Page 1

Revista Islâmica

Safar - Jamadi ula de 1432 A.H. - Janeiro a abril de 2011 A.D - Ano 4 / Número 14

R$

9,90

Família

A educação dos filhos

Mundo

O conceito islâmico de “política”

Escritura

Como lidar com o Alcorão Sagrado


Em nome de Deus, o Clementíssimo, o Misericordiosíssimo Revista Islâmica

Prezado (a) Leitor (a),

“Em Nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso” “Enviamos os Nossos mensageiros com as evidências e enviamos, com eles, o Livro e a balança, para que os humanos observem a justiça.” Alcorão Sagrado (57:25)

Revista Islâmica Evidências

é uma publicação da Associação Beneficente Islâmica do Brasil CNPJ 43.759.802/0001-92

Rua Eliza Witacker, 17 – Brás - São Paulo - SP - CEP 03009-030

Telefones: (11) 3315-0569 e 3329-9200

Publicação

Safar - Jamadi Ula de 1432 A.H. Janeiro a Abril de 2011 A.D Ano 4 / Número 14

Diretor-Presidente:

Assayyed Charif Sayyed (Teólogo e Pesquisador em Pensamento Islâmico) sayyed@revistaevidencias.org

Vice-presidente:

Abdallah R. Hammoud

MTB: 53199/SP abdallah@revistaevidencias.org

Tradução:

Os meios de comunicação têm mostrado a insatisfação das populações árabes com certos governantes. Num momento importante como este, muitas pessoas se perguntam: o que o Islã tem a dizer sobre a participação política? Pois esta edição de Evidências que você tem em mãos, prezado leitor, traz um artigo muito interessante de Nasser Hashem Al-Mussawi sobre o conceito de política no Islã. O que podemos dizer é que o Islã, como corpo normatizador de toda a vida do muçulmano, traz, também, regras sobre a participação política. O Islã não separa a espiritualidade da política. Nesta edição, o eminente xeique Nasser Makarem Shirazi dá continuidade à história do Profeta Jacó (a.s.) e de seus filhos, entre eles o Profeta José (a.s.). Trata-se de uma bela história, registrada no Alcorão Sagrado, e que ensina muitas coisas ao ser humano, como humildade, perseverança, concórdia e respeito. Valores que são universais e muito necessários nos dias de hoje, sem dúvida nenhuma. Também trazemos, na seção de “Perguntas e Respostas”, um ensinamento muito importante sobre a importância de se manter a calma diante dos desafios apresentados por nossos filhos. A todos nós, pais, eles apresentam questões novas e desafiadoras. Ficar nervoso(a) nestas situações só piora o quadro e pode desviá-los da conduta correta. Uma boa leitura a todos!

Samir El Hayek (Matemático e Físico pela UNISA)

Jornalista responsável:

Omar Nasser Filho - MTB - 26164 Bacharel em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Mestre em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Departamento Jurídico

Ricardo Trovilho (OAB/SP n° 119.760)

Projeto gráfico / Diagramação: Marcos Faccio Ferreira - (11) 9911-2513 Fale conosco:

faleconosco@revistaevidencias.org abib@mesquitadobras.org.br evidencias_islamicas@hotmail.com Assinaturas:

assinaturas@revistaevidencias.org

E que a paz esteja convosco! Editor Os artigos publicados na “Revista Islâmica Evidências” não refletem, necessariamente, a opinião da revista. NOTA EXPLICATIVA: Ao longo dos textos de “Revista Islâmica Evidências”, o leitor encontrará algumas siglas e sinais particulares, os quais explicamos a seguir: Após a menção ao nome do Profeta Muhammad, segue-se uma letra “S” entre parênteses. Esta é a abreviatura da expressão arábe: “Salla allahu aleihi wa álihi wa sallam”, ou, traduzindo: “Deus o abençoe e lhe dê paz, bem como à sua Família”. Quando é citado o nome de um outro Profeta ou de um Ma’assum (isto é, pessoa imaculada), segue-se a sigla (A.S.), que significa: “aleihi salam” (A paz esteja com ele); “aleiha salam” (A paz esteja com ela); ou “aleihem salam” (A paz esteja com eles). Outra sigla utilizada é (R.A.), que significa “radi’allah an-hu (an-ha)”, ou “Deus esteja satisfeito com ele (ela)”.

Revista Islâmica Evidências - 1


Revista Islâmica Evidências - Ano 2 - número 12

Alcorão Sagrado (57:25)

•Escrituras

Como o Alcorão deseja que lidemos com Ele

•Mulheres

Por Que o Véu no Islã?

•Histórias do Alcorão O Profeta José e o Profeta Jacó(a.s.)

2 - Revista Islâmica Evidências

17

22

25 32

PAG.

•Personalidade Islâmica

PAG.

PAG.

PAG.

O conceito de política no Islã e no alcorão

Ibn al-Nafis

•Sentimentos

Perspectivas de misericórdia

•Livro Lúcido

O Milagres do Alcorão

•Perguntas e Respostas Temperamento nervoso com meus filhos

•Meio Ambiente

A Conduta Ambiental

•Palavras Cruzadas

PAG.

09

•Sociedade

PAG.

parte 15

04

A devoção a Deus com palavras, atos e a vida

PAG.

•Interpretando o Alcorão

03

•Versículos Sagrados

PAG.

A prede de Sábado

01

PAG.

•Preces Diárias

PAG.

O Nascimento do Profeta da Misericórdia(s)

PAG.

•Datas festivas

PAG.

•Cartas

PAG.

Omar Nasser

PAG.

•Caro Leitor

PAG.

14

PAG.

SUMÁRIO

Em Nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso” “Enviamos os Nossos mensageiros com as evidências e enviamos, com eles, o Livro e a balança, para que os humanos observem a justiça.

40

46 53

59

67

70

72

78


Cartas

Envie-nos sua opinião através de carta para: Revista Islâmica Evidências Rua Eliza Witacker, 17 - Brás São Paulo - SP - CEP 03009-030, ou pelo e-mail cartas@revistaevidencias.org

Deus, o Altíssimo, diz:“Em suas histórias há um exemplo para os sensatos” (12:111). Foi dito: “O sensato é quem aproveita a advertência dos outros, quem consulta as pessoas e participa de suas idéias.” Leitor, esta página é dedicada à sua participação: opiniões, pensamentos, críticas e sugestões. Basta enviar sua mensagem pela internet ou carta, citando sempre o seu nome, número do RG e endereço. Devido ao espaço disponível, algumas mensagens podem ser editadas. Desde já, agradecemos por sua contribuição.

Husseim (a.s)

Política

A mensagem do Imam Hussein (que a paz esteja com ele) é hoje mais necessária do que nunca. Quando olhamos em nossa volta, vemos muita corrupção, muita injustiça...Por isso, é muito importante que os muçulmanos, todos os anos, celebrem a célebre figura do neto do Profeta Muhammad (S). E é muito bom saber que outras iminentes figuras da história, como Gandhi, conheciam e louvavam a conduta de Hussein (a.s.) Parabéns pela reportagem da última edição (Opinião dos orientalistas e dos cientistas ocidentais a respeito da revolução do Imam Al-Hussein - a.s.)

O mundo árabe parece estar em convulsão, com a população revoltada tomando as ruas na Tunísia, no Egito e protestando, também, no Iêmen e na Jordânia. Seria muito importante se pudéssemos conhecer o conceito que o Islã tem sobre a política. Se não me engano, além de líder espiritual e Profeta, Muhammad também era líder político, não é mesmo? Parabéns pela revista! Resposta: Prezado Graciano, leia, nesta edição, a matéria sobre “O conceito de política no Islã”. E obrigado!

Alia Hosseini

Graciano Gonçalves Rio Bonito do Iguaçu (PR)

São Paulo (SP)

Drogas

Islã

Um problema que temos aqui em Curitiba é a droga. Infelizmente, vemos, todos os dias, os jovens se entregando a este mal, que destroi o indivíduo e desestrutura as famílias. Gostaria de saber o que o Islã tem a dizer sobre este assunto tão importante. Estou estudando esta brilhante religião, que tem iluminado muito meu caminho! Resposta: Cara Anita, aguarda, por favor, as próximas edições, teremos surpresas para você! Obrigado!

A cada edição da revista Evidências que eu recebo, mais eu fico sem entender – ou, melhor dizendo, mais eu entendo – o porque de a mídia enfocar o Islã apenas sob um ponto de vista negativo. Por outro lado, isso provoca nossa curiosidade e, quando começamos a ler e a estudar sobre o Islã, o Profeta Muhammad e as belas lições deixadas por sua Família Purificada, mais o admiramos.

Anita Gunther Theiss

São Bernardo do Campo (SP)

Otávio Oliveira

Curitiba (PR)

Revista Islâmica Evidências - 3


A Orientação nasceu e o céu se iluminou. E a boca do tempo sorriu e elogiou. O Espírito e os anjos em conjunto Foram auspícios à religião e ao mundo. O Trono floresceu e o recinto desabrochou. E o término da Sidra excelente A revelação goteja em série E a Tábua e o Cálamo maravilhoso ponderando Organizando e registrando os nomes dos mensageiros Na Tábua, o nome de Mohammad foi rubricado. E o monograma do nome de Mohammad O majestoso nome, em letras belas. A Letra “Alef ” está lá e o nome de Táh, Háh é o “Báh”.

4 - Revista Islâmica Evidências


Datas Festivas

O Nascimento do Profeta da Misericórdia(s)

Ó

Profeta, em verdade, enviamos-te como testemunha, alvissareiro e admoestador! E, como convocador (dos humanos) a Allah, com Sua anuência, e como uma lâmpada luminosa.” (33:45-46).

Na Península Arábica antes do advento do Islã, a grave ignorância imperava, assim como a tirania cega, as invasões constantes. Naquela região, as meninas eram enterradas vivas, o derramamento de sangue, a injustiça e a corrupção prevaleciam. Quis a Divina Misericórdia que aquela terra sobrevivesse, que ali a segurança prevalecesse e a alma das pessoas que ali viviam se purificasse... Então nasceu Mohammed Ibn Abdullah (Deus o abençoou e a sua Família e os saudou), no dia 17 do mês lunar árabe de Rabi Al-Awal (1), na cidade de Meca. Difícil para qualquer pesquisador, escritor ou orador, não importa a sua eficiência, desfrute ele de boa comunicação e profundidade de pensamento, estar ciente das dimensões da biografia do Messageiro de Deus (S), porque a seu biografia abrange a sua Mensagem, que fez reviver a nação, uma realidade negada pelos outros povos.

A lua, consigo, é bela e orgulhosa, O mar, consigo, é excelente e generoso. O seu irmão, Jesus (a.s.), resuscitou o morto. E tu fizeste nascer gerações, do nada. (1) O calendário lunar árabe é móvel em relação ao calendário gregoriano (cristão), usado como padrão mundial, atualmente. No ano de 2011 A.D., o Aniversário do Nobre Profeta do Islã (S) – “Maulid Annabi” – foi celebrado no dia 21 de fevereiro.


contudo, da realidade e da essência do que A biografia do Mensageiro de Deus (S) possui a vida do Profeta (S) em termos de lié a história de um ser humano que expandiu ções e admoestação. seu coração para abarcar a dor dos seres humanos e seus problemas. De quem lutou, se Muitos muçulmanos se desviaram, tamempenhou e permaneceu firme, determinado bém, das ordens do Alcorão, de suas proibie forte, resistindo face à força bruta por causa ções e seu conteúdo, do seu apelo à Jihad, ao da fraternidade entre os povos, por causa da empenho, paciência e aos sacrifícios em prol justiça e da liberdade, do amor, da compaixão da verdade e em defesa da boa moral. Eles e da esperança em um se desviaram de tudo futuro melhor para isso ou de mais ainda todos, sem exceção. para ter seus nomes Este é um elogio tanto A biografia do Mensageiro de cantados nas rádios dos que acreditam na Oriente e do OciDeus (S) é a história de um ser do sua Profecia e na sua dente, até mesmo na Mensagem, como dos humano que expandiu o coração Rádio de Israel e na que não acreditam em Voz da Grã-Bretanha, para abarcar a dor dos seres ambas. entre outros veículos de comunicação que Milhões de muhumanos e seus problemas lutam contra a Mençulmanos não conhesagem Islâmica e o cem a biografia do Alcorão. Profeta (S) e a sua Mensagem, que os atrai tanto para o Céu Quanto estamos precisando viver a éticomo para a Terra e seus recursos, aproca do Mensageiro de Deus, que é a ética do fundando o conhecimento sobre o PlaneAlcorão! Certamente, o seu comissionamenta além da sua crosta, dos seus desatinos e to aconteceu por causa da excelência de sua dos seus mitos. Se os muçulmanos engranconduta. Deus elogiou o Seu Profeta em Seu decem e invocam a paz e a bênção de Deus Livro Sagrado: Elogiando a sua razão, disse: para o Mensageiro (S), fazem-no por imita“Que vosso camarada jamais se extravia, ção de palavras herdadas, que repetem com nem erra” (53:2). Elogiando a sua eloquênsuas línguas, a cada dia, centenas de vezes. cia, disse: “Nem fala por capricho.” (53:3). E Pensam que o engrandecem e o santificam elogiando a sua Lei, disse: “Isto não é senão a se invocarem a bênção e a paz de Deus para inspiração que lhe foi revelada” (53:4). Eloele, mesmo que se desviem de seus ensinagiando o seu companheiro, disse: “Que lhe mentos, de sua biografia e de sua mensagem transmitiu o fortíssimo (Gabriel)” (53:5). no momento seguinte, com suas ambições Elogiando a sua sinceridade, disse: “O coe desejos. O Islã é definido com atos e não ração (do Mensageiro) não mentiu acerca apenas com palavras, com a realidade e não do que viu.” (53:11). Elogiando o seu olhar, com slogans vazios, com a cooperação e o disse: “Não desviou o olhar, nem transgretrabalho sincero para o bem das pessoas, e diu.” (53:17). Em seguida, elogiando todo não como monopólio e a exploração do hoele, disse: “Porque és de nobilíssimo carámem pelo homem. ter.” (68:4)

Muitos muçulmanos tomam de sua biografia uma história que repetem no seu aniversário e comissionamento. Elaboraram discursos com palavras ocas e epítetos que enchem as gargantas, empregando-o em seu aniversário e em sua Ascensão, afastando-se, 6 - Revista Islâmica Evidências

Apesar dos percalços e dificuldades, a elevação de milhões de vozes, no Oriente e no Ocidente, expressando, noite e dia: “Não há outra divindade além de Deus e Mohammad é o Mensageiro de Deus” é a prova viva da vitória de Mohammed Ibn Abdullah (S)!


A Divindade junta o nome do Profeta ao Seu Nome Quando o muezzin diz cinco vezes: “Presto testemunho”. Extraiu-lhe algo de Seu Nome para ser reverenciado O Dono do Trono é Mahmoudun (Louvável) e este é Mohammad A vitória de Muhammad (S) não foi a vitória numa expedição, numa batalha, a conquista de Meca, a consolidação do Islã na Península Arábica, a conquista dos reinos de Chosroes e de César, mas foi a vitória cósmica, que entrou na constituição da vida, que mudou o curso da história e ficou impressa na consciência do tempo.

Mohammed bin Abdullah (S) foi vitorioso quando seus companheiros tornaram-se imagens vivas de sua fé, ao alimentar-se, andar no mercado, quando cada um deles tornou o Alcorão vivo, andando sobre a terra, no dia em que transformaram a sua fé no Islã em atos e, também, quando ordenaram a impressão de dezenas, centenas e, depois, milhares de exemplares do Alcorão.

Contudo, o Livro Lúcido não foi impresso com tinta em folhas de papel, mas em folhas de luz, no coração dos homens e das mulheres. “Quando te chegar o socorro de Allah e o triunfo, e vires entrar a gente, em massa, na religião de Allah, celebra, então, os louvores do teu Senhor, e implora o Seu perdão, porque Ele é Remissório.” (110: 1-3) com o Alcorão

A vitória que constitui prova em si De acordo não precisa de eviEste é o MensaSagrado, o tema do culto dência. Quem quiser geiro de misericórdia saber como o Mensaveio logo após a conclusão (S), que foi descrito geiro de Deus (S) e o pelo Alcorão da seda criação do homem e antes Islã obtiveram a vitóguinte forma: “Cheria, que estude a pesda prova dos anjos gou-vos um Mensasoa do Profeta (S), o geiro de vossa raça, seu comportamento, a que tem pena do sua vida e sua luta. A vosso infortúnio, anseia por proteger-vos e vitória de Mohammad Ibn Abdullah (S)aconé compassivo e misericordioso para com os teceu no dia em que os chefes coraixitas foram crentes.” (9:128). Esta é a imagem do Profeta discutir com o seu tio, Abu Tálib, pedindo-lhe (S), humano, em seus belos sentimentos, em para admoestar o sobrinho, que os estava presua ternura e paixão para com as pessoas ao ocupando com sua religião e perturbando-os seu redor. Quando o nobre Profeta Muhamem suas tradições, abalando-os em suas crenmad (S) ascendeu ao céu, chegou a um lugar ças; queriam que ele parasse de falar sobre eles onde o fiel Arcanjo Gabriel (a.s.) parou. O e de criticar seus deuses de madeira e pedra. Profeta (S) lhe disse: “Vá em frente.” Gabriel Se fizesse o que pediam, dariam a Muhammad (a.s.) respondeu: “Se eu me aproximar do ta(S) o que quisesse. Se quisesse, dariam-lhe dimanho de uma formiga deste local, serei queinheiro; se quisesse liderança, nomeariam-no mado.” O Menssageiro (S), então, percorreu seu líde. Teria com eles o que desejasse. Moum longo caminho até chegar à distância de hammad bin Abdullah (S) foi vitorioso quandois arcos ou menos e tirou os calçados. Endo fez soar em seus ouvidos e nos ouvidos do tão, aconteceu o chamado de Deus, o Todotempo a sua eterna frase, brotada das fontes -Poderoso: “Por que tiraste os calçados, ó, Ahda fé: “Por Deus, se pusessem o sol na minha mad?” O Mensageiro de Deus (S) respondeu: mão direita e a lua na minha mão esquerda, “Tenho receio de que me digas o que disseste para que eu deixasse minha missão, não o faa Moisés Ibn ‘Imran (a.s.): ‘Sou teu Senhor! ria, até que Deus a tornasse conhecida ou que Tira as tuas eu perecesse na minha empreitada.” Revista Islâmica Evidências - 7


sandálias, porque estás no vale sagrado Finalmente, se quisermos comemorar o de Tôua!’”. (Tá, Há, 12). Deus, Exaltado seja, Nascimento do Mensageiro de Deus (S), não devolveu: ‘’Se Moisés quis, tu és o objetivo. são suficientes as manifestações decorativas, Pergunta o que deseja, ó, Ahmad.” O Mensacom enfeites nas ruas, nem com canções, pois geiro de Deus (S) continuou: ‘’Ó, Senhor, não a celebração do Aniversário real do Profeta peço pela minha mãe, que me deu à luz, nem (S) é comemorá-lo em nossas mentes, para pelo meu pai, nem por Halima Sa’diya, que me que ela seja a do Mensageiro de Deus (S), amamentou, mas pela para que o nosso coraminha comunidade.’’ ção seja o coração do Muitos muçulmanos se Disse Deus, Exaltado Mensageiro de Deus Seja: ‘’Eu sou o Cria(S). Que cada um de desviaram das ordens do Alcorão dor Propício e tu és o nós diga, no dia do servo nobre e o direie do Profeta, de suas proibições seu Aniversário: “Ó, to de ninguém, entre Mensageiro de Deus, e seu conteúdo, do seu apelo à o Propício e o nobre, eu me ofereço ao será perdido. Por Meu Jihad, ao empenho e paciência Islã com consciência Poder e Majestade die com temor a Deus vidirei o desterro em como presente para ti, duas partes no Dia da Ressurreição. Numa no teu aniversário”. Porque ele se alegra com parte digo: ‘Minha Misericórdia, Minha Mia nossa firmeza, temor e unidade. sericórdia, e na outra tu dizes: ‘Minha comuImitemo-lo, pois a imitação dos generonidade, minha comunidade’.” sos constitui sucesso.

8 - Revista Islâmica Evidências


Preces Diárias

A Prece de Sábado Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso

“Em nome de Deus é a palavra dos protegidos, é a expressão dos cautelosos. Busco refúgio em Deus da injustiça dos tiranos, do ardil dos invejosos, do abuso dos opressores. Louvo-O acima do louvor dos piedosos. Ó Deus, Tu és o Único, sem parceiro, o Soberano sem ser nomeado, não és contrariado em Teu veredicto e não tens rival em Tua Soberania. Peço-Te que conceda paz e graça a Muhammad, Teu servo e Mensageiro, que me inspire agradecer-Te pelas Tuas graças com que possa alcançar a Tua satisfação. Que me ajude a obedecer-Te e na assiduidade de Tua adoração e no merecimento de Tua delicada e atenciosa recompensa, que tenha misericórdia de me afastar de desobedecer-Te enquanto viver e me encaminhe para o que é benéfico enquanto viver, que expanda o meu peito com o Teu Livro, que alivie o meu fardo com a sua recitação. Que conceda segurança a mim e a minha religião, não permita que a minha gente não se entristeça com a minha morte prematura. Completa a Tua benevolência pelo resto da minha vida, como foste benevolente no passado, ó, o mais misericordioso dos misericordiosos!”.


A

Nas Mãos da Prece

prece de sábado começa com vários temas que representam muitas questões relacionadas à fé, de um lado, e à mobilidade da crença na vida humana, de outro, a partir do entendimento de que Deus é o Protetor do crente de todo o mal. Ele é a Quem os seres humanos recorrem contra a opressão dos injustos, o ardil dos invejosos e o abuso dos tiranos. Tudo isso com base no monoteísmo, rejeitando-se o politeísmo. Há, nela, o reconhecimento de que Deus é o Soberano e o Possuidor de tudo, porque é o Único Criador de tudo. Ninguém disputa a soberania com Ele. Ele é a Autoridade que executa a Sua decisão no Universo. Ninguém O rivaliza no Poder. Então, o crente move-se para a invocação da bênção e da graça ao Profeta Muhammad (S), de acordo com as palavras de Allah, Exaltado seja: “Em verdade, Allah e Seus anjos abençoam o Profeta. Ó crentes, abençoai-o e saudai-o reverentemente!” (Alcorão Sagrado, 33:56), para que o ser humano permaneça em agradecimento a Deus nos mais altos graus. Que peça a Deus que o ajude a permanecer firme na obediência e na assiduidade do culto, que o cumule com a Sua vasta misericórdia, vedando-o da prática dos pecados, enquanto viver; que lhe conceda o benefício de ser útil a todo ser humano durante a sua vida, por meio do compromisso com o Alcorão. O crente pede a Deus para ajudá-lo a recitar a súplica conscientemente, elevando-o para o bem que alivia os seus fardos, proporcionando segurança tanto à religião como a ele mesmo. Que conforte a sua família e os seus irmãos, não os entristecendo com a sua morte. Em seguida, suplica a Deus para estender a bondade a ele pelo resto de sua vida, da mesma forma que lhe concedeu a bondade divina no início de sua vida. (Em nome de Deus) “Allah” é o nome Próprio de Deus. É o Mistério da existência, o Criador da ordem cósmica, que rege o movimento do tempo, numa sucessão de dias, na marcha do

10 - Revista Islâmica Evidências

dia e da noite. Em nome de Deus, uma expressão pronunciada pela língua, no início deste dia, para iniciar a atividade e sentir a sua abertura a Deus, para pedir-Lhe auxílio no que a pessoa poderia enfrentar de problemas, obstáculos e eventos negativos, para sentir, por meio desta expressão, que Lhe pertence como servo. É da ética islâmica que cada fala ou ação comece com o nome de Deus, de acordo com a orientação das palavras do Mensageiro de Allah (S): “Todo ato, mesmo insignificante, em que não se menciona o nome de Deus, é inútil”. O que é exigido com isso é que o ser humano viva a Presença de Deus em seu cotidiano, de modo que evoque em si o Seu poder. Afinal, nossa capacidade provém d’Ele. Deus colocou na natureza a mobilidade da vida, para que o monoteísmo seja renovado e consolidado na sua consciência em cada detalhe de sua existência. (A palavra dos protegidos) Deus é Quem protege o servo contra todas as coisas. Com Ele, o crente se mantém firme em sua orientação, proteção e patrocínio, direção e emancipação, inspirando-se e preparando-se quanto aos meios para alcançar os seus propósitos. Deus confirma isso em Seu Livro Sagrado, onde diz: “Quem se apegar a Allah encaminhar-se-á à senda reta.” (Alcorão Sagrado, 3:101), porque isso é o que lhe revela o segredo da Unicidade Divina, com o qual se vincula a Deus em todos os assuntos, uma vez que Deus é o Protetor dos servos, porque a soberania é d’Ele por direito em toda a existência. Não há soberania de outro e as pessoas devem estar sujeitas a esta Soberania, protegendo-se nela, recorrendo a ela em todos os aspectos da vida. Estas são as palavras do Altíssimo: “Apegai-vos a Allah, Que é vosso Protetor. E que excelente Protetor! E que excelente Socorredor!” (Alcorão Sagrado, 22:78). Deus diz em outro versículo: “(...) Salvo para aqueles que se arrependerem, se emendarem, se apegarem a Allah e consagrarem a sua religião a Ele; estes contar-se-ão, assim, entre


os crentes, e Allah lhes concederá uma mag(Busco refúgio em Deus da injustiça dos nífica recompensa.” (Alcorão Sagrado, 4:146). tiranos). A prece refere-se, aqui, àqueles que Aqueles que viveram a fé, declarando o arrepenoprimem a humanidade e praticam injustiça na dimento pelos seus pecados, reformando os seus terra, por intermédio do seu poder, autoridade atos, pedindo a proteção de Deus, apegando-se e arrogância, que fazem tombar à sua frente os ao Seu vínculo, seguindo a linha de Sua orientavulneráveis, levando-os ao desvio e colocandoção, confiando n’Ele, devotando-se a Ele em sua -os em situações de humilhação. Os crentes são religião, são o modelo ideal, que agrada a Deus aqueles que recorrem a Deus, Glorificado seja, que, por isso, lhes proporciona a grande recompedindo refúgio a Ele, e se protegem em Sua forpensa. Em outra oportunidade, Deus, Glorificaça para dar-lhes força, com seus meios, a fim de do Seja, fala a respeito de conceder proteção ao enfrentar os opressores e os injustos, com base ser humano na pessoa do Profeta Muhammad na “força contra força”, ou para livrá-los do mal (S), no seguinte versículo: “Ó Mensageiro, com Sua bondade e misericórdia, dispersando as proclama o que te foi revelado por teu Senhor, manipulações do opressor, livrando os crentes porque se não o fizeres, não terás cumprido a da opressão com Seu Poder insuperável. Este é Sua Missão. Allah te protegerá dos homens” o método da fé, que orienta os crentes a se pro(Alcorão Sagrado, 5:67). Não dê as costas e teger em Deus quando lhes falta a capacidade e não enfraqueça, por a fraqueza os domina, medo de que as pespor meio do domínio A prece de sábado começa com soas falam de você de dos opressores. Devem uma maneira negativa temas que representam questões acreditar que Deus está para demovê-lo de sua com eles. Fortalecemposição, porque Allah relacionadas à fé, de um lado, e à -se com essa força moirá protegê-lo com a ral, não sem serem acomobilidade da crença na Sua gentileza, cuidametidos, às vezes, pela vida humana, de outro do e meios, anulando fraqueza e pelo sofritodos os seus métodos mento. Devem, então, maléficos. Isso é que guiar-se pelas palavras concede ao ser humano força, firmeza e corade Deus, que disse ao Profeta (S): “Quando gem de permanecer firme na sua justa posição, estava na caverna com um companheiro, nos casos de agitação causada pelas pressões de ele disse: ‘Não te aflijas, porque Allah está forças contrárias, na sua enorme variedade. Isso conosco!’ Allah infundiu nele o Seu sossego, abre caminho para continuar sem medo. Assim, confortou-o com tropas celestiais, que não a expressão “Em nome de Deus é a palavra dos poderíeis ver, rebaixando ao mínimo a palaprotegidos” sugere ao ser humano, neste seu dia, vra dos incrédulos, enaltecendo ao máximo a que Deus irá protegê-lo em todos os problemas, palavra de Allah, porque Allah é Poderoso, calamidades e más condições. Quando se protePrudentíssimo.” (Alcorão Sagrado, 9:40). ger n’Ele, sentirá a força espiritual Divina, além (Do ardil dos invejosos). Aqueles que inda sua própria força. vejam as pessoas pelo que Deus lhes concedeu (A expressão dos cautelosos). Cautelosos e atentos, desinibidos em seus assuntos e negócios. Apenas o Teu nome, ó Senhor, acautela os crentes do flagelo que pode afetar as pessoas em situações de emergência, em si mesmos, suas famílias, suas riquezas e honra. Eles recorrem a Deus por meio da confiança n’Ele, para colocar-se em segurança.

de Sua graça, carregando o ódio negro pelo invejado. Eles planejam para rebaixá-lo, fazer perder os seus direitos, oprimindo-o e destruindo suas condições, de forma sutil ou explícita. Deus quis, em Seu Livro, que Seus servos buscassem refúgio nEle do “Mal dos Invejosos”, se pretende oprimir o invejado. A tradição diz: “Se quer invejar, não exagere.” À luz disso, surgiu o procurar refúgio em Allah contra o plano Revista Islâmica Evidências - 11


dos invejosos, com suas maquinações, porque Deus está no controle do que eles estão pensando e em que Se move para livrar os crentes invejados das conspirações, astúcias e malicias dos invejosos. Talvez é nos inspirado com a busca do refúgio contra as conspirações dos invejosos, que a questão do perigo da inveja no invejoso não constitui de influência do mal sobre o invejado, mas está na ordem de seu abuso e agressão contra ele, através do maléfico planejamento em suas tramas e conspirações.

Deus por esta bênção’; e quando ficava triste com algo, dizia: ‘Louvado seja Deus por tudo.’”

crente se abre para o louvor a Deus ele se eleva, atingindo, com isso, o que ele merece, sem restrições. O ser humano oferece o culto a Allah com a expressão “Louvado seja Deus”, que contém todos os elogios. O Imam Jaafar Assádiq (a.s.) disse: “O Mensageiro de Deus (S), quando ficava satisfeito com algo, dizia: ‘Louvado seja

(O Soberano sem ser nomeado) Ninguém Te nomeou como Soberano. Tu és o Soberano de cada coisa por Ti mesmo, porque és Eterno, não és antecipado por nada nem posterior a nada. És o Dono do universo por Tua criação e Tu não tens necessidade dele. Todos os proprietários tomaram suas propriedades de Ti, Sobera-

(Ó, Deus, Tu és o Único, sem parceiro) Alcancei a Tua Unicidade por meio do mistério do instinto que colocaste nos componentes da minha existência, como disseste em Teu Livro: “É a obra de Allah, sob cuja qualidade inata Allah criou a humanidade. A criação feita por Allah é imutável. Esta é a verdadeira religião; porém, a maioria dos humanos o ignora.” (Alcorão Sagrado, 30:30). O instinto levou-me ao monoteísmo, não há outra divinda(Do abuso dos opressores) em sua agresde além de Ti, não há Senhor além de Ti, nem são contra os oprimidos que tem controle sobre parceiro conTigo, porque não há semelhante o mal ou o bem que possa atingi-los, nem cona Ti nem substituto para Ti. Isso revelou-me a seguem se livrar da injustiça. Deus os protege verdade universal e o equilíbrio da ordem cósdaqueles, porque, Glorificado seja, está à dismica: “Se houvesse nos céus e na terra outras posição de todos os oprimidos e em auxílio do divindades além de Allah, (céus e terra) já se necessitado, porque Ele não ama os injustos. E, teriam desordenado. Glorificado seja Allah, possivelmente, sugere o buscar refúgio em Deus Senhor do Trono, por tudo quanto Lhe atria contra os opressores, seja assumir uma força buem!” (Alcorão Sagrado, 21:22). “Allah não espiritual para enfrentá-los quando submetidos teve filho algum, nem jamais nenhum outro ante alguns elementos de vulnerabilidade. Isso Allah compartilhou com Ele a divindade! irá acrescentar-lhes força e firmeza na sua posiPorque se assim fosse, cada Allah ter-se-ia ção, o que transforma o elemento espiritual em apropriado da sua criação e teriam prevabusca de refúgio em Deus em força no compolecido uns sobre os outros. Glorificado seja nente físico, levando-se em conta no vínculo do Allah de tudo quanto corpo à estabilidade de descrevem!” (Alcoseu lado espiritual, nas interações realistas, e Há, nela, o reconhecimento de rão Sagrado, 23:91). Portanto, a tendência o problema não é um em todas as coisas tencaso direto de abstraque Deus é o Soberano e o de somente para Ti, o ções metafísicas. Possuidor de tudo, porque é o culto é somente a Ti, (Louvo-O acima a obediência é somendo louvor dos pieÚnico Criador de tudo te a Ti. É a uniformidosos), porque Deus dade na divindade, na é Quem tem todo o adoração, a obediência louvor em Si. Não há somente a Ti. É a uniformidade absoluta, que louvor além do dirigido a Ele. Ele não concede representa na nossa existência perante isso, a louvores a quem não merece, porque d’Ele é o servidão absoluta a Ti. louvor absoluto, sem limite. Por isso, quando o

12 - Revista Islâmica Evidências


no do Poder “Tu concedes a soberania a quem Te apraz e a retiras de quem desejas; exaltas quem queres e humilhas a Teu bel-prazer. Em Tuas mãos está todo o Bem, porque só Tu és Onipotente.” (Alcorão Sagrado, 4:26)..

dir a Sua bênção para o Seu Mensageiro (S); então pedi o que necessitais, porque Deus é por demais generoso para que aceite um dos dois pedidos (que abençoe o Seu Mensageiro) e negue o outro.”

(Não és contrariado em Teu veredito), porque o Juízo Te pertence neste mundo e no Outro. Allah, Exaltado seja, diz: “Sabei que o juízo só cabe a Allah, Que dita a verdade, porque é o melhor dos juízes.” (Alcorão Sagrado, 6:57). Quem possui poder de contrariar-Te? Que capacidade ele tem, sendo o servo incapaz de qualquer coisa sem Tua permissão e auxílio? Todo o Juízo Te pertence, todas as sentenças Te pertencem na ação e na legislação, porque és o Soberano e o Dominante de tudo.

(Que me inspire a agradecer-Te pelas Tuas graças, com que possa alcançar a Tua satisfação), porque és o protetor de toda graça, não há protetor da graça além de Ti. És o proprietário de todo o bem. É de Ti tudo que nos rodeia e em ti reside o final de cada desejo; não há, depois do desejo de Ti, qualquer desejo. Inspira-me, ó Senhor, a agradecer-Te como mereces e que possas satisfazer-Te do que mereces de nós. Não alcançamos isso com a nossa própria capacidade, porque o nosso agradecimento a Ti constitui numa nova graça, pela qual devemos agradecer-Te. Como conseguimos agradecer-te devidamente?

(E não tens rival em Tua Soberania). Todos são Teus servos quem não possuem poder nem além do que concedes a eles. Eles estão submetidos a Ti em toda a sua existência. Como podem rivalizar a Tua soberania para participarem dela, ou para superar-Te, eles que estão flutuando em Tua soberania, que os cerca de todos os lados, dentro e fora de si? (Peço-Te que conceda paz e graça a Mohammad, Teu servo e Mensageiro), que Te mostrou a nós e nos guiou à Tua religião, que nos transmitiu a Tua Mensagem, que nos recitou os Teus versículos, que nos ensinou o Teu Livro e Sabedoria, que nos concedeu a bênção às nossas mentes e almas, que nos auspiciou a Tua recompensa, se Te obedecermos. E nos admoestou quanto ao Teu castigo, se Te desobedecermos. Por isso, pedimos que lhe conceda dignidade de Tua bênção, elevando os seus graus, em recompensa pelo seu esforço no desempenho da transmissão da mensagem, salvando-nos do extravio. Observamos, aqui, a ética da solicitação para que Deus Altíssimo conceda bênção e paz ao Profeta Muhammad (S). Isto é o que encontramos repetido em várias súplicas dos membros de Ahl al-Bait, a Gente da Casa, ou seja, os parentes mais próximos do Mensageiro (AS). Um deles, o Imam Ali (a.s.), disse no seu célebre livro Nahj Al Balágha: “Se necessitardes de Deus, Glorificado seja, começai por pe-

(Que me ajude a obedecer-Te), porque com a obediência a Ti consigo alcançar a sinceridade no desempenho das minhas responsabilidades para conTigo, em fazer o que me ordenaste fazer, e a abster-me do que me proibiste, tanto em meus assuntos públi-


cos quanto privados. Peço-Te, ó Senhor, que me ajudes a obedecer-Te, porque a persistência na Tua obediência exige a minha paciência, e vem de Ti a recompensa e o cuidado. Foi narrado que o Imam Jaafar Assádiq (a.s.) disse: “O ápice da obediência a Deus é a paciência e a satisfação”. O Imam Ali (a.s.) disse: “A pessoa mais digna de receber a misericórdia de Deus é a mais paciente.” Eu sei, ó Senhor, que só nos ordenastes a obedecer aquilo que nos é benéfico; só proibistes desobedecermos aquilo que nos é maléfico. Narra-se que o Imam Ali (a.s.), em seu testamento ao seu filho, disse: “(...) Que Ele (Deus) não te ordenou a não ser a prática do bem e não te proibiu a não ser a prática do mal.”

para conhecer - pela estimativa do que é benéfico neste mundo e no Outro – a localização do que Te agrada, e seja inspirado, na minha fé aberta, a todos os meus trabalhos, palavras e atitudes, todo o vocabulário da obediência na linha da satisfação, para adquirir, assim, a infalibilidade da visão, para não cometer erro em julgar as coisas, com o péssimo se tornando bom e o bom se tornando péssimo, e passe a adquirir, desta forma, a infalibilidade no movimento da realidade.

(Que expanda o meu peito com o Teu Livro) porque o Teu Livro, o Alcorão Sagrado, é o livro do qual “A falsidade não se aproxima dele (o Livro), nem pela frente, nem por trás; é a revelação do Prudente, Laudabilíssimo.” (Alcorão Sagrado, 41:42). Ele é a luz que ilumina os (E a assiduidade de Tua adoração), que é outros, não precisa de iluminação de ninguém. O a aparência de minha adoração a Ti, na minha Altíssimo diz: “Já vos oração por entre Tuas chegou de Allah uma mãos, na minha incliOs crentes são aqueles que Luz e um Livro esnação e prostração, clarecedor, pelo qual minhas invocações e recorrem a Deus, Glorificado Allah conduzirá aos a contrição da minha seja, pedindo refúgio a Ele, caminhos da salvação vontade perante Ti. aqueles que procurae se protegem em Sua força (E o merecimenrem a Sua complacênto de Tua delicada e para dar-lhes força cia e, por Sua vontade, atenciosa recompentirá-los-á das trevas e sa) é a recompensa que os levará para a luz, nos prometestes, se seencaminhando-os para a senda reta.” (Alcoguirmos a linha reta, no verdadeiro significado rão Sagrado, 5:15-16). Uma revelação que reflete da servidão perante a divindade absoluta e por a Tua palavra, ó Senhor, a Tua vontade e a Tua meio de Teu cuidado, que nos cumula com bonlegislação. Assim, ele extrai as pessoas das trevas dade, misericórdia, bênção e compensação. para a luz, a luz do pensamento, do dinamismo e (Que tenha misericórdia de mim, afasda vida, que obriga as pessoas a entender e aprentando-me de desobedecer-Te enquanto viver) der os seus segredos, compreendam os conceitos Tu, ó Senhor, ó Misericordioso com Teus serassociados às suas vidas em localidades que agravos, e a Tua misericórdia abrangem todas as coidam a Deus, e seguem ao Seu Mensageiro. O que sas. Peço-Te que eu tenha inspiração espiritual, desejamos de Ti, ó Senhor, é que nos inspire no que me eleve aos horizontes do Espírito, que me conhecimento, auspicioso e brilhante, que explicoloque em locais próximos de Ti. Assim, meu que o significado de seus versículos e abra nossas coração se enche de dedicação a Ti e a minha mentes para todas as informações relevantes, em mente se sublima com o Teu conhecimento, a doutrina e lei, nas aspirações e solução dos nosso minha vontade se fortalece com a minha obediproblemas e necessidades. Disseste, ó Senhor, no ência a Ti. Isso me veda de me expor à Tua ira e Teu Livro Lúcido: “Porventura, aquele a quem a me atrever a desobedecer-Te, graças à força da Allah abriu o coração ao Islã, e está na Luz crença em Ti e o amor e a submissão a Ti. de seu Senhor... (não é melhor do que aquele a quem sigilou o coração)? Ai daqueles cujos (E me encaminhe para o que me é benéfico corações estão endurecidos para a recordação enquanto viver), que me inspire a introspecção, 14 - Revista Islâmica Evidências


de Allah! Estes estão em evidente erro! Allah mos o seu exemplo, nas palavras do versículo: revelou a mais bela Mensagem: um Livro ho“Realmente, tendes no Mensageiro de Allah mogêneo (com estilo e eloquência), e condizenum excelente exemplo para aqueles que têm te. Por ele, arrepiam-se as peles daqueles que esperança em Allah e no Dia do Juízo Final, temem seu Senhor: logo, suas peles e seus corae invocam Allah frequentemente.” (Alcorão ções se apaziguam, ante a recordação de Allah. Sagrado, 33:21). As pessoas ouviam o versículo Tal é a orientação de Allah, com a qual encado Profeta (S), e, em seguida, imitavam a sua minha quem Lhe apraz. Por outra, quem Allah conduta de forma viva e prática. desviar não terá orien(Que me conceda tador algum. (Alcorão segurança a mim e a Tu, Senhor, és o Soberano Sagrado, 39:22-23). minha religião), porDesejamos de Ti, tamde cada coisa por Ti mesmo, que Tu és Quem me bém, ó Deus, que nos encaminha para a seguporque és Eterno, não és oriente para que possarança, que me protege mos compreender o seu antecipado por nada nem do erro e do desvio e me conteúdo espiritual, inorienta para a Tua senda posterior a nada telectual e prático, para reta, para não adiantar nos guiar na escuridão nem atrasar um passo da dúvida e da ilusão. sem que eu saiba que (Que alivie o meu fardo com a sua recitação), com a recitação consciente e profunda, que faz meditar em seus versículos, seguindo as palavras do Altíssimo: “Não meditam, acaso, no Alcorão? Se fosse de outra origem que não de Allah, haveria nele muitas disparidades.” (Alcorão Sagrado, 4:82). E as palavras: “Não meditam, acaso, no Alcorão, ou é que seus corações são insensíveis?” (Alcorão Sagrado, 47:24). “(Eis) um Livro Bendito, que te revelamos, para que os sensatos recordem os seus versículos e neles meditem” (Alcorão Sagrado, 38:29). Assim, o Alcorão penetra na mente, no coração e na vida, incorporando o ser humano na prática do que preconizam os versículos, levando as pessoas realmente a absorver o que entendem do seu conteúdo, porque Deus quer que o Alcorão seja um modo de vida, como Ele mesmo diz: “Ó, crentes, atendei a Allah e ao Mensageiro, quando ele vos convocar à salvação. E sabei que Allah intercede entre o homem e o seu coração, e que sereis congregados ante Ele.” (Alcorão Sagrado, 8:24). Assim, os fardos do ser humano são aliviados pela obediência a Deus, representada pela sua consciência do Alcorão, como acontecia com o Profeta Muhammad (S), tendo como conduta o Livro Sagrado. Por isso, Deus deseja que siga-

nisso vá satisfazer-Te, porque não gosto de apressar o que atrasaste nem atrasar o que adiantaste. E Tu, ó, Senhor, é Quem possui a minha vida e a minha morte, pois a vida e a segurança provêm de Ti na continuação da vida. Aqui estou eu pedindo, ó Senhor, o Teu bem-estar em tudo. (Não permita que o meu povo se entristeça com a minha morte prematura). Concede-me pela Tua sentença o prolongamento da minha vida, por Tua vontade. Assim, a minha família não ficará triste pela Tua determinação de minha morte. (Completa a Tua benevolência pelo resto da minha vida, como foste benevolente no passado). És o concessor do bem na minha existência, nos detalhes da vida. Continuo seguindo de uma benevolência a outra na imensidão de Tuas graças, em todos os meus assuntos e situações. Suplico-Te, ó Senhor, que me conceda, pelo resto da minha vida, a benevolência que me foi concedida antes. Ó, o mais misericordioso dos misericordiosos, porque, Senhor, constituo o mistério de Tua misericórdia, que abrange todas as coisas. Não há nenhuma esperança para mim, em toda minha vida, a não ser nela. Estas são, ó Senhor, as minhas palavras para Ti neste meu dia de sábado. Concede-me o melhor dele e o melhor que há nele, por favor, ó Senhor do Universo! Revista Islâmica Evidências - 15


“E quando dissemos aos anjos: Prostrai-vos ante Adão! Todos se prostraram, exceto Lúcifer que, ensoberbecido, se negou, e incluiu-se entre os incrédulos.” (Alcorão, 2:34)


Interpretando o Alcorão

Assayed Charif Sayyed Al ‘Ámili

Exegese do Alcorão Sagrado Parte 15

P

senta tão somente uma forma de culto a Adão, arece, à primeira vista, que a questão para que este se opusesse à fé monoteísta e à de se prostrar diante de Adão (a.s.) unificação do culto. Como Deus ordenaria a veio depois da experiência dos anjos e Seus servos atribuir-Lhe parceiros quando Ele depois de terem sido ensinados os nomesmo não perdoa quem Lhe atribui parceiros? mes a ele. Mas, se olharmos atentamente para os versículos do Alcorão Sagrado, veremos que A deferência concedida a Adão por Deus é o tema do culto veio logo após a conclusão da um sinal da amabilidade do Criador para com criação do homem e antes da prova dos anjos. o homem, como aconteceu com Jacó e sua faDeus disse: “Quando o tiver plasmado e alenmília, quando se encontrou com o filho José. tado com o Meu Espírito, prostrai-vos ante Deus, Exaltado seja, ele.” (38:72). A prostradisse a ele: “José ção, portanto, veio imehonrou seus pais, diatamente após a alma De acordo com o Alcorão sentando-os em ter sido inspirada na seu sólio, e todos se Sagrado, o tema do culto pessoa humana. Mas, se prostraram peranos Anjos obedecessem à veio logo após a conclusão te eles; e José disse: ordem de Deus de prosÓ meu pai, esta é a da criação do homem e antes trarem perante Adão, interpretação de um antes de ficar clara a da prova dos anjos sonho passado que posição deste, o ato não meu Senhor realiteria sido considerado zou.” (12:100). Do uma honra para os anjos. Eis, portanto, os quaoutro lado, a obediência a Deus, em conformitro prêmios que Allah concedeu ao homem: 1) dade com as Suas ordens cumpre a função de Criou-o com a Sua generosa Mão; 2) Alentoumaximizar a criação, como uma manifestação -o com o Seu Espírito; 3) Ordenou aos anjos de Sua grandeza. prostrar perante ele; 4) Ensinou-lhe os nomes Há um ponto fundamental nesta área: qualdas coisas. quer ato de adoração do ser humano dirigido a “Todos se prostraram exceto Lúcifer”. uma pessoa é idolatria. A prostração ou a subAdão abriu os olhos e viu todos os anjos prosmissão ao homem ou ao ídolo torna-se culto a trados perante ele... Quanto à forma, como foi a eles, a não ser quando isso é feito em obediênprostração? Onde? E quando ela ocorreu? Tudo cia a Deus, quando é ordenado por Ele. Neste isso é do conhecimento invisível de Deus. caso, o ato constitui-se em culto a Deus, embora dirigido a uma pessoa ou outra coisa. BeiPor que Deus ordenou aos anjos prostrajar a pedra negra(1), por exemplo, é um culto a rem-se diante de Adão? Esta questão não repre-

1 - Em árabe, “Al Hajr Al Assuad”, uma pedra de cor negra engastada na parte inferior de uma das quinas da Caaba Sagrada, em Meca (NE).

Revista Islâmica Evidências - 17


Ele, porque isso não está relacionado com a Sua Própria Grandeza, mas é uma ordem divina. A pedra negra é considerada um símbolo de santidade – e não a santidade em si mesma – e um objeto de rituais de adoração. O poeta diz: Passo pela casa, casa de Leila E beijo as suas paredes. Não é o amor pela casa que ocupa o meu coração Mas o amor pelos habitantes da casa. Os anjos diferem do Diabo? E este, pertence à categoria dos anjos ou não? Foi dito que o Diabo fazia parte do grupo dos anjos, conforme indicado pelo versículo: 18 - Revista Islâmica Evidências

“Exceto Lúcifer que, ensoberbecido, se negou, e incluiu-se entre os incrédulos.” Por outro lado, há os que defendem que Satanás não era um dos anjos. As pistas para esta argumentação estão no Alcorão Sagrado: 1- As palavras de Deus, Exaltado seja: “Menos Lúcifer, que era um dos gênios.” (Alcorão, 18:50). Quando foi utilizada, a palavra “gênios” indicava uma espécie de seres diferente das espécies dos humanos e dos anjos. 2- As palavras de Deus, Exaltado seja: “Que jamais desobedecem às ordens que recebem de Deus, mas executam tudo quanto lhes é ordenado.” (Alcorão, 66:6). O Satanás, porém, negou a ordem de Deus, categoricamente. 3- As palavras de Deus, Exaltado seja: “Que fez dos anjos mensageiros, dotados de dois, três ou quatro pares de asas.” (35:1).


Deus os descreveu como portadores de mensagens, função que eles não podem executar e, ao mesmo tempo, cometer incredulidade ou depravação. 4- Satanás tem descendentes criados do fogo e os anjos foram criados espiritualmente, sem sexo. Se o Satanás pertencia aogrupo dos “gênios”, por que Deus o censurou por não se prostrar, sendo a ordem direcionada aos anjos? A resposta é: É verdade que Satanás era um gênio, mas tinha vivido na comunidade dos anjos, de modo que a ordem foi dirigida a ele, também. Ele se comportou como anjo na adoração, mas como gênio na sua configuração. Por que Satanás se recusou? O Todo-Poderoso Deus reprovou Satanás: “Ó, Lúcifer, o que te impede de te prostrares ante o que criei com as Minhas Mãos?” (38:75). Desejo que se incline, humildemente pela grandeza do Criador: “Estás ensoberbecido”, querendo se engrandecer em vez de se curvar perante as ordens de Deus em relação a esta importante criatura: “ou é que te contas entre os altivos?” (38:76), que possuem essa grandeza de forma natural. Ele respondeu, cheio de inveja: “Sou superior a ele; a mim me criaste do fogo, e a ele, do barro.” (38:79).

o barro e o elimina. Este raciocínio foi adotado, por exemplo, por Bashar Ibn Burd: Satanás é superior ao vosso pai Adão, Têm cuidado, rebeldes! Satanás é chama e Adão é barro, E o barro não pode superar o fogo. Satã cometeu grande erro, em vários aspectos: Primeiro, porque Adão não é composto apenas de barro, mas de Espírito, que Deus lhe soprou, e este é o motivo de sua grandeza. Onde está o barro em relação ao orgulho, à preparação e à integração? Segundo, porque a terra não é inferior ao fogo, mas é muito melhor. Toda a vida e as fontes de sua origem provêm do solo. As plantas e todas as coisas vivas adquirem a sua nutrição e a sua fonte de vida a partir da terra. Em conclusão, a terra é a fonte de todo tipo de bênção e o fogo, apesar de sua grande importância na vida, não chega a alcançar a importância dela. Mesmo os produtos que são necessários para a criação, manutenção e expansão do fogo, como a lenha, o carvão e o fósforo, provêm da bênção da terra. A lama inspira sobriedade e paciência, tolerância e crescimento, enquanto o fogo inspira ferocidade, ardor e destruição.

A deferência concedida a Adão por Deus é um sinal da amabilidade do Criador para com o homem, como aconteceu com Jacó e sua família

Satanás apresentou o motivo de não se prostrar perante Adão, desobedecendo a ordem de Deus da seguinte forma: “Criaste-me de fogo e ele foi criado do barro...”. Esta é uma verdade confessada pelo Alcorão Sagrado: “Ele criou o homem da argila pura, como a da cerâmica. E criou os gênios do fogo vivo.” (55:1415). Ninguém tem o direito de ordenar a uma criatura prostrar-se diante de outra criatura inferior. Aquele que é criado de fogo é superior a quem é criado do barro, porque o fogo queima

Terceiro, porque a questão toda diz respeito à obediência aos mandamentos de Deus e a sua aplicação. Eis um diálogo interessante. Diz uma dos interpretadores do Alcorão: “Quando ordenou a Satanás para se prostrar diante de Adão, disse aquele a Deus, Exaltado seja: ‘Retira de mim a honra de me prostrar diante de outro além de Ti. Se tu me ordenas, me proibes’, significando que Revista Islâmica Evidências - 19


a prostração é uma honra se for para Ti, e Tu me proibiste de adorar aoutro além de Ti. Agora, me ordenas a prostrar diante de Adão. Se tu me me ordenas, me proibes!” Deus disse: “Eu vou atormentá-lo para sempre...” Disse-Lhe o Satanás: “Se me atormentas, me observarás?” O Exaltado disse: “Sim”. O Demônio retrucou: “A doçura de olhar para Teu rosto me faz esquecer a dor do sofrimento.” Aqui foi proferida a ordem de expulsão do maior exemplo da rebeldia, arrogância e baixeza, o qual foi amaldiçoado até o Dia do Juízo: “(Allah lhe) disse: Vai-te daqui, porque és maldito.” (38:77). Nós não sabemos o que se pretende com “daqui”, se é do Paraíso, ou da misericórdia de Allah. Ambas as suposições são válidas. Não há lugar para muita discussão: “E a Minha maldição pesará sobre ti, até o Dia do Juízo!” (38:78).

a todos os seres humanos. Só exclui de suas intenções e planos aqueles sobre os quais não tem autoridade, não por desejo próprio, mas por incapacidade de alcançá-los! Dessa forma, revela a barreira entre ele e os que escapam de sua astúcia e seu enredo, e a proteção que o veda de alcançá-los. É o culto a Deus que os salva. Este é o caminho para a salvação, a linha da vida! Isso de acordo com a vontade de Deus e Sua determinação quanto à morte e à sobrevivência. Ele, Exaltado seja, anunciou a Sua Vontade. O Imam Sádiq (a.s.) observou: “O primeiro a ser avaliado foi Satanás e ele ensoberbeceu. A arrogância é a primeira desobediência cometida contra Deus.” Então (a.s.), o Imam completou: “Satanás disse: ‘Ó, Senhor, isenta-me da prostração perante Adão, que vou adorá-Lo de forma que ninguém adorou, nem anjo próximo, nem Profeta enviado.’ Deus, Exalatado e Glorificado seja, respondeu: ‘Não necessito de sua adoração. Desejo a adoração de quem desejo, e não o que você deseja.’ Ele rejeitou se prostrar. Deus, Exaltado seja, ordenou: “Vai-te daqui, porque és maldito e a Minha maldição pesará sobre ti até o Dia do Juízo!’ (Alcorão, 38:7778). Satanás disse: “Senhor, Como é isso, se és o Justiceiro que não oprime? Será que a recompensa pelos meus atos não tem valor?” O Senhor devolveu: “Não, mas pede ao mundo o que tu queres de recompensa pelos teus atos, que te darei.” A primeira coisa que ele pediu foi permanecer até o Dia do Juízo. Deus disse: “Eu te concedo”. O Satanás pediu: “Concede-me autoridade sobre os filhos de Adão.” O Altíssimo respondeu: “Concedo-te autoridade.” O Demônio continuou: “Que eu percorra o seu corpo como o faz a circulação sanguínea.” Allah falou-lhe: “Que assim seja”. Continuou o Satã: “Toda vez que o ser humano tiver um filho, que eu tenha dois. Que os veja e eles não me vejam. Que eu afigure para eles na forma que eu de-

Adão não é composto apenas de barro, mas de Espírito, que Deus lhe soprou, e este é o motivo de sua grandeza

Trata-se de uma ordem de maldição e expulsão firme, uma penalidade por se atrever diante da ordem de Deus.

Aqui a inveja transformou-se em ódio. E a concepção da vingança brotou no íntimo de Satã: “Disse: Ó Senhor meu, tolera-me, até ao dia em que forem ressuscitados!” (38:79). E a vontade de Deus se realizou pela sabedoria do conhecimento para conceder-lhe o pedido, dando-lhe a oportunidade que queria. Porém, o Diabo não se contentou com o pedido de que lhe fosse dado tempo suficiente para consertar o que havia feito. Ele precisava de tempo, com a intenção de seduzir os seres humanos. Satã revelou o seu objetivo, de destilar seu ódio: Disse: “Por Teu poder, que os seduzirei a todos.” E continuou: “Exceto, entre eles, os Teus servos sinceros!” Satanás nõ tem qualquer autoridade sobre os servos crentes de Deus. E, assim, foi determinado o seu método, a sua maneira. Ele jura pelo Poder de Deus atrair 20 - Revista Islâmica Evidências


sejar.” Deus respondeu: “Eu te concedo.” Satanás pediu: “Ó, Senhor ... concede-me mais.” E Deus (SWT) disse: “Faço-te morar em seus corações.” Satanás falou: “Senhor, me é suficiente ... ‘Disse (Satanás): Juro que, por me teres extraviado, desviá-los-ei da Tua senda reta. E, então, atacá-los-ei pela frente e por trás, pela direita e pela esquerda e não acharás, entre eles, muitos agradecidos!’” (7:1617).

concede-me mais.” E Deus respondeu: “A porta de arrependimento ficará aberta até o teu último momento de vida.” E Adão (a.s.) prosseguiu: “Ó, Senhor, concede-me mais”. Allah, então, falou: “Vou perdoar sem conta.” Adão disse: “É-me suficiente.” Esta é a batalha entre Satanás e os filhos de Adão, travada com conhecimento. E o fim é transparente na promessa clara, sincera e verdadeira de Deus. As consequências deste embate acontecerão de acordo com a escolha que os homens fizerem para si próprios. A misericórdia de Deus, contudo, do alto de sua clemência, misericórdia e bondade, não quis deixá-los ignorantes ou esquecidos. Por isso, enviou-lhes os admoestadores (Profetas).

É o culto a Deus que salva os crentes sinceros. Este é o caminho para a salvação, a linha da vida!”

Então, disse Adão (a.s.): “Ó, Senhor, deste autoridade a ele sobre os meus filhos e o colocaste na corrente sanguínea deles; deste a ele o que quiseste. O que eu e meu filho teremos?” Deus respondeu: “O seu mau ato será considerado um só e o seu bom ato será considerado dez vezes.” Adão (a.s.) pediu: “Senhor,


Escrituras

Alcorão deseja que lidemos com ele

Como o

A

bondade de Deus e Sua misericórdia para com os muçulmanos são demonstradas pelo ensinamento que Ele (SWT) nos legou para lidar com o Seu Livro. Há uma série de versículos que falam disso: 22 - Revista Islâmica Evidências

1. A meditação: Deus, o Altíssimo, diz: “Não meditam, acaso, no Alcorão, ou é que seus corações são insensíveis?” (Alcorão, 47:24). corações insensíveis... Tais como casas, lojas ou caixas fechadas... Portas e janelas cerradas, cortinas extendidas... É possível entrar luz, ar puro ou


qualquer outra coisa nestes ambientes? Os corações fechados, que não recebem o esplendor de luz, nem uma lufada de ar, são como um túmulo de solidão, habitado por vermes. O coração em que não entra a luz do Alcorão, que não é movido pela brisa do Livro Lúcido, é como um coração que corrompe o ar no seu interior e inunda-o de escuridão, até que se torne abandonado, um lugar deserto. A luz do Alcorão, que se infiltra nos ouvidos que possuem o conhecimento da Escritura e nos corações dos que meditam nele, é como a alma de um vale profundo que recebe a chuva do Alcorão.

o recites paulatinamente aos humanos.” (17:106). Para que os muçulmanos aprendam o Alcorão pouco a pouco. A biografia do Profeta (S) afirma ele costumava ensinar aos muçulmanos dez versículos de cada vez. Quando os aprendiam, ensinava outros dez. O ensino não significava, apenas, aprender as palavras e os seus significados, mas também agir conforme elas.

• Buscar refúgio antes da leitura. Ele, Exaltado seja, diz: “Quando leres o Alcorão, ampara-te em Deus contra Satanás, o maldito,” (16:98). O papel do Satanás é nos desviar de todo bom ato e evitar que nos aproximemos 2. A admoestação: Eis o versículo: “Em de Deus, Glorificado e Exaltado seja, dizenverdade, facilitamos o Alcorão, para a addo em voz alta: “desviá-los-ei da Tua senda moestação. Haverá, porventura, algum que reta”. (7:16). Para inreceberá a admoestagressarmos no mundo ção?” (57:17). O Alcodo Alcorão Sagrado, rão é claro, evidente e O coração em que não entra a luz sem nenhuma barreira, fácil de entender, com suas parábolas, con- do Alcorão, que não é movido pela brisa temos de buscar refúgio em Deus contra o ceitos e ensinamentos. do Livro Lúcido, é como um coração Satanás, o amaldiçoTodas as instruções ado. Deus é o melhor divinas para quebrar o que corrompe o ar no seu interior Protetor, Que nos deciclo da ignorância e fende do Demônio: indiferença e estabele“Dize: Amparo-me cer a presença da consno Senhor dos humanos, o Rei dos humanos, ciência, da memória e da atenção, estão nele o Deus dos humanos, contra o mal do suscontidas. surro do malfeitor, que sussurra aos coraO que nos ajuda a ler o Alcorão Sagrado ções dos humanos, entre gênios e humanos!” são os seguintes itens: (114:1-6). • Ler o que se pode, ou o que for permitido • Ouvir e escutar. Eis o versículo: “E pelas circunstâncias e pelo tempo disponível. quando for lido o Alcorão, escutai-o e caConforme está contido no versículo: “Recitai, lai, para que sejais compadecidos.” (7:204). pois, o que puderdes do Alcorão!” (73:20). Quem ouve o Alcorão e o recebe nos momentos Ou seja, não há obrigatoriedade em recitar dede serenidade e atenção, conquista algo difeterminado número de versículos. O campo está rente do que é recebido desatenciosamente. Há aberto para o que pudermos ler. O importante versículos que lemos repetidamente, mas deinão é um número grande de leitura, mas o tipo xam em nós o efeito desejado, como deixa uma de leitura que se faz: atenta, criteriosa, reflexileitura melodiosa triste, que encarna os versíva. Então, se lermos as palavras sem refletir soculos devidamente. É a mesa coisa quando nos bre os seus significados, sem nada guardarmos deparamos com a descrição de cenas graves e delas, a leitura transforma-se em ato mecânico assustadoras, como as da Ressurreição, do Pae inócuo, sem nenhum interesse ou benefício. raíso e do Inferno. Da mesma forma, nos atra• Ler devagar, conforme Ele diz: “É um em os atos de bondade e caridade e nos causam Alcorão que dividimos em partes, para que repugância e geram nosso afastamento os atos Revista Islâmica Evidências - 23


do pecado, o mal, o politeísmo e a agressão. Um grupo de gênios escutou o Alcorão .. e o seguiu. E um grupo de politeístas coraixitas o ouviu.., e o seguiu. E um grupo de não-muçulmanos o ouviu ... e o seguiu. Quantos versículos mudaram o curso da vida de alguém! • Buscar um ritmo melodioso: uma forma de melhorar a leitura do Texto Sagrado e fazer com que ela produza um impacto na alma é usar a melodia. Allah ordena: “e recita fervorosamente o Alcorão.” (73:4). A forma de recitá-lo é lenta, adotando um belo ritmo da recitação. Por isso, o Profeta (S) disse: “Cada coisa tem o seu ornamento e o ornamento do Alcorão é uma bela voz.” • Recorrer aos “Adeptos da Mensagem”. Estes são os estudiosos do Alcorão. Recorrer a eles para conhecer o significado dos versículos e seus indicativos é uma excelente maneira de extrair o máximo conhecimento e espiritualidade dos versículos corânicos. Daí as palavras de

O Profeta (S) disse: ‘Cada coisa tem o seu ornamento e o ornamento do Alcorão é uma bela voz’ Deus, Altíssimo: “Perguntai-o, pois, aos Adeptos da Mensagem, se o ignorais!” (16:43), e as palavras: “Porém, ninguém senão Deus conhece a sua verdadeira interpretação.” (3:7). Os comentadores diferem quanto a quem são os “Adeptos da Mensagem”. Os mais próximos desta acepção seriam os Imames da Casa do Profeta (S), que adquiriram o conhecimento do Livro da própria fonte, o Mensageiro de Deus (S). Podem, contudo, os muçulmanos, beneficiar-se, hoje em dia, dos sábios da comunidade que receberam o entendimento do Alcorão de forma verdadeira, cujas interpretações e explicações estejam desprovidas de debilidade ou exagero.


Mulher

Assayed Charif Sayyed Al ‘Ámili

No número anterior falamos sobre o primeiro e o segundo equívocos quanto ao véu, que são os usos incorretos dos conceitos de “liberdade” e “igualdade”. Vamos completar o tema sobre outros equívocos, apresentando nossos argumentos.

Por Que o Véu no Islã?

A

terceira oposição dirigida ao véu pelos oposionistas tem relação com a visão exclusivamente material do Ocidente, por meio da qual tudo é interpretado no universo. De acordo com este ponto de vista, a matéria é o princípio do universo, da vida e dos seres humanos. É o objetivo final de tudo. Não há nenhuma base nem objetivo, a não ser a matéria. O resultado inevitável deste tipo de raciocínio é que, neste esquema, não há Deus, nem religião, nem moral e nem valores. Isso, origina um firme e enraizado ódio contra a Igreja e o clero, que cometeram excessos desde a Idade Média, sujeitando os povos e suas riquezas, combatendo o conhecimento e as ciências, protegendo os regimes feudais. A Igreja e o clero – isso a história prova – combateram a ciência e paralizaram os talentos. Os livros estão repletos com os malefícios desse período nebuloso e injusto. A reação a essas duras ações foi rejeitar a Igreja, Deus, a

religião e o conhecimento a respeito dela. Lutaram contra a Igreja em tudo o que ela pensava, afirmava e pretendia. Esse ódio ajudou o surgimento da Reforma, a grande reforma do século XVIII da Era Cristã. Em seguida a tudo isso veio a rejeição das pessoas a todas as religiões e a tudo o que está relacionado com a religião. A percepção materialista do cosmo surgiu desse excesso e do ódio, do qual não se espera imparcialidade nem moderação. De acordo com essa visão, que até hoje domina o Ocidente, foi interpretada a vida. As relações sociais foram estabelecidas com base nela.

A terceira oposição dirigida ao véu pelos oposionistas tem relação com a visão exclusivamente material do Ocidente

Neste ponto, perguntamos: O que se espera do relacionamento entre homens e mulheres, mais do que uma relação entre o masculino e o feminino, que se unem por necessidade e se separam ao término dessa relação? O que se espera, além de uma mera relação animal? Apenas uma satisfação temporária, cada um olhando Revista Islâmica Evidências - 25


para o outro, como uma resposta à sua necessidade sexual? O homem encontra centenas ou milhares de mulheres que podem satisfazer essa necessidade, se ele quiser. Da mesma forma, a mulher encontra centenas ou milhares de homens que podem satisfazer a sua necessidade, se ela desejar. Por que se apegar e se associar a uma só pessoa em particular? Qual é o papel dos valores, da conduta e da religião neste contexto? Nenhum, pois eles foram rejeitados, seus fundamentos e o seu seguimento renegados, porque não têm substância material. Então, qual é o valor que colide com a liberdade e o princípio geral da raça humana? A mulher seguiu, como é esperado dela, sob o conceito dessa visão; o homem seguiu este modo de pensar e se comportar, como também é esperado dele. Essa é a lógica do instinto livre de restrições. Colaborou para isso a promiscuidade nua e crua, ostensiva, entre homens e mulheres. Colaborou, também, a independência da mulher em relação homem, sendo este dispensado do sustento dela, em todos os campos da vida. Colaborou, ainda, a ênfase na aparência, no ornamento, no embelezamento, na arte da sedição e sedução.

para que com elas convivais; e colocou amor e piedade entre vós. Por certo que nisto há sinais para os sensatos.” (Os Bizantinos, 21) Neste nobre versículo, Deus, Glorificado seja, menciona algumas das características do casamento no Islã e algumas questões que devem acompanhá-las: A convivência, a tranquilidade, o amor e a compreensão, a saudade e a inquietação que só sossega quando se junta ao par. Esta é a lógica inata do bom senso. Portanto, marido e mulher são duas partes cuja vida só se torna feliz com a junção de ambos, em harmonia. Quanto ao desejo sexual que compõe essa relação, é um dos aspectos, sem dúvida nenhuma, que formam essa relação. O Islã não nega o instinto sexual, em especial durante a adolescência; é algo natural que não pode ser negado nem evitado. Por isso, o Islã incentiva o casamento e confirma isso no convite a ele. O Islã obriga o solteiro a casar, caso tenha medo de cometer atos ilícitos deixando de se casar. O Profeta (S) disse: “O casamento faz parte da minha sunna. Quem se afasta de minha sunna não pertence a mim.” E disse mais: “Quem casar terá cumprido a metade de sua religião. Que tema a Allah na outra metade.” Então, lembramo-nos do versículo corânico: “Entre os Seus sinais está o de haver-vos criado companheiras da vossa mesma espécie”. De vossa mesma espécie e não de outra espécie, não de outros elementos, não de outros componentes, não de outras naturezas nem instintos, de vossa mesma espécie, um ser que tem os vossos sentimentos. Esta afinidade psicológica permanente, esse amor e essa compaixão é o berço em que surge a família e depois nascem, crescem e prosperaram as crianças. De peitos cheios de compaixão alimentam-se, de corações cheios de amor nutrem-se e nos colos cheios de carinho e compaixão são educadas, sendo influenciadas por almas repletas de pureza e tranquilidade, herdando bom caráter, ética e educação. Essas são as características do relacionamento do casal, à

A percepção materialista do cosmo surgiu desse excesso e do ódio, do qual não se espera imparcialidade nem moderação

De outro lado, quanto ao instinto materno e paterno, que valor possuem após esta mudança das escalas e dos padrões? A contracepção, o aborto e a alarmante doutrina materialista diminuem sua importância. O que se espera do relacionamento entre homem e mulher sob esse ponto de vista? Esta é uma visão do Ocidente quanto à mulher e sua relação com o homem, trazendo várias e negativas consequências. Quanto ao ponto de vista do Islã, é suficiente ser identificado o significado deste versículo: “Entre os Seus sinais está o de haver-vos criado companheiras da vossa mesma espécie,

Revista Islâmica Evidências - 27


luz do Islã, e este é o resultado potencial esperado na educação das gerações. Portanto, a relação do casal, à sombra do Islã, está intimamente relacionada com o sagrado, possui suas bases no instinto e seus afluentes no amor e compaixão. Sua força vem do Islã, que lhe dá resistência e durabilidade, na extensão de fortes, nobres e emotivos sentimentos. É necessário aos jovens, meninos e meninas, que cresçam à luz do Islã e acreditem na sua mensagem, sujeitando-se ao seu regime e aos seus ensinamentos. Devem seguir na vida sob as normas e as escalas do Islã. O véu para as mulheres e castidade para meninos e meninas são os elementos mais proeminentes desta realidade, os fatores mais caros para o Islã, a este respeito.

sua visão, são mais merecedores de sua generosidade que as pessoas. Por que não? Ela encontrou fidelidade no cão, um sentimento que não encontrou em nenhum ser humano, nem mesmo em seus filhos. Abandonaram-na, ela não os viu nem eles a viram. O melhor deles era o que lhe enviava um cartão de boas festas, uma vez por ano! Quanto sofrimento a mulher ocidental passa em privação e medo! Os casos de estupro e de incesto são comuns. O patrão só aceita a moça para trabalhar com a condição de coabitação ou que ela seja linda. Ela não encontra quem a proteja, além de leis que, muitas vezes, tornam-se “letra morta”. Tudo por causa da promiscuidade com os homens e a falta de estabilidade no lar. Qualquer olhar para a realidade das mulheres no Ocidente causa tristeza e dor por causa da ganância e da injustiça do ser humano!

No Ocidente a mulher é usada pelos homens para satisfazer seus desejos, isca em: filmes, em concursos de beleza, nas propagandas, nas revistas, na moda, nos bordéis

No Ocidente, a menina começa, desde os oito anos de idade, uma vida sem regras: Vai aonde quer, com quem deseja. E desde a infância a mulher é usada pelos homens para satisfazer seus desejos Ela é usada como isca em: filmes, em concursos de beleza, nas propagandas, nas revistas, na moda, nos bordéis e outras coisas mais. Consome a flor e o esplendor de sua juventude. Quando começa a idade avançada e perde o seu esplendor e beleza, a sociedade a descarta, para que ela viva o resto de sua vida em um asilo - caso não tenha poupança - ou isolada, em sua casa, com a companhia de um cão, que lhe compensa a perda do carinho humano. Então, ela conclui que viveu iludida, enganada, que todos a abandonaram. Quanto sofrimento, quanta dificuldade e quanto medo passou na vida, numa sociedade que não reconheceu e não conheceu seu valor, tornando-a uma mulher sem real direito, uma sociedade que não preservou a sua dignidade. Finalmente, se por acaso amealhou alguma propriedade, deixa em testamento a sua fortuna ao cão. Os animais, na 28 - Revista Islâmica Evidências

A mulher, no Ocidente, libertou-se aparentemente, mas de fato ficou presa. Saiu do círculo da castidade e da moralidade e ingressou no espaço do vício e da vergonha. Nem toda restrição é censurável. O homem deve ter restrições em seu comportamento, que o controlem e evitem a maldade de si mesmo, a maldade de seus desejos e a maldade de quem está ao seu redor. Essa restrição está na religião e na ética. Com essa limitação, o ser humano desfruta de segurança, prosperidade e felicidade. Se essa limitação é abandonada, a sua vida se corrompe. Vejamos a criança: ela gosta de brincar com tudo, até mesmo com o que pode matá-la. Vamos permitir-lhe fazê-lo? Não! Nós, os adultos, sabemos o que é adequado a ela. Assim também o nosso Senhor sabe o que é bom para o homem e a mulher. Quando estabeleceu que ela permanecesse em casa, obrigando-a a cuidar dos assuntos de seus filhos e sua família, estabeleceu-lhe o uso do véu e lhe proibiu


a exposição desenfreada, não foi para vedá-la de direito seu, mas porque é o melhor para ela. A sua permanência em casa protege a família de desintegração e dissolução, dissemina no lar a simpatia e o carinho. Quando o homem retorna à casa, descobre que sua mulher preparou-lhe tudo o que ele ama. Ele dá à mulher a oportunidade de lhe demonstrar o seu afeto, cuidado e educação aos seus filhos, protegendo-a dos maldosos e da trama dos obscenos. Esta comunhão de interesses legítimos salva a comunidade da demolição. A manutenção do véu impede os olhares maldosos de corações enfermos, evita a injúria dos mal-intencionados e a mantém longe de todo o mal, conservando-a na fortaleza da virtude e da honra. A mulher muçulmana vive sob o Islã com dignidade e orgulho. O Islã determina que o homem deve sustentar a sua guardiã e é obrigado a fazê-lo, quer seja pai, irmão ou marido. Se ela não tiver nenhum guardião, o governo o será. O Islã ordena bondade para com a mulher, quer seja menina, mãe ou esposa. Ao alcançar idade avançada, o seu direito é maior. Deve ser respeitada e é proibido cortar as relações com ela. Allah diz: “O decreto de teu Senhor é que não adoreis senão a Ele; que sejais indulgentes com vossos pais, mesmo que a velhice alcance um deles ou ambos, em vossa companhia; não lhes dirijais palavras de desrespeito, nem griteis com eles; outrossim, dirigi-lhes palavras honrosas. E estende sobre eles as asas da humildade, e dize: Ó Senhor meu, tem misericórdia de ambos, como eles tiveram misericórdia de mim, criando-me desde pequenino!” (Alcorão Sagrado, 17:23-24). A mãe e a mulher idosa, no Islã, têm o seu lugar e o seu status. A comunidade se preocupa em servi-la e considera isso uma obrigação, não um favor.

O quarto equívoco: O alívio “lícito” Disseram: “A energia sexual no ser humano é grande e perigosa. O seu perigo reside na repressão. O aumento da pressão gera explosão. O véu da mulher cobre a sua beleza e, por isso, os jovens permanecem na repressão sexual que pode explodir, por vezes sob a forma de estupro e outros atos violentos. O tratamento deste problema reside na libertação da mulher do véu para eliminar a frustração dos jovens e, assim, ocorre a satisfação desta necessidade, diminuindo o perigo da explosão por causa da frustração e da repressão”. Resposta: 1 - Se isto fosse verdade, os Estados Unidos e os países europeus seriam os países do mundo com o menor índice de casos de estupro, assédio sexual e outros crimes morais, porque os Estados Unidos e os países europeus deram a esta questão muita atenção, alegando a liberdade individual. Quais foram os resultados da permissividade? Será que os casos de estupro diminuiram? Será que a satisfaçãode que estão falando aconteceu? Será que a mulher foi protegida deste perigo? Segundo o livro “Os Crimes na America”, ocorre um crime de estupro a cada seis minutos nos Estados Unidos. Isso sob a ameaça de armas.

O Islã não nega o instinto sexual, em especial durante a adolescência; é algo natural que não pode ser negado nem evitado

O número de casos de estupro nos Estados Unidos em 1978 era 147.389, atingindo, em 1987, 221.764 casos, um aumento de 50%! Estas estatísticas desmentem a afirmação de que naquela sociedade não há nada errado. 2. O instinto sexual existe em homens e mulheres. É um mistério que Deus colocou Revista Islâmica Evidências - 29


em ambos, por muitas razões, entre as quais a continuação da espécie. Ninguém pode negar a existência desse instinto e, em seguida, pedir aos homens que se comportem naturalmente perante cenas de nudez, sem levar em conta a presença de tal instinto. 3. A alegação de que se pode tratar a repressão sexual espalhando cenas de nudez, promovendo a satisfação deste instinto, nos permite tirar duas conclusões: Que os homens que não se excitam com a nudez perderam os seus desejos e não sentem mais nada; e que os homens que não se excitam com a nudez feminina são acometidos de frigidez doentia. Será que aqueles que assim pensam desejam que os homens de nossa comunidade enquadrem-se em um destes dois modelos?

Eu sei que as formas de prazer sexual são múltiplas em variedade e métodos. A reunião com o sexo feminino e o olhar de paixão a ela, ouvir com atenção a sua conversa são alguns desses métodos que excitam o instinto. Sei bem disso. Sei, também - e os leitores sabem - que o objetivo maior do instinto se satisfaz com pequenos estímulos. Nós sabemos também que o objetivo final do instinto é a satisfação. Sabemos, finalmente, que estes pequenos estímulos são preparações e tentações. Quanto mais são repetidos os encontros e a diversidade de galanteios, mais o instinto se atreve, a conversa se prolonga, aumenta a inflamação, solicita-se sua extensão e pede-se mais. Talvez imagine-se que esta é uma carga de energia limitada, de pouca duração. Se for gasta com conversas e flertes, diminui a pressão e a insistência e termina a sua exigência.

A afinidade entre o casal, o amor e a compaixão são o berço em que surge a família e depois nascem, crescem e prosperaram os filhos

Dizer que a promiscuidade entre os sexos, a eliminação do véu e as barreiras colocadas entre eles alivia-os de forma lícita, que homens e mulheres em conjunto livram-se, com isso, do perigo, são palavras sem fundamento. Dizemos-lhes: Coloquem-se na frente de uma pessoa faminto uma mesa com variedade de comida e deixe-a olhando por uma hora ou mais. Que aprecie os pratos um a um, que sinta o cheiro e os aromas, explore as cores uma a uma, enumere as frutas, uma por uma, reconsidere e retome a sua apreciação. Deixe-a entreter seus olhos e sentidos por uma ou duas horas e depois pergunte: Você ainda está com fome? Será que não encheu os olhos com a visão do alimento e o olfato com o seu perfume, sua mente e percepção com a observação e imaginação? Como a sua, permaneceria? A visão de coisas deliciosas, a satisfação da audição com uma conversa agradável, a satisfação dos outros sentidos com belas e agradáveis percepções não elimina a voracidade do sexo nem a fome do estômago, caros especialistas! Quem alega outra coisa está enganando a si mesmo e é desmentido pelo óbvio. 30 - Revista Islâmica Evidências

Mas, a realidade é algo que está além dessa ilusão. O instinto é pressionado, a secreção das glândulas sexuais é ininterrupta, não sossega a não ser com a resposta plena. Se sossegar, é por um pequeno período. Sim, e então retorna, com maior atividade, apresentando um convite mais poderoso à pessoa. O instinto fica mais rígido, os nervos mais rígidos, a vontade e a motivação crescem e o obstáculo enfraquece. Esta é a realidade, que não é ignorada. Que alívio lícito se espera depois disso? Que tipo de promiscuidade se espera e se alega? Quão seguros estão homens e mulheres do deslise, caso não tenham valores espirituais e morais rígidos? O Quinto Equívoco: O Estímulo da Incitação Sexual

Já se disse: A criação de barreiras entre homens e mulheres leva a uma elevada percentagem de incitação sexual, com base no fato de


que “O ser humano deseja o proibido.” A criação de barreiras e inibição aumentam a ânsia e o desejo de sexo de homens e mulheres, dizem os defensores deste ponto de vista. Além disso, a repressão dos instintos causa vários tipos de desordem e doenças psicológicas. Antes da resposta, perguntamos: Será isto um convite para um descobrimento modesto, como alegam, ou para o ingresso completo na incitação sexual, levantando todos os controles e, finalmente, removendo o véu da mulher? É isso um protesto apenas contra o véu da mulher ou um apelo para que ela seja usada pelos homens, de todas as maneiras?

para a privação ou causas dos traumas psicológicos decorrentes da repressão sexual. Assim como a privação causa o avivamento do fogo dos desejos, segui-los de forma extrema e entregar-se de forma absoluta a eles é o motivo que aviva a chama da corrupção. Se admitirmos que um homem possui um grande número de belas mulheres, de modo a não chegar a vez de algumas delas durante o ano, e que ele ouça que há uma bela mulher nos confins da terra, ele a procurará e não dirá “Basta, estou satisfeito”. Ele não se satisfará com um só alimento. É como o Inferno: “Naquele dia perguntaremos ao inferno: ‘Estáis já repleto?’ E ele responderá: ‘Há alguém mais’?” (Alcorão Sagrado, 50:30).

O uso do véu impede o olhar dos maldosos, a injúria e mantém a mulher longe de todo o mal, conservando-a na fortaleza da virtude e da honra

Recorrer ao caminho tortuoso acontece se a porta for fechada totalmente, em vez de se usar o caminho reto. Se a porta for totalmente fechada, na cara do homem, impedindo-o de chegar à mulher com método certo e legal, isso trará, certamente, problemas. Se a porta for fechada na cara da mulher, impedindo-a de chegar ao homem de qualquer forma, isso trará problemas. O instinto forte que flui deles aumenta a respiração. Como se diz, se a corrente for bloqueada, o esgoto dominará o planalto. Se a lei reconhecer-lhes essa necessidade e estabelecer o direito de responder a ela, obrigando-o até mesmo, em alguns casos, indicando-lhes a forma correta de como usufruir desse direito, limitando a maneira pela qual respondem a esta natureza, que possibilidade terá a perversão de triunfar?

Qual é a causa de se recorrer ao caminho tortuoso? Qual é o motivo, além do desejo de permissividade, ao abolir-se todo controle e todo véu? Não se espera que as histórias a respeito do desejo desenfreado tenham apoio científico, nem que sejam reconhecidas pela mente ou aprovadas pela religião. Pecam os que acham que o domínio da alma pecadora e o estímulo aos sentidos sexuais são pretexto

Se uma pessoa quiser seguir dessa maneira, tornar-se-á parecida com aqueles que querem satisfazer o fogo com lenha. Se a privação causa o desvio (a homossexualidade, por exemplo) no Oriente, como eles dizem, dizemos que o estímulo do desejo desenfreado na Europa levou a esse desvio. A homossexualidade adquiriu, inclusive, status legal em alguns países. Então, não é verdadeiro dizer que o desvio é de natureza social, que ele deve aparecer nos países onde se separam as mulheres dos homens ou se prescreve o uso do véu, sugerido pelo Islã. Sim: Se algumas comunidades excederem o limite fixado pelo Islã a este respeito, vedando que as mulheres se aproximem dos homens e impedindo que o homem se aproxime das mulheres, pescrevendo para seu público uma vida monástica, sem casamento ou associação, dificultando o casamento com a fixação de valores elevados para o dote, por exemplo, deixando a maioria das pessoas sem casar, haverá o surgimento de resultados negativos e vícios desviantes. Revista Islâmica Evidências - 31


Histórias do Alcorão

Xeique Nasser Makarim Shirazi

O Profeta José e

O desespero, a marca da descrença

A

seca, os preços altos e a escassez de alimentos intensificam-se dia após dia no Egito e à sua volta. Novamente, Jacó ordena os filhos para se dirigirem ao Egito para conseguir comida. Porém, desta vez pediu-lhes, em primeiro lugar, procurarem por José e seu irmão Benjamim. Disse-lhes: “Ó filhos meus, ide e informai-vos sobre José e seu irmão.” (José, 12:87). No entanto, uma vez que os filhos de Jacó estavam certos da morte de José, ficaram surpresos com a recomendação do pai e sua ênfase sobre isso. Jacó, porém, recomendou-lhes não se desesperarem e que confiassem em Deus, dizendo: “e não deses-

32 - Revista Islâmica Evidências

pereis quanto à misericórdia de Deus.” (José, 12:87). Ele é capaz de solucionar as dificuldades e “porque não desesperam da Sua misericórdia senão os incrédulos.” (José, 12:87). Finalmente, os irmãos recolheram seus pertences e se dirigiram ao Egito. Era a terceira vez que entravam naquela terra, a terra que lhes causou problemas e lhes proporcionou flagelos. Mas nessa viagem, em contraste com as duas anteriores, sentiam uma sensação de vergonha que torturava suas consciências. A sua reputação perante o povo do Egito e o Aziz, isto é, o governante do país, estava contaminada pela acusação que sofreram na vez anterior. Tinham


Nesta edição nº 14 de Evidências, damos continuidade à história do Profeta José (a.s.), iniciada no número 10.

o Profeta Jacó (a.s)

o conceito de ser um grupo de ladrões de Canaã, que lá foram para roubar. Por outro lado, não levavam com eles, dessa vez, mercadorias que pudessem ser trocadas por alimentos e grãos. Além, disso, a perda do irmão Benjamin e a dor sofrida por seu pai aumentavam a sua preocupação. Em outras palavras, “a faca atingiu o osso”, como diz o ditado. O que os animava e lhes dava esperança, capacitando-os a suportar as dificuldades, foi o conselho do pai: “Não desespereis quanto à misericórdia de Deus”. Finalmente, conseguiram se encontrar com José. Eles lhe dirigiram a palavra, estando com dor muito intensa, dizendo: “Ó excelência, a miséria caiu sobre nós e nossa família” (José, 12:88), ou seja, a

seca, o custo de vida elevado e as dificuldades se abateram sobre nós e nossa família. Não trazemos conosco de Canaã a não ser mercadorias baratas: “Trazemos pouca mercadoria.” (José, 12:88), sem valor; porém, em qualquer caso, dependemos da sua generosidade e esperamos o seu favor: “cumula-nos, pois, a medida” (José, 12:88), de sua caridade abundante “e seja caridoso conosco.” (José, 12:88). Não nos pede pagamento, mas peça-o a Deus, Golrificado e Exaltado Seja, “porque Deus retribui aos caritativos.” (José, 12:88). Interessante que os irmãos de José (a.s.) não cumpriram o conselho do pai de procurar, primeiro, o irmão, mas tentaram obter alimentos. Por isso, procuraram o Aziz e pediram-lhe Revista Islâmica Evidências - 33


libertar o seu filho Benjamim, dizendo-lhe que suprimentos e grãos. A razão disso talvez fosse ele era herdeiro da casa profética e da mensaa pouca esperança de encontrar José, ou talvez, gem e não se mancharia com o roubo e outros queriam mostrar-se na frente do Aziz e dos egíppecados. Quando eles apresencios como se fossem pessoas taram a carta do pai que vieram apenas ao Aziz, viram para comprar aliFinalmente, os irmãos recolheram que ele a abriu mentos e grãos. seus pertences e se dirigiram ao Egito, com respeito, a Então, poderiam terra que lhes causou problemas beijou, a colocou expor o problema sob os olhos e comedeles, depois, ao Aziz çou a chorar de tal forma que as e pedir-lhe assistência. Assim, o lágrimas molharam as suas vestes. Aquilo conseu pedido seria mais forte e a possibilidade de fundiu os irmãos. Talvez o ato do Aziz os fez sucesso maior. pensar que José seria o próprio Aziz. Talvez a José (a.s.) recebe a carta do pai com os carta tivesse despertado emoções e sentimentos olhos cheios de lágrimas de modo que o Aziz não teve paciência e capaOs irmãos levavam com eles uma carta de cidade para ocultar o seu segredo e foi obrigado seu pai para o Aziz do Egito, elogiando-o na a revelar-se aos seus irmãos. referida carta pela sua justiça e bondade, agradecendo-o e a sua família pelos grãos e os alimentos. Em seguida, identificou-se e aos profeVocê é José? tas do povo de sua estirpe e informou-o de seu Naquele momento, e depois que passaram infortúnio e o suporte das calamidades e difidias de provas difíceis e se intensificou o sofriculdades de ter perdido os mais queridos dos mento da separação, manifestando os efeitos da filhos e os mais amados, José e seu irmão Bendepressão e melancolia, José quisesse apresenjamim. Queixou-se da seca e dos preços altos e, tar-se aos irmãos. Surpreendeu-os ao dizer: “Sano fim da carta, pediu ao Aziz fazer o favor de

34 - Revista Islâmica Evidências


beis, acaso, o que nesciamente fizestes a José e eram loucos por terem feito aquela conjectura. ao seu irmão, com a vossa ignorância?” (José, Os momentos passavam rapidamente e a espe12:89). Perceberam a grandeza de José (a.s.) e sua ra era longa, pesava sobre os seus corações e sublimidade ao lembrá-los, primeiro, da culpa deaumentava a sua preocupação. Mas José não les, mas com amáveis palavras, dizendo: “Sabeis deixou os seus irmãos esperarem muito tempo. o que fizestes?” Em seguida, mostra-lhes a forDescerrou o véu e revelou-lhes a verdade. Resma como pedir de desculpas pelo que cometeram pondeu-lhes: “Sou José e este é meu irmão! contra seus irmãos, por ter sido cometido por ig(José,12:90). Porém, para agradecer a Deus, norância e arrogância. Que o tempo da juventuGlorificado e Exaltado seja, pela Sua generoside e da infância havia passado e agora estavam dade a todos esses talentos e bênçãos e por dar eles na idade adulta, da razão. Entende-se, tamaos seus irmãos uma outra lição, disse: “Deus bém, das palavras que José não foi o único que nos agraciou com a Sua mercê, porque quem foi atormentado e tratado mal pelos teme e persevera sabe que Deus irmãos, mas Benjamin jamais frustra a retambém sofreu e compensa aos O que os animava e lhes dava suportou seus benfeitores.” esperança, capacitando-os a suportar tormentos. Pode (José, 12:90). as dificuldades, foi o conselho ser que Benjamin Ninguém sabe tenha informado aquicomo aqueles modo pai lo ao irmão José no período em mentos cruciais passaram para que viveu no Egito. Quando José perguntou o que os irmãos! Ninguém conhece a extensão de sua fizeram com ele e seu irmão, concluiu o seu inreação e alegria, de como se abraçaram e ao irquérito com um largo sorriso, para tirar de suas mão com lágrimas a escorrer-lhes pelo rosto, mentes a possibilidade de que retaliaria. Ao vepor terem encontrado-o após décadas de separem os seus dentes e notarem a semelhança entre ração. Porém, em qualquer caso, não podiam eles e os dentes de seu irmão José, perceberam toolhar para o rosto de José (a.s.) por causa de das as coisas ao mesmo tempo. Viram que o Aziz sua culpa e do crime que eles cometeram conestava falando com eles e questionando-os pelo tra ele. Eles esperaram a resposta de José, se os que fizeram a José. Tais atos não eram conheciperdoava por seu crime ou não... Começaram a dos de ninguém, exceto de José. Por outro lado, indagar: “Disseram-lhe: Por Deus! Ele te preficaram abismados pela reação dele ao receber a feriu a nós!” (José, 12:91). Ou seja, Deus, Glocarta de Jacó, e sentiram uma estreita relação enrificado e Exaltado Seja, o preferiu a nós quanto tre ele e o autor da carta. Terceiro: Quanto mais à ciência, à sabedoria e à governança “e confescontemplavam o rosto do Aziz, mais notavam samos que fomos culpados.” (José, 12:91). as semelhanças entre ele e seu irmão José (a.s.). Mas, ao mesmo tempo, imaginaram que seu irHoje é o dia da misericórdia mão José tivesse alcançado o posto do ministério e tornado-se poderoso no Egito. Onde estava José José (a.s.) recusou ver os irmãos envergoe onde estava o Ministério e o orgulho? Então, nhados e com remorso, especialmente naqueless eles criaram coragem e perguntaram: “És tu, acamomentos críticos após a vitória sobre eles. Talso, José?” (José, 12:90) vez ele quisesse afastar de suas mentes qualquer

Lágrimas de alegria Aqueles minutos foram os momentos mais difíceis para os irmãos, pois não conheciam o conteúdo da resposta do Aziz, se ele ia descerrar a cortina e revelar-lhes a verdade, ou ia pensar que

possibilidade de retaliação. Disse-lhes: “Hoje não sereis recriminados!” (José, 12:92). Ou seja, a reprovação e a punição estão afastadas de vocês, hoje. Fiquem tranquilos. Não deixem que as dores e as desgraças anteriores retornem às suas mentes. Em seguida, para mostrar-lhes que não era o único que se esqueceu de seu

Revista Islâmica Evidências - 35


direito e os perdoou, mas Deus também, disse-lhes: “Eis que Allah vos perdoará, porque é o mais clemente dos misericordiosos.” (José, 12:92). Isto é, Deus aceitou o seu arrependimento e os perdoou porque é Misericordioso. Esta é uma indicação do valor de José e medida do seu favor: Ele perdoaria os seus pecados, indicando que Ele é o mais misericiordioso dos miericordiosos. Isso fez lembrar aos irmãos outra catástrofe que se abateu sobre sua família. A testemunha viva do que eles fizeram ao irmão era o pai que, estando velho, perdeu a sua visão de tristeza e por se separar de José. Quanto a José, encontrou para esse problema uma solução, pois lhes disse: “Levai esta minha túnica e jogai-a sobre o rosto de meu pai, que assim recuperará a visão; em seguida, trazei-me toda a vossa família.” (José, 12:93).

Quem levou a camisa de José? José disse: “Aquele que levará a minha camisa limpa para o meu pai é o mesmo que 36 - Revista Islâmica Evidências

a levou manchada de sangue, a fim de levar alegria ao seu coração depois de tê-lo deixado cheio de tristeza e dor! Disseram os irmãos: “Você foi o nosso anfitrião todos os dias, de manhã e à noite, à sua mesa. Comemos de seu alimento e isso aumenta a nossa vergonha de olhar no seu rosto, depois de você se lembrar das nossas maldades para contigo.” Ele respondeu com palavras agradáveis, para afastar deles a vergonha e para agradecê-los por sentarem à sua mesa, sendo isso uma honra. Então, exclamaram entre si: “Glorificado seja quem alcançou aquele posto depois de ser vendido por vinte dirhams!”, ou seja, olhem para o ato de Deus, Glorificado e Exaltado Seja, quanto a esse escravo: Ele foi vendido no mercado por vinte dirhams e agora chegou a este alto posto. Hoje, porém, eles olham para a minha mesa e eu os vejo sentados ao meu redor; eles têm consideração por mim e têm consciência da minha posição, de que não sou um humilde escravo, vendido por vinte dirhams, mas um descendente da casa de Missão Profética e da Mensagem (do Monoteísmo) e um dos filhos


do Profeta Abraão (a.s.), e por isso me orgulho na frente dos demais.

E chega a caravana de Canaã

As noites e os dias passavam e Jacó aguardando ... Aguardava ansioso à espera do prazer e da alegria, da calma e da tranquilidade. Porém, os que o cercavam estavam alheios àqueOs filhos de Jacó (a.s.), depois se enconlas coisas porque acreditavam que a questão trarem com José e o que lhes aconteceu, levade José (a.s.) estava selada para sempre. Após ram a camisa do irmão com alegria e auspício vários dias de espera, só Deus sabe como Jacó e seguiram, com as caravanas provenientes do passou. Então, a voz do arauto anunciou a cheEgito. Enquanto os irmãos passavam os mogada de uma caravana do Egito. Porém, desta mentos mais felizes de suas vidas, havia uma vez, ao contrário das vezes anteriores, os filhos casa na Síria, na terra de Canaã, a saber, a casa de Jacó entraram alegres e auspiciosos na cidade Jacó (a.s.), o idoso, onde ele e sua família de. Seguiram depressa para casa do pai, à frente passavam momentos mais embaraçosos, de dos quais estava o alvissareiro que anunciou a grande dor e miséria. Ele se moveu do lugar Jacó que José estava vivo. Ele colocou a camisa e disse confiante nas suas palavras: “Se vocês de José no rosto de Jacó. Este, cuja visão hanão falassem mal de mim, não considerassem via enfraquecido por causa das a minhas palavras como escalamidades, não foi tupidez, ignorância capaz de vê-la. Quanto mais contemplavam o e mentira, iria Porém, uma lhes dizer: “Em rosto do Aziz, mais notavam as vez que sentiu verdade, pressemelhanças entre ele e seu irmão o cheiro exalasinto a presença do da camisa, perceJosé (a.s.)” de José.” (José, 12:94). beu naquele momento de ouro Sinto que os dias de sofrimento e dor que um feixe de luz invadiu todos os átomos vão passar num futuro próximo, que chegou o da sua existência, que o céu e a terra estavam tempo da vitória e do encontro com o amado. alegres! A brisa da misericórdia refrescou o seu Vejo a família de Jacó despojada das vestes coração, removendo a sua tristeza e dor. Ele viu do luto e da calamidade, usando as vestes de as paredes rindo para ele. Jacó sentiu a mudanalegria e do prazer.” Seus familiares ficaram ça e de repente viu a luz em seus olhos e sentiu surpresos e lhe dirigiram a palavra, lamentanque se abriram. Novamente ele viu a beleza do do: “Disseram-lhe: Por Deus! Certamente mundo. O Alcorão descreve esta situação dicontinuas com a tua velha ilusão.” (José, zendo: “E quando chegou o alvissareiro, jo12:95). Não seria esta uma prova clara de seu gou-a (a túnica de José) sobre o seu rosto, e extravio, pois passaram muitos anos da morte ele recuperou imediatamente a visão.” (José, de José? Porém, você ainda alega que ele está 12:96). Esta situação que aconteceu a Jacó fez vivo! Agora, diz que está sentindo um cheiro as lágrimas de alegria escorrer dos olhos dos do Egito. Que Egito, que Síria e que Canaã? irmãos e dos familiares. Então, Jacó lhes disse: Isto prova que está distante do mundo real, “Não vos disse que eu sei de Deus o que vós mergulhado em ilusões e fantasias. Você está ignorais?” (José, 12:96). Este estranho milagre enganado há muito tempo! Você não disse aos fez os filhos voltarem a si mesmos e pensarem filhos para irem ao Egito e indagar a respeisobre ele, pensarem no passado negro, cheio de to de José? Mas eles estavam indiferentes à erros e pecados, a inveja que os cegou e os afasverdade que Jacó possuia e à clareza de seu tou dos valores e da humanidade. Porém, quão coração. Imaginavam que o coração de Jacó belo é o arrependimento, o voltar ao caminho (a.s.) fosse como os seus corações, sombrios e da retidão quando se descobre o erro humano cruéis, e que ele não estava familiarizado com cometido! Quão doces aqueles momentos em as realidades das coisas passadas e futuras. que o pecador tenta pedir perdão por aqueles Finalmente, foram cumulados pela assitência e bondade de Deus

Revista Islâmica Evidências - 37


contra quem cometeu o erro, purificando-se e afastando-se do erro grave e do desvio! Isso foi feito pelos irmãos, que caíram com pesar, beijando as mãos do pai, pedindo-lhe perdão e remissão. “Disseram-lhe: Ó, pai, implora a Allah que nos perdoe, porque somos culpados!” (José, 12:97). Quanto a Jacó (a.s.), aquele grande homem, cujo espírito é mais amplo do que os oceanos, respondeu, sem culpá-los pelos atos que cometeram contra os seus irmãos. Ele respondeu, dizendo: “Suplicarei pelo vosso perdão junto ao meu Senhor.” (José, 12:98). Espero que Deus, Glorificado e Exaltado Seja, perdoe os seus pecados “porque Ele é o Indulgente, o Misericordiosíssimo.” (José, 12:98).

Que belos momentos de comunhão! Com a chegada da caravana que levava a maior boa-nova do Egito para Canaã e o retorno da visão de Jacó, os cânticos se elevaram na casa cuja família nunca deixou o pesar e a tristeza prevalecer. O ambiente tornou-se pleno

de prazer e alegria! Eles não reprimiram a sua satisfação com as graças divinas. Agora, as pessoas daquela casa, de acordo com as instruções de José, deviam se mover e ir para o Egito. As preparações da viagem foram feitas em todos os aspectos. Jacó aprontou a sua montaria, com os lábios úmidos pela recordação e glorificação a Deus. O amor em relação a José deu-lhe força e determinação como se tivesse voltado a ser jovem. Aquela viagem, ao contrário das viagens anteriores, que foram acompanhadas pela ansiedade e tristeza pelos irmãos de José, não tinha qualquer aflição e angústia. Mesmo que a viagem, por si mesmo, fosse cansativa, aquele cansaço nada significava em relação ao objetivo de sua marcha. As noites e os dias corriam devagar, porque a saudade transformava cada minuto em um dia ou um ano. Tudo acabou quando os edifícios e os monumentos do Egito começaram a aparecer ao longe, com suas belas plantações, altas árvores e belas construções. O Alcorão, como sempre, costuma excluir estas introduções, que podem ser imaginadas com facilidade. Ele registra a este respeito: “E quando todos se apresentaram ante José, este acolheu seus pais” (José, 12:99). Finalmente, as mais doces horas de vida de Jacó (a.s.) aconteceram. Naquele encontro e comunhão entre Jacó e José, depois de anos de separação, passaram-se momentos de emoção e lágrimas de alegria, que foram derramadas de seus olhos e cuja quantidade só Deus avalia.

Avaliação da visão de José (a.s.) Quando José olhou para seus irmãos e seus pais, disse-lhes: “Entrai a salvo no Egito, se é pela vontade de Deus!” (José, 12:99). Porque o Egito tornou-se, sob o domínio de José, terra de segurança e tranquilidade. Depreende-se desta frase que José (a.s.) havia ido até a porta da cidade para receber os pais e os irmãos. Quando eles entraram no palácio, mais os honrou: “José honrou seus pais, sentando-os em seu sólio.” (José, 12:100). Esta grandeza das bênçãos de Deus, da bondade


e do talento dado por Deus surpreendeu os irmãos e os pais de José: “e todos se prostraram perante ele.” (José, 12:100). Então, ele voltou para o seu pai e disse: “Ó, meu pai, esta é a interpretação de um sonho passado.” (José, 12:100). Ou seja: vi onze estrelas, o sol e a lua prostrarem-se perante mim. Veja, meu pai, qual foi o final de meu sonho: “Ele me beneficiou ao tirar-me do cárcere.” (12:100).

urbanização do Egito e o atraso de Canaã, cultural e economicamente. Finalmente, José disse que todas as dádivas provêm de Deus; e como não seria assim: “Meu Senhor é Amabilíssimo com quem Lhe apraz.” (José, 12:100), Ele assume as questões de Seus servos, facilitando-as e organizando-as. Ele sabe quem é o necessitado e quem merece ser atendido: “porque Ele é o Sapiente, o Prudentíssimo”. (José, 12:100)

José, em seguida, voltou-se para o VerdaÉ interessante notar aqui que José falou de deiro Rei dos Reis e O agradeceu dizendo: “Ó sua prisão no Egito, entre todos os seus proSenhor meu, já me agraciaste com a soberablemas, mas não falou do poço, em considerania e me ensinaste a interpretação das históção ao irmãos. José, em seguida, acrescentou, rias!” (José, 12:101). Essa ciência simples, a dizendo: “e ao trazer-vos do deserto, depois interpretação das histórias, de Satanás ter semeado foi preponerante a discórdia entre Jacó aguardava ansioso para mudar a meus irmãos minha vida e a e mim.” (José, à espera do prazer e da alegria, vida de outro 12:100). Mais da calma e da tranquilidade grupo de Teus seruma vez, José mosvos. Quão importante é a tra aqui outro exemplo da bênção da ciência! Tu, ó, Senhor “Ó Criacapacidade, da amplidão de seu coração e dor dos céus e da terra.” (José, 12:101). Por de sua grandeza. Sem dizer quem foi negligenisso, eu me submeti perante o Teu Poder. Sete, disse que Satanás interferiu entre ele e seus nhor: “Tu és o meu Protetor, neste mundo e irmãos. Ele não quis reclamar dos erros anteno Outro. Faze com que eu morra muçulmariores dos irmãos. A expressão quanto à terra de no, e me junta aos virtuosos!” (José, 12:101). Canaã ser deserto, expressa a diferença entre a


Versículos Sagrados

Amr Khaled

A devoção a Deus com Em nome de Allah, o Clementíssimo, o Misericordiosíssimo

“Diz: Ele é Allah, o Único, Allah, o Solicitado. Não gerou, nem foi gerado. E ninguém se compara a Ele”

A

sinceridade é a realidade fundamental da religião e a chave da propagação dos mensageiros. O Todo-Poderoso disse: “E quem melhor professa a religião do que quem se submete a Allah e é praticante do bem?.” (4:125). O Profeta costumava iniciar a oração, antes da recitação da Surata da Abertura, com preces diferentes, tais como: “Ó Allah, distancia entre mim e meus pe40 - Revista Islâmica Evidências

cados como é a distância entre o Oriente e o Ocidente.” O que se quer dizer aqui é: “Toda a minha vida é Tua, ó Senhor... Tua, ó Senhor, é a minha vida, o meu sustento, a minha força, minha graça, meu sucesso e minha felicidade... Por isso, a minha orientação, ó Senhor, o meu trabalho, a minha intenção, o meu coração, a minha vida, o meu retorno e a minha morte pertencem a Ti. Uma vez que a vida é Tua, deve ser para Ti”.

Seis palavras incluem o segredo da felicidade: ‘Sou por Ti e para Ti’


palavras, atos e a vida Seis palavras incluem o segredo da felicidade: “Sou por Ti e para Ti”. Sou sincero quando digo que toda a minha vida é Tua, ó Senhor. Sou sincero em cada palavra, em cada movimento. Portanto, viva para Deus . Tudo em sua vida pertence a Deus . Transforme todos os seus objetivos na vida para agradá-Lo, somente, com intenção sincera. Tudo o que possuo pertence a Ti, ó Senhor! Eu não vou deixar este mundo, não vou possuí-lo, mas vou transformá-lo todo para Ti e para a Tua satisfação... Os bens, a fama, a posição, tudo o que tenho vai ser para Ti, ó Senhor. Pertenço a Ti e vivo para Ti. - Vou agir e ter sucesso com a intenção de apoiar a Tua religião e a reforma de Tua terra.

Como serei sincero? A sinceridade é resolução e intenção. Direcione a bússola a Ele. É uma decisão dentro de sua mente, ninguém a vê. Você vai, em todos os casos, fazer as mesmas coisas ao mesmo tempo, mas a diferença é enorme. É a sua própria vida, mas imagine a quantidade de descanso e recompensa! Por que os seus filhos? Por que o seu dinheiro? O trabalho é bom, para ajudar os pobres e necessitados! O estudo e diligência para quê?

Transforme todos os seus objetivos na vida para agradar a Deus, somente, com intenção sincera

A Superioridade para quê? O carro para quê? Imagine a quantidade de recompensa e a estabilidade psicológica quando você trabalha a vida toda para Deus!

- Vou-me casar para ser feliz, mas o mais importante é construir uma família para louvar-Te. Vou estudar e aprender e ser bem sucedido para que as pessoas saibam que o muçulmano é bem-sucedido.

Imagine quanta felicidade! A sinceridade constitui na adoração dos felizes. “Trabalhar sem sinceridade e não seguir o (bom) exemplo é como o viajante que enche a mala de areia. Ela pesará e não o beneficiará em nada.”

- Vou procurar a subsistência e o dinheiro para gastar, ajudar as pessoas e engrandecer o Islã.

Qual é o significado

- A partir de hoje pertenço somente de Deus.

de sinceridade?

- A partir de hoje sou sincero a Ele e vivo para Ele.

Se você intenciona com suas palavras, atos e com sua vida agradar a Deus, tem paRevista Islâmica Evidências - 41


Sinceridade


vimentado o caminho para o sucesso, nesta vida e na outra. Foi dito: Ter sinceridade é destacar o Poderoso, Glorificado seja, em todas as ações, na dinâmica e na estática, em segredo e em público. E foi dito, também: Sinceridade é esquecer do olhar das criaturas, ocupando-se permanentemente em olhar para o Criador; a sinceridade é não exigir uma testemunha quanto ao seu trabalho, além de Deus. Então, sinceridade é um dos atos do coração, mas está na vanguarda dos atos dos corações, porque a aceitação da obra só é completa por Deus, Glorificado e Exaltado seja. Significa que o seu incentivador, para executar qualquer trabalho, busca agradar a Deus Todo-Poderoso, em adoração, oração, jejum, Hajj e Zakat, na vida; no casamento, trabalho, busca do dinheiro, filhos e bens.

Os Benefícios da Sinceridade A sinceridade o protege, conserva-o e o eleva fortemente perante Deus. Deus nos faz lembrar a devoção dos profetas, dizendo: “Escolhemo-los por um propósito: a proclamação da Mensagem da morada futura.” (38:46). Ele disse que José (a.s.) escapou da concupiscência pela sua sinceridade. “Ela foi atraída por ele, e ele teria sido atraído por ela, se não se apercebesse da evidência do seu Senhor. Assim procedemos, para afastá-lo da traição e da obscenidade, porque era um dos Nossos sinceros servos.” (12:24). Ele informou que Moisés alcançou o seu alto nível pela sua lealdade: “E menciona Moisés, no Livro, porque foi leal e foi um mensageiro e um profeta” (19:51). A característica dos fiéis a Deus, Exaltado seja, é que o Diabo não consegue dominá-los: “Disse (Satanás): Por Teu poder, que os seduzirei a todos. Exceto, entre eles, os Teus servos sinceros!” (38:82-83). E a devoção é um segredo entre Deus e o servo, nenhum anjo a conhece para registrá-la, nem o Diabo a conhece, para corrompê-la.

A sinceridade é resolução e intenção. Direcione a bússola a Deus. É uma decisão dentro de sua mente, ninguém a vê

A sinceridade é a escolha de Deus na orientação e intenção. O navio está no começo de sua jornada. Começa o seu rumo e, então, segue com o auxílio da bússola. O mesmo acontece com o ser humano. O início de sua jornada na vida é a orientação com sinceridade... Pense durante meio minuto, e tome a resolução de dedicar tudo que você possui, a partir de agora, a Deus. Oriente-se agora a Deus: “Eu me consagro a Quem criou os céus e a terra; sou monoteísta e não me conto entre os idólatras.” (6:79). Pergunte-se: Você está vivendo para Deus? Você é fiel a Deus? Vai viver feliz se dedicar toda a sua vida somente a Deus, e a ninguém mais? “E lhes foi ordenado que adorassem sinceramente a Allah, fossem monoteístas” (98:5) “Dize-lhes: Certamente, foi-me ordenado adorar a Allah com sincera devoção” (39:111). “Em verdade, temos-te revelado o Livro. Adora, pois, a Allah, com sincera devoção. Não deve, porventura, ser dirigida a Allah a devoção sincera?” (39:2-3).

Faça deste versículo o lema de sua vida: “Dize: Minhas orações, minhas devoções, minha vida e minha morte pertencem a Allah, Senhor do Universo, Que não possui parceiro algum. Tal me tem sido ordenado e eu sou o primeiro dos muçulmanos.” (162-163). Coloque o dito (hadith) do Profeta (S): “Eu sou por Ti e para Ti” em sua casa, para se lembrar sempre de dirigir o leme do seu coração, e, em seguida, a sua vida, a Deus. Há um belo significado neste dito, que lhe garante a felicidade, se for sincero. Pense neste versículo: “Contudo, Revista Islâmica Evidências - 43


livrar-se-á dele o mais temente a Allah, que aplica os seus bens, com o fito de purificá-los, e não faz favores a ninguém com o fito de ser recompensado, senão com o intuito de ver o Rosto do seu Senhor, o Altíssimo; e logo alcançará (completa) satisfação.” (17-21).

grar com sua sinceridade. Todo o universo é leal a Deus. Portanto, nunca se mova na direção oposta ao movimento do universo. Imagine um carro na contra-mão. Todo o universo é leal a Deus. Nunca ande na contra-mão. Todo o universo adora a Deus, prostra-se perante Ele e O glorifica: “Não reparas, acaso, em que tudo quanto há no firmamento e tudo quanto há na terra se prostra ante Allah? O sol, a lua, as estrelas, as montanhas, as árvores, os animais e muitos humanos? Porém, muitos merecem o castigo! E a quem Allah afrontar não achará quem o honre, porque Allah faz o que Lhe apraz.” (22:18).

Sinceridade é esquecer do olhar das criaturas, ocupando-se permanentemente em olhar para o Criador

Há outro aspecto muito bonito que o estimula em direção à sinceridade, felicidade e conforto: A esposa. Ela constitui a mais bela das necessidades de que se orgulhar... É fiel ao marido e o homem é fiel ao seu trabalho. A esposa fica feliz ao ouvir o marido afirmar que sua mulher é fiel, ou a mulher testemunhar que o marido é um homem leal. Que dirá quando ambos são fiéis a Deus? Há um terceiro aspecto relevante a ser ressaltado: se você for sincero, irá se ale-

Todo o universo é um enorme festival, repleto de pássaros, árvores, peixes, estrelas e galáxias, louvando a Deus: “Nada existe que não glorifique os Seus louvores! Porém, não compreendeis as suas glorificações.” (17:44). Por que não tomar parte desta constelação cósmica? Por que se isolar do universo e ficar sozinho, alienado? A alienação é solidão. O universo participa do festival de louvor e adoração ao Criador. Não ande na contra-mão do universo, pois isso irá torná-lo infeliz. Não vá para a cópia, deixando o original. Não se choque com o universo, porque você vai se cansar e ser infeliz. É o início da infelicidade. O ser humano que caminha na direção do universo é mais feliz do que quem anda na contra-mão. A Súplica da Manhã do Profeta diz: “Amanhecemos e a soberania pertence a Deus... Glorificado e louvado seja Deus, pelo número de Suas criaturas e pelo que Lhe agrada”. O

44 - Revista Islâmica Evidências


proprietário (de tudo que existe) é Deus, e nada temos. Seja sincero em sua vida em relação a Quem tem tudo. Certa feita, um beduíno que possuía uma manada de camelos foi indagado: “De quem são estes camelos?” Ele respondeu: “De Deus. Os animais apenas estão sob a minha custódia.” Um pai foi perguntado: “Quantos filhos você têm?” Respondeu: “Deus tem quatro filhos.” Nós realmente nada temos. Cada descrição de propriedade é: “Não há proprietário além de Deus”. Sua casa, seu carro, seus filhos e seu dinheiro são de Deus e estão, apenas, sob a sua custódia. “Ó, Senhor meu, já me agraciaste com a soberania e me ensinaste a interpretação das histórias! Ó, Criador dos céus e da terra.” (12:101). Você deve saber que se tem algo no mundo, como uma escritura de propriedade nas mãos, a posse da casa não é sua, mas de Deus. Cuidado para não desobedecê-Lo! Foi narrado que um dos sucessores disse: “O início do meu arrependimento foi quando eu vi um rapaz em ano de seca divertindo-se e as pessoas muito aflitas. Disse-lhe: “Ei, que diversão é esta? Não tem vergonha? Não está vendo que o povo está aflito?”. Ele respondeu: “Eu devo me lamentar, pois o meu amo tem uma vila onde encontro tudo que necessi-

to”. Eu disse a mim mesmo: “Este servo não tem medo, porque o seu amo é proprietário de uma vila. Como é possível que eu tema, sabendo que meu Senhor é o Dono da Soberania?. Foi o que me fez acordar e me arrepender”. Você nada tem para si mesmo. Até o Profeta (S) disse: “Não consigo beneficiar-me ou prejudicar-me com nada.” “Dize: Ó Allah, Soberano do poder! Tu concedes a soberania a quem Te apraz e a retiras de quem desejas; exaltas quem queres e humilhas a Teu bel-prazer. Em Tuas mãos está todo o Bem, porque só Tu és Onipotente.” (3:26). Imagine a dedicação necessária. Eis um belo exemplo alcorânico: “E tendes exemplos no gado; damos-vos para beber o que há em suas entranhas; provém da conjunção de sedimentos e sangue – leite puro e saboroso para aqueles que o bebem.” (16:66). O leite puro não deve ser contaminado pelo sangue ou pelas fezes. Imagine encontrar impurezas no leite! O mesmo acontece com o trabalho. Que ele seja puro como o leite. Inicie o dia, dizendo: “Tudo o que tenho é Teu, ó Senhor”. Diz repetidamente: “Ó, Deus, torna a minha oração, o meu sacrifício, a minha vida e a minha morte, para Ti, ó, Senhor do Universo!” Revista Islâmica Evidências - 45


Sociedade

Nasser Hashem Al-Mussawi

O Conceito de Política

D

efinição da Política - A palavra “política”, como as outras palavras com significado científico e técnico utilizadas pelos cientistas, escritores, intelectuais e outros, leva a dois significados: o significado linguístico e o significado idiomático. O significado linguístico: A palavra “política” significa “o que vem à tona”. Política: “agir sobre algo para que ele fique melhor”. Significa também: “Exercitar e praticar uma situação particular (educação e orientação), executar uma ordem, cuidado, supervisionar algo e demonstrar interesse em fazê-lo”. O significado idiomático: o conceito de política, como outras ideias, varia de acordo com a doutrina, o princípio e a teoria que o informa. Por isso, a política foi definida de várias maneiras, compreendida de diferentes formas e retratada por meio de diversas imagens. Estamos interessados, em nossa pesquisa, em conhecer a definição islâmica da política, extraída da teoria islâmica quanto à compreensão da política. Contudo, antes, para que possamos comparar, seria útil tratar de algumas definições, imagens e compreensões da política do ponto de vista não islâmico. Ao longo da história do pensamento, ela foi definida de várias formas por vários intelectuais e políticos, de diferentes escolas e adeptos de várias teorias políticas. O filósofo grego, Sócrates, por exemplo, definiu-a como “A arte de governar”, sendo o político “aquele que conhece a arte de governar”. Platão definiu-a como “A arte de educar os indivíduos na vida coletiva. Constitui em cuidar dos assuntos da comunidade. É, 46 - Revista Islâmica Evidências


no Islã e no Alcorão também, a arte de governo dos indivíduos, com o seu consentimento”, sendo o político aquele que conhece essa arte. Maquiavel, por sua vez, definiu-a como “A arte de manter a autoridade e a sua consolidação nas mãos dos governantes, independentemente dos meios para alcançar isto.” Na opinião de Disraeli, “A política é a arte dos seres humanos por meio da enganação.” Podemos notar as diferenças na compreensão e definição do conceito da política e sua identidade entre escritores, pensadores e filósofos não-islâmicos, com base em sua compreensão da vida e da sociedade, da ética e do movimento da história. A investigação nas áreas da atividade política pode limitar-se às condições das práticas desviantes ou inadequadas. Os pensadores citados tiraram dessas duas fontes a sua compreensão quanto à política. Vimos que alguns autores políticos veem a política como “A arte de governar”, enquanto outro grupo a vê como “a arte da luta pelo poder e a sua manutenção”; outros, ainda, a veem de forma mais geral. Neste caso, a política “relaciona-se com a atividade do governante e dos governados”. Estes conceitos e observações derivam da filosofia geral, influenciada por determinado momento da história e pelos conceitos culturais e valores vigentes na sociedade. Eles dependem, ainda, da compreensão da filosofia da vida, das tendências psicológicas, físicas e morais humanas.

O conceito de política no Islã Se deixarmos de lado estas escolas de pensamento, que procuram compreender a política de


uma determinada maneira, qual seja, grosso modo, “a arte de governar e a luta pelo poder”, “uma ferramenta de controle e de dominação” e “a arte do continuísmo”, e voltarmos para o Islã, devemos selecionar o conceito da prática. Um particular conceito de política foi aplicado pelo Profeta (S) e seus seguidores. Os textos e conceitos contidos no Alcorão e na Sunna revelam suas características. Por meio dos estudos da política e do dogma, especialmente da liderança, efetuados pelos cientistas e pensadores muçulmanos, podemos definir este conceito claramente. Desta maneira, distanciamo-nos do tumulto e da incerteza lançados pelas diferentes escolas de pensamento localizadas fora do quadro islâmico.

mo”. Ela é, realmente, “o cuidar dos interesses da nação”. É responsável, em primeiro lugar, por toda a Nação Islâmica. Então, concentra-se na “autoridade islâmica”, com a continuidade da responsabilidade política por meio de uma lista de deveres de promoção da prática do bem e prevenção contra a prática do mal, de forma suficiente e necessária. É claro que o cuidado e a atenção aos assuntos da nação e seus interesses entram na arte de governar, bem como o exercício do poder político, as atividades políticas da nação, incluindo a luta e a revolução contra o governante injusto. Assim, no Islã, amplia-se o conceito de política, para abranger tudo o que diz respeito aos assuntos e os interesses da nação. Em outras palavras, a política compreende as atividades quotidianas da nação, implicando na organização do poder a fim de atingir os objetivos fundamentais da mensagem islâmica. Estes foram resumidos pelos estudiosos como “promover os interesses e afastar a corrupção”. Assim, expande-se o conceito de política para incluir todo o trabalho e atividade exercida pelo governo, pelos indivíduos e pelas organizações da sociedade civil, pelos partidos políticos – especialmente os que são baseados no Islã – a fim de “promover os interesses da comunidade e afastar a corrupção”. Dessa maneira, o conceito de política alcança a segurança, a defesa externa, o poder judiciário, a prestação de serviços educacionais, de saúde, o exercício do poder e da justiça, a eliminação da injustiça, a proteção da moral, a direção da economia, a arte da gestão pública, cuidar dos assuntos da nação e salvaguardar os seus interesses.

O conceito de política, como outras ideias, varia de acordo com a doutrina, o princípio e a teoria que o informa

A pesquisa e o acompanhamento da palavra “política”, do governante e do governado, do Imam, do sultão e do guardião, o juramento de fidelidade, a prática do bem e a proibição da prática do mal, a consulta dos Estudos Islâmicos, tudo isso envolve o conceito de política no Islã. Nos textos e estudos dos sábios islâmicos, encontramos que o conceito de política é aplicado a todo trabalho que diz respeito ao cuidado da nação, à gestão dos seus negócios, ou à atividade dos membros e dos partidos islâmicos, à atividade de jurisprudência, à administração das relações exteriores, à defesa da nação, da religião e da pátria, etc.

Portanto, o governo é responsável pelo atendimento dos assuntos da nação, pelo controle do poder, pela responsabilidade, assessoria e aconselhamento, e pela determinação e aplicação de sanções quando ocorre o desvio e o afastamento da linha islâmica. Assim, entendemos que o significado da política não é, simplesmente, “a luta pelo poder” e que seu escopo não está restrito “à arte abstrata de governar”; também não é “uma ferramenta de domínio de uma classe”, muito menos “a arte do continuís48 - Revista Islâmica Evidências

Ultimamente, ampliou-se o conceito de política dentro do pensamento islâmico, com o desenvolvimento das constituições e dos te-


mas a elas relativos. A Constituição, documento com os princípios gerais de organização e direção da vida de uma determinada unidade política, desenvolve-a em vários campos. A Constituição abre as portas da atividade política, assim como o pensamento islâmico propugna desde o seu início. Isso se torna claro para nós com o estudo dos textos contidos no Alcorão e na Sunna.

O conceito da política no Alcorão O Alcorão Sagrado fala da política e do governo no transcurso de muitos de seus versículos, discorrendo sobre as atribuições do governante, a sucessão, o mandato e as atividades de governo. Assim, favorece a confiança na ação do governante, tornando-se uma necessidade ideológica para a orientação do ser humano e a reforma da vida. O Alcorão Sagrado abre as vias para a aplicação do direito, da justiça e da ordem, que protegem a vontade do direito, da igualdade e da solidariedade, realizando na prática cotidiana das nações a Vontade de Deus, Exaltado seja. Vejamos, a seguir, um conjunto de versículos que nos dão uma imagem clara do conceito de política no Islã. Deus Altíssimo diz, por exemplo, dirigindo-se ao Profeta Davi (a.s.): “Ó Davi, em verdade, designamos-te como legatário na terra. Julga, pois entre os humanos com equidade e não te entregues à concupiscência, para que não te desvies da senda de Deus! Sabei que aqueles que se desviam da senda de Deus sofrerão um severo castigo, por terem esquecido o Dia da Rendição de Contas. E não foi em vão que criamos os céus e a terra, e tudo quanto existe entre ambos! Esta (idéia) é a conjec-

tura dos incrédulos! Ai, pois, dos incrédulos, por causa do fogo (infernal)! Porventura, trataremos os crentes, que praticam o bem, como os corruptores na terra? Ou então trataremos os tementes como os imorais?” (Alcorão, 38:26-28) “Depois disso, designamos-vos sucessores deles na terra, para observarmos como vos iríeis comportar.” (Alcorão, 10:14). “De quando teu Senhor disse aos anjos: Vou instituir um legatário na terra! Perguntaram-Lhe: Estabelecerás nela quem ali fará corrupção, derramando sangue, enquanto nós celebramos Teus louvores, glorificando-Te?” (Alcorão, 2:30). “Destinamos a morada, no Outro Mundo, àqueles que não se envaidecem nem fazem corrupção na terra; e a recompensa será dos tementes.” (Alcorão, 28:83). “São aqueles que, quando os estabelecemos na terra, observam a oração, pagam a zakat, recomendam o bem e proíbem o ilícito. E em Deus repousa o destino de todos os assuntos.” (Alcorão, 22:41). “E o crente lhes disse: Ó povo meu, segui-me! Conduzir-vos-ei pela senda da retidão.” (Alcorão, 40:38). “Porém, se depois de haverem feito o tratado convosco, perjurarem e difamarem a vossa religião, combatei os chefes incrédulos, pois são perjuros; talvez se refreiem.” (Alcorão, 9:12). “Se eles se inclinam à paz, inclina-te tu também a ela, e confia em Deus, porque Ele é o Oniouvinte, o Sapientíssimo.” (Alcorão, 8:61).

O filósofo grego Sócrates definiu a política como “A arte de governar”, sendo o político “aquele que a conhece”

Da mesma forma que o Alcorão estabeleceu as bases do governo e da política, estabeleceu, também, o princípio da consulta(1) como fundamento do sistema político no Islã. Deus, Altíssimo, diz, dirigindo-Se o Seu nobre Profeta: “Pela misericórdia de Deus, foste gentil para com eles; porém, tivesses tu sido insoci-

1 -.é, a prática da “shura” (NE). Revista Islâmica Evidências - 49


ável ou de coração insensível, eles se teriam afastado de ti. Portanto, indulta-os, implora o perdão para eles e consulta-os nos assuntos.” (Alcorão, 3:159). E diz, descrevendo os crentes em sua vida política e social: “Resolvem os seus assuntos em consulta, e fazem caridade daquilo com que os agraciamos.” (Alcorão, 42:38) Em outro trecho, fala da fidelidade e obediência aos governadores que cumprem os preceitos islâmicos e executam a política do direito e da justiça. O Altíssimo diz: “Deus congratulou-Se com os crentes que te juraram fidelidade(2), debaixo da árvore” (Alcorão, 48:18). E assim o Alcorão estabelece os princípios básicos da política e explica seus pilares em muitos versículos, dentre os quais escolhemos os citados acima para esclarecer a definição.

disse: “O governante é o pastor das pessoas e responsável pelo seu rebanho” Ele (S) disse também: “Todos vós sois pastores e todos sois responsáveis pelo seu rebanho...” E foi narrado, ainda, que ele (S) disse: “Quem não se importar com os assuntos dos muçulmanos, não é um de nós.” E foi narrado mais ainda: “Quem for designado como guardião dos muçulmanos e achar que há alguém mais adequado para os muçulmanos do que ele, trai a Deus, ao Seu Mensageiro e aos crentes”.

Os textos e conceitos contidos no Alcorão e na Sunna revelam as características particulares da atividade política no Islã

Conceito de Política na Sunna Os textos da Sunna falam do Mensageiro de Deus (S), dos Imames Imaculados (a.s.) e dos companheiros do profeta (R) quanto ao conceito de política, governo, responsabilidade política e ação política no Islã. A biografia do Profeta (S) também descreve o conceito da política e do governo da melhor forma. O Profeta (S) estabeleceu a sua nação e governo na cidade sagrada de Medina, aplicando os conceitos islâmicos em sua atividade de administrador público, fazendo deles o método e a constituição da vida cotidiana da Ummah(3). Escolhemos algumas tradições para ilustrar o conceito de política no Islã e a natureza global nos seguintes procedimentos, inscritos no círculo da Sunna Profética: Foi relatado que o Mensageiro de Deus (S)

“Se alguém for nomeado para governar os muçulmanos e morrer, negligenciando-os, Deus vedar-lhe-á o Paraíso.” “Todo servo a quem Allah confiou um rebanho e não o aconselhar, não sentirá a fragrância do Paraíso.” Foi narrado que o Mensageiro de Deus (S) disse:”.. “O melhor jihad (empenho pela causa de Deus) é a pessoa falar o que é justo perante um governante tirano.” O Imam Ali (a.s.) relatou que o Mensageiro de Deus (S) disse: “Quem vir um governante tirano, que torna lícito o que Deus proibiu, não cumprindo a sua promessa, contrariando a Sunna do Mensageiro de Deus (S), agindo com os servos de Deus com injustiça, não mudando suas palavras e atos, é direito de Deus tomar conta dele.” Foi narrado que o Imam Hussain ibn Ali ibn Abi Tálib (a.s.), quando declarou sua revolta contra o governo de Yazid e recusou-se a dar-lhe apoio, disse: “Eu não fiz isso por pretensão, por insolência, por corrupção, por tirania, mas para buscar a reforma da nação do meu avô, o Mensageiro

2 - Em árabe, o termo é “yubá’iunaka”, verbo que tem a mesma raiz que “bá’ia”, palavra que pode ser entendida, latu sensu, como “voto”. (NE) 3 - Comunidade (NE)

50 - Revista Islâmica Evidências


de Deus, Desejo promover a prática do bem e coibir a prática do mal...” Foi narrado que o Imam Assádiq (a.s.) disse: “O Mensageiro de Deus (S) foi justo, bem sucedido, fortalecido pelo Espírito Santo, sem cometer erros, enquanto dirigia as pessoas.” O Imam Ali (a.s.) escreveu uma carta para Malik Al-Ashtar, ao nomeá-lo governador do Egito, indicando-lhe a metodologia de ação política e a administração dos assuntos do Estado, demonstrando os fundamentos do Direito, bem como o comportamento do governante, sua relação com a nação e suas responsabilidades. Em alguns de seus trechos, diz:

- “Quanto aos comerciantes e industriais, dá-lhes bons conselhos, fica sabendo, juntamente com isto, que a maioria deles é de mentalidade estreita e tremendamente avarenta. Juntam mercadorias para obter lucros e fixam altos preços. Isso é uma fonte de dano para as pessoas e um desafio para os oficiais encarregados. Coíbe as pessoas de entesourar (em excesso), porque o Profeta de Deus (S) o proibiu. A transação deverá ser suave, com os pesos e os preços corretos, não danificadores para ambas as partes, vendedor e adquirente; a quem cometer entesouramento, após o haveres proibido, proporciona punição severa, mas não excessiva.”

Nos textos islâmicos, temos que o conceito de política é aplicado a todo trabalho que diz respeito ao cuidado da nação

“Enche de misericórdia o teu coração para com os súditos, de afeição e benevolência para com eles. Não caias sobre eles como os animais famintos que se sentem satisfeitos em devorá-los. Eles são de duas espécies: ou são teus irmãos na religião, ou são como tu, na criação.”

- “(...) Porque tens ascendência sobre eles, e o Imam tem ascendência sobre ti, ao passo que Deus tem ascendência sobre todos, sobre ti e sobre aquele que te apontou. Ele te escolheu para que gerisses os negócios deles, sendo que te pôs à prova por meio deles.” - “Procura (beneficiar) os negócios da renda(4), de tal maneira (eficiente) que aqueles engajados nestas atividades permaneçam prósperos, porque na prosperidade deles repousa a prosperidade de todos os outros Os demais não podem prosperar sem eles, porque todas as pessoas dependem dos rendimentos e dos seus ofícios. Deverás também ficar de olho no cultivo da terra, mais do que na cobrança das rendas, porque estas não podem existir sem o cultivo.”

- “Tem Deus em vista com respeito ao trato com as classes baixas, que consistem daqueles que têm poucos meios, os pobres e destituídos, os descamisados e os inábeis, porque nessas classes estão os descontentes, bem como os pedintes. Cuida, para o bem de Deus, das tuas obrigações para com eles, para o que Ele te fez responsável. Fixa para eles um quinhão dos fundos públicos e um quinhão dos frutos da terra, tomados como espólios para o Islã, em todas as áreas, porque nelas os mais afastados têm o mesmo direito que os mais próximos... porque, de todos os súditos, essas pessoas são as mais merecedoras de tratamento equitativo.” Os textos islâmicos que citamos acima mostram-nos o significado da política no Islã. Incluem a gestão do aparelho do Estado e o dever do governante perante o direito dos governados, a ampliação das oportunidades para o governado exigir os seus direitos, a posição do governado perante o governante comprometido e do transgressor, as relações do país com outros países. Portanto, depreendemos que a política no Islã significa a ges-

4 - I.é, as atividades empresariais privadas (NE). Revista Islâmica Evidências - 51


tão da governança, a educação do ser humano nos valores e princípios islâmicos. Significa, também, oposição e resistência ao governante injusto, prestação de serviços, bem como a reconstrução e o desenvolvimento do país. Significa, ainda, cuidar dos assuntos da economia, da racionalização, proteção às riquezas da nação e seu desenvolvimento. Também significa auxiliar os oprimidos e lutar contra o opressor, compreendendo todo relacionamento que inclui o governante e o governado, vinculado aos auspícios e à gestão dos assuntos da nação. Significa exercer a tarefa do judiciário, a defesa e a segurança, a proteção e representação do governante da nação pelo Ministério Público, a conservação dos direitos literários e humanos, etc. Fica assim claro para nós: “A palavra po-

52 - Revista Islâmica Evidências

lítica, no entendimento islâmico, representa um conjunto etimológico que abrange todos esses significados e seus semelhantes”. Assim, entende-se que a política islâmica é diferente da compreensão maquiavélica, marxista, capitalista, ou inerente a outras concepções religiosas. A política é definida no pensamento político islâmico como “cuidar dos assuntos da nação”. Também pode ser entendida como “Toda ação social que visa a orientar a vida humana, dentro de uma visão integral, compreendendo as relações do governante com os governados, segundo o método islâmico”. Por isso, usamos os termos política fiscal, política externa, política educacional, política de comunicação, etc., conferindo-lhes um aspecto islâmico.


Personalidades Islâmicas Estes artigos visam a esclarecer os leitores sobre os mais ilustres personagens do Islã, fazendo-os conhecer seus currículos, os papeis que desempenharam e as conquistas que obtiveram em favor da humanidade, os campos em que se destacaram, suas descobertas e sacrifícios para o bem do ser humano. Conhecendo-os, nos beneficiaremos de suas experiências de vida, conhecimento, valores morais e intelectuais

N

asceu Ibn al-Nafis em Homs, na Síria, no ano de 1213 A.D. A cidade, à época, era um dos centros culturais mais importantes do mundo islâmico. Nele se destacaram os sábios em Jurisprudência, em Tradição e, na ciência da Língua Árabe, em morfologia e sintaxe. Também eram grandes os avanços em invenções técnicas. Ala’Addin Abu al-Hassan Ali bin Abi Hazm al-Quraishi al-Dimashqi, mais conhecido por “Ibn al-Nafis”, juntou-se às escolas de Jurisprudência e da Tradição, Concentrou-se na ciência da língua árabe, sua análise, argumentação, no conhecimento de seus significados e originalidades, dedicando-se a temas que nenhum outro estudou antes dele

dos pais, pois aquela ciência, naqueles anos, era algo novo para a comunidade de Homs, onde as salas de estudos estavam repletas de estudantes de Jurisprudência, de Linguagem e de Tradição. Por isso, foram surpreendidos pela escolha do filho. O seu pai foi o primeiro dos opositores ao seu desejo. Mas, Ibn al-Nafis insistiu em estudar Medicina, pedindo ao pai que lhe desse a oportunidade, prometendo-lhe trabalhar para atingir uma posição avançada. Após uma longa discussão, Ibn al-Nafis convenceu-o da importância de sua escolha. Ele concordou com o pedido do filho de viajar para Damasco. Naquele período, Damasco, também na Síria, estava sob o governo dos Ayubidas, que se dedicavam à ciência em geral e à Medicina em particular. Isso fez de Damasco a capital das ciências e das artes. A cidade possuía uma grande biblioteca, contendo livros preciosos, e um instituto importante, que atraía os mais hábeis médicos da época, que para lá se dirigiam, vindos de todos os lugares.

O elogio dos professores foi muito animador, ao ponto de alguns imaginarem que Ibn al-Nafis seria um sábio em Jurisprudência e Tradição

O elogio dos professores ilustres foi muito animador, ao ponto de alguns imaginarem que Ibn al-Nafis seria um sábio em Jurisprudência e Tradição de primeira classe. Ibn al-Nafis, porém, seguiu em outra direção, dirigindo-se com ansiedade ao estudo da Medicina. Talvez a motivação para estudá-la tenha sido o que lhe aconteceu no ano 629 A.H./1231 A.D., quando foi acometido por uma crise de saúde. Mas, o desejo de estudar Medicina foi recebido com forte oposição

Na cidade, Ibn al-Nafis estudou medicina nas mãos de Muhazzibddin Abdel-Rahim, o famoso oftalmologista, que faleceu em 628 A.H/1230 A.D., e de “’Imran, o Judeu”, fa-

Revista Islâmica Evidências - 53


Ibn al-Nafis

Médico, Cientista e Jurisprudente

54 - Revista Islâmica Evidências


lecido em 637 A.H/1229 A.D., este um médico exímio. ‘Imran, aliás, disse a respeito de al-Nafis: “Ele tratou de muitas doenças crônicas de pessoas já desenganadas, a quem os médicos foram incapazes de curar. Ele as tratou com remédios estranhos, que aviava, ou com os tratamentos requintados que conhecia.” Em 633 AH/1236 A.D., Ibn al-Nafis mudou-se para o Cairo. Alguns dizem que isso aconteceu por causa do impacto do contencioso que teve com Ibn Abi Ossaiba’a. Juntou-se, então, ao Instituto de Nazaré e foi capaz, com seu empenho e diligência, de tornar-se seu presidente, além de aluno da Escola de Medicina ligada a ele. Ibn al-Nafis tornou o médico particular do Sultão Bunduqdari, Baybar do Egito e da Síria, durante os últimos 22 anos da vida do monarca Al-Záhir.

instruções, para o tratamento dos pacientes. Após cerca de seis meses, o médico conseguiu controlar e erradicar a doença. Os egípcios o homenagearam e deram-lhe presentes, apelidando de “Masri” (1). Deram-lhe muito dinheiro, o que lhe permitiu comprar uma casa espaçosa e viver confortavelmente. Os cientistas, as autoridades e os estudantes frequentavam suas reuniões e lhe faziam perguntas de Jurisprudência, Medicina e Literatura. Ele foi descrito por seus contemporâneos como generoso, de boas maneiras, de opinião sincera e religioso. Está ligada ao nome de Ibn al-Nafis a descoberta da pequena circulação sanguínea, ou a circulação pulmonar. O feito foi registrado no livro “Explicação da Lei da Anatomia”, de Ibn Sina, bem antes do cientista inglês, o médico Harvey, falecido em 1068 A.H./1657 A.D. Este pesquisou a circulação sanguínea mais de três séculos e meio após a morte de Ibn al-Nafis.

Ele, porém, seguiu em outra direção, dirigindo-se com ansiedade ao estudo da Medicina, o que os pais desaprovavam

Ibn al-Nafis angariou grande fama no estudo e prática da Medicina. Ele foi contemporâneo de importantes eventos no Egito, que causaram impacto na região e no mundo, incluindo as cruzadas na Síria, a invasão de Hulagu Khan e dos tártaros a Bagdá e a sua destruição pelos tártaros, o que o fez sentir muita dor. Após 39 anos de permanência no Egito, em 671 A.H./1271 A.D., o país foi acometido por uma epidemia que varreu cidades, vilas e atingiu gravemente as pessoas. Ibn al-Nafis combateu a doença com coragem. Quando o mal cresceu e se espalhou, matando homens, mulheres e crianças, ele formou uma grande equipe médica, sob suas

O que o sábio Mohiuddin Tatawi escreveu chamou a atenção dos pesquisadores, liderados pelo orientalista alemão Meyerhof. Em uma de suas pesquisa sobre Ibn al-Nafis, Tatawi disse: “O que me impressionou é a semelhança, se não a igualdade, de algumas das frases registradas por Serfitus (2)* com as declarações de Ibn Sina, que foram traduzidas literalmente”. Quando al-Dumaili verificou os dois estudos, disse: “A descrição de Ibn al-Nafis da pequena circulação sanguínea corresponde às mesmas palavras de Serfitus. Por isso, é direito ser atribuída a descoberta da circulação principal a Ibn al-Nafis, não a Serfitus ou a Harvey”.

(1) Masri, ou al-Masri, em árabe, significa “egípcio” ou “o egípcio”, do Árabe “Masr”, Egito em português. (NE) (2) Serfitus estava estudando na Universidade de Paris e verificou a tradução feita por “Alpaju” do livro de Ibn al-Nafis. Devido à acusação de falsidade ideológica, Serfitus foi expulso da universidade. Ele e seus escritos acabaram condenados à fogueira no ano de 1065 A.H/1553 A.D. O destino, porém, quis que alguns de seus livros escapassem do fogo, entre eles o que Alpaju traduziu a respeito de “Ibn al-Nafis” e sua teoria sobre a circulação sanguínea.

Revista Islâmica Evidências - 55


A descoberta da circulação sanguínea menor é uma das muitas de suas contribuições. Atribui-se a ele, porém, a descoberta das duas circulações do sangue, tanto a pequena quanto a grande. Ele desenvolveu uma teoria impressionante sobre a acuidade visual e descobriu muitos fatos em anatomia. Ibn al-Nafis juntou os vários conhecimentos médicos e farmacológicos do seu tempo e apresentou as bases do conhecimento para a pesquisa científica e as percepções para o método científico de experimentação.

Ibn al-Nafis é autor de muitos livros, alguns publicados e outros ainda presos nas prateleiras, sem ver a luz do dia. Entre suas obras, temos: “A Explicação dos Escritos de Hipócrates”, “A Correção na Experiência do Kohl (cajal)” e “Resumo de Medicina”. Na obra “Explicação da Lei da Anatomia”, um dos seus livros mais importantes, destaca-se o seu valor por descrever a pequena circulação sanguínea. Ali ele também registra a descoberta de que o músculo do coração é alimentado pelos seus vasos interiores, não pelo sangue existente dentro dele. O livro mostra a confiança de Ibn al-Nafis em seu conhecimento; pois ele criticou os maiores médicos conhecidos pelos árabes da época, ou seja, Galeno e Avicena. A sua obra-prima, porém, é representada pela sua enciclopédia, conhecida como “O Abrangente na Indústria Médica.” Ibn al-Nafis colocou o rascunho de sua enciclopédia em trezentas pastas. Ele colocou a limpo oitenta delas, que constituem o epítome dos esforços científicos dos muçulmanos em Medicina e Farmácia, em cinco séculos de trabalho contínuo. Ibn al-Nafis a produziu para ser um farol, a orientar aqueles que trabalham na Ciência Médica.

Além da circulação sanguínea, ele desenvolveu a teoria impressionante sobre a acuidade visual e descobriu muitos fatos em anatomia

Ibn al-Nafis foi o primeiro a chamar a atenção de seus pacientes quanto à necessidade de moderação na ingestão de sal, fornecendo uma descrição precisa sobre os perigos desta substância no organismo e seu impacto sobre a pressão alta. Ele se destacou no estudo da anatomia da garganta, do sistema respiratório e das artérias e mostrou as suas funções. Escritos de Ibn al-Nafis

56 - Revista Islâmica Evidências

Ao lado de sua genialidade como médico, Ibn al-Nafis foi filósofo, hostoriador, jurista e linguista. Possui escritos em Linguagem e Gramática. Ibn Annahas, outro conhecido linguista árabe, não aceitava argumentos de ninguém, no Cairo, a respeito de Gramática, a não ser os de Ibn al-Nafis. Ele passava a maior parte de seu tempo no trabalho ou na composição, na classificação ou no ensino de seus alunos. Ibn al-Nafis, a exemplo dos escritores e estudiosos muçulmanos, interessou-se pela


Ciência Islâmica, pelas biografias e tradições. Desponta entre seus inúmeros livros uma biografia do Profeta (Deus o abençoe e a sua Família e lhes dê paz), sob o título: “A Mensagem Completa na Biografia de Mohammad”. Em outro livro, de título “Resumo dos Fundamentos da Ciência da Tradição”, ele manifesta uma tese em “Escatologia”, na qual critica o livro de Abul Haiyan, “Hay Ibn Yaczan”. Diz-se que Ibn Nafis escreveu uma explicação filosófica do livro “Isharát” (Sinais) e outra do livro “Al Hidáya fil Hikma” (Guia Para a Sabedoria) do intelectual, xeique e mestre Ibn Sina. Notemos que boa parte de seus livros implicaram numa classificação e explicação de outros livros famosos. Em seus últimos dias, aos oitenta anos de idade, Ibn al-Nafis foi acometido por doença grave, que lhe torturou por seis dias. Os médicos tentaram tratá-lo com vinho. Ele devolveu a bebida de sua própria boca e, sofrendo o tormento da doença, disse: “Não vou encontrar Deus, o Altíssimo, com resquícios de vinho em meu estômago.” O encontro não demorou muito mais e ele veio a falecer na noite de sexta-feira, 21 de Zul Qui’da de 687 A.H. (17 de dezembro de 1288 A.D.).

Ao lado de sua genialidade como médico, Ibn al-Nafis foi filósofo, hostoriador, jurista e linguista. Possui escritos em Linguagem e Gramática Revista Islâmica Evidências - 57


Sentimentos

Perspectivas de misericórdia - 4 O ambiente do amor

F

alamos no número 12 de “Evidências” a respeito da compaixão humana, abordando os seguintes temas:

1 – A miericórdia pelos pais; 2. A misericórdia pelos idosos (Vamos completar o assunto a respeito); 3. A misericórdia pelas crianças. Da mesma forma que o Islã recomenda reverenciar os idosos, também recomenda compaixão e piedade pelas crianças. Há, em ambos os casos, misericórdia: Misericórdia pelo idoso, que não consegue suportar os encargos da vida, e pela criança, que não teve tempo ainda de carregar esse fardo. O Islã também estabelece a misericórdia pelos que são nossos contemporâneos, semelhantes ou os que têm a nossa idade. Estabeleceu

um método para lidarmos com estas três categorias, com educação e bom comportamento. Eis alguns exemplos disso: O Imam Jaafar Ibn Mohammad al-Sadiq (a.s..) nos ensinou que, ao vermos uma pessoa muito idosa, devemos considerá-la como nosso pai ou nossa mãe. Ao vermos uma pessoa jovem, devemos tratá-la como nosso filho. Ao vermos quem é da nossa idade, devemos tratá-lo como irmão ou irmã. Por conseguinte, devemos dignificar o idoso, ser piedosos com os pequenos e respeitar quem for da nossa idade. Ele (a.s.) também nos ensina outra forma sublime de comportamento, dizendo: “Se vês alguém mais velho que ti, digas: ‘Ele me precedeu na graça e na orientação’. Se vês quem é mais jovem que ti, digas: ‘Eu o precedi no pecado e na desobediência’. Se vês quem tem a tua idade, diz: ‘Eu sei o que eu tenho na mente e não sei o que tens na tua mente’. Assim, tu não te tor-

Da mesma forma que o Islã recomenda reverenciar os idosos, também recomenda compaixão e piedade pelas crianças

Revista Islâmica Evidências - 59


nas arrogante nem olha para eles de cima, mas os olha de maneira conjunta, observando seus pontos de juventude, velhice e meia idade com amor, equidade e humildade. Desta maneira, ganhas a sua amizade, o seu respeito e gratidão, por tua misericórdia e bondade.”

4. A Misericórdia pelas Mulheres

com as filhas dos parentes deve se pautar pela amizade, educação e polidez. O nossos relacionamento com a mulher em geral pode ser julgado a partir de nosso relacionamento com a esposa, com a filha ou com qualquer outra mulher.

A compaixão pelas mulheres vem do fato de ela ser um ser humano frágil, suave, sensível, sujeito à força dos sentimentos e das palavras

O relacionamento com a mulher começa com a nossa mãe, com quem devemos agir com ternura, gentileza e benevolência. A nossa convivência com nossas irmãs deve ser realizada com amor, carinho, gentileza e cooperação. A nossa gentileza com as filhas dos vizinhos deve estar presente também e com elas devemos agir com respeito, decência e civilidade. A nossa relação

A crueldade com a irmã, desprezar a sua feminilidade, sendo nós do gênero masculino, a ocupação do lugar do pai na sua educação e repreensão terá um impacto na nossa formação e personalidade, influenciando a nossa interação com a esposa, amanhã. Portanto, a compaixão pelas mulheres vem do fato de ela ser um ser humano frágil, suave, sensível, sujeito à força dos sentimentos, às palavras doces, seduzindo-se pelo tratamento


educado e pela consideração em agradecimento aos seus esforços. Fazendo uma analogia com a sensibilidade e fragilidade femininas, o Mensageiro de Deus (S) disse: “Cuidai bem de vossas taças”. Isso significa que, assim como devemos cuidar bem das taças, para que não se quebrem, a simpatia em relação à mulher vai ajudá-la em ter mais criatividade e dedicação, sacrifício e altruísmo. Aos jovens crentes, educados e que se preocupam com as mulheres muçulmanas, não é suficiente repetir: “Por trás de cada grande homem há uma grande mulher”. É preciso respeitar e ter compaixão em relação a elas, que fazem os grandes vultos da história. Devemos fazê-la sentir o seu grande valor como ser humano, para termos por trás de toda mulher um grande homem – e que sejamos esse homem!

5. A misericórdia pelos amigos e irmãos Há a amizade de longa duração, que só é encerrada com a morte. Aliás, permanece um vínculo de comunicação, mesmo após a morte, pelo que o amigo proporciona ao amigo falecido em dons que alcançam até a sepultura, como ele as recebia durante sua vida. Há, ainda, é verdade, outra amizade que é encerrada na primeira disputa e simples controvérsia. Quanto à amizade longa, é causada pela compaixão entre os amigos próximos, mesmo entre irmãos. Eles esquecem os abusos mútuos e desculpam-se uns aos outros, censuram-se com suavidade em caso de acrimônia, interessando-se cada um em esclarecer os desentendimentos, temendo pela boa, forte e duradoura relação em momentos de abuso emocional e de injúrias transitórias.

A relação dos irmãos com solidariedade, convergência e orientação mútua é a mais bela imagem da misericórdia

Em um estudo a respeito de mulheres criativas, mostrou-se que um dos fatores mais importantes que as ajuda a superar as dificuldades e alcançar os objetivos na vida é a misericórdia dos pais que não fazem distinção entre elas e seus irmãos, dando-lhes as oportunidades pertinentes, abraçando os seus talentos e sucetibilidade como abraçam os talentos e as capacidades dos irmãos. Constatou-se, também, que a misericórdia dos pais reflete-se na educação dos filhos, produzindo uma geração com espírito, mente e comportamento saudáveis. A misericórdia pela mulher, seja ela mãe, irmã, esposa, parente ou estranha, multiplica a sua sinceridade, dedicação e o orgulho pela sua posição, devolvendo o bem exponencialmente. Sejamos misericordiosos com a mulher e veremos que ela responderá ao bem com algo melhor!

O perdão, a tolerância e a amizade entre os irmãos estão entre os segredos da misericórdia; o cuidado entre os irmãos e dos seus sentimentos é misericórdia; a prática do perdão em relação a um irmão ou amigo abusador é misericórdia; colocar-se na posição do irmão ou amigo, como se estivesse dizendo: “Se eu estivesse no seu lugar, o que faria?”, desculpando-o pela sua falta, é misericórdia. A relação dos irmãos com solidariedade, convergência, orientação mútua, o falar bem do outro estando ele presente ou ausente, morto ou vivo, é a mais bela imagem da misericórdia. Não ouvir as palavras maldosas dos outros a respeito do nosso irmão e rejeitar o que pode nos separar é misericórdia por nós, por ele e por nossa amizade. A remoção dos tropeços do irmão e mostrar-lhe franca e confidencialmente os erros, com sabedoria e bons conRevista Islâmica Evidências - 61


selhos, a fim de mudar seu comportamento, é misericórdia que Deus, o Seu Mensageiro (S) e os crentes em geral amam. Quando o Profeta (S) promoveu a irmandade entre os imigrantes e os ansar (1), no primeiro período de Medina, quis plantar as sementes da compaixão e da amizade entre os muçulmanos. Ele teve enorme sucesso na empreitada. A Nação formada pelo Alcorão, com as Palavras de Deus, Todo-Poderoso, e pelo Islã, por intermédio do Mensageiro de Deus (S), é a melhor Nação que surgiu para a humanidade!

6. A misericórdia para com os demais seres humanos:

A misericórdia de Deus abrange todas as coisas e todos os seres humanos. A misericórdia do crente pela causa de Deus e pelo Seu Mensageiro, pelo Islã como religião, método, comportamento e conduta, sem nenhum limite, é misericórdia pelos próximos e pelos distantes, apesar dos próximos terem a prioridade de receber o bem. O outro, quer seja ele membro do Povo do Livro (2) ou de qualquer outra religião, aguarda com expectativa pela misericórdia e bondade, pois muitas pessoas sabem que o Islã é uma religião de misericórdia, de paz, convivência harmônica e cooperação. Mesmo que os outros não saibam disso, devemos ser simpáticos e misericordiosos em relação às

(1) Ansar são os apoiadores, habitantes de Medina – até então oásis de Yathrib – que receberam e deram suporte aos muçulmanos que, acompanhando o Profeta Muhammad (S), deixaram Meca durante a Hijra. (NE).


pessoas, quer sejam nossos irmãos na religião ou parceiros na criação. A nossa misericórdia pelo fraco é agradecimento pelas graças com que Deus tem nos abençoado. A nossa misericórdia pelo pobre é um agradecimento pela graça que Deus nos concede. A nossa misericórdia pelo ignorante é um agradecimento pelo que Ele nos proporcionou em conhecimento. A nossa misericórdia pelo pecador é um agradecimento pelo que Ele nos proporciona em orientação. Saudar a quem conhecemos é misericórdia por ele e saudar quem não conhecemos é, também, misericórdia pelo próximo. Este é o significado que alimenta a convocação do Profeta (S) “Espalhai a saudação de paz”, ou seja, devemos disseminar uma atmosfera de compaixão entre nós, para que a terra se amplie e transbordem as bênçãos, prevaleçam a felicidade e o amor, a prosperidade e a fraternidade. A afluência do amor que emana do nosso coração e dos corações dos outros torna-se um grande rio, repleto de bem, transformando a face sombria da Terra, que vemos hoje. O que falta à nação e ao mundo é compaixão, em primeiro lugar.

seja no transporte ou na companhia. Por isso, eles merecem compaixão, também. O Islã não permite que deixemos o animal com fome ou sede, não permite que o sobregarreguemos com peso excessivo, nem que o espanquemos. Devemos dar-lhe a oportunidade de descansar do trabalho e das dificuldades da jornada. Não devemos sobrecarregá-lo com atividades noite e dia. O Islã confirmou a proteção ao animal, considerando isso como uma forma de misericórdia e indulgência. Foi narrado que o Mensageiro de Allah (S) disse: “Conforme um homem ia percorrendo um caminho, sua sede ia-se tornando insuportável. Com a continuação da caminhada, encontrou um poço e decidiu descer e ali bebeu; porém, ao sair, viu um cão que arquejava e ofegava, de tanta sede que tinha, e inclusive lambia a areia. O homem disse a si mesmo: ‘Este cão está sofrendo de sede, do mesmo modo que eu sofria!’ Por isso, descendo outra vez ao poço, encheu de água o seu sapato, agarrando-o com a boca enquanto subia; e deu de beber ao cão. Deus aceitou o seu ato e perdoou-lhe as faltas.” Disseram ao Profeta (S): “Ó Mensageiro de Deus, acaso receberemos também alguma recompensa por tratarmos bem os animais?”. Respondeu ele (S): “Para cada ser vivente haverá uma recompensa.” O homem foi perdoado e recebeu a misericórdia de Deus por sua bondade para com o cão, dando-lhe água para beber.

Devemos disseminar uma atmosfera de compaixão entre nós, para que prevaleçam a felicidade e o amor, a prosperidade e a fraternidade

7. A misericórdia pelos animais: Da mesma forma que os círculos na água se ampliam quando uma pedra cair nela, os círculos de compaixão no Islã se expandem para incluir toda a Criação. O respeito aos pais, aos parentes, aos vizinhos, aos amigos e aos irmãos mostra misericórdia por todas as pessoas. Devemos dirigi-lo, também, aos animais. Estes belos seres, na multiplicidade de suas formas e cores, proporcionam satisfação e conforto, ajudando o ser humano,

Dessa forma, o Mensageiro de Deus (S) estabelece que tratar bem qualquer criatura merece uma recompensa. Portanto, o Islã também não permite o confinamento do animal nem da ave. Há uma famosa tradição sobre

(2) Isto é, cristãos e judeus (NE).

Revista Islâmica Evidências - 63


uma mulher que foi torturada no fogo do Inferno por ter maltratado uma gata.

para saber porque o Islã quer que sejamos misericordiosos entre nós:

O Islã igualmente não permite a tortura ou a mutilação de animais. Foi narrado que o Profeta (S) disse: “Não é permitido mutilar, mesmo o cão estéril”.

1. A misericórdia concilia entre os corações, derrete o gelo, remove as barreiras, abre os caminhos do entendimento e da cooperação “Pela misericórdia de Allah, foste gentil para com eles.” (3:159). A crueldade, por sua vez, leva à imoralidade, à aversão e semeia o ódio: “porém, tivesses tu sido insociável ou de coração insensível, eles se teriam afastado de ti” (3:159). A misericórdia, certamente, é uma força atrativa, enquanto a crueldade é força repulsiva.

O apelo do Islã para a bondade e a compaixão para com os animais, em primeiro lugar, é apelo para o respeito e a compaixão pelos seres humanos. Se o Islã é misericordioso com a criatura que não fala ou raciocina, que dirá com a melhor das criaturas, isto é, o ser humano? Observemos o que os tiranos fazem com as pessoas, com os crentes, com os justos, para verificarmos que, hoje, alguns animais têm, inclusive, melhor sorte do que os seres humanos.

Entre a piedade e a crueldade: Vamos fazer uma comparação entre os efeitos da misericórdia e os efeitos da crueldade e a natureza de cada um destes sentimentos

2. A misericórdia é atributo Divino. Deus trata os Seus servos, até mesmo criminosos entre eles. Ele os admoesta a recorrer à tenda de Sua misericórdia quando cometem erros ou pecados. A crueldade, porém, é criação demoníaca, equipando almas enfermas, estimulando o complexo de inferioridade dos tiranos, opressores, os que são injustos com eles próprios e os outros. A misericórdia constitui em poder e per-


dão. A crueldade constitui fraqueza e opressão. 3 A piedade é uma bela e maravilhosa expressão dos direitos humanos, tanto na palavra quanto na ação, enquanto a crueldade é a expressão do lado animal do ser humano, predador e feroz. O lobo, o tigre e o leão não lidam com as presas a não ser como uma refeição, para matar a sua fome. A crueldade é instinto irracional. A piedade é mente de peso e emoção sensível. A mente que a pede e convoca a ela é coerente com os princípios da verdade, da bondade e da beleza. O coração clama por ela porque é o caminho mais amplo para a razão.

nar que a misericórdia deve ser colocada nas posições corretas, ao mesmo tempo em que a crueldade deve, igualmente, ser colocada em locais apropriados. Os inimigos da nação e os usurpadores dos seus direitos não merecem a nossa misericórdia e nós devemos ser severos com os descrentes. Os opostos, por sua vez, merecem a compaixão na capacidade dos nossos corações. Há um trecho nas súplicas do recebimento do mês de Ramadã que diz: “(...) A procurar quem nos abandonou, a sermos justos com quem foi injusto conosco, a fazer a paz com os nossos inimigos, exceto com o inimigo Teu (3). Este é o inimigo com quem não fazemos acordo e o partido ao qual não nos aliamos”.

Assim como uma pedra lançada na água, os círculos de compaixão no Islã se expandem para incluir toda a Criação

4. A misericórdia educa, refina, ampara, ensina e avalia. A crueldade ensina, também, mas há grande diferença. A piedade ensina a mente a encontrar a mente, o coração a encontrar o coração e o ser humano a encontrar o outro ser humano. Constitui-se em conhecimento, amor mútuo e relacionamento. A crueldade, por outro lado, ensina o ódio, o rancor e a vingança. A piedade, então, é um grande lucro, enquanto a crueldade é perda total.

O caminho para a compaixão Como posso ser misericordioso? Como posso purificar meu coração e meus sentimentos da crueldade e da poluição moral? É a compaixão inata ou adquirida? Qual é o caminho para a compaixão?

5. A piedade é o método dos poderosos; a crueldade é o método dos fracos, porque quem necessita de crueldade e violência é o fraco, que tenta encobrir as suas deficiências com a opressão, usando armas, algemas, sufocando a respiração dos cidadãos e das sociedades. O ser humano cruel não possui a não ser a pressão do terror e da intimidação; dominando apenas o corpo de outro ser humano. O indivíduo misericordioso domina a alma do outro, de forma sublime e transcendente. Por isso, ele domina o coração do ser humano.

A misericórdia é adquirida, ou seja, conquistamo-la com a aprendizagem e a educação, com a experiência, o intercâmbio do amor e a prática da misericórdia em relação aos demais, trocando amor com amor, compaixão com compaixão. Os árabes na época pré islâmica eram crueis, mas o Islã foi capaz de criar dos corações crueis corações compassivos, cheio de misericórdia. Dessa maneira, levou este povo a contribuir enormemente com o desenvolvimento da Medicina, Matemática, Astronomia, Engenharia, Arquitetura, Química, Biologia, Filosofia, entre outros campos do conhecimento.

Quando fazemos esta comparação entre a piedade e a crueldade, é necessário mencio-

O caminho para a compaixão passa pelos seguintes canais:

(3) I.é, Allah (NE).

Revista Islâmica Evidências - 65


1. A obediência a Deus e ao Seu Mensageiro (S). Deus é Clemente e Misericordioso e o Seu Profeta constitui na misericórdia orientadora da humanidade. Ambos apelam para o estabelecimento da compaixão entre as pessoas. Quem os seguir, espalhará a misericórdia pela Terra; terá obedecido a ambos e obterá a “Ordem da Misericórdia de Primeiro Grau”: “Obedecei a Allah e ao Mensageiro, a fim de que obtenhais a misericórdia.” (Alcorão Sagrado, 3:132). Allah, Exaltado Seja, diz ainda: “Ó crentes, temei a Allah e crede em Seu Mensageiro! Ele vos concederá dupla porção da Sua misericórdia” (Al-Hadid, 28). 2. Ouvir a Revelação de Deus, que Allah tornou a orientação e a misericórdia para o

povo. Aquele que procura a orientação e a compaixão não precisa ir longe. No Alcorão, encontra a misericórdia, em suas suratas e seus versículos. Ele diz: “E quando for lido o Alcorão, escutai-o e calai, para que sejais compadecidos.” (Al A’raf, 204). Há muitas histórias contadas sobre aqueles em cujos corações a misericórdia, como uma luz, penetrou enquanto ouviam o Alcorão, conscientemente. 3. A recordação e as preces são outros dois métodos de aquisição de misericórdia. Fazemos descer a misericórdia divina com as nossas preces, que reconhecem a nossa servidão a Deus, que expressam que nós estamos entre as Suas Mãos, mesmo sendo negligentes e pecadores. Nós o invocamos com a expressão do Monoteísmo, afirmando que as pessoas necessitam d’Ele e Ele não necessita castigá-las. 4. Ler a nobre biografia do Profeta (Deus o abençoou e a sua Família e os saudou), ler as histórias dos Imames Purificados e dos santos justos, que conheceram a misericórdia de Deus e a ensinaram às pessoas com palavras e atos, conquistando os seus corações. Todas estas pessoas foram exemplos sublimes na misericórdia, abrindo caminhos amplos para as mentes equivocadas e os corações crueis. 5. Fazer o nosso coração sentir a misericórdia e preenchê-lo com ela. Não sejamos avarentos com quem está em torno de nós. Não fiquemos com medo de esgotar o sentimento de misericórdia, pois ele é como o conhecimento, ou seja, aumenta quando é utilizado. Finalmente, repitamos ao final de cada oração: “Ó, Deus, o Teu perdão é mais importante que o meu trabalho, a Tua misericórdia é mais ampla do que o meu pecado. Ó, Deus, se o meu pecado for enorme para Ti, o Teu perdão é maior ainda. Ó, Deus, se eu não sou digno de alcançar a Tua misericórdia, que ela seja capaz de me alcançar, porque abrange todos as coisas. A última prece que devemos rezar é: “Louvado seja Deus, Senhor do Universo”.


Livro Lúcido

U

m orientalista quis procurar falhas no Alcorão. O Dr. Miller era missionário muito ativo na convocação para o cristianismo. Possuia conhecimento amplo do seu livro sagrado, a Bíblia. Este homem gostava muito de matemática. Por isso, apreciava a lógica. Um dia, quis ler o Alcorão, a fim de descobrir nele erros que reforçassem a sua posição quanto à convocação dos muçulmanos à religião cristã. Esperava ele encontrar no Alcorão um velho livro, escrito há 14 séculos, falando do deserto e assim por diante. Mas, na realidade, ele ficou surpreso com o que encontrou. Descobriu que o Alcorão tem coisas não mencionadas em nenhum outro livro do mundo. Tinha esperado encontrar alguns eventos estressantes pelos quais o Profeta Mohammad (S) passou, como a morte de sua esposa, Khadija (R), ou a morte de suas filhas e filhos. Porém, nada encontrou quanto a estes assuntos. Na realidade, o que o confundiu foi ter descoberto que há um capítulo no Alcorão chamado “Surat Mariam”, que honra Maria (a.s.), a mãe de Jesus (a.s.). Não há nada semelhante nos livros dos cristãos, nem em seus Evangelhos! Ele não encontrou uma surata em nome de Aicha – uma das esposas do Profeta (S) – ou ou Fátima (a.s.), sua filha. Descobriu, também, que Jesus (a.s.) é mencionado por nome 25 vezes no Alcorão, enquanto o profeta Mohammad (S) é mencionado apenas 5 vezes. Isso aumentou a confusão do homem. Ele começou a ler o Alcorão com interesse maior. Talvez encontrasse o que estivesse procurando. Mas ele se surpreendeu com um maravilhoso e estranho versículo, ou seja, o versículo 82 da Revista Islâmica Evidências - 67


Surata das Mulheres: “Não meditam, acaso, no Alcorão? Se fosse de outra origem que não de Allah, haveria nele muitas disparidades.” O Dr. Miller disse sobre este versículo: “Entre os princípios científicos conhecidos no momento presente é o princípio de encontrar erros ou encontrar erros nas teorias até confirmar a sua veracidade (Teste de Falsificação). O estranho é que o Alcorão encoraja os muçulmanos e não muçulmanos para encontrar erros nele, e não encontram”. Ele também disse sobre este versículo: “Não há nenhum autor em todo o mundo que tenha coragem, escrevendo um livro, de dizer que sua obra está isenta de erros. O Alcorão, ao contrário, diz que não contém erros e oferece ao leitor a oportunidade de encontrá-los, e você não encontra”.

de Satanás na escrita de qualquer livro? Escreve um livro e depois diz que antes de lê-lo, o leitor deve procurar refúgio em Deus contra o próprio autor? Estes versículos são indícios milagrosos deste livro milagroso! Ele possui resposta lógica para cada uma das referidas suspeitas.” Entre as histórias que impressionaram o Dr. Miller, consideradas por ele como milagre, está a do Profeta (S) com Abu Lahab. O Dr. Miller disse: “Este homem, Abu Lahab, odiava o Islã, tanto que seguia Mohammad (S) onde ele ia para reduzir o valor do que ele dizia. Quando via o Profeta falar com estranhos, esperava ele terminar de falar e então ia ter com as pessoas e lhes perguntava: ‘O que Mohammad lhes disse? Se ele lhes disse que algo é branco, é preto; se ele disse que é noite, na realidade é dia’. Seu objetivo era discordar totalmente do Profeta (S), colocando dúvidas nas pessoas a respeito dele. Dez anos antes da morte de Abu Lahab, foi revelada no Alcorão uma surata chamada “Surat Al-Massad”. Esta Surata determinou que Abu Lahab iria para o Inferno. Em outras palavras, que Abu Lahab não iria ingressar no Islã. Durante todos os dez anos, Abu Lahab teve tempo de ir diante do povo e dizer: ‘Mohammad disse que eu não vou me tornar muçulmano e que irei para o Inferno. Declaro agora que desejo ingressar no Islã e tornar-me muçulmano! Que vocês acham agora? Mohammad fala a verdade ou não? Será que a revelação que ele recebe é divina?’ Abu Lahab, porém, não fez isso, apesar de seus atos terem sido contrariar ao Profeta (S), mas ele não o contrariou neste assunto. A história conta que o Profeta (S) disse a Abu Lahab: ‘Você me odeia e deseja me insultar. Bem, você tem a oportunidade de denunciar as minhas palavras!’ Mas ele não fez isso, durante dez anos! Não se converteu, sequer fingiu ter se convertido! Teve a chance durante dez anos de destruir o Islã em um minuto! Mas, porque as palavras não são palavras

O missionário cristão Dr. Miller quis ler o Alcorão a fim de descobrir nele erros que reforçassem a sua posição de convocador ao cristianismo

Outro versículo que o Dr. Miller analisou longamente foi o versículo 30 da Surata Al-Anbiyá: “Não veem, acaso, os incrédulos, que os céus e a terra eram uma só massa, que desagregamos, e que criamos todos os seres vivos da água? Não crêem ainda?” Este versículo é exatamente o tema de investigação científica sobre a teoria do Big Bang, que ganhou o Prêmio Nobel em 1973. Esta teoria afirma que o universo existente é o resultado de uma enorme explosão que criou tudo: céus, astros e planetas. Além disso, antecipa em 1.400 anos a verdade científica, hoje comprovada, de que a vida surgiu na água. O Dr. Miller disse: “Agora, chegamos à uma coisa incrível a respeito do Profeta Mohammad (S) quanto à afirmação de que os demônios são os que o ajudaram. Deus, Exaltado Seja, diz: ‘E não foram os demônios que o trouxeram (isto é, o Alcorão). Porque isso não lhes compete, nem poderiam fazê-lo. Posto que lhes está vedado ouvi-lo.’ (Os Poetas, 210-212) ‘Quando leres o Alcorão, ampara-te em Allah contra Satanás, o maldito’ (As Abelhas, 98). Será este o método 68 - Revista Islâmica Evidências


de Muhammad (S), mas inspiradas por quem conhece o invisível, ele sabia que Abu Lahab não se converteria. Como Muhammad (S) sabia que Abu Lahab ia comprovar o que foi revelado na surata, se não fosse uma revelação de Deus? Como tinha certeza de que no período de dez anos, o que ele possuia era a verdade se não soubesse que era revelação de Deus? Para que uma pessoa lance este sério desafio, só tendo certeza de que é revelação divina. “Que pereça o poder de Abu Láhab e que ele pereça também! De nada lhe valerão os seus bens, nem tudo quanto lucrou. Entrará no fogo flamígero, bem como a sua mulher, a portadora de lenha, que levará ao pescoço uma corda de esparto.” (111:1-5). Quanto à jurisprudência de Deus, o Dr. Miller continua a respeito do estilo único do Alcorão, que o deixou perplexo: “Sem nenhuma dúvida, existe no Alcorão uma única e deslumbrante orientação que não existe em nenhum outro lugar. É que o Alcorão fornece informações específicas e lhe diz que não eram conhecidas antes”.

mais hostis para convosco, então o Alcorão está errado’. Isso, porém, não aconteceu em 1400 anos! E não vai acontecer porque as palavras vieram de Quem conhece o invisível, não de um ser humano!” O Dr. Miller complementa, dizendo: “O versículo que fala da inimizade dos judeus aos muçulmanos é um desafio para as mentes: ‘Constatarás que os piores inimigos dos crentes, entre os humanos, são os judeus e os idólatras. Constatarás que aqueles que estão mais próximos do afeto dos crentes são os que dizem: ‘Somos cristãos!’, porque possuem sacerdotes e não se ensoberbecem em coisa alguma. E, ao escutarem o que foi revelado ao Mensageiro, tu vês lágrimas a lhes brotar nos olhos; reconhecem naquilo a verdade, dizendo: ‘Ó Senhor nosso, cremos!’ Inscreve-nos entre os testemunhadores!” (Surat Al-Máida, 82-83). Especificamente, este versículo se aplica ao próprio Dr. Miller, uma vez que era cristão e, quando conheceu a verdade, crêu e ingressou no Islã, tornando-se um propagador muçulmano.

Entre os milagres metafísicos do Alcorão está o desafio para o futuro em coisas que não poderiam ser previstas pelo ser humano

Diz o Dr. Miller a respeito do versículo que chamou a sua atenção por causa de sua metafísica: “Entre os milagres metafísicos do Alcorão está o desafio para o futuro em coisas que não poderiam ser previstas pelo ser humano e que estavam sujeitas ao mesmo teste anterior, o teste de falsificação ou o princípio de encontrar erros de modo a identificar a veracidade do objeto a ser testado.

A respeito disso, vamos ver o que o Alcorão diz sobre a relação dos muçulmanos com os judeus e cristãos. O Alcorão diz que os judeus são os mais hostis para com os muçulmanos. Isso continua até o nosso tempo atual.” O Dr. Miller complementa: “Este é um grande desafio, pois os judeus têm a oportunidade de destruir o Islã com algo simples, ou seja, tratar bem os muçulmanos por alguns anos e então dizer: ‘Aqui os estamos tratando bem e o Alcorão diz que nós somos os

Revista Islâmica Evidências - 69


Perguntas e Respostas

Temperamento nervoso com os meus filhos

A

gradecemos pelas dicas úteis e gostaria de fazer uma pergunta: Eu sou uma mulher de 36 anos de idade, casada, e tenho 3 filhos. Sofro de um temperamento muito nervoso, pois me irrito com as ações dos meus filhos, mesmo as mais simples. Peço que descreva para mim uma forma de lidar com isso. Cara Irmã, que a paz, a misericórdia e as bênçãos de Deus estejam contigo! Nossas saudações! Primeiro, você tem de perceber que o “nervosismo” não é uma força, mas debilidade. Não é o caminho fácil, mas a maneira mais difícil e

70 - Revista Islâmica Evidências

de pior impacto na vida. Por isso, deve decidir firmemente que vai tratar as coisas com calma e deliberadamente. Quanto mais nervosa ficar, mais perderá sua saúde e bem-estar. Perderá, também, a capacidade de controlar as coisas e de agir com sabedoria com os outros. Sim, muitas vezes, “o nervosismo” é herdado ou adquirido a partir do ambiente, resultado de condições difíceis para o ser humano, de um ambiente difícil no lar, ou de maus acontecimentos, que deixam o seu impacto na pessoa. Porém, “o nervosismo” não é uma solução ou uma forma de respiração ou de recreação, por-


que gera remorso e complica ainda mais as coisas. Portanto, temos de fazer um autoexame e rearranjar a nossa situação. O que ajuda nisso é: Primeiro: Relaxamento e esvaziamento da energia negativa do “ódio”. Cada pessoa tem uma energia negativa armazenada e uma carga reservada, que deve ser eliminada de forma adequada. Em primeiro lugar, com a prática de esportes de todos os tipos, principalmente corrida e natação. É a forma mais útil para a pessoa ganhar conforto e calma. Entre elas está: passear nos jardins e até mesmo nas ruas e mercados. Citamos, ainda, o desabafo dos sentimentos, sejam eles positivos ou negativos, com o diálogo e a queixa a um parente ou amigo. E também: ocupar-se com um passatempo divertido ou trabalho, tal como costura, tricô ou pintura e fotografia, bem como arrumar a casa com gosto e diversão. Segundo: Corrigir as ideias. Isso tem um impacto significativo na construção de imagens ideais, que não aceitam erro ou falta, seja no trabalho ou na relação com os demais indivíduos, o que nos leva a sofrer continuamente e a receber aos outros, inclusive às crianças, com nervosismo. Devemos aceitar que a vida é doce e amarga, é verdade e erro, que só Deus, Exaltado seja, é Perfeito. As nossas expectativas não devem ser grandes e fantasiosas ao ponto de nos atormentar e tornar-se dolorosas, porque não é viável. Devemos aceitar os erros das crianças, porque elas são seres humanos e, além disso, ainda são pequenas.

so continuarão, com sucesso, até conquistarmos controle total sobre nossas ações. Para ter um controle e domínio completo: Pegue papel e caneta e escreva as atitudes ou as ações que a incomodam e lhe causam nervosismo. Então, anote a atitude correta do outro lado ... como lidar com sabedoria e calma com ela, para lembrar sempre que você se deparar com essas coisas.

Devemos aceitar que a vida é doce e amarga, é verdade e erro, que só Deus, Exaltado seja, é Perfeito

Terceiro: Devemos treinar sermos calmos. Sempre que temos um ataque de nervos, devemos relaxar, tomar água, lavar o rosto. O melhor é fazer wudhu’ (1) e refrear a reação, para refletir um pouco e tomar a decisão certa. Podemos falhar uma ou duas vezes, mas devemos tentar de novo e sentir o prazer da paciência e a sensação de calma. Os efeitos de nosso progres-

Finalmente, concilie-se com o meio-ambiente, com todos os seus membros e estenda a eles a mão da paz. Comece primeiro com Deus, o Altíssimo: Que o seu relacionamento com Ele seja de amor e paz. Recorde-se muito d’Ele e suplique a Ele: “Não é, acaso, certo que com a recordação de Deus sossegam os corações?”, diz o Altíssimo no Alcorão Sagrado. Em seguida, reconcilie-se com as pessoas: Melhore o seu relacionamento com elas, começando com o seu marido e seus filhos, então com seus vizinhos e pessoas próximas a você. Lembre-se de que os outros serão assim com você. Você irá viver tranquila, com harmonia e misericórdia. Que Deus a conserve sob Seus cuidados e proteção!

(1) Wudhu’ é o banho ritual que todo muçulmano tem de realizar antes das orações. Consiste em lavar o rosto, os dois antebraços, passar a mão úmida sobre a cabeça e o peito dos pés (NE).

Revista Islâmica Evidências - 71


Meio-Ambiente

A Conduta Ambiental

A

conduta moral é também cultura. O “permitido” e o “proibido” no código humano são parecidos com os conceitos de “lícito” e ilícito” na Shari’a.

O relacionamento moral não ocorre entre duas pessoas, apenas, mas também com as outras criaturas. Afinal, as criaturas vivas (animais e plantas) carregam em si um espírito. Há especialistas ambientais que afirmam que as plantas são criaturas que sentem, ou seja, têm um tipo de sensibilidade que não se parece exatamente com os nossos sentidos. Por intermédio deles, as plantas se relacionam, de uma for-


ma ou de outra, com o seu ambiente. Os ramos da roseira agitam-se quando alguém colhe uma flor. Se ela for colhida e jogada na rua, isso implicará na condenação da pessoa, por falta de respeito a essa criatura viva e bela. Um espírito verde, uma alma transparente e sensível foi aniquilada. A responsabilidade moral quanto ao meio ambiente é de círculo mais amplo. Ela abrange a bondade para com o animal, também. Na cultura islâmica, há enorme educação em relação ao animal, ao qual foram conferidos direitos que devem ser respeitados. Essas criaturas representam comunidades iguais às nossas: “Não existem seres alguns que andem sobre a terra, nem aves que voem, que não constituam comunidades semelhantes à vossa.” (Alcorão, 6:38). Elas glorificam a Deus à sua ma-

neira: “Os sete céus, a terra, e tudo quanto neles existe glorificam-No. Nada existe que não glorifique os Seus louvores! Porém, não compreendeis as suas glorificações.” (Alcorão, 17:44). A lista islâmica de regras para cuidar da fauna abrange a proibição da caça sem motivo e por diversão. Não é permitido aniquilar um animal sem que seja para comer ou se beneficiar dele, de maneira racional e justa. A Tradição Profética nos ensina: “Quem matar um passarinho por diversão, o passarinho protestará perante Deus no Dia da Ressurreição. Dirá: ‘Ó, Senhor, fulano me matou por diversão e não por necessidade.”

As criaturas vivas (animais e plantas) carregam em si um espírito. Elas têm um tipo de sensibilidade

A Lei Islâmica obriga a tratar os animais com gentileza. Não se deve carregá-lo com muito peso. Ele é um ser vivo e sente cansaço, também. A biografia do Profeta (Deus o abençoe e a sua Família e lhes dê paz) nos conta que ele viu uma fêmea de camelo amarrada e com pesada carga sobre ela. Ele perguntou pelo dono e disse às pessoas para avisarem-no para se preparar para a inimizade (de Deus). Por isso, é necessário dar de beber e alimentar o animal, dar-lhe descanso entre um período e outro. O Profeta (S) disse: “Deus ama a bondade e a ajuda. Se montardes num animal fraco, deveis levar em condição a sua situação. Se a terra for acidentada, livrai-o do esforço. Se a terra for fértil, deixai-o pastar.” Como o ser humano tem os seus direitos, o animal os tem também. A Tradição nos diz: “A montaria tem seis direitos sobre o seu dono: este deve alimentá-la ao desmontar, dar-lhe de beber ao passar por água, não deve chicoteá-la, a


não ser de leve e quando preciso, não deve carregá-la com mais do que suporta, não deve fazê-la percorrer distâncias acima de sua capacidade, nem deve permanecer montado nela enquanto parada”. É um tratamento humano, porque se está tratando com um ser vivo, que sente fome, sede e cansaço. Por isso, outras tradições proibiram bater nos animais no focinho, porque eles glorificam a Deus. Na biografia do Imam “Zein El Abdin” Ali Ibn Hussein (a paz esteja com ele), conta-se que ele cumpriu a peregrinação quarenta vezes montado numa fêmea de camelo e que nunca a bateu nela com um chicote. Foi narrado que Deus condenou ao Inferno uma mulher que torturou uma gata, amarrando-a até morrer, sem alimentá-la, sem dar-lhe de beber e sem libertá-la para procurar comida por si mesma. Ao mesmo tempo, perdoou outra mulher prostituta que passou por um cão ao lado de um poço, que arfava de sede. Ela tirou o seu calçado tirou água do poço e deu ao cão.

ministração descuidada da agricultura, indústria e comércio. Os seus vestígios, em todos os campos, enfeiam a beleza do ambiente, da natureza e da civilização. Não escapam da poluição nem as águas do mar e dos rios, enviando-lhes os homens as águas poluidoras dos esgotos, repletas de micróbios e doenças, além dos restos de suas indústrias, que acabam com o primeiro segredo da vida, a água, envenenando-a.

Na cultura islâmica, há enorme educação em relação ao animal, ao qual foram conferidos direitos

O Islã proíbe a briga de animais, proíbe incitá-los para brigar entre si até sangrarem ou morrerem, como acontece na rinha de galos ou nas touradas, espetando lanças nas costas dos animais que os irritam e os matam. É uma atividade desumana. Quão gentis e sensíveis são os sentimentos do Islã! O nosso papel na proteção ao meio-ambiente Nos estudos ambientais diz-se que o ser humano é a origem principal da poluição, por causa de falta de higiene e da ad-

A sanidade do ambiente é a sanidade de todos os seres humanos, dos animais, das plantas e dos demais recursos naturais. Qualquer perigo que os ameaça atinge os outros. A gripe aviária, por exemplo, eliminou enormes toneladas de aves que poderiam se tornar pratos saborosos, ameaçando a vida humana com a morte. A proteção ao


ambiente dos perigos que o ameaçam não é uma obrigação moral, apenas, mas é uma necessidade legal também. Ela mostra o sentimento humano quanto à sua responsabilidade perante a dádiva divina denominada de “ambiente”. Cada ser humano é filho do meio ambiente. Cada vez que a situação do ambiente melhora, isso reflete de forma positiva na sua situação. Antes prevenir de que remediar É o primeiro passo e atitude também. Em algumas Tradições se disse: “Preparai-vos para a desgraça antes de ocorrer”. O Japão não consegue evitar os terremotos. Porém, consegue reduzir as perdas causadas por eles. Isso, por si, é lucro. Se não conseguimos evitar a calamidade, ao menos devemos agir para reduzir os seus efeitos negativos. É o que o Japão faz. Cuidar do ambiente não é apenas uma ação determinada por decreto sanitário, que vem do exterior ou é estabelecido pelos departamentos de saúde, encarregados da saúde da população, ou pelas prefeituras, encarregadas do meio-

-ambiente. É um valor interno. É difícil me convencer de que uma pessoa asseada na sua vida particular, em seu aspecto, em seu quarto e em sua casa, jogue lixo em locais não específicos. Como dissemos, a higiene não se divide. Se o gosto pela higiene e pela organização brota do meu íntimo, a higiene e a organização vão comigo para onde vou. Ele ilumina como o faz a luz no lar, na escola, no escritório, na rua, nos locais de lazer e nos locais em que não foram pendurados avisos como “Favor cuidar da higiene” ou “Conservem o local limpo”. Caprichosamente, o conselho pela higiene foi um dos primeiro conselhos divinos ao Profeta (Allah o abençoe e a sua Família e lhes dê paz): “E purifica as tuas vestimentas!” (Alcorão, 74:4). A limpeza e a higiene, portanto, pedem respeito e amor às atitudes que favorecem a tranqüilidade visual, psicológica e o bom-gosto, além de ser um processo de prevenção contra muitas enfermidades e epidemias.


Cuidar da limpeza dos jardins, dos locais de lazer, dos locais públicos não necessita de pessoas especializadas. Excelente seria nós limparmos o local em que trabalhamos. Não é menos benéfico a limpeza de um local sujo. A limpeza maior começa com a menor. Se ajudarmos a catar o mato entre as árvores, estaremos desempenhando um É por isso que o Profeta (S) ordenava limpapel benéfico e um serviço público pelo par as casas, as hospedarias, as ruas, as praças qual seremos recompensados. Remover e os locais públicos: “Limpem suas casas, suas o obstáculo do praças”, ordenava ele. caminho dos Tomar as premuçulmanos cauções necessárias O Islã proíbe a briga de constitui caem relação ao meioridade. Você animais, incitá-los para brigar -ambiente e guardá-las sabe que a prátié necessário, como ca literal dos enentre si até sangrar ou estabelecem as autosinamentos e das ridades sanitárias do regras, fixados morrer, como na rinha de galos país que está enfrennas entradas tando uma epidemia. dos edifícios Este adota o lazareto e nos locais para combater as doenças contagiosas. Deve-se públicos, evitam, de certa forma, a afastar dos locais epidêmicos, ou evitar a proanarquia e a poluição? ximidade excessiva com o doente e o fumante. Você sabe que o racionamento do uso Beber diretamente água de rio, consumir fruda energia poupou muito dela para servitas e verduras sem lavar ou esterilizar, espirrar ços essenciais, o que talvez não acontesem restringir o espirro ao nosso redor com um cesse se não houvesse racionalidade? guardanapo ou tampar o rosto, entre outras preVocê sabe que a recauções, evitam muitos problemas ambientais. Apesar da simplicidade desses atos, eles são importantes, na conta geral, para a proteção do ambiente. Meu lar, o meu mundo amigo, onde encontro meu conforto e tranqüilidade, não apenas pelos meus familiares, mas pelo ambiente repleto de limpeza, de organização, de bom-gosto, reflete a complementação do conforto e da tranquildade psicológica.

Deus, o Altíssimo, criou-nos e quis que habitássemos a terra. Seria suficiente colocar pedra sobre pedra para habitá-la? A terra é habitada com amor e paz, fraternidade e cooperação, com a prática do bem, o estabelecimento da justiça e da beleza, com a construção e a convivência, com as indústrias e a agricultura, os institutos e escolas, mesquitas, mercados e com a nossa conduta, princípios, valores, mensagem e responsabilidade.


ciclagem de produtos como o papel, o plástico e os vidros salvou milhões de árvores e 95% do alumínio e do vidro? Sem isso teríamos utilizado muito das nossas reservas, avançando sobre a cota das gerações futuras?

e aparelhos, para que não se deteriorem, fazendo manutenção preventiva Você sabe que a melhor fórmula para encontrar energias alternativas é o racionamento de seu consumo?

Você sabe que a reconstituição da terra e da sua fertilidade é possível, pois a natureza trata de si própria? De vez em quando, porém, ela necessita de sua ajuda para curar-se e desempenhar o seu papel da melhor forma, voltando a fornecer alimento e energia!

Você sabe que a Lei Islâmica diz: “Não se pode contrariar os sinais de trânsito nem nas altas horas da noite e com a ausência dos policiais de trânsito”?

Você sabe que a melhor fórmula para encontrar energias alternativas é o racionamento de seu consumo?

Não se pode ultrapassar ou contrariar qualquer regra que protege a sua saúde e a saúde de seus irmãos!

Os produtos usados que não se estragam não devem ser transformados em lixo. Podem ser reutilizados, como os pneus, produtos de construção, madeira, água, que se não serve para beber, serve para irrigar ou lavar. Acrescente-se a isso a reutilização das roupas usadas, os livros usados, as peças de reposição dos automóveis, os aparelhos domésticos usados. Se você tiver oportunidade, vai aos leilões para conhecer essa realidade. Você sabe que a proteção ao meio-ambiente significa conservar o que se tem de mobiliários

Não é permitido contrariar as instruções nos locais públicos, nos veículos e nos escritórios quanto à proibição de fumar!

Você sabe que a cultura ambiental está vinculada ao esclarecimento social e à cultura nacional? Que é obrigatório respeitar os anúncios e as instruções sob qualquer hipótese, aculturando-se a eles e aculturando os outros? Você sabe que todas as criaturas vivas devem ser respeitadas e possuem valor, direitos, personalidade que devem ser cuidados também? Você sabe que as regras oficiais, sem a participação e adesão públicas, representa apenas uma parte da solução e não é suficiente, permanecendo como tinta sobre o papel? Você se preocupa em proteger o meio-ambiente? Venha juntar-se a nós! Ambiente melhor não pode haver sem a colaboração de todos. Plante, não corte caprichosamente. Limpe e não seja um causador de poluição. Em vez de aprender como matar um pássaro inocente sob a desculpa de gostar de caça, aprenda como ouvir o seu canto, como pintá-lo com arte! Não seja negligente pois o meio-ambiente cobrará seu preço, mesmo que seja um tempo depois. Finalizando, louvamos a Deus, Senhor do Universo.


Palavras Cruzadas

1.

Chadia Kobeissi

HORIZONTAL

VERTICAL

O Islã é a última revelação de DEUS, o Altíssimo. O Islamismo é uma

2. Para os muçulmanos, Maria (a.s.) foi a mãe de Jesus (a.s.) e um _________ de mulher. 4. Profeta que foi lançado ao fogo, que pelo poder de Deus transformou-se em frescor. 5. Deus é o Perdoador, desde que o crente realmente se ________. 6. Representam os dez dias do Martírio do Imam Hussein (a.s). 7. Ato de adoracao a DEUS na oração, até mesmo antes do Islamismo. 9. Imam Zein Al Abidin (a.s.), filho do Imam Hussein (a.s), era conhecido pelas suas inúmeras prostrações e __________. 10. Zacarias (a.s), o pai de João Batista, está enterrado na Síria em uma ________. 11. Realização muito recomendada no Islamismo. 12. Primeiro templo construído para a adoração ao DEUS ÚNICO. 16. O Profeta Muhammad (s.a.a.s) também é descendente de Abraão, pela linhagem de __________. 18. Um dos atributo de DEUS. 20 Conhecido e utilizado entre vários povos antes do Islã, pelas mulheres.

religião ___________. 3.

A Mesquita Al-Aqsa está situada na _________, lugar que certamente será livre.

6.

Cidade da Síria que possui antiga igreja, hoje mesquita, onde um padre se reverteu ao Islã após presenciar milagres que ocorreram com a cabeça do Imam Hussein (a.s), neto do Profeta (S).

8.

Disse o Profeta Muhammad (s.a.a.s.): “ Transmita de mim, mesmo que seja um único________ .”

11. O Profeta Muhammad disse: “A boa palavra equivale a uma _________”. 13. Primeira mulher a crer no Islã. 14. Os filhos de Adão e Eva eram Caim e _______. 15. Nome dado à luta contra o nosso próprio ego e desejos. 17. Aquele que _______ em DEUS estará tranquilo e satisfeito. 19. Grande companheiro do Profeta Muhammad (s.a.a.s), que também se destacou muito. Seu nome era ________ Al-Habashi. 21. “E quanto a Ismael, também te tenho ouvido; eis aqui o tenho abençoado e fá-lo-ei frutificar e fá-lo-ei multiplicar grandemente; doze príncipes gerará e dele farei uma grande nação”. Onde está escrito isso? 22. Salman, o ________ destacou-se como um dos grandes companheiros do Profeta Muhammad (s.a.a.s).

78 - Revista Islâmica Evidências


Palavras Cruzadas

Chadia Kobeissi - Respostas edição 13

HORIZONTAL 8.

AUSTRIA—Primeiro país europeu a reconhecer o Islam como uma religião

oficial. 9.

HASSAN—Qual Imam era denominado de “Karim Ahl Bait”, isto e, “O Genero-

so da Linhagem do Profeta”. 11. ALAQSA—De qual mesquita, Profeta Muhammad(s.a.a.s), ascendeu aos ceus? 13. MUHAMMAD—Qual Profeta fez o milagre, no qual a Lua se partiu ao meio? 14. JAFAR—Imam ________ (A.S.): “Seja quem for que morre a caminho de Makkah ou voltando de Makkah será liberto do medo no Dia do Juízo”. 15. UNICO—Deus e ___________. 17. SUICIDIO—Ato pecaminoso, contra as leis islamicas. 18. UNIAO—Na comunidade islamica deve haver _________. 19. MIRANETE—Componente da arquietetura islamica. 22. PRIMEIRO—MIchael Hart, fez o livro que fala dos homens mais influentes da historia em ________, ele colocou o Profeta Muhammad(s.a.a.s), e justificou dizendo que foi o unico homem na Historia bem sucedido em ambos niveis:secular e religioso. 23. AMINA—Qual era o nome da mae do Profeta Muhammad(s.a.a.s). 24. MAL—E um dever de todo muculmano, aconselhar o bem e proibir o ______. 25. CUNHADA—A ____________ do Tony Blair, Lauren Booth(jornalista e radialista) se converteu ao Islamismo. 26. ALCORAO—Hoje a ciencia comprova que e melhor para a crianca se a mae amamenta-la por dois anos completos, um dos livros Sagrados ja mencionava isso

VERTICAL 1.PEREGRINACAO—O grande Profeta de Deus (S.A.A.S.) disse: “Nenhum dia se parece com dez primeiros dias de Zul-Hajjah (12° mês lunar), quando Deus gosta que as pessoas rezem”. Esta e a epoca da __________. 2.SIONISMO—Os muculmanos nao sao contra os judeus, sao contra o ________. 3.ALI—O Primeiro homem a ser criado na educacao e nas leis islamicas. 4.TAMARA—Fruta com inumeras vitaminas, e muito mencionada no Alcorao Sagrado. 5.RESSURREICAO—Disse o Mensageiro de Deus (S.A.A.S.): “Quem reconforta o seu irmão de uma aflição na vida terrena, Deus lhe reconfortará de uma das aflições do Dia da .... 6.CAABA—O abate islamico de carne ou frango e feito na direcao da ________. 7.HALIMA—A ama de leite do Profeta Muhammad(s.a.a.s). 10.LAMARTINE—O pensador frances ________, disse: Mohammad é o Profeta, o filósofo, o orador, o legislador, o guerreiro, eliminador dos desejos. Se analisarmos todas as medidas de grandeza humana, gostaria de perguntar: Há alguém entre as pessoas maior do que o Profeta Mohammad?” 12.ARREPENDIMENTO—Qual e a sura do Alcorao que nao se inicia com: “Em nome de Deus, O Clemente, O misericordioso.” 16.CLEMENTE—Deus supri a necessidade de suas criaturas, seja ela crente ou nao, porque Ele e ___________. 20.ELEFANTE—O ano que o Profeta Muhammad(s.a.a.s) nasceu, foi no ano do... 21.ZAINAB—Uma das quatro filhas do Profeta Muhamma(s.a.a.s).

antes. Qual e esse Livro?

Revista Islâmica Evidências - 79


Revista Islâmica

Você conhece a História e a Cultura Islâmica? Sabe quem são os muçulmanos e no que acreditam? A partir de agora, você poderá ter acesso a estes temas, tão importantes para compreender o mundo em que vivemos. Afinal, a Religião Islâmica é considerada a que mais cresce no mundo, contando com 1,5 bilhão de seguidores em todo o planeta. A Revista Islâmica Evidências traz a você o conhecimento sobre o Alcorão Sagrado, a vida do Profeta Muhammad (S), práticas e costumes dos muçulmanos.

2 3

Estes assuntos, agora, estão à sua disposição, sem que você tenha de sair de casa. Basta assinar.

cartão de aSSINATURA Desejo adquir a assinatura da Revista Islâmica Evidências, 90 por um período de 1 ANO ou 4 edições por apenas R$ 49, Nome: Email: CPF/CNPJ:

RG / INSC. ESTD.:

Endereço:

Cidade:

UF:

CEP:

Telefone

Cel:

Fax:

Formas de pagamento:

Associação Benef. Islâmica do Brasil A Vista CNPJ 43.759.802/0001-92 Através de Rua Eliza Witacker, 17 - Brás Cheque Nominal São Paulo - SP - CEP 03009-030 a favor de: Telefones: (11) 3315-0569 e 3329-9200

Depósito Bancário Banco do Brasil Agência 3576-9 Conta 4.444-x Assoc. Benef. Islâmica do Brasil cnpj: 43.579.802/0001-92 (necessário enviar cópia do comprovante)

Para confirmar a assinatura da Revista Islâmica Evidencias, preencha este cupom e envie via fax para (0xx11) 3326-8096, ou através do correio para o endereço da Associação Benef. Islâmica do Brasil..


Revista evidencias nº14  

Primeira revista em portugues, trantando assuntos como: Religião, Cultura, Comportamento mulçumano. Profetas: A nobreza de José(a.s.) Mulher...