Page 1


editorial ao leitor

Um lugar para o

aprendizado

A

Entrevista

p4 Com a professora e coordenadora da FVJ em Mossoró, Iara Linhares

edição desta semana de sua Domingo está com foco no aprendizado e na educação. A matéria de capa traz o texto do professor Almir Nogueira, diretor da Biblioteca Municipal Ney Pontes Duarte, que no próximo dia 30 completa 64 anos de criação na cidade de Mossoró, sendo um local onde alunos não só de Mossoró, mas da região, podem encontrar mais de sessenta mil livros, alguns raros exemplares para contribuir para seu aprendizado e formação. Além do aspecto histórico, há a importância de democratização da leitura, um dos itens para uma cidadania plena e a importância cultural. E por falar em aprendizado, os educadores do Centro Educacional Alfredo Simonetti retomaram o projeto Cinema na Escola, uma proposta interdisciplinar que utiliza filmes para discutir com seus alunos temas polêmicos e que trazem grandes lições de respeito, cidadania e ética. A revista traz ainda as colunas que vão ajudar você na busca por melhor oportunidade profissional como é o caso da Sua Carreira e as novidades apetitosas no Adoro Comer. Tudo com muita qualidade e carinho. Bom domingo!

p 12 p14

p6

Educação O projeto Cinema na Escola do Ceja Alfredo Simonetti

História

Saiba mais sobre a Biblioteca Municipal Ney Pontes, que completa 64 anos de criação

p8

Coluna

Rafael Demetrius te ajuda a se sair bem nas perguntas de emprego

Adoro comer Delícias de dar água na boca.

• Edição – C&S Assessoria de Comunicação • Editor-geral – Wil­liam Rob­son • Dia­gra­ma­ção – Rick Waekmann • Projeto Gráfico – Augusto Paiva • Im­pres­são – Grá­fi­ca De Fa­to • Re­vi­são – Gilcileno Amorim e Stella Sâmia • Fotos – Carlos Costa, Marcos Garcia, Cezar Alves e Marcelo Bento • In­fo­grá­fi­cos – Neto Silva

Re­da­ção, pu­bli­ci­da­de e cor­res­pon­dên­cia Av. Rio Bran­co, 2203 – Mos­so­ró (RN) Fo­nes: (0xx84) 3323-8900/8909 Si­te: www.de­fa­to.com/do­min­go E-mail: re­da­cao@de­fa­to.com Do­min­go é uma pu­bli­ca­ção se­ma­nal do Jor­nal de Fa­to. Não po­de ser ven­di­da se­pa­ra­da­men­te.

2

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012


conto

joSÉ NIcoDemoS*

Elegância na violência

E

Era noite de véspera de pagamento dos aposentados do INSS, no Banco do Brasil. Terminado o jantar, o gerente saiu com a esposa para as voltinhas do costume na praça que dividia a rua, efeito de digestão. Meia hora depois, o casal dirigiu-se para casa, passos lentos, ainda conversando. Antes de abrir-se o portão eletrônico, de súbito para um possante carro preto, cabina dupla, e vão logo descendo dois homens, pistola em punho, emparelham com o gerente, avisando-lhe tratar-se de assalto, ficasse tranquilo, não sofreria qualquer forma de violência física. Exigia-lhe apenas a recíproca, isto de não resistência, tudo ali como numa conversa entre amigos. O assalto era ao Banco, o dinheiro dos aposentados. Teria ele, o gerente, de ir com eles abrir a agência, chamar o tesoureiro, enquanto um dos bandidos ficaria dentro de casa, com o cano da pistola apontado para o ouvido da mulher, que morreria, se fosse o caso de aviso à polícia, por qualquer meio eletrônico disponível. Fora daí, tudo bem. Quer dizer, o gerente seria deixado em casa, que não em outro lugar ermo

O assalto era ao Banco, o dinheiro dos aposentados. Teria ele, o gerente, de ir com eles abrir a agência

(

e distante. Mantivesse a calma, pois, nada de nervosismo. Não se preocupasse com a situação da mulher em casa, tudo uma questão de segurança – O senhor sabe como é. O chefe era um homem alto, aparência de empresário bem-sucedido, linguagem e modos de quem recebera boa educação, e ficaram os dois de conversa, ele e o gerente, enquanto os bandidos recolhiam todo o dinheiro. De frente à agência, mas no lado oposto da rua, outro carro, do mesmo tipo, com homens fortemente armados, logo estacionou, em guarda. Sem sair do bom tom, o chefe falou da corrupção no país com o dinheiro público, a exploração dos bancos nos serviços oferecidos à sociedade, a não finalidade social dos bancos, como noutros países, tudo como quem sabe de bom

Envie sugestões e críticas para o e-mail: aristida603@hotmail.com

)

saber o que está falando. Começou pelos bancos americanos e europeus, dinheiro tomado para enriquecimento da canalha nacional. Inclusive com exposição de dados estatísticos reveladores de gente muito bem informada. Tudo conferindo com as informações em mãos do gerente. Os saldos bilionários nos últimos dez anos, numa concentração como não havia em países em que a finalidade da atividade bancária era, antes de mais nada, o fomento, vigoroso, do desenvolvimento econômico. Por aí em diante. Concluído o assalto, sem qualquer surpresa, sabem como é, cumpriu-se o prometido: foram deixar o gerente em casa. O chefe do bando, com modos finos, desculpou-se, em forma de despedida. – Desculpe o vexame, senhor gerente, vimos apenas buscar a nossa parte.

