Issuu on Google+

Ano VII N o 8 Novembro / Dezembro 2003

Publicação oficial da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Cris Isidoro

Sucesso em todo o Brasil Sociedade Brasileira de Dermatologia realiza a maior Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele da história Pág.5

Entrevista: Dr. Márcio Rutowitsch

SBD participa de Congresso da ABEM

Presidente da SBD fala sobre as realizações do primeiro ano de manPág.3 dato e os planos para 2004

Coordenador da EMC, Silvio Marques, propõe fórum perma Pág.10 nente sobre residência

Residentes aprendem sobre cosmiatria

Educação Médica Continuada em Dermatologia

Serviços credenciados da SBD têm no programa cursos de Pág.9 procedimentos estéticos

Ao todo, 771 médicos da SBD recebem Certificado de Atualização Pág.11 da EMC-D. Leia o artigo

Carta sela diretrizes do 59º Congresso da SBD

Acordo define metas para a reali zação do maior acontecimento promovido pela Sociedade Pág.11

Regras para médicos e operadoras de saúde

Humberto Costa propõe à ANS regulamentação de contratos entre médicos e operadoras Pág.12


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII no 7 1

E

Editorial

X P E D I E N T E

A

Sociedade Brasileira de Dermatologia é uma associação séria. Tradicionalmente séria. Preocupa-se com seus associados e tenta se organizar para fornecer a eles maneiras de atualização que refletirão na qualidade do atendimento médico e trarão benefício direto para a razão principal da nossa existência, enquanto profissionais e enquanto corporação: o paciente. No entanto, têm sido freqüentes as matérias na mídia escrita focalizando associados que passam para a comunidade uma idéia despudoradamente mercantilista da dermatologia. Tais associados comparam seus serviços àqueles prestados por sacolões. Aqueles dermatologistas sérios - felizmente a grande maioria! - que querem atender bem e se preocupam com o bemestar do paciente, independentemente do motivo da consulta – estética ou médica, não importa, desde que a queixa seja atendida com base em dados científicos - vêm seus nomes envolvidos no conjunto da dermatologia mercantilista. Estamos ridicularizados pela população e pelos colegas de outras áreas. Cabe uma mudança de postura de toda a comunidade dermatológica. Cabem demonstrações de indignação contra esses maus colegas. Cabem avaliações da Comissão de Ética. Cabe manter a seriedade da SBD. Como o seu Jornal da SBD tenta acompanhar a seriedade da nossa associação, nesse número, você poderá ler notícias importantes: uma entrevista com o Presidente Márcio, em que as ações da Diretoria da SBD em 2003 são mostradas; como andou a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele; questões éticas, como a colocação do CID num relatório ou atestado, entre outras. Também fique informado sobre as novas regras que regerão o relacionamento entre os médicos e as operadoras de saúde. Como você pode ver, muita informação e motivos para reflexão em 2004.

Sociedade Brasileira de Dermatologia Afiliada à Associação Médica Brasileir a

DIRETORIA 2003 - 2004 Presidente Márcio Santos Rutowitsch (RJ) Vice-Presidente Sérgio Talarico Filho (SP) Secretário-Geral José Ramon Varela Blanco (RJ) Tesoureiro Celso Tavares Sodré (RJ) 1o Secretário Samuel Henrique Mandelbaum (SP) 2a Secretária Lúcia Helena F. Arruda (SP) Diretora de Biblioteca Ivonise Follador (BA) Diretor Geral e Operacional Marco Antônio S. Abreu Rocha

SBD

Boa leitura, ótimas festas! Jackson Machado-Pinto

Esta é uma publicação da Sociedade Brasileira de Dermatologia, dirigida aos seus associados e órgãos de imprensa. Publicação bimestral - Ano VII – nº 8 Novembro / Dezembro - 2003

Sumário 12

Contrato-padrão definirá regras entre médicos e operadoras de saúde Coluna Ética em Questão

13

Organização do 58º Congresso, ocorrido em Vitória, divulga pesquisa de opinião

14

Artigo: Farinha pouca... meu pirão primeiro! Coluna Literatura

15

Coluna Clube das Revistas e Interdic@s

2

Calendário Palavra do Tesoureiro

3

Entrevista: Dr. Márcio Rutowitsch

4

Painel Coluna Ombudswoman

5

Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele

A equipe editorial do Jornal da SBD e a Sociedade Brasileira de Dermatologia não garantem nem endossam os p or dutos ou serviços anunciados, sendo as pr opagandas de responsabilidade única e exclusiva dos anunciantes. As matérias e textos assinados são de inteira r esponsabilidade de seus autor es.

9

Serviços credenciados ensinam Cosmiatria

10

SBD participa do congresso da ABEM

16

Coluna Departamentos

Correspondência para a redação do Jornal da SBD Av. Rio Branco, 39/18º andar Rio de Janeiro – RJ - CEP: 20090-003 E-mail: comunicacao@sbd.org.br

11

Dr. Silvio Marques escreve artigo sobre EMC – D 59o Congresso da SBD: carta sela compromisso da organização

17

Serviços Credenciados

18

Regionais

20

Expressões da Dermatologia: Dr. Newton A. Guimarães

Diretor responsável: Jackson Machado-Pinto (MG) Jornalista responsável: Tatiana Gentil- Reg. no 22.375 Redação: Tatiana Gentil e Andréa Fantoni Conselho editorial: Márcio Santos Rutowitsch (RJ), Sérgio Talarico Filho (SP), José Ramon Varela Blanco (RJ), Celso Tavares Sodré (RJ), Samuel Henrique Mandelbaum (SP), Lúcia Helena F. Arruda (SP), Ivonise Follador (BA) Editoração eletrônica: Nazareno Nogueira de Souza e Tatiana Gentil Contatos Publicitários: Marco Antônio S. Abreu Rocha e Tatiana Gentil

Assinatura anual: R$ 100,00 Número avulso: R$ 20,00 Tiragem: 5000 exemplares


2

SBD

JSBD l Ano VII no 8

Janeiro - 2004 28

Quarta-feira

Reunião de Casos Clínicos ao Vivo

28

Quarta-feira

Reunião Científica mensal

Reg. MA Reg. PE

31

Sábado

Reunião de Casos Clínicos

Reg. CE

04

Quarta-feira

Reunião Mensal

Fevereiro - 2004 Reg. MG

05

Quinta-feira

Dia do Dermatologista - SBD

06

Sexta-feira

Conferência: Métodos, Diagnósticos em Dermatologia

Reg. CE

06 a 11

Sexta a quarta-feira

Annual Meeting - USA

13

Sexta-feira

1ª Reunião Dermatológica Ordinária - Capital

14

Sábado

Reunião Científica Mensal

Reg. MT

25

Quarta-feira

Reunião de Casos Clínicos ao Vivo

Reg. MA

28

Sábado

Reunião de Casos Clínicos

Reg. SP

Palavra do Te s o u re i r o

F

im de ano, hora de refletir sobre nossos sucessos e frustrações, planejar o futuro e principalmente comemorar com amigos a possibilidade de ter vivido neste mundo estranho, mas bonito, mais um ano da Graça do Senhor . Temos muito a comemorar, caros associados. A Sociedade Brasileira de Dermatologia chega ao fim deste ano com uma situação financeira mais confortável do que a do ano passado, sedimentando deste modo o equilíbrio econômico já alcançado pela gestão anterior. Com os pés no chão, cumprimos todos os nossos compr omissos dentro do prazo, realizando todos os eventos programados, e iniciaremos o próximo ano sem precisar dispor da receita do Congresso Brasileiro de 2003. Esta situação nos permite programar algumas boas surpresas para 2004: pretendemos promover uma campanha publicitária de caráter nacional que dignifique e valorize o associado da SBD, diferenciando-o dos “curiosos” cosmiatras que andam aplicando toxina botulínica até em postes ou preenchendo bochecha de buldo-

Celso Sodré gues. A anuidade será corrigida pelo menor índice inflacionário anual entre IGPM e INPC; novas fontes de recursos estão em eminência de serem obtidas devendo permitir maiores investimentos na prestação de serviços aos associados a um menor custo; estamos colaborando com o Dr Arnóbio Pacheco, presidente do próximo Congresso Brasileiro, para assegurar preços razoáveis aos nossos associados tanto de inscrição como de hospedagem, mantendo os níveis de receita do evento através da racionalização e contr ole rigoroso das despesas. Muitas outras surpresas estão em plane-

jamento e temos certeza que o próximo ano será ainda melhor que este que se finda. Companheiros, tudo isto foi alcançado através do planejamento e controle cuidadoso dos nossos gastos, da procura incessante por novas receitas que desonerassem os associados, do apoio dos nossos colaboradores, especialmente aquelas indústrias far macêuticas que estiveram anunciando nos nossos meios de comunicação e eventos, e, principalmente, pelo trabalho conjunto da Diretoria e dos nossos funcionários com as Regionais, Conselho Deliberativo, Departamentos, Comissões, EMCD, Congresso Brasileiro e da grande maioria dos associados. Vamos todos comemorar porque tivemos um bom ano e certamente 2004 será ainda melhor se mantiver mos o espírito puro, a alegria de viver, o trabalho conjunto e o quer er bem. BOAS FESTAS E FELIZ ANO NOVO! Até a próxima, Celso Sodré Tesoureiro da SBD


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII n o 8 3

Entrevista

Márcio Rutowitsch

Ao completar um ano de gestão, o presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia faz

um balanço dos resultados obtidos até agora e fala das perspectivas para o próximo ano.

