Page 1

Vol. 04 - Nº 40 - MAI/JUN 2021

www.revistabrasilsolar.com

FÓRUM GD

O principal evento do setor no Brasil.

REGIÃO SUDESTE

Faça parte desta história!

ISSN 2526-7167

PARTICIPE


ÍNDICE

04

A grandeza do O&M e suas aplicações

14

Suportes para painéis fotovoltaicos

20

A Serrana Solar e o avanço da energia fotovoltaica no Brasil

30

Seu módulo fotovoltaico atende aos requisitos de qualidade e segurança?

EDIÇÃO

FRG Mídia Brasil Ltda.

CHEFE DE EDIÇÃO

Aurélio Souza IEE USP

JORNALISTA RESPONSÁVEL Ingrid Ribeiro Souza

Curitiba - PR – Brasil www.revistabrasilsolar.com

A Revista RBS é uma publicação do

DIREÇÃO COMERCIAL Tiago Fraga

COMERCIAL

Claudio Fraga, Gilberto kugnharski

COMITÊ EDITORIAL

Colaboradores da edição

DISTRIBUIÇÃO

Carlos Alberto Castilhos

REDES SOCIAIS Nicole Fraga

EDIÇÃO DE ARTE Para reprodução parcial ou completa das informações da RBS Magazine - Revista Brasil Solar é obrigatório a citação da fonte.

Vórus Design e Web www.vorusdesign.com.br

CAPA

Matheus Vasquez WEBCONECTE

APOIO

ABGD / TECPAR / WBA - Associação Mundial de Bioenergia Solar / Instituto BESC / CBCN / Portal Brasileiro de Energia Solar / NEEAL - Núcleo de Estudo em Energia Alternativa / ABEAMA

E-MAIL: contato@grupofrg.com.br COLUNISTAS/COLABORADORES

Rodrigo V. Alves, Vinicius Ayrão, João Souza, Weliton Maia

DISTRIBUIÇÃO DIRIGIDA

Empresas do setor de energia solar fotovoltaica, geração distribuída e energias renováveis, sustentabilidade, câmaras e federações de comércio e indústria, universidades, assinantes, centros de pesquisas, além de ser distribuído em grande quantidade nas principais feiras e eventos do setor de energia solar, energias renováveis, construção sustentável e meio ambiente.

TIRAGEM: 5.000 exemplares VERSÕES: Impressa / eletrônica PUBLICAÇÃO: Bimestral CONTATO: +55 (41) 3225.6693

Os artigos e matérias assinados por colunistas e ou colaboradores, não correspondem a opinião da RBS Magazine - Revista Brasil Solar, sendo de inteira responsabilidade do autor.

+55 (41) 3222.6661

RBS Magazine

3


Artigo

A GRANDEZA DO

O &M

E SUAS IMPLICAÇÕES

Rodrigo Viana Alves

Engenheiro Elétrico e Gestor de O&M da MTEC Energia

1. Introdução

uma operação bem-sucedida e con- penho e o correto funcionamento fiável. Como operação do sistema e das usinas e satisfação de todos os Durante a maior parte de sua do conceito principal de O&M é uma clientes. história, a indústria fotovoltaica se área ampla, e é o foco contínuo de concentrou no desenvolvimento de vários grupos de trabalho da indúsEPC e O&M são segmentos autôtecnologia de módulos fotovoltaicos, tria/governo/laboratórios nacionais. nomos dentro da indústria solar e é inversores, componentes e fabrica- Neste Artigo listaremos as aborda- amplamente reconhecido por todas ção. Esses esforços ajudaram a avan- gens de O&M que inclui diretrizes e as partes interessadas que serviços çar e estruturar um mercado firme e boas práticas para manutenção des- de alta qualidade mitigam riscos poaltamente promissor e embora seja sas usinas e ressaltar a importância tenciais, diminuem os preços do Cusuma indústria em pleno crescimen- do tema para que as usinas consigam to Nivelado de Eletricidade (LCOE) e to no Brasil e no mundo, existem um atingir o tempo de vida útil previsto do Contrato de Compra de Energia horizonte e espaço enorme para for- em nosso país, assim como no resto (PPA) e impactam positivamente o talecimento e crescimento contínuo do mundo. retorno sobre o investimento (ROI). do uso dessa tecnologia. Neste contexto, nossa empresa, 2. O&M e sua importância À luz desse crescimento e do MTEC ENERGIA, seguindo os mesmos constante amadurecimento do mer- caminhos do mercado, mas sempre A alta qualidade de serviço precado fotovoltaico, a indústria deve como uma visão de futuro iniciou ventivo e o atendimento oportuno se concentrar também em operar e há cerca de 3 anos atrás um depar- ajudam a aumentar a produtividamanter sistemas. Espera-se que o ci- tamento de Operação e Manutenção de das usinas solares e reduzem os clo de vida da instalação de fotovol- (O&M) acreditando na necessidade custos de manutenção corretiva e taica seja de 25 anos ou mais, por isso do mercado e acima de tudo a im- reparo. Em comparação com outros a manutenção segura e adequada é portância que exerce este serviço no equipamentos geradores de enerparte integrante e fundamental de mercado a fim de garantir o desem- gia, usinas fotovoltaicas são simples 4

RBS Magazine


Artigo

um sistema funcionar na taxa de produção projetada e custo ao longo do tempo. Portanto, reforça a confiança no desempenho de longo prazo e na capacidade de receita de um ativo. Historicamente, práticas e abordagens de O&M não foram padronizadas e, em vez disso, foram implementadas em vários métodos. Essa abordagem pode aumentar o custo para projetos e carteiras, bem como elevar a percepção de risco dos investidores.

e despretensiosas na manutenção, porém, sua eficácia e retorno do investimento dependem de quão profissionalmente a construção é realizada e, posteriormente, de como a manutenção e monitoramento do funcionamento de elementos individuais do sistema são feitos. Operação e manutenção de alta qualidade (O&M) são uma das principais formas de garantir a operação mais eficiente de uma usina de energia solar e sua durabilidade. Seguindo este raciocínio a MTEC ENERGIA investe fortemente na área de O&M para garantir a satisfação de seus clientes e vem se estruturando para oferecer aos seus clientes um serviço cada vez mais profissional e seguro.

sionamento, inspeção e avaliação de desempenho). Esta norma está centrada em três pontos: requisitos de documentação; ensaios de verificação e comissionamento do sistema; e avaliação do desempenho (ABNT 16274, 2014). Os sistemas fotovoltaicos conectados à rede (SFCR) têm vida útil estimada entre 20 a 30 anos desde que sejam assistidos por um serviço de O&M bem estruturado, o qual é responsável por garantir o funcionamento destas usinas de forma segura e adequada ao longo deste período. Porém, a oferta deste tipo de serviço ainda é recente no mercado brasileiro. Sendo assim, este trabalho busca abordar os conhecimentos em operação e manutenção de sistemas fotovoltaicos por meio de profissionais responsáveis por projetar, planejar e implementar este tipo de gerador de energia renovável, para que se possa compreender como são gerenciadas as práticas em O&M.

Muitos investidores são mais interessados em reduzir o risco do que maximizar a taxa interna de retorno (IRR). Os investidores preferem ter 100% de certeza de que irão alcançar um IRR de 5% do que ter acima de 50% de certeza de alcançar um IRR de 10%, embora os dois sejam de valor estatisticamente equivalente. Os investidores primeiro tomarão uma decisão de investimento baseado na mitigação do risco de desempenho com O&M eficaz e, em seguida, as taxas de financiamento são finalmente determinadas principalmente através da concorrência de outros financiadores (por exemplo, bancos concorrentes). A padronização das práticas de O&M facilita a análise dos investidores sobre fatores de risco e pode reduzir o tempo e o custo para realizar uma due diligence. O risco reduzido por O&M efetivamente permite que mais bancos qualifiquem mais projetos, e isso eventualmente aumentando a concorrência e reduzindo os custos de empréstimos. 3. Manutenção Preditiva

São atividades de monitoramento e diagnóstico preciso das condições operacionais dos equipamentos do empreendimento que demonstram a real condição de operação e identificam possíveis problemas, antes que provoquem falhas e consequente interrupção da atividade A instalação em larga escada produtiva. Esse tipo de manutenção de usinas fotovoltaicas ao longo da traz benefícios ao empreendedor, rede elétrica brasileira necessita de tais como: redução de custos, confianormas e procedimentos que visam bilidade, previsibilidade, registros e garantir a qualidade e bom funcionaacompanhamentos históricos de pamento destes geradores. Portanto, râmetros e monitoramento da vida em 2014 foi publicada a ABNT 16274 útil dos equipamentos. Além disso, (Sistemas fotovoltaicos conectados Um programa de O&M eficaz outra grande vantagem é que, para a à rede – Requisitos mínimos para documentação, ensaios de comis- pode aumentar a probabilidade de realização da manutenção preditiva, RBS Magazine

5


Artigo

não há necessidade de interrupção da geração.

• confirmar se a sinalização adequada do sistema está em vigor;

4. Manutenção Preventiva Programada

• confirmar a integridade dos quadros elétricos, confirmar que eles possuem acesso limitado apenas a pessoal técnico autorizado, que sua sinalização esteja visível e íntegra;

A manutenção preventiva maximiza a produção do sistema, evita que falhas mais caras ocorram e maximiza a vida útil de uma usina fotovoltaica. A manutenção preventiva deve ser equilibrada pelo custo financeiro do projeto. Portanto, o objetivo é gerenciar o equilíbrio ideal entre o custo de manutenção programada, rendimento e fluxo de caixa ao longo da vida útil do sistema. Os protocolos de manutenção preventiva dependem do tamanho do sistema, design, complexidade e ambiente. Uma das técnicas mais valiosas para identificar problemas existentes e prevenir problemas futuros é caminhar pelo local e realizar uma inspeção visual e prática completa dos componentes das usinas. Essas inspeções devem ser realizadas em intervalos regulares, e o pessoal deve utilizar checklists desenvolvidos para essas atividades de manutenção periódica para garantir que as inspeções sejam completas e detalhadas.

• verificar se existe corrosão nas partes metálicas expostas de todos os equipamentos, especialmente nos pés das estruturas que ficam em contato com o solo; • verificar se há limpeza em todo o local — não deve haver detritos na área do inversor ou em outros lugares; • verificar se fios há soltos pendurados; • verificar sinais de infestação animal; • Fazer inspeção termográficas dos módulos, conexões elétricas, transformadores; • Entre outros. 5. Inspeção Visual Detalhada

A instalação deve ser inspecionaInspeção Geral Anual da Instala- da regularmente para questões que impactam em integridade física ou o ção desempenho de cada usina. Uma insPelo menos uma vez por ano, o peção visual deve incluir as seguintes pessoal da O&M deve realizar uma ações: inspeção geral do local de instalação • Inspecionar o inversor para da usina fotovoltaica. Durante esta garantir que ele não apresente inspeção, os técnicos devem: rachaduras ou sinais de desgaste. O inversor deve estar apara• garantir que não haja infiltrafusado no suporte em todos os ções em telhados; pontos de montagem, de acordo com os requisitos de instalação • garantir que a drenagem do do fabricante. Dependendo do telhado seja adequada, os ralos tamanho, localização e acessibilido telhado não estão entupidos dade do sistema para pessoal não e confirmam que não há sinais de qualificado, os inversores, caixas acúmulo de água; de combinação e interruptores de desconexão deve exigir ferra• verificar o crescimento da vementas ou ter fechaduras para getação ou outros novos itens de impedir o acesso não autorizado sombra; ao equipamento. • verificar a erosão do solo em • Procurar por placas de aviso, toda a usina, especialmente prócuidados ou requisitos de EPI ximo dos pés de um sistema de para acessar equipamentos. Cermontagem em solo; 6

RBS Magazine

tificar-se que todas as sinalizações estão em perfeito estado e nos locais devidos. Caso não estejam, é necessário realizar a troca ou adequação; • Inspecionar módulos fotovoltaicos em busca de defeitos que possam aparecer na forma de marcas de queimadura, descoloração, delaminação, vidros quebrados, etc. • Verificar os módulos em busca de sinais de sujeira excessiva ou acúmulo de sujeira em locais específicos para proceder com a limpeza; • Certificar-se de que a fiação do módulo está segura e não esteja pendurada, encostada no solo ou no telhado, solta e exposta a danos potenciais, dobrada em ângulos maiores do que o admitido pelo fabricante, passando sobre superfícies afiadas, abrasivas, etc; • Inspecionar o sistema de tracker em busca de defeitos funcionais, problemas com a mobilidade dos eixos, incluindo ferrugem, corrosão, parafusos ou parafusos perdidos ou quebrados. • Abrir as caixas de combinação e outros quadros elétricos e verificar se os lacres de torque das conexões está íntegro. Caso haja rompimento do lacres, verificar a situação do torque dos parafusos e proceder com a marcação do lacre novamente; Procurar por descoloração nos terminais, placas e suportes de fusíveis. • Abrir a porta para a desconexão e procurar sinais de corrosão ou dano. Verificar se as entradas e saídas de cabos dos quadros estão devidamente seladas e não há evidência de entrada de água. Verificar se marcas há de torque nos terminais. • Realizar uma inspeção visual do interior e exterior do inversor. Procurar sinais de entrada de água, roedor ou poeira no inversor. Verificar se há marcas de torque nas terminações de campo.


RBS Magazine

7


Artigo

CADA FABRICANTE DE INVERSORES TEM REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA INSPEÇÃO, TESTES, SERVIÇOS E DOCUMENTAÇÃO PARA CUMPRIR SUAS OBRIGAÇÕES DE GARANTIA... • Se uma estação meteorológica estiver presente, certificar que os sensores estão no local correto e na inclinação correta e azimute. Um sensor de irradiação horizontal global deve ser plano, e um plano de sensor de irradiação de matriz deve ser instalado no mesmo tom e orientação que a matriz. Os sensores de irradiação devem ser limpos para remover sujeira e excrementos de pássaros. 6. Inspeção de inversor específico do fabricante Cada fabricante de inversores tem requisitos específicos para inspeção, testes, serviços e documentação para cumprir suas obrigações de garantia. Os requisitos típicos para inspeções de inversores incluem:

• Verifique a conexão mecânica do inversor à parede ou ao solo; • Verifique a operação de desconexão interna; • Verifique se o software e firmwares instalados são das versões mais atualizadas; • Entre em contato com o instalador e/ou fabricante sobre quaisquer problemas encontrados; • Verifique se há sinais de peças batendo ou esfregando outras partes; • Remova a vegetação que está perto do eixo de acionamento ou componentes móveis;

Use medidores apropriados para • Registo e validade todas as ten- testar: sões e valores de produção do • continuidade do aterramendisplay ou via sistema de monitoto do equipamento no inversor, ramento; caixas de combinador e desconexões; • Registo o último erro do sistema registrado; • continuidade de todos os fusíveis do sistema nas caixas do • Limpeza dos filtros de ar; combinador, desconecta e dentro do inversor(es); • Teste ventiladores para operação adequada; • tensão de circuito aberto (Voc) de todas as strings com o inversor • Verifique os fusíveis; desligado; • Verifique o torque nas termina• corrente máxima de potência ções; (Imp) de todos os strings com o inversor ligado e em níveis de po• Confirme se não há lugar como tência especificados ou registraetiquetas de aviso dos; • Verifique se há descoloração Testes adicionais podem incluir: devido ao acúmulo excessivo de calor; • imagens térmicas de caixas de combinador (abertas e fechadas), • Verifique a integridade dos padesconexões, inversores (exterra-raios; nos e internos em um ponto de operação especificado por um • Verifique a continuidade do período de tempo especificado) e aterramento do solo do sistema e módulos; do equipamento;

8

RBS Magazine

• teste de curto-circuito (Isc) das strings; • teste de curva de tensão atual (IV) das strings; • testes de resistência ao isolamento de condutores em tensão especificada; • comparação do cálculo de desempenho corrigido pelo tempo da saída esperada para a saída real do sistema. 7. Inspeção de módulos e fiação DC e das strings Depois de desligar o inversor e demais equipamentos, é necessário desconectar as strings individualmente e alternar e caixas de combinação e isolar, desconecte módulos individuais da sequência: • Antes de desconectar qualquer string, use um amperímetro de alicate CC para confirmar que não há corrente passando pela strings; • Use uma ferramenta de desbloqueio do conector apropriado para desengatar o conector do módulo; • Se os módulos forem removidos de um sistema, mesmo temporariamente, os técnicos devem garantir que o sistema de aterramento do equipamento permaneça para os módulos restantes; • Verificar se as amarrações dos fios apertam os fios com muita força. Isso poderá deformar o isolamento. Pode ocorrer falhas em qualquer lugar que os fios estão firmemente retidos entre peças metálicas; • Verificar se as medidas para impedir o acesso de animais e roedores são efetivas. Ao se observar uma falha nessas medidas é necessário consertar os pontos danificados e recompor; 8. Manutenção Corretiva São atividades que ocorrem normalmente quando os equipamentos


Associado: Associação Brasileira de Geração Distribuída

30 ANOS FIXANDO QUALIDADE

FIXADORES PARA ENERGIA SOLAR

REBITE ESTRUTURAL

ARRUELAS

PARAFUSO MARTELO

SUPORTE RETO

CHUMBADORES

PORCAS

WWW.LUDUFIX.COM.BR

BROCANTE

CILINDRICA ALLEN

SEXTAVADO


Artigo

não foram monitorados por manutenções preditiva ou preventiva e também em caso de falhas graves por agentes ou fatores externos. Caracterizam-se por serem executadas após apresentação de falha em algum dos equipamentos que compõem o empreendimento. Dessa forma, é imprescindível que sejam ágeis e precisas para que o retorno do equipamento às condições de operação ocorra no menor tempo possível, reduzindo os impactos da perda de geração. A receita perdida é acumulada enquanto um sistema está inativo ou quando a produção é reduzida. Os reparos devem ser adiados apenas se houver uma oportunidade de fazer o reparo com mais eficiência em um futuro próximo. O tempo de resposta para alertas ou uma ação corretiva para a função de O&M deve ser especificado como parte do contrato, e deve levar em conta o nível de criticidade de cada falha, especialmente em relação a segurança. • O plano de O&M deve incluir como realizar a manutenção corretiva rapidamente em resposta a falhas de campo; • O tempo de resposta e a urgência do reparo especificado no plano de O&M deve considerar o tamanho do sistema, localização geográfica, estoque de peças sobressalentes, outras manutenções programadas, requisitos de desempenho da frota e custo de resposta. • As falhas ou condições que introduzem um problema de segurança devem ser tratadas o mais rápido possível, mesmo se a receita recuperada for pequena. Sendo assim, podemos dizer que as tarefas de manutenção corretiva, dado que o objetivo das mesmas é a resolução de avarias da instalação fotovoltaica, serão sempre comunicadas à equipe e ao proprietário da usina. Qualquer serviço seja preventivo ou corretivo, modificações ou tentativas de reparação jamais poderão ser efetuadas por pessoal não autorizado. 10

RBS Magazine

que suportam habitats em coorEm geral, danos causados por denação com serviços locais de motivos relacionados com o clima, extensão agrícola ou outros partais como descargas atmosféricas, ceiros; inundação, incêndio ou outras causas de força maior são exclusos de • Conservação da vegetação escopo da empresa responsável pela existente, às vezes nativa, através O&M. Para qualquer desempenho, da minimização da classificação, reparação ou modificação da instao que pode reduzir as infestações lação fotovoltaica para dano além de plantas. da escopo da contratação ou por exigências do cliente, o custo do reparo 10. Usinas com Trackers será repassado pela empresa responsável pelo O&M ao cliente e sua exeA complexidade dos sistemas cução dependerá de prévia aceitação de rastreamento requer mais mado mesmo pelo cliente. nutenção — não apenas nas partes móveis de suporte de carga, mas 9. Usinas de Solo também no sistema associado para A montagem em solo evita os atuadores e controles. Os custos adiproblemas de manutenção de telha- cionais do sistema de rastreamento do, mas introduz problemas relacio- são pesados em relação aos ganhos nados à manutenção do solo, incluin- de desempenho que se espera proporcionar. Dependendo do projeto do: e localização do sistema, existem • Manejo de vegetação (por configurações onde as montagens exemplo, corte, corte, remoção de rastreamento podem ser capazes de tornar o O&M menos caro de árvores, herbicidas); por unidade de energia como re• Requisitos de limpeza, que au- sultado do aumento da produção. mentam para matrizes montadas no solo por estarem mais próxiOs tipos de rastreadores incluem: mos da fonte de sujeira e poeira no ar. • Eixo único, ou eixo duplo: Rastreadores de eixo único podem Assim como os problemas de girar em um único eixo, enquanO&M devem ser considerados na to rastreadores de dois eixos pofase de projeto, a manutenção a londem se mover através de eixos go prazo da cobertura e drenagem, duplos de rotação. Ambos os engenharia civil e construção de sistipos de rastreador têm várias temas montados no solo para reduzir subcategorias diferentes para o os riscos e custos de O&M. Em climas eixo de rotação escolhido, um com muita incidência de c chuvas, mecanismo para sua rotação e por exemplo, os custos de corte de capacidades específicas de rasgrama e controle de vegetação pode treamento. Cada modelo de aborigualar ou exceder os custos de O&M dagem de rastreamento resulta dos equipamentos. em diferentes expectativas de desempenho e custos associados Como considerações iniciais do de O&M. projeto também incluem o estabelecimento de drenagem adequada • Centralizado, descentralizado: para evitar ou acomodar inundações A decisão entre rastreamento e controlar a erosão. centralizado e descentralizado tem importante influência no • Replantio com espécies de bailayout da usinas e nos custos de xo crescimento e adequadas as O&M, particularmente como recondições de solo e nas condições sultado de problemas de acesclimáticas do local, incluindo graso pessoal de O&M que podem ma, trevo, entre outras; surgir de configurações centralizadas. Projetos descentralizados • Replantio com cobertura tertambém podem facilitar o uso restre favorável a polinizadores mais eficiente da terra. ou outras coberturas terrestres


www.dapco.com.br

√ Líderes em fixadores inoxidáveis para linha solar √ Soluções para solo, telhados planos e inclinados √ Entrega imediata e distribuição para todo território nacional

Fone: +55 11 5851 8005 | E-mail: dapco@dapco.com.br | @dapco_br RBS Magazine Av. Maria Coelho Aguiar, 573 | Galpão 24 | Conj. F | 05805-000 | São Paulo | SP

11


Artigo

Considerações adicionais para sistemas de rastreamento incluem: • Elétrica: Verifique as conexões elétricas e o compartimento para rastreamento do motor/controlador; verificar os cabos de aterramento para desgaste

cantes de equipamentos originais (OEMs) podem ter plataformas de rastreamento remoto que suportam otimizar o agendamento de manutenção preventiva • Substituição da bateria: Substitua durante a vida útil dos rastreadores mesmo que usado apenas como backup, dependendo do tipo de tecnologia e função.

• Controles: Inspecione e calibrador anemômetro; substituir a roda do copo; inspecionar o incli11. Custos com O&M no Brasil nômetro; inspecionar o interruptor de limitação; substituir o filtro Uma grande vantagem, em terdo ventilador de alimentação do controlador de rastreamento; ins- mos de operação e manutenção, é pecionar/testar controlador de poder contar com um serviço de monitoramento remoto que garanta o rastreamento funcionamento da sua geração foto• Rack e atuador: Verifique o voltaica no dia a dia. Com esse tipo torque do eixo de acionamento e de serviço, é possível solucionar proinspecione visualmente a lubrifi- blemas assim que eles forem deteccação da caixa de câmbio; toma- tados, o que reduz os danos que eles da de parafuso graxa; inspecionar poderiam causar se permanecessem tomada de parafuso; verificar o por mais tempo. Além disso, é uma torque de engrenagem e inspe- forma de terceirizar a operação do cionar o desgaste; lubrificar rola- seu sistema, para empresas especiamentos/gimbals de montagem de lizadas em O&M como a MTEC ENERrastreadores; reparar/substituir o GIA permitindo que o foco do cliente eixo de acionamento do rastrea- seja direcionado para outros investidor; substituir o cilindro hidráu- mentos e atividades mais importanlico; substituir o rolamento da tes. unidade do rastreador; substituir Para usinas de grande porte, o controlador do motor do rastreador; substituir o rolamento do o custo de operação (OPEX) se ensuporte do rastreador; substituir/ contra em torno de um 1,5% a 2% atualizar software de controle de do capital investido (valor por ano). Varia bastante de acordo com a lorastreador calização, presença ou não de brita• Monitoramento: Ajuste os cál- mento, gramíneas, tipo de estrutura, culos de disponibilidade para pro- se fixo ou com tracker, tipo e quanblemas de rastreamento: os fabri- tidade de inversores, se centrais ou

12

RBS Magazine

de string distribuídos ao longo das mesas, mas para uma manutenção saudável e tangível estaria, para a realidade brasileira, em torno de 2% para usinas de solo de 1 MW até 5 MW e para usinas maiores decaindo de 1,9%, 1,8% até 1,5% do valor do CAPEX. 12. Conclusão Ao longo dos anos percebemos que os custos e tarefas relacionadas a O&M não tinham a devida importância em usinas solares, pois sempre em teoria sistemas solares demandam baixa manutenção em comparação com outras fontes de energia. Este documento procurou apresentar a importância das atividades de O&M e quais padrões e melhores práticas que já existem para auxiliar nas atividades de O&M de fotovoltaicos. Muitos dos padrões internacionais que foram desenvolvidos para a indústria fotovoltaica não são amplamente usados no Brasil ainda, devido a custos e diferentes abordagens, da Europa ou até mesmo EUA, de sistemas elétricos e tensões de operação. Sabemos que usinas de grande porte precisam e devem ser monitoradas constantemente, com periodicidade de atividades a fim de garantir o bom funcionamento da usina, evitando prejuízos e garantindo o retorno de investimento esperado pelos investidores.


SUPORTES PARA PAINÉIS FOTOVOLTAICOS IBRAP – A SOLUÇÃO IDEAL PARA O SEU PROJETO

A

IBRAP, tradicional empresa brasileira fabricante de produtos de alumínio e plástico, através de sua divisão de energia solar, apresenta seus produtos ao mercado. São suportes em alumínio com design único e diversas aplicações, seja para solo, telhado ou garagem. Com mais de 40 anos de história no mercado, a IBRAP é um parceiro confiável que tem como objetivo contribuir para ampliação do setor brasileiro de energia fotovoltaica.

no transporte, se comparado aos concorrentes. O produto é fácil de manusear, simples de instalar e proporciona um baixo custo por wp. O Ecoground está disponível em duas configurações, Norte 15° e Leste/Oeste 10°, o que torna o produto ideal para qualquer tipo de projeto fotovoltaico. A estrutura de solo Ecoground atende a todas as cargas de vento do Brasil e possui garantia de 20 anos.

Entre as soluções da IBRAP para o setor fotovoltaico, a que merece destaque é o compacto suporte de solo Ecoground, com desenho exclusivo patenteado pela empresa. Ele é ideal para pequenas, médias e grandes usinas fotovoltaicas, por oferecer mínima Usina fotovoltaioca com suportes Ecoground do Grupo IBRAP perda por sombre"O suporte Ecoground é um proamento e ótima ventilação entre os duto simples de se instalar, rápimódulos. Sua estrutura construtiva do e muito eficaz, sendo possível foi criada para que cada suporte posfazer alguns ajustes no posiciosa ser integrado com o painel solar namento o que otimiza bastante dos lados, da frente e de atrás, otio andamento da obra", comenta mizando e minimizando a necessidao instalador de uma obra fotode de fundações, gerando economia voltaica na cidade de Vargeão, na instalação. O Ecoground pode ser Santa Catarina. instalado sobre blocos, estacas ou vigas de concreto. Sua estrutura em "A estrutura é muito top, ele faz alumínio, é leve, resistente e durável, facilitando e gerando economia com que o trabalho de instalação 14

RBS Magazine

das fundações seja muito facilitado, pois é possível ajustar na instalação. A solução é fora de série", diz o instalador de uma obra fotovoltaica na cidade de Feira de Santana, na Bahia. Complementando a linha de produtos para energia solar da IBRAP, temos as estruturas para telhas. Elas foram desenhas pensando na instalação, facilitando e dando produtividade ao processo. A empresa possui soluções específicas para todo tipo de telhado, seja ele de fibrocimento, cerâmica, cimento, metálico, zipado, calhetão ou em laje de concreto, com travamento lateral ou na parte de baixo do painel. Outra solução para suporte de painéis, oferecidas pela IBRAP é o Carport, um sistema de alumínio para garagem, que ao invés de usar as tradicionais telhas, utiliza os painéis fotovoltaicos que geram energia solar e abrigo para o carro ao mesmo tempo. A solução é ofertada ao mercado com a configuração de mono e duplo pilar e são ligadas entre si, otimizando a instalação e o investimento. Saiba mais sobre as soluções em suporte para painéis fotovoltaicos da IBRAP acessando o site www.ibrap.com.br/fotovoltaico


400MW +

em estruturas

1500 +

projetos

FIXO

Fácil instalação

Fabricação 100% nacional

TRACKER

CARPORT

Peça um orçamento Temos uma equipe especializada para encontrar a melhor solução para o seu projeto

www.politec.eng.br

(11) 4204-1302

Araçariguama-SP

Siga nossas redes socias RBS Magazine

15


Entrevista

Entrevista exclusiva com HANS RAUSCHMAYER, sócio-gerente da SOLARIZE TREINAMENTOS PROFISSIONAIS RBS Magazine - Fale sobre a SOLA- larize não vender equipamentos ou RIZE. executar projetos. Desta forma ficamos livres de apontar vantagens e HANS RAUSCHMAYER - A Solari- desvantagens de qualquer tecnoloze oferece capacitação profissional de gia e não misturamos interesses ao alta qualidade, entregando conheci- repassar conhecimento. A entrega é mento específico para o mercado de integral. energia solar. A Solarize foi a primeira empresa do Atendemos tanto pessoas que dese- setor a receber o Selo Solar, como se jam entrar no mercado fotovoltaico, sentem representando e sendo pioneicomo também profissionais e empre- ra em termos de sustentabilidade? sários experientes que buscam ampliar seus negócios ou suas experti- Recebemos o Selo Solar quando ses. instalamos o primeiro sistema fotovoltaico conectado à rede do Rio de Começamos como pioneiros e não Janeiro, em 2013, em nossa sede. Foi cansamos de trazer novidades para um evento que nos jogou nas telas de o Brasil. Um exemplo é o software TV, o que aproveitamos para dissealemão PV*SOL, que consideramos minar o uso da energia solar, limpa o melhor para geração distribuída e e gratuita. se tornou um grande sucesso, devido aos benefícios que ele traz para os A Solarize, na verdade, foi constituída partindo do ideal da sustentabiliusuários. dade e da democratização da energia. Como Funciona a capacitação em Estamos trabalhando com este intuienergia solar da Solarize? E seus di- to desde 2008, também em muitos ferenciais como referência em cursos projetos em favelas, que no intuito de desse setor? aliviar a conta de luz de quem mais precisa, e de aproveitar a luz solar em Trabalhamos com instrutores de al- qualquer lugar do Brasil. tíssimo nível que praticam o que eles ensinam, o que permite responderem Qual a visão de vocês referente área a dúvidas muito específicas sobre óti- de energia fotovoltaica no Brasil atuca da realidade brasileira, ilustrando almente? com exemplos. Essa proximidade com o mercado nos força a adaptar Nos primeiros anos, instalar energia os cursos continuamente, o que está solar na residência ou empresa era sendo muito elogiado pelos alunos coisa de rico visionário. Esse cenário que frequentemente retornam para mudou completamente: os bancos facilitaram os créditos a partir da peraprender ainda mais conosco. cepção que há um risco muito baixo Um outro diferencial é o fato da So- envolvido com essa transação. Hoje, 16

RBS Magazine

qualquer pessoa com acesso a crédito consegue instalar seu sistema. Esta disseminação vai continuar de forma cada vez maior. O que faz falta é a segurança jurídica para criar outros modelos de negócio. Geração remota é perfeitamente viável e precisa ser facilitada, para quem não tem telhado próprio. Esperamos que, na data da publicação desta entrevista, o projeto de lei PL 5829/2019 já esteja em vigor, garantindo também um forte aumento dos empregos neste setor. A atual baixa nos reservatórios das hidrelétricas também mostra que o país está precisando da energia solar. Especialmente agora, na saída da pandemia. A empresa possui um projeto em lançamento para o ano de 2021? Neste ano, nós vamos completar o curso de PVsyst em vídeo-aula, o software mais utilizado em usinas de grande porte. Percebemos uma falta neste nicho, e fechamos uma parceria com um especialista com vasta experiência prática. Na produção de conteúdo gratuito estamos oferecendo séries de webinares sobre temas específicos, cujo objetivo é capacitar o engenheiro experiente a tomar melhor suas decisões diárias. Uma série muito vista trata de ganhos e perdas em sistemas fotovoltaicos, onde percebemos muitas dúvidas entre profissionais.


FERRAGEM DE FIXAÇÃO PARA MÓDULOS FOTOVOLTAICOS


A primeira fábrica flutuante movida a energia solar do mundo está no Brasil

Por: Vinicius Ayrão

Com foco na produção de açaí, a balsa-fábrica terá capacidade de processamento de 12 toneladas de polpa congelada por dia O projeto inovador, em testes desde abril, tem como propósito abastecer com energia solar uma balsa-fábrica de processamento de polpa de açaí, que navegará pelas calhas dos rios Solimões, Japurá, Juruá, Purus e Madeira, na região Norte do Brasil. Serão, inicialmente, 20 toneladas de frutos e 12 toneladas de polpa congelada de açaí por dia. Para tanto, a balsa recorre a 675 painéis solares Bifaciais JA Solar 390 W que cobrem a estrutura de dois mil metros quadrados, captando a energia da luz solar e a convertendo em eletricidade, parte utilizada imediatamente na alimentação da fábrica e restante armazenado em baterias B-Box. O projeto desenvolvido pelas empresas Transportes Bertolini e Valmont Solar, teve um investimento de aproximadamente R$ 18

RBS Magazine

20 milhões e irá contribuir para o aumento da renda das comunidades ribeirinhas em até 300%, alcançando os R$ 5 milhões anuais.

Junto a Valmont e Bertolini, além da JA Solar, fornecendo os módulos bifaciais "adequados às condições severas do ambiente amazônico", segundo o country manager Fernando Castro, estão a SMA com os inversores fotovoltaicos - 4 Core1 e 24 Sunny Island, a Ideatek Service Solar com o comissionamento do projeto e a BYD com 64 unidades de baterias B-Box, com capacidade total de 883 kWh de armazenamento.

"O projeto é extremamente complexo. É uma indústria inteiramente construída sobre uma balsa, totalmente off-grid, ou seja, sem ligação à rede elétrica, baseada na energia solar gerada em painéis e no seu armazenamento em baterias. É um projeto pioneiro no país", destaca o presidente da Val- O projeto híbrido de captação, conmont Solar Solutions, Fábio Yanagui. versão e armazenamento de energia é marcado pela sustentabilidade e Dada sua complexidade, um grupo de ajudará na preservação da floresta fornecedores se uniu para viabilizar amazônica tanto em termos ambiena balsa -fábrica inovadora. Segundo, tais, com a geração de energia limpa Fábio Gobeth, assistente da presi- e tratamento de efluentes quanto sodência da Bertolini, “A nossa pesquisa cial junto a população ribeirinha. revelou que a Valmont é a única empresa nacional com o know-how para empreender um projeto tão único”.


Linha

CLAMPER Solar

INVISTA NA PROTEÇÃO DO SEU SISTEMA FOTOVOLTAICO COM A LINHA SOLAR DA CLAMPER Sistemas Fotovoltaicos são diariamente danificados por raios e surtos elétricos. Evite grandes perdas utilizando um produto fabricado por especialistas.

CONHEÇA NOS NOSS NOSSA SA OMPLE OMPL ETA LINHA COMPLETA DE PRODUTOS S

WWW.CLAMPER.COM.BR

31 3689-9500

Especialista em dispositivos de proteção contra raios e surtos elétricos.

RBS Magazine

19


A SERRANA SOLAR e o avanço da energia fotovoltaica no Brasil

E

Kits Fotovoltaicos no Brasil em 2019, e entre as 20 empresas em 2020, segundo pesquisa Greener¹. reIniciamos com a produção de no- Tal breaks e inversores voltados para Lici- c o n h e c i [Instalações Serrana Solar] tações. Com nosso conhecimento em mento é A nova fase da empresa veio equipamentos de geração e correção tido como a validação do nosso empara modernizar nossa comunicação de energia, e com a expansão do se- penho pela constante evolução. e renovar nosso propósito com uma tor de energias renováveis no Brasil, imagem atualizada e que transmite Aperfeiçoamo-nos, buscamos vimos a oportunidade de ingressar na comercialização de itens fotovoltai- conhecimento e tecnologia. Nossa nossa essência. O dourado faz p­arte cos e em 2013 a equipe de Engenha- equipe cresceu e sentimos que era da história da Serrana e agora vem ria da Serrana iniciou seus estudos de chegada a hora de renovar. Com uma de uma maneira mais leve com fios produtos fotovoltaicos para que em base sólida, os pés no caminho que que simbolizam as rotas e conexões 2015 iniciássemos nossas vendas no trilhamos e olhando para o futuro, a que criamos e expandimos. A monsegmento que mais cresce no Brasil. Serrana Solar veio para substanciar tanha sugere a forma de um gráfico Desde 2018 é o foco de toda equipe nosso compromisso com colabora- em ascensão e remete aos caminhos dores, fornecedores e integradores que trilhamos em busca do constante e produtos da Serrana. aprimoramento e excelência. parceiros. Nossa trajetória, profissionalisCom ampla área de estocagem mo e parceria dos Integradores Solar e otimização da logística para envio permitiu, a então Serrana Energia, ágil e eficaz, nossa sede conta com estar no ranking das 10 empresas 7 mil m² em localização estratégica. mais lembradas em distribuição de

m 2021 completamos 15 anos de história. Foram muitos desafios e experiências que somaram em nossa bagagem e vem nos permitindo projetar ainda mais para o futuro. Cada contratempo e pequenas conquistas foram essenciais para gerar o know-how que adquirimos e nos possibilita escalar ainda mais no Setor Fotovoltaico.

20

RBS Magazine


Temos como objetivo oferecer soluções inovadoras e tecnológicas para geração fotovoltaica, conquistando a confiança de todos os envolvidos no ciclo dos produtos. A transparência e satisfação plena dos clientes e valorização dos colaboradores e fornecedores, sempre será um dos nossos pilares mais importantes. Estamos em busca constante no aperfeiçoamento da tecnologia e dos processos, isso nos garantiu ser Destaque Empresarial Gaúcho 2015 e a certificação ISO9001 desde 2014. Alisson Casagrande – Engenheiro

“No setor de Engenharia e Assistência Técnica temos a preocupação com a qualidade de todos os produtos. No desenvolvimento de novos fornecedores, estamos sempre em busca de materiais que garantam a alta geração, eficiência e durabilidade dos sistemas que serão instalados. Nos preocupamos em termos todos os inversores On Grid e Off Grid testados e configurados individualmente. Com rigorosos procedimentos de testes utilizamos equipamentos dedicados além de um sistema composto por painéis solares. Com isso, simulamos o uso real do inversor no cliente, atestando o funcionamento do mesmo antes de enviá-lo para todo Brasil. Contamos também com registro de número de série individual em cada Inversor, Painel Solar e String Box, para que possamos rastrear durante todo o processo de compra, teste, produção, separação e envio, assim garantimos a qualidade dos produtos e evitamos contratempos ao nosso Integrador”.

Entre os produtos com maior destaque estão os Kits Fotovoltaicos On Grid a partir de 1,70 kWp para conexões em redes monofásicas, bifásicas ou trifásicas que contemplam os melhores e mais eficientes produtos necessários para a montagem do sistema fotovoltaico.

O BRASIL É UM PAÍS COM ALTOS ÍNDICES DE IRRADIAÇÃO SOLAR. ISSO NOS POSSIBILITA DISPOR DE UM EXCELENTE DESEMPENHO DOS SISTEMAS FOTOVOLTAICOS, UMA VEZ QUE A GERAÇÃO É DETERMINADA DIRETAMENTE PELA INCIDÊNCIA DOS RAIOS SOLARES...

Com os pés no caminho que trilhamos e olhando para o futuro, a Serrana Energia agora é Serrana Solar.

Em 15 anos de história tivemos muitos desafios e experiências que somaram em nossa bagagem. Cada contratempo e pequenas conquistas foram essenciais para gerar o know-how que adquirimos e nos possibilitou escalar ainda mais.

Distribuidora de kits fotovoltaicos completos com vantagens exclusivas para integrador solar.

serranaenergia

(54) 3039 9999

serranasolar.com.br RBS Magazine 21


bilita dispor de um excelente desempenho dos sistemas fotovoltaicos, uma vez que a geração é determinada diretamente pela incidência dos raios solares e a eficiência com a qual convertemos essa energia em energia elétrica. Alguns fatores contribuíram para o crescimento da energia fotovoltaica como a crise hídrica (que elevou os custos da energia), incenJá os Kits Fotovoltaicos Off Grid tivos governamentais (com linhas de de 1 kVA a 120 kVA monofásico ou financiamento de energia solar com trifásico, além de contemplarem to- prazos de pagamentos prolongados e dos os acessórios para a montagem juros mais baixos) e sistemas fotovoldo sistema, acompanham Inversor taicos mais acessíveis para o consuSolar Off Grid com tecnologia própria midor final (Portal Solar, 2021). Serrana com Controlador de Carga Em 2020 a pesquisa encomenMPPT integrado, onda senoidal pura, ligação direta do painel ao inversor dada pela Abraceel² e realizada pelo IBOPE apontou que 90% dos entrecom alta eficiência. vistados gostariam de gerar a própria O Brasil é um país com altos índi- energia. A pesquisa anterior havia ces de irradiação solar. Isso nos possi- sido realizada em 2017 e apontava Acompanham, além do Inversor Solar SAJ e do Painel Solar Fotovoltaico TSUN Mono Cristalino Half Cell, String Box CA e CC para garantir a melhor geração com qualidade e durabilidade, além de estrutura completa de fixação 100% em alumínio, cabo e conector solar e chicote aterramento.

22

RBS Magazine

esse desejo em 77% dos entrevistados. Entre as motivações estão o aumento das tarifas por parte das concessionárias, a redução dos preços de equipamentos fotovoltaicos e ao aumento da consciência sobre sustentabilidade (ABSOLAR, 2020). No mesmo sentido, a criação do Marco Legal da Geração irá impulsionar o setor solar. A aprovação do PL 5829/2019 é visto como positiva tanto por consumidores quanto por profissionais do mercado fotovoltaico. Embora grande parte das instalações dos sistemas fotovoltaicos sejam em telhados e pequenos terrenos, em entrevista para Reuters (2020), Rodrigo Sauaia (presidente da ABSOLAR) destacou o aumento do interesse de empresas corporativas e conservadoras para a energia solar em busca de redução de custos com


RBS Magazine

23


[ Rodrigo Furlan – Diretor ] “Acreditamos em um mercado justo e com espaço para todos com um trabalho sério e honesto. Pensando nisso focamos nossos esforços para oferecer vantagens e benefícios ao Integrador de maneira que ele possa repassar como valor agregado ao seu cliente final. Entre as vantagens pioneiras e especiais estão o Programa Cash Back, Seguro Instalação e Montagem pela Liberty Seguros, Substituição gratuita de Inversor On Grid durante período de garantia além de atendimento direto, eficaz e personalizado com nossa equipe de venda e suporte técnico especializado para soluções rápidas de dúvidas ou garantia. Sempre buscamos estar próximos aos Integradores, participamos de todas as edições da maior Feira de Energia Solar para Integradores do Brasil desde 2015 montando o nosso primeiro estande com 15m² e como reflexo do crescimento das nossas vendas, ano a ano aumentamos a nossa participação na Feira, já garantido para a próxima edição uma área de 130m² no corredor principal. Felizmente o setor solar obteve um crescimento de 70% em 2020, segundo dados da Reuters (2020), o que nos possibilitou traçar novas estratégias e expandir. Para 2021 projetamos estar cada vez mais ao lado do Integrador através do atendimento de excelência e parceria de sempre, reflexo é nossa aprovação de 98,2% em nossa recente pesquisa de satisfação com nossos mais de 4000 integradores.“ ganhos tecnológicos. Outro setor desde 2017. Atualmente é a principal com perfil conservador e que vem co- referência do setor. meçando a investir em energia solar ² Abraceel: Associação Brasileira é o agrícola. dos Comercializadores de Energia. O futuro da energia solar no Bra- Defende a livre competição de mersil é promissor. De acordo com Hen- cado nas áreas de energia elétrica, rique Hein (2021), a ANEEL (Agência etanol e gás natural, e estimula a Nacional de Energia Elétrica) prevê crescimento das negociações de créR$ 365 bilhões em investimentos até ditos de carbono. 2030. O dado foi informado pelo diretor-geral da ANEEL, André Palpito- FONTES: ne, no dia 17 de maio de 2021 durante o primeiro dia de conferências do ABSOLAR, Associação Brasileira de “World HVDC Week 2021”. Com in- Energia Solar Fotovoltaica. Nove vestimentos em geração centralizada entre dez brasileiros querem ge(R$ 182 bilhões), em transmissão (R$ rar a própria energia. ABESOLAR, 90 bilhões) e em geração distribuída 25 de agosto de 2020. Disponível (R$ 93 bilhões), Palpitone afirma que em: < https://www.absolar.org. “O Brasil será um canteiro de obras br/noticia/nove-entre-dez-brasido setor elétrico até 2030”. Proje- leiros-querem-gerar-a-propria-eções positivas como essa indicam um nergia/> Acesso em: 25 de maio futuro promissor para a energia solar de 2021. no Brasil e reforça que estamos no HEIN, Henrique. Setor elétrico terá caminho certo. R$ 365 bi em investimentos até ¹ Greener: Organização com foco 2030, estima Aneel. Canal enerem estudar o mercado fotovoltaico gia, 2021. Disponível em: https://

24

RBS Magazine

canalsolar.com.br/setor-eletrico-tera-r-365-bi-em-investimentos-ate-2030-estima-aneel/ Acesso em: 22 de maio de 2021. Portal Solar. Dados do Mercado de Energia Solar no Brasil. Sem data. Disponível em: https://www.portalsolar.com.br/mercado-de-energia-solar-no-brasil.html Acesso em: 22 de maio de 2021. REUTERS. Energia solar cresce 70% no Brasil apesar de pandemia e atrai grandes empresas. UOL Economia, 23 de dezembro de 2020. Disponível em: https://economia.uol.com.br/ noticias/reuters/2020/12/23/enfoque-energia-solar-cresce-70-no-brasil-apesar-de-pandemia-e-atrai-grandes-empresas.htm Acesso em: 21 de maio de 2021.


Entrevista

A RBS MAGAZINE traz uma entrevista exclusiva com LEONARDO PANTALEÃO, CEO da SICES SOLAR A Sices tem como objetivo proporcionar os mais elevados padrões de qualidade, tecnologia de ponta dos equipamentos comercializados e as mais avançadas soluções em serviços diferenciados que contribuam ao desenvolvimento sustentável do mercado de geração distribuída

FOI A PRIMEIRA EMPRESA A CRIAR UMA SÉRIE DE INOVAÇÕES QUE DE ANO EM ANO FORAM LANÇADOS NO MERCADO... RBS Magazine - Fale sobre a empresa e sua estrutura. LEONARDO PANTALEÃO - a SICES Brasil é uma empresa brasileira que surgiu em 2013 logo depois da regulamentação da Geração Distribuída no País. Desde o começo focou no mercado Business 2 Business de fornecimento das melhores soluções para geração de energia solar fotovoltaica. Foi pioneira na importação e confecção de sistemas completos para geração fotovoltaica (KIT per26

RBS Magazine

sonalizados conforme projetos dos clientes), no treinamento dos parceiros instaladores/integradores e no desenvolvimento do mercado de energia solar brasileiro.

dores solares, centro de treinamento para formação de vendedores técnicos de energia solar, ...

- Plataformas de tecnologia exclusivas para realização automática de Além de oferecer estoque a pronta orçamento em tempo real, gratuitas entrega de produtos, sempre prezou para clientes da SICES (isso foi uma no atendimento técnico de pôs ven- inovação em nível mundial); da, ajudando desde a fase de instalação das obras até a assistência técnica - Serviço de service partner para fapara garantias e reparos dos equipa- bricantes da tecnologia fotovoltaica mentos com defeito. vendida pela SICES; Foi a primeira empresa a criar uma - Lançamentos de produtos exclusisérie de inovações que de ano em ano vos como otimizadores TIGO, Inversores GE, e várias marcas de módulos foram lançados no mercado: fotovoltaicos (LONGI, PHONOSO- Seguros específicos e exclusivos LAR,...) para instaladores na fase de montagem das obras, seguro all risk para - Realização de eventos itinerantes clientes finais, responsabilidade civil no país para conscientização sobre energia limpa e treinamentos básicos etc. sobre energia solar; - Programa de fidelização e clube de vantagem para clientes instaladores; Como funciona o Aplicativo da Sices Solar? - Call center e atendimento de pós-vendas para integradores com dúvi- Na verdade o aplicativo da SICES das na fase de instalação on site dos são duas plataformas cloud distintas. sistemas; Uma é a própria plataforma de vendas, onde qualquer cliente pode si- Centro de treinamento para instala- mular e orçar automaticamente qual-


RBS Magazine

27


Entrevista

quer sistema fotovoltaico contando com o estoque a pronta entrega. A Plataforma gerencia com seu próprio algoritmo o melhor sistema completo para a potência desejada. O cliente confirmando pode seguir com a compra e obter todas as informações desde a confirmação de pagamento até gerenciar a data da entrega via transportadora. Tudo isso sem precisar de intervenção humana e disponível 24h. A segunda plataforma é de projetos técnicos: primeira em nível mundial, permite realizar qualquer tipo de projeto desfrutando de várias ferramentas técnicas como a geolocalização do Google Maps, criação em tempo real do edifício em 3D, colocação dos módulos e das estruturas em automático no telhado, cálculo do cabeamento e todos os detalhes técnicos do projeto. A plataforma calcula a produtibilidade do sistema dependendo da localização, estuda as sombras e aconselha a adoção do melhor equipamento para uma determinada situação projetual, além de gerenciar relatórios técnicos, gráficos e análises técnico/financeiras. Atualmente quais os principais parceiros da empresa? Para módulos trabalhamos com Canadian, Qcells, JA Solar, Longi, e

28

RBS Magazine

outras que estaremos lançando ao longo do ano. Para inversores parceiros histórico como Fronius, FIMER/ ABB, Sungrow, Solaredge e os novos lançamentos da Goodwee e General Electric (GE). Otimizadores Solaredge e Tigo Energy.

a adoção das novas tecnologias que vão ficar disponíveis sempre mais nas casas dos brasileiros (veículos elétricos, bateria de armazenamento de energia), a entrada no mercado de muitos novos players, além do crescimento dos investimentos em energia solar por parte do mercado financeiro. Tudo isso está tornando o universo da energia limpa fotovoltaica sempre mais forte e presente na vida do nosso planeta.

Vale a pena lembrar também que a SICES produz suas próprias estruturas de aço e alumínio para qualquer tipo de instalação em telhado, e recentemente lançou as novas estruturas de solo inovativas, mais leves Quais os projetos da Sices para este e econômicas do mercado, fruto de ano de 2021? um estudo e engenharia de produtos Estamos trabalhando numa evolução própria. da plataforma de venda, novos lançaComo a empresa vê o atual cenário de mentos de produtos e serviços, além de uma presencia maior no campo energia solar no Brasil? do agronegócio, criando novas redes O atual cenário de expansão já era de parceiros e novas linhas de produprevistol desde 2016. A cada ano a tos específicos. Começamos a exploenergia solar representa a escolha rar mais o storage ou armazenamenmais inteligente para quem prefere to de energia em baterias, seja como produzir sua própria energia, seja backup residencial, que para sistemas em campo residencial, comercial ou micro grid isolados a suporte da geindustrial. Graças a queda do custo ração para termoelétricas. Nosso da tecnologia, a energia solar está programa de fidelização de clientes, conquistando sempre mais espaço está sendo redesenhado, e também nas matrizes energéticas do mundo uma evolução dos seguros e serviços inteiro, e não é diferente aqui no Bra- relacionados do nosso portfólio de sil. Os próximos desafios são a regu- soluções. Trabalhando sempre com lamentação definitiva para energia estoque nacionalizado e com pronsolar-geração distribuída, que está ta entrega. Aumentando ainda mais sendo discutida na câmara como PL nossa presença de mercado com esdo Deputado Lafayette, a entrada e tratégias de atuação regional.


BR

FÓRUM INTERNACIONAL DE ENERGIA EÓLICA

O FÓRUM EÓLICA terá participação de alguns dos principais especialistas, players do mercado, montadoras, fabricantes, empresas de tecnologia, investidores e muito mais!

21 E 21 OUTUBRO EVENTO ONLINE FAÇA SUA INSCRIÇÃO WWW.FORUMEOLICABR.COM

REALIZAÇÃO/ORGANIZAÇÃO

RBS Magazine

29


Artigo

Seu módulo fotovoltaico atende aos requisitos de QUALIDADE E SEGURANÇA? Engenheiro MSc João Souza Ecori Energia Solar

N

o que diz respeito à qualidade e segurança de módulos fotovoltaicos utilizados em aplicações terrestres, existem várias instituições de normatização e certificação ao redor do mundo que publicam suas normas para atender aos seus mercados específicos, como a IEC, UL, VDE, dentre outros. Pelo fato do Brasil ser um país membro da IEC, é natural que as normas da IEC sejam utilizadas como referência para a elaboração das normas brasileiras. Inclusive, algumas das normas brasileiras são simplesmente traduções de uma norma IEC, como é o caso da ABNT NBR IEC 62116:2012. Não existe hoje no Brasil normas técnicas que abordem o tema de qualificação de segurança de módulos fotovoltaicos. Já na IEC, podemos citar as seguintes normas: • IEC 61730-1:2016 - Estabelece e descreve os requisitos de construção de módulos fotovoltaicos, a fim de fornecer operação elétrica e mecânica segura; • IEC 61730-2:2016 - Fornece a sequência de teste para verificar a segurança dos módulos fotovoltaicos cuja construção foi avaliada pela IEC 61730-1; • IEC 61215-1:2021 - Estabelece requisitos de teste para a qualificação de projeto de módulos FV adequados para operação de longo prazo em climas ao ar livre; 30

RBS Magazine

O leitor a esta altura pode estar se perguntando: e o INMETRO? A Portaria nº 004, de 04 de janeiro de 2011 [3] do INMETRO estabelece os requisitos mínimos de desempenho e segurança dos sistemas e equipamentos para energia fotovoltaica. • IEC 61215-1-2:2021 - Estabele- Essa portaria requer que um módulo ce requisitos especiais para teste seja aceito em 4 testes dos 21 que esde módulos fotovoltaicos de filme tão presentes na IEC 61215-2. fino baseados em telureto de cádNeste artigo veremos quais são mio (CdTe); os procedimentos e requisitos de • IEC 61215-1-3:2021 - Estabele- testes que os módulos fotovoltaicos ce requisitos especiais para teste devem atender para assegurar os pade módulos fotovoltaicos de filme drões mínimos de segurança e qualidade necessários segundo as normas fino baseados em silício amorfo; IEC 61215-2 e IEC 61730-2. Verifica• IEC 61215-1-4:2021 - Estabe- remos também quais são os 4 testes lece requisitos especiais para requeridos pelo INMETRO e discuteste de módulos fotovoltai- tiremos se eles são suficientes para cos de filme fino baseados que sejam garantidos o desempenho em seleneto de cobre, índio e e vida útil dos módulos fotovoltaicos. gálio. Quais são os testes requeridos De modo geral, a IEC 61730 tra- pela norma IEC 61215-2? ta dos requisitos de construção e a A norma IEC 61215-2 apresenta sequência de testes que devem ser atendidos para qualificação de se- uma sequência de testes destinados gurança dos módulos fotovoltaicos. a determinar as características elétriEnquanto a IEC 61215 trata dos re- cas e térmicas do módulo e mostrar quisitos e procedimentos de testes que o módulo é capaz de suportar a que devem ser feitos para qualifica- exposição prolongada em climas geção e aprovação do projeto do mó- rais ao ar livre. São 21 testes, conhedulo fotovoltaico. Um dos objetivos cidos como testes de qualificação do deste artigo é apresentar ao leitor módulo (do inglês: Module Qualificaos testes estabelecidos pela IEC para tion Tests - MQT). verificar a segurança e para qualificar o projeto do módulo fotovol- 1. Inspeção visual (MQT 01) taico, então vamos focar em duas normas: a IEC 61730-2:2016 [1] e a É um teste para detectar visualmente qualquer defeito no módulo. IEC 61215-2:2021 [2]. • IEC 61215-2:2021 - Estabelece procedimentos de teste para a qualificação de projeto de módulos FV adequados para operação de longo prazo em climas ao ar livre;


RBS Magazine

31


Artigo

Cada módulo é inspecionado cuidadosamente sob uma iluminação de pelo menos 1.000 lux. Defeitos como rachaduras, bolhas ou delaminações são verificados.

É um teste para determinar como o desempenho elétrico do módulo varia com a carga em condições de teste padrão (do inglês: Standard Test Conditions – STC) e na NMOT. A medição na STC é usada para 2. Determinação da potên- validar as informações da placa de identificação do cia máxima (MQT 02) módulo. É um teste para determinar a potência máxima 6. Desempenho em baixa do módulo após a sua esta- irradiância (MQT 07) bilização. Esse teste é feito mais de uma vez, antes e É um teste para dedepois dos vários testes de terminar como o desemestresse ambiental. Isso é penho elétrico do módulo feito para verificar também varia com a carga a 25 °C a perda de potência do mó- e uma irradiância de 200 dulo com os testes de es- W/m². Esse teste verifica tresse. se o módulo FV apresenta características elétri3. Teste de resistência de cas de um módulo totalmente funcional mesmo isolamento (MQT 03) em condições de baixa É um teste para deter- luminosidade. minar se o módulo está ou não suficientemente bem 7. Teste de exposição ao ar isolado entre as partes livre (MQT 08) energizadas e a estrutura ou outras partes acessíveis É um teste para fazer ao usuário. uma avaliação preliminar da capacidade do módu4. Medição dos coeficien- lo de resistir à exposição tes de temperatura (MQT a condições externas e revelar quaisquer efeitos de 04) degradação que podem É um teste para deter- não ser detectados pelos minar os coeficientes de testes em laboratório. Altemperatura relacionados guns testes podem ser feià corrente de curto-circui- tos em conjunto, como o to, tensão de circuito aber- MQT 05 e testes como o to e potência máxima, a MQT 01 e MQT 15 devem partir de medições do mó- ser repetidos durante esse procedimento. Os requisidulo. tos dos testes MQT 01, 05 e Os coeficientes de 15 devem continuar sendo temperatura, além de se- atendidos. rem parâmetros de desempenho, são utilizados 8. Teste de resistência a como parâmetros de pro- pontos quentes (MQT 09) jeto. Por exemplo, para É um teste para defazer correção da tensão e corrente em função da terminar a capacidade temperatura local e evitar do módulo de resistir aos a queima de equipamen- efeitos de aquecimento tos por sobretensão ou provocados por pontos quentes (hot-spots), por sobrecorrente. exemplo, fusão da sol5. Desempenho em STC da ou deterioração do encapsulamento. (MQT 06) 32

RBS Magazine

Existem dois procedimentos diferentes de teste, dependendo da tecnologia da célula FV e do processo de fabricação. O MQT 09.1 é normalmente aplicado a módulos de silício cristali-

no, enquanto o MQT 09.2 é aplicado em módulos de filme fino. 9. Teste de pré-condicionamento aos raios UV (MQT 10)

Figura 01 – Máquina de teste de curva I-V e eletroluminescência usada em vários testes de qualificação. Cortesia: Globo Brasil.

Figura 02 - Teste de resistência de isolamento. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.

Figura 03 – Simulador solar para testes de regime permanente, usado em vários testes de qualificação que requerem simulador. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.


RBS Magazine

33


Artigo

É um teste que submete o módulo FV à radiação ultravioleta (UV) antes dos testes de ciclagem térmica e congelamento/umidade para identificar se aqueles materiais e ligações adesivas estão sujeitos à degradação por raios UV. 10. Teste de ciclagem térmica (MQT 11) É um teste para determinar a capacidade do módulo de suportar incompatibilidade térmica, fadiga e outras tensões causadas por repetidas mudanças de temperatura. 11. Teste de congelamento e umidade (MQT 12) É um teste para determinar a capacidade do módulo de suportar os efeitos da alta temperatura e umidade, seguidos de temperaturas abaixo de zero. Vale ressaltar que este não é um teste de choque térmico.

Figura 04 – Câmara para testes de calor úmido. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.

12. Teste de calor úmido (MQT 13) É um teste para determinar a capacidade do módulo de suportar os efeitos da penetração de umidade a longo prazo. O teste deve ser realizado nas seguintes condições: temperatura de teste de 85 °C, umidade relativa de 85% e duração do teste de 1.000 horas. Após um tempo de recuperação entre 2 e 4 horas a 23 °C e uma umidade relativa inferior a 75% em condições de circuito aberto, os testes MQT 01 e MQT 15 devem ser repetidos. 13. Teste de robustez das terminações (MQT 14) É um teste para determinar se as terminações, a fixação das terminações e a fixação dos cabos ao corpo do módulo resistirão às tensões que provavelmente serão aplicadas durante as operações normais de montagem ou manuseio. O teste é dividido em duas partes: MQT 14.1 e MQT 14.2, os quais devem ser realizados após o MQT 12. 14. Teste de corrente de fuga em condições úmidas (MQT 15)

Figura 05 – Máquina para testes de robustez das terminações. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.

É um teste para avaliar o isolamento do módulo em condições de operação úmida e verificar se a umidade da chuva, névoa, orvalho ou neve derretida não entra nas partes ativas do circuito do módulo, onde pode causar corrosão, falha de aterramento ou risco à segurança. 15. Teste de carga mecânica estática (MQT 16) É um teste para determinar a capacidade do módulo de suportar uma carga estática mínima. A carga de teste mínima é de 2.400 Pa, mas o fabricante pode especificar cargas mais altas desde que especificado na documentação do fabricante para cada método de montagem. 16. Teste de granizo (MQT 17) É um teste para verificar se o módulo é capaz de suportar o impacto de granizo. O requisito é que o granizo 34

RBS Magazine

Figura 06 – Mesa para teste de carga mecânica. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.


Chegamos para ser referência em

Fixação para Energia Solar Central de Atendimento

19 3948 5230 / 0800 100 5024 | vendas@walsywa.com.br

Walsywa

/WalsywaOficial RBS Magazine

35


Artigo

tenha, no mínimo, um diâmetro de 25 mm, 7,53 gramas e seja lançada a uma velocidade de 23 m/s. Podem ser feitos testes com bolas de gelo maiores, como por exemplo, uma bola com 75 mm de diâmetro e 203 gramas lançada a 39,5 m/s. O relatório do teste deve indicar o diâmetro da bola de gelo e a velocidade usada para o teste de granizo. Serão 11 tiros no total enquanto o módulo não for danificado durante o teste. Cada tiro possui um local específico do módulo a ser atingido. Os testes MQT 01 e MQT 15 devem ser repetidos. 17. Teste do diodo de bypass (MQT 18) Esse teste é dividido em duas partes: o MQT 18.1 que é o teste térmico de diodo de bypass e o MQT 18.2 que é o teste de funcionalidade do diodo de bypass.

Figura 07 – Máquina para teste de granizo. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.

O objetivo do MQT 18.1 é avaliar a adequação do projeto térmico e a confiabilidade a longo prazo dos diodos de bypass usados para limitar os efeitos prejudiciais dos pontos quentes no módulo FV. O teste é projetado para determinar a característica de temperatura do diodo e sua temperatura máxima de junção sob operação contínua. Já o objetivo do MQT 18.2 é verificar se o diodo de bypass das amostras de teste permanecem funcionais após o MQT 09 e o MQT 18.1. 18. Teste de estabilização (MQT 19)

Figura 08 – Sala de simulação solar em regime permanente por meio de luz natural para teste de módulos FV. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.

Todos os módulos fotovoltaicos precisam ser estabilizados eletricamente. Para tanto, todos os módulos devem ser expostos à luz seguindo um procedimento padrão para, em seguida, sua potência de saída ser medida. Existe mais de um procedimento de estabilização, a estabilização inicial MQT 19.1, a estabilização final MQT 19.2 e a estabilização específica de estresse MQT 19.3. 19. Teste de carga mecânica cíclica (dinâmica) (MQT 20) Este teste é conduzido o procedimento fornecido na IEC TS 62782 com as condições recomendadas de 1000 ciclos com uma carga de 1000 Pa. Este teste foi adicionado para identificar módulos que estão mais suscetíveis à quebra, especialmente os de células de silício cristalino.

Figura 09 – Máquina para teste de carga mecânica. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.

20. Teste de degradação induzida por potencial (MQT 21) Este teste é conduzido usando os procedimentos fornecidos na IEC TS 62804-1. Este teste foi adicionado para identificar e eliminar do mercado módulos mais suscetíveis ao efeito PID. 21. Teste de curvatura (MQT 22) É um teste para assegurar que um módulo do tipo flexível possa ser curvado sem sofrer danos permanentes.

36

RBS Magazine

Figura 10 – Máquina para testes de caixas de junção. Cortesia: DAH/TUV Test Lab.


RBS Magazine

37


Artigo

Quais são os testes requeridos pela norma IEC 61730-2? A norma IEC 61730-2 apresenta uma lista de testes básicos destinados a verificar a segurança de módulos fotovoltaicos. Quando submetidos a estes testes, o módulo FV deverá cumprir todos os requisitos estabelecidos na IEC 61215-2 para ser considerado qualificado no que diz respeito à segurança. São 56 testes, conhecidos como testes de segurança do módulo (do inglês: Module Safety Tests - MST). Alguns destes 56 Figura 11 – Câmara para testes de calor úmido. Cortesia: DAH/TUV Test Lab. MST são idênticos ou baseados nos É um teste para determinar se Este teste verifica a conformidaMQT da IEC 61215-2, como veremos de da espessura mínima para cama- os módulos fotovoltaicos são consa seguir: das finas de isolamento, dependendo truídos para fornecer proteção adeda classe do módulo PV. Este teste quada contra acessibilidade a partes 1. Inspeção visual (MST 01) vivas (energizadas) perigosas. não é aplicável a camadas de vidro. Este teste é idêntico ao MQT 01 da IEC 61215-2, mas com critérios de 5. Durabilidade das marcações (MST 9. Teste de suscetibilidade a corte (MST 12) inspeção adicionais para verificar se 05) existem condições que possam afeÉ um teste para determinar se as Qualquer marcação exigida por tar a segurança, como por exemplo, se há arestas vivas no módulo, desa- norma deve ser durável e legível. Ao superfícies frontal e traseira do mólinhamento da moldura, superfícies considerar a durabilidade da marca- dulo PV feitas de materiais poliméexternas quebradas, rachadas, den- ção, o efeito do uso normal deve ser ricos são capazes de suportar o malevado em consideração. A confor- nuseio de rotina durante a instalação tre outros. midade é verificada por inspeção e e manutenção sem expor as pessoas esfregando a marcação à mão por 15 ao perigo de choque elétrico. Este 2. Desempenho no STC (MST 02) segundos com um pedaço de pano teste não é aplicável a módulos viEste teste é equivalente ao MQT embebido em água e novamente dro/vidro. 06.1 da IEC 61215-2. O MST 02 verifi- por 15 segundos com um pedaço de ca a corrente nominal de curto-circui- pano embebido em álcool de petró- 10. Teste de continuidade de ligação to (Isc) e a tensão de circuito aberto leo. Após este teste, a marcação deve equipotencial (MST 13) (Voc) do módulo. O requisito a ser ser legível; não deve ser possível reO objetivo deste teste é verificar atendido é que a Isc e Voc medidas mover as placas de marcação facildevem estar dentro das tolerâncias mente e elas não devem apresentar a continuidade as partes condutoras acessíveis que estão em contaondulações. fornecidas pelo fabricante. to direto umas com as outras, por exemplo, partes de uma moldura 3. Determinação da potência máxima 6. Teste de borda afiada (MST 06) metálica. (MST 03) As superfícies acessíveis do móEste teste é equivalente ao MQT dulo fotovoltaico devem ser lisas e 11. Teste de tensão de impulso (MST 02 da IEC 61215-2. O MST 03 verifica livres de arestas vivas, rebarbas, den- 14) se o módulo FV apresenta caracte- tre outros, que podem danificar a isoO objetivo deste teste é verificar rísticas elétricas de um módulo to- lação dos condutores ou representar talmente funcional. Esse teste tam- risco de ferimentos. A conformidade a capacidade do isolamento do módulo fotovoltaico em suportar sobrebém visa detectar degradações nos é verificada por inspeção. tensões de origem atmosférica. Esse módulos fotovoltaicos. Degradações de células ou arranjos podem levar 7. Teste de funcionalidade do diodo teste também cobre sobretensões devido à comutação de equipamena pontos quentes (hot-spots), altas de bypass (MST 07) tos de baixa tensão. temperaturas do módulo ou diodos O procedimento de teste de bypass conduzindo de forma contínua, os quais são causas de riscos e os critérios de aprovação são 12. Teste de isolamento (MST 16) equivalentes ao MQT 18.2 da de incêndio e falhas de segurança. Este teste é idêntico ao MQT 03 IEC 61215-2. da IEC 61215-2 com níveis de teste 4. Teste de espessura de isolamento dependendo da classe e da tensão 8. Teste de acessibilidade (MST 11) (MST 04)

38

RBS Magazine


RBS Magazine

39


Artigo

máxima do sistema. O objetivo deste teste é determinar se o módulo FV está suficientemente bem isolado entre as partes portadoras de corrente e a estrutura ou outros componentes externos acessíveis.

instalados ou no qual estão integrados, ou de um edifício adjacente.

posterior ou perda da função do parafuso.

A IEC 61730-2 deixa a cargo de cada país a definição dos requisitos de teste de incêndio.

22. Teste de carga mecânica estática (MST 34)

13. Teste de corrente de fuga em 17. Teste de inflamabilidade (MST 24) condições úmidas (MST 17) Este teste determina a inflamabiEsse teste é equivalente ao MQT lidade de módulos fotovoltaicos atra15 da IEC 61215-2. A diferença aqui vés de contato direto de pequenas é que quando os módulos fotovol- chamas produzidas por fontes extertaicos possuírem juntas cimentadas nas de calor. Esse teste não substitui eles devem ser testados com uma o teste de resistência ao fogo. tensão de teste 35% maior, conforme exigido pela IEC 61730-1. Todas 18. Teste térmico de diodo de bypass as juntas não cimentadas devem (MST 25) ser testadas com a tensão de teste Este teste é equivalente a MQT normal. 18 da IEC 61215-2. Ambos, MQT 18.1 e MQT 18.2 devem ser executados. 14. Teste de temperatura (MST 21)

Este teste é equivalente ao MQT 16 da IEC 61215-2, sendo que aqui o MST 13 (teste de continuidade de ligação equipotencial) deve atender aos mesmos requisitos e o MQT 15 pode ser omitido. 23. Peel Test (MST 35) O objetivo deste teste é qualificar o isolamento como uma junta cimentada. Deve fornecer confiança em relação à durabilidade da adesão entre as diferentes camadas (rígida-flexível ou flexível-flexível) de construção do módulo fotovoltaico.

19. Teste de sobrecorrente reversa 24. Teste de resistência ao cisalha(MST 26) mento (MST 36) Os módulos FV possuem mateO objetivo deste teste é qualiriais condutores, os quais estão contidos em um sistema de isolamento. ficar o isolamento como uma junta Sob condições de falha de corrente cimentada. Deve fornecer confiança reversa, os condutores elétricos e as em relação à durabilidade da adecélulas do módulo FV são forçados a são entre conjuntos de ligação rí15. Teste de resistência a pontos dissipar energia em forma de calor gida-rígida, por exemplo módulos antes da interrupção do circuito por vidro-vidro. quentes (MST 22) um dispositivo de proteção de sobreEste teste é equivalente ao MQT corrente instalado no sistema. Este 25. Teste de fluência de materiais 09 da IEC 61215-2, o qual verifica se o teste tem como objetivo determinar (MST 37) módulo apresenta riscos de incêndio a aceitabilidade do risco de ignição O objetivo do teste de fluência do ou incêndio no módulo sob esta cone falhas de segurança. material é validar se os materiais usadição. dos no módulo FV não apresentarão O ponto quente é um defeito que pode ser provocado por células 20. Teste de quebra de módulo (MST fluência ou perderão adesão quando operados nas temperaturas mais aldefeituosas, células incompatíveis, 32) tas que os módulos FV normalmente sombras ou sujeira. Embora a temO objetivo deste teste é verificar experimentam no campo. peratura absoluta e a perda relativa de energia não sejam critérios deste se os riscos de lesões físicas podem teste, as condições de ponto quente ser minimizados se o módulo FV so- 26. Teste de robustez das terminamais severas são utilizadas para ga- frer uma quebra no seu local de ins- ções (MST 42) talação. Em aplicações de módulos rantir a segurança do projeto. Este teste é equivalente ao MQT integrados à construção ou aéreas, 16. Teste de resistência ao fogo (MST podem ser necessários testes adicio- 14.1 e MQT 14.2 da IEC 61215-2. O MST 42 deve ser realizado posteriornais. 23) mente ao MQT 14. A diferença aqui Os módulos fotovoltaicos podem 21. Teste de conexões de parafuso é que o MQT 14.2 também deve ser executado mesmo para caixas de ser expostos a condições externas de (MST 33) junção em conformidade com a IEC incêndio e, portanto, devem ser tesNesse teste os parafusos do 62790 [4] e o MQT 15 pode ser omitados quanto às suas características de resistência ao fogo quando expos- módulo (se houver) são aperta- tido. tos a uma fonte de fogo proveniente dos e afrouxados. As roscas dede fora do módulo fotovoltaico, que vem manter sua integridade e 27. Teste de ciclagem térmica (MST pode incluir o edifício no qual estão não deve ocorrer afrouxamento 51) Este teste de temperatura é projetado para determinar as temperaturas máximas de referência para vários componentes e materiais usados para construir o módulo FV, a fim de verificar a adequação de seu uso. O teste pode ser realizado sob luz natural ou por meio de simulador.

40

RBS Magazine


A Linha Ecoground IBRAP é uma estrutura de solo, 100% Alumínio, ideal para todos os tipos de terreno!

Características

ESTRUTURA COMPACTA

- EcoGround leste/oeste 10º.

ESTRUTURA COMPACTA

- EcoGround norte 15º

Suporta ventos de até 180 km/h Garantia de 20 anos e Kit pronto para a instalação. Perda mínima durante todos os periodos do ano e em qualquer região do Brasil Nossa Linha Ecoground tem Patente Requerida Se adaptam a todos os painéis com frames diferentes

Estruturas de Fixação Suporte

GANCHO DE ALUMÍNIO

ESTRUTURA DE FIXAÇÃO

- Telhado de Fibrocimento.

O Suporte Gancho de Alumínio é a solução de fixação de painéis fotovoltaicos para telhados cerâmicos.

Base de fixação compatível com todas as telhas cerâmicas; Ajuste vertical e horizontal de 30mm

Uso de apenas UMA ferramenta para montagem;

Único suporte que atende 100% a NBR NBR6123; Garantia de 20 anos;

Kit pronto para a instalação.

@ibrapoficial

(48) 3441.2123

ibrap.com.br

RBS Magazine

41


Artigo

EXIJA QUE OS SEUS MÓDULOS FOTOVOLTAICOS POSSUAM O CERTIFICADO DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS IEC 61215 E IEC 61730 Este teste é equivalente ao MQT apenas poluição seca e não conduti11 da IEC 61215-2. As variações desse va. teste para tecnologias específicas poQuais são os testes das normas dem ser encontradas na IEC 61215, partes 1 a 4. O MQT 15 pode ser omi- IEC requeridos pelo INMETRO? tido após esse teste. Segundo a Portaria nº 004, de 28. Teste de congelamento e umida- 04 de janeiro de 2011, o INMETRO requer os seguintes testes, como sede (MST 52) gue: Este teste é equivalente ao MQT 1.Inspeção Visual; 12 da IEC 61215-2. O MQT 15 pode ser omitido após esse teste. 2. Desempenho nas Condições Padrão de Teste; 29. Teste de calor úmido (MST 53) 3. Isolamento Elétrico; Este teste é equivalente ao MQT 13 da IEC 61215-2. Neste padrão, 4. Resistência de Isolamento em duas versões do teste são aplicadas. Um com a duração padrão conforme condições de umidade. descrito na IEC 61215-2 (1.000 h) e Desta forma, é muito fácil conoutro com uma duração reduzida de cluir que os testes requeridos pelo IN200 h. METRO não são suficientes, pois são ignorados vários testes importantes 30. Teste de ultravioleta (MST 54) que poderiam verificar a qualidade Este teste é equivalente ao MQT do projeto do módulo fotovoltaico e, 10 da IEC 61215-2. A diferença é que principalmente, testes que verificam no MST 54 são aplicadas duas doses a segurança do módulo fotovoltaico. diferentes de raios UV. A primeira Conclusão dose de UV padrão, conforme descrito na IEC 61215-2, ou seja, 15 kWh/ No território brasileiro ocorre m². A segunda dose é quatro vezes maior que a primeira (60 kWh/m²), uma grande diversidade climática, sendo aplicada duas vezes, uma na desta forma, não se justifica a auparte frontal da amostra e uma na sência de testes ambientais como o parte traseira. Assim, as partes fron- teste de calor úmido, o qual pode ser tal e traseira do módulo serão expos- usado para determinar a vida útil do módulo fotovoltaico e validar as gatas à mesma dose de UV. rantias do fabricante. Este é apenas 31. Condicionamento ao frio (MST um exemplo e poderíamos citar vários outros para mostrar que os tes55) tes requeridos pelo INMETRO não O objetivo deste teste é avaliar a são suficientes. aplicabilidade de um módulo FV em Infelizmente existem marcas de condição ambiental fria de grau 1, ou seja, sem poluição ou ocorre apenas módulos fotovoltaicos no mercado brasileiro que não possuem o certipoluição seca e não condutiva. ficado de conformidade às normas 32. Condicionamento ao calor seco IEC 61215 e IEC 61730, colocando em risco o seu investimento e a sua se(MST 56) gurança. Por não passarem por proO objetivo deste teste é avaliar a cessos de certificação, que avaliam aplicabilidade de um módulo FV em qualidade e segurança, módulos de condição ambiental quente de grau baixa qualidade chegam ao mercado 1, ou seja, sem poluição ou ocorre brasileiro. Lamentavelmente estes 42

RBS Magazine

módulos podem ser comercializados legalmente por atenderem aos requisitos mínimos do INMETRO. A Portaria nº 004 do INMETRO está há alguns anos em revisão e quem sabe esse problema seja corrigido este ano. Enquanto isso, todos os módulos fotovoltaicos fabricados, importados e comercializados no Brasil devem, obrigatoriamente, possuir o selo do INMETRO. Contudo, como um consumidor ou projetista consciente, exija que os seus módulos fotovoltaicos possuam o certificado de conformidade às normas IEC 61215 e IEC 61730. É possível conferir se o módulo fotovoltaico possui o certificado de conformidade às normas IEC 61215 e IEC 61730, pois esta informação encontra-se presente na folha de dados técnicos. Além disso, você pode solicitar essas informações também para o distribuidor e/ou fabricante. A Ecori Energia Solar importa e comercializa somente módulos fotovoltaicos certificados em conformidade às normas IEC 61215 e IEC 61730. Referências [1] International Electrotechnical Commission, IEC 61730-2:2016 Photovoltaic (PV) module safety qualification - Part 2: Requirements for testing. [2] International Electrotechnical Commission, IEC 61215-2:2021 - Terrestrial photovoltaic (PV) modules Design qualification and type approval - Part 2: Test procedures. [3] Portaria INMETRO/MDIC nº 004, de 04 de janeiro de 2011 - Requisitos de avaliação da conformidade para sistemas e equipamentos para energia fotovoltaica (módulo, controlador de carga, inversor e bateria). [4] International Electrotechnical Commission, IEC 62790:2020 - Junction boxes for photovoltaic modules - Safety requirements and tests.


ROMAGNOLE SOLAR SOLUÇÕES PARA PROJETOS

ESTRUTURAS PARA SOLO

CARPORT

TRACKER

SOLUÇÕES PARA DISTRIBUIDORES

PARAFUSO ROSCA DUPLA MADEIRA

PARAFUSO ROSCA DUPLA METAL

GANCHO CERÂMICO

L E I A O Q R CO D E E SA I B A M A I S

S O LU Ç Õ E S E M K I T PA R A FAC I L I TA R A S E PA R A Ç Ã O

SUPORTE Z

EST. SOLO PARA 4 MÓDULOS

PRODUTOS EM AÇO GALVANIZADO A FOGO

GARANTIA DE 15 ANOS CONTRA DEFEITOS DE FABRICAÇÃO

Fale conosco (44) 3233-8500

Acesse o nosso site www.romagnole.com.br

GARANTIA DE 25 ANOS CONTRA CORROSÃO EM AMBIENTE C3

Nos siga nas redes sociais

RBS Magazine

43


Entrevista

A RBS MAGAZINE traz uma entrevista exclusiva com SERGIO R. CARVALHO, country manager da GOODWE RBS Magazine - Nos conte sobre a O rápido crescimento global da GooGOODWE e sua presença mundial e dWe também se refletiu no mercado brasileiro. Ao longo do ano de 2020 local. triplicamos nossos recursos locais SERGIO R. CARVALHO - A Goo- ampliando nosso time comercial, de dWe é uma empresa de inversores marketing e, principalmente, de ensolares fotovoltaicos fundada em genharia em pós vendas. 2010 na cidade de Suzhou, na China. Rapidamente, em 2012, a empresa Soubemos que a GOODWE lançou expandiu seus negócios para o mer- inversores voltados à geração centralicado internacional e desde então não zada. Fale sobre esta novidade. parou de crescer, tanto no volume de comercialização quanto em sua es- Sim, nosso primeiro lançamento trutura de colaboradores. Atualmen- para esse ano foi a linha HT, voltate, a GoodWe está presente em todos da para projetos de grande porte e de os continentes, operando em mais de geração centralizada. São modelos de 80 países e com um quadro de fun- 100, 110, 120 e 136kW com tensão cionários que ultrapassa os 2 mil co- de entrada de 1100Vcc e a cereja do laboradores. bolo com modelos de 225 (@45ºC) e 250kW, as maiores potências de inCom mais de 130 patentes, a lista de versores string hoje no mercado, com prêmios que a GoodWe ganhou ao tensão de entrada de 1500Vcc. Todos longo destes 10 anos é extensa: em os inversores da linha HT são com2020, foi eleita a marca número 1 em patíveis com módulos de alta potênmarket share no segmento de arma- cia e corrente. Com limite de 30A de zenamento, também foi reconhecida entrada por MPPT, é possível trabacomo a única marca a receber o prê- lhar com módulos de mais de 700W. mio EuPD Top Brand em seis diferentes países, a marca ainda ganhou A linha HT possui uma gama comdestaque por ser a única fabrican- pleta de funcionalidades para projete de inversores a ganhar o prêmio tos de grande porte, como fonte de TUV por 5 anos consecutivos, entre alimentação para tracker (rastreador) solar, comunicação PLC e prodiversos outros prêmios.

teções de DPS e seccionamento integradas. Além de contar com classe de proteção IP66, que possibilita a instalação até abaixo de chuva e certificação contra corrosão C5, para instalação em ambientes extremos. Ainda é possível realizar manutenção noturna nos inversores e fazer compensação de energia reativa na rede durante a noite. E para o segmento residencial, alguma novidade? Neste segmento, recentemente lançamos uma família de inversores com preço mais acessível, a qual nós a apelidamos de Grey, devido a cor dos inversores. São linhas monofásicas de 3, 5 e 6kW, os inversores Grey não contam com DPS CC e CA e possuem um acabamento na cor cinza, porém ainda mantêm o alto padrão de qualidade da GoodWe. O inversor Grey de 3kW conta com 1 MPPT e as versões de 5 e 6kW com 2 MPPTs, sendo que a linha toda conta com tensão de entrada de 600vcc. Além disso, os inversores possuem 13A de corrente de entrada CC, portanto são compatíveis com módulos de alta potência. Estamos certos do

COM MAIS DE 130 PATENTES, A LISTA DE PRÊMIOS QUE A GOODWE GANHOU AO LONGO DESTES 10 ANOS É EXTENSA 44

RBS Magazine


Entrevista

Hoje a GoodWe é a única fabricante de inversores a ter as soluções perfeitas para microgeração no Brasil

sucesso dessa linha no mercado bra- Desde 2019 nós temos o inversor sileiro GW75K-MT, trifásico com saída CA de 380v e em abril lançamos o moNos conte sobre algum diferencial da delo GW73KLV-HT, trifásico com GoodWe no Brasil. saída CA de 220vca. Ou seja, agora temos inversores perfeitos para proAlém de um vasto portfólio local, a jetos de microgeração até 75kW seGoodWe hoje possui o maior porti- jam eles em 220vca ou 380vca, onde fólio de inversores trifásicos 220vca o integrador pode utilizar apenas (low voltage) do mercado mundial. um inversor no sistema, reduzindo o Temos 7 modelos diferentes, sendo custo do projeto. 12, 15, 20, 30, 35, 50 e 73kW, atendendo toda a gama de instalação tri- Vale ressaltar que o modelo low fásica em redes de baixa tensão, co- voltage de 73kW nominal é hoje o muns em diversas cidades brasileiras maior inversor trifásico 220vac do que possuem redes nominais de 208, mundo! E ele também alcança 75kW 220 e 240vca. O inversor low voltage a 230vca. vai possibilitar a instalação do sistema sem transformador de tensão, Além dos inversores, a empresa lançaeliminando as perdas pelo transfor- rá alguma outra solução? mador, simplificando a instalação e aumentando o rendimento final do Iremos impulsar a partir de junho a oferta de nossas soluções para mosistema. nitoramento de consumo de carga e Hoje a GoodWe é a única fabricante limitação de exportação. Percebemos de inversores a ter as soluções per- um interesse do mercado nessas sofeitas para microgeração no Brasil. luções, principalmente no chamado

“grid zero”, onde é limitada a 0% a exportação de energia para a rede. Nós possuímos tanto soluções monofásicas quanto trifásicas. Dispositivos como o SEC1000 são capazes de mensurar o consumo das cargas de uma instalação trifásica assim como limitar a potência de exportação para a rede e compensação de energia reativa de forma dinâmica. Para soluções monofásicas temos os medidores inteligentes GM1000 e GM3000, para limitação de exportação e os Home Kits HK1000 e HK3000 para monitoramento de consumo de carga, os quais funcionam com inversores de qualquer marca, ou até mesmo sem inversores conectados. A GoodWe se dedica não somente na produção de inversores de alta tecnologia para os mercados que atua, mas também em se tornar uma provedora de soluções para o mercado fotovoltaico.

RBS Magazine

45


TRITEC Energy do Brasil Rua Lucaia 316 - CEP: 41.940-660 Rio Vermelho - Salvador - Bahia - Whatsapp: +55 71 98803 5444 vendas@tritec-energy.com Solar TRITEC Rua Emilio Mallet 317 Sala 609 - CEP: 03320-000 Tatuapé - São Paulo - SP Whatsapp +55 71 97221 8401 vendas.sp@tritec-energy.com TRITEC International Switzerland Harrenweg, CH-4123 Allschwill - Suíça info@tritec-energy.com www.tritec-energy.com

46

RBS Magazine


ENERGIA SOLAR QUALIDADE SUÍÇA NO BRASIL

RBS Magazine

47


Há três anos, a Nexen Energias Renováveis está contribuindo para ampliar a geração de energia solar em todo o País. Além da plataforma para integradores lançada no início deste ano, a empresa prevê, ainda para 2021, a apresentação de um programa de fidelidade e o início do projeto da maior usina em Geração Distribuída do Sul do Brasil, que abastecerá todas as regionais do Grupo ND/TV (Record TV) A Nexen

Entre as maiores

A Nexen surgiu em 2018 com o propósito de produzir e gerar energia limpa para todas as pessoas, nos adaptando às mudanças do mundo e prevendo tendências.

A Nexen, apesar de ser uma empresa nova no mercado, já está entre as 20 mais lembradas do segmento no País, conforme relatório divulgado pela Greener.

Tecnologia e inovação não precisam e não podem ser processos complicados. É assim que trabalhamos, com leveza e energia, para trazer uma base sólida para nossa evolução constante.

Para o diretor da empresa, Ítalo De Pra Neto, desde o início das operações da Nexen, o trabalho foi intenso, buscando os melhores produtos e serviços para conquistar espaço no mercado.

“Nosso time busca todos os dias o melhor para nossos integradores, para que eles tenham segurança e todo suporte necessário, para atender e auxiliar nossos clientes a gerar Ao trabalharmos para isso e sua própria energia.” Ítalo De Pra criarmos o nosso futuro, estamos Neto cada vez mais preparados para torNossos pilares nar tudo isso ainda mais viável para todos, entregando excelência em toNós trabalhamos com o objetidos os nossos pontos de contato. vo de melhorar a vida das pessoas, E, para conseguir tudo isso, tra- gerando mais opções sustentáveis e balhamos com as melhores marcas acessíveis para o mundo, aproximande kits para a geração de energia fo- do o futuro do presente. Para isso, tovoltaica em empresas, residências colocamos o máximo de energia em todas as nossas atividades e relações. e indústrias. Para a Nexen, a melhor forma de se preparar para o futuro é olhando para ele, trabalhando e o antecipando. 

48

RBS Magazine

É essa energia que guia o nosso dia a dia. Assim, entregamos tecnologia pensando na sustentabilidade, sempre olhando para o futuro e trabalhando para aproximá-lo do presente das pessoas. Plataforma para integradores No início de 2021, a Nexen lançou a Plataforma para Integradores, um portal pensado e desenvolvido especialmente para nossos parceiros, afinal, uma parceria só cresce se trabalhamos juntos, com o mesmo propósito e compartilhando a mesma energia na busca por melhorar e ampliar o acesso à energia solar. Integradores são profissionais de empresas do segmento de fotovoltaico, que em parceria com a Nexen obtém benefícios em todas as soluções em geração de energia solar. Para se tornar integrador Nexen, basta efetuar cadastro no site nexen. com.br, e aproveitar as vantagens exclusivas.


RBS Magazine

49


50

RBS Magazine


RBS Magazine

51


• Frete grátis • Envio imediato • 10 anos de garantia para inversores • 12 anos de garantia para painéis • Suporte técnico especializado • Parcelamento direto em até 10x no cartão • Financiamento com condições especiais • Kits fotovoltaicos com pronta-entrega Pelo compromisso com a sustentabilidade e os benefícios que oferece aos integradores, a Nexen já alcançou todo o território nacional, levando às pessoas a oportunidade de gerar a própria energia, contribuir para a preservação do meio ambiente e, principalmente, ver redução de até 95% na conta de energia. Parceiros Nexen A Nexen trabalha com as melhores marcas de inversores e painéis solares do mercado mundial, por meio de parcerias com grandes marcas, como Canadian Solar, BYD e Sungrow. Fortalecemos essas parcerias porque sabemos do compromisso desses parceiros com o nosso propósito, que é levar energia limpa para o maior número de pessoas, diminuindo a exploração de recursos naturais não renováveis para geração de energia elétrica. Canadian Solar Fabricante de módulos fotovoltaicos, envolvida no apoio à instalação de energia solar e em vários projetos de energia em larga escala. Há 20 anos no mercado, está presente em 24 países, em cinco continentes. BYD  Empresa global especializada em energia limpa. É a maior fabricante mundial de baterias recarregáveis,

52

RBS Magazine

sistemas de armazenamento de energia e veículos 100% elétricos. Sungrow Líder mundial na fabricação, pesquisa e desenvolvimento de inversores para energias renováveis, especialmente energia solar. Com mais de 20 anos de atuação, oferece produtos e serviços para mais de 50 países. Nossos números Por meio das parcerias com grandes marcas e com integradores que levam nosso nome para todo o território nacional, em três anos de mercado a Nexen já tem conquistas bem importantes para o segmento de energia solar. • 60 colaboradores • 3.153 integradores • 100 mil painéis vendidos • 2 mil clientes gerando a própria energia • crescimento de 370% desde o início da empresa Temos orgulho de externar nossos números, pois fazem parte da história que construímos todos os dias, de forma sólida e transparente. A energia do futuro O Brasil possui excelente potencial para geração de energia solar, já que a incidência de raios solares é abundante em todo o País. Isso certamente foi um motivador para a criação da Nexen, mas não foi o principal. A atuação da Nexen está muito voltada à oferta de soluções sustentáveis, a partir de energia limpa, garantindo a autonomia das pessoas em relação à geração da própria energia elétrica, independentemente da região em que residem. Assim, a busca pela otimização da logística é constante, para que os equipamentos sejam entregues com agilidade e qualidade em todo o ter-

ritório nacional. Com isso, a empresa está construindo uma base sólida, comprometida não só com a venda de produtos das melhores marcas, mas com a criação de vínculos de confiança com empresas parceiras, integradores e clientes finais. Energia limpa em qualquer lugar A Nexen assumiu o compromisso de ampliar a capacidade de geração de energia limpa no Brasil, por isso, oferece kits fotovoltaicos para residências, estabelecimentos comerciais, indústrias e propriedades rurais. A equipe técnica da Nexen é altamente qualificada para elaborar projetos de sistemas de geração de energia solar adequados às demandas de cada cliente, independentemente de ser para uso doméstico ou necessitar geração de energia em grande escala. Para fazer parte do time da energia limpa, como integrador ou como cliente final, acesse nosso site e entre em contato conosco. Será um prazer atendê-lo e tirar todas as suas dúvidas sobre a energia do futuro. Projetando o nosso futuro A Nexen já nasceu pensando e se preparando para o futuro. Visando oferecer o melhor atendimento aos nossos parceiros, estamos desenvolvendo projetos de expansão das nossas atividades, ainda para o segundo semestre de 2021, como o novo centro de distribuição em Joinville/SC e o lançamento dos módulos com a marca Nexen. Para os próximos anos, já estão planejados novos produtos com a marca Nexen, novos centros de distribuição em São Paulo e na região Nordeste, além de IPO para 2025. A Nexen está preparada para o futuro, com estrutura para atender com qualidade e eficiência nossos integradores e clientes, oferecendo suporte especializado, serviço de excelência e as melhores soluções do mercado de geração de energia solar.


S

CERTIFICA TI O EM

N

T YS

IS O 9

00

1

RBS Magazine

53


AS LUMINÁRIAS SOLARES já são uma realidade?

Weliton Maia Engenheiro L8

A

energia solar fotovoltaica no Brasil já é um mercado sólido e que, ano após ano, vem crescendo, principalmente quando falamos de geração distribuída. As tecnologias de módulos e inversores estão cada vez mais eficientes e baratas, refletindo no ciclo de investimento e trazendo investidores de perfis diferentes aos primeiros adeptos do setor elétrico. Diante desse cenário, outras tecnologias que utilizam energia solar também acabam ganhando destaque, como é o caso das luminárias solares. A iluminação pública no geral traz inúmeros benefícios para a sociedade. Seja em pequenas estradas, ciclovias ou zonas residenciais, a qualidade da iluminação é fundamental para o desenvolvimento do meio. Quando inserida de forma adequada pode melhorar a segurança do local, fortalecer os laços comunitários e aumentar a atratividade de vilas e cidades. Quando vemos os benefícios que a iluminação traz e agregamos aos benefícios intrínsecos da energia solar, damos um passo ainda maior no desenvolvimento da sociedade. O uso de luminárias solares responde fielmente aos desafios da sustentabilidade atual, concentrados em assuntos como pegada de carbono e transição energética. A utilização de luminárias solares é muito ampla, podendo contemplar estradas rurais, condomínios, acampamentos, e até locais de difícil aces54

RBS Magazine

so como comunidades ribeirinhas, onde a infraestrutura elétrica pode ser precária. A utilização dessa tecnologia vai então de encontro à necessidade de fornecer luz a comunidades sem acesso à eletricidade, especialmente quando consideramos que possuímos cerca de 10% da população mundial nessa condição, segundo dados da Agência Internacional de Energia (IEA). Mas como funcionam? Basicamente, as luminárias solares são sistemas isolados (Off-Grid), que possuem 4 componentes principais: Módulo Fotovoltaico, controlador de carga, bateria e uma lâmpada. Seu funcionamento é relativamente simples. Durante o dia o módulo gera energia, que carrega uma bateria através do controlador de carga e durante a noite, a lâmpada é acionada consumindo a energia armazenada. Parece um sistema composto por componentes eletrônicos simples, porém há uma grande diferença entre as luminárias de qualidade e aquelas que apenas unem esses componentes. Existem vários fatores que influenciam na qualidade das luminárias. Iremos abordar 4 deles aqui rapidamente: 1. Bateria: muitas luminárias no mercado utilizam bateria de chumbo ácido. Por mais que essa tecnologia seja mais barata, é muito ineficiente quando comparada a outros tipos de baterias. Baterias de chumbo ácido possuem profundidade de descarga

muito baixa além de poucos ciclos de carga e descarga, o que mesmo em boas condições traz a necessidade de troca da bateria a cada 2 anos; 2. Eficiência dos módulos: a tecnologia de módulos solares mais difundida atualmente é a de silício cristalino, principalmente os monocristalinos que estão dominando o mercado. Utilizar módulos que possuem eficiência alta é uma ótima opção quando consideramos a necessidade de gerar energia suficiente para pelo menos alguns dias de funcionamento; 3. Lâmpadas eficientes: a iluminação pública está passando por uma grande transição de tecnologia. Há um considerável aumento do uso do LED, tecnologia muito mais eficiente e que atende a grande maioria das necessidades de iluminação atuais; 4. Gestão energética: algumas luminárias de mercado funcionam com relés fotoelétricos comuns. A noite o relé aciona e a luminária começa a funcionar, durante o dia a luminária é desligada e o módulo gera energia. Entretanto, essa é uma maneira muito ineficiente para esse tipo de equipamento. Nessa configuração se faz necessário que os controladores tenham algum tipo de inteligência e possam controlar a intensidade luminosa baseadas em características como: a quantidade de energia armazenada no momento, quantidade de energia a ser gerada, hora atual, o local instalado, entre outros.


ABGD

Em defesa da geração descentralizada e democrática de energia elétrica. Somos mais de 600 empresas com um objetivo comum: fomentar o mercado de geração distribuída – a geração de energia junto ou próxima ao consumo.

JUNTE-SE A NÓS Defendemos os interesses de pequenas, médias e grandes empresas de toda a cadeia de geração distribuída, dando legitimidade institucional a seus pleitos e promovendo a expansão do mercado. Articulamos e lideramos debates com agências regulatórias, concessionárias de serviços públicos e órgãos governamentais. Promovemos a colaboração e o intercâmbio de informações entre fabricantes, distribuidores e empresas, bem como o marketing cooperado com os associados. Fomentamos a qualificação profissional por meio de treinamentos, de descontos em congressos, workshops, cursos e capacitações; da participação em grupos de discussões técnicas e da certificação de instaladores profissionais. Oferecemos assessoria jurídica e orientação regulatória.

Entre em contato conosco: www.geracaodistribuida.org

Capital Corporate Offices

Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550 - 5o andar - conj. 518

www.linkedin.com/company/abgd

Vila Cordeiro, São Paulo (SP)

@abgdbrasil

Telefone: (11) 3796-3767

@abgd_oficial

CEP: 04583-110

RBS Magazine

55


levar a infraestrutura elétrica visto que funcionam de maneira isolada; • Não é necessário nenhum tipo de cabo ou interligação com a concessionária, ou seja, não há custo com energia elétrica;

Pensando nessas características, a L8 buscou o que há de melhor em soluções em iluminação solar e hoje, de forma exclusiva no Brasil, conta com a expertise de fabricação de luminárias solares da Sunna Design. A Sunna é uma empresa francesa de luminárias solares, que produz um produto de extrema qualidade que hoje é referência mundial no quesito iluminação solar. Dentre as suas características principais estão:

rias Sunna contam com o controlador inteligente Sunna Core. Esse equipamento tem a função de carregar a bateria de forma mais eficiente e controlar a descarga da mesma forma. Dentro do algoritmo são processados os dados do nível de bateria e o histórico meteorológico, assim, o próprio equipamento consegue identificar qual a melhor potência do LED conforme a situação otimizando o uso da iluminação. Esse sistema também garante que não ocorra um blackout e a 1. Bateria de NiMH: as baterias luminária pare de funcionar. dos produtos são de Hidreto Metálico de Níquel (NiMH). São baterias As características e vantagens das muito superiores às de chumbo áci- luminárias distribuídas pela L8 hoje do, chegando a 5.500 ciclos de carga não são apenas essas. Existe no equie descarga e durabilidade maior que pamento controle de temperatura 10 anos. Diferente dos outros mode- eficiente, monitoramento de presenlos, conseguem operar em tempera- ça, possibilidade de integração com turas extremas entre -40 ºC e 70 ºC IoT, integração das luminárias com e, além disso, podem ser recicladas; totens, resistência a ventos fortes e a extrema facilidade de instalação. 2. Módulos monocristalino: to- Além dessas vantagens, temos ainda dos os módulos fotovoltaicos são de o próprio design do equipamento, silício monocristalino, variando entre que é esteticamente atraente. 50 W e 160 W na linha comum e alcançando 320 W na linha de alta poAlém disso, optar pela iluminatência. Assim como os módulos ven- ção solar pode trazer benefícios ecodidos no mercado, possuem vida útil nômicos e de tempo: de 25 anos; • Não é necessário a realiza3. Lâmpadas eficientes: as lumi- ção de obras de trincheiras para nárias possuem a tecnologia LED de alta eficiência variando entre o menor modelo com 10 W e 1.750 lumens até o modelo mais potente com 40 W e 6.560 lumens. Esses valores podem ainda aumentar em 2 vezes graças ao sistema de modulação inteligente do equipamento. Além disso, todas as luminárias contam com 3 modelos de lentes para iluminação de estradas mais estreitas até grandes áreas; 4. Sunna Core: para realizar o gerenciamento das cargas, as luminá56

RBS Magazine

• As luminárias levam cerca de 5 minutos para serem instaladas, uma economia de tempo considerável quando comparado as convencionais; • Não utiliza baterias de chumbo e é 100% renovável; • Gerenciamento de energia nos 365 dias do ano prevenindo a possibilidade de blackouts; • Desenvolvido para durar, todos os equipamentos possuem uma garantia de 5 anos com a fabricante. O equipamento também conta com comunicação bluetooth de fábrica, onde é possível gerenciar suas luminárias de forma local e receber informações de status da bateria e curva de carga, como também alterar o tipo de perfil de funcionamento. Esse perfil de funcionamento pode ser escolhido no ato da compra, sendo personalizado de acordo com o tipo de iluminação que o cliente deseja. Hoje já são mais de 30 tipos de perfis construídos para diversas aplicações. Para saber mais sobre a solução em Luminárias Solares oferecida pela L8, entre em contato pelo e-mail: contato@l8energy.com


Mais de 100MW importados para nossos clientes nos últimos doze meses!

Relacionamento com os principais fornecedores do segmento fotovoltaico

Desembaraço Aduaneiro (licença de importação)

Acompanhamento presencial da sua carga na origem e no destino

Logística Internacional (transporte marítimo, aéreo e terrestre)

Escritório próprio na China com funcionários brasileiros e chineses

Registro de produtos (INMETRO)

Importar painéis solares e componentes da China é mais fácil do que parece. Entre em contato conosco e comece a importar você também!

Rua Dr. Montaury, 2090 - Caxias do Sul, RS afianci.com | 54 99199.9949 | contact@afianci.com Afianci Global Networking

@afianciglobalnetworking

Magazine Afianci GlobalRBS Networking

57


Calendário Eventos 2021 9° FÓRUM GD SUDESTE 16 E 17 JUNHO DE 2021

11° FÓRUM GD NORTE 29 E 30 SETEMBRO DE 2021

Rio de Janeiro, RJ

FÓRUM

Importexport

FÓRUM INTERNACIONAL DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO

FÓRUM IMPORT & EXPOR 22 E 23 JULHO DE 2021

Online

10° FÓRUM CENTRO-OESTE 11 E 12 AGOSTO DE 2021

Cuiabá, MT

Manaus, AM

EnergyBRASIL

STORAGE FÓRUM E FEIRA DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

FÓRUM

H2 Hidrogênio

CYBER SEC 22 E 23 JULHO DE 2021

move

INTERNACIONAL DE MOBILIDADE URBANA E VEÍCULOS ELÉTRICOS

CONGRESSO

biogás

RBS Magazine

FÓRUM HIDROGÊNIO 15 E 16 OUTUBRO DE 2021

Curitiba, PR

Online

3° FÓRUM MOVE 01 E 02 SETEMBRO DE 2021

6° CBGD AND EXGD 10 E 11 NOVEMBRO DE 2021

Online

Salvador, BA

CONGRESSO BIOGÁS 15 E 16 SETEMBRO DE 2021

CONGRESSO COBER 25 E 26 NOVEMBRO DE 2021

Online

Curitiba, PR

2021

58

Curitiba, PR

FÓRUM EÓLICA BR 21 E 22 OUTUBRO DE 2021

Curitiba, PR

F Ó R U M

3° ENERGY STORAGE 06 E 07 OUTUBRO DE 2021

6° CIBIO 02 E 03 DEZEMBRO DE 2021

Goiânia, GO


SSM Solar do Brasil

anuncia o lançamento da sua NOVA LINHA DE PRODUTOS A linha tem como objetivo buscar agilidade no processo de fixação nos painéis fotovoltaicos

A SSM Solar do Brasil anunciou no mês de maio o lançamento da sua nova linha de produtos que promete revolucionar o mercado de estruturas. “Esta linha foi criada para atender quem busca acima de tudo a qualidade SSM Solar do Brasil e um preço surpreendente”, nos conta - Carlos Bebiano – CEO e Co-founder da empresa. Fácil de instalar, desenvolvida para o profissional que busca agilidade no processo de fixação do painel fotovoltaico, é adaptada nos kits para todos os tipos de telhados. A novidade já está conquistando o Brasil todo e gerando uma demanda interna superior às projeções que a SSM Solar do Brasil tinha no início da sua criação. A linha Facilita tem como peça principal a GARRA CLICK, super fácil de instalar ela acopla no perfil e é ajustada com um parafuso na fixação do painel solar, com a posição de final ou intermediária a GARRA CLICK é uma peça extremamente versátil e vai conquistar os instaladores de todo Brasil. Sobre a SSM Solar do Brasil A SSM Solar do Brasil foi fundada em 2011, atuando no Mercosul e ao longo da nossa história sempre buscamos inovação e analisamos as

principais necessidades dos nossos integradores, distribuidores e parceiros projetamos uma linha de produtos focada em agilidade e segurança. O grande diferencial da SSM Solar do Brasil é atender a todas as necessidades do mercado com estruturas inteligentes para Telhados e Solo. A linha mais completa que você encontra hoje no mercado atendendo aos projetos para Telhados e usinas de Solo com precisão e o melhor custo benefício. Presente nos 26 estados mais no Distrito Federal, e nos países Uruguai, Argentina, Chile, Colômbia, Bolívia, Paraguai e recentemente Peru que fazem parte do Mercosul. Outro dado importante é ressaltar que no Mercosul nossas estruturas fizeram parte de usinas que ao todo geraram 1.9 GWp até o início de 2021. Em 2020 a matriz foi instalada em uma unidade com mais de 8.000 metros quadrados localizada em Curitiba, iniciamos as operações no Centro de Distribuição em Pernambuco e em 2021 terá o início das operações na unidade SSM Indústria concentrada em uma planta com mais de 14.000 metros quadrados a qual beneficiará mais de 1.200 toneladas entre aço e alumínio por mês. O conceito de Estruturas Inteligentes que será utilizado em suas campanhas de 2021, representa com

precisão cada detalhe envolvido na concepção dos nossos produtos, toda nossa linha tem um processo de desenvolvimento único, o início da fabricação é personalizado pois utilizamos uma liga exclusiva, a mistura de metais mais pura proporciona uma qualidade inigualável a todos os itens e o processo continua no corte e preparação de todo o desenho, suas junções e fixações são rigorosamente analisadas para suportar as intempéries do tempo das localizações que serão instaladas. Nossos engenheiros acompanham este processo e ainda durante a negociação desenvolvem as análises de cada projeto prestando o suporte necessário para cada diferencial que deve ser aplicado. Este nível de segurança para execução de pequenas, médias e grandes obras é imprescindível para que a nossa garantia de 30 anos se torne o grande diferencial das estruturas SSM Solar do Brasil. São 10 anos de história que levam a SSM do Brasil ao rumo de ser uma das maiores fabricantes de estruturas metálicas para painéis fotovoltaicos, em 2021 os projetos não param e além de novos e grandes clientes que iniciaram parcerias com a empresa. A SSM Solar do Brasil é a única empresa fabricante de estruturas que proporciona aos seus clientes 30 anos de garantia, o que nos leva a pensar que além da venda da estrutura, a SSM acompanha os projetos, participa e desenvolve o que for necessário para adaptação das suas estruturas a cada realidade que cada aplicação possui. RBS Magazine

59


60

RBS Magazine


RBS Magazine

61


PRODUTOS DE

QUALIDADE,

com o MELHOR PREÇO do mercado, na hora que VOCÊ PRECISAR

A

Excelência em atendimento é sinônimo de eficiência, por isso o time comercial, formado por engenheiros, é focado em oferecer um atendimento humanizado e personalizado para garantir que a experiência de compra dos integradores seja a melhor possível, do início ao fim do processo. Além disso, a Fotus pratica uma política agressiva de preços, proporcionando assim maior poder de negociação aos integradores parceiros.

Fotus Energia Solar está entre as principais empresas de importação e distribuição de equipamentos fotovoltaicos com foco em geração distribuída do Brasil. Os integradores parceiros estão distribuídos em todo o território nacional e atuam com projetos pequenos, médios e de grande porte. A Fotus Energia Solar pertence ao Grupo Litoral, grupo sólido capixaba que possui mais de 40 anos de experiência. A empresa está instalada na cidade de Vila Velha, município que compõe a Grande Vitória, estrategicamente situada próxima ao litoral, portos e o cruzamento entre as BR-101 e BR-262, numa área de mais de 35 mil m2 e cerca de 200 funcionários. Como grupo, a Fotus é transparente, comprometida e engajada em entregar tudo o que promete para os clientes e parceiros. Ela se baseia em 4 pilares para atender cada vez melhor seus integradores parceiros:

4 - Suporte Técnico Garantido

no melhor custo benefício para os clientes. Atualmente comercializam inversores da Goodwe, Kehua Tech, GE, módulos da ZNShine Solar, Trina Solar, DAH Solar e Leapton Solar, String Box da Clamper e ABB e estrutura metálica da Perfil Alumínio e Solar Group. 2 - Agilidade logística

Eficiência na execução dos processos da empresa, para proporcio1 - Produtos de qualidade nar agilidade nas tomadas de decisão, Trabalham com marcas reconhe- soluções de problemas e operação cidas mundialmente e que oferecem logística. A Fotus conta com amplo soluções inovadoras, de alta tecnolo- estoque à pronta entrega que possigia e qualidade. Buscam trazer para bilita envio em até 48 horas. o país o que há de melhor entre os 3 - Atendimento e suporte com equipamentos de energia solar existentes no mundo, sempre com foco engenheiros eletricistas. 62

RBS Magazine

A fidelização e relação de confiança com nossos clientes é primordial. Por isso, além das melhores condições de venda e dos produtos de qualidade, oferecemos um suporte técnico também formado por engenheiros que são rápidos, eficientes e certificados pelos fabricantes, para garantir que o sistema fotovoltaico fornecido pela Fotus seja instalado de forma correta e obtenha a melhor performance.

Para falar com a Fotus, basta acessar o site www.fotusenergia.com.br Telefone (27) 3320-8777 (whatsapp) ou ainda pelas redes sociais.


RBS Magazine

63


Mais vantagens para você na PHB Solar! Estamos lançando o Programa de Pontos. Todas as compras de kits fotovoltaicos realizados na plataforma PHB Solar 2.0 ganham pontos, que podem ser trocados por produtos, confira o regulamento na plataforma.

Veja como é fácil participar

Aceite participar da

Realize as compras

promoção na aba

exclusivamente pela

Junte seus pontos e

'programa de pontos'

plataforma para

resgate os prêmios.

na plataforma PHB

acumular os pontos.

Solar 2.0.

Cadastre-se e participe

plataformaphbsolar.com.br

64

RBS Magazine

Profile for RBS Magazine

RBS Magazine ED. 40  

• A grandeza do O&M e suas aplicações • Suportes para painéis fotovoltaicos • A Serrana Solar e o avanço da energia fotovoltaica no Brasil...

RBS Magazine ED. 40  

• A grandeza do O&M e suas aplicações • Suportes para painéis fotovoltaicos • A Serrana Solar e o avanço da energia fotovoltaica no Brasil...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded