INVENTÁRIO DE PATRIMÓNIO ESCULTÓRICO DO MUNICÍPIO DE CÂMARA DE LOBOS

Page 1

INVENTÁRIO PATRIMÓNIO ESCULTÓRICO MUNICÍPIO DE CÂMARA DE LOBOS


INVENTÁRIO PATRIMÓNIO ESCULTÓRICO MUNICÍPIO DE CÂMARA DE LOBOS


Ao longo dos seus cerca de dois séculos de histórica, em especial no período após a autonomização do Poder Local e a instauração do regime da Autonomia da Madeira, o Município de Câmara de Lobos reuniu um vasto património escultórico, disperso um pouco por todo o seu território. O presente documento visa sistematizar e documentar toda a informação existente sobre a informação sobre o espólio escultural de Câmara de Lobos, para melhor o conhecer e preservar. Refletindo diversas épocas e variadas sensibilidades e expressões artísticas, o património escultórico marca o espaço público de Câmara de Lobos e é repositório da sua memória histórica e da sua identidade. A diversidade paisagística e a heterogeneidade cultural e etnográfica deste concelho, associada às atividades piscatórias e agrícolas, é fonte de inspiração de muitas das peças escultóricas. A representação de costumes, das profissões e das vivências da população, permitiu eternizar a identidade e a cultura popular. Partindo da liberdade criativa de cada um dos artistas que conceberam e criaram estes elementos escultóricos, este património fala-nos do amor e da alegria, mas também recorda-nos as vivências de sofrimento, de luta pela afirmação de um identidade e, em espe-

cial, pela resiliência de uma comunidade que que tem lutado pela dignificação da sua identidade e especificidade idiossincrática. A constituição do atual espólio escultórico municipal espelha, em certa medida, as dinâmicas sociais, económicas e cívicas da história de Câmara de Lobos, imortalizando momentos específicos do passado. De salientar a importância da realização das duas edições da Semana da Pedra em 1997 e 2004, como memória evocativa a importância económica e social da atividade de extração de pedra e de calcetaria que existiu em Câmara de Lobos, na abertura do concelho a diferentes leituras artísticas sobre o real, permitindo um tão rica e diversa coleção escultórica. De ressalvar ainda a existência de três esculturas que aguardam um local definitivo para serem instaladas. São elas a escultura «À Flor da Terra uma Flor de Pedra», da autoria do renomado escultor madeirense Amândio de Sousa; a escultura «Rendimento Diário» da autoria do escultor António Rodrigues e a escultura «Bordadeira versus Bordado Madeira» de Ricardo Veloza e Martim Veloza. Câmara de Lobos, 05 de janeiro de 2021





IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL1 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas / Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Mar de Esperança AUTORIA NOME Xico Lucena TIPO Autor OFÍCIO Escultor

conjunto de embarcações de pesca – canoas e xavelhas – esculpidas em vários tipos de tufos, traquito e Traquibasalto. Segundo o catálogo do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004 «o nome da escultura, “Mar de Esperança”, procura contar toda a história de Câmara de Lobos na medida em que esta encontra-se estreitamente ligada ao Mar. As pessoas vivem viradas, para e estão de, mãos dadas com o Mar, chegando mesmo a haver uma cumplicidade recíproca. Numa terra de pescadores é natural que os homens encarem o Mar com amizade e respeito, porque lhes dá o pão com que matam a fome a toda a sua família. Não fosse a sua coragem e abnegação, desistiam sempre que o Mar os contraria e põe em risco a sua vida, chegando muitas vezes os seus entes queridos a vestir de luto na sua ausência. Com esta composição pretende-se eternizar essa independência, realçar a transparência, o trabalho, a simplicidade e ai mesmo tempo o valor desta gente que vive para e com o Mar.» DIMENSÕES ALTURA (CM) 300 LARGURA (CM) 480 PROFUNDIDADE (CM) 100 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

IDENTIFICAÇÃO

INFORMAÇÃO TÉCNICA

DESCRIÇÃO Conjunto escultórico agregado executado através do processo aditivo de diversos materiais. É construído por duas colunas em granito cinzento Pinhel, que são formadas por três blocos cada, tendo cada bloco um metro de lado. No seu conjunto apresentam três metros de altura. Duas colunas com dimensões idênticas representam o Homem e encontram-se ligadas por uma estrutura de metal que, metaforicamente reproduz a ondulação e movimentos do mar e, estão encimados por um conjunto de embarcações de pesca típicos da freguesia. Por sua vez, também significam um ponto de partida e um ponto de chegada, em terra firme, que está sempre na ideia de quem diariamente reza contra a incerteza do regresso. Nestas estão esculpidas figuras humanas que estão associadas à ideia da origem e da reprodução e continuidade da espécie humana e de outros reinos animais. Ao mesmo tempo, na parte superior das referidas colunas, aparecem formas e contornos que fazem lembrar a beleza das sereias que vivem no imaginário das gentes do Mar. Entre as colunas, uma estrutura de ferro ondulada, simbolizando as ondas do Mar, faz a ligação entre os dois pontos, a partida e a chegada. Sobre a estrutura foram colocados um

MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra e ferro foi necessário os materiais seguintes: • 3 Blocos de Tufo de Lapili castanho / avermelhado do Cabo Girão com as dimensões 50 x 50 x 30 cm • 3 Blocos de Tufo de Lapili lilás do Curral das Freiras com as dimensões 50 x 50 x 30 cm • 6 Blocos de Granito cinzento de Pinhel com as dimensões 120 x 120 x 100 cm • 2 Blocos de Granito cinzento Favaco com as dimensões 130 x 100 x 20 cm • Ferro CONSERVAÇÃO ESTADO Regular / Deficiente

07


MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui assinatura do artista.

DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública

MINIATURA IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL23

INCORPORAÇÃO ANO(S) 2004 LOCALIZAÇÃO Rua Nova da Praia - Baía de Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.647234, -16.975912 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO Mar.Esperança.1 TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas

DIMENSÕES ALTURA (CM) 11(aprox.) LARGURA (CM) 26 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 7,5 (aprox.)

ANEXOS MARCAS / INSCRIÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA LEGENDA / INSCRIÇÃO As peças encontram-se assinadas

LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131

08


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL2 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Janela para a liberdade

uma ruptura, uma quebra da servidão, imposição e após uns momentos conflituosos sai de dentro da rigidez uma ave em voo livre sem destino. A fluidez e naturalismo no tratamento artístico da ave transmite a sensação de liberdade e emancipação do direito de escolha das nossas acções. DIMENSÕES

AUTORIA

ALTURA (CM) 300 LARGURA (CM) 50,5 PROFUNDIDADE (CM) 40,5

NOME Martim Veloza e Ricardo Veloza TIPO Autores OFÍCIO Escultores

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução desta escultura foi utilizada cantaria rija. CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom DATA 25 Setembro 2020 MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO possui a assinatura dos escultores e ano de execução da obra.

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura executada em processo aditivo onde através da junção das diferentes placas criou-se uma coluna quebrada que, do seu interior, sai uma ave em pleno voo. Constituída por seis placas semelhantes e quebrada a 2/3 da sua altura transmite ao observador que são duas colunas independentes. A coluna maior encontra-se encimada por uma coluna mais pequena donde, do seu interior, sai uma ave voo livre. Voo esse sem restrições de trajectória e destino incerto. Esta escultura, simbolicamente demonstra dois aspectos visíveis nos comportamentos sociais. A rigidez presente na coluna inferior remete-nos para o acto de dominar e subjugar o próximo às condicionantes impostas por outro, à castração da liberdade. Durante a viagem encontramos

DATAÇÃO ANO (S) 1997 SÉCULO (S) XX JUSTIFICAÇÃO DA DATA Peça esculpida durante a I Semana da Pedra em Câmara de Lobos. ORIGEM HISTORIAL Peça executada durante a I Semana da Pedra em Câmara de Lobos FUNÇÃO/INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública

09


INCORPORAÇÃO ANO (S) 1997 LOCALIZAÇÃO Pátio interior da Câmara Municipal de Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978147 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.ASA. LIBERDADE TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas

10


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL3 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Lobo Marinho AUTORIA NOME António Matos TIPO Autor OFÍCIO Escultor

baia e a terra. A perfeita simbiose entre a terra e o mar, a origem, a criação e amparo da vida. Além da simbologia histórica, metaforicamente, encontramos nesta escultura uma alusão à sociedade câmara-lobense, enquanto povo que se adapta às adversidades e vive em perfeita harmonia com a terra e o mar. DIMENSÕES ALTURA (CM) 350 LARGURA (CM) 50 PROFUNDIDADE (CM) 80 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução desta escultura foram necessários os materiais seguintes: • Traquibasalto (cantaria “rija” cinzenta); • Traquito do Porto Santo (cantaria “branco sujo”); CONSERVAÇÃO ESTADO Bom DATA 24 Setembro 2020 DATAÇÃO ANO (S) 1997 SÉCULO (S) XX ORIGEM HISTORIAL Peça executada durante a I Semana da Pedra em Câmara de Lobos FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública INCORPORAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO

ANO (S) 1997

DESCRIÇÃO A execução do Lobo Marinho, em rocha rija proveniente da região, com representação das marcas provenientes de cortes ou feridas adquiridas nos obstáculos e dificuldades existentes no reino animal. O animal repousa sobre um monte rochoso rodeado de água. Com forte conexão à história local, animal abundante na baia aquando descoberta da mesma e também, podemos associar a outro significado e simbolismo espiritual existente na conexão desta sociedade ao mar. A partilha da vida com a Terra e o Mar é uma característica fortemente marcada na comunidade câmara-lobense onde a pesca era a actividade económica fortemente vincada e presente na maioria das famílias. A Base e o fundo representam o mar / oceano em consonância com a

LOCALIZAÇÃO Rua Padre Eduardo Clemente Nunes Pereira - Entrada da Cidade de Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.648311, -16.974009 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Lobo. Marinho TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

11


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL4 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO A Família AUTORIA NOME Paulo Neves TIPO Autor OFÍCIO Escultor

e 2 blocos de granito cinzento Pinhel. Os blocos têm medidas aproximadas 70 x 90 x 100 cm e a coluna que representa o género masculino tem 7 metros de altura. Nos blocos de mármore Pardais creme que constituem a base de cada uma das colunas, foram gravados baixos-relevos. As duas colunas com dimensões diferentes que simbolicamente representam as famílias que, num passado próximo, viveram no topo do ilhéu de Câmara de Lobos.» Com recurso a uma linguagem própria do escultor, representa a família através de duas colunas com dimensões diferentes, uma com expressão feminina, e a outra com expressão masculina. No meio delas brotará um jacto de água intermitente que simboliza a vida e que une o homem e a mulher. Quando observamos as mesmas, o tratamento do rosto com linhas suaves, meigas e subtis, transmitem o conforto, harmonia e cumplicidade existente entre o casal. Na base das colunas, foram gravados baixos-relevos de mãos, de pés, de peixe e de utensílios domésticos que eram utilizados pela população câmara-lobense que vivia no topo do ilhéu de Câmara de Lobos. O conjunto encontra-se colocado de um lago artificial onde a água simbolia a vida que une o homem e a mulher de modo a constituir uma família. DIMENSÕES ALTURA (CM) 700 LARGURA (CM) 300 PROFUNDIDADE (CM) 100 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO A escultura procura homenagear todas as famílias que viviam no topo do Ilhéu de Câmara de Lobos e demonstrar a função de cada elemento do casal. Numa sociedade piscatória onde o homem tinha a função de sair para o mar, enfrentar as condições climáticas que podiam levar à perda de vida dos mesmos enquanto, a esposa, tinha a função de ficar em casa a cuidar da vida doméstica e educar os filhos. O escultor, através deste conjunto escultórico consegue representar a harmonia existente na partilha de funções entre o casal. Segundo a memória descritiva, «as colunas são compostas por 8 blocos de mármore Pardais creme, 2 blocos de mármore de Pardais branco veiado de rosa (Zona das Cabeças), 5 blocos de granito cinzento favaco 12

MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foram necessário os materiais seguintes: • 5 Blocos de Granito cinzento favaco com as dimensões 90 x 90 x 100 cm • 2 Blocos de Granito cinzento Pinhel com as dimensões 70 x 70 x 100 cm • 8 Blocos de Mármore creme Pardais veiado com as dimensões 70 x 70 x 100 cm • 2 Blocos de Mármore creme Pardais veiado com as dimensões 90 x 90 x 120 cm • 50 Placas de revestimento de Traquibasalto ou cantaria “rija” com as dimensões 50 x 50 x 3 cm


CONSERVAÇÃO

DATAÇÃO

ESTADO Bom

ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI

MARCAS / INSCRIÇÕES ORIGEM LEGENDA / INSCRIÇÃO No conjunto escultório foram gravados baixo-relevo de mãos, de pés, de peixe e de utensílios domésticos.

HISTORIAL Escultura executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004 FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO 2006 – Ilhéu de Câmara de Lobos 2018 - Rotunda na Avenida Nova Cidade – Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.653108, -16.978842 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.FAMÍLIA TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas ANEXOS MEMÓRIA DESCRITIVA

MINIATURA IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL44

Ilustração 1 13


Ilustração 2 DIMENSÕES Ilustração 1: ALTURA (CM) 8,5 (aprox.) LARGURA (CM) 18,5 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 5,6 (aprox.) Ilustração 2: ALTURA (CM) 11 (aprox.) LARGURA (CM) 8 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 8 (aprox.) LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131

14


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL5 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO São Francisco de Assis

ALTURA (CM) 181 (aprox.) LARGURA (CM) 93,5 PROFUNDIDADE (CM) 123

AUTORIA

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinada LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

NOME Jaime Santos TIPO Autor OFÍCIO Escultor

INFORMAÇÃO TÉCNICA

IDENTIFICAÇÃO

CONSERVAÇÃO

MATÉRIA Estátua executada em bronze

ESTADO Regular MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Na escultura encontramos a assinatura do escultor como a data em que foi executada e a placa identificativa do mesmo com o texto seguinte: “SÃO FRANCISCO / O POBREZINHO DE ASSIS / HOMENAGEM DE SEUS AMIGOS E / FRATERNIDADES FRANCISCANAS / DE CÂMARA DE LOBOS / 8º CENTENÁRIO DO SEU / NASCIMENTO 1182- 1982 / 1-11-1984”

DESCRIÇÃO Personagem do hagiológio: São Francisco de Assis. Atributos: cíngulo amarrado na cintura com os três nós, hábito da ordem franciscana e acompanhado pelo lobo. O Santo São Francisco de Assis encontra-se de frente em pé, vestindo o hábito franciscano, possui o cíngulo à cintura com três nós. A túnica possui pregas ao alto até aos pés, encontra-se descalço à qual se vê a perna e o pé direito, em posição de avançar em frente. O rosto possui um tratamento naturalista onde foi executada a barba, o bigode e corte de cabelo tonsurado. Tem a mão direita levantada em posição de cumprimento ou bênção do próximo. Em simultâneo, com a mão esquerda acaricia um lobo.

