Page 1

BR ASIL R O T Á R I O

SETEMBRO 2009

ANO 84

Nº1047

A educação brasileira no século 21 Rotarianos dão o seu depoimento


Faça uma doação hoje e garanta

um mundo livre da pólio amanhã.

Sua contribuição ajudará o Rotary a equiparar US$200 milhões dos US$355 milhões recebidos da Fundação Bill e Melinda Gates. Essas verbas serão revertidas às campanhas de imunização nos países onde a doença continua a causar paralisia infantil comprometendo o futuro das crianças e provocando imenso sofrimento a suas famílias.

Para aprender mais e doar, acesse

www.rotary.org


Sucessora de “Notícias Rotárias” e “Rotary Brasileiro”. Publicação mensal dedicada à divulgação do Ideal de Servir. Revista regional oficial do Rotary International para os rotarianos do Brasil. Rotary Images/Alyce Henson

Pág.

12

EM VÁRIAS regiões do país, o Rotary se alia ao poder público na campanha de aleitamento materno

Henrique Gomes de Almeida

Pág.

CARLOS FRÓES e John Kenny com um exemplar da Brasil Rotário

O QUE está faltando na educação brasileira? Mesa redonda na revista tentou responder esta pergunta

28 Sumário Pág.

05 Mensagem do presidente John Kenny

33

28 A equação que pode mudar o Brasil Nuno Virgílio Neto

10 COLUNA DO DIRETOR DO RI Planejamento estratégico no Rotary

33 E as revistas se reúnem Carlos Henrique de Carvalho Fróes

Antonio Hallage

12 Um presente que todo bebê precisa ganhar Fernando Quintella

34 COLUNA DOS COORDENADORES REGIONAIS DA FR A marca de um esforço coletivo Altimar Augusto Fernandes e Henrique Vasconcelos

18 ENTREVISTA De olho em 2015 20 Convenção de 2009: imagens que resumem

35 COLUNA DO CHAIR DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA Uma Fundação forte para superar a necessidade Glenn Estess Sr.

22 COLUNA DA ABTRF Rotary, um caso de amor Wanderlino Arruda

24 A volta das máscaras Luiz Renato Dantas Coutinho

25 ENTREVISTA Mia Farrow

Capa: foto e arte de Armando Santos

43 SEMANA NACIONAL DO TRÂNSITO Por mais educação em nossas ruas e estradas

SEÇÕES 04 06 08 36 38 40 42 44 59 60 62 63 64

Cartas e recados  Saudades Curtas Brasil Curtas Mundo Cultura Autores rotarianos Interact e Rotaract Rotarianos que são notícia Distritos em revista Senhoras em ação Novos Companheiros Paul Harris Os 50 mais  Novos clubes, novos amigos Aconteceu na Brasil Rotário... Relax


ROTARY INTERNATIONAL ONE ROTARY CENTER

CONSELHO DIRETOR 2009-10

1560 SHERMAN AVENUE

EVANSTON, ILLINOIS, USA

GOVERNADORES DE DISTRITOS NO BRASIL EM 2009-10 DISTRITO 4310 Emilio Carlos Cassano Rotary Club de Piracicaba-Povoador, SP

DISTRITO 4600 Ettore Dalboni da Cunha Rotary Club de Volta Redonda, RJ

DISTRITO 4390 Elder Silveira Sobral Rotary Club de Itaporanga D’Ajuda, SE

DISTRITO 4610 Reinaldo Aparecido Domingos Rotary Club de São Paulo-Jabaquara, SP

VICE-PRESIDENTE Eric E. Lacoste Adamson

DISTRITO 4410 Almiro Schimidt Rotary Club de Colatina-São Silvano, ES

DISTRITO 4620 Clovis Rodrigues Felipe Rotary Club de Avaré, SP

TESOUREIRO Michael Colasurdo Sr.

DISTRITO 4420 Roberto Luiz Barroso Filho Rotary Club de Santos, SP

DISTRITO 4630 José Claudiney Rocco Rotary Club de Cianorte, PR

DISTRITO 4430 Juvenal Antonio da Silva Rotary Club de Suzano, SP

DISTRITO 4640 César Luis Scherer Rotary Club de Marechal Cândido Rondon-Beira Lago, PR

DISTRITO 4440 Nelson Pereira Lopes Rotary Club de Rondonópolis, MT

DISTRITO 4650 Ernoe Eger Rotary Club de Blumenau-Norte, SC

DISTRITO 4470 Sergio de Araújo Philbois Rotary Club de Corumbá, MS

DISTRITO 4651 Paulo Fernando Branco Rotary Club de Balneário Camboriú-Norte, SC

DISTRITO 4480 Sueli Noronha Kaiser Rotary Club de São José do Rio Preto, SP

DISTRITO 4660 Olandino Roberto Rotary Club de Ijuí, RS

DISTRITO 4490 Pedro Augusto Pedreira Martins Rotary Club de Teresina-Piçarra, PI

DISTRITO 4670 Paulo Meinhardt Rotary Club de Xangri-lá, RS

DISTRITO 4500 Francisco Leandro de Araujo Jr. Rotary Club do Recife, PE

DISTRITO 4680 Carlos Roberto Silveira Borges Rotary Club de Guaíba, RS

DISTRITO 4510 José Uracy Fontana Rotary Club de Cândido Mota, SP

DISTRITO 4700 Evaristo Andreolla Rotary Club de Sananduva, RS

DISTRITO 4520 Itamar Duarte Ferreira Rotary Club de Sete Lagoas, MG

DISTRITO 4710 José Machado Botelho Rotary Club de Londrina-Norte, PR

DISTRITO 4530 Adriano Jorge Souto Rotary Club de Brasília-Centenário, DF

DISTRITO 4720 Antônio Lopes Lourenço Rotary Club de Belém-Norte, PA

DISTRITO 4540 Osvaldo Pontes Rotary Club de Sertãozinho, SP

DISTRITO 4730 Alcino de Andrade Tigrinho Rotary Club de São José dos Pinhais-Afonso Pena, PR

DISTRITO 4550 Luiz Antonio Souza Coelho Rotary Club de Itabuna, BA

DISTRITO 4740 Estanislao Díaz Dávalos Rotary Club de Chapecó-Oeste, SC

DISTRITO 4560 Carlos Alberto Dias Coelho Rotary Club de Itajubá, MG

DISTRITO 4750 Luiz Oscar Spitz Rotary Club de Araruama, RJ

DISTRITO 4570 Alcio Augusto Carpes Athayde Rotary Club do Rio de Janeiro-Galeão, RJ

DISTRITO 4760 Maria Inês Silveira Carlos Rotary Club de Francisco Sá-Norte, MG

DISTRITO 4580 José Antonio Cúgula Guedes Rotary Club de Juiz de Fora-Norte, MG

DISTRITO 4770 Nelson Marra de Oliveira Rotary Club de Ipameri, GO

DISTRITO 4590 Antonio Ademir Bobice Rotary Club de Limeira-Leste, SP

DISTRITO 4780 Lia Silvia Souza Pereira Rotary Club de Caçapava do Sul-Sentinela, RS

PRESIDENTE John Kenny PRESIDENTE-ELEITO Ray Klinginsmith

DIRETORES Antonio Hallage Catherine Noyer-Riveau David Liddiatt Ekkehart Pandel Frederick Hahn Jr. Jackson San-Lien Hsieh John Blount John Lawrence José Alfredo Sepúlveda K. R. Ravindran Kyu Hang Lee Lars-Olof Fredriksson Masahiro Kuroda Philip Silvers Thomas Thorfinnson SECRETÁRIO-GERAL Edwin Futa

CURADORES DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA 2009-10 CHAIR Glenn Estess Sr. CHAIR ELEITO Carl-Wilhelm Stenhammar VICE-CHAIR John Germ CURADORES Ashok Mahajan David Morgan Doh Bae Gustavo Gross C. José Antonio Salazar Cruz Louis Piconi Lynn Hammond Ron Burton Sakuji Tanaka Samuel Okudzeto Wilfrid Wilkinson William Boyd SECRETÁRIO-GERAL Edwin Futa

ÉTICA. Um princípio que não pode ter fim. Campanha em prol de mais elevados padrões de ética. Apoio dos Rotary Clubs do Brasil 2 SETEMBRO

DE

2009


Ano 84 Setembro, 2009 nº1047 Revista de Propriedade da Cooperativa Editora Brasil Rotário CNPJ 33.266.784/0001-53 I Inscrição Municipal 00.883.425 Av. Rio Branco, 125, 18º andar CEP: 20040-006 – Sede própria Rio de Janeiro – RJ I Tel: (21) 2506-5600 / FAX: (21) 2506-5601 Site: www.brasil-rotario.com.br I E-mail: revista@brasil-rotario.com.br

CONSELHO SUPERIOR (Colégio de Diretores do RI – Zonas 22 e 23 A) Mário de Oliveira Antonino (Recife-PE) EDRI 1985-87 Gerson Gonçalves (Londrina-PR) EDRI 1993-95 José Alfredo Pretoni (São Paulo-SP) EDRI 1995-97 Hipólito Sérgio Ferreira (Belo Horizonte-MG) EDRI 1999-01

Alceu Antimo Vezozzo (Curitiba-PR) EDRI 2001-03 Luiz Coelho de Oliveira (Limeira-SP) EDRI 2003-05 Themístocles A. C. Pinho (Niterói-RJ) EDRI 2007-09 Antonio Hallage (Curitiba-PR) DRI 2009-11

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2009-11 Diretoria Executiva Presidente Carlos Henrique de Carvalho Fróes Vice-Presidente de Operações Edson Avellar da Silva Vice-Presidente de Administração Waldenir de Bragança Vice-Presidente de Finanças Wilmar Garcia Barbosa Vice-Presidente de Planejamento e Controle Bemvindo Augusto Dias Vice-Presidente de Marketing José Alves Fortes Vice-Presidente de Relações Institucionais Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Vice-Presidente Jurídico Jorge Bragança

Ivo Arzua Pereira Joper Padrão do Espírito Santo Taketoshi Higuchi Vicente Herculano da Silva

MEMBROS EFETIVOS Adelia Antonieta Villas Fernando Antonio Quintella Ribeiro Hertz Uderman José Luiz Fonseca José Moutinho Duarte José Ubiracy Silva Nelson Pereira Lopes Ricardo Vieira Lima Magalhães Gondim MEMBROS SUPLENTES Antônio Vilardo Aroldo Mendes de Araújo Herlon Monteiro Fontes GERENTE EXECUTIVO Gilberto Geisselmann ASSESSORES Alberto de Freitas Brandão Bittencourt Ary Pinto Dâmaso (Publicidade) Dulce Grünewald Lopes de Oliveira Eduardo Alvares de Souza Soares Eduardo de Barros Pimentel Fausto de Oliveira Campos Fernando Teixeira Reis de Souza Flávio Antônio Queiroga Mendlovitz Gedson Junqueira Bersanete Geraldo da Conceição

CONSELHO FISCAL Membros efetivos Nilson Moura Ril Moura Sebastião Porto (coordenador) Suplentes Artur Vieira da Cruz Carmelinda Amália Maria Maliska Cleofas Paes de Santiago CONSELHO CONSULTIVO DE GOVERNADORES Membros natos efetivos Governadores 2009-10 Representante Nelson Pereira Lopes Suplentes Governadores eleitos 2010-11 COMISSÃO EDITORIAL EXECUTIVA Presidente Carlos Henrique de Carvalho Fróes Membros Bemvindo Augusto Dias Edson Avellar da Silva José Alves Fortes Luiz Renato Dantas Coutinho Nuno Virgílio Neto Secretário Gilberto Geisselmann CONSELHO EDITORIAL CONSULTIVO Presidente Carlos Henrique de Carvalho Fróes Membros Bemvindo Augusto Dias Edson Avellar da Silva Fernando Antonio Quintella Ribeiro José Alves Fortes José Ubiracy Silva Mário César de Camargo Secretário Gilberto Geisselmann

EXPEDIENTE EDITOR: Carlos Henrique de Carvalho Fróes JORNALISTA RESPONSÁVEL: Luiz Renato D. Coutinho – Jorn. Prof. 25583RJ REDATOR-CHEFE: Nuno Virgílio Neto REDAÇÃO: Alex Mendes, Armando Santos, Luiz Renato Dantas Coutinho, Maria Cristina Andrade, Maria Lúcia Ribeiro de Sousa, Nuno Virgílio Neto e Renata Coré DIGITALIZAÇÃO: Maurício Teixeira IMPRESSÃO: Log & Print Gráfica e Logística S.A. ENDEREÇO: Av. Rio Branco, 125 – 18º andar – Rio de Janeiro – RJ CEP 20040-006 – Tel.: (21) 2506-5600 E-MAIL DA REDAÇÃO: redacao@brasil-rotario.com.br HOMEPAGE: www.brasil-rotario.com.br *As matérias assinadas são de inteira responsabilidade dos seus autores.

Leia lançou o livro “Brasil, País do Futuro” Q uando no começo dos anos 40, o escritor alemão Stefan Zweig cunhou uma previsão que tem embalado o sonho brasileiro de desenvolvimento nas últimas décadas – ora com esperança, ora com ironia, é bem verdade. O fato é que, fora os muitos percalços que tivemos e ainda temos pela frente, a profecia de Zweig não perdeu a validade. Para muitos, inclusive, hoje estamos mais próximos desse futuro do que jamais estivemos. Não é à toa que o Brasil vem sendo apontado aqui e lá fora como uma das reais potências emergentes deste começo de século 21. Mas também é verdade que ninguém vive de previsões, sejam elas boas ou más. Para que um país deixe de ser uma eterna promessa, não há segredos, nem etapas a se pular. No caso do Brasil, uma dessas etapas continua sendo a educação. A história mundial ensina: não há progresso econômico ou social sem escola de bom nível para todos. Não basta investir apenas em quantidade, como temos comemorado (e com motivos). Também é preciso garantir a qualidade da escola. O número maior de brasileiros em sala de aula e os índices cada vez mais baixos de analfabetismo não significam nada se o chamado analfabetismo funcional continuar atingindo 25% da população com mais de 15 anos, como ocorre atualmente, segundo um estudo recente divulgado pelo IBGE. Com o objetivo de avaliar alguns aspectos da educação brasileira, propor soluções e debater o que o Rotary tem feito e ainda pode fazer para ajudar o país a superar esse desafio, a Brasil Rotário realizou no dia 22 de julho uma mesa redonda sobre o assunto. O evento teve as participações de Marco Antônio de Bona Rossi, superintendente da Fundação de Rotarianos de São Paulo, considerada a maior obra educacional do Rotary no mundo, e dos exgovernadores distritais Adelia Villas, Edson Avellar e José Antônio Figueiredo Antiório, todos ligados à educação e à capacitação profissional. Na matéria de capa desta edição, que começa na página 28, apresentamos um resumo do que foi discutido no encontro. Ideias e experiências que podem inspirar projetos no seu clube e no seu distrito, em parceria com o governo e a iniciativa privada, e colaborar para que a profecia de Stefan Zweig finalmente se cumpra – e não sejamos mais, por triste ironia, “o país do futuro do pretérito”.

B RASIL R OTÁRIO 3


Cartas & Recados CONTEÚDO  Parabenizo a direção da Brasil Rotário pelo excelente conteúdo que a revista vem disponibilizando aos rotarianos e a todas as demais pessoas que a acompanham. Leonardo Frauzino Elias, presidente do Rotary Club de Morrinhos, GO (D.4770). FOTOS  Enviei duas fotos lindas em que aparecem todos os companheiros do clube, e também o governador distrital, na festiva em que nos tornamos Clube com 100% de Companheiros Paul Harris. Não faço parte da equipe da revista, mas acho que as fotos mereciam ser publicadas. Todos do nosso clube esperavam por isso. Roberto Lopes, secretário do Rotary Club de São Carlos-Pinhal, SP (D.4540). Esclarecimento: Conforme explicamos ao leitor, os nomes de todos os 14 associados do clube recentemente agraciados com o título foram publicados na seção Novos Companheiros Paul Harris da edição de agosto. Pelos motivos apresentados nas edições 1.043 (página 3) e 1.044 (página 4), a referida seção passou por reformulações. Uma das mudanças foi a interrupção da publicação de fotografias. A PÓLIO CONTRA-ATACA  Cada edição da Brasil Rotário tem sempre superado a anterior. A matéria sobre a poliomielite (“A pólio contra-ataca”, edição de agosto) estava espetacular. A mais completa que já li até hoje. Desde 1985, nosso clube participa dos Dias Nacionais de Vacinação em uma escola municipal da região. Fizemos cópias da reportagem e estamos distribuindo às mães e pais do nosso bairro. Salomão Rizavinski, associado do Rotary Club do Rio de Janeiro-Jacarepaguá, RJ (D.4570). Errata  No gráfico da página 14 da edição passada, a terceira coluna a partir da esquerda faz referência à cobertura vacinal registrada em 2008 no estado do Amapá, e não no de Roraima, como foi publicado. No mesmo gráfico, a coluna onde se lê SO mostra, na verdade, a estatística no estado de Santa Catarina.

4 SETEMBRO

DE

2009

A Seu Serviço Escritório do RI no Brasil Home page: http://www.rotar y.org.br Endereço Rua Tagipuru, 209 São Paulo – SP – Brasil CEP: 01156-000 Tel: (11) 3826-2966 Fax: (11) 3667-6575 Horário: 2ª a 6ª, de 8h às 17h Gerente Celso Fontanelli celso.fontanelli@rotar y.org Quadro Social (Assistência aos Governadores de Distrito e aos Clubes) Débora Watanabe <debora.watanabe@rotar y.org> Supervisor da Fundação Rotária Edilson M. Gushiken <edilson.gushiken@rotar y.org> Supervisor Financeiro Carlos A. Afonso <carlos.afonso@rotar y.org> Encomendas de Publicações, Materiais e Programas Audiovisuais Clarita Urey clarita.urey@rotar y.org Tel.: (11) 3826-2966 Fax: (11) 3667-6575 Rotary International Secretaria (Sede Mundial) 1560 Sherman Avenue,Evanston, Il 60201 USA Phone: 00-21-1847 866-3000 Fax: 00-21-1847 328-8554 Horário: 8h30 às 16h45 (horário de Washington)

Saudades Moacir Camilo de Carvalho, um dos fundadores do RC de Mogi Guaçu, SP (D.4590). 





Manfredo Kayser, fundador do RC de Belo Horizonte-Lagoa, MG (D.4760). 





Darcy Lindolfo Müller, associado do RC de Livramento-Sul, RS (D.4780).


Mensagem do Presidente M EUS

COMPANHEIROS ROTARIANOS ,

ord Byron escreveu: “São gloriosos os dias da juventude.” Este é o pensamento que me vem à mente toda a vez que se mencionam os programas do Rotary para a juventude. Setembro é o Mês das Novas Gerações – tempo de dirigir as atenções para os nossos programas para a juventude e a sua importância para a formação dos rotarianos de amanhã. Tais programas – Interact, Rotaract, Ryla e Intercâmbio de Jovens – figuram entre os mais importantes do Rotary. Se afirmo isto é por conhecer o seu inigualável potencial em influenciar as mentes e corações dos jovens para os sentimentos de paz, a boa vontade e a harmonia. E este potencial é ainda maior na juventude, pois as nossas mais remotas experiências jamais nos abandonam; elas moldam o que nos tornaremos mais tarde. São Francisco Xavier disse: “Entregue-me uma criança até completar sete anos, e eu lhe devolverei um homem.” Por mim, eu a entregaria por mais tempo ainda – mas não resta dúvida de que as experiências que acumulamos na juventude têm maior força na formação e maior capacidade de moldar o caráter do que as acumuladas na vida adulta. Toda vez que um adolescente dos Estados Unidos tiver a chance de ir à Índia para participar de um Dia Nacional de Imunização ou que um estudante do Brasil puder passar um ano estudando no Japão, voltará certamente mudado. Estes jovens terão desenvolvido contatos e afetos duradouros. Eles pensarão no seu país, ou no mundo, de uma forma diferente. Suas perspectivas, prioridades e valores terão sido moldados de forma permanente pela experiência vivenciada, de uma forma que nenhuma experiência posterior seria capaz de fazer. A sua dedicação garantirá a continuidade de tais experiências – que estes programas permaneçam disponíveis, que sejam bem conduzidos e conquistem a confiança dos participantes e das suas famílias. As impressões adquiridas na juventude são fortes e duradouras. Elas são únicas. Crescemos e mudamos ao envelhecer, e certamente nos transformamos pelo conjunto das experiências adquiridas. Mas não existe uma nova chance para nos tornarmos quem somos. Nossa formação só ocorre uma vez: na juventude. São gloriosos os dias da juventude – mas, por meio dos programas do Rotary para a juventude, aqueles dias tornam-se gloriosos para o Rotary como um todo.

L

NA REDE

Leia os pronunciamentos e as notícias do presidente do RI John Kenny acessando o site <www.rotary.org/president>

JOHN KENNY Presidente do Rotary International B RASIL R OTÁRIO 5


Curtas Brasil

Prêmio Dar de Si Antes de Pensar em Si 2008-09 ma importante relação de homenageados pelo Rotary International foi finalmente anunciada. Trata-se do Prêmio Dar de Si Antes de Pensar em Si, a mais alta distinção concedida pela organização a um rotariano. Otoniel Santos Neto, do RC de CuritibaPortão, PR (D.4730), e Joaquim Tébar Fernandez, do RC de Poconé, MT (D.4440) surgem como os brasileiros homenageados no período rotário 2008-09. O prêmio tem como finalidade prestar reconhecimento a companheiros que tenham exercido relevantes serviços voluntários e se envolvido ativamente no Rotary. O Dar de Si Antes de Pensar em Si foi entregue ao companheiro de Curitiba-Portão durante a XXIV Con-

U

ferência Distrital do 4730 pelo ex-governador do distrito 1960, de Portugal, José Carlos Estorninho, que representou o presidente 2008-09 do RI, Dong Kurn Lee. Otoniel foi indicado ao prêmio pelo diretor 2007-09 do RI, Themístocles A. C. Pinho.  OTONIEL SANTOS Neto

exibe o prêmio, recebido durante a Conferência Distrital do 4730

São Paulo e o Congresso de Captação de Recursos radicionalmente sediado no México, desta vez o Congresso Hemisférico de Captação de Recursos da América Latina se realizará em São Paulo, de 6 a 8 de novembro. O evento, agora em sua 5ª edição, tem como objetivo promover a aprendizagem das experiências bem-sucedidas em captação de recursos nos EUA, na Europa e na América Latina, Brasil inclusive. Entre os palestrantes estará Steve Hildebrand (foto), responsável, na área, pela campanha vitoriosa do presidente Barack Obama. O Congresso é promovido pelas Faculdades Integradas

T

A presença do RI no Brasil  Está na página da Brasil Rotário um retrato atualizado da presença do Rotary International no Brasil. Segundo os dados fornecidos pelo IBGE, há 5.565 municípios no país e a instituição só está presente em 23,11% deles. Há, por exemplo, 701 cidades brasileiras com mais de 20.000 habitantes sem clube rotário. O Rotary considera que cidades desse porte reúnem condições para ter um RC. Façamos uma conta: se cada um desses possíveis clubes tivesse ao menos 20 associados, e multiplicandose pelas 701 referidas cidades, teríamos 14.020 novos companheiros. Entre na nossa página e veja o retrato completo do levantamento: www.brasil-rotario.com.br

6 SETEMBRO

DE

2009

Rio Branco e a Association of Fundraising Professionals, a maior e mais conhecida organização mundial na área de captação. As inscrições estão abertas. Basta acessar: www.fundraising.com.br


Alta distinção da Fundação Rotária reconhece três rotarianos brasileiros

E

ste ano, apenas três brasileiros receberam o Prêmio da Fundação Rotária por Serviços Eminentes: o EGD Bemvindo Augusto Dias, o EGD Hertz Uderman, ambos do distrito 4570, e o EGD José Domingos Valarelli Rabello, do 4620. A premiação de Uderman e Bemvindo ocorreu na 80ª Conferência Distrital do 4570. A distinção contempla anualmente, no máximo, 50 pessoas que, durante longo tempo, e além do seu âmbito distrital, tenham prestado serviços à Fundação Rotária. Consistindo de uma placa de bronze montada sobre base de nogueira, a premiação obedece a critérios bastante rígidos:

1) É necessário que o agraciado tenha recebido a Menção por Serviços Meritórios, também outorgada pela Fundação Rotária, pelo menos quatro anos antes. 2) O candidato deve ter participado ativamente em trabalhos da Fundação. Tanto assim que um rotariano que apenas contribuiu financeiramente com a entidade não recebe a distinção. 3) Curadores, diretores, governadores e coordenadores regionais da Fundação Rotária atuais e entrantes não são elegíveis ao prêmio, que é concedido apenas uma única vez à pessoa. 4) As indicações devem ser endossadas por quem as fez e por mais um rotariano, sendo que um dos dois deve ser de clube rotário de distrito diferente do distrito do candidato à premiação.



