Issuu on Google+

  Editorial

Paulo R. Cunha - Coordenador médico do Jornal da SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia www.sbd.org.br

Diretoria 2009-2010 Presidente - Omar Lupi - RJ Vice-presidente - Bogdana Victória Kadunc - SP Secretária-geral - Maria de Lourdes Viegas - RJ Tesoureira - Maria Fernanda Gavazzoni - RJ 1a secretária - Célia Luiza P. Vitello Kalil - RS 2o secretário - Emerson de Andrade Lima - PE

Jornal da SBD Esta é uma publicação da Sociedade Brasileira de Dermatologia, dirigida a seus associados e órgãos de imprensa. Publicação bimestral - Ano XIII - n. 6 novembro-dezembro - 2009 Coordenador médico - Paulo R. Cunha Conselho editorial - Omar Lupi, Bogdana Victória Kadunc, Maria Fernanda Gavazzoni, Célia Kalil e Emerson de Andrade Lima Coordenação editorial - Approach Edição - Tatiana Gentil - Reg. MT n. 22.375 Redação - Erika Drumond Editoração eletrônica - Nazareno N. de Souza Versão On-line - Samuel Peixoto Contato publicitário - Priscila Rudge Simões A equipe editorial do Jornal da SBD e a Sociedade Brasileira de Dermatologia não garantem nem endossam os produtos ou serviços anunciados, sendo as propagandas de responsabilidade única e exclusiva dos anunciantes. As matérias e textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. Correspondência para a redação do Jornal da SBD Av. Rio Branco, 39/17o andar - Centro - Rio de Janeiro – RJ CEP: 20090-003 E-mail: imprensa@sbd.org.br Assinatura anual: R$ 120,00 Número avulso: R$ 20,00 Tiragem: 7.000 exemplares Impressão: Sol Gráfica

  Sumário

02 03 04 05 06 08 11 12 13 20 24 26 28 30 31 32 34 35 36 37 39 40 42

                       

Neste último número de 2009 do Jornal da SBD, apresentamos um balanço do primeiro ano de gestão desta diretoria, capitaneada por Omar Lupi. Membros da diretoria destacam as importantes realizações da Gestão 2009-2010, como a indexação dos Anais, a criação da revista Surgical & Cosmetic Dermatology, a forte atuação da SBD em políticas de saúde, os concursos que deram bolsas internacionais a dermatologistas brasileiros, entre outras realizações. Sentimos o impacto da crise econômica que envolveu o Prof. Dr. Paulo R. Cunha mundo no final de 2008, porém, com planejamento, estudo meticuloso e aumento considerável na captação de recursos, superamos a “tempestade” e mantivemos a boa saúde financeira da SBD sem prejudicar os projetos científicos e educacionais. Na matéria produzida pela equipe da Tesouraria, podemos acessar informações sobre as finanças da SBD. Em relação à Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, os resultados indicam o êxito do trabalho, com grande número de pessoas atendidas e tratadas em todo o país. Outro fato relevante retratado no jornal é o Exame de Suficiência Categoria Especial para a obtenção do TED, que será realizado no mês de junho de 2010. Entenda como será o procedimento e prepare-se para a prova. Mostramos ainda nesta edição roteiros de belos lugares para desfrutar as férias. O viajante tem a oportunidade de aliar lazer e aprendizado. Falando em aprendizado, não perca a reportagem sobre as grandes bibliotecas da Antiguidade. A coluna “De Olho no Mundo” entrevista o Prof. Carlos Gatti, dermatologista argentino e atual presidente do Cilad. Diretamente de Paris, a Profa. Ana Beatris Rossi fala de produtos de preenchimento e da avaliação de sua segurança a longo prazo. Fechando o ano, ela demonstra mais uma vez sua competência e capacidade de trazer à tona assuntos atuais e de grande interesse. Próxima de completar seu centenário, a SBD intensifica seus esforços de internacionalização. Em 2010, estão programadas ações conjuntas com a Radla, Cilad, EADV, um Congresso Internacional no Brasil (Summer Meeting) em parceria com a International Society of Dermatology e a World Health Academy, além de outras atividades. É com prazer que, mais uma vez, desejamos aos sócios ótimo Ano Novo com muita saúde e realizações.A organização do Jornal da SBD agradece o apoio de todos os colegas. Boa leitura!

Palavra do Presidente Direto de Paris: Ana Beatris Rossi Notas Novo Estatuto da SBD Painel do leitor De Olho no Mundo Depois do TED TED Especial EADV Coluna da Tesouraria Balanço Primeiro Ano de Gestão Sugestões para as férias DermAção Psoríase Dermatologistas da SBD irão somar forças em universidades federais brasileiras Protetor solar como medicamento Profissões e Dermatoses Ocupacionais Resposta ao Proteste SBD Pernambuco comemora 70 anos de fundação Grandes Mulheres da Humanidade Assuntos exóticos e pitorescos Departamentos Regionais Serviços Credenciados

Capa alternativa

Afiliada à Associação Médica Brasileira

Matéria de capa Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele inova e tenta recorde

14 Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



1


  Palavra do Presidente

Caro dermatologista, A

credito que uma presidência moderna e dinâmica deve preocupar-se muito mais em promover um ambiente de conciliação de ideias e liberdade de trabalho do que se fixar em noções estéreis de hierarquia e ideias ultrapassadas. Chegamos ao final de 2009 com um amplo portifólio de realizações calcadas no planejamento minucioso e estímulo amplo e irrestrito à criatividade e inovação. Sigo a risca minha premissa mais básica, construir pontes em vez de edificar muros. Ponte entre colegas com diferentes perspectivas, ponte com outras sociedades afins a nossa especialidade, ponte num momento em que necessitamos de consenso e trabalho sério para defender e engrandecer a dermatologia. Todos os que realmente desejam contribuir estão sendo muito bem vindos na nossa gestão frente à SBD. Confesso ter assumido a presidência um pouco receioso com a crise econômica mundial que se aproximava no final de 2008 e que era descrita como “a maior desde a grande depressão de 1929”. Logicamente, um cenário tão confuso e arriscado gerou por parte da diretoria da SBD um esforço multiplicado para criar novos projetos, como o TeraDerm e a disponibilização dos vídeos de eventos científicos on-line; também exigiu de nós a sensibilidade de trabalhar pela renovação de velhos ícones da SBD que precisavam de um sopro de inovação, como a Campanha da Psoríase e a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele, agora renovada com o caminhão volante que corta todo o país e a proposta de reco-

2  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

nhecer nosso esforço pelo Livro de Recordes do Guinness. O trabalho de captação de recursos que vinha crescendo no ritmo histórico de 8% ao ano foi muito ampliado em 2009; conseguimos duplicar os números mais recentes a despeito da crise econômica, para que projetos como o “Questão de Pele”, programa de televisão institucional da SBD, o lançamento da revista Surgical & Cosmetic Dermatology e o “Projeto Residentes”, com bolsas de estudos no exterior para jovens dermatologistas, sejam hoje uma realidade amplamente implantada e eficaz. A SBD também soube posicionar-se ética e politicamente de forma muito efetiva neste ano. Fizemos um trabalho intenso junto ao Ministério da Educação esclarecendo a importância dos serviços credenciados da SBD e ser esse o formato correto a ser cobrado pelo MEC de todos os cursos que pretendam formar dermatologistas no Brasil. Também trabalhamos de forma pragmática e organizada para eleger representantes no Conselho Federal de Medicina, alinhados com as nossas propostas, seguindo um modelo democrático e federativo, em íntima parceria com todas as regionais da SBD. Modificações estatutárias há muito perseguidas foram viabilizadas em reunião do Conselho Deliberativo da SBD, ágil e organizada, com nova formatação e contando com votação eletrônica. Mais ainda, nos tornamos interlocutores importantes da Anvisa e de outros órgãos federais de importância na regulamentação de nossa especialidade; o resultado dessa nova postura pode ser observado em nossa participação decisiva na proibição das câmaras de bronzeamento. Para que a “Dermatologia para todos” pudesse tornar-se realidade procurei ouvir propostas e ideias de forma serena, reunindo algumas das mentes mais preparadas com as quais contamos e dando reino livre para o trabalho e a inovação. Olhando para trás, fico muito satisfeito com os progressos de 2009 e animado com o que está por vir; se mantivermos nosso nível de trabalho, captação de recursos e mente aberta para as nova ideias, poderemos sedimentar este período especial para a dermatologia brasileira. Feliz 2010 e aguarde grandes novidades para o novo ano!

Omar Lupi Presidente da SBD


  Direto de Paris Por Ana Beatris Rossi

Produtos de preenchimento: como avaliar a segurança a longo prazo?

D

esde 1980, ano em que o primeiro produto de preenchimento foi comercializado na França (colágeno bovino), o mercado de produtos de preenchimento não para de crescer. Hoje, preenchimento é o segundo procedimento estético mais frequente nos Estados Unidos (o primeiro é a toxina botulínica), e existem mais de 160 produtos disponíveis na Europa. No entanto, muito tem sido discutido na França e nos Estados Unidos a respeito da segurança desses produtos. Os preenchedores proliferam na Europa em surpreendente velocidade; a cada ano a lista aumenta em pelo menos dez novos nomes. Impossível conhecer todos. A razão principal é que não há exigência de estudos clínicos. A “marca CE” (comunidade europeia) só garante a qualidade e a técnica de fabricação. O FDA exige um dossiê científico (razão pela qual poucos produtos são aprovados) com estudos clínicos. Os preenchedores aprovados pelo FDA com fins estéticos são: Zyderm, Zyplast, Comoderm, Cosmoplast, Evolence (colágeno), Restylane, Hylaform, Juvederm, Elevess, Prevelle Silk e Perlane (ácido hialurônico), Radiesse (hidroxiapatita de cálcio),Artefill (PMMA e colágeno) e Sculptra (ácido polilático). A avaliação do FDA com o resumo dos estudos clínicos é pública e pode ser vista integralmente no site da instituição (http://www.accessdata.fda.gov/scrIpts/cdrh/devicesatfda/index. cfm). Esses estudos, entretanto, apresentam algumas limitações: 1. Poucos são aqueles controlados com comparador ativo (outro produto de preenchimento). Como existem fatores que influenciam o resultado de um procedimento de preenchimento (e desses, o mais importante é a mão do médico que injeta), a comparação dos resultados obtidos com diferentes preenchedores é difícil, sobretudo se não é feita no mesmo estudo clínico, usando medidas e escalas iguais. 2. A maioria dos estudos tem como indicação o sulco nasogeniano, área de aplicação fácil e com pouco risco de complicações. Estudos controlados em áreas como lábios e periorbicular são raros ou inexistentes. Uma recente pesquisa com médicos europeus evidenciou que os principais critérios na seleção de um produto são o fato de ser biodegradável, o tempo de comercialização (e dados de segurança a longo prazo), a

experiência com o uso do produto, o preço e a satisfação dos pacientes. Outros fatores importantes citados são seu perfil de segurança, facilidade de aplicação, nível da pele em que vai ser aplicado (derme média ou profunda ou músculo/lábios), indicação (rugas, perda de volume ou cicatrizes), volume necessário para a correção ideal, antecedentes do paciente e expectativas quanto à longevidade do tratamento. Na Europa em geral, devido ao número de complicações dos produtos permanentes que surgem anos após a utilização e deixam sequelas irreversíveis, o uso de preenchedores não biodegradáveis tem sido restrito a cicatrizes e grandes perdas de volume facial em pacientes HIV+ ("produto permanente = problema permanente"). O produto de preferência para preenchimento é o ácido hialurônico, que oferece resultados satisfatórios e risco mínimo. A segurança de um produto de preenchimento é aspecto fundamental. Há tempos discute-se na França e nos Estados Unidos a segurança dos que estão no mercado. A falta de um sistema de comunicação e registro de efeitos adversos minimiza artificialmente o número de casos de complicações. Recentemente, o FDA realizou um advisory board para discutir a avaliação a longo prazo dos preenchedores e estabelecer regras para a vigilância e reporting de casos de complicações ou efeitos adversos. Na França, os médicos não podem realizar o procedimento na primeira consulta. O paciente deve ser informado sobre possibilidades de tratamento, riscos associados, número de sessões, custo (por escrito), além de lhe ser oferecido período de tempo de no mínimo 15 dias para refletir e decidir sobre o procedimento. A obrigação de comunicar efeito adverso às autoridades sanitárias existe desde 1994. Em 2008, o grupo de dermatologia estética e corretiva da sociedade francesa de dermatologia criou uma ficha de comunicação de casos de efeitos adversos, uma página simples que pode ser veiculada por e-mail ou fax, e que procura sensibilizar os colegas a divulgar a ideia. Com isso, o grupo espera poder comparar no futuro o perfil de segurança de diferentes produtos. Ana Beatris Rossi é dermatologista formada pela Unicamp, com título de especialista pela SBD e mestrado em clínica médica. Ocupa hoje a posição de diretora médica mundial de pesquisa e desenvolvimento na divisão de produtos de prescrição dermatológicos e dermatologia estética do grupo Johnson & Johnson, em Paris, França. É membro da Academia Americana de Dermatologia (AAD) desde 1998 e da Academia Europeia de Dermatologia (EADV) desde 2000.

Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



3


  Notas Livro

SBD 100 anos

Beleza sem mistério, de autoria da dermatologista Denise Steiner, foi lançado no dia 10 de dezembro na Livraria da Vila, no Shopping Jardim, em São Paulo. Publicado pela M.Books, a sétima obra da autora aborda a relação entre autoestima, identidade pessoal e saúde da pele. Apresenta também casos de calvície masculina e feminina, câncer da pele, vitiligo, entre outros, e traz dicas sobre os tratamentos atuais para problemas como estrias e celulite.

Estamos nos aproximando do centésimo aniversário da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a ser comemorado em fevereiro de 2012. O Jornal da SBD fará reportagens especiais que antecederão a data festiva. Para isso, solicitamos a ajuda dos associados enviando imagens pessoais de momentos marcantes que tenham vivenciado. Em breve, faremos uma compilação de todo o material recebido. Participem!

Projeto Residentes 2010

Cilad 2010

Residentes do terceiro ano dos serviços credenciados da SBD podem preparar-se. O Projeto Residentes SBD/RoC, desenvolvido com sucesso em 2009, vai premiar quatro dermatologistas em formação com bolsas de estudos em universidades renomadas no exterior.A temporada de dois meses vai da primeira quinzena de setembro até a primeira quinzena de novembro. O prazo final de envio dos artigos científicos será em 1o de junho. Os melhores trabalhos nas áreas de cosmiatria, fotoproteção e dermatologia tropical serão conhecidos em 30 de junho. Para saber como participar, leia edital disponível no site da SBD.

Um dos locais turísticos mais importantes do mundo,Cancún,México,será a sede do XVIII Congresso Ibero Latino-Americano de Dermatologia, de 10 a 14 de novembro de 2010. O presidente Jorge Ocampo-Candiani ressalta que o programa científico é inovador e está orientado para aspectos práticos, permitindo que todos participem ativamente, compartilhando suas experiências por meio de simpósios, minicasos, oficinas interativas. A SBD realizará um simpósio no evento. Outras informações estão disponíveis no site http://www.cilad-cancun.com.

Meeting AAD O 68o Encontro da Academia Americana de Dermatologia vai ocorrer entre os dias 5 e 9 de março, em Miami, Flórida. Durante quatro dias, serão apresentadas as mais recentes descobertas científicas, pérolas clínicas, diagnóstico de câncer da pele, tratamento de casos difíceis de psoríase, avanços na acne, novas técnicas cirúrgicas e de cosméticos, e outros assuntos. "A programação científica é tão diversa quanto a especialidade", afirma David Pariser, presidente da AAD 2010. Como acontece todos os anos, a SBD estará presente com sua comissão e montará um estande no espaço do congresso em parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).

Novo estatuto da SBD

T

enho a honra de estar à frente da presidência interina da Comissão de Revisão Estatutária, que foi instituída na presidência de nosso grande mestre Prof. Sampaio e no passado teve o comando de nomes como Nelson Proença, Célia Kalil e José Ramon. Venho aqui relatar que as propostas aprovadas em Assembleia Geral Extraordinária durante o Congresso da SBD de 2009 alteraram a denominação de associado efetivo para titular, terminologia empregada pela maioria das sociedades e que valoriza, sobretudo, a obtenção do título de especialista. Outras alterações sancionadas que merecem menção: 1) a permanência na categoria aspirante por seis anos; 2) onde não houver regional, o associado tem livre escolha para sua filiação; 3) o diretor dos Anais será contemplado com cinco anos de mandato; 4) impedimento para diretores da SBD participarem de diretoria de regional; 5) regras bem definidas para o reingresso de

4  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

associado inadimplente; 6) flexibilidade maior de datas para a reunião do Conselho Deliberativo durante o Congresso da SBD; 7) aumento proporcional dos membros das Comissões existentes frente ao crescimento do número de associados; 8) para os estados sem regional haverá redução para dez no número de associados titulares quites que poderão solicitar a aprovação de criação. Alterações administrativas foram executadas com a intenção de assegurar integração perfeita entre a SBD e suas regionais, respeitando o convênio celebrado entre elas. Importante lembrar que as mudanças sempre buscam o melhor desempenho da entidade com seu associado. Em continuidade, as regionais se deverão adequar ao novo estatuto. Abdiel Figueira Lima Presidente Interino da Comissão de Revisão Estatutária da SBD


  Painel do leitor Esta seção está aberta para receber opiniões, sugestões, elogios e críticas dos leitores do Jornal da SBD. Mande seu e-mail para cartas@sbd.org.br. Prezado amigo Nilton Nasser, Recebi o comunicado da SBD a respeito da proibição pela Anvisa do uso de radiação ultravioleta para fins estéticos. Gostaria de cumprimentá-lo por sua participação frente ao Departamento de Oncologia Cutânea da SBD nessa decisão. Realmente, a SBD mostrou o motivo de sua existência perante a população brasileira. Nilton Di Chiacchio, São Paulo ––––––––– Prezados Selma e Marcus, Gostaria de parabenizá-los pelo empenho na realização do inédito Tour de Prevenção ao Câncer da Pele em São Paulo. Nossos sinceros cumprimentos em nome da SBD-Resp que, de alguma forma, contribuiu para que essa ação comunitária se realizasse. Parabéns, João Roberto Antonio Presidente SBD-Resp e demais membros da diretoria ––––––––– Caríssima Dra. Selma Cérnea, prezado Dr. Marcus Maia, É com grande alegria, orgulho e até mesmo, posso dizer, uma dose grande de emoção, que acabo de chegar em casa, e não posso deixar de escrever esta mensagem a todos vocês, em face do significado deste momento! Olhando aqui do Vale do Paraíba, com o distanciamento que ele nos impõe, eu só posso dizer a todos vocês que tudo que se realizou neste final de semana, sob chuva, frio e vento, ficará marcado para sempre na história da nossa Sobende! Tudo isso já se soma ao que vivenciamos no Rio de Janeiro, mas adquire novas nuanças, nessa vinda a São Paulo. Deixar o conforto de seus lares, neste final de semana chuvoso e frio, para atender ao chamado de um grupo de colegas "idealistas e apaixonadas", deve ser agora sentido por cada um de vocês que ali estiveram como o sentimento de "dever cumprido", e com a certeza de que realmente cada um de vocês "fez a diferença"! Que cada uma receba o profundo agradecimento por tudo que fizeram e doaram de si, em cada uma das ações

ali realizadas, desde a triagem tão criativa e competente da Tininha até o acolhimento carinhoso e dedicado de cada um de vocês, e o encaminhamento para os serviços de referência. Os desafios que surgiam foram superados pelas equipes com respeito, harmonia e criatividade! Só posso agradecer a cada um de vocês por ter viabilizado e tornado real esse nosso sonho sobendiano, pois como diz o poeta: sonhos que sonhamos juntos tornam-se realidades.... Em 2010 faremos mais, melhor e com mais gente! Esse foi o primeiro de muitos passos que daremos nessa importante direção da prevenção. Agradeço mais uma vez à Dra. Selma todo apoio e confiança, e aos dermatologistas que nos acolheram como suas parceiras, com o espírito interdisciplinar que tanto caracteriza a dermatologia. Maria Helena S. Mandelbaum – coord. científica da Sobende (Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia) ––––––––– Prezados Gostaria de parabenizá-los pela realização desse grande projeto da SBD, o Tour de Prevenção ao Câncer da Pele, que foi um sucesso aqui em Porto Alegre. Os pacientes ficaram muito satisfeitos com o atendimento e também todos os colegas envolvidos referiram satisfação com a estrutura montada, pois puderam trabalhar de forma muito confortável. Da mesma forma, a ajuda da equipe de enfermagem foi valiosa, bem como o trabalho dos profiisionais responsáveis pelo funcionamento do caminhão. Sem dúvida, esse trabalho reforçou de forma muito especial a Campanha de 2009. Berenice Capra, ex-presidente da Regional RS ––––––––– Prezados, Foi um sucesso durante o último fim de semana os atendimentos do caminhão "Tour..." em Porto Alegre. Tivemos um excelente número de atendimentos e todos ficaram muito satisfeitos. O local escolhido para os atendimentos, nas margens do rio Guaíba foi ótimo e São Pedro ajudou muito, também, com um tempo maravilhoso. Célia Kalil, 1a secretária da SBD Nacional Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



5


População: 44 milhões de pessoas Moeda: peso

DE OLHO NO MUNDO

Idioma: espanhol Dermatologistas: 3.500

Dermatologia na

Argentina A

data era 11 de abril de 1948. O local Havana, Cuba. O dermatologista argentino Carlos Fernando Gatti lembra com orgulho o momento em que foi fundado o Cilad – instituição atualmente sob seu comando. Na ocasião, o dermatologista brasileiro João de Aguiar Pupo assumia o cargo de primeiro presidente da entidade. Ao lado dele, Humberto Cerrutti, também brasileiro, comandava a secretaria-geral, e os vice-presidentes, Braulio Sáenz (Cuba), José Gay Prieto (Espanha) e Marcial Quiroga (Argentina) completavam a diretoria. Formava-se o primeiro grupo de cientistas de línguas espanhola e portuguesa a reunir esforços para promover o intercâmbio científico e intelectual das associações colegiadas. Com 61 anos de história, o Cilad tem hoje aproximadamente 3.500 membros e

três representantes brasileiros em seu quadro: Silvio Marquez (Botucatu-SP), ocupando o cargo de diretor de Educação Médica, Denise Steiner (SP), delegada brasileira, e Marcia Ramos-e-Silva (RJ), delegada brasileira adjunta. É com grande orgulho que Gatti participa da seção “De Olho no Mundo”, brindando-nos com suas reflexões sobre as dermatologias argentina e brasileira. Entre outras coisas, ele afirma nesta entrevista que “a SBD está entre as cinco sociedades mais importantes no mundo”. Acompanhe:

Dr. Carlos Fernando Gatti também é diretor do Instituto de Medicina Cutânea de Buenos Aires, ex-presidente da Sociedade Argentina de Dermatologia (SAD), membro fundador da Associação Médica Latino-Americana e membro honorário das sociedades dermatológicas da Argentina, Brasil, Itália, França, Paraguai, Colômbia, Equador, Peru, Uruguai, Guatemala e República Dominicana.

6  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6


Entrevista com Carlos Gatti Jornal da SBD: Fale-nos brevemente sobre sua carreira. Carlos Fernando Gatti: Fiz minha residência em dermatologia no Hospital Clínico da Universidade de Madri, Espanha, entre 1977 e 1980. Um ano depois, realizei um ciclo de formação em dermatologia infecciosa no Hospital das Clínicas de São Paulo com o Prof. Sampaio. De volta a Buenos Aires, desenvolvi minha atividade assistencial e docente no Hospital Francês de Buenos Aires por mais de 20 anos, onde fui chefe do Departamento de Dermatologia de 1989 até 2007. Hoje dirijo o Instituto de Medicina Cutânea e sou professor adjunto de dermatologia da Universidad del Salvador (Usal), em Buenos Aires. JSBD: A Sociedade Argentina de Dermatologia completou 75 anos em 2009. Fale um pouco sobre sua história e atual importância para a especialidade. CFG: A Sociedade Argentina de Dermatologia é a entidade que reúne os médicos dermatologistas no país. Tem 3.300 membros e um extenso programa de atividades acadêmicas. Seu congresso acontece a cada dois anos. É a entidade que dita as guias, os consensos e as recomendações para que o exercício da atividade profissional seja eficiente, atualizado e seguro. JSBD: Como se forma um dermatologista na Argentina? Há muitas instituições para a formação do especialista? Como é o mercado de trabalho na área? CFG: O título de especialista na Argentina é conferido pelas universidades nacionais, por meio de cursos superiores ou pela realização de residências médicas credenciadas. Até esta data, as vagas são limitadas para a grande demanda. Em função disso, estão sendo criadas alternativas de obtenção do título com os chamados colégios médicos, locais que realizam cursos para essa finalidade. De todo modo, a questão hoje está sob revisão e acredito que haverá mudanças nos próximos anos.

por Omar Lupi fundação. Seus progressos ocorrem em paralelo, e as oscilações de cada uma são condicionadas por instabilidades políticas de sucessivos governos. De qualquer forma, hoje a dermatologia brasileira é formidável e com grande inserção no mundo. JSBD: Qual é a importância do Brasil no Cilad? CFG: Qualquer organização latino-americana tem o Brasil como um país de extrema importância. Para se ter uma ideia, o primeiro presidente do Cilad foi brasileiro, o Prof. Dr. João de Aguiar Pupo, de 1948 a 1950. Ele também presidiu o primeiro Congresso Ibero Latino-Americano de Dermatologia, no Rio de Janeiro, em 1950. Os professores Rubem David Azulay, Antar Padilha Gonçalves e Sebastião Sampaio foram presidentes do Cilad em várias épocas. Hoje, a participação brasileira, por várias razões, diminuiu um pouco, mas estamos começando uma nova etapa, com programas e ações múltiplas de integração especial. JSBD: Como vê a importância da Sociedade Brasileira de Dermatologia? CFG: Digo simplesmente que a Sociedade Brasileira de Dermatologia está entre as cinco sociedades dermatológicas mais importantes no mundo. E, de fato, tem organização e atividades que são modelo internacional. JSBD: Como foi a experiência de suas últimas passagens pelo Rio de Janeiro e São Paulo? CFG: No Rio de Janeiro, com o Simpósio de Cosmiatria e Laser, realizado em novembro, e o Simpósio de Alergia Dermatológica e Dermatologia Ocupacional, ocorrido em setembro passado; em São Paulo, reiniciamos o caminho de integração do dermatologista brasileiro com o Colégio Ibero-Latino-Americano de Dermatologia, colaborando com as atividades acadêmicas do país.

JSBD: Qual é a proporção de dermatologistas em relação à população argentina? CFG: A população atual da Argentina é da ordem de 44 milhões de pessoas, das quais cerca de 3.500 especialistas em dermatologia. Soma-se a isso um número incerto de médicos de clínica geral que desenvolvem atividades dermatológicas em algumas partes do país, longe dos campi universitários. JSBD: Quais são as semelhanças e diferenças entre a dermatologia argentina e a brasileira? CFG: Ambas as dermatologias se desenvolvem dentro de um quadro de intercâmbio e de amizade, desde a época de Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



7


Depois do título de especialista da SBD... O que os aprovados no TED estão fazendo hoje?

M

uitas coisas podem acontecer em três anos. E o que define e influencia o rumo de nossas vidas é a força capaz de nos levantar e mudar toda a nossa história. Os aprovados nos últimos anos no Título de Especialista da SBD são exemplos de que os estudos significam o melhor caminho para o progresso intelectual e, consequentemente, para a mudança de vida. O importante é não desistir nas adversidades.

Entrevistamos sete jovens especialistas classificadas no TED entre os anos 2006 e 2009 para conhecer um pouco a trajetória de cada uma. Em sua opinião, o exame é um bem quase tão importante quanto o diploma de médico. E a diferenciação do especialista é o que o habilita a atuar nos consultórios como dermatologista. Para saber mais o que elas pensam, leia seus depoimentos.

Joana Tebar, aprovada no TED em 2009 Aos 32 anos, Joana se diz realizada na profissão. Formada na Faculdade de Medicina de Santo Amaro (Unisa) em 2001, em clínica médica no Hospital do Mandaqui (serviço vinculado ao SUS) em 2004, passou três anos prestando prova para dermatologia. Mesmo após várias tentativas, a jovem não desistiu, e em 2007 foi aprovada pela Unisa. “A aprovação na prova de título é a realização de uma vida, após ter tentado três anos sem desistir. Apesar de desanimar algumas vezes, isso me fortaleceu e provou que eu estava certa em ser persistente. Posso dizer que esse foi o período mais marcante em minha vida acadêmica.” Joana faz hoje especialização em estética na Unisa e frequenta as reuniões clínicas na instituição, onde participam todos os chefes de serviço, discutindo os casos mais complicados. “Isso enriquece muito minha vida profissional. Nos

Barbara Lima Araujo Melo, aprovada no TED em 2007 “Escolhi a dermatologia por ser uma especialidade médica que agrega a clínica, a cirurgia e a patologia de forma muito completa”, afirma a cearense Barbara Lima Melo. Seu interesse pela especialidade surgiu durante as aulas da disciplina na Universidade Federal do Ceará (UFC). Ao concluir a faculdade, em 2003, rumou para São Paulo a fim de cursar residência de clínica médica no Hospital do Servidor Público Estadual. Em 2005, iniciou residência de Dermatologia no serviço da Faculdade de Medicina da USP. “Durante esse período, o aprendizado diário e a diversidade de doenças fortaleceram ainda mais meu interesse na especialidade. Decidi, então, permanecer na instituição por mais um ano aprimorando conhecimentos em dermatologia estética e pediá-

8  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

outros períodos, trabalho em duas clínicas de chefes da Unisa e também na minha clínica particular, em Santana, zona norte de São Paulo.” Como as outras dermatologistas, a paulistana tem orgulho de fazer parte da SBD. Segundo ela, essa é a realização de um sonho antigo. “Sou muito feliz por fazer parte da SBD”, comenta ela que, com Irina Afonso, irá ao Meeting em março de 2010 em Miami.“Este será meu primeiro congresso internacional. A expectativa é enorme”, confessa.

trica no Programa de Prática Profissionalizante de Longa Duração.” Em 2008, retornou para Fortaleza, onde trabalha atualmente como dermatologista em consultório próprio. “Exerço ainda atividades ambulatoriais e de ensino no Centro de Dermatologia Dona Libânia, que é um serviço de referência da especialidade aqui no Ceará.” Barbara considera que a aprovação no TED significa o reconhecimento do estudo e da dedicação.“Também é um marco para o início efetivo de minha carreira profissional como dermatologista”, aponta.


Sayuri Yuge, aprovada no TED em 2006 A brasiliense Sayuri Yuge confessa que o interesse pela dermatologia foi “amor à primeira vista”. Seu contato inicial com a especialidade foi na década de 1990, na Faculdade de Medicina de Jundiaí. “Minhas primeiras aulas de dermatologia na faculdade foram inspiradoras e com grandes mestres, entre eles Dr. Paulo Cunha e Dra. Denise Steiner.” Para ela, a dermatologia dá a quem a escolhe um grandioso leque de atuação: da clínica dermatológica pura à anatomia patológica, à micologia e, por fim, à cirurgia e cosmiatria. “Penso que nenhuma especialidade é tão ampla, democrática e ‘generosa’ com o profissional.” Após o término da graduação, em 2001, Sayuri iniciou residência de clínica médica na Santa Casa de São Paulo em 2002, e em 2004 a residência de dermatologia no Instituto Lauro de Souza Lima, em Bauru, onde, segundo ela, teve a honra de ser aluna do já falecido Dr. Opromolla.

Mariana Modesto Dantas de Andrade Lima, aprovada no TED em 2008 A história de Mariana Andrade Lima é, segundo ela, um pouco atípica.Após graduar-se em medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (UFP) em 1998, completou residência em clínica médica e nefrologia. “O que norteou minha escolha foi o deslumbramento que na época eu tinha por pacientes críticos em estado grave.” No entanto, após três anos trabalhando em clínicas de hemodiálise, Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e resgate, a pernambucana percebeu que seu caminho não era bem esse.“Meu dia a dia era maçante e previsível, sem desafios. Foi aí que a dermatologia entrou com toda a sua maravilhosa diversidade, abrangendo tantas áreas da medicina, trazendo renovações constantes.Apaixoneime e, em 2006, parti para a especialização na Santa Casa de

Ana Elisa Brito, aprovada no TED em 2007 Formada em 2002 na Escola Bahiana de Medicina, Ana Elisa Brito fez residência em clínica médica entre 2003 e 2005, também na Bahia, e residência em dermatologia entre 2005 e 2007, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP), na capital paulista. “Em seguida, fiz um ano de especialização em dermatologia pediátrica e estética no HC-FMUSP. Escolhi a dermatologia pela rotina dinâmica, diversificada entre clínica, cirurgia e estética.” A baiana diz que o TED é uma forma importante de avaliação do que foi aprendido no curso de dermatologia e uma maneira de se ter controle sobre a qualidade dos pro-

A dermatologista, que atualmente se dedica ao consultório a ao ambulatório de hanseníase no Hospital Universitário de Brasília, onde é médica voluntária, diz que obter êxito num exame exigente e importante como o TED é, antes de tudo, motivo de orgulho e imensa satisfação. “As portas da carreira do dermatologista são bastante ampliadas com o sucesso no TED.” Para atualizar-se, Sayuri participa de cursos, simpósios e congressos promovidos pela SBD, além de ler as revistas médicas disponíveis no site da sociedade.“Procuro também sempre que possível frequentar os congressos da Academia Americana e Europeia de Dermatologia.” A SBD também é a menina dos olhos da dermatologista. “Pertencer a uma sociedade forte e atuante é sem dúvida grande privilégio e imensa responsabilidade.Além do orgulho de fazer parte da SBD acredito que pesa também sobre cada sócio o dever de zelá-la e respeitá-la”, completa. Misericórdia do Recife (Ceder)”, lembra. Para ela, passar no TED foi mais um desafio em sua vida. “Foi difícil, sofrido, exaustivo, mas significou uma coroação de credibilidade para minha jornada.” Mariana está atenta em manter-se em constante aperfeiçoamento, por exemplo, usando os recursos do Medscape e do eMedicine para ficar em dia com as novidades. Mariana trabalha hoje em seu consultório particular, mas está iniciando um processo de doutorado. “Espero em breve atuar também em pesquisa e ensino” e acrescenta que sente orgulho de pertencer à SBD e estar do lado da ética, da defesa dos mais sérios valores científicos e morais. “Temos enfrentado tempos difíceis dentro da medicina, e é crucial saber que eu estou do lado certo”, enfatiza. fissionais que ingressarão no mercado de trabalho. Fazer parte da Sociedade é, para ela, uma grande honra. “É gratificante fazer parte de uma Sociedade que tenta cada vez mais se aperfeiçoar e aperfeiçoar os sócios, (com revistas de qualidade e com vários congressos), e se destacar como especialidade de notória importância”, relata Ana Elisa, que trabalha hoje em duas clínicas de dermatologia. Ir ao 65o Meeting da AAD em Washington foi para ela experiência única. “O evento é enorme, com várias opções de aulas, de cursos e é muito organizado. O jantar oferecido aos que ganharam o scholarship foi emocionante, inesquecível.” Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



9


Irina Afonso, aprovada no TED em 2009 Filha e irmã de pediatras, Irina preferiu não seguir a carreira da família e optar pela dermatologia. Tudo indica que fez a escolha certa. Natural de Santos, 31 anos, formou-se em medicina pela Universidade Metropolitana de Santos (Unimes) em 2003, fez residência em clínica médica na Santa Casa de Misericórdia de Santos entre 2004 e 2006, e no ano seguinte ingressou em dermatologia na Universidade Santo Amaro (Unisa). Em 2009, foi aprovada no exame de especialista pela SBD.“Passar no TED significa uma conquista profissional e, sobretudo, uma vitória pessoal, já que não competimos com terceiros, mas colocamos à prova nossos anos de estudo”, diz a dermatologista, que tem como principal área de interesse as doenças cutâneas. Irina confessa que a atuação nos serviços credenciados da SBD foram fundamentais para seu desenvolvimento profissional. “Foi crucial ter feito residência e estágio em serviço devidamente credenciado pela SBD. Lá, encontrei excelentes mestres e doutores, que com muita sabedoria transmitiram seus conhecimentos ao longo desses dois

anos.” Hoje trabalha em clínicas de profissionais renomados no país e faz especialização em cosmiatria pela Unisa. “Estou me organizando para iniciar mestrado no próximo ano, pois pretendo seguir a carreira acadêmica”, relata, completando que acha importante para o residente a leitura dos Anais. Segundo Irina, o segredo para obter sucesso no exame é, em primeiro lugar, perseverança.“Em segundo lugar, muita dedicação aos estudos e, por fim, exercer a área com entusiasmo e não apenas pelo lucro que ela é capaz de proporcionar.”

Alice Zoghbi Coelho Lobo, aprovada no TED em 2006 A carioca Alice Zoghbi ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em 1997, aos 18 anos de idade. Graduou-se em 2002 e no ano seguinte foi aprovada no concurso para residência médica no Departamento de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.“A residência foi um período de grande aprendizado e estudo, e fortaleceu em mim cada vez mais o interesse pela especialidade e pela vida acadêmica. Assim, optei por ficar mais dois anos ligada ao Departamento como médica preceptora dos alunos e dos residentes entre 2006 e 2007.” Durante a graduação, Alice teve a oportunidade de conviver com ótimos professores na área dermatológica, entre eles Evandro Rivitti, que contribuiu de forma significativa para sua escolha. O forte interesse pela vida acadêmica levou-a para uma temporada nos Estados Unidos. Ela iniciou um fellowship no Massachusetts General Hospital (MGH), Harvard Medical School, na cidade de Boston, onde permanece até hoje. “Estou tendo a oportunidade de participar mais profundamente de uma diferente estrutura de ensino e pesquisa. Após 18 meses, posso dizer que o ganho é difícil de ser

10  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

mensurado, pois, além de toda a parte médica e técnica, houve grande crescimento pessoal, compreensão maior da natureza das relações humanas ao lidar diariamente com pessoas de diversas nacionalidades.” Seu dia a dia no MGH inclui diversas atividades, como a participação no laudo das biópsias de pele feitas por dermatologistas do próprio hospital, bem como das que são realizadas em serviços particulares na cidade de Boston e encaminhadas para o MGH.“O desenvolvimento é diário”, avalia. Para ela, passar no Título de Especialista da SBD “significa oficializar que o profissional concluiu a residência e foi considerado apto a exercer o ofício de médico dermatologista por um órgão acreditado. Acho importante existir a regulamentação”.


TED Especial em junho O

TED Especial da SBD, promovido em convênio com a Associação Médica Brasileira (AMB), tem data prevista para a realização em 6 de junho, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.Tal como em 2008, a prova terá duas etapas. A escrita, de caráter eliminatório, será composta por 50 questões de múltipla escolha englobando as doenças mais comuns em consultório e endêmicas em geral, como acne, câncer e hanseníase; e a teórico-prática, feita por meio eletrônico, vai abranger a avaliação de conhecimentos com dez casos clínicos. Os candidatos que obtiverem mais de 60% de acertos nos dois exames serão aprovados. Estarão aptos todos os que tiverem inscrições definitivas no Conselho Regional de Medicina (CRM), mais de 15 anos de formado em dermatologia e comprovarem o exercício profissional há pelo menos seis anos. Na avaliação do presidente da Comissão do Título de Especialista da SBD, Jackson Machado-Pinto, a expectativa é a melhor possível. "Espero que todos os associados contribuintes da SBD que exercem a profissão há mais de 15 anos façam a prova e possam ter o título de especialista", relata. Segundo Jackson, a AMB não deu nenhuma sinalização de que possa haver algum outro exame especial depois desse. Daí a importância de os associados contribuintes realizarem o TED Especial, que é uma oportunidade de se regularizarem como sócios-efetivos. Os certificados do TED Especial serão válidos por cinco anos, sendo renováveis segundo normas estabelecidas pela Comissão Nacional de Acreditação AMB/CFM. Para saber como se inscrever, consulte o edital que estará disponível no site da SBD assim que for aprovado pela AMB.


Novidades da área dermatológica no EADV 2009 Nesta edição, o JSBD presenteia seus leitores com mais dois textos elaborados por representantes da comissão da SBD no 18o Congresso da Academia Europeia de Dermatologia (EADV), ocorrido entre os dias 7 e 11 de outubro em Berlim, Alemanha. Maurício Martins e Maurício Alchorne discorrem sobre o que há de novo em alergia dermatológica e doenças da mucosa oral, respectivamente.

Alergia dermatológica

Doenças da mucosa oral

Maurício Martins

A

imunologia continua sendo destaque nos congressos da EADV. O Prof. Michael Cork, especialista em dermatologia da Universidade de Sheffield (RU) apresentou sua pesquisa sobre atividade das proteases e ação na barreira cutânea do atópico. O dermatologista do Reino Unido discorreu sobre as alterações genéticas que modificam a atividade das proteases, dos inibidores das proteases e da filagrina, alterando a resposta à penetração de proteínas estranhas (por exemplo, Staphylococcus aureus/ácaros e outros) e predispondo o organismo a uma resposta Th-2, que funcionaria como gatilho, ou à manutenção do processo inflamatório. Advertiu que o uso inadequado dos corticoesteroides tópicos pode aumentar a atividade de proteases na pele, sendo mais um fator para a diminuição das camadas do estrato córneo. O Prof. Thomas Bieber, de Bonn, Alemanha, discursou sobre os autoanticorpos IgE contra o queratinócito e proteínas das células endoteliais detectadas em alguns pacientes atópicos, correlacionando o nível desses anticorpos e a severidade da doença. No simpósio What’s New in Skin Allergy, o Prof.Torsten Zuberbier, de Berlim, Alemanha, explicou a importância das células Th-17, envolvidas na proteção contra bactérias patogênicas e também na patogênese de várias inflamações crônicas da pele, como psoríase, dermatite de contato e dermatite atópica. Referiu ainda pesquisas que revelam o papel de imunomodulação – não só ativador – e do mastócito em todas as fases da reação alérgica, o que pode mudar o foco terapêutico. Apresentou o consenso 2009 no tratamento da urticária e seus recentes estudos (junto com o Prof. Marcus Maurer, de Berlim, Alemanha) sobre o uso da terapia antiIgE na urticária, incluída a urticária física.

12  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

Maurício Alchorne E.

Gagarin

discorreu

sobre

a

gengivite

descamativa, caracterizada clinicamente por eritema, descamação e hemorragia, que causam dor e desconforto. Não é específica de determinada doença, podendo ocorrer no penfigoide das mucosas, no líquen plano e no pênfigo vulgar. Pode ser sinal precoce de alguma dessas doenças e permanece como tal por longo tempo. S. Porter abordou o carcinoma oral de células escamosas, ressaltando sua associação com o uso do tabaco e/ou álcool e enfatizando a necessidade de diagnóstico precoce e tratamento adequado para cada caso. S. Fedele discorreu sobre os marcadores clínicos e laboratoriais da transformação maligna da leucoplasia oral. Ressaltou que houve pouco progresso no entendimento dos eventos celulares e moleculares, que caracterizam progressão para displasia epitelial e carcinoma invasivo. A apresentação versou sobre atualização desses marcadores, com ênfase em recentes técnicas moleculares e técnicas visuais auxiliares.


