Page 1

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO


Página 2

EDITORIAL Coincidindo com o inicio das férias de verão, eis o n.º 5 da nossa revista “Canto Livre”. Nesta ocasião publicamos os trabalhos e as experiências vividas do último trimestre do ano 2014 -2015. A vida da nossa escola tem como tónica principal os alunos de cada um dos níveis do nosso Agrupamento e, desde já, damos as boas-vindas aos que ingressam e despedimo-nos daqueles que iniciam uma nova etapa formativa. Seria impossível dar conta de todas as atividades realizadas neste último trimestre e que denotam o empenho de toda a comunidade educativa. Como sempre ,não falta a colaboração de alunos que nos mostram as suas qualidades artísticas e literárias através de textos, poemas, pinturas , cartoons… Esperamos que gostem e que fiquem animados para colaborar nos próximos números.

Boas férias!


Volume 1, Edição V

Nome da galáxia mais brilhante descoberta recentemente foi inspirado em Cristiano Ronaldo: CR7 Galaxy

Cristiano Ronaldo já era uma das maiores estrelas do mundo do futebol. Mas, a partir de agora, ficará também conhecido como uma das partes mais cruciais e brilhantes do universo – a galáxia CR7. Se quiseres saber mais, consulta os links abaixo: http://www.bbc.com/sport/0/football/33185760 http://www.nature.com/news/astronomers-claim-first-glimpse-of-primordial-stars-1.17802 http://www.espnfc.com/real-madrid/story/2495948/cristiano-ronaldo-of-real-madrid-shares-cr7-namewith-galaxy

Página 3


Página 4

A PÁSCOA EM AZURVA cumprindo a tradição A escola de Azurva proporcionou mais uma vez um momento agradável às suas crianças, para festejar o final do segundo período. Realizaram-se trabalhos alusivos à época reutilizando materiais. A D. Cristina, mãe do aluno Fábio Reis, ofereceu à escola uma cesta com deliciosos folares, que as crianças degustaram com grande satisfação. Alunos da Escola de Azurva 20 de março de 2015


Volume 1, Edição V

Página 5


Página 6

Século XVIII, “Século das Luzes”.

A Passarola A passarola foi a primeira aeronave do mundo a efetuar um voo. Sabe-se que foi a partir da observação de uma bola de sabão a subir no ar que Bartolomeu de Gusmão se inspirou na criação de um balão e que desenvolveu os estudos na área da Aeronavegação. Depois de financiado o projeto pelo rei D. João V, dedica-se por completo a ele na Quinta do Duque de Aveiro , em Lisboa. A Passarola é lançada na Praça das Armas em Lisboa e aterra no Terreiro do Paço, também em Lisboa, percorrendo assim 1km. Este acontecimento está escrito no romance português Memorial do Convento de José Saramago.

Bartolomeu de Gusmão foi um padre jesuíta conhecido como “O Padre Voador”. É famoso por ter inventado a primeira aeronave ativa à qual deu o nome de Passarola. Carolina, 8º B


Volume 1, Edição V

Descobertas científicas do séc. XVIII Termómetro centígrado- Celsius,1742,Inglaterra 1º tear mecânico – Vaucanson,1745,Inglaterra Fabrico de ácido sulfúrico – Robsbucke,1746,Inglaterra Eletricidade conduzida por fio isolado – Watson,1747,Inglaterra Para-raios – Franklin,1752,EUA Cronómetro – Le Roy,1763

Página 7


Página 8

Máquina de semear - Tull,1710,Inglaterra Fundição de ferro- Darby,1709,Inglaterra Projeto da passarola-balão - Bartolomeu Gusmão,1709,Portugal Máquina a vapor – Newcomen,1712,Inglaterra Termómetro de mercúrio – Fahrenheit,1718 Fundição do aço – Hunstman, 1740,Inglaterra

Máquina de fiar automática – Hargreaves,1765, Inglaterra Primeiro modelo de bicicleta – Richard Edgworth, 1767 Máquina a vapor – James Watt, 1769, Inglaterra Automóvel a vapor – Cugnot, 1770 Descoberta do oxigénio no ar – Priestey, 1774 Análise do ar – Lavoisier, 1777, França


