Page 1


P ÁGINA

4

Editorial

D ESTAQ U ES D ESTA ED I Ç ÃO Página 17 - Entrevista aos D.A.M.A. Página 20 - Professores Autores Página 26 - Feira de S. Martinho Página 40 - Festa de Natal e Ceia de Natal Página 42 - General Serpa Pinto Página 62 - Rota das Vinte Escolas

FICHA TÉCNICA Esta publicação pertence ao Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto - Cinfães Direção: Manuel António Pereira Coordenação: Helena Duarte Layout: Pedro Peixoto e Dora Ferreira Revisão Ortográfica: Helena Duarte Capa: Toni Afonso e Licínio Sardinha Fotografia: Sónia Botelho Impressão: Litogaia AG info@teq.pt Tiragem: 2500 exemplares Depósito Legal: 240864/06

REV ISTA

Como habitualmente, aqui estamos com a nossa Revista Escolar na certeza de que, através dela, é possível levar o nosso trabalho um pouco mais longe. De facto continuamos a apostar neste espaço como meio privilegiado e, por essa razão, não deixamos de, através dele, mostrar à comunidade o trabalho que realizamos, os projetos que abraçamos ou os caminhos que percorremos. O nosso projeto educativo tem, como objetivo e desafio primeiro, o sucesso dos nossos alunos. Por essa razão, experimentamos estratégias de motivação ativas que, muito regularmente, passam pela inovação, pela experimentação, pela descoberta ou pela participação consequente nas atividades da comunidade. Sim, porque afinal é a ela que, primeiro, devemos prestar contas e também é à comunidade que, no limite, temos obrigação de responder. Por isso, mais uma vez aqui estamos. A nossa Revista tem, também, esse objetivo… mostrar o que fazemos e o que fizemos… e, por essa razão, cuidamos de registar e dar a conhecer. Todos, como sempre, foram convidados a participar. Participa quem quer. Colabora quem quer. O que vos apresentamos é isso mesmo, o trabalho que alguns, bastantes, quiseram mostrar… O ano letivo que vivemos é um ano de desafios. Desde logo porque alguns dos pressupostos foram alterados já com o ano a decorrer. Alterações no que a exames nacionais diz respeito e ainda alterações nos diversos paradigmas que enformaram a planificação dos mesmos. Em boa verdade, neste momento, ainda não sabemos com segurança nem os calendários nem as matrizes. Em todo o caso continuamos a trabalhar na certeza de que o mais importante é mesmo preparar os alunos para a vida, muito mais que para exames que, sendo também importantes, ESCOLA R

apenas avaliam um momento. Nesse sentido, estamos tranquilos e incentivamos todos a que façam sempre o seu melhor, na certeza que na vida e em todas as circunstâncias, não nos exigem menos que isso. Continuamos a agarrar todas as oportunidades e, nesse sentido, continuamos muito empenhados na internacionalização das experiências de todos, através da participação em projetos comunitários que possam oferecer instrumentos sólidos para uma mais equilibrada formação. Vimos um projeto aprovado de que somos coordenadores a nível europeu e do qual muito nos orgulhamos, até porque foi um dos três aprovados para escolas públicas em Portugal. Trabalharemos a educação financeira e coordenaremos todas as atividades, nessa área, de escolas de oito países, durante três anos. Motivo redobrado de orgulho e momento importante na vida do Agrupamento que, mais uma vez, vê reconhecido o seu trabalho pioneiro e que tantos motivos de satisfação nos tem oferecido. Recebemos, na primeira semana de março, vinte e seis professores de vários países e ainda catorze alunos de escolas das Ilhas Canárias - Espanha e da Croácia. Um desafio e também uma enorme oportunidade. Os alunos foram recebidos por algumas famílias que os alojaram durante uma semana, num verdadeiro momento de partilha e conhecimento mutuo. Uma experiência que, uns e outros, não esquecerão, seguramente, e que será concluída com a ida de alunos do nosso Agrupamento a esses países muito brevemente. Uma palavra de reconhecimento para o esforço que a Autarquia tem feito no sentido de colaborar com o Agrupamento. De facto, em todos os momentos estão presentes, quer colaborando, quer incentivando, quer participando ativa e construtivamente nas atividades e nos desafios que assumem sempre como seus. Um exemplo de colaboração que registamos e agradecemos. Para os docentes, pais e encarregados de educação, assistentes e alunos não deixamos de deixar uma palavra de forte estímulo. O desafio é grande e, por vezes, assustador. Mas do trabalho colaborativo, do esforço de cada um ou da capacidade de partilha sempre resultarão mais-valias que, no limite, farão a diferença entre o sucesso ou o insucesso de todos e da instituição. Vale a pena ir mais longe, vale a pena ousar porque na educação apenas esses, garantidamente, contribuirão para uma escola mais justa, mais igual e mais democrática. Março de 2016 Dr. Manuel António Pereira (Diretor)


P ÁGINA

5

Projeto Numeracy@English – Erasmus + De 29 de fevereiro a 4 de março, fomos a escola anfitriã de 26 docentes (provenientes de Espanha, França, Itália, Croácia, Polónia, Letónia e Irlanda do Norte) e de 14 alunos (6 espanhóis e 8 croatas). Uma Semana de encontro, partilha e muitos sorrisos!

O grupo em frente à Câmara Municipal

Receção feita pelo Sr. Presidente da Câmara

Visita a uma sala de aula

Formação em pintura de azulejos


P ÁGINA

6

Arranque do ano letivo Foi em clima de festa e de alegria que teve lugar o arranque do ano letivo! No dia 18 de setembro, a escola abriu as suas portas para receber os alunos do 1º ciclo, que chegaram acompanhados pelos respetivos encarregados de educação. No dia 21 de setembro foi a vez de os alunos do 2º e 3ºciclos regressarem à escola e festejarem, também, o reinício de mais um ano letivo. As boas-vindas foram dadas, em primeiro lugar, pelo Sr. Diretor do Agrupamento, que a todos recebeu no pavilhão gimnodesportivo, onde se encontravam alunos, encarregados de educação e docentes, tendo dirigido, a todos os presentes, as habituais saudações de início de ano, para além de prestar vários esclarecimentos sobre princípios gerais de funcionamento do nosso Agrupamento e de a todos sensibilizar para a necessidade do cumprimento das normas vigentes. De seguida, e conforme o dia em causa, foram apresentados os professores titulares de turma e os diretores de turma, que, no presente ano letivo, acompanharão de forma mais próxima os respetivos alunos. Este foi um dia de reencontro, de diálogo e de redescoberta do espaço escolar; pelo ambiente vivido, augurase um ano sereno e positivo. Assim o queiram todos os envolvidos no processo ensino/aprendizagem. Profª Helena Santos Duarte

REV ISTA

ESCOLA R


P ÁGINA

7

Os Jovens e o Futuro - Opinião Hoje em dia, os jovens veem o seu futuro com muita preocupação. Andam na escola durante, pelo menos, doze anos, já a antever o amanhã e a possibilidade de desemprego. Todos nós sabemos que no nosso país não há emprego para todos. É desmotivante, quando nos perguntam: “O que queres ser?”, e depois da nossa resposta, muitas vezes, ouvimos comentários como: “Não há vagas”, “Espera-te o desemprego” ou “Tens de escolher outra coisa.”. Eu entendo que devemos optar por um curso que nos dê perspetivas de trabalho certo, mas eu gostaria que a minha escolha fosse feita com o coração e não com a razão! Eu gostaria, também, de arranjar um emprego que fosse condignamente remunerado, mas, acima de tudo, que me realizasse como pessoa. Deve ser frustrante levantarmo-nos todos os dias e ter de exercer uma profissão que não nos diz nada e que não nos motiva… Será que a solução é sair do nosso país? Vamos deixar os nossos pais sozinhos? São muitas as incertezas que, como jovem que sou, me preocupam. Quero, um dia, constituir família, mas saber que há a possibilidade de ter de partir e de não ver o desenvolvimento dos meus filhos, todos os dias, porque o meu país não tem um lugar para mim (tal como acontece ao meu pai e a tantos outros!)… confesso que, às vezes, me deixa sem força e sem vontade de estudar. O esforço e empenho de muitos são ultrapassados por outros tantos que, por terem o “Tio Cunha” na família ou no grupo de amizades, passam à frente de tudo e de todos. O mais certo é as crianças entrarem para o primeiro ano do primeiro ciclo, tendo a família já a amarga certeza que estes serão os seus doze (e únicos), anos em que vão ter “um emprego” fixo e onde (ainda!) há um lugar para todos! Porém, apesar de tudo, na minha opinião, os estudos são, por agora, uma “profissão” que devemos desempenhar com responsabilidade e empenho! Se bem que o futuro nos traga preocupações, a meu ver, todos nós devemos “dar” o nosso melhor para provarmos o quanto valemos, mesmo que para isso tenhamos de sair do nosso país! Está nas nossas mãos fazer a diferença e trabalhar pela mudança. Não podemos “baixar os braços” e desistir. Devemos enfrentar os problemas com otimismo e pensar que melhores dias virão. Rafael Fernandes, nº 16, 9ºC (Português)


P ÁGINA

8

Entrega dos Certificados de Excelência 2014/2015 No dia 20 de outubro de 2015, pelas 18h00, na Biblioteca Escolar, decorreu a já habitual cerimónia de entrega dos Certificados de Excelência, aos alunos dos 6.º e 9.ºanos de escolaridade, do ano transato. Pautando-se a excelência pelos requisitos da média global obtida na avaliação interna e na nota das provas finais de Português e Matemática, premiaram-se 23 alunos que obtiveram média de 4,5 ou mais, e nível 4 ou 5 nas provas finais, havendo mesmo alunos que obtiveram o nível máximo, 5. Foi, então, uma cerimónia plena de alunos, pais, encarregados de educação, professores e assistentes operacionais, orgulhosos pelo sucesso obtido, contando com a presença, na mesa, do Dr. Ventura, presidente do Conselho Geral, do Dr. Serafim Rodrigues, vice-presidente da Câmara Municipal de Cinfães, pelo Sr. Domingos, presidente da Associação de Pais, e pelo Dr. Manuel Pereira, Diretor do Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto. Claro que, como a formalidade exigia, os discursos estiveram à altura, versando sobre os bons resultados dos alunos, o trabalho e estudo que os mesmos desenvolveram. Não ficaram esquecidos aqueles que, devido a condições menos propícias para realizar um trabalho de maior valor, mas que ficaram aquém, devendo os alunos homenageados olhar para os colegas com solidariedade, apelando-se, assim, à partilha do conhecimento e dos métodos de estudo. Chegado o momento mais aguardado, os alunos foram chamados pela ordem das turmas, começando no 6.º A e terminando no 9.º D, para receberem o respetivo certificado e algumas lembranças, entre elas uma medalha oferecida pela Câmara Municipal de Cinfães, expressamente feita para a ocasião. A entrega dos certificados alternou com pequenas intervenções de música e poesia que abrilhantaram a cerimónia. Foi um evento que marcou o ainda início do ano letivo e que deixou já em aberto a próxima cerimónia e os próximos alunos de excelência. Parabéns a todos, sobretudo aos alunos: do 6.º A, Dinis Manuel Domingos Cirnes Cardoso, n.º 7; Guilherme Ferreira Madureira, n.º 12; Leonor Granjo Madureira, n.º

REV ISTA

ESCOLA R

16; Maria Manuela Gregório da Cunha Sá e Dias, n.º 19; Pedro Miguel Silva Pereira, n.º 23; Ricardo Filipe Ribeiro Cardoso Severino, n.º 25; do 6.º B, Ana Filipa Ribeiro Correia, n.º 2; Andreia Sofia Correia Mendes, n.º 6; Miguel António Cardoso Almeida, n.º 21; Ricardo Miguel Pereira do Couto Cardoso, n.º 24; do 6.º C, Inês Pereira Santos, n.º 17; do 6.º D, Marco António Cardoso Monteiro, n.º 12; Micaela Alexandra dos Santos Madureira, n.º 15; do 6.º F, Bárbara Teixeira Lento, n.º 5; Maria Leonor Magalhães Pereira, n.º 20; Sabrina Ribeiro Saraiva, n.º 26; do 9.º A, Ana Beatriz Pereira do Couto Cardoso, n.º 1; Catarina Rocha Ferreira, n.º 7; Catarina Rosa Aparício, n.º 8; Daniel Alexandre Cardoso Pinto Sardão, n.º 12; do 9.º C, Rafael de Carvalho Pinto, n.º 23; do 9.º D, João Carlos da Silva Pereira, n.º 11; Liliana Filipa Ribeiro Mouta, n.º 14. Prof.ª Elisabete Barbosa


P Ă GINA

Entrega dos Certificados

9


LENDA DE S. MARTINHO

A lenda de São Martinho conta que certo dia, um soldado romano chamado Martinho, estava a caminho da sua terra natal. O tempo estava muito frio e Martinho encontrou um mendigo cheio de frio que lhe pediu esmola. Martinho rasgou a sua capa em duas e deu uma ao mendigo. De repente o frio parou e o tempo aqueceu. Este acontecimento acredita-se que tenha sido a recompensa por Martinho ter sido bom para com o mendigo. A tradição do Dia de São Martinho é assar as castanhas e beber o vinho novo, produzido com a colheita do verão anterior.


P ÁGINA

12

Exercício Público “A Terra Treme”! A Não Esquecer… A Terra Treme é um exercício de preparação e

O Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto - Cinfães, participou no exercício “A Terra Treme”, no dia 6 de novembro, pelas 11h06.

autoproteção para o risco sísmico, com a duração de um minuto, em que qualquer cidadão pode participar, individualmente ou em grupo. Realizou-se um pouco por todo o país, no dia 6 de novembro, pelas 11.06h.

Promovido pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, este exercício visou sensibilizar para a preparação e autoproteção para o risco sísmico. O exercício “A TERRA TREME” teve a duração de um minuto, praticando os três gestos básicos de proteção em caso de sismo:

São 3 os gestos decisivos nesta ação: baixar, proteger e aguardar!

REV ISTA

ESCOLA R

– Baixar – baixe-se sobre os joelhos, esta posição evita que possa cair durante o sismo, mas permite mover-se; – Proteger – proteja a cabeça e o pescoço com os braços e as mãos e procure abrigar-se, coloque-se se possível sob uma mesa resistente, e segure-se a ela firmemente; – Aguardar – aguarde até a terra parar de tremer. Pretendeu-se, sobretudo, envolver a comunidade escolar nesta ação de sensibilização e de preparação, contribuindo de

uma forma ativa para o aumento da preparação dos indivíduos, enquanto responsáveis de primeira linha pela sua autoproteção em situação de emergência. Porque uma sociedade PREPARADA e CONHECEDORA dos perigos vigentes é uma sociedade mais RESILIENTE. Prof. José Sousa Clube da Proteção Civil


Uma Aula ao Ar Livre... É no 7º ano de escolaridade que os alunos têm contacto, pela primeira vez, com a disciplina de Geografia, enquanto área curricular considerada de forma autónoma. Neste sentido, uma das primeiras atividades pedagógicas que é habitual desenvolver-se com os alunos neste primeiro ano de contacto com a disciplina é a visita ao miradouro situado junto ao cemitério de Cinfães, de onde se tem uma vista privilegiada sobre o Douro, as suas margens e as serras situadas a norte da vila de Cinfães. Assim, os alunos das turmas do 7º ano de escolaridade tiveram a oportunidade de terem uma aula de campo, fora da sala de aula, por forma a abordarem o conteúdo “os tipos de paisagens”. Nesta aula ao ar livre elaboraram um esboço da paisagem observada, ten-

P ÁGINA

13

do analisado com atenção alguns dos elementos paisagísticos mais importantes desta região: o rio Douro, os socalcos, as serras, os aerogeradores, as pontes ferroviárias…

Os Miradouros de Cinfães

Foi uma interessante aula, diferente das habituais, e que permitiu aos alunos apreciar a vista magnífica que se tem do alto deste miradouro de Cinfães. Para alguns dos alunos esta foi a primeira vez que puderam vislumbrar com acuidade a paisagem deste local de vila. É que há que ter bom olhar geográfico para se saber analisar o território em que estamos inseridos: a magnífica região duriense!!!

privilegiada, entre a

O Grupo de Geografia

O concelho de Cinfães, pela sua localização serra e o rio, é dotado de inúmeros miradouros, de onde se podem apreciar paisagens magníficas. Ao longo da EN321, entre as portas do Montemuro até ao Douro, o visitante pode usufruir de vários pontos de paragem para admirar as paisagens. O miradouro mais conhecido de Cinfães e abundantemente apresentado nos roteiros turísticos é o de Teixeirô. Deste miradouro, a vista sobre o rio Douro é magnífica e merece uma visita atenta.

Blogue de Geografia “Geografia na Serpa Pinto” é o nome do blogue onde se podem encontrar notícias e trabalhos elaborados pelos alunos nas aulas da disciplina de Geografia. Este é mais um recurso que é disponibilizado aos alunos como forma de estarem atualizados nas matérias lecionadas. Está disponível em: www. geografianaserpapinto.blogspot.com


P ÁGINA

14

Formação docente no início do ano letivo

Formação Docente A formação profissional ao longo da vida ativa constitui, nos dias de hoje, um factor cada vez mais decisivo para um bom desempenho profissional. A nossa Escola tem, na formação do seu corpo docente, uma das prioridades, tendo sempre como objetivo final o sucesso dos nossos alunos.

À semelhança de anos anteriores, também este ano letivo começou com formação dirigida ao pessoal docente, formação essa promovida pelo nosso Agrupamento de Escolas e pelo CFAE Marco-Cinfães. Assim, no dia 7 de setembro, teve lugar a primeira sessão da formação subordinada ao tema “Dificuldades de Aprendizagem na Leitura e na Escrita – Operacionalização, avaliação e Intervenção”, formação essa que ficou

concluída em meados de outubro. No dia 10 de setembro, teve lugar a formação denominada “Sistemas de Controlo Interno da Administração Financeira do Estado”, dinamizada pelos senhores Inspetores Dr. Isidro Beleza e Dr. Manuel Eugénio Ferreira que, de forma clara e esclarecedora, apresentaram, a mais de uma centena de docentes, o quadro conceptual e competencial relativo ao universo da temática em

causa. Estas formações tiveram como principal objetivo facultar a todos os docentes ferramentas que lhes permitam desempenhar as suas tarefas de forma mais proficiente e eficaz, de modo a que, em contexto laboral, se assumam como profissionais qualificados e detentores de requisitos que confiram aptidão para as tarefas que lhes são confiadas. Profª Helena Duarte

Formação em Copenhaga Seis elementos do nosso Agrupamento de Escolas participaram num curso de formação em Copenhaga, integrado na Ação-Chave 1, Formação de Adultos, integrado no Programa Erasmus+. A formação, denominada “Strength – Based Coaching”, decorreu de 3 a 6 de novembro, das 9h às 16h, na capital dinamarquesa, e teve como objetivo principal apetrechar os participantes de ferramentas/competências na área do coaching, dotando-os de conhecimentos que lhes permitam desenvolver capacidades e aptidões no domínio da gestão de conflitos. Esta formação foi ministrada pela especialista em Psicologia Lene O. Mogensen, que, através de uma metodologia centrada na partilha de perspetivas e experiências concretas e específicas, apresentou o quadro teórico-conceptual, introduzindo diferentes técnicas de questionamento, promotoras de

REV ISTA

novas dinâmicas e formas alternativas de lidar com situações problemáticas do quotidiano. Para além dos elementos do nosso Agrupamento de Escolas, estiveram também presentes nesta formação transnacional, três representantes do Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo, dois representantes da escola Profissional de Aveiro, bem como outros representantes de escolas da República da Irlanda e da República Checa, presenças essas que também contribuíram, sobremaneira, para o sucesso da formação, uma vez que proporcionaram, através da partilha de saberes e experiências e do diálogo franco, responsável e solidário, o desenvolvimento de competências humanas e sociais, fundamentais para o crescimento integral dos participantes. De salientar que os representantes do nosso Agrupamento de Escolas, puderam contar, durante a semana, com a presença e apoio dos

ESCOLA R

amigos dinamarqueses Birgitte Le Févre Ryom, Kari From Andersen, Hesse Carl Berg e Dennis Overso, que, de forma generosa, fraterna e amiga, os acompanharam, após a formação, em todos os tempos livres, tendo sido inexcedíveis guias na belíssima cidade de Copenhaga. A todos, a nossa gratidão! Profª Helena Santos Duarte

A Sereia, Copenhaga - estátua inspirada na história 'A pequena Sereia' de Hans Christian Andersen


P ÁGINA

15

Formação em Copenhaga

Formação Erasmus em Copenhaga O Erasmus + é um programa de ensino e formação da União Europeia, que promove atividades de mobilidade para professores, estudantes e pessoal não docente. Com este programa pretende-se reforçar o desenvolvimento de competências e empregabilidade, bem como apoiar a modernização dos sistemas de educação, formação e de apoio à juventude.


P ÁGINA

18

A GNR na Escola

Dicas para CURIOSIDADE Dispositivos A Televisão em Móveis Seguros Portugal nasce em Março - de1957, Cuidadosendo quando um grande te ligas a uma rede sem fenómeno nacional. fios aberta! Inicialmente, as pessoas - Cumpre regras de dirigiam-se aos horários na locais sua utilização; públicos para poderem ver - Tem cuidado com os a "magia" da TV. aplicativos que instalas; - Usa uma senha de acesso ; - Instala um antivírus; - Desativa o “bluetooth”;

No dia 30 de novembro, a Secção de Programas Especiais do Destacamento Territorial da GNR de Lamego, realizou duas ações de sensibilização relacionadas com as temáticas: - “Internet Segura”, para a turma do terceiro ciclo do Vocacional de Restauração, Estética, Eletricidade e Agricultura; - “Prevenção do consumo de estupefacientes,

- Não guardes palavraschave, nem dados confidenciais em locais facilmente acessíveis; - Não deves guardar fotos comprometedoras; - Pensa duas vezes antes de publicar informação com a localização.

REV ISTA

ESCOLA R

álcool e tabaco”, para a turma do segundo ciclo do Vocacional de Restauração, Horticultura e Multimédia. A ação de sensibilização “Internet Segura” foi ministrada, tendo como objetivo comunicar os procedimentos de segurança a observar aquando da utilização do computador/ telemóvel e internet, de forma a prevenir eventuais situações que os possam colocar em risco.

A ação de sensibilização “Prevenção do consumo de estupefacientes, álcool e tabaco” teve como objetivo elucidar acerca das formas de prevenção e atuação nas mais diversas situações e quais as consequências do consumo de estupefacientes, álcool e tabaco. Prof. José Sousa Clube da Proteção Civil


O Projeto Iogeneration no 1º ciclo Os alunos do 4.º ano (4.ºF e 4.ºG) da Escola Básica de Cinfães participaram no Projeto iogeneration – Estado do iodo em Portugal – Papel da suplementação em idades escolares. Este está a ser desenvolvido pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, através de uma equipa multidisciplinar de investigadores (psicologia, nutrição, medicina e bioquímica). O mesmo pretende avaliar os níveis de iodo em crianças dos 1.º e 2.º ciclos (6 a 12 anos), relacionando-os com indicadores de desenvolvimento cognitivo e de saúde da tiróide, bem como avaliar a quantidade de iodo no sal usado nas cozinhas das cantinas escolares e nos domicílios. Desde o início que ficámos muito entusiasmados com a participação neste projeto. As nossas professoras mostraram-nos um filme sobre esta temática. Ficámos a saber o que era o iodo e a importância deste nutriente para a nossa saúde. Também foi fundamental o interesse e empenho demonstrados pelos Encarregados de Educação, uma vez que sem a sua colaboração o referido projeto não se desenvolveria na nossa escola. Além de terem assistido a uma sessão de esclarecimento/consciencialização na escola, tiveram que possibilitar a recolha de todos os elementos do Kit io, para posteriormente serem entregues às nossas professoras. O envolvimento de todos foi um

P ÁGINA

19

dos aspetos destacados pela equipa que se deslocou à escola, pois a participação foi de 100%. Parabéns a todos! No dia 19 de janeiro – dia io – data em que os senhores doutores/investigadores vieram à escola, foi uma animação! Quando chegámos, tivemos que entregar um recipiente com a colheita da 1.ª urina do dia. De seguida, realizámos um teste cognitivo e ainda fomos avaliados antropometricamente (altura, peso e perímetro da cintura). Estes trabalhos decorreram em duas salas distintas, por forma a manter a privacidade de cada criança envolvida no estudo. No final, recebemos uma Tshirt espetacular do projeto iogeneration. Foi uma manhã diferente... Adorámos colaborar e, principalmente, aprendemos que este simples nutriente – iodo – é tão importante para o desenvolvimento cognitivo e para o crescimento saudável das crianças. Sabia que o sal que utilizamos para cozinhar faz toda a diferença? Sabe o que é o sal iodado? Nós já sabemos! Uma palavra final de apreço para a equipa de jovens investigadores que desenvolveu este projeto na nossa escola. Foram todos muito simpáticos, respeitaram os nossos ritmos e, por último, mas não menos importante, mantiveram um discurso consistente, de quem trabalha em ciência, mas simples e acessível a crianças de 9/10 anos. Alguns de nós vão querer ser cientistas!... Escola Básica de Cinfães - 4º F


P ÁGINA

20

O verão de 2015 foi pródigo, no que respeita à publicação de livros da autoria de professores do nosso Agrupamento.

Professores Autores de Português, dar a conhecer o conto para a infância intitulado “A História da Matilde”. Foram muitos os professores e assistentes operacionais do nosso Agrupamento que se quiseram associar a estes eventos, que muito honram e dignificam não só os autores em causa, mas também toda a nossa Comunidade Educativa, que se congratula pelo facto de ter no seu seio tais valores literários. Felicitamos os autores - Prof. Luiz Semblano e Profª Lúcia Araújo Silva – pelos notáveis livros que ofereceram à estampa, acreditando que outras publicações se lhes seguirão! Profª Helena Santos Duarte

Assim, em julho, no auditório da Biblioteca Municipal de Cinfães, teve lugar o lançamento do livro de poesia “Centelhas de Luz”, escrito pelo prof. Luiz António Correia Semblano, docente do 1º ciclo. Já no dia 5 de setembro, no Museu Grão Vasco – Viseu, foi a vez da profª Lúcia Araújo Silva, docente REV ISTA

ESCOLA R


P ÁGINA

21

A Árvore Tão frondosa e alta, A árvore Que vejo da janela do meu quarto, Chilreia feliz! Tão verde de encantos, Solta a primavera, Espalhando o cheiro À distância! Não tem nome, Ou se o tem, Eu não o sei! Não deixa ver o casario Que está para lá, Mas não me importo! É alta E dá-me o prazer De a sentir feliz! Prof.ª Elisabete Barbosa

Esta nuvem parece… Jovem Ouve música. Canta, Dança, Diverte-te. Curte a vida! Sorri! Faz amizades! Partilha O que de bom Tens em ti! Não dês asas À tristeza. Encara o futuro Com confiança. Sê otimista! Esforça-te, Empenha-te E avança! Sê feliz! Prof. Luiz Semblano

Uma ovelha com asas de morcego, Um gato ou leão a correr atrás de um cão. Mas que tolices e que confusão! Não veem que é só um elefante a brincar com o pavão?! É aquilo que quisermos que seja, basta imaginação! É uma flor em todo o seu esplendor, Ou uma princesa no jardim à espera do amor. Deixem-se de invenções! É apenas uma borboleta a dançar à volta do jarrão. É aquilo que quisermos que seja, basta Imaginação! Gazela, cigarra, rã ou falcão Rosa, malmequer ou pião. Não importam as formas, Usem a vossa imaginação! Profª Cristina Marques


