos do Brasil!

a partir das 19h00

Prêmio de Qualidade das Instalações Elétricas

Saiba mais sobre o Prêmio OSE de Qualidade das Instalações Elétricas, cuja cerimônia acontecerá no dia 08 de maio de 2018 na cidade de Fortaleza (CE). Serão premiados os projetos com maior reconhecimento nas categorias:

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS

INOVAÇÃO TÉCNOLOGICA

PROJETO LUMINOTÉCNICO

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

ENERGIA RENOVÁVEL

PROJETO OSE 2018

Serão considerados projetos que tiveram início de operação a partir de janeiro de 2016 e somente serão aceitos projetos de empresa das regiões do Ceará.

Saiba como e quem pode participar em: www.premioose.com.br. Inscrições: até o dia 10 de abril de 2018 | Análise do Júri: entre 15 de abril e 30 de abril de 2018 Cerimônia de premiação: 08 de maio de 2018, no Centro de Eventos do Ceará.

Próximas premiações: Edição Porto Alegre (RS) 07 de agosto a partir das 19h00

www.premioose.com.br

Edição Rio de Janeiro 06 de novembro a partir das 19h00

premio@atitudeeditorial.com.br

(11)3872-4404 | (11) 98433-2788


Painel de mercado

8

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Novas regras do Finame favorecem setor elétrico em 2018 Bndes passa a financiar até 100% do valor da compra de equipamentos e máquinas adquiridas por micros, pequenas e médias empresas

O Banco Nacional de Desenvolvimento

Econômico e Social (Bndes) passou a financiar até 100% do valor da compra equipamentos e máquinas adquiridas por micros, pequenas e médias empresas. Para as grandes empresas, este percentual de participação da instituição no financiamento será de 80%. A medida tem o objetivo de incentivar novos investimentos no país, principalmente em inovação. A que

expectativa os

do

banco

federal iniciou a flexibilização das regras

• Empresas sediadas no país;

em

do Finame como a ampliação dos prazos

• Administração pública;

para pagamento. Agora, com este novo

• Empresários individuais e microempre­

favorecer principalmente os setores de

incentivo esperamos um incremento ainda

endedores;

infraestrutura, saneamento, transportes e

maior nas vendas de painéis elétricos,

• Produtores rurais (pessoa física resi­

exportações.

principalmente voltados à proteção e

dente e domiciliada no País);

automação”, conta Fábio Amaral.

• Transportadores autônomos de carga e

financiamento é de até dez anos, com

Segundo o executivo, “o Finame possui

pessoas físicas associadas a cooperativa

carência de até dois anos. O acesso a

uma das melhores taxas do mercado para

de transporte rodoviário de cargas, ambos

esta linha de crédito deverá ser feito pela

financiamento, é um ótimo momento para

residentes e domiciliados no País;

empresa interessada diretamente com a

investir em modernização e expansão”.

• Fundações, associações, sindicatos,

instituição

Quem pode participar do Finame

cooperativas, condomínios e asseme­

2018:

lhados e clubes.

prazo

para

financeira

girem

de

torno de R$100 bilhões, que devem

O

financiamentos

é

pagamento

credenciada

do

pelo

Banco. Na opinião do diretor da Engerey, fabricante de painéis elétricos, são muitas as vantagens, especialmente, no segmento de infraestrutura, nas ramificações de climatização e PCHs, que que aproveitarão o incentivo para expandir a sua atuação com a construção de novas unidades. “Muitas empresas têm nos procurado desde o ano passado, quando o governo

Classificação de porte da empresa:

Classificação

Receita operacional bruta anual ou renda anual

Microempresa – 100%

Menor ou igual a R$ 360 mil

Pequena empresa – 100%

Maior que R$ 360 mil e menor ou igual a R$ 4,8 milhões

Média empresa – 100%

Maior que R$ 4,8 milhões e menor ou igual a R$ 300 milhões

Grande empresa – 80%

Maior que R$ 300 milhões


SAVE THE DATE 09 E 10 DE MAIO CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ das 8h às 18h

CONGRESSO & EXPOSIÇÃO

30ª Edição Fortaleza (CE) Região Nordeste

Referência em estratégia para desenvolvimento de novos negócios nos mercados regionais brasileiros. PATROCINADORES MASTER:

PATROCINADORES:

APOIADORES:

Faça seu credenciamento através do site: www.cinase.com.br ou através do app. /CINASE.setoreletrico

@cinase

/cinasevideos

cinase@cinase.com.br

+55 11 3872.4404


Painel de mercado

10

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Senado analisa projeto que estimula eficiência energética Proposta é excluir da dívida de estados e municípios os financiamentos para aumentar a eficiência energética, sobretudo, os que visem usar energia solar, eólica e de biomassa Está em tramitação na Comissão de

a receita corrente líquida é de no máximo 2.

Assuntos Econômicos (CAE) do Senado

No caso dos municípios, o limite máximo é de

projeto de lei que exclui da dívida de estados

1,2.

e municípios os financiamentos para aumentar

a eficiência energética, preferencialmente

justifica não apenas para beneficiar as

os que visem usar energia solar, eólica e

cidades, atraindo mais turistas, favorecendo o

de biomassa. Apresentada pelo ex-senador

comércio e o lazer e também proporcionando

Walter Pinheiro, a proposta recebeu voto

maior segurança, mas também porque geraria

favorável do relator, Valdir Raupp (PMDB-PE).

grande economia, já que as atuais lâmpadas

de sódio ou mercúrio seriam substituídas

O

PRS

72/2013

estabelece

que

O autor argumenta que a exceção se

essas operações não sejam computadas

pelas modernas lâmpadas de LED.

na apuração do total devido pelos entes

Raupp lembra que a legislação já

federados prevista na Resolução do Senado

admite exceções na apuração das dívidas:

43/2001, que impede a contratação de novos

os empréstimos com a União para financiar

empréstimos caso o estado ou município

a melhoria da gestão fiscal, financeira e

atinja ou ultrapasse o limite que ela determina.

patrimonial e o Programa Reluz (Programa

Pela resolução, a dívida total não pode ser

Nacional de Iluminação Pública e Sinalização

a citada exclusão às ações de promoção

maior que 16% da receita corrente líquida e o

Semafórica Eficiente), as dívidas junto ao

da eficiência energética, de resto porque se

valor gasto com amortizações, juros e demais

BNDES e as operações com a União para

trata de uma diretriz que alia como poucas

encargos da dívida consolidada não pode

ajuste fiscal dos estados e o refinanciamento

os fundamentos da preservação do meio

exceder 11,5% da receita corrente líquida. A

de dívidas municipais não são somadas para

ambiente, do desenvolvimento econômico e

norma ainda estabelece que a relação entre

efeito de apuração do limite de endividamento.

do bem-estar social”, afirma o senador em seu

o montante da dívida líquida dos estados e

relatório.

“Nada mais apropriado do que estender

Cooperativa de consumo adere ao programa de coleta de lâmpadas fluorescentes Unidades localizadas nas cidades de Santo André, Diadema, Mauá, São Bernardo do Campo, Sorocaba, São José dos Campos e Piracicaba já contam com unidades aptas a receber esses materiais

A Cooperativa de Consumo (Coop) acaba

Sólidos), que determina que os fabricantes

equipadas com coletores são as unidades

de aderir ao programa de coleta de lâmpadas

e comerciantes têm a responsabilidade de

Pereira

fluorescentes compactas, tubulares e as que

coletar lâmpadas e destinar para a reciclagem

Nações e Carijós, em Santo André; Diadema;

contêm mercúrio, sódio ou mistas. Trata-se

dos componentes das lâmpadas.

Barão de Mauá e Itapark, em Mauá; Rudge

de uma parceria com a Reciclus, associação

“Não podemos esquecer que o mercúrio

Ramos, Vianas, Joaquim Nabuco, Café Filho

sem fins lucrativos formada por produtores e

presente nas lâmpadas fluorescentes pode

e Piraporinha, em São Bernardo do Campo;

importadores de lâmpadas.

causar

quando

Itavuvu e Árvore Grande, em Sorocaba;

contaminação

do

solo

Barreto,

Industrial,

Parque

das

De acordo com o engenheiro Adalberto

descartadas indevidamente. Por isso, estamos

Piracicaba e suas três unidades localizadas na

Correia dos Santos Júnior, responsável pelo

fazendo nossa parte e esperamos que nossos

cidade de São José dos Campos.

Serviço de Segurança, Medicina do Trabalho

clientes também colaborem e tragam as

e Meio Ambiente (SESMTMA), com essa

lâmpadas e depositem nos coletores espalhados

de consumo da América Latina, com 1,7 milhão

parceria, a Coop passa a atender também à

em nossas unidades”, explica Santos Júnior.

de cooperados, mais de 5,9 mil colaboradores

Lei 12305 (Política Nacional de Resíduos

As unidades da Coop que já estão

diretos e 31 unidades no estado de São Paulo.

A Coop é considerada a maior cooperativa


11

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Empresas do setor eletroeletrônico esperam crescimento em 2018 Sondagem da Abinee revela que apenas 11% das empresas do setor projetam estabilidade e 6% preveem queda

Em sondagem feita pela Associação Brasileira

da

Indústria

(Abinee)

com

seus

Eletroeletrônica associados,

foi

identificado que a maioria das empresas projeta crescimento de suas atividades em 2018. De acordo com a pesquisa, 83% das consultadas esperam aumento das vendas e encomendas neste ano, enquanto 11% projetam estabilidade e apenas 6% preveem queda, em relação a 2017. Para

81%

das

entrevistadas,

esse

crescimento vai começar já no primeiro semestre, e, para 75% ainda no primeiro trimestre. “O resultado da sondagem indica a tendência de otimismo das empresas, que voltou a ganhar fôlego já em 2017, parece estar se consolidando”, afirmou o presidente da Abinee, Humberto Barbato. Na sondagem de janeiro de 2018, melhorou também o percentual de empresas que têm intenção de contratar, passando de 12% em dezembro de 2017 para 19% no mês passado. Já o percentual de entrevistados que pretende diminuir seu quadro de funcionários caiu de 18% para 10% no período.


Painel de produtos

12

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Novidades em produtos e serviços voltados para o setor de instalações de baixa, média e alta tensões.

Bateria de lítio ferro fosfato www.unicoba.com.br

Utilizada amplamente em notebooks e celulares, as baterias de lítio estão se tornando presentes

também em outros setores. O desenvolvimento da nova tecnologia de lítio ferro fosfato tornou o produto mais acessível e vantajoso técnica e financeiramente para atender a novas necessidades, como locais remotos e com maior necessidade de armazenamento de carga.

A Unicoba começou a desenvolveu a sua bateria de lítio ferro fosfato há mais de dois anos,

pesquisa que demandou investimentos da ordem de R$ 10 milhões em maquinário e desenvolvimento. Segundo a companhia, quando comparada com uma bateria de chumbo-ácido, as vantagens da bateria LFP são impressionantes. A densidade energética dessa célula gira em torno de 110 Wh/ Kg e esse valor é três vezes maior que a apresentada pela bateria de chumbo-ácido. A vida cíclica estimada para a mesma aplicação é de 20 vezes maior e a vida em regime de flutuação é maior que o dobro. Com eficiência

Bateria de lítio ferro fosfato apresenta menor dimensão, menos peso e é mais tolerante às variações de temperatura.

energética 75% maior, a bateria LFP ainda oferece um tempo de recarga mais rápido.

De menores dimensões (um terço do volume), mais leves (metade do peso) e muito mais tolerantes às variações de temperatura, as baterias

LFP possibilitam uso em locais e aplicações onde as baterias tradicionais apresentam problemas. Nesse sentido, esse tipo de bateria já está sendo utilizado por concessionárias de energia elétrica, especialmente, com o avanço das redes inteligentes.

Módulo para detecção de falhas de ventilação www.connectwell.com.br

Fabricado pela Connectwell, este produto tem o objetivo de detectar falhas de funcionamento dos

ventiladores instalados dentro do painel. O módulo detecta o superaquecimento interno do painel por falha dos ventiladores e evita que equipamentos sejam danificados ou que tenham um mau funcionamento em função do aumento da temperatura interna no painel elétrico.

Produto compacto, permite instalação em trilho DIN e monitoramento isolado, conforme o modelo, de

dois ou quatro ventiladores.

O módulo tem indicação de falha por Led e gera um sinal de saída analógico 4-20 mA para alarme. Além

da proteção por fusível individual para cada módulo de ventilação, ainda conta com indicação por Led da queima do fusível. Possui também ajuste do desarme e indicação de sobrecorrente.

Módulo pode monitorar dois ou quatro ventiladores.

A empresa oferece uma versão com controle de temperatura PT-100 com display digital com dois dígitos e ajuste da temperatura de 0 a

99°C com elemento RTD incluído.

A caixa plástica é fabricada em plástico ABS com grau de flamabilidade UL94-V0 e com conexões plugáveis de fácil instalação e

manutenção.

Relé de proteção digital www.engenhariaengepoli.com.br

Novidade da Engepoli, o relé de proteção digital modelo NA011 é indicado para aplicação em

alimentadores e transformadores de média tensão na indústria, em cabines primárias, em instalações de infraestrutura, entre outras.

De acordo com a empresa, trata-se de um equipamento de alta precisão, simples de ser

configurado e comissionado através de teclado frontal ou via software de parametrização.

Relé de proteção digital de alta precisão para aplicação em alimentadores e transformadores de média tensão.

O relé apresenta as seguintes funções: proteção de sobrecorrente 50/51, 50/51N, religamento

79 e proteção contra falha de disjuntor 50BF. Além disso, desempenha as funções adicionais de medição, registros de eventos e oscilografia.

O equipamento dispõe de interface de comunicação com sistemas supervisórios através de protocolos padronizados.


Painel de empresas

14

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Nexans abre processo para seleção de projetos sociais Fundação Nexans irá selecionar projetos que priorizem o acesso à geração de energia para populações desassistidas A Fundação Nexans, instituição do

agraciados serão implantados em Minas

base em suas proporções e em critérios

Grupo global Nexans, abre processo de

Gerais e no Amazonas pelas organizações

estabelecidos pela Comissão Julgadora.

seleção para financiamento de projetos do

Pacto Amazônia e ECOA-Ecologia e Ação.

Entre os principais preceitos de escolha

3º setor, destinados ao esforço mundial

A

está o impacto para as comunidades

de permitir o acesso à energia a regiões e

organizações brasileiras que tenham boas

beneficiadas

populações desprotegidas ou desassistidas,

iniciativas de acesso à energia em regiões

necessidades.

tanto de áreas rurais quanto urbanas.

desassistidas no Brasil e que considerem

As organizações interessadas podem

Em 2016 foi a primeira vez que a

nos projetos a expansão econômica, social

se inscrever e concorrer ao budget deste

Fundação

na

e o bem-estar humano da região ou área

ano destinado ao Brasil até o dia 10 de

América Latina para financiar projetos no

podem obter recursos que chegam a

abril, diretamente no site da entidade:

Brasil, quando foram concedidos, nessa

mais de 300 mil euros, o equivalente a

http://fondationnexans.com/en/

primeira iniciativa, mais de 300 milhões

1 milhão de reais, valor que poderá ser

encontram o regulamento e os critérios para

de reais. Os primeiros projetos brasileiros

dividido entre os projetos vencedores com

a concessão e escolha dos projetos.

disponibilizou

recursos

proposta

é

reconhecer

as

de

acordo

com

onde

suas

se

GE fortalece posição de mercado com parceria em projeto solar Parceria prevê fornecimento de skids solares fotovoltaicos para projeto solar de 162 MW no Ceará

A GE Power fornecerá skids solares

fotovoltaicos para projeto solar de 162 MW, da Scatec Solar, localizado em Quixeré, no Ceará, Brasil. A solução do skid LV5 apresentará os inversores solares LV5 de 1,1MWac da GE, que, segundo a empresa, exigem menos cabos, String Combiner Boxes e infraestrutura associada para a instalação das estações conversoras. Por conta da maior tensão, a solução do inversor também é mais eficiente em comparação com os seus pares de 1.000 V. Pode reduzir até 3% dos custos do sistema e economizar até 15% nas despesas operacionais do inversor. "Temos uma forte ambição para o mercado solar brasileiro. Estamos buscando

valor visível para o desenvolvimento da

CEO do Segmento de Solar do negócio de

parceiros de tecnologia que nos ajudem a

planta. Estamos satisfeitos com a parceria

Power Conversion da GE. "Estamos felizes

manter nossa competitividade global como

com a GE para desencadear a energia solar

por ser escolhidos pela Scatec Solar, e

desenvolvedor, produtor e operador de

no Brasil", acrescentou.

esperamos que este projeto solar abrirá

energia solar fotovoltaica integrada ", afirmou

caminhos para mais parcerias com eles no

o gerente geral da Scatec Solar no Brasil,

países para crescer a pegada do negócio

futuro próximo".

Marcelo Taulois. "A GE possui um histórico

solar. Ganhar esta ordem fortalecerá nossa

comprovado na indústria solar e sua solução

posição no mercado solar de escala de

no processo de leilão realizado pela Agência

de conversor de 1.500 volts agregam um

utilidade no país ", disse Patrick Fetzer,

Nacional de Energia Elétrica, em 2015.

"O Brasil é um dos nossos principais

O projeto solar de 162 MW foi escolhido


15

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Engie adquire empresa de eficiência energética ACS, empresa de monitoramento remoto de consumo de energia, tem participação de 40% no seu mercado de atuação

do

A Engie Soluções, braço de serviços grupo

francês

Engie

no

presença do grupo no país.

Brasil,

"Essa aquisição está perfeitamente

concluiu a aquisição da ACS, empresa

alinhada com a estratégia da Engie de

de monitoramento remoto de consumo de

diversificar a sua atuação e se tornar líder

energia. A companhia é líder de mercado,

na transição para um consumo de energia

com participação 40% em sua área de

mais responsável. Estamos satisfeitos em

atuação. A compra, estratégica para

expandir nosso portfólio de soluções com

a Engie Soluções, possibilitará que a

a aquisição da ACS", disse Bähr.

empresa atue em todos os segmentos do

setor de eficiência energética.

sua meta de faturar R$ 1 bilhão com a

Com a aquisição, a Engie avança em

O negócio permitirá a oferta de uma

área de serviços no Brasil em dois anos.

extensa gama de soluções integradas para

O negócio ajudará a companhia a atingir

os mais de 600 clientes que a ACS já possui

esse objetivo, ao alavancar cerca de 10%

- desde o monitoramento até a entrega

deste valor em novos negócios gerados a

de serviços que reduzam o consumo. A

partir desta aquisição.

transação irá ainda expandir o leque de

soluções oferecido aos cerca de 700

operando com uma estrutura própria.

clientes que a Engie já atende no Brasil.

A ideia é que haja um processo de

Para o CEO da Engie no Brasil,

integração que mantenha o "DNA" da

Mauricio Bahr, o negócio segue a meta

companhia, com as características que

global de focar investimentos em eficiência

a diferenciam no mercado e a alçaram à

energética e plataformas digitais. No caso

liderança do setor. A empresa tem mais

do Brasil, afirma o executivo, enquadra-se

de 30 anos no segmento de eficiência

no objetivo de ampliar e diversificar a

energética.

A

ACS,

inicialmente,

continuará


Painel de empresas

16

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Baldor Electric Company agora é ABB Integração faz parte da estratégia Next Level da ABB, que objetiva a harmonização de diferentes marcas da ABB

A ABB irá integrar o nome Baldor

Electric Company em sua marca global como parte da estratégia Next Level, que inclui a harmonização de diferentes marcas de propriedade da ABB sob sua marca global principal. A partir de 1º de março de 2018, a Baldor Electric Company, membro do grupo ABB por mais de sete anos, será conhecida como ABB. “Isto

representa

mais

um

grande

passo na construção de uma empresa Lean, focada no mercado e na unificação da marca ABB em todo o mundo”, disse Sami Atiya, presidente da divisão Robotics and Motion da ABB, que inclui a empresa atualmente conhecida como Baldor. “Com todas as nossas atividades alinhadas sob a marca ABB, estamos entregando a nossa estratégia Next Level para desbloquear

O nosso portfólio mecânico e motor dos

avançado.

valor através da racionalização e do

EUA será incluído no nosso portfólio mais

operação, os projetos irão produzir energia

fortalecimento do nosso portfólio.

amplo de soluções digitais do ABB Ability”,

limpa suficiente para abastecer mais de

conclui.

350.000 famílias, reduzindo em cerca de

Como ABB, a empresa irá continuar a

fabricar, projetar e comercializar as marcas de produto de motores Baldor-Reliance® e os produtos de transmissão de energia

Quando

estiver

em

plena

1,5 milhões de toneladas as emissões de

Primeira subestação digital da América Latina

mecânica Dodge® em 15 locais de

CO2 da geração convencional.

ABB vai entregar toda a subestação

de Juazeiro e fornecer um controle de

fabricação nos EUA. A empresa continuará

ABB vai instalar a primeira subestação

supervisão e um sistema de aquisição de

a apoiar toda a unidade de negócios de

digital da América Latina na cidade de

dados (SCADA), dispositivos eletrônicos

motores e geradores da ABB nos EUA,

Juazeiro (BA), no Nordeste brasileiro. A

inteligentes

incluindo os motores IEC da marca ABB,

nova subestação de 230-kilovolt (kV) e o

controle, bem como as merging units

motores AC grandes, geradores e serviços

bay de conexão na subestação Juazeiro

SAM600

relacionados

negócios

II vão fornecer 156 megawatts (MW) da

de processo da subestação, tudo em

mecânicos, geradores e motores em Fort

energia gerada em um complexo solar

conformidade com a norma de automação

Smith, em Arkansas.

fotovoltaico (PV), em desenvolvimento na

de

na

sede

de

“A ABB investiu mais de US$13

(IEDs)

para

incorporadas

subestações

e

ao

proteção

e

barramento

comunicação

região.

IEC61850. Os cabos de cobre serão

bilhões nos EUA nos últimos dez anos,

O projeto solar de Juazeiro é operado pela

substituídos por cabos de fibra óptica.

este é o nosso maior mercado”, disse

Atlas Renewable Energy, braço de energia

A subestação digital é uma tecnologia

Greg Scheu, presidente da ABB para as

renovável da empresa de investimentos

com base no ABB Ability™, que ajuda a

Américas. “A empresa continuará a investir

britânica Actis. A Atlas supervisiona mais

melhorar a confiabilidade e o controle, ao

nos produtos que faz aqui, assim como nas

de 1.500 MW de ativos solares de PV em

mesmo tempo em que otimiza os custos

pessoas responsáveis pela sua fabricação.

operação, construção ou desenvolvimento

dos clientes.


