Page 1

VITRINNI 2016 Ano 2 | #8

M AG A ZI NE

GOURMET O CHEF INGLÊS JAMIE OLIVER

TURISMO ESPORTIVO PESCAR E CONHECER BELAS PAISAGENS

ESTILO O LUXO DE SAMUEL CIRNANSCK

ARTE, DESIGN E ARQUITETURA COM

GUTO

REQUENA

E ANDRE BECKER


V I T R I N N I

# 0 8

S U M Á R I O 22

30

36

44

52

58

70

106

20

COLABORADORES

22

VIAGEM ESPORTIVA

30

36

VITRINNI NO ALVO!

A arte de pescar e conheçar belas paisagens pelo mundo.

44

PSICOLOGIA E FILHOS Crianças: pequenos gênios.

VITRINNI AUTOMOTIVA

52

Restaurantes: Agudos e Bauru.

Equipe Vitrinni Magazine.

Muita aventura ao volante!

Tiro com arco ganha cada vez mais adeptos no Brasil.

ESPECIAL GOURMET

58 70 106

JAMIE OLIVER Influente chef de cozinha inglês.

ESPECIAL: ARQUITETURA Guto Requena: O Escultor de Memórias Afetivas.

ESTILO BRASILEIRO

O luxo de Samuel Cirnansck.

E MAIS: INFERTILIDADE, PÁG. 48 | ARQUITETURA E INTERIORES COM ANDRE BECKER, PÁG. 62 | REVESTINDO COM ESTILO. PÁG. 100 DESIGNER DE JOIAS, CAMILA KLEIN, PÁG. 114 | LITERATURA: COMEMORANDO SHAKESPEARE, PÁG. 116 FOTÓGRAFOS: OLHOS E LENTES, PÁG. 124 | VIDA E ARTE, PÁG. 132 | VITRINNI SOCIAL, PÁG. 134 | VITRINNI ONLINE, PÁG. 138

EXPEDIENTE DIRETORIA | Diretores editoriais: Alexandre Haralampidis e Maria Cristina D’Incao. | REDAÇÃO E ARTE | Coordenador de conteúdo: Alexandre Haralampidis. Redatorchefe: Fábio Barbosa. Projeto gráfico e Edição de arte: Victor Leonardo de Souza Pereira. Designer Assistente: Victor Lira. Conteúdo Web: Tamiris Tinti Volcean. Fotográfos: Celso Mellani, Eber Moscheto. Colunistas Vitrinni Social: Danny Pagani. Produtor audiovisual: Rafael Botta. | COMERCIAL | Executiva de contas: Janaina Moraes. Anuncie na Vitrinni Magazine. Contatos: contato@revistavitrinni.com.br / dincao@revistavitrinni.com.br / (14) 9912-64424. Maria Cristina D’Incao e Alexandre Haralampidis.

18

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


CARTA AO LEITOR

É fácil trocar as palavras, Difícil é interpretar os silêncios! É fácil caminhar lado a lado, Difícil é saber como se encontrar! É fácil beijar o rosto, Difícil é chegar ao coração!

C

omo são verdadeiras as palavras desse grande poeta Fernando Pessoa! Trocamos, sim, palavras com nossos queridos leitores mas optamos pelo difícil caminho a ser percorrido. Assim, tentamos sempre interpretar os silêncios sentidos muitas vezes, preenchendo os vazios dele decorrentes, mostrando as possibilidades mil de se expressar uma ideia de forma eloquente e bela como nossa Vitrinni o faz assídua e frequentemente. E caminhamos com vocês, leitores, lado a lado, mas sabendo fazer desse nosso encontro um convívio feliz, direcionando e realizando seus desejos de forma pontual e fiel. Reconhecemos a dificuldade dessa empreitada, mas nunca sua impossibilidade. E avançamos, como o demonstra cada número da Vitrinni, nesse aspecto de forma segura e tranquila indo ao encontro do desejo dos nossos amigos leitores. Se “difícil é chegar ao coração”, e na realidade o é, temos a convicção plena que alcançamos esse objetivo! Orgulho dos esforços que envidamos, humildade perante o reconhecimento que temos colhido, e a alegria imensa, quase indizível, são sentimentos que afloram por termos conquistado os corações de nossos parceiros e leitores aos quais nos unimos com firmes laços de amizade. Energia e vibração nos define. A tensão vivida por esse empenho não se exaure no horizonte de uma publicação. Continua sempre presente e se afirma repetidamente formando nossa verdadeira essência que reside na comunicação que gera , para além da simpatia que temos obtido, uma empatia que perpassa no conjunto de nossas publicações, ultrapassando os limites de nossa querida Bauru. Nessa edição alçamos outros voos, e com ela iniciamos a primeira edição a nível nacional! Nossa alegria é tão grande! Retrocedendo no tempo vemos nossa Revista nascendo há apenas dois anos e em tão pouco tempo logrou agradar e criar um vínculo firme de credibilidade com cada um de nossos leitores. É este um traço que se tornou nossa característica maior

EDIÇÃO | 8

que se projeta e é verificada entre os amigos que conquistamos, que sempre aguardam uma próxima publicação capaz de surpreendê-los. O que temos feito com muito empenho e carinho. Sabemos que nossa responsabilidade é grande e a assumimos inteiramente. Assim, nessa edição traremos mais novidades e inserimos no contexto temas atraentes e inteligentes para que nossos exigentes leitores se sintam viajando prazerosamente num universo de novidades e de notícias atraentes. Para tanto trazemos nessa edição assuntos interligados como a pesca e o turismo num mesmo caderno; adiante apresentamos um esporte cujo sucesso tem feito com que cresça o número de praticantes no Brasil: Arco e Flecha. Nosso caderno Gourmet se abre com um dos chefs mais famosos do mundo Jamie Oliver e apresentamos alguns dos mais conceituados restaurantes de nossa região. Ao leitor serão oferecidas agradáveis curiosidades a respeito. Sobre saúde falaremos sobre infertilidade e formas de conceber um filho, com todos os avanços dessa área. Nesse mesmo pueri-universo , abordaremos um tema polêmico, complexo e maravilhoso que trata de crianças com alta e inusual habilidade intelectual, os pequenos grandes gênios. Luxo, sofisticação, charme e elegância, tudo isso será abordado ao trazermos dois ícones da moda, a designer de joias Camila Klein e o estilista predileto das famosas o Samuel Cirsnack. Meus amigos, é certeza absoluta: vocês vão se encantar! Em nossas belas páginas de arquitetura, temos três arquitetos de renome e estilos impar, André Becker, Artemis Fontana e nossa capa Guto Requena. Com eles, mais um agrado a todos vocês ao se deliciarem com tantas novidades e encantamento que esses profissionais sabem tão bem proporcionar! E vamos nos despedindo na certeza que nossos leitores irão apreciar a amizade e carinho que acompanham nossas lidas cujo objetivo primordial é agradar todos nossos leitores em geral e a cada um em sua forma única e especial de ser. Se críticas houver as compreenderemos tão bem, pois sabemos , como dizia Aristóteles, filósofo grego, “ Há apenas uma maneira de evitar críticas: não faça nada, não diga nada e não seja nada.” E nós, da Revista Vitrinni, fazemos muito, dizemos mais ainda e, finalmente, somos uma presença com conteúdo. Até breve, queridos leitores!

CRISTINA D’INCAO - DIRE TORA VITRINNI MAGAZINE

VITRINNI

19


C O L A B O R A D O R E S

V

I

T

R

1. Profissional de comunicação, gestão, criação e desenvolvimento de projetos. A Vitrinni hoje se concretiza com grande aceitação, superar a qualidade e surpreender as expectativas não é uma opção. ALEXANDRE HARALAMPIDIS DIRE TOR VITRINNI

I

N

N

I

I

5. Formada em Publicidade e Propaganda pela Faculdades Integradas de Bauru, atua há três anos com Comunicação e Marketing. Iniciou suas atividades na fotografia como hobby na mesma época, profissionalizando-se há cerca de um ano. Fotógrafa da Revista Vitrinni desde outubro de 2014.

M

A

G

A

Z

I

N

E

1

2

3

4

5

6

7

8

DA NN Y PAGA NI

2. Profissional das áreas de comunicação, marketing e relacionamento. Preza sempre pelo atendimento e pelo relacionamento para que o comercial aconteça naturalmente. CRISTINA D’INCAO DIRE TORA VITRINNI

3. Victor é designer formado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Além de se dedicar ao design editorial em diversas publicações, possui ampla experiência em design publicitário e fashion. Website: victorleosp.wix.com/victorleonardo VICTOR LEONARDO DESIGNER EDITOR DE ARTE

FOTÓGR A FA

6. Graduanda em Comunicação Social pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), considera a comunicação uma ferramenta de transformação social. Já atuou nas áreas de Marketing, Gestão de Mídias e Comunicação Interna. TA M I R I S T I N T I V O L C E A N CONTEÚDO WEB

7. Rafael Botta é Cineasta e Jornalista (MTB 72.434/SP) e chega à Vitrinni Magazine para somar aos novos projetos da Revista, como novos produtos e expansão dos negócios. R A FA E L B O T TA PRODUTOR AUDIOVISUAL

4. Fábio Barbosa é jornalista formado pela USC (Universidade do Sagrado Coração – Bauru). Foi editor executivo da Record Paulista por 4 anos e também editor do SBT São Paulo por 2 anos.

VICTOR LIRA

FÁ BIO BA RBO S A

DESIGNER

8. Victor Lira é profissional graduando em design gráfico pela Unesp, com experiência na área de branding, editorial, fotografia e gestão do design.

J O R N A L I S T A M T B 5 5 . 76 6

9. Formada em Publicidade e Propaganda (UNIP), Janaina acredita que trabalhando em equipe, não há obstaculo que não seja superado e sucesso que não seja alcançado. JANAINA MORAE S E X E C U T I VA D E C O N TA S

20

VITRINNI

9 EDIÇÃO | 8


Fly

TURISMO ESPORTIVO

A arte de pescar e conhecer belas paisagens pelo mundo Por Fábio Barbosa

P

ara uns uma forma de lazer, um hobby, uma forma de amenizar o stress e esquecer os problemas do dia a dia. Para outros um esporte competitivo, uma profissão, um meio de sustento familiar. Assim é a pesca, prática milenar exercida por milhares de pessoas no Brasil e no mundo. Mas quando falamos em pesca, que imagem vem a sua cabeça? Para a maioria das pessoas, com certeza, a de um pescador à beira de um rio ou lago, com uma vara na mão, aguardando horas e horas o peixe fisgar a isca. Quando se fala em Fly, ou pesca com mosca, esse conceito deve ser revisto. Pratica-

mente tudo é diferente. Equipamentos, técnicas de arremesso e profundo conhecimento sobre o local onde se irá praticar são características específicas desse estilo. “O nome Fly, ou pesca com mosca, vem do fato de se utilizar como isca insetos nativos de determinadas regiões para atrair os peixes. É preciso estudar e conhecer muito a região onde se vai praticar a pesca para saber qual o tipo de inseto o peixe costuma comer e, assim, conseguir atraí-lo. É um estilo de pesca ativo, em que se vai à busca do peixe, diferente da tradicional, em que se passam horas esperando o peixe vir fisgar a isca”, explica Mauricio Costa, ar-


Praticante de Fly pesca tendo como paisagem de fundo as belas montanhas da Patagônia Argentina. Lugares exuberantes.

Foto: reprodução

FLY FISHING


Foto: reprodução

TURISMO ESPORTIVO

O Chile é outro país da América do Sul com ótimos rios e lagos para pescar trutas com moscas. Suas paisagens incríveis também são grandes atrativos para o esporte na região.

com referências ao mesmo estilo de pesca. O Fly ganhou notoriedade séculos mais tarde, através do livro The Compleat Angler (O pescador competente), do inglês Izaak Walton, cuja primeira edição é de 1653. Mas, somente na quinta versão, lançada em 1676, que a pesca de truta e grayling com mosca foi abordada por Charles Cotton, considerado o pai da pesca com mosca moderna. A importância dessa publicação para o estilo Fly se deve ao fato da quinta edição chegar ao posto de 3º best-seller da língua inglesa durante alguns anos, atrás somente da Bíblia e de Pilgrim’s Progress. Foi graças à pesca com mosca que Maurício conheceu vários países pelo mundo. Um hobby, que virou paixão, e que lhe rendeu muita bagagem cultural.

No Fly, o praticante do esporte vai à busca do peixe, em vez de passar horas esperando o animal vir fisgar a isca.

Os peixes são atraídos por iscas que imitam insetos nativos da região em que se está pescando.

Fotos: reproduções

quiteto, pescador com mais de 30 anos de experiência e apaixonado pelo Fly. A pesca com mosca é considerada uma das mais antigas formas de pesca no mundo e também uma das mais artísticas. Sua origem é incerta na história, pois há controvérsias sobre as primeiras citações sobre o estilo. Uma delas é do escritor Claudius Aelianus, que registrou na obra De Natura Anumalium, no século II d.C., a primeira referência da pesca com mosca artificial no Rio Astreus, entre Berea e Tessalônica, na Macedônia. Nesse livro, o autor descreve com detalhes o inseto, a mosca artificial, a vara, a linha e a pesca de um peixe, cujas características se referem a uma truta. Porém, há registros de duzentos anos antes, do poeta romano Marcial,

24

VITRINNI

“Já naveguei por importantes rios e visitei muitas das paisagens mais bacanas do mundo inteiro. Já estive no Rio Ganges, no Rio Congo, passei pela Namíbia, Botsuana, Zimbábue, Vietnã, Mongólia, norte da China, Cuba, onde pesquei no mar do Caribe, entre tantos outros lugares fascinantes. Você vai para esses lugares e não fica apenas no local da pesca, você visita as capitais, conhece mais sobre a cultura, a geografia, a vida selvagem e o meio ambiente daquelas regiões. Através do Fly eu aprendi muito sobre várias regiões do planeta.” PESCA FLY PELO MUNDO A pesca de truta teve grande desenvolvimento nos Estados Unidos no final do século 19 e também no início do século 20, principalmente nos estados de Nova Iorque, Nova Jersey e Pensilvânia, na costa leste do país. Para boa parte dos praticantes norte-americanos de pesca com mosca, os principais rios para esse estilo são o Neversink, Willowemoc, Beaverkill, Broadheads, Schoharie, nascidos nas montanhas Catskill, no estado de Nova Iorque, além do Letort e o Yellow Breeches, na Pensilvânia. Famosos pela beleza que possuem e pela grande quantidade de insetos aquáticos e trutas, além de rápidas corredeiras e piscinas, esses rios são referência para o esporte no país. EDIÇÃO | 8


Foto: reprodução

FLY FISHING

CINEMA A pesca estilo Fly já marcou presença nas telonas do cinema mundial. Dois filmes, Nada é Para Sempre (A River Runs Through It), de 1992, e Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen), de 2011, tem a pesca com mosca como pano de fundo de seus enredos.

Foi nos largos e volumosos rios da Califórnia, Oregon e Washington, na região noroeste dos Estados Unidos, que os pescadores encontraram uma truta bem maior e combativa que as até então fisgadas, o steelhead. Truta arco-íris gigante, que vive no oceano e só retorna ao rio durante o período de desova, que levou os praticantes de pesca com mosca a uma série de alterações nas táticas de pesca e também nos equipamentos, por conta de lançamentos maiores para tentar fisgar o peixe. Outro exemplar que encanta e desafia os pescadores de mosca norte-americanos é o salmão do Atlântico, por conta da força exuberante que possui e saltos ornamentais que realiza. É considerado o peixe mais nobre de água doce e de extrema dificuldade para fisgá-lo com uma mosca, pois não se alimenta em águas não salgadas, tanto que reis, príncipes, duques e magnatas gastam fortunas alugando trechos de rios para tentar pegá-los. A maioria dos rios que esse peixe frequenta está em propriedades particulares ou em clubes de privados. Além dos Estados Unidos, essa iguaria pode ser encontrada em províncias marítimas do Quebec, no Canadá, Reino Unido, Noruega, Suécia, Espanha, Islândia e Rússia, na exuberante península de Kola. O Alaska, maior estado norte-americano, é outro paraíso para se fisgar salmão EDIÇÃO | 8

com moscas. Por lá é possível encontrar um exemplar menos badalado que o do Atlântico, mas não menos agressivo e lutador, o salmão do Pacífico. A costa oeste dos Estados Unidos abriga cinco espécies desse peixe, com destaque para duas delas: o salmão rei, que chega atingir 45 quilos, e o salmão prateado, que alcança 15 quilos. Porém, outras espécies são encontradas aos milhares nessa região, pois sobem para desovar na primavera e verão. Costuma-se dizer que o Alaska é o paraíso dos iniciantes em Fly, pois todo pescador que lá vai consegue fisgar algo, devido a abundante quantidade de peixes. A truta pode ser considerada a grande disseminadora da pesca com mosca por várias regiões do planeta. Nova Zelândia, Austrália, Tasmânia, Argentina, Chile e partes da África e Ásia tiveram em seus rios e lagos a introdução de espécies de trutas marrons, arco-íris, de arroio e salmão encerrados, fazendo dessas regiões paraísos naturais para os praticantes do Fly, em função da rápida adaptação desses peixes ao novo habitat. A Patagônia Argentina teve a época áurea de pesca de trutas marrons gigantes na década de 1970, no Rio Chimehuin, com espécies trazidas dos Estados Unidos no início do século e que se espalharam facilmente pela Cordilheira dos Andes. Posteriormente foi a região de Junin de los Andes, na província de Neuquen, que passou a atrair

Amor Impossível tem direção do sueco Lasse Hallstrom e como atores principais Ewan McGregor e Emily Blunt. O filme conta a história de um xeique bilionário do Iêmen, apaixonado pela pesca com mosca, que deseja implantar o salmão e a pesca esportiva desse peixe em seu país, que não possui as características básicas para a existência de tal espécie. Blunt trabalha para uma empresa que administra os fundos do xeique e que consulta Mcgregor, especialista em pesca, sobre a viabilidade do projeto, que, posteriormente, passa a despertar um interesse do governo britânico. Foto: reprodução

A pesca de truta teve grande desenvolvimento nos Estados Unidos no final do século 19 e no início do século 20.

Nada é Para Sempre tem no elenco atores como Brad Pitt, Craig Sheffer, Tom Skerrit e Brenda Blethyn, e direção de Robert Redford, narra a história de uma família da pequena cidade de Montana (Missoula, EUA), cortada por um rio farto em trutas. O pai da família, que é pastor e apaixonado pela pesca com mosca, ensina aos dois filhos lições sobre a bíblia e a prática do Fly. Há várias cenas dos personagens lançando suas linhas de mosca em busca de trutas nas geladas águas do rio.

VITRINNI

25


Foto: reprodução

As formações rochosas dos Doze Apóstolos possuem até 70 metros de altura e podem ser observadas da Great Ocean Road.


FLY FISHING

Foto: divulgação Maurício Costa

os mosqueiros com ótima pesca de trutas arco-íris e marrons nos rios Malleo, Aluminé, Quilquihue, Caleufu e Collon-Cura. Mauricio pretende desbravar a Patagônia Argentina no início do próximo ano. “Nós vamos até a região de El Calafate, cidade próxima à fronteira com o Chile, e de lá vamos de carro, ou até mesmo helicóptero, até uma fazenda toda preparada para receber pescadores de Fly e ficamos uma semana mato adentro pescando trutas enormes, de até 9 quilos, em um lugar maravilhoso, o Lago Jurássico ou Lago Strobel.” Local que atrai muitos pescadores de mosca, mas que possui condições de pesca extremamente adversas, é a região onde nasce o Rio Chimehuin, em que o Lago Huechulafquen transborda suas águas. Por lá já foram fisgadas trutas marrons de até 11 quilos, muito por conta dessas adversidades como rajadas de vento fortíssimas vindas do vulcão Lanin. “Quanto mais difícil e mais complicado é o lugar, melhor é a qualidade do peixe e o resultado que você vai obter. Quanto mais inóspito, mais legal é. A quantidade de pessoas juntas para pescar também influencia nessa qualidade, quanto menos gente em determinado local, a pressão de pesca é menor, o que traz melhores resultados”, ressalta Mauricio. Outra região argentina que possui ótimas condições para a pesca com mosca é a Terra do Fogo, no sul do país. O Rio Grande e o Rio Gallegos possuem enormes trutas marrons migratórias, que retornam do oceano para desovar. O peso médio das trutas por lá é de 5 quilos, com alguns exemplares atingindo até 10 quilos. Assim como na região do Rio Chimehuin, os fortes ventos

Mauricio praticando Fly em San Martin de Los Andes, localizada na Patagônia Argentina.


Fotos: reproduções

TURISMO ESPORTIVO

Foto: divulgação Maurício Costa

castigam frequentemente a Terra do Fogo. O Chile é outro país da América do Sul com ótimos rios e lagos para pescar trutas com moscas. Os peixes chegaram à região vindos da Alemanha e dos Estados Unidos e rapidamente se acostumaram com as águas de lá, principalmente por conta da presença de um crustáceo chamado pancora ou cangrejo, também presente em águas argentinas, responsável pelo crescimento considerável das trutas naquela região. Rios como Cumilahue, Calcurrupe, Laja, Cautin, Trancura, San Pedro, Tólten e Liucura sempre foram os principais destinos dos mosqueiros do país e estrangeiros. Atualmente, o paraíso para os praticantes de Fly do mundo todo durante o verão chileno é a cidade de Coyhaique, na província de Aysen, a cerca de duas horas de voo de Santiago. A região é rodeada por vários rios e lagos com abundância de trutas marrons e arco-íris, que são acessíveis para pescaria de um dia partindo da própria cidade de Coyhaique. Os rios Simpson, Aysen, Cisnes,

Tarpon pescado por Mauricio em Cuba, no transparente Mar do Caribe.

28

VITRINNI

No Fly quanto mais difícil e mais complicado é o lugar, melhor é a qualidade do peixe e o resultado que você vai obter.

Cochrane, Baker e Ñirehuano são ótimos destinos para os pescadores, sendo o último excelente opção para quem utilizar mosca seca imitando gafanhotos, já que as margens do rio estão infestadas desses insetos que caem da vegetação local e atraem as trutas. A região é toda circundada pelas altas montanhas dos Andes, com cumes cobertos de neve que, durante o verão, derrete lentamente e abastece belos lagos como o Elizalde, Castor, Polux, Paloma e Azul que, além de possuírem rara beleza natural, estão repletos de trutas marrons. Não são somente as regiões mais frias do planeta os paraísos dos mosqueiros. Mauricio, por exemplo, já obteve grandes feitos no mar do Caribe. “Nós fomos para Cuba e pegamos tarpão, uma espécie de sardinha gigante que chega a ter mais de 100 quilos, no mar do Caribe. Lá, assim como várias outras regiões em que se pratica o Fly, a pesca é esportiva, o peixe é solto de volta para água. Além do benefício ecológico, o impacto econômico também é grande, pois o peixe vivo vai atrai outros pescadores que, consequentemente, vão gastar mais com o turismo naquela região”, explica. No Brasil, as primeiras espécies de trutas arco-íris foram trazidas da Dinamarca no final da década de 1940, pelo então Ministro da Agricultura, Ascânio de Faria, e

lançadas na região da Serra da Bocaina, na divisa dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, mas não chegou a despertar grande interesse dos pescadores em praticar o Fly. Hoje, exemplares dessa espécie são encontrados nos rios de águas frias em estados como o Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul. “O Brasil tem um potencial de pesca enorme, um dos melhores lugares do mundo para a pesca esportiva, com potencial turístico inesgotável, mas que carece de uma legislação específica para essa prática. Isso ajudaria, e muito, o desenvolvimento da pesca esportiva no país”, afirma Maurício. Para quem se interessou pela pesca com mosca e quer conhecer outros lugares para a prática do esporte, uma ótima dica é o livro Fifty More Places To Fly Fish Before You Die (Chris Santella, 2011), que elenca os cinquenta lugares mais paradisíacos e exuberantes para se praticar o Fly pelo mundo. Rios e lagos da Austrália, Belize, Bolívia, Guatemala, Havaí, Iceland, Índia, Eslovênia, Venezuela, entre tantos outros, estão detalhados nessa obra-prima do gênero.

Obra consultada: Pescando com Mosca , Paulo Cesar Domingues da Silva, Edições Marítimas, 2005.

EDIÇÃO | 8


VITRINNI AUTOMOTIVA


OFF ROADS

Off Roads

PRA QUEM TEM ESPรRITO AVENTUREIRO AO VOLANTE Por Fรกbio Barbosa


Fotos: reproduções

VITRINNI AUTOMOTIVA

Modelos Off Roads

3

2

1

P

ara muitas pessoas dirigir um veículo é muito mais que uma necessidade, é uma paixão. Tanto que um dos momentos mais marcantes na vida dos jovens é quando se tira a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Mas existem aqueles que não se contentam apenas em dirigir pelas ruas e rodovias do país, buscam mais que isso, e encontram emoção em trilhas, estradas de terra com muita lama, atravessando rios e terrenos irregulares. Só que não dá para encarar esse tipo de aventura com qualquer tipo de veículo. É preciso um modelo mais resistente, robusto, um conhecido como “off road.” O termo significa fora de estrada e é utilizado para atividades realizadas em locais não pavimentados e considerados de difícil acesso. 32

VITRINNI

Os carros off road  compõem uma categoria de veículos ideais para circular tanto em vias acidentadas como em áreas urbanas. Representam uma escolha atraente para os admiradores de carros, ao mesmo tempo potentes e com consumo moderado de combustível, já que funcionam também a diesel, que é mais barato que a gasolina e com quilometragem superior. Esses modelos surgiram durante a 2ª Guerra Mundial, com o objetivo de auxiliar o deslocamento das tropas militares. A prática de atividades off road no Brasil tem crescido consideravelmente nos últimos anos, com competições profissionais ou apenas encontros de grupos de amantes pela aventura. O contato com a natureza, a adrenalina e também o alívio do stress diário são alguns dos atrativos desse

estilo. A principal competição do país é o Rally dos Sertões. Já no cenário internacional, o Rally Paris-Dakar é considerado o mais famoso e também o mais perigoso. Confira alguns modelos off road que estão disponíveis no mercado brasileiro: JEEP WRANGLER Considerado um clássico da categoria, o Wrangler é um dos automóveis queridinhos dos amantes da marca Jeep, pois carrega o estilo mais original da montadora norte-americana, que o classifica como “uma lenda forte e autêntica, nascida para governar as trilhas e estradas abertas.” Surgiu a partir da encomenda do exército americano durante a Segunda Guerra Mundial e deu início ao termo jipe. A versão tradicional, com duas porEDIÇÃO | 8


OFF ROADS 4

5

1. Jeep Wrangler: um dos clássicos da categoria. | 2. Interior Jeep Wrangler. | 3. Troller T4: representante genuinamente brasileiro do segmento off road. | 4. Land Rover Defender: ícone de várias gerações. | 5. Interior Land Rover Defender. | 6. Suzuki Jimny: preço acessível da categoria off road.

tas, possui motor 3.6 litros, V6, com 285 cavalos de potência e 347N/m de torque, transmissão automática de cinco velocidades e uma tração 4x4 com sistema shift-on-the-fly com diferencial traseiro de escorregamento limitado. O modelo é vendido a partir de R$169.900. TROLLER T4 Único representante genuinamente brasileiro do segmento off road, o Troller T4 surgiu em 1997, na cidade de Horizonte (CE), para ser referência entre os modelos disponíveis no país desse estilo de dirigir. A origem do nome vem da palavra inglesa “troll”, um personagem das lendas escandinavas que habitava florestas e cavernas norueguesas e protegia os visitantes. Segundo a monEDIÇÃO | 8

6

tadora, características similares às do veículo por sua alta e reconhecida confiabilidade em transitar por terrenos difíceis. Os primeiros modelos do Troller T4 ganharam notoriedade pela elevada tomada de ar do modelo, que possibilita o veículo passar por áreas alagadas e riachos. Na última versão, lançada em 2012, houve uma remodelagem deste item, ficando um pouco mais baixo, mas ainda sim possibilitando o feito. O Troller T4 é equipado com motor 3.2 litros diesel de cinco cilindros e 200 cavalos de potência, transmissão com seis marchas e tração 4x4. LAND ROVER DEFENDER O modelo Land Rover Defender teve suas primeiras unidades desenvolvidas após a Segunda Guerra Mundial. Ícone de

várias gerações da montadora inglesa, passou por mudanças importantes nos anos 1980, mas jamais perdeu o desenho rústico e a bravura do estilo off road. Deixou a linha de produção da Land Rover em 2013, mas com a perspectiva de ganhar uma nova geração nos próximos anos. Os últimos modelos lançados contavam com motor quatro cilindros a diesel, com 122 cavalos de potência, câmbio manual de seis marchas e tração 4x4. O preço médio de comercialização é de R$140 mil. SUZUKI JIMNY Com os preços mais acessíveis da categoria, mas não menos valente que os demais modelos off road, o Suzuki Jimny passou a ser fabricado no Brasil no final de 2012. Assim como o concorrente Troller VITRINNI

33


VITRINNI AUTOMOTIVA

8

7

T4, possui tomada de ar elevada, possibilitando trafegar por áreas alagadas e riachos. O belo design e o curto entre-eixos (apenas 2,25 metros) fazem dele um dos queridinhos das mulheres aventureiras. São cinco versões do jipinho (4All, 4Sun, 4Sport, 4Work e 4Work Off Road), todas com motor 1.3 litros a gasolina de quatro cilindros e 85 cavalos de potência, câmbio manual de cinco marchas e tração 4x4. As versões 4Work e 4Work Off Road, além de mais robustas, possuem também interior totalmente lavável e preços a partir de R$65.490 (4Work) e R$71.490 (4Work Off Road). MITSUBISHI PAJERO Já bastante conhecida no Brasil desde a década de 1990, a linha Mitsubishi Paje34

VITRINNI

ro possui boa diversidade de modelos com características marcantes do segmento off road. Muito procurada por quem é apaixonado por enfrentar trilhas, lama e cascalho, mas que também busca conforto e durabilidade na cidade. Atualmente são comercializados os modelos Pajero, Pajero Full e Pajero Full 3D, mas já contou a edição Pajero Dakar e a tradicional Pajero TR4, que deixou de ser produzido em dezembro de 2014.Entre as versões atuais, a mais indicada para o universo aventureiro off road é a Pajero Full 3D. Esse modelo é equipado com motor a gasolina V6 3.8 litros, com 250 cavalos de potência, transmissão automática de cinco marchas com sistema inteligente Sports Mode e tração Super Select 4WD-II. Modelo vendido a partir de R$188.990.

7. Mitsubishi Pajero: modelo bastante conhecido no Brasil, possui boa diversidade de modelos com características marcantes do segmento off road. | 8. Range Rover Vogue: com design moderno e arrojado é referênciano no segmento e tem facilidade para emfrentar lama, areia, neve e até riachos sem perder conforto.

RANGE ROVER VOGUE Preço acessível com certeza não é o grande diferencial do imponente Range Rover Vogue. Luxo e design moderno e arrojado, mesclando linhas suaves e ângulos austeros, fazem desse modelo da montadora inglesa sinônimo de sofisticação e também de alta resistência. Referência no segmento off road desde a década de 1970, tem facilidade para enfrentar lama, areia, neve e até riachos sem perder o conforto interior. São duas as opções de motor para o modelo Range Rover Vogue: 3.0 e 4.4 litros diesel (versão SE), com potência variando entre 258 e 339 cavalos. Transmissão automática de oito velocidades e marcha reduzida e tração integral nas quatro rodas (4WD). A partir de R$551.800. EDIÇÃO | 8


ESPORTE

NO ALVO MODALIDADE QUE DEU FAMA A ROBIN HOOD, E É PRATICADA ATÉ HOJE PELOS ÍNDIOS, TIRO COM ARCO É ESPORTE OLÍMPICO E GANHA NOVOS PRATICANTES PELO BRASIL. Por Fábio Barbosa

E

m algum momento da infância você já deve ter brincado de arco e flecha, seja para imitar o famoso arqueiro do cinema, Robin Hood, ou para travar batalhas como faziam os índios. Pegou um pedaço de galho flexível, amarrou um barbante nas duas pontas e fez de arco, e com outro pedaço de galho fez a flecha. Na verdade, você estava brincando de tiro com arco, pois o arco e a flecha são os equipamentos utilizados para se praticar a modalidade. Mas nem todos sabem disso. No Brasil, por exemplo, essa nomenclatura só foi adotada em 1991, quando a Confederação Brasileira de Tiro com Arco se adaptou à convenção internacional do esporte. De grande importância na história da humanidade, a utilização do arco e da flecha possui os primeiros registros ainda na Pré-História. No início, era de grande utilidade para a caça de animais e também como arma em combates e guerras. Com o surgimento da pólvora e, posteriormente, das armas de

fogo, perdeu espaço nas batalhas e ganhou notoriedade como prática esportiva. A primeira competição oficial que se tem registro foi realizada em 1879, nos Estados Unidos, pela Associação Nacional de Arquerismo, fundada anos antes, em 1828. Cinco anos após o torneio americano, foi realizado o 1º Campeonato Inglês de tiro com arco da história. A Federação Internacional da modalidade (FITA) surgiu apenas em 1930 e no ano seguinte organizou o primeiro Campeonato Mundial, na Polônia. Nos Jogos Olímpicos, porém, a história do Tiro com Arco começou bem antes do primeiro mundial. A estreia ocorreu nos Jogos de Paris, em 1900, apenas com os homens, e já edição seguinte passou a contar com mulheres. A modalidade se repetiu até a edição da Antuérpia, em 1920, ficando de fora da competição entre os anos de 1924 e 1968, retornando em 1972, em Munique, permanecendo até hoje. O Tiro com Arco chegou ao Brasil na década de 1950, através do comissário de bordo Adol


Foto: Wilian Olivato

TIRO COM ARCO


Fotos: Wilian Olivato

ESPORTE

As flechas, que podem ser de madeira, alumínio, carbono ou combinado alumínio-carbono, variam de acordo com a prova que será disputada.

pho Porta, que conheceu o esporte em uma feira popular de Lisboa, Portugal. Após praticar o esporte por alguns anos em terras lusitanas, Adolpho retornou ao Brasil em 1955, trazendo na bagagem arcos, flechas, alvos e um regulamento da FITA. A primeira competição oficial no país foi realizada ainda em 1955, no Rio de Janeiro, e três anos mais tarde foi fundada a Federação Metropolitana de Arco e Flecha. O Brasil se filiou à Federação Internacional em 1972, quando a primeira delegação do país participou de um Campeonato Mundial. A estreia brasileira em Olimpíadas ocorreu nos Jogos de Moscou, em 1980, onze anos antes da fundação da Federação Brasileira de tiro com arco, em 1991.

Foto: Wilian Olivato

AS REGRAS Três são os tipos de campos para as provas de tiro com arco, assim como são três as opções de arcos para essas provas. As competições são divididas em Outdoor, Indoor e Field. A competição Outdoor é realizada ao ar livre, em campo aberto e plano, sem obstáculos para o arqueiro. No Indoor as

Existem três opções de arcos utilizados em competições: o tradicional, o recurvo e o composto.

38

VITRINNI

Praticante do esporte há apenas dois anos, Higor já coleciona títulos como atleta profissional de tiro com arco.

provas são em ambientes fechados, normalmente ginásios de esporte, sem intervenção de fatores climáticos. O Field ocorre em bosques e florestas, possibilitando ao arqueiro caminhar e encontrar alvos de diferentes tamanhos e em diferentes posições. As três opções de arcos são o tradicional, o recurvo e o composto. O primeiro é mais rústico, similar aos utilizados na idade média, e não possui alça de mira, gerando um grau de dificuldade bem grande para os praticantes. O recurvo, ou olímpico, possuí lâminas curvadas nas extremidades, alça de mira, estabilizadores e são fabricados com materiais de tecnologia mais avançada como fibra de vidro e carbono, que se adequam às características de cada arqueiro. O arco composto é o de maior evolução tecnológica, com o uso de roldanas que multiplicam a potência do disparo, miras telescópicas que aproximam o alvo em até 12 vezes e gatilhos disparadores. Os tipos de flechas variam de acordo com a prova que será disputada. Podem ser de madeira, alumínio, carbono ou combinado alumínio-carbono. Tamanho, peso e flexibilidade também devem ser escolhidos conforme o campo de prova, assim como as pontas de flechas. Equipamentos de segurança como braçadeiras e dedeiras tam-

bém devem ser utilizados pelos praticantes. Nos Jogos Olímpicos são disputadas provas apenas na categoria Outdoor e com a utilização somente do arco recurvo. Os alvos são posicionados a 70 metros de distância e cada competidor tem 40 segundos para disparar cada uma das seis flechas por rodada. Nas finais, são apenas 20 segundos para atirar cada uma das três flechas disponíveis. O alvo possui pontuação de 1 a 10, em ordem decrescente de fora para dentro. Se atingir a linha divisória, vale a pontuação mais alta. O Brasil será representado nos Jogos Rio 2016 por seis atletas no tiro com arco, quatro nas disputas individuais e seis nas por equipes (os quatro das individuais mais dois representantes). Um desses atletas é Bernardo Oliveira, segundo no ranking nacional da modalidade e que tem como principais conquistas dois títulos brasileiros (2009 e 2013), quatro ouros, uma prata e um bronze no Sul-Americano de Medelín (2010), bronze por equipes no Pan de Toronto (2015) e a segunda colocação na seletiva olímpica para os Jogos Rio 2016. “Será minha primeira participação em Olimpíadas, mas já senti um pouco dessa emoção em Londres 2012, quando participei do programa Vivência Olímpica. EDIÇÃO | 8


Foto: João Luiz Lima/Estadão

TIRO COM ARCO

Atleta de tiro com arco que possui títulos na modalidade, Bernardo Oliveira vai disputar sua primeira olimpíada da carreira e conta com o grande apoio da torcida brasileira.

Foto: Wilian Olivato

Tenho certeza que será algo incrível, pois pude ver e sentir a vibração da torcida inglesa e também da canadense, no Pan de Toronto. O sonho de todo atleta é chegar aos Jogos Olímpicos, mas poucos têm a oportunidade de realizar esse sonho em casa como nós teremos.” Bernardo tem 22 anos e pratica o esporte há 11. Conheceu o tiro com arco através de um amigo e não parou mais. “O tiro com arco começou como uma brincadeira e hoje representa tudo em minha vida. Sou eternamente grato às experiências que pude viver, tudo que aprendi e às pessoas que pude conhecer através desse esporte. O tiro com arco moldou a pessoa que sou

Lilian e Higor fazem parte da legião de novos praticantes do tiro com arco no Brasil.

EDIÇÃO | 8

hoje e me desenvolveu em vários aspectos, como individuo e como atleta. Se desenvolver no esporte significa se desenvolver na vida, isso é um tremendo desafio, mas também algo maravilhoso”, destaca Bernardo. NOVOS PRATICANTES Apesar de não ser um esporte dos mais populares no Brasil, o tiro com arco tem a sua legião de praticantes e conquista novos adeptos a cada dia. É o caso do Higor Pascoal Cobesa e da Lilian Daltro Michelan, ambos começaram a praticar a modalidade recentemente. Higor é universitário é começou a praticar tiro com arco há apenas de dois anos por curiosidade. O hobby virou coisa séria e hoje ele é atleta profissional e disputa competições oficiais pelo Círculo Militar de São Paulo. “O interesse surgiu em ver o esporte na TV, em filmes e competições, e resolvi me aprofundar mais. O primeiro arco veio com a ajuda do meu sogro, que confeccionou um de madeira. Após juntar uma grana, consegui comprar um equipamento melhor e a paixão pelo esporte foi só crescendo. Em 2015 consegui espaço para treinar em um clube de São Carlos (interior paulista) e pouco tempo depois conheci meu o atual técnico, o cubano

CURIOSIDADES TIRO COM ARCO O lendário Robin Hood dá nome a uma das jogadas mais raras do tiro com arco, em que o competidor acerta a parte de trás de uma flecha já fixada no alvo, partindo-a. A neozelandesa Neroli Fairhall foi a primeira arqueira paraplégica a participar dos Jogos Olímpicos em 1984, em Los Angeles. A pira olímpica dos Jogos de Barcelona, em 1992, foi acessa com uma flecha de ponta incandescente, atirada pelo arqueiro espanhol Antonio Rebollo. O belga Hubert Van Innis é recordista de medalhas olímpicas no tiro com arco. Ele conquistou duas de ouro e duas de prata nos Jogos de Paris, em 1900, e quatro de ouro e duas de prata na Antuérpia, em 1920.

VITRINNI

39


Foto: Wilian Olivato

ESPORTE

Lilian destaca que os benefícios do esporte vão muito além das questões físicas, pois trabalha o psicológico também.

Foto: Wilian Olivato

Disney Machado, que me levou para o Círculo Militar, considerado o principal do tiro com arco no país.” Atualmente Higor treina todos os dias da semana, de quatro a cinco horas, e realiza cerca de 350 disparos por treinamento. Apesar do pouco tempo no esporte, o atleta já conquistou resultados expressivos em competições oficiais. Recentemente ficou com a medalha de ouro no Campeonato Paulista Outdoor e, anteriormente, conquistou a primeira colocação em uma competição internacional de simulação de caça da IFAA (Associação Internacional de Arqueiros Field).

The Rocks foi o bairro de Sydney que abrigou os primeiros imigrantes ingleses, em 1788.

40

VITRINNI

Com apenas 21 anos de idade, Higor ainda se dedica a passar o conhecimento que adquire na modalidade para outras pessoas. Participou de um curso e agora também é instrutor de tiro com arco. “Além de ter uma vocação para lecionar, eu dei muita sorte em ter um técnico como o Disney Machado, que já foi atleta olímpico por Cuba, já comandou a seleção cubana, e possui muito conhecimento desse esporte. Vendo e aprendendo todo esse conhecimento que ele me passava, pensei: por que não passar para frente? E foi o que resolvi fazer e isso me desenvolve também”, explica Higor. Uma das alunas dele é a psicoterapeuta Lilian Michelan, que descobriu o tiro com arco como uma forma de se manter ativa após uma lesão muscular em um das pernas. “Eu sou uma pessoa muito ativa, pratico tecido acrobático, yoga, e já tinha uma curiosidade grande pelo tiro com arco. Após a lesão que sofri na perna, vi nessa modalidade uma forma de me manter ativa fisicamente e desenvolver novas habilidades. E foi exatamente o que aconteceu. Hoje sou apaixonada pelo esporte e dei muita sorte em encontrar um instrutor tão dedicado e didático como Higor.” Lilian ressalta que os benefícios do tiro com arco vão muito além das questões físicas, que também são muito im-

portantes. “Além de você conhecer e desenvolver mais o corpo, o tiro com arco traz benefícios para outras áreas da vida. É um esporte que te desafia muito, que te estimula constantemente, e que ao mesmo tempo necessita de muita concentração, muita persistência e dedicação constante. Isso, até de forma inconsciente, vai afetar situações do nosso dia a dia, seja no trabalho, em casa, com a família ou amigos. Ajuda a lidar com frustações, pois não é sempre que se consegue atingir o alvo, e isso vale para todas as situações da vida. É um esporte que desenvolve muito o físico e o psicológico de quem o prática.” “Eu costumo dizer que só existem dois tipos de pessoas que não podem praticar o tiro com arco: quem ainda não nasceu ou quem já morreu. De resto, todos podem praticar esse esporte. Inclusive, o primeiro do ranking mundial paralímpico atualmente não possui os dois braços, ele atira com as pernas. O recorde mundial da categoria arco recurvo é de um atleta cego. Por isso eu afirmo que não há limitações para se praticar o tiro com arco”, destaca Higor.

COMPETIÇÃO

INDÍGENA Com o objetivo de valorizar uma das culturas criadoras do tiro com arco, a Federação Brasileira da modalidade criou o Arco Nativo, competição brasileira voltada exclusivamente para os povos indígenas. Com regras específicas, o Arco Nativo só pode ser disputado com arcos e flechas sem a utilização de nenhum tipo de material sintético, totalmente com matéria-prima natural. Idealizado pelos povos indígenas do estado do Mato Grosso, teve a primeira competição oficial realizada em Contagem, em Minas Gerais, em 1999, e disputado com distâncias de 15, 20, 25 e 30 metros.

EDIÇÃO | 8


PSICOLOGIA E FILHOS

PEQUENOS CRIANÇAS COM ALTAS HABILIDADES E AVANÇADO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL PRECISAM DE ESTÍMULO E APOIO PARA ATINGIR TODO SEU POTENCIAL Da Redação

U

ma criança com sérias dificuldades na escola. Não gosta de estudar, vai mal em línguas e alguns professores acham que tem sérios problemas mentais. Tem dificuldades em ler e soletrar, foi reprovada em matemática e expulsa da escola. Um professor chegou a dizer que esta criança não vai ser nada na vida. Esta história poderia, e pode, estar acontecendo neste momento em qualquer canto do mundo. E aconteceu com alguém muito conhecido. Esta criança foi Albert Einstein, um dos maiores gênios que a humanidade já conheceu e totalmente incompreendido quando ainda era

44

VITRINNI

jovem. Esta parte da história de Einstein, conhecida por muitos, serve para ilustrar os cuidados necessários ao se identificar uma criança superdotada ou genial e ajuda-la a atingir seu potencial. Segundo o INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, órgão ligado ao Ministério da Educação, cerca de 5% das crianças no Brasil são gênios ou superdotados. E existem diferenças entre um e outro, mas ambos são considerados pessoas com altas habilidades. Um superdotado é aquele com capacidade mental elevada e nível de performance superior à media, com características como avançado

EDIÇÃO | 8


PEQUENOS GÊNIOS

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

45


Fotos: reproduções

PSICOLOGIA E FILHOS

Foto: reprodução

pensamento lógico, facilidade de aprendizado, senso de justiça e talento em uma ou mais áreas. “São pessoas que se destacam em determinadas atividades e com rendimento superior. Na maioria das vezes, se destacam em um área em detrimento de outra, como uma criança superdotada pra música, mas que vai mal em uma matéria da escola”, explica a psicóloga Ana Paula Fernandes Tavares, formada em psicologia pela Universidade do Sagrado Coração, de Bauru, e que atua com crianças e adultos. Ou seja, nem sempre um superdotado tem o perfil do primeiro aluno da classe. Já a genialidade é uma condição extremamente rara. Segundo a psicóloga, uma criança gênio possui inteligências múltiplas. “Essa genialidade precisa ser estimulada, caso contrário a pessoa pode ser mal compreendida e até mesmo estigmatizada.” Como aconteceu com Einstein, con-

46

VITRINNI

siderado desrespeitoso e mal educado na escola onde estudava na Alemanha. COMO IDENTIFICAR Por isso a importância de identificar e estimular as habilidades ainda na infância. Crianças originais e criativas além da média pensam de forma incomum para resolver problemas e são mais persistentes, entre outras características. Ana Paula explica que a partir dos 2 ou 3 anos de idade já é possível fazer análises qualitativas do comportamento das crianças, mas que avaliações e diagnósticos só podem ser feitos por profissionais a partir dos 6 anos de idade. O diagnóstico feito por um profissional é fundamental para ajudar a entender o que acontece com a criança e lidar melhor com cada situação. “São necessários dois testes psicológicos para uma avaliação mais consistente e precisa. No trabalho de identificação e estímulo das

habilidades deve-se levar em conta se a criança possui facilidade e rapidez para aprender. A ajuda de um profissional da psicologia é importante, pois ele tem dados para identificar qual é o caso e, principalmente, estimular de maneira correta as habilidades desde a primeira infância.” A ciência ainda não conseguiu apontar uma causa para o desenvolvimento de crianças gênios ou superdotadas, como fatores genéticos ou algum tipo de influência durante a gestação. O que se sabe é que a ingestão de ácido fólico durante a gravidez é extremamente importante para o desenvolvimento do cérebro e sistema nervoso. “Sem o ácido fólico o tubo neural pode não se fechar completamente, causando diversas alterações. Uma alimentação saudável da mãe durante a gestação também é fundamental.” E não é preciso que alguém os ensine a ser brilhantes. Na maioria das vezes, o talento é desenvolvido espontaneamente, EDIÇÃO | 8


Fotos:reproduções

PEQUENOS GÊNIOS

PAPEL DOS PAIS

como é o caso de crianças que aprendem a ler sozinhas ou sabem montar e desmontar aparelhos sem que ninguém os ensine. Hoje sabe-se também da importância em estimular o desenvolvimento cognitivo e a aprendizagem da criança na primeira infância. Como nem sempre um superdotado ou um gênio é um bom aluno adaptado ao sistema de ensino vigente, as escolas e os educadores possuem papel fundamental para ajudar a desenvolver estas habilidades. “É fundamental que os professores estimulem e desafiem esses alunos para que o potencial seja desenvolvido. Propor atividades ligadas ao campo de interesse no período contrário à escola é uma das maneiras. E esse aluno precisa também do apoio pedagógico diferenciado para alcançar todo desenvolvimento de seu potencial.” Segundo a APAHSD, Associação Paulista para Altas Habilidades/Superdotação, EDIÇÃO | 8

altas habilidades, por lei, estão dentro da Educação Inclusiva, ou seja, educação especial, e portanto possuem necessidades especiais, assim como os variados tipos de deficiência. Por isso o alto habilidoso, como é chamado, precisa de estímulos educacionais diferenciados, para garantir o aprofundamento nas matérias de interesse e o equilíbrio nas demais, nas quais provavelmente apresentará deficiência. No Brasil, os professores possuem apoio dos Núcleos de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação, criados no ano de 2005 pelo MEC e presentes em todos os estados. Além de preparar e de treinar os educadores para identificar e ajudar os alunos superdotados e gênios em sala de aula, esses núcleos ajudam na criação de salas com recursos multifuncionais para os alunos com necessidades especiais em escolas públicas. São nessas instituições onde estudam 85% dos estudantes superdotados identificados no país.

Assim como na escola, o papel dos pais também é fundamental. O que não significa cobrar ou exigir muito da criança, basta criar espaços para que ela desenvolva suas habilidades, além de contribuir para que ela não seja estigmatizada ou mal compreendida. “Além de estimular, é preciso também auxiliar e preparar a criança para momentos de frustração ou até mesmo fracasso, lembrando que essas condições ocorrem na vida de qualquer um. E sempre salientar que crianças são crianças e precisam viver como crianças”, ressalta a psicóloga. Quando o caso não é bem trabalhado e não existe o auxílio de um profissional para lidar de modo adequado, a incidência de alguns transtornos mentais e dificuldades adaptativas é maior. “As vezes, algumas crianças acabam se relacionando com crianças mais velhas ou até mesmo adultos. Em alguns casos extremos, podem optar até mesmo pela solidão, quando sua desmotivação atinge índices maiores.” Por isso, com o apoio dentro e fora de casa, a criança irá se desenvolver sem traumas e com menos chance de sofrer em um circulo social em que outras crianças não possuem as mesmas capacidades.

VITRINNI

47


VIDA E SAÚDE

INFERTI Problema afeta, em média, um em cada dez casais no Brasil. Tratamentos e orientações corretas contribuem para concretizar o sonho de se ter um filho.

A

pesar do estilo de vida mais corrido das pessoas atualmente, com o trabalho consumindo cada vez mais tempo de cada um, o sonho de se ter filhos ainda habita o pensamento de várias pessoas. Mesmo em queda nos últimos anos, o número de casais com filhos representa quase metade das constituições familiares do país, 43,9% (não são considerados nesses dados casais com filhos, mas separados), de acordo com informações da pesquisa de Síntese de Indicadores Sociais (SIS 2014), elaborada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Mas nem todos conseguem realizar esse desejo de maneira natural. A estimativa é que cerca de 300 mil casais em idade fértil no Brasil apresentam difi48

VITRINNI

culdades para conceber um filho. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 8% e 15% dos casais têm algum problema de infertilidade. “A infertilidade do casal é determinada após um período de 12 meses de relações sexuais regulares, em um período ovulatório e sem o uso de métodos contraceptivos, em que não ocorra a gravidez”, explica o doutor em urologia e presidente da Sociedade Brasileira de Urologia entre 2012 e 2013, Aguinaldo Nardi. Os fatores que podem ocasionar a infertilidade estão igualmente distribuídos entre homens e mulheres, 40% para cada sexo, e em apenas 20% dos casos ambos apresentam causas para o problema. “A diferença nessa situação é que o homem demora muito mais que a mulher para estudar os motivos de sua inEDIÇÃO | 8


INFERTILIDADE

LIDADE fertilidade, normalmente após um ano que ele faz um espermograma. Diagnosticada a infertilidade do casal, ambos devem buscar saber o que a ocasiona”, ressalta Nardi. As causas da infertilidade estão divididas entre fatores femininos e masculinos. Distúrbios hormonais que levam a problemas de ovulação, endometriose (lesões em partes do organismo feminino) e problemas obstrutivos, como obstrução nas trompas, são as principais causas entre as mulheres. Já entre os homens, 40% das causas de infertilidade estão relacionadas à varicocele, que são varizes no cordão espermático que provocam aumento da temperatura dos testículos. Outros fatores, de menor taxa de ocorrência, também podem ocasionar a infertilidade. No caso masculino, nascer sem o canal deferente, que conduz o espermatozoide dos testículos até a próstata e posterior ejacuEDIÇÃO | 8

lação, ou doenças de infância como a Criptorquidia, em que o testículo não se forma corretamente até os dois anos de idade. Entre as mulheres ocorrem distúrbios imunológicos, como a produção de secreções que inibem a mobilidade dos espermatozoides. Fatores não biológicos, mas sociais, também são determinantes para a alta taxa de infertilidade no Brasil. A postergação da maternidade é um deles. Dados do último Levantamento de Estatísticas do Registro Civil, realizado pelo IBGE em 2013, mostram que o grupo de mulheres que se tornaram mães entre 30 e 34 anos saltou de 14,4% em 2002 para 19% em 2012, chegando a 21,4% na região sudeste do país. “Esse dado é muito importante se levarmos em conta que a mulher nasce com um número fixo de óvulos e os vai perdendo a cada menstruação”, informa o urologista.

Alimentação inadequada, tabagismo, álcool e, no caso do homem, trabalhar em ambientes de temperaturas elevadas são igualmente fatores de risco. Condições genéticas, sem intervenção externa, como a alteração cromossômica, também podem ocasionar a infertilidade. TRATAMENTO Após detectada a condição de infertilidade no casal, exames devem ser realizados para direcionar o melhor tipo de tratamento. Estudo dos hormônios e viabilidade das trompas para as mulheres, espermograma para os homens e o estudo genético (cariótipo) para ambos, são os mais utilizados. Com a realização desses exames, o doutor Aguinaldo Nardi explica os três tratamentos que podem ser adotados. “Em alguns casos pode haver apenas uma orienVITRINNI

49


VIDA E SAÚDE

tação para a relação sexual mais adequada, em períodos férteis da mulher. Pode-se adotar também o ‘coito programado’, em que se detecta qual o período exato que a mulher deve ter a relação sexual, inclusive com indicação de medicamentos para favorecer a ovulação. Não se encaixando nos casos anteriores, parte-se para as técnicas de reprodução assistida, que são duas: Inseminação Intra-Uterina (IIU) e Fertilização in Vitro.” A Inseminação Intra-Uterina consiste em levar espermatozoides para o laboratório, separar os espermatozoides bons, que são os mais móveis, e colocá-los dentro do útero no momento em que a mulher está ovulando. Essa técnica facilita em 50% o caminho do espermatozoide em chegar e fecundar o óvulo (ver figura A). Há a necessidade de pelo menos cinco milhões de espermatozoides de boa qualidade para a utilização desse procedimento. Na Fertilização in Vitro utiliza-se a técnica de Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides (ICSI), considerada a mais moderna que existe. Nela, os óvulos e os espermatozoides são levados para laboratório. Os espermatozoides têm a calda retirada e

Doutor Aguinaldo Nardi, Urologista, CRM: 45490

50

VITRINNI

são colocados dentro do óvulo, promovendo a fecundação. Depois, esse óvulo fecundado é colocado direto no útero (ver figura B). Nas duas técnicas podem ser utilizados os sêmens do próprio paciente. “O banco de sêmen é utilizado apenas quando não há espermatozoide no paciente. Porém, há casos em que buscamos o espermatozoide direto no testículo. Em apenas 20% dos casos necessitamos recorrer ao banco de sêmen, o que é realizado em total anonimato de acordo com as regras vigentes”, destaca Nardi. O período de tratamento da reprodução assistida é curto, dura em torno de 20 a 25 dias, após a realização de todos os exames necessários. Não há restrições para realizar o procedimento, mas há que se ter muito cuidado em casos de cardiopatias graves e o índice de sucesso dos tratamentos é baixo em mulheres com mais de 45 anos de idade. O casal Pâmela Camila Zanchin Leite e Diogo Siqueira Pereira buscou as técnicas de reprodução assistida após quatro anos de tentativas de terem um filho. Após a realização dos exames, foi constatado que os fatores de infertilidade eram predominantes em Pâmela. A técnica utilizada no caso deles foi a Fertilização in Vitro, que se mostrou muito eficaz. “Foi muito rápido, cerca de um mês do início do tratamento até o resultado. No meu caso, na primeira tentativa já deu positivo e descobri que estava grávida de gêmeos. Estou no terceiro mês de gestação e nós muito felizes com o resultado do tratamento”, diz a futura mamãe.

CRIOPRESERVAÇÃO Os avanços da medicina reprodutiva têm gerado um número cada vez maior de técnicas que garantem a preservação da fertilidade de homens e mulheres. Outra técnica de sucesso no auxilio aos casais que buscam a gestação é a criopreservação, ou congelamento de sêmen e óvulo. Esse tipo de tratamento é indicado para pacientes que serão submetidos à quimioterapia ou radioterapia em consequência de câncer, pois esses procedimentos tem grande probabilidade de deixar a pessoa infértil. O congelamento do sêmen ou óvulo permite a possibilidade de uma gestação futura, após o término do tratamento oncológico. “É um procedimento ainda muito pouco utilizado e divulgado. Dados dos Estados Unidos mostram que apenas 40% dos oncologistas e radioterapeutas encaminham seus pacientes para esse tipo de técnica. No Brasil, sequer temos números a respeito. É algo que pode fazer a diferença na vida de várias pessoas, mas que nem todos sabem”, enfatiza o urologista Aguinaldo Nardi.

EDIÇÃO | 8


L G

A

S

T

D

A

G

U

E

D

A R

S

O

T

Z O

A

S

Q

E N

U

E

E

R Ô

M

S

D

B

A

I

C

O

E

U

R

U


UMA SELEÇÃO DE ENCHER OS OLHOS! A Vitrinni Magazine selecionou dois restaurantes para você desfrutar de um Lazer Gastronômico como uma verdadeira Experiência Gourmet.

R E S T A U R A N T E S L A

D O N O S T I

B A M B I N A P I Z Z A R I A


i t s o n o La D ESPECIAL GOURMET

S

abores e aromas espanhóis com um toque bem brasileiro, assim é o La Donosti, restaurante de culinária espanhola localizado na cidade de Agudos, interior paulista. A ideia de abrir o espaço surgiu na Espanha, onde a chef e proprietária Thais da Silva Bigoto trabalhava como cozinheira na região do País Basco, extremo norte espanhol, em um restaurante classificado entre os 100 melhores do mundo, com três estrelas do guia Michelin. Lá conheceu o marido, e também chef de cozinha, Jonathan Garcia Bautista, com quem trabalhou na mesma região. A paixão dos dois pela culinária, aliada ao desejo do pai de Thais para que retornasse ao Brasil, fez com que o casal decidisse abrir o La Donosti. Thais conta que a ideia inicial era outra, mais próxima do estilo europeu, mas precisou adequar ao comportamento brasileiro. “Era para ser um bar espanhol, aberto quase o dia todo, para que as pes-

soas aproveitassem as tardes para desfrutar de tapas no balcão, como ocorre na Espanha. Mas tivemos que tomar outro rumo, pois aqui as pessoas não têm o hábito de comer à tarde, e passamos a abrir somente à noite, como restaurante. Isso também nos deu mais tempo para preparar e elaborar pratos de qualidade superior, possuindo algo realmente diferente e único.” Com ambiente aconchegante e acolhedor, o La Donosti buscar oferecer aos clientes sempre o melhor serviço. O restaurante possui uma cozinha bem estruturada, com forno de convenção e termomix. A escolha pela culinária espanhola se deu não somente pela vivência e forte ligação afetiva com aquele país, mas também pela riqueza, variedade e tradição dos pratos da Espanha. “Sempre digo que o La Donosti não é apenas espanhol, mas uma fusão Espanha-Brasil. Buscamos sempre nos destacar pela qualidade de nossos pratos, utilizando produtos sazonais e ingredientes locais para obter o que

há de melhor em cada estação e visando uma cozinha sustentável”, ressalta Thais. O cardápio do La Donosti é variado e possui opções que agradam a todos os paladares. Entre as tapas, ou entradas, estão as famosas Coxinhas de Leitoa, participantes de vários festivais gastronômicos do estado, Montaditos (fatias de pão) de Solomillo ou Jamon Espanhol e as Papas Bravas (típicas batatas espanholas com molho picante). Dentre os pratos principais, destaque para o Risotto Negro (com tinta de lula, camarão e lula), a Chuleta La Donosti (prime rib com cerca de 700g) e a tradicional Paella, preparada somente por encomenda. Pratos como o Jarret de Cordeiro, assado a vácuo por 12 horas, e Anchova grelhada com musseline de cenoura e farofa de camarão são algumas das opções especiais, servidas ocasionalmente. Opções de saladas e sobremesas tentadoras, como a tradicional Crema Catalana, também compõem o vasto cardápio.

O La Donosti está localizado na Rua Treze de Maio, 699, Centro, Agudos-SP | Telefone: (14) 3261-7264 | Facebook.com/LaDonosti

54

VITRINNI

EDIÇÃO | 8

Fotos: Celso Mellani

Culinária espanhola com um toque brasileiro


Lazer Gastronômico Agudos A mais gostosa e tradicional Paella da região!

Ddeostaque

Cardápio

Muito tradicional na culinária espanhola, a Paella é um dos grandes destaques do La Donosti. O prato faz parte do cardápio fixo do restaurante, mas é preparado somente por encomenda, servindo no

mínimo 4 pessoas. A Paella La Donosti é preparada com pimentão, cebola, cenoura e bacon. Um caldo especial com casca de camarão e lagostins pequenos também são utilizados. Ingredientes

como arroz, açafrão e sal para temperar e ainda camarão médio descascado, lula, camarão grande com casca e também lagostins. Há também a opção de Paella preparada com polvo.

Atendimento: quarta e quinta-feira, das 18h ás 23h; sexta-feira, das 18h às 00h; sábado das 11h às 15h e das 18h às 00h e domingo: das 11h às 15h.

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

55


a n i b m Ba

ESPECIAL GOURMET

Tradição e Inovação na arte de se fazer pizzas

a Bambina foi se adequando às novas necessidades. “Nós começamos apenas com serviço de entregas. A procura foi crescendo e nós colocamos umas mesas e cadeiras na frente, fizemos um salãozinho ao lado, outro atrás, depois uma reforma maior, mas com o passar dos anos o espaço se tornou pequeno para as nossas necessidades. Foi quando em 2010 mudamos a pizzaria para o endereço atual, ficando no anterior apenas o delivery.” Atualmente a Bambina recebe seus clientes em um ambiente moderno e aconchegante, em um local com 1.600m², sendo 650m² de área construída, rodeado de muito verde e com playground paras crianças. Preocupação também com a qualificação constante dos funcionários e com a qualidade dos ingredientes utilizados na pizzaria. “Nós só utilizamos ingredientes frescos, do dia, e de procedência garantida. Inclusive, o orégano e o manjericão que usamos, nós mesmos plantamos em um sítio próprio”, destaca Bigô. No cardápio da pizzaria Bambina o cliente vai encontrar opções de entrada como Bruschettas, Carpaccios, saladas, mas-

sinhas de pizza e frios. Quatro opções de Paninis e Calzones, pizzas light e doces, bebidas como chopp, cervejas, refrigerantes, sucos, batidas e caipirinhas, além de uma adega climatizada com os melhores rótulos de vinhos nacionais e importados. Entre as pizzas, carro-chefe da casa, destaques para as tradicionais Caprese, Fundata e Passione, as mais pedidas pelos clientes.

NOVIDADES BAMBINA

Fiel às suas tradições, mas sempre em busca de novidades, a Bambina inova mais uma vez o cardápio. Cinco novas opções de pizzas enriquecem o menu já variado da pizzaria: Gorgonzola Gourmet, Calabria, Berinjela, Abobrinha e Alecrim. E mais uma opção de Calzone, o Calzone Brie. Novidades também em relação às massas das pizzas, que já são todas sem lactose. Agora tem a massa sem glúten, preparada com uma farinha italiana especial e disponível apenas no tamanho broto, e a massa integral. Outra inovação da Bambina é a opção de Mussarela sem lactose, nas pizzas que levam esse tipo de queijo.

A pizzaria Bambina está localizada na Rua Alfredo Fontão, 6-80, JardimAmérica, Bauru-SP Reservas: (14) 3223-9000 | Facebook.com/BambinaPizzaria

56

VITRINNI

EDIÇÃO | 8

Fotos: Wilian Olivato

T

radição familiar. Essa pode ser considerada uma das principais razões para o surgimento da Pizzaria Bambina, em Bauru. Quando, em 1993, os irmãos Ana Cristina “Bigô” e Carlos Roberto “Maninho” decidiram investir em um negócio próprio, não sabiam ao certo qual ramo seguir. Até ouvirem a tia Maria Tereza “Marion”. Marion trabalhava em uma pizzaria na cidade de Birigui, a Mama Mia, que já era sucesso na cidade há 10 anos. E foi ela a grande incentivadora dos irmãos. “Meu irmão veio de São Paulo e nós queríamos abrir algo em Bauru e foi a tia Marion que nos incentivou a investir em uma pizzaria. Ela veio pra cá, nos ajudou a escolher o local, mandou um pizzaiolo de lá para iniciarmos a produção, nossos funcionários tiveram treinamento na Mama Mia, ela participou de tudo. Tanto que temos uma pizza no nosso cardápio chamada Marion, em homenagem a ela”, explica Bigô. A Bambina foi inaugurada no dia 25 de fevereiro de 1993 e no início era apenas delivery. Mas a demanda foi aumentando e


Lazer Gastronômico Bauru Delicioso sabor: gorgonzola com o toque da pera!

Ddeostaque

Cardápio

Os destaques da Bambina são duas pizzas novidades no cardápio da casa: a Gorgonzola Gourmet e a Abobrinha. A primeira

pizza é preparada com queijo gorgonzola, fatias de pera e salpicada de nozes moída. Já a segunda leva molho de tomate, queijo mussarela,

fatias bem finas de abobrinha, hortelã e parmesão. Ambas harmonizam muito bem com as opções de vinhos da adega Bambina. Bom apetite!

Atendimento: terça a quinta-feira e domingo: das 18h às 00h; sexta e sábado: das 18h às 00h15 Delivery: Rua Professor Alberto Brandão de Rezende, 7-16, Jardim América, Fone: (14) 3223-1919, atendimento de terça-feira a domingo, das 18h às 00h;

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

57


EXPERIÊNCIA GOURMET

JAMIE

OLIVER Da Redação

58

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


JAMIE OLIVER

O chef inglês que almeja deixar o mundo mais saudável

O

s números impressionam. São quase 30 programas de TV exibidos em mais de 100 países, mais de 9 milhões de seguidores nas redes sociais Instagram e Facebook, 16 livros traduzidos pra 37 línguas e mais de 35 milhões de cópias vendidas no mundo todo. O gosto pela gastronomia começou quando ainda criança através das visitas ao pub dos pais, o The Cricketers, que existe até hoje em Essex, noroeste de Londres, onde Jamie cresceu. “Nunca fui particularmente acadêmico na escola, então tive de olhar para outras direções. Cresci no pub dos meus pais e, por isso, a culinária sempre fez parte da minha vida. Cozinhar e ser criativo com os ingredientes apropriados sempre foram coisas que eu gostei, além de ser bom nisso. Foi uma decisão muito natural escolher faculdade de gastronomia”, explica o chef que tem prazer em descobrir novos sabores. O sucesso teve início em 1999, aos 23 anos, na primeira temporada no programa The Naked Chef, produzido pela BBC, que desmistificava técnicas culinárias. Até hoje ele ensina a arte da cozinha no mundo todo através da simplicidade. Uma das bandeiras defendidas pelo inglês é que as pessoas tenham tempo e vontade de cozinhar em casa com ingredientes frescos e não precisem buscar uma boa refeição fora. “Há muitas razões para as pessoas dizerem que não podem cozinhar em casa, falta de tempo, de dinheiro, de conhecimento. Sei que a comida pronta tem o seu valor e razão de ser, mas não deveríamos recorrer a elas todo o tempo. Educação é a chave dessa questão. Ainda crianças, deveríamos ter as ferramentas e conhecimentos básicos e certos para sermos capazes de cozinhar pratos simples e baratos.” Ele acredita que as redes de fast-food tentam convencer a população de que cozinhar é caro. E não mede esforços para provar o contrário. Sua briga mais famosa foi com o McDonald’s no ano de 2011, quando o chef divulgou que a rede americana usava hidróxido de amônio para fazer hambúrgueres com sobras de carne. A repercussão do caso pressionou a empresa mudar a receita de seu produto.

EDIÇÃO | 8

A batalha pela qualidade da merende escolar servida na Inglaterra e nos EUA deu a ele o título de defensor da alimentação saudável. Oliver acredita que não é preciso de muito dinheiro para criar uma refeição, basta saber cozinhar. Por isso, o chef criou o Food Revolution Day, uma campanha anual que defende o direito a uma alimentação saudável. Ainda existe a preocupação com a ingestão exagerada de açúcar, principalmente pelas crianças. “Eu nunca diria a alguém ‘não coma um bolo’. Os bolos fazem as pessoas felizes e quando comem um bolo sabem que é especial. Mas não se come bolo cinco ou seis vezes por dia, como se faz com os refrigerantes. A maior fonte de açúcar vem das bebidas. Isso afeta as nossas crianças, os nossos adolescentes. São calorias completamente vazias, que não têm qualquer valor nutricional e não nos fazem sentir saciados.” Pra isso fez um documentário, Jamie’s Sugar Rush, e ainda pressiona o primeiro-ministro britânico David Cameron para implementar um imposto sobre as bebidas açucaradas. Segundo Jamie, o mais importante é que as pessoas tenham consciência do que consomem. Contar calorias não é o suficiente. Para ele, as calorias servem como uma linguagem de fácil compreensão. “400 calorias de refrigerante não são o mesmo que

Foto: Carol Gherardi/Band

VITRINNI

59


EXPERIÊNCIA GOURMET

Foto: Carol Gherardi/Band

Jamie’s Italian no Brasil Jamie Oliver possui mais de 50 restaurantes espalhados pelo mundo. A cantina Jamie’s Italian, aberta em São Paulo em março de 2015, é a primeira da marca nas Américas. “Amo comida italiana desde garoto. Há algo sobre a cultura italiana, de cozinhar refeições grandes e bonitas e, em seguida, sentar-se com toda a família para compartilhar. Adoro a simplicidade também. Os melhores pratos italianos geralmente levam poucos ingredientes que, combinados, criam sabores incríveis.” O projeto arquitetônico é assinado pelo escritório de arquitetura Stiff + Trevillion, em parceria com o departamento Design & Build do Jamie´s Italian, ambos com sede em Londres.

Foto: divulgação MasterChef/Band

400 calorias de uma boa comida. Uma vai acabar com seu organismo, enquanto a outra vai enriquecê-lo.” O chef acredita que a comida e o estilo de vida são muito importantes e a vida é muito curta para comer porcarias. Saber cozinhar é um luxo nos dias de hoje e a comida certa, bem feita, pode evocar todos os tipos de emoções. “Quando cheguei aos 40 olhei para o que fiz até aqui, para a minha família, o meu trabalho. Percebi que as vidas mais longas, mais felizes e mais produtivas não tinham nada que ver com ser rico ou com o que a cultura ocidental nos faz pensar que precisamos.”

O restaurante brasileiro tem a mesma proposta das outras unidades, mas adaptado aos sabores do país. O menu tem, por exemplo, um sorvete especial de brigadeiro. Pra conseguir agradar ao paladar dos clientes daqui, uma pesquisa foi feita para garantir que as peculiaridades do país fossem respeitadas. A alimentação saudável também está presente. Os ingredientes escolhidos são frescos, e os fornecedores locais se preocupam com a sustentabilidade. A fazenda escolhida para fornecer carnes, por exemplo, cria os animais soltos. “Pode ser extremamente difícil encontrar bons fornecedo-

res. Temos alguns fornecedores de produtos artesanais incomparáveis a bordo, do nosso sorvete ao pão, produzidos em lojas locais da cidade, à nossa carne de porco e frango, que vêm de uma bela fazenda fora de São Paulo, em que os animais são criados livres, com espaço para pastar e forragem adequada. É difícil trabalhar comigo, eu faço muitas exigências”, afirma Oliver. O restaurante tem uma boa atmosfera, é cheio de energia, trabalha com preço honesto e comida de qualidade. “Não é para ser o melhor jantar da sua vida. Não estamos tentando ser algo que não somos. É honesto, gostoso, e você pode pagar.”. As visitas que fez ao Brasil sempre foram com a companhia do chef brasileiro, e braço direito, Almir Santos. “Me levou para um monte de restaurantes fantásticos e me apresentou pratos incríveis. Adorei a moqueca e a feijoada”, tanto que o último prato entrou no livro “Comida Caseira”. Assim o chef espera se redimir com o público brasileiro de um grande mal entendido, quando disse em sua primeira visita que não gostava de brigadeiro. “Foi um mal-entendido, fiz uma piada com a minha equipe. Nunca deveria ter ido ao ar. Na verdade, eu gosto de brigadeiro”, explica. Colaboração equipe jamieoliver.com.br www.facebook.com/jamieoliver “Jamie Oliver’s Food Tube”

60

VITRINNI

website www.jamieoliver.com

EDIÇÃO | 8


INTERIORES

ANDRE BECKER

TATO, SENSIBILIDADE E FOCO NA SIMPLICIDADE FORAM AS MÁXIMAS PARA O PROJETO DO LAR DE UMA NOVA FAMÍLIA PAULISTANA.

A

Foto perfil: Eduardo Costa

ndré Becker Pennewaert é o titular do escritório ABPA. Formado pela FAUUSP em 2001, trabalhou com Ruy Ohtake, Ubyrajara Gilioli e Aflalo & Gasperini. O escritório desenvolve desde 2005 projetos com integração total entre forma, estrutura, m arcenaria e obra, buscando uma poesia absolutamente racional e econômica nos diferentes programas e escopos. Teve projetos expostos no Pavilhão Brasileiro da Bienal de Veneza-2014 e na 9a Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo-2011, além de ser Finalista do 7o Prêmio “O Melhor da Arquitetura-2014” e Menção Honrosa na premiação IAB-SP 2010.

APARTAMENTO

ANDRE BECKER PENNEWAERT Rua Bela Cintra, 282 CJ 25, São Paulo/SP Telefone: (11) 2369.5692 www.abpa.arq.br

62

VITRINNI

Um casal jovem buscou um apartamento pensando na vinda de um ou dois filhos nos próximos anos. O apartamento de 190,00 m 2 , no bairro do Itaim, em São Paulo, tinha diversas qualidades, especialmente uma sala ampla, com janelas em toda extremidade interrompidas apenas por um pilar. Mas tinha também diversos problemas: a suíte principal era pequena, quase do tamanho dos outros quartos; e toda a parte de cozinha, almoço, serviço, era muito mal resolvida. Uma cozinha pequena, com uma janela interna que dava para a área de serviço, esta sim bastante grande, ou seja, a janela da cozinha ficava bem distante da fachada ventilada do prédio, assim como da luz natural. E a

EDIÇÃO | 8


ANDRE BECKER

área de serviço, com faixas generosas de vidro boreal, escondia uma vista desobstruída e belíssima. Como uma das vontades do casal era integrar a cozinha com a sala, e passar bastante tempo de qualidade na mesma, o projeto fez um ajuste completo da distribuição desta área: uma parte da área de serviço e um quarto de empregados foram integrados à cozinha, que assim deixou de ter uma

janela de 90 cm abrindo para a área de serviço, e ganhou uma janelona de 4 metros voltadas ao bairro, com vidro transparente. Para equilibrar as metragens e as necessidades do casal, uma antiga despensa foi incorporada à área de serviço, permitindo um recuo do depósito e um aprofundamento da nova área de serviço, ou seja, uma planta muito mais funcional, equilibrada e agradável. F OTO S A PA R TA M EN TO A N D R É S OT ERO

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

63


INTERIORES

64

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


ANDRE BECKER

Quando a cozinha está integrada com a sala, pode-se ver todo o bairro em volta, ocorrendo algo raro em apartamentos: ventilação cruzada efetiva. Na área íntima, o único ajuste em planta foi tirar um pouco de área de um dos quartos e adicionar esta área à suíte, deixando todos com proporções mais adequadas à quantidade de ocupantes. Mas, justamente nessa parede, estava situada uma viga gigantesca. Isso não atrapalhou a ampliação do quarto, pois nesta nova parede fica um aparador e uma poltrona de leitura; ao contrário, permitiu

EDIÇÃO | 8

um elemento muito interessante compondo o ambiente do quarto, e gerando um diálogo com a sala, onde o projeto explorou algumas vigas aparentes também, na divisão com a cozinha. Resolvido o layout, o projeto trabalhou a linguagem interna com simplicidade: piso de madeira, paredes brancas, móveis principalmente de designers nacionais como a OVO e Jaqueline Terpins, assim como soluções customizadas de marcenaria em parceria com o Estúdio Paulo Alves. Um banco linear com mais de 8 metros fica

VITRINNI

65


INTERIORES

66

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


ANDRE BECKER

embaixo do janelão, servindo com assento no estar e como chaise no escritório atrás do estar. Esse escritório tem uma mesa de recorte orgânico, e uma série de módulos de madeira como biblioteca e apoio. Duas grandes portas de correr em fórmica laranja abrem ou fecham a cozinha, onde a marcenaria foi desenvolvida pela empresa alemã Leicht.

Outro ponto de destaque é a iluminação de Gilberto Franco, que investiu em grandes sancas lineares com lâmpadas de Xenon destacando as linhas ampliadas da arquitetura e marcenaria: o janelão e o banco da sala, a viga e porta de correr da cozinha, a viga aparente da suíte do casal, e a janela de cada um dos outros quartos. Um projeto a muitas mãos.

ÁREA: 190,00 m2 | ESCOPO: projeto arquitetônico, acompanhamento obra civil | ILUMINAÇÃO: Franco & Associados/Gilberto Franco MARCENARIA: Marcenaria São Paulo/Paulo Alves | COZINHA: Leicht | GERENCIAMENTO OBRA: Arq. Aquiles Accocella.

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

67


GUTO REQUENA

Foto: Vitor Affaro

ESCULTOR DE MEMÓRIAS AFETIVAS

EDIÇÃO | 8

Um arquiteto e designer antenado em novas tecnologias digitais com o objetivo de resolver problemas e tornar a vida cotidiana das pessoas mais prática, principalmente nos centros urbanos. Essa pode ser uma das várias definições de Guto Requena, profissional multidisciplinar e profundo pesquisador da arte de criar, moldar e adequar espaços. Nascido no interior de São Paulo, na cidade de Sorocaba, Guto graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP) em 2003. Durante a faculdade, conheceu e passou a integrar o NOMADS.USP (Centro de Estudos de Habitares Interativos) por nove anos. Nesse período, em 2007, concluiu o mestrado com o tema “ Habitar Híbrido: Interatividade e Experiência na Era da Cibercultura.” Somente após a fase acadêmica que Guto abriu o próprio escritório, na cidade de São Paulo.

Arquitetura e design influenciados pela Cibercultura e tecnologias digitais interativas.

VITRINNI

71


ARQUITETURA E DESIGN

Iluminação, texturas cores, cultura e muita interatividade! Apesar da carreira profissional recente, o arquiteto e designer já possui trabalhos e premiações de grande destaque nacional e internacional. Em 2010 venceu o 9º Prêmio Jovem Brasileiro na categoria Design e também recebeu a premiação O Melhor da Arquitetura, promovida pela Revista Arquitetura e Construção da Editora Abril, na categoria bares e restaurantes. Em 2012 foi premiado na BID (Bienal Iberoamericana de Diseño), em Madri, na categoria melhor projeto de design de interiores pelo projeto de cenografia Roteiro Musical da Cidade de São Paulo. No mesmo ano, Guto foi selecionado pela Google para projetar o escritório brasileiro da empresa. Em 2013 veio o convite da rede Walmart para que o profissional desenhasse a sede da empresa, o que lhe rendeu o prêmio internacional “Building of the Year”, pelo Archdaily, na categoria design de interiores. Tamanho reconhecimento profissional fez com que Guto recebesse convites para participar de exposições e ministrar palestras em diferentes cidades pelo mundo. Nova Iorque, Paris, Moscou, Dubai, Pequim, Cape Town, Miami e Londres são alguns dos locais que ele já esteve presente. Em 2011 ele criou, escreveu e roteirizou o programa “Nos Trinques”, para o canal a cabo

72

VITRINNI

GNT e desde 2012 é colunista da Folha de São Paulo, em que escreve sobre design, arquitetura e urbanismo, além de colaborar escrevendo para diversas revistas. Guto também possui um canal no YouTube para produção de web séries. Recentemente lançou a segunda temporada de “Design Hoje”, em que a temática principal é “como melhorar as cidades?”. Guto afirma que seu estúdio reflete sobre memória, cultura digital e poéticas narrativas em todas as escalas do design. “Uma das minhas grandes influências é a Cibercultura, ou seja, toda cultura envolta das tecnologias digitais, da internet. Durante cerca de dez anos de pesquisa acadêmica procurei entender o impacto que as tecnologias digitais interativas têm na nossa vida, no nosso cotidiano e, portanto, tem nos nossos espaços e nos nossos objetos. Entender o homem e todas as suas transformações faz todo sentido para que possamos projetar novos espaços, objetos e produtos.” Para ele, o processo criativo e construtivo são mais relevantes que a estética final dos projetos, o que é fundamental para dar sustentabilidade às ideias. “A belezaww não é algo relevante na era contemporânea. Quando projeto, tenho tentado pensar cada vez menos na estética. Estou muito mais interessado no processo de design, no processo de arquitetura. Para mim, tecnologia e sustentabilidade são inseparáveis, cada vez mais recursos permitem mais sustentabilidade. É o que pensamos, por exemplo, no Love Project, em que não visamos apenas o material, mas o ciclo de vida do produto, criado a partir de emoções captadas em narrativas de amor e transformado em objetos do cotidiano. Esse vínculo afetivo faz com que o produto não seja descartado facilmente”, explica Guto.

EDIÇÃO | 8


GUTO REQUENA

VITRINNI

73


ARQUITETURA E DESIGN

Conceito e obra

Cadeira Nóize

Vozes da cidade, ruídos da periferia e ressonâncias do concreto, desconstroem clássicos do mobiliário brasileiro, onde o que importa não é o resultado estético das peças, mas o seu processo de design. São Paulo é uma cidade linda. Não-obvia, complexa e diversa, se faz interessante ao receber diferentes povos, credos e culturas sem preconceito, miscigenada, improvisada, surpreendente, irônica, colcha de retalhos repleta de belezas escondidas. Apai-

As cadeiras Nóize, desenvolvidas pelo Estudio Guto Requena, foram concebidas digitalmente a partir da mescla do som captado nas ruas da cidade de São Paulo com ícones genuínos do design brasileiro.

xonar-se por ela é uma questão de sobrevivência. As 3 peças desenvolvidas pelo Estudio Guto Requena para esta exposição buscam assimilar as belezas de São Paulo, especialmente aquelas fora do eixo, numa experimentação numérica com ruí-

A cadeira Girafa, de autoria da Lina Bo Bardi, Marcelo Ferraz e Marcelo Suzuki, a cadeira Oscar, do Sérgio Rodrigues e também a cadeira São Paulo, do Carlos Motta foram modeladas em plataforma digital 3D reproduzindo fielmente seu modelo físico. A partir de uma programação computacional feita pelo Estudio Guto Requena, com uso da linguagem Processing, deformouse esse modelo digital através da sua fusão com o arquivo de áudio coletado em três locais diferentes em São Paulo: Grajaú, Cidade Tiradentes e Santa Ifigênia. O resultado é verdadeiramente uma cadeira-manifesto, que para além do ato de sentar, instiga à ref lexão.

dos, desconstrução e mixagem, a partir das novas possibilidades trazidas com as tecnologias digitais.

Cadeira Nóize Desenvolvidas à convite da Galeria + Coletivo Amor de Madre, para a exposição #FUIPARASPELEMBREIDEVC Série: Peça única Dimensões 40cm x 44cm x 79 cm (L x P x A) Descrição técnica Impressão 3D em ABS

O arquivo digital resultante desse processo foi enviado via internet para a Bélgica, diretamente para uma máquina de impressão 3D. Após a impressão das três cadeiras, elas foram enviadas para o Brasil.

74

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


GUTO REQUENA

Nossa Sra. Desaparecida

Exposição da obra Buscando preservar e difundir o legado do artesanato da América, o estúdio chileno gt2p juntamente com a Galeria Coletivo Amor de Madre desenvolveram o projeto Bridging America, uma plataforma para construir pontes e criar diálogos com a indústria

Nossa Senhora Aparecida é considerada a “A Rainha e Padroeira do Brasil”. Para criar essa peça foi fundamental trabalhar com artesãos locais. Após pesquisar nos arquivos da Sutaco Comunidade de Artesãos de São Paulo encontramos o trabalho do Senhor Vanderlino Souza, artesão de madeira localizado não muito distante do Estudio. A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi escaneada em 3D e produzida por Vanderlino com precisão para transformá-la parcialmente em uma abstração digital com o uso de software paramétrico (grasshopper). Então, dividimos este modelo 3D em duas partes e imprimimos em 3D uma das partes com a técnica de estereolitografia. Depois foi aplicado banho de cobre como acabamento. Quanto mais digital e virtual nos tornamos, mais artesanais e fundamentados somos. Homens e tecnologias numéricas devem aprender um com o outro, assim como aconteceu entre nós, Senhor Vanderlino e nossos computadores.

EDIÇÃO | 8

do design através da exploração de novas tecnologias e a tradição de técnicas locais. Trabalhando na intervenção de peças de artesanato icônicas, a coleção explora a resistência de artesãos locais e também a perda de resolução no digital, em que cada peça se torna uma pesquisa prática para o desenvolvimento de futuras colaborações entre profissionais artesãos e designers. A Losing My America é a primeira expressão desse trabalho e apresenta uma colaboração entre artesãos locais e designers de regiões do Chile, México e Brasil.

Exposto em: Capellini Milano - Milão, 2014 New Territories no MAD - Museum of Arts and Design, New York, 2014/2015 New Territories: Laboratories for Design, Craft and Art in Latin America - Museu de Albuquerque, Novo México, 2016

VITRINNI

75


ARQUITETURA E DESIGN

Conceito e memórias

Luminária Alma

A memória é a espinha dorsal do Estudio Guto Requena. Nele, a frase: ‘we shape memories’ é uma máxima. Na Alma Lamp, a releitura do passado é explícita e é totalmente analógica. Guto já havia trabalhado anteriormente com a fábrica de vidro, no Belenzinho. Ela é de um dos primeiros grupos de imigrantes italianos que chegaram de Murano, trazendo a técnica do sopro para o Brasil, há mais de 100 anos. Já foi uma empresa gigante, mas hoje são apenas quatro artesãos vidrei-

A luminária ALMA é composta pela sobreposição de memórias resgatadas. Concebida a partir de testes de empilhamento de peças de vidro fabricadas por molde a sopro em formas de ferro que se encontravam abandonadas numa tradicional fábrica de cristais em São Paulo.

ros, lutando para manter a tradição. É algo que está se extinguindo no mundo, o que é preocupante, porque é uma das técnicas de fabricação mais antigas da história do homem, com mais de 5 mil anos.

Essa fábrica foi criada pela primeira geração de artistas vidreiros que chegaram na cidade de São Paulo, vindos de Murano na Itália mais de um século atrás. Na pesquisa deste acervo das formas, encontramos moldes que datam da década de 1940 até os dias contemporâneos. As luminárias são resultado da combinação destas peças de vidro e suas diferentes formas cores e texturas. Esse conjunto de cristal recebe a cortiça cortada a laser como material contemporâneo de conexão entre as peças. Também desenhou-se especialmente para a coleção de luminárias Alma uma fonte de luz do tipo LED, tornando os produtos mais responsável ambientalmente.

76

VITRINNI

Materiais Vidro, cortiça, acrílico e módulos de LED. Tamanho 23,5 cm X 37 cm X 23,5 cm (L x A x P)

EDIÇÃO | 8


GUTO REQUENA

Golden Harvest Golden Harvest é uma tentativa de preencher o vazio existente entre tradição e tecnologia através de exercícios cuja a maior inspiração é o Capim Dourado. A Galeria S. Bensimon nos convidou para a abordar o tema “exploração” como linha condutora de desenvolvimento dos produtos, que consistem em um par de tronos, luminária, biombo, mesa de centro e canto e um espelho.

Design e Exploração Formalmente, nessa coleção, o Estudio Guto Requena apela para nossas memórias da época dos descobrimentos e das explorações. O Capim Dourado representa o ouro, oferecendo um apelo vibrante em cada peça. Nesta obra, Guto Requena trabalha movido pela simplicidade e beleza dos artesãos nativos de Mumbuca, adicionando a isso o trabalho em metal, e as novas tecnologias. Na tradição, as mulheres da região se encontram na praça e cantam enquanto trabalham com o Capim Dourado. O som de suas vozes pode ser ouvido em Paris na primeira exposição solo de Guto na Galeria Bensimon, para a Paris Design Week 2015. A coleção Golden Havest invoca o valor essencial, também como um mito. O conceito rodeia o poder do ouro, mas trata-se em primeiro lugar de algo que alimenta-se de fortes emoções.

Créditos: Golden Harvest Collection by Estudio Guto Requena for Gallery S. Bensimon Creation: Guto Requena Project: André Romitelli Photos: Ayla Hibri e Vitor Reis

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

77


Apartamento Triplex

O apartamento foi comprado na planta, mas sua divisão convencional não atendia os desejos dos proprietários. Para criar um ambiente moderno e arrojado tudo foi colocado abaixo e reconstruído. Assim, o novo conceito eliminou muitos cômodos, transformando-os em poucos, porém muito mais amplos, nos quais nem tudo está à vista o tempo inteiro.

Conceito e obra

FOTO ANDRÉ KLOTZ

lume estratégico que invade o último pavimento.

A seleção dos materiais foram de grande importância para a conceituação dos espaços: o primeiro piso, mais íntimo, tem madeira no chão e também nas paredes. No próximo andar, de caráter coletivo – foi pensado em um espaço de receber os amigos para festas ou para aproveitar a piscina –, o concreto é o elemento principal, formando um vo-


Sede WalMart.com

O projeto para sede da Walmart.com busca estimular a troca de ideias e convívio entre os funcionários, a partir de lounges e espaços de descompressão estrategicamente instalados em todos os andares. Para auxiliar a localizar e nortear visitantes e funcionários dentro do grande espaço do escritório, criou-se uma identidade visual diferente para cada andar.

Imaginário brasileiro

FOTO FR AN PARENTE

da, Lina Bo Bardi Paulo Alves e Fernando Jaeger.

Priorizou o uso de mobiliário nacional em todos os móveis decorativos, com peças de desenho popular que fazem parte do imaginário brasileiro, como poltronas de balanço de madeira, cadeiras de praia e varanda, e mesas de pic nic na copa principal, além de móveis assinados por designers consagrados brasileiros, como Maurício Arruda, Jader Almei-


Tuiteratura

Projetar o ambiente para uma exposição do Sesc com o tema #Tuiteratura exigiu um espaço construído de maneira híbrida, aliando as realidades concreta e virtual. A necessidade de desmaterialização do espaço se fez inevitável e a concepção da cenografia parte de uma abordagem em que as pessoas, literatura e tempo se unem em uma experiência multissensorial.

Homem e Literatura

PA R C E R I A CO M AT E L I Ê M A R KO B R A J OV I C

do como um amálgama gerador da #Tuiteratura.

FOTO VIC TOR AFFARO

O conteúdo do projeto é apresentado sobre e através do próprio corpo, trazendo o significado do indivíduo ativo e também demonstrando que o fazer literário, independente do ambiente no qual está inserido, só é possível através da interação e do próprio homem. Som, luz, letras, corpo e imagem transmitem e recebem, ao mesmo tempo, conteú-


Interatividade digital Uma tela gigante atravessa o ambiente e o transforma numa caverna digital interativa. Os visuais criados pelo artista polonês Tomek Sadurski sugerem um ecossistema numérico de comportamento imprevisível, que é habitado por criaturas em movimento formadas por caracteres, que reagem às pessoas e criam um ambiente híbrido em que os mundos analógico e digital se complementam. A paisagem sonora criada por Rodrigo Berg amplia essa experiência colaborativa em um tempo real.


Sensitive Star

O projeto de cenografia desenvolvido para a edição 2016 do Heineken Up On The Roof convida o público a lançar novos olhares sobre a cidade, observar sua constante transformação, ver do alto a caótica e, ao mesmo tempo, brilhante e apaixonante São Paulo. Uma incrível oportunidade para declarar o amor por esta metrópole brasileira.

Conceito e obra

FOTO PEDRO KOK

através de sensores, respondendo com luzes e sons.

Uma cobertura abandonada foi transformada em um grande lounge com bar na área coberta, pista de dança ao ar livre com vista para a cidade, além de uma instalação de arte interativa chamada “Estrela Sensível” montada no heliponto. Ainda no heliponto foi construído um pavilhão em forma de estrela que interage aos estímulos das pessoas e do ambiente


Light Creature

A fachada do Hotel WZ Hotel Jardins é um desdobramento de projeto da pesquisa do Estudio Guto Requena sobre “Cidade Hackeada”, ou seja, como podemos provocar transformações positivas nas cidades plugando sistemas poéticos e funcionais que estimulem mudanças em tempo real, de modo improvisado, colaborativo e com preços viáveis.

Fachada diurna e noturna

FOTO ANDRÉ KLOTZ

reagindo em tempo real à diferentes estímulos.

Na fachada diurna utilizou-se no projeto chapas metálicas para revestir o edifício, criando uma pele pixelada nas cores dourado, azul e cinza. Funciona como uma camuflagem urbana. A noite esta mesma pele metálica acende em padrões luminosos interativos. Esta “Criatura de Luz” habita a fachada do hotel e tem um comportamento próprio,


Interatividade com a fachada Os sensores instalados no prédio coletam sons que impactam nos movimentos e formas da Criatura presente na fachada. Outro grupo de sensores coleta a qualidade do ar, modificando suas cores de acordo com as características do ambiente. Outro recurso é um aplicativo para celular que permite a interação direta do público com a Criatura de Luz. Basta interagir através do toque com os dedos ou ela voz e ver o movimento das cores na fachada.


The Year, São Paulo

O projeto para o clube The Year se apropria de um antigo galpão na região da Vila Nova Leopoldina, zona industrial de São Paulo que passa por um processo de transformação urbana, com diversas produtoras de cinema e indústria criativa. O clube tem um clima futurista, com jardins verdes, uso de materiais quentes e bem brasileiros como madeira e fulge.

Pista interativa

FOTO FR AN PARENTE

dos, como uma extensão dos seus próprios corpos.

A pista interna é uma grande gaiola interativa de LED, onde o dj, através do uso de um sensor, pode controlar os efeitos de luz com os movimentos do seu próprio corpo. Outro sensor detecta o calor e movimento das pessoas e transforma essas informações em efeitos especiais de iluminação. Uma pista de dança que reage aos estímulos dos convida-


Hot Hot Club

O projeto para o Clube HOT HOT, localizado no centro de São Paulo, funde elementos inspirados no trabalho do designer escandinavo Verner Panton, e sua linguagem pop e bem humorada, que tanto marcou os anos 1970, com um brutalismo arquitetônico típico da cena underground dos clubes noturnos e casas de sexo presentes em Berlim.

Fachada e piso superior

F OTO M A R C E LO M AG N A N I E F R A N PA R E N T E

tico foi especialmente desenhado para este espaço.

A fachada do clube não recebeu nenhuma intervenção, valorizando a ação do tempo no edifício, seu aspecto deteriorado e grafites. Um túnel de luz faz a ligação entre o mundo exterior e o universo Hot Hot. No pavimento superior encontram-se lounge, bar, chapelaria, caixas e banheiros. Um padrão gráfico baseado nos anos 1970, com grande efeito óp-


Piso inferior No piso inferior encontra-se a pista de dança, outro bar, caixas, banheiros, área vip e também o camarim. A iluminação se faz através de imensas placas de LED, cujo desenho desdobra-se por todo o teto e invade a área da escada e do lounge no pavimento superior, como um organismo vivo. O conceito do projeto apresenta o universo libidinoso e sensorial da Hot Hot, numa experiência singular aos amantes da musica eletrônica.


VITRINNI PRODUTO

Revestindo com estilo Revestimento modelo Lança MANUFATTI

Revestimento Exato MANUFATTI

Revestimento modelo Tecla MANUFATTI

100

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


REVESTIMENTOS

Revestimentos são responsáveis por garantir a beleza e o conforto da sua casa. Com diversos tipos de materiais e estilos, estes recursos de acabamento possuem tecnologias aplicadas em suas peças que garantem sua qualidade e durabilidade. Abaixo, seguem algumas idéias.

FOTOS EM STILL MANUFATTI: DANILO DE FRANCA

Revestimento Exato | MANUFATTI

Revestimento modelo Pirâmide MANUFATTI

EDIÇÃO | 8

EL1162 Mikonos Gray | Geometric Line LAP MOSAICOS

VITRINNI

101


VITRINNI PRODUTO

Revestimento Nero Marquina | PORTOBELLO SHOP

102

VITRINNI

Revestimento modelo Tulipa | MANUFATTI

EDIÇÃO | 8


REVESTIMENTOS

As formas geométricas são uma tendência no mundo inteiro, como podemos ver nas feiras e eventos que acontecem em todo o mundo, incluindo o Brasil. Assim, trazemos alguns produtos perfeitos para atender à criatividade e às necessidades dos profissionais.

FOTOS EM STILL MANUFATTI: DANILO DE FRANCA

Revestimento modelo Diamante | MANUFATTI

Revestimento Exato | MANUFATTI Revestimento Golden Calacata | PORTOBELLO SHOP

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

103


MODA BRASILEIRA

SAMUEL CIRNANSCK LUXO E SOFISTICAÇÃO EM V E S T I D O S D E F E S TA Da Redação

Fotos SPFW: divulgação

E

Samuel Cirnansck marcou presença em todas as edições da SPFW.

106

VITRINNI

ste é um ano especial para o estilista Samuel Cirnansck. A grife que leva seu nome completa 15 anos. Fã de cinema e Elvis Presley, o estilista é o preferido das celebridades para criar vestidos de festas e noivas. Entre as beldades que já usaram suas criações para subir ao altar estão Juliana Paes, Giovanna Ewbank, Thayla Ayala e a cantora Thaeme. Na hora de criar para clientes exigentes, não segue muitas regras. “Hoje em dia a pessoa veste o que ela bem entende. A noiva pode casar de curto, longo ou sereia, o importante é seguir sua personalidade e não apenas usar o que está na moda”, afirma o estilista. Xuxa e Fernanda Lima também já estamparam páginas de revistas com vestidos luxuosos e bordados. Aliás, está é a marca registrada de Cirnansck, muita pedraria, renda, bordados, tecidos finos e vestidos encorpados. Sua única inspiração é deixar a mulher bonita. Ele acredita que é preciso entender a personalidade da cliente para fazer uma peça com as características dessa pessoa. O estilista gosta de valorizar o bom gosto, elegância e as formas do corpo da mulher brasileira com vestidos tipo sereia e roupas justas que marcam o peito, quadril e cintura. EDIÇÃO | 8


SAMUEL CIRNANSCK

VITRINNI

107


MODA BRASILEIRA

108

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


SAMUEL CIRNANSCK

Fotos SPFW: divulgação

S Ã O PA U L O FA S H I O N W E E K - 2 0 1 6

SPFW 2016: luz na forma de cristais bordados, transparências e longos com corpetes bordados.

Cirnansck emprega atualmente quase 40 pessoas em sua fábrica, nos Jardins, em São Paulo. Cerca de 30 vestidos de festa são entregues por mês e cada um pode levar até cinco meses pra ficar pronto. Samuel é paulistano, nasceu em 1975, e sempre teve facilidade para lidar com tecidos e criações. O interesse pela moda começou quando tinha 15 anos e vendia camisetas em feiras alternativas. Hoje atende o seleto público que procura roupas exclusivas, para grandes eventos, com horário marcado. Os primeiros trabalhos na área, já com sua identidade forte, foram criando figurinos de teatro e ópera, imagens ainda presentes em seu estilo dramático nas passarelas. Ele participou de todas as edições da São Paulo Fashion Week. Na passarela, o estilista cria uma imagem de moda conceitual, o EDIÇÃO | 8

que as revistas e editoriais querem. Já os vestidos de festa têm público e consumo. Sobre a coleção de passarela, Samuel diz que gosta de inovar, de fazer coisas diferentes do que está acostumado a ver e fazer todos os dias e isso também serve de inspiração para peças que serão vendidas. Em todas as estações, e a cada nova, muda a ideia apresentada no São Paulo Fashion Week e tudo é criado a partir do que foi desfilado na passarela, as cores, tecidos, bordados etc. “A cliente prova um vestido no meu ateliê e fala ‘gostei muito desse bordado, mas gosto daquela outra saia’, então eu faço um mix dessas peças escolhidas.” Tem quem ache os figurinos do estilista muito extravagantes, mas ele deixa claro que faz moda festa e não deve ser comparado com profissionais que seVITRINNI

109


MODA BRASILEIRA

Foto SPFW: divulgação | Foto Juliana Paes: AgNews | Foto Xuxa/Hebe: AgNews | Foto Fernanda Lima: AFP | Foto Xuxa: AgNews

E S T I L I S TA P R E S T I G I A D O

Famosas como Fernanda Lima, Juliana Paes e Xuxa já usaram modelos do estilista brasileiro.

guem outra linha. O que Cirnansck deseja é firmar a identidade da moda brasileira que, de acordo com ele, continua muito marcada por uma imagem falsa de coqueiros, flores e muita cor. O estilista diz que o Brasil é visto assim lá fora, mas que esse não é o estilo das brasileiras. Ele acredita que a moda brasileira ainda não tem uma cara definida, continua se guiando pelo que vem de fora. “O Brasil precisa encontrar uma identidade na moda e valorizar mais o mercado nacional.” SÃO PAUL FASHION WEEK Samuel Cirnansck comemorou seus 15 anos de carreira na última edição da São Paulo Fashion Week. As looks da passarela trouxeram luz na forma de cristais bordados em vestidos para diversas ocasiões de festas e celebrações, com peças que pa110

VITRINNI

recem ter saído de contos de fadas. Os looks pretos abriram o desfile com transparências, a suntuosidade de longos contrasta com os modelos dourados de corpete bordado, trazendo um ar contemporâneo à coleção que embarca em uma cartela de cores suave com tons nude, rosa e azul claros e bem delicados. Destaque também para os luxuosos looks com mangas de plumas. Modelos tanto com decotes mais abertos, quanto com o colo fecho até o pescoço. Os vestidos na altura do joelho aparecem tanto em versões sequinhas, ajustadas ao corpo, quanto com saias rodadas e de armação. Os modelos de noivas fecharam o desfile, com mangas longas bordadas, saia levemente rodada e modelos com efeito queimado trazem um aspecto novo e incomum à roupa de festa. EDIÇÃO | 8


ESTILO PARA OS PÉS

AREZZO Fotos: Eber Moscheto

LOJA BAURU SHOPPING PROMOVE WORKSHOP COM A JORNALISTA E CONSULTORA BRUNA OLIVEIRA

P

ioneira da marca Arezzo na cidade, a loja Arezzo Bauru Shopping, das irmãs Erica Della Barba Amantini e Yara Della Barba, segue antecipando as tendências e, para isso, promoveu um workshop de moda e estilo com a presença da jornalista e consultora da grife, Bruna Oliveira. As clientes tiveram uma tarde especial, em um clima de muita informação e descontração, com o objetivo de mantê-las antenadas sobre a coleção de inverno da Arezzo, que promete surpreender com bolsas e sapatos para todas as ocasiões.

A consultora Bruna Oliveira demonstrou às clientes Arezzo Bauru Shopping que as botas acima do joelho, por exemplo, continuam sendo um pilar importante durante todo o inverno. O lado romântico e sofisticado da estação aposta em detalhes como o veludo e bordados florais. A cor wine (vinho) vem como grande destaque, trazendo ponto de luz. Já as bolsas estão com um shape quadrado e ferragens em ouro, estruturadas e imponentes. Além das informações passadas durante o workshop, as clientes da loja ainda

receberam acompanhamento e orientação da jornalista para realizarem suas compras. Tudo acompanhado por um charmoso coquetel com a cara da coleção inverno da Arezzo. A Arezzo Bauru Shopping foi a primeira da região e está instalada há três décadas no estabelecimento. Sempre pertenceu a mesma família e, há 18 anos, as irmãs Erica Della Barba Amantini e Yara Della Barba assumiram os negócios. A marca considera a franqueada do Bauru Shopping uma das referências no Brasil.

A Arezzo Bauru Shopping está localizada no segundo piso do Bauru Shopping, na Rua Henrique Savi, 15-55, Vila Nova Cidade Universitária, Bauru-SP. Telefone: (14)3234-7873 | Facebook/ArezzoBauruOficial | Instagram/arezzobaurushopping

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

111


Brinco Médio Tira e Põe 82346

JOALHERIA

CAMILA

KLEIN

A DESIGNER DE JOIAS PAULISTANA QUE ESTÁ PRONTA PARA CONQUISTAR O MUNDO COM TODA SUA INSPIRAÇÃO. Da Redação

A

cessórios difíceis de serem confundidos. Anéis enormes, colares cheios de personalidade, muita pedraria colorida e design único. A designer de joias Camila Klein se inspira na natureza para criar os acessórios que fazem a cabeça das mulheres. E é na natureza que ela encontra as matérias primas. A mistura de materiais, muito presente nas criações, e um longo trabalho de pesquisa e modelagem, tornam cada peça singular. Com mais de 10 anos de carreira e consolidada nacionalmente, a designer de joias começa a despontar no mercado internacional. As peças são exportadas para Emirados Árabes, Japão, Itália, França e Áustria. Camila já foi até convidada para fazer uma coleção exclusiva para a marca de cristais Swarovski. O amor pelos acessórios começou cedo, quando a paulistana fazia bijuterias em casa para as amigas de colégio. Ao se profissionalizar, começou a vender os acessórios para multimarcas como Le Lis Blanc, Bob Store e Spezzato. Até que criou a marca própria. Atualmente,

114

VITRINNI

tem uma fábrica em São Paulo com mais de cem funcionários, lojas próprias e mais de 250 pontos de venda no Brasil. Os acessórios podem ser definidos como bijuterias refinadas, que permitem liberdade de criação, mas são verdadeiras joias. “Cada peça depende de muita pesquisa e estudo. É preciso desenvolver uma técnica de montagem, desenhar a modelagem, criar as ferramentas e as ferragens usadas. Há peças que demoram dois meses para ficar prontas”, explica Camila. Assim como cada pedra é lapidada para caber em um suporte específico, as cores também são desenvolvidas em banhos especiais de coloração. Detalhista ao extremo, a designer sempre exige que o melhor seja oferecido às clientes e está presente em todas as etapas, desde a escolha da matéria prima até o acabamento, passando pelo volume das peças e as cores. E cada detalhe é pensado para valorizar a principal fonte de inspiração, a mulher. “Sinto que as mulheres estão com um desejo de transformação grande, fazem questão de ter identidade e estilo. Essas gerações de mulheres a partir de 20 e poucos

Escapulário Pingentes 53238

Anel Bombe Cristais 13351

EDIÇÃO | 8


CAMILA KLEIN

anos são mais seguras. Querem ter  mais personalidade, acreditam mais no seu gosto pessoal e têm mais informação de moda. A gente está buscando essa mulher que já tem o básico e agora quer ousar”, afirma Camila num vídeo publicado em suas redes sociais como uma homenagem ao dia internacional da mulher. INVERNO 2016  Para criar a coleção de inverno 2016, a inspiração veio do reino mineral. A designer interpretou a evolução da vida comparando as características dos minerais e das mulheres, para chegar à natureza da transformação feminina. Esta coleção representa o início do despertar da consciência da mulher. Água, ouro, cristal e estalactite são os elementos básicos da coleção, que explora tons metalizados, novos estudos de formas e materiais, franjas, blocos de cores, peças com um único tom e, principalmente, a mistura inusitada de materiais, uma das principais características da marca.

Colar Correntes 53251

ÁGUA Pedras naturais e cristais em forma de gotas trazem um visual orgânico e inusitado quando misturados à madeira, num resultado leve e fluido. São usados cristais transparentes e metalizados, pedras naturais quartzo cinza e turquesa, aplicação de metal em pedras e vidro esculpido. O banho ouro velho é complementado pelos tons de cinza e o azul pontua o banho grafite.

Foto: divulgação

OURO A principal característica é o uso do metal puro com textura rústica, com medalhas grandes. Os cristais em formatos retangulares chegam nas cores burgundy

Brinco Cristal Cravado com Pedra 82219

Brinco com Pedras 82340

Kit Pulseiras 31818

A INSPIRAÇÃO E O ESTILO

KLEIN

EDIÇÃO | 8

e topázio amarelo, enquanto os quadrados aparecem nas cores preto e cinza. CRISTAL Formas geométricas são repensadas e colocadas lado a lado em harmonia. Vidros retangulares misturam-se a circunferências de pedras naturais com aplicação central de metal e cristais, com fios de couro ou palha em colares, pulseiras e brincos. Os metais em banho ouro velho acompanham pedra natural Fedelspato nude, cristais Swarovski transparentes, vidro em tom de pêssego e esmalte marfim. No banho grafite, entram a pedra natural Amazonita verde, cristais Swarovski ametista, vidro verde água e esmalte rosê.   ESTALACTITE Formas inspiradas em estalactites, esculpidas em vidro e em metal, pérolas, cristais swarovski e cores neutras. O banho ouro leva esmaltação em preto, vidro cinza chumbo e pérolas brancas.  As peças em banho prata velho são combinadas ao vidro cristal, esmaltação gelo e a pérola rosa. E os metais em banho grafite tem tons marrom café ou vermelho, pérolas cinza e vidros citrino. 

A designer de joias Camila Klein se inspira na natureza para criar os acessórios que fazem a cabeça das mulheres. E é na natureza que ela encontra as matérias-primas que compõem as peça de suas coleções.

VITRINNI

115


LITERATURA

COMEMORANDO

SHAKESPEARE DESTAQUE PARA OBRA HAMLET: A TRAGÉDIA ESCRITA ENTRE 1599 E 1602 DO NOTÁVEL POETA, DRAMATURGO E ATOR INGLÊS. Por Denise Del Matto D’Incao

E

scritor mais versátil da língua inglesa, Shakespeare (1564-1616) inspirou com seu magnífico trabalho toda a literatura mundial. Suas peças são lembradas, lidas, encenadas, amadas há 400 anos sendo 2016 o ano de comemoração desses séculos que mostram a eternidade de seu gênio.Todos os países brindam o fulgor de sua existência, o encantamento de sua produção literária. Nesse ano de 2016, Shakespeare é comemorado e juntamente com ele o admirável Cervantes, autor da famosa obra “D.Quixote de la Mancha”. Mas Shakespeare será o tema abordado. Embora tenha escrito peças cômicas e entre elas A megera domada, Sonho de uma noite de verão, Noite de Reis, Shakespeare se tor-

116

VITRINNI

nará famoso pelas suas histórias trágicas. Romeu e Julieta, Otelo, o mouro de Veneza , Macbeth, Rei Lear e tantas outras. A mais famosa, no entanto, a mais aclamada e sobre a qual foram escritos 80.000 livros é, sem dúvida, Hamlet ! Sobre esse príncipe encontrou seu espaço maior nas artes visuais, entre os grandes mestres da pintura que a consagraram. O jovem príncipe Hamlet chega ao castelo após ter terminado seus estudos na Inglaterra. Triste, lamenta a morte súbita de seu pai, também chamado Hamlet, rei e pai virtuoso, homem de qualidades morais inabaláveis. Ele teria sido picado por uma serpente venenosa enquanto repousava em seu jardim. À dor da ausência tão querida, vem unir-se uma profunda indig-

EDIÇÃO | 8


SHAKESPEARE

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

117


Fotos: reproduções

LITERATURA

Cena do filme britânico Hamlet de 1948. Longa, dirigido e protagonizado por Laurence Olivier, foi baseado na clássica peça de teatro homônima de autoria de William Shakespeare.

Foto: reprodução

nação ao saber do casamento de sua mãe, Gertrude, a rainha da Dinamarca, com seu tio Claudius, irmão do rei falecido. De acordo com a cultura dinamarquesa, ofereceu-se um suntuoso banquete no dia do enterro do rei. Logo no dia seguinte, Cláudio assume o trono e casa-se com a rainha viúva. Novo banquete comemorativo, no qual se aproveitaram as sobras de comida do dia do enterro. Ele então diz: “Há algo de podre no reino da Dinamarca!”

118

VITRINNI

Hamlet recebe, então, uma notícia inquietadora dos guardas do castelo: o fantasma de seu pai rondava o castelo à noite e queria falar com seu filho. Ele vai ao seu encontro e ouve do pai a revelação terrível de que fora morto por seu irmão,Claudius, que colocara um veneno mortal em seu ouvido enquanto dormia. Fala do amor incestuoso de seu irmão com a rainha, por ele seduzida e conquistada, ela que era tão virtuosa. Pede vingança “Contudo, se nesse ato te empenhares, não te manches. Que tua alma não conceba nada contra tua mãe; ao céu a entrega, e aos espinhos que o peito lhe compungem. Deles seja o castigo.”(Ato I,cena V) Receando que o rei saiba que ele está a par de seu crime e o persiga, Hamlet finge-se de louco inofensivo para despistar seus inimigos. Mas suas falas são sempre intrigantes, com duplo sentido e, por vezes, desnorteia quem as ouve. Durante essa farsa chega ao castelo um grupo de artistas que irão representar uma peça. Hamlet os recebe calorosamente e pede,

em segredo, para que se introduza na peça que vão encenar, um trecho escrito por ele mesmo. Hamlet pensa: “Tenho ouvido dizer que os criminosos, quando assistem a representações, de tal maneira se comovem com a cena, que confessam na mesma hora em voz alta seus delitos... Esses atores irão representar para meu tio a morte de meu pai... Se se assustar, conheço o meu caminho. Talvez que o espírito que eu vi não passe do demônio, que pode assumir formas atraentes... Preciso de razões mais convincentes do que isso tudo. E a peça é a coisa, eu sei, com que a consciência há de apanhar o rei.” (ato II,cena II) O rei e a rainha se aconselham com Polônio,conselheiro da corte para descobrirem a verdadeira causa de tal loucura. Polônio acredita que a causa seja o amor contrariado de Hamlet por sua bela filha Ofélia e a convence a conversar com Hamlet enquanto Polônio e o Rei Claudius escutam escondidos. Ser ou não ser... Ofélia vai ao seu encontro. Um pouco antes, também camiEDIÇÃO | 8


Foto: reprodução

O ator Laurence Olivier, em Hamlet (1948) em um dos momentos celebres da obra de William Shakespeare.


Fotos: reproduções

LITERATURA

Jean Simmons como Ofélia, em Hamlet, filme de 1948.

Foto: reprodução

nhando, Hamlet faz sua famosa reflexão “ — Ser ou não ser... Eis a questão... Morrer... dormir... mais nada... Imaginar que um sono põe remate aos sofrimentos do coração ... é solução para almejar-se. Morrer.., dormir... dormir... Talvez sonhar... É aí que bate o ponto. O não sabermos que sonhos poderá trazer o sono da morte,... nos põe suspensos. É essa idéia que torna verdadeira calamidade a vida assim tão longa! Que fardos levaria nesta vida cansada...se não por temer algo após a morte — terra desconhecida de cujo âmbito jamais ninguém voltou... Mas, silêncio! Aí vem vindo a bela Ofélia. Em tuas orações, ninfa, recorda-te de meus pecados.” (Ato III, cena I) A tristeza de Ofélia - As palavras que dirigirá a Ofélia, a fere mortamente: “És honesta?...És bela?...a beleza, com o seu poder, levaria menos tempo para transformar a honestidade em alcoviteira do que

De Eugène Delacroix, Hamlet e Horácio com dois rústicos.

120

VITRINNI

esta em modificar a beleza à sua imagem... Nunca te amei...Entra para um convento. Por que hás de gerar pecadores?...Vai: entra para o convento: adeus. Ou então, se tiveres mesmo de casar, escolhe um néscio para marido, porque os sensatos sabem perfeitamente em que monstros as mulheres os transformam. Para o convento, vai; e isso depressa. Adeus.” (Ato III, cena I) O rei e Polônio ao ouvirem isso, convencem-se de que outro é o motivo da loucura de Hamlet e não o é o amor frustrado de Ofélia. O rei acha prudente afastá-lo do castelo, mandando-o para a Inglaterra em cumprimento de uma missão. Polônio concorda mas considera útil que Hamlet fale com sua mãe antes de partir. A Peça Teatral - Neste ínterim, a peça é representada e tudo corre como Hamlet queria. É representada a morte de um rei em circunstâncias iguais ao que ocorrera com seu pai. Há indignação, o rei Cláudio se reconhece no ato vil representado e se

retira. Todos fazem o mesmo. A verdade foi revelada. A conversa com a mãe -A rainha chama Hamlet , quer falar com ele e criticar o que fizera Na escuta, escondido atrás da cortina está Polônio. A caminho do quarto de sua mãe, Hamlet vê o Rei ajoelhado, rezando. Pensa em matá-lo, porém reflete que se o fizesse naquele momento em que está rezando, ele iria para o céu, seria perdoado pelo insano crime que cometera. Ele desiste. No diálogo com sua mãe, Hamlet exorta o amor, a honra , qualidades que ela deveria respeitar e que existiram somente na pessoa de seu pai e não de seu atual companheiro, num leito imundo e incestuoso. Hamlet vê o fantasma de seu pai que lhe pede falar com calma à sua mãe. Assustada, a Rainha grita por socorro o que faz com que Polônio se mexa atrás da cortina. A morte de Polônio - Pensando ser o rei, Hamlet lança sua espada contra ele e o mata. Esse crime será ocultado de todos EDIÇÃO | 8


Polônio por trás da cortina. Obra de Jehan Georges Vibert, 1868.

Foto: reprodução

SHAKESPEARE


Foto: reprodução

LITERATURA

A misteriosa morte de Ofélia (obra de John Everett Millais, 1852): abre-se um tema religioso quando os coveiros discutem se ela merece enterro cristão por ter se suicidado.

e será uma razão mais de levar à loucura a jovem Ofélia. Hamlet arrasta o corpo morto de Polônio e o esconde. Porém, acaba-se por descobri-lo e um enterro lhe é dado sem muitas pompas o que levanta a suspeita de toda a corte e dos súditos. Ofélia se vai.. -Laertes, irmão de Ofélia, chega à Dinamarca e procura vingar a morte de seu pai. Será duplamente afetado pela desgraça quando Gertrudes lhe conta que Ofélia acabara de morrer afogada em um lago. Caminhava distraída, colhendo flores pelo bosque e ao tentar alcançar uma um pouco mais distante presa a um frágil galho, cai nas águas do lago e, inconsequente, sequer percebe que afundava . É um relato que pretende arrefecer a fúria de Laerte, relato de um acidente , como o quer as palavras de Gertrudes e não de um proposital suicídio que fica em mistério, pois o único testemunho é o da Rainha... O rei Cláudio combina com Laerte uma forma dele se vingar de Hamlet. Haverá um duelo e a ponta da espada de Laer122

VITRINNI

te será embebida de um potente veneno o qual basta arranhar a pele do oponente para que este morra sem que haja possibilidade alguma de socorrê-lo. Cláudio ainda colocará uma taça envenenada caso Hamlet não seja ferido e escape. Hamlet no cemitério - Enquanto isso, Hamlet e seu amigo Horácio estão no cemitério . Conversam com os coveiros sobre as caveiras que desenterram. Surge um e Hamlet sabendo pelos coveiros que é o de Yorick relembra as inúmeras vezes que com ele estivera na infância. Lamentando e ironizando o fim de todos os humanos diz: Dirige-te ao quarto de minha senhora, e dize a ela, deixa-a pintar uma polegada de espessura, a esse favor ela deve se render.” Vã é a vida! Até o grande Alexandre teve o mesmo fim! O funeral de Ofélia -Fazendo essas divagaçoes, Hamlet e Horácio veem chegar o Rei, a Rainha, Laertes e todo um séquito acompanhando-os. Não sabem quem será enterrado Laertes dirige ofensas ao

causador da desgraça de sua irmã. Hamlet fica então sabendo: trata-se do enterro de Ofélia. Ele se lança em sua cova e confessa o quanto a tinha amado. atraca-se com Laertes e serão separados pelos que lá estavam. O duelo final -É combinado um duelo entre Laertes e Hamlet. O rei, a rainha e toda a corte o assistirá. O rei que tudo tramara, pede a Hamlet brindar os primeiros golpes vitoriosos, mas sua mãe se servirá da taça envenenada. Morre. Laerte atinge Hamlet com a espada envenenada mas ele ainda reúne forças para atingi-lo e matá-lo. Obriga, ainda, o rei a tomar a taça com veneno. Mais uma morte. Nos braços de seu amigo Horácio, Hamlet lhe pede para contar a todos sua triste história. Termina sua fala com as palavras “ O resto é silêncio”. Hamlet não reinou, se o tivesse feito seria um grande rei. E Ofélia, a doce Ofélia, não teria partido tão infeliz... Tal como na tragédia grega, a presença da hibris, do desequilíbrio, faz encerrar a vida de forma fatal!d EDIÇÃO | 8


OLHOS E LENTES

REDESCOBRINDO O CONHECIDO

“A máquina fotográfica é um espelho dotado de memó-

que estão ao nosso redor e não nos damos conta nem a devida

ria, porém incapaz de pensar” - Arnold Newman. O fazer da

atenção. Essa talvez seja uma das melhores características que

fotografia ou da imagem fotográfica vai além da aplicação téc-

se possa esperar dos fotógrafos. Que tal um passeio pelas for-

nica, do controle das lentes, velocidade de obturador, abertu-

mas e cores destas bananeiras? Quantas reflexões e significa-

ra, ajuste de ISO, foco e assim por diante. Tudo só faz sentido

dos cada um pode ter e dar a elas? Tudo é subjetivo, e a maior

quando enxergamos, descobrimos ou redescobrimos em uma

parte nos prazeres destas descobertas - mesmo compartilha-

imagem um novo universo ou uma nova maneira de ver coisas

das - só poderão ser sentidas e aproveitadas por você. Enjoy!

124

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


CELSO MELLANI

CELSO MELLANI FOTÓGRAFO

MELL ANI.COM.BR

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

125


OLHOS E LENTES


EBER MOSCHETO

TRIBO KOPENOTI Participação do fotógrafo Eber Moscheto no projeto “Educação e desenvolvimento do Ser Indígena” na tribo Kopenoti, em Avaí, interior de São Paulo. Após contato com a comunidade indígena Kopenoti, um grupo de profissionais se uniu ao “Foto Clube de Bauru” e a “Igreja Católica de São Sebastião de Avaí” para viabilizar o projeto “Educação e desenvolvimento do Ser Indígena”. O principal objetivo é resgatar a dimensão humana desses irmãos, a autoestima, autonomia e confiança no sentido de valorizar o “ser índio” e ensinar a “saber fazer”, por meio da realização de cursos de iniciação profissional, como condição para o ingresso no mercado de trabalho ou geração alternativa de renda na própria comunidade. O município possui quatro aldeias indígenas (Kopenoti, Nimuendaju, Ekeruá e Tereguá), numa área de 1.930,8 hectares ou 797,85 alqueires, denominado de Terra Indígena Araribá (as aldeias estão aproximadamente 15 Km do município). As suas principais etnias são a Guarani, Terena e Caingangues. Os trabalhos feitos com penas e plumas de pássaros constituem a arte plumária indígena. Alguns índios realizam trabalhos em madeira e de cerâmica. Ainapo yakoe!!! (Muito obrigado na língua Terena).

A população atual na Terra Indígena Araribá é de quinhentos setenta e oito índios. Aldeia Kopenoti: a etnia predominante é a Terena; população 195 (60 residências). Aldeia Nimuendaju: a etnia predominante é a Guarani; população 85 (20 residências). Aldeia Ekeruá: a etnia predominante é a Terena; população 180 (30 residências). Aldeia Tereguá: as etnias predominantes são a Terena e a Guarani; população

EBER MOSCHE TO FOTÓGRAFO

118 (30 residências); total 578. Os dados são da FUNAI, CTL de Bauru, São Paulo (agosto de 2015) / Outra etnia: Caingangues (Kaingang).

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

127


OLHOS E LENTES

WEDDING

“Uma vez me perguntaram qual estilo de fotografia eu

a fazer parte da história de cada um. É o nosso olhar, a nossa

mais gostava de fazer. Nem precisei pensar muito. Fotografar

criatividade, nossa sensibilidade que vai ter a grande respon-

casamentos proporciona situações únicas, daquelas que não

sabilidade de contar como foi aquele dia tão incrível. É inex-

acontecem em outros segmentos da fotografia. Pra come-

plicável o quanto a fotografia faz reviver, sentir novamente

çar, é uma sensação indescritível quando um casal escolhe

aquelas emoções. A melhor parte é que tudo isso fica ainda

a gente pra registrar um dos momentos mais importantes

mais significativo e especial com o passar dos anos. Que ve-

que vai viver. Privilégio mesmo. Querendo ou não passamos

nham novas histórias, que venham novas fotografias.”

128

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


LEANDRO MELLO

LEANDRO MELLO FOTÓGRAFO

SOULE ANDROMELLO.COM

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

129


OLHOS E LENTES

BUCÓLICO

“Wilian Olivato nasceu em Igaraçu do Tietê, interior de

artistas, agências de publicidade e também em projetos do-

São Paulo, se graduou em jornalismo pela Unesp (Univer-

cumentais dentro e fora do país. Além dos trabalhos comer-

sidade Estadual Paulista) em Bauru e fez da fotografia sua

ciais e autorais, há três anos também criou a Casa Lume,

principal linguagem de trabalho. De 2009 até então já fo-

estúdio especializado na fotografia de casamentos, com

tografou como, freelancer para agências de fotojornalismo,

trabalhos espalhados pelo Brasil e também no exterior.”

130

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


WILIAN OLIVATO

I N F O R M A Ç Õ E S D E C O N TAT O E - M A I L : W R O L I VAT O @ G M A I L . C O M T E L E F O N E : ( 1 4 ) 9 8 16 5 0 4 3 6 I N S TA G R A M : @ W R O L I VAT O

W I L I A N O L I VAT O FOTÓGRAFO

W W W.W I L I A N O L I VAT O . C O M

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

131


VIDA E ARTE

Fotos: Eber Moscheto

“FLORES”

Flores que fazem sorrir

Rosa dos apaixonados

Os olhos se abrem ao seu encanto

Meninas cheias de elegância

Se contemplada a beleza

Lírios nos campos florindo

Pétalas e cores, perfeita é a harmonia

Que encantam, perfumam e aquece

Flores que fazem refletir

Crisântemos dos desconsolados

Diversidade que não tem fim nem canto

Seja em qualquer circunstância

O quão generoza é a natureza!

Margarida, ...que nome lindo!

Inspiração dos poetas de noite e de dia!

Se elas estão, pouco se esquece!

Regina Moscheto

132

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


REGINA MOSCHETO

A natureza e o encanto das flores... cores, texturas, formas e muita beleza. Foi assim que nasceu a Série “Perfumes” que representa toda essa exuberância!

Tela: “Girassol” | Técnica: Acrílico sobre tela | Dimensões: 2.50m X 1.50m | Foto da tela e do ambiente: Eber Moscheto

I N F O R M A Ç Õ E S D E C O N TAT O REGINAMOSCHE TO@UOL.COM.BR W W W. FA C E B O O K .C O M /R E G I N A . M O S C H E T O REGINAMOSCHE TO.COM.BR

EDIÇÃO | 8

VITRINNI

133


V I T R I N N I

S O C I A L POR DANNY PAGANI

2

1

4

3

134

5

6

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


ACOMPANHE QUEM É DESTAQUE NOS EVENTOS SCHUTZ DAY DA SANTO PÉ DO BAURU SHOPPING 1. Luciana Pires, Shanty Quatrina e Amili Pampani. 2. Amili Pampani.

8

3. Yara Della Barba e Bruna Della Barba Fray 4. Yara Della Barba, Sol Begnami e Andreia Simonetti. 5. Yara Della Barba e Cristina Garmes. 6. Luciana Camargo de Oliveira, Erica Della Barba Amantini e Lídia Maria Maitino. DIA DAS MÃES NA AREZZO DO BAURU SHOPPING

7

7. Érica Della Barba Amantini, Eliana Amantini e Yara Della Barba.

9

8. Érica Della Barba Amantini, Sandra Mattos e Yara Della Barba. PALESTRA DA HUNTER DOUGLAS NA THRAMA 9. Júlia Dalben, Giulia Piovesan, Vanessa Martinez, Juliana Fernandes, Suzana Pompei, Vitória Aversa, Nataly e Fábio Padovan Duarte. 10. Marcos Caracho, Mario Lauris e Edward Albiero. 11. Renata Forteza e Cissa Bonsi.

10

11

PALESTRA SOBRE TENDÊNCIAS COM A CONSULTORA BRUNA OLIVEIRA NA AREZZO BAURU SHOPPING 12. Érica Della Barba Amantini, Bruna Oliveira e Yara Della Barba 13. Erica Della Barba Amantini, Sandra Mattos e Ana Claudia Lorenzetti Teixeira Mattos.

12

EDIÇÃO | 8

13

VITRINNI

135


ACOMPANHE QUEM É DESTAQUE NOS EVENTOS 8ª EDIÇÃO DO PROGRAMA MAISON DOCOL NA CONDEC BAURU

14

14. Evandro Pullini.

15

15. Camila Nogueira, Adriana Silva e Fernanda Rossi Daré. 16. Paulo Vitica, Ana Maria Santilli e Noemi Yasuraoka Komono. 17. Mario Lauris e Adriana Silva. 18. Edward Albiero, Alexandre Haralampidis, Adriana Silva e Mario Lauris.

16

17

LANÇAMENTO COLEÇÃO SENTIMENTOS DE FAMÍLIA PANDORA (FOTOS: FRANCIANE FARIA) 19. Maria Laura Galicia, Maria Elisa Galicia e Bárbara Galicia. 20. Doraci Belizário Cabaz e Maria Elisa Galicia. 21. Lorrine Mondin e Mirela Cabaz. 22. Maria Elisa Galicia e equipe.

18

19

20

21

DANNY PAGANI facebook.com/dannypaganifotografia Telefone: (14) 99108-3672 Email: danny.pagani@gmail.com

22

136

VITRINNI

EDIÇÃO | 8


VITRINNI NA WEB

VITRINNI

30ª EDIÇÃO DA FEIRA DE CERÂMICA

Foto: Wilian Olivato

O mais tradicional evento de Belo Horizonte dedicado à arte da cerâmica contemporânea com mostra de obras de arte, utilitários, peças de decoração, bijuterias, entre muitos outros artigos. A feira foi idealizada há 15 anos pela ceramista Erli Fantini, para promover a troca de experiências entre ateliês, artistas e alunos da região.

ON

LINE

ARQUITETURA, ARTE, DESIGN, CULTURA, ESPORTE, CULINÁRIA, MODA E MUITO MAIS

PORTAS DE VIKTORIA KRAVCHENKO A artista ucraniana Viktoria Kravchenko utiliza a técnica da aquarela para retratar portas de todo o mundo e, por meio de suas criações, lembra que estes elementos da construção também podem ser considerados uma arte. Típicas de cada região e cultura, as portas dizem muito sobre a personalidade de um povo.

REVISTAVITRINNI.COM.BR

CAMPANHA LANÇA ANUÁRIO DE NOIVAS: BRIDE YEAR BOOK Previsto para ser lançado ainda este ano, o anuário de noivas da Vitrinni Magazine prevê uma publicação com trabalho diferenciado e bem elaborado para atender o segmento que é exigente! O making of do video de divulgação do Bride já está disponível nas redes sociais e o público pode conferir um pouco do quem vem por aí!

138

VITRINNI

EDIFÍCIO FEITO COM TIJOLOS DE GARRAFAS PET ZAHA HADID, CONHEÇA OS PROJETOS DA ARQUITETA MAIS FAMOSA DO MUNDO Identificada pelo seu estilo desconstrutivista, a arquiteta Zaha Hadid é famosa por sua assinatura arquitetônica, conquistando duas vezes o Riba Stirling Prize, o prêmio britânico de arquitetura de maior prestígio. Seus célebres

projetos estão espalhados por países como a Alemanha, Hong Kong e o Azerbaijão. Entre os mais importantes, é possível destacar a Serpentine Sackler Gallery, em Londres, o Museu Riverside, em Glasgow, e a Ópera de Guangzhou, na China.

Um edifício feito com garrafas PET conquistou o mais alto grau de certificação ambiental do mundo. O Ecoark, projeto que é assinado pelo arquiteto chinês Arthur Huang, está localizado em Taipei, Taiwan. O notável prédio recebeu o selo LEED Platinum devido toda a sua eficiência que foi evidente em todas as etapas de seu processo de construção.

EDIÇÃO | 8


Revista Vitrinni #8  

Arquitetura Guto Requena , moda, turismo, gourmet

Revista Vitrinni #8  

Arquitetura Guto Requena , moda, turismo, gourmet

Advertisement