P ÁGINA

22

Mulheres

As mulheres da minha aldeia Sabem histórias tão verdadeiras Que dói ouvi-las até ao fim. Uma conheceu o abandono do cárcere Por um crime que não cometeu. Outra embalou, sem chorar, o filho morto Outra, de tanto desgosto, enlouqueceu. Uma contou-me a história da fome Que viu escrita nos rostos que mais amou. Outra falou-me de canseiras e despedidas Outra, de amores infelizes e inesquecíveis, Do tempo voraz que tudo lhe levou. Eu amo estas mulheres sofridas. As que, vencidas, desistiram da vida E as que, estoicas, sobreviveram a lutas e vendavais. As que ainda resistem Insistem em enfeitar a jornada. E é por nós e por elas Que põem cravos nas janelas E rosas e manjericos Nos vasos de varandas e umbrais. Profª Helena Santos Duarte

Minha irmã A minha irmã é uma das pessoas mais importantes da minha vida. Ela é muito meiga e linda! Tem cabelo castanho claro, olhos esverdeados e gosta muito de brincar com bonecas! É uma menina especial, com quem se deve ter cuidado a falar, pois ela fica triste, e chega mesmo a chorar, quando alguém lhe levanta um pouco a voz. Ela também tem problemas de aprendizagem, mas é só onde tem problemas, pois a falar e a explicar-se, fá-lo, por vezes, até melhor do que eu! Dá-me tristeza que, por causa de ela não aprender tão bem, os outros meninos a desprezem e nem sempre queiram brincar com ela. Dá-me muita tristeza… e ela também fica triste, porque dá conta de tudo. Mas a minha irmã é uma pessoa forte e consegue ultrapassar sempre os seus problemas. Tem um coração enorme e, quando vê alguém triste, ela não fica indiferente. Ela vai lá e tenta animar, seja quem for. Apesar de tudo, ela é muito divertida! Amo tanto a minha irmã! Leandro Amaral, 9ºE REV ISTA

ESCOLA R


P ÁGINA

A Turma do 8º C um a um Ana, dos cabelos longos, está sempre em número um. Ariana veio da Nazaré, mas em Cinfães parece estar muito bem. Bruno, de voz rouca e sonante, é um bom rapaz mas, às vezes, um pouco irritante. Emília, a nossa Rapunzel, é simpática e muito bela. Flávia é uma boa amiga e todos gostam muito dela. Francisco, o menino do Iphone, que não larga o seu telefone. Hélder, o vaidoso da turma, é responsável e também bom bailarino. Inês, a menina atinadinha, que anda sempre na linha. Jéssica parece uma boneca de tão mimosa que ela é. João Filipe é o segundo de nascimento, mas igual ao irmão no pensamento. João Pedro veio em primeiro, mas logo teve companhia. José André é castiço, mas precisa fugir da preguiça. Marcelo, de tecnologia gosta muito, mas precisa é de mais estudo. Marta é uma atleta e nas corridas pensa sempre na meta. Paulo é um sonhador, mas no futuro não quer ser doutor. Ricardo é delegado, mas mesmo assim tem de estar calado. Rui é o “pai” da turma e todos veem nele um protetor. Sérgio Jacinto é um rapaz especial e tem muitos sonhos para realizar. Sérgio Leonardo nem sempre quer trabalhar, mas tem que se mexer para o 9º ano acabar. Simão é um brincalhão, mas tem um lugar no nosso coração. A turma do 8ºC

Retrato de Minha Mãe A minha mãe é perfeita como uma rosa de um jardim! O sorriso dela é magnífico! Os seus olhos brilham tanto que até parecem estrelas cintilantes a brilhar no céu! Ela tem cabelos louros, que são como fios de ouro! Tem olhos castanhos e é baixinha! Amo o jeito de ser da minha mãe! Ela é muito amorosa, carinhosa e simpática para todas as pessoas! Quando ela sorri, ilumina o meu dia! Para mim, a minha mãe é a pessoa mais perfeita, mais especial, mais linda e mais importante deste mundo! Ela é uma das rosas vermelhas do meu jardim. Eu vou cuidar sempre dela com muito amor; nunca a deixarei secar; e nunca deixarei que nada nem ninguém corte esta rosa especial e cheirosa – a minha mãe! Diana Vasconcelos, nº 6, 7ºB (Português)

23


P ÁGINA

24

Caminhada do Coração

No dia 13 de outubro de 2015, pelas 17h30, realizou-se a primeira caminhada deste ano letivo, no âmbito da ação “Anda comigo à Escola”, do projeto TEIP. Contrariando as previsões atmosféricas, o fim de tarde apresentou-se soalheiro, risonho mesmo e com uma temperatura amena, permitindo que os caminhantes (algumas dezenas de professores, alunos, assistentes operacionais, pais e encarregados de educação) mostrassem a sua boa disposição e entusiasmo. Após, então, a foto da praxe, lá partiram rumo à primeira etapa, bem perto por sinal, a Câmara Municipal de Cinfães, onde estava à espera o Sr. Vice-Presidente da Câmara Municipal, o Dr. Serafim Rodrigues, para uma pequena cerimónia de entrega do pergaminho e da bandeira da Ecoescola, cujo destino seria o Complexo da Vila de Cinfães. Esta cerimónia realizou-se no âmbito da comemoração dos vinte anos da Eco-escola e integrou a "Rota dos Vinte". Após esta paragem, deu-se continuidade à caminhada, em direção à zona industrial. Os participantes percorreram o caminho em alegres conversas, sempre protegidos, como é habitual neste tipo de atividade, pelos bombeiros de Cinfães e pela GNR, que garantiram a segurança de todos e acabaram por ser uma boa companhia! Assim, por ruas de Cinfães, os corações de todos encheram-se de camaradagem e os pulmões respiraram o ar limpo! Por fim, cumprida a missão, e porque alguns ainda tinham uma longa viagem de regresso a casa, houve tempo para um pequeno aconchego do estômago e mais uma boa conversa, já a pensar na caminhada seguinte! Prof.ª Elisabete Barbosa

REV ISTA

ESCOLA R


P ÁGINA

25

Operação “Dia Internacional das Pessoas com Deficiência” A Secção de Programas Especiais do Destacamento Territorial da GNR de Lamego, realizou, no dia 3 de dezembro, no Complexo Escolar de Cinfães, três ações de sensibilização dirigidas à comunidade escolar, no âmbito da Comemoração “DIA INTERNACIONAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA” com o objetivo de sensibilizar para a promoção dos direitos e garantias de condições de vida dignas às pessoas com deficiência. Prof. José Sousa - Clube da Proteção Civil

CURIOSIDADE

CURIOSIDADE A Televisão em

Portugal nasce em Março sendo um grande O de1957, Dia Internacional das fenómeno nacional.

Pessoas com Deficiência

Inicialmente, as pessoas

comemora-se a 3 de dirigiam-se aos locais dezembro constitui uma públicosepara poderem ver a "magia" da TV. data evocativa pelas Nações

Unidas desde 1998, com o objetivo de promover uma maior compreensão dos assuntos relacionados com a deficiência, visando mobilizar a defesa da dignidade, dos direitos e o bem estar das pessoas. Procura também aumentar a consciência dos benefícios trazidos pela integração das pessoas com deficiência em cada aspeto da vida política, social, económica e cultural. A Escola deve também ser local de inclusão.


P ÁGINA

28

CURIOSIDADE Portugal possui uma das bibliotecas mais bonitas do mundo: a Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra. De destacar algumas obras raras como a colecção de incunábulos (obras impressas até 1500) ou a famosa “Crónica de Nuremberga” (1493), bem como diversas Bíblias ou a primeira Enciclopédia (conhecida como de Diderot et D’Alembert).

A Biblioteca Escolhi falar da biblioteca da Escola, por ser um dos sítios onde gosto de passar alguns dos meus tempos livres. Na biblioteca existe um ambiente agradável, pois está tudo sempre bonito e muito bem organizado. Tem livros maravilhosos para todos os gostos, que podemos requisitar e levar

para casa, e a Professora Graça, a D. Manuela e a D. Sónia estão sempre disponíveis para ajudar, quer na procura de livros como em outros assuntos. Existem também computadores onde podemos realizar trabalhos. Na outra parte da biblioteca há uma televisão onde os alunos podem ver filmes ou outros programas.

O único aspeto negativo é a falta de silêncio que, às vezes, incomoda, pois alguns alunos esquecem-se do sítio onde se encontram. Para finalizar, aconselho todos os alunos a aproveitarem mais e melhor o que a Biblioteca Escolar nos oferece. Mariana Tártaro, nº16, 6ºA

A Nossa Biblioteca Neste texto vou falar sobre a importância da biblioteca. Na minha opinião, a biblioteca é muito importante, porque é um local onde podemos estudar, ler e aprofundar os nossos conhecimentos sobre vários temas.

ocupação, quanto à distribuição das mesas que compõem a biblioteca.

Apesar de ser bom ter uma biblioteca, em algumas ocasiões é difícil de frequentar esse local, pois as mesas estão quase sempre indisponíveis.

Inês, nº11, 6ºA

Concluindo, espero que a nossa biblioteca consiga melhorar as condições para que todos os alunos usufruam dela de maneira mais fácil.

No meu ponto de vista, deveriam tentar aumentar o espaço ou fazer com que o existente tivesse outro tipo de

A Cantina Escolar A cantina escolar é um importante espaço, pois é onde a maioria dos alunos almoça; contudo, tem aspetos positivos e negativos que, na minha opinião, influenciam o seu funcionamento. Tendo em conta os aspetos positivos, em primeiro lugar, acho que a comida servida é variada e saudável, o que contribui para os alunos terem uma boa alimentação. Em segundo lugar, acho tamREV ISTA

bém que os funcionários e as funcionárias são corretos, porque verificam se os alunos comeram a sopa ou o prato principal.

tem-se copos. Outro aspeto negativo, acho que é a fila da cantina, pois, às vezes, há alunos que passam à frente de outros sem se justificarem.

Quanto aos aspetos negativos, acho que é um espaço onde há muita confusão, porque também há muita gente a almoçar, apesar da forma de organização. Com isto, a cantina torna-se desconfortável e barulhenta, onde também, de vez em quando, voam alimentos e par-

Concluindo, a cantina tem muito de bom para oferecer aos alunos. Na minha opinião, só precisa de melhorar alguns aspetos que se dizem negativos.

ESCOLA R

Carolina Madureira, nº6 6ºA


P ÁGINA

29

Educação Financeira Trouxemos para a escola os diversos produtos que os nossos pais e familiares deram para vendermos na nossa feirinha. Sabemos que tudo se consegue com esforço e, por isso, devemos ajudar os nossos pais. Depois atribuímos um preço aos produtos e para isso fizemos pesagens, embalagens e etiquetas para os preços. Todos participámos com satisfação. Quando já tínhamos tudo pronto para ir para a feira, fizemos uma reflexão sobre a importância de poupar e não gastar o dinheiro em coisas desnecessárias. Temos que ter consciência do dinheiro e saber a diferença entre a necessidade e o gasto. Todos nós devemos ser consumidores mais responsáveis. Se reduzirmos gastos e economizarmos, conseguimos adquirir o que realmente necessitamos. Nesta aula também aprendemos que o dinheiro pode ser trocado por bens e serviços. Pode ser gasto em coisas úteis, colocado num mealheiro ou numa poupança.

Pesquisámos provérbios sobre a poupança: “No poupar é que está o ganho.” “Mais vale um pássaro na mão do que dois a voar.” “Grão a grão enche a galinha o papo.” “O melhor meio de ganhar é poupar.” “Só se sabe poupar o que custa a ganhar.” “Não te metas a comprar o que não possas pagar.” “Quem compra o que não pode, vende o que não deve.” “Quem poupa, sempre tem.”

Alunos da Turma C - 2º e 3º anos da Escola Básica de Oliveira do Douro e Profª Olívia Sequeira


P ÁGINA

30

Sala de Estudo - Dez+ A Sala de Estudo é um espaço disponível para qualquer aluno e que pretende promover situações de aprendizagem autónoma ou acompanhada, desenvolvendo o gosto pelo estudo, permitindo a ocupação dos tempos escolares em atividades pedagógicas e desenvolvendo nos alunos o sentido de responsabilidade pessoal e social. Nesse sentido, em cada período, são apurados os DEZ +, com o objetivo de incutir nos alunos o espírito de iniciativa e despertá-los para o

REV ISTA

seu papel ativo na frequência da Sala de Estudo, mostrando-lhes que para terem sucesso basta acreditarem neles próprios e usufruírem dos recursos que a escola oferece. Esta atividade consiste na seleção, com base no registo informático, dos dez alunos que frequentam por mais tempo a Sala de Estudo. Feita esta seleção, é colocado, no placard destinado à Sala de Estudo, um cartaz com a identifi-

ESCOLA R

cação dos alunos selecionados, aos quais é entregue um certificado de participação, como forma de incentivar os restantes a frequentarem voluntariamente a Sala de Estudo. Aproveita-se a ocasião para felicitar os alunos apurados, esperando, assim, que continuem a frequentar este espaço com a mesma motivação. Prof. Bruno Florindo


