Page 1

Semanário da Arquidiocese de São Paulo ano 61 | Edição 3102 | 18 a 24 de maio de 2016

R$ 1,50

www.arquisp.org.br

Jovens e comunicadores dão testemunho público de fé

Encontro com o Pastor Cardeal Odilo Pedro Scherer: A presença do Espírito Santo renova a face da terra

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Página 3

Editorial Caridade: regra de vida dos cristãos que transforma o mundo Página 2

Espiritualidade

Na festa de Pentecostes, no domingo, 15, jovens de Arquidiocese peregrinam à Catedral da Sé e participam de missa presidida por Dom Odilo

No Ano Santo extraordinário da Misericórdia, dois grupos peregrinaram pelas ruas do centro da cidade até a Porta Santa da Catedral da Sé: no sábado,

14, os comunicadores da Arquidiocese, e no domingo, 15, na festa de Pentecostes, foi a vez dos jovens. Páginas 14 e 15

Papa Francisco visita pessoas com deficiência mental L’Osservatore Romano

Em continuidade às iniciativas das “sextas-feiras da misericórdia”, realizadas por ocasião deste Jubileu extraordinário, o Papa Francisco fez uma visita surpresa à Comunidade “Il Chicco” (O grão), situada em Ciampino, nas proximidades de Roma, na sexta-feira, 13. O Pontífice visitou os doentes mais graves, transmitindo-lhes afeto e compaixão. Página 9

Jornalista Reinaldo José Lopes diz ser possível a relação entre religião e ciência Palestrante do seminário “Deus e a Ciência – Um cientista pode acreditar em Deus?”, realizado no dia 11, no Tucarena, em São Paulo, o jornalista Reinaldo José Lopes falou com exclusividade ao O SÃO PAULO sobre a relação entre ciência e fé. Páginas 16 e 17

Governo Temer começa com menos ministérios, mas há críticas aos ministros escolhidos Após assumir como presidente da República interino, Michel Temer empossou os 23 ministros de seu governo, nove a menos que o corpo ministerial de Dilma Rousseff. Há críticas à ausência de mulheres no alto escalão do Executivo e ao fato de sete ministros serem investigados na operação Lava Jato.

Dom Eduardo Vieira dos Santos: Maria é a Mãe da Misericórdia sempre presente Página 5

Fé e Cidadania Padre Alfredo: Scalabrinianos analisam migrações Página 5

Opinião José Brasiliense: há esperanças com novos líderes municipais Página 2

Comportamento Valdir Reginato: ‘A morte nos revela a vida de quem partiu’

Página 11

Página 6

Arquivo pessoal

Na festa de Pentecostes, juristas realizam 64ª Páscoa Forense Em missa na Catedral da Sé, no domingo,15, presidida pelo Cardeal Hummes, desembargadores, juízes, advogados e funcionários do judiciário paulista e seus familiares participaram da Páscoa da Família Forense. Página 20


2 | Ponto de Vista |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Editorial

Caridade, a regra de vida que transforma o mundo

P

or ocasião da festa de Pentecostes, o Papa Francisco, como é de costume, lançou a Mensagem para o Dia Mundial das Missões, a ser celebrado no 3º domingo do mês de Outubro. Como era esperado, Francisco evidenciou a centralidade da misericórdia de Deus no serviço que a Igreja presta ao mundo em sua ação de evangelizar. Em sua fala durante o evento “Diálogos com a Cidade”, recentemente promovido pela Arquidiocese de São Paulo e que reuniu o jornalista Roberto Kovalick com o Cardeal Scherer, Dom Odilo lembrou que comunicar o amor de Deus pelos homens é um elemento essencial da missão da Igreja. Constituiu, de fato, a boa notícia que a Igreja tem a entregar e divulgar repetidamente a todas as gerações. Francisco, em sua mensagem, lembra

que o Jubileu extraordinário da Misericórdia é um convite a olhar a missão ad gentes como “uma grande, imensa obra de misericórdia tanto espiritual como material” e convida a todos os fiéis que se tornem missionários “colocando a serviço os próprios talentos, a própria criatividade, a própria sabedoria e experiência para levar a mensagem da ternura e compaixão de Deus à toda a família humana”. E acrescenta que é missão da Igreja proclamar a misericórdia de Deus em cada ângulo da Terra, até chegar a cada mulher, homem, idoso, jovem e criança, porque deseja que “todos sejam salvos e consigam fazer a experiência do amor do Senhor”. Proclamar a misericórdia de Deus implica em ensinar que o caminho da vida cristã não é triste e angustiante. A doutrina de Jesus Cristo ensinada pela

Igreja não é uma ameaça ao desenvolvimento humano, como querem fazer parecer alguns formadores de opinião pública, não poucas vezes pautados por preconceitos, mas pelo contrário, o favorece. Os mandamentos de Deus são bons para o homem, não visam estabelecer princípios para julgar e reprovar, mas sim orientar, iluminar, instruir e redimir; não pretendem limitar, e, sim, fazer crescer. A moral cristã não vem para torturar consciências, mas sim para libertar. Em realidade, Deus quer libertar a humanidade. Libertar de vícios destrutivos, libertar do egoísmo que encerra um ser em si mesmo e, por isso, o faz triste na exata medida em que o impede de amar e ser amado. Deus quer libertar a humanidade das guerras que a aflige; das ideologias que geram preconceitos e dividem o mundo em gue-

tos que se convertem em verdadeiras incubadoras de ódio e intolerância. Foi para libertar que Deus nos entregou as tábuas da Lei – os 10 mandamentos; Para libertar, se fez homem em Jesus Cristo e viveu entre nós; para libertar, nos ensina a verdade. Foi para libertar que Jesus entregou-se livremente na cruz. E foi para ser um farol em meio ao mundo, que fundou a Igreja, enviou o Espírito Santo e nos mandou proclamar o Evangelho a todos os povos. Tudo isso, porque Deus é bom e nos ama. No amor de Deus e ao próximo, a Igreja e os cristãos encontram o instrumento de transformação do mundo, que não é outro que a caridade. As obras de misericórdia espirituais e materiais não são outra coisa que concretizações da caridade na vida cotidiana, e devem servir como a regra de vida de um verdadeiro cristão.

Opinião

Esperança na política: as novas lideranças municipais e regionais Arte: Sergio Ricciuto Conte

José Mário Brasiliense Estive recentemente em Registro, cidade situada no Sudeste paulista, onde participei de uma reunião promovida em parceria pelo Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento do Vale do Ribeira (Codivar), formado por 23 municípios, e pelo Comitê de Bacia do Vale do Ribeira do Iguape e Litoral Sul. Foi um encontro de trabalho que reuniu prefeitos, secretários e técnicos de prefeituras, bem como representantes do mundo acadêmico, empresarial e da sociedade civil. O tema foi o “Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável do Vale do Ribeira” e o objetivo, iniciar a construção de uma proposta de desenvolvimento econômico em harmonia com a promoção social e a proteção ambiental. Interessante notar que em uma discussão de caráter técnico e político, surgiram valores e princípios muito sintonizados com aqueles que estão contidos na Encíclica Laudato si’, do Papa Francisco, em favor da ecologia humana e ambiental. A qualidade das exposições e dos diálogos entre os participantes, que ocupam distintos papéis de liderança nos planos municipal e regional, me encheu de esperança na política. Fez-me acreditar que, como afirmou o Beato Paulo VI, a política é uma expressão da caridade em favor do bem comum e da dignidade da pessoa humana.

Aquele encontro de Registro teve caráter suprapartidário e intersetorial, o que permitiu uma efetiva aproximação entre instituições, cidadãos e autoridades, que normalmente não se encontram. Da mesma forma, os grupos econômicos ali representados se mostraram atentos às necessidades socioambientais, bastante conscientes da função social da propriedade e da importância de se estabelecer parcerias em favor das comunidades e das áreas de proteção. A busca pelo bem comum em nível regional exigiu dos participan-

tes uma abertura ao diálogo, visando encontrar alternativas para o desenvolvimento, fundadas na solidariedade. Somado a isso, os discursos a favor de uma maior autonomia regional indicavam que a cooperação intermunicipal seria fundamental para o sucesso do plano. Surgiu também a questão da articulação federativa com o Estado e a União, de modo que os investimentos públicos das esferas superiores passassem a ser melhor direcionados para as reais necessidades locais, em conformidade com o princípio da subsidiariedade. Os participantes

(re) descobriram o potencial da dinâmica regional e nos pareceu que, de fato, este poderá ser um caminho alternativo para política e para a economia do Vale do Ribeira. A política, sem dúvida, necessita de líderes “de carne e osso”, sensíveis a sua própria realidade e com espírito de serviço. Notamos que os líderes lá presentes, em especial os mais jovens, querem ser apoiados por iniciativas de formação política, bem como estão em busca de oportunidades para formação em planejamento e gestão de políticas públicas, de modo a exercer funções de protagonistas nesta nova fase da democracia brasileira que está despontando. Por tudo isso, compartilho essa experiência que tive no Vale do Ribeira, acreditando que algo semelhante possa ocorrer em outros vales pelo Brasil afora. Creio que os cidadãos e as lideranças políticas estão sendo convocadas a colocar seus talentos a serviço da sociedade, transformando nossa cultura política e administrativa a partir das cidades. Quem sabe alguns desses líderes locais e regionais possam um dia chegar à Brasília trazendo consigo a crença de que as comunidades locais podem fazer muito em favor do País e nem tudo precisará ser resolvido em Brasília. José Mário Brasiliense é diretor da Oficina Municipal, uma escola de cidadania e gestão pública vinculada à Fundação Konrad Adenauer, e conselheiro do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP.

As opiniões expressas na seção “Opinião” são de responsabilidade do autor e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editorais do jornal O SÃO PAULO.

Semanário da Arquidiocese de São Paulo

Mantido pela Fundação Metropolitana Paulista • Publicação Semanal • www.osaopaulo.org.br • Diretor Responsável e Editor: Padre Michelino Roberto • Redator chefe: Daniel Gomes • Reportagem: Cônego Antônio Aparecido Pereira, Edcarlos Bispo, Filipe David, Nayá Fernandes e Renata Moraes • Institucional: Rafael Alberto e Fernando Geronazzo • Fotografia: Luciney Martins • Administração: Maria das Graças Silva (Cássia) • Secretaria de Redação: Djeny Amanda • Assinaturas: Ariane Vital • Diagramação: Jovenal Alves Pereira • Edição Gráfica: Ana Lúcia Comolatti • Revisão: Maria Aparecida Ferreira • Impressão: S.A. O ESTADO DE S. PAULO • Redação e Administração: Av. Higienópolis, 890 - Higienópolis - 01238-000 • São Paulo - SP - Brasil • Fones: (11) 3660-3700 e 3760-3723 - Telefax: (11) 3666-9660 • Internet: www.osaopaulo.org.br • Correio eletrônico: redacao@osaopaulo.org.br • adm@osaopaulo.org.br (administração) • assinaturas@osaopaulo.org.br (assinaturas) • Números atrasados: R$ 1,50 • Assinaturas: R$ 45 (semestral) • R$ 78 (anual) • As cartas devem ser enviadas para a avenida Higienópolis, 890 - sala 19. Ou por e-mail • A Redação se reserva o direito de condensar e de não publicar as cartas sem assinatura • O conteúdo das reportagens, artigos e agendas publicados nas páginas das regiões episcopais é de responsabilidade de seus autores e das equipes de comunicação regionais.


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

cardeal odilo pedro scherer Arcebispo metropolitano de São Paulo

O

Espírito Santo, invocado para “renovar a face da terra”, é o espírito da vida nova, da superação das situações de morte e daquilo que perdeu a vitalidade. A festa de Pentecostes nos trouxe mais uma vez a ocasião para refletirmos sobre a presença e a ação do Espírito Santo na Igreja, vida das pessoas e do mundo. Venha o Espírito Santo para renovar a Igreja, para superar a monotonia, o pessimismo, os desânimos, a perda de ardor e a falta de frutos de vida cristã! Venha a nós e não nos deixe cair nas “tentações dos evangelizadores e agentes de pastoral”, apontadas pelo Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii gaudium. Preserve-nos da tentação de uma espiritualidade rotineira e sem fé, nem ardor; não deixe declinar o fervor, nem cair na exagerada preocupação com a busca de nossa própria satisfação (nº 78). Livre-nos da tentação do desencanto com a vida da Igreja e do pessimismo em relação aos resultados dos nossos trabalhos pastorais e nossa prática cristã; não nos permita esquecer que o pastor do rebanho, Senhor da messe, é Ele, o Senhor Jesus Cristo, e que nós somos apenas servidores do seu reino (nº 79). Que o Espírito Santo não nos deixe cair na presunção, nem na tentação de medirmos a eficácia da

E renovai a face da terra! Palavra de Deus pelo sucesso das nossas pregações ou iniciativas pastorais. Nem sejamos tentados pela lei do menor esforço, achando que não adianta nos esforçarmos, porque não vemos frutos... E não nos deixe cair na tentação do pragmatismo religioso e pastoral, transformando o serviço pastoral e evangelizador em plataforma para a busca de seguranças econômicas, de glórias e vaidades terrenas (nº 80). Venha todos os dias o Espírito Santo com o dom da fortaleza, para nos preservar do desânimo e da fuga de nossas responsabilidades, da pouca generosidade e da preocupação demasiada conosco mesmos e com os espaços de nossa autonomia pessoal. Com os dons da piedade e do fervor, livre-nos o Espírito de Cristo da pequenez e do medo, da secura espiritual, da falta de alegria da fé, que fazem o cristão parecer planta secando, incapaz de florir e produzir frutos (nº 81). Ajude-nos o Espírito Santo com os dons da sabedoria e da inteligência para não ficarmos prisioneiros do “pragmatismo cinzento da vida cotidiana”, onde tudo continua igual a sempre, como se não houvesse nada de novo ao nosso redor: nenhuma mudança social, cultural e religiosa; nenhuma angústia e sofrimento novo, que precisam de novas posturas; nenhum apelo novo da Igreja; nenhuma orientação pastoral nova da diocese e da Conferência Episcopal. Livre-nos, Deus, do fechamento e da autossuficiência! Com o dom do entendimento, ajude-nos o Espírito Santo a ouvir os apelos de Deus todos os dias;

com seu sopro vital, acorde nossa sonolência espiritual e tire o mofo de nossas organizações pastorais que, muitas vezes, por falta de luz, ar fresco e contribuição nova, definham, perdem vitalidade e já não conseguem produzir frutos de vida nova. Livre-nos o Espírito de Cristo da falta de esperança, da autocomplacência egocêntrica, da “tristeza melosa”, incapaz de comunicar vida e esperança (nº 83). Com sua luz radiante, ilumine o Espírito Santo os cantos escuros do nosso coração, onde continuam abrigados os apegos contrários ao Evangelho de Cristo, nossas desconfianças em relação a Deus, nossos pactos secretos com o pecado... Com o dom do santo temor de Deus, o Espírito Santo abra todas as trancas da nossa alma, para aderirmos a Deus com fé generosa, total e alegre. Conceda-nos a viva esperança em Deus e a confiança absoluta na sua misericórdia. Inflame em nós o fogo do seu amor, que nos abrase no mesmo amor a Deus e ao próximo. Com sua sabedoria, livre-nos o Espírito Santo da tentação do mundanismo espiritual (nº 93), das “guerras entre nós” (nº 98s) e dê-nos o discernimento e a capacidade de conhecer a vontade de Deus todos os dias e fazer as escolhas certas. Com o dom do conselho, ajude-nos a sair da nossa zona de conforto, para nos interessarmos de forma sincera e desapegada pelo bem e a salvação eternas dos nossos irmãos. Vinde, Espírito Santo, enchei o coração dos vossos fieis e renovai a face da terra! Amém.

| Encontro com o Pastor | 3 Preparação da 79ª Assembleia dos Bispos do Regional Sul 1 A Comissão Episcopal Representativa do Regional Sul 1 da CNBB reuniu-se na quinta-feira, 12, na Capital paulista, para discutir a pauta da 79ª Assembleia dos Bispos do Sul 1, que acontecerá de 7 a 9 de junho, em Aparecida (SP), com o tema “A Exortação Amoris laetitia no contexto da misericórdia e da missão”. O Cardeal Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, participou da reunião, que foi conduzida pela presidência do Regional Sul 1. (Colaborou: diácono José Carlos Pascoal)

Com as organizações do laicato Padre Pedro Almeida

O Cardeal Scherer, arcebispo de São Paulo, reuniu-se no sábado, 14, com os representantes de associações, novas comunidades, movimentos e grupos eclesiais para tratar sobre as ações das organizações do laicato na Arquidiocese de São Paulo.

Tweets do Cardeal @DomOdiloScherer 16 – “Concedei, ó Deus todo-poderoso, que, procurando conhecer sempre o que é reto, realizemos vossa vontade em nossas palavras e ações”. 14 - Pentecostes: Vinde, Espírito de Deus, e enchei os corações dos fiéis com vossos dons! Acendei neles o amor como um fogo abrasador!” 13 - “Se vivemos pelo Espírito, procedamos também segundo o Espírito, corretamente”. 13 - “O fruto do Espírito é: caridade, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, lealdade, mansidão, continência...”

Conheça as soluções pedagógicas pensadas para atender exclusivamente às necessidades das escolas católicas. Um jeito de ajudar a ampliar as possibilidades de trabalho de professores, facilitar a atuação do gestor e contribuir positivamente com toda a comunidade escolar.

Para conhecer as soluções do Integra Confessionais, solicite a visita de um consultor comercial: 0800 729 3232.

/FTDSistemaDeEnsino www.ftdse.com.br


4 | Fé e Vida |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Liturgia e Vida

Você Pergunta

SANTÍSSIMA TRINDADE 22 DE MAIO DE 2016

A Glória da Trindade ANA FLORA ANDERSON Para os primeiros cristãos, a Sabedoria, a Palavra que sempre estava com Deus desde toda a eternidade, é Jesus, o nosso Salvador. Assim, a primeira leitura (Provérbios 8, 22-31) canta os louvores da Sabedoria de Deus. Essa Sabedoria faz parte do próprio Ser de Deus. O texto a descreve como a mestre de obras da criação. A Sabedoria é descrita como uma criança que brinca ao lado do Criador. Ela é apresentada como o encanto Dele. A leitura termina dizendo que ela se alegra também no meio dos seres humanos. Para os antigos, essa Sabedoria é Jesus, a alegria do Pai e de toda a humanidade. Na segunda leitura (Romanos 5, 1-5), São Paulo começa

ensinando que, pela fé, estamos em paz com o Pai pela mediação de Jesus. A leitura termina falando do Espírito Santo, que derrama o amor de Deus em nós. Paulo une a Trindade e o dom das virtudes teologais: a fé, a esperança e o amor. A vida é cheia de tribulações, mas a perseverança, nos leva à esperança, sempre sustentada pelo amor. O Evangelho de São João (16, 12-15) revela as últimas palavras de Jesus aos seus discípulos antes de sua morte. Jesus tem consciência de que seus seguidores não entenderam tudo o que Ele lhes ensinou, mas promete que quando o Espírito Santo vier, eles chegarão a toda a verdade. Eis o grande mistério da fé: o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um só Deus!

Qual a posição da Igreja quanto ao halloween? padre Cido Pereira osaopaulo@uol.com.br

A Girlei não me disse seu sobrenome. Ela é aqui de São Paulo e me pergunta: “Padre Cido, gostaria de saber a posição da nossa Santa Igreja Católica sobre o halloween. Obrigada”. Girlei, eu penso que determinadas manifestações culturais que começaram num país e se estenderam por tantos outros, como é essa tal de festa do halloween, não têm nada demais, desde que as entendamos apenas como uma brincadeira. Essas manifestações fazem parte de um mundo que se globalizou e que, por força dos meios de comunicação, se transformou numa aldeia. Deixaram de ser apenas do País de onde se originaram. Então, tudo bem. Eu

sei que até colégios católicos não deixam de celebrar com suas crianças e jovens o tal de halloween. Porém, eu acho que podemos fazer uma reflexão séria sobre isso. E o que eu vou dizer nada tem a ver com o halloween, que veste nossas crianças de bruxas. O que eu tenho a dizer é que no mesmo dia em que celebramos o halloween, a festa das bruxas, comemoramos também o Dia do Saci Pererê, mas, coitadinho dele, foi deixado de lado, talvez discriminado e classificado como produto de um povo subdesenvolvido ou sei lá o quê. E com isso lá se foram água abaixo nossas manifestações culturais, as histórias e mitos que fazem parte da alma do nosso povo. Que pena! Mas que pena, mesmo. Eu teria ficado mais

feliz sabendo que nossas crianças se divertiram com aquele molequinho negro de uma perna só, com um gorro vermelho, um cachimbo de barro na boca e que azucrina a vida no campo, espantando os animais, escondendo coisas. Paciência, Girlei, paciência! Um dia, vamos descobrir que somos um povo maravilhoso com mitos, com lendas, com historinhas admiráveis, com uma cultura de fazer inveja a qualquer outro povo. E respondendo à sua pergunta, eu posso dizer que a Igreja não se posiciona contra o halloween, mas eu tenho certeza que ela quer sim que o nosso povo seja valorizado em sua história, em seu folclore, em sua fé, em seus costumes, em suas crenças. Deus abençoe você, viu Girlei?

Atos da Cúria NOMEAÇÃO DE MEMBROS DO COMITÊ GESTOR DO ‘FUNDO DA PASTORAL DO LAICATO’ DA ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO Em 10 de maio de 2016, o Emmo. Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, nomeou como membros do Comitê Gestor do Fundo da Pastoral da Laicato: Revmo. Pe. Tarcísio Marques Mesquista (Presidente); Revmo. Pe. Zacarias Carvalho de Paiva; Revmo. Pe. Ricardo Pieroni; Revmo. Pe. José Edivaldo Melo; Sra. Ana Filomena Silveira Faleiros Garcia; Srta. Elisabete dos Santos; e Srta. Laurentina da Silva, para o mandato de 01 (um) ano. PRORROGAÇÃO DA NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE PÁROCO Em 4 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição Aparecida, na Região Episcopal Lapa, Setor Pastoral Rio Pequeno, do Revmo. Pe. Geraldo Evaristo da Silva, até 01.01.2019. Em 4 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Pároco da Paróquia Santíssima Trindade, na Região Episcopal Lapa, Setor Pastoral Rio Pequeno, do Revmo. Pe. Marcos Roberto Pires, até 01.01.2019. Em 4 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Pároco da

Paróquia São João Batista, na Região Episcopal Lapa, Setor Pastoral Lapa, do Revmo. Pe. José Donizetti Fiel Rolim de Oliveira, até 01.01.2019. Em 4 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Pároco da Paróquia São José, na Região Episcopal Lapa, Setor Pastoral Butantã, do Revmo. Pe. Roberto Grandmaison, CSC, até 01.01.2019. Em 4 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Pároco da Paróquia São Pedro Apóstolo, na Região Episcopal Lapa, Setor Pastoral Lapa, do Revmo. Pe. Edson Siqueira da Silva, CR, até 01.01.2019. Em 4 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, na Região Episcopal Lapa, Setor Pastoral Butantã, do Revmo. Pe. Jorge Pierozan, até 01.01.2019. NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE ADMINISTRADOR PAROQUIAL Em 4 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Administrador Paroquial da Paróquia São Thomas More, na Região Episcopal Lapa, Setor Pastoral Rio Pequeno, do Revmo. Pe. Jorge Pierozan. NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE VIGÁRIO PAROQUIAL Em 4 de maio de 2016, foi nomeado e provisionado Vigário Paroquial da

Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Labatut), na Região Episcopal Ipiranga, Setor Pastoral Ipiranga, o Revmo. Pe. Antonio Messias Gomes Fernandes, pelo período de 02 (dois) anos. PRORROGAÇÃO DA NOMEAÇÃO

Para assinar O SÃO PAULO: Escolha uma das opções e a forma de pagamento. Envie esse cupom para: FUNDAÇÃO METROPOLITANA PAULISTA, Avenida Higienópolis, 890 São Paulo - SP - CEP 01238-000 - Tel: (011) 3666-9660/3660-3724

E PROVISÃO DE CAPELÃO Em 11 de maio de 2016, foi prorrogada a nomeação e provisão de Capelão da Federação Mariana Feminina (Filhas de Maria), do Revmo. Pe. Emilson José Bento, pelo período de 02 (dois) anos.

ASSINATURA SEMESTRAL: R$ 45 ANUAL: R$ 78 FORMA DE PAGAMENTO CHEQUE (Nominal à FUNDAÇÃO METROPOLITANA PAULISTA) DEPÓSITO BANCÁRIO Bradesco ag 3394 c/c44159-7 COBRANÇA BANCÁRIA

NOME___________________________________________________________ _________________________________________________________________ DATA DE NASC. ___/___/____CPF/CNPJ _________________________________ ENDEREÇO ___________________________________________________________ __________________________________________________________ nº __________ COMPLEMENTO ______________________ BAIRRO ___________________________ CEP ____________ - ___________ CIDADE____________________________________ ESTADO ______ E-MAIL: ________________________________________________ TEL: (__________) ______________________________________ DATA ____/___/____


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Fé e Vida | 5

Espiritualidade

Fé e Cidadania

Mater Misericordiae (Maria, Mãe de Misericórdia)

Encontro de casas de migrantes

Dom Eduardo Vieira dos Santos

O

Bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Sé

mês de maio na Igreja é dedicado à Virgem Maria, mãe de Deus e nossa mãe. Gostaríamos de apresentar uma breve reflexão sobre Maria, que nos conduza à contemplação e à oração. É inegável que a devoção à Maria é demonstrada em todo o mundo pelos santuários, igrejas, capelas e comunidades dedicadas à Santíssima Virgem. Isso vem demonstrar o grande amor e carinho que muitos cristãos têm para com a Mãe de Deus. A devoção a Maria não é uma prerrogativa dos católicos, está fortemente presente também entre os ortodoxos e em algumas igrejas luteranas. Nós sabemos que o amor a Maria é muito grande e isso é perfeitamente justificado pelo número de títulos que Maria recebe na Igreja. Poderíamos, grosso modo, inventariar “os títulos” concedidos a Maria, dividindo-os em três categorias. Primeiramente, encontramos os títulos que provêm dos quatro dogmas marianos que na liturgia dão lugar às solenidades. Os dogmas da Maternidade e da Virgindade (comum à Igreja do Ocidente e do Oriente) e os dogmas da Imaculada Conceição e da Assunção de

Maria, que além dos dois primeiros es- tudo o que disse e em tudo o que reatão presentes na Igreja do Ocidente. lizou. Jesus é misericordioso com os Maternidade e Virgindade são dois homens (Hb 4, 15-16); Ele nos revela o aspectos de um mesmo mistério: a Ma- rosto do Pai: “Deus que é rico em miseternidade de Maria Santíssima. A Vir- ricórdia, pelo grande amor com que nos gindade ressalta a Maternidade. Por sua amou, deu-nos a vida juntamente com vez, o dogma da Imaculada faz referên- Cristo, quando estávamos mortos por cia ao começo da vida de Maria e o da causa de nossas faltas”. (Ef 2, 4-5); “BenAssunção (ao final de sua vida). Além dito seja Deus e Pai de nosso Senhor dos títulos que têm sua origem nos Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e dogmas marianos, encontramos outra o Deus de consolação”. (2Cor 1,3). São categoria de títulos que diz respeito a lu- muitas as ocasiões que nos fazem ver a gares onde Maria Santíssima começou e misericórdia de Deus encarnada. continua ainda hoje a ser devotamente venerada: É inegável que a devoção à Nossa Senhora de Loreto, Maria é demonstrada em todo o Nossa Senhora de Fátima, mundo pelos santuários, igrejas, Nossa Senhora do Monte capelas e comunidades dedicadas Líbano, Nossa Senhora de à Santíssima Virgem. Isso vem Casaluce, Nossa Senhora demonstrar o grande amor e de Lourdes, Nossa Senho- carinho que muitos cristãos têm ra da Pompeia, que com o para com a Mãe de Deus tempo se espalharam pelo mundo. Por fim, uma última categoria Maria é também mãe de misericórdia, de títulos que atribuímos à Santa Mãe de porque é a forma como nos dirigimos a Deus, que diz respeito às nossas neces- Ela. Acima, lembramos nossas necessisidades: Nossa Senhora das Angústias, dades, mas gostaríamos de lembrar a seNossa Senhora dos Remédios, Nossa gunda parte da “Ave Maria”, que, segundo Senhora do Perpétuo Socorro, Nossa Se- Santo Tomás, é a prece da Igreja. Nela se nhora da Saúde. Poderíamos acrescentar pede que Maria “rogue por nós pecadores, um número infinito de títulos que evi- agora e na hora de nossa morte”. denciam que Maria Mãe de Jesus e NosLembramos também a “Salve Rainha”, sa exerce o papel de intercessora junto a em que chamamos “Maria de mãe de miseu Filho Jesus, vindo ao encontro das sericórdia”. A ela nos dirigimos, clamando e chorando; a ela chamamos de advogada nossas necessidades. Maria é mãe da misericórdia, porque e, por fim, lhe pedimos que seus olhos migerou a misericórdia. Jesus dá mostras sericordiosos se voltem para nós e que nos constantes de amor e compaixão em enderece para seu filho Jesus.

Padre Alfredo José Gonçalves, CS Realizou-se em São Paulo, de 10 a 12 de maio, o VII Encontro Scalabriniano da Rede de Casas e Centros de Migrantes. Marcaram presença cerca de 30 representantes das casas de acolhida e centros de orientação, vindos de mais longe, tais como Manila, na Filipinas; Cidade do Cabo, na África do Sul; Roma, na Itália; bem como representantes das casas e centros das Américas - México, Guatemala, El Salvador, Equador, Colômbia, Chile, Bolívia, Uruguai, Argentina, Peru e Paraguai. Do Brasil, participam representantes de Manaus, Cuiabá, Curitiba, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis e São Paulo. Sublinhamos três objetivos do encontro. Primeiro, traçar uma visão atualizada do contexto das migrações. Diante da crise da economia globalizada, constatou-se o aumento dos fluxos migratórios em todo mundo. A grande maioria dos que fogem da pobreza e da violência está em idade jovem, mas cresce o número de mulheres e crianças não acompanhadas. Os deslocamentos humanos de massa tornam-se cada vez mais intensos, complexos e diversificados. Hoje é difícil encontrar um país que não esteja envolvido nesse fenômeno, seja como país de origem, de destino ou de passagem. Cresce, também, a atitude de discriminação e rechaço por parte de certos setores da população. O segundo objetivo consiste em intercambiar informações sobre as formas e práticas da acolhida e orientação. Vários serviços são prestados nessas casas e centros, destacando-se a hospedagem temporária, a ajuda no processo de documentação, a assistência social e psicológica, aprendizado da língua do país de chegada, profissionalização, busca de emprego e moradia, entre outros. Tudo isso exige equipes de profissionais preparados, além de um exército de voluntários. Não resta dúvida de que a troca de ideias e de experiências traz um recíproco enriquecimento aos que, especialmente nas fronteiras e nas grandes cidades, se dedicam a esse trabalho. O terceiro ponto da pauta tem a ver com um planejamento do programa de ação. Trata-se de estabelecer programas, objetivos, estratégias e metas comuns em dupla direção. De um lado, fortalecer a própria rede de ação para um trabalho mais articulado e eficaz. Deriva daí, por outro lado, a capacidade de uma maior incidência política e cultural, tanto em termos eclesiais quanto sociais. Está em jogo também o esforço para as mudanças substanciais das leis de imigração, no sentido de “substituir os muros pelas pontes, a indiferença pela solidariedade”, nas palavras do Papa Francisco. As opiniões da seção “Fé e Cidadania” são de responsabilidade do autor e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editoriais do O SÃO PAULO.


6 | Viver Bem |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Comportamento

Descobrir a vida na despedida Valdir Reginato

Não é habito, pelo contrário, falar de eventos pessoais, mas hoje abro uma exceção. No Dia das Mães, passado recentemente, permaneci no velório de minha irmã. Casada, mãe de três filhos, avó de três netos, que saiu de São Paulo para residir em Vila Velha, no Espírito Santo, há mais de 30 anos. A pedido da família, o sepultamento ocorreu lá. A sala onde repousava ficou pequena para o grande número de amigos que chegavam. Pessoas, na maioria desconhecidas para mim, que traziam no coração dois sentimentos: a surpresa pela evolução tão rápida da doença que a levou em poucas semanas, e uma saudade que já se apresentava pelo vazio que preenche os corações que recordavam com enorme carinho os episódios de uma vida alegre, vibrante e entusiasta, na qual todos se sentiam acolhidos. Não pude deixar de pensar, em meio às emoções e tristeza, que é exatamente no velório que conhecemos o comportamento em vida daquele que nos deixou. No comparecimento de parentes e amigos, nos comentários e narrativas de fatos vividos em comum, se constrói uma biografia que vai se desenhando a modo de revelar o coração de quem, em silêncio, passa agora a falar pelos que se despedem. São histórias de toda sorte: da alegria dos acampamentos na praia, dos churrascos no campo, das conversas a dois em conselhos, do consolo diante de dificuldades, do acolhimento de uma casa que não fechava

as portas para ninguém. Tam- sim dizia, após mais de 50 anos bém se ouvia sobre as broncas de união: “Não sinto a sua falta, em voz firme, quando necessá- pois para mim ele está presente, rio, mas sem esquecer o sorriso em verdade!” É no momento da partida do perdão. O dinamismo da “onipresença”. A preocupação que a morte nos revela a vida com todos. As confissões de daquele que nos deixa. E chedor a uma funcionária, irmã e gará o dia em que a lembrança amiga, de 30 anos. O incentivo nas recordações de parentes que dava às obras da Igreja de e amigos, sem palavras, mas Guadalupe (em construção), somente nas imagens que coracompanhada do grupo de ora- rem por uma vida, aconselhação em casa, diante da imagem rão sem conhecer o problema, da Virgem, na sua sala... Recordei-me do No comparecimento de velório de nossa parentes e amigos, nos mãe, em que o sacomentários e narrativas cerdote ao celebrar a missa de corpo de fatos vividos em presente men- comum, se constrói cionou a respeito uma biografia que vai se dela: “Quando lá desenhando a modo de chegar (diante do Pai), uma única revelar o coração de coisa importará: quem, em silêncio, passa se soube amar. E agora a falar pelos que com certeza, apre- se despedem sentando a história dos oito filhos, se dirá que sim”. Este pensamento consolarão sem saber da dor, se renovava naquelas circuns- vibrarão sem participar da vitâncias: “O que levara tantos, tória, acompanharão sem estar num domingo de Dia das Mães, presente; E no silêncio que se a deixar suas coisas para uma escuta, na ausência que se vê, despedida?” Só encontro uma neste vazio que transborda, se resposta: o amor. dirá: “obrigado por te conhePara os que ensinam essa li- cer”. De fato, os que souberam ção ao mundo nos dias em que amar, nunca nos deixam. As lápor aqui se passa, nunca esta- grimas, humanas e passageiras, rão sós. Assim também para devem ser superadas pela aleos que deixaram a marca do gria da esperança na ressurreiamor, não há despedidas, pois ção. Sem desesperos, mas com a vida permanece em eternida- serenidade, aqueles que comde. Poucos dias antes, eu apre- preenderam que viver é amar sentara as condolências a uma conseguem alcançar a paz. Que viúva, esposa de um dos meus nela, minha irmã descanse. primeiros pacientes, que há déDr. Valdir Reginato é médico de cadas acompanhava. Nas suas família, professor da Escola Paulista palavras, lia essa verdade. Asde Medicina e terapeuta familiar

Cuidar da Saúde

Não consulte seu exame na internet, aguarde a ida ao médico Cássia Regina Quando você consulta a internet para saber sobre um resultado de exame ou sobre algo que está sentindo, você está correndo um grande risco de se desesperar por um falso diagnóstico. Na internet, qualquer pessoa pode escrever sobre o que quiser, incluindo tratamento. Não existe um filtro. Exis-

tem estudos sérios, mas é preciso saber identificá-los. Todo estudo para ter validade tem que ser baseado em evidência, que são classificadas em A (alta), B (moderada), C (baixa) e D (muito baixa). Isso nos diz quão verdadeira e estudada é aquela informação fornecida. Além disso, um exame isolado nem sempre é suficiente para fechar um diagnóstico. Depende de

um conjunto de informações, do exame clínico e do exame complementar. Por isso, ao pegar seu exame, anote todas suas dúvidas para não esquecer de perguntar e aguarde a consulta. Você pode se autodiagnosticar erroneamente e sofrer sem necessidade. Dra. Cássia Regina é médica atuante na Estratégia de Saúde da Família (PSF) E-mail: dracassiaregina@gmail.com


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Pastorais/Balanço | 7

Pastoral Operária

Campanha alerta para mortes por acidente de trabalho A Pastoral Operária lançou em 28 de abril, no Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho, na sede do Regional Sul 1 da CNBB, no centro da Capital paulista, a campanha “Acidentes de Trabalho – culpa da vítima?” A iniciativa visa denunciar o significativo número de mortes por acidentes no trabalho e desmistificar o chamado “ato inseguro”, argumento que as empresas utilizam para afirmar que a culpa pelos acidentes no trabalho é do próprio trabalhador. Durante a atividade, que teve a participação de Dom Julio Endi Akamine, bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo e secretário do Regional Sul 1 da CNBB, foram lembrados os mortos em acidentes de trabalho nos preparativos para a Copa do Mundo, de 2014, para os

Diácono José Carlos Pascoal

Dom Julio participa do lançamento da campanha ‘Acidentes de Trabalho – culpa da vítima?’

Jogos Rio 2016, bem como as vítimas da tragédia na barragem de Mariana (MG), em novembro de 2015. “Há muita dificuldade em atualizar da-

dos sobre acidentes de trabalhos por omissão das empresas e medo de denunciar por parte das vítimas”, afirmou Eduardo Paludette, da Pastoral Operária de São Paulo.

O evento teve assessoria do engenheiro de Segurança do Trabalho e integrante da Pastoral Operária da Diocese de Santo André, Gilmar Ortiz. Ele garantiu que o número de doenças e mortes por acidente de trabalho é 22% maior que os números oficiais da Previdência Social. “Acidentes no trabalho matam 53 pessoas por semana no Brasil”, disse. No encerramento da atividade, Dom Julio recordou um trecho da Encíclica Laborem Exercens, sobre o trabalho, publicada por São João Paulo II, em 1981. “O Magistério social da Igreja defende o direito de ‘dispor de ambiente de trabalho e de processos de laboração que não causem dano à saúde física dos trabalhadores nem lesem a sua integridade moral’”.

Pastoral do Menor

Projeto propõe intervenção para conter violência contra os menores A Pastoral do Menor da Arquidiocese de São Paulo está atenta às situações de violência com as crianças e adolescentes na Capital paulista. Em abril, a Pastoral promoveu uma reunião para elaborar uma proposta de intervenção contra esse tipo de violência. Participaram da reunião Dom Fernando

José Penteado, o bispo emérito de Jacarezinho (PR) e referencial da Pastoral do Menor na Arquidiocese de São Paulo; o Desembargador Dr. Antônio Carlos Malheiros; Bruna Mariana Costa, da Comunidade Aliança de Misericórdia; e Sueli Camargo, coordenadora arquidiocesana da Pastoral do Menor.

Dom Fernando demonstrou preocupação com as famílias das crianças que cumprem medida de internação e que não têm quem as orientem. O Desembargador Malheiros pretende facilitar o diálogo com o Judiciário, e já realizou denúncias, que poderão compor uma ação civil pública.

CNPJ: 01.817.591/0001-57

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015. (Valores em Reais) 2014

2015

29.408,44 742.044,45 55,53 -

40.891,42 873.931,60 38,79 43.660,76

791.028,34 (324.336,08)

793.027,34 (371.717,59)

Passivo Circulante Antecipaão do Conv. PMSP Salarios e Encargos Sociais Tributos a Recolher Outras Patrimonio Social Superávit/défict Acumulado Superávit/défcit do Exercicio

2014 192.446,11 91.766,68 8.691,85 6.327,86 3.770,00 1.059.169,78 (123.971,60)

2015 467.947,50 34.748,55 4.351,01 3.770,00 935.198,18 (66.182,92)

Total Do Ativo 1.238.200,68 1.379.832,32 Total do PL e Passivo 1.238.200,68 1.379.832,32 Reconhecemos a exatidão do presente Balanço Patrimonial, cujos os valores do Ativo e Passivo mais Patrimônio Líquido importam em R$1.379.832,32 (Um milhão,trezentos e setenta e nove mil,oitocentos e trinta de dois reais e trinta e dois centavos) Marcos Antonio Navas Faé CRC 1SP096866/0-0

DEMONSTRÕES DOS RESULTADOS 5. Em 31 de dezembro de 2014 e 2015 (Valores em Reais) 2014 2015

Receitas Operacionais C/ Restrições Cotribuição/Doação 4.929.444,44 Receitas Operacionais 4.929.444,44 Custos/Despesas Operacionais Custo com Programa de Educação (607.346,69) Custo com Programa de Assist. Social (2.512.956,10) Gerais e Administrativas (1.964.429,68) (5.084.732,47) Operações Descontinuadas Receitas/Despesas Financeiras 34.666,43 Superávit Operacional (120.621,60) Outras Despesas/Receitas (3.350,00) Superávit/Défict Líquido do Exercício (123.971,60)

4.643.452,57 4.643.452,57 (647.138,76) (2.349.237,52) (1.745.067,28) (4.741.443,56) 37.466,07 (60.524,92) (5.658,00) (66.182,92)

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DO CAIXA Em 31 de dezembro de 2015 (Valores em Reais) 2015 Superavit/Defit líquido do exercício (66.182,92) 47.381,51 - Depreciação e amortização (18.801,41) Variação - Aumento/ Redução dos ativos (43.644,02) 207.814,56 - Aumento/ Redução dos Passivo Caixa líquido gerado nas atividades operacionais 164.170,54 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO (1.999,00) Aquisição de ativo imobilizado, diferido e intangível Caixa líquido gerado (consumido) nas atividades de investimento 143.370,13 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO AUMENTO (DIMINUIÇÃO) NO CAIXA 143.370,13 E EQUIVALENTES DE CAIXA Caixa e equivalente de caixa no início do exercício 771.452,89 914.823,02 Caixa e equivalente de caixa no fim do exercício AUMENTO (DIMINUIÇÃO) NO CAIXA 143.370,13 E EQUIVALENTES DE CAIXA

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido - DMPL (Valores em Reais) Capital Patrimônio Reserva Reserva Social Social de Capital de Lucros Saldo em 31 de dezembro de 2013 - 3.770,00 - - Aumento de Capital - - - - Realização de Reserva - - - - Déficti do Exercicio Transferecnia para Reservas - - - - Saldo em 31 de dezembro de 2014 - 3.770,00 - - Aumento de Capital - - - - Realização de Reserva - - - - Superávit do Exercicio Transferecnia para Reservas - - - - Saldo em 31 de dezembro de 2015 3.770,00

Superávit/ Deficit Acumulado 1.059.169,78 - - (123.971,60) - 935.198,18 - - (66.182,92) - 869.015,26

(Colaborou Igor de Andrade)

Pastoral da Saúde

INSTITUTO J.V.I.F.E.C. PROF. DANIEL COMBONI Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de caixa Aplicação Financeira Adiantamento de Empregados Imposto a recuperar Não Circulante Imobilizaso Depreciação de Imobilizado

Dessa reunião, surgiu a proposta da criação de um novo projeto de âmbito arquidiocesano, focado na defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes, a ser construído por diversas pessoas e que venha a atender a população mais vulnerável.

Total 1.062.939,78 (123.971,60) 938.968,18 (66.182,92) 872.785,26

Reconhecemos a exatidão da presente Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, cujos os valores do Patrimônio Líquido importam R$ 872.785,26 ( oitocentos e setenta e dois mil e setecentos e oitenta e cinco reais e vinte e seis centavos). São Paulo,31 de dezembro de 2015 Marcos Antonio Navas Faé CRC 1SP096866/0-0

‘Em defesa dos direitos sociais e suas lideranças’ A Pastoral da Saúde do Regional Sul 1 da CNBB realizará no domingo, 29, das 8h às 17h, o 1º Congresso da Pastoral da Saúde do Estado de São Paulo, tendo por tema “30 anos de Pastoral da Saúde e seu estatuto”, com o lema “Em defesa dos direitos sociais e suas lideranças”. A atividade será no campus Barra Funda da Uninove (avenida Francisco Matarazzo, 364, anfiteatro 2º subsolo). Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail pastoralsauderegionalsul1@gmail.com.

Vicariato para a Educação e Universidade Vigília Universitária de Corpus Christi será dia 25 O Vicariato Episcopal para a Educação e a Universidade realizará, na quarta-feira, 25, a vigília em preparação para a festa de Corpus Christi com estudantes universitários, no Colégio Madre Cabrini (rua Madre Cabrini, 36, Vila Mariana). A vigília começará às 20h30, com missa presidida por Dom Carlos Lema Garcia, vigário episcopal para a Educação e a Universidade. Os participantes poderão se confessar com sacerdotes. Após a missa, haverá um momento de adoração e, em seguida, encerramento com a bênção do Santíssimo Sacramento, às 23h. (Colaborou Igor de Andrade)


8 | Pelo Mundo |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Destaques das Agências Internacionais

Filipe David

Correspondente do O SÃO PAULO na Europa

Venezuela

Maduro decreta estado de exceção O presidente venezuelano Nicolás Maduro decretou na sexta-feira, 13, um “estado de exceção e emergência econômica” no País. No dia anterior, Maduro havia anunciado a ampliação do decreto para impedir um “golpe” da oposição, como, segundo ele, teria ocorrido com Dilma Rousseff no Brasil. Segundo o Presidente venezuelano, tudo seria culpa dos Estados Unidos, País que estaria por trás da tentativa de “acabar com as correntes progressistas na América Latina”. Já a oposição denunciou que a medida tem como objetivo impedir o referendo que poderia revogar o mandato de Maduro. Foram obtidas quase 2 milhões de assinaturas a favor do referendo – quase dez vezes mais que o necessário – e o governo buscava contestá-las, tendo criado uma comissão para acompanhar o processo. No domingo, 15, o vice-presidente Aristóbulo Istúriz disse: “aqui Maduro não vai sair por referendo”. Dentro do estado de exceção decretado, Maduro ordenou a intervenção do governo em fábricas paralizadas e a prisão de empresários que interrompam a produção. Segundo a narrativa do governo, a crise econômica seria culpa da “burguesia”, que estaria paralisando a produção para sabotar a Venezuela. Um exemplo é o da maior produtora de

alimentos e bebidas no País, a “Empresas Polar”, que possui quatro fábricas de cerveja paralizadas. Segundo a empresa, no entanto, a falta de divisas para importação de insumos necessários – consequência da política cambial estritamente controlada pelo governo desde 2003 – impossibilita a produção. Outros em-

presários também argumentam que o controle de preços imposto pelo governo impede a normalização da produção. A crise econômica que afeta o País chegou a um nível insuportável. A queda do preço do petróleo é um dos fatores que têm contribuído para agravá-la. A Venezuela possui hoje a maior inflação

do mundo, 180% no ano passado, com uma recessão de 5,7% do PIB (produto interno bruto). Há escassez de mais de dois terços dos alimentos básicos e remédios, cortes diários de água e de energia elétrica e um grande aumento da violência. Fontes: G1 e BBC Reprodução da Internet

Opositores do governo venezuelano chefiado pelo presidente Nicolás Maduro fazem manifestação na capital do País, Caracas, no sábado, 14

Espanha Mulher abortou 3 vezes antes de se converter Patricia Sandoval ficou grávida pela primeira vez aos 19 anos. Decidiu com o namorado que teria o bebê, mas depois de conversar com uma amiga, resolveu abortá-lo sem dizer nada ao parceiro. Cinco meses depois, engravidou novamente. Dessa vez, não contou a ninguém e decidiu abortar em segredo absoluto. Começou a sofrer por ter abortado: “Queria me suicidar. Passei por uma profunda depressão e vergonha”. Engravidou uma tela terceira vez. O namorado ficou feliz com a notícia, mas ela o convenceu a não terem o bebê e abortou novamente.

O namorado dela também começou a sofrer por Patricia ter feito um aborto – sem saber que já era o terceiro. Eles terminaram o relacionamento e ela mudouse para outra cidade. Foi trabalhar numa clínica de aborto da Planned Parenthood, a “multinacional da morte”, como é conhecida pelos pró-vidas a maior empresa de abortos do mundo. O trabalho nessa clínica a horrorizou: “Não podia levar fotos da família, não podia me referir ao bebê como ele ou ela, pois eram apenas células. De fato, não podia dizer nem mesmo a palavra ‘bebê’”, conta.

Mas o mais chocante foi quando assistiu um aborto e se deparou com as partes do corpo do bebê extraídas: “Ao ver seus dedos perfeitamente formados, percebia que não eram apenas células. Então, compreendi que havia assassinado meus três filhos”. Após uma grave depressão, ela se envolveu com um homem que lhe oferecia drogas. Quando o relacionamento terminou, Patricia sentiase completamente sozinha e sem forças para viver. Foi então que uma jovem, ao vê-la chorando na rua, lhe disse que Jesus

ainda a amava. Levou-lhe, então, para a casa de seu pai, com quem havia perdido o contato, e ele a acolheu. Patricia participou de um retiro de cura para mulheres que fizeram aborto, chamado “Viñedo de Raquel”. Redimida de seus pecados, Patricia fez uma promessa aos seus três filhos abortados: “Como eu não dei a oportunidade para que vocês vivam, de agora em diante e em homenagem a vocês, eu farei tudo o que for possível para defender a vida”. Fonte: ACI

Chile/Síria Testemunho de cristãos perseguidos ‘é um antídoto ao mundo medíocre’ O Padre Rodrigo Mirando, sacerdote chileno do Instituto do Verbo Encarnado, viveu em Aleppo, na Síria, entre 2011 e 2014. Em entrevista recente ao jornal espanhol ABC, ele contou sua história e afirmou que o testemunho dos cristãos perseguidos “é um antídoto ao mundo medíocre e decadente de nossas

sociedades. [Esses cristãos] Fazem-nos despertar para as coisas essenciais e importantes da vida. Convidam-nos a nos perguntar no que estamos perdendo a vida ou o que estamos fazendo para ganhá-la”. A população cristã na Síria caiu de 10% para 2% nos últimos anos, perse-

guida tanto pelo Estado Islâmico quanto pela oposição. Mesmo assim, “a Igreja em Aleppo segue muito fervorosa, muito devota, com muita atividade”, contou. Padre Rodrigo descreveu como são os cristãos sírios que conheceu: “Em todos os anos que estive na Síria, não escutei nenhuma pessoa se queixar contra Deus.

Pelo contrário, agradecem a Deus a cada dia. Quando contam as histórias mais chocantes, sempre terminam dizendo: ‘Mas graças a Deus, estamos vivos, podemos vir à Igreja’”. Por isso, Padre Rodrigo diz que “aprendeu a ser sacerdote na Síria”. Fonte: ACI


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Papa Francisco | 9

Aos bispos: ‘Qual é a finalidade do seu doar-se?’ O Papa Francisco participou da abertura da 69ª Assembleia Geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI), na segunda-feira, 16, no Vaticano. Os bispos escutaram com atenção o pronunciamento do Papa, pelo terceiro ano inaugurando o evento como Bispo de Roma e Primaz da Itália. “Nesta tarde, não quero lhes oferecer uma reflexão sistemática sobre a figura do sacerdote. Tentemos, ao contrário, inverter a perspectiva e ouvir atentamente, em contemplação. Aproximando-nos, quase que em ponta de pé, a um dos tantos párocos que passam pelas nossas comunidades; deixemos que o rosto de um deles passe perante os olhos do nosso coração e perguntemo-nos com simplicidade: o que faz a sua vida ser saborosa?

Por quem e para que entrega o seu serviço?”, disse o Pontífice. Francisco também fez referência ao arcebispo brasileiro Dom Hélder Câmara (1909-1999), ao falar sobre a “respiração que liberta de uma autorreferencialidade que isola e aprisiona”. “Quando o teu pequeno barco começar a criar raízes na imobilidade do cais - lembrava Dom Hélder Câmara ‘vai para o fundo!”. Parte! E, acima de tudo, não porque tem uma missão para cumprir, mas porque estruturalmente você é um missionário. Aquele que vive no Evangelho entra dessa forma num compartilhamento virtuoso: o pastor é convertido e confirmado na fé simples do povo santo de Deus, com o qual trabalha e que no coração vive. Essa

Fotos: L’Osservatore Romano

pertença é o sal da vida do presbítero. Nesse tempo pobre de amizade social, a nossa primeira tarefa é aquela de cons-

truir comunidade; a atitude à relação é, então, um critério decisivo de discernimento vocacional”.

Filiação divina é vocação e DNA do cristão Na missa da festa de Pentecostes, no domingo, 15, o Papa Francisco refletiu sobre filiação divina e pertença a Cristo com a vinda do Espírito Santo e tudo o que isso comporta. O Santo Padre afirmou que os cristãos não são órfãos, mas filhos, e como tais pertencem a “única paternidade e fraternidade”. O Pontífice explicou, ainda, que Jesus havia prometido que não deixaria os seres humanos órfãos. E precisamente a sua missão, “que culmina no dom do Es-

pírito Santo, tinha este objetivo essencial: reatar a nossa relação com o Pai, arruinada pelo pecado; tirar-nos da condição de órfãos e restituir-nos à condição de filhos”. De fato, “a paternidade de Deus reativa-se em nós graças à obra redentora de Cristo e ao dom do Espírito Santo”. O Espírito que os torna “filhos adotivos. É por Ele que se clama: Abbá, ó Pai!”. Para Francisco, os sinais de orfandade “se contrapõem à condição de filhos, que é a nossa vocação primordial, é aquilo para

AnuncioPaganini.pdf 1 18/04/2016 09:48:50

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

que fomos feitos, o nosso ‘DNA’ mais profundo, mas que se arruinou e, para ser restaurado, exigiu o sacrifício do Filho Unigênito”. “Do imenso dom de amor, que é a morte de Jesus na cruz, brotou para toda

a humanidade, como uma cascata enorme de graça, a efusão do Espírito Santo. Quem mergulha com fé neste mistério de regeneração, renasce para a plenitude da vida filial. ‘Não vos deixarei órfãos’”.

Visita a pessoas com deficiência mental

Dando continuidade às iniciativas das “sextas-feiras da misericórdia”, realizadas por ocasião do Jubileu extraordinário, o Papa Francisco fez uma visita surpresa à Comunidade “Il Chicco” (O grão), situ-

ada em Ciampino, nas proximidades de Roma, na sexta-feira, 13. “Il Chicco” é uma associação pertencente à família ‘A Arca’, fundada por Jean Vanier, em 1964. A federação está presente em 30 países nos cinco continentes e, junto com a associação ‘Fé e Luz’, se dedica às pessoas frágeis e marginalizadas da sociedade. A comunidade foi a primeira criada na Itália, fundada em 1981, e acolhe hoje 18 pessoas com problemas mentais. Na estrutura de Ciampino existem duas casasfamília: “Vigna” e “Ulivo”. A ideia principal de ‘A Arca’ é ‘elogiar a imperfeição’, ou seja, conscientizar as pessoas de que ninguém deve ser discriminado por causa de uma deficiência. O Santo Padre sentou-se à mesa para lanchar com os membros da comunidade e os voluntários, e ouviu as palavras simples proferidas por Nadia, Salvatore, Vittorio, Paolo, Maria Grazia e Danilo. Francisco visitou os doentes mais graves dando sinais de grande afeto e ternura, em particular a Armando e Fabio, que foram os primeiros a serem acolhidos na estrutura. Fonte das notícias: rádio Vaticano (Redação: Fernando Geronazzo)


10 | Pelo Brasil |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Daniel Gomes, Igor de Andrade e Renata Moraes

Destaques das Agências Nacionais

osaopaulo@uol.com.br

100 mil pessoas participam da festa de Pentecostes em Manaus (AM) Arquidiocese de Manaus

Dom Sérgio Castriani, arcebispo de Manaus, preside festa de Pentecostes no sambódromo

Mais de 100 mil pessoas celebraram a festa da vinda do Espírito Santo sobre a Igreja, Pentecostes, no domingo, 15. Elas vieram de todos os cantos da Capital e do interior do Estado do Amazonas, das paróquias e áreas missionárias de Manaus, que compõe os doze setores da Arquidiocese. “Espírito Santo, Fonte de Vida e Misericórdia” foi o tema da festa de Pentecostes realizada no Centro de Convenções – Sambódromo. A entrada foi gratuita, mas todos foram convidados a fazer doação de um quilo de alimento não perecível. Segun-

do a Cáritas Arquidiocesana de Manaus, essa mobilização ajudou a arrecadar aproximadamente 4 toneladas de alimentos A principal novidade deste ano, como obra de misericórdia, foram os 40 pontos espalhados pelo sambódromo, onde os sacerdotes atenderam confissões. Momentos antes da missa, houve a procissão da Bandeira do Divino Espírito Santo, sinal da presença do Espírito, o Paráclito, seguida da entrada da imagem de Nossa Senhora. Fonte: Zenit (Redação: Igor de Andrade)

4ª Jornada Nacional da IAM acontecerá no dia 29 Com o tema “IAM do Brasil a serviço da missão na Europa”, acontecerá no domingo, 29, em todo o Brasil, a 4ª Jornada Nacional da Infância

e Adolescência Missionária (IAM). Fundada na França, em 19 de maio de 1843, no Brasil a IAM conta mais de 30 mil grupos e a Jornada Nacional

propõe, nas dioceses e paróquias, uma celebração que inclui a consagração de crianças e adolescentes missionários durante a coroação da imagem de Nossa

Senhora e a entrega do escudo da IAM. Outras informações estão disponíveis no site www.pom.org.br Fonte: POM (Redação: Daniel Gomes)

Contribuinte já pode consultar extrato da declaração do IR 2016

Emprego na indústria de SP cai em abril pela 1ª vez desde 2006

A Receita Federal informou na terçafeira, 17, que o contribuinte que entregou sua declaração dentro do prazo (até 29 de abril) já pode consultar se esta foi retida por conta de inconsistências ou pendências. O contribuinte que identificar no extrato algum erro deve fazer a retificação para não cair na malha fina. Quem enviar nova declaração com as informações corretas, automaticamente fica com a declaração liberada da malha. No ano passado,

Na terça-feira, 17, foram divulgados os dados Indicador de Nível de Emprego da Indústria Paulista, pela Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp). A indústria de São Paulo fechou 4 mil vagas de emprego em abril, na primeira perda para o mês desde a série histórica da pesquisa, iniciada em 2006. A queda em relação a março foi de 0,17%.

após o fim do processamento dos lotes de restituição, em dezembro, constavam nos sistemas da Receita Federal um total de 617.695 declarações retidas em malha fiscal. Em muitos casos, o próprio contribuinte poderia ter regularizado a sua pendência. Para ter acesso ao extrato do processamento da declaração, basta acessar a página do e-CAC - Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte. Fonte: Receita Federal (Redação: Renata Moraes)

O resultado aponta que nos primeiros quatro meses de 2016, a indústria acumulou perda de 34,5 mil postos de trabalho, uma queda de 1,5%. Já na comparação com abril de 2015, a queda é de 10,06%, com perda de 253 mil vagas de trabalho. A expectativa para o fechamento do ano é de cerca de 165 mil vagas a menos. Em 2015, esse número ficou em 235 mil. Fonte: Portal G1 (Redação: Renata Moraes)

Professores do Rio mantêm greve que já dura mais de 2 meses Os professores da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro, em greve desde o dia 2 de março, decidiram, em assembleia realizada na terça-feira, 17, continuar com a paralisação. Eles mantiveram a greve por não terem nenhuma das reivindicações básicas atendidas. De acordo com a coordenadora do

Sindicato Estadual dos Profissionais de Ensino (Sepe), Marta Moraes, o governo não atendeu algumas pautas prioritárias da classe, como um calendário unificado de pagamento dos profissionais de educação da ativa e aposentados no segundo dia útil do mês. Com a crise econômica do Estado fluminense, o governo deci-

diu passar o calendário de pagamento dos servidores para o 10º dia útil de cada mês. Marta Moraes informou que a categoria reivindica, também, reposição das perdas salariais de 30% de 2014 até agora. A assembleia dos profissionais de

educação contou com mais de 2 mil participantes e ocorreu na quadra da Escola de Samba São Clemente, na Cidade Nova. A categoria marcou nova assembleia para terça-feira, 24, em local a ser confirmado, quando serão definidos os rumos do movimento. Fonte: Agência Brasil (Redação: Renata Moraes)


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

Início do governo Temer é marcado por críticas à escolha de ministros José Cruz/Agência Brasil

| Política | 11

Não haverá cortes

Em entrevista ao programa “Fantástico”, da TV Globo, o presidente da República em exercício, Michel Temer, afirmou que não fará cortes no Bolsa Família e nem em outros programas sociais. “Precisamente estabelecendo prioridades, e uma das minhas prioridades, ou das nossas prioridades, é exatamente a atenção com os mais carentes, com os mais pobres. Nós não podemos abandonar aqueles que têm dificuldade de vivência e sobrevivência. Então, quando eu disse: ‘olhe, eu vou manter o Bolsa Família e outros tantos programas sociais’, é na concepção mais absoluta de que há que haver uma certa proteção àqueles que não têm, por conta própria, a possibilidade de sobrevivência”, afirmou Temer.

Mulheres nos ministérios

Após posse na quinta-feira, 12, em Brasília, presidente interino Michel Temer faz reunião com a equipe ministerial do seu governo

Os 23 nomes foram apresentados na tarde da quinta-feira, 12, horas após o afastamento de Dilma Rousseff Edcarlos Bispo edbsant@gmail.com

Na manhã da quinta-feira, 12, Dilma Rousseff era afastada da presidência da República. Instantes depois, Michel Temer assinava a notificação que informava que a partir daquele momento ele era o presidente em exercício do Brasil. No mesmo dia, à tarde, o vice de Dilma nas eleições de 2010 e 2014 apresentava a sua nova equipe de ministros, após muitas especulações. Na prática, o número de ministérios foi reduzido de 32 para 23. As reações foram imediatas. Críticas e elogios surgiam de todos os lados. De início, a possibilidade de um “ministério de notáveis” se transformou em um ministério de deputados, senadores e ex-ministros ou secretários estaduais que apoiaram e pavimentaram a aprovação do impeachment de Dilma. A respeito disso, a doutora em Ciência Política e diretora acadêmica da Escola do Parlamento, Lara Mesquita, destacou que não apenas no Brasil, mas em qualquer país que tenha um sistema multipartidário, ou seja, um sistema em que nenhum partido sozinho elege o número de legisladores necessários para aprovar um projeto de lei, é necessário fazer composição com outros partidos políticos para a formação do governo. Do contrário, o governo será minoritário e terá muita dificuldade em aprovar qualquer lei no parlamento. “Nesses sistemas, sempre se procura trazer outros partidos para a base de apoio do governo, e a melhor maneira de fazer isso é garantindo a participação dos partidos da base de apoio no governo, por meio da participação nos ministérios. É assim na Alemanha, na Bélgica e na Espanha,

para ficarmos em alguns exemplos”, comentou ao O SÃO PAULO. É essa necessidade de trazer outros partidos para a base do governo que se convencionou chamar no Brasil de presidencialismo de coalizão, algo que segundo Lara “é absolutamente comum e normal em sistemas multipartidários e não é um problema em si”. Para ela, nem sempre trazer técnicos “notáveis” garante bom desempenho do governo. Se os notáveis não têm experiência no setor público, que opera com regras diferentes, “mais rígidas e engessadas que o setor privado”. Para além disso, Lara destaca que compete ao ministro formar uma boa equipe de assessores e secretários em sua pasta, pois é impossível que ele, só por ser ministro, tenha a obrigação de entender de todos os temas relacionados ao seu ministério. “O Ministro tem que ser capaz de formar uma boa equipe, trazendo técnicos especialistas nessas áreas e em tantas outras que fazem parte do escopo de atuação do seu ministério, mas ele também precisa ser capaz de negociar com os outros ministros as verbas necessárias para implementar as políticas, convencer o presidente que aquelas são as melhores escolhas, e convencer deputados e senadores a votar as leis necessárias para que as políticas planejadas no seu ministério entrem em vigor”. Sobre o corte de ministérios, Lara afirma que “cortar ministérios não é igual a enxugar a máquina pública”. Citando como exemplo o Ministério da Previdência, que foi extinto, ela acrescenta: “não é porque não existe o ministério que não existem mais gastos com Previdência”. “Precisamos ver qual o impacto no orçamento da extinção/criação de ministérios. Me lembro que há alguns anos se criticou muito a criação do Ministério da Pesca, que antes era parte do Ministério da Agricultura. Quando olhamos para o orçamento, a Pesca tinha mais verba quando era secretaria do que quando virou ministério. Nesse caso, qual foi o ônus para o Estado com a criação do ministério? Por outro lado, se dá mais destaque para uma

determinada área, e mais autonomia para a elaboração das políticas públicas”, afirmou.

Falta de mulheres

Para a Professora, a falta de mulheres no governo é um problema, pois evidencia uma desconexão entre a realidade do País e a formação do governo. “Como o governo está dissociado da sociedade! Não apenas a falta de mulheres ou de negros. Ou o País, o Presidente e os partidos acreditam que não existem mulheres competentes para ocupar esses postos? É interessante que nem entre os ‘notáveis’ sondados pelo Presidente interino quando ele cogitou um ministério de notáveis, figuravam mulheres (pelo menos os nomes das mulheres nunca vieram a público). Se isso fosse uma bandeira, o Presidente interino poderia sim ter pedido aos partidos que dessem preferência a nomes de mulheres e de negros em suas indicações”, comentou Lara.

Lava Jato

Dos 23 ministros, sete estão relacionados na operação Lava Jato, seja por delações premiadas, seja por pedido de abertura de investigações. Alguns partidos já se manifestaram dizendo que entrarão no Supremo Tribunal Federal contra essas nomeações. Para Lara, a “bomba está no colo” do governo interino. “Se ele quer se vender como um governo ilibado, sem envolvimentos com os desmandos do País, deveria optar por, ao menos por enquanto, não contar com esses quadros”. O discurso oficial tem sido de que ser investigado é diferente de ser culpado, e que todos os sete ministros envolvidos em escândalo, até que se prove o contrário, são inocentes, e, portanto, não há problema algum de que eles componham o governo. “Se os movimentos queriam apenas mudar a elite no controle do governo não é um problema, mas se, de fato, estão em busca de um governo ‘menos corrupto’, o melhor seria, até que as dúvidas fossem sanadas, não ter nomes investigados no governo”, afirmou a Professora.

Depois de críticas pela falta de mulheres nos ministérios, a nova equipe de governo nomeou a economista Maria Silvia Bastos Marques como presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ela será a primeira mulher a chefiar a instituição, que tem, entre as atribuições, o financiamento de grandes obras e projetos no País. Ela é ex-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), ex-secretária de Finanças da Prefeitura do Rio de Janeiro e ex-diretora do próprio BNDES.

Grampo na sala do ministro

O Serviço de Inteligência do Supremo Tribunal Federal (STF) identificou, durante uma varredura de rotina realizada há cerca de duas semanas, um equipamento de escuta ambiental no gabinete do ministro Luís Roberto Barroso, localizado no quarto andar do anexo dois do prédio da Corte. De acordo com o gabinete do ministro, o equipamento estava desativado.

Impeachment

O ministro do STF, Marco Aurélio Mello, liberou para julgamento uma ação que discute a obrigatoriedade de a Câmara dos Deputados ter que dar seguimento ao processo de impeachment do presidente interino Michel Temer. Agora, cabe ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski, marcar a data da sessão que vai discutir o caso.

Aécio Neves

Depois de suspender, na quinta-feira, 12, a coleta de provas de uma investigação aberta sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e mandar o inquérito de volta ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para reavaliação, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, recebeu na segunda-feira, 16, um novo pedido de abertura de inquérito sobre o senador mineiro, suspeito de ter atuado para tirar da CPI dos Correios, em 2005, informações sobre o chamado mensalão mineiro.

Em Cannes

A sessão de gala de “Aquarius”, filme brasileiro que concorre à Palma de Ouro no Festival de Cannes 2016, foi marcada na terça-feira, 17, por protestos contra o governo interino de Michel Temer. Ao chegar ao topo da escadaria que leva ao Palácio dos Festivais, o diretor Kléber Mendonça Filho, os atores Humberto Carrão e Maeve Jinkings e outros integrantes da equipe mostraram cartazes com frases em inglês e francês, com dizeres como “O mundo não pode aceitar este governo ilegítimo”; “Um golpe está acontecendo no Brasil”; “54.501.118 de votos foram queimados”; “Misóginos, racistas e impostores como ministros”; e “Dilma, vamos resistir com você”. Fontes: EBC, UOL, Folha de SP, G1, IG


12 | Reportagem |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Estudantes pressionam e Centro Paula Souza fornecerá merenda Luciney Martins/O SÃO PAULO

neste mês, Alunos ocuparam 11 escolas técnicas estaduais e a sede da autarquia que as administra Edcarlos Bispo edbsant@gmail.com

As aulas foram retomadas nas escolas técnicas estaduais de São Paulo (Etecs) após algumas delas terem sido ocupadas pelos estudantes nas semanas anteriores, desde o início do mês. O Centro Paula Souza, que administra as escolas técnicas paulistas, informou que foram 11 Etecs ocupadas no total. Em nota, o Centro informa que “já atendeu às reivindicações dos estudantes. A partir de agosto, as Etecs que ainda não serviam refeição e têm alunos estudando em tempo integral passarão a distribuir almoço. A Instituição realizou reuniões com grêmios estudantis das Etecs para continuar o diálogo”. Uma professora que não quis se identificar contou ao O SÃO PAULO que, de fato, houve a proposta de servir refeição aos estudantes, porém o que foi apresentado pelo Centro Paula Souza era que os estudantes em tempo integral, principalmente, deveriam escolher entre ter dois lanches durante o período de estudo, das 7h às 15h30, ou o almoço, fato que estaria causando descontentamento dos estudantes, pois eles queriam que fossem servidos o lanche e o almoço. A Professora contou que os alunos estavam bastante articulados e rebateu afirmações de que o movimento era influenciado por outras pessoas ou partidos políticos. “Nas Etecs que trabalho, os alunos sabiam que era por causa da merenda e que a CPI da Merenda não estava sendo aprovada. Sabiam do desvio de verba e da diminuição do repasse para as escolas técnicas”, contou. Para ela, a participação de estudantes de outras escolas e ciclos não é um problema e demonstra solidariedade por parte do movimento estudantil às reivindicações. A Professora afirma que o movimento foi democrático, ouviu os alunos e fez assembleia, além de restringir a entrada de outras pessoas que não eram estudantes, principalmente maiores de idade.

O que pensam os estudantes

Diandra Moura, que cursa o ensino médio integrado ao curso técnico de Meio Ambiente na Etec Parque da Juventude, contou que este ano os estudantes decidiram não ocupar a Etec, pois as ocupações “estavam bem confusas”. De acordo com a estudante, não houve unificação nos protestos, o que

Estudantes das Etecs ocupam sede do Centro Paula Souza e reivindicam melhorias na merenda, fim dos cortes e mais investimentos na educação

dificultou o entendimento entre os estudantes. “Acho que está todo mundo querendo fazer uma revolução estudantil acontecer, mas ninguém está querendo ver o caminho”, opina. Diandra acrescenta que sem a ocupação do Centro Paula Souza, a principal pauta dos estudantes não teria sido atendida e que, de fato, a luta por merenda para alunos que estudam em período integral e fazem os ensinos médio e o técnico “é uma pauta justa”. Estudante de Música na Etec de Artes, desocupada somente na tarde do domingo, 15, Marcos Aurélio Lopes não participou da ocupação e acredita que os “estudantes estavam desorganizados, não tinham foco nem o motivo real da ocupação”. Para ele, por mais que as ações tenham sido feitas de forma democrática com a participação dos alunos, “as pessoas não conseguiam se ouvir” e alguns professores argumentaram sobre os prejuízos da ocupação. “Em meu ponto de vista, faltou organização, faltou um direcionamento, não havia motivos para ocupar aquela unidade. Como artista, buscamos sempre outra forma de intervenção, levando a arte às outras unidades ocupadas, promovendo com aqueles que ocuparam, oficinas. Porém, ao menos na primeira assembleia, houve desordem de objetivos, de ideias defendidas, tanto que vários alunos foram se cansando dos discursos e abandonaram a Etec sem esperar a votação que decidiria a

ocupação ou não do prédio”, afirma. Marcos acrescenta que a pauta, no que se refere às questões da falta de merenda para os alunos de tempo integral, é algo legitimo, pois “ninguém consegue aprender nada com fome”.

Depredações e furtos

Também por meio de nota, o Centro Paula Souza falou apenas de danos na Etec Zona Sul “que teve fechaduras danificadas, vidros quebrados, janelas carimbadas e o estoque de merenda desapareceu”. Uma fonte ouvida pela reportagem, que optou por não se identificar, trabalha no prédio do Centro Paula Souza, que foi ocupado pelos estudantes. Ele afirma que as reivindicações são válidas e que os alunos recebiam merenda, não a merenda de almoço, mas a chamada merenda seca. Ele avalia, no entanto, que não fez sentido ocupar o prédio administrativo do Centro, já que ali há apenas a gestão da parte pedagógica e administrativa da Instituição, sem haver poder de deliberar as questões em pauta. Tais reivindicações, segundo o entrevistado, deveriam ser feiras à Assembleia Legislativa de São Paulo ou à Secretaria Estadual de Educação. O funcionário conta que houve depredações e furtos no prédio e que por mais que eles tentassem dialogar com os alunos, não houve acordo. Sobre o perfil dos alunos que ocuparam o prédio, o funcionário descon-

fia que não havia apenas alunos de escolas técnicas, mas também estudantes de escolas estaduais ocupadas no ano passado, e de universidades e outras entidades de ensino. O estudante Cauê Borges, que participou da ocupação no Centro Paula Souza, na diretoria de ensino centro-oeste e depois na Escola Técnica Estadual de São Paulo (Etesp), afirma que as pessoas usam as depredações e furtos para deslegitimar o movimento. Ele reconhece que ações de vândalos podem ter acontecido, mas que o movimento não apoia nem defende essas práticas, que, avalia, são reflexos das ações da sociedade que acabam se reproduzindo dentro das ocupações.

Pauta do movimento

Cauê afirma, ainda, que o movimento não sofre influência de partidos políticos, porém é um movimento político, pois “nos colocamos contra os cortes. É político, pois nos colocamos contra o Estado, contra essas medidas de cima para baixo, mas não temos a polarização PT x PSDB e criticamos os cortes que vêm do governo federal e estadual”, afirmou. Conforme apurou a reportagem, o movimento unirá forças contra os cortes na educação, com uma pauta não apenas para o Estado de São Paulo, pois no Rio de Janeiro, Rio Grande Sul e Ceará já começou a ter escolas ocupadas por alunos secundaristas e de escolas técnicas.


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Reportagem | 13

Gentileza nas redes sociais? Sim, é possível! O SÃO PAULO conta a história de Oneida Tavares e de seu filho, Cristiano, que valeramse do Facebook para devolver ao dono um celular que encontraram Renata Moraes

jornalismorenata@gmail.com

Em tempos de intolerância nas redes sociais, seja religiosa, partidária, racial ou entre homens e mulheres, parece que não há espaço para a prática de boas ações e de gestos de gentileza. Mas, ainda hoje, existem pessoas que espalham amor e bons exemplos. Esse é o caso do jovem Cristiano Avelino da Silva, 22, e de sua mãe, ,Oneida Tavares da Silva, 48, moradores do bairro de Pirituba, na zona Noroeste, que no dia 3, deram testemunho de que existe quem pratica o bem. “Ao retornar de uma consulta médica, no centro de São Paulo para Pirituba, minha mãe encontrou um celular smartphone da marca ASUS, no banco detrás do ônibus”, contou Cristiano, ao O SÃO PAULO. Ele relatou que no mesmo instante em que sua mãe encontrou o celular, ela recordou que o irmão de Cristiano também havia comprado um, parcelado em dez vezes, e logo pensou que em tempos de crise financeira, quem perdeu o celular também poderia estar na mesma situação. Oneida, com receio de entregar o aparelho no terminal de ônibus de Pirituba, achou melhor levá-lo para casa e pedir a ajuda dos filhos para localizar o dono do celular, por meio das redes sociais. Às 9h30 do dia 3, Cristiano publicou

em seu perfil no Facebook o ocorrido, com a foto do celular encontrado e também publicou na página Pirituba Net, dedicada à prestação de serviços do bairro. Nesta última, a postagem teve 390 curtidas, 89 comentários e 13 compartilhamentos. Em menos de duas horas, o proprietário do celular, um jovem chamado Joel Almeida, morador da zona Leste de São Paulo, conseguiu entrar em contato com Cristiano e ambos agendaram um encontro, naquela tarde. Para sua surpresa, Joel contou a Cristiano que pela manhã havia sido assaltado ao chegar ao trabalho, na região central de São Paulo. “Joel ficou muito feliz por saber que seu celular havia sido encontrado e estava em boas mãos. Ele contou que como levaram sua bolsa e todos os seus pertences, não tinha esperança de recuperar o celular que havia comprado há pouco tempo e ainda estava pagando”, recordou Cristiano. No encontro no terminal de Pirituba, Joel, muito comovido, agradeceu a Cristiano e a Oneida e quis recompensá-los com uma pequena quantia de dinheiro que ele ainda tinha após ser assaltado. Porém, nem Cristiano e nem a mãe aceitaram a recompensa, dizendo ao jovem que estavam fazendo o que era certo, devolvendo aquilo que já era de Joel. “Acreditamos que a diferença em tudo está nas pessoas. Esperamos que se um dia você encontrar um celular, tenha a mesma atitude”, disse Cristiano a Joel. A história gerou grande repercussão nas redes sociais, pela atitude de uma família que se colocou no lugar do outro, sendo solidária e praticando o bem. Tanto Cristiano quanto Oneida foram parabenizados pelo bom exemplo praticado, por meio de comentários como “Tenho orgulho ter um amigo assim”; “Parabéns pela sua ho-

Arquivo pessoal

Joel, na companhia de seu pai, agradece a solidariedade de Oneida e seu filho, Cristiano

nestidade e atitude”, “Lindo gesto, juntos por um mundo melhor”, que encheram a linha do tempo do Facebook de Cristiano. “A educação que tive dos meus pais foi fundamental para essa atitude. Fizemos nossa parte perante a sociedade, pois eu acredito que o mundo ainda

tem jeito!”, comentou Cristiano à reportagem. “Basta acreditar que juntos podemos fazer a diferença. Temos que ser bom exemplo. Assim, as pessoas que estão ao nosso redor vão se orgulhar e manter a mesma sintonia de pensamento e atitude”, finalizou.

arquisp-corpus-christi-2016-rev4.pdf 1 02/05/2016 13:01:28

Divulgação

CORPUS CHRISTI 2016 Eucaristia - “Eterna é a sua misericórdia” (Salmo 117)

Redes sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização Em 2013, o papa emérito Bento XVI escreveu sua mensagem para o 47º Dia Mundial das Comunicações Sociais com o tema: “Redes Sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização”. Na mensagem, Bento XVI destacou a importância das redes sociais e a influência positiva que elas exercem no mundo de hoje, se utilizadas com responsabilidade. “Estes espaços, quando bem e equilibradamente valorizados, contribuem

para favorecer formas de diálogo e debate que, se realizadas com respeito e cuidado pela privacidade, com responsabilidade e empenho pela verdade, podem reforçar os laços de unidade entre as pessoas e promover, eficazmente, a harmonia da família humana. A troca de informações pode transformar-se numa verdadeira comunicação, os contatos podem amadurecer em amizade, as conexões podem facilitar a comunhão”, consta em um dos trechos da mensagem.

26 de Maio • 9h Missa na Praça da Sé

Seguida de procissão pelas ruas do centro histórico Na missa, doe um agasalho ou um cobertor

“Implante um novo sorriso”

Se você deseja substituir suas próteses ou repor a falta de dentes, a forma mais eficaz é o IMPLANTE DENTÁRIO.

Diferenciais: INSTITUTO FACE A FACE RUA DOS CHANÉS, 259 MOEMA - São Paulo - SP TELefones: 11-38957572 11- 38951185

Laboratório de prótese próprio Centro cirúrgico clínico Exames laboratoriais pré cirurgicos Exames radiograficos ( RX panorâmico) Profissionais especializados também na 3ª idade

SOMOS ESPECIALIZADOS EM:

IMPLANTES ODONTOLÓGICOS PRÓTESE SOBRE IMPLANTE CIRURGIA DE ENXERTO ÓSSEO IMPLANTES ZIGOMÁTICOS

Responsável técnica: Dra Márcia Ferraz de Mendonça CRO: 63029


14 | Reportagem |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Após passarem pela Porta da Misericórdia, comunicadores que integram a Pascom e as mídias da Arquidiocese realizam momento de oração na Capela da Pia Batismal da Catedral da Sé, dia 14

Comunicadores peregrinam no Ano Santo da Misericórdia cação popular em comunidades ribeirinhas do Brasil. O encontro também foi oportunidade para a apresentação da nova identidade visual da Pascom arquidiocesana. No início da tarde, os comunicadores saíram em procissão pelas ruas do centro da Capital paulista em direção à Catedral, onde atravessaram a Porta da Misericórdia e seguiram os paços sugeridos para a obtenção da indulgência plenária previstas pelo Papa Francisco. Também participaram os colaboradores dos meios de comunicação da Arquidiocese: rádio 9 de Julho, jornal O SÃO PAULO e Portal ArquiSP.

acontecer o Pentecostes, para que as feridas que separam as pessoas, que as guerras, que dividem as famílias, as culturas e os povos, sejam destruídas pela força da comunicação da verdade de Deus. Essa é a nossa tarefa. Se ela parece muito grande, distante das nossas possibilidades, ela não está distante da vontade em nosso meio. Que pela comunicação, essa Fernando Geronazzo Especial para O SÃO PAULO mensagem possa chegar sempre mais aos corações quebrados, destruídos e separaOs comunicadores da Arquidiocese dos, que possam promover a união. Essa de São Paulo peregrinaram à Porta Sané a beleza da graça da comunicação”, enta da Catedral da Sé, no sábado, 14, por fatizou Dom Devair. ocasião do Jubileu extraordinário da MiO coordenador da Pascom na Região sericórdia. O evento foi precedido de um Santana, José Henrique Ramos Monfré, encontro arquidiocesano da Pastoral da avaliou positivamente o dia dedicado aos Construir pontes Comunicação (Pascom), realizado na Pacomunicadores. “Há tempos, não fazíaróquia São Francisco de Assis, na região No início da missa que concluiu a pemos algo tão enriquecedor. A dinâmica regrinação, presidida por Dom Devair, o central. da parte da manhã foi excelente. Foi um Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo O encontro foi aberto por Dom Dedia muito proveitoso para todos, coroado vair Araújo da Fonseca, bispo auxiliar da de São Paulo, saudou os comunicadores. com a peregrinação à Catedral”, afirmou. Arquidiocese e vigário episcopal para a Ele ressaltou que a comunicação é um Aparecida Panhoca é produtora no Pastoral da Comunicação, departamento de comunicação do Santuário São Judas que falou sobre o tema da Tadeu, na Região Ipiranga, mensagem do Papa Francisco para o 50º Dia Mundial que está iniciando a implantação da Pascom paroda Comunicações Sociais – quial. “Eu trouxe hoje alguns “Comunicação e misericórdia: um encontro fecundo”. membros da Pastoral justamente para eles terem um O coordenador da Pascom na Diocese de Guaruprimeiro contato e sentirem lhos (SP) e no Regional Sul 1 que Pastoral da Comunicação não é somente realizar da CNBB, Padre Marcos Vinícius Clementino, também um trabalho técnico, mas esteve no evento e apresencomunicar algo, o amor e a tou a organização da Pastomisericórdia”, disse a comural em sua Diocese. nicadora, acrescentando que Irmã Núbia Maria da Silo mais importante que ficou va, missionária capuchinha do encontro foi entender e jornalista em Brasília (DF), que a Pastoral da Comunicação, além de comunicar, compartilhou sua experiência com grupos de comuni- Encontro promovido pela Pastoral da Comunicação da Arquidiocese dá início ao Jubileu dos Comunicadores, no sábado, 14 deve promover a comunhão.

Integrantes da Pastoral da Comunicação e das mídias da Arquidiocese de São Paulo passaram pela Porta Santa da Catedral da Sé, no sábado, 14

fato da existência da Igreja e, por isso, o Papa dá todo esse valor e importância à comunicação e à Pastoral da Comunicação. “Comunicação que ajuda a aproximar as pessoas, as culturas, os povos, as religiões, construir pontes, não levantar muros... Faço votos que os nossos comunicadores e os nossos meios de comunicação, a nossa Pascom, possam realmente estar a esse serviço”, disse Dom Odilo. Dom Devair, na homilia, afirmou que a comunicação é um fato humano que envolve todas as pessoas em todos os tempos. “A partir do momento em que nós nascemos, começamos de alguma forma a dialogar, a interagir com as coisas que estão a nossa volta, começamos a nos comunicar”, acrescentou. “Nós comunicamos a Palavra que recebemos e que precisa fazer a ponte entre as tantas realidades separadas. É tempo de fazer comum um grande lugar para


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Reportagem | 15

‘Jovens, misericordiosos como o Pai’ Na festa de Pentecostes, Jubileu da Juventude mobilizou expressões juvenis da Arquidiocese de São Paulo, no domingo, 15 Renata Moraes

jornalismorenata@gmail.com

“Celebrar o Jubileu da Juventude é se fazer presente dentro do coração do Cristo misericordioso e libertador. O Papa Francisco fez renascer esse espírito misericordioso, que ao mesmo tempo que nos inquieta também nos impulsiona à missão. E celebrar a festa de Pentecostes, onde o Espírito Santo se manifesta aos apóstolos, é manifestar em nós o Reino de Deus”. A afirmação é do jovem Matheus Maciel, 25, da equipe de coordenação da Pastoral da Juventude da Região Brasilândia, que participou da celebração de Pentecostes, na tarde do domingo, 15, na Catedral da Sé, evento que reuniu crismandos e outros jovens de diversas expressões e carismas que compõem o Setor Juventude da Arquidiocese de São Paulo.

Reunidos na Paróquia Nossa Senhora da Consolação, no centro da cidade, os jovens aguardavam a saída para a peregrinação. A alegria, expressão comum da juventude, era característica marcante entre eles. Aquele foi um dia especial para a jovem Karina Lima Rodrigues, 20, da Paróquia Santo Antônio de Pádua, da Região Belém, pois naquele domingo ela receberia o sacramento da Crisma. “Sinto-me feliz e privilegiada, pois hoje é um dia muito importante. Há tempos, eu recebi o sacramento da Eucaristia em um Sábado Santo, e hoje na festa de Pentecostes receberei o Espírito Santo pelo sacramento da Crisma. São momentos especiais que marcam a nossa caminhada de fé”. Animados pela Comunidade Anjos da Vida, da Região Santana, aproximadamente 700 jovens saíram em caminhada pelas ruas do centro de São Paulo, entoando cantos e louvores, e manifestando publicamente sua fé. Após peregrinarem até a Catedral da Sé, eles passaram pela Porta Santa e participaram da missa, conforme indica o Papa Francisco como prática para o Ano Santo extraordinário da Misericórdia.

Dom Carlos Lema Garcia, vigário episcopal para a Educação e a Universidade, que caminhou com os jovens, descreveu o momento. “Peregrinar com a juventude é mostrar que somos Igreja, mostrando que nós queremos o Espírito Santo e que queremos levar a nossa fé por onde andarmos. A peregrinação é um símbolo daquilo que temos que fazer na nossa vida diária. Cada cristão tem que também levar o Espírito Santo, ser apóstolo, ser discípulo, levar a boa-nova de Jesus”. A missa de Pentecostes foi presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano, e concelebrada pelos bispos auxiliares da Arquidiocese Dom Carlos Lema Garcia; Dom Eduardo Vieira dos Santos, Dom José Roberto Fortes Palau e Dom Julio Endi Akamine. Também participaram alguns padres do clero arquidiocesano. Dom Odilo, na homilia, indagou os jovens: “Quem é o Espírito Santo?”. E aos crismandos, comentou: “Vocês receberão, pela unção o Espírito Santo, o dom de Deus, o dom maior”. Sobre a festa de Pentecostes, o Arcebispo afirmou: “desde o início da Igreja, os apóstolos contavam com o Espírito Santo, eles contavam com

a presença, a companhia, a inspiração; lucidez e a sabedoria para assim realizar bem a missão e levar o anúncio do Evangelho e viverem bem como discípulos de Jesus”. O Cardeal Scherer também falou aos jovens sobre acolher a misericórdia de Deus em suas vidas. “Um Pai Misericordioso que sempre quer nos perdoar. É preciso ter confiança no Pai do Céu. Que é bom que seja misericordioso, que nos compreende e nos acolhe em nossas fragilidades. E o perdão é fruto justamente do Espírito Santo”. O Arcebispo exortou a juventude a praticar as obras de misericórdia, sejam elas espirituais ou corporais, estas últimas as que exercem ações caritativas em favor do outro: “estava com fome e vocês me deram de comer; estava com sede, e me deram de beber; eu era estrangeiro e me receberam em sua casa, eu estava sem roupa e me vestiram...”. Como gesto concreto do Jubileu da Misericórdia, os jovens e crismandos doaram agasalhos. Segundo a organização do evento, foram 50 quilos arrecadados, que serão encaminhados ao Vicariato Episcopal da Pastoral do Povo da Rua. Luciney Martins/O SÃO PAULO

Pelas ruas do centro, no domingo, 15, jovens peregrinam no Jubileu da Juventude, incluindo a participação na missa da festa de Pentecostes, presidida pelo Cardeal Scherer na Catedral da Sé

Setor Juventude lança a iniciativa ‘Floresta que cresce’ Ao final da celebração da festa de Pentecostes foi lançado oficialmente o projeto do Setor Juventude da Arquidiocese, junto com o Arsenal da Esperança, intitulado “Floresta que cresce”, uma iniciativa prática para o Ano Santo extraordinário da Misericórdia. “O Papa Francisco nos falou de uma realidade: ‘Faz mais barulho uma árvore que cai do que uma floresta que cresce’. Às vezes, a gente tem mais informação das más notícias, do que das boas notícias, então, esse projeto significa que os jovens podem ser uma árvore que cresce!”. Com estas palavras, Dom Carlos Lema Garcia apresentou aos jovens o

projeto. Todos receberam uma bandeirinha de papel explicando a iniciativa. No site www.florestaquecresce.org. br, os jovens poderão cadastrar qualquer obra de misericórdia que seu grupo realize até o final do Ano Santo (20 de novembro de 2016), como, por exemplo, uma visita a um asilo, uma doação de sangue, uma campanha do agasalho. Toda a ação registrada no site resultará em uma nova árvore no mapa, contribuindo para a criação de uma grande floresta. Segundo Dom Carlos, ao final do Ano Santo, todos os projetos serão contabilizados, com o número das pessoas que trabalharam e das pessoas que rece-

beram as ações, e será entregue um relatório final ao Papa Francisco, como um presente dos jovens brasileiros. “A iniciativa ‘Floresta que cresce’ é o compromisso concreto dos jovens com ações de solidariedade e misericórdia, já é uma realidade para muitos grupos e comunidades de São Paulo e do Brasil. No mapa, já estão aparecendo algumas árvores, um primeiro sinal do envolvimento e do precioso trabalho de tantas realidades diferentes, formadas por pessoas que desejam ser ‘boa notícia’ para si mesmas e para os outros, construindo uma sociedade mais justa, solidária e misericordiosa”, destacou o Padre Lorenzo Nacheli, do SERMIG – Arsenal da Espe-

rança, em entrevista ao O SÃO PAULO. Até o fechamento desta edição, o site da iniciativa recebeu nove ações registradas, com seis grupos cadastrados e com cem pessoas beneficiadas. Visitas a presídios, doação de sangue, visita a moradores em situação de rua e doação de alimentos são algumas das ações já registradas. Para cadastrar as iniciativas de misericórdia e os frutos da ação de sua realidade local, basta acessar: http:// www.florestaquecresce.org.br/. A iniciativa do Arsenal da Esperança com o Setor Juventude tem o apoio da Arquidiocese de São Paulo e conta com a parceria do Centro de Integração Empresa e Escola (CIEE) (RM)


16 | Entrevista |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Com a Palavra: Reinaldo José Lopes

‘A prática religiosa ajuda a colocar os cientistas crentes em contato mais próximo com o mistério’ Arquivo pessoal

Edcarlos Bispo edbsant@gmail.com

O jornalista Reinaldo José Lopes, um dos palestrantes do seminário “Deus e a Ciência – Um cientista pode acreditar em Deus?” (veja detalhes na página 17), realizado no dia 11, na PUC-SP, pelo Vicariato Episcopal para a Educação e a Universidade, da Arquidiocese de São Paulo, concedeu entrevista ao O SÃO PAULO. Formado em Jornalismo pela USP, Reinaldo é mestre e doutor em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela mesma Universidade, com trabalhos sobre a obra de J.R.R. Tolkien. Reinaldo é autor dos livros “Além de Darwin”, “Os 11 Maiores Mistérios do Universo” e “Deus: Como Ele Nasceu”, e escreve para o blog “Darwin e Deus”, do jornal Folha de S.Paulo. Nesta entrevista, o Jornalista fala da relação entre fé e ciência, Deus e cientistas, e apresenta a Laudato si’ como um “exemplo belíssimo” da tentativa de estabelecer um diálogo entre a ciência e a religião. “O Papa Francisco não apenas baseia seu argumento inicial totalmente em dados científicos sobre a gravidade das mudanças climáticas, como vai além e mostra com clareza as implicações éticas e teológicas das verdades que descobrimos pela ciência”. O SÃO PAULO – Qual a relação

entre Deus e os cientistas?