O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

17

Siemens: receita com tecnologias digitais cresce 20% em 2017 Investimentos orientados para o futuro em pesquisa e desenvolvimento aumentam para cerca de 5,6 bilhões de euros

A

Siemens

reforça

seu

papel

na

em níveis tão altos de desempenho”, disse

digitalização, tornando-se a primeira empresa

Joe Kaeser, Presidente e CEO da Siemens.

mundial a criar 20 centros para aplicativos

de clientes digitais no setor industrial. Cada

tecnologias digitais, por exemplo, aumentou

um desses MindSphere Application Centers

para 5,2 bilhões de euros: 4 bilhões de euros

para soluções digitais da Siemens abrange

obtidos com software e 1,2 bilhão de euros

vários locais em diferentes países, com

com serviços digitais. Isso corresponde a um

especialização em um setor específico em

aumento de 20% em relação ao ano anterior,

que a Siemens opera. Hoje, cerca de 900

ultrapassando a taxa de crescimento do

desenvolvedores de software, especialistas

mercado de aproximadamente 8%.

em dados e engenheiros trabalham com

os clientes da Siemens nestes centros

operacional

no desenvolvimento de inovações digitais

toda a empresa há cerca de um ano.

para análise de dados e aprendizado de

Aproximadamente um milhão de dispositivos

máquinas.

e

Essas novas soluções estão sendo

MindSphere, e esse número deve chegar a

desenvolvidas

1,25 milhões no fim do ano fiscal de 2018.

no

MindSphere,

sistema

Durante o ano fiscal de 2017, a receita de

A

Siemens

sistemas

de

se

lançou IoT

seu

sistema

MindSphere

conectam

agora

em

pelo

operacional aberto na nuvem da Siemens

Para acelerar ainda mais o processo de

para a Internet das coisas (IoT). Para ficar

inovação, a Siemens aumentará novamente

perto dos clientes, a empresa criou 20

seus recursos dedicados ao departamento

centros em 50 localidades de 17 países

de pesquisa e desenvolvimento (P&D)

espalhados pelo mundo. “Com a nossa

no ano fiscal de 2018, investindo a soma

experiência

e

adicional de cerca de 450 milhões de euros.

automação e nossa experiência em software

Com isso, os fundos de P&D aumentarão de

industrial,

global

em

eletrificação

benefícios

aproximadamente 5,2 bilhões de euros no

melhores aos nossos clientes, benefícios

ano fiscal de 2017 para mais de 5,6 bilhões

que nenhuma outra empresa pode replicar

de euros no ano fiscal de 2018.

estamos

gerando


Painel de empresas

18

Escolha de sistema errado para data center pode causar indisponibilidade de serviços Projeto deve ser estudado e aprovado de acordo com o tipo e tamanho da operação do clienteMundial puderam experimentar o pioneirismo do veículo

Prevenção de falhas é uma das maiores preocupações dos

gestores de data centers. Isso porque neles estão concentrados servidores, equipamentos de armazenamento e processamento de informações, além de sistemas de ativos como switches e roteadores de companhias de diversos segmentos que não podem sofrer com indisponibilidades nas operações.

Por trabalharem com infraestrutura de alta densidade, os data

centers estão entre os maiores consumidores de energia elétrica e é por esse motivo que é importante contar com o emprego de energia confiável por meio do auxílio de grupos geradores. Essa cautela é necessária já que evita que sistemas importantes deixem de funcionar, como é o caso de operações bancárias que em uma situação de queda de energia, por exemplo, podem deixar fora do ar cartões, terminais, aplicativos e demais funções utilizadas no cotidiano de muitas pessoas e organizações. “Em toda estrutura de data center é necessário investir em tecnologias de alta confiabilidade e eficiência de consumo energético. Para isso, a companhia deve apostar em equipamentos confiáveis e serviços especializados para missão crítica a fim de garantir um pleno funcionamento de todo o sistema mesmo em situações catastróficas. Uma sugestão é contar com um projeto redundante ou um Data Center espelhado, de acordo com o tamanho da operação do cliente”, avalia o diretor da unidade de Energia da Sotreq, Maurício Garcia.


Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

20

Nunziante Graziano Capítulo II – Características nominais dos conjuntos, requisitos de projeto e construção • Tensão nominal • Nível de isolamento nominal • Corrente nominal de regime contínuo e elevação de temperatura • Elevação de temperatura • Tensão nominal e frequência nominal de alimentação

Iluminação pública – ABNT NBR 5101

26

Luciano Haas Rosito Capítulo II – Classificação de vias • Vias urbanas • Vias rurais • Classificação de tráfego • Classificação de pedestres

Proteção contra arco elétrico

30

Cláudio Mardegan e Giuseppe Parise Capítulo II – O arco elétrico • Generalidades • Faltas à terra • Causas e efeitos do arco elétrico • Ricos do arco elétrico • Definições e terminologia

Fascículos

Apoio


Apoio

Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

20

Por Nunziante Graziano*

Capítulo II Características nominais dos conjuntos, requisitos de projeto e construção Prezado leitor, este fascículo pretende

principais e de aterramento);

América do Norte): 4,76 kV - 8,25 kV -

apresentar em detalhes o conjunto de normas

• Duração de curto-circuito nominal (tk)

15 kV - 15,5 kV - 25,8 kV – 27 kV - 38

brasileiras para a construção de conjuntos de

(para circuitos principais e de aterramento);

kV - 48,3 kV - 72,5 kV – 123 kV – 145

manobra e controle em alta tensão, acima de

• Valores nominais dos componentes que

kV – 170 kV – 245 kV.

1 kV até 52 kV inclusive.

fazem parte do conjunto de manobra e

No capítulo anterior, apresentamos

controle em invólucro metálico, incluindo

• Faixa II para tensões nominais superiores

ao leitor os objetivos deste trabalho,

seus dispositivos de operação e seus

a 245 kV:

contemplando a apresentação do panorama

equipamentos auxiliares;

▶ 300 kV - 362 kV - 420 kV - 550 kV -

atual da ABNT NBR IEC 62271-200 vigente

• Nível de preenchimento nominal (dos

800 kV – 1 100 kV – 1 200 kV.

no Brasil, suas subdivisões, principais pontos

compartimentos preenchidos com fluído).

de interesse, suas interpretações e definições. Neste segundo capítulo, continuaremos

Tensão nominal (Ur)

Fascículo

a análise da ABNT NBR IEC 62271-200,

Cabe ressaltar que os componentes que fazem parte do conjunto de manobra e controle em invólucro metálico podem ter

suas regras gerais, definições, características

A tensão nominal é igual à tensão

nominais obrigatórias dos conjuntos, além

máxima do sistema para a qual o

dos requisitos de projeto e construção.

equipamento é projetado. Ela indica o valor

valores individuais de tensão nominal de acordo com suas normas correspondentes.

Nível de isolamento nominal

As principais características nominais

máximo da “tensão mais elevada do sistema”

que caracterizam um conjunto de manobra

das redes para quais o equipamento pode

e controle em invólucro metálico de alta

ser utilizado (se refere a seção 9 da IEC

O nível de isolamento nominal de um

tensão são as seguintes:

60038). Os valores normalizados de tensões

equipamento de manobra e controle deve ser

nominais são indicados abaixo:

selecionado a partir dos valores indicados nas Tabelas de correlação entre tensão nominal e

• Tensão nominal (Ur) e número de fases; • Nível de isolamento nominal;

• Faixa I para tensões nominais iguais ou

• Frequência nominal (fr);

inferiores a 245 kV:

nível de isolamento da IEC-62.271-1. Os valores de tensão suportável das tabelas correspondentes

• Corrente nominal de regime contínuo (Ir)

dependem

das

condições

normalizadas

de

referência

(para circuitos principais);

▶ Série I 3,6 kV - 7,2 kV - 12 kV - 17,5

atmosféricas

• Corrente suportável nominal de curta

kV - 24 kV - 36 kV - 52 kV - 72,5 kV

(temperatura (20 °C), pressão (101,3 kPa) e

duração (Ik) (para circuitos principais e de

- 100 kV - 123 kV - 145 kV - 170 kV -

umidade (11 g/m³)) especificados na IEC 60071-1.

aterramento);

245 kV.

• Valor de crista da corrente suportável

▶ Série II (tensões baseadas na prática

a correção de altitude até uma altitude

nominal (Ip), se aplicável (para circuitos

usual em certos países, como os da

máxima de 1.000 metros especificada para as

Estas tensões suportáveis compreendem


21

Apoio

condições normalizadas de funcionamento. Os valores de tensão nominal suportável de impulso atmosférico (Up), tensão de impulso de manobra (Us) (quando aplicável) e tensão na frequência industrial (Ud) devem ser escolhidos. O nível de isolamento nominal é especificado pela tensão nominal suportável de impulso atmosférico entre fase e terra. Para a maioria das tensões nominais, existem vários níveis de isolamento nominal permitindo a aplicação de diferentes critérios de desempenho ou tipo de sobretensões. É recomendável fazer a escolha levando em conta o grau de exposição a sobretensões de frente rápida e frente lenta, o esquema de aterramento do neutro do sistema e o tipo dos dispositivos limitadores de sobretensão. Os “valores comuns” utilizados são aplicáveis entre fase e terra, entre fases e entre os contatos abertos dos dispositivos de manobra, salvo especificação em contrário nesta norma. Os valores de tensões suportáveis “entre a distância de seccionamento” são aplicados somente para os dispositivos de manobra onde as distâncias entre contatos abertos são projetadas para satisfazer os requisitos funcionais especificados para seccionadores.

Frequência nominal (fr) Os valores normalizados de frequência nominal são 16 2/3 Hz, 25 Hz, 50 Hz e 60 Hz.

Corrente nominal de regime contínuo e elevação de temperatura • Corrente nominal de regime continuo (Ir) A corrente nominal de regime contínuo dos equipamentos de manobra e controle é o valor eficaz da corrente que estes devem ser capazes de suportar continuamente nas condições especificadas de utilização e funcionamento. É conveniente selecionar os valores normalizados das correntes nominais em regime contínuo na série R 10, especificada na IEC 60059. A série R 10 compreende os números 1 - 1,25 - 1,6 - 2 - 2,5 - 3,15 - 4 - 5 - 6,3 - 8 e os seus produtos por 10 n. Cabe ressalvar que alguns circuitos principais do conjunto de manobra e controle em invólucro metálico (por exemplo, barramentos, circuitos alimentadores, etc.) podem ter diferentes valores de corrente nominal de regime contínuo.

Elevação de temperatura A elevação de temperatura de qualquer parte dos equipamentos de manobra e controle, para uma temperatura ambiente não superior a 40 °C, não deve exceder os limites de elevação de temperatura especificados na tabela 1, nas condições especificadas nas seções referentes aos ensaios.


Apoio

22

Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

Tabela 1 – Elevação de temperatura

devem ser: a) para contatos, o menor valor permitido entre os limites indicados para os materiais da superfície dessas partes, conforme item 1 da tabela; b) para conexões, o maior valor permitido entre os limites indicados para os materiais da superfície dessas partes, conforme item 2 da tabela. • Ponto 5 - SF6 significa SF6 puro ou uma mistura de SF6 com outros gases sem oxigênio. Devido à ausência de oxigênio, uma harmonização dos limites de temperatura aceitáveis para diferentes partes dos contatos e conexões, no caso de equipamento de manobra em SF6, é oportuno. Conforme a IEC 60943 que indica as linhas diretrizes para a especificação das temperaturas admissíveis, os limites de temperatura admissíveis para as partes de cobre nu e ligas de cobre nu podem ser iguais às peças prateadas ou niqueladas em uma atmosfera em SF6. No caso particular de partes estanhadas, devido aos efeitos de desgaste por corrosão, um aumento das temperaturas admissíveis não é aplicável, mesmo em SF6 livre de oxigênio. Portanto, os valores iniciais para partes estanhadas são mantidos. • Ponto 6 – A qualidade dos reves­ timentos dos contatos deve ser tal que uma camada contínua de material

Fascículo

Os seguintes pontos são referidos na tabela 3 da norma e a completam. • Ponto 1 – Segundo a sua função, a

para as partes no vácuo. As demais partes não

permaneça na área de contato:

devem exceder os valores de temperatura e de elevação de temperatura indicados na

a) após os ensaios de estabelecimento e

tabela.

de interrupção (se aplicável);

mes­ ma parte pode pertencer a várias

b) após o ensaio de corrente admissível

categorias, listadas na tabela. Neste

• Ponto 3 – Todas as precauções neces­

de curta duração;

caso, os valores máximos admissíveis de

sárias devem ser tomadas para assegurar

c) após o ensaio de durabilidade

temperatura e elevação de temperatura a

que nenhum dano seja causado aos

mecânica.

serem considerados são os menores entre

materiais isolantes adjacentes.

as categorias pertinentes.

Cabe avaliar, de acordo com as • Ponto 4 – Quando as partes adjacen­tes

especificações próprias cada equipamento, o

• Ponto 2 – Para dispositivos de manobra a

têm revestimentos diferentes ou se uma

tipo de revestimento e sua admissibilidade.

vácuo, os valores limites de temperatura e de

delas é em material nu, as temperaturas e

Caso contrário, os contatos devem ser

elevação de temperatura não são aplicáveis

as elevações de temperaturas admissíveis,

considerados como “nus”.


Apoio

23


Apoio

Conjuntos de manobra e controle em alta-tensão

24

• Ponto 7 – Quando são utilizados outros

temperatura pode ser acrescido em 10 K, se

nominal deve também ser definido para

materiais diferentes daqueles apresentados

não for acessível ao público.

o circuito de aterramento. Este valor pode

na Tabela, suas propriedades devem ser consideradas, sobretudo, para determinar os valores máximos admissíveis de elevações de

Corrente suportável nominal de curta duração (Ik)

Cabe ressaltar que, em princípio, os valores de corrente suportável nominal de

temperatura.

curta duração e o valor de crista da corrente É o valor eficaz da corrente que os

suportável nominal de curta duração do

• Ponto 8 – Os valores de temperatura e

equipamentos de manobra e controle pode

circuito principal não devem exceder os

de elevação de temperatura são válidos

suportar na posição fechada durante uma

valores nominais correspondentes, do menor

mesmo se o condutor conectado aos

curta duração especificada, e nas condições

valor de seus componentes conectados

terminais for nu.

prescritas de utilização e funcionamento.

em série. Contudo, para cada circuito ou

• Ponto 9 - Na parte superior do óleo.

tempo curto de suportar correntes devem

obtidas através de dispositivos limitadores

ser selecionados a partir da série R10

de corrente de curto-circuito, como fusíveis

especificado na norma IEC 60059.

limitadores, reatores, etc.

O valor padrão de classificação em

• Ponto 10 - É conveniente tomar uma atenção particular às questões de

É

conveniente

selecionar

o

compartimento,

vantagens

podem

ser

valor

vaporização e oxidação quando se utiliza

normalizado da corrente nominal de curta

um óleo de baixo ponto de fulgor.

duração admissível na série R 10, especificada

Duração nominal de curtocircuito (tk)

na IEC 60059. A série R 10 compreende os • Ponto 11- A temperatura não pode

números 1 - 1,25 - 1,6 - 2 - 2,5 - 3,15 - 4 - 5 -

atingir um valor tal que a elasticidade do

6,3 - 8 e os seus produtos por 10n.

É o intervalo de tempo no qual os equipamentos de manobra e controle, na

Um valor de corrente suportável nominal

posição fechada, pode suportar uma corrente

de curta duração deve também ser atribuído

igual à sua corrente de curta duração

• Ponto 12 - As classes de materiais

para o circuito de aterramento. Este valor

admissível nominal. O valor normalizado

isolantes são as indicadas na ABNT NBR

pode diferir daquele do circuito principal.

da duração nominal do curto-circuito é

material seja diminuída.

IEC 60085. • Ponto 13 - Limitados somente para os

1 s. Se for necessário, um valor inferior ou

Valor de crista da corrente suportável nominal (Ip)

superior a 1 s pode ser escolhido. Os valores recomendados são 0,5 s, 2 s e 3 s. Um valor de duração nominal de curto-

requisitos que não causam danos as partes adjacentes. A

Fascículo

diferir daquele do circuito principal.

elevação

de

temperatura

dos

O valor de pico da corrente na primeira

circuito deve também ser atribuído para

grande alternância da corrente de curta

o circuito de aterramento. Este valor pode

duração

diferir daquele do circuito principal.

admissível

nominal

que

os

componentes contidos no conjunto de

equipamentos de manobra e controle pode

manobra e controle em invólucro metálico

suportar na posição fechada e nas condições

que são objeto de especificações individuais

prescritas de utilização e funcionamento.

não deve exceder os limites de elevação

O valor de pico da corrente admissível

de temperatura permitidos na norma

nominal deve ser definido conforme a

pertinente desses componentes.

constante de tempo da componente contínua

Tensão nominal de alimentação de dispositivos de fechamento e abertura e de circuitos auxiliares (Ua)

As temperaturas máximas permissíveis

que é uma característica do sistema.

Entende-se por “tensão nominal de

e as elevações de temperatura a serem

Uma constante de tempo da componente

alimentação de dispositivos de fechamento

consideradas para barramentos são aquelas

continua de 45 ms cobre a maioria dos

e abertura e dos circuitos auxiliar e de

especificadas

conexões

casos e corresponde a um valor de pico da

comando” como a tensão medida nos bornes

e partes metálicas em contato com o

corrente admissível nominal igual a 2,5

dos circuitos dos dispositivos durante seu

isolamento, conforme o caso.

para

contatos,

vezes a corrente de curta duração admissível

funcionamento, e incluindo, se existir,

para

nominal para uma frequência nominal

as resistências auxiliares ou acessórios

invólucros e coberturas acessíveis não

inferior ou igual a 50 Hz e, para uma

fornecidos ou solicitados pelos fabricantes,

deve exceder 30 K. No caso de invólucros

frequência nominal de 60 Hz, ele é igual a 2,6

para serem instalados em série com o

e coberturas que são acessíveis, mas não

vezes a corrente de curta duração admissível

circuito, mas não incluindo os condutores

necessitam

nominal.

para ligação a fonte de alimentação elétrica.

A

elevação

de

serem

temperatura

tocadas

durante

a

operação normal, o limite de elevação de

Um valor de crista da corrente suportável

É conveniente que o sistema de alimentação


Apoio

Tabela 2 - Tensão em corrente contínua

Tabela 3 - Tensão em corrente alternada

seja de preferência conectado a terra (isto é, não completamente flutuante) para evitar acumulação de tensões estáticas perigosas. É conveniente que o ponto de conexão a terra seja definido de acordo com as boas práticas. É conveniente que a tensão nominal de

Pressão nominal de gás comprimido para isolamento e/ ou operação

alimentação seja escolhida entre os valores padronizados fornecidos nas tabelas 2 e

Os valores preferenciais de pressão

3 a seguir. Os valores marcados com um

nominal (pressão relativa) são:

asterisco são os valores preferencialmente

0,5 MPa - 1 MPa - 1,6 MPa - 2 MPa - 3 MPa

utilizados para equipamentos auxiliares

- 4 MPa.

eletrônicos.

Frequência nominal de alimentação dos dispositivos de fechamento e abertura e de circuitos auxiliares

Em referência ao nível nominal de preenchimento

(de

compartimentos

preenchidos com fluido), estabelece-se a pressão (pressão relativa) em Pa (ou densidade) ou massa líquida definida pelo fabricante refere-se às condições atmosféricas do ar a 20 °C nos quais o compartimento

Os valores padronizados de frequência

de gás ou líquido é preenchido antes de ser

da alimentação são: corrente contínua, 50

posto em serviço ou na qual o equipamento

Hz e 60 Hz.

de manobra é preenchido pelo gás ou pelo

líquido antes de ser colocado em serviço. No próximo capítulo deste fascículo abordaremos os requisitos de projeto e construção obrigatórios para os conjuntos. Até lá! *Nunziante Graziano é engenheiro eletricista, mestre em energia, redes e equipamentos pelo Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE/USP), Doutor em Business Administration pela Florida Christian University, membro do ABNT/CB-003/CE 003 017 003 "Conjuntos de manobra e controle de alta tensão", Conselheiro Regional do CREA-SP e diretor da Gimi Pogliano Blindosbarra Barramentos Blindados e da GIMI Quadros elétricos. Continua na próxima edição Acompanhe todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br Dúvidas, sugestões e outros comentários podem ser encaminhados para redacao@atitudeeditorial.com.br

25


Apoio

Iluminação pública – ABNT NBR 5101

26

Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo II Classificação de vias Neste artigo serão abordados os tipos de vias e suas classificações estabelecidas

• Via coletora;

superior às demais vias, logo, a iluminação

• Via local;

deve ser tratada de forma diferenciada a

na ABNT NBR 5101 – Iluminação Pública.

fim de propiciar segurança aos motoristas

Para um projeto de iluminação correto, as

Vias urbanas são aquelas caracterizadas

e demais pessoas que transitam por estas

vias devem ser previamente classificadas

pela existência de construções às suas

áreas de forma eventual. A importância de

e estabelecidos os requisitos mínimos de

margens, pela presença de tráfego motorizado

se projetar bem a iluminação destas áreas

iluminação para cada tipo de via. Já vimos

e de pedestres em maior ou menor escala.

e adjacências deve ser clara e objetiva, a

no capítulo anterior a definição de via,

Ruas, avenidas, vielas, ou caminhos e

fim de que o motorista visualize situações

sendo esta a superfície por onde transitam

similares abertos à circulação pública,

que possam representar risco, tais como a

veículos, pessoas e animais, compreendendo

situados na área urbana, caracterizados

entrada de animais na pista ou a circulação

a pista, a calçada, o acostamento, a ilha e o

principalmente por possuírem imóveis

de pedestres em áreas de acostamento ou

canteiro central. Dessa forma, entendendo a

edificados ao longo de sua extensão.

áreas adjacentes à pista, tais como acessos a

ocupação de cada via será possível projetar

Vias rurais (divididas em dois tipos):

corretamente a iluminação pública. Na versão anterior da ABNT NBR 5101 foram utilizados predominantemente

As vias de trânsito rápido são definidas • Rodovias;

como avenidas e ruas asfaltadas exclusivas

• Estradas.

para trânsito de veículos. São caracterizadas

os conceitos de vias e suas classificações

Fascículo

estabelecidas da norma utilizada na América

passarelas e passagens de pedestres.

por acessos especiais com trânsito livre, sem conhecidas

interseções em nível, sem acessibilidade

do Norte, a RP-8 Roadway Lighting da IES.

como estradas de rodagem e nem sempre

direta aos lotes lindeiros e sem travessia de

Na revisão da NBR 5101, que iniciou em

apresentam,

pedestres em nível. Velocidade máxima:

2008 e foi finalizada em 2011, foi realizado

motorizado.

o trabalho de adequação da classificação das

Vias

As

rurais

vias

são

mais

exclusivamente,

tráfego

oitenta quilômetros por hora (80 km/h). definidas

As vias arteriais são vias exclusivas para

vias a realidade brasileira, tendo por base

posteriormente na norma, no capítulo 5,

urbanas

estão

tráfego motorizado, que se caracterizam por

a mesma classificação de vias estabelecida

na tabela com as classes de vias que vão

grande volume e pouco acesso de tráfego,

no Código de Trânsito Brasileiro (CTB)

determinar os níveis mínimos necessários de

várias pistas, cruzamentos em dois planos,

LEI 9503 de 23 de setembro de 1997 e suas

iluminância, luminância e uniformidades.

escoamento contínuo, elevada velocidade

atualizações. Este Código define em seu

As vias rurais também estão definidas, sendo

de operação e estacionamento proibido na

artigo 60 os seguintes tipos de vias:

predominantemente

como

pista. O sistema arterial destina-se a grandes

vias do tipo V1 e V2, mas ainda falta uma

geradores de tráfego e viagens de longas

melhor definição destes tipos de vias rurais,

distâncias, mas, ocasionalmente, pode servir

que devem ser apresentadas na revisão da

de tráfego local. Aquela caracterizada por

• Via de trânsito rápido;

norma durante o ano de 2018. As vias rurais

interseções em nível, geralmente controlada

• Via arterial;

têm velocidade máxima permitida bastante

por semáforo, com acessibilidade aos lotes

Vias urbanas (divididas em quatro tipos):

classificadas


Apoio

As vias locais são vias que permitem acesso às edificações e outras vias urbanas, com grande acesso de pedestres e pequeno volume de tráfego. São caracterizadas por interseções em nível não semaforizadas destinada apenas ao acesso local ou a áreas restritas. Velocidade máxima: trinta quilômetros por hora (30 km/h). As vias rurais são: Rodovias: vias para tráfego motorizado, pavimentadas, com ou sem acostamento, com tráfego de pedestres. Podendo ter trechos classificados como urbanos. Velocidade máxima: a) cento e dez quilômetros por hora Figura 1 – Vias urbanas de uma cidade e sua iluminação – Av. dos Holandeses, em São Luís (MA).