ANO (S) 1984 SÉCULO (S) XX

15


ORIGEM HISTORIAL Escultura em bronze, datável do final do terceiro quartel século XX, tendo sido executada em 1984 para assinalar o oitavo centenário do nascimento do Santo São Francisco de Assis. Tal como aconteceu anteriormente no Funchal, com a execução de um jardim dedicado à Ordem Franciscana, foi colocado uma lápide em sua honra e posteriormente realizado uma angariação de fundos para enriquecer o espaço com a actual escultura. Inicialmente a escultura foi colocada sobre um pedestal em Feijoca mas devido às obras de requalificação do jardim sofreu algumas alterações e foi colocada no actual pedestal em cantaria rija. Segundo a informação disponível no dicionário corográfico de Câmara de Lobos, a escultura foi executada para a comemoração do oitavo centenário do seu nascimento. Realizada angariação de fundos para aquisição da escultura. Segundo a informação disponível no dicionário corográfico podemos observar que «Ainda que esta homenagem a São Francisco tivesse partido de uma iniciativa da Ordem Terceira de São Francisco da paróquia de Câmara de Lobos, fundada a 1 de Novembro de 1983, e do seu Assistente e pároco, o padre António José de Freitas, toda a comunidade paroquial da localidade haveria de se reunir tanto em torno do projecto, como na angariação dos fundos necessários à sua concretização.» FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 1984 LOCALIZAÇÃO Jardim de São Francisco de Assis - junto ao cruzamento da estrada João Gonçalves Zarco com a rua Padre Manuel Juvenal Pita Ferreira. Coordenadas GPS: 32.647073, -16.972718 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.SÃO. FRANCISCO.ASSIS TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

16


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

• Bloco de Traquibasalto (cantaria “rija” cinzenta)

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL6 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Monumento ao Canteiro

CONSERVAÇÃO

AUTORIA NOME Ricardo Veloza TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ESTADO Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Na escultura encontramos em baixo-relevo duas inscrições que são as seguintes: “NA PEDRA / O SENTIDO / DE UMA VIDA” e “À MEMÓRIA DE MEU PAI E / À DAQUELES QUE / COMO ELE TRABALHAM A PEDRA”

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Bloco de Traquibasalto em bruto a ser perfurado por um cinzel, momento representativo da acção de talhar a pedra. Esta escultura é uma homenagem ao canteiro e ao acto de talhar e esculpir este material. Profissão que requer técnica e perícia necessária para conseguir manipular e dar outra forma à pedra, material com elevada dureza e rigidez. Na escultura encontramos algumas zonas polidas onde o escultor gravou palavras simbólicas. DIMENSÕES

ORIGEM

ALTURA (CM) 300 LARGURA (CM) 60 PROFUNDIDADE (CM) 40

HISTORIAL Escultura em cantaria rija e bronze, datável do quarto quartel - século XX, tendo sido executada em 1997 e inaugurada durante a I Semana da Pedra em Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

INCORPORAÇÃO ANO (S) 1997

INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução desta escultura foram utilizados os materiais seguintes: • Bronze 17


LOCALIZAÇÃO 1997 – Átrio da entrada dos Paços do Concelho Pátrio interior dos Paços do Concelho 2018 - Miradouro do Canteiro, sítio do Espírito Santo 2020 – Rotunda na intercessão da Av. da Autonomia, Estrada de S. Clara e o Caminho da Cruz da Caldeira Coordenadas GPS: 32.653240, -16.984572 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO TIPO MCL.ESC. CANTEIRO TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

18


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL7 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Dr.º Januário Figueira da Silva

ALTURA (CM) 210 (aprox.) LARGURA (CM) 60 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 50 (aprox.)

AUTORIA NOME Henrique e Francisco Franco TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinada LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Lisboa ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Estátua em bronze TÉCNICA Cera perdida PRECISÕES SOBRE A TÉCNICA Segundo o glossário do livro normas de inventário de escultura, a técnica em cera perdida consiste num «processo para execução de esculturas em bronze que consiste em cobrir com cera a alma de argila da obra em protótipo ou modelo, para posteriormente voltar a cobri-la com argila; o metal fundido introduz-se depois entre as duas camadas de argila, saindo a cera derretida pela parte inferior da escultura; por último, o metal esfria ficando solidificado.» CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Na escultura encontramos a assinatura do escultor a data em que foi executada e a identificação do processo técnico utilizado na fundição que são os seguintes: “F. Franco / 1924. Cera Perdida / ANTO. D’ABREU / LISBOA.” A placa identificativa da peça possui a inscrição seguinte: “Dr. Januário Figueira da Silva / Médico ilustre / 1855 – 1924 / Homemagem da Câmara Municipal de Câmara de Lobos

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Personagem ilustre: Médico Dr.º Januário Figueira da Silva. O corte do peito em formato redondo, a cabeça possui orientação frontal e com uma indumentária típica da classe social que está inserido. É uma peça estática que possui um acabamento naturalista com recurso a pequenos traços em baixo-relevo no bronze polido. O tratamento do tronco em alto-relevo permite verificar qual a indumentária utilizada pelo mesmo (blazer, camisa e laço). O busto encontra-se sobre um pedestal executado em cantaria rija, que através do dicionário corográfico de câmara de Lobos verificamos que encontra-se «segundo o projecto do escultor João Tomás Figueira da Silva».

19


IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.DR. JANUÁRIO TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

DATAÇÃO ANO (S) 1924 SÉCULO (S) XX ORIGEM HISTORIAL Escultura em bronze, datável do primeiro quartel do século XX, tendo sido executada em 1924 para homenagear o Dr. Januário Figueira da Silva. Segundo José de Sainz-Trueva e Nelson Veríssimo, «em 16 Janeiro 1924, Henrique e Francisco Franco fizeram a máscara mortuária deste médico. No ano de 1923, a Câmara Municipal de Câmara de Lobos tinha em seu poder 200$00, fruto de subscrição pública, para custear as primeiras despesas com a erecção de um busto a este médico. Contudo, só veio a adquiri-lo em 13 de Junho de 1956, por compra aos herdeiros do escultor Francisco Franco. Durante bastante tempo, esta obra ficou em depósito camarário, deliberando a autarquia, em 1964, incluir verba no seu orçamento para construção do pedestal e futura implantação.» FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública inaugura a 26 de Agosto de 1966 INCORPORAÇÃO ANO (S) 1956 LOCALIZAÇÃO Rua Dr. João Abel de Freitas. Coordenadas GPS: 32.648932, -16.974184

20


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

PRODUÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL8 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Simão Bolíver

OFICINA / FABRICANTE Estudio de Arte La Barracas. C. A. LOCAL DE EXECUÇÃO Venezuela: Guatire – Estado de Miranda ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Venezuelana

AUTORIA

MATÉRIA Estátua em bronze

NOME Julio Cesar Briceno TIPO Autor OFÍCIO Escultor

CONSERVAÇÃO

INFORMAÇÃO TÉCNICA

ESTADO Bom MARCAS / INSCRIÇÕES

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Busto de personagem ilustre: General e Estadista venezuelano Simão Bolíver. O corte horizontal pelos ombros, a cabeça com orientação frontal e alberga a indumentária típica de um general venezuelano. É uma peça estática com acabamento naturalista na execução das formas anatómicas transmite realismo na expressão séria e respeitosa de um general. O tratamento do tronco em alto-relevo permite observar a farda e os símbolos ostentados pelos generais e estadistas do país.

LEGENDA / INSCRIÇÃO Na escultura encontramos a assinatura do escultor, a data em que foi executada, o nome do general, a oficina e país de origem que são os seguintes: “Julio Cesar Briceno 2009 / Estudio de Arte La Barracas. C. A. / R. B. DE VENEZUELA. / GUATIRE. / ESTADO MIRANDA / 2009 / SIMON BOLIVAR” A placa identificativa da peça possui a inscrição seguinte: “SIMON BOLIVAR / 1783 – 1830 / PADRE DE LA PATRIA / VENENZOLANA/”QUEM ABANDONA TUDO POR SER / ÚTIL AO SEU PAIS NÃO PERDE / NADA E GAHNA QUANTO LHE / CONSAGRA” / SIMON BOLIVAR/ EM COMEMORAÇÃO DOS 200 ANOS DA / DECLARAÇÃO DA INDEPENDENCIA / DE VENEZUELA E A SEGUIR O / EXEMPLO DESTAS SABIAS PALABRAS / A ASSOCIAÇÃO FILHOS DE CÂMARAS / DE LOBOS DE VENEZUELA / EM HOMENAGEM AO LIBERTADOR / DA NOSSA SEGUNDA PÁTRIA / “VENEZUELA” DOA ESTE BUSTO AO / MUNICIPIO DE CÂMAA DE LOBOS. / 19 DE ABRIL DE 2010”. Na praça circundante há a inscrição com a identificação dos 25 colaboradores que indica o seguinte: “COLABORADORES / AGOSTINHO GOMES LUCAS / ANTONIO SERGIO HENRIQUES / EDUARDO JOAO A. PINTO / FERNANDO LUCAS D. OLIVEIRA / FERNANDO ANDRADE CAMACHO / GILDA COROMOTO PINTO D. SOUSA / JOÃO SIDONIO RODRIGUEZ / JOÃO SIDONIO FERREIRA / JOÃO ALBERTO F. DE SANTOS / JOÃO MANUEL D. BRITO / JOÃO MANUEL AZEVEDO / JOAO MARCELO GONÇALVES O. / JOSÉ ANTONIO SOARES R. / JOSÉ CELSO NUNES OLIVEIRA / JOSE PEREIRA RODRIGUEZ / JOSÉ AURELIO FIGUEIRA / JOSÉ LUIS RODRIGUEZ D. JESUS / JOSÉ MARIA PESTANA M. / JUAN JAVIER DOS SANTOS / LUIS FIGUEIRA DOS SANTOS / MARIA ZELIA SILVA FARIA / RAUL ROMÃO GONÇALVES / SIDONIO INACIO GOMEZ H / VASCO NUNES / ANTONIO ABREU!

DIMENSÕES ALTURA (CM) 236 (aprox.) LARGURA (CM) 100 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 100 (aprox.) 21


estadista venezuelano Simão Bolíver. Segundo a revista Viver Câmara de Lobos, a origem desta escultura vem no seguimento do pedido feito pela associação dos filhos de Câmara de Lobos na Venezuela para colocar no espaço público municipal um busto do general. «Todo o projecto foi acompanhado pelo Consulado Geral da República Bolivariana da Venezuela, na Madeira, que ofereceu o projecto da praça” onde actualmente encontra-se instalado o busto. Na inauguração a 19 de Abril de 2010 estive presente o presidente do governo regional, Dr.º Alberto João Jardim, o presidente da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, sr.º Arlindo Pinto Gomes e também o presidente da associação dos filhos de Câmara de Lobos na Venezuela que organizou e possibilitou a homenagem.» FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública inaugura a 19 de Abril de 2010 INCORPORAÇÃO ANO (S) 2010 DESCRIÇÃO Informação disponível no periódico trimestral Viva Câmara de Lobos, n.º 1 de 2010. LOCALIZAÇÃO Jardim localizado na Avenida Nova Cidade. Coordenadas GPS: 32.650123, -16.978651 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.SIMON. BOLIVER TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

DATAÇÃO ANO (S) 2009 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura em bronze, datável do primeiro quartel do século XXI, tendo sido executada em 2009 para homenagear o general e 22


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

NOME Isaque Pinheiro TIPO Autor OFÍCIO Escultor

chão envolvente (em quadrados de pedra – Granito Cinzento Favaco), (…) remete para o chão de uma peixaria, demarca o território da obra e reforça a sua horizontalidade, comunicando harmonicamente com a horizontalidade predominante na paisagem.» Situada junto ao mar, numa vila piscatória conhecida pela pesca do peixe-espada preto. Esta escultura, tem o papel de demonstrar a elevada distância que existe entre o habitat natural do peixe até ser servido numa refeição. A elevada harmonia e simbiose com o meio envolvente permite visualizar o processo que começa no mar com a captura do peixe, a comercialização do mesmo na peixaria e por fim, confeccionado pronto a servir de refeição da população.

IDENTIFICAÇÃO

DIMENSÕES

DESCRIÇÃO Conjunto escultórico agregado executado através do processo aditivo de diversos materiais, Gastronomia – Peixe Espada Preto, visualizamos uma mesa exageradamente comprida onde surge colocado numa extremidade um prato e na outra, um peixe-espada preto. Segundo a memória descritiva existente no livro Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, o «chão envolvente (em quadrados de pedra – Granito Cinzento Favaco), (…), demarca o território da obra e reforça a sua horizontalidade (…).» escultura com grande horizontalidade e um enquadramento harmonioso com o espaço envolvente em que está inserida. Com recurso a fotos publicadas na altura da sua execução e também através da memória descritiva da mesma é possível verificar a verdadeira dimensão da escultura e o elevado simbolismo que alberga em si. Segundo o catálogo, acima referido, o escultor refere que representa «(…) duma maneira figurativa o Peixe Espada Preto sobre o prato e a toalha (representação da Gastronomia). Estes elementos são colocados em cima duma mesa exageradamente comprida, que representa, conceptualmente, o longo caminho que separa o habitat deste peixe, do prato, na nossa mesa de refeição e pronto a ser comido. Assim, o peixe Espada Preto surge colocado numa extremidade da mesa e a toalha com o prato, na outra. (…) Quanto ao

ALTURA (CM) 70 LARGURA (CM) 800 PROFUNDIDADE (CM) 300

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL9 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Gastronomia – Peixe Espada Preto AUTORIA

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foi necessário os materiais seguintes: • 18 Blocos de Traquito ou cantaria “branco sujo” do Porto Santo com as dimensões 50 x 50 x 30 cm; • 6 Blocos de Traquito ou cantaria “branco sujo” do Porto Santo com as dimensões 50 x 50 x 20 cm; • 1 Bloco de Traquibasalto ou cantaria “rija” com as dimensões 65 x 65 x 15 cm; • 1 Bloco de Mármore Pele de Tigre com as dimensões 165 x 130 x 30 cm • 1 Bloco de Mármore creme Pardais veiado com as dimensões 75 x 75 x 12 cm; • 270 Placas de revestimento de Granito cinzento Favaco com as dimensões 50 x 50 x 2 cm;

23


CONSERVAÇÃO

MARCAS / INSCRIÇÕES

ESTADO Mau

LEGENDA / INSCRIÇÃO Peças encontram-se assinadas, datadas e com referência à escala. “ISAQUE / 2004 / 6/10”

MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Não possui legendas ou inscrições. DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL O nome da escultura, “Gastronomia – Peixe Espada Preto”, foi executada durante o Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004 e, é uma peça com desafecto do culto mas com uma grande carga simbólica para a freguesia de Câmara de Lobos como para a população local. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Promenade de Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.647139, -16.977310 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.GASTRONOMIA TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas MINIATURA IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL24

DIMENSÕES ALTURA (CM) 1 (aprox.) LARGURA (CM) 30,05 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 4,81 (aprox.)

24

LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL10 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Bordadeira versus Bordado Madeira

o linho.» O conjunto escultórico foi criado com o objectivo de homenagear todas as bordadeiras como também o bordado Madeira, industria artesanal que ajudou a elevar o nome do arquipélago e que num passado próximo, a base económica de muitas famílias. DIMENSÕES

AUTORIA

ALTURA (CM) 600 LARGURA (CM) 200 PROFUNDIDADE (CM) 30

NOME Martim Veloza e Ricardo Veloza TIPO Autores OFÍCIO Escultores

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foi necessário os materiais seguintes: • 10 Placas de Traquibasalto ou Cantaria “rija” com as dimensões 40 x 15 x 5 cm; • 6 Blocos de Traquito do Porto Santo com as dimensões 100 x 70 x 10 cm aproximadamente. Seleccionar uma disjunção colunar prismática de traquito na pedreira da Rocha de Nossa Senhora e seccionar em fatias; • 20 Pedras de Calhau e/ou seixo rolado com dimensões diversas;

IDENTIFICAÇÃO

CONSERVAÇÃO

DESCRIÇÃO O conjunto escultório Bordadeira versus Bordado Madeira, segundo a memória descritiva é constituído por «duas colunas metálicas assentes no chão, e entre estas, surgem em cantaria do Porto Santo (traquito) lâminas irregulares suspensas, com adornos em cantaria “rija” (traquibasalto) e seixos de praia rolados, ligadas entre si e às colunas por meio de cabos de aço». Entre as duas colunas encontramos diversos fragmentos de cantaria “rija” ornamentados, em baixo e médio-relevo, com elementos característicos do bordado Madeira. Apesar da rigidez da pedra, os elementos iconográficos, presentes nos fragmentos suspensos, proporcionam movimento e leveza ao conjunto escultórico. Segundo o catálogo do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra- SINEP 2004, os escultores referem que «as colunas com os seus 6 metros de altura, simbolizam a força, a perseverança e a grandeza da Bordadeira ao longo dos tempos. As várias lâminas irregulares suspensas e interligadas por cabos de aço e adornadas com alguns dos pontos mais importantes do Bordado Madeira, simbolizam o nascer deste, que não é mais que a conjugação de vários pontos. Por outro lado, tentam também transmitir a leveza bem patente tanto do próprio Bordado como no seu suporte,

ESTADO Regular DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL O nome da escultura “Bordadeira versus Bordado Madeira”, foi executada durante o Simpósio Internacional e, é uma peça com desafecto do culto mas com uma grande carga simbólica para a Região Autónoma da Madeira e todas as Bordadeiras. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO 2004 – Depósito/Armazém 2020 - Quinta Magnólia – Centro Cultural. Escultura emprestada a exposição temporária.

25


IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC. Bordadeira.versus.Bordado TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas

26


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL11 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Painel de Homenagem a Winston Churchill

simultâneo prestou-se homenagem ao tão ilustre diplomata que foi o Winston Churchill. DIMENSÕES ALTURA (CM) 170 LARGURA (CM) 100 PRODUÇÃO

AUTORIA

OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

NOME Henrique Afonso Costa TIPO Autor OFÍCIO Escultor

INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Painel executado em bronze platinado CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a placa identificativa e uma inscrição. Na placa identificativa conseguimos ler o seguinte: “AUTORIA DE HENRIQUE AFONSO COSTA ESTE PAINEL FOI / COLOCADO ANO DE 1981 EM HOMENAGEM A PASSAGEM DE / WINSTON CHURCHILL POR CÂMARA DE LOBOS NO ANO DE 1950”. Por sua vez, na inscrição há a informação: “AQUI PINTOU/ EM 1950 / WINSTON / CHURCHILL” DATAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Painel executado em bronze platinado e conjuga em si, o material utilizado pelo Winston Churchill quando pintou a baía de Câmara de Lobos durante a sua visita à Madeira. Momento simbólico para a freguesia de Câmara de Lobos. Aquando da estadia do diplomata na Ilha da Madeira, Winston Churchill aproveitou a magnifica vista do miradouro do Espirito Santo e Calçada sobre a baia da freguesia e executou uma belíssima pintura. Assim, com a implementação de um painel com linhas estilizadas e ao mesmo tempo realistas, composto por um cavalete de pintura e alguns utensílios associados à prática da pintura, eternizou-se na memória colectiva a passagem do mesmo por Câmara de Lobos e em

ANO (S) 1981 SÉCULO (S) XX JUSTIFICAÇÃO DA DATA Conforme dicionário corográfico de Câmara de Lobos «a colocação deste painel no miradouro teve lugar no decurso de 1981, muito provavelmente em finais de Abril, princípios de Março, uma vez que na sessão camarária de 23 de Abril de 1981, é presente um ofício da Direcção de Turismo da Madeira, pedindo autorização nesse sentido, o que merece não só aprovação como regozijo por parte da Câmara.» ORIGEM HISTORIAL Citando o dicionário corográfico de Câmara de Lobos, havendo «a pretensão de perpetuar a passagem de Winston Churchill por Câmara de Lobos, na sessão camarária de 9 de Março de 1978, é lavrado em ata uma proposta formulada, numa das anteriores sessões, pelo Dr. António Vitorino de Castro Jorge e aprovada por unanimidade, no sentido de que fosse colocada uma estátua de Winston Churchill no miradouro sobranceiro à baía, em cujas proximidades havia estado a pintar. Apesar de aprovada, a proposta não seria concretizada nos moldes unanimemente aceites, mas sob forma de painel em ferro pa27


tinado de bronze com as medidas de 170x100 cm, numa iniciativa não da Câmara Municipal, mas da Direção Regional do Turismo. A colocação deste painel no miradouro teve lugar no decurso de 1981. Por volta de 2002 este painel acabaria por ser retirado para ser substituído provisoriamente por uma tela com a fotografia de Winston Churchill pintando a baía de Câmara de Lobos enquanto um outro painel, em cerâmica, com o mesmo motivo da tela estaria a ser concebido por forma a dar à homenagem um maior impacto e importância. Contudo, atrasos na sua conceção e a necessidade de obras no prédio contíguo ao miradouro do Espírito Santo, que lhe viria a servir de suporte, viriam a condicionar o atraso na sua colocação.» Actualmente o painel continua no miradouro do Espirito Santo e Calçada e está fixo num suporte executado pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 1981 LOCALIZAÇÃO Miradouro do Espirito Santo e Calçada - Estr. João Gonçalves Zarco 78, Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.648062, -16.974034 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Painel. Churchill TIPO Painel Escultórico AUTOR Ricardo Giestas

28


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL12 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Winston Churchill

o visitante possa sentar-se e contemplar a paisagem da baia câmara-lobense. DIMENSÕES ALTURA (CM) 134 (aprox.) LARGURA (CM) 120 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 150 (aprox.) PRODUÇÃO

AUTORIA NOME Martim Veloza TIPO Autor OFÍCIO Escultor

OFICINA / FABRICANTE Fundição Laje LDA LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Vila Nova de Gaia ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em bronze; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom MARCAS / INSCRIÇÕES

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO O conjunto escultórico de Churchill (executado em bronze com dimensões ligeiramente superiores às humanas) recria o momento à qual Churchill sentou-se no miradouro do Espirito Santo e Calçada, em 1950, e pintou a pitoresca baía de Câmara de Lobos. Conforme as palavras do artista, este baseou-se no registo fotográfico existente sobre o momento e criou um molde em dimensões reduzidas da peça. Com uma linguagem actual e com o cunho do traço escultórico do escultor, moldou o barro de forma naturalista e criou uma escultura com semelhanças anatómicas e aproximações ao físico de Winston Churchill. Com o apoio do registo fotográfico da época foi possível verificar as características físicas e identitárias do diplomata proporcionado realismo escultórico. Segundo Martim Veloza, Winston Churchill algumas especificidades anatómicas, «não é alto mas volumoso [e tem uma] cara [com] características» particulares que atribuem singularidade ao mesmo. Político e diplomata de profissão e pintor por hobbie, Churchill imortalizou a vinda a Câmara de Lobos ao pintar a sua baia pitoresca, momento que originou o registo fotográfico utilizado na execução da escultura. Sendo a pintura um momento introspectivo, o escultor juntou à escultura uma cadeira de vimes (característica do artesanato regional) para que,

LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a placa identificativa e uma inscrição. Na placa tem a informação seguinte: “TRIBUTO DO PESTANA GROUP A SIR WINSTON CHURCHILL / VISITA A CÂMARA DE LOBOS, 08 JANEIRO 1950 / INAUGURADO POR MINNIE E JENNIE CHURCHILL / PRESIDENTE DO GOVERNO REGIONAL DA MADEIRA, MIGUEL ALBUQUERQUE / E PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CÂMARA DE LOS, PEDRO COELHO / 26 DE JULHO 2019” temos a informação traduzida para inglês “PESTANA HOTEL GROUP’E TRIBUTE TO SIR WINSTON CHURCHILL / VISIT CÂMARA DE LOBOS, 8RH JANUARY 1950 / INAUGURATED BY MINNIE AND JENNIE CHURCHILL / PRESIDENTE OF THE MADEIRA GOVERNMENT, MIGUEL ALBUQUERQUE / AND MAYOR OF CÂMARA DE LOBOS, PEDRO COELHO / 26TH JUNE 2019”. Na inscrição, junto ao pé esquerdo, obtemos informação sobre a oficina, data e assinatura do escultor “FUNDIÇÃO / LAGE / MARTIM VELOZA / 2018”

29


DATAÇÃO ANO (S) 2018 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Segundo a entrevista realizada ao escultor pela RTP Madeira, Martim Veloza refere que desafiou o novo hotel, a ser construído na altura que teria o nome do político e diplomata Winston Churchill, a serem parceiros para a execução de uma escultura dedicado ao mesmo. Aprovada a maquete, foi realizado o modelo com dimensões maiores que posteriormente foi enviado para a empresa de fundição para criar a escultura definitiva em bronze. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2019 DESCRIÇÃO Informação presenta na placa identificativa da peça. Segundo a entrevista da RTP – Madeira, foi criada uma parceria entre o escultor e hotel. LOCALIZAÇÃO R. Nossa Sra. da Conceição 21-17, 9300-039 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.648037, -16.975566 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Churchill TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas

30


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

PRODUÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL13 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Pessoa

OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

AUTORIA

CONSERVAÇÃO

NOME Jacinto Rodrigues TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ESTADO Bom

INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Madeira;

DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI exposta durante o I Simpósio Internacional em Pedra – SINEP 2004, realizado em Câmara de Lobos. Peça adquirida pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Biblioteca Municipal de Câmara de Lobos, Av. da Autonomia 5, 9300-146 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649355, -16.979249 IMAGEM

IDENTIFICAÇÃO

TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Pessoa TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

DESCRIÇÃO Escultura agregada, sobre um plinto rectangular, em Madeira que conjuga em si, diversas formas geométricas que no seu todo forma um rosto, com uma iconografia que remete o observador para a caricatura. Com a presença de um traço muito característico do escultor, este esculpiu a madeira em formas geométricas que quando conjugadas entre si criam o rosto do escritor Fernando Pessoa. DIMENSÕES ALTURA (CM) 100 (aprox.) LARGURA (CM) 39,5 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 22 (aprox.)

31


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL14 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Sem título

que todos os seus pontos coincidem, harmoniosamente, entre si. DIMENSÕES ALTURA (CM) 130 (aprox.) LARGURA (CM) 14,5 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 35,5 (aprox.) PRODUÇÃO

AUTORIA NOME Xico Lucena TIPO Autor OFÍCIO Escultor

OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Pedra; CONSERVAÇÃO ESTADO Bom DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI exposta durante o I Simpósio Internacional em Pedra – SINEP 2004, realizado em Câmara de Lobos. Peça adquirida pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura monolítica onde observamos elementos de oposição e em simultâneo, a simbiose entre a verticalidade e movimento sinusoidal. Executada em pedra com uma iconografia abstracta assente numa associação recíproca entre a rigidez da verticalidade e do movimento contínuo. Num corte preciso o escultor consegue transmitir a fluidez do movimento. Todavia, conseguimos observar diversos binómios que são veículos de comunicação com quem visualiza a escultura. Num jogo de contrastes (claro/escuro) e também de oposição (recto/curvo), a escultura encaminha o observador para um momento de harmonia proporcionado pelo equilíbrio cromático e simetria formal. Se dobrarmos a peça através, de um eixo horizontal imaginário, concluímos 32

2004 – Exposta no terraço da Casa da Cultura de Câmara de Lobos 2020 - Biblioteca Municipal de Câmara de Lobos, Av. da Autonomia 5, 9300-146 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649355, -16.979249 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.STituloBMCL TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL15 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Gárgula AUTORIA NOME Emanuel Aguiar TIPO Autor OFÍCIO Escultor

rá estar a oferecer protecção. Através de Catarina Alexandra Martins Fernandes Barreira verificamos que «algumas teorias desenvolveram-se baseadas na ideia de que as gárgulas serviam de contraponto entre o exterior e o interior do edifício, sendo que no exterior predominava o mal e no interior o bem, a presença de Deus. Outras hipóteses de leitura baseiam-se nas suas funções, de guardiães, pois um animal feio e grotesco assustava os demónios e protegia assim as paredes do edifício: este aspecto está relacionado com outra das funções que se atribuem às gárgulas, a função apotropaica, ou seja, a maior ou menor capacidade das gárgulas para afastar o mal». Não conseguimos elencar quais os motivos que levaram o escultor a criar uma gárgula para estar exposta no concelho de Câmara de Lobos mas o artista podia querer representar as tensões sociais, religiosas e comportamentais existentes neste concelho onde coexiste um confronto diário entre uma disparidade de assimetrias sociais, económicas e religiosas. Segundo Catarina Alexandra Martins Fernandes Barreira «para além da sua função utilitária, as gárgulas espelharam o quotidiano do homem, com os seus medos e tensões, o seu fascínio por fenómenos sociais e comportamentais e materializaram, sob forma artística, o confronto entre o tecido religioso e o tecido social.» A nível do tratamento linguístico da peça, conseguimos observar influências surrealistas no tratamento escultórico que é uma característica artística das obras do artista. Conforme professor António Carlos Jardim Valente, um caso curioso na Madeira «é a permanência de um surrealismo de raiz daliniana, que tem alguns escultores como Eleutério Mota, José Alberto de Abreu (Berto) e, como o seu representante mais profícuo, Emanuel Aguiar.» Actualmente, passados trinta anos as influências surrealistas continuam presentes e são uma característica do artista. Presentemente, a escultura não se encontra nos Paços do Concelho de Câmara de Lobos tendo sido transferida para o pátio interior existente na Casa da Cultura de Câmara de Lobos.

