Issuu on Google+

!N MAGAZINE | N.02 MAR/ABRIL | 2013

PHOTO BOOK

Healthy cuisine

7 Fashion

editorials

DDiArte Product

photography by Rui Bandeira

Miss & Mister Fashion Beauty PORTUGAL

FASHION | ART | BEAUTY&WELLNESS | TRAVELS | YOUNG BLOOD 1


2


Este é um número em que a !N começa a revelar mais claramente a sua identidade!

O universo !N! Mais moda, mais arte, mais conteúdos relacionados com uma e com outra...ou para nós uma confunde-se com a outra?! Mais surf & lifestyle associado...e obviamente: uma clara aposta na imagem! Na fotografia! No vídeo! Este também foi um número “maldito”! Eu próprio (JR) estive no mês de Fevereiro no “estaleiro”...doentinho. Depois disso, estava a revista Nº2 quase totalmente paginada, quando devido a um bug de software no ficheiro master, tivemos de a repaginar novamente! Logo depois disso, alguns pobres de espírito resolveram “atacar” a conta de facebook do João Mello (Art Mello, o Director Criativo da !N), denunciando um teaser duma foto (que eu próprio também publiquei ) como sendo...ofensivo! Bem... ofensiva é a forma como as pessoas pequenas se escondem atrás destes subterfúgios apenas para tentarem bloquear o trabalho de outros, como se por isso, o seu saísse mais valorizado! Mas, como na !N não há lápis azul, poderão ver a foto “maldita”! Ah, e a esses: Sejam felizes! E em vez de se preocuparem com o sucesso da !N, comam antes uma peça de fruta! Entre a saída do Nº1 e este, muita coisa aconteceu. Uma fantástica festa de lançamento no Main, abrilhantada com um desfile da estilista Teresa Capitão (que fotografámos para CatWalk da Nº1). Depois disso muitos convites temos recebido, e também muitos fizemos...sim, que para estar !N é preciso trilhar caminhos novos, e para isso gostamos de estar bem acompanhados.

COVER !N MAGAZINE | N2 FOTOGRAFIA : Joel Reis Edição : Art Mello

ESTILISTA : Carlos Silva (Máscaras e Couro) Nichole de Carle (Lingerie) Filipe Quaresma (Top correntes) Artigos disponível para venda em Purple Rose Produção: Luis Stoffel Assistente fotografia : Melita Reis Hair Stylist : Luis Stoffel Makeup Artist : Ana Paula Raposo Make of fotográfico : João Mello Models : Mariana Carvalho Agradecimentos: Purple Rose (http://www.purplerose.pt)

Nessa sequência, deixem-nos apresentar-vos mais alguns amigos nossos: Ronny Kasta que se junta ao !N Team, e irá trazer-vos uma rubrica de consultoria de imagem, despretensiosa e pragmática, como a !N. Também temos neste número artigos da Joana Riachos e da Cristina Marques que estão connosco na qualidade de jornalistas. Para além da equipa !N que já conheceram no Nº1, e que continua a encantar-nos e a surpreender! Prestem atenção, que o !N Team não pára! Qualidade, exclusividade e originalidade são as palavras chave! Como a capa e editoriais desta Nº2 o confirmam! Também vos apresentamos neste número a Bodysolution, que de futuro irá ter um papel a desempenhar na !N...Stay tuned! O resto, está claro, já vocês sabem: passamos por mais um Moda Lisboa e um Portugal Fashion, entre outros eventos ligados à moda, e que permitem mostrar a um público dentro e além fronteiras o que os Portugueses sabem fazer! E esse é também um dos nossos pergaminhos: Mostrar a todos o que de bom por cá fazemos! !N : proudly hand made in PORTUGAL Ass: Joel Reis & Art Mello 3


Editorial

pg. 3

BYNICO by Nicolas Guyot

pg. 8

Making of COVER IN magazine by Joel Reis

pg. 16

TUNÍSIA by Luis Azevedo pg. 22 THE BEAUTY THAT’S BEHIND (Moda Lisboa) pg. 32 by Luis Ferreira

4

FIESTA by Telma Russo

pg. 38

JOSÉ CORREIA

pg. 44

Blue tribute By Jorge Silva

pg. 54

!N Trends By Marina Neto

pg. 64

!NPhotobook By Nuno Boavida

pg. 68

!N Art Rodrigo Matos Silva By Marcela Sousa Rosa

pg. 78

Ddiarte

pg. 84


Daniel Rodrigues pg. 94 By Blue Bird (FátimaMarinho)

Can you handle it By Daniel Correia

SUPER VAN Vanessa Teodoro

pg. 96

JOÃO VERÍSSIMO

pg. 102

UMA NO CRAVO, OUTRA NO SURF By Cristina Marques

Exijo um passaporte de pássaro pg. 104 By Fátima Marinho & Júlio Vanzeler !N Autor´s photography Maria João Vasconcelos pg. 106 By Artur Nogueira FOTOGRAFIA DE PRODUTO by Rui Bandeira MISS & MISTER FASHION BEAUTY By Paulo César

pg. 110

pg. 116

SPECIAL BOOK Miss & Mister Fashion Beauty By Paulo César pg. 116

BODYSOLUTION com nova cara

pg. 136

JA !N magazine é: Joel Reis | Director Executivo João Mello | Director Criativo

pg. 146

pg. 150

CONSULTORIA DE IMAGEM By Ronny Kasta

pg. 152

!N NIGHTCLUB By Pedro Simões

pg. 154

ROCHA !N THE AIR By Joana Riachos & Joel Reis

pg. 156

HEALTHY CUISINE By Salomé Santos

pg. 168

Design: João Mello | Art4U Colaboram com a !N: Tiago Reis | Coordenador Vídeo Marina Neto | Tendencias de Moda Marcela Sousa Rosa | Arte Luis Stoffel | Produtor Fatima Marinho | Escritora Artur Nogueira | Fotografia de autor Pedro Simões | Música e Noite Salomé Santos | Culinária Ana Borges | Revisão/Tradução Ronny Kasta | Hayrsyilist Joana Riachos | Reporter Cristina Marques | Reporter Convidados !N : Nicolas Guyot Luis Azevedo Luis Ferreira Telma Russo José Correia Jorge Silva Nuno Boavida Rodrigo Matos Silva Ddiarte Daniel Rodrigues Vanessa Teodoro João Veríssimo Júlio Vanzeler Maria João Vasconcelos Rui Bandeira Paulo César Daniel Correia Hélio Valentim Carlos Lopes Luis Marques Fabi Lima

Disclaimer

Todos os textos, imagens, ilustrações, fotografias, publicidade, marcas e outros elementos do conteúdo do site da !N magazine estão protegidos por lei e devidamente licenciados, sendo expressamente interdita qualquer cópia, reprodução, difusão ou transmissão, utilização, modificação, venda, publicação, distribuição ou qualquer outro uso, total ou parcial, comercial ou não comercial, quaisquer que sejam os meios utilizados, salvo com autorização expressa dos mesmos. Está terminantemente proibida a utilização do seu conteúdo para fins ilegais ou quaisquer outros que possam ser considerados prejudiciais para a imagem que a !N MAGAZINE tem no mercado. A !N MAGAZINE rejeita qualquer responsabilidade pela usurpação e uso indevido dos elementos acima citados. Excetuam-se a esta interdição os usos livres autorizados por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que claramente identificada a sua origem. A usurpação, contrafação, aproveitamento do conteúdo usurpado ou contrafeito, a identificação ilegítima e a concorrência desleal são puníveis criminalmente. A !N MAGAZINE reserva-se o direito de proceder judicialmente contra os autores de qualquer cópia, reprodução ou outra utilização não autorizada do (s) seu (s) conteúdo (s) por terceiros.

5


6


7


NICOLAS GUYOT O meu nome é Nicolas Guyot. Nasci em 1970 no sul de França e descobri a fotografia pela primeira vez por volta dos 15 anos de idade, trabalhando com diapositivos. Depois dediquei-me à música durante 15 anos, mas quando apareceu a fotografia digital experimentei, e a qualidade ainda lá estava. Por isso comprei uma Canon EOS 10D e comecei a fotografar modelos, a princípio na minha cave e com luzes de jardim. Depois criei o meu website, www.bynico.com, e comecei a ter muito trabalho. Mais tarde montei um verdadeiro estúdio fotográfico com flashes apropriados, para conseguir uma maior qualidade. Desde há 10 anos que faço muita fotografia de estúdio com modelos, em estilo glamour. Recentemente conheci a Liloo, uma modelo fotográfica maravilhosa e excecional, e desde há 6 meses que a fotografo, explorando diferentes estilos e locais. A seguir iremos para o sul de França, onde faremos algumas sessões fotográficas na ilha de Porquerolles – uma ilha maravilhosa, semelhante às Maldivas. Vou continuar a colaborar com a !N magazine! Um abraço a todos!!! CREDITS Photography : www.bynico.com Model : http://liloocookine.wix.com/modelprofashion

8


9


10


11


12


13


14


15


F O G N I K A M

COVER Créditos: FOTOGRAFIA : Joel Reis Edição : Art Mello ESTILISTA : Carlos Silva (Máscaras e Couro) Nichole de Carle (Lingerie) Filipe Quaresma (Top correntes)

Artigos disponível para venda em Purple Rose

PRODUÇÃO: Luis Stoffel Assistente fotografia : Melita Reis Hair Stylist : Luis Stoffel Makeup Artist : Ana Paula Raposo Make of fotográfico : João Mello Model s : Mariana Carvalho Agradecimentos: Purple Rose (http://www.purplerose.pt)