(110 km/h) para automóveis e camionetas; b) noventa quilômetros por hora (90 km/h)

lindeiros e às vias secundárias e locais,

acesso de tráfego superior àqueles das vias

para ônibus e micro-ônibus; c) oitenta

possibilitando o trânsito entre as regiões

arteriais. São aquelas destinadas a coletar e

quilômetros por hora (80 km/h) para os

da cidade. Velocidade máxima: sessenta

distribuir o trânsito que tenha necessidade

demais veículos;

quilômetros por hora (60 km/h).

de entrar ou sair das vias de trânsito rápido

As vias coletoras são vias exclusivamente

ou arteriais, possibilitando o trânsito dentro

Estradas: vias para tráfego motorizado,

para tráfego motorizado, que se caracterizam

das regiões da cidade. Velocidade máxima:

com ou sem acostamento, com tráfego de

por um volume de tráfego inferior e por um

quarenta quilômetros por hora (40 km/h).

pedestres. Podendo ter trechos classificados

27


Apoio

Iluminação pública – ABNT NBR 5101

28

Figura 2 – Áreas de ocupação de pedestre (Orla de Ilha Comprida – SP).

como urbanos. Via rural não pavimentada.

Médio (M)

também devem ter suas classificações e níveis

Velocidade máxima: sessenta quilômetros

lntenso (I)

necessários definidos em tabelas próprias.

por hora (60 km/h). Vias de áreas de pedestres são vias ou conjunto de vias destinadas à circulação prioritária de pedestres.

Entretanto, deve ser estabelecido um

2018 também estão sendo discutidas as

critério mais objetivo para a definição do

classificações das vias de acordo com o uso

Para classificação do volume de tráfego

fluxo de pedestres e demais características

em determinados horários e condições.

de veículos e pedestres nas vias públicas, fica

dos espaços ocupados por pedestre para que

Dessa forma, a norma estará preparada para

estabelecido na ABNT NBR 5101 o critério

sejam definidos os índices requeridos.

os sistemas de controle e levando em conta

de medição destes volumes sendo:

Fascículo

Na revisão da ABNT NBR 5101 de

Áreas de pedestres também deverão ser

a necessidade de iluminação de acordo com

revistas para que sejam estabelecidos índices

o uso e a necessidade de iluminação dos

Tráfego de veículos: volume de tráfego

de iluminância vertical para que os pedestres

usuários. Definir melhor os horários e as

noturno de veículos por hora, em ambos os

possam ser vistos e se sintam seguros, além

condições de tráfego deverá propiciar uma

sentidos, em pista única. Podendo ser leve,

de serem estabelecidos índices máximos de

maior economia de energia sem abrir mão

médio e intenso

ofuscamento.

da segurança.

Posteriormente, as tabelas 6 e 7 da norma Leve (L): de 150 a 500 veículos por hora;

irão estabelecer as classes de iluminação

Médio (M): de 501 a 1200 veículos por hora;

para cada tipo de área para pedestres e seus

Intenso (I): acima de 1200 veículos por hora.

respectivos índices mínimos de iluminação.

Nota: valor máximo das médias horárias

Os índices estabelecidos devem ser avaliados

obtidas nos períodos compreendidos entre 18

para que possamos ter as calçadas das cidades

h e 21 h.

melhor iluminadas sem zonas de sombra com uma boa uniformidade de iluminação.

A classificação de pedestres pode ser feita de acordo com os critérios abaixo:

A Figura A.2 (anexo da ABNT NBR 5101) também deve ser atualizada utilizando exemplo de acordo com o Código de Trânsito

Sem (S)

Brasileiro. As condições específicas que

Leve (L)

são tratadas em outros capítulos e anexos

Luciano Haas Rosito é engenheiro eletricista, gerente de Novos Negócios da Philips Iluminação e coordenador da Comissão de Estudos CE 03:034:03 – Luminárias e acessórios da ABNT/COBEI. É professor das disciplinas de Iluminação de exteriores e Projeto de iluminação de exteriores, do IPOG, e palestrante em seminários e eventos na área de iluminação e eficiência energética. Continua na próxima edição Acompanhe todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br Dúvidas, sugestões e outros comentários podem ser encaminhados para redacao@atitudeeditorial.com.br


Apoio

29


Apoio

Por Cláudio S. Mardegan e Giuseppe Parise*

Proteção contra arco elétrico

30

Capítulo II O arco elétrico

Generalidades Antes de falar sobre arco elétrico, é de

▶ Deterioração da isolação por idade ou

▶ Faltas por arco à terra que não são

ataque químico

prontamente detectadas e eliminadas podem ser extremamente destrutivas.

vital importância entender que as correntes de falta por arco podem ser:

(b) Danos físicos à isolação (devido a esforços/falhas mecânicas, perfurações da

• Monofásicas (fase-terra)

isolação)

• Bifásicas (fase-fase)

▶ Esforços decorrentes a sobretensões

• Trifásicas (fase-fase-fase)

de regime ou transitórias sobre a isolação

Tendo em vista que as estatísticas de faltas nos apontam que as faltas mais comuns no sistema elétrico de potência se iniciam a partir de contatos à terra, vamos abordar também este tipo de falta.

comissionamentos ou instalações)

Características das faltas à terra

Fascículo

▶ A maior parte das faltas envolve a

das faltas à terra.

terra. ▶ A corrente de ajuste da proteção de terra é relativamente independente da corrente normal de carga e os valores

Origem das faltas à terra

Em que: ICC1φ = Corrente de curto-circuito fase-terra franco

Dessa forma, somente ter-se-á um

trata apenas do arco trifásico.

O valor da corrente de falta à terra franca é calculado pela equação:

▶ Erros humanos (durante manutenções,

entendimento “lato” do arco após o estudo É importante frisar que o IEEE Std 1584

Valor das correntes de falta à terra

Z1 = Impedância de sequência positiva Z2 = Impedância de sequência negativa Z1 = Impedância de sequência zero ZG = Impedância de aterramento do neutro das fontes (geradores e transformadores)

dos ajustes da proteção de terra podem ser menores que os de fase.

Lembramos que as faltas por arco

▶ Devido ao fato de que as correntes de

podem chegar a 20% do valor da falta franca.

falta à terra não podem ser transferidas

Pode-se demonstrar que, em sistemas

por transformadores delta-estrela ou

solidamente aterrados, as correntes de

▶ Temperatura (mau contato, sobrecarga)

delta-delta, a proteção de terra para

curto-circuito fase-terra são da mesma

▶ Umidade

cada nível de tensão é independente da

ordem de grandeza das correntes de curto-

▶ Contaminação (Pó, sal, etc.)

proteção em outros níveis. Isto permite

circuito trifásico.

▶ Animais

uma atuação mais rápida da proteção de

▶ Objetos estranhos

terra.

As faltas à terra são originadas por: (a) Redução da isolação devido a:

Constitui-se um erro gravíssimo deixar a proteção de terra por conta da proteção


Apoio

de fase tomando-se como base esta

franca é zero (Figura 1(a)).

dos transformadores de distribuição, pois,

consideração, visto que, na prática, a maior

✓ A impedância de falta à terra por arco é

de outra maneira, a energia incidente

parte das faltas ocorre por arco (e o valor da

maior que zero (Figura 1(b)).

nos pontos de falta será gigantesca e,

corrente de falta irá variar de 20% a 100% da falta franca).

consequentemente, os estragos e os tempos A pergunta que fica é: em qual situação

de reparo e a recolocação do sistema em

Comparação da energia (I2t) incidente

a energia incidente é maior, onde a corrente

marcha novamente serão extremamente

para uma falta à terra franca e para uma

de falta é maior ou onde a corrente de falta

elevados.

falta através de arco

é menor?

O exemplo seguinte mostra o montante

De acordo com Dunki-Jacobs, a energia

A resposta é que, no caso da Figura 1

de energia (I2.t) para um transformador

no ponto de falta depende da impedância

(a), embora a corrente de falta seja maior,

de 2000 kVA, com o neutro da estrela

de falta, do quadrado da corrente de falta

a energia incidente é menor, pois Z.i2.t

secundária (a), solidamente aterrado (b),

e do tempo de eliminação da falta (Z.I2.t).

fica nula. No caso da Figura 1 (b), embora

aterrado por resistência de baixo (RBA)

A figura seguinte mostra uma falta franca e

a corrente de falta à terra por arco seja

e (c) aterrado por resistência de alto valor

uma falta por arco.

menor, a energia incidente no ponto de falta

(RAV).

O entendimento da Figura 1 seguinte é fundamental para a compreensão da corrente de falta por arco. Observando a Figura1 pode-se tirar as seguintes conclusões: ✓ A corrente de curto-circuito fase-terra franca (Figura 1(a)) é maior que a corrente de curto-circuito fase-terra por arco (Figura

é maior, pois o produto Z.i2.t fica maior. Este é o principal motivo de se fazer o aterramento de serviço, pois estamos

por um transformador de 2000 kVA e Z%=6.

“jumpeando” a resistência de arco.

Comparação da energia (I²t) dissipada durante uma falta à terra para vários tipos de aterramento

(a) Sistema solidamente aterrado (SSA) Como já demonstrado anteriormente, a ordem de grandeza da corrente de curtocircuito fase-terra é da mesma ordem da trifásica. ICC1fMÁX = 1/0.06 x Ins = 16.67 x 2405.6

1 (b)), pois não possui a resistência do arco. ✓ A impedância de falta à terra na falta

Sendo um sistema de 480 V alimentado

É importante tentar limitar o tamanho

ICC1fMÁX = 40093 A ~ 40000 A Para t = 1 s, o valor do I2t será: I2t = (40000)2 . 1 = 1 600 000 000 A2.s. (b) Sistema aterrado por resistor de 400 A (RBV)

Figura 1 – Diferença de energia incidente em uma falta fase-terra franca e por arco.

(Aterramento por resistência de baixo valor) ICC1fMÁX = 400 A

31


Apoio

Proteção contra arco elétrico

32

Para t = 1 s, o valor do I2t será:

diferentes. A interrupção de correntes

o arco, pode ocorrer o quarto estado da

I t = (400) . 1 = 160 000 A .s.

também provoca arcos.

matéria – o plasma – e também que mais

2

2

2

Gammon e Matthews [13] definem o

de 80% dos acidentes elétricos resultam

(c) Sistema aterrado por resistor de 5 A

arco como sendo uma descarga fluindo

de arco elétrico e combustão de roupas

(RAV)

entre dois eletrodos através de um meio a

inflamáveis.

(Aterramento por resistência de alto valor)

gás ou vapor.

A energia liberada durante um arco é

A referência [10] define o arco

extremamente elevada e a sua determinação

elétrico como sendo um fenômeno que

é função da tensão nominal, da magnitude

ocorre quando se separam dois terminais

da corrente de falta e do tempo de

Para t = 1 s, o valor do I t será:

de um circuito que conduz determinada

eliminação da falta.

I2t = (5)2 . 1 = 25 A2.s.

corrente de carga, sobrecarga ou defeito.

Para entender o arco, considere a Figura

ICC1fMÁX = 5A 2

Pode ser definido também como um canal

4, em que os terminais do gap representam

(d) Comparação entre os três sistemas

condutor, formado num meio fortemente

os condutores e o ar é o dielétrico.

SSA x RBV â SSA 10 000 vezes mais

ionizado,

intenso

Como pode ser observado na Figura 4,

energia

brilho e elevando consideravelmente,

o arco, a cada semiciclo, tem uma ignição

SSA x RAV â SSA 64 000 000 vezes mais

a temperatura do meio em que se

e um apagamento, e sua forma de onda

energia

desenvolve.

não é mais senoidal, pulsa junto com a

NEC - Seção 230-95

Como pode ser observado, o arco

corrente (tem característica resistiva) e,

elétrico está associado à transferência de

consequentemente, a teoria fasorial não é

calor oriunda de um curto-circuito através

aplicável, há grande dificuldade de se obter

de arco. Cabe aqui lembrar que, durante

o valor das correntes de arco.

O NEC, em sua seção 230-95, prescreve

provocando

um

que todo sistema elétrico com mais de 150 V fase-terra e com correntes maiores que 1000 A devem possuir proteção específica de terra. Esta proteção deve ser ajustada de forma que o pick up não seja superior a 1200 A e a temporização deve proteger o ponto 3000

Fascículo

A - 1 segundo. A Figura 2 ilustra o exposto.

Figura 3 – O arco pode atingir o quarto estágio da matéria: o plasma.

Figura 2 – O ponto NEC.

Definição do arco elétrico O arco elétrico é uma descarga que pode surgir sempre que houver o rompimento (falha) do dielétrico (isolação) de um ponto energizado em relação à um terra (ou massa) ou entre dois pontos de potenciais

Figura 4 – Corrente de arco.


Apoio

Principais características do arco elétrico

um deslocamento de ar que atua como

temperaturas atingidas durante o arco,

um impacto explosivo.

pode haver o secamento da retina;

• Intermitentes / descontínuas â Não

Vapores e gases contaminantes – Com o

atingida, gases tóxicos são expelidos

senoidais;

aquecimento da isolação e dos materiais

durante o arco e podem levar as pessoas nas

• A teoria fasorial não é aplicável;

instalados no local do ar, ocorre o

circunvizinhanças à morte.

• No início e no fim do arco a temperatura

desprendimento

chega a 4500 oC;

prejudiciais à saúde que podem causar o

• Atinge elevadas temperaturas (10.000 °C

envenenamento e levar inclusive à morte.

Principais causas do arco elétrico

superficial do Sol);

Projeção de resíduos – Durante os arcos

• Atinge o estado de plasma (4o estágio da

devidos às elevadas temperaturas e à grande

arco podem ser citadas:

matéria);

quantidade de ignições e apagamentos

• Abaixo de 150V praticamente se auto

do arco, ocorrem a emissões de partículas

▶ Mau contato;

extingue;

sólidas, líquidas e gasosas, de forma

▶ Sobrecarga;

• Em média tensão a tensão de arco atinge

irradiada como uma (bomba que explode),

▶ Umidade;

de 500 V a 1000 V;

saindo radialmente.

▶ Contaminação (pó, sal, impurezas, etc.);

▶ Intoxicação – Com a elevada temperatura

de

vapores

e

gases

a 20.000 oC– quatro vezes a temperatura Entre as principais causas das faltas por

▶ Animais;

• Potência máxima instantânea pode chegar a 40 MW;

Luminosidade – O efeito da luminosidade

▶ Deterioração da isolação por idade;

• Tem características resistivas;

do arco pode causar a cegueira e, associada

▶ Deterioração da isolação por ataque

• Caminham para a fonte;

às elevadas temperaturas, causa o secamento

químico;

• Procuram as pontas;

do globo ocular.

▶ Objetos estranhos; ▶ Aproximação /queda de objetos;

• Costumam danificar as gavetas superiores à gaveta em falta e toda coluna onde ocorreu

Estampido – No momento em que a

▶ Mal encaixe de gavetas / disjuntores;

a falta, principalmente a gaveta mais alta;

descarga parcial disrompe o dielétrico para

▶ Sobretensões de regime ou transitórias;

• A luminosidade do arco pode chegar

consumar o arco, ocorre um estampido,

▶ Erros humanos (contatos acidentais);

a 2.000 vezes a luminosidade de um

que pode prejudicar temporariamente a

▶ Perfuração da isolação;

escritório;

audição.

▶ Abertura de disjuntores sem o meio de

• Arcos em uma mesma fase (terminais mal encaixados de disjuntores e gavetas extraíveis) não são identificados como falta para os relés de sobrecorrente. Para

Principais riscos do arco elétrico

extinção (Vácuo / Gás SF6 / Óleo); ▶ Utilização inadequada de equipamentos (tais como multímetros); ▶ Procedimentos inadequados;

a proteção é necessário utilizar relé foto

▶ Queimadura – Queimaduras fatais

▶ Defeitos de fabricação;

sensível;

podem ocorrer até mesmo quando a pessoa

▶ Problemas ocorridos no transporte do

• A energia do arco se propaga no meio de

estiver a vários metros do arco (mesmo

equipamento antes da montagem;

maneira tridimensional.

a 3 metros de distância uma pessoa pode

morrer queimada);

montagens.

Problemas

ocorridos

durante

as

Principais efeitos do arco elétrico

▶ Projeção de objetos – Pedaços derretidos

Temperatura – Como mencionado, as

podem arremessar pessoas a distâncias

temperaturas são elevadíssimas durante

consideráveis;

Distribuição das lesões por queimaduras

o arco e este efeito térmico provoca o

▶ Queima de roupa – Roupas podem pegar

provocadas por arco no corpo

derretimento e queima todos componentes

fogo mesmo se a pessoa estiver a vários

próximos, pois nada na natureza fica no

metros de distância;

relatório de pesquisa sobre investigação de

de metal arremessados em alta velocidade; ▶ Deslocamento de ar – Ondas de pressão

estado sólido nestas temperaturas. Pressão

temperatura

A

rápida

promove

elevação a

da

expansão

instantânea do ar e, consequentemente,

Estatísticas de acidentes por arco

O paper da referência [05] cita um

▶ Perda de audição – Pode ocorrer devido

acidentes elétricos realizado na Alemanha

à explosão sonora: a onda de som pode

em 1998 pela ISSA (International Social

ter uma magnitude de até 140 dB em uma

Security

distância de 60 cm do arco;

apresentou

▶ Perda de visão – Devido às elevadas

indicado na Figura 5.

Association), uma

em

estatística

61

casos,

conforme

33


Apoio

Proteção contra arco elétrico

34

Com a publicação do IEEE Std 1584 [01], as correntes de falta por arco trifásico deixaram de ser calculadas aplicando-se fatores, utiliza-se a equação desta referida norma. Na do arco bifásico pode ser utilizada a relação entre a trifásica e bifásica da tabela aplicada sobre o valor da corrente do arco trifásico do IEEE Std 1584. Em baixa tensão, o valor da corrente de falta por arco trifásico é da ordem de 50% do valor da falta franca. Existem

literaturas

que

indicam

valores de falta por arco tão baixos quanto 20% do valor da falta franca. Os valores das correntes de arco variam com a metodologia adotada.

Arco elétrico e as perdas O arco elétrico está sempre associado a perdas: Figura 5 – Distribuição das queimaduras no corpo.

1 - Danos pessoais

Fascículo

■ Vidas humanas O motivo de se colocar a Figura 5 é

As estatísticas de acidentes por arco

alertar os profissionais de eletricidade

apontam que quando o arco é eliminado

e segurança, pois, a maior parte das

em:

pessoas pensa que apenas a calça e a

▶ Até 35 ms â Danos às pessoas /

2 - Danos materiais

camisa específica para resistir ao arco

equipamentos irrelevantes;

■ Equipamentos

são suficientes. Observando a Figura

▶ Até 100 ms â Sem danos sérios /

■ Estruturas e salas

5 fica claro que outras partes do corpo

pequenos reparos;

também devem ser protegidas.

▶ Até 500 ms â Ferimentos sérios às

3 - Perdas

Estatísticas de acidentes por arco

pessoas e danos aos equipamentos.

■ Mão de obra para manutenção

As estatísticas de acidentes por arco apontam que:

Cálculo do valor da corrente de arco Como a teoria fasorial não é aplicável

▶ 10% dos acidentes ocorrem com a

no cálculo do arco, o valor da corrente

presença do operador e a porta do painel

de arco não pode ser calculada com

fechada;

precisão.

▶ 65% dos acidentes ocorrem em

■ Perda de membros

■ Perda de produção ■ Aumento de seguro patrimonial ”Prevenir é muito mais barato que

▶ 25% dos acidentes ocorrem sem a presença do operador;

■ Queimaduras

corrigir!”

Escalamento (evolução) das faltas por arco monofásicas

O IEEE realizou pesquisas e, na década de 1970, publicou os seguintes

Não é incomum a evolução das

fatores a serem aplicados aos valores das

faltas por arcos monofásicos para arcos

Importância do tempo na eliminação

faltas francas em sistema de BT, para o

bifásicos e trifásicos. Quando isto ocorre

do arco

cálculo da corrente de arco, Tabela 1.

a destruição é mais severa.

manutenções.


Apoio

35

Sistemas de baixa tensão Uma vez que os barramentos de baixa

Tabela 1 – Fatores para determinação da corrente por arco IEEE Std 141 (Rede Book)

são, normalmente, nus (não isolados), a possibilidade de haver o escalamento/ evolução para um arco bifásico ou trifásico é potencial. Sistemas de média tensão de 2.4 kV a 7.2 kV Quando

os

barramentos

nestas

tensões são isolados, a possibilidade de haver o escalamento/evolução para

d) FR – Flame Retardant – Retardante a

IEEE 1584 para designar barramentos

Chama;

horizontais

barramentos são nus.

e) ATPV – Arc Thermal Performance

(painéis);

Value – Valor de Peformance Térmica ao

z) VCBB – Vertically in Closed Box

Sistemas de 13.8 kV até 34.5 kV

Arco;

at the Bottom. Terminologia a ser

f) EBT – Breakopen Probability;

utilizada na nova IEEE 1584 para

g) Ei – Energia Incidente;

designar barramentos verticais dentro de

h) Suit hood – Balaclava;

invólucros (painéis) terminando na parte

i) Hard hat – Capacete;

inferior;

remota.

j) Face shield – Protetor facial;

aa) VCB – Vertically in Closed Box.

k) Safety glasses – Óculos de segurança;

Terminologia a ser utilizada na nova

Definições e terminologia

l) Safety goggles – Óculos de segurança;

IEEE 1584 para designar barramentos

m) Leather gloves – Luvas de couro;

verticais dentro de invólucros (painéis)

a) Hazard – O perigo de ser ferido ou

n) Leather footwear – Bota de couro;

terminando no meio do painel.

um arco bi ou trifásico é remota. Nos incidentes registrados, normalmente, os

Os

barramentos

nestas

tensões

são, normalmente, isolados e, assim, a possibilidade de haver o escalamento/ evolução para um arco bi ou trifásico é

molestado. b) Hazard Risk – Risco de ser ferido ou

o) Hearing

protection

p) Jacket – Jaqueta;

Diferença entre Hazard e Risk

impermeável;

ferido a partir de um condutor energizado (onde a energia liberada pelo sistema é o pior caso). Risco é a combinação da probabilidade de ocorrência de um ferimento e a severidade desse ferimento resultante de um Hazard. a) Arc Flash Hazard (Def NFPA) – Condição de perigo associada com a possível liberação de energia causada por um arco elétrico; b) EPI – Equipamento de Proteção Individual; c) EPC – Equipamento de Proteção Coletiva;

Protetor

auricular;

molestado.