P ÁGINA

31

Biografia de Cristiano Ronaldo Vida Pessoal Cristiano Ronaldo dos Santos Aveiro nasceu na cidade de Funchal, na Ilha da Madeira, Portugal, no dia 5 de fevereiro de 1985. O seu nome foi uma homenagem ao ator Ronald Regan, ex- presidente dos Estados Unidos da América, ídolo de seu pai. É o mais novo de quatro filhos. Tem duas irmãs, Cátia e Elma, e um irmão, Hugo. No ano de 2005, o pai de Cristiano Ronaldo, José Dinis Aveiro, faleceu devido a uma doença no fígado, causada por problemas relacionados com o álcool. Ronaldo tinha vinte anos e esse terá sido certamente um dos momentos mais complicados da sua vida. No dia três de Julho de 2010, Cristiano Ronaldo anunciou na sua página oficial do facebook que já era pai. Essa informação chocou muitos fãs pelo mundo fora, uma vez que ainda paira muito mistério sobre quem é a mãe do filho de Cristiano Ronaldo. CR7 pediu privacidade sobre o assunto e deu o seu próprio nome ao seu filho, Cristiano Ronaldo Júnior. A criança está atualmente sob a custódia completa de Ronaldo, que tem sido ajudado pela sua mãe e irmãs. Vida Profissional Cristiano Ronaldo é um futebolista português que joga no Real Madrid e na Seleção Portuguesa. Começou a jogar no CF Andorinha, na Madeira, com apenas oito anos. Despertou o interesse dos dois maiores clubes da Madeira. No ano de 1995, foi contratado pelo Nacional. Com apenas onze anos foi para Lisboa, para as categorias de base do Sporting Clube de Portugal, onde jogou nos Sub16, Sub17 e Sub18. Em 2003, Cristiano Ronaldo chamou a atenção do técnico do Manchester United, da Inglaterra. Foi contratado para substituir o jogador David Beckham, que tinha sido contratado pelo Real Madrid. No Manchester United, Ronaldo destacou-se por diversas vezes como melhor jogador e ganhou vários títulos: Premier League 2006-07, a Premier League 200708, a Premier League 2008-09, a Liga dos Campeões 2007-2008, o Campeonato Mundial de Clubes da FIFA 2008, além de várias taças da Inglaterra. Depois de muitas especulações, Cristiano Ronaldo foi para o Real Madrid em 2008. A sua contratação foi a mais cara do clube, que tinha outros jogadores de destaque mundial. Em 2008, 2013 e 2014, foi considerado o melhor jogador do mundo pela FIFA. (FIFA Ballon d'Or). Em 2011, chegou a marcar cinquenta e três golos, número nunca alcançado antes pelo clube durante uma temporada. Foi convocado pela Seleção Portuguesa e participou no Campeonato da Europa em 2004, 2008 e 2012, tendo sido vicecampeão no jogo contra a Grécia, em 2004. No Campeonato do Mundo de 2006, obteve o quarto lugar com a Seleção de Portugal, sendo considerado um dos melhores do mundo. Em 2015, bateu todos os recordes de melhor marcador de sempre no clube que representa, o Real Madrid e é, também, o melhor marcador da Seleção Nacional. Causas solidárias Além de ser o melhor jogador do mundo, Cristiano Ronaldo é também o desportista mais solidário. O craque português, de 30 anos, ficou em primeiro lugar na lista dos vinte desportistas mais beneficentes do último ano, segundo um estudo realizado pelo site Athletes gone good. Entre as ações de Ronaldo, destaca-se uma doação de cerca de oitenta mil euros a uma criança de dez anos, que necessitava de uma cirurgia ao cérebro, bem como o donativo de cento e sessenta mil euros a uma instituição de tratamento contra o cancro, em Portugal. A marca CR7 A quinze de dezembro de 2013, inaugurou o Museu CR7, no Funchal, sua terra natal. Atualmente, este museu possui um novo elemento – Museu Itinerante CR7- que percorre várias localidades de Portugal. Cristiano Ronaldo é considerado símbolo sexual e já foi capa de revistas de em todo o mundo. Foi modelo de propaganda da Armani e da Nike, entre outras marcas famosas. É o desportista mais popular nas redes sociais, principalmente no facebook. Atualmente, possui a sua própria marca de roupa interior, perfume, sapatos e modelos de chuteiras, da marca Nike. É, ainda, modelo da marca Sacoor. O filme da sua vida estreou no passado dia 9 de novembro. É um grande “embaixador” de Portugal, da língua e da cultura. Admirado em todo o mundo é ídolo de milhões no mundo inteiro. Trabalho realizado por: Rui Pinto Barbedo

nº20

6ºC


P ÁGINA

32

Biografia de Serpa Pinto Um Português de coragem, Militar distinto, Deputado liberal, um Cientista que soube registar com critério científico o que encontrou, fosse Gente, animais, plantas, rios, casas, armas… No dia vinte de abril de 1846 nasceu na freguesia e paróquia de Tendais, na casa e quinta das Poldras, no concelho de Cinfães, o militar e explorador africano, Alexandre Alberto da Rocha Serpa Pinto. O explorador africano era filho do miguelista José da Rocha Miranda de Figueiredo (médico) e de sua mulher D. Carlota Cacilda de Serpa Pinto. Com apenas nove anos foi para o Porto, onde frequentou o Colégio da Lapa, dois anos depois, entra no Colégio Militar e aos dezassete já é Comandante do Batalhão do Aluno. Alistou-se na secção da Infantaria em 1863, sendo promovido a alferes no ano seguinte. Em 1869 participou em ações em Moçambique, no âmbito das campanhas de ocupação da Zambézia. Serpa Pinto viajou pela primeira vez até à África oriental numa expedição ao rio Zambeze, como técnico, para avaliar a rede hidrográfica e a topografia local. Tal expedição provocou-lhe tal impacto que passaria os anos seguintes a reunir meios e apoios para realizar uma segunda expedição de reconhecimento mais aprofundado da região. Em onze de maio de 1877, Serpa Pinto é nomeado, por decreto, para participar numa expedição científica à África Central, autorizada pelo ministro da Marinha e Ultramar, José de Melo Gouveia, e subsidiada com um crédito de trinta contos de réis, da qual também faziam parte os oficiais da marinha Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens. Começaram por explorar a zona da costa oeste de Angola, os encargos da missão eram vários: observações quanto à topografia; sistemas fluviais e clima; agricultura; zoologia; costumes e raças dos povos indígenas, tudo isto fez Serpa Pinto, como homem do seu tempo, figurando na obra que nos deixou, onde constam, vários mapas e desenhos. Feito o trajeto Benguela-Bié, houve divergências entre Serpa Pinto e Brito Capelo que levam a expedição a dividir-se, com Serpa Pinto, a ter a iniciativa de tentar a travessia até Moçambique. Serpa Pinto acabou por falhar o seu objetivo, pois não conseguiu atingir qualquer ponto da costa moçambicana, como era sua intenção, chegou, no entanto, a Pretória e posteriormente a Durban. A expedição de Serpa Pinto tinha como objetivo fazer o reconhecimento do território e efetuar o mapeamento do interior do continente africano, para preparar a entrada de Portugal na discussão pela ocupação dos territórios africanos que até então apenas utilizara como entrepostos comerciais ou destino de degredados. A verdade é que Portugal queria para si os territórios compreendidos entre Angola e Moçambique. A aventura de Serpa Pinto (travessia solitária e arriscada), moldou a imagem de um homem corajoso que concedeu ao militar uma aura de heroicidade necessária às cerimónias cívicas e às celebrações dos feitos passados, quando Portugal atravessava uma grave crise política e moral. Nesse sentido, a sua figura foi explorada como o novo herói, das novas descobertas que já não passavam por sulcar os mares, mas rasgar as selvas e savanas de África como forma de manutenção do prestígio internacional na arena diplomática europeia. Transformado em herói nacional, Serpa Pinto é solicitado pelas Sociedades de Geografia Europeias a conferenciar sobre a sua experiência em África. Nomeado cônsul português em Zanzibar, aí permanece pouco tempo. Em 1889, comandou uma missão científica ao Alto Chire, a fim de preparar a implantação de uma via-férrea que estabelecesse a comunicação entre o lago Niassa e o oceano Índico, através do Chire e do Zambeze. Os ingleses não suportam Serpa Pinto, naquelas paragens, no seu ultimato de 1890, exigem a retirada do major Serpa Pinto do Chire, assim como a retirada de todas e quaisquer forças militares portuguesas, caso contrário, Portugal teria de se haver com o poderio militar dos "velhos aliados". À margem de toda esta sucessão de eventos esteve Serpa Pinto, que acabaria por morrer no dia 28 de dezembro de 1900, em Lisboa, sem saber que o seu nome e imagem acabariam por ser difamados com a queda da monarquia.

REV ISTA

ESCOLA R


P ÁGINA

33

Biografia de Serpa Pinto Tendo sido, anteriormente, consagrado, como um herói nacional, com a implantação da República o seu prestígio desvaneceu-se e foi ligado às figuras nacionais do poder monárquico, que os republicanos se apressaram a substituir pelas figuras heroicas republicanas. Os republicanos esqueceram, no entanto, a gesta de Serpa Pinto, tido por monárquico, e só no período do Estado Novo o seu caráter heróico foi revalidado e até um dos barcos ao serviço de Portugal teve o seu nome. O “Serpa Pinto” é contemporâneo das duas guerras mundiais, transportando mercadorias e pessoas, entre continentes e levou soldados portugueses até à Índia, numa das suas últimas viagens, na década de 1950. Foram os sacrifícios sofridos e as adversidades vencidas por Serpa Pinto que permitiram a Portugal, na Conferência de Berlim, quando as superpotências europeias, por interesses particularmente económicos, decidiram dividir entre si a África, fazer a reivindicação de lhe ser reconhecida a posse do território entre a costa de Angola e a costa de Moçambique, cujo conhecimento Portugal tinha em exclusivo. Mas a Inglaterra não aceitou a reivindicação portuguesa. Serpa Pinto mereceu as mais altas condecorações nacionais e foi ainda ajudante de campo do rei D. Carlos. A sua popularidade começou a declinar, sobretudo entre os meios republicanos, mas hoje, volvidos 100 anos sobre a sua morte, o grande explorador oitocentista é lembrado pela tenacidade com que atravessou, ainda que doente e com poucos carregadores, o inóspito continente africano. Como ele próprio escreveu: "Vencer as suas paixões indómitas, vencer os seus hábitos materiais e morais da vida civilizada, são os dois grandes trabalhos do explorador. Aquele que o conseguiu atingirá o seu fim, cumprirá a sua missão." E Serpa Pinto cumpriu a sua missão. Serpa Pinto não tem hoje o destaque que têm, por exemplo, os navegadores e os descobridores portugueses, mas foi um dos mais importantes exploradores nacionais e, como tal, merece um lugar no panteão das figuras históricas de maior relevo. Há inúmeras ruas com o seu nome em todo o país, inclusive no Concelho de Cinfães, onde ainda existem outros locais com o nome do Explorador, como é o caso do Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto, o Jardim Municipal, onde podemos ver o seu busto, e o Museu Municipal. Biografia elaborada por Lourenço Costa, nº 16, 6º C

Sardinha, a Rainha de Portugal A sardinha, ao longo dos tempos, tem vindo a ter cada vez mais destaque e já é associada a várias festas populares, em que é um dos símbolos de maior destaque. Seja noite de Sto. António, de S. João ou de S. Pedro, seja em Lisboa, no Porto, em Braga ou noutro local do país, uma coisa não faltará à festa: as maravilhosas sardinhas assadas! Ela tem tido cada vez mais a atenção de vários artistas, que já a recriaram, representando vários símbolos portugueses, nomeadamente a guitarra portuguesa, bandeira, fado e festas populares. A sardinha não é só obrigatória nas festas populares, mas também o é na ementa de todos os que se preocupam em fazer uma alimentação saudável, devido às suas características nutricionais. Este peixe pertence à familia da Clupeidae. É um peixe aparentado com um arenque. Normalmente é de pequenas dimensões, caracteriza-se por só ter uma barbatana dorsal, sem espinhos, a barbatana anal também não tem espinhos. É um peixe muito escamoso, tendo escamas ventrais e tem coloração prateada, para além disto, não tem dentes e vive no mar, em águas rasas e em grandes cardumes. Vive no Mediterrâneo, na costa Atlântica de França, no norte de Marrocos, entre outros sítios. Mas é na costa portuguesa que a sardinha é capturada e é a única espécie de peixe em toda a Península Ibérica a ter certificação de qualidade. A frota do cerco é uma arte amiga do ambiente, pois não é agressiva para as outras espécies e por isso é a mais utilizada para a sua captura. Por ano, são capturadas cerca de 60 mil toneladas de sardinhas, em toda a costa portuguesa. Tem várias substâncias que o nosso organismo necessita, tal como o ómega 6 e o ómega 3, benéfico nas doenças cardiovasculares, uma vez que aumenta o chamado “colesterol bom” e diminui o “colesterol mau”. Estes dois tipos de ómega tornam o sangue mais fluído, aumentam a concentração, a memória e também ajudam a combater o stress. Para além disto, a sardinha ainda é uma ótima fonte de ferro, magnésio, fósforo, vitaminas A, B, D, E e M. Deste modo, devemos consumir sardinha com bastante regularidade, pois tem a grande vantagem de ser benéfica para a saúde. A existência de sardinha na costa portuguesa e a facilidade da sua confeção tornam-na num dos símbolos gastronómicos de Portugal. Trabalho elaborado por: Eduardo Vasconcelos, nº 8, e Maria Lúcia Ribeiro, nº 12, 6º F


P ÁGINA

34

Visita ao Auditório de Cinfães

Num dia idêntico a tantos outros, o professor avisou: - Amanhã, vistam uma roupa linda, pois vamos ao Auditório de Cinfães ver um espetáculo… um teatro. A nossa turma ficou radiante por ter a oportunidade de, mais uma vez, poder sair da escola para irmos assistir a um espetáculo. No dia seguinte, fomos para a escola, como habitualmente, mas com roupas mais bonitas. Começámos a estudar e a cumprir as tarefas, mas de vez em quando espreitávamos a ver se víamos o autocarro a chegar. Chegou o autocarro. Entrá-

REV ISTA

mos com cuidado para que ninguém se magoasse e lá fomos até Cinfães. A viagem foi curta. Já em Cinfães, aproveitámos para lanchar para assim termos forças para batermos palmas aos atores. Entrámos e fomos sentarnos onde nos indicaram… estávamos prontos para assistir à peça : ”Jardim de Estrelas”. Durante o espetáculo divertimo-nos muito com as personagens, mas achámos que a história era um pouco difícil. No final do espectáculo, regressámos à nossa escola e, como de costume, cantávamos e dizía-

ESCOLA R

mos lengalengas, daqueles que se dizem nos autocarros quando fazemos passeios da escola: PASSOU…PASSOU PASSOU UM AVIÃO A DIZER QUE LOUREDO ERA UM GRANDE CAMPEÃO. Durante a tarde, com a ajuda do nosso professor, fizemos um pequeno debate sobre a história e descobrimos que o universo é feito de pó de estrelas e esse pó é que deu a vida à natureza. Foi um dia divertido e diferente. Alunos da turma B, 1º ciclo de Louredo


O Magusto na Escola de Louredo No dia onze de novembro de 2015, realizámos o tradicional magusto, na nossa escola. Nesse mesmo dia, começámos por pintar, na sala de aula, desenhos relacionados com as castanhas, lemos alguns poemas e quadras, fizemos cartuchos para colocar as castanhas, cantámos e dramatizámos a lenda de São Martinho. Depois de tudo isto, fomos para o recreio da escola e, com a

ajuda dos nossos professores e auxiliares, espalhámos a caruma, as castanhas e o sal, e, por fim, acendemos a fogueira. Passado algum tempo, as castanhas começaram a estalar. Enquanto as castanhas acabavam de assar, fizemos uma roda à volta da fogueira e cantámos algumas canções. Assim que ficaram prontas, comemolas e bebemos sumo. No final, alguns meninos pintaram a cara com a cinza da fogueira.

