Page 1


Palavra do Pároco

A exemplo de Geraldo, buscar fazer a vontade de Deus

C

hegamos ao mês de outubro! Ainda nos encantos da primavera, vivemos sinais significativos em nossa Igreja! Acontece o mês Missionário Extraordinário e o Sínodo da Amazônia! Sinais de que ainda precisamos aprender a ler o modo como Deus nos fala e os diversos modos que ainda continua a falar-nos em nossos tempos e seu falar é copiosamente amoroso! Celebramos Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil e celebraremos São Geraldo, santo irmão redentorista que em tudo buscou fazer a vontade de Deus! Ele acolheu e viveu o que aprendeu de nosso fundador, que diz citando São Lucas e como Jesus ensinava: “É necessário rezar sempre sem nunca desfalecer” (Lc 18,1). Se assim era a escolha feita por Santo Afonso de Ligório, para São Geraldo também o podemos dizer que rezar é indispensável: é o grande meio da salvação. Mas hoje, vemos que é preciso “rezar de verdade”. Em muitas ocasiões, Santo Afonso denunciou o risco de alguém se contentar com o repetir preces de formulários, por mais belas que sejam. Com certeza, São Geraldo evitou tais caminhos, pois como bom seguidor de Santo Afonso, aprendeu que a oração deve dizer de nossos afetos, ou seja, de nossos sentimentos. A oração feita com maturidade deve levar-nos a: darmos um sentido; a determinarmos um itinerário e um caminho que nos revele a salvação redentora de Cristo e foi assim que Geraldo, assumiu o seu cotidiano simples e servidor com uma única certeza e nós o repetimos: “Aqui se faz a vontade de Deus, como Deus quer e enquanto quiser”. Eis o grande motivo da felicidade de São Geraldo! Caro leitor, não tenhamos medo de fazer tal caminho, pois uma convicção podemos ter e ela é esperançosa: em Cristo, nós existimos! Existimos em liberdade e como luz rezemos o pensamento a seguir: “Para Afonso, a liberdade é acima de tudo uma participação na liberdade divina de amar, é amar junto com Deus. Para Ligório, o amor, e não a lei, está em primeiro lugar no plano de Deus: O Senhor não cria as pessoas para obedecerem às leis e normas, mas para serem concelebrantes com ele do seu próprio amor”. (B. Haring., p. 54: Espiritualidade 4) Deus abençoe sua casa e todos os seus, abundantemente!

Pe. Edson Alves da Costa, C.Ss.R.

Para acompanhar nossa vida paroquial, acesse: www.PAROQUIADAGLORIA.org.br facebook.com/paroquiadagloriajf instagram.com/paroquiadagloriajf twitter.com/paroquiagloria issuu.com/paroquiadagloria (Jornal Novo Tempo)


Pastoral do Batismo:

30 anos de missão

N

o dia 19 de outubro, uma Missa em Ação de Graças, às 18h30, na Igreja da Glória, marcará os 30 anos de criação da Pastoral do Batismo da Paróquia da Glória. Trabalho consolidado, que, ao longo dos anos, viu nascer vocações para a Igreja de Cristo. Antes de 1º de outubro de 1989, a Celebração do Batismo era precedida apenas por uma simples inscrição. Nesta época, Padre Mário Antônio de Freitas, C.Ss.R., que residia na Comunidade Redentorista da Glória e era responsável pelos batizados, pediu que, antes das celebrações, fosse feita uma preparação com os pais, o que o casal Herculano e Maria Luíza Delage Lemos atendeu prontamente. O então Pároco, Padre Gaspar de Almeida Pinto, C.Ss.R, considerou, então, ser oportuna a criação da Pastoral do Batismo, que já havia sido implantada em várias paróquias da Arquidiocese de Juiz de Fora. Iniciaram-se os trabalhos, realizando duas reuniões preparatórias, além da visita à casa dos pais dos batizandos, com a presença dos padrinhos, sempre que possível, o que acontece até os dias atuais. Neste tempo, passaram pela Pastoral do Batismo como coordenado-

res, além do casal Herculano e Maria Luíza: Ricardo Augusto Gomes, Agildo e Maria Cleuza Gonçalves Magalhães, Silvia Menicali de Souza, Ézio Fantaine e Edson Layer e Marcília Maria das Graças Layer (atuais coordenadores), em todos estes anos, sempre sob a orientação espiritual de um sacerdote da Comunidade Redentorista da Glória: Pe. Freitas, Pe. Antunes, Pe. Sérgio, e o atual Pároco, Pe. Edson. Atualmente, a Pastoral conta com 13 membros. A preocupação com a formação dos agentes da Pastoral também é uma constante, sempre com o objeti-

vo de aprimorar o trabalho junto aos pais e padrinhos, mostrando-lhes o papel que exercem na vida dos batizandos, no sentido de conduzi-los na fé da Igreja e conscientizá-los da importância de sua permanência como membros praticantes da doutrina católica e do recebimento dos demais sacramentos. Segundo o atual coordenador, Edson Layer, nestes 30 anos, a Pastoral do Batismo vem cumprindo a sua missão de preparar e ajudar na evangelização das famílias que procuram a Igreja da Glória para batizarem seus filhos (as), no crescimento da fé.

Uma lição das crianças para nós

“Trabalhar com as crianças não é fácil, mas nos ensina muito. A mim ensina uma coisa: que para entender a realidade da vida é preciso abaixar-se, como nos abaixamos para beijar uma criança. Elas nos ensinam isso. Os orgulhosos, os soberbos não podem entender a vida, porque não são capazes de abaixar-se. Todos damos muitas coisas às crianças; mas elas nos dão este anúncio, este ensinamento: abaixa-te. Abaixa-te, sê humilde, e assim aprenderás a entender a vida e as pessoas”. (Papa Francisco, dezembro de 2018)


Memória agradecida

Um advogado seguidor de Santo Afonso

N

o dia 1º de setembro, o Redentor chamou um advogado, que, por muitos anos, trabalhou em prol das causas do Reino de Deus: Dr. Francisco de Assis Martins Ribeiro. Sua história está ligada à Paróquia da Glória desde antes de seu nascimento. O século XX se principiava quando o casal de imigrantes italianos Raphael Giancecchi e Gertrude Berardi se instalou no então Morro da Gratidão, com suas filhas Luiza e Tereza, na esquina da atual Avenida dos Andradas com a Rua dos Artistas. Os anos se passaram e Luiza se casou com o imigrante português Antônio Martins Ribeiro que, no imóvel dos sogros, abriu um armazém que abastecia a população do entorno. Do casamento com Luiza, nasceram os filhos Francisco e José Raphael. À sombra da Igreja da Glória, Francisco nasceu em 19 de junho de 1931. Desde muito novo conviveu com os Redentoristas, sendo educado dentro da mística alfonsiana. Crescendo sob a proteção da Senhora da Glória, Francisco se tornou coroinha e absorveu o zelo dos padres e irmãos no trato com as alfaias e paramentos litúrgicos. Zelo este que, quando seminarista, lhe fora notável como chefe dos acólitos no Seminário Redentorista de Congonhas. Sentindo dificuldades em prosseguir na vida religiosa, anos mais tarde, Francisco deixou o Seminário, em busca de uma nova experiência com Deus, levando consigo a formação e os princípios que lhe nortearam toda a vida. De volta a Juiz de Fora, ingressou na Faculdade de Direito, lecionando, neste período, francês no Ginásio Mariano Procópio e na Academia de Comércio. Em 10 de janeiro de 1961, casou-se com Mafalda Isabel Arcuri Spinelli na Basílica Velha, em Aparecida-SP. Da feliz união, nasceu o único filho, Geraldo, que mais tarde lhes deu o neto Raphael. Já advogado, ligou-se ao movimento sindical, lecionando, ainda, nas Faculdades de Direito e Serviço Social. Humanista, de temperamento equilibrado e possuidor de grande capacidade de articulação e mediação de conflitos, jamais foi adepto de soluções radicais. Quando ocorreu o golpe militar de 1964, não hesitou em patrocinar a defesa de presos políticos como o líder sindicalista Clodesmidth Riani. Com o recrudescimento do regime militar e as restrições ao exercício da ad-

Nathan Ramalho dos Reis

vocacia, empregou-se, então, na Fiação e Tecelagem Industrial Mineira, mais tarde, Ferreira Guimarães, exercendo cargos de gerência em Juiz de Fora e no Rio de Janeiro. Com o fim desta companhia, montou um escritório de advocacia na capital fluminense, exercendo esta atividade até três dias antes de sua morte, aos 88 anos de idade. Homem de seu tempo, assimilou com serenidade o Concílio Vaticano II, protagonizando o papel do leigo engajado e comprometido com a construção do Reino. Nas décadas de 1960 e 1970 atuou junto à CNBB, como membro da Comissão Nacional de Leigos e da Comissão Nacional

de Pastoral, tendo ainda auxiliado Dom Hélder Câmara em suas atividades junto ao Secretariado Geral. Na Arquidiocese de Juiz de Fora participou da fundação do Instituto dos Advogados Católicos, atuando também junto ao Tribunal Eclesiástico e ao Conselho Econômico. À Paróquia da Glória sempre dedicou-se amorosamente, como um filho à sua mãe. Além da atuação no campo pastoral, prestou-lhe, gratuitamente, assistência jurídica, do modo profissional e competente, que sempre lhe foi característico, tendo sido, ainda, guardião de suas muitas histórias e tradições, conselheiro sábio nos momentos de crise. Um singular e discreto benfeitor. Sua vida foi pautada pela orientação de Santo Afonso de Ligório; não desperdiçou um minuto sequer. Francisco foi profundo, fez-se um servo útil na busca da coerência entre o crer e o agir. Dr. Francisco, obrigado por seu testemunho de fé e pela coerência de sua vida!

Obrigado pelas tantas vidas que tocou e todo o bem que praticou com seu apostólico zelo! Aí do céu, junto com tantos paroquianos que nos precederam na fé, interceda por nossa Paróquia , a que tanto se dedicou, e pela Congregação Redentorista em seus caminhos de evangelização.

Um amigo fiel, generoso e dedicado Com muita tristeza recebi a notícia (enviada pelo seu filho Geraldo) de que Deus tinha chamado seu servo fiel Dr. Francisco para participar do banquete do Cordeiro, no dia 1º de setembro, um domingo. Na missa que celebrei, agradeci a Deus o dom precioso da vida do amigo que foi paroquiano da Glória desde criança. Quando cheguei em Juiz de Fora para servir como Pároco da Glória (fevereiro de 2000 até dezembro de 2009), tive a alegria de conhecer Dr. Francisco. Em momentos delicados que exigiram a assistência jurídica, ele sempre o fez de modo profissional; mas ia mais além, agindo e aconselhando, com profundo amor e dedicação. Cultivamos uma estima recíproca e penso que possa atribuir isso sobretudo a duas “características adquiridas”, para não dizer duas graças compartilhadas: ser redentorista e paroquiano da Glória. Sim, porque essas duas realidades históricas faziam parte da sua vida e do seu modo de ser cristão-católico. Conhecia muito da história e da espiritualidade, seja da Congregaçao Redentorista, seja da Paróquia da Glória, além, é claro, de um compromisso com a Igreja que floresceu com o Concílio Vaticano II. Além dos muitos momentos de convívio paroquial, por várias vezes, no dia de Finados, na visita ao Cemitério Paroquial, juntamente com outro ex-seminarista redentorista, o Prof. Henrique Weitzel, fazia uma memória histórica e muito bem-humorada de diversas pessoas ali sepultadas e chamava sempre atenção para os relatos sobre a convivência fraterna entre católicos e luteranos. Como foi dito de Jesus em At. 10, 38 e esse é o chamado a todos nós , creio que, do caro amigo Dr. Francisco, podemos dizer que durante sua vida: “… como ele andou fazendo o bem”. Pe Carlos Viol, C.Ss.R. Roma, setembro de 2019.


Iniciação à vida cristã

E

ste foi o tema do CFAP (Curso de Formação de Agentes de Pastoral), que aconteceu nos dias 28 e 29 de setembro, no Salão Paroquial. O encontro foi conduzido pelo Diácono Rodrigo Costa Silva, C.Ss.R., a partir das propostas trazidas pelo Documento 107 da CNBB. Este documento, partindo do encontro de Jesus com a samaritana, reflete sobre um novo processo de iniciação à vida cristã, levando em conta os desafios de um mundo em mudança e novas realidades que se apresentam para o anúncio do Evangelho. Foram dois dias de aprofundamento na fé e na Catequese, tempo importante para refletirmos sobre o trabalho pastoral.

Conservando nosso patrimônio Dando continuidade aos trabalhos de limpeza da Igreja da Glória, as pedras de São Tomé que revestem as paredes e colunas do templo e da sacristia estão recebendo tratamento especial e uma camada de resina para conservação. Além disso, foi concluída a troca das lâmpadas por LED, proporcionando, a curto prazo, redução nos custos de energia elétrica. O próximo passo será a restauração das portas da Igreja da Glória.

Cemitério da Glória

Visando garantir a segurança do patrimônio e das pessoas que visitam seus entes queridos, a Paróquia também providenciou a colocação de um sistema de câmeras para vigilância no local. Tudo isso só está sendo possível graças à fiel contribuição de nossos dizimistas e por meio do pagamento das anuidades, realizado pelos proprietários dos túmulos de nosso cemitério.


Em busca de novos caminhos

A

té o dia 27 de outubro, acontece, em Roma, o Sînodo da Amazônia, que tem como tema “Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. O encontro conta com representantes de nove países que compõem a região Pan-Amazônica (Brasil, Peru, Bolívia, Colômbia, Equador e Venezuela, Suriname, Guiana e Guiana Francesa) e cerca de 120 bispos dessas regiões. A Pan-Amazônia tem uma extensão de 7,8 milhões de km2. Inclui áreas do Brasil, Bolívia, Perú, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. Conta com cerca de 33 milhões de habitantes, 3 milhões dos quais são indígenas pertencentes a 390 grupos ou povos diversos. A bacia do Rio Amazonas e as florestas tropicais circundantes nutrem o solo e regulam, através da reciclagem da umidade, os ciclos da água, da energia e do carbono a nível planetário. Aproximadamente, 22% das espécias nativas do mundo encontram-se na Floresta Amazônica.

novos caminhos para uma ecologia integral

O conceito de “ecologia integral” é mais que adequado para os problemas e as oportunidades da Amazônia. Ele ser-

ve tanto de guia como de objetivo do Sínodo, a partir do Instrumentum Laboris (IL), um documento preparatório para o Sínodo, com 147 pontos divididos em 21 capítulos, mostrando a realidade dos povos da região, suas dificuldades e os desafios da Igreja neste território. Uma ecologia integral exige que se dedique algum tempo para recuperar a harmonia serena com a criação, refletir sobre o nosso estilo de vida e os nossos ideais, contemplar o Criador, que vive entre nós e naquilo que nos rodeia e cuja presença “não precisa ser criada, mas descoberta, desvendada” (Encíclica Laudato si 225). A Laudato si foi publicada em junho de 2015. Nos anos que se seguiram, foram desencadeadas numerosas iniciativas em favor da ecologia integral, muitas inspiradas pela Igreja. Entretanto, de acordo com todos os indicadores, a crise piorou significativamente. O Sínodo sobre a Amazônia é uma tentativa consciente da Igreja de implementar a Laudato si neste ambiente humano e natural fundamental. As circunstâncias específicas da Amazônia requerem “uma opção sincera em prol da defesa da vida, defesa da terra e defesa das culturas” de modo a que a ecologia integral inclua a inte-

gração da vida, do território e da cultura (cf. IL 49). “A Igreja não pode deixar de se preocupar com a salvação integral da pessoa humana, o que comporta favorecer a cultura dos povos indígenas, falar de suas exigências vitais, acompanhar os movimentos e reunir forças para lutar pelos seus direitos” (IL 143).

novos caminhos para a Igreja

Os novos caminhos guiam a Igreja para ser não para si mesma, mas para as pessoas, envolvendo-as ativamente enquanto Povo de Deus. Nos últimos anos, a diminuição dos religiosos missionários – homens e mulheres – coloca em perigo a presença da Igreja católica entre as populações indígenas da Amazônia. O Sínodo quer ajudar a todos – indígenas, moradores dos rios, descendentes de africanos, mestiços, migrantes andinos e habitantes das cidades – a encontrar uma estrutura eclesial e estatutos apropriados para os seus específicos requisitos pastorais. O IL termina manifestando a esperança de que “este Sínodo seja uma expressão concreta da sinodalidade de uma Igreja em saída, para que a vida plena que Jesus veio trazer ao mundo (cf. Jo 10, 10) chegue a todos, especialmente aos pobres” (IL 147).


Oração do Mês Missionário Extraordinário

P

E

m 22 de outubro de 2017, Dia Mundial das Missões, o Papa Francisco anunciou para toda Igreja sua intenção de proclamar um Mês Missionário Extraordinário (MME) em outubro de 2019 para celebrar o centenário da Carta Apostólica Maximum Illud, de autoria do Papa Bento XV. Para reavivar a consciência batismal do Povo de Deus em relação a missão da Igreja, o Papa Francisco escolheu para o Mês Missionário Extraordinário o tema “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”, com o objetivo de retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral e reforçar o que o próprio Francisco escreveu na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium: “A ação missionária é o paradigma de toda obra da Igreja” (EG 15). Para bem celebrar o MME, a Igreja propôs algumas dimensões: encontro – Destacar a centralidade da pessoa e missão de Jesus Cristo. A missão nasce do encontro com Jesus que dá novo horizonte a vida (Doc. Ap 29). O encontro com Jesus Cristo vivo em sua Igreja é pessoal: Eucaristia, Palavra de Deus, oração pessoal e comunitária. testemunho e vivências – Valorizar os padroeiros da missão, Santa Terezinha e São Francisco Xavier e o testemunho dos santos e santas, mártires da missão e confessores da fé, expressão das Igrejas dispersas em todo o mundo. Formativa – Reflexão bíblica teológica sobre a identidade missionária de todo povo de Deus, a partir da temática do MME e da Carta Apostólica Maximum Illud. Recuperar a evolução histórica do conceito da missio ad gentes e elaborar fundamentação dos conceitos de missão programática e paradigmática. Em Maximun Illud, promulgada em 30 de novembro de 1919, o Papa Bento XV fala da evangelização como “a grande e santíssima missão confiada aos seus discípulos por Nosso Senhor Jesus Cristo”. Além disso, exorta aos prelados a serem “a alma” da missão, “pois convém que quantos na vinha do Senhor trabalham de um modo ou de outro, sintam, por própria experiência e claramente, que o superior da Missão é pai vigilante e solícito, cheio de caridade, que abraça tudo e a todos com o maior afeto; que sabe alegrar-se em suas prosperidades, condoer-se de suas desgraças, infundir vida e alento aos seus projetos e interessar-se por tudo de seus súditos como por suas próprias coisas”. Caridade missionária – Atenção aos povos da Amazônia legal, com suas realidades. Promover a coleta missionária e valorizar ações concretas de compromisso com os mais pobres. Promover visitas missionárias.

ai Nosso, o teu filho unigênito Jesus Cristo, ressuscitado dentre os mortos, confiou aos seus discípulos o mandato: “Ide e fazei discípulos todos os povos”. Recorda-nos que, pelo batismo, tornamo-nos participantes da missão da Igreja. Pelos dons do Espírito Santo, concede-nos a graça de sermos testemunhas do Evangelho, corajosos e vigilantes, para que a missão confiada à Igreja, ainda longe de estar realizada, encontre novas e eficazes expressões que levem vida e luz ao mundo. Ajuda-nos, Pai Santo, a fazer com que todos os povos possam encontrar-se com o amor e a misericórdia de Jesus Cristo, Ele que é Deus convosco, vive e reina na unidade do Espírito Santo, agora e para sempre. Amém!

SÁBADO MISSIONÁRIO

26 de outubro

14h às 18h

No dia 26 de outubro, nossos missionários visitarão as famílias que residem nas ruas Padre Frederico, Cícero Tristão e Catulo Breviglieri, no Bairro Santa Catarina. Desde maio de 2016, a Paróquia da Glória desenvolve o Projeto Missão Paroquial, com visitas às casas das famílias que residem em sua região pastoral. Já foram visitadas residências nos bairros Jardim Glória, Morro da Glória e Avenida dos Andradas, além da Rua Eng. José Carlos Moraes Sarmento, no Bairro Santa Catarina. A intenção é realizar um breve momento de oração e ação de graças em família.

Dia 24/10, quinta-feira 19h30, Salão Paroquial

Reunião de espiritualidade para as duplas que vão atuar na missão


Para mim, ser dizimista na Paróquia da Glória significa...

S

er membro de uma comunidade solidária aos mais necessitados; uma comunidade que partilha sonhos, realizações e esperança; uma comunidade que zela pela casa do Senhor. Gratidão pelas bençãos e graças que Deus, em seu amor misericordioso, nos concede todos os dias. Eni Dias da Silva

Aniversariantes Dizimistas - Outubro 01/10

Igreja da Glória

Maria Angélica Dias Therezinha de Mendonça V Borba Emir Rodrigues das Dores de Souza

02/10

Dulce Maria da Silva Eunice Aroni Grizende Maria das Graças Vidal Kamila Soares

04/10

Lizandra S Barros Demóstenes Pessoa de Farias

05/10

Matheus Lily Serrão Dilon Maria Madalena Miranda

06/10

Maria Rodrigues Teixeira Lúcia Regina Costa Martins Porto Dirce Gonçalves Luzeiro Maria Aparecida de Oliveira Marcelus Moreira de Carvalho Maria Inês Alves Miguel Arcanjo P Machado

07/10

Maria Geralda Domingues Deuza Rocha Mendes

08/10

Rogério Antônio Guimarães

09/10

Maria Helena M de C Heredia

11/10

Regina Lúcia H Albuquerque

12/10

Ângela Aparecida Batista Felix Sebastião Valtencir Rezende Franco Aparecida Bassoli Machado

13/10

João Augusto Campos Elizete de Araujo S Meckailedes

15/10

Maria de Lourdes Lopes Santiago Terezinha de Jesus C Umbelino Marilza Cioni Lidiane Martins Gonçalves Fava

16/10

25/10

Fernanda Guedes Macedo Terezinha da Conceição S e Souza

Maria Aparecida Carvalho da Silva

27/10

27/10

Hebert Bordoni Lima Mariana Malta de Farias Maria Aparecida Venâncio Porfírio Alfredo de Paiva

28/10

José Simão de Souza

18/10

30/10

Luiz Tarcísio V Campos Roozely Ivonéa Bellei Geraldo Afonso de Almeida Marilândia Mattos Surerus

Sônia de Fátima de P Freitas Pereira César Augusto Pereira Teixeira

31/10

20/10

Capela São Roque 02/10

Ormeu Alves das Chagas Eliete de Loreto Flavio da Conceição Correa

21/10

Regina Célia de Lima

22/10

Eni Dias da Silva

24/10

Fernando Quiossa Luiz Geraldo Rocha Breno Cândido de Oliveira

24/10

Adriana Pereira Machado Protino Rafael de Oliveira

29/10

19/10

Antônio Lelles Dias

26/10

José Mário Vicente Maria Edvane da Costa Evangelista José Pereira Rodrigues Mônica Ferreira Rodrigues Gomes

14/10

Maria Clara Porto Beiral

Aparecida Lúcia Oliveira Reis

04/10

Maria Therezinha de C A Pannain

06/10

Lindaura Isabel Leite de Paiva

12/10

Maria Lúcia Leite Novaes

13/10

Dalmazir de Castro Salles

Maria das Dores Costa Menezes

31/10

Hilda Ribeiro Franklin de Moraes

Dizimistas mirins 17/10 João Eduardo de Melo 26/10 Ana Caroline R Chaves

Novos dizimistas, sejam bem-vindos Andrea Sales Vintena Elizete de Araujo Silva Empresa Robust Pack Flávio Assante Mendes Geraldo de Oliveira Jacira Conceição O dos Santos José Elias Soares José Pires Pedrosa Kamila Soares Kleber Ferreira da Rocha Larissa Oliveira Machado Ligia Maria B F dos Santos Luiz Antonio Melo Prado e Maria Luci Sodre Prado Maria Angélica Amaro da Rocha Maria Aparecida Duprat Maria Aparecida de Resende Maria de Fátima Assante Mendes Maria Luiza Mendonça de Castro Marli Ricardo da Silva Vitor Oliveira de Faria Machado


Bazar Beneficente: Economia e sustentabilidade

O

bazar beneficente é uma das principais fontes de receita do Ambulatório da Glória e os recursos arrecadados são utilizados na manutenção da entidade e na compra de materiais utilizados nas oficinas e cursos oferecidos. Recebemos roupas, calçados, bolsas, acessórios, bijuterias, artigos domésticos e brinquedos. As doações são entregues na própria instituição ou na Igreja da Glória e encaminhadas para uma triagem, onde são separadas e destinadas ao bazar, ou entregues para famílias assistidas através do nosso varal solidário e ainda distribuídas em diversas comunidades carentes. Mas não param por aí os benefícios de se ter um bazar, pois ele representa uma oportunidade de consumo sustentável: uma roupa ainda em bom estado pode ser usada novamente por outras pessoas que, além de pagar preços melhores, faz com que sejam consumidas menos peças novas, reduzindo assim a quantidade de recursos utilizados para uma nova produção: uma parceria consignada de economia e sustentabilidade! Considerando tudo isso, ressaltamos a importância das doações recebidas e lembramos que os produtos doados devem estar em bom estado, pois outras pessoas vão recebê-los ou adquiri-los e usá-los por muito tempo ainda. Você também pode contribuir! Formamos assim uma corrente do bem: você ajuda a nossa instituição a ajudar mais pessoas e multiplica o poder de atuação do seu gesto de bondade! Sandra Hansen Coordenadora

Mercadinho da Caridade 19 e 20 de outubro

Outubro Rosa

O Ambulatório abraça esta causa

O Ambulatório da Glória, em parceria com o Hospital ASCOMCER, estará recebendo, no dia 24 de outubro, das 12h às 16h, o ASCOMÓVEL, serviço móvel de orientação a respeito do câncer de mama. Na ação, serão realizados exames clínicos de mama, e as pacientes entre 50 e 69 anos que forem indicadas para a realização de mamografia serão encaminhadas para a Associação Feminina de prevenção e combate ao câncer de Juiz de fora (ASCOMCER). Para participar, as pacientes deverão apresentar o cartão do SUS. Prevenção é tudo! Nós abraçamos esta causa!

Ecoponto no Ambulatório

O Ambulatório da Glória e a Empresa E-Ambiental se uniram numa importante parceria! Vamos juntos trabalhar o descarte consciente do lixo eletrônico e cuidar do Meio Ambiente! Se você tem em casa, celulares, pilhas e eletrônicos que não utiliza mais, dê a destinação correta. Descarte em nosso ponto fixo de coleta! Vamos nos unir neste propósito!

Troco Solidário Supermercado Bahamas Outubro tem mais!

A Rede de Supermercados Bahamas manteve o Ambulatório da Glória entre as instituições beneficiadas com o Projeto Troco Solidário no mês de outubro. Os trocos oferecidos pelos clientes serão revertidos em doações. As lojas que estão representando nossa Instituição neste mês são: Bahamas Santa Luzia, empório São Mateus, Bahamas São Vicente, Bahamas Independência, empório Cascatinha, Bahamas teixeiras e Bahamas express São Vicente. Gratidão a todos que doaram seu troco no mês de setembro, aos que fizerem sua doação em outubro, e mais uma vez, à Rede Bahamas pela iniciativa solidária!


Churrasco Paroquial

A

conteceu no dia 6 de outubro, na sede do Grupo de Escoteiro Alvorada. Tempo de confraternização e alegria para toda a comunidade. Nosso agradecimento a todos que colaboraram e trabalharam para a realização deste evento.

Alunos de canto fazem apresentação

N

o dia 15 de setembro, no Salão Paroquial, foi realizada a apresentação dos alunos de técnica vocal da Paróquia da Glória, com a participação especial do violonista Frederico Grunewald e da pianista e Coordenadora da Pastoral da Música, Márcia Vilela. Esta atividade é uma parceria da Paróquia, através da Pastoral da Música, com a professora Luane Voigan, e tem por objetivo aprimorar a técnica dos agentes de pastoral que tocam e cantam nas missas.

Encontro de noivos

N

os dias 21 e 22 de Setembro, noivos que se casarão no final de 2019 e no primeiro semestre de 2020 participaramdo Encontro de Preparação para o Matrimônio. Organizado e promovido pela Pastoral Familiar, a atividade contou com momentos de reflexão e oração, tendo os casais participado ativamente da Missa das Famílias, presidida pelo Padre Dalton, C.Ss.R. Os noivos ainda realizaram rodas de conversa com os agentes da Pastoral e um momento de aprofundamento com Pe. Dalton, encerrando com um momento a sós de cada casal.


Páscoa dos Militares

Música e liturgia

o dia 17 de setembro, os integrantes das Guarnições de Juiz de Fora e Santos Dumont (MG) do Exército Brasileiro se reuniram para a tradicional celebração da Páscoa dos Militares na Igreja da Glória. A Santa Missa foi presidida pelo Capelão da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, Padre José Leles da Silva, sendo concelebrada pelo Padre João Batista Diniz Ferreira, Capelão Militar da 4ª Brigada, além dos padres Renato Alves Rodrigues, Nelson Augusto de Oliveira, Carlos José Arlindo Silva e Frei Flávio Henrique de Castro.

ste foi o tema do Encontro de Formação da Pastoral da Música, que aconteceu no dia 14 de setembro, no Salão Paroquial, tendo como formador o Pe. Paulo Morais, CSsR. O encontro contou com a presença não só de músicos da Paróquia, mas também de outras comunidades, o que favoreceu uma partilha de experiências. Foi um dia de intenso aprendizado, onde foram abordados tópicos importantes, como a diferença entre a música litúrgica e a música religiosa, e a ritual, documentos e encíclicas sobre música e liturgia. Podemos dizer que foi um momento enriquecedor, que despontou a vontade e a necessidade de nos aprimorarmos sempre, para que a música possa atingir seu verdadeiro objetivo na liturgia. Ao Padre Paulo, nossos mais sinceros agradecimentos!

N

E

Márcia Villela Coordenadora da Pastoral da Música

Aniversário

Q

uem completa mais um ano de vida no dia 24 de outubro é o Padre Dalton Barros de Almeida, CSsR, Reitor da Comunidade Redentorista da Paróquia da Glória. Que Deus o abençoe!

Finados

S

erá celebrado no dia 2 de novembro, com Missas na Igreja da Glória às 7h e 18h30. No Cemitério da Glória, a Celebração Eucarística acontecerá às 10h e, na Capela São Roque, às 16h.

Tarde de Louvor

O

Grupo de Oração Nossa Senhora da Glória comemora seu 21º aniversário no dia 15 de novembro, e como já se tornou tradição, promoverá a Tarde de Louvor, a partir das 14h, na Igreja da Glória, encerrando com a Missa às 19h. Neste ano, o encontro terá como tema “Levanta-te e anda” (At 3,1-10), sendo conduzido pelo Superior Provincial, Pe. Nelson Antônio Linhares, C.Ss.R. Pede-se trazer um lanche para ser partilhado.

Abertura do 2º Sínodo Arquidiocesano

“P

roclamai o Evangelho pelas ruas e sobre os telhados” (Mt 10,27). Este é o lema do 2º Sínodo Arquidiocesano, que terá sua abertura litúrgica no dia 27 de outubro, às 15h, na Catedral Metropolitana de Juiz de Fora, durante Missa presidida pelo Arcebispo Dom Gil Antônio Moreira. A Celebração também marcará o encerramento do Mês Missionário Extraordinário. O

tema permanecerá o mesmo do I Sínodo: “Arquidiocese de Juiz de Fora, uma Igreja sempre em missão”. Segundo informações da Assessoria de Comunicação da Arquidiocese, nos últimos meses, 11 equipes de “missionários sinodais” iniciaram visitas a paróquias de Juiz de Fora com o intuito de conhecerem suas realidades e ajudarem no preenchimento de um questio-

nário que será utilizado durante a realização do Sínodo. Depois desta fase, será a vez das comunidades do interior. O Sínodo pretende fazer uma revisão minuciosa da vida da Igreja em Juiz de Fora, nas cidades do interior, na zona rural, ou seja, em todos os lugares onde a Igreja está ou deveria estar, tendo a missão como um de seus focos.


São Geraldo em suas Cartas

I

mpressiona, logo à primeira leitura, a amizade sincera do santo Irmão-Leigo Redentorista para com seus correspondentes. Parece uma fonte borbulhando carinho numa comunhão profunda de almas que se entendem no encontro mútuo em Deus. Às vezes são expressões fortes de uma afabilidade espontânea e carregada de solicitudes. Aparece aí um São Geraldo descobridor de Deus em todas as pessoas e coisas. Nestas correspondências, a convicção mais vezes expressa ou subjacente é o Mistério da Cruz como presença imprescindível na vivência do discípulo de Nosso Senhor Jesus Cristo. Todo este Mistério é nele vivenciado no propósito firme e decidido de realizar sempre a “Santa Vontade de Deus”. Assim, seu maior anseio na vida era identificar-se com o querer de Deus a seu respeito, pois que a vontade de Deus “concretizava” para ele a presença do próprio Deus no acontecimento. Mas como, quando e onde descobrir esta vontade de Deus? Para Geraldo foi sempre nas orientações que recebia de seus Superiores e Confessores, o que transparece também nas orientações que ele transmitia às pessoas. Como se vê, o que dava vida a Geraldo era uma fé profunda e uma confiança ilimitada em seu “amado Deus” que por ele morreu pregado numa cruz. Como seu Mestre Jesus, ele queria se tornar o “grão de trigo moído”, para se transformar no “Pão” que comunica a outros a vida que vive n’Ele. Daí também a sua experiência da “noite escura” de que fala São João da Cruz. Outro traço marcante é o seu desapego, confiando tudo a Deus. Um poeta num “Hino a São Geraldo” cantou: “Não vivendo mais pro mundo sua vida era no Céu”. Parece, porém, que Geraldo vivia este seu Céu ocupando-se em ajudar as pessoas aqui na terra. Mesmo depois de morrer ele não largou esta “mania” de acorrer em ajuda a todos que lhe pediam e pedem socorro. O “Céu” de São

Pe. Braz Delfino Vieira, C.Ss.R.

Geraldo consiste no empenho de levar quantos pode àquela união que ele viveu e vive com seu “amado Deus”. Ele nos revela seu segredo de chegar a isso: a Oração! Para ele é: “mover-se, respirar e ser” na fé da presença de Deus, como ensinou o apóstolo São Paulo. Tamanha era sua intimidade com Deus que ele parecia já viver no “mundo novo” dos ressuscitados. Conta-se que o Padre Paulo Cáfaro teria dito a respeito de Geraldo: “Deus brinca com este moço”. Pelo jeito é a brincadeira do Menino-Jesus com o menino-Geraldo iniciada na capela de Capodigiano de Deliceto continuando ainda hoje. O filósofo Sêneca escreveu: “Imago animi sermo est”, que traduzimos por: “A fala revela quem a pessoa é”. Assim as 44 Cartas de São Geraldo nos dão uma “imagem do que ele foi”.

Festa de São Geraldo 2019

E

ntre os dias 13 e 16 de outubro, a Paróquia da Glória se reúne para celebrar a Festa de São Geraldo. Como já se tornou tradição, haverá o lançamento do Almanaque São Geraldo 2020 e a distribuição de pãezinhos nas missas do dia 16.

Programação Tríduo

1º Dia, 13/10: Missa às 19h30. Rezando pelas famílias. Lançamento do Almanaque São Geraldo 2020 2º Dia, 14/10 - Missa às 19h. Rezando pelas mães gestantes e as crianças. 3º Dia, 15/10 - Missa às 19h. Rezando pelas vocações.

Festa

Dia 16 de outubro 7h e 19h: Missas na Igreja da Glória, com a distribuição dos pãezinhos.

Profile for Paróquia Nossa Senhora da Glória

Jornal Novo Tempo - Outubro/2019  

Informativo da Paróquia Nossa Senhora da Glória, Juiz de Fora (MG)

Jornal Novo Tempo - Outubro/2019  

Informativo da Paróquia Nossa Senhora da Glória, Juiz de Fora (MG)

Advertisement