Issuu on Google+

Editorial Sociedade Brasileira de Dermatologia Afiliada à Associação Médica Brasileira

www.sbd.org.br

Diretoria 2009-2010 Presidente - Omar Lupi - RJ Vice-presidente - Bogdana Victória Kadunc - SP Secretária-geral - Maria de Lourdes Viegas - RJ Tesoureira - Maria Fernanda Gavazzoni - RJ 1a secretária - Célia Luiza P. Vitello Kalil - RS 2o secretário - Emerson de Andrade Lima - PE

Jornal da SBD Esta é uma publicação da Sociedade Brasileira de Dermatologia, dirigida a seus associados e órgãos de imprensa. Publicação bimestral - Ano XIV - n. 5 - setembro-outubro - 2010 Coordenador médico - Paulo R. Cunha Conselho editorial - Omar Lupi, Bogdana Victória Kadunc, Maria Fernanda Gavazzoni, Célia Kalil e Emerson de Andrade Lima Jornalista responsável - Erika Drumond - Reg. MT no 31.383 Redação - Erika Drumond Editoração eletrônica - Nazareno N. de Souza Estagiário de editoração eletrônica - Maurício Pacheco Versão Online - Samuel Peixoto Contato publicitário - Priscila Rudge Simões A equipe editorial do Jornal da SBD e a Sociedade Brasileira de Dermatologia não garantem nem endossam os produtos ou serviços anunciados, sendo as propagandas de responsabilidade única e exclusiva dos anunciantes. As matérias e textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. Correspondência para a redação do Jornal da SBD Av. Rio Branco, 39/17o andar - Centro - Rio de Janeiro – RJ CEP: 20090-003 E-mail: imprensa@sbd.org.br Assinatura anual: R$ 120,00 Número avulso: R$ 20,00 Tiragem: 7.000 exemplares Impressão: Sol Gráfica

Sumário

02 03 05 06 12 15 17 22 25 27 30 33 36 38 41 42 43

                

Paulo R. Cunha - Coordenador médico do Jornal da SBD

Na presente edição do Jornal da SBD você vai encontrar todas as notícias sobre o evento mais importante para a SBD: o Congresso Brasileiro de Dermatologia. Realizado no RioCentro, no Rio de Janeiro, e presidido pela Profa. Luna Azulay, ele não poderia ter sido melhor, tanto do ponto de vista científico quanto do cultural e social. Nesse espaço, palco de tantas trocas de experiências e de aprendizados, foi lançado o livro oficial da SBD, Rotinas de diagnóstico e tratamento. Escrito por profissionais convidados sob a coordenação dos editores Omar Lupi, Paulo Cunha e Josemir Belo, a obra privilegia temas importantíssimos dentro de nossa área de atuação. Esperamos que ela cumpra a função de auxiliá-los de forma objeProf. Dr. Paulo R. Cunha tiva e direta em suas práticas diárias. Ainda no referido congresso, o Prof. Dr. Rubem David Azulay, um dos mais eminentes representantes da dermatologia brasileira, recebeu a Ordem do Mérito Médico pela contribuição ao ensino, na formação de profissionais de saúde e na pesquisa da dermatologia em nosso país. O documento assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi entregue pelo atual titular da Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde (SVS), Dr. Gerson Penna, que representou o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, na abertura do evento. Justa homenagem ao grande mestre de nossa especialidade. Também constam neste número os nomes dos 18 dermatologistas brasileiros que, por concurso realizado pela SBD, mereceram as bolsas de estudos oferecidas pelo Congresso Mundial de Dermatologia que ocorrerá em Seul, em maio de 2011. A SBD por meio desse concurso reafirma a característica de internacionalização nos âmbitos profissional e acadêmico da atual diretoria. Destaca–se, ainda, o 19o Congresso da Academia Europeia de Dermatologia e Venereologia (EADV). O encontro, realizado em outubro, na Suécia, manteve sua tradicional qualidade e testemunhou a diversidade da produção científica da especialidade. Você poderá ler sobre algumas novidades desse congresso nas notas de três dos dermatologistas brasileiros que lá estiveram. A reportagem da coluna “DermAção” narra a segunda expedição às comunidades ribeirinhas da Amazônia, depois de quatro anos. Em 2006, tive a oportunidade de participar da primeira edição juntamente com o Dr. Oswaldo Delfini Filho e, dessa vez, ao lado de outros profissionais de saúde, atender à população do município de Coari. Este ano, além de desenvolver ações educativas na área de saúde, pesquisamos também as consequências da mansonelose, um tipo de filariose que atinge 25% dos habitantes da área rural estudada no município de Coari. A atividade faz parte do projeto Dermatologia Ambiental e Básica, desenvolvida pela Fundação de Medicina Tropical do Amazonas, com apoio da SBD, da Universidade Federal do Amazonas, da Universidade Federal de Minas Gerais, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Na coluna “SBD 100 anos”, o ex-presidente da SBD-RS Lúcio Bakos aborda com propriedade a história da regional, referindo-se a fatos relevantes ocorridos naquele estado. Chamo atenção para o último encontro científico no calendário oficial da SBD, e que promete marcar a dermatologia nacional e estrangeira: o 1st Summer Meeting of Dermatology – Brazil 2010, de 9 a 11 de dezembro, em Salvador (Bahia). Convido todos para participar desse evento global, que vai reunir conferencistas brasileiros e dos Estados Unidos, Europa Oriental e Ocidental, Oriente Médio e Bielorússia, país que compunha a antiga União Soviética, na terra em que foi fundada a primeira faculdade de medicina do nosso país. Com certeza será um grande evento que fechará com chave de ouro o calendário de atividades. Compareçam! Termino agradecendo a todo o corpo editorial do JSBD e aos funcionários da SBD pelo trabalho e pela dedicação empregados ao longo deste ano. Aos membros da diretoria e associados que nos prestigiam: Feliz Natal com muita saúde e paz. Boa leitura!

Palavra do Presidente Notas Ombudsman 65o Congresso Brasileiro de Dermatologia Lançamento do Rotinas de diagnóstico e tratamento da SBD TED Especial 1st Summer Meeting of Dermatology Dermatologia Básica e Ambiental Portal da SBD registra aumento de visitas Projeto de lei visa a proteção de trabalhadores expostos ao sol EADV Campanha Nacional de Psoríase da SBD Profissões e Dermatoses Ocupacionais SBD 100 anos Departamentos Regionais Serviços Credenciados

Matéria de capa Tour de Prevenção já está na estrada

18 Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



1


Palavra do Presidente

Caro dermatologista, A

cabei de me lembrar de dois episódios antigos, que não chegam a configurar um quadro grave de nostalgia. É do conhecimento de todos o fato de que a palavra saudade não tem tradução efetiva em inglês; a nossa saudade pungente é herança lusitana que transcende tempo e distância. Também os franceses chamam de esprit d´escalier aquela resposta mental que todos vivenciamos, mas que aparece atrasada alguns segundos quando já estamos na escada; era aquela resposta absolutamente perfeita para a circunstância que acabamos de vivenciar e que só se tornou disponível alguns segundos depois do momento exato. Todas as línguas, portanto, parecem ter sua particularidade e nem sempre traduções exatas podem ser obtidas. Há alguns anos, discutia com amigos americanos sobre o termo committed que sempre admirei na língua inglesa. Sua tradução mais óbvia seria estar comprometido, no entanto, se observarmos o nosso “comprometimento político ou partidário” brasileiro logo perceberemos a diferença clara de abordagem. Sejamos absolutamente justos, a palavra inglesa tem uma força e profundidade que escapa do nosso comprometimento normal. É estar tão intimamente ligado a uma ideia ou proposta, que esta passa a ser um pouco da sua própria essência. Durante esses dois anos frente à presidência da SBD, procurei criar esse tipo de comprometimento profundo, e aí precisamos acrescentar o adjetivo em português para dar a real ideia daquilo a que me refiro; e quero acrescentar que intuí igual sentimento na nova diretoria, a que dei posse durante o Congresso Brasileiro recémrealizado.

2  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

Nesse período, a SBD se tornou muito de mim, e eu um pouquinho dela. Comprometimento total e inquebrantável, committment, portanto, tem sido a minha política mais simples e direta, procurando sempre fazer o melhor, eventualmente errando, mas jamais deixando de estar completamente ligado a nossa sociedade. Desejo à próxima gestão que se aproxima essa relação tão íntima e intensa que, acredito, ajuda a explicar as recentes conquistas e, também, minha profunda satisfação de realizar por todos os dermatologistas esse trabalho. A segunda lembrança me veio à mente também durante o Congresso Brasileiro tão bem realizado no Rio, por ocasião do lançamento do meu livro sobre infecções por herpesvírus. Nele, conto que em algum dia ensolarado de 1993, eu tinha acabado de ser aprovado no curso de mestrado em dermatologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e, naquela época, diferente dos dias atuais, precisava ainda definir minha linha de trabalho. Entrei na sala do saudoso Professor Antônio Carlos Pereira Jr., meu orientador de tese, para lhe perguntar sobre o melhor caminho a tomar naquele momento. Fui recebido pela sua voz tonitruante e firme me dizendo: “Chegou em boa hora, meu rapaz. Acabei de ter uma discussão acalorada com o Professor Sérgio Carneiro sobre o real potencial de o herpes genital ser transmitido por via sexual. Já tenho a sua linha de investigação. Você vai estudar o herpes em toda a sua plenitude!”. Se soubesse o longo caminho que me esperava após o que ele disse, talvez não tivesse aceitado a incumbência. Talvez eu tenha entendido suas palavras de forma literal demais quando ele me aconselhou a “estudar o herpes em toda a sua plenitude”. É o que eu tenho feito com comprometimento todos esses anos. Hoje, quase 20 anos depois, não posso mais apartar a discussão acadêmica entre os professores Antônio Carlos e Sérgio Carneiro, pois ambos já deixaram nosso convívio. Todavia, recebi deles uma missão e tenho lutado muito para transformá-la em realidade. Cito Tom Veitch, ensaísta americano, quando diz:“No princípio não havia nada. No fim tampouco haverá. Entre esses dois extremos, tudo que existe não passa de um sonho, um sonho de luz e trevas. Entre o princípio e o fim, entre o nada e o nada, nós somos o sonho e o sonhador de tudo que existe”.

Omar Lupi Presidente da SBD


Notas Livro doado A biblioteca da SBD recebeu em agosto a doação do livro Estudos e reflexões sobre a formação de especialistas na área de saúde, da Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap). Organizado por Silvia de Almeida Prado Sampaio, a obra destaca os estudos e pesquisas de residência médica realizados pela fundação no Estado de São Paulo de 1980 a 2008. Órgãos do governo, como ministérios da Educação e da Saúde, bibliotecas de escolas de medicina, hospitais com programa de residência médica, especialistas na área de recursos humanos em saúde e 50 sociedades médicas receberam exemplares. Um dos projetos realizados pela Fundap e que está registrado no livro engloba a área da dermatologia. “No final da década de 1980, foi feita a primeira tentativa de discutir as competências mínimas obrigatórias de especialistas por meio da realização de um seminário, e agora a comissão de residência médica voltou a discutir e analisar esse projeto pioneiro. No livro há detalhes de como tudo teve início”, informa Silvia.

CFM não vai mais limitar as viagens de médi cos pagas por laboratórios O Conselho Federal de Medicina (CFM) renunciou à ideia de elaborar resolução para restringir a ida de médicos a eventos científicos com o patrocínio da indústria farmacêutica. A regulação específica do tema poderia gerar punições, entre elas até a cassação do médico que a desrespeitasse. Um eventual acordo com a indústria farmacêutica também foi protelado para permitir mais discussões. O presidente do CFM, Roberto D’ Ávila, afirmou que seria difícil fiscalizar uma possível resolução e que a saída é pelo convencimento e argumentação. Para ele, a ideia agora é buscar um “termo de ajustamento de conduta” com a indústria para evitar situações como viagens patrocinadas de médicos que não demonstram suas pesquisas nos encontros. Os profissionais, no entanto, não poderão ser punidos com base nesse termo. A proposta seria apresentada na plenária do conselho, em 16 de julho e foi promovida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma).

Congresso Mundial de Dermatologia Seul – 2011

Palestra online O professor do Departamento de Dermatologia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Faculdade de Medicina de Botucatu) Hamilton Stolf ministrou no final de agosto a palestra “Dicas para a excisão de pequenos tumores da pele”. Promovida pelo Departamento de Telemedicina da SBD, a aula teve transmissão online diretamente da sede da entidade e foi vista por 150 pessoas, incluindo algumas que estavam no exterior. “Sou carioca e assisti à palestra no Canadá. Agradeço a oportunidade.”, disse por e-mail a dermatologista Cristiana Ludwig Schneider Longo. A palestra ficará disponível na videoteca da SBD.

Congressos de 2012 e 2013 Márcia-Ramos-e-Silva foi eleita para presidir o Congresso Brasileiro de Dermatologia em 2012, no Rio de Janeiro, ano em que a entidade completará 100 anos. Já o Congresso de 2013, será realizado em Brasília.

A SBD realizou concurso para o maior evento da especialidade, o Congresso Mundial de Dermatologia, cuja 22a edição se realizará em maio de 2011, em Seul, Coreia do Sul. Os 18 ganhadores das bolsas foram: Adriana de Carvalho Correa; Alexandre Leon Ribeiro de Ávila; Bianca Ishimoto Della Nina; Carolina Chrusciak Talhari; Cassio Porto Ferreira; Emerson Vasconcelos de Andrade Lima; Fabiane Andrade Mullinari Brenner; Flávia Martelli Marzagão; Gleison Vieira Duarte; Hélio Amante Miot; Ivan Jorge Freire de Semenovitch; Juliano Vilaverde Schmitt; Leandro Ourives Neves; Leonardo Spagnol Abraham; Livia Cristina de Melo Pino; Luíza Soares Guedes; Tatiana Basso Biasi;Thaís Serraino Ferraz.

