JORNAL MARTIM-PESCADOR 174

Page 1

NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021 • Número 174 • Ano XVIII • Tiragem 3.000 exemplares

www. jornalmartimpescador.com.br

Rafael Damaceno PMSV

Sander Newton

VIDA DE PESCADOR Procissão em Cubatão no Encontro de Pescadores. Págs. 4 e 5

Semana da consciência Negra em São Vicente. Pág. 6

Andressa Panhoci sugere panquecas veganas de Natal. Pág. 8

A chef Zuka dá a receita de pescada amarela acompanhada de salada mix com flores comestíveis. Pág.8.

Fernando de Souza Rodrigues fala de sua luta diária como pescador. Pág. 8

Parceria da Nossa Arte com Bambu Nunes dá visibilidade aos artesãos de Bertioga. Págs. 4 e 5

BIólogo e botânico, o prof. Kinupp mostra uma infinidade de plantas comestíveis em seu livro. Pág. 6 Turismo de Base Comunitária de Caruara exibe seu artesanato na Sala Verde. Págs. 4 e 5


2

NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021

Defesos

Caranguejo-guaiamum (Cardisoma ganhumi) 1/10/2021 a 31/03/2022 Caranguejo-uçá (Ucides cordatus) 1/10/2021 a 30/11/2021 (machos e fêmeas), 1/12/2021 a 31/12/2021 (somente fêmeas) Garoupa verdadeira (Epinephelus marginatus) 1/11/2021 a 28/02/2022 Lagosta vermelha (Panulirus argus), lagosta verde (Panulirus laevicauda) e lagosta pintada (Panulirus echinatus) de 1/11/2021 a 30/04/2022. Mexilhão – 01/09/2021 a 31/12/2021 Ostra (todas espécies) 18/12/2021 a 18/02/2022 Pargo (Lutjanus purpureus)15/12 a 30/4/2022 Defeso da piracema-1/11/2021 a 28/02/2022-período de defeso continental em duas bacias hidrográficas que abrangem o estado de São Paulo – a do rio Paraná e a do Atlântico Sudeste (rios Paraíba do Sul e Ribeira de Iguape). Sardinha-verdadeira (Sardinella brasiliensis)- 1/10/2021 a 28/02/2022 Badejo-amarelo (Mycteroperca interstitialis), sirigado (Mycteroperca bonaci), garoupade-são-tomé (Epinephelus morio), caranha (Lutjanus cyanopterus)- 1/08 a 30/09 Temporada de pesca Tainha (Mugil liza)- S/SE- 01/06 a 31/07 (cerco) ; 15/05 a 31/07 (emalhe costeiro de superfície e com anilhas) ; 01/05 a 31/07 (pesca desembarcada ou não motorizada) Áreas de exclusão A menos de 1 MN (emalhe motorizado)- S/SE - permanente A menos de 1,5 MN (arrasto) – SP- >10 AB- permanente Moratórias Cherne-poveiro (Polyprion americanus) 06/10/2015 a 6/10/2023 (Portaria Interministerial no 14) Mero (Epinephelus itajara) 06/10/2015 a 06/10/2023 (Portaria Interministerial no 13) Tubarão-raposa (Alopias superciliosus)- tempo indeterminado Tubarão galha-branca (Carcharinus longimanus)tempo indeterminado Raia manta (família Mobulidae) - tempo indeterminado Marlim-azul ou agulhão-negro (Makaira nigricans)- tempo indeterminado Marlim-branco ou agulhãobranco (Tetrapturus albidus) – tempo indeterminado

EXPEDIENTE www.jornalmartimpescador.com.br

Proteção pela metade não é proteção É imprescindível tomar a segunda dose de vacina contra a Covid-19 Adianta calçar só um pé do sapato? Pois é, com a vacina é a mesma coisa, tem que tomar a segunda dose. Por isso, em novembro, o Ministério da Saúde fez um chamado importante para mais de 21 milhões de brasileiros voltarem ao posto de vacinação para receber a segunda dose. Até novembro, 157,6 milhões de brasileiros receberam a primeira dose e 129,8 milhões tomaram as duas doses ou dose única da vacina. Por isso, torna-se importante que todos estejam com segunda dose e reforço em dia. Os resulta-

dos do avanço da vacinação, com cerca de 60% da população-alvo com ciclo vacinal completo (dose única ou segunda dose), refletem no cenário epidemiológico da doença, com queda de casos e mortes. Apesar do cenário mais otimista, o uso de máscaras e a prevenção de aglomerações continuam recomendadas. É cogitado também o aumento da fiscalização nas fronteiras, com testagem de todos que entram no país por portos, aeroportos e países vizinhos. Uma nova cepa identificada na África do Sul, chamada de ômicron, traz preocupação,

PAT de São Vicente oferece oportunidades de emprego Postos funcionam de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas, na região Insular e na Área Continental Pessoas procurando emprego podem se cadastrar no Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT). É necessário que o candidato leve RG, CPF, carteira de trabalho e comprovante de residência. Em São Vicente, o atendimento é de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, com agendamento pelos números de telefone (13) 3468-1636 (unidade Área Insular, na Avenida Presidente Wilson, 1.126 – Itararé) e 3576-0836 (unidade Área Continental, na Avenida Ulisses Guimarães, 211 – Jardim Rio Branco). É necessário que o candidato leve RG, CPF, carteira de trabalho e comprovante de residência. Se o interessado já estiver inscrito no PAT em outra cidade da Baixada não é necessário novo registro. Depois é importante ir pessoalmente às unidades do PAT para verificar as novas vagas que aparecem. Dia 30/11 foram divulgadas as seguintes vagas: 2 vagas – Encanador, 1 vaga – Operador de Escavadeira (Hidráulica),1 vaga - Cozinheiro de Restaurante, 1 vaga – Cumim, 1 vaga - Mecânico de Máquinas Pesadas (Manutenção), 2 vagas Tradutor Intérprete de Libras, 2 vagas - Mecânico de Bicicletas, 5 vagas – Motorista de caminhão (bitrem),2 vagas – Auxiliar técnico de mecânica, 2 vagas – Funileiro de Automóveis (Reparação). Para quem quer mais agilidade, é possível acessar as vagas disponíveis pelo aplicativo Sine Fácil (em celulares com sistema Android) ou por meio de cadastro pelo Portal do Ministério do Trabalho – Emprega Brasil, por meio do link https:// empregabrasil.mte.gov.br/

Órgão Oficial da Federação de Pescadores do Estado de São Paulo Presidente Tsuneo Okida

pois dados preliminares sugerem que essa variante oferece um risco maior de reinfecção de covid-19 do que suas antecessoras. A cepa, considerada mais transmissível, foi detectada num casal de brasileiros que vive na África do Sul e chegou ao Brasil dia 23 de novembro pelo aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Ambos não apresentaram registro de vacinação contra Covid. No Brasil, até 30/11/2021 foram registradas 613.339 mortes de covid-19, mais de 22 milhões de casos e um total de 273 óbitos em 24h.

Inverno, nova variante do vírus e baixa imunização fazem Covid voltar a crescer na Europa Contágio acelerado exige volta de medidas restritivas Com temperaturas baixas, surgimento de uma nova cepa do vírus e porcentagem insuficiente de vacinação, a Covid-19 vem atingindo duramente vários países da Europa. Os mais afetados são Rússia, Bulgária, Romênia, Croácia, Polônia, Letônia , onde as taxas de imunização estão mais baixas. Na Romênia, que teve a maior taxa de mortalidade per capita do mundo na segunda semana de novembro, a cada cinco minutos uma pessoa morre da doença e as funerárias estão ficando sem caixões suficientes para enterrar os mortos. Apenas 36% dos adultos romenos estão vacinados.

Av. Dino Bueno, 114 Santos - SP CEP: 11030-350 Fone: (013) 3261-2992

França e Portugal também estudam a volta do uso da máscara como uma das formas de deter o avanço da doença. A Alemanha, que se considera numa “situação dramática”, apela para que aqueles que não se vacinaram, que o façam. A França também reforça a importância da vacinação das pessoas que ainda não foram vacinadas, uso de medidas básicas de prevenção, exigência do passaporte sanitário e ampliação do trabalho em home office. Outra ameaça é a nova cepa do vírus, ômicron, surgida na África do Sul e que já foi detectada em novembro no Reino Unido, Alemanha e Itália.

Bom exemplo de Ilhabela Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, sempre foi exemplo de sustentabilidade. Para evitar a poluição em terra e mar a Prefeitura local criou “lixeiras para cigarros”, que podem ser encontradas em diversos locais da cidade. A mensagem é convincente: “Deposite aqui sua bituca de cigarro, para ela não parar no mar. Duas bitucas de cigarro são suficientes para poluir 1 litro de água. Toda bituca de cigarro coletada é transformada em papel.” Um exemplo a ser seguido.

Jornalista responsável: Christina Amorim MTb: 10.678/SP christinamorim@gmail.com Fotos e ilustração: Christina Amorim; Diagramação: cassiobueno.com.br; Projeto gráfico: Isabela Carrari - icarrari@gmail.com - Impressão: Diário do Litoral: Fone.: (013) 3307-2601 Os artigos e reportagens assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal ou da colônia


NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021

A herança africana nas comunidades locais No livro “Vida e Lutas de Três Gerações”, Candinha, moça simples de origem açoriana, uma vez incorporada à sociedade santista após seu casamento, constantemente precisava abrir as portas de sua casa para auxiliar ex-escravos, desamparados no pós-abolição. Em tempos anteriores, os pretos sob posse de seu pai acompanhavam-no em canoas de voga, levando provisões da vila rumo à praia de Pernambuco, remando com dificuldades canal de Bertioga afora pelos idos de 1878. Também em período próximo o esposo da personagem, dono do sítio Birigui, decidira em certa ocasião aumentar a quantidade de cativos em sua propriedade, já que a demanda por produtos da terra se via cada vez mais crescente no mercado. Apesar do estado de desamparo ao qual foram submetidos, tudo isto só mostra o quanto a África sempre foi marcante entre os primeiros núcleos populacionais aqui estabelecidos, e ainda que as bibliografias com temática caiçara reconheçam a contribuição africana na formação dos grupos tradicionais, o elemento negro sempre se vê diminuído ante a herança europeia e indígena, como se pouco tivesse participado da vida à beira mar em épocas passadas. Mas é fato que ele foi fundamental no processo formativo das comunidades locais, desde o cativo integrado ao convívio das famílias, auxiliando no cultivo de gêneros básicos, até o pertencente a grupos maiores, preso nas senzalas dos grandes sítios e fazendas, cuja produção se voltava a uma economia mais ampla. Os africanos também sustentaram empreendimentos mais robustos, como a Indústria de Armação das Baleias na Bertioga, que apenas no ano de 1777 contava com quase 70 homens aprisionados, que carregavam madeira e aqueciam os caldeirões para extrair óleo animal, utilizado na iluminação pública. Também compuseram a milícia local, como a Companhia dos Pardos Forros em São Vicente, que contava com mais de 60 soldados em período próximo. O primeiro recenseamento santista que traz dados quantitativos de cativos foi o de 1775, onde apareceram 1.017 negros aprisionados, equivalente a quase metade da população da época. E até meados do século seguinte, este número ainda triplicaria, acompanhando o ritmo do aumento do desembarque de africanos no porto de Santos, principal escoadouro de açúcar e café produzidos no território paulista. Os negros também se ocupavam da pesca, como era o caso de Antonio Mendes, idoso que vivia na rua do São Bento, em Santos, em 1822. E em algumas ocasiões, também recebiam pequenas porções de terras onde plantavam suas roças, como o caso de Joaquim Mexedo, possuidor de um sítio próximo ao Morro da Campina, em Guarujá, onde cultivava arroz e farinha. Por muito tempo, foram a principal mão-de-obra nas terras da Igreja, como as do Convento do Carmo, além de contribuírem para a culinária, a exemplo dos quitutes feitos e vendidos pelas mulheres nas ruas da cidade. Os africanos e seus descendentes também foram símbolo de resistência, à medida que formavam quilombos, como o do Jabaquara. Homens e mulheres que se multiplicaram pelas praias e becos enquanto a cidade crescia, e que mesmo postos à margem da sociedade enquanto Santos recebia Wendel Alexsander Dalitesi Costa, imigrantes assalariados, deihistoriador formado pela Universidade de xaram sua marca na cultura São Paulo. Fundador da Legado (Pesquisa caiçara, tema este que merece e Consultoria Histórica e Genealogia). cada vez ser mais explorado. Autor do Livro os Homens da Ilha.

3

Cachoeira da Toca, a beleza e o sabor da Mata Atlântica

Tonel de cachaça da Toca Vitoria Van Sebroeck (ao fundo a roda d´água em funcionamento)

Cachaça com cambuci, como manda a tradição caiçara

O turista tem direito à degustação da bebida local

Em Ilhabela, a Fazenda da Toca traz uma beleza natural intocada e séculos de história. Além de abrigar uma Cachoeira onde os turistas podem se banhar, guarda um dos últimos engenhos da cidade localizada no litoral norte de São Paulo. Ali ainda pode ser provada a cachaça feita no seu engenho, com algumas inovações, mas com parte dos acessórios antigos como a roda d´água que move a moenda de cana-de-açúcar. Segundo a administradora atual, Vitória Van Sebroek, a cachaça da Toca é produzida apenas num período do ano, e depois fica estocada para venda. O produto é vendido puro, ou nos sabores de maracujá, carvalho, cravo e canela, gengibre, amburana e cambuci. Esta última, feita com o fruto típico da Mata Atlântica, traz um sabor especial,

sendo uma das favoritas do público. A Cachoeira foi aberta para visitação em 1967 pelo engenheiro agrônomo belga Joseph Albert Van Sebroeck, e ainda é administrada por sua família. Ali existem três quedas d’água para a visitação, dentre as quais se destaca uma gruta com uma piscina natural que dá nome de Toca ao local. Assim como outras fazendas da Ilhabela, traz histórias de piratas que ali habitaram, como a do português Borges. Saiba mais no vídeo: Ilhabela.com.br/dicas/piratas-e-cachoeira-da-toca Endereço: Estrada da Toca, 1000, Toca-Ilhabela-SP Tel: (12)3896.5325/(12)9979.33354 www.cachoeiradatoca.com/ facebook:cachoeiradatoca


4

NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021

COLUNA

DP World Santos tem única operadora de portêiner do Porto de Santos Terminal instalado no cais santista quebra tradição masculina na operação de equipamento e reforça oportunidades para as mulheres que atuam no setor A DP World Santos, um dos maiores e mais modernos terminais privados multipropósito do país, conta com a única mulher operadora de portêiner - o maior e mais caro equipamento portuário - do porto de Santos. Fabiana do Nascimento Almeida já foi a primeira operadora de RTG - o segundo maior equipamento do terminal - e fez parte da primeira turma de operadores que viajou, em 2013, para a DP World Callao, no Peru, para se preparar para a atividade. Desde 2020, estava atuando na operação de pontes rolantes no complexo de celulose, equipamento que movimenta a carga dentro do armazém. “Estou honrada em representar a força de trabalho feminina em uma função em que, até pouco tempo atrás, era impossível de se imaginar uma mulher. Esse reconhecimento da empresa vem para mostrar que temos competência e qualificação para operar equipamentos pesados e poder desenvolver carreira no Porto de Santos”, celebra Fabiana. O portêiner é um guindaste montado sobre a estrutura de pórtico que movimenta os contêineres, fazendo o embarque e descarga das caixas metálicas no navio. Trata-se de um equipamento robusto e com largas dimensões, que pode atingir 20 metros de altura e pesar 1.600 toneladas. Para operá-lo, Fabiana precisou fazer cursos específicos, além de treinamentos de atualização. Sua experiência na operação de outros gigantes do terminal foi fundamental

para a nova função. “As operações feitas com o portêiner devem levar o menor tempo possível, o que contribui para a redução do período de atracação das embarcações e melhora a nossa produtividade. Tudo deve ser feito cumprindo rígidos critérios de segurança na movimentação de contêineres. O início da Fabiana é um marco muito importante na história da DP World, pois abre portas para que mais mulheres busquem cargos nas operações”, afirma Ricardo Generozo, Diretor de Operações. A novidade coincide com o ano de maior ocupação feminina desde que o terminal foi inaugurado. A empresa contabiliza atualmente 110 mu-

lheres em funções operacionais, um aumento de 145% se comparado há dois anos, por exemplo. A expansão da infraestrutura para se tornar um complexo multipropósito e a nova oferta de serviços oferecidos pela DP World Santos têm contribuído para a inserção de mais mulheres no mercado de trabalho. Para sustentar esse crescimento, a empresa conta com programas de mentoria e outras iniciativas que buscam apoiar e desenvolver mulheres. O programa MentorHer, por exemplo, consiste em sessões de mentoria de profissionais sêniores para mulheres em ascensão, e já está em sua terceira edição, tendo formado mais de 40 participantes.

OUVIDORIA DP WORLD SANTOS NOVO SITE 0800 779-1000 ouvidoria.ssz@dpworld.com www.dpworld.com/santos

Artesãs de Caruara mostram seu trabalho na Sala Verde O artesanato de Caruara, na área continental de Santos, está em exposição todos os fins de semana na Sala Verde, no Portinho de Caruara. O Turismo de Base Comunitária TBC-Caruara é composto por Lygia Mesquita, Adélia, Gabi, Sandra e Helena Assumpção. Elas desenvolvem, além de artesanato, recepção aos turistas com passeios nas trilhas, roda de conversa contando a história do bairro com café e almoço caiçara. Chega-se à Caruara pela Rodovia Rio-Santos a cerca de 50 minutos de Santos. Saiba mais em: whatsapp: Sandra (13)99751.7484/email: tbccaruara2gmail.com/https::// pt-facebook.com/tbccaruara/

Enfeites da Natal da Gabi

Sala Verde Caruara


5

Encontro de pescadores e pescadoras em Cubatão A Vila dos Pescadores esteve em festa dia 10 de outubro. O evento aconteceu no portinho da Vila na rua Beira-mar. A procissão marítima teve início às 10h30 e retornou ao meio dia. As atrações que seguiram trouxeram música com Jessica, Laico e Eli e a peça teatral “Os quatro elementos da natureza” e a lenda de Yara, com a direção de Adeildo Messias. Foram homenageados com placas pessoas que se destacam por seus trabalhos na Vila: os pescadores Gilberto Jorge (representado pela neta Larissa) e Claudi de Figueiredo, Marly Vicente (presidente do Instituto Socioambiental e Cultural da Vila dos Pescadores-ISAC) e Santina Barros (coordenadora da capatazia da Vila dos Pescadores). O encontro teve o apoio de: Fundação Settaport, maestrina Nailse, cantora Aline Cruz, A Cerimonialista, Simone Modal e Célia Azevedo, técnico de som Mário Leite, todos os pescadores envolvidos. Parcerias Coletivo Uzina, Galpão Cultural, Coletivo 302.

Arte Nossa está em Bertioga Um time de artesãos de primeira está em novo endereço. O grupo saiu do trevo da entrada da cidade de Bertioga em outubro para exposição e venda de seu trabalho na Rodovia Rio-Santos km 226, ao lado da Nunes Bambu. Ali vendem diferentes artes em: bambu, tricô, crochê, macramê, cimento, retalhos e esculturas em madeira. Segundo o escultor Ricardo Santos o grupo de 16 artesãos está junto há 20 anos, e agora contam com a parceria da já tradicional Nunes Bambu, fundada em 1995. A fábrica de Nunes executa trabalhos com cerca de 50 tipos de bambu para produzir mais de 500 tipos de produto, através de cultura sustentável e consciência ecológica. A loja de artesanato funciona de segunda a sábado das 10h às 17h. Saiba mais em @bambununes. Fone: (13) 3317.7244.

Fotos Sander Newton

NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021


6

NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021

Plantas não convencionais ganham valor “A gente tem é que diversificar”, afirma o biólogo Valdely Kinupp, mestre em Botânica pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia-INPA. Sua ideia é valorizar as plantas alimentícias não convencionais, as PANCs. “Assim, o consumidor evita a monotonia alimentar”, explica. E por outro lado, pode-se perceber a fartura de opções de produtos comestíveis na natureza. Afinal, existe uma disponibilização para comer plantas boas, para não ficar à mercê das plantas banais, fugindo do imperialismo gastronômico alimentar. “Comer é um ato político”, conclui. Kinupp é um dos maiores conhecedores e divulgadores da agrobiodiversidade brasileira, e criou o termo Plantas Alimentícias Não Convencionais, título de sua tese. Irany Arteche, nutricionista que faz da cozinha uma fonte de saúde, prazer e cuidado com o ambiente, criou o acrônimo PANC. Nascido na região serrana de Cantagalo-RJ, Kinupp fez bacharelado em Londrina, mas foi no estado do Amazonas que encontrou

um verdadeiro paraíso das PANCs, e entrou de corpo alma no assunto. Em Manaus, comprou uma área de 3 hectares de agrofloresta biodiversa, criando o sítio-escola Panc, que também é um hostel. Ali recuperou o solo e produz alimentos através de um manejo agroflorestal integrado com a micropecuária de coelhos, cabras, preás, patos, aves, gansos, marrecos e pirarucus. “Moro no sítio PANC há sete anos, e é lá que pretendo atuar mais”, explica. Kinupp é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (IFAM) e dá aulas presenciais de botânica e agroecologia no sítio, assim como cursos online. O professor também recebe turistas com visitas técnicas agendadas. Ali é possível conhecer e mesmo saborear inúmeras espécies de plantas não convencionais, de taioba a ora-pro-nobis. Todo este conhecimento também está no livro Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs) no Brasil, lançado em 2014 pela editora plantarum@ plantarum.com.br. Escrito por Kinupp e o engenheiro agrônomo

Harri Lorenzi, a obra, amplamente ilustrada, é um guia de identificação, que inclui aspectos nutricionais e receitas, abrangendo 351 espécies. O livro fala sobre os frutos, frutas, flores, rizomas, sementes e outras estruturas, que podem ser consumidas pelo homem tanto in natura como com algum tipo de preparo culinário. Outros projetos em andamento incluem a pesquisa para produção de cerveja utilizando uma espécie de urtiga, e a produção de filmes para o youtube com importantes conhecimentos sobre as mais diversas PANCs com mais de 30 episódios no ar. Algumas mais conhecidas de nossa mesa, e algumas surpresas como a vitória-régia, de onde se aproveitam talos e flor, com exceção da folha. Veja o vídeo em Vitoria-Regia - PANC - com Valdely Kinupp - YouTube. Assim como o antigo ditado que diz que “do porco se aproveita até o grunhido”, muitas plantas apresentam flores, sementes e até mesmo cascas que podem ser usadas na alimentação. Tudo isso é um caminho que vem sendo descoberto pelo biólogo e botânico Valdely

Mês da Consciência Negra aconteceu em novembro em SV A Prefeitura de São Vicente, através da Secretaria de Turismo (Setur), apresentou a exposição do acervo permanente da ‘Casa Afro-brasileira – Museu do Escravo’, com obras do artista plástico e escultor Geraldo Albertini de 22 a 25 de novembro. A visitação foi aberta ao público no Paço Municipal, com o objetivo de exaltar a influência da cultura negra nas artes, em comemoração ao mês da Consciência Negra. A abertura contou com um

desfile em frente à Prefeitura para homenagear a cultura afro através de pessoas que têm representatividade na Cidade. Foram escolhidas 20 peças em argila, entre as 132 do acervo da Casa Afro, para a exposição. Com vestimentas e pinturas de origem africana, os participantes do desfile exibiam em suas camisetas a expressão “UBUNTU”, que significa: respeito, solidariedade, generosidade, compaixão e harmonia entre os seres humanos. Ao

crédito Rafael Damaceno PMSV

som do arco musical, instrumento de origem africana, Mestre Kaco, que é capoeirista há 27 anos e desenvolve trabalho nas oficinas de São Vicente, aconteceu o desfile com a participação da pequena Laura Chagas, de cinco anos, Fátima Batista, que elaborou o coquetel da apresentação, a moradora do Jardim Rio Branco, Vovó Anastácia, a moradora do bairro Japuí, Dona Inês, Clarice do Carmo, gestora de projetos sociais há 28 anos na Cidade e presidente do Conselho Municipal da Promoção de Igualdade Racial, a coordenadora da Associação Amigos da Vila Valença (AAVV), Roberta Collaço, a vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente, Alessandra Franco, a empreendedora no ramo da moda, Kelly Aguiar, Sandra de Souza, Eliete de Souza, cabeleireira e empreendedora no ramo de vestuários e acessórios afros e André Batista, membro do Conselho Municipal de Política de Promoção de Igualdade Racial e seu neto Pedro de dois anos.

Pesquisando a vitória-régia

Kinupp para revolucionar a culinária brasileira. Saiba mais em: https://www. valdelykinupp.com.br/sitiopanc/ sitiopancoficial@gmail.com

@sitiopanc/www.istoepanc. com.br/Youtube: sítio panc (mais de 30 episódios gravados falando sobre diferentes espécies e mostrando modos de preparo)

Caiçara ExpediçõesTurismo Consciente Roteiros de Dezembro 12 de dezembro (domingo): Trilha Cachoeiras do Guaperuvú - Itanhaém SP Horário de início: 09h Horário aproximado de término: 15h Ponto de Encontro: Itanhaém SP; Investimento: ver opções de valores no link; Inclui: Dicas Preparatórias, Seguro e Guia de Turismo. 18 de dezembro (sábado): Walking Tour: Presente e Passado no Centro de Santos SP Horário de início: 14h Horário aproximado de término: 16h Ponto de Encontro: Em Frente ao Museu Pelé - Santos SP; Investimento: R$ 30,00 por pessoa; Inclui: Acompanhamento de Guia de Turismo. 19 de dezembro (domingo): Rappel no Monte Serrat - Santos SP Período para realização: 10h00 às 12h e das 13h às 16h30; Ponto de Encontro: Alto do Morro do Monte Serrat - Santos SP; Investimento: R$ 150,00 por pessoa; Inclui: Dicas Preparatórias, Seguro, Ingresso Bondinho, Aluguel Equipamento Completo, Instrução, Prática Supervisionada e Condutores de Rappel Especializados Mais informações: caicaraexpedicoes.com.br/ Telefone: (13) 3466.6905 E-mail: contato@caicaraexpedicoes.com


NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021

O que é uma alimentação saudável Alimentação saudável é aquela constituída de alimentos originários da natureza, dando-se preferência à carne branca, carne vermelha com pouca gordura, peixes, ovos, frutas, verduras, legumes, cereais integrais, arroz, feijão, leite e derivados, açúcar e gordura em pequena quantidade e água de bebida que deve ser potável. Essa dieta tem como objetivo principal manter a saúde física e mental das pessoas e, para tanto, é necessário que os alimentos sejam provenientes de locais higiênicos para evitar a presença de contaminantes microbiológicos, parasitários e químicos. Uma alimentação contaminada jamais pode ser definida como alimentaAugusto Pérez Montano ção saudável, porque esses agentes são Médico Veterinário, membro potenciais causadores de doenças. da Comissão de Aquicultura Atualmente, a alimentação de grande do Conselho Regional de parte da população é rica em alimentos Medicina Veterinária do industrializados, que contém aditivos Estado de São Paulo químicos (corantes, estabilizantes, aromatizantes, conservantes, entre outros) e baixo valor nutricional (grande quantidade de carboidrato e gordura saturada e pequena quantidade de proteína). Todo alimento que se destina à ingestão na forma cozida, assada ou grelhada deve ser submetido a cozimento completo para que haja destruição de bactérias e parasitos. Após o cozimento deve ser mantido em temperatura segura para evitar a deterioração e havendo sobra deve ser colocado em geladeira para uso posterior, para evitar a proliferação bacteriana. O cozimento completo livra os alimentos das bactérias desde que a carne, o frango, os peixes e os ovos sejam submetidos a cozimento em altas temperaturas para que o calor atinja o interior desses alimentos. Carne avermelhada significa carne mal cozida. Alimentos prontos guardados em geladeira devem ser fervidos ou bem cozidos antes de ser ingerido. As sopas e os guisados devem ser fervidos em alta temperatura. Os alimentos crus que assim serão ingeridos devem se higienizados com água clorada a fim de evitar a presença de formas patogênicas vivas. Os contaminantes químicos (pesticidas, antibióticos, metais pesados e conservantes) podem ocorrer nos alimentos de forma acidental ou intencional acarretando problemas nervosos, hepáticos e renais. Uma vez presente, não haverá como tirá-los dos alimentos e nem destruí-los de forma alguma, tornando assim um risco para a saúde do consumidor. Estes elementos na maior parte das vezes são consumidos de forma desapercebida como é o caso do mercúrio em peixes e frutos do mar que vivem em água poluída, e podem com o passar do tempo causar doenças crônicas. Já o conservante metabissulfito, usado pós-captura com a finalidade de conservar o camarão, pode provocar graves reações a pessoas alérgicas, e também usado acima do recomendado causar outros distúrbios de saúde. Outra forma de acontecer contaminação com os alimentos é a contaminação cruzada que ocorre quando os alimentos crus entram em contato com os já cozidos ou com os alimentos prontos para serem consumidos. Para manter esse alimento seguro é necessário evitar que os alimentos crus entrem em contato com os alimentos prontos. Portanto, os utensílios e aparelhos utilizados para o preparo de alimentos crus não devem ser utilizados para o preparo dos alimentos cozidos, ou então devem ser lavados minuciosamente para que não ocorra a contaminação. Na geladeira os alimentos crus ao ser armazenados devem ficar abaixo dos comestíveis cozidos para evitar que sucos ou respingos alcancem os alimentos prontos. A contaminação cruzada nada mais é que a transferência de bactérias ou produto químico de um alimento contaminado para um outro não contaminado. A contaminação pode ocorrer por exemplo quando uma tábua de carne que foi utilizada para o corte de frango é usada, sem higienizar, para preparar verduras. Até as próprias mãos não higienizadas servem como veículo para contaminação.

7

Secretaria de Saúde alerta sobre os cuidados necessários para evitar a transmissão de sarna humana Principal preocupação deve ser com a higiene pessoal e das roupas de cama e banho Devido ao registro de alguns casos de escabiose (sarna humana) em São Vicente, a Secretaria de Saúde (Sesau) orienta a população sobre os cuidados necessários para evitar a transmissão da doença. A escabiose, também conhecida como sarna humana, é uma doença de pele causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, que é facilmente transmitido de pessoa para pessoa através do contato físico, e que leva ao aparecimento de bolhas e placas vermelhas na pele que coçam muito, principalmente à noite. Ao perceber os primeiros sintomas, a pessoa deve procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF), passar por

consulta, e realizar o tratamento de acordo com as orientações médicas. Para o controle da doença, os profissionais dos postos de saúde orientam os pacientes sobre a importância de manter os cuidados essenciais, como tratar todas as pessoas de um mesmo local (familiares), e que estejam com sintomas, ao mesmo tempo, a fim de evitar uma reinfecção. Além disso, é preciso usar roupas limpas, realizar a troca de lençóis e toalhas constantemente e manter o distanciamento de pessoas que estejam com a doença. Fonte: Seicom SV

Pacientes de Tuberculose e Hanseníase tem espaço exclusivo para tratamento em São Vicente Desde setembro, a Secretaria da Saúde (Sesau) conta com nova sede do Centro de Atendimento à Tuberculose e Hanseníase (Cath), que atende agora em local com melhor estrutura, mais arejado e aconchegante. Com 241 metros quadrados, o novo espaço oferece comodidade para os pacientes, já que o local é de fácil acesso: fica em frente à estação Nossa Senhora das Graças do VLT e a uma quadra da Avenida Presidente Wilson. Todos os ambientes do imóvel foram devidamente equipados e decorados para proporcionar aos usuários e servidores um espaço acolhedor e agradável, e oferecer um tratamento humanizado. O Cath continua realizando todos os atendimentos que já eram oferecidos, seguindo com as consultas normalmente. Atualmente, o serviço atende, ao todo, cerca de 300 pacientes, realizando testes e exames em livre demanda. “Com este novo equipamento, nós temos agora uma estrutura adequada para proporcionar todo o tratamento, que é muito específico, e alcançar maior índice de cura, já que os casos requerem um olhar diferenciado”, explicou a secretária de Saúde, Michelle Santos. O novo equipamento fica na Rua Benedito Calixto, 275. O horário de funcionamento da unidade é de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h. Informações podem ser obtidas pelo telefone: (13) 3468-2870. Hanseníase - é uma doença crônica infecciosa, causada por uma bactéria, e transmitida de uma pessoa que tenha a doença e não faça tratamento, por meio das vias respiratórias (secreções nasais, tosses e espirros). Pode levar anos para apresentar os

primeiros sinais e é possível ser prevenida por meio do diagnóstico precoce e tratamento. Vale lembrar que a doença tem cura e o acompanhamento médico dura, em média, 12 meses. Tuberculose - é uma doença infecciosa, causada pela inalação da bactéria pelos pulmões, e transmitida, também, por uma pessoa que já esteja doente. O principal sintoma é a tosse. O diagnóstico é feito por meio do exame do escarro. A doença tem cura. O tratamento dura, aproximadamente, seis meses e elimina a possibilidade de transmissão para outras pessoas.


8

NOVEMBRO/DEZEMBRO 2021

Vida de pescador não é mole não

Na chegada preparar um peixinho frito da pescaria

Caiu na rede é peixe!

Fernando de Souza Rodrigues, 40 anos, pesca de segunda a sexta no litoral da Baixada Santista, e no fim de semana vende o peixe em sua barraca na praia de Cibratel, em Itanhaém. Com seu barco de fibra de 6,20 metros navega de Itanhaém a Guarujá em busca do peixe. Leva sempre um companheiro de pescaria, o Wilson ou o Gerson, que estão sempre prontos para o mar. Eles saem de Itanhaém, onde moram, por volta das 5h da tarde

para armar a rede, e voltam entre 8 e 9h da manhã para buscar os peixes. Com sorte, podem pegar de uma a três caixas de pescado. “Peixe não tem como saber, é uma coisa de Deus, a gente não plantou”, afirma. Fernando explica que aprendeu a pescar na raça, olhando os pescadores mais antigos. Casado com Jaqueline, tem duas filhas, Alice, 9 anos, e Ana Louise, 15. Além de pescar, Fernando gosta de preparar o filé da pescada

Barraca de peixes em Itanhaém

frito, passado no ovo batido e na farinha, ou em camadas de queijo ou presunto. “A sororoca é boa para assar no forno com azeite, rodelas de cebola, sal e batatas quadradas pré-cozidas”, explica. O detalhe, segundo o pescador, é embrulhar em papel alumínio por alguns minutos, e depois tirar para dourar. Ele explica que em toda pescaria separa o peixe para consumir em casa, pois a família adora!

Duas aficionadas da gastronomia sugerem pratos para o Natal Andressa Panhoci e a chef Zuka tem algo em comum. Adoram inventar receitas novas e com acabamento original. Se vocês tiveram fôlego para acompanhar as duas no Instagram, boa sorte! A chef Zuka nos envia de Salvador, Bahia, uma receita de pescada amarela bem acompanhada de folhas verdes e legumes. Leve e saborosa. A Andressa, que há anos seguiu o caminho do veganismo sugere uma sobremesa que vai enfeitar sua mesa. Bom apetite a todos e Feliz Natal! Panquecas de espinafre e banana

Ingredientes: 3 xícaras (chá) de folhas de espinafre (120g) 1 banana (110g) 1 xícara (chá) de farinha de trigo integral 3 colheres (sopa) e amido de milho 250 ml de leite vegetal 2 colheres (café) de fermento em pó 2 colheres (café) de vinagre 1 colher (café) de bicarbonato 3 tâmaras ou ¼ xicara (chá) de uva passa (opcional) Baunilha (opcional) Óleo para untar frigideira Preparo: Bater todos ingredientes no liquidificador, exceto o óleo, até formar uma massa uniforme e que não Andressa Panhoci seja muito líquida. Deixar descansar por 5 minutos, para é vegana que a massa das panquecas se mantenha alta e firme. Aquecer a frigideira com fogo médio/baixo, untar com um pouco de óleo de coco e colocar um pouco de massa. Ajeitar a massa para que fique com uma forma circular, mas não espalhar muito para não ficar fina demais. Deixar cozinhar por cerca de 2 minutos cada lado, virar a panqueca quando notar a presença de bolhas e uma cor mais escura na borda. Untar a frigideira com óleo a cada vez que for necessário. Fazer em tamanhos variados decrescentes para colocar embaixo a panqueca e as menores por cima, para dar o formato de árvore. Decorar com sementes de romã e açúcar de confeiteiro peneirado. Andressa Panhoci, cozinheira e vegana. Instagram:@cozinhasemrestaurante/Facebook: facebook.com/comidasemrestaurante

Panquecas veganas

Pescada de Natal

Ingredientes: 1 pescada amarela inteira, limpa e espalmada de cerca de 1 kg Camarões para enfeitar (cerca de 300g) Sal, 4 dentes de alho amassados, pimenta-do-reino e azeite de oliva Legumes a gosto (cenoura, batata-bolinha, tomatinhos, couve-flor, brócolis) Caldo coado de 1 laranja e mostarda Rodelas de cebola para forrar a forma refratária Folha-de-alumínio Manteiga/Folhas destacadas de alecrim Preparo: Temperar a pescada com sal, azeite, 4 dentes de alho e pimenta-do-reino. Deixar descansar por uma hora no refrigerador. As cenouras, depois de limpas, deverão ser cortadas em rodelas e depois formatadas como estrelas por cortador de biscoitos (ou faca). Devem ser cozidas al dente, assim como as batatinhas e salteadas na manteiga, sal e folhinhas de alecrim. Enquanto isso, cozinhar no vapor os camarões, e separadamente, couve-flor e brócolis, que depois de macios serão besuntados com manteiga e alecrim. As batatinhas e cenouras devem ser cozidas na água e depois descascadas. Depois de uma hora de marinar, forrar uma forma com rodelas de cebola, ajeitar o peixe por cima, despejar o caldo de laranja com mostarda, cobrir com papel- alumínio e levar ao forno (180 graus). Depois de cerca de 20 minutos, tirar o papel-alumínio, acrescentar os camarões, os legumes, besuntar com manteiga e mostarda e deixar dourar. Servir com arroz branco, mix de folhas verdes e flores comestíveis. Instagram: Instagram:@Zuh_cozinha_afetiva/ facebook: Zuh Cozinha afetiva contatos (71) 99962.1329/ 99715-7935

Pescada amarela com camarão e legumes

Zuka e a amiga Zama do salão @zamabrasileiro


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.