Page 1


Atendendo a tantas necessidades, com certeza esta é a solução

2ml

A Boehringer Ingelheim colocou no mercado a Ingelvac CircoFLEX™ e a Ingelvac MycoFLEX™, as melhores vacinas contra PCV2 e Mycoplasma hyopneumoniae. Agora oferecemos a tecnologia FLEX que permite a aplicação dessas duas vacinas numa única injeção de 2ml.

DOSE ÚNICA

A Escolha Mundial de Vacinas para Suínos


Editorial

Falar de Recursos Humanos é fundamental em qualquer segmento da economia, da indústria ao comércio, do campo à cidade. Em todas elas, as pessoas qualificadas fazem a diferença e podem explicar o sucesso ou o fracasso de uma organização. Na suinocultura, a situação se repete, e essa foi a razão para tratarmos do tema em nossa entrevista, para que o leitor acompanhe um pouco a trajetória desta área, que a cada dia assume maior importância em todo o segmento da suinocultura. O assunto também foi abordado de maneira clara no artigo sobre como formar equipe de alto desempenho. Ainda nesta edição, a Suínos&Cia também trata a área de nutrição de forma clara e consciente, mostrando as limitações para a eficiência da utilização de aminoácidos no crescimento e no sistema imune do suíno. Prevenir sempre foi e será a melhor estratégia para diminuir os riscos de introduzir agentes causadores de doenças nas unidades de produção suína. Confira as dicas de manejo, que certamente lhe ajudarão a preservar seu maior tesouro: a saúde do plantel. Complementamos esta edição com o Jogo Rápido, que lhe colocará o quanto eficiente encontra-se seu sistema no que se refere à proteção e preservação da saúde animal. Na área de sanidade, iniciamos uma nova era de atualização da informação por meio de um convênio com a Universidade de Minnesota, que a cada edição abordará temas atuais referentes à saúde suína. Neste número de Suínos&Cia, o primeiro tema será atualização e perspectivas no diagnóstico e controle da influenza suína. Aproveite para completar sua preciosa leitura com o sumário de pesquisa, que sempre traz informações complementares capazes de atualizar seus conhecimentos e colocá-los em prática, unido a linha de pesquisa ao dia a dia do campo. Confira a seção Divirta-se e aprenda por meio do Teste seus Conhecimentos, Jogo Rápido e Dicas de Manejo. Finalmente, aprecie esta edição com temas atuais, que têm como objetivo atualizar seus conhecimentos de forma prática, científica e divertida. Boa leitura!


Índice 6

Entrevista Juan Jose Maqueda Acosta

12

Nutrição Limitações para a Eficiência da Utilização de Aminoácidos para o Crescimento e Sistema Imune dos Suínos

24

Sanidade Atualização e futuras perspectivas no diagnóstico e controle da influenza suína no Brasil

29

Recursos Humanos Especialização dos Recursos Humanos na Suinocultura

34

Revisão Técnica Disenteria e ileíte: momento exato para tentar decifrar a difícil ciência por trás dessas doenças Resumo da 42ª Reunião Anual da Associação NorteAmericana de Veterinários Especialistas em Suínos (AASV)

50

Recursos Humanos O Caso Pulga!

52 56 60 62

Sumários de Pesquisa Dicas de Manejo Jogo Rápido Informe Publicitário Saúde suinícola Phibro Chr. Hansen ganha mais um reforço para o time de Saúde & Nutrição Animal Poli Nutri inaugura nova unidade em Santa Catarina  

64

Divirta-se Encontre as palavras Relacione as palavras Jogo dos 7 erros


Expediente Revista Técnica da Suinocultura A Revista Suínos&Cia é destinada a médicos-veterinários, zootecnistas, produtores e demais profissionais que atuam na área de suinocultura. Contém artigos técnico-científicos e editorias instrutivas, apresentados por especialistas do Brasil e do mundo.

Editora Técnica Maria Nazaré Lisboa CRMV-SP 03906

Consultoria Técnica Adriana Cássia Pereira CRMV - SP 18.577 Edison de Almeida CRMV - SP 3045

Jornalista Responsável Paulo Viarti MTB.: 26.493

Projeto Gráfico e Editoração T2D Comunicação t2d@uol.com.br

Ilustrações Roque de Ávila Júnior

Departamento Cormercial Kellilucy da Silva comercial@suinosecia.com.br

Atendimento ao Cliente Adriana Cássia Pereira adriana@suinosecia.com.br

Assinaturas Anuais Brasil: R$ 120,00 Exterior: R$ 160,00 Liria Santos assinatura@suinosecia.com.br

Impressão Gráfica Silva Marts

Administração, Redação e Publicação Rua Felipe dos Santos, 50 Jardim Guanabara CEP 13073-270 - Campinas - SP Tels.: (19) 3243-8868 / 3241-6259 suinosecia@suinosecia.com.br www.suinosecia.com.br A reprodução parcial ou total de reportagens e artigos será permitida apenas com a autorização por escrito dos editores.


Entrevista O valor das pessoas na suinocultura Para Juan Jose Maqueda Acosta, a qualificação profissional através da educação continuada é fundamental para se obter sucesso Suínos &Cia - Na atualidade, a suinocultura tem abordado de forma diferente a área de Gestão de Recursos humanos. Quais são as principais dificuldades a serem enfrentadas nesta área?

Juan Jose Maqueda Acosta Médico-veterinário e zootecnista formado em 1969 pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Nacional Autônoma do México, Juan Jose Maqueda Acosta é considerado um excelente professor, carreira na qual atuou por 15 anos. Dedicado à produção e sanidade, trabalhou em diversas granjas de suínos como clínico e, atualmente, é consultor em suinocultura na área de treinamento em recursos humanos. Desde 1988 capacita profissionais em organização, supervisão, liderança, motivação e operação.

JM - Na maioria das vezes o principal problema é a alta rotatividade. A dificuldade para contratar novos colaboradores que gostem e estejam dispostos a este tipo de trabalho tem sido, cada dia, mais difícil. Atualmente, e em um futuro próximo, existem e existirão mais oportunidades de trabalho em diferentes áreas, já que a economia encontra-se crescente nos países emergentes. Sem dúvida, temos que selecionar, contratar e motivar pessoas em um plano empresarial. A gestão profissional nas granjas de forma especial é a área de Recursos Humanos, capaz de contribuir com os resultados de forma positiva e duradoura, necessitando, assim, da ajuda e colaboração de profissionais especializados, como psicólogos industriais, assistentes sociais e líderes gestores capazes de assistirem e cuidarem dessa área com a devida importância que ela merece. Suínos &Cia - Visando à especialização de profissionais que lidam com suínos, como tem sido abordada e implantada a educação continuada para aqueles que trabalham na área de produção e qual seria a melhor estratégia?

Com 40 anos de experiência em suinocultura, Acosta acredita que a internet facilitou a educação continuada e aposta nas pessoas como o grande diferencial de qualquer segmento profissional. Para ele, a mão de obra é fundamental para se atingir o sucesso. Nesta entrevista, Dr. Maqueda relata sobre a importância de reter talentos, motivá-los capacitá-los e permitir crescimento profissional (plano de carreira).

Suínos&Cia

6

Ano VII - nº 39/2011


Entrevista Suínos &Cia - Por muito tempo se tenta ou se tentou substituir a mão de obra por máquinas e equipamentos, porém, à medida que o sistema se sofistica, mais pessoas especializadas são requeridas. Qual sua opinião sobre o assunto, onde estamos e para aonde vamos? JM - Definitivamente, recomendo a automatização em três áreas: limpeza, alimentação e controle de temperaturas ambientais, nessa ordem de prioridade, reduzindo pessoal e os concentrando em atividades que não se podem automatizar, como na determinação do momento do cio, inseminação, parto e vacinações. Esses itens são prioridades e necessitam de capacitação constantemente.

JM - Atualmente, a internet permite obter constantemente atualização através de grande quantidade de informações, no entanto necessita ter cautela na qualidade da informação, para escolher o que pode ser creditado e aplicado. Necessita ser criterioso para uma análise da fonte, do autor, credibilidade e tudo que possa realmente gerar qualidade da informação a ser multiplicada. Congressos, simpósios, revistas, artigos técnicos e todas essas vias de informações estão presentes no dia a dia, sendo importantes vias de conhecimento e atualização. Porém, o mais tradicional será a formação continuada por meio de cursos diplomados ou especialidades outorgadas por universidades e outras instituições de prestígios.

produção. Porém, os animais são seres vivos que estão confinados e dependem da atenção, já que se tem total dependencia de pessoas para viver e, muito mais, para ser eficientes. Água, alimento, temperatura ambiental, prevenção e controle de doenças são itens que viabilizam e mantêm o negócio da suinocultura. Sendo assim, é indispensável colocar muito mais atenção na área de Recursos Humanos: seleção, organização, capacitação, motivação, supervisão, formação de equipes de trabalho, liderança, remuneração, motivação e estabilidade são chaves para o sucesso de uma equipe produtiva e estabilizada.

Suínos &Cia - Como vê a atual remuneração e os incentivos existentes em muitas empresas para motivar pessoas que atuam na área de produção? Acredita que possa ser uma boa estratégia? JM - A remuneração é muito importante e deve ser condizente à região e aos níveis de responsabilidades; em muitas ocasiões, até um pouco acima de outras fontes de trabalho regionais. Nem sempre o dinheiro é tudo, às vezes é preferível ficar em um ambiente agradável que ganhar mais em outro; em outras é preferível buscar novas oportunidades. Quanto a incentivos sobre a produção, é necessário analisar se realmente existe certo esforço adicional nos resultados em relação às vendas, neste caso leva-se em consideração a relação custo/benefício. Porém, se a empresa remunera bem e mantém seus colaborado-

Suínos &Cia - Dedicando parte do seu tempo profissional à capacitação e especialização de pessoas, cujo objetivo é formar talentos e colaboradores na suinocultura, o que realmente mudou em relação à gestão de Recursos Humanos na última década e qual sua visão para os próximos anos nesta área? JM - Hoje, a suinocultura faz parte de uma cadeia altamente empresarial, deixou de ser uma simples criação de animais. Quando a fragmenta se depara com as áreas financeira e tecnológica aliadas aos avanços que são muito frequentes e rápidos, produzindo carnes não apenas suínos. Sendo necessário o máximo de eficiencia e menor custo. Muitas empresas adotam a automatzação para otimizar os diferentes segmentos da Ano VII - nº 39/2011

Suínos&Cia

7


Entrevista terísticas hereditárias podem ajudam, mas a maioria dos líderes é formada. Suínos &Cia - Qual a sua visão de carga horária na suinocultura? Tem sido uma boa estratégia administrar dois ou mais turnos no sistema de produção suína? JM - Como mencionei anteriormente, automatizar limpeza, alimentação e controle da temperatura ambiente é uma boa estratégia, aproveitando a tecnologia e o manejo e concentrando as pessoas nas atividades que requerem mais a atenção, como no caso das inseminações, partos, vacinações, observação dos animais, tratamentos individuais. Mas é sempre bom lembrar que são seres humanos, e não máquinas. Já o compartilhamento de responsabilidades por duas pessoas, em dois turnos, não é uma boa ideia. res conscientizados e comprometidos com seu papel, fazendo tudo o que se tem de fazer para atingir suas metas, sem dúvida, a relação é favorável e positiva. É preciso que estas metas sejam simples de entender, facilmente medidas e desafiadoras, porém alcançáveis. Devem ser claras e conferidas a cada período determinado. Por exemplo, para o pessoal de operação recomenda-se uma análise mensal; já para a área para gerencial, semestral ou anual, com bônus de produtividade ou participação nos lucros. Finalmente, é preciso sempre avaliar e revisar a relação custo/benefício e ajustá-la dependendo de cada situação. Devem-se evitar cópias e fórmulas de remuneração

de determinadas empresas, pois cada uma tem uma realidade diferente. Caso contrário, pode haver muitos conflitos, descontentamentos e desmotivação. Suínos &Cia - Existem necessidades de grandes líderes para a gestão dos diferentes segmentos da suinocultura. Falando em liderança, podem-se criar bons líderes ou essa característica já nasce com eles? JM - Pode-se desenvolver líderes por meio da educação, valores, direcionamento, escolaridade, meio ambiente, fracassos, sucessos, visão, mente positiva, atitude proativa, família, amigos. Algumas carac-

Suínos &Cia - Conhecendo o quanto é difícil manter o trabalho de fim de semana e o quanto a produção necessita de mão de obra para gerar resultados satisfatórios, como tem administrado este tipo de problema? JM - É necessário contar com pessoas nos finais de semana, chegando a acordos, como nos hospitais, clínicas, restaurantes e lojas. E muitas empresas trabalham todos os dias da semana. Uma forma pode ser a rotatividade de pessoas. Se elas estiverem conscientes de suas responsabilidades e comprometidas com os objetivos da equipe e da empresa, vão colaborar. Suínos &Cia - Quais os pontos fundamentais para manter pessoas trabalhando em equipe e sempre motivadas? JM - Para simplificar, poderia mencionar dois pontos: Pirâmide de Maslow e liderança positiva; surpreendentemente não é difícil, tudo ao contrário é muito fácil. Suínos &Cia - Qual sua recomendação sobre plano de carreira nos diferentes segmentos de produção de suínos? JM - A indústria precisa de pessoas qualificadas, com conhecimentos e experiências em sistemas de produção modernos e com abertura às tecnologias do futuro. Elas são e seguirão sendo muito valiosas e bem remuneradas. Os proprietários e diretores das empresas têm o conhecimento muito claro destas pessoas que fazem parte da equipe, seja técnico, profissional de recursos humanos, administração ou marketing, diretor ou qualquer outro trabalhador.

Suínos&Cia

8

Ano VII - nº 39/2011


Jun/11

Sucesso no tratamento de doenças bacterianas com a rapidez de KINETOMAX ®

Porque o tempo é valioso, assim como seus animais.

Consulte sempre um Médico Veterinário


Entrevista JM - Necessitamos desenvolver um profissional para cada posição da granja que tenha um perfil mais próximo possível dos requerimentos exigidos. Pode ser uma pessoa interna ou um novo funcionário. Suínos &Cia - Quais os meios de comunicação que poderiam ser utilizados para atrair novos talentos a optarem pela suinocultura como atividade profissional? JM - A internet é o meio mais utilizado, além das conversas entre amigos e colegas em congressos e simpósios, nos quais os almoços e os estandes se convertem em reais oportunidades para troca de conhecimentos profissionais.

Suínos &Cia - A cada dia observam-se dificuldades de aquisição de mão de obra para a suinocultura. O que precisa mudar ou adequar na atividade para atrair novos colaboradores? JM - Em algumas ocasiões a percepção que nós temos é que o trabalho com suínos é sujo, de baixo nível social, mal remunerado, sem motivação e com um estilo gerencial autocrático. Primeiramente é preciso mudar esta imagem, sobretudo a limpeza e o sistema de alimentação. Deve-se proporcionar roupas de uso exclusivo para o trabalho na granja, ter vestiários com banho e refeitório para que o ambiente de trabalho seja limpo, agradável e seguro para os

funcionários e oferecer e apoiar o transporte até o local do trabalho. É importante selecionar pessoal preferencialmente de origem rural, acostumado a conviver com animais; oferecer um ambiente de trabalho adequado e capacitação constante, com acompanhamento do encarregado do sistema do início ao fim; trabalhar com disposição de chefe como facilitador; ter liderança positiva; saber trabalhar em equipe e ter conhecimento das metas e objetivos. Suínos &Cia - Existe pouca disponibilidade de pessoas para serem contratadas na suinocultura. Como exercer a seleção quando a oferta é maior que a procura?

Suínos &Cia - Poucos veterinários se dedicam à gestão empresarial na suinocultura. Conhecendo sua trajetória, observa-se que boa parte do seu tempo de especialização profissional esteve dedicada à área de recursos humanos. Quando e por que ocorreu esse interesse? JM - Depois de trabalhar muitos anos com suínos, descobri que estes são muito obedientes, comem, crescem, formam anticorpos com as vacinas e se reproduzem. O problema está com as pessoas, que muitas vezes são ignorantes e demonstram desgosto pela atividade. Por isso tenho desenvolvido muito trabalho nas áreas de capacitação, organização, motivação e liderança. Suínos &Cia - Poderia deixar uma mensagem motivacional para a suinocultura preservar seus talento e os caminhos para atrair novos colaboradores? JM - Primeiramente deve-se gostar da atividade, isto dá entusiasmo, interesse e vontade de saber sempre mais. Depois é preciso gostar de desafios constantes, pois esta atividade não é rotineira. Quem assim a vê, fica estagnado e não cresce. A lei da gravidade atua, caindo os níveis profissional, econômico, pessoal, familiar e social. Por fim, é fundamental colocar paixão em tudo o que se faz. Isto te retroalimenta positivamente, maximiza os sucessos, minimiza os erros e permite encontrar novos caminhos, sempre te impulsionando a fazer mais. Isto não acontece somente na área da suinocultura, e sim em qualquer atividade da vida.

Suínos&Cia

10

Ano VII - nº 39/2011


Nutrição Limitações para a Eficiência da Utilização de Aminoácidos para o Crescimento e Sistema Imune dos Suínos

Dr. Bruno A.N. Silva 1 Paulo H. R. F. Campos 2 Dra. Andrea Panzardi 3 1 Pesquisador e Nutricionista de Suínos IPG, Institute for Pig Genetics/ TOPIGS International – S&D, Holanda 2 Estudante MSc., UFV, Universidade – MG, Brasil 3 Reprodução de Suínos e Suporte Técnico, TOPIGS do Brasil Bruno.Nunes.Silva@ipg.nl

Introdução

A

proteína é, quantitativamente, o nutriente de maior custo na produção de suínos. O processo de conversão de proteína alimentar em proteína animal requer processos bioquímicos e fisiológicos complexos, no qual inclui a digestão, a absorção, o metabolismo (envolvendo microorganismos do sistema intestino-lúmen, o complexo esplênico e outros órgãos), e a regulação destes eventos via caminhos sinalizadores múltiplos (Wu, 2009). Este processo reflete o quão dinâmico é a utilização de aminoácidos essenciais e não-essenciais (Figura 1). Exceto para o glutamato, glutamina e o aspartato, os aminoácidos da dieta são, primariamente, utilizados para a deposição protéica nos suínos em crescimento (Wu et al. 2010). Entretanto, o conhecimento da quantidade de aminoácidos utilizados para a síntese de substâncias nãoprotéicas pelo animal ainda permanece desconhecido. Estima-se que 10 a 40% dos aminoácidos essenciais e alguns nãoessenciais (aspargina, cisteína, serina, e tirosina) entram na corrente sanguínea e são degradados pelos tecidos extra-intestinais (Wu et al., 2010). Com os programas alimentares atuais, a eficiência da utilização de proteínas presentes na dieta para o crescimento animal é subótima. Por exemplo, leitões lactentes com 14 dias de idade e leitões com 30 dias de idade, ambos desmamados aos 21 dias, cerca de 70% e 55% dos aminoácidos da dieta são, respectivamente, depositados sob a forma de proteína corporal (Wu et al., 2010). Os aminoácidos restantes precisam ser redirecionados para a mantença do sistema imune e degradados sob a forma de CO2 (dióxido de carbônico), NO (óxido nítrico), CO Suínos&Cia

12

Figura 1. Utilização da dinâmica de aminoácidos em suínos. A degradação de aminoácidos essenciais via inter-cooperação de órgãos resulta na síntese de aminoácidos não-essenciais. Aminoácidos de cadeia longa (BCAA); D3PG, D-3-fosfoglicerato (um intermediário do metabolismo da glicose); HYP, hidroxiprolina. Síntese da serina a partir do esqueleto de carbono (D3PG) requer aminoácidos (e.x. aspartato e glutamato) como doadores do grupo amino (Wu, 2010). (monóxido de carbono), H2S (hidrogênio sulfídrico), CH4 (metano), H2O (água), NH3 (amônia), (NH2)2CO (ureia), NO3 (nitrato), e outros compostos metabólicos nitrogenados (Li et al., 2009). A excreção destes compostos via urina e fezes torna-se uma fonte de poluição ambiental. A defesa dos suínos à agentes estranhos como; vírus, bactérias, protozoários e outros parasitas ocorre devido ao trabalho fundamental do sistema imunológico dos animais. O equilíbrio entre a boa funcionalidade do sistema imune (imunocompetência) e os desafios de campo é o fator determinante para a saúde de um animal. Sempre que houver aumento da pressão de infecção ou a diminuição da capacidade imunológica em um indivíduo

ocorrerá o que caracterizamos como doença. Suínos desafiados imunologicamente são menos produtivos, e, além disso, aumentam os custos de produção por necessidade da utilização de medicamentos e intervenções veterinárias. Por outro lado, sabe-se, também, que a ativação do sistema imune demanda recursos orgânicos que podem comprometer o bom desempenho animal, isso porque, quando ativado, o sistema imune desvia parte de proteínas, vitaminas, energia e minerais para gerar a reação inflamatória e, assim diminuindo a disponibilidade destes para a deposição de proteínas. Assim, a nutrição está, diretamente, relacionada à capacidade dos suínos em apresentar resposta Ano VII - nº 39/2011


Nutrição imunológica frente à situações de elevado desafio sanitário. Com isso, é necessário empregar níveis nutricionais que visem não só o máximo crescimento, mas que também propiciem o adequado funcionamento do sistema imunológico. A Interação entre nutrição e imunidade é, particularmente, importante para o desenvolvimento e produtividade animal (Tabela 1). A nutrição pode modular quantitativamente e qualitativamente aspectos da resposta imune contra patógenos. Respostas do sistema imune contra patógenos influencia a homeostase metabólica e necessidades nutricionais, entretanto, pouca atenção tem sido direcionada à eficiência da utilização deste mecanismo ou a sua significância prática. Os dados da tabela acima indicam que a eficiência de absorção de aminoácidos pela mucosa intestinal é 2 vezes superior quando o suíno é mantido em um sistema livre de agentes patogênicos ao comparar com o sistema convencional (Tabela 1). Sendo assim, uma melhor compreensão dos processos bioquímicos e fisiológicos que limitam a eficiência de utilização dos aminoácidos no suíno para um bom crescimento e funcionamento do sistema imune torna-se fundamental para um adequado retorno econômico da atividade produtiva.

Limitações para a Eficiência da Utilização de Aminoácidos para o Crescimento Efeitos da utilização de dietas desbalanceadas na relação proteína: carboidratos/ gorduras Após a ingestão de grandes quantidades de proteínas, o intestino e o fígado utilizam a maior parte dos aminoácidos absorvidos. O glutamato e o aspartato são usados como fontes de energia pelo intestino, e muito pouco dessas duas substâncias entram na veia porta (Colditz, 2002). O intestino também usa alguns outros aminoácidos. O fígado capta de 60 a 70% dos aminoácidos presentes na veia porta. Esses aminoácidos, em sua maior parte, são convertidos a glicose pela gliconeogênese. O aumento dos níveis de aminoácidos obtidos pela dieta estimula o pâncreas a liberar glucagon em níveis acima daqueles obtidos no jejum, aumentando a captação dos aminoácidos pelo fígado e estimulando a gliconeogênese (Dandona et al., 2004). A liberação de insulina Ano VII - nº 39/2011

Tabela 1. Eficiência de utilização de aminoácidos de suínos em crescimento, criados em sistema de produção convencional ou em sistema livre de agentes patogênicos (Adaptado de Visek, 1978 e Gaskins, 2009) Variáveis

Sistema de Produção Convencional

Livre de patógenos

Taxa metabólica basal, %

100

80

Taxa de renovação da mucosa, %

100

60 – 70

NH3 Cecal, %

100

10

NH3 Portal, %

100

25

Absorção de Aminoácidos, %

100

> 200

também é estimulada, mas não próximo dos níveis encontrados após uma ingesta rica em carboidratos. No geral, a liberação de insulina após uma alimentação rica em proteínas é suficientemente alta para permitir a captação dos aminoácidos pelo músculo esquelético e a síntese protéica, entretanto, a gliconeogênese no fígado não é inibida (Dandona et al., 2004). Quando se eleva os níveis de carboidratos na alimentação, há um aumento na relação insulina/glucagon, o que possibilita uma diminuição da gliconeogênese hepática a partir de aminácidos e um aumento na utilização desses aminoácidos para a síntese de proteínas como as proteínas plasmáticas. A maior parte dos aminoácidos que entram na circulação periférica após uma dieta rica em proteínas são aqueles que não são utilizados, ou pouco utilizados, pelo fígado, visto que este possui baixos níveis de transaminases para estes aminoácidos, e isso o impossibilita de oxidá-los de forma significativa, por isso eles entram na circulação sistêmica (Dandona et al., 2004). Esses aminoácidos são captados pelo músculo esquelético e outros tecidos, que os utilizam principalmente para a síntese protéica (Baker et al., 1999). Dietas com baixas quantidades de carboidratos e gorduras mantém os níveis de insulina baixos, como se o conteúdo energético do organismo estivesse diminuído. Isso faz com que a secreção de glucagon pelo pâncreas esteja estimulada, diminuindo a relação insulina/glucagon (Husband e Bryden, 1996). Dessa forma, há uma mobilização das reservas energéticas do organismo, principalmente dos ácidos graxos provenientes dos adipócitos e sua oxidação por outros tecidos, o que contribui para a redução da quantidade de gordura corporal e, consequentemente, para a perda de peso e queda no desempenho produtivo (Elsasser et al., 2008).