O Hazard refere-se ao potencial de ser

q) Parka – Casaco com capuz largo e r) Rainwear – Capa de chuva; s) AR – As required; t) AN – As needed; u) SR – Necessária a escolha; v) FR – Flame retardante (retardante à chama); w) HOA – Horizontally in Open Air. Terminologia a ser utilizada na nova IEEE 1584 para designar barramentos horizontais fora de invólucros (painéis); x) VOA – Vertically in Open Air. Terminologia a ser utilizada na nova IEEE 1584 para designar barramentos verticais fora de invólucros (painéis); y) HCB – Horizontally in Closed Box. Terminologia a ser utilizada na nova

dentro

de

invólucros

Cláudio S. Mardegan é engenheiro especialista formado pela Unifei, especialista em proteção de sistemas elétricos industriais e qualidade de energia. É membro sênior do IEEE e chairman do Capítulo 6 do Buff Book, atual 3004 series (3004.6) sobre Ground Falut Protection. É chair ainda do Capítulo 13 – Protection Coordination e vice-chair de Surge Protection do IEEE. É diretor da EngePower Engenharia e Comércio Ltda. Giuseppe Parise é engenheiro eletricista e, desde 1973, trabalha no Departamento de Engenharia Elétrica na Faculdade de Engenharia Elétrica da Universidade Sapienza em Roma, onde é Professor Pleno de Sistemas Elétricos de Potência. Tem mais de 320 artigos publicados e é autor de duas patentes e três prêmios de artigos do IEEE/ IAS PSD. É membro ativo do IEEE Industry Applications Society (past Member at Large of Executive Board). Continua na próxima edição Acompanhe todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br Dúvidas, sugestões e outros comentários podem ser encaminhados para redacao@atitudeeditorial.com.br


36

Aula Prática

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Por José Eustáquio Venuto Borel*

Monitoramento online da integridade do condutor de aterramento de proteção (PE)


37

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

A segurança na operação dos sistemas

das inspeções e as medições dos sistemas

elétricos é de natureza obrigatória em

de aterramento.

todas as instalações em função dos riscos

Comentário:

ali presentes, em particular, daqueles

“memória viva” da instalação, nada mais

associados principalmente aos acidentes

oportuno que o sistema de aterramento

pessoais.

se submeta a inspeções e medições

devidamente documentadas.

Este artigo tem por objetivo apresentar

Sendo

o

prontuário

a

a tecnologia de um dispositivo que atua preventivamente, monitorando, de forma

Item 10.3.4 - O projeto deve definir a

online, a integridade dos condutores

configuração do sistema de aterramento,

de aterramento de proteção (PE) nos

a obrigatoriedade ou não da interligação

equipamentos elétricos, considerados os

entre o condutor neutro e o de proteção

riscos que decorrem do seu rompimento.

e a conexão à terra das partes condutivas não destinadas à condução da eletricidade.

Obrigatoriedade do aterramento nos termos da NR 10

Comentário: a

Este

obrigatoriedade

item de

deixa se

clara

projetar

corretamente os sistemas de aterramento,

A Norma Regulamentadora NR 10 é

dada a sua importância na instalação.

bastante clara ao exigir que o risco elétrico O

Item 103.9.a – No memorial descritivo do

item 10.2.1 menciona que “em todas as

projeto deverá conter a especificação das

intervenções elétricas devem ser adotadas

características relativas à proteção contra

medidas preventivas de controle do risco

choques elétricos, queimaduras e outros

elétrico e de outros riscos adicionais”.

riscos adicionais.

Em razão disso, a NR 10 prescreve,

Comentário: Como se sabe, a garantia da

ao longo de seu texto, várias exigências

correta conexão à terra é uma das formas

com foco na obrigatoriedade da correta

de proteção contra os choques elétricos.

seja

permanentemente

controlado.

instalação do aterramento, considerando ser este um dos principais Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) na segurança ocupacional do trabalhador submetido

Uma abordagem teórica sobre o condutor de aterramento de proteção “PE”

ao risco elétrico. Dentre estas exigências podem ser destacadas:

Considerando que o curto-circuito para

a terra requer um confiável caminho de Item 10.2.3 – As empresas estão obrigadas

retorno da corrente de falta, a interrupção

a manter esquemas unifilares atualizados

desta corrente poderá colocar em risco a

das

segurança pessoal, além de gerar prejuízos

instalações

elétricas

dos

seus

estabelecimentos, com as especificações

patrimoniais para as empresas.

do sistema de aterramento e demais

Uma correta solução de engenharia

equipamentos e dispositivos de proteção.

recomenda que, nas instalações elétricas,

Comentário:

ao

o condutor de aterramento de proteção

encontro ao entendimento de que o

“PE” deva ser lançado juntamente com os

aterramento é a principal ferramenta como

condutores fase e conectado ao potencial

elemento de prevenção do risco elétrico.

de terra, tanto na barra de terra do painel

Esta

exigência

vem

de alimentação da carga quanto na barra de Item 10.2.4.b - Devem integrar o Prontuário

terra ou carcaça metálica do equipamento /

das Instalações Elétricas a documentação

carga alimentada.


38

Aula Prática

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Portanto, ele se caracteriza como sendo

o condutor de proteção que promove o retorno da corrente de falta para a fonte. Caso esta corrente se encontre interrompida durante uma falta para a terra, as partes condutivas (aquelas que durante a operação normal do sistema elétrico se encontrem isoladas) tornam-se energizadas.

A Figura 1 mostra o caminho da corrente

de retorno da falta para a terra através do condutor “PE” no circuito de alimentação de um motor elétrico adequadamente aterrado, e a Figura 2 evidencia o mesmo

Figura 1 – Caminho de retorno da corrente de falta para a terra com o condutor de aterramento de proteção “PE” corretamente instalado.

circuito na condição do condutor “PE” interrompido. Observa-se que, estando o mesmo interrompido, uma pessoa que tocar a carcaça do motor durante a falta estará sujeita ao choque elétrico pois ela se tornará parte do caminho da corrente de retorno.

Monitoramento online do condutor de aterramento de proteção “PE”

Como forma de prevenção do risco de

que uma pessoa seja afetada pelo choque elétrico durante uma falta para a terra

Figura 2 – Caminho de retorno da corrente de falta para a terra com o condutor de aterramento de proteção “PE” interrompido.

ao tocar nas partes condutivas da carga sem que o condutor “PE” esteja íntegro, foi desenvolvido um dispositivo com a finalidade de monitorar esta integridade de forma online. Uma vez identificada esta não conformidade, o setor de manutenção terá condições de eliminá-la prontamente.

O monitoramento em questão se baseia

na injeção de uma corrente controlada, circulando em um “loop” formado pelo circuito compreendido entre o condutor “PE” e um fio piloto lançado até cada carga a partir do painel de alimentação respectivo.

No caso de um eventual rompimento

deste “loop”, o monitor irá imediatamente operar,

sinalizando

e

identificando

a

interrupção do aterramento. A Figura 3 apresenta o diagrama simplificado do circuito de monitoramento.

Figura 3 – Diagrama simplificado do circuito de monitoramento.


Figura 4 – Monitor de integridade dos condutores de aterramento.

Monitoramento da integridade do condutor de proteção PE em outras instalações

portanto, ao encontro às exigências da NR 10 como medida preventiva de controle do risco elétrico. O monitor que desempenha esta função (Figura 4) incorpora um

Nas instalações onde operam máquinas

display alfanumérico operando em forma

móveis acionadas eletricamente, inexiste a

de varredura através de telas sequenciais

possibilidade de se instalar uma malha de

“online”, indicando o status do correto

aterramento que possa suprir as finalidades

aterramento de cada uma das cargas

funcionais e de proteção. Nestas condições,

monitoradas.

o aterramento é usualmente efetuado

capacidade para sinalizar até 12 cargas,

através do próprio cabo condutor de

com possibilidade de ampliação para 24

alimentação, condutor esse que incorpora

cargas. A duração de cada estampa na

em sua construção, além dos condutores

varredura do display possibilita um pré-

fase, os condutores terra e fio piloto (cabos

ajuste no tempo, a critério do usuário.

condutores tipo SHD).

O monitoramento do condutor terra

são as seguintes: (OK) na condição de

nestes casos se faz através da chamada

aterramento íntegro e (FALHA) na condição

“Unidade Ground Check”, seguindo a

de aterramento interrompido (Figura 5).

mesma filosofia daquela apresentada neste

Além dessas indicações, para a sinalização

artigo, ou seja, mediante a injeção de uma

da falha, o monitor disponibiliza em sua

corrente controlada em um “loop” circulando

face frontal de um Led de acendimento

entre o condutor terra e o fio piloto.

intermitente.

Exemplos destas instalações são, entre

Tal

dispositivo

possui

As indicações no display alfanumérico

Uma vez identificada e sinalizada a

outras, as máquinas móveis nas áreas de

falha, o operador poderá reconhecê-la,

mineração e os guindastes portuários de

acionando a botoeira (chave táctil) presente

movimentação de contêineres.

no frontal do monitor, o que irá promover o reset no acendimento intermitente do Led,

Desempenho operacional do monitor online de integridade

porém, mantendo-o aceso até que a falha seja eliminada. Outra característica interessante no

Monitorar a integridade do condutor

desempenho do dispositivo reside na sua

de aterramento de proteção “PE” vem,

capacidade de monitorar simultaneamente


40

Aula Prática

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Figura 5 – Indicações de aterramento íntegro e interrompido.

mais de uma falha. Neste caso, a varredura

operacionalidade do sistema elétrico;

sequencial do display identificará quais

• Otimizar o tempo despendido com o

as cargas estão com o seu aterramento

diagnóstico e as inspeções no sistema de

interrompido.

aterramento, requeridas para compor o

O

monitor

dispõe

adicionalmente

Prontuário NR 10;

de comunicação serial RS 232 e RS

• Contribuir com o planejamento e

485 (MODBUS RTU), além de contatos

minimizar o tempo da manutenção nas

auxiliares,

atividades de eliminação das falhas;

secos,

sem

tensão.

Estes

recursos permitem que o monitoramento

• Evitar punições das auditorias do

possa ser também efetuado remotamente,

Ministério do Trabalho em função de

informando a condição do circuito de

possíveis ocorrências acidentárias;

aterramento de cada carga monitorada

• Elevar a visibilidade da empresa perante

– normal ou interrompido – e a presença

a sociedade, ao investir na segurança

da tensão auxiliar de alimentação, por

pessoal.

exemplo, via sistema supervisório.

Conclusões

BIBLIOGRAFIA

Qualquer que seja a decisão empresarial

Mte – NR 10-Segurança em Instalações e

em um investimento, ela deverá estar

Serviços em Eletricidade – 2004

pautada em justificativas para o seu retorno.

Souza, J. J. Barrico e Pereira, Joaquim

Algumas razões e benefícios podem ser

Gomes

elencadas para justificar o investimento

Interpretação e

deste dispositivo de monitoramento na

Aplicação da Nova NR10

instalação, sendo a principal delas sua

ABNT NBR 5410 – Instalações elétricas de

contribuição na preservação de vidas

baixa tensão

humanas:

ABNT NBR 14039 – Instalações elétricas de

Manual

de

Auxílio

na

média tensão de 1kV a 36,2 kV • Atender

às

exigências

da

Norma

Regulamentadora NR 10;

*José Eustáquio Venuto Borel é engenheiro e

• Reduzir o risco elétrico e preservar a

professor aposentado do curso de Engenharia

segurança pessoal dos trabalhadores;

Elétrica do CEFET-MG. Atualmente, é diretor da

• Contribuir

Senior Engenharia.

para

a

correta


Renováveis ENERGIAS COMPLEMENTARES

Ano 2 - Edição 20 / Fevereiro de 2018

Fascículo colecionável

Primeiro capítulo traz artigo do INPE sobre o potencial solar brasileiro Elbia Gannoum: as novidades de fevereiro para o setor eólico Ronaldo Koloszuk: a evolução da energia solar fotovoltaica no mundo *Notícias selecionadas sobre as fontes renováveis que mais crescem no país* APOIO


Apoio

42

Fascículo

Renováveis

Por Enio Bueno Pereira e Fernando Ramos Martins*

Capítulo I Energia solar – o potencial brasileiro


Apoio

43

O Plano Decenal de Energia (PDE) antecipa uma demanda de energia crescente no país, a

qual deverá ser suprida por quaisquer que sejam as fontes de energia - nuclear, termoelétrica, hidrelétrica ou outras renováveis. Embora a maior parte da energia elétrica gerada no Brasil venha da hidroeletricidade, a matriz de geração relativamente limpa vem se transformando com a entrada de centrais termoelétricas em resposta ao crescimento da demanda e às crises hídricas que ameaçam a segurança energética do país. O PDE 2026 prevê a participação de fontes renováveis com 48% da oferta interna de energia consoante com as metas da contribuição brasileira às Nações Unidas para o acordo de Paris sobre mudanças climáticas (NDC). Entre as várias alternativas de fontes renováveis destaca-se a energia solar, cujo enorme potencial teórico nacional é ainda pouco explorado. No entanto, o aproveitamento desta fonte de energia, assim como da energia eólica, está sujeito à influência das condições meteorológicas que podem apresentar grande variabilidade ao longo de curtos intervalos de tempo. Apesar disso, as barreiras relacionadas à intermitência da geração solar estão sendo superadas através da combinação de pesquisa de inovação, da escala de mercado e da disseminação de informação.

Introdução

A crescente demanda de energia e de alimentos vem acarretando profundas mudanças no

meio ambiente e na qualidade de vida, colocando as sociedades diante de novos desafios em um planeta com recursos naturais finitos. O crescimento da demanda energética, somado à perspectiva de redução dos suprimentos de fontes de energias convencionais, tem sido motivo de preocupação com implicações na economia global.

O Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas

(IPCC AR5, 2014) adverte que as mudanças climáticas globais são uma realidade e decorrem, sobretudo, do aumento das emissões de gases de efeito estufa (GEE) pelo consumo de combustíveis fósseis. Sem dúvida, um esforço mundial já vem sendo desenvolvido para o uso cada vez mais intenso das energias de fontes renováveis que causem menor impacto socioambiental nos próximos anos, como uma das formas de mitigar os efeitos do aquecimento global. Além da redução de emissões dos gases de efeito estufa, esses esforços promovem o desenvolvimento sustentável e em equilíbrio com o meio ambiente. É também sabido que a segurança energética de uma nação depende da pluralidade de suas fontes de energia que compõe sua matriz energética.

A grande maioria das fontes de energia alternativa e renovável apresenta um potencial teórico

que supera a demanda mundial conforme apresentado na Tabela 1. Entre essas fontes, a energia solar é a que mais se destaca. Embora todas elas se mostrem capazes de suprir as necessidades energéticas da humanidade sem comprometer o conceito de sustentabilidade. O grande desafio é o de aproveitar tais capacidades de uma maneira economicamente competitiva.

A matriz brasileira de energia elétrica apresenta-se relativamente limpa quando comparada

aos países com alto nível de desenvolvimento econômico e social. Nossa geração de eletricidade está baseada principalmente no aproveitamento dos recursos hídricos. Contudo, esse cenário está sendo alterado, não somente em razão da crescente demanda de energia, mas também em resposta às crises hídricas mais frequentes nas últimas décadas. O PDE 2026 antecipa um consumo de energia elétrica crescente a uma taxa média de 3,7% a.a., acrescentando uma demanda adicional de cerca de 225 TWh até 2026. A vulnerabilidade das hidrelétricas frente às condições climáticas leva a situações de racionamento e conflitos relacionados ao uso do recurso hídrico e constitui hoje uma constante preocupação. O uso de recursos hídricos destinados à geração de eletricidade concorre com usos destinados à agricultura, ao abastecimento urbano, à manutenção da biocapacidade e outros fins.

Aliada à necessidade de diversificar as fontes de energia e de reduzir a dependência do recurso

hídrico, existem ainda os compromissos da implementação do Acordo de Paris sobre Mudança


Apoio

Fascículo

44

Renováveis

do Clima e da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, com

base nas chamadas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC,

tecnologia de geração solar a ser implementada. Como exemplo, a

na sigla em inglês), correspondentes à diminuição de emissão de gases

tecnologia de geração heliotérmica é fortemente dependente de altos

de efeito estufa. Desde o início deste século, o Brasil tem utilizado de

níveis de radiação direta normal incidente (DNI) que, por sua vez, sofre

operação de centrais termoelétricas alimentadas com combustíveis

impacto de elevadas cargas de aerossóis, além da nebulosidade. Por

fósseis para garantir a segurança energética requerida para a

isso, o desenvolvimento de metodologias destinadas ao mapeamento

manutenção do desenvolvimento socioeconômico do país.

preciso das diversas componentes da irradiação solar incidente tem

merecido especial destaque na atualidade em todos os países onde o

O país incluiu em sua NDC a meta de reduzir em 37% as emissões

As características climáticas locais ou regionais definem a melhor

de gases de efeito estufa em 2025 e de 43% em 2030, ambas com

aproveitamento da energia solar é realidade.

relação a 2005, e alcançar 45% de participação de fontes renováveis

de energia (incluindo hidrelétrica) em sua matriz primária de energia.

lançou em agosto do ano passado a segunda edição do Atlas Brasileiro

Alguns objetivos da Agenda 2030 têm um claro componente ambiental

de Energia Solar (Pereira et al. 2017). A nova edição do Atlas traz vários

de garantir acesso a energia limpa, promover consumo e produção

avanços nas parametrizações do modelo de transferência radiativa

responsáveis e de tornar as cidades inclusivas, seguras, resilientes e

Brasil-SR e, também, análises sobre a variabilidade espacial e temporal

sustentáveis. Nesse sentido, a partir de dezembro de 2015, o Programa

do recurso solar. Para isso, foram utilizados dados de satélites obtidos

de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica (ProGD,

durante 17 anos, e os resultados foram validados com base em mais de

2015) busca dar impulso a esse esforço, porém, ainda existem barreiras

400 estações de superfície espalhadas pelo território brasileiro.

Nesse contexto, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

tecnológicas e de informação que devem ser rompidas com maior esforço em pesquisas e na formação de recursos humanos.

Energia solar no território brasileiro

O Brasil possui elevados índices de incidência de radiação solar.

Apesar de ser um país com dimensões continentais e apresentar diferentes características climáticas em seu território, o país apresenta condições ideais para o aproveitamento da geração de eletricidade empregando a tecnologia solar em todo seu território.

A média anual de irradiação solar global no Brasil oferece uma boa

uniformidade, com níveis nacionais de irradiação solar global incidente entre 1300 kWh/m2 e 2200 kWh/m2. Esses valores são superiores ao de países europeus que, de longa data, fazem uso da tecnologia solar fotovoltaica para geração de energia elétrica em grande escala, como a Alemanha. A região com menor média anual de irradiação solar no Brasil apresenta valor equivalente ao nível máximo no território alemão. (Pereira, et al., 2017). Ademais, como se pode observar na Figura 1, a variabilidade da irradiação solar na maioria das regiões brasileiras é muito inferior à dos demais países, o que representa um garantia para participação da geração solar ao longo de todo o ano.

Figura 2 – Potencial solar das regiões brasileiras.

A Figura 2 apresenta o valor médio anual do total diário de irradiação

solar apontado no Atlas para as cinco regiões brasileiras. A região Nordeste apresenta o maior potencial solar, com valor médio do total diário da irradiação global horizontal de 5,49 kWh/m² e da componente direta normal de 5,05 kWh/m². As regiões Sudeste e Centro-oeste apresentam totais diários para a irradiação global horizontal em torno de 5,07 kWh/m2. A irradiação global média no plano inclinado na região Figura 1 – Comparativo dos níveis anuais de irradiação média anual.

Sudeste apresentou total diário de 5,26 kWh/m², enquanto na região


Apoio

Fascículo

46

Renováveis

Figura 3 – Potencial de geração fotovoltaica no território brasileiro estimado com o uso do modelo de transferência radiativa BRASIL-SR alimentado com 17 anos de dados de satélite.

Centro-Oeste apresentou 5,20 kWh/m². Os valores relativamente mais

planas com configuração típica (coletor de placa plana com cobertura

baixos da irradiação solar na região Norte se devem às características

de vidro com consumo de água diário de 300 litros a 40 oC e relação

climáticas desta região, onde a nebulosidade frequente reduz a

reservatório/coletor de 75 litros.m2) para o Brasil pode ser visto na

irradiância solar que incide na superfície. Com isso, a irradiação global

Figura 4. As regiões de maior aproveitamento térmico estão localizadas

média nos planos horizontal e inclinado apresenta valores próximos aos

principalmente no sudeste e sul do país. A viabilidade do aquecimento

obtidos para a região Sul e a irradiação direta normal inferior à de todas

solar no Brasil está fortemente associada ao custo da energia

as outras regiões do país.

normalmente usada para o aquecimento de água. Considerando apenas

A Figura 3 ilustra o rendimento energético fotovoltaico anual

o setor residencial, os gastos com aquecimento de água chegam a 24%

máximo (medido em kWh de energia elétrica gerada por ano para cada

do total de energia elétrica consumida, já que a potência dos chuveiros

kWp de potência fotovoltaica instalada) em todo o território nacional,

elétricos típicos pode exceder os 6000 W.

tanto para usinas de grande porte centralizadas e instaladas em solo, como para a geração fotovoltaica distribuída integrada em telhados

Levantamento dos recursos solares

e coberturas de edificações. A concentração populacional é também mostrada através dos círculos azuis espalhados pelo território brasileiro.

que a quantidade disponível de energia solar apresenta variações

Nos meses de verão, principalmente de dezembro a março, o

A partir da nossa rotina diária, é bastante intuitivo compreender

potencial de geração é máximo nos estados do Sul e Sudeste do Brasil

não só ao longo do tempo como também do espaço. Para que o

e coincide com os máximos de demanda registrados pelo Operador

aproveitamento dessa fonte de energia limpa seja viável técnica

Nacional do Sistema (ONS) para essas regiões. Neste contexto e por

e economicamente, é necessário compreender os aspectos que

sua natureza espacialmente distribuída, a geração solar fotovoltaica

influenciam sua disponibilidade e variabilidade tanto sob o ponto de

pode contribuir para a redução dos picos de demanda dos sistemas de

vista temporal (ao longo do dia, e dos meses) quanto do ponto de vista

transmissão do Sistema Interligado Nacional (SIN).

geométrico-espacial (em relação à posição geográfica). Dessa forma, o

levantamento do potencial de recursos de energia solar em uma região

Já o potencial de produção de energia térmica (kWht/m2) para

aquecimento solar empregando um coletor de referência de placas

envolve basicamente três componentes: a distribuição espacial do


Apoio

47

Figura 4 – Potencial de produção de energia térmica para aquecimento d’água a partir da incidência de energia solar considerando uma configuração típica de um sistema térmico residencial.

recurso solar, sua variabilidade temporal e as incertezas associadas às

superfície, apesar de bastante elevada, está sujeita a diversos

duas primeiras componentes. Informações sobre as três componentes

fatores que provocam uma variabilidade muito grande na

são essenciais para elaboração de cenários de aproveitamento

disponibilidade desse recurso. Surge então a pergunta “Como

do recurso solar e para estudos preliminares de viabilidade de

podemos ter certeza de que o aproveitamento do recurso solar pode

aproveitamento do recurso solar.

contribuir para atender à demanda de energia de forma segura?”.

Para avaliar a viabilidade técnica do aproveitamento da energia solar

Conhecer a geometria de insolação e o sombreamento por

obstáculos e relevo a que as tecnologias de conversão da energia solar

é primordial caracterizar a energia solar (quantidade e variabilidade)

estarão sujeitas em um dado local é importante, mas não suficiente

que incide no local de interesse.

para explicar a variabilidade da energia solar que incide na superfície.

Há mais um fator que é bastante relevante na disponibilidade do

adequada e observando os cuidados devidos de operação e manutenção,

recurso energético solar: a atenuação da radiação solar causada

sejam a fonte mais segura para conhecimento do recurso solar de um

pela atmosfera. A atmosfera funciona como um “cobertor” protetor

local específico, o custo de instalação e operação e manutenção de

que evita a incidência de radiações prejudiciais à vida na superfície

estações de coleta de dados com a precisão requerida para o setor

terrestre e garante a manutenção de temperaturas confortáveis

energético pode ser um fator limitante, principalmente quando se trata

para a existência de vida no planeta. O principal fator atmosférico

de grandes extensões territoriais.

de atenuação da radiação solar é a nebulosidade que pode atenuar

totalmente a irradiação solar direta (DNI) que chega à superfície

A primeira (A) apresentando a configuração típica exigida pela RE

restando apenas a irradiação difusa (aquela fração da energia solar

065/2013 (2017) da EPE para certificação de dados solarimétricos e

que é espalhada em todas as direções pela atmosfera). A composição

de produção anual de energia. A segunda (B), empregada para estudos

dos gases atmosféricos e presença de poluentes lançados para a

e desenvolvimento de modelos e métodos numéricos de levantamento

atmosfera também reduz a intensidade da energia que atinge a

solarimétricos como o empregado na elaboração do Atlas Brasileiro de

superfície.

Energia Solar. O uso de métodos numéricos torna-se uma alternativa

para o levantamento de grandes áreas.

Fica evidente, desta forma, que a energia solar incidente na

Embora dados coletados em superfície, com instrumentação

A Figura 5 ilustra dois exemplos de estações solarimétricas.


Apoio

Fascículo

48

Renováveis

Figura 5 – Estações de coleta de dados radiométricos para avaliação do potencial solar em local específico. É importante ter em mente que a qualidade dos dados adquiridos depende não apenas da qualidade dos equipamentos utilizados, mas, também da correta instalação dos sensores e de sua operação e manutenção.

Barreiras à penetração das energias não despacháveis

conhecimento sobre a complementaridade desta com outras

Apesar do enorme potencial, o crescimento da participação

fontes de energia, inclusive aquelas consideradas despacháveis, como a hidráulica e a geração em termoelétricas. Outro aspecto relevante a ser considerado reside no fato

de fontes intermitentes de energia, como a solar, esbarra em

de que as fontes renováveis de energia, como a solar e a eólica,

barreiras de custo e de conhecimento que estão sendo superadas

sofrem impacto direto de alterações do clima e, considerando que

através da combinação do avanço tecnológico, da escala de

projetos de geração que envolvem tais tecnologias têm vida útil

mercado e da disseminação da informação.

típica de 20 anos, a viabilidade de um projeto deve levar em conta

informações sobre os cenários de variabilidade climática de longo

A redução do custo de um sistema de geração fotovoltaica

está sendo alcançada com a evolução tecnológica e a economia

prazo a fim de assegurar o retorno financeiro esperado para o

de escala, que reduz o custo dos painéis fotovoltaicos e aumenta

investimento.

a competitividade. A consequência principal é equiparação de tarifas (paridade) com a geração a partir dos combustíveis fósseis

Agradecimentos

utilizados em plantas térmicas.

A barreira do conhecimento inibe a penetração de tecnologias

Este trabalho é uma contribuição do Instituto Nacional de Ciência

de geração não despachável de energia elétrica. Energias do tipo

e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC) financiado pela

não despachável têm impacto nas decisões tomadas em todas as

FAPESP 2014/50848-9, CNPq 465501/2014-1, e CAPES/FAPS

escalas de tempo e em todas as regiões geográficas, uma vez que

Nº 16/2014. Os autores também agradecem o CNPQ pelo suporte

uma fonte energia variável e apenas parcialmente previsível irá

financeiro por meio dos auxílios de Produtividade em Pesquisa.

implicar no balanço entre a oferta e a consumo de outras fontes de energia despacháveis (hidroelétricas com reservatórios de

Referências

acumulação e termoelétricas). Essa barreira pode ser vencida com pesquisa científica não só sobre o potencial disponível de

EPE-BEN. (2017). Balanço Energético Nacional Ano Base 2014.

energia, mas também da variabilidade espacial e temporal da

Rio de Janeiro: Empresa de Pesquisa Energética. Disponível em:

fonte. O desenvolvimento de metodologias e tecnologias para

https://ben.epe.gov.br/downloads/S%c3%adntese%20do%20

ampliar e aprimorar a capacidade de previsão de geração por essas

Relat%c3%b3rio%20Final_2017_Web.pdf

fontes em diferentes horizontes de tempo está recebendo atenção

Fouquet, R. (2011). Energy Transitions: History, Requirements,

e esforço de diversos grupos de pesquisa ao redor do mundo

Prospects, Vaclav Smil. Praeger, Santa Barbara, CA (2010),

(Lima et al. 2015). Além disso, o impacto da intermitência da

Hardcover: ISBN 978-0-313-38177-5. 178 pages.

energia solar no sistema elétrico pode ser minimizado com amplo

Environmental Innovation and Societal Transitions. 1. 198–199.


Apoio

49 10.1016/j.eist.2011.10.007.

PDE2026 - Plano Decenal de Energia 2026. Empresa de

GT-GDSF. (2008). Relatório do Grupo de Trabalho em Sistemas

Pesquisa Energética, EPE/MME. Fonte: http://www.mme.gov.br/

Fotovoltaicos. Brasília: Ministério de Minas e Energia.

documents/10584/0/PDE2026.pdf/474c63d5-a6ae-451c-

IPCC. (2014). Climate Change 2014: Synthesis Report.

8155-ce2938fbf896

Contribution of Working Group I, II and III to the Fifth Assessment

Pereira, E. B.; Martins, F. R.; Gonçalves, A. R.; Costa, R. S.; Lima, F.

Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Core

J. L.; Rüther, R.; Abreu, S. L.; Tiêpolo, G. M.; Souza, J. G.; Pereira, S.

Writing Team, R. K. Pachauri and L. A. Meyer (eds.). Geneva,

V. (2017) - Atlas Brasileiro de Energia Solar. São José dos Campos:

Switzerland: IPCC.

INPE, v.1. segunda edição, p.84.

Lima, F. J., Martins, F. R., Pereira, E. B., Lorenz, E., & Heinemann,

ProGD (2015), Programa de Desenvolvimento da Geração

D. (2016). Forecast for surface solar irradiance at the Brazilian

Distribuída de Energia Elétrica, MME, acessado em: http://www2.

Northeastern region using NWP model and artificial neural

aneel.gov.br/cedoc/prt2015538mme.pdf

networks. Renewable Energy, 87(807), pp. 807-818. Martins, F. R., Rüther, R., Pereira, E. B., & Abreu, S. L. (2008). Solar energy scenarios in Brazil. Part two: Photovoltaics applications. Energy Policy, 36, pp. 2865-2877. Moriarty, P. e D. Honnery (2012). What is the global potential for renewable energy?, Renewable and Sustainable Energy Reviews, 16, 244-252, doi:10.1016/j.rser.2011.07.151 NDC - Contribuição Nacionalmente Determinada para Consecução do Objetivo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima [arquivo em PDF] disponível em: http://www. itamaraty.gov.br/images/ed_desenvsust/BRASIL-iNDC-portugues. pdf

*Enio Bueno Pereira é graduado em Física pela Universidade de São Paulo e doutor em Geociências pela W.M.Rice University, nos Estados Unidos. É pesquisador titular sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Laboratório de Modelagem e Estudos de Recursos Renováveis de Energia. Fernando Ramos Martins é bacharel em Física pela Universidade de São Paulo, mestre em Tecnologia Nuclear pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares e doutor em Geofísica Espacial pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Atualmente, é docente adjunto da Universidade Federal de São Paulo campus Baixada Santista.


Energia Eólica

50

Elbia Gannoum é presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica).

As boas novas da eólica

Fevereiro foi um mês de

O GWEC também apresenta

somaram 4.619 MW médios

24 milhões de residências por

boas notícias para o setor

outro ranking, o de nova

entregues ao longo do ano

mês. Os 13 GWs de capacidade

de energia eólica: o Brasil

capacidade instalada no

passado frente aos 3.651

instalada de energia eólica

subiu uma posição no ranking

ano e, em 2017, o Brasil

MW médios gerados no

ainda significam que o setor já

mundial do GWEC (Global Wind

ficou em sexto lugar, tendo

mesmo período de 2016. A

gerou mais de 195 mil postos

Energy Council); completamos

instalado 2,02 GW de nova

representatividade da fonte

de trabalho desde seu início,

13 GWs de capacidade

capacidade em 2016. Nesta

eólica em relação a toda

com grande concentração nos

instalada e a CCEE anunciou

categorização, o Brasil caiu

energia gerada no período pelas

últimos oito anos.

um crescimento de 26,5% da

uma posição, já que o Reino

usinas do Sistema alcançou

geração de energia eólica em

Unido subiu do nono para

7,4% em 2017”. Este é um

são muito importantes e

operação comercial no Sistema

o quarto lugar, instalando

dado muito relevante porque

merecemos comemorar, mas

Interligado Nacional (SIN), em

4,27 GW de capacidade de

reflete e quantifica o que

sem jamais perder nossa visão

2017, na comparação com

energia eólica em 2017.

vimos ao longo de 2017, já

de futuro. Em construção ou já

2016.

Neste ranking, o que conta é

que chegamos a abastecer

contratados há mais 4,8 GWs,

Todas estas notícias

o resultado específico do ano,

10% do país em agosto e 11%

divididos em 213 parques

dos dez países com mais

então há bastante variação.

em setembro, passando pela

eólicos que serão entregues

capacidade instalada total

Em 2012, por exemplo,

primeira vez aos dois dígitos

ao longo dos próximos anos,

de energia eólica, o Brasil

estivemos em oitavo lugar e,

na matriz nacional em um

até 2023, levando o setor

subiu uma posição e aparece

em 2015, ano de instalação

mês. Além disso, chegamos

para próximo da marca de

agora em oitavo na lista dos

recorde até agora para nós,

a abastecer mais de 60% do

19 GW. Isso significa que,

maiores países, com 12,76

estivemos em quarto lugar.

Nordeste em vários momentos,

em breve, toda a capacidade

GW, ultrapassando o Canadá,

A tendência é que a gente

na época que chamamos de

eólica instalada será maior

que está com 12,39 GW. O

ainda oscile mais, visto que

“safra dos ventos”, que vai

que Itaipu, nossa maior

Brasil vem galgando posições

em 2019 e 2020 nossas

mais ou menos de junho a

hidrelétrica, que tem 14 GWs

no Ranking Mundial de

instalações previstas são

novembro.

de capacidade instalada. Vale

Capacidade Instalada Total

menores porque ficamos sem

lembrar também que esses 4,8

de Energia Eólica de forma

leilão por quase dois anos no

fevereiro, não podemos deixar

GWs que ainda vamos instalar

consistente. Em 2012, nós

período 2016/2017, o que

de detalhar o que significa ter

já foram contratados em leilões

estávamos em 15º lugar

vai se refletir no resultado de

chegado à marca de 13 GWs.

realizados. Com novos leilões,

e, desde então, estamos

2019 e 2020.

Já são 518 parques eólicos e

esse valor ainda vai crescer

apresentando resultados

mais de 6.600 aerogeradores

e passaremos dos 20 GWs

muito bons ano a ano. Ainda

de geraçao, a CCEE informou

operando. O montante gerado

já nos próximos anos. É para

há espaço para subir mais

em fevereiro que “as usinas

pelas eólicas já é equivalente

este futuro que os bons ventos

algumas posições.

movidas pela força do vento

ao consumo médio de cerca de

estão nos levando.

No caso do ranking

Em relação ao crescimento

Das boas notícias de


Energia solar fotovoltaica

52

Ronaldo Koloszuk é diretor da Divisão de Energia do Departamento de Infraestrutura da Fiesp, conselheiro da Absolar e diretor comercial da Solar Group.

A aceleração da energia solar fotovoltaica no mundo da capacidade instalada desta

Neste mercado, o

sobretudo, pelo desenvolvimento

início de 2018, a marca de 1

fonte. Em apenas oito anos, de

custo do módulo é medido

do mercado global, que permitiu

GW de projetos de energia solar

1999 a 2007, ela cresceu dez

internacionalmente em wp (watt

um escalonamento da produção.

fotovoltaica conectados na matriz

vezes, passando de 1 GW para

pico). Para referência, um painel

Costumo dizer, em minhas

elétrica, o que colocou o país entre

10 GW. Esse feito se repetiu de

fotovoltaico padrão tem cerca 260

palestras, que este mercado

os 30 maiores produtores desta

forma mais célere ainda nos anos

wp de potência.

evoluiu rapidamente porque

fonte no mundo.

seguintes, crescendo dez vezes em

a China resolveu produzir e a

O Brasil ultrapassou, no

O gráfico a seguir mostra bem

apenas cinco anos, entre 2008 e

esta queda de preço. Em 1980,

Alemanha, por sua vez, resolveu

promissor, tendo em vista a

2012, ao passar de 10 GW para

o wp custava cerca de 22 euros.

comprar. Hoje, além da China

necessidade de geração de energia

100 GW. Desde, então ela continua

Em 2014, ele tinha despencado

também ser uma grande

que o país terá nos próximos anos,

crescendo de forma acelerada.

para 0,65 euro. Uma queda

compradora, outros países já se

mas muito aquém da posição que

impressionante de 97,05%. Hoje,

destacam, como Estados Unidos,

deveríamos estar neste ranking.

ajudaram a expandir o mercado

este mesmo wp custa cerca de

Japão e Índia.

Para se ter uma ideia, o Brasil

global, tais como: mudanças

0,27 euro. Uma queda acentuada

hoje já está entre os dez primeiros

climáticas, independência energética,

de 58,46% em três anos.

comprando em peso fez com

países do mundo em geração de

políticas públicas, queda no preço dos

que o preço do wp aumentasse

energia eólica e biomassa.

módulos fotovoltaicos etc.

à evolução da tecnologia e,

Trata-se de um começo

Foram muitos os fatores que

Os custos caíram devido

O surgimento de novos players

ligeiramente no segundo semestre

Enquanto comemoramos

o marco do primeiro gigawatt, a China já acumula 130 GW instalados.

O segmento de energia que

mais cresce no mundo é o do solar fotovoltaico. A fonte se expandiu mais rapidamente do que qualquer outra fonte de combustível pela primeira vez, em 2016, segundo a Agência Internacional de Energia. Foram instalados 165 GW de energias renováveis naquele ano, o que representou dois terços da expansão líquida da oferta de eletricidade mundial. A energia solar cresceu 50% no período.

É admirável a evolução global

Figura 1 – Evolução da capacidade acumulada global de energia solar fotovoltaica desde 1992.


Energia solar fotovoltaica

53

de 2017, pois a oferta não acompanhou a velocidade da demanda.

Embora esta movimentação

possa ter assustado empreendedores acostumados a ver os preços dos painéis fotovoltaicos apenas na descendente, ela traz bons auspícios. Revela a robustez deste mercado em nível mundial.

De olho nisso, o Brasil

solicitou a adesão à Agencia Internacional de Energia Renovável (IRENA), mais respeitado Figura 2 – Curva dos preços dos módulos fotovoltaicos.

fórum internacional do setor. Atualmente, a agencia possui 152 países membros e 30 países em processo de adesão.

Esta ação foi comemorada pela

Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), que recomendava esta adesão deste 2015, quando começou a participar das delegações brasileiras na COP. Segundo a associação, com esta adesão, o intercâmbio internacional será mais intenso, permitindo ao país incorporar melhores práticas internacionais e acelerar o Figura 3 – Os dez maiores países em capacidade instalada - em 2016 e total acumulada.

desenvolvimento da fonte.


54

Notícias

renováveis

Avanço da fonte eólica gera oportunidades de trabalho Profissionais com conhecimentos técnicos específicos sobre a fonte têm mais chances de atuar na área

Já são mais de 500 parques

Brasil, tanto que o país subiu mais

eólicos instalados no Brasil e,

uma posição no ranking dos países

em fevereiro, a fonte alcançou a

com maior geração de energia

marca de 13 GW de capacidade

eólica no mundo, ultrapassando

instalada. A previsão é de que,

o Canadá e chegando à oitava

até 2020, essa capacidade

posição em 2017.

salte para 17 GW, considerando

apenas os contratos para

essa expansão, além de energia

instalação de novos parques que

limpa, gera também empregos

já foram firmados em leilões já

que vão desde a produção de

realizados e também no mercado

equipamentos e acessórios no

livre.

setor industrial até empregos

locais nas áreas de operação

Esta é, na opinião do

Para o coordenador do curso,

coordenador do curso Energias

e manutenção e isso ocorre

tomada de decisão a respeito

- Abundante e renovável;

Renováveis, Geração Distribuída

justamente nas regiões mais

desse assunto das áreas

- Sua operação é limpa e não

e Eficiência Energética,

carentes onde estão localizados

de engenharia, tecnologia e

polui;

do Programa de Educação

os parques eólicos, que são

arquitetura, entre outras”, aponta

- Possui baixíssimo impacto

Continuada (PECE) da Escola

regiões em que os empregos

o prof. Simões.

ambiental;

Politécnica da USP, J. R. Simões

são muito escassos. “É uma

- Não emite CO2 em sua

Moreira, uma prova de que o setor

oportunidade que se abre para os

de 180 mil postos de trabalho

operação, pois seu "combustível"

de energia eólica vem crescendo

profissionais com especialização

e, para cada MW instalado, são

é o próprio vento;

e, principalmente, mostrando sua

em energias renováveis, que

geradas 15 novas oportunidades.

- Tem um dos melhores custos

maturidade ao explorar uma das

realmente detêm conhecimentos

benefícios na tarifa de energia

fontes renováveis disponível no

técnicos, operacionais e de

eólica, estão:

O setor já conta com mais

Entre as vantagens da fonte

elétrica.

Número de cooperativas com geração distribuída deve crescer mais de 80% em 2018 Até 2016, apenas 25 cooperativas contavam com o sistema. Número mais que dobrou no ano seguinte, totalizando 56 unidades como uma opção para o negócio,

cooperativas que possuem

utilizam geração distribuída

expectativa da Organização

que traz benefícios para os

termelétricas a biogás - que

somam 5,5 MWp de geração,

das Cooperativas Brasileiras

cooperados”, conta o analista

aproveitam o dejeto animal e

abastecendo mais de 150

(OCB) é de chegar ao fim deste

técnico e financeiro do Sistema

mitigam o passivo ambiental,

unidades consumidoras

ano com o registro de mais de

OCB, Marco Olívio Morato de

transformando-o em ativo

e proporcionando uma

120 cooperativas com geração

Oliveira.

econômico -, e três centrais

economia de R$ 7 milhões

distribuída, esperando em torno

hidrelétricas (CGHs).

para os cooperados. Em 2017,

de 60 a 70 novas instalações.

adotaram a geração distribuída,

foram implantadas 31 novas

mais de 90% utilizam sistemas

número de cooperativas com

conexões, mais do que o dobro

cooperativas compõem o sistema

fotovoltaicos. Mas também há

geração distribuída é o de Santa

registrado nos cinco anos

OCB, e é com esse universo que

uma tendência por novas fontes

Catarina, com 14 usinas, seguido

anteriores (2012-2016),

trabalhamos para a disseminação

de geração, considerando

pelo Rio Grande do Sul, com oito,

período em que 25 cooperativas

da geração distribuída. Queremos

o melhor aproveitamento

e empatados com seis, Minas

instalaram os sistemas.

que as cooperativas vejam isso

regional. Assim, há duas

Gerais, Paraná e São Paulo.

As cooperativas que

Com esse resultado, a

“Hoje mais de 6,5 mil

Das 56 cooperativas que

O Estado com o maior


Notícias

renováveis

Brasil aumenta produção e passa para a oitava posição no ranking da energia eólica Com mais de 500 parques eólicos e 13 GW de capacidade instalada, país ultrapassa o Canadá no levantamento da Global Wind Energy Council

Levantamento da Global Wind Energy Council (GWEC) coloca o Brasil

entre os destaques na produção de energia eólica no mundo. Com a ampliação do parque, foi possível passar o Canadá e ocupar o oitavo lugar no ranking mundial de energia proveniente dos ventos.

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica),

hoje o Brasil possui mais de 500 usinas eólicas que geram 13 gigawatts de energia elétrica. Conhecidamente uma região de ventos vigorosos, o Com 13 GW de potência instalada, Brasil é o oitavo país do mundo em produção de energia eólica.

Nordeste é responsável por 60% da produção.

“O Brasil tem um dos melhores ventos do mundo do mundo para

produção de energia eólica e nosso fator de capacidade, que é a medida de produtividade do setor, passa do dobro da média mundial. Além disso, temos uma cadeia produtiva 80% nacionalizada, que investe e gera empregos aqui”, afirma a presidente da entidade, Élbia Gannoum.

AES Tietê desenvolve película fotovoltaica para estacionamentos Investimento no desenvolvimento da tecnologia é de R$ 2,4 milhões cobertos, que são capazes de

do projeto piloto. O início da

ser comparado com tecnologias

Brasil, a área de pesquisa e

transformar a energia solar em

construção da planta de geração

tradicionais, o OPV (Organic

desenvolvimento (P&D) da

energia elétrica e possibilitar a

distribuída está programado para

Photovoltaics) é leve e flexível

AES Tietê está trabalhando na

geração distribuída.

o segundo semestre de 2018.

o que permite a sua aplicação

viabilização da solução OPV

em situações diversas. Também

(Organic Photovoltaics) aplicada

aproximadamente R$ 2,4

destacar a geração de energia

é considerado a alternativa

a um carport. Trata-se da

milhões, o estudo foi iniciado em

limpa, a otimização de superfícies

de energia mais sustentável,

instalação de filmes fotovoltaicos

dezembro de 2017 e está agora

sem utilidade e a maximização da

disruptiva e com menor pegada de

orgânicos em estacionamentos

na fase de desenvolvimento

eficiência energética do local. Ao

carbono.

Em parceria com CSEM

Com investimento de

Entre os benefícios, é possível

55


56

Notícias

renováveis

Energia solar fotovoltaica alcança 200 MW em micro e minigeração distribuída País possui atualmente 23.175 sistemas solares conectados à rede, correspondendo a investimentos da ordem de R$ 1,6 bilhão

consumidores residenciais

públicos (0,03%).

protagonismo, na consciência

atingir a marca de 200 MW

(39,0%), que passaram

e na responsabilidade

de capacidade instalada

da primeira para a segunda

o Brasil possui hoje 23.175

socioambiental dos

em sistemas de micro e

posição. Na sequência,

sistemas solares fotovoltaicos

consumidores, cada vez

minigeração distribuída de

estão as indústrias (7,8%),

conectados à rede, trazendo

mais dispostos a economizar

energia soar fotovoltaica.

consumidores rurais (5,4%),

economia e engajamento

dinheiro contribuindo,

poder público (4,2%) e outros

ambiental a27.610 unidades

simultaneamente, para

da Associação Brasileira de

tipos, como serviços públicos

consumidoras, somando

a preservação do meio

Energia Solar Fotovoltaica

(0,6%) e iluminação pública

mais de R$ 1,6 bilhão em

ambiente.

(Asolar), a fonte solar

(0,04%).

investimentos acumulados

fotovoltaica lidera com folga o

Em números de sistemas

desde 2012, distribuídos ao

perto a evolução da micro e

segmento de microgeração e

instalados, os consumidores

redor de todas as regiões do

da minigeração distribuída

minigeração distribuída, com

residenciais estão no topo da

país.

de energia solar fotovoltaica,

mais de 99% das instalações

lista, representando 78% do

a Absolar desenvolveu um

do país.

total. O alto valor é explicado

da Absolar, Rodrigo Sauaia,

ranking, que compara as

Pela primeira vez desde

pela potência reduzida

ressalta que o crescimento

potências instaladas em cada

2012, quando foi estabelecida

dos sistemas, já que as

da micro e minigeração

estado do país.

pela Agência Nacional de

residências consomem menos

distribuída solar fotovoltaica é

Energia Elétrica (Aneel) a

energia elétrica ao longo de

impulsionado por três fatores

Minas Gerais lidera o ranking

regulamentação que fornece

um ano do que comércios,

principais: (i) a forte redução

nacional, com 50,7 MW,

as diretrizes para geração

indústrias ou edifícios

de mais de 75% no preço da

representando 24,3% da

distribuída, os consumidores

públicos. Em seguida,

energia solar fotovoltaica ao

potência instalada no país,

dos setores de comércio e

aparecem as empresas dos

longo da última década; (ii)

seguido pelo Rio Grande do Sul

serviços passaram a liderar

setores de comércio e serviços

o forte aumento de mais de

com 30,2 MW (14,5%), São

o uso da energia solar

(15,6%), consumidores rurais

50% nas tarifas de energia

Paulo com 26,8 MW (12,8%),

fotovoltaica, com 43,1%

(2,9%), indústrias (2,3%), e

elétrica dos consumidores

Ceará com 12,8 MW (6,2%) e

da potência instalada no

outros tipos, como iluminação

brasileiros nos últimos

Santa Catarina com 12,0 MW

país, seguidos de perto por

pública (0,2%) e serviços

anos; e (iii) o aumento no

(5,8%).

O Brasil acaba de

Segundo mapeamento

De acordo com a entidade,

O presidente executivo

Para acompanhar de

Atualmente, o Estado de


58

Pesquisa - Equipamentos para atmosferas explosivas

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Mercado de equipamentos para atmosferas explosivas Investimentos em infraestrutura entusiasmam fabricantes de equipamentos para áreas classificadas, que preveem crescimento médio de 15% para os seus resultados em 2018

O setor de atmosferas explosivas parece mais confiante com o ano

estratégico do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

que se inicia. As promessas de investimentos em infraestrutura trazem

(Bndes), em fase de aprovação, que prevê o fomento ainda mais no

certo alívio para as empresas deste segmento, que, por sua vez, aumentam

financiamento à infraestrutura. Além disso, recentemente, a Organização

seus investimentos e fazem previsões mais otimistas.

para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) defendeu em

seu estudo econômico deste ano sobre o Brasil que um investimento, em

Corroboram para isso recentes notícias, como o novo planejamento


59

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

especial, em infraestrutura, ajudará o país a aumentar a produtividade e a

Principais segmentos de atuação

gerar mais renda aos brasileiros. Segundo a Organização, o Brasil está emergindo da pior crise econômica de sua história recente (Estadão, fev.

GTD

2018).

20%

O reflexo disso já pode ser observado no levantamento desta edição.

De acordo com as pesquisadas, os projetos de infraestrutura são o

25%

principal fator a influenciar o mercado de equipamentos para atmosferas explosivas. A desaceleração econômica já não figura mais entre os três

Comercial

43%

fatores mais citados.

Público

Industrial

Essa percepção das pesquisadas contribui para uma projeção cada

100%

vez mais otimista no que diz respeito ao futuro próximo deste mercado. As empresas esperam, por exemplo, que seus resultados aumentem em média 15% neste ano de 2018 e preveem crescimento de aproximadamente 8% para o mercado como um todo. Outra boa notícia é que a indústria de equipamentos para instalações Ex espera aumentar seu quadro de colaboradores em torno de 7% neste ano.

Os produtos que mais se destacam, em volume de vendas, entre

as empresas pesquisadas são, nessa ordem, luminárias/projetores, dispositivos para sistemas de automação, painéis e quadros elétricos e

Assim como foi registrado nesta mesma pesquisa realizada há um

ano, a venda direta ao cliente final continua sendo o principal meio de comercialização, indicado por 90% das empresas entrevistadas. Na pesquisa anterior, este índice foi de 86%. Principais canais de vendas

invólucros.

A pesquisa é publicada na íntegra nas próximas páginas – com gráficos

ilustrativos e tabelas com detalhes do estudo, como produtos oferecidos pelas empresas, certificações conquistadas e serviços disponibilizados.

Outros

8%

23% 25%

Números do mercado de equipamentos para atmosferas explosivas

A indústria foi apontada como principal segmento de atuação por

100% das empresas. 43% delas também consideram as instalações comerciais como um segmento importante. Confira.

Internet Telemarketing

48% 55%

Distribuidores / atacadistas Revendas / varejistas

90%

Venda direta ao cliente final


60

Pesquisa - Equipamentos para atmosferas explosivas

Com a pesquisa, é possível construir um ranking dos produtos mais ofertados / demandados neste

mercado. Encabeçam a lista: luminárias/projetores; dispositivos e equipamentos para sistemas de automação; painéis e quadros elétricos; e invólucros. Confira no gráfico.

Produtos mais comercializados

8% 8%

Motores elétricos Serviços Cabos elétricos e seus acessórios

2 0%

Outros

23%

Plugues e Tomadas

50%

Materiais e acessórios em geral para montagem

53%

Invólucros

55%

Painéis e quadros elétricos

60%

Produtos, dispositivos, equipamentos para sistemas de automação

60%

Luminárias / Projetores

65%

A tabela a seguir mostra a opinião das fabricantes e distribuidoras de equipamentos para

atmosferas explosivas sobre o tamanho de alguns mercados específicos. É possível inferir que os mercados de invólucros e de materiais e acessórios faturam, cada um, até R$ 10 milhões por ano. Veja o que pensam as pesquisadas a respeito de outros mercados.

Até R$ 10 milhões

De R$ 10 milhões a R$ 30 milhões

De R$ 30 milhões a R$ 50 milhões

De R$ 50 milhões a R$ 100 milhões

De R$ 100 milhões a R$ 200 milhões

De R$ 200 milhões a R$ 500 milhões

Acima de R$ 500 milhões

Tamanho anual total dos mercados de:

39%

18%

17%

4%

0%

9%

13%

26%

9%

30%

9%

9%

13%

4%

Motores elétricos

25%

0%

8%

8%

25%

17%

17%

Cabos elétricos e

21%

21%

8%

7%

14%

15%

14%

Produtos, dispositivos, equipamentos para sistemas de automação (comando, controle, sinalização, alarme, etc.) Painéis e quadros elétricos

seus acessórios Invólucros

36%

23%

18%

4%

5%

14%

0%

Luminárias/ Projetores

22%

13%

26%

9%

26%

4%

0%

Plugues e Tomadas

37%

16%

26%

5%

16%

0%

0%

Materiais e acessórios em

42%

21%

11%

11%

10%

5%

0%

geral para montagem


As empresas projetam crescimento médio de 15% neste ano de 2018 e preveem crescimento

de aproximadamente 8% para o mercado como um todo. Outra boa notícia é que a indústria de equipamentos para instalações Ex espera aumentar seu quadro de colaboradores em torno de 7% neste ano. Na pesquisa realizada há um ano, as empresas esperavam crescimento de 14% para 2017, índice muito próximo da média de 13% efetivamente alcançada no ano passado.

Previsões de crescimento

Previsão de contratação em 2018

7% 8%

Crescimento médio do mercado de produtos para atmosferas explosivas em 2018

13%

Crescimento médio das empresas em 2017 comparado ao ano anterior

15%

Crescimento médio das empresas em 2018

Se, na pesquisa de um ano atrás, as empresas deste mercado apontavam a desvalorização

da moeda brasileira e a falta de confiança dos investidores como os principais agentes desmotivadores deste mercado de equipamentos Ex, hoje, o cenário começa a mudar. Projetos de infraestrutura são apontados como o principal fator a exercer influência (positiva) neste setor. Fatores que influenciam o mercado de equipamentos para atmosferas explosivas

3%

Falta de normalização e/ou legislação 3%

Crise internacional

17%

6%

Projetos de infraestrutura

Programas de incentivo do governo 6%

Setor da construção civil aquecido

14%

Incentivos por força de legislação ou normalização

9%

Bom momento econômico do país 9%

13%

Crise Política

Setor da construção civil desaquecido 10%

Desaceleração da economia brasileira

10%

Falta de confiança de investidores


Pesquisa - Equipamentos para atmosferas explosivas

Alpha Equipamentos Elétricos

(11) 3933-7533

www.alpha-ex.com.br

São Paulo

SP

X

ATEX BR

(19) 3054-7017

www.atexbr.com.br

Campinas

SP

X

CENTRA-EX

(19) 3708-9200

www.central-ex.com.br

Campinas

SP

Conexled

(11) 2334-9393

www.conexled.com.br

São Bernardo Do Campo

SP

X

X

X

CONEXÕES HAWSER

(11) 4056-7047

www.hawser.com.br

Diadema

SP

X

X

X

CONNECTWELL

(11) 5844-2010

www.connectwell.net.br

Taboão da Serra

SP

X

X

X

D´LIGHT

(11) 2937-4650

www.dlight.com.br

Guarulhos

SP

X

X

Dialight do Brasil

(19) 3113-4300

www.dialight.com

Indaiatuba

Eaton, Crouse-Hinds e Blinda

0800-00-32866

www.eaton.com.br

ExSuper

(15) 4062-9447

FINDER FORTLIGHT

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X X

X X

X

X

X X

X

Programas na área de responsabilidade social

SC

X

Serviço de atendimento ao cliente por telefone e/ou internet

Criciúma

14001 (ambiental)

www.agpr5.com

X

9001 (qualidade)

(48) 3462-3900

Outros

AGPR5

X

Telemarketing

X

Venda direta ao cliente final

Fabricante

SP

Revendas / varejistas

Estado

Barueri

Distribuidores / atacadistas

Cidade

www.adelco.com.br

Certificado ISO

Principal canal de vendas

GTD

Site

(11) 4199-7500

Comercial

Telefone

ADELCO

Industrial

Empresa

Público

Principal segmento de atuação

A empresa é

Distribuidora

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Internet

62

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

Porto Feliz

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

www.exsuper.com.br

Tietê

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

(11) 4223-1550

www.finder.com.br

São Caetano do Sul

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

(11) 2087-6000

www.fortlight.com.br

Guarulhos

SP

X

X

X

X

X

X

X

FT Automação

(11) 3231-4333

www.ft.com.br

São Paulo

SP

X

Heleno Ferreira

(11) 3305-3343

www.dnvgl.com.br

São Paulo

SP

Maccomevap

(21) 2687-0070

www.maccomevap.com.br

Rio de Janeiro

RJ

Maex Engenharia

(19) 9455-5266

www.maexengenharia.com.br

Santa Bárbara D'oeste

SP

Magnani Mat Elétricos

(54) 4009-5255

www.magnani.com.br

Caxias do Sul

RS

Melfex

(11) 4072-1933

www.melfex.com.br

Diadema

Naville

(11) 2431-4500

www.naville.com.br

OBO BETTERMANN

(15) 3335-1382

Polar Componentes Poleoduto

X

X

X

X

X X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

SP

X

X

X

X

X

X

www.obo.com.br

Sorocaba

SP

X

X

X

(22) 2105-7777

www.polarb2b.com

Macaé

RJ

(11) 2413-1200

www.poleoduto.com.br

Arujá

SP

Proauto

(15) 3031-7400

www.proautomacao.com.br

Sorocaba

SP

X

X

X

PROEX

(21) 2195-9244

www.proexrio.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

X

X

PROJECT-EXPLO

(11) 5589-4332

www.project-explo.com.br

São Paulo

SP

X

X

Renetec

(11) 4991-1999

www.renetec.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

Rittal Brasil

(11) 3622-2377

www.rittal.com

São Paulo

SP

X

X

X

S.P.T.F.

(11) 2065-3820

www.sptf.com.br

São Paulo

SP

X

X

SCHMERSAL

(15) 3263-9800

www.schmersal.com.br

Boituva

SP

X

X

Sense

(11) 2145-0421

www.sense.com.br

Sao Paulo

SP

X

X

Steute do Brasil

(19) 3836-2414

www.steute.com.br

Vinhedo

SP

X

TELBRA-EX IND. E COMERCIO

(11) 2946-4646

www.telbra.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

Tramontina

(54) 3461-8200

www.tramontina.com

Carlos Barbosa

RS

X

X

X

Varixx

(19) 3301-6900

www.varixx.com.br

Piracicaba

SP

X

Vextrom

(11) 3672-0506

www.vextrom.com.br

São Paulo

SP

X

X

VIRTUS DISTRIBUIDORA

(11) 2463-4040

www.virtusdistribuidora.com.br

Guarulhos

SP

X

X

Weidmuller

(11) 4366-9600

www.weidmuller.com.br

Diadema

SP

X

X

X

X

Wetzel

(47) 3451-4033

www.wetzel.com.br

SC

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X X

X

X X

X X

X

X

X X

X

X

X

X

Guarulhos

Joinville

X

X

X

SP

X

X

X

X

X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X X


63

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

(48) 3462-3900

www.agpr5.com

Criciúma

SC

Alpha Equipamentos Elétricos

(11) 3933-7533

www.alpha-ex.com.br

São Paulo

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

ATEX BR

(19) 3054-7017

www.atexbr.com.br

Campinas

SP

CENTRA-EX

(19) 3708-9200

www.central-ex.com.br

Campinas

SP

Conexled

(11) 2334-9393

www.conexled.com.br

São Bernardo Do Campo

SP

CONEXÕES HAWSER

(11) 4056-7047

www.hawser.com.br

Diadema

SP

CONNECTWELL

(11) 5844-2010

www.connectwell.net.br

Taboão da Serra

SP

D´LIGHT

(11) 2937-4650

www.dlight.com.br

Guarulhos

SP

Dialight do Brasil

(19) 3113-4300

www.dialight.com

Indaiatuba

SP

X

X

X

X

X

X

X

0800-00-32866

www.eaton.com.br

Porto Feliz

SP

X

X

ExSuper

(15) 4062-9447

www.exsuper.com.br

Tietê

SP

X

X

X

X

X

X

FINDER

(11) 4223-1550

www.finder.com.br

São Caetano do Sul

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

FORTLIGHT

(11) 2087-6000

www.fortlight.com.br

Guarulhos

SP

FT Automação

(11) 3231-4333

www.ft.com.br

São Paulo

SP

X

Heleno Ferreira

(11) 3305-3343

www.dnvgl.com.br

São Paulo

SP

Maccomevap

(21) 2687-0070

www.maccomevap.com.br

Rio de Janeiro

RJ

Maex Engenharia

(19) 9455-5266

www.maexengenharia.com.br

Santa Bárbara D'oeste

SP

Magnani Mat Elétricos

(54) 4009-5255

www.magnani.com.br

Caxias do Sul

RS

Melfex

(11) 4072-1933

www.melfex.com.br

Diadema

X X

SP

Naville

(11) 2431-4500

www.naville.com.br

Guarulhos

SP

X

OBO BETTERMANN

(15) 3335-1382

www.obo.com.br

Sorocaba

SP

X

Polar Componentes

(22) 2105-7777

www.polarb2b.com

Macaé

RJ

Poleoduto

(11) 2413-1200

www.poleoduto.com.br

Arujá

SP

Proauto

(15) 3031-7400

www.proautomacao.com.br

Sorocaba

SP

PROEX

(21) 2195-9244

www.proexrio.com.br

Rio de Janeiro

RJ

X

X

X

X X

X

X

X

X X X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

São Paulo

SP

São Paulo

SP

X

Rittal Brasil

(11) 3622-2377

www.rittal.com

São Paulo

SP

X

S.P.T.F.

(11) 2065-3820

www.sptf.com.br

São Paulo

SP

X

SCHMERSAL

(15) 3263-9800

www.schmersal.com.br

Boituva

SP

X

X

X

X

X

Sense

(11) 2145-0421

www.sense.com.br

Sao Paulo

SP

X

X

X

X

X

Steute do Brasil

(19) 3836-2414

www.steute.com.br

Vinhedo

SP

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

www.telbra.com.br

São Paulo

SP

www.tramontina.com

Carlos Barbosa

RS

X

Varixx

(19) 3301-6900

www.varixx.com.br

Piracicaba

SP

X

X

X

Vextrom

(11) 3672-0506

www.vextrom.com.br

São Paulo

SP

VIRTUS DISTRIBUIDORA

(11) 2463-4040

www.virtusdistribuidora.com.br

Guarulhos

SP

Weidmuller

(11) 4366-9600

www.weidmuller.com.br

Diadema

SP

X

Wetzel

(47) 3451-4033

www.wetzel.com.br

Joinville

SC

X

X X

X

X

X

X

X X

X

X

X X X

X

X

X

X

X

www.renetec.com.br

(54) 3461-8200

X

X

www.project-explo.com.br

(11) 2946-4646

X

X

(11) 4991-1999

Tramontina

X

X

(11) 5589-4332

TELBRA-EX IND. E COMERCIO

X

X

Renetec

X

X

X

PROJECT-EXPLO

X

X X

Eaton, Crouse-Hinds e Blinda

X

X

X X

X

Outros

X

X

Motores elétricos

Serviços

AGPR5

Materiais e acessórios em geral para montagem

SP

Plugues e Tomadas

Barueri

Luminárias / Projetores

www.adelco.com.br

Invólucros

(11) 4199-7500

Cabos elétricos e seus acessórios

ADELCO

Painéis e quadros elétricos

Estado

Produtos, dispositivos, equipamentos para sistemas de automação (comando, controle, sinalização, alarme, etc.)

Cidade

Oferece treinamento técnico para os clientes

Site

Importa produtos acabados

Telefone

Exporta produtos acabados

Empresa

Possui corpo técnico especializado para oferecer suporte aos clientes

Produtos para Instalaçãoes para areas classificadas (EX)

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X

X

X

X

X X


Espaço 5419

Espaço 5419

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Por Hélio Sueta*

Reflexões e cuidados para se fazer uma boa análise de risco A análise de risco conforme a ABNT

de proteção necessárias. Um projetista pode

NBR 5419-2: 2015 é uma ferramenta muito

escolher um SPDA com um nível de proteção

importante para a definição das medidas

melhor e as MPS não tão boas ou o contrário.

de proteção contra os efeitos danosos das

descargas atmosféricas.

uma boa análise de risco:

A seguir, algumas dicas para desenvolver

Os programas e as planilhas desenvolvidas

baseadas na parte 2 da norma auxiliam

• Posso aproximar um prédio com uma área

bastante nesta tarefa que é árdua se realizada

em forma de “H” para um em forma de cubo?

a mão. Esta ajuda é importante, porém, os

Nesta aproximação, a área de exposição

profissionais que atuam nesta área não podem

equivalente poderá ser um pouco maior que

deixar de estudar a norma, entender o uso de

a real, mas o resultado final estará a favor

cada parâmetro e procurar sempre a melhor

da segurança, daí, na minha opinião, pode.

solução para cada caso estudado, confiando

É muito mais fácil calcular utilizando apenas

apenas no resultado da planilha.

largura, comprimento e altura.

A procura de um risco com valor inferior

• Tenho que considerar sempre uma

ao tolerável (definido pela norma) não pode

estrutura adjacente? Não. Por exemplo, para

simplesmente ser o único objetivo da análise

a linha de energia, quando não se conhece

de risco. Geralmente, o resultado obtido

a subestação de energia à qual a linha está

representa as medidas de proteção mínimas

ligada, esta se localiza a mais de 1000 metros.

aplicáveis à estrutura, mas nem sempre as

• Como defino a localização da minha

melhores medidas de proteção que a boa

estrutura? Observo ao redor dela até três

prática indicaria.

vezes a altura da estrutura (se for h=10 metros,

Como exemplo, se a minha análise

considero 30 metros ao redor) e vejo que

de risco indicar que nenhuma medida de

tipos de estruturas estão na área de exposição

proteção é necessária para minha casinha de

equivalente (mais altas, igual, mais baixas,

campo, mas nela estão meus computadores

nenhuma?).

com dados valiosos, às vezes sem backup, vou

• Posso considerar a cobertura metálica da

deixar de instalar os dispositivos de proteção

estrutura como subsistema de captores e os

contra surtos? Neste caso, outras normas, por

demais subsistemas com um nível de proteção

exemplo a ABNT NBR 5410, podem indicar

diferente de I? Neste caso refaça a análise de

o uso, mas, na prática, sabemos que, de uma

risco sem considerar a cobertura metálica e

forma geral, são poucas as estruturas que

determine o nível de proteção para descidas

possuem este dispositivo instalado.

e aterramento. Dependendo da espessura da

Um procedimento bastante aceitável

cobertura metálica e o conteúdo da estrutura,

seria definir as medidas de proteção para

pode utilizar esta cobertura e a quantidade de

a estrutura conforme a boa prática e depois

descidas e anel de aterramento conforme o

calcular os riscos conforme a parte 2 da norma.

nível de proteção determinado.

Se estiverem dentro do tolerável, ótimo; se

• Se tiver extintores manuais e alarmes

não, melhoram-se as medidas e calcula-se

automáticos, qual parâmetro utilizo? Depende

novamente. O problema, neste caso, podem

do tempo que os bombeiros conseguem

ser as licitações onde se comparam soluções

chegar à estrutura, se for inferior a 10 minutos,

diferentes para a mesma estrutura. O mesmo

utiliza a opção alarmes automáticos que

pode acontecer quando se considera a

devem estar protegidos contra sobretensões,

estrutura sem proteção nenhuma e, através da

se não, extintores manuais.

análise de risco, vão se definindo as medidas

• Como defino os comprimentos das


65

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

linhas? Veja artigo publicado nesta revista, na

cobertos com uma camada de, pelo menos,

de evacuação e da quantidade de pessoas

edição 131, de dezembro de 2016.

3 mm de polietileno reticulado (ver Tabela B.1

na estrutura. Estruturas destinadas a eventos

• Como escolho o fator ambiental? Cuidado

da parte 2).

com muitas pessoas podem ter um alto nível

que este fator ambiental se refere às linhas,

• O que posso considerar como restrição

de pânico (eventos culturais, esportivos com

portanto, no caso de uma linha no campo

física? Para cabos de descidas, cercas, floreiras

mais de 1000 pessoas), estruturas mais baixas

totalmente cercada por árvores mais altas, este

permanentes, grades que impeçam que uma

(até dois andares) e com até 100 pessoas

fator pode ser considerado urbano e não rural.

pessoa toque (ou fique muito perto) dos

podem ser consideradas com um baixo nível

• Quando posso considerar que a linha é

cabos e nos casos do uso das colunas de

de pânico.

enterrada dentro de uma malha de aterramento?

concreto armado como descida. Para as linhas

• Como faço para calcular o risco de

Quando a malha de aterramento está acima da

de energia, quando estas estão embutidas na

perda de valor econômico se não tenho os

tubulação completa (da subestação ao quadro

parede e quando não for possível tocar nas

valores monetários envolvidos? Pode tentar

de entrada, por exemplo) contendo os cabos

tubulações ou ficar perto destas.

utilizar alguns valores estimados, mas muito

metálicos da linha.

• Em relação à blindagem espacial, como

provavelmente obterá resultados com pouca

• O que é uma linha com conexão na

considero os parâmetros Wm1 e Wm2? Estes

precisão.

entrada indefinida? Quando esta linha não

parâmetros estão relacionados às larguras de

• Animais de estimação podem entrar

está referenciada ao BEP através de DPS ou a

uma eventual blindagem em forma de grade

no cálculo? Não, apenas animais com valor

sua blindagem não está interligada ao BEP.

ou com as distâncias entre os condutores de

econômico, por exemplo, cavalos de raça

• Em quais situações considero que não há

descidas externas e as distâncias entre os

em haras, aves criadas em granjas para serem

linhas externas? Quando estamos estudando

anéis de interligação entre as descidas ou

comercializadas, etc.

uma “zona” externa, por exemplo, ou uma

o espaçamento entre colunas metálicas ou

• Tenho que calcular R2 (perda de serviço

estrutura que possua geração própria (por

de colunas de concreto armado utilizadas

ao público) para todas as estruturas? Não.

exemplo, geração fotovoltaica na cobertura).

como descidas (ver item B.5 da parte 2 da

Apenas para aquelas que fornecem serviços

• Como escolho a tensão suportável de

norma). Estes valores podem ser utilizados se

ao público, por exemplo, subestações de

impulso do sistema? Em função da tensão

forem menores que 8,333 metros, e se forem

energia, estações de tratamento de água,

suportável dos equipamentos alimentados

superiores, limitar a 8,333 metros, pois KS1 e

empresas de telefonia, emissoras de televisão,

pelo quadro de distribuição em questão.

KS2 não podem ser maiores que 1.

empresas fornecedoras de gás. No entanto,

Utilizar a tensão suportável mais baixa entre

• Tenho que considerar o número exato de

ao se considerar R2 com valor dentro do

todos os equipamentos.

pessoas em cada Zona de estudo e o tempo

tolerável para outros tipos de estruturas, os

• Como faço se não tenho o valor da

de exposição na zona? Não. Tente estimar

equipamentos elétricos e eletrônicos poderão

resistência da blindagem do cabo? Procure

valores aproximados perto do real, pois

estar mais protegidos em relação aos surtos

no catálogo do fabricante, se não encontrar,

valores exatos não são possíveis. Quanto ao

devido às descargas atmosféricas.

utilize a opção com valor mais crítico, a favor

tempo de exposição, também o mais perto da

da segurança.

realidade, se não, vá a favor da segurança e

Estas são algumas dicas que podem

• Como considero o roteamento dos

utilize 8760 horas, que correspondem a todas

auxiliar em uma análise de risco conforme a

cabos? A norma indica nas notas da Tabela

as horas do ano.

ABNT NBR 5419-2: 2015. São dicas gerais

B.5 da parte 2 as áreas dos laços aproximadas

• Como faço para utilizar um tipo de

que devem ser adaptadas para cada caso

e os tamanhos dos edifícios.

estrutura que não está na lista de estruturas

específico. Cada estrutura deve ser analisada

• O que é uma equipotencialização efetiva

na Tabela C.2 da parte 2? Compare com as

minuciosamente e o cálculo de risco realizado

no solo? Não está claro na norma, mas

existentes na lista: as mais críticas são as que

com bastante cautela devido à grande

acredito que, tendo o anel de aterramento

possuem risco de explosão, os hospitais,

quantidade de parâmetros envolvidos.

adequado, interligado ao BEP, junto com

hotéis, escolas; depois os com grande acesso

Medidas de proteção melhores que

as tubulações metálicas enterradas e outras

de pessoas (shoppings, igrejas, museus,

as definidas na análise de risco podem –

linhas enterradas equipotencializadas no BEP

cinemas, teatros); depois as industriais,

e em alguns casos devem – ser utilizadas

são condições suficientes para ter um PTA

comerciais e, finalmente, a opção “outros”,

dependendo do uso da estrutura analisada.

igual a 10-2.

que devem ser utilizadas para estruturas mais

A análise de risco realizada conforme

• Tenho que ter avisos de alerta em todas

simples que as citadas, tais como edifícios

a parte 2 da ABNT NBR 5419: 2015 não

as descidas? Nas descidas acessíveis sem

residenciais e casas.

garante a possibilidade de acidentes devido

barreiras, em locais onde possam transitar

• Em

pessoas.

como especifico o fator hZ? Este fator está

• O que é uma isolação elétrica para fins

relacionado ao nível de pânico que pode

de tensão de toque e passo? A utilização de

acontecer no caso de incêndio devido às

*Hélio Eiji Sueta é doutor em Engenharia Elétrica e

cabos de descidas especiais, por exemplo,

descargas atmosféricas. Depende da forma

secretário da CE-003.064-10.

relação

aos

perigos

especiais,

às descargas atmosféricas, principalmente os referentes aos efeitos indiretos das mesmas.


66

Espaço SBQEE

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Conexão de fontes renováveis e seus impactos para a qualidade de energia elétrica

A grande mudança de era que

não distribuída (GnD), aspectos da

vivemos atualmente, a qual tem causado

qualidade da energia elétrica (QEE) em

mudanças

parques eólicos, conexão de sistemas

e

nas

trabalhistas,

relações nos

comerciais

relacionamentos

fotovoltaicos,

metodologias

para

pessoais, na forma como consumimos

compartilhamento de responsabilidades

produtos,

por distorções harmônicas, soluções

cultura

e

entretenimento,

em que celulares e tablets têm se

QEE

nas

renováveis,

tornado uma extensão de nosso corpo,

normas e limites regulatórios e estudos

pouco a pouco, vem chegando ao

para conexão de fontes de energias

setor elétrico. Seja pela adoção de IoT,

renováveis

conceitos de Smart Grids e o aumento

potência

considerável de geração distribuída,

aspectos

o grande desafio da engenharia em

como o entrelaçamento enkáptico de

nosso setor está em como lidar com

parâmetros elétricos e de sistemas

alguns aspectos negativos destes novos

Irredutíveis e robustez como métrica

conceitos e tecnologias, conscientes de

da qualidade considerando a inserção

que a mudança é necessária e benéfica

de renováveis. Os principais fenômenos

a toda a sociedade brasileira.

elétricos observados nestas conexões,

no

sistema

(SEP). e

Também

conceitos

legislação,

elétrico

de

tratou

de

inovadores,

em

estudos para detecção e mitigação de

parceria com o Laboratório de Redes

distúrbios, aspectos sobre a medição

Elétricas

no

Neste

sentido, Avançadas

a

SBQEE

(LGrid)

realizou

ponto

de

conexão,

além

de

em São Paulo um workshop voltado

discussão de casos reais, enriqueceram

para empresas e profissionais do setor

a

elétrico nacional sobre os impactos

(enkapsis)

dos

da conexão de fontes renováveis de

palestras,

a

energia, como eólicas e fotovoltaicas,

redondas permitiu a integração das

para a qualidade de energia elétrica.

temáticas através de questionamentos

As palestras apresentaram os desafios

bem focados pelos participantes do

da geração distribuída (GD) e geração

evento.

compreensão

do

entrelaçamento

temas.

realização

Além de

das mesas


67

Espaço SBQEE

Fotos do workshop “Conexão de fontes renováveis e seus impactos para a qualidade da energia elétrica”, realizado em dezembro na Poli/USP.

Acesse também o site da SBQEE para ter acesso à versão pdf de todas as apresentações).

Assim, a SBQEE age alinhada à sua

visão de promover o desenvolvimento científico e tecnológico na área de qualidade

da

consonância

energia

com

os

elétrica,

em

interesses

da

sociedade brasileira. Também busca contribuir em sua missão de promover a difusão de informações, conhecimentos e a discussão de temas relacionados Assim,

observando

a

interde­

eólica,

respectivamente,,

os

quais,

pendência e a correlação entre os

desde já, comprometem a qualidade

temas abordados em cada palestra do

de energia em redes com grande

workshop, ministradas por profissionais

penetração destas fontes.

de destaque no assunto “Qualidade da

Energia Elétrica” no cenário elétrico

conhecimento, e mediante autorização

nacional e internacional, ficou óbvia a

geral dos presentes no workshop, o

necessidade de avançar na pesquisa e

evento foi registrado em vários vídeos,

desenvolvimento nesta área, buscando

que estão disponibilizados no recém-

a

como

criado Canal da SBQEE no Youtube.

sobretensões e distorções harmônicas

(Vide link da playlist para ter acesso

causadas por geração fotovoltaica e

aos vídeos de todas as apresentações.

solução

de

problemas

Por fim, como estratégia de gestão do

à

área

de

qualidade

da

energia

elétrica em todos os seus aspectos – pesquisa, desenvolvimento, inovação tecnológica,

ensino,

industrialização,

regulamentação e normatização, bem como promover o intercâmbio com outras sociedades similares. Site: www.sbqee.org.br YouTube: http://bit.ly/2GTPW6h (ou procure por SBQEE no YouTube.com) Diretoria da SBQEE – Gestão 2017-2019


68

Proteção contra raios

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Jobson Modena é engenheiro eletricista, membro do Comitê Brasileiro de Eletricidade (Cobei), CB-3 da ABNT, onde participa atualmente como coordenador da comissão revisora da norma de proteção contra descargas atmosféricas (ABNT NBR 5419). É diretor da Guismo Engenharia | www.guismo.com.br

Proteção contra descargas atmosféricas nas telecomunicações* de

da PDA, muito embora a maior parte das

de compatibilidade eletromagnética para

perturbação eletromagnética que podem

medidas de proteção possa ser realizada pela

operação

afetar

própria topologia do sistema.

telecomunicações instalados. A esse respeito

Dentre

as

a

diferentes

operação

de

fontes sistemas

de

dos

vários

equipamentos

de

deve-se observar que a ideia de uma baixa

telecomunicações, as descargas atmosféricas de que as características das instalações de

• Perturbações eletromagnéticas nos cabos de comunicação

telecomunicações, muitas vezes localizadas

Deve

de

importante uma configuração apropriada para

em áreas remotas e espalhadas por uma

avarias levando-se em consideração as

“dissolver” homogeneamente as correntes

grande área geográfica, fazem com que os

características do cabo (aéreo ou enterrado,

oriundas de descargas atmosféricas, evitando

sistemas de telecomunicações se tornem

blindado ou não, comprimento, tipo de

a ocorrência de potenciais de risco, do que um

bastante vulneráveis a quaisquer dos efeitos

isolamento, etc.) e o ambiente em que está

baixo valor de resistência para a terra, muito

de raios que ocorram na região.

instalado (resistividade do solo, área rural

embora um baixo valor deve ser objetivado

são as mais importantes. Isto deve-se ao fato

ser

estimado

o

risco

resistência de terra não significa proteção contra descargas atmosféricas – é muito mais

de

ou não, etc.). Uma vez identificados o cabo

sempre que for técnico-economicamente

descargas

e sua instalação, é possível calcular-se a

viável. O sistema de aterramento é também

atmosféricas e seus efeitos deverão ser

necessidade de medidas de proteção, que

o principal mecanismo de proteção contra os

consideradas todas as possíveis entradas

podem incluir o uso de DPSs (Dispositiivo

campos eletromagnéticos originados pelas

elétricas, incluindo:

de Proteção contra Surtos) ou outras

correntes das descargas atmosféricas.

Para

a

proteção

telecomunicações

de

sistemas

contra

alternativas, de forma a garantir que o

• Proteção das estruturas contra descargas diretas

cabo e os equipamentos interligados se

• Sistema de energia

apresentem dentro dos limites para o

Deve ser implementada uma PDA -

risco de avarias tolerado, a ser definido

deve ser considerada como uma ligação

Proteção contra Descargas Atmosféricas,

em projeto. Surtos de tensão e corrente

do sistema de telecomunicações a várias

tendo

diferentes

induzidos por descargas atmosféricas que

fontes

prédios,

não atingem diretamente as estruturas do

além da própria fonte de energia. Devem

etc.) instaladas em um determinado local

sistema de telecomunicações, mas que,

ser consideradas neste aspecto tanto as

(resistividade do solo, densidade de raios,

por acoplamento resistivo ou indutivo,

variações de tensão (sobretensão, “fickers”,

etc.). A eficiência da PDA deve estar de acordo

ocasionam o aparecimento de tensões/

harmónicos, etc.) quanto os surtos de

com a análise de risco a ser desenvolvida na

correntes no sistema, são a principal

tensão/corrente (gerados por descargas

parte 2 da ABNT NBR 5419:2015.

causa de avarias em equipamentos de

atmosféricas ou chaveamento de cargas

telecomunicações.

indutivas).

• Proteção contra pulsos eletromagnéticos

• Sistema de aterramento

(continua…)

em

estruturas

consideração (torres

de

as

antenas,

A rede pública de distribuição de energia

de

perturbação

eletromagnética,

A proteção contra pulsos eletromagnéticos

Devem ser levados em consideração

(LEMP - Lightning Electromagnetic Pulse)

os requisitos indicados pelo projeto da

*Participação do Engenheiro Roberto Menna

também deve ser objetivada no projeto

PDA,

Barreto

como

também

as

necessidades


NR 10

69

João José Barrico de Souza é engenheiro eletricista e de segurança no trabalho, consultor técnico, diretor da Engeletric, membro do GTT-10 e professor no curso de engenharia de segurança (FEI/PECE-USP/Unip).

O choque que vem de baixo

por conta da alta resistência do contato

mesmo possuem dispositivos de proteção

casos e ocorrências em que trabalhadores

É frequente ouvirmos a descrição de

à

apropriado

relatam ter sentido choque ao tocar

suficientemente

objetos ou partes metálicas sabidamente,

sensibilizar e fazer operar os dispositivos

efetivamente e comprovadamente ater­

de proteção convencionais (fusíveis e

radas.

disjuntores).

E vem a dúvida!

fenômenos

“Se estava aterrada, como é que deu

cachorro que não passa em certas regiões

choque?”

de piso de quintal (fio descascado sob

terra,

não

estabelecem altas

a

correntes ponto

de

e

também

costumam

ser

carentes de manutenção.

Nessas condições é que acontecem “inexplicáveis”,

como

o

o piso); minhocas que saem do chão

Ora, para compreender o caso, há a

inexplicavelmente (descarga de fase à

necessidade de lembrar que o choque

terra nas proximidades); regiões de piso

é a passagem de corrente de um ponto

inexplicavelmente em temperatura mais

a outro ponto do corpo submetidos

elevada que o restante; campainhas que

a potenciais diferentes ou, em outras

“zumbem” sem que alguém aperte o botão

palavras,

tensão.

além do inevitável aumento na fatura de

Normalmente, esse outro ponto é a terra,

energia elétrica; e uma série de outras

o próprio piso, ou ainda outra máquina ou

ocorrências que poderiam ser detectadas

outro corpo condutor que esteja na zona

por dispositivos DR, que reconhecem

de alcance.

a condição de fuga à terra e operam

interrompendo a alimentação a montante

com

diferença

de

Supondo que se trate de uma coluna

metálica de suporte de estrutura, do

da fuga.

galpão ou de um poste, cuja base está

efetivamente aterrada, e, ao tocá-la, o

IT, a ABNT NBR 5410 estabelece a

trabalhador que está com os pés no chão

obrigatoriedade de uso de DR.

tenha a sensação de choque, isso indica

que os pés que estão no chão estão em

podem ocorrer no ambiente de trabalho,

potencial diferente de zero, mesmo sendo

nas nossas residências, tanto em áreas

terra, chão. Por que isso acontece?

externas, quanto internas (laje), assim

como

Ora, condutores enterrados ou outras

Não é sem razão que, para esquemas

Figura 1 - Caixa de piso em via pública.

Figura 2 – Caixa subterrânea em ambiente industrial.

É bom lembrar que essas situações

na

via

pública,

principalmente,

estruturas de máquinas ou equipamentos

em regiões de distribuição subterrânea,

com defeito (fuga) podem colocar sob

considerando os agravantes que são

potencial diverso de 0 V a região do

instalações sujeitas à umidade e que,

piso próxima à coluna. São fugas que,

frequentemente,

esses

circuitos

nem

Figura 3 – Ponto de fuga em conexão sob o piso: o vilão escondido.


70

Energia com qualidade

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br

Eletrocussão no pré-carnaval e o bloquinho da insensatez Às vésperas do Carnaval, quando a

aqui no Brasil não corre a céu aberto.

especificação de linhas elétricas, proteção contra

população se preparava para celebrar e brindar a

O caos promovido por falta de gestão e

sobrecargas, mesmo proteção atmosférica e

boa situação do país, as boas perspectivas, a paz

de responsabilidades parece se estender aos

DPSs, curto-circuito e, principalmente, proteção

e a tranquilidade, a boa governança, sobretudo,

sistemas congêneres como os postes específicos

contra choques elétricos. Cidadãos leigos,

a honestidade e transparência de seus gestores

de iluminação pública que complementam

incluindo nossas crianças, circulam nestas áreas,

públicos, os bons propósitos de juízes generosos

os sistemas de iluminação já instalados nos

por vezes molhadas e, às vezes, até interagem

que abrem as celas para os inocentes da nação,

postes compartilhados, sinalização viária e

no acionamento do semáforo de pedestres

surge uma grande bomba e esta tem a ver com o

outros como aqueles que abrigam os malditos

quando o sistema está operante e o botão ainda

nosso quintal. Apesar da gravidade do caso aos

radares. Em construção metálica, ao contrário

não foi roubado. Como estariam as condições

nossos olhos técnicos, parece ser apenas mais

dos anteriores, que, na maioria, são de concreto,

de isolamento de um botão de acionamento de

um daqueles casos em que ninguém assumirá as

estes são merecedores de cuidados especiais.

semáforo de pedestres ali mesmo na Rua da

suas responsabilidades e, pior, não será evitada

A lamentação de todos com o acidente e a

Consolação em dia de chuva?

de fato a recorrência.

morte do rapaz não terá nenhum efeito se as

• Os sistemas instalados estariam seguindo

Não é de hoje que assistimos a uma

providências não forem tomadas. Alguns pontos

quais recomendações?

desorganização generalizada no uso dos

de reflexão:

• Será que os responsáveis pelos serviços (entenda-se

executor

abrigar os circuitos primários em seu topo,

• A quais normas os serviços de projeto,

subcontratado,

mantenedor

transformadores em alguns deles e circuitos

instalação e manutenção de sistemas de

estão habilitados para tal? Todos possuem

secundários de alimentação das residências em

iluminação

engenheiros eletricistas em seus quadros e que

baixa tensão. Sistemas de iluminação pública

Semáforos, radares, placas iluminadas, etc.)

com transformadores, circuitos e luminárias

estariam relacionadas? Estas normas estariam

também convivem bem na mesma estrutura.

atualizadas e garantiriam a proteção adequada?

Sistemas de telecomunicações classicamente

Normas de Iluminação pública, como a ABNT

toma conta da rua da Consolação em São Paulo,

os utilizam também e assim foi durante

NBR 5101, estão focadas em atendimentos às

paradoxalmente, uma avenida de luz (a rua é

décadas com respeito de limites e mesmo

condições fotométricas das vias, outras estão

referência por concentrar lojas especializadas

“lugares geométricos”, onde os componentes

relacionadas às próprias luminárias quanto a

em equipamentos de iluminação). Indiferença de

das diversas especialidades poderiam estar.

aspectos de desempenho e mesmo robustez

tudo aquilo que consideramos importante sob

Poderiam! Ocorre que, em um curto lapso de

eletromecânica e componentes como a portaria

os aspectos técnicos e de responsabilidade.

tempo, outras especialidades de sistemas de

20 do Inmetro.

Justificativas e desculpas a população ouve o

comunicação também tomaram conta dos

• A ABNT NBR 5410 – Instalações elétricas

tempo todo, aliás, das mais imbecis possíveis.

postes, surgiram sistemas de TV a cabo, fibras

em baixa tensão, apesar de contemplar todas

Cidade linda não é o suficiente, são necessários

óticas de aplicações e concessões em uma

as premissas e prescrições a estes tipos de

segurança e profissionalismo em todos os

densidade nunca antes ocorrida. O emaranhado

instalações, tem em seu início uma restrição de

aspectos. Chega de gambiarras.

físico de cabos e afins lembra situações comuns

aplicabilidade em sistemas de iluminação pública.

de registros que circulam pelas redes sociais.

Poderia ao menos inspirar e, porque não, ser

Agradecimento ao professor Isac Roizemblatt pelas

Sorte que, ao menos, boa parte de nosso esgoto

copiada nestas aplicações em seus aspectos de

sugestões técnicas ao texto.

postes públicos, originariamente utilizados para

pública

e

congêneres

(CFTV,

contratado e

e

fiscalização)

exercem o controle e fiscalização? A sombra da indiferença e da incompetência


72

Instalações Ex

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Roberval Bulgarelli é consultor técnico e engenheiro sênior da Petrobras. É representante do Brasil no TC-31 da IEC e no IECEx e coordenador do Subcomitê SC-31 do Comitê Brasileiro de Eletricidade (Cobei).

Requisitos para avaliação de conjuntos de equipamentos pré-montados para instalação em atmosferas explosivas – Parte2/2

Durante o processo de certificação

proteção associadas, os circuitos óticos

cujos certificados possuem o sufixo “X”.

de um Skid que contém a montagem

inerentemente seguros, os sistemas de

Devem

de diversos equipamentos “Ex”, existe

monitoração e controle associados com

casos de certificação de Skids “Ex” se

a preocupação, por parte de organismo

invólucros pressurizados.

os requisitos relacionados com os tipos

de certificação, da conformidade de

Em uma certificação de um Skid

de proteção “Ex”, grupos, classe de

segurança não somente dos equipamentos

“Ex” devem ser verificados também os

temperatura e EPL dos equipamentos

“Ex” de forma individual, cada um com

requisitos específicos para as complexas

“Ex” instalados, estão adequados para

seus tipos de proteção “Ex”, mas também

e difíceis montagens de roscas, parafusos,

a

do conjunto como um todo. Isso inclui a

prensa-cabos,

e

subterrâneas de carvão (Grupo I) ou

necessidade de avaliação não somente

demais acessórios à prova de explosão

gases inflamáveis (Grupo II) ou de poeiras

dos equipamentos “Ex” individuais, mas

em invólucros metálicos flangeados ou

combustíveis (Grupo III) do local de

também dos requisitos de montagem deste

roscados com o antigo tipo de proteção

instalação pretendida para o Skid “Ex”.