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

3


entrevista

IaRa LINhaReS

“Uma pós-graduação aumenta as oportunidades de sucesso profissional” Por Izaíra Thalita izathalita@gmail.com | Twitter: @izairathalita

N

a última semana, a cidade de Mossoró ganhou o Núcleo de Pós-Graduação e Extensão da Faculdade do Vale do Jaguaribe, com sede em Aracati (CE). À frente da instituição está a professora aposentada da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Iara Linhares, pedagoga, mestra em Gestão e Modernização Pública, doutoranda em Educação e coordenadora do Núcleo de Pós-Graduação da FVJ em Mossoró. Sobre a chegada do núcleo e com estrutura física montada para atender a crescente demanda de cursos, a professora fala com mais detalhes nesta entrevista:

DOMINGO – Qual tem sido a atuação da FVJ em Mossoró e região? IARA LINHARES – A FVJ em Mossoró tem atuado em Mossoró praticamente desde a sua implantação, há 13 anos, pois, sendo os seus idealizadores (professores Nevinha, Algecira e Paulo Linhares) norte-rio-grandenses e resi4

dentes em Mossoró, já iniciou fazendo esse intercâmbio. A FVJ atua aqui oferecendo cursos de pós-graduação, mas diariamente se deslocam para Aracati alunos que escolheram um dos seus 11 cursos de graduação. Então, podemos dizer que a FVJ tem uma relação muito estreita com Mossoró e, por que não di-

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

zer, com todo o Rio Grande do Norte. QUE cursos de pós-graduação estão sendo ofertados e quais as novidades? ATUALMENTE, estão sendo ofertados os cursos de Psicopedagogia, Auditoria e Controladoria, Gestão de Pessoas, Arte-Educação com Ênfase


entrevista em Teatro, Saúde Pública com Ênfase em Saúde da Família, Gestão Ambiental com Ênfase em Auditoria e Perícia, e Nutrição Organizacional. A novidade é que estaremos com inscrição aberta para oferecer pela primeira vez um curso na área do Direito, o Curso de Direito Constitucional. A aula inaugural está marcada para o dia 15 de setembro. COMO a instituição percebe esse crescimento no Rio Grande do Norte? COM grande otimismo, pois atualmente ministra cursos, nas mais diversas áreas, em 10 municípios do RN: Assú, Apodi, Carnaubais, Caraúbas, Currais Novos, Jucurutu, São Rafael, Umarizal, Paraú e Mossoró. E tem uma tendência de crescimento, e o próximo município a receber cursos da FVJ é a capital do Estado. É com grande expectativa que implantará um núcleo em Natal. COMO a senhora observa o interesse do mercado por cursos de pósgraduação, como forma de encontrar melhores oportunidades profissionais? OS CURSOS de pós-graduação lato sensu oferecem a possibilidade de especialização que, junto à graduação, ampliam a formação inicial. A necessidade de um emprego mais bem remunerado ou com maior status é uma boa justificativa para optar por uma pós-graduação. Pode ser uma forma de aumentar o leque de oportunidades e obter sucesso profissional. QUAL o diferencial que a senhora pode destacar da proposta colocada pela FVJ aos seus alunos em relação a outras instituições? A FVJ é muito exigente e zelosa na realização de seus cursos. Eu coloco como o principal diferencial a qualificação do corpo docente. Como exemplo, podemos destacar que o CNE exige que 50% do corpo docente seja constituído por mestres e doutores, mas a FVJ faz questão de ter quase a totalidade dos seus docentes com a titulação mencionada. Outro diferencial que posso destacar é a certificação imediata, enquanto em outras instituições o aluno passa meses à espera da emissão do seu certificado.

equipamentos multimídia, estacionamento, que com certeza proporcionará ao nosso aluno e aos professores melhores condições para aprimorarem conhecimentos e construírem novos saberes. Como professora, eu sempre sonhei em trabalhar em espaços como os que a FVJ está oferecendo em Mossoró. Como coordenadora, eu me sinto feliz em poder acompanhar o processo de ensinagem que está ocorrendo na FVJ/Mossoró.

EM TERMOS de estrutura física, no novo espaço, quais as melhorias que poderão contribuir para o aprendizado? A ESTRUTURA física da FVJ que inauguramos dia 29/08 em Mossoró é excelente, com salas climatizadas,

E EM relação ao corpo docente, há a preocupação em selecionar os professores que ajudam nessa formação? QUANDO convidamos um docente para ministrar disciplinas na pós-graduação o fazemos a partir do currículo do professor, analisando sua titulação.

Mas, a continuidade do professor na FVJ está condicionada ao desempenho dele junto aos alunos, da avaliação que é feita do trabalho que realiza. COMO obter mais informações sobre a pós-graduação na cidade? O NÚCLEO de Pós-Graduação da FVJ/Mossoró está localizado à Rua Prudente de Morais, 976, bairro Santo Antônio, no prédio da Meta – Centro de Ciências e Tecnologia. Os nossos telefones de contato são 3316-3188 e 9981-3657. Os interessados também podem acessar o site www.fvj.br, no qual encontrarão mais informações sobre a FVJ. E, ainda, podem nos fazer uma visita, que recebemos com imenso prazer e repassaremos todas as informações que solicitarem.