Uso de Aminoácidos essencias (AAE) e não-essenciais (AANE) na produção de compostos nitrogenados não protéicos Os aminoácidos são precussores essenciais para a síntese de diversas substâncias nitrogenadas de grande importância biológica. Algumas destas moléculas bioativas estão presentes na Tabela 2, representadas por neurotransmissores (Ex. γ-aminobutirato, dopamina e serotonina), hormônios (e.x. epinefrina e noraepinefrina), vasodilatadores, gases sinalizadores (NO, CO e H2S), antioxidantes (glutationa, creatina, melatonina, melanina, e taurina), doadores metílicos, bem como fatores reguladores do metabolismo, crescimento, desenvolvimento, resposta imune, e saúde (Wu, 2009). Grandes quantidades de glutamina e arginina são utilizados pelas células do sistema imune para a defesa do animal contra agentes infecciosos, particularmente, em resposta a desafios imunológicos, como, por exemplo, o consumo de 50% de glutamina livre e 50% de arginina livre no plasma com 1 h e 2,5 h, respectivamente (Li et. al., 2007). Em adição, 17% da arginina proveniente da dieta é utilizada para a síntese de creatina em leitões (Wu et al., 2004), e 25% da metionina dietética é utilizada por reações de metilação através da formação da S-adenosilmetionina em leitões jovens (Brosnan et al., 2009). Estas transformações metabólicas são essenciais para a reprodução, saúde e sobrevivência do suíno.

Degradação de aminoácidos essenciais (AAE) da dieta para a síntese de aminoácidos nãoessenciais (AANE) no intestino delgado Estudos recentes têm revelado que tanto os AAE e AANE da dieta são extensivamente degradados no instetino Suínos&Cia

13


Nutrição Tabela 2. Principais metabólitos nitrogenados produzidos apartir dos aminoácidos em suínos. AGGS, aspartato, glutamina, glicina e serina; BCAA, aminoácidos de cadeia longa; BET, betaína; CHO, colina; CO, monóxido de carbono; DOP, dopamina; EPN, epinefrina e noraepinefrina; GlcN-6P, glucosamina-6-fosfatase; MEL, melatonina; MH, 3-metilhistidina; NO, óxido nitrico; SAM, S-adenosilmetionina; STN, seratonina; UCA, acido urocanico (Adaptado de Wu, 2009) Aminoácido

Metabólito

Aminoácido

Metabólito

Metabólito

Arginina

NO e ornitina

Lisina

Hidroxilisinaw

Arg & Met

Poliaminas

Cisteína

Taurina e H2S

Metionina

BET, CHO e SAM

Arg, Met & Gly

Creatina

Glutamato

Ƴ-Aminobutirato

Fenilalanina

Tirosina

Cis, Glu & Gly

Glutationa

Glutamina

NH3 e GlcN-6P

Prolina

Hidroxiprolina

AGGS

Ác. Nucleico

Glicina

Heme e UCA

Serina

Glicina

Lys, Met & Ser

Carnitina

Histidina

Histamina e UCA

Triptofano

STN, MLT e ANS

β-Ala & His

Carnosina

BCAA

Glutamina

Tirosina

DOP, MEL e EPN

β-Ala & MH

Balenina

delgado dos suínos (Wu, 1998; Stoll e Burrin, 2006). Além disso, resultados de estudos tem indicado que, aproximadamente, todo o glutamato, aspartato, 67 a 70% de glutamina, e 30 a 40% de prolina na dieta enteral são catabolizados pelo intestino delgado dos suínos (Wu et al., 2010). A taxa de degradação do glutamato na dieta enteral pelo intestino delgado é a mais alta entre os aminoácidos, seguido pela glutamina, aspartato, e prolina. A presença da bactéria no lúmen do intestino delgado pode degradar estes aminoácidos (Bergen e Wu, 2009; Dai et al., 2010). Em adição, células absortivas do epitélio no trato intestinal do neonato (enterócitos) são capazes de catabolizar extensivamente o glutamato, aspartato, glutamina e prolina (Wu e Morris, 1998). Dados do fluxo portal e visceral líquido (intestinos, pâncreas, estômago, e baço) de aminoácidos em leitões estão presentes na Tabela 3. Resultados indicam que menos de 20% dos AAE são utilizados

para a síntese protéica através da mucosa intestinal (Stoll e Burrin, 2006), e mais de 80% dos AAE utilizados são, provavelmente, degradados pelos microorganismos no lúmen intestinal (Dai et al., 2010). Neste sentido, os aminoácidos da dieta desempenham um papel fundamental na regulação da composição microbiana e atividade intestinal. O metabolismo de aminoácidos no intestino é de grande importância nutricional e fisiológica. Por exemplo, os aminoácidos desempenham um papel importante na manutenção da integridade e funcionamento do trato intestinal, regulando a síntese endógena de aminoácidos (citrulina, arginina, prolina e alanina), e modulando a disponibilidade de aminoácidos da dieta para tecidos extra-intestinais (Wu, 2009). Em virtude dos níveis elevados de glutamato e aspartato presentes na circulação exercerem um efeito neurotóxico

Tabela 3. Fluxo portal e visceral (PDV) líquido em leitões (6 – 10kg) alimentados a base de leite (Adaptado de Stoll e Burrin, 2006; e Wu et al., 2010) Aminoácido

% de consumo da dieta

Aminoácido

Arginina

147

Alanina

154

Histidina

71

Aspargina

74

Isoleucina

66

Aspartato

5

Leucina

64

Cistina

69

Lisina

55

Glutamato

3

Metionina

69

Glutamina

-16

Fenilalanina

63

Glicina

69

Prolina

59

Serina

66

Treonina

50

Prolina

71

Triptofano

75

Valina

65

AAE

Suínos&Cia

14

Aminoácido

% de consumo da dieta

AANE

(Meldrum e Garthway, 1990; Stout et al., 1998), o catabolismo deles pelo intestino delgado é essencial para a sobrevivência animal. Entretanto, perdas irreversíveis de aminoácidos da dieta (particularmente AAE) vindas do intestino, resultam na diminuição da eficiência de utilização deles para o crescimento. Contudo, inibindo a atividade microbiana através da suplementação de antibióticos ou pré-bióticos pode melhorar a entrada de aminoácidos vindos da dieta no portal circulatório (Yin et al., 2010) e, assim, aumentar o desempenho dos suínos na fase de crescimento (Kong et al., 2009). Van Goudoever et al. (2007) observaram que sob condições de restrição protéica, porém com consumo normal de energia, o fluxo portal visceral líquido mantém uma taxa elevada de metabolismo e continua a utilizar de forma desproporcional grandes quantidades de AAE (Tabela 4). Estes mesmos autores observaram que a lisina mesmo sendo catabolizada no intestino, e contribuindo com 31% de sua oxidação total-corporal, em suínos alimentados com dietas ricas em proteína, este aminoácido é fortemente suprimido quando a proteína se torna um nutriente limitante. Entretanto, os resultados indicam a importância crítica que o intestino exerce ativamente sobre a regulação do fluxo de AAE para o corpo, indicando claramente a necessidade de se considerar a biodisponibilidade de AAE nos cálculos das recomendações nutricionais.

Degradação de aminoácidos essenciais da dieta para síntese de aminoácidos não-essenciais extra-intestinal Grandes quantidades de arginina, prolina, aspartato, glutamina, e glicina Ano VII - nº 39/2011


Nutrição Tabela 4. Concentrações do ingerido, arterial e portal, e o balanço líquido portal de aminoácidos essenciais em leitões em fase de creche recebendo uma dieta com alta densidade proteica (HP) ou baixa densidade proteica (LP) (Adapatdo de Van Goudoever et al., 2007) HP AAE

LP

Concentração μmol/L

Concentração μmol/L

Ingerido

Arterial

Portal

% Ingerido

Ingerido

Arterial

Portal

% Ingerido

Thr

934

918

954

16

374

456

456

-1

Val

765

572

638

41

306

277

299

31

Iso

780

299

348

28

312

187

202

19

Leu

748

406

484

47

299

237

267

40

Phe

254

110

131

37

102

52

60

28

Lis

518

616

678

54

207

385

394

16

devem ser sintetizados em suínos em crescimento. Isto também é verdadeiro para alanina em leitões durante a lactação. A síntese de alguns aminoácidos requer a degradação de AAE (cujos esqueletos de carbono não podem ser sintetizados) em suínos. Entretanto, quando as dietas não contém um balanço adequado de AANE, os AAE são catabolizados para preencher um propósito importante em suínos em crescimento. Recentes avanços na nutrição utilizando AANE tem importantes implicações para a formulação de novas dietas de suínos, que tem como objetivo reduzir o conteúdo de AAE. Por exemplo, dietas atuais contém mais AAE, e menos AANE, do que o necessário para a deposição protéica em suínos na fase de crescimento (Tabela 3). A suplementação de AANE em dietas de baixa densidade protéica podem melhorar efetivamente a eficiência das transformações metabólicas e permitir um bom desempenho de crescimento dos suínos (Wu, 2010).

(Ex. glutamina, arginina, e leucina) estimulam a fosforilação do mTOR em nível celular, levando a formação do processo de iniciação do complexo de tradução gênico (Yao et. al., 2008; Davis e Fiorotto, 2009; Rhoads e Wu, 2009). Além da sinalização do mTOR, a arginina pode regular a expressão de genes e a atividade da AMPK, uma importante proteína na detecção de nutrientes que modulam a oxidação dos substratos de energia e de sensibilidade à insulina (Jobgen et. al., 2006). Em adição, a glutamina é conhecida por ativar diversos sinalizadores extracelulares (Brasse-Lagnel et al., 2009; Rhoads e Wu, 2009). O NO, CO, e o H2S,, produtos do catabolismo da arginina, glicina, e cistina, respectivamente, beneficiam a regulação de diversos processos fisiológicos e

imunológicos (Li et al., 2009). Crescentes evidências indicam que a expressão dos genes, bem como a de proteínas anti-oxidantes e regulatórias em tecidos de suínos mudam no decorrer da vida do animal (Wang et al., 2010). Notavelmente, níveis de proteína para reguladores positivos do mTOR são mais elevados em fibras musculares esqueléticas de suínos jovens do que em adultos (Suryawan et al., 2009), resultando na redução na taxa de síntese protéica com o avanço da idade (Davis e Fiorotto, 2009). Com isso, a eficiência de AAE da dieta e AANE da síntese protéica é 35% e 26% maior, respectivamente, em leitões na fase de lactação do que na fase pós-desmame (Wu et al., 2010).

Alteração na expressão gênica aumenta a eficiência de deposição muscular A eficiência da utilização dos aminoácidos na dieta pelos suínos depende da regulação da expressão gênica em nível celular (Wu, 2009). Aminoácidos não são somente substratos para a síntese protéica, mas também afetam uma ou mais das etapas descritas a seguir: modificação da cromatina, transcrição, modificação póstranscriptal, transporte de RNA, degradação do mRNA, tradução, e modificações pós-tradução (Bruhat et al., 2009). O alvo da rapamicina (mTOR), uma kinase protéica para serina/treonina, é o regulador chave da deposição protéica (Figura 2; Wu et al., 2007; Shaw, 2008). Aminoácidos Ano VII - nº 39/2011

Figura 2. Ativação da sintese proteica através de aminoácidos e fatores de crescimento via mTOR (proteina kinase)(adaptado de Wu et al., 2007).

Suínos&Cia

15


Nutrição da síntese protéica muscular e provocam desgaste muscular. A IL-6 atua de forma sinérgica com a IL-1 sobre o fígado, mas ela é o principal iniciador da resposta de fase aguda (Dandona et al., 2004).

Alteração do estado metabólico associado às repostas de fase aguda

Figura 3. Algumas ações gerais da rede citocínica (adaptado de Baker e Johnson, 1999).

Oportunidades para aumentar a eficiência de utilização dos aminoácidos da dieta para crescimento Dados recentes sobre a expressão de genes e mecanismos sinalizadores têm permitido desenvolver novas estratégias nutricionais para reduzir as limitações bioquímicas e fisiológicas na utilização de aminoácidos em suínos. Por exemplo, a administração oral de L-glutamina (1 g/kg PV/dia) para leitões de baixo peso durante a amamentação pode melhorar sua sobrevivência e crescimento (Haynes et al., 2009). A suplementação da dieta com 1% de L-glutamina em leitões recém desmamados previne atrofia do jejuno durante a primeira semana no pós-desmame e melhora a conversão alimentar em 25% durante a segunda semana pós-desmame (Wu et al., 1996; Wang et al., 2008). A suplementação da dieta com 0,2% e 0,4% de L-arginina para leitões melhora concentração plasmática de arginina (30% e 61%), reduzindo níveis circulantes de amônia (20% e 35%), aumentando o ganho de peso (28% e 66%) (Kim e Wu, 2004). Já a suplementação de L-arginina aumenta a capacidade antioxidante dos tecidos (Ma et al., 2010), aumentando a deposição de carne magra (Tan et al., 2009) em suínos na fase de crescimentoterminação.

Limitações para a Eficiência de Utilização de Aminoácidos para o Sistema Imune A resposta normal à inflamação consiste em uma série de alterações metabólicas que facilitam a recuperação Suínos&Cia

16

do organismo e diminuem a extensão da lesão do hospedeiro. Classicamente, essa resposta inclui, pelo menos, duas fases bem características, sendo que na fase inicial (Ebb phase, ou Fase de Choque), há o predomínio da circulação inadequada, metabolismo anaeróbico, acidose e hiperlactiacidemia (Gershwin et al., 1995). Na fase seguinte (Flow phase), as alterações do metabolismo decorrem do aumento da secreção e atividade de interleucinas, catecolaminas, corticosteróides e hormônio do crescimento, com hiperinsulinemia (Tizard, 1992). Substâncias como a interleucina-1 (IL-1), as prostaglandinas (PG), os fatores do complemento, corpos estranhos e endotoxinas estimulam o hipotálamo, a secretar (ou induz a secreção pancreática e da supra-renal) hormônios como o cortisol, catecolaminas, glucagon, insulina, ADH, GH, endorfinas, etc (Baker e Johnson, 1999). Um resumo dos mediadores da resposta de fase aguda podem ser visualizados na Figura 3. As diversas citocinas podem apresentar diferentes efeitos fisiológicos (pleiotropia citocínica) e, ainda, citocinas diferentes podem provocar efeitos metabólicos semelhantes (redundância citocínica) (Matarese e La Cava, 2004). Apesar destas propriedades, está claro que algumas citocinas são mais potentes que outras na indução de algumas respostas específicas. Assim, a IL-1 é responsável pela febre, anorexia, secreção de ACTH, consequentemente, glicocorticóides e síntese de proteínas de fase aguda pelo fígado. Além disso, induz a expressão de interferon γ (IFN-γ) pelos linfócitos T. IFN-γ é outra importante citocina envolvida no controle do catabolismo da arginina e triptofano (Stenz e Kitabchi, 2003). A IL-1 e o fator de necrose tumoral causam inibição

As taxas e os padrões de utilização dos aminoácidos pelos diferentes tecidos podem ser alterados pela dieta, como descrito anteriormente, e pelos diferentes estados fisiológicos em que o suíno se encontra (Matarese e La Cava, 2004). Esses dois estados, o período subseqüente a uma dieta hiperproteíca e o estado hipercatabólico produzido por desafios imunológicos, diferem do estado pós-absortivo com relação à disponibilidade de aminoácidos e outros nutrientes e quanto ao perfil hormonal no sangue (Husband e Bryden, 1996). Como resultado, os padrões de utilização dos aminoácidos serão diferentes. A ativação do sistema imunológico induz um estado hipercatabólico, que é caracterizado por um aumento na utilização de fontes energéticas e por um balanço negativo de nitrogênio (Waldron et al., 2003). A mobilização das proteínas corporais, lipídios e reservas de carboidratos ajudam a manter o funcionamento normal dos tecidos na presença de uma dieta limitada, bem como fornecer os aminoácidos necessários para o desenvolvimento da resposta imune (Webel et al., 1997). O balanço negativo de nitrogênio que ocorre durante a ativação do sistema imune é resultado de uma renovação acelerada das proteínas em geral e de um aumento na taxa de degradação dos aminoácidos de constituição do organismo, primeiramente oriundos da musculatura esquelética. No intuito de compensar o desafio imune, em função da alteração metabólica, há uma diminuição expressiva da síntese protéica no músculo esquelético e um aumento na degradação de proteínas. A oxidação dos aminoácidos aumenta, bem como a síntese de glutamina, já em contrapartida a captação de aminoácidos diminui. O principal hormônio mediador dessas respostas é o cortisol, embora algumas citocinas podem também ter efeito no metabolismo do músculo esquelético (Elsasser et al., 2008). Da mesma forma como ocorre durante a acidose metabólica no jejum, níveis elevados de cortisol estimulam a proteólise mediada Ano VII - nº 39/2011


Aconteceu

Ano VI - nº 36/2010

Suínos & Cia

49


Nutrição pela ubiquitina, induzem a síntese de glutamina-sintetase e aumentam a liberação de aminoácidos e glutamina das células musculares. Os aminoácidos liberados do músculo esquelético durante períodos de estresse imunológico são utilizados prioritariamente juntamente com os componentes do sistema imune. Por exemplo, a captação de aminoácidos pelo fígado para a síntese de proteínas da fase aguda, que são parte do sistema imune, fica, consideravelmente, aumentada (Broussard et al., 2003). Inversamente, durante o início da fase aguda da resposta imunológica, a síntese de outras proteínas do plasma, como a albumina, está diminuída. O aumento na disponibilidade de aminoácidos e o aumento nos níveis de cortisol também estimulam a gliconeogênese, deste modo o organismo provém energia às células do sistema imune dependentes de glicose, como os linfócitos (Colditz, 2002). Um aumento na síntese de uréia acompanha a aceleração da degradação dos aminoácidos. O aumento no efluxo de glutamina do músculo esquelético durante a infecção destina-se a inúmeras funções. Primeiramente, fornece energia para a rápida divisão das células do sistema imune (Johnson et al., 2006). A glutamina serve como um reservatório de nitrogênio para a síntese de purinas, para a síntese de NAD, e para outras funções biossintéticas essenciais no crescimento e divisão das células (Lobley et al., 2001). Os estados hipercatabólicos podem vir acompanhados de um aumento na produção de ácidos metabólicos, por isso havendo um aumento na utilização de glutamina pelo rim. Sob a influência de elevados níveis de glicocorticóides, epinefrina e glucagon, os ácidos graxos são mobilizados do tecido adiposo para servir como uma fonte alternativa de energia aos outros tecidos e, assim, disponibilizar glicose àqueles tecidos que as utilizam exclusivamente (Lacetera et al., 2004). Nessas condições os ácidos graxos funcionam como a principal fonte de energia do músculo esquelético, o que provoca a diminuição da captação de glicose.

Modulação nutricional da resposta imune e resistência a desafios imunológicos com atenção especial para exigências de aminoácidos específicos Suínos&Cia

18

Figura 4. Participação da glutamina na proteção do epitélio intestinal (Adaptado de Newsholme, 1998). Diversos estudos foram conduzidos nos últimos anos para identificar nutrientes capazes de estimular respostas imunes em suínos. Blecha e Charley (1990) observaram que a utilização de nutrientes que estimulam o sistema imune são essenciais quando o sistema imunológico está comprometido. Quando analisamos a eficiência da utilização de aminoácidos para o sistema imune, devemos, sempre, considerálos como uma ferramenta de auxílio para melhorar a habilidade dos suínos em estabelecerem uma resposta imune frente ao desafio sanitário. O uso da glutamina para suínos tem sido avaliado de forma intensa nos últimos anos, principalmente pela sua capacidade de aumentar a atividade das funções imunes e da redução de infecções (Johnson et al., 2006). A Glutamina é o aminoácido neutro mais abundante na circulação e no espaço intracelular. Classicamente, é um aminoácido não essencial, mas pode ser considerado condicionalmente essencial, em condições de estresse, como desmame, sepse, transporte, exercício ou durante o período de crescimento rápido dos tecidos (Li et al. 2007). Embora muitos tecidos possam sintetizar a glutamina, apenas alguns são capazes de liberar quantidades significativas para a corrente sanguínea. Estes incluem o pulmão, cérebro, músculo esquelético e talvez tecido adiposo. Devido à sua grande massa, o músculo esquelético é considerado o mais importante produtor de glutamina no corpo, contribuindo com,

aproximadamente, 60% da glutamina circulante. A glutamina é a mais importante fonte de energia para células de divisão rápida, como enterócitos e linfócitos, e para outros tipos de células, como macrófagos e células renais, fornecendo ATP para o “turnover” protéico intracelular, transporte de nutrientes através da membrana plasmática, crescimento e migração celular, assim como para manutenção da integridade da célula (Li et al., 2007). Este aminoácido também é precursor da síntese dos nucleotídeos purina e pirimidina, que são essenciais para a proliferação de células, incluíndo os linfócitos intra-epiteliais, células embrionárias e trofoblastos (Wu et al. 2006). Em suínos a glutamina é o principal substrato para a síntese endógena de arginina, compensando, dessa forma, a deficiência desse aminoácido no leite (Wu et al. 1995) e o intenso catabolismo de arginina no intestino delgado. O muco e o complexo de junção, que protegem o epitélio intestinal, são ricos em glicoproteínas que são sintetizadas a partir de glucosamina-6-fosfato, de cuja síntese a glutamina participa (Figura 4). A glutamina pode promover a deposição protéica e o crescimento dos animais por estimular a secreção de hormônios anabólicos, como insulina, e inibir a produção de glicocorticóides. Diversas pesquisas mostraram que a suplementação com glutamina impede atrofia intestinal em condições de hipercatabolismo (Buchman et al., 1995; Li et al., 1994; Schroder et al., 1995; Tamada et al. 1992) e que a glutamina é necessária para a manutenção dos tecidos linfáticos associados ao intestino e a produção e Ano VII - nº 39/2011


Nutrição Tabela 5. Interação entre níveis de lisina, grau de ativação do sistema imune (ISA), desempenho, e deposição de proteína e gordura na carcaça (6 a 27 kg) (Adaptado de Williams et al., 1997a) Níveis de lisina (%)

Consumo (g/dia) Ganho de peso (g/dia) Deposição de proteína (g/dia) Deposição de gordura (g/dia) 1

0,6

0,9

1,20

1,50

896

1025

1052

1002

é ISA

889

954

889

911

ê ISA

400

556

644

663

é ISA

357

495

510

504

ê ISA

1

ê ISA

47,6

77,8

100,7

110,8

é ISA

40,3

67,3

80,3

79,4

ê ISA

106,6

101,7

86,4

79,3

é ISA

97,3

90,0

69,0

71,0

ê ou é ISA (baixa ou elevada ativação crônica do sistema imunológico)

secreção de imunoglobulina A, da integridade intestinal e da prevenção a infecções bacteriana (Alverdy., 1990). Wu et al. (1996) observaram que a suplementação de glutamina (1,0%) impediu atrofia do jejuno na primeira semana pós-desmama e melhorou o desempenho durante a segunda semana pós-desmame. Abreu et al. (2007) observaram que a inclusão de glutamina em uma ração com soja micronizada, leite desnatado e lactose melhorou o ganho de peso dos animais em 20%, no período de 21 a 42 dias de idade. Kitt et al. (2002) relataram que a adição de 1% de glutamina na dieta melhorou a eficiência alimentar e aumentou a altura das vilosidades intestinais em leitões desmamados. Estudos indicam claramente que a suplementação de Glutamina pode aumentar o ganho de peso de leitões na saída de creche em aproximadamente 1 kg, como consequência da prevenção da atrofia das vilosidades intestinais, o que reflete em melhoria da conversão alimentar. A diminuição da ocorrência de diarréia também é observada com a suplementação de glutamina, pois a melhor digestão e absorção de nutrientes reduz o substrato para proliferação de microrganismos indesejáveis. A melhoria de desempenho na fase de creche tem como consequência melhor desempenho nas fases subsequentes de recria e terminação, o que resulta em suínos mais pesados ou abatidos mais precocemente ao término do ciclo de criação. A lisina é um nutriente essencial para a síntese de proteínas da musculatura (6,5 a 7,0%), entretanto possui uma importância relativamente menor em proteínas com funções biológicas de manutenção (2,4%) (Machado e Fontes, 2006). Diversos estudos têm evidenciado que suínos com alta ou baixa ativação Ano VII - nº 39/2011

crônica do sistema imune reagem de forma diferenciada a níveis crescentes de lisina (Klasing et al., 1999). Suínos com baixa ativação respondem positivamente a maiores níveis de lisina quando comparados com animais com alta ativação imune crônica. Isto se deve ao maior potencial de deposição protéica nos animais com baixa ativação do sistema imune, uma vez que tal atividade metabólica não está limitada. No caso dos suínos com o sistema imune ativado, estes apresentam catabolismo muscular para direcionar aminoácidos para síntese de componentes do sistema imune (Le Floc’h et al., 2004). Em uma série de ensaios, Williams et al. (1997a) obtiveram informações importantes sobre o impacto da

ativação crônica do sistema imune sobre a composição do crescimento, exigências de aminoácidos e características de carcaça de suínos de 6 a 112 kg de peso vivo (Tabela 5). Podemos observar que a ativação imune atua de forma significativa sobre o ganho de peso diário, eficiência alimentar, e sobre o consumo de ração. Os resultados obitdos pelos autores indicaram que a baixa ativação crônica do sistema imune induz positivamente a maiores níveis de lisina (1,50% Lis, com um consumo diário de 14,7 g) em comparação com aqueles submetidos a alta ativação crônica do sistema imune (1,2% Lis, com uma ingestão diária de 8,8 g). Podemos concluir que suínos sem ativação do sistema imune apresentam maior exigência nutricional, isto devido ao maior potencial intrínseco de deposição protéica neste grupo em comparação aos suínos com alta resposta imune. No entanto, a prática da concentração de aminoácidos, como, por exemplo, de lisina ou níveis de proteína é ainda comum em condições de estresse imunológico. Cada vez se torna mais evidente que esta prática representa um impacto econômico significativo na nutrição dos suínos, uma vez que os animais não são capazes de responder a este aumento, devido ao efeito de citocinas (Baker & Johnson, 1999). Por outro lado, também é evidente que os animais com excelente estado sanitário (baixa ativação do sistema imunológico) terão necessidades nutricionais mais elevadas para poderem maximizar a expressão de seu potencial genético (Williams, 1998).