Página 9

Volume 1, Edição V

1ª viagem aérea de balão – irmãos Montgolfier, 1783, França Análise da água – Lavoisier, 1783, França Tear a vapor – Kartwright, 1784, Inglaterra Vacina contra varíola – Jenner, 1796, Inglaterra Pilha elétrica – Volta, 1800, Itália

Pilha elétrica

Edward Jenner e a Descoberta da Vacina Tear de Jacquard


Página 10

Pensadores iluministas Voltaire: defendeu a liberdade e a justiça social. Criticou a intolerância do clero acusado de ser responsável pela ignorância das populações.

Montesquieu: defendeu a separação dos poderes políticos (legislativo, executivo e judicial) por diferentes órgãos de poder.

Rousseau: defendeu a liberdade de todos perante a lei e soberania do povo que, por voto, deveria escolher os seus governantes.

Diderot: foi um filósofo e escritor francês, tinha oposição da Igreja Católica e dos podere estabelecidos. Sua obra-prima é a edição da Encyclopédie.


Página 11

Volume 1, Edição V

Iluminismo: Corrente filosófica que se desenvolveu na europa do seculo XVIII e que defendia os valores da liberdade, igualdade e a valorização da Razão e do progresso da ciência como meios para atingir a felicidade humana.

Racionalismo: Corrente filosófica que valoriza a Razão como meio para a solução de questões ligadas ao conhecimento, à moral, à religião e à arte

*Enciclopédia ou Encyclopédie: Foi uma das primeiras enciclopédias que alguma vez existiram, tendo sido publicada na França no século XVIII.Esta obra foi dirigida por Diderot e D’Alembert.

As crenças dos pensadores iluministas Liberdade Igualdade Tolerância Soberania nacional Separação de poderes políticos Meios de difusão destas ideias Enciclopédia * Publicações periódicas Livros Discussões em salões e cafés Reuniões secretas da maçonaria

Leonardo Reis, 8ºB


Página 12

“A Arte a Matemática e Nós” Almada Negreiros, pintor,apresentado na Roménia Entre os dias 3 e 9 de maio 2 professoras e 6 alunos do Agrupamento de Escolas de Eixo realizaram, no âmbito do projeto Erasmus +, financiado pela União Europeia, uma viagem à Roménia, Caracal, para dar cumprimento à segunda mobilidade do projeto e terceira reunião transnacional. Sob o tema "J’ai ma place au collège ", os alunos apresentaram trabalhos realizados para a ação “a arte , a matemática e nós”, dados biográficos do pintor Almada Negreiros assim como a reprodução do quadro “Retrato de Fernando Pessoa”. No primeiro dia de trabalho, os alunos da escola anfitriã brindaram as diferentes equipas do projeto com canções, danças tradicionais e pequenas oferendas. Durante a semana foram realizadas várias atividades previstas no programa, com destaque para a visita aos castelos de Bran e de Peles (Sinaia) e a visita à cidade de Craióva . Foi uma experiência única enriquecedora culturalmente. Um agradecimento especial pra toda a equipa romena pelo acolhimento simpatia e generosidade.


Página 13

Volume 1, Edição V

2015—Ano Europeu para o Desenvolvimento: o nosso mundo, a nossa dignidade, o nosso futuro Neste número decidimos divulgar uma história de sucesso no apoio dado pela União Europeia ao tecido económico local são-tomense. Eusébio Fernandes adquiriu competências com o apoio da Cooperação Portuguesa Eusébio Dias Fernandes, cidadão santomense, nasceu no distrito de Lembá a 25 de abril de 1968 e desde os 2 anos de idade tem uma perna imobilizada devido a uma paralisia infantil. Hoje com 46 anos, é pai de 8 filhos e reside em Neves, cidade que o viu nascer. Eusébio, apesar da sua incapacidade motora, desde cedo mostrou vontade de trabalhar não se conformando com a sua condição. Começou por acompanhar o irmão na pesca mas rapidamente percebeu que não lhe seria possível ser pescador, devido à sua deficiência.

“Ao 19 anos, por influência de um grande amigo, dadas as minhas dificuldades em movimentarme, decidi começar a costurar.” – disse Eusébio.

Com o passar do tempo vai desenvolvendo as suas habilidades enquanto costureiro e começa a trabalhar a partir de casa. Não tendo sido bem sucedido, em termos comerciais, a sua vida complica-se ainda mais, acabando por recorrer à mendicidade. Por essa altura as Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição residentes em São Tomé e Príncipe, Irmãs de Neves forneciam-lhe, regularmente, um cabaz de artigos de primeira necessidade. Em 2004, um ano após a reativação do Centro de Costura das Irmãs, no âmbito do Projeto de Desenvolvimento Integrado no Distrito de Lembá (PDIDL), Eusébio decide pedir emprego a esta congregação:

“Conversei com a irmã Lúcia para pedir uma ajuda a melhorar a minha vida e ter uma casa condigna. Depois de ter entrado no projeto melhorei muito a minha vida. Hoje, tenho uma casa condigna para estar com a minha família.” Atualmente, Eusébio continua a trabalhar no Centro de Costura. É 2.º encarregado do atelier e tem uma remuneração fixa que lhe assegura a possível estabilidade económica.

“Graças ao Projeto, encaro hoje o futuro com segurança e sinto-me muito feliz.” Camões I.P., Camões, Instituto da Cooperação e da Língua - Portugal


Página 14

“Problemas de Aprendizagem” debatidos pelo Grupo Erasmus+ na Escola Básica de Eixo A nossa escola, recebeu, entre os dias 1 e 6 de junho, professores de seis nacionalidades, França, Espanha, Itália, Grécia, Polónia e Roménia, ao abrigo do Projeto Erasmus +, designado “J’ai ma place au collège”, financiado pela União Europeia. O encontro transnacional visou debater assuntos como os problemas de aprendizagem e que estratégias implementar para a prevenção do insucesso escolar. Entre outras atividades, os professores tiveram oportunidade de conhecer a escola profissional de Vagos, onde decorreu uma sessão de trabalho e, na quarta-feira, realizou-se um encontro de trabalho com a Doutora Paula Santos na Universidade de Aveiro; no período da tarde ainda tiveram oportunidade de assistir a uma conferência do Professor argelino Hammoudi Abdelhak que expôs a sua investigação sobre “Inteligências Múltiplas”.


Página 15

Volume 1, Edição V

EXPOSIÇÃO DE PINTURA

A arte, a matemática e nós - Erasmus +

Trabalhos dos alunos do 8ºA e 8ºB (telas) e do 7º, 8ºe 9º anos (painel de madeira com pintura a pastel de óleo e cera). O desafio lançado nas aulas de Educação Visual consistiu na interpretação de uma obra de arte de um autor português contemporâneo, em que de alguma forma a matemática estivesse presente.

A

escolha

da obra

recaiu

sobre artistas de produção com cariz geométrico

ou

abstractizante.O

8ºA

interpretou obras de A. Areal, Palolo, J. P. Croft, Maluda, Eduardo Nery, Nadir Afonso e Amadeo Souza-Cardoso. O 8ºB, por outro lado, trabalhou novas versões do “Retrato de Fernando Pessoa” pintado por Almada-Negreiros. Os alunos incluíram nas suas pinturas com tinta acrílica, referências à arte e à matemática e elementos relacionados com o

seu

universo

pessoal

(fotos, desenho de objectos pessoais, números com significado, memórias, imagens

de

Aveiro,

ícones,

elementos naturais, etc). Estão todos de parabéns!!!


Página 16

Sessão de trabalho na Universidade de Aveiro

Receção dos alunos do 1º ciclo


Página 17

Volume 1, Edição V

Almoço na AVD

Sessão de trabalho no Centro de Congressos


Página 18

Erasmus Family ....an IF Story If I win the lottery, I will travel to Romania. I f I could take someone with me on the trip, I will choose as my company my friends on the trip to Italy and Romania and of course my dear teachers. If they accept, I will buy a private airplane to take us there. If I buy another airplane, I will invite other foreign students. If I buy a hotel in Romania, I will send teachers back to their countries and the students will stay together forever. If everyone agrees, we will travel every summer to different countries. If all they wanted, we will be one family, but this is impossible because we are a “Erasmus + Family”.

Carolina, 8ºB


Volume 1, Edição V

Página 19


Página 20

My name is Ana Marcelino and I´m from Aveiro. I´ve decided to write about the traditional houses of fishermen (or shacks) near my hometown. Aveiro is a city with many attractions: traditional food, Moliceiros boats, the Ria and the beaches. In one of the beaches, Costa Nova, you can find the famous houses of fishermen. In Aveiro, in summer the weather is hot and humid and in winter the weather is mild (15 °C). These shacks were used by fishermen who used them to store their fishing material. They painted the houses in bright, colourful stripes to stand out against the pale tones of the sand. Nowadays, these shacks are mainly used as beach homes by holiday guests.

Ana Marcelino, 8ºB


Volume 1, Edição V

Página 21

My name is Leonardo Reis and I’m from Aveiro, Portugal. I´ve decided to write about traditional homes in my city. In Aveiro the weather is generally mild because in the summer it is very pleasant (with temperatures around 20 º and 30º degrees) and in winter it rains a lot (with temperatures sitting and 10 º. In spring and winter, especially between February and May it rains a lot. This year, it has not happened anything strange yet, but last year the sea level rose more than average and destroyed the beach. Aveiro houses are made based on the Art Nouveau (new art) of Europe. Usually, the ground floors of the house is a wooden structure because the bottom part of the house and the roads are easily flooded with the rising waters of the Ria de Aveiro .The home itself is built with "adobe" a sand brick and is coated with the characteristic " limestone of Ança ". The front of the house is quite crafted with leaves made of stone, columns, arches and the famous Portuguese tile panels. Nowadays, many of the houses are used to as museums, cafes, hotels or tourism houses. Some people install renewable energy such as solar panels heating systems and etc. I would love to live in a house like this because they are very beautiful.

Leonardo Reis , nº 11 8ºB


Página 22

O Jimmy, era um rapaz tímido, tinha medo de muitas coisas entre as quais: lagartos, cobras, cães… Enfim, o Jimmy era um rapaz muito medroso. Os dias foram passando e todas as noites pensava como seria a floresta. Mas um dia, o Jimmy ganhou coragem e decidiu ir explorar a floresta. O rapaz caminhou entre as árvores, a ouvir as aves a cantar, até que, encontrou uma cascata e um lago. O Jimmy ficou muito feliz, e foi a correr para dar um mergulho no lago. Quando saiu de lá de dentro, o Jimmy encontrou um urso, mas o rapaz foi esperto e conseguiu enganá-lo. Ele continuou a sua viagem em busca de novas descobertas, até que, encontrou uma montanha, com uma gruta quase no topo. O menino escalou a montanha e dentro da gruta viu um dragão verde, triste e sozinho. O Jimmy, encheu-se de coragem e perguntou ao dragão: - “ O que é que se passa? “, “Como te chamas Dragão?” e este respondeu-lhe: - “Chamo-me Jorge e estou triste, porque fui banido do Reino dos Dragões, pelo nosso chefe”. O Jimmy insistiu: - “Mas porquê?” ao que o Dragão respondeu: O Jimmy não gostou do que ouviu. Então, incentivou o Dragão Jorge a ir falar com o seu Chefe, para que este o aceitasse apesar da sua timidez. Durante a viagem para o Reino dos Dragões, eis que surge do meio da escuridão, uma assombrosa criatura, que tentou atacar o Jimmy, e foi então, nessa altura que o Jorge demonstrou toda a sua valentia, enfrentando com o seu bafo de fogo o monstro. Com tal poder, a criatura fugiu a sete pés. Da torre do Reino dos Dragões, o Chefe Dragão observou a vitória do Jorge contra a horrenda criatura. O Chefe Dragão ficou impressionado com a valentia do Jorge e apercebeu-se do erro que tinha cometido. O Dragão Jorge agradeceu ao rapaz o incentivo e convidou-o a voltar ao reino dos Dragões sempre que quisesse. Quando chegou a casa, o Jimmy contou a sua aventura aos pais, com a esperança de a reviver. FIM. Trabalho realizado por Afonso Martins—Turma H -4ºano Azurva


