__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Instrumentação, Elétrica, Controle de Processos, Automação Industrial, Predial e Metrologia Ano 23 – nº 263 – 2021 – www.controleinstrumentacao.com.br

Balanço 2020 e Perspectivas 2021

Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021




SAIBA MAIS: 

Nº 262 | 2021

Controle & Instrumentação


Sumário

Talking About

Cover Page 36 Balanço e perspectivas positivos,

Vencendo desafios

mas os desaſos continuam

Um ano, que se iniciou mais parecido com uma versão ponto dois de 2020, começou a se redesenhar com a vacinação – mesmo com fura-filas, momentâneas faltas de insumos e discussões políticas. Nunca o trabalho e a vida pessoal foram tão interligados; nunca se falou tanto, de forma coerente e ampla, sobre problemas do sono, ansiedade, quem cuida dos filhos, ensino à distância... Nunca se sentiu tanto a falta de infraestrutura do país de modo generalizado. Fazer um balanço de 2020 parece uma missão simples: um ano que não deveria ter existido. E como buscar exemplos para nortear as decisões? De longe, o mundo parecia estar acabando, e só as grandes corporações podiam suportar o tamanho do problema. Será? Então não fomos ouvir as grandes corporações. E nos surpreendemos com o bom desempenho das que encontramos. A matéria de capa traz um apanhado geral de balanço e perspectivas de associações e empresas que, depois do susto – todas sentiram o baque inicial –, conseguiram se recompor e crescer. Todas citam a tecnologia como solução. E desejam que a vacinação alcance a todos ainda este ano, para que 2022 seja um renascer, melhor.

52 Seções Permanentes

Os setores que fazem a infraestrutura do país estão fervendo, e puxando para cima a esperança de que bilhões serão investidos por aqui, de 2021 a 2025. Já dá para ter uma ideia com os recentes leilões promovidos pelo Governo em abril. Energia, óleo & gás, transportes, saneamento.... E muita tecnologia: IoT, nuvem, acessos remotos, analytics...

08 16 17 19 26 55

Nesta edição, você, leitor, encontra muita notícia de investimento e tecnologia e, se sentir falta de alguma, veja se está recebendo nossas duas newsletters semanais, e se acompanha nossas redes sociais – onde diariamente postamos notícias de negócios, eventos, produtos, etc. Por aqui a equipe ainda não foi vacinada, segue em home office. Unida no mesmo desejo de que todos recebam logo suas doses e o novo normal chegue com muita saúde, trabalho e paz. Boa leitura O editor Colaboraram: assessorias de imprensa

C&I Instrumentação Controle &

www.controleinstrumentacao.com.br ISSN 0101-0794

www.editoravalete.com.br facebook.com/controleinstrumentacao

News Boletim PI Brasil Market Energies Special Cast

Próxima Edição –

Instrumentos inteligentes e dados seguros, Nuvem, Segurança cibernética

NESTA EDIÇÃO Capa:

www.editoravalete.com.br DIRETOR RESPONSÁVEL Waldir Rodrigues Freire DIRETORIA editoravalete@editoravalete.com.br ASSINATURAS comercial@editoravalete.com.br

ENDEREÇO Rua Siria, 90 Pq. São Jorge São Paulo - SP CEP: 03086-040 Tel/Fax: (11) 2292.1838 / 3798.1838

DEPTO. COMERCIAL/ANÚNCIOS publicidade@editoravalete.com.br FINANCEIRO ſnanceiro@editoravalete.com.br REDAÇÃO redacao@editoravalete.com.br

Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021




2VJUDQGHV HYHQWRVGR VHWRUHVWmR WRGRVDTXL DRDOFDQFH

Steps 2021

agosto

Brasileira de Tratamentos de Superfície – Cipa Fiera Milano / ABTS – Associação Brasileira de Tratamentos de Superfície. Acontece juntamente com a 11ª Tubotech – Feira Internacional de Tubos, Válvulas, Bombas, Conexões e Componentes, e a 5ª wire South America – Feira Internacional de Tubos e Cabos – São Paulo Expo Exhibition & Convention Center.

31/08 a 02/09 – AMTS Brasil – Feira Internacional de Tecnologia para Manufatura Automotiva – São Paulo Expo – SP / E https://www.amtsbrasil.com.br/pt-br.html

setembro 14 a 17 – Feicon – Reed Exhibitions /

E https://www.feicon.com.br

novembro 09 a 13 – Automec – Reed Exhibitions – Expo Center Norte /

E https://www.automecfeira.com.br/pt-br.html

22 a 24 – 15ª ISC BRASIL – Reed Exhibitions /

E https://www.iscbrasil.com.br/pt-br.html

30/11 a 02/12 – Analitica Latin America 2021 /

E https://www.analiticanet.com.br/

outubro 05 a 07 – 17ª edição do EBRATS – Encontro e Exposição

Mais informações sobre cursos e eventos, no site da www.controleinstrumentacao.com.br PEOPLE A Positivo Tecnologia anunciou novo vice-presidente para Mercado Corporativo: Rodrigo Guercio. O executivo vem com a responsabilidade de estruturar a nova área da empresa, que atenderá, com soluções de hardware, software e serviços, as necessidades de computação das empresas brasileiras de todos os portes. Em sua trajetória profissional, Rodrigo tem experiência em gestão de produtos, vendas e operações em empresas multinacionais de tecnologia como Dell, AMD e HP. Em sua última função, foi o principal executivo no Brasil da unidade de negócios de data center da Lenovo. Rodrigo é graduado em Administração e Negociações Internacionais pelo Centro Universitário Newton Paiva, de Belo Horizonte, e possui MBA em Marketing, pela ESPM. A chegada de Rodrigo Guercio à nova vice-presidência de Mercado Corporativo está em linha com o novo momento da Companhia, que compreende um processo de transformação, avanço e diversificação de negócios. A nova organização da Positivo Tecnologia visa a impulsionar seu crescimento, e capturar as oportunidades de mercado, diante da aceleração da adoção de tecnologias. As unidades de negócios estão constituídas em três segmentos distintos: consumer, corporativo e instituições públicas. Cada uma possui portfólio com produtos e serviços específicos, para os respectivos perfis de clientes, sejam eles dos negócios tradicionais da companhia – computadores, tablets, smartphones, serviços e suporte, como nas principais Avenidas de Crescimento, definidas no plano estratégico, dentre eles: servidores, storage e nuvem, hardware as a service, máquinas de pagamento, urna eletrônica e dispositivos para ambientes inteligentes.

4

Nº 263 | 2021

Com dez anos de trajetória na companhia,

Suellen Moraes foi nomeada

Gerente de Diversidade e Inclusão da Ball, para a América do Sul. Em sua nova posição, a profissional assumirá o desafio de implementar políticas de RH, e cumprir com indicadores em uma área estratégica da Ball. O plano de Diversidade e Inclusão tem três eixos fundamentais: gerar uma força de trabalho mais diversa, treinar e conscientizar os funcionários em todos os níveis hierárquicos, e criar um ambiente de trabalho mais inclusivo. Suellen trabalhou na Ball na área de Comunicação Corporativa e relações com a comunidade. Em todos esses anos de experiência, foi conhecendo profundamente a cultura de trabalho da companhia, e liderando projetos para o desenvolvimento educacional e de qualidade de vida das comunidades próximas às instalações da Ball. A partir da sua nova posição, passará a colaborar para que Ball seja uma empresa mais aberta, inclusiva e diversa.

Controle & Instrumentação


2VJUDQGHV HYHQWRVGR VHWRUHVWmR WRGRVDTXLDR DOFDQFH

Steps

A EDP anunciou a nova diretora de sua distribuidora em São Paulo, Cristiane Fernandes. A executiva possui 20 anos de experiência no setor, e vai liderar um investimento recorde da companhia no Estado. Entre 2021 e 2025, a EDP destinará R$ 3 bilhões à sua área de concessão no Estado, que atende cerca de 2 milhões de clientes em Guarulhos, Alto Tietê, Vale do Paraíba, e Litoral Norte de São Paulo. Trata-se de praticamente o dobro do realizado no intervalo anterior. Cristiane Fernandes possui bacharelado em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (USP), e mestrado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ao longo de sua trajetória no setor elétrico, acumulou conhecimento em áreas como distribuição de energia, regulação, mercados, avaliação, análise competitiva e inteligência de negócios. Sob a liderança da nova diretora, a EDP terá como foco a expansão da rede, preparando o sistema elétrico para o desenvolvimento das 28 cidades da área de atuação; melhorias operacionais, redução de perdas, como o combate ao furto de energia; investimento em digitalização e atendimento ao cliente. Para isso, a Companhia entende ser necessária uma rede de distribuição segura, confiável, monitorada e flexível. A participação feminina está ganhando força e se expandindo, e Cristiane Fernandes reforça o time de mulheres na alta gestão da EDP – que foi certificada com o selo Women on Board, iniciativa que conta com apoio da ONU Mulheres, para incentivar o aumento da equidade de gênero na alta liderança. Em fevereiro, o Conselho da Companhia, que já contava com Juliana Rozenbaum, ganhou a participação de Vera Pinto Pereira e Ana Paula Marques, passando a ter 33% de participação feminina, o triplo da média nacional. Além das novas conselheiras, a EDP anunciou, em fevereiro, sua primeira vice-presidente, Fernanda Pires, para ocupar a recém-criada cadeira de Pessoas e ESG. Depois de atuar como executivo por mais de 15 anos em fabricantes e multinacionais do setor solar, Jean Tremura assumiu a diretoria da Go Solar, distribuidora nacional de equipamentos fotovoltaicos, e pertencente à Golden Distribuidora, com a missão de ampliar os negócios com projetos de energia solar para todas as classes de consumidores no Brasil.

Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021

5


2VJUDQGHV HYHQWRVGR VHWRUHVWmR WRGRVDTXL DRDOFDQFH

Steps A BRF criou a vice-presidência de Novos Negócios, alinhada com sua estratégia de crescimento sustentável, prevista na Visão 2030, anunciada ao mercado no final de 2020. Para liderar a nova área, foi escolhido Marcel Sacco, executivo com extensa carreira construída, principalmente, em empresas de consumo com foco em alimentos, além de experiências nas indústrias de telecomunicações e propaganda. Marcel Sacco é formado em Marketing pela ESPM, com Pós-graduação em Administração de Empresas, com foco em Finanças pela Fundação Getúlio Vargas, e Especialização em Marketing pelo International Institute for Management Development, em Lausanne, na Suíça. Passou pelo Programa de Liderança Executiva do Centro de Liderança Criativa em San Diego nos Estados Unidos, Programa de Gestão Avançada, Insead, em parceria com a Fundação Dom Cabral, Brasil/ França, e possui curso de extensão Liderando Times de Alta Performance/Liderança Organizacional, pela Fundação Dom Cabral. É conselheiro da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA) e de uma empresa farmacêutica, além de ser voluntário nas ONGs Gerando Falcões e Casa do Zezinho. Antes de assumir seu novo desafio profissional na BRF, Marcel Sacco foi diretor geral das Operações para Brasil e América Latina, na The Hershey Company. Também trabalhou na Schincariol, CadburyAdams, Telefônica, Parmalat, Bauducco e Ceval. A green4T, empresa de soluções de tecnologia e infraestrutura digital, e presente em 12 países da América Latina, além do Brasil, anunciou Marcio Martin, como Vice-Presidente Comercial da empresa. A contratação do executivo faz parte da estratégia da empresa em acelerar as vendas e expandir o cross-selling do novo portfólio. Martin também contribuirá para ampliar a atuação da empresa no Brasil e na América Latina. Graduado em Engenharia da Computação e com MBA em Administração e Negócios, o executivo possui mais de 28 anos de experiência no setor de TI. Foi diretor de Soluções de Data Center na Dell Technologies, responsável por elaborar estratégias e soluções para grandes clientes. Anteriormente, atuou em outras empresas do setor, como EDS-HP, HPE e DXC Technology. A Sodexo On-site anunciou Moises Mouta, como Presidente da Sodexo no Brasil. Na empresa desde 2018, como Chief Financial Officer, o executivo assume a posição, antes ocupada por Andreia Dutra, que parte para novos desafios na companhia, mantendo suas atuais responsabilidades, como CFO para o Brasil e América Latina, possibilitando, junto aos demais executivos

6

Nº 263 | 2021

dos segmentos de negócio, o crescimento sustentável da companhia no País. Formado em Ciências Contábeis pela UNICAP/PE, possui MBA em gestão de empresas pela Fundação Dom Cabral, e especialização em estratégia de marketing pela Insead/Londres, o executivo conta com mais de 30 anos de experiência nas áreas de finanças, planejamento estratégico e tecnologia da informação, em multinacionais de grande porte, como PwC, Souza Cruz, British American Tobacco (BAT) e Embraco (Grupo Whirlpool). O posicionamento do Grupo Sodexo é de continuar impulsionando o crescimento sustentável dos negócios no País, ao mesmo tempo que irá reforçar o cuidado com as pessoas. A Microsoft anunciou que Rodrigo Kede Lima é o novo Presidente para a América Latina e Vice-Presidente Corporativo da Microsoft Corporation. A prioridade de Rodrigo será apoiar e acelerar ainda mais a transformação digital de países e comunidades por toda a América Latina, por meio da adoção de tecnologias, que vão de serviços em nuvem até Inteligência Artificial, enquanto contribui para que os clientes da Microsoft na região acelerem o crescimento de seus negócios, e criem seu próprio caminho rumo à transformação digital. Comprometido em construir equipes diversas, e capacitar diferentes comunidades para promover oportunidades que aumentem a resiliência e a prosperidade econômica sustentável, Rodrigo é responsável por toda a oferta de produtos, serviços e suporte da Microsoft na América Latina, e lidera uma operação que inclui 30 escritórios em 22 países. Kede ocupou várias funções nacionais e internacionais trabalhando nos EUA, na América Latina e na Ásia. Iniciando sua carreira na IBM, em Finanças Corporativas, dirigiu a Divisão de Serviços no Brasil e, posteriormente, tornou-se Presidente da IBM Brasil. Após um período na empresa brasileira TOTVS, ele voltou para a IBM como Presidente para a América Latina, e depois mudou-se para os EUA, para liderar o negócio de serviços globais da IBM. Rodrigo é formado em Engenharia Mecânica e de Produção pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; possui MBA em Finanças/Mercado de Capitais pelo Instituto INSPER de São Paulo, e é graduado pela Harvard Business School, Classe AMP 192. É membro do conselho da Suzano Papel e Celulose, e faz parte do conselho consultivo da Agrotools. Também faz parte do Conselho Consultivo da Fundação Dom Cabral. Foi Chairman do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF), de 2016 a 2017, e membro da Câmara Americana de Comércio no Brasil, entre 2013 e 2015. Além disso, Rodrigo é atualmente membro da comunidade de liderança global YPO.

Controle & Instrumentação


2VJUDQGHV HYHQWRVGR VHWRUHVWmR WRGRVDTXLDR DOFDQFH

Steps

&TUBÎÍPEF "VUPNBÎÍP F5FTUFT

1-$ (o1࣑rovv†bm- †mb7-7;;lt†;|u-0-Ѵ_-ĵ †;|-Ѵ|;v|-u1-u|ॗ;v;ruo]u-l-v 7;7;=oul-oঞlbŒ-7-ĵĴ ‫ݽ‬l†b|oিঞѴmo7b--7b-7ovruoCvvbom-bvt†;|u-0-Ѵ_-l1ol7bˆ;uv-vl-u1-v ;lo7;Ѵov7;Ľv;t†;ru;1bv-l|;uruo7†ঞˆb7-7;mov|;v|;vĺ  v|-2࢛o7;$;v|;v7-3UHV\Vr;ulb|;CŠ-uovĽv;l|ubѴ_ov ķ v;m7o-voѴ†2࢛ob7;-Ѵr-u-|;v|-u;m|u-7-v;v-झ7-v7b]b|-bvķ -Ѵ࣐l7o=†m1bom-l;m|o7ovruo]u-l-vĺ -1bѴb|--;u]omolb-7ov|;v|;v;|-l0࣐l࣐ rovvझˆ;Ѵ-7b1bom-u†ll†Ѵঞ1-Ѵb0u-7our-u- |;v|-u-v;m|u-7-v;v-झ7-v-m-Ѵॕ]b1-vĺ  "" ;v|;Ѵbmh _||rvĹņņ‰‰‰ĺ‹o†|†0;ĺ1olņ‰-|1_ĵˆƷƕ]ƒ,lƑƖ_]

-vvbv|--oˆझ7;o;1om_;2--vl;Ѵ_ou;v voѴ†2ॗ;v;l v|-2࢛o7;$;v|;v7;ĺ Ŋom|uoѴ-7ouॕ]b1ouo]u-l࢙ˆ;ѴņŊuo]u-ll-0Ѵ;o]b1om|uoѴѴ;u

ZZZSUHV\VFRPEU Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021

7


C&I News

Cargill investe milhões em Centro de Pesquisa O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (CPNA) da Cargill Nutrição Animal, na cidade de Mogi Mirim/SP, conta com uma estrutura diferenciada em inovação e tecnologia. Todos os produtos e soluções desenvolvidos são testados em uma operação de ponta e condições legais, antes de chegarem ao mercado. O resultado é a velocidade e o dinamismo, bem como a geração de dados e conhecimento produzidos em outros centros de pesquisa da Cargill ao redor do mundo, o que torna a empresa ainda mais competitiva em seu segmento. Nos dois últimos anos, foram investidos mais de dois milhões de reais em reformas neste Centro de Pesquisa, o que inclui a climatização das salas de alojamento com isopainel e equipamentos novos; instalação de caixas d’água que ermitem experimento com medicação via água; fechamento com isopainel, placas evaporativas e exaustores; formação da pastagem, construção de cercas e divisão de piquetes, curral, balança para pesagem de bovinos. Foram adquiridos, também, cochos eletrônicos para monitoramento em tempo real da ingestão de suplementos ou ração. Sem deixar de lado a sustentabilidade, o CPNA desenvolve estudos para a produção de soluções no seg-

mento de frangos de corte, ruminantes e leitões, sempre com a finalidade de atender as necessidades dos produtores. Com nove profissionais atuando neste centro de pesquisa, é possível realizar até 30 experimentos para frangos de corte, até 10 experimentos para suínos, e 10 experimentos para ruminantes. Alessandro Belucio, Category Lead Enzymes na Cargill, que esteve à frente dessas mudanças e que recentemente foi para uma posição global na Cargill, conta que os ganhos obtidos em qualidade de pesquisa são inúmeros e, além disso, as reformas permitirão que haja algo ainda mais homogêneo no centro de pesquisa, e complementa: “o controle térmico da instalação, através de equipamentos e conceitos de construção mais modernos, leva a menor variabilidade dos dados a serem analisados. Isso torna possível a melhor identificação dos efeitos de tratamentos”, comentou. Ele ainda adiciona que, com os recentes investimentos, há uma significativa melhora nas condições de bem-estar dos animais. A empresa também implementou cochos eletrônicos, e criou novas linhas de pesquisas, tanto no quesito de performance, quanto metabólicos, aumentando assim a capacidade de gerar dados cada vez mais fidedignos, resultando em maior confiança e assertividade nas informações enviadas aos parceiros da Cargill Nutrição Animal.

Contrato guarda-chuva para serviços de engenharia A Pöyry assinou um frame agreement para prestar serviços especializados de engenharia multidisciplinar e coordenação de projetos para as unidades do Grupo Nitro, localizadas em São Miguel Paulista, Zona Leste da capital paulista, e na cidade de Cesário Lange/SP. O contrato tem duração de dois anos, e prevê a atuação em projetos de capital e de Opex, com a realização de serviços de engenharia conceitual, básica e detalhada, incluindo todas as disciplinas de engenharia, tais como Processo, Mecânica, Tubulação, Civil, Automação e Elétrica, além de projetos de proteção e de combate a incêndio destas instalações.



Nº 263 | 2021

“Nossa expertise no setor de químicos, tanto local quanto global, nos permitirá contribuir com soluções inovadoras e sustentáveis para os desafios de negócio do Grupo Nitro, tanto do ponto de vista operacional, quanto ambiental e econômico”, afirma Fábio Bellotti da Fonseca, presidente da Pöyry na América Latina. O Grupo Nitro é uma empresa brasileira que atua em três linhas de negócios – Agronegócios, Especialidades Químicas e Químicos Industriais –, e atende clientes em mais de 70 países, com operações no Brasil, Uruguai, Estados Unidos e Áustria, sendo referência nacional e internacional.

Controle & Instrumentação


C&I News

Satélite da Airbus é colocado em órbita com segurança No final de abril, na Guiana Francesa, o primeiro satélite da constelação Pléiades Neo foi posto em órbita, de maneira segura, por meio do lançador europeu Vega, da Arianespace. Logo em seguida, os primeiros sinais de telemetria foram recebidos, e os painéis solares implantados. As atividades da fase de órbita inicial já começaram, comandadas a partir do centro de controle de Toulouse (França), para preparar a fase de calibração em órbita. O Pléiades Neo, integralmente financiado, projetado e operado pela Airbus, proporcionará a clientes comerciais e institucionais um alto nível de informações, ao longo da próxima década. Cada satélite fornecerá imagens de meio milhão de km², por dia, com uma resolução nativa de 30 cm. As imagens poderão ser facilmente acessadas por meio da plataforma digital OneAtlas da Airbus, permitindo aos clientes a obtenção imediata, tanto dos dados recémadquiridos, quanto os de acervo, contando com uma extensa análise. Composta por satélites idênticos, a constelação trabalhará em conjunto aos outros satélites Pléiades existentes, e com os demais da frota Airbus de observação da Terra. Além de muito compactas, as espaçonaves Neo contam com um instrumento óptico de carboneto de silício de última geração, ultraleve, baseado na tecnologia pioneira da Airbus do início do século. Além disso, eles têm links intersatélites com os dispositivos geoestacionários SpaceDataHighway (EDRS), permitindo aquisições urgentes, apenas 30 ou 40 minutos após a solicitação da tarefa, para responder rapidamente às situações mais críticas. “O lançamento deste primeiro satélite Pléiades Neo abrirá o caminho a novos serviços e grandes oportunidades para nossos clientes, graças à sua alta precisão e capacidade de reação. A constelação impulsionará definitivamente o mercado das imagens de 30 cm, gerando uma grande quantidade de inovação e poder de cobertura a usuários comerciais e governamentais”, disse François Lombard, Diretor de Inteligência da Airbus Defesa e Espaço. Em breve, o satélite terá a companhia de seu gêmeo, Pléiades Neo 4, que já está em Kourou, Guiana Francesa, para ser lançado também em um foguete Vega.

Controle & Instrumentação

Inovações tecnológicas para produtos e serviços customizados A Stemac inova na oferta de seus serviços e produtos, investindo em tecnologia de ponta, para criar soluções adaptadas às necessidades de seus clientes, e atuando com foco na responsabilidade socioambiental. De acordo com Valdo Marques, Vice-Presidente Executivo da Stemac, a busca por aperfeiçoamento e novas estratégias no setor é fundamental, sobretudo em tempos de pandemia de Covid-19. “Este é um momento único, em que as empresas e consumidores anseiam por soluções mais eficientes, seguras, e que ajudem a reduzir despesas”, afirma. Dessa forma, a companhia se especializou em produtos desenvolvidos para os mais diversos segmentos do mercado, abrangendo diferentes níveis de necessidades. “Com o objetivo de oferecer produtos mais versáteis e de baixo consumo, a Stemac emprega tecnologia de última geração no desenvolvimento de produtos inovadores”, explica Marques. A empresa lançou nova linha de motores a diesel e reforçou a de geradores – que funcionam com diversos tipos de gases, como o natural ou o gás de aterro sanitário e tratamento de efluentes, por exemplo, sendo de grande confiabilidade e com baixas emissões atmosféricas. Todos os equipamentos fabricados pela Stemac podem ser controlados manualmente ou de forma automática, permitindo a alternância dos principais parâmetros e grandezas elétricas. “Desenvolvemos diversos sistemas de controle e proteção, que tornam a usabilidade mais eficaz, além de auxiliar o cliente na redução do consumo energético. Todos os sistemas desenvolvidos na Stemac são frutos do investimento contínuo em tecnologia e a busca constante pelo aperfeiçoamento ao longo dos 70 anos da empresa, tendo em mente as necessidades particulares de cada cliente”, complementa Marques.

Nº 263 | 2021




C&I News

Aquisição ajudar a usar automação impulsionada por IA A IBM anunciou acordo definitivo para adquirir a myInvenio, empresa de software de mineração de processos, com sede em Reggio Emilia, Itália. A aquisição proporcionará às organizações com softwares baseados em dados uma ajuda adicional na identificação de processos institucionais mais impactantes para automatizar o uso de IA – incluindo vendas, aquisições, produção e contabilidade. Também possibilita avanços na estratégia de IA e nuvem híbrida da IBM, proporcionando aos clientes um conjunto completo de capacidades de automação de negócios com IA. Não foram revelados detalhes financeiros. A notícia ressalta o investimento contínuo da IBM em proporcionar às organizações uma janela única de capacidades de automação impulsionadas por IA para a automação de negócios, incluindo mineração de processos, automação robótica de processos (RPA), através da recente aquisição da WDG Automation, processamento de documentos, fluxos de trabalho e decisões. Todas essas capacidades estão estreitamente integradas com o IBM Cloud Pak for Business Automation, e funcionam com Red Hat OpenShift para funcionar em qualquer lugar, e ajudar os clientes a automatizarem toda sua empresa. “A transformação digital está acelerando todas as indústrias, na medida em que as empresas enfrentam desafios crescentes com a gestão de sistemas de TI críticos e aplicações empresariais complexas, que abrangem o cenário de nuvem híbrida. Com os planos da aquisição da myInvenio por parte da IBM, seguimos investindo na construção de um conjunto de recursos mais completos de capacidades de automação com IA para a automação de negócios, de modo que nossos clientes possam ajudar seus funcionários a concentrar seu tempo de trabalho em atividades mais

estratégicas”, disse Dinesh Nirmal, Gerente Geral de IBM Automation. “Através dos planos de aquisição da myInvenio por parte da IBM, estamos revolucionando a forma com a qual empresas gerenciam seus processos operacionais. A capacidade única da myInvenio em analisar automaticamente processos e criar simulações, que chamamos de ‘Digital Twin of an Organization’ – se une às capacidades de automações impulsionadas pela IA da IBM para gerenciar melhor a execução de processos. Juntos, oferecemos uma solução integral para a transformação de processos digitais e automação, para ajudar as empresas a transformarem continuamente insights em ações”, disse Massimiliano Delsante, CEO da myInvenio. A aquisição da myInvenio pela IBM se baseia no seu acordo OEM com a companhia. Ao final da aquisição, a IBM tem planos de integrar capacidades da myInvenio em seu portfólio de automação, incluindo IBM Cloud Pak for Business, o software de nuvem híbrida da IBM para o uso de IA, para transformar os processos de negócio e ajudar as pessoas a serem mais produtivas.

Manutenção remota de máquina A Solução da Voith para suporte remoto nas indústrias, o OnCall.Video foi utilizado com sucesso, durante a manutenção de um equipamento instalado na fábrica da Klabin, em Correia Pinto, Santa Catarina. Após apresentar algumas intercorrências, o equipamento foi vistoriado por um técnico in loco, que contou com o suporte remoto de um especialista da Voith para solucionar a questão. Com imagens de alta resolução e fácil contato com o operador na planta por meio de áudios, o especialista da Voith conseguiu indicar remotamente a melhor solução. Ideal para este momento diferenciado pelo qual passa o mundo – com diminuição de viagens e restrições de locomoção – o OnCall.Video é uma ferramenta digital que permite suporte remoto do time de especialistas da Voith em tempo real, compartilhamento de conteúdo com segurança de dados, redução do número de paradas, e aumento de produtividade dos equipamentos, tudo isso sem



Nº 263 | 2021

a necessidade de movimentação de muitas pessoas na planta, colaborando com as instruções dos órgãos de saúde, frente ao combate à Pandemia do coronavírus. A comunicação audiovisual garante o levantamento de detalhes, a verificação de possíveis causas e suas soluções, como se o especialista estivesse no local. O design do OnCall. Video permite o encaixe perfeito junto ao capacete, oferecendo liberdade de movimentação e conforto no uso. “A opção pela solução da Voith mostrou-se ideal, pois, conseguimos resolver a questão de forma ágil e eficiente. Sempre contamos com a expertise da Voith para suporte técnico, e agora ainda mais, com este avanço tecnológico que é o OnCall.Video”, afirma Alexsandro Evaristo, gerente Industrial da Unidade Correia Pinto da Klabin.

Controle & Instrumentação


C&I News

Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021




C&I News



EMAE investe em tecnologia e energia renovável

Coca-Cola acelera descarbonização em fábrica

A EMAE – Empresa Metropolitana de Águas e Energia – investiu, no último ano, R$ 25 milhões, na atualização do seu parque tecnológico. Logo no início da Pandemia, com o objetivo de melhorar a segurança, disponibilidade e desempenho dos acessos aos sistemas e dados da empresa para os colaboradores, que passaram a trabalhar em regime de home office, foi iniciada a modernização da infraestrutura de rede das usinas e demais estruturas hidráulicas operadas pela empresa. Além da atualização das estações de trabalho e de computadores, foi realizada a modernização dos equipamentos e sistemas de operação e controle de processamento instalados no datacenter da empresa. Para isso, foi adotada uma nova tecnologia, a hiperconvergência, que permite maior flexibilidade na ampliação da capacidade de processamento e armazenamento de dados corporativos. “A renovação do ambiente de TI está proporcionando a utilização das mais recentes tecnologias disponíveis no mercado na rede corporativa e na rede de supervisão e controle das usinas da EMAE, trazendo mais agilidade e segurança aos processos da empresa”, diz o diretor-presidente da EMAE, Marcio Rea. A EMAE ainda tem investido em sustentabilidade, ao selecionar a GreenYellow e a KWP Energia para implantação de usinas solares fotovoltaicas flutuantes no reservatório Billings, na capital paulista. As propostas apresentadas pelos interessados envolvem, por exemplo, plantas de geração com potência, que variam entre 1 megawatt-pico e 30 megawatt-pico, em quatro locais na Billings. A energia gerada pelo projeto deverá ser disponibilizada para o consumidor. “O projeto deve abrir novas perspectivas de geração, não apenas aqui na capital, como em outros reservatórios de São Paulo, complementando a matriz energética do estado”, conclui Marcio Rea.

Um grande projeto de eficiência energética implementado pela Siemens Smart Infrastructure tem gerado diversos benefícios para a unidade de produção da Coca-Cola European Partners (CCEP) em Jordbro, ao sul de Estocolmo. Em menos de um ano, a instalação de 70.000 m2 reduziu o consumo de energia em 13%, graças às soluções e tecnologias da Siemens, levando a fabricante de bebidas a atingir um novo marco, rumo à descarbonização em suas unidades. A fábrica, inaugurada em 1997, produz mais de 1 milhão de litros de bebidas, por dia, em diferentes sabores e tamanhos de embalagens. Ao longo dos anos, a Coca-Cola tem trabalhado sistematicamente para reduzir os impactos climáticos em suas operações, reduzir o consumo de energia, e melhorar a sustentabilidade durante a produção. O projeto de eficiência energética resultou em economia anual equivalente à quantidade de energia necessária para carregar um carro híbrido 400.000 vezes. Após uma auditoria do uso de energia da instalação de produção, a Siemens, juntamente com a Coca-Cola, definiu várias medidas de economia de energia. Em particular, novos ventiladores e recuperação de calor de compressores de alta pressão foram instalados. Isso levou, não apenas a economias substanciais de energia, mas também à melhoria da qualidade do ar dentro dos edifícios, e a operações mais silenciosas, o que melhorou a qualidade de vida das áreas residenciais circundantes. Além disso, a Siemens elevou o sistema de gestão de edifício existente para a plataforma CC Desigo, facilitando a otimização contínua da instalação de produção de uso de energia. “Estamos muito satisfeitos com o andamento do projeto, vendo como as medidas implementadas estão dando resultados em pouco tempo. Agora, esperamos continuar a desenvolver o projeto para obter ganhos de eficiência ainda maiores”, disse Kim Hesselius, gerente de propriedades da Coca-Cola European Partners na Suécia. Durante anos, a Siemens e a Coca-Cola colaboraram nesse projeto de automação de propriedades e, agora, trabalham nos objetivos de meta net-zero da CCEP até 2040.

Nº 263 | 2021

Controle & Instrumentação


C&I News

Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021




C&I News

PepsiCo expande acesso à água potável A PepsiCo Brasil e o braço filantrópico da empresa, a Fundação PepsiCo, anunciaram projeto, idealizado em parceria com a Water.org e o Aquafund do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além de parceria local com o Banco do Nordeste, para fornecimento de água potável para 52 mil pessoas, no Nordeste do País – incluindo Petrolina/PE –, onde a PepsiCo possui uma fazenda própria para cultivo de coco verde e a fábrica de Kero Coco. O investimento será feito com aporte de US$ 600 mil, durante os próximos três anos, que deverão ser alocados em iniciativas, como apoio às concessionárias de água para ampliação e melhoria de seus serviços, e viabilização de linhas de crédito para projetos que busquem encontrar soluções para os problemas de abastecimento e saneamento básico nacional. As linhas de financiamento deverão ser orquestradas por meio de uma plataforma de Blockchain, sistema que permite rastrear o envio e recebimento de alguns tipos de informação pela internet, para viabilizar o funcionamento e transação das chamadas criptomoedas, e que deve ser implementada por instituições financeiras levando, assim, a melhores decisões de empréstimo e menos inadimplência, reduzindo custos operacionais. A parceria com a Water.org, por exemplo, será operacionalizada pelo Banco do Nordeste. No Nordeste do Brasil, cerca de 80% das pessoas não tem acesso a esgotamento sanitário, e 40% não possuem rede de água em suas residências. A situação sanitária no Brasil preocupa já há algumas décadas; embora concentre 12% de todos os recursos hídricos superficiais disponíveis em todo o planeta, o país ficou em 87º lugar no Índice de Desenvolvimento de Saneamento em 2019. Atualmente, ainda há cinco milhões de brasileiros sem acesso à água potável, e 28,6 milhões não possuem saneamento básico em suas residências. A situação global é igualmente alarmante: uma em cada nove pessoas não têm acesso a água potável, e até 700 milhões deverão ser deslocadas devido à intensa falta de água, já em 2030. A necessidade de intervenção rápida nesta crise tornou-se mais evidente durante a pandemia de Covid19: atualmente, cerca de 1,8 bilhão de pessoas estão sob risco elevado desta doença e de outras, pois, usam ou trabalham em instalações de saúde sem serviços básicos de água. Globalmente, a PepsiCo já ajudou mais de 55 milhões de pessoas a obterem acesso à água potável, desde 2006, por meio de programas de distribuição, puri-



Nº 263 | 2021

ficação e conservação. Como parte de sua abordagem, a Fundação PepsiCo busca desenvolver programas que possam promover soluções sustentáveis de longa duração e desbloquear fundos de parceiros governamentais e sem fins lucrativos, para aumentar o impacto. Desde 2005, a Fundação investiu mais de US$ 53 milhões em seus programas de acesso à água potável em todo o mundo – esforços que ajudaram a catalisar quase US$ 700 milhões em financiamento adicional, com parceiros como o BID, Safe Water Network e Water.org, para apoiar infraestrutura e programação adicionais. Além disso, a PepsiCo é uma das empresas fundadoras, e tem liderança ativa no Conselho de Administração e Conselho Diretor do Grupo de Recursos Hídricos 2030, atualmente hospedado pelo Grupo do Banco Mundial, uma iniciativa que se concentra na gestão sustentável dos recursos hídricos. “Como uma das maiores empresas de alimentos e bebidas do mundo, temos o compromisso em promover a segurança hídrica, e impactar positivamente as comunidades em que estamos inseridos. Neste sentido, estamos muito orgulhosos em anunciar a parceria com a Water.Org e o Aquafund do BID, pois, além de ampliarmos o acesso de milhares de brasileiros a este que é um dos recursos naturais mais importantes para vida humana, o projeto vai viabilizar cerca de 15 mil empréstimos, além de mobilizar US$ 14 milhões em capital, ajudando a movimentar a economia nacional em um cenário de crise”, afirma Alexandre Carreteiro, Presidente da PepsiCo Brasil Alimentos A companhia cuida da Água também dentro das operações. Há 10 anos, a Pepsico possui um programa global de conservação de recursos, o ReCon (Resource Conservation), que tem como objetivo reduzir os resíduos gerados nos processos fabris, e economizar água e energia. No Brasil, em relação à água, são destaques a economia de mais de 583.500.930 de litros, no período de 2015 a 2020; na produção de Doritos, cerca de 50.000.000 de litros são economizados, todos os anos, devido aos sistemas de reuso instalados; na produção das batatas Ruffles, Sensações, Batata Palha Elma Chips, e Lay’s, cerca de 138.000.000 de litros são economizados anualmente, devido aos sistemas de reuso instalados; uma nova melhoria foi replicada globalmente, nas linhas de produção de batata, com redução estimada de 15.800.000 litros, por ano, no Brasil, e 1 bilhão de litros, no mundo.

Controle & Instrumentação


C&I News

Elgin espera crescimento em fotovoltaicos A Elgin, distribuidora de equipamentos fotovoltaicos e provedora de soluções nas áreas de climatização, refrigeração, iluminação, automação, informática, telefonia e costura, projeta um crescimento de 150%, este ano, no volume de negócios de geração de energia solar com empresas integradoras que atuam em projetos para residências, comércios, indústrias e propriedades rurais no país. Para 2021, a empresa aposta no crescimento de pedidos dos integradores, que buscam ampliar competividade e diferenciação, num ano em que a Pandemia e a consequente queda da atividade econômica devem permanecer de forma intensas. Segundo o diretor da divisão de Energia Solar da Elgin, Glauco Santos, para atender o crescimento esperado para este ano, a organização já se prepara para o lançamento de novas tecnologias, destinadas ao mercado nacional fotovoltaico. “Visando a ampliar o suporte aos integradores de sistemas solares em projetos de maior capacidade, a Elgin contará com inversores de 208kW, objetivando principalmente a redução de custos e aumento de eficiência. Este modelo de inversor string é um diferencial nosso, e trará grandes benefícios para os integradores que optarem em trabalhar com esse equipamento nos projetos de seus clientes”, comenta. Para acompanhar a tendência do mercado global, a Elgin lançará ainda os inversores híbridos de 3,6kW, 5kW e 8kW, os quais apresentam características on-grid e off-grid, uma tecnologia Transmissor de Densidade TDM *Online de Alta Precisão

que possibilita estar conectado à rede de energia elétrica e, ao mesmo tempo, conectado a um banco de baterias, para armazenamento e uso da energia em horários programados ou momentos de interrupção de energia da rede. “Além das funções híbridas, este produto viabiliza nossa entrada no mercado off-grid, para aplicações em sistemas isolados, os quais são bastante utilizados em áreas rurais ou remotas do Brasil”, acrescenta Santos. A empresa também terá no portfólio o painel solar fotovoltaico monocristalino de 440W, com uma eficiência melhorada e um rendimento em padrões acima da média de mercado. A perspectiva de crescimento para este ano segue a mesma curva de resultado obtido pela empresa no ano passado, quando foi registrado um aumento de 140% nos negócios entre 2019 e 2020. No período, os geradores residenciais lideraram os pedidos na Elgin, com 85% de participação, seguidos pelos geradores comerciais (10%) e industriais (5%). O diretor da divisão de Energia Solar explica que o crescimento se deve principalmente à disponibilidade de produtos para pronta-entrega, ampliação do portfólio e condições comerciais mais competitivas. “Fatores internos também contribuíram para este resultado, como a criação da diretoria de energia solar, o investimento em pessoas (estruturação e capacitação da equipe), as melhorias no processo logístico e a expansão da atuação comercial com parceiros integradores em mais regiões”, conclui Santos. Axiom MFC

Axiom MMF

VCDM - Válvula de Controle Digital

*Preset Eletrônico

NOVO!

SOLUÇÕES INTEGRADAS EM MEDIÇÃO DE LÍQUIDOS E GASES

Medidor Volumétrico OI

*Vazão e Preset Integrados

Turbina MTF Dispenser GNV

NOVO! NOVO!

MEMBER

Controle & Instrumentação



Soluções Integradas em Medição de Fluídos

)$/(&20$0(7529$/

YHQGDV#PHWURYDOFRPEU

| 2021 Nº 263 PHWURYDOFRPEU



PHWURYDO


C&I News

C&I News

   

                 !"  !  !  # $% $& $ $ ' &(  '& $ )

O futuro das tecnologias PI PDUD D FRPXQLGDGH 3, r 352),%86  352),1(7,QWHUQDWLRQDORGHVDILRDWXDO ÃRGHVHQYROYLPHQWRGHXPDYLV½RSDUD R IXWXUR TXH VHMD FRQVWUXÇGD VREUH D LQIUDHVWUXWXUD H[LVWHQWH LVWR Ã PDLV GH PLOKÏHVGHQÍV352),%86H352),1(7 LQVWDODGRV HP FDPSR RX VHMD FRPRWUDQVIHULUHVVDWHFQRORJLDM»H[SHULPHQWDGD H WHVWDGD SDUD R PXQGR GD ,QGÔVWULD

'HVGH D FRPELQDÁ½R GR 352),1(7 H 23&8$DWÃDVXSOHPHQWDÁ½RGR352),1(7SDUDLQFOXLUDVWHFQRORJLDV761DR WUDEDOKR TXH HVW» VHQGR H[HFXWDGR QD $3/ DGYDQFH SK\VLFDO OD\HU  H QD LQWHJUDÁ½RYHUWLFDOHKRUL]RQWDOPRVWUDP TXH D 3, M» FRPHÁRX D WUDEDOKDU QR DPSOR HVSHFWUR GH WÍSLFRV SDUD WRUQDU ILQDOPHQWHD,QGXVWULDO,QWHUQHWRI7KLQJV

,,R7 XPDUHDOLGDGH $V VHP¼QWLFDV H RV PRGHORV GH LQIRUPDÁ½R GHVHPSHQKDU½R XP SDSHO GHFLVLYR QR IXWXUR 2V FRQFHLWRV GD ,QGÔVWULD  Q½R VHU½R SRVVÇYHLV GH PRGR DOJXP DWà TXH RV GDGRV VHMDP HQWHQGLGRV SRU WRGRV $ 3, HVW» WUDEDOKDQGRQ½RVÍHPHVWUHLWRUHODFLRQDPHQWR FRP H&O#VV PDV WDPEÃP GHVHQYROYHQGR PRGHORV HVSHFÇILFRV GH DSOLFDÁ½R HP FRRSHUDÁ½R FRP D 23& )RXQGDWLRQ 1HVVH FHQ»ULR DV HVSHFLILFDÁÏHV FRPSOHPHQWDUHV FRUUHVSRQGHQWHV TXH FRORFDP RV SDGUÏHV QDV P½RV GRV XVX»ULRV QR FDPLQKR SDUD R PXQGR GD ,QGÔVWULD  HVW½R VHQGR HODERUDGDV

JHUDO GR 352),1(7 # , RV IXQGDPHQWRVE»VLFRVM»IRUDPODQÁDGRVGÃFDGDV DWU»V ,VVR LQFOXL D FRQIRUPLGDGH REULJDWÍULD FRP RV SDGUÏHV XPD GHFLV½R FODUD SDUD XPD DUTXLWHWXUD PRGXODU H DEHUWXUD DR 7&3  ,3 £ LVVR TXH WRUQD SRVVÇYHO LPSOHPHQWDU FRQFHLWRV LQRYDGRUHV GD ,QGÔVWULD  HP FLPD GH LQVWDODÁÏHV H[LVWHQWHV H FRORFDU VROXÁÏHV SU»WLFDV QDV P½RV GRV XVX»ULRVGHKRMH

$SHVDU GH WRGR R WUDEDOKR DLQGD QHFHVV»ULR SDUD FRPSOHWDU R TXDGUR

5HIHUÄQFLD3,r352),%86  352),1(7,QWHUQDWLRQDO

4XHVWÏHV FRPR * /1,  PRGHORV GH LQIRUPDÁ½R SDGURQL]DGRV H VHJXUDQÁD GH GDGRV WDPEÃP VLQDOL]DP TXHDDEHUWXUDSDUDXPIXWXURHPORQJR SUD]RWDPEÃPYDOHDSHQD

TREINAMENTOS 2021



3DUDLQIRUPDÁÏHVVREUHRVFXUVRV ORFDLVHLQVFULÁÏHVEDVWDDFHVVDU ZZZSURILEXVRUJEUWUHLQDPHQWRV

PRESENCIAIS

&XUVRVSHUVRQDOL]DGRV $3,%UDVLOWDPEÃPDSOLFDWUHLQDPHQWRV H[FOXVLYRVLQFRPSDQ\SUHVHQFLDLVH RQOLQH2VFXUVRVV½RDGDSWDGRVGH DFRUGRFRPDVQHFHVVLGDGHVGDV HPSUHVDVDILPGHFDSDFLWDUGHIRUPD PDLVHIHWLYDVHXVFRODERUDGRUHV 3DUDVDEHUPDLVEDVWDHQYLDUXPHPDLO SDUDSURILEXV#SURILEXVRUJEU

CPE – Engenheiro Certificado PROFIBUS Data: 07 a 11/06, 19 a 23/07 e 22 a 23/07 Local: PITC Inatel –

Nº 263 | 2021

CPNE – Engenheiro Certificado PROFINET Data: 05 a 08/07 Local: PITC Inatel – Santa Rita do Sapucaí-MG

Santa Rita do Sapucaí-MG

ONLINE

PI – Instalador Certificado PROFIBUS Data: 28 e 29/09 Local: : PITC WESTCON – São Paulo-SP

Fundamentos de PROFIBUS Data: 13 a 16/07

Controle & Instrumentação


Market

Compras públicas movimentam bilhões O Governo do Paraná, prefeituras e órgãos públicos em geral são potenciais compradores dos mais diversos tipos de produtos e serviços, por meio de processos licitatórios. E essas licitações também podem representar boas oportunidades de negócios para as micro e pequenas empresas. Apenas o Governo do Estado realizou, no ano passado, R$ 2,9 bilhões em compras públicas, por meio de 1.105 processos de contratação. Ao todo, entre os processos homologados (R$2,3 bilhões), R$ 662 milhões foram concluídos pelas micro e pequenas empresas (28%). Os dados são da Secretaria de Administração e Previdência do Paraná. O volume também é significativo entre os municípios. Segundo o Tribunal de Contas do Paraná, em 2019, os municípios do Estado realizaram R$ 15,3 bilhões em compras públicas, sendo 39% feitas por MPEs. As compras locais também representavam, em média, 49% do poder de compra de cada município. Mesmo durante a Pandemia, as compras públicas continuaram a ser realizadas, e até mesmo cresceram. O valor de compras públicas pelo Estado, em 2020, mais do que dobrou, em relação a 2019, quando o total foi de R$ 310 milhões. “Os governos são grandes compradores de produtos e serviços, e é benéfico que adquiram de pequenas empresas regionais, uma vez que isso estimula o desenvolvimento da economia local, e faz o dinheiro girar na região. Além disso, para a empresa, também representa uma ótima possibilidade de novos negócios, especialmente, em um momento de crise como o que estamos vivendo”, explica a consultora do Sebrae/PR, Juliana Schvenger. Muitos donos de micro e pequenos negócios, porém, não conhecem as particularidades, ou possuem poucas informações a respeito dos processos licitatórios. Para isso, o Sebrae/PR também realiza capacitações e, em parceria com o Fórum Permanente da Micro e Pequena Empresa (Fopeme), ainda presta consultorias e orientações sobre o tema, por meio dos 19 Escritórios de Compras Públicas, presentes em diferentes regiões do Estado, serviço público prestado de forma mista, através de parceria entre órgãos da administração pública e a iniciativa privada. As informações sobre as licitações em andamento também podem ser conferidas no site do programa Compra Paraná. Com os trabalhos dos Escritórios e Salas do Empreendedor, os empreendedores são capacitados e podem se preparar para as licitações. Eles precisam conhecer o processo, as condições de participação, saber sobre a entrega e prazos. O Sebrae desmistifica a ideia de que participar de uma licitação é algo inacessível para os donos de micro e pequenos negócios. Outra vantagem competitiva é o tratamento diferenciado para as micro e pequenas empresas, previsto pela Lei Complementar 123/2006, que oferece facilidades envolvendo a comprovação da regularidade fiscal, a subcontratação de empresas, e a obrigatoriedade de licitar com MPEs em processos de até R$ 80 mil.

Controle & Instrumentação

As normas de apoio à ISO 9001 foram atualizadas Melhoria da qualidade, desempenho, eficiência e relações comerciais são apenas alguns dos benefícios da implementação de um sistema de gestão da qualidade (QMS), como o ISO 9001. Padrões com foco em requisitos específicos, que ajudam a otimizar o uso de um QMS, acabam de ser atualizados para trazê-los em linha com a versão mais recente do padrão de gerenciamento de qualidade ISO. A ISO 10014, Sistemas de gestão da qualidade, foi atualizada. Ela dá orientação para obter benefícios financeiros e econômicos, é direcionada à alta administração, e mostra que é necessária uma abordagem estruturada, para alcançar o sucesso financeiro usando o sistema de gestão da qualidade e os princípios descritos na família ISO 9000 de padrões de sistema de gestão. Seu uso permite o monitoramento e gerenciamento de tendências nas principais métricas de desempenho, para tomar ações que ajudarão a melhorar o desempenho; também antecipa e gerencia riscos de forma proativa, otimiza o valor e oferece exemplos de uma abordagem estruturada para a melhoria do desempenho dos negócios. Também atualizada recentemente, a ISO 10013, para sistemas de gestão da qualidade, fornece diretrizes para desenvolver e manter informações documentadas, para apoiar um sistema de gestão da qualidade eficaz. E leva em consideração as necessidades específicas da organização, incluindo a estrutura legal e regulamentar, necessidades e expectativas das partes interessadas, riscos e oportunidades, bem como a direção estratégica da organização, ao planejar quais informações documentadas manter e reter. A versão aprimorada reconhece os avanços na documentação ocorridos desde o lançamento anterior, como melhorias nas medidas de segurança, e o surgimento da automação para controlar o fluxo dos processos. Ambos os padrões foram desenvolvidos e atualizados pelo subcomitê da ISO SC 3, Tecnologias de apoio, do comitê técnico ISO / TC 176, Gestão da qualidade e garantia da qualidade. O secretariado da ISO / TC 176 / SC 3 é NEN, membro da ISO para a Holanda.

Nº 263 | 2021




Market

Primeira certificação ISASecure CSA Nível 1 para sistema instrumentado de segurança O sistema instrumentado de segurança ProSafe-RS, da família de sistemas de controle e segurança OpreX, da Yokogawa Electric Corporation, foi o primeiro SIS a obtever a certificação ISASecure CSA Nível 1 do ISA Security Compliance Institute (ISCI) O sistema instrumentado de segurança ProSafe-RS da Yokogawa é certificado para uso em aplicações de nível 3 de integridade de segurança (SIL3). Com relação à segurança cibernética, possui a certificação ISASecure EDSA – este programa de certificação, o ISASecure CSA certifica a conformidade com os padrões internacionais IEC62443-4-2 e IEC62443-4-1 relativos à segurança de dispositivos de controle. O recebimento desta certificação indica que um produto foi reconhecido por terceiros, como tendo controles de segurança que estão em conformidade com esses padrões internacionais. A Yokogawa também planeja obter a certificação ISASecure CSA para o sistema instrumentado de segurança ProSafe-RS Lite SIL2, que foi lançado em janeiro deste ano. Por meio do desenvolvimento de dispositivos e sistemas de controle altamente seguros, bem como do fornecimento de serviços de suporte, a Yokogawa oferece a seus clientes uma ampla gama de soluções de segurança. A Yokogawa aproveitará esta certificação para acelerar seus esforços para melhorar a segurança cibernética das operações das fábricas de seus clientes. Lançado em fevereiro de 2005, o sistema instrumentado de segurança ProSafe-RS ajuda a prevenir acidentes, detectando condições anormais nas operações da planta e iniciando ações de emergência, como o desligamento da planta. A TÜV Rheinland, um organismo de certificação independente, certificou que o ProSafe-RS pode ser usado em aplicações SIL3. Ao contrário dos sistemas instrumentados de segurança convencionais e dos sistemas de controle distribuído, que são considerados como tendo papéis e funções diferentes, e operam separadamente, a operação do ProSafe-RS e do sistema de contro-



Nº 263 | 2021

le integrado CENTUM pode ser totalmente integrada. O ProSafe-RS é altamente considerado pelos usuários, e foi instalado em mais de 3.000 projetos, em todo o mundo (em abril de 2021). Desde 2017, a Yokogawa fornece um conjunto abrangente de serviços, sistemas e pacotes de software, sob o conceito de Sistema Instrumentado de Segurança Sustentável, que ajuda a garantir a segurança contínua nas operações da planta. OpreX é a marca que abrange automação industrial (IA) e negócios de controle da Yokogawa. O nome OpreX é sinônimo de excelência em tecnologias e soluções, que a Yokogawa cultiva por meio da cocriação de valor com seus clientes, e abrange toda a gama de produtos, servi-

ços e soluções IA da Yokogawa. Essa marca compreende: OpreX Transformation, OpreX Control, OpreX Measurement, OpreX Execution e OpreX Lifecycle. Um dos grupos de produtos que compõem a categoria OpreX Control é a família OpreX Control and Safety System, que inclui o ProSafe-RS. Com suas várias soluções de controle OpreX, a Yokogawa é capaz de efetuar mudanças rapidamente para seus clientes, que levam a uma transformação em áreas como gerenciamento e operações, e fornece tecnologia de controle altamente confiável, que garante alta eficiência, alta qualidade e operações de planta seguras e estáveis. Com a marca OpreX, a Yokogawa fornecerá soluções integradas, que atendem a necessidades específicas, e apoiam seus clientes em seus esforços para transformar e expandir seus negócios.

Controle & Instrumentação


Energies

Empresa de saneamento reduz conta de energia elétrica com soluções digitais A Saneago, empresa que atende 5,7 milhões de pessoas com água tratada, no estado de Goiás, implantou a solução ABB Ability Digital Powertrain, para melhorar a eficiência energética e a confiabilidade de quatro importantes estações de bombeamento. A instalação de inversores de frequência de velocidade variável (VSDs) e de motores de alta eficiência permitiu uma redução de 25% no custo de energia elétrica para tratamento de água. Além disso, o monitoramento remoto baseado em condições dos ativos também garante um abastecimento seguro de água potável, para milhares de pessoas e indústrias no Estado. O projeto começou com estudo de eficiência energética, que indicou o potencial da Saneago para economizar mais de 6.000 MWh, por ano – cerca de US$ 700 mil. A ABB entregou essa economia por meio de seu parceiro e integrador de sistemas, BEU Engenharia. Foram instalados 15 motores de alta eficiência, e 15 inversores de frequência dedicados à água ACQ580, para controlar a velocidade e o torque das bombas de água. Para ajudar a Saneago a melhorar a confiabilidade e robustez de seus equipamentos e operações, a ABB instalou Smart Sensor – sensores inteligentes – nas bombas e motores, e a ferramenta de monitoramento remoto NETA-21 nos drives. Os Smart Sensors e o NETA-21 fazem parte da oferta ABB Ability Digital Powertrain, que permite o monitoramento remoto de drives, motores, bombas e rolamentos. 'LYXOJDomR “Uma de nossas maiores despesas operacionais é o custo com energia para bombear a água” relata Osmar Qualhato Junior, Supervisor de Gestão de Energia da Saneago. “A instalação do Digital Powertrain da ABB atingiu nosso objetivo, de melhorar a eficiência energética em nossas operações. O monitoramento remoto também nos dá novos e poderosos recursos para obter uma visão mais profunda, e uma melhor visão geral de todos os nossos equipamentos, 24 horas por dia. Agora podemos agir com antecedência, antes que ocorra qualquer falha em nossas plantas”. 'LYXOJDomR “Combinar os produtos de alta eficiência da ABB com nossas soluções digitais é a combinação perfeita para o segmento de água e saneamento”, conta Rodrigo Teixeira, gerente do segmento de água e saneamento da ABB Motion Brasil. “Além da economia de energia, os operadores de água podem cortar custos de manutenção, e melhorar a confiabilidade de suas operações”. Os sensores inteligentes já ajudaram a detectar um caso de vibração excessiva do motor, que foi corrigido antecipadamente, evitando grandes danos, e economizando tempo, dinheiro e problemas consideráveis.

Controle & Instrumentação

Enel seleciona projetos de eficiência energética 'LYXOJDomR

A Enel Distribuição São Paulo deve destinar R$ 10,53 milhões para financiar a implementação de onze projetos selecionados na Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética (CPP), referente ao ano de 2020. A iniciativa é financiada com recursos do PEE – Programa de Eficiência Energética –, regulado pela Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica –, cujos projetos promovem o consumo eficiente e sustentável de energia, com o objetivo de contribuir para reduzir o valor da conta de luz, e promover o desenvolvimento sustentável. A economia total no consumo de energia esperada é de 9.429,6 MWh/ano, o que equivale ao abastecimento de 5.169 famílias, por mês. Dos onze projetos selecionados na CPP 2020, quatro envolvem a eficientização de prédios públicos, três de clientes comerciais, um da classe industrial, dois da área de serviços públicos, e um de iluminação pública. Entre as iniciativas contempladas, destacam-se projetos de modernização e substituição de iluminação por tecnologia LED de alto rendimento, atualização dos sistemas de climatização, melhorias dos equipamentos motrizes, e instalação de placas solares fotovoltaicas. Entre iniciativas a serem financiadas pelo CPP 2020, destaque para a modernização do parque de iluminação pública de Itapecerica da Serra, um dos municípios da área de concessão da Enel Distribuição São Paulo. Ao todo, serão substituídas 2.187 lâmpadas antigas por modelos LED, mais econômicas e duráveis. A execução do projeto irá demandar um investimento total de R$ 1,93 milhão.

Nº 263 | 2021




Energies

Marco legal da geração própria de energia beneficiará consumidores 'LYXOJDomR

“A aprovação do Projeto de Lei 5.829/2019, que prevê a criação de um marco legal para a geração própria de energia no Brasil, em especial com a fonte solar em telhados e pequenos terrenos, beneficia todos os consumidores de energia elétrica, e ajuda a reduzir as contas de luz no país”, afirma Henrique Lian, diretor da Proteste, maior associação de consumidores do Brasil e da América Latina. Segundo o executivo, a geração própria de energia ajuda a reduzir vários custos da conta de luz que os consumidores pagam sem saber, entre eles o uso de termelétricas fósseis e as perdas elétricas. Também alivia custos do sistema elétrico brasileiro, que são rateados e pagos por todos os consumidores – com isso, beneficia, tanto os consumidores que têm, quanto os que não têm geração própria. “Atualmente, quando compra eletricidade de uma distribuidora, o consumidor brasileiro não tem como saber quais fontes de energia elétrica produziram aquela energia, pois, não há esta rastreabilidade. É muito comum que haja termelétricas fósseis nesse mix, e o cidadão nem sabe que está pagando essa energia mais cara e poluente. Uma maneira de o consumidor ter certeza de que está usando energia limpa e renovável é gerando a sua própria eletricidade”, explica Lian. Na visão da Proteste, para o Brasil cumprir as suas metas climáticas, precisará continuar avançando na expansão das energias renováveis. A fonte hidrelétrica enfrenta dificuldades neste sentido, devido à escassez de água e dificuldades na aprovação e construção de novas usinas. “Por isso, para continuar crescendo em renováveis, precisamos de mais energia solar e eólica. A geração própria de energia é o melhor modelo, já que os próprios consumidores assumem este protagonismo, e ainda ajudam a gerar empregos de qualidade, atrair novos investimentos e movimentar a economia”, ressalta o executivo. Análises da Absolar – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica – apontam que os benefícios da geração própria de energia superam, de longe, eventuais custos aos consumidores. “Somente com a redução de custos no uso de termelétricas fósseis, serão mais de R$ 150 bilhões de economia, até 2050, diminuindo o peso das bandeiras



Nº 263 | 2021

vermelhas nas contas de luz, e contribuindo para a redução de emissões de poluentes e gases de efeito estufa, no setor elétrico. Adicionalmente, também serão proporcionados, pela aprovação do marco legal, mais de R$ 23 bilhões de economia sobre perdas elétricas na transmissão, distribuição e geração da energia elétrica em usinas de grande porte, distantes dos locais de consumo. Há ainda diversos outros 'LYXOJDomR benefícios, como o alívio da operação do sistema no horário diurno, quando a demanda de energia elétrica no Brasil é maior, a diminuição da necessidade de construção de novas usinas de geração e linhas de transmissão, entre outros”, esclarece Rodrigo Sauaia, CEO da entidade.

No total, mais de 30 instituições representativas apoiam o PL 5.829/2019, que garantirá em lei o direito do consumidor gerar e consumir sua própria eletricidade, por meio de fontes limpas e renováveis, incluindo de produtores rurais, de comércio de bens, serviços e turismo, de pequenos negócios e de defesa do consumidor, entre outros. 'LYXOJDomR “A aprovação do PL 5.829/2019, de relatoria do deputado federal Lafayette de Andrada, vai impulsionar a economia, com a atração de R$ 139 bilhões de novos investimentos, até 2050, e a criação de mais de 500 mil empregos, nos próximos três anos”, conclui Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da Absolar.

Controle & Instrumentação


| PI11-03BR |

Energies

Sem barreiras da zona 0 até a nuvem Controle via PC para a indústria de processos

www.beckhoff.com.br/process A Beckhoff fornece um conceito de automação integrado para diferentes mercados e aplicações da indústria de processos. A automação e a tecnologia de processos são combinadas em uma única plataforma de hardware e software. A integração inclui: comunicação sem barreiras da zona 0/20 até a nuvem por meio de cartões EtherCAT intrinsecamente seguros, assim como todos os módulos para a conexão IoT e a análise de dados. A Beckhoff representa, portanto, a alternativa de controle para diversos mercados: da produção de petróleo e gás à petroquímica e ao gerenciamento de água, e à fabricação de papel e celulose.

Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021




Energies

Infraestrutura para hidrogênio verde Sete empresas da Iniciativa GET H2 mostram a rapidez com que o planejamento da economia do hidrogênio nacional e europeu está avançando. O consórcio pretende construir uma estrutura de hidrogênio além-fronteiras – começando com a produção do hidrogênio, passando pelo transporte, até chegar ao seu uso industrial. De Lingen (Emsland) a Gelsenkirchen, e da fronteira holandesa a Salzgitter, na Alemanha, a produção, o transporte, o armazenamento e a aceitação industrial do hidrogênio verde devem ser conectados, em diversas etapas, entre 2024 e 2030, sob o guardachuva do projeto amplo. Para esse projeto, as empresas BP, Evonik, Nowega, OGE, RWE, Salzgitter Flachstahl e Thyssengas, todas parceiras na iniciativa do hidrogênio denominada GET H2, apresentaram uma declaração de interesse pelo financiamento no âmbito do programa IPCEI (Importante Projeto de Interesse Comum da Europa) ao Ministério da Economia e Tecnologia da Alemanha. Com o uso de hidrogênio verde nas refinarias, na produção do aço e em outros aplicações industriais, o projeto em geral delineado prevê que serão evitadas emissões de até 16 milhões de toneladas de CO2, até 2030. Em Lingen (Emsland), a RWE produz hidrogênio verde por meio de eletrólise. A partir de 2024, o produto será usado para abastecer a refinaria da BP em Gelsenkirchen. A maior parte do transporte será efetuada por gasodutos existentes (na figura, em laranja), que serão convertidos para o transporte de hidrogênio. Até 2025, pretende-se estender a rede à fronteira holandesa e, em 2026, a RWE deve integrar uma instalação de armazenamento em cavernas em Gronau-Epe. Até 2030, a rede deverá ser ampliada até à siderúrgica Salzgitter e, se necessário, conectada a outras redes (em azul-claro no mapa). Do ponto de vista coletivo, o projeto global pode mapear os componentes essenciais da cadeia de valor do hidrogênio verde, e formar a base de uma eficiente estrutura de gás europeia para hidrogênio. Com a integração de um sistema de armazenamento em caverna pela RWE, em Gronau-Epe, o sistema, que tem como base a geração de eletricidade de fonte eólica, também pode contribuir adicionalmente para a segurança do abastecimento. A conexão ao mercado holandês de gás estabelece as bases para um mercado de hidrogênio transeuropeu. A ampliação do projeto por parceiros do setor de transportes, e para a distribuição do hidrogênio verde na área, também já está em preparação. Outros parceiros da iniciativa GET H2 manifestaram interesse em financiamentos do IPCEI, para projetos que têm por objetivo a construção de uma infraestrutura de hidrogênio.



Nº 263 | 2021

As empresas querem avançar na construção de uma economia de hidrogênio. Mas, esses planos só poderão ser concretizados se houver o necessário marco regulatório. No momento, o foco principal se concentra na emenda da EnWG, a lei que regula o abastecimento de energia elétrica e gás na Alemanha. As empresas são da opinião de que o Projeto de Lei aprovado pelo Governo Federal da Alema-

nha, no início de fevereiro, não tem alcance suficiente. Ele não prevê uma regulamentação abrangente para as redes de gás e hidrogênio, com uma taxa uniforme de rede. No entanto, essa seria a melhor solução para possibilitar um uso uniforme e não discriminatório da infraestrutura de hidrogênio em condições sustentáveis. O programa IPCEI pode financiar em parte a construção da rede. Mas, o financiamento de uma operação em rede requer uma solução de

longo prazo, quanto à questão da taxação na EnWG. Também serão necessárias iniciativas políticas adicionais para estimular o uso do hidrogênio verde na indústria. Também estão pendentes a definição dos critérios para a aquisição de eletricidade e os parâmetros de isenção fiscal sobre a eletricidade verde usada em eletrólises, decidida em dezembro como parte da emenda da Lei sobre fontes de energia renováveis, que ainda precisam ser elaborados. Para a indústria siderúrgica, seriam necessários incentivos diferentes, uma vez que a RED 2 não se aplica ao caso.

Controle & Instrumentação


Energies

Biobaterias a partir de esgoto e efluentes Em busca de alternativas para a sustentabilidade dos setores de energia e saneamento, pesquisadores vinculados ao Laboratório de Saneamento e Tecnologias Ambientais (LabSanTec) da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP desenvolveram um modelo de Célula a Combustível Microbiana (CCM), que é capaz de gerar eletricidade a partir de águas residuárias urbanas e agroindustriais, a exemplo da vinhaça, resíduo obtido na produção de bioetanol. O Grupo de Pesquisa Água, Saneamento e Sustentabilidade – GEPASS – mantém seis unidades que apresentam potência em torno de 48 Watts/m3 de volume do sistema. A solicitação de depósito de patente baseada no projeto foi efetuada no último mês de março. O grupo de pesquisa liderado pelo professor Marcelo Nolasco, do Programa de PósGraduação em Sustentabilidade da EACH, vem trabalhando agora com seus orientandos nas melhorias que buscam otimizar os protótipos, para tornálos mais eficientes e capazes de gerar maior densidade de corrente elétrica. “Nossos protótipos resultam de estudos anteriores, que almejavam a recuperação de recursos diversos, provenientes de estações de tratamentos de águas residuárias. Os sistemas, formados por tecnologias e processos, deixam de ser consumidores de insumos e eletricidade, para se tornarem fontes de geração de novos recursos”, explica o docente. O grupo buscou previamente identificar potencialidades para implementar a transformação do esgoto sanitário em água de reuso, biogás e em fertilizante orgânico. O pós-doutorando Vitor Cano, que integra o grupo, destaca que os pesquisadores querem desenvolver soluções que tornem o setor de saneamento mais sustentável, alinhado

Controle & Instrumentação

-RUQDOGD863

Biorreatores (protótipo da CCM) instalados no Laboratório de Saneamento e Tecnologias Ambientais da EACH – Imagens cedidas pelos pesquisadores ($&+863

às melhores práticas e tecnologias apropriadas. “Quando observamos estações de tratamento, mesmo em outras regiões, vemos que são obras de grande porte e, em que pesem os enormes benefícios há muito conhecidos, causam impactos ao ambiente, incluindo emissões de gases de efeito estufa. Em alguns países, como os Estados Unidos, os setores de água e esgoto podem consumir até 4% da eletricidade de toda a nação”, calcula. A tese de doutorado de Vitor Cano, defendida na EACH, contou com a colaboração de grupo de pesquisa da Universidade de Columbia, EUA. $UTXLYR3HVVRDO5HSURGXomR

Nº 263 | 2021




Energies

BMWs produzidos com energia solar em Araquari

Usina de Pirapora atinge recorde de 19,40 megawatts, em março

A fábrica do BMW Group, em Araquari/SC, segue tendo a sustentabilidade como um dos seus principais focos, e agora conta com 562 placas fotovoltaicas – que vão gerar 261.397 kWh de energia, em um ano, o que seria suficiente para abastecer 143 residências – no telhado do prédio da Montagem. Os painéis ocupam uma área de 1.068 m2, que pode ser expandida. A instalação começou a ser feita no fim de 2020 e, com isso, a fábrica deve deixar de emitir cerca de 28,75 toneladas de CO2 por ano, o equivalente a 2.738 árvores. Com isso, a planta segue a meta do BMW Group no mundo, de reduzir a emissão de CO2: entre os objetivos – que devem ser alcançados até 2030 – estão: reduzir em 20% a emissão de CO2 por veículo na cadeia produtiva; em 80% na produção, por veículo; e em 40% na fase de uso, também por veículo. “Assim como em todo o BMW Group, seguimos tendo a sustentabilidade como um assunto de extrema importância. E, por isso, estamos muito 'LYXOJDomR orgulhosos de mais esse passo dado, aqui, na fábrica de Araquari”, releva Mathias Hofmann, diretor geral da fábrica do BMW Group em Araquari. A fábrica em Araquari já conta com a utilização de energia proveniente de fontes renováveis, promovendo a redução das emissões de CO2 em suas atividades – o que rendeu a certificação I-REC, um instrumento de compensação do consumo de energia elétrica proveniente de fontes que emitem CO2 na atmosfera.

Trabalho de retirada de lixo e melhoria de equipamentos foram determinantes para atingir pico de geração A PCH Pirapora, usina hidrelétrica da Pirapora Energia S/A, subsidiária da EMAE, localizada na cidade de Pirapora do Bom Jesus/SP, atingiu, no mês de março, 19,40 megawatts, maior índice desde o início da operação da usina, em dezembro de 2014. O recorde anterior, de 19,39 megawatts, foi registrado em dezembro de 2015, após um ano de operação do empreendimento. Um dos principais fatores para que a usina atingisse esse índice de geração de energia é o trabalho incessante de retirada de lixo que chega às grades da usina, realizada pela EMAE. Somente de janeiro a março deste ano, foram removidas 683,81 toneladas de lixo, a um custo de R$ 954,1 mil. Outro fator que contribuiu para que se atingisse essa marca foi o investimento em manutenção, para evitar paradas na operação da usina. “Investimos em inovação e nas manutenções preventivas e corretivas dos equipamentos, em um trabalho minucioso, que envolve toda a equipe da empresa”, explica Marcio Rea, diretorpresidente da EMAE. “Por causa dos altos índices de poluição, as máquinas sofrem danos, e precisam passar por reparos constantes, e aproveitamos esses momentos para introduzir melhorias nos equipamentos e metodologias de trabalho”, conclui. Além da retirada mensal de detritos, outros testes com equipamentos para retenção vêm sendo feitos no local, para evitar que os resíduos cheguem aos equipamentos da PCH. Algumas melhorias, inclusive já estão em andamento. “Chegamos a uma boa metodologia de trabalho, que é separar esse lixo com a ajuda de equipamentos, e levá-lo para a margem. O próximo passo é fazer a retirada desses resíduos. Quando isso for viabilizado, o detrito que chega na grade vai diminuir bastante” confirma Itamar Rodrigues, diretor de geração. A PCH Pirapora é a primeira usina da EMAE na região do Médio Tietê a receber o lixo da Região Metropolitana de São Paulo, que cai nos rios Pinheiros e Tietê, ainda na capital paulista, descendo no sentido interior, em efeito cascata. Os detritos percorrem, ainda, outras duas usinas localizadas na região: Rasgão, também em Pirapora do Bom Jesus, e Porto Góes, na cidade de Salto. Os materiais, quando chegam em grande quantidade, entopem as grades da usina, podendo diminuir a operacionalidade dos equipamentos, e causar interrupções na geração de energia. Para Marcio, Pirapora se tornou um campo de testes. “Estamos desenvolvendo soluções criativas. O que funcionar aqui será replicado para outras usinas da empresa, contribuindo para melhorar o resultado de cada uma delas”, afirma o diretor-presidente da EMAE. “Estamos caminhando para encontrar as melhores soluções para retirada de lixo. Devemos estender essas novas tecnologias para as outras usinas do Médio Tietê”, complementa Itamar.

'LYXOJDomR



Nº 263 | 2021

Controle & Instrumentação


Energies

Subestação distribui energia limpa para o SIN A Bracell concluiu a subestação de energia SE 440kV, no município de Lençóis Paulista, interior de São Paulo, passando a ser a primeira fábrica de celulose, no Brasil, conectada ao Sistema Interligado Nacional (SIN), no nível de tensão 440kV, com equipamentos blindados na tecnologia GIS (Gas Insulated Switchgear). A Bracell faz parte do grupo RGE, que gerencia empresas com operações globais de manufatura baseadas em recursos naturais. A construção da SE 440kV é parte do investimento previsto no Projeto Star, obras de construção da nova fábrica da companhia em Lençóis Paulista, prevista para entrar em operação no segundo semestre de 2021. Como o processo de produção de celulose gera resíduos que podem ser reaproveitados, a Bracell tomou a decisão estratégica de investir tecnologia nos seus ciclos de processos, e construir uma nova subestação como um recurso autossustentável, no longo prazo.

“A escolha pela conexão 440kV foi baseada em vários critérios. Poderíamos optar pela conexão em 138kV ou 230kV, porém, ao compararmos as vantagens, desvantagens e a flexibilidade no futuro, entendemos que a 440kV era a melhor opção em relação à confiabilidade, à segurança e

Controle & Instrumentação

ao potencial de expansão”, explica Pedro Stefanini, diretor geral da Bracell SP. As obras da subestação de energia SE 440kV duraram cerca de 18 meses. Para conectar a subestação à rede nacional, foi necessária a construção de um trecho aproximado de 4,5 km de linha de transmissão em circuito duplo, por meio de seccionamento em uma linha da rede básica de energia já existente, sob concessão da ISA CTEEP, e que liga os municípios de Bauru e Sorocaba. Ao se conectar à rede, a SE 440kV será responsável por elevar o nível de tensão gerada na fábrica pelos turbogeradores, de 34,5kV, para 440kV, permitindo a injeção de energia no sistema elétrico nacional. A subestação tem capacidade instalada de transformação de 420MVA, sendo três transformadores de 140MVA cada, suficientes para suprir a fábrica durante a fase de testes e, após a entrada em operação, permitir a exportação do excedente de 180 MV gerados no Projeto Star, energia suficiente para o atendimento a 750 mil residências, ou cerca de três milhões de pessoas. “A maior parte das empresas no país utilizam o modelo convencional, com equipamentos separados e expostos ao tempo, o que ocupa muito espaço. Por exigir um alto investimento, a tecnologia GIS é uma tendência que vem crescendo no Brasil, a passos lentos. Mas, no longo prazo, ela apresenta um bom custo-benefício, principalmente do ponto de vista de manutenção e de espaço, pois, reduz em até 70% a área de ocupação” afirma Stefanini. Com a entrada em operação da SE 440kV, a Bracell está apta a suprir a energia necessária durante a fase de testes da empresa, bem como a injeção da energia excedente, após a entrada em operação da nova fábrica, contribuindo para o fornecimento de energia limpa e de alta qualidade para o sistema elétrico nacional.

Nº 263 | 2021




! Special

Nas crises, as oportunidades Uma análise estratégica e de fatores que podem promover o crescimento de uma empresa de tecnologia durante uma das maiores crises econômicas mundiais Eng. Mateus Favaron - Nova Smar S/A

Em março de 2020, explodiu no Brasil a Pandemia de Covid-19, registrando os primeiros casos e tentativas governamentais de conter o avanço da doença em território nacional, e que afetava o mercado em nível mundial, com empresas alterando completamente o seu planejamento, fazendo restrições orçamentárias e previsões negativas, para um ano que até então iniciava aquecido e muito promissor. Este cenário espalhou incertezas e inseguranças por todos os lados, principalmente entre gestores e empresários, que tiveram de enfrentar o desafio de reorganizar suas companhias para enfrentar uma situação completamente desconhecida e imprevisível. Mas, são em momentos de crise que surgem as maiores oportunidades, como dito por John Kennedy, ex-presidente dos EUA, em 1959, coincidentemente referenciando uma palavra chinesa (país que registrou a origem da Covid-19): “Quando escrito em chinês, a palavra crise compõe-se de dois caracteres: um representa perigo e o outro representa oportunidade”. Focada em dois dos seus maiores ativos, colaboradores e clientes, a empresa que vem atuando, desde o começo da Pandemia, sustentando suas tomadas de decisões no Respeito e na Confiança transmitida ao mercado. Promovendo reuniões diárias entre diretores, gerentes e representantes comerciais, como parte de uma nova rotina, objetivando de traçar e ajustar, quase em tempo real, a estratégia



Nº 263 | 2021

baseada nas informações e tendências do mercado, o desdobramento destas ações podem vir a refletir na melhoria dos resultados da empresa neste período, indo no sentido contrário ao da crise.

Respeito à vida As primeiras ações a serem tomadas são para proteger os colaboradores, baseadas em orientações sanitárias, a empresa deve trabalhar na conscientização e implantação de todas as recomendações dos organismos oficiais de saúde, os quais preconiza o distanciamento físico entre as pessoas, a distribuição de máscaras apropriadas como EPIs, a prática de manter as mãos higienizadas e para atendimento médico nos primeiros sintomas suspeitos. Para intensificar estes cuidados, a empresa pode subsidiar o transporte particular para os colaboradores que utilizavam do transporte público, além de aprimorar a infraestrutura para realização do trabalho remoto. O sistema pode ser complementado com a aquisição de licenças e softwares para realização à distância de reuniões e eventos internos e externos, permitindo à empresa implementar o programa de distanciamento social com mais efetividade, liberando funcionários para trabalhar em regime de home office, e realizar escalas de revezamento para trabalho presencial. Nos setores de produção em que não é possível a

Controle & Instrumentação


Special ! realização de atividades remotas, que seja priorizado o afastamento dos colaboradores com mais de 60 anos, e dos portadores de doenças crônicas. Ao decorrer do ano, conforme o avanço ou a retração do contágio e a disponibilidade de leitos de UTI na região da empresa, as medidas podem ser adaptadas, seja flexibilizando, seja tornando mais rigorosa, porém, sempre atentando aos cuidados preventivos. Quando um caso de infecção surgir dentre os colaboradores, importante que imediatamente seja afastado e isolado em sua casa, e que todos os que tiveram contato com ele sejam testados. Desta forma, evita que setores inteiros sejam fechados, ou até mesmo que toda a empresa interrompa suas atividades. Esta prevenção pode evitar complicações, internações ou óbitos, além de propiciar uma rápida recuperação.

não pode medir esforços para atender os seus clientes, mas estabelecer condições para não colocar nenhuma das partes em risco. Um exemplo para a realização de atendimento local ou internacional é a utilização de voo fretado, que pode vir a ser economicamente viável diante da circunstância do atendimento. A confiança refletida em números

Respeito ao cliente Com os colaboradores protegidos e amparados, o foco volta-se para os clientes. Assim como em todo o país, as previsões não eram boas, a expectativa era de uma queda em torno de 50% das vendas para os meses seguintes ao de março de 2020. Diante deste cenário perturbador, agir proativamente, estimulando principalmente a linha de frente, os vendedores e representantes, a buscarem por novas oportunidades e formas de atender o seu cliente, ao invés de se afastar deles, os gestores devem optar por manter a velocidade de crescimento, e redobrar a atenção, assumindo riscos controlados, e mantendo-se alertas a qualquer mudança de rumo. O risco de falta de insumos para fabricação também era iminente, voos internacionais bloqueados, e países em lockdown, sem produção, estavam diariamente nos noticiários mundiais. Para evitar o atraso nas entregas e afetar a cadeia de suprimento, a atitude a ser adotada é a de procurar e desenvolver novos fornecedores, e rapidamente formar um estoque estratégico, evitando o desabastecimento. A prestação de serviços, talvez o mais impactado pelas medidas de distanciamento social, deve seguir pelo mesmo caminho. A primeira opção, sempre que possível, é pelo atendimento remoto, porém, em muitos casos pode ser indispensável a presença dos técnicos e engenheiros no local. Prezando pela excelência no atendimento, uma empresa de tecnologia estratégica

Controle & Instrumentação

Todas estas atitudes, colocadas em prática, podem trazer segurança aos clientes e aos colaboradores no exercício das suas atividades, visto que se encontram cientes que estão colaborando com a economia em seus mais variados aspectos, desde evitar o desabastecimento do mercado, quanto prover renda às famílias. De fato, a confiança que pode ser conquistada pode criar inúmeras oportunidades para a empresa, que se estruturou para conquistar cada uma delas. O crescimento de várias empresas dos mais variados setores da economia, incluindo as de tecnologia, demonstra que a postura diante da crise é que distingue as condições que ela surgirá no período pós Pandemia. Apesar de 2021 se apresentar positivamente com a vacinação crescendo em escala global, ainda vivemos um momento delicado. Riscos e ameaças ainda são frequentes, portanto, devemos permanecer atentos e cautelosos. Levamos a certeza de que muitos ensinamentos poderão ser tirados deste momento, e sabemos que o preparo para períodos de crise fará com que as dificuldades sejam superadas mais facilmente, e as oportunidades sejam mais bem aproveitadas. Aqueles que adotarem uma postura de superar essas adversidades sairá mais fortalecido e preparado para a recuperação do mercado e a retomada da economia.

Nº 263 | 2021




! Special

Ministério da Infraestrutura promove leilões em abril que prometem injetar bilhões em investimentos Cinco terminais portuários leiloados No Infra Week, promovida pelo Ministério da Infraestrutura, foi realizado, na B3, o leilão de cinco terminais portuários: IQI03, IQI11, IQI12, IQI13, no complexo Portuário de Itaqui, no Maranhão; e PEL01, no Porto de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Todos fazem parte da carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), tendo sido qualificados por meio dos Decretos nº 9.972/2019 (terminais do Porto de Itaqui), nº 10.635/2021 (PEL01). Os investimentos nos cinco terminais totalizam mais de R$ 610 milhões, com estimativa de geração de mais de nove mil empregos. A empresa Santos Brasil Participações foi a vencedora nos leilões dos terminais IQI03, IQI11 e IQI12: para o terminal portuário IQI03, a empresa ofereceu R$ 61,3 milhões de outorga, o que representa ágio de 44,24%. A área total do arrendamento possui 25.416,00 m², e os investimentos mínimos previstos são de R$ 106 milhões. O terminal IQI11, também destinado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis, foi arrematado por R$ 56 milhões de outorga (ágio de 15%); sua área total possui 33.217,00 m² e os investimentos mínimos previstos são de R$ 133 milhões. O terminal IQI12 foi arrematado pela outorga de R$ 40 milhões – a outorga mínima prevista era de R$ 1 –; o terminal é destinado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis, tem área total de 38.683,00 m², e os investimentos mínimos previstos são de R$ 177 milhões. A área IQI13 foi bastante disputada nos lances viva voz, e teve como vencedor o Tequimar – Terminal Químico de Aratu. Destinado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis, o terminal foi arrematado por R$ 59 milhões de outorga – a outorga mínima prevista era de R$ 1. A área total do arrendamento possui 36.578,00 m², e os investimentos mínimos previstos são de R$ 178 milhões. O Terminal Portuário PEL01, localizado no Porto de Pelotas/RS, foi arrematado por R$ 10 mil de outorga, pela CMPC Celulose Riograndense. Destinado à movimentação e armazenagem de carga geral, especialmente toras de madeira, possui área de 23.510 m². A estimativa é de que o futuro arrendatário realize investimentos na ordem de R$ 16,4 milhões. “Estamos encerrando a Infra Week com 28 ativos trans-



Nº 263 | 2021

5LFDUGR%RWHOKR0,QIUD

feridos para a iniciativa privada, 15 reuniões com investidores, depois de arrecadar R$ 3,5 bilhões de outorgas, e, mais importante que isso, gerar empregos, e mostrar que o Brasil tem futuro”, enfatizou o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. 5LFDUGR%RWHOKR0,QIUD “Temos muitos projetos programados para 2021, fruto de muito planejamento que foi feito. Estamos só começando, vamos cansar a B3, de tanto bater nesse martelo. Somente nesta semana, tivemos investimentos vultosos em aeroportos, ferrovia, e agora, portos”, afirma a Secretária Especial do PPI, Martha Seillier. “Parabenizo todos os vencedores por acreditarem no país. O leilão foi exitoso e o país ganha com os investimentos que serão realizados, e a possibilidade de fazermos um setor portuário mais eficiente e mais produtivo”, destacou o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Eduardo Nery. O Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários do MInfra, Diogo Piloni, destacou a importância do programa de arrendamentos portuários. “Sem dúvidas, o desenvolvimento do setor portuário brasileiro tem sido impulsionado. Esse é apenas o primeiro leilão do setor no ano, temos mais 12 terminais a serem licitados em 2021”, disse. No total, foram concedidos à iniciativa privada 28 ativos, entre aeroportos, terminais portuários e uma ferrovia. Os leilões realizados vão injetar mais de R$ 10 bilhões em investimentos no Brasil, e as concessões vão gerar mais de

Controle & Instrumentação


Special ! 200 mil empregos, de forma direta, indireta e efeito-renda, ao longo dos contratos de arrendamento e concessões.

22 aeroportos leiloados

5LFDUGR%RWHOKR0,QIUD

O Ministério da Infraestrutura, por meio da Anac – Agência Nacional de Aviação Civil – realizou o leilão da 6ª rodada de concessões aeroportuárias. Foram ofertados na B3, em São Paulo, 22 aeroportos agrupados em três blocos. O investimento total supera os R$ 6 bilhões. O projeto foi qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) por meio do Decreto nº 9.972/2019, e engloba a concessão de 22 aeroportos que, juntos, correspondem a 11% do mercado de aviação civil brasileiro, o equivalente a 24 milhões de viajantes por ano (dados de 2019). O resultado do leilão vai render ao Governo Federal uma arrecadação de R$ 3,3 bilhões à vista, além de outorga variável ao longo do contrato, equivalente a percentual sobre a receita bruta de até 4,65%. A 6ª Rodada contou com a concorrência de sete grupos habilitados, e os investimentos nesses terminais devem chegar a R$ 6,1 bilhões, ao longo da concessão. Os blocos Norte, Sul e Central foram arrematados com ágio total de R$ 3,302 bilhões, em relação ao lance mínimo de outorga R$ 186,1 milhões estabelecido no edital. “O dia de hoje é de celebração. Parabenizo todos os que participaram do leilão, que acreditam no Brasil. Nosso país merece esse crédito. Temos um mercado com muita capacidade de investimentos, bons projetos, grandes oportunidades. Nossa estruturação está cada vez mais sofisticada, e é bom perceber que os grupos estão enxergando isso”, destacou o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. “Foram sete players, de quatro países, com lances que demonstram que o crescimento do mercado de aviação civil no Brasil será enorme! Esses contratos vão transformar o setor, com vultosos investimentos privados, gerando empregos e melhorando nossa competitividade”, pontuou a Secretária Especial do PPI, Martha Seillier. O Bloco Sul, composto pelos aeroportos de Curitiba, Foz do Iguaçu, Londrina e Bacacheri, no Paraná; Navegantes e Joinville, em Santa Catarina; Pelotas, Uruguaiana e Bagé, no Rio Grande do Sul, foi arrematado pela Companhia de Participações em Concessões, com ágio de 1.534% em relação ao valor inicial, de R$ 130,2 milhões – o grupo

Controle & Instrumentação

ofereceu R$ 2,128 bilhões pelos terminais. O Bloco Norte, formado pelos aeroportos de Manaus, Tabatinga e Tefé, no Amazonas; Porto Velho, em Rondônia; Rio Branco e Cruzeiro do Sul, no Acre; e Boa Vista, em Roraima, teve como vencedora a Vinci Airports, que ofereceu R$ 420 milhões – ágio de 777%, em relação ao lance mínimo inicial, de R$ 47,8 milhões. A empresa francesa já atua no Brasil, com a operação do aeroporto de Salvador, na Bahia. O Bloco Central, que compreende os aeroportos de Goiânia, Goiás; Teresina, no Piauí, Palmas, no Tocantins; Petrolina, no Pernambuco; São Luís e Imperatriz, no Maranhão, também foi arrematado pela Companhia de Participações em Concessões. O grupo ofertou R$ 754 milhões pelos aeródromos, com ágio de 9.156%, em relação ao lance mínimo inicial, de R$ 8,1 milhões.

Leiloado Trecho I da FIOL

5LFDUGR%RWHOKR0,QIUD

Durante a Infra Week, foi leiloado na B3 o Trecho I da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL), que teve como vencedora a Bahia Mineração S/A, com valor de outorga de R$ 32,7 milhões, além do pagamento de outorga variável de 3,43% da receita bruta, a partir do sexto ano da concessão. O projeto foi qualificado na carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), por meio do Decreto nº 8.916/2016. O trecho de 537 km, entre Caetité e Ilhéus, na Bahia, consistirá em importante corredor de escoamento de minério de ferro e grãos do sudoeste baiano. A concessão vai transformar a logística no estado, e contribuirá com a meta de ampliar a participação ferroviária na matriz de transportes do Brasil. O vencedor do certame ficará responsável pela finalização do empreendimento e operação do trecho, em uma concessão que vai durar 35 anos, totalizando R$ 3,3 bilhões de investimentos para a entrada em operação da ferrovia. Desse total, R$ 1,6 bilhão será utilizado para a conclusão das obras, que estão com 80% de execução. Além disso, serão realizados outros investimentos na reposição de ativos e manutenção da vida útil ao longo do prazo da concessão, que vai permitir a criação de 55 mil empregos diretos, indiretos e efeito-renda.

Nº 263 | 2021




! Special “Estive pessoalmente em Caetité, na Bahia, e esse projeto vai levar ainda mais desenvolvimento e mais empregos para esse estado tão importante. Temos hoje uma agenda intensa de investimentos ferroviários, um compromisso enorme com a intermodalidade. A carteira do PPI para 2021, mesmo em um ano difícil de crise de saúde, tem 129 ativos para serem leiloados, porque a gente acredita no Brasil”, destacou a Secretária Especial do PPI, Martha Seillier. O diretor-geral da ANTT, Alexandre Porto, enfatizou que a ampliação do modal ferroviário na matriz de transportes brasileira é fundamental. “Importante dizer que ficamos 12 anos sem fazer nenhum leilão de ferrovias. E, nos últimos dois anos, já é a segunda entrega”, disse. A expectativa é de que a Fiol I (Ilhéus-Caetité) comece a operar em 2025, já transportando, segundo estudos, mais de 18 milhões de toneladas de carga, entre grãos e, principalmente, minério de ferro, produzido na região de Caetité. Volume que pode mais que dobrar em dez anos, superando 50 milhões de toneladas, em 2035 – sendo a maior parte minério de ferro. Entre as cargas, também estão alimentos processados, cimento, combustíveis, soja em grão, farelo de

soja, manufaturados, petroquímicos e outros minerais. A operação inicial já deve contar com pelo menos 16 locomotivas e mais de 1.400 vagões – pelo menos 1.100 destinados apenas para o escoamento de minério de ferro. Montante que terá um incremento diante do aumento da demanda, chegando a 34 locomotivas e 2.600 vagões, em dez anos. Além de Ilhéus e Caetité, um terceiro pátio será instalado no município de Brumado. O traçado da Fiol 1 atravessará Ilhéus, Uruçuca, Aureliano Leal, Ubaitaba, Gongogi, Itagibá, Itagi, Jequié, Manoel Vitorino, Mirante, Tanhaçu, Aracatu, Brumado, Livramento de Nossa Senhora, Lagoa Real, Rio do Antônio, Ibiassucê e Caetité. O Governo Federal também trabalha nos projetos para concessão dos outros dois trechos: a Fiol 2, entre Caetité/BA e Barreiras/BA, com obras em andamento, e a Fiol 3, de Barreiras/BA a Figueirópolis/TO, que aguarda licença de instalação por parte do Ibama. Um corredor de escoamento, que terá um total de 1.527 quilômetros de trilhos, ligando o porto de Ilhéus, no litoral baiano, ao município de Figueirópolis/TO, ponto em que a Fiol se conectará com a Ferrovia Norte-Sul.

Aneel assina concessões de mais de R$ 7 bi em investimentos A Aneel assinou os contratos de concessão de 10 dos 11 lotes de linhas de transmissão que foram arrematados no leilão realizado em dezembro do ano passado, na B3, em São Paulo. Com isso, as empresas já podem iniciar os trabalhos para as obras, que deverão gerar investimentos de mais de R$ 7 bilhões, e 15 mil empregos, em nove Estados: Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo. Apenas o Lote 1, em Goiás, ainda ficou em análise, e será assinado posteriormente. Após a desclassificação da primeira colocada, a próxima classificada, State Grid Brazil Holding S.A., apresentou seus documentos para habilitação pela Aneel. A Secretaria Executiva de Leilões da agência decidiu habilitar a empresa, e a assinatura do contrato pode ocorrer nos próximos 30 dias. A Assinatura dos contratos foi feita remotamente, e



Nº 263 | 2021

contou também com as participações do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e do diretor-geral da Aneel, André Pepitone. “Realizamos, em 2020, o maior leilão do segmento de infraestrutura do país, mesmo em meio à crise causada pela Pandemia. A Aneel promove segurança regulatória, já consagrada em relatórios das duas principais agências de avaliação de risco do mundo, a Standard & Poor´s e a Moody´s, tendo os investidores confiança nas regras e nos contratos que vão assinar”, disse Pepitone. O leilão de linhas de linhas de transmissão de dezembro foi a maior licitação de 2020 do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Governo Federal, com ampla concorrência para todos os 11 lotes ofertados.

Controle & Instrumentação


Special !

Maior leilão de saneamento do Brasil Foi realizado o leilão para a concessão comum dos serviços de distribuição de água e esgotamento sanitário do Estado do Rio de Janeiro, projeto do Governo do Estado. O evento aconteceu na B3, em São Paulo, com a presença do presidente Jair Bolsonaro e do Ministro da Economia, Paulo Guedes, entre outras autoridades. Assim, 29 municípios atualmente atendidos pela Companhia Estadual de Águas e Esgoto do Rio de Janeiro (Cedae), incluindo a capital, terão os serviços concedidos à iniciativa privada. Para tanto, o projeto foi dividido em quatro blocos de concessões: o primeiro bloco – composto por 18 municípios e mais 18 bairros da Zona Sul do município do Rio de Janeiro – recebeu quatro propostas, foi bastante disputado nos lances viva voz, e o vencedor foi o consórcio Aegea, com outorga de R$ 8,2 bilhões, ágio de 103%; o segundo bloco – composto por dois municípios e 20 bairros da Zona Oeste do município do Rio de Janeiro – teve três proponentes, e o consórcio Iguá venceu o certame, com outorga de R$ 7,2 bilhões, ágio de 129,68%; o terceiro bloco – composto por seis municípios e 22 bairros da Zona Oeste do município do Rio de Janeiro – teve proposta única. A empresa retirou a proposta, e o bloco ficou sem vencedor; o quarto bloco – composto por sete municípios, e 106 bairros do Centro e da Zona Norte do município do Rio de Janeiro – recebeu três propostas, foi para os lances, e teve como vencedor o consórcio Aegea, com outorga de R$ 7,2 bilhões, ágio de 187,75%. A concessão da Cedae deve atender cerca de 12 milhões de pessoas, gerar mais de 40 mil empregos diretos e indiretos, e investimentos de mais de R$ 27 bilhões, durante os 35 anos de contrato, sendo que R$ 12 bilhões serão investidos nos cinco primeiros anos. O projeto beneficiará cerca de 90% da população coberta pela Companhia, que presta os serviços atualmente, e continuará responsável pela captação, tratamento e fornecimento de

33,*29%U

água aos concessionários dos sistemas Guandu e Imunana/Laranjal. Hoje, apenas 50% da população dispõe de esgotamento sanitário. O projeto foi estruturado pelo BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – e recebeu apoio do Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional e do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), do Ministério da Economia. “Esse é um dos projetos mais importantes do país, e o primeiro desse porte no setor, após a regulamentação do novo marco legal do saneamento. Os benefícios sociais, ambientais e econômicos da concessão da Cedae são inúmeros, uma vez que alavanca investimentos muito altos, sem aumento de tarifas para o usuário. São as parcerias com a iniciativa privada que proporcionarão o atendimento da população carente das comunidades, e a tão aguardada despoluição da Baía da Guanabara”, destaca a Secretária Especial do PPI, Martha Seillier. A concessão terá, ainda, impacto positivo sobre o meio ambiente, já que trará investimentos de R$ 2,6 bilhões, nos cinco primeiros anos, destinados a reduzir as causas da poluição da Baía de Guanabara, dos seus corpos afluentes, e melhorar a balneabilidade das praias e lagoas, contribuindo, assim, para a proteção ambiental e o turismo. Durante esse período, também serão aplicados R$ 2,9 bilhões na redução da poluição do Rio Guandu, que abastece a maior parte da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, e R$ 250 milhões para auxiliar na despoluição das lagoas de Jacarepaguá e da Barra. Os concessionários deverão investir ao menos R$ 1,5 bilhão na ampliação do abastecimento de água e esgotamento sanitário em favelas e comunidades não urbanizadas no município do Rio de Janeiro, comprometendo-se com a continuidade de prestação do serviço. O contrato também prevê que a tarifa social terá que ser ampliada de 0,57% para, no mínimo, 5% da população.

Leilão dos Sistemas Isolados contrata 23 projetos O Leilão de Geração dos Sistemas Isolados, com negociação total de 54,7 MW para fornecimento a partir de 1º de abril de 2023, envolve investimentos de R$ 355,5 milhões. Qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) por meio do Decreto nº 10.653/2021, o projeto prevê a aquisição de energia e potência elétricas para atendimento a localidades não conectadas ao Sistema Interligado Nacional. Neste certame, foram licitados cinco lotes, contemplando 23 localidades em cinco estados: Acre (3), Amazonas (5), Pará (10), Rondônia (2) e Roraima (3). Foram 23 projetos contratados, com um deságio mé-

Controle & Instrumentação

dio de 19,4% em relação ao preço inicial e, entre os vencedores, estão 12 projetos que utilizam biocombustíveis como fonte. O leilão foi acompanhado pelo Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Paulo Cesar Domingues, pelo Presidente do Conselho da Câmara de Comercialização de Energia, Rui Altieri, e outras autoridades. “O leilão de hoje é importante, porque, além de garantir o suprimento a regiões ainda isoladas em alguns estados brasileiros, gera emprego e renda nesses locais”, destacou o Secretário de Parcerias em Energia, Petróleo, Gás e Mineração do PPI, Frederico Munia.

Nº 263 | 2021




! Special

             

$FRPSOH[LGDGHGRVSURMHWRVGDLQGÔVWULDSHVDGD e de infraestrutura, e consequente grande volume de dados e atividades de comissionamento a serem planejadas, executadas e controladas, em tempo UHDOGHPDQGDPVROXÁÏHVTXHDVVHJXUHPDJLOLGDGH SUHFLV½RHHILFLÄQFLDFRQWULEXLQGRGHFLVLYDPHQWH SDUDDPLQLPL]DÁ½RGHULVFRVFXPSULPHQWRGH SUD]RVHDWHQGLPHQWRDH[LJÄQFLDVUHJXODWÍULDV 2TXHID]GD+06:HEƒ +DQGRYHU0DQDJHPHQW 6\VWHP HVHXFRPSRQHQWHPÍYHORDSOLFDWLYR +060RELOHƒXPDIHUUDPHQWDWRSVROXWLRQQD JHVW½RGRFRPLVVLRQDPHQWRGHVGHRSURMHWR FRPSOHWDÁ½RPHF¼QLFDHFRPLVVLRQDPHQWRDWà DWUDQVIHUÄQFLDILQDOGRVHPSUHHQGLPHQWRV QHVVDV»UHDV

o2 +06:HEƒ VH GLIHUHQFLD WDQWR SRU VXDV FDUDFWHUÇVWLFDV IXQFLRQDLV OHYH]DVLPSOLFLGDGHHH[WUHPDHILFLÄQFLDQRDWHQGLPHQWRDWRGRVRVUHTXLVLWRV GR SURFHVVR GH FRPLVVLRQDPHQWR TXDQWR SHODV FDUDFWHUÇVWLFDV WHFQROÍJLFDV VHQGR  ZHEEDVHG PRELOH LQWHJU»YHO ºV GHPDLV IHUUDPHQWDVGRFLFOR(3&VHJXURHKRVSHGDGRQDQXYHP$]XUHGD0LFURVRIWp SRQWXDRGLUHWRUGD+06:HE7HFQRORJLDGD,QIRUPDÁ½RLuciano Gaete

$3/,&$¡2$%5$1*(17( DesenvROYLGR FRPR VROXÁ½R GH 7, SDUD GDU VXSRUWH QD JHVW½R H HQJHQKDULD GR FRPLVVLRQDPHQWR UHDOL]DGD SHOR *UXSR)RUVKLSHQW½RFRPIRUWHDWXDÁ½RQDLQGÔVWULDQDYDO HRIIVKRUHQR%UDVLOHQRH[WHULRURVRIWZDUH+06:HEƒ à KRMH IHUUDPHQWD FRUSRUDWLYD GH FRPLVVLRQDPHQWR GH HPSUHVDVGHVHWRUHVHVWUDWÃJLFRVFRPR9$/( PLQHUDÁ½R  3R\U\ HQJHQKDULD  7HFKLQW HSHFLVWD  0,6& 2 *  &DUJLOO DJURLQGÔVWULD  /' &HOXORVH SDSHO  FHOXORVH  GHQWUHLQÔPHUDVRXWUDV o2+06:HEƒÃH[WUHPDQWHIOH[ÇYHOHDEUDQJHQWH7HPRV KRMH XPD YHUV½R ÔQLFD TXH DWHQGH DRV PDLV GLYHUVRV HPSUHHQGLPHQWRVHPTXDOTXHULQGÔVWULDGHSURMHWRVQD



Nº 263 | 2021

»UHD GH LQIUDHVWUXWXUD IHUURYL»ULD H SRUWX»ULD º SODWDIRUPDVRIIVKRUHGHSHWUÍOHRGHXQLGDGHVGH JHUDÁ½RGHHQHUJLDºPLQDVHXVLQDVGHPLQHUDÁ½R HLQVWDODÁÏHVGDDJURLQGÔVWULDpDILUPDRH[HFXWLYR GD HPSUHVD FULDGD HP  SDUD DWHQGHU º demanda crescente nesse segmento, uma vez TXH R FRPLVVLRQDPHQWR à XPD HVSHFLDOLGDGH WÃFQLFD FRPSOH[D H VRILVWLFDGD HQFDUDGD KRMH FRPR XPD GLVFLSOLQD HVSHFÇILFD H LQGHSHQGHQWH QDHQJHQKDULD Gaete salienta que a capacidade do +06:HEƒVHUFRQILJXUDGRHRIHUHFHUDGHUÄQFLD Controle & Instrumentação


Special ! WRWDO ºV SHFXOLDULGDGHV GH FDGD PHUFDGR FOLHQWH H projeto, independente do porte ou complexidade GHVWHV HVW» PDLV GR TXH FRQVDJUDGD SHORV LQÔPHURV empreendimentos nos quais vem sendo utilizado no %UDVLO H QR H[WHULRU o3DUWLFLSDPRV GRV SULQFLSDLV SURMHWRVQD»UHDGHSDSHOHFHOXORVHQR%UDVLOHRXWURV SDÇVHV DWHQGHQGR WDQWR D RZQHUV FRPR :HVW5RFN .ODELQ %UDFHO H /'& /HQ]LQJ 'XUDWH[ &HOXORVH  como EPCistas e empresas de engenharia que atuam QHVVHVHWRUFRPRÃRFDVRGD3R\U\FRPDTXDOWHPRV XPFRQWUDWRFRUSRUDWLYRpH[SOLFD

3$5&(,5$+,67­5,&$ 6½R TXDVH  SURMHWRV FRP D 9$/( D PDLV DQWLJD SDUFHLUD IRUD GR VHWRU GH SHWUÍOHR H J»V o$ QRVVD IHUUDPHQWD GLJLWDO +060RELOHƒ ODQÁDGD HP  foi utilizada pela primeira vez em dois projetos HPEOHP»WLFRV GD PLQHUDGRUD $GHTXDÁ½R GD 8VLQD &DXÄ SURJUDPD ,WDELULWRV  HP 0LQDV *HUDLV H R PHJDHPSUHHQGLPHQWR6' 0LQD8VLQD HP&DQD½ GRV &DUDM»V QR 6XGHVWH GR 3DU» r FRQVLGHUDGR R PDLRUHPSUHHQGLPHQWRGHPLQHUDÁ½RQDKLVWÍULDGR SDÇVpOHPEUDRH[HFXWLYR(OHDILDQÁDTXHKRXYHXP DXPHQWRPÃGLRGHSURGXWLYLGDGHGHFRPRXVR GRDSOLFDWLYRTXHWRUQRXGLJLWDORFRPLVVLRQDPHQWRGHSURMHWRVFRPPDLVGHPLOLWHQVFRPLVVLRQ»YHLVHPHLRPLOK½RGHDWLYLGDGHVUHJLVWUDGDV o1RVVRPDLRUGHVDILRÃDVVHJXUDUDHYROXÁ½RSHUPDQHQWH GD VROXÁ½R LQRYDQGR H DSRUWDQGR ERDV SU»WLFDVQRYDVIXQFLRQDOLGDGHVUHFXUVRVHWF3HUVHJXLQGR H JDUDQWLQGR WRWDO DGHUÄQFLD DRV UHTXLVLWRV DWXDLV H IXWXURVPD[LPL]DQGRDFDSDFLGDGHGHJHVW½RSURGXWLYLGDGHHFRQVHTXHQWHPHQWHFRQWULEXLQGRVLJQLILFDtivamente para o sucesso dos projetos e para a partida VXDYHGDVSODQWDVGHQRVVRVFOLHQWHVpFRQFOXL/XFLDQR *DHWH

Controle & Instrumentação

Highlights do • GHVW½RFRPpleta do processo de comissionaPHQWRGHXQLGDGHVLQGXVWULDLVHPFRQVWUXÁ½R e/ou revamp;

• Planejamento, registro e controle de todas as atividades de campo, executadas com o apoio GHGLVSRVLWLYRVPÍYHLV • ,QIRUPDÁ½RDWXDOL]DGDGRSURJUHVVRGR SURMHWRVXDVSHQGÄQFLDVWDUHIDVGHSUHVHUYDÁ½R etc, em tempo real, na nuvem; • 7RWDOUDVWUHDELOLGDGHHWUDQVSDUÄQFLDGR

processo •7RWDOFRQVLVWÄQFLDGRVGDGRVGRSURMHWR •)HHGEDFNPDLVU»SLGRSDUDRVWLPHVGH planejamento •,QÔPHURVUHODWÍULRVHFRQVXOWDVRQOLQHSDUD DSRLRDRVWLPHVGHJHVW½RHH[HFXÁ½R •,QWHJUDÁ½RFRPRXWUDVIHUUDPHQWDVGH7, PRGHODJHP''PDQXWHQÁ½R SODQHMDPHQWRHWF

Nº 263 | 2021




          

        +»  DQRV D $VFRYDO QR %UDVLO  XPD GDV GH]HQRYH VXEVLGL»ULDV GD $XWRPDWLF 6ZLWFK &RPSDQ\ ,QF QR PXQGR  LQLFLRXVXDVRSHUDÁÏHV$$6&2HPSUHVDIXQGDGDHPH VHGLDGDHP)ORUKDP3DUN1HZ-HUVH\ÃOÇGHUQDIDEULFDÁ½RGH Y»OYXODV VROHQRLGH H GHWHQWRUD GD SULPHLUD SDWHQWH GHVWH SURGXWR(PSDVVRXDLQWHJUDURJUXSR(PHUVRQ(OHFWULF HDRORQJRGRVDQRVYHPDPSOLDQGRVHXSRUWLIÍOLRGHSURGXWRV VHPSUHFRPIRFRHPVROXÁÏHVSDUDDXWRPDÁ½RQRFRQWUROHGH IOXÇGRVHPRYLPHQWR$WXDOPHQWHDOÃPGDVY»OYXODVVROHQRLGH $6&2uID]HPSDUWHGHVXDVOLQKDVDVPDUFDV$YHQWLFVuSDUD HTXLSDPHQWRV SQHXP»WLFRV 7RS:RU[u SDUD PRQLWRUHV GH SRVLÁ½R H 7HVFRPu SDUD UHJXODGRUHV GH SUHVV½R SDUD JDVHV HVSHFLDLV o$$VFRYDOWHYHRSULYLOÃJLRGHVHUFRPDQGDGDSRUPXLWDJHQWH FRPSHWHQWHFRORFDQGRDHPSUHVDQRSDWDPDUGHOLGHUDQÁDHP FRQWUROH GH IOXLGRV QR TXDO HVWDPRV KRMH &DGD XP QR VHX WHPSR º VXD PDQHLUD HQIUHQWDQGR VLWXDÁÏHV GH PHUFDGR  LQWHUQRHH[WHUQRGLIHUHQWHV(XHQFRQWUHLXPDHPSUHVDILQDQ FHLUDPHQWHVÍOLGDHILFLHQWHGRSRQWRGHYLVWDRSHUDFLRQDOPDV VRIUHQGRRVHIHLWRVGDIRUWHFULVHTXHYDUUHXR%UDVLOHQWUH H0HXSULQFLSDOREMHWLYRIRLUHFXSHUDUDFRQILDQÁDGRV IXQFLRQ»ULRVFULDUXPDPELHQWHGHPRWLYDÁ½RPD[LPL]DQGRDV TXDOLGDGHVHSRWHQFLDLVLQGLYLGXDLVHFROHWLYRV$OÃPGLVWRHUD QHFHVV»ULR DSUR[LP»OD GD (PHUVRQ DIORUDU R VHQWLPHQWR GH mSHUWHQFHUn D XPD JLJDQWH LQGXVWULDO TXH RIHUHFH SHUVSHFWLYDV HQRUPHV GH GHVHQYROYLPHQWR SURILVVLRQDOp GL] 0DXUÇFLR 1HJU½R H[HFXWLYR GD (PHUVRQ GHVGH  H SUHVLGHQWH GD $VFRYDO GHVGH  VDLQGR GH XPD FULVH  HP GRLV DQRV DV YHQGDVFDÇUDPPDLVGHHGRORURVDVGHFLVÏHVIRUDPWRPD GDVSDUDDMXVWDUDHPSUHVD $$VFRYDOGHIDWRQXQFDGHL[RXDOLGHUDQÁDGRPHUFDGRGH FRQWUROH GH IOXLGRV PDV YLX D FRQFRUUÄQFLD VH DSUR[LPDU

Início das operações da subsidiária Brasileira da Automatic Switch Co no Brasil - Ascoval

Inauguração da unidade fabril em Barueri - São Paulo, hoje com 4.800 m2

Passamos a fazer parte da família Emerson

GHYLGR SULQFLSDOPHQWH ºV GHILFLÄQFLDV GH FREHUWXUD FRPHUFLDO XPD SRVWXUD UHDWLYD VHP HVWUDWÃJLD GH DPSOLDÁ½R GD EDVH GH FOLHQWHV FRP SRXFD LQWHUDÁ½R GDHTXLSHGHYHQGDVFRPDJHVW½RGDHPSUHVD$OÃP GLVWR D UHGH GH GLVWULEXLÁ½R HVWDYD IUDJPHQWDGD UHFHELD OLPLWDGR VXSRUWH GD I»EULFD H PXLWRV GRV GLVWULEXLGRUHVQ½RPRVWUDYDPDWLWXGHGHUHFXSHUDÁ½R ( FRP DQRV GH FULVH QR %UDVLO (UD QHFHVV»ULR PH[HU FRPDRUJDQL]DÁ½R 2V REMHWLYRV GH 0DXUÇFLR 1HJU½R HUDP HVWDQFDU D TXHGDHEXVFDUFUHVFLPHQWRDOÃPGHWUD]HURHVSÇULWR GHo2QH(PHUVRQpSDUDD$VFRYDOPHWDVDOFDQÁDGDV QR SULPHLUR DQR H FRP UHWRUQR GD OXFUDWLYLGDGH IRUDPIHLWRVRVLQYHVWLPHQWRVQHFHVV»ULRVSDUDYROWDUD FUHVFHU2QH(PHUVRQÃXPFRQFHLWRQ½RXPSURMHWR HEXVFDWUDGX]LURIDWRGHTXHQ½RÃQHFHVV»ULRHVWDU ILVLFDPHQWH MXQWR PDV WHU DWLWXGHV DOLQKDGDV FRP RV REMHWLYRV FRUSRUDWLYRV )RUWDOHFHU HVVH VHQWLPHQWR GH XQLGDGH HUD LPSRUWDQWH SRUTXH D (PHUVRQ QR %UDVLO HVW»VHGLDGDHP6RURFDEDHD$VFRYDOHP%DUXHUL

 

GLUHWRUUHVSRQV»YHOQR%UDVLO o7LYHPRV TXH ID]HU PXLWDV PXGDQÁDV HP SRXFR WHPSR )LTXHL VXUSUHVR FRP D FDSDFLGDGH GRV IXQFLRQ»ULRV HP OLGDU FRP HVWH DPELHQWH UHDJLUDP PDUDYLOKRVDPHQWHEHPVHPSUHFRPHVSÇULWRGH

Chega no Brasil a linha de equipamentos pneumáticos Joucomatic

A Emerson desembarca no Brasil – tem início a operação com seu primeiro escritório nas instalações em Barueri

Se torna uma das primeiras empresas no Brasil a receber a certificação ISO 9000


HTXLSHHFRODERUDÁ½RYDORUHVLPSRUWDQWHVQD(PHUVRQ$V SHVVRDV V½R DSDL[RQDGDV SHOD HPSUHVD ( HVWD SRVWXUD IRL IXQGDPHQWDOSDUDRVXFHVVRGDVPXGDQÁDV1RVVRIRFRIRL JDQKR GH SURGXWLYLGDGH DILQDO WÇQKDPRV UHFXUVRV PDV HVWDYDPPDODORFDGRV5HVXPLQGRDOWHUDPRVRVWHUULWÍULRV GH FREHUWXUD SDUD DSUR[LPDU R H[HFXWLYRV GH YHQGD GRV VHXVFOLHQWHVFULDPRVSURFHVVRGHVHJPHQWDÁ½RHJHVW½RGH FRQWDV DWHQGLPHQWR PDLV SHUVRQDOL]DGR  PDSHDPRV m:KLWH 6SDFHVn GH PHUFDGR GHILQLQGR SULRULGDGHV GH FREHUWXUD GLUHWD RX DWUDYÃV GH GLVWULEXLGRUHV  FDGHQFLD VHPDQDOSDUDUHYLV½RGHSURMHWRVHYHQGDVWUHLQDPHQWRHP IHUUDPHQWDVGHJHVW½RUHXQLÏHVWULPHVWUDLVFRPD3UHVLGÄQ FLDUHHVWUXWXUDPRVRVXSRUWHLQWHUQRGHVHQYROYHPRVIHUUD PHQWDV GH FRWDÁ½R H HQWUDGD GH SHGLGRV WURSLFDOL]DPRV SURGXWRVSDUDIDEULFDUORFDOPHQWHDEULPRVD'LUHWRULDGH &RPXQLFDÁ½R H 0DUNHWLQJ LQYHVWLPRV QD *HUHQFLD GH 6ROXÁÏHV 2V GLVWULEXLGRUHV WLYHUDP XPD DWHQÁ½R HVSH FLDODOÃPGRVm:KLWH6SDFHVnFRORFDPRVXP&RRUGHQDGRU GHGLFDGR DR FDQDO FRP REMHWLYR GH FULDU SROÇWLFDV H LPSODQWDU R VLVWHPD GH DYDOLDÁ½R GH GHVHPSHQKR FXMRV FULWÃULRV Y½R DOÃP GR YROXPH GH YHQGDV SUHPLDQGR RV PHOKRUHV H FULDQGR XP DPELHQWH GH FRQVWDQWH PHOKRULD ,QIHOL]PHQWH PXLWRV Q½R VH DGDSWDUDP H WLYHPRV TXH VXEVWLWXLUPDLVGHGDUHGH8PDRXWUDDÁ½RLPSRUWDQWH IRLRLQYHVWLPHQWRQDVLQVWDODÁÏHVGH%DUXHULFRPDUHIRU PD GH WRGD »UHD DGPLQLVWUDWLYD H GR UHIHLWÍULR DOÃP GD FRQVWUXÁ½R GR QRYR FHQWUR GH WUHLQDPHQWR GHQWUR GR mSDGU½R (PHUVRQn ,QFUÇYHO FRPR WXGR LVWR WURX[H XPD VHQVDÁ½R SRVLWLYD QDV SHVVRDV SRUTXH HQ[HUJDP ILVLFD PHQWH H QR VHX GLD D GLD DV PXGDQÁDV H D HYROXÁ½R GD HPSUHVD$PRWLYDÁ½RSUHFLVDGHXPDPELHQWHGHSURVSHU LGDGHpOHPEUD0DXUÇFLR1HJU½R $ $VFRYDO YLQKD FUHVFHQGR GRLV GÇJLWRV DQRDDQR FRP R FRQMXQWRGHPXGDQÁDVLPSOHPHQWDGRHQ½RVHULDGLIHUHQWH HPrM»KDYLDPHWDVDJUHVVLYDVSDUDRDQRo&RPD FKHJDGDGDSDQGHPLDVHQWLPRVFODURRVHIHLWRVGDFULVH (X PHVPR M» QR LQÇFLR GH PDUÁR IXL KRVSLWDOL]DGR FRP &RYLG DSÍV XPD YLDJHP D 1RYD -HUVH\ 'XUDQWH PLQKD DXVÄQFLDHIUHQWHºVSHUVSHFWLYDVUXLQVDHTXLSHUHYLVRXR SODQRHIL[DPRVPHWDGHFUHVFLPHQWR=(52SDUD2X VHMDQ½RFDLUM»VHULDXPDYLWÍULD1RVSULPHLURVGRLVPHVHV WLYHPRVUHGXÁ½RGHQHJÍFLRVPDVHPULWPRPHQRUTXHR HVSHUDGR3RUÃPQRVVRWLPHHVWDYDEHPWUHLQDGRSUHSDUD GRHVHDGDSWRXPXLWRUDSLGDPHQWHDRPRGHORGHKRPH RIILFH ZHELQDUV DWHQGLPHQWR UHPRWR 5HVXOWDGR M» D SDUWLUGHMXQKRDVYHQGDVVHUHFXSHUDUDPHWHUPLQD

Ampliamos nossa linha de produtos pneumáticos que agora recebe a marca Numatics

Integramos a mais recente aquisição Emerson, a linha de Monitores de Posição e sensores TopWorx

Logo depois, a linha de Reguladores para gases especiais

PRV R DQR ILVFDO DFLPD GDV PHWDV IL[DGDV DQWHV GD SDQGHPLDFRPFUHVFLPHQWRGHGRLVGÇJLWRV8PDYLWÍULDGD HTXLSHpFRQWD0DXUÇFLR1HJU½RTXHDFUHGLWDQDPHOKRULD FRQWÇQXDTXHRVXFHVVRGRSDVVDGRQ½RJDUDQWHRVXFHVVR GR IXWXUR DSHQDV WUD] DSUHQGL]DGR o3UHFLVDPRV HYROXLU VHPSUH $ FRQFRUUÄQFLD UHDJH RV FOLHQWHV PXGDP ILFDP PDLV H[LJHQWHV SURGXWRV VXEVWLWXWRV DSDUHFHP HQILP R PHUFDGR à GLQ¼PLFR (QW½R VHJXLPRV FRP LQYHVWLPHQWR QDHTXLSHGHYHQGDVFRPIRFRQRDWHQGLPHQWRDR&OLHQWH DXWRPDWL]DÁ½R GH SURFHVVRV LQWHUQRV FDSLODUL]DU½R GH FDQDLV7HPRVQRYDVOLQKDVGHSURGXWRVTXHIRUDPDJUHJD GDV D $VFRYDO 7RS:RU[u H 7(6&20u  YDPRV UHIRUÁDU QRVVD SDUWLFLSDÁ½R QR VHJPHQWR GH SQHXP»WLFD FRP D DTXLVLÁ½RGD$YHQWLFVuHGDOLQKDGH3/&VGD*( TXHQD (PHUVRQÃFKDPDGDGH0$6 9DPRVRIHUHFHUXPSDFRWH FRPSOHWRGHDXWRPDÁ½RDRPHUFDGRSRWHQFLDOL]DGRFRP QRVVD WHFQRORJLD GLJLWDO SDUD GLYXOJDU R FRQFHLWR GD LQGÔVWULD6XVWHQWDELOLGDGHHQHUJÃWLFDUHVSHLWRDRPHLR DPELHQWH UHGXÁ½R GH ULVFR SDUD DV SHVVRDV QR WUDEDOKR HVWHÃRQRVVRFDPLQKRp $OJXQVDQRVDWU»VD$VFRYDOVDLXGDYLV½RRULHQWDGDDSURGX WR )OXLG&RQWUROH)OXLG3RZHU SDUDXPDYLV½RGHPHUFDGR HXPGRVVHJPHQWRVIRFRÃRo$QDO\WLFDO 0HGLFDOpTXH GHYLGRDSDQGHPLDFUHVFHXPXLWRJOREDOPHQWH$HPSUHVD GHVHQYROYHX QRYRV FOLHQWHV IDEULFDQWHV GH UHVSLUDGRUHV R[LJÄQLRKRVSLWDODUHRXWURVrRTXHVHPGÔYLGDFRQWULEXLX SDUDRFUHVFLPHQWRHP 0DLVTXHHQWUHJDUSURGXWRVFRPRPDLVDOWRQÇYHOGHTXDOL GDGHHVHJXUDQÁDRREMHWLYRÃHQWUHJDUVROXÁÏHVSDUDVHXV FOLHQWHV GH PDQHLUD ÃWLFD YLVDQGR VHPSUH D PHOKRULD FRQWÇQXD$OLQKDGRVFRPDHVWUDWÃJLDJOREDOGD(PHUVRQD $VFRYDO HVW» LPSOHPHQWDQGR DÁÏHV GH GHVHQYROYLPHQWR FRPWHFQRORJLDVYROWDGDVº7UDQVIRUPDÁ½R'LJLWDOSURGXWRV LQWHOLJHQWHV FRP IXQÁÏHV GH PRQLWRUDPHQWR H FRPXQL FDÁ½R GLJLWDO HP QXYHP H[SDQGLQGR VXD OLGHUDQÁD QRV VHJPHQWRV GH 0LQHUDÁ½R ­OHR  *»V FRORFDQGR VHXV YDORUHVHPFDGDYHQGDHHPFDGDSURMHWRSDUDDMXGDUVHXV FOLHQWHVDDWLQJLUHPVHXP»[LPRGHVHPSHQKR

Mundialmente a marca Aventics passa a integrar o grupo Emerson e ser a nossa nova identidade em Automação Pneumática

Celebramos 50 anos atuando em terras brasileiras


Cover Page

Balanço e perspectivas positivos, mas os desafios continuam

E

stamos todos – indivíduos, corporações, governos – avaliando os estragos – pessoais, sociais, ambientais e econômicos – causados, em 2020, pelas diversas restrições impostas para controlar o Covid-19. Uma ruptura econômica global de cerca de US$ 16 trilhões, em que todas as economias tiveram queda – mesmo a chinesa, que ainda apresentou crescimento econômico positivo de 2,3%. Outras economias não escaparam do negativo: EUA teve contração do PIB de -3,5%; Alemanha, -5,0%; -8,3%, na França; -8,8%, na Itália; -11,0%, na Espanha; -3,1%, na Rússia; -7,7%, na Índia; cerca de -4,0%, no Brasil. A China foi uma exceção, porque conseguiu controlar a propagação do vírus no início, quando sua economia estava crescendo 6,5%. E embora pareça pouco, a retomada chinesa tem ajudado a suportar a fabricação e o comércio globais. Mesmo depois de um ano difícil, o começo de 2021 trazia ainda desdobramentos da falta de controle do Covid-19 e, no Brasil, em janeiro, a Ford fechou sua produção local de veículos, prometendo se tornar um importador. E foi seguida pela 3M, a Sony, a Mitutoyo, a LG celulares, a Mercedes-Benz – que também encerrou produção de modelos de luxo e de Iracemápolis/MG



Nº 263 | 2021

– e pela Audi, do grupo Volkswagen, que, apesar de não sair do país, suspendeu a produção de modelos em São José dos Pinhais e Taubaté. De fato, um estudo da CNC – Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, 5,5 mil fábricas encerraram suas atividades em 2020; antes da Covid-19, o Brasil já vinha sofrendo com a desindustrialização, pois, entre 2015 e 2020, foram extintas 36,6 mil fábricas. Dados da Abinee – Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica – mostram que o faturamento do setor cresceu 1%, em 2020, ante 2019, para R$ 173,4 bilhões, já descontada a inflação do setor; a produção de bens e serviços eletroeletrônicos, em 2020, teve queda de 2% na comparação anual, enquanto as importações cresceram até dois dígitos, em GTD. O setor eletroeletrônico foi um dos primeiros a sentir os efeitos da Pandemia, quando o problema ainda estava concentrado na China, em função da necessidade de importação de componentes eletroeletrônicos vindos daquele país. As empresas tiveram de se adaptar a essa realidade, em um primeiro momento, e depois, com a chegada do vírus no país, que ocasionou a paralisação do comércio, tivemos de adequar a produção em função das medidas de isolamento. Porém, esse cenário também re-

Controle & Instrumentação


Como a ISA se reinventou durante a Pandemia Em 2020, a International Society of Automation (ISA) estava vivendo um momento muito positivo, após termos registrado um superávit financeiro pela primeira vez, em uma década, o que nos permitiria investir, para oferecer mais valor para nossos membros. Ninguém podia prever o que a Pandemia nos traria em 2020. Toda crise sempre nos apresenta novos desafios, mas também sempre nos traz novas oportunidades. Antes da Pandemia, a maioria das atividades da ISA e suas seções regionais se baseavam em eventos e treinamentos presenciais, os quais tiveram de ser paralisados de forma abrupta, e tivemos de nos re-inventar e investir pesadamente, para migrar rapidamente para eventos e treinamentos virtuais. Os funcionários da ISA, com apoio de nossos membros voluntários, aceitaram o desafio, e alcançaram alguns resultados fantásticos. Hoje, temos um amplo calendário de eventos, conferências e treinamentos virtuais, que estão disponíveis para nossos membros em todo o mundo, e temos visto muitos membros que nunca tinham atendido eventos presenciais, devido à distância, que agora conseguem atender nossos eventos virtuais. Apesar de estarmos fisicamente longe uns dos outros, conseguimos aproximar-nos de muitos novos membros, através do contato virtual. No Brasil, também temos visto uma maior colabora-

Controle & Instrumentação

ção entre as seções, que têm organizado vários eventos e treinamentos àa distância, e que, devido ao modelo virtual, têm sido oferecidos aos membros de todas as seções brasileiras, ao invés dos tradicionais eventos regionais. Por outro lado, é muito difícil reproduzir virtualmente um dos principais benefícios de ser membro de uma associação profissional: o networking professional, que inclui aquele bate-papo com o colega durante o intervalo de um evento, ou a conversa no corredor. Por isso, esperamos que, em um futuro próximo, possamos voltar a nos encontrar. Imaginamos que o futuro será uma combinação de eventos presenciais e virtuais, e que o resultado dessa combinação nos permitirá alcançar mais pessoas, em todo o mundo. Estou confiante de que seremos capazes de nos adaptar e continuar a levar a ISA adiante, em sua visão de criar um mundo melhor por meio da automação. Isso não quer dizer que mudamos por mudar. Algumas coisas são imutáveis, como o compromisso da ISA em aumentar o valor dos membros, cultivar uma comunidade mais diversa e global, criar oportunidades para os membros melhorarem suas habilidades de liderança, e sermos o líder reconhecido em educação de automação e controle. Carlos Mandolesi President-elect Secretary

Nº 263 | 2021




Cover Page forçou a importância da indústria elétrica e eletrônica, no desenvolvimento de soluções tecnológicas que contribuíram em muito para outros segmentos continuarem sua atividade, desde a medicina, teletrabalho e ensino a distância. A Pandemia instalou uma coleção de interrupções em diversas cadeias de suprimentos e logísticas. Mais de um ano atrás, sabíamos que estávamos enfrentando convulsões na saúde, educação, e sistemas de trabalho. Ramificações, como a escassez de semicondutores, e seus impactos, era mais difícil de prever. A McKinsey examinou uma série de consequências inesperadas, e procurou maneiras de abordá-las. Especificamente, a escassez global de semicondutores ameaça recuperações econômicas, e representa um problema urgente para muitos setores que já anunciaram diminuição ou parada da produção como resultado. Especialistas da McKinsey pontuam que se devem considerar estratégias significativas, para impedir que esse cenário se repita.

Mesmo assim, os principais indicadores do setor eletroeletrônico encerraram o ano de 2020 próximos da estabilidade: em meados de março, a Pandemia chegou ao Brasil, causando impactos expressivos na atividade do setor, principalmente nos meses de abril e maio; a partir de junho, os principais indicadores da indústria eletroeletrônica começaram a sinalizar o início da recuperação da atividade, registrando resultados mais favoráveis, nos 3º e 4º trimestres do ano. Com isso, o faturamento atingiu R$ 173,2 bilhões no ano de 2020, apontando crescimento nominal de 13%, em relação ao realizado em 2019 (R$ 153,0 bilhões). Em termos reais, ou seja, descontando a inflação do setor, verificou-se queda de 1%, visto que o IPP – Índice de Preços ao Produtor do IBGE do setor eletroeletrônico – ficou em 14%, no ano. Essa retração modesta de 1% contou com a retomada da atividade iniciada a partir do 3º trimestre deste ano. Vale lembrar que, no final do 1º semestre de 2020, o faturamento do setor caiu 7%, em comparação com o mesmo período do ano anterior. A produção de bens do setor, em 2020, recuou 2,2%, em relação a 2019, com queda de 2,6% na área elétrica, e redução de 1,7% na eletrônica. Essa retração também foi menos expressiva do que a registrada no final do 1º semestre, que apon-



Nº 263 | 2021

tava recuo de 6%, no acumulado dos últimos 12 meses. Por sua vez, o número de empregados no setor aumentou, de 234,5 mil, em 2019, para 248,1 mil, no final de 2020, representando elevação de 6%, ou seja, incremento de 13,7 mil postos de trabalho. A Abinee destaca os produtos ligados à área de informática, notadamente os notebooks, que registraram expressivo crescimento, decorrente do home office e do ensino a distância: conforme os dados do IDC, o mercado de notebooks aumentou 22%, em 2020, comparado a 2019, atingindo 5 milhões de unidades. “Além dos equipamentos de informática, também tiveram grande demanda, a partir da Pandemia, produtos e soluções de automação, pois, há uma percepção de que a automação, além de eficiência, confere sustentabilidade aos negócios. Todos esses aspectos colocaram a automação na agenda de executivos de todos os portes. Na área farmacêutica, também houve procura por soluções de modernização, que terão impactos nos próximos anos, o mesmo ocorreu na automação predial, elétrica e industrial. A utilização de soluções foi potencializada de forma geral. Pode-se dizer que avançamos cerca de cinco ou dez anos, em processos de automação, durante 2020”, conta Humberto Barbato, presidente da Abinee, ressaltando que, apesar da cautela devida, as perspectivas continuam favoráveis. “Os empresários do setor esperam que a retomada da atividade permaneça, nos próximos meses. As empresas do setor eletroeletrônico permanecem atentas às ações de controle do coronavírus, à vacinação em massa, e às medidas do governo, para minimizar os efeitos da Pandemia. As expectativas para 2021 estão otimistas, com 82% das entrevistadas projetando crescimento, em comparação a 2020. Esse foi o maior percentual apontando na sondagem, em setembro do ano passado. Ainda para 2021, 17% esperam estabilidade, e apenas 1% está prevendo queda. Neste último caso, também, esse foi o menor percentual, desde setembro de 2020”.

Pesquisa sobre a adoção do trabalho remoto na indústria eletroeletrônica, devido à Pandemia de Covid-19 – 5 de novembro de 2020

Controle & Instrumentação


Constantino Seixas, diretor-executivo de Industry X, da Accenture, no Brasil, pontua que, pela primeira vez, houve uma perturbação comum ao ambiente de negócios, em todo o mundo, e as reações foram similares, no sentido de que a Covid se mostrou como um grande acelerador, em direção à modernização e ao conceito de future of the

work. Os projetos de robótica também foram priorizados, já que robôs não ficam doentes. Constantino acredita que os projetos de automação não sofreram descontinuidade, pelo contrário, todas as indústrias buscaram modernizar os sistemas de produção. Com o fim da Covid, muitos projetos represados, por necessitar de mais gente no campo, vão ser iniciados. Já se prevê uma falta de mão-deobra qualificada. A indústria de uma maneira geral ainda sofre muito com processo de IT e OT não integrados, excesso de informações manuais, isto é, que precisam ser digitadas nos diversos sistemas, e da falta de integração horizontal das ilhas de produção. Também existe pouca exploração dos dados acumulados, ao longo de anos, pelos historiadores. E a tecnologia deu um grande salto. A computação em nuvem resolveu o problema de necessidade de fazer um upgrade de infraestrutura a cada novo projeto, ou iniciativa, tendo de buscar investimentos CAPEX

Trabalhando como um corpo único Mauricio Garcia – Diretor de Marketing da Ascoval, concorda que o cenário de uma pandemia que ninguém conhecia, e que vinha assombrando várias outras nações, foi o maior receio de 2020 – o desconhecido. “Frente às perspectivas ruins, fixamos meta de crescimento ZERO para o ano. Nos primeiros dois meses, tivemos redução de negócios em ritmo menor que o esperado. Porém, conseguimos nos adaptar rapidamente ao modelo de home office, webinars e atendimento remoto. Tanto, que, já a partir de junho/2020, as vendas se recuperaram, e terminamos o ano acima das metas de antes da Pandemia, e com crescimento de dois dígitos – uma vitória da equipe! No Brasil, sempre tivemos uma atuação modesta no segmento médico, analítico e hospitalar – atuamos no controle de fluídos, temos produtos para controle de ar, vapor, fluidos criogênicos, entre outros, e devido à Pandemia, essa demanda cresceu muito, inclusive globalmente. O que fizemos foi ajustar nosso foco, e nos aproximar mais desse segmento. Clientes tradicionais, fornecedores de oxigênio hospitalar, fabricantes de esterilizadores, fabricantes de respiradores entre outros, tiveram toda atenção de nossos times. Criamos grupos de trabalho, para apoio nas áreas de Engenharia, Desenvolvimento e Produção, para atender as necessidades de nossos clientes. Isto tudo, não só ajudou nosso resultado, em 2020, mas também contribui no aspecto social, mantendo a cadeia de fornecimento de insumos essenciais operando. Desde 2019, tivemos importantes investimentos nas instalações de Barueri, com a reforma de toda área

Controle & Instrumentação

administrativa e do refeitório. Em 2020, inauguramos um novo centro de treinamento, duas semanas antes do primeiro ‘lock-down’, em São Paulo. Mas, acreditamos que o maior investimento que tivemos foi nos nossos colaboradores. Durante todo o período de Pandemia que enfrentamos, conseguimos manter os empregos, inclusive com a manutenção integral dos salários daqueles colaboradores que tiveram seus contratos de trabalho suspensos. O trabalho ‘home office’ foi implantado em sistema de rodízio. O time administrativo foi dividido em dois grupos A e B, se revezando semanalmente em ‘home-office’. Com os colaboradores de Operações, tivemos a divisão em três grupos A, B e C, onde um grupo por semana ficava em casa. Tudo isso, visando à diminuição da circulação no site. Além disso, para todos que necessitam transporte público, estamos reembolsando o uso de transporte por aplicativos. Além das linhas de produtos que foram agregadas a Ascoval (TopWorx e TESCOM), vamos reforçar nossa participação no segmento de pneumática e da linha de PLCs da GE (que na Emerson é chamada de MAS). Vamos oferecer um pacote completo de automação ao mercado, potencializado com nossa tecnologia digital, para divulgar o conceito da indústria 4.0. Sustentabilidade energética, respeito ao meio ambiente, redução de risco para as pessoas no trabalho, este é o nosso caminho. Seguimos o conceito OneEmerson globalmente, então, nossas ações estão sempre alinhadas com os objetivos corporativos.

Nº 263 | 2021




Cover Page que, às vezes, só aconteciam uma vez ao ano. Tudo isso emperrava o desenvolvimento. Com a nuvem, se pode crescer gradativamente, e pagar apenas pelo uso da infraestrutura. Isso economiza muito em pessoal, suporte e segurança de dados, e agiliza a implantação de projetos. O número de projetos de adequação de arquitetura para nuvem aumentou muito. A outra área em que houve um grande salto foi data analytics, nas suas diversas modalidades. Isso inclui, tanto as atividades de modelagem preditiva, no estilo digital twin, em que temos que prever a produção, a qualidade ou falhas em equipamentos (predictive maintenance), como os modelos para diagnóstico, que servem para analisarmos a causa raiz de um problema. Data analytics é parte fundamental do que chamamos de smart operations, a fase em que a operação deixa de depender de decisões pessoais de um operador ou chefe de turno, mas toma decisões otimizadas decididas pelo digital twin de toda a cadeia de produção. Hoje, conseguimos simular toda a cadeia de produção, e usamos otimizadores para o planejamento integrado de produção. Para atuar nesse novo mundo digital, será preciso realizar o upskilling das pessoas: elas terão de ser alfabetizadas nesse novo universo – não substituídas. O conhecimento técnico que os operadores de processo acumularam é precioso, e leva muito tempo para treinar novas pessoas, até que elas compreendam como os processos funcionam. Por outro lado, essas pessoas precisam aprender a trabalhar de forma integrada, buscando maximizar o ganho final, e não o apenas resultado de uma etapa do processo. Eles precisam ter uma compreensão mais holística de cadeia de produção, e também saber usar as ferramentas digitais para simular situações desafiadoras do seu dia-a-dia, e tomar decisões otimizadas. Em qualquer atividade humana, até para um jogador de xadrez, em que o talento pesa tanto, pode-se fazer melhor, quando trabalhamos assistidos por sistemas inteligentes. “A Covid-19 impôs muitas restrições ao trabalho presencial, mas fizemos isso com a eficiência de quem lança mão de experiência e tecnologia, no trabalho remoto. Para alguns clientes, contudo, a nova maneira de se trabalhar exigiu mais de seus recursos, como um todo. Nossos clientes perceberam que estar dentro da fábrica não era uma condição necessária para muitos dos trabalhadores. Hoje, podemos produzir muito bem, a partir de nosso escritório em casa. Ficou patente também que nem todo mundo dispõe de um espaço tranquilo para trabalhar no seu ambiente doméstico, e que precisamos de uma infraestrutura de rede de qualidade com todas as proteções de segurança, como temos no ambiente corporativo. Em 2020, as empresas se preocuparam em se organizar e definir um roadmap de transformação digital, antes de saírem fazendo PoCs que, depois, não convergiam para nada. Fizemos muitos planos estratégicos para diversos tipos de indústria. Os projetos de iROC – Inte-



Nº 263 | 2021

grated Remote Operations Centers – também se multiplicaram, para propiciar, aos operadores, trabalharem de forma remota e integrada, a partir de grandes centros urbanos. Isso elimina os riscos do ambiente industrial, e melhora a qualidade de vida dos operadores, além de ser um projeto inclusivo. O ambiente industrial implica em limitações para o trabalho das mulheres, que, muitas vezes, abrem mão da posição, porque não querem ter de ficar quatro ou cinco dias numa mina ou planta de tratamento de minério, longe da família. O iROC propicia poder voltar para casa todos os dias. Também nos possibilitou ter trabalhadores em cadeira de rodas, ou outras limitações, que dificultam grandes deslocamentos frequentes. O iROC traz um grande ganho de produtividade e redução de custos, e é um projeto âncora do plano de transformação digital”, conta o diretor da Accenture. Todo o setor ligado a turismo, hospitalidade, cruzeiros, bares e restaurantes, comércio convencional e mobilidade sofreu muito – viaja-se menos de avião, ônibus e trens. E o setor de construção civil está assistindo a um boom, porque agora os filhos precisam de um ambiente para suas aulas remotas, e os pais constroem seus escritórios em casa: o apartamento ficou pequeno. Muita gente está mudando para apartamentos maiores, ou para casas, em busca de espaço e lazer. Trabalhar em São Paulo, ou a 100km da capital, faz pouca diferença. A SPGlobal Platts fez um levantamento sobre como a Pandemia está tendo efeitos duradouros em sete setores corporativos latino-americanos.

Segundo a SPGlobal, a demanda de petróleo e gás se recuperou mais rapidamente, no Brasil e na Argentina – que atingiram níveis quase pré-pandêmicos no primeiro trimestre de 2021 (gráfico4) –, mas ainda é lenta, na Colômbia e no México. A produção de automóveis também está abaixo dos níveis pré-Pandemia, no México e Brasil, principais mercados latino-americanos: no México, os níveis de produção caíram 18% e, no Brasil, foi 14% menor (gráfico 5).

Controle & Instrumentação


O diretor da Accenture lembra que 2020 também foi o ano em que os aspectos de ESG – Environment, Society and Governance – tiveram um peso muito grande. Para algumas indústrias, como mineração, eu diria que foi um renascimento, uma compreensão de que os aspectos de sintonia com as comunidades e a busca de fontes de energia renováveis não eram apenas importantes, mas uma parte essencial do negócio, por meio da qual os investidores estavam avaliando os empreendimentos.

Wilson Brumer, presidente do Conselho Diretor do IBRAM, e Flávio Penido, diretor-presidente do Ibram O Ibram – Instituto Brasileiro de Mineração – divulgou que o setor de mineração registrou alta de 95% no faturamento, em relação ao primeiro trimestre de 2020, com a produção tendo aumento de 15%, na comparação com o mesmo período de 2020. Wilson Brumer, presidente do Conselho Diretor do Ibram, apontou três fatores para explicar o bom desempenho do setor, mesmo em meio à Pandemia de Covid19. “As principais razões desse aumento substancial no faturamento são o crescimento da China, a alta dos preços no mercado internacional, de uma maneira geral, e a desvalorização do real.”

Durante a divulgação do balanço do setor pelo Ibram, foram apresentados 92 projetos, que integram o portfólio das mineradoras, e devem receber aportes de cerca de US$ 38 bilhões, entre 2021-2025. Esses empreendimentos estão situados na área de influência regional de mais de 81 municípios, em vários estados, e vão contribuir para movimentar a economia no longo prazo, com promoção a negócios em extensas cadeias produtivas, geração de empregos e arrecadação tributária, entre outros benefícios socioeconômicos.

Controle & Instrumentação

Flávio Penido, diretor-presidente do Ibram, ressaltou que a mineração passa por um ciclo ascendente, tanto em seu desempenho, quanto na geração de benefícios para a nação, como um todo. “Quando a mineração está em um ciclo positivo, ela assegura insumos, e impulsiona negócios para milhares de empresas, de todos os portes, e de praticamente todos os segmentos, o que é extremamente positivo para a economia nacional. Os dados que divulgamos mostram que a sociedade deve enxergar a mineração como uma parceira para o desenvolvimento socioeconômico perene do país”, acrescentou. Apesar de o setor químico ter sido muito demandado desde o início, seu faturamento caiu. A Abiquim – Associação Brasileira da Indústria Química – e empresas associadas criaram comitês de crise, para gerenciar a situação, e os colaboradores, cuja função permitiria o trabalho remoto, passaram a adotar essa modalidade, o que diminuiu o número de colaboradores nas plantas industriais. Entre os associados da Abiquim, 95% adotaram o teletrabalho para os colaboradores das áreas administrativas da empresa. A indústria química é fornecedora estratégica e essencial de boa parte dos produtores de itens essenciais para os serviços de saúde, combate à proliferação de doenças e garantia do bem-estar da população. Álcool em gel, luvas e equipamentos de proteção individual, anestésico, gases medicinais, detergentes, desinfetantes, descartáveis em geral, equipamentos hospitalares, e produção e conservação de alimentos, entre tantos outros itens, são fabricados a partir de diferentes produtos químicos. Portanto, foi necessário dialogar com os governos federal, estadual e municipal, para garantir o deslocamento dos trabalhadores essenciais para o funcionamento das plantas industriais; o trânsito de cargas em rodovias, portos e aeroportos; bem como a flexibilização das legislações trabalhistas, para acomodar o ritmo de produção, e a Abiquim participa de todos os grupos de gestão de crise, que foi convidada a participar. O presidente-executivo da Abiquim, Ciro Marino, conta que a entidade atuou para que o setor químico fosse incluído na lista de setores essenciais e entre as ações realizadas, a Associação participou do desenvolvimento do posicionamento global do Conselho Internacional de Associações Químicas (International Council of Chemical Associations – ICCA) entregue, em abril de 2020, aos países

Nº 263 | 2021




Cover Page membros do G20, e pela Abiquim, à Presidência da República, Ministérios da Defesa, Infraestrutura, Economia e Casa Civil. A indústria química foi reconhecida como atividade essencial, por meio do Decreto nº 10.329, de 28 de abril de 2020. Em 2020, o faturamento do setor químico, medido em dólar, caiu 14%, na comparação com 2019. A indústria química encerrou o ano com um faturamento de US$ 101,7 bilhões, no Brasil, ou o equivalente a R$ 508,7 bilhões. O Brasil continua tendo a sexta maior indústria química do mundo, atrás de China, Estados Unidos, Japão, Alemanha e Coreia. A produção do setor teve elevação de 0,12%, as vendas internas subiram 1,71%, e a demanda, medida pelo consumo aparente nacional (CAN), resultado da soma da produção mais importação, excetuando-se as exportações, cresceu 10,9%. No entanto, preocupa o crescimento das importações, que, em volume, subiram 17,9%, na comparação com 2019, e os produtos importados passaram a ocupar 46% da demanda interna. Em 2006, as importações tinham peso de 21% sobre o volume de demanda interna e, no início da série, em 1990, de apenas 7%. Segundo a Abiquim, a projeção de investimento do setor, entre 2021 e 2024, é de US$ 1,5 bilhão, valor que deverá ser destinado à manutenção das plantas industriais já em operação no Brasil. Ciro Marino ressalta que o baixo nível de investimentos do setor no país não está ligado à Covid-19, mas à falta de competitividade das indústrias nacionais, em comparação com as concorrentes instaladas em outros países. O setor tinha a perspectiva de que, em 2021, fosse aprovada Lei do Gás, e isso ocorreu, no dia 8 de abril deste ano. A Lei 14.134 cria novo marco regulatório para a cadeia produtiva do gás, e oferece segurança jurídica para o programa Novo Mercado do Gás, lançado em 2019 pelo Ministério da Economia, que foi chamado pelo ministro Paulo Guedes de “choque de energia barata”, capaz de reduzir o preço do insumo em até 40%; o setor aguarda, agora, a edição dos decretos regulamentadores. Outra expectativa do setor é a manutenção do Regime Especial da Indústria Química – REIQ, revogado sem sobreaviso. Energia não pode faltar e, de fato, é um setor que vem puxando investimentos no mundo todo, já aproveitando para incentivar as renováveis, e acelerar a transição para um mundo net zero. Corroborando isso, levantamento da Absolar – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica – apontou que 2020 foi um ano de novos recordes para o setor solar fotovoltaico no Brasil. O segmento atraiu mais de R$ 13 bilhões em investimentos, em 2020, incluindo as grandes usinas e os sistemas de geração em telhados, fachadas e pequenos terrenos. O resultado representa um crescimento de 52%, em relação aos investimentos acumulados no País, desde 2012. De acordo com a entidade, os investimentos de



Nº 263 | 2021

2020 criaram mais de 86 mil novos empregos no Brasil, espalhados por todas as regiões do território nacional. Desde 2012, a fonte solar fotovoltaica já movimentou mais de R$ 38 bilhões, em negócios, e gerou mais de 224 mil postos de trabalho. Em 2020, as contratações cresceram 62%, em relação aos empregos acumulados no país, desde 2012. Em termos de capacidade de geração de energia elétrica limpa e renovável, o Brasil possui atualmente 7,5 gigawatts (GW) de potência operacional da fonte solar fotovoltaica, somando as usinas de grande porte (geração centralizada) com os pequenos e médios sistemas instalados em telhados, fachadas e terrenos (geração distribuída), o que representa mais da metade da potência instalada na usina hidrelétrica de Itaipu, a maior do Brasil e segunda maior do planeta. Segundo a Absolar, o país saltou de 4,6 GW, ao final de 2019, para 7,5 GW, ao final de 2020, crescimento de 64%, mesmo em meio a um ano desafiador de pandemia global. Em 2020, o mercado solar fotovoltaico proporcionou mais de R$ 3,9 bilhões, em arrecadação, aos cofres públicos, acréscimo de 52%, em relação ao total arrecadado no período, entre 2012 e 2019. Atualmente, as usinas solares de grande porte são a sétima maior fonte de geração do Brasil, com empreendimentos em operação em nove estados brasileiros, nas regiões Nordeste (Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte), Sudeste (Minas Gerais e São Paulo) e Centro-Oeste (Tocantins). Os investimentos acumulados deste segmento ultrapassam os R$ 15 bilhões. A fonte solar já representa uma potência instalada 32% maior do que a somatória de todas as termelétricas a carvão e usinas nucleares, que totaliza 5,6 GW. No segmento de geração distribuída, são 4,4 GW da fonte solar fotovoltaica, que representam R$ 20 bilhões em investimentos acumulados, desde 2012, espalhados pelas cinco regiões do Brasil. A tecnologia solar é utilizada atualmente em 99,9% de todas as conexões de geração distribuída no país, liderando com folga o segmento. E o Brasil possui mais de 350 mil sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, trazendo economia e sustentabilidade a cerca de 450 mil unidades consumidoras.

Controle & Instrumentação


Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da Absolar e Rodrigo Sauaia, CEO da entidade, apontam que a fonte solar fotovoltaica deverá gerar mais de 147 mil novos empregos aos brasileiros, em 2021, espalhados por todas as regiões do país. Segundo eles, os novos investimentos privados no setor poderão ultrapassar a cifra de R$ 22,6 bilhões, em 2021, somando os segmentos de geração distribuída (sistemas em telhados e fachadas de edifícios) e centralizada (grandes usinas solares). Pela análise da entidade,

serão adicionados mais de 4,9 gigawatts (GW) de potência instalada, somando as usinas de grande porte e os sistemas distribuídos em telhados, fachadas e pequenos terrenos. Isso representará um crescimento de mais de 68% sobre a capacidade instalada atual do país, hoje em 7,5 GW. As perspectivas para o setor são de chegar ao final de 2021 com um total acumulado de mais de 377 mil empregos no Brasil, desde 2012, distribuídos entre todos os elos produtivos. Apesar do caminho percorrido, o momento ainda é de otimismo cauteloso. Não existe um consenso sobre quando a sociedade voltará a normalidade. E, de acordo com o CEO Outlook Pulse Survey da KPMG, apenas 1/3 dos entrevistados estão otimistas com o que acontecerá em breve, com 32 % esperando um retorno à normalidade no final deste ano, enquanto 22 % acreditam nunca mais retornar ao curso normal dos negócios, pois, seus negócios e operações mudaram permanentemente. Ambos os lados têm pontos fortes em seu favor, já que muita coisa foi otimizada nesse ano de pandemia, e já existem

Infraestrutura e RH são pontos sensíveis

Para a Abinc – Associação Brasileira da Internet das Coisas –, a capacitação profissional continua sendo o principal desafio para todas as áreas que envolvem tecnologias e digitalização – estima-se que haja um déficit de 500 mil profissionais (vagas em aberto) no setor de TIC no Brasil. Um desafio em especial para IOT e IIOT é que, de acordo com pesquisa do Fórum Econômico Mundial, 75% dos projetos pilotos de IOT (em nível mundial) falham, por inúmeros motivos. O desafio está em aumentar essa taxa de sucesso. É nessa área que a Abinc pode atuar, divulgando melhores práticas e conhecimento, e casos de sucesso e de falha – para que os mesmos erros não se repitam.

2020 foi um ano especialmente desafiador, pois, muitos recursos que seriam destinados para inovação foram redirecionados para ações de combate à Pandemia – como verbas de subvenção de projetos piloto em IIOT do governo – ou para sobrevivência das empresas. E a situação fez com que ganhassem destaque, o monitoramento remoto de processos industriais – com a redução de pessoas nas fábricas –, a IOT, nas áreas de Saúde e Logística. Houve investimento em setores de gestão de facilities (escritórios), que buscaram soluções de automação de

Controle & Instrumentação

medição de temperatura corporal, contagem de pessoas, detecção automática de uso de máscara facial, sensoriamento de qualidade do ar, tecnologias que reduzem ou eliminam necessidade de contato, como, por exemplo, reconhecimento facial para controle de acesso em escritórios. E a Abinc acredita que o mais provável é que o modelo híbrido de trabalho prevaleça, depois da Pandemia, e destaca o gargalo da conectividade, essencial para IOT, mas uma deficiência da infraestrutura brasileira. A Pandemia impulsionou a digitalização de vários setores, que tiveram de correr atrás do atraso tecnológico, por uma questão de sobrevivência, no nosso cenário isolamento social. A noção da importância da digitalização e da adoção de tecnologias da chamada Industria 4.0 deve tornar-se permanente, e se acentuar em todos os setores da economia. As empresas perceberam que muitas atividades podem ser feitas de forma remota, e isso vai impulsionar tecnologias, como Gêmeos Digitais e Realidade Aumentada, principalmente em aplicações na indústria, com especialistas trabalhando de forma remota na operação e manutenção de processos e ativos industriais. Flávio Maeda – Vice Presidente da Abinc – Associação Brasileira da Internet das Coisas, e Mauricio Fionotti – Presidente do Comitê de Manufatura

Nº 263 | 2021




Cover Page

Novos produtos e boa carteira

Tivemos um ano desafiador, assim como as demais empresas, para adaptar os nossos processos, com o início da Pandemia. Com a impossibilidade de ações presenciais que eram de costume, e com a necessidade de estarmos quase todos em home office, tivemos de nos adequar, para que os processos internos não sofressem impactos, e os clientes não sentissem essa mudança. A Yokogawa teve de fazer alguns investimentos, em termos de infraestrutura de TI, por causa do aumento de acessos remotos, aumentando a quantidade de redes virtuais privadas (VPN), buscando melhoria de segurança, e garantindo o tráfego de informações. Presencialmente, apenas as atividades essenciais na empresa, como, por exemplo, produção, logística, testes de aceitação, todas seguindo os protocolos de segurança. Diariamente, são realizadas reuniões pelo grupo de gestão de crise, para monitoramento das atuais condições, e ajustes nas medidas de prevenção. E ainda não temos uma definição clara de como será o pós-Pandemia, mas buscaremos seguir no alinhamento com as definições de nossa matriz, no Japão. Não foi tão simples, porém, podemos dizer que conseguimos adaptar-nos com excelência, e essa adaptação foi refletida nos resultados financeiros da empresa, em 2020. Todos os funcionários tiveram de se esforçar para realizarem seus trabalhos de casa, muitas vezes, junto com seus familiares, e acredito que isso nos tenha fortalecido ainda mais como empresa, diante desses novos desafios que ainda estamos superando juntos. O resultado ficou acima de 2019, não apenas pelo esforço de todos para o atingimento dos resultados em 2020, mas também como reflexo do trabalho que já vinha sendo realizado, em anos anteriores. Sabemos que, quando se trata de projetos, o caminho a ser percorrido é longo até a sua conclusão, passando por diversas etapas, e esse trabalho todo refletiu em um ano que foi muito positivo para a Yokogawa, mesmo durante o período de Pandemia. Em 2020, passamos a comercializar o Sushi Sensor, um dispositivo wireless compacto, com funções integradas de sensoriamento e comunicação, destinado ao uso na monitoração de vibrações nos equipamentos, além de medir a temperatura superficial do mesmo; o LIMS, um Sistema de Gerenciamento de Informação Laboratorial, que suporta a padronização das operações de gerenciamento de qualidade; o Flowcam, um microscópio de fluxo, que captura imagens digitais de alta resolução de partículas suspensas em um meio líquido, e que



Nº 263 | 2021

faz parte da nova linha de Life Innovation da Yokogawa; o MSS – Managed Service Suite –, um serviço de suporte remoto para monitoramento de Sistemas de Controle (DCS e PLCS) e de Segurança (SIS), que permite também realizar atualizações de vacinas e patches dos ativos em tempo real, e o TDLS8000, espectrômetro de diodo laser sintonizável, para análise simultânea de CO/ CH4 e NH3/H2O. E os softwares e serviços que envolvem monitoramento e acesso remoto ganharam notoriedade durante a Pandemia, já que realmente essa demanda aumentou no mercado, pela impossibilidade de manutenções e serviços presenciais, como exemplo o MSS – Managed Service Suite –, que é capaz dar suporte aos sistemas de controle da Yokogawa e outros de mercado. Continuamos com grandes expectativas para 2021, baseados em uma carteira de pedidos bastante significativa, e investimentos em vários setores tradicionais nas áreas de atuação da Yokogawa. Particularmente, temos boas perspectivas de novos negócios, em virtude dos desenvolvimentos de produtos e soluções para o segmento de Life Innovation. Todas as nossas ações na América do Sul foram realizadas seguindo as orientações de nossa matriz no Japão. Temos um monitoramento constante, para que todos se mantenham alinhados, seguindo o mesmo padrão de qualidade para os processos, pensando no bem-estar e na segurança de clientes, fornecedores e funcionários. Marco Aurélio Gonçalves Figueira, Yokogawa

Controle & Instrumentação


Controle & Instrumentação

Nº 263 | 2021




Cover Page várias vacinas e testes para dar suporte ao crescente cansaço público com as restrições impostas, o surgimento de novas variantes, e o baixo desempenho global de taxas de vacinação. E, aqui, o mais correto é seguir o que foi reverberado no Fórum Econômico Mundial, em Davos, este ano: “ninguém está seguro, até que todos estejam seguros”. E todos significa todos, sem exceção. O que aumenta a ansiedade. Os resultados da pesquisa KPMG CEO Outlook Pulse Survey revelam que mais da metade (55%) dos líderes empresariais está preocupada com que nem todos os seus funcionários terão acesso a uma vacina, o que poderia colocar certos mercados e partes das operações das empresas e cadeias de abastecimento em desvantagem. E, ainda que recorrente, um passaporte de vacinação e testes está, mais para barreira não oficial, que solução, com novas e mais fortes cepas do vírus surgindo. E, se existem regiões declaradamente perigosas (entre elas o Brasil), não se pode afirmar, com certeza, que se podem criar ‘zonas seguras’, que se fun-

damentariam na cooperação e coordenação transfronteiriças, baseadas na confiança, no desempenho da vacinação, rapidez de resposta e transparência dos governos. O surgimento de novas variantes mostra que os piores cenários não podem ser excluídos, como novas ondas de infecção, levando os governos a oscilar entre impor e suspender medidas sanitárias ou – ainda pior – estabelecer uma meta de vírus-zero, com políticas de contenção rigorosas, seguidas por medidas sanitárias combinadas, com rastreamento e testes – o que imporia custos humanos e econômicos mais baixos de longo prazo, porém, ainda assim, bem improvável, onde houver espaços densamente povoados, ou economias muito integradas. E, ainda que não haja garantia de imunização, é bem provável que as restrições sejam duradouras nas fronteiras, com probabilidade de repetidos confinamentos, e consequentes efeitos sobre oferta e demanda – de produtos e serviços. Ou seja, no atual cenário de surtos recorrentes,

Crescimento baseado em tecnologia e nichos estratégicos Acreditamos que o desafio tenha sido o mesmo para todas as empresas: inicialmente, a incerteza do que seria 2020, diante de todas as restrições, da gravidade da situação, e do total despreparo de toda e qualquer autoridade governamental, não só no Brasil, em enfrentar uma pandemia. Com o passar do ano, as coisas se foram assentando, e o horizonte ficou mais definido, não que tenha melhorado, mas, pelo menos, podíamos planejar como agir diante da nova situação. E tivemos um crescimento sobre 2019, já que alguns dos segmentos estratégicos, para nós, não pararam, nem tiveram queda significativa, ao contrário, alguns cresceram nessa pandemia. Nossa matriz investiu muito na ampliação da produção, em novos edifícios e ampliação dos existentes, em máquinas e pessoal. Muito por conta do crescente aumento de pedidos. No final de 2019, lançamos o XPlanar – sistema de transporte com levitação magnética, com alta flexibilidade e manutenção mínima –, continuamos com novidades no TwinCAT, em PCs Industriais e sistemas de ES. O XTS – sistema mecatrônico de transporte – ganhou bastante destaque, aqui no Brasil, tendo aumentado as aplicações locais. E, com isso, todos os benefícios da tecnologia de controle no PC estão sendo cada vez mais percebidos pelo mercado de automação. Aqui no Brasil, nós suspendemos contratações, mas



Nº 263 | 2021

não houve redução no quadro de colaboradores. Nossa matriz, por sua vez, aumentou o quadro de pessoal, tanto de produção, como de desenvolvimento e marketing. A partir da última semana de março de 2020, praticamente, 80% do nosso pessoal foi deslocado para trabalho na modalidade Home-Office. Em agosto do ano passado, voltamos com algumas pessoas, mas, atualmente, estamos nessa relação de 80% em Home Office, e 20% em trabalho presencial. A verdade é que nós sempre soubemos que poderíamos adotar essa modalidade de Home-Office, mas faltava “um incentivo” para implementá-lo. Agora, mesmo quando essa pandemia finalizar, provavelmente, manteremos esse modelo atual. Em 2021, estamos crescendo, e acreditamos que vamos atingir a meta estabelecida para este ano, o que representará um crescimento de 25% sobre o ano passado, ainda que as regras de restrição impostas pela Pandemia afetem alguns dos nossos prazos de entrega. A Beckhoff sempre será uma empresa inovadora em tecnologia de automação. Isso nos garantirá um crescimento contínuo, pois, essas inovações trazem sempre como resultado máquinas melhores, e processos mais precisos, com redução dos custos com matéria prima e recursos. Marcos Giorjiani, Beckhoff

