Page 1

capa | Viamídia Publicidade (BA) ano XVI | nº 186 out de 2015

desde 1999


EDITORIAL | LUCIANA TORREÃO Antes que o ano acabe tão rápido, aproveite para chegar em 2016 com bagagem de conhecimento ainda maior. Afinal, é preciso seguir os passos do público-alvo. Por isso, trouxemos neste número reportagem sobre geolocalização. Pois, seu cliente está nas mídias, dizendo o que faz, e por onde passa. Se você não pegar este bonde, fica para trás. A estratégia invadiu o mundo online e os smartphones. Estes,

por sua vez, tiveram queda nos preços, levando o brasileiro a ficar ainda mais conectado. No Mundo Online, o blogueiro Thiago Acioli do Publicitários S.C conta que seu veículo foi um projeto idealizado ainda na faculdade e que já são sete anos dedicados a passar informação a estudantes e profissionais da área. Sem falar das premiações que conquistou ao longo deste tempo. O administrador Fred Alecrim fala

ÍNDICE

no Destaque que a mudança é a chave para o sucesso das marcas e negócios. Já na coluna Olhar Acadêmico, o professor e coordenador do curso de Publicidade e Propaganda da UFPE, Dirceu Tavares, convida ex-alunos a mandarem depoimento sobre o que aprenderam em suas aulas e o que foi colocado em prática profissionalmente.

EXPEDIENTE Viamídia Publicidade (BA)

NOSSA CAPA 16

Mercado se rendeu à geolocalização como estratégia de marketing assertiva.

DIRETOR-PRESIDENTE | Walter Lins Jr walter@revistapronews.com.br EDITORA | Luciana Torreão redacao@revistapronews.com.br REDAÇÃO | Ivelise Buarque, Juliano da Hora, Poliana Alencar redacao@revistapronews.com.br PRODUTOR GRÁFICO | Bruno Regis producao@revistapronews.com.br ASSINATURAS | 81 3426.6144 / 3034.6144 producao@revistapronews.com.br DISTRIBUIÇÃO LOGServiços (PE - 81 2123.1455) Jornal Correio - Rede Bahia (BA - 71 3203.1812) Sistema Verdes Mares (CE - 85 3266.9902) www.verdesmares.com.br

APP.COM 5 | TOP CASE 6 | FICHAS 10 | GIRO 14 CONECTE-SE 26 | OLHAR ACADÊMICO 30 MUNDO ONLINE 32 | CLICK 37 | NA ESTANTE 38

DADOS TÉCNICOS Impressão: Gráfica FacForm (81 3339.6566) grafica@facform.com.br Tiragem: 7.000 exemplares Formato: 22x30cm Tipologias: Swis721 Lt BT / Humanist521 BT Papel: Couché brilho 150g/m² Número de páginas: 40 As matérias assinadas por nossos colaboradores não representam, necessariamente, a opinião da revista. Produza a capa da Revista PRONEWS. Participe pelo e-mail: redacao@revistapronews.com.br

w w w. r e v i s t a p r o n e w s . c o m . b r

4

PANORAMA 24

DESTAQUE 34

O Grupo Marsaro mostra que o cenário brasileiro é generoso

Fred Alecrim: a mudança é a chave para o sucesso das marcas e dos negócios

revista de comunicação e marketing NE A Revista PRONEWS é uma publicação mensal da Walter Lins Pinheiro Júnior Editora ME. Empresarial Tacaruna - Av. Agamenon Magalhães, 3341, sls 205/206. Torreão, RecifePE. CEP: 50070-160 Fone: (81) 3426.6144 / 3034.6144


APP.COM

Google Keep A batalha pelo amor dos usuários está mais quente do que nunca, com o Google Keep na seara dos aplicativos que organizam nossas tarefas do dia-a-dia. Enquanto o famoso Evernote fisgou os usuários com recursos dinâmicos em sua versão gratuita, acenando para uma experiência mais completa em sua versão paga, o Google Keep é totalmente gratuito, com interface amigável baseada em cartões de cores, que podem ser atribuídas a diferentes categorias, que podem ser facilmente identificadas e posicionadas como você bem entender, ao simples arrastar dos dedos. Além das anotações textuais, é possível anexar fotos, áudios e listas de tarefas com seus contatos. Disponível para Android e iPhone

QIPU Criado em parceria com o Sebrae e o Buscapé, esse aplicativo é uma mão na roda do empreendedor na hora de gerir seu negócio. Através dele, é possível controlar pelo celular ou pela versão web as obrigações das microempresas, com alertas sobre itens como contribuição fiscal, arrecadação ou os benefícios. O aplicativo é gratuito, e também pode ser acessado na versão web.

Disponível para Android e iPhone

COURSERA Coursera é um aplicativo de educação gratuito, conectando o usuário aos melhores cursos gratuitos de uma série de universidades e instituições do Brasil e do resto do mundo. São cerca de 800 cursos, distribuídos em 25 áreas disciplinares e 12 idiomas. Eles podem ser encontrados através de um sistema de busca, onde o usuário pode se inscrever naqueles de seu maior interesse. Em caso de poucas vagas, o aplicativo guarda o perfil e alerta com uma notificação assim quando abrirem novas turmas. O conteúdo é disposto em streaming, mas também é possível fazer o download para assistir offline. Disponível para Android e iPhone 5


TOP CASE

FÓRMULAS DE SUCESSO QUE MARCARAM OS ANOS 70 Receitas simples transformaram a comunicação de marcas reconhecidas ainda hoje IVELISE BUARQUE Com o crescimento dos jatos nas rotas domésticas e a chegada dos wide-body (aeronaves de fuselagem larga) na década de 70, duas companhias do setor de aviação apostaram em comerciais de TV com o slogan “Vá de Varig, vá de Cruzeiro” para marcar antes de tudo a facilidade de ir de um lugar para outro do país em pouco tempo, e também a integração das empresas Varig e Cruzeiro que passaram a voar juntas. Nesta época também se iniciou a expansão dos voos para a América do Sul e outros continentes do mundo, e desta forma em dez anos foram produzidos e veiculados cerca de 20 vts. Os filmes institucionais e comerciais, que começaram na década de 60 na forma de animação e testemunhais, e ainda contaram com grandes nomes da telinha como Jô Soares, reforçaram o desenvolvimento da aviação nacional e internacional. E desta experiência mercadológica surgiram muitos sucessos que marcaram a história da propaganda

nas três décadas seguintes e que são reconhecidas até hoje. Afinal, a combinação das propostas visuais com músicas entoadas por diversos personagens como, por exemplo, Hebe Camargo e Jorge Ben Jor, continuaram mantendo viva a ideia da “Varig, varig, varig... Cruzeiro, cruzeiro”. Mais do que as brincadeiras em comerciais como “550km, 550km. Anda um pouquinho, para um pouquinho. 550km”, talvez o melhor exemplo dessa relação da marca com o público seja a bela canção de festas que se tornou referência da empresa: “Estrela brasileira no céu azul, iluminando de norte a sul. Mensagem de amor e paz, nasceu Jesus, chegou natal. Papai Noel voando a jato pelo céu, trazendo um Natal de felicidade e um ano novo cheio de prosperidade”. Criado em 1963 pelo paulistano Caetano Zamma, um dos integrantes do grupo paulista de Bossa

Os filmes institucionais e comerciais, na forma de animação e testemunhais, contaram com grandes nomes da telinha como Jô Soares 6


Caetano Zamma (1935-2010): cantor, compositor, violonista e criador de jingles

Nova, este jingle de Natal da Varig foi gravado originalmente pela cantora Clélia Simone, que fez sucesso na TV Tupi, e modificada, durante os anos. Contudo, continua memorável. “Minha mãe diz que quando eu era criança brincava na hora dos desenhos e parava pra olhar a TV quando começavam os comerciais. Sempre fui bastante impactado pela propaganda de forma auditiva. Minha memória afetiva é muito relacionada às trilhas dos filmes. Lembro de letras inteiras das trilhas de filmes como “'Varig, Varig, Varig', 'Cola Cola é isso aí' (e quase todos da Coca-Cola), 'Classifone' (O Globo), 'Malt 90', 'Kamel' e, mais recentemente, 'Devassa Paris Hilton', 'Pôneis Malditos' (Nissan), dentre muitas outras”, comenta o publicitário e diretor da Agência Azul, Tito Santos (RJ). COMPANHEIRAS - No final da década de 70, a agência carioca Esquire Propaganda ficou responsável pela criação de campanha para Canetas Paper Mate que trazia em sua marca dois corações. Produzido e dirigido por André José Adler, que atuou por bom tempo na publicidade, em campanhas variadas (como Coristina, Tabletes Valda e Petrobrás) na época, os filmes de 15” e 30”

(como a “Dois Corações”, de 1978) destacavam este como um produto adequado para todas as situações da vida das pessoas, como cerimônia de casamento, provas, reuniões e assinaturas de importantes contratos de trabalho. Com o slogan “Paper Mate – Garantia Total”, a proposta do comercial era reforçar sempre a necessidade de contar com uma caneta de confiança com um jingle marcante com uma boa marchinha, que era fácil de cantar e reforçou o seu conceito de longa vida e dois corações. “As Canetas Paper Mate fazem parte da minha memória afetiva com aquele bordão 'Tem longa vida porque tem dois corações'. O jingle era daqueles que grudam na mente das pessoas, de tão chatinho que era”, lembra a publicitária Lia Fonseca, sócia da Artecetera Comunicação (AL). Chiclete ou não, ações como essas ajudaram a popularizar a Paper Mate (criada no início dos anos 40) que se tornou uma das marcas de esferográficas mais conhecidas. Com o tempo, o trabalho se preocupou em massificar a ideia da tecnologia agregada ao design moderno para facilitar e tornar mais simples e agradável o ato de escrever a qualquer hora. Com mais de cinquenta anos, a Paper Mate é uma das marcas mais queridas não só no mundo como no Brasil, e sinônimo de design, alta performance e inovação em instrumentos voltados à escrita.

INFÂNCIA PERDIDA – Com o comercial “Baleiro”, a Nestlé promoveu, em 1978, aquela que ficou conhecida como uma das mais tradicionais guloseimas do mercado, as balas de leite Kids, marca que hoje pertence à Arcor. O jingle da campanha embalou a infância de muitos há 30 anos no hit composto por Renato Teixeira, Sérgio Campanelli e Sérgio Mineiro, que se manteve ativo na mídia até 1985. A música se afinava perfeitamente com o vt de 30” produzido pela MCR e veiculado na televisão, além de emissoras de rádio. O comercial mostrava um menino com os olhos vidrados em um baleiro cheio de guloseimas, que ficava girando até parar para a sua felicidade e de toda criançada, ansiosa, ao seu redor. Este sucesso gravado pelo próprio Renato Teixeira foi um dos muitos que projetaram a sua carreira, que também foi bastante expressiva na MPB. Além de compositor de clássicos como “Romaria” (memorável na voz de Elis Regina) e “Frete” (tema de abertura do seriado global “Carga Pesada”), criou trilhas para diversas marcas e empresas ao longo do tempo que permaneceram igualmente

No final da década de 70, a agência carioca Esquire Propaganda ficou responsável pela criação de campanha para Canetas Paper Mate que trazia em sua marca dois corações 7


TOP | CASE O projeto, idealizado pelo publicitário Washington Olivetto, ainda na DPZ conta com o eterno garoto-propaganda da Bombril, Carlos Moreno, e suas “mil e uma” personagens

inesquecíveis como a do Ortopé. "A campanha das Balas de Leite Kids era um comercial de TV muito simples, mas totalmente memorável (pelo menos para mim). No filme, um menino girava um baleiro daqueles modelos antigos (se não me engano em um fundo branco), cantando um jingle que lembro até hoje: 'Roda, roda, roda baleiro, atenção. Quando o baleiro parar põe a mão. Pega a bala mais gostoso do planeta. Não deixe que a sorte se intrometa. Bala de Leite Kids, a melhor bala que há. Bala de Leite Kids, quando o baleiro parar'. No final, o baleiro parava e o menino enchia a mão de balas de leite Kids. Simples e direto no desejo infantil de encher a mão de balas e comer. E nunca esqueci a música. Recentemente, quando vi o filme 'Divertidamente', me diverti muito vendo as cenas que o cérebro manda de volta aquele jingle que você ouviu pequena e nunca esqueceu. Identifiquei-me totalmente”, acredita Renata D'Ávila, vice-presidente de planejamento e estratégia da Lew'Lara\TBWA (SP). O GAROTO-PROPAGANDA – Mais do que jingles incríveis e inesquecíveis, a história da propaganda conta com figuras ilustres que se tornaram a própria personificação da marca que retrataram. Assim foi com o ator Carlos Moreno, que estreou o primeiro comercial da Bombril em 8

1978, e se tornou o mais célebre garoto propaganda do mercado publicitário brasileiro, com mais de 400 aparições em diversos comerciais de várias linhas. O projeto, idealizado pelo publicitário Washington Olivetto, quando ainda era profissional da própria DPZ, começou com uma aparição simples de 30” em que ele argumentava, vestindo um jaleco branco de cientista, as qualidades e diferenciais do lava-louças.

