Issuu on Google+

Manual Prático para Profissionais Biotecnologia Veterinária

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS COMO GANHAR EFICIÊNCIA NA REPRODUÇÃO DE SEU REBANHO SUÍNO

Equipe técnica Kubus

25

Anos de Experiência


INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS COMO GANHAR EFICIÊNCIA NA REPRODUÇÃO DE SEU REBANHO SUÍNO

Traduzido pela Equipe Técnica Consuitec


ÍNDICE n Prólogo da terceira edição.....................................................................................................................5 n 1. Introdução.............................................................................................................................................7 1.1. Vantagens da inseminação artificial............................................................................8 n 2. O cachaço..............................................................................................................................................9 2.1. Anatomia do aparelho genital masculino.................................................................10 2.2. Fisiologia do aparelho genital do cachaço...............................................................11 2.3. Treinamento dos cachaços para a inseminação artificial.................................... 12 n 3. Produção de doses seminais.......................................................................................................... 15 3.1. Laboratório de I.A.: Equipamento mínimo necessário e opções........................ 16 3.2. Manutenção e cuidado com o material de laboratório....................................... 20 3.3. Coleta de sêmen...............................................................................................................21 3.4. Contrastação do sêmen................................................................................................. 24 3.5. Elaboração de doses seminais..................................................................................... 47 3.6. Características e propriedades do diluente..............................................................51 3.7. Conservação das doses seminais................................................................................ 52 3.8. Anexo.................................................................................................................................. 53 n 4. A porca................................................................................................................................................ 55 4.1. Anatomia do aparelho genital feminino.................................................................. 56 4.2. Puberdade......................................................................................................................... 57 4.3. Ciclo sexual....................................................................................................................... 59 4.4. Indução e controle do ciclo estral.............................................................................. 62


Manual de inseminação artificial em suínos Kubus

ÍNDICE n 5. Detecção do cio................................................................................................................................ 63 n 6. Momento adequado para a aplicação da dose........................................................................ 67 n 7. Aplicação do sêmen......................................................................................................................... 73 7.1. Introdução do cateter.................................................................................................... 74 7.2. Método de inseminação convencional ou tradicional......................................... 74 7.3. Método de inseminação “mãos livres”...................................................................... 75 7.4. Método de inseminação pós-cervical....................................................................... 78 7.5. Inseminação com sêmen descongelado................................................................... 79 n 8. Uso de plasma seminal sintético em porcas nulíparas...........................................................81 n 9. Manejo da porca inseminada e diagnóstico precoce de gestação..................................... 85 n 10. Controle das condições ambientais na central de inseminação artificial suína.......... 89 n 11. Nutrição do cachaço..................................................................................................................... 99 n 12. Anexos............................................................................................................................................. 107 12.1. Protocolo para centrais de inseminação artificial............................................ 108 12.2. Fichas............................................................................................................................. 113 12.2.1. Ficha de controle individual do cachaço.................................................. 113 12.2.2. Ficha de acompanhamento da C.I.A.......................................................... 114 12.2.3. Cronograma de coletas................................................................................. 115 12.3. Tratamento da água utilizada na C.I.A................................................................. 116


Prólogo

Prólogo da terceira edição Entregamos a terceira edição do manual dedicado à reprodução assistida na espécie suína. Passaram-se muitos anos desde que, pela primeira vez, foi impresso o “Manual de Inseminação Artificial em Suínos”. Este livro, ilustrativo e cômodo para a leitura, idealizado pelo Dr. Santiago Martín Rillo (1952-2000), foi acolhido com tanto entusiasmo que, em seguida, foi traduzido para o inglês pela Dra. Cristian Glossop e para o polonês pelo Prof. Dr. Jerzy Strzezek.  A segunda edição surgiu em 1999, um ano antes do falecimento do seu autor e serviu, no passado recente, como modelo para o livro do Dr. Stanimir Dimitrov e colaboradores, apresentado no ano de 2010 para os leitores búlgaros.   O Dr. José Luís García Ferrero, o único veterinário que chegou a presidir o gabinete de titular do Ministério da Agricultura espanhol, em trecho de seu “in memoriam” (2001) para a ANAPORC, pronunciou-se do seguinte modo: “Somente sua vitalidade e sua abnegação foram capazes de projetar toda a ciência possível sobre a produção animal, enriquecida de tal modo que, desde suas ações tudo parece mais fácil, neste campo complicado. O mundo da produção de suínos tem um período anterior e um período pós Santiago Martín Rillo. Não há criador, nem profissional do setor, que não tenha aprendido com seus ensinamentos, seus conselhos e suas soluções. A capacidade e a força de Santiago Martín Rillo ultrapassaram o marco nacional para alcançar projeção internacional, a qual não tem comparação no campo das ciências agrárias.” Atualmente estão em uso as seguintes técnicas de reprodução assistida, na espécie suína: • Seleção dos futuros reprodutores • Manejo dos cachaços para I.A. • Seleção das futuras reprodutoras • Educação sexual da nulípara • Detecção de cio em nulíparas e porcas desmamadas • Inseminação • Manejo de granja de modo contínuo ou em bandas de três ou cinco semanas. 5


Manual de inseminação artificial em suínos Kubus

Para que seja possível melhorar os resultados de uma granja de suínos servindose das vantagens da I.A. é preciso formatar e aplicar detalhadamente os protocolos que tratam de: • Obtenção de material - Coleta dos ejaculados - Coleta dos ovócitos mediante laparoscopia ou cirurgia - Coleta dos embriões mediante laparoscopia ou cirurgia • Tratamentos biotecnológicos - Preparação das doses seminais e envase/encapsulamento - Refrigeração e conservação das doses seminais - Congelamento e conservação das doses seminais - Descongelamento das doses seminais - Separação espermática por citometria de fluxo - Fecundação dos ovócitos in vitro - Conservação dos embriões - Vitrificação dos embriões • Técnicas de inseminação de porcas - Inseminação artificial standard - I.A. standard bifásica - I.A. standard “mãos livres” - Inseminação pós-cervical - Inseminação intrauterina profunda - Inseminação intra-oviduto com laparoscopia - Transplante dos embriões mediante cirurgia ou não Os autores do Manual que lhes entregamos fizeram de tudo para que o texto seja o mais próximo possível da linguagem do Dr. Santiago Martín Rillo. O Prof. Dr. José Manuel Sánchez Vizcaíno, recordando-se de seu amigo descreveu a sua forma de ensinar e divulgar, para “tentar tratar os temas de suinocultura de um modo didático e atualizado”. Esperamos que este esforço venha somar-se ao formidável trabalho profissional do nosso Mestre e que contribua com a melhora constante da produção de suínos. A Fundação “Dr. Santiago Martín Rillo” faz uma menção especial ao trabalho benéfico e livre de qualquer remuneração dos autores do livro. Mostramos nosso agradecimento à imediata resposta do Prof. Dr. Adam Ziecik (Capítulo 4), do Prof. Dr. Antonio Palomo (Capítulo 11) e do Prof. Dr. Enric Marco (Capítulo 9).

6


Introdução

01

Vantagens da inseminação artificial

7


Manual de inseminação artificial em suínos Kubus

1.1. Vantagens da inseminação artificial n

Vantagens zootécnicas

• Diminuição do número de cachaços, com melhora em termos de espaço e de custos de manutenção. • Difusão rápida do progresso genético, melhorando os rendimentos ao se utilizar fornecedores de sêmen com maior valor genético e tornando mais ágil o resultado nas granjas suinícolas. • Produção de lotes destinados ao abate mais homogêneos. - Incremento na precisão da avaliação genética - Os machos destinados à I.A. produzem uma descendência mais numerosa - A informação medida na descendência e incluída em um índice de seleção aumenta a precisão na avaliação dos caracteres medidos • Incremento na intensidade da seleção por aumentar o número de concepções por cachaço através da I.A., em comparação com a monta natural, o que reduz o número de machos a ser selecionado. • Permite controlar a qualidade espermática dos cachaços, os quais estão sujeitos a múltiplos efeitos ambientais, de manejo e sanitários.

n

Vantagens sanitárias

• Redução do risco de transmissão e aparição de doenças infecto-contagiosas por via sexual. • Redução da entrada de animais portadores de doenças externas.

n

Vantagens de manejo

• Economia de tempo e esforço, evitando a monta natural e a movimentação dos reprodutores. • Permite usar animais de pesos distintos nos cruzamentos. • Reduz o estresse de animais com problemas cardíacos ou de claudicação, durante a monta.

8


O cachaรงo Anatomia e fisiologia

02

9


Manual Prático para Profissionais Biotecnologia Veterinária.