P ÁGINA

Esta foi uma atividade muito divertida em que todos os meninos da escola gostaram de participar. Turma A – 1º/2º anos Escola Básica de Louredo

Os Alunos de Meridãos num Jardim de Estrelas Os alunos do 1º Ciclo e Jardim de Infância desta Escola foram convidados, pelo Sr. Presidente do Município de Cinfães, a estarem presentes, no pretérito dia 11 de novembro, pelas 14:30h, no Auditório Municipal, para assistirem a uma Peça de Teatro – JARDIM DE ESTRELAS, levada à cena pelo Grupo Montemuro. O espetáculo arrebatou-os. Não fosse o facto de a mensagem ser maravilhosa, o cenário original, com muito material de desperdício bem aproveitado, colorido e iluminado, os atores serem brilhantes, com vozes suaves e doces, a música melodiosa e cativante, mas o terem sido chamados a interagir no decorrer da representação evitou que dispersassem a atenção e mantivessem o olhar preso na cena. Terminada a sessão, regressaram à Escola muito satisfeitos com a mensagem que enriqueceu os seus conhecimentos e com a apresentação que maravilhou os seus sentidos. Trabalho elaborado pela Turma B—2º e 3º anos

35


REV ISTA

ESCOLA R


P ÁGINA

37

Postais de Natal No dia 27 de janeiro, os alunos da Escola Básica de Nespereira deslocaram-se ao edifício das antigas instalações do Jardim- de- Infância da Feira – Nespereira, para verem os seus trabalhos na exposição de Postais de Natal, promovida pela Junta de Freguesia de Nespereira.


P ÁGINA 38 P ÁGINA 38

Este ano, a nossa Festinha de Natal, realizada no dia 17 de dezembro, teve um sabor mágico, um sabor muito especial e doce. Teve lugar no Salão do Centro Social e Paroquial de Tendais e, por tal motivo, foi-nos possível partilhar o mesmo espaço com os idosos daquela instituição, vivendo com eles este momento, que se revelou uma preciosidade! Como Natal é tempo de paz, é tempo de alegria e de esquecer qualquer tipo de tristeza, o Sr. Presidente da nossa Junta de Freguesia (Tendais), muito gentilmente, ofereceu um espetáculo natalício. Desta feita, foi a TRUPE JULIRÉRÉ – da autoria de um artista

REV ISTA

Natal em Meridãos cinfanense, Hugo Vieira que contribui para uns deliciosos e divertidos momentos tão do agrado de todos os presentes. Como complemento de tão agradável sessão, o Prof. João (Música) apresentou o Grupo de Idosos e o Grupo de Alunos a entoarem canções de Natal. Para culminar, reunimonos à volta da mesa e partilhámos as nossas iguarias próprias da época festiva. Foi uma Festa de Natal diferente, mas igualmente cheia de calor humano, de partilha, de amor … Trabalho elaborado com a colaboração dos alunos do Jardim de Infância de Meridãos

ESCOLA R

X ENCONTRO DE CANTARES DE JANEIRAS NA E.B.1 DE MERIDÃOS No dia 28 de janeiro de 2016, pelas 18 horas, o Estabelecimento de Ensino de Meridãos levou a cabo o X Encontro de Cantares de Janeiras. Tal como é habitual, o grupo de alunos entoou quatro belas melodias que muito agradaram ao público. Esta iniciativa teve como objetivo principal manter viva a tradição do Cantar de Janeiras, que teima em desaparecer. Todos os anos havia a participação de um ou mais grupos neste evento, mas este ano foi impossível a sua colaboração. Então, surgiu uma grande surpresa. Um grupo de Encarregados de Educação, em conjunto com as professoras, organizaram-se e cantaram para os filhos, que ficaram encantados com esta maravilhosa atuação. Neste encontro, tivemos o grato prazer da presença da Sra. Vereadora da Educação, do Sr. Presidente e do Sr. Vice-Presidente da nossa Junta de Freguesia, tendo os primeiros dito umas palavrinhas de agrado e incentivo. No final, efetuou-se um sorteio de um Cabaz de Janeiras, e depois passou-se ao lanche-convívio, onde havia boas e variadas iguarias que aconchegaram os estômagos de todos os presentes! Alunos da Turma A - 1º e 4º anos


P ÁGINA

Poesia de Natal

39

Natal … É o nascimento de Cristo, é pura magia, é dia único,

Natal …

é felicidade, é alegria,

É luzes na árvore,

é mágico,

É a família reunida,

traz muito amor,

É felicidade,

é fixe,

É o nascimento de Jesus!

é feliz,

Um momento de paz,

traz presentes,

Um momento de magia,

é comemorativo,

Tempo de alegria,

é muito divertido,

Tempo de festejar,

é um milagre verdadeiro,

Tempo de amor

é um momento de união e alegria,

Presentes com surpresa,

é o reencontro da família,

Um momento feliz!

é um sentimento, um momento de união,

Tempo de abrir o coração a todas as pessoas,

é a melhor época do ano,

Encontro de muitos emigrantes,

O Natal é amor, amor, amor!...

Uma festa comemorativa,

5ºC (Texto coletivo – Apoio à Leitura)

Alegre como um carrocel! Dia de comer bacalhau, Tempo de comer bolo-rei, Muito divertido, Muito importante para todos! Um sentimento muito forte, Um dia especial, Um dia emocionante! Época de pedir a Deus muito amor! Queremos Natal, todos os dias!!! 5º B (Texto coletivo – Apoio à Leitura)


P ÁGINA

42

General Serpa Pinto

Evocando a Nossa Memória Coletiva ““A memória é um elemento essencial do que se costuma chamar identidade, individual ou coletiva, cuja busca é uma das atividades fundamentais dos indivíduos e das sociedades de hoje, na febre e na angústia.” - O sentido desta afirmação de Jacques Legoff, o pai da Historiografia moderna, orientou e animou estas linhas de evocação da memória Alexandre Alberto da Rocha Serpa Pinto, ilustre patrono da nossa Escola, e filho da terra de Cinfães, nascido a 20 de abril de 1846 na freguesia de Tendais. Procuramos assim evocar, e sobretudo gerar, o sentimento e o ânimo que enformam a designada “Memória Coletiva” dos alunos, professores e restante comunidade, tão cara ela se torna nos dias de hoje na procura de exemplos válidos e meritórios para um devir que se quer pleno de felicidade e boas realizações pessoais e comunitárias. O universo das recordações sociais, económicas e políticas que marcam o pulsar da humanidade através do tempo, representam, em diversos contextos, um legado comum no sentido da formação e preservação de culturas e identidades. Por isso, estas linhas pretendem ser, acima de tudo, mais do que uma exposição factual, o espaço de valorização desses legados, num exercício de construção da memória em que o principal intérprete será o aluno da nossa Escola, quer enquanto leitor, quer enquanto “construtor” de memórias. Porque a memória deve começar por ser coletiva, a partilha é a sua essência, e a primeira ideia a partilhar sobre Serpa Pinto vai no sentido de realçar o seu caráter altruísta e desinteressado com que abordou e consumou os seus projetos e que lhe conferem lugar de destaque na história de Portugal. Procurando acima de tudo honrar o seu patriotismo e cultivar sentimentos eivados de nacionalismo puro, cujos dias e acontecimentos do século XIX potenciaram à escala europeia, Serpa Pinto fez da consumação dos seus projetos e respetivos resultados, não a construção de um legado pessoal ou familiar, mas antes tributando esse legado à pátria portuguesa personificada na figura do Rei. Lembra a história que se viviam tempos de conturbada convivência entre as principais potências europeias, onde a rivalidade crescente entre estas levava a uma disputa sem quartel pelos territórios coloniais, nomeadamente no continente Africano. Perante a voracidade colonialista do gigante Império Britânico, homens como Serpa Pinto, procuraram com a sua coragem, os seus conhecimentos e o seu patriotismo, aliados a uma enorme dose de espírito de aventura, erguer a bandeira portuguesa. Cioso da memória coletiva do seu povo e do lugar que sempre ocupou na história do munREV ISTA

ESCOLA R

do, encarnando-a e vestindo-a, qual farda do exército que tão bem serviu e onde fez notória carreira militar, Serpa Pinto tomou o destino nas suas mãos e procurou fazer valer os direitos históricos de Portugal em África, sobretudo face aos interesses da coroa britânica. Muitos dirão que fracassou, pelo desfecho conhecido da questão do “Mapa Cor-de-Rosa” no contexto da Conferência de Berlim (1884-1885), mas não deve ser esse o entendimento que a história confere a esta personalidade, pois mais do que uma derrota no plano político de Portugal face à Grã-Bretanha, o legado de Serpa Pinto vale por si e vai muito para além do desfecho que a superioridade militar, sob a forma de uma ameaça (o “Ultimato Inglês” - 1890) determinou. Aliás, até nesse aspeto, Serpa Pinto foi um inconformado, deixando vir à tona das suas ações a irreverência que foi a sua imagem de marca na juventude, e que a educação militar logrou controlar, quando arreou bandeiras britânicas num espaço junto ao lago Niassa, cobiçado e monitorizado por espiões e exploradores ao serviço da coroa inglesa, e nele hasteou bandeiras nacionais, naquilo que ficou conhecido para a história como o “Episódio Serpa Pinto”. Mas a aventura africana de Serpa Pinto começou muito antes quando em 1869, com a patente de tenente, participa como voluntário na expedição ao Bonga, onde subiu o curso do rio Zambeze. Após este seu primeiro contacto com as entranhas do continente africano, Serpa Pinto regressou a Portugal e servindo em várias guarnições militares é nomeado capitão no ano de 1876. No ano seguinte, é nomeado para fazer parte, juntamente com Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens, da expedição portuguesa ao centro de África, em pleno cenário de disputa de territórios coloniais em África por parte das diversas potências europeias, com a Inglaterra à cabeça.


General Serpa Pinto (continuação) Nesse cenário, cegou a Luanda em 1877, e logo se deparou com dificuldades de ordem logística para levar a cabo tal expedição. Decidiu então deslocar-se ao Zaire onde se encontrou com o jornalista e explorador inglês Henry Morton Stanley, que acabara de se notabilizar pela sua famosa travessia do continente africano com a descida daquele rio. E foi com base na troca de impressões com Stanley que Serpa Pinto determinou o curso da expedição que iniciou em Benguela, a 12 de novembro de 1877. As dificuldades logísticas, determinadas sobretudo pela falta de carregadores, e a ambição de Serpa Pinto, desejoso que estava em tentar a travessia de África em vez do simples reconhecimento das regiões interiores (como constava do projecto inicial), fizeram com que ele se separasse dos seus companheiros, seguindo um caminho de riscos por determinar. Em agosto de 1878, bastante adoentado, é acolhido pelo missionário francês François Coillard junto às margens do Zambeze, em Lexuma, e foi na companhia deste que, atravessando o deserto do Calaari, chegou a Pretória (África do Sul), onde completou a travessia de África, a 19 de março de 1879. A expedição de Serpa Pinto produziu enormes resultados de natureza moral e afetiva, tendo contribuído decisivamente para o conhecimento da geografia africana, renovado, ao mesmo tempo, o prestígio internacional de Portugal, num contexto de competitividade colonial extrema.

P ÁGINA

43

No entanto, como já foi referido, no plano político e ultramarino/colonial, não se verificaram os resultados positivos que seriam expectáveis. A ligação territorial entre Angola e Moçambique nunca se viria a consumar, fracassando o projeto do “Mapa Cor-de-Rosa” apresentado na Conferência de Berlim, sucumbindo à ameaça militar britânica e ao dinamismo que outros povos europeus colocavam na corrida aos territórios africanos. A aventura de Serpa Pinto, na sua travessia solitária e arriscada e legada à posteridade pela sua obra literária “Como eu atravessei a África”, construiu a imagem de um homem corajoso e heróico, num período em que Portugal atravessava uma grave crise política e moral. Mas, o que é que poderá definir a coragem de um homem? A sua capacidade de superação perante situações adversas? Ou será, por outro lado, a sua vontade de lutar até ao limite das suas forças por uma causa em que acredita? Certamente que estas questões e consequentes respostas, não bastarão, pelo seu caráter redutor, para tornar inteligível ao senso comum a coragem e o exemplo histórico de mérito de Serpa Pinto, que a memória coletiva desta comunidade educativa procurará sempre honrar e preservar. Prof. Duarte Nuno B. Cardoso (Docente de História)

Jornais online O “Mural da História” é um jornal on-line dinamizado pelos grupos 200 e 400 do AEGSP de Cinfães que permite envolver toda a comunidade escolar (professores, alunos, pais, familiares e amigos), num projeto aliciante. Pretende-se utilizar as novas tecnologias, aliando-as ao mundo da leitura, escrita e imagem, incentivando a busca por informações de natureza histórica e/ou historiográfica local e/ou nacional. Disponível em:

http://www.wikijornal.com/wikijornalcomhistmuralcinf/ O Site da Biblioteca do Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto-Cinfães é um espaço aberto à partilha de saberes e de divulgação de atividades dinamizadas pela biblioteca. Os seus objectivos são estimular a comunidade educativa a utilizar o site como ferramenta de divulgação de trabalhos; valorizar ações de partilha e colaboração dentro da comunidade educativa; criar e manter nos alunos o hábito e o prazer da leitura, da aprendizagem e da utilização da biblioteca; promover e divulgar os recursos existentes na biblioteca. Disponível em: https://sites.google.com/a/aecinfaes.pt/biblioteca-do-agrupamento-de-escolas-general-serpa-pinto-cinfaes/home