“pacote” que está sendo certificado, sob o

Ex “d” que possuam entradas diretas.

ponto de vista dos requisitos específicos

elaboração de nova norma técnica pelo

de

invólucros com tipos de proteção Ex “e” e Ex

TC 31 da IEC:

instalação

elétricos,

destes

Deve também ser verificado se os

classificação

de

verificados

áreas

de

nos

minas

Discussões no IECEx e solicitação de

automação,

“t” possuem uma montagem que assegure

Em

o grau de proteção (Código IP) requerido

“lacuna” em termos de procedimentos de

locais contendo atmosferas explosivas.

pelo local da instalação e se os circuitos

certificação de conjuntos de equipamentos

de

de aterramento e de equipotencialização

“Ex”, foi decidido em 2014, de comum

certificação de conjuntos pré-montados

estão provendo uma proteção adequada

acordo pelos 33 países membros do IECEx

contendo a instalação de equipamentos

contra o risco de centelhamento devido

(incluindo o Brasil), durante as reuniões

“Ex”

ao acúmulo de cargas eletrostática. Além

plenárias do IECEx realizadas na Holanda,

de

disso, os organismos de certificação

a necessidade de elaboração de uma nova

são

diversos montagem

frequentes

avaliados requisitos em

de

seladoras

ser

de telecomunicações e mecânicos para Nos

eletrônicos,

equipamentos

unidades

ainda

processos

e

certificados

específicos

atmosferas

função

da

existência

desta

explosivas,

devem verificar, nos frequentes casos

norma técnica internacional da série IEC

relacionados por exemplo, às memórias

de certificação de Skids “Ex”, se estão

60079, a ser elaborada pelo TC 31 da

de cálculo dos parâmetros de entidade

adequadamente

os

IEC, de forma a abordar especificamente

de cada um dos circuitos intrinsecamente

requisitos especiais de instalação segura

o assunto envolvendo a avaliação de

seguros, incluindo as suas barreiras de

indicados na Seção “X” dos equipamentos

conjuntos de montagens de equipamentos

atendidos

todos


73

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Figura 1 – Exemplo de conjunto de equipamentos prémontados para instalação em atmosferas explosivas.

Marcação de montagens de equipamentos “Ex”

“Ex”. O objetivo da nova norma é de servir

conjunto pré-montado do tipo Skid “Ex”.

de procedimento de montagem por parte

Até que esta norma internacional

dos “fabricantes” ou dos “integradores”

IEC TS 60079-46 fosse elaborada pelo

de conjuntos de montagem “Ex”, bem

TC-31 da IEC, a Folha de Decisão do

como de procedimento de certificação

IECEx ExTAG DS 2015/001A apresentou

norma IEC TS 60079-46 sobre avaliação

“padronizado” para os diversos organismos

as

a

de Skid “Ex”, deve ser atribuída uma

de certificação envolvidos com a avaliação

certificação de Skids “Ex”. Esta Folha

marcação “Ex” ao Skid como um todo,

deste tipo de produto “Ex” que utilizam as

de Decisão encontra-se disponível para

em conformidade com os requisitos das

normas técnicas da série IEC 60079.

acesso público em português do Brasil

normas IEC 60079-0 e ISO 80079-36.

orientações

necessárias

para

De acordo com os requisitos da nova

no site do IECEx: www.iecex.com

O Skid deve ser marcado como “60079-

em nível mundial, foi discutido no âmbito

Naquele documento do IECEx são

46”, considerando todos os tipos de

do IECEx entre diversos organismos

apresentadas orientações padronizadas,

proteção “Ex” dos equipamentos elétricos

de

a

diversos

ou mecânicos que estejam instalados,

equipamentos, montagens e instalações

Organismos de Certificação, de forma

incluindo os casos mais restritivos de

“Ex”, tendo sido chegado um consenso

que todas as montagens e interligações

grupo, classe de temperatura, temperatura

geral. A Folha de Decisão (Decision

entre os diversos equipamentos “Ex”

de superfície e EPL. O nome do fabricante

Sheet) ExTAG DS 2015/001A elaborada

sejam devidamente avaliadas, verificadas

a ser indicado nesta marcação é aquele que

em 2015 estabeleceu, de comum acordo

e

tenha feito a montagem dos equipamentos.

entre os países membros do IECEx,

requisitos

incluindo o Brasil, os requisitos mínimos

durante o processo de certificação de

norma IEC TS 60079-46 podem ser

a serem aplicados pelos organismos de

todo o conjunto pré-montado (“Skid”)

encontradas em: https://webstore.iec.ch/

certificação quando da certificação de um

“Ex”.

publication/31294

Este assunto, que possui abrangência

certificação

envolvidos

com

serem

seguidas

consideradas, da

de

Norma

pelos

acordo IEC

com

os

60079-14,

Mais

informações

sobre

a

nova


74

Dicas de instalação

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Por Alexsandro Labbate*

Inovação no setor de energia e seu impacto no serviço

À medida que inovadores tecnológicos

atendimento ao cliente e o setor de Utilities

redefinem

deve estar preparado para tirar proveito da

constantemente a experiência do consumidor,

tecnologia e incorporá-la em sua estratégia

a expectativa de hoje em relação ao nível de

global de negócios.

como

a

Amazon

e

Netflix

serviço prestado tornou-se sem precedentes em todas as indústrias, inclusive no setor de energia e de utilities. Tecnologias novas

Internet das Coisas (IoT) no setor de energia

e emergentes, como assistentes virtuais, redefiniram o serviço "sob demanda" e todos

os segmentos precisam se adaptar para

conectadas serão utilizadas mundialmente

manterem-se competitivos.

em 2020, gerando novas oportunidades para

Em 2017 o Brasil voltou a receber

os serviços no setor de energia. Os sinais

investimentos no setor de energia. Nos

enviados de e para dispositivos conectados

primeiros três meses do ano, o ingresso de

estão crescendo exponencialmente à medida

capital estrangeiro atingiu US$ 5,560 bilhões,

que mais dispositivos conectados emergem.

quase o dobro do total registrado em todo o

O uso de Big Data, Machine Learning,

ano de 2016. Além disso, o governo federal

Inteligência Artificial (IA) e armazenamento em

anunciou que pretende concluir a reforma

nuvem juntos fornecem informações valiosas

proposta para a regulamentação do setor já

de uma abundância de dados. A comunicação

no início de 2018, o que deve impulsionar

proveniente da Internet das Coisas (IoT) e

ainda mais o mercado.

do Machine-to-Machine (M2M) permite um

Os serviços públicos são tradicionalmente

com pouca ou nenhuma intervenção humana.

e, muitas vezes, avessos ao risco como

Os benefícios para as organizações são

resultado. Isso pode tornar mais lenta a

grandiosos. Aplicações de monitoramento

adoção de novas tecnologias, mesmo que

remoto podem economizar bilhões em custos

a mudança apoie uma abordagem centrada

com transporte e gerenciamento de força

no cliente. No entanto, para que as empresas

de trabalho para as empresas de energia.

do mercado de Utilities consigam prosperar,

Com os potenciais efeitos positivos sobre a

devem incorporar tecnologias inovadoras

experiência do cliente e seu valor comercial

que proporcionem respostas mais rápidas,

associado, fica evidente a necessidade de

dispositivos conectados estão

incluindo uma estratégia preventiva.

acompanhar a inovação.

crescendo exponencialmente à

Aliada a essa necessidade imediata de

Usinas elétricas, por exemplo, podem

disrupção das empresas, a questão é: como

utilizar equipamentos habilitados para IoT

os serviços públicos podem manter o ritmo?

para suportar um grid, enviando detalhes

A inovação provou impulsionar melhorias no

de desempenho para grandes instalações

de "coisas" conectadas serão utilizadas mundialmente em 2020, gerando novas oportunidades para os serviços no setor de energia. Os sinais enviados de e para

medida que mais dispositivos conectados emergem.

indústria

altamente

nível de decisões e ações automatizadas

regulamentada

Estima-se que 20,8 bilhões

uma

Estima-se que 20,8 bilhões de "coisas"


75

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

de Big Data que podem então sinalizar

As empresas de energia devem adotar

problemas ao centro de controle. Aliando

a inteligência artificial para aprimorar o

esse tipo de tecnologia às ferramentas de

agendamento,

gerenciamento de serviços em campo, os

colaboradores automaticamente de acordo

problemas tornam-se menos prejudiciais:

com as mudanças no ambiente, incluindo

quando

ajustando

o

envio

dos

o

clima e condições do trânsito. Com base em

técnico mais adequado pode ser enviado

fatores, como demografia do cliente, histórico

com

conhecimentos

do consumidor e tipo de tarefa, a tecnologia

uma

consegue

as

um

problema

ferramentas

necessários,

é e

promovendo

sinalizado,

solução

antecipar

cancelamento

de

a

probabilidade

rápida e estratégica em apenas uma visita. As

de

interrupções e outros problemas que causam

automatizar lembretes para chamadas de

compromissos

e

maiores dores de cabeça para os clientes

maior risco e, com isso, preparar o técnico

podem ser resolvidos com mais rapidez por

para essa possibilidade.

meio de sensores incorporados, que fazem a manutenção online de todos os equipamentos e oferecem visibilidade de sua saúde. Em vez

Inovação e elemento humano no setor de energia

de o cliente detectar um grande problema, o sensor pode fornecer atualizações em tempo

real capazes de prever quando o equipamento

de energia é inerentemente um provedor

pode falhar. Isso economiza o tempo e a dor

de

do cliente, melhorando sua experiência.

oportunidades disponíveis para os serviços

É importante ter em mente que o setor serviços.

Apesar

das

significantes

de energia atenderem aos padrões de serviço

Inteligência artificial no setor de energia

esperados pelos clientes, o verdadeiro segredo é combinar estrategicamente as capacidades tecnológicas com as habilidades

A Inteligência Artificial (IA) é definida

do técnico. O que garante a excelência do

como "simulação da inteligência humana

serviço não é tecnologia em si, mas sim

processado por máquinas, especialmente

as tarefas que ela consegue realizar para

sistemas de computador". O termo também

liberar um técnico ou engenheiro humano -

inclui tecnologias como robótica e processos

ou para aumentar as capacidades humanas.

como a automação. De acordo com Andy

Falar sobre automação, inteligência artificial

Peart, da Artificial Solutions, "até 2020, a

e internet das coisas pode gerar certo

inteligência artificial será tão crítica para os

receio nos trabalhadores que temem serem

negócios e para o atendimento ao cliente

substituídos por máquinas, mas a realidade

como o website foi há 20 anos, ou o aplicativo

é que a inovação funciona melhor como um

móvel foi cinco anos atrás". A IA é capaz de

híbrido de tecnologia e trabalho humano. As

processar grandes quantidades de dados de

empresas que, estrategicamente combinarem

maneira muito mais rápida do que os humanos.

funcionários qualificados com tecnologias

Para o setor de energia, isso significa que os

inovadoras, não só conseguirão produzir um

processos automatizados podem lidar com as

serviço diferenciado como aprimorarão sua

tarefas repetitivas e demoradas, aumentando

imagem e vantagem competitiva no mercado.

a eficiência, enquanto os funcionários se concentram no trabalho e no atendimento ao

*Alexsandro Labbate é diretor global de

cliente, que requer um elemento humano.

Marketing da ClickSoftware.


76

Agenda 2 e 3 de abril

6º Fórum Cenocon

Descrição

Informações

O 7º Fórum sobre Centros de Operação e Controle das Empresas de Energia Elétrica (Cenocon) discutirá os novos cenários e experiências em desenvolvimento sobre a transformação dos centros de operação e controle das empresas de energia. Entre os assuntos tratados, estarão os desafios para a operação do sistema elétrico, automação, fiscalização, novas formas de geração de energia, análise da operação e desempenho do sistema. O evento é direcionado a todos os profissionais que atuam nos setores de operação, engenharia, planejamento, projeto e demais áreas do mercado de energia elétrica.

Local: Pestana City & Conference Hotel São Paulo (SP) Contato: (11) 3051-3159 rpmbrasil@rpmbrasil.com.br

Eventos

10 e 11 de abril

Colóquio sobre Materiais Dielétricos e Técnicas Emergentes de Ensaios e Diagnóstico

Descrição

Informações

Realizado pelo Cigré-Brasil, o 3º Colóquio sobre Materiais Dielétricos e Técnicas Emergentes de Ensaios e Diagnóstico (III CMDT) tem o objetivo de disseminar conhecimento e promover discussões técnicas sobre o tema. O seminário tem foco nas áreas de caracterização e avaliação de desempenho de materiais isolantes elétricos e técnicas para avaliação de desempenho de sistemas isolantes elétricos, bem como aspectos ambientais associados à utilização de materiais isolantes sólidos, líquidos e gasosos. Serão apresentados trabalhos inéditos nos seguintes tópicos: fluidos isolantes, tecnologias emergentes, técnicas de ensaio, medição, monitoramento e diagnóstico.

Local: Auditório Cemig – Belo Horizonte (MG) Contato: eventos@cigre.org.br www.cigrecmdt.com.br

10 a 13 de abril

Feicon Batimat

Descrição

Informações

A Feicon Batimat é considerada uma referência nos setores da construção civil e arquitetura. Segundo a organização, o evento conta com cerca de 700 marcas nacionais e internacionais e 90 mil visitantes em uma área de exposição de 85 mil metros quadrados. Os visitantes da feira, em sua maioria, são constituídos por: arquitetos, atacadistas, construtores, distribuidores, engenheiros, paisagistas, representantes comerciais, varejistas, entre outros.

Local: São Paulo Expo – SP Contato: (11) 3060-4717 atendimento@reedalcantara.com.br www.feicon.com.br

24 a 27 de abril

Expolux

Descrição

Informações

A 16ª edição da Feira Internacional da Indústria da Iluminação (Expolux) conta com a presença de importantes marcas expositoras. A expectativa do evento é receber cerca de 400 empresas expositoras nacionais e internacionais e, aproximadamente, 25 mil visitantes. Compõem o público esperado arquitetos, lighting designers e designers de interiores; engenheiros, projetistas e técnicos de iluminação; instaladores; investidores, incorporadores e construtores; lojistas, varejistas, distribuidores e atacadistas; órgãos públicos.

Local: Expo Center Norte - São Paulo (SP) Contato: (11) 3060-4717 atendimento@reedalcantara.com.br www.expolux.com.br

3 de abril

Cursos

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Seletividade em cabinas (online)

Descrição

Informações

O objetivo deste curso, promovido pela Engepower, é apresentar noções básicas de curto-circuito para faltas francas e por arco. O aluno aprenderá ainda a determinar ajustes e a elaborar folhas de seletividade de fase e de terra, coordenando com o relé da concessionária. O curso tem duração de quatro horas.

Local: Online Contato: (11) 3579-8768 treinamentos@engepower.com www.engepower.com

3 e 4 de abril

Gestão de perdas não técnicas nas distribuidoras de energia elétrica

Descrição

Informações

Com duração de 16 horas, este curso irá abordar todos os problemas associados a perdas não técnicas nas distribuidoras e, de forma prática, propor a adoção de técnicas e metodologias de trabalho que de fato consideram todos os custos da atividade de “proteção da receita” e também o acompanhamento real da recuperação de perdas identificadas e bem caracterizadas bem como o incremento observado nas faturas das unidades consumidoras regularizadas.

Local: Uberlândia (MG) Contato: (34) 3218-6800 www.conprove.com.br

16 a 20 de abril

Ensaios elétricos e diagnósticos em equipamentos de subestação

Descrição

Informações

Promovido pelos Institutos Lactec, este curso apresenta os fundamentos para uma adequada execução e interpretação de resultados dos ensaios de campo em equipamentos de subestações. Com duração de 32 horas, o treinamento apresenta as diversas ferramentas de diagnóstico e sua evolução em termos de ensaios tradicionais e especiais em transformadores de potência, transformadores de corrente, buchas, etc.

Local: Curitiba (PR) Contato: (41) 3361-6276 cursos@lactec.org.br


77

Ponto de vista

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

Inovação e tecnologia em fabricação de torres eólicas

O cenário energético brasileiro se mostra

Para

exemplificar,

usamos

grande

Sou otimista em relação ao mercado de

sobretudo,

parte da estrutura de uma fábrica de torres

energia renovável e acredito que o segmento

quando se trata da geração de energia

previamente instalada em Santa Vitória do

continuará

elétrica solar fotovoltaica e eólica. Em amplo

Palmar, no Rio Grande do Sul, para realizar

especialmente, depois dos leilões do ano

crescimento, essas fontes têm baixo custo de

o transporte para um novo empreendimento

passado e dos próximos, como o que está

implantação e baixo impacto ambiental, com

em Lagoa do Barro, no Piauí. Foi realizada

agendado para abril deste ano. O momento

emissão mínima de gases do efeito estufa.

uma

que

atual do país mostra que a economia

A cada dia a certeza de que essas são as

levou mais de 50 dias e contou com 300

está se restabelecendo e a demanda por

fontes de energia do futuro cresce e, para

carretas. O árduo trabalho vale a pena, pois

diversificação

que as renováveis continuem expandindo

com a fabricação local, retiramos estruturas

demonstrando o alinhamento das ações

sua participação na matriz, é necessário

imensas das malhas ferroviárias e reduzimos

nacionais com tendências globais.

investimento em soluções inovadoras e

drasticamente custos e riscos com logística.

também em novas tecnologias.

Outro diferencial é manter uma estrutura

mos preparados para as oportunidades do

De olho no crescimento do setor, é

básica nas regiões de alta demanda para

presente e do futuro, sempre buscando

preciso se destacar no mercado, entregando

equipamentos eólicos. Em um cenário no

melhoria contínua em todos os processos e

inovação,

qual a energia gerada pelos ventos tem um

atentos à queda do custo da implantação e

investimentos. A fabricação das torres eólicas

preço

como

do consumo de energia limpa e renovável, que

dentro do canteiro de obras de projetos

observamos nos resultados dos Leilões

cada vez mais se torna protagonista de um

específicos, por exemplo, é uma estratégia

de Energia Nova A-4 e A-6, conseguimos

cenário favorável para as próximas gerações.

que se mostra eficiente pelo fato de reduzir

otimizar o tempo da montagem de uma

o tempo de produção e otimizar os custos da

estrutura de fabricação de torres. Dessa

execução da obra civil.

maneira, atendemos rapidamente nossos

clientes e podemos começar a produção com

cada

vez

mais

competitivo,

tecnologia

e

otimizando

os

Mas essa não é uma tarefa fácil. Para a

ação ser realizada com sucesso é fundamental

operação

logística

extremamente

complexa

competitivo,

forte

nos

energética

próximos

é

anos,

crescente,

Nesse panorama, é imprescindível seguir­

muito mais agilidade.

ter um planejamento detalhado. Afinal, dentre

Além de todas as vantagens competitivas,

os

o

a fabricação de torres no canteiro de obras

local da obra estão os guindastes internos

traz um imenso ganho social, já que é utilizada

(elefantes) e os moldes para fabricação

mão de obra local no projeto. Tendo em vista

dos pré-moldados que formam as torres de

o máximo desempenho dos colaboradores,

concreto – cada uma tem 300 toneladas e

é recomendável que equipes especializadas

é formada por 6 dovelas de 20 metros cada,

atuem in locu e sejam responsáveis por treinar e

totalizando 120 metros por torre –, sendo

qualificar essas pessoas, que, com a transmissão

necessário ter uma frota de transportes

de conhecimento, podem desempenhar diversas

pesados envolvidos, bem como um período

funções, como: formação de armador, pedreiro,

Por Sávio Siqueira, diretor de operações do Grupo

de execução definido.

ajudante de pedreiro, etc.

Nordex

componentes

transportados

para


78

Índice de anunciantes

O Setor Elétrico / Fevereiro de 2018

4ª capa

60

Acabine 17

Conexled

(11) 2842-5672

(11) 2334-9393

(11) 4072-1933

cursos@acabine.com.br

www.conexled.com.br

contato@melfex.com.br

www.acabine.com.br 3ª capa e Fascículos

D’Light Ação Engenharia 75

(11) 293 7-4650

(11) 3883-6050

vendas@dlight.com.br

orçamento@acaoenge.com.br

www.dlight.com.br

www.acaoenge.com.br Enersolar Alpha

(11) 3933 7533

57

vendas@alpha-ex.com.br

Expolux

www.alpha-ex.com.br

www.expolux.com.br

Andaluz 55

Feicon

(27) 3041-6766 andaluz@andaluz.ind.com www.andaluz.ind.br Beghim

5

(11) 2942-4500 beghim@beghim.com.br www.beghim.com.br BRVAL

vendas@brval.com.br www.brval.com.br Chardon Group 18 (11) 98688-5711 wvalentim@chardongroup.com.br www.chardongroup.com.br

Fascículos e 23

(11) 4093-5300 vendas@novemp.com.br

Paratec 40 vendas@paratec.com.br www.paratec.com.br

71

Gimi Pogliano 49 (11) 4752-9900 www.gimipogliano.com.br 61

Premio OSE

7

(11) 3872-4404 premio@atitudeeditorial.com.br www.premioose.com.br SmartCity

45

www.smartcitybusiness.com.br/2018

(51) 3431-3855 www.ifg.com.br

THS

21

(21) 3812-3100

Novemp

(11) 3641-9063

www.feicon.com.br

IFG

www.melfex.com.br

www.novemp.com.br

51

www.enersolarbrasil.com.br

15

Melfex

Intelli

13

53

(11) 5666-5550

(16) 3820-1614 ricardo@intelli.com.br www.grupointelli.com.br Itaipu Transformadores 11

vendas@fuses.com.br www.fuses.com.br Trael

31

(16) 3263-9400

(65) 3611-6500

comercial@itaiputransformadores.com.br

comercial@trael.com.br

www.itaiputransformadores.com.br

www.trael.com.br

Cinase 9

Lukma Electric

(11) 3872-4404

(17) 2138-5050

cinase@cinase.com.br

(11) 4335-5139 | 96309-8393

lukma@lukma.com

www.cinase.com.br

engepoli@engenhariaengepoli.com.br

www.lukma.com

Clamper

Fascículos

29

Maccomevap 27

(31) 3689-9500 / 0800 7030 55

(21) 2687-0070

comunicacao@clamper.com.br

comercial@maccomevap.com.br

www.clamper.com.br

www.maccomevap.com.br

Thytronic/Engepoli

39

www.engepolienergia.com Unitron

2ª capa e 43

(11) 3931-4744 vendas@unitron.com.br www.unitron.com.br

Cobrecom 25

Megabrás 37

(11) 2118-3200

(11) 3254-8111

Wetzel

cobrecom@cobrecom.com.br

vendas@megabras.com.br

0800 47 4016

www.cobrecom.com.br

www.megabras.com

www.wetzel.com.br

59


O Setor Elétrico (edição 145 - Fevereiro/2018)  
O Setor Elétrico (edição 145 - Fevereiro/2018)  
Advertisement