__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

1 ANO DE INDUSTRIALIZAÇÃO Página 11


2 Sumário

Expediente Conselho Administrativo João Marques Pereira Neto Fernando Antônio Ferreira Geraldo Antônio Birro Costa Edson Constantino Ramos Mário Dias Leão Maurício Francisco de Sousa Joaquim Coelho Pinheiro Genserico Barroso Filho (Suplente) José Barreto Lopes (Suplente) Diretoria Executiva

4

SOMOS SABOR E TRADIÇÃO

SOMOS SAÚDE

Diretor presidente: João Marques Pereira Neto Vice-presidente: Fernando Antônio Ferreira Conselho Fiscal Divino Rodrigues de Oliveira (Coordenador do Conselho) Otacílio Nunes Ademar Feliciano Leite Orlando Pereira (Suplente) Adair Soares dos Anjos (Suplente) Marcos Leite Costa (Suplente) Textos Vanusa Alves - 0021727/MG Jornalista responsável Setor de Comunicação e Marketing Vanusa Alves - Jornalista Jéssica Corrêa - Designer Gráfico Sara Kelly - Estágiaria de Marketing Fone: (33) 3202-8317 WhatsApp: (33) 99902-4963 comunicacao@cooperativa.coop.br Revisão Nathália Santos

6

SOMOS DESENVOLVIMENTO

11

SOMOS INOVAÇÃO

16

SOMOS RESULTADOS

18

Fotos Arquivo Cooperativa Projeto Gráfico e Diagramação Jéssica Corrêa Colaboração Técnica Alexandre Coelho Cláudio Oliveira Fernanda Silveira Gilmar Oliveira José dos Passos Keven Alves Marcela Silva Odilley Fernandes Rafael Campos Wilian Salvador Nilton Braz Endereço Rodovia BR 116 - KM 411 - B. Planalto CEP: 35054-060 Governador Valadares – MG

SOMOS QUALIDADE

SOMOS INFORMAÇÃO SOMOS NOVIDADE

26 28 29


Editorial

3

Mensagem da Diretoria Amigo cooperado(a),

N

este 1º de julho completamos um ano de retorno à industrialização dos Produtos Ibituruna. E queremos comemorar esta data junto com você, nesta edição do Cooperjornal, que traz os resultados alçados com nossos projetos e as inovações dos Produtos Ibituruna. Esta publicação está recheada de novidades contando um pouco sobre a nossa trajetória neste período de início da atividade fabril que trouxe consigo um conjunto de situações que não estávamos familiarizados. Mas graças a revisão do nosso planejamento estratégico realizada em 2018, conseguimos romper barreiras, e contornar todas essas situações. Além disso, acreditamos que a união, o trabalho em equipe, o compartilhamento de ideais são os melhores caminhos para a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce seguir sólida como sempre foi. Durante esta nova jornada que iniciamos já conseguimos ter imensos resultados que compartilhamos com vocês durante a leitura. Dentre eles, destacamos a produção dos Produtos Ibituruna, o lançamento de três novos produtos, a modernização de nossas embalagens, o reconhecimento da marca Ibituruna em dois estados e os resultados extraordinários com os nossos projetos de assistência técnica ao cooperado(a). Mas não paramos por aqui! Sabemos que para continuarmos evoluindo rumo às novas tendências de mercado é necessário que continuemos ultrapassando barreiras, travando batalhas diárias e acreditando que podemos ir além! Junto daqueles que são essenciais aos nossos negócios: você cooperado(a), nosso time de colaboradores, clientes, fornecedores e a sociedade. Sabemos que o momento que estamos enfrentando devido a pandemia causada pela Covid-19 nos faz temer o futuro que nos aguarda, e isso é natural. Mas o que podemos fazer neste momento tão incerto é nos proteger, proteger aqueles que amamos e continuarmos tendo a esperança de dias melhores. Quando tudo isso terminar comemoraremos juntos as novidades que estão por vir, e não demorarão!

Desejamos a você uma excelente leitura! Saudações cooperativistas!

A c e s s e : w w w. c o o p e r a t i v a . c o o p . b r


4 Somos Sabor e Tradição

A

Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, proprietária da marca Ibituruna, voltou a produzir o Doce de Leite Pastoso Ibituruna que retornou às gôndolas dos supermercados no mês de abril. Desde julho de 2019, quando a Cooperativa começou a operacionalizar o Parque Industrial, o mix dos Produtos Ibituruna vem sendo implementado. Primeiro com a Manteiga de Primeira Qualidade Ibituruna, em seguida com o Requeijão Cremoso e agora com o famoso e delicioso Doce de Leite Pastoso. O produto com autêntico sabor do passado, cremosidade incomparável e sabor inigualável, veio adoçar ainda mais a vida das pessoas. A primeira produção para comercialização do Doce de Leite Ibituruna aconteceu no dia 03 de abril de 2020. E desde então a indústria dos Produtos Ibituruna tem fabricado esse produto e ganhado cada vez mais o paladar e o coração dos consumidores. A receita se manteve inalterada, fazendo com que aquelas pessoas que já haviam consumido o produto sentisse uma nostalgia através da memória gastronômico-afetiva. Em contrapartida, a geração mais jovem que não conhecia o tão popular Doce de Leite Ibituruna teve a oportunidade de conhecêlo e atestar sua qualidade. É caso da adolescente Letícia Fiorine de 16 anos que faz bolos confeitados para

venda e diz conhecer o Doce de Leite Ibituruna há alguns meses e que ama usá-lo em suas receitas. “Eu conheço só a versão de agora, mas eu experimentei e amei! O Doce de Leite Ibituruna é suave, saboroso, tem um sabor equilibrado e uma textura lisinha. Ideal para trabalhar em meus bolos. Além disso, amo consumi-lo com canudinho, fica uma delícia.” Conta Fiorini. De acordo com o presidente da Cooperativa, João Marques, o novo produto veio para valorizar a produção leiteira dos cooperados da Cooperativa e atender os desejos dos consumidores dos Produtos Ibituruna: “Nós temos buscado expandir a linha de produtos para valorizar ainda mais a cadeia produtiva do leite de nossos cooperados com produtos de maior valor agregado. Além disso, estamos atendendo os anseios dos nossos consumidores que sempre pediam o retorno do Doce de Leite.” Explica Marques.