Página 23

Volume 1, Edição V

Diário das minhas viagens As viagens a Itália e à Roménia já terminaram hà algum tempo, mas eu continuo a fazê-las dentro de mim… Chorei o que tinha que chorar e sofri o que tive que sofrer ao partir e ver os outros partir, mas sinto que este Erasmus + continua em mim. Surpreendi-me mais que uma vez. Tenho saudades, como é normal. Se fosse eu a escolher e se não houvesse a minha vida/ rotina em Portugal, escolheria ficar naqueles lugares maravilhosos , com aquelas pessoas maravilhosas. Estou feliz e completa (apesar de querer descobrir os outros países que fazem parte do projeto). Vivi tudo o que podia viver e vou utilizar tudo o que as pessoas e lugares me deram para continuar a minha vida. Viajar no âmbito do projeto “Erasmus + - J’ai ma place au collège” é uma experiência que fica para vida. Ganhamos autonomia, conhecemos outras culturas… Acho que cada vez gosto mais da ideia de fazer Erasmus, especialmente porque já tenho quem se interesse em ir também, sinto que a minha “paixão” por viajar cativa os mais próximos e isso ainda me faz mais feliz.. Carolina, 8B


Página 24

VIAGENS POR ESSE MUNDO FORA E... afinal a terra é redonda! Relembrando Portugueses valorosos: Fernão de Magalhães (1480, Porto -1521,Filipinas)

Fernão de Magalhães, conhecido além fronteiras como Ferdinand Magellan, foi um ilustre explorador Português, líder da primeira expedição à volta do globo. Navegou para as Índias Orientais e pode ter visitado as Ilhas das Especiarias (Molucas) em 1511. Posteriormente, e já ao serviço do rei espanhol, Carlos V, prometeu encontrar uma rota para as Molucas através do Novo Mundo e do Pacífico. De referir que esta viagem fora primeiramente proposta ao rei português, D. Manuel I, que a recusou. Em 1519, Fernão de Magalhães partiu com cinco navios, tendo encontrado a via navegável perto da ponta da América do Sul, que agora é chamado Estreito de Magalhães. Depois de grandes dificuldades, a expedição chegou às Filipinas, onde Magalhães foi morto num conflito local. Apenas um navio, o Victoria, completou a viagem de volta ao mundo. Considerada a primeira viagem em torno da Terra, a expedição de Magalhães durou aproximadamente três anos, passou por revoltas, fomes e sedes, sofrendo muitas baixas no seu percurso. De acordo com alguns historiadores, dos 237 homens que estavam a bordo dos cinco navios no início da viagem, apenas 18 homens foram encontrados nas embarcações no seu regresso. Apesar das mortes, o escritor e navegador Pigaffeta pode transmitir os seus relatos, que acabaram por endossar a teoria de que a Terra era redonda. De Marco Pólo(1271-1275), a Pedro Álvares Cabral (1500) passando por Cristóvão Colombo (1492-1498), muitos foram os exploradores que travaram batalhas contra o mar, a natureza e mesmo contra a sua própria imaginação em busca de especiarias e pedras preciosas em terras desconhecidas. Porém, foi Fernão de Magalhães quem percorreu o maior caminho e quem dirigiu a primeira viagem à volta do mundo.


Volume 1, Edição V

Página 25

A saber: *Estreito de Magalhães Esta passagem deve o seu nome a Fernão de Magalhães. Este é um Estreito navegável com 600km de extensão e tido como o mais importante entre os Oceanos Pacífico e Atlântico, localizando-se entre o continente da América do Sul, a chamada Terra do Fogo (arquipélago formado por três ilhas) e o Cabo Horn. * Magalhães deu o nome ao Oceano Pacífico,«mar calmo», quando se cruzou com um oceano calmo e gentil, após ter passado por terríveis intempéries e mares revoltos; * Nesta época, supunha-se que a África estava ligada à Ásia e acreditava-se na existência de outro continente abaixo do oceano Índico. *Durante a viagem, Magalhães teve de subjugar várias revoltas das tripulações das cinco caravelas que comandava. Replica of Magellan’s ship Victoria. (Cristina Quicler/AFP/Getty Images)


Página 26

Como homenagem a esse grande explorador português existem ainda ruas, avenidas, estátuas, livros, moedas, cromos, GPS e, até, uma sonda da NASA com o seu nome.

Magellan _cromos

Magellan road map

Padrão dos Descobrimentos

em

Lisboa-Fernão de Magalhães

é

o

segundo a contar da esquerda.


Página 27

Volume 1, Edição V

Magellan gin

Fernão de Magalhães - Praça do Chile, Lisboa

Sonda Magellan - Nasa


Página 28

Alunos de Eixo tiram “carta de condução” EMER No dia 22 de abril, no âmbito das atividades do Clube Europeu e do projeto Aveiro “ Capital Jovem da Segurança Rodoviária”, vinte e cinco alunos da Escola Básica de Eixo realizaram uma visita à Escola de Educação Rodoviária em Ílhavo – EMER –, cujo objetivo foi despertar nos alunos bons hábitos e atitudes corretas na via pública, enquanto peões, condutores e ciclistas. De registar a boa conduta de todos os participantes que simularam situações da via pública cumprindo, com rigor, as regras de trânsito.


Volume 1, Edição V

Página 29

Foi com grande entusiasmo que alunos da Escola Básica de Eixo participaram em mais uma visita de estudo. Desta feita, deslocaram-se até S. Jacinto, onde realizaram, no período da manhã, uma visita ao Espaço memória do Regimento de Infantaria 10, RI10. E, no período da tarde, fizeram um percurso pedestre orientado, no interior da Reserva Natural das Dunas. Relembraram os conhecimentos adquiridos nas aulas de ciências e, através de perguntas que a guia lhes ia colocando, recordaram que as acácias são ali consideradas como plantas invasoras, que a salinidade do terreno não é propícia ao crescimento das árvores, que uma camada de terra se forma com variados detritos ao longo de centenas de anos, mas se destrói com muita facilidade e verificaram, in loco, os efeitos do mar sobre a flora. O percurso terminou na praia com a fantástica paisagem das dunas de areia dourada e o azul do mar.


Página 30

Oh mar, Tão grande e poderoso Neste meio tenebroso Me fazes suplicar. Oh mar, Com este meu navegar Descobri, que maior monstro Será o que eu imaginar. Oh mar, Minha família que em terra deixei Está a rezar Para que eu possa voltar. Oh mar, Peço-te ajuda para regressar Minha amada está a esperar E com ela quero casar. Oh mar, Por favor, deixa-me regressar Já dei voltas sem fim E não prometo voltar. Carolina 8B

Ó mar! És espetacular Tens o dom de saber amar Estas sempre a ajudar Como também a matar Ó mar! És brilhante Com a tua cor deslumbrante Estás sempre a proteger Sem nunca temer Ó mar! És simpático Mesmo que para alguns sejas apenas apático Estás sempre a surpreender Com a fazer pessoas sofrer Ó mar! És tão profundo E dás-me a conhecer todo o mundo. Já fizeste pessoas chorar Assim como barcos naufragar Quando olho para ti, mar Sinto-me a sonhar E a pensar O quanto te devemos respeitar Marta Cruz e Mariana Branco, 8°B


Página 31

Volume 1, Edição V

Foge Pescador! Tem cuidado pescador, Para não sentires dor, Foge e corre pescador, Para não esqueceres o teu amor. Rema de volta a casa, E com a tua amada casa, O teu amor por ela é mais forte, Do que por aquela sereia giraça. Vira a vela ao contrário, E foge do perigo, Viaja até Paris, E leva a tua amada contigo. A sereia pode ser bonita, Ter escamas e sorrisos, Mas graças ao seu canto, Morreram pescadores com muitos amigos. Agora que tomas, A boa decisão, Casa com a tua amada, E juntos felizes serão. Paulo, 8ºB


Página 32

No âmbito do projeto ETwinning “Our cities” entre os clubes europeus das escolas “Carlos Gargaté” em Almada e a Escola Básica de Eixo , a nossa escola acolheu nos dias 22 e 23 de junho uma delegação de vinte e um alunos e quatro professores. Nesta primeira fase do intercambio a temática relacionavase com os aspetos geográficos, culturais e económicos de cada uma das regiões. Os alunos e professores de Almada ficaram alojados no Pousada da Juventude, em Aveiro, e durante estes dois dias tiveram oportunidade, em conjunto com os nossos alunos ,de visitar a região de Aveiro (museu marítimo de ílhavo, Barra Costa Nova e de apreciarem os famosos ovos moles, que fizeram as delícias dos pequenos e dos professores assim como a “tripa” de Aveiro que deixou bastantes adeptos. No dia 23, o almoço foi na nossa escola seguido de uma visita guiada pelas instalações. Os objetivos inerentes a este projeto foram os seguintes: 1- Criar laços de amizade que propiciem entendimento e paz; 2- Desenvolver a curiosidade pela aprendizagem de línguas europeias; 3- Desenvolver o gosto pelo saber; 4- Desenvolver competências sociais; 5- Aumentar a autoconfiança e autoestima; 6- Valorizar a própria cultura e herança histórica; 7- Desenvolver compreensão, tolerância e respeito perante os outros. Catarina Alcarrão, 7ºB


Página 33

Volume 1, Edição V

Viagem a Aveiro CLUBE EUROPEU Nos dias 22 e 23 de junho de 2015 nós, os alunos do clube europeu, e os professores Lucinda Dias, Cláudia Corado, Helena Brito e José Lança fomos a Aveiro fazer um intercâmbio com os alunos do clube europeu da escola EBI do Eixo. Esta viagem foi feita com o objetivo de ficarmos a conhecer melhor esta cidade. Quando chegámos a Aveiro fomos almoçar à Universidade. De seguida fomos para o centro da cidade para andarmos de moliceiro (barco típico da região) na ria. Depois fomos comer tripas de Aveiro, que é um doce típico, e fomos visitar a cidade. À noite encontrámo-nos com as professoras e os alunos do clube europeu do Eixo para dar um passeio.O passeio foi agradável e ficámos a conhecer-nos melhor. No dia seguinte tomámos o pequeno-almoço na pousada e fomos ao museu marítimo, onde aprendemos como o bacalhau era pescado e os seus vários tipos, entre outras coisas. Depois de almoçarmos na escola de acolhimento fomos fazer uma pequena visita à mesma e seguimos para a Costa Nova, uma zona de praia da região, onde voltámos a comer tripas. Foi bastante engraçado porque a maioria das casas eram às riscas. Por volta das 16 horas deixámos os alunos aveirenses no centro da cidade e regressámos à Charneca de Caparica. Na minha opinião, esta viagem contribuiu para a aproximação dos alunos do clube europeu das duas cidades e para ficarmos a conhecer mais uma bela cidade de Portugal.

Carolina Nobre, Agrupamento de Escolas Carlos Gargaté, Charneca da Caparica 25/ 06/ 2015


Pรกgina 34


Página 35

Volume 1, Edição V

Clubeeuropeu.aee@ebie.pt

A Direção: Maria Isaura Teixeira Maria de Lurdes Silva

Colaboradores: Alunos do Clube Europeu Turmas 7ºA e B; 8ºB; 9ºA e B; Alunos da Escola de Azurva; Afonso Martins—Turma H -4ºano Azurva;

Carolina Nobre, Agrupamento de Escolas Carlos Gargaté, Charneca da Caparica.

Canto livre junho 2015  
Canto livre junho 2015  
Advertisement