Enfermagem e Saúde da Mulher

Page 1

ra

a ri tรณ

ea al

de

g

pรก


ra

t os Am ri

ea

al

Enfermagem e Saúde da Mulher

a

Jéssica Machado Teles Amélia Natália Marques Cerentini Daiane Raquel Kist

de

(Organizadoras)

gi

pá s

na

1a edição – 2020 Porto Alegre – RS


Todas as fotos que ilustram o livro foram autorizadas para publicação e uso cien fico pelos pacientes e/ou familiares na forma de consen mento livre e informado, seguindo as normas preconizadas pela resolução 196 / 96, do Conselho Nacional de Saúde. Diagramação e capa: Formato Artes Gráficas Revisão de Português: Annelise Rocha - annelisesr@gmail.com Imagem da capa : AdobeStock_153019151

ra

t os Am

Os autores e a editora se empenharam para dar os devidos créditos e citar adequadamente a todos os detentores de direitos autorais de qualquer material u lizado neste livro, dispondo-se a possíveis acertos posteriores, caso, involuntária e inadver damente, a iden ficação de algum deles tenha sido omi da.

1ª Edição – 2020 Todos os direitos de reprodução reservados para

ea

al a

Endereço para correspondência: Av do Forte, 1573 Caixa Postal 21603 Vila Ipiranga – Porto Alegre /RS CEP: 91.360-970 – Tel:51.98604.3597 moriaeditora@gmail.com www.moriaeditora.com.br

ri

É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte, em quaisquer formas ou por quaisquer meios (mecânico, eletrônico, fotocópia, gravação, distribuição pela internet ou outros), sem permissão, por escrito, da MORIÁ EDITORA LTDA.

de

Dados Internacionais para Catalogação na Publicação CIP E56

gi

Enfermagem e saúde da mulher / organizadoras: Jéssica Machado Teles, Amélia Natália Marques Ceren ni, Daiane Raquel Kist. Porto Alegre: Moriá, 2020. vii, 214 p. : il. Inclui bibliografia ISBN: 978-65-86659-02-3

Catalogação na fonte: Rubens da Costa Silva Filho – CRB10/1761

s

NLM WY156.7

na

1. Cuidados de enfermagem. 2. Saúde da mulher. 3. Saúde reprodu va. I. Teles, Jéssica Machado. II. Ceren ni, Amélia Natália Marques. III. Kist, Daiane Raquel.


t os Am ra

Autores

ea

al ri

Alessandra Kers ng Bergamo Enfermeira. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia. Docente do Ensino Técnico da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).

a

Aline Alves Veleda Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Especialista em Cuidado Pré-natal pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Docente na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).

de

Amélia Natália Marques Ceren ni Enfermeira. Mestre em Desenvolvimento Regional. Docente do Curso de Enfermagem da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).

gi

Ana Lucia de Lourenzi Bonilha Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente Titular da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

s

na

Anne Marie Weissheimer Enfermeira. Doutora em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto. Docente da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).


vi

Autores

Daiane Raquel Kist Enfermeira. Mestre em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul (PPGPS/UNISC). Especialista em Enfermagem do Trabalho. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde (GEPS) da UNISC.

ra

t os Am

Cláudia Junqueira Armellini Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Especialista em Enfermagem Obstétrica. Docente da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

al

Eveline Franco da Silva Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Especialista em Saúde Pública com ênfase em Saúde da Família. Docente do Curso de Enfermagem da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG).

ea

Gregório Corrêa Patuzzi Enfermeiro. Residente no Programa de Atenção Materno-Infan l e Obstetrícia da Residência Mul profissional em Saúde do Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Possui graduação-sanduíche na University of Lethbridge, Canadá.

ri

Ingre Paz Enfermeira. Mestre em Educação. Docente do Curso de Enfermagem da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).

a

Jéssica Machado Teles Enfermeira. Doutora em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGENF/ UFRGS). Docente da Escola de Enfermagem da UFRGS. Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras do Rio Grande do Sul (ABENFO/RS).

de

gi

Lívia Biasuz Machado Enfermeira. Doutoranda em Diversidade Cultural e Inclusão Social linha de pesquisa Polí cas Públicas. Mestre em Diversidade Cultural e Inclusão Social linha de pesquisa Qualidade de vida. Especialista em Saúde Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente na Universidade Feevale/RS.

s

na

Mari Ângela Gaedke Enfermeira. Doutoranda em Saúde Cole va pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Mestre em Saúde Cole va pela UNISINOS. Especialista em Enfermagem Obstétrica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Autores

vii

(UFRGS). Docente do Departamento de Enfermagem e Odontologia da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).

t os Am

Murilo dos Santos Graeff Enfermeiro. Mestrando do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Enfermagem em Cardiologia pelo Ins tuto de Cardiologia de Porto Alegre (IC-FUC).

ra

Raquel Costa Goulart Acadêmica de Enfermagem da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG). Sara Costa de Souza Pires Acadêmica de Enfermagem da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG).

ea

al

Vera Elenei Costa Somavilla Enfermeira. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente do Curso de Enfermagem da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Coordenadora Técnica da área de Enfermagem do Serviço Integrado de Saúde (SIS) da UNISC. Yasmine Bado Boeira Acadêmica de Enfermagem da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG).

a

ri de gi

pá s

na


t os Am ra

Sumário

ea

al 11

1

Anatomia do sistema reprodutor feminino ........................... Ingre Paz e Alessandra Kers ng Bergamo

13

2

Saúde da mulher na perspecƟva do cuidado: gênero e as políƟcas públicas................................................. Lívia Biasuz Machado

a

ri

de

3

Prefácio ........................................................................................... Marilene Loewen Wall

Humanização da assistência de enfermagem voltada à atenção da saúde da mulher .................................. Daiane Raquel Kist e Vera Elenei Costa Somavilla

23

45

Processo de enfermagem na assistência à mulher ................ Daiane Raquel Kist, Mari Ângela Gaedke e Murilo dos Santos Graeff

6

Consulta de enfermagem à mulher: práƟca de enfermagem na assistência ginecológica .......................... Amélia Natália Marques Cere ni e Daiane Raquel Kist

71

87

s

5

53

na

A Saúde reproduƟva no cuidado às mulheres e famílias ...... Jéssica Machado Teles e Anne Marie Weissheimer

gi

4


x Sumário

7

93

8

Distúrbios das mamas e cuidados de enfermagem ............... 107 Jéssica Machado Teles e Anne Marie Weissheimer

9

Distúrbios do sistema reprodutor feminino .......................... 123 Eveline Franco da Silva, Yasmine Bado Boeira, Sara Costa de Souza Pires e Raquel Costa Goulart

ra

t os Am

Cuidados de enfermagem relacionados aos distúrbios do ciclo menstrual .......................................... Anne Marie Weissheimer e Claudia Junqueira Armellini

Infecções vaginais e infecções sexualmente transmissíveis: prevenção e condutas de enfermagem......... 135 Jéssica Machado Teles, Ana Lucia de Lourenzi Bonilha e Anne Marie Weissheimer

11

Pré-natal de risco habitual na atenção primária em saúde... 151 Lívia Biasuz Machado

12

Modelo humanizador de cuidado às mulheres que vivenciam o aborto legal: caminhos técnicos, sociais e políƟcos de cuidar .................................................... 175 Aline Alves Veleda e Gregório Corrêa Patuzzi

13

Cuidados de enfermagem às mulheres no climatério e na menopausa .................................................... 197 Jéssica Machado Teles e Anne Marie Weissheimer

14

Instrumentalização para assistência a mulheres em situação de violência e maus tratos ....................................... 209 Daiane Raquel Kist e Amélia Natália Marques Cere ni

a

ri

ea

al

10

de

gi

pá s

na


t os Am ra

Prefácio

ea

al a

ri

Quando visito as livrarias ou os sites, em busca de novos livros para meus alunos, encontro referências bibliográficas na área de saúde da mulher que, em sua grande maioria, são livros internacionais de excelente qualidade, mas que foram traduzidos para serem usados nas salas de aula, onde discu mos e estudamos a saúde e o cuidado de enfermagem à mulher brasileira. Esta recente obra da Moriá Editora, “Enfermagem e Saúde da Mulher”, traz às nossas salas de aula, bibliotecas e grupos de estudos, uma coletânea de temas escritos por profissionais brasileiros, que discorrem sobre os assuntos relacionados à saúde da mulher com conhecimentos, experiências e vivências nacionais. E isso é imprescindível para a formação. Esse livro aborda temas como: a anatomia do corpo feminino, as polí cas nacionais relacionadas à saúde da mulher, o cuidado humanizado, bem como a saúde das mulheres e a família. Em seguida, os autores discorrem sobre o processo de enfermagem e a consulta de enfermagem à mulher. Traz, ainda, vários assuntos que dizem respeito ao ciclo de vida da mulher, desde a menarca até a menopausa, incluindo o pré-natal, o aborto e violência e patologias como o câncer de mama e de colo uterino.

de

gi

s

na


12

Jéssica Machado Teles, Amélia Natália Marques Ceren ni e Daiane Raquel Kist (Orgs.)

ra

t os Am

Os diversos capítulos proporcionam uma leitura dinâmica, pois foram escritos de forma didá ca e reflexiva, possibilitando ao leitor uma analise atual de como o cuidado deve ser realizado para, de fato, alcançar e promover o cuidado de enfermagem à saúde da mulher. Neste ano de 2020, em que vivemos a campanha global “Nursing Now” sob o lema “onde há vida, há enfermagem”, este livro vem ao encontro do obje vo internacional dessa campanha, que é fortalecer a educação e o desenvolvimento da enfermagem, pois será uma das ferramentas para promover a formação e o aperfeiçoamento profissional.

a

ri

ea

al

Marilene Loewen Wall Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Especialista em Obstetrícia. Docente do Departamento de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

de gi

pá s

na


1

t os Am

Anatomia do sistema reprodutor feminino

ra

Ingre Paz e Alessandra Kers ng Bergamo

ri

ea

al INTRODUÇÃO

a

A cons tuição do aparelho genital feminino está dividida em genital externa, que propicia condições para a copulação através das suas estruturas e genitália interna, a qual promove a reprodução através da união dos gametas femininos e masculinos.

de

ORGÃOS REPRODUTORES EXTERNOS

gi

A genitália externa feminina é comumente denominada de vulva, a qual é a maior parte visível à inspeção. A vulva é compreendida pelo monte pubiano, grandes e pequenos lábios, clitóris, meato uretral, ves bulo e suas glândulas, ori cio vaginal e o hímen. Estão localizados entre a borda inferior do abdômen, chegando até o ânus. Sua principal função consiste na proteção, estando associadas à es mulação sexual(1).

s

na


3 ra

t os Am

Humanização da assistência de enfermagem voltada à atenção da saúde da mulher Daiane Raquel Kist e Vera Elenei Costa Somavilla

ea

al INTRODUÇÃO

a

ri

A assistência de enfermagem voltada à atenção da saúde da mulher precisa ser problemaƟzada, já que os profissionais da saúde não são detentores do conhecimento. A ideia de humanizar o atendimento consiste em oferecer informações suficientes e individualizadas de acordo com as necessidades dos indivíduos com intuito das mulheres serem protagonistas do seu cuidado. A autonomia e empoderamento são práƟcas que não se costuma desenvolver, mas podem ser repensadas a parƟr de políƟcas vigentes. A Política Nacional de Humanização (PNH), também conhecida como Humaniza SUS, foi preconizada em 2003 com a finalidade de articular as práticas de gestão e de atenção em saúde. Esta política apresenta como perspectiva qualificar atendimentos, atrelando a humanização ao acolhimento em benefício da melhoria dos atendimentos de cuidado e das condições de trabalho dos profissionais.

de

gi

s

na


6 ra

t os Am

Consulta de enfermagem à mulher: prática de enfermagem na assistência ginecológica Amélia Natália Marques CereƟni e Daiane Raquel Kist

ea

al INTRODUÇÃO

a

ri

A consulta de enfermagem (CE) é uma modalidade de assistência que permite fazer o acompanhamento das mudanças no es lo de vida, tão necessárias para o controle da doença, bem como reforçar as orientações para o autocuidado u lizando o Processo de Enfermagem(1). A CE se cons tui como uma a vidade priva va do enfermeiro, permindo o exercício de sua autonomia, conforme decreto Lei n.º 94406 de junho de 1987(2). A enfermagem na assistência ginecológica possui compromisso na promoção da saúde e qualidade de vida, com intuito que a mulher seja responsável pelo autocuidado. As a vidades rela vas à prevenção, diagnós co precoce de doenças, tratamento e recuperação dizem respeito à assistência à mulher, da adolescência ao climatério, abordando-a integralmente, norteadas pela Polí ca Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PAISM)(3). Para que a mulher assuma um comportamento preven vo em saúde, é necessário um trabalho de conscien zação, cujo primeiro passo deve ser a orientação a par r das suas necessidades. Assim, o enfermeiro estará contribuindo de forma efe va para a melhoria da qualidade de vida das pacientes, sendo necessária a manutenção de

de

gi

s

na


8

t os Am

Distúrbios das mamas e cuidados de enfermagem

ra

Jéssica Machado Teles e Anne Marie Weissheimer

ea

al INTRODUÇÃO

a

ri

As alterações mamárias tornaram-se frequentes dentre as queixas realizadas pelas mulheres em consulta de enfermagem. Destaca-se que a diminuição da paridade assim como uso de anticonceptivos hormonais pode ter relação com estes achados clínicos. A diminuição do tempo de amamentação por mulher é outro fator relacionado com o aumento da incidência de nódulos e alterações mamárias. Neste senƟdo, o enfermeiro deve estar atento a quaisquer sinais encontrados durante a avaliação das mamas durante a consulta. Tais achados podem ser benignos, porém devem ser devidamente acompanhados para haver um diagnósƟco preciso. Destaca-se a importância da realização de exames anuais para mulheres com idade superior a 40 anos e acompanhamento clínico periódico para mulheres com histórico familiar de câncer de mama.

de

gi

s

na