16


17


GRITAS EM DESESPERO “DIZ QUE ME AMAS” CONTINUAS A GRITAR PODES ATÉ IMPLORAR NÃO TE AJOELHES FICA-TE MAL NÃO NÃO TE AMO OUVE A MENTIRA “SIM, AMO-TE” AGORA, HOJE, TALVEZ AMANHÃ QUE TAL? ENTENDE CONHEÇO TODO O LEQUE DO AMOR ABRO-O DISTRIBUO-O PÉTALA A PÉTALA UMA DE CADA COR RARA ESTA FLOR ESTA É PARA TI! AGARRA-A. E TU PORQUE ESTÁS TÃO SÓ? SÓ UMA. SENTES O PERFUME? INSPIRA-O MAS NÃO ME AMES OU SERÁS A DOR DO CIÚME. EGOÍSTA, NAO TENTES FECHAR O LEQUE - POR FAVOR, UM CAFÉ E UM QUEQUE PARA AQUELA MESA VAZIA ONDE SE SENTARÁ ALGUÉM. IMPORTA QUEM? HÁ TANTO PARA AMAR LOUCURA, ESSA DE ME CONCENTRAR APENAS EM TI. EU, ME, MIM, COMIGO ELEVO-ME NAS MINHAS PERNAS ABRO OS BRAÇOS LARGO PÉTALAS. TU, TE, TI, CONTIGO? SIM AMIGO VIM A ESTA TERRA PARA FAZER UMA NOVA GUERRA. TEXTO:

BY FÁTIMA MARINHO

18


TER I´M A FIGHVER NOT A LO VE ME! DO NOT LO LK TO DO NOT TA LOVE ME ABOUT PABLE I AM INCA OF LOVE.

19


K I‘M THE BL AC R U ANGEL IN YOMS DREA 20


21


A

S I U O

LVED

E Z

DO E EV IDA Z A ME S I L OR U A L D y . INA LVA rica h p ST E SA Cat IA a I r R Ă?S tog g . C IQU guel N o ph tylin ENR . Mi A TU S: D K H yle s . N O LI p r st m M u S i I .co e a R o k h TU o ah il.com ma . y io m y@ yma h n i co p . l c i a @ r a 2 k tro tog yboo @ym vedo a o p h e e

ok m vi az o e . o k s b i i y il m u my om/l likem e /i ilik ok.c lui m o o eb ook.c c a ://f aceb p t //f ht : e p i v htt mo y m like .p do e ev saz

/

tu

m .co e b

ww

22

ou y . w

/i

er us


23


24


25


26


27


28


29


30


31


A R I E R R E F S Í LU D N I H E B S ´ T A H T Y T U A THE BE as afé, outr c is a m com as vezes m forte u | O mistura a uito GALÃ m u é , alto e m ite le o p is o a c m m com jeto e-se e este pro ado serv lt ia u ic s e in r a po o ir e uito tem uís Ferre L m . s á ê h u e g desd portu sar o que s e r p x e para os”. “pelos olh e r r o c e lh r, o mostra zes e d m e t que as ve a forma que muit gens. s a r v la Diz que a sp ima ravés da forma de urso a b o não é at s s perc aem, ma tido um m e não lhe s t , o urso ir em Ave m pelo C e g a s s a Nascido ap o, de Aveir r: fez um particula na Universidade cional ica petiva ra s r de Quím e p a is deu um lado ma n m que lhe u r o p de Desig sca o u s b r u a C u s o e na letou al, comp u t p e c n co ão. lhe ade que a instituiç id m s c , e a m n a lo n ce para Bar culturas Daí partiu a diversidade de o um e regress D . a mostrou id v ma de ver a pois de u e ar d e formas e ) a idiu tom isbo c (L e l d a , g ia u c t agên a Por mo por uma m e agem co g a im s à e pas s o e ligou novo rum pressão. ex forma de Lisboa a Moda n s o lh a b s seus tra conjunto m um e t s e Num do iu n é réal, reu ou tamb para a L’O s do qual result za le rafia ia da be c n ê s s e de fotog a m que a instituíd e , a z o e le e íd b v foto m da a para alé a. d a t p a c é od ndo da m pelo mu IND AT´S BEH H T Y T U THE BEA

32


33


34


35


36


37


FiESTA FOTOGRAFIA: TELMA RUSSO STYLING: INÊS MENDES MAKE UP: TÂNIA DOCE MODELO: SARA ENCARNAÇÃO

38


39


40


41


42


43


Desde sempre que o gosto pela fotografia lhe moldou o pensamento, o olhar a cada esquina, e o sonho de um dia poder ser um daqueles que via projetar no papel aquilo que os olhos viam.

44

tre outros, teve a sorte de trabalhar com alguns profissionais com os quais foi aprendendo e moldando a sua forma de ver a imagem final.

Decidiu começar a sua formação nessa área e frequentou o curso de fotografia em paralelo com vários workshops de varias áreas da fotografia.

Em 2010 chegou à moda e encarou-a como sendo esta a área da fotografia que mais aprecia, é por ela que tem trabalhado com afinco, e para onde canaliza todas as suas energias, muitas vezes sacrificando os que lhe são mais próximos.

Em 2008 decidiu começar a trabalhar por conta própria nesta área e depois de passar pelo desporto motorizado, automóveis, reportagem, espetáculos, publicidade, en-

Começou a trabalhar com diversas marcas, agências e depois de algum reconhecimento do trabalho que tem efetuado e de no último ano ter chegado à Moda Lisboa

pela mão da L’Oréal para quem faz um trabalho de rigor técnico, quer continuar a conquistar o seu espaço numa área que é tão especialpara si, a da Moda. Conta neste momento com uma equipa que formou, com pessoas que lhe dão muita confiança, e mantém abertas as portas para novos desafios, novas experiências, quer continuar a fazer editoriais de moda pois são estes que dão aquele gostinho tão especial a cada clique e a cada imagem e o fazem sentir-se REALIZADO.


45


46


47


48


49


50


51


52


53


Blue TRIBUTE Enquanto procurava por um novo tema para trazê-lo à vida, deparei-me com a cultura japonesa, um dos mais coloridos. Em vez de tentar recriar algo único, tentei cruzar referências com a beleza da rapariga europeia.

Credits: PHOTOGRAPHY BY : Jorge Silva FASHION STYLIST : Modelling by Visual estúdios Photo Post Production : Jorge Silva Hair Stylist : Manuela Mesquita Makeup Artist : Sara Dias Video Production & Post : Pedro Cruz e Visual estúdios Thanks: Model Janine Dias@Be Exotic Agenc

http://www.visualestudios.com 54


55


56


57


58


59


60


61


62


63


Marina Neto

Fashion Designer and Trends Advisor

Cor é luz. Cor é expressão. Cor não é verbo de encher. Frequentemente, observamos no mercado sazonal da moda uma paleta de cores algo limitada e repetida. Este fenómeno deve-se à gestão, ou estratégia, que os agentes da moda aplicam para manter a continuidade do consumo. A definição das cores é de grande importância na revelação do artigo de moda, como forma de identificação temporal (cor de tangerina significa ano de 2012; verde esmeralda é do ano 2013), tal como é forma de expressão e, portanto, repleta de significações. Para ajudar os leitores da !N Magazine a desenvolverem escolhas mais duradouras, a rubrica !N Trends publica aqui algumas paletas acompanhadas por imagens indicativas de ambientes elucidativos das fontes de inspiração que determinam os artigos que estarão mais tempo nos circuitos da moda. As cores Primavera/Verão 2013 destacam quatro ambientes fortes, com uma gama de cores neutras que lhes é comum - branco, cinzento e preto.

64

Os ambientes:

1

Caminha-se pelo Oriente com um firme apelo à minúcia dos padrões e das texturas; brilhos, bordados, brocados, materiais nobres em sintonia num “patchwork” sofisticado. Das cores mais claras às mais escuras, esta paleta afirma-se nos contrastes.

2

A Natureza melancólica despertanos para o romantismo; vários tons de cor de rosa, cores desmaiadas pelo passar do tempo, pedras e folhas caídas num qualquer trilho que se perdeu na floresta. O artesanato, o trabalho manual mais ou menos delicado, a simplicidade dos gestos e a demora que contraria a urgência industrial, são aqui as opções mais consistentes.

3

O mundo aquático surge-nos numa primeira fase em tons claros e vivos de azul turquesa, logo em seguida dando lugar aos tons mais esverdeados e transparentes, como se a paleta tivesse início numa praia paradisíaca e logo passasse para um riacho que corre cheio sob o céu limpo. Os azuis ficarão durante mais tempo, apurados em intensidades

noturnas, fazendo-se acompanhar pelos frutos do bosque em rosas e vermelhos invernosos.

4

A estação terá ainda uma paleta de cores vibrantes e elétricas que farão as delícias dos mais jovens, mas também será uma paleta destinada, pela sua intensidade quase ofensiva, a ter vida curta. Terá maior impacto em estilos mais desportivos ou de construção modular complexa, estilos estes que se farão acompanhar de padrões geométricos.

Uma dica extra:

Não compre sem experimentar observe a tonalidade da sua pele em contraste com a cor da roupa. Nem todas as cores favorecem a sua imagem, algumas podem mesmo ser-lhe prejudiciais; há as que amarelecem a tez, as que promovem a visibilidade das olheiras, as que retiram todo o protagonismo a quem as usa... Se tiver dúvidas, opte por consultar um serviço de aconselhamento de imagem pessoal - há diversos no mercado, com leques variados de preços e serviços.


65


66


www.outathisworld.pt 67


NUNO BOAVIDA www.nunoboavida.com

A fotografia surge na minha vida como hobby, mas esta paixão de longa data começa a ocupar um espaço cada vez mais importante. Fotografia urbana, a preto e branco, conceptual e retratos são trabalhos que adoro fazer. No entanto, o meu maior desafio têm sido as sessões temáticas feitas com amigos e modelos. Não se trata de sessões de moda mas uma abordagem mais artística e cinematográfica à fotografia, sem ideias pré-concebidas. Espero continuar a evoluir de acordo com o meu estilo e com o apoio das pessoas que gostam dele :o)

Credits: PHOTOGRAPHY BY : Nuno Boavida Model: Soraya Moon

68


69


70


71


72


73


74


75


76


77


MARCELA SOUSA ROSA

Neste número, a !N foi na pesssoa da Marcela, ao encontro de Rodrigo Matos Silva Daí resultou uma conversa, que achamos tão interessante que resolvemos disponibilizá-la para os nossos leitores (link p o vídeo). Desfrutem!

“A luminosidade, a leveza, a ausência de peso e a gravidade que nos impomos. A luz mostra as formas, desvenda, no escuro, os caminhos e retira peso ao medo. Pesado é o medo, a auto-inibição e o que faz falta; pesado é o que puxa para baixo, limita o movimento e retira a liberdade. Se o corpo amarrado liberta a mente, pela mente se liberta o corpo preso. Em sonhos, movia-se no ar, controlando a sua densidade, pela simples vontade de ascender ou deixar-se puxar para baixo. Em memórias e pensamentos flutuava, sem peso, pelo espaço que une os momentos luminosos e de repouso. Na realidade, ali permanecia sem movimento próprio…”

Rodrigo Matos Silva

78


“Descida ao Inconsciente” | “Descent to Unconscious” 100 x 150 cm 2009

RODRIGO MATOS SILVA 1973, LISBOA, PORTUGAL DESIGN DE COMUNICAÇÃO – UALG CINEMA DE ANIMAÇÃO – GULBENKIAN REALIZADORES ZEPE + FERNANDO GALRITO FORMAÇÃO DE ATORES ENCENADOR E ATOR PEDRO WILSON DESENHO DE MODELO E ANTROPOMETRIA PINTOR BALTAZAR TORRES PINTURA PINTORA FERNANDA DAS NEVES PINTOR PAIVA RAPOSO (SNBA) EXPOSIÇÕES COLETIVAS “PERCURSOS” Galeria Arte Privada - Lisboa / 2004 “EXPRESSÕES E INTENÇÕES” Galeria Alcântara Café - Lisboa / 2004 “COMPANHIAS SEPARADAS” Espaço Privado - Alcobaça / 2006 “NOMES QUE MARCAM” Galeria Conventual - Alcobaça / 2006 “RABISCUITS” (Bienal de Arte) Alcobaça /2008/09/11 EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS “PARTILHAR O VAZIO” Jardim Privado - Lisboa / 2006 “VERDADEIRA GRANDEZA” Livraria Trama - Lisboa / 2008 “LIGHTNESS” Bridge Gallery - Lisboa / 2011

Vídeo: Entrevista e obras

REPRESENTADO EM Coleções particulares: Portugal, Bélgica, EUA Biblioteca Municipal de Alcobaça

79


011 10 cm - 2 60 x 1 | “Stuck” ” é ll o C “ 1 x 100 ded” | 8 n u o r G “

cm 2011

“As pequenas coisas são super importantes. As enormes coisas são igualmente importantes. Tudo é importante... e eu vejo interesse em tudo.”

80

” Fountain nd The 1 u 1 o 0 r 2 A m “Spin 20 x 20 c


“Mães do Céu” | 72 x 93 cm 2007

81


“Passar por tantas experiências na vida faz-me fluir de formas diversas, porque o corpo regista tudo (...) Nós somos uma permanente esponja. O ato de pintar é o espremer da esponja!” 82


“Enquanto ser vivo, terei impacto nas pessoas à minha volta, tal como as outras pessoas têm em mim. Está tudo ligado, é inegável que estamos sempre a interferir em tudo...”

83


DDiArte Biografia Os DDiArte, Diamantino Jesus e Zé Diogo, nasceram ambos na ilha da Madeira. Desde a infância demonstraram grande interesse pela arte, revelando enorme talento para a pintura e desenho. Juntos desde 1999, estes artistas criaram os DDiArte, que se dedicam à pintura, realizando exposições coletivas e individuais, assim como pinturas da sua autoria em tetos de igrejas. Em 2003, surgiu o interesse pela fotografia digital, e como autodidatas nesta área, produziram obras de grande qualidade, consideradas como obras de arte, algumas das quais premiadas a nível internacional e outras adquiridas por grandes colecionadores de arte e museus no estrangeiro. Mais importantes prémios: 2012 “Trierenberg Super Circuit Photography” - medalha de ouro pela “Photographic Society of America” para Best of Show, medalha de ouro pela “International Federation of Photographic Art”, medalha de

ouro em “Digital Images General”, medalha de ouro pela em Special Themes Nudes, medalha de ouro pela “Canon-you can”, medalha de ouro em “Digital Images Experimental “ - 1º Prémio - European Photographers of the Year 2010 in Fine Art, pela FEP Federation of European Professional Photographers - 1º Prémio - “International Contemporary Master Award 2011” for World Wide Art Books in Stª Barbara, California, USA - 2º Prémio, Mérito de Excelência e menção honrosa em “Nude Professional” -5th Annual Photography Masters Cup” New York/London - Câmara de Prata, 2 Ouro, 3 Prata e 1 Bronze Awards nos European Photographers of the Year 2011 pela FEP Federation of European Professional Photographers - 3 Medalhas GAUDI “Prémio Cidade de Réus de Fotografia” Catalunha, Espanha

ddiarte@gmail.com

www.ddiarte.com 84


Nightmare

DDiArte

85


A Costureira | SacrifĂ­cio | Descida da cruz

86


DDiArte

www.ddiarte.com 87


88

VĂŠnus vs Marte


O teaser desta foto valeu a censura do Facebook, e a suspens達o da conta do Art Mello

89


Cupidos Playground

90


DDiArte

www.ddiarte.com 91


WAKE UP!

92


DDiArte

www.ddiarte.com 93


s e u g i r d o do a R i l m e e i Danfo portuguêssPphr oto

s ra Fotóg o World Pre n

“grupo de jovens a jogar futebol num campo de terra na aldeia de Dulombi na Guiné Bissau. A foto foi tirada durante a missão Dulombi em março de 2012” Daniel Rodrigues para a !N Magazine

94


la Eu quero ser a bo ente a qu Que rola na arei ços dos meninos al Entre os pés desc eira po de s en E em nuv de feiticeira Erguem sonhos gritos, Sem memória de as Fronteiras violad dadas. fa al m s Ou história la Eu quero ser a bo E pedir, implorar, rogar gente: Àquela pequena ” .. o. “Brinca comig o não corro perig Contigo sei que amigo. eu És fruto doce m ar ” “Levanta-me no aos teus pais quiseram e E verás o azul qu par. roubar não deixas esca já a, or ag , tu e Mas qu ria..” “Faz de mim aleg tua melhor canção a Ouves o teu riso? dia r po s n te Tu que só ição. fe re a ad Uma ansi “Partilha-me...” rida sabedoria da fe Nasceste com a grar san Que só pára de outros idamos uns aos cu os n do n ua Q ãos sem anéis E abrimos as m da predestinadas Sem linhas de vi Sem nadas podemos dar. Mas ainda assim “Ajuda-me...” cer Tu que vais cres Ganhar Perder im um jogo Não faças de m Não me compres Não me vendas go Não me atices fo a ad . Sou delic eiras ver zangada qu e m ão n o, in Mas men de suor Ainda que cheio amor. eu Entrega-te ao m la Eu quero ser a bo ente qu a ei ar Que rola na ços dos meninos al sc de s pé os e tr En de poeira Que nas nuvens hos n Erguem outros so . te n São já outra ge

95


VANESSA TEODORO

04

Legenda: 1- Body Painting para Magnética Magazine. Foram convidados 3 artistas para o projeto: João Maio Pinto, Pedro Zamith e Vanessa Teodoro. Este é o resultado da minha proposta. 2- Parceria com Embaixada Lomográfica de Lisboa. Customização de uma máquina 96

Vanessa Teodoro, a.k.a. The Super Van, trabalha principalmente como ilustradora e artista plástica. No entanto, a publicidade e o design gráfico são uma importante parte do seu know-how e dia-a-dia. Tem um gosto especial por sujar as mãos em projetos relacionados com street art. As cores fortes, as personagens irreverentes e uma linguagem visual muito detalhada, podem descrever grande parte do seu trabalho. Nascida na África do Sul e atualmente a viver em Portugal, ambiciona viajar pelo Mundo e tornar a sua arte cada vez mais contagiante. Já trabalhou com marcas como a: Vodafone, TMN, Optimus, Red Bull, MTV, Playboy, Pampero, Lacoste, WeSC, Compal, entre outros.