Reinaldo José Lopes - É uma relação que varia muito de cientista para cientista, obviamente. Pesquisas de opinião feitas nos Estados Unidos sugerem que pouco mais da metade dos cientistas não acreditam em Deus. Então, essa questão não se coloca pra eles ou se coloca de maneira negativa, ou seja, enxergam Deus como mera ilusão humana. Por outro lado, houve no passado e ainda há hoje um número significativo de cientistas que enxerga o mistério da existência, a nossa incapacidade de abarcar tudo o que existe no universo apenas com a razão e a experimentação, como algo que aponta para Deus.

Essas pesquisas também falam da relação dos cientistas brasileiros?

Mas como essa relação do cientista que crê em Deus se dá na prática? Isso não é um contrassenso?

Não me parece um contrassenso. Essa impressão é preconceituosa, na verdade. A questão é entender como Deus age no Universo. Se você é um cientista que acredita em Deus, você, pela fé, acreditará que Deus é o responsável por estabelecer as leis da natureza que deram origem à complexidade do nosso mundo. Ou seja, não é que Deus fique sem emprego, mas sim que ele atue de modo mais sutil.

Talvez não seria um caminho, para a Igreja, criar ou fortalecer academias e espaços de diálogos com os cientistas?

Sim, seria um bom caminho, e é algo que a Igreja já faz com a Pontifícia Academia de Ciências, da qual participam cientistas de todas as religiões e também cientistas que não são religiosos, mas é preciso ampliar muito mais essas iniciativas. Não, infelizmente não temos dados sobre o tema a respeito de cientistas brasileiros. Meu palpite é que os dados aqui seriam bem parecidos, mas é só um palpite.

Onde a religião se encaixa nessa relação?

No caso dos cientistas não crentes, a religião organizada às vezes é vista como algo que tem de ser mantido apenas no foro íntimo da pessoa e que não pode de maneira nenhuma influenciar ou impor barreiras à investigação científica. Mas, para os cientistas crentes, a prática religiosa ajuda a colocá-los em contato mais próximo justamente com o mistério, a beleza e a ordem que eles detectam ao investigar a natureza.

Há uma separação, ou melhor, uma revanche entre ciência e religião, Deus e os cientistas? Se sim, quais caminhos para reverter ou amenizar essa questão?

Não acho que exista uma guerra contínua ou um conflito inevitável - talvez a grande polêmica seja o papel que a religião pode ter no debate público, na legislação etc. Um bom caminho inicial pra amenizar o confronto é cada área reconhecer suas esferas e especificidades autônomas. Não é papel da religião dar respostas sobre fatos científicos, assim como não é papel da ciência provar ou “desprovar” Deus.

Como enfrentar de forma mais decidida a perspectiva conjunta ciência/religião?

Creio que os teólogos deveriam, em primeiro lugar, entender melhor o que a ciência moderna diz sobre a vida na Terra e a estrutura do Universo, por exemplo. A partir disso, acho que vale a pena tentar os “insights” e a beleza dessa visão na maneira como concebemos a relação de Deus conosco e com a criação - sem apagar a Tradição da Igreja, óbvio, mas dando a ela uma nova e bela roupagem, assim digamos.

A Laudato si’ fala da natureza, do planeta e do meio ambiente. Essa Encíclica pode ser vista como uma busca de diálogo entre a ciência e a religião?

Sim, a Laudato si’ é um exemplo belíssimo dessa possível nova visão. O Papa Francisco não apenas baseia seu argumento inicial totalmente em dados científicos sobre a gravidade das mudanças climáticas, como vai além e mostra com clareza as implicações éticas e teológicas das verdades que descobrimos pela ciência. Ele destaca, ainda, a importância da relação entre o homem e as demais formas de vida e aponta, inclusive, para uma escatologia, para uma história da salvação, que engloba todos os seres vivos, já que segundo o Gênesis, toda a C riação é boa e desejada por Deus por ela mesma, e não apenas para servir ao homem.

Quais as alternativas para os jovens viverem essa relação de ciência e religião, principalmente na fase de estudos sobre temas científicos que põem em cheque as coisas que aprenderam na Igreja, na Catequese e na Crisma, por exemplo?

Na verdade é simples. Pra começar, eu sinceramente vejo poucas chances de a crença de alguém ser desafiada durante a época escolar ou mesmo na faculdade. Basta não ser um literalista bíblico - ou seja, achar que os relatos da Bíblia são todos literalmente verdade, coisa que a Igreja já não faz há muito tempo e inclusive não fazia nos primeiros séculos cristãos. Fora isso, basta ter discernimento para separar fatos de interpretações. Que nós evoluímos a partir de um grupo de primatas africanos é um fato; agora, achar que isso “prova” que Deus não existe é uma interpretação que força os fatos a se encaixarem numa visão filosófica pré-concebida.

Como a imprensa vê essa relação entre Deus e Ciência?

Não posso falar pela imprensa inteira, obviamente. Minha percepção, feita essa ressalva, é que a grande imprensa é muito menos religiosa que a média da população - a exemplo da comunidade científica – e, portanto, tem uma tendência a adotar um modelo simplista de confronto entre ciência e religião. É algo que precisa ser melhorado com mais estudo e uma formação mais aprofundada por parte dos jornalistas.

As opiniões expressas na seção “Com a Palavra” são de responsabilidade do entrevistado e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editoriais do jornal O SÃO PAULO.


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Geral | 17

Sim, é possível ser cientista e crer em Deus Vicariato Episcopal para a Educação e a Universidade

Evento promovido pela Pastoral Universitária e o Vicariato Episcopal para a Educação e a Universidade discutiu a proximidade entre a fé e a ciência Sara Guenka

Especial para O SÃO PAULO

O Vicariato Episcopal para a Educação e a Universidade, em parceria com a Pastoral Universitária da PUC-SP, realizou no Tucarena, no dia 11, o seminário “Deus e a Ciência: um cientista pode acreditar em Deus?”. Os palestrantes foram Reinaldo José Lopes, jornalista especializado em Ciência, do jornal Folha de S.Paulo, e a bióloga e professora da Unifesp, Ana Lydia Sawaya. Dom Carlos Lema Garcia, vigário episcopal para a Educação e a Universidade, mediou a mesa de debates. Reinaldo, graduado em Jornalismo pela USP e doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela mesma Universidade, já trabalhou em revistas de divulgação científica. Ele apresentou dados atualizados sobre o perfil religioso dos cientistas das mais prestigiosas universidades e mostrou que não existe incompatibilidade em

Bióloga Ana Lydia Sawaya é uma das expositoras do seminário ‘Deus e a Ciência: um cientista pode acreditar em Deus?’, no dia 11, no Tucarena

ser cientista e ter fé em Deus. Segundo o Jornalista, o mais importante é que cada pessoa esteja atenta às descobertas científicas e tenha cuidado para não cair em fundamentalismos. Todos devem estar preparados para dar as razões da própria esperança, pois a fé, acompanhada da razão, é um testemunho singular e eficaz. Ana Lydia contou sua trajetória com cientista – graduada em Ciências Biológicas pela USP, fez doutorado em

Nutrição pela University of Cambridge, pós-doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT) e é livre docente na Unifesp. Ela participa de uma rede de pesquisa internacional junto à Agencia Atômica de Energia das Nações Unidas e na Rutgers University dos Estados Unidos. Expondo sua pesquisa na área de desnutrição, a Bióloga explicou como o positivismo influenciou a filosofia da ciência, ao considerar como verdadeiro conhecimento

humano somente aquilo que pode ser empiricamente testado. Estiveram no evento mais de 250 pessoas, a maioria estudantes universitários. A relação entre o evolucionismo e o criacionismo suscitou bastante interesse dos participantes. Muito comentou-se que o evolucionismo é uma teoria que ainda carece de evidências consideráveis para ser comprovada, no entanto, caso seja comprovada, ela não contradiz a fé e nem a necessidade de um Deus criador.

Expansão de saneamento básico em áreas irregulares é tema de debate em SP Instituto Trata Brasil

Diego Monteiro

Especial para O SÃO PAULO

Alicerçados no tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016 “Casa comum, nossa responsabilidade”, e o lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5, 24), representantes do Poder Público, de organizações civis e das igrejas membro do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) participaram da mesa-redonda “Saneamento em áreas irregulares nas grandes cidades brasileiras: Dificuldades e Oportunidades”, na segunda-feira, 16, no auditório da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo. Na ocasião, o Instituto Trata Brasil divulgou um estudo pioneiro sobre o saneamento básico nos cem maiores municípios do País. O estudo foi apresentado pelo engenheiro Alcei Galvão. Ele destacou o crescimento populacional nas áreas irregulares e lembrou que a maioria dos munícipios não possui um levantamento das áreas de ocupação irregular. O Especialista também alertou para o consumo e desperdiço de água. Segundo o estudo, 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água, 50% das cidades não possui coleta de esgoto, e 53% das escolas não têm esgoto tratado, mas

‘Saneamento em áreas irregulares nas grandes cidades brasileiras: Dificuldades e Oportunidades’ é tema de debate na FGV, na segunda-feira,16

possuem energia elétrica, inclusive, conexão com internet banda larga. Jerson Kelman, presidente da Sabesp, destacou os problemas com as áreas de ocupação irregular. Ele comentou que o Ministério Público avalia que o fornecimento de saneamento básico para essas áreas é um incentivo à ocupação ilícita do solo. Kelman explicou sobre o programa da Sabesp lançado em fevereiro, que prevê a instalação de redes de água para 120 mil imóveis construídos em áreas informais na Grande São Paulo, sendo 70 mil na Capital paulista. Tatiana Barreto Serra, coordenadora do Centro de Apoio Operacional

Execução do Ministério Público de São Paulo e diretora da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público, enfatizou que existem caminhos para se encontrar soluções para o saneamento básico, porque há áreas passíveis e não passíveis de regularização. Afirmou, também, que muitos municípios não têm um Plano Municipal de Saneamento Básico, assim como não há um plano de políticas habitacionais. Por fim, afirmou que o Ministério Público é intransigente nas suas decisões referentes às áreas de risco, de mananciais e de preservação ambiental. Representando a Arquidiocese na atividade, o Padre Manoel Quinta, coor-

denador arquidiocesano da Campanha da Fraternidade, enalteceu a realização do encontro, pois mostrou a complexidade do saneamento básico na cidade de São Paulo e no Brasil. “Foi uma oportunidade para os participantes da mesa manifestarem suas preocupações e anseios”. De acordo com o Padre, ainda que a falta de saneamento básico seja “um problema de saúde pública, e a Igreja se coloca à disposição no sentido de conscientizar a população sobre a gravidade do problema e como cada um pode dar a sua contribuição”, disse. “Lembrando que a ‘Casa comum é responsabilidade de todos’”, concluiu.


18 | Fé e Cultura |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Filipe David

osaopaulo@uol.com.br

Dica de Leitura

Criação do Ocidente – A religião e a civilização medieval “Criação do Ocidente” aborda dois dos assuntos mais imprescindíveis de nossa época: a origem da Europa e as raízes religiosas da cultura ocidental. Christopher Dawson conta a história da cristandade medieval desde as impressionantes viagens missionárias de monges irlandeses no século VI até a grande síntese de São Tomás de Aquino, no século XIII, mostrando como vastos movimentos espirituais cresceram de origens diminutas e transformaram a face da Europa medieval de um século para o outro. O legado daqueles anos de ebulição permanece conosco em forma de grandes catedrais, do canto gregoriano e das obras de Giotto e de Dante. No entanto, para o autor, mais do que isso, aqueles séculos provocaram profundas mudanças internas na alma do Ocidente – alterações que, segundo ele, nunca poderão ser totalmente desfeitas, exceto pela negação total ou pela destruição do próprio homem ocidental. FICHA TÉCNICA Autor: Christopher Dawson Páginas: 296 Editora: É Realizações

Divulgação

Para refletir

A crise da fé na Igreja “As doutrinas do racionalismo, naturalismo e antropocentrismo moldaram a forma de pensar do mundo de hoje. Desde a revolução francesa, elas conquistaram quase todos os setores da vida pública e invadiram, em etapas sucessivas, grandes áreas da vida da Igreja. No início do século XXI, observamos uma apostasia na sociedade civil, que mais parece uma revolta direta e quase apocalíptica contra o próprio Deus e contra a ordem divinamente estabelecida da lei natural. Em outros períodos de crises de fé, mesmo quando tinham um alcance quase universal, elas eram limitadas a uma verdade específica da fé (como, por exemplo, o Arianismo no século IV). Em tempos de grandes imoralidades, o pecado não era justificado teoricamente, sob o pretexto de supostas razões ‘pastorais’ ou sob o pretexto da misericórdia ou ternura de Deus, como se escuta hoje em dia. Naqueles tempos, sabia-se que o pecado era pecado e chamavam-se as coisas pelo nome. Em nossos dias, no entanto, o relativismo dogmático, moral e litúrgico atingiu proporções sem precedentes dentro da Igreja.” (Dom Athanasius Schneider, bispo auxiliar da Diocese de Santa Maria, em Astana, no Cazaquistão – o texto integral pode ser lido em iglês em http://lifesitenews.com).


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Esporte | 19

Autoridades garantem que Jogos Rio 2016 não serão afetados com a mudança presidencial Roberto Castro/Ministério do Esportes

Daniel Gomes

danielgomes.jornalista@gmail.com

As principais autoridades envolvidas com a organização dos Jogos Rio 2016 asseguraram na última semana que o afastamento de Dilma Rousseff (PT) por até 180 dias da Presidência da República e o exercício do cargo neste período pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB), com um novo ministério, não irá atrapalhar a realização da olimpíada, em agosto, e da paralimpíada, em setembro, no Rio de Janeiro. “Continuamos normalmente com o nosso trabalho e vamos trabalhar com os que estão à frente dos órgãos responsáveis de cada área”, afirmou na quinta-feira, 12, após a abertura no Senado do processo de impeachment de Dilma, Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016. No sábado, 14, Nuzman e o novo ministro do Esporte, Leonardo Picciani, participaram da inauguração da Arena Carioca 2, que receberá algumas competições dos Jogos Rio 2016. “Não haverá problemas com os Jogos. Temos um orçamento adequado, estamos prontos a cumprir as obrigações do País”, assegurou Picciani, que defendeu, ainda, uma maior interação entre o Ministério, a Prefeitura do Rio de Janeiro e o Comitê Olímpico Internacional (COI). Em coletiva de imprensa na segunda-feira, 16, o Ministro afirmou que manterá na Pasta os principais gestores técnicos para não comprometer a continuidade do cronograma dos Jogos.

Eduardo Paes, prefeito do Rio, e Picciani, novo ministro do Esporte, inauguram Arena Carioca 2

COI dialoga com o novo governo

Em comunicado à imprensa, também na quinta-feira, 12, o presidente do COI, Thomas Bach, afirmou que a entidade atuará com o novo governo pelo êxito dos Jogos Rio 2016. “Há um grande apoio para os Jogos Olímpicos no Brasil e estamos ansiosos para trabalhar com o novo governo para entregar Jogos de sucesso no Rio”, afirmou Bach. “As preparações para os Jogos Olímpicos entraram em uma fase operacional e questões como essas possuem menos influência do que em outros estágios”, escreveu o Presidente do COI, dizendo, ainda, que o megaevento esportivo trará a “oportunidade de união do povo brasileiro, independentemente do cenário ou do ponto de vista político”. A mudança no Poder Executivo do Brasil também pode ser benéfica para as

finanças do COI. Segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, publicada na sexta-feira, 13, o Comitê vai negociar com o governo Temer alguns custos que a gestão de Dilma Rousseff não definiu, entre os quais o investimento de R$ 80 milhões em materiais esportivos para os Jogos Rio 2016, e os gastos estimados em R$ 60 milhões com gasolina para os 4 mil carros oficiais que serão usados no megaevento esportivo. Em troca, a Petrobras se tornaria uma das patrocinadoras da atividade. Temer e Bach já se falaram por telefone, ratificando a realização dos Jogos.

E após a olimpíada?

Também na avaliação de Adalberto Leister Filho, diretor de conteúdo do site Máquina do Esporte e professor de pósgraduação em Jornalismo Esportivo, a troca de comando do País não deve al-

terar a organização dos Jogos Rio 2016. “A olimpíada já está toda montada, meio que andará por conta própria”, opinou ao O SÃO PAULO. No entanto, Adalberto vê como incerta a sequência do desenvolvimento dos esportes no País após a realização do megaevento esportivo. “O Temer tem dado a entender que vai reduzir o número de ministérios, cortar gastos, e como o esporte sempre foi o ‘patinho feio’ na questão da gestão pública, o mais provável é que até a Olimpíada não haverá mudanças no Ministério do Esporte, mas depois dos Jogos, acredito que o Presidente vai tirar o status de ministério para o Esporte, o que seria um grande retrocesso”, afirmou. A Pasta foi criada em 2003, quando houve o desmembramento do Ministério do Esporte e Turismo. O novo Ministro do Esporte ainda não se manifestou a respeito dos rumos do Ministério após os Jogos Rio 2016. Apenas ao assumir a Pasta, desejou que esta possa “contribuir para que a prática do esporte traga mais sucesso para o crescimento do cidadão brasileiro”.

AGENDA ESPORTIVA Domingo (22) Brasileirão de Futebol – Série A 16h – São Paulo x Internacional (Morumbi) Segunda-feira (23) Brasileirão de Futebol – Série C 15h – Portuguesa x Macaé (Canindé)


20 | Geral/Regiões Episcopais |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

O ser humano precisa de justiça e misericórdia, diz o Cardeal Hummes Renata Moraes

jornalismorenata@gmail.com

Na festa de Pentecostes, na manhã do domingo, 15, aconteceu na Catedral da Sé a 64ª Páscoa da Família Forense. A missa foi presidida pelo Cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo. A celebração, realizada anualmente desde 1952, contou com a presença de desembargadores, juízes, advogados e funcionários do judiciário paulista, e seus familiares, além de outras autoridades civis e militares. “Vocês estão dando um testemunho público muito importante à sociedade e à Igreja de São Paulo com esse gesto de reunir toda a família forense. É muito gratificante ver esse exemplo, sobretudo nestes tempos difíceis que o País vive de combate à corrupção, em que nós, cidadãos, recorremos à Justiça para termos nossos direitos defendidos e reconhecidos”, expressou Dom Cláudio. O Cardeal recordou que o Papa Francisco pede que a Igreja seja misericordiosa. “Mas também é o compromisso de vocês agirem com misericórdia. A jus-

tiça se complementa na misericórdia, se dignifica e se consola nela. A justiça sozinha não é suficiente para o ser humano, ele precisa de misericórdia”, encerrou. Segundo o Desembargador Ademir de Carvalho Benedito, vice-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, em cada processo examinado no Tribunal está a vida de uma pessoa, por isso para os magistrados ter uma vivência espiritual é fundamental. “Além de interpretar as leis, é preciso que o juiz seja também misericordioso, o que não significa impunidade”, disse ao O SÃO PAULO. Padre Luiz Eduardo Baronto, cura da Catedral, agradeceu a presença dos juristas. “É sempre bom garantir o direito da família forense de manifestar sua fé. Mesmo que se diga o ‘Estado é laico’, mas o Estado não é ateu, e por isso aqui estão os funcionários do TJ-SP junto com suas famílias, expressando publicamente sua fé. Que esse gesto continue sendo perene na vida de todos”, afirmou, lembrando, ainda, que o Cardeal Scherer, arcebispo metropolitano, enviou votos de feliz Páscoa a todos da família forense. Para o Desembargador José Antônio

Integrantes do judiciário paulista cumprimentam Cardeal Hummes após missa na Catedral da Sé

de Paula Santos Neto, presidente da Comissão da Páscoa da Família Forense, é importante manter a tradição: “É uma verdadeira comunhão que só é possível na Santa Missa. A Páscoa Forense faz parte da nossa história. E celebrada na festa de Pentecostes, representa a inspiração que vem do alto, que é a inspiração que todos nós do Magistrado devemos

buscar todos os dias, para cumprir o que a sociedade espera de nós. Que possamos difundir bem esse ministério em exercer a justiça”, afirmou. Ao término da celebração, todos se dirigiram até a sede do Palácio da Justiça, também na região central, para cortar o bolo simbolizando a tradição e confraternização da Páscoa da Família Forense.

REDAÇÃO

osaopaulo@uol.com.br

47ª Festa de Santa Rita de Cássia segue até o dia 22 A Paróquia Santa Rita de Cássia, no Setor Pastoral Paraíso, realiza até o domingo, 22, a festa da padroeira (veja detalhes abaixo). Acontecerá o tríduo, entre os dias 19 e 21. Em todas as celebrações do dia 22, haverá a bênção das rosas e a veneração da relíquia da Santa. A missa solene das 20h do domingo será presidida por Dom Eduardo Vieira dos

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Divulgação

CONVITE 1º ANIVERSÁRIO DA BEATIFICAÇÃO DE

Santos, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Sé, e terá a apresentação do Coral da Paróquia, dirigido pelo Maestro Toni Oliveira. O endereço da Paróquia é rua Dona Inácia Uchôa, 106, na Vila Mariana. Outras informações pelo telefone (11) 55739205.

DOM OSCAR ROMERO, MÁRTIR, Arcebispo de San Salvador

(Com informações de Cláudio Amaral e Sueli Amaral)

Divulgação

Dia 23 de maio

Missas: 9h igreja Nossa Senhora do Brasil (Jardins) 12h Catedral da Sé - presidida pelo Cardeal Odilo P. Scherer 19h igreja Nossa Senhora da Paz (Glicério)

Beato Oscar Romero, mártir, rogai por nós!


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Regiões Episcopais | 21

Lapa Cristãos unidos são ‘chamados a proclamar os altos feitos do Senhor’ Benigno Naveira

Colaborador de comunicação da Região

O Movimento de Fraternidade de Igrejas Cristãs (Mofic) celebrou a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, entre os dias 8 e 15, refletindo sobre o tema “Chamados e chamadas a proclamar os altos feitos do Senhor” (1 Pd 2,9). O Mofic visa concretizar e buscar caminhos visíveis de unidade entre as Igrejas Católica Apostólica Romana, Ortodoxa Antioquina, Ortodoxa Grega, Evangélica de Confissão Luterana, Presbiteriana Unida, Episcopal Anglicana e Apostólica Armênia. No dia 9, foi realizado um culto ecumênico na Paróquia São João Bosco, no Setor Pastoral Leopoldina, com a participação de aproximadamente 400 pessoas. Celebraram o culto Dom Julio Endi Akamine, bispo auxiliar na Arquidiocese na Região Lapa; Padre Ailton Antônio dos Santos, pároco e coordenador regional da Pastoral Ecumênica; Cônego José Bizon, diretor da Casa de Reconciliação; Frei José Moacyr Cadenassi; os Arciprestes Yeznig Guzelian e Boghos Baronian, da Igreja Apostólica Armênia; Padre Gregório Teodoro, da Igreja Ortodoxa Antioquina; o Pastor Sinodal Geraldo Graf, da Igreja Evangélica de

Banigno Naveira

Líderes das igrejas integrantes do Movimento de Fraternidade de Igrejas Cristãs (Mofic) durante culto ecumênico na Paróquia São João Bosco

Confissão Luterana; e o Reverendo Ivan Vieira, da Igreja Episcopal Anglicana. Dom Julio enalteceu a realização do culto ecumênico como sinal da união do povo de Deus. Após a proclamação do Evangelho, feita pelo diácono José Donizete, Padre Gregório Teodoro ressaltou que o objetivo do Mofic é de admirar a Banigno Naveira

Acolhido pela comunidade paroquial na noite do domingo, 15, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, visitou pela primeira vez a Paróquia São Mateus, no Setor Pastoral Rio Pequeno, onde presidiu missa na festa de Pentecostes, concelebrada pelo Padre José Oliveira dos Santos, pároco.

riqueza de quem, na expressão de religiosidade de cada religião, dá o testemunho ao mundo de fé, justiça, liberdade, bondade e amor. O Padre destacou, ainda, que a presença de fé é chamada a ser um sinal de unidade e comunhão. Após o término da celebração, Padre Ailton comentou sobre esse encontro

ecumênico realizado anualmente. “Buscamos, de uma forma bem amorosa, essa união naquilo que nos aproxima, naquilo que podemos explorar mais, ampliar mais e servir mais, que é a pregação do Evangelho, que nos reúne numa situação como esta, para que o ecumenismo cresça no mundo inteiro”, concluiu. Banigno Naveira

Padre Francisco Inácio, salesiano, realizou no sábado, 14, uma palestra sobre o tema da “Liturgia e Ministérios”, na Paróquia São Patrício, no Setor Pastoral Rio Pequeno. Tony Danomai

Angela Santos

No sábado, 14, foi realizada a Vigília de Pentecostes do Setor Pastoral Rio Pequeno, na Paróquia São Mateus, presidida por Dom Julio Endi Akamine, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Lapa.

Em atenção ao Jubileu extraordinário da Misericórdia, Dom Julio tem realizado semanas catequéticas nos setores da Região Lapa, com o tema “As obras de misericórdia”. A atividade para o Setor Pirituba aconteceu entre os dias 10 e 13, na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora; para os setores Lapa e Leopoldina será nos dias 31 de maio e de 1º a 3 de junho, na Paróquia Nossa Senhora de Fátima; e nos setores Butantã e Rio Pequeno, a formação acontecerá dos dias 21 a 24 de junho, na Paróquia São Patrício.


22 | Regiões Episcopais |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Santana Dom Odilo dedica altar da Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres Diácono Francisco Gonçalves

Colaborador de comunicação da Região

Diácono Francisco Gonçalves

Dom Odilo durante rito de dedicação do altar da Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres

Com missa solene presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, no sábado, 14, foi feita a dedicação do altar da matriz da Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres, no Setor Pastoral Tucuruvi. Concelebraram a missa os padres Humberto de Carvalho, pároco, Nadir Granzotto, vigário, e Roberto Lacerda, este último responsável pelo cerimonial da missa. Dom Odilo, na homilia, expressou sua alegria de na Vigília de Pentecostes poder dedicar o altar e abençoar a cátedra, pois o padre preside a celebração em nome de Cristo; bem como abençoar o ambão, de onde se proclama a

Palavra de Deus para que o Espírito Santo penetre em cada alma, e na pia batismal, onde o cristão renasce. O Cardeal sinalizou que o altar é centro da vida da comunidade, mas, principalmente, lembra Jesus Cristo, que se doou a todos, e em memória Dele é dever do cristão seguir o que Ele fez. Depois de o Cardeal ungir com o óleo do Crisma o altar e sobre este queimar o incenso, simbolizando o sacrifício de Cristo, a comunidade revestiu o altar com as alfaias, para depois ser iluminado com velas, celebrando o mistério da fé.

Dom Sergio faz visita pastoral à Paróquia Nossa Senhora das Neves Entre os dias 13 e 16, Dom Sergio de Deus Borges, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Santana, realizou sua primeira visita pastoral à Paróquia Nossa Senhora das Neves, no Setor Tucuruvi,

sendo acolhido pelo Padre Claudinei de Arruda Lucio, pároco, e pelo diácono permanente José Nilton Alfredo Oliveira. A visita pastoral é aquela que o bisDiácono Francisco Gonçalves

po realiza oficialmente às paróquias e comunidades da região episcopal onde está, para conhecer a localidade e darse a conhecer àqueles que pastoreia, e orientar a atividade pastoral de uma determinada paróquia, além de, principalmente, rezar com seu povo.

Durante a visita à Paróquia Nossa Senhora das Neves, Dom Sergio participou de reuniões com o conselho paroquial de pastoral (CPP) e com as pastorais, visitou doentes e famílias e presidiu celebrações eucarísticas na matriz e na Capela das Almas. Maria Augusta

Dom Sergio de Deus Borges e Padre Claudinei durante missa diante da Capela das Almas

O Encontro de Casais com Cristo (ECC) promoveu, no sábado, 14, na Cúria de Santana, uma formação para casais dirigentes do ECC da Região Santana.

Julio César Mazza

Diácono Francisco Gonçalves

A Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Setor Pastoral Tremembé, realizou tríduo e festa em honra à padroeira, na sexta-feira 13. Dom Sergio de Deus Borges presidiu uma das missas concelebrada pelo Padre Eduardo Higashi, pároco. Diversos sacerdotes presidiram missas durante as festividades, entre os quais João Henrique do Prado, José Roberto Pereira, Pedro Augusto, João Paulo Tabarelli, Celso Neto, Michel dos Santos, além dos bispos Dom Sergio Borges e Dom Eduardo Vieira dos Santos, este último bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Sé.

A Congregação dos Humildes Servos da Rainha do Amor, que mantém em sua sede no Jardim Peri, na zona Norte da Capital paulista, a Escola Maria Rainha do Amor, com Educação Infantil, Fundamental I, Fundamental II, totalmente gratuita para crianças de favelas e sem ajuda pública, comemorou 22 anos de fundação, com missa presidida por Dom Sergio de Deus Borges, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Santana, e concelebrada pelo Padre Joaquim Gonçalves, pároco na Paróquia São Marcos Evangelista, em cujo território se encontra a Congregação.


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

Peterson Prates

Colaborador de comunicação da Região

| Regiões Episcopais | 23

Belém

99 anos de bênçãos com Nossa Senhora de Fátima “É feliz todos os ventres que dizem sim à graça de gerar vida nova”, disse o Frei José Longarez, na homilia da segunda das quatro missas realizadas na sexta-feira, 13, na festa da padroeira da Paróquia Nossa Senhora de Fátima e São Roque, no Setor Pastoral Sapopemba. A festa da padroeira teve por tema “Salve, Rainha, Mãe da Misericórdia” e foi precedida da novena de Nossa Senhora de Fátima. “Que este 13 de maio nos ajude especialmente na graça da unidade”, disse o Frei, recordando que este ano a festa de Nossa Senhora de Fátima foi celebrada dentro da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Na missa solene das 15h, presidida pelo pároco, Frei José Edison Biazio, e

concelebrada pelos vigários paroquiais, a comunidade realizou procissão pelas ruas do bairro, celebrando os 99 anos da primeira aparição da Virgem Maria em Fátima, em Portugal, em 1917. A comunidade já se prepara para a festa do centenário da aparição da Virgem. Três imagens peregrinas farão visitas às casas dos paroquianos até maio do ano que vem. Durante este mês, uma das imagens irá peregrinar nas três outras comunidades que formam a Paróquia, voltando à matriz paroquial no dia 31, quando haverá a coroação da Nossa Senhora de Fátima, em missa às 19h30. As quermesses da Paróquia continuam durante este mês, aos sábados e domingos, a partir das 18h.

Peterson Prates

Paroquianos e Frei José Longarez conduzem procissão com a imagem de Nossa Senhora de Fátima

Unidade do clero é assunto em destaque na reunião dos presbíteros Peterson Prates

Cardeal Odilo Pedro Scherer participa da reunião do clero atuante na Região Belém, dia 11

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, participou, no dia 11, da reunião do clero atuante na Região Belém, realizada no Centro Pastoral São José, com 90 padres e diáconos. “Coragem. Vamos em frente, tem muita coisa”, disse o Arcebispo, saudando

a todos. “Nós temos que nos ocuparmos conosco mesmo também, para melhor poder nos ocuparmos com o serviço aos irmãos. Temos que estar bem, sem dúvida, para conseguirmos ajudar os outros”, afirmou Dom Odilo, fazendo referência à formação continuada do clero, assessorada pelo Padre Edênio Valle.

Dom Odilo orientou os padres e diáconos a estudarem a Exortação Apostólica Pós-sinodal Amoris laetitia e o motu proprio Mitis et Misericors Iesus, sobre a nulidade matrimonial, e convidou para a participação no curso de formação do clero, em agosto. Durante a formação dos presbíteros, conduzida pelo Padre Edênio e pelo Cônego Celso Pedro, este tratou do capítulo segundo dos Atos dos Apóstolos, enquanto aquele focou-se nos estudos sobre o clero que fez ao longo dos seus 55 anos de ministério sacerdotal, e meio século como psicólogo. Padre Edênio falou, também, sobre a importância dos laços e vínculos entre os padres, e a criação de unidade entre o clero. Ainda na reunião, conduzida pelo Cônego José Miguel, vigário geral da Região Belém, e pelo Padre Marcelo Maróstica, coordenador regional de pastoral, os padres Gilberto Orácio e Luiz Fernando de Oliveira partilharam a ex-

periência do 16º Encontro Nacional de Presbíteros, que aconteceu em abril, em Aparecida (SP). Padre Marcelo lembrou a todos da missa de acolhida de Dom Luiz Carlos Dias como vigário episcopal da Região Belém, que será realizada no sábado, 28, às 15h, na Paróquia-santuário Nossa Senhora do Sagrado Coração (avenida Renata, 1, Vila Formosa), e também fez menção à peregrinação da imagem da Nossa Senhora Aparecida pelas paróquias da Região. Também na reunião, foram saudados os sacerdotes aniversariantes e os padres Marcio Krefer, OSBM, e Josafat Vozivoda, OSBM, que assumiram a Paróquia Nossa Senhora da Glória, onde há duas comunidades rituais para os latinos e os ucranianos. Ainda foi dado o informe sobre o curso de formação litúrgica que acontecerá em julho, com a Irmã Miriam Kolling, compositora de músicas litúrgicas.

Arquivo pessoal

Peterson Prates

“Renovai Senhor a nossa alegria” foi o tema do 1º retiro da Iniciação à Vida Cristã do Setor Pastoral Tatuapé, pregado pelo padre Rodrigo Thomaz, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição. Com orações, meditação e Lectio Divina, os catequistas participaram do retiro no sábado, 14, encerrado com celebração eucarística na Capela do Lar Santa Maria, em Cotia (SP).

Na sexta feira, 13, familiares, amigos e integrantes das pastorais sociais da Arquidiocese participaram da missa de 7º Dia de Waldemar Rossi, fundador da Pastoral Operária e patrono da Escola de Fé e Política da Região Belém, falecido no dia 4, aos 82 anos. A celebração na Paróquia São Benedito das Vitórias, na Vila Formosa, foi presidida pelo Padre José Antonio Cruz, pároco.


24 | Regiões Episcopais |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Brasilândia Em missa com Dom Devair, Capela Santa Luzia é reinaugurada

Flavio Rogério Lopes

Colaborador de comunicação da Região

Fechada por aproximadamente um ano, a Capela Santa Luzia, pertencente à Paróquia Bom Jesus dos Passos, no Setor Pastoral Freguesia do Ó, foi reinaugurada na noite da sexta-feira, 13, com uma missa presidida por Dom Devair Araújo da Fonseca, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia. Dom Devair destacou a importância da reinauguração do templo e comentou sobre o fato de isso acontecer na data em que a Igreja celebrava o dia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima. O Bispo recordou aos fiéis a responsabilidade em manter a comunidade aberta: “Maria nos abre uma porta e não podemos fechá-la. Não podemos ser os últimos a sair e apagar a luz. Temos que manter a porta aberta.” Dom Devair, na homilia, destacou a centralidade que amor de Deus deve ter na vida de cada pessoa. “Em primeiro lugar, sempre, está o amor

Ricardo Souza

Dom Devair Araújo da Fonseca, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia, preside missa de abertura da Capela Santa Luzia, dia 13

a Deus e está a escuta da Palavra de Deus, que nos faz amá-lo profundamente. A partir desse amor, somos capazes de transbordar o amor, transbordar a misericórdia, para amar o outro

que é diferente e tem os seus pecados.” A Capela Santa Luzia está localizada na rua Oscar Dias Paião, 219, no bairro Moinho Velho. As missas ocorrerão todas as quartas às 19h30 e todo dia 13 de

cada mês, no mesmo horário. A Comunidade de Aliança Cristo Libertador, que pertence à Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, também ficará responsável pela Capela.

‘Misericórdia Night’ mobiliza juventude na Freguesia do Ó A festa “Misericórdia Night: baile do vermelho e azul” fez com mais de 200 pessoas, a maioria jovens, fossem ao salão de eventos da Paróquia Santa Cruz de Itaberaba, no Setor Pastoral Freguesia do Ó, na noite do sábado, 14. O tema da festa fez menção aos

raios que saem do Coração de Jesus, no quadro do Jesus Misericordioso, descrito por Santa Faustina (1905-1938). O propósito da atividade foi arrecadar recursos para a realização do 10º Encontro de Jovens com Cristo (EJC), que ocorrerá nos dias 2 e 3 de julho,

com o tema “Jesus, eu confio em Vós”. Juliana Silva, uma das coordenadoras do evento, destacou o desafio de realizar um baile com o tema cristão e a alegria ao ver o resultado final. “O Senhor desperta os corações, para vivermos na graça Dele. Foi muito gratifi-

cante ver a alegria do Senhor radiando nas pessoas”. O evento contou com a presença dos ministérios de música e dança da Paróquia e teve como principal atração a banda católica “Jeitinho de Deus”, que utiliza o samba como forma de evangelização.

Julia Beatriz Ricardo Souza

Jovens participam da festa ‘Misericórdia Night’ na Paróquia Santa Cruz de Itaberaba, dia 14

Dom Devair Araújo da Fonseca, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia, presidiu, no dia 10, missa na Comunidade Nossa Senhora de Fátima, da Área Pastoral Nossa Senhora e Sant’Ana, no Jardim Damasceno, no Setor São José Operário, por ocasião de festa da padroeira, celebrada na sexta-feira, 13.

Orlando Francisco Moraes

Lindolfo Figueiredo

A Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, na Vila Bonilha, no Setor Pastoral Pereira Barreto, realizou entre os dias 3 e 13 a novena em louvor à padroeira, que este ano teve como tema “Com Nossa Senhora de Fátima, celebramos a fé neste Ano da Misericórdia”. Além de missas, houve a procissão com a imagem de Nossa Senhora de Fátima pelas ruas do bairro.

No domingo, 15, aconteceu o encerramento da 195ª Festa do Divino Espírito Santo da Paróquia Nossa Senhora da Expectação, no Setor Pastoral Freguesia do Ó. Houve missa e procissão luminosa pelas ruas do bairro.


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

| Balanço | 25

CARITAS DIOCESANA DE CAMPO LIMPO

Rua Serra da Esperança, 190 - Campo Limpo, São Paulo - SP - CNPJ: 64.033.061/0001-38 Título de Utilidade Pública Federal, conforme Decreto n.º 27.504/97-85, Título de Utilidade Pública Estadual, conforme Decreto n.º 42.195/97, Título de Utilidade Pública Municipal, conforme Decreto n.º 35.791/95 Associação sem fins lucrativos e econômicos, de caráter beneficente de assistência social, com atividade preponderante na área de Educação e assistência social, conforme o artigo I e II do Estatuto Social Registrado no Conselho Municipal de Educação e/ou Saúde e/ou Assistência Social, Registrado no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, Registrado no Conselho Municipal do Idoso Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS), renovado pela Portaria do MEC/MDS/MS No. 44006005474/97-13, publicado no dia 04/02/2009, página 73, no Diário Oficial da União, com validade até 31/12/2012 DEMONSTRATIVO DO FLUXO DE CAIXA – MÉTODO INDIRETO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezados Senhores membros do conselho administrativo, Submetemos a apreciação de V.Sas. o Balanço Geral e as Demonstrações Financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2014 com os Pareceres do Conselho Fiscal e do Auditor Independente, demonstrando os fatos relevantes do período. A Diretoria permanece à sua disposição para quaisquer informações que julgarem necessárias. São Paulo, 31 de dezembro de 2014 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO N.E. 2014 2013 CIRCULANTE 28.594.137,93 23.389.607,01 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 4a 5.543.986,65 5.461.600,17 Caixa 70.125,46 52.597,62 Bancos Conta Movimento 838.860,46 970.427,00 Bancos Conta Aplicações C/Prazo 4b 4.635.000,73 4.438.575,55 CLIENTES E OUTROS RECEBÍVEIS 4c 23.050.151,28 17.928.006,84 Convênios a receber ano seguinte 23 22.935.818,88 17.836.679,96 Empréstimos a receber 114.332,40 91.326,88 OUTROS ATIVOS CIRCULANTES - Verbas contingencias apropriadas NÃO - CIRCULANTE 19.251.434,01 13.155.614,02 REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 18.469.144,23 12.432.293,73 Convênios a receber longo prazo 23 18.469.144,23 12.432.293,73 IMOBILIZADO 5 767.266,16 708.296,67 Máquinas e equipamentos 291.511,51 291.511,51 Imóveis 100.000,00 100.000,00 Computadores e Periféricos 243.532,18 228.850,28 Móveis e Utensílios 562.157,72 538.871,23 Veículos 108.700,00 108.700,00 (-) Depreciação Acumulada (538.635,25) (559.636,35) INTANGÍVEL 15.023,62 15.023,62 Softwares 15.023,62 15.023,62 TOTAL DO ATIVO 47.845.571,94 36.545.221,03

PASSIVO N.E. 2014 2013 CIRCULANTE 6 25.907.430,22 21.866.184,66 Obrigações Trabalhistas 2.244.193,79 3.247.633,12 Obrigações Fiscais e Sociais a Rec 491.960,25 109.773,72 Obrigações Tributárias a Recolher 31.955,68 172.096,34 Fornecedores 22.019,00 13.189,68 Provisões contingenciais 11 89.392,70 76.568,77 Subvenções a realizar ano seguinte 23 22.935.818,88 17.836.679,96 Empréstimos Bancários 92.089,92 410.243,07 Contas a pagar - NÃO CIRCULANTE Subvenções a realizar longo prazo 23

18.469.144,23 18.469.144,23

12.432.293,73 12.432.293,73

PATRIMÔNIO LÍQUIDO 7 Patrimônio Social Déficit Acumulado Déficit do Exercício 12

3.468.997,49 6.211.632,22 (1.280.738,80) (1.461.895,93)

2.246.742,64 4.834.260,41 (1.890.807,52) (696.710,25)

TOTAL DO PASSIVO

47.845.571,94

36.545.221,03

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO (EM REAIS) RECEITA BRUTA SERVIÇOS (Atividades Fins - Conforme arts. 2º do Estatuto Social) N.E. 1 - Receita Bruta Prestação Serviço Educacional: (atividade preponderante, cfe art. 2º do Estatuto Social) (+) Subvenções e/ou Convênios Públicos p/Custeio (NBC T 19.4) 10 (+) Doações Pessoas Físicas e/ou Jurídicas p/Custeio (NBC T 10.19) 14 (+) Receita de contribuição social usufruida (+) Rendimento s/ Aplicações Financeiras (+) Outros Serviços Educacionais (taxas, serviço de secretaria e outros) (+) Outras receitas 1.1 (-) Deduções: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) (-) Cancelamentos (-) Devoluções (-) Descontos Incondicionais 1.2 Receita Líquida de Prestação Serviço Educacional 1.3 (-) Custos Serviços Prestados: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) 1.4 (=) Superávit/Déficit Bruto Serviço Educacional (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 1.5 (-) Despesas Operacionais Área Educacional: 1.5.1 (-) Despesas Administrativa e Operacional: (-) Gastos c/ Pessoal e Encargos (-) Serviços de Terceiros (-) Manutenção (-) Provisões Trabalhistas (-) Depreciação/Amortização (-) Gerais (-) Despesas Financeiras (-) Despesa com contr. Sociais Usufruídas 18 1.6 (=) Superávit Operacional Educacional (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 2 - (+) Receita Bruta Prestação Área Social: (atividade fim, conforme arts. xxx do Estatuto Social e LOAS) (+) Subvenções e/ou Convênios Públicos p/Custeio (NBC T 19.4) 10 (+) Doações Pessoas Físicas e/ou Jurídicas p/Custeio (NBC T 10.19) 14 (+) Rendimento s/ Aplicações Financeiras (+) Receita de contribuição social usufruida 18 (+) Outras Receitas 2.1 (-) Deduções: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) (-) Cancelamentos (-) Devoluções 2.2 Receita Líquida de Prestação Área Social 2.3 (-) Custos Serviços Prestados: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) 2.4 (=) Superávit/Déficit Bruto Área Social (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 2.5 (-) Despesas Operacionais Área Social: 2.5.1 (-) Despesas Administrativa e Operacional: (-) Gastos c/ Pessoal e Encargos (-) Serviços de Terceiros (-) Provisões Trabalhistas (-) Depreciação (-) Gerais (-) Despesas Financeiras (-) Outras Despesas (-) Despesa com contr. Sociais Usufruídas 2.5.1 (-) Custos com Assistência Social (PNAS e LOAS): 20 (-) Projeto Social - Serviço Proteção Básica (Resolução CNAS No. 109/09) (-) Projeto Social - Serviço Proteção Especial Média Complexidade (Resolução CNAS No. 109/09) (-) Projeto Social - Serviço Proteção Especial Alta Complexidade (Resolução CNAS No. 109/09) 2.6 (=) Déficit Operacional Área Social (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 3 - (=) Déficit/Superávit do Exercício (toda Entidade)

2014 29.274.544,38 22.861.787,51 994.448,33 4.058.376,80 159.663,02 523.273,87 676.994,85 - - - - 29.274.544,38 - 29.274.544,38 25.868.157,29 25.868.157,29 13.713.735,88 1.893.687,26 - - - 6.620.105,88 50.217,35 3.590.410,92 3.406.387,09 12.297.550,25 9.223.455,79 610.883,31 106.538,66 1.252.927,15 1.103.745,34 - - - 12.297.550,25 - 12.297.550,25 17.165.833,27 9.291.805,40 7.225.393,76 292.053,80 80.392,11 136.056,82 1.411.672,87 20.216,35

2013 25.396.480,59 19.853.383,17 808.688,18 3.157.486,03 135.214,54 347.207,67 1.094.501,00 25.396.480,59 25.396.480,59 22.822.954,18 22.822.954,18 11.489.960,54 1.373.734,46 18.846,87 6.741.883,12 41.043,16 3.157.486,03 2.573.526,41 13.243.026,86 9.542.307,05 773.819,08 184.830,65 1.240.908,46 1.501.161,62 13.243.026,86 13.243.026,86 16.513.263,52 8.381.214,31 6.492.328,00 294.958,58 46.979,90 180.438,33 744.889,10 15.335,72

126.019,69 7.874.027,87 6.883.665,30 661.414,63 328.947,94 (4.868.283,02) (1.461.895,93)

606.284,68 8.132.049,21 7.020.828,06 605.926,94 505.294,21 (3.270.236,66) (696.710,25)

Demonstração de Mutações do Patrimônio Líquido HISTÓRICO PATRIMONIO SOCIAL SUPERÁVIT/ SUPERÁVIT/ (DÉFICIT) ACUMULADO (DÉFICIT) DO EXERCÍCIO SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 1.193.292,13 0,00 435.008,67 INCORPORAÇÃO AO PATRIMÔNIO SOCIAL 435.008,67 -435.008,67 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR -221.466,37 SUPERÁVIT DO EXERCÍCIO 1.543.747,63 SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 1.406.834,43 0,00 1.543.747,63 - por subscrição/dimin. realizada 168.569,29 225.722,70 INCORPORAÇÃO AO PATRIMÔNIO SOCIAL 1.769.470,33 -1.769.470,33 DÉFICIT DO EXERCÍCIO -425.197,82 SALDO FINAL EM 31/12/2011 1.575.403,72 1.769.470,33 -425.197,82 INCORPORAÇÃO AO PATRIMÔNIO SOCIAL 1.344.272,51 -1.769.470,33 425.197,82 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR 2.286.269,55 31.970,86 SUPERÁVIT DO EXERCÍCIO 114.539,02 SALDO FINAL EM 31/12/2012 5.205.945,78 31.970,86 114.539,02 INCORPORAÇÃO AO PATRIMÔNIO SOCIAL 146.509,88 -31.970,86 -114.539,02 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR -1.890.807,52 - por subscrição/dimin. realizada -518.195,25 DÉFICIT DO EXERCÍCIO -696.710,25 SALDO FINAL EM 31/12/2013 4.834.260,41 -1.890.807,52 -696.710,25 INCORPORAÇÃO AO PATRIMÔNIO SOCIAL -2.587.517,77 1.890.807,52 696.710,25 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR -1.280.738,80 - por subscrição/dimin. realizada 3.964.889,58 DÉFICIT DO EXERCÍCIO -1.461.895,93 SALDO FINAL EM 31/12/2013 6.211.632,22 -1.280.738,80 -1.461.895,93

TOTAL 1.628.300,80 0,00 -221.466,37 1.543.747,63 2.950.582,06 394.291,99 0,00 -425.197,82 2.919.676,23 0,00 2.318.240,41 114.539,02 5.352.455,66 0,00 -1.890.807,52 -518.195,25 -696.710,25 2.246.742,64 0,00 -1.280.738,80 3.964.889,58 -1.461.895,93 3.468.997,49

Demonstração das origens e aplicações de recursos Dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 - Em Reais 2014 2013 Nas operações sociais Déficit do exercício (1.461.895,93) (696.710,25) Depreciação e Amortização 136.056,82 180.438,33 Aumento do Patrimônio Social 3.964.889,58 (518.195,25) Ajuste de Exercício Anterior (1.280.738,80) (1.890.807,52) DÉFICIT AJUSTADO 1.358.311,67 (2.925.274,69) ORIGENS DE RECURSOS Baixas do Imobilizado - 100.000,00 Aumento do Passivo Não Circulante 6.056.850,50 122.209,13 TOTAL DAS ORIGENS 6.056.850,50 222.209,13 APLICAÇÕES DE RECURSOS Aquisições do Imobilizado 195.026,31 193.153,18 Aumento do Realizavel a Prazo 6.056.850,50 122.209,13 TOTAL DAS APLICAÇÕES DE RECURSOS 6.251.876,81 315.362,31

AUMENTO (DIMINUIÇÃO) DO CAPITAL CIRCULANTE VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE Ativo circulante No final do exercício No início do exercício Passivo circulante No final do exercício No início do exercício AUMENTO (DIMINUIÇÃO) DO CAPITAL CIRCULANTE

1.163.285,36

(3.018.427,87)

28.594.137,93 23.389.607,01 5.204.530,92

23.389.607,01 26.391.955,65 (3.002.348,64)

25.907.430,22 21.866.184,66 4.041.245,56

21.866.184,66 21.850.105,43 16.079,23

1.163.285,36

(3.018.427,87)

Exercícios findos em 31 de Dezembro de 2014 e 2013 (em reais) 1- ATIVIDADES OPERACIONAIS 2014 Déficit do Exercício (1.461.895,93) (+) Depreciação e Amortização 136.056,82 (+) Ajustes de exercícios anteriores 3.964.889,58 (+) Ajuste déficit acumulado (1.280.738,80) Déficit do Exercício Ajustado 1.358.311,67 Acréscimo / Decréscimo do AC + ANC Empréstimos a receber (23.005,52) Convênios a receber ano seguinte (5.099.138,92) Verbas contingenciais apropriadas - Convênios a receber a longo prazo (6.036.850,50) Total de Acréscimos/Decréscimos do AC + ANC (11.158.994,94) Acréscimo / Decréscimo do PC + PNC Obrigações trabalhistas (1.003.439,33) Obrigações Fiscais e Sociais a Recolher 382.186,53 Obrigações Tributárias a Recolher (140.140,66) Fornecedores 8.829,32 Provisões contingenciais 12.823,93 Subvenções a realizar ano seguinte 5.099.138,92 Subvenções a realizar longo prazo 6.036.850,50 Contas a Pagar Total de Acréscimos/Decréscimos do PC + PNC 10.396.249,21 TOTAL DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 595.565,94 2- DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS (-) Novas aquisições de ativo Imobilizado (195.026,31) (+) Novas baixas de ativo Imobilizado - TOTAL DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS (195.026,31) 3- DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS (-) Pagamentos de empréstimos (318.153,15) TOTAL DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS (318.153,15) (1+2+3) VARIAÇÃO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 82.386,48 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INICIO DO PERÍODO 5.461.600,17 VARIAÇÃO OCORRIDA NO PERÍODO 82.386,48 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 5.543.986,65

2013 (696.710,25) 180.438,33 (518.195,25) (1.890.807,52) (2.925.274,69) (86.606,88) 1.024.596,34 (122.209,13) 815.780,33 1.302.560,03 (154.089,29) 172.096,34 (20.842,83) (607.105,94) (1.024.596,34) 122.209,13 (22.659,11) (232.428,01) (2.341.922,37) (193.153,18) 100.000,00 (93.153,18) 370.716,37 370.716,3 (2.064.359,18) 7.525.959,35 (2.064.359,18) 5.461.600,17

DEMONSTRAÇÕES DO VALOR ADICIONADO (D.V.A.) ANO 2014 RECEITAS 7.615.318,01 Receitas de Atividades Área Educacional 523.273,87 Receitas de Atividades Área Social - Receitas Atividades Sustentáveis - Receita de isenção usufruida INSS 5.311.303,95 Outras Receitas 1.780.740,19 INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (8.773.472,28) Custos de Manutenção das Atividades Materiais, energia, serviços de terceiros e outros (8.773.472,28) VALOR ADICIONADO BRUTO (1.158.154,27) Depreciações/Amortizações (136.056,82) VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (1.294.211,09) VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA Doações 1.605.331,64 Subvenções 32.085.243,30 Receitas Financeiras 266.201,68 VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR 32.662.565,53 DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO Colaboradores 16.961.959,98 Despesas Juros Assistência Social, Educacional e Saúde 7.874.027,87 Governo 3.977.169,66 Custo de isenção usufruida INSS 5.311.303,95 Déficit / Superávit do Exercício (1.461.895,93) VALOR ADICIONADO TOTAL DISTRIBUÍDO 32.662.565,53

ANO 2013 7.341.264,78 347.207,67 4.398.394,49 2.595.662,62 (8.643.046,63) (8.643.046,63) (1.301.781,85) (180.438,83) (1.482.220,68) 1.582.507,26 29.395.690,22 320.045,19 29.816.021,99 14.371.098,11 8.132.049,21 3.611.190,43 4.398.394,49 (696.710,25) 29.816.021,99

“RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES” A Diretoria 1) Examinamos as Demonstrações Contábeis da CÁRITAS DIOCESANA DE CAMPO LIMPO, que compreende o Balanço Patrimonial em 31 de dezembro de 2014, e as respectivas Demonstrações do Resultado do Período, das Mutações do Patrimônio Líquido e do Fluxo de Caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. 2) Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis: A administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela (administração) determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. 3) Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. 4) Base para Opinião com Ressalva: A Entidade não possui o controle físico sobre o Imobilizado do Grupo Ativo Não Circulante e consequentemente as despesas com depreciações são calculadas através de taxas anuais fixadas pela legislação fiscal sobre os saldos contábeis das contas do Ativo Imobilizado, conforme descrito nas Notas Explicativas 4 “d” e 05. Para determinar seus saldos e montantes adequados a serem contabilizados em despesas de depreciação, será necessário efetuar levantamento físico e econômico do Ativo Imobilizado e, devido aos fatos descritos anteriormente, a Entidade também não efetuou a verificação de possíveis desvalorizações significativas que possam existir conforme determina a Resolução CFC nº 1.292/10 – NBC TG 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos e a revisão da vida útil econômica desses bens em atendimento resolução 1.177/09 – NBC TG 27. 5) Opinião com Ressalva: Exceto pelos efeitos dos assuntos descritos no parágrafo Base para Opinião com Ressalva, as demonstrações contábeis acima referidas representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da CÁRITAS DIOCESANA DE CAMPO LIMPO em 31 de dezembro de 2014, o desempenho de suas operações, os seus fluxos de caixa e valores adicionados para o exercício findo naquela data, de acordo as práticas contábeis aplicáveis no Brasil.


26 | Balanço |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

6) Outros Assuntos: Demonstração do valor adicionado: Examinamos também, a demonstração do valor adicionado (DVA), referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014, como informação suplementar pelas IFRS que não requerem a apresentação da DVA. Essa demonstração foi submetida aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente e, em nossa opinião, está adequadamente apresentada, em todos os seus aspectos relevantes, em relação às demonstrações contábeis, tomadas em conjunto. São Paulo - SP, 28 de agosto de 2015. AUDISA AUDITORES ASSOCIADOS CRC/SP 2SP 024298/O-3

CNAI – SP – 1620

Alexandre Chiaratti do Nascimento Contador CRC/SP 187.003/ O- 0

NOTAS EXPLICATIVAS – REFERÊNCIA ANO 2014 NOTA 01 CONTEXTO OPERACIONAL A ENTIDADE é uma “ASSOCIAÇÃO” sem fins lucrativos e econômicos, de caráterbeneficente de assistência social, com atividade preponderante na área de Assistência Social, conforme o artigo 2º do Estatuto Social, com Título de Utilidade Pública Federal, conforme Decreto n.º27.504/97-85, Título de Utilidade Pública Estadual, conforme Decreto n.º 42.195/97, Título de Utilidade Pública Municipal, conforme Decreto n.º 35.791/95, Registrado no Conselho Municipal de Educação e/ou Saúde e/ou Assistência Social, Registrado no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, Registrado no Conselho Municipal do Idoso, com Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS), com Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social em análise do triênio 2006/2007/2008, no Ministério da Educação ou Saúde ou Desenvolvimento Social e Combate à Fome, conforme processo No71000.044322/2011-70. Tem como finalidade estatutária, conforme artigo 2º: a) O serviço e a Assistência Social; b) Promoção e valorização humana; c) Assistência a Educação e Saúde; d) e preocupação com o Meio Ambiente; NOTA 02 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Na elaboração das demonstrações contábeis de 2014, a Entidade adotou a Lei n° 11.638/2007, Lei No. 11.941/09 que alteraram artigos da Lei No. 6.404/76 em relação aos aspectos relativos à elaboração e divulgação das demonstrações financeiras. As demonstrações contábeis foram elaboradas em observância às práticas contábeis adotadas no Brasil, características qualitativas da informação contábil, Resolução CFC Nº. 1.374/11 (NBC TG), que trata da Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis, Resolução CFC No. 1.376/11 (NBC TG 26), que trata da Apresentação das Demonstrações Contábeis, Deliberações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e as Normas emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) em especial a Resolução CFC Nº 1409/12 que aprovou a ITG 2002, para as Entidades sem Finalidade de Lucros, que estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação, de registros dos componentes e variações patrimoniais e de estruturação das demonstrações contábeis, e as informações mínimas a serem divulgadas em nota explicativa das entidades sem finalidade de lucros. NOTA 03 – FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL RESOLUÇÃO 1.330/11 (NBC ITG 2000) A entidade mantêm um sistema de escrituração uniforme dos seus atos e fatos administrativos, por meio de processo eletrônico. O registro contábil contem o número de identificação dos lançamentos relacionados ao respectivo documento de origem externa ou interna ou, na sua falta, em elementos que comprovem ou evidenciem fatos e a prática de atos administrativos. As demonstrações contábeis, incluindo as notas explicativas, elaboradas por disposições legais e estatutárias, serão transcritas no “Diário” da Entidade, e posteriormente registrado no Cartório de Registros de Pessoas Jurídicas. A documentação contábil da Entidade é composta por todos os documentos, livros, papéis, registros e outras peças, que apóiam ou compõem a escrituração contábil. A documentação contábil é hábil, revestida das características intrínsecas ou extrínsecas essenciais, definidas na legislação, na técnica-contábil ou aceitas pelos “usos e costumes”. A entidade manter em boa ordem a documentação contábil. NOTA 04 - PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS a) Caixa e Equivalentes de Caixa: Conforme determina a Resolução do CFC No. 1.296/10 (NBC –TG 03) – Demonstração do Fluxo de Caixa e Resolução do CFC No. 1.376/11 (NBC TG 26) – Apresentação Demonstrações Contábeis, os valores contabilizados neste sub-grupo representam moeda em caixa e depósitos à vista em conta bancária, bem como os recursos que possuem as mesmas características de liquidez de caixa e de disponibilidade imediata ou até 90 (noventa) dias e que estão sujeitos a insignificante risco de mudança de valor; b) Aplicações de Liquidez Imediata: As aplicações financeiras estão demonstradas pelos valores originais aplicados, acrescidos dos rendimentos pró-rata até a data do balanço; c) Ativos circulantes e não circulantes. – Contas a receber - As contas a receber são registradas pelo valor contratado. d) imobilizado – Os ativos imobilizados são registrados pelo custo de aquisição ou construção, deduzido da depreciação calculada pelo método linear com base nas taxas mencionadas na Nota 05. Outros gastos são capitalizados apenas quando há um aumento nos benefícios econômicos desse item do imobilizado. Qualquer outro tipo de gasto é reconhecido no resultado como despesa quando incorrido. e) Passivo Circulante e Não Circulante: Os passivos circulantes e não circulantes são demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos incorridas até a data do balanço patrimonial. Quando aplicável, os passivos circulantes e não circulantes são registrados com base em taxas de juros que refletem o prazo, a moeda e o risco de cada transação. – Provisões – Uma provisão é reconhecida em decorrência de um evento passado que originou um passivo, sendo provável que um recurso econômico possa ser requerido para saldar a obrigação. As provisões são registradas quando julgadas prováveis e com base nas melhores estimativas do risco envolvido. f) Prazos: Os ativos realizáveis e os passivos exigíveis até o encerramento do exercício seguinte são classificados como circulantes. g) Provisão de Férias e Encargos: Foram provisionadas com base nos direitos adquiridos pelos empregados até a data do balanço. h) Provisão de 13º Salário e Encargos: Foram provisionadas com base nos direitos adquiridos pelos empregados e baixados conforme o pagamento até a data do balanço. i) As Despesas e as Receitas: Estão apropriadas obedecendo ao regime de competência. j) Apuração do Resultado: O resultado foi apurado segundo o Regime de Competência. As receitas de prestação de serviços são mensuradas pelo valor justo (acordado em contrato - valores recebidos ou a receber) e reconhecidas quando for provável que benefícios econômicos futuros fluam para a entidade e assim possam ser confiavelmente mensurados. Os rendimentos e encargos incidentes sobre os Ativos e Passivos e suas realizações estão reconhecidas no resultado. k) Estimativas contábeis: A elaboração das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a Administração da Entidade use de julgamento na determinação e no registro de estimativas contábeis. Ativos e passivos sujeitos a essas estimativas e premissas incluem o valor residual do Ativo imobilizado, Provisão para Contingências e Ativos e Passivos relacionados a benefícios a empregados. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados, em razão de imprecisões inerentes ao processo da sua determinação. A Entidade revisa as estimativas e as premissas pelo menos anualmente. NOTA 05 – ATIVO NÃO CIRCULANTE (IMOBILIZADO E INTANGÍVEL) Os ativos Imobilizados e Intangíveis são contabilizados pelo custo de aquisição ou construção, deduzidos da depreciação do período, originando o valor líquido contábil. 2013 2014 Saldo Final Saldo Final Maquinas e Equipamento Escritório 291.511,51 291.511,51 Moveis e Utensílios 538.871,23 562.157,72 Computadores e Periféricos 228.850,28 243.532,18 Veículos 108.700,00 108.700,00 Imóveis 100.000,00 100.000,00 (-) Depreciação Acumulada (559.636,35) (538.635,25) 708.296,67 767.266,16 Softwares 15.023,62 15.023,62 Maquinas e Equipamento Escritório Moveis e Utensílios Computadores e Periféricos Veículos Imóveis

Taxa % a.a 10,00 10,00 20,00 20,00 4,00

NOTA 06 – OBRIGAÇÕES A CURTO PRAZO (PASSIVO CIRCULANTE) Este grupo está composto pelo seu valor nominal, original e representa o saldo credor de fornecedores em geral, obrigações fiscais-empregatícias, tributárias e outras obrigações, bem como as provisões sociais.

NOTA 07 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO O Patrimônio Líquido é apresentado em valores atualizados e compreende o Patrimônio Social, decrescido do déficit ocorrido. NOTA 08 – AJUSTE EXERCÍCIOS ANTERIORES Conforme Lei 6.404, artigo 186, foram escriturados no Patrimônio Líquido, conta Ajustes de Exercícios Anteriores os saldos decorrentes de efeitos provocados por erro imputável a exercício anterior ou mudança de critérios contábeis que vinham sendo utilizados pela Entidade. NOTA 09 – DA SUBSCRIÇÃO REALIZADA Subscrição realizada no patrimônio Líquido no valor de R$ 3.964.889,58 (três milhões, novecentos e sessenta e quatro mil, oitocentos e oitenta e nove reais e cinquenta e oito centavo), referente a ajuste do patrimônio. NOTA 10 – SUBVENÇÕES E/OU CONVÊNIOS PÚBLICOS RESOLUÇÃO CFC NO. 1.305/10 (NBC TG 07) São recursos financeiros provenientes de convênios firmados com órgãos governamentais, e tem como objetivo principal operacionalizar projetos e atividades pré-determinadas. Periodicamente, a Entidade presta conta de todo o fluxo financeiro e operacional aos órgãos competentes, ficando também toda documentação a disposição para qualquer fiscalização. Os convênios firmados estão de acordo com o estatuto social da Entidade e as despesas de acordo com suas finalidades. Para a contabilização de suas subvenções governamentais, a Entidade, atendeu a Resolução nº. 1.305 do Conselho Federal de Contabilidade – CFC que aprovou a NBC TG 07 – Subvenção e Assistência Governamentais e a Resolução do CFC Nº 1409/12 que aprovou a ITG 2002. A entidade recebeu no decorrer do período as seguintes subvenções do Poder Público Estadual e Municipal: ÁREA DE ASSISTENCIA SOCIAL EXERCÍCIO Nº DO CONVÊNIO CONCEDENTE VLR. RECEBIDO NO EXERCÍCIO 2014 31/12/2014 514/SMADS/2013 GOVERNO 312.305,93 MUNICIPAL 31/12/2014 513/SMADS/2013 GOVERNO 466.556,90 MUNICIPAL 31/12/2014 533/SMADS/2013 GOVERNO 313.567,87 MUNICIPAL 31/12/2014 522/SMADS/2013 GOVERNO 602.340,23 MUNICIPAL 31/12/2014 32/SMADS/2014 GOVERNO 286.645,78 MUNICIPAL 31/12/2014 022/SMADS/2014 GOVERNO 601.764,77 MUNICIPAL 31/12/2014 591/SMADS/2013 GOVERNO 285.969,25 MUNICIPAL 31/12/2014 541/SMADS/2013 GOVERNO 343.892,15 MUNICIPAL 31/12/2014 223/SMADS/2009 GOVERNO 609.209,03 MUNICIPAL 31/12/2014 506/SMADS/2013 GOVERNO 372.371,01 MUNICIPAL 31/12/2014 130/SMADS/2010 GOVERNO 599.911,05 MUNICIPAL 31/12/2014 212/SMADS/2011 GOVERNO 343.132,80 MUNICIPAL 31/12/2014 064/SMADS/2012 GOVERNO 223.343,27 MUNICIPAL 31/12/2014 076/SMADS/2012 GOVERNO 405.741,42 TEUS MUNICIPAL 31/12/2014 062/SMADS/2012 GOVERNO 242.626,06 MUNICIPAL 31/12/2014 018/SMADS/2014 GOVERNO 316.153,91 MUNICIPAL 31/12/2014 100/SMADS/2014 GOVERNO 142.934,40 MUNICIPAL 31/12/2014 459/SMADS/2013 GOVERNO 175.475,76 MUNICIPAL 31/12/2014 460/SMADS/2013 GOVERNO 166.290,78 MUNICIPAL 31/12/2014 011/SMADS/2011 GOVERNO 152.665,47 MUNICIPAL 31/12/2014 543/SMADS/2013 GOVERNO 663.603,31 MUNICIPAL 31/12/2014 103/SMADS/2010 GOVERNO 519.562,88 MUNICIPAL 31/12/2014 101/SMADS/2010 GOVERNO 531.479,39 MUNICIPAL 31/12/2014 026/SEPP/2006 GOVERNO 36.792,21 MUNICIPAL 31/12/2014 158/SMPP/2010 GOVERNO 37.752,40 MUNICIPAL 31/12/2014 212/SEPP/2007 GOVERNO 42.214,76 MUNICIPAL 31/12/2014 018/SMPP/2012 GOVERNO 5.956,67 SÃO MUNICIPAL 31/12/2014 2013.8938.000-8 GOVERNO 363.196,33 FEDERAL CO 31/12/2014 GOVERNO 60.000,00 FEDERAL TOTAL RECEBIDO 9.223.455,79

NOME DO PROJETO CCA CASA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CCA PARQUE ARARIBA CCA SANTO ANTONIO CCA SÃO BENTO CCA SÃO LUIZ GONZAGA CCA INSTITUTO RURAL CCA N. SRA. APARECIDA CCA IMACULADA CONCEIÇÃO CCA N. SRA. DA PROVIDENCIA CCA MÃE ADMIRÁVEL CCA SÃO JOSÉ CCA JARDIM DOS REIS CCA SÃO MIGUEL CCA

SÃO

MA-

CCA SÃO GABRIEL CJ INSTITUTO CARDEAL ROSSI NCI ARACATI NCI SÃO PAULO APÓSTOLO NCI SÃO FRANCISCO DE ASSIS NCI MAMÃE RACHEL SAICA CASA ABRIGO MSE-MA JD. ANGELA MSE-MA VL ANDRADE TELECENTRO SÃO LUIZ GONZAGA TELECENTRO SANTA MARIA GORETTI TELECENTRO M´BOI TELECENTRO JOSE OPERARIO PROGRAMA APRENDIZ BANDO BRASIL FRATERNIDADE MISIONÁRIA SENHOR DOS PASSOS

ÁREA DE EDUCAÇÃO

EXERCÍCIO Nº DO CONVÊNIO CONCEDENTE VLR. RECEBIDO NO EXERCÍCIO 2014 31/12/2014 229/SME/2011 GOVERNO 467.001,75 MUNICIPAL 31/12/2014 087/SME/2012 GOVERNO 991.881,00 MUNICIPAL DE ASSIS 31/12/2014 285/SME/2009 GOVERNO 517.379,68 MUNICIPAL 31/12/2014 325/SME/2012 GOVERNO 487.770,00 MUNICIPAL 31/12/2014 299/SME/2013, GOVERNO 307.533,74 MUNICIPAL 31/12/2014 062/SME/2014 GOVERNO 642.280,41 MUNICIPAL 31/12/2014 215/SME/2011 GOVERNO 1.000.731,04 DEUS MUNICIPAL 31/12/2014 083/SME/2011 GOVERNO 930.098,10 MUNICIPAL 31/12/2014 057/SME/2011 GOVERNO 918.878,50 MUNICIPAL 31/12/2014 052/SME/2011 GOVERNO 512.933,42 MUNICIPAL 31/12/2014 294/SME/2013 GOVERNO 583.574,58 MUNICIPAL 31/12/2014 274/SME/2012 GOVERNO 931.159,50 MUNICIPAL 31/12/2014 273/SME/2012 GOVERNO 1.215.810,77 PAZ MUNICIPAL 31/12/2014 370/SME/2012 GOVERNO 744.883,90 MUNICIPAL 31/12/2014 369/SME/2012 GOVERNO 878.640,00 MUNICIPAL 31/12/2014 272/SME/2012 GOVERNO 1.107.348,90 MUNICIPAL 31/12/2014 275/SME/2012 GOVERNO 795.212,50 SAR MUNICIPAL 31/12/2014 368/SME/2012 GOVERNO 769.009,00 MUNICIPAL 31/12/2014 324/SME/2012 GOVERNO 824.539,14 MUNICIPAL

NOME DO PROJETO CEI SÃO JOSÉ OPERÁRIO II CEI SÃO FRANCISCO 
 CEI SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS CEI N. SRA. DE FATIMA CEI SANTA MARIA GORETE CEI N. SRA. APARECIDA CEI MÃE DE CEI N. SRA. DO BOM CONSELHO CEI CASA PE. RAFAEL CEI N. SRA. DE GUADALUPE CEI N. SRA. DAS GRAÇAS CEI SÃO JOSE OPERARIO I CEI N. SRA DA CEI SOSSEGO DA CRIANÇA CEI HORIZONTE AZUL ACQUA DI VITA CEI WALTER SOMMERLATH CEI ABILIO CECEI JARDIM CAPELA CEI SÃO SEBASTIÃO

EXERCÍCIO Nº DO CONVÊNIO CONCEDENTE

VLR. RECEBIDO NO NOME DO PROJETO EXERCÍCIO 2014

31/12/2014 367/SME/2012 GOVERNO 414.095,85 CEI SANTA MUNICIPAL TEREZINHA 31/12/2014 37978/2011 GOVERNO 2.662.906,20 CARITAS - SANTA MUNICIPAL TEREZINHA 31/12/2014 42.577/2010 GOVERNO 273.600,00 CARITAS - SAL MUNICIPAL DA TERRA 31/12/2014 27100/2010 GOVERNO 280.305,00 C A R I TA S-S Ã O JOÃO MUNICIPAL MARIA VIANNEY 31/12/2014 27229/2010 GOVERNO 2.848.027,94 CARITAS - SÃO MUNICIPAL PEDRO APÓSTOLO 31/12/2014 16507/2012 GOVERNO 335.743,10 CARITAS - SANTA MUNICIPAL MARGARIDA MARIA ALACOQUE 31/12/2014 8074/2012 GOVERNO 276.889,68 CARITAS MUNICIPAL SANTA INÊS 31/12/2014 42074/2010 GOVERNO 296.297,17 CARITAS - CRISTO MUNICIPAL RESSUSCITADO 31/12/2014 001/12 GOVERNO 786.824,64 CARITAS N. SRA. MUNICIPAL DAS VITÓRIAS E SÃO LUCAS 31/12/2014 1737/2011 GOVERNO 60.432,00 CARITAS MUNICIPAL REGIONAL EMBU TOTAL RECEBIDO 22.861.787,51 NOTA 11 – PROVISÃO PASSIVOS E ATIVOS CONTINGENTES (Resolução CFC No. 1.180/09 NBC TG 25) Em atendimento a Resolução CFC 1.180/09, e respaldado por um documento recebido da Assessoria Jurídica, constando os processos administrativos e/ou judiciais (fiscais e/ou trabalhistas e/ou tributários) que a Entidade possui e a situação provável com suficiente segurança da perdas desses valores, constituímos uma provisão, no qual demonstraremos abaixo tratamento contábil adotado: Código Contábil Rubrica Contábil Nos. Processos Valores 468.005-7 PROVISOES DE 00109-07.2014.8.26.0176 R$ 8.300.00 CONTINGENCIAS 468.005-7 PROVISOES DE 1046731-46.2014.8.26.0002 R$ 51.092,70 CONTINGENCIAS 468.005-7 PROVISOES DE 0002287-85.2014.5.0026 R$ 30.000,00 CONTINGENCIAS NOTA 11.1 – DAS PROVISÕES REFERENTES AOS PROCESSOS TRABALHISTAS a) O processo nº 00109-07.2014.8.26.0176 proposto pelo Reclamante Sr. Nilson Lopes de Souza e Outro, tramita perante a justiça civil de Embu da Artes e aguarda audiência agendada para 05/03/2015. O valor da causa é de R$ 8.300,00 (oito mil trezentos reais), sendo que há um remoto risco de condenação, pois dependerá de provas testemunhais para o efetivo convencimento do juiz. A advogada patrona desta ação é a Dra. Clélia Morais de Lima Gonçalves - OAB/SP 274.820. b) O processo nº 1046731-46.2014.8.26.0002, proposto pela Reclamante Sra. Maria Celeste Matias Viana, tramita perante a justiça civil de São Paulo. O valor da causa é de R$ 51.092,70 (cinquenta e um mil noventa e dois reais e setenta centavos), sendo que há um grave risco de condenação, pois é uma ação de execução e realmente houve a deterioração do prédio pelo uso da Caritas, porém, o que se pretende discutir é o valor que a Caritas reconhece o montante de R$ 25.700,00, e não o mencionado de R$ 51. 092,70. No entanto, em execução não se permite a discussão do valor. Todavia, os patronos da Caritas entendem que o caminho processual não deveria ser o da execução, mas sim uma ação de conhecimento para que seja permitida a instrução processual e possibilidade de apresentar provas. É o que se pleita em defesa. A advogada patrona desta ação é a Dra. Clélia Morais de Lima Gonçalves - OAB/SP 274.820. c) O processo nº 0002287-85.2014.5.0026, proposto pela Reclamante Sra. Kelly da Silva Roza, tramita perante a 26ª Vara do Trabalho de São Paulo. O valor da causa é de R$ 30.000,00 (trinta mil reais) e aguarda audiência agendada para 09/06/2015, sendo que há um remoto risco de condenação, pois dependerá de provas testemunhais para o efetivo convencimento do juiz. A advogada patrona desta ação é a Dra. Clélia Morais de Lima Gonçalves - OAB/SP 274.820. NOTA 12 – DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O déficit do exercício de 2014 será incorporado ao Patrimônio Social em conformidade com as exigências legais, estatutárias e a Resolução CFC Nº 1.409/12 que aprovou a NBC ITG 2002 em especial no item 15, que descreve que o superávit ou déficit do exercício deve ser registrado na conta do Patrimônio Social. NOTA 13 - DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa foi elaborada em conformidade com a Resolução do CFC Nº. 1.296/10 que aprovou a NBC TG 03 – Demonstração dos Fluxos de Caixa e também de acordo com a Resolução 1.152/2009 que aprovou a NBC TG 13. O Método na elaboração do Fluxo de Caixa que a Entidade optou foi o INDIRETO. NOTA 14 – DOAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES RECEBIDAS Eventualmente a Entidade recebe doações e/ou contribuições de pessoas físicas e/ ou jurídicas, previstas no seu Estatuto Social, artigo 28, conforme demonstrativo em anexo: Exercício Valor Recebido 2014 1.605.331,64 2013 1.582.507,26 NOTA 15 - IMUNIDADE TRIBUTÁRIA A ENTIDADE é imune à incidência de impostos por força do art. 150, Inciso VI, alínea”C” e seu parágrafo 4º e artigo 195, parágrafo 7° da Constituição Federal de 05 de outubro de 1988. NOTA 16 – CARACTERÍSTICA DA IMUNIDADE A CARITAS DIOCESANA DE CAMPO LIMPO é uma instituição educacional e/ou social sem fins lucrativos e econômicos, previsto no artigo 9o. do CTN, e por isso imune, no qual usufrui das seguintes características: • a Instituição é regida pela Constituição Federal; • a imunidade não pode ser revogada, nem mesmo por emenda constitucional; • não há o fato gerador (nascimento da obrigação tributária); • não há o direito (Governo) de instituir, nem cobrar tributo. NOTA 17 – REQUISITOS PARA IMUNIDADE TRIBUTÁRIA • A única Lei Complementar que traz requisitos para o gozo da imunidade tributária é o Código Tributário Nacional (CTN). • O artigo 14 do Código Tributário Nacional estabelece os requisitos para o gozo da imunidade tributária, esses estão previstos no Estatuto Social da Entidade e seu cumprimento (operacionalização) pode ser comprovado pela sua escrituração contábil (Demonstrações Contábeis, Diário e Razão), no qual transcrevemos: • a) não distribuem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título (art. 30 do Estatuto Social); • b) aplicam integralmente, no País, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais (art. 29 do Estatuto Social); • c) mantêm a escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão (art.23 do Estatuto Social). NOTA 18 - CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS USUFRUÍDAS (ISENTAS) A Entidade possui o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS), em análise do triênio 2006/2007/2008, no Ministério da Educação ou Saúde ou Desenvolvimento Social e Combate à Fome, conforme processo No71000.044322/2011-70, requerimento protocolado em 06/05/2011, no qual usufrui da Isenção Tributária até o julgamento do seu processo, conforme determina o artigo 8o. do Decreto No. 8.242/14. Conforme o artigo 29 da Lei No. 12.101/09 (alterada pela Lei 12.868/13 e Decreto 8.242/14) entidades beneficentes certificadas fará jus à isenção do pagamento das contribuições de que tratam os artigos 22 e 23 da Lei no 8.212/91. Abaixo demonstraremos as contribuições sociais usufruídas, a forma de contabilização e o montante do período que não é pago. EDUCAÇÃO (+) Receita de contribuição social usufruída 3.590.410,92 (-) Despesa com contr. social usufruída (3.590.410,92) ASSISTENCIA SOCIAL (+) Receita de contribuição social usufruída 1.252.927,15 (-) Despesa com contr. social usufruída (1.252.927,15) NOTA 19 – OBRIGAÇÕES DA ÁREA SOCIAL PARA FINS DE CEBAS Conforme determinação do artigo 40 da Lei No. 12.101/09 (alterada pela Lei 12.868/13 e Decreto 8.242/14) a Entidade NÃO procedeu o recadastramento no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, pois este procedimento não está disponível ainda no site do mesmo. A Entidade de Assistencial Social já efetuou o recadastramento no Conselho Municipal de Assistência Social, conforme determina a Resolução CNAS No. 16/2010, este procedimento é o reconhecimento pú-


www.arquisp.org.br | 18 a 24 de maio de 2016

blico das ações realizadas pela Entidade, âmbito da Política de Assistência Social. Os serviços de assistência social desenvolvidos pela Entidade são atividades de proteção social nas Políticas Nacional de Assistência Social (PNAS), Decreto No. 6.308/07, Resolução do CNAS No. 109/09 e Resolução CNAS No. 16/10, e por este motivo está inserida no Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e como conseqüência, por elas, regulamentadas. A Instituição possui registro no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente. NOTA 20 – FORMALIZAÇÃO DOS PROJETOS SOCIAIS A Entidade no desenvolvimento de suas ações sócio assistenciais formaliza em cada Projeto Social: os objetivos do mesmo; origem de recursos; infra-estrutura; tipificando os serviços a serem executados (conforme Resolução do CNAS No. 109/09 e Decreto No. 6.308/07); público-alvo, capacidade de atendimento, recurso financeiro utilizado, recursos humanos envolvidos, abrangência territorial e demonstração da forma de participação dos usuários e/ou estratégias que serão utilizadas para esta participação nas etapas de elaboração, execução, avaliação e monitoramento do projeto.

| Balanço/Regiões Episcopais | 27

Ipiranga

Padre Pedro Luiz Amorim

Colaboração especial para a Região

Unidade cristã deve ser marcada pelo testemunho do diálogo Padre Pedro Luiz Amorim

NOTA 21 – TIPIFICAÇÃO DAS AÇÕES ASSISTENCIAIS, CUSTOS ENVOLVIDOS E FORMA DE CONTABILIZAÇÃO A Entidade em atendimento a Resolução do CNAS No. 109/09 e Decreto No. 6.308/07 tipificou suas atividades executou suas ações, projetos e programas de forma continuada, gratuita e relacionados com o desenvolvimento (objetivos institucionais) em situação de vulnerabilidade de risco social e pessoal de assistência social conforme quadro: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA Código Rubrica Público Contábil Contábil Alvo /faixa etária 311.005-2 311.005-2 25 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 30 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 31 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 32 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 53 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 27 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 28 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 26 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 29 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 21 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 39 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 19 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 22 Idosos acima de 60 anos 311.005-2 311.005-2 23 Idosos acima de 60 anos 311.005-2 311.005-2 35 Idosos acima de 60 anos 311.005-2 311.005-2 53 Idosos acima de 60 anos 311.005-2 311.005-2 53 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 44 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 43 06 a 14 anos e onze meses 311.005-2 311.005-2 42 06 a 14 anos e onze meses TOTAL DOS CUSTOS ENVOLVIDOS

Capacidade Recursos Atendimento Humanos 60 7 150 9 120 8 180 12 90 8 240 11 100 7 120 7 180 11 120 10 360 16 90 8 60 2 60 2 60 2 60 2 120 10 120 10 60 06 60 06 R$ 6.883.665,30

SERVIÇO PROTEÇÃO ESPECIAL MÉDIA COMPLEXIDADE Código Rubrica Público Capacidade Recursos Contábil Contábil Alvo /faixa etária Atendimento Humanos 311.005-2 311.005-2 34 Adolescentes de 12 a 18 anos, 120 11 excepcionalmente até aos 21 anos. 311.005-2 311.005-2 33 Adolescentes de 12 a 18 anos, 105 10 excepcionalmente até aos 21 anos. TOTAL DOS CUSTOS ENVOLVIDOS R$ 661.414,63 SERVIÇO PROTEÇÃO ESPECIAL ALTA COMPLEXIDADE Código Rubrica Público Capacidade Recursos Contábil Contábil Alvo Atendimento Humanos 311.005-2 311.005-2 24 Crianças e adolescentes vitimas de 20 18 maus tratos, negligencia, abandono e em situação de risco social. TOTAL DOS CUSTOS ENVOLVIDOS R$ 328.947,94 NOTA 22 – RESULTADO DAS AÇÕES ASSISTENCIAIS (INDICADORES) A Entidade em atendimento a Lei No. 12.101/09 (alterada pela Lei 12.868/13 e Decreto 8.242/14), Decreto No. 6.308/07 e Resolução CNAS No. 16/10 na realização de suas atividades de assistência social (fins), demonstramos no quadro abaixo os dados qualitativos e quantitativos de cada ação social: SERVIÇO DEPROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA Código Rubrica Numero de Numero de Pessoas Contábil Contábil Atendimentos por mês Atendidas por mês 311.005-2 311.005-2 25 60 62 311.005-2 311.005-2 30 150 178 311.005-2 311.005-2 31 120 122 311.005-2 311.005-2 32 180 185 311.005-2 311.005-2 19 90 93 311.005-2 311.005-2 27 240 246 311.005-2 311.005-2 28 100 102 311.005-2 311.005-2 26 120 122 311.005-2 311.005-2 29 180 187 311.005-2 311.005-2 21 120 124 311.005-2 311.005-2 39 360 360 311.005-2 311.005-2 53 90 91 311.005-2 311.005-2 22 60 70 311.005-2 311.005-2 23 60 100 311.005-2 311.005-2 35 60 72 311.005-2 311.005-2 53 60 65 311.005-2 311.005-2 44 120 135 311.005-2 311.005-2 43 60 65 311.005-2 311.005-2 42 60 65 SERVIÇO PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL MÉDIA COMPLEXIDADE Código Rubrica Numero de Numero de Pessoas Contábil Contábil Atendimentos por mês Atendidas por mês 311.005-2 311.005-2 35 120 121 311.005-2 311.005-2 34 105 110 SERVIÇO PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL ALTA COMPLEXIDADE Código Rubrica Numero de Numero de Pessoas Contábil Contábil Atendimentos por mês Atendidas por mês 311.005-2 311.005-2 24 20 23 NOTA 23 – ORIGEM DOS RECURSOS PARA REALIZAÇÃO DAS AÇÕES ASSISTENCIAIS E FORMA DE CONTABILIZAÇÃO A Entidade em atendimento a Lei No. 12.101/09 (alterada pela Lei 12.868/13 e Decreto 8.242/14) e Resolução do CNAS No. 16/10 para realização de suas atividades de assistência social (fins) demonstra no quadro abaixo as fontes de recursos (art. 29 do Estatuto Social) para cumprimento de seus objetos sociais: RECEITAS PARA MANUTENÇÃO E INVESTIMENTOS Código Rubrica Contábil Contábil 311.004-4 SUBVENÇÕES A RECEBER - CURTO PRAZO 311.046-0 311.057-5 164.507-2 165.008-4 SUBVENCOES A RECEBER L. PRAZO.

Valor Contábil (à receber) 22.935.818,88

Código Rubrica Pessoas Dados Qualitativos Atendimento/Mês atendidas/Mês Contábil Contábil 311.009-5 311.009-5 36 O Programa em fevereiro de 2011 foi 192 44 validado no cadastro nacional de aprendizagem conforme as portarias do Ministério do Trabalho e Emprego 615, de 13/12/2007, 1.003, de 04/12/2008 e 2.755 de 23/11/2010. Já passaram pelo programa 192 aprendizes na fase antes da validação do MTE, que em sua maioria são encaminhados ao mercado de trabalho após o término de seus contratos, e após a validação no MTE temos 44 aprendizes que estão em plena atividade. São Paulo, 31 de dezembro de 2014. REINALDO SUSSUMU AKAGUI CPF: 810.380.118-68 Presidente

A Paróquia São Vicente de Paulo, no Setor Pastoral Anchieta, sediou na quarta-feira, 11, a Celebração pela Unidade Cristã, evento que fez parte dos diversos encontros realizados entre as igrejas cristãs abertas ao ecumenismo na Semana de Oração pela Unidade Cristã. Organizada pela Pastoral do Ecumenismo da Região Episcopal Ipiranga, a noite de oração contou com a presença do Pastor Reveren-

do Isaar Carvalho, da Igreja Presbiteriana Independente, no Moinho Velho; o Pastor Augusto Riss, representando a Igreja Luterana - Congregação Redentor; e os Padres Clistenes Natal Bósio e Edilson Kapschak, respectivamente, pároco e vigário, além do diácono Anivaldo Blasques. Membros das três Igrejas também estiveram presentes na assembleia, em um ambiente de esperança e comunhão.

Cada líder religioso fez uma reflexão a respeito de um texto das Sagradas Escrituras. Nessas reflexões, o apelo a um testemunho de diálogo cada vez mais presente foi o pensamento condutor, muito também pela urgência de que todos sejam sinais de diálogo na atual situação nacional. A noite de oração terminou com uma confraternização oferecida pela comunidade paroquial.

10 mil pessoas são esperadas para a Festa de Santa Rita de Cássia Os fiéis da Paróquia de Santa Rita de Cássia, no bairro de Mirandópolis, na zona Sul de São Paulo, já estão preparados para a celebração da festa da padroeira, que acontece de sexta-feira a domingo, entre os dias 20 e 22, na matriz paroquial. Realizada há 54 anos, a festa, feita na praça pública em frente à igreja, é caracterizada pela acolhida e atenção aos devotos da Santa, que é considerada madrinha do sertão nordestino e intercessora das causas impossíveis.

“Nossa festa de Santa Rita de Cássia reúne mais de 10 mil devotos todos os anos, de várias regiões de São Paulo. Muitos vêm pedir a intercessão para suas causas, mesmo aquelas consideradas impossíveis, e vários outros fiéis vêm para agradecer as graças recebidas. Mas todos vêm em busca de Deus. Da paz e serenidade que se revela de forma especial no mistério dos santos”, explicou o Padre Jorge Bernardes, pároco. “Celebramos várias missas durante os três dias de evento e

nos intervalos, atendemos confissões e concedemos bênçãos. É uma festa muito linda, organizada com muito carinho, sustentada pela fé e celebrada com muita alegria. E claro, ainda tem o lanche de linguiça feito especialmente para o evento e que já virou uma tradição”, convida o Padre. A Paróquia de Santa Rita de Cássia está localizada na praça Santa Rita de Cássia, 133, no bairro de Mirandópolis, próxima ao metrô Praça da Árvore.

18.469.144,23

NOTA 24 – ESTABELECE OS REQUISITOS PARA A PROMOÇÃO DA INTEGRAÇÃO AO MERCADO DE TRABALHO (MUNDO DO TRABALHO), CUSTOS ENVOLVIDOS E FORMA DE CONTABILIZAÇÃO A Entidade em atendimento a Resolução do CNAS No. 33/11, conforme quadro, executou ações, atividades, projetos e programas de forma continuada, gratuita e relacionados com o desenvolvimento (objetivos institucionais) em situação de vulnerabilidade de risco social e pessoal:

Luteranos, presbiterianos e católicos participam da Celebração pela Unidade Cristã na Paróquia São Vicente de Paulo, dia 11

JOÃO BATISTA DE SOUSA CPF: 036.502.138-50 Contador

CARITAS DIOCESANA DE CAMPO LIMPO

Rua Serra da Esperança, 190 - Campo Limpo, São Paulo - SP - CNPJ: 64.033.061/0001-38 Examinamos as Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas dos exercícios de 2011, 2012 e 2013 – publicadas – em confronto com aquelas enviadas – revisadas – para publicação, tendo constatado as seguintes erros: Exercício de 2011 Demonstração do Resultado do Período O valor de R$ 543.150,41 (Receitas de Parcerias entre entidades sem fins lucrativos) está na Coluna 2012, quando o correto é estar na Coluna 2011 Relatório da Administração Onde se lê: “São Paulo, 27 de abril de 2011”, leia-se: “São Paulo, 31 de dezembro de 2011” Exercício de 2012 Demonstração do Resultado do Período O valor de R$ (10.19.2.2) (Gerais) está, indevidamente, na Coluna 2012; Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido O valor de R$ (221.466,37) (Ajuste de Exercício Anterior) está, indevidamente, na Coluna Superávit / (Déficit) Acumulado, quando o correto é estar na Coluna Total.

O valor de R$ 1.769.470,33 (Incorporação ao Superávit Acumulado) está, indevidamente, na Coluna Patrimônio Social, quando o correto é estar na Coluna Superávit / (Déficit) Acumulado; O valor de R$ (1.769.470,33) (Superávit / (Déficit) Acumulado está, indevidamente, na Coluna Superávit / (Déficit) Acumulado, quando o correto é estar na Coluna Superávit / (Déficit) do Exercício. Demonstração do Fluxo de Caixa O valor de Total das Atividades de Investimentos (R$ (294.742,45) e R$ (207.367,90) estão fora de suas respectivas Colunas. Demonstração do Valor Adicionado O Valor Adicionado Total Distribuído (R$ (26.074.686,67) está fora de sua Coluna 2012. Exercício de 2013 Demonstração do Resultado do Período O valor de R$ 56.302,37 (Outras Despesas) está, indevidamente, na Coluna 2012, quando o correto é estar na Coluna 2011


28 | Publicidade |

18 a 24 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

O SÃO PAULO - 3102  

Jornal O SÃO PAULO semanário da Arquidiocese de São Paulo, há 60 anos levando informação e formação para os católicos de SP

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you