Page 1

Revista Forum Estudante | Janeiro 2017 | Edição n.º 292 | Disponível apenas por assinatura com o custo mensal de 1€

dossier Academias de verão Forum Estudante

The Last Guardian chegou, nove anos depois E se os animais estudassem?

O

360

Dicas para estudar

com a DECO Jovem e a Forum Estudante

60 concertos, duas reedições, um concerto em DVD e uma história contada em oito videoclipes. David Carreira contou-nos tudo sobre o seu 2016.

DAVID CARREIRA

Ainda há papel?

CRIA UM SITE E VAI A BERLIM

A


TENHO VIVIDO O VERDADEIRO “AMERICAN DREAM” O quê? Já são 2 meses? Sim, já sobrevivi 2 meses na “América”! Tem sido uma experiência espetacular cheia de aventuras, programas e mudanças. Agora, além da família e dos amigos em Portugal, tenho uma família, uma casa, amigos e uma nova escola nos Estados Unidos! É espetacular ver como em 2 meses posso dizer que me sinto em casa. A minha rotina mudou completamente, a minha mãe até diz que nem reconhece . Tenho ainda um hora de educação física todos os dias o que, para quem era uma rapariga muiiiiiiiito preguiçosa, é um passo gigante! Descobri que adoro comida mexicana, bacon e milho e que a escola aqui não é tão fácil

como todos pensam apesar de estar a ter boas notas. O meu inglês tem evoluído imenso (apesar do accent que eles dizem ser “adorable”) e tenho vivido o verdadeiro “American dream”. Sinto que tenho uma mente mais aberta e que estou muito mais tolerante. Ainda não sonho em inglês mas noto que a falar com os meus pais ou amigos por skype me escapam palavras em inglês no meio da frase. Nunca pensei ser maluca o suficiente para embarcar nesta viagem mas estou felicíssima e espero que os próximos 8 meses sejam ainda melhores que estes dois. Maria

Gostavas de Estudar nos Estados Unidos, mas achas as Universidades caras?

NÃO TANTO QUANTO ESPERAS! Propomos:

✔ Acesso a uma Universidade Americana ✔ Uma experiência que nunca irás esquecer ✔ Melhorar o teu nível de Inglês ✔ Melhores perspectivas no acesso ao mercado de trabalho ✔ E a cereja no topo do bolo: Uma Bolsa de Estudo parcial! As inscrições para o ano de 2017/18 estão a decorrer neste momento. Não percas a oportunidade de também ter uma experiência fantástica. Contacta já com a Multiway.

multiway@multiway.org www.multiway.org Multiway.Cursosnoestrangeiro Tel.: 21 813 25 35

Av. E. U. América, 100 – 13º Fte. 1700-179 Lisboa


3 | Forum Estudante | Jan’17

/Sumário

PASSATEMPOS

CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO: Estes passatempos decorrem até 31 de janeiro. Apenas serão atribuídos prémios a residentes em Portugal e somente um prémio por pessoa e morada em cada passatempo. Só será aceite, de cada concorrente, uma participação por dia. O não preenchimento correto do formulário de participação em www.forum.pt/passatempos, leva à desclassificação do participante. Os vencedores residentes na área da grande Lisboa terão que levantar o prémio na nossa sede em Lisboa. Aos restantes, os prémios são enviados via CTT. Após notificação, os vencedores têm um prazo de 15 dias para reclamar o prémio. Os prémios devolvidos não serão reenviados. A idade máxima de participação é de 25 anos, inclusive, a confirmar por documento de identificação. OS PREMIADOS SÃO ANUNCIADOS EM FORUM.PT. NOTA: as cores e modelos apresentados podem não corresponder às imagens apresentadas.

www.forum.pt Telefone 218 854 730 FAX 218 877 666 Email geral@forum.pt Direção Gonçalo Gil goncalo.gil@forum.pt

MESSIAS MARICOA NHANHADO

Temos 5 CD’s do Messias Maricoa “Nhanhado” para te oferecer. Participa em www.forum.pt

WORLD OF FINAL FANTASY SÓ PARA TI!

Fotografia Fábio Rodrigues, Gonçalo Gil, Design Miguel Rocha miguel.rocha@forum.pt Redação Fábio Rodrigues fabio.rodrigues@forum.pt

As tuas personagens favoritas, dois mundos únicos, um jogo só para ti. E temos 5 jogos de PS4 para dar. Participa em www.forum.pt

Assinaturas Paula Ribeiro Tel.: (218 854 730) pribeiro@forum.pt Anuidade: 10€ Publicidade Félix Edgar (Tel.: 218 854 103) felix.edgar@forum.pt Comunicação José Maria Archer (Tel.: 218 854 780) Distribuição Vitor Silva (Tel.: 218 854 755) vitor.silva@forum.pt

WILSON P SEM FILTROS

Temos 5 CD’s do Wilson P “Sem Filtros” para te oferecer. Participa em www.forum.pt

A QUIMERA DE PRAGA

A Forum Estudante e a Porto Editora têm 5 livros “A Quimera de Praga” para ti. Participa em www.forum.pt

SUMÁRIO

Escolas A montra do emprego! Futurália As novidades do teu futuro 25 anos Forum Conhece o projeto que te ajuda a ajudar. PNL Ainda há papel? Pancadas E se o Zoológico fosse uma escola? BP Segurança ao Segundo Sempre em segurança. Dossier Academias Conhece as sete semanas de diversão e aprendizagem que temos para ti 36 Tech O The Last Guardian chegou... 9 anos depois! 40 Horoscópos Ano novo, vida (mais ou menos) nova 4 6 10 12 14 16 21

Produção Monterreina, Madrid Tiragem: 40 mil exemplares FORUM ESTUDANTE Revista de Cursos, Escolas e Profissões Propriedade e Edição de: PRESS FORUM, Comunicação Social, S.A. Capital Social: 60.000,00¤ NIF: 502 981 512 Periodicidade Mensal Depósito Legal n.º 510787/91 Registo ICS n.º 114179 Sede Tv. das Pedras Negras, nº 1 - 4.º 1100-404 Lisboa Tel.: 218 854 730 | Fax: 218 877 666

Administração Roberto Carneiro (Presidente) Rui Marques Francisca Assis Teixeira

#TEMA DE CAPA Entrevista a David Carreira Depois de um 2016 muito movimentado, David Carreira vai... de férias. Mas ainda teve tempo para falar com a Forum explicando os momentos altos do último ano, bem como as suas principais paixões e objetivos. Não percas a entrevista com o vencedor do prémio MTV Best Portuguese Act 2016, nas páginas 18 e 19.

Revista Forum Estudante #292 // Janeiro 2017 // e-mail: geral@forum.pt // www.forum.pt


4 | Forum Estudante | Jan’17

/Escolas

HÁ UM MUNDO E EMPREGO POR TRÁS DA ESTANTE Numa iniciativa conjunta da Escola de Comércio de Lisboa e da Sonae, 100 estudantes do 9.º ano conheceram as profissões do futuro na área da distribuição e logística. David Graça, aluno de 16 anos da Escola D. António de Ataíde, em Vila Franca de Xira, foi um dos estudantes participantes e explicou à FORUM as principais mais valias que retirou deste dia: “ganhámos informação, novas ideias e experiência que podem ser importantes na altura de escolher um curso”.

“[…] da próxima vez que olharmos para uma estante num supermercado, já sabemos todo o trabalho que esteve envolvido por trás daquele produto.” De igual forma, acrescenta David Graça, o dia trouxe uma nova perceção: “da próxima vez que olharmos para uma estante num supermercado, já sabemos todo o trabalho que esteve envolvido por trás daquele produto”.

Olhar as profissões do futuro A escolha destas profissões justifica-se pelo facto de serem “duas funções muito requisitadas pelas empresas” e com falta de diplomados, acrescentou Isabel Barros. Foi, de resto, pela mesma razão que a Sonae e a Escola de Comércio de Lisboa fundaram uma parceria, há cerca de três anos. Esta parceria tem dado os seus frutos, revela a diretora da ECL, Piedade Redondo Pereira, que destaca um dado: “quase todos os diplomados destas duas qualificações tem sido recrutados pela Sonae”. Foi precisamente a empregabilidade que levou Andreia Gameiro a escolher o curso profissional de Técnico de Distribuição. “Disseram-me que tinha muita saída e que podia sair daqui com uma mais-valia”. Atualmente no segundo ano do curso, a estudante garante que, sobretudo devido aos estágios incluídos, confirmou essa ideia. “Hoje em dia, não trocava o meu curso por nada”, reforça.

pub

Depois de uma breve apresentação, chegaram os desafios. Divididos em três grupos, os estudantes do 9.º ano que visitaram a Escola de Comércio de Lisboa passaram por diversas estações que, de acordo com Isabel Barros, diretora de Recursos Humanos da Sonae MC, tiveram como objetivo “demonstrar, de forma prática, o que são as profissões de técnico de logística e de distribuição”. Desta forma, ao longo do dia, cerca de uma centena de estudantes participou em dinâmicas de simulação do ambiente de um armazém ou de um supermercado. Depois de um quiz sobre o relacionamento com o cliente, os jovens puderam usar as técnicas de logística utilizadas no dia a dia de um técnico de logística e de distribuição, nomeadamente a receção, identificação e separação dos produtos, bem como as técnicas de merchandising e de exposição.


5 | Forum Estudante | Jan’17

/Escolas

SABES QUE CURSO VAIS TIRAR? PROFISSIONAL? SUPERIOR? EM PORTUGAL? OU NO ESTRANGEIRO? ma de intercâmbio? E se fizesses um progra E se apostasses numa língua estrangeira?

E porque não fazer um Gap

Year?

NA FUTURÁLIA 2017 ENCONTRAS A RESPOSTA!

