Page 1

ano06. #19» abr.mai.jun|2018

REVISTA TRIMESTRAL - DISTRIBUIÇÃO CONTROLADA

QUALIDADE DE VIDA Riviera do Lago: um convite a uma vida mais tranquila em meio à natureza

SAÚDE PET Clínica Vet & Pet aposta no atendimento veterinário hospitalar diferenciado

A era biológica da odontologia Proprietária da Clínica Clident há mais de 17 anos, Nadia Zorkot apresenta as inovações da odontologia


CAPA

NADIA ZORKOT Propostas inovadoras e a era biológica na Odontologia

MÚSICA

100 CARLOS OTTO

—8—

O lavrense que tem conquistado o público da MPB

DESTAQUE

16 NEGÓCIO EM FAMÍLIA Sarandi Buffet completa 18 anos de história

QUALIDADE DE VIDA

18 RIVIERA DO LAGO Um convite a uma vida mais tranquila em meio à natureza

DESIGN 2018

56 MÓVEIS AMÉRICA LAZER

20 ESPAÇO LAGO DA SERRA Restaurante do Ofenil, mais de oito anos de sucesso

REVISTA IPÊ


Abr.Mai.Jun/2018 SUMÁRIO VISTA AÉREA

86 TIRADENTES Um olhar diferente de Tiradentes: a cidade vista de cima CURIOSIDADE

90

SAÚDE PET

BHERING

24

Conheça o complexo ferroviário Bhering, em Lavras

VET & PET Atendimento veterinário hospitalar diferenciado

— 9—

SAÚDE

SEÇÕES

46 SANTA CASA Centro de Hemodiálise da Santa Casa de Lavras, em atividade desde 1991

COMPORTAMENTO

PSICOLOGIA

82

42

ARTE NA PAREDE

LEONORA DE MATTOS

Conheça o trabalho da artista Lívia Fassio

A Psicologia na orientação profissional, por Leonora de Mattos

10 EDITORIAL

12 CARTAS

14 COLABORADORES

106 SOCIAL

GESTÃO

26

BEM ESTAR

30

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR

32

SOLIDARIEDADE

34

SAÚDE - REUMATOLOGIA

40

SAÚDE - ORTOPEDIA

41

SAÚDE - ONCOMINAS

48

PERFIL

50

NEGÓCIOS

54

DESIGN 2018

58

ARQUITETURA

60

REVISTA IPÊ APOIA

66

ESPORTE

70

COLEÇÃO

76

FOTOGRAFIA

84

INTERNACIONALIZAÇÃO

92

GASTRONOMIA

94

STARTUP WEEKEND

104

REVISTA IPÊ


| EDITORIAL

Baixe o QR CODE

e tenha acesso a conteúdos exclusivos

Mais que inovar... — 10 —

É essencial permanecer e amadurecer

A

cada edição da Revista Ipê procuramos trazer novidades para os nossos leitores. Mas, muito mais que inovar, é fundamental saber dar continuidade e fortalecer os novos projetos. Sendo assim, nesta nova edição, continuamos com o projeto “Um Olhar Diferente”, com Gil Botelho, e desta vez o destaque é a nossa bela Tiradentes; com suas ruas estreitas de pedra, em meio a casarões de arquitetura colonial, mostraremos toda a sua complexidade em uma nova perspectiva. Ainda com foco em fotografias, a cada edição temos buscado mostrar todos os tipos de belezas do nosso cotidiano. Desta vez, no projeto de Rodolfo Brito, teremos a presença da estudante Carla de Pina, natural de Cabo Verde. Também continuamos com as matérias especiais de Internacionalização, mostrando como lavrenses lidam com o fato de morar no exterior. Nesta edição, quem nos conta suas experiências é o publicitário Felipe Mazzoni, que morou por seis meses na Itália e desde 2014 reside em Londres. Como novidades, mostraremos os novos empreendedores de Lavras, como a artista Lívia Fassio. Misturando diversas técnicas de pintura nas mais distintas paredes, entre igrejas; quartos; salas; recepções; ela tem perpetuado a sua arte em Lavras, Varginha e até mesmo Belo Horizonte. Além disso, grandes novos empreendimentos na cidade, como a Oncominas, clínica especializada em oncologia, que acaba de inaugurar uma nova unidade, em Lavras. Também na área de saúde, mostraremos o crescimento do Centro de Terapia Renal de Lavras, há 25 anos realizando tratamento de hemodiálise. Temos ainda a cirurgiã dentista Nadia Abdallah Zorkot, que já completa 20 anos em sua profissão. Com um currículo de peso e multidisciplinar, ela traz ainda mais credibilidade para esta edição. E, apesar de toda a experiência, Nadia mostra que é necessário sempre se reinventar, com novos estudos e especializações. Ainda sobre sucesso, contaremos os 18 anos de história do Buffet Sarandi e os 8 anos de trajetória do Restaurante Ofenil, empresas familiares que têm conseguido obter êxito na região, e para apresentar a excelência de negócios desse tipo, teremos a coluna dos consultores Thalita Baldanza e Douglas Dutra. Eles apontam o crescimento desses empreendimentos; no Brasil, dos 300 maiores grupos empresariais, 265 são familiares. E para aquele “gran finale” de excelentes profissionais, dedicamos a nossa editoria de Perfil ao memorável Ângelo Alberto de Moura Delphim, com uma vida dedicada à cultura e à história de Lavras. Édison Marques Júnior Diretor da Revista Ipê REVISTA IPÊ

Nossa Capa Nadia Zorkot Cidade: Lavras/MG Foto: Marcelo Goulart PROJETO EDITORIAL Édison Marques Júnior DESIGN E PROJETO GRÁFICO Édison Marques Júnior JORNALISTA RESPONSÁVEL Camila Caetano - 0017305MG JURÍDICO Édison Marques FOTÓGRAFOS Daniel Rocha Fotografias José Henrique (Cia da Foto) REVISÃO Pauline Freire Pimenta REDAÇÃO Ana Carolina Siqueira Abe-Sáber Boris Feldman Camila Caetano Ennemont Theyson Morel Antônio Claret Sales Diego Nascimento COMERCIAL Édison Marques Júnior Contato: (35) 99143.4125 contato@revistaipe.com.br www.revistaipe.com.br EDIÇÕES AVULSAS E ESPECIAIS contato@revistaipe.com.br Edição nº 19. Distribuição controlada Impressão: Editora Rona Tiragem: 4.000 exemplares

SIGA A REVISTA IPÊ @REVISTAIPÊ Artigos assinados são de responsabilidade dos respectivos autores. Autoriza-se a reprodução, desde que citada a fonte.


| CARTAS

EDIÇÃO 18

Envie comentários, sugestões e opiniões para serem publicados nesta seção

— 12 —

Revista Ipê contato@revistaipe.com.br www.revistaipe.com.br

A revista Ipê tem distribuição frequente aqui na região de São João del-Rei e Tiradentes, sempre com matérias de grande interesse e com assuntos sobre nossa cidade e região. A qualidade da revista é excelente, nas matérias e principalmente nas fotos, são muito boas. Nossa empresa participou da edição 18, foi um grande prazer fazer parte de um trabalho tão bacana, a matéria ficou linda com fotos incríveis. Parabenizo pelas escolhas dos conteúdos, com relevância e variedade. Desejo sucesso e prosperidade.

Deise Reis

Imperial, referência em Estanhos Sempre observo que a Revista Ipê proporciona uma forma diferenciada de comunicação, com textos e diagramação visual impecáveis. A visão espacial faz parte do dia a dia do arquiteto, a visão “macro” dos espaços e cidades sempre me fascinou, e com a apresentação da coluna “Um olhar diferente”, além de parabenizar, eu gostaria de agradecer à equipe da Revista Ipê, por tamanha sensibilidade. As imagens, muito bem escolhidas, são capazes de transportar o observador (leitor) em viagens fascinantes que transcendem ao limite comum do espaço. Não se trata simplesmente de fotos aéreas e sim da apresentação das paisagens naturais ou urbanas, que só mesmo “Um olhar diferente” pode compreender. Parabéns !

Mayra Janaína P. Freire Marani Arquiteta e Urbanista REVISTA IPÊ

Com toda certeza a Revista Ipê configura um trabalho de nível sênior em todos os quesitos. Em suas publicações, podemos absorver conteúdos enriquecidos, sejam por assuntos regionalizados ou mesmo pelos mais específicos de níveis culturais abrangidos ao nosso interesse. É perceptível o seu destaque por sua grande visibilidade, graças aos seus gráficos e ao charme no formato, oriundos do estilo de um veículo informativo moderno. Entre outras palavras, não podemos deixar de reconhecer e considerar a Revista Ipê como destaque no polo da comunicação e sua grande contribuição na interatividade dos leitores da cidade de Lavras e região. Parabéns pelo grande profissionalismo, Revista Ipê, é um grande prazer ler cada edição.

Gostaria de receber regularmente a revista Ipê. Li a de Out./Nov./Dez. no consultório do Dr. Henrique Alvarenga da Silva, em São João del Rei, e gostei muito das matérias abordadas.

Lucas Pereira Soares

Fernando Alberto Dias

Gerente Geral Laticínios D’annita/Consultor Financeiro Que bela surpresa abrir a correspondência e encontrar uma revista espetacular. Faz tempo que não vejo um material tão expressivo nos Estados Unidos.

Carol Mersch

Escritora - Oklahoma, Estados Unidos

Quero parabenizar a Revista Ipê, bem como os seus editores, pelo belíssimo trabalho e dedicação que vem sendo feito em todas as edições, com matérias diversificadas e um conteúdo muito informativo. Percebemos sempre a preocupação dos seus editores com relação às necessidades de seus leitores, ao produzir uma revista de muito bom gosto, com extrema qualidade em toda a produção.

Mateus Siqueira Fantazzini

Bibliotecário


| COLABORADORES

Raízes Pivotantes Auto Papo

Estratégia e Vendas

80

99

78

Ennemont Theyson Morel

Boris Feldman

Antônio Claret Sales

Empresário, Consultor e Coach

Jornalista e Engenheiro

Cachaçologo

Formado em Comunicação Social, com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Marketing, mais MBA em Gestão Estratégica de Negócios e mestrado em Gestão Empresarial e Auditoria. Fundador da Amplliare: Coaching, Consultoria e Treinamentos sob medida. Membro da Sociedade Brasileira de Coaching, possui ainda quatro certificações internacionais. Atualmente é professor de Negociação e Gestão de Vendas na pós Graduação FAE/ Ipecont – Itajubá e diretor na FRVendas, maior franqueadora em solução de vendas do Brasil.

Formado em Engenharia e com pós-graduação em Comunicação. Editor e colunista em cadernos de automóveis de diversos jornais. Produz o programa Auto Papo e integra 38 rádios. Criou e apresentou o programa Vrum. Foi piloto de competições em rallys e corridas e vice-presidente da Confederação Brasileira de Automobilismo. É diretor do Veteran Car Club de Minas Gerais. Produz o Blog do Boris no portal R7. Jurado do concurso “International Engine of the Year” e do “Carro do Ano” da revista AutoEsporte.

Engenheiro Mecânico formado pela Universidade Federal de São João Del Rei (1980), Pós-graduado em Tecnologia da Cachaça pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) em 2005, trabalhou como gerente geral da Microdestilaria de Álcool da Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (FAEPE) no período de 1983 a 1992. Em 1993, fundou a Cachaça Bocaina, na cidade de Lavras, empresa que completa em 2018 seus 25 anos de sucesso e reconhecimento em todo país. É consultor no agronegócio Cachaça, atuando em todo território nacional através de projetos industriais, consultorias, palestras, congressos e elaboração de arranjos produtivos da cachaça, pelo SEBRAE, IBCA (Instituto Brasileiro de Cachaça de Alambique) e no âmbito particular.

86

Espaço Gourmet

Cinema

Vista Aérea

— 14 —

Prazer Nacional

Os colunistas da Revista são como as raízes pivotantes dos ipês, imprescindíveis para o florescimento da nossa estrutura. Nutrem os leitores com conteúdos e informações de qualidade, constroem pontes e estabelecem novas conexões, permitindo a disseminação de mentes férteis e brilhantes.

68

98

Gil Botelho

Diego Nascimento

ANA CAROLINA S. ABE-SÁBER

Videomaker

Jornalista

Chef de Cozinha

Há mais de 18 anos trabalhando com a produção de vídeos de casamentos. Desde que se encantou pela área, participa de Congressos, Workshops e Feiras para aprimorar os conhecimentos e ficar por dentro de todas as novidades da área.

Graduado em Comunicação Social: Jornalismo, pós-graduado em Comunicação Empresarial Marketing e Gestão de Empresas. Atua como gerente de Relações Institucionais do Instituto Presbiteriano Gammon. É também palestrante, intérprete Inglês/Português e consultor. Foi professor universitário da Fagammon e Universidade Federal de Lavras (UFLA). Atuou na Comunicação, Coordenação e Gerência da Educação a Distância (EaD) UFLA de 2001 a 2010. Seus textos são publicados em variados meios de comunicação, com leitores em diversos países.

Nasceu em Lavras, formou-se em Turismo pela Newton Paiva em Belo Horizonte. Fez o curso de Cozinheiro Profissional do SENAC BH e Gastronomia Internacional pela escola de culinária Mausi Sebess de Buenos Aires. Foi chef da confeitaria do restaurante francês Alice Braserrie de Brasília, onde abriu seu restaurante.

REVISTA IPÊ


— 15 — REVISTA IPÊ


— 16 —

| DESTAQUE

Negócio em família Sarandi Buffet: 18 anos de história

REVISTA IPÊ

Por Camila Caetano Foto: Daniel Rocha

Os irmãos: João Carlos, Fernando e João Paulo


Foto: Marina Orlandi

Foto: Maisa Fotografias

de, agregando à equipe a sua experiência profissional adquirida ao longo dos anos no mercado corporativo. Houve uma grande expansão nos últimos anos, quando a empresa passou a atuar não só com churrascos, mas também com um serviço de buffet completo, oferecendo em seu cardápio: mesa de frios, mesa de massas, mesa de café com sequilhos, salgados diversos, Cantinho do Gaúcho, Cantinho da Cachaça, Cantinho do Chopp, além de outras opções. Foi então que o Sarandi Churrascos passou a chamar-se Sarandi Buffet, considerado referência em Lavras e na região. A empresa tem como missão oferecer um excelente serviço de gastronomia em eventos, trabalhando com produtos de qualidade e bons profissionais, superando as expectativas do cliente e transformando seus sonhos em realidade. Hoje conta com uma estrutura completa, com colaboradores comprometidos, cardápio e atendimento personalizado, capaz de tornar o seu evento inesquecível.

Sarandi Buffet Contato: (35) 99989-1974 - Fernando Orlandi /sarandibuffet @sarandibuffet fernandoorlandirs@gmail.com REVISTA IPÊ

— 17 —

Um buffet especializado em churrasco ainda era considerado empreendimento novo na região e isso foi o fator impulsionante para o início dos serviços em 2004. Fernando e João Paulo começaram a fazer, aos poucos, churrascos particulares e almoços para empresas. A técnica de como preparar um saboroso churrasco foi passada pelos pais Adelino e Lucena. Uma tradição de família. “O segredo da qualidade está na seleção, no corte, tempero e ponto ideal”, explica Fernando. Assim, a demanda por aniversários, eventos corporativos, casamentos, coffee breaks e outras ocasiões foi crescendo, levando-os a acreditar que seria imprescindível um investimento maior. Com o surgimento de eventos simultâneos, notaram que a empresa necessitava de mais apoio e crescimento. Foi então que João Carlos Orlandi, a convite dos irmãos, entrou na socieda-

Foto: Marina Orlandi

F

undada por Fernando Orlandi em 2000, a empresa tem buscado constante inovação no atendimento a seus clientes de forma personalizada, com seriedade e comprometimento. Fernando, João Paulo e João Carlos vieram conhecer Minas Gerais através de seu irmão, César Orlandi, o qual teve relevante contribuição no aprendizado deles. Gaúchos, nascidos na cidade de Sarandi-RS, João Paulo e Fernando, com visão empreendedora, decidiram apresentar para a comunidade lavrense o que faltava nas melhores ocasiões: o churrasco gaúcho. Os churrascos, iniciados por Fernando, que ainda conciliava o trabalho de vendedor e a faculdade de Administração, começaram a tomar uma proporção em que nesse momento o apoio e parceria do seu irmão, João Paulo, era indispensável e de extrema importância.


— 18 —

| QUALIDADE DE VIDA

Natureza como vizinha Reunidos em um só lugar, elementos essenciais a uma vida mais tranquila são o grande diferencial do empreendimento Riviera do Lago

M

editar, praticar atividade física, eleger uma alimentação mais saudável. A busca por uma vida mais leve, em contraponto à agitação dos centros urbanos, tem levado um número cada vez maior de pessoas a adotar novos hábitos, inclusive, na hora de escolher onde morar ou passar os finais de semana. É crescente, por exemplo, a demanda no mercado imobiliário por empreendimentos que fazem da natureza um atalho para a sonhada tranquilidade. REVISTA IPÊ

Mais acentuada nas grandes capitais, essa tendência tem alcançado cidades de pequeno e médio porte, como Lavras, onde a presença da Represa do Funil tem dado espaço aos chamados condomínios náuticos, empreendimentos que favorecem a prática de esportes especializados como wakeboard, caiaque, barco a vela, stand up paddle (SUP) e mesmo a pesca. Como o nome indica, é nessa categoria que o Condomínio Náutico Riviera do Lago vem se destacando. De fácil acesso – a apenas 20 km de

Portaria 24h e acesso controlado

Por Ana Paula de Oliveira Foto: Daniel Rocha e Gil Botelho

Lavras, às margens do Lago do Funil, em Macaia, distrito de Bom Sucesso, o condomínio oferece uma série de vantagens para quem procura conexão com a natureza, a começar pela infraestrutura. Com quase 250 mil metros quadrados, divididos entre lotes a partir de mil metros, o Riviera possui ruas asfaltadas, heliponto, portaria 24 horas e com acesso controlado e ampla área de lazer e entretenimento, que inclui um clube completo, com quadras de tênis, poliesportiva e de areia, espaço gourmet, piscina e playground.


Playground Restaurante Veleiro

— 19 —

Marina Pier 18 Baixe o leitor de QR CODE

Ainda no quesito lazer, o grande atrativo é a presença do lago. Para desfrutar seus 34 km² de espelho d’água e 72 km navegáveis, o condomínio conta com marina e deck para embarcações. “Outro ponto alto são os lotes amplos e a excelente topografia do terreno, o que aumenta as possibilidades dos projetos na hora de construir e diminui o custo da obra. Porém, o grande diferencial realmente é o lago, que apresenta nível de água constante o ano inteiro”, afirma Iram Alvarenga, diretor da Foco Empreendi-

mentos, responsável pelo negócio. Para ele, o Riviera do Lago comprova o foco da empresa, que é oferecer alternativas acessíveis no ramo imobiliário. “Voltamos nossa atenção, inicialmente, para condomínios no segmento náutico na região do Lago do Funil. A aceitação por parte do público foi excepcional e acreditamos que esse tipo de mercado ainda tem muito a se desenvolver.

Assista a um vídeo exclusivo

Riviera do Lago Saiba mais sobre o Condomínio Náutico Riviera do Lago

Contato: (35) 3409 6472 / (35) 99859 3537 atendimento@focoempreendimento.com.br /rivieranautico rivieradolago.com.br REVISTA IPÊ


— 20 —

| LAZER

Espaço Lago da Serra Restaurante do Ofenil, mais de oito anos de sucesso Por Camila Caetano Foto: Daniel Rocha

REVISTA IPÊ


Foto:Marcelo Goulart

um deles possui capacidade para 200 pessoas. Já foram realizadas no Ofenil diversas cerimônias de casamento, aniversários de 15 anos e festas empresariais. “O cliente pode optar por apenas alugar um dos nossos salões e escolher o Buffet de sua preferência, ou contratar o nosso próprio Buffet, nesse caso não cobramos o aluguel do espaço”, explica o proprietário. Além disso, o espaço também conta com quatro chalés. As diárias possuem café da manhã, e o hóspede também pode optar pelo almoço incluso. Um agradável lugar para passar o final de semana com a família. Ofenil relata que o próximo passo será a construção de uma pousada com oito suítes. Na área de lazer há piscina privativa para os hóspedes, parquinhos, além da represa, que é um grande diferencial para a prática de esportes. “Futuramente pretendemos também fazer reformas na área de lazer, como ampliar a piscina e o deck”. O restaurante funciona todos os dias da semana: segunda a quinta-feira, das 8h às 17h; na sexta das 8h às 22h; sábado, domingo e feriado das 8h às 19h. Além dos pratos a la carte e self servi-

ce, o Restaurante também conta com churrasco aos sábados, domingos e feriados. Aos domingos há ainda música ao vivo. Se a opção é de apenas apreciar uma boa comida com uma vista espetacular, o Restaurante do Ofenil é uma ótima opção, com um atendimento familiar, amplo espaço à beira da represa, com vários quiosques, mesas no gramado, à sombra das árvores, ou se preferir, nos salões cobertos.

Espaço Lago da Serra Rua Projetada n°550 - Serra, Ijaci

Contato: (35) 3843-1275 Gabriel 99197-4004 / Ofenil 99136-4477 @restaurantelagodaserra lagodaserraijaci.com.br / Espaço Lago da Serra REVISTA IPÊ

— 21 —

A

pós 26 anos de estrada, cortando estradas de todo o país, Ofenil Moretti decidiu desbravar novos rumos. Ainda na profissão de caminhoneiro, começou a construir, em 2007, um barzinho às margens da Represa do Funil, em Ijaci. Em 2011, ao finalizar a obra, optou por instalar um restaurante, que funciona até hoje com a ajuda de todos da família. “Inicialmente, eu queria um barzinho mesmo, que seria um ponto de parada para caminhoneiros, mas como eu ainda estava na estrada, não podia ficar direto com a minha esposa e meus filhos, achei melhor investir em um restaurante. Atualmente temos 20 funcionários, sendo que todos são da minha família. Meus sobrinhos, por exemplo, com o salário que recebem aqui pagam os estudos em Lavras”, conta com orgulho. Na gerência do estabelecimento, fica responsável o Ofenil e o seu filho Gabriel. Após a sua aposentadoria, Ofenil conta que pode se dedicar mais ao novo negócio e o investimento passou a ser constante. Hoje, o local já conta com dois espaços que podem ser alugados para festas, sendo que cada


— 22 — REVISTA IPÊ


— 23 — REVISTA IPÊ


| SAÚDE PET

pequeno porte em Lavras e região. Inaugurada em fevereiro de 2018, a clínica conta com uma equipe de cinco médicas veterinárias e uma infraestrutura moderna e especializada. “A Vet&Pet inovou ao trazer para a cidade uma clínica hospitalar com funcionamento ininterrupto, 24 horas por dia. A nossa prioridade é oferecer qualidade no atendimento e conforto para tutores e pacientes. Além disso, todos os nossos serviços seguem as normas exigidas pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária e pela Vigilância Sanitária”, enfatiza Joyce.

Exame de ecocardiograma

— 24 —

O seu bicho de estimação agradece Clínica Vet & Pet aposta no atendimento veterinário hospitalar diferenciado. Para isso, conta com uma equipe especializada e uma infraestrutura moderna, 24 horas por dia Por Licia Linhares Foto: Gilney Botelho

M

ais de 52 milhões de cães, 38 milhões de aves e 22 milhões de felinos. Esses números grandiosos, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ajudam a entender a solidez do mercado pet, um dos negócios em maior ascensão no País. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINET), em 2017, o Brasil, ao lado da Alemanha, ocupava a terceira posição no ranking global, com 5,1% da participação desse mercado. Mas a que se deve esse crescimento meteórico? Em grande REVISTA IPÊ

parte, à mudança do comportamento dos donos dos bichos, que passaram a considerá-los como membros da família. “A primeira mudança, inicialmente, foi o fato de os tutores entenderem melhor a responsabilidade que possuem com seus animais, demandando um atendimento veterinário de forma preventiva. Assim, eles passaram a buscar por profissionais atenciosos, experientes e capazes de elucidar suas dúvidas”, opina Joyce Mendonça Vieira e Silva, médica veterinária da Vet&Pet, clínica veterinária hospitalar especializada no atendimento a animais de

Consultório 1 de cães

INFRAESTRUTURA DE PONTA Toda a infraestrutura da clínica foi planejada com o objetivo de diminuir a ansiedade dos animais e seus tutores no ambiente hospitalar. São três consultórios modernos e bem equipados, sendo um deles criado especialmente para os felinos, uma espécie mais sensível. Entre os serviços oferecidos estão consultas, vacinação, acompanhamento nutricional com formulações específicas, coleta de material para exames laboratoriais e realização de exames avançados, como ecocardiograma e eletrocardiograma. Os animais que necessitam de internação têm à disposição 47 leitos - há salas específicas com isolamento para doenças infecto-


Sala de preparação para cirurgia e sala de cirurgia 2

— 25 —

contagiosas –, além de um espaço próprio para tratamentos intensivos nos casos graves, com monitorização, oxigenioterapia, aquecimento, fármacos de emergência e ventilação controlada. No centro cirúrgico, a equipe se divide entre cirurgias consideradas mais rotineiras, como castrações, e as de mais alta complexidade, como ortopédicas e torácicas. Também atua em áreas especializadas a exemplo da ortopedia, cardiologia, nutrologia e traumatologia. Outro diferencial é o serviço de anestesiologia veterinária, que conta com profissional exclusivo para acompanhar o animal desde a realização do risco anestésico e a monitorização durante o procedimento até sua completa recuperação no pós-operatório. Todos esses diferenciais já têm contabilizado resultados de destaque. Desde a sua inauguração, a Vet&Pet realiza uma média de 300 atendimentos por mês. “O nosso principal objetivo era criar um espaço semelhante a um hospital. Para isso, fizemos pesquisas e buscamos trabalhar com medicações e equipamentos de ponta, além de investirmos na capacitação contínua da nossa equipe, com cursos e especializações”, finaliza Joyce.

Internação isolada para cães com doenças infectocontagiosas

EFICIÊNCIA COMPROVADA

“A clínica conta com excelentes profissionais, que trabalham com amor e sempre muito dedicadas, atenciosas e carinhosas com os animais. Só tenho a agradecer.” Heliana Souza Correa Lilli Dona da cadelinha: Pérola Negra

“Não existem palavras para agradecer as veterinárias, que fizeram de tudo para que a Kyara ficasse bem, e às atendentes que, com todo carinho, me acalmaram durante a sua recuperação.”

“A Vet&Pet é a melhor clínica de Lavras. Tem ótima infraestrutura, veterinárias capacitadas e preço justo. É o lugar onde os meus animais recebem o melhor tratamento.”

Tayonara Abreu

Dona do gato Branquinho e do casal de labradores, Laika e Luke

Dona da cadelinha Kyara

Marina Alves Gomes Lemes

Vet & Pet Clínica Veterinária Praça Santo Antônio, 26. Lavras/MG

Contato: (35) 3822-7268 - Atendimento 24h (35) 9.9767 4145 /vetepet REVISTA IPÊ


| GESTÃO

Empresa Familiar Profissional: Um excelente negócio Por Thalita Baldanza e Douglas Dutra Foto: Daniel Rocha

— 26 —

A

s empresas familiares são maioria no mundo. No Brasil, dos 300 maiores grupos empresariais, 265 são familiares. Algumas, como a Ypióca, Gerdau e Cedro Cachoeira, estão há mais de 100 anos no mercado. Essas empresas contribuem com 50% do PIB nacional e geram grande parte dos postos de trabalho no País. Possuem importantes vantagens sobre as empresas de mercado: uma vez livres da pressão por resultados trimestrais, como as empresas listadas em Bolsa, elas podem investir em ideias que gerarão valor a longo prazo. Não obstante, possuem maior preocupação em levar adiante não somente os lucros, mas a cultura e os valores da família. Diante desse cenário, algo, entretanto, preocupa: somente 30% dessas organizações sobrevivem à segunda geração e 5%, à terceira. Fatores como ausência de planejamento de longo prazo, gestão informal, resistência à mudança e falta de preparação de sucessores para comandar o negócio são as principais causas para o desaparecimento precoce dessas organizações. O que falta às empresas familiares para que possam usufruir de suas vantagens e aumentar consideravelmente suas chances de sobrevivência? A resposta é: profissionalização. Profissionalizar não significa, em primeira análise, substituir todos os membros da família por gestores profissionais. Significa, a princípio, garantir que os familiares estejam à altura dos cargos que ocupam na empresa. Além disso, alguns fatores são REVISTA IPÊ

Consultores Thalita Baldanza e Douglas Dutra

cruciais para promover a profissionalização do negócio, viabilizando a perpetuação da empresa: Melhoria da gestão do negócio – gerenciar com fatos e dados, planejando projetos, estabelecendo ações, verificando os seus resultados e corrigindo os rumos, de maneira contínua. Planejamento de longo prazo – estabelecer objetivos de longo prazo e garantir que aspectos como investimentos, processos, tecnologia e pessoas sejam planejados, de forma que possam garantir o atingimento das metas estabelecidas. Capacitação profissional – capacitar, de forma organizada e sistemática, todas as pessoas da organização, para que possam realizar suas atividades de forma mais produtiva e competente. Capacitar líderes para que consigam extrair o melhor de suas equipes e promover um ambiente saudável para a geração e troca de ideias, bem como de meritocracia e de tolerância ao erro. Governança Corporativa – apoiada em princípios como transparência, eficiência e responsabilidade, torna-se fundamental para evitar conflitos familiares que possam colocar em risco a continuidade do negócio. Antes comum somente às grandes empresas, pequenas e médias organizações

familiares enxergam na governança corporativa uma maneira equilibrada de gerir efetivamente os aspectos negócio e família. Segundo estudo da Consultoria PwC, “nos próximos cinco anos, é provável que aconteça a maior transferência de riqueza entre gerações já vista na história da economia moderna.” Tamanha responsabilidade deve ser entendida pelos gestores dessas companhias como uma oportunidade para melhorarem a qualidade da gestão do negócio, promovendo o alcance de resultados crescentes e sustentáveis. Com o aproveitamento das oportunidades, as empresas familiares continuarão exercendo, merecidamente, o seu papel de protagonismo na economia mundial.

No Azul Gestão para Resultados Rua Misseno de Pádua, 334, sala 102 Centro | Lavras MG

Contato: (35) 3826.3960 / 98880-5777 douglas@noazulconsultoria.com.br thalita@noazulconsultoria.com.br @noazulconsultoria noazulconsultoria www

www.nozazulconsultoria.com.br


Organização e produtividade da equipe comercial; Metas claras e específicas para a melhoria do desempenho das vendas; Ferramentas avançadas para a execução da estratégia de vendas; Geração de resultados crescentes e sustentáveis.

Entre em contato e saiba mais!

Rua Misseno de Pádua | 334 | Sala 102 | Centro Lavras MG 35 3826 3960 . 98880 5777 @noazulconsultoria www.noazulconsultoria.com.br

REVISTA IPÊ

— 27 —

O comercial da sua empresa gerando resultados como você nunca viu.


— 28 — REVISTA IPÊ


| BEM-ESTAR

— 30 —

M

Yoga e qualidade de vida Prática é oferecida gratuitamente na capela da UFLA REVISTA IPÊ

Por Camila Caetano Fotos: Daniel Rocha

ais equilíbrio ao corpo e à mente, melhorias no sistema respiratório, controle do estresse e da ansiedade, e ainda mais força e flexibilidade. Tudo isso em uma só atividade: a yoga, que tem como objetivo a integração entre corpo, mente e espírito, por meio de diversos exercícios. Com todos esses benefícios, a Universidade Federal de Lavras (UFLA) passou a oferecer gratuitamente, a toda a comunidade da cidade, a prática da yoga, semanalmente, na Capela Ecumênica. O projeto teve início com o professor aposentado Arnaldo Pereira Vieira, em 2001, e desde 2013 é coordenado pela professora Viviane Santos Pereira. A professora explica que o praticante de yoga purifica e estimula o corpo de diversas maneiras saudáveis, a fim de equilibrar a sua saúde, por meio de mantras, posturas, relaxamento, respiração e meditação. “Uma sessão completa de Hatha Yoga consiste de posturas físicas, relaxamento profundo, controle da respiração e meditação. Dura em média uma hora. Ao terminar, o praticante se sente revitalizado e tem seu bem-estar natural recuperado”, destaca. A aula básica oferecida é planejada para que todos tenham facilidade em executá-la, independente da idade e do tipo físico. “É uma combinação de atividades que desenvolve cada aspecto do indivíduo. Cada aula une posturas, relaxamento profundo, práticas respiratórias e meditação que promovem uma profunda experiência de paz e bem-estar”, comentam os integrantes do projeto. Viviane e os demais membros do projeto destacam que a partir da yoga o indivíduo tem a oportunidade de refletir sobre tudo o que lhe envolve: pensamentos, emoções e naturalmente sobre seus valores, suas crenças, suas escolhas. Essa reflexão é um importante passo para que as pessoas possam conviver bem consigo mesmo e com os outros, tornando-se capazes de lidar com conflitos internos e externos. Sayene Gonçalves, por exemplo, passou a exercitar yoga e meditação, quando percebeu que a sua ansiedade e falta de concentração estavam lhe prejudicando no dia a dia. “Comecei a praticar diariamente e a sentir a mudança, tanto na mente quanto no físico. Geralmente estamos o tempo todo na correria, em função do trabalho e coisas da rotina. Parar para sentir a


POSTURAS DA YOGA sua própria respiração parece ser algo bobo, mas faz muita falta, e com certeza, consigo me ver bem mais tranquila e mais grata às coisas que estão acontecendo. O equilíbrio vem junto à prática e isso é muito bom. Pretendo fazer cursos específicos de instrutores, e trabalhar com isso na prática e na pesquisa, futuramente”.

MEDITAÇÃO

METODOLOGIA DAS AULAS

Relaxamento: o relaxamento profundo (Yoga Nidra) permite que todos os benefícios da sessão de yoga sejam assimilados. Cada parte do corpo será sentida e relaxada, aliviando tensões e desequilíbrios que são acumulados no corpo como as batalhas emocionais e mentais do dia a dia, aumentando assim a nossa percepção sobre nós mesmos. Controle da respiração: é o controle da energia vital feita através de exercícios respiratórios.

Alguns benefícios da yoga • • • • • • • •

Concentração Controle da ansiedade Tranquilidade Redução do estresse Melhoramento do metabolismo Flexibilidade das articulações Estímulo à circulação sanguínea Melhoria na digestão

Guerreiro III

Árvore

Guerreiro II

Cachorro olhando para baixo Arco

Postura da criança

Guerreiro I Camelo

Como iniciar as aulas na UFLA Não é necessário fazer inscrição. Basta observar os horários das aulas oferecidas e comparecer à prática, na Capela Ecumênica. No facebook, o projeto possui um grupo denominado “Yoga na Capela”, com todas as informações. Neste semestre, as aulas acontecem de segunda a sexta-feira, em horários alternados, entre manhã, tarde e noite. Atualmente, o projeto atende cerca de 150 pessoas semanalmente, em parceria com o Centro de Yoga Integral Satchidananda (CYIS).

Meio lótus

Meia lua

Ângulo lateral estendido

Postura do corredor

Ponte

Vela

Geralmente uma prática de Hatha Yoga é composta por: mantras, posturas, relaxamento, respiração e meditação. Mantras: são vibrações vocalizadas a fim de equilibrar o estado mental, emocional e físico. Posturas: atuam nos aspectos físico, mental, emocional e energético do corpo do praticante. Massageiam os órgãos internos e estimulam a boa circulação sanguínea além de alongar, tonificar, estimular e fortalecer a musculatura em geral. Melhora a função de REVISTA IPÊ

— 31 —

Meditar em casa mesmo, por pelo menos cinco minutos diários, oferece uma melhora significativa na concentração, controle da ansiedade, além de outros benefícios. Basta ser num lugar calmo e sereno. “Sente-se em uma posição confortável, mantendo a coluna ereta, feche os olhos e assuma uma posição de observador, tente não interferir, apenas observe seu fluxo mental. Com o tempo irá perceber que sua respiração flui naturalmente. Quando estiver numa meditação fluída, você pode ir aumentando o tempo de meditação gradativamente, apreciando a prática”, explicam. Os integrantes do projeto destacam que muitas pessoas confundem a meditação com a interrupção de todos os pensamentos (que é apenas um tipo mais avançado de meditação). “No começo, a meditação é apenas perceber a quantidade de pensamentos que passam pela mente a todo o momento. O propósito da meditação é de libertar o praticante do domínio da mente e dos sentidos, para que ele compreenda que sua mente não pode estar no controle. É preciso que esse treinamento seja realizado aos poucos e diariamente, para que lentamente a disciplina mental seja alcançada”.

todos os sistemas (respiratório, circulatório, nervoso, muscular, articular, endócrino, exócrino, de reprodução, digestivo, de excreção e urinário).


| INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR

Cadastro Positivo Mudanças nas condições de crédito e oportunidade para todos

— 32 —

O

Cadastro Positivo é uma lista de bons pagadores, através do registro da pontualidade no pagamento de suas contas, sejam elas crediários, financiamentos e mensalidades de serviços como água, energia elétrica e telefone, com o propósito de criar um banco de dados que ficará à disposição de instituições privadas. O Cadastro Positivo foi sancionado pelo Presidente Luís Inácio Lula da Silva em 2011, pela Lei 12.414, e regulamentado pelo Decreto 7.829 em 2012 pela Presidente Dilma Rousseff. O Cadastro dos bons pagadores poderá servir de base para transações comerciais, como vendas a prazo e concessões de crédito. A medida ajudará a diminuir o custo da concessão de crédito e oferecer juros mais baixos para o consumidor.

UM POUCO DE HISTÓRIA

• Você poderá ser avaliado de maneira mais justa e completa, considerando pagamentos realizados e não só as dívidas não pagas. • Seus financiamentos e empréstimos poderão ser aprovados com mais facilidade e menos burocracia.

COMO FUNCIONA O consumidor assina o termo, informando seus referenciais comerciais e autoriza a divulgação de seus hábitos de pagamentos. O Bureau de Crédito coleta a autorização e aciona as referências comerciais indicadas para fornecimento das informações. As informações enviadas pelas empresas são armazenadas pelo Bureau de Crédito e apresentadas em produtos de apoio a tomada de decisão de crédito. Vale lembrar que o consumidor poderá pedir o cancelamento do envio de suas informações a qualquer momento para a entidade que efetuou o cadastro. Poderão participar do Cadastro Positivo pessoa física (maiores de 18 anos) e jurídica, e mesmo que tenha alguma pendência negativada no SPC, ainda assim poderá participar, pois são bases de dados diferentes, sendo a participação gratuita. Para aderir ao Cadastro Positivo você pode se cadastrar pelo site www.spcbrasil.org.br/cadastropositivo, diretamente na Câmara de Dirigentes Lojistas –CDL de Lavras (Rua Francisco Sales, 669, Centro) ou através dos Correios, imprimindo o formulário para autorização de abertura e seguindo os passos descritos no site citado. O Cadastro Positivo é seguro. As informações contidas nele só podem ser usadas para análise de crédito e de negócios. Os dados não podem ser usados para marketing ou outras atividades, e as empresas aptas a operar e receber seus dados positivos contam com ferramentas tecnológicas adequadas para garantir a segurança das informações.

O Brasil foi o último país do G20, formado pela Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coréia do Sul, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos, além da União Européia, e do Brics, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, a aprovar o Cadastro Positivo. Em outros países, a implantação do Cadastro Positivo trouxe benefícios significativos para a economia. Nos Estados Unidos da América, 80% dos consumidores passaram a ter acesso ao crédito, sendo que antes da implementação o número ficava em 40%. No Chile, as mulheres aumentaram a participação no mercado de crédito; na Alemanha, onde o crédito era pouco difundido, superou em três vezes a média nacional; no México, a população de baixa renda teve grande acesso ao crédito (fonte: Uol/Economia)

QUAIS AS VANTAGENS DO CADASTRO POSITIVO • As condições comerciais (taxas de juros, quantidade de parcelas, etc) poderão ser definidas de acordo com seu histórico de crédito. • Suas compras a crédito podem ficar mais fáceis, mesmo que você não tenha conta em banco ou comprovante de renda, pois lojas e prestadores de serviços podem analisar suas contas pagas anteriormente e oferecer condições comerciais de acordo com o seu perfil. REVISTA IPÊ

Wanderson Emilson dos Santos, gerente de Serviços da Câmera de Dirigentes Lojistas de Lavras


— 33 — REVISTA IPÊ


| SOLIDARIEDADE

Junho Vermelho A história de quem sobreviveu graças à doação de sangue

C — 34 —

om apenas dez minutos você pode salvar a vida de até quatro pessoas. Já pensou nisso? Esse é o tempo médio de uma doação de sangue, essencial para muitos tratamentos e intervenções urgentes. São apenas 450ml de sangue coletado, e o seu organismo repõe o volume líquido em 24 horas. Apesar de o ato ser simples, apenas 1,8% dos brasileiros são doadores, enquanto a Organização Nacional da Saúde (OMS) recomenda que pelo menos 3% da população doe sangue. Só para ter uma ideia, no Brasil, cerca de 3,5 milhões de pessoas necessitam de transfusões de sangue ao ano. Nos últimos seis meses, Lavras contou com 824 candidatos à doação. Desse total, 696 estavam aptos a doar. Considerando que a programação semanal deveria ser de 40 candidatos/ dia, Lavras apresentou uma defasagem nesse período de 376 doadores. Por isso, as campanhas de incentivo a esse ato de solidariedade devem

Por Camila Caetano Fotos: Daniel Rocha

ser constantes. Em 14 de junho, países de todo o mundo celebram o Dia Mundial do Doador de Sangue, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre a necessidade das doações, além de agradecer às pessoas que já realizam essa ação. Em menção a essa data, a Revista Ipê procurou por pessoas que foram salvas graças às doações de sangue. Assim, conheça nesta edição a história de Marcela Botelho, diagnosticada com Leucemia Mieloide Aguda e, Amanda Abreu, que vence a cada dia a Anemia Sideroblástica Congênita.

Marcela Botelho, 23 anos, diagnosticada com Leucemia Mieloide Aguda aos 19 anos.

REVISTA IPÊ


MARCELA BOTELHO A DESCOBERTA DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA

O TRATAMENTO Foram três anos de luta. Meu tratamento, graças a Deus, finalizou neste mês (maio). Foram várias idas e vindas ao CTI. Em uma delas fui com 90% de chance de morrer por conta de uma pneumonia nos dois pulmões, infecção generalizada e não tinha mais imunidade para combater a doença. Um milagre eu ter sobrevivido, foram todos os tipos de efeitos colaterais: a perda de cabelo, que, aliás, foi uma experiência interessante, muitas pessoas tem medo de ficar careca, e eu não me importava em momento algum, saía nas ruas mostrando que não tinha cabelo, agia naturalmente. Morei por nove meses em um corredor de 17 leitos na Santa Cansa de Belo Horizonte, onde encontrei médicos e profissionais muito bons. A doutora Paula, hematologista, e o doutor Alexandre, oncologista, sempre cuidaram de mim com um carinho imenso e uma preocupação fora do comum. Hoje, estou aqui por Deus, pelos meus médicos e minha família!

Doação realizada no Posto Avançado de Coleta de Lavras

DOAÇÃO DE MAIS DE 50 BOLSAS DE SANGUE As doações de sangue eram o principal fator para a minha sobrevivência no tratamento. Como a minha medula se encontrava doente, a doação de sangue me fortalecia muito e me ajudava a me manter viva. Foram mais de 50 bolsas de sangue e plaqueta de pessoas que não sei quem são, mas que salvaram a minha vida. Como eu sempre digo em minhas palestras, pessoas que doam sangue são SUPER HEROIS salvando as vidas de pessoas que eles não conhecem.

cer, dizendo que suas vidas mudaram depois que viram meus vídeos, e deram mais valor a tudo. Eu nunca tive muitos seguidores, e nunca me importei com isso, para mim, o mais importante era quem eu estava ajudando. Também ministro palestras para campanhas de doação de sangue, com Luiz Gustavo, que trabalha na área de doação de sangue na Upa de Lavras. Hoje com 23 anos, estudo Publicidade e Propaganda e tenho uma empresa de eventos, a 7Oficial”.

SUPERAR E AJUDAR AO PRÓXIMO Minha iniciativa em fazer um canal no youtube (Caladamarcelab) sempre foi para poder ajudar as pessoas que passavam pela mesma situação. Lembro-me que quando eu estava no hospital queria muito conversar com sobreviventes e saber o que fizeram ou como fizeram. Como eu vivia sempre em um quarto de isolação, procurei conteúdos no youtube, mas não achei muita coisa. Foi aí que eu fiz um vídeo no whatsapp pedindo doações de sangue e ele teve muitas, mas, muitas visualizações. Então, resolvi fazer meu canal no youtube. Eu sempre sorria, nunca me deixava abater. E, foi isso que eu fiz através do canal, passei a levar palavras positivas, humor e força. Muitas pessoas vieram me procurar para me agrade-

Amanda Nazaré de Abreu, 26 anos, diagnosticada com anemia sideroblástica congênita aos 3 meses de idade. REVISTA IPÊ

— 35 —

“Eu sempre fui saudável, praticava esportes e algumas vezes tinha que tomar sulfato ferroso para anemia, mas nada grave. Não gripava e quase nunca tinha febre. Super ativa, não parava um minuto, foi então que no final de outubro de 2014, com 19 anos, comecei a sentir dores muito fortes no cóccix. Também tinha diarreia frequente e vomitava ao mesmo tempo. Certo dia, uma afta enorme apareceu na minha garganta. O sono já era constante e o cansaço com a vontade de deitar o tempo todo me dominava. A palidez começou a fazer parte de mim e meu cabelo embolava de tal forma que eu não dava mais conta de pentear, pois depois de 15 minutos ele embaraçava novamente. Foi quando procurei recurso em Lavras para fazer meus exames de sangue, mas nada foi detectado, apenas os níveis de plaquetopenia e hemoglobina que estavam baixíssimos. Em Lavras, não encontrei recursos, pois meu diagnóstico realmente era muito difícil de detectar, foi quando depois de seis meses de tentativa fui para Belo Horizonte, onde após 40 dias de exames profundos veio a descoberta da Leucemia Mieloide Aguda, LMA!


| SOLIDARIEDADE

disso, há os amigos da família e ainda os doadores desconhecidos, que doam sangue para mim simplesmente para ajudar ao próximo.

LUTA E SUPERAÇÃO A CADA DIA

AMANDA NAZARÉ DE ABREU

— 36 —

A PRIMEIRA LUTA: SER DIAGNOSTICADA “No instante em que nasci não chorei. Isso motivou a equipe médica a me colocar direto no oxigênio, antes mesmo de ir ao colo da minha mãe. Quando foi feito o teste do pezinho, a bioquímica do hospital relatou que meu sangue estava “ralo” e então fui medicada com Noripurum, um medicamento à base de ferro (essa decisão foi bastante perigosa, já que, devido ao excesso de ferro que possuo no organismo- diagnóstico que veio posteriormente- poderia ter prejudicado ainda mais a minha função hepática, renal e cardíaca). Fui para casa. E, nos meus primeiros três meses de vida minha mãe me levava à Varginha no “melhor pediatra da região”, pois ela já desconfiava que houvesse algo de errado comigo. Ela percebia que eu ficava cansada, ofegante e pálida durante a amamentação, além de rejeitar o leite materno. Esse pediatra não conseguiu me diagnosticar. Fomos a outro, que sugeriu que eu fosse alimentada com o leite NAN para recém-nascido. Mas, minha mãe continuou preocupada. Até que, certo dia, fomos passear na fazenda do meu avô. Durante a viagem, minha irmã contraiu uma infecção de garganta e estava com febre. Por esse motivo, minha mãe e meu pai correram à cidade mais próxima, São João del Rei. O médico que nos atendeu foi o pediatra Dr. Euclides. Durante a consulta, minha mãe comentou com o médico que estava desconfiada de que havia alguma coisa de errado comigo. Quando meu pai a contra argumentou e sugeriu que todos deveriam se concentrar na minha irmã, o Dr. Euclides então disse: “O REVISTA IPÊ

senhor está enganado! Sua filha mais velha está muito bem, ela irá tomar um anti-inflamatório e em breve estará melhorar. Já quanto a sua filha mais nova, se prepare que vamos fazer um hemograma nela e o senhor já pode me acompanhar para doar sangue, pois é muito provável que ela precisará de uma transfusão sanguínea”. O médico estava certo. Meu pai ficou chocado com a notícia e foi prontamente doar sangue. Eu sou muito feliz pelo meu pai ter sido meu primeiro doador! O Dr. Euclides parabenizou minha mãe pela persistência e disse que, se em 15 dias meu problema não fosse resolvido e ela notasse o retorno dos mesmos sintomas de palidez na boca, na linha d´água dos olhos e em minhas mãos, era para eu fazer outra transfusão e ir urgentemente para Belo Horizonte. Após 15 dias, fui submetida a uma nova transfusão sanguínea e minha mãe me levou para Belo Horizonte. Lá, fui diagnosticada com Anemia Sideroblástica Congênita, o que significa que minha medula óssea não produz hemoglobina.

E é assim que sigo a vida, com a ajuda dos meus doadores, aos quais eu agradeço imensamente. E ao Luiz Gustavo que trabalha na UPA e desempenha um importante trabalho em campanhas de doação de sangue. O processo de doação de sangue para mim é algo que transcende o valor de uma necessidade biológica do organismo, não é possível pensar apenas numa necessidade do meu corpo, eu fico sempre me questionando sobre “como será a vida de cada pessoa que doa sangue para mim?”, “o que motivou cada um a doar?” e “qual a expectativa que cada doador tem sobre a minha vida ao doar sangue?”. Atualmente, sou psicóloga clínica, atendendo adultos e crianças, e também faço pós-graduação em psicanálise”.

INÍCIO DO TRATAMENTO Após o diagnóstico, aos nove meses de idade, nos mudamos para Lavras, onde faço transfusão de sangue semanalmente, até hoje. Além disso, eu tomo medicamentos todos os dias para reduzir a quantidade de ferro no organismo. Da educação infantil ao ensino médio, estudei no colégio adventista Fadminas. Esse colégio fez inúmeras campanhas de doação de sangue e me ajudou muito. Meu pai, como chefe do Tiro de Guerra de Lavras, também conseguiu muitos doadores, e minha mãe sempre foi atrás de outros. Além

LUIZ GUSTAVO O captador do Pace de Lavras, Luiz Gustavo Pereira, está há mais de oito anos envolvido entre captações, campanhas e projetos destinados às doações de sangue.

FICHA TÉCNICA As doações do Posto Avançado de Coleta Externa da Fundação Hemominas (Pace) de Lavras são realizadas na UPA todas as quintas, das 8h as 11h30, podendo receber até 40 doadores. É possível agendar um horário de atendimento pelo telefone (35) 3694 4145.


Doação de sangue Um processo rápido, seguro e solidário. Entenda quem pode, os procedimentos no dia da coleta e os tipos sanguíneos

PERFIL DO DOADOR

PROCEDIMENTOS NO DIA DA COLETA

Entre 16 e 67 anos de idade. Menores devem apresentar autorização assinada pelo responsável e cópia do documento do mesmo

Não ter tido hepatite após os 11 anos de idade

Pesar mais de 50 kg

Não estar com sintomas de gripe, resfriado ou diarreia nos últimos 7 dias Não ter feito tatuagem ou ter sido exposto a situações de risco para doenças sexualmente transmissíveis nos últimos 12 meses

Apresentar documento original com foto

2

O captador passa as orientações ao doador

3

É feito um cadastro de dados do candidato no sistema do Hemominas

4

O candidato passa por uma triagem, na qual é entrevistado pelo médico sobre as suas condições de saúde

5

Se passar pela triagem médica, é feita uma triagem hematológica, na qual é verificada a taxa de hemoglobina da pessoa

6

É servido um lanche pré-doação

7

A doação é realizada com duração média de 6 a 8 minutos, onde é colhida uma bolsa de 410 a 450 ml de sangue e 4 tubos de sangue para a realização de diversos exames imunológicos de triagem

8

Cada bolsa é fracionada e pode salvar a vida de até 4 pessoas

A+, AB+

A

A-, AB-, A+, AB+ B+, AB+

B

B-, AB-, B+, AB+

AB+

AB AB-, AB+

Se realizou endoscopia, deve-se aguardar 6 meses para doação Homens podem doar até 4 vezes ao ano (intervalo mínimo de 2 meses) e mulheres até 3 vezes ao ano (intervalo mínimo de 3)

9

Após a doação, o doador recebe um atestado médico e todas as orientações dos cuidados pós-doação

10

É servido o lanche pós-doação

Nos últimos 6 meses 824 candidatos compareceram ao Pace Lavras

136

NOV 17

DEZ 17

O

0+, B+, A+, AB+, 0-, B-, A-, AB-

TIPOS DE SANGUE MAIS COMUNS NO BRASIL

DOAÇÃO EM LAVRAS

136

0+, B+, A+, AB+

157

JAN 18

127

FEV 18

136

132

MAR 18

ABR 18

2% B8% B+ 8% A34% A+

2,5% AB+

0,5% AB+ 36% 0+ 9% 0REVISTA IPÊ

— 37 —

Estar em bom estado de saúde

1

TIPOS SANGUÍNEOS

Existem quatro grupos distintos de sangue e, dentro dessa classificação, há ainda os negativos e positivos. Confira quem pode doar para quem:


— 38 — REVISTA IPÊ


— 39 — REVISTA IPÊ


| SAÚDE

Foto: José Henrique

1 Por que escolheu se especializar em reumatologia? A reumatologia é uma especialidade bastante ampla, que envolve diversos órgãos, necessitando de muito conhecimento de clínica médica e raciocínio, e isso me fascina.

2 Você escolheu Lavras para atuar na sua área por algum motivo específico?

Escolhi Lavras por ser minha cidade de nascimento e poder ajudar a população lavrense e toda a região.

3 Reumatismo serve para designar inúmeras enfermidades. Quais são as mais conhecidas?

Temos várias patologias entre elas: fibromialgia, osteoartrite, osteoporose, artrite reumatoide, espôndilo artrites soronegativas, colagenoses, vasculites, dentre outras.

4 Pode manifestar em pessoas de qualquer idade? Sim, apesar de pensarem que reumatismo é apenas doença de idoso, principalmente as doenças autoimunes, são muito comuns em pacientes jovens.

— 40 —

5 Qual o tipo de tratamento?

Qual a diferença entre as enfermidades? Dr. Leandro Teixeira Gomes CRM - 60039 Reumatologia - RQE nº 40869 / Clinica médica RQE nº 37568

Especialista em medicina interna e especialista em reumatologia Rua Firmino Sales, 484 c (35) 3822-3122 @drleandrotgomes

Reumatologia verdades e mitos

Cada patologia é única, cada tratamento é individualizado, pois nenhuma pessoa é igual à outra.

6 Há algo novo e eficaz com relação a tratamen-

tos na área reumatológica? Ou ainda são realizados tratamentos apenas com anti-inflamatórios e cortisona? Há vários novos tratamentos, como os agentes biológicos e os imunossupressores, além da reabilitação e psicoterapia que sempre são importantes.

7 O reumatismo é genético? Assim como a maioria das doenças, existem fatores ambientais e fatores genéticos que funcionam como gatilhos para o desenvolvimento de determinada doença.

8 Quais são os exames realizados

Uma especialidade ampla da medicina, que exige muito conhecimento de clínica médica e raciocínio REVISTA IPÊ

para confirmar diagnósticos?

Muitas vezes uma boa anamnese e exame físico são suficientes para a realização do diagnóstico, mas os exames muitas vezes são complementares.

9 Pessoas com doenças reumáticas podem praticar atividades físicas?

Podem e devem e em algumas patologias os exercícios físicos fazem parte do tratamento, como na fibromialgia.


Foto: Daniel Rocha

Deformidades dos membros inferiores Abordagem das alterações angulares dos membros inferiores

O

• Residência médica em ortopedia e traumatologia pelo hospital IPSEMG. • Título de especialista em Ortopedia e Traumatologia pela SBOT. • Residência médica em medicina e cirurgia do tornozelo e pé pelo hospital IPSEMG • Professor nomeado do DSA da UFLA Rua Dr. João Silva Pena, 88, Centro. (35) 3409-1004 - (35) 99908-1004

REVISTA IPÊ

— 41 —

Dr. Ednaldo Bougleux CRM/MG 47523

crescimento e desenvolvimento dos membros inferiores na criança é causa comum de consulta ortopédica. As deformidades nos joelhos e nos pés estão entre as dúvidas mais frequentes entre os pais. Mas o que poderíamos considerar como normal? O desenvolvimento fisiológico dos membros inferiores tem seu marco no início da marcha da criança, em torno de um ano de idade, quando a ação da gravidade devido à posição ereta se inicia. Primeiramente os pés são planos (chatos) e com o calcanhar desviado lateralmente; com o passar dos anos e início da marcha, inicia a formação do arco longitudinal medial plantar com a redução do desvio do calcâneo. Não há rigidez aparente das articulações dos pés. Essas alterações podem acontecer até os oito anos de idade e em 20 % dos casos permanecem até a fase adulta, sendo a maioria assintomática. O joelho, antes do início da marcha é varo, ou seja, para fora, e com o início da deambulação começam a valgizar, desviar para dentro, devido à força de sustentação do peso do corpo. Aos 3 ou 4 anos, os joelhos estão no grau máximo de desvio em valgo, e podem incomodar bastante os pais. Entretanto, a partir dessa idade, a deformidade tende a tornar-se mais branda e se estabilizar até os 7 ou 8 anos, com um pequeno grau de valgo. Deformidades nos pés e nos joelhos devem ser avaliadas por especialista a fim de se identificarem alterações patológicas que podem ser tratadas e corrigidas precocemente evitando complicações futuras. Nesse sentido, faz-se importante a atuação conjunta entre pediatras e ortopedistas para o diagnóstico precoce e acompanhamento do crescimento e desenvolvimento dos membros inferiores da criança.


Foto: José Henrique

| PSICOLOGIA

A Psicologia na orientação profissional

— 42 —

U

Leonora de Mattos Roxo Nadal Psicóloga clínica - CRP - 04/40900 • Formada em psicologia pelo Unilavras/2013 • Cursos em: Psicodiagnóstico, Psicoterapia e Ludoterapia para Crianças e Adolescentes; Orientação de Pais e Orientação de Casais; Atendimento clínico sob a perspectiva da Terapia por Contingências de reforçamento; Comportamento Verbal; Orientação e Desenvolvimento Pessoal e Profissional. • Atuação Clínica na Abordagem Analítico Comportamental

Atendimento: Rua Costa Pereira, 26 – sala 302. Centro. Lavras. Tel. (35) 99979.5355

REVISTA IPÊ

ma escolha baseada num projeto de vida é sempre um processo de tomada de decisão que deveria estar pautada em uma análise profunda de todo um contexto, abrangendo o que é possível e o que é realidade. Na prática, a tomada de decisão implica em escolher uma ação embasada nas possíveis consequências e nas inúmeras contingências que determinam ou influenciam esta ação. Procurar o apoio de um profissional que auxilie no desvendar dessas incertezas torna-se primordial, quando o indivíduo tenta compreender seus questionamentos ao buscar por uma identidade profissional. E essa identidade é, sem dúvida, mais uma das inúmeras maneiras de ele ser compreendido e de se relacionar, com o outro e consigo mesmo. Para tanto, o orientador profissional, juntamente com seu cliente, procura construir um caminho para o autoconhecimento, que nada mais é do que o conjunto de características pessoais, interesses e habilidades, valores, condições motivacionais (reforçadores), influências ambientais etc, e que deverá estar atrelado às possibilidades profissionais e exigências do mercado de trabalho (conhecimento profissional), ao projeto de vida e consequentemente à tomada de decisão. O trabalho de orientação profissional é construído através de uma psicoterapia diretiva, onde, por meio de vários procedimentos, bem como: entrevistas, pesquisas, questionários, atividades lúdicas, conhecimento da realidade sócio profissional, testes, inventários e dinâmicas. É comum imaginarmos que os testes psicológicos sejam as ferramentas mais importantes, ou únicas, nesse processo, porém, eles são apenas instrumentos que auxiliam na intervenção do orientador e tão importantes como todas as ferramentas utilizadas. Na atualidade, não podemos pensar na orientação profissional somente para jovens que buscam um curso universitário, já que cada vez mais cedo ele se vê obrigado a escolher seu futuro. Mais abrangente, hoje, a orientação profissional também atua na reorientação profissional, para aqueles que buscam por outro curso, ou estão insatisfeitos com sua atividade atual buscando uma nova profissão. Atua também no aconselhamento de carreira, para aqueles que estão trabalhando, mas vislumbram um crescimento profissional e também na preparação da aposentadoria, para aqueles que desejam um novo projeto de vida, como uma nova carreira ou otimização de seu tempo. Sendo assim, o orientador profissional atua como um facilitador junto ao seu cliente auxiliando no entendimento e compreensão de suas habilidades e competências, por meio do autoconhecimento, para que, nesse processo reflexivo, o orientando consiga fazer suas escolhas, de forma consciente e responsabilizando-se por seus projetos futuros.


— 44 — REVISTA IPÊ


— 45 — REVISTA IPÊ


— 46 —

| SAÚDE

Ainda neste ano o Centro de Hemodiálise da Santa Casa de Lavras será transferido para uma moderna unidade no bairro Cidade da Serra

Centro de Hemodiálise da Santa Casa de Lavras Há mais de 25 anos oferecendo serviços de qualidade Por Santa Casa de Lavras Projeto 3D: Danielle de Brito

REVISTA IPÊ

O

Centro de Hemodiálise da Santa Casa de Lavras, em atividade desde novembro de 1991, foi construído especialmente para atender os pacientes de Lavras e região, em tratamento de hemodiálise. A Hemodiálise é um procedimento através do qual uma máquina filtra o sangue do paciente, retirando as toxinas e resíduos prejudiciais à saúde, exercendo, portanto, funções que o rim doente não pode fazer. As doenças renais apresentam uma

prevalência elevada na população nacional e mundial. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia, a incidência da doença renal crônica no mundo é de 10 a 15%. No Brasil, a estimativa é que mais de 10 milhões de pessoas tenham a doença. O Centro de Hemodiálise da Santa Casa de Lavras é de médio porte, atualmente com 32 máquinas, permitindo atender 170 pacientes. O atendimento é feito por uma equipe multidisciplinar especializada,


internados na instituição e no CTI. Possuindo serviço próprio de confecção de fístulas arteriovenosas e implantes de cateteres de Tenckoff, Duplo Lúmen e Permcath, permitindo também um acompanhamento com especialista vascular, o que significa melhor atendimento, conforto, agilidade e segurança aos pacientes.

MUDANÇA E MODERNIDADE A partir de agosto de 2018, o Centro de Hemodiálise será transferido para uma moderna unidade com 3.000 mts² no bairro Cidade da Serra. Um projeto arrojado e inovador assinado pela arquiteta Danielle de Brito com amplas instalações, composto por refeitórios, consultórios, REVISTA IPÊ

— 47 —

formada por médicos e enfermeiros nefrologistas, nutricionista, psicólogo, assistente social e técnicos de enfermagem, que se dedicam à promoção da saúde dos pacientes, atuando na assistência e na humanização. O sistema de tratamento de água da Hemodiálise segue um rigoroso controle de qualidade, confirmando uma assistência adequada e segurança aos pacientes. O Centro de Hemodiálise da Santa Casa de Lavras oferece os serviços de Hemodiálise, Diálise Peritoneal Intermitente (DPI), Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua (DPAC) e Diálise Peritoneal Automática (DPA). O atendimento é feito em três turnos, de segunda a sábado, oferecendo também um acompanhamento aos pacientes

vestiários, sala de reunião, sala de urgência e emergência e umas das mais modernas salas de tratamento, com 51 máquinas totalmente climatizadas com sistema de áudio e vídeo individuais que trarão mais conforto aos pacientes, com capacidade para atender 306 pacientes. O Centro de Hemodiálise da Santa Casa de Lavras busca oferecer um atendimento de qualidade, com a finalidade de promover o bem-estar e a saúde dos pacientes, através de uma completa infraestrutura, tendo como missão ser referência em terapia renal substitutiva, oferecendo sempre o atendimento humanizado para minimizar as dificuldades encontradas pelo paciente renal crônico. A Santa Casa de Lavras agradece à PEMI Grupo Empresarial por juntos tornarem esse sonho em realidade.


— 48 —

| SAÚDE

Oncominas inaugura nova unidade Clínica médica especializada em Oncologia abriu a quarta sede, em Lavras. Por Rebeka Botelho Foto: Maurício Oliveira

N

o dia 15 de junho, a Oncominas reuniu 150 pessoas para celebrar a sua nova sede, em parceria com o Hospital Vaz Monteiro, na cidade de Lavras. Um momento muito importante para a cidade e para a empresa dando continuidade ao seu projeto de expansão no Sul de Minas inaugurando sua quarta unidade na região. Atualmente, são 4 clínicas e um consultório espalhados pelo Sul de Minas. Lavras agora conta com uma emREVISTA IPÊ

presa comprometida com a excelência no atendimento, e com uma equipe médica especializada, formada por oncologistas clínicos, hematologistas e profissionais preocupados em atender às expectativas de seriedade e respeito pela saúde e bem-estar do ser humano. O grupo Oncominas oferece tratamento completo em Oncologia Clínica e Pediátrica, Hematologia e Oncohematologia, Radioterapia, e Cuidados

Paliativos, onde atua no diagnóstico, tratamento e acompanhamento. “A cidade de Lavras sempre foi muito acolhedora, atualmente, temos um número muito grande de pacientes da cidade, tanto na Oncominas, quanto no hospital Bom Pastor em Varginha, onde atendemos a Rede Pública. No passado estivemos em Lavras, mas não conseguimos uma parceria, então optamos por esperar. Mas a espera valeu a pena, após mui-


Diretores da Oncominas e Prefeitura de Lavras

— 49 —

tas conversas com a administração do Hospital Vaz Monteiro, e com ajuda do Dr. prefeito José Cherem, fizemos essa parceria, que vai facilitar a vida daqueles que necessitam de tratamento contra o câncer na cidade e na região. Sempre trabalhamos com qualidade e dedicação e com Lavras não será diferente, essa nova unidade da Oncominas na cidade será um marco para nossa empresa, que tem muita honra de iniciar as atividades em um lugar tão receptivo e acolhedor. Tenho certeza que os médicos que estão iniciando atendimento junto comigo, Dr. Bruno Aquino, oncologista, e Dr. Marcelo, hematologista, estão muito felizes com a nova conquista e hospitalidade, esperamos responder à altura com um atendimento de qualidade

e humanidade.” diz Dr. Rodrigo dos Santos Maganha, oncologista clínico da Oncominas. A unidade de Lavras é especializada em oncologia clínica e hematologia, tratamentos de quimioterapia, imunoterápicos e hormonioterápicos e conta com uma infraestrutura completa e moderna, que oferece conforto e comodidade aos seus pacientes. Qualidade é um dos pilares da empresa, por isso, a Oncominas é a primeira clínica do Sul de Minas com o certificado de qualidade da Organização Nacional de Acreditação (ONA), nas unidades de Varginha e Pouso Alegre. Além de possuir declaração de conformidade com a ISO 31000 em Varginha e Pouso Alegre, norma internacional para gestão de

riscos que padroniza as medidas de segurança adotadas pela empresa. Em 2016, a Oncominas Varginha recebeu a premiação máxima, Faixa Ouro, na categoria Compromisso com a Excelência, do Prêmio Mineiro da Qualidade, atendendo a todos os critérios de avaliação do Instituto Qualidade Produtividade Minas (IQPM).

Oncominas Av. Doutora Dâmina Zakhian, 28 Centro | Lavras - MG Para saber mais sobre a Oncominas e acompanhas as novidades, acesse as redes sociais: /Oncominas oncominas.med.br REVISTA IPÊ


| PERFIL

— 50 —

Ângelo no lugar predileto da sua casa, cercado dos seus livros e filmes favoritos, e sempre na companhia de Gambá, seu cão de estimação.

REVISTA IPÊ


Ângelo Alberto de Moura Delphim Uma vida dedicada à cultura e história de Lavras

Por Camila Caetano e Mateus Lima Foto: Daniel Rocha

“Não sinto solidão, sempre tem um filme para assistir ou um livro para ler... Sempre fui feliz, sempre soube ser feliz e ainda sou feliz...”

— 51 —

Â

ngelo Alberto de Moura Delphim esteve a maior parte da sua vida envolvido com a cultura de Lavras. Trabalhou na Universidade Federal de Lavras (UFLA) entre 1984 e 2006. Além de ter sido o primeiro coordenador de Cultura da Universidade, dirigiu o Museu Bi Moreira e apoiou inúmeras iniciativas, como a criação do Coral Vozes do Câmpus. Assim que chegamos à sua casa, Ângelo calmamente comentou que faria uma cirurgia ainda naquela semana, mas não se mostrou nem um pouco preocupado: “Estamos nesse mundo para passar o que for preciso. Minhas irmãs que ainda ficam preocupadas”. Ao perguntar sobre o Museu Bi Moreira, Ângelo foi enfático: “Vou te falar uma coisa, foi a melhor época da minha vida. Conheci tanta gente, fiz muitas amizades, participei de muitos congressos e consegui muita coisa para o Museu”. Nascido em 1942 e formado em Letras pela antiga Faculdade de Letras e Filosofia de Lavras (Fafi), Ângelo já ajudava o jornalista, escritor e professor Bi Moreira a catalogar itens do seu acervo, quando ainda era estudante do Instituto Gammon: “O Bi Moreira reuniu muitos itens, mas era disperso. Então eu fazia a catalogação, registrando o doador, data de entrada, origem, procedência e medições; como voluntário”.

A jornada de Ângelo, na UFLA, foi iniciada em 1979, cedido pela Prefeitura de Lavras para gerenciar o acervo de Bi Moreira. “O Instituto Gammon ofereceu ao Bi Moreira duas salas para que guardasse o seu acervo. Quando a ESAL foi federalizada, e começou a mudar suas instalações para o Câmpus Novo, a Diretoria cedeu um espaço para guardar as peças dele lá, isso ainda na década de 1970”, recorda-se. Já o edifício Álvaro Botelho passou a ser utilizado na gestão de João Márcio de Carvalho Rios. “A catalogação dos itens, fizemos no edifício Odilon Braga. Em 1982, fiz a montagem provisória do acervo, até que um museólogo fosse contratado. O que não aconteceu. Então, fiquei...”, conta. Por uma lei de 1984, que possibi-

litava aos profissionais à frente de instituições museológicas serem enquadrados como museólogos supervisionados, Ângelo assumiu o título e permaneceu à frente do Museu Bi Moreira, que havia sido inaugurado em 1983 (durante o 75º aniversário da ESAL), até 1987. “E conheço o acervo peça por peça”, desafia. Com 5 mil peças no Museu, a memória afiada ainda se lembra da primeira peça catalogada (uma faixa de 1922 comemorativa dos 100 anos da Independência do Brasil) e da de número 5 mil (um penico de louça). Para fazer toda a organização do Museu, o trabalho foi incalculável. “Ficava até de madrugada catalogando tudo. Lembro que certa noite, pedi ao Raimundo, que me ajudava, para buscar um martelo. Quando ele chegou, eu REVISTA IPÊ


— 52 —

| PERFIL

Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada. A realidade não precisa de mim.

estava esticado no chão, dormindo”. Como diretor do Museu, auxiliou a formação de outros, em várias cidades: Perdões, Bom Sucesso, Paraguaçu e Poços de Caldas (Museu da Polícia Militar). Além disso, ajudou a fazer um resgate de peças do Museu de Venda Nova do Imigrante (ES). Ângelo também foi o primeiro coordenador de Cultura da UFLA, tendo ocupado o cargo entre 1997 e 2004, nas duas gestões do professor Fabiano. São marcos desse período a criação do Coral Vozes do Câmpus, ativo até hoje; o festival Poesal, dedicado à poesia; trotes solidários; aquisição de um piano para o Salão de Convenções; instituição dos Hinos da UFLA e da Faepe; e a bandeira da Faepe. A experiência com documentos históricos e a convivência com diversas personagens resultou em uma pesquisa, que subsidiou a obra “A Terra Prometida de Lavras”, lançada em 2009. Toda essa dedicação à cultura reREVISTA IPÊ

gional e à memória da Instituição renderam homenagens. Uma delas ocorreu na abertura das comemorações do centenário da UFLA, em 2008: o Espaço Cultural do Museu Bi Moreira passou a ter o nome de Ângelo Delphim. Aos 76 anos, Ângelo ainda tem dois sonhos: “Gostaria, ainda, de criar um museu rural e um museu da educação em Lavras”. Além disso, hoje o que lhe encanta são os livros, filmes e conversar, sempre à procura de novas amizades. Outra companhia presente no seu dia a dia, que inclusive esteve o tempo todo ao seu lado durante a entrevista, é o Gambá, seu cão de estimação, já com 11 anos. Ao final da nossa conversa, Ângelo foi nos mostrar a declamação de Pedro Lamares do poema “Quando vier a Primavera”- Alberto Caeiro, in “Poemas Inconjuntos”, heterônimo de Fernando Pessoa. Para ele, um poema que lhe define:

Sinto uma alegria enorme Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma Se soubesse que amanhã morria E a Primavera era depois de amanhã, Morreria contente, porque ela era depois de amanhã. Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo? Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo; E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse. Por isso, se morrer agora, morro contente, Porque tudo é real e tudo está certo. Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem. Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele. Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências. O que for, quando for, é que será o que é.


— 53 — REVISTA IPÊ


| NEGÓCIOS

O Marketing Digital não funciona?

— 54 —

Afinal, as estratégias de marketing digital funcionam ou é perda de tempo e dinheiro para os empresários? Tire suas dúvidas agora!

A

eficácia das estratégias de marketing digital é uma dúvida que martela na cabeça dos empresários. Muitos dizem que investiram muito dinheiro nas redes sociais e que não obtiveram retorno e, por esse motivo, essa estratégia não funciona. Outros, pelo contrário, investiram pouco e são sucesso na rede, chegando à conclusão de que marketing digital é uma maravilha. No fim das contas, quem está certo? A resposta é que os dois estão certos, em partes. Leia a matéria até o final e entenda o porquê.

A primeira coisa que preciso explicar é: o que é Marketing Digital? Marketing Digital é um conceito macro que engloba estratégias diversificadas de vendas e divulgação de um serviço ou produto de modo online. Dessa forma, dentro do Marketing Digital existem segmentações de ações de marketing que são aplicadas de acordo com o objetivo e perfil da empresa. Entre eles, podemos destacar: Inbound Marketing, Marketing de Conteúdo, Marketing de Relacionamento, E-mail Marketing, Marketing de Busca - Search Engine Marketing e Search Engine Optimization, Marketing de Redes Sociais, Marketing de Performance, MarkeREVISTA IPÊ

Yvye Prado

Planejamento de Marketing e Redação

ting de Afiliados, SMS Marketing, Vídeo Marketing, Geo Marketing, Marketing de Comunidade, Marketing Viral, entre outros. São inúmeras ações. Portanto, dizer que Marketing Digital não funciona é um erro. Se você não se deu bem na sua divulgação, possivelmente é porque utilizou a estratégia errada ou utilizou-a mal. Hoje é praticamente impossível uma empresa não fazer marketing digital. O simples fato dela estar na internet, mesmo que seja somente divulgando o telefone e sua localização no Google, já é marketing e, consequentemente, digital. O Google revolucionou a forma como as pessoas buscam e transmitem informações. Praticamente tudo hoje está na internet e as pessoas cada dia mais conectadas. Se você precisa saber o telefone de uma empresa, onde você procura? Na internet, claro, já que não existem mais listas telefônicas. Por aí já temos um parâmetro de que estamos imersos no universo digital.

Mas então, o que fazer para que o Marketing Digital gere resultados positivos? Desenvolver uma boa estratégia de Marketing não é mesmo fácil. É

preciso estudo e dedicação para entender o mercado e analisar dados. Dessa forma, ou a empresa contrata uma agência ou consultoria especializada ou se dedica a aprender e estudar Marketing. Independente da sua escolha é preciso saber que, antes de qualquer coisa, conhecer a fundo o seu público é fundamental. Somente depois disso é que são definidas quais estratégias utilizar e em quais plataformas. Uma coisa é certa: não existe fórmula mágica e padronizada. Não é porque uma ação deu certo para uma empresa que dará certo para a sua. Fique atento nisso! Conheça seu público, dialogue com ele, veja onde ele está e o que deseja ouvir. E como saber se deu resultado? O Marketing Digital possui dados que medem o resultado de uma campanha, chamados de KPI - Indicador Chave de Performance. Esses indicadores englobam cálculos técnicos para mensurar ROI - Retorno sobre o Investimento, CPA - Custo por Ação ou Custo por Venda, CPL - Custo por Lead entre outros indicadores, que orientam e comprovam a eficácia de uma ação de marketing.

Isso significa que o Marketing Tradicional acabou? Não. Ele vai continuar existindo e pode muito bem ser conciliado com estratégias de Marketing Digital para alcançar mais clientes e de maneira mais eficaz, visto que a influência dos meios digitais aumentará a cada dia. Independente da ação traçada pela sua empresa, o mais importante é nunca mentir sobre quem você é, estar sempre atento aos feedbacks dos clientes, sempre oferecer conteúdos de qualidade e que sejam aquilo que seus clientes queiram ver. No mais, conte com a ZOO Digital para auxiliar a sua empresa neste processo.

Zoo Digital Comunicação, Marketing e Relacionamento Rua Misseno de Pádua, 495, sala 302 Centro - Lavras/MG

Contato: (35) 4104-1880 / 98868-2732 contato@zoo.digital www.zoo.digital @zooagencia


www.zoo.digital

SE VOCÊ PRECISASSE DOS SERVIÇOS OU PRODUTOS QUE SUA EMPRESA VENDE, SERIA FÁCIL ENCONTRÁ-LOS?

— 55 —

Estilo é tudo.

Tel.: 35 4104 1880 . @zooagencia

Digite o nome da sua empresa no Google e veja o que encontra.

75% dos usuários nunca clicam em resultados após a primeira página de pesquisa.

A partir deste ponto, só depende de você querer ser encontrado.

comunicação . marketing . relacionamento

REVISTA IPÊ


— 56 —

| DESIGN 2018

Design e sofisticação em um só lugar Inspirada nas tendências lançadas em Milão, Indústria de Móveis América cria peças que conferem personalidade a ambientes cada vez mais compartilhados

B

erço da história e da arte, a Itália é inspiração para os apaixonados por decoração e arquitetura. Conhecido pela sua capacidade de criar beleza, com qualidade, inovação e tecnologia, o país molda o design mundial, lançando – e (re) inventando - tendências. Esse é o sentimento por quem passa pela Salone del Mobile di Milano (em português, Feira de Móveis de Milão), considerada um dos maiores eventos do gênero. Durante uma semana, os grandes expoentes da indústria moveleira apresentam as inovações criadas por designers de mobiliário de todo o mundo. Tendências estas que podem ser admiradas na nova coleção da Indústria de Móveis América, marca mineira com mais de 50 anos de experiência na fabricação de móveis de design. A arquiteta Danielle de Brito, que visitou a REVISTA IPÊ

feira e teve contato com as principais novidades do mercado, pôde conferir de perto essa particularidade. “Os móveis da marca seguem os principais padrões internacionais, são atualizados e apresentam uma linha conceitual e um perfil diferenciado”, afirma. As peças atemporais das coleções transmitem elegância e simplicidade, com um toque de modernidade, e formam um ousado mix de formas, cores e materiais, conferindo personalidade a ambientes cada vez mais integrados, em que o mobiliário é o centro das atenções. Para dar forma às peças, a Indústria de Móveis América conta com a parceria de renomados profissionais do mercado, como Arthur Casas, Giorgio Bonaguro, Jayme Bernardo, Mula Preta, Simone Coste, Zanine Caldas e Zanini de Zanine, que transformam os ambientes em espaços

Por Licia Linhares Foto: Divulgação

modernos, aconchegantes e conceituais. “Tudo isso aliando qualidade ao cuidado minucioso e tecnológico, que transformam móveis em peças únicas e exclusivas”, acrescenta a arquiteta. Danielle de Brito Arquiteta

R. Misseno de Pádua, 475, sl 201 (35) 99103.8174 / 3822.7473 bfbarquitetura@gmail.com FB/danielledebrito08 Instagram: bfbarquitetura


Conheça algumas tendências apresentadas na Feira de Móveis de Milão e que são contempladas nas peças cuidadosamente criadas pela Indústria de Móveis América.

Couros e veludos transmitem o luxo despretensioso. Tons como o whisky, nude, verde floresta, azul seco e toda a gama de cinzas e pastéis dominam a paleta de cores.

Madeiras lisas, marcadas e foscas e formas elegantes se comunicam com aço carbono, lacas, mármores e pedras “lavadas”. Destaque para os veios evidentes e minimalistas.

— 57 —

Áreas externas e internas se integram, tornando-se um espaço de bem viver.

Pendentes cênicos e uma iluminação indireta se integram ao mobiliário. Poltronas e sofás “elevados do piso” parecem flutuar no ambiente, onde encostos mais baixos se dobram e desdobram para se adequar ao seu conforto. Espaços com mesas “gourmet”, sofás modulados e poltronas despojadas são as grandes vedetes.

TRADIÇÃO EM QUALIDADE

INDÚSTRIA DE MÓVEIS AMÉRICA

A Indústria de Móveis América possui uma fábrica em Perdões, no Sul de Minas Gerais, com uma ampla estrutura industrial de 13 mil m² de área e uma equipe de cerca de 300 profissionais altamente capacitados. Além disso, a empresa mantém um amplo showroom em sua fábrica e outro em Belo Horizonte.

Perdões - Fábrica | Showrrom

Fernão Dias - BR 381 Km 676 | MG | 35 3864-1279

Belo Horizonte - Showroom

Av. do Contorno 6.413 | Savassi | MG | 31 3286-4646

REVISTA IPÊ


| DESIGN 2018

1

4

5

— 58 —

3

2

6

7

Decoração O que não pode faltar em sua sala de estar Por América Móveis Fotos: Divulgação

A

sala de estar é o espaço mais visitado da casa e, por isso, merece uma decoração para lá de especial. É importante acertar na escolha dos móveis, com peças de Design brasileiro, prestigiando o nosso país, valorizar os itens decorativos e até mesmo os revestimentos. Valorize também a presença de peças práticas e versáteis como banquetas, pufes e mesinhas de apoio. REVISTA IPÊ

1 - Aparador Tetris

4 - Poltrona AGDA

Designer – Mula Preta - RN Estrutura aço carbono pintado. Caixas MDF laminado ou pintado. Cada Caixa pode ser customizada com cores diferentes.

Designer – Studio América – MG Estrutura aço carbono pintado, encosto fibra de vidro, assento e encosto estofado.

5 - Poltrona Nó 2 - Mesa lateral e Banco – TOY Designer – Jayme Bernardo – PR Estrutura em fibra de vidro, pintura automotiva, resistente para área externa. Variedade de cores e composições.

3 -Base Mesa Jantar Graveto Designer – Leo Romano Estrutura Aço Carbono pintado.

Designer – Rodrigo Otake – SP Base em aço carbono pintado, estrutura eucalipto tratado, assento com sistema suspensão, persinta italiana, espuma soft no assento e encosto.

6 - Linha Mud - Sofa Designer – Matheus Martins - SP Base em aço carbono tubular pintada. Estrutura eucalipto tratado, sistema suspensão, persinta Italiana. Assento e Encosto espuma soft.


8

9

10

11

12

— 59 —

13

14

7 - PUFF Boiling

9 - Poltrona Amilcar

11- Linha Mud - Mesa Centro

13 -Mesa de Centro Amilcar

Designer – Luciana Martins e Gerson de Oliveira, OVO - SP Estrutura eucalipto, espuma de alta densidade, base em chapa aço carbono. Estofado Costurado a mão.

Designer – Mula Preta - RN Estrutura em aço carbono pintado, assento e encosto estofado espuma soft.

Desenho: – Matheus Martins - SP Base em aço carbono tubular pintada, tampo em MDF laminado ou pintado padrão América.

Designer – Mula Preta Design Estrutura Aço Carbono pintado na cor Corten.

10 - Poltrona GUMMI

12 - Mesa Centro e Jantar AMORFA

8 -Sofá Platô Designer – Jayme Bernardo – PR Sofá estrutura em eucalipto tratado, sistema suspensão em mola, base laminada padrão América.

Designer – Inove Design - PR Base estrutura aço-carbono, pés aço inox, assento e encosto espuma de alta densidade. Revestimento coleção América.

Designer – Arthur Casas Estrutura em Aço Carbono pintado em Aço Cortem, Tampo em MDF Laminado.

14 - Buffet Aba Designer – Flávia Pagotti – SP Estrutura em MDF laminado pintado. Pés aço carbono pintado. REVISTA IPÊ


| ARQUITETURA

— 60 —

Novos ares e ideias renovadas A arquiteta Juliana Melo inaugurou seu novo escritório no início do mês de maio Por Camila Caetano Foto: Daniel Rocha

C

ontando com uma equipe maior, a arquiteta Juliana Melo inaugurou seu novo espaço para atender melhor seus atuais e futuros clientes, juntamente com o seu marido e sócio Lucas Rezende, com quem já trabalha no ramo da arquitetura há aproximadamente cinco anos. Eles buscaram um novo visual e conceito para a marca. “Nosso objetivo é criar uma marca de referência no campo da arquitetura de Lavras e região, buscando sempre oferecer para nossos clientes um atendimento de qualidade, com profissionalismo e responsabilidade. Procuramos ser agentes transformadores, criando projetos que deixam a vida das pessoas com mais praticidade e beleza, gerando bem-estar nos ambientes pensados”, destaca Juliana.

REVISTA IPÊ


beça por falta de planejamento”, comentam os sócios. O escritório, localizado em uma rua de fácil acesso e estacionamento, fica no início da Rua Bernardino Macieira, 174, no Centro de Lavras. Foi pensado e desenvolvido para atender seus clientes com maior qualidade, conforto e praticidade. O estabelecimento terá horário de funcionamento de segunda à sexta-feira, de 12h às 18h, podendo fazer agendamento fora do horário de atendimento, de acordo com a demanda de cada cliente. “Lembrando que os projetos são personalizados e desenvolvidos através de referências trazidas pelos clientes, cada projeto é único e transformador”, ressalta Juliana.

— 61 —

Com bastante experiência nessa área, os sócios trazem para o mercado alguns diferenciais como oferecer orçamentos antes da execução da obra (seja construção do zero ou reforma) para que o cliente já tenha conhecimento da quantia que será necessária investir, de forma que não tenha surpresas durante o processo. Com essas informações em mãos, fica muito mais fácil se controlar para economizar em alguma parte menos importante e investir mais em outras. “Acreditamos ser fundamental o cliente saber quanto serão seus gastos futuros para que assim tenha maior segurança de que vai ter condições de finalizar o projeto desenvolvido. Um bom orçamento prévio previne inúmeras dores de ca-

Juliana Melo, ao lado de Lucas Rezende e Michele Tavares, em seu novo escritório de arquitetura

Juliana Melo Arquitetura Rua Bernardino Macieira, 174. Loja 1. Centro. Lavras/MG

Contato: (35) 4104-0074 - 12h às 18h (35) 99194-2454 julianamelo.arq.br @jumelo_arq julianamelo.arq06@gmail.com REVISTA IPÊ


— 62 —

| CAPA

A era biológica da Odontologia Proprietária da Clínica Clident há mais de 17 anos, Nadia Zorkot apresenta as inovações da odontologia REVISTA IPÊ


Por Camila Caetano Fotos: Marcelo Goulart

N

Como você descreve a evolução da odontologia?

O que uma má saúde bucal pode causar

— 63 —

adia Abdallah Zorkot, cirurgiã dentista, completa 20 anos de odontologia. Proprietária da Clident – odontologia especializada, há mais de 17 anos, Nádia possui um currículo de peso e multidisciplinar, como especialização em prótese e reabilitação oral, implantodontia e enxertia óssea. É também pós-graduada em cirurgia plástica periodontal e periimplantar; harmonização e estética orofacial, segmento em atual destaque no mercado odontológico. Para Nádia, o aprendizado deve ser constante. Por isso, ela está iniciando uma nova pós-graduação em odontologia hospitalar no Hospital Israelita Albert Einstein. “Sempre procuro me manter atualizada com o mercado de trabalho, trazendo o que há de melhor aos meus pacientes e seguir uma carreira de qualidade”, comenta. Com duas décadas de experiência, mais o tempo de graduação, Nádia comenta sobre a evolução da Odontologia nos últimos anos e ainda todas as suas aplicações no mundo estético.

DOENÇA CARDÍACA ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

CÂNCER BUCAL

A Odontologia evoluiu de maneira expressiva na última década e acompanhar todas essas mudanças é um enorme desafio na nossa profissão. Por isso é importante identificar as tendências, aprimorar técnicas, além de atualizar o nosso conhecimento com relação às novas pesquisas e materiais disponíveis no mercado.

Do que se trata a Odontologia Biológica? Uma proposta inovadora e abrangente de tratamento dentário, que leva em conta os diversos fatores internos e ambientais que interferem na saúde bucal. É a nova tendência de mercado, a preocupação e o cuidado da saúde como um todo, ou seja, a ligação entre a saúde bucal e a saúde geral. Uma forma mais natural para o tratamento de doenças e abordagem oral. A estética tem ganhado seu espaço muito rapidamente, mas acredito que a Odontologia Biológica tem como

DIABETES

CÁRIES

PERDA DENTÁRIA

PROBLEMAS PULMONARES RETRAÇÃO DA GENGIVA

REVISTA IPÊ


| CAPA

“Sempre procuro me manter atualizada com o mercado de trabalho, trazendo o que há de melhor aos meus pacientes e seguir uma carreira de qualidade”

com diferentes modalidades de terapia multidisciplinar, que inclui a Medicina Ortomolecular, Medicina Pós-Genômica, Fitoterapia, Nutrição, Homotoxicoterapia e Terapia Neural, sempre trabalhando em conjunto com a Medicina Funcional visando à saúde plena e buscando a longevidade saudável.

Em relação à estética, do que se trata uma harmonização facial?

— 64 —

A Harmonização Facial é um conjunto de procedimentos estéticos que tem por objetivo harmonizar os dentes esteticamente e funcionalmente com a boca e com a face, envolvendo procedimentos como: bichectomia, redução de papada, lente de contato dental, aplicação de botox, lifting, preenchimentos e MD Codes, clareamento dental e muitos outros procedimentos. A Odontologia Estética na Harmonização Facial vem atender a ansiedade e a expectativa das pessoas que buscam objetivo procurar sempre a maneira mais segura e menos tóxica de realizar a missão de tratamento e fazê-lo o mais suave possível com relação ao biológico do paciente.

Como funciona isso na prática diária? Muitas doenças orais são associadas ou podem contribuir para doenças crônicas degenerativas, doença do sistema nervoso central, carga heavy metal, coração e problemas sanguíneos circulatórios, apenas para citar alguns. Assim, a Odontologia Biológica é uma forma mais natural para o tratamento de doenças de abordagem oral, tendo em conta a sua saúde em geral. Também chamada de Odontologia Integrativa, combina as técnicas já consagradas da abordagem convencional REVISTA IPÊ

Marcas de expressão na testa Rugas periorbitais “pés de galinhas”

Sulcos profundos na glabela Perda de sustentação (flacidez)

Sulco nasogenio “Bigade Chinês”

Perda de volume labial

Rugas periorais “código de barra”

Sulco lábiomentoniano (ruga de marionete/sorriso triste)


um ganho estético facial mais amplo, onde os dentes complementam o sorriso, que completa o rosto como um todo, integrando toda a função muscular e por consequência gerando um padrão estético funcional.

É possível realizar uma harmonização facial e um rejuvenescimento facial sem cirurgia plástica? Claro, com segurança e resultados bem satisfatórios. Essa é a proposta, o reposicionamento das estruturas da face, de forma menos agressiva e mais rápida, onde combinamos várias técnicas e materiais biocompatíveis, como ácido hialurônico, ácido polilático, toxina botulínica e os famosos fios dermosustentados.

mento muscular é perdido ao longo dos anos por diversos fatores como: perda de dentes, funções irregulares dos músculos da fala e de mastigação, perda de tônus muscular causada pelo envelhecimento precoce ou natural e outros fatores. É um procedimento pouco invasivo, feito em ambiente de consultório, com analgesia local, realizado em média de 40 a 60 minutos variando de caso para caso. Têm uma boa durabilidade, não causam danos ao nosso organismo, são absorvidos ao longo do tempo, e ainda estimulam a produção de colágeno nas regiões onde são inseridos, mantendo o paciente com uma aparência jovem por mais tempo.

Os fios de sustentação para o rosto têm sido utilizados há vários anos em todo o mundo com o objetivo de reposicionar a musculatura orofacial, restabelecendo o seu posicionamento funcional e estético. O posiciona-

A implantodontia anda de mãos dadas com a estética, e mais ainda com a área de plástica gengival. Isso é desafiador, é a área que mais trabalha a autoestima, e a que realmente muda a vida do meu paciente. Consequen-

— 65 —

O que são esses fios dermosustentados?

Sabemos que a implantodontia é a sua área preferida, o que temos de novo?

temente é a mais gratificante, por isso gosto tanto. Aliada à odontologia estética, a implantodontia tem vivido grandes avanços nos últimos anos. O que antes era um tratamento demorado, com longos meses de espera e baixa previsibilidade, hoje se tornou mais acessível, mais rápido e seguro. Com o surgimento de novos materiais e do uso corriqueiro de PRF nas cirurgias (plasma rico em fibrina, extraído da centrifugação do sangue do próprio paciente), aliado ao domínio de técnica, o tempo de espera para um novo sorriso se resume em dias. Essa realidade contrasta com um passado muito recente quando tinha que se aguardar cerca de seis meses até um ano de tratamento. Além disso, uma nova geração de implantes, com superfícies tratadas, possibilita a instalação de implantes em áreas com pouco osso, com menor tempo de cicatrização, dispensando os tão dolorosos enxertos ósseos e com excelentes resultados em longo prazo. Essa nova era representa o fim da dor, do desconforto e da baixa autoestima.

ESTRUTURA DO IMPLANTE DENTÁRIO

COROA

IMPLANTE DENTAL

PILAR

DENTE SAUDÁVEL

Clident Odontologia Especializada Francisco Sales, 585, sala 02, centro. Lavras/MG

PARAFUSO

Contato: (35) 3821 9197 (35) 98877 0011 /clidentlavras @clidentlavras REVISTA IPÊ


| REVISTA IPÊ APOIA

Expedição Urubu na Estrada

A Expedição ocorrerá entre agosto de 2018 e julho de 2019. E a cada edição da Revista Ipê você poderá acompanhar todo o trabalho realizado pelo professor Alex Bager nesses 25 mil km de estrada.

— 66 —

Em um ano, mais de 25 mil km percorridos

A Por Camila Caetano Foto: José Henrique

Expedição Urubu na Estrada será a maior ação de conservação da biodiversidade brasileira para avaliar os efeitos de estradas, rodovias e ferrovias das Unidades de Conservação e espécies ameaçadas no País. A ação será realizada pelo professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Alex Bager, coordenador do Centro Brasileiro de Ecologia de Estradas (CBEE). A ação tem como objetivo produzir um diagnóstico didático, técnico e científico do real impacto das estradas, rodovias e ferrovias na biodiver-

sidade brasileira. Os resultados serão convertidos em estratégias de conservação em nível local, regional ou nacional. As estratégias envolverão atores locais, órgãos de diferentes esferas políticas, pesquisadores e estudantes, entre outros. Serão mais de 25 mil quilômetros de rodovias e estradas brasileiras em 12 meses. “Serão visitadas mais de cem Unidades de Conservação e 15 projetos de conservação de espécies ameaçadas. Atingiremos diretamente mais de 120 mil pessoas”, comenta o professor.

Entre 15 e 17 animais selvagens são mortos a cada segundo nas rodovias brasileiras. No final de um dia são quase 1,3 milhões de animais. A região Sudeste possui a maior rede viária e mata 268 milhões de animais/ano. Ao total, no Brasil são 475 milhões de mortes de animais selvagens ao ano. Equipe do CBEE em reunião para definir as primeiras ações da Expedição no Parque Nacional do Cipó. Da esquerda para direita, Luana, Luciana, Melissa, Alex e Erika REVISTA IPÊ


A Expedição Urubu na Estrada percorrerá os seguintes locais: LOCAL Serra do Cipó (UC) Cavernas do Peruaçu (UC) Brasília (Cidade) Veadeiros (UC) Palmas (Cidade) Carajás (UC) Chapada das Mesas (UC) Serra da capivara (UC) Chapada do Araripe (UC) Monumento São Francisco (UC) Guaranhuns (Cidade) Recife (Cidade) Salvador (Cidade) Chapada Diamantina (UC) Ilhéus (Cidade)

— 67 —

Sooretama (UC) Poço das Antas (UC) Serra dos órgãos (UC) Bocaina (UC)

SISTEMA URUBU Criado em 2014 pelo Centro Brasileiro de Ecologia de Estradas, o Sistema Urubu é a maior rede social de conservação da biodiversidade brasileira. O projeto visa reunir, sistematizar e disponibilizar informações sobre a mortalidade de fauna selvagem nas rodovias e ferrovias e tem por objetivo auxiliar o governo e as concessionárias na tomada de decisão para redução desses impactos. E, o melhor de tudo, qualquer pessoa pode contribuir: é só baixar o aplicativo Urubu Mobile, se cadastrar e, a cada vez que encontrar um animal atropelado na estrada, tirar uma foto usando o app e enviá-la para o Centro. Para ser um colaborador, basta ter um smartphone com câmera e GPS, se cadastrar no Urubu Web (sistema de gestão de dados) e baixar o aplicativo. Qualquer pessoa pode utilizá-lo e contribuir para a preservação da biodiversidade com o registro de animais atropelados em todo o mundo.

Mapa do Roteiro Norte da Expedição Urubu na Estrada. Saindo de Lavras (15 de agosto), seguindo pelo interior do Brasil e retornando pela região costeira em fevereiro de 2019. Serão 14.000km rodados nessa fase. O Roteiro Sul será conhecido nos próximo meses.

As fotos chegam com a coordenada geográfica e são identificadas por especialistas. Esses dados são utilizados para informar aos órgãos competentes e às concessionárias das rodovias. O Sistema Urubu reúne dados das mais variadas fontes: usuários de rodovia, pesquisadores, concessionárias, órgãos governamentais, entre outros. Todos podem contribuir e cada informação, independente da sua origem, tem a mesma importância. O principal diferencial do Sistema Urubu em relação a outros bancos de dados existentes no mundo é que 100% dos dados são avaliados por pesquisadores, especialistas em identificação de espécies.

APLICATIVO URUBU MOBILE

Maior rede de conservação de biodiversidade brasileira que auxilia a equipe do CBEE na identificação de pontos de concentração de atropelamento de fauna selvagem. Qualquer pessoa pode baixar gratuitamente em Android e iOS.

REVISTA IPÊ


| CINEMA

Lágrimas e medo: O mistério de The Handmaid’s Tale

REVISTA IPÊ

criteriosamente selecionada por um comitê e passa por um tipo de treinamento que inclui humilhações e total perda de identidade. Depois disso, tudo se resume em lágrimas e revolta retratadas principalmente por June, personagem vivida pela atriz Elisabeth Moss. Desde o seu lançamento, em abril de 2017, o Conto da Aia já recebeu mais de 25 prêmios que incluem o Primetime Emmy, Gold Derby TV, o Golden Globe e até o Writers Guild of America Awards. A primeira temporada recebeu 95% de aprovação dos críticos; percentual que subiu dois pontos com o lançamento da segunda fase do seriado. The Handmaid’s Tale é um dos principais investimentos da Hulu, empresa de serviços online especializada na transmissão de filmes e programa de TV pela internet. Em virtude da ampla audiência desde a estreia, foi anunciado o início das gravações da terceira temporada. No Brasil, os interessados em explorar esse ambiente obscuro e apocalíptico podem acompanhar a série no Paramount Channel.

Diego Nascimento jornalista e palestrante www.diegonascimento.com.br

Divulgação

— 68 —

N

o ano em que nasci muitas coisas aconteceram ao redor do mundo. Ayrton Senna alcançou sua primeira vitória na Fórmula 1, a Nintendo Entertainment System lançou o tão aclamado jogo Super Mario e o ex-ator Ronald Reagan assumiu seu segundo mandato como presidente dos Estados Unidos. Mas foi um pouco mais ao norte do continente americano que Margaret Atwood, uma novelista canadense, publicou The Handmaid’s Tale (O Conto da Aia) e abriu uma discussão profunda sobre o conceito de domínio e abuso. Adaptada para as telas da TV pelo escritor e produtor Bruce Miller, a trama se passa em um período futurista onde um golpe governamental faz com que o grupo denominado “Filhos de Jacó” assuma o comando dos Estados Unidos, suspenda o uso da Constituição e acabe com os direitos das mulheres. Atrocidades têm início por todo o território nacional e um aparente fanatismo religioso, baseado em interpretações equivocadas das Sagradas Escrituras, conduz a sociedade para um convívio apático, marcado pelo medo e submissão. É nesse contexto que surge uma das questões mais perturbadoras e que também dá nome ao seriado: a instituição das Aias, mulheres retiradas à força de seu cotidiano profissional e transformadas em servas sexuais. Em vários episódios a queda nas taxas de natalidade, justificadas sob o pretexto de infertilidade das esposas, oferece aos maridos (chamados de “Comandantes”) o direito de ter uma Aia para garantir o nascimento de filhos e a continuação do legado familiar. Antes de ser enviada ao seu senhor, a Aia é


— 69 —

Polo Lavras/MG

REVISTA IPÊ


| ESPORTE DESAFIO

— 70 —

O desafio que é um prazer 10º desafio de mountain bike Lavras-Carrancas José Marcio Rocha Faria Professor da UFLA

Fotos: Marcelo Goulart

O

Desafio de Mountain Bike Lavras-Carrancas faz parte do calendário oficial de eventos do município de Lavras, mas movimenta, sobretudo, Carrancas, que tem 4.110 habitantes e recebeu, na edição deste ano, um número de ciclistas correspondente a aproximadamente 20% de sua população. O dia 21 de abril de 2018 vai ficar marcado pela realização do evento ciclístico que reuniu o maior número de participantes na história de Lavras. A 10ª edição do Desafio de Mountain Bike Lavras-Carrancas, que já é o maior evento ciclístico intermunicipal não competitivo de Minas Gerais, teve a participação de 850 ciclistas. Nas primeiras horas do dia, bem antes do nascer do sol, os ciclistas começaram a chegar ao Sest Senat, no Distrito Industrial de Lavras, ponto de partida do Desafio. Após receberem o kit do evento e afixarem a placa de identificação em suas bikes, aguardaram o momento da saída, às 6h25, quando partiram em direção a REVISTA IPÊ

Carrancas. O clima no dia estava nublado, mas com temperatura elevada. A descida pela rua principal do Bairro Vista Alegre representou o pouco contato que os participantes tiveram com o asfalto ao longo do trajeto de 79 km, já que mais de 90% são por estrada de terra, passando pela Zona Rural de Lavras, Itumirim, Itutinga e Carrancas. Depois de pedalar por 10 km, os ciclistas passaram pela comunidade de Ityrapuan e, após mais 10 km, chegaram a Itumirim, continuando em direção a Cachoeira do Paraíso, Pirambeira e Cachoeira da Mariquinha. O visual nessa região é belíssimo, com a típica paisagem rural do Sul de Minas, com muitas serras e a predominância do Cerrado. Muitos ciclistas levaram caixinhas de som, pois pedalar ouvindo música torna a atividade ainda mais prazerosa. O estilo predominante era o rock. Já na Zona Rural de Itutinga, os ciclistas passaram pela Igreja da Comunidade do Jacarandá, próxima a Cachoeira das Andorinhas.

Ao longo do trajeto, alguns pontos de apoio disponibilizavam aos ciclistas água, frutas, rapadura, açaí e até cerveja, já próximo à chegada. O evento também contou com uma ambulância e uma “caminhonete-vassoura”, cuja função era recolher as bikes avariadas. Mais alguns quilômetros e os ciclistas passaram por um pequeno trecho de asfalto, na rodovia que liga Itutinga a Carrancas. Em seguida, estrada de terra novamente, em direção a Cruz das Almas, já na Zona Rural de Carrancas. Subida forte até chegar ao topo da Serra de Carrancas, com outro ponto de apoio, e descida até o centro da cidade. Na praça principal de Carrancas, todos os participantes que completaram o Desafio receberam uma medalha e puderam finalmente descansar, curtindo um show de rock, que neste ano ficou por conta da banda Moleskines. A sensação de completar o trajeto é difícil de transcrever. É preciso participar para sentir o prazer de superar limites e cumprir o Desafio.


• • • • • • • • • • • • • •

Trilhas Gerais Sílvia Calçados Oggi Supermercados Rex Sest Senat Verde Campo Revista Ipê Power Suplementos Bebidas Jota Efe Mr. Shake Prefeitura Municipal de Lavras Prefeitura Municipal de Itumirim Prefeitura Municipal de Carrancas Cerveja do Funil

NÚMEROS DO DESAFIO: • Distância: 79 km

• Ganho de elevação: 1.817m

• Participantes: 850

• Sexo:

85% homens e 15% mulheres

• Faixa etária predominante:

mais da metade (56%) entre 30 e 44 anos.

• Origem dos ciclistas (Estado):

92% de MG e o restante de SP, ES e GO.

• Principais cidades de origem dos ciclistas

Lavras, Oliveira, Três Pontas, Varginha e Perdões.

REVISTA IPÊ

— 71 —

Parceiros do 10º Desafio de Mountain Bike Lavras-Carrancas


— 72 —

| ESPORTE

REVISTA IPÊ


— 73 — REVISTA IPÊ


| ESPORTE

Ginástica Aeróbica Esporte da UFLA conquista fãs pelo mundo

Por Leonardo Assad

REVISTA IPÊ

Foto: Mayara Toyama

— 74 —

P

assar horas dentro de uma academia na busca pelo corpo perfeito exige dedicação. Atividade em alta nos Estados Unidos nas décadas de 60 e 70, a ginástica aeróbica foi o embrião da Ginástica Aeróbica Esportiva. Movimentos rápidos e de difícil execução, aliados a uma música contagiante, feziram com que a modalidade rapidamente se expandisse para todo o território brasileiro. “Cada um dos ginastas tem características peculiares e diferentes que são responsáveis pela identidade de cada um deles”, disse o docente e técnico Luiz Henrique Rezende Maciel, em entrevista exclusiva para a Revista Ipê. Luiz Maciel é professor do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Lavras (UFLA), técnico da equipe de Ginástica Aeróbica, além de integrar a Seleção Brasileira da modalidade. Iniciada nos anos 90 dentro da academia Kemper Forma, ele ressalta que a ideia não foi sua, mas sim dos professores Mity e Jader. “Na verdade a equipe nasceu na academia Kemper Forma, nos anos 90, e logo que eu entrei na graduação, em 1998, assumi a turma de iniciação. Em 2001, eu me formei e a equipe foi para o Gammon, onde ficou até 2010, quando entrei na UFLA como docente”. Quando se fala em Brasil no exterior, muitos fazem referência ao carnaval e futebol, duas atividades que reúnem o samba e a alegria. A Ginástica Aeróbica também vem conquistando esse espaço na medida em que os resultados aparecem e o público presente nos ginásios interage com o desempenho dos atletas. “A identida-

de do brasileiro é ser um povo feliz e a gente passa isso nas nossas rotinas e nas nossas apresentações”, destaca Luiz Maciel. E se o reconhecimento esportivo vem com a conquista de títulos, isso é o que não falta para a Ginástica Aeróbica UFLA. A equipe possui na galeria de troféus o Pan-Americano, o Campeonato Brasileiro, o Campeonato Mineiro, entre outros, em diversas categorias. Neste ano, após a participação no Campeonato Mineiro de Ginástica Aeróbica, realizado em 24 de maio na UFLA, os atletas embarcaram para a cidade de Guimarães, Portugal, onde disputaram o Mundial, no qual a equi-

pe terminou na 10° colocação e por muito pouco não conquistou uma vaga na final. No trio ficou em 18° e na apresentação em grupo na 11° colocação. Luiz Maciel destaca o apoio da UFLA, oferecendo a melhor estrutura para o desenvolvimento do trabalho, trazendo não apenas resultados em competições, mas também formando cidadãos. “A gente tem uma estrutura que é o melhor que a gente pode e o melhor que a universidade pode oferecer sempre. Temos um apoio muito importante da universidade com recursos para os atletas no incentivo de bolsas, alimentação, moradia, seguro de saúde e também na participação de campeonatos”.


Fotos: Leonardo Assad

Fonte: www.atlasesportebrasil.org.br

Campeonato Mineiro de Ginástica Aeróbica realizado em maio na UFLA

HISTÓRIA DA GINÁSTICA AERÓBICA No Brasil, a ginástica aeróbica chegou oficialmente em 1984 quando foi realizada a I Clínica de Ginástica Aeróbica, cujos responsáveis foram Mauro Guiselini, Kaled Heda El Haek, Valdir Barbanti e José Elias de Proença. As primeiras competições surgem ainda nos anos 80, atraindo grande interesse dos frequentadores de academia. “A Ginástica Aeróbica vem da dança aeróbica, da ginástica aeróbica de academia e a principal característica dela são os passos básicos, a movimentação coreográfica de pernas que

vem com elementos de dificuldades e música, coreografia de alta intensidade, onde os ginastas tem que interagir com o público e a arbitragem através da sua apresentação”. Vinculado à Federação Internacional de Ginástica (FIG) e Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) desde 1995, a Ginástica Aeróbica não é considerada uma modalidade olímpica pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Porém, nas Olimpíadas de Atlanta em 1996, foi inserida na Noite de Gala da FIG e teve como representantes os irmãos campeões mundiais, Érika e Pedro Faccio, encerrando a participação das ginásticas nos jogos. REVISTA IPÊ

— 75 —

O mesmo aconteceu em Sidney 2000, desta vez com o trio campeão mundial da FIG em 1999, Rodrigo Martins, Ibsen Nogueira e Admilson Vitório. Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, foi a vez de Luiz Maciel e seus comandados da Ginástica Aeróbica UFLA animarem o público na Noite de Gala, com transmissão feita pelo Sportv para todo o Brasil, gerando grande repercussão nas redes sociais. “Com certeza o principal reconhecimento que a gente teve foi esse convite que foi feito pelo Comitê Técnico da FIG a partir do nosso desempenho no Campeonato Mundial de 2016, em Incheon, na Coréia do Sul. Foi o reconhecimento do trabalho, da qualidade da Ginástica Aeróbica do Brasil, que nos possibilitou esse convite de fazer a apresentação que marcou a vida de cada um com certeza, marcou a vida da modalidade no Brasil”. Os anos de experiência dentro da Ginástica Aeróbica, convivendo com atletas de diversas culturas e etnias, fez com que Luiz Maciel construísse uma visão ampla sobre o preconceito no esporte. Ele destaca que é fundamental enfrentar o problema de frente. “O importante é fazermos o que nos faz feliz e entender que ser atleta é uma dedicação de vida, independente da modalidade, e que o preconceito é uma coisa que está na cabeça de gente pequena. Superar isso é feito através do resultado, da representatividade, entender o potencial e as qualidades de cada um”.


| COLEÇÃO

Paixão nacional Mais de 130 mil cromos e mil álbuns da Copa já foram vendidos em Lavras

— 76 —

Por Camila Caetano Fotos: Daniel Rocha

A expectativa é de que sejam vendidos 1,5 milhões de envelopes no Sul de Minas

BRASIL

02

REVISTA IPÊ

A

maior empolgação dos brasileiros nesta Copa do Mundo é com relação ao álbum de figurinhas. Sucesso nacional e recorde de vendas. Somente no Sul de Minas, a expectativa é de que sejam vendidos 1,5 milhões de envelopes, de acordo com Ricardo Hideo Nomura, representante oficial da Panini em 40 cidades da região. Lavras já teve a venda parcial de 132 mil cromos e 1.030 álbuns (até o início de maio). Completar o álbum de figurinhas e fazer coleções é algo indescritível para muitas pessoas. E na maioria das vezes essa paixão começa ainda criança, como com o jornalista lavrense Ricardo Godoi Cattosso, 34 anos. “Lembro que aos sete anos, quando morava em São Paulo, era muito fã de Fórmula 1 e na época (1990) vi numa banca de jornais um álbum oficial da categoria. Pedi ao meu pai para comprar e gostei muito”. Meses depois, ele adquiriu o álbum

da Copa do Mundo de 1990, disputado na Itália. E, desde então, nunca mais parou. “Lembro que gastei quase meu salário de estagiário na época (Copa de 2006 na Alemanha) comprando três pacotes (com 50 pacotinhos) de figurinhas e um álbum”. Após completar os álbuns, eles passam a ser relíquias. “Já me ofereceram um bom valor no álbum da Copa de 1998, França, pois, na época, na edição brasileira, não foram lançadas as figurinhas da seleção do Irã e de três jogadores da Inglaterra. Essas figurinhas eu consegui depois da Copa através de um vendedor internacional. E também no álbum do Campeonato Brasileiro de 2001, o mais caro de todos, pois foram lançadas figurinhas holográficas, uma espécie de 3D”. O álbum mais antigo que Ricardo possui é o da Copa União (Campeonato Brasileiro de 1987), adquirido na adolescência. E para ser colecionador


BRASIL

03

— 77 —

é preciso ter ânimo para investir. “Os que mais investi foram do Campeonato Brasileiro, de 2001, e uma edição importada que a Panini lançou digitalizada, em 2010, com todas as copas desde 1930 (Uruguai) até 2006 (Alemanha). Gastei aproximadamente 500 e 600 reais, respectivamente”. E como todo fiel colecionador, o cuidado com cada álbum é extremo. “É um hobby que tenho desde criança, por isso, eles ficam muito bem guardados, no plástico, para não deteriorar. E quando eu mudava de casa eu mesmo os levava, não deixava ninguém transportá-los”. Além da espera de cada Copa para iniciar um novo álbum, Ricardo ainda procura por outras coleções de campeonatos mais antigos. “Pesquiso na internet sobre álbuns de copas anteriores a 1990, porém os preços são muito altos pelo fato de serem importados, mas tenho vontade de adquiri-los”.

Colecionadores reunidos na “Banca Jardim”em Lavras, para comprar/trocar figurinhas

04 O jornalista lavrense Ricardo Godoi Cattosso, 34 anos, começou a sua paixão por álbuns de figurinhas aos sete anos

REVISTA IPÊ


| AUTO PAPO

As duas revoluções da mobilidade Matérias, áudios e vídeos meus podem ser acessados no autopapo.com.br

Na primeira, o cavalo foi substituído pelo motor. Na segunda, pelo computador. Boris Feldman Jornalista e engenheiro

REVISTA IPÊ

faltou nos postos. Quem resolveu? A eletrônica, que tornou possível o carro flex lançado em 2003 e que permitiu ao motorista escolher entre gasolina e álcool. A informática chegou ao automóvel pela central eletrônica que mandou carburador e distribuidor para o museu. Seguiu avançando pelo carro até marcar presença completa: ao toque de um botão o motorista regula direção, suspensão, transmissão, desempenho e controles de comportamento. É também responsável pelo infotainement e conectividade: informações, mapas de itinerários, serviço de concierge, de assistência emergencial, sonorização e comunicação. Foi também responsável por equipamentos como air bags, ABS, EBD, ASR e outras letrinhas que evitam ou reduzem acidentes e salvam vidas. Mais recentemente, o computador assumiu controle de funções essenciais na condução do carro: acelera, freia e o direciona. Depois desse século de evoluções, chegou o momento da segunda grande revolução da mobilidade: o computador no lugar do motorista. Com incontáveis vantagens: não fica desatento, cansado nem sonolento. Não bebe nem comete imprudências. Trabalha sábados, domingos, feriados e não tira férias. Um dia, num futuro não muito distante, ainda será questionado o absurdo cometido pela sociedade nesses mais de 100 anos: a irresponsabilidade de entregar a condução de um veículo ao homem, uma das mais imperfeitas máquinas comportamentais do planeta… Na primeira revolução, o cavalo à frente da carroça foi substituído pelo motor. Na segunda, o computador vai substituir o cavalo atrás do volante…. Volkswagen/Divulgação

— 78 —

A

mobilidade passou por duas grandes revoluções: uma no final do século XIX, com a invenção do automóvel, e a segunda é aqui e agora: o carro autônomo. Os primeiros automóveis surgiram em 1884 (França) e 1886 (Alemanha). Durante seus primeiros anos, todos os modelos eram derivados de carroças e carruagens com cavalos, substituídos por motores. Toda novidade gera reação e com o automóvel não foi diferente: o rei da Alemanha (Kaiser Wilhelm II) disse em 1912: “Eu acredito no cavalo. O automóvel é uma aparição passageira”… Na Inglaterra, a oposição da sociedade contra o automóvel foi tão marcante que se criou a “Lei da Bandeira Vermelha”: para um carro circular nas ruas de Londres, o motorista deveria contratar uma pessoa para ir alguns metros à sua frente com uma bandeira alertando os pedestres em relação ao “perigo” que se aproximava. Nos últimos 130 anos, a evolução do automóvel foi constante. A começar das próprias fontes de energia: só depois de passar pelo vapor e eletricidade que o motor a combustão se consolidou e marca presença até nossos dias. Mas, a rigor, já passou da hora de ir para o museu, pois é uma das máquinas mais ineficientes do mundo. De cada litro de gasolina ou etanol que se coloca no tanque, apenas 30% se destinam a movimentar o carro. O resto é perdido na geração de calor. O automóvel passou rapidamente de vilão a herói. Foi responsável por uma transformação de hábitos da sociedade. Deu liberdade ao homem, foi cantado em prosa e verso, artista de cinema e ainda entrou para a história como objeto de coleção. Entretanto, apesar de toda sua evolução, ele chegou ao final do século XX novamente como vilão, desta vez por congestionar, poluir, ferir e matar. Quem chegou na hora certa para passar a limpo todos esses problemas foi a eletrônica. Nos últimos 30 anos, quase todos os avanços tecnológicos da indústria automobilística foram obtidos graças aos computadores que passaram a gerenciar os sistemas mecânicos. E a cereja do bolo: o ineficiente motor a combustão vai cedendo lugar ao elétrico, que tem cerca de 90% de eficiência. No Brasil, a eletrônica foi fundamental: motores dos nossos carros foram todos adequados para ter o álcool como combustível no final da década de 70. Mas o plano do governo (Pró Alcool) desmoronou no final da década de 80, pela dependência dos motoristas ao derivado da cana que

Volkswagen ID Vizzion


— 79 — REVISTA IPÊ


| ESTRATÉGIA E VENDAS

A palavra prospecção vem do latim “prospectione” que vem a ser a ação de prospectar ou pesquisar.

“Esse é um termo comumente usado na geologia referindo-se aos métodos de pesquisa efetuados nas minas para descoberta de uma região mineira ou de jazigos que apresentem substâncias de alto valor econômico”

— 80 —

Q Ennemont Theyson Morel Empresário, consultor, coach, especialista em Vendas e Alta Performance atendimento@amplliare.com.br (35) 99163-6030

Preciso de novos clientes, e agora?

ualquer empresa que deseja se manter competitiva e rentável deve possuir uma boa estratégia de prospecção. Identificar clientes potenciais é a base de qualquer equipe de vendas e todo gerente de vendas ou gerente de contas deve manter a prospecção como prioridade na rotina de trabalho. São diversas as etapas da venda até que o negócio realmente seja concretizado e em grande parte deles o processo se inicia ao identificar clientes potenciais. Por isso separei aqui alguns passos importantes a serem dados durante essa busca que não pode parar. Cultura: Vendedor deve gostar de prospectar. Deve compreender a importância de buscar novos contatos diariamente. O contato iniciado hoje vai refletir nas vendas dos meses futuros. Não importa a meta batida agora, temos que querer mais para amanhã. Disciplina: Não adie essa atividade. Separe um tempo de seu dia para buscar possíveis clientes. A divisão e correta utilização do tempo é a chave para que outras atividades emergenciais tomem o lugar da prospecção. Marque um horário e se comprometa com essa agenda. Métricas: Utilize ferramentas para mensurar suas ações e resultados. Existem hoje ferramentas gratuitas que podem auxiliá-lo a identificar como melhorar o ROI das atividades de prospecção. Ferramentas de funil de vendas estão disponíveis em todo lugar. Busque a que mais se adapta à sua empresa. Follow Up: Não esqueça seu novo contato. Faça contatos regulares e construa relacionamentos. Saiba ouvir e identificar o que ele precisa, e não o que você quer oferecer. Não desanime: Eles podem te dizer “não” uma, duas, três, quatro vezes. Mas ame sua empresa, ame sua profissão e acredite no seu produto, busque sempre novos clientes e obtenha sucesso!

REVISTA IPÊ


Polo Lavras/MG


— 82 —

| COMPORTAMENTO

Sempre dou um toque de originalidade para que seja uma pintura única

REVISTA IPÊ


Arte na parede Conheça o trabalho da pintora Lívia Fassio Por Camila Caetano Foto: Daniel Rocha

M

@liviafassio

/liviafassio

liviafassio@gmail.com

— 83 —

isturando diversas técnicas de pintura nas mais distintas paredes, entre igrejas; quartos; salas; recepções; Lívia Carla de Oliveira Fassio, 35 anos, formada em Design de Interiores, tem perpetuado a sua arte em Lavras, Varginha, e até mesmo Belo Horizonte. Tinta para parede; tinta para artesanato; pincéis de distintos formatos e tamanhos são alguns dos materiais utilizados pela artista. O trabalho pode durar de cinco a dez dias, a depender da complexidade e tamanho do desenho desejado. O orçamento também é realizado tendo como base a arte, o tamanho da parede, e o material usado. Em dois anos, Lívia já realizou cerca de 30 trabalhos apenas em paredes, especialmente em quartos de bebês. “A pintura feita nos quartos de bebês vai além da beleza. Muitos pais me contam que conforme as crianças vão crescendo elas vão interagindo com o desenho. Isso é muito interessante e especial”, comenta Lívia. Lívia começou a pintar aos 12 anos de idade. A princípio apenas com tinta a óleo em telas. Mas, ela conta que precisava realizar algo único. E, tudo começou em 2014 quando foi convidada pela arquiteta Daniela de Brito a pintar as paredes do altar da capela Nossa Senhora das Mercês, segunda igreja mais antiga de Lavras, fundada em 1849. Mais de quatro semanas de trabalho intenso, até às 22h, com poucos intervalos, durante a semana toda, foram suficientes para que Lívia descobrisse o seu maior talento. A partir de então, os convites foram aumentando cada vez mais. “Quando visito o cliente, primeiramente escuto o que ele deseja, vejo as referências que ele tem em mente e posteriormente faço o desenho de acordo com a dimensão da parede em que a pintura será realizada. Apesar das referências que me passam, sempre dou um toque de originalidade, para que seja uma pintura única”. E o aprendizado é constante. Além da experiência diária, em cada arte realizada, hoje, Lívia Fassio também cursa Artes Plásticas pela Faculdade Cruzeiro do Sul. Os próximos trabalhos a serem realizados por ela serão pinturas no shopping de Varginha, que ficarão em exposição, juntamente com as obras de outros artistas da região. (35) 99826-6764 REVISTA IPÊ


— 84 —

| FOTOGRAFIA

84 | REVISTAIPÊ IPÊ REVISTA


otografar uma pessoa é sempre um desafio. Não é apenas clicar, tenho que me conectar com o ser humano a fim de captar a verdadeira beleza, que vem da personalidade, do gesto, de um olhar. Não há uma regra em específico, cada pessoa é única e o contato com o fotografo há de ser de muita cumplicidade e respeito. Um elo forte de confiança para extrair o que muitas vezes fica escondido. E com a Carla foi assim, natural de Cabo Verde, um pequeno país/arquipélago de origem vulcânica constituído por dez ilhas na costa ocidental da África, ela veio ao Brasil com objetivo de experimentar uma nova realidade, adquirir novos conhecimentos através do curso de nutrição da UFLA e alcançar seus sonhos. Nesse ensaio, a preparação foi diferente, pois meu contato com a Carla se fez basicamente por celular. O que transforma o desafio de escolher locação e roupas muito maior. Durante a sessão fui conquistando sua confiança e mostrando que o mais importante é a descontração e a naturalidade do momento, o que foi captado por ela muito rapidamente. Em meio a natureza e uma luz natural linda, deixamos as fotos mais humanas. A sombra desenhando em sua pele, evidenciava sua beleza, e claro, o mais importante, a grande personalidade de Carla fez deste ensaio, algo único, como vocês podem conferir.

— 85 —

A beleza do natural F

Locação: UFLA Câmera: Canon 6D Mark II Lentes: 50mm e 85mm

Rodolfo Brito Fotógrafo REVISTA IPÊ


| VISTA AÉREA

Um olhar diferente: Tiradentes

— 86 —

M

inas Gerais é conhecida por sua natureza, comida, povo amigo e, também, por suas cidades históricas. E neste ano, uma das mais famosas e charmosas cidades completou 300 anos. Sendo assim, em nossa segunda edição de “Um Olhar Diferente”, iremos dar todo o destaque à bela Tiradentes, com suas ruas estreitas de pedra, em meio a casarões de arquitetura colonial e Igrejas com obras do Barroco e Rococó, características marcantes, vindas dos portugueses há centenas de anos. Mostraremos em uma nova perspectiva toda a complexidade dessa verdadeira obra de arte. Parabéns, Tiradentes.

Gil Botelho Videomaker Baixe o leitor de QR CODE

Assista a um vídeo exclusivo

Matriz de Santo Antônio

REVISTA IPÊ


— 87 — REVISTA IPÊ


| VISTA AÉREA Matriz de Santo Antônio

Igreja São Francisco de Paula REVISTA IPÊ


Igreja Nossa Senhora das Mercês

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos REVISTA IPÊ


— 90 —

| CURIOSIDADE

Complexo ferroviário Bhering Por Camila Caetano Fotos: Daniel Rocha

REVISTA IPÊ

O

complexo ferroviário de Engenheiro Bhering, localizado em Lavras, é um polo de grande porte para inspeção, revisão e recuperação de componentes. O local contempla um pátio de manobra, oficinas de locomotiva e de vagões, prédio administrativo e armazém, sob a responsabilidade da VLI, empresa que oferece soluções logísticas que integram portos, ferrovias e terminais. Hoje, o complexo possui cerca de 80 profissionais. A rota das cargas que passam pelo complexo vem de Arcos, em Minas Gerais, para Volta Redonda, no Rio de

Janeiro. Os principais produtos transportados são insumos minerais, como calcário, clínquer e escória. Em 2014, foi investido o montante de R$ 15 milhões no local com objetivo de ampliar os serviços realizados e criar mais uma alternativa ágil e eficaz para reparos dos ativos que compõem o corredor Minas-Rio, responsável pelo transporte de insumos minerais em parte dos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais. O corredor Minas-Rio é um fluxo importante para o transporte de insumos para a indústria siderúrgica. De


Valas onde são realizados reparos inferiores e superiores nas locomotivas

acordo com a VLI, a expectativa é de dar continuidade à eficiência no escoamento desses itens pelo modal ferroviário, que são fundamentais para a produção de cimento, por exemplo. O complexo pode ser visitado, por meio de agendamento através do programa Braços Abertos, com o objetivo de “apresentar às comunidades e às famílias dos empregados como funciona a operação da empresa e o cuidado com a segurança e integridade de todos que estão próximos aos nossos portos, ferrovias e terminais”, destaca a VLI. Para participar, é preciso entrar em contato com a VLI pelo Formulário de Fale Conosco ou do Alô VLI. No site, mais informações:

— 91 —

http://www.vli-logistica.com.br/ sustentabilidade/dialogo-social/

FERROVIA CENTRO ATLÂNTICA (FCA) A Ferrovia Centro-Atlântica obteve a concessão da malha Centro-Leste, em decorrência do processo de desestatização da Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA), em 14 de junho de 1996. A outorga dessa concessão foi efetivada pelo Decreto Presidencial de 26/08/96, publicado no Diário Oficial da União de 27/08/96. A empresa iniciou a operação dos serviços públicos de transporte ferroviário de cargas em 1º de setembro de 1996. Atualmente é controlada pela VLI, que detém 99,9% de suas ações. Com 7.220 quilômetros de extensão, a ferrovia passa por 316 municípios, em sete estados brasileiros (Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Sergipe, Goiás, Bahia, São Paulo) e Distrito Federal. É o principal eixo de integração entre as regiões Sudeste, Nordeste e Centro-oeste. Destaca-se como uma rota importante para o fluxo logístico de carga geral, por meio de suas conexões com outras ferrovias, cujas cargas se destinam ao Porto de Santos (SP), permitindo os acessos aos maiores centros consumidores do País.

Painel elétrico onde são realizados os testes elétricos nos componentes dos ativos

Macaco pneumático onde as locomotivas são suspensas para manutenção

REVISTA IPÊ


| INTERNACIONALIZAÇÃO

— 92 —

Morar no exterior

As experiências do lavrense Felipe Mazzoni Felipe Mazzoni, 33 anos, publicitário, morou por seis meses na Itália e desde dezembro de 2014 reside em Londres.

Por Camila Caetano Foto: Eduardo Boldrini

Quais foram os motivos que lhe incentivaram a ir para o exterior? Pela vontade de conhecer novas culturas. Apenas viajar nunca foi suficiente. Escolhi me mudar para Londres por ser um país muito forte em publicidade, área que eu trabalho e ser uma cidade multicultural, além da facilidade de ir a outro país, com uma cultura totalmente diferente, em poucas horas de viagem.

Você já tinha domínio do idioma antes de decidir se mudar? Na Itália, não sabia muita coisa. Foi até engraçado, pois tentei estudar antes de me mudar e sempre achei difícil a pronúncia. Não achava natural, até chegar lá e perceber que todo mundo falava do mesmo modo. Estudei durante os seis meses e consegui aprenREVISTA IPÊ

der um pouco, o suficiente para resolver coisas do dia a dia. Já o inglês, eu sempre tive contato. Seja estudando na escola, cursinhos ou com a cultura americana, que consumimos diariamente como músicas, seriados, filmes, jogos, entre outros. Porém, achei que seria mais fácil. Ao chegar a Londres, a diferença do sotaque e algumas palavras me fizeram perceber que precisaria de um tempo para acostumar e ter um domínio sobre a língua.

Assim que você chegou, como foi? Você passou por alguma dificuldade? Financeira, cultural? Após morar seis meses na Itália, peguei um voo e vim para Londres. Era minha primeira vez na cidade, tinha dois dias reservados em um quarto de albergue e esse era o meu tempo para

iniciar a vida aqui. Procurar uma casa, abrir conta em banco, fazer todos os cadastros e começar a procurar emprego. Não posso dizer que tive dificuldade, pois nunca me faltou nada. Não vivia com luxo, mas tinha o necessário para continuar meu plano de morar aqui, e ter minha família me apoiando era a força que eu precisava para seguir e focar puramente em achar um emprego. Não vim para estudar, logo, fazer novos amigos é uma dificuldade também. Mas, por já ter experiência em mudar de cidade e recomeço, foi algo que soube administrar com certa facilidade. Culturalmente tive sorte, pois um amigo que já havia morado em Londres me passou algumas dicas, e uma delas foi sobre um grupo de brasileiros que todo domingo jogava futebol. Eram em sua maioria publicitários, o que foi um bônus, uma vez que todos tínhamos o mesmo propósito.


O que mais lhe assustou nesse primeiro momento? Falar ao telefone. Esse foi o grande pânico que tive ao mudar para Londres. A cada ligação era um frio na espinha. Demorava pelo menos uns três segundos para começar a entender o sotaque. A cada ligação, era algo completamente diferente. Até que percebi que usar um fone de ouvido ajudava muito e daí, com o tempo, foi ficando mais fácil.

Em alguma fase teve vontade de voltar para o Brasil? Vontade de voltar não. Fui muito seguro do que queria. Mas, como qualquer pessoa, há dias que são mais difíceis. Porém, seria igual morando em qualquer lugar do mundo.

de evitar contato. Não quer dizer que todos sejam amistosos, mas há um senso que o respeito ao próximo é uma obrigação de todos.

Do que mais sente saudades? Família e amigos. É uma saudade gostosa, que me faz tê-los comigo.

Se fosse aconselhar alguém que tem vontade de morar fora, o que diria? O que é imprescindível?

viver é diferente de passear, e estar longe da própria cultura nem sempre é tão fácil. Sendo assim, acho que o grande conselho que posso dar a alguém é: saiba o real motivo de querer morar em outro país. Ter ciência do porquê de morar fora, na minha opinião, é a única forma de realmente aproveitar a experiência e prosseguir. Sair do Brasil, só por sair, vai te fazer infeliz e querer voltar.

Muitas pessoas sonham em morar em um país diferente em referência do que outras pessoas dizem, ou pelas suas experiências em viagens. Porém,

Como você descreve a sua experiência de morar fora?

— 93 —

Morar em um país diferente te traz muito aprendizado. Independente da sua formação, crença ou cultura, você irá absorver muita coisa nova. Cada um vai ter sua forma de lidar. Conhecer diferentes culturas nem sempre é fácil, porém, me faz perceber que as nossas diferenças são muito menores do que o que nos faz parecidos.

O que você mais nota de diferente com o Brasil? Transporte público, alimentação, etc Primeiro, educação. Não que aqui todos sejam educados e perfeitos, mas o nível cultural das pessoas, em geral, é maior. Tem também a segurança e o transporte. Já a saúde, se comparada com a pública que temos no Brasil, é infinitamente melhor. Não pelos profissionais, mas pela estrutura. A parte negativa fica com a alimentação. Acho a comida brasileira muito mais gostosa e saudável. Claro que há excelentes restaurantes em Londres, porém, a comida do dia a dia é pior.

E a população local, o que vê de diferente dos brasileiros? As pessoas respeitam umas as outras. Alguns por acharem ser o correto a se fazer. Outras por leis que as façam respeitar e algumas outras pelo desejo REVISTA IPÊ


| GASTRONOMIA

DICAS GASTRONÔMICAS CONFIRA NOSSAS DICAS GASTRONÔMICAS DE LAVRAS

Snooker Sport Pub O Snooker é o primeiro Sport Pub da cidade. Possui 4 ambientes, 4 telas e diversos esportes na grade de transmissão, além de maratonas de séries e campeonatos de sinuca. O Pub atrai público variado, desde amantes do futebol tradicional até o futebol americano. O bar conta ainda com música ao vivo, diversas opções de drinks, doses, chopps e cervejas. E um cardápio recheado de porções e entradas de alto nível para deixar sua noite no padrão que você merece! Rua Barão do Rio Branco, 182 (35) 99164-1881 (whatsapp) @snookersportpub

@snookerlavras

— 94 —

Clube do Sushi O Clube do Sushi vem ganhando espaço e reconhecimento em toda a região devido à qualidade dos alimentos produzidos. O alto padrão da matéria-prima aliado ao profissionalismo da equipe garante ao consumidor uma experiência marcante que conquista os paladares mais exigentes! Vem pro Clube!!

Av. Jucelino Kubitscheck, 713. Centro (35) 3826-6322 e 99186-2878 (whatsapp) @clubedosushioficial

Lavras Apart Hotel Um dos pratos mais pedidos é a Truta Noisette: grelhada no azeite com molho de amêndoas e nozes na manteiga. Na foto: a truta mais acompanhamento: Salada Caprichada – folhas frescas, bacon crocante, sementes, limão, mel, gengibre e mostarda Dijon; batatas rústicas e vinho branco espanhol orgânico.

Rua. Misseno de Pádua, 151. Centro (35) 3821-1413 @lavrasapart REVISTA IPÊ


— 95 — REVISTA IPÊ


| GASTRONOMIA

Cactu’s Há 8 anos, uma ideia inusitada surgiu: seria possível um bar de comida mexicana em Lavras? Não demorou muito e foi inaugurado o “Cactus Bar e Restaurante”. Além da alta qualidade dos drinks, porções variadas e os tradicionais pratos de uma das mais famosas culinárias do mundo, o Cactus conta sempre com boa música ao vivo, bom atendimento, decoração elegante, ambiente familiar e sempre agradável. Além disso, todas as quartas e domingos há o famoso “Rodízio Mexicano”, além de ter todo o cardápio disponível para delivery de terça a domingo. Rua dos Expedicionários 72 - Lavras (35) 3826-1934 @CactusMexicano

— 96 —

HotdôGui O Hotdôgui veio com uma proposta de inovação na área de hot dog, trazendo, aos seus clientes, da salsicha ao pão artesanal, ingredientes selecionados e de alta qualidade, com um espaço acolhedor e um atendimento cordial. Agora conta também com atendimento delivery pelo aplicativo aiqfome e pelo telefone 3822-7373.

Rua Santana nº01, Centro - Lavras @hotdogui

Crocante O Crocante é um restaurante especializado em frango frito, mas conta com um cardápio completo com diversas outras delícias para você se esbaldar com a família e os amigos. Atendimento terça, quarta, quinta e domingo das 19h às 23h, sexta e sábado das 19h a 00h e almoço de segunda a sexta das 11h às 14:30.

Rua Dr. Álvaro Botelho, 40 - Centro (35) 3822-2913 e (35) 98809-2913 @crocantelavras REVISTA IPÊ


REVISTA IPÊ


| ESPAÇO GOURMET

Petit gateau clássico Ingredientes

• 250g de chocolate meio amargo • 250g de manteiga sem sal • 5 gemas • 5 ovos • 165g de açúcar refinado • 150g de farinha de trigo

Modo de fazer

Foto: Daniel Rocha

Derreta em banho-maria o chocolate com a manteiga e reserve. Em uma tigela misture os ovos, as gemas, o açúcar e a farinha e misture bem até ficar bem liso. Junte o chocolate derretido à massa de ovos e misture. Unte com manteiga e farinha de trigo forminhas próprias para petit gateau de alumínio e asse por cerca de 10 minutos a 200ºC. Desenforme e sirva imediatamente com sorvete.

Petit gateau Chocolate branco, damasco e pistache Ingredientes

— 98 —

• 250g de chocolate branco • 250g de manteiga sem sal • 5 gemas • 5 ovos • 165g de açúcar refinado • 150g de farinha de trigo • 100g de damasco picado • 100g de pistache torrado, sem sal e triturado

Modo de fazer

Petit gateau

Derreta em banho-maria o chocolate com a manteiga e reserve. Em uma tigela misture os ovos, as gemas, o açúcar e a farinha e misture bem até ficar bem liso. Junte o chocolate derretido à massa de ovos com o damasco e o pistache e misture. Unte com manteiga e farinha de trigo forminhas próprias para petit gateau de alumínio e asse por cerca de 10 minutos a 200ºC. Desenforme e sirva imediatamente com sorvete.

Do clássico ao chocolate branco, damasco e pistache Rende 15 unidades

REVISTA IPÊ

Ana Carolina Abe-Saber Cozinha Gourmet (35) 99168.5895


Foto: Daniel Rocha

| PRAZER NACIONAL

Empresário, consultor e apreciador de cachaça

Cachaça ou Aguardente Origens e conceitos

E aí, você aprecia aguardente ou cachaça?

REVISTA IPÊ

— 99 —

Antônio Claret Sales

C

oincidência ou não, é importante registrar que em quase todas as expressões que designam uma bebida destilada, independente do idioma, relacionam as palavras “água” e “vida”. Essa associação pode ser observada na nossa aguardente, literalmente, “água + ardente”, cujo significado de ardente, nesse caso, é “chama da vida”. Na Noruega, temos o “aquavit dos Vikings”, termo latino que significa aqua vitae (água da vida). O Uísque escocês, proveniente da expressão “uisge beatha”, que na linguagem celta também significa “água da vida”, bem como os destilados franceses feitos a partir de frutas, os eau de vie, que igualmente significam “água da vida”. Em alguns países, ainda, associa-se o álcool ao “espírito da vida”. Não se sabe quando o nome cachaça se aplicou à aguardente destilada nos engenhos do Brasil. A primeira referência à palavra “cachaça” aparece em Portugal na Carta-II de Sá de Miranda (1481-1558) ao seu “amigo e comensal, Antônio Pereira, o Marramaque, senhor de Basto”, carta esta que continha versos e comédia. No entanto, ao que tudo indica, era uma referência à bagaceira, destilado proveniente da uva. No Brasil e nas colônias espanholas, cachaça era o nome dado à primeira espuma que surgia na fervura do caldo de cana durante a fabricação do açúcar. Era fornecida como alimento aos animais ou descartada. A segunda espuma era muito apreciada pelos escravos, que a recolhiam, porém não a consumiam imediatamente. Tinham o costume de deixar que esse líquido azedasse. O “azedar” nada mais era que o processo de fermentação natural realizado por leveduras presentes no ambiente. Com o tempo, essa bebida fermentada naturalmente também passou a ser chamada de “cachaça”. Posteriormente, cachaça era todo destilado de qualidade inferior dado aos escravos ou, devido ao seu baixo preço, acessível ao bolso dos menos favorecidos, logo, tornou-se sinônimo de aguardente de cana. Apesar de serem consideradas sinônimas ou como sendo a mesma bebida no conhecimento popular, o Art. 91 do Decreto nº 4.851, de 2 de outubro de 2003, considera aguardente de cana sendo a bebida com graduação alcoólica de 38 a 54 % em volume, a 20º C, obtida de destilado alcoólico simples de cana-de-açúcar ou pela destilação do mosto fermentado de cana-de-açúcar, podendo ser adicionada de açúcares até seis gramas por litro e, no Art. 92 desse decreto, cachaça é a denominação típica e exclusiva da aguardente de cana produzida no BRASIL, com graduação alcoólica de 38 a 48% em volume, a 20°C, obtida pela destilação do mosto fermentado de cana-de-açúcar, com características sensoriais peculiares, podendo ser adicionada de açúcares até seis gramas por litro, expressos em sacarose. Assim, podemos definir que toda cachaça é uma aguardente de cana, mas nem toda aguardente de cana é cachaça, que conforme o decreto citado define essas bebidas pela graduação alcoólica e adição de açúcares. Vale ainda destacar que a aguardente não precisa ser necessariamente de cana, ela terá sua denominação de acordo com a matéria-prima de sua origem, podendo ser aguardente de melaço, aguardente de ceral, aguardente de vegetal, aguardente de rapadura ou melado e etc.


| MÚSICA

— 100 —

Um mix de sentimentos que fui colecionando em forma de poesia e agora é o momento compilá-los

Carlos Otto

O lavrense que tem conquistado o público da MPB

Por Camila Caetano Foto: Marcelo Goulart REVISTA IPÊ


L

— 101 —

uiz Carlos da Silva Júnior, músico, cantor e compositor de Música Popular Brasileira, nasceu em 15 de junho de 1994, em Lavras, mas até os 17 anos residiu em Itumirim. Seu interesse pela música começou a surgir muito cedo, quando construiu seu próprio instrumento com um pedaço de tábua, pregos e linhas de anzol. “Aos sete anos eu fui um quase luthier”, brinca. No Natal do mesmo ano, 2002, ganhou do seu pai o seu primeiro violão e, imediatamente, deu largada aos estudos de música. “Eu era uma criança de oito anos fazendo aula de violão clássico, aprendendo a ler partitura”. Não demorou muito para que explorasse outros instrumentos. Aos nove, iniciou seus estudos de clarineta na Coorporação Musical Lira Itumirense, fazendo aulas com o professor lavrense Maestro Cirilo. Aos 11, se interessou pelo saxofone, instrumento estudado e executado até os 16 anos. Em 2011, uma oportunidade: um show de talentos em Itumirim. Carlos sempre gostou muito de cantar, mas nunca teve esse contato com o palco, microfone e público. Nesta época, seu irmão dois anos mais novo, Vitor, estava começando a estudar violão. Então surgiu a ideia de uma apresentação em duo (voz & violão). As músicas escolhidas foram ‘Meu abandono’, da banda Rosa de Saron, e ‘Imagine’, do inesquecível John Lennon. “Foi um dia de muito nervosismo. Era meu primeiro contato com o palco. Veio tudo: medo de desafinar, insegurança, essas coisas.”, descreve. “Mal começamos a tocar e eu vi uma agitação de um dos jurados do festival, parecia incomodado, talvez. Tentei não olhar, para não perder o foco. Depois da apresentação, ele veio nos parabenizar, perguntar quem éramos e, por fim, disse ao meu pai para que não nos deixasse parar. Acredito que aquilo ali foi o start. E não parei.” Portas foram se abrindo para Carlos depois desse dia: convites para se apresentar em outros eventos, cantar em casamentos, aniversários... Até que Carlos montou a banda Halftime, composta por músicos de Itumirim que se reunia aos finais de semana na casa do guitarrista Max Valério para tocar rock. Nessa época, iniciou-se o processo de compor. “O Max é um guitarrista fenomenal. Acho que compomos umas 10 músicas ou mais juntos. Foi um projeto interessante,

caminhava bem até a gente passar no vestibular e ter que ir embora”. Carlos Otto abriu mão da ideia de ter uma banda e resolveu iniciar seus shows em barzinhos. Convidou, então, a violonista Raquel Resende para acompanhá-lo. O duo não tinha nome específico, a ideia de Carlos Otto surgiu depois. “A origem desse Otto, que todo mundo pergunta, é mais ou menos assim: na virada de 2016 para 2017, estávamos na minha casa, em Itumirim, e uma colega de São Paulo só falava ‘Otomirim’. Achei aquilo o máximo. Pensei: vou usar esse Oto” Em 2013, os pais de Carlos Otto se mudaram para São João del Rei, onde residem até hoje. “São João del Rei é uma cidade de músicos incríveis. A cidade respira música.” Movido por essa energia, Carlos procurou o estúdio Octo Audio Filmes. Lá, conheceu o pianista e produtor Amaury Lopes,

que se interessou muito pela sua proposta artística. Em 2017, Carlos lançou seu primeiro trabalho autoral, a canção “Colapso de Flor”. No mesmo ano, a canção foi finalista do 36º Festival da Canção de Alvinópolis. “Muitas portas se abriram depois desse meu primeiro festival. Conheci artistas incríveis de vários lugares do País”, afirma. Depois, a convite do Sesc, foi convidado para participar do evento Sesc no Tom, no Teatro Municipal de Lavras, em outubro de 2017. Acompanhado do seu produtor e pianista Amaury Lopes, Carlos passou a disseminar seu trabalho em rádios, Tvs, sites e em seus shows como artista solo. No seu repertório tinha músicas de Caetano, Gil, Chico Buarque, Adriana Calcanhoto e muitos nomes da MPB. Neste ano, Carlos foi introduzido, por seu amigo Ravi Mariano, à música REVISTA IPÊ


— 102 —

Foto: Dário Ávila

| MÚSICA

mineira. Algumas noites de imersão ao som de Clube da Esquina e outros discos de Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, Toninho Horta e cia fizeram com que Carlos Otto decidisse, de vez, resgatar em seu show a música mineira. Movido pela essência poética e musical das músicas nativas de Minas, Carlos e Amaury Lopes gravarão ao vivo, em 9 de agosto, em Resende Costa – MG, um CD duo e acústico (voz, violão e piano), recheado de releituras de grandes clássicos mineiros, como ‘Travessia’ (Milton Nascimento / Fernando Brant), ‘Paisagem da janela’ (Lô Borges / Márcio Borges), dentre outros.

CD AUTORAL

“Amo jogos de palavras. Se você ler A MARÉ SIMPLES em voz alta, soa amar é simples..” Para o segundo semestre deste ano também está previsto o lançamento do seu primeiro CD autoral, o álbum A MARÉ SIMPLES, no qual serão gravadas canções inéditas do artista e regravadas canções já conhecidas como Colapso de Flor e Quadros Raros, que vêm sendo apresentadas ao público no projeto Encantos de Minas. Carlos promete um álbum original carregado de poesia e musicalidade, com influências do Clube da Esquina, samba, bossa, rock progressivo e do indie folk. “Amo jogos de palavras. Se você ler A MARÉ SIMPLES em voz alta, soa ‘amar é simples’. E realmente é. Então é um álbum bem poético, que fala de amor e suas formas, seus ápices e seus fins. Um mix de sentimentos que fui colecionando em forma de poesia e agora é o momento compilá-los”, afirma. REVISTA IPÊ

Algumas das canções que estarão presentes no álbum são:

1 - A maré simples (Carlos Otto) 2 - Colapso de flor (Carlos Otto) 3 - Estrelas maiores que o sol (Carlos Otto) 4 - A âncora e o balão (Carlos Otto) 5 - Quadros raros (Carlos Otto) 6 - Cromossomos cósmicos (Carlos Otto & Prof. Igor Alves)

Carlos Otto vai utilizar da estratégia de financiamento coletivo (ou crowdfunding) para arrecadação do valor necessário para a gravação desse CD. “Vamos estabelecer diferentes cotas de valores a serem doadas e, pra cada valor, há uma recompensa. Uma das recompensas será a participação da(s) pessoa(s) colaboradora(s) no clipe da canção A Âncora e o Balão, que será gravada durante um voo de balão em Capitólio”, conta Carlos. Os projetos de Carlos Otto e da gravadora Octo não param por aí. Para 2019, se estuda a gravação do seu primeiro DVD e algumas parcerias com artistas do cenário mineiro e nacional.


— 103 — REVISTA IPÊ


— 104 —

| STARTUP WEEKEND

Startup Weekend Lavras Ideias novas para um novo mundo Por Rennan Campos Fotos: Marlon Franco / Unilavras

O

Centro Universitário de Lavras (Unilavras) realizou a terceira edição do Startup Weekend Lavras, com a participação de mais de 90 pessoas, entre 6 e 8 de abril. Uma experiência intensa de aprendizado, network e empreendedorismo, onde os participantes tiveram a chance de desenvolver suas ideias em um modelo de negócios mais próximo de uma startup. Foram 54 horas de imersão, trazendo uma vivência única e interativa. REVISTA IPÊ

O evento teve início com cada participante subindo ao palco e apresentando uma ideia. Depois, os próprios participantes escolheram as melhores para serem desenvolvidas durante todo o final de semana. Em torno das mais votadas, as equipes foram formadas e iniciaram os trabalhos. Foram apresentadas mais de 40 ideias e 16 escolhidas para serem desenvolvidas durante o evento. O segundo dia começou com a identificação do problema, formação do modelo de negócios e validação da ideia e aplicação de um Mínimo Produto Viável - MVP. Nesse momento foram apresentados os 14 mentores convidados, contando com especialistas das mais diversas áreas de Lavras e outras cidades, como o coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Federal de Lavras (Nintec/Ufla), Fellipe David, e o coordenador do melhor programa de pré-aceleração do Brasil e um dos 20 melhores do mundo, Lemonade, Carnelutti Spinelli. Além do acompanhamento das equipes, os mentores ofereceram alguns workshops que deram base para as atividades dos participantes. A partir desse momento, o evento não parou mais, estendendo-se madrugada adentro, com muitas atividades, pizza e café. No terceiro e último dia, as equipes fizeram os ajustes finais nos dados levantados durante a validação da ideia, aplicação do MVP e preparação de uma apresentação prévia para os mentores, além de apresentações finais para todos os participantes e banca avaliadora. Neste ano, a banca avaliadora foi composta pela reitora da Unilavras, a professora Christiane Amaral Lunkes Argenta; representando a Ufla, o professor Paulo Henrique Lemos, e o empresário de Lavras, sócio proprietário da Digmaq, Wagner Araújo. As apresentações se iniciaram no domingo a tarde, 8/4, com muita emoção. Foram apresentações de alto nível, concretizando o excelente trabalho dos organizadores e mentores.


Os vencedores da terceira edição do Startup Weekend Lavras foram:

1° lugar – CapVex

Plataforma de apoio ao desenvolvimento de projetos sociais. Membros: Dian de Grazia, Lis Rocha, Gustavo Badaró, Lucas Marques, Alexandre Pimentel, Antônio Junior e Marília Rezende

2° lugar – SmileW

Aplicativo mobile que conecta pacientes a dentistas Membros: Clever Oliveira, Gabriel Marques de Melo, Rubens Eliezer, Gabriel Dias Rezende, Carlos Victor, Debora Carolina e Anna Júlia

3° lugar – Arrt

Membros: Tamara Abras, Rayssa Silva, Ana Raquel Resende, Rebecca Ferrari Menção Honrosa

Menção Honrosa - Orienta Café plataforma online que conecta produtores de café, compradores e outros Membros: Julia Prais, Kaique Costa e Emanuelle Costa Muito mais do que formar startups, o Startup Weekend tem como principal objetivo formar pessoas e empreendedores. Em Lavras, esse papel foi cumprido, destacando a importância do SWLAVRAS no ecossistema local e mostrando o nível de desenvolvimento do Valle dos Ipês.

ORGANIZADORES: • Rodolfo Alvarenga • Rodrigo Pimenta • Rennan Campos • Tamis Diniz • Artur Alexandre Gonçalves • Stefano Girardelli

REVISTA IPÊ

— 105 —

Aplicativo para resolver o problema ocioso do bar


| SOCIAL

Desfile Outono Inverno Pitietico Fotos: Gilney Botelho

P

— 106 —

ensando em continuar resgatando culturas quase esquecidas em função de um mundo cada vez mais globalizado e conectado virtualmente, a PITIETICO resolveu apostar novamente no desfile de moda associado à cultura e repetir o sucesso do ano passado. Na noite de 19 de abril, na Estação Costa Pinto, foi realizado o Desfile Outono/Inverno 2018, organizado pela Villa Kids, a nova empresa de Lavras especializada na produção de eventos infantis. Os pitieticos brilharam na passarela com lindos e quentinhos looks da loja. Além de assistirem a peça teatral lúdica e atemporal PINÓQUIO, lindamente representada pela Cia dos Reis. Empresas de renome estiveram presentes em parceria a este evento, bem como os patrocinadores Núcleo Educacional Crescer, Composê Confecções e Jeito Caseiro Alimentos, que apoiaram a realização dessa especial e incrível noite de moda e cultura.

REVISTA IPÊ


Povo Local – uma festa pra chamar de nossa Fotos: Daniel Rocha e Marlon Franco

N

os dias 13 e 14 de abril ocorreu a segunda edição do festival Povo Local. “A inspiração para o nome tem origem num projeto que eu participava no Rio, chamado Junta Local, que une tudo de bom num mesmo espaço com comida, bebida e música. Então me veio a ideia de fazer uma versão em clima de festa, chamei os cervejeiros locais que adoro (Jóia e Funil) e meus amigos do Restaurante da Thaís, e assim virou uma festa de grande sucesso,” conta a chef de cozinha e produtora de eventos, Jajá. A Casa da Thais entrou com o espaço, os petiscos de boteco e a comida japonesa do chef Frajola. Numa montagem simples ao ar livre, com tendas, iluminação circense, um improvisado palco, uma banda por dia e os famosos burgers e kaftas da Jajá na churrasqueira. Uma delícia de festa, sem dúvida. Para informações sobre a próxima edição, fiquem de olho nestes perfis do instagram: @casadathais @chefjaja

— 107 — REVISTA IPÊ


— 108 — REVISTA IPÊ


— 109 — REVISTA IPÊ


Revista Ipê 19ª Edição  
Revista Ipê 19ª Edição  
Advertisement