fotográfica “Sardina DIY”. Aproveitei os motivos ilustrados na máquina para dar continuidade na parede e assim criar uma situação em que a máquina fazia parte de um todo. 3- Customização de um Smart para a EDP na Smart Parade 2008 4- Encomenda particular (Príncipe Real 2012)

5- A minha primeira experiência com latas, em parceria com os artistas Klit e Mar. Urban Checkpoint 2009 6- Parede de armazém abandonado com 70m em Sta. Apolónia. Comissionada pela Pampero Fundación em parceria com a CML. Pintada na sua totalidade por 4 artistas. 7- Tela de 2.30x1.78m feita

01

para a exposição coletiva feminina “Low Bra” na galeria Influx. 8- Galeria de arte urbana. Painel em parceria com o ilustrador João Maio Pinto. 2010 9- Galeria de arte urbana. Painel em parceria com o pintor Pedro Zamith. “Cor vs. preto e branco” ( a parte em cor pertence ao Zamith) 2012


05

07

04

02

02

03

06

08

97 09


11

10

11

12

13

The SuperVan 14

Legenda: 10- Projeto “Mi querida casa” para centro comercial nas Astúrias. 2012 11- Pintura mural para documentário sobre street art, feito pelos alunos da Etic. 2013 12- Primeira fase do “Reciclar o olhar”. A CML convidou alguns artistas a intervirem em vidrões 98

em Lisboa. 2012 13- Customização de um Citroen para a “Go arte urbana”. As pessoas eram levadas no carro numa tour pelos pontos mais importantes da street art da cidade. 14- Parede no Quarto com Vista da CoWork Lisboa- Lx factory 2011 15- Graffiti jam em Marselha

2012. 16- Evento de street art Walk & Talk - Açores - Ponta Delgada 2011 17- Montra Primavera/Verão da WeSC 2012 18- Trabalho pessoal poster 2009 19- Customização do toy da MTV para o aniversário 2010 20 - Ilustração para Canon na

Moda Lisboa 2011 21 - Ilustração para a agência Euro RSCG em Londres a propósito do jubileu da rainha 2012 22 - Poster exclusivo dado ao vencedor do “melhor tubo” no evento de surf “Capítulo Perfeito” 2013 23 - Encomenda particular 2013


15

19

21

23

16

18

17

20

99


The SuperVan

22

100


101


JOÃO

VERÍSSIMO Stocks: Nature Says - F_ck You Mão: http://mjranum-stock.deviantart.com/art/Hands-4-112828137 Árvore: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1017222 Textura: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1063232 Textura02: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1236471 Energy: Árvore: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1289746 Lâmpada: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=190520 Textura: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1063232 Nature Says - Hope Mão: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/ac/Hands-Fingers-Crossed.jpg Árvore: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1017222 Textura: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1063232 Textura02: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1236471 Nature Says - Thank You Árvore: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1017222 Textura: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1063232 Textura02: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1236471

Play The Game: Mão: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=187333

Underneath: Fecho: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1108601 Fundo: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=1113494 Lava: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=914238 Lava 2: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=869342

102

João Veríssimo, nasceu a 16 de Novembro de 1991 é licenciado em Design Gráfico e Multimédia (ramo Gráfico) pela Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha. Começou a utilizar o Photoshop no início do ano de 2009 e, a daí, nasceu um prazer enorme em trabalhar com a imagem. Adora criar as suas próprias composições é definitivamente uma paixão e irá dar sempre o seu melhor para criar algo que faça com que as pessoas “parem para ver”. “Espero melhorar, em todos os aspetos, a cada segundo que passa...”

http://www.joaoverissimo.pt.vu


103


EXIJO E T R O P A S S A UM P . O R A S S Á P E D

RINHO

A MA IM T Á F Y B

A senhora teve de sair da fila. Aeroporto de Londres. Figuras de ficção científica, daquelas que dão medo, negras e sem rosto, ao ombro e à cintura armas cheias de pecinhas que de certeza eram de brincar! Ladearam a senhora, sem lhe dar espaço para que ela se movesse. Ela olhou para um e depois virou o rosto para o outro. - Do you want to play with me? Silêncio. - Vocês parecem maus! Estão vestidos de quê? Freeze. A senhora também queria brincar com uma arma daquelas. Num gesto imprevisível agarrou uma das armas. - I want to play too. Antes de lado, agora de frente para ela, fizeram mira. Smile. - You are so cute! Let`s play? As armas não baixaram e eles não queriam emprestar os brinquedos. Começava a juntar-se gente. Rostos severos, olhos esbugalhados, pernas irrequietas. De um corredor avançaram a passo certo três machos medalhados. Militares? São eles que ganham mais medalhas,não são? - Pode acompanhar-nos, por favor? - Não, não posso. Big smile. Olharam-se entre si. O do meio, num fato onde não cabiam mais medalhas, encheu o peito, grande pavão! 104

- Senhora, é grave. Foram detetados resquícios de pólvora na sua bolsa de viagem. Olhos nos olhos. Castanho contra azul. - Acredito. Também está uma bomba dentro da minha mala que já entrou para o avião quando fiz o chek-in. Desta vez a senhora não sorriu. Piscou-lhes o olho. - Acompanhe-nos imediatamente! - Não! O que tiverem para me dizer ou o fazem aqui para que todos ouçam ou se calam. E BEM ALTO, okay? Ficaram colados ao chão. Odeiam fogo de artifício. Preferem o fogo sem cores. O mais medalhado era engraçadinho. Tinha o nariz um pouco vermelho demais, talvez Oporto a mais. - Vai responder às seguintes perguntas: - 1: Tem familiares no exército? - 2: Nomes dos familiares. - 3: Quem mais usa a sua bolsa de viagem? A senhora queria gargalhar mas não o fez porque finalmente tinha percebido que não estava a participar num filme de ficção científica. Aquilo era mesmo a sério. E grave, tal qual o olho azul tinha dito. Olhos castanhos em fogo: Não respondo. Exijo imediatamente o meu passaporte. NOW! O passaporte da senhora era novo porque o outro andava perdido entre caixotes de

mudanças. E neste novo passaporte constava apenas uma viagem: Marrocos. Pensamento militar: Marrocos, Árabes, 11 de Setembro, PERIGO. - Vai fazer o favor de aguardar para verificarmos uns registos. Entretanto, não se mova. Consoante se afastavam a passadas iguais mais gente se aproximava pé ante pé. A senhora olhou-os um a um, agradecendo a castanho o apoio, não fosse ceder ao medo que começava a querer dobrar-lhe os joelhos. Segundos, minutos, muitos minutos. As figuras negras não concediam espaço para qualquer movimento. - Let`s play. Please...Do you like to play with guns? Really really guns? Duros e impuros. Eis que regressam as três fardas. Sorriam com dentes amarelos. - Minha senhora, aceite as nossas desculpas. Foi um erro do detetor de metais!!!!!!!!! Olhos negros. - Devolva-me o passaporte. Uma luva branca estendeulhe o passaporte. A senhora levantou o passaporte o mais alto que o seu braço permitia. -Look! E lá do alto o passaporte desfez-se em pedacinhos de papel que voaram, para nunca mais lá voltarem.


ILLUSTRATIONS BY

JÚLIO VANZELER

105


ARTUR

NOGUEIRA

. sceu no Porto em 1955 na s, lo ce on sc Va ão Jo Maria nas as e Literaturas Moder É licenciada em Língu te, Paço d’Arcos e Amaran e divide a sua vida entre sua família. de onde é originária a erta de uma forma muito “lib Dedica-se à fotografia ra criatividade notável pa e pura”, revelando uma har m sensibilidade e um ol o abstrato, mas també do ssa à sua volta, originan atento para o que se pa leza, rpreendem pela sua be fotografias que nos su ade! simplicidade e criativid

106


107


108


109


RUI

BANDEIRA FOTÓGRAFO

“Excelent e é pensar em algo impossível de se fazer, e fazê-lo“

110

Como Surgiu o gosto pela fotografia?

Qual foi o teu primeiro fotógrafo de referência?

Rui Bandeira Começou muito cedo e não consigo apontar uma data, mas lembro-me de a minha mãe me mostrar fotografias, tanto em exposições como noutros formatos. Ofereceu-me as primeiras câmaras fotográficas, e como sempre fui muito tímido aproveitava para ficar atrás da camara para fugir dos flashes e holofotes. Mesmo quando não tinha câmara, ficava sempre na zona mais sossegada a observar, e a fotografar com os olhos.

RB Foi sem dúvida o Fernando Aroso. Não só pelas capas de discos, como também pelas fotos que fez da cidade do Porto. Ainda hoje me lembro de algumas das suas imagens e, a primeira vez que as vi já foi há bastantes anos!

E agora qual é o teu fotógrafo de referência? RB Eu agora não vou tanto por fotógrafos de referência mas sim por trabalhos de referência. Vejo por aí tra-

balhos que algumas vezes nem sei de quem são mas de que gosto bastante e que me inspiram. Contudo, tenho alguns nomes que admiro pessoal e profissionalmente, mas que não vou estar a referenciar por motivos óbvios. No entanto, em termos de fotografia de produto (que é a minha área de eleição), Pedro Brum é sem dúvida quem sigo regularmente.

A partilha de opiniões com outros fotógrafos é importante para ti? RB Sim, claro! A melhor forma de


aprender é a partilha de conhecimentos e é sempre uma aprendizagem nos dois sentidos. A minha formação no Conservatório de Música, desenvolveu este meu lado de partilha de conhecimentos. Na altura era normal ver grupos de alunos a estudarem juntos, a trocarem conhecimentos, e isso é algo que tento aplicar em tudo na minha vida.