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

5


Educação

Aprendizado

em clima de cinema

Educadores do Centro Educacional Alfredo Simonetti se envolvem em proposta interdisciplinar para discutir com alunos temas diversos a partir da exibição de filmes

F

ora da sala de aula há um burburinho diferente. De uma sala ampla, aos poucos a trilha musical indica que não se trata de aula convencional. Os alunos se sentam diante da tela iluminada pelo projetor de vídeo, enquanto cada um segura sua pipoca, gerando uma expectativa bem familiar: a de assistir a um bom filme em uma sala de cinema. O propósito não é apenas o de divertir os alunos, mas principalmente o de educar. Assim surgiu o projeto “Cinema na Escola” do Centro Educacional de Jovens e Adultos (CEJA) Professor Alfredo Simonetti, idealizado pelo professor Carlos Almeida, apreciador de filmes e trilhas de cinema, mas que ganhou a adesão de todo o corpo docente, direção e supervisão da escola, que juntos elaboraram uma proposta interdisciplinar para discutir com os alunos as temáticas que, além de contribuírem para o conhecimento, são importantes para uma formação ética dos jovens do ensino funda-

mental e médio da instituição. O projeto surgiu em 2010, mas devido a problemas de acomodação dos alunos foi interrompido. Volta agora de maneira a envolver ainda mais os alunos e professores, com uma ambientação que permite o envolvimento no espaço físico (músicas de cinema), pipoca e mesmo os cartazes originais do antigo Cine Pax, relíquias do acervo preservado pelo seu proprietário Luiz Pinto em vida. “Cada professor sai das exibições com um questionário para debater com os alunos trazendo para a sua disciplina, podendo a partir de um mesmo filme trabalhar temáticas específicas e comum”, explica a supervisora Rilzonete Batista. A professora de Língua Portuguesa Vera Lúcia explica que as temáticas escolhidas ajudam a pensar, refletir e, sobretudo, na expressão oral dos alunos no momento das discussões em sala de aula. “Através da fala, da expressão oral, os alunos exercitam a sua capacidade de

)) Equipe de professores envolvidos com o projeto Cinema na Escola: debates que ultrapassam as barreiras disciplinares

6

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

argumentação, de formular a opinião que é expressa para a turma, ajudando na construção do conhecimento”, ressalta Vera. TEMÁTICAS E POLÊMICAS Os filmes foram escolhidos de forma a tratar de temáticas que podem ser consideradas polêmicas, mas que ajudam a refletir o cotidiano presente, momentos históricos, aspectos considerados tabus, medos relativos à motivação ou outros sentimentos. O primeiro filme, exibido na última semana para os mais de sessenta alunos, foi o lançamento do cinema francês Tomboy, a história de uma menina que quer ser menino. “Vemos que essa temática da identidade sexual, da descoberta da sexualidade ainda é polêmica pela própria reação de alguns jovens que se retiraram da sala por não concordar com a temática, daí a importância da escola em colocar em questão a necessidade do respeito à diversidade e da intolerância que ainda é muito forte na sociedade”, ressalta o professor Carlos Almeida. Além deste, outros filmes devem tratar da depressão, da relação entre a vida e a morte, da necessidade de se fortalecer com as dificuldades, da pluralidade cultural, das questões ambientais, entre outros temas. “O cinema tem essa possibilidade enquanto recurso educativo de ajudar aos alunos na compreensão desses temas, que em sala de aula são abordados de outra forma”, completa. As atividades do projeto Cinema na Escola devem continuar com sessões quinzenais até o início de dezembro deste ano, quando serão encerradas as atividades letivas para serem renovadas no ano seguinte.

)) Sala foi montada para permitir clima de cinema, com cartazes expostos e até pipoca


Educação

Projeto Cinema na Escola CEJA PROFESSOR ALFREDO SIMONETTI Supervisão: Antônia Rilzonete Batista e Benômia Rebouças - Idealizador: Professor Carlos Almeida Professores envolvidos: Alvanira Lima, Socorro Andrade, Francisco Barbalho Filho, Ludemy, Ivanilce Freire, Vera Lúcia, João Raimundo, Maria do Carmo, Marlene Holanda. EXIBIÇÃO: 29/08/12

Sinopse: Laure (Zoé Héran) é uma garota de 10 anos que vive com os pais e a irmã caçula, Jeanne (Malonn Lévana). A família se mudou há pouco tempo e, com isso, não conhece os vizinhos. Um dia Laure resolve ir à rua e conhece Lisa (Jeanne Disson), que a confunde com um menino. Laure, que usa cabelo curto e gosta de vestir roupas masculinas, aceita a confusão e lhe diz que seu nome é Mickaël. A partir de então ela leva uma vida dupla, já que seus pais não sabem de sua falsa identidade.

EXIBIÇÃO: 26/09/12

Título original: Flywheel Diretor: Irmãos Kendrick Gênero: Gospel Duração: 114 minutos Origem: EUA Tipo: Longa Ano: 2002 Tema Transversal: Religiosidade, Ética, Conduta, Sociedade, Relacionamento

Ano: 2012 (1h24min) Direção: Céline Sciamma Gênero: Drama Nacionalidade: França Tema Transversal: Orientação Sexual, Ética, Cidadania

EXIBIÇÃO: 10/10/12

Sinopse: No final dos anos 50, o adolescente Homer Hickam (Jake Gyllenhaal) vive em uma cidade onde a mineração é a maior empregadora local. Ao saber que os russos colocaram o satélite Sputnik em órbita, Homer começa a sonhar em também colocar um foguete seu em órbita. Logo ele convence alguns amigos a participarem do projeto e, com o apoio de uma professora, dá início ao projeto que vai mudar sua vida para sempre.

EXIBIÇÃO: 24/10/12

Duração: 1h54min Dirigido: Joe Johnston Gênero: Comédia dramática Ano de produção: 1999 Tema Transversal: Desafios, Adolescência, Ambição

EXIBIÇÃO: 07/11/12

Sinopse: Família de retirantes, Fabiano, Sinha Vitória, o menino mais velho, o menino mais novo e a cachorra Baleia, que, pressionados pela seca, atravessam o sertão em busca de meios de sobrevivência. Uma paisagem seca. Ter ra esturricada, vegetação rasteira, uma árvore desfolhada à direita, céu branco, explosão de sol. Um rangido fino e insistente parece, lentamente, se aproximar. De repente, um cachorro aparece na linha do horizonte. Longe, bem longe.

A FELICIDADE NÃO SE COMPRA

Sinopse: Em Bedford Falls, no Natal, George Bailey (James Stewart), que sempre ajudou a todos, pensa em se suicidar saltando de uma ponte, em razão das maquinações de Henry Potter (Lionel Barrymore), o homem mais rico da região. Mas tantas pessoas oram por ele que Clarence (Henry Travers), um anjo que espera há 220 anos para ganhar asas, mandado para a Terra, para tentar fazer George mudar de ideia, demonstrando sua importância através de flashbacks. Ano de produção: 1946 Gênero: Comédia dramática Nacionalidade: EUA Tema Transversal: Morte, Solidariedade, Inveja

Sinopse: Matilde é uma jovem freira convencida de que a fé move montanhas. Ela secretamente inicia um jejum místico para impedir uma inundação que ela acredita estar por vir. Elena é uma mulher linda e magra que tem vergonha do peso de sua filha, Linda, e pretende fazer de tudo para que ela esteja linda no dia de sua Primeira Comunhão. Enquanto isso, Linda está disposta a se defender até a morte para escapar do orgulho da mãe. Elenco: Ximena Ayala, Elena de Haro, Marco Trevino, Elisa Vicedo, Aurora Cano. Direção: Simón Bross. Gênero: Drama. Duração: 103min. Tema Transversal: Saúde, Alimentação, Disciplina, Comportamento, Religiosidade

EXIBIÇÃO: 12/09/12

Sinopse: Aos Treze acompanha a transformação de Tracy (Evan Rachel Wood), que no início é uma estudante promissora que ainda brinca com ursinhos de pelúcia e bonecas. Porém, ao entrar para o ginásio, Tracy entra em contato com a forte pressão dos grupinhos, e vê o poder de atração de Evie Zamora (Nikki Reed), conhecida como “a garota mais sexy da escola”. Popular, bonita como uma modelo, e arrogante de um jeito irresistível. Elenco: Evan Rachel Wood (Tracy); Holly Hunter (Melanie); Nikki Reed (Evie); Jeremy Sisto (Brady); Brady Corbet (Mason). Direção: Catherine Hardwicke Gênero: Drama Duração: 100min. Tema Transversal: Sexualidade, Adolescência, Drogas, Conflitos

Lançamento: 1963 Tema Transversal: Exclusão social, Fome, Pobreza

EXIBIÇÃO: 21/11/12

Sinopse: Jan Austin quer vender carros usados da pior forma, e é exatamente como ele faz negócios em sua concessionária. Prometendo muito mais do que ele pode cumprir, ele fará o que for necessário para vender um carro. Seu jeito manipulador influencia todos os seus relacionamentos, até sua esposa e filho não confiam nele.

EXIBIÇÃO: 05/12/12

Sinopse: Ali (Amir Farrokh Hashemian) é um menino de nove anos proveniente de uma família humilde e que vive com seus pais e sua irmã, Zahra (Bahare Seddiqi). Um dia ele perde o único par de sapatos da irmã e, tentando evitar a bronca dos pais, passa a dividir seu próprio par de sapatos com ela, com ambos revezando-o. Enquanto isso, Ali treina para obter uma boa colocação em uma corrida que será realizada, pois precisa da quantia dada como prêmio para comprar um novo par de sapatos para a irmã. Ano de produção: 1998 Gênero: Comédia e Drama Nacionalidade: Irã Tema Transversal: Perseverança, Ética, Solidariedade, Consumo

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

7


hist贸ria

8

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012


história

Lugar do

saber

A Biblioteca Municipal Ney Pontes celebra 64 anos de criação na cidade de Mossoró, espaço onde a cidadania se faz presente no acesso de leitores de todas as idades ao seu rico acervo. ALMIR NOGUEIRA

Colaboração especial para a Revista Domingo

A

)) Biblioteca Municipal funciona hoje em prédio histórico, porém com moderna estrutura interna.

ideia de se criar uma biblioteca que atendesse à demanda mossoroense veio do historiador local professor Jerônimo Vingt-un Rosado Maia, que levando o projeto para a apreciação de seu irmão, o prefeito no município Jerônimo Dix-sept Rosado Maia, teve imediata aprovação. A partir daí, o prefeito nomeou uma comissão para conhecer o projeto, estudá-lo e interpretá-lo em favor da educação da cidade. Essa comissão era composta pelo professor Jerônimo Vingt-un Rosado Maia, João Damasceno da Silva Oliveira, José Romualdo de Souza, José Ferreira da Silva e Rafael Bruno Fernandes Negreiros; esta, uma equipe de homens cultos e determinados a trabalhar pela cultura local. Em pouco tempo criouse o referido decreto de lei, o qual oficializou a biblioteca, cujo funcionamento deu-se em princípio, na parte térrea do antigo Clube Ypiranga, atualmente Associação Cultural e Esportiva Universitária (ACEU). No dia 5 de abril de 1948, o prefeito Dix-sept Rosado assinava o Decreto de Lei nº 04/48, criando para o povo mossoroense a Biblioteca Pública Municipal, cujo objetivo era difundir e organizar toda uma documentação que viesse atender às necessidades de seus usuários e a comunidade em geral. Naquela solenidade de inauguração, marcaram presença, além do prefeito, o