Recadastramento A SBD deu início ao recadastramento do dermatologista que quiser alterar a condição de associado eletrônico ou de associado padrão. O prazo termina no dia 10 de dezembro e o procedimento pode ser feito diretamente pelo site da SBD (www.sbd.org.br). Quem optar pelo associado eletrônico, terá à disposição a leitura apenas online dos Anais Brasileiros de Dermatologia, Surgical & Cosmetic Dermatology e do Jornal da SBD, e receberá desconto de 10% na anuidade de 2011 em sua categoria. O médico que desejar manter a opção de associado padrão irá receber em casa todas as publicações impressas. A tesouraria lembra que será mantido o status desse ano para o associado que não realizar o recadastramento até a data estabelecida. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



3


0 1 0 2 D SB a d s o t n e v E NOVEMBRO 4-7



5



5 5 5 6 10 17 27

      

International Melanoma Research Congress – Sidney, Austrália (http://www.melanoma2010.com) II Simpósio Nacional de Cosmiatria e SBD Nac Laser da SBD – Curitiba, PR 9o EMC-D/Pré-Jornada SBD-RESP Jornada Mineira de Dermatologia SBD-MG 57a Jornada Goiana de Dermatologia SBD-GO 136a Jornada Dermatológica Paulista SBD-RESP XVIII Cilad – Cancun, México Dia Mundial da Psoríase SBD-PE Campanha Nacional do Câncer da Pele SBD Nac

DEZEMBRO 2 7



9



18





15a Radesp – Campinas-SP 5o Simpósio Brasileiro de Hansenologia (Sociedade Brasileira de Hansenologia – Belo Horizonte, MG) 1st Summer Meeting of Dermatology – Salvador, BA Confraternização

SBD-RESP

SBD Nac SBD-MA

Ombudsman Gilvan Alves Prezados Colegas,

N

osso maior evento acabou de acontecer e, mais uma vez, foi coroado de sucesso. Sob a batuta da Dra. Luna Azulay, o 65o Congresso da SBD, no Rio de Janeiro, contou com a presença maciça de nossos associados do Brasil inteiro. Fomos agraciados com uma programação científica impecável e eventos sociais em que pudemos interagir com nossos pares. Enfim, todos os objetivos de um congresso desse porte foram alcançados. Durante o evento tivemos a oportunidade, como sempre, de discutir com as diversas comissões da SBD os caminhos a serem delineados para o futuro de nossa instituição. Ainda é controversa a diretriz que devemos tomar com relação às sociedades criadas por colegas de outras especialidades que atuam em nossa área de expertise e que, apesar de não serem reconhecidas pelo CFM, constituem sociedades civis organizadas e válidas. Nossa estrutura científica, de ensino e de divulgação da dermatologia é incomparável. Contudo, estamos lutando contra "empresas" estruturadas não para o enobrecimento da dermatologia como especialidade clínico-cirúrgica, mas única e exclusivamente visando ao lucro. É necessário que também nos estruturemos para fazer frente a essas instituições, que às vezes lançam no mercado profissionais mal preparados. Ficamos fragilizados no embate "empresarial" a que ele nos lançam. Precisamos ter o mesmo profissionalismo jurídico que eles têm para os assuntos que versam sobre a prática da especialidade e a defesa dos colegas. É necessária cautela, mas também não podemos nos calar por medo do aparato de advogados que eles possuem. Os colegas que ocupam cargos na SBD têm o dever de defender a dermatologia, porém faz-se necessário posicionamento do Departamento Jurídico da SBD de como fazer essa defesa. Precisamos saber até onde podemos ir para não pre-

judicar a instituição e também não nos prejudicar. Especialistas somos nós. Não podemos estar acuados; temos o conhecimento científico e o reconhecimento da AMB/CFM para exercer com dignidade a dermatologia. Infelizmente a prática romântica segundo a qual tão somente o bem servir conta não existe mais. Por último, percebi cobrança dos associados com relação à postura da SBD quanto à conduta de colegas médicos que atuam em nossa área sem ter o título de especialista. Em colunas anteriores, após consulta a entidades de classe e ao CFM, esclareci que não temos ingerência nem poder para fechar consultórios, impedir a organização de congressos ou acabar com sociedades médicas que sejam pessoas jurídicas legalmente instituídas, ainda que não sejam reconhecidas pelo MEC/AMB. Foi bastante comentada a possibilidade de cobrarmos preços elevados para a participação de colegas não especialistas em nossos eventos. E, de novo, lembro que temos a obrigação profissional e ética de disseminar o conhecimento científico entre nossos pares. A solução passaria por um aumento no número de vagas em nossas residências para suprir a demanda de médicos interessados em nossa especialidade, e assim captar esses profissionais para desenvolver um trabalho sério e científico, trazendo-os para a nossa instituição. Aumentaríamos assim o número de participantes em nossos eventos e o público leitor dos Anais. Atrairíamos mais parceiros e anunciantes e aumentaríamos o faturamento da SBD. Não seria essa a solução empresarial que o mercado nos impõe, sem abrirmos mão dos valores maiores que norteiam nossa entidade? O debate promete! Grande abraço. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



5


65o Congresso Brasileiro de Dermatologia da SBD realizado com êxito no Rio de Janeiro

Último evento foi retrato fiel do crescimento da especialidade e cumpre meta de ser importante meio de atualização profissional e científica

O

s Arcos da Lapa e o calçadão da Praia de Copacabana foram levados para dentro do RioCentro durante o 65o Congresso de Dermatologia da SBD. Por traduzirem com perfeição o que a Cidade Maravilhosa tem de melhor, essas paisagens foram cenografia ideal para receber, pela décima vez em sua história, o maior evento nacional sobre pele, cabelos e unhas. O encontro ocorreu de 4 a 7 de setembro e reuniu 4.750 médicos. Nesse período, houve intensa programação científica e social, com a apresentação de mais de 150 atividades, entre simpósios, sessões especiais, cursos teóricos, painel de procedimentos com paciente e em vídeo, e tira-dúvidas com os departamentos, por exemplo. Cerca de oito mil pessoas circularam pelo evento que também contou com exposição de 56 empresas da indústria médica e farmacêutica, e 34 laboratórios, além de 1.278 trabalhadores diretos (equipe de apoio). Esses números refletem bem a realidade e mostram a força do encontro da Sociedade Brasileira de Dermatologia que a cada ano fica melhor. "O Congresso da SBD manteve seu padrão de

6  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5


Membros das comissões científica e diretora são homenageados por Luna Azulay

qualidade científico. A oportunidade foi excelente para a troca de ideias e também para a atualização profissional. Nossos dermatologistas estiveram, com muita envergadura, à frente de painéis de discussão, simpósios, encontros e fóruns de debate, apresentando casos clínicos, respondendo aos questionamentos e interagindo com os participantes sobre as principais novidades das áreas cosmiátrica, clínica e cirúrgica", disse Luna Azulay, presidente do 65o Congresso. O coordenador da comissão científica, Márcio Rutowitsch, destacou a competência das diversas equipes que trabalharam em sintonia na realização do evento. "Não há palavras para explicar o quão satisfatório e gratificante foi trabalhar ao lado desse timaço. Tivemos liberdade e integração correta e absoluta. De uma edição para outra, a programação costuma sofrer mudanças, mas a qualidade é sempre muito boa, refletindo a alta qualidade da dermatologia brasileira", ressaltou. Cursos teóricos gratuitos para o associado, painéis de procedimentos em vídeo e com paciente, temas em foco e simpósios entraram na programação dos primeiros dias (sábado e domingo). Peelings, rejuvenescimento cutâneo, correção de cicatrizes, oncologia cutânea, dermatologia geriátrica, DST-Aids, preenchimento cutâneo e antibióticos/antivirais/antimicóticos foram os cursos de destaque, ministrados por grandes especialistas nacionais. Na segunda e na terça-feira, o público assistiu a palestras sobre fotoproteção, unhas, pérolas cirúrgicas, dermatoses psicossomáticas, alergia dermatológica, dermatoses ocupacionais e outras. Houve ainda três reuniões de sociedades irmãs: Radla, Cilad e International Society of Dermatology; a Sessão Especial Você Decide o Tema, em que associados pré-inscritos puderam escolher que temas seriam abordados; e a Reunião de Dermatopatologia, um dos destaques, e que reuniu mais de 400 inscritos.“Esse encontro, especificamente, deixou como legado para os Serviços Credenciados um

fantástico material. Considero que a verdadeira missão do Congresso Brasileiro é deixar algo de efetivo para todos, não simplesmente acontecer”, salientou Luna, lembrando a importante participação de estandes institucionais de ONGs cariocas, como Papel Pinel, Casa de Arte da Rocinha, Cilad, entre outros. No encerramento, a alegria e o reconhecimento eram gerais. “A comissão organizadora agradece a todos os participantes pela presença e pela confiança depositada em nosso trabalho. Graças ao apoio e ao incentivo recebidos dos colegas, desde o primeiro momento, conseguimos reunir energias para alcançar o objetivo deste encontro, cujo ponto central é a valorização do dermatologista de nosso país”, encerrou Márcio.

A programação social incluiu dois shows eletrizantes: na cerimônia de abertura, no sábado à noite, o AfroReggae animou os dermatologistas que estavam no RioCentro; e na segundafeira, dia 6, o cantor Lulu Santos fez empolgante apresentação, com sequência de grandes sucessos que levantou o público no Armazém do Cais. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



7


Reunião do Conselho Deliberativo Antecedida pelo Congresso Brasileiro, a reunião do Conselho Deliberativo manteve a organização verificada no ano passado, com o sistema de votação eletrônica e com formato de arrumação da sala de reunião que disponibilizou a marcação de lugares para os conselheiros de acordo com estado e em ordem alfabética. Os conselheiros presentes aprovaram todos os relatórios apresentados pelas comissões e pela diretoria, bem como os regimentos. Também se determinou a manutenção dos membros do corpo editorial dos Anais Brasileiros de Dermatologia, formado pela editora científica Izelda Costa e os editores científicos Vitor Manoel Silva dos Reis e Renan Bonamigo. O grupo que coordena a seleção para a obtenção do Título de Especialista cogita a hipótese de que São Paulo seja a sede do Exame em 2011. Foram eleitos novos membros das seguintes comissões: Científica, Jayme de Oliveira Filho (SP); Ensino, Joel Lastória (SP), Bernardo Gontijo (MG) e Sérgio Hirata (SP); Ética e Defesa Profissional, Eliandre Palermo (SP); de Título de Especialista, Lauro Lopes Filho (PI) e Flávia Bittencourt (MG).

Até o fechamento desta edição, cerca 479 médicos entre especialistas e não especialistas se haviam inscrito para o Congresso de 2011, em Florianópolis, de 3 a 6 de setembro. O presidente do 66o Congresso da SBD, Roberto Moreira Amorim, disse que não serão medidos esforços para manter a qualidade que caracteriza os congressos da SBD. "A comissão organizadora fará o possível e o impossível tanto na parte científica quanto na parte social para que o evento seja inesquecível." Acesse o site oficial do evento – www.sbd.org.br/floripa2011 – para detalhes e inscrições.

Posse da nova diretoria Em seu discurso de posse durante a Assembleia Geral a presidente eleita da SBD para o biênio 2011-2012, Bogdana Victória Kadunc, afirmou que para deixar a entidade ainda mais ágil e moderna ela deve atuar em várias frentes a partir do ano que vem, quando assumirá o cargo. Um dos pontos fundamentais de seu mandato será a tentativa de elaboração de projetos de sustentabilidade e de um programa de ações para os departamentos. "Vamos ainda ampliar a EMC-D e a participação dos associados, buscar a integração com as comissões, regionais e serviços credenciados, otimizar e fortalecer nosso perfil científico por meio da reestruturação dos departamentos e realizar campanhas públicas de esclarecimento." Para o ano do centenário (2012), está nos planos a circulação de selo comemorativo, a elaboração de livro histórico e exposição itinerante com as fotos que o ilustrarão. Cumprindo a parte protocolar da posse o presidente da SBD, Omar Lupi, agradeceu e cumprimentou a dedicação de cada membro de sua gestão atual e de funcionários da entidade, peças fundamentais para que todas as ações programadas dessem certo. Lupi citou algumas de suas referências de épocas passadas, como Alice Alchorne e Clarisse Zaitz, com quem trabalhou em 2007-2008 e 1997-1998, respectivamente, além de projetos bem-sucedidos que saíram do papel entre 2009 e 2010. “Estendo meus agradecimentos pelo apoio e pela confiança aos mais de seis mil associados da SBD que, ao me elegerem, deram voz a uma nova geração de dermatologistas, mais jovens e empenhados em fazer o melhor por nossa Sociedade. Posso dizer que o norte da minha gestão foi representar bem a SBD, e os resultados corresponderam ao esforço de cada um que me acompanhou ao longo dessa trajetória,” conclui.

8  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

Omar Lupi passa a bandeira da SBD para a presidente eleita, Bogdana Kadunc

A nova diretoria é composta por Eliandre Palermo (primeira secretária), Carlos Barcaui (tesoureiro), Sarita Martins (vice-presidente), Bogdana Victória Kadunc (presidente), Leandra D'orsi Metsavaht (secretária-geral) e Luciana Rabello de Oliveira (segunda secretária).


Premiação ao Prof. Azulay Durante

a cerimônia de abertura do 65o Congresso Brasileiro da SBD, o dermatologista Gerson Penna, atual titular da Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde (SVS), surpreendeu todos ao oferecer uma placa, em nome do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, ao patrono do evento, Prof. Rubem David Azulay. A homenagem simboliza o reconhecimento dos serviços prestados à saúde pública, particularmente na assistência médica, no ensino e na formação de profissionais de saúde e na pesquisa da dermatologia em nosso país. Gerson Penna complementou a surpresa anunciando que foi conferida ao Prof. Azulay a Ordem do Mérito Médico, a mais alta condecoração que um médico pode receber em nosso país. O documento foi assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Orgulho nacional: Ao lado da esposa Esther Azulay, Prof. Dr. Rubem David Azulay exibe documento de mérito, a mais alta honraria reservada a quem apresente reconhecido nível de contribuição em saúde pública

Ilustres homenageados

Omar Lupi entrega placa comemorativa ao presidente de honra, René Garrido Neves

Coube a presidente eleita, Bogdana Victória Kadunc, homenagear a dermatologista Neide Kalil Gaspar

A dermatologista Gabriela Lovy recebe homenagem de Márcia-Ramos-e-Silva Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



9


Um dos mais procurados Quase cinco mil dermatologistas passaram pelo estande da SBD para tirar dúvidas e conhecer melhor o funcionamento da entidade. Muitos aproveitaram a ocasião para criar seus sites pessoais com o apoio de equipes dos departamentos de Mídias Eletrônicas e de Comunicação da SBD. Cerca de 200 associados aderiram ao projeto Site para o Sócio que conta hoje com 400 participações desde sua criação, em julho deste ano. “Explicamos ao médico como o site funciona, e orientamos para que ele crie sua própria página e, de casa, gere seu conteúdo”, esclareceu o responsável pela web, Samuel Peixoto, acrescentando que a construção da página é simples, rápida e contribui para o marketing profissional a custo zero.A SBD disponibiliza um serviço de atendimento eletrônico para ajudar os médicos que tiverem dificuldades para construir sua página pessoal. O telefone é (21) 2223-7797, e o horário de atendimento é de segunda a sexta, das 9h às 17h.

