__MAIN_TEXT__

Page 1


Nº2 / PORTEFÓLIO

PORTUGUÊS


Desenho contemporâneo em contexto de museu. Três entrevistas Emília Ferreira

4

Elsy Lahner

6

Inmaculada Corcho

8

do traço ao rasto Maria do Mar Fazenda

11

Dayana Lucas

13

Mattia Denisse

16

Pedro A.H. Paixão

19

Paulo Lisboa

22

Adriana Molder

25

Ramiro Guerreiro

28

Nuno Henrique

31

Sara Chang Yan

34

Rui Horta Pereira

37

Joana Fervença

40

Vasco Araújo

43

Ana Pérez-Quiroga

46

António Poppe

49

Miguel Ângelo Rocha

52

Von Calhau!

55

Rui Moreira

58

Claire de Santa Coloma

61

Gabriela Albergaria

64

Diogo Pimentão

67

Hugo Canoilas

70

Musa paradisiaca

73

Pedro Gomes

76

Marta Wengorovius

79

Susana Gaudêncio

82

AnaMary Bilbao

85

Legendas English Version

88 97


Portugal

em

destaque

papeleo es una publicación de periodicidad irregular, oportunista e indisciplinada, dedicada al dibujo contemporáneo internacional. Pocos meses después de editar el primer número, estamos orgullosos de presentar este Portefólio Português, creado, a modo de cadáver exquisito, por la curadora Maria do Mar Fazenda con las obras de veinticinco destacados artistas. La oportunidad de este monográfico es la primera celebración de la feria Drawing Room en Lisboa, en octubre de 2018. El dibujo de los artistas actuales no se somete a estructuras o mandatos. Hemos preguntado a responsables de tres museos europeos especialmente vocacionados por el dibujo sobre su trabajo de mediación entre la institución y el público. Mi agradecimiento a todos nuestros colaboradores, con el deseo de concitar vuestro interés. Mónica Álvarez Careaga, directora papeleo é uma publicação de periodicidade irregular, oportunista e indisciplinada, dedicada ao desenho contemporâneo internacional. Poucos meses após editar o seu primeiro número, estamos orgulhosos de apresentar este Portefólio Português, criado como um cadáver esquisito, pela curadora Maria do Mar Fazenda com as obras de vinte e cinco destacados artistas. A oportunidade desta monografia é a celebração da primeira edição da Drawing Room Lisboa, em outubro de 2018. O desenho dos artistas não se submete a estruturas ou mandatos. Perguntámos a responsáveis de três museus europeus especialmente vocacionados para o desenho sobre o seu trabalho de mediação entre a instituição e o público. Os meus agradecimentos a todos os nossos colaboradores, com o desejo de que esta edição seja do seu interesse. Mónica Álvarez Careaga, diretora


Dibujo contemporáneo desde el museo. Tres entrevistas Entrevista de María Crespo

EMÍLIA

FERREIRA

Directora del Museo Nacional de Arte Contemporáneo-Museu do Chiado, Lisboa ¿Qué cree que hace única a esta feria? Lo que hace único el proyecto de Drawing Room es que está centrado en el dibujo. La decisión de mostrar sólo el dibujo. Hay que decir que eso es también el resultado de una clara atención de la organización a la contemporaneidad. Es que a pesar del atractivo de las nuevas tecnologías, el dibujo es un campo de acción / creación plástica en clara revitalización. Por un lado, sigue siendo un espacio privilegiado de experimentación -por mucho que, en muchos casos, sea de una enorme complejidad y de cruce con las otras disciplinas. Mantiene una frescura y una capacidad de inmediatez que otras disciplinas no pueden tener. Y, por otro lado, como estructura, en cuanto pensamiento, invade todo lo demás y tiene esa maravillosa capacidad de cambiar de cuerpo, infiltrando la escultura, la instalación. El dibujo es un cuerpo en permanente metamorfosis. Y eso es lo que Drawing Room muestra. Desde 1998 es comisaria de exposiciones, ha dedicado su vida profesional al arte y al dibujo…, ¿qué le aporta esta disciplina a usted personalmente? Crecí con el gusto por el dibujo. En la familia de mi padre, aunque no hubo artistas, siempre hubo el gusto por el ejercicio del dibujo. Mi padre, desde siempre, cultivó el dibujo y me hizo apreciar el rigor de la disciplina. En la adolescencia he dibujado mucho -pero no lo suficiente. Esto me hizo percibir la exigencia de este lenguaje. Cuando por fin comencé a trabajar en esta área, fue una feliz coincidencia terminar trabajando en un centro dedicado al dibujo, Casa da Cerca, en Almada. El hecho de haber estado ahí casi 18 años (de 2000 a finales del año pasado) me dio la posibilidad de dedicarme a la investigación del dibujo contemporáneo. Es una disciplina que sigue maravillándome por la diversidad que aporta, por el intimismo, por el arrojo, por la fragilidad -que es, paradójicamente, su fuerza. La capacidad que el dibujo tiene de ser simultáneamente pensamiento y acción, de ser silencioso y expresivo, organizado y arriesgado, sigue siendo apasionante. Como experta en dibujo contemporáneo, además de historiadora del arte, docente, conferenciante, educadora artística, programadora, investigadora y autora de ficción, ¿cree que el dibujo conecta cada vez más con el público? Creo que el dibujo está pasando por un período francamente rico. No sólo por la diversidad que le viene de un regreso al dibujo por parte de muchos artistas (que continúan practicándolo y reinventándolo), sino también por el hecho de que en los últimos años haya habido un interés creciente por parte de los comisarios y de los espacios expositivos. Y creo que, incluso en términos historiográficos, se está profundizando el interés por artistas que trabajaron sobre todo el dibujo. Lo que significa que la disciplina está bajo los focos. Excelente señal, desde mi punto de vista. En cuanto al público, creo que también hay cada vez mayor receptividad. El público ya está acostumbrado a ver el dibujo.