DA ESQUERDA para a direita, de pé, o EGD José Nelson Carrozzino Filho, o EGD Henrique Camilo de Lellis (representando o presidente do RI), o EGD Bemvindo Augusto Dias e seu filho, Mateus Augusto Dias, o EGD Waldir Nunes Ribeiro e o então governador do distrito 4570, José Lebeis Pires. Sentada, Regina Célia Lellis, mulher do EGD Henrique Camilo 

O EGD Hertz Uderman recebe o prêmio das mãos do presidente do RC do Rio de JaneiroMéier, Juarez de Carvalho, e do então governador José Lebeis Pires O

GOVERNADOR 2001-02 do distrito 4620, José Domingos Valarelli Rabello, e sua mulher, Ana Maria Rabello

B RASIL R OTÁRIO 7


Curtas Mundo

Doadora homenageada pela Fundação The Rotarian

uma recepção realizada em Londres, a indiana Usha Mittal foi homenageada pela Fundação Rotária por sua doação de US$ 1 milhão para a campanha mundial do Rotary voltada à erradicação da pólio. A cerimônia foi conduzida por Jonathan Majiyagbe, ex-presidente do Conselho de Curadores da Fundação Rotária. Usha é casada com Lakshmi Mittal, presidente e executivo-chefe da Arcelor Mittal, maior siderúrgica do mundo. Agora os dois fazem parte da Sociedade Arch C. Klumph, integrada por indivíduos ou casais que contribuam à Fundação com um valor cumulativo superior ou igual a US$ 250 mil. Rajashree Birla, outra grande patrocinadora da campanha do Rotary contra a pólio, também esteve presente à homenagem. Em maio de 2008, ela organizou uma reunião com Usha Mittal para discutir a erradicação da doença. Foi neste encontro que Usha

N

A PARTIR da esquerda, Jonathan Majiyagbe, o casal Usha e Lakshmi Mittal, e Rajashree Birla

G

tomou a decisão de doar US$ 1 milhão para ajudar os rotarianos a vencerem o Desafio de US$ 200 Milhões do Rotary.

Subsídios sofrem cortes A

crise econômica mundial obrigou os curadores da Fundação Rotária a tomarem algumas decisões difíceis que terão impacto direto sobre os programas humanitários desenvolvidos pelo Rotary em todo o mundo. Com essas mudanças, os Subsídios 3-H serão aprovados somente para dar su-

porte a projetos nas áreas de recursos hídricos e saneamento, como parte da parceria que o Rotary mantém com a Agência Norte-Americana para o Desenvolvimento Internacional. O orçamento dos Subsídios Equivalentes foi reduzido, e os Subsídios para Serviços Voluntários estão suspensos.

A revista em encontros internacionais José Alves Fortes

I

Carlos Henrique de Carvalho Fróes, presidente da Cooperativa Editora Brasil Rotário e editor da revista, e o ex-vice-presidente do Rotary International Serge Gouteyron (à esquerda), atual presidente da Comissão Interpaíses, em foto feita na reunião desta comissão, realizada durante a Convenção Internacional de Birmingham, em junho. No mês de julho, Fróes e o vice-presidente de Operações da revista, Edson Avellar, estiveram em Montreal, no Canadá, a convite do Rotary International, participando de uma reunião dos editores das revistas rotárias regionais, cuja cobertura está na página 33 desta edição.

8 SETEMBRO

DE

2009


Ex-bolsista do Rotary é libertada no Irã The Rotarian

Ryan Hyland*

A

libertação da jornalista norte-americana Roxana Saberi, ex-bolsista da Fundação Rotária que estava presa no Irã sob acusação de espionagem, trouxe alegria e alívio a seus parentes e amigos, em especial aos rotarianos de Fargo, nos EUA. Roxana foi presa em janeiro deste ano. Inicialmente, ela foi acusada pelas autoridades iranianas de trabalhar com credenciais de jornalista expiradas. Em seguida, as acusações passaram a ser de espionagem. A libertação da jornalista, em maio, ocorreu após uma corte de apelação iraniana ter reduzido sua pena de oito anos de prisão para uma sentença de dois anos, suspensa em seguida. Patrocinada pelo Rotary Club de Fargo, sua cidade natal, entre 1999 e 2000 Roxana Saberi estudou na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, como bolsista da Fundação Rotária. Quando ela foi presa, o então presidente do Rotary Club de Fargo, Joel Fremstad, escreveu uma carta a Mohammad Khazaee, representante permanente do Irã na ONU, e ao ministro iraniano do Exterior, Manouchehr

Mottaki, explicando a ligação de Roxana com o Rotary, os princípios humanitários da nossa organização e pedindo a libertação da ex-bolsista. Joel Fremstad, que trabalhou em Capitol Hill para o deputado Earl Pomeroy, de Dakota do Norte, fez contato com seu ex-patrão para expressar a preocupação dos rotarianos do estado. Pomeroy, que na década de 70 também foi bolsista do Rotary na Universidade de Durham, na Inglaterra, empenhou-se junto ao Departamento de Estado Norte-Americano para libertar Roxana Saberi. Dias antes da libertação, Earl Pomeroy fez contato com Mohammad Khazaee para obter notícias sobre sua situação. “Muitas pessoas, inclusive funcionários iranianos, trabalharam para que fosse encontrada uma solução diplomática para o caso de Saberi”, conta Fremstad. “Todos se alegraram e sentiram-se aliviados ao ouvirem as boas notícias”. “Em Dakota do Norte, quando um amigo ou vizinho encontra-se em dificuldade, temos o costume de dar as mãos e nos ajudarmos”, explica Pomeroy. “Isto se deu em especial no caso de Roxana, onde incontáveis pessoas e grupos apresentaram-se para apoiá-la.” “Como ex-bolsista do Rotary, tenho orgulho do trabalho que foi feito

ROXANA SABERI (à direita) encontrou recentemente a então ministra júnior de Direitos Humanos da França, Rama Yade, a quem pediu apoio para libertar o funcionário de uma organização humanitária que está preso no Irã

G

pelos rotarianos ao longo de toda essa situação difícil que enfrentamos”, acrescenta o deputado. “Não sabemos o que determinou a libertação de Roxana, mas estou convencido de que as reuniões, cartas e os inumeráveis anúncios de apoio à libertação dela tiveram uma importância considerável no desfecho do caso.” Roxana Saberi, cujo pai é iraniano, tem dupla cidadania. Ela se mudou para o Irã em 2003 para trabalhar como jornalista freelancer para a BBC e para a National Public Radio. *Da The Rotarian.

B RASIL R OTÁRIO 9


Coluna do Diretor do RRotary otary International Antonio Hallage

Planejamento estratégico no Rotary

N

os próximos cinco anos ocorrerão mais mudanças do que assistimos nos últimos 30. A aceleração histórica mostra que eventos ocorrem em velocidade crescente, de modo que um século será representado por um ano. Em função disso, fica explicitada a necessidade imperiosa do planejamento a longo prazo. O planejamento é hoje necessário não mais como um antecipador do futuro, mas, acima de tudo, como uma motivação para alcançar esse futuro. A atordoante evolução da tecnologia e a democratização da informação, promovida pela internet, fizeram com que fossem questionados os paradigmas da autoridade e do poder como eram vistos até recentemente. Referimo-nos principalmente aos questionamentos nos casos em que o poder e a autoridade eram exercidos pela posse privilegiada da informação e eram mantidos pelo cerceamento dessa mesma informação aos comandados ou subordinados. É crescente a necessidade de se estabelecer novas formas de relacionamento humano. E esses relacionamenos já estão mudando. Entre professores e alunos, entre gerentes e subordinados nas empresas, por exemplo. Nossos filhos já fazem provas na universidade via internet. Enquanto isso, os professores estão perdendo a vantagem competitiva sobre seus alunos; antes só os professores eram donos da informação. Hoje eles se tornam cada vez mais orientadores da obtenção do conhecimento, e não simplesmente provedores de informação.

1 0 SETEMBRO

DE

2009

Qual é o paralelo entre essas realidades e organizações como o Rotary? Mais especificamente, quais analogias podemos traçar quanto aos modelos de prestação de serviços, de reunião e sua periodicidade, de transmissão da informação e de absorção do conhecimento dos princípios que movem nossa instituição? PARA ALÉM DA PROPRIEDADE Organizações que baseiam seu poder e abrangência global em propriedades, em quantidade de empregados em folha de pagamento, os quais não se sentem membros das mesmas, tendem a desaparecer. Por alguns aspectos, o Rotary leva uma grande vantagem em relação a tais organizações. O Rotary não tem propriedades. Ele não pode ser vendido ou alugado, e seus membros são investidores na entidade sem serem seus acionistas ou proprietários. O Rotary é uma organização muita além das propriedades. Os rotarianos não são empregados, mas membros voluntários em células fundamentais, que são os clubes. O Rotary é federalista. Trata-se de um conceito que existe há mais de 2.000 anos. O Rotary é grande e pequeno ao mesmo tempo. O Rotary apresenta-se como uma forma de obtenção da liberdade, pois encontramos nossas próprias respostas sem o auxílio de outros e, igualmente, auxiliando os outros. O Rotary possui como institui-

ção, principalmente por meio dos programas da Fundação Rotária, a capacidade de desenvolver o sentimento de solidariedade em caráter internacional com aqueles que nunca encontramos, e talvez nunca venhamos a encontrar ou mesmo ver. Nossa organização não depende do reconhecimento externo, nem de indivíduos que com seu conhecimento se tornem imprescindíveis. O FUTURO É LOGO ALI Portanto, o que estamos fazendo para influenciar os nossos próprios destinos nessa sociedade em mudança? O que estamos fazendo para influenciar os destinos do Rotary? Por nossa história ser extensa, podemos estar criando para nós mesmos a armadilha de imaginar que o futuro igualmente demorará a vir. Atenção: podemos ser pegos de surpresa. Não precisamos esperar pelo futuro; precisamos auxiliar a moldálo já. Seria muito triste, e perigoso até, perdermos o futuro por ficarmos presos na contemplação do passado. Faz-se necessário analisar o passado, sim, para empreender de forma a mais planejada possível nossa viagem para o futuro. DISTRIBUINDO CAPACIDADE Qual seria, então, o elo faltante nessa corrente administrativa que visa dar, ao mesmo tempo, força, poder, unidade, competência, sentido de participação e motivação para o futuro? Sem qualquer dúvida é o planejamento, seja ele estratégico (a lon-


go prazo), tático (a médio prazo) ou operacional (a curto prazo). Por sua característica federalista, o Rotary é grande e pequeno ao mesmo tempo, já dissemos. O Rotary precisa ser grande, e o é, já que tem abrangência mundial por meio das inúmeras comunidades a que serve. Mas é ao mesmo tempo pequeno, ou seja, suas unidades representativas, que são os clubes, devem ser de porte pequeno o suficiente para que as pessoas possam se conhecer bem o suficiente para agir de forma organizada dentro da comunidade, e para que seus membros se conheçam bem o suficiente para que conquistem o respeito de seus companheiros por seus méritos. O porte dos clubes deve ser o necessário para atingir com intensidade, continuidade e precisão a localidade sob sua responsabilidade. Isto não significa nem uma descentralização nem uma subdivisão organizacional. A força do Rotary está em poder distribuir sua capacidade, sua energia e poder de servir de forma consistente pelos mais de 33.000 clubes e mais de 1.200.000 rotarianos. Os rotarianos de todo o mundo devem permanecer unidos por uma visão única na qual todos são missionários. No Rotary pensa-se globalmente e age-se localmente. A administração federalista do Rotary é a fórmula encontrada para que cada clube, por meio de cada rotariano, possa sentir-se independente e comprometido ao mesmo tempo. Isto pode indicar que no Rotary não há um poder central, já que os clubes são autônomos. Mas se diluirmos totalmente a ação, sem um elo de coordenação, os clubes e os rotarianos podem perder a direção, os padrões de comportamento ou os elementos que garantam a coesão. E estas são características que o tornam grande em suas conquistas globais. Será que os clubes funcionam necessariamente melhor atuando sozinhos, mesmo que planejadamen-

O planejamento deve promover a sintonia com a época atual, em que se deseja valorizar e respeitar as diversidades e as diferenças te, do que com um planejamento de longo prazo, em nível internacional, ou de médio prazo, em nível distrital? É necessário um pouco de tudo isso. Mas para que o planejamento de longo prazo tenha sucesso, é necessário que o planejamento tático (exercitado pelos distritos) e o planejamento operacional (exercitado pelos clubes) se realimentem, se completem. NÍVEIS DE ATUAÇÃO O Rotary International é administrado por processos de governança que tendem a ser idênticos. O Conselho Diretor tem um presidente e diretores que representam as várias zonas de atuação, que planejam as ações da organização e coordenam a ação dos distritos por meio de comitês ou de forças-tarefa. Com a introdução do Plano de Liderança Distrital, além de formar novas lideranças, os distritos começaram a atuar de forma idêntica através de governadores assistentes, e coordenar a ação dos clubes utilizando comissões e forças-tarefa distritais. Faltam poucos ajustes (não possuir um conselho diretor formalizado é um deles) para que a estrutura de governança seja similar no âmbito internacional e no âmbito dos clubes. Os clubes, também com seu presidente, conselho diretor e comissões, em relação à comunidade a que servem, atuam de forma similar à estrutura internacional. O PLANEJAMENTO É O ELO O Rotary International permanece unido também por estar identificado com grandes causas, como a da erradicação da poliomielie, que, inicialmente titubeante, tomou força quando passou a ser planejada com um objetivo a longo prazo bem definido. Os lemas internacionais lançados a cada ano pelos presidentes do RI

renovam as energias e dão o foco, a ênfase e a direção anual ao plano de longo prazo. O planejamento a longo prazo deve, portanto, ser o elo que promove esta ação, dandolhe consistência, credibilidade e continuidade. O planejamento a longo prazo, por necessidade de interdependência, exige: Normas básicas de conduta (estatutos, regimento interno e procedimentos) iguais para todos; I Forma comum e rápida de intercomunicação em todos os níveis; I Processos de governança idênticos; I Visão internacional e ação local por meio do conceito de cidadania mundial irrestrita; I Grandes causas, identificadas e renovadas a cada ano, como pano de fundo da ação coordenada e planejada; I Autonomia para que cada clube gerencie os espaços vazios de serviço necessários à melhoria da comunidade. I

O citado planejamento deve promover a sintonia do Rotary com a época atual, em que se deseja valorizar e respeitar as diversidades e as diferenças, em que as pessoas com ideal, como os rotarianos, desejam promover sua participação para melhorar a comunidade em que vivem e, ao mesmo tempo, fazer parte de algo maior. Os líderes do Rotary, nos seus diversos níveis, serão efetivamente aqueles que atuarem e aceitarem tal forma de atuação. E os distritos e clubes estão carecendo de planos identificados com os itens estabelecidos em âmbito internacional. A roda não necessita ser reinventada, mas precisa fazer acontecer o futuro pela ação planejada. Caros companheiros, é inestimável sua ação em promover e dar validade aos planos estratégicos do seu distrito e do seu clube, pois O Futuro do Rotary Está em Suas Mãos. BR

B RASIL R OTÁRIO 1 1


Serviços à Comunidade

Um presente que todo bebê precisa ganhar Campanha lançada pelo Ministério da Saúde para promover o aleitamento materno conta com o apoio do Rotary em várias regiões do país. Em Rio Branco, no Acre, rotarianos estabelecem convênio com os Correios para facilitar doações ao banco de leite da cidade Fernando Quintella*

O

s médicos são taxativos: o leite materno é alimento importantíssimo na formação da criança. Os riscos de doenças reduzem bastante quando o bebê mama até os 2 anos. Por problemas diversos, muitas mães ficam sem leite na hora de amamentar seus filhos. A solução é encontrar a famosa ama de leite, alguém que doe o que tem em excesso, em benefício, na maioria das vezes, de crianças desconhecidas.

1 2 SETEMBRO

DE

2009

G

DRYELEM ALVES alimenta a filha, Lívia, com o leite doado: parceria envolvendo o Rotary e os Correios está garantindo a saúde dos bebês na capital acreana

A fim de acelerar o processo de doação de leite materno no estado do Acre, o distrito 4720 do Rotary International celebrou convênio com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e com o governo local, através do Sistema Assistencial à Saúde da Mulher e da Criança (Sasmac). Os clubes rotários da capital acreana providenciarão os vidros para coleta do leite, enquanto os carteiros coletarão o produto nas residências das doadoras e o entregarão no Hospital da

Criança e na Maternidade Bárbara Heliodora, estabelecimentos vinculados ao Sasmac. O objetivo do trabalho é reduzir a mortalidade infantil. As estatísticas mostram o quanto aumentou a oferta de leite materno desde que teve início a campanha de doação. Com o convênio, a expectativa é ampliar ainda mais a quantidade do produto. O diretor regional dos Correios no Acre, João Furtado D´Ávila, há 22 anos na empresa, entusiasmou-se


com a parceria por motivos institucionais e pessoais. Seu filho, João, hoje com 8 anos, recebeu leite materno doado pela vizinha. Ele sabe a importância do convênio para a vida de inúmeras crianças. João está consciente da preocupação dos Correios em montar programas sociais que beneficiem as comunidades onde atuam. COMO FUNCIONA O PROJETO O sistema de cadastro de pacientes da Maternidade Bárbara Heliodora alimentará os dados nos computadores dos Correios com as informações de doadoras e locais onde os carteiros pegarão o leite. Ao final da tarde, a empresa transportará o total recolhido durante o dia ao Banco de Leite da Maternidade. Dali o leite seguirá para as crianças. Os carteiros manterão seus itinerários. Apenas agregarão mais essa tarefa à rotina diária (entenda melhor esse roteiro nas páginas 14 e 15). Todos os produtos são analisados pelo Laboratório Central da Secretaria de Saúde do Estado antes de serem entregues ao consumo dos bebês. É a garantia da qualidade do

G A CERIMÔNIA de assinatura do convênio, realizada na última Conferência Distrital, reuniu representantes dos Correios, da Maternidade Bárbara Heliodora e rotarianos

leite oferecido às crianças. Também as mães passam por exames antes do parto, quando verificam a existência de doenças como Aids, sífilis e hepatite B, entre outras. Gerente do Sasmac, a bióloga Mirza Vany Mesquita Félix comemora o aumento das doações. Hoje o sistema recebe o triplo do recolhido há pouco tempo, isso sem o convênio estar a pleno vapor. Ela espera dobrar a atual quantidade a partir do trabalho dos carteiros nas residências das doadoras. O governador 2008-09 do distrito 4720, João Petrolitano, comemora as perspectivas da parceria. Em sua opinião, o trabalho dos rotarianos e de seus parceiros é ação rotária eficaz e perfeitamente afinada com o esforço do Rotary para

combater a mortalidade infantil. Petrolitano acredita em resultados a curto prazo. O sistema desenhado no convênio, com o envolvimento dos carteiros no recolhimento do leite e a doação dos recipientes para coleta, ampliará a quantidade de doadoras e garantirá a saúde dos bebês. Para o ex-governador, o modelo pode ser usado em qualquer parte do país. A mesma opinião tem o associado do Rotary Club de Rio Branco-Penápolis, Isaías Ferreira Júnior. Ele lembrou que os Rotary Clubs acreanos apoiaram o Banco de Leite quando este foi fundado. * O autor é jornalista, ex-governador do distrito 4720 e ex-coordenador de Imagem Pública do Rotary para a América Latina.

As vantagens do leite materno No início de agosto, o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria lançaram a Campanha da Semana Mundial de Aleitamento Materno, período dedicado em todo o mundo a lembrar a importância da amamentação. A campanha deste ano no Brasil tem como madrinha a cantora Claudia Leitte, que aparece ao lado do filho Davi, de 7 meses. O objetivo é reforçar a importância do aleitamento materno, gesto que ajuda a reduzir a desnutrição e a mortalidade infantil. Já está comprovado que crianças que mamam têm menos risco de sofrer de doenças respiratórias, infecções urinárias ou diarreias, problemas que podem levar a internações e até à morte. O bebê amamentado corretamente no futuro terá menos chance de desenvolver diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares. O leite materno armazenado nos bancos de leite

humano é utilizado para atender bebês prematuros ou doentes que não conseguem se alimentar diretamente no seio materno. O Brasil possui a maior rede de bancos de leite humano do mundo – são mais de 180 em todo o país. Para ser doadora de leite materno a mulher deve estar plenamente saudável. Mães portadoras de doenças infecto-contagiosas, como Aids, não podem nem mesmo amamentar seus próprios filhos, com o risco de contaminá-los. A doadora não pode fumar, beber ou tomar medicamentos. Para tirar suas dúvidas, ligue para o Disque-Saúde: 0800-61-1997.

G

CLAUDIA LEITTE e Davi estrelam a campanha deste ano

(Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde www.saude.gov.br/bvs)

B RASIL R OTÁRIO 1 3

§


Serviços à Comunidade

O passo a passo da solidariedade Vidas que se cruzam no caminho do leite que vai alimentar a pequena Lívia

M

aria Aparecida da Silva Oliveira, 32 anos, pernambucana, casada com o motorista André Farias Barreto, sabe muito bem o que é não ter leite materno para alimentar o bebê. Ao ter a primeira filha do casal, Camile Vitória, hoje com 6 anos, ela precisou recorrer a um banco de leite para amamentar a menina. Maria morava a 100 quilômetros do Recife. Todo dia André ia à capital pegar o leite para a filha. Um sufoco. A família mora há alguns anos em Rio Branco, no Conjunto Esperança 3. Sensibilizada com o drama vivido antes, ela doa o leite em excesso, agora que é mãe de Yana Letícia, que tinha 30 dias de nascida quando nossa reportagem esteve em sua casa. Maria Aparecida considera o ato não apenas a retribuição ao que recebeu antes, mas também verdadeiro gesto de amor ao próximo. Do lado de fora da casa modesta, feita de madeira, mas com bom acabamento e decorada com capricho, o carteiro Zaqueu Alves Brilhante, 32 anos, há 4 anos na ECT, casado e pai de um filho, aguarda a retirada do leite. Caberá a ele entregar o produto na Maternidade Bárbara Heliodora. A moto parada na porta chama a atenção dos vizinhos. Uns perguntam o motivo da visita. A curiosidade ajuda a divulgar o trabalho de doação. Como sempre, o produto passa por análise para verificar se está em condições de consumo. No próprio hospital passa por processo de pasteurização. Mesmo com os cuidados de Maria Aparecida no ato da coleta (usando luvas, máscara, sugador e touca ce-

1 4 SETEMBRO

DE

2009

1 didos pelo hospital), é importante garantir a segurança do bebê que se alimentará com o leite. Aliás, naquele dia da coleta a técnica em enfermagem Walcirene Ramirez estava na casa do Conjunto Esperança 3. Seu papel era orientar a doadora sobre os cuidados essenciais no ato da coleta. Feita a análise, o leite considerado pronto para consumo é levado ao bebê pelas enfermeiras. Em sua cama na maternidade, Dryelem Leite Alves, 20 anos, acreana de Rio Branco, aguarda ansiosa a chegada do leite. Sua primeira filha, Lívia, com apenas três dias, apresentou quadro de cardiopatia. Com a deficiência cardíaca, a menina é paciente de alto risco e precisa de leite dado em pequeno copinho de plástico, desses de tomar cafezinho. Se ela sugasse o peito da mãe faria esforço, um desgaste a que não pode se submeter.

Dryelem agradece pelo leite e ora pelas doadoras. Considera a doação ato de generosidade. No seu colo, a pequena Lívia sorve todo o líquido. A enfermeira obstetra Dayane Letícia Faustino sorri ao ver que o bebê se alimentou corretamente. A profissional comenta que o índice de recuperação de crianças alimentadas com leite materno é altíssimo, com ganho de peso acentuado. Nem sempre as mães aceitam a amamentação dos filhos com leite de estranhas. O trabalho de convencimento faz parte da rotina do hospital, assim como incentivar a doação de quem tem leite em excesso. Maria Aparecida descansa em casa. Dryelem confia em breve retorno ao lar. Lívia apenas dorme. Da fonte ao consumidor, o exemplo de solidariedade humana e respeito à vida não tem fronteiras. (Fernando Quintella)


2

3

4

6

5

G

Maria Aparecida recebe em sua casa o kit para coleta patrocinado pelo Rotary e levado pela técnica em enfermagem Walcirene Ramirez. Depois de coletar o leite, ela repassa o isopor com a doação ao carteiro Zaqueu Alves Brilhante, que faz a entrega na maternidade, onde o produto passa por um rigoroso processo de análise e pasteurização antes de ser armazenado em um refrigerador

§ B RASIL R OTÁRIO 1 5


Serviços à Comunidade

O exemplo do Rotary em outras cidades A importância do aleitamento materno tem inspirado ações do Rotary em todo o país. De projetos simples, como campanhas de conscientização promovidas pelos clubes e pelas Casas da Amizade, a iniciativas mais elaboradas – como o Projeto 3-H que resultou no Banco de Leite Humano do Hospital Aroldo Tourinho, em Montes Claros –, os rotarianos juntam-se ao esforço de mostrar às mães brasileiras que um dos melhores presentes que elas podem dar a seus bebês é a proteção indispensável do leite materno.

O

mais importante capítulo dos 64 anos de história do Rotary em Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, começou a ser contando no início da década de 90. Foi lá que os rotarianos construíram o Banco de Leite Humano do Hospital Aroldo Tourinho, uma obra que vem beneficiando milhares de pessoas em toda a região, tornando-se uma referência no estado e uma das primeiras unidades de saúde do país a serem reconhecidas pela Unesco com o título de Hospital Amigo da Criança. O banco de leite em Montes Claros foi montado com os recursos de um Projeto 3-H da Fundação Rotária no valor de US$ 257.000,00, aos quais somaram-se outros US$ 17.000,00 doados pelo distrito 4570 e contribuições de empresas. O projeto inicial expandiu-se ao longo desses quase 20 anos: os 1.200 m2 construídos inicialmente hoje passam de 12.000 m2. Acima de US$ 8,6 milhões em recursos foram aplicados no banco de leite até o momento, que atualmente conta com mais de 1.000 mães doadoras. “Todos os dias, comunidades inteiras se valem do Aroldo Tourinho e podem atestar o seu bom atendimento”, conta à Brasil Rotário o ex-governador do distrito 4760, que cobre a região de Montes Claros, Wanderlino Arruda. Ele também destaca o apoio que as integrantes da Casa da Amizade dão às gestantes atendidas pelo hospital nos dias úteis da semana. O hospital ainda garante atendimento médico em outras especialidades, como odontologia e nutrição. BR

1 6 SETEMBRO

DE

2009

G

MÃE E bebê recém-nascido no Banco de Leite Humano do Hospital Aroldo Tourinho, em Montes Claros: projeto criado pelo Rotary tornou-se referência nacional

São Paulo, SP I Depois de visitarem o

Hospital Doutor Ignácio Proença de Gouveia, que fica no bairro onde está o clube, os associados do Rotary Club de São Paulo-Alto da Mooca perceberam que, apesar das informações que eram passadas às mães sobre a importância do aleitamento materno, a G CANTINHO CANGURU: unidade de saúde não tinha um local adequado conforto na hora de amamentar para armazenar o leite materno dado aos recémnascidos que precisavam ficar internados, nem um local específico e adequado para a amamentação. Foi assim que, no final de 2008, por intermédio da companheira Regina Célia Cuzziol Longo, o clube doou vários equipamentos ao hospital, inclusive a tão necessitada geladeira para o armazenamento do leite. O apoio dos rotarianos foi intensificado em abril deste ano com a inauguração da sala de armazenamento do leite materno e da sala Canguru, onde as mães podem amamentar seus bebês com conforto.


Sorocaba, SP  A 90 quilômetros da capital paulista, o

Rotary Club de Sorocaba-Novos Tempos doou ao Hospital Regional de Sorocaba equipamentos que facilitam a doação de leite materno e que estão contribuindo para aumentar o estoque do Banco de Leite Humano do Conjunto Hospitalar da cidade. Outros três postos de coleta de leite materno também receberam doações. Esta iniciativa do clube dá início a uma campanha educativa sobre o aleitamento materno que será realizada pelos rotarianos em parceria com a Prefeitura de Sorocaba e a Secretaria Municipal de Saúde. O objetivo principal da campanha é recuperar junto às mães uma cultura favorável à amamentação.

G ROTARIANAS

E membros da equipe do hospital

Bagé, RS  Em junho deste ano, o Rotary Club de

G

INAUGURAÇÃO DO banco de leite, com a presença de médicos, rotarianos e da então governadora distrital Dóris Vaz

Bagé-Minuano, no Rio Grande do Sul, fez a inauguração do Banco de Leite da Santa Casa de Caridade de Bagé. Feito com os recursos de um projeto de Subsídios Equivalentes da Fundação Rotária, desenvolvido pelo clube gaúcho em parceria com os Rotary Clubs de Jackson Hole Supper e de Fort Collins Breakfast, dos EUA, o banco de leite é o único na região sul do estado, onde vivem 600 mil pessoas, e está atendendo dezenas de mães e recém-nascidos diariamente.

Niterói, RJ  A abertura da Semana da Amamentação do ano

passado na cidade de Niterói, no Rio, foi realizada na Casa da Amizade. Coordenados pelo Rotary Club de Niterói-Arariboia e em parceria com o Banco de Leite Humano da Universidade Federal Fluminense, os clubes rotários têm apoiado ações que promovam o aleitamento e a doação de leite materno na cidade.

G

MÃES E bebês na Casa da Amizade durante a abertura da Semana da Amamentação de 2008 B RASIL R OTÁRIO 1 7


Entrevista

De olho em 2015 Foto: Sérgio Afonso

osé Alfredo Pretoni, ex-diretor e ex-tesoureiro do RI, excurador da Fundação Rotária e atual presidente da Associação Brasileira da The Rotary Foundation, se lembra em detalhes da Convenção Internacional do RI ocorrida em 1981. Havia mesmo um motivo especial para a sua presença: o evento, sediado em São Paulo, era o segundo em solo brasileiro depois de décadas (o primeiro se dera em 1948, no Rio de Janeiro). “Em 81, eu pude testemunhar a hospitalidade brasileira, coisa que eu nunca vi lá fora”, ele comenta. Hoje, na qualidade de presidente da Comissão Organizadora da Convenção de São Paulo, ele fala para a nossa revista dos seus planos e reflexões para trazer novamente esse grande encontro para o Brasil, em 2015.

J

Da Redação Brasil Rotário: Fale-nos sobre o planejamento para a candidatura de São Paulo à Convenção Internacional de 2015 e quais as dificuldades encontradas pelo caminho. I Pretoni: Começamos a pensar no assunto há quatro anos, quando apresentamos a nossa candidatura para a Convenção de 2013. Perdemos para Lisboa. Isso foi bom porque nós aprendemos a elaborar o caderno de encargos, onde se fornecem todas as intruções e se registram o apoio das autoridades, as condições de realização do evento, e se existe uma rede hoteleira que possa assegurar a convenção, que esperamos seja uma das melhores do mundo.

1 8 SETEMBRO

DE

2009

planejada há exatamente dois anos, quando, como disse, começamos a trabalhar para que o caderno de encargos pudesse ser reapresentado. Por isso, estamos imaginando um fluxo de 50 mil rotarianos aqui para São Paulo. Registrados, nós esperamos ter acima de 25 mil pessoas.

Então, eram itens que tínhamos que estruturar, e as dificuldades eram as mais variadas. Mas, felizmente, as coisas foram sendo contornadas, quando, em seguida, o Rotary fez um novo convite para 2015, incluindo todas as cidades da margem direita do Mississipi, nos EUA, e, no caso da América Latina, incluindo três cidades, entre elas São Paulo. Os erros anteriores foram corrigidos e fizemos cadernos de encargos com cartas de apoio do governo federal, por meio da Embratur, do governo de São Paulo, e de órgãos como o que administra o Anhembi, que será o local do evento de 2015. A Confederação Brasileira de Convention & Visitors Bureaux nos assessorou abrindo as portas para a rede hoteleira e para alguns agentes governamentais. Em suma, essa fase atual começou a ser

A escolha de São Paulo é definitiva ou tentativa? I É importante que se defina o conceito de tentativo. Todas as cidades escolhidas após a análise do caderno de encargos são tentativas, com raríssimas exceções. Por que são tentativas? Porque há que se aguardar uma comissão para elucidar dúvidas que possam ter restado. Essa comissão terá como tarefa aprimorar opiniões, assinar compromissos formais – principalmente com os órgãos públicos –, e estabelecer um relacionamento mais formal do Rotary com a rede hoteleira. E toda escolha é tentativa. Depois, com a consulta do RI, ela se torna definitiva.

Não quero que haja o mínimo desentendimento, a mínima má interpretação de que essa será uma convenção de paulistas. Teremos uma convenção de rotarianos brasileiros


O senhor se referiu a cidades que funcionam como uma exceção para a comissão. Poderia explicar?  Sim. Chicago, por exemplo, esteve desde sempre definida como sede da Convenção Internacional de 2005, porque naquele momento o Rotary completava 100 anos [a instituição nasceu em Chicago]. A Convenção de 2017 será necessariamente em Atlanta, quando a Fundação Rotária fará 100 anos [no evento internacional de 1917, em Atlanta, o então presidente do RI, Arch Klumph, criou a Fundação Rotária]. Como os rotarianos brasileiros podem ajudar na escolha ?  Neste período ocorrerá uma reunião restrita, mas os rotarianos brasileiros têm que mostrar, em todas as oportunidades que puderem, aqui, lá fora, que o país está de braços abertos para receber companheiros do mundo todo. A Comissão Organizadora está fazendo questão de enfatizar que teremos uma Convenção do Brasil, e não somente da cidade de São Paulo. Fale um pouco sobre isso.  São Paulo formalmente estará recebendo para o evento, mas é o Brasil que está sendo promovido pelo mundo. E, no momento adequado, as cadeias de hotéis farão uma promoção maciça de todas as regiões brasileiras. É preciso lembrar que os rotarianos que chegarem aqui passarão cinco dias na convenção e prosseguirão fazendo turismo, talvez de 15 dias, de três semanas, em férias. O que nós estamos fazendo é colocar uma porta para as pessoas visitarem o Brasil. Portanto, o país todo estará envolvido.

Não se pode avaliar a desinformação sobre o Brasil no exterior, mesmo dentro do Rotary! Vamos mostrar o Brasil para o mundo

Por que o nome Convenção do Brasil?  Porque os rotarianos têm que estar motivados a comparecer. Não quero que haja o mínimo desentendimento, a mínima má interpretação de que essa será uma convenção de paulistas. Quero evitar isso de qualquer maneira. Teremos uma convenção de rotarianos brasileiros. O que representa essa convenção para o rotarismo brasileiro?  No fundo, o Brasil, apesar de ser o quinto país rotário do mundo, é um grande desconhecido. No momento em que trouxermos rotarianos do exterior para cá, eles descobrirão o Brasil real; não aquele apenas das notícias negativas que correm o mundo. Além disso, o Brasil de 1981 era um. O Brasil de hoje é diferente, com uma pujança que se constata em todas as cidades. Quando o turista visitar o país, de Norte a Sul, pensará: “Poxa, estou em outro país.” Não se pode avaliar a desinformação sobre o Brasil no exterior, mesmo dentro do Rotary! Vamos mostrar o Brasil para o mundo. O rotariano é influente e terá um papel importante na divulgação dessa nova imagem do país.

E a participação do rotariano brasileiro nas convenções internacionais?  Por diversas razões – circunstanciais, culturais, econômicas –, ela é muito pequena. Quando há 400 brasileiros numa Convenção Internacional do RI, temos um recorde. O entrosamento do companheiro brasileiro com o resto do mundo rotário é muito baixo. E é preciso que o rotariano brasileiro passe a comparecer ao evento. Por isso, esperamos que o encontro aqui promova o interesse nacional e faça o próprio rotariano entender melhor a nossa organização. Que parcerias estão sendo firmadas?  Existe um apoio grande da Embratur, do governo federal, da Infraero, da Polícia Federal, das companhias aéreas; todos se colocando à disposição. O Complexo do Anhembi [que engloba o Palácio das Convenções, o Pavilhão de Exposições, o Sambódromo e outras estruturas] será cedido gratuitamente por 15 dias; nessa contagem incluíramse a fase de preparação e a fase de desmontagem do evento. E mais: obtivemos a cessão de cartões de transporte gratuito (metrô, trem, ônibus) durante os cinco dias do evento para aqueles que estiverem inscritos. São apoios fundamentais. A rede hoteleira – por meio do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil e da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – também está nos apoiando. Como o senhor vê o papel da Brasil Rotário nesse processo?  A revista chega ao rotariano de todo o país, e poderá funcionar como o principal meio de disseminação de informações sobre a Convenção Internacional de 2015. BR B RASIL R OTÁRIO 1 9


Galeria de Birmingham ROTARY IMAGES

Convenção de 2009: imagens que resumem Os ativistas Desmond Tutu, Mia Farrow e Jane Goodall falaram sobre a paz, a pólio e a salvação do planeta. Rotarianos de 150 países encontraram muitas afinidades em Birmingham, na Inglaterra.

G

1 – Assistindo ao economista Jean-François Rischard em um evento dos bolsistas do Rotary 2 – Membros do protocolo do RI 3 – Michael Wilkes, prefeito de Birmingham 4 – Uma percusionista agita a House of Friendship 5 – Dong Kurn Lee, presidente do RI 2008-09, e John Kenny, presidente 2009-10 6 – Dae Hee, filho de D.K. Lee, e família 7 – A equipe do Ryla se prepara 8 – Dançarinas coreanas 9 – A palestrante Jane Goodall, ativista da paz e primatologista 10 – E “Viva a Convenção de 2010, em Montreal!” 11 – Integrante inglês de fanfarra 12 – Cavaleiros em torneio no Castelo de Warwick

2 0 SETEMBRO

DE

2009


13 - Castelo de Warwick 14 – O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, e D.K. Lee 15 – Uma rotariana no castelo ajusta a mira 16 – Jonathan Majiyagbe, presidente 2008-09 do Conselho de Curadores da Fundação Rotária 17 – Rotaractiano inglês 18 – A rotariana e palestrante Deepa Willingham 19 – Rotarianos dos EUA e de Uganda 20 – Participante do RYLA caminha sobre a prancha 21 – Intercambiados do Rotary 22 – A palestrante Mia Farrow 23 – O palestrante Desmond Tutu no Simpósio do Rotary pela Paz Mundial 24 – Uma rotariana de Camarões 25 – A Associação de Tae Kwon Do da Grã-Bretanha 26 – Embaixadores da Comissão de Recepção

19

B RASIL R OTÁRIO 2 1


ABTRF – Associação Brasileira da The Rotary Foundation Wanderlino Arruda*

Rotary, um caso de amor Wanderlino Arruda*

A

s pessoas especiais são aquelas que sonham com as melhores situações e com as melhores atitudes que tornam a vida, efetivamente, mais bela e mais rica de valores universais. As pessoas especiais são aquelas que – mercê de uma decisão pessoal e intransferível – vivem o presente e aproveitam ao máximo as oportunidades de amar e servir, de conviver com o bem, esteja ele próximo ou distante. As pessoas especiais são as que sabem de mente e coração que a felicidade nunca vem isolada, mas ao contrário, dependente das circunstâncias e dos ambientes formados pela paz e pelo respeito, pelo trabalho e pela ação de cidadania. É algo assim como ter consciência do que é ser rotariano de verdade, dentro do seu clube e da sua comunidade, porque o especial na vida rotária tem como destino o estar sempre no campo da espera, da esperança, do amor e do cuidado indutores do conforto material e espiritual. Tenho certeza de que foi com esta consciência que José Alfredo Pretoni decidiu e tomou as primeiras providências para a fundação da Associação Brasileira da The Rotary Foundation, nossa ABTRF, que, mesmo muito nova, já presta benefícios tão relevantes ao mundo rotário, constituído por distritos e Rotary Clubs. Excelente o seu trabalho de abrir portas e fa-

2 2 SETEMBRO

DE

2009

cilitar a contribuição das empresas, instituições, fundações e associações que têm CNPJ e estão registradas na Receita Federal. Inscrita nos ministérios da Fazenda e da Justiça como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, a ABTRF incentiva as contribuições sociais e oportuniza abatimentos de imposto com base no lucro real, o que é bom para quem doa e ainda melhor para quem recebe. OS FRUTOS Trabalho fácil ou difícil, o certo é

que muitos companheiros em todo o território nacional têm se apresentado para doar ou pedir doações à Fundação Rotária, com valores que marcam, nas últimas estatísticas, uma boa posição nossa no cenário internacional. Principalmente se considerarmos que já podemos divulgar resultados de reconhecimento rotário através de projetos em praticamente metade dos distritos brasileiros. Trabalho de rotarianos e não-rotarianos, aos poucos as empresas e institui-


ções vão tomando conhecimento dos benefícios e principalmente da oportunidade de divulgar as vantagens da responsabilidade social tão requisitada por todos os setores de governo e da comunidade. Uma questão urgente, do presente e do futuro, para cada membro do Rotary e das Casas da Amizade, assim como do Rotaract e do Interact. Eles precisam se apresentar munidos de conhecimento e de decisão de trabalho, além de um esforço constante de divulgação de todos os pontos que possam incentivar o papel da nossa ABTRF – quem sabe, dentro de muito pouco tempo, o principal estandarte da maior valorização rotária. Importante lembrar que a cultura das doações no Rotary começou há quase um século, em 1917, com episódios importantes em 1928 (alocações ao Fundo Permanente na Convenção do RI de Minneapolis, nos EUA), 1930 (criação da Semana da Fundação Rotária), em 1931 (quando a Fundação Rotária torna-se uma entidade dirigida pelo Rotary International), em 1947 (o estabelecimento do Fundo de Doações

Mesmo muito nova, a ABTRF já presta benefícios relevantes ao mundo rotário

por ocasião da morte de Paul Harris), em 1948 (arrecadação já totalizada de US$ 1,2 milhão), 1983 (quando a Fundação tornou-se uma corporação sem fins lucrativos) e em 2009 (com a decantada doação de US$ 255 milhões feita por Bill Gates à Fundação Rotária durante a Assembleia Internacional de San Diego). Tudo isso é uma sucessão de fatos marcantes que mostram que a Fundação Rotária veio e está pronta para oferecer soluções maiores em benefício da humanidade, sem distinção política, de raças e de credos: valores humanos e humanísticos que o Rotary sabe muito bem desenvolver.

BR

ENTUSIASMO E CONSCIÊNCIA Claro que a Fundação Rotária e a ABTRF, a cada dia, precisam do esforço de todos nós, além do reconhecimento do governo, que até

Quantos Somos 

poderia permitir incentivos fiscais nas doações de pessoas físicas, o que seria importantíssimo no incremento dos títulos de Companheiro e de Contribuinte Paul Harris, tão apropriados para o entusiasmo dos Rotary Clubs e dos distritos brasileiros. Acredito que em breve chegaremos lá. Enfim, não podemos sentir ou mostrar vivência sem amor e sem trabalho rotário, porque existência e Rotary sem amor não têm sentido, uma vez que o amor é a lei da vida. Sem a presença do amor naquilo que temos, no que fazemos e no que somos, estaremos imensamente pobres, profundamente carentes. Mais do que nunca precisamos ser entes de entusiasmo, gente profundamente conscientizada de que o nosso valor maior é o que podemos realizar de fraternidade e compreensão, sabedores de que o Rotary e a Fundação Rotária são instrumentos supremos do bem, do saber, do saber fazer e do querer fazer.

NO MUNDO

Rotarianos: 1.223.417; Clubes: 33.549; Distritos: 534; Países e regiões: 210; Rotaractianos: 178.043; Clubes: 7.741; Países: 164; Interactianos: 278.231; Clubes: 12.097; Países: 132; Núcleos Rotary de Desenvolvimento Comunitário: 6.725; Voluntários: 154.675; Países: 78; Número de rotarianas: 196.115.

* O autor é consultor da Associação Brasileira da The Rotary Foundation, ex-coordenador da Fundação Rotária no Brasil e exgovernador do distrito 4760.

 NO BRASIL Rotarianos: 52.718; Clubes: 2.324; Distritos: 38; Rotaractianos: 14.260; Clubes: 643; Interactianos: 16.031; Clubes: 707; Núcleos Rotary de Desenvolvimento Comunitário: 264; Voluntários: 5.934; Número de rotarianas: 10.072.

Fonte: Escritório do Rotary International no Brasil (dados de agosto de 2009)

B RASIL R OTÁRIO 2 3


Em cima do fato

A volta das máscaras Uma pandemia altamente letal, acontecida há 91 anos, ressurge no imaginário coletivo Luiz Renato Dantas Coutinho*

N

o final de 1918, aos seis anos, Maria Amélia, minha avó, via sua irmã de quatro anos ser acometida de uma estranha gripe, que piorava rapidamente. Ela ainda se lembra do médico em sua casa, na cidade de Araguari, no interior de Minas Gerais, fazendo aplicações de cataplasma (uma papa hiperquente) nas costas da paciente. Era um dos poucos recursos que a medicina dispunha. Por fim, sua irmã morreu. Essa enfermidade que correu o mundo tinha a alcunha de gripe espanhola, porque foi justamente a imprensa da Espanha a primeira a alertar o mundo para os riscos de uma pandemia. Uma peculiaridade: os adultos jovens entre 20 e 40 anos eram, majoritariamente, as vítimas. No Rio de Janeiro, carroças conduziam montes de corpos, que, pela falta de espaço, demoravam dias para serem sepultados. Quando o eram, caíam muitas vezes em covas improvisadas. Nos EUA, policiais, funcionários dos transportes públicos e de órgãos governamentais adotaram o uso das máscaras no atendimento coletivo. Quando o surto desapareceu misteriosamente, no início de 1920, havia deixado uma estimativa difusa de 50 a 100 milhões de mortos. Até mesmo o presidente brasileiro Rodrigues Alves entrou na conta trágica. E HOJE, QUAL A DIFERENÇA? Embora a gripe suína, ou gripe A – como também é chamada –, seja produto da mesma cepa do vírus H1N1 da pandemia de 1918, o agente se modificou. E em 2009 as circunstâncias são radicalmente mais favoráveis à humanidade. Para Rogério Valls, infectologista da Fundação Oswaldo Cruz, um quadro como o da gripe espanhola não se repetirá. Naquela época, o indivíduo costumava morrer de uma complicação do surto: a pneumonia bacteriana. E a penicilina ainda não fora inventada. “No momento, está ocorrendo um número maior de casos graves, em comparação com o início do surto, mas decorrentes tanto de causas bacterianas quanto virais (incluindo-se aí o tipo sazonal e o H1N1). No início, a confirmação laboratorial vinha em 48 horas. Com o aumento do número de pacientes, há uma grande demora”, ele explica.

2 4 SETEMBRO

DE

2009

A primeira morte no Brasil pela doença aconteceu em 28 de junho. Atualmente, o país ocupa o terceiro lugar em número de óbitos. Em dados da segunda semana de agosto, os EUA registravam 353 mortes (1º lugar); a Argentina, 337; e o Brasil, 200. G OUTUBRO DE 1918: No entanto, secarteiro de Nova York se gundo a Organizaprotege da epidemia ção Mundial de Saúde, a letalidade da gripe suína é de 0,5% dos casos, índice considerado baixo. Em 2008, por exemplo, cerca de 70 mil pessoas morreram de gripe sazonal no Brasil. As vítimas preferenciais eram os idosos. Na gripe A, grávidas, obesos, cardíacos, jovens (como em 1918-20) constituem o grupo de risco. Há quem defenda que, agora, 77% dos casos de gripe do país são provocados pelo vírus H1N1, e, felizmente, com um desenvolvimento brando. Diante de tudo aqui relatado, talvez estejamos diante de mais uma bandeira para o Rotary. Que instituição, com a sua capilaridade e poder de liderança, poderia melhor encabeçar iniciativas de esclarecimento para este surpreendente surto gripal de 2009? BR

* O autor é jornalista da Brasil Rotário.

Para mais esclarecimentos Ligue para a Central de Teleatendimento do Ministério da Saúde e Ouvidoria Geral do SUS: 0800 61 19 97 Ou acesse o portal do Ministério da Saúde: portal.saude.gov.br/saúde


Entrevista

Mia Farrow

A veterana atriz e sobrevivente da pólio conta em detalhes o caos em Darfur e nos desafia a assumir responsabilidades

M

ia Farrow recusa-se a crer que sejamos impotentes diante das crises humanitárias. “Responsabilidade é a palavra fundamental, para mim e para meus filhos,” garante Farrow, embaixadora da boa vontade junto ao Unicef. “Não é necessário ser especialista para afirmar que esperamos que o nosso governo aja.” Como uma das palestrantes mais importantes na Convenção de 2009 do RI, em Birmingham, Farrow estimulou os rotarianos a ajudarem a acabar com o genocídio em Darfur, região do oeste do Sudão. Ela também enalteceu o Rotary pelo seu trabalho em prol da erradicação da pólio. Farrow celebrizou-se pelos seus maridos (Frank Sinatra, André Previn e Woody Allen) e pelos seus filmes (mais de 40, incluindo “O Bebê de Rosemary”, “O Grande Gatsby”, e “Hannah e Suas Irmãs”). Todavia, ela tem dedicado a maior parte do tempo à família e ao serviço humanitário. Rotaria-

G

FARROW, EMBAIXADORA da boa vontade junto ao Unicef desde 2000, e rotariana honorária, faz anotações durante uma visita, em maio de 2008, a uma escola na província ocidental de Ouham-Pendé, na República Centro-Africana

na honorária, Farrow foi nomeada embaixadora da boa vontade junto ao Unicef, na primeira Cúpula dos Parceiros Globais da Pólio, em 2000. “Meu primeiro contato com o Rotary aconteceu na Nigéria, com o Unicef,” ela recorda. “Estava ocorrendo um dia nacional de imunização, na verdade, vários dias. Imunizamos 40 milhões de crianças. Rotarianos são pessoas de bem, que realizam um trabalho tremendamente importante.” A privilegiada filha da estrela do cinema Maureen O’Sullivan (19111998) e do diretor John Farrow (1904-1963) caiu, durante a sua festa do nono aniversário, e não conseguiu se levantar. O diagnóstico: poliomielite. Ela passou os meses seguintes num pulmão de aço. “Tornei-me uma pária”, relembra ela. Aquela experiência mudou a sua vida e inspirou o seu empenho em ajudar as mulheres e as crianças da África. No final de abril, ela anunciou um jejum à base só de água em protesto pelas condições em Darfur. Ela o interrompeu após 12 dias,

por ordem médica, e o bilionário Richard Branson a substituiu, juntamente com membros do Congresso dos EUA. Nos dias que precederam o seu jejum, ela se encontrou com o jornalista Warren Kalbacker em New Milford, Connecticut, EUA, cidade rural onde criou muitas das suas crianças. The Rotarian: Suas funções como embaixadora da boa vontade junto ao Unicef incluem visitas a regiões conturbadas? I Farrow: Sim, por solicitação minha, crianças em regiões de conflito são o meu nicho. Abri um escritório do Unicef em Angola, depois que a guerra acabou, em 2002. A paz ainda era frágil, e as pessoas escondiamse por todo o país. Cada pessoa havia perdido alguém. As minas terrestres espalhavam-se pelos campos. Ver tantas pessoas cujos membros foram decepados muda o modo de pensar. Meu filho Ronan, porta-voz do Unicef para a juventude, veio comigo B RASIL R OTÁRIO 2 5

§


Entrevista para Angola. Alguém no acampamento viu o cinto de Ronan e disse que já possuíra um, mas que tivera que o comer. Aquela era a situação da fome em Angola. Concluí que eu poderia ser ainda mais útil onde as circunstâncias fossem extremas. Assim como em Darfur, que passou por crise durante muitos anos. I Sim. Houve um levante em Darfur em fevereiro de 2003. Darfur foi privada dos seus direitos civis. O povo queria ser representado no governo; queriam estradas, hospitais e escolas. Eles queriam receber parte dos lucros do petróleo provenientes do sul do Sudão, que enriqueciam a capital, Cartum. Nada chegava à região. Em resposta, o governo do Sudão lançou um ataque total à população de Darfur. Os ataques foram conduzidos por milícias de mercenários? I Sim. O governo alistou tribos árabes, hoje conhecidas como Janjaweed. O povo de Darfur pode relatar como os ataques se processavam: sem aviso, o céu da manhã enchia-se de bombardeiros e helicópteros. As bombas choviam sobre as famílias ainda adormecidas, ou enquanto rezavam, ou quando saíam para os campos. As pessoas fugiam em pânico, em todas as direções. Chegavam, então, os Janjaweeds, montados em camelos e cavalos e, mais recentemente, em veículos, roubados dos colaboradores da ajuda humanitária. Eles chegavam gritando expressões racistas, atirando e violando mulheres e meninas. Cerca de 80 a 90 % das aldeias de Darfur estão em cinzas atualmente. E 2,7 milhões de pessoas encontraram relativa segurança em

2 6 SETEMBRO

DE

2009

Vamos parar e ficar olhando enquanto centenas de milhares de pessoas morrem? Por saber o que está acontecendo em Darfur temos a responsabilidade de agir acampamentos miseráveis, disseminados por Darfur e a leste do Chade. Embora deflagrada há tantos anos, a crise está agora pior do que nunca? I O pior momento deu-se durante os ataques iniciais, quando dezenas de milhares de pessoas foram mortas. Mas o povo de Darfur passará agora grandes necessidades, visto que depois que a Corte Criminal Internacional expediu um mandado de prisão contra o presidente sudanês [o general Omar al-Bashir, no poder há 20 anos], ele expulsou e revogou as licenças de 13 organizações humanitárias internacionais e três organizações de ajuda sudanesas. A ONU fez um apelo para que as agências sejam reinstituídas. Mais de 1 milhão de pessoas poderão morrer de fome e de doenças se o estoque de alimentos acabar, e tal fato poderá acontecer em poucas semanas. E nós assistimos a tudo isso. O governo de Cartum tem medo dos colaboradores em causas humanitárias? I O governo acusa as ONGs de espionarem. As notícias sobre Darfur têm cobertura suficiente da imprensa? I Não, elas estão abaixo da média esperada. Por isso, lancei o meu website, miafarrow.org. Quando eu

trabalho, incluo no meu blog as notícias relevantes. Como é que podemos assistir à morte de 1 milhão de pessoas em Ruanda? O genocídio em Darfur é Ruanda em câmara lenta. Temos a responsabilidade de agir por saber o que está acontecendo em Darfur. O falecido senador americano Paul Simon afirmou que se ao menos 100 pessoas de cada distrito escrevessem ou telefonassem sobre o genocídio em Ruanda, o governo teria agido. Defina genocídio. I Depois do Holocausto, Raphael Lemkin, um judeu polonês, cunhou o termo genocídio – a matança de um povo. Mas Lemkin não disse o que devemos fazer quando nos depararmos com tal situação. Penso que temos que reagir. Você já se acostumou com o som dos tiroteios? I Tiroteios e o bramido dos símios são a música da noite. Os tiros produzem sons diferentes, dependendo do alvo atingido. Ninguém está seguro na região de Darfur e ao longo da fronteira com o Chade. Quem quiser estar seguro, não vá lá. Isso para mim é irrelevante, porque lá reside a necessidade. Os refugiados, que lidam de forma extraordinária com as suas perdas, compartilharão a sua sombra, se não possuírem outra coisa. Recebi este amuleto de uma mulher em 2004, à guisa de proteção. Ela insistiu que eu o usasse para me proteger, mesmo que eu nada tivesse para lhe oferecer. Ela o estava usando no dia em que a sua aldeia foi atacada. Na ocasião, três dos seus cinco filhos foram mortos. Ela tentou escapar com seu bebê e ele foi-lhe arrebatado dos braços e morto na sua presença, à baioneta. Ela agarrou-me as mãos e disse: “Conte


às pessoas o que está acontecendo aqui. Diga-lhes que seremos todos massacrados. Diga-lhes que precisamos de ajuda.” Não sei se ela ainda está viva.

baixadora do Unicef. Eu planejava seguir medicina, e aí viajaria uma vez ou outra à África. Mas as circunstâncias conspiraram para que eu me tornasse uma atriz. Aquilo era uma coisa que eu poderia fazer sem instrução.

O pessoal das ONGs é obstinado? I Sim, meu Deus, o pessoal das ONGs é formidável. De uma maneira geral são bastante jovens, e importam-se muito com o que fazem. Arriscam as suas vidas para proteger a população mais frágil e vulnerável do mundo. E nunca encontrei um colaborador desprovido de um grande senso de humor. Você encontra algo para rir, mesmo em meio a tanto perigo e privações? I Sempre encontramos algo para rir, os refugiados, os colaboradores e eu. Por qualquer bobagem. Eu banco a palhaça. Faço as pessoas rirem. Os refugiados estão sempre prontos para rir. Eles são bons pais. Eles possuem um grande senso de humanidade por não possuírem aqueles excessos que só servem para atrapalhar. Eles não têm shoppings, ocupações, e nem a Wall Street. Eles não têm casa para cuidar. Eles trituram o grão, apanham a lenha e cozinham. Quando estão com os filhos, demonstram grande senso de humanitarismo e a alegria de estarem juntos. Os generais e os milicianos têm o poder de fogo. As mães e as crianças podem exercer um poder moral real? I Sem dúvida. As mulheres africanas têm uma força extraordinária. Mas são os homens que detêm o poder nos locais que visitei, em Darfur e no Chade. Um homem pode se casar cedo e muitas vezes, e pode ter quantas mulheres quiser. As mulheres

 JOHN FARROW carrega Mia, com nove anos, pela enfermaria de um hospital em Los Angeles durante a epidemia de 1954

fazem o trabalho, acendem o fogo, cozinham e cuidam das crianças. E são violadas. Não consigo imaginar que a maioria de nós possa ter um mínimo da coragem e da humanidade que elas ostentam para prosseguir e nutrir esperança de algo melhor para seus filhos. Você já viajou bastante pela África – Nigéria, República Centro-Africana, Uganda, Ruanda e República Democrática do Congo. Por que sempre retorna? I Tenho a África no meu coração. Fiz três viagens a Darfur e 10 ao leste do Chade. Estou trabalhando num projeto próprio, que é documentar as tradições e cultura das tribos de Darfur. Quais as vantagens e desvantagens do ativismo de uma celebridade? I Não fosse a minha celebridade, eu não me teria tornado uma em-

Você foi bem-sucedida em Darfur? I Cabe aos outros avaliar. É mais fácil enxergar o insucesso. Salvaram-se mais vidas por se colocar mais foco sobre Darfur? Talvez. As pessoas continuam a sofrer? Sem dúvida. Estão à beira do aprofundamento da catástrofe? Certamente. Isto é uma dor de cabeça? Com certeza. Poderia se agir de outra forma? Não. Voltei de Darfur em 2004 como testemunha. Eu tinha de dar o melhor de mim mesma para tratar daquilo. Sou mãe e atriz, e não tinha a menor ideia do que acarretaria o meu ativismo. Ainda estou tentando imaginar. Nunca escrevi um editorial. Jamais me imaginei viajando de campus em campus como palestrante, ou indo ao Congresso para uma audiência. A esperança tem futuro? I Nossos maiores inimigos são o desamparo e a desesperança. Eu costumo encerrar as minhas palestras com uma citação de Elie Wiesel. Ele disse sobre o Holocausto: “O que nos atordoava, depois de passada a tormenta, a tempestade, não era o fato de tantos assassinos matarem tantas vítimas, mas a pouca importância que nos deram.” Este é um momento de definição para cada um de nós: se queremos estar entre os muitos ou entre os poucos. Se amamos o nosso próximo e nos importamos com eles, como seres humanos, temos que fazer algo em vez de darmos as costas. BR

B RASIL R OTÁRIO 2 7


Capa Armando Santos

A equação que pode mudar o Brasil Mesa redonda organizada pela revista analisou o ensino no país e como o Rotary tem ajudado a melhorar nossa educação Nuno Virgílio Neto* pesar do aumento da quantidade de brasileiros na escola nos últimos anos, a qualidade do ensino ainda deixa a desejar no país. De acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios realizada pelo IBGE, além de reduzir o percentual de brasileiros que não sabem ler e escrever (10%), o Brasil tem o desafio de combater o chamado analfabetismo funcional, que atinge 25% da população com mais de 15 anos. Ou seja: para que a educação brasileira avance (uma conquista indispensável, que vai definir o futuro do país nas próximas décadas), não basta colocar nossas crianças na escola: é preciso dar a elas escola de qualidade, e fazer disso um projeto de Estado, de longo prazo, que esteja acima de governos e disputas políticas. Esses e outros temas relacionados à educação no Brasil, como os desafios que também têm sido enfrentados pelo ensino privado, o papel da escola na recuperação de comunidades degradadas, a ponte entre a sala de aula e o mercado de trabalho e a colaboração que o Rotary pode oferecer para solucionarmos esses problemas, foram a pauta de uma mesa redonda realizada pela Brasil Rotário no dia 22 de julho. O encontro ocorreu na sede da revista, no Rio, e reuniu o superintendente da Fundação de Rotarianos de São Paulo, Marco Antônio de Bona Rossi, e os ex-governadores distritais Adelia Villas, Edson Avellar e José Antônio Figueiredo Antiório. Os debates foram coordenados pelo também ex-governador distrital Carlos Henrique de Carvalho Fróes, presidente da Cooperativa Editora Brasil Rotário e editor da revista, e tiveram como meta a formulação da agenda de discussões de um seminário nacional sobre educação que a revista planeja realizar em breve, com a ajuda de entidades parceiras e a participação de especialistas em educação e rotarianos. Nesta reportagem, publicamos um resumo com os principais momentos da mesa redonda.

A

Sérgio Afonso



EDSON AVELLAR, Marco Antônio de Bona Rossi, Carlos Fróes, José Antiório e Adelia Villas: ensino em debate

2 8 SETEMBRO

DE

2009


Os desafios da educação brasileira e a participação do Rotary nesse processo Sérgio Afonso

I

O expositor da mesa redonda foi Marco Antonio de Bona Rossi, que traçou um panorama da educação no país a partir de sua experiência como superintendente da Fundação de Rotarianos de São Paulo (FRSP), considerada uma das maiores iniciativas do Rotary em todo o mundo na área da educação, e que reúne o tradicional Colégio Rio Branco, as Faculdades Integradas Rio Branco, a Escola para Crianças Surdas Rio Branco e o Centro Profissionalizante Rio Branco. Pedagogo, engenheiro e economista, Bona Rossi falou sobre o projeto político, social e pedagógico da instituição, explicando que sua missão é servir com excelência por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes. “Um relatório da Unesco elaborado no final dos anos 90 afirma que a educação deve se fundamentar em quatro pilares: aprender a conviver, aprender a ser, aprender a conhecer e aprender a fazer”, disse, argumentando que a escola de hoje não pode se limitar a transferir conhecimento aos alunos, mas ajudálos a elaborar seus valores e conquistar sua cidadania de maneira ampla. “Saber conviver e compartilhar é tão importante no mundo de hoje quanto algo mais pragmático, como saber fazer alguma coisa”. Relacionado a esse aspecto, ele falou sobre o “princípio da mente aberta”, uma filosofia incorporada à FRSP pelo presidente da entidade, o ex-governador do distrito 4610 Eduardo de Barros Pimentel, que encoraja a busca por uma educação que saiba articular valores

como diversidade e flexibilidade curricular. O EXEMPLO FINLANDÊS Bona Rossi falou sobre a bem-sucedida experiência da Finlândia, país que em 2006 conquistou o primeiro lugar na avaliação trienal do Pisa, um conceituado teste de avaliação internacional da educação conduzido pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. No caso dos finlandeses, a diferença começa no valor que a educação e o conhecimento têm no país, e em como isso se reflete em diversos aspectos culturais. Para poder casar na Finlândia, homem e mulher precisam saber ler e escrever – e esta é uma norma que já vigora há quatro séculos. A valorização do trabalho e do papel social dos professores também é grande no país escandinavo, mesmo que a remuneração deles seja, em média, bem menor que a dos profissionais liberais. “No entanto, na Finlândia os professores gozam de um altíssimo status social. Existe uma grande demanda de gente interessada em exercer a profissão. E a capacitação para exercê-la é intensa, com pelo menos cinco anos de formação”, explicou. Apesar das diferenças regionais, os principais desafios na área de educação são os mesmos em todos os países, e o principal deles tem sido a motivação dos alunos, particularmente dos meninos, que demonstram precisar de uma experiência mais concreta em sala de aula, mais voltada à prática, o que tem levado muitos especialistas a sugerir a ampliação do ensino vocacional.

Todos os países que vêm obtendo os melhores desempenhos no Pisa, como Finlândia, Suécia e Noruega, passaram por um momento em que seus governos assumiram a responsabilidade de definir os rumos da educação, criando leis específicas para isso. O importante é que as políticas desenvolvidas na área de educação sejam de Estado, e não de governo. “É preciso garantir a continuidade desse processo”, disse o superintendente da FRSP. A regra, claro, também vale para o Brasil. E mesmo com os grandes desafios que ainda temos pela frente, Bona Rossi acredita que nunca se falou tanto sobre educação no Brasil, o que é muito positivo. “A sociedade, a imprensa e o próprio Rotary têm debatido muito o assunto”, afirmou. “A tendência é que muitos frutos sejam colhidos desse período especial que estamos vivendo.” stock.xchng

 APESAR DAS diferenças regionais, os desafios na área da educação são praticamente os mesmos em todos os países

B RASIL R OTÁRIO 2 9

§


Capa

Como a escola privada complementa a missão do ensino público Sérgio Afonso

Diretor presidente do Colégio Padre Anchieta, diretor da Federação Nacional das Escolas Particulares, presidente da Federação dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo e do Conselho Municipal de Educação de Osasco, e vice-presidente do Conselho Municipal de Educação de São Paulo, José Antônio Figueiredo Antiório começou sua exposição explicando que, historicamente, as escolas particulares surgiram como um instrumento da pluralidade no ensino. Além de oferecerem uma linha pedagógica alternativa à do ensino público, ou ainda uma orientação religiosa, no caso das escolas confessionais, as instituições particulares são também uma garantia à sociedade de uma escola livre de orientação política, o que infelizmente ainda ocorre no caso de alguns governos. No caso do Brasil, onde a educação pública está em grande parte nas mãos dos municípios, que detêm a maior parte dos recursos aplicados nas escolas, esse risco da “politização do ensino” merece atenção. Mas a questão também desperta debates em outros países, como a França, que atualmente tem 97% da educação nas mãos do Estado, o que vem sendo criticado por especialistas franceses da área. “Por isso eu defendo que a educação precisa passar por um processo de modernização em termos de visão de governo, e é justamente aí que entra o papel da escola privada”, disse Antiório, que já foi secretário de Educação de Osasco, citando que entre 12% e 15% das instituições de ensino brasileiras são particulares, e que muitas delas desempenham um importan-

3 0 SETEMBRO

DE

2009

Rotary Images/Alyce Henson

I

 PROFESSORA

DURANTE um treinamento do método Lighthouse em Minas Gerais: alternativa pedagógica oferecida pelo Rotary te papel de inclusão social, através da concessão de bolsas de estudos a alunos carentes e de projetos como a Escola para Crianças Surdas Rio Branco, da Fundação de Rotarianos de São Paulo, citada por Antiório. AS INICIATIVAS PIONEIRAS Ele lembrou que as primeiras escolas técnicas surgiram no Brasil por intermédio da iniciativa privada, sendo expandidas pelo governo mais tarde. Somente em São Paulo, através de instituições como o Centro Profissionalizante Rio Branco, criado há mais de 60 anos, o Rotary capacita perto de 30.000 jovens, em diversas áreas. Antiório afirmou que aconteceu o mesmo em relação à alfabetização, e que somente depois de iniciativas desenvolvidas pelo ensino particular é que o Estado brasileiro, por intermédio da rede pública de ensino, começou a investir mais nessa área. Se melhorar a capacitação dos professores continua sendo um ponto importante para a educação brasileira avançar, tanto no caso das esco-

las públicas como das particulares, na opinião de José Antiório o maior desafio da educação no país são os atuais processos de avaliação das instituições. “Nossa população não é conscientizada a respeito desse problema e acaba avaliando a escola pela nota que sai no jornal. Como as escolas particulares dependem dos alunos, muitas acabam deixando um pouco de lado a formação educacional, que no caso de um país como a Finlândia talvez seja o mais importante, e passam a ‘treinar’ os alunos para prestar exames como o Enem”, disse. “Eu concordo com o exame, mas desde que não haja ranqueamento”. Sobre a colaboração que os Rotary Clubs podem dar para o desenvolvimento do ensino no país, José Antiório acredita que o caminho é a realização de parcerias e a oferta de trabalho voluntário às escolas de nossas comunidades, apoiando-as e promovendo a conscientização das famílias sobre sua responsabilidade no processo de aprendizagem das crianças. “A escola e os alunos não podem fazer esse trabalho sozinhos”, disse.


O papel da escola como força de revitalização das nossas comunidades Sérgio Afonso

I

Adelia Villas e impedir que a escola fechasse as a 4a séries que a escola atendia em trabalhou co- portas. Quis o destino que, em seu 1998 hoje são 1.200, da creche ao mo professora ano à frente do distrito 4570 (e nos ensino médio fundamental. A únipor quase 30 outros que viriam depois), a profes- ca coisa que continua a mesma é a a n o s . Q u a s e sora Adelia se visse mais uma vez gratuidade, agora reforçada pela sempre, em es- convocada para trabalhar pela edu- oferta também gratuita de alimentação. colas públicas. cação em sua cidade. Deu aulas tanto POTENCIAL PARA para os alunos COMO TUDO COMEÇOU altamente sele- A parceria lançada por rotarianos REPLICAÇÃO cionados do Colégio de Aplicação da brasileiros e alemães começou com A escola também é a base do projeto Universidade do Rio de Janeiro como cinco projetos de Subsídios Equiva- Humanização da Zona Portuária, copara jovens de regiões pobres da ca- lentes, cada um voltado a uma área ordenado por Adelia Villas, e cujo pital fluminense, e ajudou a formar da escola, e que juntos geraram US$ objetivo é oferecer ensino básico outras gerações de professores no 350 mil. Mas isso ainda era pouco profissionalizante em 18 profissões para os planos que tinham. Seria pre- a jovens e adultos do bairro. A cotradicional Instituto de Educação. Quando se aposentou, com a sen- ciso encontrar mais parceiros. Os ro- munidade ainda recebe suporte mésação de que realizara plenamente tarianos da Alemanha foram até o go- dico e psicológico, assim como disua história como educadora, Ade- verno de seu país, que se sensibili- versas possibilidades de atividades lia ainda não sabia que faltava um ca- zou com o projeto e doou US$ 550 sociais que integram as famílias da pítulo. Em meados de 1997, o distri- mil. Essa e outras parcerias estabe- região. Por tudo isso, a Escola Padre to 4570, que ela governaria pouco lecidas ao longo desta década com a Doutor Francisco da Motta, visitada depois, foi procurado por rotarianos participação de 39 Rotary Clubs do por três presidentes do Rotary Inda Alemanha com uma proposta: Brasil e do exterior, e um total de ternational nos últimos anos, é atuajudar a salvar uma escola à beira da 19 projetos de Subsídios Equivalen- almente considerada um dos maiofalência. Fundada em 1897, a Escola tes, permitiram a ampliação do pro- res projetos do Rotary no âmbito da educação. Padre Doutor Francisco da Motta, lo- jeto inicial. Até o momento, os investimenAdelia diz que, enquanto as escocalizada no bairro da Saúde, na zona portuária do Rio, oferecia educação tos ultrapassaram US$ 1 milhão, e las públicas da região enfrentam progratuita para meninos e meninas po- o que se viu no bairro da Saúde foi blemas como greves, depredação, bres de uma comunidade com alto o surgimento de uma nova escola tráfico de drogas e gravidez precoce índice de desemprego, problemas de no lugar daquela que estava amea- de suas alunas, nada disso faz parte çada de fechar. Os 250 alunos de 1a da rotina da Escola Padre Doutor violência e tráfico de drogas. Rotary Images/Alyce Henson Francisco da Motta. O pedido de ajuEla gostaria que o proda chegou aos rotajeto fosse replicado rianos alemães por pelo Rotary em outras meio de um contercomunidades brasileirâneo, o frei Eckart ras. “Somos uma escoHöfling, responsável la que respeita as indipela obra social da vidualidades e as difeVenerável Ordem renças religiosas e culTerceira de São Franturais, e que busca a cisco da Penitência excelência no que faz. (VOT), entidade que Tanto que já temos administra a escola. colocado alunos em A ideia era formar universidades”, diz. uma grande rede de “Acho que criamos ali apoiadores no Brasil uma espécie de ‘pedae na Alemanha, enca gogia rotária’”. beçada pelo Rotary, ADELIA COM alunos da Escola Padre Doutor Francisco da Motta B RASIL R OTÁRIO 3 1

§


Capa

A educação profissionalizante abrindo as portas para o primeiro emprego Sérgio Afonso

I

Conselheiro do Centro de Integração Empresa-Escola do Rio de Janeiro e ex-presidente da Associação Patrulha Jovem do Rio, Edson Avellar contou que o surgimento do ensino profissional e técnico no Brasil remonta à segunda metade do século 19, com a criação, no Rio e em São Paulo, do Liceu de Artes e Ofícios do Rio, por iniciativa de empresários. As duas entidades, que existem até hoje, notabilizaram-se por capacitar mão-de-obra para diversos setores da indústria brasileira, como siderurgia e marcenaria. Na década de 40 do século passado, essa história avançou com a criação das Escolas Técnicas Federais e do que hoje conhecemos como Sistema S, constituído por 11 entidades como Senai, Senac e Sesi, que associam esforços do governo e da iniciativa privada. “Essa experiência cumpre muito bem seu papel de capacitação, mas é falha no que diz respeito à colocação dessa mão-de-obra treinada no mercado de trabalho”, disse. O NASCIMENTO DO CIEE Com o objetivo de facilitar a inserção do novo profissional no mercado de trabalho, por volta da década de 60 foram criados os Centros de Integração Empresa-Escola (CIEE), primeiro passo para a implementação do estágio remunerado laborativo, por parte do governo. O CIEE emprega aproximadamente 500 mil estagiários bolsistas em todo o país, dos quais, em média, 70% são contratados após o término do período de estágio. O CIEE carioca foi fundado por rotarianos. Em todo o Brasil,

3 2 SETEMBRO

DE

2009

 FORMATURA

DO 58º Grupo de Patrulheiros da Apar do Rio, no final de junho: 220 jovens receberam seus diplomas durante a cerimônia é comum que os rotarianos partici- de 100 funcionários a manterem em pem da administração da associação. seus quadros uma proporção de pelo No Rio, os rotarianos colaboram menos 5% de estagiários e aprendicom a inserção do jovem no merca- zes – legitima a importância de projedo através de uma outra iniciativa: a tos como a Apar e o CIEE, mas ainda Associação Patrulha Jovem do Rio não resolveu um velho problema: os de Janeiro (Apar), criada por Rotary riscos e as responsabilidades pelo esClubs cariocas há 20 anos, e que já tagiário continuam sendo das orgacapacitou e colocou mais de 10 mil nizações que intermediam o estágio. jovens (a maior parte deles carentes) BR no mercado de trabalho. Além de ganharem um reforço em disciplinas da *O autor é jornalista da Brasil grade curricular regular das escolas, Rotário. os patrulheiros da Apar têm aulas de informáEscritório tica e orientaContábil Nova B RASIL R OTÁRIO 3 2 ção sobre noVisão Ltda. ções básicas de CONTABILIDADE – DESPACHANTES cidadania. LEGALIZAÇÃO DE FIRMAS Na opinião de Imp. de renda p/Física e Jurídica Edson Avellar, o Rua Álvaro Alvim, 31 - 16º andar - Centro programa Jovem Fone: (21) 2533-3232 G Fax: (21) 2532-0748 Aprendiz, criado Cep: 20031-010 - Rio de Janeiro - RJ pelo governo – Direção: Dra. Teresa de Jesus obrigando as empresas com mais


Em cima do fato Rotary Images

E as revistas se reúnem Montreal, Canadá. A cidade que abrigará a Convenção do Rotary International de 2010 reuniu, de 14 a 16 de julho, 31 editores das revistas rotárias regionais. Por decisão do Conselho Diretor, reuniões dessa natureza ocorrerão de dois em dois anos, no mês de julho, tendo como cenário a cidade da Convenção do RI no ano seguinte. Carlos Henrique de Carvalho Fróes *

N

essa reunião de 2009, um aspecto se diferenciou em relação ao encontro anterior: além dos próprios editores, entre eles eu, o coordenador do conselho editorial de cada uma das revistas também foi convidado. No caso da Brasil Rotário, o convite se dirigia ao vice-presidente de Operações, o EGD Edson Avellar da Silva. A título de esclarecimento: as despesas ficaram por conta da organização patrocinadora do encontro, ou seja, o Rotary International. Em Montreal, compareceram o presidente John Kenny, sua mulher June, e o ex-vice-presidente e exchair da Fundação Rotária, Robert Scott, justamente chair da Comissão Organizadora da Convenção de Montreal. E não posso esquecer de mencionar Vince Aversano, editor-chefe da The Rotarian, de Joseph Derr, editor internacional, e de Candy Isaac, coordenadora sênior das revistas regionais. ALGUNS TÓPICOS DE MONTREAL:  O moderador da reunião foi o EGD Bob Aitken, da Austrália, que explicou a ausência do EGD Juan Scander Juayeq, editor da revista El Rotario Peruano, por motivo de saúde.  O primeiro orador, o presidente John Kenny, defendeu a autonomia dos clubes rotários, que são a base do Rotary. E acrescentou: “O Rotary deve ser de tal forma atraente que os jovens sejam estimulados a ingressar em seus clubes.” Também explicou que, por motivo de economia, não haverá conferências presidenciais em 2009.  John Kenny esbanjou simplicidade e simpatia, se dispondo a responder a perguntas sobre os mais variados assuntos.  O companheiro Christophe Courjon, editor da revista francesa Le Rotarien, relatou que a revista é publicada mensalmente, tendo suplementos três vezes por ano – cada um dos quais com oito páginas –, abordando temas específicos como analfabetismo, juventude, poliomielite e desenvolvimento do quadro associativo.  John Pike, editor da revista inglesa Rotary Today, relatou experiência positiva ao ter confiado toda a publicidade do veículo à empresa KM Media há seis anos.

 POSE PARA a posteridade no encontro de Montreal. Na foto acima, o editor Carlos Fróes aparece logo atrás do presidente do RI, John Kenny. Na foto abaixo, o vice de Operações, Edson Avellar, é o terceiro (em primeiro plano) a partir da esquerda. Mark Wallace

O EPISÓDIO DA TROCA Antes do encerramento da reunião, cada um dos editores pôde manifestar seus agradecimentos. Ao fazêlo, relatei o episódio da posse, na década de 30, do saudoso Augusto Niklaus Jr., associado do Rotary Club do Rio de Janeiro, quando seu padrinho pediu-lhe que fizessem uma troca de notas de cinco mil réis. Niklaus atendeu ao pedido e observou que nenhum dos dois ganhara coisa alguma com o procedimento. Foi aí que seu padrinho esclareceu que se os dois trocassem, em vez de notas de igual valor, ideias, sugestões e projetos, ambos ganhariam. E concluiu: “Isto é o Rotary.” Depois de narrar o caso, comentei que, ao final dos debates, eu tivera a mesma sensação do companheiro Niklaus: todos havíamos tirado o maior proveito do encontro. O EGD Edson Avellar e eu podemos dizer que valeu a pena fazer uma longa viagem ao Canadá. A próxima reunião dos editores será em 2011, em Bancoc, cidade que sediará a Convenção do Rotary International em 2012. BR

* O autor é presidente e editor da Brasil Rotário, EGD e associado do RC do Rio de Janeiro, RJ (D. 4570). B RASIL R OTÁRIO 3 3


Altimar Augusto Fernandes e Henrique VVasconcelos asconcelos Coordenadores Regionais da Fundação Rotária para as Zonas 22A e 23A, e para Zona 22B, respectivamente

A marca de um esforço coletivo Contribuições brasileiras à FR (P eríodo 2008-09) (Período

M

ais uma vez os companheiros brasileiros demonstraram sua generosidade, solidariedade, confiança e dedicação à nossa querida Fundação Rotária. Sabemos que o mundo todo passou e está passando por momentos de incertezas e grandes dificuldades, e é justamente nessas horas que os rotarianos põem em prática o nosso lema Dar de Si Antes de Pensar em Si. Tenho certeza que cada rotariano fez o máximo que pôde e graças a esse esforço coletivo as contribuições à Fundação Rotária ultrapassaram a marca dos US$ 4.000.000. E o melhor de tudo é que essas contribuições serão utilizadas para fazer o bem por meio de projetos que em breve estarão ajudando milhares de pessoas. E é aí que entra o nosso outro lema, Mais Se Beneficia Quem Melhor Serve, e por isso posso dizer que todos os rotarianos devem estar se sentindo reconfortados e revitalizados para prosseguir esse trabalho tão gratificante. Gostaria de aproveitar o momento para agradecer e parabenizar nossa companheira Aldair de Queiroz Franco – coordenadora regional do período anterior –, que através de seu empenho e amor à Fundação Rotária motivou todos os rotarianos a atingir essa brilhante marca. Para que se tenha um detalhamento das contribuições que tanto alento nos trouxeram, trazemos o gráfico ao lado. Por fim, pedimos a Deus que nos abençoe em mais outro ano rotário. Muito obrigado a todos.

3 4 SETEMBRO

DE

2009

DISTRITO

FUNDO ANUAL

4310 79.218,03 4390 14.260,60 4410 31.390,64 4420 415.079,86 4430 279.280,80 4440 90.012,05 4470 110.796,75 4480 176.545,61 4490 33.607,66 4500 51.172,28 4510 96.932,48 4520 10.849,73 4530 50.399,91 4540 138.598,05 4550 22.236,14 4560 43.266,55 4570 84.383,26 4580 34.515,06 4590 105.027,53 4600 34.534,73 4610 221.562,64 4620 85.379,01 4630 114.447,73 4640 99.590,24 4650 46.048,78 4651 29.360,79 4660 25.385,67 4670 89.518,79 4680 11.994,00 4700 21.393,88 4710 65.591,02 4720 3.562,57 4730 86.163,68 4740 8.686,68 4750 28.570,56 4760 50.416,84 4770 92.992,30 4780 77.563,80 TOTAL 3.060.336,70

FUNDO PERMANENTE 2.000,00 0,00 0,00 4.228,53 13.500,00 0,00 0,00 0,00 2.000,00 0,00 1.500,00 0,00 1.000,00 0,00 0,00 1.250,00 2.000,00 114,29 2.201,09 584,78 7.045,45 1.030,30 2.000,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1.000,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1.000,00 0,00 2.000,00 0,00 44.454,44

FUNDO RESTRITO 23.817,17 1.153,91 22.529,16 24.479,24 63.879,09 5.125,26 38.768,15 29.145,99 25.214,55 16.247,21 59.407,32 8.082,17 15.645,18 49.548,28 16.228,23 19.317,39 24.443,36 6.587,07 66.455,40 25.797,27 29.181,62 19.240,79 25.190,74 35.524,79 11.226,13 20.100,34 8.276,78 21.480,36 20.427,62 34.891,69 19.657,16 2.954,54 27.965,00 8.696,83 9.766,96 30.524,05 52.369,84 13.371,73 932.718,37

TOTAL 105.035,20 15.414,51 53.919,80 443.787,63 356.659,89 95.137,31 149.564,90 205.691,60 60.822,21 67.419,49 157.839,80 18.931,90 67.045,09 188.146,33 38.464,37 63.833,94 110.826,62 41.216,42 173.684,02 60.916,78 257.789,71 105.650,10 141.638,47 135.115,03 57.274,91 49.461,13 33.662,45 110.999,15 33.421,62 56.285,57 85.248,18 6.517,11 114.128,68 17.383,51 39.337,52 80.940,89 147.362,14 90.935,53 4.037.509,51


Coluna do chair da Fundação Rotária

Um brasileiro no Arch Klumph Society

Uma Fundação forte para superar a necessidade

Mostrando envolvimento com o Rotary e crença na Fundação Rotária, Roberto Luiz Barroso Filho, governador do distrito 4420, acaba de se tornar membro da Arch Klumph Society com uma doação de US$ 250 mil à Fundação. Roberto Luiz é o segundo brasileiro a atingir essa honraria do Rotary. TRAJETÓRIA Roberto Luiz Barroso Filho é rotariano desde junho de 1995. Foi presidente do RC de Santos em 2005-06, e no distrito 4420 ocupou cargos referentes à Fundação Rotária por diversos anos. Então, em julho passado, assumiu a governadoria. Tanto em nível nacional quanto internacional, o governador participou de diversos fóruns, seminários e treinamentos. Esteve, por exemplo, presente às três últimas edições do Instituto Rotary do Brasil e às Convenções Internacionais de Salt Lake City (2007) e Los Angeles (2008) e à Assembleia Internacional de San Diego (2009). O atual governador do distrito 4420 é detentor do Título Paul Harris, do Major Donor – Nível 4, e da distinção Paul Harris Society, todas outorgadas pela Fundação Rotária. É ainda grande colaborador da Fundação de Rotarianos de Santos, associado honorário do Rotary Club de Santos-Oeste e do Interact Club de Santos-Professor Fuschini. “Nenhum companheiro consegue seguir uma trajetória rotária sem o apoio da própria família. Eu agradeço muito todo o apoio que recebo dela todos os dias de minha vida”, conclui. BR

G O GOVERNADOR Roberto Luiz, tendo ao lado a mulher Eliane, recebe os cumprimentos do presidente do RI, John Kenny, cuja mulher, June, está à direita

C

erta vez perguntou-se à Madre Teresa, amiga de muitos anos do Rotary, a razão do seu trabalho. Sempre existiriam muitos a atender. Por que ela se entregava tanto e com tanta força à tarefa que se auto-impôs, sabendo que sequer se aproximaria da sua realização? Sua resposta foi simples: “Eu faço o que posso, onde estiver, com o que dispuser.” No Rotary, esforçamo-nos por fazer o mesmo. Sabemos perfeitamente que são inumeráveis as necessidades do mundo, e que não podemos atendêlas plenamente. Dois bilhões de pessoas vivem na pobreza. Um bilhão não têm acesso à água limpa, e 2,6 bilhões não dispõem de saneamento. Diariamente, morrem 26 mil crianças de forma evitável. O que pode o Rotary fazer em face desta necessidade tão devastadora? A isto eu respondo. Temos de fazer o que podemos, onde estivermos, com o que tivermos. Devemos otimizar os nossos recursos e direcionálos para onde puderem ser mais efetivos. Temos de identificar aquelas necessidades que pudermos atender, de forma realística, e investir toda a atenção e planejamento para assegurar o sucesso do nosso serviço. E precisamos, sobretudo, dirigir muito bem a nossa Fundação para que possamos atender o maior número possível de pessoas, de forma a resultar na maior diferença. No Rotary, sabemos o quanto podemos alcançar se trabalharmos em conjunto. Podemos, por meio da nossa Fundação, potencializar os nossos recursos e fazer ainda mais. Quanto mais fortalecida estiver a nossa Fundação, maiores serão os desafios que seremos capazes de encarar e vencer. Seremos capazes de fazer muito mais, de uma forma mais duradoura. Muito do bem que fazemos no Rotary deve-se ao suporte da nossa Fundação Rotária. Peço-lhes que prossigam com o seu apoio – neste ano, e nos anos que virão – para que o bom serviço perdure. GLENN ESTESS SR. Presidente do Conselho de Curadores da Fundação Rotária B RASIL R OTÁRIO 3 5


Cultura

A hora e a vez dos fracassados cinema americano é inigualável na criação de heróis e super-heróis. Porém, de uns tempos para cá, ele vem se empenhando mais em obras que falam de personagens fracassados (losers). E tem feito isso muito bem, com a particularidade de conseguir traduzir de uma forma mais direta os dramas existenciais e não tornar os obstáculos completamente intransponíveis: há sempre uma saída, e cabe ao protagonista querê-la ou não. “Rio Congelado” (Frozen River, EUA, 97 min.) é um desses filmes. Com duas indicações ao Oscar e eleito o melhor filme do Sundance Film Festival, em Utah, EUA, ele aborda questões que estão na pauta da humanidade: integração étnica, condição feminina, adolescência, mercado de trabalho, imigração, valores familiares. O filme se passa em Massena, uma pequena cidade norte-americana na fronteira com o Canadá onde a vida pode ser congelante e tacanha. Ali, duas mães solteiras tentam criar seus filhos. Lila é uma jovem viúva indígena que teve o filho recém-nascido roubado pela sogra anos atrás. Ray, por sua vez, é uma mulher branca de meia-idade, mãe de duas crianças e esposa de um viciado em apostas que fugiu da cidade com o dinheiro da nova casa na qual a família iria morar. Sem muita possibilidade de sustento, Lila e Ray embarcam em uma empreitada ilegal de transporte de imigrantes. Como era de se esperar, as circunstâncias escapam ao controle, e as duas mulheres têm que tomar decisões de vida ou morte baseadas na amizade que se estabeleceu entre elas e no amor pelos filhos.

O

3 6 SETEMBRO

DE

2009

Luiz Renato Dantas Coutinho (interino)

Ensina-me a ler Será que os livros são para poucos? O autor francês Émile Faguet, que foi um homem influente em seu tempo, enfrentou essa questão e chegou à conclusão que a leitura é essencialmente a arte do pensar com vagar e cuidado. Assim, em “A Arte de Ler”, da editora Casa da Palavra, Faguet divide as obras escritas em duas classes: os livros de ideias e os livros de sentimentos. O autor abre espaço para falar sobre os aspectos que concorrem para a apreciação das peças teatrais, trata das particularidades das poesias e de seus autores, e aponta os inimigos da leitura. O autor não se esquece nem mesmo dos maus escritores ou dos obscuros. Por fim, responde a uma pergunta intrigante: “É preciso ler os críticos literários? Em que momento?”

No tempo de um filme A grife 90 Minutos, da Jorge Zahar Editor, tem rendido frutos de diversas espécies. Tudo começou com a coleção Filósofos em 90 Minutos e, logo a seguir, Cientistas em 90 minutos. Agora chegou a vez de alguns escritores que definiram os últimos 150 anos da história da literatura universal. Já foram lançados Virginia Woolf, Jorge Luis Borges, Franz Kafka e Gabriel García Márquez (estão saindo do forno Beckett, D.H. Lawrence, Dostoiévski, Hemingway, Joyce, Nabokov, Poe e Tolstoi). A coleção leva sempre a assinatura do filósofo, jornalista e matemático londrino Paul Strathern. Os livrinhos não pecam pela superficialidade e trazem uma visão crítica e histórica do autor retratado e de suas obras, buscando ainda abordar os principais conceitos que as envolvem. O tempero do texto fica por conta das inúmeras curiosidades e dos detalhes pessoais que explicam as idiossincrasias e os caminhos escolhidos por esses gênios atormentados da escrita.


Museu online da televisão A rede tem registrado a história da teledramaturgia brasileira e levado os usuários a uma viagem no tempo

E

m 1987, era lançado o “Memória da Televisão Brasileira”, de autoria de Ismael Fernandes (1945-1997). Sem exageros, o livro representou um marco. Fernandes, que era jornalista e professor da USP, fizera um trabalho inédito na história do país (os Estados Unidos, por exemplo, sempre publicaram catálogos minuciosos de seriados e novelas de TV). Só então, a novela diária, uma paixão nacional, ganhava um registro cuidadoso – com relação completa de elenco, diretores, pequena sinopse, curiosidades, contextualização histórica – novela por novela, desde a primeira exibida diariamente: “2-5499 Ocupado”, estrelado por Tarcísio Meira e Glória Menezes em 1963. Há 25 anos, a telenovela começou a adquirir algum respeito acadêmico, como se depois de passar pelo coração dos brasileiros, finalmente houvesse alcançado a razão de alguns intelectuais. Assim é que a mesma Brasiliense lançou, em 1989, “Teleno- meada de afeto e vela – História e Produção”. E as faculdades começa- nostalgia e tem disponibiram a abrir espaço para o estudo da teledramaturgia. lizado cenas antológicas, fotos, elenÉ bom lembrarmos que se a televisão como um todo cos, curiosidades, comentários críticos era vista como um lixo pelos intelectuais, o folhetim em diversos sites, blogs, fotoblogs. Há até sites que eletrônico, então, era a invenção do se dedicam com esmero a reanticristo. lembrar atores e atrizes, de todas Memoriadatv.blogspot.com Mas, convenhamos, para além as “ordens de grandeza”, que já das diatribes, quantos personanos deixaram. Telehistoria.com.br/canais gens, temas de abertura, músicas Muitos conseguem ser base entrechos de novelas não evotante eficientes como máquina Memoriaglobo.globo.com cam momentos especiais de nosdo tempo e valem a pena ser visas vidas? É difícil negar isso. sitados. Por isso, trago alguns Inmemorian.multiply.com A internet também vem refleendereços aqui do lado para tindo essa memória coletiva pervocês. Boa viagem! BR ondeanda.multiply.com

B RASIL R OTÁRIO

37


Autores rotarianos Didi, uma Vira-lata de Raça

Corcovado: The Conquest of God’s Mountain

Luis Carlos Sales Totalidade Acompanhe a história de Didi, a cadelinha abandonada que acaba sendo adotada por três meninos, com quem aprende a viver muitas aventuras. Este é o mais novo livro infantil de Luis Carlos Sales, associado do RC de São Paulo-Sumaré, SP (D.4610). Conheça melhor o trabalho dele acessando o site www.contoseencantos.com.br.

Jorge Scévola de Semenovitch Lutécia Os bastidores da campanha que elegeu o Cristo Redentor como uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno e a própria história da construção do monumento podem ser conhecidos na nova edição do livro “Corcovado: A Conquista da Montanha de Deus”. Lançado originalmente em 1997, a obra acaba de sair em inglês e ampliada com mais textos e fotos. O autor é associado do RC do Rio de Janeiro, RJ (D.4570). Os pedidos podem ser feitos pelos telefones (21) 2267-9098 e (21) 2523-5576.

Contos de uma Vida com Amigos Carlos Zewe Coimbra Filho Independente Associado do RC de LondrinaHigienópolis, PR (D.4710), Carlos Zewe Coimbra Filho reúne neste livro as muitas histórias de pescaria e de passeios vividas por ele ao lado de amigos rotarianos. Carlos costuma organizar pescarias com os amigos em seu rancho de pesca na ilha do Barbado, no rio Paraná. As ilustrações do livro são assinadas por Osvaldo Santos Jr.

3 8 SETEMBRO

DE

2009

Indicador Profissional Antonio Benedicto Rudgio Independente Associado do RC de Presidente Prudente-Norte, SP (D.4510), Antonio Benedicto lançou este livro em comemoração aos 90 anos da cidade. A obra conta um pouco da história e da evolução política de Presidente Prudente, fala de seus costumes e faz um comparativo entre o passado e o presente da cidade.


Interact & Rotaract

Os integrantes do Interact Club de Getulina, SP (D.4480), realizaram a Segunda Troca de Bibliotecas, desta vez com a cidade de Denizli, da Turquia. A ação ocorreu durante o intercâmbio, ocorrido em Getulina, com membros do Interact Club de Pamukkale (D.2440), da Turquia, e graças ao apoio decisivo do seu presidente, Süreyya Urganlioglu. Outras iniciativas: organização de pontos de coleta para a Campanha do Agasalho, que beneficiará o Fundo Social de Solidariedade; e visita ao asilo Vila Vicentina.

O Rotaract Club de Pombal Centenário, PB (D.4500), realiza o projeto Elo: Inclusão e Companheirismo Excepcional, levando esporte, atenção e entretenimento aos alunos da Escola Municipal de Ensino Especial Psicólogo Gilmar Pereira Trigueiro, voltada para alunos com necessidades especiais.

O Rotaract Club de Cruzeiro-Centenário, SP (D.4600), esteve na entidade Convivência Nova Esperança, que atende 40 crianças carentes. Os rotaractianos distribuíram brinquedos, material escolar, lanches e promoveram diversão, teatro e espetáculo de dança.

■ ■ ■

A Representação Distrital de Rotaract do 4510, tendo à frente o seu representante, Juliano Borges, distribuirá kits de contos de Machado de Assis por todas as cidades onde os Rotaracts do distrito atuam. Houve o apoio do Museu da Língua Portuguesa.

4 0 SETEMBRO

DE

2009

O Interact Club de Janiópolis, PR (D.4630), recebeu certificado de oficialização durante reunião festiva. Na foto, o presidente da Subcomissão de Rotaract e Interact do distrito, Jair Elias dos Santos, e o representante distrital de Interact, André Martins, entregam o diploma ao presidente do Interact, Arthur Maffei Angelotti. A atual presidente é Andresa Guimarães (primeira, à esquerda).


Os interactianos do distrito 4630, no Paraná, doaram mais de 6.000 livros em um período de dez meses. As doações fizeram parte do projeto Um Livro, Um Sonho, conduzido na gestão do representante distrital de Interact, André Felipe Martins. No período rotário 2008-09 também foram desenvolvidos dezenas de outros projetos. Entre eles: ajuda às vítimas das enchentes de Santa Catarina; arrecadação de duas toneladas de alimentos, cerca de 2.000 litros de leite e 1.500 litros de água mineral – uma ação do Interact de Mamboré; e contrução de uma casa para uma família carente – ação do Interact de Goioerê. Na foto, André Martins recebe homenagem do então governador do distrito 4630, Nivaldo Barbosa de Lima.

Os jovens do Interact Club de Andirá, PR (D.4710), participaram da Campanha do Agasalho. A campanha mobilizou toda a cidade, o Exército inclusive, e as doações serão destinadas às pessoas carentes da comunidade.

Em reunião festiva com a presença do então governador Ulmerindo Fernandes de Oliveira, foi fundado o Interact Club de Xanxerê, SC (D.4740). A presidente é Vanessa Zanella. Os integrantes desse clube, 22 jovens entre 14 e 16 anos, já realizaram algumas iniciativas, como a 1ª Campanha do Agasalho.

Este mês é deles Setembro foi designado pelo Rotary como Mês das Novas Gerações para destacar todas as atividades que favorecem o desenvolvimento de pessoas de até 30 anos. Especialmente nesse mês, os Rotary Clubs são incentivados a utilizar o lema Cada Rotariano Um Exemplo para a Juventude em seus boletins e em seus relatórios de atividades pró-juventude. Além disso, todo rotariano tem a responsabilidade de ajudar as novas gerações, reconhecendo suas necessidades e preparando-as para um futuro promissor. Para tanto, os clubes e distritos devem implementar projetos em apoio aos jovens. O próprio Rotary International tem programas para as Novas Gerações, que são o Interact, o Rotaract, os Prêmios Rotários de Liderança Juvenil e o Intercâmbio de Jovens.

B RASIL R OTÁRIO 4 1


Rotarianos que são notícia Nesta seção abrimos espaço para os rotarianos que receberam homenagem ou assumiram função em organizações da sociedade civil, ou que foram nomeados e eleitos para cargos de governo nas esferas federal (1º, 2º e 3º escalões), estadual (1º e 2º escalões) e municipal (1º escalão), da administração direta ou indireta. I

Associado do RC de Botucatu-Norte, SP (D.4310), o EGD Newton Colenci foi reeleito presidente da Academia Botucatuense de Letras, dessa vez para o período 2009-11.

I

I

Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Espírito Santo, o rotariano Júlio da Silva Rocha Júnior, do RC de Vitória-Oeste, ES (D.4410), foi eleito diretor da Confederação Nacional da Agricultura, representando a região Sudeste. Desde abril, Júlio passou a integrar também o Conselho Deliberativo do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.

I

I

I Por sua atuação no socorro às vítimas das enchentes que atingiram Santa Catarina no final de 2008, o governador 2008-09 do distrito 4650, Valdir Celso Fiedler, e a mulher dele, Dulce, foram homenageados pelo prefeito de Ilhota, Ademar Felisky, com o título de Cidadão Ilhotense. A cidade de Ilhota foi uma das mais afetadas pelas chuvas.

Manoel Rodrigues de Freitas Neto, associado do RC de Terra Nova do Norte, MT (D.4440), é o prefeito de Terra Nova do Norte pelo segundo mandato consecutivo.

I Valter Kuhn, presidente do RC de Terra Nova do Norte, MT (D.4440), é o secretário municipal de Educação, Cultura e Desporto, também pelo segundo mandato consecutivo.

A Câmara Municipal de Sorocaba homenageou o rotariano Cláudio Grosso, associado do RC de SorocabaNorte, SP (D.4620), com o título de Cidadão Sorocabano. Vereador na cidade de Maringá, o rotariano Flávio Vicente, do RC de Maringá-Cidade Ecológica, PR (D.4630), assumiu a coordenação estadual do Paraná da Frente Nacional de Vereadores pela Reforma Urbana, uma articulação suprapartidária destinada a reunir e representar os vereadores que estão comprometidos com a reforma urbana nos municípios brasileiros.

I

Também associado do RC de Terra Nova do Norte, MT (D.4440), Pascoal Alberton é o secretário municipal de Agricultura.

Silvana Passol, do RC de Jaraguá do Sul-Vale do Itapocu, SC (D.4650), é a presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim). Ela foi indicada pelo clube para fazer parte do Comdim.

I

I

I

Jonas Sassi, outro companheiro do RC de Terra Nova do Norte, MT (D.4440), foi nomeado controlador interno da prefeitura de Terra Nova do Norte.

I

Pelos relevantes serviços prestados à comunidade linense, Pedro Luiz Tessarolli foi homenageado pela Câ. Municipal de Lins com a Medalha 21 de Abril. Ele é mara associado do RC de Lins, SP (D.4480).

Pelos trabalhos que prestam à comunidade, os rotarianos Newton Gutierres e Aldomar Castro, do RC de Cruz Alta-Érico Veríssimo, e Iara Fogliatto Marchioro, do RC de Cruz Alta-Ana Terra, RS (D.4660), foram homenageados pela Câmara de Vereadores de Cruz Alta com a Distinção Comunitária.

I

I Wilson Damasceno, do RC de Marília-Alto Cafezal, SP (D.4510), é vereador na cidade de Marília.

O título de Cidadão Honorário de Passo Fundo foi entregue a Daniel Viuniski, associado do RC de Passo Fundo-Norte, RS (D.4700), e governador eleito do distrito.

I

I

O governador assistente do distrito 4520 Marco Antonio Borges, do RC de Belo Horizonte, MG, foi condecorado com a Medalha da Inconfidência, maior comenda de Minas Gerais, concedida a pessoas que tenham contribuído para o desenvolvimento do estado e do Brasil.

I Antonia Lopes Gonçalves, do RC de Araguaína, TO (D.4530), foi a vencedora em Tocantins do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2008, na categoria comercial. I Antônio Adolfo, do RC de Lavras, MG (D.4560), assumiu a presidência do Conselho Municipal de Defesa Civil, criado recentemente. I Gilberto Garcia, associado do RC de São João de Meriti, RJ (D.4570), foi empossado como sócio efetivo no Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB).

O diretor do Rotary International, Antonio Hallage, associado do RC de Curitiba-Leste, PR (D.4730), recebeu o título de Cidadão Honorário da Cidade de Curitiba.

I

O desembargador Luiz Leite Araújo foi eleito para o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, que julga as causas mais importantes do estado, entre elas, a inconstitucionalidade das leis estaduais e municipais. Ele é associado do RC de NiteróiNorte, RJ (D.4750).

I

Por decisão da prefeitura e da Câmara Municipal, o Hospital Municipal de Morrinhos, em Goiás, agora tem o nome do ex-governador distrital Philemon Xavier de Oliveira, médico e um dos fundadores do RC de Morrinhos, GO (D.4770).

I I

O rotariano João Antonio Grecco, um dos fundadores do RC de Jacareí-Avarehy, SP (D.4600), é o diretor-geral da Câmara Municipal de Jacareí.

4 2 SETEMBRO

DE

2009

A Câmara Municipal de Porciúncula concedeu Moção de Aplausos a Noel Francisco, do RC de Porciúncula, RJ (D.4750), em homenagem ao trabalho social que ele desenvolve na cidade.


Semana Nacional do Trânsito Janine Moraes/ABr

Por mais educação em nossas ruas e estradas  TRÂNSITO

E

ntre os dias 18 e 25 deste mês acontece a Semana Nacional do Trânsito. O tema da campanha deste ano é Educação no Trânsito. Acompanhando o crescimento urbano do país, o trânsito brasileiro passou a ser visto como um elemento de preocupação na gestão urbana, principalmente no que se refere à melhoria da qualidade de vida nas cidades. Atualmente, o Brasil possui uma frota de 55 milhões de veículos automotores, sendo 35 milhões somente de automóveis. O sistema de trânsito ocupa um papel de destaque na vida do país sob os aspectos social e econômico, na medida em que envolve, no dia a dia, praticamente todos os cidadãos brasileiros. Mas, infelizmente, a síndrome da pressa propicia o excesso de

BRASILEIRO tem 300 mil acidentes por ano, que matam cerca de 50 mil pessoas

velocidade: nosso trânsito é responsável pela ocorrência de 300 mil acidentes por ano, que deixam a expressiva marca de cerca de 50 mil mortos e 350 mil feridos, representando um custo anual estimado em cerca de R$ 10 bilhões.

COMO O ROTARY PODE PARTICIPAR? Com o intuito de reverter essa situação, o Ministério das Cidades, através do Departamento Nacional de Trânsito, vem desenvolvendo um conjunto de programas e atividades para os quais é fundamental a participação de todos os brasileiros. Os rotarianos, claro, precisam engajar-se e contribuir para o sucesso desta campanha, que é um dever de todos. Associado do Rotary Club do Rio de Janeiro-Ramos, RJ (D.4570),

e engenheiro civil especializado em estradas rodoviárias, ferroviárias e aeroportos, Antonio Vilardo sugere aos clubes que organizem palestras sobre os desafios do trânsito no Brasil. Essas mesmas palestras podem ser levadas até às escolas de sua comunidade. A confecção e distribuição de cartazes e folhetos informativos sobre o tema também pode render um bom projeto. Um aspecto importante na prevenção a acidentes que deve ser considerado neste trabalho de conscientização é a atenção à sinalização e o respeito à distância mínima que um veículo deve conservar em relação ao outro que segue à frente. “É uma questão de prudência e de segurança”, diz Antonio Vilardo. BR

B RASIL R OTÁRIO 4 3


Um rio mobiliza consciências e une rotarianos Um Projeto 3-H destina valor inédito a projeto de recuperação ecológica no Rio Grande do Sul

D

urante os próximos três anos, as populações de três cidades do estado do Rio Grande do Sul – Alvorada, Cachoeirinha e Gravataí – serão convidadas a voltar sua atenção para um rio. Isso porque o Projeto Aguapé prevê o investimento de mais de US$ 500 mil em ações de educação, plantação de mudas, mutirão de limpeza e patrulhamento ambiental na região que envolve o rio Gravataí e abarca as três cidades em questão. “O rio Gravataí foi apontado como um dos mais poluídos do Brasil, mas uma comissão de rotarianos já estava há alguns anos estudando o projeto e buscando a aprovação junto à Fundação Rotária”, explica o coordenador do projeto, Luiz Gonçales Borba, associado do RC de Cachoeirinha (D. 4670). Como resultado, além da própria natureza, 600.000 pessoas e 2.000 trabalhadores serão beneficiados com o Aguapé. Este foi lançado em 27 de junho no Instituto Rio Grandense do Arroz, em Cachoeirinha, e contou com a presença de mais de 120 pessoas, entre autoridades governamentais e não governamentais. No evento foram plantadas 10 mudas de árvores, simbolizando o espírito desse envolvimento rotário: a conscientização ambiental. O valor inédito de mais de US$ 500 mil vem principalmente de um Subsídio Saúde, Fome e Humanidade (3-H) da Fundação Rotária, e envolveu o distrito 4670 e o distrito 1110, da Inglaterra, além do RC inglês de Portsmouth & Southsea. No decorrer da iniciativa, outros quatro RCs brasileiros se uniram a esse monumental projeto 3-H: o de Porto Alegre-Lindóia Passo D’Areia, o de Porto Alegre-Saran-

4 4 SETEMBRO

DE

2009

PLANTAÇÃO DE mudas: autoridades e rotarianos ao lado do governador 2008-09, Eliseu Gonçalves, do governador 2009-10, Paulo Meinhardt, e do coordenador do projeto, o companheiro Luiz Gonçales Borba

G

G VISITA AO

rio Gravataí: rotarianos do distrito 1110, da Inglaterra, e companheiros locais, entre eles Luiz Gonçales Borba di, o de Porto Alegre-São João e o de Porto AlegreAnchieta. COMO TUDO COMEÇOU Capitaneada pelo governador 2008-09 do distrito , Eliseu Gonçalves da Silva, uma comissão de rotarianos começou a pensar num projeto audacioso de meio ambiente. A ideia, nascida dentro do clube rotário de Cachoeirinha – e que imediatamente mobilizou os RCs vizinhos de Alvorada, Cachoeirinha e Gravataí – acabou perseguindo alguns objetivos, sendo os principais: G O reflorestamento do rio e dos seus afluentes, com a recuperação da mata ciliar, numa área que equivale a 50 hectares e envolve os três municípios de Alvorada, Cachoeirinha e Gravataí. G O incremento do patrulhamento e do policiamento ambiental na região. G A realização de sete mutirões anuais de limpeza do rio. Segundo Eliseu, o investimento pode se tornar ainda maior, já que muitas parcerias se somaram durante o desenvolvimento da iniciativa. Hoje são mais de 20 organizações sociais, prefeituras, governo do estado e empresas abraçando o rio Gravataí. Agradecimento à jornalista Roselaine Vinciprova.


D . 4310 RC de Americana-Integração, SP – Realizou noite festiva com a apresentação de uma equipe australiana do Intercâmbio de Grupo de Estudos (IGE) vinda do distrito 9460. Seu líder, o rotariano Greg James, e os demais membros – Miranda Norquay, Rachel Kelly, Amanda Walker e Roxanne Snook – trouxeram informações sobre a Austrália aos companheiros locais. Vale registrar que em março cinco brasileiros estiveram na cidade de Perth, na Austrália, como resultado dessa mesma parceria com o distrito 9460. Esses cinco colegas estiveram presentes à festiva de recepção ao grupo australiano.

RC de Sumaré, SP – Promoveu palestra do médico anestesiologista José Luiz de Campos, do Hospital Vera Cruz, de Campinas. José Luiz (foto) é responsável pelo Departamento de Dor Crônica. A palestra contou com a presença de companheiros dos RCs de Sumaré, Sumaré-Norte, Sumaré-Ação e Sumaré-Vale Flores, entre os quais os seus respectivos presidentes.

RC de Macatuba, SP – Esteve à frente do Porco no Rolete, evento que reuniu mais de 350 pessoas e cuja renda foi revertida para a Fundação Rotária e projetos sociais do município.

RC de Aracaju-Nova Geração, SE – Plantou 30 mudas de árvores nativas em uma nascente do rio Japaratuba-mirim, no município de Capela, em Sergipe. Na iniciativa estiveram presentes intercambiados do distrito 4390. O plantio faz parte de um projeto do clube de revitalização de nascentes.

D . 4390

D . 4410 RC de Colatina-São Silvano, ES – Com o lucro de uma seresta dançante, os companheiros compraram 30 cadeiras de rodas e dez cadeiras de banho para compor o Banco de Cadeiras de Rodas mantido em parceria com a Comunidade São Vicente de Paula. E graças ao clube, e por meio do programa Intercâmbio de Jovens, Tordan José Bendinelli Ferreira embarcou para Taiwan.

RC de Vitória-Oeste, ES – Doou cobertores, colchonetes e roupas para famílias carentes do Morro São Benedito. A iniciativa provém de uma parceria com a Sociedade São Vicente de Paulo, da qual fazem parte o EGD Loadir Carlos Pazolini e os companheiros David Evaristo Zanotti e José Gomes Filho.

B RASIL R OTÁRIO 4 5


RC de GuarujáVicente de Carvalho, SP – Doou um televisor de LCD para a Maternidade Ana Fernandes de Freitas e 100 cobertores e um fogão para a Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no distrito de Vicente de Carvalho. Além disso, o clube ampliou o número de cadeiras de rodas do seu Banco.

D . 4420

RC de São VicenteAntônio Emmerich, SP – Em parceria com a Petrobras, adquiriu 30 cadeiras de rodas e três cadeiras de banho para reforçar o seu Banco.

D . 4430 RC de São Paulo-Vila Carrão, SP – O tradicional almoço Frango com Polenta, realizado pelo clube, foi prestigiado por entidades como a Asfarvica, o Rotaract e o Interact locais (foto). Foram mais de 200 pessoas presentes. O valor arrecadado pelo RC foi destinado à Fundação Rotária. Quanto ao Projeto Rumo, promovido pelo clube, foram ministradas palestras de orientação profissional para 277 alunos da Escola Estadual Pedro Arbues. Outra ação dos companheiros: doação de cadeira de rodas.

RC de São Paulo-Vila Antonieta, SP – Registramos a festiva de fundação deste clube, que teve como clube padrinho o RC de São Paulo-Vila Carrão. O clube já nasceu com 21 sócios e tendo como presidente Miltom Gomes Blanco (na foto, de terno, com a família).

D . 4440 RC de RondonópolisRondon, MT – O 5º Seminário de Orientação Profissional contou com a presença de colaboradores e profissionais de diversas áreas. O seminário recebeu ampla divulgação de jornais e televisão. Outros destaques: leilão de gado para angariação de fundos, evento que teve até apresentação teatral com alunos da Apae; e projeto de visitas a empresas de colegas associados como forma de maior entrosamento.

4 6 SETEMBRO

DE

2009

RC de Sorriso, MT – Realizou a limpeza do rio Lira e de suas margens.


D . 4490

RC de Ivinhema, MS – Produziu lasanha em larga escala para gerar contribuição para a Fundação Rotária. Também com o mesmo propósito, o clube entregou 26 certificados de Amigo Doador da Fundação Rotária. Além disso, os companheiros ofereceram um cheque proveniente de Subsídio Simplificado Distrital ao Cantinho Bem Me Quer, que atende crianças e adolescentes abandonados ou em situação de risco.

D . 4470

RC de Amambaí, MS – O projeto De Mãos Dadas, realizado em parceria com o Rotaract local e a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário do estado, e tendo o apoio do poder judiciário municipal, vem permitindo às internas do Presídio Municipal servir à comunidade. Elas estão produzindo fraldas descartáveis para entidades que atendem crianças carentes. A ação teve início em 2006. Merece destaque também o 3º Prêmio Rotário de Liderança Juvenil (foto), evento promovido pelo clube em parceria com o Rotaract, e que reuniu 50 jovens entre 15 e 20 anos para participar de palestras e tarefas inspiradas em diversos temas, como cidadania, marketing pessoal, saúde, valores éticos e áreas profissionais.

D . 4480 RC de São José do Rio Preto-Cinquentenário, SP – Entregou vários equipamentos ao Hospital-Lar Nossa Senhora das Graças na Providência de Deus, do município. Na foto, o momento da entrega, no qual aparecem o então presidente do clube, Ozório Macedo Rocha, e o então governador do distrito, Jair Pinto da Silva. A ação foi possível graças a um Projeto de Subsídios Equivalentes da Fundação Rotária envolvendo esse RC e o de Taipei Fu-Jung, em Taiwan (D.3480).

RC de Juazeiro do Norte, CE – Realizou o XXVI Interclubs do Cariri. No evento, o exgovernador José Gamaliel Noronha, que foi palestrante, recebeu um troféu das mãos do companheiro Tico de Sousa. RC de Crato, CE – Promoveu ação na comunidade Zacarias Gonçalves, oferecendo, entre outros serviços gratuitos, atendimento médico, odontológico, jurídico, corte de cabelo e expedição de documentos pessoais. Na foto, a partir da esquerda, o então presidente do clube, Francisco Lopes Parente; a então governadora do distrito, Eulália das Neves Ferreira; a então diretora da Casa da Amizade local, Daisy Parente Alencar; e o companheiro Francisco Célio de Barros. O clube também entregou à Escola Rotary, de ensino fundamental, um parque infantil, composto de escorregador, balanço, carrossel e barras para ginástica.

D . 4500 RC de Natal, RN – O clube promoveu a vinda de uma equipe norte-americana de médicos e enfermeiros, todos rotarianos, para realizarem correções de fenda palatina e lábio leporino no Hospital Infantil Varela Santiago. A equipe é oriunda dos distritos norte-americanos 5020 e 5170 e permaneceu dez dias nessa iniciativa, que faz parte do programa Rotaplast. Na mesma ocasião foi montada uma parceria envolvendo o clube canadense de Cornwall Sunrise (D.7040) e os próprios distritos 4500 e 7040, graças a um projeto de Subsídios Equivalentes, para a aquisição de um craniótomo. Este equipamento é utilizado em neurocirurgias. Até então, as intervenções eram efetuadas com uma simples furadeira.

B RASIL R OTÁRIO 4 7


D . 4500 RC do RecifeBoa Viagem, PE – Foi anfitrião do Grupo de Estudos norte-americano do distrito 6290. O grupo tinha como líder a rotariana Virginia Ryan e seus outros membros eram Mattew Pierle, Emily Rose, Leslie Anderson e Chip VanderWier. Eles percorreram cidades dos estados do Rio Grande do Norte e Recife, e onde chegavam eram recepcionados pelos RCs locais, que lhes proporcionaram uma boa amostra da cultura, da hospitalidade e das belezas naturais nordestinas.

RC de Mossoró, RN – Fez doação de livros, revistas e cadernos à biblioteca da comunidade rural de Jucuri, no município de Mossoró.

D . 4510 RC de Presidente PrudenteNorte, SP – Para complementação de um projeto de Subsídio Distrital Simplificado, os companheiros realizaram um festival de pizzas para angariar fundos. Como resultado, o clube, aliando-se ao RC de Álvares Machado, doou uma balança eletrônica digital para pesar crianças e um frigobar para conservação de químicas laboratoriais. A doação beneficiou a UTI pediátrica da Santa Casa local. RC de Presidente Prudente-Rosa dos Ventos, SP – Vem desenvolvendo desde 2008 ações sociais com a Pastoral Social da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Uma dessas iniciativas é a produção de sabão a partir de óleo de cozinha recliclado, que atende uma das preocupações do RI: o meio ambiente.

D . 4520 RC de Sete Lagoas-Boa Vista, MG – Entregou certificado para uma turma que fez o treinamento da metodologia CLE (Concentrated Language Encounter/Estratégia de Linguagem Concentrada), base do projeto Lighthouse. Ao evento de certificação compareceram o presidente da comissão do Lighthouse do distrito 4520, o EGD Domingos Souto, e sua mulher, Marlene; o casal EGD Geraldo Eustáquio Alves e Manuela, além de companheiros de todos os clubes de Sete Lagoas. O Lighthouse é uma das prioridades do clube. Na foto, as professoras diplomadas.

4 8 SETEMBRO

DE

2009

RC de Sete Lagoas-Macuri, MG – Promoveu campanha antidrogas com direito a passeata, concursos de redação e outras atividades com alunos do 1º ao 4º ano do ensino fundamental. Além disso, o clube homenageou o companheiro Hélio Diniz Peixoto, associado há 55 anos.


D . 4530 Os Rotary Clubs do Distrito Federal e de cidades vizinhas realizaram a VIII Ação Social Rotary na cidade de Itapoã, a 30km de Brasília. Participaram 120 rotarianos, e 1.270 pessoas foram atendidas. Na ação, houve consultas médicas em diversas especialidades, exames de prevenção de câncer de mama, aferição glicêmica e de pressão arterial, emissão de carteiras de trabalho, aconselhamentos na área de direito, bazar, oficinas artísticas, cortes de cabelo, atividades para crianças, entre outras.

D . 4540 RC de São Simão, SP – Promoveu a 1ª Campanha de Detecção do Diabetes e da Hipertensão Arterial. A campanha, montada na Praça da República da cidade, atendeu a cerca de 280 pessoas e recebeu o apoio da Prefeitura Municipal e de empresas privadas.

RC de Cássia, MG – Pelo quarto ano consecutivo, distribuiu mil cestas básicas para a população carente da cidade.

RC de BrasíliaCentenário, DF – Registramos a homenagem prestada ao EGD Othon Pio de Abreu e ao companheiro Pedro Alves (na foto, nessa ordem) pelos seus 40 anos de vida rotária. A homenagem ocorreu em 29 de junho, durante a posse do Conselho Diretor do clube, em presença do governador 2008-09, Ronaldo Campos Carneiro, e do atual, governador Adriano Jorge Souto.

D . 4550 RC de Buerarema, BA – No aniversário dos 35 anos do clube, foi inaugurado Marco Rotário na entrada do município de Buerarema.

RC de SalvadorPituba, BA – Doou cheque para o Centro de Câncer Infantil do Hospital Aristides Maltez, em Salvador. Na foto, o rotariano Jurandir Almeida Santos entrega o valor à coordenadora do Centro, Ana Tereza Perazzo. Sobre as atividades desse mesmo hospital, o clube promoveu uma palestra com o médico Raimundo Perazzo Ferreira. A instituição, especializada no tratamento do câncer, atende, em média, 2.500 pessoas por dia.

B RASIL R OTÁRIO 4 9


D . 4560 RC de Itaúna, MG – Em uma reunião ordinária, o companheiro Morel Mendonça Meireles apresentou uma palestra sobre as revistas rotárias. Em outra ocasião, o clube apresentou uma videoconferência com a fonoaudióloga Sara Nogueira, filha do companheiro Irdevan Nogueira Júnior, diretamente de Sidney, na Austrália. Sara falou sobre a importância da saúde vocal, principalmente para quem utiliza a voz como instrumento de trabalho.

RC do Rio de Janeiro-Mercado São Sebastião, RJ – Bolsistas do curso de informática agradeceram a oportunidade gerada pelo clube. O curso e a biblioteca, que funcionam no mesmo local, foram fundados com o apoio desse RC. A iniciativa está beneficiando a comunidade Marcílio Dias, na Penha.

D . 4570

RC do Rio de Janeiro-Galeão, RJ – Promoveu a 2ª Ação Social, que beneficiou a comunidade de Tubiacanga. A iniciativa durou oito horas e atendeu cerca de 2.500 pessoas, que receberam aconselhamento jurídico, aferição de glicose e pressão arterial, massoterapia, palestra sobre DSTs, vacinação de idosos, corte de cabelo, e teatrinho para as crianças com mensagem contra a dengue.

5 0 SETEMBRO

DE

2009

RC de Poços de Caldas, MG – Em comemoração aos 75 anos do clube, foi lançado o selo à direita.

RC de Juiz de Fora, MG – Inaugurou o Memorial do Rotary Club de Juiz de Fora, que reúne peças expressivas da história do clube. O resultado foi possível graças a um extenso trabalho e está exposto no endereço do Abrigo Santa Helena. Esta instituição, que abriga cerca de 130 idosos, recebe apoio do clube mineiro há décadas.

D . 4580

D . 4590

RC de CampinasAndorinha, SP – Registramos o evento de fundação desse RC, admitido no RI em 18 de maio. Na foto, o momento de entrega do diploma pelo então governador Jesus Aldo Belão ao primeiro presidente do clube, Jésus Rubens Soares.


José B. Mosna

D . 4590 RC de Rio Claro-Sul, SP – Associada do clube, Aurora Ferreira Rodrigues foi a primeira rotariana do distrito a ser homenageada com o prêmio Dar de Si Antes de Pensar em Si, concedido em 2007-08 pelo Rotary International. A entrega foi feita somente na última Conferência Distrital, nas presenças de Moacyr Rodrigues, marido da agraciada e companheiro dela no clube; de Daniel Elicetche, representante do presidente do RI na Conferência; e dos companheiros Anthony Kasenda, ex-governador distrital, e Carmem Kleiner, ex-presidente do clube, responsáveis, respectivamente, pela nomeação e pela indicação de Aurora ao prêmio. Também na Conferência, a médica Adriana Seber, ex-bolsista da Fundação Rotária através do distrito 4590, recebeu o Prêmio por Serviços à Humanidade da Fundação Rotária. RC de Campinas-Norte, SP – A foto mostra parte dos alunos de escolas públicas de Campinas que participaram do mais recente passeio promovido pelo clube ao Zoológico de São Paulo. O clube campinense realiza este projeto desde os anos 60, e hoje chega a levar um total de 1.000 pessoas aos passeios, entre crianças e acompanhantes, numa grande caravana com até 20 ônibus. Os rotarianos também patrocinam o almoço e os lanches de todos os participantes. Na semana seguinte à viagem, as crianças escrevem uma redação sobre o passeio. Esses trabalhos são encaminhados ao Rotary Club, que homenageia os considerados melhores numa cerimônia envolvendo os pais e os professores.

D . 4610 RC de São PauloMemorial da América Latina, SP – Há 36 anos, o parque de diversões Playcenter reserva um dia do ano para abrir suas portas gratuitamente (e exclusivamente) para crianças e adolescentes com necessidades especiais, portadores de deficiências, pacientes de câncer e portadores do vírus HIV. Neste ano, entre crianças e seus acompanhantes, foram mais de 4.500 pessoas. O clube paulistano participou pelo quarto ano consecutivo, levando 250 crianças com câncer das casas de apoio que assiste, e fazendo a doação de 6.000 garrafas de água mineral doadas pela empresa Fonte Pompéia.

D . 4600 RC de Lorena, SP – Fez parte do grupo que plantou árvores como jatobá e paubrasil numa área com 300 metros de extensão localizada em frente ao Fórum de Lorena. A intenção é que a iniciativa se amplie, chegando a outras áreas da cidade. RC de Taubaté-Sul, SP – Doou três computadores ao Programa de Leite Humano da Casa da Criança de Taubaté. Por intermédio do companheiro Jorge Chafi Chaib, os equipamentos foram obtidos junto à empresa CCDL Construções de Dutos, de Guaratinguetá, e serão empregados na administração do programa de coleta, armazenamento e distribuição do leite.

RC de Taubaté, SP – Em parceria com os Rotary Clubs italianos de Sesto Calende, de Roma e de Pésaro (todos do distrito 2090), o clube paulista realizou dois projetos de Subsídios Equivalentes da Fundação Rotária, que permitiram a aquisição de equipamentos para a instalação de uma lavanderia industrial na Casa São Francisco de Idosos (foto), no valor total de R$ 41.360,00, e de equipamentos de prensagem de papéis para reciclagem, doados ao Lar Irmã Amália. Em parceria com a Universidade de Taubaté, o clube também realizou o 3o Fórum Universitário para Debater a Saúde da Criança e do Adolescente.

B RASIL R OTÁRIO 5 1


D . 4630

de Sorocaba-Granja Olga, D . 4620 RC SP – Rotarianos que trabalharam na campanha de arrecadação de alimentos e roupas para as vítimas das enchentes no Nordeste. A iniciativa contou com o apoio da 14a Circunscrição de Serviço Militar de Sorocaba. RC de Itaí, SP – Curso de processamento de alimentos realizado na sede do clube e destinado a pequenos produtores rurais. Uma parceria do Rotary com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Itaí, Fetaesp e Senar. Os rotarianos também organizaram uma campanha de doação de sangue em benefício do Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, especializado em tratamento oncológico, e que atende as cidades de toda a região. Realizada semestralmente, a campanha tem a parceria da Associação de Voluntários de Combate ao Câncer de Itaí. Nesta última edição, também participou a empresa Monsanto do Brasil.

RC de AvaréJurumirim, SP – Companheiros do clube com visitantes da Índia e da Argentina que estiveram no distrito participando de um Intercâmbio de Grupos de Estudos. Eles ganharam camisetas alusivas à campanha de doação de órgãos apoiada pelo clube brasileiro, que em outra ocasião fez a entrega à Apae de um aparelho para monitoramento de glicose.

5 2 SETEMBRO

DE

2009

RC de Gralha AzulCampo Mourão, PR – A renda da 15a Porcofest realizada pelo clube, e que teve a presença de mais de 2.000 pessoas, foi mais uma vez revertida à Apae, entidade parceira no evento. Na última Conferência Distrital, o clube recebeu o Prêmio Distrital por Serviços Prestados à Fundação Rotária por suas expressivas doações à entidade durante o ano rotário 2008-09.

de Salto do Lontra, D . 4640 RC PR – Fez a inauguração de seu Marco Rotário, erguido às margens da rodovia PR-281 em parceria com a prefeitura municipal. Ao lado da Associação de Senhoras de Rotarianos, o clube entregou tênis aos 30 alunos assistidos pelo projeto Criança na Escola. As doações foram adquiridas com o apoio da Rainha Calçados e Confecções. Essas crianças também ganharam outro presente do clube: a ampliação da área de lazer da escola, que agora tem um parquinho com balanços e gangorras. O projeto foi feito em parceria com a Secretaria Municipal de Educação.

RC de Medianeira, PR – Edmar Consoni, ex-presidente do clube, entregando a uma representante da Pastoral da Criança um cheque correspondente a 500 kg de multimistura, utilizada no combate à mortalidade infantil, e que tem beneficiado mais de 2.000 crianças carentes da cidade. Os recursos foram obtidos com a realização do 5o Festival da Carne de Ovelha.


D . 4640 RC de São Miguel do Iguaçu, PR – Superando as expectativas dos organizadores, mais de 500 pessoas compareceram ao 2o Festival da Polenta no Centro de Eventos da Igreja Matriz, uma parceria do clube paranaense com a Associação de Senhoras dos Rotarianos e a Associação Pestalozzi. O lucro do evento foi destinado à Fundação Rotária e à Pestalozzi. Uma das atrações foi o grupo Nostra Gente (foto), que cantou músicas típicas da Itália.

D . 4650

RC de IndaialPalmeira, SC – Doou aparelhos que realizam exames de prevenção ao câncer de mama e de colo do útero à Rede Feminina de Combate ao Câncer de Indaial, que em março deste ano inaugurou sua nova sede e vem atendendo mensalmente 400 mulheres. Os equipamentos custaram aproximadamente R$ 33.000,00. Os recursos foram obtidos por intermédio de um projeto de Subsídios Equivalentes da Fundação Rotária feito em parceria pelo clube brasileiro e o RC de Dronten, Holanda (D.1590) – e que começou a sair do papel graças a um intercâmbio que envolveu jovens dos dois países. Na foto, associados do clube e representantes da entidade beneficiada.

RC de Florianópolis-Trindade, SC – Realizou a primeira edição do projeto Rumo, um seminário de orientação profissional para jovens, que ocorreu no Colégio Estadual Simão José Hess. Os alunos das segunda e terceira séries do ensino médio foram o públicoalvo. Ao longo de todo o dia, realizaram-se 21 palestras sobre diferentes profissões, com uma média de comparecimento de 64 alunos por palestra. Além da equipe de funcionários do colégio e dos profissionais que participaram voluntariamente da iniciativa, o Rumo contou com a ajuda dos rotaractianos.

Neste ano, foi a vez de Santa Catarina sediar o encontro que reúne anualmente esses três clubes “xarás”: o RC de Penha, SC (D.4650), o RC do Rio de Janeiro-Penha, RJ (D.4570), e o RC de São Paulo-Penha, SP (D.4430). Além de atividades de integração e de troca de experiências, houve tempo para aproveitar o companheirismo, como mostra a foto, tirada no parque temático Beto Carrero World, principal atração turística da cidade anfitriã.

RC de Florianópolis-Amizade, SC – Durante sua visita ao Asilo Cantinho Anjo Querido, no município catarinense de Biguaçu, os associados do clube doaram cobertores e edredons aos idosos.

RC de BlumenauOeste, SC – Em junho, organizou no Bela Vista Country Club o Torneio de Tênis Rotary Solidário, do qual participaram aproximadamente 200 atletas. Como taxa de inscrição, cada um deles fez a doação de 5 kg de alimentos, o que gerou a arrecadação de 1 tonelada de produtos. Os alimentos foram destinados ao Centro de Educação Amiguinho Feliz e ao Lar Bethel, que juntos atendem 310 crianças carentes. Esta é a segunda vez que o clube realiza este projeto.

D . 4651

B RASIL R OTÁRIO 5 3


D . 4670

de Cruz Alta-Érico VerísD . 4660 RC simo, RS – Organizou uma caminhada para conscientizar a comunidade sobre a importância de se preservar o lajeado da Cruz, fonte do abastecimento de água da cidade. O clube desenvolve esse projeto de forma permanente, reflorestando a mata ciliar do lajeado e promovendo sua limpeza. Na mesma oportunidade, os rotarianos efetuaram o fechamento de valos abertos ilegalmente para a drenagem de um banhado que fica próximo às nascentes do lajeado da Cruz, facilitando a recuperação daquele ecossistema. Em outra ação de caráter ambiental, desta vez com a parceria da prefeitura e de empresas locais, o clube lançou o Projeto Papa-Pilhas, que tem o objetivo de retirar do meio ambiente as pilhas usadas e descartadas de aparelhos eletrônicos e celulares, evitando a contaminação dos mananciais. RC de Tupanciretã, RS – Doou aproximadamente 200 livros didáticos e infantis à Escola Municipal Cleuza Regina da Silva Barcellos, que atende 120 crianças de 1a a 6a séries em um dos bairros mais carentes da cidade. Os livros ampliaram a biblioteca da escola. O Rotary também fará um projeto para recuperar os jardins do pátio da escola, deixando-a mais bonita.

RC de Cruz Alta, RS – Entre os projetos que realizou em 2009, o clube gaúcho doou um fogão industrial, uma geladeira, prateleira e tintas para a pintura da padaria da Escola Especial Santo Antônio (foto), que também ganhou camisetas e foi beneficiada com a realização do Risotão, organizado pelos rotarianos.

5 4 SETEMBRO

DE

2009

RC de Parobé, RS – Completou 32 anos de fundação, mas quem recebeu presente foi a biblioteca municipal da cidade, que ganhou 1.000 livros doados pelo clube numa parceria com o Sesi e a Calçados Bibi. A iniciativa faz parte de um projeto do clube que planeja tornar a cidade de Parobé uma referência em educação de crianças e adolescentes.

RC de Gramado, RS – Fundado há 50 anos, foi homenageado pela Câmara de Vereadores de Gramado com uma Moção de Congratulações. A mesma homenagem foi concedida ao companheiro Nelson Dalri, um dos fundadores do clube (à esquerda na foto, seguido pelo vereador Giovani Colório e pela então presidente do clube, Eleonore Cunha). Recentemente, o clube contribuiu para a manutenção da frota de veículos, aquisição de novos equipamentos e construção da sede do Corpo de Bombeiros. O projeto atual do Rotary para a cidade é conscientizar os alunos da rede municipal de ensino sobre as vantagens do reaproveitamento das águas das chuvas. A intenção é instalar equipamentos para coletar a água em todas as escolas de Gramado.

Instituído pelos Rotary Clubs de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, o grupo voluntário Movimento Viva São Leopoldo realizou uma exposição sobre seus 10 anos de atividade no Bourbon Shopping São Leopoldo. Foram três dias de exposição da imagem do Rotary através de painéis e banners e da distribuição de material escrito. O Movimento Viva São Leopoldo também realizou uma feira social de serviços e lazer na Escola Muncipal São João Batista, beneficiando mais de 200 pessoas com exames médicos, orientação jurídica e apresentações artísticas.


D . 4670 RC de Porto Alegre-Lindoia Passo D’Areia, RS – Com a parceria do Lindoia Tênis Clube, do Gourmets do Lindoia e da Beralv Empreendimentos, o clube gaúcho realizou a 26a edição anual do Jantar da Solidariedade, destinado a arrecadar fundos para seu Banco de Cadeira de Rodas. Neste ano, foi feita também uma homenagem ao Banco Sicredi, parceiro do clube em diversas iniciativas.

de São José do Ouro, RS – Na D . 4700 RC inauguração do Marco Rotário do clube, estiveram presentes o então casal governador Jaime Camassola e Maria Tereza (à esquerda) e o casal presidente do clube em 2008-09, Atílio Bataglin e Eufélia. Em um jantar que realiza todos os anos em homenagem às mães, e que chegou à 25a edição em 2009, o clube obteve recursos que foram doados à Fundação Rotária. RC de Marau, RS – Entregou novas cadeiras de rodas, de banho, andadores e muletas ao Banco Ortopédico de Marau, ajudando assim a ampliar sua capacidade de atender à população. Esses equipamentos têm sido comprados com recursos obtidos em campanhas organizadas pelo clube, como a venda de cucas, que foi realizada em parceria com a Paróquia Cristo Rei e o Jantar do Rotary, evento anual promovido pelo clube.

que foi organizada pelo RC D . 4680 Despedida de Pelotas-Centenário, RS, para o grupo de IGE do distrito gaúcho que esteve no Canadá e nos EUA no primeiro semestre deste ano. Durante 40 dias, os brasileiros visitaram mais de 30 cidades nos dois países.

RC de Santa Cruz do SulOeste, RS – Completando 50 anos este ano, o clube comemorou distribuindo 50 cestas básicas entre entidades beneficentes e famílias carentes da cidade. As comemorações também foram marcadas por um selo comemorativo lançado pelos Correios.

RC de Santa Cruz do Sul, RS – Doou um cheque de R$ 3.500,00 à Associação de Amparo à Terceira Idade, entidade apoiada pelo clube e que está expandindo seu trabalho social com a construção do Residencial Bem Viver, onde irão morar idosos da cidade com 70 anos ou mais. Em outra ação, os rotarianos fizeram uma festa para as 110 crianças atendidas pela Escola Municipal de Educação Infantil Vovô Albino.

B RASIL R OTÁRIO 5 5


D . 4710 RC de Ibiporã, PR – Entrega dos certificados de premiação aos primeiros colocados no concurso de redação sobre o tema Realizemos os Sonhos, promovido pelo clube entre as escolas de ensino médio do município. A grande escola vencedora foi o Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos. Os alunos premiados também ganharam uma bolsa de estudos no curso de idiomas Wizard. RC de Cambé, PR – Na Semana do Meio Ambiente, em junho, associados do clube visitaram duas escolas de ensino fundamental da cidade realizando palestras sobre reciclagem de lixo e do óleo de cozinha.

RC de Luzerna, SC – Coordena uma campanha para a construção de rodovias perimetrais nas cidades de Herval D’Oeste, Joaçaba e Luzerna, em Santa Catarina. O grande objetivo da implantação urgente desse anel viário é a redução do fluxo de veículos no centro das três cidades, permitindo também o desenvolvimento de novas áreas, com a expansão do comércio e da indústria na região. A foto mostra um grupo de rotarianos dando o pontapé inicial nessa mobilização por meio da distribuição de panfletos explicativos à população.

D . 4740

5 6 SETEMBRO

DE

2009

D . 4730 RC de CuritibaPortão, PR – O associado Estefano Ulandowski, governador distrital indicado, entregou uma bandeira do Brasil a Lucas Miguel Buss, intercambiado brasileiro patrocinado pelo clube curitibano que ficará nos EUA durante um ano. Em outra ocasião, numa parceria com o Instituto Alfredo Kaefer, o clube participou da primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação, imunizando crianças contra a pólio num shopping da cidade.

RC de São José dos PinhaisIguaçu, PR – Esta aí é a turma que trabalhou no 5o Barreado, evento beneficente organizado pelos rotarianos com o objetivo de arrecadar fundos para a Associação Pró-Idoso, administrada pelo clube, que ajuda a manter a Casa do Idoso, um projeto que atende mais de 350 idosas por mês com uma série de atividades voltadas à terceira idade. RC de São Mateus do Sul, PR – Entregou ao Hospital Doutor Paulo Fortes e à Pastoral da Criança as mais de 2.000 peças de roupa arrecadadas na Campanha do Agasalho 2009, feita em parceria com o jornal Aconteceu e com o grupo teatral Pau & Corda. Além dos agasalhos, foram entregues 30 cobertores e 20 acolchoados adquiridos com metade da renda gerada pela apresentação da peça de teatro “Marvado Chifre”.


D . 4750 Em 2008-09, sob a liderança do então governador Márcio Pereira Ribeiro, o maior projeto do distrito, no valor de US$ 49.500,00, foi feito em benefício da ONG Arco Íris do Amor (Aida), baseada na cidade de Tanguá, no Rio, que cuida de crianças e adolescentes em situação de risco, encaminhados pelo Conselho Tutelar e pelo Juizado da Infância e Juventude. O distrito doou uma Kombi 0 km à instituição, além de duas máquinas de costura industriais. Os recursos foram obtidos através de projetos de Subsídios Equivalentes da Fundação Rotária, envolvendo oito clubes do distrito: RCs de Nova Friburgo, Campos, Campos dos Goytacazes, Itaboraí, Niterói, Niterói-Norte, São Gonçalo e Teresópolis. Do exterior, participaram os distritos 1840 (Áustria e Alemanha), 1930 e 1950 (Alemanha) e os Rotary Clubs alemães de Lohr-Marktheidenfeld, Schliersee e Rottweil. A Aida é administrada pela Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência (VOT), e tem à frente o frei Eckart Höfling. A VOT é parceira do Rotary num grande projeto do distrito 4570, a Escola Padre Doutor Francisco da Motta, na zona portuária do Rio.

D . 4770 RC de Alto Taquari, MT – Fez o sorteio de um Fuscão ano 1980. A receita de US$ 2.000 foi destinada à Fundação Rotária.

RC de Rio Verde-5 de Agosto, GO – Daniel Alves Leão, expresidente, e o companheiro Efton Rezende com parte dos 3.800 litros de leite arrecadados pelo clube na cidade para a campanha Doar Leite Faz Bem, que beneficiou quatro creches, uma escola para alunos especiais e uma entidade assistencial de Rio Verde. Os rotarianos também fizeram uma festa para as crianças da Creche Lar para Jesus, com lanches, brincadeiras e distribuição de brindes.

RC de Nova Friburgo-Caledônia, RJ – Inauguração de uma placa alusiva à conclusão do projeto em que o clube fluminense instalou mais de 500 metros de corrimão no Lar Abrigo Amor de Jesus, que cuida de idosos na cidade de Nova Friburgo. RCs de São Gonçalo-Alcântara e São GonçaloParaíso, RJ – Doaram um retroprojetor à Paróquia Nossa Senhora Aparecida, Santo Expedito e São Miguel Arcanjo.

RC de Santa Rita do Araguaia, GO-Alto Araguaia, MT – A inauguração do Rotary Kids patrocinado pelo clube reuniu toda a criançada na cidade de Alto Araguaia.

B RASIL R OTÁRIO 5 7


D . 4770 RC de Pedrinópolis, MG – Os associados do clube montaram cestas básicas que foram doadas a famílias carentes da comunidade com a ajuda de voluntários e das crianças do Rotary Kids.

D . 4780 RC de Uruguaiana-Santana Velha, RS – Com parte dos recursos do 15o Baile do Queijo e do Vinho, o clube gaúcho doou material esportivo para a Escola Municipal Dom Bosco. RC de AlegreteNorte Centro, RS – Na Campanha do Agasalho deste ano, realizada pela prefeitura de Alegrete com a ajuda da Brigada Militar, o clube arrecadou 3.500 peças de roupa, cobertores e calçados. RC de Quaraí-Rio das Garças, RS – Companheiras do clube que trabalharam durante a primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Pólio, realizada em junho.

5 8 SETEMBRO

DE

2009

Como enviar material para a Brasil R otário Rotário ara que os companheiros de todo o país conheçam os projetos que seu clube vem realizando, é importante que as notícias cheguem à redação contendo as seguintes informações:

P

o nome completo e o distrito de seu clube ● a data e local em que foram realizadas as ações ● um breve relato sobre o projeto, explicando sua importância e o alcance dele junto à comunidade ● os nomes dos parceiros, no Brasil e no exterior ● e os nomes e sobrenomes de todos os que aparecerem nas fotos com até seis pessoas, relacionados a partir da esquerda. ●

FOTOS: as imagens digitais precisam ter pelo menos 300 DPI de resolução e 9 cm de largura. Na dúvida, selecione a opção alta resolução de sua câmera. Se o envio for feito por e-mail, pedimos que o tamanho dos anexos não supere 1 MB. A publicação é gratuita. Basta apenas que o assunto se encaixe em nosso perfil editorial e que seu clube esteja em dia com a assinatura da revista. A Brasil Rotário não publica posses ou outros fatos que possam obter o merecido destaque nos boletins de seu clube. MUITO IMPORTANTE: informe também um telefone de contato (com o código de DDD) para que possamos falar com você no caso de qualquer dúvida.

Anote os nossos endereços Avenida Rio Branco, 125 – 18o andar Rio de Janeiro, RJ CEP: 20040-006 e-mail: redacao@brasil-rotario.com.br O telefone da redação é (21) 2506-5600. Estamos esperando para ver seu clube na revista!


Senhoras em Ação

A Associação de Famílias do Rotary Club de São Paulo-Vila Carrão, SP (D.4430), tendo à frente a sua então presidente, Marta Gomes Petreca, entregou caixas de leite e material reciclável aos moradores do Conjunto Habitacional José Bonifácio. Com esse material, é produzido artesanato para gerar renda para obras sociais na comunidade.

A Casa da Amizade de Paraíso do Tocantins, TO (D.4530), reconstruiu e ampliou a moradia de uma família carente. Além disso, a família foi contemplada com a doação de enxoval, mobília e utensílios domésticos. A ação contou com a parceria do RC local e de comerciantes do município.

A Casa da Amizade de DivinópolisOeste, MG (D.4560), organizou em sua sede a Noite das Massas. Mais de 400 pessoas prestigiaram o evento, cuja renda foi destinada à Fundação Rotária.

A Casa da Amizade de Nova Alvorada do Sul, MS (D.4470), entregou cobertores a 125 famílias carentes do município. A iniciativa veio da renda obtida com um chá beneficente.

As senhoras da Casa da Amizade de Jaboticabal, SP (D.4540), entregaram filtros para a Creche Santa Tereza. Elas também realizaram almoço para arrecadar fundos para as vítimas das enchentes de Santa Catarina.

As senhoras da Casa da Amizade de Balneário Camboriú, SC (D.4651), tendo à frente a então presidente Silvania Maia, fizeram doação de um cheque à Fundação Lar da Terceira Idade Padre Antônio Dias. A entidade, localizada no município de Camboriú, atende 36 idosos. A entrega do valor foi possível graças à realização do 2º Chá da Amizade. B RASIL R OTÁRIO 5 9


Novos Companheiros Paul Harris

O que significa essa distinção?

Uma pessoa, rotariana ou não, que contribui com o valor de 1.000 dólares rotários à Fundação Rotária, ou em cujo nome é feita tal contribuição, recebe como reconhecimento o título de Companheiro Paul Harris, que consiste de certificado e distintivo – com a opção de medalha, ao custo de 15 dólares rotários.

Safiras, rubis e cristais O Companheiro Paul Harris que faz contribuições múltiplas de 1.000 dólares rotários à Fundação Rotária, ou em cujo nome elas são feitas, recebe safiras, rubis ou cristais, de acordo com o valor do aporte acumulado.

Os fundos Tais doações formam diversos fundos. São eles: o Fundo Anual de Programas, o Fundo Polio Plus ou Parceiros Polio Plus e o Fundo Permanente. As contribuições ainda podem servir aos Projetos de Subsídios Humanitários ou, se vierem de empresas, à Associação Brasileira da The Rotary Foundation.

D. 4310

D. 4440

RC de Indaiatuba, SP

RC de Rondonópolis-Rondon, MT





 

Eduardo Marques Müller Leandro Marques Müller Waldemar Müller, com a terceira safira

      

Ana Maria Leitão José Antônio Baggio José Eduardo Carvalho Luiz de Arruda Luiz Foltran Mauro Cláudio Nilson Bertola Rosa Foltran

D. 4420 RC de São Vicente-Antônio Emmerich, SP  

Douglas Pinheiro da Silva, ex-presidente Roberto Martins, com a primeira safira

D. 4430 RC de Ferraz de Vasconcelos, SP    

Carmina Andrade Flavia Maeda Nancy Di Lascio Roseli Almeida



DE

2009



Bertoni Zabelino Franco de Oliveira Cezar Mafus Macksoud  Daniel Derrel Santee  Euclides Bezerra de Souza Júnior  Fábio Trad  Gete Ottaño da Rosa e Wilma, com o título de Major Donor  Grace Dorea da Rosa  Henrique Crisóstomo Ribeiro  Ivo Martins Cezar  João Hermínio Ziliotto, in memoriam  José Geraldo de Freitas  Márcio Aparecido Ortega  Niuton Ribeiro Chaves Júnior  Wilson Pereira Rodrigues 

D. 4510 RC de Assis, SP Aldo Trentinni Júnior, com a primeira safira Carlos Roberto de Oliveira  Edson Vasques  Eduardo Andreghetti, com a primeira safira  Eduardo Rigoto, com a primeira safira  José Ronan Simões Ribeiro, com o título de Major Donor 

João Artur Moreira dos Santos, ex-presidente João Moreno Ramirez, ex-presidente

6 0 SETEMBRO

RC de Campo Grande-Universidade, MS



RC de São Paulo-São Mateus, SP 

Mohamad Khalil Zahaer Sérgio Ceretta Dalmaso

D. 4470

RC de Tietê, SP 



MILHÕES DE CRIANÇAS AGUARDAM SUA DOAÇÃO À FR


D. 4510

D. 4640

RC de Assis, SP

RC de Francisco Beltrão-Integração, PR





   

José Vigilato Chelez Luiz Antônio de Siqueira Barros Milton Favaretto Martins Moacir Zanella Thomaz Ferrari

RC de Assis-Norte, SP     

Aparecido Américo dos Reis, ex-presidente, com a primeira safira Cleonice Alves Gonzalez Darcio Pagianotto Marineide Anastácio Américo dos Reis Pedro Barreto da Silva, com a segunda safira

D. 4530 RC de Araguaína, TO 

Diego Elbert Acácio Gonçalves, intercambiado do clube nos EUA, foi agraciado pelo RC de Ocala Southwest (D.6970) com um título

RC de Taguatinga, DF   

Amália Scalco Bertozzi Edith Helena de Azevedo Silva Paulo Kikushi, in memoriam

D. 4540 RC de Igarapava, SP 

João Alberto Machado

Carlos Ardaitz  João Carlos Rodrigues, ex-presidente  Walmi Farias

D. 4651 RC de Brusque, SC 

Antônio Custódio de Oliveira Filho

RC de Tubarão, SC 

Vilson Domingos da Silva

D. 4670 RC de Parobé, RS  

Antônio Edemar Teixeira de Holanda Luiz Antônio de Souza

RC de Gramado, RS  

Alaôr Simões Cláudio Witmann

D. 4680 RC de Porto Alegre-Bom Fim, RS   

Jane Alice Machado, com a primeira safira Luis Alberto Machado Mota Rudolf Moth Nielsen, com a segunda safira

D. 4700 RC de Caxias do Sul-Ana Rech, RS

D. 4630 RC de Goioerê, PR  

Elisângela Gloor Gérson Antônio de Brito



D. 4730 RC de Curitiba-Portão, PR  

RC de Mamborê, PR 

Paulo Cesa

RC de Maringá-Novo Centro, PR  

Isabel Cristina Pupim, com a primeira safira Paulo Roberto Luviseti

Constante Luiz Sbabo

Newton Sergio Finzetto, com a primeira safira Olga Miranda Finzetto

D. 4760 RC de Patos de Minas-Guaratinga, MG   

Antônio Domingos Stábile João Bosco Tolentino Sancho José Matias

FAÇA SUA DOAÇÃO PARA A ERRADIC AÇÃO DA PÓLIO

B RASIL R OTÁRIO 6 1


Os

50 Mais Um dos fundadores do RC da Bahia-Leste, BA (D.4550), João da Costa Falcão completou 50 anos de vida rotária em junho. Ele continua participando de todas as reuniões semanais do clube.

Novos clubes, novos amigos

A

qui damos as boas-vindas aos Rotary Clubs recentemente fundados. É a oportunidade de saudarmos novos amigos, que certamente terão muito a contribuir.

RC de Barra do Ribeiro, RS (D.4680) Admissão: 30/06/09 Thomaz Melo Cruz tornou-se associado do RC de São Paulo, SP (D.4610), no dia 5 de junho de 1949. Ao longo desses 50 anos, ele pertenceu a diversos Conselhos Diretores e comissões do clube, e foi também o editor da extinta revista Vida Rotária no ano 1964-65.

E-mail: prpauloterra@yahoo.com.br Presidente: Paulo Sérgio dos Santos Terra Clube padrinho: RC de Porto Alegre-Beira Rio, RS

RC de Contagem-Das Gerais, MG (D.4760) Admissão: 30/06/09 E-mail: deboraelisamarinho@gmail.com

S G

e você tem 50 anos de Rotary ou mais, envie para a Brasil Rotário uma foto em que apareça sozinho: E-mail: redacao@brasil-rotario.com.br Endereço postal: Avenida Rio Branco, 125 – 18o andar – Centro – Rio de Janeiro – CEP: 20040-006

6 2 SETEMBRO

DE

2009

Presidente: Estelita Eugênia Turani Clube padrinho: RC de Contagem, MG


Aconteceu na Brasil Rotário...

...em setembro de 1940

Luiz Renato D. Coutinho

A

revista deu destaque às diversas homenagens feitas no Brasil ao companheiro Armando de Arruda Pereira (foto), escolhido presidente do RI na Convenção Internacional de Havana. Arruda Pereira desembarcou em Santos pelo vapor Brasil, vindo diretamente do evento, e se tornava o primeiro brasileiro e o primeiro latino-americano na presidência da nossa organização. Enquanto isso, na Europa, a Luftwaffe (Força Aérea Alemã)

intensificava os ataques contra a Grã-Bretanha. A ideia nazista era invadir a ilha o quanto antes. O Campeonato Paulista de Futebol de 1940 deu o troféu à equipe do Societá Palestra Itália, depois rebatizado como Palmeiras. No cinema, naquela virada de década, iniciava-se um período de produção de chanchadas cariocas, revelando grandes cômicos como Oscarito, Grande Otelo, Mesquitinha e Walter D’Ávila.

I

Em sua reunião de 30 de agosto de 1940, comemorando a Semana de Caxias, o Rotary Club do Rio de Janeiro prestou homenagem ao Exército. Entre os convidados de honra, o ministro da Guerra, general Eurico Gaspar Dutra. O evento ocorreu no salão de festas do Automóvel Club durante reunião-almoço.

Impressões controversas A edição publica as impressões do jornalista José do Nascimento Brito a respeito de sua recente viagem aos Estados Unidos. Impressões que estão sujeitas, hoje, a veementes contestações, como a que se segue: “Ao mesmo tempo em que o jornalista desmente, com uma linguagem simples e com a maior naturalidade possivel, a tão apregoada separação racial nos Estados Unidos, demonstrando que hoje não são mais profundas as restrições dos brancos sôbre os pretos [sic], Nascimento conta-nos coisas americanas, como, por exemplo, o tradicional ‘desabafo’, ou seja, a vingança de um indivíduo contra outro, organizando à sua porta pequenos comicios, que, em geral, principiam pela ostentação de um cartaz explicativo...” “Quanto às estradas de rodagem, é interessante registrar que o sr. Nascimento Brito declara não ter visto na culta e próspera democracia setentrional nenhuma tão arrojada e bela quanto as nossas Rio-Petrópolis e Curitiba-Paranaguá.”

G

IPANEMA EM 1940

I

Florêncio Ygartua, presidente do Rotary Club de Porto Alegre, deixou registrada a seguinte palestra: “Um dia, de regresso de uma longa excursão, o grande batalhador que foi Belisário Penna [médico sanitarista brasileiro que participou da Revolução de 1930] relatava ao presidente da nação, sr. Getulio Vargas, que existiam no país regiões onde a mortalidade infantil acusava cifras tão alarmantes quanto 300, 600, 800 mortes por mil nascidos, e que existiam lugares onde não havia mais crianças!”

I

O presidente do Rotary Club de Santos, Eduardo Corrêa da Costa Junior, recebeu carta de Paul H. King, presidente da The International Society for the Welfare of Cripples – organização norte-americana de assistência a crianças com deficiência física e que desde 1921 vinha recebendo apoio de diversos líderes rotários: “Conquanto alguns Clubes da America do Sul estejam trabalhando a favor de crianças desprevilegiadas, é esta a primeira vez, assim o julgo, em que chega ao meu conhecimento o fato de desenvolver um Clube sua atividade em favor de crianças deficientes.”

Como evitar ruidos nocivos na cidade O companheiro Fernando Almeida, do RC de Campinas, procurou traçar uma história do barulho desde a Antiguidade e lá pelas tantas se perguntou: “Como evitar?” O autor pareceu um pouco desanimado: “O brasileiro é latino e, portanto, por índole, barulhento. Deverá então ser prevista necessária expansão da energia ruidosa acumulada durante os meses silenciosos. Quero dizer: haverá necessidade de regulamentar o Carnaval, o São João e o Natal no tocante aos ruidos e aos locais onde êsses ruidos possam ser tolerados.” BR

B RASIL R OTÁRIO 6 3


Relax...

Depois de pedir à turma uma redação

Rodrigo

sobre o leite, a professora pergunta ao Juquinha: – Por que todos os colegas escreveram três ou quatro páginas sobre o leite e você fez apenas meia página? – É porque eu escrevi sobre o leite condensado!

O

avião chama para o embarque com duas horas de atraso. O passageiro pergunta à comissária: – Por que demorou tanto? – Porque o piloto ouviu um barulho muito estranho no motor e demorou uma hora para arranjar outro piloto. –

Querido, tenho uma notícia boa e uma ruim!

– Lamento, querida, mas estou no meio de uma reunião supertensa e preciso desligar o celular. Conte só a boa. – O airbag do seu carro está funcionando direitinho. Colaborações do EGD Hertz Uderman (D.4570).

U

m gerente de vendas recebeu o seguinte fax de um de seus novos vendedores: “Seo Gomis, o criente de Belzonte pidiu mais cuatrucenta péssa. Faz favor tomá as providenssa. Abrasso, Nirso.” Aproximadamente uma hora depois, recebeu outro: “Seo Gomis, os relatório di venda vai xegá atrazado porque ta fexando umas venda. Temo que mandá treis mil péssa. Amanhã tá xegando. Abrasso, Nirso.”

6 4 FEVEREIRO

DE

2009

No dia seguinte: “Seo Gomis, num xeguei pucausa di que vendi deis mil em Beraba. To indo pra Brazilha. Abrasso, Nirso.” No outro: “Seo Gomis, Brazilha fexô 20 mil. Vô pra Frolinoipolis e de lá pra Sum Paulo no vinhão das cete hora. Abrasso, Nirso.” E assim foi o mês inteiro. Muito preocupado com a imagem da empresa, o gerente levou ao presidente as mensagens que recebeu do vendedor. O presidente escutou atentamente o gerente e disse: – Deixa comigo, que eu tomarei as providências necessárias. E tomou: redigiu de próprio punho um aviso e o afixou no mural da empresa, juntamente com as mensagens de fax do vendedor: “A parti de oje nóis tudo vamo fazê feito o Nirso. Si priocupá menos em iscrevê serto, mode vendê maisz. Acinado, o prizidenti.” Colaboração de Luiz Carlos Delgado, ex-presidente do RC de Itapevi, SP (D.4610).


1047 - Brasil Rotário - Setembro de 2009  

Edição nº 1047 da revista Brasil Rotário.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you