E a partilha de conhecimento acontece na fotografia? RB Com as pessoas com quem eu me relaciono acontece e não estou a falar apenas

111


na área da fotografia, falo de tudo. Quer-me parecer que, quem realmente tem conhecimento e sabe do seu valor não tem problema nenhum em partilhar. Creio que entende que não é só o conhecimento técnico que importa, é toda uma vivência e, tudo o que se viu e ouviu é tudo o que se viveu. Quem não tem muito conhecimento tem medo de partilhar porque teme que possam “roubar-lhe as ideias”… Que tipo de fotografia mais gostas de fazer? RB Sem dúvida que é a fotografia de produto. 112

Fascina-me a construção da luz para dar forma, volume e beleza a um produto, que muitas vezes até pode ser algo banal do nosso dia-a-dia.

Como surgiu a aventura de montar o Estúdio Imagem e Marca? RB Olha, gostava de poder contar-te uma história interessante sobre isso, mas infelizmente o que realmente aconteceu não foi nada de mais. Certo dia precisei de fazer um trabalho em estúdio e então fui procurar um estúdio para alugar e, sinceramente não gostei de nada do pouco que vi

na altura. Encontrei espaços que não tinham sido pensados para aluguer, funcionavam apenas como mais um extra, mais uma forma de rentabilizar, então a Mónica (a minha esposa) sugeriu abrirmos um estúdio onde o aluguer a outros fotógrafos fosse uma das principais actividades e cá estamos!

Como vês o mercado da fotografia em Portugal? Mal. Como todos os outros mercados, a fotografia também não escapa à crise; com a desvantagem de que a fotografia, como profissão, é desres-


peitada pelos mesmos que dizem que têm por ela uma grande paixão. Agora é normal olharem para a fotografia como profissão de fim-de-semana, ou seja, pessoas que têm o seu emprego durante a semana e ao fim de semana são fotógrafos,até aqui nada contra, mas o pior é que a grande maioria praticamente oferece o trabalho, porque para eles o que vem da fotografia é tudo lucro, não pagam impostos sobre esses trabalhos por isso é tudo lucro…

Foi essa mesma crise que te levou a fazer o trabalho sobre as profissões em perigo? RB Não! Esse trabalho foi curioso, porque sempre que vou para casa passo pela porta do local de trabalho do sapateiro e sempre que lá passava, “fotografava”” com os olhos e dizia sempre que um dia tinha que parar para fazer uma foto. Esse dia foi sempre sendo adiado, até que um desafio do Don, que é um fotógrafo de Phoenix (um dos grandes fotógrafos de produto

dos Estados Unidos e que também gosta de partilhar conhecimento), me fez arrancar com esta ideia. Comecei com a foto do sapateiro e depois as outras foram aparecendo e espero continuar sempre e quando tiver tempo. Quero ir somando mais profissões…

Gostavas de ser recordado como um bom fotógrafo? RB Não! Prefiro que as pessoas 113


recordem as minhas imagens… de que adianta dizerem que eu era bom fotógrafo se não se lembrarem de nenhuma foto minha? Sobre o meu trabalho prefiro que digam algo do género: “Há uns tempos vi uma foto que adorei e nunca mais a vou esquecer, só que já não sei quem foi o fotógrafo…!”

114

A fotografia será a tua última paixão? RB A paixão é o que me move e, para mim as paixões não têm hierarquia. A fotografia é a paixão que me ocupa neste momento, já foi a música mas a fotografia sempre me acompanhou. Neste momento a música também anda por perto, espero descobrir outras paixões mas nunca vou conseguir abandonar as que tenho, nem acredito que isso seja possível…


CUSTOM HONDA CB750 TEASER BY IMAGEM E MARCA

www.imagememarca.com 115


R E T S I M ISS& TY

M

U A E B N O I H S FA UGAL T R O P e esvai votar m é b m ta ais o público ; os que tiverem m o rç a M e sd 013 atos deste mê os candid tes na edição de 2 Até ao fim candidatas e 30 d n e rr tinu das rão conco ao fim do mês con o e s , o ã ç ri colher 30 c s té concurs foto de in ortugal. A email do o gostos na Miss & Mister FB P ra a p r ia ros e de rso evem env sem óculos escu d s e do concu õ ç ri c úblico, as as ins om 1 foto ra a votação do p e se .c il a m am abert g a com qu rportugal@ contará p ção a foto trocas de missmiste esta foto apenas ta o v m e el, cada o feitas rosto visív ão enviar será colo . Não serã o te com rs u c n n o c juntamen ade, m ie v para quem anteriormente no n E . curso, id votação m ar no con inscrevera de colocadas em ip ic rt a p ois rem to fotos dep me com que que autor da fo o d e o m n o n per fil e a foto : o e , link do d a id c , ra altu a todoss Boa sorte

aulo César P : o ã iç d e e a Fotografi Sequeira MUA : Mara

116


es Beatriz Marqu

117


Dani Costa

118


Filipa Lรกzaro

119


s Daniela Santo

120


Lilyan Tovim

121


as

es PatrĂ­cia Camo

122


Rose Borges

123


Alex Coelho

124


ntr達o Cristiano Coe

125


David Santos

126


Hugo Mateus

127


y Thyago Tharll

128


rte Cristiano Dua

129


Rui Neto

130


Jo達o Lopes

131


a

Marinho Roch 132


Miguel Eixa

133


Vitor Falc達o

134


135


PHOTOGRAPHY BY : Daniel Correia Photo Post Production : Art Mello - ART4U | IMAGE Hair Stylist : Celina Neves Makeup Artist : Ver贸nica Mendes Maquilhadora Models: Zita Oliveira | Sara Reis | Cristiana Carreira | Helena Ferreira Thanks: Palace Hotel de Monte Real Roupas e cal莽ado cedidos por SAHOCO Vestidos de gala e vestidos de noiva- (n) de Noiva Leiria Celina Cabeleireiros- Leiria- Complexo Municipal das Piscinas

136


137


138


139


140


141


142


143


144


145


Pedro de Lima (do filme)

Uma curta-metragem com muito “soul”, um grupo de amigos e Pedro Martins de Lima, que não tira o pé de cima da prancha desde os anos 50

H

élio Valentim é um apaixonado pela imagem. Contar uma história, definir uma ambiência e gerar uma emoção no público. Desde pequeno que se considera um cinéfilo, e a sua formação académica apurou esse gosto. Um dos seus primeiros brinquedos foi uma prancha de esferovite. Veio o bodyboard, dez anos depois o surf. E meteu-se na água, até hoje. Consigo trouxe Carlos Lopes, um

146

dos personagens deste filme, mais um apaixonado pelo mar salgado e pelas suas vagas. O surf atrai as pessoas mais criativas ou as pessoas ficam mais criativas depois de fazerem surf? Hélio Valentim – Sem dúvida que as pessoas ficam mais criativas depois de fazerem surf porque alarga horizontes em termos emocionais e psíquicos. É uma experiência que te torna uma melhor pessoa, um melhor indivíduo. E também uma pessoa mais aberta a experiências, porque há a experiência sensorial: a água fria, estares na areia de Inverno, o frio, o calor, é tudo muito físico e sensorial. Mas pode atrair também quem já é criativo, com certeza que atrai. Pedro Martins Lima defendia que o surf devia ser o nosso desporto

nacional, enquanto desporto e modo de vida... Carlos Lopes – E que devia ser ensinado nas escola, temos mais mar do que qualquer outro país na Europa. Pela costa que temos, pelas condições que temos. É saudável em termos psíquicos, físicos e emocionais. O mar é terapêutico. Carlos, para além de fazeres surf, o que é que fazes? C.L. – Faço algumas pranchas de surf, algumas peças para expor. Também faço quilhas e fundei uma marca há algum tempo, com a ajuda de alguns amigos e do meu trabalho. É muito este o espírito do surf, da partilha. Também tenho a sorte de ter os “professores” que tive. Se fosse um simples funcionário


Carlos lopes (fotografia: Joel Reis) Hélio Valentim (fotografia: Joel Reis)

Carlos Lopes, Cristina Marques e Hélio Valentim (fotografia: Joel Reis)

Carlos Lopes em ação numa 9.6 (do filme)

de uma fábrica, a fazer 100 pranchas mensais era comum como os outros, era uma máquina humana. O que me dá mesmo gozo é criar algo diferente, sem copiar ninguém, criar aquilo de que mais gosto. Nos teus filmes tentas mostrar a vertente mais artística ou a mais comercial e competitiva do surf? H.V. - Para mim é muito natural passar o lado “soul”, filmar e trabalhar com surfistas que não são conhecidos do público e que não entram em campeonatos. Teria mais visibilidade, mas não é tão interessante. Não é tão interessante porquê? H.V.- Precisamente porque me revejo muito mais no lado mais “soul”, não tanto o surf levado mais a sério. Podes

sempre pegar num surfista conhecido e pedir-lhe para fazer “free surf”. Interesso-me por coisas antigas, pela cultura clássica, e o início do surf, na nossa era mais recente, teve a sua explosão nos anos 60, coincide um pouco com a cultura mais irreverente e rebelde, que proclamava à liberdade, ao feeling. Carlos Lopes – E hoje em dia eles trabalham para as marcas, eles não surfam, não é apenas uma competição. Em qualquer clube, eles trabalham para o clube e para vencer. Eu faço surf porque me divirto, porque consigo estar com os meus amigos, porque consigo estar no mar . É a diversão que me leva e as amizades que fazemos, as pessoas que conhecemos. Encarando o surf como algo mais “soul”,

como um modo de vida, como encaras os campeonatos? H.V. - É um paradoxo. Eu sou um bocadinho competitivo, até porque joguei futebol federado durante alguns anos, e gostava. Mas gostava muito mais de jogar futebol com os amigos. Tinha muitos mais prazer a jogar com os amigos ao fim do dia, na rua, do que no futebol federado. Mas também gostava dessa competição. Mas nunca fiz surf de competição, mas gosto de ver. Em qualquer desporto, gosto de ver as coisas a serem feitas na sua máxima performance, e isso acontece no surf de competição. Mas depois há o outro lado mainstream, demasiado mediatizado, que acaba por romper o lado “soul” do surf, a pureza do surf: estares na água, tu, os teus amigos e a prancha.

147


O melhor surfista é mesmo o que se diverte mais? Carlos Lopes- Para mim, é! Já fiz muitos outros desportos, mas não fazia sentido entrar no surf para competir. Foi fugir um bocado à competição, para me libertar um bocado e disfrutar um bocado daquilo que eu quero, estar com os amigos, divertir-me com os amigos, e não estar com pessoas que têm sempre um segundo interesse.

Do filme Pedro Lima (do filme

Porque é que achas que há tanta gente que se revê nessa cultura, nesses valores e nesses conceitos estéticos? H.V. – Eu acho que a sociedade, a forma como vivemos hoje, na era da mega informação, as coisas correm tão depressa, que eu acho que se volta a ter essa necessidade de se abrandar um pouco, de voltar à forma como se faziam as coisas no passado, de se voltar à natureza, de ligar mais à terra, mais ao mar, não ser tudo tão imediato. Por exemplo, as pranchas usadas neste filme, da Wavegliders, que são feitas à mão, demoram mais tempo, requerem mais trabalho, é mais artístico no sentido em que requerem “mais mão” do shaper, da prancha, dos pormenores. Levam mais tempo e são mais apuradas.

Hélio Valenti (fotografia: Joel Reis)

De onde surgiu a ideia para a curtametragem “Uma no cravo, outra no surf”? H.V. – Há já algum tempo queria fazer um filme que tivesse uma história, que não fosse só um clip de surf, que tivesse mais do que isso. E há mais de um ano que andava fascinado com a história do Pedro Martins de Lima, já o conhecia de um outro filme de surf português, e chamou-me muito a atenção aquele senhor que, no início do filme, abre uma garagem e tira a prancha de lá de dentro. Fiquei fascinado, essa cena está genial e marcou-me. E fui sempre acompanhando, quando havia

148

uma entrevista, e andava com muita vontade de o conhecer. E de o filmar, fosse num filme ou num documentário. De há dois anos para cá tenho me dedicado mais a fazer algumas curtas metragens e alguns documentários e filmava algumas imagens de surf, mas só para mim e para os amigos, na brincadeira. Mas havia essa vontade e essa urgência de filmar, com uma história pelo meio, com um conceito pelo meio, e porque não incluir o Pedro Martins de Lima nisto? Perguntei a uns amigos se queriam ser filmados a surfar, como é o caso do Carlos, do Nico da Wavegliders, e o “team” deles. Eles aceitaram. A ideia era trazer o Pedro até nós, haver alguma interação entre ele e os surfistas. Acabei por ir ter com ele a Gaia, sempre como o conceito de tentar saber como era o surf em Portugal há alguns anos atrás e como é que era antes de haver liberdade social e política, antes do 25 de Abril. Houve algum episódio que o Pedro Martins de Lima te tenha contado e te tenha agradado especialmente? H.V. – Ele viveu e continua a viver a vida com grande intensidade. Por exemplo, foi agora passar a passagem de ano para os Alpes suíços, fazer ski, com 83 anos. E sempre assim foi, foi um homem muito visionário, um homem dos sete ofícios. Filmou debaixo de água, fez fotografia, inventou uma câmara. O que ele contou que mais me espantou foi este lado inventivo, o criar sem saber se haveria de resultar, na tentativa – erro. Ele inventou uma câmara de filmar estanque com uma panela de pressão. Uma soldadura aqui, outra soldadura acolá, e aquilo resultou durante anos na perfeição, e levava a câmara para todo o lado , de película na altura, e fartou-se de fotografar até ter dinheiro para comprar outra. O seu lado renascentista foi o que me fascinou mais.


149

Carlos Lopes e HĂŠlio Valentim (fotografia: Joel Reis)

Carlo Lopes, Cristina Marques e HĂŠlio Valentim (fotografia: Joel Reis)


BODY

SOLUTION

COM NOVA CARA

C

ada vez mais procuramos estar bem. Sentirmo-nos bem! E “bem-estar” é uma palavra que abarca muitos sentidos, e que engloba muitos aspetos da nossa vida. Resume-se a estar de bem com a vida, a bem estar físico e mental, estar com a auto estima elevada, sentir-se bem e feliz por simplesmente existir. Mas ninguém é de ferro. Foi a pensar nas várias lacunas existentes na oferta de serviços de wellness que Luís Marques criou a BODYSOLUTION, criada de sementes como uma abordagem holística e acompanhamento de excelência personalizado permanente, onde se incluem consultas na área da nutrição, osteopatia, fisioterapia, aconselhamento estético, entre outras. Neste projeto, a oferta está alargada a quatro campos: wellness solutions, onde se incluem as questões relativas a wellness e saúde; a comercialização de suplementos; o aconselhamento técnico quanto à instalação e operacionalização de unidades de wellness em Por-

150

tugal; e a formação e workshops na área do bem-estar. A ideia surgiu da experiência de largos anos de Luís Marques no mercado do fitness. Depois de analisar as tendências e, principalmente, as necessidades das pessoas e das organizações, o fundador da BODYSOLUTION concluiu que cada vez mais as pessoas dão importância à sua saúde e bem estar. E como visionário que é, apercebeu-se de que aqui poderia nascer uma oportunidade. A oferta de serviços está muito fragmentada. Quem já não foi ao ginásio numa ponta da cidade e fez mais uns quantos quilómetros para ir ao nutricionista? É verdade! Posto isto, nasce a BODYSOLUTION. Focada em oferecer um novo conceito de bem-estar integrado. Não precisa de cartões de sócio ou de ter as mensalidades do ginásio em dia. Pode ter o seu personal trainer em casa, num conceito indoor ou outdoor. Se acha que a sua alimentação não é a mais correta ou precisa de alguns ajustes, a BODY SOLUTION oferece um aconselha-

mento alimentar personalizado. E se não tem andado a entender -se com o espelho, que lhe parece um “fashion and image advisor”? Personalizado. Podia ser o nome desta empresa, deste projeto, deste sonho de Luís Marques. Não é, mas BODYSOLUTION é também um bom nome para batizar um projeto como este. Porque aqui encontrará sempre a solução mais adequada ao seu corpo, para que consiga encontrar a sua harmonia e o seu bem-estar. E foi a propósito do lançamento da nova imagem da BODYSOLUTION que o restaurante Flavour recebeu um grupo de amigos mais chegados de Luís Marques para festejar este conceito inovador. A festa prolongou-se na discoteca Studio, onde não faltou animação, glamour, beleza, e onde soube muito bem estar.

Cristina Marques


CrĂŠditos das fotos: Joel Reis Fernando Tavares DDiarte

#2

151


RONNY KASTA CONSULTORIA DE IMAGEM BY RONNY

Depois de ouvir atententamente os cuidados que a Fabi Lima tem com as suas madeixas loiras, RONNY KASTA dá umas dicas para ajudar a Fabi a cuidar melhor dos seus cabelos e também para todas as leitoras da !N magazine!!

1 A Fabi Lima, tem uma única cor no cabelo, um loiro claríssimo que ela consegue com a coloração direta...Para o verão vocês podem apostar em mais de um tom de madeixas loiras, bem finas e desencontradas com um leve tom mais claro nas pontas para dar leveza e conferir mais luminosidade e suavidade ao rosto, 3 ou 4 tons será o ideal. Vocês vão adorar o resultado!!!

2 A Fabi deveria diminuir um pouco o tempo de visita ao cabeleireiro, indo1 vez por mês, ela não conseguirá obter os resultados desejados a nível de tratamento do fio.

3 Clarear a raiz no mesmo tom do comprimento é um erro muito comum, e isso deixa o cabelo com aspeto vulgar. “Apagar” a raiz é o segredo! Combine com luzes claras em todo o comprimento e pontas! Vai ficar show!!

Espero que gostem das dicas!

Questões para: ronny.victor@INmagazinePT.com 152


FABI LIMA

CANTORA, COMPOSITORA E GUITARRISTA CLÁSSICA. Já com uma veia artística herdada do pai,, que por sua vez era guitarrista amador. FABI LIMA guardava em gavetas esse grande talento desde a sua adolescência. Sempre compôs e já gostava muito de música e de cantar; após se aperfeiçoar e se tornar uma guitarrista clássica, para nossa alegria, nasceu a FABI LIMA.

Vamos ao que nos interessa!