Desenho contemporâneo em contexto de museu. Três entrevistas

Entrevista de María Crespo

EMÍLIA FERREIRA Diretora do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, Lisboa

O que considera marca a diferença na Drawing Room? O que torna único o projeto da Drawing Room é o estar centrada no desenho. A decisão de mostrar apenas desenho. Há que dizer que isso é também o resultado de uma clara atenção da organização à contemporaneidade. É que apesar do apelo das novas tecnologias, o desenho é um campo de acção/criação plástica em clara revitalização. Por um lado, continua a ser um espaço privilegiado de experimentação — por muito que, em muitos casos, seja de uma enorme complexidade e se cruze com as outras disciplinas. Mantém uma frescura e uma capacidade de imediatez, que outras disciplinas não conseguem ter. Por outro lado, enquanto estrutura, enquanto pensamento, invade tudo o mais e tem essa maravilhosa capacidade de mudar de corpo, infiltrando a escultura, a instalação. O desenho é um corpo em permanente metamorfose. E é isso que a Drawing Room mostra. É comissária de exposições desde 1998, tem dedicado a sua vida profissional à arte do desenho….¿ em que se traduz para si, do ponto de vista pessoal, esta disciplina? Cresci com o gosto do desenho. Na família do meu pai, mesmo não havendo artistas, sempre houve o gosto pelo exercício do desenho. O meu pai, desde sempre, cultivou o desenho e fez-me apreciar o rigor da disciplina. Na adolescência desenhei muito — mas não o suficiente. Isso fez-me perceber a exigência desta linguagem. Quando por fim comecei a trabalhar nesta área, foi uma feliz coincidência acabar por ir trabalhar num centro dedicado ao desenho, a Casa da Cerca, em Almada. O facto de aí ter estado quase 18 anos (de 2000 até ao final do ano passado) deu-me a possibilidade de me dedicar à investigação do desenho contemporâneo. É uma disciplina que continua a maravilhar-me pela diversidade que aporta, pelo intimismo, pelo arrojo, pela fragilidade — que é, paradoxalmente, a sua força. A capacidade que o desenho tem de ser simultaneamente pensamento e acção, de ser silencioso e expressivo, organizado e arriscado, continua a revelar-se apaixonante. Enquanto especialista em desenho contemporâneo, para além de historiadora de arte, docente, conferencista, educadora artística, programadora, investigadora e autora de ficção ¿acredita que o desenho cada vez mais de relaciona com o público? Creio que o desenho está a passar por um período francamente rico. Não só pela diversidade que lhe advém de um regresso ao desenho da parte de muitos artistas (que continuam a praticá-lo e a reinventá-lo), como também pelo facto de, nos últimos anos, ter havido um interesse crescente da parte de curadores e de espaços expositivos. E creio que, mesmo em termos historiográficos, está a aprofundar-se o interesse por artistas que trabalharam sobretudo o desenho. O que significa que a disciplina está sob os holofotes. Excelente sinal, do meu ponto de vista.

5


Dejó de ser visto sólo como un trabajo preparatorio para pasar a ser entendido como una expresión en sí misma, como un trabajo que es un fin en sí mismo. ¿Cómo es su día a día en el Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado? Hasta ahora, el trabajo ha sido ir conociendo las exigencias de una institución museológica nacional. Para usar como metáfora la disciplina de la que hemos venido hablando, puedo decir que, para mí, todavía está empezando a dibujarse. Todavía veo todo en bosquejo. Pero, cada día que pasa, la composición gana otra línea. Y la línea (mi línea) es lo que estoy buscando definir. Teniendo en cuenta que cualquier institución necesita sus directrices y correr algunos riesgos, como en el dibujo, también tendré que encontrar en mi camino un equilibrio entre la línea y el riesgo.

ELSY

LAHNER

Conservadora de arte contemporáneo en el Museo Albertina, Viena

¿Qué cree que hace que Drawing Room sea diferente? Drawing Room es una feria de arte comisariada que tiene como objetivo mostrar los diversos aspectos del dibujo contemporáneo. Muestra un amplio número de galerías internacionales, también algunas más pequeñas que quizás no puedan participar en ferias de arte más grandes, pero que tienen un programa de muy alto nivel en lo que respecta al dibujo. Ha dedicado una parte muy importante de tu vida profesional a apoyar a los artistas emergentes y al reconocimiento del dibujo contemporáneo ... ¿Qué le ofrece esta disciplina personalmente? Es la variedad lo que me fascina y cómo los artistas encuentran nuevas formas de tratar este género y exploran de este modo sus características y sus fronteras. Es un género que permite una gran cantidad de investigación. Puede haber mucha información en un dibujo, pero como espectador puedes seguir mirándolo desde un punto de vista estético, si deseas hacerlo. Como experta y responsable de un museo público dedicado al dibujo, ¿cree que el dibujo está conectando cada vez más con el público? No estoy tan segura. Creo que sigue siendo más fácil conectar con una pintura. La mayoría de la gente todavía tiene una cierta idea de cómo podría ser un dibujo. Se necesita cierta disposición para descubrir el dibujo contemporáneo. Pero si comienzas a involucrarte con él, es muy probable que compartas pronto esa pasión por el dibujo contemporáneo. ¿Cómo es su vida diaria en el Museo Albertina? Mi vida diaria depende mucho de la exposición que esté preparando. Fui responsable de la inauguración de dos exposiciones en los últimos meses, “Keith Haring: The Alphabeth” y una retrospectiva de la artista austríaca Florentina Pakosta. Esto me mantuvo bastante ocupada. Ahora ya estoy empezando con la investigación y selección de trabajos para mis próximas exposiciones.


7 Em relação ao público, creio que também há cada vez maior receptividade. O público está já mais habituado a ver desenho. Deixou de ser visto apenas como um trabalho preparatório para passar a ser entendido como uma expressão em si mesma, como um trabalho que é um fim em si mesmo. ¿Como é o seu dia no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado? Até agora, o trabalho tem sido de ir conhecendo as exigências de uma instituição museológica nacional. Para usar como metáfora a disciplina de que temos vindo a falar, posso dizer que, para mim, ainda está a começar a desenhar-se. Ainda vejo tudo muito em esboço. Mas, a cada dia que passa, a composição ganha mais uma linha. E a linha (a minha linha) é o que eu estou a procurar definir. Tendo em conta que qualquer instituição precisa das suas linhas de orientação e de correr alguns riscos, tal como no desenho, também terei de encontrar no meu rumo um equilíbrio entre a linha e o risco.

ELSY

LAHNER

Conservadora de arte contemporânea no Museu Albertina, Viena

O que considera marca a diferença na Drawing Room? A Drawing Room é uma feira de arte comissariada que tem como objectivo expor os diferentes aspectos do desenho contemporâneo. Dá a conhecer um amplo número de galerias internacionais, bem como algumas mais pequenas que porventura não poderiam estar representadas em feiras de arte de maior dimensão, mas que têm um programa de elevado nível no que respeita ao desenho. Dedicou grade parte da sua vida profissional a apoiar artistas emergentes e ao reconhecimento do desenho contemporâneo… ¿ em que se traduz para si, do ponto de vista pessoal, esta disciplina? A variedade e a forma como os artistas encontram novas maneiras de tratar este género e exploram deste modo as suas características e fronteiras, é o que mais me fascina. É um género que permite uma grande quantidade de investigação. Pode existir muita Informação no desenho, mas como espectador podemos optar por continuar a observá-lo de um ponto de vista estético, se assim for a nossa vontade. Enquanto especialista e responsável de um museu público dedicado ao desenho, ¿ considera que o desenho cada vez mais se relaciona com o público? Não estou assim tão segura. Creio que continua a ser mais fácil a ligação à pintura. A maioria das pessoas tem ainda uma certa ideia de como poderia ser um desenho. É preciso que exista uma certa predisposição para descobrir o desenho contemporâneo. Contudo, se começas a envolver-te com ele, é muito provável que rapidamente partilhes essa paixão pelo desenho contemporâneo.