5


6 Somos Saúde

Medidas de prevenção contra o Coronavírus N

o mês de março o nosso país teve os primeiros casos com o vírus que tem assolado o mundo inteiro, o Coronavírus. Desde então, o comportamento das pessoas, hábitos, estilos de vidas e rotinas foram alterados. E nós da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce experienciamos essas mudanças e nos adaptamos à nova realidade devido à dimensão da nossa estrutura, que conta com quase 33 mil m²², onde o fluxo de pessoas gira em torno de mais de 300 pessoas diariamente, dentre elas estão colaboradores, cooperados, transportadores de leite a granel, transportadores de carga seca, clientes do nosso Armazém e prestadores de serviços. Diante da grande proporção dos nossos negócios foi necessário adotar medidas de segurança e proteção a todos os nossos públicos para continuar oferecendo insumos e medicamentos aos nossos cooperados e produtores rurais. Além disso, produzir alimentos com segurança, mantendo a presença de produtos lácteos de qualidade na mesa de milhões de brasileiros. Desde o início da pandemia a Cooperativa realizou investimentos para implementar seus Equipamentos de Proteção Individuais (EPI), barreiras sanitárias e protetoras, intensificação da higienização em seus ambientes e até mesmo a contratação de uma médica para o atendimento exclusivo de seus colaboradores e prestadores de serviços. Tudo isso, para garantir e proteger a saúde

daqueles que diariamente estão conosco dando sequência à cadeia produtiva do leite e movimentando o agronegócio deste país. Para o presidente da Cooperativa, João Marques, este cenário de pandemia propõe novos desafios e com isso gera novas oportunidades. “A Cooperativa, por atuar em segmentos considerados essenciais, teve que ser resiliente neste momento e seguir suas atividades. Fizemos investimentos para proteger nossos colaboradores, prestadores de serviços, cooperados e clientes e criamos um Comitê de Crise para atuar efetivamente neste período. Graças a Deus temos seguido em frente, nossos negócios sofreram reflexos no início, mas têm retornado à normalidade, pois com enfrentamento à Covid-19 nós criamos oportunidades o que tem refletido positivamente em nossas operações.” Explica Marques.


Somos Saúde 7

Medidas de prevenção: >> Instalação do Comitê de Crise; >> Contratação de uma médica clínica geral para atender exclusivamente colaboradores e prestadores de serviços; >> Emissão de informativos com instruções de combate à Covid-19; >> Antecipação de férias de colaboradores; >> Afastamento de colaboradores acima dos 60 anos; >> Pulverização nos ambientes internos com solução clorada ; >> Distribuição de álcool em gel entre os colaboradores e prestadores de serviços; >> Instalação de protetoras;

barreiras

sanitárias

e

>> Higienização constante com solução clorada dos equipamentos de uso comum como, por exemplo, maçanetas e corrimãos; >> Instalação de novas dispensers de álcool em gel em pontos estratégicos; >> Inspeção em todos os ambientes de trabalho para garantir saúde e bemestar de todos os nossos colaboradores e prestadores de serviços; >> Interdição temporária da área de lazer; >> Adiamento de eventos e visitas ao Parque Industrial; >> Realização de conferência;

reuniões

por

vídeo

>> Limitação de cadeiras no refeitório; >> Redimensionamento de mesas e cadeiras para garantir o distanciamento mínimo entre as pessoas; >> Definição de não compartilhamento de utensílios; >> Demarcação no piso para garantir o distanciamento mínimo entre as pessoas; >> Redução do tempo de permanência nas áreas de uso comum; >> Higienização dos ambientes durante todos os turnos de trabalho; >> Orientações sobre as medidas de prevenção através de banners, murais internos, E-mail Marketing e demais veículos de comunicação viáveis; Clique aqui e saiba mais


8 Somos Saúde

Pandêmia estimula criação de novos hábitos

Você se lembra a última vez que chegou da rua e foi direto sentar no sofá e assistir TV antes de tomar um banho? E de quando você dava um espirro e as pessoas te desejavam saúde com entusiasmo, ao invés de olharem estranho e se afastar? São coisas tão simples que nos últimos meses não são mais comuns, não é mesmo? Desde março com a chegada da Covid-19 ao Brasil as rotinas de milhares de pessoas foram modificadas. Hábitos e costumes corriqueiros como, por exemplo, as relações sociais, a ida ao supermercado e a saidinha do final de

semana já não são como há alguns meses atrás. Especialistas em comportamento social afirmam que, mesmo com o fim da pandemia, o cotidiano das pessoas não será mais igual. Agora todos os nossos comportamentos, consumo, formas de entretenimento foram inseridos em um conceito atual nomeado de “Novo Normal”. Essas mudanças abruptas têm reconfigurado a forma como nós seres humanos vivemos. O momento exige resiliência, ou seja, capacidade do indivíduo de adaptar-se, e para isso, é necessário entender as movimentações


Somos Saúde

9

FONTE: GOOGLE TRENDS (BRASIL)

da sociedade para compreender o mercado atendendo as expectativas dos consumidores cada vez mais exigentes. Neste aspecto a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce instituição com mais de 60 anos de atuação nacional com ênfase no Leste de Minas, já rompeu intensas movimentações do mercado, incertezas e instabilidades e agora enfrenta este cenário pandêmico buscando levar segurança aos seus cooperados, colaboradores, prestadores de serviços e consumidores. “Nós estamos atentos às oscilações do mercado, bem como o comportamento dos clientes. Temos

consumido muitos conteúdos como, pesquisas de várias fontes, participado de muitas reuniões de mercado, principalmente do lácteo, conversado com lideranças de outros laticínios e empresas do setor agropecuário. Isso nos oportuniza tomarmos decisões assertivas em relação aos nossos negócios para repassar ou não aos nossos públicos, principalmente aos nossos cooperados, o mínimo de impacto possível com relação à instabilidade da economia causada pela Covid-19.” Explica João Marques presidente da Cooperativa.

FONTE: GLOBO - CURADORIA SEMANAL COVID-19 (ABR/20) & OPINIONBOX - COVID-19 | IMPACTO NOS HÁBITOS DE COMPRA E CONSUMO (MAI/20)


10 Somos Gestão

Assembleia Geral Ordinária 2020

N

o dia 17 de fevereiro a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce realizou a sua Assembleia Geral Ordinária (AGO), no auditório da Parque Industrial situada na Av. Rio Bahia, KM 411, no bairro Planalto, em Governador Valadares. Estiveram presentes mais de 300 pessoas, entre elas, cooperados, familiares, convidados e autoridades locais. Na oportunidade foram deliberados assuntos de interesse dos cooperados como: apresentação das demonstrações financeiras referente ao exercício de 2019, destino das sobras, fixação do honorário da diretoria executiva, cédula de presença dos Conselhos e a eleição do Conselho Fiscal, entre outros assuntos

relevantes para a gestão de 2020. Foram eleitos por aclamação, os novos membros do Conselho Fiscal. O novo Conselho empossado verificará as contas da Cooperativa até a Assembleia Geral Ordinária de 2021. De acordo com o vicepresidente da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, Fernando Ferreira, a Assembleia Geral é o evento mais importante e solene de um negócio cooperativista. “Em Assembleia os cooperados têm os mesmos poderes de decisão, e são eles quem definem o futuro e desenvolvimento da Cooperativa de forma democrática, estabelecendo as diretrizes que deverão ser seguidas para uma gestão estratégica

pautada nos anseios dos nossos cooperados, donos deste negócio!” Explica Ferreira. Além disso, durante a o evento foi prestada homenagem à Associação Comercial e Empresarial de Governador Valadares, o Sicoob Crediriodoce, o Sindicato Rural de Governador Valadares e a União Ruralista Rio Doce que receberam o Mérito Cooperativista em reconhecimento por todo trabalho prestado em prol do desenvolvimento de Valadares e região.


Materia de Capa

11

1 ano de industrialização

Clique aqui e acesse nosso site!

No ano de 2008 a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce encerrou suas atividades industriais para focar exclusivamente no desenvolvimento da produção leiteira de seus cooperados. Desde então, desenvolveu projetos de assistência técnica com o objetivo de tecnificar, capacitar, qualificar e aprimorar a pecuária leiteira do Vale do Rio Doce. Foram doze anos de investimentos na base da cadeia produtiva do leite, subsidiando o melhoramento genético, nutrição do rebanho e assistência técnica de qualidade para em 2019 produzir o melhor do leite, desde a fazenda de seus cooperados até a mesa do consumidor! Neste mês de julho a Cooperativa completa um ano de operacionalização do Parque Industrial, situado na AV. Rio Bahia,


12 Matéria de Capa

bairro Planalto, Valadares, em regime de arrendamento, decorrente decisão judicial proferida pelo MM. Juiz da 7ª Vara Cível da Comarca de Governador Valadares-MG. Em trezentos e sessenta e cinco dias a Cooperativa já alçou inúmeras conquistas, dentre elas destacamos a produção dos Produtos Ibituruna, a implementação do mix com novos produtos, sendo eles a Manteiga, o Requeijão Cremoso e o Doce de Leite. Além do mais, neste período a marca Ibituruna obteve reconhecimento em dois Estados pela qualidade de seus produtos. O leite Integral UHT Ibituruna foi considerado o quarto melhor do país pelo Estado do Rio de Janeiro. Já no Espírito Santo, a marca Ibituruna foi apontada, na categoria leite, como a 2ª marca mais lembrada pelos consumidores capixabas de acordo com a pesquisa realizada pela Ibope Inteligência, empresa de pesquisa sobre comportamento humano. A Cooperativa há um ano contava com um quadro social interno de 80 colaboradores, hoje são 300 funcionários que diariamente, 24 horas por dia, convertem milhões de litros de leite in natura em milhares de quilos e litros de produtos acabados. Distribuídos por todo sudeste e nordeste do país. Essa atividade move a vida de mais de 1.000 cooperados e seus familiares, prestadores de serviços, fornecedores, transportadores, representantes comerciais, colaboradores, entre outros. A expansão dos negócios da Cooperativa são resultados da revisão do planejamento estratégico da instituição que definiu as suas metas a curto, médio e longo prazo. De acordo com o presidente da Cooperativa, João Marques, a industrialização ainda é um processo recente, mas graças ao planejamento está consolidada e almeja dar grandes saltos. “Já passamos pela fase de aprendizado do processo fabril. E graças a gestão e governança já estamos em uma fase mais madura e temos nossas estratégias para continuarmos expandindo, não só o nosso


Matéria de Capa 13

negócio leite, mas os nossos negócios como um todo. Além disso, vislumbramos trazer em breve novos produtos ao mercado para fortalecer ainda mais a marca Ibituruna e valorizar a produção leiteira de nossos cooperados. Explica Marques. Os resultados alcançados nesta nova fase expressam a grandeza dos negócios da Cooperativa e a importância da indústria dos Produtos Ibituruna para o desenvolvimento do Leste de Minas. Visto que suas operações impactam no cotidiano, renda e qualidade de vida das pessoas em função de estar presente em toda a cadeia produtiva do leite. “É uma grande alegria estar à frente deste empreendimento tão importante para a vida das pessoas que gera riqueza para a nossa região, segurança alimentar para milhares de pessoas e desenvolvimento para o Leste de Minas através do alimento perfeito, o leite. É uma honra poder angariar resultados tão significativos para a Cooperativa, a marca Ibituruna e principalmente para as pessoas, nossa força motriz, para continuar lutando diariamente com o objetivo de manter o ciclo de vida de todos em movimento.” Comemora Fernando Ferreira, vicepresidente da Cooperativa.


14 Somos Nutrição Animal

Silos graneleiros: a solução para nutrição do rebanho O cooperado Adair Soares explica os benefícios que o sistema de armazenamento de ração em silos galvanizados trouxe para a produção leiteira em sua fazenda.

A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce em outubro de 2019 trouxe um novo modelo de estocagem de ração para o Vale do Rio Doce, através de seu Armazém, conhecido como silos graneleiros, um sistema muito utilizado no Sul do Brasil. A primeira instalação de silo graneleiro em uma fazenda cooperativista foi realizada no dia 29 de outubro do ano de lançamento desta novidade. Desde então a Cooperativa instalou cerca de 60 unidades nas fazendas de seus cooperados, número que representa o pontapé inicial em aspectos de inovação e avanços tecnológicos na nutrição do rebanho.

Esta nova forma de alimentar o rebanho impactará significativamente na bovinocultura de leite em função dos diversos benefícios que este modelo oferece aos pecuaristas. Dentre eles, destacamos a redução de custos na operação de venda de insumos, o que possibilita o Armazém da Cooperativa oferecer melhor custo/ benefício ao consumidor final, controle de sanidade do rebanho, conforto para manusear a ração na fazenda reduzindo o serviço braçal, eliminação de pragas como roedores e carunchos, redução da necessidade de espaços coberto como galpões para armazenagem de sacaria. O cooperado Adair dos Anjos Soares explica que o silo graneleiro aprimorou a alimentação de seu rebanho e obteve ganhos em produtividade em função da segurança alimentar dos animais. “Estou utilizando a ração a granel há seis meses e desde então eu percebi uma melhora significativa no manejo da fazenda, porque reduziu muito o trabalho braçal dos meus funcionários, pois o meu silo foi instalado ao lado do curral trazendo muita comodidade.

Além disso, estou conseguindo solucionar os problemas reprodutivos dos animais, como por exemplo, o intervalo entre partos e dificuldade de emprenhar das vacas, acredito que pode ser em função da umidade na ração ensacada que fornecia aos meus animais, que desenvolve micotoxinas que podem causar problemas de reprodução.” Explica Soares. De acordo com o gerente do Armazém da Cooperativa, Rafael Campos, os silos graneleiros proporcionam inúmeras vantagens para a propriedade rural. “Os silos são uma excelente alternativa para produtores que desejam oferecer aos seus animais segurança alimentar com um custo reduzido. Tive muitos retornos positivos de produtores que adotaram esta modalidade como, por exemplo, eliminação total de roedores nas fazendas, comodidade no momento de receber a ração, planejamento para realizar compras, e vários outros. Eu, enquanto zootecnista, vejo que esta é a melhor alternativa para a nutrição do rebanho em aspectos financeiros e sanitários.” Afirma Campos.


Somos Nutrição Animal

15

ENTREVISTA ELIAS DE OLIVEIRA ALVES

O cooperado Elias Alves explana sobre os impactos positivos que o silo graneleiro trouxeram para sua atividade. este novo modelo traz para a bovinocultura de leite como, por exemplo, a redução de custos na nutrição do rebanho, a promoção da sanidade dos animais, a comodidade e conforto para o manuseio da ração dentro da fazenda. Mas o principal aspecto que me levou a realizar a compra foi o financeiro, quando ele fez as contas junto comigo e me mostrou que o meu consumo me traria uma redução de aproximadamente R$1.000 na operação da fazenda. Como o senhor ficou sabendo dessa novidade do Armazém? Em julho do ano passado quando eu cheguei no stand do Armazém da Cooperativa na ExpoagroGV eu percebi que a estrutura estava um pouco diferente do habitual. O Armazém estava oferecendo vários equipamentos, dentre eles, os silos graneleiros e geradores de energia. Chegando lá os vendedores e o gerente me apresentaram as novidades que vieram para revolucionar a atividade leiteira do Vale do Rio Doce.

Há quanto tempo o senhor está fazendo uso da ração a granel? O meu silo foi instalado no mês de abril, já faz quatro meses que estou fazendo uso deste sistema de armazenagem e já consegui notar grandes vantagens.

Quais as vantagens o senhor conseguiu notar? Foram várias as vantagens que este sistema me proporcionou, dentre elas gostaria de destacar o ganho financeiro, pois com mais seis meses eu já Por que o senhor decidiu consigo quitar o silo, o que adquirir o silo? possibilitará ainda mais O gerente do redução nos custos com a Armazém me apresentou nutrição do rebanho porque os inúmeros benefícios que só vou custear a ração a

granel. Além disso, não tenho mais problemas com pragas na fazenda como, por exemplo, carunjos e roedores que foram eliminados 100%. A umidade na ração não existe mais, o silo me possibilitou eliminar todas essas dificuldades que eu enfrentava diariamente na fazenda. Tem algo que o senhor gostaria de destacar? Eu quero dizer para todos os produtores rurais que possuem demanda que necessita de maior consumo de ração que vocês podem adquirir o silo graneleiro de olhos fechados porque vale muito a pena. Os resultados que ele traz é altamente benéfico, indo além do financeiro e possibilitando uma solução para qualidade da ração e da sanidade do rebanho. O que eu posso afirmar é que se vocês ainda não compraram e tem condição de comprar, devem adquirir este equipamento. E é muito fácil obter, pois o Armazém da Cooperativa financia em condições que cabem no bolso de cada cooperado. Eu digo que vale muito a pena porque é altamente produtivo para toda e qualquer pessoa.


16 Somos Inovação

Cooperativa e Emater criam projeto de produção de alimentos de qualidade para o rebanho A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce em parceria com as Empresas de Assistências Técnicas e Extensões Rurais do Estado de Minas Gerais (EMATER) regionais de Governador Valadares e Ipatinga estão elaborando um Projeto que viabiliza a produção de alimento de qualidade para o rebanho leiteiro através da democratização das mudas de BRS Capiaçu aos cooperados. O BRS Capiaçu é uma espécie de Capim Elefante melhorado geneticamente que proporciona maior produtividade em relação às variedades Camerum e Napier (outras espécies de Capim Elefante) devido ao seu alto valor nutricional. O Capiaçu é uma espécie desenvolvida em laboratório através de um programa de melhoramento conduzido pela Embrapa. Por ser uma oferta recente no mercado de nutrição animal e ser cultivado em viveiros de mudas, exige

um alto investimento para a implantação de sua cultura e, por isso, poucos produtores têm acesso a esta cultivar. Para amenizar os custos, evitar fraudes e trazer maior segurança na produção de volumosos, as empresas parceiras desenharam juntas o escopo do projeto que tem a previsão de ser iniciado em julho deste ano, podendo ser continuado até março de 2021. A sinergia das instituições será relativa ao apoio técnico no dimensionamento, implantação dos viveiros de mudas, no plantio e manejo das capineiras, na mobilização dos produtores e fornecimento de insumos. A expectativa é que no próximo mês de setembro as mudas já estejam disponíveis para os produtores. Os esforços do projeto visam possibilitar o acesso dos produtores as mudas ofertando mais uma opção de forrageira para a nutrição do rebanho no

período de entressafra. “A implantação desta cultivar reduzirá a sazonalidade da produção, ou seja, a oscilação no volume de leite. Pois uma capineira de boa qualidade e bem manejada reduz os custos operacionais da fazenda e aumenta a rentabilidade dos produtores. Por exemplo, a fibra do BRS Capiaçu possui vida útil de digestibilidade mais longa, cerca de 100 dias, o que permite que o produtor tenha um manejo mais eficiente da capineira. Além disso, essa forrageira traz mais segurança na produção de volumoso, por não ser igual o milho, por exemplo, que depende de chuva ou de irrigação e é sujeito à pragas. O Capiaçu apresenta boa tolerância ao estresse hídrico, o que reduz significativamente o risco de perdas em função das variações climáticas, podendo ser usado picado verde ou ensilado.” Explica Alexandre Negri, gerente de Política Leiteira.


Foto: Internet

Instituições financeiras oferecem crédito para o plantio do Capiaçu A Cooperativa de Crédito Sicoob Crediriodoce e o Banco do Brasil também participarão do projeto viabilizando capacidade de crédito aos cooperados que desejarem financiar os investimentos para alimentação de qualidade para o rebanho. As instituições oferecerão crédito aqueles cooperados que desejarem saltar tecnologicamente através do projeto com a

Reunião das equipes da Emater e da Cooperativa As equipes da Emater regionais de Governador Valadares e Ipatinga estiveram na sede da Cooperativa nos dias 3 e 17 de junho para desenharem junto aos nossos técnicos o escopo do projeto BRS Capiaçu. Foram dois dias inteiros trocando ideias para a conclusão do projeto.

implementação nas fazendas de irrigação, equipamentos, implementos e estruturas como silos para produção de silagem.


18

Somos Resultados

Programa Mais Leite Saudável

No ano de 2019 a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce conseguiu a aprovação junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) no projeto de investimento Programa Mais Leite Saudável que engloba em seu escopo outros três projetos da

Transferências de embriões (TE-FIV) Esste projeto tem como objetivo proporcionar a evolução da produtividade do rebanho através do acesso às tecnologias mais inovadoras em genética bovina a um custo muito baixo para o cooperado, visando democratizar a transferência de embriões em rebanhos de pequenos, médios e grandes produtores, ofertando uma evolução na produção leiteira com animais de alto valor genético.

Cooperativa, sendo eles: O Educampo, ATeG e TE-FIV. A junção destes três projetos tem a finalidade de proporcionar a um grupo maior de cooperados assistência técnica de qualidade e possibilitar a evolução da atividade leiteira no Vale do Rio Doce. Confira os resultados:


Somos Resultados 19

A iniciativa subsidia a transferência de embriões para os cooperados e ainda oferece condições de pagamentos inexistentes no mercado. A transferência de embrião realizada com genética própria custa para o cooperado R$450,00 e a transferência comprada, ou seja, genética de parceiros, sai no valor de R$900,00. Ambas propostas possuem um desconto de R$200,00 reais custeados pela Cooperativa. Além disso, podem ser parceladas em até 10x sem juros em débito na Folha do Leite. Para oferecer ao seu quadro de cooperados as condições apresentadas

Cooperativa bate recorde no número de protocolos Somente no mês de junho a Cooperativa bateu recorde no número de receptoras (vacas) protocoladas, ou seja, que receberam tratamento para a recepção do embrião. Ao total passaram pelo procedimento 1.100 animais. Este número expressa que mais produtores rurais têm investido em técnicas de reprodução animal. “O reflexo disso, será potencialização da evolução dos rebanhos do Vale do Rio Doce para animais de níveis superior, e acarretará em ganho de produtividade o que ampliará significativamente a bacia leiteira do Leste de Minas.” Explica o gerente de Política Leiteira, Alexandre Negri.

acima, a Cooperativa investirá cerca um milhão de reais nos três anos de vigência do projeto (2019-2021), pois tem o compromisso de entregar até 1.500 prenhezes confirmadas de fêmeas aos cooperados neste período. As condições ofertadas no projeto TE-FIV estão abertas a todos os cooperados, mesmo aqueles que não integram o quadro de assistidos pelo projeto. Porém existe uma restrição no número de transferências realizadas, são limitadas de acordo com produção média por dia de cada produtor. Conforme tabela abaixo.

IMPORTANTE! A próxima rodada de FIV acontecerá a partir do dia 07 Agosto de 2020 (início do protocolo). Caso você tenha o desejo de participar desta rodada é necessário realizar a inscrição até o dia 17 de julho de 2020 com a nossa colaboradora Raquel Rocha através dos seguintes contatos: Telefone/WhatsApp: (33) 3202-8331 E-mail: raquel.rocha@cooperativa. coop.br


20 Somos Resultados

Assistência Técnica Gerencial (ATeG) O ATeG é um projeto voltado exclusivamente para cooperados que nunca receberam nenhuma assistência regular. Esse projeto abrange trinta produtores-cooperados que são assistidos por um técnico mensalmente que os orienta a medirem seus indicadores e a realizarem toda a gestão da propriedade. Este projeto tem a duração de três anos e a Cooperativa em parceria com Senar Minas investirá neste período aproximadamente 300 mil reais. O cooperado não precisa desembolsar verba para custear a assistência prestada, pois este projeto é 100% gratuito para o cooperado.

Educampo

É um projeto realizado pela Cooperativa em parceria com o SebraeMG. Juntos desenvolvem um trabalho de assistência técnica oferecendo

O projeto teve início em novembro de 2019 e desde então o técnico de campo, Rafael Fontes, já realizou 180 visitas aos cooperados-participantes que totalizaram 724 horas de assistência técnica. “Durante as visitas eu busco ensinar ao produtor que a sua fazenda deve ser gerida como uma empresa, onde a gestão financeira, aliada a gestão produtiva, traz resultados significativos e desenvolvimento de índices econômicos e produtivos. Além disso, executamos atividades operacionais como, por exemplo, o fluxo de caixa, custo operacional total e ainda focamos muito na qualidade do leite. Costumo dizer aos meus assistidos que nos dias atuais produzir leite é diferente de tirar leite, por isso é necessário tecnificar a atividade leiteira.” Explica Fontes. capacitação gerencial e tecnológica aos cooperados com o objetivo de impulsionar maior eficiência, qualidade e competitividade na produção leiteira das fazendas cooperativista. Neste projeto os cooperados recebem uma visita técnica mensal. Durante a visita o técnico realiza a mensuração dos indicadores e tabula todos os dados gerenciais da propriedade, gerando informações que facilitam e norteiam a tomada de decisões do cooperado. Após análise dos números gerenciais, o técnico oferece suas recomendações, sugestões e orientação no manejo e na elaboração da dieta dos animais, avaliação reprodutiva, planejamento da produção de volumosos e gestão financeira da atividade. Por meio da consultoria realizada pelo médico veterinário Bruno Magalhães, os cooperados assistidos alcançam maior eficiência na atividade leiteira.

REBANHO SAUDÁVEL É REBANHO PRODUTIVO. Construindo o futuro da saúde animal


Somos Resultados 21

Confira os resultados do Educampo: NÚMEROS MÉDIOS DAS FAZENDAS COM MAIS DE 2 ANOS DE PARTICIPAÇÃO NO PROJETO

PALAVRA DO TÉCNICO

Bruno Magalhães - Médico Veterinário Técnico responsável pelo projeto Educampo

“O aumento de volume de leite produzido pelos cooperados assistidos pelo Educampo proporcionou uma maior eficiência técnica das fazendas, reduzindo proporcionalmente alguns custos como, por exemplo,

mão de obra, compensando o aumento de outros custos como o uso de concentrado. “O resultado dessa maior eficiência técnica refletiu nos indicadores econômicos: a margem bruta unitária aumentou em R$0,04 por litro de leite durante o período analisado e a margem líquida que estava negativa se tornou positiva em R$0,09 por litro de leite. É importante salientar que a margem líquida é um indicador muito relevante para avaliar a viabilidade econômica de um empreendimento no médio e longo prazo,

ou seja, a partir das mudanças adotadas pelas propriedades durante o projeto houve de acordo com os dados médios uma transformação no cenário econômico das propriedades que estão se tornando cada dia mais viáveis e rentáveis. Além disso, outro ponto muito importante que deve ser levado em consideração é a melhoria na qualidade do leite apresentadas nos indicadores de Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem de Células Bacterianas Totais (CBT) médios analisados no período.”


22 Somos Resultados

DEPOIMENTO DO PARTICIPANTE ADAIR SOARES DOS ANJOS

Eu ingressei no Educampo há mais de três anos e estou muito satisfeito com os resultados que tenho alçado junto ao técnico Bruno que mensalmente visita a minha propriedade a fim de me ajudar e orientar a lidar melhor com os negócios. No início eu tinha algumas resistências, e uma delas, era que minhas vacas eram mal alimentadas. Eu não concordava com isso de jeito nenhum. Até que o Educampo foi me mostrando este entrave que me impedia de produzir mais. E para resolver este gargalo eu construí mais cochos para que todos os animais pudessem comer com mais conforto, pois antes eu colocava a ração em um único local onde

todos os animais se alimentavam juntos. As novilhas mais fracas não se alimentavam bem, pois elas apanhavam dos animais mais fortes e ficava sem comer. Depois que foi identificado esse problema, comecei a separar os animais por lotes para poderem se alimentar, pois vaca que não come não produz. O Educampo me ensinou a ter disciplina com relação às anotações da fazenda, antes eu fazia os registros, porém não havia uma constância. Atualmente eu tenho que realizar isso rigorosamente, pois se eu não o fizer, o Bruno me dá ‘uns puxões de orelha’. Além disso, hoje em dia na propriedade rural as ferramentas mais importantes são o papel e caneta, pois eles possibilitam a gente mensurar todo o negócio, se está dando resultado positivo ou prejuízo, o que permite realizar ajustes e tomar decisões baseadas em cálculos. E com isso, eu percebi que eu poderia realizar maiores investimentos na estrutura da fazenda, desde que eu entrei no projeto as minhas despesas aumentaram, em contrapartida minha produção teve um crescimento significativo e consequentemente meu resultado é maior. A cada ano eu tenho melhorado e aprendido como fazer melhor. Por exemplo, o manejo e a forma de lidar com as vacas melhoraram muito. Aprendi a separar o rebanho por lotes na hora da ordenha, ordenando das mais novas para as mais velhas, isso influenciou muito na qualidade do leite. Desde que eu entrei no projeto minha produção aumentou consideravelmente, antes eu tirava no máximo 300 litros de leite por dia. Depois que entrei no Educampo já tive pico de produção de até 600 litros por dia. Tenho planos para continuar progredindo no futuro através do melhoramento genético para produzir um gado de genética superior e de alta produtividade. Além disso, produzir um volumoso mais nobre.


Receita Ibituruna 23

Fonte: Receitas da Vovó / Foto: Internet

FILÉ MIGNON COM MOLHO DE CREME DE LEITE Tempo de preparo: 20 minutos Rendimento: 2 porções

INGREDIENTES: 4 colheres (sopa) de Manteiga Ibituruna 2 bifes (200g) de filé mignon sal grosso e pimenta do reino à gosto 4 colheres (sopa) de Creme de Leite Ibituruna 1/2 colher (sopa) de suco de limão rodelas de cebola à gosto

MODO DE FAZER: Numa frigideira aqueça metade da manteiga em fogo alto. Frite os bifes até começarem a grudar no fundo. Vire os bifes sem furar, polvilhe com sal grosso e pimenta a gosto. Frite até o outro lado também grudar. Reduza o fogo, acrescente a manteiga restante, e continue a fritar os bifes até o ponto desejado. Doure as cebolas. Junte o creme de leite Cozinhe os bifes em fogo brando, mexendo sempre até obter um molho espesso. Tire do fogo acrescente o suco de limão e sirva imediatamente


26 Somos Qualidade

Procedimentos para atender a IN 76 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) fixou no ano de 2018 a Instrução Normativa (IN) 76 que impõem padrões na qualidade do leite in natura refrigerado. Dentre os padrões estabelecidos estão os limites de Células Bacterianas Totais (CBT) e Contagem Células Somática (CCS). De acordo com IN 76 a CBT deverá ser menor do que 300 mil Unidades Formadoras de Colônia (UFC) e a CCS deverá ser de no máximo 500 mil Unidades Formadoras de Colônias (UFC). Caso o produtor ultrapasse estes limites em sua média geométrica trimestral poderá sofrer punições como, por exemplo, a interrupção da coleta de leite pelo laticínio. Os resultados das análises

são registrados no banco de dados do Sistema de Inspeção Federal (SIF) do MAPA. Caso o produtor não se adeque, nenhum laticínio pode realizar a coleta do seu leite devido a centralização das informações neste sistema. Os resultados dos nossos cooperados também são lançados no Sistema de Cálculo de Pagamento do Leite, responsável por calcular a bonificação pela qualidade nos parâmetros de CBT, CCS, Matéria Gorda e Proteína do Leite fornecido à Cooperativa. O sistema calcula as médias geométricas mensais de CBT e CCS, que são informadas ao cooperado através do Estrato de Qualidade, enviado mensalmente junto com

a nota fiscal de venda do leite. zAs IN 76 e 77/2018 foram criadas para garantir a segurança alimentar dos consumidores de produtos lácteos. Além disso, os consumidores modernos estão mais exigentes, e em respeito a eles, nossos clientes, trabalhamos incessantemente pela qualidade do leite in natura que garantirá que os Produtos Ibituruna cheguem aos milhares de lares brasileiros com a qualidade e confiança que sempre prezamos, desde a fazenda dos nossos cooperados até a sua mesa!

Por Alexandre Negri Gerente de Política Leiteira

Sistema de Alerta da Qualidade

No mês de maio a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce implantou o Sistema de Alerta da Qualidade do Leite com objetivo de chamar a atenção dos cooperados para a qualidade do leite entregue à indústria, além de valorizar os produtores que fornecem leite dentro dos padrões de qualidade estabelecidos pelas IN 76 e 77/2018. O Sistema conta com uma modalidade dinâmica que possibilita os cooperados identificarem a qualidade do leite através de cartões coloridos.

As cores têm a finalidade de chamar a atenção do cooperado para o Extrato de Qualidade. Fornecido mensalmente pela cooperativa, com todas as informações individuais sobre a qualidade do leite. A expectativa é que através do Sistema os cooperados façam um bom trabalho de higienização dos equipamentos de ordenha para atender às exigências das Instruções Normativa 76 e 77/2018 para evitar a interrupção da coleta. Além disso, recebam a bonificação por qualidade aumentando seus rendimentos.


Somos Qualidade

27

Entenda as cores do Sistema de Alerta da Qualidade - CARTÃO AZUL: indica que o leite fornecido à indústria está com a média geométrica trimestral dentro das exigências da IN 76/2018. As células Bacterianas Totais (CBT) estão abaixo de 300 mil Unidades Formadoras de Colônia (UFC/ml). Diante disso, seus procedimentos de higienização estão corretos, por isso, tem alcançado bons resultados. - CARTÃO AMARELO: indica que o leite fornecido à indústria em um e/ou dois meses estava com as Células Bacterianas Totais (CBT) acima de 300 mil UFC/ml ou seja matéria-prima nestas condições exige a atenção do produtor para a realização correta dos procedimentos de higienização. Se persistir nestas condições por mais um mês poderá ter sua coleta interrompida ou suspensa. - CARTÃO VERMELHO: indica uma situação crítica. Exigindo ações imediatas para solução do problema. Pois a média geométrica trimestral está há três meses com as Células Bacterianas Totais (CBT) acima de 300 mil UFC/ml. O produtor nesta condição corre o risco de ter sua coleta interrompida ou suspensa, caso não corrija imediatamente os procedimentos de higienização dos equipamentos da fazenda. O LEITE DOS NOSSOS COOPERADOS É DE ALTÍSSIMA QUALIDADE Na coleta de análises do mês de junho a Cooperativa conseguiu apurar que 94% de seus cooperados forneceram o leite in natura dentro de todos os parâmetros exigidos pelas Instruções Normativas (IN) 76 e 77/2018, o que atesta que o leite produzido pelos nossos cooperados é de altíssima qualidade. A Cooperativa parabeniza a todos os cooperados que estão atendendo as exigências das INs. Esperamos que continue assim, os seus esforços têm gerados resultados significativos!

IMPORTANTE! Cooperado fique atento a sua carta do leite! Caso precise de ajuda para interpretar o seu Extrato de Qualidade, ou até mesmo orientações de manejo, a Cooperativa possui o Departamento de Política Leiteira, composto por técnicos especializados e aptos para oferecerem toda ajuda necessária para manter os padrões estabelecidos pela IN 76/2019.

Higiene e qualidade caminham juntos Para garantir a qualidade do seu leite é necessário realizar a higienização de todos os seus equipamentos de ordenha resfriamento do leite. O Armazém da Cooperativa está pronto para te ajudar neste sentido! Temos todos os acessórios e produtos para você realizar os procedimentos de higienização e sanitização de seus equipamento de ordenha e resfriamento do leite.


28 Somos Informação

Você sabe por que a manteiga Ibituruna tem a identificação de Primeira Qualidade? Que existe diferença entre manteiga e margarina, isso muito gente sabe. Mas será que você sabe qual a diferença entre as manteigas extra, de primeira qualidade e comum? Ou você também é da galera que nem sabia que isso existia? Calma, se você não sabe a gente já te explica. No mercado existe uma gama de manteigas como, por exemplo, manteiga comum com sal, sem sal, extra, de primeira qualidade e por aí vai... Porém o detalhe é que existe diferença nos parâmetros sensoriais (sabor, cor, odor e textura) e por isso há diferença de preço entre elas que devem ser avaliadas pelo consumi-

dor antes da compra. Existe um Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Manteiga e nele estão estabelecidos os parâmetros que devem conter em cada classe do produto, de acordo com a legislação brasileira. Para uma marca inserir em sua embalagem as identificações de manteiga “Extra” ou “De Primeira Qualidade” é necessário que o produto seja analisado por um laboratório habilitado a analisar e julgar os parâmetros conforme classificação da Federação Internacional de Laticínios (conhecida também pela sigla FIL que é uma organização que representa toda

a cadeia de valor dos laticínios em nível global). Após a avaliação dos parâmetros, caso o produto seja aprovado, é emitido um certificado atestando as características do produto como Extra ou De Primeira Qualidade. A indústria dos Produtos Ibituruna enviou uma amostra de sua manteiga para um laboratório autorizado a realizar as análises para avaliar os parâmetros de qualidade de acordo com o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade (RTQ) da Manteiga. O produto foi analisado e classificada como sendo de Primeira Qualidade.

A Manteiga Ibituruna carrega em seu rótulo a identificação “Manteiga de Primeira Qualidade” que significa que fomos testados e aprovados pelos orgãos competentes como sendo uma manteiga de Primeira Qualidade.


Somos Novidade

29

BEBIDA LÁCTEA OLÁ GANHA NOVA EMBALAGEM Neste mês de julho os Produtos Ibituruna apresentam aos consumidores a nova roupagem da bebida láctea Olá, que trouxe em seu novo plano um designer mais bonito, moderno e atrativo, destacando a nova identidade dos Produtos Ibituruna. A nova embalagem inicialmente aparece apenas na bebida láctea Olá, poste-

riormente, passará substituir a roupagem de toda a linha de leites longa vida e bebidas lácteas, de forma gradativa. O projeto de modernização das embalagens veio para reposicionar a marca Ibituruna e criar uma nova identidade junto aos consumidores, trazendo uma nova proposta de cores mais modernas e harmônicas.” Explica a designer gráfico respon-

sável pelo desenvolvimento, Jéssica Corrêa. A bebida Olá é ideal para quem precisa de muita energia e pratica exercícios físicos e esporte.


30 Receita Ibituruna

Fonte: Receiteria

PUDIM DE DOCE DE LEITE FÁCIL Pré preparo: 10 minutos Tempo de preparo: 1 hora e 10 minutos Rendimento: 8 a 10 porções

INGREDIENTES: 200g açúcar cristal 400g Doce de Leite Ibituruna 3 ovos 350mL Leite Integral Ibituruna

MODO DE FAZER: Faça o caramelo com o açúcar, seja diretamente na fôrma de pudim ou em uma panela separada. Tenha cuidado, é bem quente. Reserve. No liquidificador bata o Doce de Leite Ibituruna, ovos e Leite Integral Ibituruna até ficar bem homogêneo, cerca de 2-3 minutos. Transfira a mistura para a fôrma com caramelo. Cozinhe o pudim na panela de pudim, em banho-maria, por 60 minutos em fogo baixo. Retire do fogo e do banho-maria. Deixe esfriar por 20 minutos. Leve para geladeira para esfriar completamente, cerca de 8 horas. Ideal de um dia para outro. Desenforme e sirva!


Fale Conosco Cooperativa Telefone: (33) 3202-8300 www.cooperativa.coop.br Instagram: @cooperativagv facebook.com/cooperativagv Youtube: cooperativagv Comunicação e Marketing: (33) 9.9902-4963 Financeiro: (33) 33 3202-8341 Recursos Humanos: (33) 3202-8337 Política Leiteira: (33) 3202-8331 UAC: (33) 3278-3759 OQS: (33) 99902-1677 Armazém www.cooperativa.coop.br/armazem ArmazApp: (33) 9.9979-0969 Instagram: @armazemcooperativa Facebook: armazemcooperativa SAC dos Produtos Ibituruna 0800 033 8300 Whatsapp: (33) 3278-3759 sac@produtosibitutuna.coop.br www.produtosibituruna.com.br


Avenida Rio Bahia (BR 116), km 411, s/nยบ, bairro Planalto Governador Valadares - Minas Gerais - CEP 35054-060

Profile for cooperativagv

COOPERJORNAL 2º SEMESTRE 2020  

O Cooperjornal é a revista da Cooperativa que mantém seus cooperados e públicos de interesse informados sobre as ações realizadas pela insti...

COOPERJORNAL 2º SEMESTRE 2020  

O Cooperjornal é a revista da Cooperativa que mantém seus cooperados e públicos de interesse informados sobre as ações realizadas pela insti...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded