Page 1

boardilla Pintura 路 textos 路 fotos + Portugu锚s, castellano e italiano +

5


Índice nº5 Paolo Troilo

Judite Pimentel

Evandro Sybine

Joãozito

Gustavo Vazquez King

Leo Brizola

Elena Panzetta

Tola Castillo

Almandrade

Yoshi Sislay

Zé de Rocha


Es siempre un logro para nosotros cuando conseguimos terminar una edición. Significa que una vez más hemos encontrado los recursos, que los archivos de las obras artísticas han llegado a tiempo y, principalmente, no hemos divergido demasiado entre nosotros. Al publicar un número la sensación es que cada vez nos acercamos más al objetivo de Boardilla. En estos cinco números hemos publicado obras de artistas muy buenos, algunos muy conocidos, otros no tanto. Hemos podido mantener la revista gratuita y sin publicidad.

È sempre uma conquista para nós conseguirmos terminar uma edição. Significa que mais uma vez encontramos os meios, que os arquivos das obras dos artistas chegaram a tempo e,principalmente, não divergimos muito entre nós. Ao publicar um número a sensação é de que cada vez mais nos aproximamos ao objetivo de Boardilla. Nestes cinco números publicamos artistas muito bons, alguns muito conhecidos, outros nem tanto. Temos conseguimos manter a revista gratuita e sem publicidade. Estamos sempre atentos para novas propostas e, para isso, criamos o blog que comporta linguagens que não são suportadas pelo formato revista: vídeos, animação, som e eventos.

Hemos estado siempre abiertos a nuevas propuestas, y por ello hemos creado el blog que nos brinda la posibilidad de publicar en otros lenguajes que no serian posibles en el formato revista: video, animación, sonido y eventos. Mais uma vez agradecemos o interesse, sempre maior, dos Una vez más agradecemos el artistas em publicar em Boardilla, interés, siempre maior, de los por todas as visitas, os conselhos e artistas en publicar en Boardilla. palavras de incentivo. Gracias a todos por las visitas, los buenos consejos y las palabras de ánimo.

È sempre un traguardo per noi riuscire a completare un’edizione. Ciò significa che ancora una volta abbiamo trovato le risorse, che i file delle opere degli artisti sono arrivati ​​in tempo e soprattutto non ci sono state tra di noi grandi divergenze. Pubblicando un numero, la sensazione è di avvicinarci sempre di più all’obiettivo di Boardilla. In questi cinque numeri abbiamo pubblicato opere di artisti molto capaci, alcuni molto noti, altri un po’ meno. Siamo riusciti a mantenere la rivista gratuita e senza pubblicità. Siamo sempre stati attenti alle nuove proposte e quindi abbiamo deciso di creare il blog che offre la possibilità di utilizzare linguaggi che non sarebbero supportati dal formato rivista: video, animazione, suoni ed eventi. Ancora una volta ringraziamo gli artisti per il loro sempre maggior interesse a pubblicare su Boardilla. Grazie a tutti per le visite, i buoni consigli e le parole di incoraggiamento. Barcelona, 16 de julio de 2012


Nosso Blog / Nuestro Blog / Nostro Blog

Agora podemos colocar video, música y textos com mais liberdade.

Adesso possiamo aggiungere video, musica e testi con libertà.

Ahora podemos poner video, música y textos con más libertad.

DESLIMITES

MUSEO AERO SOLAR

HYDRAGIROS

ONDE MORA O RISCO

Clara F. Trigo Bahia-Brasil

T.A.C.H. Madrid–España

SENZA TITOLO

Paolo Troilo Milano–Italia

Colectivo Internacional

Zé de Rocha. Salvador–Bahia

DualE

Gina Castilla e Luca Carrubba Colombia/Italia/España

NUMERI

Atomo Tinelli Milano–Italia

boardilla.wordpress.com


Boardilla nº5

Revista online de arte / Rivista online d’arte Publicación electrónica de arte. Sin publicidad y gratuita.

Curadoria / A cura di: Anderson Santos, Cecilia Tamplenizza, Daniel Freire, Elena Panzetta. Traduciones: Cecilia Tamplenizza, Elena Panzetta y colaboradores. Blog Boardilla Contenido general: Cecilia Tamplenizza. Agenda cultural del blog: Elena Panzetta. Diseño y maquetación: Daniel Freire - Anderson Santos Diseño/design portada/capa: Daniel Freire Ilustración/ilustração capa/portada: Paolo Troilo

boardilla.wordpress.com


Paolo Troilo Senza titolo Acrilici su tela, stesi con le dita 150 x 200cm


Paolo Troilo Taranto, Italia Paolo Troilo nació en Taranto, Italia, en el 1972. Ha dibujado cada día de su vida, desde la edad de cuatro años.

