Issuu on Google+

Ano VII N o 3 Janeiro / Fevereiro 2003

Publicação oficial da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Prova do Título de Especialista é adiada

Nova diretoria assume a SBD por dois anos

A medida se deu em virtude da demora na nomeação do presidente da Fesp, instituição que organiza a prova. Pág.5

Regras para cirugias em eventos médicos Os palestrantes deverão pedir autorização prévia ao Conselho Regional para exposição Pág.8 dos casos.

Tecnólogos são considerados graduados O Ministério da Educação considera, a formação técnica como curso superior. Na Dermatologia, a concorrência será na área da Pág.9 estética.

Fosfatidilcolina é proibida para estética A medida foi tomada após ampla divulgação na imprensa sobre os benefícios da droga na redução da gordura localizada. Pág.10

A

Sociedade Brasileira de Dermatologia está sob nova direção. Pela primeira vez na História da SBD, o mandato da diretoria terá a duração de dois anos - o que vai possibilitar a conclusão de grandes projetos. Como meta principal está a criação da Casa do Dermatologista um espaço que vai resgatar a memória da SBD e seus dermatologistas. A produção de folders especializados e a elaboração de guidelines pelos departamentos também estão incluídos nos planos da diretoria. A presi-

Site da SBD é sucesso

O novo portal da Dermatologia recebeu mais de 17.000 internautas desde o lançamento. E as novidades não param por aí! Pág.14

dência da instituição está a cargo do Dr. Márcio Rutowitsch, do Rio de Janeiro. Em entrevista ao Jornal da SBD, ele anuncia que a continuidade será a marca da sua gestão. Os outros membros que compõem a diretoria são: Dr. Sérgio Talarico, vice-presidente; Dr. José Ramon Blanco, secretário-geral; Dr. Celso Tavares Sodré, tesour eiro; Dr. Samuel Mandelbaum, 1º secretário; Dra. Lúcia Helena F. Arruda, 2ª secretária e Dra. Ivonise Follador, diretora de biblioteca.

EMC vai à Escócia

O coordenador da EMC vai à Escócia participar de um curso sobre o tema. Dr. Silvio Alencar promete mudanças em 2003. Pág.12

Vitória para Dermatologia

A expectativa dos organizadores é que o próximo Congr esso Brasileiro reúna 3 mil pessoas em Vitória, ES. Pág.7


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII n o 3 1

E

Sumário

X P E D I E N T E

Sociedade Brasileira de Dermatologia Filiada à Associação Médica Brasileir a

DIRETORIA 2003 - 2004 Presidente Márcio Santos Rutowitsch (RJ) Vice-Presidente Sérgio Talarico Filho (SP) Secretário-Geral José Ramon Varela Blanco (RJ) Tesoureiro Celso Tavares Sodré (RJ) o 1 Secretário Samuel Henrique Mandelbaum (SP) 2a Secretária Lúcia Helena F. Arruda (SP) Diretora de Biblioteca Ivonise Follador (BA) Diretor Geral e Operacional Marco Antônio S. Abreu Rocha

SBD Esta é uma publicação da Sociedade Brasileira de Dermatologia, dirigida aos seus associados e órgãos de imprensa. Publicação bimestral - Ano VII – nº 3 Janeiro / Fevereiro - 2003 Diretor responsável: Jackson Machado Pinto Jornalista responsável: Tatiana Gentil- Reg. no 22.375 Redação: Tatiana Gentil, Andréa Fantoni e Sonilda Lima Conselho editorial: Márcio Santos Rutowitsch (RJ), Sérgio Talarico Filho (SP), José Ramon Varela Blanco (RJ), Celso Tavares Sodré (RJ), Samuel Henrique Mandelbaum (SP), Lúcia Helena F. Arruda (SP), Ivonise Follador (BA) Editoração eletrônica: Nazareno Nogueira de Souza e Tatiana Gentil Contatos Publicitários: Marco Antônio S. Abreu Rocha e Tatiana Gentil A equipe editorial do Jornal da SBD e a Sociedade Brasileira de Dermatologia não garantem nem endossam os p rodutos ou serviços anunciados, sendo as propagandas de responsabilidade única e exclusiva dos anunciantes. As matérias e textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autor es. Correspondência para a redação do Jornal da SBD Av. Rio Branco, 39/18º andar Rio de Janeiro – RJ - CEP: 20090-003 E-mail: comunicacao@sbd.org.br Assinatura anual: R$ 100,00 Número avulso: R$ 20,00

3 4 4 4 5 6 6 7 8 8 9 10 11 12 12 13 14

COLUNADA DIRETORIA - Continuidade é a palavra de ordem Reunião de transição marca a posse COLUNADA OMBUDSWOMAN Curso da EPM ganha aval do CAPES TÍTULODE ESPECIALISTA - Prova do TED será no dia 27 de abril SBD solicitará a reindexação da revista dos Anais Dia do dermatologista reúne presidentes no Rio de Janeiro Vitória sedia o 58º Congresso Brasileiro de Dermatologia Projeto sobre Ato médico sofre alterações no Senado CFM regulamenta execução de cirurgias ao vivo Formação técnica em estética será considerada curso superior Anvisa proíbe uso da fosfatidilcolina BIBLIOTECA - Biblioteca da SBD é a mais completa da especialidade no Brasil EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA - Novos rumos para o Programa de Educação Médica Continuada Coodenador da EMC-D participará de curso na Escócia EVENTOS - Curso de Dermatopatologia T ropical comemora jubileu de prata Dermatonline: novo site recebeu cerca de 17.000 visitas desde o lançamento

14 15 15

Dra. Luna Azulay recebe medalha “Maria M. Duran”

16

CAMPANHA - Câncer da Pele: campanha promovida pela SBD é um sucesso

17 18 19 20

Interdic@s 11º Congresso da Academia Européia de Dermatologia

SBD tem participação ativa na Semana Mundial de Luta contra a Hanseníase CALENDÁRIO REGIONAIS DEPARTAMENTOS


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII no 3 3

Coluna da Dir etoria

Continuidade é a palavra de ordem

N

esta edição, trazemos uma entrevista com o atual presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Dr. Márcio Rutowitsch começou a freqüentar as reuniões da SBD no ano de 1972, acompanhado do pai, o Dr. Mário Rutowitsch. Foi tesoureiro da SBDRJ na gestão René Garrido Neves e secretário-geral na presidência nacional de José Serruya. Em certo momento, assumiu quatro cargos na entidade: tesour eiro, editorassociado dos Anais, vice-presidente do Congresso e membro da comissão do TED, da qual viria se tornar presidente. Em 2001/2002 foi vice-presidente da gestão do Dr. Fernando de Almeida, e, neste ano, assume a presidência até 2004. Qual a importância do cargo que assumiu e quais as suas expectativas? Além da honra de presidir a SBD, o fato de se ter a oportunidade de atender a um grande número de dermatologistas. A nossa classe necessita nesse momento de uma r epresentação ativa junto aos órgãos de classe, e às instituições com quem mantemos parcerias ou que nos apóiam. Para que isso possa funcionar, traçamos diretrizes no campo político, na representação institucional e nas ações operacionais. Pela primeira vez o mandato de um presidente da SBD terá dois anos de duração. Qual a importância da extensão do mandato? Tornou-se um consenso entre as sociedades científicas a necessidade de um mandato com a duração maior do que um ano. Isso possibilita o conhecimento da situação da Sociedade, a concretização de projetos preliminar-

mente pensados e a efetividade da representação junto à AMB e ao CFM. Quais os planos para a sua gestão? Entendo que uma nova gestão deva sempre ter poucos planos, que sejam simples, factíveis e que dêem retorno para o sócio. A situação financeira, ainda frágil, da SBD não permite grandes vôos ou projetos mirabolantes. Pretendemos manter nosso nível de qualidade interna e uma profissionalização conquistada a duras penas pelas gestões anteriores. Temos 3 projetos novos principais: a) a Casa do Dermatologista , b) a elaboração de guidelines (diretrizes) e folders para o público leigo, pelos Departamentos, e c) desenvolver o Programa do Selo da SBD. Quais os planos da diretoria para fortalecer as regionais? Respeitar as peculiaridades, iniciativas e projetos científicos de todas elas. Buscar com que as ações apoiadas pela SBD revertam sempre em benefício e qualificação do sócio de cada região, e buscar equacionar, padronizar e viabilizar a convivência SBD / Regionais. O ponto crucial para isto vem a ser a celebração do convênio que estamos fazendo com todas as regionais. Na reunião havida no Rio de Janeiro, no dia 5 de fevereiro, foi apresentada pelo vice presidente, Sérgio Talarico, e discu tida a minuta do convênio, que foi levada pelos presidentes para discussão com seus sócios. Queremos que os sócios tenham representatividade e tenham orgulho da sua Sociedade. No momento em que há um sócio forte, a regional também será forte e a SBD, por sua vez, será cada vez mais forte.

Qual a importância das ações sociais da SBD? O que será feito para incrementá-las? Realizamos a Campanha Nacional de Prevenção do Câncer da Pele, de forma ininterrupta desde 1999. Este ano, por questões operacionais, serei o coordenador da Campanha, junto com membros da diretoria. Outra novidade será a divisão em duas etapas. Acontecerá em julho na região norte, e, em novembro, na região sul do País. Esta divisão, se não pudermos implantar com eficiência neste ano, será feita no ano que vem. Outra ação de grande alcance é o pr ojeto Saber Saúde, um convênio entre a SBD e o INCA. Mais de quatrocentos médicos dermatologistas voluntários irão ensinar nas escolas de 1º e 2º graus, nos lugares onde residem, em diversas regiões brasileiras, princípios de conduta para o diagnóstico do câncer de pele, usando a estrutura e know how do INCA. Como tem sido a atuação da SBD junto aos órgãos nor matizadores, fiscalizadores e for muladores de políticas de saúde ? Procuramos manter uma presença constante junto à AMB, CFM e Comissão Nacional de Residência


4

SBD

JSBD l Ano VII no 3

Médica e Ministério da Saúde. Procuramos nos manter em linha com estes órgãos, para que possamos sempre apresentar o ponto de vista da especialidade nas decisões específicas. Estamos participando das reuniões mensais na AMB e vamos continuar com esta linha política cristalizando o r elacionamento entre a SBD e a AMB. Em janeir o, fomos convidados para tomar mos um café da manhã com o ministro da Saúde, Humberto Costa, por iniciativa da AMB, e pudemos mostrar alguns pontos que nos afligem, no momento, inclusive nossa preocupação quanto às áreas de atuação da dermatologia.

Reunião de transição marca a posse

As diretorias unidas na sede da SBD

Em dezembro de 2002, a diretoria da SBD foi convidada a participar de uma reunião de transição com a gestão presidida pelo Dr. Fernando Almeida. Apesar de os presidentes normalmente acompanharem as reuniões da SBD antes de tomar posse, esta foi a primeira vez que todos os membros estiveram no Rio de Janeiro juntos, antes do início do mandato. Durante o encontro, os diretores puderam selar a intenção de manter uma continuidade na condução da SBD.

Coluna da Ombudswoman

F

Luna Azulay

ui designada pa ra o cargo pela diretoria que neste ano inicia o seu mandato. Espero poder ser o porta-voz das sugestões, reclamações e críticas dos meus colegas, membros da nossa sociedade. Estas serão encaminhadas para a diretoria, farei a ponte. Este canal de comunicação é necessário, está aberto e deverá ser usado. Estimulo a participação do associado, para consolidar e dar sentido a nossa função. Seguirei o caminho aberto pelo nosso colega Abdiel Lima Figueira, segundo a ocupar o cargo de Ombudsman. Entretanto, nada mais justo do que mudar o nome para Coluna da Ombudswoman, por motivos óbvios. Aqui serei a ouvidora, trataremos dos temas que importam aos colegas. Esta gestão será a primeira a ter a duração de dois anos, assim teremos tempo para desenvolver um con-

tato estreito com os sócios. Há anos participo na vida da sociedade, como delegada pelo Rio de Janeiro, presidente da SBD-RJ e Secretária Geral da SBD nacional, sempre tendo tido o cuidado de interrogar aos meus eleitores o que esperam da nossa sociedade. Vários colegas podem dar o testemunho de como sempre me preocupei em encaminhar suas demandas. O nosso Estatuto estabelece as regras básicas dos nossos direitos e deveres; esta realidade entretanto, é mutável, cabendo a cada sócio o direito de propor modificações individualmente ou através de seus delegados. Existem algumas formas de entrar em contato comigo: por carta para Coluna da Ombudswoman - Av. Rio Branco 39, 18 andar. CEP 220090-003 RJ ; ou clicando na página da sbd, www.sbd.org.br, na coluna da ombudswoman.

Curso da EPM ganha aval do CAPES O Conselho Técnico e Científico da CAPES recomenda o novo curso “Dermatologia Clinica e Cirúrgica” nos níveis de mestrado e doutorado da Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina (EPM). O curso é coordenado pelo professor titular do Departamento de Dermatologia da EPM, Dr. Maurício Mota de Avelar Alchorne.


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII no 3 5

Título de Especialista

Prova do TED será no dia 27 de abril

A

tenção candidatos: a prova para obtenção do Título de Especialista em Dermatologia (TED) foi adiada para o dia 27 de abril. A decisão foi tomada após a liberação do edital pela Fundação Escola de Serviço Público (Fesp), do Rio de Janeiro, que organiza o exame. Inicialmente marcada para o início de abril, a Sociedade Brasileira de Dermatologia adiou a data do exame para não prejudicar os candidatos deste ano, já que as inscrições foram abertas apenas em fevereiro. O edital foi liberado no último dia 24 no site da SBD. A demora foi conseqüência do atraso na nomeação do novo presidente da Fesp, que deveria assinar o contrato com a SBD. Tão logo o presidente da Fesp assumiu as suas funções, a SBD divulgou no seu portal de notícias a liberação

“O certificado deve ser motivo de orgulho. Afinal, é o resultado de um longo trabalho, um diploma com significado de competência.”

Sinésio Talhari

do edital. De acordo com o presidente da Comissão do Título de Especialista, Dr. Sinésio Talhari, serão poucas as inovações para o próximo exame em relação ao ano passado. “Todos os ex-presidentes dedi caram tempo importante das suas vidas para o aprimoramento do TED. As mudanças sempre tiveram por finalidade,

do modo mais humano e racional possível, torná-lo uma prova que realmente avalie nosso colega-candidato. A idéia é que o nosso país tenha dermatologistas cada vez mais competentes e dedicados, inclusive aos graves problemas de saúde pública que afe tam a nossa população”declara Dr. Sinésio. Para ele, obter o Título significa estudar toda a dermato logia, preparando-se muito bem, tanto na teoria quanto na prática clínica e laboratorial da especialidade. “Significa passar por uma avaliação rigorosa, realmente tornar-se apto para enfrentar com segurança os desafios diários desta importante área da medicina. O certificado deve ser motivo de orgulho, ser mostrado aos pacientes e colegas. Afinal, é o resultado de um longo trabalho, um diploma com significado de competência” – completa.


6

SBD

JSBD l Ano VII n o 3

SBD solicitará a reindexação da revista dos Anais

Dia do dermatologista reúne presidentes no Rio de Janeiro

E

m 2004, a Sociedade Brasileira de Dermatologia vai solicitar a rein dexação dos Anais Brasileiros de Dermatologia no MEDLINE/Index Medicus. A fim de atingir a meta, uma comissão de indexação foi designada pela diretoria da SBD para selecionar, entre os trabalhos aprovados pelos pareceristas e editores, os de conteúdo mais relevante para serem publicados ao longo deste ano. De acordo com com o comitê de revisão de periódicos do MEDLINE, os Anais Brasileiros de Dermatologia devem publicar mais artigos de pesquisa, ao invés de casos clínicos ou revisão. Para isso, a equipe editorial dará prioridade na seleção de artigos que se encaixem nestas seção. O Conselho Editorial apresenta novos nomes em 2003. A editora-chefe, Dra. Leninha Valério do Nascimento, nomeou como editores associados os doutores Omar Lupi (RJ) e Paulo Roberto Lima Machado (BA).

A diretoria da SBD (acima) no Dia do dermatologista. Ao lado, presidentes de regionais que estiveram no evento.

Os presidentes das regionais da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) estiveram no Rio de Janeiro para comemorar o Dia do Dermatologista, no último dia 05 de fevereiro. O encontro incluiu uma reunião com a diretoria da SBD, a fim de discutir os prin cipais pontos do convênio que será realizado entre a sede e suas regionais. - Esta é a primeira reunião que promovemos com as diretorias regionais nesta gestão. Nosso objetivo é promover uma interação constante nos próximos 2 anos que estaremos à frente da SBD – disse o presidente Márcio Rutowitsch.

O Dia do Dermatologista é comemorado na mesma data da fundação da SBD, que completa o seu 91º aniversário. Este ano, as atividades oferecidas aos representantes da Sociedade Brasileira de Dermatologia foram realizadas com o apoio dos laboratórios Burson-Marsteller, Galderma e La Roche Posay.


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII n o 3 7

Vitória sedia o 58º Congresso Brasileiro de Dermatologia

O

58º Congresso Brasileiro de Dermatologia, uma das principais atividades promovidas pela SBD, será realizado em Vitória (ES) de 6 a 10 de setembro. A expectativa é reunir mais de três mil pessoas. De acordo com o presidente da Comissão Organizadora, Dr. João Basílio de Souza Filho, a cidade litorânea oferece uma estrutura organizacional moderna para eventos deste porte. - Fico feliz com a escolha da regional Vitória para a realização do Congresso. Vitória reúne as condições necessárias, pois possui características adequadas de tamanho, posição geográfica, rede hoteleira, centro de convenções, hospital moderno e equipado para abrigar os cursos práticos - afirma Dr. João Basílio. Além da programação científica, serão realizadas atividades culturais para os dermatologistas e um programa especialmente elaborado para os acompanhantes. Os organizadores estão confiantes que este será um evento de grande sucesso. “Criamos um slogan ´Vitória para a Dermatologia´ que sintetiza o nosso sentimento -

Datas Importantes Pré inscrição: 31/03, 31/05 e 31/07 de 2003 Prazo para Reembolso de cancelamento: 20/04/03 - devolução de 70% 20/06/03 - devolução de 50% 06/08/03 - devolução de 25% Data limite para envio dos resumos dos trabalhos científicos: 30 de abril de 2003

comenta o presidente. Aos turistas, Dr. Basílio avisa que a cidade é tranqüila e hospitaleira. “Não se preocupem com as distâncias entre os hotéis e o centro de convenções, pois o trânsito é muito tranqüilo. Estamos ansiosos por r ecebe-los e desejamos uma estada feliz em todos os sentidos”. Os interessados em participar

terão até o dia 31 de julho para se inscrever. Depois desta data serão efetuadas inscrições somente no local do evento. Os 200 primeiros pagam taxas com descontos e ainda concorrem por sorteio a um pacote de viagem. As informações podem ser obtidas pelo telefone (11)3088-4023/3061-5604 ou pelo site www.vitoriaparadermatologia.com.br.


8

SBD

JSBD l Ano VII no 3

Projeto sobre Ato médico sofre alterações no Senado

O

projeto de Lei nº 25/02, que visa regulamentar o ato médico, deverá ser votado ainda no primeiro semestre. Proposto pelo então senador Geraldo Althoff (PFL-SC), o projeto já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado e, se aprovado pela Comissão de Assuntos Sociais, irá para apreciação no Congresso. A expectativa é que o pr ojeto não encontre barreiras para a aprovação. “De todas as profissões de saúde, apenas nós não temos nossa área de trabalho definida legalmente. O projeto interessa não apenas à classe médica, mas também aos pacientes, que conhecerão os limites, deveres, direitos e responsabilidades dos médicos”, analisa Luiz Salvador de Sá, diretor do Conselho Federal de Medicina (CFM). O ex-senador Geraldo Althoff acredita que não deverá haver impecilhos na aprovação. “A definição do ato médico visa preservar a integridade do paciente e por isso deve ser aprovada”, explica. Algumas entidades representativas de profissionais da área de saúde, como as de psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, fonoaudiólogos e fisioterapeutas,

mostraram-se contrárias ao projeto de lei, que sofreu algumas alterações antes de ser enviado para as Comissões. “As emendas que foram feitas apenas aprimoraram o projeto”, ressalta Althoff. Uma das modificações foi no inciso I do artigo 2, que somente limita os procedimentos médicos e não determina a atuação privativa dos profissionais. Outra modificação foi no artigo 3, o item que mais gerou polêmica. No texto original, as atribuições de coordenação, direção, chefia, perícia, supervisão, entre outras atividades eram tidas como restritivas aos médicos. Foi modificada no artigo a função de direção dos estabelecimentos de saúde como ação exclusiva de médicos, o que era a maior queixa das outras categorias. “Deixamos claro com a alteração, que são privativas apenas as funções de chefia relacionadas ao ato médico”, afirma Edson de Oliveira Andrade, presidente do CFM. - Estamos tentando definir legalmente o ato médico, que diz respeito aos profissionais que exercem a medicina. Cada profissão deve definir seus limites de atuação. Não queremos intervir em outras áreas, apenas deixar bem claro nossas atribuições e áreas de atuação”, observa Althoff.

CFM regulamenta execução de cirurgias ao vivo

A

resolução n.º 1.653/2002 do Conselho Federal de Medicina (CFM), publicada em 6 de novembro de 2002, aborda a prática de cirurgias realizadas, ao vivo ou por meio de circuito fechado, em eventos médicos. A resolução prevê que o médico fora de sua jurisprudência deve comunicar o procedimento previamente, por escrito, ao Conselho Regional de Medicina do estado em que será realizado o evento. A resolução considera também que o médico deve obter consentimento prévio do paciente, assim como informar e esclarecer o mesmo sobre o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento. Também devem ser garantidas a eles, pelos diretores técnicos e a Comissão Ética dos estabelecimentos onde acontecerão as demonstrações cirúrgicas, as


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII no 3 9

Formação técnica em estética será considerada curso superior

O

condições necessárias para os atos propostos e também assistência pós-operatória. O CFM também exige um documento do local onde acontecerá o evento, com dados referentes ao objetivo da cirurgia, número de participantes, se será executada ao vivo ou por circuito fechado, e ainda, o documento do cirurgião convidado para autorização do CRM. De acordo com o Coordenador do Departamento de Cirurgia Dermatológica da SBD, Dr. Carlos D’Apparecida Santos Machado Filho, esta resolução está calcada em outras plenárias e pareceres que estão sendo discutidos desde 1996. “Apesar de trazer alguns complicadores burocráticos para as entidades médicas que organizam eventos, esta medida traz tranqüilidade ao cirurgião e ao paciente” – considera.

s tecnólogos passaram, desde dezembro do ano passado, a serem considerados profissionais graduados. A legalização da formação de tecnólogo como nível superior deixou profissionais de saúde em alerta. Na área da Dermatologia, por exemplo, os tecnólogos em estética tanto poderão representar uma otimização nos procedimentos de cosmiatria, quanto poderão invadir a área de atuação dos especialistas. Como a legalização da graduação do curso é recente, a Comissão de Ética e Defesa Profissional da SBD acredita que ainda é cedo para que qualquer atitude seja tomada. De acordo com a coordenadora da Comissão, Dra. Vitória Regina Rêgo, é preciso verificar como agirão na prática estes profissionais. – Não podemos deixar que outros profissionais invadam nossa área de atuação. No entanto, os tecnólogos poderão vir a se tornarem aliados, já que estarão mais preparados tecnicamente para os procedimentos estéticos. Se passarem a agir como dermatologistas, receitan-

do tratamentos, não há dúvidas de que iremos nos posicionar e lutar para defender nossa especialidade – afirma Dra. Vitória. Tantos os tecnólogos que se formarem a partir deste ano, quanto os que já estão formados, passam a ser considerados graduados. – Há uma lacuna no mercado de trabalho que precisa ser preenchida e que não compete ao profissional de nível técnico nem ao bacharel, por isso a consideração de tecnólogo como nível superior – afirma Ivone Maria Moreyra, diretora de Educação Profissionalizante da Secretaria Média e Tecnológica (Semtec) do Ministério da Educação (MEC). Para o Dr. Genário Alves Barbosa, conselheiro do Conselho Federal de Medicina (CFM), a lacuna a que Ivone se referiu não existe no Brasil. “Temos 283 mil médicos no País. O problema é a má distribuição dos profissionais. O governo deveria investir em criações de novas frentes de trabalho e não colocar mais profissionais no mercado, ainda mais com qualificação incompleta para atuar neste setor”, analisa.


SBD

10 JSBD l Ano VII n o 3

Anvisa proíbe uso da fosfatidilcolina

A

ampla divulgação sobre o uso do Lipostabil levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a proibir a utilização da fosfatidilcolina, conforme assegura a Resolução nº30, de 8 de janeiro de 2003. A instituição considera que não existe comprovação científica que garanta a qualidade, segurança e eficácia da substância para tratamentos estéticos. Sendo assim, a Anvisa suspendeu a sua importação, distribuição, comércio ou uso para este fim, em todo o território nacional. As clínicas que não seguirem a determinação poderão receber multas que variam de R$1,5 mil a R$2 mil, ou ainda serem interditadas. De acordo com a Anvisa o laboratório italiano Aventis Pharma – que produz o Lipostabil comunicou oficialmente que não tem interesse em comercializar o produto no Brasil. Ainda segundo o laboratório, o medicamento foi testado e aprovado para tratamento de doenças coronárias. Para a coordenadora do Departamento de Cosmiatria da SBD, Dra. Dóris Hexsel, esta posição é incompreensível. - Estranho que uma empresa não queira investigar uma droga supostamente promissora para

algumas indicações. Por exemplo, parece que ela reduz o colesterol. Ficam alguns questionamentos que, como médica, faço: será que o fabricante conhece efeitos colaterais até agora ignorados pela classe médica? Ou uma droga apenas é investigada quando suficientemente cara para render lucros aos fabricantes, independente dos benefícios que possa trazer aos pacientes? - indaga Dra. Dóris. Para ela, observando o grande aporte de pacientes nos consultórios buscando o tratamento, a droga parece ser efetiva na redução das gorduras localizadas, como vinha sendo utilizada no Brasil. - Em algumas situações, como

é o caso das gibas dos pacientes HIV positivos, no qual o problema é um pequeno acúmulo de gordu ra que tende a recidivar, o tratamento através da lipoaspiração é muito mais agressivo e invasivo, representando maiores riscos aos pacientes. Esse é um dos casos em que o uso do medicamento poderia ser promissor, é claro, na dependência prévia de análises científicas - destaca. Porém, ele considera prudente e necessária a determinação da ANVISA pela falta de estudos a respeito da droga. Foi constatado que até leigos usavam altas doses do produto, quase como um substituto para a lipoaspiração. - Essa forma de uso do produ to é condenável, pois os pacientes estavam expostos a riscos. Mesmo quando a medicação vinha sendo utilizada nos consultórios, faltavam trabalhos científicos que determinassem as doses seguras, e os intervalos que deveriam ser respeitados entre os tratamentos. Em vista de tudo isso, pessoalmente, acho que deveriam ser estimuladas algumas pesquisas para avaliar este produto, sua ação, perfil de efeitos colaterais, pois talvez possa vir a beneficiar um grande número de pacientes finaliza.


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII no 3 11

Biblioteca

Biblioteca da SBD é a mais completa da especialidade no Brasil

L

ivros raros e únicos datados do século XII fazem parte do acervo da Biblioteca Prof. Francisco Eduardo Rabello, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Considerada a maior e mais completa da especialidade no Brasil, abriga periódicos, teses e monografias, totalizando mais de três mil publicações. A Dra. Ivonise Follador foi nomeada diretora da biblioteca da SBD pelo presidente Márcio Rutowitsch. Dermatologista formada pelo Hospital das Clínicas da Universidade Federal da Bahia - atualmente conclui doutorado na área de pesquisa em Leishmaniose com orientação do Dr. Edgar de Carvalho, uma das maiores referências nacionais e internacionais em imunologia das doenças infecciosas. – Queremos estimular os sócios a usarem os nossos serviços. Mantemos assinaturas com as principais revistas no mundo. Também ampliaremos as coleções, viabilizando ao máximo as possibilidades de acesso – afirma Dra. Ivonise Follador. A Biblioteca da SBD tem como principal objetivo subsidiar as atividades de ensino e pesquisa, tornando o acesso cada vez mais fácil, ágil

A biblioteca da SBD conta com um ambiente confortável para os sócios. No detalhe, a diretora Ivonise Follador.

e seguro. São atendidas solicitações vindas do Brasil e do exterior. Para isso, conta também com a parceria da Bireme e do Sistema SCAD (Serviço Cooperativo de Acesso a Documentos). Está programada, entre outras idéias, a criação de um banco de endereços para trocas constantes de notícias, como estímulo para divulgação da informação científica. Quem acessar o portal da SBD encontrará um link pelo qual pode fazer consultas. Outra meta é estabelecer cursos de Metodologia Científica em parceria com os Anais Brasileiros de Dermatologia. Os cursos serão ministrados por pessoas indicadas

pelos serviços credenciados durante os congressos anuais. - Precisamos estimular ampliação do conhecimento científico e metodológico, de modo a conseguirmos futuras melhorias nas publicações, na capacidade crítica, na formação de grupos com linhas de pesquisa e, por fim, aumentar o número de publicações de relevância científica. Estes fundamentos, entre outras importantes conquistas, nos levará à indexação dos Anais Brasileiro de Dermatologia no MEDLINE - base de dados bibliográfica criada e mantida pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos (National Library of Medicine’s – NLM) – finaliza.


SBD

12 JSBD l Ano VII no 3

Educação Médica Continuada

Novos rumos para o Programa de Educação Médica Continuada

O

programa de Educação Médica Continuada (EMCD) tem novos coordenadores, o Dr. Silvio Alencar Marques (SP) e o Dr. Bernardo Gontijo (MG). Este setembro, o Programa completará 5 anos – será o fim do primeiro período da EMC-D. Os sócios que participam deverão ter atingido a meta de 350 pontos para receber o certificado emitido pela SBD. Até agora, 868 sócios conseguiram a pontuação. Os coordenadores estudam a possibilidade de implementar algumas novidades, a partir de uma revisão do regimento em vigor. Mas o que deu certo será mantido, como os cursos nas jornadas regionais. A começar pela XII Jornada SulBrasileira, que acontecerá em abril. A idéia é institucionalizar as ações de EMC-D e, mais tarde, evoluir para maior integração entre o comitê cientifico dos eventos, a coordenação da EMC-D e os departamentos especializados. Outro objetivo é aumentar a pontuação de créditos dos participantes em eventos regionais. – É evidente que cada atividade cientifica das Regionais constituise por si em atividade de Educação Continuada e deve contar pontos para o Programa. No entanto, a inserção de um curso de EMC-D nos grandes eventos visa consolidar a proximidade entre a SBD nacional e as jornadas regionais – afirma o Dr. Silvio Alencar. Para os coordenadores, a revisão do regimento tem como principal objetivo atualizar os critérios do Programa. Atualmente, eventos como Derma-Rio e Radeco ainda não são contemplados no regimento. Deve ser modificada tam-

Coodenador da EMC-D participará de curso na Escócia

bém a pontuação das atividades que reúnem cunho cientifico mais importantes. - Uma questão a ser repensada é a obrigatoriedade de os departamentos especializados proporcionarem cursos. Pretendemos que a SBD invista nas atividades interativas e de desenvolvimento de habilidades. Enfim, há várias idéias a serem amadurecidas e propostas ao Conselho da SBD, no mais tardar, na reunião de setembro – continua Dr. Silvio Alencar. A Sociedade Brasileira de Dermatologia deverá promover pesquisas que possam orientar, com o máximo de detalhes, o alcance do programa de EMC-D, o impacto das inserções nos Anais e, entre outras, as abordagens teorico-práticas que os sócios identificam como principais. A partir desta avaliação, as prioridades serão tratadas por região. Outra idéia é valorizar os participantes que mais acumulam créditos, e, ainda, colocar em discussão a questão da certificação. – É importante deixar claro que as sugestões, no sentido de constante aperfeiçoamento do Programa, serão sempre bem vindas. Queremos estimular os serviços credenciados e os sócios a se manterem motivados com a EMCD. Afinal, ela é sinônimo de autoavaliação e deve resultar em novos desafios e objetivos para cada um de nós – concluiu o Dr. Silvio.

A

s grandes questões referentes ao ensino médico mundial estarão sendo debatidas no curso de Educação Médica, que será realizado em abril na Universidade de Dundee, na Escócia. O Dr. Silvio Marques foi convidado pelo corpo docente da Universidade para participar do curso. “Este convite coloca a Dermatologia próxima das grandes questões do ensino médico”, afirma Dr. Silvio. O curso, que visa a melhoria da capacitação do docente para a prestação do ensino médico, será realizado de 5 a 17 de abril. O coordenador da EMC da SBD destaca que o evento pode trazer novas propostas ao ensino no Brasil. “Iremos avaliar a possibilidade de implantar as questões que forem apresentadas e que possam, de alguma forma, melhorar ou otimizar a EMC”, observa Dr. Silvio.


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII no 3 13

Eventos

Curso de Dermatopatologia Tropical comemora jubileu de prata Próxima edição será em Cuiabá

O

XXV Curso Nacional de Dermatopatologia Tropical e Meio Ambiente acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de julho, em Cuiabá, no Mato Grosso. Sob a coor denação nacional do Prof. René Garrido Neves (foto), Titular de Dermatologia das Universidades Federal Fluminense e Federal do Rio de Janeiro, o curso conta ainda com a coordenação local da presidente da SBD - Regional Mato Grosso, Dra. Elizabeth Batista. As aulas serão ministradas por professores de reconhecida importância no cenário brasileiro, como o Dr. Sinésio Talhari. Ele e o Dr. René organizaram o primeiro curso em Manaus em 1979. A partir daí, três livros foram publicados por eles, frutos dos 25 anos do curso que já percorreu 17 cidades brasileiras. Para o Dr. René, o estudo de doenças geralmente infecciosas e de caráter endêmico, embora de enorme importância para o País, raramente é tratado de modo abrangen te nos cursos de graduação e pósgraduação em Dermatologia.

– Este curso nasceu da necessidade de difundir o conhecimento a respeito destas moléstias - afirma a coordenadora Dra. Elizabeth Batista - A escolha de Cuiabá para sediar esta edição nos honra e é apropriada, pois somos referência tanto para o Mato Grosso quanto para os estados vizinhos - continua. Ainda segundo ela, outros fatores relevantes são a carência de profissionais capacitados e a alta prevalência das doenças na região. Serão abordados e discutidos os conceitos e tratamentos mais adequados para os seguintes temas: Micobacterioses (Hanseníase, Tuber-

culose, Micobacteriose atípicas); Micoses superficiais (P.versicolor, Dermatofitoses e Candidíase); Micoses profundas (Paracoccidioidomicose, Esporotricose, Cr omomicose, Zigomicoses, Micetomas, Doença de Jorge Lobo); Leishmaniose, Pênfico foliáceo endêmico, Dermatoses zooparasitárias, Acidentes por animais peçonhentos, DST/AIDS e Dermatologia e meio ambiente. Ainda serão ministradas aulas práticas, com exames microscópicos das diversas alterações patológicas. Os dermatologistas que realizarem o curso garantem pontuação para o programa da Educação Médica Continuada da SBD. As inscrições serão abertas em breve. Os interessados devem telefonar para (065) 622.0037 e falar com a Meiriane.


SBD

14 JSBD l Ano VII no 3

Dermatonline: novo site recebeu cerca de 17.000 visitas desde o lançamento

O

portal da Sociedade Brasileira de Dermatologia, lançado em dezembro, vem recebendo inúmeros elogios dos associados. Com um design mais leve e navegação mais simples, o site permite aos sócios fazer alterações de cadastr o, acessar à base de dados de publicações científicas e informar-se sobre calendário de eventos da SBD. Outro destaque é a constante atualização do conteúdo, o que permite maior interatividade entre os associados e a SBD. O portal está dividido em três áreas: Associados, Atualidade e A Sociedade. No link Associados, exclusivo aos sócios, estão disponíveis as notícias sobre a SBD e a especialidade, os dados do cadastro dos médicos junto à Sociedade e as provas teóricas do Título de Especialista em Dermatologia (TED) com seus respectivos gabaritos, desde 1998. Para acessar esta seção pela primeira vez, o sócio deve inserir o seu CRM com a senha padrão “12345”. Assim, em seu próprio cadastro, poderá alterar a sua senha pessoal. Em “Atualidades” o usuário poderá consultar as últimas notícias divulgadas pela assessoria de imprensa. Finalmente, em “A Sociedade” estão acessíveis informações sobre a entidade, a relação dos médicos especialistas, das regionais e dos departamentos especializados, o CID 10, os Anais Brasileiros de Dermatologia e o Jornal da SBD, entre outros. Recentemente, foi incluído no estatuto da SBD a função de editor-chefe de mídia eletrônica. Para o cargo, a diretoria da SBD designou o Dr. Roberto Barbosa Lima Sobrinho, que tem grande experiência na área. O editor é o responsável por todo o conteúdo científico divulgado no site, além de todas as mensagens enviadas aos sócios. “Mas o cargo transcende estas funções. Fui convidado a fazer do site um serviço de utilidade para o sócio, onde ele poderá ter um maior

Interd Seguem os sites indicados para a edição de março:

contato com a SBD e seus departamentos especializados, manter-se atualizado, trocar informações com outros colegas, pesquisar e se aperfeiçoar profissionalmente.” – acrescentou Dr. Roberto. Para tanto, ele anuncia algumas inovações. Já estão sendo programadas uma sala de bate-papos mensais com convidados e uma seção onde os departamentos especializados escolherão um artigo para publicação. Segundo o Dr. Roberto, a principal vantagem destas inovações é a atualização científica. – De sua casa ou consultório, o sócio da SBD vai poder participar de mesas redondas trazendo suas experiências pessoais e tirando suas dúvidas com outros colegas mais experientes. Isto torna-se particular mente importante para aqueles médicos que moram em cidades distantes de grandes centros, onde é mais difícil o acesso às novidades – concluiu. Atualmente, o site oferece aos internautas alguns serviços, como a procura por um dermatologista e pesquisa de artigos ou resumos de teses. A novidade mais recente é o envio semanal das matérias publicadas na imprensa aos sócios com e-mails cadastrados. Em breve, os usuários poderão receber o boletim eletrônico produzido pela SBD. Para saber mais, acesse ao site da Sociedade Brasileira de Dermatologia: www.sbd.org.br !

h t t p : / / w w w. a m e d e o. c o m Amedeo.com: Este site verifica semanalmente os artigos publicados nos jornais e revistas que você escolher e envia um email com os links para os abstracts. O serviço é gratuito e verifica 32 publicações sobre Dermatologia como o International Journal of Dermatology e o Archives of Dermatology. h t t p : / / d e rm a t o l o g y. c d l i b . o r g Dermatology Online Journal: Publicação online com artigos na íntegra. O serviço é gratuito e ainda permite pesquisar na lista americana de discussão, o RXDERM, o n d e v o c ê p o d e l e r a opinião dos participantes sobre perguntas de outros colegas que também podem ser as suas. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pub med Se você está procurando referências bibliográficas para sua tese de mestrado ou monografia, o P ubMed, da National Library of Medicine, é o local adequado para a pesquisa de referências no MEDLINE. h t t p : / / w w w. s k i n e m a . c o m Dermatology in the cinema: Este é para relaxar. Se você assistiu ao filme Casamento Grego vai lembrar do “uso dermatológico” do Windex. Esta e outras curiosidades ligando a Dermatologia ao mundo do cinema e suas estrelas estão neste divertido site.


rdic@s

Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII no 3 15

11º Congresso da Academia Européia de Dermatologia demonstra o grande desenvolvimento e capacidade de inovação do profissional brasileiro. Não apenas na área, mas em toda a Medicina. As sociedades médicas brasileiras devem aumentar a participação na comunidade internacional, tanto para contribuir como para receber informações e experiências – finaliza Paulo Cunha. Dr. Paulo Cunha, Coordenador do Simpósio

O

último Congresso da Academia Européia de Dermatologia foi realizado na histórica cidade de Praga, na República Tcheca. Participaram mais de 6.000 dermatologistas de 87 países, vindos dos cinco continentes. Certamente esta edição ficará na memória pelo sucesso alcançado. Foram 119 sessões com 618 conferências. Na ocasião foi eleito também o novo presidente da EADV, o professor alemão Dr. Johhanes Ring. A participação brasileira no congresso foi organizada pelo Dr. Paulo Cunha, que coordenou o Simpósio “Spectrum of Dermatology in Brazil” da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “O Simpósio contou com a presença de significante de dermatologistas de diferentes partes do mundo e foi muito bem recebido”, comentou. De acordo com o coordenador, a participação brasileira foi importante na medida que contribuiu para projetar a imagem dos nossos profissionais internacionalmente e ainda para a melhoria e desenvolvimento da dermatologia nacional. - O Brasil foi colocado entre as potências da Dermatologia e isso

Dra. Luna Azulay recebe medalha “Maria M. Duran” No Congresso da Academia Européia de Dermatologia nove proeminentes mulheres dermatologistas do mundo foram agraciadas com a medalha “Maria M. Duran”, da Sociedade Internacional de Dermatologia e Czeck Societies. Entr e elas, destaque para a Dra. Luna Azulay, que agradeceu em nome da Sociedade Brasileira de Dermatologia.


SBD

16 JSBD l Ano VII no 3

Campanha

Câncer da Pele: campanha promovida pela SBD é um sucesso

Atendimento em um posto no Rio de Janeir o

O

câncer da pele é o de maior incidência no país, e, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a terceira maior causa de mortes no mundo. Para conscientizar a população sobre os cuidados com a exposição solar, a Sociedade Brasileira de Dermatologia promove, desde 1999, ações de prevenção, detecção e tratamento da doença. A Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele de 2002 revelou um dado alarmante sobre os hábitos dos brasileiros. Segundo as informações colhidas pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), 69% das pessoas não usam nenhum tipo de proteção quando expostas ao sol. Na última edição da Campanha, 27.758 pessoas foram atendidas

“Queremos conscientizar as pessoas de que este é um câncer que pode ser evitado, basta ter cuidado com a exposição solar.” Dr. Márcio Rutowitsch

em todo o País. A campanha visa a um trabalho preventivo e informativo, com ação dirigida ao diagnóstico precoce da doença. O dia 9 de novembro foi o ponto alto da iniciativa, com atividades em todos os hospitais credenciados pela SBD e postos autorizados. “Queremos conscientizar as pessoas de que este é um câncer que pode ser evitado, basta ter

cuidado com a exposição solar. Os pais, principalmente, devem ficar atentos, pois se protegerem os seus filhos desde a infância as chances de desenvolvimento da doença são reduzidas em 85%”, enfatiza o Dr. Márcio Rutowitsch, presidente da SBD. No mutirão, foram detectados 2.395 (8,6%) casos em um único dia de atendimento, sendo a maioria no sexo masculino. Segundo os estudos da SBD, os homens apresentam um risco 1,6 vezes maior do que as mulheres – 11% dos casos foram no sexo masculino, contra 7,1% no feminino. Acredita-se que essa tendência esteja ligada à vaidade feminina: as mulheres têm maior preocupação com o envelhecimento precoce da pele e por isso são mais cuida -


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII no 3 17

dosas. “Constatamos que 26,2% das mulheres atendidas usam protetores solares, comparadas a 16,2% dos homens”, acrescenta Dr. Rutowitsch. Os dados mostram ainda que os negros são os que menos se protegem: 78,9% afirmaram não ter cuidado com a exposição solar. Apesar disso, foram os que apresentaram a menor incidência da doença: apenas 1,3% dos casos detectados. Os dados também foram compilados analisando cada região macro-brasileira. Nesse caso, as regiões Sul e Sudeste foram as que concentraram o maior índice da doença. Segundo os estatísticos da SBD, atribui-se ao fato o fototipo característico da região, além da inegável estrutura etária de padrão mais envelhecido. Já a Região Nordeste, quando comparada a todo o Brasil, teve o menor percentual detectado, apenas 7,2%. A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda aos sócios que enfatizem sempre com seus pacientes a necessidade de adotar as medidas de proteção quando houver exposição ao sol: uso de chapéus, camisetas e protetores solares, evitando o sol entre 10 e 16h. Os dermatologistas têm papel fundamental na luta contra o alto índice da doença, já que serão os principais orientadores dos pacientes sobre os riscos de uma exposição inadequada.

SBD tem participação ativa na Semana Mundial de Luta contra a Hanseníase

A

Semana Mundial de Luta contra a Hanseníase, este ano, aconteceu entre os dias 26 de janeiro e 1.º de fever eiro. A iniciativa foi criada em 1942 pelo jor nalista francês Raoul Foller eau, com o objetivo de alertar os países endêmicos e suas populações para o problema. No Brasil, o evento foi mar cado pelo lançamento de uma campanha nacional, em par ceria entre o Ministério da Saúde, OPAS/OMS, BBC de Londr es, MORHAN e Pastoral da Criança. A campanha visou a alertar as pessoas sobre os sinais e sintomas da doença. De acordo com o diretor do Departamento de Hanseníase da SBD, Dr. Heitor de Sá Gonçalves, a divulgação da doença tem se dado através de ações por parte, principalmente, de órgãos como o Ministério da Saúde, as Secretarias estaduais e municipais de saúde, a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a Sociedade Brasileira de Hansenologia, o Movimento de reintegração do hanseniano (Morhan) e várias outras ONGs. São enfatizados

três aspectos fundamentais: os sinais e sintomas mais típicos e precoces da doença, o fato de ter cura em quase 100% dos casos e a possibilidade de se prevenir e reabilitar as incapacidades físicas (seqüelas). – Detectando precocemente os sintomas, é possível diagnosticar e fazer o tratamento. E assim, interromper a cadeia de transmissão. A campanha tem como alvo as autoridades governamentais, procurando evidenciar a necessidade de políticas e recursos específicos para o setor e a população em geral – explica Dr. Heitor Gonçalves. O primeiro caso da doença no Brasil aconteceu em 1600 na Bahia. Segundo pesquisas da área técnica de dermatologia sanitária do Ministério da Saúde, de 1985 a 2001 houve uma redução de mais de 70% dos casos prevalentes no Brasil. A detecção de novos casos cresceu, passando de 17 mil, em 1985, para 35 mil, em 2001. Esse aumento é um bom sinal, pois reflete uma melhoria no diagnóstico e busca da prevalência oculta da doença.


SBD

18 JSBD l Ano VII no 3

Calendário Março 07 07 e 08 08 12 14 20 21 a 26 22 22 26 26 26 27 28 28 28 29 29 29 29

2ª Reunião Dermatológica Ordinária - UNIFESP I Jornada Catarinense de Dermatologia - Joinvile 1º Encontro sobre Mercado de Trabalho em Dermatologia Reunião Mensal - MG XX Jornada Goiana de Dermatologia Reunião Científica - AL Annual Meeting of American Academy of Dermatology Curso de Micologia - BA I Jornada Paranaense de Dermatologia - CEDISA Reunião de Casos Clínicos - AL Reunião Mensal Reunião de Casos Clínicos - MA Reunião Mensal - PI Reunião Científica - AM Conferência: Colagenoses - CE Conferência/Curso - RN Reunião de discussão de casos clínicos ao vivo - RN Reunião Clínica - João Pessoa-PB Reunião de Casos Clínicos - CE Reunião Científica Mensal - EMESCAM

02 4 e 5 06 10 10 a 12 11 12 12

Reunião Mensal - MG Regional I Encontro dos Cirurgiões Dermatológicos do RJ Regional Curso Teórico-Prático - Preenchimento Cutâneo - MG Regional Reunião Científica - AL Regional XII Jornada Sulbrasileira de Dermatologia - POA-RS Regional 3ª Reunião Dermatológica Ordinária - UNIFESP Regional 112ª Jornada Dermatológica Paulista - C.H.P.Bento Regional I Seminário Baiano de Medicina Baseada em evidências Metodologia de Pesquisa Aplicada a Dermatologia Regional Reunião Mensal - PI Regional Reunião dos Chefes de Serviços Credenciados da SBD SBD Reunião dos Presidentes de Regionais, Comissões, e Departamentos.SBD Reunião Cientíca - AM Regional Reunião do Conselho Deliberativo SBD Reunião de Casos Clínicos - CE Regional Reunião Científica Mensal - HUCAM Regional XXXVII Exame para Título de Especialista SBD Reunião Mensal - RJ Regional Reunião de Casos Clínicos - MA Regional Reunião de Casos Clínicos - AL Regional

Abril

24 24 25 25 26 26 26 27 30 30 30

Regional SP Regional SC Regional SP Regional MG Regional GO Regional AL San Francisco Regional BA Regional PR Regional AL Regional RJ Regional MA Regional PI Regional AM Regional CE Regional RN Regional RN Regional PB Regional CE Regional ES MG RJ MG AL RS SP SP BA PI

AM CE ES RJ MA AL


Janeiro / Fevereiro 2003 JSBD l Ano VII n o 3 19

Regionais Bahia

Minas Gerais

X Jornada Baiana de Dermatologia

Foi um sucesso a X Jornada Baiana de Dermatologia realizada entre os dias 22 e 24 de novembro. O evento reuniu 150 participantes. Todos destacaram a programação científica e social. Durante o evento, foram ministrados quatro cursos práticos sobre toxina botulínica, correção de cicatriz de acne e peelings químicos para olheiras e ainda palestras sobre temas na área da dermatologia clínica, cirúrgica e cosmiatria. Antes do jantar de abertura da jornada, o prof. Luiz Henrique Paschoal conferiu a palestra “Marketing em Consultório”. A presidente da SBD-BA, Dra. Ariene Paixão, aproveitou a ocasião para fazer um registro. “Chegamos ao final de nosso mandato após dois anos de ativi-

Palestrantes da X Jornada Baiana

dades à frente da SBD-BA com muito orgulho e satisfação. Agradecemos aos nossos par ceiros, expositores e indústrias farmacêutica pelo apoio recebido e também a todos os sócios que prestigiaram não apenas a Jornada, mas a todos os eventos por nós realizados neste período”, completa.

Distrito Federal

Homenagem a dermatologista emociona em Brasília A confraternização de fim de ano da SBD Regional Distrito Federal, ocorrida em 7 de dezembro no Iate Clube, foi emocionante. O evento homenageou, como todos os anos, um expoente da Dermatologia na região. O Dr. Antônio Sérgio Vieira Lopes foi o homenageado de 2002 pela contribuição que representou na formação de muitos residentes do Distrito Federal. O Dr. Vieira é chefe do serviço dermatológico do Hospital das Forças Armadas, em Brasília. “A emoção que contagiou a todos os presentes durante o discurso de seus ex-

residentes foi inesquecível para a Dermatologia do Distrito Federal”, afirma o Dr. Rubens Marcelo Souza Leite, um dos oradores do evento. A participação dos dermatologistas foi significativa. “Mais da metade dos sócios compareceram. Avaliamos nossas realizações no ano de 2002 e concluímos que as reuniões foram muito produtivas e que foi um período satisfatório para a Dermatologia na região”, afirma o vice-presidente da Regional, Dr. Gilvan Alves.

A SBD Regional Minas Gerais realizou com sucesso a XII Jornada Mineira de Dermatologia, em Tiradentes, no final do ano passado, entre 29 de novembro e 1o de dezembro. A participação dos profissionais do Estado, como Dr. Jackson Machado Pinto, Dr. Bernardo Gontijo, Antônio Carlos Martins Guedes e dos convidados, Dr. Márcio Rutowitsch e Dra Luna Azulay, do Rio de Janeiro, e Dra. Doris Hexsel, do Rio Grande do Sul, contribuiu para que o evento fosse um dos mais celebrados do ano promovido pela Regional. A Dra. Ana Cláudia de Brito Soares, presidente da regional, lembra ainda, que a participação do Dr. João Gontijo que brindou os participantes com a história da Dermatologia mineira foi muito bem recebida. “Todos nos emocionamos”, ressalta. Ao final da Jornada, ocorreu um animado baile à fantasia que descontraiu e aproximou socialmente os profis sionais.


SBD

20 JSBD l Ano VII no 3

Rio Grande do Sul

Departamentos

Departamento de Dermatologia Pediátrica

A XII Jornada Sulbrasileira de Dermatologia, realizada pela SBD-RS, acontece em Porto Alegre, nos dias 10, 11 e 12 de abril, no Centro de Eventos da PUCRS. Nas exibições serão discutidos os temas Melanoma, Dermatologia Baseada em Evidências, Dermatologia Pediátrica e Procedimentos em Consultório. Ainda fazem parte cursos práticos com vídeo-transmissão. O primeiro será sobre pellings químicos e microdermabrasão, ministrado pela Dra. Doris Hexsel, e, o outro sobre procedimentos cirúrgico em consultórios a cargo da Dra. Célia Luiza Petersen Vitello Kalil. T ambém haverá uma sessão anátomo-clínica com discussão de casos ao vivo. As inscrições estão abertas. Maiores informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3231.4903.

O Departamento de Dermatologia Pediátrica da SBD fez uma pesquisa com os serviços credenciados com a finalidade de identificar quais os que possuem ambulatório de dermatologia pe diátrica. Dos entrevistados, 37 serviços responderam. Onze deles não tem o ambulatório, mas planejam implantá-lo assim que possível. Os chefes dos serviços credenciados também fizerem sugestões para a melhoria de atendimento. Todas já foram encaminhadas para análise da direção da SBD. O trabalho resultou em alguns pontos que servirão como metas do Departamento. São eles: a elaboração de guidelines de doenças dermatológicas, a criação de um site de fotografias dermatológicas, a promoção de eventos de dermatologia pediátrica, levantamento estatístico

das dermatoses mais freqüentes, apoio para humanização dos serviços e reuniões de chefes de serviços credenciados com os coordenadores de departamentos. Também foi detectada a necessidade da produção de vídeos com cursos de dermatologia pediátrica. Foi levantada ainda a necessidade de maior aproximação entre os serviços e a SBD, com a realização de congressos e reuniões com os professores que atuam nesta área para discussão de alguns temas. “O departamento agradece a todos que prontamente responderam a nossa solicitação”, declara a coordenadora do Departamento, Dra. Francisca R. Carneiro. Os serviços que ainda não responderam podem entrar em contato com a coordenação através do e-mail fro c a rn e iro@hotmail.com.

Departamento de Laser O Departamento de Laser, agora sob o comando do Dr. Alexandre Filippo, terá como maior meta a elaboração de um cadastro nacional dos dermatologistas usuários destes equipamentos. Esse cadastro será uma das ferramentas que viabilizará uma série de ações com o objeti vo de fortalecer o Departamento. A nova coordenação é composta pelos representantes de São Paulo, Dr. Nuno Osório e Dr. Roberto Mattos, Dr. Maurício Martins, do Paraná e o Dr. Rodrigo Maia, de Minas Gerais. De acordo com o Dr. Alexandre Filippo, as principais propostas da equipe são estabelecer

regras para manutenção (tempo máximo de um laser parado) e negociar preços; estabelecer contato direto com os fabricantes de aparelhos de laser; cadastro de todas as firmas que vendem e fazem a manutenção dos apar elhos e, ainda, participar da programação de cursos de Educação Médica Continuada que envolvam as diversas utilidades do laser na área dermatológica. – Caso tenhamos um cadastro completo, saberemos a nossa força. Por isso, estamos programando um link do Depto. de Laser em nosso site, para que todos possam acessar e se cadastrar - explica.


Jornal da SBD - Nº 3 Janeiro / Fevereiro 2003