reverendíssimo bispo diocesano dom João Batista Portocarrero Costa, o orador oficial dr. Mário Negócio, dentre outras autoridades. A partir daquele momento, todos estavam comprometidos em conseguir o maior número possível de livros com o objetivo de começar a oferecer os primeiros serviços e tornar definitivamente concretizado o projeto. Uns conseguiam mais, outros menos e, aos poucos, a Biblioteca foi crescendo em seu acervo com as doações que chegavam de Natal, cidades vizinhas e colaboradores voluntários desta cidade. Quarenta e oito anos depois da sua inauguração, essa Biblioteca mais uma vez, por meio do Decreto de nº 1446/96, passou a ser chamada de Ney Pontes Duarte; esse, um homem de inegáveis qualidades humanas, passou a ser visto como um dos maiores doadores do acervo cultural e histórico desta instituição. O acervo desta instituição é muito rico, possibilitando pesquisas nas áreas dos ensinos Fundamental, Médio e Universitário, pelo fato desse acervo propiciar atividades diversificadas. A cada dia aumenta o número de usuários, tanto em pesquisas quanto em reservas de livros e empréstimos domiciliares; em média, duas mil pessoas são atendidas mensalmente em suas dependências. Acervo Na Biblioteca Municipal, as referências bibliográficas são em dicionários, enciclopédias, índices bibliográficos, catálogos, coleções didáticas, Almanaque Abril, livros didáticos nos níveis: funda-

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

9


história mental, médio e superior. O setor de periódicos dispõe de jornais, revistas, boletins e anuários. Além disso, esse acervo ainda se constitui de uma sala, na qual se encontram obras raras a partir de 1822. Temse também um bom acervo da Coleção Norte Rio-Grandense e quase todas as publicações da Coleção Mossoroense, publicada pela Fundação Vingt-un Rosado. De modo geral, a biblioteca possui um acervo invejável de sessenta mil livros. Cidadania A Biblioteca não é apenas culturalmente importante pelo seu rico acervo, pois ela é também um dos símbolos da cultura e da história do povo local. E como símbolo histórico, vem dando continuidade à cultura e à história da sua trajetória histórica. Visando estreitar os laços de amizade e companheirismo diário entre educandos, professores e comunidade, a referida Biblioteca presta ainda outros serviços à comunidade mossoroense, tais como: lançamento e exposições de livros, exposições sobre a vida de grandes personalidades célebres do nosso país e exterior, exposição de cartazes sobre datas comemorativas, entre outras atividades. Diariamente a demanda acontece, graças às escolas que muito contribuem enviando seus alunos e estimulando-os à leitura e à pesquisa. Locais Foram vários os locais e endereços que sediaram a Biblioteca desde a sua criação no município. Depois do Clube Ipiranga (ACEU), local de sua inauguração, na Rua Mário Negócio, a biblioteca mudou-se para a Rua 30 de Setembro, onde está instalado atualmente o Foto Rodrigues. Em seguida, foi transferida para o Museu Municipal Lauro da Escóssia, na Praça Antônio Gomes, posteriormente foi ainda para a Praça Bento Praxedes (ao lado da Rádio Libertadora Mossoroense). A penúltima sede foi na Av. Dix-sept Rosado, 53 – Centro, e finalmente indo definitivamente, no dia 15 de julho de 2006, para a sua sede própria na Praça da Redenção Jornalista Dorian Jorge Freire, 17 – Centro, quando de sua reinauguração em novas instalações, no prédio da antiga União Caixeiral. União Caixeiral O prédio onde hoje situa-se a Biblioteca Municipal foi palco da primeira escola de ensino profissionalizante de con10

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012


história

tabilidade do interior do Estado. Fundada no dia 10 de fevereiro de 1936, pelo consolidador da União Caixeiral, Alcides Dias Fernandes, a Escola Técnica de Comércio União Caixeiral, passou a integrar o sistema educacional do Estado com valiosas contribuições. A Escola Técnica de Comércio também veio a suprir uma lacuna na formação de técnicos capacitados a lidar com a escrituração contábil de importantes firmas do Estado e, do mesmo modo, de Estados vizinhos. A Escola, portanto, credenciava os seus

alunos a exercerem uma profissão no comércio, razão pela qual era merecedora do acolhimento da sociedade. Depois, o mesmo edifício, além de abrigar algumas escolas de primeiro e segundo graus e cursinhos pré-vestibulares, foram o palco e os atores, do marco inicial da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Ney Pontes Ney Pontes Duarte nasceu em Mossoró -RN, no dia 30 de dezembro de 1933,

)) Na imagem da inauguração da Biblioteca em 30/09/1948: Mário Negócio de Almeida, Dix-sept Rosado, Vingt-un, bispo Dom João Batista, Dr. João Marcelino de Oliveira, América Rosado entre outros.

na Rua Dionísio Filgueira, 337 – Centro, filho do casal João Felipe de Pontes e Maria Júlia Duarte. Graduou-se no curso de Formação de Sargento, na Escola de Especialista de Aeronáutica, na qual foi classificado em 9º lugar e promovido para 3º Sargento. Especialidade: Controlador de Voos. Inicialmente lotado na Base Aérea de Natal, na qual serviu até o ano 1958; depois, foi transferido para Fortaleza - CE, onde residiu na companhia da sua mãe e de uma irmã. Através de uma parcela da sua aposentadoria, ele teve o prazer de disponibilizar à Biblioteca mais de 4.000 (quatro mil) livros visando ajudar aos cidadãos carentes, sobretudo às crianças, a terem acesso ao saber e à cultura, em todos os aspectos possíveis. Após dois anos, adoeceu e ficou impossibilitado de continuar suas atividades, submetendo-se a um rigoroso tratamento psiquiátrico. No dia 4 de maio de 1962, foi reformado em sua graduação militar. Tempos depois, veio a desestabilização da vida saudável que tinha; até que no dia 15 de janeiro de 1995, ele veio a óbito. Seu legado de trabalho e amor à educação e à cultura beneficiou significativamente a Biblioteca Municipal de Mossoró, a qual presta-lhe homenagem denominando-a “Ney Pontes Duarte”, seu patrono.

)) Prédio da antiga União Caixeral Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

11


sua carreira

Rafael DemeTRIUS

As perguntas da entrevista de emprego

E x

stá chegando o grande dia. Você produziu o seu currículo, enviou e torceu. Agora chegou a hora da verdade. Você recebeu um telefonema, a entrevista de emprego está marcada, é hora de encarar o entrevistador (ou banca de entrevistadores) de frente. Embora o seu grande objetivo fosse conseguir essa chance – conseguir realizar uma entrevista de emprego na empresa que você sempre quis trabalhar – e agora que o sonho está prestes a se tornar realidade, você não se sente confiante o bastante. Se esse é o seu caso, não fique nervoso; saiba que essa situação é mais comum do que você imagina. A ansiedade ou tensão prévia, a entrevista de emprego é uma situação muito comum, principalmente para quem vai fazer a sua primeira entrevista. Embora seja um quadro bastante comum, é preciso ficar atento: o nervosismo na hora da entrevista de emprego e a falta de preparação podem derrubar candidatos muito bons. Mas, como adquirir mais confiança ou se sentir mais bem preparado, restando apenas pouco tempo para a entrevista? A resposta é simples: preparação e orientação. Quando se vai enfrentar uma situação nova ou então uma situação de grande pressão, estar bem orientado e bem preparado é um fator chave. Por isso, nesta semana nós daremos uma ajuda para saber o que responder às perguntas mais tradicionais em uma entrevista. Leia com atenção, treine e boa sorte. FALE SOBRE SI

Esta pergunta é quase obrigatória em uma entrevista de emprego e deverá ser muito bem praticada para uma resposta sucinta, direta e, acima de tudo, que valorize o seu perfil profissional.

QUAL FOI A DECISÃO MAIS DIFÍCIL QUE TOMOU ATÉ HOJE?

O que é pretendido com esta questão, é que os candidatos sejam capazes de identificar uma situação em que tenham sido confrontados com um problema ou dúvida, e que tenham sido capazes de analisar alternativas e conseqüências e decidir da melhor forma. O QUE PROCURA NUM EMPREGO?

As hipóteses de resposta são várias: desenvolvimento profissional e pessoal, desafios, envolvimento, participação num projeto ou organização de sucesso, contribuição para o sucesso da sua empresa etc... VOCÊ É CAPAZ DE TRABALHAR SOB PRESSÃO E COM PRAZOS DEFINIDOS?

Um "não" a esta pergunta pode destruir por completo as suas hipóteses de ser o candidato escolhido, demonstre-se capaz de trabalhar por prazos e dê exemplos de situações vividas em trabalhos anteriores. DÊ-NOS UM MOTIVO PARA O ESCOLHERMOS EM VEZ DOS OUTROS CANDIDATOS.

Esta é sempre uma das perguntas mais complicadas, mas o que se espera é que o candidato saiba "vender" o seu produto. Isto é, deverá focar-se nas suas capacidades e valorizar o seu perfil como o mais adequado para aquela função e a forma como poderá trazer benefícios e lucros para a empresa. O QUE VOCÊ FAZ NO SEU TEMPO LIVRE?

Seja sincero, mas, sobretudo, lembre-se que os seus hobbies e ocupações demonstram não só a capacidade de gerir o seu tempo, preocupações com o seu desenvolvimento pessoal e facilidade no relacionamento interpessoal.

QUAIS SÃO SEUS OBJETIVOS EM CURTO PRAZO? E EM LONGO PRAZO?

QUAIS SÃO AS SUAS MAIORES QUALIDADES?

Seja específico e tente aproximar, de alguma forma, os seus objetivos aos da própria empresa. Respostas como "ganhar bem" ou "aposentar-se" são totalmente proibidas.

Aponte aquelas características universalmente relacionadas com um bom profissional: proatividade, empenho, responsabilidade, entusiasmo, criatividade, persistência, dedicação, iniciativa e competência.

O QUE O LEVOU A ENVIAR O SEU CURRÍCULO A ESTA EMPRESA?

E PONTOS NEGATIVOS/DEFEITOS?

Aproveite esta deixa para demonstrar que fez o seu "trabalho de casa" e fale sobre a atividade da empresa e a forma como o posicionamento desta a torna uma empresa de elevado interesse para qualquer profissional. Naturalmente, para responder a esta pergunta, é preciso fazer previamente uma pesquisa sobre a empresa. Vá ao site institucional, faça pesquisas usando mecanismos de busca, leia revistas da especialidade e converse com pessoas que trabalham ou já trabalharam lá.

Naturalmente que a resposta não poderá ser muito negativa, pois serão poucas as hipóteses para um profissional que diga ser desorganizado, desmotivado ou pouco cumpridor dos seus horários. Assim, o truque é responder partindo daquilo que normalmente é considerado uma qualidade, mas agravando-o de forma a parecer um "defeito". Ou seja, exigente demais, perfeccionista, muito autocrítico, persistente demais, etc.

Curso de legislação trabalhista e previdenciária Começa nesta segunda-feira na Meta, das 19h às 22h, o curso que vai tirar todas as suas dúvidas sobre Departamento Pessoal. Para participar, basta ligar para a Meta, por meio do telefone (0xx84) 3314-1024, ou mandar um e-mail para comercial@tenhametas.com.br e fazer sua inscrição. As vagas são limitadas.

12

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012


artigo

FlÁVIo RezeNDe*

Reflexões sobre a favela da Rocinha

R

ecentemente, estive no Rio de Janeiro e entre a apreciação de muitas películas, daquelas que geralmente não são exibidas em Natal, parti com um grupo de estrangeiros para um giro geral pela favela da Rocinha. Apesar de todo o noticiário negativo sobre este recanto carioca, nunca fui de sentir medo em lugares pobres, invocando prova sobre esta afirmação, o fato de ter ido morar em Mãe Luíza 20 anos atrás, ficando lá por 18, causando com esta decisão muita apreensão aos meus pais, pelo fato de o bairro ter presença constante na crônica policial da cidade e ser considerado dos mais violentos de Natal. Confesso que não sou dado a medos, tendo viajado para a Índia em 1990, ainda jovem, sem falar inglês e sozinho, voando a partir de São Paulo numa aventura, que logo me apresentou outros místicos viajantes brazucas que, somados a meu ser, tornaram a viagem agradável e absolutamente tranquila e importante para todo o meu futuro. Ademais o medo de ter pouco dinheiro e levar uma vida espartana, de não casar, de não ter filhos, de contrair alguma moléstia grave, de fazer mal a alguém, de ser preso, corrupto, estuprador, cabra safado, até hoje não me assolou, posto que, aos cinquenta e um, nada disso adesivou minha existência e vou indo, sem também ter medo de ser feliz. Valente e destemido demais não sou, mas na normalidade do meu agir e na tranquilidade do meu existir, fui para a Rocinha absolutamente livre de preconceitos e de paranoias. Quando chegamos ao pé do morro, tivemos que sair do veículo e subir em motos. Dois reais para cada motoqueiro e o grupo subiu pela rua principal. O comércio é intenso, muitas motos, ônibus, carros, num perigo constante de acidentes por causa das curvas e do pouco espaço. Lembrei-me muito da Índia, onde o trân-

(

sito é a maior das aventuras do peregrino. O comércio é variado, de perfumarias de grife a pequenos estabelecimentos, policiais espalhados por pontos estratégicos e aquele natural bom humor do carioca presente o tempo todo. Subimos até um dos pontos mais altos da Rocinha, a agência da ECT e de lá começamos a descida a pé, pelos becos apertadíssimos, de onde, à esquerda e à direita, surgem portas, grades, novos caminhos, num labirinto sem fim de salões de beleza, mercearias, barzinhos, jovens estudantes subindo e descendo e o povo sempre gentil nas saudações e nos sorrisos generosos. A guia autorizava o uso de imagens e disse que podiam ser feitas de qualquer maneira, sem reservas. Visitamos algumas ONGs, conversei com alguns moradores, comemos numa loja que no teto pendurava material de construção, no meio tinha pães, bolos e doces e atrás produtos diversos da agricultura nacional. Do alto de uma ONG deu para acompanhar uma patrulha da polícia militar fortemente armada percorrendo o lugar onde tínhamos passado. Testemunhei uma abordagem educada e nenhum problema registrado naquele trecho. Uma das cenas mais comuns é a quantidade imensa de fios amarrados e caídos quase ao nível da cabeça da gente, tubulações de água, um emaranhado imenso, não conseguindo entender como a água percorre tantos canos e a energia elétrica consegue adotar tantos gatos e não ter um colapso constante. Fiquei refletindo ainda sobre os que moram do meio para o alto da Rocinha, a quantidade de degraus que precisam galgar para chegar a suas casas. O que acontece na emergência de um parto, uma ida ao hospital? Só com uma maca e pessoas fortes para percorrer aqueles intricados caminhos com peso.

Envie artigos para esta seção pelo e-mail: redacao@defato.com

)

O domínio da geografia do lugar é um exercício de muita familiaridade, coisa de quem nasce e vive mesmo ali. Desse beco principal, curtíssimo que passamos, outros muitos saem em direções várias, num mundo de lajes, arranjos, tudo ancorado em declives e aclives, passando a impressão que de uma hora para outra vai cair tudo aquilo. Realmente, os que acreditam em anjos da guarda para motoristas, crianças e bêbados devem acreditar em anjos da guarda para favelas, aquele amontoado de moradias, coladas umas as outras, minúsculas, abrigando até oito pessoas em três ou quatro metros quadrados, só mesmo uma grande proteção espiritual permanente para manter uma estrutura daquela viva por tanto tempo. Agora, o melhor, as favelas do Rio livres dos traficantes são lugares fantásticos, onde a vida acontece de maneira sadia, normal, com seus habitantes sorrindo, vivendo de maneira pobre, mas digna, onde a vontade de superar as adversidades fica mais próxima da luta diária pela sobrevivência, sem o componente do medo, sem a vergonha do preconceito e sem o olhar temeroso da sociedade em geral. As favelas do Rio e a Rocinha, onde estive, voltam a integrar o Grande Rio, o maravilhoso Rio, o inigualável Rio, cidade que elegi para ser a segunda melhor do mundo, depois de minha Natal, cidade em que, eu tendo condições financeiras um dia, faria minha segunda moradia, com muito orgulho e prazer, para ali subir muitas vezes na Rocinha, me inspirar para escrever livros, fazer novos amigos, observar a linda paisagem, tomar banho de mar em Ipanema, passear no calçadão de Copacabana, assistir a filmes em Botafogo e no domingo, fechando a semana com chave de ouro, ir ao futuro Maracanã ver o Mengão ganhar e, assim, minha vida mais feliz ficar!

* Flávio Rezende, é escritor, jornalista e ativista social em Natal. escritorflaviorezende@gmail.com Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

13


adoro comer

DaVI moURa

Como desenformar pudim

3

Na verdade mesmo, é mais jeito do que truque. Vamos usar como exemplo o pudim de leite básico, que a maioria das pessoas faz e gosta. Antes de tentar mexer no pudim na forma ainda quente, coloque-o na geladeira por algumas horas, de preferência do dia pro outro. Aquele negócio de que é ruim pra geladeira colocar comida quente dentro é pura lenda, basta colocar o prato quente no final da geladeira, longe das saídas de ar. A ferramenta correta deve ser uma faca de ponta arredondada. Quando retirá-lo da geladeira, vá passando cuidadosamente a faca ao redor dele até que se desprenda da forma totalmente. O fato de ele estar bem cozido é um plus para que saia inteiro e perfeito.

1

2

Noite de Charme No último final de semana rolou a segunda edição da Noite de Charme. A colunista Marilene Paiva recebeu seus convidados no Requinte Buffet. Quem animou o pedaço foram os criativos Alan Jones e Nida Lira, da banda Radiola Club e a talentosa DJ Luciana Lins. A festa estava ótima e o buffet foi bem caprichado. Alguns destaques: uma das entradas foi um pequeno canelone de camarão com creme de queijo por cima, prático e gostoso; tomates recheados em um tamanho bem bom para levar ao prato; o quiche lorraine, típico da culinária francesa; quiche de tomate seco com manjericão - campeão da noite; escalope de frango com creme de espinafre; fuzilli ao sugo com manjericão; e um bolo com recheio cremoso digno de ser degustado 3 vezes. Maravilha!

Novos petiscos do Tenda No último sábado a equipe da agência Personal Marketing e o fotógrafo Waltemberg Pereira realizaram as fotos dos novos petiscos do cardápio. Acompanhamos de perto as inovações do chef José Lino, português, que entrarão definitivamente no rol das iguarias caso sejam aprovadas pelos clientes. Os pratos, em sua maioria, tinham como ingredientes principais a carne vermelha ou frutos do mar. Alguns destaques: camarão ao alho e óleo, que é um dos petiscos mais consumidos em vários bares; suvaco de cobra, que é carne desfiada refogada com cebola e milho; paillard de filé mignon, cortado bem fininho com queijo por cima; e o melhor de todos os pratos, o camarão no chope, servido também com casca e sem cabeça, acompanhado de torradinhas e batata ralada frita. Deliciosos!

4

“Minha Pizza Favorita” O Trattoria lança nova promoção voltada para o seu serviço Delivery. O cliente, ao fazer seu pedido de segunda à quinta, das 18 às 23h, tem o direito de receber um cartão fidelidade para preenchê-lo a cada pizza comprada. Ao completar o cartão, ganhará do restaurante uma pizza no sabor que preferir. A promoção teve início na última nesta terça (28) e é válida para os pedidos de pizza pequena e grande no período de três meses. Para pedir sua pizza, bastar ligar para o Trattoria pelo número (84) 3312-6591 e solicitar seu cartão fidelidade Delivery. O serviço funciona das 18h às 23h.

Revista Eventos Na semana passada, na parte de exposições do Memorial da Resistência, tive o prazer de prestigiar o lançamento da segunda edição da revista Eventos, organizada por Berillo Loia. Ele é o diretor da gráfica Creatoris Mater e pensou na revista para servir de guia na hora de executar eventos, independente de que tipo seja. O lançamento foi para alguns amigos, familiares e anunciantes da revista, por isso o buffet foi simples, com foco em petiscos rápidos que agradassem a todos. Tenho que destacar a presença dos salgadinhos básicos, mas com um mega diferencial: ao invés do molho rosé já super batido, o molho barbecue foi colocado em seu lugar – curti! Você pode se informar melhor sobre a gráfica através do Facebook: http://www.facebook. com/creatorismater

Aproveite e acesse o http://blogadorocomer.blogspot.com para conferir esta e outras delícias! 14

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012


adoro comer

Yakissoba INGReDIeNTeS • 1 pacote de macarrão tipo lámen (500g) • 6 colheres (sopa) de óleo de soja • 1 xícara (chá) de filé de frango cortado em tiras • 1 xícara (chá) de contra filé cortado em tiras • 1 dente de alho picado • 1 xícara (chá) de brócolis cortado em buquês pequenos • 1 cebola cortada em cubos grandes • 1 cenoura cortada em tiras • 1 xícara (chá) de acelga cortada em cubos • 1 xícara (chá) de champignon cortado ao meio • 1 xícara (chá) de molho de soja (shoyu) • 1/2 colher (sopa) de açúcar • 1/2 xícara (chá) de água • 1 colher (sopa) de amido de milho • 1/2 colher (sopa) de óleo de gergelim torrado

MODO DE FAZER • Cozinhe o macarrão até ficar "al dente" e escorra; • Aqueça uma panela tipo wok ou uma frigideira grande até soltar fumaça; • Coloque metade do óleo e frite o macarrão; • Retire do fogo e reserve; • Na mesma panela, aqueça o óleo restante e frite as carnes; • Retire do fogo e reserve; • Na mesma panela, doure o alho e refogue o brócolis, a cebola, a cenoura, a acelga e o champignon; • Volte as carnes à panela, adicione o shoyu, o açúcar, a água e cozinhe rapidamente por 30 segundos; • Adicione o amido de milho dissolvido em um pouco de água e mexa até engrossar um pouco; • Junte o óleo de gergelim, espalhe sobre o macarrão reservado e sirva. • Esta é uma versão mais simples com carne e frango. Você pode incrementar a receita com camarão e até lula. Fonte: http://www.comidaereceitas.com.br/massas/yakissoba-tradicional. html#ixzz253Jvbick

Jornal de Fato | DOMINGO, 2 de setembro de 2012

15


Revista de Domingo  

Revista semanal do Jornal de Fato

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you