Page 1

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

1ª Quinzena de Julho de 2012 Ano XXXII - No. 1135 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

Cinco Chagas e a Festa da IES

Pág 17 a 20

LALIS

novo CEO

Michelle Nunes

Homenagem a todos os Estudantes

Lino Amaral A first-generation Luso-American born, son of an Azorean immigrant father and mother also of Portuguese descent. After earning a B.S. Degree in Business Administration & Economics from Saint Mary’s College in Moraga, California, he spent time as an Executive Recruiter with an emphasis on selection of finance and accounting professionals, 3 years as a Financial Advisor with Morgan Stanley Smith Barney and has amassed over 15 years of hands-on experience in the real estate industry, most recently as Broker Associate for J. Rockcliff Realtors. Pág. 21

www.portuguesetribune.com

Michelle Nunes - 6 anos e meio separam estas duas fotos. Bolsa de Estudo da Fundação Portuguesa de Educação do Vale Central e graduação em Farmácia pela University of the Pacific. Esta é a nossa Homenagem a todos os Estudantes que no dia-a-dia fazem das escolas a sua base de educação e de futuro.

Euro 2012

Portugal 2 Espanha 4 em penáltis

www.tribunaportuguesa.com portuguesetribune@sbcglobal.net


2

SEGUNDA PÁGINA

EDITORIAL

O mundo a mudar...

M

ais uma vez, muitos dos nossos queridos colaboradores ficaram de férias nesta edição cheia de festas. E por falar em festas, leiam com atenção os nomes das nossas rainhas e aias e vejam como o mundo está a mudar em frente aos nossos olhos e semanalmente todos os domingos. As Marias, as Manuelas, Marias de Fátima, Margaridas, Marias de Lourdes, Gorettis, Eduardas, Sãozinhas, Marias da Conceição, já pertencem à história da nossa comunidade. Hoje temos a Makayla, April, Isabella, Amya, Jordan, Allison, Edlya, Emily, Kylee, Roxanne, Jessica, Shania, Tuesday, etc. E para não falarmos ainda nos apelidos dos pais. Uma autêntica revolução. O Padre António Reis serviu a Comunidade de San José como Vigário na Igreja das Cinco Chagas durante os ultimos 6 anos. O seu último dia será Sábado, dia 30 de Junho. A nossa Comunidade, como bem o sabe fazer, vai despedir-se dele com emoção e agradecimento por estes seis anos de bom convívio. E de repente, as passagens aéreas em certas épocas do ano, de Oakland para os Açores, desceram a números muito interessantes e convidativos a uma visita de saudade às nove ilhas perdidas no Atlântico Norte, terra-berço da maioria de todos nós. Em tempo de crise é melhor aproveitar estas boas-aventuranças antes que mudem de ideias. Em Michelle Nunes, retratada na primeira página, saudamos todos os nossos estudantes que por esta California fora estão a graduar-se. Temos pena de não receber mais fotos desses importantes eventos. jose avila

1 de Julho de 2012

Tribuna do Leitor Caro Senhor Director,

Foi com assombro que lemos o editorial do vosso jornal, do dia 15 de Junho ultimo, sobre o concerto de musica clássica Portuguesa, intitulado “Sinfonia and Fado”, na Igreja Nacional Portuguesa das Cinco Chagas, integrado nas celebrações do Dia de Portugal. No seu texto refere que é um insulto o fato de a musica ter sido escolhida em Lisboa e não aqui. Esclareça-se que as partituras foram escolhidas em Lisboa para voz masculina, e vieram de lá porque é aí que existem partituras sobre o Fado para uma orquestra sinfónica. Afirma, sem ter estado presente, que assistiram ao espectáculo cerca de 150 pessoas. Não refutamos a sua afirmação porque não as contamos. Informamos, contudo, que o número de bilhetes vendidos ultrapassou largamente a cifra por si mencionada, com vendas significativas junto do publico americano e de outros grupos étnicos que, deste modo, puderam usufruir de um momento de cultura portuguesa. Das suas palavras, o que, de fato, lamentamos é que tenha dito que devíamos ter vergonha na cara por andarmos a pedinchar a Portugal. Recordo para esclarecimento dos leitores que todos os anos há um orçamento estipulado pelo governo Português, a fim de subsidiar eventos deste género durante as celebra-

ções do Dia de Portugal. Se parte desta verba não for gasta em San José da Califórnia será utilizada em qualquer outra parte do mundo aonde existam comunidades portuguesas. Também diz que se não somos capazes de angariar 5 ou 6 mil dólares para um concerto, devíamos contactar uma banda local para o fazer. Quanto aos montantes envolvidos numa iniciativa destas, é de lamentar que esteja mal informado. Como deve saber, um concerto deste nível, protagonizado por uma orquestra sinfónica composta por 65 elementos, não custa só essa quantia e o impacto causado não será o mesmo de uma banda local portuguesa. Sem o apoio de Portugal e dos patrocinadores locais, concertos com este nível jamais se realizariam, uma vez que o que as pessoas pagam para assistirem geralmente cobre apenas uma quarta parte das despesas. Não sentimos, nem jamais sentiremos vergonha na cara em estarmos envolvidos em seis concertos anuais consecutivos, integrados nas celebrações do Dia de Portugal, que muito tem contribuído para a dignificação e promoção das nossas comunidades e suas idiossincrasias sócio-culturais. Estamos, sim, extremamente orgulhosos porque, na nossa opinião, os concertos de musica clássica portuguesa, na Igreja Nacional Portuguesa das Cinco

Chagas, constituem uma referencia no panorama musical, na nossa cidade mesclada de multiculturalismo, são momentos culturais únicos, dignificam o nome de Portugal, bem como promovem os compositores, músicos e cantantes Portugueses. Manuel Bettencourt Presidente do Comité Nota do editor: Em consciência só podemos responder completamente a esta interessante carta quando Portugal sair da bancarrota e tiver dinheiro "seu" para gastar em comemorações, concertos e viagens presidenciais à Ásia. Dizer NÃO a ofertas de um País na bancarrota, com um milhão de desempregados e fome em milhares de casas, que estão sendo minoradas por organizações caritativas e Igreja, fazia muito bem à nossa comunidade e mesmo ao nosso ego. E foi isso que não foi feito. E temos pena. Não se devia ter aceite esmolas de quem não tem dinheiro. No respeitante à escolha de artistas é melhor ficarmos por aqui. Quanto às partituras, elas estão à distância de um clique em qualquer computador ou mesmo smartphone. Não precisamos de intermediários em Lisboa para as escolher ou comprar.

Year XXXII, Number 1135, July 1st, 2012


FESTAS

Festejando o Espírito Santo em Stevinson

Aia Jordan Cota, Rainha Grande Shania Rolf, aia Allison Clarot; aia Edelya Borges, Rainha Pequena Iliana Borges, aia Emily Zizzo Ao fundo, José e Teresa Soares (VP), Myron Cotta, pregador da Festa, Natalina e Osvaldo Toste (Presidente)

3

Fotos de Jorge Avila "Yaúca"

Natalina e Osvaldo Toste, Presidente. A Festa decorreu de 6 a 11 de Junho


4

FESTAS

1 de Julho de 2012

Espírito Santo em Tracy

Nicole e Robert Rocha (Presidente da Festa da IPFES de Tracy)

Coroação da Rainha Pequena Madison Rocha, no dia 10 de Junho. Rainhas Grande e Pequena acompanhadas pelas suas aias à saída de Igreja depois da Missa de Festa, presidida por Ivo Rocha, pastor de St. Bernard's.

Coroação da Rainha Grande Alex Leonardo Aia Morgan Paulson, Rainha Pequena Madison Rocha, aia Ava Corallo

Coroação de Robert Rocha e de toda a sua família Aia Lauren Shankel, Rainha Grande Alex Leonardo, aia Katie Early


COLABORAÇÃO

Tribuna da Saudade

Ferreira Moreno

E

zequiel Moreira da Silva (Senhor Ezequiel, nome abreviado) nasceu a 17 de agosto de 1893 na Ribeira Grande, São Miguel Açores, e faleceu a 26 de julho de 1974. Teve a oportunidade de concluir o curso complementar dos liceus. Ainda jovem, contando 21 anos de idade, fundou na Ribeira Grande o Colégio Gaspar Frutuoso, que funcionou desde o ano letivo de 1914-15 até ao final de 1919-20. Na década de 1930 o Colégio ressurgiu, mas por razões políticas e económicas a sua existência foi de curta duração. Sem descurar nas responsabilidades de diretor e professor do seu Colégio, Moreira da Silva deu início em 1916 à publicação do jornal “Ecos do Norte”, semanário ao seu inteiro cuidado como director, editor e proprietário. As edições mantiveram-se até 1921. Embora com produçao reduzida, Moreira da Silva regressaria ao jornalismo como editor e administrador do quinzenário “Jornal de Anúncios”. Mais tarde dirigiu uma tipografia privativa e ao longo dos anos colaborou extensivamente na imprensa regional. No dizer do Dr. Ruy Galvão de Carvalho, “foi um jornalista que soube honrar a pena, tratando com brilho e proficientemente assuntos de natureza vária. Além disso dentro dos moldes tradicionais, escreveu poemas de circunstància,em que revela inspiração espontânea e facilidade em compô-los”. (Antologia Poética dos Açores, Volume I, Ed.1979). Na década de 1920 Moreira da Silva en-

Recordando o senhor Ezequiel

veredou pela construção civil estabelecendo a primeira fábrica de blocos de cimento nos Açores. Em 1926, aquando do terramoto ocorrido na Ilha do Faial provocando incontáveis prejuízos, Moreira da Silva partiu p’rá cidade da Horta na companhia de pessoal da Ribeira Grande (homens e mulheres), e ali permaneceu até 1930 fabricando blocos de cimento destinados á reconstrução local. Na sua ausência, a fábrica da Ribeira Grande continuou a operar com gente da sua confiança. Moreira da Silva destacou-se como um dos mais valiosos promotores na construção do Teatro Ribeiragrandense, obra grandiosa admirada por nacionais e estrangeiros. A indústria do licor de maracujá salienta-se como outra das suas extraordinárias iniciativas. Aparentemente, tudo começou com a venda de maracujá fresco nas mais importantes lojas de Ponta Delgada. Seguidamente, passou a fabricar sumo de maracujá, angariando rápida aceitação no mercado e rendendolhe a distinção de ser um dos primeiros a

produzir e a comercializar tal sumo. Curiosamente, no que diz respeito ao licor de maracujá, as primeiras experiências resultaram desfavoráveis, mas com tempo, paciência e o inevitável ingrediente “surpresa”, desvaneceu-se o mistério e desvendou-se o “segredo” na feitura dum excelente licor de maracujá, mundialmente reconhecido e apreciado. No campo de investigação histórica, Moreira da Silva publicou em 1949 o seu magnífico trabalho “O Convento de Jesus da Vila da Ribeira Grande”, cujo exemplar com dedicatória me foi entregue pelo autor. No ramo da poesia, havia publicado em 1932 o livro “Horas Incertas”, cuja fotocópia foi-me oferecida pelo Armindo, filho do Senhor Ezequiel meu companheiro de escola na instrução primária. P’ra sempre na memória coletiva, ficará gravado o termo Vila-Cidade que, primeiro do que ninguém, Moreira da Silva aplicou á Ribeira Grande. Pessoalmente,guardarei p’ra sempre a lembrança da minha derradeira visita ao

5

Senhor Ezequiel, aos 27 de junho de 1970. E jamais olvidarei o incentivo que me dirigiu à despedida: “Continue a prestigiar o nome da nossa Ribeira Grande e a divulgar a sua história e as suas tradições”. Ainda agora ouço ecos emanados do “Hino da Ribeira Grande”, por ele alinhavado recordando: “Foi aqui que Gaspar Frutuoso/ As saudades da terra escreveu/ Foi aqui neste vale ditoso/ Que a História das Ilhas nasceu”. A fechar, apresento “A Madalena”, num soneto que Moreira da Silva redigiu na Vila da Madalena (Pico), datado aos 22 de julho de 1927, dia da festa litúrgica comemorando Santa Maria Madalena: Vejo ainda em teu rosto amargurado As lágrimas ardentes que choraste E o sulco que deixaram, bem vincado, Do caminho escabroso que trilhaste, Com teus lindos cabelos ondulantes, Caíndo desmanchados, em anéis, E o brilho dos teus olhos fulgurantes, Tu eras a raínha dos bordéis. Mas um dia, o olhar enamorado Desta escrava do vício e do pecado Encontrou um olhar de redenção. E ajoelhando aos pés do Nazareno, Num pranto copioso, mas sereno, Escreveu a Epopeia do Perdão.