IDENTIFICAÇÃO

DIMENSÕES

DESCRIÇÃO Escultura em posição sentada, segura algo com a mão direita, com uma anatomia não proporcional às dimensões humanas mas com uma enorme verticalidade e iconografia zoomórfica. Conjuga harmoniosamente influências artísticas góticas e contemporâneas. O escultor na realização desta peça inspirou-se na imagética gótica e no simbolismo que esta figura tinha para a sociedade da época, mais concretamente no campo religioso. Quando observamos a escultura verificamos que tem pernas de centauro, asas de grifo, peito e braços de Homem em posição de descanso. A mão direita levantada transmite que está a oferecer algo a quem a visualiza e sendo uma gárgula, que possui um elevando simbolismo esotérico e religioso, pode-

ALTURA (CM) 150 (aprox.) LARGURA (CM) 50 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 80 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução da escultura em pedra foram necessário os materiais seguintes: • Traquibasalto (cantaria “rija” cinzenta) • Tufo de Lappilli (cantaria “mole”) 33


CONSERVAÇÃO ESTADO Regular MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO No plinto da escultura encontramos a assinada e data de execução, “EMANUEL / 97” DATAÇÃO ANO (S) 1997 SÉCULO (S) XX ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XX executada durante a I Semana da Pedra – Câmara de Lobos e, é uma peça com desafecto do culto. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 1997 LOCALIZAÇÃO 1997 – Paços do Concelho de Câmara de Lobos 2006 – Casa da Cultura de Câmara de Lobos, R. São João de Deus 40 S, 9300-392 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649076, -16.976130 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Gárgula TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

34


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL16 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Flor Viva AUTORIA NOME Manuel Patinha TIPO Autor OFÍCIO Escultor

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura agregada, em metal, composta por um semicilindro circular encimado por uma flor em forma de chama de fogo. Com uma linguagem artística com características singulares que é muito própria e característica das esculturas em ferro executadas pelo escultor. O nome da escultura, Flor Viva, automaticamente remete o nosso pensamento para dois conceitos, o de vida e de flor. Porém, quando observamos atenciosamente, o nosso inconsciente faz-nos ver uma tocha acesa. Sabendo que, o escultor trabalha muito com a simbologia das formas, dos objectos e com o meio onde a peça estará inseria automaticamente concluímos que esta escultura alberga em si um forte pendor simbólico associado ao ciclo da vida, alusão a várias tríades e também tem uma conexão divina e espiritual.

A flor detém uma simbologia relacionada com o ciclo da vida, perfeição espiritual, com a criação, com a alma e acima de tudo com o amor. Quando conjugado com um botão em forma de tocha encaminha o pensamento para o desabrochar do botão de rosa que significa o segredo e o mistério da vida. Falar sobre a vida, obrigatoriamente, temos que reflectir a questão da alma, na transcendência do espirito, na purificação e num amor espiritual. Quando reflectimos a nível religioso, a chama transcende para a esfera divina pois esta traz consigo o Espirito Santo. No Cristianismo há várias referências à chamada Divina, é possível verifica-lo na Bíblia Sagrada no livro do Pentecostes ao referir que «Cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem» (At 2, 2-4). Esta flor viva em forma de tocha metaforicamente representa a razão e a paz. Dois conceitos necessários para nós, enquanto Humanos, consigamos viver em harmonia e equilíbrio com a vida terrena e espiritual. No entanto, quando olhamos a escultura e reflectimos sobre a sua forma, conseguimos ver um triângulo equilátero voltado para cima. Uma figura geométrica simples mas repleta de significados e que em si, reside todas as simbologias acima referidas. O triângulo é o símbolo da trindade dos deuses - Santíssima Trindade e como é constituído por três segmentos idênticos faz alusão a várias tríades, como, por exemplo o início, o meio e o fim; o corpo, a alma e o espírito; o homem, a mulher e a criança. Por sua vez, a tríade encaminha-nos para número três simboliza a perfeição e a unidade. Nesta escultura, o escultor Manuel Patinha consegue conjugar diversas simbologias e significados que quando vistas no todo, encaminham o observador para uma viagem introspectiva onde irá reflectir sobre a sua crença e vida. DIMENSÕES ALTURA (CM) 54,5 (aprox.) LARGURA (CM) 26 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 7,5 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Metal;

35


CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI exposta durante o I Simpósio Internacional em Pedra – SINEP 2004, realizado em Câmara de Lobos. Peça adquirida pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Casa da Cultura de Câmara de Lobos, R. São João de Deus 40 S, 9300-392 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649076, -16.976130 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Flor. viva TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

36


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL17 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas DENOMINAÇÃO Tensão TÍTULO Tensão

ALTURA (CM) 300 (aprox.) LARGURA (CM) 60,5 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 1,5 (aprox.)

AUTORIA NOME Martim Veloza TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Metal; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI exposta durante o I Simpósio Internacional em Pedra – SINEP 2004, realizado em Câmara de Lobos. Peça adquirida pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública.

IDENTIFICAÇÃO INCORPORAÇÃO DESCRIÇÃO A escultura representa um Homem, sem características de género, em constante tensão por estar a segurar ou puxar através de uma corda um pano de fundo que pode representar a vida do mesmo. Quando visualizamos a peça, o primeiro impacto que obtemos é provocado pelo contraste de cores realizado entre o grande pano de fundo preto e o Homem a vermelho. Contraste esse que transmite a agressividade existente no acto de viver. Viver o presente é um mistério representado metaforicamente pelo fundo preto que é agarrado pelo Homem com paixão, amor, energia sem conhecer os perigosos e consequências dos comportamentos e atitudes no futuro. Segundo o dramaturgo William Shakespeare em As You Like I, refere que «All the world’s a stage, And all the men and women merely players; They have their exits and their entrances, And one man in his time plays many parts». Esta escultura transmite ao visualizador a constante “Tensão” que o Homem encontra em todas as acções ao longo da sua vida. Momentos de guerra, luta, de paixão e amor. Porém, viver será sempre um mistério que o Homem segura com toda a força.

ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Casa da Cultura de Câmara de Lobos, R. São João de Deus 40 S, 9300-392 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649076, -16.976130 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Tensão TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

37


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

PRODUÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL18 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Churchill

OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

AUTORIA

CONSERVAÇÃO

NOME Nicolau Viana TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ESTADO Muito Bom

INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Metal;

MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a assinatura do escultor: “NICOLAU VIANA”

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura em metal que recria o momento que Winston Churchill pintou a baía de Câmara de Lobos. Ao colocarmos a foto tirada em 1950 ao lado desta escultura observamos que há coincidência iconográfica. Todavia, esta escultura quando observada atenciosamente, verificamos que pode ser dividida em dois planos de leitura formal que fornecem diferentes informações sobre a época. Num primeiro plano encontramos Winston Churchill a pintar acompanhado pelo “mordomo” que segura a “sombrinha/ guarda-chuva” para proteger o diplomata do sol enquanto cria a sua obra. No segundo plano, adquirimos informação sobre a malha urbanística, em 1950, de determinada zona (baía e ilhéu) da freguesia de Câmara de Lobos. Nesta escultura, em simultâneo, o artista consegue homenagear a presença do diplomata e político britânico na freguesia de Câmara de Lobos como também, teve a primazia de caracterizar o urbanismo dessa época que permite traçar e estudar a evolução do planeamento urbano da cidade. DIMENSÕES ALTURA (CM) 44,5 (aprox.) LARGURA (CM) 46 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 17,5 (aprox.) 38

DATAÇÃO ANO (S) Não determinado SÉCULO (S) Não determinado ORIGEM HISTORIAL Não determinado FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) Não Determinado LOCALIZAÇÃO Casa da Cultura de Câmara de Lobos, R. São João de Deus 40 S, 9300-392 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649076, -16.976130 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Churchill TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

CONSERVAÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL19 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO A Mulher do Pescador

ESTADO Bom

AUTORIA NOME José Encarnação TIPO Autor OFÍCIO Escultor

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura representa a mulher do pescador que fica em casa a cuidar dos filhos enquanto o marido sai para o mar pescar. A mulher tinha a função de cuidar da vida doméstica, educar e ensinar os filhos para a vida adulta. Pela iconografia do conjunto, há a exaltação da fertilidade feminina ou do casal devido à diversidade dos tamanhos dos pequenos calhaus que representam os filhos do casal como também, a anatomia da esposa que aparenta estar grávida. Uma das características do agregado familiar das famílias típicas de Câmara de Lobos é o elevado número de filhos.

MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a assinatura do escultor: “E”

DIMENSÕES ALTURA (CM) 22 LARGURA (CM) 22 PROFUNDIDADE (CM) 22 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Pedra (basalto);

39


DATAÇÃO ANO (S) 1995 SÉCULO (S) XX ORIGEM HISTORIAL O escultor, José Encarnação, é um artista conterrâneo do concelho de Câmara de Lobos, nos dias de 11 a 30 de Abril de 1995, realizou uma exposição retrospectiva na Casa da Cultura de Câmara de Lobos onde expos um conjunto de esculturas, executadas ao longo da sua carreira artística, com simbolismo para a população local. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) Não Determinado LOCALIZAÇÃO Casa da Cultura de Câmara de Lobos, R. São João de Deus 40 S, 9300-392 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649076, -16.976130 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Mulher. Pescador TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

40


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

PRODUÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL20 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Pluri/Uno

OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

AUTORIA

CONSERVAÇÃO

NOME Paulo Neves TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ESTADO Muito bom

INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Pedra;

DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI exposta durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, realizado em Câmara de Lobos. Peça adquirida pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004

IDENTIFICAÇÃO

LOCALIZAÇÃO

DESCRIÇÃO Escultura Pluri/Uno composta por dois rostos com formas geométricas e verticalidade onde o olhar possui orientação frontal com o observador. Aqui encontramos diversos binómios, tal como no título, Pluri/Uno, podemos associar ao yin/yang, às trevas/Luz e ao claro/ escuro. Todos eles têm em comum o equilíbrio, elemento essencial para a conivência e convivência dos opostos na sociedade. A sociedade é constituída por um conjunto de cidadãos, todos Eles indivíduos, sejam agentes sociais activos ou passivos, homens ou mulheres, com características únicas que coabitam no mesmo território independentemente das diferenças entre os pares. Todavia, uma sociedade alberga em si, a sua identidade e cultura que são elementos característicos da sua unicidade em contexto mundial.

Gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Pluri. Uno TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

DIMENSÕES PEÇA BRANCA ALTURA (CM) 11 (aprox.) LARGURA (CM) 25 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 9 (aprox.) PEÇA NEGRA ALTURA (CM) 11 (aprox.) LARGURA (CM) 25 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 9 (aprox.) 41


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

INFORMAÇÃO TÉCNICA

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL21 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Figura sentada

MATÉRIA Escultura em Pedra;

AUTORIA

ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI

NOME Volker Schnuttgen TIPO Autor OFÍCIO Escultor

CONSERVAÇÃO ESTADO Muito bom DATAÇÃO

ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI exposta durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, realizado em Câmara de Lobos. Peça adquirida pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Conjunto de blocos rectangulares que formam uma figura antropomórfica em posição de repouso. Momento à qual o Homem descansa e há repouso do corpo, da mente e de lazer. A parte inferir da peça, que caracterizam as pernas da figura, apresentam linhas rectas bem definidas como a curvatura da perna dobrada. Por sua vez, o tronco da escultura, é composto por um bloco com linhas curvas que deixam em aberto o género da figura representada. Transmite ao observador a indefinição, como se tratasse de um Ser andrógino. DIMENSÕES ALTURA (CM) 22 (aprox.) LARGURA (CM) 22 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 19 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

42

TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Figura.Sentada TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas MINIATURA IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL22


DIMENSÕES ALTURA (CM) 9,5(aprox.) LARGURA (CM) 4 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 11 (aprox.) MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Peça encontra-se assinada: “VS”

LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131

43


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

INCORPORAÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL25 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura DENOMINAÇÃO Miniatura TÍTULO Bordadeira vs Bordado Madeira

ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM

AUTORIA NOME Martim Veloza e Ricardo Veloza TIPO Autores OFÍCIO Escultor

DIMENSÕES ALTURA (CM) 7(aprox.) LARGURA (CM) 40 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 5 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Pedra; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito bom DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional da Pedra em 2004. Todos os escultores que participaram na mesma realizaram um conjunto de miniaturas da escultura pública que executaram. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública.

44

TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Sem. Título.Miniatura TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

ORIGEM

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL26 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura DENOMINAÇÃO Miniatura TÍTULO Bendito Lagar

HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra em 2004. Todos os escultores que participaram na mesma realizaram um conjunto de miniaturas da escultura pública que executaram. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública.

AUTORIA

ANO (S) 2004

NOME Manuel Patinha TIPO Autor OFÍCIO Escultor

LOCALIZAÇÃO

INCORPORAÇÃO

Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Bendito.Lagar TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

DIMENSÕES ALTURA (CM) 6,5 (aprox.) LARGURA (CM) 12 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 15 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em granito cinzento Favaco; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito bom DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI

45


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

CONSERVAÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL27 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura DENOMINAÇÃO Miniatura TÍTULO Flor de Cerejeira / Jardim em Flor

ESTADO Muito bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO A peça encontra-se assinada

AUTORIA NOME Jacinto Rodrigues TIPO Autor OFÍCIO Escultor

DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra em 2004. Todos os escultores que participaram na mesma realizaram um conjunto de miniaturas da escultura pública que executaram. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO DIMENSÕES ALTURA (CM) 17,5 (aprox.) LARGURA (CM) 6,7 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 7 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Pedra;

46

Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Cerejeira.flor TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

MARCAS / INSCRIÇÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL28 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura DENOMINAÇÃO Miniatura TÍTULO Agricultura

LEGENDA / INSCRIÇÃO As peças encontram-se assinadas: “E”

AUTORIA NOME José Encarnação TIPO Autor OFÍCIO Escultor

DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra em 2004. Todos os escultores que participaram na mesma realizaram um conjunto de miniaturas da escultura pública que executaram. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO DIMENSÕES

ANO (S) 2004

ALTURA (CM) 14 (aprox.) LARGURA (CM) 7 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 6 (aprox.)

LOCALIZAÇÃO

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em tufo de Lapilli;

Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Agricultura TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

CONSERVAÇÃO ESTADO Muito bom

47


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL29 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura DENOMINAÇÃO Miniatura TÍTULO Fonte da Vida

ILUSTRAÇÃO 1: ALTURA (CM) 7 (aprox.) LARGURA (CM) 5 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 5 (aprox.) ILUSTRAÇÃO 2: ALTURA (CM) 23 (aprox.) LARGURA (CM) 11 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 8,5 (aprox.)

AUTORIA PRODUÇÃO NOME Matthias Contzen TIPO Autor OFÍCIO Escultor

OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Mármore Creme Pardais veiado; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito bom MARCAS / INSCRIÇÕES

Ilustração 1 - Fonte da Vida I

LEGENDA / INSCRIÇÃO Na Ilustração 2, a peça encontra-se assinada. “M. CONTZEN 04”

DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra em 2004. Todos os escultores que participaram na mesma realizaram um conjunto de miniaturas da escultura pública que executaram. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004

Ilustração 2 - Fonte da Vida II

48


LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Fonte. Vida TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

49


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL30 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Peixeiro

ALTURA (CM) 61 (aprox.) LARGURA (CM) 15 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 62 (aprox.)

AUTORIA NOME Gilberto Melim TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determiando LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA metal; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Peça encontra-se assinada e possui placa identificativa. “G M 2015” e com a inscrição “GILBERTO MELIM / PEIXEIRO / 2015”

DATAÇÃO ANO (S) 2015 SÉCULO (S) XXI ORIGEM IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura construída em metal, com recurso a uma linguagem artística naturalista, o artista recria o momento em que o pescador está a chegar a terra com o peixe. A Freguesia de Câmara de Lobos, vila piscatória, encontra na pesca um meio de subsistência da sua população. Na caracterização da figura, o escultor consegue transmitir o cansaço e desgaste físico provocado pelas saídas contínuas, sem certezas de regresso a casa. Com um olhar frontal direccionado para o vazio (infinito), provocado pelas longas horas passadas a pescar em alto mar onde tudo o que se vê é longínquo (horizonte). A presente verticalidade da peça represente a persistência deste povo na luta diária e força necessária para pescar e que no final, mesmo cansado é compensatório porque regressa a terra carregado de peixe, em cima de uma pequena embarcação a motor.

50

HISTORIAL Peça é uma homenagem ao pescador FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2015 LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Peixeiro TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL31 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO S/ Título

ALTURA (CM) 200 (aprox.) LARGURA (CM) 110 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 40 (aprox.)

AUTORIA NOME Paulo Neves TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não Determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Pedra, ferro e madeira; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito bom DATAÇÃO ANO (S) 2004/2005 (aprox.) ORIGEM HISTORIAL Não Determinado FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) Não Determinado LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO A escultura composta por uma base pentagonal grotesca donde emergem, aleatoriamente distribuídos por toda a base, vários ferros verticais encimados por caras triangulares. Ao olhar atentamente para a peça, automaticamente visualizamos a linguagem artística (caras com formas geométricas) do escultor. Contudo, quando questionamos a composição formal, verificamos que a base assemelha-se à forma da ilha da Madeira com uma orografia muito específica pela confluência de diversos relevos. Por sua vez, todo o seu território, alberga em si, uma enorme diversidade populacional. Tal como no hino regional, esta peça é uma contínua homenagem à montanha, mar e do povo caloroso que são elementos característicos da região. Uma ilha pequena com uma enorme pluralidade cultural e social e, que tem a capacidade de integrar na sua comunidade todos aqueles que nela querem pertencer.

TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.SemTítulo(caras) TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

51


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL32 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Rendimento Diário AUTORIA NOME António Rodrigues TIPO Autor OFÍCIO Escultor

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Rendimento Diário, é uma escultura agregada executada através do processo aditivo de diversos géneros de pedra (cantaria rija, tufo e mármore). Esta é constituída por duas colunas de diferentes dimensões, na qual, a mais alta é encimada por um pombo branco e segura uma caixa com uma ranhura, como se fosse um mealheiro e possui a silhueta de um menino. Porque este título? Quando conjugamos o título com a forma escultórica automaticamente reflectimos sobre os meninos das caixinhas. Meninos estes, que estão associados a um momento negro, compreendidos entre os anos 70, 80 e 90, da história e sociedade câmara-lobense. Segundo o escultor, António Rodrigues, numa entrevista à RTP Madeira, «a escultura retracta uma mãe, uma avó, uma tia ou uma tia-avó. Uma matriarca! Que era a senhora encarregue de receber no fim do dia, noite ou dia seguinte aquela quantia estipulada que os meninos eram encarregues de recolher. Neste caso, era um peditório como fazem na cruz vermelha mas chamavam a pedincha.» É no seguimento deste comportamento social, característico dos bairros piscatórios de Câmara de lobos onde habitavam famílias problemáticas e disfuncionais, que as crianças eram usadas para obtenção de rendimentos económicos diários. Segundo a entrevista “Madeira: seis anos depois do escândalo da pedofilia”, do periódico público, os meninos 52

das caixinhas possuíam pais «pescadores, alcoólicos, jogadores de “batota”, reduziram as suas mulheres a fábricas de filhos e logo converteram os filhos em fonte de receita. Outros agregados - do Ilhéu de Câmara de Lobos, de alguns bairros e furnas, igualmente pobres, igualmente desestruturados - seguiram-lhes o exemplo.» A forma como estes jovens obtinham o dinheiro que permitia regressar a casa, ter acesso a uma refeição quente e cama para dormir não interessava, muitos pediam pelas ruas do Funchal, alguns mergulhavam no mar para apanhar moedas atiradas pelas pessoas (residentes ou turistas) mas, muitos deles foram vítimas de abusos sexuais de menores e redes de pedofilia. Alvos fáceis para os predadores sexuais, que por troca de dinheiro e afecto abusavam sexualmente destas crianças que também, foram utilizados pela indústria cinematografia de pornografia infantil. Segundo a reportagem “Meninos de Ninguém, do periódico Público, referem que «Dá-se-lhe um chupa-chupa e o miúdo, de seis anos, está a abraçar as pernas da desconhecida, a alinhar a cabeça no seu colo, a puxar o caderno para fazer desenhos. Desenha, risca, ri-se. Passa-se-lhe a mão pelo cabelo curto, muito louro. E ele roça-se. Que desejos lhe é lícito formular? São meninos de ninguém. Carentes de tudo, sobretudo de afecto, como salienta o comissário de Câmara do Lobos, Roberto Fernandes, que está a fazer uma pós-graduação em menores em risco. “Qualquer coisa - de que gostem ou necessitem - influencia o seu comportamento e pode levá-los a contactos de índole sexual com pessoa bem ou mal intencionada”, admite.» Um problema social que marcou a sociedade câmara-lobense, criou-se um estigma social que veio a aumentar a exclusão da mesma. Um elevado índice de analfabetismo, pobreza e disfuncionalidade familiar que deixaram marcas profundas nestes meninos. Segundo «Samuel Freitas, do Instituto de Reinserção Social, (…). Fala de uma exclusão que “não é só económica, que é também cultural e educacional”, para explicar a sub-cultura que existe no Bairro das Malvinas, em Câmara de Lobos. Mas a realidade põe a nu a falência do sistema: parte dos miúdos que foram abusados passaram por centros de acolhimento, de onde tendiam a fugir Habituados a viver na rua, sentiam-se, como explica o comissário Fernandes, claustrofóbicos. E a educação alternativa, que lhes estava a ser dada pelo Movimento Apostolado das Crianças, foi-lhes negada. Ninguém os ajudou.» O escultor, António Rodrigues, enquanto professor de alguns destes meninos, decidiu executar uma escultura em homenagem destes meninos. Assim imortaliza na memória colectiva os meninos das caixinhas e as vivências que existiram nesta vila piscatória que ainda hoje, em pleno século XXI, são fantasmas do passado que habitam e atormentam a vida de alguns agregados familiares locais. Um problema social que continua a afectar emocionalmente a população local.


DIMENSÕES ALTURA (CM) 260 (aprox.) LARGURA (CM) 170 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 40 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Escultura em Pedra; CONSERVAÇÃO ESTADO Regular DATAÇÃO ANO (S) 1997 SÉCULO (S) XX ORIGEM HISTORIAL Escultura executada no último quartel do século do século XX, durante a I Semana da Pedra em 1997 – Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 1997 LOCALIZAÇÃO 1997 – Paços do Concelho da Câmara Municipal de Câmara de Lobos; 2006 - Garagem da Casa da Cultura de Câmara de Lobos 2020 - Garagem da Biblioteca Municipal de Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649355, -16.979249 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Rendimento.Diário TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

53


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL33 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Monumento ao Emigrante AUTORIA NOME Não determinado TIPO Autor OFÍCIO Escultor

paração os residentes em Portugal Continental. Contudo, no período em questão, havia madeirenses a residir em todos os Continentes mas o grande fluxo migratório foi para a América Latina – Venezuela. Câmara de Lobos, vila piscatória, viu muitos dos seus residentes a abandonar a terra natal e migrar à procura de melhores condições de vida. Segundo a informação disponível no dicionário corográfico de Câmara de Lobos, «este monumento feito em pedra com um globo dourado no cimo e com um mapa da baía de Câmara de Lobos, em pedra e em metal,(…)» É esta perseverança, resiliência e força de vontade do povo câmara-lobense em lutar por melhores condições de vida que se encontra caracterizada pela verticalidade da peça e rigidez do seu material. DIMENSÕES ALTURA (CM) Não determinado LARGURA (CM) Não determinado PROFUNDIDADE (CM) Não determinado PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Não determinado ESCOLA / MOVIMENTO Não determinado INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução desta escultura foram utilizados os materiais seguintes: • Metal • Pedra CONSERVAÇÃO ESTADO Inexistente DATAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura composta por figuras geométricas sólidas obtidas com a conjugação de um rectângulo, com um triângulo equilátero e uma esfera. A conjugação dos elementos geométricos proporcionam verticalidade à peça. Ao longo dos séculos, nomeadamente a partir dos descobrimentos e expansão portuguesa, que existem movimentos migratórios bem cimentados na população portuguesa e o século XX não foi excepção nos fluxos migratórios. Os grandes conflitos bélicos que ocorram na Europa, as crises económicas e o regime ditatorial vivido em Portugal até 1974 fomentaram a procura de melhores condições de vida no estrangeiro. A Região Autónoma da Madeira não foi excepção e, nesta altura como na actualidade, possui os seus movimentos migratórios. Todavia, há diferença nos destinos finais escolhidos pelos residentes na região em com54

ANO (S) 1987 SÉCULO (S) XX ORIGEM HISTORIAL Escultura do último quartel do século XX, segundo a informação disponível no dicionário corográfico de Câmara de Lobos é «dedicado ao emigrante e inaugurado no dia 16 de Outubro de 1987, por Sua. Excelência o Secretário Regional da Educação», foi oferecida à Câmara Municipal de Câmara de Lobos por um grupo de emigrantes venezuelanos no concelho. O monumento ao emigrante permaneceu exposto no Largo da República até 2004, momento à qual a praça foi alvo de obras de reabilitação urbana e a escultura ficou muito danificada, tendo sido removida e inutilizada. Actualmente, preserva-se na memória a existência da mesma através dos registos fotográficos e documentos oficiais sobre a escultura.


FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 1987 LOCALIZAÇÃO Não se encontra exposta ao público. Coordenadas GPS: Sem Coordenadas GPS IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO TIPO MCL.ESC. Emigrante TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

55


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL34 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Laurea Campanil

ALTURA (CM) 350 (aprox.) LARGURA (CM) 80 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 50 (aprox.)

AUTORIA NOME Moisés Preto Paulo TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foi necessário os materiais seguintes: • Traquibasalto (cantaria “rija” cinzenta) - Coluna principal com baixos-relevos; • Traquito do Porto Santo (cantara “branco sujo”) - Barca / Base; • Tufo de Lapili vermelho (cantaria “mole”) - Barca / Velas; CONSERVAÇÃO ESTADO Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO A escultura encontra-se assinada e datada. “ MOISES 97”

DATAÇÃO ANO (S) 1997 SÉCULO (S) XX IDENTIFICAÇÃO

ORIGEM

DESCRIÇÃO A Escultura Laurea – Campanil, pretende representar a elevação das capacidades humanas em sintonia permanente com os ritmos da Natureza, com especial destaque às Navegações, aos Poetas e aos Mensageiros do Sonho. A nível formal, é representada por um elemento vertical (Marco-Padrão) e respeita os princípios construtivistas e abstractos, sendo constituída por um conjunto de elementos simbólicos alusivos à grandeza dos Homens e da Natureza. Nela se destaca uma composição formada por três elementos: coluna geométrica (elemento racional), suportada por um feixe de troncos de árvore (elemento orgânico), elevando o elemento superior em forma de barca.

HISTORIAL Não determinado; FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública.

56

INCORPORAÇÃO ANO (S) 1997 LOCALIZAÇÃO R. Pedra Pina Ferreira na intersecção com a R. Dr. Carlos Manuel Henriques Pereira. Coordenadas GPS: 32.647691, -16.971924


IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Laurea.Campanil TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

57


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

PRODUÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL39 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO À Flor da Terra uma Flor de Pedra

OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Bloco de Traquibasalto (cantaria “rija” cinzenta)

AUTORIA CONSERVAÇÃO NOME Armândio Manuel Abreu de Sousa TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ESTADO Muito Bom DATAÇÃO ANO (S) 1997 SÉCULO (S) XX ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XX executada durante o I Semana da Pedra em Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 1997 MODO DE INCORPORAÇÃO Oferta DESCRIÇÃO Executado na I Semana da Pedra – Câmara de Lobos LOCALIZAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura em pedra com uma iconografia abstracta. Com recurso a uma composição onde conjuga sólidos geométricos rectos e curvos, o escultor cria um padrão/marco, para homenagear o Homem enquanto Ser e Individuo racional e emocional. Concebida virtualmente para um espelho de água ou uma superfície relvada, esta escultura pretende representar na sua volumetria de linhas simples e geométricas, um elemento que nos é muito familiar, uma flor, numa relação directa e quase espontânea com a natureza que nos rodeia. DIMENSÕES ALTURA (CM) 170 (aprox.) LARGURA (CM) 80 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 10 (aprox.)

58

1997-2005 Largo da República, actual praça do Município 2020 – Armazém municipal. IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Flor. Pedra TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL40 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Motivos escultóricos

ALTURA (CM) 260 LARGURA (CM) 90,5 PROFUNDIDADE (CM) 70,5

AUTORIA NOME Martim Veloza TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Ferro; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom DATAÇÃO ANO (S) 2002 SÉCULO (S) XXI ORIGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Conjunto escultórico, em ferro, com elevado simbolismo para o espaço cultural. Todas as peças foram criadas, tendo por base, os livros e todas as histórias que estes albergam dentro de si. Sejam livros de literatura, cultura, ligeiros ou infantis possibilitam ao leitor viajar e imaginar as estórias presentes nos mesmos. Este conjunto escultórico constituído por duas peças independentes, uma colocada no átrio Norte e outra no átrio Sul, eleva e homenageia os livros para a vida, desenvolvimento e crescimento do Homem enquanto Ser Humano. Assim, no átrio norte: alegoria à biblioteca, em ferro, traduzida num movimento, num soltar ou projectar de folhas onduladas de papel para o alto. Átrio sul: elemento decorativo também em ferro, tendo de igual forma por base o movimento de soltar de folhas de papel, mas na horizontal, como que orientando os leitores no sentido do interior do edifício e da biblioteca.

HISTORIAL A Casa da Cultura de Câmara de Lobos foi inaugurada a 6 de Dezembro de 2001. Algum tempo depois da sua inauguração e com a entrada do novo elenco camarário em funções, o espaço cultural haveria de ser alvo de uma significativa intervenção estética, tendo ficado ainda enriquecida com dois motivos escultóricos da autoria do escultor Ricardo Veloza. Um no átrio de entrada norte, voltado para a Rua Padre Clemente Nunes Pereira e outro no átrio da entrada sul voltado para a Rua São João de Deus. Estando inicialmente previsto neste edifício funcionar a biblioteca municipal e tendo sido essa informação transmitida ao escultor, para realização do trabalho. Este inspirar-se-ia nas folhas de papel que servem de base à escrita dos livros. Ambas as obras seriam inauguradas, tal como as obras de remodelação do edifício, no dia 16 de Outubro de 2002. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2002 LOCALIZAÇÃO 2002 - Casa da Cultura de Câmara de Lobos, R. São João de Deus 40 S, 9300-392 Câmara de Lobos 2014 - Remoção da escultura Folhas Soltas (Átrio sul), no âmbito das obras de criação da Galeria de Arte da Casa da Cultura de Câmara de Lobos 2019 - Remoção da Alegoria à biblioteca (Átrio norte) para ação de restauro 59


2020 - Alegoria à biblioteca (Átrio norte) - Casa da Cultura de Câmara de Lobos, R. São João de Deus 40 S, 9300-392 Câmara de Lobos; Folhas Soltas (Átrio Sul) – Armazém; Coordenadas GPS: 32.649076, -16.976130 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Conj. CCCL TIPO Conjunto Escultórico AUTOR Ricardo Giestas

60


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL41 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO The florest Green Dancers

ALTURA (CM) 39,5 (aprox.) LARGURA (CM) 25,5 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 13,5 (aprox.)

AUTORIA NOME Matthias Contzen TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Não Determinado ESCOLA / MOVIMENTO Não Determinado INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Pedra; CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI exposta durante o I Simpósio Internacional em Pedra – SINEP 2004, realizado em Câmara de Lobos. Peça adquirida pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004

IDENTIFICAÇÃO LOCALIZAÇÃO DESCRIÇÃO A Escultura The florest Green Dancers composta por quatro colunas com alternância de cor (preto e cinza), unidas entre si mas independentes umas das outras. As diferentes posições e forma das colunas proporcionam um constante movimento da mesma. Albergam uma imponente verticalidade para com o meio mas quando observamos, o jogo de cores claro/escuro e a sua disposição espacial ludibriam o olhar numa ilusão de movimento ao sabor do vento. Nesta escultura, encontramos a linguagem artística do escultor quando tenta recriar o movimento irregular das árvores ao sabor do vento. Cada ramo e folha desloca-se sublimemente, entre o vento, como se estivesse a dançar consigo próprias. Repletas de sublimes e harmoniosos movimentos, estas proporcionam um jogo de cores de claro/escuro, luz/sombra e rigidez/movimento que apaixonam o olhar do espectador. Como se estivéssemos a assistir a um bailado de balé clássico onde as figuras voam apaixonadamente sobre o palco.

Gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Florest TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

61


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DIMENSÕES

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL42 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Abrigo Orgânico / Casamento Orgânico

ALTURA (CM) 400 (aprox.) LARGURA (CM) 50 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 50 (aprox.)

AUTORIA NOME João Antero TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução da escultura foram utilizados os materiais seguintes: • Tufo de Lapilli Lilás (cantaria “mole”) • Traquito do Porto Santo (cantaria “branco sujo”) CONSERVAÇÃO ESTADO Bom DATAÇÃO ANO (S) 1997 SÉCULO (S) XX ORIGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO A composição escultórica em questão, pretende referenciar valores locais do Arquipélago da Madeira. Chamar-se-lhe-ia “Abrigo Orgânico / Casamento Orgânico” pela utilização de duas matérias (pedra) diferentes provenientes das ilhas da Madeira e do Porto Santo. Uma é do fogo, vulcânica, avermelha/sanguínea, traduzida num elemento Orgânico/ Árvore; a outra vem das profundezas da Natureza, Traquítica de cor branca cristalina, é representada por duas colunas orientadas no alinhamento do elemento central (árvore). Estas são encimadas por uma “copa” de pedra vulcânica, tomando o carácter de “Guardas de Honra” do Universo da Natureza; como se de um casamento se tratasse entre as pedras, pessoas de ilhas diferentes. Todavia, há uma terceira coluna, cilíndrica e com o topo bifurcado colocada a meio, das outras colunas, executada com o mesmo tipo de pedra das copas. A coluna central conjugada com as copas formam uma árvore que protege as restantes colunas, como se de um abrigo se tratasse. Por sua vez, podemos reflectir sobre a simbiose dos diferentes materiais e a coluna central é a testemunha deste casamento entre materiais antagónicos.

62

HISTORIAL Escultura do Século XX executada, em 1997, durante a I Semana da Pedra em Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 1997 LOCALIZAÇÃO Entrada/saída da via rápida no ilheuzinho; Coordenadas GPS: 32.657672, -16.973330 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Orgânico TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL43 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Cruzeiro da Independência AUTORIA NOME Ângelo Menezes Marques TIPO Autor OFÍCIO Escultor

redenção, a Cruz de pedra, tosca ou lavrada, de granito ou de mármore perpetuará a grandeza das nossas causas defendidas em nome de Deus e da Pátria e há-de lembrar-nos Ourique, Valvedez e Aljubarrota; há-de levar-nos ao coração a fé intemerata e o heroísmo de Afonso Henriques e de Nuno Alvares.» PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não Determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA pedra de cantaria CONSERVAÇÃO ESTADO Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a inscrição seguinte: “FUNDAÇÃO- 1140/ RESTAURAÇÃO1640/ ANO ÁUREO- 1940/ MANDADO ERIGIR PELA CÂMARA MUNICIPAL DE CÂMARA DE LOBOS” DATAÇÃO ANO (S) 1941 SÉCULO (S) XX ORIGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO No ano de 1940, comemorou-se a Fundação de Portugal em 1140 e a Restauração da Independência em 1640, dois centenários com elevado simbolismo nacional. Neste mesmo ano, para marcar os centenários foi inaugurado a exposição Mundo Português que homenageou os feitos Portugueses ao longo da sua história. No arquipélago da Madeira a data foi marcada com o erguer do Cruzeiro da Independência. Segundo o dicionário corográfico de Câmara de Lobos, «(…) A comemoração do duplo centenário ficará assim relembrada em pedra, a falar aos vindouros, duma data que nos recorda a nossa grandeza e soberania, bem firmes e sólidas ao cabo de oito séculos de existência. (…) O Cruzeiro da Independência unirá assim, neste momento histórico, todos os corações portugueses num só pensamento e numa só vibração. Símbolo de sacrifício e de

HISTORIAL O cruzeiro da Independência foi erguido nas comemorações dos centenários nacionais em 1940. Segundo o dicionário corográfico de Câmara de Lobos verificamos que «o (…) cruzeiro da independência, símbolo das comemorações dos centenários, levados a efeito pelo Dr. Oliveira Salazar1. O lançamento da primeira pedra para a sua construção, bem como de uma caixa metálica contendo várias moedas de 10$00 e de 5 centavos e uma acta alusiva ao acto, teve lugar no dia 28 de Maio de 1941, por ocasião do 15º aniversário da Revolução Nacional. De acordo com a acta de lançamento da primeira pedra do cruzeiro do Pico da Torre, aos vinte e oito dias do mês de Maio do ano de mil novecentos e quarenta e um, aniversário do XV ano da Revolução Nacional, neste sítio do Pico da Torre de Câmara de Lobos, compareceram o presidente da Câmara, professor Ângelo de Menezes Marques e os vereadores Srs. João Ernesto Pereira, Francisco Nunes Pereira de Barros Júnior e João Ricardo Ferreira César, Reverendo Vigário da freguesia, padre António Pinto da Silva e outras autoridades convidadas a assistir ao lançamento da primeira pedra para o levantamento de um cruzeiro, símbolo das Comemorações Centenárias, levadas a efeito pelo dou63


to governo nacional da presidência do estadista Oliveira Salazar, que muito tem dignificado a Nação Portuguesa pelas medidas e providências tomadas dentro do patriotismo nacional. Este monumento representa para todos os munícipes a fé cristã, que há oito séculos se gravou no coração dos portugueses e perpetuará o reconhecimento para com Deus, que se dignou emprestar à governação um filho desta Pátria Portuguesa tão fidedigno que nos desvanece como irmãos. Esta acta vai assinada pela Comissão Administrativa da Câmara e por todos aqueles que estão presentes. Pico da Torre de Câmara de Lobos, 28 de Maio de 19412 e 3. Ainda que sejam por demais evidentes as vertentes políticas deste empreendimento, a iniciativa da sua construção partiu da Acção Católica de Câmara de Lobos e fundamentalmente do seu assistente, o Pe. António Pinto da Silva. Contudo, foi a expensas da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, na altura presidida pelo Prof. Angelo de Menezes Marques que a obra se realizou. Construído em pedra de cantaria, o cruzeiro possui na sua base a inscrição: “Fundação-1140/ Restauração-1640/Ano Áureo-1940/Mandado erigir pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos” e foi solenemente inaugurado e benzido no dia 14 de Setembro de 1941. Do acto, presidido por Sua Exa. Reverendíssima, o Bispo do Funchal e à qual assistiram as mais altas individualidades políticas e religiosas locais e muito público, fez parte uma missa campal. As Bandas Municipal de Câmara de Lobos e Recreio Camponês, bem como elementos da Mocidade Portuguesa das escolas locais, providos de clarins e tambores tiveram a seu cargo a recepção das individualidades convidadas4.» Notas de Rodapé: 1 - VERíSSIMO, Nelson. À volta de um cruzeiro. Girão-Revista de Temas Culturais do Concelho de Câmara de Lobos, nº4, 1º semestre/1990:144-145. 2 - O Jornal, 30 de Maio de 1941 3 - FREITAS M. Pedro. Acta de Lançamento da primeira pedra do cruzeiro do pico da Torre. Girão-Revista de Temas Culturais do Concelho de Câmara de Lobos, nº5, 2º semestre/1990: 224. 4- FREITAS M. Pedro. Em Câmara de Lobos, inauguração do cruzeiro do pico da Torre. Girão-Revista de Temas Culturais do Concelho de Câmara de Lobos, nº3, 2º semestre/1989: 109. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 1941 LOCALIZAÇÃO Miradouro da Torre – Pico da Torre Coordenadas GPS: 32.652110, -16.973629 64

IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Cruzeiro TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

ESCOLA / MOVIMENTO Não Determinado

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL45 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Marco Franciscano

INFORMAÇÃO TÉCNICA

AUTORIA

MARCAS / INSCRIÇÕES

NOME Não Determinado TIPO Não Determinado OFÍCIO Não Determinado

LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a inscrição seguinte: “LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO” /”IHS”

MATÉRIA cantaria, pedra de mármore e cimento: CONSERVAÇÃO ESTADO Regular

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura heráldica com as armas franciscanas esculpidas em cantaria e constituídas pelos braços cruzados de Cristo e de São Francisco com uma cruz em fundo. Nas mãos estão representados os estigmas de São Francisco de Assis e Cristo. Estas armas assentam sobre uma pedra de mármore com a inscrição “LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO”. No centro do pedestal, em cantaria “rija”, há em baixo-relevo a sigla da companhia de Jesus. O monograma IHS é a abreviatura Iesus Hominum Salvator.

DATAÇÃO ANO (S) Não determinado SÉCULO (S) Não determinado ORIGEM HISTORIAL Marco de homenagem aos franciscanos; FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública.