Controle & Instrumentação


o comportamento dos indivíduos vai mudar, mesmo fora de confinamento formal, o que leva à constatação de que um mundo pós-Covid, onde se possa ignorar o vírus e voltar ao modo como a vida era, não será mais possível. A Pandemia ensinou – ou deveria ter ensinado – a importância da saúde pública, dos órgãos reguladores e da liderança política, na coordenação da resposta. Ainda de acordo com o CEO Outlook, 76 % dos CEOs veem a direção do governo como o aceno que eles desejam para voltar ao ‘normal’; além disso, 61 % dos executivos globais dizem que precisarão ver uma implementação bem-

sucedida da vacina nos principais mercados, com mais de 50 % da população vacinada, antes de tomar qualquer medida para retornar aos escritórios. E, nessa demora, o trabalho híbrido vai ganhando espaço permanente nas estratégias corporativas. O diretor da Accenture pondera que as empresas adotarão um modelo híbrido para o trabalho, que inclui trabalho no site, no hub corporativo e em home office. Muitas pessoas ligadas à produção continuarão na fábrica, ou planta, e acreditamos que esse número se reduzirá, à medida que a automação avançar. “Para as atividades de

Desempenho melhor que a matriz O Diretor Geral da Fluke para a América Latina, Luiz Ribeiro, pontua que a Pandemia, que tomou proporções globais, foi de longe o maior desafio para a Fluke, não apenas na América Latina, mas em todo o mundo. E, se o resultado de 2020 do grupo foi abaixo ao de 2019 na América Latina, no Brasil, apresentou crescimento extraordinário de dois dígitos, com a busca incansável por inovações tecnológicas, e muitos lançamentos, com destaque para a câmera acústica ii-910. Nossos produtos tiveram como finalidade manter nosso mundo funcionando! Durante o início da Pandemia e lockdowns, houve momentos críticos, de falta de alguns produtos essenciais nas prateleiras de mercados e farmácias, por isso, as indústrias tiveram de encontrar soluções de aumentar produtividade, ou evitar paradas de equipamentos para manutenção, seja corretiva ou preventiva, e, portanto, nossos produtos e soluções se tornaram ainda mais imprescindíveis. Além dos novos produtos, investimos no desenvolvimento de pessoas – embora impactados pelo isolamento social e a restrição de visitas e viagens, isso foi resolvido em parte por treinamentos online, via plataforma corporativa mylearning, assim como eventos virtuais, usando MS Teams e ZOOM. Os investimentos em ativos na região da América Latina não foram representativos, pois, não temos manufatura local – e, em nossa matriz, esses investimentos foram irrelevantes –, porém, em pesquisa e desenvolvimento, os investimentos seguiram forte, tanto que, em 2021, estamos lançando diversos produtos, como Fluke 377/378FC , LinkIQ, dentre outros. Não podemos considerar que houve desinves-

Controle & Instrumentação

timento, mas reduzimos despesas discricionárias, e postergamos investimentos de capital, para poder equilibrar as contas e manter a saúde financeira da empresa. Nós adotamos, por um período curto, inferior a dois meses, a redução de jornada com redução salarial, por exemplo. Entramos em home office na Fluke, antes mesmo de ser declarado o lockdown, como orientação da matriz: a segurança de nossos associados esteve sempre em primeiro lugar. Durante grande parte da Pandemia, ficamos com 90%-95% dos associados em trabalho remoto, e por volta de 20%, onde há manufatura. Desde o 3º trimestre de 2020, temos uma rotatividade média de, no máximo, 25% de associados em nosso escritório. O trabalho remoto definitivamente chegou para ficar, estamos sim pensando num modelo, ainda não formatado, por que precisamos esperar que a CLT – Consolidação das Leis Trabalho – seja revisada, provendo flexibilidade, para não gerar riscos e exposições. Para 2021, temos expectativas de crescimento, em relação a 2019. Para a Fluke Brasil, mesmo tendo crescido dois dígitos em 2020, esperamos novamente mais dois dígitos de crescimento este ano – o que já é uma realidade, considerando os resultados realizados de janeiro a abril. A Fluke faz parte do grupo Fortive, e todas as empresa seguiram as diretrizes corporativas, muitas vezes mais restritivas e seguras que das legislações locais. Houve apoio mútuo, seja em ambiente virtual, centenas de reuniões exclusivas para falar de contramedidas de prevenção ao Covid, como também respaldo financeiro e distribuição de máscaras, álcool em gel e mantimentos, quando necessário.

Nº 263 | 2021




Cover Page

Gestão compartilhada, tecnologia e vigor trazem crescimento Ricardo Max Kowalski Argolo, Diretor Executivo da Nova Smar, conta que o maior desafio da empresa foi, sem dúvida, ajustar as operações durante o período da Pandemia, principalmente em 2020, quando ainda eram muitas as incertezas e, por isso, era preciso avaliar a situação diariamente. “Fomos agindo em conformidade com as leis sanitárias, com planejamento e monitoramento do cenário à nossa volta, de forma a fortalecermos o relacionamento de apoio mútuo com o mercado – isso foi crucial na preservação da saúde dos colaboradores, desde o início da Pandemia, investindo em estrutura para trabalho remoto, criando turnos de trabalho, afastando com remuneração os colaboradores com comorbidades, custeando despesas para uso do transporte individual, e com a intensa campanha para conscientização do uso de máscara, higienização das mãos, distanciamento social, dentro e fora da empresa, e a testagem para casos suspeitos. Estas ações resultaram no reconhecimento, por parte dos colaboradores, do esforço que a empresa colocou na garantia do bem-estar de todos. Os resultados da Nova Smar, em 2020, foram superiores ao ano de 2019, indicados pela demonstração financeira, que apurou o crescimento do Lucro Líquido em +96%, e do EBITDA, em +63%. No Brasil, as vendas cresceram 44%. O ano de 2020 foi conduzido com muito esforço pelo ineditismo da situação, por isso, realizávamos reuniões diárias com os nossos representantes, para avaliarmos o cenário, tomar juntos as decisões, e agir sempre proativamente. Esse tomar as ‘decisões juntos’, no caso da Nova Smar, é algo a se destacar, pois, ela é gerida pelos funcionários: numa decisão única, um juiz transferiu os ativos da antiga empresa para funcionários e ex-funcionários, como parte de pagamento de dívidas trabalhistas, com a exigência de que continuassem a tocar o negócio. E uma decisão foi realizar investimentos em estrutura e capital humanos, lançando em 2020 um portfólio de softwares de 64 bits, com recursos para atender à demanda da Indústria 4.0: a nova versão do supervisório ProcessView64; o historiador HistoryView; o indicador de eficiência KPIView; iIoTView, para aplicações em nuvem; AnalyticsView, para análise de dados; AssetView, para gestão inteligente de manutenção; AspectView, para a gestão do conhecimento; OrchestrationView, para aplicações em workflow; e Connectivity, para aplicações em conectividade. Estes softwares incorporam as mais recentes tecnologias digitais, tais como a realidade aumentada e a tecnologia responsiva, que permite o ajuste automático da visualização dos aplicativos, para qualquer tipo de



Nº 263 | 2021

interface (monitor, smartphone, tablet, etc.). “Percebemos que a Pandemia também está estimulando a Transformação Digital, ou Indústria 4.0. Acreditamos que os investimentos que virão na era pós-Pandemia levarão em conta requisitos que estão sendo pensados agora, em meio às dificuldades que a Covid gerou. E é nítido que as tecnologias digitais fazem parte desta solução, principalmente com o rápido crescimento do mercado de softwares, que já está começando a fazer a diferença, nas soluções para automação industrial”, comenta Argolo. A Nova Smar seguiu investindo na modernização do parque fabril e na infraestrutura de Tecnologia da Informação e Comunicação, este último com estímulo adicional vindo da Pandemia. Com a publicação da nova Lei de Informática, incrementou os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, com a incorporação de novas tecnologias, e também na modernização do nosso portfólio, fortalecendo, dessa forma, o core business da Nova Smar como empresa de tecnologia. Durante a Pandemia, a empresa seguiu as orientações sanitárias, mas apostou em avaliar, caso a caso, o local de trabalho para que o resultado final fosse positivo – o modelo híbrido deve prevalecer no período pós-Pandemia. A empresa espera crescer, ao longo de 2021, com maior intensidade no segundo semestre, quando deve acontecer a diminuição progressiva das restrições da Pandemia, momento no qual esperam que o mercado deva estar mais animado, para retornar gradualmente os investimentos que estão represados. “Mas, precisamos estar muito atentos ao câmbio, à forte elevação dos preços e à escassez de itens que estão afetando diretamente a cadeia de suprimentos, que poderão causar distúrbios no mercado no período pós-pandêmico. Para este e qualquer outro momento, a solução é se adaptar, inclusive pondo em prática algumas das lições aprendidas neste período delicado que estamos todos vivenciando”, pontua Argolo. A Nova Smar não tem filiais, mas conta com uma vasta rede de representantes espalhados por todos os continentes, e que nos tem reportado as mesmas dificuldades causadas nos mercados que atuam devido à Pandemia. Então, a empresa intensificou as ações junto aos representantes como facilitadores, e estimulou para que continuassem a buscar e realizar negócios, ainda que escassos, preservando o vigor para o momento da retomada e, ao que parece, teve êxito nesta estratégia, pois, nos últimos meses, as vendas voltaram a crescer em grande parte dos mercados e, apesar da Pandemia, a empresa atraiu novos representantes, que já estão realizando negócios com os produtos da marca SMAR.

Controle & Instrumentação


escritório, acredito que haverá uma grande migração para home office, e que as pessoas comparecerão ao prédio da empresa apenas em regime de agendamento, para reuniões específicas com clientes, ou com a própria equipe. E há atividades em que o modelo remoto não funcionou bem, na minha avaliação pessoal. Eu me refiro às conferências, simpósios e outros encontros técnicos. Além de participar como palestrante, eu sempre assistia às demais palestras, e realizava o networking com clientes e especialistas. Eu também visito os estandes, em busca de novidades. Eu participei de um congresso, recentemente, em modo remoto. Só consegui entrar na hora da minha mesa redonda, e depois não consegui acompanhar mais nada, já que as tarefas do dia ganharam importância em relação às outras atividades do evento. Espero que os eventos voltem a ser presenciais”, diz Constantino, ecoando a experiência e expectativa de muitos. O IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada já mostrava, em março, que o desempenho dos indicadores de atividade apontava para uma acomodação no ritmo de crescimento da economia, no primeiro trimestre de 2021. Embora os efeitos do recrudescimento da Pandemia afetem a economia de maneira ampla, as pesquisas setoriais do IBGE já sugeriam algumas particularidades, em relação ao seu desempenho: a produção industrial, medida na PIM-PF, registrava alta de 0,4%, em janeiro, na série com ajuste sazonal, atingindo um patamar 3,7% superior ao observado em fevereiro de 2020, período imediatamente anterior ao início da crise sanitária. Nas comparações com os mesmos períodos de 2020, enquanto março registrou uma expansão de 27%, o primeiro trimestre apresentou alta de 17%. Os resultados voltaram a ser afetados pelas operações envolvendo importações de plataformas de petróleo, ainda sujeitas, em parte, às mudanças no regime aduaneiro Repetro. No acumulado em doze meses, os investimentos apresentaram crescimento de 2%. O Instituto divulga análises mensalmente – vale a pena mantê-lo no radar. Uma pesquisa da McKinsey, de abril de 2020, com 29.000 entrevistados em 24 países, descobriu que, embora a Pandemia tenha impulsionado a adoção de canais digitais, esse crescimento se estabilizou nos últimos seis meses, e pode cair, conforme o vírus retroceda. Então, a Pandemia ressaltou a necessidade de ter várias ferramentas que melhorem a tomada de decisão em uma crise. Uma dessas ferramentas é um modelo de previsão que use técnicas econométricas e dados contemporâneos, para fornecer uma visão oportuna dos indicadores econômicos. Decidir quando a crise se transformará em recuperação é o mesmo que gerenciar para o presente e para o futuro, sabendo de antemão que é preciso se preparar para prevenir outra Pandemia – o que, já se sabe, custaria US$ 5/pessoa, ou cerca de US$ 357 bilhões na próxima década, em preparações. Em um mundo que ainda não se havia recuperado totalmente da crise de 2008, e um Brasil que ainda sofria

Controle & Instrumentação

com a crise de 2015, mesmo que a maioria das empresas se adapte e sobreviva, as restrições duradouras à atividade econômica resultarão em danos significativos, e parte do custo deve ser repassado para as finanças públicas. Constantino conta que 2021 começou com forte demanda por parte do mercado, em todo o mundo. Grande número de empresas busca se alinhar à agenda digital. Na área de varejo, ficou muito clara a diferença de ser capaz de continuar vendendo com as lojas físicas fechadas. Quem estava preparado para vender e realizar a logística da entrega foi menos afetado que as empresas tradicionais. “Não creio que haverá horizonte para as empresas não digitais, para a maior parte das atividades. Vamos dar continuidade a vários novos assuntos: digital twins para simulação e análise what-if; digital worker para aumentar a segurança do trabalhador, e habilitá-lo digitalmente para realizar melhor suas tarefas; image analytics para segurança, controle de qualidade, análise de corrosão, e inspeções de campo, agricultura e mineração de precisão; IIoT para captura de dados de baixo custo, domótica e smart cities; operação autônoma de equipamentos, incluindo caminhões de minas, perfuradoras, empilhadeiras, recuperadoras de minério e veículos de passeio, novos centros de operação inteligentes, gerenciamento preditivo de ativos, robótica, etc. Espero que 2021 seja o último ano de Pandemia, mas acredito que o mundo sairá mais equilibrado dessa terrível experiência. Aprendemos que, hoje, as perturbações têm um efeito global, e que esse efeito pode ser catastrófico. Daí surgiram as preocupações com o uso de energias renováveis, em reduzir a pegada de carbono, em economizar água e energia, em diminuir efluentes e emissões para a atmosfera, em monitorar tudo o que pode trazer impacto para o meio ambiente. Já estamos vendo muitas iniciativas, em busca de um novo mundo mais sustentável. A mineração começa a usar o hidrogênio verde e eletricidade para substituir o diesel nos veículos de mina, o carvão passa a ser substituído na geração de calor. Somos sobreviventes de uma pandemia, e saímos mais sábios desse processo. Trabalhar em casa foi uma boa lição aprendida. Isso é possível e é saudável. Ainda temos de aprender a controlar quantas horas passamos sentados em frente a um computador. Temos de adequar nossa carga de trabalho, pois, acabamos trabalhando mais e sem controle do que é tempo privado e tempo disponível para nossa vida profissional”, acrescenta Constantino. A tão esperada exuberante fase pós-Pandemia, que se aproveitaria da demanda reprimida, se torna menos provável, se não houver uma fase pós bem definida, por que as pessoas podem continuar a economizar como precaução, mostrando que existem efeitos duradouros a partir de choques temporários. Ou seja, ninguém sabe ao certo. Não há bola de cristal, e cada organização precisa aguçar sua sensibilidade aos sinais dos mercados, para responder rapidamente.

Nº 263 | 2021




Cover Page

Saneamento ganha destaque e marco regulatório O presidente da AESBE – Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento – e presidente da Cagepa – Companhia de Água e Esgotos da Paraíba, Marcus Vinícius Fernandes Neves, conta que o setor teve muitas situações que impactaram seu resultado. “Sofremos, como todos os setores, com maiores cobranças, talvez por ganharmos mais visibilidade nacional com a Pandemia, destacando a importância da manutenção dos serviços de saneamento, por estar associado diretamente à higiene das mãos e ambientes. E, internamente, precisamos incrementar procedimentos que já tínhamos, além de implantar novos, com maior atenção à higienização e proteção dos funcionários e equipamentos. Também tivemos desafios de fornecimento de insumos, necessários, não apenas à manutenção dos sistemas – como produtos químicos –, como também rearranjos nos produtos derivados de PVC e readequação de contratos. Tivemos redução da receita com aumento de inadimplência; redução de usuários comerciais, que fecharam por conta do cenário de Pandemia; em alguns pontos, o consumo residencial aumentou em até 7% – caso de cidades dormitório, que começaram a ter uma população menos flutuante, graças ao home office – e tivemos, por questões sociais, isenções de corte. Por outro lado, cresceu o uso da tecnologia, o acesso remoto, o aumento de automação, etc. Como o setor de saneamento começa na prospecção do projeto, e vai até a entrega da obra e sua manutenção, além do trabalho corporativo, não tivemos uma regra sobre o trabalho remoto – o setor jurídico de quase todas as empresas pode ser remanejado –, mas não há discussão sobre como isso vai ficar, pois, cada empresa precisa se adequar à realidade de seus locais de atuação, e mesmo por função. A Aesbe, como representante do setor, com sede em Brasília, teve restrições de encontros presenciais com seus membros, e ainda com os órgãos públicos, em que apresenta e defende o setor. Perdemos para a Pandemia nosso secretário executivo, Dr. Ubiratan Pereira, que liderava as discussões sobre o marco legal, as leis e regulamentações. Também usamos a tecnologia, para manter as discussões, mas muito fica perdido, na



Nº 263 | 2021

falta de um contato mais próximo. Esse distanciamento também se refletiu na redução de viagens e intercâmbios – que pode ser visto como um desinvestimento, mas é apenas uma impossibilidade momentânea. E, dessa forma, a Aesbe e seus associados têm feito muito virtualmente, além de continuar o trabalho em campo: o setor não pára, e a Cagepa, por exemplo, tem investido em estações de tratamento no semiárido nordestino, com tecnologias, como uso de membranas para melhoria da qualidade da água; a Sanepar também tem trabalhado muito em energias renováveis; a Sabesp vem destacando-se na transferência de dados, enfim, o setor esteve vivo e ativo por todo esse período, e assim continuará. Como o setor teve de se reinventar, os investimentos em automação ganharam destaque, não só por conta da Pandemia, mas também porque o setor está se modernizando e se acomodando a novas regras. Várias empresas de saneamento aceleraram seus projetos. Aqui na Cagepa, por exemplo, estamos investindo na implantação do centro de controle operacional de João Pessoa/PR, com recursos do Banco Mundial, incluindo o controle de perdas e telemetria, BI para aprimorar a gestão da informação. Essa modernização é um processo que não tem mais volta. Para 2021, a gente espera que todos estejam vacinados, para enfrentar a nova realidade do mundo, que alguns chamam de novo normal, um normal diferente. A gente aprendeu muito nessa Pandemia e, para enfrentar esse mundo pós-covid, além de vacina, o setor espera que o saneamento se mantenha na pauta do país, que consigamos desenhar os melhores modelos regulatórios com a ANA, para que a gente tenha a segurança jurídica necessária, que exista um bom rearranjo do setor, a boa regionalização – os estados têm até o dia 15 de julho, para realizar, sob pena de o judicio fazer em forma de bloco –, são muitos desafios, ainda que devem se estender até 2022. Então, esse novo olhar do saneamento, envolvendo o setor privado, os investidores, as companhias de saneamento, enfim, tendem a deixar o setor mais eficiente, apesar dos novos cenários desafiadores e instigantes – que trazem um mar de oportunidades.

Controle & Instrumentação


Suporte à transformação Andrea Macera, assessora especial da Presidência da ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial –, conta que, no início de 2020, e, portanto, antes da Pandemia, a ABDI estava em um processo de reposicionamento de sua carteira de projetos. Dessa forma, houve um grande empenho, para conciliar a nova agenda com a necessidade, imposta pela crise sanitária, de somar o trabalho da Agência aos esforços de todo o país, de combate aos problemas causados pelo coronavírus. Paralelamente ao lançamento da sua nova carteira de projetos, a ABDI desenvolveu ações exclusivamente voltadas para o cenário de crise da Pandemia. Entre outras ações, destacamos o Edital de Inovação para a Indústria, na categoria Missão contra Covid-19, em parceria com Senai e Embrapii, além da criação das plataformas EPIMatch e Respir@. Nesse sentido, consideramos que o grande desafio da ABDI foi entender o que o país precisava, quais eram as necessidades do setor produtivo, como nós poderíamos contribuir para sair do cenário de crise, e ajudar a estimular o empreendedorismo nacional. Existem diferentes variáveis, que permitem avaliar os resultados. Em termos de execução orçamentária em projetos finalísticos, os resultados superaram a média dos últimos anos. A carteira de projetos, por sua vez, mostrou estar em total sintonia com a maior necessidade enfrentada hoje pelo setor produtivo e pelo país como um todo: a transformação digital. São projetos robustos – em parceria com importantes instituições do ecossistema de inovação – voltados para o setor produtivo. Vale lembrar que, em 2020, a ABDI consolidou seu reposicionamento estratégico, voltando sua atuação para o aumento da maturidade digital do setor produtivo brasileiro. Os objetivos estratégicos, de promover um ambiente propício para esse aumento de maturidade, e ampliar a adoção e difusão de novas metodologias e novos modelos de negócios, mostraram-se acertados. As ações de restrição à circulação de pessoas e de funcionamento de negócios forçaram as empresas a adotarem novos formatos de trabalho e de interação com seus clientes, funcionários e fornecedores, precipitando e acelerando a transição para uma economia digital. Portanto, a transformação digital foi, sem sombra de dúvidas, o fenômeno que ganhou maior destaque na Pandemia. Todos os projetos lançados em 2020 têm, como pre-

Controle & Instrumentação

missa básica, a transformação digital, entendida como um processo que permite criar valor, por meio de tecnologias digitais. Os projetos da ABDI têm como beneficiários, além de empresas de diferentes portes, segmentos, e em diferentes estágios de maturidade digital, governos, visto que atua também na melhoria da infraestrutura tecnológica de municípios brasileiros. Investimos em projetos que atuam na redução da desigualdade digital do setor produtivo, bem como em pilotos, que possam testar as tecnologias mais avançadas em ambientes controlados, para depois serem escalados. Além disso, atuamos em testes de uso da tecnologia 5G, também em ambiente industrial, do agronegócio e nas cidades. A ABDI seguiu as regras do distanciamento social, e implantou o sistema de teletrabalho, de forma a manter seus colaboradores em segurança. Mas, a prestação de serviços não foi prejudicada. Em 2020, foi implantada a Estratégia de Transformação Digital da ABDI, cujo objetivo era garantir a eficiência de seus processos, e reposicionar a marca ABDI à luz da sua nova missão e objetivos estratégicos. O Índice de Maturidade Digital da ABDI passou, de 29%, para 61%, garantindo a eficiência dos processos e a qualidade dos serviços prestados. Esperamos, principalmente, que a vacinação assegure um clima de maior tranquilidade, saúde e bem-estar para a população brasileira. E que esse cenário possa criar um ambiente seguro para a retomada da economia. A ABDI seguirá contribuindo com ações, projetos e programas, voltados à transformação digital do setor produtivo e do país. Embora o Brasil se tenha posicionado com sucesso na fronteira de inovação em alguns setores, como agricultura, aviação e petróleo, estudos mostram que as atividades de inovação ainda não resultaram em ganhos de produtividade, aumento de competitividade, ou uma presença mais forte nas cadeias globais de valor. Por este motivo, a ABDI entende que a transformação digital pode oferecer novos caminhos. É preciso garantir que a transformação digital seja inclusiva, e evitar que o novo normal amplie ainda mais as desigualdades econômicas e sociais do país. Deve-se garantir que os avanços tecnológicos estejam integrados à formação do capital humano. Os investimentos em transformação digital, impulsionados por uma resposta à Pandemia, devem definir um caminho para a aceleração do país, que vai além da recuperação econômica. Muito está sendo feito, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido.

Nº 263 | 2021




Teste de 5G para Indústria 4.0 em ambiente real de produção

A Claro fechou parcerias com clientes corporativos e com empresas do ecossistema de inovação aberta, para demonstrar as potencialidades da tecnologia 5G para a Indústria 4.0, e colaborar na criação de novas soluções e produtos. Dentro desta filosofia, a operadora participa do “Open Lab WEG/V2COM”, instalando uma rede 5G em uma fábrica da WEG, com alto nível de automação em Jaraguá do Sul/SC, em ambiente real de produção. O projeto conta com a participação do BeOn, hub de inovação da Claro, e colaboração da Ericsson e da Qualcomm. O “Open Lab WEG/V2COM” é primeiro projeto-piloto viabilizado pelo Acordo de Cooperação Técnica assinado entre a ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial –, e a Anatel – Agência Nacional de Telecomunicações –, com o objetivo de testar a aplicação da tecnologia 5G em redes privativas para uso industrial. “Somos a operadora que implementará a rede 5G na WEG e liderará o esforço, juntamente com a Ericsson e a Qualcomm, para o desenvolvimento de provas de conceito, pioneiras no país. Estamos fortemente comprometidos com a transformação digital e queremos construir, juntamente com nossos parceiros, as oportunidades para entregar, não só a conectividade, mas múltiplas soluções de IoT e uma melhor experiência da rede. Entre as aplicações IoT que serão testadas neste projeto, estão leitura e monitoramento de sensores, acionamento remoto de dispositivos, baseado na informação dos sensores, aplicações multimídia, controle de robôs e máquinas de forma remota, entre outras. Este projeto reforça a colaboração, de longa data, entre a Claro e a indústria. Por meio da Embratel, a Claro é um líder no segmento empresarial e corporativo no Brasil”, diz o diretor de IoT da Claro, Eduardo Polidoro. Um dos objetivos da parceria é avaliar o desempenho de aplicações IoT, utilizando a tecnologia 5G, principalmente a conexão de dispositivos com a rede celular de 5ª geração, avaliando o throughput (velocidade de dados) e latência mais adequados a cada caso de uso. Será feita também a validação da faixa de frequência sub-6 (3.5 GHz), além de testes de integração e interoperabilidade. As redes 5G irão expandir o mercado celular no segmento IoT industrial, fornecendo novos recursos, como alta confiabilidade, e soluções de rede orientadas às necessidades do



Nº 263 | 2021

negócio. As redes LTE disponíveis atualmente já podem servir a muitos casos de uso, ao mesmo tempo que apresentam um roadmap para 5G, que trará funcionalidades adicionais e otimizações para a Indústria 4.0. Os testes demonstrarão o potencial das redes 5G implementadas e gerenciadas por uma operadora celular, disponibilizando dados para futuros novos modelos de negócios, como “Rede 5G como Serviço”, permitindo às empresas minimizar riscos e custos de implantação da tecnologia em plantas industriais e outros cenários. As operadoras podem aproveitar o espectro licenciado, dedicando uma parte às indústrias em áreas onde o espectro não é totalmente utilizado, e aproveitando a experiência na implantação e operação de redes móveis. A WEG também utilizará produtos WEG/V2COM desenvolvidos para conectividade em 5G industrial neste projeto. “Termos a possibilidade de testar em ambiente real de produção uma rede 5G dedicada e privativa operada por um especialista como a Claro nos coloca em posição privilegiada, para levarmos soluções de negócio ao mercado de forma mais rápida e mais conveniente”, explica Guilherme Spina, Diretor da V2Com, empresa do Grupo WEG. Será utilizado o espectro de frequências abaixo de 6GHz (sub-6), em 3,5GHz, por meio de uma licença de uso científico concedida à Claro pela Anatel. Os testes seguirão as definições do 3GPP (Third Generation Partnership Project), organização internacional responsável por certificar novas tecnologias celulares. A infraestrutura 5G será disponibilizada e implementada pela Ericsson. “O 5G é a plataforma de inovação mais importante da próxima década, impulsionando a digitalização de toda a sociedade, e consolidando a quarta revolução industrial. De acordo com o Global Innovation Index de 2020, os dez países mais bem posicionados no ranking de inovação são também os dez maiores em adoção da tecnologia 5G, ou seja, a quinta geração de tecnologia móvel será fundamental para aumentar a competitividade da indústria brasileira, melhorar a eficiência das empresas, e possibilitar o surgimento de novos serviços da economia digital”, diz Tiago Machado, vice-presidente de Negócios da Ericsson Brasil. Os dispositivos protótipos e módulos 5G utilizados serão baseados na plataforma Qualcomm 5G de 2ª geração, da Qualcomm Technologies, o Qualcomm Snapdragon X55 5G Modem-RF System – um sistema abrangente, e solução de modem a antena totalmente integrada, que suporta virtualmente qualquer combinação de bandas e operação 5G, projetado para otimizar o desenvolvimento de várias catego-

Controle & Instrumentação


rias de produtos de banda larga móvel, incluindo soluções industriais. A Qualcomm Technologies também pode contribuir com o projeto, fornecendo ferramentas (dispositivos de teste), recursos de engenharia para testes, coleta de dados e análise de protocolo, calibração de RF do dispositivo, e testes pré-Anatel, para apoiar a homologação e implementações futuras. “Temos o orgulho de colaborar com a Claro, Ericsson e WEG/V2COM, neste marco significativo para o Brasil, que é a implantação de uma rede 5G em uma planta industrial. A IoT na indústria está passando por uma grande transformação, o que permitirá benefícios, como manufatura flexível, manutenção preditiva e maior eficiência em geral. A conexão 5G condu-

zirá essa transformação, também conhecida como ‘fábrica do futuro’, ou Indústria 4.0, para o próximo nível. E a Qualcomm Technologies se orgulha em fazer parte disso, impulsionando a IoT e o 5G por meio de tecnologia, padronização e desenvolvimento de produtos. Fomos pioneiros nos testes de redes LTE para IoT industrial, e seguimos colaborando com muitas empresas, hoje, preparando o terreno para a transição ao 5G”, afirma Fiore Mangone, Diretor Sênior de Desenvolvimento de Negócios da Qualcomm Serviços de Telecomunicações Ltda para a América Latina.

Centro de excelência em computação quântica no Brasil A Atos, em parceria com o Senai Cimatec, lançou o primeiro centro de excelência em computação quântica dedicado ao setor empresarial do Brasil. Localizado em Salvador, na Bahia, o Latin America Quantum Computer Center (LAQCC) fomenta a divulgação dessa tecnologia no país, impulsiona a capacitação de mãode-obra, e incentiva pesquisas científicas, nas mais diversas áreas, como química e biologia. O LAQCC será capaz de realizar estudos de impacto, roadmaps tecnológicos, investigações de algoritmos, e projetos de pesquisa aplicada. "O lançamento do Latin America Quantum Computer Center é resultado de uma sólida relação de confiança entre a Atos e o Senai Cimatec, e o compromisso com o avanço científico do país. Juntos, ajudamos a posicionar o Brasil como uma das nações com poder em supercomputação. Agora, demos um passo importante para impulsionar a computação quântica no mercado brasileiro", comenta Nelson Campelo, CEO da Atos na América do Sul. “O Senai Cimatec será a primeira instituição voltada para Quantum Computing Technology (QCT) na Bahia, e uma das poucas em âmbito nacional. Com a parceria da Atos, estamos nos lançando como um novo player no desenvolvimento científico e tecnológico do disruptivo ramo da Computação Quântica", afirma o diretor de Tecnologia e Inovação do Senai Cimatec, Leone Peter Andrade. A aplicação da computação quântica está sendo cada vez mais requisitada, e, com soluções nesse sentido, pesquisas dos mais diversos segmentos serão aceleradas, e se tornarão mais assertivas. E esse avanço é possível por conta da integração entre tecnologia quântica e os supercomputadores, máquinas de alto desempenho (High Performance Computing, HPC). Com velocidade de processamento e capacidade de me-

Controle & Instrumentação

mória milhares de vezes superiores aos computadores comerciais, os supercomputadores são capazes de efetuar cálculos complexos, e tarefas extensas e intensivas. Nesse sentido, o avanço dessa tecnologia, juntamente com a computação quântica, beneficiará áreas que lidam com grande volume de dados, como medicina, meteorologia, geologia, física e óleo e gás. A demanda por maior desempenho tem atingido os limites da TI convencional, e a computação quântica processa informações em bits quânticos, ou seja, os qubits, que permitem processar dados de forma paralela muito mais rápido do que a computação convencional. A expectativa do Senai Cimatec é que, em um período de até cinco anos, essas soluções se tornem mais acessíveis e, com isso, desempenhem um papel maior nas indústrias, sendo fundamental já estar preparado para essa disrupção.

Nesse contexto, a Atos e o Senai Cimatec anunciaram o lançamento do Quantum Learning Machine (QLM), o simulador mais potente do Brasil, que permite a criação de algoritmos quânticos de grande capacidade, agnóstico às implementações reais, que será utilizado pelo Cimatec no desenvolvimento de pesquisas. O simulador foi batizado de Cimatec Kuatomu e, com ele, pesquisadores e cientistas terão acesso à tecnologia.

Nº 263 | 2021




Plataforma para a inteligência artificial

A Evonik ampliou sua cooperação com a IBM no campo da digitalização, estendendo sua parceria estratégica, antes do previsto, até 2025, e também será envolvida no programa de pesquisa e desenvolvimento de inteligência artificial no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), o que faz dela a primeira empresa química a participar do MIT-IBM Watson AI Lab. Nessa interação, especialistas acadêmicos e da indústria investigam os usos e efeitos potenciais da inteligência artificial. “Trabalhar na inteligência artificial também representa um teste decisivo para o potencial desempenho dos sistemas digitais: por exemplo, estamos investigando como tomar decisões pode ser melhor, mais sistemático e mais rápido, com a ajuda dos algoritmos. O trabalho conjunto ajudou a avançar a transformação digital de uma maneira direcionada. A Evonik se vê como pioneira em digitalização dentro da indústria química. Nossa parceria com a IBM e nosso novo compromisso com o MIT-IBM Watson AI Lab reforça ainda mais essa afirmação. Mentes brilhantes das áreas científica e empresarial trabalham juntos, em prol do progresso digital. Estamos entusiasmados com a nossa participação nessa iniciativa,” diz Henrik Hahn, Chief Digital Officer (CDO) na Evonik. Como parte da parceria, Evonik e IBM já investigaram, em projetos piloto, novas possibilidades de criar uma inteligência colaborativa entre humanos e máquinas. Os especialistas já não precisam buscar informações valiosas, como se procurassem uma agulha num palheiro; em vez disso, décadas de conhecimento hoje são fáceis de acessar e analisar de maneira intuitiva, e se podem estabelecer novas conexões entre dados. O químico pode explorar intuitivamente, e comparar formulações e suas propriedades relacionadas, para desenvolver ideias para novos produtos. Evonik e IBM também conseguiram construir uma Inteligência Artificial, que vai acelerar ainda mais a pesquisa por novos materiais: uma Deep Neural Network foi desenvolvida e treinada para prognosticar propriedades, ou novas formulações, para polímeros de alta performance. Esses prognósticos ajudam os pesquisadores como uma bússola, apontando para direções promissoras para novos produtos e soluções customizadas.



Nº 263 | 2021

Unificando dados para aumento da produtividade A Validity anunciou sua nova solução GridBuddy Cloud para Microsoft Dynamics 365, que torna mais rápido e intuitivo atualizar e navegar pelos dados no Dynamics 365, inserindo campos de várias tabelas, e até mesmo ambientes diversos de CRM, em um espaço de trabalho editável no estilo excel. O GridBuddy Cloud oferece a experiência que usuários assíduos do Dynamics 365, que dependem de informações de CRM, geralmente espalhadas em várias tabelas ou ambientes, estavam esperando. Com ela, não é preciso abrir várias guias do navegador para acessar informações de conta, contato e oportunidade, ao mesmo tempo. Em vez disso, é possível utilizar uma única tela pré-configurada ou personalizada, que permite a visualização exclusiva dos campos de interesse e de maneira editável. Com esse recurso, o GridBuddy Cloud muda a forma como os usuários interagem com seus dados, resultando em um aumento substancial em produtividade e qualidade dos dados. “Desde que introduzimos a oferta do GridBuddy Cloud, nosso objetivo sempre foi o de fornecer às empresas, com vários CRMs, a capacidade de trabalhar com suas fontes de dados em um local editável, e facilmente acionável”, disse Mark Briggs, presidente e CEO da Validity. Com essa nova plataforma, as empresas permitem que os usuários capturem, rapidamente, as informações das interações com os clientes, agilizem suas responsabilidades do diaa-dia, e alimentem seu CRM com dados precisos e adequados. Para empresas que contam com o Dynamics 365, GridBuddy Cloud simplifica a navegação dos dados com uma experiência de usuário mais intuitiva, tornando mais fácil conectar-se e atender aos clientes, enquanto fornece dados críticos necessários para o planejamento estratégico.

Controle & Instrumentação


Cast C&I_263 - 01 O cartão EL5072 EtherCAT, da Beckhoff, permite a conexão direta de até dois sensores indutivos de deslocamento, incluindo transdutores em projetos LVDT, e meia ponte ou sensores indutivos de posição angular na versão RVDT. Assim, medições precisas de posição e distância, por exemplo, no contexto de controle de processo ou controle de processos de união, podem ser resolvidas de forma compacta, escalonável e econômica. O EL5072 mede apenas 12 mm de largura, para uma instalação com economia de espaço no sistema EtherCAT I/O padrão. A medição de deslocamento é uma das tarefas metrológicas mais importantes, tanto no ambiente de produção industrial, quanto no monitoramento de infraestrutura. Os exemplos incluem a medição e inspeção da geometria da peça, o monitoramento de processos de encaixe por pressão e união, garantia de qualidade em linha, e monitoramento de construção. Com o Cartão EtherCAT EL5072, todas as sondas de medição indutiva disponíveis no mercado podem ser integradas à plataforma de controle padrão, e avaliadas sem grande esforço. A fonte de excitação integrada do EL5072 fornece uma ampla gama de frequências e tensões de excitação parametrizáveis. Outras características especiais são a faixa de sinal de medição adaptada automaticamente, impedâncias de entrada selecionáveis para diferentes tipos de sondas, bem como uma entrada digital por canal, para definir e armazenar o valor da posição (incluindo carimbo de hora). O valor medido é determinado com alta precisão por uma conversão A/D de 24 bits, e saída diretamente como um valor de posição de 32 bits, que pode ser facilmente integrado ao programa de controle. Além disso, o cartão apresenta diagnósticos de curto-circuito e sobrecarga da fonte de excitação, bem como erros de amplitude do sinal de medição por canal. C&I_263 - 03 O Super Termômetro ST-501 tem como finalidade básica a medição de temperatura com elevada exatidão. Utiliza termo resistência de platina como sensor de temperatura e aceita sinais de termopares. O indicador eletrônico digital pode ser fornecido conjuntamente com o sensor de temperatura e certificado de calibração do conjunto. O ST-501 calcula temperaturas baseadas em tabelas internacionais padronizadas, nas escalas IPTS-68 e ITS-90, e possui algoritmos internos para calcular temperatura, utilizando-se coeficientes CallendarVan Dusen, e coeficientes ITS-90, provenientes de uma calibração de um sensor. Caso o cliente já possua um ou vários sensores tipo termo resistência de platina/termopares nobres, com as características necessárias para serem utilizados como padrões, basta que sejam introduzidos seus respectivos coeficientes. Para probes não calibrados, podem-se utilizar as curvas de linearização padrão para termo resistências e termopares. O termômetro padrão tem resolução de até 0,001ºC; substitui os termômetros padrões de vidro; é totalmente eletrônico, sem partes móveis; utiliza termo resistência de platina ou termopar como sensor de temperatura; é portátil e compacto, fornecido com bateria recarregável, carregador de bateria e bolsa para transporte. Possui memória interna e comunicação serial com o computador e aceita coeficientes Callendar-Van Dusen, IPTS-68 e ITS-90.

Controle & Instrumentação

C&I_263 - 02

O TDC-1000 da DLG é a ferramenta ideal para testes automáticos de cabeamento e conectores Profibus DP, Profibus PA e Fieldbus Foundation. Indispensável para equipes de manutenção, instaladores e certificadores de rede,uma única ferramenta para testar Profibus e Fieldbus Foundation. O instrumento testa a continuidade do par trançado e da blindagem; identifica curto-circuito entre os condutores de sinal, e também entre condutor e blindagem; identifica erros de polaridade nos condutores de sinal; identifica o número de terminadores ligados em cada segmento Profibus DP, incluindo terminadores internos de difícil localização; mede comprimento de cabos Profibus DP/PA e Fieldbus Foundation; Tela com iluminação a LED; traz acessórios inclusos para Profibus DP/PA e Fieldbus Foundation; tem exatidão da medição de comprimento: 3% para medições de até 30 m e 1,5% para medições a partir de 30 m.

Nº 263 | 2021




Cast C&I_263 - 04 O TP300 pertence à família de equipamentos da Smar, disponível nas tecnologias HART 4 a 20 mA, FOUNDATION Fieldbus e PROFIBUS PA. A linha ainda apresenta a versão TP290, também com tecnologia digital, que apresenta um sinal de saída de 4 a 20 mA. O TP300 é um transmissor inteligente para medidas de posição. Com ele, pode-se medir deslocamento ou movimento do tipo linear ou rotativo. A tecnologia digital e a comunicação usada por ele fornecem uma interface amigável entre o campo e a sala de controle, e várias características interessantes, que reduzem consideravelmente os custos de instalação, operação e manutenção. O TP300 usa um acoplador magnético, sem contato físico, para medir a posição. Por isso, é imune a efeitos devidos a vibrações, resultando, assim, numa maior durabilidade operacional. O acoplador magnético, em substituição à conexão mecânica, resulta em uma redução significativa da banda morta, e imprecisões devido a desgaste pelo uso. O TP300 pode ser montado em quaisquer equipamentos de movimentos lineares ou rotativos, ou uma variedade de outros equipamentos, tais como: clarabóia, damper, altura dos rolos, triturador, etc. Além das funções normais disponíveis em outros transmissores de posição, o TP300 oferece: precisão 0,2% do Fundo de Escala; movimento Linear, de 3 mm até 100 mm; (para cursos maiores, consulte nosso catálogo da Série BFY-CL); movimento rotativo, de 0° a 30º, até 0° a 120º; configurável local ou remota através de protocolo HART, 4 a 20 mA, FOUNDATION fieldbus, e PROFIBUS PA; indicador local rotativo, multifuncional de uso fácil; fácil instalação, rápido comissionamento e ajuste; proteção da configuração por senha; proteção contra polaridade reversa; sensor de posição sem contato “por Efeito Hall”, que mede o curso do instrumento, e realimenta-o para a CPU; montagem remota do sensor, utilizando cabo de extensão adequado para aplicações de difícil acesso, ou envolvendo alta vibração e alta temperatura; certificado para uso em áreas classificadas, atendendo à diretivas EC (European Community); compatibilidade eletromagnética de acordo com IEC 61326:2002, IEC 801, EN50081 e EN 50082.



Nº 263 | 2021

C&I_263 - 05 Desenvolvido para automatizar a coleta de Amostra Testemunha, disposto na resolução ANP Nº 44, de 19.11.2013, com o Amostrador Volumétrico Metroval (AVM) é possível realizar automaticamente a coleta de Amostra Testemunha, durante a operação de carregamento de combustível no caminhão tanque, garantindo que a amostra coletada no frasco de 1l tenha representatividade fidedigna ao combustível carregado no compartimento do veículo, independentemente do tipo de carregamento (top-loading ou bottomloading). Esse equipamento, altamente tecnológico, contribuirá para a melhoria operacional no processo de carregamento de combustível em bases de distribuição de combustível, TRR (retalhistas de diesel) e usinas produtoras de Álcool. C&I_263 - 06

As tecnologias de controle de válvulas e posicionamento garantem segurança absoluta nas aplicações mais desafiadoras. O portfólio de produtos TopWorx e GO Switch ajudará sua empresa a atingir esse objetivo. Os monitores de válvulas TopWorx permitem que as válvulas on/off automáticas se comuniquem, através dos protocolos Foundation Fieldbus, Profibus, DeviceNet, AS-Interface e HART. Eles carregam uma variedade de certificações globais e classificações nucleares. Os sensores de posição GO Switch são projetados para atender a aplicações difíceis (Certificação SIL 2), oferecendo alta confiabilidade e flexibilidade de instalação. Estes modelos robustos e acessíveis são projetados para fornecer confiabilidade em todos os ambientes. Os sensores GO Switch são tudo que sua empresa precisa em sensor de posição e interruptor de fim de curso. São classificados para uso em atmosferas explosivas, ambientes de alta temperatura, sob a água, e em todos os outros locais. Eles permitem o gerenciamento e controle de processos sob as condições mais exigentes, proporcionando maior confiabilidade, economia de custos e menor tempo de inatividade. Adequados para uso em áreas de risco, à prova de explosão, contra incêndio, intrinsecamente seguros, com IECEx, ATEX, CUTR, InMetro, UL, CSA, JIS, KOSHA e NEPSI.

Controle & Instrumentação


Cast C&I_263 - 11 A Intelbras lançou dois novos modelos de Nobreaks, o DNB 3.0 kVA TW (torre) e o DNB 3.0 kVA RT (rack/torre). Os produtos são indicados para Provedores de Serviço de Internet, e outros negócios que não podem sofrer paradas por tempo de comutação, como data centers, servidores, computadores de alto desempenho, aparelhos médico-hospitalares de não sustentação à vida, ou até mesmo empresas que investem em equipamentos caros e necessitam de proteção extra. Os produtos são capazes de proteger eletrônicos extremamente sensíveis em casos de curto-circuito, variação de frequência, surtos na rede elétrica, sobreaquecimento, sub/sobretensão e sobrecarga ou descarga total das baterias. Os novos modelos de nobreak da Intelbras contam com inovações, para que aparelhos sensíveis e de alto custo não sofram quaisquer danos com quedas de energia, variações na rede elétrica ou raios. O bypass automático garante energia contínua aos equipamentos ligados, mesmo se o nobreak sofrer falhas ou sobrecargas, ou seja, eletrônicos conectados não sofrem interrupção, reinicializações ou desligamentos durante a mudança do modo “rede” para o modo “bateria”. Isso acontece porque o tempo de transferência é zero, e os equipamentos conectados não são impactados por essa mudança. Contam também com um display de LCD para auxiliar o usuário a acompanhar as informações e o estado dos alarmes no visor, para então conseguir direcionar comandos com os botões de operação. Outra característica é que os produtos possibilitam funcionamento nas frequências 120V e 220V, além de possuírem um Software de Monitoramento Local incluso, que permite acompanhar o rendimento do nobreak por meio de cabo USB conectado a um computador local. Para maior comodidade do consumidor, seu carregamento é feito de forma automática, mesmo com o produto desligado, basta que ele esteja conectado à rede elétrica. Um grande diferencial dos aparelhos é a opção de adquirir, à parte, a placa de gerenciamento remoto PGR 801L, que pode ser conectada na traseira do Nobreak, para que seja feita a instalação de um software de monitoramento à distância, capaz de ajudar os profissionais a atenderem seus clientes, de forma remota. Os dois modelos possuem módulos de baterias externas, que podem ser adquirias separadamente. Os equipamentos MB 1209 TW e o MB 1209 RT possuem doze baterias de nove ampères, conectadas em paralelo para manter a tensão de 72 Volts, evitando a queima dos fusíveis do equipamento. Cada nobreak comporta até quatro módulos adicionais.

Controle & Instrumentação

C&I_263 - 12

Inovação, criatividade e agilidade são de extrema importância. Por isso, a Rockwell Automation fornece plataforma de ponta, que acelera a transformação digital, aumentando a receita, reduzindo os custos operacionais, maximizando a eficiência dos ativos, e aumentando o valor dos dados operacionais. Assim, é possível agilizar a tomada de decisões comerciais. O FactoryTalk InnovationSuite, desenvolvido pela PTC, é a primeira plataforma do setor projetada especificamente para alinhar a tecnologia de TI e TO, a fim de oferecer os melhores resultados comerciais aos clientes. Essa plataforma reúne inovações do sistema de execução de manufatura (MES), análise avançada, aprendizado de máquina, Internet das coisas industrial (IIoT), e realidade aumentada (RA), em um pacote de software perfeitamente integrado, adaptado a cada setor, e de tamanho apropriado para permitir a expansibilidade. As organizações precisam lidar com diversas pressões, como preço de mercado, tempo de lançamento do produto, entre outros fatores, e foi possível identificar que é essencial gerar maior eficiência nos processos dessas empresas. Para fazer isso, as organizações contam com os nove pilares da Indústria 4.0, que são: gêmeos digitais, realidade aumentada, integração de sistemas, tanto horizontal como verticalmente, envio de informações para a nuvem, cibersegurança, uso de veículos automatizados, IIoT (Internet das coisas industrial), aquisição de dados ou big data e manufatura aditiva. Por isso, o FactoryTalk InnovationSuite visa à inteligência operacional empresarial, a otimização de ativos inteligentes, o aumento da produtividade da força de trabalho digital, e a gestão da produção expansível. Outro objetivo é manter uma comunicação alinhada, durante as diferentes etapas do processo.

Nº 263 | 2021




Cast



C&I_263 - 13

C&I_263 - 14

A Yokogawa Electric desenvolveu o Espectrômetro de Diodo Laser Sintonizável, tipo Sonda, TDLS8200, como parte da família de Analisadores OpreX. Embora apresente as mesmas características de baixo custo de instalação, alta estabilidade e alta confiabilidade de seu predecessor TDLS8100, o TDLS8200 é capaz de medir, simultaneamente, as concentrações de Oxigênio, Monóxido de Carbono e Metano, de forma direta e em alta velocidade. Além da capacidade de medição simultânea de três tipos diferentes de gás, o TDLS8200 será aprimorado durante este ano, com o lançamento de uma versão que será capaz de realizar medições em ambientes com temperaturas até 850oC. Isto permitirá a medição estável e simultânea de Oxigênio, Monóxido de Carbono e Metano em caldeiras, fornos, e, assim, facilitará o controle eficiente da combustão e a operação segura. Qualquer excesso de ar fornecido para controlar a combustão em um forno irá absorver calor dentro do forno, antes de sair pela chaminé. Além disso, resultar em perda de calor, isto pode gerar teores altos de Óxidos de Nitrogênio e Óxidos de Enxofre, fontes de poluição ambiental. Por outro lado, se excesso insuficiente de ar for fornecido, a combustão completa não ocorrerá, resultando em perda de energia, emissão de Monóxido de Carbono, fumaça negra e residual de Metano. O Monóxido de Carbono e o Metano são gases inflamáveis,C&I_263 que podem - 08facilmente formar uma mistura explosiva com o ar acumulado dentro do forno. Como tal, existe a necessidade do monitoramento das concentrações de Oxigênio, Monóxido de Carbono e Metano em plantas de Óleo & Gás, Petroquímica, Energia elétrica, Siderurgia e Cerâmica, com o objetivo de controlar e assegurar um processo de combustão seguro, eficiente e ambientalmente correto. A característica mais significativa do TDLS8200 é sua fonte de emissão de laser dupla e óptica, que resulta na capacidade de medir, simultaneamente, Oxigênio, Monóxido de Carbono e Metano para controle de combustão. Seu sistema de medição direta baseia-se no uso do laser, de fácil manutenção comparado ao sistema de amostragem convencional, e mais robusto que os sensores baseados em catalisadores. Isto assegura a medição estável, simultânea e sem perdas das concentrações de Oxigênio e Monóxido de Carbono. Ele é do tipo sonda, de fácil instalação. Um ponto de amostragem ou sonda existente pode ser, facilmente, substituído por um TDLS8200, que pode ser instalado na mesma tomada onde o instrumento anterior estava instalado. Como nenhum dispositivo adicional se faz necessário, o TDLS tem um conceito muito compacto de instalação. E é capaz de operar com temperaturas até 600oC, o que significa que pode ser usado em aplicações como caldeiras e chaminés – sendo capaz de realizar medições em ambientes com temperaturas até 850oC, possibilitando o uso do analisador em aplicações em fornos.

A Fluke lançou no mercado brasileiro sua nova dupla de alicates amperímetros. O Fluke True-RMS 377 FC e 378 FC foram desenvolvidos com tecnologia FieldSense para realizar testes mais rápidos e seguros, sem contato com um condutor energizado. As novas ferramentas permitem medições de tensão e corrente exatas, por meio da pinça em garra, executando as três fases da medição em apenas três etapas: basta prender o cabo preto de teste a qualquer sistema elétrico aterrado, colocar a pinça em garra ao redor do condutor, e consultar valores confiáveis e precisos de tensão e corrente no visor. O Fluke True-RMS 378 FC conta com uma função exclusiva que detecta problemas de qualidade da alimentação automaticamente. No momento em que as medidas do FieldSense são executadas, a pinça amperimétrica 378 FC é capaz de detectar e exibir problemas de qualidade de energia, relacionados a corrente, tensão, fator de potência ou qualquer combinação dos três. A partir disso, é possível determinar rapidamente se há um problema na alimentação da rede externa ou na rede interna do equipamento, e solucioná-lo, o quanto antes. Outra característica do Fluke 378 FC é a inclusão de um teste de qualidade de energia que fornece indicação rápida se há um problema na energia de entrada ou no equipamento. A medição de potência e corrente, feita em três etapas, oferece um conjunto completo de cálculo de valores, fase a terra e fase a fase, além de exibir todos os dados diretamente no smartphone conectado ao equipamento, e salvá-los na nuvem pelo software Fluke Connect . O cálculo e a exibição de rotação de fase também são no software Fluke Connect. É importante frisar que tudo isso pode ser feito sem anotações ou cálculos complexos a mão, aumentando a assertividade dos resultados. Um acessório importante das novas ferramentas é a sonda flexível de corrente iFlex, que pode ser usada para a medição de corrente extremamente alta, como por exemplo, corrente CA de até 2500A. Outro benefício da sonda iFlex é fornecer acesso a grandes condutores em espaços pequenos. Outra facilidade ao utilizar a pinça amperimétrica 377 FC e 378 FC é seu visor, que fica verde, no momento em que uma medição FieldSense estável é detectada. Além disso, a continuidade visual fornece uma tela verde iluminada para detecção fácil de continuidade em áreas de trabalho com muito ruído. Ao adquirir os equipamentos, estão incluídos também um kit de suporte magnético (TPAK), com alças de apoio de 23 cm, as quais permitem que as pinças sejam penduradas onde precisar: a uma porta de gabinete de ferro, ao redor de uma tubulação, em um prego ou cabeça de parafuso. Uma mala portátil também está inclusa, e carrega a pinça amperimétrica, a sonda iFlex, os cabos de teste e uma pinça de aterramento preta.

Nº 263 | 2021

Controle & Instrumentação


Cast Cast

Controle Controle && Instrumentação Instrumentação

Nº Nº 263 261 || 2021 2020

 47


Cast



Nº 263 | 2021

Controle & Instrumentação

Profile for Editora Valete

Revista Controle & Instrumentação n°263  

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded