Revista E - Junho de 2007 - ANO 13 - Nº 12

Page 1

revista

ANTROPOFAGIA • ESPORTES DE AVENTURA VILAÇA • KATIA RUBIO • MAC MAHARAJ

DOCUMENTÁRIOS DE FERNANDO SABINO • VISÕES D'ARTE NO SESCTV • MARCOS ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA • WILSON BUENO • MAURÍCIO TRINDADE DA SILVA


umnas VALE D O R IB E IR A :

SA N T O G RÃO

ARRAIAL DA

C AIPIRAS, CAIÇARAS E

NA FESTA D E SÃO JO Ã O

V IL A D E SÃO PAULO

Q U IL O M B O L A S

De 07 a 24. Feriado, sexta a domingo. Destaques:

De 07/06 a 01/07. Feriado, sexta a domingo. Destaques:

De 07 a 21. Feriado, sexta a domingo. Destaques:

Sá, Rodrix, Guarabyra

C aixeiras do D ivino - dia 07

Almir Sater - dia 15

& Banda - dia 07

O rquestra Sanfônica - dia 10

Renato Braz - dia 09

A nastácia - dias 9 e 23

C onsuelo de Paula e

Só Guarabyra - dia 10

O svaldinho do

Levi R am iro - dia 23

Pena Branca - dia 16

A cordeon - dia 16

Banda de Pífanos

ITAQUERA

R enato Teixeira - dia 24

de Caruaru - dia 24

IN T E R L A G O S

IPIR A N G A


PUBLICAÇÕES SESCSP Próximos Lançamentos

B I E I R 1I I O 1+

A

rte d e

T

ransformação

A fotógrafa Mila Petrillo reúne o registro de 56 organizações voltadas para o

BERIO +

trab alho social com crianças e adolescentes. O rganização de Bené Fonteles.

CD com o grupo Percorso Ensemble e participação especial da cantora lírica Céline Im bert.

À venda em todas as unidades

r ns o

ação

do SESC SP ou na loja virtual w w w .s e s c s p .o r g .b r /lo ja

SESC

T# 5 ^

SESCêP


ÍNDICE unho de 2007 • n° 12 • ano 13 Revista Ôe Antropofagia

Nossa Capa O m ovim ento antropofágico de Oswald de Andrade

Como a antropofagia transformou as artes no Brasil

16

E mais:

Almanaque Paulistano O Solar da Marquesa

Cultura e desenvolvimento social O Sesc nasceu há 60 anos com o compromisso público de oferecer ao país uma contribuição dos empresários de comércio e serviços visando a minimizar os problemas sociais que afligiam, naquele momento, a sociedade brasileira. A crescente in­ dustrialização e a urbanização demandavam ações do governo e da sociedade para receber o contingente populacional que chegava do campo em busca de oportunidades na cidade. Desde então, por meio de seus centros de atividade localizados na capital, no litoral e no interior, o Sesc desenvolve uma série de ações voltadas para o exercício da cidadania. A apreciação e a criação artística, dirigidas a públicos diferenciados, bus­ cam atender a um amplo leque de interesses e linguagens. Os programas mantidos pelo Sesc São Paulo, tanto pela diversidade quanto pela excelência, tornam-se experiências fundamentais para que as pessoas possam alcançar a condição de cidadãos integrados às necessidades ditadas pelo mundo contemporâneo. No campo do teatro, por exemplo, as atividades compreendem espetáculos, festivais, cursos, oficinas encontros e debates, abrangendo a maioria das unidades operacionais. O destaque alcançado pelo Centro de Pesquisa Teatral (CPT) angariou o reconhecimento nacional e internacional pela busca de uma linguagem inovadora para o teatro e tornou-se referência para o desenvolvimento dessa manifestação artística. Ao Sesc, administrado e mantido pelos empresários de comércio e serviços, coube a tarefa de buscar uma forma inovadora de participação social. A educação permanente de seu público demonstra que as lideranças do setor estão cientes da impor­ tância e dos benefícios que a formação integral do indivíduo presta para a efetiva inclusão e transformação social.

A bram S za jm an Presidente do Conselho Regional do S esc no Estado de SAo Paulo

4

revista e

73


Repoduções do DVD Encontro Marcado com o Cinema de Fernando Sabino e David Neves

Os documentários sobre escritores brasileiros produzidos por Fernando Sabino e David Neves 22

Documentários franco-germânicos no canal SescTV 30

Entrevista O acadêmico Marcos Vilaça fala da importância da língua para a cultura nacional

11

A "versão família" dos esportes de aventura

Da redação O movimento antropofágico, criado por Oswald de Andrade, em 1928, marcou profundamente a postura intelectual dos produtores culturais ao fornecer uma visão antes de tudo política acerca do Brasil e de sua relação com as demais potências mundiais. Oswald, com a pintora Tarsila do Amaral e os escritores Raul Bopp e Mário de Andrade mostraram aos brasileiros daquele tempo, com seus livros e telas, a possibilidade de fazer cultura com base em nossos próprios modelos e em um parâmetro local, sem a necessidade de copiarmos exemplos forjados por europeus e americanos. Eles nos desvendaram o Brasil brasileiro - é o que focalizamos em nossa matéria de capa. Em Entrevista, o sociólogo e escritor Marcos Vilaça, atual presidente da Academia Brasileira de Letras, fala de literatura e da língua portuguesa. O Em Pauta discute a qualidade do ensino na escola pública por meio de artigos exclusivos de Guiomar Namo de Mello, educadora e coordenadora do Núcleo de Educação da Fundação Padre Anchieta, e de Leandro de Lajonquière, professor da Universidade de São Paulo. Encontros registra a opinião da professora de educação física da USP, Katia Rubio e Depoimentos traz Mac Maharaj, escritor e ex-ministro da África do Sul no governo de Nelson Mandela. No Almanaque Paulistano a história do Solar da Marquesa e, em Vistas Contemporâneas, a Sala São Paulo. Entre as reportagens, os filmes sobre escritores realizados por Fernando Sabino, os esportes de aventura adaptados à prática urbana e os documentários europeus no SescTV. O escritor Wilson Bueno está presente na Ficção Inédita com a história Um Leitor de Salão. No Em Cartaz, a programação de junho do Sesc São Paulo.

D anilo S a ntos de M iranda Diretor Regional do S esc São Paulo

revista e

5


0 Sesc na Virada Cultural O Sesc São Paulo fez parte da Virada Cultural, reali­ zada das 18 horas de 5 de maio até as 18 horas do dia 6, com atividades em diversas unidades. Entre os pontos altos da programação para o evento, destaque para o mú­ sico André Abujamra interpretando canções do norte-americano Ray Conniff, parte do espetáculo Kitsch Night (noite brega em inglês), realizado pelo Sesc Pompéia; a performance de dança Do Lado Esquerdo de Quem Sobe, com a mineira Mimulus Cia. de Dança, no Vila Mariana; e o musical Noel Rosa versus Wilson Batista - Outras Polêmicas, no Ipiranga, que lembrou a desavença musical protagonizada por Noel Rosa e o então novato Wilson Batista, nos anos 30. Nos dias 19 e 20, a Virada aconteceu pela primeira vez em dez cidades do interior. O plano para 2008 é incluir mais três municípios.

Os idosos no Brasil Foi lançado, no dia 7 de maio, na sede do Sesc São Paulo o estudo Idosos no Brasil: Vivências, desafios e expectativasna 3a idade, resultado de uma parceria entre o Sesc São Paulo, o Departamento Nacional do Sesc e a Fundação Perseu Abramo (FPA). Coordenado por Gustavo Venturi, da FPA, o levantamento traça o perfil sóciodemográfico dapopulação brasileira idosa. A ocasião contou com a presença do diretor regional do Sesc São Paulo Danilo Santos de Miranda, dopresidente da FPA Hamilton Pereira, do gerente de Estudos e Pesquisas da Divisão de Planejamento do Sesc Nacional Sebastião Henriques Chaves e do deputado Arnaldo Faria de Sá. Os dados da pesquisa foram comentados pela professora Anita Liberalesso Neri, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Berço da bossa O Beco das Garrafas, no Rio de Janeiro, considerado o berço da bossa nova, foi tema do evento De Volta ao Beco, atração do Sesc Ribeirão Preto de I o de maio a I o de junho. Formado por exposições, batepapos, exibição de filmes e, claro, shows musicais, o projeto revisita o perío­ do que vai de 1950 até meados de 1960, época que viu nascer um dos mais celebrados gêneros musicais brasileiros.

Trabalho em andamento De 18 a 20 de maio, o Sesc Pinheiros apresentou o es­ petáculo de dança Pequenas Frestas de Ficção sobre Realidade Insistente, do grupo Cena 11, de Florianópolis. Conhecida por aliar a prática a uma intensa pesquisa teórica em seus trabalhos, a companhia propôs, há quatro anos, que sua produção coreográfica fosse vista como um processo em constante desenvolvimento, pontuada por espetáculos abertos a novas influências. As apresentações no Sesc Pi­ nheiros marcaram a estréia nacional da nova coreografia.

tfUDft 4|riERUilMTWfc

Educação ambiental em cena Foi apresentado no dia 10 de maio, no Sesc Carmo, o espetáculo infantil 0 Mundo das Águas, com a Cia. A Jaca Est. A peça bus­ cou despertar nos pequenos uma conscienti­ zação sobre questões relacionadas ao meio ambiente, como a poluição dos rios e a des­ truição das florestas, além de mostrar como a natureza responde aos maus-tratos que sofre o planeta por obra do ser humano.

Fernando Rosa/Divulgação

Para gente grande O teatro Sesc Anchieta, da unidade Consolação, apresentou, de 8 a 17 de maio, o espetáculo Pinocchio, com a companhia Giramundo de Teatro de Bonecos. Mais do que contar a saga do bonequinho de madeira que queria ser um menino de verda­ de, a leitura do grupo, criado nos anos 70 por Álvaro Apocalypse, estabelece uma metáfora sobre o destino e a condição do homem. Outro diferencial em relação às montagens con­ vencionais do clássico infantil é que a peça é voltada para o público adulto e propõe uma discussão sobre a formação do ser humano e sua inserção na sociedade.

6

revista e

\ S


Amor e Literatura Estreou, no dia 12 de maio, na unidade provisória Sesc Avenida Paulista, o espetáculo 0 Perfeito Cozinheiro das Almas Deste Mundo, inspirado na obra homônima, espécie de diário coletivo do escritor modernista Oswald de Andrade e ou­ tros jovens que freqüentavam seu estúdio em 1918. Com direção de Jefferson Miranda, a peça tem como ponto de partida a tumultua­ da história de amor vivida por Oswald e a jovem normalista Maria de Lourdes Douzani Castro (a única mulher do grupo). O trabalho fica em cartaz na unidade até 24 de junho.

Para todos Foi realizado, de 17 a 20 de maio, no Sesc São Carlos, o Simpósio Sesc de Atividades Físicas Adapta­ das 2007. O encontro teve por finalidade divulgar o conhecimento produzido por cientistas e profissionais da área de educação física adaptada no intuito de promover a inserção de pessoas com necessidades especiais, de qualquer idade ou classe social, na prática de atividades físicas e esportivas. Além de palestras, relatos de experiências, cur­ sos e vivências fizeram parte da programação do evento.

Desfile de premiados

Animação brasileira

de Ammação de Campinas

O Sesc Itaquera reali­ zou, nos dias 19 e 20 de maio, a Mostra do Núcleo de Cinema de Animação de Campinas. Com mais de 30 anos de atuação, o núcleo desenvolve e divulga a animação brasileira com o objetivo de fo­ mentar a expressão da diversida­ de cultural brasileira por meio de mais essa manifestação artística.

O teatro de animação ganhou um miI nifestival no Sesc São Caetano, de 5 a 26 de maio. Durante a pequena mostra, foram apresentados quatro espetáculos conside­ rados referência no gênero: Inzôonia (foto), Guarda Zool, Circus - A Nova Tournée e Lolo Barnabé. Os três primeiros foram premia­ dos pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e o último recebeu o Prêmio Panamco de me­ lhor espetáculo, concedido pela empresa Panamco Brasil.

Dia do Desafio 2007 O Sesc São Paulo realizou dia 7 de maio, na unidade Pinheiros, o lançamento do Dia do Desafio 2007, campanha mundial de incentivo à prática regular de atividade física. A ocasião serviu para definir, por meio de um sorteio eletrônico, as cidades concorrentes da 12a edição do evento que, em 2006, mobilizou cerca de 50 milhões de participantes, de 24 países da América Latina - onde o dia é coordenado pelo Sesc São Paulo - , e envolveu 2.867 cidades. Estiveram presentes, entre outras autoridades, os prefeitos de São Paulo, Gilberto Kassab, e de várias cidades participantes, representantes de entidades do terceiro setor e o diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda.

"Não trata de uma dor qualquer, mas, sim, de qualquer dor. São dores próximas dos nossos calos, dores negadas por uns, mas que são comuns a todos"

"0 que me interessa é o trágico no sentido nietzschiano, do qual é preciso ter consciência" Do diretor de teatro José Celso Martinez Corrêa, que teve seus 70 anos celebrados em evento no

Do escritor Fernando Bonassi sobre

Sesc Araraquara - sua cidade natal - , no dia 4 de

o espetáculo Centro Nervoso (foto),

maio, em entrevista à Revista E. A ocasião contou

apresentado dia 26 de maio no Sesc

a ainda com a presença do escritor Ignácio de

Santos, dentro do projeto Rumos do Teatro

Loyola Brandão, também nascido em Araraquara

revista e

7


VITÓRIAS NO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 3a REGIÃO Após a emblemática decisão do Superior Tribunal de Justiça, em outubro de 2002, que, ao reunir suas I a e 2a Turmas, decidiu pacificar o entendimento no âmbito desse tribunal de que as prestadoras de serviços são, sim, contribuintes do Sesc e do Senac, pôde notar-se claramente um posicionamento do Poder Judiciário favorável a essas entidades, seja em primeira, seja em segunda instância. Verificou-se que, tanto na Justiça Federal quanto na Estadual, o número de vitórias aumenta progressivamente a cada mês. Pela expressiva quantidade de julgados até agora, merece destaque o número de vitórias obtidas no Tribunal Regional Federal - 3a Região.

SESC E SENAC CONTAM COM MAIS DE 350 VITÓRIAS UNÂNIMES OBTIDAS NO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 3a REGIÃO Desde 2003, com o início dosjulgamentos de apelações que abordam a questão da exigibilidade da contribuição destinada ao Sesc e ao Senac, o Tribunal Regional Federal - 3a Região/SP já proferiu mais de 350 julgamentos, todos com votação unânime e favorável a essas entidades.

EM APENAS DUAS SESSÕES DE JULGAMENTOS, 0 SESC E 0 SENAC OBTIVERAM, EM MAIO, MAIS 15 VITÓRIAS UNÂNIMES Para exemplificar esse expressivo número de vitórias, cite-se que, em apenas duas sessões no mês de maio, esse tribunal proferiu 15 julgamentos de apelações, todos com votação unânime pelo recolhim ento da contribuição destinada ao Sesc e Senac. Esses julgamentos envolveram as seguintes empresas: Lemos e Associados Advocacia S/C Ltda. (apelação n° 2000.61.05.019530-0); Akaer Engenharia S/C Ltda. (apelação n° 2000.61.03.002682-0); Mendes Hotéis Turismo e Administradora Ltda. (apelação n° 2003.61.04.011375-0); TV Prevê S/C Ltda. (apelação n° 2002.61.08.006201-3); São Carlos Country Club (apelação n° 2000.61.15.0007931); Unimed de Ribeirão Preto Cooperativa de Trabalho (apelação n° 2001.61.02.005678-8); Brasilwagem Autolocação S/C Ltda. (apelação n° 2001.61.00.017450-0); Hospital Nossa Senhora da Penha S/A (apelação n.° 2001.61.00.024483-6); Locaset Locadora de Aparelhos Ltda. (apelação n° 2001.61.00.029886-9); Advocacia Pires da Silva (apelação n° 2001.61.00.000169-1); Foz S/C de Advogados (apelação n° 2000.61.00.010177-2); Tozzini Freire Teixeira e Silva Advogados (apelação n° 2000.61.00.005320-0); Centro de Ensino Botucatu S/C Ltda. (apelação n° 2002.61.08.008766-6); Empresa de Segurança de Estabelecimento de Crédito Itatiaia Ltda. (apelação n° 2002.03.00.040974-7); Colégio Batista Brasileiro (apelação n° 2006.03.00.082916-0).

VITÓRIAS DÃO EXPRESSÃO CONCRETA AOS IDEAIS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E esse quadro de vitórias unânimes no Tribunal Regional Federal - 3a Região ajuda a fortalecer o ciclo de vitórias em todo o país, atribuindo também maior legitim idade aos julgamentos favoráveis proferidos pelo Superior Tribunal de Justiça. Essas vitórias possibilitam, ainda, a atribuição da expressão concreta dos ideais empresariais de responsabilidade social e garantem tanto ao Sesc quanto ao Senac a realização de suas atividades em prol da redução das desigualdades sociais, assegurando aos trabalhadores melhores condições de vida. V


c

Parceria com o COB - Comitê Olímpico Brasileiro, para divulgar i ideal olímpico e os valores do esporte. De 16 a 24.

DESTAQUES

1

Demonstração e vivência de Basquete em Cadeira de Rodas Dia 16. Sáb.14h. POMPÉIA

Corrida do Dia Olímpico 2007 Dia 17. Dom., 9h. Inscrições Abertas. RIO PRETO

Festival Olímpico de Tênis Jogo exibição com Jaime Oncins. Dia 21. Qui., 10b. ITAQUERA “Jogos Panamericanos de 1951 até a atualidade”

Exposição Abertura dia 21. VILA MARIANA


Fotos: Adriana Vic

MARCOS VILACA M

O acadêmico fala da importância da língua para a cultura de um país e explica o papel da Academia Brasileira de Letras, da qual é o atual presidente Marcos Vinícios Rodrigues Vilaça nasceu em Nazaré da Mata, em Pernambuco, no dia 30 de junho de 1939. Formado em ci­ ências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) em 1962, tornouse, três anos depois, o primeiro ocupante da cadeira de número 35 da Academia Pernambucana de Letras. Autor de vasta bi­ bliografia, conquistou alguns dos mais im­ portantes prêmios literários do país - como o Prêmio Joaquim Nabuco, em 1961, por Em Torno da Sociologia do Caminhão (Editora Tempo Brasileiro). Exerceu também funções públicas, tanto em seu estado quan­ to no governo federal, além de ser membro

10

revista e

de conselhos deliberativos de instituições jurídicas e artísticas, destacando-se a par­ ticipação no Conselho Diretor da Fundação Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais - ór­ gão ligado ao Ministério da Educação - em três ocasiões, a mais recente delas de 1984 a 1990. Ministro do Tribunal de Contas da União desde 1998 e sétimo ocupante da ca­ deira de número 26 da Academia Brasileira de Letras (ABL), Vilaça é o atual presidente da casa - eleito em dezembro de 2005. Em entrevista à Revista E, o jornalista, poeta e ensaísta falou sobre os braços de atuação da ABL e ressaltou a importância e o poder da língua para a construção de uma cultura

Qual é a importância de uma insti­ tuição como a Academia Brasileira de Letras? E o que ela faz de fato? Bom, vou tentar responder. A Academia tem, sob o ponto de vista estatutário, o compromisso de defen­ der a língua portuguesa e a cultura nacional. Compete-lhe essa presença de modo muito particular. Mas, afinal de contas, o que é a defesa da língua? É organizar o dicionário, é participar dos acordos internacionais que visem a disciplinar o uso da língua, é a aceita­ ção referente a neologismos \emprego de palavras novas, derivadas ou formadas de outras já existentes, na mesma língua


"Eu entendo a Língua como uma questão de segurança nacional, não é essa coisa meramente passageira de a gente falar, conversar, torcer por futebol e cantar samba. Não é só isso, a Língua é um mecanismo de poder" ou não] e também a incorporação de termos novos. Tudo isso passa pela Academia e sem o endosso dela, sob o ponto de vista legal, esse tipo de coisa [essas alterações e proposições] não existe. Sem o parecer da Academia não há como fazer uma lei no Brasil sobre esses assuntos específicos. Ora, como é que a Academia atua nesses casos? Por exemplo, nós temos o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa [obra que registra a forma oficial de escrever as palavras no português falado e escrito no Brasil contemporaneamente], exclusi­ vamente com palavras em português - senão, não é vernáculo. A Academia está preparando um dicionário, para sair em breve, destinado a estudantes. Para isso, conta com uma equipe de 20 lexicógrafos [profissionais que elaboram dicionários, dicionaristas] que estão tra­ balhando nesse projeto. E há também aqueles dicionários que são feitos com a participação da Academia - como o Aurélio, o Houaiss etc. A Academia se faz presente nos assuntos ligados à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) [composta de Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, e por Macau, Timor Leste e Goa\, a qual define acordos ortográficos. Há pouco tempo, esteve aqui o secretário-executivo da CPLP, o embaixador de Cabo Verde Luís Fonseca. A intenção de sua vinda era para justamente buscar a participação da Academia para m o­ bilizar o governo brasileiro em torno da inclusão dos países que ainda não aderiram ao acordo [Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em 1990 pelos países da CPLP, mas que até agora não entrou em vigor por não ter sido ratificado pela maioria desses países[ e também para aqueles trabalhos que chamamos de atualização do acordo - que também

já tem assinaturas parciais. Esse acordo demorou m uito para ser feito, agora já precisa de uma certa atualização. E qual a posição da Academia, ela é favorável a essa unificação? É favorável à unificação e é favorável também ao entendimento de que a lín­ gua é um ser vivo. A língua não pode ser imobilizada, não existe isso, ela está em permanente processo de mutação. Agora, a Academia não entende mutação como desorganização, não queremos de­ sorganizar a língua. Não é isso. Mas sim aceitar a língua no seu processo de evolu­ ção. Esse é um capítulo no qual reconhe­ cemos que há interesses muito fortes de editoras e de professores, ou seja, há in­ teresses comerciais para que permaneça essa situação. No entanto, há convicções, do ponto de vista técnico ou gramatical, que têm de ser conciliadas. Tem de se en­ contrar um modo comum de operação. A Academia está ciente dessa diversidade e luta, como é do temperamento brasilei­ ro, por confluências. Depois de simplifi­ car o capítulo língua com isso que disse, é preciso ajuntar logo a seguir o fato de que a Academia entrou firme no pro­ cesso da internet. Hoje, nós temos um portal dinâmico, o qual a Universidade de Salamanca [na Espanha[, por exemplo, considera um dos dois melhores portais brasileiros. O outro é o da Biblioteca Nacional. Salamanca considera o portal da Academia como fonte de pesquisa e referência. Isso há pouco mais de um ano e meio não existia. E o que levou a Academia à internet? Nos dias de hoje não se pode deixar de ter intimidade com a internet. Por exemplo, todos os nossos seminários, conferências, atos de posse dos acadê­ micos, enfim, tudo que acontece para o público aqui na Academia está on-line

nos dias de hoje. Recentemente, tive­ mos um seminário aqui sobre a favelização nos grandes centros urbanos e o processo de interação da Academia com essa questão foi forte. Entre outros par­ ticipantes, tivemos o acadêmico Hélio Jaguaribe, o Paulo Lins - homem da Cidade de Deus [no Rio de Janeiro[ - e a Aspásia Camargo - falando do ponto de vista sociológico. E isso foi on-line. Outro exemplo são as posses dos acadêmicos, que hoje são mais acompanhadas no sistema on-line do que de pessoas aqui presentes. Ademais, não estamos mais usando somente o auditório para esses atos, estamos pondo telões em outros espaços da Academia porque o público que participa desses acontecimentos não cabe no salão. Esse portal inaugura proximamente outra etapa que será A Academia Responde. Nós vamos acolher perguntas sobre a língua, e um grupo de lexicógrafos - conduzidos por Sérgio Pachá [lexicógrafo-chefe da ABL[ e pelo acadêmico Evanildo Bechara, que é um dos melhores especialistas do mundo em matéria de língua portuguesa - irá supervisionar as respostas. O portal da Academia, que antes era visto por 30 ou 50 pessoas por mês, hoje é visto por centenas de milhares mensalmente. Ouve-se, muitas vezes, que a Academia se exime de fazer edi­ ções consolidadas de, por exemplo, Machado de Assis. Então, há edições de Dom Casmurro de todo je ito , com modificações do texto, nem sempre de atualização ortográfica. Em contra­ partida, a Academia Francesa de Letras é citada, por exemplo, como entidade m uito mais dedicada a consolidar a obra do país. O que você acha disso? Eu acho que é preciso considerar que a Academia Francesa de Letras, desde sua fundação, sempre teve recursos -

revista e

11


ENTREVISTA "Nós [a ABL] não somos uma universidade. Atuamos dentro de um espaço em que é possível atuar. Envolver-nos na questão da educação está além de nossas forças, é uma coisa ambiciosa demais" porque teve dotações do setor público. A Academia Brasileira de Letras não tem, e não quer, recursos governamentais. Nós nos cosemos das próprias linhas, e essas linhas não são muito fartas, mas hoje já permitem que a Academia, por exemplo, seja uma editora de porte mé­ dio. Posso citar a co-edição que fizemos do livro do Antonio Cândido, as nossas edições estão crescendo. E vamos fa­ zer em 2008, centenário da morte do Machado [de Assis], a edição completa de suas obras. No entanto, não vamos edi­ tar porque não dispomos de meios para isso, mas, uma vez recebendo a solicita­ ção de uma editora, encontraremos uma forma de compatibilizar nossa participa­ ção. Agora, não é só com Machado que esse tipo de coisa acontece. O problema está nas obras do Jorge Amado, do João Ubaldo [Ribeiro], do Graciliano Ramos, esse problema de distorção de edições que você encontra entre os antigos e os modernos. E um problema que está sem­ pre presente. Mas, voltando às coisas da Academia, mantemos uma cátedra de assuntos brasileiros na Universidade de Oxford. Pouca gente sabe disso. Já es­ tiveram por lá José Murilo de Carvalho, Ana Maria Machado e Sergio Paulo Rouanet. No próximo ano, certamente, estará o Ivan Junqueira. Não há uma compreensão desses or­ ganismos de poder ligados à cultura no Brasil no âmbito internacional? Nós somos m uito tímidos nisso? Muito tímidos. E, depois, veja que, quando a Real Academia Espanhola fez o dicionário da língua espanhola, o fez com a 17 academias de países que fa­ lam espanhol. Aqui, nós trabalhamos sozinhos. Portugal escreve de um je ito e não aceita implantação - assina, mas não aceita o acordo ortográfico. Com a pacificação e o crescimento em Angola, e

12

revista e

o mesmo acontecendo em Moçambique, daqui a pouco os problemas não serão somente em Portugal, estarão também em Angola e Moçambique. Este último é um país com uma vertente para a co­ munidade britânica muito forte. Daqui a pouco, o português começará a sofrer pressão, e aí acontecerá como em certas áreas da Ásia onde se falava português, mas hoje não se fala mais.

Nelson Pereira dos Santos. E fazemos o seminário Brasil, Brasis, que consiste em uma sessão por mês tratando de temas pouco ortodoxos para uma academia de letras. Nós já tratamos de literatura e moda, de literatura e culinária, de lite­ ratura e arquitetura, de literatura e cres­ cimento econômico e desenvolvimento social. Ainda neste ano discutiremos futebol, mídia, o folhetim e a novela. Ou seja, a Academia é para as humani­ dades. Ela é situada em um tempo e em um espaço - é uma academia brasileira e está situada no século 21, com seu de­ senvolvimento em internet etc.

E uma das soluções para arrumar isso seria a implementação do tal acordo? Claro. Quando [Antonio de] Nebrija es­ creveu a gramática castelhana, que é uma das mais antigas do mundo, a fez como um exercício de poder. Língua é poder. Eu A posição da Academia em relação à entendo a língua como uma questão de língua portuguesa dentro de um con­ segurança nacional, não é essa coisa me­ texto geopolítico é algo pouco ventila­ ramente passageira de a gente falar, con­ do na imprensa e pouco discutido nos versar, torcer por futebol e cantar samba. organismos governamentais, não? Não é só isso, a língua é um mecanismo Acho que o governo se preocupa mui­ de poder. Quando o Tribunal de Contas to com coisas menos profundas, e a im­ da União, por exemplo, faz cursos para prensa, meu caro, é muito preocupada técnicos de tribunais de contas de países com o escândalo. E isso é um processo hispano-americanos, sabemos que as au­ que se retroalimenta. É preciso que a las estão sendo dadas em português, mas imprensa se volte para alimentar aquilo estamos passando também o sentimento que produz. E o que produz pensamento da brasilidade, e isso é exercício de po­ é um grupo como esse que existe nesta der. É preciso que a língua seja entendi­ casa [o ABL]. Aqui se produz pensamen­ da assim. Agora, não é só nisso que a to, aqui se produz reflexão, e é preciso Academia está presente, estamos tratan­ que a imprensa veja que também existe do de manter viva a memória: aqui nós esse outro mundo. Um mundo que faz e temos um programa de concertos musi­ não que desfaz e mata. cais e também fizemos um ciclo sobre os primeiros presidentes. Essa preocu­ Foi inaugurado, em São Paulo, o pação é constante e a imortalidade está Museu da Língua Portuguesa - com nisso, temos o compromisso de manter a participação da Academia - e que é viva, bulindo, flamejante, a memória dos um sucesso. Há também programas de que nos antecederam. Antes, dizia-se televisão só sobre o português e colu­ que a Academia era uma coisa isolada, nistas nos jornais que falam sobre a elitista etc. Mas estamos mostrando língua. Isso é uma coisa recente. Como que somos voltados para as humani­ você analisa o fenômeno? dades, não só para as letras literárias, Acho isso ótim o, e a Academia es­ digamos assim. Aqui nós tivemos, por tim ula esse tipo de coisa. Tive longas exemplo, o ingresso recente do cineasta conversas com o presidente Cavaco


Silva [Aníbal Antônio Cavaco Silva, presi­ dente de Portugal] já por duas vezes e o estimulei o máximo que pude para que ele também faça em Portugal um museu da língua. Não para repetir o museu de São Paulo, mas para fazer sob outros ângulos. É preciso fazer isso. Quer ver uma coisa? Já viu um quadro chama­ do Soletrando no programa do Luciano Huck, na TV Globo, no sábado? É uma coisa interessantíssima, e a Academia está interessada em colaborar com isso. Estamos procurando permear esses es­ paços exatamente para dar essa cons­ ciência do que significa poder nacional por meio da língua. A Academia reúne alguns intelectuais extremamente capacitados. Não pode­ ria, por exemplo, contribuir com políti­ cas públicas na área de educação?

Mas nós não estamos capitulados como entidade educacional. Nós não somos uma universidade, por exemplo. Atuamos dentro de um espaço em que é possível atuar. Envolver-nos na questão da educação está além de nossas forças, é uma coisa ambiciosa demais. Se for para fazer malfeito, é melhor ficarmos quietos. O cantor Roberto Carlos ganhou na Justiça e o livro Roberto Carlos em Detalhes, de Paulo César Araújo, foi re­ colhido. Qual é a posição da Academia sobre a censura? A Academia é contra a censura. Mas se ele se sentiu agredido moralmente é a Justiça que decide se o livro deve ser recolhido ou não. Aí é uma outra questão, já não é um caso de censura. Porque o sujeito não pode ter liberda­

de para agredir. Agora, censura no sen­ tido mais genérico, de censurar a arte, não pode. As últimas “ aquisições” de acadê­ micos têm sido variadas. Há o Nelson Pereira dos Santos, que é cineasta, e o b ibliófilo José Mindlin... Tem o Celso Lafer, que é um filósofo; o Domício Proença, que é um lingüista e lexicógrafo. Então, veja que são quatro linhas distintas. Isso é uma coisa pensada pelos pró­ prios acadêmicos veteranos? O processo de escolha é daqueles que se inscrevem, daqueles que querem ser acadêmicos. É claro que às vezes nos sensibilizamos mais por uma candidatu­ ra. Nesses casos, adotamos determina­ da pessoa não por um juízo de mérito,

"Eu não poderia, então, conversar com meus netos porque eles dizem deletar? Teria de dizer que eles têm de usar apagar, porque é o correto? Pode ser deletar, sim, por que não poderia?" revista e

13


ENTREVISTA "Outro dia fui a uma livraria (...) e havia várias expressões em inglês [esgotado] etc. Não precisa disso. Você vai aqui à Barra e é a Miami piorada - não sei como se pode piorar Miami, mas eles conseguiram" mas por um juízo de circunstância. Por exemplo, o Lafer tinha tudo para ser acadêmico em qualquer momento e em qualquer cadeira. Mas a cadeira onde esteve Miguel Reale fica muito pró­ pria para ele. Então, a Academia é um conjunto que envolve homem, obra e circunstância - e isso não é o presiden­ te que está falando, é simplesmente o Marcos Vilaça, o homem. Porque preci­ samos de gente digna para estar conos­ co para sempre, não é só quando está vivo, não. Mário Quintana não foi aca­ dêmico porque as circunstâncias não o favoreceram. Aí dirão que Quintana não está, mas Bandeira ejoão Cabral estão. Interpretar a Academia somente pela ausência de determinada pessoa não é justo, tem-se de interpretá-la por quem está nela. Mário Quintana não está, mas porque perdeu a eleição para o maior cronista da imprensa brasileira do sé­ culo 20: Carlos Castelo Branco. Outro tipo de maluquice que ouvimos: “José Sarney é acadêmico porque foi presi­ dente da República” . Não é nada disso! Ele foi acadêmico muito antes de ser presidente. Esse tipo de crítica apressa­ da me magoa muito. Em relação à questão regional, como ela se articula dentro da Academia? Por exemplo, o peso do Sudeste. Isso não pesa. É claro que existe um cuidado para que a Academia seja bra­ sileira, não seja carioca. Mas sempre teve um contingente maior de pesso­ as nascidas no Rio de Janeiro porque, é claro, a Academia é nascida aqui. E as participações variam: já houve oito pernambucanos, hoje somos três, mas são 25 pernambucanos no total. Então, existem bancadas mais fortes: Rio, São Paulo, Minas, Pernambuco e Bahia. Esses cinco estados sempre têm um contingente grande.

14

revista e

Como você vê quando personalidades, algumas bem expressivas, se recusam a se candidatar ou entrar na Academia? Não acho nada demais. Há os que querem e os que não querem. Gilberto Freyre, por exemplo, não quis; Carlos Drummond nunca desejou; Sérgio Buarque de Holanda idem; e Antonio Cândido não quer. E, olha aí, quando fomos buscar um livro importante para consignar as comemorações dos 110 anos, editamos quem? Antonio Cândido, o qual não quer ser acadêmico. No en­ tanto, não faltou convite a ele. Ele não quer, mas nem por isso ficamos com pre­ conceito. Também fizemos homenagens aqui a Drummond, e faremos sempre. A mesma coisa serve para Erico Veríssimo. Sérgio Buarque de Holanda foi tema de seminário para nós, no ano de aniversá­ rio de Raízes do Brasil [de 1936, uma das principais obras de Buarque de Holanda, tra­ ta da herança histórico-cultural que moldou o povo brasileiro]. Colocamos em pé de igualdade o Guimarães Rosa e o Sérgio, um acadêmico e um não-acadêmico, e festejamos com igual intensidade. Levar a Academia ao povo, por assim dizer, é uma vontade própria da casa ou é importante somente para alguns membros? Acho que é a vontade da Academia. Não vejo ninguém rejeitar isso. É claro que alguns são mais entusiasmados do que outros, mas isso é normal. A questão do entusiasmo é muito de momento. Por exemplo, nós desfilamos na Mangueira porque o enredo era sobre a língua por­ tuguesa. Então, está explicado por que a Academia tinha de participar, dar palpites nos textos, orientar quais eram as histó­ rias da língua. Quer dizer, quando con­ sultados, prestamos essa assessoria para essa escola de samba. Mas não interferi­ mos, nós respondemos às questões que

foram levantadas. Enfim, sabe quem foi o acadêmico mais animado que estava no carro alegórico? Antonio Olinto, de 88 anos, era o mais animado entre todos nós, o maior “ pé-de-samba” . Houve projetos de lei que queriam retirar da língua portuguesa do Brasil expressões em outros idiomas. Qual a sua posição sobre esse policiamento da língua? Foi como eu disse: a língua é um ser vivo. Não dá para aplicar um radica­ lismo dizendo que isso ou aquilo não pode. O português se socorre do quê? Do latim, do grego. Então, por que hoje não pode se socorrer do inglês? Já se socorreu tanto do francês! Em Portugal se usa rés-do-chão, aqui usamos térreo. Em Pernambuco chamamos carpete de alcatifa, por causa da origem árabe. Acho muito mais violento escrever “ ki koisa” , isso, sim, é erro de português. Eu não poderia, então, conversar com meus netos porque eles dizem deletar? Teria de dizer que eles têm de usar apa­ gar, porque é o correto? Pode ser dele­ tar, sim, por que não poderia? O mes­ mo vale, por exemplo, para check-up. Só porque é imortal [como são chamados os membros da ABL] acha que não precisa mais fazer check-up? [risos], No entanto, em alguns casos se usam expressões em inglês por pura bobagem. Acho que temos de trabalhar, fazer um convenci­ mento, trabalhar a juventude e explicar que não precisa disso. Por exemplo, a palavra sale [venda] está por toda parte. Outro dia fui a uma livraria para o lança­ mento de um livro da Barbara Freitag e havia várias expressões em inglês - sold out [esgotado] etc. Não precisa disso. Você vai aqui à Barra [da Tijuca, no Rio deJaneiro] e é a Miami piorada - não sei como se pode piorar Miami, mas eles conseguiram. ■


DESTAQUES E M JU N H O

Peça o SESCTV para a sua operadora de TV POR ASSINATURA

Sotigui Kouyaté e a memória africana

Instrumental SESC Brasil A série apresenta o saxofonista Mauro Senise, no dia 8, e o guitarrista jazzístico John Stein, no dia 29. Sempre às 23h.

Gastronomia européia Produzida pela ARTE France, a série "Visões d'ARTE" exibe, em três episódios, Os Alquimistas da Gas­ tronomia, que apresentam as novas tecnologias e i abordagens capazes de revolucionar o conceito de | sabor. Dias 7, 14 e 21, sempre às 22h.

Pan-americano em debate "Diálogos Impertinentes" discute os Jogos Pan-ame- I ricanos 2007. Mediado por Fernando Altmeyer, da PUC-SP, o programa recebe Orlando Silva Jr„ ministro dos Esportes, Luiz Carlos Ramos, jornalista e Maria Luiza Dias, do SESC-SP. Produzido em parceira com a TV PUC-SP e apoio do jornal Folha de S.Paulo. Dia | Mo espe cia l Sotigui Kouyaté: um g rio t no

10, às 20h.

Brasil, o a to r e d ir e to r a fric a n o fa la s o b re a m e m ó ria d o seu c o n tin e n te e a tra d iç ã o g r io t.

Teledramaturgia

G ra v a d o n o SESC C o n so la çã o , o p ro g ra m a é

Com orientação artística do diretor Antunes Filho, a série I "Direções - Por Um Caminho | na T e le d ra m a tu rg ia " e x ib e | o program a Os Cegos, b a -1 seado na obra de Michel d e i Ghelderode, com adaptação ' e direção de Maria Thaís. O teleteatro mostra três peregrinos cegos que, na tentativa de chegar a Roma, descobrem que não saíram do lugar. Co-produção com

re s u lta d o da p a le stra "E n c o n tro co m S o tig u i K o u y a té " e d o w o r k s h o p "P rá tic a s p a ra a escuta, a c o m u n ic a ç ã o e a s e n s ib ilid a d e ". A d ire ç ã o e o ro te ir o são de A le x a n d re H a n d fe s t.

Dia 29, às 22h.

0 SESCTV está disponível via

a TV Cultura-SP. Dia 2, às 23h.

Sky, canal 3; DirecTV, canal - .. ir iV O a O - v ^

Brasil

211; TecSat, canal 10.

Legislação penal

NET Digital - canal 92 nas

Especialistas debatem as propostas de alterações na legislação penal em Crime e Castigo, exibido na série "Saberes". Dia 17, às 20h.

cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Confira no site www.sesctv.org.br diversas operadoras em todo o Brasil.


Abaporu, tela deTarsila do Amaral, de 1928, que se tornou um dos sĂ­mbolos do modernismo e do movimento antropofĂĄgico

16

revista e


ARTE DA DEVORACÃO f

O movimento antropofágico, representante do modernismo no final da década de 1920, queria deglutir o mundo para encontrar o Brasil 4 4

ó a Antropofagia nos une.” A frase que abre o Manifesto Antropófago, escrito por Oswald de Andrade em 1928, sintetiza o movimento que lançou um novo olhar para as artes e a cultura brasileira no final da década de 1920. A carta de intenções conclamava artistas e intelectuais a uma reação “ contra todos os im portadores de consciência enlatada” . Tomese por isso uma elite que preferia contabilizar a herança cultural européia em detrim ento dos valores que se escondiam em cada canto da his­ tória do Brasil. “ (...) O índio era europeizado nas virtudes e costumes (...); a mestiçagem era igno­ rada; a paisagem, amaneirada” , escreve o crítico literário Antonio Cândido no livro Literatura e Sociedade, de 1965 (Publifolha, 2000), descreven­ do a mentalidade da época. Para Oswald e outras personalidades que repu­ diavam a velha postura, a resposta a essa visão míope do Brasil não era a simples negação das influências externas, mas sim uma assimilação voraz delas. Uma eterna busca pelo universal e uma insaciável “fome" de tudo que era novo. Daí a idéia da antropofagia. Deglutir em vez de en­ golir inteiro. “A antropofagia, do ponto de vista do Oswald, é metafórica", esclarece a professora do Departamento de Teoria Literária da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)

da Universidade de São Paulo (USP) Maria Augusta Fonseca, estudiosa da obra de Oswald de Andrade. “ E ele, Oswald, fazia distinção entre canibalismo e antropofagia - uma distinção dele, nada de an­ tropológico. Ele dizia que o canibal é aquele que come por comer e o antropófago é aquele que come para assimilar as virtudes do outro. Ou seja, eu assimilo o que é bom e rejeito o que é ruim, que é o próprio processo orgânico nosso.” I n d e pendência artís tica

Mesmo tendo uma “ certidão de nascimento" datada de 1928, o movimento antropofágico surgiu como fruto de reflexões artísticas e inte­ lectuais anteriores. Uma trajetória que teve iní­ cio com o movim ento modernista, ainda na pri­ meira década do século 20. Um dos marcos foi a conturbada exposição da artista plástica Anita Malfatti, em 1917. A mostra reunia trabalhos de uma jovem recém-chegada da Europa e cheia de idéias na bagagem. Como resultado, teve início uma polêmica entre os que viam na expressão de vanguarda o futuro das manifestações artísticas e aqueles que defendiam os padrões estabeleci­ dos. Um choque que levou o escritor Monteiro Lobato a fazer uma dura crítica à exposição de Anita, intitulada Paranóia ou Mistificação, publi­ cada no jornal 0 Estado de S.Paulo em dezembro

revista e

17


daquele ano. No texto, Lobato deixava clara sua repulsa a uma arte que, segundo ele, via “ anormalmente a natu­ reza” . A resposta não demorou. Nos anos que se segui­ ram ao fato, o coro dos vanguardistas brasileiros engros­ sou, ganhando nomes de peso, como o escritor Mário de Andrade, a pintora Tarsila do Amaral e o próprio Oswald. Em 1922, ano em que se comemorava o centenário da Independência do Brasil, o grupo - acompanhado ain­ da pelo compositor e maestro Heitor Villa-Lobos e pelo pintor Di Cavalcanti, entre outros - realizou a Semana de Arte Moderna, propondo uma personalidade própria a um país que celebrava seus 100 anos de liberdade da colonização. “A pergunta era: e nossa independência cul­ tural e artística?” , explica a professora Maria Augusta. “ Depois de 1922, essas questões todas vão fazer parte de um processo em que grupos vão se formando, se ju n ­ tando, e as tendências vão aparecendo. Trata-se de algo que veio amadurecendo até chegar a 1928.” A pesqui­ sadora apresenta ainda outras datas importantes, e que antecedem o Manifesto Antropófago. “ Em 1924, Oswald de Andrade lança o Manifesto da Poesia Pau Brasil \no jo r­ nal carioca Correio da Manhã] e, em 1925, a poesia Pau

A Boba, trabalho de Anita Malfatti, do período de 1915 e 1916, exposto na polêmica mostra individual da artista, em 1917

Banquete cultural S E rtA /V A DE ARTE MODCR/TA v Vp A

A antropofagia e o modernismo são temáticas freqüentes na programação do Sesc São Paulo

Em 2007, ocasião em que a Semana de Arte Moderna completa 85 anos, a antropofagia e o modernismo estiveram em evidência na programação do Sesc São Paulo com a realização do Especial Modernismo, no Sesc Pinheiros, de 13 a 27 de maio, e do projeto Teatro e Devoração - Do Canibalismo à Antropofagia, na unidade provisória Sesc Avenida Paulista (até 27 de maio) e também no Sesc Santana (até 13 de maio). 0 primeiro reuniu intervenções com imagens de obras modernistas e apresenta­ ções de textos sobre a Semana de Arte Moderna para comemorar seus 85 anos. Já o segundo recorreu a teatro, filmes, cursos, oficinas e encontros para trazer à tona a vocação antropófaga do Brasil - sobretudo nas artes. Os destaques do projeto realizado pelo Avenida Paulista e Santana foram os espetáculos teatrais - oportunidades para o público comprovar como o Brasil conti­ nua em pleno banquete. Enquanto A Refeição, no Sesc Santana, mostrou três histórias nas quais o canibalismo era usado para entender as relações, afetivas ou artísticas, no mundo contem­ porâneo, Vêm Vai - 0 Caminho dos Mortos (foto), em cartaz na unidade provisória Avenida Paulista até I o de julho, empreende um estudo sobre os mitos de criação da morte nas culturas ame­ ríndias, ou seja, entre os povos indígenas das Américas.

18

revista e

No entanto, a temática não é recente na programação das unidades do Sesc São Paulo. Só nos últimos dez anos, diver­ sos eventos, projetos e espetáculos tiveram como ponto de partida as idéias revolucionárias dos modernistas e dos "an­ tropófagos" que ajudaram a moldar as diversas facetas das ar­ tes brasileiras. Ainda em 1997, o evento multicultural Babel, que reunia dança, teatro e artes plásticas, ocupou o espaço onde anos depois viria a ser erguida a unidade Pinheiros. Dois anos mais tarde, o Sesc Belenzinho realizou o projeto Coração dos Outros - Saravá, Mário de Andrade, que mostrou a variedade constitutiva da realidade brasileira - ressaltada pelo autor de Macunaíma em sua narrativa - numa grande exposi­ ção. Mário de Andrade e os outros modernistas foram o tema também do musical 22, Antes e Depois, que comemorou, em 2002, no Sesc Ipiranga, os 80 anos da Semana de Arte Moderna. Já em 2004, foi realiza­ do, no Sesc Pompéia, o I Encontro Internacional | de Antropofagia! (EIA!), evento que teve a par­ ticipação do diretor I do Teatro Oficina, José | Celso Martinez Corrêa.


Gênio indomável

1920-1950: de Antropofagia a Brasília, Cosac Naify Ediíçòes/Divulgaçáo

Casamentos, iconoclastia e a carismática figura de Oswald de Andrade

Ao passo que o amigo Mário de Andrade era um homem tímido, extremamente discreto e reservado, Oswald (Oswáld, com acento tônico no "a", como ensina o crítico literário Antonio Cândido) fazia questão de ser exatamente o inverso. Gozador, sarcástico e mesmo quase excêntrico, o autor do Manifesto Antropófago agia sempre como quem quisesse que o circo pegasse fogo. "Oswald nos tratava bem e ao mes­ mo tempo fazia troça de nós, como era seu hábito", conta Cândido - que conheceu o escritor em 1940 - no livro Vários Escritos (Editora Duas Cidades, 1995), editado pela primeira vez em 1970. "Inventando diversas piadas e nos pondo o apelido de 'chato-boys' (...) porque, segundo ele, estudiosos, bem comportados, sérios demais antes do tempo." José Oswald de Souza Andrade nasceu no dia 11 de janeiro de 1890 numa família abastada - fundadores do estado do Pará por parte de mãe e fazendeiros mineiros por parte de pai. A condição privilegiada, no entanto, não o impediu de colocar na berlinda, por meio de sua obra e ações, a própria elite à qual pertencia. "Oswald riu da classe de que ele fazia parte, ele era crítico em relação também a si mesmo", diz a professora de teoria literária Maria Augusta Fonseca, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP). "Dona Inês [mãe de Oswald] fazia questão de que eu tivesse um título", ele escreve na autobiografia Um Homem Sem Profissão (que permaneceu in ­ completa, mas tem versão agregada de comentários e ensaios em volume publicado pela Editora Globo, em 2000). "Pobre mãe que ignorava a vocação de irregularidade e de sublevação de seu filho, inconformado sempre, sempre inimigo dos diplomas e das posições." 0 caráter inconstante de Oswald de Andrade transparecia também em sua vida pessoal. Foram muitas as esposas, por exemplo. Em 1919, casa-se com a normalista Maria de Lourdes Castro Dolzani, conhecida como Miss Cyclone, em condições extremas: a jovem de 17 anos estava à beira da morte em um hospital. A partir de 1924 passa a morar com a pintora Tarsila do Amaral, com quem se casa em 1926. Quatro anos depois, é a vez da artista e mi­ litante política Patrícia Galvão, a Pagu, com quem ficou por um ano e teve Rudá, seu segun-

Retrato de Oswald de Andrade feito porTarsila do Amaral, em 1923; abaixo, auto-retrato da artista, de 1924

do filho - irmão de Nonê (Oswald de Andrade Filho), fruto de sua relação com a francesa Kamiá. Em 1936, casa-se com a filha de fazendeiros Julieta Bárbara Guerrini. 0 casamento dessa vez dura seis anos. No mesmo ano em que se separa de Julieta Bárbara, conhece Maria Antonieta D'Alkmin, com quem se casa em 1943, e tem os filhos Antonieta Marília de Oswald de Andrade e Paulo Marcos Alkmin de Andrade. Com os amigos era generoso, porém implacável: podia "perder o amigo, mas não perdia a piada", costumava di­ zer. Em 1929, por exemplo, rompeu com Mário de Andrade - por motivos que ambos levaram para o túmulo. Os dois nunca mais se falaram, embora não por falta de tentativas de Oswald que "era capaz de dizer as últimas de alguém que incorresse no seu desprazer", como conta Antonio Cândido em Vários Escritos. "Mas dali a pouco esquecia tudo e achava de novo excelente a mesma pessoa (...)". A desavença com o amigo modernista, no entanto, lhe custou caro. 0 comporta­ mento liso de Mário selou o silêncio da amizade até sua mor­ te, recebida por Oswald com o desespero. Antonio Cândido conta o episódio: "Oswald (...) lia os jornais (...) no salão do hotel quando ela [a mulher, Mana Antonieta] o viu, de repente, atirar-se sobre o sofá em frente com um grito surdo, amarfanhado o jornal no peito e chorando convulsivamente. Era a notícia da morte de Mário". Oswald de Andrade morreu em outubro de 1954 deixando uma vasta obra composta de memórias, artigos de jornal, poesias, peças de teatro, mani­ festos e mais de uma dezena de livros.

revista e

19


Grupo da Semana de 22; da esquerda para a direita: Couto de Barros (1), Manuel Bandeira (2), Mário de Andrade (3), Sampaio Vidal (4), o jornalista italiano Francesco Pettinatti (5), Cândido Motta Filho (6), Paulo Prado (7), Flaminio Ferreira (8), RenéThioIlier (9), Graça Aranha (10), Manuel Villaboim (11), Godoffredo da Silva Telles (12), Rubens Borba de Moraes (13), Luís Aranha (14), Tácito de Almeida (15) e Oswald de Andrade (16)

Brasil, que já tem elementos de uma reflexão sobre a cultura brasileira” . Um exemplo dessa fermentação aparece no poema falação, parte da poesia Pau Brasil e que é inspirado no manifesto de mesmo nome. Nele Oswald já exal­ ta “A formação étnica rica. A riqueza vegetal. O minério. A cozinha. O vata­ pá, o ouro e a dança” . V a n g u a r d a s e rãs

Em 11 de janeiro de 1928, aniversá­ rio de 38 anos de Oswald, o escritor se reuniu com Tarsila do Amaral e o tam­ bém escrjtor Raul Bopp para comemo­ rar a data em um restaurante no bairro do Brás, Zona Leste São Paulo. Naquela noite, Oswald ganhou um quadro de Tarsila. Um presente que caiu como uma semente no terreno fértil de idéias que os modernistas já vinham cultivando. “ Era o famoso Abaporu, que ainda não tinha nome", explica Maria Augusta. “ Eles olharam para aquela pintura e dis­ seram que parecia um homem sugando a terra, um homem que come a terra. Depois eles foram até o dicionário do Montoya [Antonio Ruiz de Montoya], um dicionário da língua tupi, e viram o que significavam os termos: aba, o homem, e poru, que come. Daí Abaporu.” Ainda

20

revista e

Futurismo Movimento estético surgido na França e na Itália, em 1905, que cultuava a máquina, a velocidade e a automatização da vida cotidiana dos novos tempos. 0 futurismo pregava também uma ruptura com os meios tradicionais de relacionar as palavras em um período. Cubismo Surgido na França por volta de 1907, o cubismo propunha a decomposição das imagens em figuras geométricas, representando todas as partes de um objeto no mesmo plano. Um dos mais famosos artistas a produzir obras cubistas foi o catalão Pablo Picasso. Dadaísmo Também conhecido como movimento dadá, foi criado na cidade suíça de Zurique, em 1916, por um grupo de escritores e artistas plásticos que se opunham à Primeira Guerra Mundial (1914 a 1918). Embora a palavra dada em francês signifique cavalo de brinquedo, sua utilização marca a falta de sentido que a linguagem pode ter. Surrealismo Surgido na França, em 1924, é considerado o último movimento das chamadas vanguardas européias. Sua principal característica é a combinação do representativo, do abstrato e do psicológico - sobretudo, as imagens desconexas dos sonhos. Até hoje, usa-se o termo "surreal" para designar o que parece absurdo ou irreal.

Ilustração de Tarsila do Amaral para a capa do livro de poemas Pau Brasil, lançado por Oswald em 1925

segundo a professora, as associações não pararam por aí naquela noite. Como o prato pedido foi pernas de rãs, os amigos iniciaram uma brincadeira sobre anfíbios e a origem da vida e do homem. A brincadeira virou discussão e a discussão tomou fôlego. “ Oswald e Bopp começam a articular um movi­ mento em torno da antropofagia” , de­ clara Maria Augusta. O movimento, no entanto, não se sustentou apenas sobre as frágeis per­ nas das rãs. No caldeirão de Oswald e cia. houve espaço também para as vanguardas européias. Movimentos como o futurismo, do escritor italiano Marinetti, o cubismo, do pintor cata­ lão Pablo Picasso e do escritor francês Apollinaire, o dadaísmo, do pintor, também francês, Francis Picabia e do escritor romeno Tristan Tzara, e o sur­ realismo, do escritor francês André Breton, e que tem o pintor espanhol Salvador Dali como um dos maiores expoentes, todos voltados para rom­ per com um modelo artístico europeu desgastado pelos séculos de história do continente. “ Oswald teve contato com toda a vanguarda européia” , diz Maria Augusta. “ Só que aqui, se percebeu na época, havia ainda uma particularidade


Revista õe Antropofagia ABRE-ALAS

Mais lugares no banquete A antropofagia e outros momentos importantes nas artes brasileiras A devoração de fontes externas proposta no Manifesto Antropófago que Oswald de Andrade escreveu em 1928 deixou uma marca indelével na maneira de o Brasil enxergar sua cultura e dialogar com a produção que vem de fora. Outros movimentos importantes para a formação do repertório artístico bra­ sileiro beberam de fontes modernistas e antropofágicas - ainda que não seja possível declarar uma descendência direta. "Se falarmos em 'certa ligação', eu posso dizer que existe um filão que vai se desdobrando", afirma a professora do Departamento de Teoria Literária da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP) Maria Augusta Fonseca. Entre esses "primos distantes", eis alguns destaques:

“Ali vem a nossa comiôa pulando”

Fac-símile da capa da primeira edição da Revista de Antropofagia, criada por Oswald de Andrade em 1928

que lá não existia. Enquanto Picasso vai buscar [inspiração] nas máscaras africa­ nas - uma pesquisa com um dado de exotismo do europeu buscando o que é novo nós temos tudo isso [o diversi­ dade] aqui. Nós temos essa contradição, temos muitos tempos acontecendo no mesmo tempo.” Segundo a pesqui­ sadora, é isso que Tarsila trouxe para sua pintura, Oswald para a poesia Pau Brasil e Mário de Andrade captou em Macunaíma. Ou, como observa o crítico literário Antonio Cândido: “As terríveis ousadias de um Picasso, um Brancusi [Constantin Brancusi, escultor romeno], um Max Jacob [poeta, pintor, escritor e crítico judeu-francês], um Tristan Tzara, eram, no fundo, mais coerentes com a nossa herança cultural do que com a deles [dos europeus]". ■

No cinema - A aproximação entre o ci­ nema novo, movimento encabeçado pelo cineasta Glauber Rocha, e a antropofagia tem como melhor representante a adap­ tação para o cinema da obra Macunaíma, do modernista Mário de Andrade. 0 filme homônimo de Joaquim Pedro de Andrade, de 1969, reproduziu nas telas boa par­ te do espírito de diversidade que Mário imprimiu à saga do "herói sem nenhum caráter". A cena da feijoada é um dos exemplos.