Congresso Brasileiro também prioriza ações comunitárias de atendimento

E

m parceria com o governo municipal foram desenvolvidas ações de educação em saúde e atendimento para diagnóstico de doenças de pele nas comunidades do Rio das Pedras e Cidade de Deus, no Rio de Janeiro. Quase 800 pessoas foram atendidas por professores e residentes de dermatologia dos Serviços Credenciados da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal Fluminense (UFF), Instituto de Dermatologia do Prof. Rubem David Azulay-Santa Casa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Policlínica Geral do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio) e do Serviço de Dermatologia Tropical do Hospital Central do Exército, nos dias 27 e 28 de agosto.

10  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

"O Posto de Saúde Luiz Gonzaga, em Rio das Pedras, e o Centro Municipal de Saúde Hamilton Land, na Cidade de Deus, receberam com antecedência panfletos da SBD sobre as dermatoses prevalentes, para distribuição divulgando da campanha. Isso contribuiu para que as pessoas se interessassem em buscar as consultas", ressalta um dos membros da Comissão Social e de Responsabilidade Social, Maria Leide Wand Del Rey de Oliveira. Eczemas, especialmente o atópico e o seborreico, e micoses superficiais foram as principais doenças diagnosticadas. Durante todo o mês de agosto, a SBD promoveu campanhas publicitárias em favor da valorização do dermatologista em locais de grande público, como metrô, ônibus, trem, rádio, busdoor e cinemas.


Manutenção da ética médica

A

edição deste ano do Congresso Brasileiro da SBD reservou espaço para a realização de duas palestras cujo tema suscita conflitos na área médica: a ética. Coordenada por Márcio Rutowitsch, a primeira reunião teve como conferencista o corregedor do CFM e membro da Comissão Nacional responsável pela revisão do Código de Ética Médica, José Fernando Vinagre, que abordou os limites da publicidade médica para o profissional de medicina. O segundo encontro, coordenado pelos membros da Comissão de Ética e Defesa Profissional da SBD, Vicente Pacheco de Oliveira e José Ramon Varela Blanco, destacou as dificuldades impostas aos médicos pelo exercício profissional, no campo da saúde pública e no sistema de saúde suplementar.

esclarecimentos à população. O CRM irá corrigi-lo de acordo com o novo código”, alertou. De acordo com o corregedor do CFM, pelo Código, é vedado ao profissional tratar informações sobre tema médico de modo sensacionalista, divulgar tratamento que não tenha sido cientificamente reconhecido, realizar consulta por meio de veículo de comunicação de massa, anunciar títulos científicos que não possa comprovar, participar de anúncios de empresas comerciais valendo-se da profissão, apresentar como originais descobertas que não o sejam e deixar de incluir em anúncios profissionais seu número de inscrição no CRM.

Simpósio – A quantidade considerável de médicos não associados à SBD inscritos no Congresso, Conferência – Em vigor desde cerca de 1.000, foi motivo de preo13 de abril, o novo Código de Ética cupação perante o público que Médica prevê que a medicina não assistiu à palestra sobre defesa propode ser exercida como comércio. fissional. “Essa prática existe, e nós Os anúncios médicos, portanto, aceitamos, pois não podemos proidevem apenas tornar públicos os bir o médico de se aperfeiçoar. No serviços prestados por profissional entanto, não vemos essa situação ou empresa – práticas agressivas de “É importante que os médicos atentem com bons olhos. Não temos como propaganda, comuns no comércio de impedir isso a não ser aplicando para os medicamentos e procedimenbens e na prestação de determinavalores de inscrições mais altas. Uma dos serviços, são incompatíveis com tos reconhecidos a fim de não causar sociedade pode fazer um congresso a ética da profissão. Vinagre iniciou para seus sócios, mas há um entendisua apresentação afirmando que prejuízo à comunidade.” mento jurídico de que profissionais muitas vezes o médico brasileiro de outra especialidade também posinfringe essas normas por pura falta de informação. “É sam ampliar seus conhecimentos”, explicou Ramon Varela importante que os médicos atentem para os medicamenBlanco, da Comissão de Ética da SBD. tos e procedimentos reconhecidos a fim de não causar preSegundo o presidente da Comissão Científica do 66o juízo à comunidade.” Congresso da SBD e coordenador da Comissão de Ética Ele explicou que a Resolução CFM 1.701/03 determina e Defesa Profissional da SBD,Vicente Pacheco de Oliveira, que cada conselho regional de medicina mantenha uma será estudada uma forma para tentar limitar essas inscriComissão Permanente de Divulgação de Assuntos Médicos ções no Congresso de Florianópolis em 2011. (Codame), constituída por três membros, no mínimo. Entre Participaram do debate Florisval Meinão, da Associação outras atividades, a comissão é responsável por convocar Médica Brasileira, e Carlindo de Souza Machado e Silva médicos para esclarecimentos e determinar a suspensão de Filho, do Cremerj. anúncios.“Qualquer médico brasileiro pode remeter para a Codame do CRM seu folder de propaganda que preste

Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



11


Livro oficial da SBD lançado durante o Congresso tem edição esgotada em dois dias

Os editores Josemir Belo, Omar Lupi e Paulo Cunha durante lançamento do livro e sessão de autógrafos

O

livro oficial da SBD sobre condutas e tratamentos rotineiros das principais doenças dermatológicas foi lançado no estande da Sociedade, no dia 5 de setembro, durante o Congresso Brasileiro. Participaram da elaboração de Rotinas de diagnóstico e tratamento da Sociedade Brasileira de Dermatologia renomados especialistas do país, escolhidos em função de seu conhecimento sobre cada assunto abordado. A obra, que engloba vasto conteúdo distribuído em 81 capítulos, tem abordagem ampla e contempla as três principais vertentes da especialidade: clínica, cirúrgica e cosmiátrica.“Este é um livro inédito para ser usado no dia a dia de atendimento. É o tipo de publicação indispensável para os dermatologistas brasileiros continuarem evoluindo”, disse o presidente da SBD, Omar Lupi, um dos editores, juntamente com Paulo Cunha e Josemir Belo. A tiragem colocada à venda, cerca de 900 exemplares, esgotou em dois dias. Segundo Sílvio Araújo, diretor da AC Farmacêutica, 200 médicos fizeram encomenda durante o evento.“A procura tem superado nossas expectativas, e até meados de outubro contabilizamos 1.532 exemplares vendidos. Por conta da alta procura estamos preparando reimpressão”, comenta.

12  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

Dermatologistas de todo o país têm procurado a obra chancelada pela SBD. “Um dos motivos que me influenciaram a adquirir o livro foi a forma com que ele foi produzido, ao unificar ideias de maneira didática e profissional”, salienta Miriam Belao, de São José dos Campos. Para ela, a atual administração da SBD tem inovado continuamente e contribuído para que o profissional tenha orgulho de pertencer à instituição: “Espero que a próxima diretoria dê prosseguimento ao trabalho desenvolvido pelos membros atuais, acrescentando tanto quanto essa”, completa. Com residência médica em dermatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Margaritha Cobuci, que atende no Hospital Militar de Bagé (RS) há quatro anos, considera a leitura de Rotinas uma maneira proveitosa de atualização, especialmente para quem reside distante dos grandes centros. “Uniformizar a terapêutica é extremamente importante, e o livro traz informações práticas de profissionais gabaritados da SBD sobre as formas de tratamento que estão sendo utilizadas atualmente. Além disso, é ótima forma de atualização para quem não pode acompanhar muitos eventos.” O residente do 3o ano do Hospital das Clínicas de Vitória Ricardo Tiussi afirma que, além da praticidade e concisão,


Outros livros da área dermatológica

O

Além dos editores e dos colaboradores, muitos residentes passaram no estande da SBD para receber dedicatória personalizada

Dermatologia - Jean Bolognia agradeceu o trabalho primoroso desenvolvido por Célia Kalil, coordenadora da revisão científica da tradução da segunda edição de Dermatologia (editado por Jean Bolognia e colaboradores), e pelos mais de 50 especialistas da SBD e residentes do Serviço de Dermatologia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre envolvidos no projeto.

o bom preço atraiu. Já a médica Luciene Belarmino Cavalcante, da Paraíba, destacou a qualidade dos editores e colaboradores. “Sem dúvida: uma equipe competente com autores conceituados.” As regionais, os serviços credenciados e os colaboradores receberam a versão impressa da obra. No entanto, para que todos os associados tivessem acesso ao conteúdo do livro, a SBD disponibilizou a versão eletrônica, que pode ser baixada pelo site da editora até o dia 31 de dezembro. Até o fechamento desta edição foram registrados 809 acessos. Diante do estrondoso sucesso, Paulo Cunha propôs em reunião de diretoria a tradução da obra para o inglês e para o espanhol. “A concretização da tradução representaria o avanço e o ineditismo, marcas da atuação gestão”.

Congresso também foi palco de lançamento de outros livros da especialidade, como a segunda edição do Atlas de dermatoscopia – aplicação clínica e correlação histopatológica (Dilivros), de Carlos Marcelo Martins Ferreira, Carlos Barcauí e Juan Piñeiro-Maceira. A obra traz um capítulo inédito no Brasil sobre a dermatoscopia aplicada à tricologia, escrito pelo grupo do ambulatório de alopecias do Instituto de Dermatologia Prof. Rubem David Azulay. Editado por Walter Belda Jr., Nilton Di Chiacchio e Paulo Ricardo Criado, o Tratado de dermatologia abrange, em seus 123 capítulos divididos em 16 partes, temas como fundamentos da dermatologia, diversas afecções, cirurgia dermatológica e procedimentos terapêuticos ou corretivos da pele, terapêutica dermatológica, entre outros assuntos. São dois volumes que vêm acompanhados de CD-ROM com uma gama de imagens, sendo grande parte delas cedida pelos Serviços Credenciados da SBD. Os dermatologistas Omar Lupi, Ivan Semenovitch e Fabrício Lamy lançaram Infecções por herpesvírus. O livro sedimenta 18 anos da linha de pesquisa e foi produzido pelos maiores especialistas nacionais de cada área. É composto de 18 capítulos, como o de infecção herpética ocular, escrito pelo presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Mario Motta, e o oral, escrito pelo presidente da Associação Brasileira de Cirurgiões Dentistas, Luciano Artioli Moreira. A edição revisada e atualizada de Fundamentos de dermatologia, das médicas Márcia Ramos-e-Silva e Maria Cristina Ribeiro de Castro também foi lançada. Publicado pela Editora Atheneu, o livro recebeu o Prêmio Jabuti, maior premiação literária do país, na categoria Ciências Naturais e Ciências da Saúde, em 2009.A nova edição tem mais de 2.300 páginas divididas em dois volumes e ainda conta com um DVD-ROM com todas as imagens reproduzidas no livro. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



13


Como a Internet mudou a área editorial

D

ois americanos de reconhecida competência científica e responsáveis por grandes publicações na área de dermatologia abrilhantaram o simpósio Anais Brasileiros de Dermatologia e Surgical & Cosmetic Dermatology coordenado pelas editoras Izelda Costa e Bogdana Victória Kadunc, respectivamente. Durante mais de 40 minutos, Bruce H.Thiers, editor-chefe do Journal of the American Academy of Dermatology (JAAD) desde 2008, e Lawrence E. Gibson, editor do International Journal of Dermatology (ISD) há cinco anos, compartilharam suas experiências no comando desses renomados periódicos e falaram da relação estreita com a web, que, a cada dia, tem obrigado o jornal impresso a se reinventar. Entusiasta da era da Internet, Bruce Thiers exaltou, com justiça, a facilidade com que sua equipe, hoje, edita o jornal. “Definitivamente, a Internet mudou a área editorial.Todo o trabalho, por exemplo, é feito eletronicamente. No caso do JAAD, os revisores ficam em Massachusetts; eu, na Carolina do Sul; e outra parte da equipe está distribuída pelos Estados Unidos”, assinalou. Seu temor, no entanto, é em relação ao declínio da mídia impressa americana, setor que mais tem sofrido com as mudanças que vêm ocorrendo dentro da mídia. Segundo Thiers, isso está acontecendo porque a Internet tem tomado os anúncios antes destinados aos jornais. Resultado: muitos deles acabaram migrando para a web, cuja receita publicitária é maior. Sobre a migração dos leitores de jornais médicos impressos para a mídia digital, o editor do JAAD disse que nem todos estão preparados para a mudança. Contudo, em sua opinião, há a tendência de que profissionais mais velhos leiam jornais de papel e os mais novos optem pelos jornais online. “Em relação ao JAAD, acredito que haverá um deslocamento natural. Em breve, nosso conteúdo integral estará disponível apenas no formato online. O ponto positivo é que os leitores vão passar a imprimir apenas os artigos mais interessantes. Essa medida também contribui para a preservação do meio ambiente, uma vez que reduz o uso do papel.” Considerando esse público mais jovem, o editor do ISD, Lawrence E. Gibson, revelou a criação de um suplemento sobre dermatologia tro-

14  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

pical que só pode ser lido no formato online:“Ter artigos disponíveis na Internet faz com que o número de leitores aumente. Ainda em 2010, pretendemos publicar uma série de textos na área de dermatologia tropical e comunitária para apresentar no Congresso Americano de 2011.” Outro fator que mostra como a Internet mudou a área editorial, segundo Thiers, é a possibilidade de qualquer pessoa poder publicar: “Há muitos pontos positivos e negativos na publicação online. A grande vantagem é disseminar a revisão de pares. Qualquer revista pode ser lançada online, mesmo que muitas vezes ela não tenha corpo editorial.” Ele chamou a atenção para o problema do plágio, dando um alerta aos editores:“Temos de ser policiais todo o tempo. A fácil disponibilidade de tantos dados médicos na web torna o plágio algo comum. Na dúvida, sugiro selecionar um trecho do artigo e checar no Google.” Outro problema é a autoria fraudulenta de fotos. “Para combatê-lo, temos um software que examina a imagem quando suspeitamos de alguma alteração”, informou. Thiers complementou ainda que o tempo médio de um editor-chefe no cargo, em jornais americanos e europeus, é de cinco anos, recebendo remuneração para executar o trabalho. Gibson comentou ainda que, até 2011, espera receber 1.700 artigos. Mais de 70 países – entre eles, Índia, Coreia, Japão, Iraque, Cuba – enviam seus trabalhos para o ISD. “Estamos tentando ser globais em nossas ações, e a América Latina é uma grande área de interesse. É amplamente conhecida a contribuição de especialistas brasileiros para o desenvolvimento da dermatologia. Não somos um jornal americano ou europeu, somos mundiais e queremos ter boa representação em todo o mundo”, analisou Gibson, que trabalha com uma equipe composta de 61 membros de 30 países diferentes.


Só com muito esforço Palmas

das mãos umedecidas. Palpitações. A impressão de que o momento tão esperado estava próximo. Foi assim que o dermatologista carioca Joel Nunes Barbosa se sentiu quando soube que havia passado no TED Especial 2010. Aos 68 anos de idade, ele se submeteu várias vezes à prova para obtenção do Título de Especialista até alcançar o triunfo. Guiaram-no, após tantas tentativas, a força de vontade, a esperança, a perseverança e a fé em si mesmo. Joel recebeu a aprovação como recompensa da dedicação integral aos estudos. “Nunca pensei em desistir. Sempre fui uma pessoa disciplinada, consciente do que eu queria para minha satisfação pessoal. Tive a coragem de continuar estudando, apesar dos mais variados percalços pelos quais tive de passar. Mas não esmoreci, ao contrário, encarei a batalha de frente. Acredito que todos podem conseguir chegar lá, desde que haja interesse para se conquistar o que se está objetivando”, comenta. Formado em 1973 pela Escola de Medicina e Cirurgia do Estado do Rio de Janeiro, hoje, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio), foi monitor em dermatologia do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, no mesmo ano. Lá conviveu com grandes mestres da especialidade, como Antar Padilha-Gonçalves, Gabriela Lowy, Marcius Achiamé Peryassú, Aldi Barbosa Lima e Danilo Filgueiras. Desde 1995 atua no Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário de Brasília (HUB) como médico colaborador, ao lado da equipe comandada por Raimunda Nonata Ribeiro Sampaio. Casado, é pai de três filhos, todos advogados, e tenente-coronel da reserva do Ministério do Exército aposentado pelo Ministério da Saúde. Atualmente a SBD contabiliza 1.088 médicos contribuintes que não têm o título de especialista. Este ano, 113 médicos realizaram o exame, e 65 foram aprovados, entre eles, Joel. Não existem receitas para passar na prova, mas, sim, a grande disposição, a insistência obstinada e a valentia diária, qualidades mostradas pelo especialista em dermatologia qualificado na prova pela SBD. "Para alcançar os nossos ideais, sejam lá quais forem, temos de batalhar no que estamos buscando", aconselha Joel, ressaltando a importância que teve o Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário de Brasília (HUB) em sua caminhada rumo ao Título. “Tudo vem em seu tempo. Que o exemplo de Joel, sirva para todos”, comenta Jackson Machado, presidente da Comissão de Título de Especialista da SBD.

Bolsa AAD 2011 A

s dermatologistas Carla Viotti, de Minas Gerais, e Clarissa Diógenes, do Ceará, receberam duas grandes notícias este ano: ambas foram aprovadas no Exame de Título de Especialista em Dermatologia (TED) e ganharam bolsas e inscrições para o Meeting da Academia Americana de Dermatologia 2011, que será realizado em fevereiro, em Nova Orleans, Estados Unidos. Carla é formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com residência médica em dermatologia pelo Hospital das Clínicas da UFMG e tem trabalhos publicados em anais de congressos, incluídos os internacionais. Este ano, expôs no Congresso Americano de Dermatite de Contato e na Radla, e, com uma ex-preceptora, Maria Antonieta Rios Scherrer, enviou trabalho “As leituras de testes epicutâneos podem ser influenciadas pela cor da pele?” para os Anais Brasileiros de Dermatologia, ainda sem confirmação de aprovação. Estreante no TED, ela considerou alto o nível do exame e ressaltou a organização da comissão, “tendo em vista que todos os candidatos do Brasil realizaram a prova aqui, em BH”. Oncologia cutânea e colagenoses são suas áreas de interesse. Ao receber a notícia, Clarissa não escondeu sua satisfação pelo fato de poder voltar ao exterior. Em 2004, época em que cursava medicina, teve curta passagem pela Alemanha para um estágio no Serviço de Hepatologia da Universidade de Freiburg. "Fiquei surpresa e feliz com o convite para participar do Congresso da Academia Americana, o que farei pela primeira vez. Acho a iniciativa da SBD motivadora para a busca de novos conhecimentos e deve ser mantida", salienta a dermatologista formada pela Universidade Federal do Ceará (UFC) em 2006 com residência no Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Walter Cantídio da UFC. A cearense tem trabalhos publicados sobre ciclofosfamida e tumor hepático, e é coautora de livro sobre rinite alérgica.

Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



15


Faltam poucos dias para o

A

Evento da SBD quer ser modelo do desenvolvimento da dermatologia brasileira

um mês da realização do Summer Meeting of Dermatology Brazil 2010 a equipe organizadora já contabiliza cerca de 500 inscritos. Essas pessoas terão a oportunidade de ver aulas atuais e interagir com dermatologistas consagrados de todas as partes do globo, nos dias 9 e 11 de dezembro, em Salvador. "Temos trabalhado com intenção de fazer o melhor. Para isso, trouxemos profissionais nacionais e estrangeiros de grande experiência na dermatologia e que contribuirão para o aperfeiçoamento de todos. O importante é discutirmos juntos os mais recentes desenvolvimentos dentro de nossa especialidade considerando seu rápido crescimento”, frisa o presidente do Summer Meeting, Paulo Cunha, lembrando que o evento conta 10 pontos para a Educação Médica Continuada. A programação científica englobará os mais variados espectros das doenças dermatológicas: a oncologia, a inflamação, a infecção e a cosmetologia com a apresentação de consagrados professores do Brasil e do exterior. Haverá cinco conferências ("Carcinoma basocelular: novas fronteiras"; "Cutaneos markers of internal malignancy"; "Pênfigo foliáceo endêmico – um enigma ainda a ser desvendado"; "Clinical forms of erythroderma" e "Dermatology: 'Quo vadis'"), cinco

fóruns, sendo dois sobre terapêutica, um de laser e luzes terapia, um de dermatologia tropical e sanitária e uma sessão interativa anatomoclínica; três simpósios ("Cirurgia dermatológica", "Cosmiatria" e "Melanoma") e uma sessão especial para intercâmbio de conhecimentos, além de apresentação e de premiação dos dois melhores trabalhos de cada categoria (minicaso, minicomunicação e investigação científica). Também serão realizados dois simpósios-satélites. Para Lauro Lourival Lopes Filho, do Piauí, com o Summer Meeting portas serão abertas para que outros eventos desse tipo ocorram no país: "Com o 1st Summer Meeting of Dermatology, a SBD inova mais uma vez em termos de eventos. Por sermos a segunda maior sociedade de dermatologistas do mundo, é essencial que esse mundo nos veja e que verifique o nível de excelência da dermatologia praticada no Brasil, tanto em seus aspectos clínicos quanto nos cirúrgicos e nos cosmiátricos. Além disso, é uma forma de estimular especialistas de outros países a participar de nossos eventos", ressalta. Ana Maria Meski, de São Paulo, acredita que a internacionalização é um importante meio para que a Sociedade se modernize, cresça, se fortaleça cientificamente. "A dermatologia brasileira está entre as melhores do mundo; é necessária esta aproximação com sociedades estrangeiras para que nosso trabalho seja cada vez mais divulgado", afirma ela que ministrará a aula "Toxina botulínica – experiência brasileira”. A presidente da Sociedade Europeia de Dermatologia Estética e Cosmética, Hana Martina Zelenkovà, ressalta que o alto nível da medicina brasileira é conhecido internacionalmente, na literatura como em apresentações em congressos. Em sua opinião, o Summer Meeting of Dermatology Brazil 2010 será, principalmente, um espaço para conhecer as personalidades mais destacadas da dermatologia brasileira e de todo o mundo.“Estou ansiosa para rever não só meus antigos amigos, como também para encontrar muitos jovens doutores cujo trabalho em nosso belo e criativo ramo se tornou, assim como no meu caso, um sonho e uma fonte de realização profissional. Essa será minha quarta passagem pelo Brasil, e cada visita que faço a esse belo país me traz ricas experiências pessoais e profissionais. Acredito que esse congresso não será exceção.” O evento conta com o apoio da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia.

Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



17


Cuiabá

Tour de Prevenção já está na estrada Caminhão itinerante inicia incursão pelo Brasil. Este ano habitantes de cidades do interior também serão contemplados com atendimento gratuito de setembro a dezembro

A

SBD deu a largada para o 2o Tour de Prevenção em setembro, durante o Congresso Brasileiro de Dermatologia, no Rio de Janeiro, rumo a dez cidades brasileiras. Este ano, além do litoral, o caminhão itinerante equipado com dois consultórios vai passar por cidades do interior do Brasil, perfazendo dez mil quilômetros. A ação, que acontece até dezembro, faz parte da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele (CNPCP) e conta com o apoio da La Roche-Posay e da Associação Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (Sobende) pelo segundo ano consecutivo. Desde 2009, quando o projeto teve início, o Tour percorreu 15 mil quilômetros e visitou 13 cidades litorâneas, orientando quase três mil pessoas sobre os cuidados com relação à exposição solar. Até o momento, mais de mil pacientes foram examinadas em seis cidades: São Paulo (11 e 12/09), Belo Horizonte (18 e 19/09), Cuiabá (25 e 26/09), Porto Alegre (16 e 17/10), Rio de Janeiro (26/10) e Florianópolis (30/10). O maior número de beneficiados saiu da capital paulista, onde começaram os atendimentos. Ao todo, 275 pessoas foram examinadas por dermatologistas e enfermeiros no Parque Ibirapuera. “No ano passado, a campanha foi ótima, mas não atraiu tantas pessoas por causa da chuva. Este ano foi ainda melhor, o clima favoreceu, e a participação de diversas formas de mídias também contribuiu para que as

18  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

São Paulo

pessoas se interessassem”, assinala o coordenador local, Luiz Roberto Terzian. Os 42 pacientes – cerca de 14% do total de pessoas atendidas – que apresentaram lesões suspeitas foram encaminhados para tratamento sem nenhum custo financeiro. A coordenadora nacional da campanha e uma das articuladoras do Tour de Prevenção, Selma Cernea, ressalta o valor da propagação e do desenvolvimento da cultura de prevenção em meio à população brasileira:“Campanhas como essas representam um passo importante para conscientizar a população sobre como proceder para evitar a doença”, considera. O consultório sobre rodas também passou por Belo Horizonte. Muita gente buscou orientações de especialistas no Parque Municipal, onde o caminhão fez sua segunda parada. Uma equipe de 30 dermatologistas da Santa Casa, do


Porto Alegre

Belo Horizonte

Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Hospital Militar, além de médicos sem vínculo com os serviços de dermatologia, buscou lesões suspeitas de câncer de pele.“Tenho a convicção de que a maioria das pessoas ficou satisfeita com o atendimento e, além da consulta, levou para casa e para os familiares informações importantes sobre prevenção e diagnóstico precoce da maior parte dos principais cânceres da pele”, assinala o dermatologista Daniel Gontijo, coordenador do Tour e da Campanha de Prevenção ao Câncer da Pele em Minas. O último fim de semana de setembro também foi movimentado em Cuiabá. O tempo colaborou, e centenas de pessoas passaram pelo Pantanal Shopping, terceiro local a receber o Tour. Nos dois dias de atividades na capital matogrossense, médicos e profissionais da área de saúde informaram como se proteger da exposição ao sol e quais são as principais recomendações para cuidar da saúde da pele. De Cuiabá, o caminhão-consultório seguiu viagem até Porto Alegre, onde ficou instalado por dois dias no estacionamento do Parque da Marinha do Brasil. Nesse período, mais de 200 moradores da capital responderam a um questionário, assistiram a vídeos educativos sobre os riscos da exposição indevida do sol e fizeram consultas dermatológicas gratuitas. Segundo o coordenador do Tour em Porto Alegre, Sérgio Dornelles, seis casos de carcinoma basocelular, um de carcinoma escamocelular e 31 de ceratoses actínicas foram diagnosticados. “O número foi o ideal para que pudéssemos fazer um atendimento adequado. Acredito que alcançamos nossos objetivos, especialmente pela ação conjunta com a assessoria de imprensa contratada pela SBDRS. Com isso, pudemos levar o assunto à população e realizar diagnósticos de neoplasias malignas e lesões com potencial neoplásico maligno”, afirma Dornelles. Participaram 20 médicos voluntários, sendo alguns delegados, residentes do ambulatório de Dermatologia Sanitária da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, além de todos os membros da diretoria da SBD-RS. O presidente da SBD, Omar Lupi, acompanhou as atividades em Belo Horizonte e em Porto Alegre e agradeceu a todos os envolvidos na realização do Tour. “O apoio das regionais

e dos serviços credenciados tem sido determinante para que os resultados alcançados em 2010 sejam ainda melhores. Gosto de frisar que esse é um trabalho essencialmente coletivo, feito em benefício da população, e que a SBD tem orgulho de realizar com êxito pelo segundo ano. Parabéns a todos.” A médica Cláudia Carvalho Alcântara Gomes coorde- Santa Catarina nou o atendimento em Ipanema, Rio de Janeiro, ao lado da dermatologista Paula Dadalti. Lá, a procura foi boa. Além delas, três residentes do Hospital Marcílio Dias e da Santa Casa de Misericórdia realizaram 64 exames.“Considero essa campanha extremamente funcional em termos de conscientização. Sua função educativa é ilimitada, e todos os que vieram aqui hoje aprenderam mais sobre como se prevenir e levarão seus ensinamentos para familiares e amigos”, enfatiza Cláudia Carvalho. Ela comentou que 90% das pessoas observadas relataram que não usam o filtro solar diariamente. “Infelizmente isso ainda faz parte da cultura do carioca, que costuma associar pele bronzeada à saúde”. As próximas cidades a receber o serviço itinerante serão Goiânia (13 e 14/11), Brasília (20 e 21/11), Rio de Janeiro (27 e 28/11) e Campinas (4 e 5/12).

Mobilização nacional em 27 de novembro A 12a edição da CNPCP ocorrerá no dia 27 de novembro deste ano em 168 postos de atendimento em todo o país.A previsão é de que 35 mil pacientes sejam beneficiados. “Esperamos poder contar novamente com a colaboração dos colegas dermatologistas que por meio do trabalho de atendimento voluntário realizado no dia da campanha demonstram a responsabilidade social que eles têm com a população de nosso país. Recentemente, tive a oportunidade de apresentar os resultados obtidos na última CNPCP em simpósio de Câncer de Pele realizado em Santiago do Chile, e foi gratificante a admiração despertada nos colegas dermatologistas chilenos e colombianos que expressaram interesse em repetir o modelo em seus respectivos países”, afirma Selma Cernea. Para consultar os locais de atendimento em sua cidade, ligue para 0800 70 13 187.

Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



19


Código de Defesa do Consumidor nos consultórios médicos

A

gora é obrigatório ter no consultório médico um Código de Defesa do Consumidor (CDC) disponível para consulta pelo paciente. É o que determina a Lei 12.291, aprovada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que entrou em vigor no dia 20 de julho. O projeto, de autoria do deputado Luiz Bittencourt (PMDB-GO), estava em trâmite no Congresso desde 2001. Segundo a norma, todos os estabelecimentos comerciais ou que prestem serviços, devem deixar à disposição do público, em local visível e de fácil acesso, um exemplar do CDC. Em caso de descumprimento, a penalidade é multa de até R$ 1.064,10, em caso de fiscalização. Foram vetados pelo presidente os artigos que previam suspensão temporária das atividades e a cassação de licença caso a lei não fosse obedecida. “O que se discute nessa relação é a reparação quando houver possível erro, cabendo o estabelecimento de culpa, num procedimento, ser provado pelo tomador do serviço.

É uma das situações que favorecem o médico, o advogado, o professor e outros, cuja atividade profissional os obriga como fornecedores de meios, e não de fins, salvo as exceções, na medicina, por exemplo, no campo da estética”, salienta José Ramon Blanco, da Comissão de Ética da SBD.

Painel do leitor Esta seção está aberta para receber opiniões, sugestões, elogios e críticas dos leitores do Jornal da SBD. Mande seu e-mail para cartas@sbd.org.br Gostaria de parabenizar a comissão técnica responsável pelo TED Especial e nosso presidente Dr. Omar Lupi e equipe, por tornar meu sonho uma realidade. Explico: nesses últimos dois anos, o sócio contribuinte foi mais notado pela SBD. Isso me motivou a estudar mais e fazer a prova de TED Especial. Espero, sinceramente, que a nossa Sociedade continue nesse ritmo de crescimento e de fortalecimento e que a qualificação do quadro social fique cada vez melhor.

substituição à autoclave, que são de muita valia para nós. Agradecemos esse incentivo da diretoria da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Md. Jonas Kosminsky Ex-sócio contribuinte, em migração para sócio titular.

Sou dermatologista de Fortaleza, estive no Congresso Brasileiro no Rio, onde adquiri o livro Rotinas da SBD (inclusive você o autografou), e tenho o prazer de parabenizá-lo pelo conteúdo excelente, prático e objetivo, além de ter sido escrito pelos maiores nomes brasileiros com vasta experiência em cada assunto abordado. Também gostaria de acrescentar que a sua gestão foi muito inovadora para a Sociedade. Gostei muito do Site para o Sócio mantido pela SBD. O meu ainda não está no ar, mas tenho certeza de que será muito proveitoso para mim e para os pacientes que o acessarem.

Nós, do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Vitória, Espírito Santo), ficamos muito contentes com a atitude da diretoria da SBD de enviar equipamentos aos Serviços Credenciados. Temos uma central de esterilização de material cirúrgico no hospital e somos impedidos de ter autoclaves nos serviços. Desta forma, não pude aceitar a doação do referido aparelho. Posteriormente, recebemos email da SBD para que escolhêssemos, entre quatro opções, aparelhos que pudessem ser utilizados em nosso serviço. Optamos pelo dermatoscópio e eletrocautério em

Lucia Martins Diniz Chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes. Caro Dr. Omar,

Ana Glória Pinto Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



21


SBD participa de nova expedição científica e assistencial na

Amazônia

D

esenvolvido pela SBD Nacional em 2006, o projeto Dermatologia Básica e Ambiental, destinado a atender comunidades ribeirinhas no interior da Amazônia, teve nova edição em 2010, com o apoio da atual diretoria por intermédio do presidente, Omar Lupi. Na primeira jornada do projeto foram assistidas 387 pessoas de seis comunidades do Alto Solimões, município de Coari. Já a segunda expedição científica, ocorrida entre 17 e 21 de agosto, contabilizou cerca de 200 atendimentos na mesma região, sendo possível reexaminar alguns dos pacientes de duas comunidades atendidas há quatro anos. Para chegar ao destino, uma equipe técnica composta de 23 profissionais de saúde – entre eles dois dermatologistas da SBD, Paulo Cunha e o residente do 3o ano da Faculdade de Medicina de Jundiaí,Tiago Zanelato, – percorreu aproxi-

22  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

Trabalho de laboratório em campo

madamente 300 quilômetros em 40 horas num barco de Manaus até o município de Coari, às margens do Rio Solimões. Os inconvenientes enfrentados pelos pesquisadores durante a jornada não foram poucos. Além da distância, do calor, da topografia, da dificuldade no transporte de


Atendimento à população ribeirinha do Amazonas

Segundo Paulo Cunha, a expedição enfrentou diversos obstáculos naturais durante cinco dias

equipamentos, da ausência de energia elétrica e de meios de comunicações e da miríade de mosquitos, havia ainda o risco do contágio de doenças típicas da região, como a dengue, a malária, a doença de Chagas, a leishmaniose, além da filariose. Nada, porém, que pudesse desanimar o grupo, que adotou medidas básicas de proteção. Adequadamente aparelhados e qualificados em pesquisa básica e clínica, os médicos se deslocaram até a população para tratar de doenças dermatológicas em geral e examinar lesões de pele específicas relacionadas com mansonelose – doença pertencente ao grupo das filarioses causada por um verme (espécie de filária), a Mansonella ozzardi, nematoide cujas microfilárias circulam no sangue periférico dos indivíduos infectados e é transmitida por inseto. “Ao desenvolver essas ações educativas na área de saúde, pretendemos minimizar o surgimento de doenças tropicais

Equipe de pesquisadores envolveu dermatologistas, oftalmologistas, infectologistas, biólogos e entomologistas

hoje negligenciadas, que afetam populações pobres e carentes de recursos”, declara Paulo Cunha, um dos idealizadores do projeto ao lado de Sinésio Talhari, do Instituto de Medicina Tropical de Manaus. Segundo Paulo Cunha, ao contrário de outros tipos de filarioses, ainda não é possível afirmar que aquelas lesões de pele estejam relacionadas especificamente com a mansonelose, apesar de ela apresentar alta prevalência na população ribeirinha da zona rural do município do Coari, atingindo cerca de 20% dos examinados. “Embora tenha sido relatada há décadas nas comunidades da Amazônia, ainda não há estudos suficientes, e são desconhecidas as manifestações clínicas, dermatológicas e até mesmo os insetos transmissores”, completa. A embarcação que transportou a equipe estava equipada com alojamentos, sanitários, refeitório e salas para exames e procedimentos médicos oftalmológicos detalhados, realizados por médicos especialistas, já que a mansonelose também pode afetar a visão. Além da SBD, a ação reuniu profissionais da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas, da Universidade Federal do Amazonas, da Universidade Federal de Minas Gerais, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), da Faculdade de Medicina de Jundiaí, que atualmente tem um grupo cooperativo de pesquisa denominado Mansonelose e Vetores, coordenado pelos professores Marilaine Martins e Jansen T. Medeiros. A primeira expedição contou com a participação dos dermatologistas Paulo Cunha e Oswaldo Delfini. Essa segunda jornada reuniu, além de Cunha, os professores Marilaine Martins, Jacob M. Cohen, Marcos Jacob Cohen, Maurício Borborema, Felipe A. C. Pessoa, Tiago Pina Zanelato, Rubens Belfort, Lucas M. M. Vianna, Gilberto Fontes e Jansen T. Medeiros. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



23


Portal da SBD registra aumento de visitas após reformulação de layout 40.340

Relatórios mostram que site teve aumento de 107% em visitas únicas, sendo acessado por 40.340 pessoas em um mês

A

pós a reestruturação ocorrida entre julho e setembro deste ano, o site da SBD apresentou um salto no número de acessos, registrando 40.340 visitantes únicos em um mês, crescimento de 107% na comparação com períodos anteriores à mudança estrutural, quando o número médio de visitantes mensais era 17.204. As estatísticas são do Google Analytics, ferramenta gratuita que faz monitoramento online de visitações de sites. Um dos fatores que aceleraram esse bom desempenho foi o direcionamento de conteúdo do site principal para informações ao público.“A compatibilização da estrutura técnica do site aos requisitos técnicos do mecanismo de busca do Google fez com que o site e seu conteúdo individualizado por temas fossem mais facilmente encontrados”, afirma Rinaldo Pavanello, especialista

em SEO (conjunto de técnicas que ajudam os sites a monitorar o índice de visitação). A redução da taxa de rejeição, a fidelização do internauta e o fato de o site da SBD estar sendo referenciado por outros são também indicadores que mostram o resultado positivo do trabalho. O coordenador do Departamento de Mídias Eletrônicas da SBD, Aldo Toschi, está satisfeito com a ascensão do site, que teve seu trabalho de reformulação iniciado há cerca de dois anos, culminando com o a entrada do novo site público como portal. “Nosso conteúdo era excepcional. As gestões que nos antecederam dotaram o site da SBD com matérias fantásticas e grande relevância para o médico e para a imprensa e para o público. Agora o internauta entra, encontra o que quer e interage com a Sociedade de modo Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



25


Novidades Tradução: o portal conta agora com tradução de seu conteúdo para os idiomas inglês e espanhol. O estrangeiro pode conhecer a entidade e filiar-se. Oportunidades profissionais: foi criado um espaço para que o médico e o residente tenham acesso a oportunidades no mercado, que vão desde vagas para emprego a treinamentos, estágios, cursos no exterior, compra de equipamento, etc.

mais rápido e simples. O acesso direto é algo muito importante, e o crescimento que tivemos foi absolutamente considerável. Hoje estamos sendo chamados por nosso nome, não somente pela busca do Google. A referência também cresceu, e além de sermos apontados pelo jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, como um dos melhores sites no segmento médico, passamos a receber inúmeras referências, como, por exemplo, no portal G1, da Globo. Isso comprova que, para o tema dermatologia, somos hoje fonte confiável na web", salienta.

Após um ano, um comparativo detalhado vai verificar números mais eloquentes de visitações. "O processo de crescimento na quantidade de acessos é resultado de um trabalho constante de análise das estatísticas, combinado com ajustes de conteúdo e de layout. O que direciona esses ajustes é a análise de interesse no conteúdo e a facilidade de acesso a eles. Uma vez que se encontrou uma identidade para o site, é importante também não fazer alterações drásticas na estrutura, e sim, acertos sutis com finalidade de harmonizar a facilidade de acesso ao conteúdo. Isso vale também para a adaptação do conteúdo em relação à linguagem do público que o acessa", afirma Pavanello. Entre 2007 e 2010, passaram pelo site da SBD 798.717 visitantes, sendo 339.453 entre janeiro de 2009 e agosto de 2010. O balanço também revelou que o total de visualizações de página no período de 25 de julho a 26 de setembro de 2010, quando o portal recebeu 80.680 visitas, foi de 393.704. Uma visualização de página é cada clique que o usuário dá dentro do site, não importando se repetindo página ou não. Além disso, 56,15% é a porcentagem de usuários que acessaram o site pela primeira vez, de acordo com as estatísticas do Google Analytics. O sistema de busca do médico membro da SBD e as informações sobre as doenças continuam sendo as áreas mais visitadas.


SBD defende aprovação de projeto de lei que visa proteger a saúde de trabalhadores expostos ao sol

A

SBD se mostra favorável à sanção do Projeto de Lei 552/09 da senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), que prevê a alteração na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para proteger a saúde de profissionais que trabalham a céu aberto expostos aos raios solares. A limitação na carga horária de trabalho, a introdução de intervalos para descanso e remuneração extra são alguns benefícios que terá o trabalhador caso o projeto seja aprovado. A proposta está pronta para ir à votação pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS). No relatório, a senadora argumenta que “não importa que a comunidade médica seja uníssona quanto ao fato de a exposição ao sol acarretar inúmeros prejuízos à saúde do trabalhador, incluindo a grande incidência de neoplasia maligna. Se não está na lei, não está no mundo”. No texto, Serys também buscou dados do Programa Nacional de Controle do Câncer de Pele (PNCCP) de 2002 para justificar a proteção

adicional aos profissionais que realizam atividades sob o sol. A SBD-RESP pronunciou-se publicamente sobre o assunto por intermédio de seu diretor de comunicação, Francisco Macedo Paschoal, em cuja opinião é necessária a criação de mecanismos que estimulem a adoção de medidas de fotoproteção pelos trabalhadores.“Esse projeto de lei é muito importante, por reconhecer os riscos à saúde dos profissionais expostos ao sol e promover a discussão sobre esse tema pela sociedade. Mas não é suficiente apenas a legislação garantir compensações aos trabalhadores. Também seria importante a obrigação da adoção de algumas medidas preventivas, como o uso de equipamentos de proteção individual, como roupas de mangas longas e chapéus, e aplicação de protetor solar com fator de proteção solar (FPS) mínimo de 30 a cada duas horas, quando da exposição aos raios solares”, explica. Paschoal acrescentou que medidas de fotoproteção adequadas são capazes de prevenir o surgimento do câncer da pele e favorecer seu controle, evitando gastos de saúde pública e reduzindo riscos de morte.

Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



27


Ética em Pauta Vicente Pacheco Oliveira Coordenador da Comissão de Ética e Defesa Profissional da SBD

Médicos e clínicas de estética D

esde os primeiros Códigos de Ética Médica que foram adotados no Brasil, evidenciou-se a preocupação em relação à mercantilização da medicina. Nesses instrumentos normatizadores, procurou-se enfatizar a necessidade de se evitar a transformação da essência de nossa profissão em mero objeto de lucros e negócios. Assim é que o Código de Ética Médica (Resolução CFM 1931/2009) em sua nova edição lançada no início de 2010, estabelece como um de seus princípios fundamentais: “a Medicina não pode, em nenhuma circunstância ou forma, ser exercida como comércio”. Certas condutas adotadas por alguns médicos têm provocado muita preocupação entre profissionais da classe, sobretudo para aqueles que se dedicam a orientar e divulgar a ética nas práticas médicas. Entre elas, a associação cada vez mais frequente entre profissionais médicos e clínicas de estética, salões de beleza e semelhantes.

Em assustadora proporção, nossos colegas se estão associando com profissionais não médicos que incluem consultórios em suas “clínicas”, passando o médico e sua atividade profissional a ser apenas um dos itens oferecidos aos clientes desses estabelecimentos. O fato de nosso país ocupar posição destacada na procura de tratamentos estéticos – bem como o vislumbrar de ganhos financeiros rápidos – tem estimulado a criação de inúmeros cursos de formação nesse ramo da medicina. Ramo em que muitos médicos, incluindo especialistas de outras áreas, buscam incrementar sua clientela. Todos sabemos das dificuldades que os jovens médicos encontram para se estabelecer profissionalmente: custos de aluguel de imóvel, taxas, salários, impostos, baixa remuneração, concorrência, despesas com aprimoramento científico, entre outras. Os concursos públicos, de modo geral, requisitam poucos especialistas. Do outro lado, muitas operadoras de planos de saúde já aplicam rigorosos critérios de seleção para admissão de novos médicos. Cientes de tais dificuldades, os empresários do setor de beleza não demoraram em perceber que poderiam se constituir nos “salvadores” para essa “tão penosa” situação enfrentada pelos recém-formados e novatos no mercado profissional. Dessa maneira, oferecendo a possibilidade de facilitar o acesso ao consultório isento de despesas – além de vasta clientela – esses empresários garantem o trunfo de contar com “atraentes diferenciais” para seus estabelecimentos. Aos clientes, entre os tratamentos estéticos de toda natureza – massagens, cortes de cabelos, cuidados das unhas, maquiagem, etc. – também são oferecidos tratamentos médicos. Por vezes, até consultas fazem parte de promoções e deixam de ser cobradas. O que caracteriza o “fundo do poço” quando se pensa em valorização da profissão. Na maioria dos casos, os médicos dessas clínicas não representam mais do que técnicos a manusear aparelhos, que constituem, verdadeiramente, a grande fonte de lucros desses locais. No entanto, os altos investimentos nesses equipamentos podem possivelmente “cobrar” uma postura mais agressiva e liberal no que diz respeito às indicações de uso. Há, então, o atenuamento do brilho fronteiriço da ética profissional. (A continuação deste texto será publicada na próxima edição.) Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



29


Dermatologistas do mundo inteiro dividem experiências na 19a EADV Segunda maior cidade da Suécia, Gotemburgo recebe mais de sete mil médicos. Dermatologistas brasileiros mantêm tradição e marcam presença no encontro

A

presentar e discutir os mais recentes avanços no desenvolvimento das áreas de pesquisa clínica e experimental foi o objetivo da 19a edição da reunião anual da Academia Europeia de Dermatologia e Venerealogia (EADV), promovida pela Sociedade Sueca de Dermatologia e Venereologia, de 6 a 10 de outubro, em Gotemburgo (Suécia). Cerca de sete mil especialistas de 104 países participaram do evento, entre eles centenas de brasileiros. Destacamos neste espaço alguns temas substanciais abordados no encontro e trazidos por dermatologistas da SBD.

Acne – Pedro Bezerra da Trindade Neto A acne foi tema principal em cinco atividades de destaque. Com relação aos aspectos patogênicos atuais, dieta e acne, o manejo da acne em mulheres adultas, o futuro da terapia tópi-

30  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

ca e sistêmica, o impacto da acne na vida diária, a antibioticoterapia, entre outros subtemas em diferentes sessões, atraíram a atenção de expressivo número de congressistas. Os professores Golnnick (Alemanha) e Laiyton (UK) abordaram com muita propriedade e com análise crítica da literatura atual uma questão ainda controversa: dieta e acne. As evidências são cada vez mais consistentes em incluir fatores dietéticos na patogênese da acne, em especial leite desnatado, além de vitaminas antioxidantes, ácidos graxos essenciais, minerais e álcool. No tema em foco acne e depressão, o professor Uwe Geiler, da Universidade JLU Gilssen (Alemanha), falou sobre a relação da acne com comorbidades psiquiátricas (30% no curso da doença) que independem da gravidade da acne e podem estar associadas ao risco de suicídio. Estudos observacionais e epidemiológicos não têm demonstrado qualquer efeito da isotretinoína no aumento da ocorrência de depressão. Como orientação geral, o professor Geiler recomenda falar com o paciente sobre depressão, suicídio e acne, e ao identificar distúrbio psiquiátrico, orientar psicoterapia e terapia psicofarmacológica associados à terapêutica dermatológica. Quanto ao futuro da terapia da acne (Bettoli, Ferrara – Itália), várias estratégias estão em desenvolvimento, como novos veículos, aumento da concentração dos ativos, novas formulações e combinações com o objetivo de melhorar eficácia, tolerabilidade, aceitabilidade cosmética e adesão do paciente. Novos conceitos em dose cumulativa da isotreti-


Na sessão interativa de dermatoscopia, presidida pelo Dr. Binder, a grande contribuição ficou por conta do Dr. Argenziano, que mostrou excelentes casos de lesões melanocíticas acompanhadas durante três meses em média. Ele chamou atenção para a importância de examinar lesões pequenas, que às vezes não são notadas, e lesões com padrão vascular atípico. Em relação aos carcinomas, em minha opinião, os destaques foram o simpósio de cirurgia micrográfica, que vem ganhando mais espaço na EADV, e o simpósio sobre a terapia genética da síndrome de Gorlin-Goltz. Destaco também a apresentação do Dr. Parmentier, que mostrou agravamento do padrão histopatológico do carcinoma basocelular recidivado após tratamento com terapia fotodinâmica. Em relação à terapia genética da síndrome nevobasocelular, uma única palavra: hedgehog!

Laser e afins – José Carlos Greco Eximer Laser noína para acne leve a moderada, agentes farmacológicos inovadores como peptídeos antimicrobianos, inibidores das ectopeptidases, novos antiandrógenos, além de vacinas antiacne despontam no cenário de futuras modalidades terapêuticas.

Dermatoscopia – Francisco Burnier No simpósio intitulado Update on melanoma management, presidido pelo Dr. Garbe, o que vi de mais relevante foi o comentário do Dr. Stratigos, sobre a necessidade do exame dermatológico completo em pacientes com fatores de risco para melanoma. Ele lembrou dados de conhecimento público que mostram que mais de 60% dos melanomas finos são diagnosticados em exames de rotina.

Na aula do Dr. Giovanni Leone (Itália) foram apresentados novos trabalhos que evidenciaram o avanço nos resultados terapêuticos utilizando esse método para o tratamento de doenças, como vitiligo e psoríase. Já o Dr. T. Passeron (França) apresentou trabalho em que relata procedimento anterior à aplicação da técnica de luz: ablação na região das máculas despigmentadas, usando o laser de Erbium, com melhora de 30% da resposta de pigmentação.

Laser fracionados, ablativos ou não A Dra. Christine Dierickz (Bélgica) abordou em sua aula importantes soluções para cicatriz de acne com a utilização de equipamentos ablativos, ressaltando os melhores resultados com o CO2 e o YSGG. Já o Dr. Paolo Bonam apresentou amplo trabalho de comparação de diversos equipamentos do mercado que utilizam o fracionamento ablativo para reestruturação tecidual após perda de colágeno. E concluiu que os melhores resultados foram obtidos com o uso do laser CO2 fracionado. Esse trabalho foi comprovado após a explanação do Prof. Dr. U.Paasch (Alemanha), que fez estudo histológico dos pacientes submetidos ao tratamento de laser fracionado CO2 para cicatrizes de acne.

Lesões pigmentadas O Dr. Agneta Troilius (Suécia) versou sobre melanoses e a importância de se encontrar a combinação ideal e individual para cada paciente. O uso da LP é a melhor técnica para eliminar pigmentos mistos de melanina e hemossiderina depositados, apesar da necessidade da realização de elevado número de sessões. O Dr. Klaus Fritz (Alemanha) também dissertou sobre uso da luz pulsada para esses tratamentos. No caso de melasmas, eles utilizam a combinação da luz pulsada e o uso tópico de associações com ácido retinoico + hidroquinona + corticoide. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



31


Campanha Nacional de Psoríase da SBD é destaque em todo o país

Distrito Federal

M

ais de 50 postos de atendimento espalhados em 17 estados brasileiros, incluindo as regionais e os serviços credenciados, participaram da ação no dia 26 de outubro. Dezesseis deles estavam localizados em São Paulo. “Considero a campanha desse ano um sucesso, atraindo grande número de pessoas. Nunca tivemos tanto movimento como em 2010”, conta o coordenador da campanha Ricardo Romiti. O esclarecimento ao paciente foi o foco principal da ação, que abordou também a não contagiosidade e a possibilidade de controle do quadro. "Estamos entrando em uma nova era de descobertas no campo dessa doença. E, com base em tudo isso, a Campanha Nacional de Psoríase de 2010 da SBD quer contribuir ainda mais para a divulgação e o conhecimento dessa dermatose que esteve tão esquecida no passado. Nossa meta é esclarecer a população sobre a existência e manifestações da psoríase, que ainda carrega grande preconceito em nossa sociedade”, salienta. A coordenadora nacional da campanha, Cláudia Maia, complementou informando que, além dos pacientes, familiares também receberam informações importantes, assistiram a palestras e ganharam material educativo que os auxiliará a controlar a psoríase. Ela ressaltou o sucesso da iniciativa realizada simultaneamente em todo o país. “Em geral, a campanha foi muito boa. Nossa meta é aumentar a qualida-

São Paulo

Da dir. para esq.: Os coordenadores da campanha, Ricardo Romiti e Maria Denise Takahashi, o médico do Hospital das Clínicas, Marcelo Arnone, e a presidente da Associação de Apoio aos Portadores de Psoríase (AAPP), Sílvia Galli

de de vida das pessoas, alertando-as de que a doença pode ser controlada”. Segundo Maria Denise Takahashi, também coordenadora, quanto maior for a divulgação da doença, menor é o preconceito. “Também é importante que essa divulgação parta de nós, dermatologistas. Dessa forma, é grande a importância da participação de todos nós dos serviços credenciados da SBD", analisa. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



33


Cursos de atualização

Pernambuco

Desde agosto a SBD tem realiRio de Janeiro

Rio de Janeiro

Espírito Santo

zado cursos gratuitos de reciclagem em psoríase para associados de cinco capitais do país. A primeira a se beneficiar foi Brasília, no dia Bahia 21. A coordenadora do curso na capital federal, Gladys Martins, elogiou a presença dos dermatologistas que compareceram em bom número: "Foi um verdadeiro sucesso. Tivemos 50 inscritos, e grande parte deles ficou até o final das Distrito Federal apresentações". Recife veio logo a seguir, no dia 28 de agosto e obteve a média de 60 associados. "Estados vizinhos como Paraíba, Alagoas e Rio Grande do Norte também marcaram presença. As palestras transcorreram bem, com amplos momentos de discussão e aprendizado. Além disso, a experiência de dois reumatologistas como palestrantes também favoreceu uma grande troca de conhecimentos, possibilitando a aproximação de especialidades que estudam doenças afins", frisou o coordenador local e segundo secretário da SBD, Emerson de Andrade Lima. Em setembro foi a vez de Salvador. Realizado no dia 29, o encontro não teve plateia tão numerosa quanto os dos outros estados, mas agradou. "Reunimos 26 médicos. Alguns se inscreveram, mas não compareceram. Acredito que a plateia não foi maior pelo fato de o curso ter sido à noite, mas achei produtivo, principalmente para o dermatologista que hoje não trata de psoríase. Depois conversei com algumas pessoas que participaram do curso, e todas disseram tê-lo achado muito bom", ressaltou Anete Olivieri, coordenadora local. A maratona teve continuidade em outubro e em novembro, quando foram realizados cursos em Curitiba (28/10) e em Vitória (10/11).

Simpósios As ações da SBD englobaram ainda a realização do 2o Simpósio Online de Psoríase, em que especialistas ministraram duas palestras sobre a doença em outubro (20 e 27) e duas novembro (3 e 10), e o 2o Simpósio Nacional de Psoríase em São Paulo, no dia 20 de novembro, que discutiu os mais recentes tratamentos para o controle da psoríase que compromete a saúde e autoestima de pelo menos cinco milhões de brasileiros. “Aumentar o conhecimento sobre a psoríase e usá-lo para instruir dermatologistas a tratar seus pacientes com terapias melhores foi o que objetivamos ao promover os cursos presencial e online”, assinala Cláudia Maia.

34  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5 Rio Grande do Norte


Profissões e Dermatoses Ocupacionais

Alice O. A. Alchorne

A carcinogênese tem diversas etapas: 1) Iniciação (dano rápido e irreversível ao DNA); 2) promoção (lenta, reiterada e reversível até a transformação); 3) transfomação; 4) malignização. No processo de desenvolvimento do câncer vários fatores influem: tipo de carcinógeno, forma e frequência de administração, dose, número de exposições, interação entre agentes iniciadores e promotores,tipo de tecido,idade e genética do indivíduo. Fatores causais Os fatores etiológicos conhecidos permitem identificar a população exposta a riscos e as medidas de prevenção necessárias. Podem ser físicos: radiações ionizantes, radiações não ionizantes (eletromagnéticas) – raios ultravioletas e raios infravermelhos (calor) e traumas; químicos: arsênico inorgânico, hidrocarbonetos aromáticos policiclícos e nitrosaminas; biológicos (fatores co-carcinogenéticos): vírus (HPV e herpes).

Cânceres cutâneos O

câncer cutâneo ocupacional constitui um grupo de neoplasias malignas desencadeadas por fatores oncogênicos no ambiente profissional. Desde 1775 com Percival Pott, que descreveu o câncer escrotal nos limpadores de chaminés, há vários relatos sobre o assunto. A incidência e a prevalência são desconhecidas em vários países. No Brasil, temos as estatísticas anuais da Campanha de Câncer de Pele da SBD que, entretanto, coleta dados gerais, sem especificar se é de caráter profissional ou não. É difícil estabelecer nexo ocupacional para o câncer cutâneo: a) são muitos os fatores exógenos causais, e, muitos deles interagem entre si como fatores co-carcinogenéticos; b) alguns fatores de risco não se encontram exclusivamente no meio laboral; c) o tempo de latência entre a exposição e o aparecimento do câncer é geralmente muito grande – em anos: arsênico 15 a 25; alcatrão 10 a 25; óleo mineral 45 a 55; óleo de parafina 15 a 20; radiações ultravioletas 10 a 20; radiações ionizantes 20 a 30; traumas 15 a 25; d) o indivíduo pode expor-se a diferentes fatores durante sua vida profissional; fatores endógenos genéticos predisponentes contribuem para o aparecimento de tumores.

36  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

Agentes carcinógenos físicos 1) Raios ultravioleta (RUV): são carcinógenos completos – iniciadores, promotores, e também atuam como co-carcinogenéticos, principalmente UVB (mais raramente UVA). O UVC só tem importância para trabalhos de soldadura (com oxiacetileno e soldadura de arco) e utilização de lâmpadas germicidas. A exposição pode ser ocupacional e/ou recreacional. É a causa mais frequente de cânceres cutâneos não melanoma (carcinomas). Os mais frequentes são o carcinoma espinocelular (CEC) e o basocelular (CBC), que costumam ter baixa mortalidade. Afetam geralmente indivíduos de pele clara. Os melanomas têm formas clínicas de comportamento heterogêneo em relação aos RUV. O lentigo maligno de Hutchinson e o lentigo maligno melanoma são vinculados a dano solar crônico; o extensivo superficial e o nodular são relacionados a queimaduras solares intensas e reiteradas em indivíduos com profissões protegidas e que tomam sol recreacional esporadicamente (melanoma não ocupacional). Profissões de risco: as expostas a radiação natural (sol), como construção civil, segurança externa, motoristas profissionais, sinalizadores de campo de aviação, carteiros, trabalhadores rurais, construção de estradas e pontes, desportistas, indústria madeireira, socorristas, pescadores, marinheiros, mineiros a céu aberto e trabalhadores ferroviários; e RUV artificial, como técnicos de laboratório, indústria farmacêutica, enfermeiros, médicos, cabeleireiros, irradiação de alimentos e profissionais de imprensa. 2) Raios infravermelhos (RIV): o eritema abi igne pode ser ocupacional e se relacionar a CEC (maquinistas de trem). 3) Radiações ionizantes (RI): produzem radiodermites agudas e crônicas e podem ser carcinógenos completos produzindo até 1% de câncer cutâneo profissional (CCP). O CBC é mais frequente na cabeça e no pescoço, e o CEC nas extremidades. Doses reiteradas acumulativas altas são


Tratamento É específico para cada tipo de tumor e não difere da conduta dos cânceres idiopáticos.

Carcinoma basocelular de origem arsenical

Carcinoma Basocelular em pedreiro

Carcinoma espinicelular em segurança externo

as mais perigosas. Os CEC induzidos por RI causam mais metástase do que os resultantes de RUV. Profissões de risco: técnicos de radioterapia, enfermeiros, médicos radioterapeutas e ortopedistas, dentistas, veterinários, de indústrias alimentícias e de petróleo, laboratórios de física nuclear e eletrônica. 4) Traumas:: trata-se de aspecto controverso e seria semelhante aos cânceres em cicatrizes e úlceras crônicas devido à regeneração tissular repetida e perturbada; o trauma seria um co-carcinógeno promotor. É difícil estabelecer o nexo ocupacional.Alguns critérios seriam: pele normal prévia ao trauma, trauma comprovado, presença de tumor não metastático (histologia do tumor consistente com os tecidos ao redor); origem do tumor no ponto exato do trauma; existência de tempo de latência com continuidade de sinais clínicos. Exemplo clássico é a chamada úlcera de Marjolin (CEC geralmente com baixa metastização). Os chamados carcinomas agudos por queimaduras com limalhas metálicas quentes são CBC com tempo de latência curto, possivelmente já presentes, subclínicos. Cortes de pele também podem desencadear cânceres. Agentes carcinógenos químicos 1) Alcatrões:: contêm hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP), como benzopirenos e benzoantracenos. Podem desencadear câncer em epitélios da pele e internos. Produzem formas eletrofílicas reativas (diol – epóxidos) capazes de reagir com o DNA, podendo haver expansão clonal das células iniciadas e formação de lesões pré-cancerosas (lesões verrucosas) que podem evoluir para o câncer. Os RUV podem potencializar a ação carcinogenética dos alcatrões. É controverso se é frequente o risco de CCP com esses compostos. A combustão e a destilação incompleta do carvão geram alcatrão, creosoto e antraceno. Já a combustão e a destilação incompleta do petróleo e do gás natural geram negro de fumo, óleos e graxas lubrificantes, combustível diesel, óleos refrigerantes e de corte de peças. Atividades de risco: Alcatrões e negro de fumo: construções de estradas, fabricação de cabos elétricos, fabricação de alcatrão de hulha e negro de fumo, limpeza de chaminés, fabricação de borrachas, fabricação e conserto de sapatos, fabricação de plásticos (linóleo) e indústria de gás.

Prevenção Educação sobre os riscos e higiene; uso de equipamentos de proteção individual (EPI) apropriados; fotoproteção com vestes e fotoprotetores tópicos para trabalhadores ao ar livre; cremes-barreira não protegem adequadamente; medidas de engenharia como exaustão e ventilação; e substituição de produtos reconhecidamente cancerígenos.

Óleo de creosoto: fabricação de ladrilhos e cerâmicas e conservação de madeiras. Antraceno e fracionado de petróleo: as atividades dos trabalhadores de refinarias, mecânicos torneiros, metalúrgicos (óleo de corte de peças), ferroviários, trabalhadores de fábricas de munição, de naftalina, de indústria de papel e de fósforos. 2) Arsênico inorgânico: é empregado na indústria, mas é encontrado também em medicamentos prescritos frequentemente no passado (para sífilis, psoríase) e atualmente (para leucemia); águas contaminadas (por exemplo, na Argentina) que desencadeiam o hidroarsenicismo crônico regional endêmico (Hacre); poluição ambiental com fumos industriais e alimentos vegetais contaminados. Desencadeia cânceres cutâneos e sistêmicos (pulmão, laringe, fígado e bexiga). A tríade clássica – queratodermia palmoplantar difusa ou circunscrita (lesões verrucosas pré-cancerosas), melanodermia no tronco e carcinomatose múltipla (CEC, CBC, moléstia de Bowen) – em áreas não expostas a RUV, geralmente superficiais, é muito sugestiva de CCP. Profissões de risco: veterinários, mineiros, trabalhadores de indústria eletrônica, de indústria de flores artificiais, de papéis, de cerâmica, de vidro, de detergentes, da impressão têxtil, da produção de vinhos, de fundição e ligas, de madeira e de couro. Agentes carcinógenos discutíveis 1) Linfomas cutâneos de células T: micose fungoide (MF) e síndrome de Sézary são linfomas de células T helper. A etiologia da MF não está totalmente esclarecida, havendo várias hipóteses: estimulação antigênica crônica, exposição ambiental, infecções retrovirais (HTLV). Profissões de risco seriam os trabalhadores da construção civil, maquinistas, eletricistas e industriais. Diagnóstico A clínica e o exame histopatológico são idênticos aos dos cânceres idiopáticos, o que dificulta o estabelecimento do nexo causal ocupacional – feito pela investigação detalhada dos antecedentes laborais desde o início da atividade profissional do indivíduo. Alguns dados do exame dermatológico podem contribuir para se suspeitar de origem laboral, como, por exemplo, carcinomas múltiplos em zonas não expostas e queratodermias – arsenicais; zonas expostas em trabalhadores ao ar livre – RUV; cânceres em dedos – manipuladores de radiações ionizantes. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



37


A Dermatologia no

Rio Grande do Sul Lúcio Bakos e Antonio Carlos Bastos Gomes

“Este espaço foi criado para que todos possam compartilhar informações históricas de momentos especiais vivenciados na Sociedade. Notícias e fotografias são bem-vindas. Contamos com a participação de nossos associados para que, ao longo deste ano, possamos reavivar e conservar a memória de uma das mais antigas sociedades médicas do Brasil.” Paulo Cunha Coordenador médico do JSBD

38  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

A

pós convênio celebrado em 1952, a antiga Secção Rio Grande do Sul da Sociedade de Dermatologia e Sifiligrafia reunia-se periodicamente, ou na 3a Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, ou na Associação Médica do Rio Grande do Sul, onde eram discutidos os casos clínicos mais difíceis, tomadas as deliberações sobre assuntos administrativos e a admissão de novos sócios, bem como realizadas palestras sobre temas de atualização, principalmente por membros que tinham ido a congressos, no país e no exterior, e que transmitiam as novidades àqueles que deles não haviam participado. Por muitos anos, houve atividades paralelas dessa Secção com o então existente Departamento de Dermatologia da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), até


que, em 1971, houve a fundação oficial da atual Regional RS da SBD, com a passagem da quase totalidade dos sócios da primeira para a SBD. Constam como membros fundadores os Drs. Roberto Lopes Gervini, Luiz Fernando Bopp Muller, Humberto Ponzio, Lucio Bakos, Miriam Peres, Antonio Carlos Gerbase, Maria Elizabete Carvalho, Luiz Carlos Campos, Célia Kalil, Ane Maria Pires, Aída Schafransky Libis, Marlene Hinnah, Olga Barrios e Sérgio Ivan Donnelles. A Regional, possuindo estatuto consoante com a SBD Nacional desde 1987, exerce suas atividades em sede própria, adquirida na década de 1990, dentro do prédio das Especialidades da AMRIGS, com quem, após todos aqueles anos de convivência, mantém vínculos operacionais e filosóficos, bem como, aliás, com a AMB. Após sua instalação, para valorizar e estimular a dermatologia no interior do estado foram criadas as distritais de Caxias do Sul, Santa Maria e Pelotas. Em 1972, iniciou-se a Jornada Sul-Brasileira de Dermatologia, primeiramente presidida pelo Dr. Jorge José de Souza Filho, de Florianópolis, e no ano seguinte passando para o Rio Grande do Sul, englobando as regionais dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Após interrupção de vários anos por motivos operacionais, e após ser denominada temporariamente Jornada de Dermatologia da Linha Sul, retornou às atividades com o nome original. Atualmente está em sua 19a edição, sempre com a organização, a cada três anos, em rodízio, da SBD/RS. Em 1975 surgiu a Jornada Gaúcha de Dermatologia que comemora em 2010 sua 35a edição, sempre promovida pela SBD/RS. É rotina da Regional também apoiar os eventos dermatológicos acadêmicos de Porto Alegre, como a Jornada de Dermatologia do Hospital de Clínicas, em todos os seus 27 anos consecutivos de realização, e as mais recentes Jornada da UFCSPA (há quatro anos) e a da Santa Casa de Misericórdia (há três anos). Presidiram a antiga Secção RS da Sociedade de Dermatologia e Sifiligrafia e a SBD/RS os Drs. Enio Candiota de Campos, Armin Bernhard, Clovis Bopp, Armin Niemeyer, Aída Schafranski, José Gerbase, Raul Müller, Roberto Lopes Gervini, Lucio Bakos, Antonio Carlos Gerbase, Humberto

Plateia de palestra na 3a Enfermaria da Santa Casa, em 1971. Presentes os drs. Gisela del Pino, Lucio Bakos (primeiros à esq.), Antonio Carlos Bastos Gomes, José Carlos Fauri, Augusto Bopp (ao fundo, junto à parede) e Humberto Ponzio (segundo da dir. para a esq.)

Prof. Enio Candiota de Campos (em pé) palestrando na Associação Médica do RS, em 1954

Antônio Ponzio, Antonio Carlos Bastos Gomes, César Duílio Varejão Bernardi, Hugo Cláudio Weiss, Dóris Maria Hexsel, Célia Luiza Petersen Vitello Kalil, Inês Alencar de Castro, Miriam Pargendler Peres, Sérgio Ivan Torres Dornelles, Berenice Capra Valentini e, atualmente, Gustavo Gonçalves Costa Pinto Corrêa. Passando dos cerca de 30 sócios na década de 1960, para os 380 atuais, a SBD possui seis serviços credenciados no Rio Grande do Sul: Hospital de Clínicas de Porto Alegre (UFRGS), chefiado pela Dra. Tania Cestari; Posto Santa Marta (UFCSPA), Dr. Renan Bonamigo; Dermatologia Sanitária (SSMARS), Dra. Cecilia Correa; Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (o mais antigo), Dr. Roberto Gervini; e os mais recentemente credenciados, Pontifícia Universidade Católica do RS, Dr. Luiz Carlos Campos; e Universidade Federal de Santa Maria, Dr. Walter Neumaier. Em seus quase 100 anos de existência, a Sociedade Brasileira de Dermatologia sediou, em Porto Alegre, seis congressos brasileiros, tendo como presidentes A.F.Costa Jr (1947), Jandir Maia Faillace (1954), Glyne Leite Rocha (1963), Clovis Bopp (1971), Cesar D.V. Bernardi (1989) e Lucio Bakos (2002). Origem dos Serviços Credenciados A primeira residência médica credenciada pela SBD (Santa Casa de Porto Alegre - UFRGS) foi iniciada pelo Prof. Clovis Bopp, em 1967, seguida pela Faculdade Católica de Medicina (atual UFCSPA), com o Prof. Enio Campos. Em 1980, os Drs. César Bernardi, Luiz Fernando Bopp Müller, Jair Ferreira e Antonio Carlos Gerbase, iniciam a residência em Dermatologia Sanitária e, em 1982, a UFRGS passa a ter mais um espaço de ensino: Lucio Bakos, Luiz Fernando Bopp Müller e Bernardo Kosminsky (este, após aposentadoria, substituído pela Dra.Tania Cestari) iniciam o Serviço do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Duas décadas mais tarde, esses Serviços formadores foram acrescidos de dois novos: Pontifícia Universidade Católica e Universidade Federal de Santa Maria. Contribuíram para este texto, com dados e/ou fotos, as doutoras Miriam Pargendler, Inês Alencar de Castro e Aída Schafranski Libis, e as senhoras Miriam e Lílian Bopp. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



39


Departamentos Cirurgia micrográfica

A

situação atual da cirurgia micrográfica no Brasil e o reconhecimento de sua importância com a recente fundação do departamento na SBD foram temas do I Simpósio Brasileiro de Cirurgia Micrográfica. O evento ocorreu em 23 de outubro, em Bombinhas (SC), e fez parte da III Jornada Catarinense de Dermatologia. O presidente da SBD-SC, Nilson Octávio Campos Lobo e Silva, e o chefe de Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina, Daniel H. Nunes, coordenaram o evento, que recebeu palestrantes do Rio de Janeiro (Pedro Briggs,

Alergia e dermatoses ocupacionais Oito cidades brasileiras já receberam cursos itinerantes organizados pelo Departamento de Alergia e Dermatoses Ocupacionais da SBD. Desde abril, quando teve início, a equipe de Alice Alchorne passou por Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Pará, Sergipe, Goiânia, Paraná, Piauí e Bahia. No final de novembro, será a vez do Espírito Santo, o último local a se beneficiar com programas de estudos. Além dos membros do departamento, foram convidados para ministrar as aulas associados das macrorregiões das regionais em que ocorreu o evento.

Oncologia cutânea

Inácio Faver e Francisco Burnier), São Paulo (Eugenio Raul de Almeida Pimentel e Luiz Roberto Terzian), Paraná (Roberto Gomes Tarlé) e Santa Catarina (Rafael Lenzi Tarnowisky, Luis Fernando Figueiredo Kopke). “A jornada foi um sucesso. Sou parcial para falar, mas realmente contamos com palestras e temas de alto nível. Gostaria aqui de deixar registrado o meu agradecimento aos palestrantes que se deslocaram em um fim de semana para longe de seus lares, e se esmeraram para responder em forma de palestra, exatamente ao tema proposto. O agradecimento também se estende à atual diretoria da SBD, assim como a Regional SC, que apoiaram a iniciativa. Certamente, sem esse respaldo, um evento como esse não aconteceria”, destaca o coordenador do Departamento de Cirurgia Micrográfica da SBD, Luis Fernando Kopke.

Questionamentos do cotidiano Com o apoio da SBD Nacional e da SBD-PR, o departamento realizou Curso de Educação Médica Continuada, no dia 25 de setembro, em Curitiba. A programação, coordenada pelo presidente da Regional PR, Carlos Augusto Bastos, e Luis Fernando Kopke, discutiu as indicações, a técnica e as limitações da cirurgia micrográfica e mostrou casos interessantes.“Cerca de 40 colegas tiveram a oportunidade de conhecer os fundamentos da modalidade terapêutica, fora da correria dos grandes eventos. A apresentação de casos clínicos e a participação ativa da plateia permitiram uma compreensão maior sobre a eficácia e limitações da técnica”, explica Carlos Bastos.

Cosmiatria e Laser Cerca de 220 dermatologistas de todo o Brasil e especialmente da Região Sul compareceram à VI Jornada Brasileira do Câncer da Pele, em Blumenau (SC), nos dias 20 e 21 de agosto. “Foi uma vitória a realização dessa jornada que havia sido interrompida há cinco anos!”, afirmou o coordenador do departamento, Nilton Nasser.

Responderam a enquete promovida pelo departamento 823 dermatologistas. Além de ganharem desconto de 30% na inscrição para o III Simpósio de Cosmiatria e Laser, os associados participarão de sorteio de cinco bolsas para o Teraderm 2011. Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



41


Regionais Alagoas

Bahia

Goiás

Pernambuco



Pernambuco A consolidação da Jornada Pernambucana de Dermatologia no cenário científico-social da dermatologia brasileira Quatro dias de intensa de programação científica e de congraçamento social resumem a 19a edição da tradicional Jornada Pernambucana de Dermatologia, realizada de 9 a 12 de outubro, no Vila Galé Eco Resort, do Cabo de Santo Agostinho (PE), local cercado por reservas ecológicas e belas praias de águas calmas e mornas. Duzentos e oitenta dermatologistas pernambucanos e de vários estados do Brasil participaram do evento, que este ano teve inscrições limitadas para sócios da SBD e residentes especializandos de Serviços Credenciados. Na abertura da jornada, o presidente da SBD, Omar Lupi, falou brevemente sobre as metas cumpridas em sua gestão, destacando a aproximação com as regionais, tão necessária para o fortalecimento da SBD, e cumprimentou a diretoria de Pernambuco pelo sucesso: “O encontro foi memorável. Parabenizo a diretoria da SBD-PE que está há 19 anos levando conhecimento científico de qualidade para nossos dermatologistas”. A diretoria da SBD também foi representada pela vice-presidente da SBD, Bogdana Victória Kadunc. Especialistas de renome compartilharam o que há de mais novo em aulas divididas em quatro módulos: cosmiatria, dermatologia geral, laser e cirurgia dermatológica. Nessa edição, 45 trabalhos apresentados em posters concorreram à premiações nas categorias trabalhos de investigação e minicasos. Todos eles ficaram expostos no saguão de entrada do evento, valorizando a produção científica.“A sensação é de dever cumprido. Sinto-me feliz por ter cuidado de perto de cada detalhe da jornada, juntamente com a diretoria, as comissões científica e social e os chefes dos serviços credenciados em Pernambuco”, frisa o presidente da SBD-PE, Sérgio Palma. A programação social foi espetáculo à parte, com três festas animadas que aproximaram ainda mais dermatologistas pernambucanos e de todo o país. No sábado à noite, a



festa Forrobodó, comandada pelo cantor de forró Geraldinho Lins, inaugurou o evento. No dia seguinte, o agito teve o comando dos DJs Lala K e Rafael Pimenta na festa Disco. Para encerrar o encontro, a SBD-PE e a Banda Santa Clara promoveram um inesquecível luau na praia.“Agradeço a cada um que participou e aproveito para convidá-los para a Pernambucana 2011!”, encerra Sérgio Palma.

Goiás

O curso itinerante do Departamento de Alergia e Dermatoses Ocupacionais da SBD esteve em Goiânia no dia 20 de agosto. Dermatite atópica e de contato, testes de contato, dermatoses ocupacionais – etiopatogenia, clínica, origem infecciosa e legislação, urticária, discromias por drogas, eritema multiforme e síndrome StevensJohnson foram os temas versados. Estiveram presentes dermatologistas de São Paulo, Goiás e de toda a Região Centro-Oeste.

42  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

Alice Alchorne, Maurício Alchorne, Marilene Silvestre (presidente da SBD-GO), Maria Cecília Rivitti e Hegles R. de Oliveira




Alagoas

Jornada Norte e Nordeste reúne aprendizagem e confraternização No período de 28 a 30 de outubro, Maceió recebeu a 29a Jornada Norte e Nordeste de Dermatologia. Um dos pontos destacados pelos participantes e ratificado pelo presidente da Regional Alagoas, Everson Leite, foi a elevada qualidade científica.“O altíssimo nível das palestras, com conteúdos elogiados, não foi surpresa para mim, tendo em vista a qualificação dos palestrantes convidados”, analisa o dermatologista. Aulas curtas e objetivas contemplaram temas atuais de várias áreas da especialidade. “Este formato é ideal para auxiliar o dermatologista em sua prática diária de atendimento”. Os módulos “Discutindo Diagnóstico e Conduta” e as “Conferências” foram alguns destaques da parte científica, além da premiação dos melhores trabalhos apresentados como posters ou como apresentação oral. O evento contou com a participação de 37 palestrantes de diversos estados, entre eles o presidente da SBD, Omar

Lupi: “Os professores deram grande contribuição à dermatologia alagoana, cativando todos com suas experiências e didáticas exemplares. Parabéns à Regional-AL por promover mais um grande encontro entre dermatologistas do Brasil”. Everson destaca a superação como fator decisivo para o sucesso do evento:“Ultrapassamos uma gama de obstáculos e vencemos muitos desafios, mas a satisfação de realizar um evento tão importante para as regiões Norte e Nordeste do Brasil compensou o esforço. Agradeço o empenho da SBD-AL e da comissão organizadora na realização de mais um evento de sucesso”, finaliza Everson Leite.



Bahia

Após eleições ocorridas no Hotel Fiesta Bahia, no dia 7 de agosto, para a escolha da nova diretoria, delegados Ivonise Follador, Maisa Pamponet e comissões para o biênio 2011/2012 Ramalho, Silvana Huf Dall’Igna, da SBD-BA, foram definidos os Bianca Lorena Paty da Costa e nomes: Ivonise Follador (presidente), Vitória Regina Pedreira de A. Rêgo Vitória Regina Pedreira de A. Rego (vice-presidente), Maisa Pamponet Ramalho (secretária geral), Bianca Lorena Paty da Costa (primeira secretária) e Silvana Huf Dall'Igna (tesoureira). Os departamentos terão o comando de Ariene Pedreira Paixão (Cirurgia), Paulo Roberto Barbosa Silva (Laser e Cosmiatria), Irene Spínola Chaves Pinto (Clínica e Terapêutica Dermatológica) e Anete Olivieri Pessoa da Silva e Guilherme Guerra da Rocha Macedo (Ética e Defesa Profissional). Anete Olivieri Pessoa da Silva, Eduardo Augusto Valverde de Morais e Irene Spínola Chaves Pinto serão os novos delegados.

Serviços Credenciados 

Policlínica Geral do Rio de Janeiro (PGRJ)



Instituto de Dermatologia Prof. Azulay

Trinta e sete membros do Serviço participaram de uma atividade solidária ao se cadastrar no programa de doação de medula óssea promovido pelo Ministério da Saúde.



A 12 Jornada de Dermatologia Cosmiátrica da Policlínica Geral do Rio de Janeiro reuniu 150 participantes no Centro de Convenções do Centro Médico do BarraShopping (RJ) no dia 21 de agosto. Organizada pela coordenadora do Departamento de Cosmiatria da SBD, Andréia Mateus Moreira, a programação científica priorizou temas como melasma, acne, olheiras, peelings faciais, rejuvenescimento e estrias. As aulas foram ministradas por 13 professores experts em cada área, sendo três deles oriundos de outros estados. a

Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP)

O 2o Congresso de Saúde Integral e o 5o Congresso de Saúde da Mulher e da Criança foram promovidos de 4 a 8 de novembro, no Centro de Convenções Pernambuco, em Olinda. O evento fez parte das comemorações dos 50 anos da instituição e é o único em toda a Região Nordeste a congregar várias especialidades na discussão de temas relacionados à saúde da criança, da mulher e do adulto.

Jornal da SBD



Ano XIV n. 5



43


Serviços Credenciados 

Instituto Lauro de Souza Lima

O chefe do Serviço, Sadamitsu Nakandakari (centro), entre alguns palestrantes

Promovida em 24 e 25 de setembro, no Instituto Lauro de Souza Lima, em Bauru, a Jornada Anual Dermatológica foi um sucesso. Participaram como palestrantes Tânia Meneghel, Antônio Carlos Ceribelli Martelli e Jaison Antônio Barreto.



Universidade de Mogi das Cruzes

O Hospital Luzia de Pinho Melo, da Universidade de Mogi das Cruzes, sediou a 137a Jornada Dermatológica Paulista, nos dias 5 e 6 de novembro. Coordenado por Denise Steiner, o evento incluiu palestras de Marco Andrey Cipiani Frade ("Células-tronco mesenquimais e dermatologia"), Maria da Glóra N. Sasseron ("Estratégias terapêuticas nas úlceras crônicas") e Neide Kallil ("Terapia gênica na epidermólise bolhosa distrófica"). No segundo dia, pacientes foram examinados no ambulatório de dermatologia do Instituto Central da Saúde (Policlínica). Houve também conferência sobre célulastronco e discussão de casos clínicos. Participaram do encontro dermatologistas de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.





A regional Guarulhos da Associação Paulista de Medicina e o Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos (CHPBG) realizaram em 23 de outubro o debate "Ética em Ciências da Saúde". Alguns dos assuntos contemplados no programa foram ética médica nos dias atuais, o relacionamento ético entre os profissionais da saúde e o compor tamento ético durante a graduação e a formação. O debate contou com a presença de convidados, como Maria do Rosário Vidigal (chefe do Serviço de Dermatologia do CHPBG), José Rober to Pegas (ex-presidente da Comissão de Ética da SBD), Regina Celli (chefe do Serviço de Oftamologia do CHPBG) e Walter Paulesini Jr. (chefe do Serviço de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial do CHPBG). A coordenadora da residência médica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Irene Abramovich, também esteve presente.



Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA)

O chefe do Serviço, Renan Bonamigo, informa que a cada dois meses o Grupo de Estudos em Doenças Dermatológicas da UFCSPA, credenciado no CNPq, tem realizado fóruns para discussão de seus projetos de pesquisa. O primeiro ocorreu em outubro. Informações podem ser obtidas no site www.dermatologia.ufcspa.edu.br. O Serviço de Dermatologia da UFCSPA foi recredenciado pela SBD por cinco anos e recebeu mais uma vaga, totalizando cinco.

PUC Campinas

A partir de 2010, os residentes do último ano de dermatologia da PUC Campinas têm a opção de fazer estágio de um mês no exterior. Em junho, a residente Fernanda Cruz (foto) esteve no Hospital Henry Ford, em Detroit (EUA), sob supervisão de Henry W. Lim e acompanhou os ambulatórios de pediatria, fototerapia, fotodermatoses e dermatologia clínica em geral. Em outubro, a residente Caroline Romanelli estagiou no Children's Hospital de San Diego, na Califórnia (EUA). O Serviço coordenado por Lúcia Helena Fávaro Arruda acredita que a nova oportunidade tem sido de grande valor para a formação de novos profissionais.

44  Jornal da SBD  Ano XIV n. 5

Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos


Jornal da SBD - Nº 5 Setembro / Outubro 2010