Paolo Troilo è nato a Taranto, Italia, nel 1972. Ha disegnato ogni giorno della sua vita da quando aveva quattro anni.

Paolo Troilo nasceu em Taranto, Itália, 1972. Ele desenha todo dia de sua vida desde que tinha quatro anos.

Después de una carrera exitosa como director creativo en la publicidad, en el 2007 empezó a pintar con los dedos, sin pinceles. En sus obras usa el autorretrato para hablar del ser humano congelado en el borde entre dos colores, blanco y negro. A veces sus personajes luchan contra unos “si mismos gigantes” para ilustrar el establishment como una anomalía creada por el hombre.

Dopo una carriera di successo come direttore creativo nel mondo della pubblicità, nel 2007 ha iniziato a dipingere con le dita, senza pennelli. Nelle sue opere utilizza l’autoritratto per parlare dell’essere umano congelato sul bordo di due colori, il bianco e il nero. A volte i suoi personaggi combattono contro dei “se stessi ingigantiti” per illustrare l’establishment come un’anomalia creata dall’uomo.

Depois de uma carreira de sucesso como diretor criativo de publicidade, em 2007, ele começou a pintar com seus dedos, sem pincéis. Nos seus trabalhos usa autorretratos para falar sobre a condição humana congelada na margem de duas cores, branco e preto. As vezes seus personagens estão lutando contra “grandes eles-mesmos” falando sobre o estabelecido como uma anomalia criada pelo homem.

Un espejo de Frankenstein.

Uno specchio di Frankenstein.

Um espelho frankenstein.


Senza titolo, acrilici su tela, stesi con le dita, 2012. 200 x 150cm

Senza titolo, acrilici su tela, stesi con le dita, 2012. 200 x 200cm

Senza titolo, acrilici su tela, stesi con le dita, 2012. 200 x 200cm


Para ver más (también esculturas): troilo54.com Per vedere di più (anche sculture) vai a troilo54.com Para ver mais (também esculturas) acesse troilo54.com


Joãozito Da série Cabeças óleo s/ tela (detalle)16 x 13 cm - 2010


Joãozito Bahia, Brasil João Pereira o Joãozito es pintor. Pinta cuadros. Cabezas, principalmente. La pintura es problema suyo. No tenemos nada a que ver con eso. João no pinta para nosotros. Hace mucho tiempo decidió de intercambiar el éxito por el sosiego. Ocasionalmente podemos ver un cuadro suyo en una exposición, en una galería, en casa, en algún catálogo, pero seremos siempre espectadores furtivos. Pero entonces por qué pintar? Porque es necesario. La pintura y el arte son para João cosas muy serias, imposibles de pensar fuera de las cuestiones existenciales de la vida y que

no incluyen ni estilismos, ni inluminaciones, ni concesiones. Me gustan sus pinturas y sus dibujos, la falta de pretensión que los caracteriza. Son siempre rápidos, toscos, líberos e intensos. No veo en el trabajo de Joãozito señales de contención, de recelo o de pudor. Sus figuras, salidas de una atmósfera inusual, onírica o escénica revelan un estado de pasividad...son figuras terriblemente dóciles y amables. Las cabezas, que no son retratos, con sus miradas bajas e impotentes, los medios tonos y las sutiles deformaciones, nos revelan un estado de demencia del espíritu. Para él es función del artista llevar a la superficie todas las sensaciones que experimentamos! El arte, como camino de afirmación

en la vida sin adornos y disfraces. A menudo pone a si mismo y a los frecuentadores de su atelier la domanda: el arte es política o no lo es? Joãozito es una de las tantas personas, o al fin y al cabo quizás pocas, que piensan en su contribución para la construcción de un mundo diferente de aquello en el que nos encontramos. Inevitablemente sus conversaciones son permeadas de cuestiones políticas, estéticas y de un tipo de lucha vigorosa y fructífera, dado que su medio es el Arte y le es imposible separar la pintura de su manera de vivir. Lanussi Pasquali Artista plástica, profesora de artes visuales en la EBA-UFBA


Joãozito Bahia, Brasil

che non includono né tendenze, né trovate né concessioni. Mi piacciono i suoi dipinti e João Pereira o Joãozito é i suoi disegni, la mancanza di pittore. pretese che li caratterizza. Dipinge quadri. Teste, Sono sempre veloci, principalmente. La pittura è un suo problema. rudimentali, liberi e intensi. Non vedo nel lavoro Non abbiamo niente a che di Joãozito segnali di vedere con esso. João non moderazione, di esitazione dipinge per noi. o di pudore. Le sue figure, Molto tempo fa decise di uscite da un’atmosfera scambiare il successo per la insolita, onirica o scenica tranquillità. ci rivelano uno stato di Di tanto in tanto possiamo vedere un quadro suo in una passività... sono figure mostra, una galleria, in casa, in terribilmente docili e gentili. qualche catalogo, ma saremo Le teste, che non sono ritratti, con i loro sguardi sempre spettatori furtivi. bassi e impotenti, i mezzitoni Ma perchè dipingere allora? e le sottili deformazioni, Perché è necessario. ci rivelano uno stato di La pittura e l’arte sono demenza dello spirito. per João due cose molto Per lui è compito dell’artista serie, impossibili da pensare portare in superficie al di fuori delle questioni tutte le sensazioni che esistenziali della vita,

sperimentiamo! L’arte, come cammino di affermazione nella vita senza fronzoli e camuffamenti. Spesso pone a se steso e ai frequentatori del suo atelier la domanda: l’arte è politica o non lo é? Joãozito è una delle tante persone, ma forse anche poche, che pensano al suo contributo per la costruzione di un mondo diverso da quello in cui ci troviamo. Inevitabilmente le sue conversazioni sono permeate di questioni politiche, estetiche e di un tipo di lotta vigorosa e fruttuosa, poiché il suo mezzo è l’Arte ed è impossibile separare la sua pittura dal suo modo di vita. Lanussi Pasquali Artista plastica, insegnante di arti visive presso la EBA-UFBA


Joãozito Bahia, Brasil

incluem modismos, sacações e concessões... Gosto de suas pinturas e dos seus desenhos: da falta João Pereira ou Joãozito é de pretensão que possuem. pintor. São sempre rápidos, toscos, Ele pinta quadros. Cabeças, livres e intensos. Não vejo principalmente. no trabalho de Joãozito sinais A pintura é um problema de contenção, de receio e dele. Não temos nada haver de pudor. Suas figuras saídas com isso. O João não pinta de uma atmosfera insólita, para nós. Há muito tempo ele trocou o onírica ou cênica nos revelam um estado de passividade... sucesso pelo sossego. são figuras assustadoramente Eventualmente podemos dóceis e gentis. As cabeças, ver um quadro seu em que não são retratos, uma mostra, galeria, casa, com seus olhares baixos catálogos mas sempre e impotentes, meios tons seremos espectadores e sutis deformações, nos furtivos... revelam o estado de Mas para que pintar, então? demência dos espíritos. Porque pintar é preciso. Para ele, é a função do A pintura e a arte, para artista trazer a tona João, são coisas muito todas as sensações que sérias, impossíveis de serem experimentamos! A arte pensadas fora das questões como um caminho de essenciais da vida... que não

afirmação da vida, sem floreios e mascaramentos. Frequentemente ele coloca para si e para os freqüentadores de seu atelier a afirmação: a arte é política ou não é!? Joãozito e´ uma das muitas pessoas, mas talvez poucas ainda, que pensam sobre sua contribuição para a construção de um mundo diferente deste que está posto. Inevitavelmente, suas conversas são permeadas por questões políticas, estéticas e de um tipo de combate vigoroso e frutífero, pois seu meio é a Arte e é impossível separar sua pintura do seu modo de vida. Lanussi Pasquali Artista plástica, mestre em artes visuais pela EBA-UFBA Salvador/ Ba/ Brasil


Da série Cabeças, óleo s/ tela 16 x 13 cm - 2010

Da série Cabeças, óleo s/ tela 16 x 13 cm - 2010

Da série Cabeças, óleo s/ tela 25 x 21 cm - 2011

Da série Cabeças, óleo s/ tela 25 x 21 cm - 2011


Elena Panzetta TrĂ­ptico-Ravell2 (detalle)


Elena Panzetta Ferrara, Italia Hay un tipo de tienda de barrio que cualquier español y cualquier barcelonés conoce y recuerda. En esas tiendas se podía encontrar, en el medio de un caos aparente, entre estanterías de madera maciza, techos pintados y viejas balanzas y botes, todo tipo de comestibles y productos para el hogar, y siempre había detrás de la barra un vendedor sonriente vestido con una bata azul o blanca, listo para atender a sus clientas con dedicación. Hablo de los colmados o ultramarinos, un icono de la España moderna. Hoy en día las grandes superficies, las franquicias, las tiendas de delicatesen para turistas y las tiendas de alimentación étnica o paquistaní han reemplazado la gran mayoría de los colmados antiguos de Barcelona. Quedan unos pocos, poquísimos, de los cuales algunos en vía de extinción. En mucho casos, en ausencia de hijos que releven la actividad familiar, el colmado, y con ello la magia de su espacio sin tiempo, se pierde para siempre, transformado en algún negocio moderno. En este reportaje tenéis algunos de los colmados/ultramarinos que aún sobreviven en Barcelona y que nos cuentan mucho de un pasado a menudo renegado. Los propietarios Eduardo, Diego, Alfonso, David, Josep, etc. me han contado con tiempo, disponibilidad y paciencia, poco a poco, la historia de su tienda, de su familia y de esta ciudad en tan rápida transformación.

Esiste un tipo di bottega di quartiere che qualsiasi spagnolo e qualsiasi barcellonese conosce e ricorda. In questi negozi si poteva trovare, in mezzo ad un caos apparente, tra ripiani in legno massiccio, soffitti dipinti e vecchie bilance e contenitori, qualunque tipo di genere alimentare e prodotto per la casa, e c’era sempre dietro il bancone un sorridente venditore con indosso un camice azzurro o bianco, pronto a servire i propri clienti con dedizione. Parlo dei “colmados” o “ultramarinos”, le antiche drogherie di quartiere, un’icona della Spagna moderna. Oggi giorno i supermercati, i franchising, i negozi di delicatessen per i turisti e gli alimentari etnici o pakistani hanno sostituito la maggior parte delle vecchie drogherie di  Barcellona. Ne rimangono poche, molto poche, di cui alcune in pericolo di estinzione. In molti casi, in assenza di figli che rilevino l’attività familiare, la drogheria, e con essa la magia di uno spazio senza tempo, si  perde per sempre, trasformata in un negozio moderno qualunque. In questo reportage troverete alcuni colmados/ultramarinos che ancora sopravvivono a Barcellona e che ci raccontano molto di un passato spesso rinnegato. I proprietari Eduardo, Diego, Alfonso, David, Josep, mi hanno reccontato com tempo, disponibilità e pazienza, poco a poco, la storia della loro bottega, della loro familia e di questa città in rapida trasformazione.

Há um tipo de mercadinho de bairro que qualquer espanhol e qualquer barcelonês conhece e recorda. Nessas lojinhas se podia encontrar, no meio de um aparente caos, entre estantes de madeira maciça, tetos pintados e velhas balanças e potes, todo tipo de comestíveis e produtos para casa, e sempre havia atrás do balcão um vendedor sorridente com uma bata azul ou branca, pronto para atender seus clientes com dedicação. Estou falando dos armazéns ou “ultramarinos”, um ícone da Espanha moderna. Hoje em dia os grandes supermercados, as franquias, as delicatessen para turistas e as mercadinhos étnicos ou paquistaneses têm substituído a grande maioria das mercearias de Barcelona. Sobram umas poucas, pouquíssimas, das quais algumas em via de extinção. Em muitos casos, na ausências de filhos que continuem a atividade familiar, o armazém, e com ele a magia de seu espaço sem tempo, se perde para sempre, transformado em algum negócio moderno. Nesta reportagem, temos alguns destes armazéns/”ultramarinos” que ainda sobrevivem em Barcelona e que nos contam muito de um passado a pouco renegado. Os proprietários Eduardo, Diego, Alfonso, David, Josep, me contaram com tempo, disponibilidade e paciência, pouco a pouco, a história de sua loja, sua família e desta cidade em tão rápida transformação.


Tríptico-Diego

Tríptico-Heredia

Tríptico-Ravell2

Tríptico-Rius

Para ver más: Per vedere di più vai a: Para ver mais acesse: elenapanzettaphotography.com


Yoshi Sislay mini cubiertos (detalle)


Yoshi Sislay Japón Yell Yeah If You Like It Like That! ¿Quién creería en el periodo romano que los juegos olímpicos serian abiertos en todo el mondo? ¿Quién creería podríamos ir desde Europa hasta Japón en apenas 14 horas a un centenar de años atrás? ¿Ahora quién cree que los juegos olímpicos serán abiertos en la luna o Marte? ¡É increíble oír una conversación entre nuestros hijos planeando ir torcer por la Tierra allí! ¿Tú crees nos sentiremos satisfechos con nuestras vidas se trabajamos con aquello que deseamos hacer? Existen varios problemas y barreras en nuestros caminos, pero por qué no aprovechar para derrumbarlos? ¡Podemos intentar por lo menos una vez antes de quejarse, y nosotros vamos encontrar alguna alegría por el camino, después que todos nosotros derribáramos un muro y sentirnos satisfechos con una grande sonrisa! Yo sé que eso suena superficial al decirlo y muy difícil de hacerlo, pero por lo menos una vez nosotros deseamos vivir con trabajos que nosotros que nos gusta hacer, es aceptable y ahora es el momento de mirar hacia la alegría, es igual que el muro parezca gigantesco. Porque siempre existen problemas y muros en todos los caminos, hasta en los caminos que ya no deseas más, pero que tienes que caminar para continuar viviendo. ¡Imagine cuando derribemos eso, el sentimiento es mucho mejor que cualquier droga! Eso es el motivo por lo cual yo quiero trabajar en lo mío. ¡Es super divertido! ¡Se todos nosotros tentáramos trabajar con lo que deseamos, a partir de ese momento todas las calles estarán llenas de sonrisas! ¿Te estoy presionando mucho? Estoy complicando mucho? Si sientes una pequeña motivación para hacer lo que deseas a partir de tus deseos, eso será mi tesoro.Yo pienso que ese es un camino para derribar esa crisis. ¡Vamos derribarla! ¡Y vamos nos divertir!!

Yell Yeah If You Like It Like That! Chi poteva credere che le Olimpiadi fossero aperte a tutto il mondo durante l’epoca romana? Chi, un centinaio di anni fa, avrebbe creduto che potessimo andare in Giappone dall’Europa in solo 14 ore? Ora chi crederebbe ai Giochi Olimpici aperti sulla luna o su Marte? È incredibile ascoltare una conversazione del nostri posteri programmand di andare a tifare la Terra lì! Credi che ci sentiremmo doffisfatti della vita se tutti lavoriassimo in quello che vogliamo fare? Ci sono molti problemi e barriere sui nostri cammini, ma perché non godere del superarle? Possiamo provarci almeno una volta prima di lamentarci, e trovare qualche divertimento lungo il percorso, poi, dopo che tutti avremmo superato una barriera ci sentiremmo realizzati con un grande sorriso! So che è super facile a dirsi e molto difficile da fare, ma per una volta vogliamo vivere con lavori che vogliamo, è accettabile, e ora è il momento di cercare del divertimento anche se il muro sembra essere gigante. Perché ci sono sempre problemi e barriere in ogni direzione, persino lungo cammini che non desideriamo, ma che vanno affrontati per vivere. Immagina quando gli avremo superati, la sensazione sarà molto meglio di qualsiasi droga! Questo è il perché voglio lavorare in ciò che voglio fare. È super divertente! Se tutti noi cercheremo di lavorare in ciò che vogliamo, allora tutte le strade saranno piene di sorrisi! Ti sto spingendo troppo? Sono troppo complicato? Se sentirai un poco di motivazione per fare quello che vuoi a partire dai miei disegni, questo sarà il mio tesoro. Penso che questo sia uno dei modi per superare questa crisi. Andiamo a superarlo! E andiamo a divertirci!

Yell Yeah If You Like It Like That! Quem acreditaria no período romano que os jogos olímpicos seriam abertos no mundo enteiro? Quem acreditaria que nós poderíamos ir da Europa ao Japão em apenas 14 horas a uma centena de anos atras? Agora quem acredita que os jogos olímpicos serão abertos na lua ou Marte? É incrível ouvir uma conversa de nossos filhos planejando ir torcer para a Terra alí! Você acredita que nos sentiremos satisfeitos com nossas vidas se trabalharmos com aquilo que queremos fazer? Existem vários problemas e barreiras em nossos caminhos, mas porque não aproveitar para derruba-los? Podemos tentar ao menos uma vez antes de reclamar, e nós vamos encontrar alguma alegria no caminho, depois que todos nós derrubarmos um muro e nos sentirmos satisfeitos com grandes sorrisos! Eu sei que isso é superfácil de dizer e muito difícil de fazer, mas pelo menos uma vez nós queremos viver com trabalhos que nós queremos, é aceitável e agora é o tempo para olhar para a alegria mesmo que o muro pareça gigantesco. Porque sempre existem problemas e muros em todos os caminhos, mesmo nos caminhos que você não quer mas que você tem que tomar para continuar vivendo. Imagine quando derrubarmos isso, o sentimento é muito melhor que qualquer droga! Isso é o porque eu quero trabalhar no que eu quero fazer. Isso é superdivertido! Se todos nós tentarmos trabalhar com o que queremos, então todas as ruas estarão cheias de sorrisos! Eu estou te pressionando muito? Estou complicando muito? Se você sentir uma pequena motivação pra fazer o que quiser apartir dos meus desenhos, isso será o meu tesouro. Eu penso que esse é um caminho para derrubar esta crise.Vamos derrubar isto! E vamos nos divertir!!


To see more go to: Per vedere di pi첫 vai a: Para ver mais acesse:

www.yoshisislay.com


Judite Pimentel

Flora 1


Judite Pimentel Bahia, Brasil El universo visual de Judite Pimentel nos remite hacia la singularidad de un momento que carga consigo todos los tiempos y ninguno. Universo compuesto por recortes de un mondo propio, poblado por insectos, lagartos, crisálidas, plantas, joyas, figurínes... Figuras transhumanas. Cuerpos eróticos en un devenir animal y vegetal. Fabulaciones que cobran potencia en miradas y gestos llenos de vitalidad, inquietud, delicadeza, tensión, fragilidad, desafío, tristeza, dulzura. Difícil no dejarse afectar por esas imágenes.

L’universo visivo di Judith Pimentel ci ricorda l’unicità di un momento che porta in sé tutti i tempi e nessuno. Un universo composto da ritagli di un mondo proprio, popolato da insetti, lucertole, crisalidi, piante, gioielli, costumi ... Figure trans-umane. Corpi erotici in un divenire animale e vegetale. Favole che acquisiscono potenza in sguardi e gesti pieni di vitalità, inquietudine, delicatezza, tensione, fragilità, sfida, tristezza, dolcezza. Difficile non essere colpiti da queste immagini.

O universo visual de Judite Pimentel nos remete à singularidade de um momento que carrega em si todos os tempos e nenhum. Universo composto por recortes de um mundo próprio, povoado por insetos, lagartos, crisálidas, plantas, jóias, figurinos... Figuras trans-humanas. Corpos eróticos num devir animal e vegetal. Fabulações que se potencializam em olhares e gestos cheios de vitalidade, inquietação, delicadeza, tensão, fragilidade, desafio, tristeza, doçura. Difícil não se afetar por essas imagens.

Cristina Pescuma

Cristina Pescuma

Cristina Pescuma


Oriente, óleo e acrílica s/ tela - 50 cm de diâmetro - 2001

Altazor, acrílica s/ tela - 100X100 cm - 2007

O Vidro tem Alma Frágil, óleo e acrílica s/ tela - 200 x 150 cm - 2001

Para ver más: Per vedere di più vai a: Para ver mais acesse:

www.juditepimentel.multiply.com


Gustavo Vazquez King serigrafĂ­a / 2008 (detalle)


Gustavo Vázquez King Uruguay Gustavo Vázquez King es un uruguayo que un día vino a España porque invitado por su representante diplomático (Embajada de Uruguay) en Madrid. De esta manera pudo empezar a escribir la historia de un joven artista con raíces en el continente europeo. Detrás de si tenía muchos años en la Montevideo que lo vio crecer; sus estudios en la Escuela de Artes Aplicadas, en su ciudad natal, vividos con la ilusión de llegar a la gente con su arte; tenía sus exposiciones en Uruguay, Argentina, Brasil, Bolivia, E.E.U.U. y su deseo, finalmente realizado, de llegar a España. El artista nos cuenta que ya usó manchas en sus cuadros con tendencia a la informalidad. Se ha estado concentrando en sus manchas de manera que las formas aparezcan junto con ellas; […] Sus pinturas abarcan desde el Expresionismo hasta el Fovismo.Y, a veces, la blancura está interrumpida por una explosión de colores.

Gustavo Vázquez King è un uruguaiano che un giorno venne invitato in Spagna dal suo rappresentante diplomatico (Ambasciata dell’Uruguay) a Madrid. Poté così iniziare a scrivere una storia, quella di un giovane artista con radici nel continente europeo. Alle spalle gli sono rimasti gli anni a Montevideo, la città che lo ha visto crescere; i suoi studi presso la Scuola di Arti Applicate nella sua città natale, con l’illusione di arrivare alla gente con la sua arte; le sue mostre in Uruguay, Argentina, Brasile, Bolivia, negli Stati Uniti, e il suo desiderio finalmente realizzato, di approdare in Spagna. L’artista ci dice che ha già utilizzato le macchie nei suoi quadri con tendenza all’informalità. Si è concentrato sulle sue macchie in modo tale che le forme appaiano insieme ad esse; […] La sua pittura spazia dall’Espressionismo al Fauvismo. E, a volte, il bianco candore è interrotto da un’esplosione di colori.

Paloma Herrero Correspondiente de la Academia de Bellas Artes de San Fernando. Asociación española de críticos de arte.

Paloma Herrero Corrispondente dell’Accademia di Bellas Artes di San Fernando Associazione Spagnola dei Critici d’Arte.

Gustavo Vásquez King é um uruguaio que um dia veio para a Espanha convidado por sua representação diplomática (Embaixada do Uruguai) em Madrid. Com isso ele poderia começar escrevendo uma estória, a história de um jovem artista com raízes no continente europeu. Para trás ficaram seus anos em Montevidéu que o viu crescer, seus estudos na escola de artes aplicadas, de sua cidade natal com a ilusão de alcançar o povo e sua cultura com sua arte, suas exibições no Uruguai, Argentina, Brazil, Bolívia, Estados Unidos, e seu desejo de chegar a Espanha, que ele finalmente conseguiu. O artista nos conta que sempre utilizou manchas em seus quadros com tendencia a informalidade. O artista vem focando em suas manchas e então as forma aparecem a partir delas;[...] Suas pinturas vão do Expressionismo ao Fauvismo. E, as vezes, a brancura é interrompida em uma explosão de cores. Paloma Herrero Correspondente da Academia de Belas Artes de São Fernando. Associação Espanhola de Criticos de Arte.


serigrafía / 2008

serigrafía / 2008

serigrafía / 2008

Para ver más: Per vedere di più vai a: Para ver mais acesse:

artebohemiogus.blogspot.com.es


Tola Castillo Katerinka Yellow Power les desea un feliz San ValentĂ­n (detalle)


Tola Castillo Chile Tengo trece segundos para coger aire, darle al disparador de la cámara, correr, posar y que salte la foto. Posteriormente trabajo estas imágenes con photoshop para construir con ellas una historia, una metáfora o hacer una reflexión, entre otras cosas, hablar de una manera lúdica, imaginativa y colorista sobre la feminidad, la edad y los tipos de cuerpos que ya no se ven en los medios de comunicación que a mi entender dan una visión falsa,pobre y unidimensional sobre la mujer.

Ho 13 secondi per prendere fiato, premere il pulsante della macchina fotogràfica, correre, posare e aspettare che la foto sia fatta. Successivamente edito quelle immagini con Photoshop per costruire con esse una storia, uan metafora, o fare una riflessione o anche solo parlare in un modo ludico, immaginario e colorito della femminilità, l’età e deii tipi di corpo umano che ormai non si vedono più nei mezzi di comunicazione, i quali, a mio avviso, danno una visione falsa, povera e unidimensionale della donna.

Tenho treze segundos para tomar ar, apertar o disparador da câmera, correr, posar e sacar a foto. Posteriormente trabalho estas imagens com photoshop para construir com elas uma história, uma metáfora ou fazer uma reflexão, entre outras coisas, falar de uma maneira lúdica,imaginativa e colorida sobre a feminilidade, a idade e os tipos de corpos que já não se veem nos meios de comunicação que a meu entender dão uma visão falsa,pobre e unidimensional sobre a mulher.


Las perrinovias

La Conejita y el León1

Pomona

Para ver más: Per vedere di più vai a: Para ver mais acesse:

www.trecesegundos.com www.tolacastillo.com


Zé de Rocha Jogos de Retaliação, carvão sobre muro (detalle)


Zé de Rocha Bahia, Brasil Artista plástico y músico nacido en Cruz das Almas, Bahía. Estudió artes plásticas en la Universidad federal de Bahía. En 2008, ganó el Gran Premio en la IX Bienal do Recôncavo, promovida por el Centro Cultural Dannemann, en São Félix-Bahía, que le proporcionó una instancia en Milán-Italia. Utiliza dibujo, grabado, fotografía y pintura en su poética gráfica que captura de modo iconográfico extremos de la violencia contemporánea.

Artista plastico e musicista nato a Cruz das Almas, recôncavo baiano. Ha studiato Belle Arti presso l’Università Federale di Bahia. Nel 2008, ha vinto il Gran Premio della IX Biennale del Recôncavo, organizzata dal Centro Culturale Dannemann, a St. Felix-BA, che gli ha promosso una residenza a Milano, Italia. Utilizza il disegno, incisione, fotografia e pittura in una poesia grafica che cattura iconograficamente gli estremi della violenza contemporanea.

Artista plástico e músico nascido em Cruz das Almas, recôncavo baiano. Estudou artes plásticas na Universidade Federal da Bahia. Em 2008, ganhou o Grande Prêmio na IX Bienal do Recôncavo, promovida pelo Centro Cultural Dannemann, em São Félix-BA, que lhe possibilitou uma estadia em Milão-Itália. Utiliza desenho, gravura, fotografia e pintura numa poética gráfica que captura iconograficamente extremos da violência contemporânea.


Jogos de retaliação, 2011. Carvão sobre muro. Aprox. 200x300 cm

Serie Risco III, 2008. Carvão sobre papel, 132x192cm

Serie Risco IV, 2008. Carvão sobre papel, 132x192cm


Evandro Sybine Da sĂŠrie Imagens do Arruinamento: Ato I. (detalle)


Evandro Sybine

En las profusiones de mis imágenes del “Arruinamento”, empiezan a emerger los cuestionamientos más recurrentes en mi trabajo, como el trágico y lo grotesco. Un gusto por relacionarse con la decadencia progresiva cotidiana, trabajando los aspectos de la sociedad de consumo, realizando una critica a su carácter funesto.

Dalla abbondanza delle mie immagini che si riferiscono alla “Rovina”, cominciarono ad emergere le domande più ricorrenti nel mio lavoro, come il tragico e il grottesco. Un gusto per trovare delle relazioni con il graduale decadimento quotidiano, lavorando gli aspetti della società del consumo, realizzando una critica al suo carattere funesto.

Nas profusões das minhas imagens referentes ao Arruinamento, começaram a emergir os questionamentos mais recorrentes em meu trabalho, como o trágico e o grotesco. Um gosto por travar relações com a decadência progressiva cotidiana, trabalhando os aspectos da sociedade de consumo, realizando uma crítica ao seu caráter funesto.


Da série Imagens do Arruinamento: Ato I. Xilografia e carimbos 21 X 29 cm 2009 Da série Imagens do Arruinamento: Ato II. Xilografia e carimbos 21 X 29 cm 2009 Da série Imagens do Arruinamento: Ato III. Xilografia e carimbos 21 X 29 cm 2009


Leo Brizola Cópia de Moça da casinha. Acrílico s/ lienzo. (detalle)


Leo Brizola Considero como inicial, para un pintor, la primera vez que él toca la pintura con el pincel y experimenta amaestrar ése gel inerte, produciendo imágenes. Fue por el apoyo y incentivo de mis padres que inicié con clases de pintura para principiantes y mi primera experiencia con ése gel rebelde fue la copia de una pintura de Renoir: un desnudo de espaldas sentado en una butaca. Eso pasó en 1978 y hasta hoy sigo intentando amaestrar ese material. Las primeras experiencias, hasta los comienzos de la década de los 80s, fueron con el óleo. A partir de 1982, pasé a usar acrílico. Busco, de esa manera, pasar mis impresiones sobre la humanidad, sus relaciones consigo misma y con la naturaleza que nos rodea, en ese breve periodo que participo de ella. Leo brizola.

Considero che l’inizio, per un pittore, sia la prima volta che tocca la tinta con il pennello e prova a domare questo gel inerte, producendo immagini. È stato grazie al sostegno e l’incoraggiamento dei miei genitori che ho iniziato un corso di pittura per principianti e la mia prima esperienza con questo gel ribelle è stata una copia di un dipinto di Renoir: un nudo di spalle seduto su una poltrona. Era il 1978 e da quel momento fino ad oggi sto tentando di domare questo materiale. I primi esperimenti, fino ai primi anni 1980, sono stati con la pittura ad olio. A partire dal 1982, ho iniziato ad usare solo vernice acrilica. Cerco in questo modo di passare la mia impressione sulla umanità, le sue relazioni con se stessa e con la natura intorno a noi, in questo breve tempo in cui ne faccio parte. Leo brizola.

Considero como inicial, para um pintor, a primeira vez que ele toca a tinta com o pincel e experimenta domar este gel inerte, produzindo imagens. Foi pelo apoio e incentivo de meus pais que iniciei um curso de pintura para iniciantes e minha primeira experiência com esse gel rebelde foi a cópia de uma pintura de Renoir: um nú de costas sentado em uma poltrona. Isso foi em 1978 e daí até hoje venho tentando domar este material. As primeiras experiências, até o começo da década de 1980, foram com a tinta a óleo. À partir de 1982, passei a utilizar somente a tinta acrílica. Procuro, desta forma, passar a minha impressão sobre a humanidade, suas relações consigo mesma e com a natureza que nos cerca, neste breve período que participo dela. Leo brizola.


Amazonia. Acrílico s/ lienzo.

Diana I. Acrílico s/ lienzo.

Para ver más: Per vedere di più vai a: Para ver mais acesse:

www.flickr.com/photos/leobrizola


Almandrade Mondrian Malevitch (detalle)


Almandrade Bahia, Brasil

Geometría fuera de lugar Geometria fuori posto La esquina celebra o ángulo. Posible destino de una recta: cambiar de dirección. La calle posibilita el regreso. El andarín inocente repite el camino sin encontrar una salida

Lo spigolo celebra l’angolo. Possibile destino di una retta: mutare direzione. La strada possibilita il ritorno. Il giramondo innocente ripete il cammino senza trovare l’uscita.

Geometria fora do lugar A esquina celebra o ângulo. Possível destino de uma reta: mudar de direção. A rua possibilita o retorno. O andarilho inocente repete o caminho sem encontrar uma saída.


Mondrian Malevitch, 978 40x40x56cm Caixa de Madeira Pintada

Sem T铆tulo, 2011. 90x130x50cm MDF e F贸rmica

Sem T铆tulo, 2011. 130x98x40cm MDF e F贸rmica


boardilla.wordpress.com

Profile for Boardilla Revista

Boardilla #05  

Revista de arte online. Publicacion gratuita en portugués, castellano e italiano.

Boardilla #05  

Revista de arte online. Publicacion gratuita en portugués, castellano e italiano.

Profile for boardilla
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded