Issuu on Google+

Brasília, 18 de setembro de 2015. Edição: nº.21

Os bastidores da notícia no DF!

Editor: José Maurício dos Santos Coeditora: Hulda Rode

CORREIO BRAZILIENSE Eixo Capital Ana Maria Campos Gratuidades milionárias Enquanto o movimento Passe Livre reivindica passe livre total, as despesas com a gratuidade no sistema de transporte coletivo têm crescido ano a ano bem acima da inflação. Em 2015, em oito meses, o governo já desembolsou com a tarifa zero para estudantes R$ 88 milhões, mais do que toda a despesa de 2013 com esses passageiros. Neste ritmo, o custo vai chegar a R$ 120 milhões, batendo também a conta do ano passado, de R$ 103 milhões. Com todos os beneficiários, incluindo os deficientes, o Executivo liberou R$ 718,8 milhões de 2010 para cá. Auditoria no passe livre A Secretaria de Mobilidade está fazendo uma limpeza na base de dados dos beneficiários de passe livre no DF. A auditoria tem como foco detectar possíveis fraudes. Até o momento, o governo encontrou cerca de 1,5 mil cadastros em desconformidade com a base de dados de CPF da Receita Federal. Desses, 250 pessoas apareceram para recadastramento. Os demais estão com os cartões cancelados. O trabalho ainda está em andamento e as conclusões serão encaminhadas à Polícia Civil do DF. “Nossa intenção é garantir que as pessoas que fazem jus ao benefício possam usufruir segundo o estabelecido na lei, mas também garantir que as pessoas que não fazem jus não possam usufruir irregularmente”, explica o secretário de Mobilidade, Carlos Tomé. Em busca de um pitbull Com comentários negativos de aliados importantes no Congresso como Cristovam Buarque, Reguffe e Rogério Rosso, o governador Rodrigo Rollemberg deve enfrentar sozinho a pedreira da repercussão de suas medidas de ajuste fiscal. Na Câmara Legislativa, ele também não tem um pitbull para rebater críticas e apresentar argumentos, aos moldes do que foram os deputados Chico Vigilante, com Cristovam Buarque e Agnelo Queiroz, ou João de Deus, na defesa de Joaquim Roriz. Vai de trem A implantação de uma ferrovia que ligue Brasília a Luziânia, um dos projetos de Joaquim Roriz que não saíram do papel, virou a menina dos olhos da distrital Liliane Roriz (PRTB). Ela tem participado de reuniões na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) sobre o assunto e ontem comemorava


um primeiro passo: o órgão publicou no Diário Oficial da União o chamamento público que autoriza estudos de viabilidade para o empreendimento por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP). Apesar da crise que tem paralisado o país, Liliane garante que se mantém otimista. É esperar para ver se vai aparecer algum interessado.

CB. Poder Helena Mader, Ana Maria Campos, Guilherme Pera e Matheus Teixeira Site do GDF é hackeado O site oficial do Governo do Distrito Federal foi hackeado. Ao entrar no site, aparece a mensagem “Sob nova administração”. Várias imagens de protesto contra a corrupção aparecem na tela. A invasão da página é assinada por “Anarchy Ghost” e traz um rap contra a “exploração do povo”, de autoria do cantor MV Bill (Veja vídeo abaixo). Em uma charge, o governo é representado por um senhor gordo, enquanto a população está no corpo de um homem magro, à espera de uma gota d’água. O protesto acontece dois dias após o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) anunciar medidas duras para incrementar o caixa do governo, que vão desde aumento de impostos até reajuste na tarifa de ônibus. O GDF afirmou que está tomando providências e lamenta o ocorrido. Grupo de hackers assume autoria de invasão no site do GDF O grupo denominado “Anarchy Ghost” tem mais de 10 mil seguidores no Facebook e assumiu a autoria da invasão em mensagem na rede social. Na postagem, eles deram a lista de todos sites institucionais do governo que foram hackeados. Hackers elogiam agilidade do governo Em mensagem no Facebook, o grupo Anarchy Ghost elogiou a agilidade do GDF para retirar a página hackeada do ar. “Rapaz , os cara de TI (tecnologia da informação) do distrito federal são ligeiros msm , já jogaram o servidor pro chão kkk (sic)”, comentaram na rede social.

JORNAL DE BRASÍLIA Do Alto da Torre Eduardo Britto Quem manda sair? O GDF estipulou prazo de 15 dias para empresas publicas, como Ceb, Caesb, entre outras, apresentarem proposta de Plano de Demissão Voluntária, o PDV. Já para a administração direta - onde o governo pretende enxugar 20% das despesas - o PDV deve ser apresentado em até 10 dias. Assim, embora a medida tenha sido anunciada pelo próprio governo, ele não pretende ficar com o ônus do pedido cordial de "saia, por favor!" cada órgão que apresente seu plano.

Ponto do Servidor Milena Lopes Policiais civis no gabinete do governador

SCLN 212 Bloco C Sala 201 – Asa Norte – Brasília-DF - CEP: 70864530 - (61) 3526-4108 www.trackerconsultoria.com facebook.com/trackerconsultoria


O governador Rodrigo Rollemberg recebeu, enfim, representantes do Sindicato dos Policiais Civis do DF para discutir os pleitos da categoria, que está em greve. Ele atendeu a um pedido dos distritais Wellington Luiz (PMDB) e Cláudio Abrantes (PT), que se mostraram sensíveis às demandas da categoria. O governador disse que está disposto a dialogar, mas deixou claro que os recursos do Governo do DF são escassos. Pelo fim da greve Durante a reunião, Rollemberg pediu que a categoria suspenda a greve. E garantiu que tem trabalhado junto ao Governo Federal, em busca de recursos para pagar a folha e, quem sabe, atender às demandas dos policiais, como contratação de aprovados. Isonomia A crise financeira foi apontada pelo governador como impeditivo para que ele envie mensagem ao Governo Federal, se posicionando a favor da isonomia da Polícia Civil com os policiais federais. Não tem dinheiro! No gabinete do presidente do Tribunal de Contas do DF, Renato Rainha, o governador Rodrigo Rollemberg disse, nesta semana, que fazer greve não vai resolver. “A paralisação pode durar um, dois ou 30 dias, mas o dinheiro não vai aparecer”, afirmou. UPA Do deputado distrital Chico Vigilante (PT) para o secretário de Saúde, Fábio Gondim: “Secretário, não podemos fechar as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento). Os servidores são da Secretaria de Saúde e, se precisar, remova-os para onde precisa trabalhar. Não se pode deixar a população no prejuízo". Contra o aumento da passagem Servidores do Metrô-DF se unirão aos passageiros para protestar contra o aumento da passagem. O valor - de R$ 3 em dias úteis e R$ 2 em fins de semana e feriados - passará para a custar R$ 4, já a partir de domingo. O reajuste faz parte do pacote de medidas para incremento de receitas, apresentado pelo governo nesta semana. A manifestação ocorre hoje, às 18h, na Rodoviária do Plano Piloto. "Absurdo” Em mensagem dirigida aos servidores, o SindMetrô-DF convida as pessoas a não se calarem “diante deste absurdo”. E sugere que o aumento da tarifa não servirá para melhorar o serviço de transporte, mas para que o GDF “continue inchando a máquina pública com comissionados”. Urgência aprovada O Plenário da Câmara aprovou o regime de urgência para o projeto de lei que regulamenta a aposentadoria compulsória aos 75 anos. Com isso, o projeto poderá ser incluído na ordem do dia mesmo sem a análise das comissões. Ainda não há data para votação da proposta que amplia a aposentadoria compulsória aos servidores efetivos da União, dos estados, do DF e dos municípios; aos integrantes do Poder Judiciário, do Ministério Público e das Defensorias Públicas; e aos ministros de Tribunais e dos conselhos de Contas.

TRACKER CONSULTORIA SCLN 212 Bloco C Sala 201 – Asa Norte – Brasília-DF - CEP: 70864530 - (61) 3526-4108 www.trackerconsultoria.com facebook.com/trackerconsultoria


Riscos e Tendências José Maurício dos Santos 900 x 900 O governo de Brasília tem uma dívida de R$ 900 milhões com 900 empresas prestadoras de serviço e fornecedores, que correm o risco de fecharem as portas caso não recebam do GDF. Sobrevivência A notícia boa é que o governo reconheceu a dívida e vai pagar. A ruim é que será de forma parcelada e apenas a partir de junho de 2016. No entanto, a desconfiança é grande em torno de um eventual superávit no próximo ano para garantir os pagamentos. Produção O setor que mais sentiu a omissão do governo de Brasília foi o setor produtivo que ao invés de calote necessita é de incentivos e subsídios do governo para tirar o DF da crise.

ONs&OFFs Celson Bianchi Símbolo O vice-governador, Renato Santana (PSD), foi visto pisando na lama em Santa Maria. A visita ocorreu no condomínio Porto Rico. O local sofre com falta de urbanização. Uma imagem no mínimo emblemática. A caminhada ocorreu no mesmo momento em que o GDF anunciava aumento de tributos para a população. Desacordo Após a confirmação de que o governo local não conseguirá cumprir a lei e honrar o reajuste salarial dos servidores no Distrito Federal, o SindSaúde decidiu convocar os servidores da saúde para uma assembleia-geral com indicativo de greve no dia 30, às 10h, no estacionamento do ambulatório do Hospital de Base. A afirmação é da presidente da entidade, Marli Rodrigues. É oficial O deputado distrital Reginaldo Veras (PDT) subiu na tribuna na tarde desta quinta-feira (17) para comentar a ida do ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, para o Partido Democrata Brasileiro (PDT). Veras ressaltou que Ciro tem potencial para concorrer à Presidência da República, já que possui uma vasta experiência no parlamento brasileiro. Reginaldo Veras não deixou de fazer afago nos colegas de sigla e senadores pelo DF. “Reguffe e Cristovam Buarque são outros nomes com condições de disputar”, disse. O deputado aproveitou ainda para anunciar que se depender dele o PDT terá candidato próprio ao Palácio do Buriti, seja com Celina Leão ou Joe Valle. Mais perto Após assumir o protagonismo na busca pela construção de uma ferrovia que ligue Brasília a Luziânia, a deputada distrital Liliane Roriz comemorou a publicação no Diário Oficial do chamamento público que autoriza estudos de viabilidade para exploração dos serviços. A parlamentar havia reunido, em agosto, governadores de Goiás e do Distrito Federal, Marconi Perillo e Rodrigo Rollemberg, com o ministro dos

SCLN 212 Bloco C Sala 201 – Asa Norte – Brasília-DF - CEP: 70864530 - (61) 3526-4108 www.trackerconsultoria.com facebook.com/trackerconsultoria


Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, para tratar do assunto. O trem Brasília-Luziânia será a primeira ferrovia de transporte de passageiros por meio de Parceria Público Privada (PPP). Mais educação A educação superior pública do Distrito Federal vai receber R$ 13 milhões a mais do governo em 2016. Em três anos, o valor pode chegar a R$ 39 milhões. O aumento ocorre após alteração na Lei Orgânica do DF, promulgada pela Mesa Diretora da Câmara Legislativa. O artigo alterado determina a aplicação de 3% da receita tributária na manutenção e no desenvolvimento da educação superior pública a partir do ano que vem. Em 2014, o valor da arrecadação tributária do Distrito Federal foi de R$ 13 bilhões. O percentual total deverá ser atingido em até três anos, com obrigação de aplicação de pelo menos 1% ao ano. O autor da proposta que possibilitou essa mudança é o deputado Wasny de Roure (PT).

BLOG DO DONNY SILVA O homem está só O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) esteve ontem no plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal. E para comprovar que o Executivo não está em sintonia com o Legislativo, apenas 5 ou 6 deputados distritais estavam presentes e ao sair, o governador deixou a CLDF sozinho, o que demonstra total desprestígio, abandono e fragilidade política. O homem está só devido às suas próprias atitudes. Já que não sabe o que fazer, Rollemberg poderia fazer um grande favor ao DF e renunciar.

BLOG DO CALLADO Rollemberg estuda vender terrenos públicos ociosos e fazer receita para saúde e educação Em audiência nesta sexta (18), sociedade e governo vão debater a proposta de venda de áreas que não estão sendo usadas O governo de Brasília promove na sexta-feira (18), a partir das 9 horas, audiência para debater a proposta de desafetação de áreas públicas no Distrito Federal, especialmente no Setor de Armazenagem e Abastecimento Norte. A ideia é discutir com a sociedade a possibilidade de colocar à venda espaços ociosos. A reunião será no auditório do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-DF). A desafetação é um processo que torna um bem público, de uso comum, um bem de uso dominial, ou seja, que é de domínio do Estado, mas que não tem destinação específica e pode ser vendido. A sugestão da venda surgiu após um levantamento do Executivo sobre as áreas que não estão cumprindo os papéis a que estavam destinadas ou que estão subtilizadas, sem resultar em serviços à comunidade. A Agência de Desenvolvimento (Terracap) e a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão identificaram mais de 30 terrenos e unidades imobiliárias aptos à desafetação. Esses imóveis e lotes também passaram por uma análise da Secretaria de Gestão do Território e Habitação, que estipulou as condições e os processos necessários para a desafetação. Entre outras finalidades, o objetivo é utilizar os recursos a serem obtidos com a venda em áreas como saúde e educação. A pasta também é a responsável pela convocação da audiência. Segundo o adjunto da secretaria, Luiz Otávio Rodrigues, as desafetações são oportunidades estratégicas de reforço de caixa. “Um equipamento

SCLN 212 Bloco C Sala 201 – Asa Norte – Brasília-DF - CEP: 70864530 - (61) 3526-4108 www.trackerconsultoria.com facebook.com/trackerconsultoria


público que não está sendo usado em determinada área, por falta de demanda, pode ser convertido em recursos para investimento em outra região”, justifica. Audiência pública sobre a desafetação de áreas públicas no Setor de Armazenagem e Abastecimento Norte/ 18 de setembro (sexta-feira) Das 9 às 13 horas Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-DF) — 901 Sul, Conjunto D, Asa Sul

BLOG DO FRED LIMA Doyle e Vigilante discutem – quem diria! – sobre as finanças do GDF Enquanto esteve no Governo de Brasília, Hélio Doyle era defendido com unhas e dentes pelo deputado distrital, Chico Vigilante (PT). “O único que tem juízo nesse governo é o Doyle. Sem ele aí é que o governo afunda mesmo,” afirmava Vigilante. Alguns diziam que a ligação sindical e os laços com o PT aproximavam Hélio de Chico. Outros afirmavam que tudo não passava de uma troca de favores, já que os petistas que trabalharam na gestão Agnelo tinham permanecido no governo. Pode ser. Mas quando o assunto é as finanças do Buriti, ambos estão em lados opostos. Foi o que mostrou a discussão que tiveram hoje (17), no Twitter. Enquanto Doyle afirmava que não tinha dinheiro em caixa, Vigilante respondia que Agnelo deixou sim recursos no cofre do governo. Um bate-rebate quase sem fim.

BLOG DO ODIR RIBEIRO "A relação com a Câmara tende a piorar," afirma distrital O aumento de impostos anunciado pelo Palácio do Buriti esta semana ecoa entre os deputados distritais. A reportagem deste blog fez algumas perguntas para Bispo Renato (PR) e foi prontamente atendida. O parlamentar fez questão frisar que a relação entre a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) e o Governo é péssima. Se o teor da entrevista se confirmar, o Bispo é dos parlamentares que irá votar contra o governo. Acompanhe: Rádio Corredor - Qual a sua opinião sobre o aumento de impostos. O senhor é a favor ou não? Bispo Renato - Sou frontalmente contra qualquer tipo de aumento de impostos, pois a carga tributária no DF é altíssima e já fere de morte o contribuinte. Novos aumentos irão inviabilizar de vez a economia da cidade. RC - O deputado acha que o aumento de impostos passa no plenário da CLDF? BP - Espero que a Câmara não aprove o pacote da maldade do Governo. É preciso buscar alternativas, tais como: desburocratizar o Estado; agilizar a emissão de alvarás de construção e habite-se, em especial para os grandes empreendimentos (o que faria entrar R$100 milhões nos cofres públicos. Isso só em Taguatinga, por exemplo); trabalhar para receber ativos na dívida ativa, etc. RC - A relação entre CLDF e Rodrigo Rollemberg começou de forma errada como é ventilada nos bastidores?

SCLN 212 Bloco C Sala 201 – Asa Norte – Brasília-DF - CEP: 70864530 - (61) 3526-4108 www.trackerconsultoria.com facebook.com/trackerconsultoria


BP - A relação com a Câmara nunca foi boa. O Governador e boa parte de seus assessores marginalizam o papel do parlamentar e, além disso, ainda privilegiam alguns deputados em detrimento de outros, como se na CLDF tivessem classes diferentes de deputados. Não se governa com mágoa no coração! RC - O senhor acha que a relação entre a Câmara e Buriti tende a melhorar ou piorar no futuro? BP - A relação com a Câmara tende a piorar, pois, passados oito meses o governador não estabeleceu um diálogo de respeito com os parlamentares. Disse que conversaria com todos os deputados, mas muitos têm sido simplesmente ignorados, o que leva o acirramento dos ânimos, pois todos são representantes do povo, legitimamente aprovados pelas urnas. O governador pode não concordar com o posicionamento de todos os deputados distritais, mas deve respeitar o Parlamento e seus representantes. RC - O senhor acha que o governador deveria ouvir mais os deputados distritais? BP - O governador deve e precisa ouvir mais os deputados. Ele precisa entender que o que se debate no parlamento não é acerca de pessoas, e sim sobre ideias e projetos. Quando você não entende que não se resolve pessoas e sim problemas, a crise só aumenta, pois cada deputado tem muito a contribuir com o desenvolvimento do DF. RC - Na reunião com os deputados distritais ocorrida nesta terça-feira (16) o senhor esteve frente a frente com Rodrigo Rollemberg. O governador lhe convenceu? BP - Eu não tive o privilégio de estar frente a frente com o governador, portanto, não tive a oportunidade de ser convencido por ele. Jamais me neguei a dialogar com o governador Rollemberg. Eu simplesmente não tenho sido chamado ao diálogo. Na roda de conversa do governador, por exemplo, tenho sido pessoa não bem-vinda, apesar de não saber as verdadeiras razões, pois sempre tratei com muito respeito o governador Rodrigo Rollemberg. RC - O senhor acha que daria para sair da crise sem aumentar impostos? BP - Claro que dá para sair da crise sem aumentar impostos. Isso pelas razões acima mencionadas. RC - Afinal de contas, Bispo Renato é situação ou oposição? Seu posicionamento político nunca foi claro. BP - Meu posicionamento político sempre foi muito claro, prova disso é que sou líder da minoria na CLDF. Inclusive, estamos preparando um almoço, onde nosso grupo vai discutir algumas propostas a serem apresentadas ao governo. Jamais serei oposição ao DF e nem às pessoas. Sou um debatedor de ideias e projetos. Caso sejam bons para sociedade, terão meu apoio. E caso sejam ruins, terão minha oposição. Eu não tenho direito de exigir participar de um governo que não ajudei a eleger. O Rollemberg sempre teve e sempre terá meu total respeito.

SCLN 212 Bloco C Sala 201 – Asa Norte – Brasília-DF - CEP: 70864530 - (61) 3526-4108 www.trackerconsultoria.com facebook.com/trackerconsultoria


Backstage News nº. 21 Tracker Consultoria (18/09)