PRODUÇÃO INCORPORAÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não Determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Não Determinado

ANO (S) Não Determinado 65


LOCALIZAÇÃO Estrada João Gonçalves Zarco Coordenadas GPS: 32.654185, -16.974674 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Armas.Franciscanas TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

66


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

INFORMAÇÃO TÉCNICA

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL46 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Marco Comemorativo da Transformação do Despenhadeiro das Heras em Estrada Real

MATÉRIA Pedra;

AUTORIA NOME Não Determinado TIPO Não Determinado OFÍCIO Não Determinado

CONSERVAÇÃO ESTADO Regular MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a inscrição seguinte: “NA / FELIZ REGENCIA/ DE / SUA ALTEZA REAL. / O / PRINCIPE D. JOÃO / NOSSO SENHOR. / PIO. AUGUSTO PAI / DA PATRIA. / SENDO GOVERNADOR / E CAPITÃO GENERAL / DESTA ILHA / O ILUSTRISSIMO E EXCELENTISSIMO / D. JOZE MANOEL / DA CAMARA / SE MUDOU EM REAL ESTRADA ESTE DESPENHADEIRO DAS / HERAS / EM M.D.C.C.C.I.” DATAÇÃO ANO (S) 1801 (aprox.) SÉCULO (S) XIX ORIGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Marco Comemorativo da Transformação do Despenhadeiro das Heras em Estrada Real, em pedra, com o formato de um frontão e no seu interior há uma inscrição que eterniza o momento em que o despenhadeiro das Heras torna-se uma estrada Real. PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não Determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Não Determinado ESCOLA / MOVIMENTO Não Determinado

HISTORIAL Segundo o dicionário corográfico de Câmara de Lobos verificamos que «marco comemorativo existente na Travessa das Heras, junto à sua ligação com o Caminho das Heras e da localização do sítio das Heras, dá conta da existência do Despenhadeiro das Heras, que em 1801 passou a se chamar de Real Estrada. A avaliar pela sua localização e pela localização do sítio das Heras, é de admitir que o Despenhadeiro das Heras servia para designar, se não todo, pelo menos parte significativa do Caminho das Heras, não sendo de excluir que essa designação também se pudesse estender tanto para norte como para sul, neste caso ao longo do caminho das Preces, uma vez que tanto o Caminho das Heras como o Caminho das Preces, constituíram um dos troços da estrada real 23. (…) Este topónimo de Despenhadeiro das Heras certamente que quererá traduzir a acentuada inclinação deste caminho, bem como a existência de muitas plantas trepadeiras de raízes adventícias (Araliacea) que ali teriam existido.» FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 1801 (aprox.) LOCALIZAÇÃO Caminho das Heras, Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.664810, -16.989519

67


IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Placa.Heras TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

68


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CL47 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Intervenções na Parede

NOME Jacinto Rodrigues TIPO Autor OFÍCIO Escultor

AUTORIA NOME Intervenções na Parede TIPO Colectivo OFÍCIO Escultores

NOME Manuel Patinha TIPO Autor OFÍCIO Escultor

NOME Isaque Pinheiro TIPO Autor OFÍCIO Escultor

NOME José Encarnação TIPO Autor OFÍCIO Escultor NOME Martim Veloza TIPO Autor OFÍCIO Escultor

69


NOME Ricardo Veloza TIPO Autor OFÍCIO Escultor

NOME Xico Lucena TIPO Autor OFÍCIO Escultor

NOME Matthias Contzen TIPO Autor OFÍCIO Escultor

NOME Rui Pita TIPO Autor OFÍCIO Escultor

NOME Paulo Neves TIPO Autor OFÍCIO Escultor

70


NOME Volker Schnuttgen TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Basalto CONSERVAÇÃO ESTADO Bom DATAÇÃO

NOME Duarte Martins / Victor Martins TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Conjunto de baixos-relevos realizados directamente na parede de pedra de natureza basílica que imortalizam temas históricos e sócio-culturais do concelho e que na actualidade, em menor quantidade, encontram-se presentes nas vivências locais. Do mar à montanha, encontramos nas diversas freguesias do concelho uma grande predominância da agricultura, cerejeira e castanheiro e da pesca. O mar, o sol e a paisagem natural são marcas, cheiros e sensações que diariamente proporcionam emoções a todos aqueles que visitam Câmara de Lobos. Ao longo deste painel, podemos observar nas intervenções influências de marcas socioculturais características do concelho de Câmara de Lobos. Nomeadamente experienciar a gastronomia local, conhecer os locais de culto e sentir a protecção de um concelho que acolhe todos de braços abertos. DIMENSÕES

HISTORIAL No decorrer do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra em 2004, além das esculturas realizadas ao longo da promenade de Câmara de Lobos os escultores foram desafiados a intervencionar directamente no maciço rochoso da praia do Vigário. Segundo o catálogo referente ao SINEP 2004 verificamos que «na parede de pedra de natureza basaltíca com disjunção colunar prismática, localizada junto ao Bar da Praia do Vigário, foram realizadas intervenções escultóricas por cada um dos escultores e alguns colaboradores. Tratam-se de pequenas intervenções que respeitaram a linguagem da pedra natural e que tiveram como objectivo imortalizar um conjunto de temas sócio-culturais do concelho e quotidiano.» FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública. INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Praça da Autonomia, 9304-001 Câmara de Lobos Coordenadas GPS: 32.649222, -16.978131 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Baixo.relevo TIPO Baixo Relevo AUTOR Ricardo Giestas

ALTURA (CM) Não Determinado LARGURA (CM) Não Determinado PROFUNDIDADE (CM) Não Determinado

71




IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CF1 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Fonte da Vida AUTORIA NOME Matthias Contzen TIPO Autor OFÍCIO Escultor

racterística paisagem montanhosa (Montanha e Vale) está reflectida no conjunto da instalação. As formas esculpidas em baixo-relevo nas partes laterais constituem uma representação abstracta da Flora e Natureza da Ilha, formada à milhões de anos a partir de fenómenos naturais. Em especial, devem fazer recordar as árvores do local (Castanheiro, Nogueira, etc.), e conferir à obra uma nota dialogante com o meio ambiente em que será inserida. (…)». Actualmente, a escultura encontra-se colocada no centro de um pequeno jardim rodeada de flores verdejantes. Todavia, no catálogo, acima referido, temos referência que foi pensada para estar colocada, «no centro de um espelho de água redondo, em cuja periferia [seriam] instalados jactos de água que produzam uma neblina. [O escultor pretendia] dar à obra o significado simbólico da representação da própria ilha da Madeira a surgir no meio do Atlântico.» DIMENSÕES ALTURA (CM) 220 LARGURA (CM) 165 PROFUNDIDADE (CM) 165 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Conjunto escultórico constituído por 9 peças em pedra com formas geométricas irregulares e tamanhos distintos. As colunas em mármore possuem baixos-relevos exteriores. Por sua vez, as colunas em tufo, avermelhado ou lilás, os baixos-relevos são nas arestas laterais. Segundo a memória descritiva presente no catálogo do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, verificamos que o conjunto escultórico é «constituído por 9 peças, cuja ordenação em desnível representa os típicos socalcos da Madeira, e que tanto caracterizam a paisagem da freguesia do Curral das Freiras. Algumas peças serão executadas na pedra originária da região, o tufo de lapilli rosa e lilás do Curral das Freiras. As outras serão realizadas em mármore de Pardais e em Traquito do Porto Santo. A ca74

MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foram necessário os materiais seguintes: • 2 Blocos de Tufo de Lapilli avermelhado do Cabo Girão com as dimensões 180 x 45 x 45 cm • 2 Blocos de Tufo Lapilli Lilás do Curral das Freiras com as dimensões 190 x 45 x 45 cm • 1 Bloco de Traquito do Porto Santo com as dimensões 220 x 45 x 45 cm • 1 Bloco de Granito cinzento Pinhel com as dimensões 165 x 165 x 20 cm • 1 Bloco de Mármore creme Pardais Veiado com as dimensões 200 x 45 x 45 cm • 1 Bloco de Mármore creme Pardais Veiado com as dimensões 205 x 45 x 45 cm • 1 Bloco de Mármore creme Pardais Veiado com as dimensões 210 x 45 x 45 cm • 1 Bloco de Mármore creme Pardais Veiado com as dimensões 215 x 45 x 45 cm CONSERVAÇÃO ESTADO Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui placa de identificação da escultura.


DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Rotunda do Curral das Freiras onde tem a saída para o caminho da Seara Velha Coordenadas GPS: 32.719452, -16.964066 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Fonte.Vida TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas

75


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

DATAÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.CF2 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Marco Comemorativo da visita do Almirante Américo de Deus Rodrigues Tomás ao Curral das Freiras

ANO (S) 1962 SÉCULO (S) XX

AUTORIA NOME Desconhecido TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ORIGEM HISTORIAL No dia 18 de Julho de 1962, o Almirante Américo de Deus Rodrigues Tomás, então presidente da República Portuguesa, na sequência da visita que fez à Madeira, deslocou-se à freguesia do Curral das Freiras, onde teve lugar a cerimónia oficial comemorativa da conclusão da 1ª fase do Plano de electrificação Rural da Madeira. Em reconhecimento por essa visita seria colocado, junto da entrada para a casa paroquial da igreja de Nossa Senhora do Livramento um marco em mármore assinalado o ato. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 1962 LOCALIZAÇÃO Junto à entrada para a casa paroquial da igreja de Nossa Senhora do Livramento – Curral das Freiras Coordenadas GPS: 32.720184, -16.966086

IDENTIFICAÇÃO

IMAGEM

DESCRIÇÃO Marco Comemorativo da visita do Almirante Américo de Deus Rodrigues, em 18 de Julho de 1962, à freguesia do Curral das Freiras.

TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Américo.Tomás TIPO Marco comemorativo AUTOR Ricardo Giestas

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Mármore CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui a inscrição seguinte: “AO PERPETUM REI MEMORIUM / VISITA DE SUA EXCELENCIA O SENHOR / ALMIRANTE DEUS R TOMAZ / VENERADO PRESIDENTE DA REPUBLICA / PORTUGUESA Á FREGUESIA DO CURRAL DAS FREIRAS / 18 DE JULHO DE 1962 / HOMENAGEM DESTA PAROQUIA”

76




IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.ECL1 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Bendito Lagar AUTORIA NOME Manuel Patinha TIPO Autor OFÍCIO Escultor

as placas de tufo vermelho cria um jogo de cores e contrastes que podemos associar ao meio envolvente onde está inserido o lagar. Nos espaços de produção artesanal, os lagares são construídos com recurso ao cimento e blocos, utiliza-se uma corta grossa para espremer a uva e libertar o sumo de cor variável mas o seu bagaço possui uma cor característica com tonalidades que variam entre o castanho e o vermelho. Segundo o catálogo do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, o escultor pretendeu «que fosse criada uma relação de simbolismo com uma das mais importantes riquezas do concelho, elevando o carácter e a personalidade dum provo.» DIMENSÕES ALTURA (CM) 550 LARGURA (CM) 600 PROFUNDIDADE (CM) 440 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Partindo da ideia inicial proposta pelo regulamento do SINEP 2004, o escultor criou uma peça de desafecto do culto com uma grande carga simbólica para a Região Autónoma da Madeira e principalmente para o concelho de Câmara de Lobos que possui uma elevada ligação efectiva e cultural ao vinho e seus derivados. Com recurso ao empilhamento de 10 colunas com diferentes formas geométricas, o escultor criou uma escultura em homenagem ao vinho, uma das maiores riquezas do concelho. Intitulada por “Bendito Lagar” e construída em pedra, o artista consegue transmitir, ao próximo, o simbolismo e importância da vinha, do pisar das uvas, obtenção do mosto que será colocado em pipas até transformar-se em vinho. Todo o processo, desde o cultivo e tratamento da vinha, apanha e pisa da uva é um trabalho árduo e pesado para quem o realiza, o agricultor. A Pedra, enquanto elemento de elevada rigidez e peso transmite ao espectador a força física necessária para realizar esta tarefa. A conjugação das colunas cinzentas com

MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foram necessário os materiais seguintes: • 5 Blocos de Tufo de Lapilli do Cabo Girão com as dimensões 60 x 50 x 5 cm • 5 Blocos de Tufo de Lapilli lilás do Curral das Freiras com as dimensões 60 x 50 x 5 cm • 10 Blocos de Granito cinzento Favaco com as dimensões 300 x 50 x 50 cm • 10 Blocos de Granito cinzento Favaco com as dimensões 353 x 50 cm • 12 Blocos de Granito cinzento Favaco com as dimensões 325 x 50 cm • 12 Blocos de Granito cinzento Favaco com as dimensões 410 x 50 cm CONSERVAÇÃO ESTADO Regular DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública

79


INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Rotunda no Estreito de Câmara de Lobos com acesso à Via Rápida 2 Coordenadas GPS: 32.668584, -16.978052 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.ECLBendito.Largar TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas ANEXOS MEMÓRIA DESCRITIVA

80


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.ECL2 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Transporte em Rede AUTORIA NOME Volker Schnuttgen TIPO Autor OFÍCIO Escultor

pular [Transporte em rede] foi utilizar materiais do próprio ambiente, que em termos concretos significou a escolha de rochas vulcânicas do arquipélago da Madeira. Para transformar esta actividade “transporte em rede” num ícone duma escultura moderna precisa-se dum grande passo de abstracção. A linguagem do escultor é no próprio sentido da palavra lapidar a pedra e a escultura ganha a sua força na redução e concentração das formas, chegando ao essencial do tema. Simbolizei dois braços fortes em dois pilares com colunas de granito cinzento Favaco, as mãos em capitéis, com traquito do Porto Santo e a rede com a carga em tufo de lapilli lilás do Curral das Freiras, criando assim um grande pórtico.» Numa linguagem artística minimalista, com influências neo-realista e surrealistas, o escultor consegue transmitir a essência desta actividade profissional que exigia força e resistência física para conseguir transportar pessoas ao longo de diversos quilómetros. DIMENSÕES ALTURA (CM) 200 LARGURA (CM) 200 PROFUNDIDADE (CM) 60 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO Escultura composta por duas colunas rectangulares encimadas por duas mãos, uma em cada coluna, unidas por uma trave. Composição simples com um elevado pendor simbólico para a população regional e homenageia os antigos profissionais deste ofício. Profissão à qual era necessário possuir imensa força de braços e rigor nas mãos para transportar os clientes deitados na rede ao longo de diversos quilómetros. Partindo do programa do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, este criou uma escultura com desafecto do culto que imortaliza na pedra uma profissão, actualmente extinta. Porém, hoje em dia, reside na memória colectiva do povo. Segundo o catálogo do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra - SINEP 2004, o escultor refere que na «sua opinião o transporte de rede era uma actividade de subsistência de uma forma bastante original, uma espécie de serviço de táxi, com a desvantagem de ser um serviço dura para os “taxistas”. Através do catálogo, acima referido, Volker Schnuttgen refere que seu «conceito de aproximação a este tema po-

MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foram necessário os materiais seguintes: • 1 Bloco de Tufo de lapilli lilás do Curral das Freiras com as dimensões 175 x 120 x 40 cm • 1 Bloco de Traquito do Porto Santo com as dimensões 70 x 60 x 50 cm • 1 Bloco de Traquito do Porto Santo com as dimensões 70 x 60 x 55 cm • 1 Bloco de Granito cinzento Favaco com as dimensões 184 x 65 x 45 cm • 1 Bloco de Granito cinzento Favaco com as dimensões 180 x 60 x 60 cm CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui placa identificativa DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI

81


ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004, Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Centro Cívico e Cultural do Estreito de Câmara de Lobos - R. do Passal Coordenadas GPS: 32.670368, -16.980208 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.ECL. Transporte.Rede TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas

82


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

INFORMAÇÃO TÉCNICA

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.ECL3 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO S/ Título

MATÉRIA Na execução desta escultura foram necessário os materiais seguintes: • Cantaria “Rija” • Madeira CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom

AUTORIA DATAÇÃO NOME António Andrade TIPO Autor OFÍCIO Escultor

ANO (S) Não Determinado SÉCULO (S) Não Determinado ORIGEM HISTORIAL Doação realizada à instituição no âmbito da Exposição Mãos à obra. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2020 LOCALIZAÇÃO Centro Cívico e Cultural do Estreito de Câmara de Lobos, Rua Cônego Agostinho Figueira Faria, Estreito De Câmara Coordenadas GPS: 32.670776, -16.980107 IMAGEM

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO A escultura represente um livro em branco colocado sobre o leitoril pronto para um momento de leitura. Na primeira página, podemos observar um rectângulo escavado com uma esfera no interior. Qual será o seu simbolismo? Pode ser uma bola, um planeta ou algo mais. Simbolismo altera de leitor para leitor tal como, acontece com a imaginação. Num livro aberto em branco todos nós podemos dar asas à imaginação e criatividade e voar ao longo de qualquer história. Inclusive, ler a história da nossa vida!

TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.livro TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas

DIMENSÕES ALTURA (CM) 39 LARGURA (CM) 41 PROFUNDIDADE (CM) 35 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não Determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa

83


IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA

IDENTIFICAÇÃO

N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.ECL4 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Conjunto escultórico interior

DESCRIÇÃO Conjunto escultórico constituído por duas esculturas individuais. A Ilustração 1, peça presente junto à biblioteca do edifício, a sua forma geométrica e disposição expositiva transmite a sensação de um livro aberto que está a ser rapidamente folheado. Por sua vez, a Ilustração 2, presente no interior do auditório, traz ao pensamento o relevo da Madeira, orografia e as diferentes altitudes que encontramos na Madeira como no concelho de Câmara de Lobos.

AUTORIA NOME Desconhecido TIPO Autor OFÍCIO Escultor

DIMENSÕES ILUSTRAÇÃO 1 ALTURA (CM) 85 (aprox.) LARGURA (CM) 65 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 40 (aprox.) ILUSTRAÇÃO 2 ALTURA (CM) 70 (aprox.) LARGURA (CM) 37 (aprox.) PROFUNDIDADE (CM) 36,5 (aprox.) PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Não Determinado LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Mármore CONSERVAÇÃO

Ilustração 1 ESTADO Muito Bom DATAÇÃO ANO (S) Não Determinado SÉCULO (S) Não Determinado ORIGEM HISTORIAL FUNÇÃO Não Determinado INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) Não Determinado LOCALIZAÇÃO Centro Cívico e Cultural do Estreito de Câmara de Lobos, Rua Cônego Agostinho Figueira Faria, Estreito De Câmara Coordenadas GPS: 32.670776, -16.980107

Ilustração 2 84


IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Conjunto.Interior TIPO Conjunto Escultórico AUTOR Ricardo Giestas

85




IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.JS1 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Jardim em Flor / Cerejeira - Jardim em Flor

Sobre este bloco assenta um bloco prismático de mármore Pardais creme veiado de rosa, com as dimensões 150 x 150 x 150 cm, que foi trabalhado de forma a representar a cerejeira em flor. Em cada uma das faces foi esculpida a flor da cerejeira e colocado no centro, um botão em tufo lapilli castanho do Cabo Girão.» DIMENSÕES

AUTORIA

ALTURA (CM) 300 LARGURA (CM) 150 PROFUNDIDADE (CM) 150

NOME Jacinto Rodrigues TIPO Autor OFÍCIO Escultor

PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foram necessário os materiais seguintes: • 1 Bloco de Traquibasalto ou Cantaria “Rija” com as dimensões 150 x 150 x 50 cm • 3 Blocos de Tufo de Lapilli Vermelho/Acastanhado com as dimensões 30 x 30 x 20 cm • 1 Bloco de Mármore creme Pardais veiado com as dimensões 150 x 150 x 45 cm CONSERVAÇÃO ESTADO Muito Bom MARCAS / INSCRIÇÕES

IDENTIFICAÇÃO DESCRIÇÃO A escultura segue a linguagem artística característica do escultor. Este apresenta uma escultura onde conjuga numa simbiose perfeita influências cubistas e naturalistas conforme indicado pelo mesmo na memória descritiva da peça onde refere que «este trabalho, bem como outros, vem na sequência de uma pesquisa pessoal de expressão escultórica-artística de formas orgânicas, que revela uma contínua procura da simplicidade, diversidade e originalidade do reino vegetal.». Na simplicidade das formas consegue transmitir a plenitude do desabrochar da flor das cerejeiras e a beleza das mesmas quando observadas, num todo, durante o período de floração. Segundo a memória descritiva da peça presente no catálogo do I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra- SINEP 2004, o escultor referente que «o conjunto escultórico “Flor de Cerejeira – Jardim em Flor” é constituído por dois blocos de pedra distintos. Um bloco/base em granito cinzento Favaco com 150 cm de altura e 60 cm de raio, (…) que representa o tronco da cerejeira. 88

LEGENDA / INSCRIÇÃO Possui placa identificativa. DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI ORIGEM HISTORIAL Escultura do Século XXI executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra em 2004 – Câmara de Lobos. FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Rua Doutor Alberto Araújo, 203, Estreito Câmara De Lobos Coordenadas GPS: 32.684497, -16.988819


IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.Flor TIPO Escultura AUTOR Ricardo Giestas ANEXOS MEMÓRIA DESCRITIVA

89




IDENTIFICAÇÃO DA PEÇA N.º DE INVENTÁRIO MCL.ESC.QG1 INSTITUIÇÃO / PROPRIETÁRIO Câmara Municipal de Câmara de Lobos SUPER – CATEGORIA Artes Plásticas/Artes Decorativas CATEGORIA Escultura TÍTULO Agricultura / Socalcos AUTORIA NOME José Encarnação TIPO Autor OFÍCIO Escultor

consegue conjugar duas características da sociedade local. Através do catálogo do SINEP 2004, verificou-se que o escultor executou uma escultura «sobre o tema agricultura, pretendendo com ela salientar a fertilidade, a bonomia e culto pelo divino que sempre anda a par das manifestações da Natureza Agrícola e das suas gentes.» DIMENSÕES ALTURA (CM) 400 LARGURA (CM) 220 PROFUNDIDADE (CM) 170 PRODUÇÃO OFICINA / FABRICANTE Câmara de Lobos LOCAL DE EXECUÇÃO Portugal: Madeira ESCOLA / MOVIMENTO Escultura Portuguesa INFORMAÇÃO TÉCNICA MATÉRIA Na execução deste conjunto escultórico em pedra foram necessário os materiais seguintes: • 1 Bloco de Calcário Moca creme de grão médio com as dimensões 90 x 90 x 100 cm • 17m2 de placas de revestimento de Traquibasalto ou cantaria “rija” com as dimensões 40 x 40 x 2 cm • 5m2 de placas de revestimento de Tufo de lapilli castanho do Cabo Girão com as dimensões 40 x 40 x 2 cm • 112m2 de ladrilho de Mármore branco Pardais veiado com as dimensões 30 x 30 x 2 cm • 30m lineares de lancil de Calcário Moca creme de grão médio com as dimensões 15 x 10 x 8 cm CONSERVAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO ESTADO Regular DESCRIÇÃO Na escultura, visualizamos um Ser Humano a colher bens essenciais provenientes da agricultura. Segundo o catálogo I Simpósio Internacional da Pedra, em 2004, «a escultura foi executada numa só pedra de calcário moleanos (…) que assentará verticalmente num paralelepípedo de betão (…), inclinado (ou a afundar-se na fonte tal como os socalcos ou poios). No Vértice mais baixo [da base da escultura] saem bicas de água.» O concelho de Câmara de Lobos apesar de ser conhecido pela grande ligação ao mar e à pesca ao possuir uma freguesia piscatória também, há uma forte componente agrícola. Nas freguesias mais altas, a agricultura foi e, ainda é para algumas famílias, um dos principais meios de subsistência. Na actualidade, a paisagem natural conserva este pendor agrícola. Terra fértil onde são cultivadas grande parte das uvas que dão origem ao vinho madeira, da cereja e da castanha. Sendo o menir, objecto artístico pré-histórico, com simbolismo ligado à fertilização dos campos agrícolas e como a cultos religiosos, o escultor 92

MARCAS / INSCRIÇÕES LEGENDA / INSCRIÇÃO A peça possui placa e encontra-se assinada. “J ENCARNAÇÃO”

DATAÇÃO ANO (S) 2004 SÉCULO (S) XXI


ORIGEM HISTORIAL Escultura Escultura executada durante o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra – SINEP 2004 FUNÇÃO INICIAL / ALTERAÇÕES Escultura Pública INCORPORAÇÃO ANO (S) 2004 LOCALIZAÇÃO Centro Cívico e Cultural da Quinta Grande Coordenadas GPS: 32.662370, -17.009066 IMAGEM TIPO DE REGISTO Imagem N.º INVENTÁRIO FOTOGRÁFICO MCL.ESC.QG.Agricultura TIPO Conjunto escultórico AUTOR Ricardo Giestas ANEXOS MEMÓRIA DESCRITIVA

93


OBSERVAÇÕES

ramond Ltda.

O estado de conservação apontado na ficha de inventário é meramente indicativo, não dispensando de uma correcta avaliação realizada por um técnico qualificado para o efeito com o objectivo de determinar o real estado de conservação e de potencial risco para as pessoas e bens. Neste campo, é atribuído um código de cores associado ao estado de degradação da peça. A associação de cores é a seguinte: • Verde – em bom estado de conservação, necessário realizar acções de manutenção regulares; • Amarelo – apresenta marcas de degradação. Não é prioritário mas é necessário acções de restauro; • Vermelho – Escultura muito degradada e necessita de intervenção urgente;

Henriques, P. (20 de Junho de 2018). Meninos das Caixinhas voltam ao tema de conversa. Obtido de Revista de Imprensa: https://pt.calameo.com/ books/0002136894839cef1c7d6

BIBLIOGRAFIA BARREIRA, Catarina Alexandra Martins Fernandes – Gárgulas: representações do feio e do grotesco no contexto português. Séculos XIII a XVI. Lisboa: Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, 2010. Tese de Doutoramento Câmara Municipal de Câmara de Lobos. (Janeiro / Fevereiro / Março de 2010). Viva Câmara de Lobos, 1, p. 32. Câmara Municipal de Câmara de Lobos. (Abril / Maio / Junho de 2010). (C. M. Lobos, Ed.) Viva Câmara de Lobos, 2, p. 33. Casa da Cultura de Câmara de Lobos. (s.d.). Escultura em Câmara de Lobos - José Encarnação. Câmara de Lobos: Casa da Cultura de Câmara de Lobos. Dicionário Corográfico de Câmara de Lobos. (s.d.). (M. P. Freitas, Produtor) Obtido em 1 de Outubro de 2020, de CÂMARA DE LOBOS SUAS GENTES HISTÓRIA E CULTURA: http://www. concelhodecamaradelobos.com/ Escola Secundária Francisco Franco. (Julho de 2019). Carreiras - A entrevista ao Escultor Martim Velosa. (M. A. Pires, Ed.) Leia FF, 55. Escultura dedicada aos “meninos das caixinhas” em debate na UMa. (5 de Julho de 2018). Obtido de RTP - Madeira: https://www.rtp.pt/madeira/ cultura/escultura-dedicada-aos-meninos-das-caixinhas-em-debate-na-uma_20036

Jornal da Madeira. (3 de Julho de 2020). Exposição do escultor ricardo veloza inaugura no centro cultural da quinta magnólia. José de Sainz-Trueva, N. V. (1996). Esculturas da Região autónoma da Madeira - Inventário. Funchal, Região Autónoma da Madeira, Portugal: Secretaria Regional do Turismo e Cultura. Madeira teve 70 casos de abuso de menores em 2003. (11 de Janeiro de 2004). Obtido em 22 de Outubro de 2020, de Público: https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/madeira-teve-70-casos-de-abuso-de-menores-em-2003 Museus, D. d. (Ed.). (s.d.). Normas de Inventário Escultura. Obtido em 22 de Setembro de 2020, de MatrizNet: http://www.matriznet.dgpc.pt/MatrizNet/Download/Normas/AP_AD_Escultura. pdf Património. (s.d.). Obtido em 22 de Setembro de 2020, de Junta de Freguesia de Câmara de Lobos.: https://www.jf-camaradelobos.pt/index. php/camara-de-lobos/patrimonio O mundo é um palco. (s.d.). Obtido de Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/O_mundo_%C3%A9_um_palco Pereira, A. C. (12 de Janeiro de 2004). Madeira: seis anos depois do escândalo da pedofilia. Obtido em 21 de Outubro de 2020, de Público: https://www.publico.pt/2004/01/12/jornal/madeira-seis-anos-depois-do-escandalo-da-pedofilia-182871 Pereira, A. c. (11 de Janeiro de 2004). Meninos de Ninguém. Obtido em 22 de Outubro de 2020, de Público: https://www.publico.pt/2004/01/11/jornal/meninos-de-ninguem-182819 Pinheiro, I. (s.d.). Sobre. Obtido em 27 de Outubro de 2020, de Isaque Pinheiro: http://www.isaquepinheiro.com/ RTP - Madeira. (25 de Janeiro de 2019). Winston Churchill vai ter uma estátua na Madeira.

Fuks, R., Diana, D., & Fernandes, M. (2008 - 2020). Obtido de Dicionário de Símbolos - Significado dos símbolos e Simbologias: https://www.dicionariodesimbolos.com.br/sobre/

SINEP, S. I., & Silva, J. B. (2004). Simpósio Internacional de Escultura em Pedra- Sinep 2004 (1º edição ed.). (C. M.-D. Culturais, Ed.) Câmara de Lobos, Região Autónoma da Madeira.

Heller, E. (2014). A psicologia das Cores - como as cores afectam a emoção e a razão. Editora Ga-

Sociedade Bíblica do Brasil. (2009). Atos 2:1-11 A descida do Espírito Santo . Obtido em 15 de

94


Outubro de 2020, de Bible Gateway: https://www. biblegateway.com/passage/?search=Atos%20 2%3A1-11&version=ARC Universidade da Madeira. (18 de Junho de 2018). Uma escultura esquecida... de António Rodrigues. Obtido de Universidade da Madeira: https://www. uma.pt/noticias/uma-escultura-esquecida-de-antonio-rodrigues/ VALENTE, António Carlos Jardim - As artes plásticas na madeira (1910 - 1990): Conjunturas, factos e protagonistas do panorama artístico Regional no século xx. Madeira: Universidade da Madeira, 1999. Tese de Mestrado. DADOS TÉCNICOS CÂMARA MUNICIPAL CÂMARA DE LOBOS CONTACTOS Praça da Autonomia 9304 – 001 Câmara de Lobos EQUIPA Leonel Correia da Silva Formação Sociologia Competências Coordenação Geral / Vereador do Ambiente e Cultura Ricardo Giestas Formação História Competências Equipa Técnica / Estagiário Fátima Freitas Formação Design Competências Designer / Técnica Superior

95



Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.