Como o Sr. descreve o seu primeiro ano na presidência da SBD?

Foi um ano de muito trabalho e diversas realizações. Tivemos participação ativa nas reuniões da Associação Médica Brasileira (AMB), tratando da Classificação Brasileira Hierarquizada de Pr ocedimentos Médicos (CBHPM), das propostas para recertificação do Título de Especialista, do projeto para definição do Ato Médico. Tenho comparecido à sede da SBD quase todos os dias e isso facilitou enormemente o trabalho junto ao diretor operacional, Mar co Antônio Rocha. Além disso, uma vez por semana nos reunimos com o secr etário geral, Dr. José Ramon Blanco, e o tesoureiro, Dr. Celso Sodré. E por vezes com o vicepresidente, Dr. Sérgio Talarico. Realizamos várias atividades durante o ano, como o Dia do Dermatologista, as reuniões com o Conselho Deliberativo, as jornadas regionais, o Congresso Brasileiro e a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele. Desenvolvemos os folhetos explicativos para pacientes, elaborados pelos departamentos especializados da SBD. Esse projeto foi um grande avanço e pretendemos dar continuidade com outros temas no próximo ano. Tive a oportunidade de participar em Manaus, Belém, Cuiabá, Rio de Janeiro e Vitória de encontros com jovens dermatologistas. No Pará participamos do Fórum de Dermatologia Sanitária, em maio. Acompanhei alguns eventos regionais e a posse de dois presidentes: Dra. Jussamara Brito (BA) e Dra. Bogdana Kadunc (SP). As regionais visitadas têm infra-estruturas boas, com colegas muito sérios, que preservam e mantêm a imagem da SBD em qualquer lugar do país.

Na sua avaliação quais são os acontecimentos mais importantes para a classe médica em 2003?

Presidente da SBD

Deliberativo, o Congresso Brasileiro, os Departamentos Especializados, as Comissões e o Conselho Fiscal, além do regulamento eleitoral.

Considero a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) uma importante conquista, pois os convênios terão que adaptar-se a ela. Ela estava sendo costurada há quatro anos e agora finalmente saiu. Mas essa ainda não é a ideal para os dermatologistas, pois consideramos os valores abaixo do esperado. Em janeiro estarei com o presidente da AMB, Dr. Eleuses Paiva, para tratar do assunto. Também participamos do Encontro Nacional de Entidades Médicas (Enem), em Brasília, para debatermos a criação de novas escolas médicas, a tabela de CBHPM e a lei do Ato Médico. Outro assunto relevante para a classe médica é a proposta da Associação Médica Brasileira para recertificação do Título de Especialista. Apresentamos a eles o modelo da nossa Educação Médica Continuada como sugestão, para criação de um mode lo que seja denominador comum. A AMB já tem um projeto definido que será apresentado em janeiro ou fevereiro. A partir daí faremos as alterações necessárias.

E para os dermatologistas?

O ponto fundamental foi a atualização do Estatuto da SBD, pois a partir de 11 de janeiro de 2004 todas as sociedades, científicas ou não, deverão se adaptar ao novo Código Civil. É necessário destacar a importância da Assembléia Geral, que terá a competência exclusiva de aprovar contas, alterar o estatuto, destituir o presidente e o vice, e outros poderes. Também estamos desenvolvendo um regimento interno para os orgãos da SBD, como os Anais Brasileiros de Dermatologia, o Jornal da SBD, o Conselho

Fale sobre as ações sociais da SBD.

Em função de duas mudanças de diretoria no Inca, o projeto Saber Saúde – no qual mais de 400 médicos dermatologistas voluntários irão ensinar nas escolas de 1O e 2O graus, princípios de conduta de diagnóstico do câncer da pele - não progrediu como gostaríamos, mas acreditamos que será implementado no próximo ano. Por outro lado, a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele superou as expectativas. Conseguimos pela primeira vez executar um planejamento que permitiu a entrega do material promocional com bastante antecedência nas regionais, o que antes era a grande falha do nosso evento. Com um cronograma bem definido e a colaboração dos coordenadores regionais, realizamos com enorme sucesso mais uma edição da campanha. Tivemos ampla divulgação da imprensa, valorizando a importância e a seriedade da especialidade e da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Quais os planos para 2004?

Nossa prioridade é a Casa do Dermatologista. Estamos desenvolvendo um projeto com a Fiocruz para viabilizá-la assim que possível. Conforme disse anteriormente, criaremos novos folders e o manual de condutas dos departamentos. As comissões de Título de Especialista, de Ensino e a Científica estão buscando uma forma adequada para uniformizar o programa de estudos dos dermatologistas nos serviços credenciados. Também estudamos uma solução para os associados contribuintes, pensando em uma maneira para que eles possam ter a oportunidade de conquistar o título. q


4

SBD

JSBD l Ano VII no 8

Pa i n e l 4 Exame para Título de Especialista da SBD A prova para obtenção do Título de Especialista em Dermatologia (TED) será no dia 27 de março de 2004. O edital deverá ser publicado em janeiro quando serão abertas as inscrições. A organização do exame ficará a cargo da Fundação Escola de Serviço Público (Fesp), do Rio de Janeiro. A comissão científica do TED é chefiada pelo Dr. Antônio Carlos Martins Guedes. 4 Prêmio Jairo Ramos desperta novos talentos O departamento científico da Associação Paulista de Medicina, em parceria com a Jairo de Almeida Ramos Publicações, acaba de criar o Prêmio Jairo Ramos – Jovem Cientista Médico. Profissionais de todo Brasil, com até 39 anos, podem participar enviando seus trabalhos científicos desenvolvidos nas áreas laboratorial, clínica e epidemiológica. O melhor trabalho será premiado com R$ 20 mil. As inscrições são gratuitas e estão abertas até 25 de fevereiro de 2004. Mais informações sobre regulamento e inscrição estão disponíveis no site http://www.apm.org.br/premiojairoramos. O prêmio será entregue no dia 23 de abril de 2004, na sede da Associação Paulista de Medicina. 4 Agenda única Os presidentes da Associação Médica Brasileira (AMB), Eleuses Vieira de Paiva, e do Conselho Federal de Medicina (CFM), Edson de Oliveira Andrade, assinaram um compromisso público pelo qual as duas entidades passam a ter uma agenda conjunta a partir de 2004. A primeira ação será a constituição da Or dem dos Médicos do Brasil, que englobaria, em um só órgão, as funções associativas e de regulamentação e julgamento das ações médicas. 4 Unidas aderi à CBHPM A primeira operadora de planos de saúde a assumir o compromisso de adotar a Classificação Brasileira Hie-

rarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) é a União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas). Em comunicado assinado em conjunto com Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM), a Unidas reconhece a CBHPM como parâmetro justo de remuneração médica e orientará as suas filiadas pela adoção da CBHPM em até seis meses. 4 Projeto do Ato Médico volta para a Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal O senador Tião Viana (PT -AC) pediu a anexação do Projeto de Lei 25/2002, que busca a r egulamentação do ato médico, ao Projeto de Lei 268/2002, que também dispõe sobre o exercício da medicina. A partir de agora, a tramitação dos dois pr ojetos é conjunta e encontra-se novamente na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal. Desde o final de outubro o senador Tião Viana foi nomeado como relator do projeto. 4 Bolsa para participação na Radla Estão abertas as inscrições para os residentes interessados em concorrer à bolsa, que incluem inscrição e estadia, para o XXIII Radla 2004. Para isso devem apresentar um caso clínico, com visto do Chefe do Serviço Credenciado da SBD, para o coordenador da Comissão de Seleção, Professor Sebastião Sampaio. São ao todo 30 vagas. Os trabalhos devem ser enviados por fax ou carta o até o dia 31 de janeiro de 2004. Outras informações devem ser obtidas pelo telefone (11) 3258-0588. 4 Errata Publicamos o nome errado de um dos primeiros colocados na prova do Título de Especialista da SBD de 2003. Foi a carioca Janine Ribeiro França de Andrade (SCRJ) quem ganhou a bolsa para o Meeting de 2004, que acontecerá em Washington. O outro vencedor foi o Dr. José Rogério Regis Junior (SCBH).

Coluna da Ombudswoman

Luna Azulay

E

stamos chegando ao final do ano, e desde nossa última coluna não tive solicitações dos colegas. Apenas algumas perguntas de cunho científico, outras perguntas de leigos sobre temas de dermatologia, mas nada específico sobre a nossa SBD. Estaremos cansados? Queremos ter uma pausa para recarregar baterias? Gostaria de insistir para que os colegas que têm sugestões para modificações dos nossos estatutos, no que se r efere aos mais diversos assuntos, devem fazê-lo diretamente para a diretoria da SBD ou enviar para mim, de maneira formal, escrevendo os itens a serem substituídos ou modificados. Com relação ao contingente de colegas contribuintes, insisto em que mandem suas propostas antes da próxima reunião do Conselho Deliberativo. Sempre a proximidade dos últimos dias do ano nos leva a refletir sobre a nossa prática, sempre procurando soluções que incluam e não excluam, que haja fraternidade com justiça. Na verdade, isto se aplica em todos os níveis, mais ainda entre nós membros da SBD. Queremos estar juntos de forma harmônica, trocando conhecimentos e experiências, científicas ou não. Assim esperemos que 2004 reserve-nos um ano cheio de novas realizações e solidificação dos nossos vínculos. A todos um Feliz 2004!


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII no 8 5

Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele Regionais apontam o crescimento e a solidificação do programa Os relatórios da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele, que aconteceu no dia 22 de novembro, demonstram que o Programa da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) deu um salto. Ano passado, o exame mobilizou 27.765 pacientes. Neste ano, a estimativa de 35.000 atendimentos pode ter sido superada. As planilhas de controle foram encaminhadas à sede da SBD e até o início de janeiro os dados serão apresentados. Com 153 postos espalhados por 22 estados, incluindo capitais e algumas cidades do interior,

mil profissionais de saúde voluntários trabalharam pela SBD. O serviço de atendimento por telefone (0800) recebeu 23.983 chamadas. De acordo com o presidente da SBD, Dr. Marcio Rutowitsch, a Campanha é fundamental para o controle e combate à doença no cenário nacional. Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), estão previstos 82 mil novos casos em 2003. “Estamos preocupados com o alto índice da doença e a SBD está lutando para ajudar a reverter esta estatística” – declara. Cris Isidoro

Vários artistas manifestaram apoio à causa da SBD, como o ator Márcio Garcia (à dir.). A campeã de volei de praia, Adriana Behar, esteve na coletiva de imprensa (acima).

O

P ro g r a m a Nacional de Controle do Câncer da Pele da SBD tem como principal objetivo desenvolver uma cultura de prevenção e detecção, transmitindo à população os conhecimentos básicos de como evitar a doença. O enfoque da Campanha foi voltado para as crianças. “As orientações como usar protetor solar, boné e camiseta e evitar a exposição solar no período entre 10 e 16 horas, devem ser ensinados para as crianças desde cedo, assim como as ensinamos a escovar os dentes” – ilustra o presidente. Ana Paula Moreira, 36, estava acompanhada da filha Beatriz de nove anos de idade no posto da Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. As duas passaram por exames e receberam orientações sobre exposição solar. Ana Paula confessa que passava protetor na filha “às vezes”. Ela acha a iniciativa da SBD eficaz. “Fiquei saben-


6

SBD

JSBD l Ano VII no 8

do sobre a Campanha através do Jornal Nacional de ontem. Não tinha o hábito de me proteger do sol, nem sabia sobre os cuidados que deveria ter com a minha filha desde bebê” – conta. A Campanha da SBD está conseguindo a cada ano maior adesão da classe artística. Os ator es M á rcio Garcia, Lázaro Ramos, Nívea Stelmann, Bruno Ferrari, e as atletas Adriana Behar, Shelda, Cinthya Howlett e Andréa Lopes vestiram a camisa da Campanha e participaram de algumas ações. A jogadora de vôlei de praia, medalha de prata na Olimpíada de Sidney/2002, Adriana Behar, contou que o pai dela já teve câncer da pele e ressalta que pr evenção é fundamental. “Sou uma atleta que fica, muitas vezes, mais

de 10 horas exposta ao sol. Por isso, nunca deixo de passar os pro t e t o re s solar e labial” – afirma a jogadora que esteve presente na coletiva de impr ensa organizada pela SBD.

Lançamento da Campanha

A dois dias do evento, a SBD reuniu a imprensa na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, para o lançamento da maior campanha de prevenção ao câncer de pele já realizada no Brasil. O pr esidente da SBD falou sobre a iniciativa, acompanhado pelo Dr. Abdiel

Figueira, presidente da SBD-Rio, e os doutores Celso Sodré e José Ramon V. Blanco, da diretoria nacional. Dr. Márcio Rutowitsch fez uma prévia do evento e esclare-

Panorama da Campanha nas Regionais Rio de Janeiro

São Paulo

Foto: Norma Sueli

“A opção pelas tendas com consultórios privativos para o atendimento nas praias e na Cinelândia foi um passo produtivo e acertado porque permitiu condições para o exame completo com qualidade e respeito ao cidadão. Embora represente um custo complementar é importante fazer este investimento por ser uma forma de valorização profissional. Mas faltam ânimo e voluntários para que esta cam-

Campinas Enquanto as pessoas aguardavam o atendimento, ouviram música, participaram de palestra sobre prevenção ao câncer de pele e vida saudável, além de algumas atividades recreativas para incentivar a prática de atividade física. Dra Elaine A. D. Osorio panha cresça na mesma proporcionalidade que a população se interessa.” Abdiel F. Lima Pres. da Regional

Minas Gerais Equipe da Santa Casa de Belo Horizonte

Sorocaba Foram 917 pessoas atendidas. Desse grupo 12,4% apresentou lesões malignas e tiveram os procedimentos cirúrgicos agendados.


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII n o 8 7

Coletiva de imprensa realizada na praia (esq.) e comercial na TV Globo (abaixo)

ceu as dúvidas sobre o câncer de pele para os jornalistas de alguns dos principais veículos de comunicação do país.

Divulgação na mídia

A SBD deu prioridade à divulgação da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele. A estratégia foi contratar um escritório de assessoria de imprensa com atuação nacional por meio de afiliadas, com ações regionais sobre jornais e emissoras de tv e rádio. O resultado desse trabalho foi fundamental para o comparecimento da população nos postos de atendimento. De acordo com o relatório contabilizado pelo clipping, foram inseridas mais de 680 matérias na imprensa nacional.

Sucesso da Campanha rende parceria com a Sony Music

A Sony Music lançou no dia 12 de dezembro o CD Filtro Solar, com mensagens e músicas voltadas para os jovens. O projeto foi idealizado e produzido pelo jornalista Pedro Bial e pela cineasta Isabel Diegues. Foi através de uma matéria divulgada pela imprensa sobre a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele que executivos da gravadora procuraram a SBD para propor a parceria. Outros artistas participaram da gravação, como Fernanda Montenegro, Tony Garrido e Lázaro Ramos. Parte da renda obtida com a venda e a exibição da música nas rádios será revertida para a realização da próxima campanha. Divulgação

Pará Na avaliação da presidente da regional Pará, Rossana Gonçalves, a Campanha foi um sucesso. Na foto está a equipe de médicos que prestou atendimento ao público na região. Divulgação

Goiás Em Goiânia funcionaram três postos, totalizando 1.518 atendimentos. Os dois pacientes com casos mais graves foram encaminhados para tratamento, no Hospital das Clínicas. Lá foram realizadas 43 cirurgias e 219 criocirurgias. O jogador do Goiás F.C., Dimba, vestiu a camisa da Campanha.

Brasília

Maranhão “A campanha na cidade de Barreirinhas (MA) ocorreu com tranqüilidade, atingindo o objetivo esperado. Ao todo, foram examinadas 169 pessoas. Todos os pacientes foram orientados sobre a prevenção do câncer de pele.” Tácio Danilo, 6º período de Medicina da UFMA Divulgação

“A quinta edição da Campanha revelou no Distrito Federal um aumento no número de casos detectados. Este ano, 83 casos de câncer de pele foram diagnosticado durante o mutirão de exames, no ambulatório do HUB (Hospital Universitário de Brasília), onde aconteceu a ação em Brasília. Quase dobrou o número de casos atestados, que somou 47 confirmações. Ao total, 636 pessoas foram ao HUB, atendidas por 37 médicos voluntários. Dr. Gilvan Ferreira Alves, vice-presidente da regional.

Santa Catarina “Foi a maior campanha até então realizada no estado. Na Policlínica de Referência Regional, situada no centro de Florianópolis, foram atendidas cerca de 300 pessoas. Os dermatologistas participaram distribuindo os folhetos da campanha nas cidades de Florianópolis, Blumenau, Brusque, Joinville e Balneário Camboriú. Seguramente pelo sucesso da Campanha deste ano, em 2004 teremos mais cidades e colegas envolvidos na mesma. Santa Catarina sempre estará participando das ações que visem ao crescimento e a divulgação da nossa especialidade”. Vicente Pacheco Oliveira - Presidente da Regional

Paraná Acadêmicos de medicina de Universidade Estadual do Oeste do Paraná e der matologistas de Cascavel, PR.


8

SBD

JSBD l Ano VII no 8

SBD faz campanha em evento esportivo A Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele esteve presente também na regata Match Race, realizada no Iate Clube do Rio de Janeiro. A competição reuniu cerca de 600 pessoas entre os dias 21 e 23 de novembro, incluindo os iatistas Torben e Lars Grael, Robert Scheidt e Alan Adler. Além do stand para divulgação dos cuidados com a pele, dermatologistas prestaram esclar ecimentos sobre proteção solar. A ação foi muito bem recebida pela classe esportiva, que elogiou a iniciativa da SBD. Estiveram no evento o presidente Márcio Rutowitsch e a coordenadora do departamento de cosmiatria da SBD, Dra. Dóris Hexsel.

Dr. Márcio entrega o prêmio de 2 o lugar para Lars Grael e Alan Adler, (foto maior). Abaixo, Dra. Dóris Hexsel fala sobre prevenção solar para a TV.


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII n o 8 9

Residentes aprendem cosmiatria enquanto serviços oferecem tratamentos para população carente

Q

ual a importância das aulas de cosmiatria para os r esidentes dos serviços credenciados da SBD? Na opinião dos doutores Jackson Machado-Pinto e Samuel Mandelbaum, chefes dos serviços credenciados da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte e da Universidade de Taubaté de São Paulo, respectivamente, os ensinamentos nessa área são fundamentais tanto pela exigência do mercado quanto pela formação do médico. “No programa do curso devem constar todos os fundamentos básicos da especialidade” – afirma Jackson. Esse serviço favorece também à população carente, que passa a ter acesso a tratamentos que geralmente custam caro. O Dr. Sérgio Talarico coordena a Unidade de Cosmiatria, Cirurgia e Oncologia do Departamento de Dermatologia da UNIFESP, onde são oferecidos esses tratamentos. “Entendemos que a população previdenciária também deve ter acesso a tais técnicas por tudo que representam na busca do bem estar físico e mental”, explica o vice-presidente da SBD. Uma das coordenadoras do serviço de cosmética da clínica dermatológica da Santa Casa de Misericória de Belo Horizonte, Maria de Fátima M. Borges, completa. “A maioria sequer pensava em fazer tratamentos tão sofisticados” – declara. - Como o médico não pode escolher a doença do paciente antes dele entrar no consultório, ele deve estar apto a resolver o problema independentemente

de ser uma queixa médica ou estética” – declara o Dr. Jackson Machado-Pinto. O Dr. Samuel Mandelbaum reforça outro ponto: o dermatologista é o profissional indicado para tratamentos estéticos. “Por ser um profundo conhecedor da superfície da pele, não puramente um técnico que apenas executa, o dermatologista saberá lidar com qualquer eventual complicação ou decorrência” – explica. Na Universidade de Taubaté são realizados dez cirurgias e 30 procedimentos por semana. Para Jackson, a cosmética não é necessariamente algo sem fundamento científico como algumas pessoas tendem a achar. “Os serviços fazem os tr einamentos baseados na literatura médica, na evidência científica. Não basta passar cremes” – comenta. A coordenadora do Departamento de Cosmiatria da SBD, Dra. Doris Hesxel, destaca que a pele é o órgão mais externo e a beleza, obrigatoriamente, se expressa fortemente através dela. Por isso, os pacientes estão cada vez mais preocupados com a aparência e querem cuidados especializados. “O dermatologista é um especialista, que não atua apenas na doença, mas também na sua prevenção e nos cuidados com a pele normal. Acho muito importante o ensino da cosmiatria nos serviços credenciados, que não é apenas uma área de atuação da nossa especialidade e sim uma r eal necessidade para o atendimento diário aos nossos pacientes” - encerra.

Alguns serviços com atendimento de cosmiatria Santa Casa de Belo Horizonte A Clínica Dermatológica da Santa Casa de Belo Horizonte, chefiada pelo Dr. Jackson Machado-Pinto, conta com um serviço de cosmiatria. Os pacientes são atendidos gratuitamente e podem ser submetidos a peelings, preenchimentos, aplicação de toxina botulínica, cirurgias estéticas e tratamentos a laser. O atendimento mensal do laboratório de cosmiatria da SCBH é de 40 consultas e 20 procedimentos. Clínica de Dermatologia da S. Casa de São Paulo O ambulatório de cosmiatria funciona há seis meses. Além de prestar este serviço à população a chefe, Ida Duarte, considera importante também o especializando aprender. “Estamos atendendo cerca de 45 pacientes por mês. Acho melhor meus r esidentes aprenderem de forma ética e correta para ter críticas sobre técnicas e condutas” – afirma. Serviço de Dermatologia do Hospital S. Izabel/Escola Bahiana de Medicina Oferece pequenos procedimentos estéticos, porém o enfoque maior é a melhoria da afecção (acne e peeling). “No ambulatório de acne os pacientes são atendidos de acordo com um protocolo e caso necessitem, o Estado da Bahia, através da Secretaria de Saúde, viabiliza a isotretinoína” – conta o chefe Enio Barreto - “Desse modo, o paciente carente tem acesso a uma medicação de alto custo”. Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário da UFRJ Oferece alguns tipos de tratamentos cosméticos, mas para pacientes com real indicação médica para tais procedimentos. “No HUCFF/UFRJ é possível fazer tratamento com toxina botulínica, preenchimento, pee lings, cirurgia dermatológica e laser para depilação, entre outros” – afirma a Dra. Márcia Ramos-e-Silva. Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeir o O ambulatório de cosmiatria é composto por quatro salas, chefiado pela Dra. Márcia Chouin. Apenas até novembro deste ano foram 2.692 atendimentos. De acordo com a chefe são feitas aplicações de TCA(DPN), toxina botulínica, preenchimento com ácido hialutônico, exerese de seringoma, eletrocauterização de ceratose seborrêica, desobstrução, pasta de ATA, infiltração intra-lesional com corticoide, shaving, aplicação de Ata nas cicatrizes de acne e exere se com punch.


SBD

10 JSBD l Ano VII n o 7

SBD participa de Congresso da Associação Brasileira de Educação Médica

F

oi realizado em novembro o XLI Congresso Brasileiro de Educação Médica, organizado pela Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM). O evento teve como tema principal a “Formação Médica e Responsabilidade Social”. A Sociedade Brasileira de Dermatologia esteve representada pelo coordenador da Educação Médica Continuada, Dr. Silvio Alencar Marques, que propôs a instituição de um fórum permanente sobre residência médica nos próximos congressos da ABEM. Vários temas de importância para a comunidade científica foram abordados. “Na discussão sobre a abertura de novas escolas médicas, a fala, ao meu ver ambígua, do secretário executivo do Ministério da Saúde (MS), o Dr. Gastão W agner, causou-me profunda decepção. Ele não condena claramente a abertura indiscriminada de novas escolas e realçou a deficiência numérica de médicos em vastas regiões do país e a absoluta ausência de profissionais em 2000 municípios brasileiros. O que é real, desgraçadamente, mas merece outro tipo de abordagem e resolução que não seja aumentar o número de formandos no Sudeste, conforme está ocorrendo” – declara Silvio Marques. Para Marques, foi positiva a dis-

Fórum da AMB apresenta programas de Educação Médica Continuada

A

lguns dias antes foi realizado o Fórum da Associação Médica Brasileira (AMB) sobre Educação Médica Continuada, como parte da programação do último dia do I Congresso Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde e II Congresso Latino-americano de Internet em Medicina. O fórum teve a coordenação do diretor científico da AMB, Fábio Jatene. Durante o encontro, foram apresentadas quatro soluções tecnológicas para a educação continuada: o software Centra, da Micropower, que simula uma sala de aula interativa; os programas de TV via satélite da Conexão Médica; os cd-rom educativos da Unimagem; e a Internet via satélite da Telespazio, que não possui um programa de educação continuada, mas podem servir de suporte às demais opções. “Cabe a cada Sociedade escolher a opção que melhor atende às suas necessidades, em relação ao número de pessoas a ser atingida, aos custos que se pode assumir etc.”, complementou Fábio Jatene. cussão sobre a regulamentação dos médicos procedentes do Mercosul e, principalmente, a questão de brasileiros formados em outros países, com a elaboração de propostas mais restritivas. Outro tópico de interesse geral foi a residência médica, na questão do acesso aos cursos, particularmente em relação à regra dos 90% (valor da prova tipo múltipla escolha) e 10% (valor da entrevista e currículo). “Essa regra traz incríveis distorções no internato e é vista como o grande estímulo à prolifera-

ção dos “cursinhos” de preparação para o exame de residência” – declara o coordenador da EMC. Ainda sobre a residência, ficou clara a necessidade de ampliar e fortalecer a representação das escolas médicas no Conselho Nacional da Residência Médica (CNRM). “Esperamos que a SBD e os dermatologistas estejam presentes em maior número, como partícipes na defesa de EMC de qualidade no próximo congresso” – finaliza. O evento será em Vitória (ES) em novembro de 2004.


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII no 8 11

Educação Médica Continuada em Dermatologia

A

pós cinco anos completos da sua efetivação, o programa de Educação Médica Continuada em Dermatologia (EMC-D), faz a entrega do Certificado de Atualização aos 771 colegas, sócios efetivos e contribuintes, que obtiveram, no tempo previsto, o mínimo de 350 pontos requeridos pelo Regimento da EMC-D. A importância dessa conquista deve ser enfatizada. São colegas que compreendem e valorizam o princípio de que a Ciência, e a Dermatologia em especial, estão em constante evolução e que é necessário manter-se a par dos avanços dos conhecimentos. É evidente que há muito de individual na maneira que os colegas da Dermatologia buscam o conhecimento, mas o Programa de EMC busca sistematizá-lo, reforçar a importância de instrumento de obtenção dos conhecimentos e, principalmente, atestá-los e tornar público, aqueles que perseveram na manutenção e ampliação dos conhecimentos. Segundo o atual regimento, participam do programa os sócios efetivos e os sócios contribuintes. Está prevista a rediscussão do atual Regimento na próxima reunião do Conselho, em março/2004 e, uma das propostas é ampliá-lo aos sócios aspirantes. Aliás, entre as inúmeras propostas de atualização e pequenos acréscimos ao atual Regimento, há proposta de r edação mais clara quanto à seqüência de contagem de pontos nos anos subseqüentes à entrada no programa. Antecipando: é de nossa compreensão, que aqueles que completaram os 350 pontos, comecem imediatamente a contagem de novos 350 pontos, a serem obtidos no período regulamentar seguinte de cinco anos. Mas, aqueles que não obtiveram os 350 pontos, descartam os pontos obtidos no ano 1 do programa e acrescem os pontos obtidos no ano que se inicia e assim sucessivamente até obter, ou não, os 350 pontos.

59º Congresso: documento sela compromissos da organização do evento

U

Agora, se você me perguntar quem são aqueles 771 que obtiveram os 350 pontos e se não poderiam ter sido mais, temos a dizer que provavelmente muitos mais cumpriram o exigido pelo programa, mas as presenças dos mesmos, nas diferentes atividades, não foram informadas à SBD nem pelo interessado, nem pelas Regionais, a quem caberia fazê-lo. Portanto, as Regionais, ao promoverem atividades que contam pontos para a EMC, devem no mais breve tempo possível comunicar à SBD as características do evento e a lista de coor denadores, palestrantes e participantes, para que o devido registro seja realizado. Voltando aos 771 colegas que completaram 350 pontos: eles são majoritariamente sócios efetivos (86,2%), claro que há que lembrar que os sócios efetivos são também grande maioria no conjunto de sócios. E, pertencem principalmente, às Regionais de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná, pela ordem. A título de realce, o número maior de pontos obtidos foi de 1637,5 e conferidos à Profa. Alice de Oliveira Avelar Alchorne. Portanto, aqui vai o exemplo e o estímulo, para que todos da Comunidade Der matológica, pratiquem a EMC e fiquem atentos à contagem de pontos e atentos ao papel de suas Regionais na informação e na qualidade dos eventos proporcionados. Silvio Alencar Marques Coordenador do EMC

m fato inédito marca o 59º Congresso Brasileiro de Dermatologia: o presidente da SBD, Márcio Rutowitsch, e o presidente do Congresso, Arnóbio Pacheco, assinaram uma carta compromisso que estabele ce diretrizes para o maior acontecimento promovido pela Sociedade. O documento visa a preservar a magnitude e a qualidade do evento que acontecerá na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, entre os dias 17 e 21 de setembro de 2004. A carta ressalta a importância de haver o máximo respeito ao associado da SBD, solicitando que sua participação no evento seja a mais econômica possível. Dispõe também sobre a exigência de uma organização profissional e o rigor nos critérios de contratação dos serviços terceirizados, para não causar prejuízos financeiros ou danos à imagem da SBD. Entre outros pontos, prevê que os atos da organização do Congresso sejam transparentes e pautados em critérios precisos, assim como têm sido os atos da Sociedade Brasileira de Dermatologia.


SBD

12 JSBD l Ano VII no 8

Contrato-padrão definirá regras para médicos e operadoras

Ética em questão José Ramon Varela Blanco, membro da Comissão de Ética e Defesa Profissional da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Colocação do CID

U

Humberto Costa em coletiva na AMB

A

Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) r egulamentará a proposta de contrato-padrão que ajusta os contratos entre médicos e operadoras de saúde até o fim do ano. O documento foi apresentado pelo ministro Humberto Costa, em setembro, na sede da Associação Médica Brasileira (AMB). O encontro reuniu representantes da entidade, do Conselho Federal de Medicina, da Confederação Médica Brasileira, da Associação Paulista de Medicina, do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo e do conjunto das sociedades de especialidades. Entre os pontos abordados pela proposta, tanto as operadoras quanto os profissionais de saúde deverão ter r egistro no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Também está prevista a definição de prazos e formas de pagamento, prazo de vigência con-

tratual e critérios para rescisão e não renovação de contratos, além da constatação do detalhamento dos serviços contratados, com descrição dos procedimentos e especificação do regime de atendimento. De acordo com o diretor de Defesa Profissional da Associação Médica Brasileira (AMB), Eduardo da Silva Vaz, os médicos reclamam por reajustes dos honorários, pois desde 1996 recebem das operadoras o mesmo valor por consulta: cerca de R$22. Ele também cita como ponto sensível da r elação entre operadoras e médicos o fato das prestadoras descredenciarem médicos sem consulta prévia. “O contrato-padrão também garantirá ao médico proporcionar estabilidade para a sua clientela no sentido de oferecer tratamentos adequados, o que é muito importante para a boa relação entre os profissionais e seus pacientes” - declara.

ma dúvida freqüente que chega aos conselhos de medicina e às sociedades diz respeito à divulgação do CID nos atestados médicos. A colocação do CID é vedada ao médico, já que implica em quebra do sigilo médico. O artigo 102 do Código de Ética Médica só permite esta quebra por justa causa, dever legal ou autorização expressa do paciente, enquadrando-se nestas situações as doenças de notificação compulsória e o relato fiel no exercício das atividades periciais. O que veio a criar dúvida em relação ao tema foi à emissão da portaria nº 3291/84, do até então, Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS) que falava da necessidade de colocação do CID quando da concessão de atestados médicos e dispensa ao trabalho. Ocorre que esta portaria foi alterada neste item em outubro daquele ano e definia a necessidade da “expressa concordância do paciente”. Por fim, cabe dizer que a violação do segredo médico é prevista também como infração ao Código Penal. Do ponto de vista jurídico nenhuma portaria se sobrepõe ao disposto em lei. Portanto, não há dúvidas maiores em relação ao tema, pois o médico não pode colocar o nome ou código da doença em atestados médicos afora as circunstâncias referidas acima, e é inter essante notar que, se a lei protege o direito individual ao sigilo, ela também entende que o direito coletivo é mais forte que as garantias individuais.


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII no 8 13

Organização divulga avaliação do público

A

organização do 58º Congresso Brasileiro de Dermatologia que aconteceu em setembro, na cidade de Vitória (ES), divulgou o resultado da pesquisa de opinião sobre o evento feita com os participantes. A programação científica teve um excelente índice de aprovação para o público: 31% considerou ótima e 52% boa, enquanto apenas 3% avaliou como insuficiente. A maioria dos congressistas (51%) julgou a organização do congresso, em termos gerais, ótima e os serviços de secretaria também ótimos (48%) e bom (45%), com índice zero de insuficiência. Indagados sobre as condições de infra-estrutura do centro de convenções, 47% dos médicos consideraram boas, enquanto 23% apenas regular. Outr os pontos avaliados foram as atividades sociais: 48% dos colegas apreciaram como bons e 39% acharam ótimos os encontros sociais. Já em relação aos translados, 7% achou insuficiente, porém boa parte (48%) considerou bom e 39% ótimo.


