Page 1

27.jul.2012

1


Para marcar na agenda: as datas mais importantes da eleição

4

Convivendo com um projétil, sem um olho, na fila do SUS

5

O desapego de quem viaja só com uma mochila e volta carregado de experiências

10 Sexo, drogas e gasolina roubada em Kerouac

20

Análise entre as pesquisas eleitorais em Caxias

Um padre, um comandante e um sargento evangélico a serviço da segurança

16

9

Nas entrelinhas de Humberto Gessinger

Arbitragem: o grande adversário das séries C eD

29

carros e motos Feminilidade sobre duas rodas

Fotos: 8: Eurico Salis, Div./O Caxiense | 10: Arquivo Pessoal de Dirceu Borba, Div./O Caxiense | 16: Arquivo do 12º BPM, Divulgação/O Caxiense

2

8

30


DIGA!

Rua Os 18 do Forte, 422\1, bairro Lourdes, Caxias do Sul (RS) |

Ângulos incomuns | Reportagens sem sensacionalismo | Segurança nas eleições Fotos: Reprodução/O Caxiense

95020-471 | Fone: (54) 3027-5538 ocaxiense@ocaxiense.com.br

www.ocaxiense.com.br

Diretor Executivo - Publisher

Felipe Boff Paula Sperb Diretor Administrativo

Um dos critérios editoriais da revista O CAXIENSE é evitar abordagens sensacionalistas. Respeitamos nosso leitor e não apelamos para a provocação banal visando a mera repercussão. Com equilíbrio e o aprofundamento necessário para o formato revista, buscamos os ângulos mais incomuns para tratar de temas relevantes, mas que normalmente recebem um tratamento pouco reflexivo. É exatamente este o caso quando falamos sobre segurança pública. Na edição que você tem em mãos, a segurança é abordada por diferentes olhares. A reportagem Segurança reforçada pela fé revela a natural fragilidade humana diante dos perigos, principalmente para os policiais militares que colocam as próprias vidas em risco para proteger outras vidas. Uma saída encontrada pelo 12º BPM foi estimular a religiosidade para gerar mais harmonia e equilíbrio para enfrentar as situações difíceis do trabalho. A “paróquia” do padre Elói (leia na página 16) é o Batalhão, que também recebe cultos evangélicos para atender os policias que não são católicos. Isto também é segurança pública. Por outro lado, a seção Bastidores, em 2 meses na vida de uma vítima da violência... (leia na página 5), revela a face de quem sofre com a falta de segurança. Não trata de estatíscas em que indivíduos perdem a identidade para se tornar números contabilizados. Ulysses Traslatti Pante, de 24 anos, teve sua vida afetada para sempre ao passar por um assalto e ser ferido. E sua história é mais importante do que qualquer índice. Na última terça-feira (24), pesquisa realizada pelo Instituto Methodus, encomendada pelo jornal Correio do Povo, mostrou que 54,8% dos moradores de Caxias sentem-se inseguros e 9,5%, totalmente inseguros. Somente 19,3% dos

caxienses afirmaram se sentir seguros no seu cotidiano. Em ano de eleições muncipais, o tema certamente pautará boa parte dos discursos e debates. O CAXIENSE também acredita que ele é pertinente, mas deve ser tratado pelos candidatos do mesmo modo como encaramos a segurança pública: sem sensacionalismo. No nosso site, que não destaca notícias de homicídios em busca de mais acessos, reproduzimos as conclusões da pesquisa, e o leitor Rafael Madin comentou a matéria:

Morei fora do Brasil por 6 anos. Quando voltei, o meu sentimento de inseguranca cresceu de maneira que tenho até medo de sair de casa. Crimes que antes víamos somente em cidades como Rio e São Paulo agora são comuns em nossa cidade e a forma com que os criminosos atacam é cada vez mais violenta. Não nos damos conta de que a violência tende a aumentar quando a sensação de impunidade está presente. Nas imagens acima, reproduzimos algumas das capas já feitas sobre segurança – exemplos de nossa busca contante por ângulos novos e abordagens aprofundadas. Boa leitura! Paula Sperb, diretora de Redação

Luiz Antônio Boff

Editor-chefe | revista

Marcelo Aramis Editora-chefe | site

Carol De Barba

Andrei Andrade Daniela Bittencourt Rafael Machado

Gesiele Lordes Leonardo Portella Paulo Pasa Designer

Luciana Lain

COMERCIAL Executivas de contas

Pita Loss Suani Campagnollo

ASSINATURAS Atendimento

Tatyany R. de Oliveira Assinatura trimestral: R$ 30 Assinatura semestral: R$ 60 Assinatura anual: R$ 120

foto de capa Paulo Pasa/O Caxiense

27.jul.2012

3


BASTIDORES a vida depois de perder um olho

| Pague menos por energia elétrica |A infinita criatividade de Gessinger

Eleições na folhinha Até o dia 7 de outubro – ou 28 do mesmo mês, em caso de segundo turno – é impossível fugir do calendário eleitoral. Para facilitar o acompanhamento do processo completo, O CAXIENSE selecionou algumas datas importantes e úteis para eleitores e candidatos até o final das eleições 2012. As informações são da atualização mais recente do Tribunal Superior Eleitoral.

deverão estar julgados pela falantes ou amplificadores de houver segundo turno, das Justiça Eleitoral, e as decisões som, distribuição de material 8:00 às 17:00. publicadas. gráfico ou promoção de caminhada, carreata, passeata NOVEMBRO ou carro de som.

Setembro

Data final para Dia de cumprir out publicação da lista o dever cívico: a 7 com nome com7 votação será das pleto e nome para 8:00 às 17:00. Nesurna dos candidatos, em te dia, é permitida apenas ordem alfabética, seguidos a manifestação individual da legenda e número. e silenciosa da preferência do eleitor. Aglomerações Agosto de pessoas com bandeiras, Eleitores que broches, camisetas e adesivos set precisarem pedir Último dia para os de candidatos são vetadas. ago partidos preen27 a 2ª via do título eleitoral dentro 8 cherem vagas remanescentes para do seu domicílio eleitoral Liberação da proout devem fazer isto até esta as eleições proporcionais. paganda eleitoral data. Os tribunais regionais Eleitores que estiverem fora 8 para o 2º turno, a eleitorais também começado seu domicílio eleitoral partir das 17:00. (município onde foi expedi- rão a informar aos eleitores o que é necessário para votar. do o título ou para onde foi transferido), devem pedir a É divulgado o out 2ª via do seu título eleitoral resultado do 1º até esta data. As empreOutubro 12 turno. sas interessadas em divulgar os resultados oficiais das Último dia para out eleições, também têm neste propaganda Fim da propaganout dia o limite para se cadastrada do 2º turno 4 gratuita e realirem na Justiça Eleitoral. zação de debate 26 no rádio e na TV, em televisão e rádio, além dos anúncios na de propaganda política em imprensa escrita e realização Começa a propa- reuniões públicas e comícios. de debate do 2º turno. ago ganda gratuita no 21 rádio e na TV. Data final em que Último dia para out out podem ser veipropaganda em Limite para o culados anúncios alto-falantes ou 27 5 ago Tribunal Supepolíticos e reproamplificadores e dução do jornal impresso na para distribuição de material 23 rior Eleitoral disponibilizar internet. gráfico e promoção de camiinformações de sexo e cargo nhada, carreata ou passeata. dos candidatos registrados para as chapas majoritária e Candidatos não out out proporcional. Neste dia, topoderão mais Dia de cumprir o dos os recursos sobre pedido 6 fazer propaganda 28 dever cívico novade registro de candidatos eleitoral por altomente e votar, se

4

set

Limite para divulgação do resultado 2 para prefeito e vice-prefeito em 2º turno. A apuração final deve estar encerrada. nov

Limpeza geral: todas as propagan6 das de candidatos que não foram para segundo turno devem ser removidas. Também é a data da entrega da prestação de contas final do 1º turno. nov

nov

16

Último dia para a proclamação dos candidatos eleitos.

Candidatos do 2º turno devem 27 retirar suas propagandas das ruas. A prestação de contas final também deve ser entregue. nov

DEZEMBRO Eleitores que deixaram de votar no 6 dia 7 de outubro têm último prazo para apresentar justificativa. dez

Último dia para o eleitor que deixou 27 de votar no dia 28 de outubro apresentar sua justificativa. dez


2 MESES na vida de... uma vítima da violência em busca de atendimento pelo SUS

Ulysses Traslatti Pante | Paulo Pasa/O Caxiense

Há 60 dias, o ciclista Ulysses Traslatti Pante, de 24 anos, foi baleado no estacionamento do Centro de Cultura Ordovás às 21:15. O primeiro socorro foi negado por um guarda e somente após 12 horas conseguiu atendimento médico.

tinha muita sensibilidade à luz. Fui liberado do hospital as 16:00.

Caxias, retorno a Porto Alegre para ter o primeiro atendimento do SUS. No Hospital de Clínicas recebo uma 4 de junho consulta referente ao dano buco-facial Fui a Porto Alegre com familiares em provocado pelo projétil, ainda alojado busca de atendimento. No hospital, não em meu rosto. A próxima consulta será fui aceito por não haver mais urgência. somente no mês de outubro. Tampouco consegui encaminhamento 2 de junho para internação no Pompéia. No Banco 12 de julho Estacionei nos fundos do Ordovás. de Olhos fizeram análises, mas não Recebo a prótese provisória no local do Combinamos de encontrar amigos por puderam me prestar ajuda, por ser um olho esquerdo. Com a ajuda de amigos, lá. Logo que desliguei o motor do carro, trauma. começamos a rifar uma bicicleta forneum homem bateu no vidro ordenancida pelo meu patrocinador. O dinheiro do minha saída. Evitei movimentos 13 de junho ajudará a pagar a cirurgia. bruscos, porém quando abri a porta ele Voltei de Porto Alegre em busca de atirou. Outro homem nos acompanhou atendimento particular em Caxias do 26 de julho até dentro do Ordovás, onde o guarSul. Até então, não tive nenhum proce- Volto a Caxias para substituir a prótese da municipal fez com que fôssemos dimento cirúrgico. provisória por uma definitiva. Pelo levados para fora. Fui acolhido por um Sistema Único de Saúde, nada foi feito casal de amigos. 19 de junho ainda. Com o apoio de amigos e familiares, 3 de junho faço uma cirurgia com uma médica 29 de julho O Samu chegou rápido no dia anterior, contratada de modo particular. A Por iniciativa de amigos, faremos um porém no Hospital Pompéia tive que cirurgia removeu meu olho esquerdo e passeio ciclístico para protestar contra aguardar até as 10:00 para ser atendido preparou para o uso de uma prótese. a violência e o descaso do SUS. Uma por uma oftalmologista, que apenas empresa prestou apoio vendendo placas colocou uma sutura em meu rosto e me 6 de julho que serão utilizadas pelos ciclistas neste mandou para casa medicado. No olho Mais de um mês após ser baleado, dia. O valor arrecadado ajudará a pagar esquerdo perdi a visão, no olho direito com ajuda da Secretaria da Saúde de meus procedimentos cirúrgicos. 27.jul.2012

5


Bruno Baroni/O Caxiense

BOA

gENTE

Craque da Fisioterapia

Como muitos garotos bons de bola, a passagem do caxiense Bruno Manfredini Baroni pelos gramados também revelou sua verdadeira vocação. Mas não era para o futebol. Onde a maioria sonha ser ídolo da bola, o atacante das categorias de base do Juventude entre 1998 e 2002 conheceu a Fisioterapia. “Sempre mantive meu foco na área desportiva”, conta. Aliando a prática clínica à pesquisa acadêmica, foi evoluindo na profissão. Aos 27 anos, já concluiu graduação pela UCS, especialização em Cinesiologia e Mestrado em Ciências do Movimento Humano pela UFRGS, onde também iniciou o doutorado. Professor de pós-graduação

e pesquisador de projetos que englobam estudos aplicados ao esporte, exercício físico e fisioterapia traumato-ortopédica, especialmente nas áreas de biomecânica e fisiologia do sistema neuromuscular, Baroni acredita contribuir para o avanço da Fisioterapia. “A produção de um conhecimento que auxilie os profissionais da saúde me motiva a seguir a carreira de pesquisador, já a possibilidade de capacitar esses profissionais me motiva como professor”, explica o professor-pesquisador, que acabou de voltar de um intercâmbio no Canadá, onde atuou junto ao Muscle Physiology and Biophysics Laboratory, na McGill University.

TOP5

Por uma conta de luz mais barata O inverno está longe do fim. Até lá, a estufa vai continuar trabalhando e os banhos seguirão com temperaturas mais altas que o normal. Para evitar o aumento na conta de luz, O CAXIENSE conversou com o engenheiro elétrico Diorge Zambra, coordenador do curso Tecnologia Eletrônica Industrial da UCS, que dá dicas simples e fáceis de serem praticadas.

Evite fugas de luz Antes de tudo, é preciso saber se a residência possui fugas de luz. “Desligue todas as luzes e retire os aparelhos da tomada. Se o medidor da caixa de luz continuar girando, é porque existe algum fio condutor que está roubando energia”, explica Diorge. O ideal é que os fios sejam trocados por novos com a ajuda de um eletricista.

6

Prefira aquecedores a óleo É tradição na cidade encontrar casas com fogões a lenha. Porém, algumas famílias vêm optando por aquecedores ou estufas, que são ligados na luz, e que acabam se tornando o grande responsável pelo estouro na conta de energia elétrica. “Em ambientes pequenos, aquecedores a óleo são mais econômicos e mesmo depois de desligados, continuam esquentando o local”, diz Diorge.

ter é

Seja rápido no banho Chuveiro é um vilão na conta de luz e faz o banho tornar-se a tarefa mais ingrata nos dias frios. Reduzir o tempo é a melhor dica. “No banho, quanto mais rápido, melhor”, lembra Diorge. Para ele, um banho deve 20 minutos. Mais que isso, exagero.

Fluorescentes são melhores As lâmpadas fluorescentes são mais econômicas em relação às incandescentes. Custam mais – em média R$ 8 mais caras –, porém ajudam na economia mensal da conta de luz. E nada de luz ligada durante o dia. Ajuste o termostato Todos os refrigeradores contam com um termostato, que é ajustado conforme a estação do ano. Para os dias frios, ele deve ser deixado no mínimo. As geladeiras devem ficar longe do calor do fogão. Diorge lembra ainda que não se deve deixar roupas para secar atrás dos aparelhos.


Paulo Pasa/O Caxiense

O filho da lenda

por Andrei Andrade

bar) é um grande cara.

A reunião de fãs de blues, na última quarta-feira (25) no Mississippi Delta Blues Bar, para assistir ao filho de uma das maiores lendas do gênero, Muddy Waters (breve contexto histórico: sem ele, não haveria Rolling Stones), esquentou a noite gelada típica de Caxias. Quando o cinquentão Mud Morganfield e seu terno vermelho subiram ao palco, os comentários davam a noção do que mais impressionava ali: a semelhança de Mud, o primogênito, com o pai. “Até o jeito de xingar os músicos é igual”, afirmou um mais exaltado. Mud conversa com a plateia, convida garotas para subir no palco, conta histórias do pai, brinca com os músicos (“meu tecladista tem 22 anos. Nunca teve o coração partido. O que pode saber sobre o blues?”, provocou). Ele mistura músicas próprias do seu álbum mais recente, Son of the Seventh Son, com clássicos eternizados na voz do pai, como Hoochie Coochie Man e I Can’t Be Satisfied.

Você esteve recentemente em um festival no interior de São Paulo. Também temos um aqui... Em novembro, certo? Talvez no ano que vem. Neste ano já tenho data agendadas na Inglaterra, por isso não poderei vir. Mas será um prazer se puder tocar em 2013. Você é filho de uma lenda. Seu pai foi o maior de todos? Como ele influencia sua música? Bom, para mim ele certamente foi o melhor, sim. É uma benção ser filho de Muddy Waters, mas também de minha mãe (Mildred McGhee), que me levava para os bares para ouvir blues. De certa forma, já nasci com o blues dentro de mim.

Quais artistas mais inspiram o seu trabalho? Certamente meu pai em 1º lugar, mas também outros músicos daquela época, como Howlin’ Wolf, James Cotton e Chuck Berry. Como cresci acompanhando os artistas da Motown, também me insAntes do show, O CAXIENSE piro muito neles e em suas canções foi até o Personal Hotel conversar de amor. Mas meu músico prefecom Mud Morganfield. rido, sem dúvidas, é Barry White. É a sua 3ª passagem pelo Brasil, mas a 1ª em Caxias, que tal? Só deu para conhecer um pouco, mas estou gostando. Estive no bar ontem, é um clube fantástico. Um pouco pequeno, mas muito bonito. E o Toyo (Bagoso, proprietário do

E as garotas caxienses, o que achou? São anjos...(longa pausa). Anjos que escaparam do paraíso. Realmente lindas. Certamente seria bom se elas dançassem um pouco essa noite.

CAM

PUS

Criatividade

A professora e designer Elisa Marangon Beretta ministra o curso de extensão de Técnicas Criativas em Projetos de Design, na Faculdade América Latina. As inscrições seguem até o dia 14 de setembro. O curso é voltado a designers e profissionais ligados às artes, e ocorre no dia 15 de setembro, das 9:00 às 12:00 e das 13:30 às 16:30, com um total de 6 horas/aula. As inscrições podem ser feitas pelo site da instituição.

Movimentos e habilidades

A FSG promove o IV Congresso Internacional de Motricidade, um debate sobre o estudo do movimento humano, com foco em desenvolvimento e habilidades motoras e contexto escolar, de 29 de agosto a 1° de setembro. As inscrições podem ser feitas pelo site e custam R$ 120 para estudantes da FSG. Demais profissionais pagam R$ 180.

Curso da beleza

A UCS oferece 16 vagas para a qualificação em Estética Aplicada – Facial e Corporal. As inscrições vão até sexta (3). O curso tem 220 horas e segue até maio de 2013. Custa R$ 2.205 ou 10 parcelas de R$ 240.

+ VESTIBULAR Anglo-Americano

Agendamento até 4 de agosto. R$ 35.

Faculdade Inovação

Inscrições até terça (31). São 2 opções de data: sexta (27) e terça (31). R$ 20 WWW.ANGLOAMERICANO.EDU. BR. 0800-6060606 | WWW.UCS. BR. 3218-2800 | WWW.FSG.BR. 2101-6000 | WWW.PORTALFAI. COM.BR. 3028-7007

27.jul.2012

7


“A escrita é um diálogo que não pretendo interromper”

Humberto Gessinger |

Eurico Salis, Divulgação/O Caxiense

Nas entrelinhas do horizonte é o quarto livro publicado pelo músico e escritor Humberto Gessinger, todos pela Editora Belas Letras. Quem já teve contato com dois dos anteriores - Pra ser sincero e Mapas do acaso, porque Meu pequeno gremista é outro gênero – sabe bem o que esperar: uma conversa real sobre a vida, a música e o mundo. Como escritor, Humberto não perde a marca que vem da sua música. Diz o que pensa e busca suas verdades. Apesar da agenda lotada, o músico e escritor encontrou um tempinho para conversar com O Caxiense antes do pocket show de lançamento no Shopping Iguatemi, em Caxias. Dos últimos 3 livros lançados até aqui, Nas entrelinhas do horizonte  é mais intimista do que os anteriores? O que ele traz para os leitores? Muita gente comenta que se sente mais proximo a mim lendo este livro do que ouvindo minhas músicas. Talvez isso se deva à diferença entre literatura e música. Geralmente, escrever e ler são atividades mais solitárias do que tocar e ouvir. Mas, sem dúvida, o clima do Nas Entrelinhas do Horizonte também ajuda nesta aproximação.

8

Em uma conversa à época do lançamento de Mapas do acaso, disseste que  Pra ser sincero  e  Mapas do acaso  foram surgindo juntos. Como foi  Nas entrelinhas do horizonte? Já tinhas ideia de dar continuidade à escrita? Sim, assim como minha música, a escrita é um diálogo que não pretendo interromper. Além do prazer, é através da minha arte e ofício que eu me relaciono com o mundo. 

tral acaba pintando no texto. Mas não tento agradar ou desagradar ninguém, acho que é obrigação do artista ignorar a repercussão e buscar as verdades dentro de si. É isso que eu quero dos artistas que sigo. Acho que é isso que quem me acompanha quer.

O que te expõe mais, fazer literatura ou fazer música? (Se alguma das duas te expõe). A literatura me deixa mais próximo, é como se estivesse conversando com o Parte do processo de produção leitor. A relação musical é mais difícil de Nas entrelinhas do horizonte  foi de explicar. É menos linear. Mais abscompartilhado no teu blog. Alguns trata e incontrolável. textos do livro, inclusive, tiveram origem no BloGessinger e depois foram Ouvir tua música cantada pelos fãs reescritos. Essa troca com os leitores e chegar até eles pela palavra escrita, interfere no resultado final da tua trazem sensações diferentes? A menarte? sagem é transmitida da mesma forEu mantenho uma pontualidade neu- ma? rótica nas postagens   (sempre que as São dois galhos da mesma árvore.  segundas-feiras viram terça, exatamente à meia-noite), pois foi se juntando Tu tens produzido bastante em um uma galera que já espera os textos. Eles tempo relativamente curto para a litecomentam, conversam entre si…   por ratura. Já tens novos projetos? mais que a www seja atemporal, é muiTenho alguns projetos literários e to legal a sensação de “tempo real”. Sa- musicais. Com o tempo descobri que é ber que, naquele exato momento, há uma ilusão achar que nós escolhemos um coração pulsando do outro lado da quais projetos verão a luz do dia. Eles é conexão faz toda a diferença. Este as- que nos escolhem.


na rio

A última pesquisa do Instituto Methodus, publicada terça-feira (24) pelo Correio do Povo, animou o candidato governista Alceu Barbosa Velho (PDT), que, sem Marisa Formolo, assumiu a liderança da corrida eleitoral, com 38,7% das intenções de votos na estimulada. Mas também reanimou a oposição. Marcos Daneluz (PT), convocado às pressas para substituir Marisa na disputa, já figurou na estimulada com 16,5% – o dobro do que previam alguns petistas. Assis Melo (PCdoB) também avançou – provavelmente sobre o eleitorado que seria de Marisa –, assumindo o 2º lugar, com 23,2%. Milton Corlatti (DEM) cresceu um pouquinho, para 2,7%, e Luis Fernando Possamai (PSOL), que ficara de fora do primeiro levantamento, em abril, apareceu com 1,5%. A pesquisa foi feita entre 18 e 19 de julho, com margem de erro de 4,1, e registrada sob o número RS-00044/2012.

Liminar de Ibitinga

A CDL pressionou, a prefeitura tentou impedir, mas a Justiça autorizou – pelo menos por enquanto. Com liminar da 2ª Vara de Fazenda Pública, a itinerante (e já recorrente) Feira de Ibitinga tem permissão para se instalar em Caxias às vésperas do Dia dos Pais, contrariando a lei municipal

Transferência espontânea

Dado interessante da comparação entre as duas pesquisas espontâneas (sem indicação dos nomes dos candidatos aos entrevistados) publicadas pelo Correio do Povo: o nome de Marisa Formolo (PT), que tinha 5,3% na primeira, em abril, simplesmente desapareceu – o que não aconteceu com outros políticos que também não estão concorrendo, como Sartori (1,8% no 1º levantamento e 0,8% agora) e Pepe (2,8% e 0,5%). E o nome de Marcos Daneluz, que simplesmente não aparecia, agora pontuou com 4,3%. Aparentemente, um caso impressionante de transferência de votos.

Para fazer direito

Direito Eleitoral e os regramentos da campanha é o tema do primeiro dos 3 encontros do oportuno curso de extensão oferecido pela Faculdade América Latina, com inscrições abertas até 6 de agosto. As aulas serão nos dias 11, 18 e 25 do mês que vem, e englobam ainda marketing político e análises do cenário político. A extensão Estratégia de Marketing Político será ministrada pelos professores Fabio Scopel Vanin, Marcos Paulo dos Reis Quadros e Rodrigo Giacomet.

decretada em agosto do ano passado que proíbe esse tipo de evento perto das datas mais fortes para o comércio local. A CDL reclama de prejuízos causados aos comerciantes da cidade, que geram empregos e impostos aqui e dependem dessas datas comemorativas para alavancar seu faturamento. Wilson Dias, Abr, Div./O Caxiense

ple

Reflexos da pesquisa

Agenda políticoeconômica O ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas (PT), será o palestrante da reunião-almoço da CIC segunda-feira (30), falando sobre O papel da agricultura familiar no desenvolvimento do Rio Grande do Sul e do Brasil.

7,5%

é o índice de reajuste aprovado pelo Sindicato dos Metalúrgicos no dissídio deste ano. Em 2011, o dissídio foi de 9,25%.

14,4%

é o índice de aumento do gás autorizado pela Petrobras e repassado às distribuidoras. O número preocupa o presidente do Simecs, Getulio Fonseca, que recentemente lamentou o reajuste do aço em 8%.

27.jul.2012

9


o CAmINHo lIVre DoS moCHIleIroS Sem pacotes de viagem formais, aventuras como a invasão de um trem, dormir em cima das malas e pedir esmolas surgem no trajeto de quem opta pelo imprevisto. As experiências dos viajantes são únicas, mas têm em comum o sentimento de liberdade proporcionado pela estrada 10

por Andrei Andrade


Arquivo Pessoal de Elias e Neiva Mussato, Divulgação/O Caxiense

Eles amam viajar, mas não reservam hotel e nem acumulam milhas aéreas. Não fazem check-in e dispensam qualquer serviço de bordo. Se precisar, dormem na rua. Na hora de pegar a estrada, os sapatos do dia a dia dão lugar a botas com a sola gasta, duras de barro. Para os adeptos do mochilão, a “indiada” – alguém já disse por aí – é boa porque é ruim. Seria melhor se fosse pior. Afinal, turismo convencional é para os fracos. O mochilão é mais do que uma forma alternativa de viajar pelo mundo, privilegiando gastos menores. É um estilo de vida, filosofia em que a imersão em culturas diferentes se dá não pela visita ao museu da moda ou pelos souvenires comprados na loja do aeroporto, mas sim pelo café na casa de um desconhecido, pela carona ou pelo ônibus lotado. Nos últimos anos, a cultura mochileira virou pop. São dezenas de blogs, livros, filmes e programas de televisão dedicados a contar histórias de viagens, que tornam esse estilo cada vez mais popular (e menos estranho para os pais superprotetores). Em Caxias do Sul, encontramos pessoas que já nasceram com a mochila pronta, e outras que em algum momento da vida trocaram o turismo das agências pela aventura improvisada, substituindo o táxi pelos próprios pés. Conversando com todos eles, em comum percebe-se a ânsia por se tornar mais livre, de precisar cada vez menos para viver. E o inevitável desejo que permeia qualquer saída além do portão: conhecer pessoas. 27.jul.2012

11


Aos 28 anos, a produtora cultural Mona Carvalho é uma dessas pessoas apaixonadas por improvisar a vida de estrada em estrada. Morou na Espanha, na Itália e na Colômbia, sempre procurando fugir do convencional em cada lugar. Já pediu esmola para voltar para casa após um show de Marylin Manson, já teve que deixar uma casa de família por sofrer assédio de velho tarado, já usou as próprias malas como cama e as roupas como cobertor. Entre as viagens preferidas, o trajeto até a cidade de Bucaramanga, na Colômbia, onde ganhou uma bolsa de estudos para cursar Manutenção de Bens Culturais, em 2007. O trajeto, feito de ônibus e caronas “nada memoráveis”, segundo ela, durou duas semanas e meia, passando por Paraguai, Bolívia, Peru e Equador, até chegar à pátria de Gabriel García Márquez. No caminho, entre uma escapada e outra do roteiro previsto, enfrentou desde deslizamento de terra até travessia de rio pendurada em uma corda, além de longas caminhadas no meio do nada atrás de carona. Para quem chega da Europa, a realidade latino-americana pode ser traumática. A viagem que duraria um

ano, durou 3 meses, e foi derrotada por uma crise de identidade que trouxe Mona de volta para Caxias, para concluir o curso de Educação Artística, na UCS. Ainda assim, valeu a pena. “Botar uma mochila nas costas e viajar sem planejar nada, pelo menos uma vez na vida, é obrigação. Todo mundo deveria fazer isso pelo menos uma vez na vida”. Mona não cansa de recomendar experiências como as que acumulou. Segundo ela, a transformação que a vida longe de casa e sem regras provoca, é o que mais compensa. “Quando tu conheces uma cultura diferente e está aberto a isso, tu recomeças do zero. Deixa para trás muito preconceito, fica menos ‘enjoada’. E percebes que não precisa de nada do que tem em casa para viver. É muito bom”. Atualmente, Mona vive na casa dos pais. Recentemente, pediu demissão do emprego, na Secretaria Municipal da Cultura, para se dedicar aos projetos culturais que toca de forma autônoma, aproveitando o que considera um cenário favorável da cidade nesta área. Mas já sente a pressão por parte dos amigos. “Eles dizem ‘pô, tu estás louca, como foi deixar o cargo bacana que tu tinhas...’,

Mona Carvalho |

Paulo Pasa/O Caxiense

12

mas eu não preciso disso. Só um pouco de grana – até para viajar. Mas ter amigos, música, natureza, estar fazendo tudo isso...é o que me basta”. A satisfação que Mona sente viajando de ônibus, trem ou de carona, o cinegrafista da UCS TV Dirceu Borba experimenta caminhando. Dirceu é praticante de trekking, a famosa “trilha”, e está sempre na estrada. Entre os pertences mais queridos que mantém no apartamento que divide com a esposa, está uma bota que transformou em troféu, com uma placa identificando a quilometragem percorrida pelo calçado: 1000 km. Dirceu é natural de Concórdia, em Santa Catarina, e desembarcou no Rio Grande do Sul de mochila nas costas, sem endereço. Em Porto Alegre, onde trabalhava na TV Guaíba, dormia na rodoviária, sem que os patrões soubessem. Em Caxias, afirma ter passado muitas noites no Parque dos Macaquinhos. Na estrada desde os 19 anos, quando saiu do Exército, a viagem que mais o marcou ocorreu em 2004, quando fez a pé a trilha dos incas rumo a Machu Picchu, no Peru. Mas nem são

Rodoviária de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, em 2007 | Arquivo Pessoal, Divulgação/O Caxiense


as belas paisagens da cidade perdida que fazem o catarinense querer voltar em breve: as melhores lembranças são justamente do pior trecho da viagem, as 22 horas passadas no tenebroso “trem da morte”, que liga Quijarro a Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, deixaram muito mais saudades. Construído na década de 50, o trem ganhou esse nome devido a um surto de malária que vitimou muitos operários que trabalhavam na construção. Meio século depois, o que assusta os passageiros são os solavancos e até algumas descarriladas no caminho, além da superlotação e as invasões de nativos a cada parada, que obrigou Dirceu a dormir com as mochilas amarradas junto ao corpo, para evitar furtos. Mas são experiências como essa que proporcionam as melhores lembranças e as melhores histórias para contar. Também são uma escola, que ensina a tolerar as diferenças e exercitar o autoconhecimento. “Viajando sozinho, tu passa a dar outro valor para as coisas que no cotidiano passam batidas. A comida, por exemplo. A gente está sempre reclamando de fome mesmo sabendo que meio-dia vai almoçar, que à noite vai jantar. Longe

de casa, em uma aventura, tu come coisas que achou que nunca teria coragem de comer”, observa o aventureiro. Aos 47 anos, Dirceu não pensa em sossegar. Está sempre atrás de uma nova trilha, especialmente no Rio Grande do Sul. “Não sou uma pessoa muito urbana. Me sinto enlatado na cidade”, metaforiza. Ao contrário do que se poderia esperar, Dirceu não é avesso à tecnologia (tanto que trabalha com ela). Apenas prefere o equilíbrio. “Falta na sociedade saber estar livre de tanta parafernália, aproveitar a saúde, se movimentar. Um dia as coisas vão precisar cair do céu”, observa. A vida a pé, carregando o mínimo possível em uma mochila, parecia improvável para Elias e Neiva Mussatto. Casados há 40 anos, o bancário e a assistente social passavam por uma fase de conflitos internos, confrontados com a hipótese da aposentadoria e o que viria depois. Para entender melhor o momento que atravessavam, buscaram respostas em um dos mais famosos destinos dos viajantes: o místico caminho de Santiago de Compostela. Durante 30 dias, percorreram a pé os mais

de 800 km do caminho francês até a cidade espanhola, uma das 9 rotas para se chegar à catedral de Santiago. Despidos de qualquer luxo, Elias e Neiva, que já haviam rodado o mundo como turistas, caminhavam de 25 a 30 quilômetros por dia, dormiam em albergues que chegavam a ter 100 camas em um mesmo espaço e comiam somente o necessário, que se tornava cada vez menos durante o caminho. As tralhas medicinais levadas para eventuais bolhas nos pés e outras enfermidades, foram deixadas pelo caminho logo nos primeiros dias. Estavam bem preparados (como treino, passaram por um ano de academia e pequenas caminhadas pelo interior do estado). Ao fim de cada dia, calculavam o quanto haviam gasto e se surpreendiam com a economia deste modo de viajar. Os amigos que fizeram pelo caminho aguardam ansiosamente pela próxima viagem dos dois, que deve ser pelo caminho português até Santiago. “A sensação de chegar a pé em uma cidade pela primeira vez é incrível. Você se sente feliz e totalmente livre, tendo apenas a mochila nas costas”, comenta Neiva, cuja veia aventureira

Dirceu Borba |

Fotos: Arquivo Pessoal, Divulgação/O Caxiense

Trem em Cuzco, no Peru |

Aventura no interior do Rio Grande do Sul | 27.jul.2012

13


surpreendeu os 4 filhos. “Esses meus filhos são muito machistas. Quando chegamos, diziam: ‘o pai a gente sabia que ia conseguir, mas tu nos surpreendeu!’. E até hoje eles acham que o Elias é que carregava minha mochila”, brinca a senhora, que demorou a conseguir usar sapato de salto alto novamente após acostumar com o tênis. Os melhores momentos da aventura estão registrados em um vídeo bem editado por Elias, com direito à trilha sonora de Raul Seixas e Roberto Carlos. Ele exibe a obra com orgulho, na sala da casa que divide com Neiva. Lembranças da viagem preferida do casal também estão na parede da sala, onde um mapa em alto relevo representa a rota que marcou um novo período de suas vidas. Depois de Santiago de Compostela, o casal embarcou em uma nova peregrinação, fazendo o caminho de São Francisco, na Itália. Mas esse tinha “só” 350 km. Elias, de 57 anos, e Neiva, de 55, se aposentaram no ano passado. Em alguma estrada espanhola, concluíram que o ciclo de trabalho já havia sido cumprido. Era hora de dar início a uma nova fase, talvez de trabalho voluntário. Ainda aguardam pela inspiração que lhes aponte qual o próximo caminho na vida. Mas só mesmo para o ano que vem. Por enquanto, os novos mochileiros de Caxias estão de férias, deixando acumular na caixa de entrada de e-mail os convites para novos passeios. Mas ainda há muita estrada a percorrer antes de pendurar as botas.

14

Elias Mussatto |

Paulo Pasa/O Caxiense

Elias e Neiva Mussatto |

Arquivo Pessoal, Divulgação/O Caxiense


13.jul.2012 27.jul.2012

15 15


12º Batalhão da Brigada Militar | Paulo Pasa/O Caxiense

Segurança reforçada pela fé Policiais militares do 12º BPM praticam sua religiosidade em cultos internos – católicos e evangélicos – diminuindo o temor diante do perigo da profissão

por Daniela Bittencourt 16


Com as luzes apagadas, o carro – possivelmente um Chevette – vinha na direção de Joni e seu companheiro. Hesitante, o policial aguardou a reação dos ocupantes do veículo. “Que eu não precise machucar nem tirar a vida de ninguém e que, da mesma forma, eu esteja protegido e ninguém queira me machucar”, havia pedido, horas antes, em oração. Bang! Os ocupantes do Chevevette dispararam o primeiro tiro contra a viatura. Do banco do caroneiro, Joni apontou a arma para fora da janela do carro. Bang! Revidou. Um estampido, a confusão. Aos poucos, a mão direita, que segurava o revólver, foi perdendo a força. A arma rolou para o assoalho do carro. Baixou os olhos: um buraco e o sangue, muito sangue. O relógio, excepcionalmente colocado no pulso direito, não estava mais lá. A pulseirinha de Nossa Senhora do Caravaggio jazia arrebentada em seu colo. Bem humorado, Joni disse ao companheiro: “Acho que ela cumpriu o seu papel. Quando arrebenta, o pedido é alcançado, não é assim?”. Em quase 20 anos de profissão, pela primeira vez, Joni Claimar dos Santos era baleado. Naquela quinta-feira, 28 de junho, Joni cumpriu seu turno administrativo das 13:00 às 19:00 dentro da 1ª sede da companhia. Às 19:00, vestiu o colete, pegou o revólver e colocou o relógio para cumprir a segunda parte da jornada de trabalho, que iria até 1:00 da madrugada. O Technos, que ficava na gaveta enquanto estava na sede, foi para

o pulso. Estranhamente, contrariando um costume de anos, em vez do pulso esquerdo, o sargento optou por vestilo no direito, acima da pulseirinha de Nossa Senhora do Caravggio. “Achei que ficaria melhor assim”, contou. Seriam como super-heróis modernos prontos a defender a cidade e a zelar pela paz, exceto por um detalhe. Eles não têm superpoderes. Como humanos, esbarram em seus limites, do corpo e da mente. Conforme a crença de muitos, a força divina também intervém quando se acredita nela. No 12° Batalhão de Polícia Militar, em Caxias do Sul, a fé tem encontrado espaço e agido a favor dos homens e mulheres que protegem a cidade. Iniciou em 2008, quando o arcebispo militar do Brasil, dom Osvino José Both, nomeou o padre Elói Antonio Sandi para oferecer assistência religiosa a todos os níveis da Brigada Militar e Exército na região da Serra Gaúcha. Antes, havia somente um capelão residente em Porto Alegre, diz o padre. Segundo ele, a Arquidiocese Militar atende 6 milhões de pessoas no Brasil, entre militares da ativa e da reserva, incluindo todos seus familiares e dependentes. “É uma diocese em retalhos, está em todo Brasil e cada quartel é um pedaço dela”, explica. A iniciativa do arcebispo, de nomeação de novos capelães, entre eles o padre Elói, faz parte da evangelização militar. “A história da assistência religiosa aos militares é antiga, começou já no início no século IV. Na época do Imperador

Viatura atingida em 28 de junho |

Constantino, já havia padres que acompanhavam os exércitos”, conta. Para os integrantes do 12° BPM, o incentivo da religiosidade entre os militares tem tido resultados visíveis na prática. No pára-brisa da viatura onde estavam o 1° sargento Joni e seu companheiro na noite da ocorrência, um buraco denuncia a marca do tiro. Se ele não fosse desviado pelo relógio do militar, o desfecho seria outro. Ainda hoje, Joni não sabe explicar por que vestiu o relógio no pulso direito, contrariando um hábito antigo. “Tenho visto a mão de Deus operando diretamente conosco”, acredita o 1° sargento Gerson Pinto Nunes. “A gente lida com o que a sociedade repudia, mas quando Deus começa a operar na vida de cada um, se vê uma paz, e se vai para a ocorrência percebendo também o que está do outro lado”, acredita. Batizado há 2 anos e meio como evangélico e frequentador da Igreja Cristo é Real, ele é um dos responsáveis pela organização dos cultos evangélicos dentro do Batalhão. Ainda sem um espaço físico destinado especialmente para a prática da fé, missas católicas e cultos evangélicos têm acontecido no auditório. O espaço é dividido, mas a crença em Deus é compartilhada. “Queremos que as pessoas vivam sua fé. Não há e não deve haver nenhum tipo de disputa na assistência religiosa, trabalhamos para levar as pessoas no mesmo caminho”, conta o padre Elói. Para o sargento Nunes, o objetivo é claro e comum: “Não é para

Culto organizado pelo 1º sargento Gerson Pinto Nunes |

Fotos: Arquivo do 12º BPM, Divulgação/O Caxiense

27.jul.2012

17


falar de religião, o que vai salvar e mudar nossas vidas é ter Deus. Quando a gente começa a trazer a palavra sem olhar para a religião, esta palavra liberta”. Oficialmente, a palavra é levada ainda sem periodicidade definida. As missas e os cultos acontecem aproximadamente uma vez por mês e têm tido uma adesão que cresce aos poucos. A intenção é que, além dos militares, comecem a participar também familiares e comunidade. Além disso, o suporte do padre Elói se estende para ações mais pontuais. “A igreja é muito exigente com cursos de padrinhos, batizado, noivos, mas entende que o militar tem uma vida diferente e não precisa se adaptar ao que as dioceses normais fazem. O capelão olha cada caso e prepara a pessoa para tal”, explica padre Elói.

no 12º BPM vai além. “Temos percebido efetivamente uma harmonia maior, um ambiente mais tranquilo, o pessoal tem ido cumprir sua jornada com mais segurança. E praticamente não se tem mais fatos negativos nos confrontos, não tivemos mais baixas, tanto de civis quanto nossa. São situações em que se percebe a espiritualidade”, crê, citando a ocorrência de Joni como exemplo. Com os movimentos da mão atingida parcialmente paralisados, o sargento deverá voltar à ativa após uma cirurgia. A aventura resultou em um osso quebrado na palma da mão, um nervo rompido e uma veia danificada, saldo positivo para quem poderia ter perdido a vida. Para o padre Elói, situações como estas são resultado da soma de oração, fé, prudência e confiança em Deus. Para os céticos, pode ser coincidência. Para os crentes, Para o major Jorge Emerson Ribas, é sinal de que os super-heróis de carne comandante de 460 militares do 12° e osso também podem contar com suBPM, a participação da religiosidade perpoderes.

“Temos percebido efetivamente uma harmonia maior, um ambiente mais tranquilo, o pessoal tem ido cumprir sua jornada com mais segurança. São situações em que se percebe a espiritualidade”, crê o major Ribas

Padre Elói Antonio Sandi |

Major Jorge Emerson Ribas |

Arquivo do 12º BPM, Divulgação/O Caxiense

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO

Edital de INTIMAÇÃO PARA CUMPRIMENTO DE SENTENÇA (LEI 11.232/2005)

Paulo Pasa/O Caxiense

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO

Edital de Interdição

6ª Vara Cível - Comarca de Caxias do Sul

2ª Vara de Família - Comarca de Caxias do Sul.

Prazo de: quinze(15) dias. Natureza: Produção Antecipada de Provas Processo: 010/1.09.0020760-7 (CNJ:.0207601-72.2009.8.21.0010). Autor: Marlene Silvestre Dal Agnol e outros. Réu: Estilo Esquadrias de Madeira e de Ferro Ltda e outros. Objeto: INTIMAÇÃO da parte devedora Estilo Esquadrias de Madeira e de Ferro Ltda, atualmente em lugar incerto e não sabido, para que pague, por depósito judicial ou diretamente ao credor (com recibo), no PRAZO de QUINZE(15) DIAS, a contar do término do prazo deste edital, o débito indicado abaixo, mais correção monetária e juros de mora incidentes no período, sob pena de incidência de multa de 10% sobre o total e prosseguimento com penhora e alienação judicial de bens. VALOR DO DÉBITO: R$ 3.627,53 Caxias do Sul, 28 de junho de 2012. ESCRIVÃ: Zélia Thomasini. JUIZ: Luciana Fedrizzi Rizzon.

Natureza: Interdição Processo: 010/1.12.0003123-7 (CNJ:.00053765 8.2012.8.21.0010). Requerente: Lenice Slomp Tartarotti. Requerida: Doralicia Adele Slomp Tartarotti. Objeto: Ciência a quem interessar possa de que foi decretada a INTERDIÇÃO da REQUERIDA, Doralicia Adele Slomp Tartarotti, por sentença Proferida em 11/06/2012. LIMITES DA INTERDIÇÃO: atos da vida civil. CAUSA DA INTERDIÇÃO: Mal de Alzheimer. PRAZO DA INTERDIÇÃO: indeterminado. CURADOR (A) NOMEADO (A) Lenice Slomp Tartarotti. O prazo deste edital é o do art. 1.184 do CPC. Caxias do Sul, 23 de julho de 2012. SERVIDOR: Inês Renate Queiroz. JUIZ: Maria Olivier.

18


27.jul.2012 13.jul.2012

19 19


PLATEIA

Blues argentino | A assassina de bebês negros, por Nelson Rodrigues | Pintura inspirada nos mestres

Salles não é Kerouac. E por que deveria ser?

Divulgação/O Caxiense

por Andrei Andrade

20

Adaptar para o cinema um livro que não possui apenas leitores, mas sim seguidores – o rótulo de “bíblia de uma geração” não pode ser mais adequado aqui – é um desafio que tem tudo para dar errado. E para muitos que já foram ao cinema assistir Na estrada, adaptação do livro On the road, de Jack Kerouac, deu mesmo. A versão dirigida por Walter Salles tem dividido opiniões de espectadores e críticos, provocando discordâncias inevitáveis sempre que uma obra sagrada é maculada. Publicado em 1957, On the road é bíblia por eternizar a trajetória de uma geração de jovens norteamericanos que, no fim dos anos 40, de mochila nas costas, buscou um caminho às margens da sociedade de consumo, vivendo sem regras e sem rumo, de carona em carona, apenas vivendo, loucos apenas por isso: viver. Essa turma, que nomeou a si mesma geração beat (a hipótese mais consistente do porquê do nome é ser o radical da palavra beatitude – alusão a uma certa iluminação mística oriental contida no pensamento dos beatniks, os integrantes daquele grupo de escritores e poetas), ditou novos caminhos para toda uma geração, e depois outra e nunca mais parou. Sempre vai haver um pouco de Kerouac em cada hippie de qualquer época. As viagens de Sal Paradise (alterego do autor) e Dean Moriarty (inspirado em Neal Cassady, amigo de Kerouac) viraram roteiro de peregrinações de apaixonados pela obra de todo o mundo e o livro foi decisivo para que Bob Dylan e Jim Morrison, por exemplo, se tornassem os artistas contestadores e livres que foram.

Os temas que tornam universal a saga de Sal Paradise – a jornada do herói em busca de um sentido para viver e a dramática busca pelo pai (vivida por Dean, o verdadeiro protagonista) – fascinam o leitor de On the road há mais de meio século (no Brasil, trata-se do livro mais vendido da coleção pocket da editora L&PM). Na estrada, o filme, é fiel do início ao fim. Tudo o que os fãs do livro (entre os quais me incluo fortemente) idolatram está lá: a estrada, o jazz, as drogas e o sexo, seja ele a dois, a três ou apenas uma dupla masturbação no carro. Mas há também o drama e a melancolia que dá início e fim à geração beat, que talvez por não saber para onde ir, não tenha mesmo ido a lugar algum. Vale citar que Jack Kerouac, o papa dos beats, morreu afundado em depressão severa, transformado em um reacionário e negando a importância de tudo o que realizou. Não dá para exigir que o espectador deixe o cinema com a mesma empolgação dos que terminaram a última página de On the road, decididos a mudar algo em suas vidas. São experiências totalmente diferentes, a começar pelo tempo: comparar duas horas numa sala em frente a uma tela com alguns dias e noites mergulhados em mais de 300 páginas parece inadequado. Finalmente, não sei que impacto pode ter o filme para quem não teve contato com a obra original. Talvez seja chato, maçante e sem sentido (o roteiro poderia contextualizar melhor o cenário em que se dão as loucuras daquela turma). Para este leigo em cinema, mas fã dos beats, valeu a pena. Se você já leu o livro, corra para o cinema. Se não leu, ainda é melhor correr para a livraria.


CINE

Christian

Bale. Michael Caine. Gary Oldman. Anne Hathaway. De Cristopher Nolan

BATMAN: O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE Apesar da tragédia – o massacre em um cinema americano que obrigou a Warner e exibidores a tomar medidas de emergência e cancelar pré-estreias –, o novo longa da saga ficou no topo das bilheterias com quase U$ 161 milhões. O filme se passa 8 anos após os eventos de O Cavaleiro das Trevas. O terrorista Bane retorna para Gotham City, provocando o pânico e o desespero, e fazendo com que o Homem-Morcego saia de seu exílio por ter sido responsabilizado pelos crimes de Harvey Dent. Bruce Wayne ainda terá que lidar com a presença da misteriosa Selina Kyle, a Mulher-Gato. Estreia.

* Qualquer alteração nos horários e filmes em cartaz é de responsabilidade dos cinemas.

GNC 14:30-18:00-21:10 | 3D 15:00 | 3D 18:20-21:30 | CINÉPOLIS 13:00-16:30-20:00-21:45 | 14:00-17:30-21:00

14:00-17:20-20:45

12

2:44

SHAME

Ellen

Page. Penelope Cruz. Roberto Benigni. De Woody allen

PARA ROMA COM AMOR Baseada no Decamerão, do autor italiano Giovanni Boccaccio, a nova comédia dramática de Woody Allen é uma homenagem ao estilo de vida italiano – e mais um clássico do diretor. A trama conta como se cruzam as histórias de 4 casais, americanos e nativos, em Roma. Com Alec Baldwin, Ellen Page, Giuliano Gemma, Penelope Cruz, Roberto Benigni, Jesse Eisenberg e Flavio Parenti. 2ª semana. GNC 22:10 CINÉPOLIS 20:45

12

1:51

O polêmico longa de Steve McQueen conta a história de Brandon, um executivo charmoso de Nova York que é viciado em sexo. Sua rotina solitária, de trabalho e aventuras para satisfazer a compulsão sexual, é abalada quando ele recebe a visita da irmã, Sissy. O filme, que venceu 3 prêmios no Festival de Veneza, terá sessão gratuita e comentada no domingo (29), com a jornalista Adriana Antunes e o publicitário João Alfredo Ramos Jr.. Com Michael Fassbender e Carey Mulligan. 2ª semana. ORDOVÁS SEX. (22). 19:30, SÁB. (28). 20:00, DOM. (29) 20:00 18

1:41

NA ESTRADA O escritor Sal Paradise e seu amigo Dean Moriarty cruzam os Estados Unidos em uma viagem que irá mudar os conceitos de toda uma geração. Leia resenha na página 20. 3ª semana. GNC 21:40

16

27.jul.2012

2:20

21


OLIMPÍADAS DE LONDRES O Cinepólis transmitirá ao vivo e em 3D os eventos esportivos das Olimpíadas de Londres. A transmissão é uma parceria com a Rede Record. Serão 5 modalidades, com comentários exclusivos dos jornalistas Fábio Sormani e Reinaldo Gottino. Os ingressos custam R$ 30. SEX. (27). 17h. Cerimônia de Abertura | SÁB. (28). 15h. Natação + Ginástica | DOM. (29). 15h. Natação + Ginástica | SEG. (30). 15h. Ginástica + Natação | TER. (31). 15h. Natação | QUA. (1°). 15h. Ginástica + Natação | QUI. (2). 15h. Natação

VALENTE Merida é uma princesa, mas definitivamente não se comporta como uma. Enfesada, metida a heroína e um ás do arco e flecha, a escosa ruivinha irá acabar se desentendendo com uma bruxa e colocando seus pais, a rainha Elinor e o rei Fergus, e todo o reino em risco. A nova animação da Disney/Pixar foi a campeã das bilheterias brasileiras no final de semana: arrecadou quase R$ 7,8 milhões. 2ª semana. GNC 13:30-15:30-17:30 | 3D 13:00-17:40 CINÉPOLIS 13:10-15:30-18:00 | 3D 16:40-19:00

De Steve

L

1:44

Martino e Mike Thurmeier

A ERA DO GELO 4 O mamute Manfred, o tigre Diego e o bicho-preguiça Sid tiveram seus familiares espalhados pelos 4 cantos do mundo após a deriva continental. Agora, eles se lançarão em alto mar e enfrentarão um bando de animais piratas para tentar reencontrá-los. De Steve Martino e Mike Thurmeier. 5ª semana. GNC 13:10-15:10-17:10 | 3D 15:20-19:50 CINÉPOLIS 14:30-17:10-19:30 | 3D 12:50-21:30 | SÁB. a QUI. 18:00

L

1:40

O ESPETACULAR HOMEM-ARANHA Exceto pela picada de aranha radioativa, Peter Parker é um rapaz tímido e estudioso, que inicou há pouco tempo um namoro com a bela Gwen Stacy, sua colega de colégio. Certo dia, ele encontra uma misteriosa maleta que o leva ao laboratório do Dr. Curt Connors, na Oscorp – a toca do vilão Lagarto. O filme marca a estreia de Marc Webb (500 Dias com Ela) em grandes produções, e tem pontinha de Stan Lee, criador do Homem-Aranha nas revistas em quadrinhos. Com Andrew Garfield e Emma Stone. De Marc Webb. 4ª semana. GNC DUB 19:10 | LEG 19:30 | 3D LEG 22:00 10 CINÉPOLIS 3D DUB. 13:30 | LEG. 22:10

22

2:17


Divulgação/O Caxiense

MUSICA + SHOWS SEXTA-sexta (27) I Want to Break Free. DJs Mono e Tuta

23:00. R$ 10 ou R$ 5 (com agasalho). Level Cult

After the Wedding

23:00. R$ 10 (nome na lista) e R$ 12. Detroit

Preview Barretos. Téo & Edu + Cissa Stolrik, Miss Rodeio Brasil e locutora 23:30. R$ 25 e R$ 45. Bulls

Sai Dessa

22:00. R$ 10 e R$ 20. Portal Bowling

Jhonatan e Carlos

22:00. R$ 8 e R$ 6. Paiol Fher Costa Trio 22:00. R$ 10. Bier Haus

SÁBADO (28) Desplugado, Clandestinos, Red Light Rock, Enemma e Aknator 22:30. R$12. Aristos

Raízes negras

Comemorando 10 anos de carreira profissional, a cantora e compositora caxiense Lady Zion – que já fez parte da Lucille Band, Natural Dread e Bete Balanço – toca ao lado da banda Os leões do Sul – que tem Daniel Melo (backing vocal), Eti Nadine (backing vocal ), Amauri Maciel (bateria), Reginaldo Devens (guitarra), Kalifa Ras (baixo) e Gabriel Lopes (teclado). O show, uma pré-estreia da turnê Black Feeling, é baseado nas raízes da música negra, portanto, terá muita Black Music, Soul, R&B e Reggae.

Festa do Orgasmo. Black Phyton

SEX. (27). 20:00. Gratuito. Zarabatana

23:00. R$ 15 e R$ 12. Vagão Classic

Renite Alérgica

Maicon Damasceno, Arquivo/O Caxiense

(vestido de zumbi ganha brinde) 22:00. R$ 10 (nome na lista) e R$ 12. Detroit

Vinny Lacerda

22:00. R$ 10 e R$ 20. Portal Bowling

Betefull e Trinity

22:00. R$ 15 e R$ 20. Bukus Anexo

Grupo Kanoa

23:30. R$ 20 e R$ 40. Arena

Grupo Paiol

22:00. R$ 8 e R$ 6. Paiol

Edson Leite Acustico e Rock TrioFher

22:00. R$ 10. Bier Haus

Hermanos do blues

Os argentinos da Nico Smoljan y Shakedancers estão na estrada há mais de 10 anos, e fazem um blues que é referência no seu país de origem, tendo acompanhado artistas de renome internacional em turnês pelo país, como Duke Robillard, Mud Morganfield (Mud Jr.), Zakiya Hooker e Bob Stroger, entre outros. Nico, que nasceu na Terra do Fogo, é um exímio harmonicista – para os fãs do instrumento, vale conferir a performance. SEX. (27) e SÁB. (28). 22:00. R$ 18 e R$ 12. Mississippi

Regra 3

23:30. R$ 10 e R$ 20. Boteco 13

Más e criativas

A segunda edição da festa Meninas boas vão para o céu, as más tocam na Level escolheu convidadas que trabalham com criatividade – em lugares que vocês nem imaginam, alerta a divulgação. São elas: Beta Viegas, Clara Pozza, Fernanda Ferretti, Isadora Bittencourt, Jaque Pivotto, Lula Rodrigues, Mona Carvalho e Pati Heuser. A novidade é que as moçoilas vão distribuir vale bebida para quem estiver superagitando na pista. SÁB. (28). 23:00. R$ 15 e R$ 10. Level Cult 27.jul.2012

23


Divulgação/O Caxiense

+ SHOWS Double Drink. DJs Luck, Giiu Emer e Rodrigo Dias 23:00. R$ 25 e R$ 15 (nome na lista). Nox

Israel Lucero e Sem Razão

23:00. R$ 20 e R$ 40. Place des Sens

DOMINGO (29) Pagode Junior e Alan & Alessandro

21:00. R$ 10 e R$ 20. Portal Bowling

TERÇA-FEIRA (31) Rafa Gubert e Tita Sachet

22:00. R$ 10 e R$ 15. Mississippi

Sopros e Acordes

21:30. R$ 5 e R$ 10. Boteco 13

Domingueira Zarabatana

16:00. Gratuito. Zarabatana

QUARTA-FEIRA (1) The Cotton Pickers

22:00. R$ 10 e R$ 15. Mississippi

QUINTA-FEIRA (2) The Headcutters

22:00. R$ 10 e R$ 15. Mississippi

Banda Fullgas

22:00. R$ 10. Bier Haus

24

Novos carnavais

Dizem que ser roqueiro está no DNA dos gaúchos. E a banda Cartolas é mais uma prova desse irremediável – e, vamos combinar, ótimo – destino. O grupo trabalha o repertório de Quase Certeza Absoluta, disco com produção de Ray Z e melodias inspiradíssimas. Quam faz o show de abertura é a caxiense Tia Chica (foto), comandada pelos irmãos Thiago (voz e violão) e Christian Wilbert (baixo), mais Alessandro Kurtz (bateria), Felipe Biondo (guitarra e backing vocals) e Rafael ‘Tiló’ Reis (teclado, harmônica e backing vocals). A banda está lançando CD novo, o Carnevale, custeado pelo Financiarte. A produção do álbum, que tem pitadas de programação eletrônica, é de César Casara (Yangos). SEX. (27). 23:00. R$ 20 e R$ 15. Vagão Classic


Os gringos estão de volta

Jonas Piccoli e Aline Zilli voltam aos palcos para viver Radicci e Genoveva em: a vida de casal nóm é fácil, da Ueba Produtos Notáveis. Com direção e dramaturgia de Dilmar Messias, a peça é uma adaptação das histórias de Carlos Henrique Iotti. SEX. (27) e SÁB. (28). R$ 10 e R$ 20. Teatro Municipal

14

0:50 Fotos: Divulgação/O Caxiense

PALCO

Causo verdadeiro

A peça O Semeador de Estrelas leva aos palcos o retrato de um homem que precisa ser reconhecido pela sua própria gente. As histórias de vida do espírita Divaldo Franco são contadas através de causos engraçados, narrativas e músicas que ganham vida nas vozes de Renato Prieto, Rosana Penna, Paulo Paixão e Sylvia D’Silva. DOM. (29). 18:00 e 20:00. R$ 20 e R$ 40. Teatro Municipal

L

1:30

Vingança e preconceito

Com texto de 1946 escrito por Nelson Rodrigues, a peça Anjo Negro retrata o disfarçado preconceito racial. A Cia. Teatro Mosaico, do Mato Grosso, encena a história de Virgínia, uma mulher que foi obrigada a se casar com o negro, rico e temido Ismael. O marido passa a violentar a mulher que, cada vez que fica grávida, mata as crianças como vigança. QUA. (01). 20:00. Gratuito (mediante retirada de ingresso). Sesc. 14 1:40

Literatura

O grupo NósSemHora promove dois eventos com o professor e filósofo Fernando Fantinel. A Órbita Literária, um bate-papo filosófico, e a Oficina Mitologia e Literatura, que já está no terceiro encontro. SEG. (30). Oficina Mitologia e Litetatura. 19:00. R$ 10 SEG. (30). Órbita Literária. 20:30. Gratuito. Aristos 27.jul.2012

25


ARTE

Paisagens barrocas Willian Marx é natural de Governador Valadares, em Minas Gerais, mas mora em Caxias há 34 anos. Autodidata, pintou seu primeiro quadro em 1978. Desde então, se dedica à arte tanto como artista quanto como professor. A exposição que está em cartaz é composta por 12 quadros que têm como temas casarios, barroco, paisagem e marinha, executados com a técnica de óleo sobre tela. “Inspirei-me nos grandes mestres. Acho essa técnica a mais charmosa para a pintura”, conta Marx. Entre as obras, a reprodução do quadro A Criação, de Michelangelo; uma representação de Tiradentes, cidade histórica de Minas Gerais; e uma reprodução do barroco do mestre Aleijadinho. Marx Quadros Willian Marx. SEG.-SEX. 9h-19h. SÁB. 9h-18h. Shopping Triches

Preto no Branco Coletiva. Clube do Fotógrafo de Caxias do Sul. QUA. (1)-SEX. 8:30-18:00. SÁB. 10:00-16:00. Galeria Municipal

Dia do Vinho

ECO Art

Duo

Coletiva. SEG.-SEX. 9h-19h. SÁB. 15h-19h. Ordovás

Expo Elvis

Fabiano Feltrin. SEG.-DOM. 10:00-2:00. San Pelegrino Shopping Mall

Esse é o meu papel * O colunista Marcelo Aramis (Camarim) está em férias.

26

Cho Dorneles. SEX (27), SEG. (30) e TER (31). 8:3018:00. SÁB (28). 10:00-16:00. Galeria Municipal

Capelinhas – Memória e Fé

SEG.-SEX. 8:30-17:30. Museu dos Capuchinhos

Coletiva. SEG.-SEX. 8:30-18:00. SÁB. 10:00-16:00. Museu Municipal

Valéria Rheis e Celso Bordignon. SEG.-SEX. 10:00-19:00. DOM. 15:30-19:30. Catna Café

Monumentos de uma trajetória

Bruno Segalla. SEG.-SEX. 9:00-12:00. 14:00-17:30. Instituto Bruno Segalla

Onde Estou? Identidade, Memória e Patrimônio

Coletiva. SEX. 9:00-19:00 e SÁB. 15:00-19:00. Ordovás

Criação com Garrafas PET

Dirce Binotto. SEG.-SEX. 9:00-19:00. SÁB. 9:00-12:00. Farmácia do IPAM


Paulo Pasa/O Caxiense

A

Enderecos cinemas: CINÉPOLIS: AV. RIO BRANCO,425, SÃO PELEGRINO. 3022-6700. SEG.QUA.QUI. R$ 12 (MATINE), R$ 14 (NOITE), R$ 22 (3D). TER. R$ 7, R$ 11 (3D). SEX.SÁB.DOM. R$ 16 (MATINE E NOITE), R$ 22 (3D). MEIA-ENTRADA: CRIANÇAS ATÉ 12 ANOS, IDOSOS (ACIMA DE 60) E ESTUDANTES, MEDIANTE APRESENTAÇÃO DE CARTEIRINHA. GNC. rsc 453 - km 3,5 - Shopping Iguatemi. 3289-9292. Seg. qua. qui.: R$ 14 (inteira), R$ 11 (Movie Club) R$ 7 (meia). Ter: R$ 6,50. Sex. Sab. Dom. Fer.R$ 16 (inteira). R$ 13 (Movie Club) R$ 8 (meia). Sala 3D: R$ 22 (inteira). R$ 11 (meia) R$ 19 (Movie Club) | ORDOVÁS: Luiz Antunes, 312. Panazzolo. 3901-1316. R$ 5 (inteira). R$ 2 (meia) | MÚSICA: arena: bruno segalla, 11366, são leopoldo. 3021-3145. | Aristos: Av. Júlio de Castilhos, 1677, Centro 3221-2679 | BOTECO 13: Dr. Augusto Pestana, s/n°, Largo da Estação Férrea, São PelegrinO. 3221-4513 | BULLS: Rua Coronel Flores, 809. Estação Férrea. 3419-5201 | COND: Rua Angelo Muratore, 54, Bairro De Lazzer. 3021-1056 | DETROIT: Av. Italia, 315. Bairro São Pelegrino | HAVANA: DR. AUGUSTO PESTANA, 145. mOINHO DA ESTAÇÃO. 3215-6619 | LEVEL CULT: CORONEL FLORES, 789. 3536-3499. | Mississippi: Coronel Flores, 810, São Pelegrino. Moinho da Estação. 3028-6149 | PAIOL: FLORA MAGNABOSCO, 306. 3213-1774 | Portal Bowling: RST 453, Km 02, 4.140. Desvio Rizzo. 3220-5758 | TAHA’A: Rua Matheo Gianella, 1442. Santa Catarina. 3536-7999 | VAGÃO CLASSIC: JÚLIO DE CASTILHOS, 1343. CENTRO. 3223-0616 | ZARABATANA: Luiz Antunes, 312. Panaz­ zolo. 3228-9046 | TEATROS: Aristos: Av. Júlio de Castilhos, 1677, Centro 3221-2679 | CASA DE TEATRO/TEM GENTE TEATRANDO: Rua Olavo Bilac, N° 300. São Pelegrino. 3221-3130 | galerias: Catna Café: Júlio de Castilhos, 2546. Centro. 3021 7348 | GALERIA MUNICIPAL: DR. MONTAURY, 1333, CENTRO, 3221-3697 | GALERIA UNIVERSITÁRIA: Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130. PETRÓPOLIS. 3218-2100 | Museu dos Capuchinhos: R. General Sampaio, 189. Rio Branco. 21015276 | museu municipal: VISCONDE DE PELOTAS, 586. CENTRO. 3221-2423 | Instituto Bruno Segalla: R. Andrade Neves, 603. Centro. 3027 6243 | ORDOVÁS: Luiz Antunes, 312. Panaz­zolo. 3901-1316 | SAN PELEGRINO SHOPPING MALL: Av. Rio Branco,425. Bairro São Pelegrino. 3022-6700 |

Legenda Duração

Avaliação ★ 5★

Classificação

Cinema e Teatro Dublado/Original em português Legendado Ação Animação Artes Circenses Aventura Bonecos Comédia Drama Documentário Fantasia Ficção Científica Infantil Policial Romance Suspense Terror

Música Blues Coral Eletrônica Erudita Folclórica Funk Hip hop Indie Jazz Metal MPB Punk Pagode Pop Reggae Rock Samba Sertanejo Tradicionalista

Dança Clássico Forró

Contemporânea Hip hop Jazz

Flamenco Salão

Folclore

Artes Acervo Escultura Pintura

Artesanato Fotografia Vídeo

Desenho Grafite

Diversas Gravura

Carol De Barba

Exposições

O Campus 8 se prepara para receber duas belas exposições de moda em agosto. A primeira, que abre no dia 9, reverencia talentos locais: o Atelier Lôla Salles, comandado por Lôla e sua filha, Tine. A mostra será um apanhado geral do trabalho da dupla, em diferentes épocas e segmentos, com vestidos de debutantes, noivas, rainhas de clube, Festa da Uva, bodas de ouro e misses – o da Miss Nikkei Rio Grande do Sul é um deles. A segunda exposição, que começa no dia 14, terá peças do estilista paulista Walter Rodrigues, parceiro do Polo de Moda no projeto Identidade regional da Serra Gaúcha como sustentação para o design.

Corseletes

A Yang, especializada na produção e comercialização de modeladores corporais, lança novos produtos da Linha Fashion 2012. Além de trazerem os benefícios já conhecidos da fibra Yang, que massageia a pele e traz redução de medidas com alta compressão, os novos modelos também são uma opção para o vestuário. A maior parte das peças é bastante sofisticada, com brilhos e bordados. A inspiração é no guarda-roupa da musa do momento, a cantora Paula Fernandes. 27.jul.2012

27


ARQUIBANCADA Sesi nas quadras, nos campos e nas canchas | Redes de vôlei no interior | Domingo de promoção para a torcida grená

Paulo Pasa/O Caxiense

+ ESPORTE Futebol Sete Campeonato de Futebol Sete do Sesi – Série B SÁB (28). 11:00. Sesi

Futsal Campeonato de Fustal do Sesi – Série A SEG (30). 18:45. Sesi

Campeonato de Fustal do Sesi – Série B SÁB (28). 14:30. Sesi

Futebol Campeonato de Futebol do Sesi SÁB (28). 14:30. Randon

Vôlei Jogos do Sesi de Vôlei Feminino

QUI (2). 19:15. Ginásio da Marcopolo

Jogos do Sesi de Vôlei Masculino

SÁB (28). 19:15. Ginásio da Marcopolo

Natação Aulão de Hidroginástica

SÁB(28). 14:30. Recreio da Juventude

Caxias enfrenta o Madureira

Depois de empatar com o Tupi em Minas Gerais, o Caxias terá dois jogos em casa pela Série C do Campeonato Brasileiro. O primeiro é contra o Madureira, líder do grupo B da competição. “Temos que pensar sempre um jogo de cada vez”, destaca o capitão Everton Garroni. A equipe pode ganhar o reforço do meia Diego Torres, que volta de lesão depois de 5 meses sem jogar em partidas oficiais. Os ingressos continuam com preços promocionais.

Bocha Campeonato de Bocha dos Jogos do Sesi

DOM (29). 15:00. R$ 10. Estádio Centenário Daniel Rodrigues, Divulgação/O Caxiense

SÁB (28). 9:00 e 13:00. Sesi

RANDON: ESTRADA DO IMIGRANTE, S/Nº, TERCEIRA LÉGUA | ESTÁDIO CENTENÁRIO: THOMÁS BELTRÃO DE QUEIROZ, 898, BAIRRO MARECHAL FLORIANO | SESI: CYRO DE LAVRA PINTO, S/Nº. FÁTIMA | RECREIO DA JUVENTUDE: ATÍLIO ANDREAZZA, 3525, BAIRRO SAINT ETIENNE | GINÁSIO DE GALÓPOLIS: EDVIGES GALLÓ, S/N°, GALÓPOLIS | GINÁSIO DA MARCOPOLO: RST 453 ROTA DO SOL, CAXIAS DO SUL |

Interdistrital de vôlei

Os Jogos Interdistritais de Vôlei são realizados todo ano, em comemoração ao mês do agricultor. As equipes são formadas por moradores dos distritos de Caxias do Sul, e o evento tem como objetivo apoiar, promover e ampliar a prática do esporte, estimular a auto-organização comunitária e o surgimento de novos talentos. DOM (29). 9:00. Ginásio de Galópolis

28


Paulo Pasa/O Caxiense

a

re

na Rafael Machado O triatleta caxiense Wissthon Andres Rodrigues é o único representante gaúcho no Ultraman Canadá. A competição ocorre de 4 a 6 de agosto, na cidade de Penticton, e terá natação, ciclismo e corrida.

A diretoria do Juventude garantiu que Diogo Oliveira e Rodrigo Dantas, quando foram contratados, estavam prontos para jogar, e até agora nada. Estão fazendo falta.

Depois de 3 decisões em menos de 20 dias, o presidente do STJ, ministro Ari Pargendler, determinou que novos questionamentos sobre vagas na Série C sejam decididos após as férias forenses, ou seja, em agosto. O Treze segue firme na disputa.

Será que era a hora certa? Depois do empate em casa diante do Arapongas, no domingo (22), instintivamente, todos começaram a questionar o trabalho de Luiz Carlos Martins (foto) no Juventude. Parece que não acompanhou o ritmo que esperavam dele e que uma competição como a Série D do Brasileiro exige. Não dava, realmente, para falar em paciência e calma depois de cada partida em uma competição em que só há 8 rodadas para garantir a classificação à fase seguinte. Agora, fica a pergunta: será que era a hora certa de mudar? Acho que a decisão deveria ter sido tomada antes. Se a necessidade é um treinador que dê um “sacode” no grupo, buscar um

profissional com esse perfil faltando apenas 4 rodadas para o final da primeira fase exige uma dose de sorte. Argel poderia realmente ser o “salvador da pátria”, mas a diretoria alviverde sabia do risco dele rejeitar a proposta. Não há tempo para erros. É hora de arregaçar as mangas no Jaconi e correr atrás do prejuízo, colocando a boleirada para trabalhar e buscando resultados. Boas alternativas no grupo existem, como o interino Carlos Moraes. Só é preciso encaixar as peças e tirar o máximo de cada um. E rápido. O primeiro passo é aproveitar a folga na rodada deste final de semana e intensificar os trabalhos.

Para engrenar de vez O Caxias voltou de Juiz de Fora (MG), com aquela sensação de “foi bom, mas poderia ter sido melhor”. Um ponto fora de casa sempre é bemvindo, mas não nas circunstâncias como aconteceu. Não fosse a forcinha do árbitro, o Tupi não tinha empatado a partida no final, quando o Caxias vencia por 2 a 1. De qualquer forma, serve de alerta para um grande problema do grupo grená: as oscilações de desempenho. A exemplo de outras partidas, com exceção do jogo contra a Chapecoense, o time alternou altos e baixos, arriscando jogar tudo por

água abaixo em momentos de bobeira. Contra o Madureira, domingo (29), no Centenário, o maior cuidado do Caxias deve ser justamente evitar essas variações. Do outro lado, estará o líder do grupo, e uma vitória é importantíssima para colocar o time grená no topo da tabela e mantê-lo entre os 4 primeiros. A ausência de Neílson no ataque preocupa, já que Juba está em uma fase ruim. Ou ele se recupera, ou o time ficará com uma lacuna no ataque. Uma preocupação que vai exigir criatividade e competência do treinador Mauro Ovelha.

Uma pedra no caminho Os juízes das séries C e D estão sendo um reflexo do que as competições representam para os grandes cartolas da CBF: nada. Na partida entre Tupi e Caxias, Marcelo Alves dos Santos não marcou pênalti sobre Diogo Roque, em um momento em que o Caxias vencia por 2 a 1, e aproveitou um movimento de braço de Umberto para marcar uma penalidade para o time da casa aos 46 minutos. No Jaconi, Leonardo Garcia Cavaleiro não marcou dois pênaltis claros para o Juventude e anulou um gol de Jonatas Belusso, quando ele recebeu em posição legal. Episódios como esses mostram que um dos adversários mais difíceis da dupla será a arbitragem.

Jus ao talento A confirmação do diretor executivo do Grêmio, Paulo Pelaipe, de que Wangler assinou na quarta-feira (25) contrato de 4 anos com o time da capital, faz justiça ao atleta. O jovem meia grená, escolhido atleta revelação do gauchão 2012, faz jus ao reconhecimento, pois desde o início mostrou talento e dedicação. Além disso, a negociação vem em um momento mais do que propício para reforçar o caixa do clube, ainda sofrendo as sequelas do prejuízo causado pelo atraso no começo da Série C. Para os grenás, a boa notícia é que o Grêmio não falou mais em levar o goleiro Paulo Sérgio, baita jogador, e a segurança da defesa grená. 27.jul.2012

29


Paulo Pasa/O Caxiense

CARROS E MOTOS

Divulgação/O Caxiense

Yamaha XTZ 125 On-Off Road 2007 |

Super Ténéré XT 1200Z |

Mini Roadster

A Eurobike lança o Mini Roadster em conjunto com o Lounge Desejos, no empreendimento Cristal Exposição, da Fisa Incorporadora e Exacta Engenharia. Terá coquetel na quinta (2), das 19:00 às 22:00 e café com clientes, na sexta (3), das 10:00 às 18:00. O momento mais esperado, o test drive da belezinha, será no sábado (4), das 10:00 às 17:00.

30

A moto ideal Os motociclista deve ter atenção na hora de comprar a moto ideal. Os modelos tornam-se diferentes quanto à atividade praticada. O proprietário da loja Motozoom, revenda autorizada da Yamaha em Caxias, Lauro Basso, explica que a moto deve ser diferente se a pessoa utilizá-la para trabalho ou lazer. Para o lazer, as cilindradas – medidas a partir da quantidade de combustível deslocada pelo movimento do pistão dentro do cilindro – devem ser 125 e 250. “Quanto menor as cilindradas, menor o uso de combustíveis. Ou seja, as motos mais econômicas são aquelas com menor potência”, destaca. Basso cita 2 exemplos de modelos. A

Motociclistas

mais tradicional delas é Yamaha XTZ 125 On-Off Road 2007, da linha Off Road, caracterizada por pneus com grandes travas, que dão maior aderência ao veículo, especial para estradas de terra, lama, pedras e areia. A alta tecnologia da Yamaha YS250 é o destaque do ano na loja. Normalmente, as motos possuem entre 2 e 4 cilindros, e podem ser equipadas com freios de cerâmica, escapes feitos de titânio ou fibra de carbono. Para trabalho, Basso recomenda as nacionais Super Ténéré XT 1200Z, de 1199 cilindradas. O modelo conta com um computador de bordo, que informa os níveis de combustíveis, consumo médio, temperatura e odômetro.

As novas regras para motofretistas e mototaxistas passam a valer a partir do próximo sábado (4). Práticas que estimulem a dirigir acima da velocidade permitida, como prêmios e metas para número de entregas ou entregas mais rápidas, não serão mais permitidas. A íntegra da Lei Federal 12.436/11 pode ser conferida no site do Detran/RS. Os cursos especializados para essas categorias também devem ter aumento na carga horária.


GARAGEM

Casamento

ADERÊNCIA

Perfeito para dirigir em piso molhado, é ideal para veículos compactos e médios. Além disso, utiliza borracha natural, que resulta em um menor consumo de combustível e menor emissão de CO².

Mauro Peregrina, Divulgação/O Caxiense

Yokohama 175/70R13 | Cia. do Pneu | a partir de R$ 184

A colunista social Odinha Peregrina (que indica o Dirigir e Pilotar desta edição) e seu marido, Mauro, são apaixonados por motos. Vivem sobre duas rodas há tanto tempo quanto dura o casamento: 34 anos. Nos finais de semana, é rotina para o casal sair em pequenos grupos para passeio. Mas eles também programam com frequência viagens maiores, no melhor estilo Diários de Motocicleta. Em outubro, a peregrinação deve ser à Cordilheira dos Andes. E engana-se quem pensa que Odinha está sempre na carona. A colunista social também pilota muito bem. “Já viajei na Suzuki VStrom, do Mauro. Uma das melhores motos para viagem”, recomenda.

ECONOMIA

É comum nas grandes cidades o desgaste dos pneus. Essa versão, da marca coreana, tem ótimo custo-benefício para o motociclista, pois dura mais. Ideal para passeios. Hankook 175/770R13 | Cia. do Pneu | a partir de R$ 154

REFORÇO Pensando no aumento do volume que os motociclistas carregam nos baús, o pneu é reforçado com estrutura Reinforce, especial para motoboys.

VELOCIDADE

Oferece maior tração nas retas e estabilidade nas curvas, com características projetadas para facilitar a drenagem da água.

Fotos: Divulgação/O Caxiense

Ira 90/90x18 | Cia. do Pneu | a partir de R$ 77

Ira 130/70x17 | Cia. do Pneu | a partir de R$ 241

DIRIGIR PILOTAR

proteção

“Gosto de me ver na moto elegantemente, mas levo muito a sério o traje de proteção especial para motociclistas. Viajar de moto exige segurança e nós nunca haveremos de esquecer disso.”

echarpe

“É fundamental para a mulher que pilota uma moto parecer feminina. Uma echarpe enrolada no pescoço já diz muita coisa. A mulher gosta de ser notada e a echarpe a identifica muito bem. Gosto também de usar um pequeno lenço vermelho amarrado na perna esquerda. Começamos a usar em nossa ida até Colonia de Sacramento, em maio de 2012, e vejo que muitas mulheres motociclistas aderiram à moda”

por Odinha Peregrina, colunista social e apaixonada por motos

Correios

A partir de agosto, 1323 motos Yamaha da linha 125 cilindradas estarão à disposição da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, em todo o Brasil. Trata-se de uma preferência da empresa pelo modelo, característico pela economia na rodagem em cidades.

Simulador

Ajudinha extra para sanar as dúvidas na hora de comprar o pneu ou a roda ideal para o seu carro. O simulador virtual da loja Zé Pneu (que fica na BR 116, Km 147, bairro De Lazzer) tem centenas de opções, das marcas Advanti Racing, Ferraro Rodas Esportivas e Noova Rodas, que podem ser visualizados em 29 veículos diferentes, das montadoras Chevrolet, Fiat, Ford e Volkswagen. Acesse zepneus.com.br. 27.jul.2012

31


32

32

Edição 139  

Quem viaja fugindo dos roteiros tradicionais garante que a experiência é libertadora. Percorrer trilhas incomuns é aprender a valorizar a vi...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you