Com a suplementação de aminoácidos, a melhoria do desempenho na creche tem consequência na recria e terminação, resultado de animais mais pesados ou abatidos precocemente

Suínos&Cia

19


Nutrição Outro aminoácido considerado de grande importância para o sistema imune é a arginina, um aminoácido básico, que pode influenciar a resposta imune e a resistência às doenças (Le Floc’h et al. 2004). Todas as investigações realizadas com arginina estabeleceram uma associação entre arginina, óxido nítrico e resposta imune. Por isso, nas últimas duas décadas, a arginina tem sido o foco de estudos como um regulador de muitos processos imunológicos e fisiológicos (Tayade et al., 2006). Pensando-se em aminoácidos sulfurados, a suplementação suficiente via dieta e a quebra das proteínas teciduais são necessárias para a síntese de proteínas e dos peptídeos envolvidos em um funcionamento normal do sistema imune. Alguns trabalhos têm demonstrado que a metionina interfere no sistema imune, acentuando sua resposta, tanto humoral quanto celular. Foi constatado que a exigência de metionina é maior para uma ótima imunidade do que para um ótimo crescimento (Tsiagbe et al., 1987; Swain & Johri, 2000; Shini et al., 2005) e que a restrição de aminoácidos sulfurados resulta em uma severa depleção de linfócitos do tecido intestinal (placas de Peyer) e lâmina própria (Swain e Johri, 2000). A treonina é um aminoácido essencial para suínos, sendo encontrado em altas concentrações no coração, nos músculos, no esqueleto e sistema nervoso central. Além de sua utilização para síntese de proteína do tecido muscular e do leite, a treonina está envolvida em outras funções fisiológicas, como a digestão e a imunidade (Stoll et.al., 1998; Wu, 1998). As secreções digestivas, entre elas, o muco, é composto principalmente de água (95%) e mucinas (5%), que são glicoproteínas de alto peso molecular, especialmente, ricas em treonina. Do mesmo modo que as mucinas, os anticorpos são glicoproteínas globulares que contêm alto nível de treonina, sendo, provavelmente, o primeiro aminoácido limitante para a produção de imunoglobulinas G. Consequentemente, é provável que toda a exigência de treonina mude de acordo com a importância de cada função. Devido à baixa digestibilidade das mucinas, os aminoácidos que as constituem não podem ser reabsorvidos e daí sua alta recuperação nas perdas endógenas ao final do íleo (Hoskins 1984; Jansman et al., 2002). Segundo Lien et al. (1997), as mucinas contribuem com aproximadamente 30% da treonina nas perdas endógenas. A relação Thr:Lys em perdas endógenas chega a 120% comparada com 57%, em média, na carcaça de suínos (Mahan e Shields, Suínos&Cia

20

A suplementação com glutamina, impede a atrofia das vilosidades do jejuno dos animais na primeira semana pós desmame 1998). Li Defa et al. (1999) estudaram o impacto da treonina dietética (4 níveis de Thr:Lys: 64, 75, 83 e 99%) em suínos em crescimento (17-31 kg) desafiados com Albumina Sérica Bovina (BSA) ou Vacina Atenuada da Peste Suína (SFAV). Foi observado pelos autores que as concentrações de IgG aumentaram com a treonina dietética. Avaliar exigência de treonina para um determinado estado fisiológico é essencial para formular dietas balanceadas em aminoácidos. A importância do triptofano para o sistema imune também tem sido investigado. Animais acometidos por diferentes doenças ou estados inflamatórios apresentam a concentração plasmática de triptofano diminuída, sugerindo um aumento da utilização desse aminoácido nessas situações. Melchior et al. (2002) demonstraram que após uma indução de uma inflamação do pulmão, a concentração plasmática de triptofano declinou por 10 dias embora essas concentrações permanecessem constantes nos animais do grupo controle. Pode-se sugerir que, em suínos, as exigências de triptofano podem estar aumentadas durante a estimulação do sistema imune e que as exigências desse aminoácido para a síntese de proteína de fase aguda é elevada.

Considerações Finais O equilíbrio metabólico é essencial para garantir um potêncial de crescimento adequado e o funcionamento

correto do sistema imune e garantir uma máxima resistência à agentes infecciosos. Nos últimos anos foi observado avanços significativos na nutrição aminoácidica. Apesar destes avanços, a eficiência de utilização da proteína na dieta para o crescimento e sistema imune de suínos ainda permanece subótimo devido as limitações tanto bioquímicas quanto fisiológicas. Entre os fatores limitantes podemos citar: (1) a extensiva degradação de ambos os aminoácidos essenciais e não-essenciais, (2) o uso obrigatório de aminoácidos para manter o metabolismo e homeostasia em situações de desafio imune, e (3) redução da atividade mTOR com o avanço da idade do suíno. Baseado em novas descobertas sobre o metabolismo intestinal, bem como a regulação da expressão de genes, métodos práticos envolvendo suplementação de aminoácidos tem possibilitado uma maior absorção de nutrientes da dieta direto para a circulação sistêmica, estimulando a síntese protéica de células, e, com isso, potencializando a eficiência da utilização dos aminoácidos para o sistema imune e crescimento dos suínos. Um maior número de pesquisas nesta área ainda são necessárias para melhor elucidar os possíveis mecanismos de interação entre metabolismo e imunidade, e, assim permitir o estabelecimento de uma intervenção imuno-nutricional que poderá auxiliar a manter os suínos saudáveis e capazes de alcançar seu potencial genético máximo. Ano VII - nº 39/2011


Nutrição Bibliografia 1. Baker, D., and R.W., Johnson, 1999. Disease stress, cytokines and amino acid needs of pigs. Pig News and information, v. 20,p. 123N-124N. 2. Blecha, F. and B. Charley, 1990. Rationale for using immunopotentiators in domestic food animals. Adv. Vet. Sci. Comp. Med. 35. 3-19. 3. Bergen, W. G. and G. Wu, 2009. Intestinal nitrogen recycling and utilization in health and disease. J. Nutr. 139, 821-825. 4. Brasse-Lagnel, C., Lavoinne, A., and Husson, A., 2009. Control of mammalian gene expression by amino acids, especially glutamine. FEBS Journal 276, 1826-1844. 5. Brosnan, J.T., Wijekoon, E.P., Warford-Woolgar, L., Trottier, N.L., Brosnan, M.E., Brunton, J.A. and Bertolo, R.F.P., 2009. Creatine synthesis is a major metabolic process in neonatal piglets and has important implications for amino acids metabolism and methyl balance. J. Nutr. 139, 1292-1297. 6. Broussard, S.R., R.H. Mc Cusker, J.E. Novakosfski, K. Strle, W.H. Shen, R.W. Johnson, G.G. Freund, R. Dantzer and K.W. Kelly, 2003. Cytokine-hormone interactions : tumor necrosis factor α impairs biologic activity and downstream activation of signals of the insulinlike growth factor I receptor in myoblasts. Endocrinology 144, 29882996. 7. Bruhat, A., Cherasse, Y., Chaveroux, C., Maurin, A.C., Jousse, C. and Fafournous, P., 2009. Amino acids as regulators of gene expression in mamals: molecular mechanisms. Biofactors 35, 249-257. 8. Calder, P.C., Field, C.J., Gill, H.S., 2002. Nutrition and Immune Function. CAB INTERNATIONAL, Wallingford, UK, 426 p. 9. Colditz,, I.G., 2002. Effects of the imune system on metabolism: implications for production and disease resistance in livestock. Liv. Prod. Sci. 75, 257-268. Ano VII - nº 39/2011

10. Dai, Z.L., Zhang, J., Wu, G., and W.Y. Zhu., 2010. Utilization of amino acids by bacteria from the pig small intestine. Amino Acids. Doi: 10.1007/s00726-010-0556-9. 11. Dandona, P., A. Aljada and A. Bandyopadhyay, 2004. Inflammation as the link between insulin resistance, obesity and diabetes. Trends Immunol. 25, 4-7. 12. Davis, T.A., and Fiorotto, M.L., 2009. Regulation of muscle growth in neonates. Curr. Op. Nutr. Metab. Care 12, 78-85. 13. Elsasser, T.H., T.J. Caperna, C-J. Li, S. Kahl and J.L. Sartin, 2008. Critical control points in the impact of the proinflammatory immune response on growth and metabolism. J. Anim. Sci. 86 (E. Suppl.), E105-E125. 14. Gershwin, L.J., S. Krakowka and R.G. Olsen, 1995. Principles of immunology. Innate immunity. In: L.L. Duncan (ed.), Immunology abd immunopathology of domestic animals. Mosby-Year book, ST. Louis, Missouri, USA: 3-5. 15. Haynes, T.E., Li, P., X.L., Shimotori, K., Sato, H., Flynn, N.E., Wang, J.J., Knabe, D.A. and Wu, G., 2009. L-glutamine or L-alanylL-glutamine prevents oxidant- or endotoxin-induced death of neonatal enterocytes. Amino Acids 37, 131142. 16. Husband, A.J. and W.L. Bryden, 1996. Nutrition, stress and immune activation. Proc. Nutr. Soc. Austral. 20, 60-70. 17. Jobgen, W.S., Freid, S.K., Fu, W.J., Meininger, C.J. and Wu, G., 2006. Regulatory role of arginine-nitric oxide pathway in metabolism of energy substrates. J. Nutr. Biochem. 17, 571-588. 18. Johnson, I.R., R.O. Ball, V.E. Baracos and C.J. Field, 2006. Glutamine supplementation influences immune development in the newly weaned piglet. Dev. Comp. Immunol. 30, 1191-1202.

19. Kim, S.W., and Wu, G., 2004. Dietary arginine supplementation enhances the growth of milk-fed young pigs. J. Nutr. 134, 625-630. 20. Kong, X.F., Yin, Y.L., He, Q.H., Yin, F.G. Liu, H.J., Li, T.J., Huang, R.L., Geng, M.M., Ruan, Z., Debg, Z.Y., Xie, M.Y. and Wu, G., 2009. Dietary supplementation with Chinese herbal powder enhances ileal digestibilities and serum concentrations of amino acids in young pigs. Amino Acids 37, 573-582. 21. Klasing, K.C., and C.C. Calvert, 1999. The care and feeding of the immune system: an analysis of lysine needs. In: Proc. VIIIth Int. Symp. Protein Metol. Nutr., Wageningen Press, Wageningen : 253-264. 22. Lacetera, N., D. Scalia, O. Franci, U. Bernabucci, B. Ronchi e A. Nardone, 2004b. Effects of nonesterified fatty acids on lymphocyte functions in dairy heifers. J. Dairy Sci. 87, 10121014. 23. Le Floc´h, N., Melchior, D. and Obled, C., 2004. Modifications of protein and amino acid metabolism during inflammation and immune system activation. Livestock Production Science, 87:37-45. 24. Li, P., Yin, Y.L., Li, D.F., Kim, S.W., and Wu, G., 2007. Amino acids and immune functions. Br. J Nutr. 98, 237-252. 25. Li, X., Bazer, F.W., Gao, H., Jobgen, W., Johnson, G.A., Li, P., Mcknight, J.R., Satterfield, M.C., Spencer, T.E. and Wu, G., 2009. Amino acids and gaseous signilling. Amino acids 37, 65-78. 26. Lobley, G.E., S.O. Hoskin and C.J. McNeil, 2001. Glutamine in animal science and production. J. Nutr. 131, 2525S-2531S. 27. Ma, X., Lin, Y., Jiang, Z. Zheng, C., Zhou, G., Yu, D., Cao, T., Wang, J. And Chen, F., 2010. Dietary arginine supplementation enhances antioxidative capacity and improves meat quality of finishing pigs. Amino acids 38, 95-102. Suínos&Cia

21


Nutrição 28. Matarese, G. and A. La Cava, 2004. The intricate interface between immune system and metabolism. Trends Immunol. 25, 193-200. 29. Machado, G.S. e Fontes, D.O., 2006. Relação entre as exigências nutricionais e o sistema imune em suínos. In: CONGRESSO LATINOAMERICANO DE NUTRIÇÀO ANIMAL (CLANA), II. São Paulo. CBNA – AMENA. Anais...São Paulo, SP. 30. Meldrum, B. and Garthwaite, J., 1990. Excitatory amino acid neurotoxicity and neurodegenerative disease. Trends Pharm Sci. 11, 379387. 31. Melchior, D., et al., 2002. Consequences d’une inflammation Chronique sur les concentrations plasmatiques d’acids amines chez le porcelet: hypoth’ eses sur limplication du tryptophane dans response immunitaire. 32. Rhoads, J.M. and Wu, G., 2009. Glutamine, arginine, and leucine signaling in the intestine. Amino acids 37, 111-122. 33. Suryawan, A., O’Connor, P.M.J., Bush, J.A., Nguyen, H.V. and Davis, T.A., 2009. Differential regulation of protein synthesis by amino acids and insulin in peripheral and visceral tissues of neonatal pigs. Amino acids 37, 105-110. 34. Shaw, R.J., 2008. mTOR signalling: RAG GTPases transmit the amino acid signal. Trends Biochem Sci. 33, 565-568. 35. Stenz, F.B. and A.E. Kitabchi, 2003. Activated T lymphocytes in type 2 diabetes: implications from in vitro studies. Curr. Drug. Targets 4, 493503.

39. Tan, B., Yin, Y.L., Liu, Z.Q., Li, X.G., Xu, H.J., Kong, X.F., Huang, R.L., Tang, W.J., Shinzato, I., Smith, S.B. and Wu, G., 2009. Dietary L-arginine suplementation increases muscle gain and reduces body fat mass in growing-finishing pigs. Amino acids 37, 169-175. 40. Tizard, I., 1992. Veterinary immunology. An introduction. I. Tizard (ed.), Saunders Company, Philadelphia, USA: 1-7. 41. Waldron, M.R., T. Nishida, B.J. Nonnecke and T.R. Overton, 2003. Effect of lipopolysaccharide on indices of peripheral and hepatic metabolism in lactating cows. J. Dairy Sci. 86, 3447-3459. 42. Wang, J.J., Chen, L.X., li, P., Li, X.L., Zhou, H.J., Wang, F.L., Li, D.F., Yin, Y.L., and Wu, G., 2008. Gene expression is altered in piglet small intestine by weaning and dietary glutamine suplementation. J Nutr 138, 1025-1032. 43. Wang, X.Q., Wu, W.Z., Lin, G., Li, D.F., Wu, G. and J.J, Wang, 2010. Temporal proteomic analysis reveals continuos impairment of intestinal development in neonatal piglets with intrauterine growth restriction. J Prot Res 9, 924-935. 44. Webel, D.M., et al., 1997. Time course of increased plasma cytokines, cortisol and urea nitrogen in pigs following intraperitoneal injection of lipopolysaccharide. J. Anim. Sci. 75, 1514-1520.

36. Stoll, B., Burrin, D.G., Henry, J., Yu, H., Jahoor, F. And Reeds, P.J., 1999. Substrate oxidation by the portal drained viscera of fed piglets. Am. J Phys. 277, E168-175.

45. Williams, N.H., Stahly, T.S., et al., 1997a. Effect of chronic immune system activation on the rate, efficiency and composition of growth and lysine needs of pigs fed from 6 to 27 kg. J. Anim. Sci. 75, 2463- 2471.

37. Stoll, B., and Burrin, D.G., 2006. Measuring splanchic amino acid metabolism in vivo using stable isotopic tracers. J Anim Sci 84, E60-72.

46. Williams, N.H., 1998. Impact of immune system activation on pig growth and amino acid needs. In: WSEMAN, J.; VARLEY, M.A., CHADWICK, J.P. (Ed.). Progress in

Suínos&Cia

22

38. Stout, A.K., Raphael, H.M., Kanterewicz, B.I., Klann, E. and Reynolds, I.J., 1998. Glutamateinduced neuron death requires mitochondrial calcium uptake. Nature Neurosci 1, 366-373.

Pig Science. Nottingham: University Press, 583-588. 47. Wu, G., Meier, S.A., and Knabe, D.A., 1996. Deitary glutamine supplementation prevents jejunal atrophy in weaned pigs. J Nutr 126, 2578-2584. 48. Wu, G., and Knabe, D.A., 1995. Arginine synthesis in enterocytes of neonatal pigs. Am J Phys 269, R621R629. 49. Wu, G., D.A. Knabe, W. Yan, and N.E. Flynn, 1995. Glutamine and glucose metabolism in enterocytes of the neonatal pig. Am. J. Physiol.37:R334-R342. 50. Wu, G., 1998. Intestinal mucosal amino acid catabolism. J Nutr 128, 1249-1252. 51. Wu, G., Knabe, D.A., and Kim, S.W., 2004. Arginine nutrition in neonatal pigs. J Nutr 134, 2783S-2390S. 52. Wu, G., 2009. Amino acids: metabolism, functions, and nutrition. Amino acids 37, 1-17. 53. Wu, G., Bazer, F.W., Burghardt, R. C. Johnson, G.A., Kim, S.W., Knabe, D.A., Li, X.L., Satterfield, M.C., Smith, S.B. and Spencer, T.E., 2010. Functional amino acids in swine production and nutrition. In: Dynamics in Animal Nutrition (J. Doppenberg, ed.), Wageningen academic publishers, The Netherlands (In press). 54. Wu, G., and Morris, S.M., Jr., 1998. Arginine metabolism: nitric oxide and beyond. Biochem J 336, 1-17. 55. Yao, K., Yin, Y.L., Chu, W.Y., liu, Z.Q., Deng, D., Li, T.J., Huang, R.L., Zhang, J.S., Tan, B.E., Wang, W. and Wu, G., 2008. Dietary arginine suplementation increases mTOR signiling activity in skeletal muscle of neonatal pigs. J Nutr 138, 867872. 56. Yin, Y.L., Huang, R.L., Li, T.J., Ruan, Z., Xie, M.Y., Deng, Z.Y., Hou, Y.Q., and Wu, G., 2010. Amino acid metabolism in the portaldrained viscera of young pigs: effects of dietary supplementation with chitosan and pea hull. Amino Acids. DOI: 10.1007/s00726-010-0577-4. Ano VII - nº 39/2011


Para tratar os problemas respiratĂłrios e entĂŠricos dos

45% pĂł solĂşvel.

J3519/MAR2010

suĂ­nos, um sĂł produto: DenagardÂŽ

Com amplo espectro de ação e elevada solubilidade e absorção, DenagardŽ 45% pó solúvel aumenta a chance de cura nas infecçþes, oferecendo resposta clínica råpida HHÀFD]DWpPHVPRFRQWUDFHSDVUHVLVWHQWHVDRVPDFUROtGHRVH lincosamidas 1. Acerte em cheio com um só produto para medicação via ågua de bebida: DenagardŽ 45% pó solúvel. Referência: 1. Karlsson, M. and Franklin, A. (2000). Proc. 16th IPVS Congress, Melbourne, Australia. p123.

Novartis Saúde Animal Ltda. Av. Prof. Vicente Rao, 90 - CEP.: 04636-000 - São Paulo - SP Informaçþes ao Cliente: 0800-8888280 www.novartis.com.br DenagardŽ VRO~YHOpPDUFDUHJLVWUDGDGD1RYDUWLV$* %DVLOpLD6XtoD

45

solĂşvel


Sanidade Atualização e futuras perspectivas no diagnóstico e controle da influenza suína no Brasil Daniel Linhares 1, 2, 3

Médico Veterinário 1 Doutorando da Universidade de Minnesota 2 MBA em Gestão Empresarial 3 linha005@umn.edu

Fabio Vannucci 1, 2

Introdução

O

vírus da influenza tipo A é responsável por sinais clínicos respiratórios agudos e falhas reprodutivas em suínos. Os surtos são caracterizados por alta morbidade e baixa mortalidade, sendo que a gravidade da infecção depende da amostra viral, idade, estado imunitário dos animais, presença de infecções secundárias e outros fatores estressantes (Vannier et al., 1985; Van Reeth et al., 2001). Estudos determinando a prevalência dos diferentes sorotipos virais têm sido importantes para avaliar a dinâmica da infecção nas diferentes fases do sistema de produção. Recentes evidências de disseminação viral entre populações de suínos infectados subclinicamente demonstram o significante risco sanitário para a indústria suinícola (Corzo et al 2011). Neste contexto, o diagnóstico preciso e o controle da infecção a campo, baseados em medidas de manejo e profilaxia, são fundamentais para a saúde do rebanho e o sucesso produtivo. O presente artigo tem como objetivo discutir a importância da influenza suína e apresentar, de forma sucinta, informações atuais e relevantes envolvendo o diagnóstico e o controle da infecção em nível de campo.

Importância do vírus Influenza em suínos O vírus Influenza é dividido em três subtipos, A, B e C. O subtipo A constitui o grupo de vírus responsável por surtos em aves e diversos mamíferos, incluindo humanos e suínos. A partir de oito fragmentos independentes de RNA, recombinações genéticas podem gerar 256 diferentes combinações. E uma única célula pode ser infectada por múltiplos subtipos virais ao mesmo tempo. Desta forma, recombinações genéticas entre Suínos&Cia

24

O suíno exerce importante papel na composição de novas variantes virais, pois possuí receptores para o vírus da influenza aviária, humana e suína. dois vírus no ambiente intracelular resultam em novas variantes contendo características antigênicas inéditas. O genoma do vírus Influenza codifica 11 proteínas, sendo duas estruturais, hemaglutinina (HA) e neuramidase (NA) (Olsen et al., 2006). Até o momento, em mamíferos e aves foram identificados 16 subtipos de HAs e nove de NAs, podendo todas as variantes infectar aves aquáticas, que servem de reservatórios para os vírus tipo A (Webster et al., 1992). A proteína HA é responsável pela fixação do vírus em receptores celulares e pela fusão entre vírus-membrana celular após endocitose (Wiley et al., 1987; Harrison et al., 2008; Das et al., 2010). Desta forma, variações na estrutura da proteína HA são determinantes no reconhecimento antigênico do vírus pelo hospedeiro. A proteína NA está envolvida na liberação de novas partículas virais no meio extracelular. Este mecanismo é importante na disseminação

da infecção para outras células e tecidos. Diferenças genéticas nas proteínas HA e NA são usadas para classificação do vírus em diferentes subtipos. Os genes que codificam essas proteínas estão diretamente relacionados com a resposta imune protetora do hospedeiro. Portanto, a vacinação com amostras virais diferentes daquelas envolvidas no surto não induz proteção imune completa (Romagosa et al., 2011). A espécie suína exerce importante papel na composição de novas variantes virais, pois possui receptores para o vírus da influenza suína, humana e aviária. Diferentes amostras são capazes de infectar a mesma célula do trato respiratório superior dos suínos e dar origens a novas variantes virais por meio de recombinações genéticas. Este mecanismo ocorre por meio de dois fenômenos chamados “drift” e “shift” antigênicos. O primeiro refere-se a pequenas mutações pontuais Ano VII - nº 39/2011


Sanidade em genes que codificam as proteínas HA (hemaglutinina) e/ou NA (neuramidase). No segundo, amostras infectando concomitantemente uma única célula passam por recombinações genéticas, resultando na formação de novos subtipos. A partir de “shifts” novas variantes podem se adaptar a outras espécies. Fato associado à pandêmica “gripe suína” durante 2009/2010 em humanos. Os subtipos virais associados à doença em suínos foram identificados a partir da ocorrência da pandemia chamada de “gripe espanhola” em 1918. Desde então, o subtipo H1N1, circulante entre populações de suínos, tem sido chamado “H1N1 clássico”. Atualmente, os subtipos predominantes nos rebanhos suínos dos EUA são H1N1 clássico e H3N2. Também foram descritos os subtipos H1N2 (produto de rearranjo genético entre H1N1 clássico e H3N2), H3N1 e H1N1 com genes aviários. Em levantamento soroepidemiológico, a Embrapa Suínos e Aves identificou rebanhos sorologicamente positivo para os subtipos H1N1 clássico e H3N2 (Embrapa Suínos e Aves, 2002 e 2008). Cada subtipo pode ainda ser dividido em outras variantes, cuja proteção imune cruzada é limitada (Carrat et al., 2010; Vincent et al., 2010). Neste contexto, existem centenas de vírus geneticamente e imunologicamente distintos. Estes subgrupos são divididos em categorias (clusters) (Poljak et al., 2007; Fourment et al., 2010; Vincent et al., 2010). Por exemplo, os vírus H1 podem ser classificados nos seguintes clusters: α, β, γ, and δ, sendo todos estes endêmicos na suinocultura norte-americana (Vincent et al., 2009). Evidências de rearranjo entre diferentes isolados de vírus Influenza têm sido demonstradas pela identificação de isolados suínos H3N2 contendo genes de vírus Influenza originalmente de humanos e de suínos (duplo rearranjo) ou mesmo de humanos/suínos/aves (triplo rearranjo) (Zhou et al., 1999).