Na música - 0 tro pica lis mo liderado por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Torquato Neto e pela banda Os Mutantes, no final da década de 60, explicita sua relação com as idéias de Oswald de Andrade em diversas letras. Uma das que mais en­ tregam o ouro é Geiéia Geral, de Gil e Torquato. A canção diz a certa altura: "A alegria é a prova dos nove", frase que está no Manifesto Antropófago.

Saiba mais: Antropofagia Oswaldiana - Um Receituário Estético e Científico (Editora AnnaBlume, 2004),

de Adriano Bitarães Netto Vanguarda Européia e Modernismo Brasileiro

(Editora Vozes, 2006), de Gilberto Mendonça Teles Literatura e Sociedade (Publifolha, 2000),

de Antonio Cândido Pau Brasil (Editora Globo, 2000),

de Oswald de Andrade

Teatro - Oswald de Andrade, além de escritor e "antropófago", era tam­ bém dramaturgo. Uma de suas peças que mais se fizeram conhecer foi 0 Rei da Vela, publicada em 1937 e levada ao palco (foto) do Teatro Oficina, de José Celso Martinez Corrêa, 30 anos depois.

revista e

21


Time de bambas Os escritores brasileiros presentes nos documentários de Fernando Sabino e David Neves

Carlos Drummond de Andrade (19021987) - Escritor mineiro tido como um dos maiores poetas do Brasil. Além de ser também um mestre nos contos e crônicas, Drummond foi funcionário público do Ministério da Educação, onde realizou as peripécias mostradas em 0 Fazendeiro do Ar. Bom exemplo de sua celebrada poesia é Claro Enig­ ma, de 1951 (Record, 2001).

Afonso Arinos de Melo Franco (19051990) - Intelectual, advogado e ex-

22

Erico Veríssimo (1905-1975) - Autor do livro Olhai os Lírios do Campo, de

parlamentar, o mineiro está no docu­

1938 (Companhia das Letras, 2005),

mentário 0 Escritor na Vida Pública.

o romancista gaúcho é pai do tam­

Afonso Arinos produziu algumas obras

bém escritor Luis Fernando Veríssi­

consideradas clássicas da historiogra­ fia brasileira, como 0 índio Brasileiro e a Revolução Francesa, de 1937 (Topbooks, 2000).

Veríssimo pai é filmado no convívio familiar.

revista e

mo. Em Um Contador de Histórias,


Série de documentários sobre grandes escritores brasileiros, realizada pelo cronista Fernando Sabino e o cineasta David Neves, mostra facetas inusitadas de gênios literários r difícil visualizar o poeta Carlos Drummond de Andrade, com todo o seu recato, brincando de esconde-esconde no prédio do Minis­ tério da Educação. Ou o escritor Erico Veríssimo fingindo ser um samurai que comete haraquiri, ritual suicida de guer­ reiros japoneses. Pois cenas como essas, retratando a intimidade de alguns dos maiores escritores brasileiros do século 20, foram capturadas e registradas em uma série de dez documentários produ­ zidos, entre 1973 e 1974, pela Bem Te Vi Filmes - produtora que o escritor Fer­ nando Sabino e o cineasta David Neves fundaram. Realizados em 35 milímetros

E

e com dez minutos de duração cada um, os curtas-metragens revelam facetas inusitadas do ser humano comum que residia nos expoentes da literatura bra­ sileira perfilados na série. Esses documentários, compilados em DVD com o título geral Encontro Marca­ do com o Cinema de Fernando Sabino e Da­ vid Neves - referência ao romance Encon­ tro Marcado, de 1956 - , lançado no ano passado pela gravadora Biscoito Fino, puderam ser vistos durante o mês de maio no Sesc Santo André, como parte do projeto Flora do Curta, que pretende criar uma atmosfera de cinema dentro da sala da internet livre. “A nossa idéia

João Cabral de Melo Neto (1920-1999) Jorge Amado (1912-2001) - 0 filmete Casa de Rio Vermelho mostra o cotidiano do autor do romance Gabríela, Cravo e Canela, de 1958 (Record, 1999), e sua

- Representante da segunda fase do modernismo brasileiro, o escritor per­ nambucano participou do filme 0 Cur­

so do Poeta, de Jorge Laclette, incor­ Fernando Sabino e David Neves. Cabral

João Guimarães Rosa (1908-1967) - Sua

residência em Salvador. Jorge Amado, que foi casado com a também escrito­

é autor do livro Morte e Vida Severína,

obra surpreende pela linguagem inovado­

ra Zélia Gattai, entrou para a Academia

de 1956 (Nova Fronteira, 2006), um

ra, recheada de regionalismos e neologis-

Brasileira de Letras (ABL) em 1961.

marco na poesia brasileira.

mos. Um exemplo disso é o romance Gran­ de Sertão: Veredas, de 1956 (Nova Fron­

porado à série de documentários de

teira, 2006). Médico e diplomata, o autor é considerado um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos. 0 docu­ mentário Veredas de Minas fala sobre os sertanejos, que se tornaram personagens de seus livros.

revista e

23


O escritor Fernando Sabino improvisando a batucada do jazz, imagem presente no documentário Encontro Marcado com Fernando Sabino

é fazer com que as pessoas que assistem aos curtas se habituem à linguagem cine­ matográfica e tomem gosto pelo cinema” , explica o técnico da unidade Rafael Spaca. A série homenageia, além de Drummond e Veríssimo, personalidades do mundo lite­ rário que vão dos romancistas Guimarães Rosa, Jorge Amado e José Américo de Al­ meida aos poetas Vinicius de Moraes, João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira. Completam o quadro das letras o memorialista Pedro Nava e o intelectual Afonso Arinos de Melo Franco (veja boxe Time de bambas). Do conjunto, dois filmes não foram produzidos pela dupla que organi­ zou o projeto. “ Como o Bandeira já havia morrido, e o filme que o Joaquim Pedro de Andrade fez sobre o poeta era muito bom, o David e o Sabino compraram-no e o incorporaram a essa série” , explica Mair Tavares, responsável pela montagem dos filmetes. Já o curta sobre João Cabral foi, de acordo com Tavares, feito por Jorge

Manuel Bandeira (1886-1968) - 0 poeta pernambucano, que também se desta­ cou na crônica, é um dos fundadores do modernismo brasileiro. Entre seus livros de poesia estão Libertinagem e Estrela da Manhã, respectivamente, de 1930 e 1936 (reunidos em uma única edição da Nova Fronteira, 2005). Ban­

José Américo de Almeida (1887-1980)

deira aparece em 0 Poeta do Castelo,

- Além de escritor, o paraibano foi

curta de estréia de Joaquim Pedro de

Pedro Nava (1903-1984) - 0 documen­ tário Em Tempo de Nava enfoca o mé­

governador de seu estado, senador e

Andrade, rodado em 1959, e incorpora­

dico, artista plástico e memorialista

também fundou a Universidade Fede­ ral da Paraíba. Autor do romance A

do à série de documentários de Sabino e Neves.

mineiro em sua casa e seu escritório. Nava é autor de Baú de Ossos, de

Bagaceira, de 1928 (José Olympio,

1972 (Ateliê, 2005), no qual narra

2002), José Américo teve sua ima­

sua infância.

gem registrada aos 87 anos em Ro­

mancista ao Norte.

24

revista e


Laclette. “ E esse foi o único que não montei” , afirma. O DVD traz também um documentário extra com depoimentos sobre Fernando Sabino, morto em 2004, dirigido pelo fi­ lho, Bernardo Sabino. “ Sempre quis fazer um registro sobre a vida do meu pai, pois ele foi muito cético quanto a fazer filmes sobre si mesmo. Então, filmei Encontro Marcado com Fernando Sabino", diz Ber­ nardo. O diretor relata que a proximida­ de do pai com os perfilados foi muito im­ portante para o resultado dos trabalhos. “ Foi fundamental o convívio de amizade do papai com esses grandes escritores, assim pôde tirar a intimidade deles que ninguém conseguiria tirar” , diz. As VÁRIAS FACETAS DE SABINO Fernando Tavares Sabino (1923-2004) nasceu na cidade de Belo Florizonte, Mi­ nas Gerais. Mais conhecido por escrever crônicas e romances, Sabino sempre foi

jornalista. No entanto, seu desejo era ser músico de jazz. Sonho que conseguiu re­ alizar como baterista do grupo Remblers Traditional Jazz Band, no qual tocou até 2002, dois anos antes de morrer. A es­ tréia no cinema ocorreu em 1971, com o documentário 0 Dia de Braga, sobre o amigo e também cronista Rubem Braga. “Acho que a inquietação dele era tão grande que precisava partir para outras artes, por causa da ansiedade de criar” , avalia Bernardo Sabino. “ Tanto é que ele foi músico. No caso dos filmes sobre os escritores, acho que é um pouco isso: ele conseguiu transformar sua rotina de tra­ balho no seu sonho de fazer cinema.” Essa busca de fusão de linguagens sempre esteve presente no trabalho de Sabino como cronista, em que fundia o traço poético à narrativa. E, segundo es­ pecialistas, isso também se deu nas obras cinematográficas. “ Ele apresentava uma prosa poética em vários momentos de

suas crônicas. E também encontro esse lirismo nos seus documentários, quando ele mostra os escritores ali, na vida cor­ riqueira, na companhia das pessoas que ama” , analisa a professora titular emérita de literatura brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Letícia Malard. Além do lirismo, a inovação é outra particularidade do cronista, que se de­ dicava a várias formas de expressão. É justamente disso que o dramaturgo Alcione Araújo fala no documentário Encontro Marcado com Fernando Sabino. “As pessoas eram mais exclusivas, mais especializadas. E ele foi rompendo com isso” , explica. Araújo vai mais fundo no perfil do documentarista que soube tão bem retratar os amigos, ao relacionar a personalidade literária de Sabino com sua postura cotidiana. “ Sabino não falava de literatura. Ele falava da vida, da impor­ tância da vida e da alegria de viver." ■

Mapa das letras Sesc Consolação realiza mapeamento da literatura com o projeto Cartograjia Literária

Vinirius de Moraes (1913-1980) - PoI

es/o, Música e Amor flagra o poetinha em Itapuã, Bahia, quando já estava no seu sétimo casamento. Poeta, cronis­ ta, compositor e diplomata, o carioca foi um dos grandes nomes da bossa nova. Entre seus livros está Para Viver um Grande Amor: Crônicas e Poemas, de

1962 (Companhia das Letras, 1991).

Quais são e onde se localizam as ações e experiências na produção poética e literária na cidade de São Paulo? Quem são as pessoas, ou grupos, que intervém em seus espaços e nas relações comunitárias tendo a literatura como proposta de transformação? Procu­ rando responder a essas perguntas, a unidade Sesc Consolação iniciou no mês de maio o projeto Cartografia Literária. A iniciativa visa a realizar uma espécie de mapeamento dessas experiências na capital, especialmente das manifestações espontâneas, que não dependem do poder público nem são presas a estruturas meramente lucrativas. 0 pro­ jeto nasceu por causa da observação do surgimento de coletivos literários na cidade, sem vínculos comerciais e que agregam gente que faz e que gosta de literatura , explica o técnico do Sesc Consolação Francis Manzoni, um dos organizadores do projeto. "A idéia é pensar a literatura como uma coisa fluida, que avança por todos os espaços e não é barrada por questões sociais e econômicas. Portanto, procuramos valorizar esses grupos e mostrar suas experiências a um público mais amplo." Com intermediação do jornalista Ivan Marques, representantes de três coletivos lite­ rários estiveram na unidade para um bate-papo com o público. Lá, contaram um pouco de sua história e do trabalho que fazem. Começou no dia 10, com os Poetas da Praça Roosevelt, que desde 2006 mantêm regularmente um evento de poesia para a comuni­ dade local, além de escritores e artistas de diversas partes da cidade. Dia 17, foi a vez da Cooperifa, que realiza saraus há seis anos em um bar do Jardim São Luís, Zona Sul da capital. Por fim, no dia 23, apresentou-se o grupo Poesia Maloqueirista, que desde 2002 tem como proposta a edição e venda de livretos na porta de espaços culturais, bares, feiras e praças. 0 projeto, que é bimestral, terá sua próxima edição em julho e contará com outros três coletivos literários ainda não definidos.

revista e

25


EMOÇAO NA MEDIDA CERTA

á imaginou sentir aquele frio na barriga por uma escalada sem se preocupar se vai despencar uma tempestade sobre sua cabeça? Ou percorrer uma agitada trilha de bicicleta com a emoção e a paisagem garantidas, mas afastando certas surpresas indesejá­ veis? Pois é, isso não só é possível como tem atraído cada vez mais pessoas de todas as idades. Os novos adeptos en­ contram numa versão mais light dos es­ portes de aventura as condições perfei­ tas para sentir os efeitos da adrenalina (veja quadro Adrenalina pura!) - mesmo não tendo um perfil muito habituado ao risco. Um dos principais argumentos dos que procuram essas atividades é sair da rotina. É o que conta a estudante Bruna Rodrigues, de 20 anos: “ Morar em uma cidade caótica como São Paulo me fez procurar alternativas para relaxar e en­

J

26

revista e

trar em contato com a natureza. Foi as­ sim que comecei a praticar essas ativida­ des". A jovem sempre conta com a com­ panhia dos pais nessas ocasiões. “ Eles ficam um tanto quanto inseguros, mas sempre disseram que esse tipo de ativi­ dade era importante para mim.” Bruna aconselha os iniciantes a começar fazen­ do pequenas trilhas a pé.“ Depois, com o tempo, a pessoa pode reunir um grupo de amigos para praticar junto com ela. Cada aventura dessas é uma experiência nova e marcante." N a terra , na água e ao ar livre

Liberdade e emoção. Essas são duas das características dos esportes de aventura que não se perderam com a adaptação a locais de maior controle como um parque em que as condições ofereçam baixo grau de risco.


Esportes de aventura adaptados a situações pouco adversas atraem número cada vez maior de interessados em uma dose de adrenalina

Seja em academias ou mesmo em parques de diversão - que têm aposta­ do em atrações do tipo para incremen­ tar a visita dos freqüentadores as opções se diversificam cada vez mais. E, para que o praticante tenha a sen­ sação mais real possível, às vezes até a tecnologia entra em cena. Um exem­ plo é o ciclismo indoor, uma espécie de passeio de bicicleta virtual. “ É exibido em um telão o trecho que será percor­ rido” , explica Caio Correia, instrutor de uma academia em São Paulo que ofere­ ce a modalidade. “ Os alunos pedalam de frente para essas imagens e passam pelas mesmas dificuldades que teriam se estivessem no lugar real.” As aulas possuem diferentes níveis. A intensida­ de com a qual o aluno tem de pedalar e até os terrenos que ele irá “ percorrer” variam de acordo com o nível escolhi­

do e com o programa estabelecido pelo professor. “ Por exemplo, se o coorde­ nador estabelecer como meta um nível que corresponda a um passeio na Serra do Mar, ele desenvolve uma planilha de treinamento com duração de dois a quatro meses” , conta Correia. “ Essa planilha é composta de um treinamento específico para que os alunos consigam fazer o passeio.” Não é só na terra que essas simula­ ções e adaptações são possíveis. O pro­ fessor de educação física Marcelo Lopes desde 2005 ministra aulas nas quais o grupo de alunos pode experimentar o que sentem os nadadores que percor­ rem o Canal da Mancha, trajeto de 34 quilômetros entre a cidade de Dover, na Inglaterra, e Calais, na França. Só que tudo dentro da piscina. “As pessoas que procuram essas aulas não estão interes­

sadas no lado competitivo dessas práti­ cas” , conta Lopes. “ O que elas querem, além de melhorar seu condicionamento físico, é a ludicidade de fazer algo que os grandes atletas fazem.” Tudo é feito respeitando-se os limites de cada aluno e, além dos benefícios à saúde, as aulas, segundo Lopes, preparam os pratican­ tes para situações reais adversas, como nadar contra o vento ou contra uma correnteza. Outra modalidade dos esportes de aventura que ganhou versão controlada foi a escalada. Com o nome de escala­ da indoor - “ interior” em inglês, mas que na verdade refere-se mais ao fato de não ser feita em contato com a na­ tureza, em montanhas, por exemplo -, a prática é realizada em paredões cons­ truídos em locais abertos ou fechados, r.p ra lm p n f-p p n c o n lr a r ln p m academias


ou clubes especializados, esse tipo de escalada tem como uma de suas carac­ terísticas a capacidade de ser adaptada a todo tipo de pessoa. Por exemplo, enquanto o aspirante a aventureiro es­ cala, uma outra pessoa fica lá embaixo segurando a corda e mantendo-a esti­ cada - ou seja, quem cansa no meio do caminho tem a garantia de que não irá simplesmente despencar lá de cima. A modalidade é ótima opção tanto para quem quer se iniciar no mundo dos “ homens-aranha” quanto para quem só está a fim de experimentar um pouco o que esses atletas sentem nas alturas. Vale ressaltar que não é necessário encarar o ambiente de uma academia para encontrar versões adaptadas dos esportes de aventura ou condições mais controladas para praticá-los. Muitos lu­ gares - abertos e públicos - já ofere­ cem oportunidade para qualquer um brincar de aventureiro com segurança. Como as trilhas a pé, que podem ser feitas no Parque Guarapiranga, na Zona Sul de São Paulo. O local é constituído basicamente por um bosque situado às margens da Represa de Guarapiranga e dá aquela sensação de natureza, mes­ mo se estando a poucos quilômetros da capital. O Parque dajuventude, Zona Norte de São Paulo, é outro exemplo. Lá a pedida é o arborismo, circuito de obs­ táculos entre plataformas montadas nas copas das árvores. A atividade é realiza­ da numa área de 16 mil metros quadra­ dos, em um bosque que preserva ainda algumas espécies remanescentes de mata atlântica. Monitores especializa­ dos em atividades de turismo de aven­ tura acompanham os visitantes desde o solo até o alto das copas das árvores. A prática é voltada para adultos e crianças acima de 12 anos. B

Serviço: Parque da Juventude - Avenida Zachi Narchi, 1.309. Para informações sobre o arborismo e demais atividades do parque, o telefone é 6251-2706 Parque Guarapiranga - Estrada de Guarapiranga, 575, Jurubatuba. 0 telefone é 5514-6332

28

revista e

"Passeio Esporte Clube" Unidades do Sesc oferecem atgumas modalidades para quem busca emoção, mas não abre mão da segurança Das atividades ligadas ao esporte de aventura - em sua versão light - oferecidas pela programação de todas as unidades do Sesc, duas permanentes do Sesc Ipiranga já encontraram lugar cativo na agenda dos interessados nesse tipo de prática: o Clube da Caminhada e o Clube do Pedal. Criado em 1993, o Clube da Caminhada reúne grupos de pessoas de diversas idades para percursos dentro e fora da cidade de São Paulo. Entre os locais visitados, estão o Parque Nacional da Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro; os Picos do Chapéu do Bispo, dos Marins e do Lobo, todos em Minas Gerais; e a Garganta do Gigante e a Trilha do Jaguareguava, em São Paulo. Para quem prefere as bikes, o Clube do Pedal, criado em 1997, também ofe­ rece diversos destinos voltados para o lazer e a aventura. Os percursos são os mais variados, sempre divididos em nível leve, médio e intenso. A Trilha do Cuscuzeiro, na cidade de Analândia, interior de São Paulo, e a Trilha NkakuJi, em Itapecerica da Serra, estão en­ tre os roteiros oferecidos. Confira no Em Cartaz as próximas atividades dos clubes e as demais atividades das uni­ dades ligadas ao tema.


Adrenalina pura! Pineal

Muito falado, mas pouco explicado, esse hormônio deixa o corpo em ponto de bala Secretada pelas glândulas supra-renais, localiza­ das acima dos rins, a adrenalina é uma espécie de resposta do organismo a uma situação de estresse, tanto físico quanto psicológico. Nesses momentos, as supra-renais liberam quantidades abundantes desse hormônio, deixando todo o corpo em estado de aler­ ta, preparado para uma reação, uma fuga, por exem­ plo. Ela estimula o coração, eleva a tensão arterial, relaxa certos músculos e contrai outros. Quando é lançada na corrente sanguínea, aumenta a freqüên­ cia dos batimentos cardíacos e o volume de sangue por batimento, além de elevar o nível de açúcar no sangue, diminuir o fluxo sanguíneo nos vasos e no sistema intestinal. Ao mesmo tempo, aumenta esse mesmo fluxo nos músculos das pernas e dos braços. Ou seja, é responsável por uma verdadeira revolução interna. "No caso dos esportes de aventura, a adre­ nalina está ligada diretamente ao medo", explica a psicóloga Fabiana Benetti, referindo-se àquele frio na barriga que sentimos ao praticar algumas dessas peri­ pécias - ainda que em suas versões menos radicais.

Pituitaria

m

Tiróide

Estomago Adrenal Pancreas


^/Divulgação

iíh/í niciativa do Sesc São Paulo, o canal SescTV - gerido exclusivamente pela instituição há um ano - apresenta uma programação que tem como tônica a valorização da diversidade cultural do Brasil e do mundo. E cultura, nesse caso, deve ser entendida em seu significado mais amplo: desde programas voltados para a educação infantil até os para a ter­ ceira idade, passando por meio ambien­ te, ciência, saúde, atividades físicas, qua­ lidade de vida e artes. Embora o canal, no ar 24 horas por dia, opte por uma grade formada por mais de 90% de produções nacionais, a programação não deixa de lado o que de melhor é feito para a tele­ visão mundo afora em suas áreas de inte­ resse. Um bom exemplo é a série de 47 documentários que começaram a ser exi­ bidos em maio, todas as quintas-feiras, às 22 horas, em um programa que recebeu aqui o nome de Visões d’Arte. A faixa apre­ sentará produções sobre os mais diver­ sos temas, como cinema, literatura, artes plásticas, história, alimentação e terceira idade, realizados pelo canal cultural franco-germânico Arte - sigla de Association Relative à La Telévision Européenne (Associação Relativa à Televisão Européia, em tradução livre). Criado em 1986 pe­ los governos da França e da Alemanha, o canal é considerado um dos mais impor­ tantes na área da produção cultural para

I

30

revista e

mmc

televisão, e estabeleceu parcerias com produtores e emissoras em todo o mun­ do. “ Em atenção aos critérios de diversi­ dade e multiplicidade de pontos de vista, o SescTV propõe compor parte de sua programação de 2007 com conteúdos de emissoras culturais de todo o mundo, realizando intercâmbios ou aquisições” , esclarece Valter Vicente Sales Filho, ge­ rente do SescTV. A PRIMEIRA LEVA Os documentários exibidos em maio já deram uma idéia do que o telespec­ tador do SescTV pode esperar. Versailles, os Jardins do Poder, de Jean- Paul Fargier, abriu a série. Baseado em manuscritos do rei da França Luís XIV (1638-1715), que mandou construir o suntuoso palá­ cio de 700 quartos, 2 mil janelas e 1.250

lareiras, residência da corte francesa até o fim da monarquia no país, em 1799, o filme trata de seus fabulosos jardins. Concebido pelo paisagista André le Nôtre - tido como o mais brilhante de seu tem­ po - , o imenso campo é mostrado como um símbolo de poder, sobretudo do rei­ nado de Luís XIV, conhecido como o Rei Sol, expoente entre os monarcas absolutistas da França. Já em Assis, Por Volta de 1315, o diretor Jacques Deschamps enfoca o ano crucial para a Itália da Idade Média, revelando dados históricos, como o início de uma reavaliação dos valores da sociedade italiana medieval, a criação da Escola Italiana de Artes e o salto no desenvolvimento político e econômico do país. Paris, 1824, também de Deschamps, dedica-se ao mesmo propósito de lançar

0 que vem por aí Culinária e ciência no Visões d'Arte de junho A série Os Alquimistas da Gastronomia é composta de três documentários que serão exibidos dentro do Visões d'Arte neste mês. Respectivamente nos dias 7, 14 e 21, o francês Pierre Gagnaire, o espanhol Ferran Adrià e o inglês Heston Blumenthal - três renomados chejs da cozinha européia - irão mostrar como aproximam a culinária da ciência. Por meio de pesquisas que ultrapassam a escolha de alimentos ou a mistura de sabores, os chejs europeus preocupam-se com as interações dos pratos com os mecanismos de paladar e prazer do cérebro humano.


Destaque no SescTV, série de documentários produzida por canal europeu é um tributo a temas como artes plásticas, história e alimentação Acima, cena do documentário sobre o pintor francês Paul Gauguin a ser exibido no programa Visões cTArte, no SescTV; na página ao lado, na abertura, imagem de Paris, 1824 e de Bruges, 1434, exibidos em maio

luz sobre um ano importante na história da Europa. 0 documentário recria a at­ mosfera de uma época na qual os primei­ ros experimentos em fotografia começa­ vam a mexer com as bases das artes e in­ fluenciavam até a política. O ano de 1824 é visto como o prenuncio do espírito de renovação que marcaria o século seguin­ te. Como um dos marcos temporais, foi revisitado o famoso Salão de 1824, que originou um embate nas artes plásticas européias. Um ano de grandes mudanças tam­ bém foi o tema escolhido por Jean LoYc Portron em Bruges, 1434. O filme mostra a importância da cidade belga que lhe dá o título, no século 15, quando era um grande centro econômico, político, artís­ tico e intelectual da Europa. Foi lá que o pintor Jan van Eyck aperfeiçoou a pin­ tura a óleo. Lendas dão conta de que teria sido o belga Van Eyck o inventor da técnica dessa pintura, versão que, a despeito de sua veracidade ou não, contribui para aumentar a mística em torno da cidade. ■

Serviço: 0 SescTV pode ser sintonizado pelos canais 211 da DirectTV, 3 da Sky, 10 da TecSat e 92 da NET Digital. Para mais informações, consulte o site www.sesctv.org.br.

Acima, imagens dos programas que já foram ao ar dentro do projeto de teledramaturgia do SescTV e daTV Cultura. No sentido horário: O Vento nas Janelas; Os Cegos, Hoje Sou Um; Amanhã Outro eVestígios

Novidade no ar Projeto de teledramaturgia areja as noites de sábado na TV 0 projeto Direções - Por Um Novo Caminho na Teledramaturgia, resultado de uma parceria entre o SescTV e a TV Cultura, convidou 16 diretores de teatro para realizarem experimentos de dramaturgia na TV, buscando - como o título denun­ cia - não só resgatar um formato muito empregado pela televisão, mas também abrir os horizontes no campo viciado da telinha. A série exibe os programas aos sábados, às 23 horas, sem intervalos e antecedidos de um making o f mostrando bastidores e curiosidades de cada espetáculo. 0 primeiro a apresentar seu trabalho foi Rodolfo Garcia Vázquez, da Companhia de Teatro Os Satyros, responsável por 0 Vento nas Janelas, que foi ao ar no dia 12 de maio, inaugurando o horário. Na semana seguinte, foi a vez de Samir Yazbek com seu Vestígios; em seguida veio a diretora e atriz Georgette Fadei, adaptando especialmente para o programa Hoje Sou Um; e Amanhã Outro, obra do dramaturgo brasileiro José Joaquim de Campos Leão, conhecido como Qorpo Santo, precursor do teatro do absurdo no século 19. Em junho, no dia 2, o quarto programa da série traz Os Cegos, texto dos dramatur­ gos belgas Michel de Ghelderode e Maurice Maeterlinck, com adaptação e direção de Maria Thaís. 0 projeto tem coordenação artística de Antunes Filho.

revista e

31


LITERATURA!

RELEITURAS DO MITO i i /y África do Sul e o Brasil têm muito

“1A1 II

1 em comum, notadamente o orgul lho de suas tradições de resistên­ cia à opressão, uma longa luta contra o colonialismo e o compromisso com a demo­ cracia.” Esse é um trecho da carta enviada pelo ex-presidente da África do Sul e Prêmio Nobel da Paz, Nelson Mandela, aos organi­ zadores do lançamento do livro Mandela: Retrato Autorizado (Editora Alies Trade, 2007), realizado no Sesc Pinheiros, em 28 de março. A ocasião contou com a presen­ ça do escritor, amigo pessoal de Mandela e organizador da obra, Mac Maharaj, que ministrou a palestra O Homem e o Mito, na qual tratou de temas relacionados a seu envolvimento como parceiro de Man­ dela e aos processos de liberdade e luta na África do Sul. Maharaj fo i fundador do partido do ex-presidente sul-africano e desempenhou papel fundamental no Mo­ vimento Anti-Apartheid - que pôs fim ao regime político que institucionalizava a discriminação racial no país e que vigorou de 1948 a 1990. Companheiro de prisão de Mandela durante seus 27 anos de cár­ cere, o autor ocupou também o cargo de ministro dos Transportes na presidência do colega de luta, gestão que durou de 1994 a 1999. A seguir, trechos da palestra do escritor, apresentada pela professora titu­ lar do Departamento de História da Facul­ dade de Filosofia, Letras e Ciências Huma­ nas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP) Leila Leite Hernandez.

C o m plexidad e h u m a n a

O livro contém relatos baseados em entrevistas com 60 pessoas ao redor do mundo. Esses relatos vêm de gen­ te com todo tipo de vida, e nos dão a oportunidade de ver Mandela não só do jeito como o entendemos individu­ almente, mas sim como 60 outras pes­ soas o interpretam. E cada uma delas vê Mandela de uma maneira diferente. Talvez haja um senso comum, mas cada um traz um entendimento especial de Mandela para nós. O segundo aspecto do livro é que, quando você lê as en­ trevistas, percebe que, enquanto cada um traz esse entendimento especial, também pega algo para si por meio da interação com Mandela. Isso me per­ mite entender que mesmo achando que conhecia o homem, eu ainda pos­ so ficar perplexo com a personalidade humana [de Mandela], e particularmente pela natureza do ícone. Se pegarmos um ícone e o reduzirmos a uma única dimensão, roubaremos dessa pessoa a imensidão da complexidade humana. Pois ninguém tem só uma faceta. E, no caso de Mandela, ele é como um dia­ mante multifacetado: as cores que você vê na pedra dependem de como você o ajusta na luz. M it o e realidade

Com todo o trabalho desse livro [Mandela: Retrato Autorizado - Editora

Alies Trade, 2007], comecei a perceber que vivemos em um mundo onde cria­ mos ícones. O ícone se torna, então, uma inspiração para cada um de nós, e isso imediatamente levanta uma ques­ tão. Um homem como Mandela pode significar muitas coisas, tantas facetas distintas para diferentes pessoas. Assim sendo, o que é verdade sobre esse ho­ mem? O que é real e o que é puramente um mito? Sidney Poitier, um ator afroamericano, disse em sua entrevista: “ Quando um indivíduo, com toda a sua grandeza, põe sua vida em risco, deixanos com um pouco mais de coragem, de discernimento e de determinação” . Já o ex-presidente norte-americano Bill Clinton afirmou: “ Toda vez que Nelson Mandela entra em um local, todos nós

"Na Africa, por nossa experiência comum de colonialismo, abraçamo-nos uns aos outros. Em alguns casos apenas vemos as diferenças, em outros as vemos e nos amamos muito mais" 32

revista e


Em visita ao Brasil para o lançamento de um livro de relatos sobre o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, o escritor Mac Maharaj fala de racismo e liberdade

Editoria de Arte

nos sentimos um pouco maiores, que­ remos nos levantar, queremos comemo­ rar porque gostaríamos de ser como ele nos nossos melhores dias” . O que me as­ susta nessas duas percepções é que elas nos permitem sentir que tanto Sidney Poitier quanto Bill Clinton estão muito conectados a Mandela, há uma forte re­ lação de amizade e proximidade entre eles. E o que quero mostrar com esses exemplos é que eu também conspiro para a criação do mito Nelson Mandela. Porque eles [Poitier e Clinton] percebem o que é real em Mandela, mas gostam de criar um mito dessa realidade, algo que sirva de inspiração para eles e para todos nós. L aços sociais fra giuza dos

Um exemplo para entender algumas das coisas que acontecem na África, que teve seu sistema social destruí­ do também pelo tráfico de escravos, é imaginar alguém sem mais contato com sua pátria, mas tentando manter sua cultura em um ambiente artificial.

E como retirar um grupo de pessoas de São Paulo e colocá-lo na Lua, dan­ do a essas pessoas todas as facilidades para viver lá, mas visitando-as a cada 100 anos. O que você encontrará serão indivíduos falando o português de que eles se lembram, mas que você não entenderá, mesmo você e eles sendo brasileiros. Na África, por nossa experiência co­ mum de colonialismo, abraçamo-nos uns aos outros. Em alguns casos, ape­ nas vemos as diferenças, em outros as vemos e nos amamos muito mais - nós apreciamos, por exemplo, a culinária uns dos outros, mesmo sendo diferen­ tes. Em relação à transição ocorrida na África do Sul, digo que se ela tivesse ocorrido dois anos antes, estaríamos bem melhor. Pois como essa sociedade estava entrando em colapso, a demo­ ra da transição levou nossas mentes a um estrago maior. Nós tivemos de fa­ zer concessões, mas penso que, com os avanços que obtivemos, atingimos a democracia. Firmamos certos compro­ missos, como perm itir que toda a buro­ cracia se mantivesse no poder por cinco anos. Isso foi ruim? Tudo que sei é que a África do Sul, hoje em dia, é mil vezes melhor para todos nós, não só para os negros oprimidos, mas também para os brancos. Talvez alguns de nós não per­ cebam quanto a vida é melhor nos dias de hoje. Isso porque nosso povo gosta de reclamar.

desenvolveu foram extremamente úteis para o entendimento da sociedade. Mas dou um simples exemplo: se eu fosse um carpinteiro que viveu em 1900, na minha caixa de ferramentas teria um martelo, um instrumento para retirar pregos e uma chave de fenda. Se fosse carpinteiro nos dias de hoje, ainda teria o martelo, o instrumento para retirar pregos e a chave de fenda, mas também teria diferentes versões da chave de fen­ da. O que estou tentando dizer é que as ferramentas que você usa para analisar a sociedade nunca serão um kit comple­ to. O que um carpinteiro carregava em sua caixa de ferramentas em 1900 per­ mitiu-lhe fazer bons móveis. Mas hoje precisamos de mais instrumentos. ■

M a rxism o

Perguntam-me sobre as influências do marxismo, não há dúvida de que as ferramentas analíticas que o marxismo

O escritor Mac Maharaj, que ministrou a palestra O Homem e o Mito, realizado no Sesc Pinheiros em março

revista e

33


ESPORTE COMO FENÔMENO SOCIAL por Katia Rubio , A ntes de chegar à psicologia do esZ - l porte, ciência que analisa o aspecto

1 R social da prática esportiva, a profes­ sora da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (USP) Katia Ruhio passou pela educação física, pelo jornalismo e pela publicidade. “Depois da propaganda, parei tudo ef iii fazer psicolo­ gia”, disse no encontro que teve, em abril, com o Conselho Editorial da Revista E. “Dentro dessa área derivei para o espor­ te, que exerceu um papel fundamental na minha vida. Quer dizer, a minha relação com essa área, além de ser profissional, é quase visceral." Atualmente, Katia Rubio estuda o fenômeno esportivo no mundo contemporâneo. Concentra-se nos fatores por trás da realização de grandes eventos esportivos, como os Jogos Pan-Americanos e os Jogos Olímpicos, investigando qual o papel do esporte na afirmação da cultura dos países que recebem essas competições. Durante o bate-papo, a convidada da seção Encontros desta ediçãofalou ainda sobre o esporte nas sociedades pós-Segunda Guerra Mundial, da ascensão social que ele pode propiciar e do uso de doping para aumen­ tar o rendimento em diversas modalidades. A seguir, trechos. G uerra e esporte

O esporte ocupou um lugar de des­ taque na sociedade do século 20, prin­ cipalmente ao servir como metáfora dos campos de batalha. Após viver duas grandes guerras mundiais, o mundo se encontra exaurido pelas batalhas e con­ flitos. A população civil e mesmo a mili­ tar não queria mais ver tanta morte por causa de uma diplomacia ineficiente. E,

34

revista e

logo após a Segunda Guerra, era criado o cenário da guerra fria, no qual dois blocos [o socialista, liderado pela anti­ ga União Soviética, e o capitalista, cujo expoente eram os Estados Unidos] dispu­ tavam a hegemonia do mundo. Nesse contexto histórico, a guerra declarada foi transferida para o cenário esporti­ vo. Ou seja, não era mais preciso ir a campo para lutar e matar. O confron­ to se transferiu para a piscina, para as quadras ou para as pistas. Podemos observar, então, a criação de um espa­ ço privilegiado para o confronto entre esses dois blocos nos quais se dividiu o mundo da década de 50 em diante, tendo a prática esportiva como referên­ cia. Tanto no bloco socialista quanto no capitalista o atleta buscava conquistar um espaço singular - mesmo antes do período de profissionalização pelo qual o esporte passou a partir da década de 80. O atleta era aquele que ia para uma competição e, quando vencia, conquis­ tava mais do que uma vitória para si, era principalmente para seu país diante do oponente - e isso valia tanto para a União Soviética quanto para os Estados Unidos. Assim, criou-se o imaginário esportivo contemporâneo, ou seja, o esporte ganhou espaço na sociedade, tornando-se um campo de projeção das dinâmicas sociais. A scensão social

No mundo contemporâneo, o espor­ te é uma das poucas oportunidades que o indivíduo tem de ascensão social. O sujeito sem condições de pagar as me­ lhores escolas, sem acesso à melhor

universidade, mas com físico privilegia­ do e nível de habilidade fora da média, consegue furar essa lógica, construída socialmente, de que o espaço social é daquele que pôde construí-lo. Temos aí o Joaquim Cruz |campeão olímpico dos 800 metros nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, medalha de prata na mesma prova nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, e duas vezes campeão panamericano, em Indianápolis, em 1987, e em Mar dei Plata, em 1995\. Ele é filho de um candango que saiu do Piauí para construir Brasília e fazia parte do que hoje chamamos de sem-teto. Temos o Robson Caetano [entre outras conquistas, medalha de bronze nos 200 metros nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, campeão pan-americano dos 100 e dos 200 metros em Havana, em 7997], que foi flanelinha e sentiu na própria família a força do tráfico no Rio de Janeiro. Exemplos de nomes que pegaram carona no esporte e fugiram da profecia auto-realizadora da exclusão. E, dependendo da estrutu­ ra que o atleta tiver - o que chamamos de psicodinâmica - , a carreira esporti­ va poderá ser vivida de forma plena ou não. Ou seja, esse atleta faz um resulta­ do, mas sua carreira independe apenas


A professora da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (USP) Katia Rubio esteve presente na reunião do Conselho Editorial da Revista E em 18 de abril de 2007

dessa marca. Há uma série de outros fatores que farão esse atleta ser longevo ou não. Por exemplo, vemos um sujeito que bate um recorde e, de re­ pente, some, ninguém nunca mais fala dele. Onde ele foi parar? Resta então a questão: o que faz um atleta disputar cinco edições dejogos Olímpicos ou ter apenas um resultado? D opinc

Certa vez conversava com uma cole­ ga que trabalha com uma modalidade específica e perguntei sobre um atle­ ta que havia surgido do nada em uma edição dos Jogos Olímpicos e que se tornou a bola da vez aqui no Brasil [os nomes não puderam ser revelados]. Passado algum tempo, esse atleta su­ miu. Perguntei o que havia acontecido com ele - afinal, eu sabia que ele tinha ido treinar fora do Brasil etc. Essa co­ lega me respondeu que ele havia sido

“fabricado” , ou seja, chegou ao resul­ tado usando doping. De fato, ninguém surge do além, do nada. Os resultados são construídos em um processo de treinamento. Quando essa lógica é quebrada, ainda mais no mundo con­ temporâneo, onde o acesso a drogas é m uito fácil, logo se percebe. Todos acompanham as marcas de todos. Alguém fabricado em laboratório des­ ponta do nada, em dois anos conse­ gue a vaga olímpica, vai treinar fora do Brasil e depois some. Isso é mais que um mistério. Para a psicologia do esporte, lidar com a questão do doping é um grande dilema. T erritório m ental

Para o atleta ser olímpico, ele depen­ de de uma série de coisas. O Alexander Popov, que foi um dos grandes nadado­ res do mundo, declarou a uma revista brasileira que 50% de seu treinamento

era feito dentro da piscina e o restan­ te no campo mental. E que o Gustavo Borges era uma pessoa que tinha mais chances do que ele, mas só não o batia porque fazia treinamento apenas na pis­ cina. Ou seja, todo mundo tem acesso às técnicas, aos projetos de treinamen­ to. E, com a internet, você acompanha as provas do mundo inteiro em tempo real. 0 que faz a diferença é a busca do que o outro ainda não está fazendo. Aí chegamos ao território mental, onde há muito que descobrir. Então, esse su­ je ito que começa a despontar para um resultado não o faz de um dia para o outro, ele acumula vitórias parciais até chegar a uma prova nacional ou inter­ nacional. Mas, até chegar a esse ponto, ele já apareceu em outros lugares. Ou seja, dependendo de como o atleta lida com o desejo de sucesso, ele se cons­ trói para ser um grande atleta ou para fazer um único grande resultado. ■

"Todo mundo tem acesso às técnicas, aos projetos de treinamento. 0 que faz a diferença é a busca do que o outro ainda não está fazendo. Aí chegamos ao território mental, onde há muito que descobrir" revista e

35


EM PAUTA

36

revista e


FALTA DE EDUCAÇÃO A baixa qualidade da escola pública brasileira há muito tempo tem sido alvo de questionamentos por parte de diversos setores da so­ ciedade. Um bom indício do problema é o último resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), de 2006, no qual se constatou que os colégios estaduais da cidade de São Paulo - 621 estabelecimentos - obtiveram uma nota média de acertos abaixo de 50 pontos. Em artigos exclusivos, a doutora em educação e coordenadora do Núcleo de Educação da Fundação Padre Anchieta, Guiomar Namo de Mello, e o professor doutor em educação e chefe do departamento de Filosofia da Educação e Ciências da Educação da Universidade de São Paulo (USP), Leandro de Lajonquière, analisam o que pode ser feito para mudar esse quadro.

0 fracasso de hoje: a escola que faz falta p o r Leondro de Lajonquière

A educação escolar é objeto de avaliações diversas. A mídia veicula com regularidade dados - bem como promove o debate - sobre as razões de seus parcos re­ sultados e as possíveis melhorias. A primeira vista, o dito quadro de calamidade des­ creveria a situação do ensino público por oposição ao particular, presente de forma ostensiva em nosso país. Porém, não é bem assim. O sistema particular não é tão performático como suposto. Isso é digno de nota, uma vez que temos o vício de achar que [o ensino particular] está fora de qualquer suspeita. Por exemplo, nos vesti­ bulares das universidades públicas (supostos crivos in­ telectuais), os aprovados procedentes do ensino médio particular não são maioria absoluta como se imagina. Por outro lado, a média dos “ serviços educacionais” oferecidos pelas escolas particulares eqüivale à escola­ ridade padrão do sistema público de ensino de outros países. Por que haver entre nós uma escola paga a ofe­ recer aquilo que alhures é “grátis” ?

Pouco importa se essa avaliação é mais científica que aquela outra - a polêmica sobre os pormenores da ava­ liação ocupa, infelizmente, não poucos espíritos. Em suma, diferença a mais, diferença a menos, rede pública de ensino, escola particular, eis o fato: em se tratando de uma das dez primeiras economias do mun­ do, deveríamos ter uma escola mais “ robusta". Por que não é assim? Tanto esta pergunta como a anterior di­ zem respeito a aspectos de uma mesma questão. Desde que cheguei ao Brasil, escuto que antigamente a escola no país funcionava melhor. Ela era quase toda pública, apesar de poucos entrarem. Os que conseguiam passar por ela viam suas existências serem de fato trans­ formadas. Isso foi verdade até para os contados filhos de escravos que, graças a um encontro fértil de circunstân­ cias, conseguiam por vezes atravessar a soleira da escola. Esse relato não me surpreendeu. Descendente de imigrantes pobres chegados à Argentina na dobra dos séculos 19 e 20, sempre soube que meus avós também

revista e

37


viram suas existências serem transformadas pela esco­ la. Porém, se transladássemos para os dias atuais essas crianças e famílias humildes de antanho, elas seriam, em nosso país, consideradas totalmente reativas à vida escolar. Das crianças herdeiras de famílias similares afirma-se hoje serem carentes de estímulos, afetos e iniciativa, faltar-lhes vontade, disciplina e estrutura para aprender. A essa opinião, quase hegemônica por muitas décadas, somou-se outra nos últimos 20 anos: a culpa é da escola que não está adaptada à forma de ser dessas crianças e suas famílias. Nesse sentido, o fracasso de nossa escola - em trans­ formar a imensa maioria de nossas crianças em jovens quase adultos, cidadãos instruídos, letrados e versados com soltura em alguma coisa - é pensando como sendo fruto de uma falta de adequação ou proporção entre, por um lado, a forma de ser tanto das crianças “ defi­ citárias ou fracassadas” e, por outro, a mesmíssima escola. Assim, pensa-se que a educação escolar é uma

38

revista e

questão de métodos de ensino. Eis aí a polêmica recor­ rente que motiva, a cada avaliação, a busca por novos “ajustes” ou “ adequações” da escola à dita realidade fa­ miliar, regional, sociológica, espiritual e/ou psicológica etc. das crianças. Das últimas grandes novidades da burocracia peda­ gógica, cabe citar a progressão continuada. A ilusão fundamental de semelhante iniciativa é que a escola deve acompanhar “ com naturalidade" o desenvolvimen­ to “ natural” da espiritualidade infantil. O erro está em não reconhecer que toda essa pretensa naturalidade não passa de uma miragem. Desenvolvi essa polêmica na tese Infância e Ilusão (Psico)Pedagógica (Vozes, 1999). Quanto mais “ ajustamos” a escola, mais se afasta de nós a suposta realidade da criança, bem como damos nossa contribuição para que ela perca um pouco mais daquilo que, tempos atrás, a fazia funcionar para ricos, hum il­ des, negros, brancos, amarelos, católicos e não tanto, patrícios, nativos e recém-chegados, todos ávidos em virar cidadãos de uma nação.


"No Brasil, a universalização do acesso à escola deslanchou há mais ou menos quatro décadas. Mas ela é simultânea à expansão do ensino pago. Criou-se uma escola para os filhos daquelas famílias que tinham ido àquela escola pública - agora feita saudade - (...)" A questão não é “ progressão sim ou não” , ou o méto­ do X versus o Y (Educar: Uma Questão Metodológica? Ana Carolina C. S. de Camargo, Vozes, 2006). A questão é que a sutil equação que possibilita a educação se ressente quan­ do os adultos se apresentam às crianças como tributários de um espírito antiescolar. Apesar de pretendermos mas­ carar certas coisas, as crianças sacam do que se trata nas entrelinhas do que dizemos ou deixamos de dizer. Alguma coisa as crianças de outrora devem ter escu­ tado sem ouvir dos adultos e isso fez que elas se lan­ çassem ao trabalho escolar, embora a escola na qual tinham entrado fosse - como sempre - inadequada e desajustada da corriqueira realidade. A criança não pode, em princípio, não aprender aqui­ lo que é ensinado, mostrado pelo mundo adulto. Toda criança é a priori lançada ao laço social e nele faz ques­ tão de entrar e participar. Não compartilho a idéia de que as crianças não aprendem nas escolas por ser “ fra­ cas” ou herdeiras de “ famílias desestruturadas” . Nesse sentido, até a patologia psíquica na infância poderia ser pensada como um tipo de curto-circuito na forma de as crianças participarem do mundo adulto. Uma criança aprende algo e, assim, ela é apreendida pelo mundo, à medida que acredita, ou coloca crédi­ tos, na seguinte mensagem: “ Embora não seja ruim ser como eu sou, vale a pena lançar-me a ser diferente” . A razão dessa frase vale tanto para o bebê que começa a balbuciar quanto para a criança ou o adulto ainda não escolarizado ao lançar-se no aprendizado dos números ou das letras. Essa mensagem metatransmitida nas entrelinhas do mundo indica, por um lado, que todo aprender implica uma cota de transformação da existência e, por outro, no reconhecimento de uma diferença, por sua vez, valoriza­ da. Assim, Pedrinho lança-se ao saber sobre aquilo que o outro sabe, porque alguma coisa da fala desse outro lhe “ diz” valer a pena correr o risco de renunciar a sua forma de ser para, com o tempo e graças ao próprio esforço, devir um outro - um alguém próximo daquele que ensina e aparece como um embaixador do mundo dos grandes. Contudo, semelhante empresa nem é fácil nem está ga­ nha de antemão. Toda vez que alguém escuta essa mensagem - mesmo sem ouvi-la de fato - lança-se a aprender, isto é, lança-se

ao trabalho com empenho e com a esperança estampada no rosto, embora um pouco aflito por saber que pode perecer na travessia, caso venha a ficar distraído. Costuma-se pensar que há uma relação linear e ime­ diata entre a riqueza de um país e escolarização de seu povo. Se assim fosse, somos uma exceção? Mas não é as­ sim hoje e tampouco o foi, por exemplo, nos tempos da crescente industrialização européia do século 19, como bem lembrou Carlota Botto em seu texto A Moderna Escola do Estado-Nação (Revista Mackenzie, n. 1, 2001). A robustez da escolarização é função de alguma outra coisa. No Brasil, a universalização do acesso à escola des­ lanchou há mais ou menos quatro décadas. Mas ela é simultânea à expansão do ensino pago. Criou-se uma escola para os filhos daquelas famílias que tinham ido àquela escola pública - agora feita saudade - e outra para a imensa maioria da população, filha daquela que antanho queria entrar na escola, agora já desaparecida. Parece que não se queria que a escola laica, gratuita e obrigatória fosse para todos, para dessa forma transfor­ mar nossas crianças em cidadãos de uma nação. As crianças logo escutaram o metatransmitido pelo mundo dos adultos: “ Não é necessário empenhar-se, pois escola alguma tem algo de m uito valor a ofere­ cer” . As experiências de satisfação que hoje uma escola pode propiciar pouco valem perante os orgasmos exis­ tenciais propiciados pela TV ou pelas notícias sobre o consumo dos famosos graças a quaisquer circunstân­ cias. O diploma deixou de ser uma chave abridora de futuros. Se ele é ganho, vale quase nada, enquanto aqueles que valem bem podem ser comprados e, por­ tanto, perdem seu valor. O sonho difuso de um futuro diferente se esfumou. Ambas as escolas só deslocam a mesmice no tempo. Assim, a sombra do objeto amado perdido - a esco­ la que funcionava - passou a recair sobre o processo de escolarização, retirando dela a robustez de outrora. Estamos então condenados? Não. Basta remontarmos à descida melancólica recuperando os cacos da equação e tecer os sonhos de uma nação para todos. L eandro de Lajonquière é professor doutor em educação e chefe DO DEPARTAMENTO DE FlLOSOFIA DA EDUCAÇÃO E ClÊNClAS DA EDUCAÇÃO da Universidade de

São Paulo (USP)

revista e

39


EM PAUTA

Escola pública de educação básica: o que fazer para melhorá-la? p o r Guiomor Namo de Mello O Brasil está estarrecido com o mau desempenho de nossas escolas públicas que, graças à divulgação de dados de avaliação, tomou conta da mídia, das conversas sociais e das estratégias de grupos e corporações. A pergunta tí­ tulo deste artigo também já parte do suposto de que a escola pública não vai bem. A resposta que se segue é uma contribuição para esse debate. Curta, analisa alguns pon­ tos críticos e sugere alternativas de solução. Gestão sem mérito - O Brasil não tem tradição de utilizar o mérito e o desempenho educacional para escolher di­ retores de escola. Passamos das indicações políticas para processos eleitorais, ambos incapazes de garantir compe­ tência e liderança do gestor da escola. Escolher diretores competentes e prover capacitação e assistência técnica constante é uma solução óbvia. Sem foco na aprendizagem - A cultura escolar brasileira nem sempre é focada na aprendizagem. Damos mais aten­ ção às ações assistenciais que a escola se viu obrigada a as-

40

revista e

sumir; destacamos mais o ensino do que a aprendizagem. Essa visão contamina a família. O brasileiro pobre acha a escola pública ótima porque tem vaga, professor, merenda e Bolsa Família. Até hoje não temos visão e metas compartilhadas - Nossas escolas não têm um plano curricular claro nem metas de aprendizagem definidas e compartilhadas por todos. A ausência de planos curriculares dificulta o entrosamento dos planos de ensino dos professores, deixando cada um à própria sorte. As diretrizes e parâmetros curriculares nacionais não são suficientes; estados e municípios têm de ter um combinado detalhado sobre metas e conteú­ dos de aprendizagem. Como não há, as escolas precisam dar conta disso. Algumas até conseguem esse heroísmo, mas não há garantia para todas. Alinhamento de metas e conteúdos de ensino por áreas e faixas etárias é indis­ pensável para que todas as escolas caminhem na mesma direção.


"Todos os países que apostaram na educação para seu salto na contemporaneidade pactuaram a educação acima de interesses partidários e corporativistas. Fazer as autoridades se comprometerem com metas de longo prazo é um desafio social e político" Não há prestação de contas - Sem metas e planos de ensino claros, ninguém presta contas. É urgente dar um basta ao mau hábito de ter o livro didático como guia curricular. Bons livros são maus guias nesse sentido. Planos curriculares e programas de ensino detalhados têm de deixar claro quem ensina, o que e quando, quem aprende, o que, quando, e como se avalia. Só assim é possível aos dirigentes e à socie­ dade acompanharem e cobrar a aprendizagem dos alunos. Fragmentação e inadequação do material didático - Na au­ sência de programas de ensino detalhados, o livro ou qual­ quer outro material de uso do aluno não propicia articula­ ção entre as disciplinas e as séries. Enquanto nossos pro­ fessores tiverem formação tão precária, é preciso que eles sejam capacitados para usar um determinado livro ou um material. Capacitações genéricas sobre o uso de materiais em geral não são suficientes. Fragmentação da formação do professor - Os professores são formados em cursos totalmente estanques e separa­ dos. É esperar demais deles próprios e dos diretores ou co­ ordenadores que tenham um projeto pedagógico coerente e interdisciplinar. Rever todo o sistema de formação docen­ te é dívida do MEC [Ministério da Educação\e das instituições de ensino superior que já é tempo de ser saldada. Falta foco nos básicos - Nossos planos e objetivos são pre­ tensiosos, enquanto conteúdos e competências básicos, como a leitura e a escrita, o raciocínio lógico, científico e matemático, não são valorizados nas demais áreas, porque cada um está preocupado em mostrar a importância da sua disciplina. Assim fica difícil estabelecer compromissos cole­ tivos de aprendizagem. Expectativas de fracasso - Nossa cultura escolar aposta pouco na capacidade de aprender dos brasileiros. O dis­ curso da igualdade dissimula um profundo pessimismo em relação à criança pobre. Em grande parte, esse pessimismo decorre do fato de a equipe escolar sentir-se sozinha e mal preparada para enfrentar situações difíceis. Capacitação fora de foco - Além da formação inicial dis­ persa, poucos programas de educação continuada dos pro­ fessores acontecem de fato no “ chão” da escola, partindo de dificuldades específicas que uma delas e cada professor estão enfrentando aqui e agora. Para que isso acontecesse, seria necessário que a educação fosse de fato continuada, havendo na escola alguém encarregado de estar todos os dias identificando dificuldades e promovendo reflexões para encontrar formas de superá-las.

Avaliação para voltar atrás, não para ir adiante - As reações ressentidas contra os programas de progressão continuada e ciclos de aprendizagem revelam como a cultura escolar brasileira ainda aposta que o sucesso da aprendizagem de­ pende mais do poder do professor para repetir um aluno do que do acompanhamento e recuperação paralela consOs pais não aprendem a ser pais de alunos - Pais não são para fazer sanduíche em festa junina nem para dar conta do que a escola não consegue. Um trabalho sistemático, realizado pela mídia, pela assistência social e outras organi­ zações, vai ter de ensinar à família o que fazer em casa para ajudar na escolaridade de seus filhos: • criar um ambiente ordenado, com rotinas e certos ritu­ ais básicos necessários à solenidade da aprendizagem, como por exemplo a hora e o canto da lição de casa (mesmo que seja um cantinho da mesa que serve para tudo). Sabemos que famílias muito pobres podem ter esse clima doméstico. E outras, não tão pobres, às ve­ zes não têm; • construir um projeto juntos, fazer a criança participar com responsabilidade de algum plano familiar; não im­ porta se é o plano de ir visitar os familiares em outra cidade, comprar um fogão novo ou construir outro cô­ modo na casa; para a criança, precisa ficar claro que ela é parte desse plano e que nele sua função é ir à escola, aplicar-se e aprender; • valorizar o estudo e o trabalho intelectual, mesmo quan­ do a mídia, a política e tudo mais os desvalorizam; esse é o heroísmo que temos de ensinar aos pobres deste país. Mentalidade de curto prazo dos dirigentes - Todos os países que apostaram na educação para seu salto na contempo­ raneidade pactuaram a educação acima de interesses par­ tidários e corporativistas. Fazer as autoridades se compro­ meterem com metas de longo prazo é um desafio social e político. A classe política precisa priorizar de fato metas que ultrapassam uma gestão, disponibilizar recursos, dimi­ nuir o emperramento burocrático, e abrir mão da tentação de deixar sua marca própria. Adotar alternativas de solução como as citadas depende de superar-se a mentalidade de gastar o mínimo com aquilo que é mais visível e de imedia­ to apresentar a fatura política. ■ G uiomar N a m o de M ello é doutora em educação e coordenadora do

N úcleo de E ducação da F undação Padre A nchieta

revista e

41


FICCÃO INÉDITA

UM LEITOR DE SALÃO por Wilson Bueno epois de uma semana sem receber um pedido sequer de leitura por nenhum salão da Cidade Nova ou da Cidade Velha, as economias rarefeitas, decido bater às portas das casas a oferecer os meus préstimos, que vão da apresentação de versos livres a longas cartas de amor, sobretudo as de Schiller, que, de meu repertório, são as que causam o maior suces­ so. Fecham-me invariavelmente a porta na cara, com uma insensibilidade que me põe alguma vez prostrado. Mas insisto, nunca me deixei derrotar pela má vonta­ de, mesmo de platéias tidas e havidas como inóspitas, nem vou me deixar abater agora por mães ou pais de família para quem a poesia é uma coisa tão inútil - e sem qualidades - quanto as nuvens. Desconhecem com certeza a função das nuvens e, por suposto, a da poesia, ignorantes e domésticos; prosaicos, e cotidianos para além do ridículo. A chuva fina, e a neve que a ela se segue, continua in­ termitente, com longos períodos em que sopra apenas o vento que nos congela o nariz. Impossível esquecer o velho Hermann, meu pai, desde sempre meu pai - “Já te disse e outra vez te digo: essas poesias, além de serem coisa de mocinha, não matam a fome de ninguém!” Ou então, mais brando: “Arranja um ofício, meu filho. Esque­ ce essas coisas de versos e livros...” Adianta agora dar razão ao pai?