SBD

14 JSBD l Ano VII no 8

Farinha pouca… meu pirão primeiro! Roque Andrade *

P

arecem estribar-se no velho adágio as vãs tentativas de enfermeiros, e agora também Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais, lançar-se sobre o bolo do exercício médico profissional. Pretendem eles, insistentemente, abocanhar uma fatia do que é exclusivo da nossa competência, o Ato Médico, configurado na qualidade de examinar clinicamente, solicitar exames complementares, perfazer um diagnóstico adequado e traçar um plano terapêutico. Não se contentam os Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais, a exemplo do que já ocorrera a Enfermeiros, com os limites de sua própria capacidade, determinados não apenas pelas fronteiras dos seus estudos, mas também pela especificidade do médico, em matéria de prescrição. Pretendem destronar o Fisiatra; algo assim como os músicos, executores diversos de uma mesma partitura, tomarem a batuta e desbancarem o maestro (...) Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais, assim como Enfermeiros e outros profissionais de Saúde não médicos, estão habilitados a cuidar de pacientes sob prescrição estritamente médica, baseada em diagnósticos clínicos efetuados por médicos, sujeita a modificações e adaptações avaliadas pelo senso clínico dos médicos. Eles podem executar uma determinada

terapia, no alcance da sua competência, sob estrita indicação médica. Ou será que a Fisioterapia e a Enfermagem evoluíram como Ciências ao ombreamento pleno com a Clínica Médica, a Clínica Cirúrgica, a Psiquiatria, a Oncologia, a Nefrologia, e outros ramos da Medicina Interna? É bem acentuada a distinção entre médicos e fisioterapeutas, como bem entende também o STF, que já se manifestou sobre esse assunto, perfazendo uma jurisprudência que a própria razão prioritariamente estabelecera. Clínicas de Fisioterapia não podem prescindir da presença de um Fisiatra, Ortopedista ou T raumatologista, assim como uma Farmácia não pode funcionar sem um Farmacêutico e esse por sua vez não pode prescrever receitas, exclusiva competência dos médicos (...) Querem o direito de solicitar exames, clínicos e radiológicos, planejar e coordenar tratamentos, encaminhar pacientes a especialistas médicos, “justificando” tais absurdas pretensões com a confusa declaração “a

profissão da área de Saúde tem alcançado um grande benefício para toda a sociedade”. O que se quer dizer com “profissão da área de Saúde”? Modernizar uma legislação não é cometer o desatino de delegar funções a profissionais destituídos do mérito competente. O mérito é alcançado através a competente graduação. Neste caso graduação em Medicina. A única profissão competente para o cuidado integral ao paciente, do diagnóstico ao tratamento – sem qualquer preocupação, com a farinha ou com o pirão. Sem disputas por fatias ou porções. A Medicina é uma só, para ser exercida por médicos, integralmente, e por outros profissionais da Saúde, nos limites de suas destinações e competências. O que os Fisioterapeutas hoje querem, não passará pelo crivo do tempo, ... porque não passa pelo próprio crivo da razão. * Oncologista Clínico diretor de Marketing da Associação Médica Brasileira e-mail: roquesas@terra.com.br

Literatura A Editora Revinter lançou neste final de ano "Dermatite de Contato - Diagnóstico e T ratamento", de Lian C. Pontes de Carvalho e João Bosco de Magalhães Rios, autores conhecidos por suas atividades profissionais e acadêmicas na área da Alergia e Imunologia. René Garrido Neves, querido mestre, assina o prefácio da obra, o que por si só pode ser considerado um aval de qualidade. Não se trata propriamente de um livro texto. Melhor seria considerá-lo um manual, uma vez que as informações, na maioria das vezes, se caracterizam pela concisão e são apresentadas de forma relativamente sucinta. Dentro desse princípio o livro cumpre o seu papel. Bernardo Gontijo O livro foi doado à SBD pela Editora Revinter


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII n o 8 15

Clube de Revistas A coluna elaborada pelo diretor do Jornal da SBD, Dr. Jackson Machado-Pinto, traz indicações de artigos da literatura médica. KROUMPOUZOS G, COHEN L. Specific dermatoses of pregnancy: an evidence-based systematic review. Am J Obstet Gynecol 2003;188:1083-92.

Os autores fizeram um levantamento na MEDLINE e EMBASE de estudos e relatos em todas as línguas sobre herpes gestationis, pápulas e placas urticarianas e pruriginosas da gravidez, foliculite pruriginosa da gravidez e prurigo da gravidez no período compreendido entre Janeiro de 1962 e Janeiro de 2002. A colestase intrahepática da gravidez foi incluída por estar associada à gravidez e por apresentar manifestações cutâneas que entram no diagnostico diferencial das dermatoses especificas da gravidez. Outras fontes foram anais de simpósios e congressos, teses, livros-texto, monografias, revisões, editoriais, cartas ao editor, comunicações rápidas e livres, bem como todas as referencias citadas nos artigos levantados. Todos os artigos selecionados para inclusão nessa revisão foram avaliados criticamente no que se refere ao seu fator de impacto e contribuição baseada em evidências, medidos por seu índice de citação e fator de impacto da revista em que foram publicados. Cerca de 39% dos artigos se enquadravam nos critérios de inclusão. Os aspectos clínicos e prognósticos das dermatoses específicas da gravidez foram delineados por um grande número de estudos retrospectivos e de coorte. Várias características imunogenéticas e de biologia molecular de herpes gestationis, pápulas e placas urticarianas pruriginosas da gravidez e da colestase intrahepática da gravidez foram elucidadas. A meta-análise nessa revisão revela que há uma maior prevalência de gestação múltipla

(11,7%) entre pacientes com pápulas e placas urticarianas pruriginosas da gravidez. Diversos estudos abordaram as complicações para o lado do feto na colestase intrahepática da gravidez e no herpes gestationis. Os estudos levantados mostram ainda novas modalidades de tratamento da colestase intrahepática da gravidez (colestiramina, acido ursodeoxicolico) e do herpes gestationis (ciclosporina, imunoglobulina endovenosa, tetraciclinas pos-parto), embora alguns desses ainda necessitem ser melhor avaliados. DEPARTAMENTO DE COSMIATRIA

O que utilizamos no tratamento do envelhecimento Os autores fazem uma revisão das abordagens mais utilizadas para tratamento do envelhecimento cutâneo disponíveis ao dermatologista. Procedimentos como peelings ou preenchimentos não foram contabilizados, somente aqueles utilizados de forma continuada pelo paciente, por orientação médica. Dos tratamentos preconizados, predominam os de uso tópico, onde os retinóides (tretinoína e isotretinoína) são os mais frequentes; são também citados o uso contínuo dos alfa hidroxi-acidos, beta-hidroxi-ácidos (ácido salicílico) e ácido áscorbico tópico. O uso combinado, associado a vitaminas antioxidantes é também muito adotado. A tolerabilidade e a melhora clínica são os parâmetros de maior peso para a continuidade do tratamento. O uso dos AHA parece ser uma escolha segura para aqueles pacientes que não toleram retinóides ou ainda tem predisposição a telangiectasias. Com relação ao tratamento sistêmico, o emprego de retinóides (isotretinoína em doses menores da usada em acne) e antioxidantes são apontados como os mais usados; a vitamina C mais uma vez figura como o antioxidante de escolha.

Interdic@s Anais estão disponíveis no Scielo A inclusão dos Anais no Scielo continua sendo feita gradativamente. Os números 78(2) à 78(5) já estão disponíveis para pesquisa. Os artigos apresentados em português podem ser encontrados através de pesquisa por assunto, sobrenome do autor ou de modo detalhado (autor, assunto, resumo, ano de publicação etc). A título de curiosidade: há como saber quais os artigos com maior número de acessos, assim como qual o fascículo mais visitado. Acesse: www.scielo.br/abd.

Kockaert M. Neumann M. Systemic and topical drugs for aging skin. J Drugs Dermatol. 2003 Aug;2(4):435-41.


SBD

16 JSBD l Ano VII no 8

Departamentos Laser

O coordenador do Departamento de Laser, Dr. Alexandre Filippo, participou de um simpósio sobre os recentes avanços do laser na medicina, no dia 22 de novembro, em São Paulo. Na ocasião foi apresentado o laser de baixa potência usado para a cicatrização mais rápida do herpes, melhora da dor da neurite pós-herpética, tratamento de aftas e queilites. “O custo deste aparelho gira em torno de R$ 3.000,00 reais, e já está em uso pelo Dr. Nuno Osório (SP) que está muito satisfeito com os resultados” – conta Filippo. Outro debate interessante de acordo com o médico, aconteceu entre os usuários do Thermacool (radiofreqüência). O aparelho está com menos de um mês de uso no Brasil e os resultados das aplicações são em longo prazo, porém todos os usuários se mostram animados, mas conservadores. “A dor é um fator negativo durante a realização do procedimento. Foi questionado se um bloqueio anestésico seria favorável ou não, pois a sensação álgica é um parâmetro de tratamento” - explica. No encontro, a Dra. Valéria Campos (Jundiaí) apresentou um trabalho científico internacional publicado r ecentemente sobre esse tipo de laser, no qual a satisfação dos pacientes com os resultados gira em torno de 50 % após seis meses do tratamento. “A conclusão que chego após esta discussão inicial: o Thermacool é um aparelho promissor na luta contra o envelhecimento cutâneo. Devemos aguardar para os próximos simpósios a conclusão destes resultados iniciais, pois teremos mais tempo de

Dermatologia Integrativa

De acordo com o coordenador do departamento de Dermatologia Integrativa, Dr. Roberto Azambuja, quando foi publicado o primeiro artigo sobre Psiconeuroimunologia em Dermatologia, nos Anais Brasileiros de Dermatologia, há dez anos, pouco ainda se sabia sobre os caminhos de ligação entre a mente e a pele. “Desde então, inúmeras pesquisas vêm esclarecendo o assunto e, hoje, os complexos mecanismos envolvidos na maneira como a mente influencia a pele estão sendo conhecidos” - conta. Durante o 58º Congresso Brasileiro de Dermatologia, o Prof. Francisco Tausk e o Prof. Alberto Woskoff pronunciaram duas conferências sobre esse assunto: “O estresse e a resposta imunológica da pele” e “Proopiomelanocortina: o cérebro cutâneo” respectivamente, nas quais expuseram o estado atual das pesquisas no campo da relação mente-sistema, nervososistema, endócrino-sistema, imunitárioavaliação dos resultados. O preço do tratamento (5.000,00) versus o grau de satisfação dos pacientes pode gerar problemas de relação entre o médico e o paciente, por isto acho necessário pedir que assine um termo de consentimento” – conclui - Dr. Alexandre Filippo.

Dermatologia Pediátrica

A coordenadora do departamento de dermatologia pediátrica avisa que a equipe está elaborando para 2004 um levantamento epidemiológico brasileiro da dermatite atópica. E solicita a colaboração dos colegas: “Quem tiver interesse

pele. Para Azambuja a quantidade de dados já é tão significativa que não é mais possível aos dermatologistas ignorar o sis tema psiconeuroimunoendocrinocutâneo. “Esta nova realidade tenderá a influenciar o desenvolvimento da Dermatologia fazendo com que o especialista passe a considerar seriamente o papel que o estresse desempenha na gênese e na manutenção ou agravamento das dermatoses e o contexto psicossocial em que a doença se desenvolve” - explica. Como conseqüência o especialista deverá dominar recursos de redução do estresse e de orientação para mudança das reações do paciente aos eventos sociais, psicológicos e emocionais envolvidos na doença. “Isso significa que as pesquisas científicas levarão a tornar integrativa toda a Dermatologia que se praticar no futuro, tendo em vista que, cada vez mais se comprova que a mente e a pele estão se interinfluenciam permanentemente” – finaliza. em participar deste projeto entre em contato comigo pelo meu e-mail regina@supridados.com.br”.

Cosmiatria

Neste final de ano, o Depto. de Cosmiatria deseja a todos os sócios da SBD um FELIZ NATAL E UM FELIZ ANO NOVO. “Agradecemos a ativa participação de tantos associados, colaborando com sugestões e atividades para o nosso Departamento de Cosmiatria. Pretendemos estreitar ainda mais a relação “sócio-departamento” no próximo ano. Contamos com a sua participação!


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII no 8 17

Serviços Credenciados Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Será realizado entre os dias 19 e 23 de janeiro, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o XVII Curso de Micoses Superficiais e Profundas. As coordenadoras serão a professora Clarisse Zaitz e as doutoras Valéria Maria Souza e Lígia R. B. Ruiz. Para inscrições e informações os interessados devem falar com a Elaine pelo telefone (11) 223-0501. Hospital Heliópolis de São Paulo O chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital Heliópolis de São Paulo, Dr. Jacob Levites, coordenará a seleção para duas vagas do Curso Especialização em Dermatologia. A prova será no dia 15 de janeiro de 2004. O serviço também oferece um programa para os médicos que desejam acompanhar as reuniões do grupo de dermatologia. As informações sobre as atividades podem ser obtidas no Centro de Estudos Dermatológicos do Hospital Heliópolis, com a Ivani, pelo telefone (011) 6168-7468. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Está na Portaria 1490 do Ministério da Saúde, o reconhecimento da D e rmatologia do HCFMRPUSP como C e n t ro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária, com ênfase em hanseníase. Os pacientes encaminhados pela triagem médica da XVIII Divisão Regional da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo para atendimento terciário - correspondente a doenças de

maior complexidade - são atendidos em ambulatórios especializados, nos períodos da manhã e da tarde, e os casos de alta complexidade são internados nos leitos da Dermatologia. Além dos procedimentos cirúrgicos, os ambulatórios de laser e de cosmiatria estão ativados para treinamento dos resi dentes. De acordo com a chefe do serviço, Norma Tiraboshi Foss, a residência médica é realizada durante dois anos na espe cialidade - R3 e R4. Após os dois primeiros anos em clínica médica os residentes fazem treinamento em cirurgia, histopatologia, micologia, laser e cosmiatria. “Entre os ambulatórios, deve ser destacada a assistência às doenças infecciosas, especialmente à hanseníase” – declara. O serviço tem se diferenciado na formação de alunos de pós-graduação, strictu sensu, nível mestrado e doutorado e ainda, com a participação no programa de iniciação científica da USP. Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora O serviço chefiado pelo Dr. Aloísio Gamonal dispõe de duas vagas por ano credenciadas pela SBD. “Em 2004 abriremos vagas para residência médica em dermatologia (com bolsa de estudos do MEC), com o pré-requisito de dois anos em Clínica Médica. Anteriormente oferecíamos o curso de especialização sem este prérequisito”, conta. Funcionam os seguintes ambulatórios de subespecialidades: psoríase, unhas, úlceras de pernas, cirur gia dermatológica, vitiligo, dermatologia pediátrica, dermatoscopia e cosmetologia.

Hospital Universitário de Brasília Com média de 2000 pacientes atendidos por mês, o serviço do Hospital Universitário de Brasília, chefiado pela Dra. Raimunda Nonata, enfatiza doenças endêmicas e dermatoses sanitárias, como hanseníase, leishmaniose, pênfigo foliáceo sul americano, micoses, piodermites. A equipe do serviço participou da Radeco na atividade da Educação Médica Continuada, abordando o tema Dermatologia Sanitária, com a participação de alguns convidados. “O encerramento do evento aconteceu com a nossa tradicional Festa de Confraternização, no Iate Clube de Brasília, quando também homenageamos o Dr. Roberto Doglia Azambuja, um dos fundadores da SBD - DF” – conta a Dra. Raimunda Nonata. Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo A Clínica de Dermatologia do HSPM acaba de passar por r eformas. Recebeu pintura e consertos nos armários e móveis. De acordo com a chefa do serviço Dra. Bogdana Vitória Kadunc, as salas cirúrgicas ganharam novos e maiores condicionadores de ar e focos de luz, permitindo maior conforto durante os p rocedimentos. Os re c é m - a d q u i r i d o s aparelhos de eletrocautério, radiofreqüência e crioterapia possibilitaram o aumento do número de atendimentos c i r ú rgicos realizados. Também estão sendo feitos workshops mensais, bastante concorridos e com a participação de colegas de todo o Brasil. Os inter essados poderão obter informações pelo telefone (11) 32413665.


SBD

18 JSBD l Ano VII no 8

Regionais

Minas Gerais Amazonas

Os 160 dermatologistas participantes da Jornada Mineira de Dermatologia, que aconteceu nos dias 7 e 8 de novembro, em Belo Horizonte, tiveram a oportunidade de assistir a uma programação variada e bastante proveitosa. Foram abordados diversos assuntos, como: “Uso tópico da Vitamina C” (Dr. Jayme de Oliveira Filho de SP), “Responsabilidade Civil do Médico” (Dra. Lucia Massara, advogada, MG), "Causos da Dermatologia" (Dr. Francisco Jose Neves, MG), “Conduta Frente ao Paciente Suspeito de

Colagenose” (Dr. Artur Duarte, SP), “Novos Cosmecêuticos” (Dra. Edileia Bagatin, SP), “Acne” (Dra. Sara Lucas, MG), “Alopecia Areata” (Dr. Carlos Adolpho Pereira, MG), “Pr ocedimentos Cirúrgicos em Consultório” (Dr. Jose Inácio Paiva, MG), “Biossegurança” (Dra. Nara Regina, MG), “Lasers em Der matologia” (Dr. Jackson Machado-Pinto, MG), “Qual a sua Conduta?” (coordenada pelo Dr. Jayme de Oliveira Filho, SP) e “Meu melhor Caso” (diversos dermatologistas de BH e do interior de MG).

São Paulo Depois de dez meses de estudo, pesquisa e negociações no mercado imobiliário, a SBD-RESP adquiriu o imóvel que abrigará sua nova sede. Com 190 m2, localizado na Vila Clementino, bairro com completa infra-estrutura. “Nesta sede, a diretoria planeja um projeto singular, como a construção de um espaço para biblioteca e setor de informática para assistência e apoio técnico aos seus

Maranhão Foi da pergunta feita pelo presidente da SBD, Dr. Márcio Rutowitsch (RJ), sobre como estavam os trabalhos da regional, que surgiu a idéia de organizar a I Jornada Maranhense de Dermatologia. O episódio aconteceu durante a reunião do Conselho, em abril, segundo a presidente, Dra. Maria Solange Cordeiro Soares “Fiquei surpresa com o interesse dele e, meio sem saber a resposta, disse que faríamos a nossa primeira jornada”. O evento aconteceu nos dias 7 e 8 de novembro, no Hospital Universitário da Universidade do Maranhão. “Tivemos a

sócios, além do Centro de Convivência do Dermatologista, o qual permitirá a troca de experiências e discussão anatomo-clínica de casos e um espaço reservado para a execução de atividades científicas”, explica a presidente Dra. Alice Alchorne. A previsão é de que a SBDRESP já esteja instalada na nova sede até o dia 15 de dezembro de 2003.

A Regional Amazonas realizou nos dias 14 e 15 de novembro a Jornada de Dermatologia Pediátrica, no auditório da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas. De acordo com a presidente, Dra. Nádya F. Picanço Lopes, as palestras foram minis tradas pelas Dras. Tânia Cestari (RS), Carla Ribas (AM), Alena Mendes (PA) e Selma Helene (SP) e foram discutidos os tópicos: Vitiligo e discromias, Alopecias e afecções do couro cabeludo, Doenças sexualmente transmissíveis, Fotoproteção, Desafios terapêuticos na gravidez, Hemagiomas, Der matoviroses, Anestesia em consultório. Participaram do encontro médicos dermatologistas, clínicos do pr ograma Médico da Família da Secretaria Municipal de Saúde e pediatras. “Foi a primeira Jornada de Dermatologia Pediátrica realizada em Manaus e com muito êxito. Tivemos a oportuni dade de oferecer aos colegas de outras especialidades atualizações em importantes temas da nossa área” – comenta presiden te da SBD/AM. Divulgação

honra de trazer o Dr. Marcio Rutowitsch, o primeiro presidente da SBD a visitar nossa sede” – diz a Dra. Maria Solange. Foram destaques os temas Fotoproteção, Carcinogênese e Câncer de Pele, ministrados pelo Dr. Márcio Rutowitsch; Leish maniose e Hanseníase, abordados pela Dra. Raimunda Nonata (DF) e, entre outros discutidos, o Dr. Lauro Lopes Filho (PI) discorreu sobre ´A Importância das Dermatoses da Gravidez e das Dermatoses da Vulva`. “A nossa programação social teve um coquetel de abertura e almoço. Conseguimos realizar um

sonho com a união de todos os envolvidos. Particularmente agradeço ao Dr. Márcio Rutowitsch, à minha equipe e aos amigos que sempre nos apóiam”, conclui a presidente.


Novembro / Dezembro - 2003 JSBD l Ano VII no 8 19

Distrito Federal

Goiás

Divulgação

Divulgação

A XXXII Jornada Goiânia de Dermatologia realizada em outubro teve convidados especiais, como os palestrantes Dr. Nelson Proença (SP) e Dr. Celso Sodré (RJ). “O evento contou com a expressiva participação dos dermatologistas de Goiás, o que nos deixou muito engrandecidos”, afirma a presidente da regional, Dra. Lia Cândida Miranda de Castro.

Rio Grande do Sul

Um dermatologista na Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina Divulgação

No dia 19 de novembro, o Dr. Lucio Bakos (RS) assumiu uma cadeira na Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina, onde passa a ocupar uma das mais nobres posições dentro da

história da Medicina no Rio Grande do Sul. - A Academia necessita cada vez mais de modelos como o do Dr. Bakos, que não somente ilustrará a Instituição, como continuará a complementar a prática de todos com sua ciência e sua experiência, ensinando-nos como pr oceder, preservando os valores humanos de nossa pr ofissão, tanto no relacionamento com os colegas, como com os pacientes que assistimos - declarou o Dr. Aloysio Achutti.

O vice-presidente da Regional Brasília, Dr. Gilvan F. Alves, participou da aprovação do estatuto da Associação Brasiliense dos Portadores e Psoríase (Abrape), em setembro, no Auditório do Serviço Médico da Câmara dos Deputados. A Abrape foi fundada com o objetivo de atender tanto o interesse dos médicos quanto o dos pacientes, e reflete uma tendência mundial de conscientização dos portadores de doenças crônicas. De acordo com o presidente da instituição, Vladir Gomes Ferreira, o projeto é antigo. “O objetivo primordial da Abrape é pr omover o bem estar dos portador es de psoríase e de doenças dermatológicas correlatas” - afir ma.

O sucesso da XVIIIJornada gaúcha de dermatologia

Fluminense

A XXVIII Jornada Gaúcha de Dermatologia, foi realizada nos dias 07 e 08 de novembro, contou com a participação de mais de 265 participantes. A programação foi amplamente apr ovada, atualizações no tratamento da acne, do tendo a presença de vários nomes impor- herpes simples e da neuralgia pós-herpétantes da dermatologia gaúcha e brasilei- tica. Estes temas foram abordados tanto ra. Discutiram-se temas sobre envelheci- por dermatologistas, como por convidamento, peelings, fotoprotetores, tipos de dos de outras áreas, como físicos, radiolâmpadas ultravioleta, aspectos da regu- terapeuta e neurologista. Para a satisfalamentação do bronzeamento artificial, ção da comissão organizadora, teve-se a condutas cirúrgicas e radioterápicas no presença de bom número de colegas de carcinoma basocelular, aspectos das der- outros estados, o que muito colaborou matoses peri-menstruais, assim como, com o sucesso do evento.

A presidente da Regional Fluminense, Dra. Maria Del Pilar Del Rio N. Biot divulgou a agenda de eventos para 2004. As reuniões mensais serão nas seguintes datas: 13/03; 17/04; 08/05; 19/06; 10/07; 14/08; 20/11 e 11/12. Acontecerão no anfiteatro Argemiro de Oliveira do Hospital Universitário Antônio Pedro e os casos clínicos ao vivo, no ambulatório de dermatologia do mesmo hospital.


SBD

20 20 JSBD l Ano VII no 87

Expr essões da Dermatologia Newton Alves Guimarães Chefe do Serviço de Dermatologia do Centro Ítalo Brasileiro de Promoção Sanitária do Hospital São Rafael, o Dr. Newton Alves Guimarães, 83, que com tantas atividades não tem tempo livre para o lazer. Diplomado em 1943 pela faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia, teve participação O Sr. foi presidente da SBD em 1981 e sempre teve participação ativa na Sociedade. Como entende o papel da SBD e qual a importância da instituição? A SBD cada vez mais se afirma como uma instituição de inestimável valor para a dermatologia brasileira, quer pelo prestígio que conquistou e vem alargando não só em âmbito nacional como internacional, como também por ser um núcleo de agregação e congraçamento dos dermatologistas brasileiros e de seu aperfeiçoamento técnico-científico, através dos congressos, jornadas, simpósios e reu niões outras que organiza ou patrocina, sempre com eficiência e nível do maior teor. Quais são os desafios da dermatologia hoje no Brasil? Um dos maiores desafios é manter o elevado nível e prestígio que atingiu, de certa maneira ameaçada pelo modismo da cosmetologia, que pelo retorno financeiro mais fácil, vem atraindo uma avalanche de jovens, inclusive egressos de outras especiali-

intensa na SBD. Foi presidente, vicepresidente e membro da Comissão de Assuntos Internacionais. Conta que sua “rara felicidade” foi ter sido professor de um filho e de um neto quando titular de Dermatologia da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Leia a entrevista a seguir:

dades, que com cursos ou estágios insuficientes se “tornam” dermatologis tas. Deixando à margem o preparo básico na especialidade, desinteressandose dos seus grandes problemas, como dermatoses de interesse sanitário, o diagnóstico e tratamento das doenças dermatológicas propriamente ditas. É preciso todo o empenho em convencer aos dedicados à cosmiatria que antes devem adquirir uma boa formação na dermatologia clássica, para que não aconteça o que muito bem acentuou o mestre Ackerman em recente entrevista ao “Jornal da SBD” (J. da SBD, nº7, set/out 2003), após elogiar a nossa dermatologia disse: “só espero que a dermatologia brasileira não acabe se transformando em cosmiatria brasileira”. Estamos nos primeiros lugares do ranking mundial de casos de hanseníase. O Sr. acha que os jovens profissionais estão atentos ao problema? Salvo em alguns núcleos mais especializados, em geral o ensino e a for ma-

ção em hansenologia têm sido muito limitado e insuficiente. Ademais, apesar da boa vontade e do esforço eventualmente feitos, as campanhas gover namentais, por motivos vários, não têm surtido o efeito necessário. Creio que seria necessária uma mobilização maior, envolvendo a própria sociedade, Ongs, clubes de serviços, enfim, campanhas assim como tem sido feito com as Campanhas do Câncer da Pele. A SBD desenvolve o Pr ograma Nacional de Controle do Câncer da Pele desde 1999. O que o Sr. acha dessa iniciativa? Acho das mais felizes e frutíferas iniciativas da SBD. O que o senhor gosta de fazer no tempo livre? Realmente, apesar dos muitos “qui lômetros rodados” ainda não consegui ter o tempo livre que gostaria. No pouco de que disponho gosto de ler, assistir um bom jogo de futebol na televisão ou praticar natação numa modesta casa de praia que possuímos, na vizinha ilha de Itaparica.


Jornal da SBD - Nº 8 Novembro / Dezembro 2003