Page 1

TERRIUS PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO FINLÂNDIA André Carvalho nº5102, Lídia Branco nº5839 Nuno Aguiar nº5130 Sandra Leal nº 5275 Unidade Curricular de Simulador de Marketing lecionada pelo Professor Doutor Rui Rosas Dias RESUMO: O presente trabalho foi desenvolvido para aferir a viabilidade de implementação da empresa Terrius no mercado finlandês. No decurso do mesmo foi efetuada uma pesquisa abrangente e diversificada que contemplou a análise macro ambiental do país, concorrência, perfil do potencial cliente, situação económica geral, fatores culturais e sociais. PALAVRAS-CHAVE Terrius, Finlândia, Internacionalização, Estratégia, Mercado.

IPAM FEVEREIRO 2014


ÍNDICE SUMARIO EXECUTIVO ............................................................................................................................................... 5 1.

TERRIUS .............................................................................................................................................................. 6

1.1.

A sua missão ................................................................................................................................... 6

1.2.

O seu conceito................................................................................................................................ 6

1.3.

Portefólio de produtos ............................................................................................................... 7

2.

O PORQUÊ DA FINLÂNDIA .......................................................................................................................... 9

2.1.

Demografia ..................................................................................................................................... 9

2.2.

PESTA............................................................................................................................................. 14

2.3.

Mercado Finlandês ................................................................................................................... 18

3.

PERSPECTIVAS ESTRATÉGICAS ............................................................................................................ 28

3.1.

Perspetivas de Internacionalização................................................................................... 29

3.2.

Análise Porter ............................................................................................................................. 31

3.3.

Matriz Ansoff............................................................................................................................... 33

3.4.

Matriz Mckinzie ......................................................................................................................... 33

4.

SWOT ................................................................................................................................................................. 36

5.

MARKETING ESTRATÉGICO .................................................................................................................... 37

5.1.

Enquadramento, missão e objetivos ................................................................................. 37

5.2.

Enquadramento ......................................................................................................................... 37

5.3.

Proposta estratégica ................................................................................................................ 39

5.4.

Objetivos Estratégicos............................................................................................................. 39

5.5.

Objetivos Especificos ............................................................................................................... 40

5.6.

Estratégias de Marketing ....................................................................................................... 41

6.

AÇÕES................................................................................................................................................................ 45

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

2


7.

PLANO DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS ........................................................................................ 47

8.

CRONOGRAMA .............................................................................................................................................. 48

9.

ORÇAMENTAÇÃO DE MARKETING ...................................................................................................... 53

RECOMENDAÇÕES ................................................................................................................................................... 54 BIBLIOGRAFIA ........................................................................................................................................................... 56 NETGRAFIA ................................................................................................................................................................. 57

Índice de Gráficos Gráfico 1 - Evolução demográfica na Finlândia desde 1961 a 2012.................................................... 12 Gráfico 2 - Evolução da população urbana em percentagem do total ................................................ 12 Gráfico 3 - Estrutura etária da população na Finlândia ............................................................................ 13 Gráfico 4 - Previsão de vendas do sector alimentar na Finlândia ........................................................ 19 Gráfico 5 - Snacks Doces & Salgados na Finlândia, valor de venda 2012 .......................................... 20 Gráfico 6 – Peso dos produtos na distribuição na Finlândia .................................................................. 21 Gráfico 7 - Mercado Orgânico 2011-2015 ...................................................................................................... 22 Gráfico 8 - Frequência de compra de produtos orgânicos....................................................................... 27 Gráfico 9 - Previsão de Vendas de Snacks até 2017 (toneladas) ........................................................... 29 Gráfico 10 - Previsão de Vendas de Snacks até 2017 (€) ......................................................................... 30

Índice de Ilustrações Ilustração 1 - Visão................................................................................................................................................... 38 Ilustração 2 - Valores .............................................................................................................................................. 38

Índice de Imagens Imagem 1 - Taxa de desemprego e tendência de desemprego entre Jan/1989 e Out/2013 .... 13 Imagem 2 – Real Snack e Taffel........................................................................................................................... 24 Imagem 3 – Produtos CasualFruit ..................................................................................................................... 25

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

3


Índice de Tabelas Tabela 1 - Composição da população na Finlândia..................................................................................... 10 Tabela 2 - Média de idades, Taxa de crescimento da população na Finlândia ................................ 11 Tabela 3 - Ficha de Mercado ................................................................................................................................ 15 Tabela 4 - Estudo económico Novembro de 2013 ...................................................................................... 16 Tabela 5 - Principais Produtos Importados – em 2011 ............................................................................ 17 Tabela 6 - Peso dos Produtos orgânicos ......................................................................................................... 22 Tabela 7 - Players de Distribuição ..................................................................................................................... 23 Tabela 8 - Importação de produtos agro-alimentares para a Finlândia entre 2009-2011 ........ 24 Tabela 9 – Prioridades Estratégicas.................................................................................................................. 28 Tabela 10 - Potencial do Mercado...................................................................................................................... 30 Tabela 11 – Forças de Porter ............................................................................................................................... 32 Tabela 12 - Matriz Ansoff ...................................................................................................................................... 33 Tabela 13 – Matriz Mckinsey ............................................................................................................................... 34 Tabela 14 - SWOT ..................................................................................................................................................... 36 Tabela 15 – Plano das atividades operacionais............................................................................................ 47 Tabela 16 – Cronograma 2015 ............................................................................................................................ 48 Tabela 17 - Cronograma 2016............................................................................................................................. 49 Tabela 18 - Cronograma 2017............................................................................................................................. 50 Tabela 19 - Cronograma 2018............................................................................................................................. 51 Tabela 20 – Tabelas de Orçamentação 2015 - 2018 .................................................................................. 53 Tabela 21 – Custos de Paletes ............................................................................................................................. 55

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

4


SUMARIO EXECUTIVO Este trabalho está enquadrado no âmbito da disciplina de Simulador de Marketing do Mestrado em Gestão de Marketing e tem como objetivo analisar o mercado finlandês e estudar a viabilidade da internacionalização da empresa Terrius nesse mercado. Optamos por efetuar um estudo sobre a economia finlandesa e posteriormente uma análise sobre o comportamento, bem como as variáveis que lhe estavam adjacentes. Assim numa primeira parte do trabalho, efetuámos uma análise ao enquadramento económico da Finlândia, estudando a sua composição e seus principais drivers. Posteriormente foi realizado o enquadramento de todos os fatores que poderão influenciar a economia finlandesa. E é apresentada a proposta estratégica para entrada no mercado finlandês, bem como, as respetivas propostas de ações de marketing para acionar awareness com a devido cronograma e orçamentação. Finalmente, é exposto recomendações que a Terrius poderá levar em conta, de modo a que se possa adaptar melhor ao mercado, logística, pakaging, certificação, e rentabilização de recursos através da aposta de reutilização e reciclagem.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

5


1. TERRIUS A marca Terrius surgiu no final de 2011, mais propriamente em Novembro desse ano quando se apresenta ao mercado na Feira da Castanha de Marvão. A Terrius nasce fruto de uma paixão pela Serra de S. Mamede, região única, onde no fim da planície se ergue a serra vigiada pelo imponente castelo de Marvão, integrando o Parque Natural de S. Mamede, uma das maiores reservas de biodiversidade da Península Ibérica. A Terrius apela ao regresso às origens, à simplicidade da natureza, aos sabores da outrora, que desejamos partilhar com o mundo.

1.1. A sua missão A Terrius tem como missão a produção sustentada de cogumelos silvestres e cultivados em tronco, o desenvolvimento local, a recuperação dos produtos certificados da região com DOP (Denominação de Origem Protegida) e IGP (Indicação Geográfica Protegida). Têm uma preocupação acrescida com a proteção ambiental, a preservação da paisagem, a valorização do património e conservação dos recursos naturais. Mais tendo em vista a excelência da qualidade dos seus produtos, aliada à inovação e imagem dos seus produtos, a Terrius tem estabelecido parcerias estratégicas com agricultores de modo forma a garantir o reconhecimento e a criação de valor acrescentado para a região e para os seus parceiros.

1.2. O seu conceito A principal vertente da Terrius será a produção de cogumelos, desde a inoculação à colheita, fazendo a sua comercialização quer em fresco, desidratados ou em conserva. A Terrius pretende comercializar diversas variedades de cogumelos saprófitas e micorrízicos. Sendo os cogumelos um produto com elevado potencial de André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

6


mercado, temos como objetivo não só produzir e comercializá-los, como também fomentar o crescimento deste setor junto dos produtores locais e trabalhar no sentido de alcançar o seu reconhecimento e respetiva certificação. Os cogumelos silvestres serão também alvo de atenção da Terrius, pela sua exclusividade, uma vez que determinadas espécies apenas ocorrem dessa forma, sendo as suas características muito distintas dos cogumelos cultivados. Também os frutos e os hortícolas de excelência que a região permite produzir serão uma bandeira da qualidade da Terrius, os quais comercializam junto de diversos mercados. Entre muitos produtos de qualidade ímpar, salientam-se os que já encontram certificados: Castanha de Marvão DOP, a Maçã de Portalegre IGP, a Cereja de S. Julião DOP. O processo de desidratação destes produtos tem uma vantagem competitiva, e esta prende-se com a capacidade de conservação dos produtos, sendo também uma forma económica de o fazer. Desta maneira é possível disponibilizar produtos sazonais durante o ano inteiro. Por outro lado o setor agrícola está em mudança, os produtores têm agora novos desafios, é-lhes exigida uma maior competitividade e simultaneamente uma reestruturação de processos com vista à qualidade e segurança alimentar, à proteção ambiental e à preservação da paisagem.

1.3. Portefólio de produtos A Terrius possui um portefólio de produtos bastante alargado, dos quais salientam-se os cogumelos, quer em fresco, desidratados ou em conserva. Todavia além da produção dos cogumelos silvestres dedicam-se em parceria com produtores locais, à comercialização de outros produtos da região de Marvão, tais como a farinha de Boletus, pimentos assados, tomate desidratado, cardos silvestres, espargos silvestres, maçã bravo de Esmolfe, castanha de Marvão, noz do Porto da Espada e cereja de S. Julião. André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

7


Dentro do portefólio de produtos podemos destacar os seguintes: •

Castanha de Marvão DOP

Farinha de Maçã

Maçã Bravo de Esmolfe de

Farinha de Cogumelo

Portalegre DOP

Geleia de Pimento

Nozes

Mostarda de Pimento

Cogumelos cultivados

Tomate desidratado

Cogumelos silvestres

Snacks de Cogumelos

Pimento

Chutneys

Ervas aromáticas

Infusões Bio

Farinha de Castanha

Sabonetes e Sais de banho

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

8


2. O PORQUÊ DA FINLÂNDIA A Finlândia situa – se no Norte da Europa, entre 60 e 70 graus de latitude, constituindo um dos países nórdicos. Os outros países nórdicos são Dinamarca, Islândia, Noruega e Suécia. Em termos territoriais, a Finlândia é o sétimo maior país na Europa. O país abrange uma área de 338.145 Km2, dos quais 10% equivalem a águas continentais, 8% são terras cultivadas e 69% são cobertos por florestas. A fronteira com a Suécia, a oeste, é de 586 Km, com a Noruega, ao norte, é de 727 Km, e com a Rússia, a leste, é de 1.269 Km. A linha costeira em contato com o Mar Báltico, ao sul e a oeste, é de aproximadamente 1.100 Km. A Finlândia é um membro da União Europeia desde 1995 e a maior cidade do país e capital é Helsínquia.

2.1. Demografia Segundo o The World Fact Book (em 2007) existem duas línguas oficiais na Finlândia: o finlandês e o sueco, 93,4% da população são finlandeses, existem pequenas minorias nacionais incluem suecos (5,6%), russos (0,5%), estónios (0,3%), sami (0,1%) e os ciganos (0,1%). De acordo com dados de 2006, a maioria dos finlandeses são membros da Igreja Luterana (82,5%), com uma minoria de 1,1% pertencente à Igreja Ortodoxa e cristãos (0,1%) e não-religiosos 15,1%, embora tenha caído drasticamente o número de praticantes.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

9


Tabela 1 - Composição da população na Finlândia

Fonte: CIA - The World Fact Book

As grandes cidades da Finlândia além da área metropolitana de Helsínquia (incluindo as cidades de Helsínquia, Espoo e Vantaa), são Tampere, Turku, e Oulu. A participação dos cidadãos estrangeiros na população finlandesa é de 2,5%, entre os mais baixos da União Europeia. A maioria deles é proveniente da Rússia, Estónia e Suécia. Os filhos de estrangeiros não recebem automaticamente a cidadania finlandesa. Se eles são nascidos na Finlândia e não podem obter a cidadania de qualquer outro país, eles se tornam cidadãos.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

10


Em 2013, a Finlâ ndia tinha uma populaçã o de cerca 5,3 milhõ es de habitantes (segundo o World Factbook, em julho de 2013 a estimativa foi de 5,266,114 habitantes) em uma á rea de 303 899 km ². A grande maioria da populaçã o do paı́s está concentrada no extremo sul, na costa do Golfo da Finlâ ndia e seus arredores. A Finlâ ndia é o sexto maior paı́s da Europa e tem uma baixa densidade populacional de 15,5 habitantes por km², o que torna o paı́s a segunda menor densidade populacional da Uniã o Europeia. A Finlâ ndia també m possui uma taxa de crescimento da populaçã o muito baixa, segundo dados da CIA em 2013 esta ficou nos 0,06%. Tabela 2 - Média de idades, Taxa de crescimento da população na Finlândia

Fonte: CIA - The World Fact Book

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

11


Gráfico 1 - Evolução demográfica na Finlândia desde 1961 a 2012

Fonte: World Bank

Segundo os últimos dados do World Bank em 2012, a população urbana na Finlândia corresponde a quase 85% da população total.

Gráfico 2 - Evolução da população urbana em percentagem do total

Fonte: Banco Mundial

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

12


A populaçã o da Finlâ ndia tem sempre se concentrado na regiã o sul do paı́s. Cerca de 85% vivem em centros e cidades. Gráfico 3 - Estrutura etária da população na Finlândia

Fonte: CIA - The World Fact Book

Segundo Statistics Finland’s Labour Force Survey em outubro de 2013 a taxa de desemprego na Finlândia foi de 7,4%, o número de desempregados foi 194.000, 11.000 pessoas mais do que no mesmo mês do ano anterior. A taxa de desemprego em outubro de 2012 ficou-se em 6,9%.

Imagem 1 - Taxa de desemprego e tendência de desemprego entre Jan/1989 e Out/2013

Fonte: Statistics Finland

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

13


2.2. PESTA Segundo Lopes dos Reis (2000, p. 27), o meio ambiente geral condiciona, a longo prazo, a atividade da empresa. A Análise PESTA é um modelo de análise da envolvente externa macro ambiental da organização, cuja sigla corresponde às iniciais dos quatro grupos de variáveis ambientais a serem analisadas, nomeadamente:

Político-Legais,

Económicas,

Socioculturais,

Tecnológicas

e

Ambientais. Cada uma das variáveis apresentadas caracteriza-se por estar fora do controlo direto da empresa, podendo representar ameaças ou oportunidades que a organização deverá procurar evitar ou aproveitar. 2.2.1. Político-legal A Finlândia é uma democracia parlamentar. O poder legislativo é exercido pelo Parlamento, juntamente com o Presidente. O Presidente da República é eleito para um mandato de seis anos. O Parlamento, composto por 200 membros, é eleito pelo sufrágio universal para um mandato de quatro anos. A PEC baseia-se no Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de Mercadorias, sendo os direitos de importação na sua maioria ad valorem, calculados sobre o valor CIF das mercadorias. Para além dos referidos encargos, há, também, lugar ao pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (Value Added Tax). A taxa base de IVA na Finlândia é de 24%, a qual se aplica à grande maioria de bens e serviços; sobre os produtos alimentares, serviços de restauração e catering e alimentos para animais recai uma taxa reduzida de 14%; os medicamentos, livros, transportes públicos e atividades culturais, entre outros, são taxados a 10%. Para além deste encargo sobre certos produtos, como tabaco, álcool etílico, bebidas alcoólicas, doces, gelados, refrigerantes, óleos minerais, eletricidade, gás natural, entre outros, são aplicados Impostos Especiais sobre o Consumo (Excise Taxation). Os interessados podem aceder a informação sobre os impostos e taxas na UE (Taxation and Customs Union), no Portal Europa. André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

14


2.2.2. Económico Segundo a publicação “The Global Competitiveness Report 2013-2014”, do Fórum Económico Mundial, num conjunto de 148 países analisados, a Finlândia ocupava o 94º lugar no ranking mundial do número de habitantes, o 37º lugar no do PIB e o 12º lugar no do PIB per capita, fazendo assim jus, em termos de padrões internacionais, a uma das economias mais produtivas do mundo. Posicionava-se no 3º lugar no ranking do Índice Geral de Competitividade (IGC), daquela publicação, e nos seguintes dos seus três subíndices: Requisitos Básicos – 4º lugar; Potenciadores de Eficiência – 9º lugar; Fatores de Inovação e Sofisticação – 3º lugar, o que se explica por fatores tais como a disponibilidade de instituições públicas altamente transparentes (2º lugar), instituições privadas entre as mais bem administradas e éticas do mundo (3º lugar), educação primária e superior e formação profissional (1º lugar), um dos países mais inovadores na Europa (2º lugar), atrás da Suíça, etc..

Tabela 3 - Ficha de Mercado

Fonte: AICEP

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

15


Segundo o BPI, as previsões da atividade económica finlandesa apresentam uma contração de 0,2% em 2013 e uma aceleração da atividade económica de 1,2% para 2014.

Tabela 4 - Estudo económico Novembro de 2013

Fonte: BPI

Sobre as importações e face a 2008, as relativas aos combustíveis também assinalaram uma quebra (45,0%) (passando para 2º grupo de produto mais importante), subindo ao 1º lugar a maquinaria, não obstante também ter sofrido um baixa (18,1%); o valor de importação da maquinaria elétrica baixou (22%), os veículos e suas partes (11,0%) e os químicos orgânicos (17,1%).

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

16


Tabela 5 - Principais Produtos Importados – em 2011

Fonte: World Trade Atlas

2.2.3. Sociocultural Em 2013, a Finlâ ndia em populaçã o de cifra-se pelos 5,3 milhõ es de habitantes (segundo o World Factbook, em julho de 2013 a estimativa foi de 5,266,114 habitantes) em uma á rea de 303 899 km ². A grande maioria da populaçã o do paıś está concentrada no extremo sul, na costa do Golfo da Finlâ ndia e seus arredores. A Finlâ ndia é o sexto maior paı́s da Europa e tem uma baixa densidade populacional de 15,5 habitantes por km ², o que torna o paı́s a segunda menor densidade populacional da Uniã o Europeia. A Finlâ ndia també m possui uma taxa de crescimento da populaçã o muito baixa, segundo dados da CIA em 2013 esta ficou nos 0,06%. 2.2.4. Tecnológico A Finlândia apresenta, atualmente, um grande nível de pesquisa ao nível da nutrição, potenciando o desenvolvimento práticas que permitam beneficiar a saúde pública pela medicina e ciência. Um outro aspeto interessante é a análise química e dos nutrientes dos alimentos que permitem o desenvolvimento de alimento com teor enzimático adequado a alimentação dos finlandeses (Fonte:ETP Food for Life). No âmbito de segurança alimentar, existe o desenvolvimento de processos de deteção de microrganismos, no sentido de garantir a qualidade dos produtos alimentares (Fonte: ETP Food for Life).

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

17


2.2.5. Ambiental Numa vertente mais ecológica, a pesquisa finlandesa sobre alimentos eco-friendly ganha uma relevância cada vez maior, refletindo a crescente preocupação do impacto ambiental na cadeia de valor dos produtos alimentares. Existem pesquisas e métodos de avaliação de sustentabilidade e qual o impacto ambiental na produção alimentar, sobretudo na eficiência no setor agrícola (Fonte: ETP Food for Life).

2.3. Mercado Finlandês O porquê do mercado finlandês… Segundo dados disponibilizados no site Business Sweden, as principais razões que suportam a atratividade e aposta no mercado finlandês são: •

Presença duma distribuição muito organizada e direcionada para os principais players.

Crescente interesse dos finlandeses em outras culturas permitindo uma maior abertura em produtos provenientes de outros países.

Tendência crescente na procura de alimentos naturais e sustentáveis.

Para que se justifique a aposta no mercado finlandês, são apresentados previsionais sobre o valor de vendas respeitantes a serviços alimentares. De acordo com dados Euromonitor, disponibilizados no site Business Sweden, houve nos últimos anos um aumento no setor alimentar.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

18


Gráfico 4 - Previsão de vendas do setor alimentar na Finlândia

*Previsão até 2015 Fonte: Euromonitor in Business Sweden

Recentemente verificou-se que mais de 80% do valor de vendas de produtos orgânicos são oriundas das mercearias locais. De realçar que o peso o valor das vendas deste tipo de produtos recai sobretudo em lojas especializadas, mercados locais e a venda direta.