  Coluna da Tesouraria

Saúde financeira em dia

C

hega ao fim 2009, primeiro ano de nossa gestão. A análise financeira de nossas reservas nos permite concluir que mantivemos boa a saúde financeira da SBD. Graças a significativa captação de recursos e patrocínios, todos os projetos científicos, educacionais e sociais puderam ser cumpridos com maestria, sem sacrificar os cofres da Sociedade e possibilitando concretizar ações que enaltecem o lema maior da gestão, que é a valorização da especialidade da dermatologia. Relembramos aqui, como exemplos de investimentos muito bem aplicados, várias jornadas e simpósios, campanhas como “SBD é Verde”, Psoríase e Câncer da Pele – esta culminando com o lançamento do Tour de Prevenção do Câncer da Pele, semente que germinará em 2010 e nos anos vindouros –, o Programa Residentes (já com cinco alunos contemplados) e a estreia de nossa palavra no quadro “Questão de Pele” veiculado em um programa de televisão. Levamos à comunidade brasileira nosso valor e distinção enquanto especialidade médica ética e tradicionalmente abrangente nas diversas esferas de atuação. Investimos muito na infraestrutura da área de informática com a compra de equipamentos e tecnologia de última geração. As aquisições engrandecem o campo da teledermatologia e torna mais rápida e fácil a comuni-

cação com cada um dos associados. Agora todos os produtos, incluindo o Teraderm, “Questão de Pele” e as aulas da teledermatologia, podem chegar aos computadores dos sócios com mais rapidez, qualidade e definição de imagem. É verdade que a SBD não é entidade autossustentável e que o processo de valorização da especialidade da dermatologia por meio da realização de projetos educacionais e científicos complexos em muito onera nossos cofres. Por esse motivo, apostamos na continuidade dessa gestão empreendedora, mas consciente de suas possibilidades econômicas. Alcançamos hoje a certeza de um 2010 grandioso e feliz para todos. Recebam, todos os associados, o muito obrigado da equipe da Tesouraria, pelo apoio, paciência e confiança com os quais fomos agraciados em 2009.

Maria Fernanda Gavazzoni Tesoureira da SBD Equipe Tesouraria Adriana Alves Bruno Santos Marcelo Bezerra

Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



13


  Capa

Campanha Nacional de Prevenção

inova e tenta recorde Caminhão itinerante equipado com consultórios dermatológicos dá partida ao percurso de 10 mil quilômetros nas principais cidades da costa brasileira

14  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6


o ao Câncer da Pele A

Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele (CNPCP), promovida pela SBD, chega a seu décimo primeiro ano em 2009 apresentando excelentes resultados. Mais de 170 postos de atendimento em 23 cidades brasileiras receberam aproximadamente 53 mil pessoas. O diferencial positivo dessa edição é o inédito Tour de prevenção. Com o apoio da La Roche-Posay, um caminhão iti-

nerante iniciou no Rio de Janeiro o percurso de dez mil quilômetros em cidades da costa brasileira e capitais, oferecendo orientação e atendimento gratuito relativos a cuidados e prevenção ao câncer da pele. Os bairros Arpoador e Barra da Tijuca foram os primeiros contemplados e registraram nos dias 5 e 6 de dezembro de 2009, respectivamente, o total de 330 atendimentos em cada ponto.

Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



15


Lançamento da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele A abertura nacional do evento ficou a cargo do Dra. Andreia Mateus, Coordenadora do Departamento de Cosmiatria da SBD, examina Grazi Massafera

Das 8h às 16h, diversos grupos voluntários da SBD, apoiados por equipes de enfermagem da Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (Sobende), trabalharam, em dois consultórios acoplados ao caminhão estacionado na Praia do Arpoador, realizando diagnósticos e conscientizando a população sobre os riscos da exposição solar excessiva e a necessidade de fazer uso da devida proteção contra os raios UV. Os pacientes que apresentaram suspeita da doença foram encaminhados para tratamento totalmente gratuito nos serviços credenciados de seu estado. O Parque Ibirapuera, em São Paulo, nos dias 12 e 13 de dezembro, foi o segundo destino do caminhão, que encerrará seu percurso em Salvador (BA), em 7 de fevereiro, depois de percorrer os litorais sul e nordeste do país. A CNPCP movimentou aproximadamente 3.600 voluntários. De acordo com o presidente da SBD, Omar Lupi, o engajamento de todos na campanha foi fundamental para informar As cantoras Luiza Possi e Sandra de Sá com a camiseta da Campanha

presidente da SBD, Omar Lupi, e da coordenadora nacional do Câncer da Pele, Selma Cernea, no dia 4 de dezembro de 2009, no Rio de Janeiro, onde foi realizada a coletiva de imprensa para o lançamento da CNPCP. "Em 2008 conseguimos examinar 43 mil pessoas em todo o país. Nesta edição, temos chances de superar esse número com o caminhão adaptado para o exame da pele que percorrerá todo o litoral brasileiro entre o Rio Grande do Norte e o Rio Grande do Sul, até o final do verão. Em 2010, esperamos começar a campanha em setembro e estendê-la a outras cidades, como por exemplo, o Distrito Federal”, afirmou Omar Lupi. Logo após a solenidade de abertura, foi iniciado tratamento gratuito à população, na Cinelândia, onde estava estacionado o caminhão do tour. A Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (Sobende) foi convidada pela diretoria da SBD para apoiar a CNPCP. Para a edição de 2009, a entidade apoiará a campanha com equipes de

e conscientizar a população de forma eficiente, visando à educação sanitária. "Aler tamos a população sobre os efeitos maléficos da exposição prolongada e repetitiva ao sol. Acreditamos que o caminho no controle do câncer da pele, que deveria estar em extinção, mas nunca foi tão comum como agora, só ocorrerá através da informação e da educação sanitária. Esse está sendo o trabalho de milhares de dermatologistas em todo o Brasil que acreditam poder ajudar de forma efetiva a população brasileira", comenta. De acordo com as estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), dos 489.270 novos casos de câncer previstos para 2010 no Brasil, 114 mil serão de pele do tipo não melanoma, e 5.930 do tipo melanoma. Nesta edição, Ana Maria Braga, Luiza Possi e Sandra de Sá foram algumas das várias personalidades que manifesta-


Dr. Omar Lupi, presidente da SBD, e Dra. Selma Cernéa, Coordenadora Nacional da 11a CNPCP durante a coletiva de imprensa para o lançamento da Campanha no Rio de Janeiro

enfermagem durante todo o trajeto do caminhão itinerante. Elas estão sendo responsáveis pelo acolhimento às pessoas e pela triagem, além de auxiliar no trabalho educativo, agilizando o atendimento do grande público e otimizando o tempo do médico, que tem condições de se dedicar ao diagnóstico dos pacientes. Para Maria Helena Mandelbaum, coordenadora científica da Sobende, a participação mostra a aproximação da entidade com a SBD. “É com grande satisfação que comemoramos essa integração. Só posso agradecer à visão multidisciplinar da atual diretoria da SBD, que contribui para nos acolher não apenas nesta campanha de foco nacional, mas também em diversas outras atividades”, ressalta.

ram apoio à iniciativa, vestindo a camiseta de divulgação da campanha. Além das três, também estiveram presentes os atletas Kaio Márcio, Virna, Léo Moura e os atores Oscar Magrini, Gustavo Leão e Grazi Massafera, entre outros. No final de todas as atividades relacionadas à Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele de 2009, os números de atendimento de cada estado serão computados e passarão a integrar um banco de dados nacional, segmentado pelas variáveis região, sexo, idade e cor.“É com base nas informações coletadas durante os atendimentos que a SBD vai elaborar um novo mapa da doença, servindo como referência para outras ações no combate ao câncer de pele no país”, salienta Selma Cernea. Com a inclusão do pioneiro tour, acredita-se que o número de atendimentos seja superado.A meta é tentar a inclusão no Guinness World Records para a ação de 2009 ser reconhecida como a maior campanha médica do mundo realizada em um único dia.

Thiago, Falcão e Lenísio, campeões mundiais de Futsal pela Fifa em 2008, apoiam a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele da SBD

Tour de prevenção na Praia do Arpoador (RJ) Apesar da chuva, foi significativo o número de atendimentos no Arpoador, no Rio de Janeiro. Muitas pessoas se aproximavam para conhecer o caminhão e fazer consulta gratuita. O funcionário público Ney Gomes dos Santos, 45, soube da campanha por meio dos jornais e aproveitou o sábado para conversar com um dermatologista. “Tenho pequenas manchas e perda de pigmentação e vim aqui procurar orientação adequada de um dermatologista para saber como proceder”, diz. Outra assistida foi a aposentada Maria Conceição Ramalhete, 63. Ela tem um caso de câncer da pele na família, por isso a preocupação é constante.“Uso filtro solar apenas no rosto, mas sei que esse procedimento não é adequado.Vou repensar os meus hábitos para não ter problemas no futuro”, conta, surpresa pelo rápido atendimena apresentadora Ana Maria Braga também apoia a iniciativa da SBD

Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



17


Uberlândia, MG

Blumenau, SC

to recebido: “Em dez minutos já estava liberada”. Trabalhadores que vivem expostos ao sol também procuraram o serviço.Todos receberam panfletos explicativos sobre os riscos da exposição solar. Além disso, um serviço de telemarketing foi instalado para informar gratuitamente à população os locais de atendimento. No dia 8 de dezembro, o caminhão passou pela Central Globo de Produções, o Projac. Na ocasião, residentes de dermatologia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro atenderam, durante a tarde, 88 funcionários e atores da emissora.

Campanha em todo o Brasil Para o presidente da SBD-Resp e coordenador local da campanha em São José do Rio Preto, João Roberto Antonio, a divulgação prévia realizada de forma veemente pelos jornais, rádios e televisão potencializou o alcance da campanha. As pessoas atendidas apontaram a divulgação na mídia como a principal razão para o comparecimento significativo e assíduo durante todo o período de atendimento. Com o apoio da Liga Dermatológica da Faculdade Estadual de Medicina e do Serviço de Dermatologia do Hospital de Base, professores, residentes e alunos receberam o total de 450 pessoas. Dessas, 146 pacientes (32%) foram diagnosticados com lesões pré-cancerosas e/ou com câncer da pele e encaminhados ao ambulatório de dermatologia do Hospital de Base da Faculdade de São José do Rio Preto (Famerp). O Hospital de Clínicas, o Hospital Evangélico e a Santa Casa de Curitiba atenderam 2.867 pessoas e por muito pouco não bateu o recorde de 2.900 atendimentos obtido em 2008.“Foi um sucesso. A diretoria da SBD-

18  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

Vila Velha, ES

PR mais uma vez agradece o empenho dos coordenadores locais, que abraçaram a causa sempre com muito entusiasmo, e que, tanto na capital como no interior, trazem seus residentes, alunos, colegas voluntários e outros profissionais dos serviços, a esse que é o maior evento de cunho social da SBD”, salienta Carlos Augusto Silva Barros, presidente da SBD-PR. Lá foram detectados 220 casos de carcinoma basocelular (CBC) e 58 de carcinoma epidermoide (CEC). No Rio Grande do Sul, 2.490 pessoas receberam atendimento gratuito nos 11 hospitais e ambulatórios inscritos na campanha, das quais 231 tiveram suspeita de melanoma. Foram examinados 1.414 catarinenses que participaram da campanha do dia 5 de dezembro nas cidades Blumenau, Brusque, Chapecó, Concórdia, Criciúma, Florianópolis, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joaçaba e Tubarão. No Distrito Federal, os 99 voluntários registraram 349 atendimentos, com diagnóstico de quatro casos de melanoma. Em Jundiaí (SP), 679 foram beneficiados com a campanha. Quase duas mil pessoas foram atendidas em Minas Gerais. Os municípios de Uberlândia e Juiz de Fora receberam 420 e 152 pessoas, respectivamente. O maior número ficou com Belo Horizonte: 1.383, sendo 785 assistidos no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e 598, na Santa Casa de Belo Horizonte.


PaginaCentralFinal.ai

1

15/01/10

16:28

Êxito no primeiro ano de gestão o

C

M

Y

R Reunião do Conselho Deliberativo A reunião do Conselho Deliberativo de 2009 foi uuma das mais importantes da SBD com o eexcelente quórum de 120 delegados participando ativamente durante mais de oito horas. p SSua estrutura física sofreu grandes alterações para torná-la mais ágil e resolutiva, com a p disposição dos assentos feita em bancadas d eestaduais e por ordem alfabética; controle rígido do tempo das apresentações e voto eletrônico, d que agilizou a votação com redução do tempo de q aapuração. Maria de Lourdes Viegas, M Secretária-Geral da SBD

CM

MY

CY

CMY

K

Questão de Pele Sempre visando à valorização do dermatologista, assim como o esclarecimento preciso e claro à população em geral, a SBD conseguiu um espaço para tal fim junto à emissora GNT, no programa Happy Hour, denominado “Questão de Pele”. Durante quatro meses, os 20 episódios exibidos abordaram diversos assuntos, como patologias e procedimentos realizados por dermatologistas, com abrangência e linguagem adequadas ao entendimento do público. Esta diretoria está muito satisfeita com os resultados obtidos. Celia Kalil, 1a secretária da SBD

Política médica Nossa aproximação com o CFM e AMB foi marcante em 2009. Com o presidente da AMB, fomos ao MEC, em Brasília, reivindicar a regulamentação das pós-graduações em dermatologia no país, uma das questões mais abordadas por nossos associados. No CFM, contribuímos com a eleição para vice-presidente do pernambucano Carlos Vidal, que certamente será mais uma liderança em defesa da dermatologia. Emerson de Andrade Lima, 2o secretário da SBD e membro da Comissão de Ética e Defesa Profissional da SBD

Projeto Residentes e Fide Cumprindo a promessa de internacionalização da dermatologia brasileira, a diretoria da SBD disponibilizou, através de concursos em 2009, três bolsas para residentes do terceiro ano se aprimorarem no exterior. Esse projeto inédito foi um sucesso entre os contemplados, que já estão se atualizando em grandes centros de treinamento em dermatologia em Munique, Texas e Detroit. Outro projeto importante foi o da SBD em parceria com a Fide, e que contemplou, através de concursos, dois residentes com bolsa e inscrição para o Meeting da AAD de 2010, em Miami. A SBD está atenta em ajudar os jovens dermatologistas a aprimorar seus conhecimentos também no exterior. Paulo Cunha, coordenador do Jornal da SBD e diretor de assuntos internacionais

Surgical & Cosmetic Dermatology gy O ano de 2009 se encerra com a publicação cação do quarto número da Surgical & Cosmeticc Dermatology. Tem sido um agradável desafio despertar nos dermatologistas cirurgiões, nos especialistas em laser e nos cosmiatras brasileiros o interesse em transformar sua experiência prática em publicações científicas. E temos tido resposta bastante positiva. Agradecemos imensamente aos colegas, que a partir dos protocolos dos serviços credenciados ou com sua experiência de consultório nos brindaram com seus artigos. Assim, com a colaboração de todos, podemos nutrir o sonho de uma indexação breve para nossa revista. Bogdana Kadunc, vice-presidente da SBD e editora-chefe da Surgical & Cosmetic Dermatology

O

plano de gestão da atual diretoria

buscou todo o tempo atingir as principais necessidades

da

SBD.

O

trabalho

realizado em parceria com as regionais teve como mote o resgate da tradição da especialidade e a valorização do dermatologista. Segundo o presidente Omar Lupi, o balanço de final de ano foi mais do

Redução das anuidades Implantamos a modalidade de associado on line que além de permitir desconto de 10% na anuidade de 2010, contribui ecologicamente para reduzir o material impresso em papel. Cumprimos a promessa de campanha focada na redução das anuidades, mesmo frente à crescente inflação e à grande instabilidade financeira em que se encontram o país e o restante do planeta. Maria F. Gavazzoni, tesoureira da SBD

que positivo. “Planejamos diversas ações que seriam implementadas ao longo dos dois anos de gestão. Com muita dedicação, conseguimos desenvolver grande parte desse trabalho em 2009.Vamos dar continuidade este ano, visando, acima de

PROJETO RESIDENTES

tudo, a expansão contínua dos avanços da Sociedade.” Muitas das metas que saíram do papel foram o resultado da união e do comprometimento entre diretoria e

o Conselh o tiv Delibera Deliberativo Conselho

$

associados. Acompanhe algumas delas:

Bibliotec virtual Biblioteca organização do arquivo digital de teses e a A organiz ampliação das assinaturas de periódicos científicos pela biblioteca da SBD são um trabalho que beneficia a todos os associados. Ricardo Romiti, diretor de Biblioteca da SBD Ações de Psoríase A Campanha Nacional de Psoríase teve grande repercussão e orientou mais de 50 mil pessoas. Foi noticiada em massa em diversos meios de comunicação, ganhando espaço exclusivo no “Questão de Pele” do dia 26 de outubro, além de filme institucional veiculado em cinemas Kinoplex com 90 inserções em salas em todo o Brasil. Os primeiros simpósios on line, e nacional de psoríase e a distribuição do Consenso de Psoríase 2009 para dermatologistas, bibliotecas, autoridades do MS, foram outras ações importantíssimas realizadas pela SBD em 2009. Claudia Maia, coordenadora nacional da campanha de Psoríase

Indexação Anais A indexação dos Anais, obtida após inúmeras tentativas e fruto de incessante trabalho em equipe, é uma valiosa conquista da dermatologia brasileira que hoje não ficará mais atrás de importantes periódicos estrangeiros. Outro relevante avanço ocorrido em 2009 foi a submissão eletrônica para artigos enviados, atestando mais transparência e agilidade ao processo. Essas mudanças são muito boas para a revista, os editores e, sobretudo, os autores. Diante disso, posso dizer que, para os Anais, 2009 foi extremamente positivo e promissor. Anais DermAção O projeto Dermação integra a SBD com a comunidade, procurando levar conhecimentos, atendimentos e assistência científica gratuitamente. Além de empreender ações benevolentes, o dermatologista recebe o reconhecimento de toda a comunidade beneficiada. Isso valoriza nossa sociedade como prestadora de serviços interessada somente na saúde da população. Diretoria da SBD

Renovação do Portal da SBD e criação do Portal de vídeos O conteúdo de diversos eventos científicos da SBD passou a ser disponibilizado pelo nosso novo portal de vídeos, hoje importante ferramenta de Educação Médica Continuada de nossos dermatologistas. O Portal da SBD foi totalmente reformulado, melhorando o acesso dos colegas e do público. Aldo Toschi, diretor de mídia eletrô ônica da SBD Teraderm eTeraderm Online O Primeiro Teraderm da SBD credita o grande sucesso de público alcançado em 2009 ao moderno formato de aulas de curta duração, que englobou as últimas tendências da dermatologia. O conteúdo científico foi inteiramente filmado e oferecido aos associados por meio do novo portal de vídeos da SBD. Josemir Belo, coordenador de Departamentos da SBD

Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele Tivemos dois grandes desafios em 2009. Em primeiro lugar, a busca de certificação pelo Guinness Book com o prolongamento para oito horas a duração do atendimento da 11a CNPCP. Outro grande desafio está sendo o planejamento estratégico do caminhão itinerante. O veículo iniciou seu percurso em 5 de dezembro no Rio de Janeiro e deverá percorrer toda a costa brasileira com trajeto aproximado de 10 mil quilômetros até o dia 7 de fevereiro. Esperamos que tudo saia como planejado e possamos comemorar os bons resultados. Selma Cernea, coordenadora nacional da Campanha do Câncer da Pele


Bonito Lugar de beleza a perder de vista, Bonito é referência em turismo ambiental e uma das regiões mais conservadas do país. Rios de águas transparentes formando grandes aquários naturais, peixes multicoloridos, cachoeiras enormes, e inúmeras grutas são alguns de seus encantos. Localizada na região da Serra da Bodoquena, a três horas de Campo Grande, a cidade sul-matogrossense oferece inúmeras opções de lazer. Passeio que faz sucesso entre os visitantes é a visita às cavernas. Além de todas as belezas naturais, Bonito tem boa infraestrutura, com hotéis e pousadas para todos os gostos e bolsos. Peixes dos mais variados — lá existem mais de 90 espécies — também são muito bem vindos na mesa de restaurantes da região, que faz jus ao nome.

África do Sul País de dois oceanos (Atlântico e Índico), três capitais (Pretória, Cidade do Cabo e Bloemfontein) e da Copa do Mundo de 2010, a África do Sul possui roteiros fantásticos — Rota Jardim no Sul (viagem rodoviária por algumas das paisagens litorâneas mais bonitas do hemisfério), por exemplo, ou um dos melhores safáris do mundo, no Parque Kruger, na fronteira com Moçambique, com seus animais livres nas florestas. Na contagem regressiva para a Copa do Mundo de 2010, deve aumentar o interesse pelo país, e a África do Sul espera receber milhões de turistas.

Índia A Índia, com capital em Nova Delhi, é lugar mágico onde beleza e pobreza convivem em uma sociedade peculiar, muito diferente das encontradas no mundo ocidental. Além dos elefantes, dos tecidos de cores fortes, de músicas, danças, deuses e temperos exóticos, e joias raras, há também lugares belíssimos. O Palácio Taj Mahal, na cidade de Agra, Índia central, foi construído pelo imperador Shah Jahan, em homenagem à esposa favorita, Mumtaz Mahal, que faleceu em 1631. Conhecido como "Terra de Reis", o estado do Rajastão teve seus for tes e palácios transformados em hotéis e resorts, que oferecem ao visitante a possibilidade de passar dias de marajá na Índia. Já em Bombaim, encontra-se a indústria cinematográfica mais produtiva do mundo.

Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



25


Exemplo que vem do Nordeste Desde 2003 o (DES)Mancha Sergipe tem diminuído a incidência de casos graves de hanseníase no município e dado ótimo exemplo para o trabalho de prevenção e controle da doença. O estado é principal área endêmica

C

riado há seis anos e fruto da parceria entre a Universidade Federal de Sergipe (UFS), a Prefeitura Municipal de Aracaju e o Serviço de Dermatologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o projeto "(DES)Mancha Sergipe: estratégia de eliminação da hanseníase em nível municipal" tem alcançado ótimos resultados no combate à doença. O trabalho é realizado por equipe composta de 34 alunos, sendo 28 do curso de medicina, quatro de enfermagem e dois de serviço social, além de profissionais do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário, médicos dermatologistas e residentes. Sob coordenação de duas doutorandas do curso de medicina e supervisão de Emerson Ferreira da Costa, professor de dermatologia da UFS, o objetivo do projeto é atuar de forma integrada na redução de novos casos de hanseníase, por meio de detecção e tratamento precoces. "Queremos melhorar a qualidade de vida dos doentes. Temos como objetivos gerais treinamentos teóricopráticos, capacitando os estudantes a tratar, diagnosticar e prevenir sequelas.Também desenvolvemos técnicas de palestras a fim de transmitir o conhecimento científico à população de forma fácil, com linguagem compreensível", explica Emerson Ferreira da Costa, idealizador do projeto. Segundo informação sua, o plano de ação consiste na integração das instituições envolvidas e das seguintes atividades: tratamento dos pacientes, busca de novos casos, prevenção e minimização de incapacidades, e inserção do aluno em ações educativas com a divulgação de sinais e sintomas à população. Os alunos participantes passam por capacitação teórico-prática e assistem a aulas sobre os principais aspectos da doença, desde epidemiologia e fisiopatologia até os tratamentos disponíveis. "Esses alunos partici-

26  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

Corpo clínico do (DES)Mancha Sergipe, que atende cerca de 50 pacientes por mês

pam do projeto durante um ano, em média, prazo que se pode estender ilimitadamente. Ao final de um ano, são selecionados dois alunos, de destacada participação, para coordar o projeto no ano seguinte", completa. As atividades são realizadas no ambulatório do Hospital Universitário (HU) e em duas unidades de saúde, nas pro-


  DermAção

ximidades do Campus de Saúde da UFS. No HU, os alunos, orientados por médicos residentes e assistentes, atendem, três dias a cada semana, a média de 50 pacientes por mês. "Após confirmação diagnóstica, o paciente passa a ser acompanhado mensalmente pelos estudantes de serviço social do (DES)Mancha Sergipe. A finalidade é melhorar a aceitação da doença por parte de pacientes e familiares, uma vez que a hanseníase carrega até hoje o estigma de doença incapacitante, capaz de deixar sequelas diversas", diz Emerson. O trabalho nas Unidades Básicas de Saúde (Cândida Alves e Francisco Fonseca) também é intenso.Todos os dias da semana, equipes compostas pelos estudantes fazem visitas aos postos e ministram palestras educativas para as pessoas que esperam atendimento nessas unidades; nessas ocasiões, eles também mostram posters e distribuem panfletos obtidos junto à Secretaria Municipal de Saúde, enfatizando a importância do diagnóstico precoce e do tratamento.

Resultados Os resultados são surpreendentes. De 2003 a 2009, o (DES)Mancha já atendeu 200 pacientes, dos quais 52 estão em tratamento (doença e/ou reações hansênicas). Desses, 17 (32,7% dos pacientes em tratamento) estão sendo acompanhados de perto. "Constatamos que a maioria dos pacientes atendidos no ambulatório é proveniente da própria capital,Aracaju. No entanto, temos uma parcela expressiva de pacientes provenientes de municípios do interior do estado e até mesmo de estados vizinhos. Isso demonstra a importância do projeto, que vem extrapolando sua área de atuação, abrangendo não só o município, mas também todo o estado", ressalta Emerson. Em março de 2009, o número de atendimentos superou em 25% o total de pacientes atendidos em todo o ano de 2008. Além das palestras nos postos de saúde, são feitas também abordagens educativas em outras áreas, como feiras de rua e durante a Ação Global em 2008 — iniciativa do Sesi e da Rede Globo, que tem como objetivo oferecer serviços relevantes e gratuitos à população.

Ações futuras

DermAção

Como perspectivas de ampliação de seus serviços à comunidade, o (DES)Mancha estuda a possibilidade de lançar um subprojeto que visa à realização de palestras em escolas municipais, com o objetivo de levar informação de forma descontraída aos alunos e, indiretamente, a seus familiares.

A iniciativa de reunir e promover ações de solidariedade em todo Brasil é um sucesso entre os associados da SBD. Envie sua experiência para nós pelo e-mail: administ2@sbd.org.br e veja seu esforço solidário reconhecido por sua sociedade em seu órgão oficial de divulgação. Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



27


SBD intensifica políticas de saúde para portadores de psoríase Resultados das ações já aparecem

C

erca de 200 pessoas participaram do Io Simpósio de Psoríase, realizado no dia 14 de novembro, em Brasília. A programação contemplou assuntos diversos da doença, da fisiopatogenia aos atuais tipos de tratamento, e contou com a presença de representante do diretor da Comissão para Incorporação de Tecnologias (Citec) do Ministério da Saúde, Claudio Maierovitch, em clara demonstração de que a parceria entre a SBD e o Ministério da Saúde vem se fortalecendo. “Essa aproximação é essencial para que a sociedade possa participar da tomada de decisões do MS nas políticas de saúde em dermatologia”, frisa Claudia Maia, coordenadora nacional da Campanha de Psoríase. No simpósio houve a inédita participação das sete associações nacionais de portadores de psoríase, que durante três dias promoveram um workshop sobre gestão administrativa. O objetivo foi viabilizar a regulamentação de cada uma, orientando-se sobre estatutos, viabilidade econômica, relações com entidades médicas etc.

Da esq. para dir.: Cláudia Maia, Cláudio Maierovitch (Citec) e Ricardo Romiti

Segundo Claudia Maia, hoje a relação entre as entidades mudou. E para melhor. “O encontro foi muito proveitoso e, sem dúvida, um marco na relação entre SBD e associações de portadores de psoríase. Tentamos verificar quem trabalha com causas nobres em prol da doença e dos doentes, e não em benefício próprio. E, o mais importante, de forma legalizada!”, ressalta.

Consenso de Psoríase

O Consenso Brasileiro de Psoríase foi distribuído aos quase seis mil dermatologistas de todo o país, 100 bibliotecas públicas, secretarias estaduais de saúde, regionais e serviços credenciados da SBD, além de várias autoridades do Ministério da Saúde, tais como o secretário de Atenção à Saúde (SAS), Alberto Beltrame, a coordenadora de média e alta complexidade, Maria Inez Gadelha, o diretor adjunto da Anvisa, Luiz Klassmann, entre outros. Também foi apresentado a Claudio Maierovitch o pleito da SBD de incorporação à comissão. A SBD em parceria com a AMB está elaborando uma publicação que faz parte do Projeto Diretrizes da AMB, coordenado por Ricardo Romiti e Paulo Oldani, para avaliar os tratamentos da psoríase conforme as evidências científicas da literatura. “O trabalho está na reta final, e, quando

28  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

publicado, iremos igualmente entregá-lo em mãos às autoridades de saúde. O trabalho de extremo valor científico poderá mais uma vez subsidiá-las na elaboração do protocolo de tratamento de psoríase grave”, reforça.


Ives Poulin Simpósio de Psoríase contou com cerca de 200 pessoas em Brasília.

Os representantes das sete associações de portadores de psoríase existentes no Brasil enviaram mensagem aos associados da SBD, por ocasião da reunião ocorrida durante o Io Simpósio de Psoríase em Brasília

Avançando na fototerapia

Quanto à fototerapia, recentemente a SBD entrou em contato com o diretor adjunto da Anvisa, Luiz Klassmann, para encaminhar o registro das máquinas de fototerapia existentes no Brasil para fins terapêuticos. "O Dr.Luiz mostrou-se interessadíssimo em agilizar e verificar os empecilhos que foram encontrados até então para a legalização das máquinas. Sem isso, não se consegue a tão almejada incorporação da fototerapia pelo SUS, apesar da boa vontade do secretário da SAS em querer incorporá-la”, completa Claudia. Também são boas as notícias para o tratamento de ar trite psoriásica. A ansiada incorporação dos imunobiológicos pelo SUS para o tratamento de psoríase ainda não ocorreu; no entanto, foi publicada no Diário Oficial da União do dia 26 de novembro de 2009 a por taria GM/MS 2.981, aprovando as medicações antiTNF para ar trite psoriásica. A resolução entrará em vigor em março de 2010. “Esse é um passo enorme. Não tínhamos nada, e agora já temos a ar trite psoriásica. Vamos continuar atuando junto ao Ministério da Saúde para conseguirmos a psoríase grave sem ar trite”, afirma Claudia Maia.

Queremos trabalhar em parcerias com a SBD e os médicos, pois acreditamos que os pacientes e seus familiares necessitam de informações de qualidade, diagnóstico e tratamentos adequados; Queremos participar das discussões de políticas públicas, pois reverberamos a voz do paciente e do cuidador nas suas necessidades sociais; Entendemos que a educação pública é essencial para a melhoria da qualidade de vida do paciente. E essa educação pública deve ser levada a todos — incluídos os profissionais da saúde; A qualificação técnica deve ser de alta qualidade, e entendemos que a SBD e os profissionais de saúde devem cobrar dos governos e universidades políticas públicas e programas com foco em psoríase.

Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



29


Dermatologistas da SBD irão somar forças em universidades federais brasileiras Concursos aprovam dermatologistas para professores em grandes centros de ensino públicos. Aumento do corpo clínico dará mais visibilidade à Sociedade Brasileira de Dermatologia

A

pós longo período de espera, importantes universidades públicas brasileiras realizaram, no primeiro semestre de 2009, concursos públicos para professores em todo o país. As oportunidades de admissão na docência de nível superior abrangeram várias áreas de conhecimento.A dermatologia é uma delas. Com o concurso, novos professores vão melhorar o capital humano em instituições como a Universidade Federal Fluminense (UFF),Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio), Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Universidade Federal de Tocantins (UFT), além de fortalecer o nome da SBD. “A abertura dessas vagas é algo extremamente positivo, pois vai alocar pessoas com perfil apropriado para atuar nesses locais de ensino.Vivemos hoje uma importante retomada nas universidades, principalmente as federais, com novos membros agregando suas vivências ao conhecimento acadêmico”, ressalta o presidente Omar Lupi. Esses concursos em muito contribuem para a reestruturação das universidades públicas, que sofreram processo de estagnação durante o governo do expresidente Fernando Henrique Cardoso. “Naquele período, o conceito de autonomia universitária foi utilizado para justificar o baixo investimento no ensino público e superior, que se traduziu em sucateamento e redução drástica do corpo docente”, afirma Sandra Durães, chefe de serviço da UFF. Em sua avaliação, a abertura de concursos no segundo governo Lula está não apenas recompondo as perdas, mas incorporando profissionais altamente qualificados que completaram recentemente sua titulação, mas que ainda não estavam de fato inseridos na universidade como professores. De 1993 para cá, houve apenas um concurso para professor titular na UFF. Após 15 anos sem novas contratações, um novo concurso para professor adjunto foi promovido em maio de 2009. Três dermatologistas da SBD conseguiram a aprovação: Flávio Barbosa Luz, Omar Lupi e Maria Claudia Issa. “A entrada de jovens doutores eleva a titulação do nosso grupo e estamos certos de que contribuirá para alavancar a pesquisa e valorizar ainda mais o ensino nesse serviço de grande tradição na dermatologia” explica Sandra Durães, que também foi a presidente da banca. A UniRio também promoveu concurso em setembro de 2009 aprovando Omar Lupi para professor adjunto. O responsável pelo serviço do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, Carlos José Martins, disse que a renovação é

30  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

muito bem vinda, pois vai proporcionar melhor distribuição de funções e dinamismo no setor. “Lutamos com muita dificuldade para manter o serviço, já que as vagas das pessoas que foram se aposentando não são retornadas. Renovar ajudará bastante para mantermos o bom nível do nosso trabalho”. Omar Lupi se juntará a Ricardo Lima Barbosa e Denise de Freitas Sarmento, professores que atuam na UniRio.

Injeção de ânimo Assim como as outras especialidades, a dermatologia teve um bom desenvolvimento nos últimos anos, acompanhando a evolução global da medicina e dos avanços tecnológicos internacionais. Seu crescimento colaborou para que os profissionais da área aprimorassem seus conhecimentos. “Isso nos obrigou a abraçar novas técnicas, a criar subespecialidades, a participar efetivamente das pesquisas médicas e a mudar o modo de apresentação e treinamento dos alunos nas universidades e nos congressos. Nós acompanhamos essas mudanças de perto, muitas vezes participando diretamente de sua execução. O novo professor pode ser considerado uma injeção de ânimo, de novos conhecimentos e ideias, a serem adaptados ao serviço de dermatologia que irá recebê-lo”, afirma Maria Claudia Issa, professora adjunta recém-concursada da UFF. Formado pela UniRio, com mestrado na UFF e doutorado na UFRJ, Flavio Barbosa Luz revela que desde o início da carreira dedicou-se à assistência e à docência. “Não pensei duas vezes quando abriu o concurso para a UFF. Tenho grandes amigos na universidade e sempre admirei o corpo docente de lá. É uma grande honra estar entre esses colegas. Hoje a universidade é a minha casa dermatológica”, diz. A UnB e a UFT também renovarão seus quadros. O último concurso para dermatologia na Universidade de Brasília ocorreu em 1995.“Esses professores darão novo ânimo à universidade e fortalecerão a SBD”, salienta Izelda Costa, editora científica dos Anais. O presidente da nova Regional Tocantins da SBD, Nilo Fernandes, recém-concursado para a UFT também assinala a importância da abertura dessas oportunidades. “É fundamental para que nós, dermatologistas, tenhamos mais acesso às universidades com abertura de vagas em todos os escalões da vida docente”, comenta. Paulo Criado, responsável pelo programa de EMC da SBD foi aprovado no início de 2009 no concurso de professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Ele acredita que jovens dermatologistas também devem abraçar a vida acadêmica nas universidades para se manter envolvidos no processo de produção científica, ensino e intercâmbio profissional. Dessa forma, o profissional além de estudar para ensinar tem a oportunidade de aprender ensinando. "A dermatologia brasileira só continuará realmente a crescer se aliar qualidade com quantidade, sendo que para isso é necessária a inserção das novas gerações de dermatologistas na vida universitária", assinala.


Filtro solar pode virar medicamento

N

o último dia 26 de novembro, o presidente da regional Pernambuco, Emerson de Andrade Lima, apresentou proposta de mudança da categoria do filtro solar de cosmético para medicamento, em audiência pública na Assembleia Legislativa do Recife e Câmara de Saúde. Ele pleiteou também a instituição de um projeto de lei que regularize a distribuição do produto na rede pública de atendimento à saúde, sem custo para o usuário. Em sua exposição, Emerson de Andrade mostrou as estatísticas nacionais e internacionais de incidência de câncer da pele e a comparação com outros tumores. Lembrou ainda que nenhuma ação pública tem sido realizada na prevenção dos mais comuns de todos os cânceres. Atualmente, cerca de 25% da população é acometida por tumores no Brasil. “A única campanha existente no país é realizada pela SBD. Apesar de termos a realização gratuita de mamografia para o combate ao câncer de mama, o PSA e toque para a prevenção do câncer de próstata, e a colposcopia e citologia oncótica para a prevenção do câncer do colo uterino,

nenhuma ação vem sendo realizada em relação ao câncer da pele”, explica o presidente da regional. Também discutiu-se a necessidade de criação de um programa de prevenção que apresentaria custo menor do que o tratamento da doença, bem como de distribuição do filtro solar — como já é feito com os hipoglicemiantes orais, anti-hipertensivos, preservativos e medicamentos de alto custo, como a isotretinoína e os biológicos. A proposta foi aprovada por unanimidade pela Câmara de Saúde, que a levará para discussão com todo o Legislativo e o Executivo do estado. Com isso, filtros solares passarão a ser distribuídos aos funcionários na própria Assembleia Legislativa, iniciativa que visa dar bom exemplo. As propagandas sobre o verão de Pernambuco deverão terminar com a mensagem: "Previna-se contra o câncer da pele, use filtro solar diariamente". Segundo Emerson, está agendado encontro com o governador e o secretário de saúde para viabilizar a forma de colocar em prática a proposta e, em seguida, levar a boa experiência de Pernambuco para o Congresso Nacional.


  Profissões e Dermatoses Ocupacionais

Alice O. A. Alchorne

Dermatite de contato alérgica por prímula (florista)

Dermatoses profissionais causadas por plantas Com utilidade prática indiscutível, como base para construções, cosméticos, medicamentos, utensílios, entre outros, as plantas também podem desencadear dermatoses pelo contato com a pele

P Dermatite de contato alérgica por madeira perobinha (carpinteiro)

Dermatite de contato alérgica por cebola na mão não principal (cozinheira)

Fitofotodermatite tóxica por limão (cozinheira)

32  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

elo fato de grande variedade de plantas encontradas no Brasil ser frequentemente usada em medicamentos e cosméticos – 80% da população mundial as utiliza – e de os vegetais serem importantes causadores de dermatoses ocupacionais, esse tema é de suma relevância. A madeira das árvores é utilizada na indústria de móveis, na construção civil, em brinquedos e numa diversidade de objetos; cabe lembrar ainda o amplo uso de plantas ornamentais. Na Europa, com base na bateria-padrão de testes de contato, 5% a 10% das pessoas reagem a substâncias relacionadas a plantas. Os vegetais constituem riscos ocupacionais para inúmeras profissões, entre elas as de floristas, jardineiros, verdureiros, cozinheiros, guardas florestais, marceneiros, carpinteiros, fazendeiros, lavradores, trabalhadores de desmatamento e de reflorestamento, bem como de outras ocupações ao ar livre, trabalhadores de fábrica de produtos farmacêuticos, cosméticos e alimentícios. As dermatoses podem ser causadas por árvores e arbustos, plantas ornamentais como folhagens e flores,frutas,sementes,raízes, hortaliças, pólens, extratos vegetais e serragem de madeira. QUADROS CLÍNICOS Dermatites de contato (DC) Dermatites de contato irritativas (DCI): são as mais frequentes. Causam irritações mecânicas e químicas, além de facilitar a sensibilização por alérgenos das plantas. As mecânicas são provocadas por espinhos e farpas, em geral ocasionando lesões lineares com eritema, bolhas, necrose, ulcerações e granulomas de corpo estranho e sarcoídicos, podendo haver complicações como infecção. Dentre as plantas causadoras de irritação mecânica destacam-se cactos, coqueiros, palmas, agave, milho (palha), feijão (vagem) e gramíneas.


As químicas acarretam eczemas de contato por irritação relativa ou absoluta (“queimaduras químicas”). Exemplos comuns desse grupo são comigo-ninguém-pode, abacaxi, mostarda, pimenta, castanha de caju, banana, arruda, mamona, burra-leiteira (cercas) e madeiras (pau-marfim,imbuia,louro e pinho-do-paraná). Dermatites de contato alérgicas (DCA): muitas plantas são alergizantes e irritantes. As mais alergênicas pertencem às seguintes famílias: Anacardiaceae: é a mais sensibilizante. O alérgeno é uruxiol (mistura de catecóis e resorcinóis que são fenóis), que também pode causar vitiligo químico. São exemplos a casca da castanha do caju (antígeno cardol), manga e as folhas de aroeira. A manifestação toma a forma de erupção eritêmato-pápulo-vésico-bolhosa. Compositae (compostas): engloba mais de 180 espécies, como, por exemplo, girassol, chicória, crisântemo, dália, margarida, aquileia e arnica. O alérgeno é o sesquiterpeno lactona (SQL) – partenolide presente em várias partes da planta (existem mais de 1.350 SQL). Gera DCA em áreas expostas (tipo aerodispersoide), geralmente em homens de meia-idade que trabalham ao ar livre, manifestando-se, no início, de forma subaguda e, depois, se cronificando e liquenificando. Alliaceae: são irritantes e alergênicas. Pertencem a essa família o alho e a cebola. Os alérgenos são os dissulfetos (alil e dialil) e o aliacin. Causam pulpite nos primeiros três dedos da mão não principal de cozinheiros; na pele injuriada causa queimadura química. Liliaceae e alstromeriaceae: são irritantes e alergênicas, especialmente o bulbo;pertencem a esse grupo as tulipas,que,nos dedos da mão principal, provocam pulpite, um eczema crônico, hiperqueratósico e fissurado. Os alérgenos são tulipalin A e B. Primulaceae: a espécie mais conhecida é a Primula obconica. São ornamentais e muito populares. O alérgeno é a primina (miconidin e metil éster de miconidin). Altamente alergizante, manifesta-se em 1% dos testes de contato com bateria-padrão na Europa. Causa lesões agudas ou subagudas na face e nos membros superiores. Outras: gerânio, begônia, louro, gingo biloba, eucalipto, gengibre, alfazema, tomilho, cravo-da-índia, hortelã, gergelim, mamona e madeiras (cerejeira, cedro, caviúna, jacarandá, pau-brasil, peroba, pinho-do-paraná, ipê e laca). Fitofotodermatites Fototóxicas: são frequentes e causam hiperpigmentação. - Furocumarinas (psoralênicos). Usados em medicamentos, cosméticos e como aromatizante em alimentos. - Frutas cítricas: limão taiti e tangerina. - Outros: cenoura, arruda, figo, canela, salsinha, arnica e angélica. Fotoalérgicas: são raras e podem cronificar e evoluir para dermatite actínica crônica. São exemplos as compostas como girassol e margarida; coentro; cenoura; anis e erva-doce.

Urticárias Muito raras, podem ser: Imunológica: de contato ou via sistêmica, mediada por IgE, com quadros localizados, generalizados ou até com broncoespasmo e anafilaxia. São provocadas, por exemplo, pelo látex da borracha, algumas frutas (banana, kiwi, abacate, damasco, melão, mamão, pêssego, cereja, morango e ameixa) e hortaliças (cenoura, alface, aipo, pepino, couve, tomate, batata e soja). Não imunológica ou farmacológica: degranulam mastócitos, mas não por mecanismo mediado por anticorpos. Liberam substâncias vasoativas, sendo urticantes. Os marmeleiros e as urtigas são exemplos de vegetais que a desencadeiam. Outros quadros Muito raros: eritema multiforme, reações sarcoídicas, pruridos e prurigos, paquioníquias, vasculite leucocitoclástica, verrucosidades e vitiligo químico.

DIAGNÓSTICO Como nas demais dermatoses ocupacionais, a anamnese detalhada é muito valiosa, bem como o exame físico, caracterizando o quadro dermatológico. Como exames de laboratório, os mais empregados são os testes de contato que podem ser realizados com a bateria-padrão, em que temos vários alérgenos de vegetais (bálsamo do Peru, fragrâncias, antraquinona, terebintina e colofônio). Existem baterias específicas com os alérgenos de plantas já citados.Também é possível testar partes do vegetal (folhas, caule e flores) sob forma de extrato ou com a própria planta, como no caso das compostas; para madeiras, pode-se usar o pó em vaselina. Algumas vezes, quando há suspeita de fotossensibilidade, é necessário o fototeste de contato. Para urticária imunológica pode-se fazer prick test com muito cuidado ou o Rast (sem riscos, específico, mas pouco sensível). PREVENÇÃO O uso de luvas de borracha ou de vinil é aconselhado para os irritantes químicos; para as irritações mecânicas, recomendam-se luvas de couro. Constatada a DCA, as plantas responsáveis devem, sempre que possível, ser afastadas; não havendo essa possibilidade, ao manuseá-las, usar luvas de borracha ou vinil, exceto para bulbos de tulipas, caso em que as luvas de nitrila são a melhor opção, pois os alérgenos atravessam o vinil. Os alérgicos ao látex não devem ingerir frutas que causam urticária imunológica, pois podem provocar reações cruzadas com o látex. São recomendados os seguintes cremes: emolientes; antiactínicos para as fotodermatites; barreira, como por exemplo, com quaternium18-bentonita para DCA por anacardiáceas. Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



33


Agilidade e comprometimento com os associados da SBD na resposta ao Pro Teste

Leia a nota à imprensa divulgada pela Anvisa no dia 2 de dezembro de 2009:

A diretoria da SBD respondeu com agilidade à pesquisa da

2.12.2009

Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste) publicada nos jornais O Estado de S. Paulo e Jornal da Tarde, em 1o de dezembro de 2009, que pôs em xeque a qualidade de oito entre dez marcas de filtros solares. No dia seguinte à divulgação do “Teste Comparativo de Protetores”, a SBD publicou um anúncio pago no O Estado de S. Paulo explicando que a entidade não era a fonte de estudo — ao contrário do que foi publicado — e se colocando à disposição do Pro Teste para analisar os resultados obtidos na pesquisa. No dia 3 de dezembro, a entidade recebeu carta da Associação que respondia, parcialmente, a alguns dos questionamentos feitos acerca dos métodos e dos resultados apresentados. Para esclarecer e minimizar o estranhamento de associados, a diretoria rapidamente tomou as medidas cabíveis. Três comunicados foram encaminhados por e-mail esclarecendo todo o processo ocorrido. Na última notificação, os associados receberam uma análise preliminar metodologia do Pro Teste. "Nossa preocupação foi dar respaldo imediato a nossos associados, caso sejam questionados por seus pacientes", diz Omar Lupi. O presidente ressalta que o teste não foi submetido à análise prévia da entidade e lembra que o órgão competente para aprovar as formulações dos protetores solares é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Leia o primeiro comunicado encaminhado aos associados com o posicionamento da SBD: “A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) esclarece que desconhece a metodologia utilizada pela Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste Consumidores), que coloca em dúvida a formulação e a eficiência de alguns protetores solares comercializados no Brasil. Afirma ainda que esse teste não foi submetido a sua análise e que a tabela utilizada pelos jornais O Estado de S. Paulo e Jornal da Tarde em suas matérias repercutindo o assunto não é de autoria da SBD.” A Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), foi outra que se pronunciou contra os resultados da pesquisa, ao assegurar a segurança e eficácia dos protetores solares. Em comunicado divulgado em seu site, a associação afirma que "regulamentação dos protetores solares conta com extremo rigor científico e os produtos são avaliados sob criteriosos padrões internacionais de qualidade.Também utilizam ingredientes seguros validados e aprovados pela Anvisa, bem como pelas agências reguladoras de outros países, como FDA (USA Foods and Drugs administration) e Colipa (The European Cosmetics Association)".

Assunto: Protetores Solares – Teste comparativo PRO TESTE Tendo em vista a matéria publicada na revista Pro Teste número 87, de dezembro de 2009, a Anvisa esclarece que: Em relação ao estudo realizado pela Pro Teste, não podemos avaliar os resultados apresentados sem tomar conhecimento das metodologias empregadas nos testes.

34  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

No Brasil, há dois regulamentos técnicos específicos para protetores solares: Resolução - RDC no 47, de 16 de março de 2006 Regulamento Técnico “LISTA DE FILTROS ULTRAVIOLETAS PERMITIDOS PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES”. Resolução no 237, de 22 de agosto de 2002 Regulamento Técnico Sobre Protetores Solares em Cosméticos. Para fins de registro dos protetores solares, a RDC 237/02 estabelece metodologias de referências para determinação do nível de proteção solar e para resistência à água. A RDC 47/06 estabelece a lista de ingredientes que podem ser usados como filtro solar em produtos cosméticos. Esta lista foi discutida e harmonizada no âmbito do Mercosul, tendo como referência informações técnico-científicas atualizadas, bem como o disposto na legislação de outros países. O ingrediente benzophenone-3, mencionado na matéria, é permitido em concentrações de até 10%, conforme consta da RDC 47/06 (No de Ordem 17). Essa substância foi estudada por grupos de experts tanto na Europa como nos Estados Unidos e considerada segura em ambas as avaliações. Essa substância é permitida como filtro solar também nos países da União Europeia e nos Estados Unidos. Ao contrário do que afirma a matéria, a RDC 237/02 traz controle e exigências relativas à proteção UVA. A quantificação da proteção UVA deverá ser realizada através de metodologias reconhecidas. A forma de expressar a proteção UVA no rótulo está ligada à metodologia empregada para quantificar a proteção. A RDC 237/02 que estabelece, dentre outros, a metodologia para determinação do FPS e a rotulagem dos produtos está sendo revista. A Resolução Mercosul que resultou na RDC 237/02 está em discussão entre os países que compõem o Bloco. Além das alegações de rotulagem, estão sendo revistos os critérios e regras para o nível de proteção UVA além das metodologias a serem empregadas. Além disso, a Resolução RDC no 211, de 14 de julho de 2005 estabelece como requisitos técnicos obrigatórios os dados de segurança e a comprovação de eficácia, dentre outros. De acordo com este Regulamento, esses produtos são classificados como Grau 2 devido a sua composição e à finalidade intrínseca ao produto. Para registro desses produtos é necessária a apresentação de teste de eficácia de uso do produto acabado. Esclarecemos ainda que o uso de protetores solares é apenas uma das alternativas para prevenção dos danos causados pela exposição ao sol. Outras recomendações podem ser encontradas na cartilha de proteção solar disponível em nosso site, no endereço http://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/prot_solar/index.htm.


SBD Pernambuco comemora os 70 anos de fundação

A

SBD-PE, a mais antiga regional da Sociedade, realizou no último dia 3 de dezembro comemoração para celebrar os 70 anos de fundação. Na oportunidade, todos os ex-presidentes foram homenageados pelo atual, Emerson de Andrade Lima, e houve o lançamento do selo comemorativo, que será usado em toda a papelaria da regional durante 2010. Um vídeo com momentos marcantes da associação — com quadros como o crescimento da entidade nos últimos anos com a chegada de novos membros — foi exibido para os associados. "Relembramos o sucesso das jornadas pernambucanas que recebem participantes de todo o país, hoje em sua décima oitava edição", afirmou o presidente da regional, em cuja opinião também foi ressaltada a credibilidade da SBD-PE perante as associações de especialidade, como Cremepe e AMB. A confraternização marcou o encerramento de seus quatro anos de gestão. "Durante esse tempo, realizamos encontros científicos com novas formatações e campanhas de valorização dos dermatologistas, oferecemos cursos e simpósios gratuitamente e, sobretudo, aproximamos a SBD das associações médicas, 1do 04/01/10 poder público Anúncio23x1565C0ngresso.ai 11:55 e da comunidade leiga", salientou Emerson.

Arquivo digital de dissertações e teses

A

ampla divulgação dos trabalhos resultantes dos cursos de mestrado e doutorado para nossa comunidade científica é elemento fundamental da atividade acadêmica. Em função disso, a biblioteca da SBD tem utilizado a base de dados Personal Home Library (PHL) — aplicação desenvolvida especialmente para a organização de coleções e serviços de bibliotecas via web — para digitalizar suas teses e dissertações. Com o PHL, estarão disponibilizados resumos e referências bibliográficas dos trabalhos mais antigos. Os atuais, enviados em formato PDF, terão sua versão integral para acesso on-line. Desde 1802 até hoje, a entidade contabiliza 800 teses em seu acervo. Até o fechamento desta edição, no entanto, a biblioteca da SBD havia recebido cerca de 25 novas teses no formato PDF. De acordo com Ricardo Romiti, coordenador da biblioteca, o serviço entrará no ar oficialmente no início de 2010.“O vasto número de serviços credenciados na SBD inviabiliza que tenhamos conhecimento de todas as teses já realizadas e defendidas. Assim, dependemos da iniciativa dos próprios autores e/ou orientadores nos enviarem suas teses”, afirma. Para saber se sua tese já consta em nosso arquivo o associado pode encaminhar e-mail para a bibliotecária Rosalynn Leite (biblioteca@sbd.org.br).

Errata - Na matéria "Nova diretoria do CFM", publicada na página 29 da edição anterior, o presidente da Regional Pernambuco é Emerson de Andrade Lima (e não Silvia da Costa Carvalho, como consta no texto), que a partir de janeiro será substituído por Sérgio Palma.


  Grandes Mulheres da Humanidade

Cecília Meireles, entre o efêmero e o eterno “Aqui está minha vida – esta areia tão clara, com desenhos de andar delicados ao vento. Aqui está minha voz – esta concha vazia, sombra de som curtindo o seu próprio lamento. Aqui está minha dor – este coral quebrado, sobrevivendo ao seu patético momento. Aqui está minha herança – este mar solitário, que de um lado era o amor e, do outro, esquecimento”, Cecília Meireles

C

ecília Benevides de Carvalho Meireles nasceu no dia 7 de novembro de 1901, no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro. Órfã desde os três anos de idade, teve sua vida marcada pela intimidade com a morte, fato que a fez conhecer desde menina a transitoriedade das coisas. Essa, aliás, é um das grandes características da poética de Cecília Meireles. A paixão pela leitura norteia sua trajetória profissional. Em 1917, com apenas 16 anos, diplomou-se professora pelo Curso Normal do Instituto de Educação do Rio de Janeiro e passou a trabalhar no magistério primário, o que fez durante muitos anos. Paralelamente dedicou-se à poesia. Em 1919, publicou seu primeiro livro de poemas, Espectros, sobre temas históricos. Três anos depois, casou-se com o artista plástico português Fernando Correia Dias, com quem teve três filhas: Maria Elvira, Maria Matilde e Maria Fernanda. Ele ilustrou seus próximos dois livros de poemas, Nunca mais... e poema dos poemas, publicado em 1923, e Baladas para El-Rei, de 1925. Em 1934, Cecília começa a dirigir a primeira biblioteca infantil brasileira no Pavilhão Mourisco, no bairro de Botafogo, Rio de Janeiro. Nessa época, ela e o marido se dedicavam com afinco a transformar o espaço em um universo encantado. Intrigas políticas, entretanto, levantam suspeita sobre a legitimidade educacional dos livros que compõem o acervo, e alegam que a biblioteca continha obras prejudiciais à formação das crianças. O local acaba sendo fechado por ordem do então presidente Getúlio Vargas. Após o episódio, Cecília conseguiu reunir forças para suportar, em 1935, o súbito suicídio do marido. Foi a partir de então que se tornou professora de literatura brasileira e da disciplina de crítica literária na Universidade do Distrito

36  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6

Federal. Ao mesmo tempo, manteve colunas em três jornais brasileiros: A Manhã, Correio Paulistano e A Nação, além de organizar a revista Travel in Brazil. Em 1939, publicou o belo Viagem, que ganhou o prêmio da Academia Brasileira de Letras. Um ano depois, Cecília casou-se com o professor e engenheiro-agrônomo Heitor Vinicius da Silveira Grillo e partiu para uma temporada no exterior dando aulas de literatura brasileira na Universidade de Austin (Texas). Também percorreu países como Argentina, Uruguai, França, Bélgica, Holanda, Índia, Itália e Israel. Na década de 1940, lançou obras-primas como Vaga música (1942), Mar absoluto (1945) e Retrato natural (1949). Publicou em seguida Romanceiro da Inconfidência (1953), Canções (1956), Metal rosicler (1960) e Solombra (1963), o último de seus livros de poemas publicados em vida. Escreveu ainda cerca de 1.500 crônicas em diversos jornais durante 30 anos de atuação jornalística, tendo estreado na década de 1920, na revista Ilustração Brasileira. Os temas dos poemas de Cecília variam dos mais corriqueiros aos mais complexos e filosóficos, sempre em atmosfera de distanciamento e suavidade. Drummond coloca Cecília entre “os grandes poetas peninsulares”, distanciando-a dos demais escritores e, ao mesmo tempo, ligando-a aos grandes pensadores. Poucos autores conseguiram expressar a transitoriedade da vida de forma tão gentil e singela como Cecília. A escritora morreu em 1964, no Rio de Janeiro, em plena atividade literária, tendo sido consagrada no ano seguinte com o prêmio Machado de Assis, pelo conjunto de sua obra.


  Assuntos exóticos e pitorescos

Grandes bibliotecas da Antiguidade

Autênticos recantos do conhecimento, elas cumprem a função de espalhar o conhecimento e ampliar os horizontes não só dos amantes da literatura

N

o dicionário do Aurélio, biblioteca significa coleção pública ou privada de livros e documentos congêneres, organizada para estudo, leitura e consulta. Grande parte das nações desenvolvidas dispõe de bibliotecas de vários tipos — nacionais, universitárias, públicas, escolares, por exemplo. Uma das mais antigas do mundo, a Biblioteca Real de Alexandria, que reuniu a maior coleção de manuscritos da Antiguidade, com cerca de 500 mil volumes, foi fundada no início do século 3 a.C. por Ptolomeu I Sóter, rei do Egito; destruída parcialmente inúmeras vezes, em 646 sofreu o derradeiro incêndio, causado acidentalmente pelos árabes. A lista dos grandes pensadores que frequentaram a biblioteca e o museu de Alexandria inclui nomes de gênios do passado como Galeano, médico do século 2, e Arquimedes, matemático do século 3 a.C. Obras importantes sobre geometria, trigonometria e astronomia, literatura e medicina são creditados a eruditos de Alexandria. Um novo espaço, a Bibliotheca Alexandrina, foi inaugurada em 2002 próximo ao local da antiga instituição. Em seu edifício abriga quatro bibliotecas especializadas, laboratórios, planetário, museu de ciências e caligrafia, sala de congressos e de exposições. Inicialmente, a ideia era dotar o local com oito milhões de livros, mas a dificuldade de angariar essa quantidade reduziu o acervo pela metade. Assim criou-se uma biblioteca cibernética que aloca hoje dez mil livros raros, 100 mil manuscritos, 300 mil periódicos, 200 mil cassetes e 50 mil vídeos.

A Biblioteca de Celso, datada do século 2 e com acervo de 12 mil pergaminhos, coloca-se imediatamente em seguida à de Alexandria em importância. Situada em Éfeso, na Ásia Menor (Anatólia, atual Turquia), a biblioteca serviu como túmulo de Celso Polemeanus. O edifício atual é uma reconstrução, de autoria de arqueólogos austríacos, e preserva o estilo dos edifícios romanos. As estátuas da fachada são cópias das originais, que atualmente se encontram no museu de Éfeso em Viena, e representam a sabedoria (Sophia), o conhecimento (Episteme), a inteligência (Ennoia) e o valor (Arete), qualidades de Celso. A Biblioteca de Pérgamo, também uma das mais reconhecidas da Antiguidade, competiu em importância com a de Alexandria. O rei de Pérgamo Atalo I Sóter — grande protetor da cultura e da arte — foi seu fundador, e o espaço chegou a reunir cerca de 200 mil volumes. A biblioteca de Alexandria especializou-se em edições de textos literários e de crítica gramatical; na de Pérgamo, os livros de filosofia estoica eram os mais comuns. Reza a lenda que Alexandria deixou de abastecer Pérgamo com papiro para evitar que a biblioteca pudesse chegar a fazer sombra à de Alexandria em relação ao número de volumes. O termo “pergaminho” surgiu para designar as finas folhas de couro desenvolvidas em Pérgamo como uma opção aos papiros não mais disponibilizados para a biblioteca local. Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



37


  Departamentos

Auditório lotado do Simpósio de Cosmiatria, que apresentou as últimas novidades da área.

indicação e da experiência do aplicador, podem gerar bons resultados. “Muitos temas relevantes foram apresentados por ângulos diferentes e por diversas vezes. Essa maneira não convencional tornou as aulas mais envolventes e atraiu a atenção da plateia, que permaneceu até o último minuto do evento”, ressalta Andréia, acrescentando que teve o cuidado de entrar em contato com alguns palestrantes para pedir detalhes e dicas das aulas práticas sobre cosmiatria atual. Maria Fernanda Gavazzoni encerrou o bloco de Pérolas de Cosmiatria e o simpósio com a aula sobre tratamento do fio capilar.

Cursos práticos

 Cosmiatria e Laser Realizou-se em novembro na cidade do Rio de Janeiro, sob coordenação de Andréia Mateus e Alexandre Filippo, o II Simpósio Nacional de Cosmiatria e Laser da SBD. Em parceria com a Regional RJ e o Capítulo de Cosmiatria do Cilad, o evento reuniu cerca de 1.300 dermatologistas durante dois dias no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca. Aulas com duração de cinco minutos deram mais dinamismo ao curso e propiciaram que mais temas fossem colocados em pauta. “A cosmiatria cresceu muito e hoje abrange diversos temas, tanto em termos de cosmecêuticos, terapia sistêmica e tópica, como procedimentos estéticos. O formato de aulas curtas diversificou ainda mais o conteúdo”, diz Andréia Mateus, coordenadora do Departamento de Cosmiatria. “Polêmicas em cosmiatria” foi o ponto alto do simpósio. Nesse bloco discutiram-se procedimentos controversos, mostrando seus limites e efeitos colaterais, e que, dependendo da

 Hanseníase O III Simpósio Nacional de Hanseníase ocorreu no dia 12 de dezembro em João Pessoa, (PB). Coordenado por Joel Lastória e Carla Gayoso, o evento contou com a presença de 150 pessoas.Temas como situação atual da hanseníase na Paraíba e no Brasil, diagnóstico clínico, tratamento e novas perspectivas, lesões neurológicas e prevenção de incapacidades, foram destaques da programação científica. Maurício Nobre (RN), Maria Aparecida Grossi (MS), Marco Andrei Cipriani (SP), Maria Leide Van Del Rey (RJ) foram alguns dos dermatologistas de outros estados que palestraram.

No primeiro dia de evento, foram ministrados mais de 15 cursos práticos na Santa Casa de Misericórdia, na Policlínica Piquet Carneiro (Uerj) e no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro. “O grupo do Hospital dos Servidores, sob a supervisão do Dr. Paulo Oldani, teve atuação incansável na seleção dos pacientes e na ajuda durante o painel de procedimentos ao vivo, coordenado pelo Dr. Ricardo Shiratsu”, salienta Alexandre Filippo, coordenador do Departamento de Laser. “Contamos com apoio total e irrestrito da diretoria da SBD, particularmente do nosso presidente, Omar Lupi, e de sua área administrativa, sob o comando da gerente Priscila Rudge. A parceria com o Departamento de Cosmiatria, coordenado pela Dra. Andréia Mateus, fluiu perfeitamente, além da grande contribuição da comissão científica de ambos os departamentos. Todos esses fatos nos são de grande estímulo para dar continuidade a esse relevante evento, que já está tomando forma de congresso”, complementa, sonhando em repetir o sucesso na próxima edição.

 Oncologia Cutânea O Departamento de Oncologia Cutânea comandado por Nilton Nasser tem promovido há alguns anos o concurso “Salve Sua Pele”. O objetivo do programa é divulgar a importância da fotoproteção desde a infância. Participam alunos de cinco a dez anos das redes municipais e estaduais das secretarias de Educação e de colégios particulares. “Tendo em vista os bons resultados apresentados, gostaria de convidar as regionais de todo o Brasil para participar pelo e-mail: ninasser.bnu@terra.com.br”, afirma. Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



39


Regionais Rio de Janeiro

Paraná

Pernambuco



Rio Grande Norte

Piauí

Distrito Federal

Minas Gerais

Rio de Janeiro

Ser��o realizados nos dias 26 e 27 de março de 2010, o 5o DermaRio e o 8o Encontro dos Cirurgiões Dermatológicos, eventos já consolidados da dermatologia carioca. O programa científico terá enfoque predominantemente prático, com módulos dinâmicos e concisos, discussão de questões rotineiras do consultório, dificuldades do dia a dia, guias práticos de diagnóstico, dicas terapêuticas, atualização em diferentes áreas e painéis de casos clínicos referentes aos temas abordados. “Em meio a tantos eventos de altíssimo nível científico, buscamos um formato diferenciado no qual possamos compartilhar dúvidas, agregar conhecimento e reproduzir nossa experiência de consultório.Vamos iniciar 2010 com o 5o DermaRio, e esperamos que esse seja o primeiro de uma sequência de grandes eventos ao longo desse ano no Rio de Janeiro”, afirma Claudia Alcântara Gomes, presidente do 5o DermaRio. Outras informações no site www.sbdrj.org.br.



Paraná

O Hotel Recanto Park, localizado em Foz do Iguaçu, no Paraná, sediou nos dias 23 e 24 de outubro, a 51a Jornada Paranaense de Dermatologia, sob coordenação de Nei Afonso Chassot. A atividade marcou a integração entre dermatologistas e profissionais de outras áreas da medicina, como patologia, cirurgia plástica, anestesiologia, cancerologia e farmácia. Na tarde de sexta-feira, um curso prévio sobre dermatoscopia contou com a participação dos palestrantes Carlos Augusto Silva Bastos, Lismary A. de Forville Mesquita, Flávia de Leão Serafini e do cancerologista Ézio Augusto Amaral Filho, que abordou conceitos atuais do melanoma. Par ticiparam da Jornada, ministrando aulas de interesse, os dermatologistas Charles Alberto Nedel, de Foz do Iguaçu, e Lígia Márcia Marion Martin, de Londrina, a cirurgiã plástica Neylane Cristina Soares Dutra, a anestesista Ellen Quintella e a farmacêutica Rita de Cássia V. Salvatti. O evento teve como convidado especial, o dermatologista paulistano Reinaldo Tovo, que ministrou três palestras, sobre os aspectos atuais relacionados às infecções por HPV, a utilização do imiquimoide e o tratamento de cicatrizes de acne com Laser.

Da esq. para a dir.: Ligia Márcia Marion Martin, Carlos Augusto Silva Bastos, Rita de Cássia V. Salvatti, Charles Alberto Nedel, Ézio Augusto Amaral Filho, Nei Afonso Chassot, Reinaldo Tovo, Neylane Cristina Soares Dutra, Ellen Quintella

40  Jornal da SBD  Ano XIII n. 6



Rio Grande do Norte

O II Simpósio de Atualização em Câncer da Pele do Rio Grande do Norte ocorreu nos dias 13 e 14 de novembro. No evento estiveram presentes, entre outros nomes, o físico Gilvan Luiz, que participou do Simpósio anterior e contribuiu com suas importantes observações sobre os perigos da exposição solar;a oncologista Cristina Medeiros,que ministrou aula sobre o prognóstico do melanoma e a conduta atual de acordo com o Consenso do Grupo Brasileiro de Melanoma (GBM), e a coordenadora nacional da Campanha do Câncer da Pele, Selma Cernea. Em sua apresentação a dermatologista esclareceu os participantes sobre a conduta atual quanto a tumores cutâneos e cirurgia micrográfica, além de historiar as campanhas nacionais de câncer da pele, desde as primeiras edições até a atual. Carlos César e Joaquim Mesquita Filho também colaboraram para o sucesso do evento.

Selma Cernea, coordenadora nacional da Campanha do Câncer da Pele (terceira da esq. para a dir.) ladeada de dermatologistas e do físico Gilvan Luiz




Piauí

A SBD-PI vem mantendo regularmente reunião clínica mensal exclusiva para os sócios da SBD. A cada edição, são convidados para ministrar palestras professores com larga experiência no tema escolhido. No último dia 24 de outubro, Heitor de Sá Gonçalves, de Fortaleza, apresentou aulas de atualização em psoríase, piodermites refratárias e atualização terapêutica da hanseníase. Na mesma ocasião foi realizada homenagem aos dermatologistas piauienses com mais de 30 anos de dedicação à especialidade.



Pernambuco

A SBD-PE promoveu em novembro a XVIII versão da tradicional Jornada Pernambucana de Dermatologia. O Beach Class, resort em Porto de Galinhas, foi o local escolhido para o evento, que reuniu mais de 350 participantes de vários estados brasileiros. Com programa científico de qualidade e manhãs livres para o lazer em família, o encontro possibilitou a troca de experiências e discussões muito proveitosas durante quatro dias. O programa social foi um espetáculo à parte: uma casa à beira-mar foi cenário para animadíssimo luau na noite de abertura. O presidente da SBD-PE, Emerson de Andrade Lima, encerrou em grande estilo seus quatro anos de plena dedicação à Regional Pernambuco.





Minas Gerais

Dia da Psoríase Em Belo Horizonte, a campanha foi realizada na Praça da Estação, das 7h às 13h. A SBD-MG contou com a participação dos serviços credenciados da Santa Casa, do Hospital Militar e do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e de 21 voluntários. “Tivemos uma boa divulgação da campanha, realizada pela assessoria de imprensa da Associação Médica de Minas Gerais com várias entrevistas em jornais, rádio e televisão”, ressalta a dermatologista Andréa Machado Coelho Ramos. No interior, os serviços credenciados de Uberlândia e Juiz de Fora também aderiram à campanha, com grande número de pessoas orientadas sobre a doença.

Distrito Federal

Dia da Psoríase no Distrito Federal A SBD-DF participou ativamente da quarta edição da Campanha Nacional da Psoríase no dia 29 de outubro. As ações, realizadas em um shopping popular de Brasília, o Pátio Brasil, incluíram o atendimento de 1.386 pessoas que buscavam orientações e conhecimentos sobre a doença. Participaram dermatologistas, residentes, estudantes de quatro escolas médicas do Distrito Federal e voluntários da Associação Brasiliense de Psoríase (Abraspse). Em seguida, no dia 14 de novembro, o Distrito Federal realizou o 1o Simpósio Nacional da Psoríase, oportunidade em que foram discutidas atualizações de ações nos aspectos etiopatogênicos, clínicos e suas comorbidades terapêuticas, e questões como captação de recursos para associação de pacientes com psoríase. Especialistas renomados nacionais e estrangeiros estiveram presentes dando suas contribuições. Representantes do Ministério da Saúde, dermatologistas de serviços credenciados de todo o Brasil, residentes e estudantes de medicina das quatro escolas da capital também participaram do evento. Jornal da SBD



Ano XIII n. 6



41


  Serviços Credenciados  Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) O Serviço comunica que,por meio de concurso público realizado em julho de 2009, recebeu a nova professora adjunta, a Dra. Ana Elisa K. Bau.A dermatologista possui mestrado e doutorado e atua predominantemente na área da dermatologia pediátrica.

 Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba As novas instalações do Centro Dermatológico do Serviço foram inauguradas em meados de outubro. O diretor-geral do Hospital da Santa Casa, Flaviano Ventorim, o presidente do CRM-PR, Miguel Ibraim Abloud Hanna Sobrinho, e o presidente da SBD-PR, Carlos Augusto Silva Bastos, além de autoridades da PUC-PR e equipe do serviço compareceram ao ato.

Dermatologistas participam da cerimônia de inauguração da Santa Casa

 Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL) Nos dias 23 e 24 de outubro foram realizados no Instituto Lauro de Souza Lima, em Bauru, a Reunião Dermatológica do 7o Distrito Bauru-Botucatu, o 2o Encontro dos Ex-Residentes do ILSL e a Jornada Anual de Dermatologia do ILSL. As atividades tiveram início no dia 23, com um encontro informal dos ex-residentes. À noite os participantes assistiram a palestras como “Melhores técnicas para rejuvenescimento dos lábios” e “Tratamento de nódulos causados por PMMA” ministradas por Marina Odo. Um jantar com a participação de 100 pessoas encerrou o primeiro dia de evento. Durante a confraternização foram homenageados os preceptores Raul Negrão Fleury, Somei Ura, Claudio Joaquim Sampaio Tonello e Ivander Bastazini. No sábado, 24, sob coordenação de Sadamitsu Nalandakari, ocorreu a Jornada Dermatológica, com a apresentação e discussão de dez casos no ambulatório do ILSL.

Encontro em Bauru reúne ex-residentes e dermatologistas do ILSL


Jornal da SBD - Nº 6 Novembro / Dezembro 2009