Page 1


2

Editorial 11 a 17 de Junho de 2009

Um ano de lutas A evocação do Dia da Pátria, a 10 de Junho, é sempre motivo de orgulho para quem se sente Português. Com toda a naturalidade, é nas Comunidades Emigrantes que a efeméride é mais sentida e vivida. Efeitos da distância, da saudade, factores que nenhuma evolução tecnológica poderá anular integralmente. Mas o Dia de Portugal não tem necessariamente de ser apenas uma evocação dos sentimentos saudosistas. Pode, e deve, ser uma oportunidade para questionar e responsabilizar os representantes das instituições do Estado Português, nas questões que afectam os Portugueses. A outro nível, numa Comunidade como a da Venezuela, são questionáveis também os hábitos e costumes de celebrar Portugal, normalmente em torno do clube ou do centro português. É que muitos dos nossos Compatriotas raramente acedem a um desses locais associativos, sem que percam, com essa atitude ou opção, o direito de serem Portugueses. Para muitos, o 10 de Junho não passa de mais um dia de trabalho, de luta pela sobrevivência do emprego ou até mesmo da sua pele, numa Venezuela cada vez mais violenta e perigosa. Ao nível empresarial, assistiu-se a mais um ano de luta contra encerramentos arbitrários, problemas com a insegurança, histórias reais de sequestros ao virar de cada esquina. Formalmente, o 10 de Junho foi mais um dia carregado de simbologia, com as sucessivas cerimónias civis e religiosas a atraírem as mesmíssimas pessoas de sempre. Aqui não está implícita qualquer crítica à presença, sempre desejável, das autoridades e outras individualidades que representam Portugal. Comemorar Portugal exige essa presença, seja a de um secretário de Estado, seja de um departamento oficial, seja a Rosa Mota, seja a Tuna do Porto. Todos somos Portugal. PUBLICIDADE

Correio da Venezuela

a semana Muito Bom

Bom

Coincidindo com a celebração do Dia de Portugal, a Venezuela deve exultar com a aprovação da lei que prevê penas pesadas para os sequestradores, que podem chegar aos 20 anos de prisão. Estando os portugueses entre as principais vítimas dos sequestros, a notícia é uma pequena nota de alento, face a tanta preocupação. É óbvio que a lei só se aplica nos casos em que haja envolvimento comprovado. Por outro lado, a existência da lei não garante que seja efectivamente aplicada. Mas é um passo em frente.

Outros sinais positivos: a dinâmica repetida na última 'rumba' organizada pelos jovens luso-venezuelanos ligados pelo 'Facebook' e o entendimento entre o Centro Português ( Caracas) e outros clubes que formam a Feceporven, no que respeita às comemorações oficiais do Dia de Portugal no país. Para além disso, gera-se uma espécie de 'contágio', arrastando outras pessoas. No caso das celebrações oficiais, a opção pela Casa Portuguesa de Arágua é uma prova que a descentralização não se deve ficar pelas intenções e que há mais Venezuela além de Caracas.

Mau A fraquíssima participação dos cidadãos portugueses no último acto eleitoral - Eleição para o Parlamento Europeu não alterou nada em relação ao que este jornal já tem escrito. Relacionar o número de votantes com o de inscritos é outro exercício demolidor. No caso concreto de Caracas, é arrepiante constatar um número de tão insignificante de votantes no Consulado, sabendo-se que é esta comunidade quem mais reclama direitos. Na hora de exercê-los, o resultado é o mais contraditório possível.

O cartOOn da semana

Muito Mau Não são todos, felizmente, mas há muitos centros e clubes portugueses que se caracterizam pelo desleixo, desorganização e falta de sentido de responsabilidade na hora de comemorar o dia mais importante de Portugal no mundo. A ausência de uma agenda desportiva e cultural são falhas que a comunidade não esquece e que, pouco a pouco, faz com que o alheamento e a falta de contacto com os clubes se torne rotina. Aos poucos, vão cavando um fosso cada vez maior entre as pessoas e as suas tradições.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

eleições passaram ao lado de caracas José de Bastos As primeiras eleições para o Parlamento Europeu realizadas na Venezuela saldaram-se com uma participação mínima. Se a abstenção em Portugal superou os 60%, em terras de Simão Bolívar rondou os 95 pontos percentuais. Na sede do Consulado Geral de Portugal em Caracas estavam inscritas 4.700 pessoas, mas só 91 exerceram o direito de voto. A apatia reinou entre sexta-feira e domingo, tendo sido apenas quebrada de alguma maneira neste último, dia em que se registou a maior afluência às urnas. " As pessoas desconheciam as datas das eleições, pois não houve informação suficiente para lhes dizer que podiam participar" , disse António de Freitas, secretário da mesa 1 e Conselheiro das Comunidades Portuguesas ( CCP) no país. Dado que este representante da comunidade considera que foi feita pouca propaganda, defende que existe a necessidade de se efectuar uma maior aproximação aos eleitores através da abertura de mesas de voto em diversas localidades, como Los Teques, Guatire e noutras parte da zona oriental do país. Votação não representatiVa

O também conselheiro Luís Jorge partilha da opinião que foi o desconhecimento em relação ao acto eleitoral que determinou o nível de participação, o qual assegura que " não representa a comunidade portuguesa na Venezuela" . " Há falta de informação mas

Actual

3

Opinião dos votantes José Nunes "Os clubes daqui deviam dar alguma ajuda, porque muitas pessoas não estão inscritas para votar, não porque não queiram mas sim porque não sabem. Sou sócio do Centro Português, de Caracas, e acho que deviam fazer alguma jornada extraordinária nos dias festivos. Isto da política é assim: se há bastantes votos é importante, se não há votos, não és importante."

Manuel Castro

De 4.700 pessoas inscritas, só 91 exerceram o direito de voto.

também alguma falta de interesse por parte das pessoas em votar" , acrescentou, observando que estes dois aspectos estão relacionados. " Devia de haver uma maior motivação, porque sabemos que só com a participação cívica podemos reclamar as nossas aspirações junto do

ApAtiA ReinOu entRe sextA-feiRA e dOmingO. ApenAs 955 dOs inscRitOs vOtARAm nAs eleições euROpeiAs Governo" , sublinhou. Luís Jorge assegurou que a elevada abstenção dificulta o trabalho dos representantes da comunidade portuguesa na Venezuela em qualquer parte. " Para os políticos, o que conta são os votos e se não há participação, então é difícil fazer propostas ante as autoridades" . Ambos conselheiros mostraram-

se empenhados em ampliar a divulgação dos próximos processos eleitorais que vão decorrer em Portugal por forma a conseguir uma maior participação da comunidade. " Vamo-nos dedicar nos próximos meses a procurar que as pessoas se inscrevam no recenseamento eleitoral e fomentar a participação. A comunidade tem de ser mobilizada" , concluiu António de Freitas. Para Luís Jorge, " é preciso continuar a insistir e sensibilizar acerca da necessidade de se participar na vida política portuguesa" , o que só pode ser feito com " campanhas de recenseamento" . Neste sentido apelou: " Penso que as associações deveriam envolver-se porque não é um problema só do governo, dos partidos políticos, dos representantes consulares. É de todos" . A escassa votação registada no fim-de-semana contrastou com a última convocatória presencial que se levou a cabo no país, mas precisamente no acto que serviu para eleger os conselheiros das Comunidades Portuguesas. Naquela oportunidade, cerca de 1.200 pessoas exerceram o seu direito.

"Temos uma voz na Europa e temos de fazer com que seja ouvida. Parece-me muito bem que permitam votar aos portugueses que não vivem na Europa. É um direito de igualdade para todos."

Manuel Farinha "Há muito pouca concorrência. Isto devia ter tido mais propaganda para que as pessoas soubessem como cumprir a com a sua obrigação. É um dever que temos como portugueses. Não podemos apenas invocar direitos. Também temos deveres e obrigações. Votar é a única maneira que temos para reclamar e pedir aos políticos que façam algo por nós."

Resultados gerais O PSD é o grande vencedor das eleições europeias, contrariando a maioria das sondagens realizadas nas últimas semanas, faltando apenas contabilizar círculo da emigração. Partido PSD PS Bloco Esquerda CDU CDS/PP

Nº Votos 1.126.119 944.795 381.634 379.000 297.698

% 31,68 26,58 10,74 10,66 8,37

Com estes resultados, o partido vencedor coloca em Bruxelas oito deputados, o PS sete, enquanto o Bloco de Esquerda, a CDU e CDS/PP elegeram dois deputados cada. Falta atribuir um mandato, prevendose que sejam os bloquistas a consegui-lo. PUBLICIDADE


4

Venezuela

Correio dA VenezuelA

11 a 17 de Junho de 2009

Eleitores de Margarita foram todos às urnas

353 eleitores votaram na área de Carabobo

Valéria Costa valcosta29@ gmail.com

Carlos A. Balaguera carabal@ cantv.net

As eleições para o Parlamento Europeu contaram com uma adesão plena por parte dos eleitores inscritos no consulado honorário de Portugal na ilha de Margarita. Dos 13 portugueses habilitados a votar naquela jurisdição, todos compareceram entre sexta-feira e sábado na sede da entidade para exercer, pela primeira vez, o direito ao voto ao maior Parlamento do mundo. Segundo explicou o presidente de mesa, Clemente Pisco, no caderno eleitoral do consulado da região, estão cadastrados 20 eleitores, no entanto, sete já não figuram mais na região, pois, cinco mudaram de domicílio e dois faleceram.

A área consular de Valência registou 353 votos nas eleições para o Parlamento Europeu. A vitória, segundo o CORREIO apurou, foi alcançada pelo PSD, com 254 votos. Seguiu-se o PS com; 13 para o CDS; 6 votos para o MEP; 4 votos para o BE; 3 votos para o PCP; 2 votos para o PPM; 2 votos para o PH e 1 para MPT. Houve ainda um voto nulo e um voto em branco. O cônsul-geral de Portugal na cidade de Valência, Arthur Monteiro de Magalhães, observou que os portugueses deviam saber que boa parte das decisões que são tomadas em Lisboa dependem das orientações ditadas pelos representantes da União Europeia ( UE), em Bruxelas. Neste sentido, lembrou alguns partidos falaram durante a cam-

PUBLICIDADE

A participação da comunidade deverá ser massiva noutras eleições.

panha na hipótese de institui um imposto. " Não é agradável pagar outro imposto, por isto, a participação é altamente importante para se eleger os nossos representantes ao Parlamento Europeu" .

Monteiro sublinhou que a participação da comunidade deve ser massiva " porque o importante é o que pode acontecer no futuro" . Acrescentou que estar recenseado é fundamental. " É o início de tudo.

Devemos conhecer quais são os programas dos partidos políticos e conhecer a ideologia de cada um de eles" . O cônsul-geral lembrou que o recenseamento eleitoral é apenas obrigatório em Portugal. " Só quem quiser inscrever-se é que o pode fazer. Mas a ideia é que todos deviam fazê-lo" . Falta de informação Alguns dos votantes expressaram que a falta de divulgação por parte dos partidos políticos foi fundamental para a fraca adesão às urnas, dad que muitos desconhecem as propostas políticas de cada. Propuseram ainda que os centros sociais luso-venezuelanos venham a servir de pontoschave para que a informação referente a todo o que tenha a ver com Portugal venha a chegar ao conhecimento da comunidade.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

ex-emigrante geremias de sousa alvo de justa homenagem Mário Olim DN-MADEIRA A próxima regata de canoas tradicionais madeirenses, a qual terá lugar 11 de Julho próximo, na baía do Funchal, denominar-se-á 'Regata António Geremias de Sousa', uma homenagem a título póstumo ao mentor deste evento, que esteve emigrado na Venezuela durante 29 anos. A iniciativa partiu da Associação Náutica da Madeira ( ANM) e visa homenagear, " o dinamizador das primeiras regatas de canoas tradicionais na Região" , conforme referiu ao DIÁRIO Paulo Rosa Gomes, o presidente da Direcção da ANM. Aquele responsável relembrou que " Geremias de Sousa, ainda na qualidade de Presidente da Junta de Freguesia do Seixal, lançou a primeira regata de canoas tradicionais, prova, essa, disputada no mar do Norte, entre o Seixal e o Porto

A regata de canoas suscita muito entusiasmo entre os nautas do Norte da ilha.

Moniz. O evento, englobado na Semana do Mar, teve a sua primeira edição no ano de 1989" , disse. Questionado a explicar como é que a regata passou a ter lugar na baía do Funchal, Rosa Gomes realçou que " em 2004, com o apoio do próprio Sr. Geremias de Sousa, realizou-se a primeira edição da regata de canoas tradicionais na baía do Funchal. A partir desse ano, dado o êxito alcançado

e reconhecido por todos, a prova tem ocorrido lugar na capital madeirense. O ano passado, aquando das comemorações dos 500 anos da cidade do Funchal, a organização conseguiu reunir 100 canoas, um número recorde de participantes" , concluiu. Regata com 20 anos

A primeira regata de canoas tradicionais madeirenses teve lugar

no já longínquo ano de 1989. A iniciativa partiu de Geremias de Sousa, primeiro como presidente da Junta de Freguesia do Seixal e mais tarde como presidente da Câmara Municipal do Porto Moniz. Como curiosidade de registar que este evento contou sempre com o apoio de Francisco Jardim Ramos, actual secretário regional dos Assuntos Sociais, à data Presidente da Assembleia Municipal do Porto Moniz. Paulo Rosa Gomes, recordando as primeiras edições do evento, referiu ao DIÁRIO que " o sucesso deste evento passou sempre pela forte adesão dos participantes, primeiro apenas do concelho do Porto Moniz, mas que o mesmo se estendeu, a partir de 1991, aos demais concelhos da Região. Para além do êxito desportivo deste evento, no caso concreto das canoas tradicionais madeirenses" , concluiu.

Venezuela

5

A mAis AntigA regAtA de cAnoAs dA mAdeirA terá AgorA o nome do seu mentor Grande figura António Geremias de Sousa nasceu a 10 de Março de 1933, no Seixal, estudou no Seminário e esteve emigrado 30 anos, 1 no Brasil e 29 na Venezuela. Foi presidente da Junta de Freguesia do Seixal por dois mandatos, cumpriu outros dois como presidente da Câmara do Porto Moniz, tendo estado quatro anos como presidente da Assembleia Municipal. Foi, também fundador e o primeiro presidente do Clube Naval do Seixal. Em termos empresariais, constituiu a Truticultura Água do Vento, empresa que produz 30 toneladas de trutas/ano. António Geremias de Sousa faleceu a 1 de Dezembro de 2007. PUBLICIDADE


6

Venezuela

Procurando actualização Maria Gouveia, que trabalha há 16 anos nesta instituição, explicou que a área que precisa de mais apoio é a da manutenção. "O hospital carece de muitos materiais", acrescentou. Um dos problemas que os afectam é a falta de anestesistas, já que para efectuar os cateterismos é preciso anestesiar o paciente. Entre os projectos nas mãos da Chefe de Cardiologia está a aquisição de uma nova máquina para anestesiar, já que a actual apresenta certos problemas. Outra das ideias é obter equipamento técnico para fazer os electrocardiogramas que conseguem ver o coração a três dimensões. "Ainda não estamos actualizados com este equipamento", disse Gouveia, ressalvando que já fez o pedido para adquirir ambas as máquinas e ainda não viu resultados.

PUBLICIDADE

CORReiO da VenezueLa

11 a 17 de Junho de 2009

cardiologia do HoSpital j.m. de loS ríoS

À espera de mais ajuda Andreina de Abreu dosreis.andreina@ gmail.com A secção de Cardiologia do Hospital J.M. de Los Ríos recebeu a ajuda do Ministério do Poder Popular para a Saúde e de diferentes governos locais para actualizar tecnologicamente a divisão. Maria Gouveia é a chefe deste departamento que trabalha com cerca de 50 pessoas entre doutores, enfermeiras e pessoal técnico. Graças à ajuda do Ministério da Saúde, a secção de Cardiologia conseguiu efectuar cerca de 90 cateterismos este ano. Este procedimento permitiu " corrigir defeitos cardíacos sem necessidade de realizar intervenções cirúrgicas" , explicou Gouveia. Um dos procedimentos efectuados através do uso do cateterismo é a dilatação de válvulas sanguíneas. Isto permite que possa correr um maior

Secção de cardiologia conSeguiu obter certoS equipamentoS graçaS À ajuda do miniStério da Saúde.

O hospital J.M. de Los Ríos atende de 8 a 10 mil pessoas mensalmente.

fluxo sanguíneo nas artérias nas quais a circulação é difícil. Em Dezembro de 2008, graças a esta intervenção, conseguiu-se fazer 200 correcções. O hospital J.M. de Los Ríos atende de 8 a 10 mil pessoas mensalmente. É um dos recin-

tos médicos mais visitados a nível nacional, disse Gouveia, que explica que isto se deve principalmente ao facto de trabalharem num horário seguido, das sete da manhã às sete da noite. É levado a cabo uma grande

variedade de estudos em Cardiologia. Os til-test são um exame praticado para observar as síncopes cardíacas. No que diz respeito a isto, Gouveia comentou que a doação feita há dois anos pela cadeia de supermercados Excelsior Gama permitiu adquirir o equipamento necessário. As provas de esforço são outro dos exames praticados. Também se utilizam os 'halter', máquinas com eléctrodos que fazem um exame contínuo durante 24 horas.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

em caracas

consulado celebra Dia de Portugal Tomás Ramírez González tomasramirezg@ gmail.com No âmbito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, a Tuna Universitária do Porto deslumbrou o público num evento levado a cabo no Consulado Geral de Portugal em Caracas na passada quinta-feira. As suas vozes retumbaram nas paredes do edifício e no coração dos portugueses que vivem na Venezuela. Os portuenses cantaram um repertório que percorreu a música tradicional portuguesa, o samba ( Brasil) e até o 'joropo' ( Venezuela). Os membros do grupo foram bem recebidos, sobretudo entre o público feminino, que ao terminar a apresentação, pediu para tirar fotos com cada um dos rapazes. Outra das atracções do dia que contou com o apoio da maioria dos

Venezuela

7

Participação dos jovens A consulesa geral de Portugal em Caracas, Isabel Brilhante Pedrosa, agradeceu a presença da comunidade portuguesa no evento e reiterou a importância de celebrar esta festividade no país. "Há mais de cinco milhões de portugueses em redor do globo. Cada vez mais Portugal tem um papel importante no mundo e devemos celebrá-lo". A funcionária diplomática agradeceu ao Correio de Venezuela pela mostra de objectos e também às restantes empresas pelo apoio dado à actividade. Fez uma especial referência ao grupo de jovens participantes na iniciativa, cujo objectivo era que tudo corresse bem. Por seu turno, Yany Moreira, presidente da Associação de Lusodescendentes da Venezuela, referiu que a intenção da actividade era mostrar Portugal aos jovens através das letras. A fundadora da rede social Filhos de Portugueses Nascidos na Venezuela, Elizabeth de Freitas, disse ao Correio que "hoje em dia a juventude luso-venezuelana deve estar mais envolvida nas actividades levadas a cabo para elevar o nome de Portugal". Acrescentou que é o momento de a juventude começar a ocupar o lugar dos adultos nos preparativos das celebrações datas importantes para a comunidade emigrante.

Objectos do museu do emigrante tiveram muito êxito entre os presentes.

convidados foi a nossa colecção de artigos alusivos à emigração portuguesa, de Aleixo Vieira. Discos antigos, bicicletas de distribuição, trajes típicos, aparelhos de som da época da emigração, máquinas de coser e outros objectos que os lusos trouxeram de terras europeias, do museu do emigrante, estiveram numa mostra muito apreciada pelo público. O evento organizado pelo

Consulado Geral de Portugal, pela a Associação de Luso-descendentes da Venezuela, pelo Facegroup Filhos de Portugueses Nascidos na Venezuela e pelo Correio de Venezuela contou com uma participação em massa, de tal forma que as instalações do Consulado tornaramse pequenas, uma vez que a maioria das instituições luso-venezuelanas da cidade e arredores fez-se representar. PUBLICIDADE


8

Venezuela

emigração não acabou A emigração portuguesa está actualmente ao nível dos anos 1960, mantendo-se a tendência de fixação nos países de destino, defende o coordenador do Observatório da Emigração, que considera ilusória a ideia de que as saídas estagnaram. " Há características novas nesta emigração, mas no essencial diria que se mantém uma emigração de fixação no destino que não deve ser, neste momento, inferior à média dos anos 50/60" , disse Rui Pena Pires. Numa entrevista à Agência Lusa, a propósito do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, que se assinala a 10 de Junho, o coordenador científico do Observatório da Emigração rejeita a ideia de uma vaga repentina de emigração, considerando que se tem mantido constante desde a adesão de Portugal à União Europeia. PUBLICIDADE

CorrEio da VEnEzuEla

11 a 17 de Junho de 2009

percorrendo os céus de portugal Anaís Castrellón Castillo anaiscastrelloncastillo@ gmail.com

Com afinCo e perseverança, José fernandes Conseguiu ser parte do Céu português através do transporte aéreo " É uma sensação inexplicável que dá muito prazer às pessoas que gostam de ver tudo de cima, é algo belo, uma actividade que te recompensa dando-te muita liberdade" . A descrição é do piloto José Carlos Fernandes, 37 anos, ao falar do que sente quando voa. Começou os estudos na Venezuela, o seu país natal e do qual fala com tanto orgulho. A empresa DHL permitiu-lhe converter-se em co-piloto comercial, obteve experiência, mas cedo decidiu envolver-se em pleno no negócio do seu pai.

Este luso-venezuelano espera conseguir novas oportunidades de voo na Europa, Venezuela e em qualquer outro lugar.

Mas a história apenas começava. Fernandes viajou até Portugal e foi na Madeira " que fui picado pelo bichinho de voltar a voar" . Tornou-se sócio do Aeroclub da Madeira, onde fez o curso de piloto particular, aprendendo novas coisas e assimilando-as com muito profissionalismo e com horas de voo e de prática. Depois quis mais…

Fernandes deu-se de conta que a sua paixão era voar. Percorrer o céu da Madeira, Lisboa e Porto foram algumas das

suas metas. " Depois quis mais. Pensei em retomar a minha carreira" , contou. Foi assim que este jovem piloto decidiu estudar no Aeródromo de Tires ( Cascais) para conseguir revalidar a licença, pois a que tinha era americana, precisava da europeia, e poder voltar a voar na Pérola do Atlântico. José Carlos Fernandes descreve esta experiência como " algo muito difícil, foi muito duro, já que eu era o único aluno com uma

conversão em toda a escola e em todo o aeródromo" . A sua vontade e perseverança permitiram-lhe conseguir o objectivo, terminando o curso o ano passado" . " Já estou pronto e habilitado para voar no espaço aéreo europeu, e com passageiros" , contou, orgulhoso. Sente muita satisfação por ser piloto, e m a i s ainda quando tem a responsabilidade de pilotar um avião. Sobre as dificuldades desta profissão, Fernandes falou na " responsabilidade de transportar outras pessoas dependem de nós" . Fernandes vive na Madeira há seis anos, junto com os seus dois filhos e a mulher. Este luso-venezuelano espera conseguir novas oportunidades de voo na Europa, Venezuela e em qualquer outro lugar.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Publicidade

9


10 Venezuela

CORReiO da VeNezuela

11 a 17 de Junho de 2009

Mulheres cozinham no Dia dos Pais

Valéria Costa valcosta29@ gmail.com Há uma crença que afirma que os melhores cozinheiros são os homens, tanto é que muitos chefes de cozinha mundo fora, reconhecidos ou não, são membros do sexo masculino. No Centro LusoVenezuelano de Margarita, isso pode ser constatado a cada edição do almoço do bacalhau ou em outros encontros entre os associados do clube: A cozinha fica por conta deles e cada " cozinheiro" tem a sua especialidade. " São sempre os homens que cozinham em todos os eventos no centro luso, independentemente do almoço do bacalhau. Não é uma ordem impositiva, mas já é um costume" , diz um dos membros deste staff, PUBLICIDADE

Clemente Pisco. Mas, como toda regra tem a sua excepção, no Dia dos Pais a cozinha do clube fica a cargo das senhoras, que preparam um almoço especial para eles.

CoMo é tRaDiCional no De MaRgaRita, a gastRonoMia CostuMa estaR a CaRgo Dos hoMens, Mas nesse Dia seRão as MulheRes a CozinhaR O encontro em torno do nobre peixe, o bacalhau, acontece há pelo menos 15 anos no clube margaritenho, segundo Pisco - um dos fundadores do

centro daquela região - e explica que o clube não adoptou a Academia do Bacalhau, visto que é uma organização puramente masculina e " não aceitamos essas regras" . Directiva De turno

Os " cozinheiros" geralmente são aqueles que estão na junta directiva de turno, acompanhados, uma vez ou outra, por outros associados, a quem calha alguma coisa para fazer. A divisão de tarefas vai desde a compra dos produtos, supervisão, administração, até ao produto final, ou seja, o prato feito. Actualmente, os afazeres dividem-se entre o presidente do clube, João Nolasco e os seus membros, liderados por Francisco Matos, o responsável exclusivo da compra do bacalhau, recebê-lo, debulhá-lo, supervisionar e trocar

Os " cozinheiros" geralmente são aqueles que estão na junta directiva de turno, acompanhados, uma vez ou outra, por outros associados.

a água para a manutenção do peixe. " Já estou há cinco anos nesta função. Isto é igual a ser cura, tem que ter vocação" , diz Matos. Antes dele, esse trabalho ficava por conta de Pisco. Além de supervisionar o bacalhau, Matos é o responsável também pelo menu de cada almoço e adaptação das receitas de cada prato oferecido. Geralmente, paralelamente ao bacalhau, é oferecido para prato alternativo, como frango assado ao forno, para quem não gosta de peixe.

Essa é a especialidade do português Sílvio Santos. Clemente Pisco é especialista em churrasco de carne; José Ribeiro em cabidela de leitão; Nolasco é pelo arroz; e João Carlos, vice-presidente do clube, é o responsável pelo pão. Quando toca a Nolasco estar à frente da cozinha no almoço do bacalhau, ele diz que gosta de fazer as coisas " bem feitas" e ele mesmo cria as suas receitas. Em casa, afirma, costuma cozinhar pratos portugueses, como cozido à portuguesa.

Rota gastronómica para celebrar Portugal Antonio Carlos da Silva F. magneticaudiovisuales@ gmail.com Com uma rota gastronómica que pretende levar a sócios, amigos e convidados os sabores mais característicos da apetitosa comida portuguesa, várias associações sociais portuguesas do nosso país uniramse e desde dia 6 até 14 de Junho têm as portas dos seus restaurantes abertas para acolher os comensais que desejem degustar e conhecer melhor a gastronomia de Portugal. É uma forma de celebrar a pátria lusitana. Quatro clubes luso-venezuelanos fizeram uma rota que os amantes da boa mesa não podem deixar de completar, ao mesmo tempo que constitui uma grande oportunidade para que os sócios destes centros portugueses dêem a conhecer aos seus amigos e conhecidos uma mostra dos melhores pratos que dão forma, cor e sabor à excelente gastronomia portuguesa. O bacalhau, o peixe-rei da cozinha lusa, preside a esta rota por direito próprio, ou não houvesse 365 receitas diferentes para prepará-lo ( uma para cada dia do ano), segundo se diz popularmente entre os cozinheiros portugueses.

Não faltará o bacalhau nesta deliciosa Rota Gastronómica.

Todas estas iguarias podem ser acompanhadas com as diferentes variedades de vinhos oriundas de todos os recantos de Portugal, formando assim uma rota gastronómica a que os amantes da cozinha mediterrânica consideram difícil de resistir. O restaurante Q' Copas, do Centro Martímo de Venezuela em Turumo, Caracas, o restaurante Os Navegantes, da Casa Portuguesa do estado Aragua em Maracay, o restaurante Heróis do Mar, do Centro Social Madeirense em Valencia e o restaurante El Porto, do Centro Português Venezuelano de Guayana, em Puerto Ordaz, integram esta rota gastronómica que durante estes dias abrem as portas, a partir do meio-dia, para receber sócios e amigos. Uma oportunidade a não perder.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Freguesias

11

Seixal é uma freguesia do concelho do porto Moniz, ilha da Madeira, com 29,50 km² de área e 716 habitantes (de acordo com os censos de 2001). possuir uma densidade populacional da ordem dos 24,3 hab/km2. A actividade principal é a agricultura. é banhada pelo oceano Atlântico a norte e tem montanhas a sul.

Crise leva a regresso ao campo do Seixal Há mais gente a dedicar-se à agricultura no Seixal, embora muitos para consumo próprio. Numa terra onde a produção agrícola ainda é a principal actividade, a falta de trabalho é, de alguma forma, compensada pelo regresso aos campos, mais que não seja para manter uma ocupação. João Carlos Silva, de 26 anos, ajuda o pai na loja, onde se vende um pouco de tudo, e afirma que tem notado uma maior saída dos produtos relacionados com a agricultura, como o guano e semilhas para plantar. " Quando há dificuldades geralmente acontece isto, já há alguns anos foi igual" , disse, sublinhando que há muitas pessoas que ficaram sem trabalho este ano. " As pessoas estão sem nada para fazer, têm de dedicar-se a alguma coisa" , acrescentou. Contudo, salienta que esta é uma aposta de recurso, sendo pouco o rendimento que se consegue tirar da agricultura, dada a dificuldade em " competir com a batata de fora" , a qual é vendida a preços mais acessíveis junto do consumidor.

FAltA dE tRABAlho é CoMpEnSAdA pElo REgRESSo AoS CAMpoS poiS é pRECiSo MAntER UMA oCUpAção No Chão da Ribeira, Manuel Fernandes, de 51 anos, conta ao DIÁRIO que ficou sem emprego há cerca de quatro meses, quando o restaurante onde trabalhava fechou as portas. Com a ajuda do amigo, também desempregado, dedica o tempo que agora dispõe para cultivar uma pequena parcela de terreno, mas o pouco que a terra dá é para a família. " Plantar só para comer" , disse. " Estamos à espera para ver se aparece alguma coisa na construção" , acrescentou, sublinhando que há também pouco a fazer neste sector na freguesia. " Para fora não há transporte, aqui não há trabalho" . No Seixal, adianta Manuel Fernandes, " o que há é a agricultura" , mas ela " também já não dá

A freguesia tem sido muito procurada para a produção agrícola.

nada" , sobretudo, quando os terrenos são pequenos e não dá para utilizar maquinaria. Com uma filha ainda a estudar e a mulher nas lides de casa, Manuel Fernandes diz que o que está a dar agora é ir para Angola, salientando que esta não é uma hipótese posta de lado, se, entretanto, não surgirem alternativas. A poucos quilómetros de distância, Miguel Caldeira pousa a enxada por alguns instantes para falar com o DIÁRIO. Revela que esteve emigrado durante 32 anos na Venezuela, onde trabalhou no

sector da restauração. Quando regressou, há dois anos, tinha planos para continuar ligado a essa área, mas depressa percebeu que não seria viável " montar negócio" no Seixal. O contraste com Caracas sente-se a todos os níveis, a começar pela falta de trabalho. " É totalmente diferente" , disse, acrescentando que o trabalho sempre dava para levar uma vida estável. O problema, afirma, era o regime instalado por Hugo Chávez. Miguel Caldeira e a esposa, de nacionalidade venezuelana, não queriam que os filhos crescessem nesse clima.

Um paraíso do canyonning Paulo Vieira Lopes

O Seixal é já conhecido como o segundo paraíso do Mundo do canyonning.

Há oito anos atrás Rui Nelson trocou a capital madeirense pela vida na freguesia do Seixal e até ao momento não tem dúvidas em adiantar que esta foi a melhor opção feita até ao momento. Tal como essa aposta ganha, em termos pessoais, o presidente do Clube Naval do Seixal não tem dúvidas em afirmar que a colectividade que preside tem excelentes condições para um grande sucesso no futuro. Durante o programa da TSFMadeira, 'P'la Madeira Dentro' o responsável máximo pelo CNS falou um pouco dos 15 anos da história da instituição mas fez questão de realçar a aposta ganha

nos últimos anos, nomeadamente com a modalidade de canyonning. " A excelentes condições existentes na natureza, nomeadamente as fantásticas ribeiras que temos no concelho fizeram com que a modalidade não só nascesse no Seixal como, em tão pouco tempo, tivesse um enorme destaque a nível nacional e internacional, com a vinda de inúmeros adeptos estrangeiros à Região para praticar a modalidade" . Querendo mostrar o impacto que o Seixal e o canyonning têm no mundo inteiro, Rui Nelson atreveu-se a admitir que " O Seixal é já conhecido como o segundo paraíso do Mundo do canyonning" .

BREVES Sabrina e Marlene no Arraial do Seixal A semi-finalista portuguesa do Festival Eurovisão de 2007, Sabrina, e ainda a artista nacional Ruth Marlene, irão actuar nos dias 21 e 22 de Agosto, respectivamente, na Festa do Santíssimo Sacramento, na freguesia do Seixal, no Porto Moniz. Além das cantoras já confirmadas, durante os quatro dias de festa que durará o arraial, está prevista um leque intenso de variedades capaz de prolongar as celebrações em honra da divindade.

Sem 'artes vivas' mas com cultura popular Apesar de os grupos de Teatro e Música Tradicional terem sido extintos por falta de jovens, o Seixal faz questão em defender a sua identidade cultural, preservando as tradições populares, casos do cantar dos reis, das festas em honra do Santíssimo Sacramento, do arraial de Santo Antão e do 'Panelo', disse Valter Correia, presidente da Associação Sócio-Cultural da freguesia, ontem, no programa 'P'la Madeira Dentro'.

Centro de convívio mais dinâmico À frente da associação, desde que foi criada nos anos 90, Valter Correia recorda outras épocas. " Durante mais de dez anos, manteve diversas actividades: um núcleo de música, teatro, ginástica, karaté, hidroginástica, pintura e o Centro de Convívio" , uma situação bem diferente da actual. Hoje, para além da pintura, existe o Centro de Convívio que reúne diariamente entre 20 a 30 idosos. " É muito dinâmico e tem realizado várias exposições, nomeadamente de brinquedos tradicionais, de vestuário e de pintura" .


12 História de Vida

Correio da Venezuela

11 a 17 de Junho de 2009

Com esforço e saCrifíCio

Ganhar a vida "honradamente" Andreina de Abreu dosreis.andreina@ gmail.com Regina Celeste Gonçalves começou a bordar aos seis anos de idade. Oriunda de Câmara de Lobos, conta que a sua infância foi para " aprender a rezar" . Filha de António Gonçalves e Carolina Fernandes, nasceu a 18 de Dezembro de 1927, sendo a quarta de 10 irmãos. Recorda-se que " tinha muito respeito pelos padres" . Actividades como rezar o rosário, ir à missa e trabalhar em casa são algumas das memórias

Lobos. Uma das suas filhas, Maria da Graça, faleceu em Portugal. Em 1959, chega à Venezuela no navio 'Santa Maria'. Com ela vieram os dois filhos mais velhos: João e Maria. " Vinha feliz porque vinha para estar ao lado do meu marido" . Chegou a arrendar um quarto na casa da família em Caracas. Para poder manter-se, lavava roupa. Depois mudou-se para Cúpira, estado Miranda, localidade onde viveu durante dois anos. Nessa altura mudou-se para

50 anos depois de ter CheGado à Venezuela, reGina Celeste GonçalVes mostra-se Contente e aGradeCida pela sua Vida que tem. Durante algum tempo, mudou-se para junto da sua família no Funchal. Quando tinha 23 anos, casou-se com um vizinho chamado João Gonçalves Henriques e regressou à sua casa em Câmara de PUBLICIDADE

Los Teques, onde, segundo conta, " a coisa foi melhorando um pouco" . Quando se mudou trouxe consigo mais um filho, António, que havia nascido em Caracas. Antes de morrer, o marido

de Regina adquiriu terrenos, que pôs em nome dela, e esta mandou construir a sua casa nesses terrenos. Nova vida em Los aLtos miraNdiNos

Uma vez estabelecida em Los Teques, nascem as suas filhas Maria de Fátima, Maria del Carmen e Maria Celeste. Na última gravidez, nasceram os 'morochos', Maria Lucília e Juan. Gonçalves conta que quando o

marido faleceu, tinha seis filhos a estudar na primária. Com esforço, conseguiu manter os filhos e adquiriu três máquinas de costura. Foi assim que construiu o seu atelier de costura, como diz, " trabalhando honradamente" . Com o dinheiro que poupou, conseguiu regressar a Portugal para visitar a mãe. Teve um sonho no qual a sua mãe lhe dizia para ir vê-la, e assim amanheceu pensando que iria à sua terra. " Quando cheguei lá, a minha mãe recebeu-me com lágrimas nos olhos dizendo-me que queria ver-me antes de morrer" . Recorda a cara lisa da mãe aos 84 anos de idade, característica que herdou dela. Regina, com 81 anos de idade, exibe uma pele lisa, que esconde a experiência e o sacrifício de uma vida. Três meses depois de Gonçalves visitar Portugal, a mãe faleceu, a oito de Maio, data em que se celebrava, na Venezuela, o Dia da Mãe. Gonçalves tem 18 netos e 11 bisnetos. Conseguiu regressar à sua terra em três ocasiões, a última das quais há nove anos. " Já estranhei muito o meu país" , disse. Ainda assim, não quer " ir para lá, quero morrer aqui na minha terra" , referindose à Venezuela, onde sente que tem mais tranquilidade. Diz que não se arrepende de nada porque tudo na sua vida " foi bem feito" . É da opinião que haverá sempre adversidades e contratempos, haverá sempre " bons e maus tempos" .


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Cultura

13


14 Cultura

CoRReio Da VenezueLa

11 a 17 de Junho de 2009

Jessica dias é a nova rainha do centro português

Quadro de honra

Jessica Dias, 17 anos de idade, foi eleita Rainha do Centro Português.

nova representante da associação portuguesa representará o clube em todas as actividades previstas até ao próximo Anaís Castrellón Castillo Anaiscastrelloncastillo@ gmail.com Jessica Dias foi eleita Rainha do Centro Português no passado fim-de-semana, para o perío-

do 2009-2010, no salão nobre daquela associação. A gala organizada por Juan Pablo Fernandes e Samia Câmara foi recheada de elegância, criatividade e beleza, para que as sete candidatas desfilassem perante o público. Depois de várias horas de evento, Jessica foi eleita rainha. Esta luso-descendente tem 17 anos de idade, nasceu a 24 de Novembro de 1991 e estuda no segundo ano de Humanidades. Esta carismática jovem já havia desfilado em anos anteriores em diferentes passerelles,

pois foi a segunda finalista no concurso Princesita e Madrinha do Desporto em anos anteriores. Dias decidiu participar no concurso para ganhar experiência e aprender. Três semanas de árduo Trabalho

Samia Cámara observou ao CORREIO que a organização do evento demorou três semanas. " Trabalhámos noite e dia para que tudo pudesse correr da melhor maneira. Estamos satisfeitos porque o público gosto do que realizámos" , disse

quando questionada sobre a forma como decorreu o concurso. Cámara acrescentou que o grupo organizador criou 41 bolas de 'espejo' para adornar a passerelle. " Não alugámos e comprámos. Fizemos tudo com as nossas próprias mãos porque gostamos de trabalhar e que as actividades tenham uma temática diferente" . Por último, Cámara assegurou que nos próximos eventos haverá muitas mais surpresas para deleitar o público presente e também as concorrentes.

Rainha do CP Jessica Dias 1ª Finalista Sindy Rodrigues 2ª Finalista Yoselin Pinto Miss Internet Vanessa da Corte Miss Fotogenia Josmary Tavares Miss Amizade Josmary Tavares Miss Elegância Jessica Dias

luso rumba vip junta 400 jovens Jovens de diferentes localidades do país assistiram à segunda "rumba" realizada em honra de portugal Jean Carlos de Abreu deabreujean@ gmail.com Depois da realização da primeira Luso Rumba organizada pela Rádio Arcoense ( RA) no mês de Janeiro, foi levada a cabo, no passado fim-de-semana, a segunda 'Luso Rumba VIP', onde mais de 400 pessoas participaram para desfrutar de boa música e mostrar a portugalidade.

Jovens luso-descendentes de Caracas, Maracay, Los Teques, entre outras localidades, deslocaram-se ao salão Villa Magna, em Las Mercedes, Caracas, para partilhar e conhecer outros cidadãos que levam Portugal no coração. A Tuna Universitária do Porto participou neste evento, interpretando várias canções para animar a festa. Depois da apresentação, deu-se início à rumba. Na actividade participaram os membros da Associação de Luso-descendentes da Venezuela, o grupos Filhos de Portugueses Nascidos na Venezuela ( grupo criado no Facebook) e a consulesa geral de Portugal em Caracas, Isabel Brilhante Pedrosa.

Jovens de Caracas, Maracay, Los Teques, entre outras localidades, deslocaram-se ao salão Villa Magna.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Cultura

15

José manuel vieira vence “audie 2009” Antonio Carlos da Silva F. magneticaudiovisuales@ gmail.com

dispositivos de MP3, iTunes, Audible e Overdrive.

A FonoLibro, organização líder e TalenTo luso-venezuelano especializada na produção e distribuição José Manuel Vieira é um talento versátil de versões aúdio de livros, anunciou que que divide a sua actividade entre o relato des'Por Un Día Más', de Mitch Albom - portivo, a interpretação, a locução e a dobranarrado pelo luso-descendente José gem. A sua voz deu vida a diversas personaManuel Vieira - foi o vencedor na catego- gens de séries animadas e de telenovelas, ria de língua espanhola nos 'AUDIES assim como a inúmeros spots publicitários 2009'. que passam na teleEste galardão foi venezuelana. ConheCido aCtor e loCu- visãoÉ dele entregue na cidade a voz que de Nova Iorque, na narra a obra de tor luso-desCendente S o c i e d a d e Mitch Albom, que Conquistou este galarHistórica. Em connos conta a história curso na categoria da relação entre dão Como narrador do de língua hispânica uma mãe e o filho audiolivro 'Por un día estavam autores que dura toda uma muito reconhecivida e muito para más', de matCh albom dos como Mitch além. Explora o Albom, Paulo Coelho, T.C. Boyle, Julia recorrente desejo das pessoas em querer Álvarez e Ina Cumpiano. passar mais um dia com um ser querido que Este prémio é o equivalente ao Óscar já não se encontra entre nós. na indústria dos audiolivros, uma vez que O audiolivro é um formato que permite 'The Audie' reconhece e rende homena- ao leitor " ler um livro escutando-o" . Não é gem aos melhores títulos do ano em dife- mais do que a gravação do conteúdo de um rentes categorias. texto narrado, e no caso da FonoLibro, é A FonoLibro Inc. é uma organização narrado por actores ou actrizes profissionais, internacional com sede em Miami, líder muitas vezes dramatizados com elencos na produção e distribuição de audiolivros completos, música e efeitos sonoros. em espanhol, com mais de 80 títulos que Os audiolivros distribuem-se geralmente incluem tanto bestsellers como os clássi- em cassetes, CD's ou formatos digitais. O cos de reconhecidos autores, disponíveis talento e a voz de José Manuel Vieira foram nas principais cadeias de distribuição de escolhidos pelos responsáveis da FonoLibro, livros, assim como em plataformas tecno- que o elegeram para dar vida a esta obra que lógicas de descarregamento digital para acabou por ser distinguida.

Gaélica viaja até França, Inglaterra, Itália e Espanha, depois de sete anos de percurso musical na Venezuela.

gaélica em digressão pela europa Anaís Castrellón Castillo anaiscastrelloncastillo@ gmail.com Como parte da sua primeira digressão internacional, o grupo venezuelano Gaélica, que mistura música de vários locais do mundo, viaja até França, Inglaterra, Itália e Espanha, depois de sete anos de percurso musical na Venezuela. Antes de partir, Gabriel Figueira ( nas gaitas e flautas), César Natera ( violino), Rubén Gutiérrez ( guitarra folk, nylon e eléctrica: Ukelele e quatro) e Armando Álvarez ( precursão étnica) realizaram uma série de concertos na capital para deixar os seus seguidores com o bom sabor da música que fazem, que descrevem como música do mundo, ou 'world music'. Gabriel Figueira, luso-descendente,

deixou claro que vão sem nenhum tipo de expectativas. " Vamos tentar a sorte. Viajaremos como 'mochileros', daremos algumas voltas por esses países e teremos alguns concertos em lugares já estabelecidos, mas também veremos se nos deixam tocar noutros lugares" . Ainda segundo Gabriel Figueira, " a nossa ideia é transmitir a música que fazemos, que as pessoas nos ouçam e que nos enriqueçamos com tudo o que vermos lá. Viver toda essa experiência e se houver mais apresentações enquanto estivermos lá, serão bem-vindas. Depois de terminar esta digressão, Armando Álvarez diz que começarão a trabalhar no seu terceiro disco, sobre o qual " ainda não temos nada, nem sequer uma maqueta" . A referida produção será editada no final deste ano.

Clube de guatire celebra 10 de Junho Jean Carlos De Abreu deabreujean@ gmail.com

José Manuel Vieira, o homem das mil vozes.

A Directiva do Centro Sociocultural Virgem de Fátima, em conjunto com representantes do município Plaza de Guatire, rendeu homenagem ao pai da Pátria, Simão Bolívar, na Plaza 24 de Julho da localidade mirandina, como forma de celebrar o 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. O director de Cultura do centro, também Conselheiro das Comunidades, António de Freitas, explicou que a intenção do acto foi agradecer de maneira simbólica, através de uma oferenda floral, à Venezuela por ter acolhido a comunidade portuguesa que vive e trabalha nestas terras. Acrescentou que o 10 de Junho " é a data mais importante para todos os portugueses, porque em qualquer parte do mundo onde estejamos, sempre levamos o nosso país no coração" .

" Somos 15 milhões de portugueses. Os 10 que estão que estão no país e os 5 que estão fora dele. É importante realçar que somos meios espalhados por todo o mundo" , disse o conselheiro quando recordava que os portugueses têm direitos e deveres que cumprir com a Venezuela e Portugal. Neste sentido, António de Freitas apelou a todos os membros da comunidade portuguesa no país para participarem nas diferentes actividades que venham a ser organizadas. " Devemos ser mais participativos e apoiarmo-nos uns aos outros em tudo" .


16 Funchal

11 a 17 de Junho de 2009

Correio da Venezuela

PUB

Funchal Jazz 2009 Mensagem do Presidente dades artísticas e executantes de renome internacional consagrado deste género musical. Este patamar alcançado é o reconhecimento, o carinho e o efusivo acolhimento que tem merecido por parte dos funchalenses, madeirenses em geral e demais visitantes, que actualmente já não dispensam este certame musical de qualidade ímpar. unchal Jazz Festival É por isso que o marco de uma 2009" apresenta-se ao década do "Funchal Jazz Festigrande pú blico na sua val" é para a Câ mara do FunXª edição. Estes dez anos simul- chal um motivo de orgulho e taneamente impõem e denotam de redobrada responsabilidade um profundo estado de maturação de um projecto cultural para a garantia de sucesso que promovido pela Câ mara Mu- esta iniciativa desperta, ano nicipal do Funchal, que por apó s ano. mérito pró prio alcançou já A Cidade do Funchal e os fãs uma especial relevâ ncia no desta iniciativa reclamam naroteiro cultural do Funchal, da menos que o sucesso garancom prestígio além fronteiras. tido do seu festival de Jazz. Consciente da importâ ncia Neste ano, o mítico relvado dos da Cultura e da necessidade de Jardins da Quinta Magnó lia proporcionar a todos o seu (que foi berço e tem sido palco acesso, o Município do Funchal desta festa musical), dará lugar apostou, desde a Iª edição, num aos frondosos e amplos jardins evento musical de género ori- do Parque de Santa Catarina, ginariamente popular, mas que imprimindo assim um quadro hoje abrange indubitavelmen- de assinalável beleza entre a te um vasto leque de pú blicos. baía do Funchal e o seu anfiteDe forma gradual e consisten- atro natural. Com a presença te, o comummente designado certa dos funchalenses e dos "Funchal Jazz" tem vindo a demais visitantes, tudo faz preganhar um estatuto incontor- ver que esta edição do Funchal nável no panorama cultural Jazz tenha um sucesso equipamadeirense, tendo já por ele rável às anteriores edições do passado inú meras personali- Festival.

"F

Miguel Albuquerque Presidente da Câ mara Municipal do Funchal

PUB


o jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Funchal

17 PUB

PUB

Historial A 1ª edição do Funchal Jazz teve lugar em 2000 e desde aí o Festival tem vindo a afirmar-se como uma das realizações centrais do panorama cultural madeirense. Pelo palco, instalado no magnífico cenário dos Jardins Quinta Magnó lia, já passaram alguns dos nomes mais importantes da cena Jazz internacional: Dianne Reeves, Arturo Sandoval, Eliane Elias, Tania Maria, Nicholas Payton, Brecker Brothers, Dee Dee Bridgewater, Dave Brubeck, Toots Thielemans, Gonzalo Rubalcaba, McCoy Tyner, Ivan Lins ou Paquito D'Rivera. Paralelamente o Funchal Jazz reservou sempre um lugar para os mú sicos portugueses, sendo Paula Oliveira, Fátima Serro, Marino Freitas, Joana Machado ou Maria Viana alguns dos intérpretes nacionais que tiverem oportunidade de brilhar perante a vastíssima assistência que se habituou a ouvir bom jazz na Quinta Magnó lia e Carlos Menezes, Marino de Freitas, Zeca da Silva, Max e Hélder Martins, alguns dos mú sicos madeirenses homenageados, ao longo das 7 edições já realizadas. Especial importâ ncia tem sido dada à vertente pedagó gica e de divulgação desta forma musical e à formação de novos pú blicos. Não podemos ainda esquecer que, a cada ano, o Funchal Jazz tem reforçado o seu papel como veículo promocional da Madeira no estrangeiro, sendo cada vez maior a sua importâ ncia no roteiro internacional dos festivais de Jazz e a consequente visibilidade da Região.

RICHARD GALLIANO TANGARIA QUARTET Richard Galliano - Acordeão Philippe Aerts - Contrabaixo Nicolas Dautricourt - Violino Rafael Mejias - Percussão

ALEJANDRO LUZARDO Y LA CANDOMBERA Nerfiz Vaz: Voz Alejandro Luzardo: Guitarra eléctrica e voz Washington Rosas: Baixo Eléctrico e Coros Santiago Blanco: Bateria e Timbal Mauro Perez: Teclados Alexis Leaden: Tambor Piano e Voz Dario Terán: Tambor Repique Mauro Rodriguez: Tambor Chico Ariel Vigo: Saxofone e Flauta Dennis Hernandez: Trompete

BENNY GOLSON / CEDAR WALTON QUINTET Benny Golson - saxofone tenor Cedar Walton - piano Philip Harper - trompete Darryl Hall - contrabaixo Joe Farnsworth - bateria

VÂNIA FERNANDES Vâ nia Fernandes - Voz Jú lio Resende - Piano Rafael Andrade - Trompete Ricardo Dias - Contrabaixo Alexandre Frazão - Bateria

GUIDA DE PALMA & JAZZINHO Guida de Palma - Voz Nic France - Bateria Simon Collam - Teclados Ciro Cruz - Baixo Eléctrico Anselmo Netto - Pandeiro, Percussão e Bandolim Marcelo Andrade - Violino, Sax, Flauta Mark Bassey - Trombone John Hoare - Trompete e Flugelhorn Femi Tomowo - Guitarra Jazz

RON CARTER QUINTET Ron Carter - contrabaixo Stephen Scott - piano Guilherme Monteiro - guitarra Rolando Morales Matos - percussão Payton Crossley - bateria


18 Portugal

CORReiO dA VenezuelA

11 a 17 de Junho de 2009

O Presidente da República, Cavaco Silva, considerou inaceitável o alheamento dos portugueses da vida pública, considerando que a elevada abstenção nas eleições europeias de domingo " empobrece a democracia" e deve " fazer reflectir os agentes políticos" .

Mensagem de Sua Excelência o Presidente da República dirigida às Comunidades Portuguesas por ocasião do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas Portugueses e luso-descendentes, Neste Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, saúdo os Portugueses que vivem ou trabalham fora do seu País, bem como os luso-descendentes que, nas sete partidas do mundo, mantêm acesa a chama da portugalidade. " Quanto mais longe vou, mais perto fico" , foram palavras que Miguel Torga nos legou, num inesquecível poema. Torga conheceu e viveu a realidade da diáspora, sabia do que falava. É essencial sabermos do que falamos, quando falamos da diáspora portuguesa. Por isso me tenho esforçado para contactar de perto as comunidades portuguesas dispersas pelo mundo. Sempre que me desloco em visitas oficias ao estrangeiro - como sucedeu este ano, na viagem que fiz à Alemanha -, procuro que o programa oficial inclua momentos de diálogo directo com as comunidades da diáspora. É fundamental conhecermos a realidade concreta dos Portugueses que emigram. Só assim estaremos a par dos seus anseios, das suas necessidades, do seu amor à Pátria, do seu profundo e comovente desejo de preservar os laços que os unem a Portugal. Mas estes laços têm de ser materializados em acções concretas. Não bastam meras palavras de apreço nem simples discursos de ocasião. Não é possível construir uma relação autêntica com as comunidades tendo por base apenas proclamações retóricas sobre os afectos ou os sentimentos. Deve garantir-se que os Portugueses da diáspora mantenham laços efectivos com o Portugal de onde partiram. Entre eles, avulta, naturalmente, ovínculo da cidadania. Por isso, defendi, através de actos concretos, que o exercício dos direitos cívicos pelos emigrantes fosse assegurado de forma plena. Não esqueçamos que, como disse o escritor Mia Couto, a identidade dos emigrantes é uma " identidade fugidia" . É imprescindível que a identidade dos nossos emigrantes não seja fugidia e que, com o passar dos anos, não se percam os PUBLICIDADE

Aníbal cavaco Silva

elementos essenciais que ligam as comunidades da diáspora à terra de onde vieram. Porque essa terra tem um nome: Portugal. E, como Portugueses que todos somos, temos um dever colectivo e patriótico: tornar real o que pode ser fugidio, construir uma identidade própria, capaz de superar as distâncias e as saudades. No século XXI, em que as distâncias diminuem num mundo global, as questões relacionadas com a diáspora não podem continuar a ser tratadas através do tradicional discurso saudosista e passadista, em que se enaltecem os afectos mas se esquecem as realizações concretas. Não por acaso, ainda ontem tive o gosto de distinguir com o " Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa" um jovem que, na Holanda, criou uma empresa de aplicações de " software" para telemóveis que factura 2 milhões de euros por ano e tem 70 milhões de utilizadores, e um português, residente na Califórnia, presidente de uma empresa agroalimentar, a maior produtora mundial de batata-doce biológica, que factura 36 milhões de euros por ano e emprega 700 pessoas. Orgulho-me de ter contribuído para que a política da diáspora esteja mais atenta à necessidade imperiosa de manter intocados os direitos cívicos do emigrantes. Orgulho-me de Portugal e de ser Português. E, neste dia 10 de Junho, quero dizer muito vincadamente: orgulho-me de todos os que querem continuar a ser Portugueses.

Mensagem do 10 de Junho de Sua Excelência o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas Neste dia de celebração, o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, num tempo de trabalhos mais difíceis, vividos à escala mundial, na economia e no emprego, exprimo a solidariedade do Governo de Portugal diante das dificuldades e a esperança em que nos diversos governos do mundo se construam as pontes para os compromissos duradoiros, principalmnet nos domínios social e económico. Portugal é um país que se estende muito para além do próprio espaço geográfico, é um país cuja " alma" vai muito para além de si, é uma nação que cobre o mundo por via dos mais de cinco milhões de compatriotas que lançam raízes, projectam o valor da língua, promovem a cultura, a história, ou realizam o encontro como forma de relacionamento com as sociedades onde se inserem. Essa arrojada forma de ser convoca o Estado, permanentemente, para um renovado olhar das políticas direccionadas à Diáspora, consubstanciadas no desenvolvimento das condições efectivas para o exercício dos direitos de cidadania. Aí, tal como aqui. Está fora do tempo e do lugar qualquer relação assente na retórica sentimentalista, ainda que mesclada pelo brilho atraente de bondosas acções. Falo, antes, deste tempo e deste lugar. Refiro a concretização de programas, a renovação e implementação de novos serviços e novas modalidades de acesso, cuja finalidade consiste na sua qualificação e utilidade, tendo em vista garantir os direitos de cidadania. Importa, antes de mais, promover a igualdade de tratamento e de oportunidades, dimensionar as políticas sociais, educativas, culturais ou económicas que se praticam no país, de modo a levar em conta os concidadãos residentes no estrangeiro. Hoje Portugal está em condições de dar esse passo, feitas que foram as adaptações técnicas nas representações diplomáticas e consulares, das mais avançadas do mundo ao nível tecnológico, com capacidade de resposta muito próxima das criadas no país.

António Braga

A mais que tradicional tese da saudade, aquela que nos apega ao marcar passo, a que está associada a mecanismos de contemplação ao passado, explicou pouco do muito que estava em falta. Os afectos, remetendo a saudade para essa categoria de sentimentos, são muito importantes para construir e reforçar os laços de vinculação colectiva à Língua de Camões e à História de Portugal, sem as quais não havia pertença. Mas nenhuma comunidade, expatriada ou não, pode viver apenas dos rendimentos desse património, por mais rico que ele seja. Agir, fazer, levar próximo o Portugal moderno é uma exigência cívica e política que o Governo cumpre com honra e orgulho, Construir igualmente uma interactividade que traduza o potencial inexplorado da exportação do melhor de Portugal através das comunidades e que consiga trazer de volta para o país mais conhecimento ou experiências, é uma necessidade reconhecida. Valorizar os Portugueses que trabalham no estrangeiro, quer por sinais públicos de mérito, quer na craição das condições para o exercício dos direitos de cidadania é uma constante programática cuja concretização vê a luz do dia nas mais diversas iniciativas, desde a modernização consular até ao " Talentos" ou " Lusavox" . Este é o tempo que nos coube viver. As dificuldades da actual conjuntura global constituem novos incentivos, radicados no património histórico de quase novecentos anos. Ser Português é partilhar dessa honra.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Portugal

19

O sociólogo António Barreto desafiou políticos, empresários, sindicalistas e funcionários a darem um " bom exemplo" , mais do que palavras ou " sinais de esperança" , para ajudar à recuperação do país, no actual momento de crise económica.

Emigrantes são "melhores embaixadores no estrangeiro" D. António VitAlino lEMbRA EMigRAntES no DiA DE PoRtugAl, CAMõES E DAS CoMuniDADES PoRtuguESAS D. António Vitalino pede aos emigrantes que " não esmoreçam na construção duma sociedade mais fraterna e mais universalista" , eles que são " os grandes embaixadores de Portugal" , que nada " custam ao erário público" . Numa mensagem citada pela Agência Ecclesia, para o dia de Portugal, que se assinalou esta quarta-feira, 10 de Junho, o Presidente da Comissão Episcopal da Mobilidade Humana enalteceu a

d. António Vitalino pediu aos emigrantes que " não esmoreçam na construção de uma sociedade mais fraterna e mais universalista" .

presença de cinco milhões de portugueses espalhados pelo mundo que " contribuem para construir e afirmar Portugal no mundo" através de " comunidades significativas e orgulhosas do nome, da língua e

barroso confirma recandidatura à Comissão Europeia Os trabalhos para a construção do maior túnel da Península Ibérica, que vai atravessar a Serra do Marão ao longo de 5665 metros, já começaram e vão gerar um movimento diário de 200 camiões no pico de obra, disse o Administrador da Somague. Francisco Silva, que falava à margem do fórum " O Futuro é hoje" , que decorre entre entre quarta e quinta-feira, em Vila Real, referiu que o Túnel do Marão " vai ser uma obra de referência para Portugal" . O túnel vai ligar por autoestrada Amarante a Vila Real, representa um investimento de cerca de 400 milhões de euros, e possui um prazo de execução de 44 meses. Segundo o responsável, já se iniciaram as obras dos acessos ao túnel, de desmatação e dos trabalhos preparatórios de escavação a céu aberto nos lados poente ( Amarante) e nascente ( Vila Real). A escavação do túnel pro-

priamente dito começará ao longo do Verão, gerando um movimento diário de cerca de 200 camiões, cuja carga, pedra e terras, será aproveitada para outros locais onde é necessário fazer aterros. Durante o pico de obra, estarão entre 800 a 900 pessoas a trabalhar na construção do Túnel do Marão, que vai servir de alternativa ao sinuoso Itinerário Principal 4 ( IP4). " Trata-se de um projecto de engenharia feito por uma empresa nacional e que vai traduzir-se numa valência para a região em termos de segurança e de comodidade" , frisou.

da cultura portuguesa" . Para D. António Vitalino, estes são os grandes embaixadores de Portugal que, não só contribuem financeiramente para Portugal com as suas remessas, mas " ajudam a

tornar o mundo uma pátria comum, onde nunca nos sentimos estrangeiros" . O Presidente da Comissão Episcopal da Mobilidade Humana afirma que os portugueses " criaram os mestiços" , e que a mestiçagem contribuiu para ultrapassar " divergências e lutas racistas, dando origem à afirmação da unidade do género humano, onde não há raças superiores e inferiores, senhores e escravos, mas semelhantes, próximos, irmãos" . O também bispo de Beja lamenta que a mentalidade fraterna tenha dificuldade em se espalhar " em todas as dimensões do ser e da acção de todas as pessoas e sociedades" , estendendo este lamento às " relações económicas e financeiras" .

Pós-crise deve ser antecipado “desde já” Em tempos de crise, " não basta que nos limitemos a tentar sobreviver" , disse quarta-feira, 10, o Presidente da República durante a sessão solene das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, em Santarém. " É necessário ver mais além; antecipar, desde já, a situação em que queremos estar quando for finalmente ultrapassada a conjuntura actual, e criar as condições para tirarmos partido da fase de recuperação" , disse o chefe de Estado, que defendeu também " uma visão estratégica de médio e longo prazo, uma visão alheia a calendários imediatos, que poderiam comprometer o futuro e tornar inúteis os sacrifícios que a hora exige" . Para que Portugal seja " um dos vencedores" após os " tempos de profundas dificuldades" , é necessário " apostar no que é, de facto, essencial para o aumento da capacidade compe-

titiva" do país, nomeadamente através da melhoria do sistema educativo, o desenvolvimento do mundo rural, uma " sociedade civil verdadeiramente emancipada do Estado" , uma " administração pública que preste serviços de qualidade e tenha assegurada a sua independência face a interesses partidários" e " um sistema judicial com credibilidade e prestígio" . " Mas é necessário ter também a coragem de encarar a verdade dos factos e proceder às mudanças que sejam necessárias, na política como na sociedade em geral, na esfera pública como na actuação de cada um em particular" , defendeu. Cavaco Silva reafirmou que " a verdade gera confiança e a ilusão é fonte de descrença" para defender que " só uma informação correcta permite às pessoas fazerem as escolhas mais adequadas para acautelarem o seu futuro e o das suas famílias" .

bREVES novo bolhão ameaça identidade da cidade A Associação de Feiras e Mercados da Região Norte alertou que o programa preliminar da Câmara do Porto para o Mercado do Bolhão " é desgraçado para a identidade" da cidade e abre " precedentes irreparáveis" . " O programa, lançado por Rui Rio e aceite pelo Ministério da Cultura, é desgraçado para a identidade do Porto, abrindo precedentes irreparáveis na cidade" , refere o presidente da associação em comunicado.

Monteiro Diniz pede reflexão sobre funções O representante da República para a Madeira, juiz-conselheiro Monteiro Diniz, sugeriu às autoridades regionais uma reflexão sobre o papel das suas competências e a possibilidade de serem transferidas para uma outra entidade como o Tribunal Constitucional. Ao discursar na cerimonia de entrega de condecorações por delegação expressa do Presidente da República no âmbito do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Monteiro Diniz fez esta observação a propósito da possibilidade de abertura de um processo de revisão constitucional a partir de Julho.

Açores cresceram 4% desde 2000 O arquipélago dos Açores cresceu quatro por cento, nos últimos nove anos, relativamente à média de produção da União Europeia, disse o vice-presidente do governo regional, Sérgio Ávila. " Quando se iniciou o período de programação ( 2000), o nível de produção dos Açores era 64 por cento da média europeia e agora temos 68 por cento, o que significa que crescemos quatro por cento mais do que a média da União Europeia" , afirmou.


Correio de Venezuela, 11 de Junho de 2009

MAR CONVIDA 20

EM PRAIAS

a perfeita combinação entre a paisagem verdejante das montanhas e o azul cristalino das águas do mar. No Porto Moniz, as praias fazem-nos um convite, seduzindo-nos com a tranquilidade de um ambiente acolhedor, em permanente contacto com a Natureza. A visão estratégica da Câ mara Municipal do Porto Moniz para os complexos balneares do litoral do município tem em conta o equilíbrio sustentável entre a procura balnear e a valorizaç ão dos valores naturais das praias e meio envolvente. Nos ú ltimos anos, tem investido na melhoria dos acessos e da seguranç a em grande parte das praias do concelho, salvaguardando e promovendo a qualidade dos espaços balneares, de forma a garantir aos banhistas momentos de praia de total repouso e tranquilidade. No entanto, a qualidade da água, premiada pela Bandeira Azul da Europa, e a beleza natural das várias praias do litoral do Porto Moniz são razões mais do que suficientes para escolher o concelho mais a nordeste da ilha da Madeira para 'fazer praia'.

É

PISCINAS NATURAIS DO CACHALOTE

Esta é uma zona balnear de acesso livre, sem vigilâ ncia.

COMPLEXO BALNEAR DO CLUBE NAVAL DO SEIXAL Localizada junto ao porto de abrigo da freguesia do Seixal, a praia do Clube Naval do Seixal é um espaç o de acesso gratuito, com uma zona de solário com espreguiç adeiras. Possui ainda duches exteriores e um bar de apoio às piscinas naturais.

- Entrada gratuita - Zona de solário com espreguiçadeiras - Bar de Apoio (Snack-bar) - Possui duches exteriores - Permite aluguer de caiaques e de equipamento para mergulho - Funcionamento: das 10h às 19 horas

O complexo balnear do Clube Naval do Seixal oferece também aos banhistas, ou amantes dos desportos náuticos, a possibilidade de aluguer de caiaques e de equipamento de mergulho com garrafa.

PISCINAS NATURAIS DO SEIXAL

- Entrada gratuita - Zona de estacionamento livre - Acesso Pedonal - Bar de Apoio (Snack-bar)

- Acesso permanente - Possui balneários (com duche) e WC - Tem solários

Pela conservaç ão da sua origem vulcâ nica, as piscinas naturais do Seixal são um bom exemplo da filosofia da Câ mara Municipal do Porto Moniz. A intervenç ão da autarquia neste espaç o cingiu-se à criaç ão de infra-estruturas de apoio às piscinas e à recuperaç ão paisagística da envolvente sem comprometer as características peculiares desta localidade que lhe conferem a sua beleza natural. Ao salvaguardar a sua essência no projecto de recuperaç ão deste complexo balnear, as piscinas naturais do Seixal, um espaç o de elevada qualidade, tornaram-se ainda mais atractivas do ponto de vista lú dico, ambiental e cultural não só para os residentes como também e sobretudo para aqueles que nos visitam. Ficam perto da Praia da Laje, com acesso pela Estrada antiga.

PRAIA DA LAJE - SEIXAL Com uma beleza ú nica, a pequena praia de areia negra escondida entre os rochedos entre o Seixal e o Porto Moniz é um dos recantos privilegiados pela natureza. Pelo facto de estar localizada numa baía mais recatada, algo invisível para quem não a procura, esta praia de calhau miú do e areia preta é um espaç o muito tranquilo e agradável. É também conhecida por praia da Jamaica, devido à plantaç ão de palmeiras existente no passeio marítimo na estrada de acesso a este pequeno Complexo Balnear. Há pouco tempo, esta praia foi alvo de melhoramentos pelo actual executivo camarário, que vieram proporcionar aos banhistas novos espaç os de apoio à prática balnear. A remodelaç ão contemplou a criaç ão de balneários, um bar de apoio e um posto de primeiros socorros.

-

Entrada livre Estacionamento livre Acesso permanente Bar de apoio (boa qualidade)

- Tem nadador salvador - Tem balneários e WC - Praia de areia natural com boa envolvente paisagística


Correio de Venezuela, 11 de Junho de 2009

A AO REPOUSO 21

S NATURAIS

PISCINAS NATURAIS DO PORTO MONIZ - Tarifário: 1,25 € adultos; 0,50€ portadores do Cartão Munícipe; 0,80 € idosos, estudantes, crianças e deficientes. - Estacionamento pago: 0,50 €/hora - Restaurantes e bares (boa qualidade) - Praia vigiada por cinco nadadores-salvadores - Tem bandeira Azul - Balneários e WC - Preparada para acolher pessoas com mobilidade reduzida

Entre várias rochas de lava que são enchidas pela maré com águas cristalinas, está o maior tesouro da vila. Nas piscinas naturais do Porto Moniz a água é de tal forma límpida que é possível observar pequenos peixes que passeiam pelo fundo da piscina, e pequenas algas que cresceram naturalmente nas paredes dos rochedos que as rodeiam. As piscinas naturais são a principal atracção do concelho mais a noroeste da Madeira, não só pelas excelentes condições de banho que oferecem, mas

PRAIA DO PORTO DO SEIXAL Com areia preta natural, a praia do porto de abrigo do Seixal é outra das alternativas de qualidade do concelho do Porto Moniz.

- Entrada livre - Estacionamento livre - Dois bares nas proximidades - Tem vigilância durante o Verão - Tem areia natural

também pela sua extrema beleza. São ideais para relaxar, nadar, apanhar sol ou apenas para uma visita. Com uma localização fantástica, extremamente central, este complexo balnear é muito concorrido no Verão, pois é o local por excelência para banhos de sol e de mar, em segurança. As piscinas naturais de origem vulcâ nica, foi pensada para todos: miú dos, graú dos e pessoas com mobilidade

reduzida. Há um parque infantil assim como acessos específicos para deficientes motores. O espaço é vigiado por cinco nadadores-salvadores e oferece excelentes condições: balneários com cacifos para guardar os bens pessoais, guarda-sol, espreguiçadeira e colçhão, excelentes condições de higiene, parque de estacionamento, bar e posto de primeiros-socorros. A sua qualidade tem sido todos os anos premiada pela Bandeira Azul da Europa.

FOZ DA RIBEIRA DA JANELA A foz da ribeira na Ribeira da Janela é muito aprazível para ir a banhos. Esta zona balnear de acesso livre, além do contacto com o mar permite nadar em água doce, numa pequena lagoa resultante da acumulaç ão da água do leito da ribeira e das águas da central hidroeléctrica que aí existe. Ao nível das infra-estruturas de apoio à prática balnear, possui uma zona de solário e instalaç ões sanitárias com duche, com acesso facilitado para deficientes, que estão em funcionamento das 8h30 até às 19 horas. Mais abaixo, a praia da Ribeira da Janela oferece uma encantadora extensão de calhau rolado, muito apreciada pelos surfistas. Com as suas maravilhosas vistas do vale e do mar aqui encontrará tranquilidade e água cristalina. Perto encontrará estacionamento, um parque de campismo e um vasto leque de trilhos para caminhadas.

-

Entrada livre Estacionamento livre Acesso permanente Parque de Campismo perto

- Tem balneários e WC - Funcionamento: das 8h30 às 19 horas - Água doce e água salgada


22 Opinião

Correio da VeNezuela

11 a 17 de Junho de 2009

TRIBUNA DOS CONSELHEIROS

N

a passagem de mais um dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, queremos enviar uma saudação muito calorosa a todos os emigrantes e luso-descendentes residentes na Venezuela. Neste dia, em que se presta uma mais que merecida homenagem aos Portugueses da Diáspora, queremos também enviar uma mensagem de esperança a todos os nossos conterrâneos, os quais são exemplo de trabalho, honestidade e dedicação. Uma mensagem para que não desanimem, para que não deixem viver o sonho que um dia os trouxe até aqui e, sigam construindo a obra que começaram muitos há mais de 50 anos.

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas Assim ajudaremos a construir este grande país que nos acolheu e também a dar um valioso contributo, para a afirmação do nome de Portugal. Devemos ter confiança nas nossas capacidades e pensar que

somos capazes de fazer mais e melhor futuro para os luso-descendentes. Durante o ultimo ano, os Conselheiros tudo fizeram para melhorar as condições de vida, de trabalho e dos empresários

residentes neste país. Foram muitas as vezes que nos reunimos com responsáveis do governo português, e foram também muitas as propostas apresentadas nesse sentido e que não são mais do que as aspirações de quem é, e se sente português. Estamos conscientes que ainda há muito por fazer, mas fica a promessa de seguir trabalhando pela justiça de igualdade, para que cada vez mais tenhamos o mesmo tratamento daqueles que vivem em Portugal. Este dia de poetas e trovadores, serve também para lembrar quem somos e de onde viemos, de onde vieram os nossos pais ou os nossos avós. Vale a pena pensar nisso. Devemos sentir Orgulho da nossa Pátria e de ser portugueses.

Coordenação em Caracas Jean Carlos De Abreu Jornalistas: Tomás Ramírez, António da Silva, Magnalis Tavares, Anaís Castrellón, Andreína de Abreu. Correspondentes: Francisco Javier Figuera (Valencia) Carlos Balaguera (Maracay e Valencia) Carlos Marques (Mérida) Edgar Barreto (Punto Fijo) Trinidad Macedo (Barquisimeto) Valéria Costa (Margarita) Francisco Figuera (Valencia) Silvia K Gonçalves (Guayana) Sandra Rodriguez (La Victoria) Colaborações: Raúl Caires (Madeira) António de Abreu, Arelys Gonçalves Antonio López Villegas, Luís Barreira, Velásquez

Não podemos esperar que as coisas mudem...

N

Luís Jorge

dade apática, indiferente e desmobilizada. Se bem é certo que uma grande parte, talvez a maioria dos portugueses que trabalham neste país vive com alguma comodidade, também há quem não viva tão bem. Há inclusivamente quem necessite do apoio económico do estado Português para poder sobreviver. E esses são os que mais perderam. Se somos conhecidos em todo o mundo pela nossa capacidade em organizar festas, verbenas, construir grandes obras e pelos grandes eventos de solidariedade, porque não somos capazes de mobilizar-nos para as questões políticas que nos dizem respeito? Não podemos pretender que as coisas mudem se sempre actuamos da mesma maneira. Temos que ser realistas. Aos partidos políticos e aos governantes, o que lhes importa é o peso político de cada comunidade, e em função disso teremos

mais ou menos importância. Votar não é uma obrigação, é um dever e uma vez mais não cumprimos com ele por isso, não nos podemos queixar nem dizer que estamos abandonados ou " esquecidos" como eu lhes prefiro chamar. Ainda que seja obrigação do estado velar pelos seus cidadãos, estejam eles em Portugal ou no estrangeiro, com esta apatia estamos também a dificultar o trabalho dos nossos representantes que se esforçam em exigir do governo, uma política de igualdade, melhores condições de bem estar social, melhores serviços consulares e diplomáticos, apoios para o ensino da língua portuguesa no estrangeiro, encontrar mecanismos para garantir a segurança dos emigrantes etc. Dentro de três ou quatro meses haverá novas eleições, mas para que haja um ganhador terá também que haver um despertar de consciência Lusitano.

ERRATA Na edição 311 do Correio da Venezuela, de 4 a 10 de Junho, anunciamos por erro que a Feira de Cavenport contaria com a presença do ministro da Agricultura, do

Subdirector Agostinho Silva

Álvaro Dias, Luis Jorge, Ysabel

ELEIÇÕES EUROPEIAS

o passado fim-desemana, assistimos a mais um acto eleitoral desta vez para escolher os deputados que defendem os interesses de Portugal no Parlamento Europeu ( PE). Assim à simples vista, parece que estas eleições não nos dizem muito, mas o que é certo, é que três partes das decisões tomadas no PE afectam directamente o nosso país. Na Venezuela a participação dos portugueses foi escassa ou quase nula já que mais de noventa e dois por cento das pessoas recenseadas não foram a votar. E isto leva-nos a pensar quem perdeu estas eleições! Pessoalmente, acho que quem perdeu fomos nós. Os Portugueses emigrantes que, alheios ao que se passa à nossa volta perdemos uma oportunidade de reivindicação. Não é igual uma comunidade organizada, participativa, interessada nos destinos do seu país, a uma comuni-

Director: Aleixo Vieira

Administração: Gloria Cadavid Publicidade e Marketing: Carla Vieira Ventas María Eugenia Monteverde Assesoria Gráfica: Raimundo Capelo Fotografia Leo Merchán Paco Garret Secretariado: Heisi Mayor Distribuição: Enrique Figueroa Impressão: Editorial Melvin C. A Calle el rio con Av. Las Palmas Boleita Sur - Caracas Venezuela Endereço: Av. Principal Las Mercedes. Edif. Centro Vectorial (Banco Plaza). Pent House, Urb. Las Mercedes, Baruta Caracas (Ao lado de CONAVI). Telefones: (0212) 9932026 / 9571 Telefax: (0212) 9916448 E-mail: correio@cantv.net URL: www.correiodevenezuela.com Tiragem deste número: 15.000 exemplares Fontes de Informação:

Desenvolvimento Rural e das Pescas, Jaime Silva. A visita será feita pelo secretário de Estado Adjunto da Agricultura e das Pescas, Luís Vieira. Por outro lado, o Embaixador de

Portugal na Venezuela, João Caetano da Silva, vai presidir aos actos relativos às comemorações do 10 de Junho na Casa Portuguesa do Estado Aragua e não no Centro Português, em Caracas.

Agência de Notícias Lusa, Diário de Notícias, Diário de Notícias da Madeira, Ilhapress, Portuguese News Network e intercâmbio com publicações em língua portuguesa, de diferentes partes do Mundo.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

Cartas:

11 a 17 de Junho de 2009

Cartas&Inquérito

23

Favor enviar as suas cartas e comentários ao endereço electrónico: correio.prensa@gmail.com

Entrada no lar Acreditávamos que tínhamos realizado os nossos sonhos. O de três irmãos, e também da nossa mãe, quando conseguimos que a aceitassem no lar Padre Joaquim Ferreira, o qual, modestamente, também ajudámos a construir, através dos nossos contributos pela Academia do Bacalhau, e em algumas verbenas em que participámos. Estávamos satisfeitos já que eram as instalações adequadas para que a nossa mãe pudesse desfrutar, uma pessoa que em toda a sua vida soube apenas o que era trabalhar. Uma subida traiçoeira de açúcar no sangue e outras complicações normais numa pessoa de 84 anos fez com que a tivéssemos de mudar para Caracas, onde se manteve hospitalizada durante 14 dias.Teve alta a 14 de Abril, pois segundo os médicos já estava em condições normais para uma pessoa da sua idade. Foram pedidos os serviços de uma ambulância para levá-la de novo ao que considerávamos ser o seu lar, onde chegámos depois das quatro da tarde. Uma vez chegada a ambulância, deixa a paciente e vai embora, e ela é acomodada no seu quarto. É aqui que o problema se apresenta e começa o nosso calvário. Por motivos de prevenção, ao sair da clínica a nossa mãe ficou com um cateter uma vez que não havia forma

de administrar-lhe medicamentos através das veias (de facto tinha os braços negros e inchados devido às tentativas). Segundo os médicos, isto não tinha qualquer perigo, era um procedimento normal. Contactaram o dr. Braz, que manifestou que, devido a normas da instituição (que nós desconhecíamos), tal situação não poderia ocorrer. Por este motivo, contactámos o médico da nossa mãe para que tentasse, mas em vão, explicar a situação, pedindo para falar com a pessoa encarregada. Mas já não foi possível contactar o dr. Braz, que se encontrava num congresso. Estávamos nesta situação, tentando contactar com alguém responsável do lar, quando a senhora Rosa e a senhora Gouveia se aproximaram do quarto. Foi esta última que falou com o médico da nossa mãe. Mas esta senhora, com a sua intransigência e falta de humanidade (e falta de tudo, com certeza), negou-se a que a nossa mãe permanecesse neste centro.Tinha sido combinado levá-la de novo à clínica para que lhe retirassem o cateter, o que significava deslocá-la de novo a Caracas, àquelas horas, e em tais condições, ao que de novo a senhora Gouveia voltou a negar-se, de forma taxativa, a que voltasse e ficasse no lar naquelas condições, dizendo que "de coração" não podia permiti-lo, alegando falta de pessoal, etc., etc. Senhora Gouveia, você terá muitos corações: De ouro, de prata, de 'bas-

tos', mas um coração humano? Não creio que você saiba o que é isso. Tivemos que tirar a nossa mãe do lar e devolvê-la como se fosse uma mercadoria, um vulgar saco de batatas que a 'patroa' não gostou.Tivemos que pedir de novo um serviço de ambulância, que levou a nossa mãe pelas 10 da noite. Ironicamente, ao proceder à deslocação, a senhora Gouveia teve o descaramento de dizer que podíamos levála de novo ao lar quando melhorasse, quando estivesse noutras condições. Eu pergunto à senhora Gouveia quando será possível nova entrada? Quando a nossa mãe estiver a dançar ou a dar cambalhotas? Pois bem, aqui terminou o nosso sonho e desejamos apenas que se reflicta e que em casos como este não voltem a acontecer neste centro, este lar que, repito, também ajudámos a construir e que, supostamente, é para acolher pessoas que lamentavelmente já não podem valer-se por si mesmas (e você, senhora Gouveia, também não se verá livre disso). Muito obrigado à irmã Irma (sim, irmã, há que saber perdoar, mas que difícil é, por vezes, aceitar...), obrigado às enfermeiras (Carmen e as restantes) e a todos aqueles que, de uma forma ou de outra, ajudaram a que os breves dias de estadia da nossa mãe no centro tivessem sido alegres. Obrigado Marinelly Richard.

Não esqueçam de onde vieram

João Macário de Abreu

Adelaida Figueira da Rocha

Lendo o jornal, gostei da carta dedicada à senhora Maria José, uma mulher muito calada e reservada, que durante muitos anos trabalhou no Centro Português e que tão cruelmente foi tirada ao clube. Como engolia a sua pena e a sua dor, nunca se queixou, só chorava, e quem sabe isso deixou-a doente e Deus levou-a, até que fiquei a saber que dormem no carro. Não entendo, a nossa gente enche a boca dizendo para ajudar os mais necessitados, ser solidários e desprezam as pessoas sem o menor reparo ou consequências. Não esqueçam que somos um povo emigrante e que apesar de já haver filhos, netos e bisnetos nascidos aqui na minha bela pátria que é aVenezuela, sempre seremos 'portus', ou seja, 'musiu'. Ser solidário tem de ser de pensamento, de palavra e acção, e de muito bom coração, não o façam por competição nem para a fotografia, nem para condecorações, façam-no pela satisfação que se sente quando se faz algo bonito. E para o senhor Aleixo, os meus respeitos e admiração pela sua pessoa, você é um cavalheiro de honra, simples, solidário, um senhor que é uma formiguinha sempre a trabalhar para o bem da comunidade lusa. Nunca mude por favor.As minhas felicitações ao Correio.

Inquerito: Considera que se devia organizar mais eventos abertos à participação de toda a comunidade e em que lugares?

Maria Couto Dona de casa

Carmen Rita Psicopedagoga

Gustavo Gonçalves Administrador

David Pereira Neurocirurgião

"Penso que é necessário que se consiga um sítio adequado para que se realize este tipo de eventos e assim a comunidade tenha oportunidade de participar.Acho que não é necessário tanto protocolo para fazer este tipo de festas. É necessário que as pessoas participem."

"Acho que é preciso fazer contactos com os clubes portugueses para que alberguem este tipo de celebrações.Todos os portugueses na Venezuela têm direito de fazer parte destes eventos. Deveríamos fazer um esforço para que isto seja mais público e não tão exclusivo."

"Acho que temos de aproveitar todas as ferramentas electrónicas facultadas pela tecnologia actual para difundir muito melhor este tipo de eventos. A Internet dános a possibilidade de difundir rapidamente uma informação. Deveríamos criar uma boa base de dados grande e convidar comunidade através desse meio."

"Temos de conseguir um espaço físico onde se possa realizar estas actividades. Poderíamos arrendar entre todos um salão de festas ou falar com os responsáveis do Centro Português porque a maioria da comunidade sente-se identificada e deseja participar nestes eventos."


24 Publireportagem

11 a 17 de Junho de 2009

Correio da Venezuela

laços de amor no Salão gales Mónica Da Silva e anDréS Figueira FeStejaraM a Sua união MatriMonial entre FaMiliareS e aMigoS Anaís Castrellón Castillo Anaiscastrelloncastillo@ gmail.com Fotos: António da Silva O salão de festas do Windsor de Banquetes Gales serviu de palco para a celebração do casa-

mento de Mónica Da Silva e Andrés Figueira. O casal festejou a doce união do seu amor no passado 6 de Junho, juntamente com familiares e amigos de ambos. A cerimónia esteve caracterizada por um ambiente de muita felicidade e harmonia, como facilmente se podia ler nos rostos dos noivos. Os pais, familiares e muitos amigos convidados desejaram aos jovens " muita felicidade e uma união inseparável, que perdure através dos anos e se converta num muro indestrutível" .


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Publicidade

25


26 Religião

Pbro. David Rodríguez

Correio da Venezuela

11 a 17 de Junho de 2009

O mês de Fátima em 2009 Em maiO, diFErEntEs assOciaçõEs E instituiçõEs lusO-vEnEzuElanas cElEbraram Os 92 anOs da apariçãO da padrOEira dOs pOrtuguEsEs Meus queridos irmãos, partilho de novo convosco, e é bom ver a grande intervenção de Maria, sob a invocação de Nossa Senhora de Fátima, no passado mês de Maio. Falar de Maio é referência obrigatória na nossa religiosidade própria de cristão praticante, fazer uma união íntima espiritual com a figura particular de Maria Santíssima. Como pastor, pude apreciar uma variedade de manifestações de fé, amor e devoção à Santíssima Virgem Maria. Nas eucaristias, nos encontros de oração mariana com o exercício

do Santo Rosário, ou mesmo nas típicas procissões. O mês de Maio levou-nos a diferentes comunidades residentes no nosso país, e apreciámos o que foi acontecendo nas diversas notícias do semanário Correio de Venezuela, como também em cada comunidade e paróquia, com autênticas manifestações de fé e de amor à Virgem de Fátima. Pode-se dizer que a comunidade portuguesa no nosso país ainda conta com uma boa imagem no que se refere à devoção mariana. Mas com isto não podemos dizer que somos especialíssimos e que já ganhámos o céu, ainda nos falta muito. É bom recordar que a prática da devoção, recordar Maria, não pode concentrar-se apenas em Maio ou noutro mês, mas sim sempre e nas condições em que nos encontremos. Bençãos ao céu

Maria derramou e continuará a derramar muitas ben-

çãos sobre nós, os seus filhos, que acudimos a Ela com humildade e simplicidade, reconhecendo que sob a sua intervenção e tendo em conta a sua mensagem, podemos conseguir a felicidade plena que nos é prometida por Deus. Maria quer que não nos esqueçamos d'Ela e do seu filho Jesus. Que a nossa devoção e a adoração a Jesus seja coerente e de coração, para levar uma vida de acordo com as exigências do Evangelho. Não quero terminar sem mencionar a grande satisfação que sinto pelas celebrações a que me coube presidir no passado mês de Maio, na ausência justificada do padre Alexandre Mendonça, pároco da Missão Católica Portuguesa: As belas celebrações de Fátima no Centro Português, em Caracas, onde participaram muitos irmãos para celebrar as vésperas da solenidade; também as realizadas na sede da Missão Católica Portuguesa,

em San Bernardino, celebração muito concorrida e onde se demonstrou que a mensagem de Fátima na sua aparição tem uma total vigência no nosso tempo actual; no clube Centro Marítimo da Venezuela, onde um ambiente muito familiar e de oração foi uma experiência única, seguida de um percurso da imagem sagrada em procissão nos arredores do clube, recordando que Maria acompanha o seu povo. Sem dúvida, meus queridos irmãos e irmãs, as belas experiências de Maria no mês de Maio foram particulares, mas sublinho que não apenas nesse mês, mas sempre, e que a aceitemos sempre na nossa vida e no nosso trabalho. Neste mês de Junho, aprofundemos a bela devoção do Sagrado Coração de Jesus, que ele seja um refúgio e que vejamos no seu coração os tesouros de amor dado a cada um de nós. Deus os abençoe.

PUBLICIDADE

TAP começa operações para Varsóvia O Aeroporto Chopin em Varsóvia recebe neste início de Verão a companhia aérea portuguesa TAP, que começa a operar regularmente a nova rota Lisboa Varsóvia, a partir de 9 de Junho de 2009. Os voos serão operados cinco vezes por semana: Lisboa - Varsóvia às Terças, Quartas, Sextas, Sábados e Domingos, com partida às 16: 50 e chegada às 21: 45 ( hora local). Varsóvia - Lisboa às Segundas, Quartas, Quintas, Sábados e Domingos, com partida às 06: 05 e chegada às 09: 05 ( hora local). Os passageiros serão transportados no confortável avião Airbus A320, com capacidade para 162 pessoas. " Com esta nova linha da TAP, Varsóvia ganha uma importante rota. O arranque dos voos Varsóvia - Lisboa é o mais marcante da temporada de Verão,

permitindo aumentar as ligações directas que o nosso aeroporto oferece e que já perfazem mais de 83, através de 32 companhias aéreas" , sublinha Michal Marzec, director-geral do Polish Airports " State Enterprise" . " A decisão da TAP prova que mesmo em tempo de abrandamento económico há oportunidade para investimentos. Estou certo que esta opção terá retorno, já que para a Polónia, Lisboa era um mercado com uma procura ainda insatisfeita em termos de ligações aéreas" . Varsóvia, o novo destino da TAP, está a revelar-se muito popular, contando já com 15.000 reservas até ao final do ano. A TAP consegue assim aumentar e diversificar a sua rede europeia, acrescentando a Polónia, considerado um dos países com um maior e mais relevante crescimento na Europa de Leste, no que respeita a tráfego de negócios e lazer.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Saúde

27

A aranha vascular e a estética feminina EstE problEmA Estético podE sEr trAtAdo sE consultAr um EspEciAlistA nA árEA

veias podem sofrer um aumento de pressão, tendo como consequência as aranhas vasculares. Outras causas são a exposição excessiva do corpo ao sol, certos medicamentos e a pílula, o aumento de peso e o uso de sapatos de salto alto ou roupa demasiado justa.

Jean Carlos de Abreu deabreujean@ gmail.com As aranhas vasculares aparecem com frequência na maioria das vezes em mulheres adultas. Assemelham-se às varizes, no entanto são mais pequenas e não causam a dor que as varizes geralmente causam. As aranhas vasculares normalmente aparecem nas pernas e no rosto. Podem ter forma ramificada ou de aranha, ou apresentarem-se como linhas

É possível prevenir

Existem tratamentos para tratar as aranhas: A cirurgia, o tratamento de eliminação de veias varicosas com lazer e a escleoterapia.

dentadas, finas e curtas. As três causas principais das aranhas vasculares são a herança hereditária, a gravidez e o tempo prolongado em que as pessoas passam sentadas ou de pé. As variações nos níveis hormonais durante a gravidez

podem empobrecer a circulação sanguínea e contribuir, assim, para o desenvolvimento das aranhas vasculares. Por último, se a sua ocupação ou estilo de vida o obrigam a estar sentado ou de pé durante períodos prolongados, as paredes das suas

Os dermatologistas recomendam precauções para prevenir as aranhas vasculares. Entre elas está evitar estar sentado ou de pé durante muito tempo. Se o seu emprego assim o exige, tente fazer pequenas caminhadas a cada duas ou três horas. Se não for possível, então mova os pés para cima e para baixo cada vez que possa e não os cruze. Faça exercício de forma regular. Use meias de apoio e aces-

sórios que não impeçam a circulação. Evite a exposição solar e o calor nas pernas. Mantenha uma alimentação equilibrada, ingira a quantidade suficiente de fibra e mantenha o peso corporal ideal. Todas estas medidas preventivas poderão atrasar o evitar o aparecimento de aranhas vasculares. Existem várias opções para o tratamento das aranhas vasculares, entre as quais se incluem os tratamentos naturais, a cirurgia, o tratamento de eliminação de veias varicosas com lazer e a escleoterapia. Cada uma está pensada para voltar a proporcionar um aspecto mais são e jovem às pernas. Um dermatologista poderá ajudá-lo a determinar qual é o tratamento mais apropriado para as suas necessidades pessoais. PUBLICIDADE


28 Desporto

CORReiO da Venezuela

11 a 17 de Junho de 2009

Copa CORREIO chegou ao fim COM O apOIO dEstE sEManáRIO lusOvEnEzuElanO, pROssEguEM Os tREInOs dE pREpaRaçãO da EsCOla tFR paRa Os sEus COMpROMIssOs IntERnaCIOnaIs

Costa Girona Cup a 21 de Junho

Antonio Carlos da Silva F. magneticaudiovisuales@ gmail.com A bem sucedida academia de futebol jovem dirigida pelo outrora capitão do CS Marítimo da Venezuela, Franco Rizzi, continua com o trabalho de aperfeiçoamento do grupo de crianças convocado para os próximos torneios nos quais esta escola participa, em representação da Venezuela alémfronteiras. Os talentos mais pequenos da academia, nascidos em

O TFR regressa à Catalunha para competir na cidade costeira de Girona, na famosa Costa Girona Cup 2009.

1999 e 2000, disputaram, durante dois meses e meio, todas as segundas-feiras, a Copa CORREIO de Venezuela, campeonato interno que reuniu os potenciais reforços do futuro desta associação, que contou com o apoio deste semanário na parte de logística e organização.

Este trabalho complementa os conceitos técnicos que os preparadores vão inculcando nos mais pequenos, e se bem que nestes escalões etários mais baixos, a componente recreativa está acima do trabalho táctico, vai servindo para preparar os pequenos futebolistas para as situações que se apresentam na competição.

Rosa Mota participa em caminhada saudável Jean Carlos De Abreu deabreujean@ gmail.com Este sábado, 13 de Junho, pelas oito da manhã, no Parque Generalíssimo Francisco de Miranda, antigo Parque del Este, em Caracas, será levada a cabo uma caminhada com a ex-atleta olímpica portuguesa Rosa Mota, que foi medalha de ouro na Maratona. A iniciativa visa oferecer um momento de confraternização e partilha entre a antiga desportista e a comunidade luso-venezuelana

numa actividade saudável. Rosa Mota desloca-se à Venezuela a convite do secretário de Estado do Turismo de Portugal, no âmbito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. O ponto de encontro será na entrada do parque em frente à Concha Acústica. Será desde aqui que os participantes realizarão a caminhada, que consistirá em duas voltas pelas instalações do campo, o qual compreende aproximadamente 4.700 metros.

Andrés Vieira, guarda-redes luso-descendente, foi uma das figuras da jornada final e levou o troféu de 'guarda-redes menos goleado', que já tinha obtido antes na Barcelona Premier Cup, torneio disputado na Catalunha durante a Semana Santa e onde o TFR conquistou o título na categoria sub-10.

Com uma delegação composta por mais de 100 pessoas que inclui atletas, treinadores, dirigentes e imprensa, o TFR, na qualidade de escola colaboradora do FC Barcelona, regressa à Catalunha para competir na cidade costeira de Girona, na famosa Costa Girona Cup 2009, torneio que reúne o melhor do futebol catalão em categorias menores e que servirá para que um novo grupo de alunos da academia tenha o seu " baptismo internacional" , ao mesmo tempo que valores que vão já sendo seguidos pelos técnicos de futebol base 'blaugrana' podem demonstrar a evolução do seu talento. A participação da academia crioula em Espanha poderá ser apreciada no programa oficial desta escola no canal desportivo Meridiano TV, transmitido todos os sábados pelo meiodia. PUBLICIDADE


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Desporto

29

Adolfo Castro vai treinar o Marítimo ExpEriEntE téCniCo já ConsEguiu fAzEr subir váriAs EquipAs à priMEirA divisão Tomás Ramírez González tomasramirezg@ gmail.com Foto: Alfredo Pérez Se recorda equipas como a Yamaha-caracas ( actual Caracas FC), Pepeganga Margarita, Deportivo Tuy, Minerven, Minasoro e Arroceros de Guárico, terá em mente o construtor destas formações que alcançaram a divisão de honra do futebol venezuelano e que são parte da história deste desporto no país. O artífice deste e de outros feitos não é mais que Adolfo Castro 'Castrín', que foi o responsável pela subida à primeira divisão do clube que agora ostenta dez

Adolfo Castro 'Castrín' será agora responsável pelas rédeas do CMV.

estrelas no seu currículo. O técnico será agora responsável pelas rédeas do Centro Marítimo de Venezuela. 'Castrín' referiu que, durante a primeira convocatória da equipa realizada nos campos do Fray Luis de León, a prática foi leve na avaliação da técnica

e táctica dos jogadores com o fim de decidir quem sairá e quem ficará na sua equipa. " Houve falhas lógicas, já que é o primeiro treino mas nota-se o entusiasmo dos jogadores e dirigentes em formar uma boa equipa e conseguir os objectivos" .

Castro explicou que é necessário trabalhar muito no pouco tempo que dispõem para enfrentar o desafio que é a terceira divisão. " Temos que ir acelerando as práticas para conseguir o objectivo. Há esperança de subir à segunda B" . O sistema usado pelo mister durante o torneio será um 4-3-3 elástico que mudará de acordo com a envergadura do rival. " O futebol de hoje não é como antes. Vai e vem. Há que cuidar muito bem da bola" , explicou Castro. Dos rivais que requerem mais cuidado, Castro disse que deveriam ter especial atenção ao Peñarol e ao 'multicampeão' Central Madeirense. Boa convocatória

Apesar da disponibilidade do campo, este foi confirmado com três dias de antecedência, e 33 jovens de diferentes zonas da cidade responderam ao apelo do Centro Marítimo de Venezuela para o primeiro trei-

no oficial da emergente organização futebolística. O presidente do clube, Víctor da Silva, disse sentir-se satisfeito pela participação dos jovens, que chegaram de diferentes equipas, como o Cumbres. Silva clarificou ainda que, em termos legais, " não temos nada a ver com o Clube Sport Marítimo da Venezuela" , já que ultimamente têm recebido chamadas de pessoas confundidas com o nome. No que diz respeito à sede da equipa, o dirigente esteve em conversações com vários clubes privados e universidades da cidade para albergar os jogos. " Lamentavelmente, pelas normas da Federação Nacional Venezuelana de Futebol, não podemos ter jogos oficiais em campos onde o público não possa entrar. Já sabemos que nos clubes essa decisão está nas mãos dos sócios e as universidades são autónomas" . PUBLICIDADE


30 Desporto

Correio dA VenezuelA

11 a 17 de Junho de 2009

Portugal empata sem golos na Estónia EstrEantE guardarEdEs BEto salvou a sElEcção PortuguEsa do dEsairE Em jogo Particular

Uma actuação inspirada do estreante guarda-redes Beto salvou quarta-feira, 10, a selecção portuguesa de futebol de se despedir de 2008/2009 com uma derrota na Estónia ( 0-0), em encontro particular. Numa encontro em que apresentou uma equipa de " segunda" , incluindo três estreantes ( Beto, Zé Castro e Eliseu), Portugal realizou mais uma exibição decepcionante, tendo estado sempre mais perto de perder do que de ganhar. A formação das " quinas" completou, assim, a primeira época da segunda " era" Carlos Queiroz com " míseras" cinco vitórias, PUBLICIDADE

todas com equipas frágeis, como Ilhas Feroé, Malta, Finlândia, África do Sul e Albânia. Com conjuntos mais complicados, a selecção lusa nem um triunfo conseguiu: 2-3 com a Dinamarca, 0-0 em casa e fora com a Suécia e uma humilhante goleada sofrida no Brasil ( 2-6). Pior do que tudo isto, é o terceiro lugar no Grupo 1 de apuramento para o Mundial de 2010, com nove pontos, os mesmos da Suécia, quarta, menos quatro do que a Hungria e sete em relação à Dinamarca. "ObjectivO cumpridO"

O seleccionador português de futebol, Carlos Queiroz, classificou como " objectivo cumprido" o desafio particular com a Estónia, em Talin, com mais um empate a zero, na despedia de 2008/2009. " O grande objectivo do jogo era pôr jogadores em campo,

faze-los jogar, crescer, ficar mais maduros e experimentados e isso foi cumprido" , justificou, no " flash interview" da TVI, após o desafio. Apesar de mais uma exibição pálida, Queiroz ficou contente: " Os jogadores que estiveram aqui entregaram-se de princípio a fim, bateram-se muito bem. Alguns deles estavam nervosos no princípio, mas, pouco e pouco, ficaram mais tranquilos. Na primeira parte fizemos boa exibição, mas na segunda baixámos um bocadinho" . Portugal voltou a não marcar " fica para a próxima" -, mas o técnico considerou que na primeira parte a equipa lusa dispôs de várias situações para o conseguir. " Agora vamos continuar e cumprir com a nossa obrigação. Estamos em posição de vantagem sobre a Suécia e temos de cumprir com nossas obrigações e ganhar os jogos que temos pela frente.

A segunda equipa de Portugal não conseguiu ir além do empate.


O jornal da comunidade luso-venezuelana

11 a 17 de Junho de 2009

Ronaldo pode ser operado poderá ter de ficar um mês em repouso. Uma outra fonte avança que o desejo de Ronaldo é ter " tudo tratado rapidamente porque a operação pode afectar a pré-temporada" .

Pubalgia Pode levaR à mesa de oPeRações e comPRometeR a PRétemPoRada. madeiRense agRavou lesão no albânia-PoRtugal Cristiano Ronaldo está em risco de falhar a pré-época no Manchester United - isto caso o seu futuro passe mesmo por Inglaterra... - devido a uma pubalgia que se agravou no jogo de sábado, 6, da selecção nacional frente à Albânia. O madeirense pode ficar afastado da preparação durante um mês caso os responsáveis do clube inglês decidam avançar com a intervenção cirúrgica a uma hérnia. A seguir ao jogo de Portugal,

Em trânsito para o EstrangEiro

Problema físico agravou-se no jogo com a Albânia.

Cristiano Ronaldo entrou de férias que poderão ser interrompidas a qualquer momento para a realização da operação. " A ideia é operar já para que ele recupere durante o mês de

Junho e esteja pronto nos primeiros dias de Julho" , disse uma fonte próxima do jogador, citada pelo jornal espanhol 'As'. Caso esta se concretize o melhor jogador do Mundo de 2008

Apesar de neste momento se encontrar em trânsito para um destino de férias no estrangeiro - Miami é um dos locais apontados por alguma imprensa - Cristiano Ronaldo mantém-se em contacto com os médicos do Manchester United e pode ser operado nos próximos dias, o que o impedirá de iniciar a próxima temporada com os restantes companheiros de equipa, a 6 de Julho. Se tal acontecer, repete-se a situação acontecida na temporada passada em que o craque madeirense teve de submeter-se uma cirurgia para debelar um pequeno problema num pé e falhou tanto a préépoca como os primeiros jogos do campeonato inglês.

Desporto

31

Real Madrid vai 'atacar' CR7 Kaká já está e Cristiano Ronaldo pode ser o próximo na lista de contratações 'galácticas' de Florentino Perez. Depois de adquirir o craque brasileiro ao AC Milan, o presidente do Real Madrid já elegeu um novo alvo: o madeirense do Manchester United. "Kaká foi a primeira contratação. Agora, vou fazer tudo o que for possível para contratar Cristiano Ronaldo", disse Perez, que está empenhado em construir mais uma equipa de 'estrelas'. "Temos primeiro que conversar com o Manchester. O mais importante a fazer neste primeiro momento é retomar a boa relação com os ingleses". Florentino Perez pensa também em Ibrahimovic, avançado sueco do Inter de Milão. "Ibrahimovic e Cristiano estão entre os melhores jogadores do mundo, mas é possível e vou tentar leválos para Madrid". PUBLICIDADE


RIF: J-31443138-2

O jornal da comunidade luso-venezuelana Caracas, 11 a 17 de Junho de 2009.

www.correiodevenezuela.com

Casa Portuguesa de Aragua celebrou Dia de Portugal com diplomatas Jean Carlos De Abreu Carlos Balaguera A Casa Portuguesa do estado de Aragua foi sede, pela primeira vez, dos actos ofociais do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, fora da cidade de Caracas. João Caetano da Silva foi o orador principal da noite. O diplomata expressou que vai apoiar os Jogos Feceporven, a realizarse no mês de Outubro deste ano. Na ocasião, o embaixador referiu que o 10 de Junho é uma data muito importante para a comunidade portuguesa em geral, pelos valores culturais e de patriotismo. O embaixador comentou que em finais deste mês, se levará a cabo um congresso organizado pela Associação de Médicos Luso-venezuelanos ( Asomeluve), que contará com a participação de colegas vindos de Portugal. " Esta actividade reforçará os laços entre profissionais da saúde de Venezuela e Portugal" , comentou. Referiu também que na Feira Cavenport participarão algumas empresas portuguesas que querem fazer parcerías com empresários luso-venezuelanos. " Queremos que haja mais relações comerciais entre os dois países" .

A ocasião foi aproveitada para inaugurar a Galeria de Arte da Casa Portuguesa do Estado de Aragua.

O embaixador João Caetano da Silva disse que pretende realizar o primeiro encontro de jovens luso-venezuelanos para falar-lhes de Portugal e dos avanços que o país tem tido neste século XXI. " Queremos mostrar-lhes o que é Portugal hoje em dia. As belezas que tem e a importância de aprender mais sobre a língua de Camões" . Por seu lado, o secretário de Estado Adjunto da Agricultura e das Pescas, Luís Vieira, reiterou que o governo de Portugal quer acercar-se dos empresários emigrantes para criar nichos comerciais que beneficiem ambos os países. Vieira informou que os portu-

gueses são " bem vistos ao nível mundial por serem excelentes trabalhadores e gente honesta" . Sobre a Venezuela, disse que é uma nação priveligiada com a qual Portugal tem excelentes relações bilaterais. O presidente da Federação de Centros Portugueses Venezuelanos ( Feceporven), victor Viera, expressou aos presentes que apesar da distância, todos os portugueses que estão fora do seu país levam Portugal na sua alma e no seu coração. Após o acto protocolar foram condecorados com a ordem " Heróis do Mar" , nas suas primeira e segunda classes, vários empresários luso-venezuelanos que vivem e trabalham na localidade.

ULTIMA COLUNA

Regresso definitivo como 'válvula de escape' A insegurança pessoal, associada à permanente tensão política e à incerteza quanto ao futuro da Venezuela, fazem com que um significativo número de emigrantes portugueses encare o regresso definitivo ou temporário como " uma válvula de escape" . " Regressar ainda não está nos planos, mas o futuro da Venezuela está muito incerto, temos isso como uma válvula de escape" , explica Agostinho David Mendes à Agência Lusa. Apesar da insegurança, diz: " Enquanto pudermos, temos que lutar por este país que nos deu muito" . Natural de São Vicente, Madeira, radicado na Venezuela há 24 anos onde é um dos proprietários de um restaurante em Caracas, Agostinho Mendes explica que as razões para um regresso são " a questão política, a insegurança pessoal e económica, mas também o projecto que encabeça o Presidente ( Hugo Chávez)" que está a levar o país para " um comunismo" . " Ele ( Hugo Chávez) nunca mentiu, sempre falou do mar da felicidade, e sabemos que o mar da felicidade é Cuba, e Cuba sabemos o que é. A única esperança que temos é que haja uma interrupção do projecto dele. Nós, que já lutámos contra uma ditadura, não podemos apoiar que na Venezuela se instale uma" , diz. Entre as suas preocupações está a nova

" propriedade social" que, acredita, no futuro afectará os seus bens. Também o " sair de casa sem saber se vai regressar" , se vai ser sequestrado e ter de " dispensar" o resultado do suor de longos anos de trabalho para ter a vida de volta. Mas se alguns portugueses falam abertamente contra o regime, outros há que consideram a política um tabu e aceitam conversar apenas com a expressa condição de anonimato. Nas conversas, vincam que partiram com o sonho de um dia regressar. O " calor humano" dos venezuelanos e as potencialidades fizeram com que o tempo dissipasse esse " sonho" , que, no entanto, tem reaparecido nos últimos anos. Incerteza do futuro

Magaly Coelho é filha de emigrantes naturais de Aveiro. A incerteza sobre o futuro obrigou-a a pedir a nacionalidade portuguesa. " Até agora tem havido avanços e retrocessos, mas caminhamos para um comunismo. Alguns professores já falaram com os meus filhos de coisas que não me agradam como revolução, socialismo. Tenho fé que as coisas mudarão, mas senão, vou para Portugal" , diz. No entanto, muitos portugueses, quando ponderam o regresso, pensam imediatamente na crise financeira mundial, no desemprego em Portugal e encaram o território português . PUBLICIDADE


Correio da Venezuela 312  

Edición 312

Correio da Venezuela 312  

Edición 312

Advertisement