Page 1

Revista Islâmica

Jumada Al-Ula/Jumada Al-Ula/Jumada Athania/Rajab Athania/Rajab 1.431 1.431 A.H. A.H. -- Abril Abril // Maio Maio // Junho Junho 2010 2010 -- Ano Ano 33 // Número Número 11 11 Jumada

R$

9,90

Alcorão Os anjos e os gênios

Mulher

Por que o uso do veu no Islã?

Pilares

Qual o significado de “Jihad”?

Variedades A cor azul


Em nome de Deus, o Clementíssimo, o Misericordiosíssimo Revista Islâmica

Prezado (a) Leitor (a)

“Em Nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso” “Enviamos os Nossos mensageiros com as evidências e enviamos, com eles, o Livro e a balança, para que os humanos observem a justiça.” Alcorão Sagrado (57:25)

Revista Islâmica Evidências

é uma publicação da Associação Beneficente Islâmica do Brasil CNPJ 43.759.802/0001-92

Rua Eliza Witacker, 17 – Brás - São Paulo - SP - CEP 03009-030

Telefones: (11) 3315-0569 e 3329-9200

Publicação Trimestral

Jumada Al-Ula/Jumada Athania/Rajab 1.431 A.H. Abril / Maio / Junho 2010 (A.D.) - Ano 3 / Número 11

Diretor-Presidente:

Assayyed Charif Sayyed (Teólogo e Pesquisador em Pensamento Islâmico) sayyed@revistaevidencias.org

Vice-presidente:

Abdallah R. Hammoud

MTB: 53199/SP abdallah@revistaevidencias.org

Tradução:

Samir El Hayek (Matemático e Físico pela UNISA)

Num mundo de tantas dificuldades e contratempos, muitas vezes sentimo-nos tentados a fugir dos problemas, abandonar o enfrentamento da realidade. Este, no entanto, não é o comportamento correto. Fugir do problema significa retirá-lo, momentaneamente, de nossas vistas. É bem provável que ele retorne mais tarde, mais forte. Devemos é agir com perserverança, tema de importante artigo escrito por Sayyed Sharif Assayyed e publicado nesta edição de Evidências. Tratamos de outros temas relevantes neste número, como a visão islâmica sobre o sexo. Necessidade básica do ser-humano, o sexo está intimamente ligado à vida. É da união entre homem e mulher que surgem os filhos, nascem as famílias, elementos fundamentais da sociedade humana. A prática sexual, contudo, tem de ser exercida dentro de parâmetros de legalidade e contenção, respeito e integridade moral. Caso contrário, praticado sem medida e limites, leva o homem e a mulher à corrupção, que se amplia e enfraquece a sociedade. Em relação a este e outros assuntos, os Profetas sempre orientaram a humanidade. Escolhidos por Allah para transmitir as Suas verdades e orientações, os Mensageiros são como balizas na estrada, conduzindo os demais seres-humanos pela Senda Reta, auxiliando-os a não cair nos abismos. Exemplo disso é o Profeta José (a.s.). O Ayatollah Nasser Makarem Shirazi, neste número de Evidências, dá continuidade à bela e edificante história deste Nobre Profeta, incrementando nosso conhecimento e aquecendo nossos corações e almas com seu ilustre exemplo.

Jornalista responsável:

Desejamos a todos uma excelente leitura.

Departamento Jurídico

E que a paz esteja convosco!

Omar Nasser Filho - MTB - 26164 Mestre em história pela Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Ricardo Trovilho (OAB/SP n° 119.760)

Projeto gráfico / Diagramação:

www.c2pontos.com.br - (11) 9911-2513 / 3592-6398 Fale conosco:

faleconosco@revistaevidencias.org abib@mesquitadobras.org.br evidencias_islamicas@hotmail.com Assinaturas:

assinaturas@revistaevidencias.org

Os artigos publicados na “Revista Islâmica Evidências” não refletem, necessariamente, a opinião da revista. NOTA EXPLICATIVA: Ao longo dos textos de “Revista Islâmica Evidências”, o leitor encontrará algumas siglas e sinais particulares, os quais explicamos a seguir: Após a menção ao nome do Profeta Muhammad, segue-se uma letra “S” entre parênteses. Esta é a abreviatura da expressão arábe: “Salla allahu aleihi wa álihi wa sallam”, ou, traduzindo: “Deus o abençoe e lhe dê paz, bem como à sua Família”. Quando é citado o nome de um outro Profeta ou de um Ma’assum (isto é, pessoa imaculada), segue-se a sigla (A.S.), que significa: “aleihi salam” (A paz esteja com ele); “aleiha salam” (A paz esteja com ela); ou “aleihem salam” (A paz esteja com eles). Outra sigla utilizada é (R.A.), que significa “radi’allah an-hu (an-ha)”, ou “Deus esteja satisfeito com ele (ela)”.

Revista Islâmica Evidências - 1


•Preces diárias As Preces de Quarta-feira

•Conduta Islâmica A Perseverança

•Histórias do Alcorão O Profeta José e o Profeta Jacó(a.s)

•Perguntas e Respostas

Qual o significado do “Jihad” no Alcorão Sagrado?

24 29 35

42

A Sedução e a Prevenção

•Lições Suscintas A Oração em Congregação

•Variedades A cor azul

•Sentimentos

Os horizontes da misericórdia

•Educação

PAG. PAG. PAG.

•Ótica do Islã

PAG.

16

Os gênios nas expressões do Alcorão

PAG.

PAG. PAG.

12

•Conceitos Corânicos

PAG.

Porque o uso do veu no Islã?

04

O amor conjugal

Siga e seja exemplo

PAG.

•Comportamento

03

•Família

•Atualidades

PAG.

Parte 12

01

A cultura ambiental

•Palavras cruzadas

PAG.

•Interpretando o Alcorão

PAG.

As pessoas mais amadas por Deus

PAG.

•Prática do bem

PAG.

•Cartas

PAG.

Omar Nasser Filho

PAG.

•Caro Leitor

PAG.

Alcorão Sagrado (57:25)

PAG.

SUMÁRIO

Em nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso. Enviamos o nosso Mensageiro com as evidências e enviamos, com eles, o Livro e a balança, para que os humanos observem a justiça.

46

50

52

56

58 63

68

74

79


Cartas

Envie-nos sua opinião através de carta para: Revista Islâmica Evidências Rua Eliza Witacker, 17 - Brás São Paulo - SP - CEP 03009-030, ou pelo e-mail cartas@revistaevidencias.org

Deus, o Altíssimo, diz:“Em suas histórias há um exemplo para os sensatos” (12:111). Foi dito: “O sensato é quem aproveita a advertência dos outros, quem consulta as pessoas e participa de suas idéias.” Leitor, esta página é dedicada à sua participação: opiniões, pensamentos, críticas e sugestões. Basta enviar sua mensagem pela internet ou carta, citando sempre o seu nome, número do RG e endereço. Devido ao espaço disponível, algumas mensagens podem ser editadas. Desde já, agradecemos por sua contribuição.

Arquitetura Islâmica

Meio Ambiente

Que a paz esteja convosco!

É interessante notar que a nação que mais polui o meio-ambiente é a que se recusa a assinar o Protocolo de Kyoto! Os Estados Unidos, que são tidos como a nação mais desenvolvida do planeta, não dá a mínima para a natureza. E não é só isso: exporta suas indústrias poluentes e seus automóveis, seu estilo de vida poluidor e poluído para todo o planeta. Basta da hipocrisia deles!

Sou estudante de Arquitetura e achei muito interessante a matéria falando sobre a importância que as Mesquitas têm na vida dos muçulmanos. Ainda não conheço nenhum país islâmico, mas tenho muita vontade de conhecer cada vez mais esta cultura e, se Deus quiser, vou viajar para lá. A arquitetura islâmica impressiona por sua beleza e pela influência que exerceu no Ocidente.

Gustavo Henrique Fuss – São Paulo (SP) Lucas Salustiani – Caxias (RS)

A importância do Sexo Salam! Enquanto nós, no Ocidente, continuarmos achando que tudo é permitido, interpretando ao pé-da-letra o dito liberal de que “laissez faire, laissez passer”, ou seja, deixai fazer, deixai passar, continuaremos escavando o nosso próprio buraco. Parabéns aos muçulmanos, que sabem colocar os atos humanos – inclusive o sexo – dentro de limites muito claros, sem desconhecer a sua importância. Áurea Azevedo Farias – Curitiba (PR)

Veu Comecei a estudar o Islã há alguns meses e gostaria de ler em Evidências mais artigos e matérias falando sobre o veu. Percebo que muitas pessoas têm uma visão distorcida do Islã e, especialmente, do uso do veu pelas mulheres. Até onde sei, contudo, o recato é recomenado, no Islã, tanto para os homens quanto para as mulheres. Parabéns pela revista, que está cada vez mais bonita! Marcela Echeverria – Rio de Janeiro (RJ) Resposta: Prezada Marcela, acompanhe matéria nesta edição de Evidências sobre o veu. Este tem sido um tema recorrente na revista. Obrigado pela sugestão e boa leitura! O Editor Revista Islâmica Evidências - 3


Deus, exaltado seja, diss e: “No dia em que cada al ma se confrontar com todo o bem que tiver feito e co m todo o mal que tiver co metido ansiará para qu e haja uma grande distância entre ela e ele (o mal). Deus vos exorta a d’Ele vos lembrardes, porque Deus é Compassivo

para com os Seus servos ” (3:30). E disse: “Perguntam-te que parte devem gastar (em caridade). Dize-lhes : Toda a caridade que fiz erdes, deve ser para os pais, parentes, órfãos, necessitados e viajante s (desamparados). E sabe i que todo o bem que fiz erdes, Deus dele tomar á consciência” (2:215).

As Pessoas Mais Amadas por Deus

U

m homem perguntou ao Mensageiro de Deus (S): “Quem é a pessoa mais amada por Deus?” Ele respondeu: “A pessoa mais útil para os demais.” Foi narrado que ele (S) também disse: “Todas as pessoas constituem-se em criaturas de Deus. A pessoa mais amada por Deus é a mais benévola com Suas criaturas.” Foi narrado, também, que disse: “Quem indicar a prática do bem é 4 - Revista Islâmica Evidências

como quem o pratica.” Relata-se, ainda, que ele disse: “Não deves fazer o bem para se mostrar, nem deves deixar de fazê-lo por vergonha.” Foi narrado que o Amir Al-Mo’minin (Comandante dos Crentes), o Imam Ali Ibn Abi Tálib (a.s.), disse: “Falai o bem que serão conhecidos por ele. Praticai o bem que sereis conhecidos por ele.” Certamente, os princípios, as regras, as organizações, os pensamentos, as teorias


estabelecidas pelo ser humano no campo moral, político, social, econômico, psicológico e ético, demonstram a posição ideológica, psicológica e social de quem as estabeleceu. Está claro que a natureza da constituição humana é uma natureza deficiente. Que as pessoas, na sua formação psicológica, ideológica, moral e em sua formação social diferem de um indivíduo para o outro, de um ambiente para outro. Por isso, algumas idéias e teorias ocultam aspectos psicológicos e morais complexos, algumas vezes doentios. Elas denotam a condição de quem as estabeleceu. São adquiridas no ambiente, como tradição e educação.

que pregam a dissolução e o ódio destruidor. Esta é a diferença básica entre o Islã e os outros princípios e teorias. O Islã é a mensagem divina para a humanidade. O seu apelo para a reforma das pessoas e da sociedade é desprovido de maldades e tendências pessoais, de enfermidades individuais e coletivas. O Islã representa, com suas regras, condutas, apelos e princípios a perfeição do Criador, a fonte do bem, da sabedoria, da misericórdia, do amor e da beleza neste mundo.

Por isso, vemos que alguns carregam o espírito de ódio e da vingança, outros carregam o espírito de dissolução e anarquia, outros, ainda, refletem a natureza egoística de cobiça de seus portadores. A pessoa, em todos os aspectos, reflete a natureza da personalidade, do temperamento e a situação psicológica em que se encontra. O pensamento é o espelho da alma, a configuração da pessoa. A aflição do ser humano neste mundo e a fonte do mal e da fadiga estão ocultas nas emanações patológicas e constipações venenosas do pensamento e do desvio, formado e transformado em filosofias e teorias com as quais o ser humano é enganado, ou que são impostas a ele. Os seres humanos são os bodes expiatórios das experiências de pessoas extraviadas e desequilibradas psicologicamente, que passam a defender teorias e filosofias Revista Islâmica Evidências - 5


Os Atributos do Grandioso Criador são claros, evidentes nos apelos dos profetas e mensageiros e no espírito do bem, do amor e da paz contido nesses princípios.

dia é o melhor, apesar de o ser humano, por natureza, ser propenso à avareza. Se praticardes o bem e temerdes a Deus, sabei que Deus está bem inteirado de tudo quanto fazeis.” (4:128). Pelo mesmo moAs bases em que a organização social e tivo, Ele considerou a bem-aventurança moral no Islã são estabelecidos são o apee a salvação como prevenção contra lo para a prática do bem, que o ser humaessa doença moral. Deus disse: “Aqueno seja uma força do bem, da dedicação e les que se preservarem da avareza serão da reforma neste mundo, livre de tendênos bem-aventurados.” (64:16). O Profecias criminosas, do egoísmo odioso que ta Muhammad (S) falou da prática e do o separa do pensamento no bem e da sua praticante do bem na comunidade, para prática diante das pessoas e da sociedade. que o muçulmano e a sociedade islâmiO problema social do ser humano ocultaca entendam que a sociedade islâmica é se no egoísmo, no amor ao bem pessoal, uma sociedade cooperativa; que o servina despreocupação com o bem dos outros ço coletivo que o indivíduo corretamente e, às vezes, em vedar o bem aos outros. guiado presta ao mundo - o agricultor, o Essa tendência mamédico, o profesléfica (a tendência sor, o pensador, o egoísta) e a obstrureformador social, Algumas idéias e teorias ocultam ção do bem aos oua prática do bem, os tros, foi denominaque colaboram nos aspectos psicológicos e morais da pelo Alcorão de projetos sociais, no “avareza”. Ele concomplexos, algumas vezes auxílio ao pobre e denou e censurou a necessitado - são doentios, de quem as estabeleceu pessoa que a pratiobras de bem. Com ca, classificando-a ele, colaboram as como criminosa, pessoas escolhidas agressora dos valores e da vida humana, para servir à sociedade. Esses praticantes ameaçando-a com severos castigos, por do bem, que agem movidos pelo seu coconstituir fonte da aflição e problemas nhecimento de Deus, dedicam-se à prátineste mundo. É a causa dos males da poca do bem para satisfazê-Lo, porque são breza, da inimizade, do rancor e da inveas mais benéficas das pessoas. ja, da privação e das dificuldades. Deus, O Nobre Profeta (S) ensinou que a meAltíssimo diz: “Precipitai no Inferno dida da ação social é oferecer benefícios todo o incrédulo obstinado, que obsaos outros, para nos aproximarmos de truía o bem, era profanador, dubitável” Deus, Exaltado seja, sem contrapartida (50:24-25). E disse: “Porque a concórmonetária ou conta egoísta. Essa visão 6 - Revista Islâmica Evidências


islâmica faz com que vejamos a sociedaEle foi Quem vos criou da terra e nela de como uma só comunidade, uma só favos enraizou. Implorai, pois, Seu permília de Deus, Quem prepara as coisas, dão; voltai a Ele, arrependidos, porque supre as necessidades para dar a elas um meu Senhor está próximo e é Exorável.” aproveitamento humano, repleto de va(11:61). Assim, encontramos o Nobre lores e significados Profeta Muhamvitais sublimes. O mad (S) incentiIslã amplia o círcuvando a prática do O Islã representa a fonte lo do bem, aprofunbem, considerando da a responsabiliquem o pratica a do bem, da sabedoria, dade do ser humano melhor das pessoas. da misericórdia, do amor no mundo dos viEncontramos, tamvos, colocando este bém, o apelo para e da beleza neste mundo mundo, com todos a prática do bem, a os seus membros e ampliação do círcuelementos, no círlo de seu horizonte culo da união e perfeição. Ele aprofunda para abranger os animais e as plantas, o entendimento e o conhecimento cultuevidente nas suas palavras para alguém ral, confirmando o papel do ser humano que lhe perguntou: “Será que dar de bede cuidar do mundo de forma sustentáber ao cão é considerado caridade?” vel e integrada. O ser humano necessita do bem e do benefício, sente o desejo inato de dar assistência ao seu irmão; o animal também necessita do benefício e da assistência do ser humano; as plantas, igualmente, necessitam do bem, do benefício e da assistência do ser humano. O ser humano é o senhor da terra, o legatário de Deus, o responsável pela povoação da Terra e pelo cuidado da vida nela. Por isso, encontramos o profeta Sáleh (a.s.) se dirigir ao seu povo e explicar a eles a seguinte verdade que o Alcorão conta para advertir e admoestar. Deus, Exaltado seja, disse: “E ao povo de Samud enviamos seu irmão Sáleh, que lhes disse: Ó povo meu, adorai a Deus porque não tereis outra divindade além d’Ele;


Respondeu-lhe o Nobre Mensageiro (S): de desolação e de tensão. Assim, ele for“Em cada ser vivo há caridade.” Como ma ao seu redor horizontes de lealdade e vemos, o critério da conduta profética amizade. A prática do bem gera louvor incorporou-se na conduta do Mensageiro ao seu praticante e respeito das pessoas. de Deus (S) e sua nobre biografia. Certa Empenhar-se em servir aos necessitados, vez, uma gata com sede passou ao seu socorrer os ávidos e aliviar sua preoculado. Ele (S) abaixou a vasilha com sua pação é um bom nobre mão para que ato, o qual Deus a felina bebesse e ama e pelo qual as mitigasse sua sede. A visão islâmica faz com que pessoas agradecem.

O apelo do MensaA simpatia demonsvejamos a sociedade como uma geiro de Deus (S) trada em relação ao para a prática do só comunidade, uma só família de fraco e necessitado, bem concede à vida seja ele um ser huum valor e signifi- Deus, Quem supre as necessidades mano ou um animal, cado que faz o ser é um bom ato, amahumano sentir o do por Deus e Seu seu gosto num sentido amplo. A vida, se Mensageiro e agradecido pelas pessoas. for estéril e não permitir nascer o bem Prontificar-se a assumir a função de orem seus campos; as pessoas, se se tornadenar a prática do bem e convocar para o rem avarentas e a caridade não brotar em Islã é, também, um bom ato, o qual Deus seus ambientes, transformar-se-ão em ama e pede às pessoas fazê-lo: “E que mal e avareza insuportáveis, que tecem surja de vós um grupo que recomende para o indivíduo a trama do Inferno e da o bem, dite a retidão e proíba o ilícito. infelicidade. O ser humano, no conceiEste será (um grupo) bem-aventurado.” to islâmico, é a fonte do bem e da con(3:104). cessão inesgotável. A boa palavra, que A orientação para a prática do bem, pardenota o amor e a paz, reduz as dores ticipar dela com palavras e atitudes, faciagravadas com aflições, ou planta a amilitando os meios para que ela aconteça, é zade e a tranqüilidade nos corações, ou um bom ato, que Deus ama e que é louelimina o medo e o constrangimento, ou vado pelas pessoas. Os caminhos do bem reforma o corrupto no meio das pessoas, são muitos e o ato de beneficiar as pessupre a inimizade no meio delas. Sim, a soas e disseminar a prática do bem tem boa palavra representa o espírito de bem portas amplas e abertas. de quem a pronuncia. É o sorriso sincero e a afabilidade transbordante com que o O ser humano tem a capacidade de pratimuçulmano recebe o irmão, aliviandocar o bem ou exortar à sua prática, partilhe as atribulações da vida e o ambiente cipando dela. Tem a capacidade de frear 8 - Revista Islâmica Evidências


a obstinação da avareza, prevenindo-se de ter essa enfermidade moral destruidora. Tem a capacidade de ser praticante do bem, uma fonte útil de inspiração pelo que possui de força, poder e propriedade. Portanto, devemos praticar o bem e sermos assíduos praticantes, pois o seu praticante é superior ao ato que ele proporciona às pessoas, porque é um suor de sua alma bondosa e algo das boas tendências com que ele reluz.

Mensageiro de Deus (S) disse: “Sorrir no rosto do irmão constitui caridade; ordenar a prática do bem constitui caridade; coibir a prática do mal constitui caridade; indicar o caminho para a pessoa perdida constitui caridade; tirar os empecilhos do caminho constitui caridade; despejar um pouco de água de seu balde no balde do irmão constitui caridade.”

O apelo do Mensageiro de Deus (S) para a prática do bem concede à vida um valor e significado amplo

A flor é descrita como algo melhor que o cheiro que exala, porque é a fonte do perfume. Por isso, a Nobre Tradição diz: “O autor do bem é melhor do que o próprio bem.” O praticante do mal é também descrito como pior que o próprio mal. Da mesma forma, o cadáver com mau cheiro é pior do que o próprio mal estar que causa, porque é a fonte do mau cheiro. Foi narra- do que o

Podemos ser a melhor das pessoas, sentindo alegria, proximidade de Deus, Exaltado seja, auferindo o respeito das pessoas. Não deixemos que um dia passe sem praticarmos algo de bom para as pessoas. Não devemos deixar passar uma oportunidade para a prática do bem. Nós podemos visitar um irmão e alegrá-lo, visitar um enfermo e amainar a sua dor, conciliar entre as pessoas e eliminar a inimizade entre elas; pode


mos dar condolências a uma pessoa endissimular um erro que presenciamos, lutada, colaborar com o que puder em dinão o revelando às pessoas; podemos nheiro para atender alguém necessitado; perdoar uma humilhação e reprimir uma podemos pensar em cólera causada pela um projeto benéfico ignorância ou pelo para melhorar e reA simpatia em relação ao fraco e ódio. solver os problemas Vamos colaborar necessitado, seja um ser humano em projetos benéda sociedade - política, econômica e ficos, individual ou um animal, é um ato amado moralmente - come coletivamente! batendo a corrupção por Deus e Seu Mensageiro Um exemplo é a econômica, política constituição de e moral; podemos comissões que se agir como intermeproponham a reudiários para fazer o bem e suprir as nenir o dinheiro da Zakat e das doações nas cessidades das pessoas; podemos acolher mesquitas, nos clubes e nas sociedades um estranho que está triste pela distância beneficentes, nas aldeias e nas cidades, dos entes queridos. Nós podemos enconadministrando a sua distribuição nas trar uma pessoa indignada e devolver-lhe áreas estabelecidas pelo Islã. Tudo isso a satisfação e a aceitação de si mesma. constitui prática do bem, que reforma a Podemos dissipar o medo de quem persociedade e resolve os seus problemas. deu o sabor da segurança e da tranquiA fundação do projeto de fundos de aslidade. Nós podemos brincar com um sistência, distribuídos nos lares e nos órfão, expressando-lhe carinho e fazenambientes de trabalho, colaborando nedo-o sentir gentileza e amor; podemos

10 - Revista Islâmica Evidências


les o grande e o pequeno, com a moeda de e a melhor caridade é a ininterrupta, que que puder, para estabelecer projetos begera benefícios constantes. Foi narrado que néficos na agricultura, na indústria, etc., o Mensageiro de Deus (S) disse: “Quando no combate à pobreza e ao desemprego, morre um ser humano, suas obras deixam como propriedade de ter continuidade, comum e benefício salvo em três casos: Comecemos e continuemos a geral; estabelecer uma obra duradoura, escolas, mesquitas, um conhecimento trabalhar para espalhar o bem hospitais, asilos benéfico e um filho para idosos e cen- e a prática do lícito. Louvado seja virtuoso, que implotros de refugiados re a Deus por ele.” Deus, o Senhor do Universo! constituem práticas A dependência e a de bem e de benefalta de iniciativa volência e Deus ama quem as pratica. para a prática do bem, o não estabeleciConstituir um fundo de empréstimo aos necessitados que desejam trabalhar e não possuem nenhum capital, ou para auxiliar os jovens solteiros muçulmanos a casar e constituir família, é um ato de combate à exploração, à usura, à injustiça social e colaboração em estabelecer as bases de uma vida islâmica digna.

A constituição de uma sociedade ou de organização para estabelecimento de escolas ou bibliotecas, a divulgação da cultura islâmica ou para recomendar a prática do bem e coibir a prática do mal e a convocação para o Islã fazem parte dos projetos benéficos que Deus, Glorificado seja, ama. É nosso dever perante Deus destinar uma parte de nosso dinheiro, capacidade e experiência para a prática do bem às pessoas, suprir as suas necessidades, reformar a sociedade e resolver os seus problemas. Temos a capacidade, em conjunto, de colaborar na prática do bem, pois isso é carida-

mento de projetos beneficentes, a falta de se assumir a responsabilidade, fazem parte dos problemas da nossa sociedade, que atrapalham o seu movimento e desenvolvimento em todos os setores. Cada um de nós é convidado a se livrar dessa condição indolente. Devemos nos preparar para a prática do bem, estabelecendo projetos beneficentes, dirigindo-nos aos outros, pedindo-lhes colaboração nesses projetos. Deus, Glorificado seja, é a Fonte do Bem e da Benevolência neste mundo. Devemos seguir a conduta do Nobre Profeta Muhammad (S), nos dirigirmos a Deus, pois a prática do bem pavimenta o caminho da felicidade e da perfeição. Que as palavras do nosso Nobre Profeta (S) sejam o método de nossa vida cotidiana, o indicador de nossa marcha, noite e dia: “Adquiri vós a conduta de Deus.”