P ÁGINA

44

Feira Outonal em Santiago de Piães No dia 21 de outubro, na Escola Básica de Santiago de Piães, realizou-se a Feira Outonal. Todos os meninos da escola trouxeram produtos (abóboras, frutos secos, salsa, fruta, coelhos, galinhas, bolos)… Depois, montámos barraquinhas e vendemos esses produtos aos nossos pais. Foi muito divertido porque fizemos de vendedores! Os nossos pais também gostaram muito e divertimo-nos porque convivemos uns com os outros. Já estamos à espera da próxima Feira Outonal!… A Turma A da EB de Santiago de Piães

Cantada das Janeiras No dia 15 de janeiro, cantámos as Janeiras para os nossos pais, amigos e familiares. Nós cantámos, o senhor professor Rui e o senhor professor Pedro tocaram viola, e o senhor professor Carlos tocou piano. Todos tínhamos uma coroa na cabeça. No fim, todos bateram palmas de contentes, porque cantámos muito bem. Algumas mães ofereceram chocolates, rebuçados e biscoitos. A Cantada é a festa dos Reis que foram a Belém visitar o Menino Jesus, levando-lhe presentes. Os Reis Magos vieram do Oriente e foram guiados por uma luz até à cabana do Menino Jesus. Eles chamavam-se Baltazar, Gaspar e Belchior. Alunos do Jardim-de-Infância das salas 1 e 2 da Escola Básica de Santiago de Piães

REV ISTA

ESCOLA R


Notícias de S. Cristóvão

P ÁGINA

45

As Batas na Nossa Escola Este ano, a nossa escola decidiu aderir ao projeto do Agrupamento, implementado há já vários anos: “o uso de batas diárias para todos os alunos do 1ºciclo”. Houve uma reunião com os encarregados de educação, foi-lhes explicado o que se pretendia e chegámos à conclusão que era uma mais-valia para todos. As professoras que lecionam na nossa escola tiveram o cuidado de escolher o tecido e o padrão das batas, para todos os alunos do 1º ciclo. As nossas batas são muito giras. As cores predominantes são o azul marinho e o verde; entendemos nós que são duas cores que conjugam muito bem. Todos os alunos aderiram a este projeto e todos os dias usamos as nossas batas. Estamos muito contentes, pois andamos vestidos todos iguais! A todos os que fizeram com que este projeto tivesse um final feliz, o nosso muito obrigado! A turma 1º/2ºA - Escola Básica de S. Cristóvão

Dia Mundial da Alimentação No dia 16 de outubro comemorámos, na nossa Escola, o Dia Mundial da Alimentação. Trouxemos frutos variados e, todos juntos, fizemos um batido muito saboroso e colorido. No Jardim-de-Infância, fizemos também com os nossos belos desenhos um individual, que servirá para utilizar nos lanches da manhã e da tarde. Jardim-de-Infância da Escola Básica de S. Cristóvão.

A Rota das 20 Escolas No dia 14 de outubro de 2015, a Escola Básica de S. Cristóvão viveu um dia especial. Recebeu alunos da Escola Básica de Cinfães e de Louredo, no âmbito do Projeto Eco Escolas- Rota das 20 escolas. Para além da passagem de testemunhos, foi registado num pergaminho o compromisso e uma sugestão para melhorar o meio ambiente e torná-lo, assim, mais sustentável. Nesse dia, os alunos comprometeram-se a Sensibilizar a população para o desenvolvimento de boas práticas ambientais, aumentando a separação de resíduos.


P ÁGINA

46

As Janeiras em S. Cristóvão Janeiras em S. Cristóvão No dia 13 de janeiro, a Escola de S. Cristóvão abriu as portas à Comunidade Educativa para a cantada de Janeiras. Os alunos presentearam os encarregados de educação com um belo espetáculo, entoando temas alusivos à época festiva. Foi um belo momento ao som de bonitas canções, dando um pouco da sua alegria no início do novo ano.

“ E Boas Festas “

“De Belém Vimos” À sua porta estamos Este ano como de costume A pedir daquelas coisas Que estão por cima do lume Refrão: De Belém vimos, como os pastores Dar as boas festas aos meus senhores

E boas festas e boas festas nós aqui À porta destes senhores se as quiser Se nos quiser dar os Reis não esteja a demorar Refrão: Nós vimos de muito longe temos caminho para andar

Eu não sei se nos percebe Nós não queremos o caniço Nós queremos daquelas coisas Que têm nome de chouriço (Refrão) Maçãs, nozes, figos secos Pinhões britados com trigo Se nos der presunto cru Também ficamos amigos

Os três reis do Oriente toda a noite caminharam à procura do Menino só em Belém o acharam (Refrão) Viva o patrão desta casa um milhar de anos e um dia “`inda” eu hei de o ver aos pés da Virgem Maria

Os alunos da turma B 2º/3º ano da Escola Básica de S. Cristóvão

As Minhas Férias de Natal Mais umas férias de Natal se passaram. O regresso às aulas está a chegar, fico muito contente por voltar a ver aos meus colegas e professores e poder voltar a estudar. Contudo, não posso evitar sentir saudades das minhas férias. Ao longo destes dias, brinquei e diverti-me muito – “Senhora professora não me esqueci de si, nem de estudar!” - Fiz várias atividades, fui à Aldeia do Pai Natal, fui visitar alguns monumentos da “Rota do Românico”,

REV ISTA

fui às compras no Parque Nascente, andei a trabalhar no quintal com o meu pai….Mas não me sinto triste por regressar às aulas, pois quero aprender muito, para um dia ser alguém na vida, em breve já terei férias outra vez! Espero que este ano, que agora começa, seja tão bom como o ano que agora termina!

ESCOLA R

David Jesus Silva, 4º ano Escola Básica de S. Cristóvão


P ÁGINA

50

PES - Projeto de Educação para a Saúde Projeto Iogeneration

O iodo é um nutriente essencial para o bom funcionamento do organismo humano. Este nutriente está presente na nossa alimentação, particularmente em produtos do mar. Uma ingestão deficiente deste nutriente pode comprometer o desenvolvimento cognitivo da criança, bem como, as suas aprendizagens. Assim, a carência de iodo é considerada um problema de saúde pública. No mundo, uma em cada três crianças apresenta carência deste nutriente. Em Portugal, não existe uma política alimentar focada neste problema, nem dados que relacionem o estado do iodo nas crianças, com o seu desenvolvimento cognitivo. Para isso, foi criado o projeto Iogeneration, com os seguintes objetivos: • Avaliar os níveis de iodo em crianças em idade escolar em Portugal; • Avaliar a quantidade de iodo no sal usado nas escolas e domicílios; • Relacionar os níveis de iodo encontrados com o estado de saúde das crianças no que diz respeito ao crescimento global e ao desenvolvimento cognitivo; • Consciencializar a comunidade para a importância da ingestão adequada de iodo para a saúde. Este projeto está a ser concretizado por uma equipa multidisciplinar de investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS) da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP). Neste projeto participam cerca de 5 mil crianças do norte de Portugal, entre elas as crianças de três turmas do Agrupamento de Escolas de Cinfães: o 6ºA, da Escola E.B. 2,3 General Serpa Pinto, e as duas turma do 4ºAno do Centro Escolar de Cinfães.

Dia Mundial do Não Fumador Segundo a Organização Mundial da Saúde, o tabagismo é a principal causa evitável de doença e morte no mundo ocidental. Apesar da maioria das patologias a ele associadas surgir na idade adulta, o tabagismo inicia-se muito cedo. Cerca de 80% dos fumadores inicia o consumo de tabaco antes dos 18 anos, e o pico da iniciação nos países ocidentais, incluindo Portugal, ocorre entre os 11 e os 15 anos. O facto da iniciação tabágica ocorrer precocemente tem um forte impacto nos riscos e nas consequências de fumar. Começar a fumar nesta fase do desenvolvimento prejudica o processo de maturação dos pulmões e do sistema nervoso central, e os adolescentes que experimentam fumar nesta idade têm um risco elevado de se tornarem dependentes. Quanto mais cedo ocorrer a iniciação, mais rápida será a transição para o comportamento regular, mais cigarros forem consumidos por dia, no futuro, mais grave será a dependência e, consequentemente, maior será a dificuldade para deixar de fumar, mais longo será o percurso como fumador e piores serão os danos para a saúde. (adaptado de testes CienTic, Porto Editora) No sentido de promover hábitos de vida saudáveis, a Equipa do Projeto de Educação para a Saúde dinamiza, anualmente, o concurso de mensagens “O Melhor é Não Fumar”. Os alunos participaram com motivação, empenho e criatividade. Os autores dos melhores trabalhos foram recompensados com material escolar oferecido pela escola. A equipa do Projeto de Educação para a Saúde selecionou as mensagens que considera mais apelativas e que a seguir se apresentam. A Equipa do Projeto de Educação para a Saúde

Rafael Fernandes, Nº16 , 9ºC REV ISTA

ESCOLA R

Sara Rocha, Nº17 , 9ºC


Formação em Praga

P ÁGINA

51

Human Resource Management Na primeira semana do mês de novembro, entre os dias 2 e 6, o Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto, Cinfães esteve representado na formação Human Resource ManagementHuman Resource Management, enquadrada no projeto ERASMUS+, que teve lugar em Praga, na República Checa. Do grupo que representou o Agrupamento faziam parte seis elementos, três docentes do primeiro ciclo do ensino básico, uma docente do terceiro ciclo e uma assistente operacional. A formação decorreu nas instalações do ITC International TEFL, orientada pelo formador Emil Velinov, e teve como principais objetivos: consciencializar os formandos da importância da gestão de recursos humanos nas instituições educativas, bem como fornecer métodos e abordagens eficazes, aprofundando conhecimentos relativos a ferramentas e aplicações nesta área. Reforçar e desenvolver capacidades de liderança e bases de comunicação, cooperar e aprender num contexto internacional e partilhar experiências na área de gestão de recursos humanos eram também objetivos definidos para esta formação. Ao longo da semana, os formandos foram guiados pelo quadro teórico-conceptual da temática, desafiados a partilhar experiências, analisar e debater práticas, comportamentos e atitudes, discutindo diferentes formas de atuação, papéis a desempenhar, formas de comunicação. Seguindo uma prática sistemática de questionamento, o formador orientou os trabalhos de forma a levar o grupo a refletir sobre as suas experiências e a tomar consciência da importância de estruturas organizadas e eficientes, nas quais cada elemento represente um papel ajustado às suas características e competências. A capacidade de negociação e a gestão de conflitos foram também alvo de análise e discussão. Ao longo dos trabalhos, os formandos puderam ainda conhecer e experimentar testes de avaliação de competências – personal evaluation tests - utilizados no âmbito da gestão de recursos humanos, ferramentas importantes na identificação do papel que cada um dos elementos de uma determinada organização poderá desempenhar, a partir da identificação das características de cada indivíduo. Foi, sem dúvida, uma experiência muito enriquecedora para todos os participantes, não só pela postura e dinâmica do formador, como também pelo apoio diário prestado por todos os elementos do ITC. De destacar, a visita guiada pelos principais pontos de interesse da magnífica cidade de Praga, promovida pelo ITC, na tarde do primeiro dia da formação e que constituiu um excelente ponto de partida para conhecer um pouco mais da “cidade das cem cúpulas”.


P ÁGINA

52

Notícias da Biblioteca Escolar A equipa da biblioteca escolar tem

exposições, debates, momentos de poe-

trabalhado com o objetivo de desenvol-

sia e de teatro, sessões com autores e

ver competências, contribuindo para que

atividades propostas por todos os De-

os alunos acedam de uma forma crítica à informação disponível local ou remota-

partamentos Curriculares. Os responsáveis orientam o seu trabalho no sentido

mente. Assegura ainda um importante

de criar uma articulação das atividades

papel na formação de leitores e na pro-

da biblioteca com as áreas curriculares,

moção de hábitos de leitura. É neste sen-

de forma que umas complementem as

tido que o espaço da biblioteca é um local privilegiado para a organização de

outras.

Formação de Utilizadores

Apresentação do livro “A História da Matilde” No dia 28 de outubro de 2015, a autora Lúcia

Em outubro, durante a semana da Biblioteca Escolar, as turmas do 5º ano deslo-

Araújo Silva, fez a apresentação do livro " A

caram-se à biblioteca na hora de ECA, para participarem numa sessão de formação

História da Matilde", na

sobre as regras de funcionamento da mesma. Este é um momento que contribui para

biblioteca da escola, para

uma melhor utilização de todos os recursos existentes, familiarizando os novos alu-

todas as turmas do 5º ano

nos com todas as valências disponíveis.

de escolaridade. Esta foi uma

atividade

de

promoção da leitura, no âmbito da comemoração do Dia Internacional da Biblioteca Escolar. Foram duas sessões que tiveram a participação

de

alunos,

professores e a presença do vereador da Cultura da Câmara Cinfães.

REV ISTA

ESCOLA R

Municipal

de


P ÁGINA

53

Notícias da Biblioteca Escolar Exposição de trabalhos dos alunos Na semana de 26 a 30 de outubro foram afixados os trabalhos realizados pelos alunos, no âmbito da comemoração do Dia Internacional da Biblioteca Escolar. Esta atividade teve a participação de todas as turmas da escola, com a ilustração de frases relacionadas com a leitura. No dia 30, os alunos do 9º E, sob orientação do professor Adelino Soares apresentaram um Rap sobre o “Civismo”.

Leitura de Textos em sala de aula No dia 30 de outubro, um grupo de professores de Inglês e do Clube de Teatro, em parceria com a Biblioteca Escolar, levaram a leitura e o teatro às salas de aula, associando as atividades da semana da Biblioteca com as do Halloween. Foram momentos de boa disposição e criatividade que se enquadram nos Planos de Desenvolvimento das línguas Portuguesa e Inglesa.


P ÁGINA

54

Entrega de prémios do concurso de leitura No dia 17 de dezembro, realizou-se a entrega de prémios aos alunos vencedores do concurso de leitura do 2º e 3º ciclos. No 2º ciclo, o livro a concurso foi a “ Árvore” de Sophia de Mello Breyner Andresen, e teve como primeiras classificadas, respetivamente as alunas: Carolina Madureira, nº6, do 6ºA; Soraia Cardoso, nº19, do 6ºF; e Verónica Cardoso, nº 22, do 5ºB. Relativamente ao 3º ciclo, o livro a concurso foi o “Meu Pé de Laranja Lima” de José Mauro de Vasconcelos. As alunas classificadas, nos três primeiros lugares, foram: Daniela Filipa Pontes, nº 4, do 9ºD; Ana Rita Pinto, nº1, do 9ºB; e Ana Catarina Rodrigues, nº1, do 8ºB. As alunas vencedoras do 3º ciclo irão representar a escola na final distrital do Concurso Nacional de Leitura. Para além das atividades referidas, a biblioteca foi um local onde se realizaram exposições temáticas, promovendo a comemoração de dias de reconhecida importância na formação de crianças e jovens, como os dias da Alimentação, do NãoFumador, da Pessoa com Deficiência ou dos Direitos Humanos.

REV ISTA

Notícias da Biblioteca Escolar Entrega de prémios do projeto ETwinning No dia 3 de novembro, às 16 h e 45min, realizou-

para além dos alunos premiados, o coordenador

anos, em parceria com uma escola da Croácia. O

se na Biblioteca, a sessão

responsável pelo projeto,

seu bom desempenho tem

de entrega dos certificados do Projeto “Pots of Gold”,

professor Paulo Vasconcelos. Os certificados foram

sido reconhecido pelas entidades promotoras,

que foi premiado com um selo Europeu de Qualida-

entregues pelo Diretor do Agrupamento, professor

de. Foi uma cerimónia em

Manuel Pereira. Este pro-

que estiveram presentes,

jeto é desenvolvido há três

dando visibilidade à escola, a nível europeu. A Coordenadora da Biblioteca Graça Bompastor

ESCOLA R


Notícias do CQEP

P ÁGINA

55

A equipa do CQEP de Cinfães, empenhada em proporcionar aos utentes do CQEP um serviço marcado pela qualidade e pelo rigor profissional, tem vindo a apoiar cidadãos de diferentes idades na construção dos seus projetos individuais de carreira, através da orientação ao longo da vida, preparando-os para enfrentar os atuais desafios do mercado de trabalho, marcados por diversas transições, entre a escola e o mercado de trabalho. Presentemente, com uma oferta Educativa e Formativa que contempla 514 formandos inscritos, dos quais 246 estão encaminhados, o CQEP Cinfães desenvolve o processo de RVCC de Nível Básico (B3) e de Nível Secundário em diversas localidades. A saber: Cinfães, Espadanedo, Souselo, Freigil, Nespereira e Resende. No passado dia 14 de dezembro de 2015, realizouse mais uma sessão de Júri de Certificação de Nível Básico e outra de Nível Secundário, nas instalações do antigo Externato de Cinfães. Presidiram à abertura da Sessão o diretor do Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto de Cinfães, Prof. Manuel Pereira, e o coordenador do CQEP de Cinfães, Prof. Mário Teixeira. O Júri de Certificação, representado pelos professores: Sónia Ferreira, Madalena Pinho e Mário Crescêncio, participou naquela que é considerada a última etapa do processo de RVCC e certificou mais 6 candidatas do nível básico: Aurora Moreira; Cristina Pinto; Mónica da Silva; Sofia Correia; Leopoldina Melo e Sandra Melo; e dois candidatos de nível secundário: Ana Paula Costa e Nuno Cardoso. Ademais, constatou que o sucesso e a eficácia do processo de RVCC dos formandos em avaliação se prende com uma atuação assente no rigor e na qualidade, antevendo-se que num período de algum marasmo institucional e organizacional, a educação e a formação adquirem um papel fundamental na procura de caminhos catalisadores do desenvolvimento das sociedades, do crescimento económico e do surgimento de uma cidadania ativa. No dia 27 de janeiro de 2016, foi a vez de mais um grupo de formandos de Nível Básico de Freigil, Resende, apresentarem os seus Temas de Vida, nas instalações do Centro Social, Recreativo e Desportivo de Freigil. Para além dos elementos do Júri de Certificação que representam a Entidade Promotora, o já citado Agrupamento de Escolas e do Coordenador do CQEP Cinfães, também estiveram presentes a Presidente da Junta de Freguesia de Freigil, Isaurinda Campos, a Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Resende, Prof.Sandra Pinto e da Vereadora da Ação Social de Resende, Prof.Maria José Dias. Dada a impossibilidade de se realizar um Júri de Certificação em que participassem todos os formandos deste curso, numa primeira fase, apenas foram certificados cinco candidatos: José Pereira; Maria da Conceição Madureira, Telmo Campos; Paula Colaço e António Carvalho, tendo ficada agendada uma nova sessão para o dia 03 de fevereiro. Preocupados em evidenciar as competências adquiridas, no sentido de conseguirem revelar, de forma autónoma as suas aprendizagens, os jovens/ adultos mostraram o seu investimento na formação, a familiarização com os meios informáticos, a abertura de horizontes, baseados na interação social e no contacto com outras realidades e saberes. Salientem-se os Portefólios Reflexivos de Aprendizagem, que demonstraram a riqueza dos percursos individuais dos formandos, autênticos caminhos de criação, decorrentes das suas diversas experiências e aprendizagens ao longo da vida. Por outro lado, a diversidade e qualidade dos Temas de Vida apresentados pelos intervenientes, que abordaram realidades profissionais de grande interesse para toda a equipa envolvida, tais como: Gaspeadeira e a Arte de Trabalhar o Calçado; A Arte da Doçaria; O Envolvimento da Mulher na Construção Civil; A Tapeçaria em Esmirna; Os Incêndios e Os Acidentes Vasculares Cerebrais; A Diabetes; um projeto agrícola- Plantação de Mirtilos; Como Fazer uma Instalação Elétrica? e Como Criar uma Empresa de Construção Civil?, entre outros, espelharam todo um trabalho profícuo e rigoroso, potenciado por uma articulação eficaz entre todos os elementos que constituem a equipa técnico-pedagógica. Acresce assinalar que na apresentação dos Temas de Vida foi notória a preocupação em evidenciar de que forma é que os conhecimentos adquiridos nas diferentes Áreas de Competência Chave se correlacionam com o contexto profissional.


P ÁGINA

56

A Biblioteca Escolar no 1º Ciclo e no Jardim Infantil O Mês Internacional da Biblioteca Escolar (BE), em outubro, constituiu um período privilegiado para sensibilizar e motivar os alunos para a utilização regular das bibliotecas, bem como para reforçar algumas das atividades ou projetos em que ao longo do ano podem participar. Aproveitámos, assim, para destacar a importância das Bibliotecas Escolares na educação, e promover o gosto pela leitura. Nesse sentido, nos Centros Escolares de Santiago de Piães e São Cristóvão, através da Biblioteca Escolar e em colaboração com os professores e educadores, orientámos a produção de trabalhos de expressão plástica, relacionados com as histórias dos livros, que serviram depois para decorar a BE e algumas das paredes dos Centros Escolares. Solicitámos também a alguns alunos e professores que escolhessem cuidadosamente alguns textos e autores, do agrado dos alunos, para a realização de sessões de leitura. Estes preparam uma pequena apresentação dos textos a ser lidos, treinaram previamente as leituras e, no final, dialogaram e colocaram questões. Articulou-se o plano de atividades da biblioteca com o 1.º Ciclo e o Jardim-de-Infância, de modo a ampliar e diversificar o leque de possibilidades de cooperação e de intervenção. Através do espaço da BE foram produzidos outros materiais pelos alunos, como figuras do presépio, em cartão, que depois foram coladas num painel à entrada dos Centros Escolares, lembrando a noite de Natal. Verifica-se o continuado interesse dos alunos pela BE que, através dos projetos anuais, como a Hora do Conto e o Projeto a BE, no intervalo e tempo livre, trazem todos os alunos, por turmas, diariamente a este local, que é, já de si, significativo do interesse deles, e é onde exploram uma área ou valência do seu especial interesse, requisitam um livro ou outro documento para casa ou realizam, em grupo, uma pequena atividade lúdica de integração. As bibliotecas escolares desempenham, assim, um papel muito importante nas escolas e são um veículo de transmissão de conhecimento, não apenas através dos livros, mas também das atividades que aqui se desenvolvem. Joel Oliveira - professor bibliotecário REV ISTA

ESCOLA R


P ÁGINA

57

O Mês Internacional da Biblioteca Escolar Nós, no Centro Escolar de Santiago de Piães, gostamos muito de ler. No mês Internacional da Biblioteca Escolar fomos às duas salas dos meninos do Jardim-de-Infância para lhes lermos uma história. Preparámos a leitura da história “Boa Noite Mocho”. Na história, contava-se que, durante o dia, imensos pássaros de espécies diferentes pousavam na árvore do Mocho, não o deixando dormir, pois faziam muito barulho, até que … Se queres mesmo saber, lê o livro, pois é fantástico (podes encontrá-lo na Biblioteca Municipal de Cinfães)! A segunda história chama-se “HO” e não tem letras, apenas tem imagens, sim! As páginas abrem e, com essas imagens, contámos o que estava e o que ia acontecer. No final, fizemos perguntas e ajudámos a responder. Também fomos à BE escolher um livro que se chama “A viagem de OLAJ”, do autor Martín León, que fala de um menino que vivia numa casa muito grande e num planeta muito pequeno. Como a casa era muito grande, decidiu sair. Quando saiu, encontrou muitos amigos, mas, quando voltou a casa, esta tornou-se muito pequena porque os amigos eram, agora, muitos. Depois, fizemos, com materiais reciclados (papelão, copos de plástico e tintas), uma tela em cartão para enfeitar o corredor da nossa sala; outros colegas fizeram outras telas também muito bonitas, inspiradas em histórias de livros maravilhosos. Texto escrito pelos alunos do 4.º ano da EB de Santiago de Piães


P ÁGINA

58

Dia Internacional em Santiago de Piães No dia 3 de dezembro, comemora-se o Dia Internacional da Pessoa Portadora de Deficiência. Por este motivo, na Escola Básica de Santiago de Piães, assinalou-se o dia com uma atividade diferente. Realizou-se uma sessão de cinema com a visualização da história o “Patinho Feio”, reportando esta para a Diferença. Falou-se sobre o tema, que teve como principal objetivo a motivação para uma maior compreensão dos assuntos relativos à diferença e à mobilização para a defesa dos direitos e do bem-estar de todos. Os alunos mostraram-se motivados e interessados pelo tema, intervindo de forma adequada. Todos os alunos receberam um marcador de livros com um pensamento sobre a diferença, os quais também foram trabalhados no momento. Independentemente de se ter alguma deficiência, somos todos diferentes, e é na diferença que aprendemos e crescemos. O Respeito é a palavra-chave! “Tudo é diferente de nós, e por isso é que tudo existe.”( Alberto Caeiro) Terminou-se a atividade com a visualização da curta-metragem “Cordas”, que mesmo sem palavras, mostrou que a diferença somos nós que a podemos fazer. O dia foi organizado com a ajuda dos alunos de Educação Especial e participaram todos os alunos da escola. Prof.ª Sónia Correia - Escola Básica de Santiago de Piães

Um Dia Diferente na Escola No dia 29 de setembro, dia de S. Miguel, houve uma feira na Escola Básica de Cinfães. Todas as crianças trouxeram de casa a sua contribuição: batatas, cebolas, abóboras, feijões, couves, fruta, castanhas, ovos, bolos, roupa e até coelhos! Logo de manhã, os produtos foram colocados nas “bancas”, à espera dos compradores. Pais, avós, tios e outros familiares dos alunos estiveram na feira, a comprar o que precisavam e até o que não precisavam… só para ajudar a Escola. Foi uma manhã de muito movimento e alguma confusão, mas também de muita alegria e grande diversão! A turma do 2º C

REV ISTA

ESCOLA R


O Cantar das Janeiras

P ÁGINA

59

No dia 21 de janeiro, às dezassete horas, as crianças do 1ºceb e do pré-escolar, da Escola Básica de Cinfães, no corredor da escola, cantaram as Janeiras. Os alunos fizeram questão de convidar pais, familiares e amigos para lhes mostrar o resultado do trabalho feito nas aulas de música. Os convidados foram presenteados com duas canções alusivas ao “Nascimento de Jesus”. A primeira apresentação foi feita por crianças do 4ºano, personalizada por oito alunos de cada turma, que se vestiram de forma a dar realce à apresentação de“ O Rap dos Reis Magos”. O refrão, muito sonante e bem sabido, foi cantado por todos. Por fim, alegremente e com vivacidade, fez-se ouvir um cântico tradicional de Janeiras, muito aplaudido pelos presentes. Alunos e professores agradeceram a presença dos que puderam vir participar num momento de convívio sempre tão agradável e que nos permite continuar a dar vida à tradição do “Cantar das Janeiras”. Turma G do 4ºano

O Alfa na Escola Básica de Cinfães No dia 21 de setembro, os alunos da Escola Básica de Cinfães regressaram às aulas e tiveram logo uma manhã muito animada com duas visitas muito importantes: o Alfa e o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cinfães, enfermeiro Armado Mourisco. Foi com grande entusiasmo que as crianças do 1º Ciclo e da Educação Pré-Escolar acolheram o seu querido amigo Alfa, vindo diretamente do Planeta Maquineta, e que, antes de se dirigir para a sua escola, quis desejar um ótimo ano letivo a todos os alunos e professores da Escola da Vila. Ao mesmo tempo, chegou também o Sr. Presidente da Câmara e alguns dos seus colaboradores, preparados para entregar os manuais escolares a todos os alunos. O Alfa não desperdiçou a oportunidade de cumprimentar o Sr. Presidente, que também não se fez de rogado e aceitou o abraço. Foi, sem dúvida, uma forma animada de assinalar o regresso à escola! Escola Básica de Cinfães


P ÁGINA

60

CRTIC de Cinfães em... DGE, Lisboa

A Equipa do CRTIC de Cinfães participou nas jornadas CRTIC que decorreram no edifício da Direção-Geral da Educação (DGE), em Lisboa, no dia 6 de outubro. Este dia teve como objetivo fazer o balanço da atividade dos Centros de Recursos TIC para a Educação Especial e discutir a atividade para o ano letivo 2015/2016. Esta jornada de trabalho decorreu das competências da DGE no acompanhamento da atividade dos CRTIC, reconhecendo os CRTIC como centros prescritores de apoio do MEC. Coube ao nosso CRTIC, em conjunto com o CRTIC da Amadora, a partilha de ideias e demonstrações de produtos de baixo custo. Este convite honrou-nos muito, pois sentimos que só através da partilha podemos enriquecer os nossos conhecimentos e trabalhar de forma colaborativa.

… Agrupamento de Escolas da Abelheira, Viana do Castelo A Equipa do CRTIC para a Educação Especial foi convidada, ao longo do primeiro período, no âmbito das comemorações do Dia Internacional da Pessoa Portadora de Deficiência, a dinamizar algumas sessões de partilha de saberes e experiências. Assim, no dia 27 de novembro de 2015, em parceria com o CRTIC para a Educação Especial de Viana do Castelo, promovemos no Agrupamento de Escolas da Abelheira, em Viana do Castelo, um workshop cuja temática foi “Intervenção com crianças e jovens com Necessidades Educativas Especiais - O Brinquedo Adaptado e Software de Baixo Custo (Baixa Visão)”. Este workshop, que contou com a presença de 17 formandos, teve como objetivo primordial, numa primeira parte, mostrar como o recurso a tecnologias de apoio pode fazer toda a diferença na participação dos alunos no seu ambiente e na interação com os seus pares, pois as TIC são ferramentas úteis para todos e, por vezes, imprescindíveis aos alunos com necessidades especiais. Estas tecnologias facilitarão não só o apoio à inclusão escolar dos alunos, mas também o aumento da sua qualidade de vida, realizando tarefas quotidianas com maior participação e autonomia. Durante a formação, foram focados exemplos práticos de utilização das tecnologias de apoio e explorados instrumentos de utilização gratuita que poderão ser utilizados pelos formandos no decorrer das suas atividades letivas. Numa segunda parte, foi feita uma apresentação sobre a importância e necessidade do brinquedo adaptado, tendo sido, em seguida, feita a adaptação de brinquedos por parte dos “formandos”. Sentimos que foi uma tarde enriquecedora, com a partilha de experiências e ideias efetuada entre os vários docentes que frequentaram o workshop.

… Centro Escolar Lamego-Sudeste, Ferreirim A convite do Centro Escolar Lamego-Sudeste, o CRTIC dinamizou também uma Ação de Sensibilização do Brinquedo Adaptado para alunos do 4.º ano, com o objetivo de “promover a consciencialização e mobilizar o apoio para questões importantes relacionadas com a inclusão de pessoas com deficiência na escola/sociedade”. Esta sessão contou com a participação das crianças, que, extremamente motivadas, dialogaram sobre atitudes e valores e sobre a importância de ser um cidadão socialmente comprometido. No final desta ação, saímos todos mais ricos, pessoal e profissionalmente, com uma troca dinâmica de experiências e saberes. Salientamos que os três brinquedos adaptados foram oferecidos à Unidade de Apoio do Agrupamento de Escolas da Sé. A Equipa CRTIC para a Educação Especial de Cinfães REV ISTA ESCOLA R


P ÁGINA

Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Assinalou-se, no dia 3 de dezembro, o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, data promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), com o desígnio de sublinhar a necessidade de uma maior atenção por parte de todos para questões relacionadas com a deficiência. A nossa escola, sendo inclusiva, fez questão de assinalar este dia, com a realização de várias atividades com o objetivo primordial de sensibilizar os alunos e respetiva comunidade educativa para promover os direitos da igualdade de oportunidades e a não-discriminação das pessoas com deficiência, assim como lutar contra preconceitos e obstáculos que se impõem no dia-a-dia das pessoas com “in”capacidades de natureza diversa. Foi explorada a história “O Pequeno Trevo” e o Vídeo musical integrado no DVD "O Pequeno Trevo", em todas as turmas, nas aulas de Educação Cívica e Ambiental, história muito bonita que permitiu mostrar que todos somos iguais, embora diferentes.

Os toques da campainha da escola conquistaram um espírito ímpar neste dia, brilhando com a música “Ser Diferente é Normal” de Gilberto Gil e Preta Gil, para promover a diferença através da consciencialização. Foi organizada uma exposição de trabalhos dos alunos alusivos à história trabalhada, em diferentes suportes visuais e tácteis. O Grupo de Educação Especial, em articulação com o Grupo/ Equipa de Boccia, no âmbito do Desporto Escolar, proporcionaram uma tarde de desporto, aberta a todos os alunos da escola, onde o BOCCIA foi a modalidade escolhida, garantindo o desenvolvimento de práticas pedagógicas, de modo a permitir a todos os alunos a possibilidade de integração/inclusão através do desporto. “Se não há duas pessoas iguais porquê discriminar a diferença?.. Seja diferente, trate igual!” Departamento de Educação Especial

61


P ÁGINA

64

Projeto Heróis da Fruta Objetivos do Projeto Heróis da Fruta - Incentivar as crianças a ingerirem fruta todos os dias, na escola e em casa; - Conhecer a importância dos alimentos saudáveis para a manutenção da saúde; - Encorajar as crianças a orgulharem-se de praticar um estilo de vida saudável; - Despertar a comunidade para os benefícios das pequenas mudanças nos hábitos diários.

Nós, as crianças do Jardim-de-Infância de Oliveira do Douro, aderimos ao projeto “Heróis da Fruta”. O projeto consiste numa iniciativa de intervenção educativa, de âmbito nacional, promovida pela APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil, que visa motivar as crianças portuguesas a ingerirem fruta diariamente no lanche escolar, adotando definitivamente este hábito alimentar. Temos aprendido que devemos comer mais alimentos saudáveis e evitar refrigerantes, doces e fritos, pois não são alimentos saudáveis. Todos os dias trazemos uma peça de fruta para o lanche da manhã e pintamos uma estrelinha no Quadro de Mérito dos Heróis da Fruta. Nas nossas salas, há sempre bananas, maçãs, tangerinas, pêras e, às vezes, uvas ou Kiwis. Somos, agora, muito mais saudáveis e fortes! Somos os verdadeiros “ HERÓIS DA FRUTA”! Jardim-de-Infância de Oliveira do Douro

Feirinha de São Martinho No dia 11 de novembro, na nossa escola de Oliveira do Douro realizouse, pela primeira vez, uma feira. Os alunos trouxeram de casa: maçãs, limões, dióspiros, castanhas, nozes, abóboras, cebolas, pimentos, tronchudas, coelhos, patos, roupa, artesanato, bolos e muitas mais coisas… Cada sala enfeitou uma banca com o que trouxe. Os alunos ajudaram a vender os produtos. Apareceram muitas pessoas que compraram tudo. A nossa feirinha foi um sucesso. Nós gostámos de participar e divertimo-nos muito. Escola de Oliveira do Douro, 3º D

REV ISTA

ESCOLA R


Circo no Coliseu do Porto

P ÁGINA

65

No passado dia 16 de dezembro (de 2015), a nossa escola fez uma viagem fantástica ao Porto. Saímos da escola pelas 9:15h, fomos quase todos os alunos do Jardim-de-Infância e da escola do 1º ciclo. Parámos pelo caminho, numa estação de serviço, para lanchar. Encontrámos colegas de uma escola nossa vizinha, Tarouquela, que também iam para o mesmo destino. De seguida, fomos para o NorteShopping. Só para almoçar, mas… Havia lá uma árvore de Natal gigante e um presépio animado, com representação de várias profissões. Fomos almoçar, na zona da restauração. Comemos rápido. Como ainda faltava mais de uma hora para o autocarro nos vir buscar, aproveitámos para a brincadeira: parque com escorregas e baloiços, ficámos todos transpirados! À horinha, viemos de autocarro para o Coliseu. Edifício grande, espetacularmente bonito! O Circo, com vários números, fez-nos delirar! Acrobatas, mágico, contorcionistas, palhaços, saltimbancos e todos os funcionários, foram simplesmente fantásticos. No fim, a sensação com que ficámos foi a de que éramos capazes de ver o espetáculo mais uma vez ou vezes sem conta. Talvez aprendêssemos a fazer aqueles truques… Fantástico! Alunos da EB de Santiago de Piães

Dia Mundial da Alimentação em Nespereira No Dia Mundial da Alimentação, que se festejou no dia 16 de outubro, os alunos Escola Básica de Nespereira realizaram várias atividades alusivas a esta temática. Este ano, todas as turmas da escola e do Jardim-de-Infância fizeram um legume e uma peça de fruta, em cartolina, para decorar o refeitório escolar. Assim, o nosso refeitório ficou mais colorido e agradável. E como uma alimentação equilibrada e variada é muito importante, a nossa escola aderiu ao projeto Heróis da Fruta. Escola Básica de Nespereira

Estrelas de Natal Os meninos do Jardim-de-Infância da Escola Básica de Nespereira, salas 1 e 2, no âmbito do projeto “ Nespereira Natal “, desenvolveram uma atividade em articulação com os encarregados de educação, que consistiu em decorar uma estrela feita em cartão. Estas estrelas serviram para enfeitar duas árvores colocadas no hall de entrada. As crianças e as respetivas famílias aderiram entusiasticamente ao projeto e os trabalhos desenvolvidos apresentaram grande variedade de materiais e muita criatividade. Escola Básica de Nespereira, Salas 1 e 2


P ÁGINA

66

Notícias de Nespereira

“Eu quero que a Escola me transmita coisas divertidas.”(Rafael-3ºano-CENespereira) “A Escola é um local onde se estuda, se trabalha e se fazem jogos com a professora.” (Tatiana-3ºano-CENespereira) “Eu quero que a Escola me ajude a crescer, a aprender e a saber estar em qualquer lugar.” (Margarida-3ºanoCENespereira) “A Escola é um sítio maravilhoso onde meninos e meninas entram para aprenderem a ser homens e mulheres.” (Gonçalo-3ºano-CENespereira) “A Escola é um espaço de aprendizagem e de convivência com os amigos e com os professores.” (Martim Rodrigues3ºano-CENespereira) “A Escola, para mim, é um futuro… A Escola é colorida no inverno.” (Luísa-3ºano-CENespereira) “A Escola, para mim, é o local mais precioso, porque adoro aprender… A Escola é um tesouro MUITO ESPECIAL! Quando sair da Escola, vou ficar com saudades.” (Fabiano-3ºano-CENespereira) “A Escola é um local mágico onde aprendemos, brincamos e comemos. O que eu quero da Escola é sabedoria, amizade, honestidade e união familiar.” (Íris-3ºano-CENespereira) “A Escola é a nossa melhor amiga que nos ensina a fazer variadíssimas coisas.” (Guilherme Vasconcelos-3ºanoCENespereira)

Acrósticos “O

“O rei vai nu”. Era uma vez um

Rei vai nu” É uma história que conta a Importância que um rei dava ao seu Vestuário, pois era muito, muito vaidoso… A sua roupa era tão, tão Importante para ele que, Num dia, iludido e deslumbrado, Uns homens fizeram-lhe um fato invisível!

Rei que adorava roupa e mais roupa! Era tão engraçado e Incompetente, este rei! Vaidoso, muito vaidoso… Agora é que os Impostores te enganaram! Num dia,” vestiram-te” Um fato único e invisível!

Fabiano, 3ºano EB de Nespereira

Luísa, 3ºano EB de Nespereira

O rei não sentia o vento? Que

O

Rei estúpido! Não reconheceu os larápios! Este rei Inteligente não era!

Rei Era rico mas pouco Inteligente! Um dia

Vaidoso, sim… Andava sempre preocupado com as suas roupas e Ignorava as pessoas do reino!

Vieram uns mentirosos ao seu reino Anunciar que faziam tecidos e roupas Importantes. O que este rei

Nu, o rei vai nu. Era Um rei muito, muito tontinho! Guilherme Oliveira, 3ºano EB de Nespereira

REV ISTA

ESCOLA R

Não sabia é que, Um dia, iria nu para a rua! André, 3ºano EB de Nespereira


Notícias de Nespereira

P ÁGINA

67

Os Seres do Planeta ZUNITRON Porcubarão

Burráguia

Este é o porcubarão. Vive no planeta Zunitron. É um animal estranho porque é metade porco e metade tubarão. Ele gosta de comer restos de comida, gosta de jogar, de apanhar peixe e de brincar comigo.

Este é o burráguia. Vive no planeta Zunitron. O seu nome deriva da união de dois animais: o burro e a águia. Ele tem muitas características engraçadas… É simpático e tem um olhar firme para caçar presas. O burráguia leva-me sempre a voar pelo céu azul. Adoro o meu burráguia!

Natanael, 3º ano EB de Nespereira

Íris Alexandra, 3º ano EB de Nespereira

Macapótamo Esta é uma fêmea que vive no planeta Zunitron. A macapótamo é uma mistura de hipopótamo com macaco. Ela é uma fêmea muito simpática e amiga. É gira, carinhosa e inteligente. Gosta de comer coco e banana. Nada bem e sobe às árvores da selva. Lara Francisca, 3º ano EB de Nespereira

Caranáguia Este é o caranáguia. Vive no planeta Zunitron. Ele é uma mistura de caranguejo com águia. Gosta de nadar e voar. Ele é adorável! Este diferente animal tem um segredo: é canibal! Quer dizer que come seres da mesma espécie. O seu predador principal é o golfinháguia, só que ele não tem muita sorte porque o caranáguia é muito rápido a nadar e rápido em terra. Sabes outro segredo? Ele tem uma grande pele por baixo das suas pinças que o fazem planar… Gonçalo, 3º ano EB de Nespereira


Revista Escolar do AEGSP - n° 21  
Revista Escolar do AEGSP - n° 21  

Edição nº 21 da Revista Escolar do Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto de Cinfães

Advertisement