Renata D’Ávila, Lew’Lara\TBWA (SP)

O princípio básico do discurso ponderava que, apesar de produtos desta categoria serem bons e mais baratos, o do anunciante tinha um elemento na fórmula que não deixava que estragasse as mãos das donas de casa. E sendo assim, foi algo naturalmente inusitado, porém, mágico enquanto estratégia de marketing. “Agora, se a senhora não quiser gastar essa diferença, compra outro. Depois, a senhora dá um jeito

na mão, passa um creminho”. E, afinal, como não se deixar convencer por tamanho discurso. Isso fez diferença para o “Bil. O lava-louças superconcentrado da Bombril” e para o ator Carlos Moreno, que acabou indo parar nas páginas do Guinness Book, como o garoto-propaganda de maior tempo de permanência no ar ao longo dos anos. “Tem muita coisa apaixonante na história da publicidade. Lula Vieira, Washington e Petit, foram os primeiros gênios que conheci. Quando penso em algo ímpar, penso nas propagandas da Bombril e toda história/personagens construídos de maneira vanguardista. Vi toda a saga e hoje, folheio o livro 'Eterno, 1001 anúncios de Bombril” sempre que posso. Definitivamente era uma minissérie de 30'', cada capítulo era feito para nos prender mais à TV. Vibrei como um gol em uma das voltas mais geniais que já vi, na qual Carlos Moreno diz: 'Você também é bom, só que andou reclamando. Não vai aparecer mais na TV'. Além da memória afetiva, peças como essa criaram um entusiasta. Obrigado, propaganda, Bombril e Washington”, comenta Thiago Alves, supervisor de criação da Kindle (RJ), sobre a fórmula que fez o tímido personagem em um celebridade do dia para noite, rendeu prêmios aos filmes da DPZ e lançaram Olivetto ao estrelado no mercado.


ARTIGO | TIAGO ELOY ZAIDAN

RELAÇÕES PÚBLICAS:

A CULTURA ORGANIZACIONAL E O SEU GERENCIAMENTO O conceito e as análises relativos à cultura organizacional são complexos e até mesmo sociológicos. Cada organização possui a sua cultura, que age como a sua essência, base de todo o seu desenvolvimento e objetivos, sejam eles superados ou a atingir. Metaforicamente falando seria como o “fantasma” do criador da instituição, acompanhado pelo contexto da época de sua criação. Sendo assim, mesmo que o patrono da organização já esteja morto, seus valores pessoais continuam intrinsecamente vinculados às práticas, estratégias, sistemas de valores, crenças, modo de vida, interação e procedimentos de trabalho. A cultura organizacional está presente em todas as organizações. Mesmo nas grandes corporações transnacionais compostas por diversos acionistas ávidos por engrenar os seus próprios métodos. E não se faz presente, apenas. Também interfere decisivamente na relação da equipe com o seu público externo, além claro, das relações com o público interno. Porém, é na capacidade adaptativa e de gerência de mudanças que a cultura organizacional faz-se implacavelmente presente. Mesmo que o meio e todo o contexto que cerque a instituição tenham se alterado completamente desde a sua fundação, até ocasiões recentes, a cultura estará intacta, pressionando o gerente – em alguns casos, como um sapato apertado afeta um calo dolorido – a agir com cautela. Ao gerente incumbido de realizar tais adaptações cabe a célebre pergunta do meio empresarial: é possível administrar a cultura organizacional de uma instituição? Em alguns exemplos pode parecer impossível, todavia, é plausível e extremamente necessário. Para os que aceitam o desafio e confiam na sua capacidade de gerenciar a cultura de uma organização, é indispensável, antes de tudo, estudar profundamente a história da instituição e até mesmo de seus criadores. Também é preciso respeitar a sua tradição e ter a consciência de que a cultura organizacional é uma entidade poderosamente vinculada à instituição, e em muitos casos, bem anterior ao seu próprio ingresso na gerência. Em grandes instituições, a cultura chega a pairar quase autonomamente. Nas grandes sociedades anônimas, por exemplo, pouco um acionista

majoritário pode perpetrar para alterar a cultura significativamente. Para gerenciá-la, a primeira seção a ser trabalhada é, seguramente, a de recursos humanos. Mas não para aí. É importante estar alerta, pertinentemente, para a habitual confusão feita com a indevida aplicação do termo cultura, servindo de circunlóquio e abonando o comodismo de alguns administradores. O dogma da imutabilidade da cultura organizacional é utilizado em certos casos para justificar a imobilidade e a falta de criatividade dos gestores diante de uma crise. Em casos distintos, dirigentes preferiram assistir a derrocada de suas empresas a estudar meios de gerenciar a cultura organizacional da instituição. É de bom alvitre frisar que há uma evidente diferença entre cultura organizacional e procedimentos organizacionais, estes bastante confundidos em função da generalização recheada por tabus que cercam a cultura. Os procedimentos nada mais são que as ações praticadas pela qual se operacionaliza a cultura. Sendo assim, é possível perfeitamente modificar-se os procedimentos, sem necessariamente alterar a cultura. Modificações nos procedimentos são interessantes e recomendáveis, diante do contexto, visando à oxigenação da cultura organizacional estabelecida. Se o gerente julgar necessário, é importante que, antes de empreender modificações profundas que acarretem variações na cultura, analisem-se os procedimentos adotados pela organização, pois a mutabilidade desses é menos questionável e seguramente contribuirá na gestão da cultura. Todo o patrono enxerga a sua instituição como um filho. E como um filho, o fundador deve saber que, se bem administrada, a empresa tende a crescer e se desenvolver. Ganhará corpo e, fatalmente, vida própria. Mas, como todo o filho humano, a empresa carregará em seu seio a genética paterna. A essência da família e da educação que lhe foi passada. Mesmo que o pai se vá, sobrarão os tutores, que, com muita habilidade, podem sim continuar educando e gerindo o filho, ou no caso, a empresa. Todavia, é relevante que o tutor tenha sensibilidade para que aprenda com a instituição; que ela já detém vida própria. Já possui a sua cultura organizacional. 9


FICHAS

TEM NO MUNDO

Consolidada como a maior empresa de propaganda em ônibus do Nordeste e a maior de mídia exterior do país, a pernambucana Rota Mídia Exterior está veiculando a mais nova campanha do Mundo do Cabeleireiro, rede de lojas especializada em cosméticos do Norte e Nordeste. Com o mote #temnomundo, a campanha desenvolvida pela agência Italobianchi Comunicação destaca as grandes marcas de cosméticos e produtos em geral comercializados pela rede, como a escova progressiva da Ybera Professional, que tem como garota propaganda a cantora Wanessa Camargo. A comunicação das peças segue uma linha visual jovem e antenada, trazendo uma mensagem bem objetiva. O plano de mídia da campanha conta com peças no formato backbus, com uma adesivação refletiva, que atrai ainda mais a atenção do público quando exposta à luz. Agência: Italobianchi Comunicação (PE) Cliente: Mundo do Cabeleireiro Atendimento: Mariana Holanda e Tainá Viana Criação: Tesse Lemos e Henrique Albuquerque Mídia: Ângela Cardoso Produção: Jéssica Almeida Finalização: Rafael Ramos Aprovação: Priscylla

POR UM PÔR DO SOL LIVRE DA MIOPIA E DA CATARATA

Desenvolvida pela Cordel Comunicação, a nova campanha do Instituto de Olhos do Recife divulga a modernização do parque cirúrgico, com a aquisição de novos equipamentos de cirurgia à laser. Anúncios, spots, vts e diversas peças gráficas apresentam os benefícios oferecidos a quem precisa realizar cirurgias de visão. O compromisso de estar sempre próximo ao paciente é reafirmado pelo IOR, através da valorização dos pequenos prazeres cotidianos, como fazer uma leitura sem transtornos e acompanhar o nascer ou o pôr do sol. Agência: Cordel Comunicação (PE) Cliente: IOR Atendimento: Carlos Eduardo Queiroz Direção de Criação: Rafa Saraiva Criação: Carlos Eduardo Queiroz, Rafa Saraiva e Amauri Pereira Produção: Walkíria Cabral

10


OUTLET PREMIUM SALVADOR Está no ar a nova campanha do Outlet Premium Salvador, estrelada pela cantora baiana Mari Antunes, vocalista da banda Babado Novo. Estabelecendo cada vez mais uma relação de afetividade com a capital baiana, o empreendimento, que tem o diferencial de reunir mais de 100 marcas nacionais e internacionais com descontos de até 80% o ano inteiro, encontrou na cantora uma personalidade com quem os baianos se identificam. A campanha foi criada pela agência paulista Thanks Comunicação, com produção da Malagueta Filmes. Agência: Thanks Comunicação (SP) Cliente: Condomínio Civil Voluntário Outlet Premium Diretor de Criação: Oswaldo Arruda Aprovação: Jamile Matos, Gabriella Rangel e Renato Lorencini

DEPOIMENTOS A Campanha de matrículas 2016 do Colégio Motivo foi lançada com o conceito “Depoimentos”. A veículação acontece no início do período das inscrições para o próximo ano letivo. A Agência Africa São Paulo Publicidade desenvolveu várias peças, entre elas; Outdoor, Backbus, jornal e filme. O conceito da campanha ressalta os valores do colégio e os elementos que qualificam o projeto educativo da instituição. A campanha contempla toda a rede do Colégio Motivo; Boa Viagem, Caruaru e as novas unidades, Petrolina e Casa Forte. Agência: Africa São Paulo Publicidade Ltda Cliente: Somos Educação Atendimento: Celina Esteves, Carolina Pires, Marcella Braga, Julia Lima Planejamento: Marcia Nery, Marilia Galindo Direção de Criação: Marcelo Prista e Aaron Sutton Redator: Tiago Urdan Diretor de Arte: Rafael Teixeira Antunes e Adalberto Santana Produção: Rodrigo Ferrari, Patricia Gaglioni e Priscila Moscovich Mídia: Luiz Fernando Vieira, Rodrigo Medeiros, Caroline Tanzillo, Gustavo Campos 11


ARTIGO | SUZANA VALENÇA | WWW.SUZANAVALENCA.COM

VOCÊS AINDA CONSEGUEM LER LIVROS COM TANTAS “DISTRAÇÕES” DIGITAIS? Um empresário do mundo dos ebooks afirma que não lê mais nenhum texto muito longo e culpa a internet por tirar sua concentração. Já um jornalista maluco resolveu provar o contrário. Ele leu Guerra e Paz inteirinho no celular para mostrar que o acesso a tudo ao mesmo tempo não tira nossa capacidade de ler. De que lado vocês estão? Todo bom profissional de comunicação gosta de ler e escrever. Quem tem mais de 30 anos, certamente passou a infância e adolescência se divertindo e aprendendo com livros de papel, revistas impresas e gibis comprados na banquinha. Então a internet chegou e mudou tudo para melhor. Nosso trabalho ficou mais fácil, nossa vida ficou mais rápida e obras de todos os tipos e origens ficaram disponíveis a um clique. Mas será ainda conseguimos parar para ler uma obra inteira ou o excesso de estímulos de todos os lados está nos roubando essa habilidade? O canadense Hugh McGuire publicou, recentemente, no Medium, um artigo intitulado “Por Que Não Conseguimos Mais Ler?”. No texto ele afirma que, em 2014, ele conseguiu terminar apenas quatro livros. McGuire é fundador da Pressbooks, uma ferramenta online para publicação de obras em papel ou no formato digital, e sabe que precisa ler muito. Ele nem explica se os livros que consumiu no ano passado eram ebooks ou impressos. Para ele, não faz diferença. A internet está viciando nosso cérebro com tanto estímulo que acabamos perdendo a capacidade de nos concentrarmos em leituras, em qualquer formato. O jornalista Clive Thompson escreve para a revista do New York Times e para a Wired. Ele também parou para pensar se a internet atrapalhava seus hábitos de leitura. Para desafiar a ideia de que sim, é impossível ler um livro enquanto as notificações do Facebook não param de piscar, Thompson se propôs uma loucura. Ele resolveu ler a obra mais longa que conseguiu pensar, Guerra e Paz, na ferramenta mais distrativa de todas, o celular. A famosa obra de Leon Tolstoi, que traça um painel da sociedade russa durante as guerras napoleônicas, foi publicada entre 1865 e 1869 e conta com, aproximadamente, 900 páginas. O resultado? Primeiro, veio uma derrota. Thompson realmente não conseguiu ficar no celular apenas lendo o livro. Ele parava constantemente para abrir o Wikipédia, mas para pesquisar figuras históricas russas. Para ele, esse “multitasking” não era algo que o distraía da 12

leitura, e sim, ajudava na compreensão do livro. Mesmo assim, para completar a missão, o jornalista resolveu desativar todas as notificações do celular. Ele venceu o desafio auto imposto e terminou a leitura todinha sem deixar a internet acabar com seu foco. No processo, ele aprendeu lições interessantes. Primeiramente, ele descobriu que não são os alertas que nos desconcentram, somos nós mesmos que queremos fazer outra coisa ao invés de prestar atenção ao trabalho em nossa frente. Atire a primeira pedra quem nunca começou a mexer no celular para procrastinar ou matar tempo mesmo sem ele ter “chamado atenção” com um bip ou uma luz piscando. Pesquisando mais sobre o tema, o jornalista aprendeu que, na verdade, essa reclamação sobre não conseguirmos nos concentrar mais não é exclusiva da nossa geração. Há muitos anos, se discute como ser mais produtivo e focado. A internet acaba sendo apenas mais um fator com o qual temos que lidar para equilibrar uma equação que sempre desafiou a humanidade trabalhadora. Mas a lição mais importante que o desafio gerou foi a seguinte: se o livro é bom, você vai ler ele. Independentemente do formato ou das distrações. “O livro se torna a distração, aquela coisa com que o seu cérebro tanto precisa se engajar”, contou Thompson em um artigo sobre a experiência. É como se sua mente passasse a enviar notificações ao contrário, “Pare de checar o e-mail e o Twitter! Você tem um livro para ler!” disse. Depois do experimento com Guerra e Paz, o jornalista adquiriu o hábito de ler no celular e já devorou outros clássicos na telinha. Ele afirma, entretanto, que continua gostando mais do livro de papel e que não deixou de frequentar a pequena livraria do bairro onde mora para comprar obras contemporâneas. No final das contas, conseguimos ler todo tipo de livro, em qualquer formato, contato que o conteúdo seja bom. O segredo é saber lidar com os benefícios e as distrações que a internet traz para a leitura e continuar gostando de passar tempo com uma boa história. O artigo de Hugh McGuire sobre “Não conseguir mais ler” pode ser lido neste link: https://medium.com/@hughmcguire/why-can-t-we-readanymore-503c38c131fe O texto de Clive Thompson sobre ler “Guerra e Paz” no celular pode ser lido neste link: http://bookriot.com/quarterly/bkr07/


13


GIRO

OUTUBRO ROSA EM CARUARU O Outubro Rosa chegou e a Intertotal é uma das incentivadoras dessa causa em Caruaru. A agência desenvolveu a comunicação e toda a identidade visual da 7ª Campanha de Prevenção das Doenças de Mama, promovida pelo Centro de Diagnósticos Manoel Florêncio, em parceria com a Acic. Desde a primeira edição da campanha, a empresa está envolvida participando de todas as etapas, desde a execução até a articulação com os veículos. A ação oferece, gratuitamente, exames de ultrassonografia mamária e mamografia, além de orientação para que as mulheres façam o autoexame, grande responsável pela prevenção.