Comecemos e continuemos a trabalhar para espalhar o bem e a prática do lícito. Louvado seja Deus, o Senhor do Universo. Revista Islâmica Evidências - 11


“Allah”

“Como ousais negar a Allah, uma vez que nada éreis e Ele vos deu a vida, depois vos fará morrer, depois vos ressuscitará e então retornareis a Ele? Ele foi Quem vos criou tudo quanto existe na terra; então, dirigiu Sua vontade até ao firmamento do qual fez, ordenadamente, sete céus, porque é Onisciente.” (2:28-29)

Interpretando o Alcorão

A

essência desse versículo, como o anterior e o posterior, é uma essência de reprovação. Uma reprovação de Deus ao ser humano por ousar negá-Lo, lembrando-lhe das muitas dádivas que Deus lhe 12 - Revista Islâmica Evidências

parte 12 concedeu. A primeira é a dádiva da existência, a dádiva da vida. “Como ousais negar a Allah”, mesmo tendo raciocínio e consciência?


“Uma vez que nada éreis”, ou seja, antes de sua existência? Essa expressão é uma recordação para os seres humanos a respeito do que eram antes da vida: “Como ousais negar a Allah, uma vez que nada éreis e Ele vos deu a vida, depois vos fará morrer, depois vos ressuscitará?.” Ele estava totalmente morto, como os minerais ou os tocos de madeira, sem ter nenhum vestígio de vida.

repetido muitas vezes. Isso é chamado de reencarnação ou “retorno das almas”. A reencarnação significa mudança, ou significa eliminar algo com algo que o sucede, como o sol elimina a sombra, a velhice elimina a juventude. É a mudança da alma de um corpo para outro. Se o segundo corpo morre, a alma muda para um terceiro corpo, e assim sem parar. O corpo assumido pode ser humano, animal, vegetal ou de ser inanimado.

“e Ele vos deu a vida.” Como negar Deus quem recebeu d’Ele a vida? Depois de lembrar O versículo rejeita a existência de mais de de toda essa graça, a uma vida após a morgraça da vida, como te, como se existisse prova da existência um ciclo interminável de Deus, o versículo A essência desse versículo, de morte e retorno. Em confirma outra prooutras palavras, expliva cristalina, que é a como o anterior e o posterior, ca que o ser humano morte: “depois vos só possui duas vidas e fará morrer”, para é uma essência de reprovação duas mortes, não mais. ingressar novamente O ser humano era inanos segredos da mornimado enquanto fazia te, que nos separa da parte da natureza inanivida que Deus criou em nós. Porém, não é a mada; então, Deus lhe deu a vida no dia de seu morte eterna, em que a existência morre totalnascimento, então lhe dará a morte, e então o mente, terminando tudo, mas é a morte que é ressuscitará. Se a reencarnação fosse verdadeisucedida pela vida em outra dimensão, em oura, o homem teria mais de duas mortes e duas tro horizonte, em um mundo mais amplo. vidas. Depois de citar as duas provas quanto à existência de Deus, de que o Criador da vida é o Criador da morte - “Que criou a vida e a morte, para testar quem de vós melhor se comporta” – o versículo aborda a promessa De vida após a morte: “depois vos ressuscitará”, porque Ele é Quem pode dar a vida novamente, após a morte material. Na realidade, isso é mais fácil para Ele: “E Nos propõe comparações e esquece a sua própria criação, dizendo: Quem poderá reviver os ossos, quando já estiverem decompostos? Dize: Revivê-los-á Quem os criou da primeira vez, porque é Conhecedor de todas as criações.” (36:78-79). Esse versículo rejeita a teoria da reencarnação. Os que acreditam em reencarnação acreditam que o ser humano volta, após a morte, a viver, e a sua alma ingressa em outro corpo, e vive neste mundo novamente. Esse retorno é

Alguém pode perguntar: Se o apego da alma ao corpo de um animal, depois de deixar o corpo humano, não é reencarnação, como aconteceu a reencarnação em povos anteriores em símios ou porcos, como Deus, glorificado seja, diz no Alcorão: “Dize ainda: Poderia anunciar-vos um caso pior do que este, ante os olhos de Deus? São aqueles a quem Deus amaldiçoou, abominou e converteu em símios, suínos e adoradores do sedutor; estes encontram-se em pior situação, e mais desencaminhados da verdadeira senda.” (5:60). E diz: “E quando, ensoberbecidos, profanaram o que lhes havia sido vedado, dissemos-lhes: Sede símios desprezíveis!” (7:166). Esses versículos demonstram a conversão de um grupo de pessoas em símios e porcos. Não significa isso que suas almas humanas ficaram apegadas aos corpos dos animais? Qual é a diferença en

Revista Islâmica Evidências - 13


tre isso e a reencarnação? Resposta: O fator da reencarnação constitui em dois aspectos: 1. Multiplicidade de corpos. Na reencarnação há dois corpos: um é o da alma que reencarna e o outro da alma reencarnada, após abandonar o primeiro, quer seja planta, animal ou feto; 2. O retrocesso da alma humana para uma fase que se coaduna com o corpo que irá habitar, de planta, animal, feto ou pessoa.

da ressurreição. O Alcorão esclarece a diferença entre eles, nas palavras de Deus, Altíssimo: “Quanto aos mortos, Deus os ressuscitará; depois, a Ele retornarão.” (6:36). O retorno, no versículo sagrado, indica um significado mais preciso: todas as coisas existentes iniciam a sua marcha do ponto zero e seguem para o infinito, que é o Próprio Deus, glorificado seja. Por isso, essa marcha não para na morte, mas continua na Outra Vida, em nível mais elevado.

“Ele foi Quem vos criou tudo quanto existe na terra”. Ambas as condiDepois de citar as provas Os jurisprudentes isções estão ausentes na lâmicos concluíram, situação citada no verquanto à existência de Deus com base no sagrado sículo corânico. O povo versículo, que todas as amaldiçoado e abomio versículo aborda a promessa coisas, antes da legisnado foi transformado lação, eram permitidas em símios e porcos, em de vida após a morte e que nenhuma criatuseus corpos primitivos. ra pode proibir algo, Deixou a forma humaa não ser com prova: na para adquirir a forma “Dize: Reparastes nas dádivas que Deus vos simiesca e suína, sem a presença de dois corpos. envia, as quais classificais em lícitas e ilícitas? Suas almas anteriores continuaram com a forma Dize-lhes mais: Acaso, Deus vo-lo autorizou, que possuíam para ver a nova forma e se lamenou forjais mentiras acerca de Deus?” (10:59). tar pelo castigo. Se as almas também se transO versículo indica, também, que a terra não pode formassem em almas de animais, sem dúvida ser propriedade de ninguém. A propriedade perseriam símios de verdade e, então, não seria casmitida é da produção da terra. Deus disse: “Ele tigo e nem seria exemplo, apesar de Deus, glofoi Quem vos criou tudo quanto existe na terrificado seja, descrevê-los como exemplo. Ele ra”. Não disse: “Criou-vos a terra.” Assim, Deus diz: “E disso fizemos um exemplo para os seus confirma que Ele criou tudo que há na terra para contemporâneos e para os seus descendentes, o ser humano, por generosidade. Com isso, o e uma exortação para os tementes a Deus.” versículo mostra a importância do ser humano (2:66). Essas duas questões separam a transforsobre a terra, sua liderança sobre tudo que há mação nos povos anteriores da reencarnação. nela. Conseguimos entender, então, a importante Em resumo, os espíritos malignos que e pesada função de encargo do ser humano no aqueles povos possuíam se manifestam no ascampo da existência. pecto de seus corpos. Não se constituem em “Então, dirigiu Sua vontade até o firmeras vestes de porcos e de símios, conhecidos mamento, do qual fez, ordenadamente, sete no sentido exato. Assim, a unicidade do corpo céus”. “Istiwá”, em árabe, significa “retidão”, e a falta do retrocesso da alma da sua condição “simetria”, ao contrário de sinuosidade. Enconanterior não são consideradas reencarnação. tramos o significado do termo, também, no seNo final do versículo, Deus diz: “e então guinte versículo: “O Clemente, Que assumiu retornareis a Ele?” O retorno, aqui, significa o Trono.” (20:5). O uso de “então” não signiretornar para a graça de Deus, exaltado seja, fica atraso temporal, mas evidencia a sucessão no Dia da Ressurreição. O retorno é diferente dos acontecimentos. A palavra “céu” indica um 14 - Revista Islâmica Evidências


com ela a capa atmosférica que cerca a terra: “E fizemos o céu como abóbada bem protegida.” (21:32), porque essa capa protege o globo terrestre dos meteoros que são arremessados sobre a terra, noite e dia, devido à atração gravitacional do plaO versículo rejeita a existência neta. O choque desses meteoritos na atmosde mais de uma vida após a fera da terra leva ao morte, como num ciclo interminável seu incêndio e transformação em cinza.

sentido de altura. Ela tem significado bem amplo e diferente do que comumente conhecemos. Por isso, foi utilizada muitas vezes no Alcorão Sagrado: 1. Para indicar a altura próxima da terra, como nas palavras de Deus, Altíssimo: “Não reparas em como Deus exemplifica? Uma boa palavra é como uma árvore nobre, cuja raiz está profundamente firme, e cujos ramos se elevam até ao céu.” (14:24).

de morte e de retorno

2. Em outra oportunidade, o Alcorão a utiliza para indicar lugar distante da face da terra: “E enviamos do céu a água bendita.” (50:9). 3. Em outro momento, o Alcorão indica

4.O Alcorão quis com o termo “céu”, em outra ocasião, referir-Se às altas esferas: “Então, abrangeu, em Seus desígnios, o firmamento quando este ainda era gases.” (41:1). “Porque é Onisciente”, isto é, conhece as verdades de todas as coisas.


Comportamento

Assayyed Charif Sayyed

Por que o Uso do Véu no Islã ?

Q

uando sentei no assento destinado a do dessa Nobre Tradição. Perguntei a mim mesmim, na primeira classe, no avião que mo: “Por que o perfume da mulher deve ter esta estava prestes a levantar vôo com desticaracterística?” A resposta estava clara na minha no a uma capital ocidental, o assento do lado dimente: a mulher deve pertencer ao marido, não a reito estava ainda vazio. A hora de levantar vôo outro. Enquanto permanecer dele, o seu perfume estava próxima e o assento permanecia vazio. e a fragrância não podem exalar para outros. A Disse a mim mesmo: “Gostaria que o assento resposta estava clara. Porém, o que vi dos olhapermanecesse vazio, ou que Deus me facilite a res dos passageiros cercando o meu assento e o companhia de uma pessoa boa que me ajude a da moça esclareceu mais a questão. Perguntei a passar o tempo do vôo com coisas úteis”. Sim, mim mesmo: “Será que, se a fragrância da moça a viagem era longa, duraria algumas horas que não fosse sentida daquela forma, dominando o poderiam passar rapidamente se tivesse alguém clima da primeira classe, teriam os olhares se diao lado que me tranquilizasse. Podiam aquelas rigido a ela daquela maneira? horas se multiplicar se não fosse este o caso. Quando a comissária de bordo chegou com Antes de levantar vôo, chegou quem iria o suco, a moça pegou um copo e me ofereceu. ocupar aquele assento. Uma jovem, na flor de Peguei-o, agradecendo idade, cujo manto preto a gentileza. Fui tomado decorado não consede surpresa por aquele guia ocultar a fineza e A viagem era longa, duraria horas gesto. Tomei o suco caa beleza. Exalava perlado. Os olhares daquefume de tal forma que que poderiam passar rapidamente le sujeito continuavam os olhos dos passageisendo dirigidas a mim. se tivesse alguém ao lado que ros da primeira classe Fixei o meu olhar nele se dirigiram à fonte me tranqüilizasse até ele desviar o olhar daquele agradável perde vergonha – creio. fume. Senti que o meu Então, concentrou o assento e do meu lado olhar na moça. O seu tornaram-se dois quadros cercados por uma olhar passou a ser desagradável, escrevi-lhe num moldura formada pelos olhares dos passageipequeno papel o seguinte: “Não se cansou de ros. Quando olhei para um deles, percebi que olhar?” Depois disso não olhou mais. Quando o ele estava com os olhares fixos no lugar como avião penetrou nas nuvens, poucos minutos após se me dissesse: “Que bom seria se eu estivesse a partida, meu olhar se dirigiu para a bela paiocupando este assento”. Naquele instante estasagem externa. “Glorificado seja Deus”, disse-o va me lembrando das palavras do Mensageiro em voz alta, apreciando aquelas montanhas de de Deus (S): “O perfume dos homens é aquele nuvens acumuladas que estávamos olhando do cuja fragrância é sentida e cuja cor permanece alto. oculta. O perfume da mulher é aquele cuja cor A moça, sentada ao lado da janela, disse: aparece e cuja fragrância permanece oculta.” “Na realidade, Glorificado seja Deus, o MagNão sei como consegui pensar no significanífico”. Dirigiu as palavras a mim, dizendo que 16 - Revista Islâmica Evidências


nível de seu gosto, mas são pensamentos que reaquela visão a comovia. “Para minha sorte, espresentam meu íntimo”. Li os textos com muita tou ao lado de um poeta que consegue desenhar atenção. Procurava neles a chave da personalium fabuloso quadro poético para essa visão”. dade da moça. Eram textos sonhadores; repreQuando ela disse aquilo, não estava mais com sentavam uma moça de sentimentos finos. Seus as vestes com que entrou. Ela tirou a capa de sonhos dominavam a seda e o fino véu que essua mente de forma tava cobrindo o seu rosclara. Chamou minha to, colocando ambos na Glorificado seja Deus’, disse em atenção o fato de ela sua bolsa de mão. Seu utilizar alguns versos rosto parecia colorido voz alta, apreciando aquelas de minha poesia. Discom cores espectrais. Quanto aos cabelos, ela montanhas de nuvens acumuladas se a mim mesmo que era algo bonito e talo penteou de forma que que estávamos olhando do alto vez fosse um motivo atraía a admiração dos para expandir o seu espectadores. Disseespírito para o que eu lhe: “Glorificado seja queria lhe dizer. Depois de lê-los, resolvi deixar Quem ensinou ao homem o que este não sabia. o conselho para depois e permiti-me ingressar Se Deus não tivesse proporcionado aos seres em um diálogo abrangente com ela. humanos os tesouros do vasto universo, não teríamos a oportunidade de ver estas nuvens e ter Disse-lhe: “Suas expressões são belas e escoesta admirável visão”. lhidas. Porém, não possuem significado nem idéia, Disse: “Isso demonstra a onipotência de Deus, o Altíssimo”.

Disse-lhe: “Sim, demonstra a onipotência do Criador do Universo, no qual colocou muitos segredos, estabelecendo nele princípios que protegem suas vidas e lhe informa a satisfação de seu Senhor, salvando-os de Seu castigo no Dia da Ressurreição.” Respondeu ela: “Não seria possível ouvir alguma poesia, pois gosto muito, e essa viagem irá se tornar histórica em relação a mim? Não sonhava ouvir alguma poesia direta sua!” Desejei do fundo do coração que ela não soubesse quem era. Tinha em mente muitas coisas que desejava falar. Fiquei um pouco calado, dialogando comigo mesmo, intimamente, embaraçado. Que fazer? Começo aconselhando-a e mostrando-lhe a verdade do que estava cometendo em termos de erros aparentes, ou devo deixar isso para o final da viagem? Depois de um pouco de titubeio, resolvi pelo aconselhamento imediato para chegar ao fim da conversa com ela. Antes de falar, ela tirou da bolsa algumas folhas pequenas, coloridas, dizendo: “São algumas escritas que faço. Sei que não são do

me parece. Não entendi o que você quis dizer.

Depois de um silêncio, ela respondeu: “Não sei o que eu quero dizer. Sinto muita aflição, principalmente quando começa a anoitecer. Leio as diferentes revistas femininas, aprecio as fotos das artistas e dos atores. Aprecio o rosto de uma, o corpo de outra, o vestido de outra. De vez em quando aprecio as feições de um astro e desejo que meu marido fosse parecido com ele. Quando me canso das revistas, mudo para os filmes. Vejo o que posso e sinto sono, adormeço. Deixo tudo e me dirijo para a cama. Lá acontece o que não consigo explicar. O sono desaparece estranhamente. Todo o sono que sentia, estando sentada, desaparece. Começa a minha jornada de insônia. Naqueles instantes, começo a escrever as minhas idéias a respeito das quais você pergunta”. “É doente!”, disse a mim mesmo. “Sim, ela tem a enfermidade da nossa era. A perigosa intranqüilidade”. Ela estava precisando de tratamento. Disse-lhe: “Essas suas idéias não interpretam nada daquilo que você disse. São expressões-relâmpagos, que você capta de alguns artigos, estão espalhadas e você as reúne nesses papeis”. Revista Islâmica Evidências - 17


Ela contestou: “Que estranho! Você é o único que falou com tanta sinceridade. Todas as minhas amigas falam da beleza do que escrevo. Algumas dessas idéias foram publicadas em alguns dos nossos jornais. O diretor me enviou uma carta de agradecimento pelo romantismo. Concordo contigo. Não têm sentido, mas são belas.” Aí lhe perguntei: “Você tem um objetivo nesta vida?” Ela ficou confusa. Não esperava a pergunta. Antes de responder, disse-lhe: “Você tem um cérebro com o qual raciocina? Você tem liberdade de pensamento? Ou você colocou a mente entre os papeis das revistas femininas que você mencionou, os filmes que citou, aos quais você recorre quando sente tédio. Você é muçulmana?” Aí tudo mudou. O seu estilo no falar, sua forma de sentar. 18 - Revista Islâmica Evidências

Disse: “Você tem dúvida se sou muçulmana? Sou, graças a Deus, muçulmana, de família muçulmana, mas secular. Por que me faz esta pergunta? O meu pensamento é livre, não sou prisioneira de ninguém. Não aceito que me fale dessa forma!”. Virou-se para a janela e ficou olhando através dela para o reino de Deus. Não liguei para as palavras dela. Peguei o jornal que estava à minha frente e me envolvi em sua leitura. Deparei-me com um artigo do jornal falando do Islã e do terrorismo. Um artigo longo, cheio de erros e mentiras. Ai daqueles que inventam mentiras a respeito de Deus! Não oculto que me envolvi totalmente com o assunto, esquecendo o que aconteceu no diálogo entre eu e a moça. Não estava sentindo os olhares que ela dirigia para o jornal para ver o assunto que me desvio da conversa com ela – como ela me informou depois. Só voltei da minha jornada mental


ouvindo a voz dela perguntando-me: “Você tem dúvida a respeito de minha crença?” Perguntei-lhe: “Que significa o Islã?” Ela disse: “Será que sou criança para fazerme esta pergunta?” Disse-lhe: “Valha-me Deus! Você é uma moça adulta, que pinta os cabelos, arruma-os de forma muito bonita, veste a sua capa e seu véu no seu país. Se viaja, tira como se não significassem nada. Sim, você é uma moça adulta que sabe escolher o perfume correto, cuja fragrância é sentido em todo lugar. Quem disse que você é criança?” Disse: “Por que você é tão duro comigo?” Perguntei-lhe: “O que é o Islã?” Respondeu: “A religião que Deus enviou por intermédio de Muhammad (S).” Disse-lhe: “É como decoramos quando pequenos: Submeter-se apenas à Unicidade de Deus, obedecê-Lo e nos livrarmos do politeísmo.” Ela respondeu: “Por Deus, você me lembrou. Eu tirava nota máxima na matéria sobre Monoteísmo.” Indaguei-lhe: “Que significa obedecer a Ele?” Ela calou-se um pouco e então disse: “Pergunto, por Deus, porque está me maltratando tanto, se eu não o maltrato?” Disse-lhe: “Que estranho! Por que considera o meu diálogo um maltrato? Onde está o maltrato no que digo?” Ela falou: “Sou inteligente e compreendo o que diz. Você me acusa e critica indiretamente.” Respondi-lhe: “Você não é muçulmana?” Disse ela: “Por que me faz a pergunta? Sou muçulmana antes de conhecê-lo. Por favor. Não fale mais comigo.” Retornei: “Sinto muito. Prometo não falar mais contigo. Voltei para as páginas do jornal à minha frente para completar a leitura daquele

artigo cujo autor estava difamando o Islã. Ele dizia: “É a religião do terrorismo e seus seguidores pregam o terrorismo.” Pensei: “Glorificado seja Deus. Os muçulmanos sendo degolados em todos os lugares como é degolado o gado e são chamados de terroristas! Virei o jornal para outra página e vi uma notícia sobre os muçulmanos em Caxemira (2), a foto de uma mulher muçulmana carregando uma criança, com uma legenda sob a foto, dizendo: “Eles nos desonram, arrancam o nosso véu à força; a morte é mais fácil para nós do que isso.” Esqueci que minha vizinha estava olhando para o jornal e fui surpreendido com a pergunta dela: “O que você está lendo?” Não respondi. Dei-lhe o jornal e indiquei a foto da muçulmana de Caxemira e a frase a respeito dela. O silêncio tomou conta por um longo tempo. A comissária chegou com a refeição e o silêncio continuou. Depois de andar um pouco pelos corredores, voltei ao meu assento. Ao sentar-me ela disse: “Não esperava que você me tratasse com essa dureza!” Disse-lhe: “Não sei qual é o significado de dureza para você. Eu só fiz algumas perguntas cujas respostas eu esperava ouvir de você. Você não disse que está plenamente confiante em si mesma? Por que ficou abalada com minhas perguntas?” Disse: “Sinto que me despreza.” Disse-lhe: “O que a fez sentir isso?” Respondeu: “Não sei.” Disse-lhe: “Eu sei; foi o seu íntimo. É sentimento de culpa e o cometimento do erro. Você vive o que chamamos de dupla personalidade. Você vive o balanço entre duas situações. Ela cortou a minha fala com gravidade, dizendo: “Estou psicologicamente doente? O que você está dizendo?” Disse-lhe: “Espero que não se zangue. Deixe-me terminar. Você sofre de dupla personalidade injuriante. Você está derrotada internamente. Não tenho dúvida nisso e tenho provas que você não consegue negar.”

(1)Região situada entre o Paquistão e a Índia, disputada entre os dois países e pelos nacionalistas kashimiriin (NE). (2)Em português, significa “Mãe de Muhammad”. É um costume árabe usar uma kuniya – “apelido” – para o pai, chamando-o de “Pai de Fulano” – ou “Abu ...” – e a mãe de “Mãe de Fulano” ou “Umm...” (NE). Revista Islâmica Evidências - 19


Ela perguntou, aterrorizada: “Quais são?” “Você disse que é muçulmana. O Islã é constituído de palavras e atos. No início do nosso diálogo, dissemos que o pilar mais importante do Islã é a obediência a Deus. Será que você obedece a Deus?” Permaneci em silêncio um pouco para lhe dar a oportunidade de analisar as minhas palavras. Porém, ela permaneceu calada. Entendi que ela desejava ouvir. Disse-lhe: “A capa e o véu que foram enfiados – injustamente – na sua pequena bolsa são provas do que digo.”

contrário, dar-se-á a desordem na sua personalidade. A remoção do véu, quando tiver a oportunidade, tornar-se-á fácil. A essência é o que interessa. Faço-a se lembrar daquela frase que o Respondeu com cólera manifesta: “Essas jornal citou daquela mulher muçulmana de Casão aparências e você só se importa com as apaxemira. Ela, por acaso, não disse: ‘A morte me é rências. O que importa é a essência.” mais fácil do que tirar o véu?’ Por que a morte é Disse-lhe: “Onde está a essência? Você se mais fácil? Porque ela crê em Deus de tal forma alterou ao reconhecer os indícios da palavra que obedece as Suas “Islã” em que você crê. ordens. Assim, ela rePor outro lado, a apaaliza o significado do rência tem relação forte Disse: “Você é uma moça adulta, Islã de tal forma que com a essência. Uma harmonizam a sua que veste a sua capa e seu véu no se indica a outra. Se houessência com a sua ver desordem entre a seu país, mas, se viaja, tira como aparência. Essa haraparência e a essência, monia é que faz com se não significassem nada” haverá desordem na que o muçulmano vida humana.” compreenda o signiEla falou: “As suas ficado das palavras do palavras significam que toda mulher que usa Mensageiro de Deus (S): “Por Aquele em Cujas capa e véu é uma mulher correta, de essência Mãos está a minha alma, não sereis verdadeiralimpa?” mente crentes até que o seu desejo seja seguir o que eu digo.” O uso da capa e do véu, para Respondi: “Não, não, essa não foi a minha você, não passa dos limites da tradição e cosintenção. Mas quem usa a capa e o véu obedece tume. Por isso, a remoção deles tornou-se fácil a uma exigência legal. Se o seu interior harmopara você quando o avião se distanciou do amnizar-se com o seu exterior, você se constitui biente de seu país, do qual você adquiriu os cosnuma verdadeira muçulmana. Se acontecer o 20 - Revista Islâmica Evidências


nossas sociedades femininas estão dominadas tumes e as tradições. Porém, se o uso da capa e pelas suas ilusões. Não oculto, caro irmão, que do véu fosse por causa da obediência às ordens as nossas conversas em nossas reuniões feminide Deus e por causa de sua crença de que essa é nas não tratam de outra coisa a não ser enfeites, uma questão legal, que não distingue entre uma jóias, perfumes, filmes, músicas, péssimas resociedade e outra, entre um país e outro, não vistas femininas. Por que somos assim? Somos teria sido fácil até esse ponto. A dupla personamuçulmanos de fato? Será que sou muçulmalidade, minha cara, é o problema. Você sabe o na? A sua pergunta foi dolorosa, mas você tem que causa a dupla personalidade?” Pensei que razão! Você viu a minha realidade. Embarquei fosse responder, mas permaneceu em silêncio, no avião com o meu véu e quando o aparelho como se esperasse a minha resposta à pergunlevantou vôo, tirei o véu. Estava convencida do ta. Disse eu: “A causa da dupla personalidade meu ato, ou parecia que estava... Porém, o que é submeter-se aos costumes e às tradições, não eu fiz indica realmente acatar as ordens legais. o derrotismo e a dupla Significa a fraqueza da personalidade. Agravigilância interna da Você vive o que chamamos deço, apesar de ter me pessoa. Por isso, o pior machucado muito, poresultado disso é o derde dupla personalidade. rém você me orientou. rotismo, pois abate o Você vive o balanço entre Arrependo-me peraníntimo do muçulmano. te Deus e peço o Seu Ao ser derrotado, ele duas situações perdão. Porém, quero é dominado pelos seus consultá-lo.” desejos, o demônio o sobrepuja; permanece Eu estava exultante com as suas palavras. desse jeito até se inverterem os valores na sua Disse-lhe: “Sim, tenha a bondade que estou oumente.” vindo com atenção.” Ela nada disse. Permaneceu em silêncio profundo. Então, pegou a bolsa e se dirigiu para a parte traseira do avião. Pensei: “Será que ela ficou aborrecida com o que eu disse ou ficou convencida com o que eu disse?” Na realidade, não sabia se a extensão da influência foi negativa ou positiva. Porém, estava certo de que ela dissimulou os sentimentos de raiva que eu percebia nela quando lhe dirigia algumas frases, talvez, dolorosas. Fiz uma prece para que Deus a orientasse e para me perdoar e me conservar constante na verdade. Ela retornou para o seu assento. Fiquei surpreso, pois ela voltou usando a sua capa e véu. Minha alegria foi enorme pelo que vi! Disse: “A misericórdia de Deus para comigo é que me preparou para sentar nesse assento. Você estava certo quando me descreveu, dizendo que sofro de derrota interna. A dupla personalidade que você citou é a característica que domina a maioria dos filhos dos muçulmanos. Ai de nós, pela nossa negligência! As

Disse: “O meu marido. Tenho medo dele.” Perguntei: “Por que tem medo dele? Onde está o seu marido?” Disse: “Ele está a minha espera no aeroporto, irá me ver com a capa e o véu.” Disse-lhe: “Isso irá agradá-lo.” Disse: “Não. A última recomendação dele na sua ligação telefônica ontem foi para não descer do avião com a capa; para não constrangê-lo perante as pessoas. Vai se zangar, certamente.” Disse-lhe: “Se você satisfizer a Deus, não deve ligar para a zanga de seu marido. Você pode discutir com ele com tranqüilidade. Talvez aceite a sua opção. Aconselho-a a cuidar dele com se você se preocupasse em preparar-lhe a salvação e a felicidade nesta vida e na Outra”. O silêncio tomou conta de nós. Os meus pensamentos começaram imaginar um quadro fictício daquele marido que aconselha a esposa a tirar o véu. É isso verdade!? Há algum muçul Revista Islâmica Evidências - 21


mica. Naquele instante triste, alguém me trouxe uma carta que recebi com ansiedade, talvez fugisse da dor que aquele péssimo livro causou no meu coração. Um livro cuja autora deseja que a mulher perca toda a sua feminilidade. Quando abri a carta, olhei para o remetente harmonizar-se e li: “Remetente: sua O avião chegou ao destino distante, termi- com o seu exterior, você se constitui irmã em Deus, Umm Muhammad (2), que nando com o diálogo lhe deseja o bem.” numa verdadeira muçulmana acalorado que tive com Umm Muhammad? a minha vizinha do Quem é? Li a carta e avião. Não a vi quando fui surpreendido. Era foi recebida pelo espodaquela moça que teve o diálogo comigo no so. A sua figura e sua voz ingressaram no munavião, cujo caso havia ingressado no mundo do do do esquecimento, como ingressam milhares esquecimento. A frase mais importante que li na iguais a ela, com as quais nos deparamos diacarta foi: “Talvez se lembre daquela moça que riamente. sentou ao seu lado no avião um dia. AgradeçoEstava sentado no meu escritório lendo um o. Descobri o meu caminho para o bem. Inforlivro cujo título é “Al Mar’at al’Arabiya wa mo-o que meu esposo ficou comovido com a Zukuriyat al Issala” (“A Mulher Árabe e o Maminha decisão e Deus o orientou. Ele se arrechismo”), de Munah Ghassub. Fiquei estarrecipendeu de muitos pecados que estava cometendo com tanta confusão, sofismas, inconsistêndo. Digo: Quão bela a prática consciente, basecia de idéias e de lingüística contidos naquele ada na compreensão correta da nossa fabulosa pequeno livro. Fui acometido por uma profunda religião! Li o seu poema: “Dois antagônicos, tristeza pela realidade dolorosa da Nação Islâirmã” e entendi o que ela quis dizer. mano, honrado e que tem ciúme, que faça isso?! Não há força nem poder a não ser em Deus! A civilização dessa época se apropria dos filhos dos muçulmanos, um após o outro. E nós os negligenciamos. Certamente estamos negligenciando a nós mesmos! Se o seu interior

Não consigo expressar a extensão da alegria que senti ao ler aquela carta! Que notícia extraordinária! Quando joguei o livro que estava lendo antes sobre a mulher árabe no lixo, fiquei repetindo as palavras de Deus, Exaltado seja: “Desejam em vão extinguir a Luz de Deus com as suas bocas; porém, Deus nada permitirá, e aperfeiçoará a Sua Luz, ainda que isso desgoste os incrédulos.” (Alcorão Sagrado, 9:32). Peguei a caneta e escrevi uma carta para Umm Muhammad, expressando a minha alegria com a sua missiva, das boas novas que continha. Inclui alguns versos do poema que ela citou na sua carta. Quando quis enviá-la, verifiquei que ela não incluiu seu endereço postal. Dobrei a carta entre os meus papeis. Talvez possa chegar a ela algum dia...


Preces diárias

As Preces da Quarta-Feira Em nome de Deus, o Clementíssimo, o Misericordiosíssimo “Louvado seja Deus que tornou a noite um manto, o sono para repouso, e o dia para a ressurreição. O louvor pertence a Ti por ter-me despertado de meu repouso que, se quisesse o teria feito eterno. Um louvor permanente que não se interrompe nunca, nem as criaturas conseguem enumerar.” “Ó Deus, a Ti pertence o louvor por criar e aperfeiçoar, por ter determinado o julgamento, por dar a vida e a morte, por dar a doença e a cura, por preservar e deteriorar, por ter assumido o Trono e abrangido a soberania.” “Faço a súplica de quem os meios enfraqueceram, a força cessou, a hora ficou próxima, a esperança no mundo arrefeceu, a necessidade pela Tua misericórdia intensificou-se, seu lamento, por sua negligência, aumentou; O seu arrependimento é dirigido a Ti com sinceridade.” “Abençoa Muhammad, o derradeiro dos profetas, e os seus Nobres Familiares; concede-nos a intercessão de Muhammad (S) e não nos prive a sua companhia, pois és o mais Misericordioso dos misericordiosos. Ó, Deus, concede-me na quarta-feira quatro coisas: Faz a minha força ser para a Tua obediência, minha energia para a Tua adoração, meu desejo para obter a Tua recompensa, o meu ascetismo para evitar as dores de Teu castigo, pois és Amável com quem quiser.”


Analisando a Prece

E

ssa prece compara o sono à morte, pois ele constitui-se na ausência de consciência do ser humano, parecendo-se o despertar com a ressurreição. O muçulmano agradece a Deus, Glorificado seja, por essa dádiva renovadora representada pelo despertar após o sono. Ele é Quem nos concedeu todas as necessidades da vida, dando-nos a vida e a morte, a doença e a cura, a preservação e a debilidade. O ser humano é o servo débil, incapaz de conseguir apenas por si o que deseja. Sente a aproximação de sua morte, sua esperança no mundo é debilitada, aumentando a necessidade da misericórdia de Deus, a Quem dirige o seu arrependimento.

inspira sossego durante a noite. “Que tornou a noite um manto”, que cobre, com a escuridão, a nossa nudez, da mesma forma que as nossas roupas o fazem. “O sono para repouso”, isto é, quando a pessoa repousa isola-se dos demais. “E o dia para a ressurreição”, da mesma forma que será a ressurreição dos mortos. A tradição narrada pelo Profeta Muhammad (S) diz: “Morrerão como dormirem e serão ressuscitados como despertam.” Dessa forma, o instante quando o ser humano desperta do sono é como a ressurreição e a apresentação perante Deus, após a morte.

“O louvor pertence a Ti por ter-me despertado de meu repouso que, se quisesse teria feito o meu sono eterno. Um louvor permanente que não se interrompe nunca, nem as criaturas conseguem enumerar.” A morte diária e renovada que o ser humano experimenta durante a noite é parecida com a morte tempoAllah é Quem nos concedeu todas as ral, pois ele perde a perEle(1) se inspirou cepção do mundo. Em na palavra “quartanecessidades da vida, dando-nos alguns casos, poderia feira”(2) para fazer perder toda a vida. Mas, quatro pedidos: a vida e a morte, a doença e a cura, se Deus não lhe destinou a morte, deve satisfazerFaz a minha forse, porque há um termo ça dirigir-se à Tua a preservação e a debilidade pré-fixado para a sua obediência, minha vida, termo este que não energia à Tua adochegou ainda, como veração, minha alma e mos nas palavras do Altíssimo: “Deus recolhe vontade à obtenção de Tua recompensa, o meu as almas, no momento da morte e, dos que ascetismo em tudo que me afasta de Ti e no que não morreram, ainda, (recolhe) durante o possa fazer-me sentir a dor de Teu castigo. sono. Ele retém aqueles cujas mortes tem “Louvado seja Deus” , pela dádiva da luz decretadas, e deixa em liberdade outros, até que se estendeu no universo, dando-lhe a ilumium término prefixado. Em verdade, nisto nação através das linhas douradas da luz origihá sinais para os sensatos.” (39:42). Portannária dos olhos do sol, iluminando a nossa vida, to, louvado sejas Tu pela vida que concedestes concedendo-nos, também, a escuridão que nos neste dia, pela Tua Vontade. Se quisesses, - és

Por isso, peço-Te, ó, Senhor, perante essa verdadeira realidade perceptiva, que permita a Muhammad interceder em meu favor, consoante a honra de intercessão que lhe concedeste; que me agracie com a sua companhia na Tua morada eterna, por causa de minha crença na Tua Mensagem e meu amor por ele.

(1) I.é, o Profeta Muhammad (S) (NE). (2) Em árabe, “arbiá’”, que significa, literalmente “o quarto dia” (NE).


o Possuidor da vida e da morte – a faria uma morte eterna. É a dádiva da vida renovadora em todos os meus dias. Que dádiva é mais importante do que a dádiva da vida?

lência.” (23:12-14). E dissestes: “Glorifica o nome do teu Senhor, o Altíssimo, Que criou e aperfeiçoou tudo; Que tudo predestinou e encaminhou” (87:1-3).

“A Ti pertence o louvor por criar e aper“Por ter determinado o julgamento”: Tu feiçoar”: Tu és o Criador que criou o homem és Quem determinastes as coisas quando criase o aperfeiçoou. Tornou-o ser humano na mais tes todas as criaturas. Agraciastes a cada criatura perfeita proporção. Tu dissestes em Teu Livro elementos de orientação, inspirou-as a desema esse respeito: “Criamos o homem da essênpenhar o papel que determinastes para assumir cia do barro. Em sea sua responsabilidaguida, fizemo-lo uma de na vida. Fizestes a gota de esperma, que A morte renovada que o ser humano cada coisa uma preinserimos em um ludestinação. Dissestes gar seguro. Então, Teu Livro: “Em experimenta à noite é parecida com em convertemos a gota de verdade, criamos esperma em algo que as coisas prea morte temporal, pois ele perde todas se agarra, transford e s t i n a d a m e n t e .” mamos esse algo em (54:49). E dissestes: a percepção do mundo feto e convertemos o “Deus cumpre o que feto em ossos; depois, promete. Certamenrevestimos os ossos de te Deus predestinou carne; então o desenvolvemos em outra criauma proporção para cada coisa.” (65:3). E tura. Bendito seja Deus, Criador por excedisseste, ainda: “Os desígnios de Deus são de ordem irrevogável.” (33:38). “Por dar a doença e a cura”: Tu que criastes, para a doença, os seus elementos de vivência no corpo humano, fruto das más escolhas do homem. Então, instilou nele a cura. Louvado sejas pelos meios que proporcionastes para a descoberta e produção dos remédios para tratamento de sua doença. “Por preservar e decompor”: A decomposição e a preservação de tudo quanto existe provém de Ti, em todas as questões, por meio de normas universais e naturais que causam a decomposição pelo que cometeram as mãos das pessoas, ou a preservação da saúde, que elas procuram por meio das condições e dos elementos que descobrem, por Teu intermédio e iluminação, na sua vida particular e social. “Por ter assumido o Trono”: O Teu domínio é absoluto sobre os locais de autoridade no universo que criastes, do local do Poder controlador, no seu mais alto grau e mais sublime posição, sobre todas as coisas. “Por abranger a soberania”: És o Sobe-


rano de todas as Tuas criaturas. São feitas por Ti, são o resultado da força realizadora que possuis. Por isso, abranges toda a soberania em Ti, sem a designação de ninguém, porque ninguém pode ter algo a não ser por intermédio de Tua Soberania. “Faço a súplica de quem os meios enfraqueceram”: Súplica de quem não possui os meios para obter a Tua satisfação e perdão, quem não possui o desejo ao nível desta vida e da Outra, porque é tão pobre que não possui qualquer meio de poder. Por isso, peço-o a Ti – Ó, Senhor -, Tu és Quem agracias os habitantes de Teu Reino. “A força cessou”: não possuo meios para alcançar o que desejo de Ti na minha própria pessoa, porque não posso me prejudicar ou beneficiar a não ser por Ti.

isso me levaria para a perdição nesta e na Outra Vida, fazendo-me não ser alcançado por Tua misericórdia e Teu perdão. “Aumentou sua humildade e o seu tropeço”: É o que me faz viver em humildade e vergonha, colocando-me na posição de queda perante Ti, para resgatar as duras consequências resultantes disso. Arrepender-me-ei pela lição que não aprendi e pelo que perdi, determinando-me a salvar o que me resta com o arrependimento sincero. “O meu arrependimento é dirigido a Ti com sinceridade”: para retornar inteiramente a Ti, purificado, limpo, elevando-me em espírito e aproximando-me de Ti, nos locais próximos de Ti. É o apelo vindo do recôndito da alma, do horizonte da mente, da porta da servidão sincera perante a Divindade Misericordiosa.

“Abençoa Muhammad, o derradeiro dos “A hora de sua morte ficou próxima, a profetas e aos seus Nobres Familiares; conceesperança no mundo arrefeceu”: Porque o de-nos a intercessão de Muhammad (S) e não meu termo vai diminuindo a cada dia, definhannos prive a sua companhia, pois és o mais do paulatinamenMisericordioso dos mite, no consumo dos sericordiosos”: Tu perinstantes, que anunO Teu domínio é absoluto sobre mitistes a sua intercessão ciam a aproximação e a concedestes a ele. de minha hora, que eu desconheço. Por os locais de autoridade no universo Permite que interceda por mim. Agracia-me isso, a minha especom a sua companhia nos que criastes, no seu mais alto grau rança no mundo está graus do Paraíso. Tornaem linha descendenme, ó Senhor, merecedor e mais sublime posição! te perante a hora que desta bênção. Torna-me me foi determinada. daqueles que aderem à “A necessidade Tua Mensagem, convocando para ela e agindo pela Tua misericórdia intensificou-se”: Eu por ela. sou quem necessita de Ti em todos os meus as“Ó Deus, concede-me na quarta-feira suntos, como necessito na minha existência, no quatro coisas: Faz a minha força ser para a início dela, durante ela e no seu fim. A Ti dirijo Tua obediência”: Porque desejo que me enminhas súplicas, por causa de minha necessicaminhes para dominar o poder consciente de dade, para que me concedas a riqueza de Tua todas as minhas práticas, na linha da responsamisericórdia e generosidade. bilidade, para me mover na minha existência; “Seu lamento, por sua negligência, aupara aproveitar todos os meios que realizam os mentou.” Isso me fez viver em humildade e ditames da obediência, seguindo Tuas ordens e lamentando pelas oportunidades que perdi, evitando Tuas proibições, porque a força que que podiam ser aproveitadas na obediência e me destes – ó Senhor – é a Tua confiança para na aproximação de Ti. Porém, entreguei-me comigo, para utilizá-la na linha de Tua obediên aos pecados e à rebeldia, mesmo sabendo que Revista Islâmica Evidências - 27


cia. O Imam Ali (a.s.) indicou isso quando disse: “Deus não vos obriga a não utilizar Suas dádivas contra Suas desobediências.” “Minha energia para a Tua adoração”: Para que todos os elementos da energia em meu corpo estejam vivos em seu movimento, fazendo-me utilizar toda a minha energia para adorar-Te, com todas os atos obrigatórios e voluntários. Dissestes em Teu Livro Sagrado: “Não criei os gênios e os humanos, senão para Me adorarem.” (51:56). E disseste: “Em verdade, aqueles que se ensoberbecerem, de Me adorarem, entrarão, humilhados, no inferno.” (40:60). Eu sei, ó, Senhor, que a submissão a Ti e a humilhação perante Ti é a minha elevação pessoal e entre as pessoas. “Meu desejo de obter a Tua recompensa”: O desejo pela Tua recompensa é que me estimula a me mover para obtê-la por intermédio do que me é inspirado para Te satisfazer. Dissestes em Teu Livro Sagrado: “Porém, os sábios lhes disseram: Ai de vós! A recompensa de Deus é preferível para o crente que pratica o bem. Porém, ninguém a obterá, a não ser os perseverantes.” (28:80). E dissestes: “Deus prometeu aos crentes e às crentes jardins, abaixo dos quais correm os rios, onde morarão eternamente, bem como abrigos encantadores, nos jardins do Éden; e a complacência de Deus é ainda maior do que isso. Tal é o magnífico benefício.” (9:72). “O meu ascetismo para evitar as dores de Teu castigo, pois és Amável com quem quiser”: Não coloques, Senhor, em mim o desejo no que me proibistes e me afastes dele, para não praticá-lo nem desejá-lo, mas olhá-lo com ascetismo, por mais que estimule os desejos, porque o Teu castigo representa a miséria eterna e a longa fadiga. “Pois és Amável com quem quiser”: Concede-me de Tua amabilidade o que me aproxima de Tua obediência, afasta-me de Tuas proibições, eleva-me aos locais de Tua satisfação e de proximidade de Ti, ó, o mais misericordioso dos misericordiosos! 28 - Revista Islâmica Evidências


Conduta Islâmica

Assayed Charif Sayyed

A Perseverança A perseverança, no pensamento islâmico, não se coaduna com conformidade, pobreza, submissão, aceitação de crimes e injustiça ou calar-se perante o ilícito e o desvio.

A perseverança, de um lado, significa imunidade quanto à angústia, a contenção do desânimo, uma barreira contra a ruína psicológica,

uma proteção contra as derrotas com que algumas comunidades são afetadas. De outro lado, ela significa sentir o amargor da realidade, negar a sua aceitação, persistir em rejeitá-lo, manifestando um sentimento grave e profundo de necessidade de reforma ou mudança.

Revista Islâmica Evidências - 29


Perseverança significa também manter a obediência a Deus Altíssimo, em todos os seus aspectos, e rejeitar a desobediência a Ele, renunciando a todas as Suas proibições, agir para combatê-las e eliminá-las, suportar as aflições ao Seu lado, com perseverança, paciência, sacrifício e dedicação.

nhados.” (2:157). Quanto às Tradições que louvam a perseverança, elas são inumeráveis. O Mensageiro de Deus, o Profeta Muhammad (S), disse: “A perseverança constitui metade da fé.” O Emir dos Crentes, o Imam Ali bin Abi Tálib (a.s.), disse: “A perseverança em relação à fé é como a cabeça em relação ao corpo. Não há benefício num corpo sem cabeça, nem na fé sem perseverança.”

A perseverança, na história, é o caminho da transmissão das mensagens divinas, o caminho da vitória dos profetas e mensageiros. Isso evidencia que a perseverança é o tesouro dos que O Imam Ali Ibn Al-Hussein (a.s.) disse: agem na causa de Deus, porque é a preparação “Não há nada melhor do que duas medidas para das potencialidades humanas para que a resoluDeus, o Altíssimo: Uma medida de cólera que o ção ocupe o lugar a derrota, o avanço no lugar crente devolve com benevolência e uma medido retrocesso, conquistando o perseverante a da de calamidade que vitória e uma recompeno crente suporta com sa ilimitada: “Aos perseverantes, ser-lhes-ão A perseverança, no pensamento paciência.” pagas, irrestritamente O Imam Al- Báas suas recompensas!” quir (a.s.) disse: “O islâmico, não se coaduna com (39:10). Isso porque Paraíso está repleto Deus, Glorificado seja, de adversidades e de conformidade ou calar-se conhece o empenho neperseverança. Quem cessário para a retidão, for paciente com perante o ilícito e o desvio entre várias tendências e as adversidades do inclinações, que exige o mundo ingressará no exercício da missão de Deus na terra, mesmo Paraíso. O Inferno está repleto de delícias e deentre tantos obstáculos e dificuldades. Ambos sejos. Quem satisfizer sua alma com delícias e exigem que a alma permaneça firme, fortaledesejos ingressará no Inferno.” cida, desperta. A perseverança é fundamental O Imam Assádiq (a.s.) disse: “Quando o em tais situações. É preciso perseverar na obecrente ingressa no seu túmulo, a oração ingressará diência, na rejeição à desobediência, no empeà sua direita e a zakat à sua esquerda, a piedade à nho daqueles que são martirizados na causa de sua frente e a paciência próxima dele. Quando os Deus. Devemos ter paciência perante os vários dois anjos entrarem para questioná-lo, a paciência ardis, perante a demora da vitória, perante a ardirá às orações, à zakat e à piedade: ‘Cuidem de rogância do ilícito, a escassez de aliados, peranseu amigo; se não puderem, eu o farei’.” te o longo e árduo caminho, perante a sinuosiUm dos mais belos ditos a respeito da pacidade das almas e o extravio dos corações. Deus ência e da perseverança é o que segue: “Quanprometeu aos perseverantes que está com eles. do o óleo é colocado na lamparina e em seguida Disse: “porque Deus está com os perseverana água, o óleo sobe sobre a água. Esta diz: ‘Eu tes.” (2:153). fui responsável pelo crescimento da árvore que Ele reuniu para os perseverantes a bênção, te originou (a oliveira). Portanto, tem educação a misericórdia e a orientação. Disse: “Estes see não te eleve acima de mim! O óleo diz: ‘Tu rão cobertos pelas bênçãos e pela misericórsegues sossegada por rios caudalosos. Eu, podia de seu Senhor, e estes são os bem encamirém, fui paciente na hora em que me espreme30 - Revista Islâmica Evidências


ram e me moeram, e com paciência, o valor se eleva.’ A água diz: “Mas sou a origem.’ O óleo diz: ‘Fique quieta, se tu assumires a lamparina, ela apagará’.”

Quem pensar que o caminho da crença está repleto de rosas e de perfumes ignora a natureza da crença nas mensagens e a natureza dos inimigos das mensagens divinas.

Talvez a causa da revelação de Deus, o Altíssimo seja o cálculo ou ilusão no íntimo de alguns crentes, depois de serem atingidos pelo sofrimento: “Porventura, pensam os humanos que serão deixados em paz, só porque dizem: ‘Cremos!’, sem serem postos à prova? Havíamos testado os seus antecessores, a fim de Se o agricultor não que Deus distinguisse tivesse paciência com a A perseverança, na história, os leais dos impostosemente, não teria cores.” (29:2-3). Vemos lheita; se o estudante é o caminho da transmissão das o Alcorão eliminando não tivesse paciência ilusão nas Suas com seus estudos, não mensagens divinas, o caminho da essa palavras: “Pretense formaria; se o comacaso, entrar batente não perseverasvitória dos profetas e mensageiros deis, no Paraíso, sem anse no campo de batates terdes de passar lha, não seria vitorioso. pelo que passaram os Todas as pessoas bem-sucedidas no munvossos antecessores? Açoitaram-nos a misédo conseguiram realizar seus sonhos com a perria e a adversidade, que os abalaram proseverança. Provaram o amargo e superaram as fundamente, até que, mesmo o Mensageiro dificuldades, caminharam sobre espinhos, cavae os crentes, que com ele estavam, disseram: ram nas rochas com as unhas. Sem isso, nenhum Quando chegará o socorro de Deus? Acaso o trabalho é completo, nenhuma esperança é satissocorro de Deus não está próximo?” (2:214). feita. Quem imaginar outro caminho será como Portanto, o Paraíso tem um preço. Ele foi aquele que disse para o sábio Ibn Sirin: “Vi-me pago pelos missionários antigos. É preciso ser em sonho nadando sem água e voando sem pago por nossos irmãos depois deles. O preço asas!” Disse-lhe o sábio: “Tu és uma pessoa de do Paraíso é a perseverança na adversidade que muita esperança e muitos sonhos; desejas o que atinge os bens e as pessoas, o tremor que atinnão acontece e sonha com o que não se realiza!” ge as almas. Esse tremor deve atingir o limite experimentado pelo Mensageiro de Deus e os que estavam com ele: “Quando virá o socorro de Deus?” Esperavam por ele depois de muito aguardarem, depois de suportarem as aflições por longo tempo, depois da alegria dos inimi“Não penses que a glória gos pela sua aflição. Quando então virá o socorsão tâmaras que comes; ro prometido de Deus? A paciência é uma questão necessária para o ser humano, para se elevar material e espiritualmente, alcançar a felicidade individual e coletivamente. Nenhuma religião é bem sucedida, nenhuma vida alcança o sucesso sem perseverança. Não há salvação nesta vida nem na outra sem perseverança.

Alguém disse:

não alcançarás a glória sem experimentar a paciência”.

Por isso, o Alcorão ordenou os crentes a se ampararem na perseverança e na oração pelo que estavam enfrentando de angústia pela causa de sua missão. Deus, o Altíssimo, disse: “Ó Revista Islâmica Evidências - 31


crentes, amparai-vos na perseverança e na oração, porque Deus está com os perseverantes.” (2:153).

dia, e para que servisse de mensagem para os adoradores. E (recorda-te) de Ismael, de Idris (Enoc) e de Zul-Quifl (Ezequiel), porque todos se contavam entre os perseverantes.” (21:83-85).

Quanto à virtude da perseverança e sua influência na orientação dos muçulmanos, o AlEntre os métodos corânicos eivados de pacorão Sagrado aconselha os muçulmanos a se ciência e perseverança encontramos o do profeadornarem com ela, educarem-se em praticá-la ta José (a.s.). A sua vida foi uma série ininterética e moralmente. Isso é feito por intermérupta de fases sangrentas. Quando se livrava de dio da exposição de histórias de personagens uma aflição, começaconsideradas modelos va outra igual ou pior. extraordinários de paDevemos ter paciência perante os Livrou-se da aflição e ciência, nas suas várias tramas de seus irmãos formas e seus inúmeros vários ardis, perante a demora da para ingressar na aflicampos. Entre esses ção e tramas da esposa personagens e modevitória, perante a arrogância do do governador. Escalos, o profeta Jó (a.s.) pou desta para enfrencujo nome constitui ilícito e a escassez de aliados tar a angústia da prisinônimo de paciência são, onde permaneceu ao ponto de as pessopor vários anos, sem as considerarem-no ter cometido qualquer crime. Escapa disso para exemplo, dizendo: “Fulano tem paciência de ingressar na aflição das dificuldades políticas, Jó”. Deus concedeu a esse profeta tudo que o ser assumindo a função de ministro, a responsabilihumano deseja nesta vida e na outra: um físico dade de organizar a produção agrícola do Egito, perfeito, uma descendência nobre, uma enorme as finanças e a armazenagem em época de crise. riqueza, uma fé profunda, além de ser escolhido Ao lado de todas essas aflições, ainda sofria a e tornado profeta. Então, tirou-lhe tudo, bens, de ser estranho, estar longe da família, da região dinheiro, família e finalmente afligiu-o no seu que habitava e do clã, principalmente da longa corpo. Apesar de tudo, ele nunca se esqueceu solidão e da falta de notícias. Várias aflições de se lembrar de Deus e louvá-Lo, até que os conseqüentes sobrevieram, porém sem afetávermes começaram a se alimentar de seu corpo. lo nem fazê-lo afastar-se do apego e da perseIsso, porém, só aumentou a sua paciência e o verança. Não se deve estranhar isso, uma vez seu agradecimento. que Deus o estabeleceu na terra, tornando-o o Um sinal da benevolência de Jó (a.s.) para guardião de tesouros dos quais podia dispor: “E com seu Senhor é que nunca lhe pediu algo esassim estabelecemos José no país, para que pecífico, como a cura de sua doença, saúde e governasse onde, quando e como quisesse. restituição da família. Ele se satisfez em citar Agraciamos com a Nossa misericórdia quem a sua necessidade e fraqueza, lembrando-se de Nos apraz e jamais frustramos a recompensa seu Senhor no que pôde, sem acrescentar nada: dos benfeitores.” (12:56). Isso aconteceu como “E (recorda-te) de quando Jó invocou a seu recompensa pela sua perseverança e piedade: Senhor (dizendo): Em verdade, a adversi“Disse: Sou José e este é meu irmão! Deus dade tem-me açoitado; porém, Tu és o mais nos agraciou com a Sua mercê, porque quem clemente dos misericordiosos! E o atendeteme e persevera sabe que Deus jamais frusmos e o libertamos do mal que o afligia; restra a recompensa dos benfeitores.” (12:90). tituímos-lhe a família, duplicando-a, como acréscimo, em virtude da Nossa misericór32 - Revista Islâmica Evidências

São o temor e a perseverança que elevaram


José à mais alta posição. O temor a Deus faz parsonho que estava degolando Ismael (a.s.) e o te da reunião de todo bem e a perseverança faz sonho dos profetas constitui em revelação. Ele parte de toda piedade. Quando se reúnem ambos compreendeu a indicação e foi ter com o filho, numa pessoa, ela passa expondo-lhe a questão: a fazer parte do grupo “Ó filho meu, sonhei de benfeitores e Deus O Alcorão ordenou os crentes a se que te oferecia em sanão frustra a recompencrifício; que opinas?” sa a eles. ampararem na perseverança e na (37:102) Apresentou a questão sucinta e facilEis outro método sublime de perseveran- oração pelo que estavam enfrentan- mente, porém, estava consciente de que era ça, porque representa a do de angústia devido a sua missão gravíssima, ou seja, perseverança na obeoferecer a vida e a diência às ordens de alma de seu primogêDeus, não importam nito em obediência à ordem de Deus. Qual foi os perigos ou os sacrifícios por trás delas. Esse a conduta do jovem quando seu pai lhe pediu o método é representado também por Abraão e pescoço para ser degolado, na flor de sua juven Ismael (a.s.). O profeta Abraão (a.s.) viu em

“Devemos obediência às ordens de Deus, não importam os perigos ou os sacrifícios.” Revista Islâmica Evidências - 33


tude? Ele resumiu a questão com duas frases que disse ao pai e o eternizaram no registro dos profetas perseverantes, tornando-o um exemplo para os piedosos: “Respondeu-lhe: Ó meu pai, faze o que te foi ordenado! Encontrar-me-ás, se Deus quiser, entre os perseverantes!” (37:102).

seus pecados e suas culpas, dizendo: “E por blasfemarem e dizerem graves calúnias acerca de Maria, e por dizerem: Matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, embora não sendo, na realidade, certo que o mataram, nem o crucificaram, mas o confundiram com outro.” (4:156-157).

E foi o que aconteceu, corroborando as paAssim, verificamos que esses resolutos menlavras com o ato. Ele se entregou ao pai para sageiros, o mentor dos enviados, Noé, o Patriarca ser degolado. Quando o pai se preparou para o Abraão, Moisés que falou com Deus, Jesus, o espíato com a faca na mão, a prova alcançou o seu rito e o verbo de Deus (que a paz esteja com todos auge, com a aprovação do pai e do filho, execueles) enfrentaram, pela sua missão, as mais graves tando o que Deus havia ordenado, sem vacilo. aflições. Porém, perseveraram, ficaram constanPor isso, a boa nova tes na verdade, sem se veio do céu: “Eninquietar, desesperar ou tão o chamamos: ‘Ó se impacientar, até que O temor a Deus faz parte Abraão, já realizaste Deus decidiu entre eles a visão! Em verdade, e seus inimigos, salvanda reunião de todo bem e a assim recompensado os Seus mensageiros mos os benfeitores’. perseverança faz parte de e os que acreditaram neCertamente que esta les e fazendo perecer os foi a verdadeira protoda piedade seus inimigos. va. E o resgatamos O Alcorão colocou com outro sacrifício perante o Mensageiro importante.” (37:104de Deus (S) as experiências de outros mensa107). Com isso, Ismael ingressou no rol dos geiros entre seus povos para que fossem proviperseverantes. sões e saldo, uma vez que eram portadores de Quanto a Jesus, filho de Maria (a.s.), ele uma mensagem não restrita a uma região, a um foi enviado para as ovelhas perdidas de Israel, povo, a uma geração, mas para toda a humanicomo ele mesmo disse no Evangelho. Enfrendade, até o Dia do Juízo Final. Então, ordenou tou o que seu antepassado Moisés (a.s.) havia Seu Mensageiro, o Profeta Muhammad (S), a enfrentado antes dele pela teimosia do seu perseverar como os outros perseveraram e ter povo. Só encontrou em seus sacerdotes a mensucesso como tiveram: “Persevera, pois, como tira e a rebeldia. Ele os admoestou com as mais o fizeram os inflexíveis, entre os mensageieloqüentes palavras, fornecendo-lhes os mais ros.” (46:35). O Profeta (S) perseverou, como importantes exemplos. Só encontrou ouvidos foi ordenado por seu Senhor, e foi um dos inflesurdos e corações empedernidos. Ele os desxíveis entre eles, ou melhor, o seu líder, sendo o creveu como “filhos das serpentes”, por terem senhor dos perseverantes e agradecidos. rejeitado a sua mensagem, difamando-o e a sua mãe. Continuaram tramando contra ele perante os governantes romanos, de todas as formas, com argúcia e insinuações. O resultado foi a resolução de matá-lo e crucificá-lo. Se Deus não desbaratasse os seus planos, salvando-o, teriam realizado o seu intento. O Alcorão registrou os 34 - Revista Islâmica Evidências

Finalmente, dizemos: “Serei perseverante até que Deus decida a minha questão. Serei perseverante até que minha perseverança seja incapaz perante a minha perseverança. Serei perseverante até que a perseverança saiba que aguardo algo mais amargo do que ela própria”.


Histórias do Alcorão

Xeique Nasser Makarim Shirazi

O Profeta José e o Profeta Jacó (a.s) Nesta edição nº 11 de Evidências, damos continuidade à história do Profeta José (a.s.), iniciada no número anterior. Rumo à Terra do Egito José (a.s.) passou horas amargas na escuridão do poço e na solidão lancinante, mas sua fé em Deus e a calma que emanava da fé de seu coração iluminou nele a esperança. Deus, Exaltado seja, inspirou-lhe a força e o poder de suportar a solidão. “Que seja aprovado neste duro teste”. Mas... Deus sabe quantos dias José (a.s.) passou neste? Alguns disseram que passou três dias, outros disseram dois dias. De qualquer maneira, a luz raiou e “Então, aproximou-se do poço uma caravana” (121:119).

como se fosse uma fase da lua. Gritou, dizendo: “Boas-novas! Eis aqui um adolescente!” (12:119). Somente um pequeno grupo das pessoas da caravana ficou sabendo da presença de José (a.s.). Eles o esconderam, pois intencionavam vendê-lo no Egito: “E o ocultaram entre seus petrechos, sendo Deus sabedor do que faziam” (121:119). E o venderam por um preço barato: “Venderam-no a ínfimo preço, por poucas moedas, sem lhe dar maior importância” (121:20). Há dúvida quanto a quem o vendeu por poucas moedas. Alguns dizem que foram os irmãos de José, mas o Alcorão diz que foram as pessoas da caravana.

Acamparam nas proximidades do poço. Naturalmente, a primeira coisa que os membros da caravana pensam, no seu novo José (a.s.) passou horas amargas Depois, há acampamento, outra dúvida é assegurar a na escuridão do poço, mas sua fé quanto ao preágua: “Enviou em Deus iluminou nele a esperança ço que foi pago seu aguadeiro em por José, e como foi busca de água; jogou dividido entre as pessoas. Alguns seu balde (no poço)”. (121:119). José dizem vinte moedas, outros dizem vinte e (a.s.) prestou atenção na voz e no movimento duas. Considerando-se correta a observação que estava acontecendo no topo do poço. Em de que os vendedores receberam vinte moseguida, viu uma corda e um balde descendo edas, significa que restou uma moeda para com velocidade. Aproveitou a oportunidade e cada um deles. Quão barato foi! se beneficiou da doação de Deus, segurando a corda com força. O aguadeiro sentiu que o balde estava com mais peso do que devia. Quando puxou a corda fortemente viu, com surpresa, um jovem,

No Palácio do Aziz (ministro) do Egito A história de José (a.s.) com os irmãos Revista Islâmica Evidências - 35


que o atiraram no poço termina e começa um novo capítulo na vida deste garoto no Egito. O jovem foi levado para o Egito e colocado à venda e como uma obra-prima, tornou-se propriedade do Aziz do Egito, que era ministro ou primeiro-ministro do Faraó, porque pode pagar um valor maior pelo excelente rapaz, de qualquer forma. Vamos agora ver o que aconteceu com ele na casa do seu senhor no Egito. O Alcorão Sagrado diz a respeito de José: “E o egípcio que o adquiriu disse à sua mulher: 36 - Revista Islâmica Evidências

‘Acolhe-o condignamente; pode ser que nos venha a ser útil, ou poderemos adotá-lo como filho’” (12:21). Ou seja, ele não deveria ser tratado como os escravos. Deduz-se desta frase que o Aziz do Egito não teve filhos e tinha muita vontade de ter um. Quando seus olhos caíram no belo menino, ficou feliz e teve a intenção de adotá-lo como filho. O Alcorão acrescenta: “Assim estabiliza


mos José na terra, e ensinamos-lhe a interpretação dos sonhos.” (121:211). A interpretação dos sonhos como prêmio pela castidade A observação que gera espécie aqui é: “Qual é a relação entre saber interpretar os sonhos e a chegada de José (a.s.) ao palácio do Aziz do Egito?!”

ção. Com o passar do tempo, o amor se enraizou, tornando-se cada vez mais ardente. José (a.s.), aquele jovem puro, que temia a Deus, só pensava n’Ele; o seu coração só tinha amor por Deus.

Houve outros fatores que aumentaram o amor da mulher do Aziz por José (a.s.): A ausência de filhos, o seu envolvimento numa vida de luxo, a falta de um controle estrito do Este ponto pode ser a resposta da pergunta Ministro em relação ao Palácio... Tudo isso acima. Ou seja, um determinado talento pode permitiu que a mulher, vazia de fé e ser concedido por Deus de piedade, fosse alvo por causa do temor dos sussurros A história de José (a.s.) com os irmãos pelos pecados e demoníacos. que o atiraram no poço termina e por resistir às Dessa forma, paixões e tenfinalmente concomeça um novo capítulo na vida dências corruptas. fessou a José (a.s.) deste garoto no Egito Em outras palavras: Esse o quanto o seu coração talento é o resultado de uma visão perspicaz ansiava por ele. Ela seguiu todos os métodos sincera, é um prêmio divino concedido por e formas para atingir seu objetivo. Procurou Deus a certas pessoas piedosas. introduzir no coração dele o veneno dos desejos e anseios. O Alcorão Sagrado diz a esse José (a.s.) enfrentou novos problemas nesrespeito: “A mulher, em cuja casa se alojara, te novo ambiente, considerado um dos centros tentou seduzi-lo.” (121:23). políticos importantes do Egito. De um lado, via palácios incríveis, com seus tiranos e suas riquezas; do outro, refletia sobre o que viu no mercado de escravos... Por meio desta comparação entre as duas imagens, ficava pensando em como eliminar as preocupações das pessoas débeis, se pudesse fazê-lo!

Certamente, ele aprendeu muito naquele ambiente terrível e seu coração transbordava de preocupação, porque as condições não estavam ainda à sua disposição. Preocupou-se em se preparar e se educar. Diz o Alcorão Sagrado, a este respeito: “E quando alcançou a puberdade, agraciamo-lo com poder e sabedoria; assim recompensamos os benfeitores.” (121:22). Paixão Ardente A beleza angelical de José (a.s.) não cativou o Aziz do Egito, apenas, mas cativou também o coração da sua mulher, que ficou fascinada pela sua formosura! E as garras do amor se estenderam até o fundo do seu cora-

A mulher do Aziz pediu a José (a.s.) para que ele se relacionasse com ela de forma conciliatória, sem qualquer ameaça e por causa deste ardente amor tratou-o com muita flexibilidade. Finalmente, pensou em ficar sozinha com ele e preparar-lhe tudo que pudesse despertar os seus instintos, como roupas soltas, perfumes agradáveis e um embelezamento fascinante, para dominá-lo. O Alcorão Sagrado diz: “Fechou as portas e lhe disse: Agora vem!” (121:23). E fechou as portas Ela fechou as portas com precisão. Levou José (a.s.) a um local interno do Palácio... Tal como referido em alguns relatos, foram sete portas que ela trancou, a fim de José (a.s.) não encontrar nenhuma maneira de fugir. Além disso, ela queria fazer José (a.s.) não sentir preocupação de alguém saber, pois ninguém conseguiria entrar no palácio. Revista Islâmica Evidências - 37


Quando José (a.s.) viu que aquilo incorria em pecado, não viu outra forma de fugir. Disse, então, a Zuleika, que era o nome da mulher: “Amparo-me em Deus!” Com essas palavras, José (a.s.) recusou o pedido ilegal da mulher do Aziz. Informou-a que não se renderia à vontade dela e a fez compreender implicitamente que, em circunstâncias tão difíceis, deve-se escapar dos sussurros de Satanás e das tentações recorrendo-se a Deus... Para Deus não há diferença entre o público e o privado, entre estar sozinho ou acompanhado, pois Ele vê e domina tudo. Tudo obedece às Suas ordens e Vontade! Com esta sentença, José (a.s.) admitiu a unicidade de Deus, tanto em teoria, como na prática, e em seguida adicionou: “Ele (o marido) é meu amo e acolheu-me condignamente.” Certamente, a superação dos limites constitui-se em derrota da opressão e traição evidente “Em verdade, os injustos jamais prosperarão.” (12:23).

do seu instinto. O Alcorão Sagrado diz: “Assim procedemos, para afastá-lo da traição e da obscenidade, porque era um dos Nossos sinceros servos.” (12:24).

que não se envergonha do Senhor de tudo, de Quem nada está oculto?” Este sentimento concedeu uma nova força a José (a.s.), ajudando-o a lutar com as profundezas do seu ser e de sua mente, tornando-o capaz de superar as ondas

O interessante aqui é que aquela mulher traiçoeira esqueceu que era a esposa do Aziz quando estava sozinha com José (a.s.), mas quando percebeu que seria denunciada, manifestou-se como sua esposa, para aumentar o

Esta é uma indicação de que o fornecimento de ajuda metafísica de Deus para salvar José (a.s.) do mal e da imoralidade não era arbitrária. Ele era um servo devoto e sábio, temente, de bons atos, de coração purificado, que não seguia o politeísmo e suas trevas. Era digno dessa dádiva divina.

Escândalo da mulher do Aziz A forte resistência mostrada por José (a.s.) desesperou a mulher do Aziz. José, porém, que triunfou sobre a tenacidade daquela mulher, sentiu que ficar naquela casa, naquele antro perigoso, não era bom. Deveria manter-se distante dele. Por isso, correu para a porta do palácio para abri-la e sair. A mulher do Aziz, porém, não ficou de braços cruzados. Correu atrás dele para impedi-lo e puxou-lhe a camisa Uma tempestade no coração de José (a.s.) por trás, rasgando-a: “Então correram ambos Neste momento, a até à porta e ela lhe rassituação de José gou a túnica por Quando os olhos do ministro caíram (a.s.) e da mutrás” (121:25). lher do Aziz Seja como for, sobre o belo menino, este ficou feliz e atinge a fase José (a.s.) alteve a intenção de adotá-lo como filho mais grave e pecançou a porta e a rigosa, refletindo na exabriu. Ele e a mulher do pressão do Alcorão uma questão muito Aziz viram o Ministro do Egito por trás da sensível: “Ela foi atraída por ele, e ele teria porta. O Alcorão Sagrado, diz: “Deram amsido atraído por ela, se não se apercebesse bos com o senhor dela (o marido) junto à da evidência do seu Senhor”. porta.” Naquele momento em que a mulher do Aziz se viu às portas do escândalo por um No palácio da mulher do Aziz do Egito lado, e com a chama da vingança acesa dentro havia um ídolo que ela adorava. De repente, de si, do outro, concluiu que a primeira coisa a seus olhos caíram sobre ele. Parece que sentiu fazer seria dirigir-se ao marido, fingindo estar que o ídolo via os seus movimentos de traição com a razão e acusando José (a.s.), dizendo: com raiva. Levantou-se e colocou um pano por “Que pena merece quem pretende desonrar sobre ele. José (a.s.) tremeu com aquela cena a tua família, senão o cárcere ou um doloroe disse: “Você se envergonha de um ídolo que so castigo?” (12:25).. não tem cérebro e senso de qualquer tipo. Por

38 - Revista Islâmica Evidências


sentimento de inveja nele! Ela pertencia a ele e ninguém tinha o direito de olhar para ela com cobiça! Por outro lado, a mulher do Aziz não disse que José (a.s.) lhe havia feito algum mal, mas perguntou que pena merece do Aziz do Egito quem o faz. Na realidade, ele estava fora de questão! A conversa era sobre a pena. Aquela expressão, que aconteceu no momento de tumulto e de surpresa para a mulher, indica a gravidade da sua tramoia.

escapar e perdeu as suas vestes. Se José a tivesse atacado e ela tentasse escapar, ela teria ficado na frente para enfrentá-lo e se defender. È certo que a túnica de José (a.s.), se fosse este o caso, teria de estar rasgada pela frente. É impressionante que esta questão simples (violação das vestes) fosse o indicador para mudar o desenrolar da vida do inocente, um apoio de sua pureza e indicador do criminoso! O Aziz do Egito aceitou esta sugestão precisa e ficou perplexo com a túnica de José: “E quando viu que a túnica estava rasgada por detrás, disse (o marido à mulher): ‘Esta é uma das vossas conspirações, pois que elas são muitas’!” (12:28).

Além disso, ela utilizou a expressão quanto à prisão, primeiro. Mas, não satisfeita com a insinuação desta pena, foi além, mencionando “um doloroso castigo” (a morte?). Mas, José (a.s.) Neste caso, o percebeu que o A beleza de José (a.s.) não cativou Aziz do Egito, silêncio não era com medo da o Aziz do Egito, apenas, mas também o permitido... Ele propagação da denunciou o amor coração da sua mulher notícia deste inda mulher do Aziz: feliz incidente para o “Disse (José): Foi ela quem propúblico, difamando a sua posição e curou instigar-me ao pecado.” (12:26). É nadignidade no país, viu que era de bom alvitre tural que tal incidente seja difícil de acreditar ocultar o ocorrido. Virou-se, então, para José no início, ou seja, que um adulto jovem, belo e e disse: “Ó, José, esquece-te disto! “ (12:29), solteiro não seja o pecador, mas, sim, a mulher ou seja, guarde segredo e não informe nincasada, de status social elevado! Daí os dedos guém a respeito... Então, virou-se para a esda culpa apontarem mais incisivamente para posa e disse: “E tu (ó mulher), pede perdão José (a.s.) do que para a mulher do Aziz. por teu pecado, porque és uma das muitas pecadoras.” (121:29). Uma testemunha de sua família Uma vez que Deus protege os justos e os fiéis, ele não aceitaria que a chama queimasse esse jovem lutador com o calor da acusação. Por isso, o Alcorão diz a este respeito: “Um parente dela interveio, então, dizendo: Se a túnica dele estiver rasgada pela frente, ela é quem diz a verdade e ele é dos mentirosos. E se a túnica estiver rasgada por detrás, ela é quem mente e ele está falando a verdade.” (12:26-27). Que evidência é mais forte do que esta? A evidência era clara, porque a procura do pecado por parte da mulher do Aziz ficou demonstrada por José ter rasgado sua túnica por trás. Ela deveria ter corrido atrás dele, que queria

Quem foi a testemunha? Há declarações quanto à testemunha, que concluiu o caso de José (a.s.) com a mulher do Aziz rapidamente e apontou o inocente e o culpado. Alguns disseram: “É um parente da mulher do Aziz,” e a palavra (parente) é prova disso... A regra é que seja um homem inteligente e sábio, pois foi capaz de conceber uma sentença baseado na túnica sem ter que empregar uma testemunha ou outra prova. Mas, descobriu o fato assim mesmo... E foi dito que era um dos conselheiros do Aziz do Egito e que com ele estava. Outra opinião: A testemunha seria um bebê, parente da mulher do Aziz e que estava Revista Islâmica Evidências - 39


nas proximidades do ocorrido. José (a.s.) pediu ao Ministro do Egito para invocar a criança. O governante estranhou o pedido... Isso é possível?! Mas, a criança falou – como Jesus Cristo (a.s.) no berço – e forneceu o critério para distinguir o inocente do culpado. O Aziz percebeu que José (a.s.) não era um rapaz comum, mas um Profeta.

governador prendeu-se apaixonadamente ao seu servo e tentou seduzi-lo.” (12:30) e depois desta frase: “Certamente, vemo-la em evidente erro.” (12:30). É claro que os portavozes de tais palavras eram mulheres dos dignitários do Egito, onde as notícias e intrigas estavam cheias de erros e corrupções disseminados pelos arrogantes Faraós.

A corrupção das demais mulheres Outra ConspiPara Deus não há diferença não era menor ração entre o público e o privado, entre do que o da Embora o mulher do Aziz, estar sozinho ou acompanhado, amor da mulher mas suas mãos não do Aziz, acima menpois Ele vê e domina tudo alcançaram José (a.s.). cionado, fosse uma questão de Como diz o ditado: “A visão é longa e a mão é privacidade, tendo o Ministro se certificado de curta”. Viam a mulher do Aziz, por causa daocultá-lo, os segredos não permanecem oculquele amor, em evidente erro. tos, especialmente nos palácios dos reis e das

pessoas de dinheiro. Suas paredes têm ouvidos. E o ocorrido escoou para fora do Palácio, como diz o Alcorão a este respeito: “As mulheres da cidade comentavam: A esposa do 40 - Revista Islâmica Evidências

Alguns dizem: A transmissão daquele segredo por aquele grupo de mulheres egípcias era um plano para mover a mulher do Aziz, para convidá-las e revelar-lhes a inocência e a


beleza de José (a.s.)! Talvez pensassem que se José (a.s.) as visse ficaria impressionado com sua beleza. Talvez as considerasse mais belas do que a mulher do Ministro. Como José (a.s.) respeitava a mulher do seu senhor, da mesma forma que a criança respeita a mãe, ele não a cobiçava. Há uma questão digna de atenção: Quem revelou o segredo? A Mulher do Aziz, que não queria revelar o escândalo, ou o próprio Ministro, que insistiu, primeiramente, no segredo? Ou foi o juiz sábio que resolveu a questão? É difícil ter sido ele!

guns relatos eram dez ou mais - ficaram surpresas com o aparecimento de José, como se fosse uma lua cheia ou um sol nascente. Elas ficaram fascinadas pela sua beleza: “E quando o viram, extasiaram-se, à visão dele”, e, confusas, perderam-se: “chegando mesmo a cortar as próprias mãos”, em lugar da fruta. Quando viram a modéstia e a castidade em seus olhos, tendo-se ele ruborizado de timidez, gritaram todas: “Valha-nos Deus! Este não é um ser humano. Não é senão um anjo nobre!” (12:311)

Por que a culpa quanto ao amor de José (a.s.)? Naquela situação, com o sangue escorrenDe qualquer forma, situações vexaminosas do das mãos das mulheres, tendo elas notado como esta, que ocorrem em palácios repletos as características de José (a.s.) e ficado pasde corrupção, não permanecem ocultas. Cermas perante ele, descobriram que não sentiam tamente, serão comentadas pelas menos paixão pelo moço do línguas daqueles que que a mulher do Aziz. mostram uma Esta aproveitou Quando as mulheres preocupação a oportunidade: com a honra perceberam a castidade “Então ela disdo palácio, e se: Eis aquele por de José (a.s.), todas gritaram se espalharão. É causa do qual me censunatural que quem conta ráveis”. A mulher do Aziz queria dizerum conto acrescenta um ponto. lhes: “Vocês viram José uma vez e aconteceu A apresentação de José (a.s.) às mulheres o que vocês viram. Vocês perderam a razão e do Egito cortaram as mãos por causa da beleza dele. Que posso fazer eu que vivo com ele dia e A mulher do Aziz ficou sabendo dos conoite?!” Assim, a mulher do Aziz ficou ilumentários das mulheres a seu respeito: “Mas dida por ter alcançado o seu objetivo, justifiquando ela se inteirou de tais falatórios, concando a sua atitude e admitindo francamente vidou-as à sua casa e lhes preparou um bantudo o que havia feito, dizendo: “Eis que tenquete, ocasião em que deu uma faca a cada tei seduzi-lo e ele resistiu.” (12:32). Em vez uma delas.” (12:311). Este proceder é prova de de mostrar remorso com suas palavras ou ao que a mulher do Aziz estava indiferente com o menos se envergonhar perante os convidados, marido e de que ela não tirou nenhuma lição do disse sinceramente o que iria fazer: “Porém, escândalo. Ordenou José (a.s.) para se apresense não fizer tudo quanto lhe ordenei, juro tar: “Então disse (a José): Apresenta-te ante que será encarcerado”... Não me limitarei a elas!” (12:30). A palavra “apresentar-se” indica prendê-lo, mas “Será um dos vilipendiados.” que José (a.s.) estava escondido dentro de casa (12:32). É natural que se o Aziz do Egito se ou estava ocupado numa das salas em que era contentasse com a traição da esposa, dizendo: servido o alimento, para que sua entrada fosse “Pede perdão por teu pecado”. Era certo que uma surpresa para todos. a esposa levaria o escândalo até aquela fase... Certamente, questões e problemas como esses Mãos Feridas nos Palácios dos faraós e reis não são consideAs mulheres egípcias - de acordo com alradas relevantes. Revista Islâmica Evidências - 41


Perguntas e Respostas

Qual é o significado de “jihad” no Alcorão Sagrado? Resposta: O jihad, etimologicamente, significa “empenho”, “capacidade”, o uso do potencial pessoal para enfrentar um adversário, que não é, necessariamente, um ser humano, mas um sentimento, um instinto, um desejo ilícito. Assim, evidencia-se para nós que o jihad é o empenho possível para expulsar o adversário, não para agredi-lo O Islã é a religião da razão, da ciência e da determinação, não a religião da imposição e da obrigação. Devem ficar claro para nós, também, os versículos revelados a respeito do jihad no Alcorão Sagrado. Eles dividem-se em três partes. É totalmente errado misturá-las e confundir o significado de uma com o da outra: 1 – Versículos quanto à sua legislação: Foi permitido depois de ter sido proibido. São as palavras de Deus, Exaltado seja: “Ele permitiu (o combate) aos que foram atacados; em verdade, Deus é Poderoso para socorrê-los. São aqueles que foram expulsos injustamente dos seus lares, só porque disseram: ‘Nosso Senhor é Deus!’” (22:39-40). Foi o primeiro versículo que permitiu a luta. Contudo, é muito importante entender o seguinte: Está claro que a autorização, nesse versículo, é para a autodefesa e não para o ataque. O versículo em questão vincula o ato de combater à causa da autorização, ou seja, a injustiça, a expulsão dos lares por crerem em Deus, Glorificado seja. 2 – Versículos que estimulam o jihad com bens e pessoas: Estabelecem o jihad após considerações racionais e o reconhecimento, de forma clara, das causas estipuladas pelos versículos específicos. É uma das formalidades da declaração de guerra. Insere-se neste círculo a guerra psicológica, que serve para a preparação e a elevação da moral. Por exemplo: “Ó Profeta, estimula os crentes ao combate.” (8:65). “Quer estejais leve ou fortemente (armados), marchai (para 42 - Revista Islâmica Evidências

“São aqueles que foram expulsos injustamente dos seus lares, só porque disseram: ‘Nosso Senhor é Deus!”


o combate) e sacrificai vossos bens e pessoas pela causa de Deus!” (9:41). “Deus cobrará dos crentes o sacrifício de seus bens e suas pessoas, em troca do Paraíso” (9:111). “E não creiais que aqueles que sucumbiram pela causa de Deus estejam mortos; ao contrário, vivem, agraciados, ao lado do seu Senhor.” (3:169). “Mobilizai todo poder que dispuserdes, em ar-

mas e cavalaria, para intimidardes, com isso, o inimigo de Deus e vosso.” (8:60). 3 – Versículos que determinam as causas que tornam a luta obrigatória: Por intermédio do estudo e da análise do conteúdo destes versículos, podemos entender que o jihad não foi estabelecido para vingança, domínio e terror sobre o inimigo, mas para a autodefesa, o enfrentamento da injustiça, da sedição, da agressão; em auxílio à justiça e aos enfraquecidos. Vamos ler esses versículos e tirar a nossa conclusão: a) Deus, Exaltado seja, diz: “Combatei, pela causa de Deus, aqueles que vos combatem; porém, não pratiqueis agressão, porque Deus não estima os agressores.” (2:190). b) “Quando te perguntarem se é lícito combater no mês sagrado, dize-lhes: A luta durante este mês é um grave pecado; porém, desviar os crentes da senda de Deus, negá-Lo, privar os demais da Mesquita Sagrada e expulsar dela (Makka) os seus habitantes é mais grave ainda, aos olhos de Deus, porque a perseguição é pior do que o homicídio. Os incrédulos, enquanto puderem, não cessarão de vos combater, até vos fazerem renunciar à vossa religião.” (2:217). c) “E o que vos impede de combater pela causa de Deus e dos indefesos, homens, mulheres e crianças? que dizem: Ó Senhor nosso, tira-nos desta cidade (Makka), cujos habitantes são opressores. Designa-nos, da Tua parte, um protetor e um socorredor!” (4:75). d) “Porém, se eles se retirarem, não vos combaterem e vos propuserem a paz, sabei que Deus não vos faculta combatê-los.” (4:90). e) “Como pode haver (qualquer tratado) quando, se tivessem a supremacia sobre vós, não respeitariam parentesco nem compromisso? Satisfazem-vos com palavras, ainda que seus corações as neguem.” (9:8). f) “Porém, se depois de haverem feito o tratado convosco, perjurarem e difamarem a vossa religião, combatei os chefes incrédulos, pois são perjuros; talvez se refreiem.” (9:12). Portanto, devemos ler esse conjunto de textos corânicos, que evidenciam as causas e as possi Revista Islâmica Evidências - 43


bilidades do combate, para que fiquem claras as causas do jihad e da luta no Islã, estabelecendo a legalidade dos versículos, com base nos exegetas. Do texto do primeiro versículo, depreendemos o seguinte: 1- Que a ordem para o combate é uma ordem de defesa. O combate é contra quem combate a comunidade islâmica. Isso está claro nas palavras do Altíssimo: “Combatei, pela causa de Deus, aqueles que vos combatem.” Portanto, não é visado no combate quem não estiver combatendo os muçulmanos. 2- O versículo não se contentou em explicar que o combate é para se defender dos que combatem os muçulmanos, mas proíbe agredir aos outros e iniciar a agressão. Isso está claro nas palavras do Altíssimo: “não pratiqueis agressão” e estabelece que Deus, Glorificado seja, “não estima os agressores.” Isso significa que a agressão é proibida no Islã, mesmo que seja em nome do jihad ou da luta pela Causa de Deus. O segundo versículo explica que há outras causas para a luta: 1 – É obrigação da comunidade islâmica se empenhar e lutar em defesa da pátria. É direito do muçulmano combater quem o expulsa de seu lar ou queira dominá-lo. Essa obrigação foi estabelecida pelo Profeta na Constituição de Medina(1). Foi estabelecida pelo seguinte texto: “Os signatários do documento têm o dever de se auxiliar contra seus inimigos e contra quem atacar Medina.” 2 – Deve-se combater quem tenta afastar os muçulmanos de sua religião, por meio do suborno, do terror ou por outro meio. As palavras do Altíssimo evidenciam isso: “porque a perseguição é pior do que o homicídio.” 3 – Deve-se combater quem planeja e se prepara para combater os muçulmanos, eliminar o Islã, afastar os muçulmanos de sua religião. Deus, Exaltado seja, diz: “enquanto puderem, não cessarão de vos combater, até vos fazerem renunciar à vossa religião.” (1) Constituição de Medina é o nome dado ao documento assinado pelo Profeta Muhammad e os habitantes de Yathrib – cidade que seria renomeada de “Medinat Arrassul”, ou “Cidade do Profeta”, mundialmente conhecida por “Medina”. A Constituição de Medina descrevia os compromissos dos muçulmanos e dos habitantes locais, baseados no respeito mútuo e na garantia de defesa. (NE)

44 - Revista Islâmica Evidências


O terceiro versículo estabelece a luta para socorrer e salvar os débeis - homens, mulheres e crianças - que são injustiçados com severidade e pedem ajuda e salvação. Deus, Exaltado seja, diz: “E o que vos impede de combater pela causa de Deus e dos indefesos, homens, mulheres e crianças? que dizem: Ó Senhor nosso, tira-nos desta cidade (Makka), cujos habitantes são opressores. Designa-nos, da Tua parte, um protetor e um socorredor!” O quarto versículo explica que se deve combater quem combate os muçulmanos. Porém, quem não participa da luta, não pode ser combatido, ou seja, os muçulmanos não têm o direito de lutar contra eles. Deus, Exaltado seja, diz: “Porém, se eles se retirarem, não vos combaterem e vos propuserem a paz, sabei que Deus não vos faculta combatê-los.” (4:90). O quinto versículo explica dois problemas básicos: 1- A primeira causa que determina a luta é que os politeístas, que não crêem na unicidade de Deus, pactuam para combater os muçulmanos. Por isso, deve-se combatê-los. Essa luta e esse empenho são também em defesa própria, porque os inimigos se reuniram e pactuaram para combater os muçulmanos. Deus, Exaltado seja, diz: “Combatei unanimemente os idólatras, tal como eles vos combatem.” (9:36). 2- O Alcorão confirma que Deus está com os tementes. É um apelo aos muçulmanos para se aterem ao temor a Deus. Faz parte do temor a Deus não combater por interesses mundanos, como o domínio, a colonização, a agressão e a vingança. A luta deve ter os motivos legais citados acima: “Sabei que Deus está com os tementes.” (9:36).

“Palestina... O sangue em meu suor não me abandona e não se separa de mim!”

Isso é explicado pelas palavras do Altíssimo: “São aqueles que, quando os estabelecemos na terra, observam a oração, pagam o zakat, recomendam o bem e proíbem o ilícito. E em Deus repousa o destino de todos os assuntos.” (22:41). Este versículo descreve os crentes. Se a vitória e a soberania lhes forem concedidas, devem reformar a terra, recomendar a prática do bem e proibir a prática do mal. Assim, são esclarecidos os motivos da luta no Islã. São motivos legais, aceitos pela razão, pela lógica e pela moral. Revista Islâmica Evidências - 45


Família

Assayyed Charif Sayyed

O Amor Conjugal

D

eus, exaltado seja, diz no Seu Livro Sagrado: “Entre os Seus sinais está o de haver-vos criado pares da vossa mesma espécie, para que com elas convivais; e colocou amor e piedade entre vós. Por certo que nisto há sinais para os sensatos.” (30:21). Alguém pode perguntar: Porque se fala neste versículo que o homem é “par” e que a mulher também é “par”, se cada um é ímpar? Resposta: É verdade que cada um é ímpar por si, mas, quanto ao seu relacionamento com o outro, é par. Isso significa que, na relação conjugal, um mistura-se com e dissolve-se no outro, mesclando-se ambos, transformando-se cada um em par e os pares em um. Por isso, quando analisamos a palavra “zauj” (par), “zawaj” (junção) e “nikah” (casamento), conseguimos entender as implicações psicológicas, espirituais, sociais e orgânicas inseridas no significado do casamento na lei islâmica. Então, compreendemos o uso, no Alcorão Sagrado, da palavra “zauj” como substantivo que indica a esposa e o homem casados de forma legal e a utilização da palavra “nikah” como indicativo da ação de junção e a relação legal entre o casal. A operação de casamento, na terminologia islâmica, é uma operação de reação, de união, de vínculo psicológico e espiritual, a junção das partes (o homem e a mulher) 46 - Revista Islâmica Evidências


Na relação conjugal, um mistura-se com e dissolve-se no outro, mesclando-se ambos, transformando-se cada um em par e os pares em um para formarem o par. O Alcorão Sagrado delineou o quadro do amor e da relação conjugal com uma bela expressão e com um método que interpreta a verdade humana que se oculta nessa relação: “Entre os Seus sinais está o de haver-vos criado pares da vossa mesma espécie, para que com elas convivais; e colocou amor e piedade entre vós. Por certo que nisto há sinais para os sensatos.” (30:21) Ele a desenha como uma relação de compreensão, amor e piedade, tornando a convivência tranquila e criando o sentimento de falta quando está longe do par – tanto o homem quanto a mulher. Assim sendo, o cônjuge não desfruta da felicidade da lealdade, do amor, carinho e compaixão a não ser à sombra do par, no ato de juntarse e unir-se a ele. Disso, entendemos que o casamento, no conceito do Alcorão, não é uma mera operação matemática, formada pela soma do homem com a mulher. É uma operação de subtração da unidade, no seu significado psicológico e orgânico. O seu objetivo específico e social é a conjunção e o complemento natural entre o casal para a complementação, a interação e a continuidade, vinculando todas as raízes, os sentimentos psicológicos e biológicos para o aperfeiçoamento dos dois seres humanos, homem e mulher. Assim, a humanidade presente em ambos e separada entre eles retorna à

Revista Islâmica Evidências - 47


sua unidade harmônica, constituindo, nesta tinto efêmero. unidade entre os gêneros, o fundamento da O casamento foi legalizado pelo Islã e continuidade da raça humana. Por isso, o constitui-se no mais apelo do Islã para o forte vínculo e relacasamento e a consção entre o homem tituição da família é Na integridade do casamento e a mulher. Ele gera um apelo legal e cula filiação, a paternireside a integridade da nação, tural para conservar dade, a irmandade, o os objetivos naturais parentesco e a famína sua força reside a e sociais da vida hulia. Constitui o espíforça da nação mana. rito da sociedade; na sua integridade resiO Alcorão resude a integridade da miu o sistema de casamento universal da seguinte forma: “E nação, na sua força reside a força da nação. criamos um casal de cada espécie, para que Constitui o princípio da integridade, a fonte mediteis” (51:49). Assim, cada um - homem do desenvolvimento e o nascimento da fore mulher - fica ciente de sua relação com o taleza de uma sociedade. seu par, com base num conceito universal, O Islã estabeleceu direitos e deveres no que está além das linhas do prazer e do ins-


âmbito do casamento, visando sua continuidade, integridade e o alcance de seus objetivos, à luz de uma moral sublime e dos sentimentos de retidão. Desta maneira ele gera filhos piedosos, pais misericordiosos, mães carinhosas, onde a criança cresce com educação religiosa e virtudes, sendo preparada para suportar as vicissitudes da vida, orientada em exemplos sublimes, dando continuidade ao mundo e felicidade ao ser humano.

Quanto ao esposo: “Seja o senhor da casa. Ame à esposa com sinceridade. Forneça-lhe tudo que é necessário de alimento e vestimenta. Compre-lhe perfumes, pois ela gosta. Torne-a senhora enquanto estiver vivo, pois a mulher é o espelho do marido, a refletir o que você lhe proporciona para a sua felicidade. Não seja bruto em casa, pois a flexibilidade move o coração da mulher, enquanto a grosseria e a falta de consideração as provocam”.

O Islã elevou a posição do casamenO amor conjuO Islã elevou a posição do to, tornando-o uma gal é especial e tem relação perene, baum gosto especial: casamento, tornando-o uma seada no amor, na É o espírito do casarelação perene, baseada no lealdade e na misemento durante a sua ricórdia. Do amor duração. Sem ele, a amor, lealdade e misericórdia nasce a fraternidade vida conjugal tornae a misericórdia em se estéril, seca como todos os corações. as folhas de outono. Por causa do enraizamento e continuidade O amor conjugal é especial e tem um desse amor e lealdade apresentamos alguns gosto especial. É o espírito do matrimônio, conselhos ao casal. Começamos com pela enquanto este durar. O espírito do casamenesposa: to deve ser baseado no entendimento e no “Conserve a sua honra, respeite o seu congraçamento, no companheirismo e na marido, considere a sua palavra. Aproveite a confidência entre homem e mulher. Amoportunidade de seu retorno após o serviço, bos devem ser companheiros um do outro recebendo-o com sorriso e gentileza. Nunca e procurar fazer o outro feliz, não fazer a si desobedeça ao seu marido, principalmente se mesmo feliz, de maneira egoísta. Claro que, for vigoroso, porque o vigor entre as partes quando eu busco a felicidade do outro, reaconstitui em disputa e termina com o rompilizo-me em sua felicidade e abro as portas mento do vínculo conjugal. Fale bem de seus para que ele também queira fazer-me feliz. familiares, respeite a mãe dele. Fique sabenAssim, o casamento alcança novas alturas e do que ela é a mãe dele antes de você ser a torna-se indissolúvel. esposa dele. Uma pessoa que Deus, Exaltado seja, impôs a ele. Portanto, que você a respeite e a ame. Respeite o pai dele e considere-o como seu pai. Quanto aos seus filhos, constituem uma parte de si e de seu sangue. Que o seu cuidado em relação a eles seja a coisa mais importante. Você, em seu lar, é uma rainha que administra um pequeno reinado. Demonstre que é apta a cumprir sua função”.


Conceitos Corânicos

Mohammad Hady Ma’rifa

Os Gênios nas Expressões do Alcorão

O

reconhecimento do Alcorão quanto à existência dos gênios ao lado do ser humano e a sua participação na criação é indubitável. Não é permitido ao muçulmano que acredita que o Alcorão é revelação divina ter dúvida a respeito disso. Há por trás do mundo visível criaturas sublimes denominadas de anjos, outras ínfimas chamadas de gênios. A questão determinada pelo Alcorão quanto a ambos é “Criou os gênios do fogo vivo.” (55:15). “Não criei os gênios e os humanos, senão para Me adorarem.” (51:56). Parece que a criação dos gênios ocorreu antes da criação do ser humano, pois Deus ordenou Satanás, que era gênio, a prostrar-se junto com os anjos perante Adão. Satanás, contudo, se ensoberbeceu e se negou a fazê-lo, sendo considerado incrédulo. Acreditar na existência dos gênios é uma coisa e rejeitar sua capacidade de se intrometer nas questões humanas é outra. Rejeitar essa última questão não significa rejeitar a sua existência. Os teólogos justos afirmam que não é possível, pela sentença de Deus Altíssimo, que a criatura invisível domine a criatura visível, brinque com suas capacidades sem que esta consiga se defender por não vê-la. Tudo que se disse a respeito de que causam loucura ou coisa similar é fictício. A prudência nos ensina isso. Satanás, por exemplo, age por meio de sussurros aos humanos: “Pela mesma razão, temos apontado a cada profeta adversários sedutores, tanto entre os humanos como entre os gênios, que influenciam uns aos outros com a eloquência de suas palavras;” (6:12). “Porque os demônios inspiram os seus asseclas” (6:121). Satanás disse, quando tudo terminou: “Pois não tive autoridade alguma sobre vós, a não ser convocar-vos, e vós me atendestes. Portanto, não me reproveis, mas reprovai a vós mesmos.” (14:22). Quanto às declarações de que a perturbação dos gênios causa doenças graves e deve ser tratada com benzedeiras e interferência dos charlatões, não podem ser levadas em consideração; são crenças supersticiosas. Podemos dizer: “Nada há no Alcorão a respeito disso, nem uma menção”. Não há dúvida de que a loucura é uma doença nervosa e tem várias facetas. Algumas têm possibilidade de tratamento com atos comuns que os médicos citam em seus livros, antigos e modernos. Há centros de tratamento dessas


enfermidades ou para amainar seus malefícios com métodos de tratamento comuns, conhecidos. Não há no Alcorão algo que diga que essas doenças sejam causadas pela perturbação dos gênios, a não ser o uso do termo “louco” (1). Isso é uma questão de uso, uma vez que esta questão era entendia por intermédio do uso da língua do povo, não por causa do reconhecimento da origem científica do problema mental. Os médicos psiquiatras continuam denominando os que são acometidos por essa enfermidade – tanto os antigos quanto os contemporâneos – como “loucos” ou “possessos”. Denominam, também, a enfermidade de “loucura” (2), por causa do uso popular. Isso não significa que creiam na perturbação dos gênios à pessoa. Os locais que tratam dos acometidos por essa enfermidade, ou para protegê-los, recebem a denominação de “casa de loucos”. Quanto às palavras de Deus, Exaltado seja: “Os que praticam a usura serão ressuscitados como aquele que foi perturbado por Satanás.” (2:275). O que se visa aqui é fazer referência à perturbação provocada pelos sussurros das maldades instigadoras, como mera interpretação do domínio da mente dos ambiciosos para desencaminhá-los, fazendo-os seguir as suas ambições, transtornados e vacilantes: “Como (o fez) aquele a quem os demônios fascinaram e deixaram aturdido na terra” (6:71). E: “Satanás os conquistou e os fez esquecer da recordação de Deus. Estes são os seguidores de Satanás. Não é, acaso, certo, que os seguidores de Satanás serão os desventurados?” (58:19). Deus, Exaltado seja, disse a respeito do profeta Jó (A.S.): “E recorda-te do Nosso servo, Jó, que se queixou ao seu Senhor, dizendo: Satanás me aflige com a desventura e o sofrimento!” (38:41), ou seja, fui afligido pela maldade de seus sussurros que visam desviar os escolhidos de Deus por intermédios de enganos e dores, como nas palavras: “E (recorda-te) de quando Jó invocou ao seu Senhor (dizendo): Em verdade, a adversidade tem-me açoitado; porém, Tu és o mais clemente dos misericordiosos!” (21:83) Portanto, a perturbação e a aflição de Satanás são pelas suas maldades, e não pelo mal em si.

A comparação com as cabeças dos demônios Deus, Altíssimo: “É esta a melhor bênção, esta ou a da árvore do zakum? Sabei que a estabelecemos como prova para os injustos. Em verdade, é uma árvore que cresce no fundo do inferno. Seus ramos frutíferos parecem cabeças de demônios, que os réprobos comerão, e com eles fartarão as suas barrigas.” (38:62). A expressão “cabeças de demônios” é citada porque os árabes imaginavam que os demônios tinham cabeças, da mesma forma que imaginavam que o ogro também tinha. Porém, a expressão, linguisticamente, é utilizada para denotar excesso, ou para quem se torna excessivamente colérico, que ferve internamente de tanto ódio. É uma expressão utilizada também para designar todo rebelde recalcitrante. O Imam Ali ibn Abi Tálib (a.s.) disse: “A inveja é demônio, a cólera é demônio.” Portanto, Satanás não é o nome do demônio, não é pertencente aos exércitos dos demônios. É um termo utilizado para todos os que agem mal. Deus, Exaltado seja, diz: “Pela mesma razão, temos apontado a cada profeta adversários sedutores, tanto entre os humanos como entre os gênios” (6:12). (1)Refere-se aqui, o autor, à palavra árabe “majnun”, que significa “louco”. Literalmente, sua raiz vem do termo “jin”, ou gênio, em português. Ou seja, etimologicamente falando, “majnun” seria aquele indivíduo tomado por um “jin”. (NE). (2)Em árabe, “janun”, da mesma raiz etimológica. (NE).


Ótica do Islã

Xeique Mohsen ‘Atawi

O Sexo na Concepção Islâmica

A Sedução e a Prevenção

C

omo o instinto se comporta e desperta no corpo humano...?

Mesmo antes desta questão... Como o estímulo do sexo se forma e amadurece? Como, então, é provocado e age? Quais são os fatores que contribuem para a multiplicação e diversificação da intensidade e da vulnerabilidade da resposta sexual? Se tentarmos unificar algumas dessas perguntas em uma só, podemos dizer: “Como acontece a sedução e a limitação do sentimento sexual?”

52 - Revista Islâmica Evidências

Tentaremos, aqui, examinar a questão por meio da ciência e da religião, para ver a importância e a eficácia dos meios de prevenção incentivados pela religião para lutar contra o exagero no atendimento a este instinto e adequar sua compatibilidade com a natureza humana. 1-A formação e a maturidade sexual Os seres humanos nascem desprovidos de qualquer estímulo e de qualquer desejo sexual evidente. O seu caso é o mesmo de muitos instintos que não aparecem com todas as suas definições, a não ser após um período de tempo


que varia de acordo com o amadurecimento do A Legislação Islâmica voltou-se para as corpo e da mente humanos. O instinto de captuquestões relativas a esta etapa da vida do ser ra e o desejo propriedade, por exemplo, aparehumano, indicando as atividades físicas, capacem aproximadamente no segundo ano de vida, citando o rapaz a assumir sua responsabilidadesenvolvendo-se gradativamente para se tornar de depois de passar a etapa da infância. Uma um estado psicológico em pleno controle da ragrande mudança acontece com a primeira ejazão humana, anos mais tarde. Quanto ao instinto culação, que pode ser um “sonho molhado”, da libido, verifica-se apenas a partir do décimo passível de ocorrer a qualquer momento. Este ano e segue se desenvolvendo nos anos seguintes, é, cientificamente, o início da fase da adolescristalizando-se lentamente e tornando-se uma cência... É também considerada, legalmente, a situação psicológica determinada, que dita comfase inicial da responsabilidade masculina. Em portamentos determinados. “Os motivos da falta geral, surge entre o décimo primeiro e o décimo de desejo nas idades mais tenras do ser humano terceiro ano do menino. Mas, se ele não tiver é que a glândula sexual em homens e mulheres sonhos molhados e se atrasar na maturidade não segrega apenas césexual, o Islã passa a lulas sexuais, mas tamconsiderar o surgimenbém outra substância to dos pêlos pubianos Os seres humanos nascem chamada de hormônio como sinal de amadusexual. Esta substândesprovidos de qualquer estímulo recimento, ou a idade cia não deixa o corpo de quinze anos. como fazem as células e de qualquer desejo A atividade sexual germinativas, mas, ao está associada à atisexual evidente contrário, despejam-se vidade glandular, que e se misturam ao sanproduz hormônios por gue, que os transporta razões naturais, invoa todos os membros, luntárias, durante a puberdade. Estas substânprovocando uma série de efeitos sobre o corpo cias podem ser secretadas pela influência dos e o espírito do ser humano. Devido às mudanças estímulos externos, tais como fantasias sexuque ocorrem com os adolescentes no início da ais, cenas de nudez e coisas do gênero. Podem puberdade, provocadas pelos hormônios sexuais também ser secretadas por causas alimentares secretados na ocasião, o rapaz torna-se homem e materiais, o que produz a injeção desses hortotalmente maduro. O fervor do instinto sexual mônios no sangue. Assim, diversificam-se os invade o cérebro e controla os nervos. O sangue estímulos que causam o desejo sexual, perma(...) afeta o cérebro. Há regiões que habitam o necendo este em estado de repouso no caso da cérebro como centros da fome, dominados pela ausência de tais estímulos, que podem ser eviinfluência do sangue, mas agem de forma invertados por um forte auto-domínio, orientando a sa, já que os centros sexuais continuam pouco energia do indivíduo para outras atividades. vigorosos quando o sangue fica pobre de horEntendemos que o desejo sexual não é immônios, despertando logo que a glândula sexual posto e não pode ser evitado. Não é como a os produz, fazendo o ser humano ter tendências fome e o alimento, cujo desejo é orgânico, de para a satisfação sexual” (1) . impacto sobre a existência do corpo. A paciAssim, o estímulo sexual se dá em determiência quanto ao desejo sexual, porém, é mais nada fase da vida, o que difere um pouco entre fácil. O desejo é aplacado por intermédio de esos seres humanos. A secreção desses hormônios forço mental, sem que se sinta qualquer dor... constitui-se na causa da potência sexual e a falou, por outro lado, levar o indivíduo à perdição. ta deles causa a fraqueza da atividade sexual. Isso mostra que há uma grande tolerância (1) KAHN, Fritz. Nossa Vida Sexual - Problemas e Soluções, pp. 31 - 32

Revista Islâmica Evidências - 53


capacidades ocultas, que começam a aparecer de forma gradual. Se é orientado apenas para a satisfação de seus desejos, é levado com ela por sua natureza e tende a se livrar de quaisquer restrições, seja em sua alimentação, na procura de sobrevivência ou na prática sexual. Ele é impulsionado a praticar todos os atos com toda a sua espontaneidade e força. Se o sistema social circundante colocar uma barreira perante esse procedimento, o ser humano o considerará um pesado fardo sobre si. Então, não é certo descreverna linmos o ser humano como intrinsecamente mau, guagem quanto com o mal enraizado numa fase da sua vida em à denominação do deque ele ainda não adquiriu ciência das regras sejo sexual como “fome sexual”, e objetivos da organização cultural. Em tal esporque há uma grande diferença entre o tágio de formação, ele desejo de alimentos e não percebeu, ainda, o desejo sexual. O que as medidas do bem ou nos interessa nesta pesA atividade sexual está associada do mal, indicadas ora quisa é identificar os pela religião, ora pela diferentes tipos de estíà atividade glandular, que produz experiência. O Alcomulos que provocam o rão Sagrado descreve hormônios, por razões naturais, o ser humano nesta desejo sexual na alma, que podem levar a uma fase de debilidade. Diz durante a puberdade satisfação proibida Deus no Livro Lúcido: desse desejo. “Porque o homem foi criado débil” (4ª: 28). 2 - Estímulos Descreveu-o, também, como ignorante, o que o Qualquer desvio opcional dos comandos torna incapaz de reconhecer objetos e interesde Deus, Exaltado seja, e das Suas proibições, ses, o que pode levá-lo a ser injusto consigo constituem em malefício e perversidade quanmesmo: “Mas, provou ser injusto e insito à regra inata e a regra. É denominado, por piente.” (33:72). O Alcorão o descreve, isso, de “injustiça” e “agressão”, tendo em contambém, por meio das freqüentes rixas ta as consequentes desvantagens e tragédias e controvérsias com as quais o homem que afetam o curso do homem na vida. Os lise depara. Indica, também, a auto-esmites impostos à atividade sexual são um tipo tima no seguinte versículo: “porém, o de barreira, obstáculo ao desvio. Qual é a razão homem é a coisa mais contenciosa (que da existência do desvio no íntimo da pessoa? existe)” (18:54). Quais são os estímulos que conduzem a pessoa Essas descrições, que lidam com a natua fazer o mau? O que vamos citar não é para reza humana e com a origem da criação, antes condenar o instinto sexual, mas uma indicação do estabelecimento das sociedades e da diverdas conseqüentes de se ultrapassar os limites. sidade de culturas, são descrições desprovidas Assim, vamos analisar os estímulos nas seguindo estigma e das acusações, uma vez que não tes dimensões: se pode acusar de mal quem não conhece o mal, 2.1- Tendência para o mal: ainda, nem o bem. Mais tarde, a situação muda, Não há dúvida de que o ser humano nassendo o ser humano conduzido pelo sistema e ce livre de qualquer tendência. Mas tem em si pelas leis, que lhe impõem limites, permitindo54 - Revista Islâmica Evidências


lhe algumas coisas e proibindo outras. Aí, ele vê as normas como um obstáculo para a sua liberdade e um impedimento de sua missão. Neste momento, surge em si um conflito entre a os instintos e a prática organizada. Esse conflito leva, às vezes, ao aumento do desejo humano de praticar aquilo que é vedado, algo que talvez seja causado por sua natureza infantil ou pela sua tendência à discussão e à curiosidade. Finalmente, pela sua ignorância sobre os efeitos negativos de tal e qual ato, que continuam a arrastá-lo por sua pré-disposição.

xual proibido e desviante. A tendência do ser humano para o sexo, mesmo para atender suas necessidades naturais, não lhe permite a prática do que é proibido, fundando-se a oportunidade de praticá-lo dentro de limites legais. O Alcorão Sagrado registrou esta tendência no versículo: “Aos homens foi abrilhantado o amor à concupiscência: mulheres, filhos, entesouramento do ouro e da prata, os cavalos de raça, o gado” (3:14). O Versículo Sagrado expressa o desejo da sexualidade como “abrilhantamento”. É claro que este abrilhantamento pode ser conquistado com a fuga de suas garras, não se deixando fascinar pelo seu fulgor.

De qualquer forma, a tendência do ser humano para satisfazer, Assim, podemos como quiser, o instinconcluir que uma fonto sexual não esconde, te da tentação sexual é O prazer em se livrar do limite na sua essência, uma a tendência da pessoa característica intrinsee a relutância em assumir a de inclinar-se para o camente maléfica de que lhe foi proibido e o sua personalidade nem responsabilidade são uma rebelião seu desejo em relação uma tendência inata àquilo de que lhe foi ao amor. Pode revelar, contra a vontade do Criador recomendado se afasporém, a sutileza do tar. Ela existe entre os mal e a sua proximihomens e as mulheres. dade com a natureza Certamente, quanto maior a piedade e o temor controversa do ser humano, que muitas vezes a Deus, menor se torna esta tendência, podendo quer se ver livre das restrições, enxergando as até desaparecer... Ela é acompanhada da consregras e normas como barreiras perante o encientização da justiça e misericórdia de Deus e tusiasmo com que se lança ao atendimento o Seu desejo pelo bem dos seres humanos. Do dos seus instintos. Por isso, pode-se dizer contrário, o que as pessoas sem noção de limique o homem, em muitas quadras da te desejam é sua vida, inclina-se à prática do mal, um prazer que a alma é propensa ao mal. Desde efêmero, que foi indicado aos seres humanos nocio caminho correto e o ser humano vo, do foi convocado a assumir e cumprir a qual desua responsabilidade, o bem e o mal vem, ficaram evidentes. E a tendência para em violar as restrições religiosas tornou-se desvio da senda do bem para o caminho do verdamal. A negligência quanto às más conseqüênde, se afastar. cias desta opção, o prazer em se livrar do limite (A continuação e a relutância em assumir a responsabilidade do assunto virá na e desempenhar a sua função são uma rebelião próxima edição, se contra a vontade e a satisfação do Criador. Deus o permitir). Assim, o Islã registra a verdade evidente e enfatiza a sua influência sobre o desejo se-


Lições Suscintas

Assayyed Charif Sayyed

A Oração em Congregação é uma Oração Mais Forte

A

oração congregacional é preceituada por Deus, incentivando o crente a participar dela por intermédio de muitos versículos e tradições, como os seguintes: “Praticai a oração, pagai o zakat e inclinai-vos, juntamente com os que se inclinam.” (2:43). Quando os muçulmanos comparecem à mesquita e praticam a oração em conjunto, a crença religiosa se fortalece na alma de cada um e adquire poder. É da natureza do ser humano, ao ver muitas pessoas praticando algo específico, que isso lhe conceda um impulso de prati56 - Revista Islâmica Evidências

car aquele mesmo ato que os outros praticando. O ato coletivo tem uma influência e valor nas pessoas. Como a oração congregacional é, na origem, parte da obrigação e do dever legal, o seu fortalecimento indica o fortalecimento da crença religiosa coletiva. A preocupação do muçulmano em praticar a sua oração congregacional tem um papel importante na sua retidão, disseminando o bem e a ordem entre a comunidade. A prática da oração em congregação significa a prática de um dos mais importantes rituais do Islã. Quão fabulosa é a reunião dos muçulmanos


praticando a sua oração num só movimento, em pé, sentados, inclinados e prostrados! Foi dito que o mais importante ato que demonstra a piedade e a retidão da pessoa é a sua preocupação em praticar a oração congregacional. O Profeta (S) disse: “Quem praticar as cinco orações em congregação, tenham-no em bom conceito.” As consequências mais benéficas derivadas da prática da oração em congregação são: o conhecimento dos muçulmanos uns dos outros, a visita de uns aos outros, o fortalecimento das relações sociais e a eliminação das diferenças de classes, pois o pobre ora ao lado do rico, a pessoa simples ao lado do pessoa famosa. A oração em congregação ensina a organização, uma vez que os que seguem o Imam (líder dos ofícios religiosos) praticam o ritual em ordem, em fileiras coesas e bem organizadas. A história cita que um dos exércitos muçulmanos estava se dirigindo para uma expedição. Então, chegou a hora da oração. Foi feito o Azan (chamamento) e o comandante se adiantou para liderá-los na oração. Naquela situação, dois espiões, enviados pelos politeístas, estavam observando o exército muçulmano. Ficaram surpresos quando viram que todos seguiam o que o líder fazia. Se ele se inclinava, inclinavam-se com ele; se ele se prostrava, prostravam-se com ele; quando ficava em pé, faziam-no também. Eles

não sabiam que se tratava de uma oração conjunta a Allah, mas imaginaram que eles eram obedientes ao seu comandante. Após o término da oração, o comandante olhou para lhes dizer que ao lado havia uma árvore de Arák e que era recomendado pegar os siwak (tipo de escova natural de dentes feitas dos ramos daquela árvore) para limpar a boca. Os soldados começaram a cortar os ramos da árvore com suas facas e espadas e a limpar os dentes. Os espiões ficaram aturdidos e voltaram com medo! Informaram seu povo que viram coisa estranha, uma obediência total ao ponto de os soldados atenderem à ordem do comandante quando este lhes ordenou comer da árvore que estava próxima. Aquilo minou a moral dos soldados politeístas e causou a sua derrota perante os muçulmanos. Todos os muçulmanos estão de acordo com a prática da oração em congregação em todas as orações prescritas, bem como concordam que as Orações de Sexta-Feira e das suas datas festivas têm mais força em congregação. Os teólogos muçulmanos confirmam que a melhor recompensa pelas orações prescritas ocorre quando são praticadas em congregação, nas mesquitas; e que a melhor recompensa das orações voluntárias acontece quando são praticadas nas casas. Ninguém consegue enumerar todas as Tradições que falam sobre o mérito das orações em congregação. Muitas delas confirmam a importância da oração em congregação. Uma é a narrada pelo Imam Assádiq (a.s.), que ouviu dos pais (a.s.) (1) que ouviram o Mensageiro de Deus (S) dizer: “Quem caminhar para a mesquita desejando praticar a oração em congregação, terá por passo que der o equivalente a setenta mil méritos.” Disse o Profeta também (a.s.): “Em mérito, a oração em congregação supera a oração individual em vinte graus.” Há outras tradições que explicam a recompensa pela oração em congregação nas mesquitas. Ela equivale a cem orações; a feita na mesquita da tribo equivale a vinte e cinco orações; a praticada na mesquita do mercado equivale a doze orações. Isso indica a necessidade da ampliação das relações dos crentes com os outros, quando oram nas grandes mesquitas. Revista Islâmica Evidências - 57


Variedades

Huzáma Hámed

A cor Azul muda e se Agita como o Mar

P

ode-se dizer que o azul é uma cor mundial com distinção. É a cor mais popular e a mais preferida entre os seres humanos. É a cor preferida pelos homens, em particular, mais do que a maioria das outras cores. Se quisermos colocar uma cor em contraste à cor azul, em termos de significados e conotações, podemos escolher a cor vermelha, na medida em que a cor vermelha é quente, apaixonante e revolucionária, fogosa e sempre excitante, na medida em que a cor azul é calma, pacífica e fria. Não é, pois, de estranhar que se use o vermelho e o azul para indicar a temperatura da água nas torneiras dentro de uma prática universal de codificação padrão: azul na torneira de água fria e vermelho na de água quente.

Uma vez que vamos falar do azul, na maioria das vezes iremos nos referir a ela em todas as suas progressões. As progressões do azul são muito importantes, dado que cada grau de cor é diferente do outro. Existe o azul normal ou o azul médio. Há o azul claro, também conhecido como azul celeste, em relação à pedra lápislazúli, ou o azul “bebê”, em algumas culturas. Há também o azul escuro, conhecido pelo azulmarinho. Há o azul turquesa, o azul que tende para o verde. E entre cada grau de azul e outro existem vários que revelam um amplo espectro desta cor multi-dimensional.

Calmante e transformador De acordo com a definição científica, a cor Uma vez que o azul é a cor do céu, que coazul é o resultado da luz do espectro dominado bre o nosso mundo, e a cor do mar, pela energia de onda entre 440 e o que demonstra a pro490 nm. É considerafundidade e a amda uma das cores Pode-se dizer que o azul é a cor plitude sem fim, básicas ou adipreferida pelos homens, em particular, é natural que cionais, ou seja, o azul prevalemais do que a maioria das outras cores a cor é emitida diça no universo, que retamente pela luz. É seja uma cor prevalecente usada junto com a vermelha e e dominante, A cor azul é considerada uma cor a verde para produzir outras cores. calmante e relaxante, que gera substâncias quími-


depressão e dá coerência ao nosso sentimento cas que ajudam o corpo a relaxar. Por isso é a cor emocional. Trabalha para a limpeza da alma e a escolhida para a decoração do quarto de dormir, purificação do pensamento. Concede paciência porque cria uma sensação de conforto e ajuda na e intuição, honestidade e benefício, melhora a hora de dormir. Além disso, a cor azul estimula nossa capacidade de compreensão. a produção e o aumento da criatividade. Isso faz dela a queridinha das cores nos escritórios, onde O topázio reforça a criatividade individual, os funcionários são mais produtivos. Tama auto-confiança, ajuda na elibém foi observado que a minação das dúvidas cor azul aumenta a e no avanço para Em muitas culturas atividade mustomar decisões cular do corpo. a cor azul está vinculada cruciais, sem Talvez seja isto à tristeza e à depressão hesitação. Além que o torna a opção disso, ajuda a corrigir adotada na maioria dos comportamentos indesejados, ginásios dos esportes. Estudos mostraram expulsar o negativismo, melhorar o positivismo, que os levantadores de peso são mais capazes de ajuda a descontrair e relaxar do stress. levantar pesos maiores em sala azul. No mesmo A sodalita promove a valorização e a autocontexto, o azul provou agir para redução da pulconfiança, porque alivia as nossas desordens sação, aliviando, assim, a tensão e reduzindo tamemocionais. bém a temperatura do corpo. Há a água marinha, cor azul escuro, que reDurante a última década, muitos cientistas flete o nosso amor por nossos amigos e as pese pesquisadores concluíram que a cor azul é soas que nos rodeiam, fortalece a nossa fé nos utilizada com sucesso no tratamento de muitos ideais e nos ajudam a nos livrar de qualquer senproblemas psicológicos, incluindo diferentes titimento de melancolia. pos de vícios, distúrbios alimentares como gula, anorexia nervosa, infertilidade e depressão. Recomendamos a safira azul para acalmar e apaziguar o espírito e estabilizar a alma. Em relação ao tratamento com “pedras preciosas”, é um padrão de tratamento espiritual e psicológico, envolvendo propriedades metafísiModos e graus cas que refletem sobre a saúde do corpo, e tem muitos devotos. As pedras azuis estão na faixa A combinação do azul do céu e do mar prode benefícios e privilégios acima referidos. Por fundo é para conferir espiritualidade e promover exemplo, a turquesa é ideal para absorver as a proteção e a meditação. Para estes fins, é freemoções negativas, concede sabedoria e valoriquentemente utilizada a cor azul celeste, pareciza os recursos naturais. Também é usada para da com a cor do céu azul, para a pessoa ingressar proteger do mal olhado, especialmente da invenum estado de euforia, porque a cor parece atraíja. Promove a criatividade e a capacidade de aulo para o infinito, para as profundezas interiores, to-expressão e alcança o equilíbrio emocional. fazendo alcançar mundos invisíveis. Isso faz Fortalece contra o medo, as dores de cabeça, a com que o azul espiritual seja usado em muitas depressão e a anorexia. culturas e civilizações na expulsão de espíritos malignos. Na cultura árabe, em particular, recorHá a pedra lápis-lázuli, de um azul que reremos às contas azuis ou turquesas para afastar a mete ao mar calmo, sendo que seu uso é recoinveja. Esta opinião é partilhada pelos gregos. A mendado como adorno para aplacar a alma e cor azul afasta o olho invejoso. Há aqueles que aliviar a tensão. O lápis-lázuli também alivia a acreditam neste mito e usam pulseiras ou colares azuis para proteção. Quanto aos espíritas, afirmam que podem ver o que é conhecido como


“halo” com o seu terceiro olho, ou seja, pela sua visão espiritual. Acreditam que a pessoa cercada por uma aura azul é uma pessoa espiritual por natureza, interessada em atividade social, exercendo funções que exigem engajamento social, como um assistente social, conselheiro, psicólogo, professor ou escritor.

Na maioria das culturas, usa-se o azul nas roupas dos recém-nascidos e crianças do sexo masculino. O azul muito claro é referido, no idioma português, por exemplo, como “azul bebê”. Não se sabe qual é o segredo da consideração do azul como cor masculina. Porém, algumas teorias afirmam que isso é histórico. Em muitas culturas, o recém-nascido masculino era o preferido. Por isso, era escolhido para vestir azul para protegê-lo contra a má sorte.

O azul inspira confiança, lealdade, fidelidade e compromisso. Portanto, é aconselhável em uma entrevista para emprego vestir terno azul, de preferência, azul escuro. Se compararmos o azul com o mar, em todos os tons e mesclas, na sua Impactos negativos calma e agitação, sua superfície e profundeza, Mas, o azul não está isento disso; o seu caso perceberemos que o seu azul muda de acordo com é o mesmo das outras cores, tanto em termos os seus tons, da mesma forma do mar. Se o azul de indicações quanto em dimensões negativas. normal demonstra calma, bondade e segurança, Quando a cor azul domina um lugar ou ambiencomo o mar calmo, o azul escuro é o lado mistete, isso cria uma sensação de distância, de estrarioso do mar, quando está agitado ou profundo, nhamento e frieza, e o que pode causar arrepios implica em indicações simbólicas muito profunno corpo e na alma. O azul é associado ao frio; das; sugere mistério, sabedoria e força de caráter, daí a expressão do tipo “está azul de frio”, ou a o controle da pessoa aos seus elementos e suas pele se torna azul devido à severidade do frio. capacidades, e reflete uma espécie de suficiência espiritual e psicológica. EmE quando o azul ocubora a cor azul normal pa um lugar qualou clara seja a cor A cor azul é considerada uma cor quer, mais esda comunicação curo do que os calmante e relaxante, que gera com os outros, demais, ele cria substâncias químicas que ajudam o a cor azul escura uma atmosfera de corpo a relaxar é cor da comunicação melancolia. Por isso, muicom o interior, referindo-se a uma tas vezes o azul escuro é usado como uma maior introspecção e meditação, à melhora da viexpressão da noite e pôr-do-sol. Na cultura árabe, a são interior. cor azul não é sempre uma cor agradável. Se a conEm cromaterapia, a cor azul escura representa conhecimento e poder, autoridade e integridade, seriedade, dignidade e inteligência. Também o azul escuro reflete riqueza e toque de excelência. Nas culturas ocidentais e em outras civilizações, não por acidente ou diversão, as autoridades, aqueles que estão no comando ou que trabalham nos centros de poder político, presidentes, ministros, deputados, usam uniformes azuis escuros (embora não reflitam necessariamente a sua integridade). Da mesma forma, os membros da força de paz da ONU usam quepes azuis; os uniformes da polícia, em muitas partes do mundo, são azuis escuros, porque sugerem segurança e proteção. Constatamos também que o comandante do avião, muitas vezes, veste terno azul escuro, por dar uma conotação de proteção e segurança. 60 - Revista Islâmica Evidências

ta azul é usada para a prevenção contra a inveja, os piores invejosos são aqueles com olhos azuis. Deles veio o provérbio popular, que descreve a inveja como tendo “olhos azuis e dentes separados.” A cor azul é citada no Alcorão Sagrado num só versículo: “Dia em que a trombeta será soada e em que congregaremos, atônitos (azuis), os pecadores” (Alcorão Sagrado, 20:102). Entre os árabes, o “olho azul” era utilizado como uma expressão para descrever o inimigo. Bem como a palavra árabe “Zarqa” significa “cegueira”, porque o olho se torna azul quando começa a cegueira. Em muitas culturas a cor azul está vinculada à tristeza e à depressão. Em inglês, quando alguém diz “I feel blue” significa: “Sinto-me deprimido ou triste”, sabendo-se que a palavra aqui


significa azul. Daí veio o ritmo do “Blues”, um tipo de música inventada pelos americanos de ascendência africana. Evoluiu a partir de canções que os negros entoavam, na época da escravidão, nos campos e fazendas da América, onde ela era e continua a ser predominantemente de natureza triste e nostálgica, expressando o seu sofrimento e as suas privações. Ainda hoje, o Blues, que testemunhou uma evolução e diversidade ao longo do tempo, continua a ser o Blues, que se tem difundido no mundo, coberto por uma nuvem de tons tristes, como uma explosão, ou desejo de expressar o amor incompleto e frustrante.

folha verde para expressar a cor verde. Há também um punhado de idiomas onde não há diferença entre o preto e o azul escuro. Refere-se a eles como a mesma palavra. Sabese que o azul é um denominador comum nas bandeiras de muitas nações. O azul claro é a cor nacional da Itália. Forma, também, com a cor branca as bandeiras adotadas em alguns países como Grécia, Argentina, El Salvador, Finlândia, Guatemala, Nicarágua, Somália, além da bandeira das Nações Unidas, que se baseia no azul claro ou celeste com a escrita em branco como símbolo de paz. Entra o azul com o vermelho nas bandeiras de muitos países do mundo.

O relacionamento entre o azul e a tristeza retorna à mitologia grega. O azul está ligado Politicamente, o azul participa de vários à chuva ou às tempestades. Segundo os gregos, movimentos e tendências políticas. Durante a quando Zeus se sentia triste, fazia a chuva cair; Revolução Francesa, eclodiu a guerra quando ficava irritado, fazia civil entre monárquicos surgir a tempestade. contra-revolucioDiz-se, também, Muitos cientistas concluíram que o azul nários e repuque a sensação é utilizado com sucesso no tratamento blicanos. Uma de melancolia guerra que durou de problemas psicológicos e tristeza e o uso três anos (de 1793 da palavra “azul” para até 1796). O azul simbolidescrever os sentimentos de tristeza zava as forças da República, enquanto o branco estão relacionados com o velho hábito de alguns era usado como símbolo anti-revolucionário. No marinheiros. Se o navio perdesse o seu capitão Canadá e Grã-Bretanha, a cor azul é usada pelo ou qualquer membro da tripulação durante a viaPartido Conservador. Nos Estados Unidos, a cor gem, costumavam erguer bandeiras azuis, como azul é a cor do Partido Democrata, enquanto o também pintar uma linha azul ao redor do casco, vermelho é a cor do Partido Republicano. quando voltavam para sua cidade natal. Era um aviso de que estavam tristes e de luto. Falando de luto, o azul é a cor do luto no México. Expressões com a palavra”azul” Além disso, a cor azul é a que desperta menos Existem muitas expressões e terminologias asapetite, talvez por ser menos presente entre os alisociadas ao azul. Há o “blue blood” (sangue azul), mentos, na natureza. Vemos as pessoas, inclusive, um termo antigo inglês registrado desde 1834 para evitar os alimentos que tendem para a cor azul, se referir ao declínio de uma família nobre ou a porque o azul indica apodrecimento. Portanto, o aristocracia, um termo retirado do espanhol “Sanalimento pode estar estragado, ou envenenado. gre Azul”, que descrevia a família real espanhola e a nobreza. Evidentemente, não há relação entre o Na Linguagem e na Política: Deve-se notar conceito e a cor do sangue à nobreza. que em muitas línguas não há distinção entre o azul e o verde. Usa-se uma linguagem única para Dentre as interpretações da causa do uso do as duas cores. Por exemplo, na língua vietnamiazul na descrição das origens, há a narrativa das ta refere-se à folhagem verde e ao céu azul com comunidades europeias da Idade Média segundo uma única palavra. Se a folhagem e o céu estão a qual as veias da classe real tendiam para o azul, no mesmo contexto, a adição da palavra oceano visíveis por debaixo da pele, pois não se expuou mar para uma única palavra indica que se desnham ao sol por causa do padrão de vida que os tina ao azul. Acrescenta-se, também, às palavras a protegia da exposição externa, em comparação Revista Islâmica Evidências - 61


com os camponeses, agricultores e trabalhadores, que tinham a pele morena ou avermelhada, como resultado da exposição ao sol nos campos agrícolas ou em ambientes abertos de trabalho. Há uma interpretação moral para descrever o sangue dos nobres como “azul”: é o fato de que, como referido acima, o rigor e a seriedade também envolvem frieza e estranhamento, além de arrogância, orgulho e uma certa “petulância”. Nas artes, há referência ao “Período Azul”, expressão usada para se referir a uma série de pinturas executadas pelo famoso pintor espanhol Pablo Picasso, nos anos 1901-1904, dominadas pela cor azul ou verde azulada. Este período é considerado um dos mais famosos períodos artísticos na história de Picasso, bem como dos mais importantes na história da criativa arte moderna, onde se juntam a ternura poética e a tristeza pessoal. Isso contribuiu para a transição de Picasso para a abstração. No jiu-jitsu, a faixa azul constitui um grau mais elevado do que a faixa verde. Refere-se ao azul celeste. Quando o indivíduo atinge um nível elevado em artes marciais, ele não deve se contentar com o

conhecimento que chega ao topo da árvore - a faixa verde - mas deve ter por objetivo ir mais longe e mais alto. Seu conhecimento alcança o céu. Finalmente, pode ser difícil incluir todas as dimensões em que encontramos a cor azul. Porém, utilizamos o termo “lua azul”, empregado em muitas sociedades ocidentais, para a lua que surge em tempo atípico, sendo uma a mais no ano solar que consiste em doze luas completas. Aparece geralmente como a “lua azul” uma vez a cada dois ou três anos. Em inglês, usa-se o termo “lua azul” para se referir à raridade da ocorrência de um evento, porque a lua azul só aparece raramente. Na cultura árabe, descreve-se a pessoa que não encontramos muitas vezes ou um evento raro como “lua”, que se vê uma vez por mês. Assim, podemos concluir que a cor azul possui múltiplos caprichos pessoais e estados de espírito, classificando-a entre as cores importantes... É a cor da pessoa de personalidade forte. É difícil ignorar a sua presença ou a influência esmagadora... O azul nos cerca, faz parte da nossa necessidade; é de nós e está em nós.


Sentimentos

Os Horizontes da Misericórdia e Ambientes da Lealdade - 2

Aspectos da Misericórdia Divina

U

ma vez que a misericórdia divina é vasta, contém muitos aspectos também vastos. Vamos citar alguns deles aqui como exemplo e não porque sejam restritos, pois a misericórdia de Allah, Glorificado e Exaltado seja, como dádiva, é ilimitada. 1 – Faz parte da Sua misericórdia, Exaltado seja, o fato deque ele nos abriu a porta de

arrependimento. Na prece dizemos: “Qual é a desculpa de quem não entra pela porta depois de sua abertura?” Eu cometo pecado, me arrependo e encontro Deus indulgente, misericordioso. Quem se arrepender, Deus o perdoará. É-lhe dito: “Volta a trabalhar, ou seja, recomece”. O arrependimento – como é sabido – é a promessa de não mais cometer o pecado. Mesmo que nos arrependamos e cometamos pecado novamente Revista Islâmica Evidências - 63


e voltemos a nos arrepender, verificamos que a porta continua aberta. Porém, devemos não esquecer que persistir nos pequenos pecados é o mesmo que cometer os graves. 2 – Faz parte de Sua misericórdia, Exaltado seja, a sua compreensão, ou seja, Ele não Se apressa em nos castigar pelos nossos pecados. Concede prazo e oportunidades, uma atrás da outra, para nos arrependermos, pedirmos perdão e retornarmos à senda correta. Noutra prece dizemos: “Senhor, não vejo ninguém mais paciente com seu servo do que Tu és comigo. Tu me convidas e eu fujo. Tu me amas e eu Te odeio. Tu me toleras e eu me atrevo contra Ti. Nada disso veda a Tua misericórdia, benevolência e favor para comigo, derramando a Tua generosidade. Portanto, tem misericórdia de Teu servo ignorante e cumula-o com a Tua benevolência, pois Tu és Benevolente, Generoso.”

ferno, ainda que seja dando, em caridade, meia tâmara a um pobre, ou a um jejuador ou a um animal ou pássaro faminto.” Ele também disse: “A boa palavra constitui-se em caridade.” Mesmo os pobres e os necessitados conseguem fazer caridade. Ela não significa dar dinheiro apenas, mas pode estar presente numa boa palavra, cuja raiz esteja firme e cujos ramos se elevem ao céu, numa palavra correta e sincera, no semear a esperança, na plena confiança em Deus, na certeza de se obter a Sua misericórdia, na constância de Sua Lei e Regras. Por isso, foi dito: “Não deves desprezar qualquer ato lícito”, por menor que seja, na sua ou na opinião dos outros. Foi dito, também: “Não se envergonhe de dar pouco, pois o nada é menos ainda.”

A misericórdia de Allah,

Glorificado e Exaltado seja, como dádiva, é ilimitada

3 - Faz parte da Sua misericórdia a sucessão. Nada é permanente em termos de sofrimento, dor, desgraça, doença, ataque, calamidade, derrota, quebra: “E tais dias (de infortúnio) são alternados, entre os humanos.” (3:140). Se a doença fosse sem cura, as dores sem cessar, a desgraça sem amainar, a calamidade sem passar, teríamos uma vida atroz, escura, com medo, frustrante, impaciente e de fracasso. 4 – Faz parte da Sua misericórdia a recompensa por qualquer bom ato, contanto que seja pela Sua causa. Se disser ou fizer algo bom para satisfazê-Lo, Ele lhe concederá o que ninguém imagina. Por causa do pão de centeio que o Imam Ali Ibn Abi Tálib (a.s.) e sua esposa Fátima (a.s.) deram a um órfão, pobre ou prisioneiro, para satisfazer a Deus, foi-lhes prometido recompensa com o Paraíso, felicidade e sossego no Dia do Medo Maior (1). O Profeta (S) disse: “Esquivai-vos do In(1) I.é, o Dia do Juízo Final (Yaumu’ Ddin, em árabe) (NE).

Certamente, Deus recompensa mesmo pela boa intenção. Se nós intencionamos praticar um bom ato e temos a oportunidade de fazê-lo, somos recompensado por isso. 5 – Faz parte de Sua misericórdia a multiplicação da recompensa. Eis alguns exemplos: a) Um por dez: “Quem tiver praticado o bem receberá o décuplo pelo mesmo; quem tiver cometido um pecado receberá um castigo equivalente” (6:160). b) Um por setecentos: “O exemplo daqueles que gastam os seus bens pela causa de Deus é como o de um grão que produz sete espigas, que irão produzir cada espiga cem grãos. Deus multiplica mais ainda a quem Lhe apraz, porque é Munificente, Sapientíssimo.” (2:261). Deus multiplicou a recompensa em tempos e


locais específicos, como no mês de Ramadã, na Noite do Decreto, nas noites de sexta-feira, nos dias de sexta-feira, nos momentos de oração, nos locais sagrados. Tudo isso indica a misericórdia e a amabilidade d’Ele pelo ser humano. 6 – Faz parte da Sua misericórdia o vínculo da facilidade com a adversidade. Não há nada que se pode dizer de dificuldade permanente. Deve sempre ser sucedida por facilidade, amabilidade e misericórdia, as quais podemos até não perceber na hora. É como o sol num dia nublado, que aparece no meio das nuvens uma vez ou outra, fazendo expandir o coração, descansar o espírito e amainar a inquietude da alma: “Em verdade, com a adversidade está a facilidade! Certamente, com a adversidade está a facilidade!” (94:5-6). O que chama a atenção aqui é a repetição para a confirmação vincular entre a facilidade e a adversidade.

Meus servos te perguntarem por Mim, dizelhes que estou próximo e ouvirei o rogo do suplicante quando a Mim se dirigir. Que atendam o Meu apelo e que creiam em Mim.” (2:186). E diz, ainda: “Atende o necessitado, quando implora, e vos liberta do mal.” (27:62). 8 – Faz parte de Sua misericórdia guardar os nossos segredos, apesar de ser Onisciente e conhecer todos os nossos pecados. Se quisesse divulgá-los, fá-lo-ia Ele guarda todas as nossas deficiências diante das outras pessoas. Elas não sabem o que cometemos de pecados. Ele guarda segredo e gosta de quem o faz. Uma Tradição diz: “Quem ficar perscrutando os defeitos das pessoas, Deus o denunciará, mesmo dentro de seu lar.”

Devemos não esquecer que persistir nos pequenos pecados é o mesmo que cometer os graves

7 – Faz parte dos aspectos da Misericórdia do Altíssimo o seu atendimento à prece, ao pedido dos necessitados e os inquietos. É uma promessa verdadeira. Ele, Bendito seja, diz: “Invocai-Me, que vos atenderei!” (40:60). E diz: “Quando

9 – Faz parte de Sua misericórdia reduzir o tempo de dificuldade das pessoas, quando as portas são fechadas perante nós: “E, a quem temer a Deus, Ele lhe apontará uma saída, e o agraciará quando menos esperar” (65:2-3). Ele salvou José (a.s.) de sua aflição, quando foi convidado pelas mulheres para praticar obscenidades: “Disse (José): Ó Senhor meu, é preferível o cárcere ao que me incitam; porém, Revista Islâmica Evidências - 65


se não afastares de mim as suas conspirações, cederei a elas e serei um dos tolos. E seu Senhor o atendeu e afastou dele as conspirações delas, porque Ele é o Oniouvinte, o Sapientíssimo” (12:33-34).

com a vida de forma positiva. É um erro cometido por alguns médicos informar seus pacientes a respeito do momento de sua morte. Além de a hora da morte estar nas Mãos de Deus, e Ele ser o único Conhecedor de quando ela ocorrerá, onde e como. Estar ligado ao vínculo da esperança e ao círculo da cura é um ato que não pode ser eliminado em nenhum instante de nossa vida, por mais grave que seja o problema. Quem sabe se Deus decreta para quem se esquece de seu médico uma nova vida? Quantas vezes a esperança abriu portas que estavam trancadas e quantas vezes o desespero apressou a morte de pessoas antes do tempo?

Certamente, Deus recompensa os seres humanos, mesmo que seja por sua boa intenção

Ele salvou Maria das línguas dos detratores, quando ela ficou grávida de Jesus (que a paz esteja com ambos); salvou a mãe de Moisés (a.s.) de seu medo pelo filho que colocou numa arca e jogou no rio, pois sossegou o seu coração e prometeu-lhe restituí-lo;

Ele salvou Jonas (a.s.) do estômago da baleia. A salvação não é privilégio dos profetas e mensageiros apenas, mas é estendida a toda pessoa crente e honrada. Vejamos as palavras de Deus, Exaltado seja, depois de salvar Jonas (a.s.). Ele sossegou os crentes de que a Sua misericórdia irá alcançá-los, também: “E o atendemos e o libertamos da angústia. Assim salvamos os crentes” (21:88). 10 – Faz parte de Sua misericórdia ter ocultado de nós a hora, o local e a forma de nossa morte: “Nenhum ser saberá em que terra morrerá” (31:34). Fez isso para não nos preocuparmos e deixarmos de continuar a nossa vida e arcar com a nossa responsabilidade, ou paralisar as nossas potencialidades, lidando

Alguns mineiros permaneceram soterrados durante dez dias depois de um desmoronamento. Apesar da umidade, do sufoco, da falta de água e de comida, pela misericórdia de Deus acabam salvando-se todos. 11 – Faz parte da misericórdia de Deus o envio dos profetas e mensageiros, dos livros que dirigem a humanidade para o seu bem-estar, felicidade e a satisfação de Deus: “E não te enviamos, senão como misericórdia para a humanidade” (21:107). Se não fosse o que os profetas (que a paz esteja com todos eles) nos trouxeram, principalmente


o Profeta Muhammad (S), estaríamos vivendo na ignorância até hoje e em péssima situação. A misericórdia do nosso Profeta, Muhammad (S), não cessou com o seu falecimento. Ele nos deixou o Livro de Deus (2), que é a nossa constituição. Deixou a sua nobre Sunna e nos aconselhou seguirmos a orientação de seus Familiares Purificados (a.s.) que orientam para o Alcorão e para a Sunna, tornando-se a misericórdia sucessiva a ele. 12 – Faz parte de Sua misericórdia que não nos encarregueoacima da nossa capacidade: “Deus não impõe a nenhuma alma uma carga superior às suas forças.” (2:286). Toda e qualquer encargo ou função está dentro da capacidade do ser humano. Se o encargo sair do círculo da capacidade, deixa de ser obrigatório, ou o encargo é reduzido. Quem não consegue praticar a oração em pé, pode fazê-la sentado. Quem não pode se abluir com água por um motivo ou outro, pode praticar o tayamum (ablução seca). Quem não tiver posses, não precisa praticar o Hajj. Quem for cego, doente, manco, não tem culpa. Fica isento de algumas obrigações. Pode, até, adiar a prática de algumas delas e repor em outra hora, outras ficam mais suaves. Tudo isso são sinais da misericórdia, de amabilidade, avaliação do poder, preceituando as obrigações de acordo com a capacidade.

fica depositar o valor disso em nosso íntimo, nas nossas mentes, nas nossas línguas e órgãos. Se a escrita e a compilação da história se perdesse e a biografia e a herança dos anteriores se desperdiçasse, as civilizações seriam encobertas e cada geração teria de recomeçar do zero. O desenvolvimento suesperança abriu cessivo desapareceria.

13 – Faz parte de Sua misericórdia que nos tenha ensinado Quantas vezes a o Alcorão: “Lê, em Por isso, caros irportas que estavam trancadas e nome do teu Senhor mãos e irmãs, devemos Que criou” (96:1), expor os aspectos e os como nos ensinou a quantas vezes o desespero apressou a horizontes da miseriescrita: “Lê, que o teu morte de pessoas antes do tempo? córdia de Deus, Suas Senhor é o mais Gedádivas, Sua generoneroso, Que ensinou sidade, benevolência através da pena, ensie amabilidade, maninou ao homem o que este não sabia” (96:3-5). festas e ocultas, pelas portas que Ele abriu para Ele, Exaltado seja, vincula o ensino da leitura o sustento, o perdão, o conhecimento e o trabae da escrita à misericórdia, considerando isso lho. Todos nós recebemos Sua misericórdia. Se um sinal: “O Clemente. Ensinou o Alcorão. avaliarmos a influência da misericórdia de nosso Criou o homem, e ensinou-lhe a eloquência.” Senhor para conosco, aumentaremos o amor e a (55:1-4). O ensino da leitura e da escrita signiobediência a Ele. (2)I.é, o Alcorão Sagrado (NE). Revista Islâmica Evidências - 67


Educação

Xeique Mohammad Mahdi Shamseddin

N

o início da vida, quando nós começamos, como crianças, a nos conscientizar do que está acontecendo ao nosso redor, imitamos nossos pais. Isto, obviamente, não inclui apenas o ser humano, mas também as crias dos animais, um comportamento tão comum e que foi retratado no provérbio árabe, que diz: “Você o segue como a cria de camelo segue a mãe.”. Ou seja, a cria do camelo acompanha a mãe, onde quer que vá, e assim acontece com as crias dos outros animais. A criança começa a adquirir os costumes, as tradições e o comportamento por meio daquilo que ouve e observa entre palavras, gestos e emoções. Assim, ela dá os primeiros passos para seguir os seus ídolos adultos, ou seja, ela fala como eles falam e faz o que eles fazem, imitando-os e seguindo-os.

68 - Revista Islâmica Evidências

Seguir o exemplo é escolher a forma de imitar os outros que nós amamos, nos quais confiamos, crendo que o que fazem é certo. Seguir o exemplo aqui é uma das formas de educação e de ensinamento. Porém, a necessidade de seguir ultrapassa a infância e continua válida, dura até o fim da vida. Até ganhar certa habilidade como dirigir automóvel, por exemplo, nós precisamos ver como o condutor exímio conduz o carro, imitando-o, seguindo o seu exemplo passo a passo, movimento a movimento. A nossa imitação constituise da convicção interna de que o instrutor é motorista capaz, com longa experiência no domínio da condução. Nós nem sequer discutimos o que ele diz e faz, porque nós o vemos com maior experiência, e a obediência aos experientes é uma questão racional, efetiva e vital.


O mestre ou educador, quer seja o pai, a mãe, o irmão mais velho, ou o mestre na escola e na faculdade são exemplos, não importa se suas instruções são para conduzir o automóvel, nadar no rio, melhorar sua conduta, aperfeiçoar a sua voz na recitação do Alcorão ou lidar com os outros!

4. Elevar o moral, o entusiasmo e o desejo: Sem o exemplo adequado, que possui características mais perfeitas que as nossas, arrefece o entusiasmo e o desejo do ser humano. É maior o risco de que ele renuncie em avançar para realizar o melhor, o mais perfeito e o mais belo;

A necessidade do professor ou do exemplo 5. A Correção dos Erros: O exemplo é um é uma necessidade básica. É como dissemos, espelho. Se nós podemos ver no espelho nossas prolonga-se de acorexcelências e fraquedo com a longevidade. zas, podemos manter Se supormos que uma as excelências e as auA criança começa a adquirir os enchente levou uma mentar, corrigindo e criança, ainda pequecostumes, as tradições e o eliminando os erros. O na, para a floresta, não mesmo fazem os exemcomportamento por meio daquilo plos. Por intermédio tendo gravado em sua mente ainda um idioma deste método, podeque ouve e observa e movimentos humamos combinar o nosso nos, o comportamento comportamento com o irá ser o mesmo de cercomportamento deles, tos animais, que vê à sua volta. Irá caminhar de o nosso estilo com o seu estilo, para sabermos quatro, emitir sons parecidos com os seus sons, quão certos e quão errados estamos. comer à sua própria maneira. Isso porque as suas aptidões humanas não encontraram o educador e Nossos pais e mães, nossos exemplos o exemplo para despertá-las, educá-las e orientálas delas, o que pode fazer essa criatura, mesmo Cometem erro aqueles que pensam que o pai tendo forma humana, seguir o exemplo dos anié apenas exemplo para o filho e que a mãe é apemais em suas ações. nas exemplo para a filha. Ambos são exemplos Isso é o que nos faz acreditar que os exemplos são requeridos e necessários na vida de cada ser humano, quer seja criança ou adulto. A necessidade do melhor exemplo, do modelo e do método é motivada pela necessidade de: 1. Aprendizagem: Sem o exemplo é difícil para nós aprendermos e desenvolvermos a razão; 2. Educação: Sem um exemplo para seguir, encontramos dificuldades de formação e educação para nos tornarmos não apenas seres humanos, mas seres humanos úteis; 3. Progresso: Se não houver um exemplo vivo para imitarmos, a nossa posição irá oscilar e não obteremos melhor nível de crescimento e desenvolvimento, porque podemos nos satisfazer com a nossa situação, como fazem alguns filhos das aldeias e zonas rurais, que não saem dos seus círculos geográficos estreitos, nem desenvolvem a sua vida para melhor;

para os filhos e as filhas. Certamente, as impressões da mãe sobre a personalidade da filha são maiores para serem do mesmo sexo, ao passo que as impressões do pai sobre o filho são mais claras e sinceras por serem do mesmo sexo. Isso, porém, não é uma base estrita. Pode o menino ser afetado pela mãe mais do que pelo pai e a menina pode ser afetada mais pelo pai do que pela mãe. Os árabes costumam dizer: “Cada menina admira o pai” e sua admiração a convida a segui-lo e imitá-lo. Os filhos, independentemente do sexo, podem ser afetados por um ou por ambos os pais. Quando se examinam a vida e a biografia de homens e mulheres inovadores, verifica-se esta influência mútua, ou que os genitores não tiveram, ambos, nenhuma influência. Quantos gênios tiveram o pai como exemplo e quantos personagens destacados tiveram como exemplo a mãe? E há uma terceira categoria que foi influenciada Revista Islâmica Evidências - 69


por esta e aquele. Isto significa que o importante é ter um ou ambos os pais como exemplo. Se houver disponibilidade de dois exemplos no lar ou família, haverá um impacto maior do que tem um só exemplo. A falta de exemplos terá efeitos muito negativos sobre filhos e filhas. O exemplo dos pais reflete a sua influência em nossas vidas desde a nossa infância, pois eles são os primeiros professores na vida de cada menina e menino. São os dois exemplos cuja influência permanece ecoando durante toda a nossa vida. Pode ser que os pais ou um deles seja um exemplo excelente. Pode ser, contudo, que um ou ambos sejam exemplos maléficos. Se forem da primeira classe, o filho ou a filha terão um professor e educador como o exemplo ideal em suas vidas. Se os pais forem da segunda classe, irão adquirir as piores características. Um poeta disse: “Se o chefe da família toca tambor, Toda a sua domesticidade ficará a dançar.” Tocar o tambor, aqui, representa todo mau ato que o pai ou a mãe cometem. Os filhos irão observá-lo e deduzir que é indubitavelmente correto. O exemplo dos pais quer seja do pai ou da mãe, tem seus próprios méritos:

a) São as coisas que causam mais impacto e permanecem mais em nossas almas e criam as nossas personalidades; b) A sua influência se estende por toda a vida. Algumas dessas impressões permanecem tão gravadas que a mão do tempo não consegue apagá-las, destruí-las. “O ensino na infância é como inscrição na pedra”; c) É um exemplo inerente, que não se separa, integrando-se como se fosse uma parte de nós; d) É um modelo vivo, que nos deseja o bem e aspira a que sejamos melhores que ele e não apenas iguais; e) É um modelo natural, que fornece automaticamente o método vivo, direto de si. Em cada palavra há amor e sinceridade, um movimento de simpatia e ternura, atitude de sacrifício e abnegação; Não é necessário que o exemplo paternal tenha um grau de estudo específico. Ele representa o melhor dos tesouros emocionais, um desejo determinado abrangente de felicidade, tentando o seu melhor para proporcionar bom exemplo para os filhos e filhas. Feliz é o pai agricultor, que luta com dificuldades, que não sabe ler e escrever, mas é uma pessoa digna, nobre, de excelentes qualidades e características, que conhece, pela experiência, o


moral e fornece o resumo da sua útil experiência que é malicioso e o que é benéfico, onde está prática, mostrando o método benéfico, dificila integridade e onde está o desvio. É um bom mente deixa de angariar o respeito e consideraexemplo, que não pode nos beneficiar no ensino ção apenas. A professoda leitura e da escrita, ra que pega nas mãos mas é certamente medas suas alunas adolhor do que o pai instruO exemplo dos pais influencia lescentes e jovens para ído mas que negligencia seus filhos e filhas. nossas vidas desde a nossa infância, transmitir-lhes segurança por meio de conFeliz é a mãe analfapois eles são os nossos primeiros selhos que emanam do beta, mas que leu o livro coração, que age com da vida por meio da exprofessores amor, misericórdia e periência de vida e, com compaixão, que chama os olhos abertos, oferece atenção, na escola e na aos filhos e filhas um rua, para o comportamodelo de sinceridade, lealdade e altruísmo. mento das mulheres castas, equilibradas, é uma Isso, porém, não diminui a importância do segunda mãe. Algumas jovens, talvez, até se espai culto e a mãe instruída como exemplos. Pelo queçam de alguns aspectos da vida das mães que contrário, o exemplo de pais educados tem maior lhes trouxeram ao mundo. Porém, não se esqueimpacto nos corações e mentes dos descendentes cem da professora que as instruiu com honestidos filhos e filhas. dade e sinceridade. Nossos professores, nossos exemplos O Professor ocupa o segundo grau na educação depois do pai e da mãe. Alguns professores podem exceder o impacto da influência dos pais pela sua influência nas mentes e corações dos estudantes, pela sua excelente orientação. Este tipo de professore é precisamente o indicado pelo dito do poeta: “Fique em pé para o professor e o respeite Por ocupar o lugar de Mensageiro” (1) Cada um de nós se lembra muito bem de um professor - ou mais - que nos prestou imenso favor e deixou uma marca profunda na nossa educação e formação. A sua influência se estende até o futuro da vida, quando o aluno de ontem torna-se professor, funcionário, comerciante, engenheiro, médico, advogado, ou ocupa qualquer ofício e profissão. O professor incorpora-se nele e o antigo aluno imita-o com sinceridade, dedicação, generosidade e retidão de comportamento. O professor que alimenta a sua aula com palavras da orientação sincera, homilias de boa

Infelizmente, estão faltando em algumas escolas os exemplos dos bons professores. Há hoje um monte de professores bem-sucedidos com seus métodos de ensino, mas há, assustadoramente, um pequeno número que pode ser tomado como exemplo. Chocamo-nos com o professor ou a professora como péssimo exemplo. Nossos amigos, nossos exemplos Quando o meu amigo é exemplo para mim? Quando se trata de um irmão mais velho, ou irmão sincero, que me deseja o bem, a justiça e a felicidade, longe dos locais de desvio e indecência, do mal e da imoralidade. Nesse caso, ele é um amigo verdadeiro, o irmão de confiança, que conhece os meus defeitos para me corrigir. Vejo na sua sublimidade orientação e comportamento, o que eleva o grau da minha fé em Deus e meu amor pelo bem, a minha esperança pelo sucesso. É quem ouço e vejo, pois extrai os espinhos do ódio, os sussurros do demônio do meu peito. É o amigo leal, sincero, zeloso pela minha moral, minha religião e minha reputação. É um outro professor, junto aos meus pais e professores.

(1) I.é, Profeta de Deus (a.s.) (NE). Revista Islâmica Evidências - 71


Quando encontro um amigo sempre honesto comigo, mesmo que não queira ser o meu exemplo, na verdade também o será, porque tirarei dele o conforto da honestidade das suas palavras e atos. Quando a jovem encontra uma amiga decente, será influenciada por ela, pela sua moral e seguirá seu exemplo, especialmente se não for teimosa, persistente e negligente quanto aos seus compromissos religiosos. É veraz o poeta, que diz: “Tenha amizade com o irmão de confiança . O caráter é adquirido de quem você é amigo. Como o vento, que leva tudo por que passa, Tanto o cheiro ruim como o de perfume”. O Nobre Hadith diz: “A pessoa costuma seguir a religião de seu amigo. Portanto vê de quem é amigo.” A expressão “a religião do amigo” significa que a pessoa segue o seu exemplo a ponto de adotar a sua religião. Se for pessoa de bem, aumenta-lhe a bondade e o temor. Se for desobediente, a atrai para o mal, a corrupção e a desgraça.

Heróis como modelos a seguir Heroísmo é o título dado para um trabalho distinto, com o qual a pessoa supera os seus pares, seus concidadãos ou aqueles que estão fora das fronteiras do seu país. O homem, pela sua natureza, admira os heróis, o heroísmo e a excelência. Por isso, os heróis são iguais, tanto no campo de batalha quanto nos campos da ciência, do trabalho, do desporto, da arte e da literatura como exemplos para muitos homens e mulheres jovens. Não é errado seguir um herói no domínio do seu heroísmo Ruim é torná-lo exemplo em uma determinada área se não for um bom exemplo também em outras. O exemplo pode ser segmentado. Isso significa que se pode adotar como modelo um erudito pela sua erudição, um artista pela sua arte, um desportista pelo seu esporte, um cientista pelos seus conhecimentos, a fim de elevar o nosso nível em obras literárias, científicas, técnicas, ou avançar com o nosso dom para um próximo nível, usando um modelo ou exemplo ideal.


O mundo digital ao seu alcance

msn: worldview_vendas@hotmail.com www.ambarsp.com.br

Telefone: (11) 3311-9349


Atualidades

A Cultura Ambiental

A

cultura ambiental, o que devemos facidade depende da felicidade deles, a percepzer para conservar e proteger o meio ção de que o que acontece a ele, acontece a ambiente e a nós também. Recebenossa interamos educação e nosção com ele são basea- Recebemos educação e nossas lições sas lições básicas de dos em muitos pilares, nossa mãe, que nos básicas de nossa mãe, que nos ensina entre os quais destacaensina a jogar lixo mos: no lixo, a conservar a jogar lixo no lixo, a conservar limpa e arrumada a 1. Sentir Responlimpa e arrumada a nossa casa, nossa casa, a escola sabilidade: O sentia escola e a rua e a rua. O principal mento patriótico, de conselho de nosso pai que somos parte da é não cortar árvores, pátria e do país, nosnão matar pássaros, não estragar ou invadir sa grande casa, o sentimento de que nossos as propriedades alheias. filhos são nossos irmãos, de que a nossa feli74 - Revista Islâmica Evidências


lizmente, o contrário existe, também. Como o O estudante que escreve na carteira escaso daquele estudante que remove o lixo da colar e a transforma uma tábua desfigurada contendo desenhos, traços, palavras espasala de aula, mesmo que não tenha sido ele quem o jogou. Este é um aluno responsável. lhadas e cores contrastantes... não avalia a Quem se nega a fureal dimensão da sua mar, mesmo sendo furesponsabilidade. O usuário do transpormante, em local públite público que picha Aquele que tira do caminho as pedras co ou fechado, é uma o assento destinado pessoa que respeita a ou as garrafas quebradas, ou qualquer liberdade, a saúde e a aos passageiros com corações, setas, palacoisa que cause dano, age de acordo presença dos outros. Aquele que limpa as vras e símbolos obsnarinas no banheiro, cenos faz mal a si com o princípio islâmico mesmo em primeiro utiliza o guardanapo quando espirra, delugar, ao patrimônio público em segundo, monstra uma índole de bom-gosto, amabilidade e inteligência. e aos seus concidadãos em terceiro. Aquele Aquele que tira do caminho as pedras ou as que come a banana e joga a casca na rua e ri garrafas quebradas, ou qualquer coisa que quando alguém escorrega e cai, é uma pescause dano, age de acordo com o princípio soa sem educação nem sentimento. O mesmo islâmico ou seja: “Remover as coisas preacontece com quem cuspe próximo às pessojudiciais do caminho das pessoas.” Essa é a as. Ele não avalia a extensão do asco e da resua responsabilidade, sente-a mesmo que não pugnância que a sua conduta causa, além do haja chamadas, avisos ou advertências. dano psicológico e físico. As testemunhas diárias de atos negativos e reprováveis como estes são muitas, mas, fe-


Como Sinto a Responsabilidade Pelo Ambiente? Desejar aos outros o que deseja a si mesmo, em primeiro lugar. Em segundo, que seja um bom exemplo para os outros.

espalha-se a clareza, a limpeza e a formosura. Os poloneses têm um ditado que diz: “Se cada um limpar ao redor da casa, toda a cidade ficaria limpa.” A limpeza é feita por etapas e não pode ser dividida.

As instruções de higiene expedidas pelos ministérios da saúde são úteis ao rejeitar os que não se atêm à higiene, a não ser com advertências ou a sanção da lei, ou por meio de multas financeiras ou Na relação conjugal, um mistura-se castigos. Porém, os contraventores viram com e dissolve-se no outro, mesclan- as costas para a lei, se esta estiver desatenta do-se ambos, transformando-se ou não for aplicada.

O funcionário, o aluno, o membro da família que não deixa o ar condicionado ou o aquecedor ligados, ou a luz acesa, estando fora do aposento, é um ser humano e cidadão responsável.

Aquele que não sente este compromisso, nem com controle interno (a chamada “dor de consciência”), cada um em par nem com controle externo, é um irresponsável. Talvez saiba o que é correto, mas acha a prática do errado mais fácil. 2. A Higiene e a Saúde: Como conseguimos um ambiente limpo e higiênico? Limpe o canto em que você está que eu, pela minha vez, limpo o lugar em que estou. Com isso, o círculo da higiene se amplia. Se ele se ampliar, prevalece a saúde e o bem-estar,

e os pares em um

O olho observador atento ajuda na aplicação firme das normas de higiene, porém não estabelece a higiene permanente. A cultura de higiene é considerar o local ou a cidade como a nossa segunda casa. Os chineses vão além. Dizem: “O mundo é a nossa casa, devemos conservá-lo limpo”. Na cultura islâmica, higiene significa limpeza porque é obtida com a remoção do lixo e da sujeira. A limpeza não é isso? O Mensageiro de Deus (S) disse: “Deus é bondoso e ama a bondade. Deus é puro e gosta da purificação.” O Profeta (S) costumava vincular a higiene à melhora das condições de vida. Dizia: “Varrer as casas afasta a pobreza.” Em outro ditado, temos: “A higiene é a metade da riqueza.” Qual é relação da riqueza com a higiene? A loja limpa atrai os clientes. A casa limpa proporciona mais alegria para o coração e é mais agradável para os


mais cara, porém o método de exposição é que visitantes. O jardim limpo agrada aos olhares. faz os clientes procurarem a segunda loja e igO ônibus limpo, o trem limpo, o avião limpo norarem a primeira. agradam mais aos passageiros do que os outros meios menos limpos. Os restaurantes, os hotéis O bom gosto quanto à beleza não é uma situados em locais limpos e que preenchem as questão de luxo. É a sua responsabilidade, micondições de higiene são mais frequentados por nha e da nação. O prefeito de gosto elevado ajuturistas e clientes. Quanto aos litorais marítida embelezar a cidade. Postes de eletricidade mos e ribeirinhos limpos, são muito procuracom distâncias simétricas e cores afins, lâmdos, proporcionando aos seus hotéis, restauranpadas iguais, proportes e clubes – também cionam ao ambiente limpos – mais lucro. da cidade, principalDepois disso, será que mente à noite, uma Um pouco de higiene e um pouco a higiene não propornatureza poética, próciona riqueza? de bom gosto artístico transformam xima do coração. Os

jardins públicos em Não proporciona as casas simples ou pobres que há fontes, como apenas riqueza, mas se tivessem nascido lá, também amizade e boa em jardins e mansões os canteiros de plantas convivência. Uma Trae as rosas espalhadas dição Islâmica nos diz: ao seu redor, que são “Higienizem-se com constantemente cuidadas por jardineiros, sendo tudo o que podem, pois Deus edificou o Islã aguadas e harmonizadas com as árvores, geram na limpeza. Não ingressa no Paraíso a não ser na imaginação do observador uma embriaguez quem estiver limpo.” de beleza e uma lição de bom gosto. As vias de A higiene não proporciona riqueza apenas, passagem dispostas com sinais luminosos que é um motivo para o ingresso no Paraíso, tamsão respeitados pelos motoristas, que param nos bém. Você sabe que as coisas limpas glorifisemáforos e movem-se ao sinal verde, consticam a Deus. Como? Não sabemos. Algumas tuem em um rio de veículos em movimento que tradições nos dizem isso. A limpeza das roupas flui em simetria insólita. Compare isso com o e dos locais e sua higiene fazem parte da nossa que vemos de anarquia de alguns países! higiene. Quanto mais limpos e higiênicos formos, mais dispostos à pureza e à recordação de Deus estaremos. 3. A Cultura da Beleza e do Bom Gosto: Um pouco de higiene e um pouco de bom gosto artístico transformam as casas simples ou pobres em jardins e mansões. Não são apenas os móveis caros e a decoração que representam a beleza. Veja a loja que armazena mercadorias umas sobre as outras e compare-a com outra que expõe a mercadoria e a produção de forma artística, com um toque de beleza. Pode ser que a mercadoria do primeiro estabelecimento seja

Não precisamos de muita conversa para introduzirmos a beleza e a disseminarmos em todo lugar. O que precisamos, às vezes, é de bom-gosto, de espírito cooperativo e de toques de beleza.

O ambiente é um quadro artístico maravilhoso. Quem reage com ele dessa forma, cuidando da sua higiene, beleza, aromas, cores e sombras é um artista, mesmo que não estude arte. Você concorda conosco que o meio-ambiente não necessita apenas de higiene, mas de um belo espírito artístico, também? 4. A Prática Legal: Somos muçulmanos, temos de ser responsáveis como cidadãos, cuidar da saúde, da hi Revista Islâmica Evidências - 77


giene e do bom-gosto devido à firmeza de nossa educação e cultura.

Preciso, acaso, de advertências ou de chamada de atenção sobre o cheiro do alho, da cebola e das meias suadas, que causam repugnância e asco?

O Islã nos ensina a remover as coisas prejudiciais do caminho e considera isso como caA cultura ambiental é uma cultura legal. ridade, pela qual seremos recompensados. Pede Enquanto perdurar o respeito à saúde, ao bompara se respeitar o meio-ambiente, não lhe caugosto e aos sentimensar dano, mesmo que tos da própria pessoa e não haja aviso nesse sentido (proibido), ou Preciso, acaso, eu que sou educado das outras, ela faz parte da cultura legal islâuma advertência (como um crânio cortado por com os ensinamentos do Islã, ser mica, mesmo que não haja textos específicos dois ossos), ou uma teradvertido para não tossir, espirrar para isso. ceira forma de alerta, o sinal “X”. O exemplo do

ou cuspir sem guardanapo?

O mesmo Islã pede para não agredir os meus vizinhos, erguendo uma alta parede entre eu e eles, tirando-lhes a claridade e a ventilação. Ele me educa a não permitir que a minha casa exale mau cheiro ou emita sons desagradáveis. Preciso, acaso, eu que sou educado com os ensinamentos do Islã, ser advertido para não tossir, espirrar, cuspir sem guardanapo, vedando a proliferação dos vírus ou das bactérias?

bom vizinho não é apenas o daquele que me saúda de manhã, mas daquele que não me prejudica, jogando lixo na minha porta.

O significado da solidariedade não é seguir as instruções e as leis, apenas, mas é não ultrapassar o direito dos outros. Os que picham e colam cartazes e publicidade nas paredes das casas e das lojas, sem a permissão dos proprietários, dispõem das propriedades dos outros, sem a sua permissão, coisa que o Islã não permite. Não me é permitido invadir a privacidade, tanto de fora como de dentro de casa, bem como de seus anexos. Percebem como os ensinamentos legais islâmicos dizem respeito aos interesses do ser humano, em primeiro e em último lugar?


Palavras Cruzadas

Chadia Kobeissi

HORIZONTAL

VERTICAL

4. - Convocação depois do Azan e antes da oração. 7. - Disse o Imam Assadeq (a.s.): “Por certo que a nossa intercessão não alcançará aquele que negligencia as suas _______” Bihar al-Anwar, vol. 82, p. 236 8. - ________Attaiiar é o irmão do Imam Ali ibn Abi Táleb (a.s.), o tio do Imam Al-Hassan e do Imam Al-Hussein (a.s.). 10. - Um ato bom em todos os dias, e principalmente no dia do Eid (Festejo) é de visitar os________. 11. - Jogador de futebol, famoso, convertido ao islamismo, Franck Ribery, agora Franck Bilal Ribery. De qual país é esse jogador? 15. - __________ a Deus, afasta o mal, e as adversidades. 17. - Profeta que entendia a linguagem dos animais. 20. - “... terá que responder ao Mensageiro de Deus com coerência de tudo que praticaste ao derramar o sangue de sua descendência e profanaste as mulheres de sua Casa e de sua prole, que é sangue de seu sangue e carne de sua carne e, na certeza, Deus os reunirá e lhes fará justiça…” Isso foi parte do discurso feito por________ (a.s) para Yazid. 21. - O Evangelho de ___________ está em conformidade com o ponto de vista islâmico sobre Jesus, falando dele (a.s) como um Profeta e não como uma divindade.

1.- Bisneta do Profeta Muhammad (s.a.a.s). Ao ver a cabeça de seu pai, o Imam Hussein (a.s), veio logo a falecer. Mesmo sendo uma criança, tem grandes qualidades, as quais apenas os Ahlul Beit têm. 2.- Complete o dito de nosso querido Profeta Muhammad (s.a.a.s): “Perguntai aos sábios, dialogai com os eruditos e associai-vos aos _________”. 3. - A antiga Arábia Saudita. 5. - Filha do Imam Al-Hussein (A.S.),________ Azzahrá. 6. - No Islã, os laços de ____________ são muito importantes perante DEUS. 9. - Imam (a.s) da família do Profeta Muhammad (s.a.a.s), o qual foi assassinado pelo filho de Muawiya, Yazid. 10. - Abreviatura das primeiras letras de “Dama Dhelloh” (Que Deus prolongue a sua vida), um pedido de prolongamento da idade de um grande líder religioso. 11. - “Sabei que a vida terrena nada é senão um divertimento e um jogo, adornos e fútil vanglória, rivalidade entre vós à procura de mais riquezas e filhos; é como a chuva, que compraz aos cultivadores, por vivificar a plantação; logo, completa-se o seu crescimento e a verás amarelada e transformada em feno. Na outra vida, haverá castigos severos, indulgência e complacência de Deus. Que é a vida terrena, senão um prazer ilusório?” Esse versículo faz parte da Surata (Capítulo do Alcorão Sagrado) O ________. 12. - Quem é da tribo de Coraich é... 13. - Um dos pilares do Islã. 14. - O oitavo mês do ano islâmico. 16. - No mês do Ramadã é muito recomendada a súplica da _________. 18. - Irmão do Imam Hussein (a.s), filho do Imam Ali e de Fátima Bint Huzan Al-Kilabia. Ela tinha o apelido de “Umm Al-Banin”. Homem que foi tambem grande mártir e o braço direito de seu irmão, o Imam Hussein (a.s) em todos os momentos. 19. - A convocação inicial para a oração é chamada de…


Revista Islâmica

Você conhece a História e a Cultura Islâmica? Sabe quem são os muçulmanos e no que acreditam? A partir de agora, você poderá ter acesso a estes temas, tão importantes para compreender o mundo em que vivemos. Afinal, a Religião Islâmica é considerada a que mais cresce no mundo, contando com 1,5 bilhão de seguidores em todo o planeta. A Revista Islâmica Evidências traz a você o conhecimento sobre o Alcorão Sagrado, a vida do Profeta Muhammad (S), práticas e costumes dos muçulmanos.

2 3

Estes assuntos, agora, estão à sua disposição, sem que você tenha de sair de casa. Basta assinar.

cartão de aSSINATURA Desejo adquir a assinatura da Revista Islâmica Evidências, 90 por um período de 1 ANO ou 4 edições por apenas R$ 49, Nome: Email: CPF/CNPJ:

RG / INSC. ESTD.:

Endereço:

Cidade:

UF:

CEP:

Telefone

Cel:

Fax:

A Vista Através de Cheque Nominal a favor de:

Formas de pagamento: Associação Benef. Islâmica do Brasil CNPJ 43.759.802/0001-92 Rua Eliza Witacker, 17 - Brás São Paulo - SP - CEP 03009-030

Telefones: (11)

3315-0569 e 3329-9200

Depósito Bancário Banco do Brasil Agência 3576-9 Conta 4.444-x Assoc. Benef. Islâmica do Brasil cnpj: 43.579.802/0001-92 (necessário enviar cópia do comprovante)

Para confirmar a assinatura da Revista Islâmica Evidencias, preencha este cupom e envie via fax para (0xx11) 3326-8096, ou através do correio para o endereço da Associação Benef. Islâmica do Brasil..


Revista Evidências Edição N11  

Related More from author No related documents 0 0 Primeira revista em portugues, trantando assuntos como: Religião, Cultura, Com...