RONNY- Como mulher e pessoa pública tens de estar sempre apresentável e com um visual cuidado, e neste caso com os cabelos. Quais são os cuidados diários que tens com o teu cabelo? FABI - Não tenho muitos cuidados, confesso; hidrato o cabelo pelo menos 1 vez por semana com hidratações específicas para o meu tipo de cabelo, que por sua vez, necessita de um cuidado mais especial, pois as longas e belas madeixas são loiras. E lavo-o no máximo 2 vezes por semana. RONNY - Com que frequência costumas ir ao cabeleireiro? FABI - (risos)Não dou muito dinheiro a ganhar ao cabeleireiro, só costumo ir ao salão 1 vez por mês para retocar as raízes, e aproveito para fazer um tratamento profundo aos fios do cabelo; fico muito atenta aos conselhos do meu cabeleireiro, e ainda aproveito a internet para aprender alguns truques também. RONNY - Sempre foste loira, ou já brincaste com outros tons? FABI - Só usei 2 tons em toda a minha vida, o castanho e o loiro, e apaixonei-me pelo loiro! RONNY - Em ocasiões especiais tipo: casamentos, jantares e etc… O cabeleireiro é a tua opção, ou desenrascas-te em casa?

FABI - Não, adoro arranjar-me para essas ocasiões, levo algumas ideias para o cabelo e também para a maquilhagem, e deixo o profissional fazer o resto; acho que como sempre o que quero, saio sempre contente com o resultado! (risos) RONNY - Mas também dás uns toques de cabeleireira em casa se for preciso?(risos) FABI - Claro que sim!!!!! Consigo dar uns toques, e por também ter trabalhado como modelo, aprendi muito com os profissionais, mas claro que confio mais no trabalho de vocês os profissionais. RONNY - Acessórios, achas IN ou OUT? FABI - Sou pouco adepta de acessórios, na verdade não gosto muito, gosto de um bom brushing, liso ou com ondas largas fica sempre bem (risos) RONNY - Agora sem querer revelar os teus segredos, gostaria que nos desses 3 dicas para manter um cabelo loiro, lindo e saudável como o teu. FABI - Temos ótimos produtos no mercado, mas procurem sempre optar pelos de uso profissional. 1- Uma boa escova, para evitar que se partam os fios, e penteio-me sempre antes de dormir, de cabeça para baixo para ativar a circulação sanguínea, dando assim mais brilho ao cabelo. 2- Um champô tonalizante,para evitar que os fios fiquem dourados, pois gosto deles mais acinzentados. 3- Um bom reparador de pontas, agora os de óleo de Argan são uma ótima opção.

FABI LIMA vai lançar o seu CD promo em breve nas rádios!

www.fabilima.com Ronny Kasta & Victor Sousa Hairstylists

153


Musician/Band INFO+ BOOKING: pedromiguelclaro@gmail.com

A IN MAGAZINE já não é apenas publicação virtual visível nos ecrãs do computador. Sábado 2 de fevereiro mostrámos que somos uma equipa de gente sorridente e disposta a fazer algo pelo bem estar de quem nos lê. Rumámos ao MAIN (antiga Kapital) para uma festa de apresentação onde o prato principal foi o desfile da estilista Teresa Capitão. Sem atraso significativo o desfile arrancou após a meia noite já com casa cheia quanto baste (propositadamente não se esperou pela lotação esgotada) por forma a que a movimentação dos participantes fosse possível. Cerca de 30 minutos de duração prenderam a atenção do muito público que subiu ao piso 1 do MAIN. Banda sonora cuidadosamente selecionada pelo Joel Reis que tive a oportunidade de misturar sem software. Discos, mesa de mistura, pitch bem medido e muito público, como gosto! Terminado o desfile foi a !N MAGAZINE que proporcionou a primeira hora de dança já com o MAIN em clima de festa e em total sintonia com o espírito IN! A estreia foi auspiciosa e recheada de público que se preparou a preceito para uma noite de moda, glamour e música. Há fotos disto! Procurem-nas no nosso Facebook. O Radio Hotel é o segredo mais bem guardado de Lisboa - zona de Alcântara. Ir ao Radio Hotel já é algo natural e que não faz depender movimentações de público em função de produções. Kamala e André Henriques juntam um convidado especial na cabine todos os sábados. MC Virgul, Orelha Negra e Filipe Gonçalves são apenas alguns dos exemplos que tanto mostram o cuidado da oferta como também revelam a sonoridade que domi154


na: Soul, RNB e Hip Hop são quem aqui traz todos os interessados em conhecer uma atmosfera de sonoridade urbana que se destaca pela qualidade. Ao nível dos melhores, o resultado deste trabalho está a gerar buzz positivo que faz toda a diferença na hora de escolher. Muito mais do que posts no Facebook com caras bonitas, o Radio Hotel vive-se e respira-se na pista de dança porque é único.

na A1 justifica conhecer a noite do Cartaxo e a cereja no topo do bolo é aproveitar a gastronomia local para que a experiência seja completa.

A linha Lisboa / Cascais continua a ter um ponto de referência obrigatório: o Jézebel situado no Casino Estoril. Habitualmente com sextas num formato revivalista, este dia garante um ótimo arranque para o fim de semana. A exceção a este hábito de programação aconteceu 2 Mas não são apenas os grandes es- de março com a visita do consagrapaços em Lisboa que demonstram do internacional Dimitri From Paris, qualidade. Sexta-feira 22 de Feve- cuja presença foi mais um upgrade reiro tive uma agradável surpresa numa casa habituada a oferecer o no Cartaxo. O domínio da Horta da melhor com a respetiva corresponFonte na última sexta do mês é ab- dência em afluência de público. A soluto com as “Lets Control The 80s” fasquia ficou alta e curiosamente que conheço desde o primeiro dia. coube-me a mim dar sequência “ Já não é uma festa, é um aconte- na semana seguinte - gosto dessa cimento!” - disseram-me um dia, e responsabilidade! O Jézebel está com toda a razão. Porém o warm seguro e promete não tirar o pé do up aconteceu 200 metros ao lado acelerador até ao habitual encerrano “The H Neo Club” cuja equipa de mento pré-verão dando então lugar produção da H Collective continua ao Tamariz. a saber alimentar num sistema de rotatividade de djs que garantem Contados os proveitos do Carnaval algo novo todos os fins de semana. as atenções concentram-se agora Um espaço à dimensão da zona en- no período da Páscoa, em especial volvente onde se situa com as me- nas zonas de romagem habitual. didas certas para brilhar todos os Algarve é incontornável mas a crifins de semana. Meia hora de carro se pode gerar quebras pelo que

termos como “low cost” prometem fazer parte da estratégia de sobrevivência de muitos empresários da noite. Longe de ser o ideal, acaba por espelhar a realidade de um país que coloca o entretenimento em segundo plano porque com o dinheiro contado, a prioridade está no essencial e não nos copos...e isto não é criticável - a noite tem de saber conviver com as dificuldades que muitos portugueses atravessam. Imaginação e criatividade são fundamentais para contornar as dificuldades que se aproximam. Para terminar, um desafio aos leitores “Night Club” da IN MAGAZINE: não sendo humanamente possível conhecer todos os espaços que gostaria e reportar o andamento de cada um, contem-me vocês as boas experiências que tiveram nas últimas semanas com casas e djs. Tenho a certeza que aí fora existem muitos espaços que merecem ser enunciados. Tratem bem a noite! DJ Pedro Simões

pedrosimoes.in.mag@gmail.com 155


ROCHA !N THE AIR BY JOANA RIACHOS

O cenário era este: uma equipa com mais de 14 pessoas reunidas num estúdio de rádio, para uma sessão fotográfica. A RFM lançou o desafio aos ouvintes e abriu as portas do estúdio, em Lisboa, à !N MAGAZINE. A ideia partiu do nosso correspondente Pedro Simões, produtor do programa “Rocha no Ar”. A animadora deste programa é Carla Rocha, que promete duas horas de muita animação, boa conversa e interatividade com os ouvintes.

!N MAGAZINE – Que programa é este, Carla? O que podemos esperar dele? Carla Rocha (CR) – Todos os dias há um tema diferente, cabe tudo aqui dentro, desde que seja tratado de uma maneira leve e descontraída, com graça. Os convidados são desde a pessoa mais ilustre, ao mais ilustre desconhecido e depois toda a gente pode participar no facebook, por telefone e a ideia é rapidamente ter plateia a assistir aqui no estúdio. !N MAGAZINE – Como foi feita a divulgação desta sessão fotográfica? 156

CR – Foi em antena e no facebook. Os nossos colegas que têm outros horários ajudaram e divulgaram que isto ia acontecer, nós pedimos que nos mandassem fotografias para concorrerem a modelo e temos algumas pessoas que foram seleccionadas. O fotógrafo Joel Reis e João Mello, o diretor criativo da revista, foram os responsáveis por levar a cabo uma sessão fotográfica em pleno estúdio de rádio, com a emissão em direto. Com uma equipa de cabeleireiros, maquilhadora, stylists, modelos e ouvintes, a confusão estava no ar… mas o resultado está aqui! O conceito escolhido

para esta sessão de moda é da autoria da Fashion Stylist Catarina Nicolau. Catarina Nicolau – A minha inspiração foi uma tendência que ainda não está explorada e que vai vir em força, mas está a ser introduzida aos poucos. A nível de produção de editoriais de moda cá em Portugal ainda não se vê muita coisa sobre isso, que são os padrões chineses. Nós puxámos isso um bocadinho para as gueixas, tanto para o lado feminino, como para o lado masculino, sendo que em homem tem uma linha muito mais formal do que em senhora. O pormenor para ambos está nos penteados: está


nos pauzinhos chineses na cabeça. Os ouvintes fizeram chegar as inscrições e fotografias à RFM. A escolhida para ser modelo por uma noite foi a Patrícia Constantino, natural de São Jorge, nos Açores. O nosso fotógrafo teve cerca de 15 minutos para fotografar cada modelo (alguns já com experiência) e contou com o seu braço direito, João Mello, para captar os momentos em equipa. Joel afirma que a “diversão e a adrenalina a 1000” comandaram esta emissão de rádio e sessão fotográfica. !N MAGAZINE – Qual é o balanço deste “Rocha no Ar” com direito a sessão de moda?

Carla Rocha (CR) – Eu fiquei surpreendida. Eu tinha ideia de que ia ser uma coisa divertida, porque o espírito do programa é esse, mas estava com algum receio porque como é uma equipa muito grande, às vezes o que passasse lá para fora em vez de diversão e do ambiente do que estava a acontecer fosse mais ruído. Mas correu lindamente, porque as pessoas são todas divertidas, percebem exatamente… parece que já estiveram num estúdio de rádio antes porque percebem exactamente quando é para fazer menos barulho, quando é que é para ficar mais entusiasmado e tentar passar esse ambiente lá para fora. Acho que conseguimos muito

bem descrever visualmente no facebook e depois com o som através da rádio, qual é o ambiente de uma sessão de moda. Adorei!

ROCHA NO AR

pode ser ouvido na RFM, de segunda a sexta-feira, entre as 21h e as 23h. Joel Reis: “diversão e a adrenalina a 1000”

157


158


159


160


161


162


163


164


165


166


Rocha !N the air

Credits: PHOTOGRAPHY BY : Joel Reis FASHION STYLIST : Catarina Nicolau Photo Post Production : Art Mello Photography Assistant : Melita Reis Hair Stylist : Roni (SM Cabeleireiros) Hair Stylist Assistant: Fernando Grilo Stylish Assistant: Joana Lourenço Makeup Artist : Djanira Cruz (the Beauty Shop) Photo Make of : João Mello Models : Patricia Constantino Joana Riachos Mariana Canas @ Fado Models Ivan Silva@ Face Models João Ávila @ Fado Models

E A JOANA TAMBÉM

167


Salomé Santos Tel: +351 93 301 9003 salome.in.mag@gmail.com

Da conciliação de ideias podemos construir coisas diferentes. Que de três caminhos diferentes podemos seguir um só ou construir um novo. Na soma de amores, sabores, aromas e experiências nascem coisas novas. É preciso experimentar, ar-

riscar, sair da nossa zona de conforto e saber voltar a sonhar. Sem reservas, com curiosidade, partir à aventura! Por isso mesmo trago-vos algumas coisas novas para uns, impensáveis para outros, completamente confortáveis para alguns e uma proibição,

infelizmente, para muitos. Permitam-se ceder ao desconhecido, ao prazer, ao viver o que de melhor a vida nos dá pelo menos uma vez por semana!! E isso pode acontecer na vossa cozinha!

Almôndegas Vegetarianas Era uma vez uma almôndega que, farta de ser vista e feita da mesma maneira pensou: “De que forma posso reinventar -me continuando a ser apetitosa, nutritiva e ainda mais saudável?” Substituindo a carne por nozes!! Um dos ingredientes com maior teor de vitamina B6, vitamina E e selénio, as nozes fortalecem as defesas do corpo, auxiliam na formação de glóbulos vermelhos, ajudam a curar ferimentos mais depressa, fortalecem ossos e dentes e, ainda, atuam contra o envelhecimento das células. Como a nogueira é originária da Ásia, não é de se estranhar que um milenar ditado da região recomende comer uma noz ao dia para beneficiar o coração. Será por isso que os chineses vivem tanto tempo? 168

DICAS:

PARA 4

6 ovos 1 chávena de pão ralado 1 ½ chávena de nozes raladas 1 cebola picada 1 dente de alho picado orégãos salsa ou coentros picados a gosto Sal, pimenta e noz mocada q.b. molho de tomate

PREPARAÇÃO

Coloque a aquecer uma fritadeira com óleo. Misture todos os ingredientes até obter uma massa homogénea e faça bolinhas. Frite-as no óleo apenas por alguns segundos e apenas para ganharem uma ligeira cor dourada e consistência. Coloque-as em papel absorvente. Ponha-as num recipiente e derrame por cima o molho de tomate. Leve ao forno a 180º durante 45 minutos. A meio do tempo vire as almôndegas, para absorverem por inteiro o sabor do molho de tomate.

Vá colocando um ovo de cada vez até obter a consistência desejada ou então adicione pão ralado se verificar que a mistura está muito mole para moldar as bolinhas. Pode usar molho de tomate já feito mas fica muito mais saboroso, além de mais saudável se fizer o seu próprio molho de tomate. Acompanhe com uma boa salada verde, uns brócolos salteados em azeite e alho ou então o clássico esparguete al dente.


Creme de Couve-Flor Desde 600 AC que nos acompanha. Adorada por uns, detestada por outros o seu manto verde esconde um tesouro branco cândido. O segredo está em olhá-la de uma nova perspetiva e ter a atitude de a cozinhar de forma diferente. Esta é uma delas!

PARA 4

½ couve flor 1 cebola 25g de manteiga azeite 1 folha de louro leite sal e pimenta qb 1 mão cheia avelãs

PREPARAÇÃO

Corte a couve flor em pedaços, junte a cebola, o louro e refogue tudo em manteiga e um fio de azeite durante 5 minutos. É importante que não deixe a couve flor es-

curecer. Junte o leite até cobrir a couve flor, o sal e a pimenta. Depois de ferver deixe cozer em lume baixo até a couve flor estar macia (10 minutos). Retire a folha de louro e triture bem a sopa. Retifique os temperos a adicione um pouco de noz moscada. Torre as avelãs numa frigideira sem qualquer gordura. Isto vai permitir que elas libertem todo o seu óleo e aroma. Pique-as grosseiramente e polvilhe a sopa depois de servida.

DICAS:

Depois de servir a sopa pode deitar um fio de natas por cima ou um fio de azeite de qualidade. Pode aumentar a quantidade de couve-flor a utilizar, só tem de seguir a regra de que o leite tem de cobrir a couve para cozer. Não se esqueça de retificar também a cebola, a manteiga, o azeite e os temperos Se achar que a sopa ficou grossa demais para o seu gosto basta juntar um pouco de leite. Experimente substituir a

cebola por chalota. Esta tem um sabor mais adocicado e muito, muito agradável. Ao comprar couve-flor ela não deve estar manchada, nem ter que pequenas flores a aparecerem. Quanto mais clarinha melhor! Se tiver muitas folhas verdes à volta está mais protegida e será mais fresca. A couve-flor promove a desintoxicação do fígado.

169


Creme de frutos silvestres Coloridos, atraentes, apetitosos, saborosos, provocadores, assim são os frutos silvestres. Ninguém fica indiferente quando passa por qualquer um deles: morangos, amoras, framboesas, mirtilos, groselhas. Além desta vontade compulsiva de os saborear de imediato e sentir prazer é bom saber que estes frutos são ricos em vitamina C, B1, B2 e B6, magnésio e fósforo, cálcio, potássio, ferro, zinco, cobre e ácido fólico.

170

PARA 4

250g de morangos 125g de framboesas 125g de mirtilos 4 colheres de sopa de sumo de laranja 500ml de iogurte grego light natural 2 colheres de sopa de mel 2 colheres de sopa de açúcar em pó

PREPARAÇÃO

Lave muito bem a fruta e reserve uma boa mão cheia dela para depois utilizar na decoração final. Divida a restante fruta em duas partes. Coloque o sumo de laranja, o açúcar em pó e uma das metades da fruta na picadora. Triture ligeiramente os ingredientes até obter um puré suave. Coe a fruta triturada para uma tigela, utilizando um passador, de forma a separar as sementes da polpa da

fruta. Use uma colher de pau para auxiliar neste processo. Corte os morangos em pedaços e mantenha as framboesas e os mirtilos inteiros. Adicione a fruta ao puré suave que fez e envolva cuidadosamente. Misture as 2 colheres de sopa de mel com o iogurte grego. De seguida junte metade da mistura de frutas no iogurte e envolva suavemente. Não misture demasiado! Deixe que se note o branco do iogurte e as diversas tonalidades de cor da fruta. Pense no aspeto marmoreado! É isso que queremos! Escolha umas taças ou uns copos bonitos e disponha alternadamente a mistura de iogurte e a mistura de fruta em camadas até esgotar os ingredientes. No fim decore com a boa mão cheia de fruta que reservou no início.

DICAS:

. Pode fazer esta sobremesa com outra fruta da sua preferência. . Se adora frutos silvestres e não encontra algum dos sugeridos na receita aumente a quantidade dos que encontra ou substitua por exemplo por amoras. . Quando estiver a fazer o puré de fruta faça-o a seu gosto. Há quem goste de obter um puré suave mas há quem prefira sentir mais pedaços de fruta. . A mesma coisa com as sementes! Há quem as deteste, há quem aprecie o crocante que proporcionam. Seja livre. Escolha! . Em vez de usar só iogurte grego pode substituir metade por iogurte natural e tornar assim a sobremesa ainda mais saudável. . E delicie-se com uma linda e saborosa sobremesa!


171


172


!N magazine, number 2