100 MIL CURTIDORES NO FACEBOOK Com 38 unidades espalhadas em Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Norte e Piauí, a São Braz comemora a marca de 100 mil curtidores da sua fanpage São Braz Coffee Shop, voltada para a sua rede de cafeterias. Desenvolvida pelo Núcleo Digital da Aporte Comunicação, a página possui números de engajamento que destacam nacionalmente a franquia nordestina. O grande diferencial do case da São Braz é a forma como o público se identifica com o conteúdo postado na página. E o sucesso se reflete além do número de curtidas. Uma das ações desenvolvidas especialmente para plataforma mobile, o aplicativo São Braz Coffee Shop, acaba de receber a medalha de bronze na categoria Internet do 6º Prêmio Pernambuco de Propaganda, entregue no dia 24 de setembro.

CID MOREIRA COM NOVOS PROJETOS Com 88 anos, a voz mais famosa do país, o apresentador Cid Moreira, que em todo o mundo, mais tempo esteve à frente de um telejornal - marca intocada no Guiness Book por conta de seus 27 anos no Jornal Nacional – permanece em plena atividade e mantém a rotina de realizar gravações diárias. Cid está preparando uma série CDs de poesias de grandes poetas brasileiros, que deve ser lançada no próximo ano. Entre seus trabalhos, estão constantes participações no Fantástico, da Rede Globo, do qual também foi o primeiro rosto. Ele também grava vídeos institucionais e atua como apresentador de grandes eventos. Outro projeto do apresentador, a ser lançado, é a Bíblia no Celular, que trará a gravação completa das escrituras sagradas. Em meio a tantos trabalhos, ele ainda mantém uma rotina diária de partidas de tênis e pilates. Hoje, Cid também está na Internet, com sua Fan Page e no seu site www.consulsiloe.com/cidmoreira. 14


COCINERO EM PARCERIA COM EDU GUEDES Cocinero investe mais uma vez na parceria com o Chef Edu Guedes. Dessa vez as ações acontecem durante o programa Melhor pra Você, da Rede TV, apresentado pelo próprio Edu Guedes, por Celso Zucatelli e Mariana Leão. Entre as ações estão merchandisings e aparições durante o programa. Serão ao todo 21 intervenções em um período de dois meses. Em cada ação de 1 minuto e meio, o Chef reforçará os benefícios e usos dos dois produtos da marca: o Cocinero Limão Espremido e o Azeite Extra Virgem Cocinero. Além das ações digitais, também foram produzidos materiais para os pontos de venda, como totens, gargaleiras, displays, entre outros.

APAIXONADO POR QUEIJO A Tirolez, uma das mais tradicionais marcas de queijos do País, celebra os 35 anos da empresa com uma ampla campanha de mídia apresentando o conceito: “Quem é apaixonado por queijo, ama Tirolez”. Com programação em TV, revistas de circulação nacional e peças regionais, a campanha, criada pela agência Dorothy, é inspirada no carinho e no cuidado que a empresa tem dedicado aos seus funcionários, produtos e consumidores ao longo de sua história. A campanha teve início na mídia impressa, com anúncios e publi-editoriais nas revistas Wine, Prazeres da Mesa, Boa Forma e Saúde. De outubro a novembro, a marca irá veicular filme de 30'' no Canal Viva e GNT. O filme foi produzido pela Produtora Trio Studio, dirigido por Rodrigo Tavares, especialista em alimentos, bebidas e produtos.

A VIDA É O NOSSO ESPORTE Com 81 anos de atuação no mercado esportivo brasileiro, a Rainha – marca líder no preço de entrada de calçados esportivos no país – promove a campanha de marketing para apresentar seu novo posicionamento. Após realizar um minucioso projeto de branding e pesquisas de opinião, a marca constatou que o comportamento de consumo neste segmento abriu espaço para abordar de forma diferente a prática de atividades físicas, sem a necessidade de impor a busca de performance, discurso recorrente no mercado. O mote da campanha é “A vida é o nosso esporte” e encoraja o uso de produtos em momentos além do esporte tradicional e convida o consumidor a vivenciar novas experiências. Até dezembro, a marca garante presença constante nas principais emissoras de televisão de cidades da Bahia, Pernambuco, Fortaleza, Piauí, Paraíba e Alagoas. 15


CAPA | GEOLOCALIZAÇÃO

JÁ LOCALIZOU QUEM DESEJA? IVELISE BUARQUE Com a queda nos preços dos smartphones, o brasileiro ficou cada vez mais conectado. Uma pesquisa da FGV aponta uma média de 306 milhões de dispositivos com acesso à internet, até abril deste ano. E isto mostra um campo fértil para a indústria mobile, que, neste cenário, envolve players de todo mundo e startups que estão desenvolvendo projetos para abocanhar esse público ansioso por tecnologias e novidades. Por isso, na era da “aplicativação”, ter o seu próprio aplicativo é grande visão de negócio. Contudo, saber aproveitar essa nova estratégia é a grande questão. Seja qual for o modelo, ele pode ser adaptável a uma ação que vai envolver o target, facilitando sua vida e o impacto de forma direta. E é aí que a geolocalização se tornou uma fonte nova de investimento estratégico no marketing. “Atualmente, o geotarget (direcionamento de público de diferentes regiões para produtos e serviços através do reconhecimento geográfico pelo IP mobile) trouxe para o universo da publicidade um desafio similar: encontrar seu consumidor! Ele não está apenas no sofá de casa. Agora além da sua casa, provável local para apresentar os produtos, o cliente está dentro ou fora da sala, conectado num smartphone. Parece que esse simples fato não muda sua rotina, mas para nós, estudiosos da comunicação, isso altera todo o contexto do convencimento através dos anúncios”, diz o consultor e professor Marcus Quintanilha (BA). “where's Wally?”, do ilustrador britânico Martin Handford (1987) 16

Afinal de contas, se o crossworking (cruzamento de negócios) se mostrou eficaz no modo off-line, porque não daria certo em formato digital. Para o professor de marketing e pesquisador de consumo na sociedade moderna que as empresas já sentiam esta necessidade de identificação geográfica de seus targerts, desde os tempos da coleção infanto-juvenil “where's Wally?”, do ilustrador britânico Martin Handford (1987). Contudo, os reflexos dessa vontade de se aproximar de forma mais estratégica se potencializou com os smartphone e as redes sociais, que facilitou a vida das marcas que buscavam pessoas as quais se conectar. “Inicialmente, com os sites e geotarget, já podíamos saber, em grande parte, a localização de cada IP. Mas o IP não é 'gente'. Assim como o domicílio não compra. Diversas tentativas não resultaram em vendas

pelo simples fato do IP representar o local do servidor central de acesso e não do computador. Os banners em sites convencionais não conseguiram 'seguir' seu consumidor. Mas os olhares ainda buscavam Wally!”, lembra Quintanilha. Afinal, este público já aproveitava a comodidade disponível em seus desktops, mas os dispositivos móveis fizeram com que alcançassem informações sobre assuntos e interesses em qualquer lugar e a qualquer hora. Segundo Quintanilha, ficou fácil aproveitar as possibilidades que a nova tecnologia com a geolocalização, geotagging (marcação geográfica), conexão sem fio e coordenadas passadas por GPS, por exemplo. “As empresas buscam seus consumidores próximos. Não apenas pela localização em relação ao ponto de venda, mas pelos padrões de consumo, pistas que além de detectar


Raphael Ferrari, Sanders Estratégia Digital (SP)

onde está o consumidor, indicam seu padrão de vida, pesquisa na web, consumo”, destaca. Esta estratégia surgiu há alguns anos e explodiu recentemente no Brasil com a investida de diversas marcas e empresas, entre as quais está uma das experiências pioneiras numa ação da Google, por volta de 2013, o Masthead Dinâmico, aplicado inicialmente ao setor imobiliário. Novo formato de publicidade online, destacou-se pelo uso da tecnologia de geotargeting na primeira página no YouTube, que já funcionava nos EUA, e que trazia ao anunciante a possibilidade de rodar até 50 peças diferentes de uma campanha diária de acordo com a região ou horário do dia. A proposta surgiu no país para atender a demanda do mercado brasileiro por maior capacidade de regionalização de seus anúncios publicitários, permitindo a apresentação de promoções com preços diferentes do mesmo produto de acordo com o horário, por exemplo, através da geolocalização das campanhas. Na época, gerava cerca de 21 milhões de acessos por dia numa das ferramentas de buscas mais procuradas da web. Naturalmente adaptou a fermenta para as condições e as

características específicas do mercado brasileiro. Afinal, o volume de acessos mensais do YouTube alcançavam margem de 1 bilhão de usuários únicos, e de toda parte do mundo, gerando assim audiência mais do que expressiva para um formato de anúncio que poderia ser criado em versões diferentes (de vídeo, imagem ou texto), de acordo com o lugar, idioma e até horário. “Hoje as plataformas mobile são uma realidade presente na vida de praticamente todos os brasileiros. Estima-se que sete a cada dez pessoas já possuem smartphones. É fácil imaginar por que esse tipo de ação está caindo no gosto dos empresários. Com as mídias tradicionais e o CTA cada vez mais caros, a solução está sendo direcionada para o lado da inovação com campanhas levadas ao público de forma mais assertiva”, diz Raphael Ferrari, sócio-diretor da Sanders Estratégia Digital (SP). Para este especialista em otimização de conversão, organizações e marcas estão cada vez mais fechando parcerias com plataformas que possuem localização geográfica de olho no potencial que proporcionam em termos de alcance e relevância junto ao target. E, consequentemente, esta tecnologia

progride e se torna mais avançada. “Hoje é possível levar um anúncio de uma lanchonete, por exemplo, quando o consumidor estiver em um raio de 10km, no horário do almoço e no meio do trânsito intenso com uma rota alternativa para isso”, comenta o executivo da empresa especializada em gestão de negócios em marketing digital. E um exemplo latente disso é o Waze, que passou a trabalhar com campanhas direcionadas, que estimularam os anunciantes a se interessarem mais por esse serviço. “O investimento, no caso do Waze, por exemplo, é cobrado por CPM (custo por mil). O valor depende de alguns fatores como movimentação da rua, importância e engajamento por exemplo. O valor mínimo varia entre um dólar e é possível programar valores mensais, dessa forma você tem mais controle sobre o investimento e o resultado obtido”, destaca Ferrari. Um fator muito importante para quem investe e tem a segurança de alcançar o público que deseja, através deste aplicativo de trânsito e navegação, baseado em uma comunidade. E isto torna este software lançado em Israel, em 2008, uma oportunidade de negócio, afinal, com média de mais de 50 milhões de pessoas este parece conduzir todos no caminho certo. REVERBERAÇÃO SOCIAL - A força do Waze foi tão grande que alcançou outras plataformas pioneiras na geolocalização como forma de segmentação, como o Google Adwords e o Foursquare, que até tempos atrás eram a coqueluche das ações de mobile marketing. Afinal, traçar as coordenadas assertivas é a chave do negócio e define a condução dos investimentos, contudo, há outros fatores que devem ser levados em 17


CAPA | GEOLOCALIZAÇÃO Divulgação | Ikonos

Robertson Alves, Íkonos Marketing Solutions (PE)

consideração, segundo o especialista. Ele enfatiza que, neste caso, a sacada maior não é gerar tráfego até o local do anunciante: “A ideia é apresentar o anúncio no momento certo e com maior relevância aumentando as chances de engajamento e fixação na memória do consumidor”, diz Ferrari. Sendo assim, o Waze cresce cada vez mais como opção publicitária especialmente para o mercado automotivo que investiu pesado em ações nesta ferramenta de comunicação. Diversas marcas como Nissan, Caoa Hyundai, Volkswagen, Renault e Honda estão apostando nas oportunidades à mão para informar, se aproximar e mostrar aos usuários do aplicativo seus diferenciais. É um mar de possibilidades oferecidas pelo app neste caso que vão de lançamentos, sugestão de test-drives, lembrança trocas de pneu, óleo e manutenção, além de indicação de concessionárias e pontos de venda. Essa experiência mostra que as promessas dessa inovação para o marketing podem ser imensuráveis e servem a todas as expectativas. Com isso, empresas e marcas estão de olho nessa audiência e nessa capacidade de segmentação, estimuladas pelo movimento dos usuários. Afinal, o acesso frequente de 18

smartphones pelas pessoas, que chegam a se conectar, em média, 150 vezes por dia, revela ser inevitável o crescimento de estratégias voltadas ao mobile pelos anunciantes. “O uso de aplicativos como forma de marketing de proximidade primeiramente faz com que o consumidor tenha identidade pessoal com a marca, tornando-a parte de sua vida quando o mesmo divulga em sua rede que naquele dia e horário ele está fazendo algo naquele local, chegando o caso de consumidores terem várias postagens por mês naquela loja, por exemplo”, diz Robertson Alves, especialista em marketing e CEO da Íkonos Marketing Solutions (PE). Para ele, uma marca dessa ação é que o buzz se torna real quando o cliente compartilha e divulga em sua rede. Isso contribui para que seus amigos visualizem, de forma indireta, e façam a divulgação espontânea. “É um marketing sem investimento direto, pois fala que os outros falam de você, feito um boca a boca digital e essa ferramenta tem dado muito certo para empresa fidelizarem seus clientes e aumentar as vendas em médio prazo”, enfatiza. O poder desta propaganda não é à toa. Afinal, o Brasil é o segundo maior país do mundo a acessar redes sociais, e estar

conectado virou mania de brasileiro como tantas outras. E sendo assim, as mais variadas plataformas móveis têm atraído cada vez mais anunciantes e promovendo maior número de parcerias diversas. Recentemente, por exemplo, o Tinder firmou um match com a Reserva em que os usuários do sistema poderiam receber descontos únicos de 20% em todos os produtos da loja online e conhecer as camisetas exclusivas da campanha, pelas comemorações do Dia dos Solteiros, comemorado no dia 15 de agosto. Para tanto, foi criado um perfil da marca masculina de roupas no aplicativo de relacionamentos similar ao do usuário comum. E, desta forma, proporcionava possibilidade de interação ao aparecer como opção de compatibilidade para os homens cadastrados no aplicativo, que tinham como opção aceitar ou descartá-lo. Posteriormente, estabelecia-se uma comunicação entre consumidor e marca através de mensagens privadas com informações sobre as vantagens para os usuários, entre outras informações. Diversas marcas já estão referendadas entre as pioneiras nos investimentos em ações utilizando plataformas online de geolocalização, como Foursquare e Waze, das quais destacam-se Smirnoff, Visa, Citroën e Johnnie Walker. E, de acordo com a RevMob, empresa fornecedora de soluções para anúncios móbile, no Brasil esse mercado ainda está dando os seus primeiros passos. Mesmo assim, já observamos um gasto em mídia móbile que deve chegar a 440 milhões de dólares neste ano. “Com mídia mais direcionada e segmentada, é possível impactar de forma mais assertiva o seu público levando o conteúdo certo, no momento certo e no lugar certo. Ainda há outros fatores


envolvidos como fixação da marca na mente do consumidor”, lembra Raphael Ferrari da Sanders Estratégia Digital. O especialista reforça oferecer o produto certo, no lugar certo e muitas vezes na hora certa, é o grande diferencial deste negócio e torna a investida mais efetiva, aumentando as chances de conversão do consumidor impactado. “A experiência mobile já é uma realidade e a grande maioria das empresas já entende que impactar o público que acessa informações por essas plataformas já não é mais uma opção. Por conta disso, o crescimento em campanhas de marketing para mobile vem aumentando gradativamente”, reforça. Por isso, tem crescido a parceria das empresas em ações de marketing direcionado entre os apps que trabalham com geolocalização. Mais do que o interesse dos clientes em investir cada vez mais nessas mídias, observa-se assim que os aplicativos em si estão vendo o potencial deste mercado. “O grande desafio hoje é padrão de internet no Brasil. Existem ainda muitos pontos cegos e a lentidão ainda é uma dor de cabeça terrível aos usuários. É comum, por exemplo, você ficar sem internet no meio do seu trajeto. Mas as coisas vão avançando e até por conta do consumidor ficar cada vez mais exigente, as operadoras não terão saída a não ser melhorar a distribuição de internet”, reforça. E este é um fator crucial especialmente em um cenário no qual praticamente a metade dos brasileiros (48%) usa internet, e em que o percentual de pessoas que a utilizam todos dos dias cresceu de 26% para 37% na PBM (Pesquisa Brasileira de Mídia) do ano passado para este 2015.

O POTE DE OURO - Como reza a lenda que no final do arco-íris, há ouro. A geolocalização, o geotarget, geomarketing e geotagging são várias soluções para uma mesma proposta: atingir o alvo, de várias formas, em qualquer lugar, na hora desejada. O que é bastante oportuno em um país em que o público conectado fica em média 3.8 horas por dia ligados à dispositivos móveis e, com isso, temos um tráfego móvel absurdo. Um crescimento tão vertiginoso que proporcionou upgrade da indústria de softwares que evoluiu de startups para grandes corporações com ideias e soluções para todas as demandas necessárias, possíveis e inimagináveis. Para se ter ideia de como esse novo mercado é uma moeda forte no País, já estamos acumulando três milhões de softwares, registrados pelas duas principais lojas virtuais nas plataformas Android e IOS (Google Apple e Apple Store) nas prateleiras digitais da indústria de apps. De acordo com o relatório Digital, Social e Mobile 2015, desenvolvido pela agência de marketing digital We Are Social, essas atividades e suas maiores estão associadas à mídia social e vídeos (23%), mas já são registrados 17% desta atenção aos de localização. E com o aporte de investidores e desenvolvedores este mercado no Brasil movimenta hoje cerca de US$ 25 bilhões anuais e pode chegar a US$ 70 bilhões, em 2017, de acordo com projeção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). E neste bolo vai caminhando lado a lado a publicidade móvel do Brasil que já direciona seus investimentos em 40% e podem alcançar 46% até 2018, segundo estimativa recente da consultoria eMarketer. “Acredito que o mobile

marketing continue crescendo, por conta das possibilidades e uso cada vez maior de dispositivos móveis. A internet móvel está melhorando em qualidade e custo e na medida em que se torna mais e mais acessível, as possibilidades aumentam. Na minha visão, o acesso aos dispositivos e conexão banda larga mobile são os principais entraves atuais”, destaca o professor Felipe Pereira da Estácio do Recife (PE). Segundo o docente, podemos visualizar três estratégias distintas de negócios que estão sendo utilizando no mobile marketing: “A primeira delas é o investimento em anúncios em plataformas como o Google Adwords, Facebook Ads e Twitter Ads. Com o boom do mobile - o Brasil possui mais linhas e celular do que habitantes - o uso de aplicativos e redes sociais em dispositivos móveis decolou. Com isso, os usuários têm dedicado parte importante de seu tempo ao uso de aplicativos e redes sociais no celular e surgem oportunidades para as marcas veicularem anúncios nesses canais”. E esta é para ele uma tendência forte

Felipe Pereira da Estácio do Recife (PE) 19


CAPA | GEOLOCALIZAÇÃO ligada as ações de marketing direto, que dirige também a agência Unu Soluções e criador do portal Digaí. O especialista lembra a experiência da pernambucana Hivelog, criadora da plataforma Hive.Cloud, que realizou campanhas de retargeting para quem já visitou seu site. Mas, ainda aponta outro interessante aproveitamento dessas possibilidades com o case da Johnnie Walker que promoveu ações especiais vinculadas aos aplicativos Easy Taxi e 99Taxis, por exemplo. “A marca de bebidas patrocinou várias corridas de táxi, em que o usuário não precisa pagar para utilizar o serviço. E outro caso recente foi o lançamento de um clipe da cantora Preta Gil especificamente no Snapchat. Apesar do clipe em si estar sendo criticado pela audiência, mostra um interessante uso do mobile”, comenta Pereira. Por fim, há um terceiro grupo de empresas em sua opinião que está optando por criar aplicativos próprios, como advergames, entre outros. Esta é uma proposta diferenciada que já foi adotada, inclusive, pelo Porta dos Fundos, que criou um app de

pequenos jogos inspirados em seus personagens e episódios, que é disponibilizado gratuitamente para os usuários. Mas naturalmente impacto e o resultado de cada ação vai depender de diversos fatores. “A análise das ações variam de acordo com a estratégia adotada. As aplicações de marketing direto permitem forte mensuração, pois é possível saber quantas visualizações, cliques e compras ocorreram. A partir daí, a marca opta por manter os anúncios que tiveram melhor desempenho e descontinuar aquelas que não estão trazendo resultados”, ressalta. A inteligência geográfica para alavancar um empreendimento, serviço, vendas é definitivamente uma alternativa que se tornou uma peça fundamental para a condução dos negócios de muitas marcas, trazendo benefícios cinco benefícios diretos segundo a RevMob (www.revmob.com), fornecedora de soluções para publicidade mobile: segmentação, custo-benefício melhor, interatividade, novas tecnologias e mensuração. Além de outras duas vantagens que são apontadas pela Adsmovil, empresa líder em publicidade móvel na América Latina e no mercado hispânico nos Estados Unidos, que são sua representação quanto fonte primária para a busca de informação e uma maior conversão para formatos Rich Media. Contudo, assim como todo processo de marketing precisa ser pensado e conduzido a partir da análise dos seus benefícios e do que se deseja, caso contrário os seus efeitos não serão positivos. “A grande vantagem do marketing mobile é o tempo de exposição ao qual o consumidor fica exposto a plataforma. Segundo uma pesquisa divulgada em 2014, pela Exame, 80% dos usuários de Márcia Lira, Núcleo Digital da agência Aporte (PE)

20

smartphone olham para a tela do celular a cada 30 minutos”, diz Raphael Ferrari. MAIS DO QUE LOCALIZAÇÃO E DADOS - O uso desses aplicativos para brasileiros oferece cada vez mais probabilidades para um comportamento que já é usual: conhecer, conectar e avaliar. É o que comprova a paraibana São Braz, primeira rede de franquias Coffee Shop, que lançou este ano programa mobile, possibilitando um melhor relacionamento com os clientes. A iniciativa foi desenvolvida para os sistemas operacionais Android e iOS pela empresa de tecnologia Mobiclub (situada no Porto Digital), em parceria com o Departamento de Marketing da São Braz e com o Núcleo Digital da agência Aporte Comunicação (PE). E o aplicativo permite aos usuários possível localizar uma cafeteria próxima, consultar cardápio das lojas, avaliá-las e acumular pontos promocionais a cada compra, que podem ser trocados por produtos ou recompensas da loja, numa estratégia de promoção e de clube de fidelidade. “Percebemos o quanto era gritante o número de clientes que sempre estavam usando o celular, nas mais de 30 cafeterias do Nordeste. Decidimos que precisávamos dialogar com eles também no mobile, e as funções de localização se mostraram indispensáveis na plataforma. Para isso, contamos com a desenvolvedora Mobiclub, que entrou com a experiência em aplicações de fidelidade”, comenta Márcia Lira, gestora do Núcleo Digital da agência Aporte. Ela lembra que o cliente do Coffee Shop é diferenciado, pois busca nas cafeterias o cardápio, ambiente e serviço que acha agradável e adora e, sendo assim, essa estratégia vem com


Com o objetivo de tornar cada vez mais conhecido o Armazéns do Porto, espaço de gastronomia e lazer no Recife Antigo (PE)

o objetivo de facilitar essa experiência e oferecer vantagens. “O relacionamento marca/cliente fica mais forte, e a lealdade é consequência. E só no sistema de fidelidade do app, onde o usuário ganha pontos por consumo e depois troca, os clientes registram mais de 70 mil pontos por mês. Tornamos muito mais fácil encontrar as cafeterias, acessar o cardápio, fazer avaliações”, diz. Esta aplicabilidade com geolocalização também foi utilizada pela agência em outra iniciativa, segundo a especialista, desenvolvida com o objetivo de tornar cada vez mais conhecido o Armazéns do Porto, espaço de gastronomia e lazer no Recife Antigo, na capital pernambucana, lançado há quase um ano e que possui alto potencial turístico. A estratégia, neste caso, lançou mão do Waze como uma das ferramentas na estratégia de comunicação, com campanha de mídia na plataforma longa, de seis meses, para facilitar ao cliente encontrar o espaço. “É importante que as pessoas associem cada vez mais o nome ao

lugar e, é por isso, que a estratégia focada em geolocalização está sendo fundamental. É uma mídia segmentada, mas que dá resultados surpreendentes de impressões e interações se a verba for utilizada da maneira certa. E com essa estratégia, conseguimos visualização de marca de um público muito específico e interessante pra o nosso cliente: o que transita pela rua do Armazéns do Porto ou que circula no Recife Antigo. Para se ter ideia, nos primeiros 15 dias da campanha, atingimos mais de duas mil visualizações de marca na plataforma. E isso é muito difícil de alcançar, com esse nível de assertividade, de outra forma”, ressalta Lira. Na opinião de Márcia, o maior desafio em trabalhar com mídia em apps e redes sociais, é a cobrança do serviço por parte das agências uma vez que o veículo como o Waze não remunera diretamente, como acontece com as mídias tradicionais. Desta forma, a cobrança é diferente e isso gera estranhamento por parte do cliente. Contudo, isso não deve se tornar um empecilho para apostar nesses canais nas estratégias pois, a mídia programática é realidade. “O brasileiro é um comunicador nato. É hard user de redes sociais e abraçou o mobile como uma extensão do corpo. Mesmo entre os nossos vizinhos da América Latina, como Argentina e Chile, você não vê as pessoas na rua olhando tanto para o celular como vemos aqui. Ou seja, não tem desvantagens, as marcas têm que estar lá. Estamos atrasados. Agora é importante saber o que quer e investir, para acertar na estratégia. É um espaço menor e mais disputado, porém precioso”, enfatiza. As empresas podem perder naturalmente uma grande

oportunidade de expandir mercado, readequar metas, estruturar equipe de atendimento e vendas e identificar possibilidades de aumento de cobertura e de demanda de produtos e serviços. “Toda empresa que usa aplicativos e plataformas atuais, mostra ao mercado que está por dentro das inovações tecnológicas da atualidade e os clientes adoram isso, pois sabem que naquele aplicativo tem sua marca favorita, seu produto que acabou de comprar, por exemplo. Então o impacto que essas interatividades com os clientes tem sido bem significante para promover mais ainda a marca em locais que não seja por mídia tradicional. Os aplicativos chegaram para incrementar ainda mais o mundo de comunicação nos negócios”, explica Valter Rito, especialista em Inteligência de Mercado e CEO da Íkonos Marketing Solutions (PE). A Íkonos tem desenvolvido ações em aplicativos móveis para informar ao público sobre cursos e inovações no mundo dos negócios, como também para clientes em consultorias de marketing, para os quais enfatiza as particularidades de cada ferramenta como estratégia. O uso de aplicativos de geolocalização são importantes, por exemplo, para uso no marketing viral, e podem render bons frutos. “São aplicativos simples de usar e que estão nas mãos de todos que possuem um celular compatível com estas funcionalidades. O investimento é irrisório para o tamanho da expansão que os mesmos podem proporcionar para quem usa e quem produz essa comunicação”, diz o sócio da Íkonos Robertson Alves, que comenta esta utilização para divulgar os pontos de venda dos clientes, por exemplo. Desta forma, percebe que a vantagem disso tudo é mostrar que a 21


CAPA | GEOLOCALIZAÇÃO Alan Abreu da Viamídia (BA)

empresa não para, segundo ele. Em qualquer país do mundo, a tecnologia está em constante mudança e mostrar aos que se está atento à novas plataformas, apps e inovação é fundamental, nos dias hoje. E a associação de todas as referências (sociodemográficos e de perfil geonegocial) a mapas digitais proporcionam o planejamento ideal que motivam o sucesso da publicidade em dispositivos móveis, mas ainda precisam ser trabalhados alguns detalhes que vão além do interesse empresarial. “Quando o assunto é geolocalização, os consumidores ainda estão meio crus para absorver a tecnologia. Por pura falta de informação muitos não entendem que seus dados estão seguros e os aplicativos acessam apenas informações básicas para fins publicitários. Mesmo aceitando os termos de uso ao instalar o App (que ninguém lê) ainda sim existem mal entendidos que podem fazer até mesmo com que o usuário pare de usar o App, mas gradativamente com a popularização do acesso a internet do Brasil, isto está mudando”, comenta sócio-diretor da Sanders Estratégia Digital, Raphael Ferrari. E isto deve ser levando em consideração, especialmente ao levarmos em conta o crescente investimento em geolocalização. Contudo, ainda fica a questão: há alguma fórmula correta? “Eu respondi numa palestra recente: você pode saber onde está wally, mas ainda não é capaz de mudar a forma como ele pensa. Eu explico! Uma pesquisa da CNI aponta que cerca de 74% das pessoas nunca compraram pela internet. Outro fator relevante é a grande quantidade de informações que recebemos do 'mundo virtual', nem todas verídicas - o que dificulta ainda 22

mais a propensão a aceitar a comunicação nesse ambiente tornando uma onda crescente, porém ainda com desafios grandes pela frente”, determina Marcus Quintanilha. Comunicar dentro de aplicativos com geolocalização segue, de qualquer forma, em frente e envolve regras e lógica próprias, adaptadas para o mercado de propaganda de diversas maneiras. O que é bastante compreensível ao levamos em consideração o impulso na publicidade, que numa estimativa da consultoria eMarketer, chegará a um investimento global nas plataformas móveis de cerca de US$ 100 bilhões em 2016, ou seja, 400% a mais do que foi investido em 2013. “O retorno é na maioria das vezes direto. É se mostrar próximo do consumidor na hora da compra. No fim das contas, você melhora a experiência e o relacionamento com o consumidor, aumentar o buzz e ainda pode converter a ação em venda”, lembra Alan Abreu, sócio da Viamídia (BA). Como outras, a agência baiana tem feito ações de geolocalização principalmente, através do AdWords e do Waze, com o intuito de atingir o maior número de políticos, por exemplo. A Viamídia realizou ação focada num congresso de Prefeitos na Praia do Forte na Bahia, segmentando nos dias do evento anúncios da Rede de Display em sites de política e notícias segmentando somente para aquela área, por meio do acesso mobile, com anuncio no Waze. “Escolhemos as plataformas de acordo com objetivo. Nada impede de usarmos outras, mas, por enquanto, essas tem nos servido. A repercussão sempre é positiva, apesar de tomarmos cuidado para não sermos

muito invasivos, principalmente no Waze, pois nem sempre é a marca do cliente que ele está procurando. E o bom de usar as extensões de anúncio do Google é que provavelmente o consumidor está procurando um serviço/produto semelhante ao meu”, diz. Agora, depois de buscar o consumidor, nada mais oportuno do que apostar nesta estratégia para alcançar o próprio criador, como no caso do Creatinder, app que ajuda a formar a dupla de criação ideal. Desenvolvido para a Escola Cuca pela Isobar, em parceria com a Base Digital, tem como objetivo aproximar diretores de arte e redatores que tenham afinidade profissional. No perfil, o usuário publica trabalhos de seu portfólio e descreve suas experiências e objetivos profissionais. Em seguida, recebe dados de contato de outro e cada um fica responsável por iniciar um bate papo fora da plataforma. De acordo com o diretor criativo da Escola Cuca, Miguel Benfica, a ideia foi adaptar um mecanismo comprovadamente funcional e estender a facilidade para os profissionais de criação que, muitas vezes, têm dificuldades de encontrar 'a dupla ideal', impactando seus planos de carreira.


CONECTE-SE WWW.OSLUGARES.COM.BR

WWW.COZINHAFIT.COM.BR

OS LUGARES Dois estudantes de jornalismo resolvem por em prática o que aprenderam na faculdade, fazendo o que mais gostam: viajar! Idealizado por Rafael Ferraz, de 19 anos, e Patrick Jacob, de 21 anos, O site conta com textos, fotos e programas em vídeo totalmente produzidos pela dupla. A iniciativa começou no Instagram, a partir de uma idéia que surgiu durante o tempo em que Patrick fez intercâmbio nos Estados Unidos. O conteúdo inicial mostra os atrativos do Espírito Santo, terra natal de ambos, mas conforme cresceram em visibilidade, convites surgiram para que eles explorem outros estados nos próximos meses.

COZINHAFIT Sylvia Pozzobon é advogada, mas tem uma história de longa data com a alimentação saudável e a prática de esportes. Filha de uma professora de educação física, sempre esteve rodeada de bons exemplos, e os utilizou na hora de lutar contra o câncer, doença que ela nunca imaginou que enfrentaria. Seu talento na culinária saudável a levou ao quadro “Jogo de Panelas” do programa Mais Você, com Ana Maria Braga, e a partir daí, os convites para cozinhar tornaram-se mais frequentes em sua vida. Tanto que hoje ela cursa nutrição e segue com o blog, repleto de receitas, dicas e vídeos, para quem deseja se deliciar com o que há de melhor na vida, sem brigar com a balança.

23


PANORAMA | GRUPO MARSARO

SEM MEDO DE CRESCER JULIANO DA HORA Timing e senso de adaptação. Essas duas palavras podem definir claramente a trajetória do Grupo Marsaro, fundado pelo casal Jô e Alcindo Marsaro em 1997. Cada um possuía experiências distintas no campo profissional, mas a vontade e a coragem de crescer foi o elo que os levou a construir uma das mais bemsucedidas empresas de Pernambuco. Alcindo é catarinense e veio da agricultura, passando pelo setor de restaurantes, quando pôde ter mais contato com o dia-a-dia de uma churrascaria e as nuances características do setor: estoque, fornecedores, planejamento, promoção e relacionamento com os clientes. Jô é pernambucana de Cupira e sua experiência em uma transportadora lapidou o seu olhar para os negócios. Quando juntaram forças, provaram que ser empreendedores no Brasil envolve uma boa dose de adaptação às circunstâncias e abraçar as oportunidades com muita ousadia. Quem nunca pensou em investir seu tempo e conhecimento

para montar seu próprio negócio? De acordo com a última pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada no Brasil pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), três em cada dez brasileiros adultos entre 18 e 64 anos possuem uma empresa ou estão em vias de criar um negócio próprio. Isso faz do Brasil o país com a maior taxa de empreendedorismo, ficando acima até mesmo da China. Mas uma coisa é abrir o negócio, outra é mantê-lo. E nesse ponto, o Grupo Marsaro acumula uma série de êxitos, para os quais não há nenhuma fórmula mágica: “Foi justamente o comprometimento com o nosso desejo de crescer, aliada a uma boa observação das engrenagens que movem os negócios. A cada degrau alcançado, não nos sentíamos confortáveis a ponto de nos acomodar. Muito pelo contrário: nos dávamos a chance de buscar mais conhecimento e recursos para crescermos ainda mais”, revela Jô Marsaro. O primeiro passo se deu

quando apostaram no mercado de beleza para investir na primeira loja, em Petrolina, que fez nascer o Grupo Marsaro. “Produtos de beleza e cuidados pessoais são itens que não saem da lista de consumo das pessoas”, lembra Jô. Essa observação foi o ponto de partida para a construção da empresa que hoje conta com duas marcas e 14 lojas espalhadas por Recife, Caruaru e Campo Grande (MS). Mas como tudo envolve uma dose de erros e acertos, A unidade de Petrolina não se mostrou satisfatória. Em vez de desistir, o casal saiu do sertão em direção à capital pernambucana, investindo numa loja no fervido centro do Recife, cenário de comércio intenso e concorrido. E mais uma vez, o olhar aguçado de Alcindo e Jô bateu à porta. Eles estavam inseridos num campo caracterizado pelo alto volume de produtos populares a preços acessíveis. A princípio, esse perfil poderia inseri-los numa posição confortável, mas a longo prazo, como seria? “No espaço que tínhamos, comercializávamos cosméticos e semijoias, mas havia uma lacuna a ser preenchida por produtos de mais qualidade na área”, explica Jô. Com isso em mente, começaram a revender marcas que tivessem diferencial, como as joias antialergênicas. Entre elas, a Rommanel. O contato com a Rommanel foi o pulo do gato: Eles sabiam que investir num produto mais caro seria Para divulgar as novas coleções e promoções da Rommanel, o grupo é conhecido por investir em ações presenciais como o lançamento do catálogo anual e eventos

24


uma ousadia, à vista do contexto no qual estavam inseridos. “Mas se não buscássemos um caminho diferente, também não sairíamos do lugar, e o que é pior, correríamos o risco de sermos engolidos pelo mercado em longo prazo”, aponta Jô Marsaro. Determinados a se destacar no meio, o desempenho das vendas do casal de empreendedores atraiu a atenção do dono da franquia, que durante uma visita ao Recife na busca por um representante, viu em Alcindo e Jô o espírito jovem e empreendedor que ele gostaria de associar à sua marca. E assim, o Grupo Marsaro passou a ser distribuidor em Pernambuco, com lojas próprias para atender atacado e varejo. Contando com o know-how e toda a munição de marketing da gigante das franquias de semijoias, Alcindo e Jô utilizaram o trabalho intenso com a Rommanel para aprender mais sobre as nuances desse segmento, enxergando ali outra oportunidade: em 2000, o grupo lançou a Astuce, marca de semijoias com um viés mais refinado, que opera até hoje no Shopping Recife, um dos maiores e mais renomados centros de compras do nordeste. “Não foi fácil no começo, não tínhamos muitos clientes, mas nunca pensamos em desistir”, conta Jô, que cursou faculdades de moda e marketing para entender melhor seu negócio. “A gente não tinha condições de pagar consultores especializados para ajudar a alavancar nosso empreendimento, assim, nosso maior e mais acertados investimento foi na educação”. Já Alcindo se graduou em administração de empresas, o que agregou conhecimento para a expansão do grupo. Para a Astuce, o casal preferiu contar com os serviços de designers independentes que fornecem as peças adotadas pela empresária de acordo com a estação. “É muito comum eu

trabalhar em parceria com esses criadores, orientando-os para que os artigos saiam de acordo com a proposta”, revela Jô. Focando nas semijoias, o Grupo Marsaro gera 230 empregos diretos e quatro mil indiretos (consultoras). Com uma taxa de crescimento anual de 12%. Além de dobrar o número de lojas da Rommanel nos últimos cinco anos, Alcindo e Jô se preparam para abrir mais uma unidade da franquia no centro do Cabo de Santo Agostinho, em novembro deste ano. “Com ela, serão gerados 30 novos empregos. Há ainda previsão para 2016 de lançamento de unidades inéditas no Litoral Norte de Pernambuco”, adianta Alcindo Marsaro. Para manter um ritmo de crescimento notável, o Grupo Marsaro investe naquilo que os alavancou: conhecimento e capacitação para a equipe.“Quando você vai consumir algum produto ou serviço, quem lhe conquista? Aquele que vende sem se importar em como você vai parecer, ou aquele que vai praticamente ser o aliado na hora de

montar um look que valorize a sua beleza? A fidelização começa pelo conhecimento daquilo que você está vendendo. Se o consumidor recebe elogios pelas peças que adquiriu conosco, com certeza voltará e trará mais pessoas para conhecer nossos serviços”, explica Jô. As últimas tendências mostram que o consumidor está cada vez mais engajado na troca de informação pelas redes sociais, sendo frequente o apoio a marcas que conseguem traduzir aquilo que oferecem em valores que dialoguem com o seu público. Para este ano, o marketing de conteúdo estará mais forte do que nunca, o que leva o Grupo Marsaro à dinâmica do contato mais direto com toda a sua cadeia de colaboradores e consumidores. “Sabemos que é algo importante ter esse canal, e estamos estudando a melhor forma de chegar nele, pois a partir do momento em que se pisa na internet com essa proposta, não dá pra voltar atrás e decepcionar o cliente, isso praticamente seria colocar em risco tudo o que construímos. Queremos fazer da maneira mais correta, para estreitar ainda mais os nossos laços”, diz Jô, que está atenta ao poder de atração e reputação que a rede mundial de computadores agrega à empresa. Olhando para trás, Alcindo e Jô Marsaro sorriem e se mostram confiantes para o futuro. Quando começaram, o país passava por um momento de crise, mas isso não impediu de darem o primeiro passo rumo ao seu sonho. Houve dias de acertos e dias de erros, que foram devidamente assimilados pela dupla de empreendedores, que mais do que nunca, risca o medo do seu vocabulário. “Estudo, planejamento e ousadia são as palavras que nos movem, e é isso que desejamos a todos que correm atrás do seu sonho”, conclui o casal. 25


PREMIAÇÃO

ALTA TECNOLOGIA NO VI PRÊMIO PERNAMBUCANO DE PROPAGANDA IVELISE BUARQUE O Teatro Riomar, no shopping de mesmo nome na Zona Sul do Recife, foi mais uma vez o palco da cerimônia do Prêmio Pernambucano de Propaganda 2015 que anunciou na noite do dia 24 de setembro os vencedores da premiação, realizada pelo Sindicato das Agências de Publicidade de Pernambuco (SinaproPE). “Ao longo desses seis anos, continuamos firmes na exibição da qualidade da nossa publicidade, chancelada pelo Sinapro-PE, com o apoio da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap)”, diz o publicitário e empresário Antônio Carlos Vieira, que preside a entidade. E esta noite, que contou com a forte

presença de fornecedores, profissionais e executivos do setor, teve nomes importantes do cenário da comunicação jornalística como mestres de cerimônia entre os quais os repórteres Eliana Victório (TV Tribuna), Priscila Assis (TV Clube) e Márcio Bonfim (TV Globo), e a apresentadora Graça Araújo (TV Jornal). A festa, que já é referência na cena local, conferiu homenagem especial nesta edição ao sócio fundador da agência M3 Comunicação, Mac Dovel, que este ano completa 30 anos de atuação no mercado, e foi agraciado com a Medalha Severino Queiroz. Mas,

também destacou o futuro daqueles que pretendem ingressar no mercado na categoria Jovens Talentos, na qual saíram premiados os estudantes Lucas Beltrão Rodrigues e Emanuel Moura da Veiga, da Faculdade Boa Viagem e Aeso Barros Melo, respectivamente. A dupla vencedora desta edição criou campanha com mote social, que será produzida e veiculada pelas empresas apoiadoras do prêmio, em prol dos 30 anos do Núcleo de Apoio à Criança com Câncer – Nacc. Com o mote principal “Excelência criativa da propaganda”, o VI Prêmio Pernambuco de Propaganda selecionou projetos que expressaram o tema desta edição

Ivaldo Bezerra | Lumen Fotos

A grande vencedora desta edição foi a Casa Comunicação que imperou com cerca de 20 prêmios entre os quais os títulos de agência do ano, anunciante do ano, dois Grand Prix, sete ouros, três pratas e oito bronzes

26


entre 500 peças inscritas, e que passaram pela avaliação de um júri composto por professores, formadores de opinião, publicitários e jornalistas, entre os quais o nosso diretor Walter Lins Jr. A premiação distribuiu 19 medalhas de Ouro, 30 de Prata e 45 de bronze e sete Grand Prix pelos trabalhos do último ano de diversas agências como Aporte, Massapê, Ampla Martpet Comunicação, Intertotal Comunicação, Casa Comunicação e Ítalo Bianchi, que, levou, por exemplo, bronze na categoria “Mídia out of home” pela ação “Tapume Shopping Recife”. “Com o intuito de anunciar a inauguração da nova loja do Mundo do cabeleireiro no Shopping Recife, criamos um tapume capaz de fazer todo mundo dar uma paradinha ou até mesmo tirar uma selfie na frente do espelho que, para o delírio do público feminino, era de luzes. Com isso, fomos contemplados, e é sempre bom ter nosso trabalho reconhecido. Isso estimula a nossa luta diária por qualidade e resultados. Mas, o prêmio tem que ser consequência do sucesso alcançado pelo cliente. Se o cliente tem sucesso e a agência ganha prêmio, ótimo. Não dá pra admitir é a agência ganhar prêmio e o cliente não ter sucesso”, enfatiza Miguel Melo, diretor da Ítalo. A Aporte, comandada por Ângelo Melo, conquistou cinco prêmios bronze por campanhas para os clientes Vaccine, na categoria de meio Rádio, com o spot da vacina contra a gripe, e para São Braz. Para este último, a agência levou por meio

Ivaldo Bezerra | Lumen Fotos

O PPP conferiu homenagem especial (a Medalha Severino Queiroz) ao sócio fundador da agência M3 Comunicação, Mac Dovel (centro, ladeado por Alfrízio Melo, esquerda e Antônio Carlos Vieira, direita), que este ano completa 30 anos de atuação no mercado

digital com o aplicativo do São Braz Coffe Shop, campanha Campina Grande – 150 anos, e os anúncios “Energia Extra” e “Sabor de bons momentos”. Ouro, Prata, Bronze e Grand Prix de Ação Promocional do Ano foi o resultado dos esforços da Massapê com Quanto Prima e Sport Club do Recife, destaque com “Saudações rubro-negras”. A Ampla Comunicação foi prestigiada com três pratas para o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, dos quais dois foram na categoria jornal

(campanhas “combate à dengue” e “Great Place to Work”) e um para digital para peça contra a violência doméstica. Martpet foi contemplada com Ouro e Prata para o Cine PE, Ouro para o Movimento Pró-Criança e Bronze para O Povo Online com a campanha #� somostodoshumanos� e para a campanha da Martpet Comunicação. Uma das mais premiadas da noite, comemorou o feito da noite com parceiros e fornecedores entre os quais Chico Barros, VDG Filmes - Vini Andrade e Renata Oliveira, Audiola e Diogo Felipe, Onomatopéia e Carlinhos Borges, Moreira Estudio e Ricardo Moreira, Easy Filmes e Marcio Candido. “Ficamos muito felizes de estar entre as cinco agências mais premiadas da noite no PPP 2015. O Cine PE manteve a tradição na premiação com excelentes resultados. Outro fato que nos orgulha muito foi A Intertotal Comunicação levou dois ouros pela mídia out-of-home com Citi Hotéis por “Sono Tranquilo” e pela campanha, meio revista, na série “Desculpas” para a Academia Evolução 27


PREMIAÇÃO e TV/Cinema pelo Receitas Bonanza) e dois Grand Prix de Anúncio do Ano para a Academia Evolução e Peça de Mídia Out-of-Home do Ano para a Citi Hotéis. “Noite Feliz no Prêmio Pernambuco de Propaganda para nós que fazemos a Intertotal. Orgulho, felicidade e agradecimento aos nossos clientes que acreditam, confiam e A Ítalo Bianchi levou bronze na apostam no nosso talento e categoria “Mídia out of home” pela ação “Tapume Shopping Recife” criatividade”, destacou Jackson Carvalho, diretor de criação, que termos conquistado prêmios com comanda a prestigiada turma de causas sociais, pois temos na Martpet criativos caruaruenses. uma missão de valorizar ideias e Contudo, a grande vencedora ideais. E para nossa grata surpresa, desta edição foi a Casa Comunicação também fomos premiados com uma que imperou com cerca de 20 campanha da própria agência. Agora, prêmios entre os quais os títulos de o mais bacana de tudo foi isso, foi ver agência do ano, anunciante do ano, o público se emocionando, rindo e dois Grand Prix (comercial de aplaudindo a maioria das nossas TV/Cinema e campanha do ano), sete campanhas. Este foi e sempre será o ouros, três pratas e oito bronzes. nosso grande prêmio: conseguir tocar “Para o planejamento desse ano, nós as pessoas”, destaca Diego Curvêlo, da diretoria da Casa, traçamos entre sócio e diretor de criação da Martpet. as metas o objetivo de conquistar o Fora do Grande Recife, duas Prêmio Pernambuco de Propaganda. agências de Caruaru se consagraram Mas, sobretudo, com peças em especial no VI Prêmio produzidas para garantir resultados Pernambucano de Propaganda: a reais para nossos clientes”, destaca o Oficina e a Intertotal Comunicação. A sócio Maurício Nunes, diretor de primeira ganhou Prata na categoria criação da Casa. meio TV/Cinema - Comunitário e O trabalho de campanha do Educação Pública com vt produzido ano foi o projeto 360º Peugeot para o Hospital Santa Efigênia, com o Experience para a Rivoli (ainda foco na campanha de Doação de Anunciante do Ano), que envolveu Órgãos, dirigido pelo diretor de filme e diversas ações com o aporte criação Eder Deó, para quem das novas tecnologias, inclusive, “concorrer com grandes agências de conquistando ainda cinco ouros (entre Caruaru e Recife não foi fácil, mas os quais mídia out-of-home e meio estar entre elas é sem dúvida uma revistas), dois pratas (mídia digital e satisfação e certeza de que estamos meio jornal) e um bronze. Outro no caminho certo”. Já a segunda, vem projeto também pensado 360º e se destacando na premiação com contemplado com o Grand Prix pela resultados expressivos em edições equipe da Casa foi a série “Capricche anteriores e, desta vez, não poderia que o futuro dá gosto” da campanha ser diferente e levou dois ouros #vaiguerreira para a marca (mídia out-of-home com Citi Hotéis alimentícia nordestina, que levou por “Sono Tranquilo” e meio revista outro ouro na categoria comercial de pela série “Desculpas” para a TV/Cinema, além do Ouro por Academia Evolução), três pratas comercial de rádio. (Rádio por GPS Polo Caruaru, e digital O Shopping Tacaruna 28

A agência Mart Pet conquistou Prata com o Cine PE e manteve a tradição na premiação com excelentes resultados

conquistou quatro Bronzes em três campanhas distintas: Taca Mais (categoria 360º) concebida para apresentar o novo conceito do centro de compras; Tacaruna Mosaico (meio digital/hotsites); e Wifi Consciente (meio digital/mobile, e mídia out-ofhome/comunitário e educação pública). Mas, a Casa ainda levou prêmios por outros projetos especiais como um Bronze para o País do Forró uma ação de São João com o Deezer; um Prata e dois Bronze por Sangue Amigo, campanha e app criados pela turma de inovação com sistema de geolocalização para doação entre cães, que foi prestigiado por meio digital/ apps e ações em mídias sociais e comunitários e educação pública. “Não queríamos apenas vencer por vencer, mas vencer com resultado. Por isso, apostamos na verdade da marca Capricche, na mulher guerreira dos dias atuais. Apostamos na tecnologia dos carros Peugeot e como poderíamos aproveitar isso em ações direcionadas ao público. Apostamos na verdade e no amor dos consumidores pelo nosso querido shopping Taca. Apostamos na economia dos carros Fiat. Apostamos na vida dos cachorros. Foi um trabalho criativo, mas pertinente e com resultados”, enfatiza Nunes.


PUBLICAÇÃO

MERCADO, TRANSPIRAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO IVELISE BUARQUE Mais do que apaixonado por publicidade, Rodrigo Stéfani Correa é um profissional do mercado que voltou seus esforços também para a licenciatura e, como professor há oito anos, percebeu que a maioria das publicações relacionadas ao setor se focavam muito em cases, que apesar de importantes apresentavam única abordagem da carreira. Lecionando e coordenando o curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal de Pernambuco, percebeu que sua trajetória profissional e que o conjunto de suas pesquisas congregavam material para facilitar a vida de estudantes, em termos não só de referências, mas também sobre a visão da profissão. O que resultou no livro “Criação Publicitária: do Briefing ao Anúncio”, publicado pela Edufpe, que ganhou uma versão em e-book e pode ser conferido no link: www.loja. edufpe.com.br/portal/spring/livro/deta lhe/420. “Como professor de criação há oito anos, percebi que poderia contribuir para o amadurecimento profissional, trazendo exemplos do

processo de trabalho que representam uma visão menos institucionalizada da carreira, algo mais próximo do dia a dia”, diz Rodrigo Stéfani Correa, que, além da docência na UFPE, também coordena a Agência Experimental da instituição. E este olhar menos cartesiano é o que propõe na publicação que se baseia muito em pesquisa desenvolvida no doutorado e também nas experiências acumuladas em agências de publicidade, departamento de marketing e universidades. “Os livros que a maioria conhece contam com modelos que não existem mais. E por isso é importante termos uma visão mais crítica e também científica do processo de trabalho na área de criação de uma agência, que envolve diversas etapas. E é importante termos a clareza que muita coisa mudou e no cenário atual é necessário ser mais procriativo e saber aplicar um planejamento criativo”, destaca. E por isso o livro sai do princípio básico do processo que é o escopo do negócio do cliente, a partir

Bertone Balduino, Rodrigo Stefani Correa e Thiago Reis

do desenvolvimento do briefing, e vai seguindo por outras etapas igualmente importantes que envolvem a alfabetização visual, fundamentos essenciais de Direção de Arte (como impacto e clareza) e o desenho tipográfico para a criação publicitária. Mas naturalmente apresenta uma visão sobre as tendências atuais por acreditar que talvez seja mais importante buscar entender a transformação e não a moda. Sendo assim, enriqueceu “Criação Publicitária: do Briefing ao Anúncio” com muitas referências, inclusive, com figuras emblemáticas como o publicitário norte-americano Lee Clow, conceitos criativos como o da Apple, processos inventivos como o de Chico Science e, naturalmente, exemplos de anúncios e peças que representam o cerne de diversos processos e tipos de criação. “Todo criativo deve entender tudo, pois estamos em novo panorama que não é mais cartesiano. O mercado mudou e está revendo seus processos. E por isso a área mudou. Uma prova disso é que, há 10 anos, de 40 alunos tínhamos de 35 que queriam trabalhar em agência. Hoje, temos apenas 15”, diz. Por isso, nada mais oportuno do que realizar o lançamento desta versão em e-book em meio a jovens estudantes que desejam enveredar neste mercado, e ansiosos por conhecimento e experiência para sua trajetória no futuro. O encontro contou com a presença do coordenador de criação da Casa Comunicação (PE), o pernambucano Thiago Reis, e do diretor de criação da Blackninja (PE), o paraibano Bertone Balduíno, para um bate papo com o tema “Menos intuição, mais transpiração”. 29


OLHAR ACADÊMICO

O QUE MEUS ALUNOS ME ENSINAM DIRCEU TAVARES | PUBLICIDADE E PROPAGANDA DA UFPE |DIRCEUTAVARES@GMAIL.COM A universidade é acusada de promover um ensino sem função prática. Para superar esta crítica, pergunto aos meus ex-alunos qual aprendizado universitário tem sido útil para a sua vida profissional. Danilo Miqueias é um exaluno que me afirmou que seu ganhapão vem do uso do modelo de construção de marca da agência David Ogilvy, o 360o Brand Stewardship, que está descrito no livro de Deborah Echeverria. Orientei Danilo no projeto de final de curso para reposicionar a marca Frisabor. Nossa hipótese era que devíamos usar o conceito da “estética do marketing” para tornar sensitivo o diferencial de sabor natural de fruta. Mas, aplicando os dois primeiros módulos Challenge (desafio) e Brand Print (DNA da marca), verificamos que os entrevistados que tomavam sorvete perto do Salesiano, percebiam o DNA da Frisabor associado aos rituais familiares. Os consumidores associavam Frisabor à celebração da família após a primeira comunhão, saída da praia, ou encontro de namorados. O sabor natural de fruta era um valor secundário. Danilo além da mídia

impressa criou vários eventos digitais, se uma paquera aceitasse um convite feito pelo Facebook da Frisabor, o casal ganhava um post no Facebook e uma promoção de sorvetes. Na mesa haveria um display com a foto dos dois pombinhos e uma mensagem de amor. Pelo Facebook Danilo disse que seu ganha-pão é explicar o 360o Brand Stewardship para seus clientes. Fiquei feliz de haver disponibilizado este conhecimento e decidi usar este método em todas as minhas disciplinas. Explicou que se apaixonara por uma moça, foram viver juntos e tiveram um filho. Demitiu-se de uma agência e é freelancer. Está ganhando mais, toda tarde às 17 horas vai pegar o filho no colégio e brincam até a hora de dormir. Ajusta bem seu cronograma para não virar a noite, pois às 7:00 h leva seu filho ao colégio. Para mim a função dos meus ex-alunos é a de me ensinar publicidade. Danilo me ensinou a simplificar o uso do imenso check-list do 360o Brand Stewardship. Resumindo para os clientes duas questões básicas. Como chamar a atenção dos consumidores, pois

normalmente ninguém vê as publicidades digitais. E que é necessário pesquisar os “múltiplos pontos de contato” com o consumidor onde serão disponibilizadas mensagens que lhe dê vontade de acessar. Danilo se especializou em fazer vídeos para o Youtube. Para o edifício Torre Prince veiculado no YouTube, ele contratou uma atriz, um camera man, dirigiu e editou este vídeo. Que defende várias bandeiras sociais de Danilo, de que um apartamento não deve ser uma prisão de luxo, devendo trocar o carro por caminhadas saudáveis, teses que são ilustradas pela atriz que passeia nas cercanias do apartamento e passa a maior parte do tempo conversando com a gentil Tia Joana do acarajé da padaria Massa Nobre. E todos foram felizes para sempre. Cem por cento dos apartamentos foram vendidos no primeiro dia. E eu aprendi que o essencial é explicar para o cliente o modelo de construção de marca 360o Brand Stewardship de trás pra frente, iniciando pelo último módulo, dos “múltiplos pontos de contato”. Pois a publicidade só existe se o cliente entender e aprovar o planejamento.

NOVO VISUAL, NOVAS SEÇÕES E A PAIXÃO POR COMUNICAÇÃO E MARKETING

WWW.REVISTAPRONEWS.COM.BR 30


ARTIGO | ISABEL RIBEIRO | MID COMUNICAÇÃO

TROIANO REVELA OS SEGREDOS DO BRANDING

O “cara” em gestão de marcas no Brasil faz palestra em evento no Recife O marketing não é mais o mesmo. E o consumidor também não. Por isso, o foco nas ações dos mercadólogos, dos publicitários e dos profissionais que trabalham com a imagem de uma instituição, em geral, agora não está mais no produto ou no serviço, está na marca. Ela é o maior bem para as empresas que já entenderam a sua importância na relação e no vínculo criado com os seus consumidores. O consultor Jaime Troiano, que atua há 22 anos na área do branding, esteve no Recife em setembro, e explicou porque esta é a grande ferramenta de negócios dos novos tempos. Durante a realização do Fórum de Vendas da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe), Troiano falou para um público formado, em sua maioria, por empresários, vendedores e administradores. Todos ávidos para saber como uma marca pode ter mais valor para uma empresa do que de todos os seus bens materiais e tangíveis. “A marca tem o poder de criar relações, aproximar empresas, reter funcionários. Ela faz com que determinado bem ou serviço seja mais que simplesmente diferente. Faz com que o produto seja idealmente único, indispensável e capaz de satisfazer esse consumidor”, revela o consultor. De acordo com Troiano, a marca evoluiu ao longo do tempo. Deixou de ser apenas algo que

identificava o produto e foi adquirindo novos significados. “Hoje, marca é simplesmente aquilo que fica de tudo que nós dizemos para os nossos consumidores. É a impressão líquida. O sentimento que fica de tudo que nós fazemos e está no coração e na mente dos nossos consumidores. É algo muito pouco tangível, mas que tem uma importância fundamental na sua relação com determinada empresa”, explica o palestrante, que completa: “ela é um conjunto organizado de percepções e sentimentos residentes no consumidor. Nós somos os hospedeiros da marca”. E enquanto muitos pensam que este símbolo começa a ter seu valor e sua significação da porta da rua para fora, Troiano desfaz este mito e

garante que a marca deve nascer e ganhar força do lado de dentro da empresa, enraizar na sua cultura e só depois ir para o mercado. “Se isso não acontecer, ela fica frágil. O peso de um crachá dá uma ideia da força que essa marca tem. Muitas empresas têm filas de pessoas que querem trabalhar ali pelo sentimento de pertencimento daquela instituição”, conclui o especialista. A palestra também foi ilustrada por cases de empresas que estão no portfólio da Troiano Branding como a Gracco e o Grupo M.Dias Branco. Para finalizar sua explanação, o consultor apontou algumas armadilhas que podem atrapalhar o fortalecimento das marcas, como: a falta de investimentos em comunicação e a mudança constante de fornecedores nessa área; a confusão entre sua aparência e sua essência; o desconhecimento da relação da marca com seus públicos no mercado; a não valorização de ferramentas como o design; o desrespeito aos limites dos espaços que a marca pode ocupar; o erro em subestimar os consumidores e seus comportamentos dentro de cada classe social e a falta de objetividade, verdade e clareza de seu posicionamento para os clientes. Jaime Troiano, consultor na área do branding e Isabel Ribeiro, jornalista e especialista em Gestão de Marcas e diretora de Relacionamento da MID Comunicação 31


MUNDO ONLINE | BLOG PUBLICITÁRIOS S.C.

INTELIGÊNCIA DE MERCADO APLICADA AO INTERESSE PESSOAL IVELISE BUARQUE Alcançar audiência já é um sacrifício, mas tornar-se top é resultado de muita dedicação. E este foi o caminho do Publicitários S.C., um blog sobre comunicação dedicado a estudantes e profissionais da área. Ao longo de sete anos conseguiu a façanha de conquistar diversas premiações de 2010 a 2013, como o Prêmio #Blog Awards 10+, Os Mais Criativos do Twitter - Top Of Mind e o Prêmio Top Blog: dois nas categorias TOP 100 (primeiro com o nome anterior Publicitários Futebol Clube e o segundo com o atual S.C.), e outros dois TOP 2 (Juri Acadêmico) e TOP 1 (Juri Acadêmico). “Contato com a internet foi por pura curiosidade. Primeiro conheci o Orkut e em seguida, na faculdade, conheci os blogs. O blog surgiu na faculdade em 2008 e de lá pra cá sempre acompanhei de perto todas as novidades sobre mídias sociais, análises e estatísticas de projetos. A ideia de colocar o blog pra frente foi uma questão de visão, de que esse projeto é bacana e poderia dar certo. O blog estava abandonado na faculdade e então entrei em contato com os gestores pedindo pra assumir o projeto. Desde então, já são quase oito anos e mais de mil e duzentos posts publicados”, diz o publicitário Thiago Acioli, que atua como analista de Business Intelligence e que comanda o veículo online. A proposta que surgiu de maneira espontânea foi construída 32

com os amigos do curso na faculdade, que depois começaram a trabalhar em outros projetos, com a única pretensão de criar um espaço de repercussão de informações sobre conteúdo, mercado, empreendedorismo e outros assuntos de interesse que proporcionassem essa ligação entre a necessidade de conhecimento e a qualidade conteúdo. Este foi o pontapé inicial para a criação deste canal de informações de comunicação no mundo online, que conseguiu conectar o seu interesse pessoal à demanda do público. “Nesse meio existem duas vertentes: como iniciar e como se aprimorar. A ideia do blog é linkar esses dois interesses nos quais eu já tinha observado na faculdade. No meu ponto de vista vejo o blog como um veículo de comunicação com as pessoas e meu interesse é compartilhar um conteúdo de qualidade”, destaca Acioli. E, desta forma, seguindo a premissa do slogan “Conheça, inspirese, compartilhe”, o Publicitários Social Club trata primordialmente do mundo publicitário, com foco em marketing digital, social mídia e virais, com campanhas interessantes e inovadoras para os leitores. “Você pode definir como um canal de comunicação que atualiza seus leitores sobre tendências do mercado e dicas sobre a área de comunicação, seja ela online ou off-line", comenta Thiago, que se orgulha do resultado

alcançado com o trabalho desenvolvido nesse período. O fluxo de fãs, seguidores e curtidas nas redes sociais hoje refletem números de audiência, views e curtidas de impressionar. São 25 mil visualizações mensais e repercussão que se expande da seguinte forma nos canais: Facebook (28k fãs), Instagram (5.5k fãs), Twitter (+7k seguidores), Google+ (1k seguidores) e até Periscope. “Deixamos bem claro que a nossa preocupação não é com números de audiência. Claro que números contam histórias, mas o que nos importa de verdade é a fidelidade dos leitores e o que causa nosso impacto na vida dele”, determina o empreendedor. Esta visão tem toda relação com a maneira como vê o mundo online hoje que está interligado com a vida das pessoas para trazer cada vez mais novas descobertas, assim como os caminhos de sua formação profissional (graduação em propaganda e MBA em Marketing Estratégico) e o trabalho que desenvolve atualmente. “Mídias sociais, dados estatísticos e analíticos sempre estão co-ligados entre si. Mas, empreender no mundo digital depende de vários fatores. Quem deseja empreender no digital e não sabe como, deverá aprender a ter muita paciência e saber que os resultados serão em longo prazo. As pessoas que souberem usar isso,


atrelado à sua ideia e ao seu produto ou serviço, terá grandes chances de se destacar nesse mercado competitivo”, acredita o especialista, cuja trajetória voltou-se completamente ao meio digital após um ano no mundo offline. E, mais do que mídias sociais, o seu exercício em Business Intelligence o aproxima das agências de publicidade uma integração com o mercado que concilia com as demais demandas. “Já estou a quase três anos nessa área de BI, que é um degrau acima das mídias sociais, trabalhando para agências de publicidade e, além do blog, fazendo vídeos quinzenais no Periscope compartilhando dicas, ideias e novas descobertas com as pessoas”, diz. E neste processo mantém contínua comunicação com o target e com o púbico de diversas formas, especialmente para levantamento de pautas, atualização do blog, manutenção e repercussão em mídias online. Tudo é realizado com base em um cronograma mensal bem fechado, organizado e amarrado que é assumido por mais de 10 colunistas, em que cada membro sabe exatamente em que dia devem lançar suas pautas no sistema. “Existem colunistas que gostam de escrever assuntos polêmicos da área e isso fez com que alcançamos picos de acessos em apenas um dia. Matérias que causam polêmica sobre construção ou desconstrução de uma imagem que você já tem construída na sua cabeça, e mexe com a cabeça do leitor. Isso faz com que o texto seja bem visto e compartilhado pelas pessoas”, destaca Acioli, que enfatiza que buscam escrever matérias que não são encontramos nos concorrentes. E este é um dos motivos que faz com que o Publicitários S.C. ganhe mais destaque com o público. Além disso, o blog possui uma gestão determinada que contribui para o bom

No mercado digital você encontra de tudo, do certo ao errado, do bandido ao mocinho.

desenvolvimento do trabalho de todos os envolvidos em suas tarefas específicas. “Eu fico mais na parte de gestão do conteúdo e monitoramento, e somente às vezes solto algum texto meu, e dá saudade de escrever. Sobre o financeiro, o blog mantém um sistema igualitário entre os membros nesse quesito. Eu explico: deixo livre para a equipe conseguir posts patrocinados e 100% da receita que são negociadas por um colunista vai diretamente para ele. Eu não fico com nenhum centavo”, reforça. Com isso, tanto a proposta do blog vai se expandindo em termos de conteúdo como em volume de colaboradores. Há um mês, lançou o Drops Publicitário, um resumo do que foi mais falado durante a semana sobre a área da comunicação. E da

mesma forma o núcleo que já chega a 13 pessoas no momento que pode aumentar em breve, em virtude de recente seleção que realizaram e que pode ampliar a equipe com mais cinco a oito pessoas. Tudo fruto de uma gestão de negócio no meio online pensada de forma estratégica de modo a não só atingir metas e alcançar audiência como crescer junto ao público, com criatividade neste universo. “Gestão de negócios é uma coisa que me fascina. Você tem que descobrir o que seu público necessita saber o que entregar para ele e também após essa entrega, voltar a ele e saber se ele continua satisfeito com seu produto ou serviço. Fala-se muito sobre os produtos digitais, mas deve-se ter muito cuidado sobre qual produto digital você deve vender. No mercado digital você encontra de tudo, do certo ao errado, do bandido ao mocinho”, pensa. Acreditando que a base é o conteúdo, apesar da cultura do Nordeste prezar pelos números, Thiago Acioli destaca que estar anunciado num blog de um milhão de visualizações não implica em retorno de um investimento esperado, por exemplo. É essencial analisar o que público quer saber segmentar o produto ou serviço essencial, buscar identificar onde e em qual canal social deverá investir. “Para ganhar audiência, trabalhe o seu conteúdo atrelado à sua marca. Trabalhe o Inbound Marketing oferecendo serviços de qualidade e que sejam gratuitos. Lance e-books legais que capturem bons leads, faça vídeos-aula, palestras online com dicas, tutoriais de DIY (faça você mesmo). Enfim, trabalhe esse conteúdo para que ele torne-se relevante para seu público, assim você conseguirá uma audiência, fortalecerá sua marca e por fim estará pronto para empreender de forma criativa, pois os seus clientes já estarão fidelizados”, enfatiza. 33


DESTAQUE | FRED ALECRIM

PENSANDO OS MOVIMENTOS QUE GERAM AS MUDANÇAS Hidratador de alimentos, coleiras robôs para cachorros e patins elevados com propulsores foram algumas das promessas futuristas do filme “De Volta Para o Futuro”, dirigido por Robert Zemeckis (1985). Apesar de proporcionar hipoteticamente praticidade e qualidade de vida, essas invenções ainda não existem, mas outra tecnologia já é realidade e proporcionam experiências únicas para o público, como os hologramas. E não é a toa que esta ficção científica é a produção de cinema preferida do administrador e consultor Fred Alecrim, especialista no mercado em liderança e tendências em negócios nos mundos offline, online e mobile. “Gosto de dizer que não existe mais on e off, está tudo junto e misturado, no que chamo de on-off, ou seja, a marca precisa ter uma estratégia online muito boa e integrada com a sua estratégia offline, pois só assim os resultados serão perenes”, diz. É com foco nesta busca de resultados que este administrador de empresas com especialização em marketing se tornou facilitador e multiplicador de metodologia focada em “como vender mais e melhor” e “saber empreender”. Voltando-se cada vez mais para a visão macro sobre as novas mídias e a tecnologia aplicada aos negócios, ele percebe que este será o grande diferencial por acreditar no impacto que a integração na esfera globalizada está causando no 34

carameloscrap.blogspot.com.br

IVELISE BUARQUE

comportamento do consumidor. “De uma forma ou de outra, todo mundo está online. Caso a marca não tenha atuação online, o seu cliente tem presença online em algumas redes social, por exemplo. Ao comentar nas redes sociais sobre a sua experiência com a marca, querendo ou não, esse cliente faz com que ela passe a estar lá, porém, sem poder participar da conversa. Se ela estiver, poderá agradecer se for elogio ou atuar para corrigir se for crítica”, enfatiza ele, que, neste sentido, também atua como palestrante da Ponto de Referência (SP). Para ele que vem pesquisando, estudando e escrevendo ainda sobre varejo e atendimento, esta clareza é fundamental neste mundo pautado pela rede. Isto por que se a empresa não mudar, o

cliente muda dessas empresas, e é o que a gente tem vivenciado; mudanças bem fortes. E em virtude disso é possível e essencial descobrir como empreender com foco em tecnologia, e por que não de forma criativa. “A criatividade é fundamental para ter negócios diferentes tanto para quem trabalha nele como para conquistar os clientes. Mas não basta ser diferente, tem que fazer a diferença na vida das pessoas, afinal, os clientes não compram mais produtos, compram versões melhoradas de sim mesmos, ou seja, eles compram a melhoria que os produtos irão trazer à si mesmos e as suas vidas”, destaca. O cenário que temos hoje no país pode nos igualar aos países de primeiro mundo, mas para isto é necessário realizar mudanças na


forma de atuar e pensar a gestão de negócios e liderança. E agregar isso tudo com a solução criativa para problemas e a criatividade no empreendedorismo se torna, em muitos casos, os diferenciais no atual cenário. “Na prática, é preciso ter essa curiosidade e essa causa de querer, verdadeiramente fazer a diferença na vida das pessoas. Depois é se manter sempre em movimento, pois só movimento gera movimento. É preciso criar uma ambiente corporativo que permita essa criatividade florescer e jamais morrer. Em relação a tecnologia, é preciso ter em mente que tecnologia não pode ser o fim e sim tem que ser o meio. Para empreender em tecnologia, é preciso ter em mente que a tecnologia precisa existir para facilitar a vida das pessoas e melhorar a experiência delas com o negócio (clientes) ou no negócio (funcionários)”, frisa o autor de “Movimentação: como afastar a mesmice e melhorar os resultados”. Neste e-book, o escritor fala entre outras coisas sobre a importância de se movimentar na direção que fará o cliente elogiar, preferir e recomendar você e seu negócio. E esse é um dos grandes desafios de quem tenta se manter no mercado hoje em meio a tanta inovação tecnológica. Afinal, nesta era digital, todos nós estamos vinculados a alguma rede, mídia ou utilizamos alguma ferramenta social e, com isso, precisamos descobrir a melhor forma de aproveitar bem isto. “A melhor forma é não se deixando dominar pelas redes sociais e não ficar escravo delas. O uso correto é fundamental. Uma marca não precisa estar em

todas as redes, ela precisar marcar presença de uma forma positiva nas redes onde possa ser relevante para seus clientes, seja publicando conteúdo útil para eles, seja prestando serviços como atendimento ao consumidor, orientações, dicas etc. As melhores estratégias são aquelas mais adequadas para cada marca ou profissional”, diz. E, por isso, ele considera que as empresas e os executivos podem trabalhar isto de forma correta para alcançar bons resultados, pensando sempre em estratégias que sejam mais assertivas para cada processo em virtude dos novos tempos. “Não existe uma receita mágica. É importante construir isso com seus clientes, pois se vocês construírem com eles, eles já estarão lá. Ou seja, converse com eles, veja quais redes sociais são mais acessadas por eles e o que eles fazem lá. O que pode ser útil

em termos de conteúdo e serviços. É importante que o profissional e a empresa não usem as redes só para vender produtos, mas principalmente para construir um relacionamento com seus clientes e atrair novos clientes para a marca”, enfatiza o especialista que entende bem sobre atendimento e desejo de consumo. Sua jornada profissional é variada e começou como vendedor e gerente de empresa atacadista. Toda essa experiência foi fundamental para sua carreira. “Como vendedor e depois gerente pude ver, sentir e viver próximo dos clientes e ao lado de vendedores e gerentes em sua busca incansável por resultados. Esse momento foi fundamental para entender que sem atendimento não há resultados sustentável, que sem uma equipe que goste de gente e que seja competente não há resultados sustentáveis e que se não cuidarmos bem de nossas equipes os resultados

Fred Alecrim, especialista no mercado em liderança e tendências em negócios nos mundos offline, online e mobile 35


DESTAQUE | FRED ALECRIM

não serão o que queremos”, lembra. E acumulou assim 12 anos de atividades no varejo, além de ter atuado por quatro anos como diretor comercial de rede de perfumes e cosméticos. E quando esta trajetória ainda foi enriquecida por uma passagem importante pelo Sebrae/ RN, onde estagiou por um ano no setor de consultoria empresarial. “Lá conheci as mais diversas áreas do mundo dos negócios e me identifiquei muito com tudo que diz respeito a empreendedorismo e relacionamento com o cliente como Marketing, atendimento, vendas etc”, comenta ele, que viu esta etapa da sua vida como o start para algo novo. “Quando cheguei ao Sebrae/ RN, descobri o que queria. Ajudar empresas e profissionais a serem melhores como empresas e profissionais e lá encontrei a forma de fazer isso, através de palestras, cursos e treinamentos”, diz. E, o encontro com Edmour Saiani, fundador da Ponto de Referência, foi outro grande 36

passo para esta evolução no mercado. Depois disso, foi aos poucos ganhando todo o Brasil com esse processo de trabalho e com outras facetas como a de pesquisador e escritor após o lançamento do seu primeiro livro UaugoMais, que traz ferramenta para implementar novas ideias e recheado de exemplos do varejo mundial para ins-pirar empreendedores e seus negócios a se manter em movimento. Sempre trabalhando para ajudar as marcas e seus gestores, busca o incremento dos negócios e a conquista, cada vez mais, de reputação, relacionamento e resultados para esses empreendimentos de diversas formas. E foi por isso que se especializou, por exemplo, em pedagogia empresarial estratégica para ter uma nova visão sobre o que faz, motivado pela eterna curiosidade. “O curso me ajudou muito a ampliar os horizonte e evoluir nos meus treinamentos, palestras e workshops. Ajudou-me a ser mais

efetivo no que faço. Como posso ajudar mais e melhor as empresas a terem os melhores profissionais. A educação é uma das chaves para que isso aconteça”, comenta ele, para quem a palavra movimento seja a chave para tudo ao redor. Uma circunstância gerada na juventude com a própria experiência familiar, quando da morte da sua mãe (a quem era muito próximo), que marcou sua vida e gerou grandes mudanças não só emocionais como físicas. “Além da perda de uma pessoa amada, isso causou também a mudança da cidade de onde morávamos e estavam todos os meus melhores amigos”, lembra. Mas, o apoio do pai (Eurico Alecrim) se tornou essencial e foi sua maior influência ao lhe dar a liberdade de pensar e escolher o que acreditava ser o melhor para mim. Hoje, é a sua esposa Fabiana Gondim, pela inspiração de sua garra, persistência e determinação. “Sem ela, acho que seria um pouco acomodado”.


CLICK | MIGUEL SOLANO | CONTATO@MIGUELSOLANO.COM

SEJAMOS COMO ESTÁTUAS Às vezes acho que devíamos ser como as estátuas: serenas, ouvintes; apreciando mais do que reclamando. Muitas pessoas confundem julgamento com ação. Tem gente falando demais e fazendo de menos. Principalmente nessa era de redes sociais, aonde toda opinião vai ao mundo em apenas um clique. É a cidade que está perigosa, a política que não presta a falta de educação... Quem criou essa ideia de que basta ter um Facebook que automaticamente é inteligente? Eu, hein... O engraçado é que esses que reclamam continuam passando em sinal vermelho, comprando DVD pirata, e dirigindo após beber. Estátuas são empoeiradas por fora, mas limpas por dentro. Temos muito a aprender com elas...

CÂMERA: Fujifilm x10 ISO: 100 ABERTURA: 2.8

CERVEJA SCHIN EM NOVA ROUPAGEM A Cerveja Schin, marca do portfólio da Brasil Kirin, reposiciona sua marca com nova estratégia de negócios, adotando assinatura que reflete sua essência: “Do Jeito que o Povo Gosta”. Para isso, os maiores investimentos da marca foram em pesquisa, embalagens e comunicação. A embalagem volta a ser majoritariamente branca, reforçando a refrescância e a leveza da bebida. Os pontos de venda de todo o país começam a receber o produto com a nova roupagem, e os materiais de comunicação contam com celebridades de reconhecimento nacional e que enaltecem os valores da marca. Segundo Marcio Avolio, gerente de Marketing de Schin, a mudança foi pautada em estudos de mercado, que apontaram um forte interesse do consumidor por uma comunicação que respeite suas particularidades. “Schin é uma cerveja que nasceu do jeito que o povo gosta. É leve, saborosa e acessível. Também é democrática e por isso conversa com o povo de diferentes maneiras do norte ao sul do país. Trata-se de uma marca que valoriza seu consumidor e que entrega uma cerveja do jeito que ele gosta”, comenta. 37


NA ESTANTE

O CLIQUE DE UM BILHÃO DE DÓLARES, de Filipe Vilicic, Editora Intrínseca, 240 Páginas Em”O clique de 1 bilhão de dólares”, o jornalista Filipe Vilicic conta como o brasileiro Michel Krieger, nascido em São Paulo, se tornou milionário aos 26 anos, depois de oito nos Estados Unidos, pela co-criação do Instagram. O livro traz à luz os detalhes da surpreendente negociação de Kevin Systrom (principal acionista do Instagram) com Mark Zuckerberg para a incorporação do serviço ao Facebook, o ambiente competitivo, frenético e os personagens excêntricos do Vale do Silício.

HISTÓRIA DO FUTURO, de Míriam Leitão, Intrínseca, 496 páginas História do Futuro é o mais novo livro da jornalista Míriam Leitão que aponta tendências para os próximos anos do Brasil, baseados em entrevistas, viagens, análises de dados e depoimentos de especialistas, ao longo de três anos de pesquisas. O livro aborda numa linguagem acessível o que esperar de temas como meio ambiente e clima, demografia, educação, economia, política, saúde, energia, agricultura, tecnologia, cidades e mundo. Leitura obrigatória para quem deseja conhecer em profundidade as perspectivas para o país.

PABLO ESCOBAR, MEU PAI, de Juan Pablo Escobar, Editora Planeta, 480 páginas Até onde você sabe sobre a vida de Pablo Escobar? O mais famoso traficante da América Latina agora ganha uma biografia e sob o ponto de vista de seu filho, a partir da intimidade do lar. Mais de vinte anos depois da morte do chefe do Cartel de Medellín, o autor Juan Pablo Escobar viaja em direção a um passado que não escolheu a fim de mostrar um lado inédito de seu pai, o homem capaz de chegar aos piores extremos de crueldade, ao mesmo tempo em que professava amor infinito por sua família. A quem interessar: este não é um livro de um filho que busca a redenção para seu pai, mas um relato estremecedor das consequências da violência.

38


Revista pronews186  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you