A FUTURÁLIA TAMBÉM É

MÚSICA MULTIMÉDIA DESPORTO

pub

198x142.pdf 1 20/12/2016 15:22:52

1ed0içãoa 29 marco a 1 abril 2017 - FIL PLAYER 3

C

PLAYER 2

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

O TEU FUTURO ESTA EM JOGO

PLAYER 1

futuralia.fil.pt facebook.com/avidaetua ORGANIZAÇÃO

MEDIA PARTNER

TRANSPORTADOR OFICIAL

OUTROS PARCEIROS


6 | Forum Estudante | Jan’17

/#ForumNaEscola Durante o mês de dezembro, a FORUM esteve em diversas escolas, onde encontrou as histórias e os projetos dos estudantes portugueses. Conhece algumas destas paragens.

Uma missão de cidadania

Dar música, trazer arte

De visita à Escola Secundária de Sampaio, aproveitámos para conversar com as alunas Carolina Gomes e Ana Sofia Alves que estão inseridas na Assembleia Municipal de Jovens. Esta iniciativa da Câmara Municipal de Sesimbra envolve os cinco agrupamentos escolares do concelho num projeto de promoção da cidadania. Os 10 alunos que representam cada escola vão fazer visitas de estudo e contactar de perto com os autarcas locais, culminando num debate entre as várias «bancadas escolares». «Achamos importante, porque falamos dos problemas que há nas nossas escolas e melhoramos as nossas capacidades», disseram estas alunas. Ficou também a promessa de nos manterem a par deste projeto!

No último dia de aulas de 2016, a Forum Estudante esteve na Escola Secundária da Moita, onde o Natal foi celebrado com um pequeno concerto. A professora Laura Camarão é a coordenadora do projeto «Dá-lhe Música», que, nas suas palavras, é «uma forma de trazer a arte às escolas» e dinamizar os alunos a realizar atividades artísticas. Este projeto leva já três anos de existência e procura assinalar algumas datas específicas, como o Dia Mundial da Música ou o

Dia da Poesia. Estes concertos já trouxeram à escola bandas como Caelum, The Guest ou a cantora lírica Isabel Bio. Este pequeno concerto para comemorar o Natal contou com a participação de alunos atuais e antigos alunos, porque, como nos explicou a professora, «a escola deve ser um centro da comunidade, aberto à comunidade». A arte marca presença na Escola Secundária da Moita e a Forum Estudante vai continuar atenta a este projeto!

Dia de eleições em Palmela Em dia de eleições para a Associação de Estudantes da Escola Secundária de Palmela, a FORUM falou com Rita Ferreira e Madalena Coelho, ambas alunas do 11º ano e que estavam de serviço à mesa de votos. «A Direção não deu muita atenção às listas, não há muito apoio da Direção», disseramnos as estudantes, explicando o porquê de uma eleição já no final do período. Ainda assim, consideram que «uma Associação dinâmica pode conseguir fazer muitas coisas». Estão a votação três listas: a Lista H, com alunos do 10º e um programa que inclui projetos sociais; a Lista L, que são os mais velhos; e a Lista B, dos alunos mais novos, do 9º, que pretendem fazer uma rádio da escola.

Um ponto comum a todas estas listas é quererem melhorar as condições da casa de banho. E festas, toda a gente quer festas. Conversámos também com a Flávia Pereira, aluna do 11º de Ciências e Tecnologias que, durante o Dia Aberto da Escola, esteve a divulgar o concurso “Amarsul Eco Sound”, uma iniciativa que pretende promover hábitos de reciclagem em várias escolas secundárias da península de Setúbal. A escola que reciclar mais ganha um concerto de um artista nacional, no final do ano letivo. Na Secundária de Palmela, a Flávia organizou uma votação para os alunos escolherem o artista que pretendiam: o mais votado foi o rapper Dillaz. O resultado foi uma maior visibilidade do concurso e a escola subiu alguns lugares na classificação do concurso.


pub

2016_12_22_AF_Memofante_Estudante_Anuncio.pdf

7 | Forum Estudante | Jan’17

/Escolas

4 DICAS

PARA ESTUDAR MELHOR Estudar não se relaciona só com tempo despendido – é, sobretudo, uma questão de eficácia e rentabilização. Fica a conhecer 4 dicas que te podem ajudar.

C

M

Y

Cria objetivos (pelo prazer de riscar)

CM

As listas não foram feitas só para que não te esqueças de comprar pasta de dentes, cenouras e pilhas. Ao elencares os teus objetivos para uma sessão de estudo, vais conseguir, desde logo, planificar melhor a matéria na tua mente. Depois, há a questão da motivação. Ver os itens ser riscados um a um vai dar-te mais vontade de riscar o próximo. MY

CY

CMY

K

Elimina distrações (mas a sério) Se a televisão ou a rádio podem ser companhias aceitáveis de estudo (para alguns, podem criar um ruído de fundo mais agradável que o silêncio), já o telemóvel ou o computador são opções mais arriscadas. Tanto um como outro pedem a tua atenção completa e oferecem-te mil caminhos alternativos ao estudo. Para te ligares ao estudo, tens de te desligar do Mundo.

Escreve (ou não) Na verdade, não há uma maneira correta de estudar. Há quem passe tardes inteiras a ler manuais em voz alta, por exemplo. Na generalidade dos casos, no entanto, escrever é uma opção interessante. Resumos, mapas mentais, gráficos – tudo são coisas que te vão obrigar a pensar o que estás a estudar. Pensar é a palavra chave. Como deves calcular, não vale a pena escreveres uma cópia enquanto pensas no que vai lanchar daqui a 2 horas (Tosta mista? Torradas? Pacote de bolachas?).

Não desistas (ou não “adies”) Não estás a conseguir concentrar-te? Sentes que há algo que não está a funcionar? Queres adiar para mais logo? Essa é uma opção válida, desde que não estejas a recorrer demasiado facilmente. Por vezes, a razão pela qual é difícil estudar é mesmo devido ao facto de ser difícil estudar. Mas, depois de entrares no ritmo, tudo vai parecer mais fácil. Tenacidade é importante. Insistir antes de desistir.

1

27/12/16

12:42


8 | Forum Estudante | Jan’17

/Clínica ISPA

ANO NOVO,

NOVAS POSSIBILIDADES O final do ano é uma época de balanço. Não raras vezes, o final do ano colocanos muitas questões. Muitas delas prendem-se com o futuro. Para os que já estão na universidade, como vai ser a época de exames? Para os que estão a terminar o ensino secundário, como será a entrada na universidade? É este o curso que eu quero? É mesmo nesta área que vou querer trabalhar?

O novo ano traz novas perguntas e desejos As perguntas são boas. Obrigam-nos a refletir e a tomar decisões. No entanto, também nos podem preocupar ou promover angústia. Desde logo, por não termos certezas. Também sentimos, por vezes, que o tempo nos pede para fazermos escolhas cedo de mais. Porque tenho decidir já o que vou fazer durante boa parte da

Por Daniel Sousa Diretor Clínica ISPA

minha vida? Mas as perguntas podem, de facto, ser impulsionadoras para delinearmos caminhos que nos fazem sentido. Por exemplo, as questões mais prementes como a época de exames podem levar-nos a pensar que esta pode ser enfrentada com métodos de estudo que facilitam a nossa vida. Muitas vezes, é difícil fazer face a matérias com as quais não nos identificamos tanto. As formas de estudo, em muitas circunstâncias até as desconhecemos, estão ao nosso serviço para nos ajudarem a lidar com essa dificuldade. Como saber dessas metodologias? Desde logo estando disponível para descobrir o que melhor funciona connosco. E a criatividade é uma das ferramentas mais fortes que temos. Depois, podemos pedir ajuda e ser aconselhados sobre as melhores metodologias.

É certo que as decisões sobre a entrada na universidade podem ser mais preocupantes. Mas também, neste ponto, há formas de lidar e soluções. Desde logo, é importante recordar que, apesar de ser importante ponderar e refletir sobre as decisões, estas não são necessariamente definitivas. A sociedade e o mundo são hoje, em muitos aspectos, muito moldáveis. Isso significa também que os percursos profissionais podem passar por diferentes fases, podem ter inflexões de percurso e podem ser alterados. Estamos num tempo de enorme maleabilidade profissional muito embora esta seja acompanhada de facto por necessidades de especializações. Mas a nota importante é recordarmos que os jovens têm os recursos para poderem ir delineando o presente com os olhos no futuro.


9 | Forum Estudante | Jan’17

/DECO Jovem

CONCURSO SITESTAR.PT

ticket

CRIA

UM SITE

E VAI A BERLIM

O Concurso Sitestar.pt desafia-te a trabalhar em grupo e desenvolver um site em português durante este ano letivo. Os vencedores ganham uma viagem de três dias a Berlim, para visitar a maior feira de eletrónica de consumo da Europa. As inscrições terminam a 17 de janeiro. Quem organiza?

Como concorrer?

DNS.PT e DECO

Equipas de 3 alunos e um professor que deverá inscrever a equipa em www.escolas.decojovem.pt.

Qual o objetivo? Desenvolver um site criativo e inovador

Quais as categorias a concurso? “Saber e Ciência” (Ciências do Conhecimento), “Faz a Diferença” (Voluntariado e Inclusão Social); “Jovens com Talento” (Expressão Artística e Desporto) e, por fim, “Notícias na Escola” (Jornais Escolares Online).

Quem pode concorrer? Alunos entre os 14 e 18 anos ou, alternativamente, que frequentem o ensino regular, vocacional, profissional ou de aprendizagem.

Quando terminam as inscrições? As inscrições terminam a 17 de janeiro,

onde se deve já indicar a ideia para a criação do site.

Quais os prémios?

Os prémios previstos passam por uma viagem (com alojamento incluído) de três dias em Berlim, para visitar a IFA 2017 - a maior feira de eletrónica de consumo da europa. Para além deste prémio, os vencedores garantem ainda que o seu domínio será gratuito durante 24 meses e poderão vencer vouchers com valores até 500 euros. Sabe mais em www.sitestar.pt

Sabe mais no regulamento do concurso em www.sitestar.pt.


10 | Forum Estudante | Jan’17

/25 anos Forum

AJUDAR QUEM QUER AJUDAR

Integrada na Incubadora “Forum Estudante 25 Anos”, a plataforma “Para Onde?” promete tornar mais acessíveis as oportunidades de voluntariado internacional. O projeto, criado por Inês Ferrão e Marta Trindade, pretende ainda “dar voz às organizações mais pequenas”. A primeira experiência de voluntariado internacional de Inês Ferrão chegou em 2010, no Brasil. Durante 6 meses, apoiou habitantes da Vila Kennedy – uma das cerca de 1000 favelas do Rio de Janeiro. A experiência foi integrada no último ano da licenciatura em Serviço Social e, revela a fundadora da plataforma “Para Onde?”, foi marcante. “Fiquei fascinada com a ideia de combinar uma viagem com ação social”, explica. De tal forma que, no mesmo ano, depois de terminado o curso, voltaria ao Rio de Janeiro, desta vez no regime de Work Exchange. Trabalhando numa pousada que lhe pagava com alimentação e alojamento, Inês Ferrão pôde voltar à Vila Kennedy e participar em outros projetos de ação social na cidade. Seguir-se-iam experiências de voluntariado na Tanzânia, em Itália

ou em Barcelona. Contudo, “a mais intensa” foi mesmo a primeira, garante, sendo mesmo aquela que levou à procura de novos programas. “Todos os dias era desafiada, posta à prova e sentia que aprendia qualquer coisa nova”, explica. Antes destas experiências de voluntariado, Inês já tinha viajado – um Interail e um programa Erasmus são alguns exemplos. Contudo, ressalva, a experiência é diferente quando se faz voluntariado: “a viajar aprende-se imenso mas estar inserida num contexto socialmente complexo – e intervir – faz toda a diferença”.

Dar voz e acesso No verão de 2014, Inês estava em Itália, a colabora com um projeto de apoio a refugiados, quando começou a

receber o contacto de pessoas que lhe perguntavam como aceder a este tipo de oportunidades. A explicação está no facto de, quando se faz uma pesquisa na internet, por exemplo, surgirem sobretudo resultados ligados a algumas empresas que fazem negócio nesta área, explica Inês Ferrão. “Era necessário tornar estas oportunidades mais acessíveis”, reforça. As ofertas feitas a partir destas empresas têm alguns critérios a cumprir: idade, financiamento ou formação são alguns exemplos. Por outro lado, muitas vezes, organizações humanitárias de menor dimensão não conseguem fazer chegar as suas necessidades aos interessados. A solução encontrada por Inês Ferrão e Marta Trindade passou por uma base de dados que reunisse as oportunidades de Voluntariado Internacional. Essa é a fundação do projeto “Para Onde?” que, “rapidamente se tornou a maior base de dados em português de voluntariado internacional”.


11 | Forum Estudante | Jan’17

/25 anos Forum

Do global para o local O sucesso e o crescimento registados levaram mesmo as fundadoras a concretizar um novo objetivo que é, hoje em dia, a realidade da “Para Onde?”: passar de uma base de dados para uma plataforma que presta todo o apoio ao voluntário. Nesse campo, um dos grandes passos foi a recente adesão, em setembro de 2016, à rede de voluntariado SCI (Serviço Civil

Internacional). “Foi um passo essencial para passar de um site informativo para uma organização”, explica Inês Ferrão. Olhando o futuro, Inês Ferrão explica a vontade das fundadoras: “queremos que cada vez mais pessoas façam voluntariado internacional”. Um dos objetivos consequentes é aumentar o interesse pelo voluntariado local, uma vez que muitos dos voluntários que fazem trabalho a nível internacional “se

acabam por entusiasmar e agir na sua própria comunidade”. O trabalho de voluntariado, reforça, “faz toda a diferença”. Não só junto de quem é auxiliado como de quem presta auxílio, enriquecendo as suas competências e visão do mundo. É por essa razão que a missão da plataforma “Para Onde?” é simples, conclui Inês Ferrão: “queremos dar esta oportunidade a toda a gente”.


12 | Forum Estudante | Jan’17

/PNL

LER MAIS e de maneira diferente Os estudos apontam que o e-reading é, cada vez mais, uma realidade. O acesso globalizado à tecnologia e à internet é uma das explicações apontadas. Mas será que vamos mesmo abandonar o papel? Em 2013, o investigador Kretzmaschmar quis responder à questão: qual o meio preferido dos leitores? Por essa razão, comparou os resultados da leitura de uma página de papel, um e-reader e um tablet, analisando a atividade cerebral e a velocidade de leitura. Todos os participantes afirmaram preferir o papel. Contudo, Kretzmaschmar concluiu que essa preferência não se relacionava com a facilidade de leitura. Pelo contrário, os participantes mais velhos leram mais rapidamente e sem esforço em tablets.

Momentos como o toque do papel ou o momento físico da viragem de página são apontados como “marcadores temporais e espaciais” que ajudam à assimilação de informação. Assim sendo, qual a explicação para esta preferência? Os autores do estudo garantem que se trata de uma questão de atitude: “o ceticismo perante as plataformas digitais reflete uma atitude cultural e não se refere ao esforço leitura”, acabando por condicionar a experiência. Contudo, essa realidade pode alterar-se no futuro. Diversos estudos demonstram que, no grupo etário dos jovens, a tendência é a preferência pelos meios digitais. O National

espaço “O LIVRO QUE TRAGO NA MOCHILA” Partilha connosco as tuas leituras: conta-nos o que andas a ler, o porquê da tua escolha e revela qual será a tua próxima leitura. Envia o teu testemunho para: geral@forum.pt

Literacy Trust de 2012, por exemplo, revela que mais de metade das crianças americanas prefere ler em dispositivos eletrónicos (52,4%). Apenas 32% preferem o papel. Simultaneamente, o número de leitores de e-books tem aumentado consideravelmente ao longo dos últimos anos. Entre 2011 e 2016, revela o Pew Research Center, a percentagem de americanos que utiliza estes meios passou de 17% para 28%.

Ainda há papel

No mesmo estudo, o papel segue na liderança destacada com 65%. Momentos como o toque do papel ou o momento físico da viragem de página são apontados como “marcadores temporais e espaciais” que ajudam à assimilação de informação. Por outro lado, as vantagens apontadas à leitura digital são a acessibilidade, interatividade ou capacidade de armazenamento, por exemplo. Tendo em conta estas diferentes mais-valias, o futuro poderá passar por uma conjugação destes dois tipos de leitura, consideram as autoras Caroline Myrberg e Ninna Wiberg: “acreditamos que encontraremos um comportamento misto durante muitos anos”. Para as autoras, será importante que os meios digitais incluam mais potencialidades do que apenas a “tradução direta” do papel. “Esse poderá ser o dia em que todos os estudantes vão preferir os e-books”, concluem.

O último livro que li foi o “O senhor Honda”, escrito por Yves Derisbourg. Foi dos melhores livros que já li. Trata-se da biografia do fundador da Honda e explica o império industrial que criou, incluindo todas as histórias de um excelente empreendedor e engenheiro. Ricardo Martins, Linda-A-Velha

O último livro que li foi o “Viver depois de ti”, de Jojo Moyes. É a história de uma rapariga simples que, quando se vê sem o seu emprego de alguns anos, se vê obrigada a procurar outro. Acaba por trabalhar em casa de um rapaz tetraplégico que necessita de cuidados. Acompanhado de uma história de amor, foca-se num assunto controverso: a eutanásia. Recomendo vivamente a leitura deste livro. Catarina Cristovam, Ferreira do Zêzere

WWW.PLANONACIONALDELEITURA.GOV.PT


13 | Forum Estudante | Jan’17

/Nutrição

ANO NOVO, VIDA NOVA! Na passagem de ano, normalmente definem-se as tão conhecidas “resoluções de ano novo”. Pedem-se os 12 desejos ao som e à luz do fogo-de-artifício e comem-se as famosas 12 uvaspassas, tudo para garantir que se irão concretizar. Mas de quê serve pedir com convicção se depois não se trabalha para que se tornem realidade? Uma excelente resolução para este ano novo poderá ser a prática de um estilo de vida mais saudável. Afinal, se não tivermos saúde como iremos ter força para lutar pelos sonhos? Tudo passa pela prática de uma alimentação saudável que consiste numa alimentação completa, equilibrada e variada, ou seja, que garanta todos os nutrimentos, nas quantidades necessárias, diversificando o mais possível a alimentação. Como? Basta seguir a roda dos alimentos. Dar preferência aos amigos – hortícolas, fruta, leguminosas, lacticínios – em detrimento dos grandes vilões: açúcar, sal e gordura. As leguminosas, por exemplo, são uma excelente fonte proteica, portanto não precisamos de depender tanto da carne. A tua saúde e a do ambiente certamente agradecerão! Favas, lentilhas, ervilhas, feijão (de tantas variedades) … são muitas as opções e as receitas. O peixe (preferencialmente gordo) deve estar presente na tua alimentação, pois é fonte de ómega 3. Está cientificamente provado os seus benefícios para a saúde cardiovascular, mental e não só! Se não gostas de peixe, os frutos gordos como as nozes são uma fonte interessante de ómega 3. As sementes de abóbora são também

uma excelente alternativa. Evita também todos os alimentos naturalmente salgados ou aos quais tenha sido adicionado sal durante a sua preparação: enchidos, enlatados e comidas pré-confecionadas. Quanto às “doces tentações” reserva-as para as épocas festivas. Lembra-te que a moderação é uma grande aliada! E não te esqueças de praticar atividade física! Ela é importante não só para a tua saúde física mas também mental. Liberta-te do stress: estabelece prioridades e objetivos assim permites que sejas o condutor do teu tempo e não o contrário! Lembra-te que a mudança começa no 1º dia do ano. Ao ires adiando, é provável que não esta seja alcançada e passe a ser uma resolução para 2018, 2019… nunca se concretizando. Não deixes para amanhã o que podes começar agora!

Como praticar atividade física? Se utilizas transportes públicos, sai uma estação antes da que costumas sair. Faz caminhadas com familiares ou amigos. Se tens um animal de estimação, leva-o a passear, várias vezes ao dia. Começa por fazer 10 minutos de caminhada, a passo acelerado, aumentando progressivamente até aos 30 minutos. Esquece os elevadores! Pratica algum desporto que gostes. Alison Karina de Jesus - Nutricionista alisonkjesus@gmail.com


14 | Forum Estudante | Jan’17

/Pancadas

E SE OS ANIMAIS ESTUDASSEM?

Se os animais fossem à escola, as coisas podiam ficar estranhas. Ou divertidas. Ou barulhentas. Depende do bicho, arriscamos dizer. Consegues reconhecer-te em algum deles?

Papagaio O papagaio é um aluno estranho. Extremamente falador, passa as aulas a repetir aquilo que os professores dizem – técnica que lhe vale algumas faltas disciplinares mas também alguns elogios. Isto faz com que seja também um péssimo guardador de segredos: contar algo ao papagaio é equivalente a comunicar com a escola toda.

Girafa Para além de um pescoço muito útil para espreitar o teste alheio, a girafa é uma estudante que capta a atenção de quem passa. Sobretudo pelas roupas com padrões originais, com manchas entre o castanho e o amarelo. Na cantina, gosta de mastigar com calma, revirando os maxilares lentamente e levando à loucura os auxiliares de educação que esperam pacientemente que coma a última folha de alface.


15 | Forum Estudante | Jan’17

/Pancadas

Golfinho Ainda que extremamente inteligente, o golfinho é, ainda assim, um estudante diferente da coruja. A ave passa as aulas de olhos arregalados, pacientemente ouvindo o professor e apenas soltando um piar ocasional. Já o golfinho tem dificuldade em estar parado. Piruetas no intervalo e descer as escadas de costas são os seus movimentos preferidos.

Formiga Discreta e incansável, a formiga é uma estudante trabalhadora e dedicada. Gosta de estudar com companhia, acartando os livros para casa e estudando com afinco a matéria que vai ser dada no dia seguinte. Tudo isto é feito sem aparato, quase de forma invisível. Mas uma coisa é certa: na próxima entrega do teste, vai brilhar.

Tartaruga A tartaruga faz muita gente perder a paciência. É a última a arrumar os livros na mochila, a última a acabar o croissant, a última a entrar no autocarro. A gazela rapidamente percebeu a incompatibilidade e, ao fim do segundo dia, deixou de esperar pela amiga. Mas a tartaruga parece indiferente a todos os que a esperam. Lentamente, faz a sua vida de estudante. Alguém a pode culpar?

Leão A atividade preferida do Leão é passear pelo recreio, penteando Gazela A gazela tem um objetivo simples. Ser a primeira a chegar a todo o lado. Ainda mal deu o toque de saída e já está a chegar ao recreio; ainda mal tocou para entrar e já está sentada na cadeira, de livro aberto. Nas aulas de educação física, liberta-se em toda a plenitude, terminando o famoso Teste Cooper (12 minutos de corrida) fazendo mais de 10 quilómetros.

a juba, como se nada fosse. Lentamente, vai do pavilhão à portaria, da portaria à cantina, da cantina ao campo de futebol, tudo isto num slow-motion digno de figurar numa fita de Hollywood, com banda sonora lamechas e tudo. No primeiro período, teve uns problemas com a gazela mas acabou tudo em bem. Afinal de contas, uma Escola não é a selva.


16 | Forum Estudante | Jan’17

/BP Segurança ao Segundo www.bpsegurancaaosegundo.pt

O BP SEGURANÇA AO SEGUNDO VAI CHEGAR ÀS ESCOLAS O concurso nacional da segurança rodoviária está de volta às escolas portuguesas e promete trazer vários momentos de “diversão e aprendizagem”. Em plena Escola Secundária Cacilhas-

ocorreu durante uma das paragens do

vão prestar informações sobre como

Tejo, Nuno seguia a mais de 100

Roadshow BP Segurança ao Segundo

participar neste concurso nacional de

quilómetros/hora quando levou o pé

2016 – durante o qual a BP e a Forum

segurança rodoviária.

ao travão. O simulador de condução

visitaram escolas por todo o país.

Em cada uma das paragens,

defensiva faz os cálculos. Distância

Roadshow que estará de volta em 2017,

a promessa é de “diversão e

de travagem – 74 metros. “Quase

com paragens agendadas para Lisboa,

aprendizagem”, garante a organização.

o comprimento de um campo de

Coimbra, Aveiro, Gaia, Porto e Braga.

O BP Segurança ao Segundo procura

futebol”, relembrou o formador

As visitas vão ser realizadas entre

sensibilizar os estudantes portugueses

responsável pela atividade. Depois de

janeiro e fevereiro e incluem várias

para o facto de os comportamentos

terminar a simulação, Nuno Anjos, de

atividades: para além da presença

de risco na estrada (fadiga, cinto

19 anos, garante: “como jogo futebol,

de um simulador de condução, há

de segurança, álcool ou drogas,

tive bem a noção da distância. É muito

ainda espaço para um simulador

velocidade) são a principal causa de

metro”.

de capotamento e de alcoolémia.

morte na faixa etária entre os 18 aos 24

A travagem simulada de Nuno

Simultaneamente, a Forum e a BP

anos.

Parceiros

Apoio Institucional

Apoio


17 | Forum Estudante | Jan’17

/BP Segurança ao Segundo

2017

Entra no desafio O BPSS2017 está já em grande

final do desafio. À final irão chegar 5

andamento. Para participar neste

equipas que, no Porto (Capital Jovem

desafio, só tens de constituir uma

da Segurança Rodoviária) irão filmar um

equipa entre 6 a 10 elementos e um

spot de vídeo.

professor coordenador. Depois inscreve-

Todos os elementos das equipas

te em www.bpsegurancaaosegundo.

finalistas vão para casa com um ou mais

pt. Faz um cartaz sobre um dos

prémios na mão. Na edição de 2016, os

5 fatores de risco de mortalidade

vencedores receberam bilhetes para o

rodoviária e submete-o através do

Rock in Rio, Tablets e Auscultadores.

mesmo site.

Os prémios da edição de 2017 serão

Depois, serão apurados os 24 melhores

revelados em breve no site

trabalhos que disputaram a meia-

www.bpsegurancaaosegundo.pt


18 | Forum Estudante | Jan’17

/Fama

ENTREVISTA A DAVID CARREIRA

“ESTÁ A SURGIR UMA NOVA GERAÇÃO DE ARTISTAS EM PORTUGAL”

2016 foi um ano movimentado para David Carreira. Depois do lançamento de “3”, no final de 2015, chegaria uma tour de 60 concertos, um DVD ao vivo, reedições do álbum e ainda um projeto vídeo nas redes sociais. Em conversa com a FORUM, o músico fala-nos dos pontos altos de 2016, bem como do seu gosto pela escrita e pelas histórias. Pelo meio, há ainda tempo para se refletir sobre uma nova geração de artistas portugueses que vão “internacionalizar Portugal, cada vez mais” e para desvendar os seus planos para o futuro que envolvem novas ideias e… férias.

Um ano passado sobre o lançamento do “3” qual é o balanço que fazes deste álbum? E qual o objetivo das reedições? Tem sido ótimo. O álbum já é disco de platina e os dois grandes singles [“Primeira Dama” e o “In Love] têm mais de 30 milhões de visualizações no Youtube, por exemplo. Sinceramente, este é o álbum que mais prazer me deu fazer até agora e aquele em que sinto que melhor receção do público. Tanto que, na estrada e nos concertos, foi dos que teve melhor acolhimento. O objetivo das reedições foi lançar algumas coisas que sentia que ainda tinha para dizer. Numa entrevista, referiste que escreveste 35 músicas para este disco que contém 12 faixas. Como descreves a tua relação com a escrita e a composição? Escrevo cada vez mais. Cada vez mais, sou eu a compor e a escrever os sons. Sinto que, depois, o resultado final é mais meu e consigo sentir mais os sons e divertir-me ainda mais. E gosto de escrever. Por isso, é uma forma de me exprimir utilizando as minhas palavras e de, no final, a música me dizer mais. No final do ano passado, apresentaste ainda um DVD ao vivo – o Live Campo Pequeno 360°. Face à cada vez mais escassa utilização do DVD’s, qual a razão para esta opção? É verdade que o pessoal compra cada vez menos DVD’s e que se ouve DVD’s cada vez

menos. Mas acho que, na tua carreira, tens de ter pelo menos um DVD ao vivo. É óbvio que o meu público – o público jovem – está muito mais à procura novos temas, sons e videoclipes. Mas acho que, numa carreira a longo prazo, tens de ter pelo menos um live gravado para que possas mostrar depois aos teus fãs. O Campo Pequeno foi um momento tão especial, pelo facto de ser um concerto 360° e de apresentar este novo álbum, que acho que era importante para os fãs terem esse recuerdo (risos). É quase um mimo – para eles e para mim. Esse foi um concerto com características especiais, ao te colocares no centro do público. Qual foi a sensação e quais os principais desafios? Foi ótima, sem dúvida. Não tens nenhum cantor português que tenha feito isso até agora. E eu sempre tive


19 | Forum Estudante | Jan’17

/Fama

o cuidado de fazer coisas que o pessoal não tenha feito antes. Em cada álbum, em cada concerto, em cada digressão, a ideia é desafiar-me a mim e tentar apresentar coisas novas. E este concerto teve muitos desafios. Só cantar numa arena, a nível de som, é uma dor de cabeça gigante. A nível de coreografia, é mais dor de cabeça ainda (risos). Porque tens quatro frentes: nunca tens um background. Se não tiveres cuidado, vais estar metade do concerto de costas para uma parte do público. Foi um grande desafio. Há cerca de um mês lançaste o videoclip final do “The 3 Project”. Podes explicar-nos em que consistiu este projeto e qual a ideia que estava na base? Hoje em dia, um álbum tem uma duração média de seis meses. Há cada vez mais músicas, estão constantemente a aparecer novos artistas e novos álbuns –

nacionais e internacionais. A ideia do “The 3 Project” era dar uma vida mais longa ao álbum, fazendo o público descobrir a história que há por trás de oito músicas do álbum, ao longo de um ano. Oito porquê? Porque oito é o número ligado ao efeito borboleta – onde uma pequena ação pode mudar muita coisa e trazer uma grande repercussão a seguir. A ideia do “The 3 Project” são pequenas ações que vão trazer uma mudança na história.

“[…]comecei pela representação, antes de estar ligado à música. Tenho uma grande ligação do mundo das imagens, das histórias. E escrevo também a pensar nisso.” São oito músicas e cada música é um capítulo dessa história. E achas que esta atração pelas histórias em vídeo pode ser, de alguma forma, resultado da tua ligação ao mundo da representação? Sem dúvida. Aliás, eu comecei pela representação, antes de estar ligado à música. Tenho uma grande ligação do mundo das imagens, das histórias. E escrevo também a pensar nisso. Quando escrevo uma música, tenho muito em conta a ligação com esse videoclipe a seguir. Tanto que, quando crio uma música, já tenho o videoclipe pensado a maior parte das vezes. Em entrevistas passadas, referiste que o contexto musical em Portugal está a mudar, com uma nova geração de artistas que são, simultaneamente, nacionais e

internacionais. O equilíbrio entre estas duas vertentes – nacional e internacional – é algo que te preocupe no teu trabalho diário? Acho que Portugal se está, de facto, a internacionalizar cada vez mais. Eu acabo por ser, penso eu, um exemplo disso. Em Portugal, não tens muitos artistas que cantem e dancem ao mesmo tempo e que façam um concerto com muita dança. Que é algo que acontece nos estados unidos há 15, 20 anos. Em Portugal, é que nunca tivemos propriamente essa cultura. Em Portugal, durante muito tempo, quem cantasse e dançasse fazia playback. E não é o caso. Tens a Beyoncé, o Timberlake, tinhas o Michael Jackson… E o Bieber que também dança. Pouco mas dança… Estou a brincar! (risos) Tens cada vez mais artistas que ligam essas duas áreas. Acho que, em Portugal, está a surgir uma nova geração de artistas que vai fazer isso também. O que significa para ti vencer pela segunda vez o prémio MTV Best Portuguese Act? É ótimo! É fechar o ano com uma prenda de Natal bacana (risos). Porque mostra que o público e as pessoas que me nomearam estão a ver um bom álbum e um bom trabalho feito ao longo do ano. Ganhei este troféu pela primeira vez em 2014. Em 2016, o segundo. Vamos ver se, em 2017, posso ganhar o terceiro (risos). Em dezembro, fechaste uma tour que descreveste como “incrível” ou “a melhor de sempre”. Qual a razão para essa descrição? Porque foi, sem dúvida, a melhor digressão que tive até agora. Aquela que teve mais concertos – tivemos cerca de 60 datas – e tudo ao barrote. De Cascais a Viseu, a Guimarães, ao Campo Pequeno… Foi uma digressão que começou com um concerto 360º brutal e que acabou em Guimarães naquele que foi, para mim, o meu melhor concerto de grandes produções. Melhor até, se calhar, do que o Campo Pequeno. Um fecho de digressão é sempre especial e o concerto de Guimarães teve um valor simbólico especial. Para terminar, que novidades podemos esperar no futuro? Vou de férias! (risos) Durante algum tempo, vou estar desaparecido, a precisar de descansar um pouco e ir buscar outras ideias. Relaxar e voltar com coisas novas.


20 | Forum Estudante | Jan’17

/Capital Jovem da Segurança Rodoviária

O PORTO É CAPITAL JOVEM DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA Depois de Leiria, em 2016, é a vez do Porto receber a iniciativa que coloca, anualmente, uma cidade no centro da segurança nas estradas. Durante 12 meses, serão muitas as iniciativas espalhadas pela área metropolitana. Em 2017, a Capital Jovem da Segurança Rodoviária terá uma característica inovadora. Em vez de ser centrada apenas na cidade, as suas ações serão espalhadas pela área metropolitana. Desta forma, os concelhos do Porto, Vila Nova de Gaia, Maia, Póvoa do Varzim e Matosinhos receberão ações de sensibilização para a importância de manter as nossas estradas seguras. Os acidentes rodoviários são a principal causa de morte nos jovens entre os 18 e os 24 anos. É por essa razão que vários parceiros se juntam para partilhar o seu conhecimento com os diversos públicos e faixas etárias.

ACP Para além de possibilitar a centenas de jovens estudantes a sua primeira aula de condução, o Automóvel Club de Portugal trará uma novidade para esta edição da CJSR: uma ação com o Rally de Portugal.

*ÁREA M

ETROPO

LI TANA

DO PORT

O

1 A 6 DE MAIO Simulacro de acidente [ SEMANA FOCO ] Karting

Workshops temáticos Primeira aula de condução Simuladores Condução defensiva E muito mais!

Brisa Como habitualmente, a Brisa promove o Brisa Student Drive Camp – uma academia que animará a cidade do Porto, colocando 50 jovens do ensino secundário e profissional a saber mais sobre o mundo automóvel e da segurança rodoviária, durante uma semana.

BP

Para além destas, estão ainda previstas ações muito variadas: simulacros de operação de socorro e de desencarceramento; sessões de sensibilização e

até sunset parties com taxa de álcool zero. Fica atento ao site capitaljovemsegurancarodoviaria. pt onde, em breve, serão divulgadas mais novidades.

CÂMARA MUNICIPAL

EDUCAÇÃO

APOIO MEDIA

APOIOS

PROMOTORES

A aposta da BP é também um desafio: O BP Segurança ao Segundo, durante o qual estudantes de escolas espalhadas por todo o país vão competir entre si para elaborar um vídeo de sensibilização para as principais causas de morte nas estradas.


dossier

academias FORUM

A Forum Estudante tem sete academias de verĂŁo em que podes participar a custo zero.

Inscreve-te jĂĄ!


22 | Forum Estudante | Jan’17

/Sports Week www.sportsweek.forum.pt

RIO MAIOR PORQUÊ CIDADE DO DESPORTO? Ao longo das últimas décadas, Rio Maior tem assumido uma relação especial com a prática desportiva. Mas qual a razão para esta ligação? Fica a saber mais sobre a cidade que acolhe a Sports Week 2017.

No seu Guia Informativo para os Alunos, a Escola Superior de Desporto de Rio Maior explica que esta ligação não é coincidência. É resultado de “uma aposta estratégica, ao longo dos últimos 20 anos, de desenvolvimento pelo desporto”. Foi nessa lógica que foi criado o Complexo Desportivo de Rio Maior – uma estrutura que “é o orgulho do concelho” e “apelida Rio Maior como a Cidade do Desporto”. A importância desta estrutura explica-

se pelo facto de se cotar entre um dos melhores complexos desportivos do Mundo. É, por exemplo, o único complexo desportivo português inscrito na Association of Sport Performance Centers (ASPC). Por outro lado, tem acumulado alguns prémios e presenças em rankings internacionais como o IOC/IAKS Award (onde conquistou o 3.º lugar, em 2007). Devido à qualidade das instalações, o Comité Olímpico de Portugal baseou o Centro de Preparação Olímpica em

powered by

Rio Maior – o único no país destinado a acompanhar as federações olímpicas portuguesas e a Associação dos Comités Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa. É por todas estas razões que, ao longo dos últimos anos, muitos atletas de topo têm escolhido Rio Maior como “a sua casa”. Inclusivamente, o Complexo Desportivo de Rio Maior é o Centro de Treinos da Federação Portuguesa de Futebol.

apoios


23 | Forum Estudante | Jan’17

/Sports Week

I

P

P

D

P C

P

G B

P F

H

P

P

P P

A

P

E

P

A

Centro de Estágios e Formação Desportiva

B

Pavilhão Polidesportivo

C

Complexo de Piscinas Municipais

D Estádio Municipal E

Pavilhão Multiusos

F

Pavilhão Gimnodesportivo

G

Campos de Treino Relvados (Natural e Sintético)

H

Parque Desportivo

I

Escola Superior de Desporto de Rio Maior

P Parque de Estacionamento Polidesportivos Descobertos Terminal Rodoviário

GOSTAVAS DE FAZER DESPORTO NESTA ESTRUTURA DE TOPO? E experimentar várias modalidades, em vários ambientes? É com esse objetivo que a Escola Superior de Desporto de Rio Maior organiza, em parceria com a Forum Estudante, a Academia de Verão Sports Week 2017, entre os dias 3 e 8 de julho de 2017. Para participar só precisas de ser estudante do Ensino Secundário ou Profissional e fazer a tua inscrição em www.sportsweek.forum.pt. O alojamento e alimentação ficam por nossa conta. Só tens mesmo de te preocupar com os jogos e exercícios.


24 | Forum Estudante | Jan’17

/Semana Tanto Mar www.tantomar.forum.pt

JÁ CONHECES ALGUMAS DAS P Do desporto à investigação, passando pelo turismo ou indústria, são muitas as formas de nos relacionarmos com os oceanos profissionalmente. Já conheces algumas delas?

BIÓLOGO MARINHO

Se és fascinado pela vida animal, em especial pelos seres que vivem na água, a profissão de Biólogo Marinho poderá ser ideal para ti. Vais poder estudar o modo de vida e a ligação destes animais com o ambiente envolvente – dos golfinhos do Rio Sado aos corais de oceanos longínquos.

ENGENHEIRO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS Já imaginaste um navio de grandes dimensões a cruzar o oceano, no qual tu dominas todos os detalhes da embarcação? A função deste especialista baseia-se em controlar todos os equipamentos.

uma iniciativa

HIDRÓGRAFO

Sabias que a superfície da lua é melhor conhecida que o fundo do mar? Os segredos escondidos dos oceanos são descobertos todos os dias por estes especialistas. Aliados incondicionais de todos os navegantes, os hidrógrafos conhecem e dão a conhecer os relevos do fundo dos oceanos e os mistérios da meteorologia a quem deles necessita.


25 | Forum Estudante | Jan’17

/Semana Tanto Mar

S PROFISSÕES DO MAR?

MERGULHADOR

A quem mergulha ouve-se com frequência falar da beleza do silêncio, do desafio da profundidade, da paz subaquática. Mas o mergulho também pode estar relacionado com o salvamento de pessoas ou a desativação de bombas, por exemplo. Com a evolução das técnicas de mergulho, esta profissão tem vindo a ganhar importância.

financiamento

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

GESTOR PORTUÁRIO

Peça essencial no aumento das exportações do país, o gestor portuário participa nas decisões e na planificação dos serviços portuários: da componente comercial, passando pela manutenção de toda a rede de transportes, à recolha e tratamento da informação interna e externadas várias organizações afetas ao porto.

apoios

Para que fiques a conhecer tudo sobre as potencialidades dos oceanos, a Forum organiza, em parceria com o Politécnico de Leiria, a Academia Tanto Mar – uma semana de atividades em que poderás ficar a conhecer o mar em profundidade. Para participar, só precisas mesmo de fazer a inscrição www. tantomar.forum.pt. Depois, é só esperar o nosso contacto.

Centro de Formação Profissional das Pescas e do Mar

ESTALEIROS NAVAIS DE PENICHE SA

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization

Man and the Biosphere Programme


26 | Forum Estudante | Jan’17

/Brisa SDC

OS DIFERENTES PALCOS D Da estrada à pista, sem esquecer a oficina e o simulador. São vários os cenários que compõem o Brisa Student Drive Camp. Entre os dias 9 e 13 de abril, o Porto vai receber 50 estudantes que vão ficar a saber tudo sobre os mundos do automobilismo e da segurança rodoviária.

A Estrada

No Brisa Student Drive Camp poderás obter uma experiência marcante para toda a tua vida: a tua Primeira Aula de Condução. Com a ajuda de escolas de condução locais, terás a oportunidade de te sentar atrás do volante e, pela primeira vez, controlar um automóvel. Este poderá ser um primeiro contacto muito importante, para que estejas melhor preparado quando chegar a altura de aprender a conduzir.

A Pista

Segurança rodoviária não é sinónimo de lentidão. Nas condições certas, também há espaço para a velocidade. Nessas ocasiões, apenas precisas de garantir todas as condições de segurança, para que não corras nenhum risco. Durante o BSDC vais poder conduzir um kart em ambiente de pista, para que compreendas a importância dos mecanismos de segurança.

powered by

2017

apoios

Brisa Student Drive Camp é uma iniciativa inserida em EDUCAÇÃO


27 | Forum Estudante | Jan’17

/Brisa SDC

S DO STUDENT DRIVE CAMP

A Oficina

Há ainda outro dado muito importante para a segurança: a informação. Apenas estando informado sobre as componentes automóveis, poderás saber interpretar corretamente imprevistos, agindo em conformidade, por exemplo. Por essa razão, esta semana inclui momentos de formação e workshops, em oficinas e centros de inspeção.

O Simulador

A simulação tem uma vantagem. Permite-te passar por uma experiência de condução em condições adversas, sem consequências nefastas. Condução sobre condições meteorológicas extremas, visibilidade reduzida, capotamento e até efeito (simulado) do álcool são alguns dos desafios que te serão colocados. Consegues levar o teu carro a bom porto?

studentdrivecamp.forum.pt


28 | Forum Estudante | Jan’17

/Leiria-In www.leiria-in.forum.pt

OS NÚMEROS DE UMA INDÚSTRIA DE EXCELÊNCIA

partners

Câmara Municipal da Marinha Grande

media partners

Semana da

Indústria powered by

sponsors


29 | Forum Estudante | Jan’17

/Leiria-In

A indústria da região de Leiria é reconhecida como sendo das mais dinâmicas e tecnologicamente avançadas do país. Quais os números que sustentam esta visão? O Instituto Politécnico de Leiria, com a parceria da Forum Estudante, convida-te a saberes mais sobre esta realidade, gratuitamente, entre os dias 11 a 16 de julho 2016, no Leiria-In – a semana que te coloca na vanguarda da tecnologia!

Emprego Nas décadas recentes, Leiria tem registado uma taxa de desemprego abaixo das médias nacionais. Segundo os números do Instituto Nacional de Estatística, em 2001, quando o país registava 7,3% de desempregados, a região de Leiria assinalava uma percentagem de 3,8%. Os dados do INE e do Pordata indicam que, juntamente com Lisboa, Leiria é “a cidade onde é mais fácil encontrar emprego”, revela o portal E-Konomista.

Exportações O volume de exportações da região de Leiria tem registado uma subida acentuada. Em 2005, Leiria exportava cerca de 211 milhões de euros. Oito anos mais tarde, em 2013, passava a vender ao estrageiro cerca de 475 milhões. Segundo o Diário de Leiria, em 2015, o valor ultrapassou os 1,4 mil milhões.

Valor total das empresas Segundo o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (IAPMEI), o valor das empresas da região é de 60 milhões de euros.

Empresas de excelência O distrito de Leiria tem 121 das cerca de 1500 empresas portuguesas distinguidas com o prémio “PME Excelência 2015”, de acordo com o IAPMEI, ocupando o quinto lugar do ranking nacional (com 8,1%). Leiria (45) e Marinha Grande (22) são os concelhos em destaque.

Não fiques para trás, inscreve-te Serão selecionados 50 participantes entre os 14 e os 18 anos, do ensino secundário ou ensino profissional. Para participares, só tens mesmo de preencher o formulário em www.leiria-in. forum.pt. Depois é só esperar pelo nosso contato, para conhecer os passos seguintes. O Leiria-in é organizado pela Forum Estudante e pelo Instituto Politécnico de Leiria, com o apoio de parceiros importantes que tornam esta atividade numa semana inesquecível!

Economia em crescimento O número de empresas criadas em Leiria é superior às que encerram. Em 2011, por exemplo, fecharam 819 mas foram criadas 1351, um saldo positivo de 532 empresas. Segundo um estudo da Informa DB, o volume de negócios das empresas da região aumentou 2,4%, face à quebra de 0,1%, a nível nacional.


30 | Forum Estudante | Jan’17

/IPStartupWeek www.ipstartup.forum.pt

UMA IDEIA NO ELEVADOR

Para além do segredo, a apresentação também é a alma do negócio. Criar uma boa primeira impressão é essencial para convencer investidores e cativar clientes. Na academia IPStartupWeek – uma parceria entre o Politécnico de Setúbal e a Forum Estudante – esta é também uma das tuas competências que serão aperfeiçoadas. O relógio começa a contar e vai parar passados 180 segundos. Neste período de tempo, terás de explicar de forma cativante e convincente o teu projeto ou ideia de negócio. Este é o pressuposto na base do “Elevator Pitch” – uma alusão à duração de uma viagem de elevador. A revista Entrepreneur define este momento como “a oportunidade perfeita, não necessariamente para “vender” um negócio mas para fazer as pessoas querer saber mais uma

empresa”. Muitas vezes, não é tanto a informação “pura e dura” que está em causa. Antes a capacidade de captar a atenção e despertar a vontade de querer saber mais. Por essa razão, a mesma revista dá cinco dicas para que cries o “Elevator Pitch” perfeito: sê acessível, natural,

powered by

direto, escolhe apenas a informação essencial, sublinha os teus objetivos e treina a tua apresentação com antecedência. A criatividade também é uma parte muito importante deste momento. Uma abordagem inovadora pode sinalizar a atitude certa para quem

apoio


31 | Forum Estudante | Jan’17

/IPStartupWeek

pretende demonstrar iniciativa e confiança nas ideias que apresenta e defende. Durante a Academia IPStartupweek, vais poder criar a tua própria ideia de negócio e defendê-la perante um júri. Em edições passadas, algumas ideias brilharam: de um sapato com salto ajustável, a um sistema inteligente de ar condicionado, passando por uma aplicação com vista a garantir a pontualidade. No final do exercício de 2016, a docente da disciplina de empreendedorismo da ESCE considerou que todas as ideias apresentadas pelos participantes “foram fantásticas” e revelou que este exercício teve o objetivo de, “num espírito de equipa, desenvolver competências importantes no mercado de trabalho”.

A SEMANA DO EMPREENDEDORISMO Organizada pela Forum Estudante e pelo Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), Academia IPStartupWeek é uma semana dedicada ao empreendedorismo. Desta forma, Setúbal vai acolher 50 estudantes do ensino secundário e profissional de todo o país, com todas as despesas incluídas. A organização garante que não se trata de um mero “faz de conta” e que “não vais passar os dias fechado numa empresa”. O objetivo é “dar largas à imaginação e à criatividade”. Queremos que, de uma forma divertida, possas desenvolver as tuas competências empreendedoras e perceber como usá-las. Para fazer a tua inscrição, apenas tens de preencher o formulário em ipstartup.forum.pt e esperar pelo contacto da Forum Estudante.

empreendedorismo criatividade Iniciativa inovação


32 | Forum Estudante | Jan’17

/I Love We www.ilovewe.forum.pt

LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

ONTEM E HOJE

As aulas de LGP podem ser, num futuro breve, uma realidade para muitos alunos portugueses. Este já é o dia a dia da Escola Superior de Educação de Coimbra, com uma licenciatura e um laboratório exclusivamente dedicados. Fica a saber mais sobre a LGP, das suas origens até à atualidade. Recentemente, o Ministério da Educação confirmou que planeia alargar as aulas de Língua Gestual Portuguesa a toda a comunidade escolar. “Sobretudo nas escolas de referência para surdos”, destacou o ministro Tiago Brandão Rodrigues, o objetivo é que “todos os alunos possam ter aulas de LGP”. De acordo com as estatísticas do ministério, existem 504 alunos surdos em Portugal, distribuídos por escolas

powered by

#ilovewe16

de referência. Segundo noticia o Diário de Notícias, há escolas que têm turmas só de alunos surdos e outras em que estes são integrados em turmas com ouvintes. A integração total destes alunos está na base da proposta votada este mês na Assembleia da República. Para além da criação de uma Atividade Extra Curricular de língua gestual, o projeto prevê aulas para a comunidade escolar em geral e a criação do

apoios

estatuto “Professor de Língua Gestual Portuguesa” para os formadores.

Do reino ao laboratório O dirigente do movimento associativo da Comunidade Surda, Amílcar José Morais, explica, num texto intitulado Mitos e Preconceitos Sobre LGP e a Pessoa Surda, a história desta língua. Curiosamente, a LGP chegou da Suécia, depois do reino português convidar o sueco Par Aron Borg a


33 | Forum Estudante | Jan’17

/I Love We

construir uma instituição independente em Portugal. Mais tarde, em 1880, o método gestual foi interrompido, regressando em 1977, com a investigação a começar em algumas escolas. O reconhecimento formal chegaria em 1997, com a inclusão da LGP na Constituição da República Portuguesa. Uma década depois, em 2007, a ESEC criou uma das primeiras licenciaturas de LGP em Portugal. Com a duração de 6 semestres, este curso permite ao diplomado ser formador/professor, intérprete ou técnico de apoio de LGP. De igual forma, a ESEC conta com um Laboratório de Língua Gestual Portuguesa onde, para além de aulas e exames específicos, existe o equipamento necessário para a captação vídeo. Em declarações à ESEC TV, a Diretora do Curso, Isabel Correia, salienta a importância deste trabalho: “se queremos um país inclusivo e acessível, a única barreira que a pessoa surda tem é uma barreira linguística. A partir do momento que existe LGP, o conhecimento e o recurso ao intérprete – como acontece aqui na ESEC – a acessibilidade é garantida”.

I LOVE WE

Na academia I Love We – uma parceria entre a Forum Estudante e a Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), vais poder ficar a conhecer esta língua essencial para a integração de muitos cidadãos, entre os dias 27 de junho e 2 de julho. Isto para além de contactares com todas as formas de comunicação da ESEC. Teatro, Música, Arte, Animação e Comunicação Social, são apenas alguns dos exemplos. Para participar nesta Academia Forum, apenas tens de fazer a inscrição em ilovewe.forum.pt. O alojamento e a alimentação estão incluídos.

I

N

S

C

R

E

V

E - T

E

J

Á


34 | Forum Estudante | Jan’17

/Redescobrir a Terra

“A AGRICULTURA TEM MUITO PARA OFERECER AOS JOVENS” O Presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal, João Machado, falou com a FORUM sobre as principais mudanças na agricultura, nos últimos anos: da evolução tecnologia à responsabilidade ambiental. Uma imagem que, considera, não é percecionada pelos jovens e pela sociedade em geral. “É um facto que a agricultura portuguesa está a mudar”, sublinha. O que é que o setor da agricultura pode oferecer a um jovem que esteja, neste momento, a ponderar as suas opções profissionais? O setor da agricultura é um setor com futuro. Em primeiro lugar, porque é uma atividade profissional que tem garantia de mercado. Os agricultores produzem alimentos e isso é algo que é consumido todos os dias, no mundo inteiro. A segunda questão é que, para gente mais nova e com capacidade em termos técnicos e de formação, a agricultura é, hoje, um dos sectores com tecnologia mais de ponta. As pessoas podem não fazer essa associação mas, de facto, produzir alimentos é produzir com tecnologia de ponta. Não é por acaso que, na Web Summit, estiveram algumas startups portuguesas com produtos exclusivamente dedicados à agricultura – tecnologias de informação, de rega, de orientação por GPS, drones, etc… A agricultura, hoje, é tecnologia. E para os mais jovens, isso é aliciante.

Por último, é um estilo de vida diferente. Viver no campo, com um ambiente mais desanuviado, menos viaturas, menos ruído, sem o stress de uma grande cidade… Para muitas pessoas, é um aliciante em termos de modo vida. Nesse

“A agricultura, hoje, é tecnologia.” aspeto, penso que a agricultura tem muito para oferecer aos jovens, hoje em dia. Pensa que os jovens têm essa perceção da agricultura? Não. Penso que nem os jovens, nem a maioria das pessoas em geral, têm essa perceção. Nessa perspetiva, o programa Redescobrir a Terra, nomeadamente ações como a ida às escolas ou o Dia da Agricultura da Escola vai exatamente nesse sentido: aliciar os jovens,

deixando-os mais preparados para enfrentar estes desafios no futuro. No contacto com os jovens, a tecnologia pode ser uma aliada por ser um desafio próximo das suas realidades? Penso que sim. A agricultura, durante muitos anos, foi considerada um setor antiquado e, muitas vezes, desinteressante. E não deveria ser assim. As pessoas pensam que as máquina de vindimar, de podar de colher, são fáceis de trabalhar. Mas essas máquinas, hoje, todas têm computadores instalados, sistemas GPS e sistemas computorizados. Em muitos casos, o operador só está lá para ver se as coisas estão a correr bem. Hoje em dia, tudo é assim na agricultura e acho que isso é um aliciante para gente mais jovem que gosta de ter um iPhone e de gerir a sua vida através dele. A agricultura também se gere pelo iphone ou pelo iPad, muitas vezes à distância.

uma iniciativa

Parceiros

Escola Profissional Agrícola

Afonso Duarte


35 | Forum Estudante | Jan’17

/Redescobrir a Terra

“A agricultura também se gere pelo iPhone ou pelo iPad, muitas vezes à distância.”

Esse avanço tecnológico também amortiza de alguma forma o risco de investimento? É mais seguro, hoje em dia, investir em agricultura? Sem dúvida. Quando se investe numa cultura e se investe em torná-la tecnológica, o investimento é maior. Mas esse investimento tem dois objetivos principais. Por um lado, não deixar nada ao acaso – temos de conhecer as necessidades da planta para correr menos riscos e intervir no momento certo. Por outro lado, a utilização de tecnologias torna as culturas menos oscilantes. Antigamente, havia um ano em que se produzia muito e, no seguinte, pouco. Devido a secas, ou água a mais, ou doenças, etc... Quando temos mais informação, eliminamos uma série destas variáveis. Não todas – porque é a céu aberto – mas eliminamos muitas. E, por isso, tornamos a produção mais homogénea, o que é essencial para a tornar menos arriscada – o que é bom para quem investe.

muito massificada e pobre. Julgo que, mesmo depois da nossa adesão a União Europeia, se foi mantendo esse perfil de agricultura ao longo dos anos. Era aquilo que estava no imaginário das pessoas. Essa imagem está a ser alterada mas não está profundamente alterada. Até porque convivem, na agricultura portuguesa hoje, essas duas agriculturas. Uma de subsistência, que vem do passado, que é feita por pequenos agricultores de idade muito avançada, com pouca tecnologia e que não tem grande futuro. E outra, a agricultura moderna, que é feita com toda a tecnologia, por empresários e que tem permitido a Portugal exportar cada vez mais e abastecer o mercado interno. O que é facto é que a agricultura portuguesa está a mudar. E é para intervir nesse sentido que a CAP tem este programa com a Forum Estudante – para chamar a atenção dos jovens para os novos desafios e oportunidades.

Olhando estas duas imagens da agricultura, como se pode explicar essa perceção “antiquada”? Portugal teve uma alteração da sua maneira de estar no mundo, a partir da revolução de Abril. Aquilo que estava para trás de 1974 levava a que a agricultura fosse pouco desenvolvida,

De que forma é que este programa dá a conhecer esta face da agricultura aos jovens? Temos de estar perto dos jovens, enquanto eles estão em formação, para lhes dizer que a imagem antiquada não é verdadeira hoje e que eles poderem escolher a agricultura – se é que querem

escolher ou têm essa possibilidade. E só através deste protocolo com a Forum Estudante é que conseguimos chegar às escolas como estamos a chegar. De resto, com o patrocínio do Presidente da República. Não queremos, obviamente, cativar todos os jovens para serem agricultores – isso não seria possível. O que nós queremos, ao ir às escolas com a Forum Estudante, através do contacto direto e da formação, é chamar a atenção para a importância do setor e dar as ferramentas necessárias para que possam conduzir a sua formação nesse sentido. Uma das questões inseridas no programa é a da imagem da agricultura retratada nos manuais escolares. Qual a problema em específico? Nós identificámos – aliás com a ajuda da Forum Estudante – que os manuais escolares não dão, ao longo dos anos, esta imagem moderna da agricultura. E essa não é uma imagem ficcionada – é uma imagem real. Os manuais passam exatamente a imagem da agricultura atrasada, do passado que estamos a abandonar. Estamos apostados, em conjunto com a Forum Estudante, em influenciar os manuais escolares do presente e do futuro, no sentido de serem muito mais cativantes e de transmitirem uma imagem moderna da agricultura adequada à realidade de hoje.


36 | Forum Estudante | Jan’17

/Tech

LONGA

A HISTÓRIA DO ÚLTIMO GUARDIÃO Depois de nove anos em produção, The Last Guardian chegou às lojas no final de 2016. Centrado na relação entre uma criança e Trico – o animal gigante que é simultaneamente mamífero e ave –, o jogo tem recebido os elogios da crítica pelo seu ambiente e narrativa. Não se pode dizer que Trico seja o típico animal de estimação. Com elementos de cão, ave, raposa e gato, esta criatura gigantesca é capaz de grandes feitos: de voos magníficos a mergulhos elegantes. Trico será a tua companhia durante a aventura do The Last Guardian. Enquanto jogador, controlas uma criança (“O Rapaz”) que acorda num castelo gigantesco. Rapidamente, encontrarás Trico, acorrentado e ferido, numa cave escura. Depois de o ajudares e alimentares, ele vai seguir-te e ajudar-te, enquanto a relação entre os dois se fortalece e se torna a mecânica central do jogo. O jogo é descrito como um título que mistura os géneros de ação-aventura e puzzle em que, segundo o criador do jogo, Fumito Ueda, o objetivo passa

por aprender a interagir com Trico. “O rapaz é muito jovem, sem força ou habilidades”, contou à IGN. Por isso, terás de aprender a canalizar as capacidades de Trico para ultrapassar obstáculos. A mecânica de jogo é semelhante a títulos anteriores da produtora Team Ico – Ico e Shadow of the Colossus. Neste último título, de resto, o jogador já podia contar com a ajuda de Agro – uma égua que auxilia o protagonista. Para The Last Guardian, explicou Ueda, o objetivo passou por tornar este tipo de amizade um pouco mais central. The Last Guardian tem recebido avaliações positivas, com uma classificação de 83% no agregador Metacritic. A Gamespot elogiou os personagens e a sua ligação. Já o The Guardian apelidou o jogo

como “uma alegre meditação sobre o companheirismo”, elogiando a elegância dos puzzles e, sobretudo, “a sua vida emocional”. Do lado das críticas menos positivas, alguns criticaram o facto de Trico ter demasiada liberdade – o que obriga a alguma paciência por parte de quem apenas controla o Rapaz e está dependente do companheiro para avançar no jogo. Fumito Ueda começou a desenhar o jogo em 2007 e a Sony anunciou oficialmente o lançamento em 2009. Contudo, problemas dentro da equipa levaram a que muitos considerassem que o jogo nunca chegaria às consolas. Agora, nove anos mais tarde, a relação de uma criança e o seu cão-gato-averaposa gigantesco já pode ser vivida por ti.


37 | Forum Estudante | Jan’17

/Cinema

FILMAR METAL EM TODO O MUNDO Aos 22 anos, Guilherme Henriques conta já com 20 videoclipes no portfolio. Com uma ligação especial às bandas de metal, o jovem natural de Santa Maria da Feira, tem filmado em mais de uma dezena de países.

Dos austríacos Belphegor aos espanhóis Noctem ou Wormed, a carteira de clientes de Guilherme Henriques envolve filmagens que vão de Itália à Dinamarca, passando por Tawain ou Austrália. Tudo começou depois de completar a licenciatura em Comunicação Audiovisual e Multimédia e decidiu especializar-se numa linha específica.

A história começa com uma proposta de trabalho que julgava perdida, depois de dois anos sem resposta, conta o realizador: “pensava que fosse daquelas oportunidades únicas que ouvimos alguém falar numa conversa de café – hesitei, suei, tomei três cafés e respondi”. Hoje, Guilherme Henriques garante viver “da música e dos meus vídeos”. Nesta

fase, acrescenta, ainda está “no patamar de quem tem de fazer tudo sozinho”: da ideia, ao guião, ao storyboard, passando pela captação e edição de imagem. Olhando a sua ainda recente carreira, o realizador não tem dúvidas. Tudo se alterou depois de aceitar o seu primeiro trabalho. “A minha vida mudou desde então. Hoje vivo da música e dos meus vídeos”, conclui.

“A procura constante de informação e conhecimentos levou-o a desenvolver imagens com uma linguagem bastante requisitada por bandas dos mais variados géneros de Metal Rock”, pode ler-se na sua biografia, que acrescenta: “em menos de um ano, já viajou um pouco por todo o mundo em trabalho”.

Estreias em Janeiro Assassins Creed Baseado na popular série de videojogos, Assasins Creed conta a aventura de Callum Lynch (Michael Fassbender) na exploração das memórias genéticas de um dos seus antepassados: Aguilar. Descendente de uma sociedade secreta de assassinos, Callum terá de viver no século XV e aperfeiçoar as suas capacidades.

Resident Evil Final Chapter Dando continuidade à narrativa de Resident Evil: Retribution, Alice (Milla Jovovich) regressa a Racoon City, onde a Umbrella Corporation prepara um ataque final contra os únicos sobreviventes humanos.

La La Land Este musical conta a história de amor de um pianista (Sebastian / Ryan Gosling) e de uma atriz (Mia / Emma Stone). Ambos procuram oportunidades para as suas carreiras na cidade de Los Angeles.


38 | Forum Estudante | Jan’17

/SóRir

LegoBrinca Achas que tens imaginação para criar situações como as que mostramos aqui?

Tu que estás chateado e de mau humor e procuras uma luz que acenda o teu sorriso, uma gargalhada que te encha a alma... Aprecia! Ah, e não te esqueças, se tiveres uma boa piada ou foto, envia-nos para geral@forum.pt

Pergunta Um tipo pergunta ao seu amigo: - “Sabes qual é a diferença entre brincar com Lego e fazer amor?” O amigo responde: - “Não, não sei.” O tipo após ouvir a resposta, aconselha-o dando-lhe uma palmadinha nas costas: - “Continua a brincar com Lego.”

O amigo

Ei, Donatello, por que é que tens a fita nas cuecas?

Vai um amigo até tua casa mas tu não lhe emprestas as tuas peças Lego para brincar... O que é que tu és? Um Legoísta!!!!

Os 11 trabalhadores do Rockefeller Center


39 | Forum Estudante | Jan’17

/HorosCÓPOS

ANO NOVO, VIDA LIGEIRAMENTE NOVA, COM MUITAS COISAS A MANTEREM-SE ESSENCIALMENTE NA MESMA, DURANTE OS PRÓXIMOS DOZE MESES Há coisas que nunca mudam, diz-se por aí. Mas a expressão “diz-se por aí” irrita-me e, por isso, tentei inovar nesta previsão: para além de um título excecionalmente longo, resolvi criar o HOROSCÓPOS ESPECIAL 2017. O que vai mudar este ano? E o que vai ficar na mesma? Fica a saber tudo.

Aquário

especial Peixes (19/02 a 20/03) O teu ano será recheado de mudanças repentinas de humor. Começarás por ficar feliz, quando receberes a notícia de que vais ganhar um prémio valioso. Logo de seguida, contudo, vais irritar-te ao perceber que não passava de uma mentira utilizada para te manipular. Péssimo.

Carneiro (21/03 a 20/04) Astralmente falando, 2017 vai reservar surpresas. As estrelas alinham-se para que, durante o verão, o tio Carlos te dê uma boleia até à praia no seu Opel Astra de 1998 (3 portas).

Touro (21/04 a 20/05) Este é o ano em que os nativos de Touro vão, finalmente, compreender que a cozinha não serve apenas para ir ao frigorífico a meio da noite. Pelo alinhamento da galáxia de Andrómeda, o prato de eleição será massa de atum. Muito gourmet.

Gémeos (21/05 a 20/06) O mapa astral de Gémeos diz-me que os nativos deste signo vão ter uma aproximação ao mundo da música. Contudo – e infelizmente – o mundo

da música vai-se aperceber e vai fazer questão de se afastar novamente. #epicburn

(20/01 a 18/02) Paixão! Aventura! Fortuna! Tudo isto serão palavras usadas nos horóscopos para captar a tua atenção. Contudo, o cenário será bem diferente. Na saúde, tudo na mesma. No amor, tudo igual. No dinheiro, não há mudanças. 2017 vai ser absolutamente normal, com a pequena novidade de passar a ser o ano em que vais perceber que há coisas que nunca mudam.

Caranguejo (21/06 a 20/07) Nem tudo será mau, caro Caranguejo. Lá para junho, uma das tuas fotos do Instagram vai receber um comentário inesperado. Posso adiantar que será da conta @esotangaprof e consistirá na frase: “a profecia cumpre-se #esotangaking”.

Leão (21/07 a 22/08) Tenho uma previsão segura para ti. Abre um mapa. Fecha os olhos. Coloca um dedo no mapa. Abre os olhos. Há uma grande possibilidade de não vires a estar nesse sítio, nos próximos 12 meses.

Virgem (23/08 a 22/09) Em 2017, não adies as tuas decisões. Começa já a pensar no que vais oferecer no dia dos namorados. Flores e chocolates é giro e tal e coiso e tal. Mas a ocasião merece que puxes um pouco mais pela cabeça.

Balança (23/09 a 22/10) Feitas as contas, os nativos de Balança têm um problema em mãos. O ano será

absolutamente fantástico. O que face às previsões dos outros signos, vai propiciar sentimentos de inveja e ciúme. Boa sorte!

Escorpião (23/10 a 21/11) Vais demorar cerca de cinco meses para a acertar com o ano. Ou seja, cada vez que te perguntarem “há quantos anos foi o Euro 2004?”, vais começar a conta por “ora bem, se estamos em 2016…”. Já agora, a resposta certa é 12.

Sagitário (22/11 a 21/12) É muito importante que, em 2017, tentes responder à questão: “se 3x – y = 12, qual o valor de 8^x/2^y?”. Envia os resultados para esotanga@esotanga. com

Capricórnio (22/12 a 19/01) É melhor que ajudes o sagitário. Há perguntas difíceis de responder. Poderá ainda ser útil que, durante este ano, pesquises mais sobre cartas astrais, tarot e futurologia. Envia as tuas conclusões para apoio@esotanga.com


Academias de verão Forum Estudante

EXPERIÊNCIAS INESQUECÍVEIS ESCOLHE A TUA.

#292 Revista Forum Estudante - Janeiro 2017  

Entrevista a David Carreira: Depois de um 2016 muito movimentado, David Carreira vai... de férias. Mas ainda teve tempo para falar com a For...

Advertisement