Figura 1 – Curso da infecção no controle sanitário do rebanho. Recente estudo epidemiológico demonstrou que múltiplos subtipos podem circular no mesmo sistema de produção. O subtipo dominante pode variar ao longo do tempo (Corzo et al., 2011). As características clínicas do surto são tosse, dispneia, descarga nasal e/ ou ocular, febre, letargia e perda de peso. Geralmente, os sinais são agudos e transitórios, com recuperação dos animais entre 5 e 7 dias após o início da doença clínica (Milev et al., 1981) (Figura 1). No entanto, a doença pode persistir quando associada a infecções bacterianas secundárias, fato que dificulta significativamente o diagnóstico da enfermidade. Os surtos têm sido observados com maior frequência durante os períodos mais frios do ano, a partir da fase de creche até a terminação. A doença também pode comprometer o desempenho reprodutivo da granja por redução na qualidade do sêmen. Em fêmeas, estros irregulares, abortos e redução

da viabilidade dos leitões ao nascimento estão associados ao surto de influenza. A replicação viral é limitada ao trato respiratório superior, especificamente nas células epiteliais da mucosa nasal, tonsilas, traqueia, brônquios e bronquíolos (Brown et al., 1993). Portanto, descargas nasais constituem a principal rota de excreção viral. O vírus excretado pode, potencialmente, infectar suínos, aves e outros mamíferos, incluindo humanos. A transmissão entre granjas ocorre pela introdução de animais infectados, trânsito de pessoas carreando o vírus ou por aerossóis. A densidade de suínos na região, fonte externa de reposição e tamanho do plantel são fatores associados à alta soroprevalência da doença. (Poljak et al., 2008a; Poljak et al., 2008b). A resposta humoral frente às infecções por influenza é centrada inicialmente na produção de IgM, seguido de IgG no soro e IgA nas mucosas. Embora

Dinâmica da infecção Quadro respiratório agudo e altamente contagioso são as principais características do surto de influenza suína (Thacker et al., 2001). Em condições de campo, infecções subclínicas são frequentes, e a ausência de controle da enfermidade permite a constante circulação de diferentes amostras virais na granja. Posteriormente, novas variantes virais surgem por rearranjos genéticos, e o surto clínico ocorre, potencialmente, de forma mais grave, o que exige maior investimento Ano VII - nº 39/2011

Os sinais clinicos associados a infecção por influenza incluem tosse, dispnéia, febre, letargia e perda de peso.

Suínos&Cia

25


Sanidade

A imunidade passiva maternal pode proteger os leitões até oito semanas de vida, mas também pode interferir com o desenvolvimento de anticorpos produzidos em resposta à vacina anticorpos contra proteínas de membrana, nucleoproteínas e neuramidases sejam importantes para retardar a ação viral, apenas anti-hemaglutininas são suficientes para neutralizar a infecção do vírus. A produção de anticorpos atinge pico de 2 a 3 semanas após a infecção e persiste até a décima semana. (Larsen et al., 2000). A resposta imune celular envolve estimulação de linfócitos T citotóxicos em infecções naturais (vírus vivo). No entanto, a vacinação com o vírus inativado não induz significativa resposta celular (Vleeschawer et al., 2010). Tais células não previnem infecções, mas são úteis na identificação e destruição de células infectadas. A imunidade passiva maternal pode proteger os leitões até oito semanas de vida, mas também pode interferir com desenvolvimento de anticorpos produzidos em resposta à vacina. A transferência de imunidade celular materna também pode interferir na resposta vacinal. Estudos estão sendo desenvolvidos para determinar em que condições a imunidade (humoral e celular) materna pode influenciar na resposta vacinal.

Diagnóstico O diagnóstico de infecções pelo vírus da influenza em suínos tem sido baseado nos sinais clínicos, lesões anatomohistopatológicas, imunoensaios (ELISAs, imunofluorescência e imunoistoquímica), Suínos&Cia

26

isolamento viral e/ou detecção do RNA viral por RT-PCR. Como citado anteriormente, o curso da doença é agudo e transitório, portanto, a seleção apropriada dos animais a campo para a coleta de amostras é fundamental para o diagnóstico preciso. Neste sentido, a experiência do profissional veterinário tem sido um dos pontos-chave na identificação de rebanhos potencialmente afetados. Atenção aos sinais clínicos respiratórios, temperatura corpórea dos animais e histórico da doença na granja, que devem ser considerados na investigação da enfermidade a campo. Swabs nasais e traqueais, lavado bronqueo-alveolares, pulmões e fluidos orais são as amostras de escolha para diagnóstico. Planteis com imunidade parcial contra Influenza secretam quantidades limitadas do vírus, o que pode interferir na capacidade de testes diagnósticos em detectar a infecção (Swenson et al., 2001). Kits de diagnósticos rápidos (ex. DirectigenTM - BD Diagnostics System) são utilizados como triagem de granjas infectadas e fornecem resultados em 15 minutos. Todavia, estudos mostram que, apesar da alta especificidade, tais kits oferecem baixa sensibilidade (Ruest et al., 2003). O teste ELISA oferece adequada especificidade e sensibilidade para avaliar o perfil sorológico da granja. Contudo, este método deve ser utilizado somente para diagnóstico em nível de rebanho. Os testes de escolha para diagnóstico da infecção têm sido inibição da hemaglutinação (HI), isolamento viral e PCR. O

sequenciamento da amostra é importante para a identificação do subtipo viral circulante e o monitoramento da infecção em futuros surtos, bem como para comparação de amostras entre granjas e sistemas de produção. Recentes estudos têm demonstrado sensibilidade similar entre PCR e HI (Joo, 2011 comunicação pessoal). O isolamento viral demanda mais tempo comparado às técnicas moleculares. Entretanto, após o isolamento, o vírus poder ser tipificado, amplificado em cultivo celular e utilizado como vacina autógena (Vincent et al., 2010). Em infecções não-complicadas por outros agentes, pela necrópsia é possível identificar áreas de consolidação nos lobos apical e cardíaco do pulmão. As vias aéreas podem estar preenchidas com exsudato fibrino-sanguinolento, e os linfonodos regionais (bronquiais e mediastínicos) aumentados de volume. O trato respiratório superior, incluindo traqueia, brônquios e bronquíolos, é fundamental no diagnóstico histopatológico. Bronquite e bronquiolite necrótica, associados ou não ao processo pneumônico, são importantes características de infecções por influenza. O exame histopatológico torna-se menos preciso quando existem infecções bacterianas secundárias. Nestes casos, a avaliação imunoistoquímica pode ser essencial no esclarecimento do diagnóstico. Assim como em outras enfermidades, é importante ressaltar que a simples identificação do RNA viral por meio de técnicas moleculares (ex. PCR) não caracteriza o diagnóstico da doença no rebanho. Desta forma, a avaliação macroscópica e histopatológica deve ser o ponto de partida para suportar o diagnóstico. A interpretação equivocada de resultados laboratoriais leva à aplicação de medidas de controle ineficientes e frustração por parte do produtor e veterinário.

Prevenção e Controle Em humanos o tratamento para Influenza é feito com drogas antivirais, como oseltamir e zanamivir (Agrawal et al., 2010; (Centers for Disease Control and Prevention (CDC), 2009). Contudo, o benefício do tratamento não se justifica economicamente na suinocultura, e o tratamento se limita a fornecimento de anti-inflamatórios via água e/ou tratamento com antibióticos de amplo espectro para prevenção de infecções bacterianas secundárias (Mateusen et al., 2001). A vacinação tem sido a principal ferramenta usada para prevenção e Ano VII - nº 39/2011


Sanidade

Um dos métodos de diagnóstico é a utilização da coleta de swabs nasais para verificar a presença do agente controle da influenza suína. Antes de 1998, o subtipo circulante no rebanho suíno mundial era apenas o H1N1 clássico. Este fato permitia o controle da enfermidade a campo com a utilização de vacinas comerciais. Na última década, recombinações genéticas entre amostras virais resultaram em significantes variações antigênicas e, atualmente, surtos da infecção podem ser observados em rebanhos vacinados com a antiga amostra de H1N1 clássico. Estudos têm demonstrado

apenas proteção parcial quando animais são imunizados com amostras heterólogas do vírus de campo (Romagosa, 2011). Após uma série de estudos recentes realizados na granja experimental da Universidade de Minnesota, foi estimado por Romagosa et al. (2011) que utilizando vacina autógena, a imunização de 90% dos animais de uma granja é suficiente para conter a transmissão do vírus (imunidade de rebanho), enquanto que utilizando vacinas com amostras heterólogas,

seria teoricamente necessário a vacinação de 140% dos animais para completa contenção da infecção por meio de imunidade de rebanho (obviamente impossível na prática). Desta forma, em condições experimentais, vacinas homólogas (autógenas) foram mais apropriadas para o controle de infecções por Influenza. Além de medidas de vacinação, práticas de biossegurança devem ser implementadas na granja para redução do risco de infecções por Influenza. Considerando que as fontes de introdução do vírus em granjas têm sido associadas à introdução de animais positivos, aves, aerossóis, água, dejetos, veículos e outros fômites contaminados (Hinshaw et al., 1980; Bean et al., 1982; Myers et al., 2006; Tellier et al., 2006; Poljak et al., 2008), as práticas de biossegurança devem focar estes pontos. Adicionalmente, considerando que a influenza também pode ser transmitida para suínos por intermédio de humanos, o programa de biossegurança deve considerar monitoria/vacinação de funcionários e visitantes contra influenza, vazio sanitário de funcionários com sintomas de gripe, hábito de cobrir tosse (humanos) com o antebraço quando dentro da granja, uso de luvas e práticas de higiene de funcionários antes de contato com suínos.

Conclusões Infecções por influenza em suínos constituem uma das viroses mais importantes do mundo, sobretudo pelo seu caráter zoonótico. O risco de infecção e a severidade de manifestação clínica da gripe suína variam entre granjas e até mesmo entre regiões. Surtos com manifestação clínica moderada ou discreta são frequentemente subestimados em nível de campo. As fontes de infecção são variadas e o controle requer diagnóstico rápido, escolha cuidadosa do protocolo vacinal e monitoramento da eficácia da vacina escolhida. O diagnóstico deve incluir a identificação do subtipo viral em virtude da alta taxa de mutação do vírus e da limitada imunoproteção cruzada entre subtipos. As ferramentas para diagnóstico, prevenção e controle de Influenza estão validadas e disponíveis para uso a campo. Cabe ao profissional veterinário escolher os métodos a serem utilizados para a melhoria da sanidade do rebanho e o sucesso da produção.

Referências bibliográficas: Pulmão obtido de suíno experimentalmente inoculado com o vírus da Influenza: ausência de colabamento pulmonar associado a áreas de consolidamento.

Suínos&Cia

28

Disponíveis no site: www.consuitec.com.br/revista Ano VII - nº 39/2011


Recursos Humanos Especialização dos Recursos Humanos na Suinocultura

A

suinocultura moderna passa, constantemente, por várias mudanças, exigindo posicionamento e atitude firmes de seus líderes para que ela esteja sempre em evolução e busque a tão procurada competitividade, tornando o negócio duradouro e rentável. Com este objetivo, precisamos desenvolver pessoas que participem e saibam compreender o espírito do trabalho em equipe. É necessária a compreensão que para a empresa existir, ela precisa gerar lucros. Dessa forma, o capital investido trará retorno ao investimento e será possível realizar melhorias, tais como implantação de tecnologias de ponta, novas instalações, melhores condições de trabalho, e consequentemente, remuneração mais adequada às pessoas envolvidas, ou seja, é um processo ganha-ganha. Para gerar bons resultados, sempre será necessário acreditar nas pessoas, pois são elas que mantêm as empresas, independentemente do que se produz. Faz-se necessário ter regras claras e objetivas para que todos os envolvidos nos diferentes processos compreendam que o sucesso dependerá de erros e acertos, e que a equipe deverá atuar em conjunto, diminuindo ao máximo estas eventuais falhas.

Por que as metas falham? • Por ausência de um plano estratégico e metas bem definidas, alinhados às necessidades da granja e das pessoas que fazem parte da estrutura; • Ausência de um investimento inicial por parte das empresas em formar e buscar os melhores talentos e processos. E por parte das pessoas em acreditar na proposta da empresa; • Conhecimento insuficiente das pessoas envolvidas; Ano VII - nº 39/2011

• Definição inadequada dos papéis dos envolvidos, deixando de utilizar plenamente o potencial de cada um; • Baixo nível de comunicação e sintonia entre as pessoas; • Perda de profissional-chave, não primando pela sequência do trabalho proposto; • Dificuldade em mudar a cultura organizacional de um determinado setor;

Dirceu Celeste Zotti Administrador de Empresas MBA em Gestão Estratégica de Pessoas dirceuzotti@yahoo.com.br

da folha de pagamento anual, com encargos, de toda a equipe desta unidade; não ficando dúvida alguma que a produtividade é o principal fator para a redução dos custos do leitão produzido em uma unidade produtora. No entanto, se a empresa quiser ser competitiva, terá de primar pela alta produtividade, e isso passa pelas pessoas, que deverão buscar o alto desempenho.

• Falta de um líder realmente competente e comprometido, disposto a fazer as mudanças necessárias.

Levando em consideração a relevância que este item tem em uma UPL, é necessário dar ênfase às fontes que trazem vantagens competitivas ao negócio. São elas:

Por que faz sentido buscarmos alto desempenho em nossas unidades?

1. A tecnologia envolvida no processo;

Quando comparamos uma granja de 5.000 matrizes, que desmama 26 leitões fêmea/ano, a outra que desmama 30 leitões, teremos um custo 7% inferior (R$ 0,25/kg) para cada quilo produzido na granja com 30 desmamados/fêmea.

3. As pessoas.

Exemplificando: 5.000 matrizes x 30 leitões x R$ 5,75 (R$ 0,25 x 23 kg) = R$ 862.500,00. Ou seja, mais de 70%

2. A arquitetura organizacional, ou a forma como estão dispostos os cargos, salários, funções, organograma da empresa, relação entre as pessoas e líderes, entre outros aspectos;

De nada adianta ter a melhor tecnologia envolvida no processo se não tiver, ao mesmo tempo, pessoas capacitadas que possam otimizar ao máximo tal

Panorama da Suinocultura Brasileira Ontem

Hoje

Proprietário

Investidor

Gerente

Gestor

Encarregados

Líderes

Atividade de subsistência

Atividade lucrativa

Pequenos projetos

Grandes projetos

Negócio familiar

Negócio empresarial

Gestão amadora

Gestão Profissional

20 desmamados / fêmea / ano

31 desmamados / fêmea / ano

Granjas manuais

Granjas automatizadas

Trabalho masculino

Trabalho masculino / feminino.

Suínos&Cia

29


Recursos Humanos recurso. A arquitetura organizacional é, sem dúvida, importante, mas de qualquer forma foi concebida pelo homem (líder, gerente, proprietário). Portanto, o grande diferencial em toda e qualquer empresa, independentemente de sua atividade e porte, está nas pessoas. Elas são e sempre serão a fonte decisiva para a obtenção da excelência.

• Apontar o caminho, traçar metas; • Inspirar uma visão compartilhada, ter visão de futuro; • Desafiar o atingido, buscar novas oportunidades, quebrar paradigmas;

Estudos da Fundação Getúlio Vargas mostram que empresas que gerenciam bem as pessoas têm desempenho de 30% a 40% superior ao das companhias que não o fazem, e que para cada melhoria de 1% no clima da equipe, ocorre um aumento de 2% na receita, daí a importância de se desenvolver um bom trabalho junto às equipes.

• Permitir que os outros ajam, delegar funções, dar autonomia às pessoas comprometidas;

Cenário Atual

• Terminação: 1 pessoa para 1.500 animais

Muitas vezes uma liderança é valorizada pelos problemas que resolve e não pela capacitação de sua equipe, para que os problemas não aconteçam novamente. Nesta frase há uma grande oportunidade para todos os líderes. No dia a dia das atividades da suinocultura, as lideranças e gerências devem estar sempre atentas ao contexto no que diz respeito a seus deveres como líder, para que este seja entendido por todos que coordena, e que todos possam colaborar e fazer parte desta caminhada.

• Mão de obra geral em UPL: 1 pessoa para 90 matrizes.

Deveres dos líderes

• Número de funcionários por matrizes na maioria das granjas: • Maternidade: 1 pessoa para 40 matrizes assistidas 24h. • Gestação: 1 pessoa para 400 matrizes • Creche: 1 pessoa para 1.500 leitões

Desafios Futuros • Maior especialização da mão de obra; • Remunerar por eficiência e capacidade individual; • Vencer o paradigma da relação matriz/funcionário: 1 pessoa para 200 matrizes; • Automatização total dos projetos; • Uso racional da água; • Climatização dos projetos; • Melhorar a gestão de nossas granjas: detalhar minuciosamente tudo; • ISO 9001: rastreabilidade de toda a cadeia produtiva. Neste contexto cabe analisar em profundidade quais são realmente os papéis das lideranças com o intuito de provocar na equipe a mudança necessária e tornar, de fato, aquela equipe capaz de vencer os paradigmas que nos desafiam. Suínos&Cia

30

Papéis da liderança

• Criar uma cultura de insatisfação do status quo, quer dizer, ser sempre insatisfeito com o que está acontecendo e buscar melhores formas de realizar.

• Mostrar claramente o que quer e porque quer que seja feita determinada tarefa, dando ao liderado o fundamento para que aquilo seja realizado; desta maneira fica muito mais fácil esta pessoa realizar de forma coerente aquele trabalho; • Dar o exemplo a ser seguido. Como poderá um líder querer respeito de sua equipe se não age com respeito perante seus liderados; • Saber ouvir e aproveitar as ideias e contribuições das pessoas, desde alguém com grandes conhecimentos até o mais humilde daquela equipe, pois ele também poderá ter ideias que possam revolucionar o processo ou a tarefa; • Ter senso de justiça e dar oportunidades de crescimento, sempre baseado em competência, capacidade e disponibilidade, jamais por que é parente ou amigo ou se simpatiza com tal pessoa; • Traçar um plano de estratégia e metas;

• O líder tem que imprimir um sentimento positivo em sua equipe, pois quanto mais felizes estiverem, mais produtivas e colaboradoras serão as pessoas. • Satisfazer às necessidades das pessoas e não às vontades, isso significa dar todo o apoio de que necessita para desempenhar um bom trabalho, treiná-las, capacitá-las incessantemente, doar-se às pessoas, servi-las e dar o que elas precisam, não o que querem. Desta forma a liderança precisa ter consciência que desenvolver pessoas é um grande desafio que deve ser encarado de forma positiva, com muita paciência e amor pelas pessoas que lidera para se obter o máximo daquela equipe. Dentre estes desafios temos:

Desafios da liderança • Adequar funções e perfis de acordo com a capacidade e competência individual; • Lidar de forma positiva com a falta de iniciativa e de visão, despertando o interesse coletivo; • Definição clara dos processos envolvidos para o desenvolvimento otimizado da tarefa; • Despertar na equipe o comprometimento. “Quando comemos um omelete temos o ovo e o bacon, neste caso, a galinha estava envolvida, e o suíno, comprometido’’(James Hunter,2005). Isso é um belo parecer do que é realmente estar comprometido. • Fazer com que as pessoas sintam-se parte de um processo maior. Por exemplo, um atendente de parto não deve somente fazer esta tarefa, e sim ter um sentido bem mais amplo, pois é desta tarefa (atendimento do parto) que está em jogo toda a vida daquele leitão, que, por consequência, poderá refletir lá no final com um bom ou péssimo resultado daquele animal ou grupo de animais. E esta pessoa deve ser conscientizada disso e ser colocada no contexto, assim, com certeza, tenderá a dar o melhor de si, pois entenderá o quanto aquela pequena atividade é importante para a cadeia produtiva como um todo. Uma tarefa muito importante de uma liderança é a contratação, e ela deverá estar sempre atenta a duas variáveis: Ano VII - nº 39/2011


Recursos Humanos O que buscar em um candidato? 1. Capacidade de entregar resultados; 2. Vontade de aprender permanentemente. A segunda é de grande valia e mais importante que a primeira. A vida prática tem nos mostrado que o bom ou o ótimo funcionário não é aquele que tem grande capacidade intelectual, mas sim aquele que está sempre disposto a absorver novos conhecimentos, aberto às mudanças e disposto a sair da zona de conforto para evoluir, como voltar a estudar, criar o hábito da leitura, comunicar-se fluentemente com líderes e colegas e assumir novas responsabilidades. É aquele que busca incessantemente, dia após dia, a melhoria continua.

Caso prático Entre 2003 e 2004 assumi uma nova unidade dentro da empresa. Na época existia uma cultura de baixo desempenho impregnado nas pessoas que formavam a equipe (desmamavam 22,3 leitões fêmea/ ano). Elas não acreditavam em melhores resultados e sempre culpavam as instalações, a genética, a nutrição e, muitas vezes o companheiro ao lado. Enfim, existia sempre um culpado alheio, e nunca enfrentavam de frente os reais problemas.

Para resumir, nesta equipe restou apenas uma pessoa, que é líder e gerente desta unidade. Três anos depois já atingia 29,7 leitões desmamados/fêmea/ano e, hoje, na mesma unidade, desmama 31 leitões/ fêmea/ano. A pessoa referida como exemplo tem um perfil que condiz com as regras de um bom líder acima citado e conforme demonstra abaixo a figura ilustrativa (Perfil A2: vontade de aprender). Conclui-se que faltavam apoio, desafios, metas, prioridades de objetivos, quebra de paradigmas e rompimento da famosa cultura de baixo desempenho, fazendo com que se sentissem donos do negócio. Resultado de tudo isso: voltou para a escola, saiu da zona de conforto e hoje está se formando em Administração de Empresas, sendo cogitado a assumir novos e maiores desafios dentro da empresa. O quadrante abaixo ilustra de forma resumida os perfis que há nas equipes. O líder precisa, de forma muito tranquila e incisiva, tomar decisões no sentido de reconhecer o A1, eliminar o A3, apoiar o A2, e recuperar o A4. Este é um trabalho árduo, mas imprescindível no dia a dia das lideranças e que jamais se deve protelar se quisermos evoluir constantemente. Uma equipe, no decorrer de sua trajetória, passa por três estágios até se tornar de alto desempenho, o que poderá levar vários anos para atingir este nível, ou mesmo nunca atingir. Dependerá do nível, disponibilidade e capacidade de sua liderança em coordenar esta caminhada. Os estágios são os seguintes:

Estágios de desenvolvimento das equipes 1. º Reunião de pessoas: dividem tarefas, mas não há sinergismo nesta fase; 2. º Processo de formação de grupo: já otimizam recursos e informações, porém, as pessoas somente agem para si e não para o grupo; 3. º Transformação do grupo em equipe: as pessoas já são comprometidas e partilham de uma missão, há objetivos comuns e forte relação de confiança e parceria. 4. º Evolução para equipe de alto desempenho: é um estágio de fortalecimento da equipe, há interesse no crescimento coletivo e alto nível de comunicação e sintonia. O ponto alto aqui é a superação contínua. Uma equipe neste estágio, desde que bem conduzida e trabalhada, jamais retorna aos estágios anteriores, pois as pessoas passam a não aceitar resultados inferiores. Isso já não é somente uma preocupação do líder, e sim de toda a equipe, pois neste nível o comprometimento é pleno. As pessoas têm alta expectativa em relação a si mesmo, possuem conhecimento, habilidade e atitudes (C-H-A) elevados, vigiam constantemente seus resultados, comemoram suas conquistas, vibram com os resultados conseguidos e sentem orgulho em pertencer àquela equipe. Acima de tudo possuem um plano de estratégia e metas alinhados com todo o processo, e as pessoas os conhecem profundamente. Na sequência mostramos como pode ser iniciado um plano de estratégia e metas:

Iniciando um plano de estratégias e metas - Deve sempre ser iniciado pelo nível estratégico (diretor, proprietário, gerente), a fim de comprometer todos os envolvidos, identificando os resultados reais que deverão ser buscados dentro de cada setor. Se possuir um histórico, buscar os resultados dos três ou quatro últimos anos e desafiar de acordo com a capacidade da equipe; se não possuir histórico, buscar a média da região, Estado ou país para se ter como base e criar um ponto de partida. Após este estágio é importante priorizar somente os itens impactantes Ano VII - nº 39/2011

Suínos&Cia

31


Recursos Humanos Conclusões finais Precisamos romper paradigmas para seguirmos evoluindo. Destaco como principais: • Relação matrizes/funcionário, corte de cauda, dente e amarrar umbigo são realmente necessários? Precisamos eliminar algumas atividades para isso acontecer. • Remunerar individualmente por produtividade e capacidade. • Comprometer ainda mais as pessoas nas atividades e especializá-las; • Estabelecer metas com as equipes; • Definir um cronograma de reuniões disciplinadamente;

para aquela unidade, ou aqueles que realmente trarão resultados financeiros e zootécnicos, comprometendo a equipe e definindo o plano de monitoramento, dando continuidade ao trabalho, diário, semanal, quinzenal ou mensal, conforme a necessidade da unidade.

Histórico da definição das metas anuais com as equipes em nossas unidades No mês de dezembro envolvem-se todas as pessoas e por equipe, separadamente, fazendo, primeiramente, uma reunião da gerência com os líderes de setor. Após esta reunião, os líderes de setores reúnem-se com suas equipes e debatem o que foi visto na reunião com a gerência. Por último a gerência faz uma reunião com todas as pessoas para conclusão e fechamento dos números por setor. No mês de janeiro já é rotina reunir todas as pessoas, e o gerente da unidade faz a apresentação de tudo que foi discutido e acordado, passando as metas para o ano e os resultados do ano anterior. O monitoramento destes dados se dá diariamente em maternidade por meio da coleta dos dados pertinentes àquele setor, e em todos os setores são realizadas reuniões semanais com data e horário pré-determinados. Estas apresentações são sempre em sistema de rodízio, e todos podem e devem participar, apresentando seus dados às demais pessoas, para que Suínos&Cia

32

todas se sintam parte do processo. Claro que antes elas precisam ser treinadas. Ao final de cada mês faz-se uma reunião de análise crítica (conforme norma ISO 9001), em que são envolvidos todos os líderes, gerências e a equipe de controle de qualidade para exaurir todas as possibilidades de melhorias que deverão estar em pauta para serem discutidas com o grupo.

Como fazer para que tudo que citamos acima funcione para manter nossos resultados?

• Ter consciência de que pessoas são o grande diferencial de qualquer negócio, elas deverão ser sempre o nosso foco, nosso grande tesouro; • Desenvolver líderes e lideranças.

Bibliografias consultadas 1. Hunter James, 2004 - O Monge e o executivo, Como se Tornar um líder Servidor. 2. Elijah M. Gouldratt, 2009 - A Meta, um processo de melhoria continua.

b) Estabelecer, juntamente com as nossas equipes, os padrões técnicos (PT), padrões gerenciais (PG) e padrões operacionais (PO) de todo o processo;

3. Falconi Vicente, 2010 - O Verdadeiro Poder, Publicações FGV Management - Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas, Desenvolvimento de equipes, Gestão estratégica de Pessoas, Atração e Seleção de Pessoas, Gestão de Desempenho, Gestão por Competências.

c) Treinamento e certificação dos trabalhadores no cumprimento dos padrões acima citados;

4. Silvio Luiz Johann, 2005 - Gestão da Cultura Corporativa.

a) Ter de forma muito clara, juntamente com toda a equipe, as metas que queremos;

d) Verificação dos cumprimentos das especificações e padrões (supervisionar, auditar). O gerente deverá ordenar a forma de fazê-lo de acordo com o grau de importância de cada item, e nesta tarefa este deverá ser auxiliado pelos líderes de setor e pelo controle de qualidade (CQ). Desta forma assegura-se que tudo seja cumprido e, assim, todos possam estar sempre num processo de melhoria contínua.

5. Ricardo Cogo, 2008 - 4º Simpósio internacional de produção suína. 6. Covey Stephen, 2005 - Os 7 Hábitos das pessoas Altamente Eficazes, Publicações da Revista Você/SA. 7. Jane Smith, 1996 - Delegando Poder. Ano VII - nº 39/2011


Animais Saudáveis. Alimentos Saudáveis. Mundo Saudável.

aúde suinícola Qualidade é o nosso DNA


Revisão Técnica Disenteria e ileíte: momento exato para tentar decifrar a difícil ciência por trás dessas doenças

Steven McOrist Escola de Medicina Veterinária e Ciências Universidade de Nottingham – Grã Bretanha – Reino Unido steven.mcorist@nottingham.ac.uk

Disenteria suína As características clínicas da disenteria suína (DS) têm sido bem descritas, desde os anos 20, na suinocultura industrial. Trata-se de uma grave inflamação do intestino grosso, com a presença de diarreia mucosa sanguinolenta. Nas propriedades afetadas, a doença costuma ocorrer normalmente nos suínos em fase de terminação, de 12 kg a 75 kg, embora ocorra também, com regularidade, em marrãs e porcas A difusão da doença no plantel ocorre de modo lento, crescendo em número de casos na medida em que o agente se multiplica no ambiente. O período de incubação, nos casos de campo, vai normalmente de 7 a 14 dias. Os suínos que se recuperam desenvolvem apenas uma fraca imunidade, mas raramente sofrem as consequências totais da doença outra vez. O grande prejuízo econômico da doença está associado à mortalidade dos suínos, à sua alta morbidade, à depressão no crescimento exigido pelo mercado e na eficácia da conversão alimentar, além dos custos da medicação contínua por meio da ração É uma doença opressiva para os suinocultores, os quais raramente conseguem manter a granja em condições normais, enquanto persiste a presença da doença. A disenteria suína persiste como um tema importante, em termos de sanidade, na Europa e nas regiões da ÁsiaPacífico e vem crescendo na América do Norte, na medida em que diminui o uso do carbadox. Nenhuma vacina ou teste sanguíneo convenientes estão disponíveis, e a medicação contínua é problemática no que diz respeito à DS endêmica – uma questão importante nas criações de suínos da Europa central é a alta prevalência de cepas de B hyodysenteriae, altamente Suínos&Cia

34

Habitat da Brachyspira hyodysenteriae, criptas do colón intestinal resistentes à tiamulina e patogênicas. As ações das autoridades regulatórias têm removido muitas drogas anti-DS eficazes e convenientes (quinoxalinas, metronidazóis, ionóforos) ao longo do mundo da criação de suínos. Essa importante doença entérica é causada pela bactéria espiroqueta, em forma de serpente, chamada Brachyspira hyodysenteriae. Esse micro-organismo foi cultivado pela primeira vez e usado para comprovar os postulados de Koch em 1970, pelos grupos de David J.Taylor, na Universidade de Cambridge, e de Hank Harris, em Iowa. Eles publicaram uma série de estudos explorando a questão da invasão das células epiteliais do cólon pelas espiroquetas e outras características patogênicas-chave das lesões precoces (ver Taylor e Blakemore, 1971). O

diagnóstico

microbiológico

é crítico por causa da gravidade da DS. Por exemplo, uma questão fundamental envolvendo a aquisição de reprodutores é a existência de uma garantia da condição livre de DS, por parte do fornecedor. O diagnóstico, por sua vez, baseia-se no histórico, quadro clínico, exames postmortem e testes laboratoriais envolvendo ambos, isolamento em anaerobiose e identificação da B hyodysenteriae hemolítica pela prova do PCR. Esse diagnóstico é complicado pelo fato do gênero Brachyspira possuir um número de espécies proximamente relacionadas, as quais podem desenvolver cruzamentos genéticos devido à presença comum de prófagos (ver Motro et al, 2009). As questões científicas-chave relativas à Brachyspira hyodysenteriae e a DS são: i) aquelas relativas à patogenia da DS – como esse micro-organismo causa as lesões? e ii) aquelas relacionadas Ano VII - nº 39/2011


Revisão Técnica à imunidade – por que as reações sorológica e imunológica são tão fracas? A falha da comunidade científica veterinária em responder a essas questões críticas, desde 1970, vem sendo notada regularmente (ver ter Huurne & Gaastra, 1995) e eu espero ressaltá-la novamente aqui. O genoma foi finalmente elucidado (ver Bellgard et al, 2009) e aponta para a existência de seis prováveis hemolisinas e 15 proteases. Entretanto, os poucos estudos mecanísticos (fisiológicos e farmacológicos) relativos aos fatores patogênicos da motilidade, revestimento lipo-polissacarídeo externo e supostas hemolisinas não correspondem à explanação baseada no desafio-exposição real, de como essa bactéria produz uma lesão impressionante – ainda que silenciosa do ponto de vista imunológico – e a doença. O efeito desejado das vacinas, testes sorológicos e novas drogas contra a DS, os quais se tornaram metas viáveis em 1971, presumidamente aguardarão muitos anos adicionais até que esses estudos microbiológicos desafio-exposição aconteçam. Parte dessa falha pode ser devida à falta de suporte econômico para a condução de estudos básicos sobre doenças entéricas nos suínos. Muitas das descobertas prévias no campo da pesquisa microbiológica em animais de produção foram realizadas nos setores de avicultura e bovinos, tendo sido focalizadas – em sua maioria – nos temas de zoonoses/indústria de alimentos, como Salmonela. Qualquer sobra para estudos na área de suínos acaba direcionada para esses assuntos da indústria de alimentos ou estudos relacionados a doenças respiratórias, como PRRS.

de peso; ou – nos casos mais severos – mudanças adicionais podem se sobrepor a essas lesões básicas, incluindo enterite necrótica ou enteropatia hemorrágica proliferativa aguda. Todas essas formas de EP permanecem como doenças entéricas comuns e importantes. Estimativas entre a suinocultura global indicam que 96% dos locais das granjas estão infectados e, neles, cerca de 30% dos suínos – entre desmamados e terminados – têm frequentemente lesões detectáveis em algum ponto, as quais causam claras perdas econômicas (ver McOrist et al, 2003). A natureza da EP não estava clara até 1973, quando suas lesões foram examinadas no nível ultra estrutural e uma pequena bactéria em forma de vibrião, curvada e intracelular, achava-se consistentemente presente na mucosa afetada, apenas no interior das células de proliferação anormal (ver Rowland & Lawson, 1974). A identidade dessas bactérias EP e seu verdadeiro sistema etiológico foram finalmente elucidados em 1993, com a bem-sucedida co-cultura do microrganismo intracelular e a reprodução da doença em suínos, usando-se uma cultura pura desse agente (ver Lawson et al, 1993 e McOrist et al, 1993). O nome Lawsonia intracellularis foi escolhido por refletir o papel-chave e a persistência do veterinário escocês Gordon Lawson, em sua descoberta. A característica singular da patogenia da EP é, por conseguinte, o claro desencadeamento de uma prolifera-

ção celular epitelial monotípica, causada por uma bactéria infectante. Que eu saiba apenas duas outras bactérias (espécies não relacionadas de Bartonella e Citrobacter) têm algum paralelo nessa patogenia proliferativa, sendo que o seu mecanismo exato ainda permanece desconhecido. A pesquisa relativa à Lawsonia tem se focalizado principalmente em seus aspectos importantes para a suinocultura, entre eles a susceptibilidade do agente a vários antibióticos, sua epidemiologia dentro e entre granjas e os métodos de diagnóstico e tópicos relativos aos mesmos, voltados para suínos vivos (ver Stege et al, 2004). A Lawsonia tem um genoma pequeno, mono circular e três plasmídeos (incluindo um megaplasmídeo), os quais são vistos de modo característico em outras bactérias simbióticas intracelulares (ver Gebhart & Kapur, 2007 e SchmitzEsser et al, 2008). Uma vacina contra ileíte foi registrada pela primeira vez em 2001 (Enterisol™ Ileitis, sendo, agora, usada largamente ao redor do mundo (ver Guedes & Gebhart, 2003 e Kroll et al, 2004). Presumivelmente a escolha da forma da vacina (viva atenuada e de aplicação oral) adequa-se a esse tipo de agente intracelular da mucosa intestinal. Esse rápido desenvolvimento da vacina contra ileíte contrasta com o ritmo lento do desenvolvimento de vacinas contra outras doenças entéricas-chave dos suínos, como a disenteria suína e a colibacilose pós desmame.

Ileíte – enteropatia proliferativa As características clínicas da enteropatia proliferativa (EP, ileíte) vêm sendo bem descritas na suinocultura desde os anos 30. Em suínos de engorda com proliferação de mucosa não complicada, a condição é a enteropatia proliferativa crônica, também conhecida como adenomatose intestinal suína (AIS). Lesões e sinais clínicos podem variar entre suaves e subclínicos e diarreia clínica com perda Ano VII - nº 39/2011

Lesão característica da Lawsonia intracellularis, enterite proliferativa de grau moderado

Suínos&Cia

35


Revisão Técnica Entretanto, apesar da característica única e interessante da natureza proliferativa da EP com, talvez, ideias a serem extrapoladas para o câncer de colon humano e a flora intestinal, nenhum progresso específico vem sendo realizado com relação à questão científica-chave referente à Lawsonia: como esse organismo bacteriano causa as lesões proliferativas monotípicas no epitélio intestinal? O intrigante mecanismo por meio do qual a bactéria faz com que células epiteliais infectadas falhem – em termos de maturação –, mas continuem a fazer mitose e transformem as criptas de hiperplásicas em adenomatosas, ainda não é totalmente compreendido. Esse efeito adenomatoso possivelmente causa uma inibição Lawsonia-específica no processo de diferenciação celular da cripta normal, como que regulado localmente no pescoço da cripta (ver McOrist et al, 2006 e Oh et al, 2010). As criptas intestinais infectadas pela L. intracellularis podem se tornar largamente alongadas e frequentemente divididas. Perda de proteína corporal e aminoácidos para o lúmen intestinal e absorção reduzida de nutrientes pela mucosa intestinal, com deficiência de enterócitos maduros, são as prováveis causas da redução no ganho de peso e da piora na conversão alimentar observadas em suínos afetados por lesões crônicas e não complicadas de EP (ver Rowan & Lawrence, 1982 e Gogolewski et al, 1991). Até então, os exames adicionais do genoma da Lawsonia têm revelado uma ajuda limitada, no que diz respeito à determinação de quais genes seriam os responsáveis pelo efeito de diferenciação do ciclo, com muitos genes desconhecidos evidentes. Nós, por essa razão, notamos outra vez a falha da comunidade científica veterinária em responder a essa questão crítica com estudos básicos sobre doenças entéricas dos suínos. Presumivelmente as razões para essa falha residem outra vez na falta de verba para estudos básicos sobre essas doenças, dentro da grande soma alocada para a pesquisa da microbiologia nas espécies domésticas. Ficamos na expectativa de novos estudos e pesquisas atribuídas a estas doenças entéricas. Suínos&Cia

36

Referências selecionadas: 1. BELLGARD, M.I.; WANCHANTHUEK, P.; LA, T.; RYAN, K.; MOOLHUIJZEN, P. et al. Genome sequence of the pathogenic intestinal spirochete Brachyspira hyodysenteriae reveals adaptations to its llifestyle in the porcine large intestine. Plos One v. 4 n. 3 p. 4641. 2009 2. GEBHART, C.J.; KAPUR, V. Lawsonia intracellularis genome 3. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez ?Db=genomeprj&cmd=ShowDetailV iew&TermToSearch=35241. 2007 4. GUEDES, R. M.C.; GEBHART, C.J. Onset and duration of faecal shedding, cell-mediated and humoral immune responses in pigs after challenge with a pathogenic isolate or attenuated vaccine strain of Lawsonia intracellularis. Vet Microbiol v. 91. p. 135-145. 2003 5. GOGOLEWSKI, R.P.; COOK, R.W.; BATTERHAM, E.S. Suboptimal growth associated with porcine intestinal adenomatosis in pigs in nutritional studies. Aust Vet J v. 68 p. 406–408. 1991 6. KROLL, J.; ROOF, M. B.; McORIST, S. Evaluation of protective immunity in pigs following oral administration of an avirulent live vaccine of Lawsonia intracellularis. Am J Vet Res v. 65 p. 559-565. 2004 7. LAWSON, G. H. K.; MCORIST, S.; SABRI, J.; MACKIE, R.A. Intracellular bacteria of porcine proliferative enteropathy: cultivation and maintenance in vitro. J Clin Microbiol v. 31 p. 1136–1142. 1993 8. McORIST, S.; JASNI, S.; MACKIE, R. A.; MACINTYRE, N.; NEEF, N.; LAWSON, G. H. K. Reproduction of porcine proliferative enteropathy with pure cultures of ileal symbiont intracellular. Infect Immun v. 61 p. 4286–4292. 1993 9. McORIST S.; BARCELLOS, D.E.; WILSON, R.J. Global patterns of porcine proliferative enteropathy. Pig J v. 51 p. 26-35. 2003 10. McORIST, S.; GEBHART, C.J.;

BOSWORTH, B.T. Evaluation of porcine ileum models of enterocyte infection by Lawsonia intracellularis. Can J Vet Res v. 70 p. 155-159. 2006 11. MOTRO, Y.; L.A., T.; BELLGARD, M.I.; DUNN, D.S.; PHILLIPS, N.D.; HAMPSON, D.J. Identification of genes associated with pro-phage-like gene transfer agents in the pathogenic intestinal spirochaetes Brachyspira hyodysenteriae, Brachyspira pilosicoli and Brachyspira intermedia. Vet Microbiol v.1 n. 34 p. 340-345. 12. OH, Y-S.; LEE, J-B.; McORIST, S. Microarray analysis of differential expression of cell cycle and cell differentiation genes in cells infected with Lawsonia intracellularis. Vet J v. 184 p. 340-345. 2009 13. ROWAN, T. G.; LAWRENCE, T. L. J. Amino-acid digestibility in pigs with signs of porcine intestinal adenomatosis. Vet Rec v. 110 p. 306307. 1982 14. ROWLAND, A. C.; LAWSON, G. H. K. Intestinal adenomatosis in the pig: immunofluorescent and electron microscopic studies. Res Vet Sci v. 17 p. 323–330. 1974 15. SCHMITZ-ESSER, S.; HAFERKAMP, I.; KNAB, S.; PENZ, T.; AST, M.; KOHL, C.; WAGNER, M.; HORN, M. Lawsonia intracellularis contains a gene encoding a functional Ricketsialike ATP/ADP translocase for host exploitation. J Bacteriol v. 190 p. 5746-5752. 2008 16. STEGE, H.; JENSEN, T.K.; MOLLER, K.; VESTERGAARD, K.; BAEKBO, P.; JORSAL, S.E. Infection dynamics of Lawsonia intracellularis in pig herds. Vet Microbiol v. 104 p. 197-206. 2004 17. TAYLOR, D.J.; BLAKEMORE, W.F. Spirochaetal invasion of the colonic epithelium in swine dysentery. Res Vet Sci v. 12 p. 177-179. 1971 18. TER HUURNE, A.A.; GAASTRA, W. Swine dysentery: more unknown than known. Vet Microbiol v. 46 p. 347-360. 1995 Ano VII - nº 39/2011


Revisão Técnica Resumo da 42ª Reunião Anual da Associação Norte-Americana de Veterinários Especialistas em Suínos (AASV)

Antonio Palomo Yagüe Diretor da Divisião de Suínos SETNA NUTRICION – INVIVO NSA antoniopalomo@setna.com

RESUMO

Quero dedicar este resumo ao meu colega de SETNA e amigo, Sr. José Ruano, que chegou à aposentadoria merecida, após longo período anterior de uma vida de trabalho intensivo. Aprecio muitíssimo toda a sua qualidade humana e profissional. Obrigado por sua aula magistral. No último AASV, Dr Antonio desenvolve uma apresentação das ideias principais da Reunião Anual da Associação Norte-Americana de Veterinários Especialistas em Suínos, realizada em março, em Phoenix, Estado do Arizona. Confira estes itens ordenados que Dr Palomo desenvolveu para os leitores da Suinos & Cia as primeiras ideias, colocando-as, então, em nossa prática de produção. Os assuntos desse resumo são: • Itens gerais • Bem-estar • Vírus da PRRS • Vírus PCV-2 • Vírus da Influenza • PFTS (síndrome de grave perda de condição corporal) • Rotavírus • Mycoplasma sp • Brachispira hyodisenteriae • Haemophilus parasuis • Lawsonia intracellularis

KARRIKER, L.  Desde a primeira edição do livro Diseases of Swine, em 1958, são muitos os paradigmas que mudaram sobre as doenças e seus tratamentos. A importância da segurança alimentar e a confluência com a saúde humana exigem cada dia mais da nossa profissão veterinária. Os conceitos e os princípios de ambas são similares e, para se tomar decisões sobre sanidade, se requer a evidência obtida por meio do estudo consciente, explícito e correto, baseado nos princípios médicos e na experiência prática. Quatro pontos básicos são determinantes nessa nova fase:

• Nutrição

o A observação sistemática tem maior valor que aquela ao acaso. A experiência aumenta com a educação continuada.

• Transtornos reprodutivos .

o A redução dos fatores de variabilidade

• Salmonella sp

Suínos&Cia

38

GERAL 

(variáveis) que possam interferir apoiou essas condições. o Um informe completo e explícito das condições da prova, material e métodos aumenta o valor do trabalho. o A similaridade das conclusões com as condições de produção, na qual se aplica o tratamento, aumentará o seu valor clínico. Devemos aprender durante toda a nossa vida profissional para poder ter uma longa vida como veterinários (www. ebuma.org). “A ignorância entusiasta é uma das forças mais daninhas“. CONNOR, J.F.  Temos de investir os recursos necessários para conduzir testes de campo ou, de outra forma, é melhor não realizá-los. Ciência e produção devem ir de mãos dadas e não interAno VII - nº 39/2011


Revisão Técnica ferirem uma com a outra. Precisamos não apenas de dados, mas também de congruência biológica, pois os dados fora de contexto podem nos levar ao erro. Devemos considerar a pirâmide de decisões e estabelecer o momento da coleta e análise dos dados. Qualquer intervenção em sanidade deve ter uma relação custo-benefício superior a 1, incluindo o tempo, o trabalho e o dinheiro. • O uso de fluidos orais (saliva e transudato da mucosa oral) para detecção de agentes infecciosos por PCR e – mais recentemente – para a detecção de anticorpos está sendo introduzido em muitas doenças, incluindo a causada pelo vírus da gripe; o vírus da PRRS (sídrome respiratória e reprodutiva dos suínos), ou PRRSv; o circovírus (PCV2); a parvovirose; a leptospirose; a Salmonela sp; a Lawsonia intracellularis e o Mycoplasma hyopneumoniae (os fluidos se conservam congelados a 80°C). • O mapeamento genético de suínos iniciou um grande projeto em 2006 e contribuirá, a priori, para melhorar a compreensão sobre a variação da tolerância em adquirir certas doenças (nos primeiros estudos relativos ao PRRSv estima-se uma herdabilidade de 0,26). • O cariótipo dos cachaços, medido a partir do sangue fresco, é a maneira de se determinar as translocações recíprocas em seus cromossomos, responsáveis ​​por até 50% da redução no tamanho da leitegada. Nos EUA, assume-se que 0,7% dos cachaços tenham esse problema. Trata-se de uma técnica com um elevado índice de oportunidade para Centrais de Inseminação e granjas que produzam cachaços. • O florfenicol foi testado contra Streptococcus suis, Salmonella choleraesuis, Escherichia coli e Bordetella bronchiseptica, revelando sinergia com oxitetraciclina e tulatromicina e nenhum antagonismo com ceftiofur, clortetraciclina, enrofloxacina, oxitetraciclina, tetraciclina tiamulina e tilosina. • 10% das melhores granjas dos EUA têm um tamanho de leitegada superior a 9%, enquanto a mortalidade nas mesmas, durante a lactação, aumentou apenas 4%, entre 2005 e 2010. A maioria desses casos é devida a baixas no nascimento, esmagamentos, viabilidade reduzida e a desordens digestivas. As principais áreas a serem revistas para a melhoria deste parâmetro são a correta preparação da sala de parto (fluxo contínuo, vazio sanitário estrito e reparo das instalações); a limitação do uso de drogas para indução do parto (se nem todos eles são atendidos, acompanhar e assistir – especialmente – os 3 a 5 dias posteriores aos mesmos); a ingestão de colostro; os protocolos de cessões e adoções; a manutenção das áreas de descanso secas e com calor adequado (zonas de conforto); os cuidados com leitões jovens, doentes e pouco viáveis; o controle da manutenção equilibrada dos ciclos reprodutivos. • As opções de tratamento dos distúrbios locomotores em suínos incluem medidas nutricionais, genéticas, de alojamento e manejo. A saúde dos tecidos à base de queratina é influenciada pelos níveis de cálcio, fósforo, cobre, zinco, manAno VII - nº 39/2011

ganês e vitaminas A, D, E e H (biotina) na dieta. As lesões nos cascos determinam piora na fertilidade, aumento na taxa de renovação e menor longevidade. A prevenção desse tipo de lesão passa pelo desenvolvimento adequado da futura reprodutora (seleção e alimentação), alojamento adequado/pisos e uma condição corporal correta das mesmas (nutrição específica para as futuras reprodutoras). • O Streptococcus suis intervem como patógeno envolvido em casos de meningite, endocardite, septicemia, artrite, broncopneumonia, poliserosite e morte súbita, havendo um conhecimento limitado de sua patogenia e epidemiologia. O papel dos diferentes marcadores de virulência não é bem conhecido (muraminidase, hemolisina, hialuronidase, fator extracelular e OFS). O sorotipo 2 é o mais isolado (37%), mas nem todos são virulentos; em seguida vêm os sorotipos 3, 8, 1, 4, 7 e 9. Ocorre uma alta dispersão genética, segundo as granjas e as regiões geográficas. • O TorqueTenoVirus (TTV) é transmitido por via uterina em granjas de alta prevalência e com possível contaminação do cordão umbilical pelo sangue da porca (presente nos fluidos peritoneias), durante a cesariana. O TTV2 tem prevalência superior ao TTV1 em fetos abortados. Sabe-se também da transmissão oro-fecal e horizontal. • Em um estudo de 99 artigos sobre úlceras gastroesofágicas, foi constatado que os dados são inconsistentes para Suínos&Cia

39


Revisão Técnica associá-los com o Helicobacter sp. Existe a possibilidade de que a referida bactéria possa causar gastrite. • A medida da atividade da concentração de um antibiótico no fluído extracelular é o método preferido para correlacioná-lo com as taxas de eficácia clínica de farmacocinética e farmacodinâmica (PK-PD). Estuda-se a meia-vida da enrofloxacina e de seu metabólito, a ciprofloxacina. • O uso da tilmicosina vs tiamutina + clortetraciclina, em leitões desmamados positivos para o SRRSv, Mycoplasma hyopneumoniae, Pasteurella multocida, Streptococcus suis e Actinobacillus suis, entre os 21 dias de idade e o desmame e aos 60 dias, em doses diferentes, resultou em melhora no ganho médio de peso diário, consumo médio diário e taxa de conversão em relação ao controle, com um custo similar por suíno em ambos os tratamentos. • Em um levantamento realizado em 19 granjas de sete Estados, com estações eletrônicas de alimentação, os criadores informaram como as mesmas melhoraram o manejo das porcas, reduziram o custo da alimentação e aumentaram o bem-estar das mesmas – ao melhorar suas condições corporais. Como pontos críticos temos o custo, a necessidade de mão de obra qualificada e os serviços de apoio técnico pós instalação do sistema. Todos os suinocultores recomendam o uso de tais centrais eletrônicas de arraçoamento em porcas gestantes. • A exposição oral de porcas a derivados de material orgânico (fezes, placentas e outros) vem sendo feita há anos para estimular a imunidade na granja, a fim de controlar e prevenir doenças (Bay em 1953, contra a gastrenterite transmissível (TGE) e Kohler em 1974, contra a Escherichia coli). No entanto, é importante dizer que – com este método – não se deve esperar a prevenção das infecções. O colostro é uma relação de IgA e IgG, de 0,16 a 0,22, e de leite, de 2,1 a 6,96, além de induzir a formação de outros componentes importantes da imunidade, tais como células polimorfonucleares, linfócitos, macrófagos e células epiteliais. O colostro tem mais células fagocíticas Suínos&Cia

40

(linfócitos: 26%) e células epiteliais, mais leite. Um estudo realizado em uma granja de 5.400 porcas com problemas de diarreia neonatal por E. coli e Clostridium perfringens do tipo C determinou que a exposição oral de marrãs e de porcas em fase anterior ao parto não influenciou nos fatores de imunidade medidos no colostro, além de não influenciar na excreção destas bactérias na sala de parto. • Para introduzir, com êxito, animais de alta sanidade em granjas positivas, devemos levar em conta os seguintes pontos-chave: - Indicação de um veterinário que conheça e analise o status sanitário real da granja, tanto na origem, como no destino. A comunicação entre os profissionais de ambos os pontos é imprescindível, considerando o plano sanitário e os exames laboratoriais. - Isolamento das porcas que entram para definir a duração, localização, distância e espaço, pessoal encarregado, qualidade da água e da ração. É fundamental a participação de pessoal qualificado e observador. - Aclimatação: vacinação, exposição, feedback e imunidade. - Monitoria sanitária: observar sinais clínicos, exames clínicos, exames post mortem e testes diagnósticos. - Introdução no plantel de reprodutores: área específica, com observação dos sinais clínicos. • Uma nova iniciativa chamada “We Care” foi desenvolvida pelos produtores e associações para promover a carne suína, atrelada à segurança alimentar, bem-estar animal, meio ambiente e saúde pública. Nos EUA, menos de 2% da população está envolvida no meio rural, em comparação com os 53% de um século atrás, tornando-se difícil fazê-los entender o sistema de produção de alimentos. Um objetivo básico seria demonstrar que se produz de forma responsável (novos princípios éticos dos produtores de suínos), sendo necessário – para tanto – maior profissionalismo e respeito às boas práticas de manejo em cada etapa da produção (granja, transporte, abate).

BEM-ESTAR SUÍNO 

• Destacam-se três escolas, na hora de abordar o bem-estar na suinocultura: o Baseada nas sensações: prazer, sofrimento, estresse e dor o Baseada no exercício e saúde dos animais o Baseada no comportamento normal dos suínos, em condições naturais Bem-estar animal é uma questão que envolve várias disciplinas científicas, que são parte da ciência animal e incluem produção, fisiologia, anatomia, saúde e comportamento (etologia). O uso razoável, a análise e a interpretação corretas e a sua aplicação profissional são componentes críticos na pesquisa do bem-estar dos suínos. Sua correta aplicação conduzirá a melhores condições sanitárias e financeiras, bem como à redução de comportamentos estereotipados e lesões. http://vet-med.iastate.edu/research/labs/swineLab • Conceito de “Engarrafamento”: mudança na visão da sociedade com relação ao bem-estar animal e sua utilização na agricultura. Daqui saíram muitos dos movimentos sobre direitos dos animais, transferidos para todas as estâncias burocráticas. Para evitar sua polarização, devemos construir uma agenda que comunique ao público os indicadores reais e as práticas corretas de produção, por meio de canais de informação que estabeleçam as bases do conhecimento, evitando o conflito de quadros legais antagônicos relativos ao sistema produtivo. • O controle da dor tem uma grande relevância social. Os analgésicos validados estão definidos em quatro grupos: - Opiáceos: de curta duração e de uso exclusivamente veterinário - Alfa-2 agonistas adrenérgicos: devem ser usados ​​em combinação - Anestésicos locais: aliviam a dor durante pouco tempo - NAIDs: com vantagens sobre os Ano VII - nº 39/2011


Revisão Técnica anteriores, de efeito a longo prazo, anti-inflamatórios, não afetam o comportamento e não têm efeitos cardiovasculares adversos; legalizados para uso veterinário em várias formas de administração. Os destaques são ketoprofeno (Anafen®), flunixin e meloxicam (Metacam®). Este último produz boa analgesia quando combinado com o butorphanol. Como sedativos também são utilizados o azaperone (Stresnil®), usado em conjunto com a ketamina (20 mg/kg), a 2 mg/kg, para castração.

PRRSv 

• As perdas anuais estimadas, devido ao referido vírus nos EUA, são de US$ 560 milhões, o equivalente a US$ 1,5 milhão por dia. O custo estimado por suíno está entre US$ 28,00 e US$ 76,00; por suíno abatido, entre US$ 1,98 e US$ 2,38. Um dos aspectos que torna

Ano VII - nº 39/2011

difícil o controle da doença é a presença de animais persistentemente infectados, mas com baixo nível de infecção, por um longo tempo. As biópsias de tonsilas determinam com muita precisão a presença do vírus; a pesquisa da presença do mesmo nos fluidos orais tem tanta sensibilidade quanto a sua determinação em amostras de soro. Os fluidos orais de cachaços, monitorados por qRT-PCR para o vírus da PRRS, são muito eficazes a partir do quarto dia pós-infecção, o que facilita tanto a amostragem como o manejo dos cachaços. Existe uma correlação positiva entre os resultados de sorologia individual e o pool de fluidos orais por lotes, analisados pela prova do RT-PCR. • Estudos canadenses indicam perdas de 340 a 460 dólares por porca/ano nos episódios agudos da doença, e de 250 dólares nos casos crônicos. Deram início em um projeto-piloto no oeste do país para certificar granjas SRRPv livres, incluindo

produtores, pesquisadores, veterinários de suínos e laboratórios, sendo válidos apenas os testes sorológicos de ELISA e PCR para o diagnóstico e acompanhamento. Estimam que as duas principais fontes de incursão viral nas granjas sejam a entrada de animais e sêmen. • Foram analisadas sete granjas com mais de 3 mil matrizes, em áreas de alta densidade nos Estados de Minnesota e Iowa (EUA), com histórico clínico de PRRS nos últimos quatro anos. Foram instalados filtros com sistemas de ventilação por pressão negativa, que captam as partículas maiores que 0,3 microns e não houve – durante um ano – quaisquer sintomas clínicos da doença em nenhuma delas. • Em uma granja mexicana de 750 porcas, com quadros clínicos recorrentes da doença causada pelo SRRPv desde 2005, foram adotadas mudanças no manejo e utilizadas vacinas a vírus de

Suínos&Cia

41


Revisão Técnica campo vivo em marrãs e porcas, não sendo possível controlar a viremia nos leitões ao desmame. O padrão de vacinação foi alterado, passando-se a usar a vacina viva modificada comercial em massa: para todo o efetivo de reprodutores, revacinando-os quatro semanas mais tarde; para leitões, aplicando uma única dose no desmame. Com esse novo esquema estabilizou-se a granja, passando os leitões a serem negativos, no desmame, condição essa determinada por PCR, após 14 semanas da segunda dose em massa. Passaram os índices de aborto, de 4,16% para 3,28%, mumificados de 2,93% para 1,46%, a mortalidade na lactação de 8,23% para 7,31% e a mortalidade de leitões desmamados de 3,77% para 1,83 %. • Em um estudo onde se vacinou leitões contra o PCV2 quando havia uma infecção aguda pelo SRRPv, não foi encontrado nenhum efeito adverso sobre a eficácia das vacinas contra o PCV2 (2 mL/ds.), Ingelvac® Circoflex (1 mL/ds.) e Circumvet® (2 mL/ds). • As altas temperaturas do verão e as infecções sazonais reduzem a probabilidade de detecção do SRRPv. Da mesma forma, as práticas de descontaminação de caminhões (desinfecção + secagem), bem como o treinamento do motorista e o respeito às medidas de biossegurança, são essenciais para o controle e a eliminação potencial do referido vírus. Sua disseminação via aerossol é demonstrada por até 9,2 km. A alta umidade do ambiente e a condensação também favorecem a disse-

minação do mesmo. O SRRPv sobrevive em baixas temperaturas extremamente bem, sendo facilmente inativado por lavagem com detergente e desinfecção com Virkon®. • A viremia em leitões desmamados pode durar 35 dias, mantendo-se os mesmos persistentemente infectados por até 250 dias. As subpopulações virais são atribuidas à variabilidade do status imunológico das leitoas ao entratrem na fase de produção.

VÍRUS PCV2 

• O DNA do PCV2 é transmitida por meio do sêmen de machos infectados, de modo natural e experimentais. Cachaços infectados pelo m. hyopneumoniae têm títulos mais elevados contra o PCV2 no soro. Machos vacinados contra o PCV2 reduzem a excreção viral no sêmen, sua viremia e os sinais clínicos da doença. • Nova combinação PCV2 + Mycoplasma hyopneumoniae aprovada nos EUA (Circumvet® PCV M) a 2 mL/ds., com 3 e 6 semanas de idade, sendo eficaz contra infecções mistas por ambos os agentes infecciosos. • A vacinação conjunta com três semanas de idade, comparada à única vacinação contra o PCV2, realizada em uma granja na Suécia, leva a melhores resultados na produção e a uma melhora

clínica estatisticamente significativa. Também no estudo de suínos para o abate houve melhora na qualidade da carcaça, obtendo-se um ROI de 2,3. • Em um estudo com leitões SRRPv + Mycoplasma hyopneumoniae negativos, vacinados com 3 semanas e entre 3 e 6 semanas de idade, com vacinas de uma e duas doses, observou-se ausência de reações no local da injeção no caso da primeira (0,8 a 1,7%), em comparação com 67,71% na de duas doses. O USDA aprova vacinas mistas de uma dose, que sejam seguras e não reativas. • A aplicação de Suvaxyn® PCV2 – vacina quimérica PCV1.2 inativada (1 ds. de 2 mL com 3 semanas de idade) em 74 leitões saudáveis, infectados há 22 dias com o PCV2 heterólogo, determinou uma redução significativa na carga viral (de 2,3 a 5,8% vs 41% do placebo) e não provocou reações secundárias no ponto de inoculação. • O PCV2 é transmitido lateralmente e verticalmente. O impacto sobre a viremia anterior ao desmame varia entre granjas, sendo maior nos leitões de porcas com mais de três partos. A quantidade de vírus encontrada no colostro está bem abaixo da do cordão umbilical. Demonstra-se que a vacinação das reprodutoras não previne a transmissão vertical. A vacinação de futuras reprodutoras pode levar a uma redução da carga viral nos leitões lactentes, principalmente em granjas PRRS positivas, razão pela qual seria aconselhável evitar coinfecções pelo SRRPv. A vacinação de porcas reduz os sinais clínicos e melhora os parâmetros de produção, mas nem sempre promove uma completa prevenção da infecção do feto no útero. A infecção pelo PCV2 in útero pode ser diagnosticada pela demonstração de anticorpos ou DNA no soro e tecidos de leitões natimortos. Estudos têm demonstrado que a mosca pode ser um potencial portador e transmissor do PCV2b e da Lawsonia intracellularis. • São reconhecidos cinco subtipos de PCV2 (a, b, c, d, e), sendo a e b os mais frequentes. Os problemas reprodutivos associados ao PCV2 manifestam-se como um aumento no número de abortos, mumificados de tamanhos diferentes,

Suínos&Cia

42

Ano VII - nº 39/2011


Revisão Técnica fetos macerados, natimortos e leitões fracos ao nascer. A porca não costuma mostrar sintomas clínicos, nem previamente ou nem no momento do problema infeccioso. É possível a ocorrência de pseudogestações e atraso no dia previsto para o parto. O diagnóstico por sorologia é pouco viável e nem mesmo a fêmea pode estar virêmica no momento do parto. A primeira replicação de PCV2 no feto realiza-se no miocárdio, espalhando-se entre os demais fetos no útero. É possível se detectar o antígeno do PCV2, ou o DNA viral, em tecidos fetais (miocárdio, fluido torácico, timo, baço, tireóide e pulmões).

VÍRUS DA GRIPE 

• Os três subtipos de vírus da gripe (influenza) em suínos, mais relevantes em nível mundial são: H1N1, H1N2 e H3N2. Nos EUA, nos anos 70 e 80 prevaleceu o H1N1; o H3N2 nos anos 90, com uma incidência de 8% e, no final de 1998, uma nova cepa H3N2 surgiu na Carolina do Norte, Texas, Iowa e Minnesota. Em 1999, um novo sorotipo H1N2 foi detectado. Em um estudo realizado entre junho de 2009 e outubro de 2010, em 960 swabs nasais de 32 granjas se obteve uma taxa positiva de 4,18% com o tipo de vírus influenza A (leitões com cinco semanas até 32 semanas de vida foram determinados positivos), por meio da prova de RRT-PCR. Os subtipos encontrados na Europa

diferem dos americanos. Na Europa, num estudo francês em 33 granjas e num italiano, em 25 granjas, utilizando o teste de inibição da hemaglutinação, revelou-se mais de 50% positivas para o H1N2, e outros 40% positivas para o H1N1. 30% das granjas estão infectadas com dois subtipos e 20% com três subtipos do vírus da gripe. • Suínos infectados excretam o vírus por um período limitado de 7 a 10 dias. Em reprodutoras são criadas subpopulações, as quais mantêm o vírus na granja. O vírus foi detectado em suínos de apenas 11 dias de idade. O vírus se espalha rapidamente entre as populações de suínos não imunizados e a sua transmissão pode ser prevenida com vacinas homólogas, sendo a mesma variável de quando se usa vacinas heterólogas (“Ro Ratio”: número de infecções secundárias após a primeira infecção; Ro> 1 significa a propagação do vírus). Transmissão por aerossol é uma das principais vias de propagação, especialmente em áreas de alta densidade (detectores ciclônicos são usados​​ para determinar a presença do vírus no meio ambiente). • A capacidade de detectar o vírus da gripe em fluidos orais aumenta ao se incrementar a prevalência do HIV na população estudada. O diagnóstico por meio do teste de ELISA indireto, normalmente, produz falsos negativos, dependendo do status da vacinação, no número de dias pós-infecção, do tipo de vírus e da interação entre o vírus de campo e o da vacina. • O uso de vacinas baseadas no sistema de replicantes alfavirus, com partículas de RNA e expressas no gene da hemaglutinina viral H3N2 a partir do cluster 4, determina a ausência de excreção viral entre os suínos vacinados e – assim – se dissemina entre a população. Não há reversão da virulência. Uma simples alteração de um único aminoácido viral pode levar a uma redução na capacidade da vacina em diminuir os sinais clínicos da influenza nos suínos.

PFTS 

A síndrome de grave perda de condição corporal após o desmame (PETS - Porcine Peri-weaning failure to Thrive Syndrome) tem sido descrita recentemente por vários grupos de médicos veterinários, no Canadá e nos Estados Unidos. Foi feita uma referência a ela, precisamente pela primeira vez, no evento D´Leman Swine Conference de 2008, como sendo uma síndrome catabólica onde os leitões mobilizam suas reservas de gordura e perdem massa muscular e peso, tendo seus fígados tomados, frequentemente, por infiltração gordurosa. Em 2010 voltaram a apresentar um novo caso nesse mesmo evento, dessa vez realizado na Universidade de Minnesota e também no IPVS 2010, de Vancouvert (Canadá). Esta síndrome de leitões no desmame está alcançando notoriedade na suinocultura. Observada em leitões de boa qualidade, que subitamente tornan-se deprimidos, apáticos e inapetentes, perdendo peso continuamente durante 4 a 10 dias até terem que ser sacrificados após 3 semanas, por emaciação. A Ano VII - nº 39/2011

Suínos&Cia

43


Revisão Técnica taxa de mortalidade pode chegar até 15%, devendo-se considerar que – até onde sabemos – essa síndrome apresenta morbidade muito variável. Há desvios na sua incidência, intensidade e frequência, dentro da mesma granja e mudando, a cada semana de desmame. Observa-se também um aumento da severidade nos meses mais frios do ano. A PFTS foi observada em granjas de status sanitário diferentes, sendo rara a presença em propriedades de alto nível sanitário (SRRPv e Mycoplasma hyopneumoniae negativas, onde se vacina contra o PCV2). O tamanho da granja, idade do desmame, as orientações de manejo da lactação sobre adoções e transferências, sexo e genética não foram identificados até agora como fatores de risco. Se olharmos cronologicamente a clínica da doença, veremos que, entre 60 e 72 horas pós desmame já é possível identificar leitões com boa aparência e que ainda não tenham comido, aparentemente saudáveis​​, sem febre, ativos mas com os flancos afundados e vazio abdominal. Esses leitões afetados movem-se lentamente e em distâncias mais curtas, parecem confusos e têm comportamentos exploratórios orais anormais e contínuos. Com o passar das horas tornam-se magros, apresentando rosário raquítico, desidratação, palidez e alterações na pelagem. Episódios de vômitos ou regurgitação não foram descritos. Além da falta de ingestão de ração, há uma queda drástica no consumo de água (entre 25 e 50%). Nos estágios finais de complicações gastrintestinais há presença de diarréia e septicemia bacteriana secundária. Não há evidência conhecida de doenças infecciosas. Na necropsia, os suínos são descritos como não tendo nenhuma gordura corporal, trato gastrintestinal vazio de alimento, mas com conteúdo intestinal aquoso, parede intestinal mais fina e severa atrofia do timo. Nenhuma das lesões são características e patognomônicas. Na informação mais recente (evento da AASV, Março de 2011) foram evidenciadas lesões gastrintestinais com foco em atrofia das vilosidades intestinais, fases de colite crônica (de nível médio a grave), o Suínos&Cia

44

que compromete seriamente a permeabilidade intestinal e – consequentemente – a absorção de nutrientes. Em suínos doentes há mudanças básicas nos níveis séricos de glicose e fósforo. Os diferentes tratamentos testados com antibióticos não deram nenhuma resposta positiva, tampouco a implementação dos dez princípios básicos de manejo Madec. No entanto, recomenda-se a identificar precocemente os leitões-problema, nos dias posteriores ao desmame (de segunda a sexta-feira seguinte à quintafeira antes do desmame) e separá-los para a monitorização individual em um local específico, onde possam ser alimentados e recebam eletrólitos através da água de bebida (em vários pontos); considerar, para a alimentação dos mesmos, o uso de rações iniciais de primeira linha, em forma de papa, a fim de tentar incentivar o consumo. Até agora não há nenhuma evidência, com a concordância de muitos pesquisadores, de que a PFTS seja causada por um agente infeccioso viral, bacteriano ou parasitário, entre os conhecidos. Embora se desconheça a sua etiologia, suspeita-se de uma origem infecciosa. As teorias etiológicas mais referendadas são o calicivírus entérico suíno, o vírus da encefalite suína hemaglutinante, o citomegalovírus suíno, ou um novo agente viral. Como consequência, serão necessárias investigações mais precisas, através do monitoramento de novos casos clínicos, para entender melhor a patogênese da PFTS e preencher todas as lacunas que temos neste momento, inclusive para encontrar soluções eficazes tanto para a sua cura como prevenção.

dos leitões. Em um estudo realizado em 4 granjas determinou-se que a sua prevalência varia até 80%. Em nenhum deles isolou-se o sorotipo B do rotavírus (mais frequente nos episódios de vômitos), mas sim o sorotipo C, com maior prevalência em fêmeas de 4 ou mais partos. Em muitas granjas positivas podem não ser observados todos os sintomas clínicos. • A gravidade da doença depende do nível de anticorpos maternais, da idade dos leitões, idade do desmame e pressão de infecção. O rotavírus é um vírus RNA não envelopado, similar ao vírus da influenza em seu comportamento genético (conhecido como “vírus da gripe intestinal”). São conhecidos quatro grupos de rotavírus suíno: A, B, C e E, sendo A o mais comum. No entanto, dados recentes do IUS-UDL sugerem que, na diarreia de leitões lactentes prevalece o rotavírus C (58% a 70% dos suínos com menos de 8 semanas de vida são positivos – estudos semelhantes na Itália, Irlanda e Coreia do Sul). O grupo A é altamente resistente aos desinfetantes e estável em pH entre 3 e 9. Entre os grupos não existe proteção cruzada, o que limita bastante o uso de vacinas, de modo eficaz. Há uma maior incidência de rotavírus do tipo A em leitões de fêmeas primíparas (38%) do que de multíparas (3%). A sua prevalência, tanto em casos clínicos como subclínicos de diarreia, antes e após o desmame, é muito semelhante. Infecções mistas são comuns, pelos rotavírus A, B e C (50%). O relato de mortalidade nos casos agudos da doença é de 7% a 20% em leitões lactentes e de 30% a 50% em leitões desmamados.

MYCOPLASMA SP  ROTAVÍRUS 

• O rotavírus suíno é um patógeno entérico associado com as diarréias neonatal e posterior ao desmame, que infecta os enterócitos das vilosidades intestinais, destruindo-as e provocando a atrofia das mesmas. Sua principal consequência é uma má absorção. A diarreia causada pelo rotavírus é amarelada ou branca e há presença de leite não digerido no estômago

• O Mycoplasma hyopneumoniae é uma das menores bactérias existentes na natureza, que por si só é minimamente patogênica, mas que em infecções simultâneas com outras bactérias ou vírus, leva a graves problemas respiratórios. Ataca o epitélio ciliar do trato respiratório baixo, reduzindo a função do aparelho mucociliar e alterando a resposta imune. A técnica mais utilizada para estabelecer a sua presença é a sorologia, com alta taxa de falsos Ano VII - nº 39/2011


Revisão Técnica negativos e um baixo valor preditivo. Para a sua detecção é necessário tecido pulmonar e lavado brônquico, obtido por meio de uma nova técnica de PCR conhecida como ensaio cíclico térmio de DNA (Isothermal DNA Technique), que é bastante eficaz. As amostras oriundas da cavidade nasal dão resultados variáveis. • O nível de anticorpos circulantes tem pouca correlação com o grau de proteção. A vacinação em uma idade precoce ajuda a controlar a clínica de pneumonia enzoótica, não havendo diferenças nos parâmetros produtivos e na qualidade das carcaças pela utilização de vacinas comerciais de uma ou duas doses, nos EUA. • A Pasteurella multocida é uma bactéria comum, complicante dos quadros respiratórios, em conjunto com o Mycoplasma hyopneumoniae. O uso de clortetraciclina, em 1 ou 2 pulsos de medicação, em suínos de engorda (2 semanas na entrada e 6 a 7 semanas depois), à base de 575 a 660 g / ton. reduz a mortalidade (0,63%) e os refugos (0,79 %), com um ROI = 2. As tetraciclinas são bacteriostáticas. • Mycoplasma hyosioviae: bactéria ubíqua localizada nas articulações e principal responsável por episódios de claudicação em suínos com 3 a 5 meses de vida. É isolada nas amígdalas e no trato respiratório superior, estando associados à sua patologia os fatores predisponentes ao estresse. A bactéria apresenta resistência, segundo o Laboratório de Diagnóstico Veterinário da Iowa State University (ISU - VDL), à penicilina, ampicilina, ceftiofur e sulfametoxazol + trimetoprima. O antibiótico de escolha é a tilosina tatrato com CIM de 0,25 microgramas por mL. A clindamicina também é muito sensível. • Mycoplasma hyorhinis: agente causador da poliserosite emergiu atualmente, após o seu primeiro isolamento, em 1955, por Switzer, por causar mortalidade em leitões (associada a sinais clínicos de prostração, tosse, respiração abdominal, febre, claudicação e presença de muco nasal). Os swabs nasais são mais sensíveis, para a detecção do patógeno, que costuma fazer parte da flora saprófita presente nas amígdalas e na cavidade Suínos&Cia

46

nasal. Ele se sobresai em co-infecções com o SRRPv, PCV2 e Haemophilus parasuis. A tulatromicina a 2,5 mg / kg de peso corporal, aplicada no desmame, tem efeito positivo no controle da clínica da doença e melhora os índices de produção (ganho médio diário, conversão alimentar e mortalidade).

Haemophilus parasuis  • Foi desenvolvido um teste de ELISA específico (OppA), que permite detectar a infecção pela bactéria em leitões não vacinados. Ele também detecta anticorpos recebidos passivamente da mãe. O H. parasuis causa, principalmente, quadros de pneumonia e poliserosite associados a fatores de estresse e agravados por infecções virais, como a causada pelo SRRPv. • Entre 2000 e 2006, a NAHMS relatou um aumento de 230 e 340% nos casos de doença de Glasser, na creche e na engorda, respectivamente. O efeito do SRRPv sobre as vacinas comerciais não tem sido bem demonstrado.

Brachispira sp   Bactéria Gram negativa que coloniza o intestino do suíno. O Laboratório de Diagnóstico Veterinário da Universidade de Minnesota, determinou, através de PCR, que 70% das Brachispiras não são classificados como B. hyodisenteriae e B. pilosicoli. As cinco espécies mais frequentemente identificados, incluindo as duas acima, são a B. intermediária murdochii e a B. innocens.  Até 1990, a incidência de Brachispiras nos EUA (ISU VDL) diminuiu, voltando a aumentar novamente após 2005, com outro pico em 2010. Foram identificadas 79 diferentes isolados. Apenas 29,1% eram B. hyodisenteriae e os outros 62% eram espécies de Brachispira diferentes da anterior e B. pilosicoli. 25% correspondeu à B. Murdochii, que é descrita como não patogênica.  Em quadros causados pela B. hyodisenteriae, nem sempre se

encontra episódios de diarréias mucosas e sanguinolentas. Nos casos de enterite em suínos de engorda, normalmente vemos múltiplos agentes. Em um estudo realizado em 22 engordas, esses tipos de lesão foram detectados em 45% dos suínos e em 81,8% das propriedades, sendo as infecções mistas (Lawsonia intracellularis + Brachispira sp), as mais prevalentes.  A disenteria suína é uma doença causada pela bactéria aneróbia facultativa Brachispira hyodisenteriae (anteriormente: Treponema, Serpula, Serpulina), descrita pela primeira vez em 1921 por Whiting et al. Ela reduz de 5 a 10% o valor potencial do suíno, no aabate e está associada com a piora no ganho médio diário, à maior taxa de conversão, maior mortalidade e a uma alta porcentagem de leitões atrasados. As lesões são confinadas ao intestino e os uínos infectados podem permanecer como portadores por toda a vida, resultando em baixa imunidade, podendo haver recaídas graves. A Brachispira pilosicoli causa um quadro de fezes pastosas e mucóides. Já as espécies B. intermedia, B. murdochii e B. innocens não parecem produzir sinais clínicos ou lesões. A gravidade da diarréia está associada a inúmeros fatores, destacando-se a qualidade e os tipos de dietas e o uso de antimicrobianos, que afetam o equilíbrio da flora intestinal. Dietas altamente digestíveis reduzir a gravidade da doença e a inclusão de inulina reduz a disenteria clínica. As lesões típicas, na mucosa do intestino grosso, são: mucosa congesta, edema, presença de leucócitos e hiperplasia de células de Globet, com neutrófilos na lâmina própria. O diagnóstico deve ser feito a partir de fezes de animais não medicados, por meio de PCR. O diagnóstico diferencial é feito com relação a Salmonella, Lawsonia, Yersinia, Trichuris, Eimeria, PCV2, Coronavirus e úlceras gastro-esofágicas. Os sinais clínicos variam muito, nem sempre ocorrendo diarréia sanguinolenta e afetando a muitos ou a bem poucos animais ao mesmo tempo. Diarréia generalizada com muco, que nem sempre é acompanhada de sangue. Os suínos entre 30 e 130 quilos de peso e as marrãs no final da gestação são particularmente afetados. Ano VII - nº 39/2011


Revisão Técnica especialmente para melhorar o desempenho dos animais após o desmame (ganho médio de peso diário aos 8 e aos 34 dias posteriores). Ao mesmo tempo, um maior número de leitões come em um espaço de tempo mais curto, após o desmame, reduzindo a dispersão dos pesos e melhorando assim a taxa de conversão de leitões mais leves no desmame, durante toda a fase do pós-desmame . Daí a conclusão de que apenas 17% dos leitões, em comparação com os 28% citados anteriormente, não comem corretamente no terceiro dia após o desmame.

As granjas cronicamente afetadas têm menos sinais clínicos. Lawsonia intracellularis  • As principais vias de transmissão de Lawsonia intracellularis são fecal e oral, sendo a prova de PCR em fezes muito eficiente para o diagnóstico. A inclusão de tiamutina, a 10 a 35 g / ton. reduz os sinais clínicos, a prevalência e a quantidade/duração da excreção fecal. • Os níveis de IgG são detectados por IPMA, até 12 semanas após a infecção experimental e 14 dias após, no caso de infecções controladas. Não há correlação entre os títulos pelo IPMA e a excreção fecal de bactérias detectadas por qPCR. Salmonella sp  • Em um estudo em nível nacional sobre a prevalência de Salmonelas nos EUA, realizado em 2006, o índice foi de 7,2%, com variações sazonais significativas. Os cinco sorotipos mais isolados de Salmonella sp, entre 1997 e 2009, foram S. derby, S. typhimurium, S. joanesburg, S. infantis e S. anatum, por ordem de prevalência. www.ars.usda.gov/main/site_ main.htm?modecode=66120508 Ano VII - nº 39/2011

• Em um estudo realizado em três grandes granjas da Carolina do Norte, em 37% de, aproximadamente, 1899 amostras de fezes frescas isolou-se Salmonella sp. Apenas 9,1% desses isolados foram resistentes à ceftriaxona. • O sorotipo mais comumente isolado em granjas é o S. typhimurium, que se localiza na mucosa intestinal, invadindo a lâmina própria e sendo fagocitado pelos macrófagos. O suíno o portador de Salmonela nas amígdalas, linfonodos e placas de Peyer. A Salmonela é excretada nas fezes, com um tempo de eliminação variável, de modo a não ser representativo da infecção atual o grau de infecção presente. Para reduzir a poluição ambiental pela Salmonela é essencial a observação de práticas sanitárias integradas (limpeza, lavagem, desinfecção). Os sinais clínicos se focalizam em diarreia, desidratação e morte, por enterocolite necrosante fibrinosa. •

• A manutenção da saúde intestinal e da função imunológica são os primeiros benefícios do uso de manano oligossacarideos para os leitões, Eu um teste realizado com leitões desmamados aos 24 dias, com Actigen® a 0,1%, o ganho de peso médio diário melhorou em 3,4% e a taxa de conversão em 3,8%. • No desmame, os níveis séricos ótimos de alfa tocoferol (3 microgramas por mL) determinam uma resposta imune celular máxima. A forma de vitamina E presente no leite da porca normal é a de d-alfa-tocoferol. • O uso de óleos essenciais de orégano (polifenóis, como o carbacol e o timol) em dietas de porcas gestantes e lactantes, promove um maior peso nos leitões ao nascer, aumentando também o número de leitões nascidos (0,61) e ganho médio diário durante a lactação (3 g / porca / dia). Dados obtidos após a utilização de 200 g / t de ração. Além disso, pode haver redução na incidência de coccidiose, tendo sido atribuido também ao óleo de orégano, ação antibacteriana e antioxidante.

REPRODUÇÃO 

NUTRIÇÃO 

• O aumento no tamanho da leitegada determina um percentual maior de leitões de baixo peso, enquanto a quantidade de leite por leitão diminui. O interesse pelo uso de alimentação “de arranque”, para melhorar a condição – particularmente dos leitões menores – aumenta,

• Em um estudo realizado em 330 mil porcas, distribuídas em 258 granjas nos EUA, entre 2007 e 2009, a média de idade na primeira inseminação foi de 252 dias. Houve um aumento de 0,7 leitão nascido vivo nas porcas em que se detectou o cio muito antes da inseminação (+ 2,1 leitões em sua vida produtiva). Suínos&Cia

47


Revisão Técnica dade geral da granja. Devemos considerar que nem todos os fetos de uma leitegada foram infectados no momento do aborto (por exemplo, pelo SRRPv), por isso é sempre necessário enviar a maior parte do material abortado para o laboratório (e não apenas 1 ou 2 fetos). As duas doenças que mais comumente geram mumificados são a circovirose e a parvovirose. Ambos os vírus podem ser detectados por PCR em múmias geradas pela infecção entre 30 e 70 de gestação. Para estudar falhas reprodutivas em uma granja é preciso ter todas as informações sobre os parâmetros reprodutivos, • A taxa de melhoria de valor genético varia entre as empresas do setor, dependendo muito dos cachaços da linha mãe e dos índices taxas dos finalizadores. Comparando os machos elite com os padrões, estima-se um benefício econômico da ordem de US$ 2,03 / suíno. • A baixa fertilidade do macho depende de fatores nutricionais, estresse, problemas sazonais, libido, distúrbios reprodutivos, infecções e genética. Pela análise de 500 testículos concluiu-se​​ que a patologia mais comum é a varicocele, seguida por fibrose, inflamação e sangramentos, como epididimites e hemorragias. • A média de doses de sêmen semanais/cachaço varia de 21 a 40, válidas para inseminar entre 8 e 16 porcas semanais. Índices de fertilidade ideais são obtidos quando se insemina 24 horas antes ou algumas horas após a ovulação. O momento da ovulação varia de acordo com o intervalo desmame-cio e a duração do cio. Foi testada a injeção de 5 mg de LH suíno, intramuscular em porcas no dia da inseminação, inseminando-as somente uma vez em 24 horas após a detecção do cio, com 3.000 milhões de espermatozóides/dose de 80 mL​​. 90% das porcas de 1 a 7 partos estavam no cio entre 4 e 6 dias (112 horas após o desmame). • Em um estudo feito em 1787 ejaculados, na Espanha (Magapor), determinou-se que 26,24% dos mesmos estavam infectados (18,9% por bactérias Gram positivas e 81,08% por Gram-negativas). Suínos&Cia

48

Doenças infecciosas em porcas resultam em falhas reprodutivas, mortalidade e porcas descartadas no abatedouro. Elas podem ser diagnosticadas através do soro fetal e material abortado, encaminhados ao laboratório. Em casos de abortos, o ISU os classifica de acordo com dois mecanismos básicos: - doença da fêmea: que dá origem a perdas de embriões ou fetos (influenza, PRRS, smedi, encefalomiocardite). A porca geralmente tem sintomas clínicos.

uma vez que “não podemos gerenciar aquilo que não podemos medir”, Cada variável, cada parâmetro, deve ser verificado. Os principais parâmetros a monitorar são: Taxa de natalidade, como um barômetro da reprodução 1. Taxa de concepção 2. Intervalo desmame a inseminação e inseminações férteis 3. A distribuição destes parâmetros com os ciclos de produção 4. Duração da lactação

- infecção do feto / placenta: a fêmea não apresenta, necessariamente, sintomatologia clínica (Leptospira, Erisipela, PCV2).

5. Taxa de abortos

Processos virais representam 23% dos abortos diagnosticados no laboratório. As bactérias são responsáveis ​​por 6,4% deles (Leptospira, Brucella, Salmonella, Erisipela). A prevalência de Leptospira caiu dramaticamente nos últimos 30 anos, em decorrencia de mudanças no manejo. A maioria das bactérias isoladas de fetos abortados (65%) são patógenos primários em animais adultos (Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Streptococcus suis, A. pyogenes). Apesar de todos os vírus que causa abortos serem patógenos potencialmente infecciosos, a maioria das bactérias envolvidas causam abortos esporádicos, ocasionais e indivíduais, com limitações significativas para a sani-

8. Leitões nascidos totais: nascidos vivos,

6. Taxa de mortalidade 7. Índices sazonais natimortos e mumificados 9. Leitões desmamados vivos Há muitos fatores a analisar e nunca se deve esquecer, pelo menos, dos protocolos de detecção de cio, tempo de inseminação, qualidade do sêmen, manejo do sêmen, manipulação técnica da IA, programa sanitário, programa de renovação de nulíparas, qualidade ambiental, sistemas de ventilação, qualidade - quantidade de água, curva de alimentação e condição corporal, dados de diagnóstico para acompanhamento laboratorial, tanto de saúde, como da qualidade do sêmen. Ano VII - nº 39/2011


Recursos Humanos O CASO PULGA!

M

uitas empresas caíram e caem na armadilha das mudanças drásticas de coisas que não precisam de alteração, apenas aprimoramento. O que lembra a história de duas pulgas. Duas pulgas estavam conversando e então uma comentou com a outra: - Sabe qual é o nosso problema? Nós não voamos, só sabemos saltar. Daí nossa chance de sobrevivência quando somos percebidas pelo cachorro é zero. É por isso que existem muito mais moscas do que pulgas. E elas contrataram uma mosca como consultora, entraram num programa de reengenharia de vôo e saíram voando. Passado algum tempo, a primeira pulga falou para a outra: - Quer saber? Voar não é o suficiente, porque ficamos grudadas ao corpo do cachorro e nosso tempo de reação é bem menor do que a velocidade da coçada dele. Temos de aprender a fazer como as abelhas, que sugam o néctar e levantam vôo rapidamente. E elas contrataram o serviço de consultoria de uma abelha, que lhes ensinou a técnica do chega-suga-voa. Funcionou, mas não resolveu. A primeira pulga explicou por quê:

Suínos&Cia

50

- Nossa bolsa para armazenar sangue é pequena, por isso temos de ficar muito tempo sugando. Escapar, a gente até escapa, mas não estamos nos alimentando direito. Temos de aprender como os pernilongos fazem para se alimentar com aquela rapidez. E um pernilongo lhes prestou uma consultoria para incrementar o tamanho do abdômen. Resolvido, mas por poucos minutos. Como tinham ficado maiores, a aproximação delas era facilmente percebida pelo cachorro, e elas eram espantadas antes mesmo de pousar. Foi aí que encontraram uma saltitante pulguinha: - Ué, vocês estão enormes! Fizeram plástica? - Não, reengenharia. Agora somos pulgas adaptadas aos desafios do século XXI. Voamos, picamos e podemos armazenar mais alimento. - E por que é que estão com cara de famintas? - Isso é temporário. Já estamos fazendo consultoria com um morcego, que vai nos ensinar a técnica do radar. E você?

e sadia.

- Ah, eu vou bem, obrigada. Forte

Era verdade. A pulguinha estava viçosa e bem alimentada. Mas as pulgonas não quiseram dar a pata a torcer: - Mas você não está preocupada com o futuro? Não pensou em uma reengenharia? - Quem disse que não? Contratei uma lesma como consultora. pulgas?

- O que as lesmas têm a ver com

- Tudo. Eu tinha o mesmo problema que vocês duas. Mas, em vez de dizer para a lesma o que eu queria, deixei que ela avaliasse a situação e me sugerisse a melhor solução. E ela passou três dias ali, quietinha, só observando o cachorro e então ela me deu o diagnóstico. - E o que a lesma sugeriu fazer? - “Não mude nada. Apenas sente no cocuruto do cachorro. É o único lugar que a pata dele não alcança” Moral: você não precisa de uma reengenharia radical para ser mais eficiente. Muitas vezes, a grande mudança é uma simples questão de reposicionamento. Autor desconhecido

Ano VII - nº 39/2011


Resultados obtidos em diferentes condições: 100 - 150g peso médio ao nascer. 300 - 500g peso médio ao desmame. ADITIVO PORCA MILK PRÓ

Gestação (1 - 30 dias): Melhora as condições para implantação embrionária (aumenta nascidos); Gestação (71 - 110 dias): Fase que ocorre grande desenvolvimento do sistema mamário (melhora a quantidade e qualidade de colostro), e desenvolvimento dos fetos (aumenta do peso ao nascer);

Lactação: Promove melhoria na síntese do leite e melhor efetividade no uso da energia disponível no alimento (melhora o peso médio ao desmame).

Nutrifarms Ind. e Com. de Nutrição Animal Ltda. (19) 3527-0409 www.nutrifarms.com.br nutrifarms@nutrifarms.com.br

nutrifarms


Sumários de Pesquisa

V

acinologia para Mycoplasma hyopneumoniae: o que a literatura nos diz sobre a imunidade e o momento de vacinar?

Quando se trata de Mycoplasma hyopneumoniae ainda há muita coisa que permanece desconhecida com relação aos mecanismos da doença, imunidade protetora, prevenção e estratégias de tratamento. A literatura disponível é incompleta e, por vezes, contraditória quando se trata destes temas que podem fazer de sua aplicação no campo um desafio. Estudos realizados no campo podem ser difíceis de interpretar devido à dificuldade na definição e controle de alguns fatores, como coinfecções e mudanças ambientais. Embora, por outro lado, os estudos realizados em condições experimentais nem sempre refletiram o campo. Um trabalho de revisão bibliográfica de autoria de Erin Strait, DVM, PhD, da Iowa State University, sobre este tema, foi apresentado no encontro anual da AASV (American Association of Swine Veterinarians, 2010). Mecanismos da doença: Doenças associadas ao M. hyopneumoniae são consideradas, em grande parte, de patologia autoimune. Alguns fatores de virulência específicos foram descritos e relacionados à aderência, que parece

ser uma função complexa e redundante. Assim, anticorpos contra eles são apenas parcialmente protetores. Outros fatores de virulência potencial foram descritos, mas não bem definidos, e incluem a inibição da função dos macrófagos, além de fatores mitogênicos ou citotóxicos. Imunidade protetora: Postula-se que tanto as imunidades humoral e celular contribuem para a imunidade protetora, mas a identidade de antígenos protetores está longe de estar completa. Devido a esse fato, as vacinas disponíveis atualmente são bacterinas constituídas por misturas de proteínas, principalmente de função desconhecida. Parece que pelo menos algumas dessas proteínas são imunodominantes, mas não de proteção, e é por isso que os anticorpos IgG sistêmicos, medidos após a vacinação e/ou infecção natural, por meio de ELISAs disponíveis, não se correlacionam com proteção. Se os ELISAs consistissem apenas de antígenos específicos de proteção, esses provavelmente seriam mais preditivos da proteção animal. É amplamente aceito que as vacinas contra M. hyopneumoniae diminuem as lesões após a infecção e estão associadas a parâmetros melhorados de crescimento, mas não impedem a ocorrência de colonização, embora as diferenças na virulência entre isolados de campo tenham sido demonstradas, e a proteção contra diferentes isolados possa ser variável. Como há relativamente poucos isolados de M. hyopneumoniae disponíveis para estudo, a extensão da proteção heteróloga de bacterinas comerciais não é totalmente

conhecida. As diferenças genéticas também foram mostradas, mas uma correlação entre essas diferenças e a virulência ainda precisa ser identificada. Estratégias de vacinação: As recomendações para o momento da vacinação variam de uma até várias semanas de idade e são dependentes de padrões e status da infecção, tipo de rebanho, preferências e finanças do produtor. A vacinação pode ocorrer antes da infecção aguda e, assim, a prevenção da pneumonia por Mycoplasma inicia-se com a otimização das práticas de manejo. Uma longa lista de condições ambientais e de alojamento tem sido correlacionada com a doença por M. hyopneumoniae dentro de rebanhos, e a minimização dos seus efeitos pode melhorar substancialmente o sucesso de outras intervenções, tais como vacinação e/ou medicação. Foi demonstrado que a prevalência de M. hyopneumoniae no desmame pode ser preditiva de lesões pulmonares ao abate. Portanto, uma meta de maximizar o sucesso da vacina nos suínos em crescimento seria a redução da eliminação materna de M. hyopneumoniae, que pode variar amplamente, mesmo dentro do mesmo sistema. Isso minimiza a transmissão vertical e dá tempo para a vacinação induzir imunidade antes de um desafio significativo para os suínos. Imunidade passiva: O impacto da imunidade passiva não está totalmente resolvido na literatura. Há alguma contradição, mas parece que uma resposta imune eficaz pode ser montada em leitões na presença de imunidades humoral e celular de origem maternal, embora níveis muito elevados de anticorpos maternos possam ser inibitórios sob certas condições. A enxertia não impede os leitões de absorverem anticorpos passivos, mas pode interferir com a transferência de imunidade celular. Conclusões: Quanto a intervenções contra a doença não há um modelo único de estratégia para todas as vacinações contra o M. hyopneumoniae. A literatura disponível apresenta algumas ideias, mas certamente existe uma série de lacunas importantes que precisam ser preenchidas. Quando os fatores envolvidos na imunidade protetora forem mais bem definidos, essas lacunas serão preenchidas mais facilmente. Nesse meio tempo, os protocolos deverão ser adaptados com base nos melhores e sempre crescentes conhecimentos disponíveis.

Suínos&Cia

52

Ano VII - nº 39/2011


Sumários de Pesquisa

P

revalência de parasitas internos em um sistema de produção integrada Historicamente, os parasitas internos têm sido uma fonte de perdas econômicas para a indústria suína, estimadas em US$ 155 milhões anualmente. Uma pesquisa de 2006, nos EUA, indicou que 74,7% das unidades produtoras de leitões (UPL) e 30,6% dos locais de crescimentoterminação regularmente administram anti-helmínticos. No entanto, o parasitismo interno é um tópico de pouca discussão ou preocupação em muitos dos modernos sistemas de produção de suínos. A prevalência total de parasitismo interno provavelmente diminuiu com o advento da criação de suínos confinados e a aplicação de anti-helmínticos mais eficazes em programas de controle de parasitas. Entretanto, uma vez que um criatório é contaminado com os ovos dos principais parasitas internos de suínos, ou seja, Ascaris suum (verme redondo grande) e Trichuris suis (verme chicote), há o risco contínuo de um desempenho reduzido devido ao parasitismo. O objetivo do estudo de Gene Shepherd e colaboradores, apresentado no encontro anual da AASV (American Association of Swine Veterinarians, 2010), foi investigar a prevalência de parasitas internos em um grande sistema de produção integrada, levando também em consideração a concepção da instalação e os parâmetros de produção dos vários sítios. Método: Um total de 2.894 amostras de fezes foram coletadas, processadas e analisadas, incluindo 1.197 amostras individuais de porcas, a partir de 40 rebanhos, o que representa 44.050 animais reprodutores e 1.697 amostras compostas de suínos em terminação. Um composto continha um pool de cinco amostras de fezes separadas dentro da mesma baia. O número total de compostos por galpão variou de 10 a 24, dependendo da capacidade do alojamento. Os 1.697 compostos de amostras de animais de terminação representam 153 alojamentos (33,2% dos galpões) e 91 sítios de terminação (100% dos sítios). Além da coleta da amostra, foi aplicado um questionário para cada granja UPL e de terminação para diagnosticar o Ano VII - nº 39/2011

status histórico dos parasitas, parâmetros de saúde e de produção e desenho das instalações, a fim de avaliar possíveis fatores de risco que poderiam influenciar a carga parasitária. Foram coletadas informações sobre a ordem de parto e a duração da lactação para cada porca na amostragem. Dados fechados do grupo de terminação foram coletados por galpão para correlacionar o potencial impacto da carga parasitária no desempenho de produção (mortalidade, refugos, ganho diário de peso, conversão alimentar, dias para o peso de mercado). Todas as amostras de fezes foram processadas usando uma modificação da técnica de flotação e centrifugação (Wiscosin Sugar). A presença de qualquer número de ovos foi considerada positiva, e um galpão com pelo menos uma amostra positiva foi considerada positivo. Resultados: O Ascaris suum foi o parasito predominante detectado. O Trichuris suis foi encontrado em um sítio de terminação. Globalmente, 25% dos rebanhos de matrizes foram positivos, representando 12 mil animais para reprodução. Quanto aos suínos em terminação, 31,7% dos galpões e 38,1% dos sítios foram positivos, representando 37.911 e 90.072 espaços de terminação, respectivamente. Em resumo, a prevalência de parasitas intestinais no âmbito deste sistema de integração foi inesperadamente alta, especialmente nos sítios de terminação. Além disso, o tipo de piso significativamente influenciou o status parasitário nos sítios de terminação.

S

oroprevalência do vírus influenza A em suínos - H3N2: interferência do manejo animal e das condições climáticas Desde o início do século XX, a gripe pode ser entendida como uma doença associada a uma infecção viral e, assim, seu agente etiológico pode ser mais bem caracterizado. Nos anos 90 foi demonstrado que o suíno é um fator importante no processo de adaptação do vírus da gripe para os seres humanos, pois, em sua forma aguda, o vírus poderia sofrer um “rearranjo” genético e se reproduzir em humanos com alta eficiência. A partir de então, a espécie suína tem ocupado um lugar de destaque na epidemiologia da gripe, pois ela permite a circulação e a replicação de vírus de origem potencialmente humana e aviária. Em 2006, pesquisadores propuseram que o surgimento de subtipos do vírus altamente patogênicos está relacionado à possibilidade de replicação em várias espécies animais e, principalmente, à densidade da população em que o vírus está presente. Segundo esses autores, estes foram os componentes relevantes para o surgimento de subtipos de H5N1 altamente patogênicos, que desde 1997 vêm Suínos&Cia

53


Sumários de Pesquisa causando várias epizootias, aumentando o risco de uma nova pandemia de gripe.

pandemia e aumento da suscetibilidade nos trabalhadores da suinocultura.

Em suínos, a prevalência, principalmente do subtipo H3N2, além do subtipo H1N1, tem sido observada e, diferentemente dos humanos, apresenta algumas mudanças antigênicas e genéticas ao longo do tempo. Vários estudos sugeriram que os trabalhadores da suinocultura têm maior risco de apresentar infecções com vírus da gripe comum aos seres humanos e suínos. O risco de rearranjo pode aumentar em situações em que o suíno faz parte da epidemiologia de alguns subtipos e, na medida em que o H3N2 está em causa, com evidências de que essa possibilidade é real e atual.

Método: Amostras de soro de suínos foram coletadas em diversos municípios do Estado do Paraná, de propriedades divididas em duas categorias: a primeira de pequenos criatórios com baixo número de animais (sem sanidade e manejo nutricional adequados), e a segunda de granjas comerciais (propriedades com maior número de animais com um manejo adequado quanto à nutrição, sanidade e ambiência). De um total de 675 amostras, 482 vieram de 74 granjas comerciais e 193 vieram desses 90 pequenos criatórios familiares. Para execução do trabalho, as amostras de sangue suíno foram analisadas por meio de ensaio de HI (inibição da hemaglutinação). Também foi analisada a interferência do manejo dos suínos e das condições climáticas de cada região.

Devido aos riscos que os suínos representam na epidemiologia da gripe, um estudo conduzido por Caron, L.F. (UFPR) e colaboradores (VIRUS REVIEWS AND RESEARCH 15, Nr. 1, 2010) teve como objetivo determinar a soroprevalência em suínos do subtipo que infecta humanos, H3N2, em dois grupos de sistemas de produção de suínos no Estado do Paraná e correlacionar os dados sobre a proveniência das amostras - como manejo nutricional, sanidade, clima e, especialmente, densidade - com os resultados obtidos. Uma discussão é proposta para permitir correlacionar, em caso de alta prevalência em suínos, os riscos de gerar uma

Resultados: Os resultados mostraram que 46% das granjas comerciais de suínos eram positivas, ao contrário aos 6% dos pequenos criatórios familiares. Estes resultados salientam uma condição interessante: que a densidade dos animais possivelmente influencia os resultados, demonstrando que a influenza é uma doença respiratória comum nas criações industriais. 20% dos animais nas granjas comerciais eram soropositivos, contra 3% dos suínos nos pequenos criatórios.

É importante observar que, em condições de maior densidade populacional, mesmo com um manejo ideal, o vírus da gripe é mais capaz de se difundir, mas não produzindo sinais clínicos nos animais, com diagnóstico conclusivo, como é o caso das propriedades testadas, nas quais não houve registro da gripe clínica nos animais. Da mesma forma, as amostras provenientes das áreas mais frias do Estado apresentaram, em regra, um alto índice de positividade. A constante e contígua coexistência do homem e do suíno é um fator relevante quando se considera o possibilidade de replicação dos mesmos subtipos virais em ambas as espécies. Analisando soro de 128 pacientes nos EUA, pesquisadores mostraram que em 49 deles, que tinham contato frequente com a produção de suínos, a prevalência de anticorpos contra a gripe subtipo H1N1 foi maior, especialmente quando as técnicas de manejo - como o uso de luvas - não foram utilizadas. Da mesma forma, outro estudo concluiu que houve um aumento da susceptibilidade à infecção por gripe em trabalhadores envolvidos na indústria de produção suína, detectando soropositividade em veterinários, funcionários de granjas e manipuladores de carne. Nas granjas paranaenses testadas, a detecção de 20% dos animais infectados poderia justificar a aplicação de medidas de controle a fim de evitar manifestações clínicas associadas nos suínos. Da mesma forma, o seu papel na geração de uma possível pandemia justifica a adoção de medidas preventivas relativas ao contato e manejo dos suínos pelos funcionários das granjas, minimizando as chances de infecção em ambas as espécies. Os resultados permitiram aos autores concluir que o vírus está presente nas instalações de criação de suínos, e as estratégias para prevenir futuras epidemias e epizootias devem considerar o papel dos suínos como um fator importante na epidemiologia da gripe. Por Dr. Paulo Roberto S. da Silveira psouzadasilveira@gmail.com

Suínos&Cia

54

Ano VII - nº 39/2011


Dicas de Manejo BIOSSEGURIDADE Vamos conferir quais são as principais medidas relacionados a biosseguridade, que quando aplicadas adequadamente se pode prevenir a entrada de doenças nas unidades de produção suína. Confira!

As granjas devem estar localizadas geograficamente em local isolados e distantes de outras propriedades pecuárias como também de frigoríficos. Protegê-las dos ventos contaminados e animais predadores através de barreiras naturais e físicas sem duvida é uma excelente estratégia.

Para controle de possível contaminação através de veículos se recomenda dispor de arco de desinfecção para que todos os transportes sejam lavados e desinfetados antes de se aproximarem da propriedade e unidades de produção. Devendo também existir área externa de estacionamento.

Para o programa de melhoramento genético através da aquisição dos animais de reposição, sempre receber os animais reprodutores em caminhões fechados, climatizados com presença de filtros de ar.

Suínos&Cia

56

Ano VII - nº 39/2011


Dicas de Manejo A granja deve dispor de instalações de quarentena para receber os animais de reposição e que esteja separada das unidades de produção. Deverá proteger a unidade através de barreira verde como também manter funcionários que operem apenas nesse sistema.

Todo e qualquer tipo de reprodutor adquirido deve ser livres de doenças que comprometa a saúde do plantel. Deverá ter certificado de origem quanto a saúde e índices zootécnicos dos animais recém adquiridos.

Apenas após a certificação de provas laboratoriais de diagnóstico que comprovem que os animais realmente estão livres de enfermidades , os mesmos poderão ser introduzidos no plantel.

O escritório deve estar localizado estrategicamente para que se possa cumprir o objetivo de controlar e rastrear a entrada de pessoas. O visitante sempre deve ser acompanhado por um encarregado ou gerente.

Ano VII - nº 39/2011

Suínos&Cia

57


Dicas de Manejo Qualquer objeto de uso pessoal ou de utilidades deverá passar por processo de fumigação antes de entrarem na área interna da granja.

Funcionários e visitantes devem cumprir o programa de banho e troca de roupas antes de entrarem nas unidades de produção.

As instalações devem ser protegidas com a utilização de tela anti-passáros, evitando que os mesmos tenham contato com os animais e ração.

Evitar presença de outras espécies no interior das instalações. O controle de roedores e pragas deve ser realizados por empresas especializadas

Cumprir com o programa de manejo tudo dentro tudo fora em todas as fases de produção. Lavar, desinfetar, secar as instalações e cumprir o vazio sanitário entre os lotes

Suínos&Cia

58

Ano VII - nº 39/2011


Gorducho como você gosta 1 mL de Baycox® elimina a coccidiose e eleva o peso dos leitões* 100% eficaz contra coccidiose em leitões* O verdadeiro dose única do mercado, mesmo em situações de alto desafio.

L.BR.AH.2010-08-30.0059

Jun/11

Os lucros comprovam sua eficácia

* Metaphylactic treatment of piglet coccidiosis with Baycox® 5%: effect on weight gain, morbidity and mortality during suckling and nursing period. Böhne et al. Bayer International Pig Symposium, Copenhagen, 15 July, 2006. Mundt et al. 2003. Pig Progress, parasites spec. 23-34 Mundt et al. 2002. Proc. 17th Congr. IPVS, June 2 – Ames, USA, 121

Consulte sempre um Médico Veterinário


Jogo Rápido BIOSSEGURIDADE Dra. Nazaré Lisboa pergunta: Sua granja adota medidas de biosseguridade? A adoção de medidas de biosseguridade se faz necessária na suinocultura, sendo a melhor maneira de diminuir os riscos de entrada de agentes causadores de doença. Respondendo às perguntas abaixo simplesmente com Sim (S) ou Não (N), você certamente estará revisando como se encontra o sistema que preserva a saúde do rebanho, que é, atualmente, a principal prioridade da suinocultura viável e sustentável.

1. A localização e a distância entre granjas respeitam os limites de controle sanitário? o Sim

o Não

2. Existe barreira com cerca de isolamento em volta das instalações e telas antipássaros nas laterais dos galpões para evitar presença de pássaros em contato com alimentos e animais? o Sim

o Não

6. Todos os veículos passam pelo processo de lavagem, secagem e desinfecção antes de entrarem na granja?

desinfecção, permitindo a destruição de microorganismos? o Sim o Não

o Sim

11. Existe adequado destino aos animais mortos e demais matérias orgânicas? o Sim o Não

7. Os caminhões são lavados, secados e desinfetados sempre que terminam o descarregamento dos animais, em locais especificamente selecionados e preparados para tal? o Sim

3. O controle de tráfego é limitado por meio de cercas, impedindo a entrada de pessoas e animais de outras espécies? o Sim

o Não

4. O escritório está localizado estrategicamente para que se possa cumprir o objetivo de controlar e rastrear a entrada de pessoas e todo tipo de transportes? o Sim

o Não

o Sim Suínos&Cia

60

o Não

o Não

8. Existe um quarentenário, aliado ao apoio laboratorial, minimizando os riscos de introdução de animais portadores de doenças, assegurando seu status sanitário? o Sim

o Não

9. Existe um programa de limpeza e desinfecção como peça fundamental dentro do conjunto de práticas de manejo presente na granja? o Sim

5. Antes da entrada na granja existe um arco de desinfecção?

o Não

o Não

10. É realizado o vazio sanitário como uma prática complementar à

12. Realiza, com frequência, a análise da água de bebida quanto à qualidade e contaminantes, tomando as devidas providencias quando necessário para favorecer o consumo de água potável? o Sim o Não 13. Existe um consistente e adequado controle de pragas por meio de produtos e profissionais especializados para o controle de moscas, mosquitos e larvas? o Sim o Não 14. Existe um programa de rotina para coleta de amostras das matérias-primas e envio a laboratórios idôneos com o intuito de controle do grau de contaminação e, ainda, a possibilidade de uso? o Sim o Não Ano VII - nº 39/2011


Jogo Rápido 15. Resíduos de partos e sujidades são devidamente destinados em sistemas de compostagem, lixeiras, fossas ou outros sistemas de descarte? o Sim

o Não

16. Existe um eficiente check list para avaliar o programa de controle de pragas e ajustá-lo quando necessário? o Sim

o Não

17. Existe um programa de vacinação que ofereça adequada imunidade sem que cause reação anafilática? o Sim

o Não

18. Existe um monitoramento laboratorial por meio de exames periódicos que avaliem o status sanitário de cada população nos diferentes sítios de produção? o Sim

o Não

19. Existe um programa de rotina de monitoramento em laboratório de diagnóstico especializado para controle de agentes patogênicos que possa comprometer a saúde dos doadores de sêmen e do sêmen da Central de Inseminação Artificial ? o Sim

Se respondeu 18 SIM e 2 NÃO Parabéns! Você cuida muito bem da biosseguridade de sua granja e adota medidas que, sem dúvida, são a melhor estratégia para diminuir os riscos de introduzir agentes causadores de doença. Siga mantendo e aprimorando suas medidas para prevenir possíveis entradas de doenças em seu plantel. A regra básica é capacitar sempre seus novos contratados. Evite que um pequeno descuido comprometa o excelente trabalho que desenvolveu durante todos esses anos. Mantenha-se consciente que medidas de prevenção são investimentos e se pagam em curto, médio e longo prazos. Certamente sua empresa é exemplo para os demais suinocultores!

o Não

Se respondeu menos de 12 SIM e mais de 8 NÃO

Preencha a tabela abaixo com as suas respostas. De acordo com a soma delas, você saberá se sua granja apresenta um adequado programa de biosseguridade. SIM

Se respondeu entre 12 e 16 SIM e 8 e 4 NÃO Estado de alerta! Precisa rever seus conceitos e iniciar um trabalho listando as prioridades. Certamente, em curto prazo, garantirá um melhor controle à entrada de agentes causadores de doenças, que podem produzir perdas econômicas incalculáveis.

NÃO

Encontra-se altamente vulnerável. A qualquer momento pode enfrentar problemas. Há riscos de perder tudo que adquiriu ao longo dos anos. Lembre-se: saúde é um tesouro que deve ser preservado. Certamente nenhuma empresa consegue resistir a perdas de 30% a 50% na produção. Reflita e saiba que antes tarde do que nunca. Estabeleça um programa de biosseguridade e comece a implantação do conjunto de normas e medidas.

TOTAL: Ano VII - nº 39/2011

Suínos&Cia

61


Informe Publicitário Saúde suinícola Phibro

A

Phibro Animal Health é líder global na produção e comercialização de aditivos para nutrição e saúde animal utilizados na alimentação de bovinos, aves e suínos. A empresa possui duas unidades industriais no Brasil: em Guarulhos (SP), onde são produzidas moléculas antimicrobianas e anticoccidianas, por meio de processos de fermentação como a virginiamicina, a salinomicina e a semduramicina, usadas localmente e exportadas para o Japão, Austrália, Estados Unidos, Canadá, Europa e muitos outros países; e a Planalquímica Industrial, em Bragança Paulista (SP), especializada em síntese de nicarbazina de alta pureza e na fabricação de produtos à base desta molécula. Sua produção é exportada para mais de 30 países. Por meio de sua linha de produtos para nutrição e saúde animal para suinocultura, a Phibro oferece ao mercado aditivos melhoradores de desempenho e antimicrobianos para o tratamento de importantes enfermidades dos suínos: POSISTAC® – Salinomicina Phibro, princípio ativo do POSISTAC®, é um aditivo zootécnico melhorador de desempenho para ser incorporado às rações de suínos nas fases de crescimento e terminação. POSISTAC® proporciona excelente desempenho nas fases em que os animais consomem mais alimento e faz com que cheguem ao peso de abate mais cedo, liberando rapidamente as instalações para a entrada de novos animais. POSISTAC® não requer período de retirada, podendo ser usado até antes do abate.

Felipe Leonardo Koller

STAFAC® - Virginiamicina é o princípio ativo que só STAFAC® contém. É um aditivo melhorador de desempenho com modo de ação único que, além de melhorar a saúde intestinal, de gerar maio ganho de peso e melhor conversão alimentar, proporciona o efeito economizador de nutrientes, através do qual uma mesma formula de ração é melhor aproveitada. STAFAC® atua exclusivamente no intestino, não é absorvido pelo organismo e não requer período de retirada. TM® 700 – Terramicina®, princípio ativo do TM® 700, é a tetraciclina que alia a melhor relação entre custo e eficácia. Seu amplo espectro e alta margem de segurança permitem que TM® 700 seja empregado com sucesso no tratamento em uma grande variedade de enfermidades respiratórias e entéricas causadas por microrganismos Gram positivos e Gram negativos em suínos de todas as idades. A Phibro se destaca no mercado global por utilizar princípios ativos produzidos em suas próprias instalações para a fabricação da grande maioria dos produtos que coloca no mercado. A qualidade dos produtos, os processos de fabricação da Phibro, o atendimento e o suporte técnico dado aos seus clientes complementam a excelente qualidade de todos os seus produtos. A unidade de negócios de suínos conta com profissionais altamente capacitados e escolhidos após um exigente processo de seleção. São eles:

Lilian Martini Pulz

Thaciane Soares

Gerente de mercado de suínos

Gerente de contas-chaves para suínos

Coordenadora de contas

Médico veterinário, formado pela UDESC (Lages, SC), com mestrado em sanidade de suínos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Responsável pelo suporte técnicocomercial às grandes contas dos Estados de Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Zootecnista, formada pela UNESP (Botucatu, SP), com mestrado em nutrição de suínos pela Universidade de Missouri (EUA). Responsável pelo suporte técnicocomercial às grandes contas e ao mercado independente do Paraná, Sudeste, CentroOeste e Nordeste.

Encarregada pelo suporte comercial e atenção aos fabricantes de premix e distribuidores do Brasil.

Contato: felipe.koller@pahc.com

Contato: lilian.pulz@pahc.com

Contato: thaciane.soares@pahc.com

Phibro Animal Health Av. Presidente Tancredo Neves, 1111 - Guarulhos - SP - CEP 07112-070 - SAC 0800 722 8011 - Phibro.sac@pahc.com - www.phibro.com.br Suínos&Cia

62

Ano VII - nº 39/2011


Informe Publicitário Chr. Hansen ganha mais um reforço para o time de Saúde & Nutrição Animal Disposta a agregar experiência de produção e impulsionar ainda mais o desempenho do time de suínos, Maria Carolina chega à companhia bastante motivada No último mês, a divisão de Saúde & Nutrição Animal da Chr. Hansen recebeu mais uma nova integrante na equipe, Maria Carolina Toth Tonelli, consultora técnica comercial da área de suínos, que chegou com bastante entusiasmo. Maria Carolina ficará sediada em Santa Catarina e atuará em toda a região Sul do país (PR, SC e RS). Nos últimos quatro anos, adquiriu grande experiência em produção de suínos, atuando em uma das maiores empresas produtoras de suínos no Estado de São Paulo. Seu conhecimento é bastante amplo nos segmentos de genética, saúde e nutrição animal.

negócios da área de suinocultura em todo o Sul do país”, explica Andréa Silvestrim, gerente de Vendas Aves & Suínos. Segundo Andréa, a expectativa da unidade de negócios de Saúde & Nutrição Animal é ampliar a presença da empresa no campo junto aos clientes.

Para mais informações, contate: Andréa Maria Silvestrim Gerente de Vendas, Aves e Suínos (19)3881-8312 - brams@chr-hansen.com Sobre a Chr. Hansen Unidade de Negócio Saúde & Nutrição Animal A Chr. Hansen fornece soluções eficientes e documentadas que ajudam a aumentar a produtividade na agroindústria suinícola e avícola. Os nossos produtos são 100% naturais e melhoram o desempenho dos animais, especialmente no ganho de peso e conversão alimentar. Somos referência no desenvolvimento, produção e distribuição de produtos microbianos vivos. Clientes de todo o mundo se beneficiam de nosso profundo conhecimento e tradição em biotecnologia para ingredientes naturais. Atualmente comercializamos produtos de duas áreas: aditivos probióticos de inclusão direta e inoculantes para silagem.

Na Chr. Hansen, Maria Carolina tem o desafio de expandir o conceito e uso de probióticos frente às recentes exigências do Ministério da Agricultura. “A razão dessa nova força para a equipe é dar foco no negócio e estreitar ainda mais a relação com os nossos clientes, podendo contribuir com informações que os auxiliem nas mais diversas necessidades de

Poli Nutri inaugura nova unidade em Santa Catarina   Com a presença de mais de 500 convidados a Poli-Nutri inaugurou a sua 4ª e maior fábrica  na cidade de Treze Tílias, Santa Catarina. A nova unidade, construída com investimentos de 15 milhões de reais, traz o que há de mais avançado em tecnologia de produtos para a nutrição animal e vai produzir 5 mil toneladas/mês entre  núcleos, premixes e rações prontas, atendendo aos segmentos de aves, suínos, ruminantes e aqüicultura. A inauguração  ocorrida no dia 08 de abril, reuniu empresários, representantes do agronegócio, presidentes de cooperativas, políticos e diversas autoridades. Para o prefeito de Treze Tílias, Romeu Luiz Rabuski, a nova fábrica é um marco para a região: “A cidade só tem a agradecer à Poli-Nutri pela decisão do investimento que fizeram. Tenho certeza que a Poli-Nutri acertou, e que a empresa vai ter muito mais sucesso ao se instalar no centro oeste de Santa Catarina”. O Secretário Estadual de Desenvolvimento Regional, Jair Antônio Lorensetti, que representou o governador Raimundo Colombo, avaliou que a nova fábrica chega para fortalecer a produção de alimentos: “A produção de insumos com alto valor agregado é o que Santa Catarina precisa. Além disso, a presença da Poli-Nutri mostra a confiança na região, o que servirá de estímulo para que empreendedores locais sintam-se motivados a investir em seus projetos”. “A Poli-Nutri, uma empresa brasileira de capital 100% nacional, não poderia mais adiar o estabelecimento no estado de Santa Catarina, onde há de reproduzir a experiência de mais de duas décadas de pesquisa e tecnologia em nutrição animal, mas também a mesma disposição de vencer que a tem distinguido desde a sua fundação”, disse no seu discurso o diretor  de nutrição e produtos Júlio Flávio Neves. Ano VII - nº 39/2011

Para o deputado estadual Reno Caramori, Santa Catarina é uma região privilegiada, pois passa a contar com o fornecimento de produtos de nutrição animal com a mais alta tecnologia disponível. “A Poli-Nutri é o exemplo de empresa que desejamos para Santa Catarina, ou seja, uma empresa que promove desenvolvimento sem comprometer o meio ambiente”, elogia. Sobre a fábrica A fábrica de Treze Tílias tem uma área de 8 mil metros quadrados, e foi construída de acordo com todas as normas ambientais vigentes, além das Normas Legais de Segurança e de Boas Práticas de Fabricação. A unidade já nasceu com a preocupação de preservar o meio ambiente, contando com um sistema de reaproveitamento da água da chuva e um programa de gerenciamento de resíduos. Com este projeto, a Poli-Nutri vai gerar mais de 150 empregos diretos e totalizará 750 funcionários.      Todo este esforço visa atender aos clientes de forma diferenciada, de acordo com suas necessidades, garantindo os melhores resultados. “Mais do que a alegria de poder ter a inauguração da nova unidade como uma meta alcançada, o que move a Poli-Nutri é poder fazer parte da cadeia de produção de alimentos da região catarinense, tão importante para a economia do país, afirma Leandro Bruzeguez, diretor da companhia. Confiram as fotos e vídeo sobre o evento nas redes sociais da Poli-Nutri, que podem ser acessadas através do site ou no link http://www.youtube.com/watch?v=97e5LrYmRLg Stella Grell - Gerente de Marketing Suínos&Cia

63


Divirta-se Encontre as palavras No diagrama ao lado existem alguns objetos encontrados nos vestiários das granjas que são fundamentais para que se cumpram as medidas de biosseguridade. Vamos encontrá-los e preservá-los? • Botas • Meias • Macacão • Calcas • Camisas • Roupa intima • Secador de cabelo • Shampoo

• Sabonete • Chinelo • Toalha • Toca • Boné • Tapete • Escova • Pente

S M A I S I D A F T G S H N J T K R L O M Y M E X R O V R G

S S F F R S N F Q D W L G D R D T D F R S M Z F E S N L F R

D C D G T S J R G T I R O U P A Í N T I M A N O T D Q Q G T

F D I O Q Q I T V A S M X N L G V R B B N R X L Y F O N V Y

A F G H A E O C I Y T K R J E H O N C H L I T L R G W K C H

H G B X X L W H A N H H B X J U K R L C M O J I B T F O Z N

J A O D C T B I K B E S C O V A B N S B A B G K B O E J D B

K H T S C E I N E B L N C M D L R H E E C V P F V C E F E T

L O A Q R S G E J R L G Y W F L G Y W F A G B J S A R H A S

P J S C O D Y L G G P Y U S G P Y U S G C Y H I C O T T H R

Q S J I A D O O O H O T J Z H O T J Z H Ã T U H H O T A Q A

O F P P I M F O D J I F M X J I F M X J O F O O J I M B A E

W O I E Z R I I O M U C K A M U C K A M U C I T M P Y F L I

E S W I U Y X S T N Y X I Q N Y X I Q N Y X E G O C O C I W

R E H R N T D L A K T D O W K T D O W K T D K O L G U D R A

O C E F X B S O M S R R L A L R R L A L R R L F L R T L A D

T A T Y P I G V I P E E P S P E E P S P P E P I P O A S D O

A D P F L E T I E O W S P D O W S P D O W E M D B G P I I C

Y O O E F Q O L Q I Q Z O E I Q Z O E I Q Z N E I S E A U H

R R I C B G A E N U Z A I R U Z A I R U Z A J T H Z T O T A

U D D F U X N L I D X Q L F J X Q L F J X X E T E M E L X T

C E K M T C W H U I U W K C K C W K C I E W O C R Q O K L O

S C C O S A B O N E T E E J H V A J X T L D W N X F L J K S

L A U Z N A Z U A H B I F Z G B Z U Z G O U H I G B F U O G

O B N A D W X N A F L X Y K F N X N A D N A F H A R O E A F

R E M Q S R S H Q C M N M E I A S M H C R A L I C A L Ç A S

L L B W D L W B C D K S H A T M R I E N W A Q H A T Z B W D

D O T T R Y O U A M H E H E X P L H E X O E H E A A D H E X

O D Y D S N D Y D S V D Y D C T L F B O R F D H R O N Y D S

K S O D É F L G O H D O R F Z K C T S Z K C T F Z K C E F Z

Relacione as palavras A maioria das enfermidades são transmitidas por diferentes vetores muitas vezes de difícil controle nas granjas de suínos. No relacione as palavras abaixo existe uma correlação entre os vetores e as doenças que os mesmos podem transmitir. Vamos assinalar?

1. Ratos 2. Baratas 3. Moscas 4. Mosquitos 5. Pássaros 6. Gatos 7. Galhinhas

( (  (  (  (  (  ( 

  )    )    )    )    )    )    )

Meningoencefalite Streptococica Toxoplasmose Linfadenite Erisipela Diarréias PRRS (Síndrome Respiratória e Reprodutiva Suína) Leptospirose

Jogo dos 7 erros

Suínos&Cia

64

Ano VII - nº 39/2011


Divirta-se

Encontre as palavras S M A I S I D A F T G S H N J T K R L O M Y M E X R O V R G

S S F F R S N F Q D W L G D R D T D F R S M Z F E S N L F R

D C D G T S J R G T I R O U P A Í N T I M A N O T D Q Q G T

F D I O Q Q I T V A S M X N L G V R B B N R X L Y F O N V Y

A F G H A E O C I Y T K R J E H O N C H L I T L R G W K C H

H G B X X L W H A N H H B X J U K R L C M O J I B T F O Z N

J A O D C T B I K B E S C O V A B N S B A B G K B O E J D B

K H T S C E I N E B L N C M D L R H E E C V P F V C E F E T

L O A Q R S G E J R L G Y W F L G Y W F A G B J S A R H A S

P J S C O D Y L G G P Y U S G P Y U S G C Y H I C O T T H R

Q S J I A D O O O H O T J Z H O T J Z H Ã T U H H O T A Q A

O F P P I M F O D J I F M X J I F M X J O F O O J I M B A E

W O I E Z R I I O M U C K A M U C K A M U C I T M P Y F L I

E S W I U Y X S T N Y X I Q N Y X I Q N Y X E G O C O C I W

R E H R N T D L A K T D O W K T D O W K T D K O L G U D R A

O C E F X B S O M S R R L A L R R L A L R R L F L R T L A D

T A T Y P I G V I P E E P S P E E P S P P E P I P O A S D O

A D P F L E T I E O W S P D O W S P D O W E M D B G P I I C

Y O O E F Q O L Q I Q Z O E I Q Z O E I Q Z N E I S E A U H

R R I C B G A E N U Z A I R U Z A I R U Z A J T H Z T O T A

U D D F U X N L I D X Q L F J X Q L F J X X E T E M E L X T

C E K M T C W H U I U W K C K C W K C I E W O C R Q O K L O

S C C O S A B O N E T E E J H V A J X T L D W N X F L J K S

L A U Z N A Z U A H B I F Z G B Z U Z G O U H I G B F U O G

O B N A D W X N A F L X Y K F N X N A D N A F H A R O E A F

R E M Q S R S H Q C M N M E I A S M H C R A L I C A L Ç A S

L L B W D L W B C D K S H A T M R I E N W A Q H A T Z B W D

D O T T R Y O U A M H E H E X P L H E X O E H E A A D H E X

O D Y D S N D Y D S V D Y D C T L F B O R F D H R O N Y D S

K S O D É F L G O H D O R F Z K C T S Z K C T F Z K C E F Z

Relacione as palavras ( 3  ) (  6 ) (  7 ) (  5  ) (  2  ) (  4  ) (  1  )

Meningoencefalite Streptococica Toxoplasmose Linfadenite Erisipela Diarréias PRRS (Síndrome Respiratória e Reprodutiva Suína) Leptospirose

Jogo dos 7 erros

Suínos&Cia

66

Ano VII - nº 39/2011


Pode ser aplicada na 1a semana de vida (3 dias de idade).

Rápida resposta imune

Animais protegidos já na 2a semana após a vacinação.

Proteção duradoura Uma única aplicação e mais de 25 semanas de cobertura vacinal.

Garantia de resultados Ampla quantidade de estudos e mais de 2 bilhões de doses aplicadas.

Ligue Grátis: 0800-011-1919 | falepfizersaudeanimal@pfizer.com www.pfizersaudeanimal.com.br

Número 1 em proteção contra Pneumonia Enzoótica.

©Copyright - Laboratórios Pfizer Ltda. 2010 - Todos os direitos reservados.

Proteção precoce

Revistas Suínos  

Edição 39 da revista

Advertisement