D

Encolhidos em suas casas, só uma coisa anima os nos­ sos concidadãos - abrigar-se no aconchego dos lares, ao calor das lareiras e dos livros silenciosos. Aceito que prefi­ ram a leitura às expansões dramáticas com que, mediante pagamento, irrisório, mas ainda assim pagamento, costu­ mo cercar, modéstia à parte, de brilho e leveza as minhas apresentações. Ler é ato solitário e extremamente pra­ zeroso, e ninguém melhor do que eu para assinalar isto, leitor contumaz de Schiller e, sobretudo, de Breugmann,

42

revista e

meu poeta preferido e de quem sei inúmeros poemas de cor, ainda que Schiller continue imbatível nos salões. Insisto com os clientes mais antigos e estes, ainda que declinem de meus préstimos, determinados em não aceitar que lhes invadam as salas a minha (falsa) alegria e os meus gestos peripatéticos, consolam-me abrindo as recheadas carteiras, a me estender, generosos, al­ gumas vezes muito mais do que a rigor mereceriam as minhas leituras. A primeira, a segunda e até uma tercei­ ra vez, ainda tudo são flores a m itigar a culpa que faz os meus clientes mais antigos abdicarem do autêntico espetáculo com que costumo acontecer nos salões, e ainda pagarem por isso, reconhecidos de meus présti­ mos pelo passado. Mas é na quarta ou na quinta vez que, já do portão, quase me expulsam da frente de suas residências; e humilham-me o engenho pequeno, por vezes duramente. Não esqueço aquela vez em que o pai, vendo-me chegar à casa sobraçando um volume de Breugmann, descobriu que eu o furtara da biblioteca da cidade. Exigiu que reti­ rasse a camisa e chicoteou-me as costas impiedosamente com o cinto de couro. Quase sem poder andar, obrigoume a acompanhá-lo ao Centro Jurisdicional onde havia duas enormes estantes a que chamavam, com certa pom­ pa interiorana, de Biblioteca Professor Hans Ingesfeuer.


Os olhos inchados de chorar, ainda assim fui obrigado a indicar, com exatidão, o local exato de onde o volume havia sido tirado. O velho Hermann era um gigante cioso de suas ovelhas domésticas. Ai que fugissem às regras, às leis, aos ditames da ordem e do progresso. Festas de aniversário, casamentos, bodas, bar-mitzvás, e até a dois ou três sepultamentos já fui convocado, devo confessar, para leituras fúnebres à beira de ricos caixões marchetados de prata. Desde o mês passado, só chuva e neve, mais neve que chuva, castigam inclementes nossa cidade e empurram cada vez mais nossos concidadãos para o interior das casas. E os levam a negar, agora sem mais delongas, os meus muitas vezes desesperados oferecimentos. Confesso, talvez me repetindo, que me anima a neces­ sidade terminal de suprir a despensa de casa, onde já tudo escasseia, além de providenciar a lenha e o carvão destinados a alimentar lareira e fogão, respectivamente. Até mesmo a vaga indicação de que um certo médico de aldeia próxima à nossa cidade apreciava as leituras de salão, indiferente aos dias maus, a promover seletos encontros regados a vinho, queijos e canções, me levou pressuroso, em combalida sege, a enfrentar a nevasca furiosa para chegar até lá, aos confins do burgo onde, agora, nossos concidadãos nem sequer saem de casa;

não porque não precisem, mas pela razão simples de que as ruas estão praticamente intransitáveis e nossos concidadãos no geral prezam suas vidas e as de seus fa­ miliares. Não precisa dizer que o médico de aldeia, um pouco apalermado, negou que estivesse atrás de leitor de salão, insistindo em lembrar que a última vez a dar uma festa em sua casa foi por ocasião do bar-mitzvá do filho mais novo, hoje jovem oficial de nossas guarni­ ções militares sediadas na capital. Retornar na combali­ da sege, enfrentando chuva, neve, lama e frio, foi ainda mais frustrante, não houvesse se mostrado, também, extremamente penoso. Houve uma ocasião em que o pai me flagrou, tarde da noite, a lamparina ainda acesa, mergulhado na leitura de Madame Bovary, de Flaubert. Àquela época o livro provoca­ ra um ruidoso escândalo na censura. De desconhecido, o romance caiu, por efeito, na boca do povo e inexistiu um pai de família que não o interditasse em seu lar, mesmo ig­ norando que, se atravessa o livro alguma coisa de erótico ou até de pornográfico, são nuanças, laivos imperceptíveis de secreta sensualidade. Não precisa acrescentar que Her­ mann me arrancou o livro das mãos e, com o gesto, quase me arranca junto os braços. As garras enormes, rasgou o livro ao meio e o lançou, possesso, em dois pedaços, con­ tra a parede. Apagou, com tempestuoso sopro, a chama

revista e

43


FICÇÃO INÉDITA

G. 07

da lamparina e mesmo no escuro a jogou com força ao solo. Cacos de vidro voaram com estrépito. Senti, forte, o cheiro do querosene a derramar sobre o piso. Afundei no colchão, acho que indiscernível sob as cobertas, mas ainda assim a ouvir os impropérios abafados do gigante que me prometia, para a manhã seguinte, uma “ camaçada de pau", que era, segundo ele, a única coisa que me cabia na vida. Arruina-me pensar que, pela terceira semana consecu­ tiva, quase não como, emagreço muito e só me salva de uma severa hipotermia o casacão de que ainda disponho, posto que três outros já os troquei, em franca desvanta­ gem, por víveres e lenha igualmente consumidos. Mesmo no que diz respeito a essa última, nossos concidadãos andam avaros; o produto rareia no mercado e advertem pelo rádio, as autoridades, de que pode faltar de vez; um colapso no fornecimento e nossos concidadãos arriscam perecer congelados. Sofro por vezes algum delírio, as nevascas não cessam, víveres, lenha e carvão acabaram totalmente. Pelos delírios retorno às casas de antes e, como em sonho, dormitando faminto na cama, me revejo a fazer ecoar os assoalhos nos grandes verões de nossa cidade, a caprichosa “ marcação" de meus números inolvidáveis - aqui um Shakespeare, ali Schiller, outra vez o inefável Breugmann, romântico e sui­ cida, capaz de, em versos maviosos, dar-nos o canto da cotovia ou, em outros trechos, o escorrer das águas da montanha. Quando retorno a mim, por vezes me assusto: penso que, esquálido, só o rosto de fora das cobertas, fechadas todas as janelas da casa, ali onde a neve já es­ curece as vidraças.

44

revista e

Decido, enfim, fazer as vontades do pai. Debaixo dos cobertores, suporto e choro em agonia a ausência de dinheiro até mesmo para o mísero carvão da cozinha. A fome aperta e eu não sou propriamente o que se possa chamar de um artista da fome. Na despensa, sobra-me apenas, solitária, uma lata de salsichas. Lem­ bro, de novo, o velho Hermann e suas imprecações: “Até quando vais assim inócuo, com as poesias de mocinha?" Pesada ainda hoje essa onipresença do gigante, espezi­ nhando-me sob os tacões como se eu fora uma espécie minúscula de formiga. Ah, o velho Hermann!... Abro a porta do escritório; vou direto ao canto da estan­ te em que luzem os volumes encadernados de F. Breug­ mann (1782-1825). Procuro os Poemas Reunidos. Estou com muito frio e muita fome, creio que já o disse. Os dedos gelados, ainda assim abro à página 62, direto em sua carta de suicida, o poema Neblina. Sigo os olhos ali até mais ou menos o nono verso. A rigor, estou muito longe de tudo - de Breugmann, dessa cidade corrosiva e desse inverno de sombra e desesperança. Porém, a cada segundo que passa, mais próximo, medula e nervos, es­ tou é do gigante - “ Por que não te matas? Por que não te mataste ainda, meu Deus?” A exemplo do que Breugmann anota em sua carta de suicida, eu também, o revólver engatilhado contra a fron­ te, saiba profundamente quem me ler - daqui a alguns segundos não serei sequer o primeiro a ficar sabendo. ■ W ilson B ueno é a u t o r , entre o utros l ivros , de B o le ro ’s B ar ( T ravessia E d ito r e s , 2 0 0 7 )


Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura

Dia

M u n d ia l

do

Meio

G a ra n tir qualidade de vid a e um m eio am biente saudável para as atuais e as futuras gerações é u m de nossos m aiores desafios. Para assegurar o fu tu ro da hum anidade, cada um de nós precisa m udar valores, com portam entos e atitudes. A Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvim ento Sustentável (2005-2014) é um a opo rtunidade de u n ir esforços de todos pela construção de um a sociedade sustentável. Junte-se a nós e abrace essa causa!

ww w.unesco.org.br


PROGRAMAÇÃO INFORMAÇÕES 0 CARTAO DE MATRICULA

VENDA DE INGRESSOS

0 cartão de matrícula é a sua identificação junto ao Sesc. Com ele você tem acesso a serviços e vantagens exclusivos. Ele é um direito do trabalhador do comércio e serviços.

INGRESSOSESC é o sistema integrado de venda de ingressos para os espetáculos que acontecem nas diversas unidades do Sesc São Paulo. Ele possibilita a compra I de ingressos na unidade mais próxima de sua casa. E imprescindível a apresentação de documento na entrada dos espetáculos, nos casos

QUEM PODE MATRICULAR-SE NO SESC

de ingressos com o desconto previsto: cartão de matricula Sesc (comerciário e usuário),

0 trabalhador em atividade ou aposentado nas áreas de comércio e serviços, ou ainda aquele que está desempregado há até doze meses e que exerceu a última atividade em empresas desses setores, e seus dependentes: cônjuge, filhos menores de 21 anos e pais do titular. Pessoas que não se incluem nessas condições podem se inscrever na categoria Usuário (Consulte uma das Unidades sobre as condições dessa categoria).

carteirinha de estudante (UMES, UBES) ou documento de identidade, caso acima de 60 anos.

FORMAS DE PAGAMENTO:

Dinheiro, cheque (à vista), cartões Visa, Visa Electron, MasterCard, MasterCard Electronic, Maestro, Redeshop e Diners Club International (crédito e débito).

TODAS AS UNIDADES E A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL SÃO PARTICIPANTES DA REDE INGRESSOSESC, COM EXCEÇÃO DO SESC BERTIOGA.

DOCUMENTOS TRABALHADOR NO COMÉRCIO E SERVIÇOS:

M è íi Portal

Carteira de Trabalho e documento de identidade;

w w w .sescsp.org.br

APOSENTADO DO COMÉRCIO E SERVIÇOS:

Carteira de trabalho, extrato trimestral do INSS e documento de identidade. USUÁRIO: Documento de identidade. DEPENDENTES: Pais do titular (somente Comerciários) doc. de identidade; Cônjuge certidão de casamento e doc. de identidade; Filhos menores de 21 anos certidão de nascimento ou documento de identidade.

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO - SESC Administração Regional no Estado de São Paulo Presidente: Abram Szajman Diretor Regional: Danilo Santos de Miranda REVISTA E Coordenação Geral: Ivan Paulo Giannini Diretor Responsável: Miguel de Almeida • Diretor de Arte: Werner Schulz • Editora: Ana Poula Cardoso • Editor Assistente: Julio Cesor Caldeiro • Editor de Arte: Eduardo Burato • Editora de Fotografia: Adriana Vichi • Ilustrações: Marcos Garuti • Repórteres: Turu de Andrade (estagiário) • Colaboradores: Marcelo Wysocki (reportagem e texto), Vanessa limo (edição do Em C artaz) • Revisão: Elaine Fer­ rari de Almeida • Coordenação Executiva: Marcos Ribeiro de Carvalho • Assessor Executivo: Fernando Fialho • Edição de Programação e Anúncios: Daniel Tonus, Fernando Fialho, Jefferson Lima, Laurisa Alves, Rogéria Gonçalves • Supervi­ são Gráfica: Eron Silva • Arte de Anúncios: Érica Dias, Fabio Pinotti e Lourdes Teixeira • Finalização: Lourdes Teixeira • Circulação e distribuição: Anlonio Carlos Cardoso Sobrinho

46

revista e

0 caminho mais curto para se chegar às unidades do Sesc está a um clique de seu mouse: endereços, mapas de localização, horários e toda programação comentada em matérias e sites interativos. Para receber em seu e-mail os eventos da semana de seu interesse, basta assinar a Newsletter do Portal Sesc SP.

Conselho de Redação e Programação Diretor: Danilo Santos de Miranda Adriana Reis, Afonso E. C. Alves, Aline Ribenboim, Ano Clécia M Limo, Andressa Góis, Anselmo Alberto Ogata, Clivia Romiro, Daniel Ricardo Jones, Fernanda Hoshino, Gislene Lopes, Hélcio Magalhães, leda M aria de Resende, Jô Santina, Laércio G. Mirabetti, Laurisa Alves, Luiz Fernando Figueiredo, Marise Teixeira Cabral, Roberto Pinto, Sidênia Freire Pereira, Simone Engbrush Avancini Silva, Ubirotan Nunes Rezende, Valéria J. Taveiros Administração Regional Sesc São Paulo - R. Álvaro Ramos, 991 • Belenzinho CEP 033 3 1 -0 0 0 fel. (11) 6 6 0 7 800 0 Jornalista Responsável: Miguel de Almeida MTB 14122. A Revista E é uma publicação do Sesc São Paulo sob coordenação da Superintendência de Comunicação Social e realizada pela Lazuli Editora. Distribuição gratuita. Nenhuma pessoa está autorizada a vender anúncios. Esta publicação está disponível no site: www.sescsp.org.br

0800 118220 -

Guarde este número. É o canal gratuito, acessível de qualquer telefone da Grande São Paulo*, em que você encontra informações sobre o Sesc e a programação cultural e esportiva, sobre a rede INGRESSOSESC e matricula, além dos endereços e telefones das unidades da Capital. ‘ somente para telefones com prefixo 11 I

Conselho Regional do Sesc de São Paulo Presidente: Abram Szajman • Efetivos: Cícero Bueno Brandão Júnior, Eduardo Vampré do Nascimento, Eládio Arroyo Martins, Elisete Berchiol da Silva Iwai, Iva DalTAcqua Júnior, Jair Toledo, Jorge Sarhan Salomão, José M aria De Faria, José M aria Saes Rosa, José Sanlino De lira Filho, Luciono Figliolia, Manuel Henrique Farias Ramos, M areio Chaves Pires, Valdir Aparecido dos Santos, W alace Garroux Sampaio • Suplentes: Amadeu Castanheiro, Ariovaldo Maniezo, Arnaldo José Pierolini, Benedito Toso de Arruda, Carlos Alberto D'Ambrósio, Dan Guinsburg, J cjp Herrera Martins, M aria Elena Taques, Marizo Medeiros Scaranci, Paítlo João de Oliveira Alonso, Paulo Roberto Gullo, Rafik Hussein Saab • Diretor do Departamen­ to Regional: Danilo Santos de Miranda • Representantes do Conselho Regional Junto ao Conselho Nacional • Efetivos: Abram Szajman, Eudides Carli, Raul Cocito • Suplentes: Aldo Minchillo, Costábile M atarazzo Junior, Ozias Bueno.


JUNHO DE 2 0 0 7

Os destaques são as festas juninas no Interlagos, Ipiranga e Itaquera, as oficinas, apresentações musicais (foto) e danças típicas nas unidades; as estréias teatrais Pierrot Lunado, no Pinheiros e Álbum de Família, no Consolação; os shows do Mundo Percussivo e Toque com o CEM, no Consolação, do Pais e Filhos e Era Iluminada, no Pompéia; o projeto de dança Sob um Novo Olhar, no Santana; e a programação da Semana Olímpica e do Ambiente e Educação, em várias unidades 1

9

4

6 - 2

0

0

6

ÍNDICE________________________________________________________ AVENIDA PAULISTA CARMO CINESESC CONSOLAÇÃO INTERLAGOS IPIRANGA ITAQUERA ODONTOLOGIA PINHEIROS

48 50 51 52 54 55 56 58 58

POMPÉIA SANTANA SANTO AMARO SANTO ANDRÉ SANTOS SÃO CAETANO VILA MARIANA INTERIOR

60 62 64 65 66 68 69 70

revista e

47


AVENIDA Daniel Fagundes. Instalação de vídeo Rodrigo Gontijo. Iluminação Melissa Guimarães. O trabalho tem a proposta de pensar o corpo em movimento como variações de configurações de estados corporais. Espaço 9o Andar. Acima 16 anos. R$ 10,00; R$ 7,50 R$ 5,00 (O, *). 02 a 2 4 /0 6 . Sábados e do­ mingos, 19h.

(q.

INTIMIDADE DAS IMAGENS. Com Emilie Sugai e Cristina Salmistraro. Concep­ ção e direção Emilie Sugai. Inspira-se no conto "O Espelho", ae Guimarães Rosa, para a criação coreográfica, com movimentos do butoh japonês. Espaço 10o Andar. Acima 16 anos. R$ 10,00; R$ 7,50 R$ 5,0 0 (O, ❖). 2 3 /0 6 a 0 1 /0 7 . Sábados e domin­ gos, 19h30.

(q.

Mareei Powell. 2 6 /0 6 Endereço: A v. Paulista, 119 Telefone: ( 1 1 )3 1 7 9 3 7 00 Horário: Terça a sexta: 13h às 22 h (Central de A tendimento das 9 h às 22 h). Sábados, domingos e feriados: 1Oh Às 19h. EMAIL@AVENIDAPAULISTA. SESCSP. ORG.BR Os espetáculos grafados em azullém ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC Verifique a Unidade mais próxima. TEATRO

1

1

(q.

ESPETÁCULOS. R$ 5,00; R$ 0 ,0 0 R$ 7 ,50 (O, *). «O Homem Provisó­ rio. Com a Casa Laboratório para as Artes do Teatro. Direção Cacá Carva­ lho e Fondazione Pontedera Teatro. Espaço 11 ° Andar. Até 1 0 /0 6 . Sexta a domingo, 19K30. «Um Sonho. De August Strindberg. Com Helena Ignez, Djin Sganzerla, Fabio Herford, Flavia Pucci, Victor Seixas, Renato Dobal, Sandro Karnas, liana Gorban e An­ dré Guerreiro Lopes. Direção André Guerreiro Lopes. Direção musical Livio Tragtenberg. Espaço Décimo Segundo Andar. Até 2 4 /0 6 . Sextas e sábados, 21 h30 e domingos, 18h. «O Perfeito Cozinheiro das Almas deste Mundo. Inspirado em Oswald de Andrade. Com Luiza Mariani, Diogo Salles, Mateus Solano e Thiare Maia. Dire­ ção Jefferson Miranda. Espaço 10° Andar. Até 2 4 /0 6 . Sexta a domingo, 21 h. «O Incrível Menino da Fotogra­ fia. Texto e direção Fernando Bonassi. Com Eucir de Souza. Teatro de Câ­ mara. Até 2 4 /0 6 . Sexta a domingo, 20h30.

ordinário entre a Casa Laboratório de São Paulo e a Fundação Casa Grande de Nova Olinda (CE), em 2006. A ex­ pedição teatral ao sertão era a primei­ ra etapa do processo de pesquisa para a criação do espetáculo O Homem Provisório. Teatro Auditório. Grátis. In­ gressos 1h antes. 01 a 0 3 /0 6 . Sexta a domingo, 21 h.

MINI-CURSO DE INICIAÇÃO À DANÇA DO VENTRE. Com Simone Bomentre. R$ 50,00 R$ 25,00 (q . 05/06 a 30/08. Terças e quintas, 20h.

(q.

TEATRO E DEVORAÇÃO - DO CANIBA­ LISMO À ANTROPOFAGIA. Reflexão sobre os conceitos para uma original perspectiva da criação teatral. «Vem Vai - O Caminho dos Mortos. Espetá­ culo integra o projeto Do Canibalismo à Antropofagia, realizado em conjunto com Sesc Santana. Com Cia. Livre. Texto Newton Moreno. Direção Cibele Forjaz. As cosmogonias da morte em diferentes culturas ameríndias. Acima 16 anos. R$ 15,00; R$ 10,00 R$ 7,50 (O, ❖). Espaço 5o Andar. Até 0 1 /0 7 . Sexta a domingo, 20h.

(q.

workshops INTRODUÇÃO AO MÉTODO DE MÍMICA CORPORAL DRAMÁTICA. Com André Guerreiro Lopes. Acima 16 anos, ato­ res e bailarinos com alguma experiên­ cia. Interessados enviam currículo resu­ mido e carta de interesse até 1 4 /0 6 para: email@avenidapaulista.sescsp. org.br. Aprovados são comunicados em 1 5 /0 6 . Inscrição para selecio­ nados: R$ 20,00; R$ 15,00 R$ 10,00 (O, *j. 19 a 2 8 /0 6 . Terça a quinta, lOh às 13h.

(q.

MÚSICA

PRIMEIRO SINAL. Espaço aberto para jovens artistas e novas linguagens te­ atrais. «Zweig - A Marcha do Tempo. Direção e interpretação Ederson José. Baseado na obra e nas cartas trocadas entre Zweig e Richard Slrauss. Teatro de Câmara. Livre. R$ 8,00; R$ 6,00 R$ 4,00 (O, *). 1 3 /0 6 a 0 5 /0 7 . Quartas e quintas, 20h.

INSTRUMENTAL SESC BRASIL Teatro Auditório. Grátis. Ingressos lh antes. Terças, 19h. «Nenê Trio - Sudeste. 0 5 /0 6 . «Celso Pixinga - O Jogo. Lan­ çamento de DVD. 12/06.«Rubinho Antunes - De Viterbo. 19 /0 6. «Mareei Powell - Aperto de Mão. Primeiro CD solo. 2 6 /0 6 .

VOZES DO CARIRI. Exibição do vídeo de Massimo Verdastro (BRA, 2006, 45min), montagem Marzia Maestri. A trilha sonora revela o encontro extra­

espetáculos DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS OU PE­ QUENAS MORTES. Criação e perfor­ mance Vera Sala. Instalação sonora

(q.

especial OLHARES SOBRE A DANÇA. «Diálogos e Parcerias 2. Reflexões e ações a partir do espetáculo de Vera Sala. Com Vera Sala, Christine Greiner, (PUC-SP) e ar­ tistas e estudiosos convidados. Espaço 9° Andar. Grátis. Ingressos lh antes. 14 /0 6 . Quinta, 19h30.

MULTIMÍDIA E INTERNET

ESPAÇO EXPERIMENTAL INTERNET UVRE. Inicia suas atividades com a abertura da linha de pesquisa reapropriação e criação de hardware. Grátis. Inscrições antecipadas. «Documentação e Com­ partilhamento - Criação e Publicação de Tutoriais. Ação colaborativa utiliza diversas formas de captura e edição de audiovisual, e sistemas de colaboração em rede para elaboração de tutoriais com o registro dos processos abertos de experimentação. O material produzido será disponibilizado no Portal SESC SP. Com técnicos Sesc. 1 2 /0 6 a 2 6 /0 7 . Terça a quinta, 15h às 21 h e sábados, 15h às 18h. «Processos Abertos de Ex­ perimentação - Hardware Livre de In­ teração: Arduíno. Premiado na edição 20 06 do festival ars eletrônica e licen­ ciado em Creative commons, o arduíno é uma estrutura técnica que permite a interação analógica-digital. Com Ale­ xandre Fenerich e Giuliano Obici. Mezanino. 12 a 2 3 /0 6 . Terças e quintas, 18h às 21 h e sábados, 15h às 18h. •Processos Abertos de Experimentação - Metarecidagem: Videowall. Imagem de grandes proporções. Com coletivo Metarecidagem. Mezanino. 2 0 /0 6 a 2 6 /0 7 . Terça a quinta, 15h às 18h. serviços INTERNET UVRE. Mezanino. Grátis. Ins­ crição antecipada. Até 3 0 /0 6 . Terça a sexta, 13h às 21 h e sábados, domin­ gos e feriados, 1Oh às 18h.

DANÇA

48

revista e

artistas, homens e mulheres. Reflexões sobre as questões da feminilidade no século XXI, com obras de Marina Abramovic (SER), Vito Acconci (EUA), Stefano Boccalini, Gianni Motti e Mar­ ta Dell'Angelo (ITA), Michael Favre, Zilla Leutenegger e Sylvie Fleury (SUI), Teresa Serrano (MEX), Charlemagnie Palestine (BEL), Mathias Muller e Armin Linke (ALE), Noritoshi Hirakawa (JAP), Sheba Chhachhi (ÍND), Angelo Plessas (GRE) e dos brasileiros Rochelle Costi, Lenora de Barros, Nelson Leirner, Rosa­ na Palazyan e Fabiana de Barros. Grá­ tis. Agendamento de grupos para visita monitorada tel: 3179-3707 ou e-mail: atendimento@avenidapaulista.sescsp. org.br. Até 1 0 /0 6 . Visitação: terça a sexta, 11 h às 21 h e sábados, domin­ gos e feriados, 1 lh às 20h.

ATEUÊ ABERTO - A FILA. Projeto de Gigi Manfrinato e Sandra Lee, selecionado pela Secretaria de Estado da Cultura através do Programa de Ação Cultural. Exposição ao ar livre com 25 perso­ nagens em tamanho natural retratan­ do tipos diversos em uma fila. Grátis. Inscrições antecipadas. 13 a 2 8 /0 6 . Quarta e quinta, 15h às 16h30 e 19h às 20h30. LITERATURA palestras SEMPRE UM PAPO. Lançamento literário reúne autor e público para bate-papo e sessão de autógrafos. Teatro Auditório. Grátis. Ingressos lh antes. Quartas, 19h30. «Rose Marie Muraro - Coleção Um Novo Mundo em Gestação. Editora Verus. A coleção aborda problemas complexos para a espécie humana ao longo do século XX. São seis títu­ los: História do masculino e feminino; Educando meninos e meninas para um mundo novo; Uma nova visão da política e da economia; A mulher na construção do futuro; Para onde vão os jovens; História do meio ambiente. Escritora e editora, Muraro já publicou mais de 1.600 livros e escreveu 29 em toda a sua carreira. 13 /0 6. «Ruy Castro - Tempestade de Ritmos - Jazz e Música Popular no Século XX. Cia. das Letras, o livro propõe um passeio pelo mundo do jazz e da MPB. 58 textos informativos e bem humorados, publi­ cados na imprensa ao longo dos 40 anos de carreira do autor. Ruy Castro é escritor e autor de diversas biografias, entre outros livros. 2 7 /0 6 . ESPORTES aulas abertas QUIMBALL Com João Francisco R. de Godoy. Grátis. 07, 09 e 10 /0 6. Feriado, 14h, sábado, 17h e domingo, 11 h. CORPO E EXPRESSÃO ESPECIAL Grátis. «Orientação para Ati­ vidades Físicas. Inscrições antecipadas. Sábados e domingos, 14h.

ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS exposições MULHER MULHERES. Mostra internacio­ nal estabelece diálogo global entre

AULAS ABERTAS. Grátis Inscrições ante­ cipadas. «Liang Gong em 18 Terapias. Com Luciana Kuk. Até 2 9 /0 7 . Sába­ dos, domingos e feriados, lOh. «Sfep


e ABD. 0 1 /0 5 . Feriado, 15h. •Ginás­ tica Multifuncional. 0 3 /0 6 . Domingo, 15h. «Yoga para Iniciantes. 0 3 /0 6 e 0 1 /0 7 . Domingos, 17h. «Dança. 0 7 /0 6 e 0 1 /0 7 . Domingo e feria­ do, 15h. «Massagem e Movimento. 0 7 /0 6 . Feriado, 17h. «Alongamento e Exercícios Posturais. 10 /0 6 . Domingo, I lh. «Bioball. Domingos, 10 /0 6 , 17h e 2 4 /0 6 , 1 lh. «Step e ABD. 10 /0 6 . Domingo, 15h. «Condicionamento Fí­ sico. 17 /0 6 . Domingo, 15h. «Relaxa­ mento Consciente. 17 /0 6. Domingo, I I h. «Ginástica Localizada. 2 4 /0 6 . Domingo, 15h. «Ginástica Postural. 2 4 /0 6 . Domingo, 17h. «Alongamen­ to. Domingos, 0 3 /0 6 , 1 lh e 1 7 /0 6 , 17h. «Tai Chi Chuan. Com Luciana Kuk. 0 1 /0 5 a 2 9 /0 7 . Sábado, domin­ go e feriado, 9h. CURSOS. R$ 40 ,0 0 (□]. R$ 20 ,0 0 (O). Inscrições antecipadas. «Ginástica com Pesos Livres. Terças e quintas, 20h. •Ginástica Multifuncional. Quartas e sextas, 1Oh às 11 h30 e sábados, 15h às 18h. «Alongamento. Terças e quin­ tas, 17h e quartas e sextas, 18h. «Con­ dicionamento Físico. Quartas e sextas, 7h, 9h, 17h e 19h e terças e quintas, 18h. «Ginástica Localizada. Terças e quintas, 18h. «Ginástica Postural. Ter­ ças e quintas, 19h. «Hatha Yoga. R$ 50 .0 0 (□). R$ 25,00 (O). Terças e quintas, 8h, 18h, 19h e 20h, quartas e sextas, 8h, 9h, 1Oh, 18h, 19h e 20h e sábados, 9h às 10h30. «Mini Cur­ so de Tai Chi Chuan. Com Maria Lúcia Lee. 0 5 /0 6 a 3 0 /0 8 . Terças e quintas, 19h. «Bioball. Aula 50min. 0 1 /0 6 a 3 1 /0 8 . Quartas e sextas, 17h. «Gi­ nástica Localizada e Alongamento. R$ 30 .0 0 (□). R$ 15,00 ( ◦ ) . Quartas e sextas, 12h. INFANTIL espetáculos PEDRO E O LOBO. Com Maria Cristina Poles,, Rodrigo Nagamori, Domingos Elias, Marcos Fokin e David Misiuk, narração Renata Campos. Clássico de Prokofiev em versão para quin­ teto de sopros, com músicos da Or­ questra Sinfônica Municipal de São Paulo. Teatro Auditório. R$ 6,00; R$ 4,50 (O). R$ 3,00 (O, ❖). 0 2 /0 6 a 0 1 /0 7 . Sábados e domingos, 16h.

HOJE É DIA DE HISTÓRIA! Com o grupo A Hora da História. Teatro Auditório. Grátis. Ingressos 1h antes. 0 7 /0 6 . Fe­ riado, 16h. TERCEIRA IDADE AULAS ABERTAS. «Ginástica para Tercei­ ra Idade. Grátis Inscrições antecipadas. 0 1 /0 7 . Domingo, 1 lh. «Esporte para Idosos. Grátis. Inscrições antecipadas. Até 2 6 /0 4 . Terças e quintas, 17h às 17h30e 0 7 /0 6 . Feriado, 11 h. CURSOS. R$ 20,00 (□). R$ 10,00 (O). Inscrições antecipadas. Até 2 8 /0 4 . •Ginástica com Pesos Livres. Terças e quintas, 15h. «Ginástica para Terceira idade. Terças e quintas, 14h e 16h e quartas e sextas, 15h. «Alongamento e Exercícios Posturais. Aula 50min.

Quartas e sextas, 16h. «Ginástica Multifuncional. Quartas e sextas, 1Oh às 11H30 e sábados, 15h às 18h. •Alongamento. Terças e quintas, 10 h l5 e 16h e quartas e sextas, 8h. •Condicionamento Físico. Quartas e sextas, 17h. «Alongamento. R$ 10,00 p ) . R$ 5,00 (O). Sábados, 1 lh às 12h30. «Hatha Yoga. R$ 25 ,0 0 p ). R$ 15,00 (O). Terças e quintas, 9h, 18h, quartas e sextas, 9h, 17h e sába­ dos, 9h às 10h30. PROGRAMA DE TURISMO SOCIAL PRÉ-RESERVAS: (11) 3179-3700. Todas as excursões e passeios incluem acom­ panhamento de guia credenciado pelo Ministério do Turismo, transporte, seguro viagem e, conforme o roteiro, lanche, almoço, ingressos e passeios. Podem participar dos roteiros os comerciários (O) e usuários matriculados (□). A quantidade de vagas por roteiro e a programação estão sujeitas a alte­ ração de acordo com o agendamento nos equipamentos turísticos visitados. Haverá somente uma saída por data. Informamos que os pagamentos parce­ lados para o programa de Turismo So­ cial referente às Excursões Rodoviárias e Passeios de 01 Dia - Por Dentro e Por Perto de São Paulo, podem ser dividi­ dos em até 08 parcelas mensais e con­ secutivas, com valores mínimos de R$ 3 0 .0 0 (trinta reais) por parcela e paga­ mentos em cheque, boleto bancário ou cartão de crédito. As inscrições para os roteiros deverão ser pré-agendadas exclusivamente por telefone. Vagas re­ manescentes poderão ser adquiridas pessoalmente. Para mais informações e outros valores, contate a Central de Atendimento. POR DENTRO DE SÃO PAULO. Passeios de um dia. Preços por pessoa: R$ 30 .0 0 (O); R$ 36 ,0 0 (□). PARQUE DA CANTAREIRA - NÚCLEO DO ENGORDADOR - COMEMORAÇÃO AO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIEN­ TE: 10/06. Domingo, saída 9h. Cami­ nhada pelo Parque pela Trilha do Macuco (700 m), nível leve de dificuldade e trajeto em 40min e Trilha da Cachoei­ ra (6km), nível médio, em 2h. PARQUE ECOLÓGICO DO TIETÊ - NÚ­ CLEO ENGENHEIRO GOULART - CO­ MEMORAÇÃO AO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE: 16/06. Sábado, sa­ ída 8h30. Passeio pelo Parque Ecoló­ gico do Tietê, com vídeo sobre o par­ que, Trilha Ecológica do Viveiro (trajeto em 1h, nível leve de dificuldade) e Mu­ seu do Tietê. FESTA JUNINA NO SESC INTERLAGOS A TRAJETÓRIA DO CAFÉ NO BRASIL 23 /0 6. Sábado, saída 11 h. Passeio ao Sesc Interlagos e participação na festa junina, com tema sobre a trajetória do café no Brasil, barracas de artesanato, jogos, alimentação e bebidas, shows de música, dança e quadrilha. SÃO PAULO DA FAUNA E FLORA: 13/07. Sexta, saída 9h. Visitas ao Jardim Botâ­ nico de São Paulo e à Fundação Par­ que Zoológico de São Paulo.

PARQUE ESTADUAL ALBERT LÕEFGREN - RECANTOS DA METRÓPOLE - ZO­ NA NORTE: 15/07. Domingo, saída 8h30. Passeio pelo parque Estadual (antigo Horto Florestal), com caminha­ da na Trilha Ecológica do Descobri­ mento (trajeto realizado em 40min, nível leve de dificuldade), passando pelo Arboreto, Museu Florestal Otá­ vio Vecchi e ao marco do Trópico de Capricórnio. Participação na abertu­ ra do 3° Festival das Cerejeiras com apresentações de danças típicas ja­ ponesas. POR PERTO DE SÃO PAULO. Passeios pró­ ximos à capital. Preços por pessoa. ITU - CORPUS CHRISTI: 0 7 /0 6 . Quinta, saída 8h. Visitas ao Parque Municipal do Varvito, Igreja Matriz N. Sra. da Candelária, Conjunto Arquitetônico da pça Padre Miguel, Igreja do Bom Jesus. Participação na festa de Corpus Chrísti. R$ 63 ,0 0 (O); R$ 7 5 ,0 0 (□).

SANTANA DE PARNAÍBA - CORPUS CHRISTI: 07 /0 6. Quinta, saída 12h. Passeio pela cidade com visita à Igre­ ja Matriz de N. Sra. de Santana, Mu­ seu Casa de Anhanguera e casario dos séculos XVII e XVIII. Participação na fes­ ta de Corpus Chrísti. R$ 63 ,0 0 (O); R$ 75 .0 0 (□). GUARAREMA - BELAS PAISAGENS: 17 /0 6. Domingo, saída 8h. Passeio em Guararema, visita aos Parques Municipais da Ilha Grande e da Pe­ dra Montada, Pça do Pau d'Alho, centro da cidade, Estação da Estra­ da de Ferro Central do Brasil e pontilhão, Igreja N . Sra. D'Ajuda e Orquidácea. R$ 7 5 ,0 0 (O); R$ 9 0 ,0 0 (□)■ SANTOS HISTÓRICO - CAFÉ E HISTÓ­ RIA: 24 /0 6. Domingo, saída 7h. Visita por atrativos históricos da cidade, Sesc Santos e passeio de bonde turístico. R$ 75 .0 0 (O); R$ 90 ,0 0 (□).

BERTIOGA: SUAS FÉRIAS Cfi M CONFORTO E MUITO LAZE ( Faça sua inscrição, pessoalmente em qualquer unidc le do Sesc, pela Internet w w w .sescsp.org.br (na opção "inscr :ões") ou solicite informações por fax ou correio para a l Provisória Sesc Avenida Paulista. SESC AVENIDA PAULISTA - www. sescsp. Tel.: (11) 3 l W 3 7 0 0 ^ a x : (11) 3179-3! Av. Paulista, 119 - São Paulo, SP - CEP 013® 1 PERÍODOS DISPONÍVEIS Inscrições para estada sem transporte OUTUBRO DE 2007 Inscrições de 01 de junho a 10 de agosto de 2007 1)0 2 a 09 (7,0 diárias)

Dia de Nossa Senhora Aparecida** 2) 11 a 14 (3,0 diárias). Entrada 20h sem jantar e saída 15h com 3) 16 a 23 (7,0 diárias) 4) 23 a 30 (7,0 diárias) 5) 24 a 30 (6,0 diárias) _________ J

AGOSTO DE 2007 Inscrições de I o de abril a 10 de junho de 20 0 7 1) 03 a 08 (5,0 diárias)

Dia dos pais* 2) 10 a 12 (2,0 diárias). Entrada 15h sem almoço e saída 18h sem jantar 3) 22 a 26 (4,5 diárias). Entrada 7h30 com café e saída 15h com almoço

SETEMBRO DE 2007 Inscrições de 1° de maio a 10 de julho de 2 0 07 1 ) 2 8 /0 8 a 04 (7,0 diárias)

Independência** 2) 0 6 a 09 (3,0 diárias) Entrada 20h sem jantar e saída 15h com almoço 3) 25 a 0 2 /1 0 (7,0 diárias)

Os periodos sem especificação de horários de entrada e saída, terão a entrada a partir das 15h sem almoço e saída até às 18h sem jantar. Diárias para hospedagem com pensão completa: ( )):RS 56,00 e(Q): RS 112,00

Pacotes especiais: * Acréscimo de 10% sobre a diária ** Acréscimo de 20% sobre a diária

ATENÇÃO: A solicitação de reserva deverá ser feita até o último dia previsto para inscrição. Poderão ocorrer alterações de perío­ dos por necessidade operacional. Nos periodos de NATAL, AN O N O V O , JANEIRO e CARNAVAL não serão aceitas inscrições para os matriculados na categoria "usuário".______________________

revista e

49


AV. IBIÚNA E COTIA - CULTURA ORIENTAL: 01/07. Domingo, saída 8h. Visitas à Academia Sul-Americana de Treina­ mento Espiritual - Seicho-No-lê em Ibiúna e à Faculdade Budista do Templo Zu Lai e Praça da Amizade em Cotia. R$ 66,00 (O); R$ 78 ,0 0 (□). PASSEIO DE TREM - CAMPOS DO JOR­ DÃO A SANTO ANTÔNIO DO PINHAL: 0 8 /0 7 E 29/07. Domingos, saídas 7h. Passeio pela cidade de Campos do Jor­ dão e passeio de trem pela Estrada de Ferro Campos do Jordão. R$ 99,00 (O); R$ 12 0,00 (0 ). JARINU - CIRCUITO DAS FRUTAS: 0 9 /0 7. Segunda, saída 7h. Visita a produção artesanal de licores, cachaça e vinhos e sítio de morangos. Almoço em restau­ rante campestre e passeio pela cidade. R$ 78 ,0 0 (O); R$ 93 ,0 0 (O). SÃO ROQUE - VINHO E HISTÓRIA: 15/07. Domingo, saída 7h. Visitas ao Sítio Sto Antônio, Centro Cultural Brasital, Parque Recanto da Cascata e vitivinícola. R$ 66 ,0 0 (O); R$ 78 ,0 0 (□). SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - TECNOLO­ GIA ESPACIAL- 19/07. Quinta, saída 7h. Visitas ao Parque da Cidade e ao Parque Santos Dumont, com uma répli­ ca do 14 Bis, Memorial Aeroespacial Brasileiro, Instituto Nacional de Pesqui­ sas Espaciais e centro histórico da cida­ de. R$ 66 ,0 0 (O); R$ 78 ,0 0 (□). PARANAPIACABA - ARQUITETURA IN­ GLESA: 22 /0 7. Domingo, saída 7h30. Passeio pela Vila, com visita ao Museu Funicular, Museu Castelinho, Núcleo Urbano e ao conjunto arquitetônico de casas de madeiras trazidas da Inglater­ ra. Caminhada na trilha Olho D'Agua. Trajeto em 30min, nível leve. R$ 75,00 (O); R$ 90,00 p ). EXCURSÕES RODOVIÁRIAS. Os preços indicados nos roteiros são os menores valores e variam conforme o tipo de alojamento e período escolhidos. CAXAMBU COM SÃO LOURENÇO (MG): 06 a 10/06. Saída 19h. Pensão com­ pleta; passeios pelas cidades de Coxambu, Baependi e São Lourenço. Em apartamento triplo: 8x a partir de R$ 77,00 (O); 8x a partir de R$ 91,00

PIÁGUAS DE UNDÓIA (SP): 07 a 10/06. Saída 8h. Pensão completa; passeios pelas cidades de Águas de Lindóia e Monte Sião. Em apartamento triplo: 8x a partir de R$ 65,00 (O); 8x a partir de R$ 74,00 (q . BOTUCATU COM SÃO MANUEL (SP): 07 a 10/06. Saída 7h. Pensão comple­ ta; passeios pelas cidades de Botucatu, São Manoel e Barra Bonita, nave­ gação pelo Rio Tietê e transposição na eclusa de Barra Bonita. Em apartamen­ to triplo: 8x a partir de R$ 62,00 (O); 8x a partir de R$ 73,00 p ). CAMINHOS DA IMIGRAÇÃO (SC / RS / PR): 19 a 2 9 /0 6 . Saída 19h30. Meia pensão; passeios pelas cida­ des de Treze Tílias (SC), Gramado,

50

revista e

PAULI

CARMO

Canela, Nova Petrópolis, Caxias do Sul, Bento Gonçalves (RS) e Curitiba (PR). Em apartamento triplo: 8x a par­ tir de R$ 137,00 (O); 8x a partir de R$ 163,00 p ) . BANANAL (SP): 22 a 24 /0 6. Saída 19h. Pensão completa; passeio pela cida­ de visitando a Igreja Matriz, antiga Estação Ferroviária, Sobrado de D. Laurinha e Sobrado Com. Manuel de Aguiar Valim e visitas à Chácara San­ ta Inês, Fazenda dos Coqueiros e à Fa­ zenda Pau D'Alho. Em apartamento tri­ plo: 8x a partir de R$ 4 8 ,0 0 (O); 8x a partir de R$ 58 ,0 0 (O). PETRÓPOUS (RJ) - BAUERNFESl - FES­ TA DO COLONO ALEMÃO: 2 7 /0 6 a 01 /0 7. Saída 7h. Pensão completa; passeios por Petrópolis e participação na Festa do Colono Alemão. Em apar­ tamento triplo: 8x a partir de R$ 51 ,0 0 (O); 8x a partir de R$ 58 ,0 0 (□). GUARAPARI SERRAS (ES): 06 a 12/07. Saída 21 h. Pensão completa; passeios por Guarapari, Domingos Martins, Venda Nova do Imigrante e Santa Te­ resa. Em apartamento duplo: 8x a par­ tir de R$ 102,00 (O); 8x a partir de R$

121.00 (q.

SÃO CARLOS (SP): 07 a 0 9 /0 7 . Saída 9h. Meia pensão; passeios pela cida­ de, Fazenda Sta Maria, Parque Ecoló­ gico Dr. Ant° Teixeira Viana, Museu de S. Carlos e ao Museu Asas de um So­ nho (TAM). Em apartamento triplo: 8x a partir de R$ 43 ,0 0 (O); 8x a partir de R$ 45 ,0 0 (q. PANTANAL E BONITO (MS): 12 a 22 /0 7. Saída 20h. Meia pensão; passeios por Campo Grande, Ladário, Corum­ bá (MS) passeio de chalana e Bonito (MS), Gruta do Lago Azul, pelo rio For­ moso e rio Sucuri. Em apartamento tri­ plo: 8x a partir de R$ 182,00 (O); 8x a partir de R$ 22 4,00 (q. SÃO JOÃO DEL REI (MG): FESTA DE N. SRA. DO CARMO. 13 a 17/07. Saída 19h. Meia pensão; passeios por S. João Del Rei, Tiradentes e participa­ ção na Festa de N. Sra. do Carmo. Em apartamento duplo: 8x a partir de R$ 89.00 (O); 8x a partir de R$ 108,00 (□)• BERTIOGA (SP): 20 A 26 /0 7. Saída 14h. Pensão completa no Sesc Bertioga; ca­ minhada pela unidade e passeio pela cidade. Em apartamento duplo: 8x a partir de R$ 71,00 (O); 8x a partir de

R$ 115,00 (q. LAGES (SC) E CURITIBA (PR): 21 a 27/07. Saída 7h. Pensão completa; passeios por Lages, S. Joaquim, Urubici, mirante da Serra do Rio do Rastro (SC) e Curi­ tiba (PR). Em apartamento triplo: 8x a partir de R$ 113,00 (O); 8x a partir de R$ 136,00 (q. CABO FRIO (RJ): 26 a 30 /0 7. Saída 7h. Meia pensão; passeios por Cabo Frio, Arraial do Cabo e Armação de Bú­ zios. Em apartamento triplo: 8x a par­ tir de R$ 69,00 (O); 8x a partir de R$ 84.00 (q.

Endereço: Rua do Carmo, 147 Telefone: 1 1 1)3 11 1-70 00 Horário: Segunda a Sexta, das 9h às 20 h. email@ carmo. sescsp.org.br Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESS0SESC. Verifique a Unidade mais próxima. ESPAÇO PROVISÓRIO 24 DE MAIO. Grá­ tis. Ingressos 1h antes. R. Dom José de Barros, 178, esquina com a R. 24 de Maio. «Caça aos Ratos. Cia. O Gri­ to. Texto Peter Turrini. Direção Rober­ to Moreftho. O lixão como a verdadei­ ra alma da sociedade contemporânea. 2 1 /0 6 . Quinta, 13h. «Robson Victor. Bate papo e apresentação do tra­ balho de VJ. 1 9 /0 6 . Terça, 13h. «La­ voura Eletro. Coletivo dedicado à ele­ trônica híbrida. Grátis 2 8 /0 6 . Quin­ ta, 13h. «São Paulo em Galeria. Expo­ sição fotográfica com acervo do Institu­ to Cultural Galeria do Rock. 11 / 0 6 a 1 7 /0 7 . Segunda a sexta, lOh às 17h. •Outras Vozes. Performance radiofôni­ ca com Cia. Pé no Canto. 2 6 /0 6 . Ter­ ça, 13h. »Tai Chi Chuan. 2 7 /0 6 . Quar­ ta, 12h às 13h. MÚSICA

INTERVALO SONORO. De olho nos ins­ trumentos - cordas e sopros. Quar­ tas, 12h 15. «Lauro Campanér e Keder Cândido. 06 e 2 7 /0 6 . «André Calixto e René de Souza. 13 /0 6. «Car­ los Roberto Oliveira e Nelson Rubbo. 2 0 /0 6 . SEGUNDA N O CARMO. «Língua de Tra­ po. R$ 8,00; R$ 6,00 p ). R$ 4,00 (O). 1 8 /0 6 . Segunda, 19h. especial PEDRO E O LOBO. Com Quinteto de So­ pros Vila das Crianças, que faz uma apresentação didática da obra para crianças. Regência Domingos Elias Yunes. Auditório Celso Garcia (Classes Laboriosas, r. Roberto Simonsen, 22). Inscrições antecipadas para escolas. Grátis. 14 /0 6 . Quinta, 14h e 16h. SOM NA CONVIVÊNCIA. Grátis. «Al­ ma Espanhola. Com Mariana Valen-

ça, Eduardo Seiler e Guilherme Terra. 12 /0 6 . Terça, 16h. oficinas MUSICAUZAÇÃO. Com Madalena Bernardes. Acima 18 anos. Grátis. 06 a 2 7 /0 6 e 04 a 2 5 /0 7 . Quartas, 1óh às 17h30. DANÇA aulas abertas ENCONTROS DANÇANTES. Com o gru­ po Swing Brasil. Restaurante 1. Grátis 1 5 /0 6 . Sexta, 17h às 20h. CURSOS. «Dança de Salão. Com o grupo Swing Brasil. R$ 30,00; R$ 30,00 (Q). R$ 18,50 (O). 01, 08, 22 e 2 9 /0 6 . Sextas, 18h30 às 20h. MULTIMÍDIA E INTERNET OFICINAS. Grátis. «Colcha de Memórias. 05, 12, 14, 19, 2 1 ,2 6 e 2 8 /0 6 . Ter­ ças e quintas, 1 lh às 14h. «Clipe Ví­ deo. Com Paula Matuoka. Inscrições antecipadas. 11 a 2 7 /0 6 . Segundas e quartas, 16h 15 às 17h45. «Tardes Remix - Concurso de Remixes. Com Paula Matuoka. Inscrições antecipa­ das. 12 a 2 8 /0 6 . Terças e quintas, 16h 15 às 17h45. «Artes e Bandeiras. 18 a 2 1 /0 6 . Segunda a quinta, lOh às 1 lh. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS

ENCONTRO COM O ARTESÃO. «Mosai­ co. Com Carminha de Souza. 13 e 2 0 /0 6 . Quartas, 12h. OFICINAS. R$ 15,00; R$ 10,00 p ). R$ 5,00 (O). «Jacarelado. Com Carminha de Souza. 11 a 2 5 /0 6 . Segundas, 18h. «Oratórios. Com Vera Campa­ nér. 11 e 1 8 /0 6 . Segundas, 12h. «Ar­ tes e Manhas. Com Carminha de Sou­ za. 12 a 2 8 /0 6 . Terças, 18h e quin-

UTERATURA ESPECIAL Inscrições antecipadas. Grá­ tis. «Baú de Letras. Disponibiliza li­ vros variados para leitura de funcio­


CINESESC nários das empresas. Segunda a sex­ ta, lOh às 18h. «Curupira: O Protetor das Matas. Contação de histórias com Cia. Confraria do Beco. 1 3 /0 6 . Quar­ ta, lOh e 14h. «Arte dos Bichos. Batepapo sobre o livro Ligia Clark, linhas vivas, da coleção de livros infanto-juvenis Arte à primeira vista, da Editora Paulinas. Com Renata Sant'Anna e Valquíria Prates. 1 4 /0 6 . Quinta, 17h30. •Educar para o Contemporâneo. Batepapo com Renata Sant'Anna e Valquíria Prates sobre ações educativas com arte. 1 5 /0 6 . Sexta, 14h. «Lygia Cla­ rk à Primeira Vista. Ateliê de arte para crianças com Renata Sant'Anna e Valquíria Prates. 1 5 /0 6 . Sexta, lOh. BIBLIOTECA. Grátis. Segunda a sexta, lOh às 19h. ESPORTES torneios e campeonatos JOGOS DE MESA. Damas e xadrez. Inscri­ ções antecipadas. Grátis. 15 e 2 2 /0 6 . Sextas, 14h às 16h. CORPO E EXPRESSÃO

nas relações institucionais; atendimen­ to personalizado e campanha de ma­ trícula na empresa (O). Informações e agendamentos: 3111-7027 ou e-mail: sescempresa@carmo.sescsp.org.br. Se­ gunda a sexta, das 9h às 17h. INFANTIL CURUMIM. Visita ao Núcleo Águas Cla­ ras do Parque da Cantareira. Palestra sobre educação e saúde bucal. Grátis. 01 a 3 0 /0 6 . Segunda a sexta, 8h às 12h e 14h às 17h. TERCEIRA IDADE

TARDES DE ENCONTROS. «Sertão Bra­ sil. Com Banda Brasília. R$ 10,00; R$ 7.0 0 (□). R$ 5,0 0 (O). 2 9 /0 6 . Sexta, 16h30 às 19h.

CHÁ CULTURAL Grátis. «Suassuna, Sol e Sina. Leitura dramatizada de poe­ mas de Ariano Suassuna. Com Nil­ son Muniz e participação Filpo Ribei­ ro. 1 2 /0 6 . Terça, 16h30.

CURSOS Acima 15 anos. «Alongamen­ CURSOS. «Vivência e Reflexão Sobre to. R$ 35 ,0 0 (□). R$ 20 ,0 0 (O). Segun­ o Envelhecimento. Com Maria C. de das e quartas, 9h e 16h. Terças e quin­ Abreu. Taxa mensal: R$ 8,00; R$ 6,00 tas, 19he sextas, 9h. «Condicionamen­ (□). R$ 4 ,0 0 (O). 13, 20 e 2 7 /0 6 , to Físico. R$ 40 ,0 0 (□). R$ 23,00 (O). 04, 11, 18 e 2 5 /0 7 , 01, 08 e 15 /0 8. Quartas, 14h às 16h. «Alongamen­ Desconto de 50% para a terceira ida­ to. R$ 20 ,0 0 (□). R$ 10,00 (O). Se­ de. Segundas e quartas, 8h, 9h, 1Oh, gundas e quartas, 14h e terças e quin­ llh , 12h, 13h, 14h, 15h, 16h, 17h, tas, 15h. «Ginástica. R$ 20 ,0 0 (□). R$ 18h e 19h, terças e quintas, 7h 15, 8h, 10.00 (O). Segundas e quartas, 13h e 9h, lOh, ll h , 12h, 13h, 14h, 15h, às 15h e terças e quintas, 14h. 16h, 17h, 18h e 19h e sextas, livre pa­ ra matriculados. «Ginástica. R$ 35 ,0 0 OFICINAS. «Customização Com Pedra­ (□). R$ 20 ,0 0 (O). Segundas e quar­ rias. Com Darlene M. Nobre. R$ 8,00; tas ou terças e quintas, 18h. «Raja Yoga. Acima 15 anos. R$ 35 ,0 0 (□). R$ R$ 5 ,00 (□). R$ 4,00 (O). Taxa men­ 20 ,0 0 (O). Desconto de 50% para a sal. 11, 18 e 2 5 /0 6 , 02, 16, 23 e 3 0 /0 7 . Segundas, lOh às 12h. «Por­ terceira idade. Segundas e quartas, ta Trecos E Cacarecos. Com Carminha 17h e 19h e terças e quintas, 8h, 9h de Souza. R$6,00, R$ 4 ,50 (□) e R$ e 12h 15. 3.00 (O). 13 a 2 7 /0 6 . Quartas, lOh às 12h. 13, 20 e 2 7 /0 6 Quartas, lOh NATUREZA E MEIO AMBIENTE às 12h. «Forração Com Tecido. Com Carminha de Souza. R$ 6,00; R$ 4,50 (□). R$ 3,00 (O). 22 e 2 9 /0 6 . Sexta, AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ lOh às 12h. ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te (05 /06 ), e seguindo a proposta da Unesco para a Década da Educação FÉRIAS E TURISMO SOCIAL para o Desenvolvimento Sustentável, as CAMINHADAS. Detalhes e valores na unidades do Sesc SP promovem refle­ xões e vivências que reafirmam o com­ Unidade. «Bueno Brandão (MG): 18/08. 12km de percurso, média para promisso entre a sociedade e a nature­ alta intensidade. Saída 6h. Inscrições: za. «De Olho no Planeta. Performance. 0 1 /0 6 a 16 /0 8 . «Parque Estadual de Com Cia. Dona Conceição. N a unida­ de e área interna do Poupatempo Sé. Intervales (SP): 27 a 29 /0 7. Trilhas das Grutas do Minotauro, Fendão e Mãozi­ Grátis. 0 5 /0 6 . Terça, 1 lh às 14h. nha, de alta intensidade, 14km de per­ curso, e Trilha da Roda D'Água, média SOCIEDADE E CIDADANIA intensidade, 5km de percurso. Inscri­ workshops ções: até 2 5 /0 7 . «Trilha de Pardinho: 30 /0 6. 13 km de percurso intenso. Ins­ PERDI O EMPREGO, E AGORA? Inscrições crições: até 2 9 /0 6 . antecipadas. Grátis. 11 a 2 5 /0 6 . Se­ gundas, 18h. EXCURSÕES RODOVIÁRIAS. Detalhes e valores na Unidade. «Pirenópolis e CURSO DE PORTUGUÊS PARA ESTRAN­ Caldas Novas (GO): 05 a 13/06. Pen­ são completa. Saída 7h. Inscrições: até GEIROS. Informações e Inscrições na 0 4 /0 6 «Sesc Bertioga: 03 a 08 /0 8. Programação/Serviço Social. Grátis. Terças e quintas, 9h às 13h30. Pensão completa. Saída 7h. Inscrições: 0 1 /0 6 a 3 1 /0 7 . «Sesc Pousada AraSESC EMPRESA Organização de even­ xá (MG): 13 a 17/07. Pensão comple­ tos sócioculturais; apoios e parcerias ta. Saída 7h. Inscrições: até 1 1 /0 7

Endereço: Rua Augusta, 2 0 7 5 Telefone: ( I I ) 3 0 8 2 02 13 EMAIL@CINESESC.SESCSP.ORG.BR Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESS0SESC. Verifique a Unidade mais próxima. ESCOLA DO RISO. (Warai No Daigaku). (JAP, 2004, 121 min). Direção Mamoru Hosi. Roteiro Koki Mitani. Músi­ ca Yúsuke Honma. Fotografia Hiroshi Takase. Edição Masaaki Ya ma moto. Com Kôji Yakusho, Goto Inagaki, Tae Kimura, Masao Komatsu e Masaya Takahashi. A difícil relação do mundo das artes com a censura, em pleno Ja­ pão da década de 1940, é o tema da comédia do diretor Mamoru Hoshi. Exi­ bido no Festival do Rio 2005, foi indi­ cado aos Prêmios de Melhor Ator e Me­ lhor Roteiro pela Academia Japonesa de Cinema e fez também parte da se­ leção do Festival do Rio de 2005. O Tsubaki pede aprovação para a ence nação de uma paródia de Romeu e Julieta. O censor insiste em modificar a peça: primeiro por motivações polí­ ticas e depois por divergências esté­ ticas. Tsubaki e Sakisaka começam a reescrever o texto, que realmente fica melhor. Segundas, terças e quintas: R$ 8,00; R$ 4,0 0 (□, O , ❖). Quartas: R$ 6,00; R$ 3,00 (O, O , ❖). Sextas, sába­ dos e domingos: R$ 10,00; R$ 5,00

CARREIRAS. (BRA, 2005, 72min). Dire ção Domingos Oliveira. Com Priscilla Rozenbaum (Melhor Atriz Festival de Gramado 2005). Cheirando gramas de cocaína, Ana Laura, 4 0 anos, ân­ cora de televisão, enfrenta sua "lon­ ga noite de loucuras" tentando romper com o "sistema". Sua mágoa é ter per­ dido seu status dentro da emissora em que trabalha, sendo preterida por mo­ ças mais jovens. No raiar da manhã, uma surpresa a espera, fazendo rever­ ter o rumo dos acontecimentos. O filme tem uma linguagem delirante, mixada com ácido humor. Livremente inspirado

na peça Corpo a Corpo, de Oduvaldo Vianna Filho. Segundas, terças e quin­ tas: R$ 8,00; R$ 4,00 p , O , ❖). Quar­ tas: R$ 6,00; R$ 3,00 p , O , ♦>). Sex­ tas, sábados e domingos: R$ 10,00; R$ 5,0 0 p , O , ❖). PONTO CURTA. Ponto de encontro para curta-metragistas exibirem seus traba­ lhos e conversarem sobre cinema. O programa enfoca a manifestação da sexualidade em diferentes momentos e circunstâncias. Grátis. Senhas 1h an­ tes. 1 9 /0 6 . Terça, 21h30. «Claustro. (SP, 2006, 14min, ficção, vídeo, cor). Direção Eduardo Aguilar. Com Már­ cia de Oliveira, Daniel Tavares e Pedro Macedo. Dois homens e uma mulher dividem um apartamento. O ciúme, a dor, a violência e o afeto... As rela­ ções, os meios, as metades, o meicndia. •Lourdes - Um Conto Gótico de Terror. (SP, 2006, 12min, ficção, vídeo, cor). Direção Eduardo Aguilar. Com Mariana Rubino, Rosy Antunes, Carol Angrisani, Rodrigo Manzelli. No silêncio de um claustro, a manifestação sublima­ da de desejos. «Do Mundo Não Se Le­ va Nada. (SP, 2005, 15min, ficção, ví­ deo, cor). Direção Charly Braun. Com Fábio Lucindo, Iara Jamra, Sofia Reis, John Herbert. Uma TV que avança até o futuro, uma banda sem futuro e uma garota para conquistar antes do fim do mundo. «O Caderno Rosa de Lori Lamby. (2005, 19min, ficção, 35 mm, cor). Direção Sung Sfai. Com Iara Jamra, Re­ nato Scapino, Mario César Camargo. Baseado em conto de Hilda Hilst. 30 ANOS - ASSOCIAÇÃO BRASILEI­ RA DE DOCUMENTARISTAS-MAIS QUE UMA ENTIDADE, UM ESTADO DE ES­ PÍRITO. Lançamento do Livro. Orga­ nização Maria do Rosário Caetano. 1 9 /0 6 . Terça, 21 h30. SESSÃO DO COMODORO. Carlos Reichembach comenta e exibe em versão original filmes do seu acervo particular. Grátis. Senhas 1h antes. 0 6 /0 6 . Quar­ ta, 21 h30.

revista e

51


CONSOLACAO rios, um tributo à era das máquinas em pleno início do século XX. 12 /0 6. •In­ ferno. (1911) A primeira adaptação feita no cinema da obra A Divina Co­ média, de Dante Alighieri. Esta monu­ mental produção durou três anos de fil­ magens, utilizou incríveis efeitos espe­ ciais e gigantescos cenários. 2 6 /0 6 .

Álbum de Família. 01 a 1 6 /0 6 Endereço: Rua Doutor Viia Nova, 245 Telefone: (11) 3234 3000 Horário: Secunda a Sexta, das 9h As 22h. Sábados e feriados, das 9h às 17h30. email@consolacao.sescsr.org.br Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima.

espetáculos PRÊT-À-PORTER 8. Cenas desenvolvidas pelos atores do Centro de Pesquisa Te­ atral - CPT. Coordenação Antunes Fi­ lho. 'Ponto Sem Retorno', com Emerson Danesi e Marcelo Szpektor. 'Exiladas', com Marília Simões e Aline Filócomo. 'Velejando Na Beirada', com Marcelo Szpektor e Pedro Abhull. Espaço CPT. R$ 10,00; R$ 7,50 (□). R$ 5,00 (O e ❖). Até 2 5 /0 8 . Sábados, 18K30. ÁLBUM DE FAMÍLIA. De Nelson Rodri­ gues. Direção Alexandre Reinecke. Com Denise Weinberg, Caca Amaral, Angela Barros, Gabriel Pinheiro, Rennata Airoldi, João Vitor D'Alves, Hele­ na Cerello, Riba Carlovich, Eldo Men­ des e Ronaldo Dias. Acima 16 anos. Teatro Sesc Anchieta. R$ 20,00; R$ 10,00 (□, ❖). R$ 7,50 (O). 01 a 17 /0 6. Quinta a domingo, 21h. ALICE. Enredo inspirado tanto no uni­ verso onírico de Lewis Carroll como em autores como Thomas Mann, Goethe, Joyce, Kafka, Borges, passando ainda por Micea Eliade e Jung. De Vi­ viane Dias. Direção Ismar Rachmann. Com Cia. Estelar. Acima 14 anos. Es­ paço Provisório do 3o andar. R$ 6,00; R$ 3,00 (□, ❖). R$ 2,00 (O). 14 a 2 9 /0 6 . Quintas e sextas, 21 h.

7 LEÍTURAS 7 ENCONTROS 7 AUTORES 7 DIRETORES. Concepção e direção ge­ ral Eugênia Thereza de Andrade. Grá­ tis. «À Margem da Vida. De Tennessee Williams. Com diretores reconhecidos

52

revista e

e elenco convidado. Acima 14 anos. Teatro Sesc Anchieta. 1 8 /0 6 . Segun­ da, 19H30. MÚSICA

NEO CLÁSSICO. Apresentação de filmes mudos de vanguarda, realizados entre 1895 a 1934. As trilhas sonoras são executadas ao vivo pelo grupo Frame Circus, composto por Paulo Beto, Tata Aeroplano e Maurício Fleury. Grá­ tis. Terças, 19h30. «Annabelle Dances and Dances. (1895) Uma das primeiras estrelas do cinema, a dançarina Anna­ belle faz movimentos fluidos como ser­ pentinas e borboletas. Este é um dos primeiros filmes artísticos da história do cinema. «Das Leben und die Liebe Eines Zartfichen Geschlechts. (1927/28) A vida e o amor do sexo frágil. Coreo­ grafia de mãos humanas inspiram uma narrativa pictórica tradicional, come­ çando pela simbologia da Capela Sistina e, logo depois, evocando o sexo frá­ gil. «Le Joie de Vivre. (1934) Anthony Gross é mais conhecido como ilustra­ dor e pintor e, por isso, seus filmes ani­ mados refletem seu diferente estilo grá­ fico, porém, com uma sofisticada core­ ografia de linhas e espaços. «The Furies. (1934) Vorkapich teve liberdade para criar, escrever, dirigir e editar es­ te trabalho com vampiras vítimas que nascem de crimes passionais e traníormou-o numa ode urbana ao feminis­ mo. «Moonland. (1924-26) Influencia­ do pelo livro O Mágico de Oz, o dire­ tor faz uma viagem com um menino e seu cãozinho para o mundo da lua, on­ de cenários são pintados e muita tecno­ logia recente para a época foi utiliza­ da. •FooHight Parade by a Waterfall. (1933) A coreografia de nado sincro­ nizado é um pretexto para este singelo e estético curta de Berkeley. Chama a atenção as filmagens embaixo d'água e os ângulos, que mostram diferentes perspectivas. «Mechanical Principies. (1930) Apresenta engrenagens e pis­ tons em movimentos verticais e rotató­

MUNDO PERCUSSIVO. Divulgar e en­ sinar, por meio da diversidade cultu­ ral, as linguagens dos batuques de vá­ rias tradições. Curadoria Ari Colares. Grátis. Quartas, 20h. «Zezinho Pitoco (PE). Integra o grupo de choro Pa­ po de Anjo e a banda de Antônio Nóbrega. Mistura estilos e tendências da musicalidade popular do nordeste. No show, apresenta a zabumba. 0 6 /0 6 . •Fanta Konatê e Troupe Djembedon. In­ terface contemporânea de sons africa­ nos da Nova Guiné, Senegal e Serra Leoa, sobre pesquisa de Luis Kinugawa. 13 /0 6. «Ricardo Bologna. Percus­ sionista da Orquestra Sinfônica do Es­ tado de São Paulo, é fundador e dire­ tor do Percorso Ensemble, especializa­ do no repertório do século XX e contem­ porâneo, e lança pelo Selo Sesc o pri­ meiro CD do grupo. 2 0 /0 6 . MUNDO PERCUSSIVO. Shows. R$ 15,00; R$ 7,50 (□, ❖). R$ 5,00 (O). Quinta, sexta e sábado, 21 h e domingo, 20h. •Duo Ello (BRA) Encontra Trilok Gurtu (IND). Duo mescla composição e impro­ visação, erudito e popular, por meio de peças escritas para a formação. Com Carlos Stasi e Luiz Guello. Trilok Gur­ tu é mestre da música indiana, toca com um set híbrido de percussão orien­ tal e ocidental. Colaborou em traba­ lhos com Don Cherry, John McLaughlin e Pat Melheny. 2 1 /0 6 . •Ramiro Musotto (ARG) Encontra Simone Soul e Gui Kastrup (BRA). Participação de Arnaldo Antunes. Kastrup e Soul unem suas ex­ periências de fusão entre acústico e ele­ trônico. Musotto, argentino radicado no Brasil, aproxima de maneira criati­ va os samplers e os sons ancestrais da percussão. 2 2 /0 6 . «Coito Marcondes (BRA) Encontra Glen Velez (EUA). Mar­ condes cria uma atmosfera única com instrumentos de diversas etnias. Vélez é considerado um dos maiores percus­ sionistas da atualidade, difusor da téc­ nica do "frame drum", tipo de pandei­ ro medieval. 2 4 /0 6 . • Marcos Suzano Encontra Arto Tunçboyacian (ARM). Su­ zano influenciou toda uma geração de percussionistas, reinventou a forma de tocar o pandeiro do choro e potencia­ lizar o som do instrumento. Tunçboya­ cian foi fundador da Armenian Navy Band, uma banda de estilo "avant-garde folk" ou folclore de vanguarda. Per­ cussionista e cantor, recria a música tra­ dicional da sua região. 2 4 /0 6 . TOQUE COM O CEM. Alunos do Centro Experimental de Música apresentamse com músicos e grupos convidados. Grátis. • Prática de Conjunto e Perfor­ mance Musical com Pepeu Gomes. Sua música mescla rock, MPB, baião, jazz, chorinho, pop, frevo, samba, maracatu e funk negro. Ele se apresenta com os alunos do CEM em um grupo regido e arranjado por Fábio Tagliaferri. 26 e 2 7 /0 6 . Terça e quarta, 21 h. «Choro e

Canção Toca com Henrique Cazes. Con­ siderado o melhor solista de cavaqui­ nho e um dos mais ativos músicos de Choro da atualidade, Cazes toca com o grupo Choro e Canção do CEM regi­ do, arranjado e apresentado pelo pro­ fessor Bob de Souza. 3 0 /0 6 . Sábado, 21 h. «Inquilino do Mundo - O Nomadismo Musical com Mawaca e Grupo Canto em Cena. O grupo do CEM é di­ rigido por Sheila Assumpção e Solange Assumpção, e apresenta na primei­ ra parte do espetáculo peças do Can­ cioneiro de Upsala da Espanha. Ma­ waca, acompanhado pelo Canto em Cena, apresenta músicas do seu reper­ tório. A proposta desse encontro é ex­ plorar as sonoridades vocais de outros estilos musicais do mundo. Inquilino do Mundo é o novo show do Mawaca. 0 1 /0 7 . Domingo, 19h. MULTIMÍDIA E INTERNET CURSOS. Espaço Internet Livre. Inscrições antecipadas. «Animação em 3D. Com Blender. Acima 16 anos, com conhe­ cimentos básicos. Com Glauco Paiva (Coletivo Metareciclagem). R$ 10,00; R$ 5,00 (□). R$ 3,00 (O). 0 9 /0 6 a 2 8 /0 7 . Sábados, 14h às 16h. «Intro­ dução ao Linux. Acima 14 anos. Grá­ tis. 13 a 2 9 /0 6 . Quartas e sextas, 18h às 19h. OFICINAS. Espaço Internet Livre. «Cine­ ma de Bolso. Produção de livros de animação stop motion com software livre. Com Glauco Paiva. Inscrições antecipadas. R$ 10,00; R$ 5,00 (□, ❖). R$ 3,00 (O). Até 1 3 /0 6 . Quar­ ta e sextas, 19h às 21 h. «Persona­ gens Animados. Introdução à modela­ gem. Para menores de 18 anos. Inscri­ ções antecipadas. Com técnicos Sesc. Grátis. 11 a 2 7 /0 6 . Segundas e quar­ tas, 15h30 às 16h30. «Criando Apre­ sentações. Trazer texto e imagens ou obtidos livremente na web. Acima 14 anos. Inscrições antecipadas. Com téc­ nicos Sesc. Grátis. 12 a 2 6 /0 6 . Ter­ ças, 18h às 19h. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS exposições INTERFERÊNCIA. Xilogravura de gran­ de dimensão. De Augusto Sampaio. 7°andar. Visitação: Grátis. 0 1 /0 6 a 3 1 /0 7 . Segunda a sexta, 9h às 21 h e sábados e feriados, 9h às 21 h. PRA MÓ Dl QUÊ. Intervenção artística ce nográfica, com tema rural de Biba Rigo. Hall de Convivência. Visitação: Grátis. 01 a 3 0 /0 6 . Segunda a sex­ ta, 9h às 21 h e sábados e feriado, 9h às 17h. PINTURA PAINEL Imagens produzidas com tinta acrílica e máscaras de ace­ tato. Espaço Expositivo, 8° andar. Visi­ tação: Grátis. 01 a 3 0 /0 6 . Segunda a sexta, 9h às 21 h e sábados e feriados, 9h às 17h. XILOGRAVURA. Mostra dos trabalhos dos participantes do curso Introdução à Xi­ logravura, orientado pelo artista plásti­ co Augusto Sampaio. 1° andar. Visita­ ção: Grátis. 0 1 /0 6 a 3 1 /0 7 . Segunda


a sexta, das 9h às 21 h e sábados e fe­ riados, 9h às 17h.

anos. Inscrições 30min antes. Grátis. 2 3 /0 6 . Sábado, 9h30 às 13H30.

especial SOB O SOL, SOB A LUA. Livro infantil de Cynthia Crutenden é a base para série de atividades. Grátis. «Exposição. Re­ produção em grande escala do livro. Espaço do Curumim. Visitação: 0 1 /0 6 a 3 1 /0 7 . Segunda a sexta, 9h às 21 h e sábados e feriados, 9h às 17h. •Pensando em Forma de Livro. Refle­ xão sobre o processo de criação de li­ vros infantis voltada ara educadores. Com Cynthia Cruttenden. Espaço do Curumim. Inscrições de 01 a 1 5 /0 6 . 1 6 /0 6 . Sábado, lOh às 14h.

TORNEIO DE VÔLEI - PILAR ESPORTES CSU. Vôlei 4 X 4 feminino para funcio­ nários da Card System - CSU. Jogos: 02 a 2 3 /0 6 . Sábados, lOh às 13h.

oficinas INTRODUÇÃO À AQUARELA. Com Ana Maria Macedo. Acima 13 anos. Sala Ômega. Inscrições: 01 a 1 6 /0 6 . R$ R$ 15,00; R$ R$ 7,5 0 p , ❖). R$ R$ 5 .00 (O). 1 6 /0 6 a 0 1 /0 9 . Sábados, 14H30 às 17K30. LITERATURA bibliotecas ESPAÇO DE LEITURA. Grátis. Segunda a sexta, 12h30 às 20h30 e sábados e feriados, 9h30 às 17h30. ESPORTES CURSOS. Para 16 a 59 anos. «Fukal e Condicionamento Físico. Para 2 0 a 5 9 anos. Duração 6 meses. Inscrições (O): 01 a 15 /0 5 . R$ 48 ,0 0 p ) . R$ 24 .0 0 (O). Terças e quintas, 19K30. •Clube do Basquete. Grátis (□, O). Se­ gundas, 18h30. «Clube do Vôlei. Grá­ tis (O, O). Segundas, 20h. «Natação Iniciação. Estilos Crawl e Costas. Dura­ ção 3 meses. Sorteio (O): 0 1 /0 6 , 19h. R$ 86 ,0 0 p ) . R$ 4 3 ,0 0 (O). Segun­ das e quartas, 18h30 e 20H30 e terças e quintas, 8h, 12h, 17h30 e 19K30. •Perdendo o Medo da Água. Acima 15 anos. Inscrições (O): 01 a 15 /0 6. R$ 50 ,0 0 p ) . R$ 25 ,0 0 (O). Sábados, 10h30. «Vôlei Iniciação. Inscrições (O): 01 a 1 5 /0 6 . R$ 28 ,0 0 p ) . R$ 56 ,0 0 (O). Segundas e quartas, 20h. RECREAÇÃO ESPORTIVA DIRIGIDA. Com técnicos Sesc. Grátis. «Hidroanimação. Sábados e feriados, 14h. «Jo­ gos Aquáticos. Para 16 a 59 anos. Sá­ bados e feriados, 13h30. «Basque­ te. Acima 16 anos. 01 a 3 0 /0 6 . Sex­ tas, 17H30 às 2 1 H30 e sábados, 9h30 às 12h30. «Futsal Masculino. Acima 16 anos. 01 a 3 0 /0 6 . Sextas, 18h às 21 h30 e sábados, 14h às 17H30. •Vôlei. Acima 16 anos. 01 a 3 0 /0 6 . Masculino: sextas, 18h às 21 H30 e sá­ bados, 14h30 às 17H30. Feminino: sá­ bados, 12h às 14K30. RECREAÇÃO ESPORTIVA UVRE. Grátis. •Futsal. Acima 16 anos. Quartas e sex­ tas, 9h às 11 h. «Tênis de Mesa. Acima 7 anos. Segunda a sexta, 9h às 21 h30 e sábados e feriados, 9h às 17h30. torneios e campeonatos TORNEIO MAIO DO TRABALHADOR 2007. Futsal. Para (O). Jogos: 01 a 2 9 /0 6 . Segunda a quinta, 19h às 21 h30. «Festival de Xadrez. Acima 10

XV CAMPEONATO DE FUTSAL DO SINDPD. Futsal masculino para associa­ dos do Sindicato dos Processadores de Dados. Jogos: 02 a 2 3 /0 6 . Sábados, 13K30 às 17h30. VIVÊNCIA DE BADMINTON. Com ra­ quetes e peteca. Acima 10 anos. Ins­ crições 30min antes. Grátis. 23 e 3 0 /0 6 . Sábados, 9h30 às 11H30. SEMANA OLÍMPICA 2007. Promovido pe­ lo Sesc SP em parceria com o COB Comitê Olímpico Brasileiro, para divul­ gar o ideal olímpico e os valores do es­ porte. «Festival de Natação. Compe­ tição aberta para (O, O), estilos cra­ wl e costas. Apresentar cartão Sesc e exame dermatológico válido. Aci­ ma 10 anos. Inscrições 30min antes. Grátis p , O). 2 3 /0 6 . Sábado, 15h. serviços SESC EMPRESA. «Matrícula na Empresa. Para (O). «Locação de Quadras. Os pedidos devem ser enviados do I o ao 20° dia de cada mês. R$ 25,00/hora de segunda a sexta, 7h30 às 18h. R$ 50,00/h o ra de segunda a sexta, 18h às 21 h30, sábados e feriados, 9h30 às 17H30. Segunda a sexta, 13h às 19h. Segunda a sexta, 13h às 19h. CORPO E EXPRESSÃO palestras INTRODUÇÃO A MEDITAÇÃO HAJA YOGA. Aspectos e prática da meditação na abordagem Haja Yoga. Com Institu­ to de Desenvolvimento Brahma Kumaris. Sala Ômega. Grátis. 2 1 /0 6 . Quin­ ta, 14h e 19H30. aulas abertas DANÇA DE SALÃO. Para matricula­ dos nos cursos físicoesportivos. Se­ nha 30min antes. Grátis p , O). 01 a 2 9 /0 6 . Sextas, 20h às 21h30.

R$ 60 ,0 0 p ). R$ 30 ,0 0 p ) . Terças e quintas, 20h30.

Brasileiras. Com Cia. Tempo de Brin­ car. 11 h30.

NATUREZA E MEIO AMBIENTE palestras AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te (05 /06 ), e seguindo a proposta da UNESCO para a Década da Educa­ ção para o Desenvolvimento Susten­ tável, as unidades do Sesc SP promo­ vem reflexões e vivências que reafir­ mam o compromisso entre a socieda­ de e a natureza. Hall de Convivência. Grátis. «Um Encontro com Seu Lixo. Pa­ lestra que analisa os hábitos de consu­ mo, destino de resíduos e suas conse­ qüências para o meio ambiente. Com Patricia Blauth. 0 5 /0 6 . Terça, 17h. •Água Paz. Instalação plástica em que a artista tece um rio e dialoga gestualmente com o público. Com Cecília Borelli. 0 5 /0 6 . Terça, 15h às 17h. «As­ sunto do Século. Painel sobre a situa­ ção do planeta e as atitudes que se po­ de adotar em favor da reversão da de­ gradação. Visitação: 05 a 16 /0 6 . Se­ gunda a sexta, 7h às 22h e sábados e feriados, 9h às 18h. «Teste do Consu­ mo. Teste on line segundo o estilo de vida. 05 a 16 /0 6 . Segunda a sexta, 13h às 20h e sábados e feriados, 1Oh às 15h. «Bichos Urbanos. O curta faz analogia entre os animais dos gran­ des centros e o ser humano das gran­ des cidades. Direção João Mors e Karem Barros. 0 5 /0 6 . Terça, 19h e 20h. •Ilha das Flores. Curta ácido e diverti­ do retrata que fa mecânica da socieda­ de de consumo. Direção Jorge Furtado. 0 5 /0 6 . Terça, 18h30 e 19h30. SAÚDE E AUMENTAÇÃO EXAME MÉDICO DERMATOLÓGICO. Co­ brado acima 3 anos. R$ 18,00 p ). R$ 9,0 0 (O). Segundas, 9h às 12h45, 13h às 17h45 e das 18h às 2 1 h l5 , quartas e quintas, 9h às 12h45 e 13h às 17h45, sextas, 9h às 12h45 e 18h às 21 h l5, sábados e feriados, 9h às 13h45 e 15h às 17h l5. INFANTIL

espetáculos TEATRO INFANTIL Grátis. Ingressos lh CURSOS. Para 16 a 59 anos. «Alonga­ antes. «Pluft, O Fantasminha. De M a­ mento. Grátis para matriculados em ria Clara Machado. Com Cia. de Tea­ cursos. Sextas, 18h e 19h. «Condicio­ tro Os Coringas. Teatro Sesc Anchieta. namento Físico. Inscrições (O): 01 a 02 a 3 0 /0 6 . Sábados, 11 h. 1 5 /0 6 . R$ 86 ,0 0 p ) . R$ 43 ,0 0 (O). Segunda a sexta, 7 h l0 às 11 h59h, 12h às 16h59, 17h às 21 h30 e sába­ sIbAD O BRINCANTE. Atividades lúdicas dos, 9h30 às 15h30. «Ginástica. Ins­ crições p ) : 01 a 1 5 /0 6 . R$ 56 ,0 0 para toda família. Grátis. Sábados, p ) . R$ 28 ,0 0 p ) . Segundas e quar­ 16h. «Curupira, Saci e Cobra-Que-Matas, 7 h l0 , 17h30, 18h30 e 19h30 ma. Músicas de viola e causos. Com e terças e quintas, 17h30, 18h30 e Paulo Freire. 02, 16 e 3 0 /0 6 . «Brin­ 19h30. «Hatha Yoga. Sorteio p ) : cadeira de Viola. Inspirado no CD Brin­ cadeira de Viola, canções infantis e pe­ 0 1 /0 6 , 20h. R$ 40 ,0 0 p ) . R$ 20,00 quenas histórias. Com Ana Salvagni. P ) . Segundas e quartas, 20h e ter­ ças e quintas, 12h 15, 17h30, 18h30 0 9 e 2 3 /0 6 . e 19h30. «Hidroginástica. lx sema­ SÁBADO BRINCANTE. Grátis. 02 a na: R$ 50 ,0 0 p ) . R$ 25,00 p ) . Sor­ 3 0 /0 6 , sábados. «Jogos de Outros teio (O): 0 1 /0 6 , 19h. 2x semana: R$ Povos. Jogos de mesa. Hall de Convi­ 86 ,0 0 p ) . R$ 43 ,0 0 p ) . Segundas vência. lOhàs 15h. «Brinquedo Caipi­ e quartas, 12h, 17h30 e 19h30, ter­ ra. Oficina. Com Helena Alves. Acima ças e quintas, 7 h l0 , 16h30, 18h30 e 5 anos. Hall de Convivência. 13h30 às 20h30 e sábados, 9h30. «Reeduca­ 15h30. «Contos Tradicionais e Lendas ção Postural. Sorteio p ) : 0 1 /0 6 , 20h.

NATAÇÃO INICIAÇÃO. Para 7 a 12 anos. Duração 6 meses. Inscrições (O): 01 a 1 5 /0 6 . R$ 89,00 p ) . R$ 43 ,0 0 (O). Segundas e quartas, lOh e 15h. SESC CURUMIM. Para 7 a 12 anos. Se­ gundas, quartas e sextas, 8h30 às 11 h30. Segundas, quartas e sextas, 8h30 às l l hSOe 14h às 17h e Ter­ ças, quintas e sextas, 8h30 às 11 h30 e 14h às 17h. RECREAÇÃO ESPORTIVA DIRIGIDA. Com técnicos Sesc. Grátis. «Jogos Aquáti­ cos. Para 7 a 15 anos. Sábados, 13h. RECREAÇÃO ESPORTIVA UVRE. Grátis. •Aquateca. Segunda a sexta, 9h às 21 h30 e sábados e feriados, 9h às 17h30. «Futsal. Para 7 a 15 anos. Sex­ tas, 14h às 16h. 02, 09 e 1 6 /0 6 . Sá­ bados, 9h30 às 1 lh. TERCEIRA IDADE palestras INTRODUÇÃO A MEDITAÇÃO HAJA YO­ GA. Com Instituto de Desenvolvimento Brahma Kumaris. Sala Ômega. Grátis. 2 1 /0 6 . Quinta, 14h. multimídia TRATAMENTO DE FOTOGRAFIAS. Introdu­ ção. Trazer fotos. Espaço Internet Livre. Inscrições antecipadas. Grátis. 13 a 2 9 /0 6 . Quartas e sextas, 14h às 15h.

ANDANÇAS PAULISTANAS. Conheça São Paulo de metrô. Roteiro Paulista: saída na estação Sé, estação Briga­ deiro, Casa das Rosas, estação Trianon, caminhada no Parque Trianon e visita ao Masp. Com guia especia­ lizado. Inscrições antecipadas. Grá­ tis. 2 3 /0 6 . Sábado, encontro na es­ tação Sé, guichê do Turismetrô, 8h30. OFICINAS ARTÍSTICAS EARJESANAIS. Grá­ tis. «Reproduzindo São Paulo. Com Biba Rigo. Até 2 9 /0 6 . Sextas, 9h às 12h. CURSOS. Sorteio (O): 0 1 /0 6 , 14h. «Con­ dicionamento Físico. R$ 30 ,0 0 p ). R$ 15,00 (O). Segunda a sexta, 7 h l0 às 11 h59, 12h às 16h59, 17h às 21 h30 e sábados, 9h30 às 15h. «Dança. Grá­ tis. Terças e quintas, 13h30. «Ginásti­ ca. R$ 28,00 p ) . R$ 14,00 p ) . Se­ gundas e quartas, 14h e terças e quin­ tas, lOh, 14h30 e 15h30. «Hatha Yo­ ga. R$ 28,00 p ). R$ 14,00 p ) . Se­ gundas e quartas, 13h, 14h e 15h. Ter­ ças e quintas, 9 h l5 e 10h30. «Hidroginóstica. R$ 43 ,0 0 p ) . R$ 21,50 p ) . Segundas e quartas, 8h, 9h, 11 h e 13h e terças e quintas, 9h, 11 h, 14h e 15h. •Natação. R$ 43 ,0 0 p ) . R$ 21,50 p ) . Terças e quintas, 1Oh. «Reeduca­ ção Postural. R$ 40 ,0 0 p ). R$ 20,00 p ) . Terças e quintas, 16h30. «Vôlei. Grátis. Segundas e quartas, 14h30. ATENDIMENTO À TERCEIRA IDADE. Se­ tor de Esportes. Grátis. Segundas e ter­ ças, lOh às 12h e quartas e quintas, 14h às 16h.

revista e

53


INTERLAGOS CONJUNTO AQUÁTICO. Quarta a do­ mingo e feriados, 9h às 17h.

à venda. Quarta a domingo e feriados 9h às 17h.

TRAMPOUM ACROBÁTICO. Vivência dos movimentos básicos. Com técnicos Sesc. Até 0 3 /0 6 . Quarta a domingo e feriados, 13h30 às 15h30.

SOCIEDADE E CIDADANIA

CURUMIM. Festival de Câmbio para alu­ nos do Programa. Todos devem trazer um amigo. 02 e 3 0 /0 6 . Sábado, 9h às 13h.

CLUBE DA CORRIDA. Até 0 1 /0 7 . Quin­ tas e sábados, 9h às 11 h. CLUBE DA CAMINHADA. Até 0 1 /0 7 . Quartas, sábados e dominqos, 9h às llh . ESPORTE ADOLESCENTE SESC INTERLAGOS. Para 13 a 17 anos. «Futebol Masculino. Inscrição: R$ 5 ,00 a R$ 10,00. Até 0 1 /0 7 . Quartas e sextas, 13h30às 14h20.

Endereço: A v. M anoel A lves Soares, 1100 Telefone: (11) 5662 9500 Horário: Q uarta a Domingo e feriados, DAS 8h30 Às 17h30. EMAIL@INTERLAGOS.SESCSP.ORG.BR Confira os preços na unidade Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima.

ção. Musica Regional. 1 0 /0 6 . Domin­ go. «Catira - Os Favoritos da Catira. Grupo folclórico de Guarulhos (SP). 1 5 /0 6 . Sexta, 13h. «Orquestra Sanfônica. 16 e 2 3 /0 6 . Sábados. «Osvaldinho do Acordeon. 1 6 /0 6 . Sábado. •Violeiros Matutos. 16 e 2 3 /0 6 . Sába­ dos. «Jarbas Mariz. 1 7 /0 6 . Domingo. •Jongo. Grupo Folclórico de Piquete (SP). 2 3 /0 6 . Sábado. «Renato Teixei­ ra. 2 4 /0 6 . Domingo.

MÚSICA

ESPORTE ADULTO SESC INTERLAGOS. Pa­ ra 15 a 59 anos. «Tênis. Inscrição: R$ 5,0 0 a R$ 10,00. Até 0 1 /0 7 . Sextas, 9h às 9h50. ESPORTE CRIANÇA SESC INTERLAGOS. Para 7 a 12 anos. Grátis. «Futebol. Até 0 1 /0 7 . Quarta e sexta, lOh às 10h50. «Dança. Até 0 1 /0 7 . Sába­ dos, 9h30 às 10h20.

Trabalhador no comércio e serviços matriculados e dependentes Q

Usuário matriculado M ais de 60 anos e estudantes com carteirinha da UNE, UMES ou UBES professores da rede pública de ensino

54

revista e

NATUREZA E MEIO AMBIENTE CURSOS. «Currículo. Dicas de formata­ ção e sites de emprego. 01 a 2 9 /0 6 . Quintas, 15H30. «Introdução à Inter­ net. 01 a 2 9 /0 6 . Sextas, 16h30. OFICINAS. «Aprendendo a Fotografar. Dicas. Acima 8 anos. 01 a 2 9 /0 6 . Sá­ bados, 11 h30. «Toques Poéticos. Tex­ tos a partir de clássicos da literatura. 01 a 2 9 /0 6 . Quartas e sextas, 9h. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS exposições BULE MAGIA. O café até os dias de ho­ je. Até 2 2 /0 7 . Visitação: quarta a do­ mingo e feriados, 1Oh às 17h. «Carta do Barista. Oficina de preparação de café. Até 2 2 /0 7 . Quarta a domingo e feriados, 8h30 às 17h30. «Paisagens de Café. Construção de álbum digital com imagens de artistas que retrataram o café. 01 a 2 9 /0 6 . Sábados, domin­ gos e feriados, 11 h. «Cassio Poleto Trio Jazz. Show. 0 3 /0 6 . Domingos, 14h.

especial VIVA O VERDE. Programa recreativo e sócioeducativo, para grupos de todas as faixas etárias, previamente agenda­ dos, para um dia de visita ao Sesc Interlagos. «Trilhas Ambientais. Informa­ ções e agendamento: 56 62 9500. 01 a 2 9 /0 6 . Quarta a sexta, lOh. «Vivei­ ro Vivo. Agendamento prévio de esco­ lares e grupos. 01 a 2 9 /0 6 . Quarta a sexta, 13h. FESTA JUNINA DAS ESCOLAS. Utilização da infra-estrutura do Sesc para come­ morações juninas das escolas. Infor­ mações: 56 62 9500. 14, 20, 21 e 2 2 /0 6 . Quarta a sexta, 9h às 17h. CURSOS. «Orquídeas Nativas Cuidados básicos e como manter uma orquídea bonita. 0 2 /0 6 . Sábado, 14h.

instalações ARVORISMO. Com técnicos Sesc. Até 0 3 /0 6 . Quarta a domingo e feriados, 13h30 às 15h30.

OFICINAS. «Jardinagem. Técnicas para público em geral. Informações na Cen­ tral de Atendimento. «Adubação e Co­ lagem. 0 2 /0 6 . Sábado, lOh «Plan­ tas Medicinais. 0 9 /0 6 . Sábado, lOh. •Horta Doméstica. 1 6 /0 6 . Sábado, 10h «Alporquia. 2 3 /0 6 . Sábado, 1Oh. «Estaquia e Enxertia. 3 0 /0 6 . Sá­ bado, lOh.

CANOAGEM. Vivência no lago. Com téc­ nicos Sesc. Até 0 3 /0 6 . Quarta a do­ mingo e feriados, 13h30.

VIVEIRO DE PLANTAS. Reúne em Ó.OOOm2 mais de 5 .00 0 mudas em exposição e

ESPORTES

IX RESGATANDO O NOSSO FUTURO. Es­ tande do Sesc Interlagos na exposição e seminário, promovida pela Fundação Mokiti Okada no Centro Cultural do Solo Sagrado. 02 a 2 5 /0 6 . Sábado a Segunda, lOh às 17h.

SESC EMPRESA. Assessoria às empresas. Informações: 5662-9505. Quarta a Domingo e Feriados, 9h às 17h. INFANTIL INSTALAÇÕES. «Brinquedoteca. Emprésti­ mo de brinquedos. Quarta a sexta, 9h às 15h Sábado, domingo e feriados, 9h às 17h. «Ludoteca. Empréstimo de jogos. Quarta a cfomingo e feriados, 13h às 17h. «Parque Lúdico. Jacaré, Tamanduá, Casa da Árvore, Circuitos de Desafios, Troncos & Cordas, Viveiro Vivo, Brinquedos com Água e brinque­ dos de Areia. Quarta a Domingo e Fe­ riados, 8h30 às 17h. TERCEIRA IDADE

recreação XADREZ, DOMINÓ, DAMA GIGANTE E BOCHA BALL Quarta a domingo e fe­ riados, 9h às 17h.

MULTIMÍDIA E INTERNET SANTO GRÃO NA FESTA DE SÃO JOÃO. Com o tema café, a programação abrange sua influência na gastronomia, na cultura e no desenvolvimento brasi­ leiro. 0 7 a 2 4 /0 6 , 16h às 22h. Pra­ ça Pau-brasil. •Amauri Falabella Trio. 07 e 24 /0 6. Quinta e domingo. «Mais Maria do Que Zé. Forró. 07 e 17 /0 6. Quinta e domingo. «Os Catira As de Ouro. Grupo folclórico - Mauá. 0 7 /0 6 . Quinta. «Sá, Rodrix, Guarabyra e Ban­ da. 0 7 /0 6 . Quinta. «Cangada. Grupo Folclórico. 08 e 1 6 /0 6 . Sexta e sába­ do. «Bicho de Pé. 08 e 2 4 /0 6 . Sexta e domingo. «Sebastião Marinho e An­ dorinha. Repentistas. 0 8 /0 6 . Sexta. •Anastácia. Forró. 09 e 2 3 /0 6 . Sába­ dos. «Farinha Seca. Forró. 0 9 /0 6 . Sex­ ta. «Ivan Vilela e Seu Messias da Viola. 0 9 /0 6 . Sexta. «Samba de Roda. Gru­ po folclórico de Pirapora do Bom Jesus (SP). 09 e 17 /0 6. Sábado e domingo. •Bando de Maria. Forró. 10 /0 6. Do­ mingo. «Cambaiá Moçambique. Gru­ po folclórico. 10 e 2 4 /0 6 . Domingos. •Orquestra Filarmônica de Violas. 10 e 17 /0 6. Domingos. «Trem da Vira-

AÇÃO GLOBAL Estande do Sesc Interlagos no evento, sobre o meio ambiente, mananciais (Guarapiranga) e ativida­ des de esporte e lazer. O N G Peixe Vi­ vo. 0 2 /0 6 . Sábado, 8h às 17h.

PROGRAMA DIGNA IDADE. Programa envolvendo atividades sócio -educati­ vas em geral. Acima de 60 anos. Grá­ tis. Até 0 1 /0 7 . Quintas e sextas, 9h às llh.

FESTA JUNINA DA TERCEIRA IDADE. Ati­ vidades especiais e show com as Irmãs Galvão, às 14h. Agendamento de gru­ pos, tel: 56 62 95 0 0 1 5 /0 6 . Sexta, 9h às 16h.

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA. Curso visando a inclusão digital para idosos. 01 a 2 9 /0 6 . Quartas e sextas, 9h.


IPIRANGA CINEMA E VÍDEO

CINE IPIRANGA. Com acervo da Associa­ ção Brasileira de Colecionadores de Fil­ mes 16mm. Grátis. Ingressos 1h30 an­ tes. Sextas, 19h30. -Alguém. (BRA, 1980). Direção Júlio Silveira. Adoles­ cente se apaixona por um estranho em­ pregado da fazenda. 0 1 /0 6 . -Jeca Ta­ tu. (BRA, 1959). Direção Milton Ama­ ral. Com Mazzaropi. 0 8 /0 6 . -Coração de Luto. (BRA, 1966). Direção Eduardo Lorente. Drama. A infância de Teixeirinha, até chegar ao sucesso. 15 /0 6. •Luar do Sertão. (BRA, 1971). Direção Osvaldo de Oliveira. Drama. 2 2 /0 6 . •N o Rancho Fundo. (BRA, 1971). Di­ reção Osvaldo de Oliveira. Drama em ambiente rural. 2 9 /0 6 .

ESPAÇO CINECLUBE. Parceria com Cir­ cuito Alternativo de Cinema. Auditório. •Tapete Vermelho. (2006, lOOmin). Comédia. Direção Luiz Alberto Pereira. Quinzinho mora na roça e decide levar seu filho para assistir a um filme estre­ lado por Mazzaropi. Grátis. Ingressos 1h30 antes. 2 7 /0 6 . Quarta, 19h30. Endereço: Rua Bom Pastor, 822 Teiefone: (11) 3340 20 00 Horário: Terça a Sexta, das 0 7 Às 22h. Sábados, domingos e feriados, das 9h EMAIL@IPIRANGA.SESCSP.ORG.BR Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima. MÚSICA

MÁRCIA SALOMON. Repetório do CD Geminiana. R$ 15,00; R$ 7,50 (□). R$ 6 ,0 0 (0 ). 2 8 /0 6 . Quinta, 2 lh. AUDITÓRIO MPB. -As Galvão. Teatro. R$ 24,00; R$ 12,00 (□, ❖). R$ 9,00 (O). 2 6 /0 6 . Terça, 21 h. PROJETO PORTA ABERTA. -Reinaldo Bessa - O Som da Cabeça do Elefante. Re­ pertório do CD. Área de Convivência. Grátis. 1 4 /0 6 . Quinta, 20h. lançamento MARQUINHOS DE OSWALDO CRUZ E MONARCO. Lançamento do CD Memó­ rias de Minha Alma. Participação do cantor e compositor da Velha Guarda da Portela. R$ 15,00; R$ 7,50 (□). R$ 6,00 (O). 2 1 /0 6 . Quinta, 21 h. especial SOMOS AMÉRICA - SONS E SONHOS DA AMÉRICA LATINA. -Polcas e Guarânias Tetê Espíndola Convida para Ou­ vir o Paraguai. Convidado: Moacir As­ sunção. RS 6,00; R$ 3,00 (□). R$ 2,00 (O). 1 9 /0 6 . Terça, 20h. DANÇA espetáculos BAGACEIRA, A DANÇA DOS ANCES­ TRAIS (CE). Cia. de Dança Vatá, es­ tréia em São Paulo o terceiro espetácu­ lo de uma trilogia em que o corpo pes­

quisado foi o do índio brasileiro. Core­ ografia e direção Valéria Pinheiro. R$ 12,00; R$ 6,00 (□). R$ 4 ,00 (O). 13 e 14 /0 6 . Quarta e quinta, 21 h. MULTIMÍDIA E INTERNET

ENCONTROS SOBRE ARTE E POUTICAMEMEFEST2007. Com André Mesquita e Gavin Adams. Grátis. -Arte e Ecolo­ gia! Ação Direta e Alternativas de Sustentabilidade. 1 6 /0 6 . Sábado, 14h as 16h30 -Colaboração: Um Mapa das Identidades Criativas. 1 7 /0 6 . Domin­ go, 14h as 16h30. -Maneiras de Fa­ zer: Autonomia Imaginária, Consciên­ cia Coletiva. 2 3 /0 6 . Sábado, 14h as 16h30. -Guerrilhas da Informação: Resistência Simbólica e Ativismo Midiático na Rede. 2 4 /0 6 . Domingo, 14h às 16h30. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS instalações MURÓGRAPHIA. Intervenção coletiva em mural. -Liberdade em Movimento. Para 13 a 18 anos. Inscrições após 0 1 /0 6 , 9h30 às 17h30. Grátis. 21, 22, 28 e 2 9 /0 6 , 05 e 0 6 /0 7 . Quintas e sextas, 14h às 17h. OFICINAS. Acima 13 anos. Taxa men­ sal. -Artes Plásticas. Desenho, aqua­ rela, pintura e monotipia e noções de História da Arte. Com Sara Gol­ dman. R$ 60 ,0 0. R$ 30 ,0 0 (□). R$ 15.00 (O). Até 2 6 /0 6 . Terças, 14h às 17h. -Cerâmica. Com Ligia Catunda. R$ 80,00; R$ 4 0 ,0 0 (□). R$ 2 0 ,0 0 (O). Até 1 3 /0 6 . Quartas, 9h30 às 12h30. -Criar seu Instrumento pa­ ra Criar sua Música. Com Fernando Sardo. R$ 80,00; R$ 4 0 ,0 0 (□). R$ 2 0 .0 0 (O). Até 1 3 /0 6 . Quartas, 14h às 17h. -Fusing. Com Théo Giardullo. R$ 80,00; R$ 4 0 ,0 0 (□). R$ 20 ,0 0 (O). Até 1 5 /0 6 . Sextas, 13h30 às 16h30.

ESPORTES INSTALAÇÕES. Grátis. • Escalada pa­ ra Habilitados. Acima 18 anos. Trazer equipamento, cartão de matrícula atua­ lizado, RG e assinar termo de respon­ sabilidade. Ginásio. Terça a sexta, 19h às 21h30, sábados, 13h30às 17h30. •Escalada Esportiva. Acima 7 anos. 03 e 1 7 /0 6 . Domingos, 14h às 15h30. •Rapei. Acima 7 anos. Grátis. 10 e 2 4 /0 6 . Domingo, 14h às 15h30.

SEm Tn ÁRIO INTERNACIONAL DE AIKIDO. Parceria com a Confederação Bra­ sileira de Aikido (Brazil Ailcikai). Com mestre internacional. Ginásio. Grátis. 3 0 /0 6 . Sábado, 9h30. CLUBE DA CAMINHADA. -Caminhadas no Parque. Acima 16 anos. Grátis. 03 a 2 4 /0 6 . Domingos, 9h30. -Trilha do Pico das Agulhas Negras. Alta intensi­ dade e 8h de duração. Saída sexta, 20h30. Acima 16 anos. Inscrições: a partir 0 5 /0 6 . R$ 333,00; R$ 259,00 p ) . R$ 185,00 (O). Parcelados em 3x cartão ou cheque. 22, 23 e 2 4 /0 6 . Sexta, sábado e domingo.

torneios e campeonatos TORNEIO DE FUTSAL FEMININO. Acima 16 anos. Ginásio. R$ 50,00; R$ 40,00 p ). R$ 30,00 (O). 01 a 2 9 /0 6 . Terça a domingo. SESC EMPRESA. Grátis. -Assessoria Téc­ nica. Elaboração de eventos esporti­ vos para empresas do comércio, servi­ ços e agremiações. Terça a quinta, 18h às 21h30. -Desafios entre Empresas. Futsal masculino para (O) da região. 1 3 /0 6 . Domingo, 1 lh. CORPO E EXPRESSÃO DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS E TAI CHI CHUAN - INSCRIÇÕES: 0 1 /0 6 a 31 /0 7. Acima 15 anos. De 0 4 /0 8 até 2 4 /1 1 . R$ 36 ,0 0 p ). R$ 18,00 (O). Terça a sexta, 8h às 21 h, sábados, domingos e feriados, 9h às 17h. CURSOS. Acima 16 anos. R$ 60 ,0 0 p ). R$ 30,00 (O). -Cidosesc. Terças e quin­ tas, 7h, às 14h30 e 18h30, quarta e sexta, 19h30. -Reeducação Postural. Terças e quintas, lOh e quartas e sex­ tas, 7h. -Alongamento. 2x semana: Quartas e sextas, 19h30. -Ginástica. Terças e quintas, 8h, 15h30, 18h30 e 19h30, quartas e sextas, 18h30. -Ka­ ratê. Acima 12 anos. Quartas e sex­ tas, 18h30. -Tai Chi Chuan. 1 5 /0 3 a 1 3 /1 2 . Terça e quintas, 7h. -Yoga. Ter­ ças e quintas, 18h30 e 19h30 e quar­ tas e sextas, 8h. CURSOS. Acima 16 anos. -Alongamen­ to. 1x semana: R$ 3 6 ,0 0 p ). R$ 18,00 (O). Sábados, 9h30. -Hidroginástica. Para (O). 2x semana: R$ 43,00. Terças e quintas, 7h, 14h30 e 19h30 e quar­ tas e sextas, 12h, 19h30 e 20h30. 1x semana: R$ 25,00. Sábados, 10h30. •Vôlei. R$ 24,00 p ) . R$ 12,00 (O). Quartas e sextas, 15h30. SAÚDE E ALIMENTAÇÃO EXAME MÉDICO DERMATOLÓGICO. C o brado acima 3 anos. R$ 18,00 p ). R$ 9,00 (O). Terças e quartas, 8h às 14h, quintas e sextas, 15h às 21 h, domin­ gos e feriados, 9h às 13h e das 14h às 17h. SOCIEDADE E CIDADANIA

E5R4ÇO CINECLUBE - HEUÓPOUS. Par­ ceria Circuito Alternativo de Cinema e CineFavela. Grátis. UNAS - Heliópo lis. -Pro Dia Nascer Feliz. Direção João Jardim. 88 minutos. Unas/Heliópolis, R. da Mina, 38. 0 3 /0 6 . Domingo, 17h.

CLUBE DO PEDAL -Planejamento de uma Viagem de Cidoturismo. Palestra. Par­ ceria Sesc e Clube de Cidoturismo do Brasil. Auditório. Grátis. 0 9 /0 6 . Sába­ do, 15h. -Trilha da Serra do Japi. Mé­ ESPAÇO CINECLUBINHO - HEUÓPOUS. dia intensidade, percurso 35Km na M a­ Parceria Circuito Alternativo de Cinema ta Atlântica. Obrigatório uso de capa­ e CineFavela. -Tapete Vermelho. Comé­ cete, acima 16 anos. Inscrições: a par­ dia. Direção Luiz Alberto Pereira. Cinetir 0 5 /0 6 . R$ 90,00; R$ 70,00 p ) . R$ 50 ,0 0 (O). Parcelados em 2x cartão ou favela - Heliópolis. R. da Alegria, 63C. Grátis. 2 4 /0 6 . Domingo, 15h. cheque. 1 7 /0 6 . Domingo, 6h. AULAS ABERTAS. Grátis. -Diversesc. 0 3 /0 6 (Dardo) e 1 7 /0 6 (Futebol de Botão). Sábados, 14h às 15h30. -Hidrorecreativa. 03 a 2 4 /0 6 . Domin­ gos, 1 lh. -Aquasesc 1 0 /0 6 (Basque­ te Aquático) e 2 4 /0 6 (Biribol). 10 e 2 4 /0 6 . Sábados, 14h às 15h30.

ARRAIAL DA VILA DE SÃO PAULO. Festa junina. 0 7 /0 6 a 0 1 /0 7 . Feriado, sá­ bados e domingos, 17h às 22h, sex­ tas, 18h às 22h. Ingressos antecipados a partir 0 1 /0 6 . R$ 2,00; R$ 1,00 (O, □ , ❖). -Festança. Exposição de pintu­

revista e

55


IPIRANGA ra Naif da artista Marilene Gomes. Vi­ sitação: Grátis. 0 1 /0 6 a 0 1 /0 7 . Terça a domingo, 9h às 22h, 02 e 0 3 /0 6 , até às 18h. «Caixeiras do Divino. Cor­ tejo de abertura da festa junina. Grá­ tis. 0 7 /0 6 . Quinta, 17h 15. «Casa do Artesão. Integrando o espaço da Vila de São Paulo. Grátis. 0 7 /0 6 a 0 1 /0 7 . Feriado, sábados e domingos, 17H30 às 21 h30 e sextas, 18h30 às 21 h30. •Gabriel Sater e Banda. 07 /0 6 . Quin­ ta, 20K30. «Pega na Pimenta. 07 e 15/06. Quintas, 18K30 e 19H30, sextas, 19h e 20h. • Matuto Moderno. 08 /0 6 . Sexta, 20H30. «Trova Paulista. 08 e 16/06. Sexta, 18h30e 19H30 e sábado, 19h e 20h. «Grupo de Dan­ ças Folclóricas Brasileiras aa 3a Idade do Sesc Ipiranga. 0 9 /0 6 a 0 1 /0 7 . Sá­ bados e domingos, 19h30. «Moído no Pilão. 09 e 17 /0 6. Sábado e domingo, 18h e 19h. «Socorro Lira e Júlio Santim. 0 9 /0 6 . Sábado, 20h30. «Coco Seco (PE). 10/06. Domingo, 19K30. «Or­ questra Sanfônica. 10 /0 6. Domingo, 20H30. «Pedra de Rio. 10 e 2 3 /0 6 . Sábado e domingo, 18h e 19h. «A Vo­ lante do Sargento Bezerra. 15 /0 6. Sex­ ta, 20h30. «Kátya Teixeira e Ricardo Vignini. 16/06. Sábado, 20h30. «Or­ questra Extremamente Caipira. 17 /0 6. Domingo, 20K30. «Os Favoritos da Catira. 17/06. Domingo, 19h30. «Canta Viola. 22 /0 6 . Sexta, 19h e 20h. «Tião Carvalho e Grupo Cupuaçu. 2 2 /0 6 . Sexta, 20K30. «Consuelo de Paula e Levi Ramiro. 2 3 /0 6 . Sábado, 20H30. •Grupo de Projeção Folclórica da Fa­ culdade de Educação Física da FMU. Resgate dos estilos de dança popular. 23 /0 6 . Sábado, 19h30. «Banda de Pífanos de Caruaru. 2 4 /0 6 . Domingo, 20h30. «Folias de São João com Au­ to do Bumba meu Boi. 2 4 /0 6 . Domin­ go, 19h30. «Uno de França. 24 /0 6 . Domingo, 18h e 19h. «Brasil Caboclo. 29 /0 6 . Sexta, 20K30. «Irmãos Anadeto. 2 9 /0 6 e 0 1 /0 7 . Sexta, 19h e 20h e domingo, 18h e 19h. «Congada Marujada Nossa Senhora do Rosário. 30 /0 6 . Sábado, 19h30. «Cris Aflalo e Luiz Waak. 3 0 /0 6 . Sábado, 20h30. •Luciana Lima. MPB. 3 0 /0 6 . Sábado, 18h e 19h. «Orquestra Filarmônica de Violas. Regência Ivan Vilela. 0 1 /0 7 . Domingo, 20h30.

Unidade. Teatro. 0 2 /0 6 . Sábado, lOh, l lh , 12h, 13h, 14h e 15h. «Escovódromo. Para participantes da palestra. 0 2 /0 6 . Sábado, lOh às 15h. «Espa­ ço da Saúde. Histórias, brincadeiras e oficinas. 0 2 /0 6 . Sábado, lOh às 15h. •Realejo Poético. Com Cia. Patética. 0 2 /0 6 . Sábado, lOh às 15h.

NATAÇÃO INICIAÇÃO - INSCRIÇÕES: 01 /0 6 a 31 /0 7. 9 a 15 anos. Início 0 2 /0 8 . R$ 86,00 (□). R$ 43,00 (O). Terça a sexta, 8h às 21 h e sábados, do­ mingos e feriados, 9h, às 17h. recreação RECREAÇÃO E CULTURA. Para crianças presentes no Mutirão de Assistência So­ cial do Hospital de Heliópolis, no Am­ bulatório do PAN Heliópolis, à Av Almi­ rante Delamare, 1534. Grátis. 19/0 6. Sábado, 8h às 14h. TERCEIRA IDADE

/DÉÍA5 PARA O CHÁ. «Vara Marques. Sambas clássicos. R$ 10,00; R$ 5,00 (□). R$ 4,00 (O). 19 /0 6. Terça, 15h. TARDES CULTURAIS. «Moacyr Franco. Com os sucessos da carreira como "Ainda Ontem Chorei de Saudades" e "Você Não Morre mais". Abertura An­ dréa Bien. R$ 4,00; R$ 2,00 (□). R$ 1,00 (q. 2 6 /0 6 . Terça, 14h. palestras FALA SAÚDE. «Alimentação Saudável. Com profissionais do Hospital São Ca­ milo. Grátis. 26 e 2 7 /0 6 . Terça, 1Oh e quarta, 16h30.

MSSHOS CULTURAIS. «Taubaté: 28/06. Visita ao Sesc Taubaté, ao sítio onde nasceu o escritor Monteiro Lobato e ao Museu de Arte Sacra. R$ 55,00; R$ 45,00 (□). R$ 35,00 (O). Quinta, 7h30.

CURSOS. R$ 30,00 (O). R$ 15,00 (O). •Danças Folclóricas Brasileiras. Quar­ tas e sextas, 16h30. «Ginástica. Terças e quintas, 14h30 e 16h30 e quartas e sextas, 8h, 11 h e 16h30. «Yoga. Terças INFANTIL e quintas, 16h30 e 17h30 e quartas e sextas, 9h30 e 10h30. «Tai Chi Chuan. FUTEBOL DE SALÃO INICIAÇÃO. R$ Quartas e sextas, lOh. «Alongamento. 24,00 (□). R$ 12,00 (q. De 7 a 10 2x semana: (Acima). Terças e quintas, anos, quartasesextas, 14h30. De 10 a 9h e 15h30. lx semana: R$ 18,00 (□). 15 anos, quartas e sextas, 15h30. R$ 9,00 (O). Sábados, 14h30. «Cidosesc. 2x semana: (Acima). Quartas e espetáculos sextas, 1Oh, 15h30 e 19h30. 1x sema­ AS ESTRIPULIAS DE FÍGARO. Com Cia. na: R$ 18,00 (□). RS 9,00 (O). Sába­ Paulicéia. Direção Ednaldo Freire. Di­ dos, 11 h30. reção Musical Tato Fischer. Teatro. R$ 9,00; R$ 4,50 (□). R$ 3,00 (O). 03 a CURSOS. «Hidroginástica. R$ 43,00 (□). 2 4 /0 6 . Domingos, 16h. R$ 21,50 (O). Terças e quintas, 8h, 9h, llh , 12h, 13h30, 16h30 e 17h30 e ESPAÇO LÚDICO. Área de Convivência. quartas e sextas, 8h, 1Oh, llh , 14h30, R$ 1,00; Grátis (O). Terça a sexta, 16h30 e 17h30. R$ 25,00 (U) e R$ 9h30 às 17h30 e sábados, domingos 12,50 (O). Sábados, 9h30. «Vôlei. e feriados, 9h30 às 17h. Grátis. Quartas e sextas, 14h30.

CLUBE DO DENTINHO. Programa preven­ tivo de saúde bucal. De 0 a 12 anos, Grátis. «O que é cárie? Como surge es­ sa doença? Palestra. Com dentistas da

56

revista e

ITAQUERA

NATAÇÃO INICIAÇÃO - INSCRIÇÕES: 01 /0 6 a 31/07. Início 0 1 /0 8 até 30 /1 1 . R$ 43,00 (□). R$ 21,50 (O). Terça a sexta, 8h às 21 h e sábados, do­ mingos e feriados, 9h às 17h.

Endereço: A v. Fernando do Espírito Santo A lves de M attos, 1000 Telefone: (11) 6523 9200 Horário: Q uarta a Domingo e FERIADOS, DAS 9h ÁS 17h. email@itaquera.sescsp.org.br Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESS0SESC. Verifique a Unidade mais próxima. MÚSICA

VALE DO RIBEIRA: CAIPIRAS, CAIÇARAS E QUILOMBOLAS. Festa Junina sobre as culturas e costumes das comunida­ des da região, com especial atenção à produção artesanal e as manifes­ tações. Preços de Portaria. Praça de eventos. MUSICA: «Almir Sater. Apre­ senta seus sucessos. 0 7 /0 6 . Feriado, 15h. «Grupo Cultural Batucajé. Poe­ sias e causos extraídos da cultura lo­ cal. Com Antonio de Lara Mendes, André dos Santos Mendes e Pedro Joilson. Intervensões Júlio Cesar Cos­ ta, todos de Miracatu (SP). 0 7 /0 6 . Feriado, 17h. «Renato Braz. Can­ tor apresenta repertório com Jarara­ ca e Ratinho e Théo de Barros, entre outros. 0 9 /0 6 . Sábado, 15h. «Fan­ dango de Rabeca. Grupo de rabequeiros de Cananéia (SP). 10 /0 6 . Domin­ go, 13h. «Só Guarabyra. Show solo, composto de belas canções, sucessos de mais de 30 anos de sua carreira. 1 0 /0 6 . Domingo, 15h. «Grupo Cultu­ ral Candeias. Projeto social da cidade de Iguape (SP). Samba de raiz, sam­ ba de roda e congo. 1 6 /0 6 . Sábado, 17h. «Pena Branca. Cantor, composi­ tor, apresenta os grandes sucessos da carreira. 16 /0 6 . Sábado, 15h. «Or­ questra Paulistana de Viola. Compos­ ta por violas de 10 cordas, apresenta em seu repertório, entre outras, Trenzinho do Caipira, Luar do Sertão e Tris­ teza do Jeca. 1 7 /0 6 . Domingo, 17h. •Renato Teixeira. Cantor, compositor e violeiro, apresenta sucessos de seus

40 anos de carreira. 1 7 /0 6 . Domin­ go, 15h. «AsGalvão. Dupla sertaneja de raiz, formada por Meire e Marile­ ne, comemoram 60 anos de carreira. 2 1 /0 6 . Quinta, 14h. DANÇA: «Fan­ dango de Morro Seco. Música e dança com o acompanhamento de rabeca, violão e viola que acontece em datas especiais. 0 7 /0 6 . Quinta-feira, 13h. •Dança Trança Fitas. Praticada em Itaóca (SP), com oito casais; os homens seguram as fitas vermelhas e as mu­ lheres as brancas e, conforme evolui a dança, forma-se a trança. 0 9 /0 6 . Sábado, 13h. «Fandango de Taman­ co. Música e dança tradicional da re­ gião de Itaóca. 0 9 /0 6 . Sábado, 17h. •Grupo de Dança São Gonçalo. Fan­ dango caiçara com música e dança tradicional da região de Cananéia (SP). 10 /0 6 . Domingo, 17h. «Dan­ ça do Barro. Com crianças que parti­ cipam de projeto social da cidade de Apiaí (SP). 2 1 /0 6 . Quinta, 13h. VIOLA DE TERRA E MAR. A cultura, ori­ gem e folclore que envolve o univer­ so da viola caipira. «Fernando Sodré (BH). Show com o inventor da Viola de 14 cordas. 0 3 /0 6 . Domingo, 15h. •Kátya Teixeira. Uma viagem pelos ritmos das diferentes regiões do Bra­ sil e pela tradição dos violeiros, rabequeiros e cantadores. 2 4 /0 6 . Domin­ go, 15h. aulas abertas MÚSICA É FÁCIL! Apresentações abertas de musicalidade e noções de compo­ sição com o piano do Café Aricanduva, mostrando o processo de criação musical de diversos autores, entre ou­ tras informações. 09 a 3 0 /0 6 . Sába­ dos, 14h.

PERCUSSÃO CORPORAL. Usando ape­ nas o corpo como instrumento, o cur­ so explora as possibilidades rítmicas e timbrísticas por meio de exercícios, técnicas e improvisos. Com técnicos


Sesc. Preços de Portaria. 03 a 2 4 /0 6 . Domingos, 11 h. MÚSICA VOCAL. Iniciação ao canto co­ ral, acima 12 anos. Preços de Porta­ ria. 0 9 a 3 0 /0 6 . Sábado, 11 h. MULTIMÍDIA E INTERNET

VIDEOS COMENTADOS. Exibição de produtos do Selo Sesc e outros re­ gistros em vídeo do Sesc TV ligados à música ou programações cênicas, com comentários sobre a produção, o trabalho musical e curiosidades. Com técnicos Sesc. Preços de Portaria. 03 a 2 4 /0 6 . Domingos, 14h. ANIMAMUSICA. Oficina aberta de sen­ sibilização e criação musical a partir de animações e desenhos clássicos online e via telão. Com técnicos Sesc. Preços de Portaria. 0 7 a 2 8 /0 6 . Quin-

EXPEDIÇÃO VIRTUAL PELO VALE DO RI­ BEIRA. Sites sobre arte e ecologia da região. Com técnicos Sesc. Internet Li­ vre. Preços de Portaria. 0 7 /0 6 . Quin­ ta, 16h.

expressões do artesanato tradicional. Objetos decorativos e utilitários cria­ dos por artesãos perpetuam as técni­ cas tradicionais da modelagem em barro, da cestaria com fibras naturais e do entalhe em madeira. Sede Social. Visitação: 0 7 /0 6 a 0 1 /0 7 . Quarta a domingo, 9h às 17h. oficinas VALE DO RIBEIRA: CAIPIRAS, CAIÇARAS E QUILOMBOLAS. Preços de Portaria. •Tear com Fibras de Bananeira. Técni­ ca e confecção de utensílios com fi­ bras do caule da bananeira. 0 7 /0 6 . Feriado, 11 h. •Modelagem de Minia­ turas em Barro. Com artesãos de Iguape (SP). 0 9 /0 6 . Sábado, l l h . «En­ talhe em Madeira - Rabeca. Confec­ ção da Rabeca (instrumento musical) e outros objetos. Com artesãos de Cananéia (SP). 1 0 /0 6 . Domingo, l lh . •Entalhe em Madeira. Confecção de pequenos objetos em madeira. Com artesão de Iguape (SP). 1 6 /0 6 . Sába­ do, 11 h. • Figuras em Barro. Com ar­ tesão de Iguape (SP). 1 7 /0 6 . Domin­ go, l l h . «Panelas em Barro. Com ar­ tesão de Apiaí (SP) e de Itaóca (SP). 2 1 /0 6 . Quinta, ll h . CINEMA E VÍDEO

CINE VALE. Criação de vídeos a partir da exposição de artesanato do Vale do Ribeira. Com técnicos Sesc. Infor­ mações tel: 65 23 -93 15 . Internet Livre. Preços de Portaria. 08 a 2 9 /0 6 . Sex-

EU VIM VER O VALE! Oficina inicial de gravação de vídeo com depoimentos sobre a festa. Com técnicos Sesc. In­ ternet Livre. Preços de Portaria. 0 9 e 1 6 /0 6 . Sábados, 16h. BLOG DA FESTA JUNINA. Criação de um diário virtual sobre os fatos da fes­ ta. Com técnicos Sesc. Informações tel: 6523-9315. Internet Livre. Preços de Portaria. 10 e 1 7 /0 6 . Domingos, ll h . SUA PÁGINA EM HTML - MÓDULO 2. Formatação para páginas na Internet. Com técnicos Sesc. Internet Livre. Pre­ ços de Portaria. 13 a 1 5 /0 6 . Quarta a sexta, 15h. ARRAIAL DIGITAL. Evento para a terceira idade e público em geral, com apre­ sentação da Cia. Rodamoinho, víde­ os online e cultura digital. Internet Li­ vre. Preços de Portaria. 2 9 /0 6 . Sex­ ta, 10h30.

MOSTRA DE CINEMA DA ZONA LESTE. Preços de Portaria. «O Último Estuá­ rio. Documentário de Renato Pita. O complexo estuarino-lagunar IguapeCananéia-Paranaguá, é apresenta­ do sob diversos ângulos, com desta­ ques aos problemas de sobrevivência, a devastação e especulação imobiliá­ ria. 09 e 1 0 /0 6 . Sábado e domingo, 15h. «Olhares Cruzados. As riquezas naturais da região do Vale do Ribeira, os problemas e as dificuldades dos ri­ beirinhos com a pesca, plantio, mora­ dia, extração ilegal e legislação sobre áreas de preservação ambiental. 16 e 1 7 /0 6 . Sábado e domingo. 15h.

A ESCOLA VAI AO CINEMA. Realizado pelo Sesc em todo o país, o projeto disponibiliza títulos de obras cinema­ tográficas para o público escolar. In­ formações e agendamento: 65239 2 8 6 /8 7 . Quarta a sexta, lOh às 16h ESPORTES ESPECIAL. «Circuito da Caminhada. Pre­ ços de Portaria. Quarta a domingo, 9h às 17h.

ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS exposição VALE DO RIBEIRA: CAIPIRAS, CAIÇARAS E QUILOMBOLAS. Preços de Portaria. •Mãos Hábeis - O Artesanato no Va­ le do Ribeira. Mostra sobre a região e Trabalhador no comércio e serviços m atriculados e dependentes Q

Usuário matriculado

♦♦♦

M ais de 60 anos e estudantes com carteirinho da UNE, UMES ou UBES professores do rede pública de ensino

PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA PER­ MANENTE. Consulte a programação no site www.sescsp.org.br. «Clube da Caminhada. Pelas alamedas da unida­ de. Acima 15 anos. Sábados, 9h30. •Esporte Criança. Para 7 a 12 anos. Sábados, 9h30 e 14h. «Esportes para Idosos. Acima 55 anos. Quarta a sex­ ta, 9h30 e 10h30. «Ginástica Integratfva. Acima 15 anos. Quarta a sexta, 9 h 3 0 e 10h30. RECREAÇÃO. «Hidroanimação. Quarta a domingo, 11 h e 14h. «Circuito Lú­

dico Corporal. Para 7 e 12 anos. Até 2 8 /0 6 . Quarta a sexta, 14h. CLUBE DA ESTRATÉGIA. Quarta a do­ mingo, 9h às 17h. «Praça dos Jogos Gigantes. Quarta a domingo, 9h às 17h. TORNEIOS E CAMPEONATOS. Domin­ go, 9h30 «Copa Sesc de Futebol Society. Até 2 4 /0 6 . «Copa Sesc de Futsal Masculino - Inscrições: 0 6 /0 6 a 0 8 /0 7 . Acima 16 anos. Taxa de ins­ crição: R$ 3 0 ,0 0 (O) e R$ 5 0 ,0 0 (De­ mais Interessados). Início: 1 5 /0 7 . NATUREZA E MEIO AMBIENTE exposição de fotos VER DE PERTO. Programa divulga, por meio das diversas linguagens, conteú­ dos socioambientais. Preços de Porta­ ria. «Habitar: Verbo Transitivo. Exposi­ ção fotográfica de Christian Pierre Kasper. Visitas monitoradas de quarta a sexta, 9h30 às l l h , com agendamen­ to antecipado: 6 5 2 3 -9 3 2 6 /9 3 0 9 . Até 2 9 /0 7 . Quarta a domingo, 9h30 às 17h. ESPECIAL. «Coleta Seletiva: Zona Les­ te Faz! Encontro reúne catadores de materiais da Zona Leste. Informações: 6 5 2 3 -9 2 8 6 /9 2 8 7 . 0 2 /0 6 . Sábado, 15h. «Agenda 21. Encontros mensais discutem e mapeiam questões socio­ ambientais da Zona Leste. Reunião en­ tre os distintos setores para articulação da Agenda 21. Informações: 65239 2 8 6 /9 2 8 7 . 1 6 /0 6 . Sábado, 9h.

borização Urbana. Para melhor esco­ lha da árvore a ser plantada. Inscri­ ções: 65 2 3 .9 3 2 6 . 3 0 /0 6 . Sábado, llh à s 1 3 h 3 0 . SAÚDE E AUMENTAÇÃO

ODONTOSESC. Informações: 652393 26 . Terça a domingo, 9h às 17h. oficinas VALE DO RIBEIRA: CAIPIRAS, CAIÇARAS E QUILOMBOLAS. Preços de Portaria. •Comidas Típicas - Vale do Ribeira. Banana, mandioca e o milho são os principais ingredientes dos quitutes tí­ picos da região, como Pastel Divino, Croquete de Milho com Queijo, Encapotado e Rapadura de Banana. Inscri­ ções antecipadas tel: 65 23 93 26 . Co­ zinha São Matheus. 09 e 1 6 /0 6 . Sá­ bados, ll h . INFANTIL espetáculos OLHA O CASCUDO! Criação Gigi Anhelli e Xyss. Contação de histórias a partir dos contos de Câmara Cas­ cudo. Preços de Portaria. 0 3 /0 6 . Do­ mingo, 13h. ZÔO ILÓGICO. Com Henrique Sitchin, Cláudio Saltini e Verônica Gershman. Teatro de manipulação de objetos que formam criaturas cômicas e inusita­ das. Cine Teatro. Preços de Portaria. 2 4 /0 6 . Domingo, 13h. TERCEIRA IDADE

AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te [0 5 /0 6 ], e seguindo a proposta da Unesco para a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, as unidades do Sesc SP promovem re­ flexões e vivências que reafirmam o compromisso entre a sociedade e a natureza. «A Cidade em Foco. Oficina com uso de filmes cria possibilidade para que o professor construa novos repertórios para abordar a questão socioambiental na escola. Carga horá­ ria: 8h. Público: educadores. Informa­ ções e inscrições: 6 5 2 3 -9 3 2 6 /9 3 0 9 . 0 2 /0 6 . Sábados, 9h às 17h. JARDINAGEM NAS 4 ESTAÇÕES. Práti­ ca da jardinagem abre espaço para o convívio intergeracional. Inscrições: 6 5 2 3 -9 2 8 6 /9 2 8 7 . Grátis. Exceto es­ tacionamento (R$ 3,00). «Pra não Di­ zer que não Falei das Folhas. Declamação de poemas com inspiração nas estações outono/inverno. Com Grupo Realejo Poético. 3 0 /0 6 . Sába­ do, 12h30. PÓLOS INTEGRADOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Atividades direcionadas aos interessados em vivenciar as ques­ tões ambientais. Quarta a domingo, 9h às 17h «Herbário. «Horta. «Po­ mar. Quarta a domingo, 9h às 17h. •Trilha. «Viveiro de Plantas. oficinas JARDINAGEM NAS 4 ESTAÇÕES. Inscri­ ções: 6 5 2 3 -9 2 8 6 /9 2 8 7 . Grátis, ex­ ceto estacionamento (R$ 3,00). «Ar-

palestras CONVIVENDO COM A DESIGUALDADE DE GÊNEROS NA TERCEIRA IDADE. Pa­ ra trabalhar a diferença entre homens e mulheres velhice. 1 4 /0 6 . Quinta, 10h30 às 12h. ESPECIAL «Encontro da Terceira Idade - Festa Junina. Agendamento: 65239 2 8 6 / 92 87 . Grátis. 2 1 /0 6 . Quin­ ta, 9h30 às lóh. OFICINAS. «Iniciação à Informática. Ins­ crições e Informações 65 23 .9 32 6. Grátis. Quintas, 10h30 às 12h «De­ senho Digital? Oficina para criação de desenho a partir de software livres. Ins­ crições e Informações 6 523-9326. 08, 15 e 2 2 /0 6 . Sexta, 10h30 às 12h.

O SESC - Serviço Social do Comércio - é uma instituição de caráter privado, de âmbito nacional, criada em 1946 por iniciativa do empresariado do comércio e serviços, que a mantém e administra. Sua finalidade é a promoção do bem-estar social, a melhoria da qualidade de vida e o desenvolvimento cultural do trabalhador no comércio e serviços e de seus dependentes seu público prioritário - bem como da comunidade em geral, i

revista e

57


ODONTOLOGIA

PINHEIROS

Endereço: Rua Paes Leme, 195 Telefone: (11) 3095 9400 Horário: 3aa 6°, das 13h ás 22h, Sábados, Domingos e Feriados, das 10h às 19h. EMAIL@PINHEIROS.SESCSP.ORG.br Endereço: Rua Florêncio de A breu, 305 Telefone: (11) 3329 2800 Horário: Secunda a Sexta, das 8 h às 2 1h. email@odontologia.sescsp.org.br

CALENDÁRIO DE PALESTRAS PROGRA­ MADAS. Orientação a respeito da Clí­ nica Odontológica e manutenção da saúde bucal. Sala de reuniões, 6o an­ dar. «Dra. Claudete Schreiner A. Ca­ margo. 25 a 2 9 /0 6 . Segunda, quar­ ta e sexta, 8h e lOh e terça e quinta, 9h e 11 h. «Dra. Sandra N. Cheriegate. 25 a 2 9 /0 6 . Segunda a sexta, 15h, 17he 18h30. CÜNICAS ODONTOLÓGICAS. O serviço de odontologia do Sesc oferece trata­ mentos clínicos e cirúrgicos em diferen­ tes especialidades: endodontia, periodontia, odontopediatria, prótese e rádiodiagnóstico. As ações na área de odontologia procuram prevenir e evi­ tar problemas de saúde, sendo comple­

mentadas também por trabalho educa­ cional. Informe-se sobre o período de inscrição nas unidades do Sesc. •Aten­ dimento a Adultos. Para trabalhado­ res no comércio e serviços matricula­ dos e dependentes. Restaurações em geral, tratamento de canal, doenças da gengiva, cirurgias, próteses, radio­ grafias panorâmicas, periapicais, interproximais e oclusais. Não oferece­ mos implantes dentários e orfodontia (aparelhos corretivos). Segunda a sex­ ta, 8h às 21 h. • Atendimento a Meno­ res de 14 Anos. Para filhos dos traba­ lhadores no comércio e serviços ma­ triculados. Restaurações em geral, tra­ tamento de canal, doenças da gengi­ va, cirurgias, odontopediatria, radiolo­ gia (radiografias panorâmicas, peria­ picais, interproximais e oclusais). Não oferecemos orfodontia (aparelhos cor­ retivos). O Sesc Odontologia também oferece sistema de escavação supervi­ sionado por uma higienista. Segunda a sexta, 8h às 16h30.

SAÚDE BUCAL E ESTÉTICA DENTAL O que é Disfunção Têmporo-Mandibular - Dtm? Doença pouco conhecida, mas bas­ tante comum, tem sintomas muito subjetivos que podem estar ligados a outros pro­ blemas médicos, como depressão, dificuldade visual e problemas no ouvido. O cirurgiâo-dentista costuma ser o último profissional a ser procurado. Quem a desenvolve pode sentir dor e dificuldade para comer, falar, beijar e realizar qualquer mo­ vimento com a boca. O que a provoca? Estresse, ranger os dentes durante o sono e hábitos comuns co­ mo roer unhas provocam danos aos músculos e na articulação têmporo-ma ndi bular com o passar do tempo. Quem é mais suscetível? As mulheres, na proporção de nove casos para cada caso masculino. Atualmente há um aumento dos casos em adolescentes e crianças. Como tratar? Devido ao quadro complexo e difuso, muitas vezes é necessária a ava­ liação de uma equipe mulli e transdisciplinar que envolve cirurgião-dentista, neurolo­ gista, psicólogo, otorrinolaringologista, endocrinologista e fisioterapeuta.

58

revista e

Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Uniaade mais próxima. TEATRO espetáculos CIRCO NA PRAÇA. «Anunciação - Abacirco. Grátis. 07, 09, 10, 16 e 17 /0 6. Feriado, sábados e domingos, 16h. especial ÓPERAS N O SESC PINHEIROS. Teatro. •Pierrot Lunado. De Arnold Schõnberg (1912). Com Lucila Tragtenberg, Adélia Issa, Orquestra de Câmara Theatro São Pedro (RS), Regência Antônio Car­ los Borges Cunha, direção musical Lívio Tragtenberg, direção cênica Gerald Thomas. Participação Cid Campos, Elke Maravilha, Sylvia Klein, Edmar Ferreti, Deise Tigrona, Denise Assunção. Acima 7 anos. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ 10,00 (O, ❖). 09 e 10 /0 6. Sá­ bado, 21 h e domingo, 18h. GAIVOTA - TEMA PARA UM CONTO CURTO. Releitura contemporânea de Tchekhov. Com Bel Garcia, Bel Teixei­ ra, Emílio de Mello, Enrique Diaz, Fe­ lipe Rocha, Gilberto Gawronski e Mariana Lima. Direção Enrique Diaz. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ 10,00 (O, ❖). 1 5 /0 6 a 1 5 /0 7 . Sextas e sába­ dos, 21 h e domingos, 18h. CIA. DOS ATORES. Reestréia de espetácu­ los em comemoração aos 19 anos da Cia. «ensaio.HAMLET. Prêmio da Críti­ ca Francesa de melhor espetáculo es­ trangeiro 2005. Com Bel Garcia, César Augusto, Felipe Rocha, Emílio de Mello, Susana Ribeiro e Marcelo Olinto. Dire­ ção Enrique Diaz. R$ 15,00; R$ 10,00

(□). R$ 7,50 (O, ❖). 19 a 2 8 /0 6 . Ter­ ças, quartas e quintas, 21 h. ARTE EM CURSO. Grátis. • Teatro HipHop. Com o Núcleo Bartolomeu de De­ poimentos, para construção de um novo trabalho. Acima 14 anos. Até 14 /0 6. Terças e quintas, 16h às 18h30. ENCONTROS. •Sirimim. Monólogo com Selma Egrei. Direção Fabio Namatame. R$ 10,00; R$ 7,50 (□). R$ 5,00 (O, ❖). Até 1 6 /0 6 . Sextas, 20h e sá­ bados, 19h. •Sirimim-EncontroLitera­ tura e Teatro. Com Selma Egrei e equi­ pe do espetáculo. Grátis. Ingressos 1h antes. 16 /0 6 . Sábado, lóh. MÚSICA

ZÉUA DUNCAN. Lançamento do DVD Pré-Pós-TudoBossa-Band. R$ 30,00; R$ 20 ,0 0 (□). R$ 15,00 (O, ❖). 01, 02 e 0 3 /0 6 . Sexta e sábado, 21 h e do­ mingo, 18h. POETAS, MÚSICOS E DILETANTES. Lan­ çamento do CD. R$ 10,00; R$ 7,50 (□). R$ 5,0 0 (O, ❖). Quartas, 20h. •João Rabello - Roendo as Unhas. 13 /0 6 . «Chora que Passa e Carol Be­ zerra - Aracy de Samba e de Almeida. 2 0 /0 6 . «Penha Pinheiro - Novo Ende­ reço. 2 7 /0 6 . MÚSICA ERUDITA. Curadoria Roberto Fa­ rias. Auditório. R$ 10,00; R$ 7,50 (□). R$ 5,00 (O, ♦ ). Terças, 20h30. «Ho­ menagem a Francisco Mignone. Com Rose de Souza e Raiff Dantas Barre­ to. 1 2 /0 6 . «Quarteto de Cordas Glazunov. 2 6 /0 6 . DANÇA espetáculos CULTURA POPULAR NA PRAÇA. Grátis. •Folia de Boi - Núcleo Trecos e Caca­ recos. 0 1 /0 7 . Domingo, lóh. «Grupo


Cupuaçu. Quadrilha de São João do Maranhão. 02 e 0 3 /0 6 . Sábado e do­ mingo, lóh.

oficinas INICIAÇÃO À DANÇA: CORPO E EX­ PRESSÃO. Grátis. 01 a 2 9 /0 6 . Sex­ tas, lóh.

senho e à Pintura. Acima 15 anos. Até 1 4 /0 6 . Terças e quintas, 19h30 às 21h30. «Mamulengo - Criação, Con­ fecção, Manipulação, Vozes e Encena­ ção. Com Mestre Valdeck de Garanhuns. Até 1 5 /0 6 . Quartas e sextas, 19h30 às 21 h30.

3095-9472, ou pelo email sescempresa@pinheiros.sescsp.org.br. Grátis. Ter­ ças e quintas, lóh às 20h; quartas e sextas, 1óh às 21 h30. «Assessoria Téc­ nica para Eventos Esportivos. Informa­ ções no Núcleo Físico Esportivo. Terça a sexta, das 14h às 21 h; sábados e do­ mingos, das 1Oh às 18h.

LITERATURA

ESPECIAL CICLO JOANINO. «Balão, Fo­ gueira e Canjica - Danças e Músicas Ju­ ninas. Inscrições a partir 0 1 /0 6 . Grá­ tis. 02 a 3 0 /0 6 . Sábados, 15h às 16h30. MULTIMÍDIA E INTERNET

ARTe'pROGRAMAÇÃO. «Introdução ao Desenvolvimento de Softwares. Com Ciro Anunciação. Grátis. Até 2 9 /0 6 . Sextas, 19h30.

OFICINAS. Grátis. Inscrições após 01 /0 6 . •Iniciação a Internet. 01 a 2 2 /0 6 . Sex­ tas, 15h. «Jogos no Computado. 02 a 3 0 /0 6 . Sábados, 15h. «Clube do Rá­ dio. 05 a 2 6 /0 6 . Terças, 15h. «Produ­ ção de Stickers. 26 a 2 8 /0 6 . Terça a quinta, 19h30.

ESPECIAL CICLO JOANINO. G rátis. «Sono­ rização de Contos. Oficina. 0 6 a 2 1 /0 6 . Quartas e quintas, 15h às 17h. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS

exposições IMPRESSÕES - LITOGRAFIA E SERIGRAFIA - HISTÓRIA IMPRESSA PELA LlTHOS. Acervo da gráfica Lithos, que produziu trabalhos de Di Cavalcan­ ti, Portinari, Volpi, Gerchman, Kracjberg, Niemeyer, Burle Marx, Carybé, Aldemir Martins, dentre outros. Agendamentos pelo tel: 30 95 9400. Visita­ ção: até 10 /0 6 . Terça a sexta, 13h às 21 h30. Sábados, domingos e feriados, 1Oh às 18h30. Grátis. «Monica Nador. Workshop de litografia. Suporte de Guilherme Rodrigues. 0 6 /0 6 . Quarta, 19h. «Francisco Faria. Workshop de li­ tografia. Suporte de Guilherme Rodri­ gues. 1 3 /0 6 . Quarta, 19h. PAINEL INTERNET UVRE - HERBERT BAGUONE. Ocupação das paredes do es­ paço de Internet Livre e CDteca com in­ tervenção artística de Herbert Baglione. Internet Livre. Grátis. 01 a 3 0 /0 6 . Ter­ ça a sexta, 13h às 21 h30 e sábados, domingos e feriados, lOh às 18h30.

CICLO JOANINO. Grátis. «Mosaico. 01 a 2 2 /0 6 . Sextas, 17h30. «Mastros de São João. Grátis. 20, 21 e 2 2 /0 6 . Quarta, quinta e sexta, 14h. OFICINAS. Grátis. «Ver Acervo. Com obras de Sergio Niculitcheff. O grupo realizará um trabalho baseado na visi­ ta. Inscrições lh antes. 03, 07, 10, 17 e 2 4 /0 6 . Domingos e feriados, 13h às 14h30. «O Que Nasce do Traço. De­ senho. 06, 13, 20 e 2 7 /0 6 . Quartas, 15h30 às 17h. «Chá e Fuxicos. Con­ fecção de fuxicos e sua aplicação. 14, 21 e 2 8 /0 6 . Quintas, 17h30 às 19h. ARTE EM CURSO. R$ 15,00; R$ 10,00 P ) . R$ 7,50 (O). «Introdução ao De­

especial CICLO JOANINO. Grátis. «Flerte Literá­ rio - Ser Tão Rosa. 'Interpretação de trechos de 'Grande Sertão: Veredas' e do livro de poemas 'Magma'. Grátis 1 9 /0 6 . Terça, 20h30. ESPORTES especial SEMANA OLÍMPICA 2007. Sesc SP em parceria com o Comitê Olímpico Bra­ sileiro. «Passeio Cidístico. No Parque Villa Lobos. Informações: 3095-9476. Grátis. 2 4 /0 6 . Domingo, lOh. aulas abertas ESPORTE & JOGO. Desenvolvimento mo­ tor geral. Grátis. Terças e quintas, 14h.

CONDICIONAMENTO FÍSICO E NATA­ ÇÃO. Para 12 a 5 9 anos: 2x semana: R$ 100,00 (□), R$ 50 ,0 0 (O), lx se­ mana: R$ 5 0 ,0 0 (□), R$ 25 ,0 0 (O). Acima 6 0 anos: 2x semana: R$ 50 ,0 0 (□), R$ 2 5 ,0 0 (O), lx semana: R$ 25 .0 0 (□), R$ 12,50 (O). Acima 12 anos: terças e quintas, 11 h30, quartas e sextas, 1óh e sábados, 11 h30. Aci­ ma 16 anos: terças e quintas, 18h30 e quartas e sextas, 7h30 e 20h. CONDICIONAMENTO FÍSICO & ESPOR­ TE. Acima 16 anos. R$ 4 0 ,0 0 p ) . R$ 2 0 .0 0 (O). «Basquete. Terças e quin­ tas, 20h. «Futsal. Terças e quintas, 18h30 e quartas e sextas, 20h. «Vô­ lei. Terças e quintas, 20h e quartas e sextas, 18h30. NATAÇÃO. Para 12 a 5 9 anos: 2x se­ mana: R$ 100,00 (□), R$ 5 0 ,0 0 (O), l x semana: R$ 5 0 ,0 0 p ) , R$ 2 5 ,0 0 (O). Acima 6 0 anos: 2x semana: R$ 5 0 .0 0 p ) , R$ 2 5 ,0 0 (O), lx semana: R$ 2 5 ,0 0 p ) , R$ 12,50 (O). Acima 12 anos: terças e quintas, 17h; quar­ tas e sextas, 12h. Acima 16 anos: ter­ ças e quintas, 8h e 20h, quartas e sex­ tas, 19h e sábados, 1Oh 15. recreação JOGOS E VIVÊNCIAS AQUÁTICAS. Grá­ tis. Domingos e feriados, 12h. ESPORTE & RECREAÇÃO MONITORADA. Acima 16 anos. Grátis. Inscrições no local. «Basquete. Domingos e feriados, 10h30 às 12h. «Futsal. Sábados, do­ mingos e feriados, 15h30 às 18h30. •Vôlei. Sábados, domingos e feriados, 12h30 às 15h. «Jogos com Raquetes. Acima 7 anos. Quartas e sextas, 14h às lóh e sábados, domingos e feria­ dos, 10h30 às 12h. SESC EMPRESA. Assessoria para associa­ ções de empresas. Inscrições e informa­ ções nas unidades. «Jogos entre Empre­ sas. Informações e agendamentos: (11)

PISCINAS USO LIVRE. Grátis. Terça a sex­ ta, 7h 10 às 21 h30; sábados, domin­ gos e feriados, 1Oh às 18h30. CORPO E EXPRESSÃO AULAS ABERTAS. Grátis. «Ginástica Ge­ ral. Até 2 4 /0 6 . Domingos e feriados, 10h30 e 14h. «Hidroginástica. Sába­ dos, 13h30 e 15h; domingos e feria­ dos, 10h30, 13h30 e 15h.

HIDROGINÁSTICA. Para 12 anos a 59 anos: 2x semana: R$ 100,00 p ) , R$ 5 0 .0 0 (O), lx semana: R$ 5 0 ,0 0 p ) , R$ 25 ,0 0 (O). Acima 6 0 anos: 2x se­ mana: R$ 5 0 ,0 0 p ) , R$ 25 ,0 0 (O), lx semana: R$ 25 ,0 0 p ) , R$ 12,50 (O). Acima 12 anos: terças e quintas, 1Oh, 11 h, 12h, 14h e 15h; quartas e sex­ tas, 9h, 1 lh, 14h, 16h e 17h. Acima 16 anos: terças e quintas, 7h 10, 18h e 19h; quartas e sextas, 8h e 18h; sába­ dos, 10h30. PROGRAMA DE ATIVIDADES FÍSICAS & SAÚDE. «Ginásio Mosaico. Para 12 a 5 9 anos: terça e quinta ou quar­ ta e sexta, R$ 5 0 ,0 0 p ) , R$ 2 5 ,0 0 (O) e sábados, R$ 4 0 ,0 0 (□), R$ 2 0 .0 0 (O). Domingos, R$ 3 0 ,0 0 (□), R$ 15,00 (O). Acima 6 0 anos: ter­ ças e quintas ou quartas e sextas, R$ 2 5 .0 0 (□), R$ 12,50 (O) e sábados, R$ 2 0 ,0 0 (□), R$ 10,00 (O) e do­ mingos, R$ 15,00 p ) , R$ 7 ,5 0 (O). Terças e quintas ou quartas e sextas, 7h30 às 10h30; das 10h30 às 14h; das 14h às 17h e das 17h às 21 h30. Sábados, 10h30 às 14h e das 14h às 17h30. Domingos, 10h30 às 14h. Domingos e feriados, horário livre pa­ ra matriculados no programa, 10h30 às 17h30. SAÚDE E ALIMENTAÇÃO

COMEDORIA SESC. Novo espaço de ali­ mentação. «Restaurante. 11 h30 às 15h. «Cafeteria. Terça a sexta, lOh às 22h. «Ilha de Bocados. Sanduíches, so­ pas, saladas e bebidas. Terça a sexta, 15h às 21 h30; sábados, 13h às 21 h; domingos e feriados, 13h às 18h30. COMIDAS, PALAVRAS E PRAZERES. «Ali­ mentação para Adolescentes. Bate pa­ po sobre como ajudar os jovens a se alimentar de uma forma mais conscien­ te. Com Celia Mara. Acima 12 anos. Inscrições a partir 1 3 /0 6 . Comedoria - Fogão Cultural. Grátis. 2 3 /0 6 . Sá­ bado, 18h. EXAME MÉDICO DERMATOLÓGICO. C o brado acima 3 anos. R$ 18,00 p ) . R$ 9 .0 0 (O). Terça a sexta, 11 h30 às 15h e das 16h às 20h30; sábados, domin­ gos e feriados, 10h30 às 13h e das 14h às 17h30.

SOCIEDADE E CIDADANIA ESPECIAL - EDUCAÇÃO COMO PRE­ TEXTO. Grátis. Inscrições antecipa­ das. «Culturas Populares na Educação: Medialetizando. Com Alberto Ikeda. 1 6 /0 6 . Sábado, 11 h. «A Importância da Cultura Brasileira para o Desenvol­ vimento da Cidadania. Com Neide Go­ mes. 3 0 /0 6 . Sábado, 11 h. INFANTIL ESPECIAL - INTERATIVIDADE. Atividades para a familia. Acima 7 anos. Inscri­ ções no local. Ginásio Topázio. Grátis. Até 3 0 /0 6 . Terças e quintas, 14h às 16h e sábados, domingos e feriados, 15h30 às 18h30. CICLO JOANINO. Grátis. «Hora do Con­ to - Rasta Pé, Fogueira e Quentão. Com Cia. Prosa dos Ventos. 02, 03, 0 7 e 1 7 /0 6 . Sábado, domingos e fe­ riado, 1 1h. «É de Cantar - Histórias do Brasil. 03, 10, 17 e 2 4 /0 6 . Domingos, 15h. «Hora do Conto - Pedro Malazartes. 09, 10, 23 e 2 4 /0 6 . Sábados e domingos, 1 lh. SEMANA OLÍMPICA 2007. Parceria Sesc São Paulo e COB. «Clínica de Badminton. Grátis. 20 e 2 2 /0 6 . Quarta e sex­ ta, 14h às lóh. TEATRO INFANTIL R$ 6,00; R$ 4,0 0 p ) . R$ 3,0 0 (O, ♦>). «Pinóquio Etc e Tal. Cia. Teatro Por Um Triz. 03, 07 e 1 0 /0 6 . Feriado e domingos, 1 lh e lóh. «Manomovies: O Filmão. Estréia nacional. Grátis (até 3 anos). 17 e 2 4 /0 6 , 01, 08, 15, 22 e 2 9 /0 7 . Do­ mingos, 11 h e 15h. CURSOS. «Esporte & Jogo. R$ 5,0 0 p ). Grátis (O). Quartas e sextas, 1óh. «Na­ tação. R$ 100,00 p ). R$ 50 ,0 0 p ) . Terças e quintas, 9h e 16h. OFICINAS. Grátis. Inscrições 1h an­ tes. «Mais Saber. 01 a 2 9 /0 6 . Sex­ tas, 15h30 às 17h. «Sorte ou Estra­ tégia. Jogos de diversas épocas. 12 a 2 6 /0 6 . Terças, 17h30 às 19h. «Dos Pés à Cabeça. 06 a 2 7 /0 6 . Quartas, 14h às 15h30. «Mitos e Brinquedos In­ dígenas. 06 a 2 7 /0 6 . Quartas, 17h30 às 19h. «Origami. 14 a 2 8 /0 6 . Quin­ tas, 15h30 às 17h. CARINHAS E COROAS. «Música de Todo Canto. Oficina para pais e filhos. Inscri­ ções 1h antes. Sala de Oficinas. Grá­ tis. 02 a 3 0 /0 6 . Sábados, domingos e feriados, 17h às 18h30. ESPORTE & RECREAÇÃO MONITORADA. 7 a 15 anos. Inscrição no local. Grá­ tis p , O). «Futsal. Sábados, domin­ gos e feriados, 12h30às 15h. «Recre­ ação Esportiva. Terças e quintas, lóh às 18h, quartas e sextas, 14h às lóh. •Basquete. Sábados, 10h30 às 12h. •Jogos com Raquetes. Quartas e sex­ tas, 14h às 16h e sábados, domingos e feriados, 10h30 às 12h. JOGOS & RECREAÇÃO. Grátis. «Brinca­ deiras Aquáticas. Sábados, domingos e feriados. Para 4 a 7 anos: 14h. Para 8 a 12 anos: 14h30.

revista e

59


POMPÉIA 10/06. Sábado, 21 h e domingo, 18h. •Cara de Cavalo - Estéreo. Teatro. R$ 12,00; R$ 9,00 (q. R$ 4,00 (O). R$ 6.00 (❖). 1 5 /0 6 . Sexta, 21 h. RODA DE RAP. Acima 18 anos. R$ 15,00; R$ 11,00 R$ 5,00 (O). R$ 7,50 (♦). «De Leve (RJ), Max BO (SP), Klau Jah (SP), Dedé (SP) e convi­ dado DJ Will (SP). 0 8 /0 6 . Sexta, 21 h. •M C Juneca (CPQ), Sombra (GRU), Cindy (SP), MC Ana Paula (SJC) e DJ Pow (SP). 0 9 /0 6 . Sábado, 2 lh.

(q.

r

PRATA DA CASA. Grátis. Terças, 21 h. •Tita Uma (SP). 0 5 /0 6 . «Ca.Ge.Be (SP). «Samuel de Oliveira (RJ). 19 /0 6. •Criolina (MA/SP). 2 6 /0 6 . DANÇA espetáculos QUASE UMA. Com Cia. Focus de Dan­ ça (RJ). R$ 8,00; R$ 6,00 (q. R$ 2.00 (O). R$ 4,0 0 (❖) 2 0 /0 6 . Quar­ ta, 21 h. workshops DANÇA CONTEMPORÂNEA. Bailarinos da Cia. Focus de Dança (RJ). Acima 15 anos. Inscrições na Loja Sesc. R$ 8,00;

Quase Uma, com Focus Cia. de Dança. 2 0 /0 6

R$ 6,00 (q. R$ 2,00 (O). R$ 4,00 (❖). Endereço: Rua Cléua, 93 Telefone: (11) 3871 7700 Horário: Terça a Sábado, das 9h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 20h. email@pompeia.sescsp.org.br Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima.

19/06. Terça, 19h30 às 21h30. •Orquestra Filarmônica de Viola. Dire­ ção artística Ivan Vilela. R$ 10,00; R$ CAIPIRAS DA GAROA. Grátis. «Dança Can­ 7,50 R$ 3,00 (O). R$ 5,00 (❖). gada. 17/0 6. Domingo, 10h30. «Dan­ 2 1 /0 6 . Quinta, 21 h. «Paulo Freire e ça Catira. 2 4 /0 6 . Domingo, 10h30. Trio Carapiá. R$ 12,00; R$ 9,00 R$ 4,00 (O). R$ 6,00 (❖). 2 2 /0 6 . DANÇA DO VENTRE. Curso. R$ 50,00 (q. Sexta, 21 h. «Passoca e Rogério Gulin. R$ 25,00 (q. Terças e quintas, 19h30 R$ 12,00; R$ 9,00 R$ 4,00 (q. (iniciação) e 20h30 (intermediário). R$ 6,00 (❖). 2 3 /0 6 . Sábado, 21 h. •Orquestra Paulistana de Viola Caipi­ MULTIMÍDIA E INTERNET ra. R$ 10,00; R$ 7,5 0 R$ 3,00 (q. R$ 5,00 (❖). 2 8 /0 6 . Quinta, 21h. CURSOS. Grátis. «3° Net. Para 3o ida­ •Roberto Correa e Noel Andrade. R$ de. Com Rosana De Martino. 14, 21 12,00; R$ 9,00 R$ 4,00 (q. R$ e 28/06. Quintas, lóh às 18h. «Infor6.00 (❖). 2 9 /0 6 . Sexta, 21 h. «Matuto matiquês. Com Catia Leandro. 14, 21 Moderno e índio Cachoeira. R$ 12,00; e 28/06. Quintas, lOh às 12h. R$ 9,oo r$ 4,00 (q. r$ ó,oo (❖). 3 0 /0 6 . Sábado, 21 h. OFICINAS. Grátis. «Edição Livre. Com Ar­ mando Fernandes. Até 13/07. Quar­ ERA ILUMINADA. «Cassino da Urca. Dire­ tas e sextas, 19h às 21 h. «Tratamen­ ção musical Roberto Sion. Participação to de Imagens - Módulo I. Introdução. Carlos Fernando, Cláudio Lima e Ana Com Catia Leandro. 13, 20 e 27/06. Krueger. Teatro. R$ 15,00; R$ 11,00 Quartas, lOh às 12h. «Vit@L Saúde e R$ 5,00 (O). R$ 7,5 0 (❖). 29 e cidadania. Com Catia Leandro e Octá3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 . Sexta e sábado, 21 h vio Weber. 22 e 29/06. Sextas, lOh e domingo, 18h. às 12h.

(q.

(q.

(q.

(q.

MÚSICA

SHOWS. •Momboió. Teatro. R$ 20,00; R$ 15,00 R$ 8,00 (O). R$ 10,00 (*). 0 3 /0 6 . Domingo, 18h. «Mun­ do Livre S/A. R$ 25,00; R$ 19,00 R$ 10,00 (Oj. R$ 12,50 (❖). 06 e 0 7 /0 6 . Quarta, 21 h e quinta, 18h. •Cordão da Insônia. Acima 18 anos. R$ 15,00; R$ 11,00 R$ 5,00 (o). R$ 7,50 (❖). 14 /0 6. Quinta, 21 h. •Dom Salvador. R$ 15,00; R$ 11,00 R$ 5,00 (q . R$ 7,50 (❖). 16 e 17 /0 6. Sábado, 21 h e domingo, 18h. •J.P. Simões (POR). Participação Teresa Cristina. R$ 15,00; R$ 11,00 R$ 5.00 (q . R$ 7,50 (❖). 21 e 2 2 /0 6 . Quinta e sexta, 21 h. «Fortuna. R$ PAIS E FILHOS. «Wandi Doratiotto & Da­ 15,00; R$ 11,00 R $5 ,00 (q. R$ nilo Morais e Mário Manga & Maria7,50 (•>). 23 e 2 4 /0 6 . Sábado, 21 h e na Aydar. R$ 15,00; R$ 11,00 R$ domingo, 18h. 5.00 (q. R$ 7,50 (❖). 01 e 0 2 /0 6 . Sexta e sábado, 21 h. PIAUÍ SAMPA. Parceria Sebrae PI e Sesc SP. Encontro grupos do Piauí com parti­ PIB. Festival de música instrumental, deba­ cipação de músicos de São Paulo. Chote e feira cultural. R$ 15,00; R$ 11,00 peria. R$ 8,00; R$ 6,00 R$ 2,00 R$ 5,00 (q. R$ 7,50 (❖). «Búfa­ ( q . R$ 4 ,00 (♦>). Sexta e sábado, 21 h. los D'Água (PR), Gosolines ( SP) e Mare­ •Oscaipora, Radiofônicos e Flagran­ motos. Bandas finalistas. Encerramento te. 15 /0 6. «Rubens Figueiredo, Roque com Dead Rocks, de São Carlos (SP). Moreira e Vavá Ribeiro. 16 /0 6. 0 1 /0 6 . Sexta, 20h30. «Mamma Ca­ dela (SP), Labirinto (SP) e Músicas Inter­ A VOZ E A VEZ DO INSTRUMENTO. mináveis para Viagem (RS). Três finalis­ •Maria do Céu e Urubu Malandro. R$ tas. Fóssil de Fortaleza (CE) encerra os 12,00; R$ 9,00 (q. R$ 6,00 ( q . R$ shows. 0 2 /0 6 . Sábado, 20h30. 4.00 (❖). 0 8 /0 6 . Sexta, 21 h.

(q.

(q.

(q.

(q.

(q.

(q.

(q.

(q.

(q.

(q.

(q.

CAIPIRAS DA GAROA. A identidade cai­ pira na Metrópole. Acima 18 anos.

60

revista e

(q.

PLATAFORMA. Lançamentos. «Miúcha Outros Sonhos. R$ 20,00; R$ 15,00 R$ 8,00 R$ 10,00 (❖). 09 e

(q.

(q.

BLENDER. Modelagem 3D. Com Francis­ co Ortiz. Grátis. «Módulo Três - Mis­ turando idéias. Os participantes unem um projeto 3D ao trabalho dos demais colegas. Até 28/06. Terças e quintas, das 19h às 21 h. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS exposições TRÍPÉ - TEMPO. Exposição de produ­ ções contemporâneas. Visitação: Grá­ tis. 1 4 /0 6 a 2 9 /0 7 . Terça a sábado, 1Oh às 20h e domingos e feriados, lOh às 17h. exposição de fotos WORLD PRESS PHOTO 2007. Visitação: Grátis. Até 10 /0 6. Terça a sábado, 1Oh às 21 h e domingos e feriados, 1Oh às 19h.

CAFÉ PEDAGÓGICO. Inscrições antecipa­ das. «Discutindo Identidade: São Pau­ lo Ontem e Hoje. Visita ao Museu da Casa Brasileira, será ponto de partida para o segundo encontro, nas Oficinas de Criatividade. Com Marília Bonas e Flavia Vidal. Grátis. 23 e 3 0 /0 6 Sá­ bado, lOh às 12h30. MINI CURSOS. Inscrições após 0 1 /0 6 nas Oficinas de Criatividade. «Estudos do Olhar - O Pensamento na Fotogra­ fia. Apresentação, discussões e exercí­ cios práticos. Duração: 2 dias. Com Pa­ trícia Gaito. Grátis. 3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 . Sábado e domingo, 15h às 17h30. AULAS ABERTAS. Grátis. Inscrição 30min antes. «Aquarela e Carvão. Com Lúcia Lacourt. 02, 03, 07, 16, 17 e 3 0 /0 6 , 0 1 /0 7 . Quinta, sábado e domingo, 14h30 às 17h. «Colagem em Tecido. Com Vinícius Patrial. 02 e 0 3 /0 6 . Sábado e domingo, 14h30 às 17h. «Decoração de Peças em Ar­ gila. Com Eng Goan. 0 7 /0 6 . Quin­ ta, 1 lh e 15h.«Xilogravura - Letras Gravadas.Com Cleiri Cardoso. 0 9 e 2 3 /0 6 . Sábado, 13h30 às 17h30. •Mobiles em Argila. Com Eng Goan. 1 0 /0 6 , 1 lh e 2 3 /0 6 , 15h. «Mode­ lo Vivo. Com Cleiri Cardoso. 10 e 2 4 /0 6 . Domingos, 11 h30 às 13h30 e 14h30 às 16h30. CAIPIRAS DA GAROA. Grátis. Inscri­ ção 30min antes. «Cestaria em Palha. 0 7 /0 6 . Quinta, 10h30 às 13h30 e 14h30 às 17h30. «Crenças e Crendi­ ces. Pintura de peças de argila. Com Eng Goan. 0 9 /0 6 . Sábado, 11 h. 2 4 /0 6 . Domingo, 15h. «Tecelagem com Fibra de Bananeira. 09 e 1 0 /0 6 Sábado e domingo, 14h. «Amarrio de Bariri. Com Marli e Maria. Grátis 16 e 1 7 /0 6 . Sábado e domingo, 1 lh e 15h. «Bonecos Antromorfos. Peças em argila. 16 e 1 7 /0 6 . Sábado e domin-

CAIPIRAS DA GAROA - CURSOS. «Es­ tandartes . Com Benigna e Wagner Vivan. R$ 20,00; R$ 15,00 R$ 5,00 (O). R$ 10,00 (❖). 12, 14, 19, 21 e 2 6 /0 6 . Terças e quintas, 19h às 21h30.

(q.

CURSOS REGULARES 1° SEMESTRE 2007 - OFICINAS DE CRIATIVIDADE. Com Cleiri Cardoso. «Ateliê Aberto. R$ 36,00; R$ 27,00 (q. R$ 9,00 (O). R$ 18,00 (❖). Até 2 7 /0 6 . Terças e quar­ tas, 17h30às 21h30. MINI CURSOS. Inscrições 0 1 /0 6 . R$ 20,00; R$ 15,00 (q. R$ 5,00 p ). R$10,00 (❖). «Modelagem em Tor­ no. Resgatando a tradição dos arte­ sãos paulistas. Com Eng Goan. Sá­ bados e domingos. 09 e 1 0 /0 6 (tur­ ma 1), 15h e 23 e 2 4 /0 6 (turma 2), 1 lh. «Fotografia de Natureza. Apre­ sentação das principais técnicas, recur­ sos e dicas. Duração 4 dias. Com Fer­ nanda Lupo e Márcio Bortolusso. 13, 15, 16 e 2 0 /0 6 . Quartas e sexta, 19h às 21h30 e sábado, 10h30 às 17h. •Retrato Fotográfico. Técnicas correti­ vas e exercícios para o aperfeiçoamen­ to da técnica. Com Rita Domiciano. 22


a 2 4 /0 6 . Sexta, 19h às 21 h30, sába­ do e domingo, 14K30 às 17h. «Fiação e Tecelagem Artesanal. Com Guaraci Diniz Jr. e Cecília Helena Ferraz. 23 e 2 4 /0 6 . Sábado e domingo, lOh às 18h. «Aquarela com Flores. Duração 2 dias. Com Laedir Antônio. 3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 . Sábado e domingo, 11 h às 13h30. «Tempera com Pigmentos Na­ turais. Com Laedir Antônio. 3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 . Sábado e domingo, 15h às 17h30. «Tipografia. Duração 2 dias. Com Álvaro Bailão Mello. Grátis. 16 e 2 3 /0 6 . Sábados, 14K30 às 17h. PERCURSOS. R$ 30,00; R$ 2 2 ,5 0 (□). R$ 7,5 0 (O). R$ 15,00 (❖). «Bambu Infraverde. Com Francisco Lima e Octavio Weber. 0 4 /0 5 a 2 9 /0 6 (9 en­ contros). Sextas, 18h30. «Escultura. Argila, madeira e gesso. Duração 9 dias. Com Kleber J. da Silva e Milene V. Ugliara. 1 5 /0 5 a 14 /0 6 . Terças e quintas, 19h. LITERATURA LANÇAMENTO. Grátis. «Clarões da Tela - O Cinema Dentro de Nós. Organiza­ ção de Marcos Silva e Bené Chaves. Guia de filmes significativos de dife­ rentes nacionalidades. 0 6 /0 6 . Quar­ ta, 20h.

TROVAS E CANÇÕES. Domingos e feria­ dos, 18h. Grátis. «A Lira do Rei Davi Corpo a Corpo. Com Cia. Circo Bran­ co. 0 7 /0 6 . «Pura Causos. Com Marco Neves. 1 7 /0 6 .

CINEMA E LITERATURA - AVENTURAS DA UNGUAGEM. Encontros com Mar­ cos Silva (FFLCH/USP), para discutir a linguagem literária transposta para a tela. Grátis. Quartas e sextas, 15h. •Blow-Up. De Michelangelo Antonioni. 13 /0 6 . «Trono Manchado de San­ gue. Com Tacumi Yoshida. 15 /0 6 . •Vinhas da Ira. Com Gilberto Maringoni. 2 0 /0 6 . «Nunca Fomos Tão Felizes. De Murilo Salles. Com Maria Christina Thomé. 2 2 /0 6 . «Vidas Secas. De Nelson Pereira dos Santos. Com Neusah Cerveira. 2 7 /0 6 . «O Processo. De Orson Welles. Com Moacy Cirne. 2 9 /0 6 . ESPAÇO DE LEITURA. Grátis. «Área Lite­ raturas. Terça a domingo, lOh às 19h. •Área Jornais e Revistas. Para consulta local. «Área Jogos de Estratégia. Terça a sábado, 9h às 21 h e domingos e fe­ riados, 9h às 20h. ESPORTES

SEMANA OLÍMPICA 2007. Evento pro­ movido pelo Sesc São Paulo em parce­ ria com o Comitê Olímpico Brasileiro, para divulgar o ideal olímpico e valo­ res do esporte. Demonstração e vivên­ cia de modalidades do PoraPan 2007. Grátis. Sábado e domingo, 14h. «Bas­ quete em Cadeira de Rodas. Com atle­ tas da eauipe Águias da Cadeira de Rodas e aa Seleção Brasileira. 16 /0 6. •Futebol para Deficientes Visuais e Goal Bali. Com professores e atletas da Asso­

ciação de Pais e Amigos e Deficientes Visuais de S. Bernardo. 17 /0 6 . CURSOS. «Vôlei. 15 a 5 9 anos. R$ 4 6 ,0 0 (□). R$ 23 ,0 0 (O). Terças e quintas, 20h às 21h20. «Tae Kwon Do. Acima 7 anos. 2x semana: R$ 5 0 ,0 0 (□) e R$ 25 ,0 0 (O), lx semana: R$ 25 ,0 0 (□) e R$ 12,50 (O). Com Luciana Januzzi. Quartas e sextas, 18h30 e sá­ bados, 13h. RECREAÇÃO ESPORTIVA. Acima 15 anos. Grátis. «Vôlei. Quartas, 19H30 às 21 h20 e sábados e domingos, 12h30 às 17h20. «Futsal. Masculino e feminino. Sextas, 19h30 às 21h20 e sábados e domingos, 12h30 às 17h20. «Basquete. Terças, 19h30 às 21 h20 e sábados e domingos, 12h30 às 17h20. TORNEIOS E CAMPEONATOS. «Copa das Empresas de Alimentação. Futsal adulto masculino para funcionários no ramo de restaurantes, supermercados, hortifrutes, distribuidoras de alimentos, entre outras. Inscrições: 05 a 2 4 /0 6 . Taxa: R$ 4 0 ,0 0 por equipe. «Copa Delboni Auriemo de Futsal Masculino e Vo­ leibol Feminino. Para funcionários das unidades do laboratório. Grátis. 02 a 2 3 /0 6 . Quartas e quintas, 19h30 às 21 h20, sábados, 14h às 17h20 e do­ mingos, lOh às 13h. «Copa das Em­ presas de Comunicação. Final do Fut­ sal Masculino. Grátis. 0 3 /0 6 . Domin­ go, lOh. «Torneio de Futsal Masculino - ARJM Grupo Estado. Futsal masculino do Grêmio da Associação Recreativa Julio de Mesquita. Grátis. 17 e 2 4 /0 6 . Domingos, 9h às 13h. serviços SESC EMPRESA. «Assessoria Técnica para Eventos Esportivos. Terça a sexta, 13h às 18h. «Locação de Quadras. A partir do dia 16 de cada mês. Terça a sexta, 13h às 21 h30 e sábados, domingos e feriados, 9h30 às 17h. CORPO E EXPRESSÃO palestras I ENCONTRO PAULISTA DE AYURVEDA. Organização Associação Brasileira de Ayurveda, reúne importantes profissio­ nais da área para esclarecer a filoso­ fia, métodos e vantagens da prática. In­ formações e inscrições antecipadas na Associação Brasileira de Ayurveda tel: 3862 7321. Grátis. 3 0 /0 6 . Sábado. •A Alimentação Vegetariana no Ayur­ veda. Com Brenda Kalil. 9h30. «Ayur­ veda e Meditação: O Caminho do AutoConhecimento. Com Aderson M . da Ro­ cha. 10h30. «Shirodhara: Seus Efeitos Transcendentais. Com Carlos Eduardo M. Guimarães. Ilh 3 0 . «Prakriti: Os Tipos Psico-Físicos Segundo o Ayurve­ da. Com Danilo M . Carneiro. 13h30. •O Toque Corporal no Ayurveda e sua Expressão no Emocional. Com Paulo B. Gonçalves. 14h30. «O Rejuvenes­ cimento pelo Ayurveda. Com Bokkulla Ramachandra Reddy. 15h30.

7h30, 9h30, llh 3 0 , 14h30, 16h30 e 18h30. «Atividades Posturais e de Equi­ líbrio. 05, 06 e 0 8 /0 6 . Terça, quarta e sexta, 7h30, 9h30, llh 3 0 , 14h30, 16h30 e 18h30. «Técnicas de Ginásti­ ca. 12 a 15 /0 6 . Terça a sexta, 7h30, 9 h 3 0 ,11 h 3 0 ,14 h 3 0 ,16h30 e 18h30. •Técnicas Corporais e Esportivas. 19 a 2 2 /0 6 . Terça a sexta, 7h30, 9h30, 11 h30, 14h30, 16h30 e 18h30. aulas abertas EXPERIMENTAÇÕES. Acima 15 anos. Grátis. «Ginástica. 0 2 /0 6 . Sábado, 15h. «Reeducação Poslural. 0 2 /0 6 . Sábado, 10h30. «Alongamento. 0 3 /0 6 . Domingo, 10h30. «Reeduca­ ção Postural. 0 7 /0 6 . Quinta, 10h30. •Yoga. 0 7 /0 6 . Quinta, 15h. «CidoSesc. 0 9 /0 6 . Sábado, 15h. «Step. 0 9 /0 6 . Sábado, 10h30. «Yoga. 1 0 /0 6 . Domingo, 10h30. «Danças Folclórica Juninas. 1 6 /0 6 . Sábado, 15h. «Ginástica com Bioball. 1 6 /0 6 . Sábado, 10h30. «Abdominal. 2 3 /0 6 . Sábado, 10h30. «Ginástica Localiza­ da. 2 3 /0 6 . Sábado, 15h. «Alonga­ mento. 3 0 /0 6 . Sábado, 15h. «Lian Gong. 3 0 /0 6 . Sábado, 10h30. JORNADA DE YOGA SESC POMPÉIA. Grátis. Inscrições tel. 3871-7782. •Yoga para Família. «O Que é Yoga. Workshop com Marcos Rojo. 2 2 /0 6 . Sexta, 19H30. «Bhagaraa Gita. Pa­ lestra com Lúcia Brandão sobre o lono poema, parte dos textos sagraos da índia, que é um tratado sobre a Yoga. 23 /0 6. Sábado, 10h30. «Pranayama. Com Danilo Forghieri Santaella. 2 3 /0 6 . Sábado, 14h30. «Bhagarad Gita. Com Lúcia Brandão. 2 4 /0 6 . Sábado, 10h30. «Meditação. Com Cí­ cero S. Galdino. 2 4 /0 6 . Domingo, 10h30. «Vivências de Yoga. Com músi­ ca ao vivo. 2 4 /0 6 . Domingo, 14H30. CURSOS Acima 15 anos. R$ 50 ,0 0 (□). R$ 25,00 (O). «Atividades Físicas Para Gestantes. Quartas e sextas, 19h30. •Lian Gong. Terças e quintas, 15h30. •Alongamento e Técnicas Corporais. 2x semana: (acima), lx semana: R$ 25.00 (□) e R$ 12,50 (O). Terças e quintas, 7h30, 16h30 e 18h30, quar­ tas e sextas, 11 h30 e 15h30 e sába­ dos, 10h30. «Ginástica. Terças e quin­ tas, 15h30, 17h30, 18h30, 19H30 e 20h30 e quartas e sextas, 7h30, 18h30 e 19h30. «Reeducação Postu­ ral. 2x semana: (acima), lx semana: R$ 25,00 (□) e R$ 12,50 (O). Terças e quintas, 10h30 e 17h30, quartas e sextas, 8h30, 16h30 e 18h30 e sába­ dos, 11 h30. «Yoga. 2x semana: aula 50min. lx semana: aula 90min. Com Ana L. Menezes. R$ 50,00 (□). R$ 2 5.00 (O). Terças e quintas, 8h30 e 9h30, quartas e sextas, 14h30, 16h30, 19h30 e 20h30 e sábados, 11 h. CONDICIONAMENTO FÍSICO. R$ 56,00 (J). R$ 28,00 (O). Terças e quintas ou quartas e sextas, 7h30 às 13h, 13h30 às 17he 17h30 às 21 h. NARJREZA E MEIO AMBIENTE

vIvÊNCIAS

CORPORAIS. Acima 15 anos. Grátis. «Técnicas de Alongamen­ to. 01 e 26 a 2 9 /0 6 . Terça a sexta,

aulas abertas PLANTAÇÃO. Com José de Souza e Romon Bonzi, Francisco Lima e Octavio

Weber. Grátis. 2 3 /0 6 . Sábado, 11 h às 13h 30e 15h às 17h30. SAÚDE E ALIMENTAÇÃO palestras FÁBRICA DA SAÚDE. Grátis. «Massagem Terapêutica - Como Melhorar sua Qua­ lidade de Vida. Com Virgínia Panizza. 2 0 /0 6 . Quarta, 10h30. «Banho do Bebê e Curativo Umbilical. Com Josélia de Lira. 2 9 /0 6 . Sexta, 19h30.

CAIPIRAS DA GAROA. Grátis. «Quitu­ tes de Apiaí. 0 9 /0 6 : Pastel de milho. 1 0 /0 6: Encapotado de milho. 16/06: Paçoca de Pilão (carne). 17 /0 6: Paço­ ca de Pilão (amendoim). Sábados e do­ mingos, 14h às 17h30. EXAME MÉDICO DERMATOLÓGICO. Co­ brado acima 3 anos. R$ 18,00 (□). R$ 9,0 0 (O). Terças e quartas, 9h às 11 h30 e 15h às 18h30, quintas e sex­ tas, 11 h30 às 15h e 18h30 às 21 h e sábados, domingos e feriados, 9h às 12h e 13h às 17h. RESTAURANIE. «Self-Service por Quilo. R$ 17,00; R$ 10,00 (O). Terça a sexta, 11 h30 às 14h30. Sábados, domingos e feriados, 11 h30 às 15h. «Prato Rápi­ do R$ 6,25; R$ 4,50 (O e acima de 60 anos). Terça a sexta, exceto feriados. BAR CAFÉ. Terça a sábado, 9h às 22h e domingos e feriados, 9h às 20h. CLÍNICA ODONTOLÓGICA. Para (O). Ins­ crições prévias. Terça a sábado, 9h às 18h. SOCIEDADE E CIDADANIA especial AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te (05 /06 ), e seguindo a proposta da Unesco para a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, as unidades do Sesc SP promovem ativi­ dades que reafirmam o compromisso entre a sociedade e a natureza. Grá­ tis. «Seqüestradores de Carbono (C02). Com Alexsandro Santos e atores con­ vidados. 02 e 0 3 /0 6 . Sábado e do­ mingo, 15h40 e 16h40. «Garis. Inter­ venção artística com Cia. Circo Nave­ gador. 05 e 1 2 /0 6 . Terças, 11 h30 e 13h30. «A Maior Flor do Mundo. Com Cia. Vedaval. 07 e 1 0 /0 6 . Quin­ ta, 11 h30 e 14h e domingo, 15h40 e 16h40. «Homem Terra. Com Paulo Fe­ deral. 23 e 2 4 /0 6 . Sábado e domin­ go, 15h40 e 16h40. CAIPIRAS DA GAROA. Grátis. Sábados e domingos. «Moído no Pilão. 10 /0 6, 13h, 15h e 16h. «Familia Philaderpho. Com Cia. Cenáculo. 16 e 17 /0 6, 15h40 e 16h40. «Folias de São João. Com Grupo Folias e Folguedos. 16 /0 6, 15h e 16h. «Cangada de São José. Com Cia. Cultural Bola de Meia (S. J. dos Campos). 17 /0 6, 13h, 15he 1óh. •Grupo Caçula de Catira. 23 e 2 4 /0 6 , 13h, 15he 16h. RUA DA SURPRESA. Rua Central. Grá­ tis. «Red Hot Jazz. 0 2 /0 6 . Sábado,

revista e

61


POMPÉIA 13h, 15h e 16h. «Cravo e Canela. 0 3 /0 6 . Domingo, 13h, 15h e 16h. •Coral Black Voices. 0 7 /0 6 . Feria­ do, 13h, 15h e 16h. «Quinteto Me­ tal Arte. 0 9 /0 6 . Sábado, 13h e 15h. •As Bastianas. Com Cia. São Jor­ ge de Variedades. 0 9 /0 6 . Sábado, 16h. «Banda Paralela. 3 0 /0 6 . Sába­ do, 13h, 15h e 16h.

SANTANA

do. «Esportes com Raquetes. 02, 03 e 3 0 /0 6 , 13h30 às 17h20. «Ginástica Artística e Acrobática, Atividades Cir­ censes e Atletismo. 07, 09 e 10 /0 6, 13h30 às 17h20. «Mini Esportes. 16 e 17 /0 6, 13h30 às 17h20. «Ginca­ nas, Jogos e Brincadeiras de Rua. 23 e 2 4 /0 6 , 13h30 às 17h20. TERCEIRA IDADE

oficinas SESC GERAÇÕES. «Oficina de Canto Co­ ral. Com Roberto Anzai. Grátis. Sába­ dos, 1Oh às 12h. INFANTIL

DUO BICO DE PENA. Repertório erudi­ to. Teatro. R$ 6,00; R$ 4,5 0 (□). R$ 2.00 (O). R$ 3,00 (❖). 1 4 /0 6 . Quin­ ta, 1óh.

ESPETÁCULOS. R$ 6,00; R$ 5,00 (□). R$ CAIPIRAS DA GAROA. Grátis. Quartas, 2,00 (O). R$ 3,00 (❖). «Esses Meni­ 16h30. «Banda Farinha Seca. 2 0 /0 6 . nos Esquisitos e Suas Histórias Mara­ •Orquestra Sanfônica de São Paulo vilhosas. Com Cia. Santa Palavra. 02 2 7 /0 6 . e 0 3 /0 6 . Sábado, 13h30 e domingo, 12h. «Ungua de Boi. Com Cia. O Tea­ CONVIVER COM ARTE. Grátis. Chopetro de Areia. 09, 10 e 16 /0 6. Sába­ ria. Quartas, 16h30. «Rosário Gatti e dos, 13h30 e domingo, 12h. «Zabum­ Banda. 0 6 /0 6 . «Banda Força Nobre. ba. Bonecos. Com Cia. da Tribo. 17, 13 /0 6. 23 e 2 4 /0 6 . Sábados, 13H30 e do­ mingo, 12h. «Os Três Porquinhos. Com Cia. Le Plat du Jour. 3 0 /0 6 . Sábado, TRK>Ía URBANA - RECONHECENDO O 13h30. VERDE LOCAL Com Octávio Weber Neto. Inscrições após 1 2 /0 6 . Grátis. RUA DA SURPRESA. Área de Convivên­ 15 /0 6. Sexta, 9h30. cia. Grátis. «Esses Meninos Esquisi­ tos e Suas Histórias Maravilhosas. A CURSOS. R$ 2 5 ,0 0 (□). R$ 12,50 (O). Cia. Santa Palavra conta as histórias •Lian Gong. Terças e quintas, 15h30. de João Mata Sete e da Ovelha da Lã •Alongamento e Técnicas Corporais. Dourada. 0 7 /0 6 . Feriado, 12h. 2x semana: (acima), lx semana: R$ 16.00 (□) e R$ 8,00 (O). Terças e quintas, 7h30, 11 h30 e 16h30, quar­ PAPOPIPOCA. Bate-papo informal en­ tas e sextas, 10h30, 11 h30 e 15h30 tre jovens. Grátis. 2 4 /0 6 . Dominqo, e sábados, 10h30. «Ginástica. Ter­ 17h30. ças e quintas, 9h30, 10h30, 14h30, 15h30 e 16h30 e quartas e sextas, CURSOS. «Alta Voltagem. Para 13 a 17 9h30, 10h30, 1 4 h 30 e 15h30. «Re­ anos. Quartas e sextas, 9h às 12h e educação Postural. Terças e quintas, 14h às 17h e terças e quintas, 14h às 10h30 e 17h30 e quartas e sextas, 17h. «Esporte Criança. Para 7 a 12 8h30 e 16h30. «Yoga. Acima 15 anos. 2x semana: R$ 10,00; R$ 4,00 anos. Terças e quintas, 8h30 e 9h30 (O), R$ 6,00 (ü). lx semana: R$ 5,00; e quartas e sextas, 14h30, 16h30 e R$ 2,00 (O), R$ 3,00 (□). Para 7 a 9 19ri30. «Vôlei. Grátis. Terças e quin­ anos: terças e quintas, 14h30 e sába­ tas, 16h30. dos, 9h30. Para 10 a 12 anos: quar­ tas e sextas, 9h30 e 14h30 e sábados, CONDICIONAMENTO FÍSICO. R$ 28,00 11 h30. «Esporte Jovem. Para 13 a 17 (□). R$ 14,00 (O). Terças e quintas anos. 2x semana: R$ 10,00; R$ 4,00 ou quartas e sextas, 7h30 às 13h e (O), R$ 6,00 (□). Terças e quintas, 9h 13h30 às 17h. e quartas e sextas, 15h30. «Reeduca­ ção Respiratória. Para 7 a 12 anos R$ OFICINAS. Grátis. «Patch. Com Celson V. 6,00; R$ 2,00 (O), R$ 3,00 (□). Quar­ W. Patrial. 0 1 /0 6 . Sexta, 9h30. «Es­ tas e sextas, 15h30. tamparia. Com Celson V. W. Patrial. OFICINAS. «Jogos de Todo o Mundo. Grátis. 0 2 /0 6 a 2 9 /0 7 . Sábados, do­ mingos e feriados, 13h, 14h30e 16h. SESC CURUMIM. Para 7 a 12 anos, 2x semana. Grátis. Terça a sexta, 9h às 11 h30 e 14h às 17h. recreação BRINCADEIRAS NO DECK. Acima 7 anos. Gratis. Sábados e feriados. «Cordas Grandes. 0 2 /0 6 , 10h30. «Cordas In­ dividuais. 07 e 0 9 /0 6 , 10h30. «Elás­ ticos. 16 /0 6, 10h30. «Quadrilha Juni­ na. 16 /0 6, 16h30. «Giros e Rolamen­ tos. 2 3 /0 6 , 10h30. «Pulos, Saltos e Saltitos. 3 0 /0 6 , 10h30. ESPAÇO RECREATIVO. Acima 7 anos. Grátis. Sábados, domingos e feria­

62

revista e

0 5 /0 6 . Terça, 9h30. «Reutilizando. Com Cristine Torchia. 19 a 2 8 /0 6 . Ter­ ças e quintas, 9h30 às 12h. CAIPIRAS DA GAROA. «Conhecendo Volpi. Oficina com Cristine Torchia. Inscri­ ções após 12 /0 6. Grátis. 20 a 2 9 /0 6 . Quartas e sextas, 9h30 às 12h. VIVÊNCIAS ESPORTIVAS. «Encontro Es­ portivo. Grátis 2 8 /0 6 . Quinta, 14h.

Trabalhador no comércio e serviços matriculados e dependentes Q

Usuário matriculado

♦♦♦

Mais de 60 anos e estudantes com carfeirinha da UNE, UMES ou UBES professores da rede pública de ensino

Joint Forces Dance Company - Alito Alessi. 16 e 1 7 /0 6 Endereço: Av. Luiz Dumont Villares, 579 Telefone: (11) 6971 8700 Horário: Terça a Sexta, das 13h As 22 h. Sábados, Domingos e Feriados: IOhàs 19h. EMAIL@SANTANA.SESCSP.ORG.BR Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESS0SESC. Verifique a Unidade mais próxima. MÚSICA SHOWS. «Max de Castro. R$ 12,00; R$ 10,00 (□). R$ 4,00 (O). R$ 6,00 (❖). 02 e 0 3 /0 6 . Sábado, 21 h e domingo, 19h. «LÔ Borges -Bhanda. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ 7,50 (O). R$ 10,00 (❖). 3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 . Sábado, 21 h e domingo, 19h. «Ulisses Rocha - Estu­ dos e outros Idéias. Teatro. R$ 10,00; R$ 8,00 (□). R$ 4,00 (O). R$ 5 ,00 (❖). 2 4 /0 6 . Domingo, 19h. NOITES DE VIOLA. Comedoria. Grátis. Sá­ bados, 19h. «Cláudio Lacerda. 0 2 /0 6 . •Sergio Penna. 0 9 /0 6 . «Luiz Salgado. 16 /0 6. «Victor Batista. 2 3 /0 6 . «Júlio Santin. 3 0 /0 6 . NOVO SOM. Lançamentos de CDs e DVDs. R$ 10,00; R$ 8,00 (□). R$ 4.00 (O). R$ 5,00 (❖). «Affandega 4. 0 1 /0 6 . Sexta, 21 h. «Paulo Freire - Re­ demoinho. 2 9 /0 6 . Sexta, 21 h. QUINTA O SAMBA É LEI NO SESC SAN­ TANA. «Ataulfo Alves Junior, Thobias da Vai Vai, Adriana Moreira e Quinteto em Branco e Preto. Samba de raiz. R$ 15,00; R$ 10,00 (□). R$ 5,00 (O). R$ 7,50 (❖). 14 /0 6. Quinta, 21 h. especial CABARET SUBTERRÂNEO - NAS ENTRA­ NHAS DE SÃO PAULO. R$ 10,00; R$ 8.00 (□). R$ 4,00 (O). R$ 5,00 (❖). Teatro. «Carios Careqa. Participa­ ção Mário Bortolotto. 0 6 /0 6 . Quarta, 21 h. «Paulo Mildos. Participação Tha-

deu Wojciechowski. 0 7 /0 6 . Feriado, 19h. «Edvaldo Santana - Reserva da Alegria. Participação Marcelino Freire. 0 8 /0 6 . Sexta, 21 h. «Patife Band. Com Clara Averbuck. 0 9 /0 6 . Sábado, 21 h. DANÇA

SOB UM NOVO OLHAR - PROJETO DE DANÇA INCLUSIVA Projeto visa a pro mover a expressão criativa em porta dores de necessidades especiais. Aci­ ma 12 anos. Teatro. R$ 6,00; R$ 4,00 (□). R$ 2,00 (O). 3,00 (❖). «Joint For­ ces Dance Company (JFDC) - Alito Alessi (USA). Coreografias de Alito Alessi. In­ térpretes Alito Alessi e Emery Blackwell. Tango Tangle faz paródia de um tango. Wizard of Odds, inspirada em O Mági­ co de Oz, texto e narração Bjo Ashwill. Wheels of Fortune, dois homens expia ram as possibilidades de uso da cadeira de rodas. From There and Back Again, discute a importância das pessoas terem opinião e a exprimirem. Átor Sara Zolbrod. 16 e 17 /0 6. Sábado 21 h e d a mingo, 19h. «Bulas Perdidas. De Maurí­ cio Motta e direção de Anderson Leão. Com Grupo Gira Dança (RN). 20 /0 6. Quarta, 21 h. •Ocorpodooutro. Corea grafia Alexandre Franco, a pedido da diretora da Cia. Teresa Taquechel. Com Pulsar Cia. de Dança (RJ). 2 1 /0 6 . Quin­ ta, 21 h. «Joy Lab Research - JFDC e Nú­ cleo Dança Aberta (USA/BR). Direção Alito Alessi, diretor artístico da Joint For­ ces Dance Co. e fundador da DanceAbility (EUA), método inclusivo para por­ tadores e não-portadores de deficiên­ cias. Com performers Alito Alessi, Neca Zarvos, Clarissa Rezende, Esteia Lapponi, Marcos Abranches, Uciane Duarte, Edu Oliviera, Letícia Sekito. Direção mu­ sical Natalia Mallo. 22 e 2 3 /0 6 . Sexta e sábado, 21 h. SOB UM NOVO OLHAR - PROJETO DE DANÇA INCLUSIVA Oficinas e encon­


tros. Grátis. «Contato e Improvisação. Oficina trabalha percepções como o peso, equilíbrio e percepção do próprio corpo. Com Anderson Leão (Grupo Gi­ ra Dança). Para bailarinos com e sem deficiência. Acima 14 anos. Inscrições: 05 a 19 /0 6. 1 9 /0 6 . Terça, 20h. «A Dança, a Inclusão e a Profissionaliza­ ção. Coreógrafos e bailarinos que par­ ticipam do projeto relatam suas experi­ ências. Acima 12 anos. 2 3 /0 6 . Sába­ do, 16h. «DanceAbility. Workshop com Alito Alessi. Introdução aos conceitos de improvisação e identificar possibili­ dades físicas. Com Joint Forces Dance Company (JFDC) - Alito Alessi (USA). Para interessados com ou sem deficiên­ cia física. Acima 14 anos. Inscrições: 01 a 2 2 /0 6 . Ginásio. 23 e 2 4 /0 6 . Sábado e domingo, 10h30 às 13h30. •Street Performance Parade. Interven­ ção cênica em espaços urbanos que permitam acessibilidades. Com Joint Forces Dance Company (JFDC) Alito Alessi (EUA). Na entrada e rampas da unidade. 2 4 /0 6 . Domingo, 17h. MULTIMÍDIA E INTERNET aulas abertas DIVULGAÇÃO E DIFUSÃO MUSICAL NA WEB. Participantes aprendem como uti­ lizar os recursos da Internet. Com Feli­ pe Julián. Grátis. 3 0 /0 6 . Sábado, 14h às 18h.

Desenhando! Com Cirton Genaro. Tur­ ma I: acima 7 anos e Turmall: acima 16 anos. 22 e 2 9 /0 6 . Sextas, turma I, 14h às 16h e turma II, 19h às 21 h. «Pintu­ ra Cenográfica: Imagens Secretas. Com Vera Salamanca. Acima 10 anos. 24 e 0 1 /0 7 . Domingos, 13hàs 15h. CINEMA E VÍDEO ÚLTIMA CHANCE EM 35 - QUENT1N TARANTINO. Grátis. Terças, 20h. «Jackie Brown. (EUA, 1997). 0 5 /0 6 . «Kill Bill: Vol. 1. (EUA, 2003). 12 /0 6. «Kill Bill: Vol. 2. (EUA, 2004). 19 /0 6. «Sin Ci­ ty - A Cidade do Pecado. (EUA, 2005). Co-direção Frank Miller e Robert Rodriguez. 2 6 /0 6 . ESPORTES

FERIADÃO SESC. Programação para toda a família. «Jogos Cooperativos. Com Pa­ trícia M. Pedoti. Acima 7 anos. Ginásio. Grátis. 0 7 /0 6 . Quinta, 14h às 16h. AULAS ABERTAS. Grátis. «Jogos de Me­ sa. Acima 7 anos. Sala de Múltiplo Uso 2. 02 a 3 0 /0 6 . Sábados, 15h às 17h. •Iniciação a Natação - Estilo Crawl. Aci­ ma 15 anos. Inscrições: até 0 8 /0 6 . 09, 16 e 2 3 /0 6 . Sábados, 11 h às 12h30. •Pular, Saltar e Brincar. Acima 7 anos. 1 0 /0 6 e 0 1 /0 7 . Domingos, 15h às 17h. «Nado Sincronizado. Com Shirley Montanari. Acima 7 anos. 24 e 0 1 /0 7 . Domingos, 14h às 17h.

CURSOS. Grátis. «Web Masters - 2o Mó­ dulo. Para terceira idade. 01 a 2 9 /0 6 . Sextas, 15h às 17h. «Wordpress. Ge­ SfyVIANA OÜMPICA 2007. Parceria Sesc renciamento de conteúdos. 14 a 2 8 /0 6 SP e COB. «Mini- Tênis. Com Cassia T. e 0 5 /0 7 . Quintas, 16h às 18h. «Des­ Lorenzini e Rosemary de Almeida. Para vendando a Internet. Acima 17 anos. 7 a 15 anos. Grátis. 03 e 1 7 /0 6 . Do­ Grátis. 13 a 2 9 /0 6 . Quartas e sextas, mingos, 15h às 18h. 19h às 21 h. «Produção Musical Inte­ rativa. Com Felipe Julián. R$ 8,00; R$ 6,00 (□). R$ 2,00 (O). R$ 4,00 (♦). CURSOS. Para 15 a 59 anos. «Judô. R$ 60.00 P ). R$ 30,00 (O). Terças e quin­ 12 a 2 8 /0 6 . Terças e quintas, 19h30 tas, 20h. «Natação. R$ 86,00 P ). R$ às 21h30. 4 3.00 (O). Terças e quintas, 18h30 e quartas e sextas, 19h. «Vôlei. R$ 60,00 ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS (□). R$ 30,00 (O). Quartas e sextas, 20h às 21h30. exposições SENTIDOS. Com grupo BASE-V. Foyer. Vi­ RECREAÇÃO ESPORTIVA. 01 a 3 0 /0 6 . sitação: Grátis. Até 31 /0 8 . Terça a sex­ Grátis. «Badminton. Acima 7 anos. ta, 13h às 21 h30 e sábados, domingos Quartas e sextas, 13h às 21 h30 do­ e feriados, 10 às 18h30. mingos, 1Oh às 18h30. «Futsal. Aci­ ma 16 anos. Quartas e sextas, 19h às PEQUENAS GRANDES OBRAS. Convida­ 21 h30, sábados, lóh às 18h30 e do­ dos por Fernando Durão, mais de 100 mingos, lOh às 12h. 2 3 /0 6 . Sábado, artistas responderam ao desafio de tra­ 16h30 às 18h30. 2 4 /0 6 . Domingo, balhar com um suporte inusitado. Visi­ 14h às 16h. «Futsal. Para 7 a 15 anos. tação: Grátis. 1 5 /0 6 a 3 1 /0 8 . Terça 23 e 2 4 /0 6 , sábado e domingo, não a sexta, 13h às 21h30 e sábados, do­ haverá recreação de futsal. Terça a sex­ mingos e feriados, 1Oh às 18h30. ta, 13h às 15h, sábados, lOh às 12h e domingos, 12h30 às 14h30. «Han­ debol. Acima 16 anos. 2 3 /0 6 , sába­ ATEUER SESC. Aulas abertas. Com mem­ do não haverá recreação de Handebol. bros da Associação Profissional de Ar­ Quartas e sextas, 16h30 às 18h30 e tistas Plásticos de São Paulo. Grátis. sábados, 12h às 13h30. «Vôlei. Acima Inscrições 30min antes. «Princípios de 16 anos. 19 /0 6. Terça, 17h às 19h. Animação. Com Edilson Ferri. Acima 7 2 3 /0 6 . Sábado, 14h às lóh. 2 4 /0 6 . anos. 19 e 2 6 /0 6 . Terças, 14h às 16h. Domingo, 16h30 às 18h30. Terças e •Teoria da Cor - Harmonias Cromáti­ quintas, 18h às 21h30, quartas e sex­ cas. Turma I: acima 7 anos e turma II: tas, 18h às 20h, sábados, 12h30 às acima 16 anos. 20 e 2 7 /0 6 . Quartas, 15h30 e domingos, 15h às 18h30. turma I, 14h às 16h e turma II, 19h às •Vôlei. Para 7 a 15 anos. 19 /0 6. Ter­ 21 h. «A Aquarela na Arte Contempo­ ça, 15h30 às 16h30. 2 3 /0 6 . Sába­ rânea. Com Luís Castanón. Turma I: aci­ do, não haverá recreação. Terça a sex­ ma 7 anos e turmall: acima 16 anos. ta, 15h30 às 17h30 e sábados lOh 21 e 2 8 /0 6 . Quintas, turma I, 14h às às 12h. «Basquete. Acima 16 anos. 16h e turma II, 19h às 21 h. «Desenhar,

19 /0 6. Terça, não haverá recreação. 2 4 /0 6 . Domingo, 15h às 18h30. Ter­ ças e quintas, 18h30 às 21 h30, sába­ dos, 15h às 18h30 e domingos, 1Oh às 13h30. «Basquete. Para 7 a 15 anos. Terças e quintas 17h às 18h30, sába­ dos e domingos, 14h às 15h. «Tênis de Mesa. Acima 7 anos. Terças e quin­ tas, 13h às 21h30 e sábados, 1Oh às 18h30. CORPO E EXPRESSÃO

9,00 (O). Terça a sexta, 13h às 19h45 e sábados, domingos e feriados, lOh às 15h45. «Clínica Odontológica. Infor­ mações na Central de Atendimento. Ter­ ça a sexta, 13h às 21 h; Sábados, 1Oh às 18h30. SOCIEDADE E CIDADANIA palestras PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA E DA CRIMI­ NALIDADE. Com Marcelo Batista Nery. Inscrição na hora. Sala Múltiplo Uso 2. Grátis. 2 1 /0 6 . Quinta, 15h.

CORPO (COM) CIÊNCIA. Tema: Imagem Corporal, a busca do eauilíbrio. Acima SESC EMPRESA. Grátis. «Jogos Coopera­ 15 anos. «Avaliação da Composição tivos. Tema abordado pela ECOS: Edu­ Corporal. Agendamento 1h antes. Grá­ cação Corporal e Saúde. Inscrições pe­ tis. 0 3 /0 6 a 0 1 /0 7 . Domingos, 14h às lo e-mail sescempresa@santana .sescsp. 17h. «Bioenergética. Com Carmen Nisorg.br. 2 8 /0 6 . Quinta, 19h às 21h30. ticó e Ivanilde Sampaio. R$ 30,00; R$ 20,00 p ). R$ 10,00 (O). 15,00 (❖). 13 a 2 9 /0 6 . Quartas e sextas, 19h30 SENSIBILIZAÇÃO PARA EDUCAÇÃO. Cur­ às 21 h. «Imagem Corporal - Dança so para educadores. Com Patrícia Strae Improvisação. Com Sérgio Rocha e beli e Rosana Palermo Schweter. Inscri­ Cláudia Christ. Grátis. 16 e 3 0 /0 6 . ções: 01 a 0 8 /0 6 . De 02 a 3 0 /0 6 . Sá­ Sábados, 14h às 15h30. «Brincando bados, 11 h às 13h. com a Dança - Meu corpo, Meu Brin­ quedo. Com Silvia Lopes. Grátis 1 7 /0 6 INFANTIL e 0 1 /0 7 . Domingos, 14h às 15h30. • Imagem Corporal e Transtornos AliESPETÁCULOS. «Cegonha, Avião... Men­ mentares. Com Hewdy Lobo. Grátis. tira Não! Com o Núcleo Caixa Preta. 2 8 /0 6 . Quinta, 19h30às21h. Elenco: Direção: Joaquim Goulart. 60 min. R$ 8,00; R$ 6,00 P ). R$ 2,00 FERIADÃO SESC. Atividades para toda a (O). R$4,00 (❖). 0 3 /0 6 a 0 1 /0 7 . Do família. Acima 15 anos. Grátis. «Alon­ mingos, 16h. «Cegonha, Avião... Men­ gamento. 0 7 /0 6 . Quinta, 10h30 às tira Não! Atendimento para escolas. 1 lh30. «Hidroginástica. 0 7 /0 6 . Quin­ Agendamento tel: 6971-8766. R$ 1,00 ta, lóh às 17h. «Super Ginástica. (alunos de escolas públicas) e R$ 2,00 0 7 /0 6 . Quinta, 12h às 13h30. (alunos de escolas privadas). 05, 12, 19 e 2 6 /0 6 . Terças, 14h e 15h30. AULAS ABERTAS. Acima 15 anos. Grá­ tis. «Alongamento. 02 e 0 3 /0 6 . Sába­ CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS. Grátis. Sá­ do e domingo, 14h30 às 15h30. • Hi­ bados, 16h. «Contando Cameirinhos... droginástica. Domingos dias 03, 10 e Narra as estripulias de Raul e Arabe17 /0 6, às 15h. Grátis. 02 a 3 0 /0 6 . la, irmãos que não conseguem pegar Sábados, 13h. «Condicionamento Físi­ no sono. 02 e 16 /0 6. «Os Compa­ co. 0 3 /0 6 a 0 1 /0 7 . Domingos, 10h30 dres Corcundas. 0 9 /0 6 . «O Sargento às 11 h50. «Postura e Consciência Cor­ Verde. Com Kelly Orasi e Dalton Soa­ poral. 09 e 2 3 /0 6 . Sábados, 14h às res. 2 3 /0 6 . «O Grúfalo. Com Ateliê Te­ 15h. «Batuque de Umbigada. 10 /0 6. atro. 3 0 /0 6 . Domingo, 14h às 15h30. «Jongo. 2 4 /0 6 . Domingo, 14h às 15h30. FERIADÃO SESC. Grátis. 0 7 /0 6 . Feriado. •Brinquedos Criativos. Aula aberta Aci­ CURSOS. Acima 15 anos. R$ 86,00 ma 7 anos. Com Cristine Torchia. 13h P ). R$ 43 ,0 0 (O). «Ginástica Mul­ às 15h. «Cante um Conto Conta a His­ tifuncional. Terças e quintas, 13h30, tória de Dom Quixote. Com Cecília Ho­ 17h, 18h30 e 20h; quartas e sextas, mem de Melo. 11 h30. «Casamento na 13h30, 15h, 16h30, 18h e 19h30. Roça - Pernas pra que te Quero! Com •Hidroginástica. Terças e quintas, Teatro Ruante. Ginásio. 17h. 19h30 e 20h30; quartas e sextas, 18h e 20h30. CURSOS. Acima 15 anos. R$ 60,00 P ). R$ 30,00 (O). «Reeducação Postural. Terças e Quintas, 19h. «Ginástica. Quartas e sextas, 18h30. NATUREZA E MEIO AMBIENTE

AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te (05/06). «O Realejo da Galinha. Em diversos espaços da unidade. Grátis. 0 5 /0 6 . Terça, 13h. SAÚDE EAUMENTAÇÃO SERVIÇOS. «Exame Dermatológico. Co­ brado acima 3 anos. R$ 18,00 P ). R$

CURSOS. «Judô. 7 a 14 anos. R$ 40,00 (□). R$ 20,00 (O). Terças e quintas, 17h. «Natação. R$ 60,00 p ). R$ 30,00 (O). 8 a 14 anos. Terças e quin­ tas, 17h. 5 a 7 anos. Quartas e sex­ tas, 16h30. TERCEIRA IDADE CURSOS. Acima 60 anos. «Ginástica. R$ 30,00 P ). R$ 15,00 (O). Quartas e sextas, 15h. «Ginástica Multifuncio­ nal. R$ 43,00 (J). R$ 21,50 (D). De Terças e quintas, 13h30, 17h, 18h30 ou 20h; quartas e sextas 13h30, 15h, 16h30, 18h ou 19h30. • Hidroginásti­ ca. R$ 43,00 p ). R$ 21,50 (O). Terços e quintas, 13h30 e 14h30; quartas e sextas, 14h e 15h.

revista e

63


SANTO AMARO se tem uma vista única da cidade de São Paulo. Inscrições antecipadas. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ 10,00 (O). 3 0 /0 6 . Sábado, 9h. NATUREZA E MEIO AMBIENTE

Esculturas de Luis Bayon. Até 3 0 /0 6 Endereço: Av. A dolfo Pinheiro, 940 Telefone: (11) 5525 1855 Horário: Terça a Sexta, das 10h às 19he Sábados das 9hás 18h. email@santoamaro.sescsp.org.br Os espetáculos grafados em ozul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima. MULTIMÍDIA e internet

CIDADANIA ON UNE. Dicas de acesso a serviços e entretenimento. Com Carolina Milanez. Inscrições antecipadas. Grátis. 12 a 2 8 /0 6 . Terças e quintas, 1Oh às 12h. OFICINAS. • Micro Saudável. Otimiza­ ção do sistema operacional, com ma­ nutenção preventiva. Com Carlos Dalkimin. Inscrições antecipadas. Grátis. 06 e 2 0 /0 6 . Quartas, 17h. «Flash. In­ trodução ao programa de animação em flash. Com Carlos Dalkimin. Inscri­ ções antecipadas. Grátis. 2 2 /0 6 . Sex­ ta, 17h. serviços NAVEGAÇÃO UVRE. Grátis. Terça a sex­ ta, das 1Oh às 19h e aos sábados, das 9h às 18h.

oficinas OFICINA DE ESCULTURAS. Processos e etapas do planejamento, criação, evo­ lução e execução de uma forma tridi­ mensional. Com Luis Bayón. Grátis. 20, 22 e 2 7 /0 6 . Quartas e sextas, 14h. UTERATURA bibliotecas ESPAÇO DE LEITURA. Jornais, revistas e li­ vros para consulta no local. Grátis. Ter­ ça a sexta, 1Oh às 19h e sábados, 9h às 18h. CINEMA E VIDEO

MOSTRA ZAGATTI DE CINEMA BRASI­ LEIRO. Coordenação José Luis Zagatti, criador do cinema móvel, em que, com projetor, realiza sessões de cine­ ma abertas com trechos de filmes que encontrou em um lixão. Após cada exi­ bição, Zagalti e diferentes convidados discutem com o público presente te­ mas relevantes da cultura na periferia de São Paulo. Parceria Centro Cultural Monte Azul. Local: Av. Tomás de Sou­ za, 552. Grátis. 14 a 1 7 /0 6 . Quinta, sexta, sábado e domingo, 19h. CORPO E EXPRESSÃO

ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS exposiçoes LUIS BAYON. Esculturas em ferro e aço carbono de Luis Torres Bayon, integra o projeto Artistas de Santo Amaro. Visita­ ção: Grátis. Até 3 0 /0 6 . Terça a sexta, 1Oh às 19h e sábados, 9h às 18h.

O cartão de matrícula no SESC é o seu passaporte para participar, com vantagens, das várias atividades oferecidas e também para desfrutar das piscinas, quadras e outros equipamentos.

64

revista e

ALONGAMENTO. Com José L. Ferrei­ ra. Acima 16 anos. R$ 30,00 (□). R$ 15,00 (O). Até 2 9 /0 6 . Terças e quin­ tas, 15h e quartas e sextas, 18h. caminhadas CLUBE DA CAMINHADA. Orientação para caminhadas em áreas verdes, centros históricos, bairros e parques. •Parque Severo. Monitorada, segui­ da de aula aberta de alongamento. R. Pires de Oliveira, 356, Granja Julieta. Inscrições no local. Informações tel: 5525-1855. Grátis. 02 a 2 3 /0 6 . Sábados, 9h. «Núcleo Pedra Grande. Caminhada monitorada com técnicos Sesc em trilha com 9,5km, nível médio, 3h ida e volta. A 1.OOOrn de altitude,

palestras ATITUDE SAUDÁVEL - SAÚDE E MEIO AMBIENTE. A Educação ambiental como estratégia de sensibilização da comunidade de Santo Amaro e en­ torno. Integado à Ambiente e EducAÇÃO, comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente [0 5 /0 6 ], e seguin­ do a proposta da Unesco para a Dé­ cada da Educação para o Desenvolvi­ mento Sustentável, promove reflexões e vivências nas unidades do Sesc SP e reafirmam o compromisso entre a so­ ciedade e a natureza. Grátis. Inscri­ ções nos locais. «Como o Meio Am­ biente Assevera a Violência. Discus­ são para se perceber as diversas for­ mas de violência, sua relação com o meio ambiente e estimular busca da cidadania. 0 1 /0 6 , sexta, lOh às 12h, Escola Seiva Máster, R. Br. Nicolino Barra, 108 - Jdim Germânia e 1 9 /0 6 , terça, lOh às 12h e 13h às 15h, Escola Estadual Profa Amélia M . Ramponi, R. S. Constantino, 180 - Parque Sabará. Tel: 5511-6620. Apoio SUVIS Campo Limpo Paulista. •Meio Ambiente no Século 21. Desa­ fios e perspectivas para as próximas décadas. Local: Faculdades Magister - Auditório. Av. N. Sra. do Patrocínio, 1.300. Tel 5525-1856. 0 5 /0 6 . Ter­ ça, 19h às 21 h.

ATITUDE SAUDÁVEL: AMBIENTE E EDU­ CAÇÃO. Grátis. «Ervas Medicinais. Cultivo e utilização para a prevenção de doenças. Local: Poupatempo Santo Amaro. Áv. Amador Bueno, 1 7 6/25 8. 0 5 /0 6 . Terça, 9h às 16h. ENCONTRO DAS AGENDAS 21 DA ZONA SUL E PRÉ-CONFERÊNCIA DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DE SÃO PAULO. Apresentação dos processos de Agenda 21 de cada Subprefeitura e seus trabalhos, aglutinação de ini­ ciativas regionais, municipais, estadu­ ais e nacional. Para funcionários públi­ cos, ONG's, empresas, Associações,

riywj c UCIIIUI3 IIIICIC55Udos. Local: Centro Universitário Senac. Av. Eng. Eusébio Estevaux, 823. Inscrições antecipadas. Informações tel: 5525-1856. Grátis. 21 a 2 3 /0 6 . Quinta, 18h às 22h, sexta e sábado, 8h às 17h. oficinas ATITUDE SAUDÁVEL - SAÚDE E MEIO AM­ BIENTE. Grátis. «Reciclagem em Desfi­ le. Demonstração de roupas e alego­ rias confeccionadas com material reci­ clado. Boa Vista Shopping, Pça de Ali­ mentação. R. Borba Gato, 59. 0 5 /0 6 . Terça, 18h. SAUDE E ALIMENTAÇÃO especial CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE ACI­ DENTES. Intervenção para observação dos fatores de risco para acidentes em local de trabalho. Para os freqüentado­ res da Internet Livre e Sala de Leitura. Com apoio da CIPA Sesc Santo Ama­ ro. Grátis. 2 1 /0 6 . Quinta, 15h. oficinas PROGRAMA SAUDÁVEL CIDADÃO. Grá­ tis. «Horta Caseira. Como cultivar tem­ peros em casa. 08 a 2 9 /0 6 . Sextas, 13h às 16h. SOCIEDADE E CIDADANIA

UMDIA DE SESC NA COMUNIDADE. Re­ creação, jogos, aulas abertas, ofici­ nas e apresentações artísticas e inter­ venções culturais ao longo do dia. Lo­ cal: Espaço Esportivo Santo Eduardo, R. Maringá, s/n, Embú das Artes. Grá­ tis. 2 3 /0 6 . Sábado, 9h às 16h. TERCEIRA IDADE

CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE QUE­ DAS. Caminhada monitorada para le­ vantamento de dificuldades de circula­ ção e acesso do cidadão idoso. Saí­ da do terminal de ônibus Santo Ama­ ro com destino ao Sesc Santo Amaro. Apoio: Unidade de Referência de Saú­ de do Idoso de Santo Amaro. Informa­ ções tel: 5525-1856. Grátis. 2 6 /0 6 . Terça, 9h às 11 h.

O CARTÃO DE MATRÍCULA. O cartão de matrícula é a sua identificação junto ao SESC. Com ele você tem acesso a serviços e vantagens exclusivos. Ele é um direito do trabalhador do comércio e serviços. QUEM PODE MATRICULAR-SE NO SESC. O trabalhador em atividade ou aposentado nas áreas de comércio e serviços, ou ainda aquele que está desempregado há até doze meses e que exerceu a última atividade em empresas desses setores, e seus dependentes: cônjuge, filhos menores de 21 anos e pais do titular. Pessoas que não se incluem nessas condições podem se inscrever na categoria Usuário

DOCUMENTOS. «Trabalhador no comércio e serviços: Carteira de Trabalho e documento de identidade • Aposentado do comércio e serviços: Carteira de trabalho, extrato trimestral do INSS e documentode identidade • Usuário: Documento de identidade • Dependentes: Pais do titular (somente Comerciários) doc. de identidade • Cônjuge: certidão de casamento e doc. de identidade • Filhos menores de 2 1 . anos: certidão de nascimento ou doc. de identidade.


SANTO CINEMA E VÍDEO A ESCOLA VAI AO CINEMA. «O Plane­ ta de Pipsqueak. Direção e roteiro Jordi Muray e Emma Ros. Grátis. 14, 21 e 2 8 /0 6 . Quintas, 14h.

Endereço: Rua Tamarutaca, 302 Telefone: (11) 44 69 1200 Horário: Terça a Sexta, das 13h às 22h. Sábados Domingos e feriados, das 9h EMAIL@SANTOANDRE.SESCSP.ORG.br Os espetáculos grafados em azul têmingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima. TEATRO espetáculos A-MA-LA. Solo. Representante brasileiro no Festival Internacional de Pallasses, no Principado de Andorra. Direção Naomi Silman. Com Adelvane Néia. Tea­ tro. R$ 10,00; R$ 8,00 p ) . R$ 4,00 (O). R$ 5,00 (❖). 15 a 1 7 /0 6 . Sexta, 21 h, sábado, 20h e domingo, 19h. MÚSICA SHOWS. ‘ Boca livre. R$ 30,00; R$ 20.00 p ) . R$ 12,00 (O). R$ 15,00 (❖). 2 3 /0 6 . Sábado, 20h. «Balanço Br-07: Nação Zumbi, Ma melo Sound System & Dj Paulão. Espaço de Even­ tos. R$ 30,00; R$ 20 ,0 0 p ) . R$ 12.00 (O). R$ 15,00 (♦). 3 0 /0 6 . Sá­ bado, 20h. «Caixa Preta do Rock: Autoramas. R$ 14,00; R$ 10,00 P ). R$ 5 .00 (O). R$ 7,00 (❖). 2 2 /0 6 . Sex­ ta, 21 h. DANÇA espetáculos QUASE UMA. Com Focus Cia. de Dan­ ça (RJ). De Alex Neoral. Com Alex Neoral, Carol Pires, Cintia Pimentel, Mar­ eio Jahú e Mônica Burily. R$ 10,00; R$ 8.00 p ) . R$ 4,00 (O). R$ 5,00 (❖). 2 4 /0 6 . Domingo, 19h. AULAS ABERTAS. Grátis. «Black Music. 03 a 2 4 /0 6 . Domingos, 14h. CURSOS. R$ 10,00 P ). R$ 5,00 (O). •Dança do Ventre. Até 2 4 /0 6 . Do­ mingos, 1Oh às 11 h30. «Tango. Até 2 7 /0 6 . Quartas, 20h às 21K30.

MULTIMÍDIA E INTERNET INTERNET LIVRE. Grátis. Terça a sexta, 11 h às 21H30; sábados, domingos e feriados, 9h30 às 17K30 (exceto no horário das atividades previstas no ca­ derno de programação). OFICINAS. Grátis. «Navegar é Preciso. 05, 12, 19 e 2 6 /0 6 . Terças, 16h às 17h30. «Primeiras Navegações. Com Rafael Nunes. 06, 13, 20 e 2 7 /0 6 . Quartas, 20h. «Curumim Quer Nave­ gar. Com Alexandre Penedo e instru­ tores do Curumim. 14, 21 e 2 8 /0 6 . Quintas, 14h30 às 16h.

HORA DO CURTA. Curtas-metragens do grupo Cactos Intactos (RJ). Grátis. «1° Sessão. Serão exibidos: O Ex-Exú: fic­ ção, Glauberama: dedicado à memó­ ria do cineasta. Deus Nunca Falha: fic­ ção. Pedra Nua: retirada da estátua do Cristo Redentor do Corcovado. An­ tônio da Vida: retirante nordestino que não chegou à presidência da Repúbli­ ca. Adão e Eva: curta do mito bíbli­ co. 1 4 /0 6 . Quinta, 20h. «2° Sessão. Serão exibidos: Bola da Vez: a exe­ cução de um travesti é planejada por dois amigos. O Mundo Segundo Nel­ son Jacobina: debate entre Jorge Mautner e Nelson Jacobina. Dog Neville: curta com Neville D'Almeida. Who is Ricardo Ruiz: o poeta carioca enfren­ ta o Cactos Intactos. A Verdade não é Tudo: retrospectiva do cineasta Rogé­ rio Sganzerla no CCBB-RJ. Calçada da Fome: documentário sobre moradores de rua do RJ. Cacá entre Nós: entre­ vista com Cacá Diegues. 21 /0 6 . Quin­ ta, 20h. «3° Sessão. Serão exibidos: Chumbo Grosso: continuação do filme Bola da Vez. Helena Ignez, Mulher de Sonhos: tributo à atriz. Todo Poder aos Poetas: perfil dos poetas do RJ. Pane: dois estranhos num elevador enguiçado. Palmatória do Mundo: mãe muda com o filho, a quem considerava ma­ conheiro. Pretérito Imperfeito: inspirado na obra de Hitchcock. Deus é Déspota: Deus em crise de identidade. 2 8 /0 6 . Quinta, 20h. ESPORTES

EM CARTAZ. Programas para produção gráfica. Grátis. «Ilustradores. Com Sa­ muel Casal. 0 8 /0 6 . Sexta, 19h. «Softwares. Com Rafael Nunes. 1 2 /0 6 . Ter­ ça, às 19h. «Web Design. Com Rafael Nunes. 1 3 /0 6 . Quarta, 19h. «Produ­ ção. Com Rafael Nunes. 19, 20, 26 e 2 7 /0 6 . Terças e quartas, 19h. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS

VERSO E REVERSO. Grátis. Terça a sexta, 13h às 22h; sábados, domingos e fe­ riados, 9h às 18h. • (Oficina Bordados e Dados. Orientação das bordadeiras da Cooperativa Olho Vivo, da Comuni­ dade Sacadura Cabral (Santo André), o público costura suas memórias no te­ cido da exposição. Grátis. Até 0 3 /0 6 . Terça a domingo, 14h às 17h. LITERATURA

ÂMAGO. Oficina em duas partes: Con­ versas Poéticas e Imagens Fotográfi­ cas. Com Tarso de Melo e João Cor­ reia Filho. Acima 16 anos. R$ 25,00; R$ 20,00 p ) . R$ 15,00 (O). 12, 13, 19, 20, 26 e 2 7 /0 6 , 03 e 0 4 /0 7 . Ter­ ças e quartas, 19h. BIBUOTECA. Grátis. Terça a sexta, 11 h às 21 h30; sábados, domingos e feriados, 9h30 às 17h30.

RECREAÇÃO AQUÁTICA. Grátis p , O). •Natação Recreativa. Terça a sexta, 13h às 21 h30 e sábados, domingos e feriados, 9h às 17h30. CURSOS. R$ 18,00 P ). R$ 9,00 (O). •Capoeira Adulto. Acima 15 anos. Quartas e sextas, 18h. «Karatê Adul­ to. Acima 18 anos. Terças e quintas, 18h30. «Karatê Jovem. Para 13 a 17 anos. Terças e quintas, à l6h 3 0. CURSOS. R$ 26,00 P ). R$ 13,00 (O). •Vôlei - Iniciação. Acima 14 anos. Quartas e sextas, 19h. «Vôlei Aper­ feiçoamento. Acima 14 anos. Terças e quintas, 19h. RECREAÇÃO ESPORTIVA UVRE. «Bodminton. Acima 7 anos. Grátis. De Terças a sextas, 13h às 21 h30. Sábados e domin­ gos, 9h às 17h30 «Tênis de Mesa. Aci­ ma 7 anos. Grátis. Terça a sexta, 13h às 21 h30. Sábados, domingos e feriados, 9h às 17h30. «Xadrez Gigante. Acima 15 anos. Terça a sexta, 13h às 21h30. Sábados e domingos, 9h às 17h30. RECREAÇÃO ESPORTIVA ORIENTADA Grátis. Feriados, confira na unidade os horários. «Vôlei. Acima 14 anos. Terças e quintas, 18h30 às 19h e 20h30 às 21h30, sábados, 13h30 às 17h30 e domingos, 9h às 13h30. «Basquete. Aci­ ma 15 anos. Quartas e sextas, 18h30

às 21 h30, sábados, 9h às 13h30 e do­ mingos, 13h30 às 17h30. «Futsal. Aci­ ma 15 anos. Terças e quintas, 18h30 às 21 h30, quartas e sextas, 18h30 às 19h e 20h30 às 21 h30 e sábados, domin­ gos e feriados, 13h30 às 17h30. TORNEIOS E CAMPEONATOS. «Sesc Em­ presa. Tel.: 4469-1231. Terça a sexta, 14h às 20h. EMPRÉSTIMO DE MATERIAL Até 18h, na sala de condicionamento físico e, após, nas quadras. Fim de semana, após 9h, nas quadras. Grátis P , O). Terça a sex­ ta, 13h e sábados e domingos, 9h. CORPO E EXPRESSÃO AULAS ABERTAS. «Hidro Recreativa. Grátis. Sábados, domingos e feriados, 11 h30. CURSOS. Acima 15 anos. R$ 34,00 P ). R$ 17,00 (O). «Hatha Yoga. Terças e quintas, 14h30 e 17h30 e quartas e sextas, 17he 19h. • Power Yoga. Terças e quintas, 10h30 e 20h30 e quartas e sextas, 8h e 12h30. «Reeducação Postural. Terças e quintas, 12h30 e quartas e sextas, 10h30. «Tai Chi Chuan. Até 2 8 /0 6 . Terças e quintas, 9h. CURSOS. Acima 15 Anos. R$ 66 ,0 0 P ). R$ 33 ,0 0 (O). «Hidroginástíca. Para 15 a 59 anos: Terças e quintas, 7h30 e 19h3, quartas e sextas, 18h30. Aci­ ma 15 anos: Terças e quintas, 11 h30, 12h30, 14h, 16h e 17h30 e quartas e sextas, 12h40, 14h e 15h. «Nata­ ção e Condicionamento. Para 15 a 59 anos. Terças e quintas, 9h30, 18h30 e 20h30 e quartas e sextas, 19h30 e 20h30. «Natação Iniciação. Para 15 a 59 anos. Terças e quintas, 9h30, 18h30 e 20h30 e quartas e sextas, 19h30 e 20h30. PROGRAMA DE GINÁSTICA. Freqüên­ cia livre nas modalidades, dentro da opção. R$ 68 ,0 0 P ). R$ 34,00 (O). •Opção Fim de Semana. Condiciona­ mento Físico: sábados e domingos, 9h às 15h30. Ginástica: sábados, às 10h30 e domingos, lOh. Alongamen­ to: sábados, 1Oh e domingos, 10h50. •Opção Manhã. Condicionamento fí­ sico: terça a sexta, 7h30 às 12h. Gi­ nástica: terças e quintas, 7h30 e 9h e quartas e sextas, 9h30. Alongamento: terças e quintas, 8h20 e 9h50 e quar­ tas e sextas, 8h50 e 10h20. «Opção Tarde. Condicionamento físico: terça a sexta, 12h às 17h. Ginástica: ter­ ças e quintas, 15h30 e quartas e sex­ tas, 15h. Alongamento: terças e quin­ tas, 13h e 16h20 e quartas, 14h30 e 16h30 e sextas, 14h30. PROGRAMA DE GINÁSTICA Acima 15 anos. R$ 8 2 ,0 0 P ). R $41,00(O). «Op-ção Manhã e Tarde. Condicionamento fí­ sico: terça a sexta, 7h30 às 17h. Ginás­ tica: terças e quintas, 7h30,9h e 15h30 e quartas e sextas 9h30 e 15h. Alon­ gamento: terças e quintas, 8h20, 9h50, 13h e 16h20 e quartas e sextas, 8h50, 10h20 e 14h30 e quartas, às 16h30. •Opção Noite. Condicionamento físi­ co: terça a sexta, 17h às 21 h30. Ginás­ tica: terças e quintas, 19h e 20h30 e quartas e sextas, 18h30 e 20h. Alon­

revista e

65


SANTO gamento: terças e quintas, 18h30 e 20h e quartas e sextas, 18h e 19h20 e 20H50. • Opção Total. R$ 110,00 (O). R$ 55,00 (O). Condicionamento físico: terça a sexta, 7h30 às 21 h30 e sába­ dos e domingos, 9h às 15h30. Ginásti­ ca: terças e quintas, 7H30, 9h, 15H30, 19h e 20H30 e quartas e sextas, 9h30, 15h, 18h30 e 20h e sábados, 10H30 e domingos, 1Oh. Alongamento: terças e quintas, 8h20, 9h50, 13h, 16h20, 18h30 e 20h e quartas e sextas, 8h50, 10H20, 14K30, 18h, 19h 20e20h 50. Quartas, 16H30 e sábados, lOh, do­ mingos, 10h50. NATUREZA E MEIO AMBIENTE especial AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te (05/06), e seguindo a proposta da Unesco para a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, as unidades do Sesc SP promovem ativi­ dades que reafirmam o compromisso entre a sociedade e a natureza. «Jogo: Onde Está o Desperdício de Água? Grá­ tis. 0 5 /0 6 . Terça, 14h às 17h. SAÚDE E ALIMENTAÇÃO CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS. Tel.: 44691287. Terça a sexta, 8h às 21 h e sába­ dos, 8h30 às 16h30. EXAME MÉDICO DERMATOLÓGICO. Até 3 anos, grátis. R$ 15,00 (□). R$ 7,50 (O). Terça e quinta, 15h às 20H45. Sábados, domingos e feriados, 9h às 14h45. MAU HÁLITO. Causas e tratamento. Grá­ tis. 1 6 /0 6 . Sábado, 12h. LANCHONETE. Terça a sexta, 11 h às 21 h30; sábados, domingos e feriados, 9h às 17H30. INFANTIL espetáculos PLUFT, O FANTASMINHA. De Maria Cla­ ra Machado. Direção Guido Cam­ pos Correa. Com Eldo Mendes e Gui­ do Campos Correa. R$ 6,00 R$ 5,00 (□). R$ 3,00 (O). R$ 2,00 (até 12 anos □ ou sem carteirinha). Grátis (até 12 anos O). Até 0 8 /0 7 . Domingos e fe­ riado, 15h. CURSOS. «Natação Iniciação. 7 a 14 anos. R$ 66 ,0 0 (□). R$ 33,00 (O). Terças e quintas, 15h. Quartas e sex­ tas, 9h30 e 17h30. «Curumim. 7 a 12 anos. Grátis. Terça a sexta, 8h às 11 h ou 14h às 17h. CURSOS. R$ 18,00 (□). R$ 9 ,00 (O). «Ju­ dô Infantil e Jovem. 7 a 15 anos. Terças e quintas, 17h30. «Karatê Infantil. 7 a 12 anos. Terças e quintas, 15h30. RECREAÇÃO AQUÁTICA. «Natação Re­ creativa. Menores de 10 anos sempre acompanhados. Grátis (□, O). Terça a sexta, 1Oh às 21 h30 e sábados, do­ mingos e feriados, 9h às 17h30. RECREAÇÃO ESPORTIVA LIVRE. Grátis. Feriados confira na unidade os horá­ rios. «Vôlei.7 a 1 4 anos. Terçasequin­

66

revista e

SANTOS

tas, 13h às 18h. «Badminton. Acima 7 anos. Terça a sexta, 13h às 21h30 e sábados e domingos, 9h às 17h30. •Basquete. 7 a 14 anos. Quartas e sex­ tas, 13h às 18h. «Futsal. 7 a 14 anos. Terça a sexta, 13h às 18h e sábados e domingos, 12h30 às 13h30. «Xadrez Gigante Acima 7 anos. Terça a sexta, 13h às 21 h30 e sábados e domingos, 9h às 17h30. TERCEIRA IDADE RECREAÇÃO AQUÁTICA. «Natação Re­ creativa. Grátis (□, O). Terça a sexta, 1Oh às 21 h30 e sábados, domingos e feriados, 9h às 17h30. AS DIFERENTES POSSIBILIDADES DO TRA­ BALHO VOLUNTÁRIO. Palestra com Maria Inês Villalva. Inscrições antecipa­ das. Grátis. 2 8 /0 6 . Quinta, 14h. CURSOS. «Hidroginástica. R$ 33,00 (□). R$ 16,50 (O). Terças e quintas, às 8h30, 11 h30, 12h30, 14h, 16h e 17h30 e quartas e sextas, 8h30, 10h30, 12h40, 14h e 15h. «Perden­ do o Medo da Água. R$ 24,00 (□). R$ 12,00 (O). Quartas, 11 h30 e 16h. •Reeducação Postural. R$ 34 ,0 0 (□). R$ 17,00 (O). Quartas e sextas, 10h30 e 12h30. «Hatha Yoga. R$ 34,00 (□). R$ 17,00 (O). Terças e quintas, 10h30, 14h30 e 17h30 e quartas e sextas, 8h, 12h30, 17h e 19h. «Nata­ ção Iniciação. R$ 33,00 (□). R$ 16,50 (O). Terças e quintas, 10h30 e quar­ tas e sextas, 7h30. «Tai Chi Chuan. R$ 34,00 (□). R$ 17,00 (O). Até 2 8 /0 6 . Terças e quintas, 9h. A ARTE DAS PALAVRAS E DOS SABORES. Gastronomia e literatura. Com Mailde Trípoli. Inscrições antecipadas. R$ 12,00; R$ 10,00 (□). R$ 5,00 (O). 0 8 /0 6 a 2 7 /0 7 . Sextas, 14h às 17h. SESC GERAÇÕES. Integração entre as ge­ rações. «Canto Coral. Inscrições anteci­ padas. Grátis. Quartas, 14h às 17h. PROGRAMA DE GINÁSTICA DA TERCEIRA IDADE. Freqüência livre dentro da opção escolhida. Acima 55 anos. R$ 34,00 (□). R$ 17,00 (O). «Opção Manhã. Condicionamento físico: terça a sexta, 7h30 às 12h. Ginástica: Terças e quin­ tas, 9h. Quartas e sextas, 8h. Alonga­ mento: terças e quintas, 8h20 e 9h50. Quartas e sextas, 8h50 e 10h20. «Op­ ção Tarde. Condicionamento físico: ter­ ça a sexta, 12h às 17h. Ginástica: ter­ ças e quintas, 15h30. Quartas e sex­ tas, 15h. Alongamento: terças e quin­ tas, 13h e 16h20. Quartas e sextas, 14h30. Quartas, 16h30. «Opção Ma­ nhã e Tarde. R$ 41,00 (□). R$ 20,50 (O). Condicionamento físico: terça a sexta, 7h30 às 17h. Ginástica: terça e quinta, 8h30 e 15h30. Quarta e sexta, 8h e 15h. Alongamento: terça e quin­ ta, 8h30, lOh, 13h e 16h30. Quarta e sexta, 9h, 10h30, 14h30 e 16h30. FÉRIAS E TURISMO SOCIAL EXCURSÕES RODOVIÁRIAS. Detalhes e valores na Unidade. «Bertíoga: 29 /0 6 a 04 /0 7. Saída: 14h. Pensão comple­ ta. Inscrições: 06 a 2 2 /0 6 .

Duofel. 1 4 /0 6 Endereço: Rua Conselheiro Ribas, 136 Telefone: (13) 3278 9800 Horário: Terça a Sexta, das 13h às 22 h. Sábados, Domingos e Feriados, das 10h EMAIL@SANTOS.SESCSP.ORG.BR Os espetáculos grafados emazul têmingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima. TEATRO ESPETÁCULOS. «A Poesia Secreta de Andréia. A loucura a partir de uma história real. Com Cia. Lúdica. R$ 10,00; R$ 5 ,0 0 (□). R$ 3 ,0 0 (O). 09 e 1 0 /0 6 . Sábado e domingo, 20h30. «Mais Quero Asno Que Me Carregue Que Cavalo Que Me Der­ rube. Espetáculo abre a XI Edição do FESCETE - Festival de Cenas Te­ atrais de Santos. Texto Carlos Alber­ to Soffredini, retrata o universo fe­ minino por meio de uma família de periferia. R$ 6,00; R$ 3 ,0 0 (□). R$ 1.00 (O). 2 1 /0 6 . Quinta, 20h30. •Exodus. Espectadores dividem a ce­ na com o elenco. Direção Renato Di Renzo. Com Orgone Grupo de Arte. R$ 10,00; R$ 5 ,0 0 (□). R$ 3 ,00 (O). 2 9 /0 6 . Sexta, 20h30. RUMOS DO TEATRO. R$ 10,00; R$ 5,00 (□, ❖). R$ 3,00 (O). «Memórias das Coisas. Com Cia. de Arte e Malas-Artes. 02 e 0 3 /0 6 . Sábado e domingo, 20h30. «Os Marinheiros. Texto Fernan­ do Pessoa, com Cia. Anjos Pornográfi­ cos, direção e encenação Miguel Hernandez e trilha de André Abujamra. 2 3 /0 6 . Sábado, 20h30. MÚSICA SHOWS. «Mawaca. R$ 20,00; R$ 10.00 (□). R$ 8,00 (O). 0 1 /0 6 . Sex­ ta, 21 h. «Mamelo Sound System & Na­ ção Zumbi. Abertura do projeto Game Cultura. R$ 30,00; R$ 15,00 (□). R$ 10.00 (O). 0 8 /0 6 . Sexta, 20h. • Duo­

fel. R$ 10,00; R$ 5,00 (□). R$ 3,00 (O). 1 4 /0 6 . Quinta, 21 h. PLATAFORMA DE LANÇAMENTO. Lan­ çamento de CD. «Macaco Prego. R$ 6,00; R$ 3,00 (□). R$ 2,00 (O). 2 8 /0 6 . Quinta, 21 h. FIM DE TARDE. Instrumental. Grátis. •Trio Star. 01 e 2 9 /0 6 . Sextas, 18h. •Trio Felipe Romano. 05 e 19 /0 6. Ter­ ças, 18h. «Thema Trio. 08 e 15 /0 6. Sextas, 18h. «Musical Modelo. 12 e 2 6 /0 6 . Terças, 18h.

MUSICA ERUDITA. «Orquestra de Cor­ das do Instituto Pão de Açúcar. Traba­ lho voltado a jovens de 10 a 18 anos. Grátis. 2 7 /0 6 . Quarta, 19h. «Shlomo Mintz. R$ 30,00; R$ 15,00 (□, ❖). R$ 10,00 (O). 14 /0 6. Quinta, 20h30. •Clube do Ouvinte. Sérgio Chnee fala sobre o programa do concerto da sé­ rie Sesc - Mozarteum. Grátis. Inscrições antecipadas. 14 /0 6. Quinta, 19h30.

TOCANDO SANTOS. Parceria com a Se­ cretaria de Estado da Cultura e a Pre­ feitura Municipal de Santos. «Orques­ tra Jazz Sinfônica. Compositor residen­ te, Cyro Pereira. Direção artística ma­ estro João Maurício Galindo e regen­ te assistente Fábio Prado. R$ 3,00; R$ 1,50 (□, ❖). R$ 1,00 (O). 2 4 /0 6 . Do mingo, 20h30. CERTOS CONCERTOS. Música erudita na Área de Convivência. Grátis. Do­ mingos, 1 Ih. «Palhetas. 03 e 17 /0 6. •Madeiras. 10 e 2 4 /0 6 . DANÇA

EXERCÍCIOS DA DANÇA. «Quase Uma. De Alex Neoral. Com Focus Cia. de dança (RJ). R$ 6,00; R$ 3,00 (□). R$ 2,00 (O). 2 2 /0 6 . Sexta, 21h. «Dança Contemporânea. Oficina sobre o pro­ cesso criativo do espetáculo. Grátis. 2 1 /0 6 . Quinta, 19h às 22h.


MULTIMÍDIA E INTERNET

GA m É°CULTURA - FESTIVAL DE JOGOS ELETRÔNICOS - PASSANDO_DE_FASE. Mostra interativa conta com MMOs (Massives Multiplayers Onlines), jo­ gos online em que milhares de pesso­ as podem participar ao mesmo tempo e seleção de arcades. Grátis. 10/O ó a 2 9 /0 7 . Terça a sexta, 1Oh às 22h e sá1 bados e domingos, 1Oh às 19h. INTERNET UVRE. Oficinas. Grátis. «Fotomontagem - Módulo II. 05 e 0 6 /0 6 . Terça e quarta, 15h às 18h. «VaptVupt. 19 e 2 0 /0 6 . Terça e quarta, 16h e 19h. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS CURSOS. Com Berenice Reichmann. R$ 60,00; R$ 5 0 ,0 0 (□). R$ 40 ,0 0 (O). •Compreender a Árte é uma Arte Módulo 2. Terças, 16h àslBh e quin­ tas, 19h30 às 21h30. «Compreender A Arte É Uma Arte - Módulo 1. Ter­ ças, 19h30 às 21h30 e quintas, 16h às 18h. LITERATURA

TERCEIRAS TERÇAS. Encontros literários. Parceria Realejo Livros. Grátis. •Encon­ tro com Xico Sá. Fala sobre seus livros: Modos de macho & Modinhas de fê­ mea e Do Catecismo de devoções, intimidades & pornografias. 19 /0 6 . Ter­ ça, 20h. CINEMA E VÍDEO filmes CINEBRAZUCA. Sempre no Meu Cora­ ção, História Real e Dois Córregos. Grátis. 14, 21 e 2 8 /0 6 . Quintas, 20h. ESPECIAL Grátis. *Cineme-se. Exibição de longa e curtas-metragens seleciona­ dos no Festival da Experiência do Ci­ nema. 0 1 /0 6 . Sexta, 19h. »A Músi­ ca no Cinema. Com Alexandre Guerra. 0 2 /0 6 . Sábado, 15h. «Fórum do Au­ diovisual da Baixada Santísta. Debates e trabalhos. 0 2 /0 6 . Sábado, lOh às 15h. «Maratona de Curtas. Exibição contínua de curtas do Festival da Expe­ riência do Cinema. 0 3 /0 6 . Domingo, 14h. eO Lúdico na Trilha Sonora. Com Eduardo Ricci. 0 3 /0 6 . Domingo, lOh. SESSÃO DE ENCERRAMENTO. Os 3 cur­ tas mais votados e apresentação do Clube do Choro. Grátis. 0 3 /0 6 . Do­ mingo, 17h.

trajeto em um tempo proposto. 1 7 /0 6 . Domingo, 8h às 11 h. CLUBE DO PEDAL «Rio Jurubatuba. Per­ curso de 50 km, média intensidade. Inscrições antecipadas. R$ 30,00; R$ 15,00 P ). R$ 10,00 (O). 2 4 /0 6 . Do­ mingo, 7h30 às 14h. GIGANTES DE OURO. Homenagem à se­ leção de basquete, medalha de ouro em Indianápolis 87. Grátis. «Clínica de Basquete com Mareei de Souza. Para crianças, jovens e adultos. 0 3 /0 6 . Do­ mingo, 16h. «Gigantes de Ouro. Expo­ sição fotográfica. Visitação: 0 3 /0 6 a 0 1 /0 7 . Terça a sexta, 1Oh às 22h. Sá­ bados e domingos, lOh às 19h. «Fes­ tival de Jogos. Derivados do basquete. 0 9 e 16 /0 6 . Sábado, lOh e 15h. «En­ contro com os Gigantes de Ouro. Batepapo com Mareei, Maury, Gerson, Is­ rael e José Medalha. Participação es­ pecial de Rosa Branca, Bi-Campeão Mundial de Basquete. 10 /0 6 . Domin­ go, 15h. «Basquete Trio. Torneio. Aci­ ma 14 anos. Quadra Externa. Grátis. Inscrição: 12 a 3 0 /0 6 . Jogos: 0 1 /0 7 . •Basquete sobre Rodas. Jogo exibição de basquete sobre rodas com atletas da Associação dos Deficientes Físicos de Santos. 2 3 /0 6 . Sábado, 16h. «Mara­ tona de Basquete. Dois times disputam jogo de 4h de duração. Aberto à parti­ cipação geral. 2 4 /0 6 . Domingo, 14h às 18h. «Basquete para Crianças. Tor­ neio com regras adaptadas para 7 a 12 anos. 3 0 /0 6 . Sábado, lOh. aulas abertas DOMINGO ATIVO. Grátis. «Dança de Sa­ lão. 03 a 2 4 /0 6 , 17h. «Jump e Ab­ dominal. 0 3 /0 6 , lOh. «Tamboréu. 0 3 /0 6 , 15h. «Quimbol. 10 /0 6, 15h. •Ritmos e Lutas. 1 0 /0 6 , lOh. «Circui­ to Simulado de Combate. 17 /0 6 , lOh. •Mini Tênis. 1 7 /0 6 , 15h. «Fute-TBnis. 2 4 /0 6 , 15h. «Ginástica Geral. Acima 12 anos. 2 4 /0 6 , lOh. NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Dicas de alimen­ tação saudável. 3 0 /0 6 . Sábado, 15h às 16h30. CURSOS. Grátis. «Clube do Vôlei. Terças e quintas, 19h30 às 21 h. «Clube do Tênis. Quartas e sextas, 10h30 às 12h. •Clube da Corrida. Domingos, 1Oh. torneios e campeonatos SESC EMPRESA. «Torneio Sesc Alimenta­ ção. Futsal masculino e feminino entre empresas do ramo da alimentação. Ins­ crições: até 0 6 /0 6 . 10 a 3 0 /0 6 . Ter­ ça a sexta, 19h às 22h e sábados e do­ mingos, lOh às 14h.

e quartas e sextas, 10h, 15h, 16h30, 18h30 e 19h30 e sábados, 1Oh e 17h (aula complementar). «Ginástica Locali­ zada. Terças e quintas e quartas e sex­ tas, 7h, 8h, 9h, 16h, 18h, 1 9 h e2 0h , sábado, 1Oh e 16h. (aula complemen­ tar). «Localizada com Alongamento. Terças e quintas, 15h, 18h30, 19h30 e 20h30 e quartas e sextas, 15h. CURSOS. «Dança Moderna. R$ 44 ,0 0 P ). R$ 28 ,0 0 (O). Terças e quintas 14h30 (7 a 13 anos) e 19h30 (aci­ ma de 14 anos). «Ginástica Rítmica. R$ 33 ,0 0 P ). R$ 22 ,0 0 (O). Terças e quintas, 18h30 e quartas e sextas, 10h e 14h. «Hidroginástica. R$ 56,00 P ). R$ 36 ,0 0 (O). Terças e quintas, 8h, lOh, 17h e 20h e quartas e sex­ tas, 7h e 16h. «Natação. R$ 54 ,0 0 P ). R$ 31 ,0 0 (O). Terças e quintas, 7h, 9h, 13h, 14h, 15h, 16h, 18h e 19h e quartas e sextas, 8h, 9h, 11 h, 17h, 18h, 19h e 20h. «Natação pa­ ra Bebês. R$ 54 ,0 0 P ). R$ 31,00 (O). Terças e quintas, 14h30. «Yoga. R$ 53 ,0 0 (Q). R$ 30 ,0 0 (O). Terças e quintas, 8h, 9h, 1Oh e 11 h e quartas e sextas, 15h, 16h, 17h, 19 h e2 0h . NATUREZA E MEIO AMBIENTE exposições BRASIL DAS ÁGUAS. Recorte do livro homônimo, projeto dos exploradores Margi e Gerard Moss. Mezanino. Vi­ sitação: Grátis. 05 a 3 0 /0 6 . Terça a sexta, lOh às 22h e sábados e domin­ gos, 1Oh às 19h.

SEMINÁRIO ÁGUA - CONSUMO SUS­ TENTÁVEL Reflexão sobre a importân­ cia do consumo racional e consciente da água tratada. Grátis. Inscrições an­ tecipadas. 0 5 /0 6 . Terça, 19h. SAÚDE E AUMENTAÇÃO EXAME MÉDICO DERMATOLÓGICO. Cobrado a partir de 4 anos. R$ 12,00 (□). R$ 6,00 (O). Terça a sexta, 18h às 21 h30 e sábados, lOh às 14h. RESTAURANTE. Preço do Kilo: R$ 16,00. Terça a sexta, 12h às 14h e sábados, domingos e feriados, 12h às 15h. LANCHONETE. Terça a sexta, 12h às 21 h30 e sábados, domingos e feria­ dos, lOh às 18h30. CUNICAS ODONTOLÓGICAS. Informa­ ções: 13 3278-9859. Segunda a sex­ ta, 13h às 22h. SOCIEDADE E CIDADANIA

OFICINAS. «Oficinas Querô de Cinema. Noções de cinema sob a orientação de renomados profissionais. Grátis. Até 2 9 /0 6 . Quintas e sextas, 15h às 18h. •Direção de Cinema. Com Andrea Pasquini e Carlos Reichembach. Grátis. 14, 21 e 2 8 /0 6 . Quintas, 19h. ESPORTES ESPECIAL - CLUBE DA CAMINHADA. •Orientação para Caminhada. Grá­ tis (□, O). Quartas e sextas, 8h às 9h. •Caminhada de Regularidade. Por um

CORPO E EXPRESSÃO AULAS ABERTAS. Grátis. «Yoga e Ginásti­ ca Natural. 3 0 /0 6 . Sábado, 16h. CURSOS. R$ 43 ,0 0 p ). R$ 25,00 (O). •Ginástica em Aparelhos. Terças e quin­ tas e quartas e sextas, 7h30, 8h30, 9h30, 10h30, 1 lh 30, 14h, 15h, 16h, 17h, 18h, 19h, 20h e 20h30 e sába­ dos, lOh às 14h. (aula complementar). •Consciência Corporal e ÁJongamenlo. Terças e quintas, 20h30. «Ãlongamento. Terças e quintas, 1Oh, 11 h, 17h

SERVIÇOS - SESC EMPRESA. Assessoria às empresas de comércio e serviços, organização de eventos e matricula na empresa. Informações e agendamentos: 13 3278 98 00 ou e-mail: ivy@santos.sescsp.org.br.

o Lobo. Com Cia. Lúdica. 1 0 /0 6 . Do­ mingo, 16h. «Macacos em Cacos. Com Magesto Cia. de Dança. 1 7 /0 6 . Do­ mingo, 16h. ERA UMA VEZ EU - O MENINO QUE ABRIA PORTAS. Teatro de bonecos com a Cia. Articularte. Grátis. Ginásio. 2 4 /0 6 . Domingo, 17h. palestras EXPERIÊNCIA EDUCATIVA. «Yara Carmo­ na. Importância da arte no desenvolvi­ mento da criança. Grátis. 12 /0 6. Ter­ ça, 20h.

ESPORTE CRIANÇA. Para 5 a 12 anos. In­ formações na central de atendimento. Grátis. Terças a sextas, manhã e tarde. TERCEIRA IDADE espetáculos VERSOS DIVERSOS. Choro. 0 2 /0 6 . Sábado, 17h.

Grátis

TEATRO REFLEXÃO. Grátis. «Rádio Itine­ rante. Com Cia. Pé no Canto, um pro­ grama de Rádio dos anos 40. Reflexão com Regeane Elorriaga e llva A. Quirico. 0 5 /0 6 . Terça, 16h. FILMES - VÍDEO REFLEXÃO. Grátis. «Al­ guém tem que Ceder. Com Júnia Gale­ ra. 2 7 /0 6 . Quarta, 17h. palestras PONTO DE ENCONTRO. Eva V. Mangialardo fala sobre Fatores Psicossomáticos no Cotidiano. Grátis. 3 0 /0 6 . Sá­ bado, 17h. ESPECIAL «Velhos Lugares, Novas Emo­ ções. Passeio de Bonde pelo Centro de Santos. 2 3 /0 6 . Sábado, lOh. CURSOS. «Vôlei para a Terceira Idade. Específico para idosos. Grátis p , O). Quartas e sextas, 15h às 16h. «Dan­ ça Terceira Idade. R$ 36,00 P ). R$ 20.00 (O). Terças e quintas, 15h30. •Ginástica. R$ 38 ,0 0 p ) . R$ 22,00 (O). Terças a sextas, 7h, 8h, 9h e lOh. •Ginástica Rítmica. R$ 32 ,0 0 p ). R$ 20 .0 0 (O). Quartas e sextas, 9h. «Hidroginástica. R$ 50 ,0 0 p ). R$ 32,00 (O). Terças e quintas, 12h e quartas e sextas, lOh e 15h. OFICINAS. Grátis. «Comunicação atra­ vés da Música. 0 5 /0 6 . Terça, 19h às 21h. «Fazendo Arte. Oficina de Marchetaria. Com Pedro Batista. 12, 13 e 1 4 /0 6 . Terça a quinta, 19h às 21 h. RECREAÇÃO. «Tarde Dançante. Com Ban­ da Barroso. R$ 3,00; R$ 1,50 p ). R$ 1.00 (◦). 0 9 /0 6 . Sábado, 16h30. «Do­ mingo Esportivo. Grátis. 10 e 24 /0 6, 10h30 às 12h. «Noite Dançante. Com Jazz Big Band. R$ 3,00; R$ 1,50 p ). R$ 1,00 (O). 2 2 /0 6 . Sexta, 20h. FÉRIAS E TURISMO SOCIAL

INFANTIL ESPETÁCULOS. R$ 3,00; R$ 1,50 P ). R$ 1,00 (O). «Auto da Infância. Com Fraternal Cia. de Arte e de Malas-Artes. 0 3 /0 6 . Domingo, 16h. «Pedro e

EXCURSÕES RODOVIÁRIAS. «Sesc Bertioga (SP): 29 /0 6 a 04 /0 7. Atividades culturais e de lazer na colônia. Deta­ lhes e valores na unidade. Inscrição: até 2 6 /0 6 .

revista e

67


SÃO

CAET ESPORTES AULAS ABERTAS - CLUBE DO XADREZ. Grátis. Segunda a sexta, 9h30 às 21 h. Sábados, 12h às 17h30. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORAL Grátis. «Clube da Natação. Acima 14 anos. Para (□, O) inscritos nos cursos. Inscrições 1h antes. Sextas, 20h. CORPO E EXPRESSÃO ALONGAMENTO. Acima 14 anos. Con­ fira horários. R$ 50 ,0 0 (□). R$ 25,00 (O). Segundas e quartas, 17h30 e ter­ ças e quintas, 7h, 10h30 e 18h30. CONDICIONAMENTO FÍSICO COM APA­ RELHOS. Acima 14 anos. «Opção Ma­ nhã. R$ 72 ,0 0 (□). R$ 36,00 (O). Se­ gunda a sexta, 7h às 1Oh e sábados, 8h às 12h. «Opção Noite. R$ 80,00 (□). R$ 40 ,0 0 (O). Segunda a sex­ ta, 17h às 21 h30 e sábados, 8h às 12h. «Opção Intermediária. R$ 72 ,0 0 (□). R$ 36 ,0 0 (O). Segunda a sexta, 10h30 às 12h, 15h às 17h e sábados, 8h às 12h. GINÁSTICA. Acima 14 anos. R$ 50,00 (□). R$ 25 ,0 0 (O). Segundas e quar­ tas, 15H30 e terças e quintas, 9h.

Endereço: Rua Piauí, 554 Telefone: (11] 4223 8800 Horário: Segunda a Sexta, das 7h ás 21h30. Sábados, das 8 h ás 17h30. email@scaetano.sescsp. org.br Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pela Rede INGRESSOSESC. Verifique a Unidade mais próxima. MÚSICA

SHOW DANÇANTE. Ponto de encontro dos apreciadores da dança de salão. •Trio Marrom. Forró com Curisco, Zé Luis e Barbosa. R$ 8,00; R$ 6,00 (□). R$ 3,00 (O). 4,00 (❖). 2 6 /0 6 . Terça, 19H30.

DANÇA especial NA TRILHA DA VIOLA. Grátis. «Os Favo­ ritos da Catira. Grupo de dança, mú­ sica e tradições caipiras de Guarulhos (SP). 1 2 /0 6 . Terça, 20h.

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORAL. •Samba-Rock. R$ 45,00; R$ 30,00 (□). R$ 15,00 (O). Até 2 5 /0 6 . Segun­ das, 20H30. aulas abertas PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPO­ RAL Grátis. «Forró. 01 a 2 9 /0 6 . Sex­ tas, 20h.

HIDROGINÁSTICA. Acima 14 anos. 2x semana: R$ 80,00 (□). R$ 39,00 (O). Segundas e quartas, 16K30, 17h30, 18h30 e 20K30, terças e quintas, 7 h, 1 Ih, 15K30, 18K30 e 20K30 e quar­ tas e sextas, 8h, 9h e 11 h. 1x semana: R$ 5 9 ,0 0 (□). R$ 29 ,0 0 (O). Sextas, 19h e sábados, 9h. NATAÇÃO. Acima 14 anos. Ix semana: R$ 57 ,0 0 (□). R$ 27,00 (O). Sextas, 18h e sábados, 8h e 1Oh. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORAL Grátis. «Hidroginástíca. Acima 14 anos. Inscrições 1h antes. Sextas, 19h. NATUREZA E MEIO AMBIENTE

ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS NATRILHA DA VIOLA. Resgate da viola e da cultura caipira. Grátis. «Ivan Vi­ lela. 1 2 /0 6 . Terça, 19h. «Orquestra de Violeiros de Mauá. 1 4 /0 6 . Quin­ ta, 20h. «Prosa, Café e Cantoria. Com violeiro Leandro de Abreu e convida­ dos, com músicas, causos e curiosida­ des da cultura caipira. 15 a 2 9 /0 6 . Sextas, 17h às 20h. «A Viola no Re­ pente de Cururu. Com Ricardo Anas­ tácio e os cururueiros de Sorocaba. 2 0 /0 6 . Quarta, 20h. «Levi Ramiro. Aula-show em que o violeiro e artesão expõe sua experiência como constru­ tor de violas. 2 0 /0 6 . Quarta, 18h. •Prosa Caipira & Intervenção Musi­ cal. Encontro com pesquisadores da cultura caipira. Apresentação dos Ir­ mãos Anacleto. Mediação Ivan Villela. 2 7 /0 6 . Quarta, 19h.

especial NA TRILHA DA VIOLA. Grátis. «Paisa­ gens da Viola. Exposição do acervo de fotos do Núcleo de Cultura Caipira, re­ trata a relação da viola com o homem caipira. Visitação: 12 a 3 0 /0 6 . Segun­ da a sexta, 9h às 21 h30 e sábados, 9h às 17h30. CINEMA E VÍDEO

NA TRILHA DA VIOLA. Exibição de gra­ vações musicais. Grátis. «Roberto Corrêa. Apresenta a força da cultura do sertão. 1 5 /0 6 . Sexta, 16h. «Pau­ lo Freire e David Godói. Encontro iné­ dito dos violeiros em programa do Ins­ trumental Sesc Brasil. 1 8 /0 6 . Segun­ da, 19h30. «Pereira da Viola. Apre­ senta as inúmeras possibilidades do NA TRILHA DA VIOLA. R$ 15,00; R$ instrumento em programa do Instru­ 10,00 (□). R$ 5,00 (O). 7,50 (❖). mental Sesc Brasil. 2 5 /0 6 . Segunda, •Pereira da Viola (MG). ícone da viola 19h30. «Ivan Vilela e Levi Ramiro. caipira. 2 1 /0 6 . Quinta, 20h. «Matuto Apresentam, juntos, canções do CD Moderno. Mistura de rock e ritmos da Paisagens, de Villela. 2 9 /0 6 . Sex­ cultura popular. 2 8 /0 6 . Quinta, 20h. ta, 16h.

68

revista e

AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Dia Mundial do Meio Ambiente (05 /06 ). Seguin­ do a proposta da Unesco para a Dé­ cada da Educação para o Desenvolvi­ mento Sustentável, o Sesc SP promove atividades que reafirmam o compromis­ so entre sociedade e natureza. «Fazen­ da de Papel. Com Cia. da Tribo. Grá­ tis. 0 5 /0 6 . Terça, 15h30. Agendamento prévio para grupos. SAÚDE E AUMENTAÇÃO SERVIÇOS. «Exame Médico Dermatoló­ gico. Menores de 3 anos não pagam. R$ 18,00 (□). R$ 9,00 (O). Segundas, 16h30 às 21 h30. Quintas, 8h às 13h. Sábados, 9h às 14h. «Cafeteria. Se­ gunda a sexta, 14h30 às 21 h30, sá­ bado, 9h30 às 17h30.

2.00 (❖). Sábados, 15h. «O Catador de Lixo. Com Cia. Lúdica. 0 2 /0 6 . «O Lixão. Com Grupo Pasárgada. 0 9 /0 6 . •Canoa, Minha Canoa. Com Cia. Bo­ la de Meia. 1 6 /0 6 . «O Vale Encanta­ do. Com Cia. Bola de Meia. 2 3 /0 6 . •Fazenda de Papel. Com a Cia. da Tri­ bo. 3 0 /0 6 . PLANETA VERDE. Oficinas. Grátis. Sába­ dos, 16h. «Construindo Cidades - Maquete. 0 2 /0 6 . «Confecção de Másca­ ras de Animais. 0 9 /0 6 . «Água - Con­ sumo Responsável. Bate-papo. 16 /0 6. •Boneco Natureza. 2 3 /0 6 . «Terrário. 3 0 /0 6 .

NATAÇÃO. Para 7 a na: R$ 75 ,0 0 (□). ças e quintas, 1Oh na: R$ 5 4 ,0 0 (□). bados, 11 h.

13 anos. 2x sema­ R$ 37,00 (O). Ter­ e 16h30. 1x sema­ R$ 27,00 (O). Sá­

TERCEIRA IDADE

NATRILHA DA VIOLA. «Kátya Teixeira. Cantora, compositora, instrumentista e pesquisadora da cultura popular. R$ 4,00; R$ 3,00 (□). R$ 1,50 (O). R$ 2.00 (❖). 2 2 /0 6 . Sexta, 15h30. CURSOS. Acima 6 0 anos. «Ginástica. R$ 2 6.00 (□). R$ 13,00 (O). Segundas e quartas, 15h30 e terças e quintas, 9h. •Hidroginástíca. 2x semana: R$ 40,00 (□). R$ 2 0 ,0 0 (O). Segundas e quartas, 14h30 e terças e quintas, 12h, 13h30 e 14h30 e quartas e sextas, 12h. 1x semana: R$ 29,00 (□). R$ 14,00 (O). Segundas, 8h, 9h, 11 h e 12h e sextas, 16h e 17h. «Natação. 2x semana: R$ 38.00 (□). R$ 19,00 (O). Segundas e quartas, 13h30 15h30 e terças e quin­ tas, 9h, quartas e sextas, lOh. lx se­ mana: R$ 27 ,0 0 (□). R$ 13,00 (O). Segundas, lOh. FÉRIAS E TURISMO SOCIAL PASSEIOS DE UM DIA. Valores e detalhes na unidade. «Amparo (SP): 23 /0 6. Vi­ sita à Fazenda Vanguarda. Almoço in­ cluído. Inscrição: até 15 /0 6. «Campi­ nas - Jaguariuna (SP): 14/07. Passeio de Maria Fumaça no trajeto. Visita a cidade de Pedreira. Inscrição: 1 1 /0 6 a 0 6 /0 7 . «Paulínia (SP): 28 /0 7. Visita a cidade para conhecer o Mini Panta­ nal, Centro Histórico, Parque Ecológico e Parque Malavazzi. Inscrição: 1 1 /0 6 a 19 /0 7. EXCURSÕES RODOVIÁRIAS. Valores e detalhes na unidade. «Bertioga (SP): 19 a 25 /0 7. Inscrição: 1 1 /0 6 a 0 6 /0 7 . «Pantanal com Chapada dos Guimarães: 2 4 /0 7 a 03 /0 8. Inscri­ ção: 1 1 /0 6 a 13 /0 7. «Poços de Cal­ das (MG): 2 8 /0 6 a 01 /0 7. Inscrição: Até 19 /0 6. Trabalhador no comércio e serviços matriculados e dependentes

INFANTIL

PLANETA VERDE. Comemoração ao Dia Internacional do Meio Ambiente. R$ 4,00; R$ 3,0 0 (□). R$ 1,50 (O). R$

Q

Usuário matriculado

♦♦♦

Mais de 6 0 anos e estudantes com carteirinha da UNE, UMES ou UBES professores da rede pública de ensino


VILA

MARI ESPORTES MODOS EMODAS - MANIFESTAÇÕES DA CULTURA JUNINA Aula aberta. Grátis. •Danças Brasileiras. Acima 15 anos. 09 a 30 /0 6 . Sábados, lOh. TANGO. Oficina. R$ 56,00; R$ 38,00 (□). R$ 28,00 (O). Acima 15 anos. Até 30 /0 6 . Sábados, 16h30 às 18h. MULTIMÍDIA E INTERNET INTERNET LIVRE. -Pesquisas e Buscas. Grá­ tis. 01 a 30 /0 6 . Terças, 19h às 21h, quartas, 17 às 19h e sábados e domin­ gos, 11 h às 13h. CURSOS. -Introdução ao Roteiro, Grava­ ção, Edição e Sonorização de vídeo. Em 3 módulos. Acima 14 anos. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). Grátis (O). 0 1 /0 7 . Sába­ do e domingo, 14h às 18h.

Mor de Gente. Confira a programação Endereço: Rua Pelotas, 141 Telefone: (11) 5080 3000 Horário: Terça a Sexta, das 7 h às 22 h; Sábados, Domingos e feriados, das 10h às 19h. email@vilamariana.sescsp.org.br Os espetáculos grafados em azul têm ingressos que podem ser comprados pelo Rede INGRES50SESC. Verifique a Unidade mais próximo. TEATRO ESPETÁCULOS. -Hedda Gabler. Com Virgí­ nia Cavendish e direção Walter Lima Jú­ nior. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ 7,50 (O). R$ 10,00 (❖). Até 03 /0 6 . Sexta e sábado, 21 h; domingo, 18h.

PRELÚDIO COMPOSITORES BRASILEIROS. •Camargo Guamieri - 100 Anos. Au­ ditório. R$ 6,00; R$ 4,00 (O). R$ 3,00 (O, ❖). 13/06. Quarta, 20K30. RECITAL CARLOS GOMES. Alunos e profes­ sores da Faculdade de Música Carlos Gomes. -David Castelo. Grátis. Ingres sos 1h antes. 23 /0 6 . Sábado, 17h. SÉRIE ENCONTROS. -Ehon Medeiros e Cadinhos Vergueiro. R$ 20,00; R$ 15.00 (□). R$ 7,50 (O). 10,00 (❖) 0 7 e 0 8 /0 6 . Quinta, 18h, e sexta, 21 h.

OFICINAS. Grátis. -Introdução à internet - Terceira Idade. Acima 50 anos. 05 a 26 /0 6 . Terças, 16H30 às 18h. -Ima­ gens Vetoriais com o Inkscape. Acima 15 anos. 06 a 22 /0 6 . Quartas e sex­ tas, 19h. -Desenho Vetorial. Acima 10 anos. 09 e 10/06. Sábado e domingo, 15h às 16h30. -Introdução à informáti­ ca. Acima 17 anos. 14 a 2 8 /0 6 . Quin­ tas, 19h às 20K30. -Introdução ao Tra­ tamento de Audio. Acima 10 anos. 16 e 17/06. Sábado e domingo, 15h às 16K30. ARTES PLÁSTICAS E VISUAIS

SÉRIE LANÇAMENTOS. -Ua Sophia - Li­ exposições WINDMAKER - FAZEDOR DE VENTO. vre. Auditório. R$ 6,00; R$ 4,00 (□). Grátis. De Kika Nicoleta. Visitação: Até R$ 3,00 (O, ❖). 0 7 /0 6 . Quinta, 18h. •Joyce e Toninho Horta - Tom Jobim: 10 /0 6. Terça a sexta, lOh às 21h30, MÚSICA sábados e domingos, lOh às 18h30. Sem Você. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ •História dos Jogos Panamericanos. 7,50 (O). R$ 10,00 (❖). 09 e l0 /0 6 . 2 1 /0 6 a 31 /0 7 . Terça a sexta, 7h às SHOWS. «José González. R$ 20,00; R$ Sábado, 21 e domingo, 18h. 21h30 e sábados e domingos, 9h às 15,00 (O). R$ 7,50 (O). 10,00 (❖) VITROLA MODERNA. -Grafotréia Xilarmô18H30. 05 /0 6 . Terça, 21 h. nica. Lançamento. R$ 6,00; R$ 4,00 (□). BR BLUES. -Robson Fernandes - Gumbo OFICINAS. -Foco e Pensamento. Com fo­ R$ 3,00 (O, ❖). 12/06. Terça, 20h30. tógrafos profissionais. -Gal Oppido. Ins­ Blues. Auditório. R$ 6,00; R$ 4,00 (O). MÚSICA ERUDTTA -João Cados Mar­ crições abertas para a próxima oficina. , R$ 3,00 (O, ❖). 29 /0 6 . Sexta, 20K30. tins e Bachiana Chamber Orchestra. R$ R$ 50,00; R$ 30,00 (□). R$ 25,00 (O). 13, 20 e 2 7 /0 6 e 0 4 /0 7 . Quartas, : CONEXÃO MUSICAL MPB. -Thaís Gulin. 30,00; R$ 20,00 (□). R$ 10,00 (O). R$ 19h às 22h. 15.00 (❖). 16 e 17/06. Sábado, 21 h e R$ 6,00; R$ 4,00 (□). R$ 3,00 (O, ❖). 2 2 /0 6 . Sexta, 20H30. domingo, 18h. LITERATURA INSTRUMENTAL SESC VILA MARIANA ESPECIAL -O Pensamento Musical de Niet•Adyfson Godoy - Dia Novo. Auditório. ESPECIAL - DIA MUNDIAL DO MEIO AM­ zche. Lançamento do livro e bate-papo BIENTE. Instalação de novos coletores se­ I R$ 6,00; R$ 4,00 (O). R$ 3,00 (O, ❖). com Fernando de Moraes Barros e Lívio letivos de lixo e programação educativa. 28 /0 6 . Quinta, 20H30. Tragtenberg. Com Gisela Muller e Gusta­ •Turbulência, Nave Mãe!!! Com Marce­ vo Barbosa Lima. R$ 6,00; R$ 4,00 (□). lo Cunha e Romina Boemer. Grátis. 02, MODOS E MODAS - MANIFESTAÇÕES R$ 3,00 (O, ❖). 19/06. Terça, 20h. 03, 07, 09 e 10/06. Sábados e domin­ DA CULTURA JUNINA Grátis. •HerolWORKSHOPS. -John Stein - Wbrkshow do do Monte. 02 e 09 /0 6 . Sábados, gos e feriado, 15h. de Guitarra. R$ 6,00; R$ 4,00 (□). R$ j 13h30. •Amaury Falabella. Grátis. 03 MODOS E MODAS - MANIFESTAÇÕES e 17/06. Domingos, 13H30. -Noel 3.00 (O). 01 /0 6 . Sexta, 19K30. DA CULTURA JUNINA. Grátis. -JoAndrade. 0 7 /0 6 . Quinta, 13K30. -ín­ aninas e Juninas. Com Simone Mar­ dio Cachoeira. 10 e 24 /0 6 . Domingos, CURSOS CENTRO EXPERIMENTAL DEMÚSI­ ra e Vagner Freire. 16, 17, 23, 24 e CA Cursos diversos. Aulas até 3 0 /0 6 . 13H30 -Pereira da Viola. 16 e 2 3 /0 6 . I Sábados, 13h30. 3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 . Sábados e domin­ gos, 15h. MOSTRA MUSICAL Com alunos do Centro QUADRINHANDO. -Quadrinhos pelo j de Música do Sesc Vila Mariana. GróMAR DE GENTE. Primeiro espetáculo da Olhar D'eles. Atrium. Grátis Até 3 0 /0 6 . ! tis. Ingressos lh antes. -Linguagem Ins­ Cia. de Dança Ivaldo Bertazzo como trumental Popular. Regência Gérson FruTerças a sextas, 9h às 21 h30. Sábados, nova etapa do projeto iniciado em 1 tuoso, participação Proveta. 16/06. Sá­ domingos e feriados, 9h às 18h30. 2003 com o Dança Comunidade-Sesc. bado, 17h. -Big Band. Regência Mau­ R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ 7,50 (O). ESPAÇO LÚDICO - BANCA AMBULANTE. rício Narutis. 30 /0 6. Sábado, 13H30. 10.00 (❖). 2 2 /0 6 , 2 3 /0 6 , 2 4 /0 6 , -Coral. Regência Gisele Cruz. 01 /0 7. Praça de Eventos. Grátis. Sábados, do­ 2 9 /0 6 , 3 0 /0 6 , 0 1 /0 7 . Sextas e sá­ Domingo, 13H30. mingos e feriados, 11 h às 16h. bados, às 21 h; domingos, às 18h.

J

CURSOS. -Natação, Condicionamento & Treinamento. 15 a 59 anos. R$ 64,00 (□). R$ 32,00 (O). Sábados ou domin­ gos, 9h30. -Aperfeiçoamento de Vô­ lei. 15 a 59 anos. R$ 56,00 (□). R$ 28.00 (O). Quartas e sextas, 18h30. •Basquete Iniciação. 11 a 14 anos. R$ 48.00 (□). R$ 24,00 (O). Terças e quin­ tas, 17h. 15 a 59 anos. R$ 48,00 (□). R$ 24,00 (O). Terças e quintas, 18h30. •Futsal Feminino. Aperfeiçoamento pa­ ra 15 a 59 anos. R$ 56,00 (□). R$ 28.00 (O). Terças e quintas, 18h30. Ini­ ciação para 15 a 59 anos. 1x semana: R$ 44,00 (□). R$ 22,00 (O). Domin­ gos, 1Oh. -Futsal & Condicionamen­ to Masculino. 15 a 59 anos. R$ 90,00 (□). R$ 45,00 (O). Terças e quintas, 20h. Iniciação para 11 a 14 anos. 2x semana: R$ 56,00 (□). R$ 28,00 (O). Quartas e sextas, 15h30. lx semana: R$ 44,00 (□). R$ 22,00 (O). Sábados, 11 h30. -Handebol Iniciação. Misto. 13 a 59 anos. R$ 44,00 (□). R$ 22,00 (O). Sábados, lOh. -Natação. 15 a 59 anos. R$ 86,00 (□). R$ 43,00 (O). Terças e quintas, 7h30 e 19h30 e quar­ tas e sextas, 8h30 e 20h30. -Vôlei Ini­ ciação. Misto. 15 a 59 anos. R$ 56,00 (□). R$ 28,00 (O). Quartas e sextas, 20h. 11 a 14 anos. R$ 48,00 (□). R$ 24.00 (O). Quartas e sextas, 1óh. RECREAÇÃO. Grátis. -Recreação Esporti­ va Dirigida: Badminton. Acima 7 anos. 03 a 2 4 /0 6 . Domingos, lOh. -Recrea­ ção Esportiva Livre: Handebol. Grátis (□, O). Acima 13 anos. 05 a 30 /0 6 . Ter­ ças, 13h, e sábados, 11 h30. TORNEIOS E CAMPEONATOS. -Ranking das Empresas. Futsal masculino. Grátis. Sábados, 14h. -Modos e Modas - Ma­ nifestações da Cultura Junina: Truco. Grá­ tis. Para (O). 2 3 /0 6 . Sábado, 11 h30.

SESC EMPRESA -Assessoria Técnica para Eventos Esportivos. Informações no Nú­ cleo de Esportes e Atividades Corpo­ rais, tel. 5080-3131. Grátis. Terça a sex­ ta, 14h às 21 h. Sábados e domingos, llh à s 18h. CORPO E EXPRESSÃO workshops OPÇÃO SAÚDE. -Ginástica Holística. Ins­ crições a partir 0 5 /0 6 . R$ 40,00; R$ 30.00 (□). R$ 20,00 (O, ❖). 30 /0 6. Sábado, 10h30 às 17h30.

HATHA YOGA. Para 15 a 59 anos. -Au­ las 50min. R$ 5 6,00 (□). R$ 28,00 (O). Quartas e sextas, 7h30, 8h30 e 9h30. •Aulas lh20. R$ 44,00 (□). R$ 22,00 (O). Sábados, 10h30, 13he 14h30. ALONGAMENTO. 15 a 59 anos. -2x Se­ mana, 50min. R$ 56,00 (□). R$ 28,00 (O). Terças e quintas, 9h30, 13h, 18h30, 19h30 e 20h30 e quartas e sextas, 9h30, 16h, 18h30, 19h30 e 20h30. -2x semana, 45 min. R$ 46,00 (□). R$ 23,00 (O). Terços e quintas, 12 h l5. - l x Semana, 50min. R$ 22,00 (□). R$ 11,00 (O). Sábados, 10h30 e 14h ou domingos, 10h30.

revista <

69


VILA CONDICIONAMENTO FÍSICO. 15 a 59 anos. «2x Semana, 50min. R$ 56,00 (□). R$ 28,00 (O). Terças e quintas, 8H30, 9H30, 11K30, 14h, 15h, 16K, 17h, 18K30, 19H30 e 20h30 e quar­ tas e sextas, 7 h 3 0,8h 30 ,9 h 30,10h30, lóh, 18H30, 19K30 e 20h30. •Condi­ cionamento Integrado. Aula 50min. R$ 56,00 (□). R$ 28,00 (O). Quartas e sextas, 10h30. * l x Semana, lh20. R$ 44,00 (□). R$ 22,00 (O). Sába­ dos, 10h30, 13h e 14h30 e domingos, 10h30 e 13h. DANÇA SOCIAL 15 a 59 anos. R$ 22,00 (□). R$ 11,00 (O). Domingos, lóh. GINÁSTICA. 15 a 59 anos. «Aula 50min. R$ 56,00 (□). R$ 28,00 (O). Terças e quintas, 7h30, 8h30, 9h30, 15h, 18h30, 19K30 e 20h30 e quartas e sextas, 8h30, 10h30, lóh, 18h30, 19h30 e 20h30. «Aula 45min. R$ 46.00 (□). R$ 23,00 (O). Terças e quintas, 12hl 5. «Ginástica Localiza­ da. 15 a 59 anos. R$ 22,00 (□). R$ 11.00 (O). Sábados, 15h30. «Hidroginástica. 15 a 59 anos. R$ 86,00 (□). R$ 43,00 (O). Terças e quintas, 8h30, 18h30 e 20h30 e quartas e sextas, 7h30, 18h30e 19h30. NATUREZA E MEIO AMBIENTE

AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Dia Mundial do Meio Ambiente (05/06). «Consu­ mo e Resíduos - Fundamentos para um Trabalho Educativo. Lançamento do li­ vro de Amadeu Logarezzi, Heloisa C. S.Cinquetti, Patrícia Blauth e Fabíola M. Zerbini. Grátis. 0 5 /0 6 . Terça, 20h SAÚDE E AUMENTAÇÃO SERVIÇOS. «Exame Médico Dermatológi­ co. Até 3 anos, grátis. R$ 18,00 (□). R$ 9,00 (O). Terças e sextas, 1Oh às 14h. Quartas e quintas, das lóh às 20h. Sábados, domingos e feriados, lOh às 14h. «Lanchonete. Terça a sex­ ta, 1Oh às 22h. Sábados, domingos e feriados, lOh às 19h. Almoço de ter­ ça a sexta, das 11 h30 às 14h; sába­ dos, domingos e feriados, das 11 h30 às 14h30. «Clínicas Odontológicas. Terça a sexta, 9h às 21 h e sábados, 9h às 17h30. SOCIEDADE E CIDADANIA

A PFENOMENOLOGIA DO CUIDAR. «Éti­ ca - Atuação e Intervenção em Psicolo­ gia e Saúde. IV Simpósio do Instituto Psicoethos. Informações e inscrições: 49916663 ou site: www.psicoethos.com.br. 0 2 /0 6 . Sábado, 9h30. T SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBUCA. O obje­ tivo é socializar avanços realizados nes­ te ano em diversos órgãos municipais. 13/06. Quarta, 9h às 18h. I o ENCONTRO DOS PREVENCIONISTAS EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRA­ BALHO NO COMÉRCIO. Divulgar bo as práticas no setor do comércio. Inscri­ ções e informações: 3362-1104. Grátis. 15/06. Sexta, 9h às 12h.

70

revista e

MARI SABERES. Mediação Florestan Fernandes Jr. Transmissão pelo SESCTV. R$ 6,00; R$ 4,00 p ). R$ 3,00 (O, ❖). 27 /0 6. Quinta, 20h30. ASHOKA. Com 40 novos empreendedo­ res sociais da Ashoka América Latina. Informações e inscrições: www.ashoka. org.br 26 /0 6 . Terça, 19h. INFANTIL ESPETÁCULOS. «João e o Pé de Feijão. De Sérgio Tastaldi e Márcia Pagani. Auditó­ rio. R$ 6,00; R$ 4,00 p ). R$ 3,00 (O, ❖). 03, 10, 17 e 2 4 /0 6 . Domingos, 15h30. «A Centopéia Judite. Com Cia. Arueiras do Brasil. Acima 3 anos. Grátis. 16 a 3 0 /0 6 . Sábados, 16h30. DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE. «His­ tória sem Tempo que Conta o Tempo. Com a Cia. Patética. Grátis. 02, 07 e 0 9 /0 6 . Sábados, domingo e feriado, 16h30. MODOS E MODAS - MANIFESTAÇÕES DA CULTURA JUNINA. «Zabumba. Com a Cia. da Tribo. Grátis. 03, 10, 17 e 2 4 /0 6 . Domingos, 16h30. CURSOS. «Futsal. 7 a 10 anos. R$ 44,00 (□). R$ 22,00 (O). Sábados, lOh. «Na­ tação. R$ 86,00 (□). R$ 43,00 (O). Quartas e sextas, 10h30 (grupo 5 a 6 anos); quartas e sextas, 9h30 e 15h (grupo 7 a 10 anos) e terças e quintas, lóh (grupo de 11 a 14 anos). TERCEIRA IDADE palestras ARENA CORPORAL «A Importância da Atividade Física na Manutenção Ativa do Corpo. Inscrições após 12 /0 6. Grátis. 27 /0 6 . Quarta, lOh. CURSOS. R$ 28,00 (□). R$ 14,00 (O). •Hatha Yoga. Quartas e sextas, 11 h30 e 14h. «Alongamento. Terças e quintas, 10h30, 14h e 17h e quartas e sextas, 10h30, 13h e 14h. «Condicionamento Físico. Terças e quintas, 10h30 e quartas e sextas, 13h. ESPORTE E RECREAÇÃO. R$ 28,00 p ). R$ 14,00 (O). «Esporte & Jogos. Terças e quintas, 15h30. «Ginástica. Terças e quintas, 10h30, 13h e lóh e quartas e sextas, 13h. ESPORTE E RECREAÇÃO. R$ 43,00 (□). R$ 21,50 (O). «Hidroginástica. Terça e quinta, 9h30, 11 h30, 13h, 14h e 15h. Quartas e sextas, 13h, 14h e 16h. «Na­ tação. Terças e quintas, 10h30 e 17h. OFICINAS. «Histórias e Danças Juninas. R$ 10,00; R$ 7,50 (□). R$ 5,00 (O). 13, 15, 20 e 2 2 /0 6 . Quartas e sextas, 1 lh 30 às 13h. «Arena Cultural - Ofi­ cina de Maquiagem Cênica. R$ 20,00; R$ 15,00 (□). R$ 10,00 (O). 15, 19, 22 e 2 6 /0 6 . Terças e sextas, 14h às 17h. «Internet Livre - Introdução à Infor­ mática. Grátis. 14, 21 e 2 8 /0 6 . Quin­ tas, 16h30. SERVIÇOS - ALMANAQUE. Sugestões pa­ ra as próximas programações. Grátis. 29 /0 6 . Sexta, 15h.

INTERIOR SESC ARARAQUARA_________________ CORPO CONTEMPORÂNEO. Com o Gru­ po Gestus. Grátis. «Microdanças que se Desfazem ou Episódios que Não se Repetem... 0 9 /0 6 , 20h30. TEATRO ADULTO. Grátis. «Centro Nervo­ so. 2 1 /0 6 , 20h30. SHOWS. Grátis. «Banda Cállica. 0 3 /0 6 , 1óh. «Levi Ramiro. 0 7 /0 6 , 16h. «San­ dália de Prata. 10 /0 6, lóh. «Mamelo Sound System & Nação Zumbi. Ingres­ sos à venda. 1 4 /0 6 , 20h. «Caetano Veloso - Cê. Ingressos à venda. 2 3 /0 6 , 21 h. «Andréa Dias. 2 9 /0 6 , 20h. CINECLUBE. Domingos, 16h e terças, 20h. Grátis. «Política no Documentário Brasi­ leiro. Entreatos. 03 e 0 5 /0 6 . Vocação do Poder. 10 e 12 /0 6. Notícias de uma Guerra Particular. 17 e 19 /0 6. CINEMA 35 MM. Grátis. «Os 12 Traba­ lhos. 2 0 /0 6 , 19h30. TEATRADA 11 h. Grátis. Meninas do Conto. •A Princesa Jia. 0 3 /0 6 «Porque o Mar Tanto Chora. 10/06. «As Velhas Fiandei­ ras. 17/06. «Papagaio Real. 2 4 /0 6. SEMANA OLÍMPICA. Grátis. «Tênis de Campo. Apresentação, clínica e tor­ neio. 17 a 2 4 /0 6 . AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Parceria Sesc, Uniara, Cescar e DAAE. Grátis. «Polí­ ticas Públicas em Meio Ambiente. Mesa Redonda. 0 5 /0 6 , 19h. Cursos: «Capa­ citação em Saneamento Ambiental. 12 a 15 /0 6, 19h. «Educação Ambiental. 19 a 2 2 /0 6 , 19h. Palestras: «Desen­ volvimento Sustentável. 2 6 /0 6 , 19h. •Coletivos Educadores. 2 7 /0 6 , 19h •Ecopedagogia. 2 8 /0 6 , 19h. «Impac­ tos Ambientais Potenciais dos Cemité­ rios: o Papel da Educação Ambiental. 2 9 /0 6 , 19h. Sesc Araraquara - Rua Castro Alves, 1315. Td.: (16) 3301-7500 SESC BAURU_______________________ FESTA JUNINA - NO PONTEIO DA VIO­ LA, É FESTA N O ARRAIAL. 06 a 10 /0 6, 18h 30à 24h. Ingressos à venda. «Shows: Neneco e seu Conjunto. Todos as noites. Pereira da Viola. 0 6 /0 6 , 21 h. Jeito Manhoso. 0 6 /0 6 , 22h. Miltinho Edilberto. 0 7 /0 6 , 21 h. Os 4 Mensa­ geiros. 0 7 /0 6 , 22h. Paranga. 0 8 /0 6 , 21 h. Trio Araripe. 0 8 /0 6 , 22h. Pena Branca. 0 9 /0 6 , 21 h. Xamego Zen. 0 9 /0 6 , 22h. João Ormond. 10 /0 6, 21 h. Trio Só-Nós-Três. 10 /0 6, 22h. •Exposição de Violas.

TEATRO INFANTIL Ingressos à venda. •Cinderela e o Pé Inchado. 17 /0 6, 11 h. •Dom Caixote e o Bode. 24 /0 6 , 11 h. SEMANA OLÍMPICA. Parceria Sesc SP e COB. 23 e 2 4 /0 6 , lOh. «Caminhada Monitorada. 17 /0 6, saída 8h30, do Sesc para Pça Rui Barbosa. EXPOSIÇÃO. Grátis. «Bauru - Espelho D'Água. Fotos. 19 a 3 0 /0 6 . CIRCUITO DE VÍDEO UNIVERSITÁRIO. Pro­ duzidos por alunos do curso de Rádio e TV da Unesp-Bauru, com bate-papo com os realizadores. Grátis. «Cami­ nhos íntimos, Um sonho e Os Músicos. 2 1 /0 6 , 19h. TERCEIRA IDADE. Grátis. «Sarau&Jogral. Tema Personagens Literários. 2 2 /0 6 , 14h. «Leituras nos Bastidores. Texto de Fernando Pessoa. 13, 20 e 27, 14h. •Cena Opinião. Exibição do vídeo Os Músicos e discussão. 1 9 /0 6 , 14h. Sesc Bauru - Av. Aureliano Cardia, 671. Tel.: (14) 3235-1750 SESC BIRIGÜI_______________________ SHOWS. Grátis. «Projeto Vivenciando a História. Com Talita Rustichelli e Ariane Bego Neiro. 0 2 /0 6 , 19h, teatro da Unip, Araçatuba. «Elementos Brasil Voz Ativa Madrigal. Repertório sacro e clássicos da MPB. 0 9 /0 6 , 20h30, Teatro Municipal Paulo Alcides Jorge e 10 /0 6, lOh, Igreja Matriz, Birigui. •Banda Bicho de Pé. Forró. 2 2 /0 6 , 20h30, Teatro Aberto Tom Jobim, Pça João Pessoa, Araçatuba. FULANA DOS TRÊS SANTOS. Teatro de Rua com Grupo Folclórico Lira dos Au­ tos. Grátis. 16 /0 6, 16h, Pça da Igreja S. João e 20h, Pça João Pessoa, Ara­ çatuba e 1 7 /0 6 , Pças centrais de Glicério, 1Oh, Coroados, 12h, Bilac, 16h e Birigui, 20h. DANÇA. Grátis. Teatro Paulo A. Jorge, Araçatuba. «Carta Para Não Mandar ou Cantiga Interrompida. Solo com Diane Ichimaru. 15 /0 6, 20h30. «Mo­ vimento Interior - Energia e Fluxo. Ofi­ cina com Diane e Marcelo Rodrigues. 1 5 /0 6 , 14h. TEATRO ADULTO. Grátis. «A Porta de Poe. Com o Grupo Caixa de Ima­ gens. 2 2 /0 6 , 20h30, Andradina e 2 3 /0 6 , 20h30, Teatro Paulo A. Jor­ ge, Araçatuba.

SHOWS. Ingressos à venda. «Caeta­ no Veloso. 2 0 /0 6 , 21 h. «Lílian Jar­ dim. 1 3 /0 6 , 21 h. «Cataia. 2 9 /0 6 , 21 h. «Celso Pixinga. 1 5 /0 6 , 21 h. •Workshop. Contrabaixo com Celso Pixinga. 14 /0 6 , 20h. Grátis. Senhas 1h antes.

TEATRO INFANTIL Grátis. «Recordância. Novo espetáculo do Grupo Caixa de Imagens. 2 2 /0 6 , 20h30, Casa de Cul­ tura de Andradina, 2 3 /0 6 , 20h30, Te­ atro Aberto Tom Jobim, Araçatuba e 2 4 /0 6 , lOh, Teatro Paulo A. Jorge, Araçatuba e 17h, Auditório da Unimed, Birigui. «Brincando de Bambalalão. Com Gigi Anhelli. 10 /0 6, 1Oh, Te­ atro Paulo A. Jorge, Araçatuba e 17h, auditório da Unimed, Birigüi.

DESCONTRASOM. Ingressos à venda. Domingos, lóh. «André Turco e ban­ da. 0 3 /0 6 . «Banda Los Macacos. 17 /0 6. «Krakatoa Reggae. 2 4 /0 6 .

CAMINHADA ECOLÓGICA. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te. Grátis. 10 /0 6, 9h, Zoológico Muni­ cipal de Araçatuba.


SEMANA OLÍMPICA Parceria do Sesc e COB. Grátis. «Vivência e Prática de Beisebol. 1 7 /0 6 , 9h, Associação Cul­ tural e Esportiva de Araçatuba. Sesc Birigüi - Travessa Sete de Setembro, 5. Tel.: (18) 3642-7040 Sesc Araçatuba (Pólo Avançado) - Rua José Bonifácio, 39. Tel.: (18) 3608-5400 SESC CAMPINAS____________________ FESTA JUNINA RAÍZES LATINAS & IBÉRI­ CAS. O Que O Mar Separa O Homem Une. Ingressos à venda, para cada noi­ te. 2 0 a 2 2 /0 6 , 18h às 23h e 23 e 2 4 /0 6 , 14h às 23h. «Anima. 2 0 /0 6 , 19K30. «Almir Sater. 2 0 /0 6 , 21h. •Rancho Folclórico Danças e Canto­ res do Minho. 21 /0 6 , 19h30. «Tarancón. 2 1 /0 6 , 21 h. «Grupo Laurita Cas­ tro. 2 2 /0 6 , 19h30. «Marlui Miran­ da. 2 2 /0 6 , 21 h. «Mawaca. 2 3 /0 6 , 19h30. «Uu & Léo. 2 3 /0 6 , 21h. «Ra­ quel Pessoa. 2 4 /0 6 , 18h. «Pena Bran­ ca. 2 4 /0 6 , 19h30. CENTRO NERVOSO. Textos e direção Fernando Bonassi. Ingressos à venda. 14 /0 6 , 20h. SHOWS. Grátis. «Trio Carapiá. 0 1 /0 6 , 20h. «Forró Boddó. 0 3 /0 6 , 15H30. •Conjunto Paulistano. 0 7 /0 6 , 15h30. •Druques. 0 8 /0 6 , 20h. «Arleno Fa­ rias. 1 0 /0 6 ,1 5h30. «Duofel. Ingressos à venda. 1 5 /0 6 , 20h. «Mamelo Sound System & Nação Zumbi. Ingressos à venda. 1 6 /0 6 , 20h. «Miltinho Edilberto. 17 /0 6 , 15h30. «Radiola Santa Ro­ sa. Convivência. 2 9 /0 6 . 20h. SEMANA OLÍMPICA 2007. Parceria Sesc SP e COB. Grátis. «Esgrima. 20 a 2 2 /0 6 , 15h às 17h e 18h às 20h, 23 e 2 4 /0 6 , lO hàs 12he 14h às 16h. TEATRO EM CENA. «O Caso da Casa. Grátis. 0 2 /0 6 , lóh. «Marujo Cara­ mujo e a Minhoca Tapioca. Ingressos à venda. 0 9 /0 6 , lóh. «A Terra onde Nunca se Morre. Ingressos à venda. 3 0 /0 6 , lóh. GERONTOLOCIA EM DEBATE. Encontro de profissionais e estudantes de Gerontologia. Parceria Faculdade de Educa­ ção da UNICAMP. «Promoção da Saú­ de na Velhice II. Temas: Cuidado dos déficits auditivos e visuais, Prevenção de quedas e Saúde Bucal. Com Fernan­ da Couto, Gisele de Camargo e Ana Paula. Grátis. 2 1 /0 6 , 14h. Sesc Campinas - R. Dom José I, 270. Tel.:(l 9) 3737-1515 SESC CATANDUVA___________________ FESTA JUNINA. «Festão da Fartura. Fes­ ta Junina, aborda a diversidade em fartura na música, dança, culinária na preservação da cultura popular e da identidade cultural caipira. Grá­ tis ( q O). R$ 4,00; R$ 2,00 (❖). 07 a 1 0 /0 6 , 19h. «Encontros da Viola. Mazinho Quevedo recebe: Zalo e Re­ nato. 0 7 /0 6 , 22h. Uu e Leo. 0 8 /0 6 , 22h. Duo Glacial. 0 9 /0 6 , 22h.Tinoco. 1 0 /0 6 , 22h. «Dois e a Viola. Zé Rena­

to, o Caipira Xererê e duplas de vio­ la. 19h Nino Violeiro & Zé do Campo, Flávio & Ricardo e Diamante & Havaí. 0 7 /0 6 . Varjão & Varjinha, Luís & Odenir e Mineiro & Paulistinha. 0 8 /0 6 . Or­ lando & Orlandinho, Bruno & Rodrigo e João da Viola & Bernardinho. 0 9 /0 6 . Glauber & Maia, Duo Roseiral e Guaraci & Fernando. 1 0 /0 6 . «Danças da Fartura. Com Grupo de Dança Folcló­ rica (Olímpia). Dança da Fita. 0 7 /0 6 , 21 h. Dança do Balaio. 0 8 /0 6 , 21 h. Dança do Bambu. 0 9 /0 6 , 21 h. Dan­ ça das Flores. 1 0 /0 6 , 21 h. «É Bão De­ mais Sô! Performance. «Cheiro da Ro­ ça. Barracas de comidas e bebidas e jogos típicos. SHOWS. Grátis. «Theo Werneck Blues Trio. 2 1 /0 6 . «Sándalia de Prata. 2 8 /0 6 . «Chora Samba. Pérolas do choro. 2 3 /0 6 , lóh. «Catandupedra. Rock. 17 /0 6 , lóh. TERCEIRA IDADE. Grátis para inscritos. •OFICINA. Santos de Junho. Em gesso. 19 e 2 0 /0 6 , 14h e 21 e 2 2 /0 6 , 14h. •Culinária Caipira. 2 6 /0 6 , 14h. «Sonelli Banda Show. 2 7 /0 6 , 20h. «CINE PIPOCA. Balzac e a Costureirinha Chi­ nesa. 2 8 /0 6 , 15h. «Reunião Mensal. 2 8 /0 6 , 17h. TURISMO SOCIAL. Detalhes valores na unidade. «São Paulo Cultural: 06 a 0 9 /0 7 . «Caldas Novas (GO): 06 a 1 0 /0 7 «Bertioga: 2 6 /0 7 a 01/0 8. CINE E VÍDEO. «CINE ITINERANTE. Fes­ tival Internacional de Cinema e Video Ambiental. Instituto Municipal de En­ sino Superior - FAFICA. O Poeta das Águas, Bartô. 0 5 /0 6 , 19h. Zôo, O Peixe Frito, Icologia, Water for Profit. 0 6 /0 6 , 19h. ESPORTE. Grátis. «Torneio de Inverno. Infanto Juvenil. Abertura: 1 6 /0 6 , 15h. •SEMANA OLÍMPICA. Encontro de Fu­ tebol Feminino. Jogo-demonstração e torneio. 2 3 /0 6 , 9h30. «Passeio Ecoló­ gico. 2 4 /0 6 , 8h30. TEATRO INFANTIL Grátis. 10h30. «Ca­ sos Cascudos. 2 4 /0 6 , 10h30. «Can­ tigas de Rodas e Brincadeiras Com Bo­ necos. 2 3 /0 6 , 14h30. Sesc Catanduva - Praça Felícia Tonello, 228. Tel.: (17) 3524-9200

21 h. WORKSHOP: «A Unguagem do Super-8 no Documentário. Com Cao Guimarães. 0 1 /0 6 , 15h. OFICINAS: •O Documentário Nasce Experimental. Com Guiomar Ramos. 02 e 0 3 /0 6 , lOh. «Laboratório de Imagem e Som. 0 6 /0 6 , 15h e 0 8 /0 6 , 13h. EXIBI­ ÇÃO: «Floreados do Repique. Com mesa redonda. 0 1 /0 6 , 21 h. SHOWS. «Levanta Pó. 0 3 /0 6 , 15h. •Dona Zefa. 1 0 /0 6 , 15h. «Orques­ tra de Violas de Piracicaba. 1 4 /0 6 , 20h. «Dona Zaíra. 15 /0 6 , 20h. «Zezilho Gaetaço e Banda. 17 /0 6, 15h. •Rabo Jah Raia. 2 1 /0 6 , 20h. «Cirandeiros. 2 4 /0 6 , 15h. «Marco Abreu e Convidados. 2 7 /0 6 , 21 h. «Trama. 2 8 /0 6 , 20h AS BASTIANAS. Teatro adulto, Cia. São Jorge e Variedades. 1 6 /0 6 , 16h. OLHARES E ATITUDES. Para educadores e pesquisadores. «Oficina Cultural de Nanduti e Workshop Teatral Interativo. 09 e 1 0 /0 6 , 09h30. «Roda de Cura. 17 /0 6 , 15h. LITERATURA. Grátis. «Livro Aberto. Com Joca Reiners Terron. «Sonho Interrom­ pido por Guilhotina. 2 7 /0 6 , 20h. «Pi­ quenique com Prosa. Com Suzana Kasten. 2 3 /0 6 , 15h. FILOSOFIANDO. Grátis. «Quem Tem Me­ do do Robô Mau? Com André S. Gui­ marães. 0 9 /0 6 , 16h. SINAL VERDE. Grátis. «Reflexões sobre Agenda 21. Com Jorge H. da Silva. 2 0 /0 6 , 19h30. TEATRO INFANTIL, l lh . Grátis até 12 anos. «Abaixo das Canelas. 1 0 /0 6 . •Caixa Mágica. 2 4 /0 6 . TERCEIRA IDADE. Grátis. 14h. «Consumo Responsável. Palestra com Solange Sil­ va. 0 6 /0 6 . «Coral. 14, 21 e 2 8 /0 6 . •Encontro de Vozes. 2 7 /0 6 . TORNEIOS E CAMPEONATOS. «Encon­ tro de Supermercados. 05 a 2 8 /0 6 , 19h45. «Taça de Veteranos. 06 a 2 9 /0 6 , 19h45. «Festival Esportivo Es­ tudantil. 02 a 3 0 /0 6 , 9h30. «Encon­ tro Cultural e Esportivo da Terceira Ida­ de. 05 a 2 9 /0 6 , 14h. TURISMO SOCIAL «Caminhando pelos Parques Paulistanos: 17/06. «São Pau­ lo da Fauna e da Flora: 24/06.

REAUDADE E ARTE NO DOCUMENTÁRIO. Exibição e atividades mostram a histó ria do documentário. CURTAS: «Na Troca o Troco, Concerto para a Clorofi­ la e Pixador. 0 1 /0 6 , 22h. «Da Janela do meu Quarto, Word/World, Between - Inventário de Pequenas Mortes, Nanofania e Atrás dos Olhos de Oxaca. 0 2 /0 6 , 16h. «Sin Peso, Volta ao Mun­ do em Algumas Páginas, Peiote, Aula de Anatomia e Hypnosis. 0 5 /0 6 , 20h. •De Glauber para Jingers e Paraíso. 0 6 /0 6 , 20h. «Defeito e Aboio. 0 7 /0 6 , 15h. «Dormente e Estamiro. 0 8 /0 6 , 20h. LONGAS: «A Alma do Osso. 0 2 /0 6 , 16h45. «Rua de Mão Du­ pla. 0 3 /0 6 , lóh. «Acidente. 0 3 /0 6 , 17h30. «O Fim do Sem Fim. 0 5 /0 6 ,

Sesc Piracicaba - Rua Ipiranga, 155. Tel.: (19)3434-4022

TEATRO INFANTIL Área de Convivência 1, Sesc Prudente. Grátis. «A História de Amor de Romeu e Julieta. De Aria­ no Suassuna. Com Cia. Cornucópia de Teatro. Direção Dino Bernardi. 17 /0 6, 15h. «Reprise. Com LaMínima. 23 e 2 4 /0 6 , 15h. CAETANO VELOSO - CÊ. Novo show. In­ gressos à venda a partir 1 2 /0 6 . Gi­ násio Municipal de Esportes. 2 2 /0 6 , 21 h.

VOCAÇÃO ESPORTIVA. «Semana Olím­ pica - Arco e Flecha. Parceria Sesc SP e COB. Grátis. Inscrição no local. 16 a 2 4 /0 6 , 14 às 17h. «O Jeito Brasilei­ ro de Vencer no Esporte. Palestra com Dr. Osmar de Oliveira no Teatro da UNESP. Grátis. Inscrição e retirada pré­ via de convite no Sesc. 1 3 /0 6 , 20h. Unidade Provisória: Sindicato do Comér­ cio Varejista - Rua Siqueira Campos, 602. Tel: (18)3917-5396 e 3917-5674 SESC RIBEIRÃO PRETO_______________ TRÊS OLHARES URBANOS. Exposição com Bruno Faria, Flavia Mielnik e Ri­ ta Meireles. Abertura: 0 6 /0 6 , 20h30. Visitação: até 0 1 /0 7 , terça a sexta, 13h30 às 21 h30, sábados, domingos e feriados, 9h30 às 17h30. A ARTE DA RECICLAGEM. Exposição com fotos de Paulo Fridman e textos de Sér­ gio Adeodato, aborda os processos in­ dustriais de reciclagem realizados ho­ je no Brasil, dando destaque à atuação dos catadores de diferentes cooperati­ vas brasileiras. Parceria Sesc, Tetra Pak e Editora Horizonte. Abertura: 2 4 /0 6 , 16h. Visitação: até 0 8 /0 7 , terça a sex­ ta, 13h30 às 21h30, sábados, domin­ gos e feriados, 9h30 às 17h30. SHOWS. Ingressos à venda. «Dom Sal­ vador. 1 5 /0 6 , 21 h. «Caetano Veloso - Cê. 1 7 /0 6 , 20h. Teatro Pedro 2°. •Balanço Br-07: Nação Zumbi, Mamelo Sound System & Dj Paulão. 2 8 /0 6 , 21 h. Teatro de Arena. «Mariana Aydar. 2 9 /0 6 , 21 h. TEATRO. Ingressos à venda. «Eu Odeio Kombi. Com Farândula Troupe. Teatro Municipal. 2 1 /0 6 , 21 h. A COISA PRIVADA. Processo colaborativo de montagem de um espetáculo de rua. Com Grupo Fora do Sério. Grá­ tis. «O Equilíbrio entre o Indivíduo e a Coletividade. Palestra com João Rober­ to Araújo. 2 2 /0 6 , 20h. «O Espaço Cê­ nico. Oficina com Jair Correia. 2 3 /0 6 , 9h às 17h. Inscrições antecipadas. «A Coisa Privada. Ensaio Aberto. Ingres­ sos antecipados. 2 4 /0 6 , 17h. DANÇA. Ingressos à venda. «Calça­ da Plugada. Espetáculo com Núcleo Omstrab. 13 /0 6 , 21 h. «Batalha de B. Boys. Integrante do Dança Ribeirão 2007, com B.Boys e B.Girls da região. Grátis. Inscrições no Sesc, no dia, 1Oh às 12h. 0 9 /0 6 , 13h. LITERATURA. «O Duelo. Leitura Dramáti­ ca Com grupo Cornucópia. Ingressos à venda. 2 7 /0 6 , 20h. «Manoel de Ber­ ros. Sarau Literário com Mateus Barbassa e Lucas Arantes. Grátis. 15 /0 6, sexta, 20h. TEATRO INFANTIL Repertório d' As Me­ ninas do Conto. Ingressos à venda. Sá­ bados, lóh. «A Princesa Jia. 0 2 /0 6 . •Por Que o Mar tanto Chora. 0 9 /0 6 . •As Velhas Fiandeiras. 16 /0 6. «O Pa­ pagaio Real. 2 3 /0 6 . Sesc Ribeirão Preto - Rua Tibiriçá, 50. lel.:(16) 3977 4477

revista e

71


INTERIOR CENA ABERTA. Ingressos ò venda. •Cen­ tro Nervoso. Textos e direção Fernando Bonassi. 2 8 /0 6 , 21 h. CAIPIRA SIMSINHÔ. Grátis. 17h e 20h. •Os Mensageiros dos Santos Reis. Fo­ lia de Reis. 0 7 /0 6 . •Palhaços Juninos. Cia. Circo de Trapo. 0 8 /0 6 . «Caipira Sim Sinhô! Cia. Baquebolado. 0 9 /0 6 . SHOWS. Grátis. «Caipira Simsinhô: As Violeiras do Brasil. Música de Raiz. 0 7 /0 6 , 18h. Mariângela Zan - Can­ tos do Brasil. 0 7 /0 6 , 21 h. Anízio do Bandolim. 0 8 /0 6 , 19h. «Almir Sater. 0 8 /0 6 , 21h30h. Oswaldinho e Marisa Viana - Cantorias. 0 9 /0 6 , 18h. Cláudio Lacerda - Baile Caipira. 10 /0 6, 18h. DUO FEUX-GLASER E ANGEUQUE CA­ MARGO. Música erudita com Sandra Félix (soprano), Angelique Camargo (violoncelo) e Scheilla Glaser (piano). Ingressos à venda. 14 /0 6, 20h30. DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ! Música ao vivo para dançar. Grátis. «Trio Araripe. Forró Pé de Serra. 2 9 /0 6 , 21 h. SONORA. Grátis. «Os Pamonheiros. Ro­ ck Caipira. 0 6 /0 6 , 21H30. «Viola Blues. Blues Caipira. 13 /0 6, 21h30. •Raiz de Kaia. Reggae. 2 0 /0 6 , 21H30. •Sandália de Prata. Samba Rock. 2 7 /0 6 , 2 1H30. SEMANA OLÍMPICA 2007. Parceria Sesc SP e COB. «Aida É que É Mulher de Verdade. Exposição sobre Aida dos Santos, atleta brasileira com a me­ lhor marca individual. Visitação: Grá­ tis. 1 6 /0 6 a 0 1 /0 7 , terça a sexta 13h às 21 h30 e sábados, domingos e fe­ riados, 9h às 17h30. «Corrida do Dia Olímpico 2007. 7° edição da prova pe­ destre de rua. Tem o objetivo de esti­ mular a prática esportiva. Inscrições 2 5 /0 5 a 1 2 /0 6 pelo Portal Sesc SP www.sescsp.org.br. Grátis. Corrida: 17 /0 6, 9h. «Pista de AHetismo do El­ dorado. Clube da Caminhada: visita e vivência de atletismo. Inscrições anteci­ padas. Grátis. 2 4 /0 6 , 9h. AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te [05/06], Grátis. «Ecojogos. Para 7 a 12 anos. Com técnicos Sesc. Inscrições no local. 0 2 /0 6 , 14h30. «Circuito Oikos. Para 7 a 12 anos. Jogos e vivências para refletir sobre questões e atitudes re­ lacionadas ao meio ambiente. Com Fe­ lipe C. Pacca e Rodrigo A. Silva. Inscri­ ções antecipadas. 05 e 0 6 /0 6 , 14h. •Gincana Interativa do Meio Ambiente. Sala de Internet Livre. 0 5 /0 6 , 15h às 16h30. «Gincana Ecológica. Para 7 a 12 anos. Cidadania, respeito e cuida­ do com o meio ambiente. Com técnicos Sesc. 3 0 /0 6 , 14h30. TEATRO INFANTIL Grátis. «Quem Con­ ta Estrelas Conta Estórias? Cia. Vôos. 0 3 /0 6 , lóh. «Show Infantil Balaio de 2. Com Paulo Netho e Salatiel Sil­ va. 09 e 10 /0 6, lóh. «O Complicado Casamento de Molasartes. Cia. Circo de Trapo de Atores Palhaços. 17 /0 6,

72

revista e

lóh. «Auto da Infância. Com Frater­ nal Companhia de Arte e Malas-Artes. 2 4 /0 6 , lóh. Sesc Rio Preto - Av. Francisco das Chagas de Oliveira, 1333. Tel.: (17) 3216-9300 SESC SÃQ CARLOS__________________ AMBIENTE E EDUCAÇÃO. «MulamBolambo. Teatro infantil. 15 /0 6, 14h30 e 16 /0 6, lóh. «Marcadores de Livro e Cartões com Papel Reciclado. Ofici­ na. 13 /0 6, 19h. «Som do Lixo. Ofi­ cina musical com material reciclável. 16 /0 6, 14h. «Mapeando a cidade. Oficina na Internet Livre. 13 /0 6, 18h. •Câmera Viajante. Oficina na Inter­ net Livre. 2 3 /0 6 , lOh e 2 4 /0 6 , 14h. •Ilha das Flores. Documentário e ofi­ cina na Internet Livre. 2 7 /0 6 , 19h30 e 2 8 /0 6 , 15h30. «IX Feira da Suca­ ta e da Barganha. Realização USP Re­ cicla, APASC, Sec. Mun. de Educação e Cultura, Grupo ConsumoSol e Asteca Eventos. Apoio: Sesc São Carlos. 0 3 /0 6 , 9h às 17h30. «Projeto Rua Vi­ va: Arborização Urbana. Sesc São Car­ los e O N G Ramudá (junho a dezembro de 2007). Apoio: EP7V. MÚSICA ERUDITA. «Bastião e Bastiana. 2 0 /0 6 , 20h30. SHOWS. «Caetano Veloso - Cê. Ingressos à venda. 1 9 /0 6 , 21 h. «Tião do Car­ ro & Santarém. 2 4 /0 6 , 10h30. «Pe­ dra Branca. 2 8 /0 6 , 21 h. PROJETO SABATINA. «Homem com Asas. 3 0 /0 6 , 15h. «Workshop. Rock anos 70. 2 9 /0 6 , 19he 3 0 /0 6 , 9h30. TEATRO. «Centro Nervoso. 2 6 /0 6 , 20h30. «Espaço Circo. Grátis. 05 e 12 /0 6, 10h30. DANÇA CONTEMPORÂNEA. «DanceAbility. Workshop com Alito Alessi. 0 2 /0 6 , 1Oh às 17h. «Improvisação. Vivência. 16 /0 6, lOh às 13h. LITERATURA. «Noites Literárias. Momento atual. 1 3 /0 6 , 19h30. CINEMA FALADO. «São Carlos/068. Fil­ me e bate-papo com o diretor João Massarolo. 2 9 /0 6 , 19h30. SEMANA OLÍMPICA. «Os Esportes Paraolímpicos. Exposição. Grátis. 01 a 24 /0 6 . TERCEIRA IDADE. «O Despertar do Sá­ bio. Com Manuel C. Veras. 2 6 /0 6 , 15h30. TORNEIOS ESPORTIVOS. «Torneio Aber­ to de Xadrez. 17 /0 6, lOh. « I o Copa Estudantil / São Carlos EmCena. 09 a 3 0 /0 6 , sábados, 9h30. Sesc São Carlos - Avenida Comendador Alfredo Maffei, 700. Tel.: (16) 33727555 SESC SÃQ JOSÉ DOS CAMPOS INCONVENIENTES. Projeto de Dança. «A Pé - Walking the Line. Com Key Sawao e Ricardo lazzeta. Ingressos à venda.

16 /0 6, 20h. «Workshop de Criação e Movimento. Com Key Sawao e Ricardo lazzeta. Grátis. 16 /0 6, 15h. «Experi­ mentações Inevitáveis. Com Cia. Nova Dança 4. Ingressos à venda. 3 0 /0 6 , 21 h. «Workshop de Improvisação Dança-Teatro. Com Cia. Nova Dança 4. Grátis. 3 0 /0 6 , 17h. OS MENINOS E AS PEDRAS. Teatro com Núcleo Entrelinhas de Teatro. Ingressos à venda. 1 5 /0 6 , 20h30. UM NOVO AMBIENTE. Reflexões sobre o impacto do consumo. «A Arte da Reciclagem. Exposição. 04 a 2 0 /0 6 . •ECOA... 18 anos depois. Debate Avaliação do ambiente da cidade, com participantes do projeto ECOA de 1989. No Senac. Grátis. 0 5 /0 6 , lOh. •Consumo e Tecnologias Alternativas. Painel de propostos para melhor uso ou reaproveitamento de água e energia. No Senac. Grátis. 12 /0 6, lOh. «Con­ sumo e Práticas Pedagógicas. Painel de experiências exemplares. No Senac. Grátis. 1 2 /0 6 , 14h. ENCONTRO ANUAL DO MESA BRASIL SESC SJCAMPOS. Para relato de resul­ tados. No Senac. Grátis. 12 /0 6, 19h. SEMANA OLÍMPICA. Parceria Sesc SP e COB. «Clínica e Torneio de Futsal. Ca­ sa do Jovem. Grátis. 2 4 /0 6 , 9h às 18h. Sesc São José dos Campos - Rua Coro­ nel José Monteiro, 275. Tel.: (12) 3904-

2000 SESC SOROCABA___________________ SESC ESCOLA. «O Rio Sorocaba. Com Cynthia Costa. 0 5 /0 6 , 14h. «Bioarquitetura e Construções Ecológicas. Pa­ lestra com equipe Espiralando. 0 5 /0 6 , 20h. CAMINHO DAS TROPAS - SUDESTE. «Ex­ posição de Violas. Do Luthier Levi Ramiro. 19 a 2 3 /0 6 . «Tropeiros. Exposi­ ção multimídia com Associação Cultu­ ral Jatobá. 19 a 2 3 /0 6 . «Fabricação de Violas de Cabaça. Workshop com Levi Ramiro. 1 9 /0 6 , lóh. «DANÇA. Cafezal. Teatro Popular Solano Trinda­ de, do Embu. 19 /0 6, 19h. Catira Bra­ sil de Rio Claro. 2 0 /0 6 , 19h. O Santo da Casa, Bola de Meia, de São José dos Campos. 2 1 /0 6 , 19h. Sambas Rurais Paulistas, Urucungos, Puítas e Quijengues, de Campinas. 2 2 /0 6 , 19h. «EN­ CONTROS. Violeiros da região Sudeste tocam com grandes nomes da música e da modas de viola. Ricardo Anastácio e Levi Ramiro. Grátis. 19 /0 6, 20h. Zeca Collares e Geraldo do Norte. Grátis. 2 0 /0 6 , 20h. Paulo Freire e Manoel de Oliveira. Grátis. 2 1 /0 6 , 20h. Passoca e Rogério Gulin. Grátis. 2 2 /0 6 , 20h. Renato Teixeira e Viola. Ingressos à ven­ da. 2 3 /0 6 , 20h. Workshop de Ritmos de Viola. Com Zeca Collares e Júlio Santin. 20. Quarta, lóh. SHOWS. Grátis. «Duofel. 0 1 /0 6 , 20h. •Izzy Gordon e Denise Duran. 0 8 /0 6 , 20h. «Adriana Moreira. 15 /0 6, 20h. •Doce Alaúde. 12 /0 6, 20h. «Tato Al­ ves. 0 2 /0 6 , 17h. «Trio Xote, Baião

e Cia. 0 7 /0 6 , 17h. «Janaina Teodoro. 0 9 /0 6 , 17h. «Duo Canta Vio­ la. 16 /0 6, 17h. «Duo Soprano.BR. 2 3 /0 6 , 17h. «Trio Cacimba Nova.. 3 0 /0 6 , 17h. LÉO JAIME. Ingressos à venda. 29 /0 6 , 20h. TEATRO ADULTO. «Abre as Asas Sobre Nós. De Sérgio Roveri. Grátis. 13 /0 6, 20h30. «Tudo isso Agora. Grupo Odradek. Grátis. 2 7 /0 6 , 20h30.

SEMANA OLÍMPICA 2007. Parceria Sesc SP e COB. Corridas de 50m com bar-1 reiras e 50m rasos, arremesso de mar­ telo e peso, mini-voleibol, mini-basquetebol e tênis de mesa. 2 2 /0 6 , 1Oh. TERCEIRA IDADE. «Jornalismo - Apren­ dendo a fazer Noticias. 09, 16 e 2 3 /0 6 , 10h30. «Quedas na Tercei­ ra Idade - Como Evitar. Com Matheus Rossi. 0 6 /0 6 , 17h. «Baile - Agnaldo Timóteo. 2 6 /0 6 , lóh. TEATRO INFANTIL Cia. Articularte. Sá­ bados, lóh. «Portinari Pé de Mulato. 0 2 /0 6 . «O Tietê mais O Riacho do Ra­ bo em Pé. 0 7 /0 6 «O Trenzinho VillaLobos. 0 9 /0 6 . «O Valente Filho da Burra. 16 /0 6. «A Cuca Fofa de Tarsila. 2 3 /0 6 , lóh. «Era uma vez Eu. 3 0 /0 6 . Sesc Sorocaba - Avenida Washington Luiz, 446. Tel.: (15) 3332 9933

SESC TAUBATÉ_______________________ : EXPOSIÇÃO. «Coleção Sesc de Arte Bra­ sileira - Arte Naif. Visitação: Grátis até 3 0 /0 6 . «Arte Naif. Oficina com Adão Silvério. Grátis. 09 e 10 /0 6, 15h às j 17h. «Arte ingênua ou Naif: Do que se Trata? Palestra com Antônio Nascimen­ to. Grátis. 13 /0 6, 15h e 19h. «Mesa Brasil. 04 a 10 /0 6, pça de eventos do Taubaté Shopping. SEMANA DO MEIO AMBIENTE. Grátis.«Exposição de Charges H20. 05 a 3 0 /0 6 . «A Fada da Reciclagem. Teatro. 0 3 /0 6 , lóh. «Encontro com o seu Lixo. Palestra com Patrícia Blauth. 0 6 /0 6 , 15h e 19h. FIGUREIROS DE TAUBATÉ: DA NATURE­ ZA À CULTURA. Festa Junina com vio­ leiros, barracas típicas, casa dos Figureiros e intervenções artísticas. Ingres­ sos à venda. «Shows: Oswaldinho do Arcodeon. 21 /0 ó . As Galvão. 22 /0 6 . Banda Bicho do Pé. 2 3 /0 6 . Trio Virgulino. 2 4 /0 6 . SEMANA OLÍMPICA. Parceria Sesc SP e COB. Grátis. «Encontro Esportivo de Iniciação Esportiva. 16, 17 e 3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 , a partir 9h30. SESC EMPRESA. Grátis. «Copa Sesc/Cecaze. Futsal masculino. 12 /0 6, 20h. •Copa Sesc/Saúde e Alimentação. Fu­ tebol society. Jogos: 05, 12, 14, 19, 26 e 2 8 /0 6 , 20h. Sesc Taubaté - Avenida Engenheiro Milton de Alvarenga Peixoto, 1264 - Esplanada Santa Terezinha. Tel.: (12) 3634-4000


Solar da Marquesa Maria Domitila de Castro Canto e Melo (1797-1867), a marquesa de Santos, não se tornou “famosa” apenas por seu romance com dom Pedro I (1798-1834). Ela também vivia em uma das residências mais nobres de São Paulo, entre 1834 e 1867: uma mansão hoje conhecida como Solar da Marquesa, na região central da cidade, à Rua Roberto Simonsen, 136. A construção do palacete se baseou na junção de duas casas de taipa de pilão e, embora tenha passado por diversas mudanças no decorrer dos tempos, é considerada o último exemplar da arquitetura residencial paulistana do século 18. Em 1975, o local foi incorporado ao patrimônio municipal, passando a ser a sede da Secretaria Municipal de Cultura. Após ser interditado por motivos de segurança, em 1984, o imóvel foi submetido a um processo de restauro, em 1991. Nesse mesmo ano, foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). O Solar da Marquesa foi reaberto em 1992, e a partir de então abriga a Divisão de Iconografia e Museus - uma das divisões do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH).

Vistas Contemporâneas - Sala São Paulo 0 Complexo Cultural Júlio Prestes, localizado na região central da capital, abriga a maior e mais moderna sala de concertos da América Latina: a Sala São Paulo - sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). 0 local funciona na antiga estação de trens da Estrada de Ferro Sorocabana e desde 2000 promove visitas monitoradas que abordam a história do edifício, a reforma pela qual passou e detalhes sobre seu funcionamento atual. São grupos de no máximo 60 pessoas em horários alterna­ tivos aos da programação. A Sala São Paulo fica na Praça Júlio Prestes, s/n°. De domingo a sexta-feira, o passeio custa 5 reais; aos sábados a visitação é gratuita. Estudantes, aposentados e maiores de 60 anos pagam meia. Para mais informações, o telefone é (11) 3367-9573.


INTERIOR SESC RIO PRETO____________________ CENA ABERTA. Ingressos à venda. «Cen­ tro Nervoso. Textos e direção Fernando Bonassi. 2 8 /0 6 , 21 h. CAIPIRA SIMSINHÔ. Grátis. 17h e 20h. •Os Mensageiros dos Santos Reis. Fo­ lia de Reis. 0 7 /0 6 . «Palhaços Juninos. Cia. Circo de Trapo. 0 8 /0 6 . «Caipira Sim Sinhô! Cia. Baquebolado. 0 9 /0 6 . SHOWS. Grátis. «Caipira Simsinhô: As Violeiras do Brasil. Música de Raiz. 0 7 /0 6 , 18h. Mariângela Zan - Can­ tos do Brasil. 0 7 /0 6 , 21 h. Anízio do Bandolim. 0 8 /0 6 , 19h. «Almir Sater. 0 8 /0 6 , 21 h30h. Oswaldinho e Marisa Viana - Cantorias. 0 9 /0 6 , 18h. Cláudio Lacerda - Baile Caipira. 1 0 /0 6 , 18h. DUO FEUX-GLASER E ANGEUQUE CA­ MARGO. Música erudita com Sandra Félix (soprano), Angelique Camargo (violoncelo) e Scheilla Glaser (piano). Ingressos à venda. 14 /0 6, 20K30. DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ! Música ao vivo para dançar. Grátis. «Trio Araripe. Forró Pé de Serra. 2 9 /0 6 , 21 h. SONORA. Grátis. «Os Pamonheiros. Ro­ ck Caipira. 0 6 /0 6 , 21h30. «Viola Blues. Blues Caipira. 1 3 /0 6 , 21 h30. •Raiz de Kaia. Reggae. 2 0 /0 6 , 21 h30. «Sandália de Prata. Samba Rock. 2 7 /0 6 , 2 lh30. SEMANA OLÍMPICA 2007. Parceria Sesc SP e COB. «Aida É que É Mulher de Verdade. Exposição sobre Aida dos Santos, atleta brasileira com a me­ lhor marca individual. Visitação: Grá­ tis. 1 6 /0 6 a 0 1 /0 7 , terça a sexta 13h às 21h30 e sábados, domingos e fe­ riados, 9h às 17h30. «Corrida do Dia Olímpico 2007. 7° edição da prova pe­ destre de rua. Tem o objetivo de esti­ mular a prática esportiva. Inscrições 2 5 /0 5 a 1 2 /0 6 pelo Portal Sesc SP www.sescsp.org.br. Grátis. Corrida: 1 7 /0 6, 9h. «Pista de Atletismo do El­ dorado. Clube da Caminhada: visita e vivência de atletismo. Inscrições anteci­ padas. Grátis. 2 4 /0 6 , 9h. AMBIENTE E EDUCAÇÃO. Comemora­ ção ao Dia Mundial do Meio Ambien­ te [05/06]. Grátis. «Ecojogos. Para 7 a 12 anos. Com técnicos Sesc. Inscrições no local. 0 2 /0 6 , 14h30. «Circuito Oikos. Para 7 a 12 anos. Jogos e vivências para refletir sobre questões e atitudes re­ lacionadas ao meio ambiente. Com Fe­ lipe C. Pacca e Rodrigo A. Silva. Inscri­ ções antecipadas. 05 e 0 6 /0 6 , 14h. •Gincana Interativa do Meio Ambiente. Sala de Internet Livre. 0 5 /0 6 , 15h às 16h30. «Gincana Ecológica. Para 7 a 12 anos. Cidadania, respeito e cuida­ do com o meio ambiente. Com técnicos Sesc. 3 0 /0 6 , 14h30. TEATRO INFANTIL Grátis. «Quem Con­ ta Estrelas Conta Estórias? Cia. Vôos. 0 3 /0 6 , 16h. «Show Infantil Balaio de 2. Com Paulo Netho e Salaliel Sil­ va. 09 e 10 /0 6, 16h. «O Complicado Casamento de Malasartes. Cia. Circo de Trapo de Atores Palhaços. 17 /0 6,

72

revista e

16h. «Auto da Infância. Com Frater­ nal Companhia de Arte e Malas-Artes. 2 4 /0 6 , 16h. Sesc Rio Preto - Av. Francisco das Chagas de Oliveira, 1333. Tel.: (17) 3216-9300

SESC SÃO CARLOS_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ AMBIENTE E EDUCAÇÃO. «MulamBolambo. Teatro infantil. 1 5 /0 6 , 14h30 e 1 6 /0 6 , 16h. «Marcadores de Livro e Cartões com Papel Reciclado. Ofici­ na. 13 /0 6, 19h. «Som do Uxo. Ofi­ cina musical com material reciclável. 1 6 /0 6 , 14h. «Mapeando a cidade. Oficina na Internet Livre. 1 3 /0 6 , 18h. •Câmera Viajante. Oficina na Inter­ net Livre. 2 3 /0 6 , lOh e 2 4 /0 6 , 14h. •Ilha das Flores. Documentário e ofi­ cina na Internet Livre. 2 7 /0 6 , 19h30 e 2 8 /0 6 , 15H30. «IX Feira da Suca­ ta e da Barganha. Realização USP Re­ cicla, APASC, Sec. Mun. de Educação e Cultura, Grupo ConsumoSol e Aste ca Eventos. Apoio: Sesc São Carlos. 0 3 /0 6 , 9h às 17h30. «Projeto Rua Vi­ va: Arborização Urbana. Sesc São Car­ los e O N G Ramudá (junho a dezembro de 2007). Apoio: EPTV. MÚSICA ERUDITA. «Bastião e Bastiana. 2 0 /0 6 , 20H30. SHOWS. «Caetano Veloso-Cê. Ingressos à venda. 1 9 /0 6 , 21 h. «Tião ao Car­ ro & Santarém. 2 4 /0 6 , 10h30. «Pe­ dra Branca. 2 8 /0 6 , 21 h. PROJETO SABATINA «Homem com Asas. 3 0 /0 6 , 15h. «Workshop. Rock anos 70. 2 9 /0 6 , 19h e 3 0 /0 6 , 9h30. TEATRO. «Centro Nervoso. 2 6 /0 6 , 20h30. «Espaço Circo. Grátis. 05 e 1 2 /0 6 , 10h30. DANÇA CONTEMPORÂNEA. «DanceAbility. Workshop com Alito Alessi. 0 2 /0 6 , 1Oh às 17h. «Improvisação. Vivência. 1 6 /0 6 , lOh às 13h.

16 /0 6 , 20h. «Workshop de Criação e Movimento. Com Key Sawao e Ricardo lazzeta. Grátis. 1 6 /0 6 , 15h. «Experi­ mentações Inevitáveis. Com Cia. Nova Dança 4. Ingressos à venda. 3 0 /0 6 , 21 h. «Workshop de Improvisação Dança-Teatro. Com Cia. Nova Dança 4. Grátis. 3 0 /0 6 , 17h. OS MENINOS E AS PEDRAS. Teatro com Núcleo Entrelinhas de Teatro. Ingressos à venda. 1 5 /0 6 , 20h30. UM NOVO AMBIENTE. Reflexões sobre o impacto do consumo. «A Arte da Reciclagem. Exposição. 04 a 2 0 /0 6 . •ECOA... 18 anos depois. Debate Avaliação do ambiente da cidade, com participantes do projeto ECOA de 1989. No Senac. Grátis. 0 5 /0 6 , lOh. •Consumo e Tecnologias Alternativas. Painel de propostas para melhor uso ou reaproveitamento de água e energia. No Senac. Grátis. 1 2 /0 6 , lOh. «Con­ sumo e Práticas Pedagógicas. Painel de experiências exemplares. No Senac. Grátis. 1 2 /0 6 , 14h. ENCONTRO ANUAL DO MESA BRASIL SESC SJCAMPOS. Para relato de resul­ tados. No Senac. Grátis. 1 2 /0 6 , 19h. SEMANA OÜMPICA. Parceria Sesc SP e COB. «Clínica e Torneio de Futsal. Ca­ sa do Jovem. Grátis. 2 4 /0 6 , 9h às 18h. Sesc São José dos Campos - Rua Coro­ nel José Monteiro, 275. Tel.: (12) 3904-

2000 SESC SOROCABA___________________ SESC ESCOLA. «O Rio Sorocaba. Com Cynthia Costa. 0 5 /0 6 , 14h. «Bioarquitetura e Construções Ecológicas. Pa­ lestra com equipe Espiralando. 0 5 /0 6 , 20h.

Sesc São Carlos - Avenida Comendador Alfredo Maffei, 700. Tel.: (16) 33727555

CAMINHO DAS TROPAS - SUDESTE. «Ex­ posição de Violas. Do Luthier Levi Ramiro. 19 a 2 3 /0 6 . «Tropeiros. Exposi­ ção multimídia com Associação Cultu­ ral Jatobá. 19 a 2 3 /0 6 . «Fabricação de Violas de Cabaça. Workshop com Levi Ramiro. 1 9 /0 6 , lóh. «DANÇA. Cafezal. Teatro Popular Solano Trinda­ de, do Embu. 19 /0 6 , 19h. Catira Bra­ sil de Rio Claro. 2 0 /0 6 , 19h. O Santo da Casa, Bola de Meia, de São José dos Campos. 2 1 /0 6 , 19h. Sambas Rurais Paulistas, Urucungos, Puítas e Quijengues, de Campinas. 2 2 /0 6 , 19h. «EN­ CONTROS. Violeiros da região Sudeste tocam com grandes nomes da música e da modas de viola. Ricardo Anastácio e Levi Ramiro. Grátis. 1 9 /0 6 , 20h. Zeca Collares e Geraldo do Norte. Grátis. 2 0 /0 6 , 20h. Paulo Freire e Manoel de Oliveira. Grátis. 2 1 /0 6 , 20h. Passoca e Rogério Gulin. Grátis. 2 2 /0 6 , 20h. Renato Teixeira e Viola. Ingressos à ven­ da. 2 3 /0 6 , 20h. Workshop de Ritmos de Viola. Com Zeca Collares e Júlio Santin. 20. Quarta, lóh.

INCONVENIENTES. Projeto de Dança. «A Pé - Walking the Line. Com Key Sawao e Ricardo lazzeta. Ingressos à venda.

SHOWS. Grátis. «Duofel. 0 1 /0 6 , 20h. •Izzy Gordon e Denise Duran. 0 8 /0 6 , 20h. «Adriana Moreira. 15 /0 6, 20h. •Doce Alaúde. 12 /0 6, 20h. «Tato Al­ ves. 0 2 /0 6 , 17h. «Trio Xote, Baião

UTERATURA. «Noites Literárias. Momento atual. 1 3 /0 6 , 19h30. CINEMA FALADO. «São Carlos/068. Fil­ me e batepapo com o diretor João Massarolo. 2 9 /0 6 , 19h30. SEMANA OLÍMPICA. «Os Esportes Paraolímpicos. Exposição. Grátis. 01 a 2 4 /0 6 . TERCEIRA IDADE. «O Despertar do Sá­ bio. Com Manuel C. Veras. 2 6 /0 6 , 15h30. TORNEIOS ESPORTIVOS. «Torneio Aber­ to de Xadrez. 17 /0 6, 1Oh. « Io Copa Estudantil / São Carlos EmCena. 09 a 3 0 /0 6 , sábados, 9h30.

e Cia. 0 7 /0 6 , 17h. «Janaina Teodoro. 0 9 /0 6 , 17h. «Duo Canta Vio­ la. 16 /0 6, 17h. «Duo Soprano.BR. 2 3 /0 6 , 17h. «Trio Cacimba Nova. 3 0 /0 6 , 17h. LÉO JAIME. Ingressos à venda. 29 /0 6 , 20h.

TEATRO ADULTO. «Abre as Asas Sobre Nós. De Sérgio Roveri. Grátis. 1 3 /0 6,1 20h30. «Tudo isso Agora. Grupo J Odradek. Grátis. 2 7 /0 6 , 20h30.

SEMANA OÜMPICA 2007. Parceria Sesc J SP e COB. Corridas de 50m com bar-l reiras e 50m rasos, arremesso de mar-1 telo e peso, mini-voleibol, mini-basque-1 tebol e tênis de mesa. 2 2 /0 6 , lOh. 1 TERCEIRA IDADE. «Jornalismo - Apren­ dendo a fazer Noticias. 09, 16 e 2 3 /0 6 , 10h30. «Quedas na Tercei­ ra Idade - Como Evitar. Com Matheus Rossi. 0 6 /0 6 , 17h. «Baile - Agnaldo Timóteo. 2 6 /0 6 , lóh. TEATRO INFANTIL Cia. Articularte. Sá-j bados, 1óh. «Portinari Pé de Mulato. 0 2 /0 6 . «O Tietê mais O Riacho do Ra­ bo em Pé. 0 7 /0 6 . «O Trenzinho VillaLobos. 0 9 /0 6 . «O Valente Filho da Burra. 16 /0 6. «A Cuca Fofa de Tarsila. 2 3 /0 6 , lóh. «Era uma vez Eu. 3 0 /0 6 . Sesc Sorocaba - Avenida Washington Luiz, 446. Tel.: (15) 3332 9933 SESCTAUBATÉ______________________

EXPOSIÇÃO. «Coleção Sesc de Arte Bra­ sileira - Arte Naif. Visitação: Grátis até 3 0 /0 6 . «Arte Naif. Oficina com Adão Silvério. Grátis. 09 e 10 /0 6, 15h às I 17h. «Arte ingênua ou Naif: Do que se Trata? Palestra com Antônio Nascimen-1 to. Grátis. 1 3 /0 6 , 15h e 19h. «Mesa Brasil. 04 a 10 /0 6, pça de eventos do Taubaté Shopping. SEMANA DO MEIO AMBIENTE. Grátis.«Exposição de Charges H20. 05 a 3 0 /0 6 . «A Fada da Reciclagem. Teatro. 0 3 /0 6 , lóh. «Encontro com o seu Lixo. Palestra com Patrícia Blauth. 0 6 /0 6 , 15h e 19h. FIGUREIROS DE TAUBATÉ: DA NATURE­ ZA À CULTURA. Festa Junina com vio­ leiros, barracas típicas, casa dos Figureiros e intervenções artísticas. Ingres­ sos à venda. «Shows: Oswaldinho do Arcodeon. 2 1 /0 6 . As Galvão. 2 2 /0 6 . Banda Bicho do Pé. 2 3 /0 6 . Trio Virgulino. 2 4 /0 6 . SEMANA OÜMPICA. Parceria Sesc SP e COB. Grátis. «Encontro Esportivo de Iniciação Esportiva. 16, 17 e 3 0 /0 6 e 0 1 /0 7 , a partir 9h30.

SESC EMPRESA. Grátis. «Copa Sesc/Cecaze. Futsal masculino. 12 /0 6, 20h. •Copa Sesc/Saúde e Alimentação. Fu­ tebol sociely. Jogos: 05, 12, 14, 19, ■ 26 e 2 8 /0 6 , 20h. Sesc Taubaté - Avenida Engenheiro Milton de Alvarenga Peixoto, 1264 - Esplanada Santa Terezinha. Tel.: (12) 3634-4000


S o la r d a M a rq u e s a Maria Domitila de Castro Canto e Melo (1797-1867), a marquesa de Santos, não se tornou “famosa” apenas por seu romance com dom Pedro 1(1798-1834). Ela também vivia em uma das residências mais nobres de São Paulo, entre 1834e 1867: uma mansão hoje conhecida como Solar da Marquesa, na região central da cidade, à Rua Roberto Simonsen, 136. A construção do palacete se baseou na junção de duas casas de taipa de pilão e, embora tenha passado por diversas mudanças no decorrer dos tempos, é considerada o último exemplar da arquitetura residencial paulistana do século 18. Em 1975, o local foi incorporado ao patrimônio municipal, passando a ser a sede da Secretaria Municipal de Cultura. Após ser interditado por motivos de segurança, em 1984, o imóvel foi submetido a um processo de restauro, em 1991. Nesse mesmo ano, foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). O Solar da Marquesa foi reaberto em 1992, e a partir de então abriga a Divisão de Iconografia e Museus - uma das divisões do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH).

V is t a s C o n t e m p o r â n e a s - S a la S ã o P a u lo 0 Complexo Cultural Júlio Prestes, localizado na região central da capital, abriga a maior e mais moderna sala de concertos da América Latina: a Sala São Paulo - sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). 0 local funciona na antiga estação de trens da Estrada de Ferro Sorocabana e desde 2000 promove visitas monitoradas que abordam a história do edifício, a reforma pela qual passou e detalhes sobre seu funcionamento atual. São grupos de no máximo 60 pessoas em horários alterna­ tivos aos da programação. A Sala São Paulo fica na Praça Júlio Prestes, s/n°. De domingo a sexta-feira, o passeio custa 5 reais; aos sábados a visitação é gratuita. Estudantes, aposentados e maiores de 60 anos pagam meia. Para mais informações, o telefone é (11) 3367-9573.


COMENTÁRIOS SOBRE CULTURA E SOCIEDADE por Maurício Trindade da Sitva Ao entrar na área cultural, mantive um princípio que me acompanha desde jovem: criar condições efetivas de mudan­ ça da sociedade, tornando-a mais justa, digna e sustentável. Colocada assim, essa intenção parece transitar entre uma ati­ tude simples e outra “ heróica" (como se eu fosse “ o” deten­ tor ou causador do processo de mudança). É claro, isso não se permite definir de forma polarizada; todos nós estamos aí implicados. Esse sentido de mudar a sociedade é uma atitude ética que surge cada vez mais aliada a um valor absoluto (mui­ tas vezes assumido em grupo ou individualmente), e ambos assegurarão a nossa existência enquanto seres humanos. Por conseguinte, tal atitude leva em conta a importância da me­ diação, ou seja, da relação humana com outros indivíduos e com tudo aquilo que se encontra no intermédio, referenciado a nossos atos, pensamentos, compreensão e responsabilida­ des, num itinerário complexo, em que os meios e os objetivos são igualmente importantes no caminho para a obtenção de resultados. Convido-o então, caro leitor, a me acompanhar nesta reflexão - que também faço agora - sobre mudar a so­ ciedade, atuando no campo imprescindível da ação cultural. Começo por um exemplo de programação realizada no Sesc Birigüi, onde iniciei meus trabalhos. Propusemos um mês temático no recorte da literatura de cordel, que remonta à Europa do século 16 e chegou ao Nordeste por volta do sé­ culo 19, popularizando-se. Ricos em lendas e personagens, os textos reúnem temas culinários e folclóricos, técnicas es­ pecíficas, como a xilogravura, para ilustrar os textos, e fatos cotidianos sobre modos de ser. Agendamos eventos teatrais para adultos e crianças, shows, espetáculo de dança, exibição de filmes, oficinas, exposição de xilogravuras e de cordéis e palestra. A participação do público foi surpreendente. Isso que me leva às seguintes questões: • Entre um evento e o público que o prestigiará, há um processo definidor, figurado como mediação (relativo aos propósitos da instituição, à atuação do animador cultural, à proposta dos artistas etc.). No caso do cordel, a mediação tinha um caráter plural e colocava-se de forma a permitir o entendimento de todos quanto ao que viram e praticaram.

74

revista e

• Uma manifestação cultural pode ser analisada como forma de significação e revelação acerca de tudo o que dá vida a uma sociedade. 0 universo do cordel fornece tensões e há­ bitos que mostram a cultura naquilo que ela é: uma “ relação de causalidade” - embora nem sempre de efeito contínuo e linear - entre o homem e seu meio, mostrando que um depende e faz parte do outro. • Na idéia de cultura está o reconhecimento de que este nos­ so mundo - sociocultural, psicossocial, político, econômico, em suma, histórico - se articula dialeticamente, isto é, por meio da lógica de ação dos homens, em relações mutáveis, contraditórias, envolvendo atividades físicas e simbólicas, a prática cotidiana e a teoria, por demandas individuais e coletivas/subjetivas e objetivas. Tal é a complexidade que nos circunscreve. • O incentivo às artes, a abertura para o debate de idéias, o apoio à pesquisa e aos projetos de vanguarda (fora de uma lógica instrumental, porque a cultura também é “ ú til” quando tida por inútil) são operadores radicais de transfor­ mação, pois se vinculam a nossa prática (nossa atuação no mundo), a nossa reflexão, e à reflexão sobre a prática. Hoje há maior intercâmbio entre as ciências (no contexto da ex­ plicação e compreensão da realidade) e as artes (no con­ texto da revelação da realidade). E unir forças é fundamen­ tal. A interpelação ciências-artes resulta em uma revolução nucleadora de novas interrogações - e de entendimentos • - sobre a sociedade e o mundo. Assim, podemos olhar com novos olhos aquilo que até então parecia comum, simples, naturalizado. Pensando em tal atitude e em você, caro leitor, espero que este texto levante questões e permita “ aclarar as loucuras” (como brinca o poeta Manoel de Barros) - questões que, ao nos devorar internamente, possam nos tornar um outro cada vez melhor. ■ M aurício T rindade da S ilva, mestre em sociologia da cultura pela de

USP, é anim ador cultural na G erência

E studos e D esenvolvimento do S esc São P aulo


Ambiente eEducação C o m e m o r a ç ã o ao Di a M u n d i a l do M e i o A m b i e n t e ( 5 / 6 )

Destaques: CONSUMO E RESÍDUOS - FUNDAMENTOS

PARA UM TRABALHO EDUCATIVO Lançamento do livro de Amadeu Logarezzi, Heloisa C. S.C in que tt i, Patrícia Blauth e Fabíola M . Zerbini. Dia 5 . Te r., 2 0 h - V I L A M A R I A N A

HABITAR VERBO TRANSITIVO rffotográfica n t n n r á f i r a de Ch ris tia n P Exposição Christian Pierre Kasper.

Qua. a

dom. ITAQUERA

E N C O N T R O DAS A G E N D A S 21 DA Z O N A S UL r l n f l n E DE s ã o PAULO f P R É - C O N F E R Ê N C I A D E M E I O A M B I E N T E DA Apresentação dos processos de Agenda 21 de cada Sub prefeito,a e seus trabaihos.

Z C2 l l S2 3 E .

m

.

Sex. = sáb., 8h. SA NT O A M A R O