Issuu on Google+

Ano VI No 3 Jan / Fev 2002

AMB realiza reunião histórica com a SBD

Por ocasião dos 90 anos da SBD, a diretoria executiva da Associação Médica Brasileira esteve no Rio de Janeiro para um encontro inédito com a diretoria da Sociedade e seus presidentes de regionais. Página 9

Presidentes de Regionais discutem no Rio de Janeiro os caminhos da SBD

A integração da SBD e das Regionais foi o ponto principal da discussão entre as diretorias. Página 10

30.174 Publicação oficial da Sociedade Brasileira de Dermatologia

atendimentos

A

Sociedade Brasileira de Dermatologia divulga nesta edição os números da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele: dos 30.174 pacientes examinados no dia 24 de novembro, 8% apresentaram sinais da doença.

Anvisa vai regulamentar bronzeamento artificial

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicará em breve a regulamentação do uso das câmaras de bronzeamento. A SBD colaborou na elaboração da Portaria. Página 11

Isotretinoína já está sendo distribuída pelo SUS Secretarias de Saúde estão recebendo verba do MS para compra do medicamento. Página 16

Esta foi a Campanha com maior número de atendimentos realizada pela SBD. Segundo as estatísticas, 65% da população examinada afirmaram não se proteger do sol.


Jan / Fev 2002

N

E S T A

E D I Ç Ã O 14

Educação Médica Continuada será remodelada em 2002 Congresso Brasileiro espera receber 2,5 mil dermatologistas

15

5

8

10

Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele realizou maior número de atendimentos em três anos

Ministério da Saúde libera verba para as Secretarias Estaduais adquirirem a Isotretinoína

17

Uso da Talidomida no Brasil: Sociedade participa de grupo no MS que reavaliou as indicações terapêuticas da droga

Sociedade Brasileira de Dermatologia comemora 90 anos de ensino, pesquisa e dedicação à especialidade

DERMLIST - balanço de 5 anos promoven do o intercâmbio via e-mail entre dermatologistas

AMB reúne-se pela primeira vez na História com uma sociedade médica fora de sua sede SBD promove encontro com Regionais para discutir ações no primeiro trimestre da gestão

11

16

Anvisa regulamentará uso de câmaras de bronzeamento artificial no País

E

X

P

E

D

DIRETORIA 2001 - 2002 Presidente Fernando Augusto de Almeida (SP) Vice-Presidente Marcio Santos Rutowitsch (RJ) Secretária-Geral Maria de Lourdes Viegas (RJ) Tesoureira Beatriz Moritz Trope (RJ) 1o Secretário Paulo Rowilson Cunha (SP) 2o Secretário Francisco Macedo Paschoal (SP) Diretora de Biblioteca Tania Ferreira Cestari (RS)

EXPEDIENTE

Presidente Eleito Marcio Santos Rutowitsch (RJ)

Editor assistente Mario Cezar Pires

Diretor Geral e Operacional Marco Antônio S. Abreu Rocha

Jornalista responsável Tatiana Gentil - Reg. no 22.375

Esta é uma publicação da Sociedade Brasileira de Dermatologia, dirigida aos seus associados e órgãos de imprensa.

Publicação bimestral Ano VI – nº 3 – Janeiro / fevereiro – 2002 Editor-chefe Alexandre Sittart

I

17

" Regra P6-P/5 para facilitar a prescrição da Isotretinoína”

18

A relação médico-paciente

19

Últimos lançamentos

20

Regionais

23

Departamentos

E

N

T

Redação Tatiana Gentil Sonilda Lima Fernanda Albert Conselho editorial Fernando Augusto de Almeida (SP) Marcio Santos Rutowitsch (RJ) Maria de Lourdes Viegas (RJ) Beatriz Moritz Trope (RJ) Paulo Rowilson Cunha (SP) Francisco Macedo Paschoal (SP) Tania Ferreira Cestari (RS) Editoração eletrônica Nazareno N. de Souza Tatiana Gentil Contatos publicitários Departamento de Publicações da SBD

E A equipe editorial do Jornal da SBD e a Sociedade Brasileira de Dermatologia não garantem nem endossam os produtos ou serviços anunciados, sendo as propagandas de responsabilidade única e exclusiva dos anunciantes. As matérias e textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. Correspondência para a redação

Sociedade Brasileira de Dermatologia / Jornal da SBD Avenida Rio Branco, 39/18º andar Rio de Janeiro – RJ - CEP: 20090-003 E-mail: publicacoes@sbd.org.br Assinatura anual: R$ 100,00 Número avulso: R$ 20,00

JSBD m Ano VI N 3 m

3


Atividades da Diretoria

Reunião com os Presidentes das Regionais

Realizamos no dia 05 de fevereiro, no Rio de Janeiro, reunião com os Presidentes das Regionais, que compareceram à solenidade do Dia do Dermatologista. Foram discutidos os seguintes assuntos:

Explanação sobre a situação econômica da SBD

A Dr.ª Beatriz Trope, Tesoureira da SBD, assessorada pelo Diretor Geral Operacional, Marco Antônio Rocha, expôs brevemente um histórico sobre o comportamento das despesas e receitas da SBD, desde 1996 até 2001. Foi explicado quais os motivos estruturais que levaram a SBD a apresentar uma receita negativa de aproximadamente R$ 300 mil, e o que estava sendo feito para corrigir esse rumo. Durante a reunião do Conselho Deliberativo, em abril desse ano, em São Paulo,

será feita uma explicação mais detalhada da situação. Adiantamos que a SBD já começa a reencontrar seu equilíbrio financeiro, com a adoção de medidas de contenção, a emissão de normas financeiras e administrativas, e a adoção de um Plano de Ação que abrange todas suas atividades.

a ser realizado em Porto Alegre, que se fizesse alteração no Estatuto da SBD, para que não houvesse nenhum evento, não só de Educação Médica Continuada, como qualquer outro evento, 30 dias antes do Congresso.

Educação Médica Continuada

Com a presença de toda sua Diretoria Executiva, a Associação Médica Brasileira realizou, pela primeira vez, uma reunião com Sociedade de Especialidade. Como parte das homenagens aos 90 anos da Sociedade Brasileira de Dermatologia, isto se deu no Dia do Dermatologista, na reunião da SBD. O Dr. Eleuses Paiva, Presidente da AMB, discorreu sobre os assuntos em pauta na agenda da Associação: o novo rol de procedimentos médicos, a tabela da FIPE, que está sendo montada em conjunto com as Sociedades de Especialidade, e os problemas políticos, institu-

Dr.ª Lia Cândida e Dr. Alberto Cardoso, Coordenadores da EMC-D, relataram a programação da Educação Médica do ano e informaram que as Jornadas via satélite serão em número de 3, e transmitidas pela Conexão Médica, empresa de transmissão de eventos médicos, para pontos determinados em todo o país. Todos os eventos terão transmissão gratuita, e os sócios nesse 1º evento não pagarão nada para assistir. Foi sugerido pelo Dr. Lúcio Bakos, Presidente do Congresso Brasileiro de Dermatologia,

Cartas ao JSBD Pitangui, 18 de janeiro de 2002. Foi com grande satisfação que recebi o jornal da SBD nesta semana, e com ele a notícia do Projeto Inca/SBD sobre Proteção Solar e Câncer da Pele. O momento é extremamente oportuno e gostaria de solicitar a ajuda de vocês, não apenas À SBD Como médica recém formada (não tão recém formada assim, tenho cinco anos de formada, três de residência médica e dois anos de estágio no exterior), gostaria de registrar aqui a minha incompreensão com o que está acontecendo na saúde privada no Brasil. Recém chegada a São Paulo, estou tentando vencer na vida hones4

JSBD m Ano VI N 3 m

pelo envio do material, mas para orientação em projetos de trabalhos (inclusive científicos)... Acho muito adequado ao nosso momento (político!) a realização deste trabalho. Dra. Magda de Abreu Faria Pitangui – MG. tamente. Abri meu consultório, mas não consigo me credenciar com nenhum convênio médico, pois todas as seguradoras estão fechadas para o credenciamento na cidade de São Paulo há 2 ou 3 anos. Gostaria de deixar a minha resignação, pois se as seguradoras abrissem o credenciamento médico, não perderiam um centavo se quer, pois, elas

Reunião com a Associação Médica Brasileira

não pagam salário para os médicos. Como a população está em crescimento, e o número de segurados também e ninguém está deixando de ir ao médico por falta de vagas, pelo menos no setor da medicina privada, alguém está absorvendo estes pacientes. Como as seguradoras estão fechadas para o credenciamento, nós médicos, não credenciados, temos que trabalhar para clínicas que já estão credenciadas, como autônomo, por uma percentagem do que elas recebem das seguradoras. Ou seja, estas clínicas vêm crescendo, enquanto os médicos ganham cada vez menos. E as seguradoras, aquelas mesmas que estão fechadas para o credenciamen-

Errata

cionais e corporativos que afetam a classe médica. Enalteceu a SBD pelos seus 90 anos, e ressaltou a participação ativa que a Sociedade vem tendo nas discussões no âmbito da AMB. As atividades da SBD, em especial da sua Diretoria, vêm sendo desenvolvidas buscando uma maior integração entre os diversos setores que compõem nossa Sociedade. Neste primeiro momento, algumas dificuldades surgem, até que cada um entenda seu novo papel, mas todos entendemos que o papel da SBD é qualificar seu sócio, representá-lo dignamente nos órgãos de classe e nos fóruns de decisão, e, em última análise, dotá-lo de condições de exercer sua profissão com qualidade e melhorar a qualidade de vida da população. Dr. Fernando Almeida Presidente da SBD

to, só tem a perder. Pois, além de terem que pagar a consulta em preço integral para as clínicas, estão sendo servidas por médicos que só ganham a metade disso, e muitas vezes nem Título de Especialista tem. Ou quando o paciente tem reembolso e vai ao consultório de um médico que não é credenciado, muitas vezes a seguradora tem de desenbolsar mais do que se o médico fosse credenciado. Acho que as seguradoras deveriam parar para pensar um pouco qual o sentido de fechar o credenciamento para toda a cidade de São Paulo. Dra. Paula R. P. Peres E-mail: paulapenna@yahoo.com

Na última edição do Jornal da SBD (Ano VI Nº2), na matéria “Professor Nelson Proença é homenageado pela AMB” a foto de ilustração é do Professor Sebastião Sampaio.


Jan / Fev 2002

Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele realizou maior número de atendimentos em três anos

A

última edição da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele atingiu número recorde de atendimentos desde sua criação. Segundo os dados enviados pelas Regionais para a Sociedade Brasileira de Dermatologia, foram atendidas 30.174 pessoas no dia 24 de novembro de 2001. Houve um crescimento de 24% em relação à Campanha de 2000. Há três anos, a Sociedade Brasileira de Dermatologia vem desenvolvendo esta Campanha, que faz parte do Programa Nacional de Controle do Câncer da Pele. Além do atendimento pontual, a SBD pretende desenvolver outras ações com a finalidade de despertar a consciência na população dos riscos da exposição solar. Recentemente, através de uma parceria com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a Sociedade começou a cadastrar der-

matologistas voluntários para participar do Programa Saber Saúde, do Ministério da Saúde. Até o fechamento desta edição, mais de 300 sócios da SBD inscreveramse no Programa, que levará a mais de 3.000 municípios do País informações sobre câncer da pele. E a próxima Campanha já está agendada. No dia 09 de novembro, mais de 130 locais de atendimento estarão prontos para fazer do evento mais um sucesso. Para este ano, o coordenador da Campanha – Jayme de Oliveira Filho – deverá realizar algumas modificações em sua estrutura. Para isso, Dr. Jayme aguarda as sugestões dos sócios e coordenadores locais da Campanha sobre suas experiências nos anos anteriores. O estado com maior afluxo aos locais de atendimento da Campanha foi São Paulo, onde 9.787 pessoas foram examinadas. Os números demonstram que as mulheres estão mais preocupadas com a saúde da pele

Programa Nacional de Controle do Câncerdo da Câncer Pele Programa Nacional de Controle Brasil, Ano: 2001 da Pele - Brasil, Ano: 2001 Características

n

%

Masculino Feminino Total Cor

11270 18904 30174

37.4% 62.6% 100.0%

Branca Parda Negra Amarela Total Fotoproteção atual

18300 9526 2042 306 30174

60.6% 31.6% 6.8% 1.0% 100.0%

Exposição ao sol com proteção Exposição ao sol sem proteção Não se expõe ao sol Total História pregressa de Ca da Pele

7429 19690 3055 30174

24.6% 65.3% 10.1% 100.0%

Sim Não Total História de Ca da Pele na Família

1703 28471 30174

5.6% 94.4% 100.0%

Sim Não Total O que motivou o exame

3903 26269 30172

12.9% 87.1% 100.0%

TV Rádio Cartaz / Panfleto Palestras Jornal Amigos/ Vizinhos/ Família Outros Total

11218 4924 4423 572 2426 5121 3323 32007

35.0% 15.4% 13.8% 1.8% 7.6% 16.0% 10.4% 100.0%

Sexo

Nota: Os 30172 pacientes podiam citar mais que 1 motivo.

JSBD m Ano VI N 3 m

5


Programa Nacional de Controle Câncer Programa Nacional de Controle do Câncerdo da Pele Ano: 2001 da PeleBrasil, - Brasil, Ano: 2001 Diagnóstico Clínico Carcinoma Basocelular

n

%

1852

6.0%

Carcinoma Espinocelular

316

1.0%

Melanoma Malígno

147

0.5%

Outros Ca (tumores malígnos)

213

0.7%

4300

13.9%

Outras Dermatoses

18400

59.7%

Ausência de Dermatoses Total

5600 30828

18.2% 100.0%

Outras Pré-Neoplasias

Nota: Os 30172 pacientes podiam ter mais que 1 diagnóstico.

Programa Nacional de Controle do Câncer da Pele - Brasil, Ano: 2001 Risco(*) (95%)

Limite inferior

Limite Superior

6.62

5.92

7.41

Sim x Não

1.93

1.74

2.14

Sexo Masculino x Feminino

1.57

1.45

1.71

Características História pregressa de Ca da Pele Sim x Não História de Ca da Pele na Família

Cor Branca x Não Branco Não Pardo x Parda Não Negra x Negra Não Amarela x amarela

2.67

2.41

2.95

2.15 4.51 1.98

1.94 3.30 1.13

2.39 6.17 3.45

(*)MedidadeefeitoqueavaliaquantasvezesacaracteristicapotencializaaocorrênciadoCa dePele.Porexemplo:AquelesquetêmhistóriapregressadeCadepeleaumentaem7vezes achancedeteroutroCadepeleemrelaçãoàquelesquenãotêmhistóriapregressadeCade pele.

Programa Nacional de Controle Câncer Programa Nacional de Controle do Câncerdo da Pele Brasil, Ano: 2001 da Pele - Brasil, Ano: 2001 Câncer da Pele

n

%

Sim (cod. 1 a 5)

2422

8.0%

Não (cod. 6 a 12) Total

27752 30174

92.0% 100.0%

Distribuição dos segundo Câncer Pele e cor Distribuição dosPacientes Pacientes segundo Câncer da Pele da e Cor Brasil, Ano:2001 2001 Brasil, Ano:

Cor Branca Parda Negra Amarela Total

6

Sim n 1922 446 41 13 2422

JSBD m Ano VI N 3 m

% 10.5% 4.7% 2.0% 4.2% 8.0%

Câncer da Pele Não n % 16378 89.5% 9080 95.3% 2001 98.0% 293 95.8% 27752 92.0%

n 18300 9526 2042 306 30174

Distribuição dos Pacientes segundo Fotoproteção atual Distribuição dos Pacientes segundo Fotoproteção atual e Cor e sexo -Brasil, Brasil, Ano: 2001 Ano: 2001 Fotoproteção Atual

Total % 100.0 100.0 100.0 100.0 100.0

No Estado do Rio, 67% dos atendidos eram brancos, seguidos por 22,8% de pele parda, 9,9% de pele negra e 0,2% amarela. Comparando os dados de 2000 e 2001, notamos que o Estado do Rio Grande do Norte foi o que apresentou o maior cresci mento no número de atendimentos nos dois anos. Em 2000, apenas 135 pessoas procuraram pela Campanha. Já no ano seguinte, este número saltou para 1.085. Este sucesso deve-se principalmente ao apoio da mídia, já que 85% das pessoas tomaram conhecimento da Campanha pela televisão. A televisão certamente é o veículo de maior apelo junto ao público. Em todo o País, 35% das pessoas se disseram motivadas pelo exame graças à TV. Em seguida, praticamente empatados, vêm as informações por amigos/vizinhos/família e pelo rádio, com 16% e 15,4% respectivamente. Cartazes e panfletos também tiveram uma boa penetração na população: 13,8% tomaram conhecimento da Campanha através deste meio de divulgação. O Acre, pela primeira

do que os homens. Das pessoas que procuraram o atendimento, 63% eram do sexo feminino e 37% do sexo masculino. Das 6.164 mulheres, 59,8%, ou seja, 3.686, confirmaram que se expõem ao sol sem nenhum tipo de proteção. Entre os 744 homens atendidos pela Campanha, 70,8% também se expõem ao sol sem proteção. Em São Paulo, 8,5% da população examinada apresentaram câncer da pele. Esta média se manteve em todo o País, conforme pode se perceber nos gráficos ilustrativos, que demonstram que 8% da população examinada apresentaram a doença. No Rio de Janeiro, que manteve a média de atendimento do ano anterior, das 4.240 pessoas examinadas, 60,6% são do sexo feminino. As estatísticas nos dois estados são bem parecidas. No Rio, 62,9% – ou seja, 2.666 pessoas – afirmam não usar nenhum tipo de proteção contra os raios solares. Os números demonstram que é importante reforçar a necessidade da fotoproteção, principalmente para as pessoas de pele clara, que são as que mais procuraram o atendimento.

Branca n %

Cor Negra

Parda n

%

n

%

279

Amarela n %

Exposição com proteção

5214 28.5% 1836 19.3%

13.7%

100

33%

Exposição sem proteção

11222 61.3% 6772 71.1% 1525 74.7%

Não se expõe ao sol

1864 10.2%

Total n

%

7429 24.6%

171

55.9% 19690 65.3%

238

11.7%

35

11.4% 3055 10.1%

Total 18300 100% 9526 100% 2042 Teste Qui-quadrado: p-valor < 0,0001 (Altamente Significativo).

100%

306

100% 30174 100%

918

9.6%


Jan / Fev 2002

vez, aderiu à Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele. Apesar de não haver uma regional no Estado, a Dra. Elisabeth Lima organizou todo o evento seguindo as orientações da coordenação nacional. Mesmo sendo um estado pequeno, foram atendidas mais pessoas no Acre do que em estados como Alagoas, Amazonas, Espírito Santo, Maranhão e Mato Grosso do Sul. A equipe montada no Acre realizou 361 exames no dia 24 de novembro, quando foram detectados 19 casos de câncer da pele. Além de São Paulo – que praticamente dobrou o número de atendimentos em relação ao ano anterior – a Campanha também teve grande evolução em Pernambuco e na Bahia. Os dermatologistas pernambucanos conse guiram atrair 2.716 pessoas em 2001, contra 1.469 em 2000. Neste estado, homens e mulheres compareceram praticamente na mesma proporção: 40,8% e 59,2% respectivamente. Também houve igualdade quanto à cor da pele examinadas: 45,1% de pele branca e

47,8% de pele parda. Já na Bahia, o atendimento saltou de 778 em 2000 para 1.572 em 2001. Os baianos, no entanto, são os que mais se protegem do sol, segundo os dados da SBD. Da população examinada, 28,9% afirmaram se proteger dos raios solares. O curioso é que a Bahia é um dos três estados onde as pessoas de pele parda compareceram em maior número do que as de pele branca. De maneira geral, este ano a SBD conseguiu manter o mesmo padrão de qualidade e eficiência, mesmo com todas as dificuldades estruturais existentes na época do evento. O curto prazo para organização e os poucos recursos disponíveis dificultaram a execução da Campanha. No entanto, com o apoio de todos os coordenadores regionais e dos laboratórios Galderma, ICN, Janssen-Cilag, La Roche Posay, Medley, Schering Plough e Stiefel a Sociedade Brasileira de Dermatologia conseguiu mais uma vez cumprir, um de seus mais nobres objetivos: promover iniciativas que podem, salvar vidas.

Programa Nacional de Controle Câncer Programa Nacional de Controle do Câncerdo da Pele da PeleBrasil, - Brasil, Ano: 2001 Ano: 2001 Câncer de Pele

Estados AC AL AM BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PR RJ RN RS SP Total - Brasil

Sim

Não

Total

%

19 22 13 78 69 98 17 114 4 115 14 29 20 55 169 98 333 174 151 830 2422

342 312 246 1494 723 1268 178 1595 123 1242 148 395 423 512 2547 907 3922 911 1507 8957 27752

361 334 259 1572 792 1366 195 1709 127 1357 162 424 443 567 2716 1005 4255 1085 1658 9787 30174

5.3 6.6 5.0 5.0 8.7 7.2 8.7 6.7 3.1 8.5 8.6 6.8 4.5 9.7 6.2 9.8 7.8 16.0 9.1 8.5 8.0

Distribuição dos Pacientes segundo Distribuição dos Pacientes segundo Câncer da Pele eCâncer Sexo 2001 Ano: 2001 da Pele e Brasil, sexo Ano: - Brasil,

Sexo Masculino Feminino Total

Câncer da Pele Não n % 10121 89.8% 17631 93.3% 27752 183.1%

Sim n 1149 1273 2422

% 10.2% 6.7% 16.9%

Total n 11270 18904 30174

% 100.0 100.0 100.0

Teste Qui-quadrado: p-valor < 0,0001 (Altamente Significativo).

Distribuição dosPacientes Pacientes segundo Fotoproteção Distribuição dos segundo Fotoproteção atual e Sexo atual Ano: 2001 e sexoBrasil, - Brasil, Ano: 2001

Fotoproteção Atual

Masculino n %

Sexo Feminino

Total

n

%

n

%

Exposição com proteção

2217

19.7%

5212

27.6%

7429

24.6%

Exposição sem proteção

8096

71.8%

11594

61.3%

19690

65.3%

Não se expõe ao sol

957

8.5%

2098

11.1%

3055

10.1%

Total 11270 100% 18904 100% Teste Qui-quadrado: p-valor <0,0001 (Altamente Significativo).

30174

100%

JSBD m Ano VI N 3 m

7


Sociedade Brasileira de Dermatologia comemora 90 anos de ensino, pesquisa e dedicação à especialidade

N

o último dia 05 de fevereiro, cerca de 150 dermatologistas participaram da celebração dos 90 anos da Sociedade Brasileira de Dermatologia, no Jockey Club Brasileiro, no Rio de Janeiro. Os maiores expoentes da Dermatologia brasileira participaram da solenidade e do jantar oferecido pela Diretoria. Dentre eles, ex-presidentes da SBD e presidentes de Regionais, coordenadores dos departamentos especializados e das comissões científicas e chefes dos serviços credenciados da SBD. No dia 05 de fevereiro, também é comemorado o “Dia do Dermatologista”, instituído no calendário oficial da SBD desde o ano 2000. Para prestigiar o aniversário da Sociedade, os dermatologistas receberam o Dr. Eleuses Paiva, presidente da Associação Médica Brasileira, Dr. Ivano Marchesi, coordenador

Prof. Antar Padilha representan do os dermatologistas brasileiros

8

JSBD m AnoVI N 3 m

Os ex-presidentes (acima) foram home nageados pela Diretoria da SBD (ao lado)

de prevenção e vigilância do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e o Dr. José Augusto Paulino, presidente da Academia Nacional de Medicina. Todos foram homenageados pela Diretoria da SBD e, expressado pelo presidente Dr. Fernando Augusto de Almeida, receberam o reconhecimento pela atuação e parceria nos 90 anos da instituição. – O entusiasmo que sinto neste momento talvez seja o mesmo que os Professores Fernando Terra, Eduardo Rabello e Werneck Machado sentiram por ocasião da fundação da SBD, no dia 05 de fevereiro de 1912. Nós humanos somos finitos, porém, uma Sociedade organizada como a SBD permanece. Daí a importância histórica deste momento. A SBD tem desempenhado um papel muito importante na medicina brasileira e internacional – declarou Dr. Fernando em seu discurso. Mas o grande homenageado da noite foi o Professor Antar Padilha Gonçalves, representando todos os dermato-

logistas que participam da História da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Além dele, todas as Regionais da SBD – representadas por seus presidentes – e os ex-presidentes da SBD Nacional receberam as homenagens da Diretoria. O jantar oferecido pela SBD foi realizado com o patrocínio dos quatro maiores parceiros em 2002: JanssenCilag, La Roche Posay, Schering Plough e Stiefel. “A Diretoria atual tem metas definidas e criou um plano de ação que representa uma nova política nacional, tendo como base a valorização da chancela e dos produtos da SBD”, avaliou o presidente. A celebração dos 90 anos é um dos produtos, que demonstra a importância da tradição da SBD, atualmen-

te a segunda maior sociedade dermatológica no mundo, e única da especialidade reconhecida oficialmente pela Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Presidente da SBD recebe homenagem no cinqüentenário da AMB.

A Associação Médica Brasileira (AMB) celebrou recentemente 50 anos de fundação com uma grande comemoração em São Paulo. O presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Dr. Fernando Almeida, recebeu a medalha comemorativa do cinqüentenário da Associação pela dedicação e trabalho à frente da SBD.


Jan / Fev 2002

AMB faz pela primeira vez na história uma reunião com uma sociedade médica fora de sua sede. Além de prestigiar os 90 anos da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a Associação Médica Brasileira promove uma reunião entre as diretorias e os presidentes das regionais da SBD.

Dr. Fernando Almeida, Dr. Eleuses Paiva, Dr. Eduardo Vaz e Dr. Lincoln Freire: encontro inédito no Dia do Dermatologista

N

o dia em que a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) completou 90 anos, foi realizado o encontro inédito que reuniu a diretoria executiva da Associação Médica Brasileira (AMB), a diretoria da SBD e os presidentes das regionais. É a primeira vez também que acontece uma reunião da AMB com uma sociedade especializada fora da sede da Associação. O encontro que aconteceu no dia 5 de fevereiro, no Hotel Excelsior, no Rio de Janeiro, teve como discussão o novo modelo de avaliação de residência médica proposto pela AMB, o projeto de unificação e atualização da tabela dos honorários médicos, o programa Médico de Família, a revalidação do Título de Especialista e o Projeto Diretrizes. Representando a Associação Médica Brasileira, estavam o Dr. Eleuses Paiva, presidente, o Dr. Lincoln Freire, vice-presidente, o Dr. Aldemir Soares, secretário geral, o Dr. Amilcar Martins, 1º secretário, o Dr. Eduardo Vaz, secretário de defesa profissional e o Dr. Edmund Baracat, tesoureiro. Além destes, o articulador do encontro, Dr. Alexandre Sittart, 9

JSBD m Ano VI N m 2

que além de fazer parte da AMB é editor chefe do Jornal da SBD. O presidente da AMB, Dr. Eleuses Paiva, pediu o apoio dos dermatologistas na mudança do modo de avaliação da residência médica, cujo responsável é o Ministério de Educação e Cultura (MEC). O problema, segundo a AMB, é que as residências são avaliadas por médicos que não necessariamente trabalham na área do residente. “Precisamos do apoio das sociedades científicas para que esta avaliação seja feita pelos especialistas na área, assim teremos uma fiscalização maior e com certeza irá melhorar a qualidade do profissional”, afirma. De acordo com a proposta, as sociedades de especialidade passariam a ser responsáveis pela avaliação e fiscalização das residências médicas. A AMB também deseja unificar a prova de residência em todo o País. A especialização é uma tendência na área de saúde, e vai de encontro ao projeto Médico de Família, do Governo Federal. O 1ºsecretário da SBD, Dr. Paulo Cunha, acredita que “o projeto é ótimo no papel, mas pouco prático”. A dificuldade do projeto, segundo os médicos, é que hoje em dia não existe médico gene-

ralista. E o que as instituições podem fazer para ajudar o Médico de Família? A questão será analisada por ambas as entidades. O que preocupa a Associação Médica Brasileira, e também aos dermatologistas, é o fato de que nas cidades mais pobres do Brasil não existem médicos disponíveis. Mas, segundo o presidente da AMB, o projeto do Ministério da Saúde de interiorização da Medicina já evoluiu em 400 municípios que estavam sem médicos. “Infelizmente alguns prefeitos não têm interesse em levar o médico. Entendem que o médico indo para o município passará a ter mais poder político que ele próprio”. Isso fez o presidente lembrar da importância dos médicos em se dedicar a cargos de chefia para a classe ter maior poder de decisão e representação na política brasileira. Para o presidente da Regional Santa Catarina, Dr. Nilton Nasser, “ esta também é uma falha dos próprios médicos, que não querem assumir esta responsabilidade”. Para ele, os profissionais de saúde de outras áreas tomam o poder dos médicos através dos cargos de chefia. Esta posição também foi reforçada pela Dra. Inês Alencar de Castro, presidente da Regional Rio Grande do Sul, que questionou a ocupação de cargos políticos por profissionais não médicos. Na reunião discutiu-se também a atualização da tabela de honorários médicos. No Brasil, são utilizadas várias tabelas sem nenhum padrão e desatualizadas no mercado. A AMB está elaborando junto com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) um rol para cada especialidade. “Esta tabela já esta sendo feita, e em breve, as socie-

dades científicas irão recebê-la para análise e apontar os pontos positivos e negativos”, ressalta o presidente. Utilizou-se os critérios de pontuação para definir os valores de cada procedimento, sendo valorizado o tempo, habilidade técnica, custos fixos, equipamento, risco e responsabilidade. É importante lembrar que a tabela não terá mais um único valor e será regionalizada. O Dr. Eleuses Paiva também anunciou a readequação da AMB e Conselho Federal de Medicina (CFM) quanto à relação das especialidades médicas reconhecidas pela Comissão Nacional de Residência Médica. Somente 48 especialidades serão reconhecidas por estas entidades. Na Dermatologia, apenas a Sociedade Brasileira de Dermatologia é reconhecida oficialmente pela AMB e CFM. As subespecialidades como, por exemplo, cirurgia dermatológica, hansenologia, dermatologia pediátrica e outras, serão reconhecidas como departamentos da especialidade. Para o secretário geral da AMB, Dr. Aldemir Soares, “a AMB nunca esteve tão voltada para as sociedades de especialidades como agora”. A revalidação do Título de Especialista também foi um tema discutido entre dermatologistas e a AMB. Segundo o presidente da Associação, para revalidação do Título é necessário criar mecanismos de Educação Médica Continuada para os médicos. Além disso, outro problema é haver uma uniformidade na avaliação da residência médica. Para isso foi criada a Comissão Nacional de Residência Médica, que discutirá os caminhos a serem tomados no ensino. Esta Comissão é formada por um representante do Ministério da Saúde, do MEC, do Inamps, da AMB, do CFM e dos residentes. Quanto às eleições que ocorrerão este ano no Brasil, Dr. JSBD m Ano VI N 3 m

9


Eleuses defende a idéia de que a classe médica deve dar apoio a um candidato para que isso se reverta em apoio parlamentar aos interesses médicos. Somente com uma articulação política – como existe em diversas profissões – será possível defender efetivamente os interesses da medicina. Para tanto, a AMB montou uma comissão que irá formular um Projeto de Saúde com uma proposta para o candidato que se dispuser a lutar pelos interesses da classe. Para encerrar, Dr. Eleuses Paiva discorreu sobre o Projeto Diretrizes da AMB, que conta com o apoio do CFM e do Ministério da Saúde. O projeto consiste em formular uma diretriz única sobre como tratar e diagnosticar as 100 doenças mais freqüentes no País. Na Dermatologia, o coordenador do Departamento de Oncologia Cutânea, Dr. Luis Fernando Tovo, já elaborou as diretrizes sobre o melanoma. Além dele, a Dra. Ida Duarte e a Dra. Rosana Lazzarini formularam diretrizes sobre eczemas de contato, pelo Departamento de Alergia Dermatológica. A Associação Médica Brasileira lançará em breve a publicação com todas as diretrizes encaminhadas pelas sociedades médicas.

10

JSBD m Ano VI N 3 m

SBD promove encontro com Regionais para discutir ações no primeiro trimestre da gestão ornar a Sociedade Brasileira de Dermatologia auto-suficiente através de produtos e anuidades. Esta é a meta apresentada pelo Dr. Fernando Almeida no encontro que reuniu 15 presidentes de regionais, no dia 05 de fevereiro, no Rio de Janeiro. O presidente da Sociedade também mostrou como vem enfrentando a crise econômica apresentada na última Reunião do Conselho Deliberativo. Ele fez uma explanação das ações nos primeiros meses de gestão, quando reduziu em 40% os gastos da SBD com cortes no orçamento e renegociação de contratos inadimplentes. Atendendo às reivindicações do Conselho Deliberativo, Dr. Fernando contratou uma empresa para auditar os relatórios da SBD desde 1996 até 2001. O resultado, apresentado na reunião, é parte de um trabalho mais completo que terá continui-

T

dade nos próximos meses, e será apresentado para todos os conselheiros da SBD. O presidente falou também das atividades junto ao Ministério da Saúde (MS), como a reintegração da Sociedade na política de hanseníase e a indicação das Dras. Denise Steiner, Lia Castro, Ana Maria Pinheiro e Dóris Hexsel para discutir as normas de preenchimento cutâneo junto ao Ministério. Além disso, mostrou os projetos em andamento da Sociedade, como o “Programa Saber Saúde”, desenvolvido em conjunto com o Inca, e o projeto “Adote um sorriso” em parceria com a Fundação Abrinq. As regionais com menor número de sócios apresentaram suas dificuldades em manter seus eventos, principalmente as que realizam eventos gratuitos para os sócios. No Pará, por exemplo, a Dra. Alena Mendes

colocou a necessidade de a SBD adotar uma postura de proteção destas regionais, que não estão conseguindo negociar com os laboratórios. Além do Pará, os Estados de Alagoas, Amazonas, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe foram representados por seus respectivos presidentes. Os presidentes das regionais mostraram apoio à celebração dos 90 anos da SBD e a maneira como a atual Diretoria vem conduzindo as dificuldades da Sociedade. O Dr. Ramon Blanco, presidente da Regional Rio de Janeiro, parabenizou a Diretoria pela atuação enérgica e enfatizante à frente da SBD e concluiu: “90 anos de uma sociedade devem ser comemorados, sim. Isso representa a nossa História.”


Jan / Fev 2002

Anvisa regulamentará uso de câmaras de bronzeamento artificial no País

A

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está atenta à proliferação das câmaras de bronzeamento artificial. Preocupada com o uso desordenado do equipamento por profissionais que possam prejudicar inadvertidamente a saúde dos clientes, a Agência formulou uma Consulta Pública para definir as regras que serão adotadas em todo o País. A Sociedade Brasileira de Dermatologia encaminhará um parecer oficial com sugestões para prevenção dos pacientes que pretendem se expor aos raios ultravioletas. A proposta da Anvisa prevê que os estabelecimentos que fizerem bronzeamento artificial deverão disponibilizar à autoridade sanitária o cadastro com histórico das consultas, termo de consentimento e avaliação médica dos clientes. Deverão também afixar em local visível ao público a licença de funcionamento concedida pelo órgão da vigilância sanitária competente; disponibilizar as instruções de utilização

das câmaras, de acordo com a norma NBR IEC 60335-2-27; disponibilizar os laudos espectroradiométricos elaborados na entrega do aparelho e a cada substituição das lâmpadas; ter comprovante de treinamento dos operadores dos equipamentos e os registros de eventos adversos ocorridos nas sessões de bronzeamento. Para o Dr. Marcus Maia – coordenador do Programa Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele da SBD – que representou a SBD na elaboração da portaria do Centro de Vigilância Sanitária de São Paulo, “a obrigatoriedade da avaliação médica é o ponto mais importante no sentido de afastar da prática do bronzeamento as pessoas de risco para o câncer da pele”. A SBD vai sugerir que seja incluída na Regulamentação a obrigatoriedade dos estabelecimentos de fornecer a especificação dos fatores de risco para câncer da pele. “Esta recomendação se prende ao fato de que o exame médico, na

maioria das vezes, poderá ser realizado por um médico não especialista, que não estará afeito à classificação dos fototipos. No entanto, um impresso padronizado que contivesse os fatores de risco tiraria qualquer subjetividade de interpretação”, avaliou Dr. Marcus Maia. Outro ponto importante destacado pelo especialista é a necessidade de um alerta, no termo de consentimento, de que os clientes não estão livres do envelhecimento precoce, que independe dos fototipos. “Estes foram alguns pontos que representaram a participação da SBD em São Paulo, publicada em dezembro de 2000”, encerrou o Dr. Maia. Além da participação em São Paulo, em outubro de 1999 a SBD-Seção RS fez um pedido ao Ministério Público Federal para regulamentação das câmaras de bronzeamento artificial. O Procurador da República, Dr. Paulo Gilberto Cogo Leivas, instaurou um inquérito e convocou a Anvisa e a Agência Estadual de Vigilância Sanitária para elaboração das Portarias. Segundo a presidente da Regional, Dra. Inês Alencar de Castro, as últimas gestões da SBD-RS participaram

Dr. Marcus Maia coorde nador do Programa Nacional de Controle do Câncer da Pele

de todo o processo, assim como alguns peritos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. - Foi consenso em nossas reuniões que seria imprescindível constar nas portarias a proibição de bronzeamento artificial abaixo dos 16 anos de idade, o laudo espectro-radiométrico garantindo que as lâmpadas estejam emitindo dentro da faixa do UVA e os laudos a cada troca de lâmpadas, a avaliação médica, o registro do equipamento, a placa de advertência ao usuário e o alvará – informou Dra. Inês. A Anvisa receberá todas as sugestões dos médicos e órgãos competentes em até 60 dias após a publicação da Consulta Pública. Em seguida, todas as propostas serão analisadas e a Regulamentação deverá ser publicada até meados deste ano.

Título de Especialista em Dermatologia: 405 candidatos participarão da prova em abril om 405 inscritos encerraramse no dia 1º de fevereiro as inscrições para o Título de Especialista em Dermatologia (TED). O Exame será realizado no dia 06 de abril, no Rio de Janeiro, e terá prova objetiva com 80 perguntas teóricas, cinco casos clínicos para serem analisados e avaliação sobre micologia médica e histopatologia tegumentar. – A procura pelo exame foi muito concorrida. A maioria das inscrições, a exemplo dos anos anteriores, foi feita na última semana – afirma Dr. Márcio Rutowisch, presidente da Comissão do TED. Para Adriana Gonçalves Costa, formada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e cursan-

C

do o aperfeiçoamento no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro, a expectativa da prova do Título de Especialista traz ansiedade. “É uma avaliação onde será verificado tudo o que foi aprendido, principalmente neste último ano. Existe uma exigência da sociedade em relação ao desenvolvimento acadêmico do Título de Especialista” comenta. Adriana está preparandose para a prova desde março do ano passado e estuda com base no Rook e livros de referência. Lívia Messias Lobo, também residente do Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro, considera que os dermatologistas que não têm o Título, de certa

forma, são excluídos do mercado, pois não podem ingressar numa pós-graduação ou mestrado, ou ainda se credenciar em determinados planos de saúde. “O Título é um reconhecimento do esforço de trabalho e estudos. É a prova final de que a gente se dedicou”, avalia. Após a sua aprovação, Lívia pretende voltar para Salvador, sua terra natal, para cursar mestrado. Atualmente a Associação Médica Brasileira (AMB) está estudando a revalidação do Título de Especialista para todas as especialidades médicas. Dr. Rutowitsch considera extremamente válida a iniciativa. “Tratase de um processo muito importante. A revalidação do Título de Especia-

lista para o colega que já o tem, promove uma atualização, seja na área específica de atuação do médico ou não. O que é importante definir são os mecanismos desta avaliação que podem variar de análise da publicação de artigos científicos, reuniões com residentes, participação em simpósios, congressos, ou jornadas e com o apoio da internet. V amos aguardar as definições da AMB que devem estar formuladas até o fim deste ano“ - afirma. O título para os dermatologistas foi instituído no início da década de 60, por intermédio de convênio assinado com a AMB. Entrou em vigor a partir de 1967, quando foi realizado o primeiro exame para sua obtenção. JSBD m Ano VI N 3 m

11


Calendário de Eventos - 2002

MARÇO SBD:

REG. PARAÍBA:

I Jornada Paraibana de Dermatologia Data: 17 e 18 - 05 - 2002

XXVI Jornada Goiâna de Dermatologia Data: 01 e 02 - 03 - 2002

REG. R IO GRANDE DO SUL:

Curso de DST e AIDS Data: 10 e 11 - 05 - 2002

REG. SÃO PAULO:

I Jornada Paranaense de Dermatologia Maringá - PR Data: 22 e 23 - 03 - 2002

110ª Jornada Dermatológica Paulista Data: 25 - 05 - 2002

REG. SERGIPE:

III Jornada de Dermatologia de Sergipe Data: 16 a 18 - 05 - 2002

EMC-D - Cicatrizes e Pele - Via Satélite Data: 09 - 03 - 2002

REG. GOIÁS: REG. PARANÁ:

REG. SANTA CATARINA: I Jornada Catarinense de Dermatologia Data: 01 e 02 - 03 - 2002 REG. SÃO PAULO:

1ª RCO Data: 05 - 03 - 2002

ABRIL SBD:

Encontro dos Dermatologistas de Itacaré-BA Data: 29 - 06 a 02 - 07 - 2002

REG. MINAS GERAIS:

EMC-D (DermaRio) Data: 13 - 04 - 2002

Curso Teórico Data: 15 - 06 - 2002

REG. PARÁ:

II Simpósio de Oncologia Data: 22 - 06 - 2002

Cursos de Atualização Terapêutica Data: 05 - 04 - 2002

REG. R IO DE JANEIRO: 1ª DERMARIO Data: 11 a 13 - 04 - 2002 Curso de Dermatologia Pediátrica Data: 05 e 06 - 04 - 2002

REG. SANTA CATARINA: XXI Jornada Sul Brasileira de Dermatologia - Blumenau - SC Data: 18 a 20 - 04 - 2002 REG. SÃO PAULO:

2ª RCO Data: 02 - 04 - 2002

MAIO REG. CEARÁ:

REG. RIODE JANEIRO: Congresso dos Ex-Alunos do Prof. Azulay Data: 08 - 06 - 2002 REG. SÃO PAULO:

XXI Jornada Norte/Nordeste-EMC-D Fortaleza-CE Data: 29 a 31 - 05 - 2002

JSBD m Ano VI N m 2

3ª RCO Data: 04 - 06 - 2002

AGOSTO SBD:

Dermatopatologia - Camboriú -SC Data: 22 a 24 - 08 - 2002

REG. PARANÁ:

II Jornada Paranaense de Dermatologia Curitiba - PR Data: 16 e 17 - 08 - 2002

REG. SANTA CATARINA: II Jornada Internacional de Terapêutica Dermatológica Balneário Camboriú-SC Data: 09 e 10 - 08 - 2002 REG. SÃO PAULO:

4ª RCO Data: 06 - 08 - 2002 111ª Jornada HC Data: 17 - 08 - 2002

SETEMBRO SBD:

REG. ESPÍRITO SANTO: XVII Jornada Capixaba Data: 23 a 25 - 05 - 2002 12

EMC-D - Via Satélite Data: 08 - 06 - 2002

REG. B AHIA:

Reunião dos Serviços Credenciados da SBD - (SP) Data: 25 - 04 - 2002 Reunião dos Presidentes de Regionais, Departamentos e Comissões - (SP) Data: 26 - 04 - 2002 Reunião do Conselho deliberativo - (SP) Data: 27 - 04 - 2002

REG. R IO GRANDE DO SUL:

SBD:

XXXV Exame de Título de Especialista em Dermatologia Rio de Janeiro-RJ Data: 06 - 04 - 2002

EMC-D (Jornada Sul Brasileira) Data: 18 - 04 - 2002

REG. ALAGOAS:

JUNHO

Reunião dos Presidentes de Regionais, Departamentos e Comissões. Porto Alegre-RS Data: 19 - 09 - 2002 Reunião do Conselho Deliberativo Porto Alegre-RS Data: 20 - 09 - 2002


Jan / Fev 2002 Congresso Brasileiro de Dermatologia Data: 21 a 25 - 09 - 2002 Informações:Tel. (0xx) 51 3224-5521 REG. SÃO PAULO:

INFORMAÇÕES

Evento: 5ª RCO Data: 14 - 09 - 2002

m SBD-Alagoas (82) 338-7959

m SBD-Pará (91) 249-7333

SBD:

EMC-D (Radeco) Data: 18 - 10 - 2002

m SBD-Amazonas (92) 233-4994

REG. A LAGOAS:

IV Jornada Alagoana de Dermatologia Pediátrica Data: 25 e 26 - 10 - 2002

m SBD-Paraíba (83) 224-9065

m SBD-Bahia (71) 237-7582

m SBD-Paraná (41) 224-6467

m SBD-Ceará (85) 261-9055

m SBD-Pernambuco (81) 3222-0369

m SBD-Distrito Federal (61) 328-6320

m SBD-Piauí (86) 222-1059

m SBD-Espírito Santo (27) 3337-1577

m SBD-Rio de Janeiro (21) 2263-4811

m SBD-Fluminense (21) 2719-0411

m SBD-Rio G. do Norte (84) 221-5568

m SBD-Goiás (62) 251-6826

m SBD-Rio Grande do Sul (51) 3339-1811

m SBD-Maranhão (98) 227-1630

m SBD-Santa Catarina (48) 222-2288

m SBD-Mato Grosso (65) 321-2196

m SBD-São Paulo (11) 3105-4933

OUTUBRO

REG. M ATO GROSSO DO SUL :

RADECO Data: 18 e 19 - 10 - 2002

REG. MINAS GERAIS: Jornada Mineira de Dermatologia Data: 12 e 13 - 10 - 2002 REG. PARÁ:

Reunião (Estomatologia) Data: 18 e 19 - 10 - 2002

REG. PARANÁ:

III Jornada Paranaense de Dermatologia Paranaguá - PR Data: 25 e 26 - 10 - 2002 XXVII Jornada Gaúcha de Dermatologia - Porto Alegre-RS Data: 19 - 10 - 2002 6ª RCO Data: 01- 10 - 2002 Jornada de Câncer da Pele Data: 26 e 27 - 10 - 2002

REG. R IO GRANDE DO SUL: REG. SÃO PAULO:

NOVEMBRO SBD

Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele Data: 09 - 11 - 2002 EMC-D (Radesp) Data: 30 - 11 - 2002

REG. BAHIA:

X Jornada Bahiana Data: 22 a 24 - 11 - 2002

REG.GOIÁS:

XXIX Jornada Goiana de Dermatologia Data: 08 - 11 - 2002

REG. PARÁ:

V Jornada Paraense de Dermatologia Data: 21 a 23 - 11 - 2002

REG. PERNAMBUCO:

X Jornada Pernambucana de Dermatologia Data: 22 a 24 - 11 - 2002

REG. SANTA CATARINA: IV Dermatologia do Terceiro Millenium - Itapema-SC Data: 29 e 30 - 11 - 2002 REG. SÃO PAULO:

RADESP Data: 28 a 30 - 11 - 2002

m SBD-Mato Grosso do Sul m SBD-Sergipe (67) 421-5984 (79) 224-2430 m SBD Minas Gerais (31) 3273-5788

JSBD m Ano VI N 3 m

13


C

L A S S I F I C A D O S

COMPRO apartamento em São Paulo, de 1 ou 2 dormitórios, para meu filho que estuda em São Paulo. Bairros: Pinheiros, Perdizes, Higienópolis, Jardins, Paraiso, Consolação, Sumaré, Bela Cintra, Frei Caneca e redondezas da Paulista. Pode ser repasse de imóvel financiado. Dr. Samuel Henrique Mandelbaum. Tel. 01239215455/ 39215157

O HOSPITAL GERAL DE MIRASSOL D'OESTE - MT, necessita de médico com especialidade em Dermatologia para atuar em seu corpo clínico. Av. Tancredo Neves, 1335 Centro Mirassol d'Oeste – MT. Cep: 78280-000. Email: alergo@vsp.com.br Telefone: ( 65 ) 2411333. Fax: ( 65 ) 2411333

Clínica de Medicina Estética e Cirurgia Plástica procura Médicos com Especialidades em Dermatologia e Endocrinologia. Interessados entrar em contato pelo telefone (66)5318020 falar com Adriana.

14

JSBD m Ano VI N 3 m

COMPRO aparelho de videodermatoscópio. Dr. Zanini (11) 4992-7724. drzanini@ig.com.br

VENDO HYLAFORM (ácido hialurônico) por preço promocional. Motivo: estoque excessivo no meu consultório. Interessados, entrar em contato com Fabiane ou Daiane pelo fone (54) 331 3310." Rosemari Mazzuco

VENDO Apto.; 2 dorm.armários; 1 vaga; $110mil; entre V. Mariana/Paraíso. Tratar c/ Enilde (5572-0617; 5579-8837)

VENDO parte de clínica em Blumenau (SC) com expressivo atendimento em Dermatologia. Tel.: (47) 435-1380, falar com a Sra. Marilza.

Os interessados em anunciar nos Classificados deverão enviar o texto para a redação do Jornal da SBD: publicacoes@sbd.org.br.

Educação Médica Continuada será remodelada em 2002

A

revitalização do Programa de Educação Médica Continuada em Dermatologia (EMC-D) é um dos objetivos da Dr. Lia Miranda de Castro, que assumiu o cargo de coordenadora do projeto em setembro do ano passado, em conjunto com o Dr. Alberto Cardoso. Para isso, estão desenvolvendo várias idéias inovadoras, como por exemplo, a determinação de que a EMC tenha apenas três edições via satélite até o final de 2002. Outra novidade será a transmissão do programa pela Conexão Médica, que substituirá o serviço prestado anteriormente pela Embratel. A Conexão Médica é uma rede de Instituições médicas que inclui hospitais, clínicas e universidades assinantes, tendo como objetivo promover o intercâmbio e a difusão do conhecimento médico. A empresa utiliza avançados meios de telecomunicação, como WebTV via satélite. Segundo a Dra. Lia, este serviço cobre a maior parte das regiões, em vários hospitais referenciados e associações médicas. O principal motivo desta opção é justificado pela redução de custos na transmissão da EMC. A programação da EMC para este ano já está fechada. O tema do primeiro evento, que acontecerá no dia 9 de março, será Cicatrizes e a Pele: tratamentos e curativos em suas várias indicações, coordenado pela Dra. Denise Steiner, do Departamento de Cosmiatria. No evento em seguida, marcado para 8 de junho, a abordagem será Atualização Terapêutica com Casos Clínico-Patológicos:

Diagnóstico e Conduta. Em agosto, no dia 17, o enfoque da EMC será Oncologia Cutânea. Outra inovação é incluir na programação das grandes jornadas regionais, cursos de EMC - explica a Dr. Lia de Castro. Na Jornada NorteNordeste está sendo programado para o dia 29 de maio um curso sobre Dermatoses Tropicais, coordenado pelos doutores Sílvio Alencar e Alberto Cardoso. Na DermaRio, em 11 de abril, será realizado um curso sobre Dermatologia Pediátrica, coordenado pela Dra. Gabriela Lowy. Em São Paulo, para a Radesp, está sendo proposto um curso sobre Laser, que terá à frente o Dr. Roberto Matos. E na Radeco, o tema será Atualização e Controvérsias no uso de Retinóides, ministrado pela própria coordenadora da EMC-D. Além disso, outra proposta da coordenação da EMC é a organização, junto aos serviços credenciados de vários estados, de cursos intensivos com uma semana de duração, direcionados aos sócios efetivos. Com pontuação diferenciada nas áreas de dermatologia pediátrica, cirurgia dermatológica, oncologia, dermatologia geral e dermatopatologia. As datas e os números das vagas serão divulgados assim que for regulamentada a programação. - Pretendemos que as mudanças na Educação Médica Continuada ocorram conforme as sugestões enviadas pelos associados. Queremos oferecer aos sócios das várias regiões, nas grandes jornadas,


Jan / Fev 2002

Congresso Brasileiro espera receber 2,5 mil dermatologistas temas por eles solicitados. E ainda visamos criar nos serviços credenciados a oportunidade de uma reciclagem mais abrangente, prática e específica - conclui a Dr. Lia de Castro.

Educação Médica Continuada Dermatologia Pediátrica DermaRio -11 de abril de 2002 Programa: 8.30h - 8.40h: Introdução Profa. Gabriela Lowy 8.40h - 9.10h: Eczema: do eritema à liquenificação Prof. Heliomar Valle 9.10h - 9.20h: Discussão 9.20h - 9.50h: Dermatite atópica: terapeutica tópica Profa. Gabriela Lowy 9.50h -10.00h: Discussão 10.00h -10.30h: AIDS: manifestações dermatologicas na infância Profa. Norma Rubini 10.30h - 10.40h: Discussão 10.40h - 11.10h: Doença de Kawasaki Profa. Aluce Ouricuri 11.10h - 11.20h: Discussão 11.20h - 11.50h: Hanseníase na infância Prof. José Augusto Nery 11.50h - 12.00h: Discussão

o ano do nonagésimo aniversário da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) as preparações para o 57o Congresso Brasileiro de Dermatologia , que ocorrerá de 21 a 25 de setembro, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, prevêem que o evento será um dos grandes destaques de 2002. “Daremos continuidade à tradição de excelência dos congressos anteriores”, afirma Dr. Lucio Bakos, presidente da edição. Na ocasião serão apresentadas aos congressistas diversas opções para aprimoramento do aprendizado com palestras apresentadas por profissionais nacionais e estrangeiros de maior experiência e qualificação em seus respectivos campos de atuação. O evento envolverá 68 cursos Pré-Congresso, sendo 50 práticos e 18 teóricos, 28 Simpósios, 22 Forum de Debates, 4 Sessões Especiais e 6 Simpósios Satélites. “Estarão disponíveis para os participantes 128 atividades envolvendo os temas de maior interesse na atualidade”, adianta Dr. Bakos. Entre os temas estão: câncer cutâneo, manifestações cutâneas de doenças sistêmicas, dermatoses auto-imunes, cirurgia dermatológica, acne, psoríase, fotobiologia e fotoproteção, doenças dos fâneros, de interesse sanitário e do trabalho. No evento também

N

estão pautadas discussões sobre Dra. Tânia Cestari, presidente da dermatologia estética e corretiva, Comissão Científica do evento. dermatologia pediátrica e markeOs organizadores do Conting da especialização. gresso deste ano esperam receA grande novidade na 57a edi- ber 2,5 mil congressistas. “A parção será a forma de realização da ticipação dos dermatologistas Dermatologia Comunitária, utili- tem sido ativa, por isso nos orguzando-se a Telemedicina. lhamos de pertencer à segunda A Comissão Social e Cultural, maior sociedade dermatológica presidida pela Dra. Marlene Laks do mundo e esperamos contribuir Weissbluth , está planejando o pro- para ratificar, através de uma grama social que visa oferecer a imagem qualificada, sua posição congressistas e acompanhantes a de destaque e tradição dentro da oportunidade de conhecer algumas Dermatologia internacional”, condas numerosas atrações turísticas, clui Dr. Bakos. folclóricas, históricas, culturais e As inscrições para o evento já gastronômicas de Porto Alegre. estão abertas. Até o dia 20 de “Esperamos que o evento seja maio a taxa de inscrição para estumemorável”, ressalta Dr. Bakos. dantes de medicina é de R$ 140 e O Congresso também estará para médicos que não sejam homenageando dermatologistas sócios da SBD, R$ 1.080 mil. Para gaúchos importantes na história da sócios, os preços são variados. classe médica por intermédio de Aspirantes pagam R$ 270, efetivos três prêmios que serão instituídos. R$ 360 e sócios contribuintes R$ 720. O Prêmio Professor Clovis Bopp Acompanhantes pagam R$ 180. será para o melhor trabalho de Informações sobre a forma de investigação, o Prêmio Professor pagamento podem ser obtidas José Gerbase para o melhor pôs- pelo telefone (51) 3311-2578. ter de casos clínicos e o Prêmio Professor Enio Campos para o melhor pôster de investigação. “Os trabalhos classificados em 1o e 2o lugares em cada categoria serão apresentados no último dia do Congresso. O valor das premiações ainda Dr. Lúcio Bakos, Dra. Inês Castro e Dra não está definido”, explica a Tânia Cestari: dedicação ao Congresso

JSBD m Ano VI N 3 m

15


Ministério da Saúde libera verba para as Secretarias Estaduais adquirirem a Isotretinoína Secretarias serão responsáveis pela distribuição aos pacientes do SUS

O

Ministério da Saúde disponibilizou R$32.469.896,62 mensais, durante o último trimestre do ano passado, para as Secretarias Estaduais de Saúde adquirirem os medicamentos considerados excepcionais. Nesta lista, está incluída a Isotretinoína oral. As atribuições legais e mecanismos de acesso dos pacientes usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) ao tratamento de acne nos casos mais graves e refratários, foram publicados em 19 de setembro de 2001, na portaria SAS/MS n.º 389, do Ministério da Saúde. Como o valor é revisto trimestralmente, para o início desse ano, a verba mensal será de R$32.481.264,00 No Rio de Janeiro, por exemplo, a primeira compra do medicamento está na fase de preparo para licitação. De acordo com

a Coordenação da Secretaria Estadual de Assistência Farmacêutica, o processo já foi encaminhado para a Subsecretaria Adjunta de Administração e Finança (SAAF), onde será elaborada a Instrução de Processo. Nesta etapa, o Estado contata o laboratório Roche, único fabricante da Isotretinoína, para estabelecer as normas da licitação propriamente dita. No caso específico, haverá inexigibilidade de licitação. O processo final será feito direto com o fabricante, o que o torna mais rápido. A previsão é de que logo depois do Carnaval seja emitido o Empenho, documento que determina que a quantidade requerida será paga ao laboratório pelo Governo do Estado, e o processo esteja concluído. Mediante este acerto, o laboratório entrega imediata-

mente o medicamento à Secretaria de Saúde. No Rio de Janeiro, as compras serão feitas anualmente, divididas em quatro cotas trimestrais, de acordo com um calendário pré-estabelecido. Os medicamentos são encaminhados para o Almoxarifado Central, em Niterói, e de lá redistribuídos para os pólos da Secretaria de Saúde que atendem a pacientes do SUS, moradores de todo o Estado. O Rio de Janeiro dispõe de R$70 milhões do orçamento, para a compra dos 72 medicamentos considerados Excepcionais. Foram solicitados 36 mil comprimidos de Isotretinoína, suficientes para uma cobertura de seis meses. Este número foi projetado com base no cadastro, que inclui cerca de 12 mil pacientes sujeitos ao uso da droga, no banco de dados da Secretaria Estadual. Esta reserva poderá ser ampliada de acordo com a demanda.

De acordo com a Secretaria de Saúde Estadual de São Paulo o processo licitatório para a compra do medicamento Isotetritinoína está em fase de desenvolvimento e deverá ser concluído em dois meses. Estão sendo definidos também, os pólos de distribuição do medicamento, sob rígidos critérios, devido às restrições quanto ao uso da droga. O valor total disponibilizado pelo Ministério da Saúde, para o próximo trimestre, no estado de São Paulo, é de R$10.565.604,00. Para saber sobre detalhes dos processos nos outros estados basta acessar a página do Ministério da Saúde: www.saude.gov.br, ou solicitar informações na central do SUS, pelo telefone 0800611997.

Assessoria de Comunicação da SBD vem desenvolvendo desde dezembro um serviço de distribuição de clipping a todos os sócios da SBD via e-mail. O clipping é uma seleção das matérias relacionadas à Dermatologia publicadas na imprensa leiga de todo o Brasil, incluindo jornais, revistas e veículos on-line. O serviço está disponível somente aos associados com e-mails cadastrados na SBD. Os dermatologistas que não estão recebendo as mensagens deverão entrar em contato com a SBD para atualização do cadastro. Quando for interesse do sócio, a SBD poderá enviar alguns comunicados com assuntos relevantes para a instituição, além dos links das matérias coletadas. Este serviço é fundamental para avaliação do trabalho da imprensa e dos médicos que divulgam a especialidade para o público leigo.

A

16

JSBD m Ano VI N 3 m


Jan / Fev 2002

Uso da Talidomida no Brasil: Sociedade participa de grupo no MS que reavaliou as indicações terapêuticas da droga

A

Dra. Andréa Machado Coelho Ramos, representante da Sociedade Brasileira de Dermatologia, e o Dr. Gérson Oliveira Penna que representa o Hospital Universitário de Brasília/UnB, elaboraram com revisão e orientação do Prof. Nelson Proença, o protocolo clínico e diretrizes terapêuticas do lupus eritematoso e um estudo com sugestões para estabelecer consenso científico quanto às novas indicações terapêuticas do uso da Talidomida. Estes documentos foram encaminhados ao Ministério da Saúde, acompanhados de extensa bibliografia, em março do ano passado. O Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do lupus eritematoso, do mieloma múltiplo e da doença enxerto-versus-hospedeiro, foi publicado pela Secretaria de Políticas de Saúde: consulta pública conjunta nº 1, de 19 de outubro de 2001 no D.O.U. nº 202, de 22 de outubro de 2001. A classe médica aguarda a sua publicação definitiva. O trabalho visou atender ao Ministro da Saúde (MS), que em Portaria Ministerial nº 1377, de 15 de dezembro de 2000, criou um grupo de trabalho para reavaliar a Portaria nº 354, e estabelecer consenso científico quanto às novas indicações terapêuticas do uso da Talidomida. E ainda determinar protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas para o uso da droga no lupus eritematoso, na doença enxerto-versushospedeiro e no mieloma múltiplo. O grupo é coordenado pela Secretaria de Políticas de Saúde, do Ministério da Saúde e é integrado por representantes da Secretaria de Assistência à Saúde, Instituto Nacional do Câncer, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Secretaria Executiva, Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde, Sociedade Brasileira de Dermatologia, Sociedade Brasileira de Pediatria, Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo),

Dra. Andréa Ramos

Universidade de Brasília/UnB e entidades representativas dos portadores da síndrome da Talidomida. As propostas de alteração da Portaria nº 354, ampliando o número de doenças e incluindo o uso da Talidomida também por mulheres em idade fértil, porém com cuidados sugeridos pela Febrasgo, estão sendo analisadas pela Anvisa. Essas alterações foram publicadas no último número dos Anais Brasileiros de Dermatologia. A Talidomida tem sido utilizada no tratamento de várias doenças auto-imunes e inflamatórias em todo o mundo. Sua ação sobre o sistema imunológico inclui potente inibição do fator de necrose tumoral TNF-α, redução da taxa de linfócitos CD4/CD8 e supressão dos mecanismos de fagocitose. Dentre os efeitos colaterais da droga, a teratogenicidade e a neuropatia periférica são fatores que limitam muito o seu uso. O uso da Talidomida no Brasil, atualmente, segue as normas da Portaria Ministerial nº 354/MS/SNVS, de 15 de agosto de 1997, que regulamenta a proibição do uso por mulheres em idade fértil (compreendida da menarca à menopausa) e autoriza o uso em apenas 3 programas governamentais de prevenção e controle de: (a) Hanseníase (reação hansênica, tipo eritema nodoso ou tipo II); (b) DST/AIDS (úlceras aftóides idiopáticas em pacientes portadores de HIV/AIDS); (c) Doenças crônico-degenerativas (lupus eritematoso, doença enxerto-versushospedeiro). A Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária: RDC nº 34 de 20 de abril de 2000, regulamenta o uso da Talidomida nos casos de mieloma múltiplo refratário a quimioterapia.

DERMLIST - balanço de 5 anos promovendo o intercâmbio via e-mail entre dermatologistas GEORGE BARROS LEAL JR. DERMLIST é um fórum eletrônico para intercâmbio entre dermatologistas, que neste ano de 2002 entra no sexto ano de atividades ininterruptas. Certamente um dos primeiros do gênero no mundo, conta em seu quadro de associados com a mais fina camada de dermatologistas do Brasil e de muitos países. Aliás, apenas sócios da SBD podem ser inscritos, desde que pertençam àquela agremiação em qualquer categoria. Os colegas internacionais deverão pertencer a organismos similares, se possível com laços com a SBD, e deverão ser referendados por colegas já pertencentes ao nosso quadro. Por muitos anos o envio da correspondência era diário, mas no último ano concluímos que o envio três vezes por semana era o mais conveniente. Através de nosso sistema de e-mail, podemos trocar idéias sobre casos clínicos expostos inclusive com imagens digitais, trocar experiências, condutas, contamos com sessões de informação como EM DIA, onde ocasionalmente são repassados ao grupo os mais recentes trabalhos em dermatologia sobre assuntos que por demais nos interessam na prática diária, sessão ECOS DO CONGRESSO, onde relevamos, concomitantemente com determinado congresso que esteja ocorrendo, "highlights" do que está sendo apresentado etc. O sistema não é automatizado, sofren-

O

do pois uma edição diária, o que constitui vantagem em inúmeros aspectos, como a eliminação de caracteres e trechos de réplica indesejados, bem como permite o escaneamento antiviral preremessa. Não existe taxa de inscrição ou manutenção, sendo pois, um serviço gratuito. Em junho de 1997, quando ainda éramos poucos participantes, foi realizado um pioneiro evento que envolveu a SBD- Regional Ceará e participantes de nossos grupos. Esta foi, provavelmente, uma das primeiras reuniões online em dermatologia. Previamente comunicados, colegas do dermlist e da lista americana rxderm permaneceram conosco conectados enquanto transcorria a reunião da referida regional, tendo sido escolhidos 4 casos clínicos apresentados naquela sessão mensal, para discussão eletrônica. Apesar do número reduzido de participantes, condizente com a então semi-embrionária internet, os resultados foram bem interessantes, do ponto de vista de intercâmbio cientifico. Em 1998, o laboratório Janssen Cilag publicou na revista DERMATOLOGIA o encontro virtual. Recentemente, todo o material foi editado e publicado na rede, podendo ser visualizado na íntegra, com detalhes inclusive do desenrolar da interação em seus primeiros momentos, no site: http://hp.vento.com.br/~gleal /reuniaoonline.html dermlist@brhs.com.br JSBD m AnoVI N 3 m

17


" Regra P6-P/5 para facilitar a prescrição da Isotretinoina” GEORGE BARROS LEAL JR.

I

númeras vezes, quando concluímos com alguns (umas) pacientes que é chegado o momento de utilizarmos a isotretinoína para o tratamento de sua acne, muitos deles imediatamente perguntam quantas caixas terão de tomar (ou quanto gastarão). Parar para pegar a calculadora ou papel e caneta para fazer o cálculo de acordo com o peso do paciente, interrompe o ritmo da consulta, e dá algum trabalho... Diante desta dificuldade, chegamos a conclusão de que um simples cálculo pode ser bastante útil. Isto, obviamente, considerando a isotretinoína padrão do mercado brasileiro, cuja apresentação é de 30 cps de 20 mg por caixa, e utilizando-se como regra geral o critério de estudos europeus que concluíram que a menor dose aconselhável, para um tratamento eficaz, é de no mínimo 120 mg/kg dose total para um período de tratamento.1 O cálculo ficou extremamente simplificado, utilizando-se a fórmula: P6 ou P/5 ---> P x 6 ou P -----5

18

JSBD m AnoVI N 3 m

A BIBLIOTECA SOLICITA OS SEGUINTES PERIÓDICOS PARA COMPLETAR O SEU ACERVO: British Journal of Dermatology

1989; 43(2, 3)

1944; 56(1/2, 3/4, 5/6, 7/8, 9/10)

1989; 44(4, 5)

1945; 57(1/2, 3/4)

1990; 45(2, 3, 5)

1948; 60(6, 7, 8, 12)

1990; 46(2, 6)

1949; 61(2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9)

1991; 47(3)

1950; 62(1, 2, 3, 4, 10, 11, 12)

1992; 49(2, 4)

1951; 63(6, 10, 11, 12)

1992; 50(5)

1955; 67(2, 8, 9)

1993; 51(6)

1956; 68(1, 2, 3, 9)

1993; 52(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1957; 69(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

1994; 53(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1958; 70(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

1996; 58(1, 3)

1959; 71(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

1997; 57(1, 2, 3)

1960; 72(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

1999; 63(4, 5, 6)

1961; 73(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

1999; 64(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1962; 74(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

2000; 65(1, 6)

1963; 75(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

2000; 66(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1964; 76(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

Explicando melhor, P é o peso do paciente. Multiplicando-se o peso pelo fator 6, obtemos o número total de cápsulas de isotretinoína de 20 mg a serem dadas no período combinado. Correspondentemente, dividindo-se o peso por 5 temos o número de caixas para o período. Ou seja, imaginemos um paciente de 60 kg. Ao sermos questionados, imediatamente podemos responder: 60/5 = 12 caixas de isotretinoína 20mg ou 60x6= 360 cápsulas de isotretinoína 20 mg. 1. Layton AM, Cunliffe WJ. Guidelines for optimal use of isotretinoin in acne. J Am Acad Dermatol, 27 (6 Pt 2): S2-7 1992 Dec.

dermlist@brhs.com.br

1965; 77(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

Dermatologic Clinics

1966; 78(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

1983; 1(1, 2, 3, 4)

1967; 79(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12)

1984; 2(1, 2, 3, 4)

1969; 81(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12) 1970, 82(1, 2, 3, 4, 5, 6)

Clinics in Dematology

1970; 83(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1983; 1(1, 2, 3, 4)

1972; 87(3, 4, 5, 6)

1984; 2(1, 2, 3, 4)

1982; 106(1)

1985. 3(1, 2, 3, 4)

1982; 107(2)

1986; 4(1, 2, 3, 4)

1983; 108(2, 3)

1987; 5(1, 2, 3, 4)

1984; 110(3)

1988; 6(1, 3, 4)

1985; 113(4)

1989; 7(2)

1986; 115(5)

1990; 8(3, 4)

1988; 118(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1991; 9(1)

1988; 119(1, 3, 4, 5, 6)

1992; 10(2, 3, 4)

1989; 120(2)

1998; 16(3, 4, 5, 6)

1990; 122(1, 2, 3, 4, 5, 6)

2001; 19(3, 4)

1990; 123(1, 2, 3, 4, 5, 6) 1992; 126(5, 6)

Contact Dermatitis

1992; 127(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1975; 1(3, 5)

Cutis

1977; 3(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1976; 2(1, 2, 5) 1965; 1(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9,

1978; 4(1, 2, 3, 4, 5, 6)

10, 11, 12)

1979; 5(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1966; 2(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9,

1980; 6(1, 2, 3, 4, 5, 6)

10, 11, 12)

1981; 7(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1967; 3(1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11)

1982; 8(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1968; 4(2, 5)

1983; 9(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1969; 5(3, 11)

1984; 10(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1974; 14(5, 6)

1984; 11(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1975; 15(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1985; 12(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1975; 16(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1985; 13(1, 2, 3, 4, 5, 6)

1976; 17(1, 5, 6)

1995; 33(2)

1976; 18(1)

1998; 38(4)

1983; 31(3)

1989; 39(2)

1987; 40(4)

1999; 41(2, 5, 6)


Jan / Fev 2002

ÚLTIMOS LANÇAMENTOS Atlas Prático e Dificuldades no Diagnóstico Autores: Bruno Pompeu Marques, Luiz Alberto V. dos Santos e Roberto Focaccia Editora Atheneu “Manifesto aqui minha grata satisfação em ter sido convidado para prefaciar este Atlas de DST– Guia Prático e Dificuldades no Diagnóstico, de autoria do experiente especialista na área, Dr. Bruno Pompeu Marques. Este livro é o resultado de uma experiIência de 10 anos e cerca de 15.000 consultas especializadas em DST e a coleta de mais de 2.000 fotos, de alta qualidade, das quais cerca de 700 foram reunidas neste magnífico Atlas. Esta obra sem dúvida irá auxiliar médicos de outras especialidades a fazer o diagnóstico de doenças sexualmente transmissíveis em seus pacientes. Quanto ao autor, trata-se de um experiente venerologista com sólida base em Clínica Médica, tendo trabalhado numa Unidade de Referência Nacional em DST, outrora credenciada pelo Ministério da Saúde, na cidade de Santos. E sempre auxiliado no diagnóstico laboratorial com a imensa experiência do Dr. Luiz Alberto Vieira dos Santos e do Professor Roberto Focaccia agora colaboradores do livro. Este Atlas de DST irá, certamente, preencher uma lacuna nesse genero, no Brasil, a que me autoriza a indicá-lo a todos os profissionais de saúde interessados em Doenças Sexualmente Transmissíveis. Parabéns, também à Editora Atheneu por enriquecer, com esta obra, seu incomparável arsenal de livros médicos.” Ricardo Veronesi Como Ter Sucesso na Profissão Médica Manual de Sobrevivência Autor: Mário Novais Editora Atheneu Cultura “A Medicina enfrenta um paradoxo neste início de século XXI. Os recursos de diagnóstico, terapêutica medicamentosa e Cirúrgica, as técnicas invasivas por miniincisões, a diferenciação das especialidades e subespecialidades permitem não só precisão diagnóstica mas tratamentos altamente eficazes, com sofrimento cada vez menor dos pacientes. Por outro lado, grandes parcelas de população estão à margem destes avanços sem possibilidade de acesso, com problemas enormes para o atendimento mais simples. Nesse contexto, o médico encontra-se transformado, em profissional assalariado com vários enpregos, disvirtuando os requisitos fundamentais da profissão, que são: o vínculo e a responsabilidade.

No momento em que se busca mudar o modelo assistencial o livro do Dr. Mário Novais é oportuno, pois traz mensagem de otimismo para estudantes e médicos jovens em relação à profissão e ao papel dela dentro da Sociedade. Trata-se da postura profissional da escolha de especialidades, incluindo vários conhecimentos sobre administração da carreira sem deixar de lado a busca do equilíbrio da vida pessoal com vida profissional. Estou certo de que o livro terá grande utilidade para o público a que se destina, estando o autor de parabéns pela importante iniciativa.” Adib D. Jatene

Nem só de Ciência se Faz a Cura Autor: Protásio L. da Luz Editora Atheneu “Hoje o exercício da medicina difere muito das práticas passadas. Os enormes avanços tecnológicos melhoraram drasticamente os meios diagnósticos e os tratamentos. Conceitos fundamentais foram revistos; alguns inteiramente eliminados, substituídos. No entanto, o tema central da medicina permanece inalterado: a pessoa humana. Pode-se dizer que novas técnicas podem mudar os meios com que trabalhamos, mas não mudam a alma humana. Alguns problemas persistem, outros novos apareceram. É preciso novo posicionamento. Tendo exercido medicina acadêmica e prática por muitos anos, gostaria de dividir com os estudantes e colegas minha visão desta ciência/arte da qual tenho sempre me ocupado. Meu propósito não é discutir aspectos técnicos da medicina e sim analisar problemas da relação médico/paciente que influenciam o resultado final do tratamento bem como a carreira médica. Sou um entusiasta da medicina. Não faria outra coisa na vida. Há uma onda de descrédito na sociedade sobre médicos e medicina. E um desencanto entre os próprios profissionais. É uma fase, não um estado permanente. A medicina, é de fato uma profissão gloriosa; não há nada mais nobre e compensador do que ajudar o homem que sofre. A recuperação de um ser humano é uma obra quase divina, que nem os defeitos do próprio ser humano podem empanar. Vivenciei inúmeras situações nestes anos. Contanto que minhas experiências possam facilitar o caminho de algum jovem médico que também se preocupe em ser um bom profissional. Isto seria para mim recompensa suficiente.” São Paulo, outono de 2001 O autor

JSBD m AnoVI N 3 m

19


Regionais

Bahia

Distrito Federal

Jornada Baiana mantém o sucesso dos anos anteriores A IX Jornada Baiana de Dermatologia, realizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Bahia, de 30 de novembro a 2 de dezembro do ano passado, reuniu mais de 100 dermatologistas. “O evento foi um sucesso. Trabalhamos muito, mas foi recompensador”, avalia Dra. Ariene Paixão, presidente da Regional. Participaram das palestras os doutores Artur Antônio Duarte, Shirley Schnaider Borelli, Sílvio Marques e Waltênio Vasconcelos, de São Paulo, Dr. Gabriel Teixeira Gontijo, de Minas Gerais e Dr. Heitor de Sá Gonçalves, do Ceará. Além destes, os baianos Antônio Luiz Penna Costa, Ivonise Follador, Maria Thereza Pacheco, Neide Ferraz, Newton Sales Guimarães, Paulo Roberto Lima Machado e Vitória Regina Rego. Foram debatidos temas como “Ética médica”, “Medicina baseada em evidências”, “Aspectos psicogênicos do envelhecimento”, “O que está acontecendo nas colagenoses – Abordagem terapêutica”, “Novos rumos da cirurgia dermatológica oncológica”, “Hanseníase: Avaliação crítica da PQT – Perspectivas/ Manejo e diagnóstico diferencial das reações hansênicas/ Co-infecção viral e reação hansênica”, “Abordagem cirúrgica da hiperhidrose”, “Margens cirúrgicas no melanoma cutâneo primário”, “Síndrome ulcerosa – Abordagem sindrômica das úlceras”, “Atualização terapêutica das micoses profundas” e “Rejuvenescimento cutâneo – Passo a passo”. 20

JSBD m AnoVI N 3 m

- O evento foi um sucesso pela participação efetiva dos inscritos. Os profissionais trocaram experiências e avaliaram diversos mini-casos e mini-comunicações. A sessão de discussões do programa “Qual o seu diagnóstico” teve ampla colaboração dos participantes – avalia Dr. Ariene. O calendário deste ano está repleto de eventos. A regional promoverá no dia 2 de março o curso de Micologia Médica. No sábado seguinte, dia 9, será ministrado o curso prático de Informática e Pele. Em maio será realizado o curso prático de Dermatoscopia e, em junho, a reunião interdisciplinar, que abordará Colagenoses. O Encontro Dermatológico de Itacaré será realizado de 29 de junho a 2 de julho. A programação de eventos e programas voltados para os dermatologistas baianos é prioridade na gestão da Dr. Ariene. “Estamos sempre visando proporcionar a necessária atualização científica aos dermatologistas, envolvendo a bem sucedida experiência de abordagens interdisciplinares”, conclui.

Aproximação com a SBCD e MS é meta da atual gestão do DF Ao assumir a gestão da Regional do Distrito Federal, a Dra. Raimunda Nonata Ribeiro Sampaio criou, como primeira medida, o Conselho Auxiliar da Diretoria. Esse conselho é composto por doze membros, todos dermatologistas com mais de 30 anos de profissão. São profissionais que já assumiram cargos políticos ou presidiram a Regional. Entre os participantes estão o Dr. Iphis Campbell e as Dras. Cleire Paniago, Rosicler Aiza Alvarez e Gladys Campbell. A intenção da nova diretoria é que o Conselho auxilie nas questões políticas e participativas da Regional. "Estamos na capital do Brasil, muito próximos das tomadas de decisões políticas e tudo que puder fazermos para efetivar a participação da Dermatologia nas discussões nacionais só trará benefícios para a classe", analisa Dra. Raimunda. Entre os objetivos da nova gestão está a maior integração entre a SBD-DF e a seção distrital da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. "Alcançaremos maiores resultados práticos se nos unirmos em torno dos mesmos objetivos, que acabará beneficiando a todos", avalia a nova gestora. As discussões das questões referentes à Regional serão debatidas pelos membros da nova diretoria e do Conselho Dr. Gilvan Alves, vice-pres idente, e a Dra. Raimunda Sampaio, atual presidente da SBD-DF

Auxiliar todas as terceiras terças-feiras, de março a dezembro. "As reuniões visarão sempre buscar soluções e alternativas de projetos que favoreçam a Dermatologia", afirma Dra. Raimunda. A maior integração entre a Regional e o Ministério da Saúde, pela proximidade física das sedes e pelo envolvimento de membros da SBD com o orgão do governo, também está na pauta da nova administração. Dra. Raimunda é consultora de leishmaniose tegumentar americana para a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), orgão do Ministério da Saúde, assim como muitos membros têm relações políticas favoráveis com a entidade. "A Dermatologia será atuante nas decisões políticas", prevê. A nova gestora, que há 28 anos é professora de Dermatologia da Universidade de Brasília, já teve atuações na Regional como secretária e tesoureira, mas esse é seu primeiro ano à frente da entidade. O vice-presidente, Dr. Gilvan Alves, é seu grande aliado para conseguir atingir todas as metas propostas.


Jan / Fev 2002

Fluminense

Regional Fluminense deverá ampliar suas atividades em cidades além de Niterói Ao assumir pela terceira vez a presidência da Sociedade Brasileira de Dermatologia Regional Fluminense, que abrange todo o Estado do Rio de Janeiro com exceção da capital, o Dr. José Trindade está entusiasmado em promover uma gestão que integre todos os profissionais da região. Em reuniões dos sócios da SBD da região fluminense, que desde a fundação em 1968 são realizadas no segundo sábado do mês, os dermatologistas tro-

cam experiências, conhecimentos e conclusões sobre consultas e tratamentos dispensados a diversas doenças. - Todo ano realizamos uma de nossas reuniões em Petrópolis. Na minha atual gestão quero estender as reuniões para uma cidade do sul, ainda não escolhida, e em Campos, no norte do Estado – afirma Dr. Trindade. Assim ele espera conseguir a participação efetiva de todos os médicos da regional.

A ampliação da rede de serviços credenciados à SBD para a realização do Título de Especialista em Dermatologia é outro objetivo que Dr. Trindade pretende atingir. “Temos apenas uma unidade credenciada, o Hospital Universitário Antônio Pedro, da Universidade Federal Fluminense. As exigências para o credenciamento são muito rígidas, mas estimularemos os profissionais de outros hospitais da região para que consigam ajustes nas unidades e possam tornar-se aptas ao credenciamento”, explica. A criação de mais distritais no Estado é outra meta que Dr. Trindade pretende cumprir nesta gestão, que termina em dezembro de 2003. Atualmente

Dr. Trindade, presidente da Flumi nense, e o Dr. Marcio Rutowitsch

a regional possui distritais em Campos e em Volta Redonda, no Sul do Estado. “Queremos criar outra na Região Serrana, que possivelmente será em Petrópolis, e mais uma na Região dos Lagos”, antecipa.

Minas Gerais

Mato Grosso do Sul

Diretoria mineira pretende integrar dermatologistas do interior nos eventos da Regional

Campo Grande sediará a próxima Radeco

A integração entre os dermatologistas que atuam no interior de Minas Gerais é o maior objetivo da nova gestão da SBD mineira. Desde que assumiu a presidência, em janeiro desde ano, a Dra. Ana Cláudia Soares Simizo Benedito trabalha em prol da Dermatologia no estado – compromisso que assumiu até dezembro de 2003. "Faremos jornadas pelo interior visando a aproximação dos profissionais que atuam na dermatologia com as ações desenvolvidas pela Regional", afirma Dra. Ana Cláudia. Estão programadas para o primeiro ano de mandato da nova diretoria, palestras que têm como objetivo incentivar a participação dos sócios, não apenas em assuntos ligados à Dermatologia, mas de interesse geral. Na primeira reunião científica mensal, que ocorreu em 16 de fevereiro, na Associação Médica de Minas Gerais, em Belo Horizonte, foi discutido o tema "O Médico e a

Saúde". Assuntos como ética e erro médico estarão em p a u t a s Dra. Ana Claudia e Dr. Fernando futuras. Cursos práticos em áreas como cirurgia básica, criocirurgia, BLF (Basic Life Support) e radioeletrocirurgia também serão ministrados. "O objetivo desses cursos é atingir principalmente os profissionais recém formados", ressalta Dra. Ana Cláudia. A regional, com 350 sócios, será prioridade nas ações da Dra. Ana Cláudia, que também é preceptora da residência de dermatologia da Santa Casa de Belo Horizonte e foi secretária da SBD de Minas Gerais na gestão anterior. Além dela, toda a diretoria se compromete a fazer o máximo para atender a expectativa de toda à classe médica mineira.

A organização da próxima Reunião Anual dos Dermatologistas do Centro-Oeste (Radeco), que acontecerá em outubro, em Campo Grande, está mobilizando a nova diretoria, assumida em janeiro deste ano tendo, como presidente o Dr. Pedro Lúcio Zanúncio. A última Radeco reuniu 80 profissionais em Uberlândia, no final de novembro do ano passado. A previsão da nova diretoria é que o evento reúna esse ano 200 participantes. "Estamos nos empenhando em preparar um grande evento", afirma Zanúncio. Participarão da Radeco dermatologistas do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Goiânia, Distrito Federal e Triângulo Mineiro. - O objetivo da reunião é promover a atualização e discussão de temas científicos pertinentes a área e incentivar

a confraternização e troca de experiências entre os profissionais da Dermatologia - resume Zanúncio. O evento está programado para os dias 17 e 18 de outubro, quinta e sexta-feira, no Centro de Convenções do Hospital São Julião, em Campo Grande, quando serão abordados os temas científicos. Na sexta-feira a tarde está programado uma tarde turística em Bonito, cidade que fica à 200 quilômetros de Campo Grande. No sábado haverá um jantar de confraternização para os participantes em Bonito. "O final de semana pode ser providencial para que os dermatologistas conheçam e aproveitem as belezas naturais da cidade", ressalta Dr. Pedro Lúcio. Maiores informações sobre a Radeco podem ser obtidas pelo telefone (67) 4215984. JSBD m AnoVI N 3 m

21


Pernambuco

São Paulo

São Paulo desenvolverá projeto piloto da SBD para atendimento de crianças carentes Este ano serão realizadas seis reuniões científicas ordinárias, com professores convidados que apresentarão casos clínicos de interesse específico para os profissionais da Dermatologia. Para o dia 25 de maio está programada a 110 a Jornada Dermatológica Paulista, na Escola Paulista de Medicina, da Universidade Federal de São Paulo. E a 111a edição da Jornada acontece em 17 de agosto, no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. - Nas jornadas a participação dos dermatologistas é efetiva. As atividades científicas são de interesse de toda a classe – analisa Dra. Lucia Arruda. Cursos emergenciais também estão na pauta. Em 9 de março será ministrado um curso que visa basicamente treinar profissionais para emergências cirúrgicas. A realização será em conjunto com o Hospital Sírio Libanês. A Regional também está programando para 26 de outubro um curso voltado para secretárias que aten-

22

JSBD m Ano VI N 3 m

Dra. Lucia Arruda e Dra. Maria de Lourdes Viegas no Rio de Janeiro

dam em consultórios médicos. A Reunião dos Dermatologistas do Estado de São Paulo (RADESP) será de 28 a 30 de novembro. Dra. Lucia Helena está empenhada em contribuir para ações sociais e incentivar a participação efetiva dos sócios paulistanos. Esse ano será realizado no Estado o projeto piloto firmado pela SBD e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq) - Adote um Sorriso - que visa, a exemplo do projeto desenvolvido com dentistas, promover a doação da mão-deobra dos dermatologistas às crianças carentes. “Estamos

Manutenção do calendário de eventos é a prioridade da nova gestão de Pernambuco O início da nova gestão da SBD de Pernambuco, iniciada em janeiro deste ano, é marcado pela continuidade do calendário de eventos da regional. Estão programados diversos cursos e palestras. A Dra. Silvia da Costa Carvalho Rodrigues assumiu a presidência da entidade e ficará a frente do cargo até dezembro de 2004. No dia 16 de fevereiro foram ministrados os cursos de Anatomia Facial, pelo Dr. Francisco Levoci, e Pelling, pela Dra. Luciana Scatone. As aulas foram dadas no Hospital Oswaldo Cruz, em Recife. Para o próximo mês estão programados novos cursos tendo como temas histopatologia e micologia. Custarão R$ 75,00 cada. "Pretendemos organizar mais cursos e palestras voltadas ao aprendizado e atualização dos dermatologistas", afirma Dra. Silvia. As reuniões dos 180 profissionais da área que atuam em Pernambuco e são sócios da Regional serão todas as últimas quartas-feiras de cada mês, sempre no Mar Hotel, em Boa Viagem.

muito satisfeitos de desenvolver o projeto em São Paulo”, ressalta. Ainda visando a participação dos sócios em ações sociais será realizada a segunda edição do Dermacamp, que promove um acampa-

mento para crianças com doenças dermatológicas severas. “Estamos empenhados em desenvolver e colaborar em projetos de cidadania em que a participação dos sócios seja efetiva”, avalia Dra. Lucia Helena.


Jan / Fev 2002

Departamentos

Comunicado do Departamento de Dermatologia Integrativa aos interessados no assunto MENTE-PELE.

Departamento de Cosmiatria convoca dermatologistas interessados para participar de futuras atividades

A nova coordenadora do Departamento de Cosmiatria da SBD, Dra. Denise Steiner, comunica aos sócios que estiverem realizando estudos na área específica de cosmiatria e que tenham interesse em apresentações futuras, que entrem em contato pelo e-mail sbd@sbd.org.br ou steiner@uol.com.br para intercâmbio de conhecimento, sugestões e críticas ao Departamento. A Dra. Denise Steiner informa que realizará uma reunião no dia 20/03/02 das 20 às 22h, na Rua Eng. Edgar Egidio de Souza, 420 - Pacaembu - Sao Paulo – SP com todos os participantes e interessados nas atividades do Departamento.

O Departamento Dermatologia Integrativa está buscando estabelecer contato com os sócios interessados em temas relacionados à psiconeuroimunologia, tais como psicodermatoses, psicofarmacologia, relacionamento médico – paciente, e estresse, entre outros. Queremos conhecer o trabalho e contribuições dos colegas que poderão vir a participar das atividades do Departamento e disponibilizar informações, comunicados e publicações relativas à

nossa área de interesse. Quem desejar poderá fazer contato com o Departamento de Dermatologia Integrativa através do e-mail vitorsil@terra.com.br, se possível informando que experiência tem, e os assuntos pelos quais tenha interesse. Idéias, sugestões e críticas serão bem-vindos. Dr. Vitor M. C. Ferreira da Silva Coordenador do Departamento de Dermatologia Integrativa da SBD

Vida, paixão e morte de Lauro de Souza Lima (1903-1973) PROF. CARLOS DA SILVA LACAZ

Visitando o antigo Sanatório Padre Bento, hoje transformado em Unidade hospitalar subordinada à Secretaria do Estado de São Paulo, tomei conhecimento da vida fabulosa de um médicoapóstolo, paradigma de uma classe e que lá viveu, dando assistência médica e humanitária a uma população de doentes que necessitavam de sua ajuda, como se fosse o verdadeiro Cristo curando os hansenesianos no Vale do Kidron. Que adrnirável figura humana! Em linguagem espírita este benemérito do bem - Lauro de Souza Lima reencarnou na Cidade de Campinas, a 6 de janeiro de 1903, tendo uma infância feliz. Em 1928 diplomava-se pela Faculdade Nacional de Medicina, a famosa Escola da Prata Vermelha. Trabalhou com o saudoso Prof. Francisco Eduardo Rabelo (1905-1989), apaixonando-se pela Hansenologia, juntamente com seu irmão Moacyr. Defendeu sua tese de doutoramento em 1928, com o título: “o desvio do complemento com o streptothrix de Deycke leproide desengordurado, na lepra”. Vindo para São Paulo dedicou-se integralmente ao estudo da hanseníase. Amilcar Del Chiaro Filho (1925) traçou o perfil deste apóstolo do bem, trabalhando principalmente no antigo Sana-

tório Padre Bento, em Guarulhos. Padre Bento Dias Pacheco (l817-1911) nasceu na fidelíssima Itu, tornando-se franciscano, tendo sido um grande apóstolo da caridade. Um busto, em Gopoúva, presta homenagem àquele que se consagrou como o grande amigo dos hansenianos, oferecendonos os mais belos exemplos de humildade e de desapego às grandezas terrenas. Abrahão Rotberg, este outro gigante no estudo da hansenologia, referiu- se nos ter recebido decisiva influência no preparo de sua tese de doutoramento (Reação de Mitsuda-Hayashi) de Lauro de Souza Lima, o mesmo ocorrendo com o Prof. Luiz Marino Bechelli. Diplomados em 1933 pela F aculdade de Medicina da USP, juntamente com José Mendonça de Barros, Luiz Baptista e João Baptista. Zocchi estagiaram no Sanatório Padre Bento, com Lauro de Souza Lima, o primeiro a ensaiar entre nós a sulfonoterapia no tratamento da hanseníase. Morou no Sanatório, de onde raramente saia para assistir jogos do Corinthians. Assumiu a Diretoria do antigo Departamento de Profilaxia da Lepra, em 1952. Publicou centenas de trabalhos sobre a especialidade da qual foi cultor

apaixonado. Jogava tênis. Gostava de luta de boxe. Belo no físico, homem de alma pura. O Sanatório Padre Bento ele assumiu sua direção a 7 de julho de 1931, fazendo dele seu verdadeiro lar, a morada da filantropia. O Padre Bento tornou-se centro de referência em matéria de hanseníase. Médicos brasileiros e estrangeiros vinham aprender a especialidade com um médico verdadeiro que sabia aliar a ciência às aflições humanas. Tratava os doentes, principalmente as crianças, com muito carinho. Participou de Congressos da especialidade, no Brasil e no exterior. Deixou o casamento, por duas vezes, para dedicar-se de corpo e alma àqueles que necessitavam de sua ajuda. No amparo aos hansenianos ninguém o excedeu. Inaugurou dois pavilhões para crianças hansenianas. É vasta a obra científica que ele deixou. Seus trabalhos podem ser encontrados na monumental obra de Luiza Keffer-Índice Bibliográfico de Lepra. Departamento de Profilaxia da Lepra. São Paulo, 1946, em dois volumes. Em Bauru, o "Instituto Lauro Souza Lima" cultua a memória do emérito hansenólogo, dirigido o referido Instituto por um dos seus discípulos, o eminente colega Diltor V. A. Opromolla.

A hanseniase lepra, morféia, foi no passado, doença estigmatizante. Cláudio de Souza (1876-1954), médico e membro da Academia Brasileira de Letras, em "Marcha de um bando de leprosos" (1953) em bela narrativa, contou-nos a história daqueles que, em cima dos cavalos estendiam o chapéu à esmola. Eram bandos tétricos de degredados, os pobres lazarentos. Havia, entre eles, a crença de que ficariam curados se conseguissem passar o mal a sete pessoas. Eram figuras assombradas. Hoje, felizmente, tudo mudou graças ao advento da poliquímioterapia que possibilita o controle da infecção, principalmente em suas formas iniciais. A 19 de agosto de 1973, durante a visita de um sobrinho, no Hospital do Servidor do Estado de São Paulo; ele retornou à Pátria espiritual, após cumprir inteiro labor pelos seus hansenianos. Um de seus biógrafos referiu: ele foi o amor pleno, a luz meridiana, o diamante sem jaça. Em um mundo de trevas em que vivemos resurgiu a figura singular deste verdadeiro Homo sapiens que honrou e dignificou a espécie humana. Lauro de Souza Lima estará sempre entre nós, no vivo de sua presença. Professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Fundador e Presidente de Honra da Sociedade Brasileira da História da Medicina

JSBD m AnoVI N 3 m

23


Jornal da SBD -Nº 3 Janeiro / Fevereiro 2002