6

COLABORAÇÃO

1 de Julho de 2012

Rasgos d’Alma

Luciano Cardoso lucianoac@comcast.net

O

puto prometia. Via-se que tinha um jeitão para jogar à bola. Por ali, ainda não haviam visto igual. Exibia-se, de longe, a um nível superior aos demais à sua volta. Aos poucos, foi dando mais e mais nas vistas. Os olheiros não o largavam. Foi só uma questão de tempo. Os “leões” ganharam a corrida. Disseram-lhe para fazer as malas. Compraram-lhe a passagem. Meteram-no no avião. Duas horas depois, estava a aterrar na Portela. Deixou a ilha aos doze anos. Ainda nem tinha bigode. Mal pisou o relvado da prestigiada Academia, no entanto, viram logo que tinha pinta. E finta…? Nem se fala.

Era um autêntico marabilista. A rapaziada ficava com os olhos trocados e não era para menos. Nos treinos, dava-lhes nós. Nos jogos, só dava bailhe. Ou não viessse ele da terra do Bailhinho. Terra boa, gente humilde, família pobre – tudo ficou para trás. O miúdo chegou, viu e não parou de vencer. Alvalade serviu-lhe de escola e mais não foi do que a mola propícia, a rampa adequada, o arranque ideal para vôos mais altos. O próximo avião aterrou em Manchester. Em tempo nenhum, conquistou a Inglaterra e a Europa começou a render-se ao seu talento ímpar. Marcou e deu a marcar. Arrecadou prémios inviduais. Bateu recordes antigos. Acumulou troféus coletivos. Ganhou tudo o que ali havia para ganhar. O seu valor subiu e o seu passe disparou. A equipa, embora de dimensão máxima na esfera financeira do futebol profissional, não o pôde segurar. Custava uma fortuna absurda e estava de novo com as malas

O ás de Trunfo

aviadas, de regresso à Península Ibérica. Foi uma transferência astronómica. Madrid, em plano quase irreal, decidiu tornálo no futebolista mais caro do planeta. Aí junta-se a Mourinho – outro espírito megalómano de ambição desmedida – e incendeia ainda mais a sua renhida rivalidade com Messi para Melhor do Mundo. Os mídia adoram a disputa e promovem o duelo. O povo manda bocas. Os ânimos agitam-se. A pressão está criada. O franzino menino da Madeira virou vedeta. É um fenómeno, não resta dúvida. O problema é quererem que seja também infalível. Não pode falhar um golo. Não o deixam desperdiçar uma oportunidade. Caem-lhe logo em cima. Quando joga pela seleção das quinas parece que o faz sobre brasas. Não lhe dão tréguas. Nisso, somos exímios. Criticar a torto e a direito. Que é vaidoso, egoísta, arrogante, primadona – provocações de mau gosto quando as coisas não correm bem. Esperam que carregue com a equipa às costas sem lhe darem margem de erro. Errou, porventura, o prodígio madeirense, ao descuidar a sua preparação académica para melhor poder defender-se dos riscos e atrevimentos mediáticos. A sua maquinada imagem de “bad boy”, menino mimado, deixa-o muitas vezes em maus lencóis, sobretudo quando aliada à de Mourinho (outro caso sério de sucesso luso além frontreiras), causador de imensas dores de cabeça e/ou de cotovelo nas hostes adversárias. Nos adversários, compreende-se. O que causa mais estranheza são as aparentes dores de cotovelo dos compatriotas mal humorados, ao que parece, com inveja do êxito milionário do nosso “fantabuloso” astro da bola que – verdade se diga – não deve nada a ninguém. Eu (e não só) é que lhe devo a bonita prenda que me enviou no recente Dia de Pais. Foi obra prima. Apanhou-me de surpresa.

Com a pizza na boca e a cerveja na mão, quase me engasguei. Felizmente, tal não aconteceu. Sei, no entanto, que se engasgaram redondamente os múltiplos críticos do nosso precioso ás de trunfo. Calou-os a todos de forma categórica. O filho fazia dois anos. Ele decidiu fazer dois golos, para regozijo eufórico da esmagadora maioria dos muitos milhares de compatriotas espalhados pelos quatro cantos do mundo. Dois foram suficiente. Mas, podia ter marcado quatro…ou cinco – fora os que ainda deu a marcar. Arrancou uma exibição de luxo,

Santos-Robinson Mortuary San Leandro Family owned California FD-81

* Servindo

a Comunidade Portuguesa em toda a Área da Baía desde 1929 * Preços baixos - contacte-nos e compare * Serviços tradicionais / Serviços crematórios * Transladações para todo o Mundo * Pré- pagamento de funerais

Madeline Moniz Guerrero Conselheira Portuguesa

Telefone: 510-483-0123 160 Estudillo Ave, San Leandro, CA 94577

para não esquecer. Aconteça o que acontecer nos próximos jogos, o que importa aos portugas, em geral, é ignorarem as suas cores clubísticas e convencerem-se de que, quando joga a seleção, o apoio tem de ser uníssono, a todos os selecionados. E convençam-se também de que, no plano individual, estão a apoiar aquele que, daqui a algum anos, vai ser considerado o maior futebolista luso de todos os tempos. É ilheu. É humano. É imperfeito. É um previlégio vê-lo jogar.


PATROCINADORES

Portuguese Fraternal Society of America

7

ASSURANCE. PROTECTION. RELIABILITY.

What Matters Most?

• Provide security for years to come • Help protect your family’s standard of living • Avoid leaving debt behind

We Protect Your Future…

• Protect your family or provide a benefit to others • Automatic and flexible payment methods annually, semi-annually, quarterly, or monthly • Help protect you and your family’s assets from the unexpected

Offering SAFE and SECURE Fraternal Insurance for its members since 1880… WHAT DIFFERENTIATES A FRATERNAL SOCIETY OVER COMMERCIAL INSURERS ? While commercial insurers utilize "closed" contracts, i.e., self-contained agreements with set terms, fraternal benefit societies employ "open" contracts. Open contracts are memorialized by the member's application, the insurance certificate, and the society's articles of incorporation and bylaws. Central to this dispute, open contracts also explicitly recognize that the articles of incorporation and bylaws are subject to change, and that any subsequent amendment to them is incorporated into the preexisting open contract as long as it does not destroy or diminish the benefits promised in the original contract. (Kaplan Financial, 2008) When you become a member of the PFSA, you are eligible to purchase term life insurance, return of premium insurance, whole life insurance, and a Coverdell Education IRA.—The PFSA, an organization that is committed to family, community, and country. From a college education for your children, to a secure and rewarding retirement, we

TARGET MARKET:

Excellent product for someone who wants to buy or offer insurance protection, but wants to budget and manage the cost of coverage.

20-YEAR AND 30-YEAR RETURN OF PREMIUM: Level premium plans with a fixed number of payments and fixed term. Unlike term insurance, these plans offer cash value accumulation, re-instatement options and policy loans. At the end of the 20 or 30-year term, insured will be paid the total premiums paid minus council dues and any indebtedness they may have.

BENEFITS:

➢ Lower cost than whole life plans ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Cash Value accumulation ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Reimbursement of premiums. At the end of the Term member gets reim bursed for all premiums paid except the Council dues.

TARGET MARKET: have a variety of financial and investment choices that can help you take control of you and your family’s future.

HOW DO I BECOME A MEMBER? It’s simple. Our members are our insured. Anyone purchasing a…

10-YEAR AND 20-YEAR TERM: Level premium plans with a fixed term coverage. Although these plans do not offer cash value or reinstatement provisions they provide protection at a lower cost than whole life. All these Term plans are convertible to a whole life at any time during the term of the contract, by request of the insured and before the insured’s 60th birthday and for an amount equal or lower than the original coverage amount. The Conversion provision does not require additional proof of insurability or medical examinations.

BENEFITS:

➢ Lower cost ➢ More purchase power ➢ Conversion provision

TARGET MARKET: Young families planning for their children’s education and raising needs. The conversion option makes these plans very attractive because it allows the insured to convert the plan to a whole life.

10-YEAR AND 20-YEAR PAY LIFE: Level premium plans with a fixed number of premium payments. These Plans offer cash value accumulation and re-instatement options. Excellent product when planning costs of insurance.

BENEFITS:

➢ Cash Value accumulation ➢ Discounts for early payoff ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Lower Face limit amounts than “interest sensitive” products

Young adults and families who want to buy insurance protection for a determined number of years with the assurance that at the end of the term they will get the premium amount returned to them. Home buyers looking for Mortgage Insurance

COVERDELL EDUCATION IRA ➢ Coverdell (Education) IRA – great to start a college fund for children; deposits can be made until the child is 18 years of age; annual deposits up to $2,000.00; funds can be withdrawn for education tax free; funds my be transferred to another child. Minimum to open is $100.00 plus Membership dues

PORTUGUESE FRATERNAL SOCIETY OF AMERICA 1120 East 14th Street, San Leandro, CA 94577 Phone: (510) 483-7676 • 1-866-687-PFSA Fax: (510) 483-5015 www.mypfsa.org

Have a rep contact you today! 1-866-687-PFSA (7372) Or email us at MyPFSA@MyPFSA.org


8

COLABORAÇÃO

Agua Viva

Filomena Rocha filomenarocha@sbcglobal.net

Jornalistas da Diáspora,

em Congresso

N

uma iniciativa anual da Direcção Regional das Comunidades, realizou-se na bela cidade de Toronto, o Congresso Internacional dos Órgãos de Comunicação Social, nos dias 12, 13 e 14 de Junho, que reuniu 50 Jornalistas dos diversos órgãos de comunicação social da comunidade açoriana e portuguesa nos