INMACULADA

CORCHO

Directora del Museo ABC de Dibujo e Ilustración, Madrid

¿Qué cree que hace diferente a la feria Drawing Room? Drawing Room es diferente por su dimensión y contenido, muy especializado. Estos dos aspectos la hace ser muy selectiva con las propuestas, buscando la calidad y abierta a la experimentación. Pone en valor el dibujo contemporáneo como disciplina de renovación creativa. Después de tanto trabajo relacionado con los museos, el arte, la ilustración y el dibujo…, ¿qué le aporta esta disciplina a usted personalmente? Mucho aprendizaje y conocimiento, me hace pensar y repensar constantemente sobre la creación contemporánea. El dibujo es una disciplina muy versátil qué trasciende actualmente muchos límites artísticos y me gusta qué me lleve por nuevos territorios. El dibujo se ha convertido en una guía para descubrir el arte y la cultura del siglo XXI. Como experta y responsable de un museo privado dedicado al dibujo ¿cree que el dibujo conecta cada vez más con el público? El dibujo es una manera artística muy espontánea e intuitiva. Generalmente sus formas son amables y atractivas para el observador que se acerca al dibujo sin miedo. En muchas ocasiones, su escala contenida, resulta más abarcable para el público y facilita qué se introduzca en la creación contemporánea de manera más sencilla. ¿Cómo es su día a día en el Museo ABC? Muy variado, cambia constantemente. Ningún día es igual al anterior. La rutina no convive con nosotros. Hay días difíciles, como cualquier trabajo de gestión, pero afortunadamente se superan por el trabajo de todo el equipo. Un museo como el nuestro, que nació en plena crisis económica española, ha aprendido a trabajar desde las trincheras y hemos hecho de la carencia un motor de funcionamiento creativo y eficaz.


9 ¿Como é o seu dia no Museu Albertina? O meu dia depende muito da exposição que estou a preparar. Fui responsável pela inauguração de duas exposições nos últimos meses, “Keith Haring: The Alphabeth” e uma retrospectiva da artista austríaca Florentina Pakosta. Estas mostras mantiveram-me bastante ocupada. Actualmente estou a iniciar a investigação e selecção de trabalhos para as próximas exposições.

INMACULADA

CORCHO

Directora do Museu ABC de Desenho e Ilustração, Madrid

O que considera marca a diferença na Drawing Room? A Drawing Room é diferente pela sua dimensão e conteúdo muito especializado. Estes dois aspectos fazem com que seja muito selectiva com as propostas, procurando a qualidade e aberta à experimentação. Coloca o valor no desenho contemporâneo como disciplina de renovação criativa. Depois do trabalho relacionado com os museus, a arte, a ilustração e o desenho ¿ em que se traduz para si, do ponto de vista pessoal, esta disciplina? Muita aprendizagem e conhecimento. Faz-me pensar e repensar constantemente sobre a criação contemporânea. O desenho é uma disciplina muito versátil que transcende actualmente muitos limites artísticos, e gosto que me direccione por novos territórios. O desenho converteu-se num guia para descobrir a arte e cultura do século XXI. Enquanto especialista e responsável de um museu privado dedicado ao desenho ¿ considera que o desenho cada vez mais se relaciona com o público? O desenho é uma forma artística muito espontânea e intuitiva. Geralmente as suas formas são amáveis e atractivas para o observador que se aproxima do desenho sem medo. Em muitas ocasiões, a sua escala contida resulta mais abrangente para o público e facilita que se introduza na criação contemporânea de maneira mais sensata. Como é o seu dia no Museu ABC? Muito variado, sempre a mudar. Nenhum dia é igual ao anterior. A rotina não convive connosco. Há dias difíceis, como em qualquer trabalho de gestão, mas, felizmente, superam-se graças ao trabalho de toda a equipa. Um museu como o nosso, que nasceu em plena crise económica espanhola, aprendeu a trabalhar a partir das “trincheiras” e fizemos da carência um motor de funcionamento criativo e eficaz.


11

Del

trazo al rastro

Procurando dar respuesta al desafío de mapear las prácticas de dibujo en la escena del arte contemporáneo portugués, fueron invitados un conjunto amplio de artistas que en momentos concretos de sus prácticas hacen usos particulares del dibujo. La réplica tenía necesariamente que ser participada, plural, ruidosa; resultando en una criatura enmarañada, desdoblada, como un Cadáver exquisito. Como en el juego surrealista, los artistas no sabían a qué dibujo iría unido el suyo. En este sentido, la sorpresa es compartida con quien hojea este portafolio. Es en el montaje y en el encadenamiento de los dibujos, así como en el intervalo entre ellos, donde nos son reveladas las múltiples direcciones y posibilidades del medium. Y, tal vez sea precisamente en los cortes entre imaginarios, en las alteraciones de técnicas, en los cambios de escala, pero también en las afinidades o tensiones creadas entre las páginas, donde se nos hace posible entrever (como en un sueño) los límites, difusos porque son infinitos, las capacidades y las posibilidades de esta (in)disciplina. El dibujo es simultáneamente trazo y rastro y convoca diferentes temporalidades: aunque pueda partir de la memoria, se inscribe siempre en el presente e imagina, produce, proyecta futuros. Les invito a participar en este juego, hojeando las siguientes páginas. Y a cada paso de los dibujos por diferentes manos, oigan también mi agradecimiento a los artistas que aceptaron revelarnos un secreto. Maria do Mar Fazenda, curadora independente

do

traço ao rasto

Procurando dar resposta ao desafio de mapear as práticas do desenho na cena artística portuguesa contemporânea, foi realizado o convite a um conjunto alargado de artistas que fazem usos particulares do desenho. A réplica tinha necessariamente de ser participada, plural, ruidosa; resultando num emaranhado a ser desdobrado como um Cadáver esquisito. Como no jogo surrealista, os artistas não sabiam com que desenho iria o seu ser avizinhado. Neste sentido, a surpresa é partilhada com quem folhear este portefólio. É na sequência e na montagem dos desenhos, assim como no intervalo entre eles, que nos são reveladas as múltiplas direcções do medium. Talvez seja precisamente nos cortes entre imaginários, nas alterações de técnicas, nas mudanças de escala e nas afinidades ou tensões criadas entre as páginas que poderá ser possível entrever (como num sonho) os contornos, difusos porque ilimitados, das possibilidades desta (in)disciplina. O desenho é simultaneamente traço e rasto, pois convoca diferentes temporalidades: ainda que possa partir da memória, inscreve-se sempre no presente e imagina, produz, projecta futuros. Convido-vos a participar neste jogo, folheando as páginas que se seguem. E a cada passagem pelos desenhos feitos a diferentes mãos, oiçam também o meu agradecimento aos artistas que aceitaram revelar-nos um segredo. Maria do Mar Fazenda, curadora independente


13


15


17


19


21


23


29


31


33


35


37


39


41


43


45


47


49


51


53


55


57


59


61


63


65


67


69


71


75


77


79


83


87


DAYANA

LUCAS

1987, Caracas, VEN Vive e trabalha no Porto

Sem título, 2018

MATTIA

DENISSE

1967, Blois, FR Vive e trabalha em Lisboa

Eva Na Gruta: caixa, faísca, lume. 2018. Protogravura. 52x25 cm.

PEDRO

A.H.

PAIXÃO

1971, Lobito, ANG Vive e trabalha entre Milão e Lisboa (1)

(2)

(1) The Birth of Drawing, 2017. Colored pencil on paper, 59,4x42 cm. Manuel de Brito Collection (2) Mufumbiro Mountains at the National Museum, 2017. Colored pencil on paper, 14,9x21cm


PAULO

89

LISBOA

1977, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa (1)

(2)

(3)

(1) Sem título, 2016. Grafite sobre papel, 50X35 cm (2) Sem título, 2016. Grafite sobre papel, 50X35 cm (3) Sem título, 2016. Grafite sobre papel, 100X70 cm

ADRIANA

MOLDER

1975, Lisboa, PT Vive e trabalha entre Lisboa e Berlim (1)

(1)

(1)

(1) Noir IV, 2018, tinta-da-China sobre papel esquisso, 100x70 cm. (2) Noir V, 2018, tinta-da-China sobre papel esquisso, 100x70 cm. (3) Noir III, 2018, tinta-da-China sobre papel esquisso, 70x100 cm.

RAMIRO

GUERREIRO

1978, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa

(1)

(2)

(1) Cartão para Salò, grafite e lápis de cor sobre papel, 2015. (3) Estudo de Cores para Cartão (grafite e lápis de cor sobre papel, 2015) + Vista de exposição de Salò (Díptico.Grafite, lápis de cor e acrílico sobre algodão, 350 x 500 cm cada, 2015) na Künstlerhaus Bethanien, 2015.


NUNO

HENRIQUE

1982, Funchal, PT Vive e trabalha entre Nova Iorque, Lisboa e a ilha da Madeira (1)

(2)

(1) Sem título, da série Dragoal/Pico Castelo, 2018. Serigrafia sobre papel Magnani Pescia picotado e colado, cartão, tecido. 12,1x14,7x10,2 cm. (2) Sem título, da série Dragoal/Pico Castelo, 2018 (selecção de 12 trabalhos). Aguarela ou serigrafia sobre papel, ou somente papel, picotado e colado, cartão, tecido. Dimensões variáveis.

SARA

CHANG

YAN

1982, Lisboa, PT Vive e trabalha entre Lisboa e a ilha do Pico, Açores

Sequence: time-quality i (# 5), 2018. Pencil, watercolor, gouache on paper. 34,5x26,7 cm. Photograph: Miguel Ângelo Guerreiro.

RUI

HORTA

PEREIRA

1975, Évora, PT Vive e trabalha em Lisboa (1)

(2)

(3)

(1) Plano de decalque (matriz), 2017. Pastel seco sobre papel, 140x100cm (2) O básico, 2015. Tinta da china, pó de grafite e pastel seco sobre papel, 65x50 cm (3) Sem Título, 2011. Acrílico e tinta da china sobre papel, 100x70cm


JOANA

91

FERVENÇA

1988, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa

(1)

(2)

(1)unfairtrade, 2016. Grafite sobre papel Phillips com banda magnética, 21x33 cm (2) still stripe, 2017. Colagem e grafite sobre papel Phillips com banda magnética, 33x23 cm

VASCO

ARAÚJO

1975, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa

Ínsula, 2010. Cartão, grafite e tinta acrílica. 140x100x4,5 cm: 124x85x4,5 cm. Cortesia Galeria Francisco Fino, Lisboa.

ANA

PÉREZ-QUIROGA

1960, Coimbra, PT Vive e trabalha em Lisboa

Los niños de Rusia, 2018.Mapas de las expediciones de los niños para el exilio a Rusia y de su regreso a España, 1937-1957. Lápis sobre papel. 15x10 cm.


ANTÓNIO

POPPE

1968, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa (1)

(2)

(1) página de inscrição, 1988-2017. Impressão, tinta-da-china e caneta sobre papel. 29,7x21 cm. (2) Vista da exposição watercourse apresentada na Galeria 111, 2017.

MIGUEL

ÂNGELO

1964, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa

ROCHA

(1)

(1)Kafka #1, 2018, guache sobre papel, (2)Kafka #2, 2018, guache sobre papel, (3)Kafka #3, 2018, guache sobre papel, Fotografia: Laura Castro Caldas & Paulo

VON

CALHAU!

(2)

(3)

48x23 cm. 48x23 cm. 48x23 cm. Cintra

Von Calhau! nasceu em 2006 no Porto. É o trabalho desenvolvido em bicomunhão prática por Marta Ângela e João Alves.


RUI

93

MOREIRA

1971, Porto, PT Vive e trabalha em Lisboa (1)

(2)

(1) Em busca do Tempo Perdido I, 2018. Gouache e tinta da china s/papel. 141,5x209,1 cm. (2) Em busca do Tempo Perdido I, 2018. (Detalhe) Gouache e tinta da china s/papel. 141,5x209,1 cm. Fotografia: Cintra & Castro Caldas © Courtesy Jeanne Bucher Jaege

CLAIRE

DE

SANTA COLOMA

1983, Buenos Aires, ARG Vive e trabalha em Lisboa (1)

(2)

(1) Sin título (Colonna), 2017 (Detalle). Papel Arches 300 gr. recortado. 114x114 cm. (2) Sin título (Torsión), 2016 (Detalle). Papel Arches 300 gr. recortado. 114x114 cm. Fotografia: © Bruno Lopes

GABRIELA

ALBERGARIA

1965, Vale de Cambra, PT Vive e trabalha entre Lisboa e Londres

(1)

(2)

(1) 113,(Brooklyn Botanic Garden), 2016. Lápis de cor verde sobre papel e impressão inkjet. 75x100 cm (2) Folha seca de palmeira #1, 2017/2018. Lápis de cor sobre papel (Hahnemuhle), fio de algodão e pregos de latão. 30x47 cm. Fotografia: Oxana Ianin


DIOGO

PIMENTÃO

1973, Lisboa, PT Vive e trabalha em Londres (1)

(2+3)

(1) (em cima): Work from series Fascia (structure), 2013. Paper and graphite. 158x118,5x4cm each. View solo show Oblique Gravity, Yvon Lambert Gallery, 2013. (em baixo): Embrace (figure), 2012. Pape rand graphite. 95x105x70cm. (2+3)(2)From series Depth, 2016 (3)Documented (description), 2012. Paper and graphite. 150x150x20 cm.

HUGO

CANOILAS

MUSA

PARADISIACA

1977, Lisboa, PT Vive e trabalha em Viena

Musa paradisiaca is a dialogue-based project by Eduardo Guerra and Miguel Ferrão. (1)

(2)

(1) Musa paradisiaca, “Man with really soft hands”, Galeria Múrias Centeno, Lisbon, 2017. Exhibition view. (2) Musa paradisiaca, “Casa-animal” [Animal-house], 2017. Silkscreen print on paper, framed, 10x70 cm.


PEDRO

95

GOMES

1972, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa

Sem título, 2018. Acrílico e grafite sobre papel.

MARTA

WENGOROVIUS

1963, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa (1)

(2)

(3)

(1) Roda, “Mudam-se os tempos mudam-se as vontades”, Brilho, Ocaso. / Wheel, “Changing times change wills”, Brightness, Sunset. “Escola nómada-Nomad school”, Serra da Arrábida, 2018 (2) Um, do Dois e dos Muitos. Espaço de Ensaio, 2018. Tapete tufado manualmente na Fábrica Artesanal tapetes de Beiriz. (3) Prática do Silêncio, 2017. Lápis de grafite Viarco com gravação a laser e folha de activação. Activação do Lápis do Silêncio, instruções: 1) Pega no teu Lápis do Silêncio; 2) desenha em silêncio linhas paralelas. A direcção e a dimensão são dadas pelo primeiro traço de cada acção, sempre que retomas o desenho. Cada pessoa começa o desenho num dos lados da folha, preenchendo-a das margens para o centro. Vais reparar que as linhas vão criando pequenos conjuntos e uma ondulação natural. Deixa a tua presença / o movimento do lápis / e a presença dos outros, originar uma dança dentro do silêncio; 3) sempre que te surgir uma ideia para e aponta-a nesta folha. Retoma o desenho quando a tua mente estiver de novo em silêncio; 4) só deves abandonar a mesa quando sentires que participaste na criação de silêncio como uma forma de cuidar de ti, do outro, dos outros.


SUSANA

GAUDÊNCIO

1977, Lisboa, PT Vive e trabalha no Porto

In a Place Called Lost, Strange Things are Found, 2017. Impressão s/papel.

ANAMARY

BILBAO

1986, Lisboa, PT Vive e trabalha em Lisboa (1)

(2)

(1) A bit of a bay IV, 2018. Impressão a tinta e gesso acrílico sobre papel de algodão. 52,8x69 cm. (2) Presente passado VII, 2014. Grafite e gesso acrílico sobre papel. 56x76 cm.


97 Portugal em destaque By Mónica Álvarez Careaga, director papeleo is published on an irregular, opportunistic and undisciplined basis and is devoted to international contemporary drawing. A few months after publishing the first issue, we are proud to present this Portefólio Português, created, as an exquisite cadaver, by the curator Maria do Mar Fazenda with the works of twenty-five outstanding artists. The opportunity for this monograph is the first Drawing Room fair in Lisbon, to be held in October 2018. The drawings of current artists are not subject to structures or mandates. We asked the directors of three European museums specialising in drawing about their role as mediators between their institution and the public. I would like to thank all our collaborators, in the hope that this will attract your interest. Contemporary drawing from the museum. Three interviews Interview with María Crespo EMÍLIA FERREIRA Director of the National Museum of Contemporary Art-Museu do Chiado, Lisbon What do you believe makes this fair unique? The Drawing Room project is unique in that its focus is drawing. The decision was to exhibit drawing on its own. It must be said that this is also the result of the organisation’s clearly embracing contemporaneity. Despite the appeal of the new technologies, drawing is a field of action/ creation in the visual arts that is clearly undergoing revitalisation. On the one hand, it remains a privileged space for experimentation – even though, very often, it is enormously complex and there is crossover with other disciplines. It maintains a freshness and a capacity for immediacy that the other disciplines lack. And on the other hand, as a structure, in terms of thought, it invades all the other mediums and has this marvellous ability to change body, infiltrating the sculpture, the

installation. Drawing is a body in constant metamorphosis. And this is what the Drawing Room shows. Since 1998 you have been curator of exhibits, you have devoted your professional life to art and drawing. What does this discipline bring to you personally? I grew up loving drawing. My father’s family, although none were artists, were always interested in drawing. My father was always keen on drawing and made me appreciate the rigour of the discipline. As a teenager I drew a lot – but not enough. This made me aware of the demands of this language. When at last I started to work in this area, it was a happy coincidence that I ended up working in a centre that is devoted to drawing, Casa da Cerca, in Almada. Working there for almost 18 years (from 2000 to the end of last year) offered me the possibility to concentrate on research into contemporary drawing. This is a discipline that continues to amaze me through its diversity, its intimacy and boldness, and through its fragility – which, is paradoxically, its strength. Drawing’s capacity to be thought and action at the same time, to be silent yet expressive, organised yet daring continues to fascinate me. As an expert in contemporary drawing, in addition to an art historian, teacher, lecturer, art educator, programmer, researcher and author of fiction, do you think that drawing is increasingly connecting with the public? I think that drawing is going through a truly rich period. Not only due to its diversity because artists are returning to the medium (who continue practicing and reinventing it), but also because in recent years there has been an increasing interest among curators and exhibition spaces. And I believe, even in historiographic terms, there is a deeper interest in artists who work with drawing as their primary medium. This is an excellent sign, in my opinion. I think that the public are also increasingly receptive. The public are already used to looking at drawing. It is no longer considered preparatory work and is seen as an expression in itself, as work that is an end in itself.


Can you describe your day at the Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado? Up until now, my task has been to discover the demands of a national museum. Using what we have been discussing as my metaphor, a drawing is still starting to emerge for me. I’m still seeing everything as a sketch. But, the composition gains another line as each day passes. And the line (my line) is what I’m seeking to define. Bearing in mind that any institution needs its guidelines and to take some risks, as does drawing, I will also have to find a balance between line and risk along the way. ELSY LAHNER Curator of contemporary art in the Albertina Museum, Vienna What do you think makes Drawing Room different? Drawing Room is a curated art fair that aims to show the diverse aspects of contemporary drawing. It includes a wide number of international galleries, and some smaller galleries that might not be able to participate in larger art fairs, but which have a very high level programme in terms of drawing. You have devoted a large part of your professional life to supporting up-andcoming artists and to the recognition of contemporary drawing. What does this discipline offer you personally? I am fascinated by this medium and how artists are finding new forms of working with the genre and explore its features and frontiers. It is a genre that enables a great amount of research. There can be a great deal of information in a drawing, but as an onlooker you can continue to view it from an aesthetic perspective, if you wish. As an expert in charge of a public museum devoted to drawing, do you believe that drawing is increasingly connecting with the public? I’m not so sure. I think it is still easier to relate to a painting. Most people still have a certain idea of what a drawing should be. A particular disposition is required to discover contemporary drawing. But if you start to become involved with it, it is very likely

that you will soon share a passion for contemporary art. What is daily life like for you in the Albertina Museum? My daily life depends a lot on the exhibition that I’m preparing. I was in charge of the inauguration of two exhibitions in recent months, “Keith Haring: The Alphabet” and a retrospective of the Austrian artist Florentina Pakosta. This has kept me pretty busy. I’m now starting to research and choose works for my forthcoming exhibitions. INMACULADA CORCHO Director of the ABC Museum of Drawing and Illustration, Madrid What do you believe makes the Drawing Room fair different? Drawing Room is different because of its size and content, which is very specialist. These two aspects make it very selective with offerings, seeking quality and open to experimentation. It places value on contemporary drawing as a discipline of creative renovation. After so much work in relation to museums, art, illustration and drawing, what does this discipline bring to you personally? A great deal of learning and knowledge. I constantly have to think and rethink about contemporary creation. Drawing is a very versatile discipline that is currently transcending many artistic limits and I like the fact that is making me enter new territory. Drawing has become a guide to the discovery of art and culture in the twenty-first century. As an expert in charge of a private museum devoted to drawing, do you think that drawing is increasingly connecting with the public? Drawing is a very spontaneous and intuitive artistic medium. Its forms are generally pleasing and attractive to the observer who can approach drawing without fear. Often, its contained scale is more comprehensible for the public and enables them to enter into contemporary creation in a simpler way. What is daily life like for you in the ABC Museum? Very varied, it changes constantly. No day is the same as the day before.


99 We have no routine. There are difficult days, as in any management job, but fortunately these are overcome through the work of the entire team. A museum like ours, born in the middle of the Spanish financial crisis, has learned to work from the trenches, and we have created from shortage a creative and efficient engine.

From stroke to trace By Maria do Mar Fazenda. Independent curator With a view to meeting the challenge of mapping drawing practice in the Portuguese contemporary art scene, a wide selection of artists were invited, who at specific times have used drawing in particular ways. The response had to be shared, plural, noisy; resulting in a tangled, split creature, like an exquisite cadaver. As in the surrealist game, the artists did not know the drawing to which theirs would be attached. In this sense, the surprise is shared with the person leafing through this portfolio. It is in the assembly and chaining of the drawings and in the space between them where the multiple directions and possibilities of the medium are revealed to us. And perhaps, it is precisely in the cuts between imaginary scenarios, in the changes of techniques, in the changes of scale, but also in the affinities or tensions created between the pages, where we can glimpse (as if in a dream) the limits, diffuse because they are infinite, and the capacities and possibilities of this (in)discipline. Drawing is simultaneous stroke and trace and invokes different temporalities: it can come from memory, is always set in the present and imagines, produces and projects futures. I invite you to participate in this game, leafing through the pages that follow. And at each step through the drawings made by different hands, you will also hear my gratitude to the artists who agreed to reveal a secret to us.


101


A vocação dos ácaros José Loureiro 22.09 › 03.11.2018 Curadoria: Antonia Gaeta

Edifício de Espanha (Bairro do Rego) | Rua Soeiro Pereira Gomes, Lote 1- 6º A e D | 1600-196 Lisboa 217 803 000/3/4 | geral@fundacaocarmona.org.pt | www.fundacaocarmona.org.pt


EL CORTE INGLÉS, S.A. C/ Hermosilla 112, 28009 Madrid

103

En El Corte Inglés somos conscientes de que en nuestra sociedad hay muchas cosas que mejorar. Nuestra forma de demostrarlo es siendo respetuosos con el medio ambiente, colaborando con todo tipo de organizaciones sociales (ONG, asociaciones, instituciones públicas y privadas) y participando en numerosas actividades. En El Corte Inglés promovemos cada año más de 4.000 acciones relacionadas con la cultura, la acción social, la educación, el medio ambiente, el deporte y la ayuda al desarrollo.


Profile for Álvarez Careaga Art Agency

Paleleo nº 2  

Papeleo es una publicación de periodicidad irregular, oportunista e indisciplinada, dedicada al dibujo contemporáneo internacional.

Paleleo nº 2  

Papeleo es una publicación de periodicidad irregular, oportunista e indisciplinada, dedicada al dibujo contemporáneo internacional.

Advertisement