Frutas secas e legumes na Finlândia A Finlândia é um mercado relativamente pequeno da UE para as frutas e legumes secos. Em 2011 a Finlândia importou 9.000 toneladas de frutas secas e legumes no valor de € 29 milhões. O mercado de retalho alimentar na Finlândia é altamente concentrado. Quase todas as frutas e legumes, incluindo secas, são vendidos através dos supermercados, hipermercados e outras lojas que pertencem a um dos poucos grupos de cadeias de retalho.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

19


Universo de Produtos: •

Coco Desidratado

Cogumelos secos

Banana secas

Ervilhas secas

Figos secos

Grão de bico secos

Uvas e passas secas

Feijão verde secas

Damascos secos

Feijão azuki secos

Maçãs secas

Lentilhas secas

Frutas cristalizadas

Favas secas

Cebolas secas

Snacks Doces & Salgados na Finlândia De acordo com a Euromonitor International, a venda de snacks doces e salgados na Finlândia aumentou 4% em valor para um valor de €145 milhões em 2012. A categoria das batatas fritas é dominante na Finlândia, seguido de nozes, que de acordo com a Euromonitor International, teve o mais rápido crescimento durante 2012 com um crescimento do volume de 7% e valor de crescimento de vendas de 10%. Gráfico 5 - Snacks Doces & Salgados na Finlândia, valor de venda 2012

Fonte: Euromonitor 2013

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

20


De acordo com a Euromonitor International, os snacks doces e salgados na Finlândia devem aumentar em volume e valor constante a uma taxa composta de crescimento anual de 1% em 2017, subindo para 17.000 toneladas e 152.000.000 € no final de 2017.

Mercado de produtos Orgânicos A Proluomu tem observado o crescimento acelerado dos produtos orgânicos na Finlândia. Estima que o mercado de comida orgânica em 2012 rondou os 202 milhões de euros representando uma quota do mercado geral em 1,6%. Gráfico 6 – Peso dos produtos na distribuição na Finlândia

Fonte: Nielsen Consumer Panel 2012 in Proluomo

A Proluomu tem observado o crescimento acelerado dos produtos orgânicos na Finlândia. Estima que o mercado de comida orgânica em 2012 rondou os 202 milhões de euros representando uma quota do mercado geral em 1,6%. Apesar dos dados de produtos orgânicos não estarem compilados em dados estatísticos, acrescenta que de acordo com o observado em 2012, a Proluomu estimou que em 2013 o setor de produtos orgânicos poderia ascender os 330 milhões de Euros. Comparativamente a Finlândia está muito abaixo em relação aos países vizinhos como por exemplo na Dinamarca cifra-se pelos 7% e a Suécia 3% de quota de mercado (Joel Peart, 2013). André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

21


No que refere a retalhistas o grupo S-Group, K-Group e Suomen Lähikauppa tem um peso de 84% no mercado finlandês, tendo a pretensão de aumentar a oferta de produtos orgânicos em cerca de 50% (Dahlbaka 2011,Kesko 2012 in Joel Peart, 2013). Gráfico 7 - Mercado Orgânico 2011-2015

Fonte: Proluomu 2012

No retalho finlandês já se encontram entre 1500 a 2000 produtos orgânicos, sendo o leite o produto mais vendido. Cerca de um terço dos produtos vendidos correspondem a produtos frescos, um terço proveniente de produtos como especiarias, óleo alimentar (9,7%), flocos (10,6%), farinha cerais e muesli. Tabela 6 - Peso dos Produtos orgânicos

Fonte: Nielsen Consumer panel in Proluomo 2012

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

22


O retalho é dominado em cerca de 90% pelos grupos S-Group, Kgroup e Suomen Lähikauppa. Estes grupos dispõem de uma rede de distribuição eficiente e de lojas espalhadas pelo território finlandês (tabela 7).

Tabela 7 - Players de Distribuição

Fonte: Foreign agricultural servisse – United States Departamento f Agriculture

Na tabela 8 é possível observar o tipo de produtos agro-alimentares mais importados para o mercado finlandês entre 2009 e 2011. Verifica-se que a Suécia e Alemanha têm a predominância, uma quota de mercado 17% dos produtos mais importados para a Finlândia.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

23


Tabela 8 - Importação de produtos agro-alimentares para a Finlândia entre 2009-2011

Fonte Global trade atlas in Foreign agricultural service – United States Departament of Agriculture

2.3.1. Concorrência Concorrentes indiretos Batatas fritas e derivados marca - Tafel a maior marca de batatas fritas e derivados finlandeses (Comercializados na Finlândia) Real Snack marca com produtos com menor quota de mercado. Imagem 2 – Real Snack e Taffel

Fonte: realsncks.fi e taffel.fi

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

24


A expansão global dos lanches envolvendo frutas liofilizadas e ingredientes complementares a partir do milho é uma das metas da empresa catalã Snack Saludable, que em 2011 criou o lanche de fruta Casual Fruit, tendo como um dos mercados preferenciais a Finlândia. Imagem 3 – Produtos Casual Fruit

Fonte: www.casualfruit.com

Correntes Diretos Produtores locais, que produzem produtos orgânicos em quintas que posteriormente vendem em lojas especializadas como Anton e Anton. De igual forma, a grande distribuição finlandesa promove e vende produtos orgânicos de marca própria. Em termos de concorrência direta internacional que se destaca é a empresa espanhola Alambique que vende produtos gourmet no mercado finlandês, entre os quais bolachas gourmet que poderão ser considerados como gourmet. 2.3.2. Hábitos estilos de vida e padrões de consumo Culinária Os finlandeses preferem uma alimentação leve e saudável, sendo muito cuidadosos com o que comem. O seu lema é "comer bem, sentir-se bem." Para além dos pratos tradicionais, também comem "comida do mundo". Os consumidores são "omnívoros": gostam de confecionar tudo desde o princípio, podendo ocasionalmente recorrer a comida já confecionada. Baixa concentração de sódio e de gordura são qualidades consideradas por muitos tão importantes quanto o sabor. A procura de alimentos finlandeses de origem biológica está em crescimento. André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

25


Os finlandeses apreciam comida sofisticada contudo consomem-na com moderação. Delícias gastronómicas e hábitos saudáveis andam de mãos dadas. Espera-se que o novo milénio traga uma aceitação renovada do epicurismo, em busca de experiências gastronómicas. Juntamente com a nova forma de pensar, a comida tradicional tais como as salsichas ainda são populares. A gordura animal nas salsichas é muitas vezes substituída por gorduras vegetais, e enriquecidas com ingredientes mais saudáveis com efeitos benéficos para a saúde. Um desses aditivos é a farinha da casca de pinheiro, produzida no âmbito de um projeto apoiado pela UE. O triunfo dos ingredientes funcionais e saudáveis prevalece. O mais finlandês de todos é o centeio, que foi cientificamente comprovado que melhora o bem-estar. Descobriu-se que de facto os finlandeses sempre tiveram uma alimentação saudável, graças, em parte, aos produtos integrais (centeio, cevada, aveia). Os finlandeses, e em particular jovens adultos, estão conscientes da importância de uma vida saudável. As autoridades de saúde finlandesas salientam, há já muitos anos, a importância de uma alimentação saudável para o bem-estar geral. Foi concluído, há alguns anos, o projeto da Carélia do Norte, que estudou as causas da hipertensão e de doenças cardíacas fatais na região, o qual trouxe uma mudança no consumo de sal e de gorduras animais. As horas de refeições têm mudado com os tempos. As famílias finlandesas têm muitos outros interesses, para além da televisão. Já que os seus passatempos reduzem o tempo que passam juntos à tarde e à noite, o pequeno-almoço tornou-se a refeição principal das famílias modernas. É uma refeição completa para os finlandeses, as papas de aveia são muito apreciadas, e muitas famílias preferem muesli, farelo, cereais, iogurte e leite. O pão é obrigatório, e cada vez mais há uma maior variedade de pão integral. As margarinas magras são uma séria alternativa à manteiga. A Finlândia é, estatisticamente, o líder mundial no consumo de café, mas o chá está a ganhar terreno e, naturalmente a dose diária de vitamina C é fornecida através de sumos, fruta, vegetais e todo o tipo de bagas. André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