Estados Unidos da América e Canadá para discutir a sua situação na diáspora. Sem tema único, este Congresso recorreu à participação e diálogo dos diversos intervenientes ligados à Comunicação, com o objectivo de dinamizar a importante função que cada órgão representa e o serviço que presta às suas comunidades, na divulgação das notícias e dos seus valores. A sessão de abertura deste congresso, assim como a moderação do diálogo dos trabalhos apresentados, estiveram a cargo da Directora Regional das Comunidades, Graça Castanho. “Jornalismo e contributos para a dignificação/ integração das comunidades açorianas e promoção dos Açores no estrangeiro”, foi o mote para a primeira sessão, que contou com a importante visão do Economista Manuel Batáguas, sobre “O Mundo Global”; Euclides Álvares – Produtor e Locutor da Rádio Voz dos Açores – “Casos Verdadeiros” , experiências por ele vividas na rádio de ontem e de hoje que dispôs de forma hilariante e bem disposta todos os congressistas. O Escritor João-Luís de Medeiros, levou “Ideias, desafios e opiniões”, considerando-se um ilhéu-cidadão do mundo, criou uma nova palavra “netizen”... o cidadão da net. Na realidade, por mais global que esteja o mundo da escrita, por mais que queiramos e possamos aprender tudo, navegando no mar-encapelado da internet, difícilmente poderemos alcançar a velocidade do tempo, sem correr o risco de perdermos o alcance da humanidade... Entre outros registos, de realçar “A formação e aposta das novas gerações”, de Ana Cristina Gil, da Universidade dos Açores; “As novas tecnologias ao serviço da Informação ao nível local e global” por Luciano Bar-

celos, Chefe do Gabinete Multimédia da RTP-Açores e Irene Blayer, da Universidadade Brock - Responsável pelo Blog Comunidades. Sempre baseado em vastas experiências pessoais, ainda ouvimos “Os desafios do jornalismo comunitário, por Luís Pires, da Universidade de Nova Iorque. No último dia do Congresso e sob o tema “O trabalho em rede

como optimização de resultados, os jornalistas foram recebidos pelo Abrigo Centre, uma das instituições sociais que pertencem à Rede Alargada de Organizações de Serviço Social, igualmente apoiada pela Direcção Regional das Comunidades. Entretanto, outras visitas foram feitas, à Casa dos Açores de Toronto e Centro Cultural Português de Mississauga, que promoveu um delicioso jantar para receber a vasta equipa de jornalistas, mais que tudo sempre disposta a aprender dos contactos de cada lugar que visitou. Atravessar o Atlântico para estes três dias de trabalho e ponderação intensos, só a paixão pela comunicação pode compensar! Está visto que a Arte de Comunicar não é para todos. Comunicar é um acto de Amor e Liberdade. É deixar que o Mundo cresça, pule e avance. Para a Directora Regional das Comunidades, Graça Castanho, o propósito foi atingido, na prestação e debate dos temas apresentados. Resta aguardar o destino do próximo Congresso, que seja qual for a distância, sempre será mais uma razão positiva e saud ável de unir os que, na Diáspora, conseguem fazer Amizade entre Comunidades através dos mais diferentes Órgãos da Comunicação Social.

1 de Julho de 2012

açorianizar

a convivência literária

A

qui, vai a promessa: sem qualquer propósito de paroquiar a glorificação litigiosa exercida pelos lustradores capitães-dosdonatários do património literário da açorianidade, gostaria de vos convidar a oferecer uma ‘olhada’ solidária ao talento imigrante que permanece alheio à vitrina do chamado sucesso pequeno-burguês. Todos sabemos que a estafafa (por vezes velhaca) táctica de usar a chamada ‘política-do-encosto’, tendo em vista forçar a visibilidade efêmera à mediocridade, serve apenas para engrossar o efeito causativo de adiar sine die o reconhecimento da autenticidade artística não convertida às leis do mercado… Como não disponho de espaço gráfico nem de indumentária académica para impressionar ‘auri sacra fames’ os amadores do aplauso fácil, tomei há pouco a serena decisão de, em breves dizeres, sugerir a esperança de açorianizar a convivência literária. Continuo voluntariamente atado ao pudor de trazer à ribalta do memorandum apenas aquelas pessoas e obras que dispensam fanfarronices iluminadas pelo fogo-fátuo comunitário, como sejam: o veterano cronista, estimado padre Ferreira Moreno, que é o mais acabado exemplo da antítese do vedetismo literário; o doutor Fernando Soares da Silva, rigoroso investigador do inexaurível tesouro que é o pensamento filosófico de Antero de Quental. Entrementes, sinto-me consciente do risco voluntariamente aceite de cometer lapsos nominais nas minhas referências, todavia isentas de intenções ocultantes do talento alheio… Mas hoje, caríssimas(os), não vamos ‘açorianizar’ autores e obras já consagrados pelo tempo, como seria, por exemplo, o enorme Miguel Torga; mas já agora, vamos apenas oferecer parte do seu poema ‘Viagem’, escrito em 1973, no tempo em que a madrugada do nosso abrilismo português (1974) permanecia hesitante no útero da Espera da liberdade lusitana: É o vento que me leva. O vento lusitano. É este sopro humano Universal Que enfuna a inquietação de

Memorandum João-Luís de Medeiros jlmedeiros@aol.com

Portugal… Seja-me permitida a repetição: vamos açorianizar a convivência literária. Refiro-me desta feita a alguns dos artistas que criam (por vezes ‘pela-calada’ comunitária) os seus próprios albuns artísticos, os seus livros (poesia e novelas), as suas crónicas radiofónicas, tudo semeado na dispersão geo-cultural da açorfórnia e da mexifórnia… Atrevo-me a sugerir alguns livros para abraçar neste verão, que promete abraçar a humanidade com o torpor da incerteza planetária. Mas cuidado: numa primeira fase, não seria ajuizado sugerir temas da ‘pesada’, de autores como Sacuntala de Miranda (A Emigraçao Portuguesa e o Atlântico – 1870-1930), nem o jovem promitente escritor Gonçalo M. Tavares (Uma Viagem à India), ou mesmo o Prof. José Medeiros Ferreira (Os Açores na Politica Internacional) … Todavia, gostaria de realçar outros livros que não aconteceram para disputar prémios na idolatria europeia, mas que merecem ser referenciados (sobretudo apreciados) no panorama artístico-literário da comunidade luso-americana: Raiz de Pedra (poesia) – Cisaltina Martins Beijo de Abelha (poesia) – Maria das Dores Beirão Encruzilhadas (poesia) – José Manuel Jorge Raposo E da Carne se fez Verbo – José F. Costa Pensar São Jorge – Frederico Maciel O Cântico do Silêncio – José Luís N.P. da Silva Cem Anos Sem Ti – Luciano Cardoso Os amáveis leitores desta coluna certamente já notaram que o nosso estilo não se adapta facilmente às homilias inspiradas pelo ‘amiguismo’ literário. Socorro-me nesta emergência da perspicácia queiroziana que nos diz: nos amores deste mundo, desde Eva, há sempre um que ama e outro que se deixa amar. Concordo. Até mais ver, parece verdade: o homem não se aperfeiçoa no que lhe é inato... Não custa admitir que os meus apressados comentários àcerca da Obra e dos Autores supracitados podem suscitar algumas reticên-

cias aos mordomos da credibilidade académica. Daí que talvez valha a pena recordar uma frase dum poema que escrevi há dez anos: … marchar com a coragem de ter medo Mas sem temor das curvas do mistério; Atlanta comovido a oeste do dilema, Cativo na vala-comum duma espera Após queda-livre em busca do poema… (*) Um dos recentes livros aparecidos nos escaparates da comunidade lusófona da Califórnia apresentase com o sugestivo título ‘Cem Anos Sem Ti’, da autoria do nosso compatriota Luciano Cardoso. Trata-se de um trabalho de fino recorte artístico-sentimental, que só poderia ser narrado por alguém que bem conhece as atalhadas da etnodiceia da emigração : Vamos, vamos, toca a andar Emigrar não é trair nem vergar – é partir para um novo-estar… (*) Pessoalmente, apronto-me a confirmar que não fui totalmente apanhado de surpresa pelo facto do escritor Luciano Cardoso ser conhecedor do solfejo da Escrita. Sabemos da sua presença nas páginas da Tribuna Portuguesa, com as suas sonatas opinantes (melhor dizendo, pensantes). Sabemos ainda da sinceridade narrativa patente no seu ‘Cem Anos sem Ti’ – livro que dispensa o habitual elogio editorial. Quem neste verão decidir oferecer algumas fatias do seu tempo livre à sua leitura, verá que não estou equivocado... Antes de interromper este breve depoimento, vou pedir emprestado ao nosso Eça de Queiroz alguns dos seus dizeres, oferecidos há mais de 100 anos: ‘o livro precisa de ser interrogado para que diga o que contém; assim como a harpa precisa de ser tocada para se lhe apreciar a voz sonora, e o frasco de perfume necessita de ser aberto para se lhe conhecer a essência que contém…’ (*) vide livro (Re)verso da Palavra


Nuno Mathias Universidade Autónoma de Lisboa - Pós-graduação em Estudos Europeus pela Universidade Católica Portuguesa. - Casado com dois filhos Percurso Profissional:

- Nuno Vaultier Mathias - Nascido a 12 de Junho de 1968, em Lisboa. - Licenciado em Direito pela

de Abril de 2012

9

Novo CD do Conjunto Progresso

Novo Cônsul-Geral de Portugal

Curriculum Vitae de Nuno Mathias:

COMUNIDADE

2012 - Nomeado CônsulGeral de Portugal em San Francisco a 30

2008-2009 - Chefe de Divisão da Justiça e dos Assuntos Internos, na Direção Geral dos Assuntos Europeus. 2003-2008 - Colocado na Embaixada de Portugal em Maputo 1998-2003 - Colocado na Embaixada de Portugal em Washington. Durante este período, exerceu as funções de Encarregado da Secção Consular da Embaixada em Washington, cuja área de jurisdição comporta 27 Estados e superitende os Consulados Honorários de Miami, Chicago, Houston e Nova Orleãs. 1995 - Ingressou na Carreira Diplomática.

Actuações do Conjunto:

2009-2012 - Diretor de Serviços dos Assuntos Institucionais e das Relações Bilaterais, na Direcção Geral dos Assuntos Europeus.

O melhor queijo tipo São Jorge fabricado na California

Enviam-se ordens via UPS com o mínimo de 2 libras

Joe Matos

3669 Llano Rd Santa Rosa, CA 95407

707-584-5283


10

COLABORAÇÃO

Reflexos do Dia–a–Dia

Diniz Borges

H

d.borges@comcast.net á dias, numa das mi-

nhas frequentes viagens a Fresno que fica a 45 minutos de minha casa), para gravar o programa de televisão que modero, os Portugueses no Vale (a celebrar o seu 23o aniversário) vi um autocolante, de certeza num carro de um professor de matemática, que dizia: a matemática é radical. Também é cliché dizer-se que: a verdade está nos números. E é de números que quero refletir, particularmente os números que falam de quantos somos no estado da Califórnia, um dos mais emblemáticos da união americana e onde a nossa presença portuguesa data o século XIX. Um dos nossos números favoritos, é, indubitavelmente, o milhão. Todo o mundo quer ser milionário. E nós portugueses e lusodescendentes, não fugimos à regra. Quando se pergunta por aí, quantos somos na Califórnia, é quase unanime que somos: um milhão. E em cada estado da na união americana queremos ser um milhão, o que nos dava, nos Estados Unidos pelo menos uns cinco a seis milhões de portugueses e luso-descendentes. Mas a realidade é diferente. Se nos faz bem ao nosso ego coletivo sermos um milhão, que fiquemos com ele. Porém, não são esses os números oficiais. Esses sim é que contam. São esses números que as entidades americanas se baseiam para distribuir recursos, dar apoios, reestruturar serviços, etc. Daí achar boa ideia olharmos para os números e depois, claro que vol-

taremos ao nosso milhão. Permitam-me prefaciar esta olhadela pelos números estabelecendo a premissa de que é obvio que durante o recenseamento, o Census 2010, houve alguns luso descendentes que não se identificaram como tal, ou por não acharem importante, ou por não querem. O que também se poderá acrescentar: se não se querem identificar como tal, serão? É uma questão pertinente e discutível. Segundo o relatório do governo americano somos, nos Estados Unidos, 1,405,900 portugueses e luso-descendentes, ou seja, representamos cerca de 4,7 da população do país. Somos 374,875 no estado da Califórnia, seguidos por Massachusetts que tem 311,767. E até estamos, como se sabe, no Hawaii, onde somos um pouco mais de 100 mil luso-descendentes. Das pessoas que se identificaram como sendo de origem portuguesa na Califórnia, 49,3% são homens e 50,7% são mulheres, daí que não faça sentido que as nossas instituições ainda estejam controlados pelos machos, com pouquíssimos cargos de importância a serem ocupados pelas senhoras. A idade média das pessoas de origem portuguesa na Califórnia é 39,1 anos de idade, o que nos diz aquilo já há muito sabemos: somos uma comunidade envelhecida. Quando há anos ia a eventos culturais da nossa comunidade (o que faço com regularidade há três décadas) e era o mais novo, achava piada. Agora com 53 anos feitos e por vezes sou dos mais novos, já não tem piada nenhuma.

1 de Julho de 2012

A verdade dos números No campo da educação 12,1% das pessoas que se identificaram como portuguesas, têm apenas a instrução primária; 27,3 possuem o ensino secundário; 37% têm alguma instrução além do ensino secundário, desde curso técnico a algumas unidades universitárias; 16,1% possuem uma licenciatura (Bachelor's degree) e 6,8% possui mestrado ou doutoramento. Daí que 87% da nossa comunidade concluiu o ensino secundário, ou seja um número muito acima da média dos hispânicos, por exemplo, e 22,9% tem cursos universitários, algo que, felizmente, tem mudado muito nos últimos anos. Outros números interessantes e importantes para refletirmos quem somos neste grande estado norteamericano, referem-se por exemplo a quantos somos os que nascemos em Portugal e os que nasceram nos Estados Unidos e ainda se consideram portugueses. Das quase 375 mil pessoas que se identificaram como de origem portuguesa, 36,7% nasceram em Portugal (a vasta maioria nos Açores), Desses 25,3% naturalizaram-se americanos, mas temos ainda 11,3% da comunidade que não se naturalizou. No que concerne à língua de comunicação utilizada em casa, 83,3% dos nossos lares só falam inglês e apenas 16,7% das nossas famílias ainda falam português nas suas casas. Dos homens recenseados com mais de 16 anos de idade, 51,1% estão casados; 34,6% estão solteiros; 1,4% separados; 2,5% viúvos e 10,3% divorciados. No que concerne às mulheres, 38% solteiras;

47,7% casadas; 1,9% separadas, 9,2% viúvas e 13% divorciadas. Quanto às profissões e vencimentos, das quase 375 mil pessoas de origem portuguesa na Califórnia, 73% trabalham na industria privada e por conta de outrem; 16,8% trabalham no sector publico, 9,8% trabalham por conta própria, 0,2% estão nas forças armadas (apenas 713 pessoas em todo o estado) e 5,5% estão desempregados (ou estavam em 2010). Dos trabalhadores 39,2% têm um vencimento anual inferior a 50 mil dólares (desses 13,8 % menos de 24 mil dólares ao ano); 17,9% ganham entre 50 a 74 mil dólares por ano; 14,6% entre 75 e 99 mil dólares por ano; 16,7 por cento entre 100 a 140 mil dólares; 6,4% entre 150 a 199 mil dólares e 5,1% têm um vencimento anual superior a 200 mil dólares. Dos apoios e reformas publicas, 27,8% das pessoas que se identificaram como de origem portuguesa, recebem a sua reforma do Social Security e 6,7% recebem apoio governamental, tal como food stamps. No que concerne à distribuição da nossa comunidade, estamos, como se sabe, um pouco por todo o estado, por exemplo: 33,816 no condado de Alameda; 24, 670 no condado de Contra Costa; 11,221 no condado de Fresno; 6,056 no condado de Kings; 22, 001 no condado de Los Angeles; 12,031 no condado de Merced; 1,890 no condado de Napa; 11,110 no condado de Orange; 7,268 no condado de Riverside; 23,575 no condado de Sacramento; 7,111 no condado de San Bernardino; 21,184 no condado de San Diego; 19, 096 no condado de San

Joaquin, 6,069 no condado de San Luís Obispo; 28, 205 no condado de Santa Clara; 25, 212 no condado de Stanislaus; 7,894 no condado de Sonoma; 9,668 no condado de Tulare e 3,562 no condado de Humboldt, entre outros. Em termos de cidades temos, segundo o Census de 2012, San Jose com 15,480; San Diego com 7,027; Los Banos 1,871; Santa Clara 3,654; Chino 1,174; Artesia 1,379; Tulare, 4,122; Hilmar 2,015; Antioch 1,998; Modesto 7,250; Stockton 2,568; Petaluma 1,755; Sacramento 7,182; Turlock 5,184; San Leandro 2,713; PismoBeach com 208, entre outras cidades. Claro que números são números, mas destes números podem tirarse muitas ilações. É que, como dizia o tal autocolante, a matemática é radical. O importante é termos em consideração quantos somos, segundo os números oficiais, e enquanto eles forem estes, e provavelmente a tendência é para diminuírem, acho que deveremos ter muito cuidado com o tal mágico milhão. Pode ser um número bonito, redondo, bem sonante e até pode alimentar o nosso ego comunitário. Porém, não é verdade e fica-nos mal andarmos a dizer que somos o que não somos, porque, e cá vem o cliché: a verdade está nos números e eles explicam-nos muito o que se passa nas nossas comunidades de origem portuguesa na

Califórnia.


COLABORAÇÃO

Ao Sabor do Vento

José Raposo raposo5@comcast.net

Fados d'Alma Lusa

F

ado! Fados e dos bons, foi o que se ouviu na noite do lançamento do CD “Fados d'Alma Lusa”, do David Silveira Garcia. Não vou relatar o que se passou cronológicamente, porque, para falar a verdade, não tomei notas e vou escrever à medida que me for lembrando os acontecimentos. Para já, a sala da Portuguese Band of San Jose estava bem decorada e os comes e bebes eram bons, abundantes e bem confeccionados. Os Rouxinóis estão a tocar lindamente e o Jorge Costa a cantar cada vez melhor. Fiquei também impressionado com a atuação da Lysandra e da sua “Rosa Enjeitada” e se ela continuar a cantar da maneira que cantou nessa noite, será uma Rosa Desejada. A Crystal Mendes, penso eu, foi a terceira vez que a ouvi e sem dúvida alguma que essa moça terá futuro como fadista. As outras, a Sandra, a Natália e a Mary Lou ( a quem nunca tinha ouvido antes e fracamente gostei), cantaram todas lindamente bem. A Loraine Barcelos Jacinto, na minha o opinião, merece um aparte pela razão de que todas as vezes que a ouço, canta sempre fados diferentes dos que costumamos ouvir e com tal beleza e perfeição que só Loraine sabe fazer. Eu não sabia era que tínhamos um Doutor, o Paulo, a cantar o fado de Coimbra. Bravo, homem! Os meus parabéns. Quanto à Zélia, o que posso eu dizer? É como o vinho do Porto, nem precisa beber para saber que é bom, basta a presençae isso, ela tem de sobra. O dueto que ela cantou com o David foi impecável. Penso que não deixei nenhum fadista atrás. Gostei da maneira como o espetáculo foi apresentado, inclusive quando o Helder Carvalheira, o João Cardadeiro e o Carlos Goulart elucidaram sobre a maneira de se fazer e lançar um CD no mercado. São, realmente, muitas horas de trabalho, mas quando o produto final é apresentado e tem a classe que o CD do David tem, vale a pena todo o esforço despendido. Os elementos dos “Sete Colinas” são, sem dúvida alguma, músicos (tocadores) inigualáveis e o David pode e deve se orgulhar de ter a acompanhá-lo, tão distintas figuras. Mas, afinal, a estrela da noite foi mesmo o David. E que brilho

teve e tem essa estrela! Um rapaz nascido nesta terra, assim como muitas das fadistas que atuaram durante a noite, que fala e canta muito bem a língua Lusa (que inclusive deveria servir de lição para quem canta em português sem saber pronunciar as palavras), arrancou da sua alma uma coleção de fados que, sem dúvida alguma, merece o título que ele escolheu para o seu CD. O David tem uma bela voz, tem presença, tem caráter, tem pessoas amigas que o admiram e respeitam e como ele disse, tem uns pais que o educaram de maneira que ele se sentisse (como se sente) orgulhoso da nossa cultura, o que o fez plantar a sua voz nesta bela Califórnia, que criará raízes neste solo fértil, tanto ou mais profundas como as das figueiras, as videiras ou as urzes do mato nas pedras negras do Pico. Foi, também, durante essa noite a apresentação de um vídeo do David, com o título “Falta escrever na Lua”. Extraordinária a letra e a interpretação do David muito mais. A maneira como o vídeo foi feito, mostra bem todo o empenho e o amor que foi colocado em tal trabalho. Todas as pessoas que, de uma maneira ou de outra, colaboraram, estão de parabéns. E para ti, David, só tenho a acrescentar que: Teus braços não chegam à lua mas, cada quadra, cada verso, se cantados pela voz tua, atravessam o universo. Quando vou a qualquer evento dessa natureza, tento sempre guardar na minha mente uma palavra ou uma frase que eu possa usar como tema para os meus artigos neste nosso Tribuna. Houve tantas que foram proferidas pelo David, pelos outros fadistas, pelos guitarristas, até pela amiga Connie Goulart que fez um excelente trabalho, mas, houve uma frase que o Helder Carvalheira proferiu que me ficou a martelar na cabeça. Várias vezes ele disse que queríamos ser iguais aos de Lisboa ou a Lisboa. Claro que ele se estava a referir ao produzir um CD, ao cantar o fado, ao tocar os instrumentos e tudo o mais que se relaciona com o fado. Caro amigo Helder, eu penso que iguais aos de Lisboa já somos. Agora seremos melhores, depois do que se pude ver e ouvir nessa noite da apresentação dos “Fados d'Alma Lusa.“

11


12

COMUNIDADE

O

n November 27, 2011 - A historical day for the Portuguese culture. UNESCO (United Nations Educational Scientific and Cultural Organization) finally proclaimed Fado as an Intangible World Heritage. Now, Fado is not only for the Portuguese. Fado belongs to the entire world. For many, Fado is an anguished song that talks about suffering, the longing of the past, fate, pain, love, and jealousy. In the beginning, Fado was often instrument of social criticism. Fado is the essence of being Portuguese. Fado is in our hearts, it

1 de Julho de 2012

runs inside our veins. Its origins got lost in time and no one knows for sure, when it first appeared, although, the first documented description came from the end of the XVIII century. Everyone had the opportunity of learning the many faces of Fado: Fado Vadio, non-professional, Fado Castiço, the most traditional in Lisbon neighborhoods, Fado Falado, the beautiful and romantic Fado de Coimbra … The Portuguese Fraternal Society of America would like to expresses sincere appreciation to everyone that attended the 2012 PFSA Symposium…a great Suc-

L-R: Leonel Medeiros, Manuel Escobar, Isolete Facão-Grácio

cess. A special THANK YOU to Dr. Nuno Vaultier Mathias, Consul General of Portugal in San Francisco, who had just arrived to California on June 5th and graciously accepted our invitation. His words were extremely timely and we thank him for the 2012 commemorative medallion . A Special THANK YOU to the Presenters - João Cardadeiro & Isolete Facão-Grácio; musicians - Leonel Medeiros, Manuel Es-

cobar and João Cardadeiro, Fadista.- David Garcia,. A Thank you to Max Grácio, Isolete Facão-Grácio; and Hélia Borges Sousa, a local artist for displaying their art and to Angelino Santos for being the photographer for the evening. We hope that our Symposium brought lots of memories and love for Fado.

L- R: Richard J. Castro, PFSA Supreme President; Dr. Nuno Vaultier Mathias, Consul General of Portugal in San Francisco and Timothy L. Borges, CEO of PFSA

Fado (Portuguese pronunciation: [ˈfaðu], "destiny, fate") is a music genre which can be traced to the 1820s in Portugal, but probably with much earlier origins. Fado historian and scholar, Rui Vieira Nery, states that "the only reliable information on the history of Fado was orally transmitted and goes back to the 1820s and 1830s at

best. But even that information was frequently modified within the generational transmission process that made it reach us today."[1] In popular belief, fado is a form of music characterized by mournful tunes and lyrics, often about the sea or the life of the poor, and infused with a characteristic sentiment of resignation, fatefulness and

melancholia (loosely captured by the word "saudade", or longing). However, although the origins are difficult to trace, today fado is by many regarded as a simply a form of song which can be about anything, but must follow a certain structure. The music is usually linked to the Portuguese word saudade which symbolizes the feeling of

loss (a permanent, irreparable loss and its consequent life lasting damage).

in wikipedia

Fotos de Lidia Mata

L-R: Leonel Medeiros, Manuel Escobar, Isolete Facão-Grácio, David Garcia and João Cardadeiro


COMUNIDADE

13

Anna & Joe Luis - 60 anos de vida conjugal

Sentados: Anna e Joe Luis. Em pé: Joseph e JoAnn Luis; Jessica e Chad Parsons; Jennifer e Gary Read; Michael Parsons; Jon Enberg, Elizabeth e Tom Enberg;

60 anos separam esta duas fotografias. Nesses anos faziam-se bonitos bolos de casamento como se pode ver por esta linda foto.

Realizou-se no dia 6 de Maio no Salão de Festas da Azorean Band em Escalon a Festa do 60º Aniversário de Anna e Joe Luís, organizada pelos seus filhos Joseph, JoAnn, Elizabeth e Jennifer. Tribuna Portuguesa sauda os amigos Anna e Joe Luís por esta tão bonita data.

Falecimento

Adriano Melo Fagundes Com a idade de 58 anos, faleceu no dia 1 de Junho no Hospital de Stanford, Palo Alto, Adriano Melo Fagundes. Deixa de luto sua esposa Maria Fagundes, mãe Rosa da Anunciação Fagundes, na Vilanova, Ilha Terceira, filho Moisés Fagundes, de Turlock, duas filhas, Marcia Silva, casada com Nelio Silva, de Turlock; Lisandra e marido Danny Machado, de Hilmar; dois irmãos, Lázaro Fagundes e esposa Zelinda, na Agualva; Adão Fagundes e esposa Alda, de Modesto. Uma irmã, Marta e marido João de Sousa, de Hilmar. Deixa também a chorar a sua morte, quatro netos, Isabella Silva, Cristiano Silva, Victoria Machado e Daniel Machado. Trabalhou durante 20 anos no Gallo Winery. Era membro da Igreja da Nossa Senhora da Assunção de Turlock e da Banda Açoriana de Escalon. Gostava muito de jogar dominó e adorava o seu Benfica e de passar tempo com os filhos e netos. O Rosário e a Missa de Corpo presente tiveram lugar na Igreja de Nossa Senhora da Assunção a 6 e 7 de Junho. Adriano Fagundes ficou sepultado no Turlock Memorial Park. Tribuna Portuguesa envia sentidas condolências a toda a família Fagundes.

V Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Realizou-se de 31 de Maio a 3 de Junho de 2012, em Angra do Heroísmo, ilha Terceira, o V Congresso International Sobre as Festas do Divino Espírito Santo, organizado pela Direcção Regional das Comunidades. O congresso contou com a participação de cerca de 100 pessoas, incluindo 33 palestrantes em representação de diversas comunidades da diáspora Açoreana, incluíndo Santa Catarina e Rio Grande do Sul, Brasil; Canada; California; bem como representantes de Portugal continental e ilhas Açorianas. Francisco Henrique Dinis, Presidente da editora, Portuguese Heritage Publications of California, Inc. de San José, e Evelyn DaRosa Felicia-

no, Presidente da United Portuguese S.E.S. Inc., de San Diego, representaram as comunidades Portuguesas do Norte e Sul da California, respectivamente. Evelyn Feliciano, apresentou um trabalho sob o tema: “San Diego’s Oldest Ethnic Festival – The U.P.S.E.S. Festa do Divino Espirito Santo – Celebrating 100+ Years of Festa”. Por seu turno, a apresentação de Henrique Dinis versou o tema: "Espírito Santo na California – Tradições e Peculiaridades da Diáspora”. Para ler o texto completo em Português visite http:// por t ug uesebook s.org / wordpress/wp-content/ uploads/2011/05/V-Conresso-E-S-_California. pdf Neste congresso ficou

assente que os investigadores Manuel Serpa e Maria Norberta Amorim, irão liderar o processo de candidatura das festas do Divino Espírito Santo a Património Imaterial da Unesco. A Direcção Regional das Comunidades, que organizou o evento, garantiu o apoio à iniciativa. Também ficou tentativamente decidido que o próximo congresso a realizar em 2014, será organizado pela comunidade Portuguesa de Winnipeg, Canada. Agradecemos à Direcção Regional das Comunidades, na pessoa da Dra. Graça Castanho a gentileza do convite para participarmos neste congresso.

Henrique Dinis President, PHPC

Tempos de Outrora em Arcata

David Garcia agradece o convite da deslocação do Grupo Folclórico Tempos de Outrora a Arcata


14

FESTAS

Patterson em festa

1 de Julho de 2012

Fotos de Jorge Avila "Yaúca"

Rainha Pequena Kelsea Garcia, aias Madeline Agueda, Alexandria Cortez. Rainha Grande Laura Machado, aias Lesley Oliveira, Jacquelyn Melo.

Realizaram-se nos dias 13 a 18 de Junho a Festa do Espirito Santo em Patterson, com um programa habitual neste tipo de festas. A Missa foi presidida por Isaque Meneses. A Presidente foi Lizabeth Machado, VP Jacinta e Germano Soares, Secretária Amanda Machado, Tesoureira Bernardette Avila, Marshall Lúcio Toste (ver foto à esquerda). Cantoria com João Pinheiro, Adelino Toledo e António Azevedo (foto acima). Na Segunda-feira, corrida de toiros na Praça de Gustine, com cavaleiros Rui Santos, João Garcia e matador Enrique Garza. Toiros da Ganadaria do Pico dos Padres.


FESTAS

Troca de coroas entre as rainhas do ano passado e de 2012. Isaque Meneses coroa a Rainha Pequena Kelsea Garcia

Christina Machado, Kelsea Garcia, Madeline Agueda, Lesley Oliveira, Laura Machado e Jacquelyn Melo

Embaixo: aspecto do princĂ­pio do Bodo de Leite

15


16

FESTAS

1 de Julho de 2012

Irmandade do Espírito Santo de San Jo

Coroação das Rainhas Kyle Gonzalez e Catherine Brasil e Presidente Irene e Joe Fagundes. Possívelmente esta foi a ultima coroação de António Reis, que já está na Igreja das Cinco Chagas há seis anos, sendo o seu ultimo dia a 30 de Junho.


FESTAS

osé

Aia Angelica Bettencourt, Rainha Pequena Catherine Brasil, aia Jessica Brasil

Aia Roxanne Aguilar, Rainha Kylee Gonzalez, aia Susanne Aguilar

A convite da Igreja, Graça Castanho e Nuno Mathias congratulam a IES bem como a Comunidade em geral, por tão linda festa.

Irene e Joe Fagundes, Presidente

17


18

FESTAS

1 de Julho de 2012

I.E.S. de San José - 98 anos de festa

Teve lugar nos dias 22, 23 e 24 de Junho a maior Festa do Espírio Santo da Área da Baía. O IES de San José vestiu-se de gala para comemorar 98 anos de devoção ao

Divino Espirito Santo. Milhares de pessoas compareceram à festa, muito embora as noites estivessem ventosas e frias. A Coroação foi bonita e congregou muitas

organizações de quase toda a California. No dia 22 houve a habitual cantoria, com Maria Clara, João Rodrigues, Abel Raposo e Manuel dos Santos, acompanhados por

Manuel Mendes, Jorge Reis, Chris Martins e Tommy Vieira. A homilia da festa foi feita por Tony Silveira, o novo diácono da paróquia.

No Sábado, dia 23 houve Missa Campal com a participação do Grupo Coral Saudades da Terra. Actuação do Grupo Folclórico Tempos de Outrora de San José, apresentação da Rai-

nhas, arrematações e baile com o Conjunto Raça. No Domingo, Coroação, benção das rosquilhas (ver foto), seguida de Missa de Festa, presidida por António Reis e ajudado por Tony Silveira. Serviu-se a primeira

mesa de Sopa e carne. Concertos musicais, arrematações, baile com Roberto Lino, distribuição das tradicionais rosquilhas e

a finalizar concerto pela Banda Portuguesa de San José.

Nuno Mathias, novo Cônsul-Geral de Portugal, Graça Castanho, Directora Regional das Comunidades e Manuel Bettencourt, Presidente da LAEF e POSSO.

Acima: Maria e Olegário Avila (VP)


FESTAS

19

Tempo para deixar em liberdade as pombas do Espírito Santo, depois de todas a terem beijado (o que não aconteceu com todas, por receio) Embaixo, esquerda - aspecto parcial do Salão de Festas do IES de San José, que alberga mil pessoas por cada mesa de Sopas e Carne.

Francisco e Maria Martins (Marechal) Cozinheiro-mór, José Sarmento (quarto a contar da direita) e ajudantes


20

FESTAS

1 de Julho de 2012

Festa de Hayward

Aia Brianna Machado, Rainha Pequena Eliana Ferreira, aia Anya Ortiz

Aia Celina Avila, Rainha Junior Sofia Ferreira, aia Adriana Avila

Aia Isabella Hernandez, Rainha Grande Angelina Ferreira, aia Lauren Soares

Coroação da Presidnte da Festa Neuza Garcia, da Rainha Junior Sofia Ferreira, de Jessica Cozinheiros e ajudantes - os que nunca vêem a festa Fagundes (como Santa Isabel) e Rainda Grande Angelina Ferreira (acima à direita)


COMUNIDADE

21

Lino Amaral

New Executive Vice-President/ CEO Begins Duties at Luso American Life Insurance Society Long-time Member Tapped to be CEO of oldest Portuguese Fraternal Benefit Organization in the United States. Luso-American Life Insurance Society announced today. June 18, the appointment of Lino M. Amaral as its incoming Executive Vice President/Chief Executive Officer. Mr. Amaral will be succeeding J. Larry Soares who announced his retirement in February 2012. A first-generation Luso-American born son of an Azorean immigrant father and mother also of Portuguese descent, Amaral has been involved in the LusoAmerican Life Insurance Society virtually all of his life after becoming a member at the young age of 6 months. Through the years, he has held various leadership positions within the Luso-American Fraternal Federation organizational structure including insurance salesperson, Director of Youth Programs, Director of the LusoAmerican Fraternal Federation and Advisory Board member. In addition to his lifetime of Society experience, Amaral brings a wealth of broad financial business expertise and unparalleled commitment to customer satisfaction. After earning a B.S. Degree in Business Administration & Economics from Saint Mary’s College in Moraga, California, he spent time as an Executive Recruiter with an emphasis on

selection of finance and accounting professionals, 3 years as a Financial Advisor with Morgan Stanley Smith Barney and has amassed over 15 years of handson experience in the real estate industry, most recently as Broker Associate for J. Rockcliff Realtors. Luso-American Life Insurance Society is the oldest Portuguese fraternal benefit society in the United States with over 20,000 members. The organization was originally established as the Portuguese Protective and Benevolent Association, which was founded by Portuguese immigrants over 140 years ago. As an organization which is dedicated to preserving and promoting their cultural heritage, traditions and values while striving for the betterment of its members, their purpose can be best described through their mission statement: “To be the premier provider of life insurance, financial and fraternal services to individuals and families in the Luso-American Communities.” "We are honored to have Lino as an integral part of our organization.” states Joseph B. Vieira, President of the Luso-American Life Insurance Society. “His breadth of experience makes him an ideal candidate for leading our organization at a time of such rapid industry change. The entire Board looks forward to working with Lino on the many challenges and opportunities that are facing all fraternal benefit societies du-

ring these changing times.” Amaral cites several opportunities and challenges for the organization. “With diminishing immigration and recent economic complexities, we must be more creative in our pursuit of obtaining new members and managing how we provide services to our existing members. There are certainly challenges, however, I believe we have the opportunity to maximize our efforts by embracing the use of new technologies such as our recent system conversion and utilization of various social media platforms to connect with not only our vast base of thew, Monica and Lindsey and previous youth members, but the his Boxer Maui. A devoted famany thousands who claim Por- mily-man who is certainly proud tuguese as part of their ancestry. of his Portuguese heritage, he enWe do have a valuable message joys RV camping, music, playing and product offerings that need golf and baseball and being actito be disseminated amongst our ve in various youth sports organicommunity. One example is zations in the community. our Luso-American Education For Lino Amaral, his next misFoundation which provides scho- sion reflects his dedication to his larships and educational grants in various categories and sponsors student exchange programs, annual education conferences, summer youth educational camps and Portuguese Day activities. This additional access and assistance to higher learning can only lead to the betterment of not only our Society, but to the Tratar com António community as a whole.” An avid sportsman and ou Rosa Lima food lover, Amaral resides in Concord with his wife Linda, three children Mat-

new endeavor: “I look forward to the opportunity to serve all of the members of this great Society that I have been a part of my entire life. I will seek to incorporate the ideas and thoughts of our members in every effort to work together as a team to grow and promote our Society now and in the future.”

Grande Oportunidade de Negócio

Vende-se Padaria em Escalon

209-838-7111


22

PATROCINADORES

1 de Julho de 2012


COMUNIDADE

23

Portuguese IN California visitou Artesia

Nelson Ponta-Garรงa e a sua equipa desta vez deslocou-se a Artesia afim de explicar o projecto Portuguese IN California. Projecto ambicioso de jovens ambiciosos, que vรฃo precisar do apoio da nossa comunidade.


PATROCINADORES

1 de Julho de 2012

Ajude os nossos patrocinadores, comprando os seus produtos

A Pain-Free Back Is a Beautiful Thing... Call Now To Meet With Dr. Chester Graham D.C. DACBN The Area Leader In Spinal Decompression

Axial Spinal Decompression that treats: • NECK and BACK • Herniated or bulging disc • Degenerative disc • Arthritic Back Pain • Sciatica • Pre/Post surgery patients • Acute & chronic neck and low back pain relief

Free tion! Consulta

ACT NOW!

Dr Graham has treated 100’s of the most difficult cases. Call Today For A Free Consultation

545-8727 www.ModestoBacktoNeck.com

651911

24

Assine o Tribuna Portuguesa e fique a par do que se passa


PATROCINADORES

408-706-1773

209

25

Participe nas nossas Assine o festas tradicionais e fique a par do que se passa


26

ARTES & LETRAS

1 de Julho de 2012

Charrua - prefácio Em 1910, quando Charrua viu a luz do dia, o rendimento médio em Portugal deveria situar-se — estimam alguns — entre 1 e 2 dólares por dia . E, mesmo assim, tendo em conta que o Poeta nasceu numa freguesia, é acertado pensar que um trabalhador rural, como era seu pai, Vitorino, ganharia féria abaixo desta média estatística, ainda que tivesse a sorte de ter trabalho todos os dias. José de Sousa Brasil veio ao mundo no seio de uma família de fracos recursos económicos, pelo que não surpreende que o pároco de Nossa Senhora do Pilar, Cinco Ribeiras, tivesse anotado à margem do assento de batismo a dispensa de emolumentos, por indigência. Nessa altura a ilha Terceira sobreabundava, como os Açores em geral, de famílias como esta — humildes, esforçadas e trabalhadoras — em que mães, pais e filhos, ainda crianças, labutavam do romper d’alva ao sol-pôr, descansando apenas ao domingo, para ganharem o magro pão e o escasso leite com que calavam a fome. Aqueles que haviam nascido em tal ambiente não ambicionavam senão poder ter fartura sobre a mesa e, por isso, dar-se a devaneios de espírito, que sobrelevam o ser humano ao mais alto da Humanidade, mas não sossegam de imediato o grito do estômago, não entrava nos modos de vida, nem nos pensamentos, nas nem preocupações daquelas gentes de então. Surpreende, portanto, que um jovem nascido em tal desventura económica, em meio e época tão contrários e difíceis, tenha com facilidade notória feito 3º ano do ensino primário elementar, como sucedeu com o jovem José. Na época, a instrução primária obrigatória era de 3 anos, o chamado 1º grau. Só mais tarde se tornou obrigatório o 2º grau — a 4ª classe — que Charrua veio a obter «no exame de adultos», conforme mostra o seu «Diploma da 4ª Classe» , que integra o seu espólio literário, em boa hora entregue à guarda da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo por sua filha, D. Maria do Socorro. Este sucesso na escola, quando a esmagadora maioria soçobrava e desistia, não concluindo a escola para ir ajudar aos pais nas lides das terras donde tirava o pão, incluindo as crianças de famílias mais abastadas, era já em si um indício de que o José Charrua sentia em si o impulso de pegar o destino pelos cornos e torcer-lhe a cabeça, recusando seguir o mesmo caminho de todos, conforme à primeira vista o Destino parecia lhe ditar. Era o coração do Poeta que começava a bater, forte, naquele peito.

Logo, muito jovem, nas festas, que tradicionalmente então se faziam de acordo com as estações do ano e em ajuntamentos festivos, ousou, ainda em reduzidas assembleias, ensaiar o estro e desafiar os mais velhos em cantigas, depressa convencendo todos, e cada vez mais nas freguesias em redor, da sua superioridade como improvisador, e da novidade, esmero e agilidade que traziam as suas quadras. Nada nem ninguém nasce do nada. O aparecimento do jovem cantador José de Sousa Brasil — O Charrua, alcunha de família pela qual se ia tornando conhecido e que ele adotou, acrescentando-a ao seu próprio nome — é, de alguma forma, também consequência do fulgor que a arte efémera da Cantoria vivia na ilha Terceira desde o século XX, atingindo picos elevados com nomes como os de António Inácio e O Terra, aos quais se juntava agora, entre outros, mas este com singular brilho, o nome de Manuel Borges Pêcego, cognominado O Bravo. Na evolução da arte da Cantoria, o nome de Manuel Borges Pêcego, cujo brilho foi um tanto ofuscado depois pelo esplendor do génio de Charrua, deve ser considerado como uma referência incontornável na história e na evolução da Cantoria na ilha Terceira e, também, nos Açores. Até ao aparecimento de O Bravo nos terreiros, rodas e coretos daquela época — e estamos, então, nos inícios do século XX — as quadras da cantoria eram de rima cruzada apenas no segundo e quarto versos, tal como as fizeram António Inácio e O Terra. Foi Pêcego o primeiro a apresentar-se com cantigas igualmente de rima cruzada, rimando também o primeiro com o terceiro versos, além do segundo com o quarto. Esta inovação foi primordial na evolução e melhoramento da quadra popular terceirense e, em consequência, da Cantoria e causou na época surpresa e espanto no Povo, que dizia d’ O Bravo: Ele faz duas cantigas numa! Logo, os demais cantadores se esforçaram por o acompanhar na nova quadra — à qual Charrua haveria de chamar a «quadra literária» — que em poucos anos se instalou e se tornou a quadra normal. Quando o jovem Charrua se revela como brilhante cantador, ainda aqui e ali de forma semipública, cantando apenas em privado, era já O Bravo a estrela maior no firmamento da Cantoria, conforme era em geral e por todos reconhecido. Isto explica, juntamente com o facto de ele ter introduzido a «quadra literária», a admiração e o subido conceito em que o jovem cantador tem o Pêcego e que este seja o primeiro ídolo do estreante Charrua, pois, mais tarde, havia de juntar

a este os grandes nomes da Poesia (e não só) do século XIX, dos quais soube tirar ricos ensinamentos. Faltava, assim, apenas colocar os dois frente a frente: O Bravo leão e Charrua, o jovem aspirante. O batismo — conforme me narrou meu pai incontáveis vezes — ocorreu nas Cinco Ribeiras, em casa do sr. Chico Monteiro, abastado proprietário e lavrador, (primo por afinidade de meu avô Joaquim Coelho) que, já não recordo se por matança de porco, terço do Espírito Santo ou outra razão, «dava uma festa» com Cantoria, para a qual estava convidado o grande Bravo — e o Charrua não falhou com a sua presença, para ouvir o grande mestre. Foi no decorrer dessa festa que alguém fez saber ao Bravo da presença de um jovem muito prometedor que já fazia muito boas cantigas. E sendo o Bravo pessoa de muito bom trato e nada soberbo, logo Charrua foi instado a mostrar-se, o que fez assim: Meus senhores, muito me custa, Mas, enfim, isto me cabe, Eu acho uma coisa injusta Ouvirem cantar quem não sabe. Pela atitude e pela escorreição da quadra, logo o experiente Bravo se apercebeu da qualidade artística do estreante que tinha na sua frente e respondeu: Canta, cantor mundial, que diante de mim vejo, mostra o teu saber real, mata este meu desejo. Resposta generosa de um mestre, que não podia ser mais encorajadora. Um dia, conta-se, quando cumpria serviço militar obrigatório, Charrua escafedeu-se do quartel, ou, como se usa dizer em linguagem castrense, desenfiou-se pelos cerrados próximos, que hoje já não existem como tal, plantados de batata doce, o que porém não escapou ao proprietário, que dele logo se queixou ao comandante da unidade, aquartelada no Castelo de São João Batista. Interpelado pelo comandante, Charrua não negou e suavizou, em quadra: Ele há sempre quem nos veja Por entre a batata doce, Mas não pus um pé que seja Em cima dum pé que fosse. Muito para além da habilidade usada para se sair de uma situação de aperto, importa aqui salientar a mestria com que um jovem nascido no mundo rural, de poucas e minguadas letras, de reduzida instrução primária, manobra a língua

port u gues a ; p o r

Apenas Duas Palavras

será o modelo de Charrua: o modelo, segundo o Romantismo, do inadaptado e incompreendido, que vive acima dos outros pelo Espírito, num patamar mais elevado,

Diniz Borges

d.borges@comcast.net

Em pleno verão de 2012, a Maré Cheia traz-nos um trabalho do poeta Marcolino Candeias. Foi o prefácio escrito para um livro sobre o célebre improvisador terceirense, Charrua. O livro e da autoria de Liduino Borba, que nos últimos anos tem vido a publicar vários trabalhos ligados aos improvisadores e à nossa diáspora, incluindo o livro sobre o improvisador Adelino Toledo, do qual falaremos ainda este ano nesta página. De todos os improvisadores, o Charrua, foi talvez o mais famoso. O prefácio do poeta Marcolino Candeias, e a nota de Liduino Borba, fazem parte do nosso convite para lerem este livro, repleto de documentos interessantes sobre a vida do Charrua. E em pleno verão de 2012, é através do Charrua, uma homenagem aos vários improvisadores que na Califórnia mantêm esta nobre tradição.

outras palavras, a habilidade no uso do duplo sentido da palavra pé e a destreza com que usa o verbo ser no modo conjuntivo, imprimindo na quadra intensidade ao seu pedido de desculpas, pelas sonoridades sibilantes que resultam do uso das formas conjuntivas. Outros são os tempos, mas naqueles em que se diz ter sucedido este episódio, um comandante e governador da Fortaleza de São João Batista, quem quer que ele fosse, era uma entidade bem alto colocada, num abraços pedestal inatingível para diniz um simples soldado, a quem este devia dirigir-se apenas na mais aprumada posição de sentido, expressando a mais alto que o dos demais humamaior humildade e o maior respei- nos, por inteiro entregue ao Ideal to. Se for verdadeira esta história, da sua Arte, a ela consagrando a como provavelmente é, ela eviden- sua inteira existência. Charrua, cia uma ousadia e uma coragem convicto das suas capacidades arque, a meu ver, Charrua só possui tísticas, do seu enorme talento e da porque já nessa jovem idade se en- sua superioridade sobre os demais contra imbuído e, no íntimo, pro- poetas na Arte da Cantoria e do fundamente persuadido, de que um Improviso Poético, adota e veste, Poeta é um ser cujo destino o eleva impetuoso, a pele de Camões e o ao mais alto da condição humana, seu Espírito. um ser acima dos outros em enten- A sua inadaptação na vida às mais dimento, um visionário, um eleito, variadas profissões, às rotinas ortalvez mesmo um profeta, que re- dinárias do dia a dia, à vida pautada e regular, aos limites de um cebe a inspiração do Alto. repetitivo ganha-pão, resultam, Na verdade, na atitude de Charrua a meu ver, da assunção plena do face ao comandante — conquanto Ideal Romântico e, sem dúvida, da ocorra num episódio imprevisto personagem de Camões. nos cânones militares — não existe nenhum elemento de indisciplina; Tudo isto contribui para construir a na prática, a atitude dele configu- sua singularidade, a sua grande orira-se como o requerimento de que ginalidade, para assentar a enorme lhe seja perdoada a falta por ele ser diferença que se estabelece e que Poeta. o distingue dos demais poetas da Cantoria, reservando-lhe o lugar A assunção do superior estatuto de mais alto entre os maiores — granPoeta / Profeta, de «ser eleito», há deza à qual faz jus a admiração de manifestar-se depois pela vida que perdura na memória do Povo fora, principalmente, a meu ver, ao qual ele pertenceu e para o qual depois que Charrua incorpora em tão maravilhosamente cantou.À si, pelas leituras, o ideal do Poeta sua grandeza e à sua memória Romântico, surgido no século XIX, faz igualmente justiça o editor mas que chega a Charrua como Ul- Liduino Borba, que aplaudo, ao trarromantismo, forma ainda mais empreender a edição deste livro, exacerbada de Romantismo, que que há de perpetuar e levar mais dominou até tarde no século XX; longe a memória do grande Poeta para a corrente ultrarromântica, José de Sousa Brasil Charrua — o Poeta é um ser superior e subli- e em particular àqueles que ainme, um inspirado, um eleito, um da no coração vivem e revivem, profeta, um semideus, sem ligação maravilhados, as inolvidáveis ao mundo real e às futilidades da cantorias do Grande Charrua e vida, centrado no Ideal e na sua li- as incomparáveis belezas do seu gação com o Alto. génio poético. Para os Românticos, Camões Angra do Heroísmo, 13 de março constitui o modelo supremo e este de 2012.


PATROCINADORES

27

Casa de Férias para Arrendar Porto de São Mateus, Terceira

AÇORES – Casa Nova com 2 quartos e casa de banho. 3 unidades para renda no Porto de São Mateus na ilha Terceira. Cozinha, Lavandaria, TV e Wi-Fi. Preço muito razoável. Com uma vista fantástica!!

Contactar:

Contactar: Anna Anna: Mariaamdasilva@earthlink.net ou Luís Machado: luis@picaporte.net

408-377-3060 Tel: 408 353 2326 am.stauss@toockies.com

Assine o Tribuna Portuguesa


28

COLABORAÇÃO

Comunidades do Sul

Fernando Dutra

N

os dias 12 e 13 do mês de Maio, a comunidade desta cidade levou a efeito os tradicionais

transportarem a imagem da Senhora de Fátima. Entre polícias, highway patrol e sherifes, conseguiram uma duzia, que com a sua

1 de Julho de 2012

Festejos em Honra da Senhora de Fátima em Artesia Bem hajam. Presidente - Manuel e Noelia Madruga da Silva, Vice-PresidenteGualter e Clementina Silveira, Secretario - Manuel e Bibiana Martins, Tesoureiro Fernando e Regina Mariano, Directores Joao e Juliana Leal, Daniel e Natalia Lopes, Jose e Adilia Rocha, Tony e Sãozinha Sousa, Francisco e Maria Trovao e Dennis Coelho.

sete horas houve festival taurino e pelas 9h00 danca ao ar livre com musica do DJ Produxion. Domingo 27, pelas 10h00 continuação do torneio. No intervalo houve um jogo entre velhas guardas. O torneio terminou cerca das 7h00 com as duas equipas finalistas, Artesia D.E.S.-A e S.C. Maritimo de Santa Clara. Durante qua-

Torneio Anual de Futebol em Artesia festejos em louvor de Nossa Senhora de Fatima, com um extenso e bem organizado programa. O padre Domingos Machado foi o responsável pela parte religiosa, que teve inicio no dia 4 com missa e terço na Igreja da Sagrada Familia. Todos os dias houve terço e missa até ao sábado, dia 12. Após a missa teve inicio a Procissão das Velas, com uma relevante assistência. Após percorrer um quarteirão regressou à Igreja, seguindo-se a Benção do Santissimo. Domingo, dia 13, missa solene à uma da tarde. Após a missa, foi inaugurada uma nova Capela construida ao lado da Igreja da Sagrada Familia, com uma nova Senhora de Fatima, oferta de uma familia da comunidade. A capela foi oferta da familia do abastado proprietario desta comunidade Eliseu Jacinto, falecido recentemente. Seguidamente foi organizada a procissão a qual percorreu o habitual percurso em direcção à Sociedade, na qual tomaram parte as Filarmónicas do Chino e Artesia, comissão das festas, oficiais da cidade, direcção do Artesia D.E.S., padres Domingos Machado e

Luis Proenca, diversos representantes de varias sociedades e pela primeira vez a comissão teve a feliz ideia de convidar os polícias de familias portuguesas desta comunidade, para acompanharem e

presença, ofereceram mais brilho à magnifica procissão, caso inédito e que ficará para a historia dos festejos do corrente ano e que talvez sirva de exemplo para os vindouros. As deliciosas sopas foram servidas pelas 13:00 horas e após a chegada da procissão. Houve mais uma outra imagem, que também foi oferecida por uma familia da comunidade, a qual foi rifada. Durante a tarde houve as habituais arrematações e concertos pelas duas filarmonicas presentes. Pelas oito horas, todos assistiram ao Adeus à Virgem que ao som dos cantares e rezas deu a volta ao recinto, recolhendo novamente à Capela. Parabéns aos membros da Lei que foram muito apreciados, extensivos à comisssao e todos os colaboradores que mais uma vez dignificaram a comunidade.

Agradecimento A comissão de Artesia de 2012, em honra de Nossa Senhora de Fatima, vem por este meio agradecer a generosidade de todas as

pessoas que contribuiram a favor da mesma, quer em donativos ou ajuda para este evento. Que Nossa Senhora de Fatima lhes conceda inumeras gracas principalmente na saude.

E

ste torneio que se realiza anualmente na ultima semana do mês de Maio, com a presençaa de doze equipas, práticamente vindas de quase todas as comunidades portuguesas do Estado da California e uma do Estado de Massachusetts, foi realizado nos dias 26 e 27. Este extenso evento desportivo conhecido pela "festa da bola" teve inicio na sexta-feira dia 25 com um torneio de golfe, finais dos torneios de bilhar, marralinha, sueca e dominó, jantar convivio e entrega da taça do torneio de golfe e pelas 9h00 musica e baile ao ar livre, com conjuntos locais. Sábado dia 26, pelas 8h00 foi efetuado o sorteio para o 39º torneio de futebol entre as doze equipas presentes: Artesia D.E.S.-A, Artesia D.E.S.-B, Academica de Turlock, Açorianos Sport de Hilmar, S.C. Benfica de Santa Maria, F.C. Azores de Escalon, F.C. Chino D.E.S., Milford Lusitanos de Massachusetts, P.P.C. Half Moon Bay, S.C. Maritimo de Santa Clara, S.C. Santos de San Clemente e Tulare Angrense A.C. Seguiu-se o grande desfile com todas as equipas, arbitros, representantes da cidade, rainhas e respectivas aias, directores, directores desportivos e óbviamente a filarmónica. Após a chegada em frente à tribuna receberam as boas vindas pelo mestre de cerimonias e pelo presidente da sociedade, ouviram os Hinos Nacionais Americano e Português, interpretados pela magnifica voz da jovem Justine Martins. Foram entregues ramos de flores pelas rainhas e suas aias, aos capitães das equipas e individualidades. Seguiu-se o inicio do torneio nos campos A e B, os jogos continuaram de acordo com o sorteio até cerca das seis horas. Cerca das

se todo o jogo a equipa da casa foi mais podorosa, embora o Maritimo tivesse apresentado um bom futebol, no entanto ganha quem mete golos e o Artesia meteu dois sem resposta. Vitoria justa dos donos da casa e mais uma vez campeã do torneio. Parabéns aos campeões e vice-campeões, bem como a todas as equipas participantes pelo significante comportamentos demonstrados, extensivos aos arbitros, directores e a todos quanto colaboraram neste magnifico festival. Pelas 9h00 houve musica e baile ao ar livre e cerca das 10h00 foram distribuidos os troféus aos felizes contemplados. Na segunda-feira dia 29, continuaram algumas atividades desportivas e uma vacada pelas 5:00 horas.

culdades as quais tem sido sempre solucionadas de tal forma que a mesma tem mantido um nivel digno de admiração. Já foi duas vezes aos Açores e também aos grandiosos festejos do Divino Espirito Santo, realizados na cidade de Fall River, no estado de Massachusetts. No sábado, dia 9 pelas 5:00 horas da tarde, houve o tradicionasl jantar de sardinhas assadas e de polvo guisado, tudo bem cozinhado, nomeadamente o polvo que é um prato que necessita saber para o fazer. Seguiu-se a apresentação de todos os elementos da filarmónica que terminou com a interpretação de um passo-dobrado. Cerca das 8:00 horas desfilou a marcha de São João, do Artesisa D.E.S., acompanhada pela filarmónica, a qual foi muito apreciada. Por qualquer motivo a dança do Chino não conseguiu estar presente embora tenha sido anunciada. Seguiu-se um serão dançante com o DJ Manuel Cabral. Domingo dia 10, Dia de Portugal, Camões e Comunidades, pelas 12:30 horas, içar das bandeiras Portuguesa, Americana, Açores e do Divino Espirito Santo, ao som dos respectivos hinos, interpretados pelas filarmónicas de Chino e Artesia. Pelas 1:00 hora da tarde, foi celebrada a Santa Missa no edificio da sociedade após a qual seguiu-se a pequena procissão com o São João, um pouco antecipada por conveniência comunitária. Pelas 3:00 horas, jantar para todos os presentes, seguindo-se concertos pelas duas filarmónicas presentes no evento. Pelas 7:00 horas houve cantoria com Alberto Sousa, Antonio Isidro, Carlos Nunes, José Ribeiro e Manuel Santos. Esta cantoria tornou-se mais alegre e com maior assistência, devido à presença do jovem cantador Antonio Isidro, natural de ilha de Sao Jorge, pela sua magnifica maneira de cantar, já sobejamente conhecido em todo o Estado da California. Grande parte da assistência recordou que também era dia de Portugal, Camões e Comunidades através da cantoria. Parabéns ao maestro David Costa e a todos os componentes desta briosa filarmónica com votos que esta data se repita por

Aniversário da Filarmónica Nos dias 9 e 10 do corrente, a Filarmónica de Artesia D.E.S. celebrou o seu quadragésimo aniversário ao serviço desta comunidade e outras. Durante estes quarenta anos contou com cinco mestres, incluindo o presente, David Costa. Como é óbvio todos encontraram algumas difi-

muitos e felizes anos.


PATROCINADORES

Assine o Tribuna Portuguesa e fique a par do que se passa

29


30

COMUNIDADE

1 de Julho de 2012

Fim-de-semana em cheio em San Diego De 7 a 10 de Junho, foi um fimde-semana em cheio em San Diego. Principiando por uma recepção/almoço oferecido ao novo Cônsul-Geral em San Francisco, Nuno Vaultier Mathias, que aproveitou a sua deslocação a San Diego para a inauguração da exibição patente no San Diego Museum of Art das Tapeçarias de Pastrana, para contactar a comunidade portuguesa local. As Tapeçarias de Pastrana, são um conjunto de tapeçarias de grandes dimensões (11 metros por 4 metros), em lã e seda e que celebram episódios da conquista, em 1471, das praças marroquinas de Arzila e Tânger pelas forças de D. Afonso V de Portugal. Foram executadas sob encomenda do rei português, sendo essa execução atribuída à oficina de Passchier Grenier em Tournai, hoje na Bélgica. As tapeçarias fazem parte do mu-

seu da Colegiada de Pastrana, em Pastrana, na Espanha e sofreram uma intervenção de conservação e restauro em 2009. Antes da abertura, o Cônsul-Geral, reuniu-se com a comunidade no restaurante Miguel’s em Point Loma para uma almoço informal, onde foi apresentado por Idalmiro da Rosa, conselheiro para San Diego ao Consulado de Portugal

em San Francisco. Presentes estavam representantes de várias organizações locais, assim como individualidades da comunidade. O jovem Cônsul, Nuno Mathias, preferiu palavras de agradecimento e de promessa de participar sempre e quando possível nas actividades da comunidade assim como de actualizar os serviços consulares, ando em conta

Tour PORTUGAL with Carlos Medeiros 707-338-5977

o uso de novas tecnologias para facilitar o acesso aos serviços consulares pelos utentes. Durante o almoço, o Consul Geral ofereceu uma medalha à comunidade portuguesa, especialmente cunhada para comemorar o Dia 10 de Junho 2012. Esta ficará patente ao publico no Salão Portugues. Sabado à tarde, foi entregue a titulo de empréstimo temporár io, à biblioteca publica em Point Loma, o busto em bronze de Mary Rosa Giglitto. Com este gesto, a família Giglitto oferece a oportunidade ao publico de apreciar a homenagem prestada a Mary Rosa Giglitto, até à altura em que oportunamente se encontre o lugar permanente e digno para a sua exibição. No sábado à noite e organizado pelo San Diego History Center, realizou-se um jantar/sarão alusivo à exibição que está patente no mesmo centro intitulada, Tuna! Celebrating San Diego’s Famous Fishing Industry. A exibição está aberta ao público até o dia 21 de Dezembro, e relata a história da pesca do atum, e a sua importância para com San Diego. No Domingo, no Salão Por-

Fale connosco para compra e venda de Propriedades nos Açores, Heranças, etc.

tuguês, realizou-se a celebração do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades com um almoço de Bife à Portuguesa, e entretenimento com a participação da Filarmónica União Portuguesa de San Diego que iniciou a tarde tocando os hinos de Portugal e dos Estados Unidos acompanhada pelos presentes. Depois de servido o almoço à assistência de cerca de 300 pessoas, a presidente do salão, U.P.S.E.S., Evelyn DaRosa Feliciano, deu as boas vindas aos presentes e leu mensagens do Secretario de Estado, José Cesário e do Cônsul Geral Nuno Mathias. Em seguida foi apresentado o grupo juvenil do Portuguese American Dancers, e antes de sua actuação, Fátima Estrela, declamou dois poemas alusivos à data. Em seguida seguiu-se um bem elaborado programa pelo gru -

po juvenil, dirigido por Therese Garcês, que foi muito apreciado. Por último, a Filarmónica União Portuguesa de San Diego, sob a batuta do maestro Gilberto Rosa, deliciou a assistência com um variado reportório, terminando com o hino da mesma. O que é importante salientar em tudo isto, são os jovens que assistiram e participaram nas actividades, contradizendo aqueles que acham que a comunidade está a enfraquecer. Na realidade o que se nota é uma mudança e adaptação à realidade dos nossos dias, e como o leitor pode determinar, foi na realidade um fim-de-semana em cheio em San Diego.

J. M. Lomelino Alves Vista, Califórnia


Corrida de Gala à Antiga Portuguesa de Turlock A pedido de muitos amigos vamos mostrar mais alguns pormenores daquilo que foi o passeio de artistas

mais bonito alguma vez feito em arenas Californianas, na Corrida de Gala à Antiga Portuguesa na Comemora-

ção dos 100 Anos de Turlock Pentecost Association, realizada na Praça de Stevinson a 4 de Junho de 2012.

Os pagéns do Neto ficaram às ordens dele. O Neto, representante da autoridade, recebendo a chave dos curros. Embaixo: O Bando, anunciando o espectáculo.

TAUROMAQUIA

31

Quarto Tério

José Ávila josebavila@gmail.com Fiquei com o meu chapéu enterrado até às orelhas, durante 12

horas, quando vi as Sanjoaninas darem primazia na corrida mista, a matadores espanhóis, afim destes apanharem o avião para zarparem para Espanha. Eu até me parecia que a Terceira já tinha aprendido com o passado. Os matadores querem correr, despachar o toiro, tourear mal e receber milhares de euros fácilmente. O matador no segundo toiro nem teve a gentileza de se despedir do publico. Foi para a enfermaria por causa de um golpe na mão (boa desculpa, possívelmente falsa) e desapareceu para as Lajes. Uma vergonha e uma falta de respeito. Quando é que aprendemos, que quem paga, manda? Por motivos familiares não fui à Corrida de Patterson em Gustine, mas várias pessoas contaram-me que os nossos Forcados do Aposento de Turlock imitaram muito bem, os Forcados de Vila Franca de Xira, que no ano passado armaram uma das maiores broncas taurinas da nossa história. Como é que foi possível isso?

As bandeiras das Casa Reais, neste caso, símbolos nossos

A mula trazia as bandarilhas que iriam ser usadas pelos cavaleiros

Rui Santos, Alberto Conde e Paulo Ferreira Os Forcados levando as bandarilhas até à barreira

Tenho sido e continuo a ser um grande crítico da maioria dos peões de brega/bandarilheiros. Se antigamente esses homens tinham muita da minha admiração, agora tento ser cortêz com eles, mas muitos deles não sabem o que fazem dentro de uma arena. Seria importante que os artistas, cavaleiros, matadores, bandarilheiros, peões de brega e mesmo forcados, pudessem ter uma preparação teórica do que é tourear, da história do toureio, do que é estar dentro de uma arena, saber quais são as suas responsabilidades, enfim, ser um verdadeiro artista. Para ser pau mandado qualquer um serve... Foi interessante verificar que as Corridas de Toiros das Sanjoaninas só foram vistas no mundo através da internet (Via Oceância e VITEC) devido à publicidade de empresas e pessoas da California. Afinal sempre somos bons para alguma coisa. Serviu para mostar ao mundo a importância da nossa Feira Taurina da Terceira. Tiro o chapéu a todos os

que contribuíram para tal evento.

A prata da casa triunfou em grande nas Sanjoaninas taurinas - Tiago Pamplona, Forcados da Tertúlia Terceirense e do Ramo Grande, Bandarilheiros terceirenses e um toiro sangue Albino.

Chapéu ao ar a eles todos.

Como os cavaleirosa vinham no coche (abaixo) os cavalos eram trazidos à mão no passeio

Duvidamos que se faça tão cedo uma Corrida de Gala. Até se poderia fazer para o ano quando o GPS fizer 100 anos. Aqui fica a ideia, a custo zero. Mesmo que não gostem de toiros nunca percam uma Corrida de Gala à Antiga Portuguesa, aqui ou em Lisboa, porque é um espectáculo unico de beleza. Um autêntico teatro em movimento. Vale mesmo a pena ver.


32

ULTIMA PÁGINA

1 de Julho de 2012

Preço Especial Queijo inteiro do TOPO, São Jorge Sómente $5.99 a libra

The Portuguese Tribune, July 7th 2012  

The Portuguese Tribune, July 7th 2012

Advertisement