26


As refeições nas cantinas das instituições educacionais e dos locais de trabalho incluem cada vez mais legumes. São desenvolvidos esforços, quer nas escolas, quer nos lares das famílias, no sentido de serem seguidas as recomendações dos nutricionistas, com especial destaque para as leguminosas, batatas e vegetais. A maioria das pessoas que leva o seu almoço, ou que compra uma refeição rápida, completa-a com saladas, legumes e frutos. Lojas com preocupação pela qualidade podem ser encontradas nestes mercados que existem em quase todas as cidades e vilas da Finlândia. O mercado funciona como uma atração local e mostra-se com orgulho aos amigos e visitantes. 2.3.3. Padrões de Consumo No que respeita ao consumo de produtos orgânicos, o público feminino está mais propenso à compra deste tipo de produtos. Contudo são as mulheres entre os 30 e 39 anos que se destacam na preferência de compra de produtos orgânicos. Segundo o estudo realizado pela Proluomo, os habitantes da capital finlandesa adquirem mais frequentemente do que outras pessoas que vivem noutras zonas do país. A perceção dos consumidores finlandeses vê os produtos orgânicos como um produto amigo do ambiente e adequado para crianças. Gráfico 8 - Frequência de compra de produtos orgânicos

Fonte: TNS Galllup OY & Kuule OY/luomubarometri in Proluomo – Elaboração própria

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

27


3. PERSPETIVAS ESTRATÉGICAS O mercado alimentar na Finlândia é particularmente específico e invulgar, na medida em que os Finlandeses apresentam uma tendência para achar que apenas os produtos nacionais é que têm qualidade. Desta forma, em termos de prioridades estratégicas é importante ter em conta 4 pontos fundamentais – oferta, posicionamento, vantagem competitiva e procura – assim como, as dimensões inseridas em cada um deles. É importante ter em conta que se prevê um crescimento da venda de snacks na Finlândia (tanto em volume como em valor). Tabela 9 – Prioridades Estratégicas

Elaboração Própria

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

28


3.1. Perspetivas de Internacionalização Apostando somente no produto “snacks”, é possível concluir pela análise realizada até aqui que existe uma forte dinâmica que permite a existência de exportação para a Finlândia. Desta forma, torna-se prioritária a aposta neste país na medida em que se prevê um crescimento substancial do consumo de snacks neste país. Em quantidade (toneladas), prevê-se um crescimento, de cerca de uma tonelada, no consumo de snacks até 2017. Este é um ponto positivo que realça o aumento da importância e entrada de snacks na alimentação da população finlandesa.

Gráfico 9 - Previsão de Vendas de Snacks até 2017 (toneladas)

Fonte: Dados Euromonitor – Elaboração própria

Relativamente a previsões de vendas em valor prevê-se um crescimento de sete milhões de euros até 2017. Apesar do crescimento apresentado em baixo não ser muito elevado, é possível perceber uma tendência para um aumento do consumo deste tipo de alimento e uma maior inclusão do mesmo na dieta dos finlandeses.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

29


Gráfico 10 - Previsão de Vendas de Snacks até 2017 (€)

Fonte: Dados Euromonitor – Elaboração própria

Desta forma, e tendo em conta o Target definido, considerámos a Finlândia um mercado prioritário onde pode, e deve existir um aproveitamento seletivo, tendo em conta a natureza do produto e a forma como o pretendemos posicionar no mercado.

Tabela 10 - Potencial do Mercado

Elaboração própria André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

30


3.2. Análise Porter Potencial de Novas Entradas A entrada de novos players no mercado envolve um processo moroso e difícil, para além de que implica um investimento elevado com a criação das infraestruturas necessárias e introdução de um produto no mercado. Para além disso, e referindo a questão da internacionalização, esta envolve custos elevados e uma vantagem competitiva difícil de gerir e controlar. Assim sendo, considera-se a existência de um impacto baixo na medida em que os fatores referidos se tornam numa barreira à introdução de novos players no mercado.

Poder Negocial dos Fornecedores Na medida em estamos a analisar produtos alimentares é necessário considerar a forte dependência de fatores naturais que podem provocar sérios danos na produção o que provoca uma maior dependência, por parte dos comerciantes, em relação a fornecedores externos, bem como relativamente a variações de preço dos produtos. A situação referida provoca um impacto elevado no mercado na medida em que o poder negocial dos fornecedores cresce, existe uma tendência para a subida de preços. Obviamente que se o comerciante possuir produção própria, quanto maior for a

sua

autossuficiência

menor

é

a

dependência

relativamente

ao

produtores/fornecedores.

Poder Negocial dos Clientes A existência de alguma variedade de soluções dentro da mesma gama de produto assim como, a existência de concorrência direta faz com que o consumidor consiga alargar as suas opções de compra, justificando um poder negocial considerável.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

31


Poder dos Produtos Substitutos A existência de um vasto leque de produtos substitutos faz com que a concorrência existente no mercado seja bastante grande, apesar da concorrência direta ser reduzida. Neste sentido, os produtos substitutos apresentam um impacto elevado na medida em que o consumidor pode adquirir um qualquer outro produto em detrimento do produto Terrius, ainda que não se enquadre na mesma categoria/segmento de produto.

Rivalidade Competitiva A existência, como explicado anteriormente, de um vasto leque de produtos substitutos e concorrentes indiretos (principalmente), provocou o aumento da competição existente no mercado. Apesar disso, a estratégia de entrada proposta para a Terrius para por uma diferenciação e segmentação que faz com que a maior parte da concorrência seja indireta e não direta. Tabela 11 – Forças de Porter

Elaboração própria

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

32


3.3. Matriz Ansoff Segundo Adriano Freire (1997, p. 217), a Matriz de Ansoff é um modelo utilizado na determinação de oportunidades de crescimento para uma empresa. Para caracterizar as estratégias de crescimento alternativas, a matriz focaliza-se nos produtos e mercados (clientes) atuais e potenciais de uma empresa. Ao conjugar as formas de crescimento através de produtos atuais ou novos e em mercados atuais ou novos, existem quatro vias de desenvolvimento estratégico da matriz produtomercado possíveis.

Tabela 12 - Matriz Ansoff

Elaboração própria

3.4. Matriz Mckinsey Segundo Strategor (2000,p.101) a matriz Mckinsey caracteriza a posição estratégica de cada atividade com base em duas dimensões: a atratividade dos segmentos de mercado onde são exercidas as atividades e força concorrencial da empresa em cada produto/mercado. O modelo McKinsey permite fazer a análise do portfólio de unidades de negócios. Entende-se que o melhor portfólio de negócios é aquele que se enquadra plenamente nos pontos fortes da empresa e ajuda a explorar as indústrias e os mercados mais atrativos, possibilitando observar onde se encontram os negócios da empresa.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

33


Existem três áreas: •

Área de crescimento (área mais escura)

Área de desinvestimento (área mais clara)

Área de gestão de retorno (área intermédia)

De acordo com Kotler & Amstrong (1993) os objetivos da análise do portfólio de negócios são: •

Decidir qual a unidade de negócios que deve receber mais ou menos investimentos;

Desenvolver estratégias de crescimento incluindo novos produtos e negócios ao portfólio;

Decidir quais negócios ou produtos não deverão permanecer.

Tabela 13 – Matriz Mckinsey

Elaboração própria

Através da análise da Matriz GE/McKinsey conclui-se que a Terrius encontra-se posicionada no mercado numa área de crescimento com uma atratividade média, pelo que se sugere a escolha de uma estratégia de prudência que permita reforçar a

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

34


posição, investindo nos segmentos-alvo para os quais se direciona e neutralizando a concorrência.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

35


4. SWOT Segundo Philip Kotler (2006, p.50), a análise de SWOT é a avaliação global das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças (dos termos em inglês strengths, weaknesses, opportunities, threats)”. Esta análise pode ser aplicada a qualquer produto, serviço ou projeto e engloba a monitorização dos ambientes externo e interno. Tabela 14 - SWOT

Elaboração Própria

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

36


5. MARKETING ESTRATÉGICO 5.1. Enquadramento, missão e objetivos Neste ponto estão inseridos diversos pontos complementares que passam pelo desenvolvimento e apresentação de um enquadramento, missão, visão, valores, estratégias e objetivos específicos.

5.2. Enquadramento A proposta para os princípios apresenta-se refletida na Missão, Visão e Valores apresentados de seguida, questão direcionados e focados constantemente na oferta de produtos e ações que estejam em concordância com o consumidor, a sociedade e o meio ambiente onde está inserido.

Missão A proposta para a missão define o objetivo traçado a longo prazo da empresa e marca, assim como, o critério de atuação:

“Garantir a criação de produtos capazes de marcar a diferença em momentos e situações especiais” Visão Em conjunto com a missão apresentada anteriormente, a visão apresenta-se como um pilar central de todo o plano de trabalho, descrevendo assim os pontos que permitem atingir a melhor qualidade, sustentabilidade e satisfação.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

37


Ilustração 1 - Visão

Fonte: Elaboração própria

Valores Os valores propostos em baixo são um guia relativo à forma de estar e atuar no mercado.

Ilustração 2 - Valores

Elaboração própria

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

38


5.3. Proposta estratégica

Numa perspetiva de estratégia de internacionalização pretende-se promover o consumo de snacks Terrius num mercado internacional, a Finlândia, alavancando este produto como sendo de alta qualidade. Assim, concretamente, estamos a assistir a uma estratégia de desenvolvimento de mercado, na medida em que existe a procura de novos segmentos de mercado num país diferente. Importa focar que o “país-alvo” é a Finlândia que, como é possível perceber pela análise previamente realizada, apresenta um elevado poder de compra e uma tendência de crescimento no que toca ao consumo de snacks. Por outro lado, deve existir uma estratégia de desenvolvimento de produto, através da adaptação da embalagem de forma a cumprir os requisitos legais finlandeses (referidos em baixo) e, para além disso, adaptar as embalagens e o produto (ainda que residualmente), como forma de atrair uma população mais júnior através da aliança entre um design atrativo para as crianças e a comunicação de um produto natural e de qualidade para os pais.

5.4. Objetivos Estratégicos

Considerando a proposta de missão, visão e valores apresentados anteriormente, os objetivos estratégicos descrevem-se da seguinte forma:

Qualidade Alimentar Desenvolvimento de um conjunto de condições necessárias ao desenvolvimento de produtos alimentares de alta qualidade.

Valorização do Snack enquanto “fast food”" saudável

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

39


Promoção e comunicação dos snacks Terrius enquanto produto natural e orgânico, diferenciado e de alta qualidade. Para além disso, valorizar os snacks Terrius a partir de outro produto da marca, o mel, que já possui certificação orgânica.

Valorização do Mel enquanto produto Gourmet de alta qualidade Promoção e comunicação do mel Terrius enquanto produto natural e orgânico, certificado e diferenciado.

Segmentação e Mercado Internacional Promoção da internacionalização – Finlândia – e á procura de nichos de mercado internacionais, construindo uma imagem forte e sólida como alimento natural, orgânico e de alta qualidade.

5.5. Objetivos Especificos

Os objetivos específicos passam por: •

Promover o aumento da visibilidade dos produtos Terrius na Finlândia através de uma ocupação de lineares no setor dos snacks em cerca de 1% até 2018;

Aumento das exportações de snacks e mel Terrius em cerca de 13% até 2018;

Aumentar o número de produtos Terrius que possuem certificados orgânicos em cerca de 40% até 2018 (com prioridade para os snacks).

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

40


5.6. Estratégias de Marketing

Posicionamento O posicionamento de mercado diz respeito à posição relativa que pretensamente se pretende ocupar na mente do consumidor. Neste caso, a principal preocupação é o posicionamento na mente do consumidor finlandês. Numa primeira fase, e tendo em conta uma perspetiva B2B de negociação com grandes superfícies, supermercados e lojas especializadas, é importante referir que se pretende um posicionamento, nas lojas escolhidas, em secções estritamente gourmet ou de produtos naturais e orgânicos ou dedicadas totalmente a snacks. Numa perspetiva B2C, está em causa, por um lado, comunicar “fast food” saudável e de alta qualidade e gourmet (snacks) e, por outro lado, produtos naturais, orgânicos e certificados de alta qualidade (mel). Estes produtos, tendo em conta o referido em cima, deve ser colocadas para venda em secções estritamente gourmet ou de produtos naturais e orgânicos, Por outro lado, os snacks para crianças devem ser posicionados como uma produto júnior, saboroso, natural, orgânico e de alta qualidade. Em loja, estes produtos devem ser colocados em secções dedicadas totalmente a snacks. Segmentação e Público-Alvo Em concordância com o referido anteriormente, é pretendido comunicar para determinados grupos de consumidores (target) e, para isso, propõe-se a definição de uma segmentação de mercado a partir de uma estratégia B2C que é o fim último de todas atividades a realizar. Primeiramente, definimos como Target para os snacks uma parte da população finlandesa, com poder de compra que permite adquirir produtos de alta qualidade, com um estilo de vida “ocupado”, entre os 35 e os 49 anos.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

41


Relativamente ao mel, definimos um Target para uma população mais sénior e exigente, entre os 55 e os 69 anos, com poder de compra e gosto por produtos gourmet e de alta qualidade. Relativamente aos snacks para crianças, consideramos dois targets. O primeiro é constituído por crianças entre os 4 e os 12 anos. Por outro lado, incluímos também os pais, com idades compreendidas entre os 30 e os 42 anos, na medida em que, numa fase final, são eles que decidem se realmente compram, ou não, o produto. Numa vertente mais geral, pretende-se com este tipo de segmentação e através de 3 produtos, atingir grande parte do mercado finlandês. Assim sendo, os targets de segmentação utilizados para definir os segmentos de mercado a atingir foram os seguintes: Demográficos Indivíduos de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 4 e os 12 anos, entre os 35 e os 49 anos e, por último, entre os 55 e os 69 anos. Geográfico Indivíduos residentes em áreas urbanas com grande densidade populacional, com especial incidência na capital. Psicográfico Indivíduos inseridos nas classes sociais A, B e C1, sendo que se pretende comunicar um produto diferenciado e de alta qualidade. Comportamental Classifica-se de acordo com a ocasião de compra e benefícios procurados pelo consumidor: Ocasião de compra: envolve as compras realizadas em supermercado, grandes superfícies e lojas especializadas; Benefícios procurados: produto de qualidade, natural, orgânico (com certificação) e diferenciado. André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

42


Marketing-Mix Produto Primeiramente, é de referir que seria importante a certificação dos snacks enquanto produto orgânico, pois, apesar de serem um produto natural, não possui qualquer tipo de certificação, o que, num país como a Finlândia é um ponto fraco. É importante existe um certificado obrigatório para todos os países europeus – Euroleaf. Para além disso, é necessário importante referir a obrigação legal de apresentar na embalagem do produto informações claras sobre a associação, ou não, de químicos. É obrigatório que a etiqueta e informações relativas ao produto estejam em Sueco e Finlandês e deve ter símbolos correspondentes à segurança do produto (ex. apenas para indivíduos com idade superior a 3 anos). Por último, e tendo em conta as barreiras à entrada, por parte da população finlandesa, relativamente a países que não são nacionais, a estratégia da Terrius poderia passar por incluir o “Made in Portugal” na parte de trás da embalagem mas, optar por fazer o embalamento na Finlândia, referindo esta situação com destaque na embalagem. É fulcral referir que no caso de optar pelo embalamento na Finlândia, exista a possibilidade de obter a certificação local – Luomu. Preço A definição do preço passará por uma estratégia de desnatação, ou seja, irá acompanhar a forma como se pretende que o produto seja comunicado e promovido, ou seja, para um nicho de mercado que está disposto a pagar mais por um produto de qualidade, natural e diferenciado. Distribuição A estratégia de distribuição passará por uma cobertura seletiva que abrangerá secções selecionadas de grandes superfícies, supermercados, lojas especializadas e lojas online. A utilização de intermediários poderá ser uma possibilidade (ex. agentes André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

43


de representação), na medida em que poderá ser uma exigência de determinadas superfícies que, por exemplo, só aceitem negociar com distribuidores locais. Comunicação Com o objetivo de despertar o interesse pelos produtos em questão, deverá ser utilizada uma estratégia Pull, que passará pela utilização de meios digitais, ou seja, facebook, website e publicidade na loja online de lojas selecionadas onde se pretende que o produto esteja inserido, através da utilização de banners ou mrecs. Por outro lado, deveriam ser utilizadas estratégias Push, nomeadamente através de provas gratuitas no ponto de venda.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

44


6. AÇÕES Ação 1 (B2B & B2C) Terrius - Totta Luomurokaa | Terrius – A Verdadeira Alimentação Orgânica | Terrius – The True Organic Food Esta ação passa pela participação em duas feiras Gastronómicas, a Nordic Organic Food Fair, de 26 a 27 de outubro, na Suécia e a Local and Organic Food Fair (de 11 a 13 de abril) em Helsínquia. Com esta ação, numa vertente B2B, pretende-se a contração de parcerias económicas importantes. Numa vertente B2C, pretende-se dar a conhecer o produto ao consumidor final.

Ação 2 (B2C) Terrius - terveellistä pikaruokaa | Terrius – Fast Food de Qualidade | Healthy Fast Food Esta ação tem como objetivo dar a conhecer o produto e permitir ao consumidor provar e disfrutar do mesmo. Assim sendo, esta ação baseia-se na existência de provas de degustação dos snacks e mel destinados para o segmento definido em cima, nas grandes superfícies, supermercados e lojas especializadas. Ação 3 (B2C) Kasvanut Luonteeltaan | Crescidos por Natureza | Grown by Nature Esta ação tem como objetivo dar a conhecer o produto e permitir ao consumidor provar e disfrutar do mesmo.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

45


Assim sendo, esta ação baseia-se na existência de provas de degustação dos snacks destinados para o segmento júnior nas grandes superfícies, supermercados e lojas especializadas. Ação 4 (B2C) Terrius - Totta Luomurokaa | Terrius – A Verdadeira Alimentação Orgânica | Terrius – The True Organic Food Esta ação passa por ações online de publicidade nos websites das lojas online de lojas selecionadas onde se pretende que o produto esteja inserido, através da utilização de banners ou mrecs. Desta forma, pretende-se dar destaque aos produtos Terrius que, para além de não ser um produto para massas, é um produto novo no mercado que necessita de “se dar ao conhecimento” e marcar um posicionamento forte desde a entrada no mercado.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

46


7. PLANO DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Tabela 15 – Plano das atividades operacionais

Elaboração própria André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

47


8. CRONOGRAMA Tabela 16 – Cronograma 2015

Elaboração própria André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

48


Tabela 17 - Cronograma 2016

Elaboração própria André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

49


Tabela 18 - Cronograma 2017

Elaboração própria André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

50


Tabela 19 - Cronograma 2018

Elaboração própria André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

51


Os cronogramas de ação apresentados baseiam-se na estratégia definida para 4 anos. Por uma questão de estratégia de marketing, as ações não serão implementadas todas no primeiro ano pois, no final do primeiro ano é fulcral “olhar” para o mercado e ver se a estratégia em causa está a dar resultados ou se se deve sair do mercado ou optar por um reposicionamento. No entanto, e seguindo a previsão, no primeiro ano (2015), pretende-se implementar três ações: as presenças nas feiras e provas de degustação de snacks e mel nas grandes superfícies, supermercados e lojas especializadas. O segundo ano fica marcado pela entrada de mais uma ação que passa pela comunicação online nos websites referidos anteriormente. No terceiro e quarto anos, pretende-se então implementar no mercado um novo produto direcionado especificamente para o público juvenil. Esta ação está prevista apenas para estes anos na medida em que é um produto novo para a empresa e envolve mais custos.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

52


9. ORÇAMENTAÇÃO DE MARKETING Tabela 20 – Tabelas de Orçamentação 2015 - 2018

Elaboração própria

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

53


RECOMENDAÇÕES No sentido de melhorar a performance da TerriuS recomenda-se a implementação dos seguintes pontos: 1. Ativar e dinamizar o website 2. Traduzir o website e Facebook para inglês 3. Adaptar

os

critérios

da

embalagem

dos

produtos

orgânicos,

nomeadamente:

Serem geradas dentro do princípio de redução de uso de energia e emissão de gases efeito estufa, tanto no que diz respeito à escolha da matéria-prima quanto do processo; Utilizar sempre que possível matéria- prima reciclada ou renovável ou retornável e sempre reciclável; Ter um design atrativo e utilização eficiente e poupadora de energia e espaço; Sempre que possível, usar a linguagem braille e com o código de cores para daltónicos (ColorAdd); Ter QR Code com todas as informações: website, textos com informações do produto, curiosidades, etc.; Evitar uso de sobre embalagens desnecessárias; Usar sempre matéria-prima certificada (principalmente quando de origem florestal); Atender a legislação de rotulagem do país para onde se vão internacionalizar; Cumprir a norma de rotulagem ambiental.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

54


4. Melhorar a Logística: Cotação para paletes com destino a Helsínquia:

Local de carga: Marvão-Portalegre, Portugal Local de descarga: Helsínquia, Finlândia

Tabela 21 – Custos de Paletes

Fonte: Elaboração própria

Como se pode constatar através dos dados anteriores apresentados, o peso dos custos de transporte é bastante elevado o que se torna uma desvantagem competitiva para a Terrius. Para ultrapassar esta desvantagem, a sugestão passa por tomar medidas tais como:

Envio da mercadoria por via marítima (transporte mais económico); Envio da mercadoria por camião (transporte económico e a Finlândia possui um amplo sistema de estradas); Exportar através de uma plataforma logística partilhada em Lisboa.

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

55


BIBLIOGRAFIA Kotler, P., Administração de Marketing, Pearson Prentice Hall, 12ª Ediçã o Grant, Robert, Contemporary Strategy Analysis, Blackwell Publishing Freire, Adriano, Estratégia Em Portugal, Editorial Verbo, 1ª Ediçã o, pá g 217 Lopes dos Reis, Estratégia Empresarial, Editorial Presença, 1ª Ediçã o, p.27 Strategor, Publicações Dom Quixote, 3 ª Ediçã o, p.101 Kotler, P. & Amstrong, G., Princípios de Marketing 5ºEdiçã o Pearson Prentice Hall, Brasil

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

56


NETGRAFIA 10

Times

(2014)

-

Local

&

Organic

Food

Fair

[online]

<http://10times.com/local-organic-food> Acedido em 04 de Fevereiro de 2014

Aeroportos do Mundo (2013) - Aeroporto de Helsinque Vantaa – [online] <http://www.aeroportosdomundo.com/europa/finlandia/aeroportos/helsinquevantaa.php#.UpTCN9KGpp4> Acedido a 26 de Novembro de 2013 AICEP

(2014)

Finlândia

[online]<http://www.portugalglobal.pt/PT/Internacionalizar/Paginas/MercadosExt ernos.aspx?marketId=82> Acedido em 20 de Novembro de 2013

Alambique

(2014)

-

Alambique

-

[online]

<http://www.alambique.fi/category/6/keksit> Acedido a 03 de Fevereiro de 2014

Bank of Finland (2013) - Bank of Finland Bulletin 2013 – [online] <http://www.suomenpankki.fi/en/julkaisut/bulletin/economic_outlook/Documents /B313.pdf> Acedido a 25 de Janeiro de 2014

Biginfinland (2014) - Supermercados en Finlandia ¿Cuál elijo? – [online] <http://www.biginfinland.com/supermercados-finlandia/#data>

Acedido

a

04

Fevereiro de 2014

Business Sweden (2012) - Foodservice Market in Finland – [online] <http://www.businessSweden.se/PageFiles/6515/Foodservice%20and%20Premium%20Retail%20in%20 Finland.pdf >Acedido a 08 de Fevereiro de 2014 André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

57


CasalFruit.com (2014) – Casal Fruit – [online] <http://www.casualfruit.com/> Acedido a 07 de Fevereiro de 2014

CBI.eu (2013) - Product factsheet Dried Fruit and Vegetables in Finland – [online]<http://www.cbi.eu/system/files/marketintel_documents/2013_pfs_dried_fr uit_and_vegetables_in_finland_-_processed_food_and_vegetables_and_edible_nuts.pdf> Acedido a 09 de Fevereiro de 2014

CIA

Fact

Book

(2013)

Finland

[online]

<https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/fi.html> Acedido a 19 de Dezembro de 2013

Compete (2013) - The Global Competitiveness Report 2013–2014 – [online]<http://www.pofc.qren.pt/ResourcesUser/2013/Publicacoes/WEF_GlobalCo mpetitivenessReport_2013_14.pdf> Acedido a 19 de Dezembro de 2013

Doingbusiness.org

Finlândia

[online]

<http://portugues.doingbusiness.org/data/exploreeconomies/finland/> Acedido em 20 de Novembro de 2013

Embaixada

da

Finlândia

(2013)

Info

Finlândia

[online]<http://finlandia.org.pt/public/default.aspx?nodeid=39497&contentlan=17& culture=pt-PT> Acedido a 24 de Novembro de 2013

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

58


Ernst & Young (2012) - Transparency International Corruption Perceptions Index

[online]

2012-

<http://www.ey.com/Publication/vwLUAssets/2012_TI_CPI/$FILE/2012%20TI%20 CPI.pdf > Acedido a 13 de Janeiro de 2014

Eurostat

(2014)

-

Farm

structure

in

Finland

[online]

<http://epp.eurostat.ec.europa.eu/statistics_explained/index.php/Farm_structure_in _Finland> Acedido a 05 de Janeiro de 2014

ETP Food for life (2014) – [online] <http://www.foodforlife.fi/english/r-n-din-finland> Acedido a 09 de Janeiro de 2014

Food Safety Management (2013) - Food Safety Expertise in Finland – [online] <http://www.foodsafetyfinland.fi/files/food_safety_expertise_in_finland.pdf> Acedido a 27 de Novembro de 2013

Global Agricultural Information Network (2012)- Retail Food Sector Report for Sweden

and

Finland

[online]<http://gain.fas.usda.gov/Recent%20GAIN%20Publications/Retail%20Food %20Sector%20Report%20for%20Sweden%20and%20Finland_Stockholm_Finland_1 2-16-2010.pdf> Acedido a 07 de Fevereiro de 2014

Linkedin.com

(2014)

Terrius

[online]

<http://www.linkedin.com/company/terrius> Acedido a 03 de Fevereiro de 2014

MTT

Agrifood

Research

Finland

(2013)

Luomu

[online]

<https://portal.mtt.fi/portal/page/portal/agronet/luomu/markkinatilanne/B64F98 CCF1926C78E040A8C0023C41DF Acedido a 15 de Dezembro de 2013 André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

59


OECD Lilibrary (2013) - Country statistical profile: Finland 2013 - [online] <http://www.oecd-ilibrary.org/content/table/20752288-table-fin> Acedido a 20 de Janeiro de 2014

Organic Food Finland (2014) [online] <http://organic-finland.com/> Acedido em 07 de Fevereiro de 2014 OSKE

(2013)

-

Food

Development

Cluster

of

Finland

[online]

<http://www.oske.net/elintarvikekehitys/en/> Acedido a 27 Novembro de 2013

Proluomu - Organics in Finland 2012 –[online] <http://proluomu.fi/wpcontent/uploads/sites/3/2013/10/Organics-in-Finland_2012_final1.pdf> Acedido a 01 de Fevereiro de 2014

Real

Snacks.fi

(2014)

Real

Snacks

[online]

<http://realsnacks.fi/en/products/> Acedido a 06 de Fevereiro de 2014

Statistics Finland (2013) - Unemployment rate 7.4 per cent in October – [online] <http://www.stat.fi/til/tyti/2013/10/tyti_2013_10_2013-11-26_tie_001_en.html> Acedido a 26 Janeiro de 2014

Taffel.fi (2014) – Taffel – [online] <http://www.taffel.fi/> Acedido a 05 de Fevereiro de 2014

The

Economist

Intelligence

Unit

Finland

[online]

<http://country.eiu.com/Finland> Acedido a 20 de Dezembro de 2013

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

60


Theseus.fi (2013) - Finnish Consumer Attitudes Concerning Organic Foods – [online] <https://www.theseus.fi/bitstream/handle/10024/64766/Joel%20Peart%20Thesis. pdf?sequence=1> Acedido a 07 de Fevereiro de 2014

Wkitravel (2014) - Helsinki - [online] <http://wikitravel.org/en/Helsinki> Acedido a 06 de Fevereiro de 2014

World

Bank

(2013)

Finland

[online]

<http://data.worldbank.org/country/finland> Acedido a 20 de Dezembro de 2013

André Carvalho nº5102 * Lídia Branco nº5839 * Nuno Aguiar nº5130 * Sandra Leal nº5275

61

Plano de internacionalização 2  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you